Page 1


TREINAMENTO EM LAVANDERIA


TREINAMENTO EM LAVANDERIA

• • • • • • • • •

Introdução Microbiologia Águas Agentes de Lavagem Fibras Têxteis Produtos Linha WYN Processos de Lavagem Guia de Procedimentos e Soluções Recomendações Gerais


INTRODUÇÃO


Objetivos da Lavagem • Prevenir Doenças

• Proporcionar Conforto • Conservar os Tecidos


1 - MICROBIOLOGIA


Microbiologia - Definição É a parte da ciência que estuda todos os tipos de organismos microscópicos.


Níveis de Higiene • Sanitização • Desinfecção • Esterilização


Sanitização

• Redução da quantidade de germes e bactérias a um nível compatível com a saúde humana.


Desinfecção • É a eliminação (morte) de todos os germes e bactérias patogênicos (nocivos à saúde humana).


Esterilização • É a completa eliminação de todos os microorganismos vivos.


Microorganismos - Classificação • Bactérias • Fungos • Vírus •Algas

•Plantas aquáticas superiores

•Protozoários

•Rotíferos

•Crustáceos

•Moluscos

•Artropodes

•Vermes


Formas das Bactérias • Esferas (coccus) • Bastonetes (bacilos) • Espirais (espirilos) São unicelulares: Células isoladas Colônias : filamentos/cachos (de uva)


Estrutura das Bactérias Membrana Citoplasmátic a

•Cilios

•Fimbrias •Vacúolos •Grânulos

Membrana Nuclear

Núcleo

Citoplasma

Parede celular

Flagelo


Tipos de Bactérias • Aeróbicas (Precisam de oxigênio) • Anaeróbicas (Preferem ausência de oxigênio) • Gram Positivas: Parede celular espessa com menor teor de lipídeos, formam esporos, menor resistência a antibióticos ( penicilina) • Gram Negativas: Parede celular fina com menor teor de lipídeos, não formam esporos, maior resistência a antibióticos APENAS 10% DAS BACTÉRIAS SÃO PATOGÊNICAS


2 - ÁGUA


Água • A água é um dos elementos mais importantes do processo de lavagem. • O resultado da lavagem depende muito da qualidade da água utilizada no processo.


Dureza da Água Representa a quantidade de sais de cálcio e magnésio presentes na água. Classificação segundo a dureza em CaCO3: 0 a 100 ppm - Macia 100 a 200 ppm

-

Pouco Dura

200 a 300 ppm

-

Dura

acima de 300 ppm

-

Muito Dura


Dureza da Água • Dureza TEMPORÁRIA (Bicarbonatos) • Dureza PERMANENTE (Sulfatos e Cloretos) DUREZA TOTAL = PERMANENTE + TEMPORÁRIA


Dureza da Água 1 ppm de dureza como CaCO3 (Carbonato de Cálcio) equivale a: 1,786 ppm de dureza como CaO ( Óxido de Cálcio) ou 2,500 ppm de dureza como Ca (Cálcio Metálico)


Alcalinidade • Alcalinidade LIVRE • Alcalinidade PERMANENTE ALCALINIDADE TOTAL = LIVRE + PERMANENTE


pH - Definição • pH = - log [H+] • É a medida de acidez ou alcalinidade de uma solução. • Finalidade: Medir a acidez e/ou basicidade das soluções aquosas diluídas. • pH é a sigla para potencial hidrogeniônico.


pH

7

Aumenta Ă­ons H+

Aumenta Ă­ons OH-

Quanto mais alto, mais forte. Sempre no intervalo entre zero e quatorze.


Água Ideal para Lavanderias Dureza (CaCO3) Alcalinidade Livre Alcalinidade Total (em Na2CO3) Cloretos Matérias Orgânicas pH Ferro

90 ppm Nula 250 mg/L 1,5 g/L 20 mg/L 6,5 a 7,5 0,1 mg/L

máx.

Sólidos em Suspensão

15 mg/L máx.

máx. máx. máx. máx.


3 – AGENTES DE LAVAGEM


Componentes • • • • • • • • •

Tensoativos (Matéria Ativa) Alcalinos Seqüestrantes Agentes de suspensão Solventes Branqueantes Óticos Alvejantes Químicos Enzimas Corante e Perfume


Função dos Tensoativos • Quebrar a Tensão Superficial da Água.

• Reduzir a Tensão Interfacial dos Líquidos.


Classificação dos Tensoativos •Iônicos –Aniônicos –Catiônicos

•Não iônicos Os tensoativos tem esta propriedade de redução da tensão superficial entre diferentes interfaces, devido a sua estrutura anfifílica; possuem na mesma molécula uma parte polar, solúvel em água (hidrofílica) e uma parte não-polar, insolúvel em água (hidrofóbica).


Detergência O que é?

Como funciona?


DetergĂŞncia


Obtenção dos Tensoativos Aniônicos • SABÃO: Soda Cáustica + Ácidos Graxos  Sabão + Glicerina (Este processo, chama-se Saponificação).

• DETERGENTE: Soda Cáustica + Ácido Sintético Detergente + Água (Este processo chama-se Neutralização)


A Sujeira • Pigmentos: Pó, argila, areia, fuligem, ferrugem, etc. • Carbohidratos: Bebidas em geral: chá, café, sucos de frutas. • Óleos e Graxas: Gorduras e óleos animais, vegetais e minerais: margarinas, manteigas, molhos, graxa de sapato, etc. • Proteínas e Albuminas: Suor, sangue, fezes, etc.


Composição Média da Sujeira SUBSTÂNCIA Cloreto de Sódio. Uréia. Proteínas, caspa, pele, albumina. Hidratos de carbono, amido, fibras.

QUANTIDADE 15 a 20%

CARACTERÍSTICA Solúvel na água.

5 a 7%

Fácil de eliminar.

20 a 25% 20%

Insolúvel em água. Fácil de eliminar.

Graxa, cera, gordura, etc.

5 a 10%

Insolúvel em água.

Pigmentos, grafite, óxidos inorgânicos, silicatos.

20 a 25%

Difícil de eliminar.


Funções dos Componentes Alcalinos • Neutralizar a sujidade ácida • Saponificar sujidade oleosa, gordurosa animal e vegetal. • Criar um meio favorável à ação do tensoativo.


Componentes Alcalinos • • • • •

Carbonato de Sódio Silicatos Fosfatos Hidróxidos de metais alcalinos Aminas


ALCALINIDADE • Livre – É consumida durante o processo de lavagem. Também conhecida como Alcalinidade Temporária. • Permanente – Não se consome durante a lavagem, mas estabiliza o pH do banho. Incorretamente chamada de Alcalinidade Inativa. ALCALINIDADE TOTAL ALCALINIDADE LIVRE + ALCALINIDADE PERMANENTE


Seqüestrantes ou Quelantes • São substâncias que “aprisionam” os metais pesados da solução, para evitar o desgaste do tecido e melhorar a eficiência dos tenso ativos.


Agentes de Suspensão São componentes que fazem a sujeira ficar suspensa na água, evitando que ela volte a se depositar no tecido limpo.


Solventes Têm a função de dissolver/emulgar sujeiras gordurosas mais resistentes, para: 1. Facilitar a ação dos tensoativos 2. Reduzir a temperatura do processo de lavagem


Branqueantes Óticos • São substâncias que convertem os raios ultravioleta (invisíveis) em luz visível, na faixa do azul. (comprimento de onda () do azul)


Alvejantes Químicos • • • •

São substâncias de grande poder de oxidação. Em geral, liberam cloro ou oxigênio. São excelentes desinfetantes. Seu uso deve ser feito com cuidado, para não danificar o tecido.


Exemplos de Alvejantes Químicos • • • • • •

Perborato de Sódio. Hipoclorito de Sódio. Ácido Tricloroisocianúrico. Dicloroisocianurato de Sódio. Peróxido de hidrogênio. Ozônio


4 – FIBRAS TÊXTEIS


Fibras Têxteis CLASSIFICAÇÃO

NATURAIS

Animais

Pelos Sedas

Ve ge tais

Sementes Líber Folhas Fruto

ARTIFICIAIS

Mine rais

Asbestos

Políme ros Naturais

Proteína Regenerada Celulose Regenerada Ésteres de Celulose Diversas

Políme ros Sinté ticos

Inorgânicas

Vinílicas Poliésteres Poliamidas Acrílicas Elastofibras Clorofibras Modacrílicas Poliolefinas Fluocarbonatos

Metálicas Vidro


Fibras naturais Comprimento da Fibra Composição Básica Densidade Resistência: a seco a úmido Resistência aos ácidos Resistência aos álcalis

ALGODÃO 13 a 40 mm Celulose 1,55 g/cm3

LINHO 40 a 70 cm Celulose 1,55 g/cm3

JUTA 120 a 300 cm Celulose 1,50 g/cm3

12 a 14 Km 25 a 29 Km 3 5

35 a 60 Km 80 a 144 Km 2 4

25 a 35 Km 25 a 35 Km 3 4


Fibras Naturais Comprimento da Fibra Composição Básica Densidade Resistência: a seco a úmido Resistência aos ácidos Resistência aos álcalis

LÃ 12 a 15 cm Proteína 1,32 g/cm3

SEDA 8 a 15 cm Fibroína 1,32 g/cm3

8 a 16 Km 6 a 15,5 Km 5 1

27 a 40 Km 22 a 36 Km 4 1


Fibras Artificiais Comprimento da fibra Composição básica Densidade Resistência: a seco a úmido Resistência aos ácidos Resistência aos álcalis

VISCOSE sem fim Celulose 1,5 a 1,6 g / cm3

ACETATO sem fim Celulose 1,3 g / cm3

11 a 19 Km 5 a 11,5 3 3

12 a 14 Km 5,5 a 8,5 Km 3 3


Fibras Sintéticas POLIÉSTER Comprimento da fibra sem fim Composição básica Poliéster Densidade 1,22 a 1,38 g / cm3

Resistência: a seco a úmido Resistência aos ácidos Resistência aos álcalis

NYLON POLIACRIL sem fim sem fim Poliamida Acrilonitrila 1,14 a 1,15 g / cm3 1,17 g cm3

38 a 45 Km 38 a 45 Km 4

36 a 54 Km 24 a 49 Km 4

22 a 29 Km 18 a 29 Km 5

5

4

5


5 – PRODUTOS LINHA WYN - LAUNDRY


ETEX - UMEC AL Detergente Umectante para Roupas (pH alcalino) ETEX UMEC AL contém em sua fórmula componentes eficientes na remoção de gorduras, sangue e medicamentos em roupas de algodão e poliéster / algodão. Indicado para remoção de sujidade em tecidos delicados, sensíveis a produtos alcalinos como náilon, seda, lã, etc. ETEX UMEC AL é indicado na pré-lavagem e lavagem de roupas brancas e de cores firmes com sujidades de leve a pesada em lavanderias industriais, hotéis e hospitais. Aspecto: Líquido Viscoso Odor: Pinho Cor: Translúcido pH: (1%): 7,5 a 8,5 Teor de Ativo: – Sulfônico: 22,5 a 23,5% Composição: Tensoativo não-iônico etoxilado, Alquilbenzeno Linear Sulfonato de Sódio – biodegradável, coadjuvante, alcalinizante, dispersante, perfume de pinho e água. Princípio Ativo: Alquilbenzeno Linear Sulfonato de Sódio – biodegradável Pré-Lavagem: Aplicar de 2,0 a 4,0 g por kg de roupa seca com nível baixo de água fria ou a 40ºC. Lavagem: Aplicar de 1,0 a 2,0 g por kg. de roupa seca com nível médio de água fria. Umectante: Aplicar de 2,0 a 3,0 g por kg. de roupa seca com nível médio de água fria ou a 80ºC.


ETEX - UMEC AC Detergente Umectante para Roupas (pH ácido) ETEX UMEC AC contém em sua fórmula componentes eficientes na remoção de gorduras, sangue e medicamentos em roupas de algodão e poliéster / algodão. Indicado para uso em clínicas e hospitais, principalmente em enxovais de pós-cirurgia.

ETEX UMEC AC é indicado na pré-lavagem e lavagem de roupas brancas e de cores firmes com sujidades e resíduos pesados em lavanderias industriais e hospitais. Aspecto: Liquido Viscoso Odor: Característico Cor: Levemente Amarelo pH: (1%): 4,0 a 5,0 Teor de Ativo: – Sulfônico: 22,5 a 23,5% Composição: Tensoativo não-iônico etoxilado, Alquilbenzeno Linear Sulfonato de Sódio – biodegradável, coadjuvante, alcalinizante, dispersante, perfume de pinho e água. Princípio Ativo: Alquilbenzeno Linear Sulfonato de Sódio - biodegradável.

Pré Lavagem: aplicar de 2,0 a 4,0 gr. por kg de roupa seca com nível baixo de água fria ou a 40ºC. Lavagem: aplicar de 1,0 a 2,0 gr. por kg de roupa seca com nível médio de água fria. Umectante: aplicar de 2,0 a 3,0 gr. por kg de roupa seca com nível médio de água fria ou a 80ºC.


ETEX – ALV 500 Desinfetante e Alvejante para Roupas Sua formulação a base de Cloro que alveja as roupas manchadas de sangue, frutas, molhos, bebidas e remédios. Eficiente no controle microbiológico diminuindo assim riscos de contaminação. É indicado para desinfecção e remoção de manchas de alimento, sangue, mofo, medicamento e alvejamento de roupas de algodão/poliéster brancas ou de cores firmes em lavanderia de hotel, motel, indústria de alimentos e frigoríficos. Aspecto: Líquido Límpido Cor: Amarelo Claro pH: (1%): 9,0 a 11,0 Cloro Ativo: 10% a 12,0% Demsidade: (25°C) 1,18 a 1,22 g/ml Composição: Alcalinizante e Hipoclorito de Sódio. Princípio Ativo: Hipoclorito de Sódio Sujidade Leve: Aplicar de 4,0 a 6,0 ml por kg de roupa seca, depois da lavagem, com nível baixo de água fria ou até 60ºC. Sujidade Pesada: Aplicar de 7,0 a 9,0 ml por kg de roupa seca, depois da lavagem, com nível baixo de água fria ou até 60ºC.


ETEX – ALC 1000 Detergente Alcalinizante para Roupas Sua fórmula contém componentes eficientes na remoção de gorduras, sangue e medicamentos em roupas de algodão e fibra mista. Possui branqueador óptico e ação anti-redepositantes de sais que causam o amarelamento das fibras,através de tensoativos e sequestrantes presente em sua fórmula. ETEX ALC 1000 e indicado na pré-lavagem e lavagem de roupas brancas e de cores firmes com sujidades de leve a pesada em lavanderias de indústrias de alimentos, hotéis, hospitais e Frigoríficos.

Aspecto: Líquido Límpido Cor: Característica pH: (1%): 11,5 Densidade: (25ºC): 1,12 a 1,16 g/ml Composição: Água, Branqueador óptico, Sequestrante, Tolueno Sulfonato de Sódio, Acido Dodecilbenzeno Sulfônico, Tensoativo não iônico e Alcalinizante. Principio Ativo: Alquilbenzeno Linear Sulfonato de Sódio – biodegradável 3,6% Pré-Lavagem: Aplicar de 4,0 a 6,0 ml por kg roupa seca com nível baixo de água a temperatura ambiente durante 10 a 20 minutos. Lavagem: Aplicar de 6,0 a 8,0 ml por kg roupa seca com nível baixo de água a temperatura fria ou ate 70 °C durante 10 a 20 minutos.


ETEX – ACD 1000 Detergente Acidulante para Roupas É Indicado para neutralizar a alcalinidade residual dos detergentes e cloro utilizado no alvejamento aumentando a vida útil do tecido. Elimina a possibilidade de ocorrer irritações na pele pelo uso de roupa com resíduo de alcalinidade ou cloro. Reduz o número de enxágües, o tempo e o consumo de água. Aspescto: Líquido Límpido Cor: Amarelo pH: (1%): 4,0 a 6,0 Densidade: (25ºC): 1,25 a 1,26 g/ml Compoição: Metabissulfito de Sódio e Veículo. Ativo: Metabissulfito de Sódio. Características Físico Químicas Aplicar de 1,0 a 2,0 ml por kg de roupa seca, no último enxágüe, com nível médio de água durante 5 minutos associado com um amaciante.


ETEX – SUPER SOFT Amaciante para Roupas Sua fórmula deixa a roupa macia e oferece maior facilidade na hora de passar através da sua atividade antiestática. Proporciona mais conforto ao uso de tecidos de origem sintética. É indicado como amaciante de todos os tipos de tecidos em lavanderias hospitalares, comerciais, industriais e de hotelaria.

Aspecto: Líquido Azul Viscoso pH: (puro): 4,0 a 5,0 Teor de Matéria Ativa: 3,0 min. Densidade: (25ºC): 0,94 a 0,98 g/ml Composição: Cloreto de Dimetil Dialquil Amônio Sebo Hidrogenado, 75%, Corante, perfume e Água. Aplicar de 2 a 8 ml por kg de roupa seca com nível médio de água fria, deixando agir por 5 minutos. Retirar o excesso de água sem enxaguar.


6 – PROCESSOS DE LAVAGEM


Fatores que afetam a lavagem • • • •

Ação Mecânica (M) Ação Química (Q) Tempo (T) Temperatura (t)


Fatores que afetam a lavagem Q M

M

T

t


Fator de Carga • É a quantidade de roupa em kg, em relação ao volume do cesto, em litros. Nas máquinas convencionais, este fator é de 1:12 (1 kg de roupa seca para cada 12 litros de volume do cesto).


Relação de Banho • É o volume de água recomendado para cada kg de roupa seca. Esta relação varia de acordo com o nível de água na máquina:

Nível Baixo  1:5,0/3,5 Nível Médio  1:6,5/5,0 Nível Alto  1:8,0/6,5


Preparação das Roupas para Lavagem • Separação da Roupa: A separação deve ser feita por cor, tipo de tecido e grau de sujidade. Dessa forma, pode-se tirar um melhor proveito dos produtos e dos processos de lavagem. • Pesagem da Roupas: Tem o objetivo de controlar a relação de carga da máquina, evitando-se o carregamento excessivo ou insuficiente da máquina.


Operações de Lavagem • • • • • • • •

Umectação / Enxágües Iniciais. Pré-Lavagem. Enxágües Intermediários. Lavagem. Enxágües Intermediários. Alvejamento / Desinfecção. Enxágües Intermediários. Acidulação / Amaciamento / Engomagem.


Umectação / Enxágües Iniciais • Objetivo: – Remover as “sujeiras mais grossas” e solúveis em água, facilitando as etapas seguintes do processo. • Nível: Baixo • Produto: – Neutro com alto teor de ativos na primeira etapa, após os enxágües iniciais. • Temperatura: – Fria (ambiente)


Pré-Lavagem • Objetivo: – Remover sujeiras protéicas que se fixam com a temperatura. – “Atuar”sobre as fibras do tecido, para facilitar a ação do produto de lavagem. • Nível: – Baixo. • Produto: – Alcalino, rico em não-iônicos. • Temperatura: – Máximo 40º C.


Enxágües Intermediários • Objetivo: – Remover o máximo possível da sujeira emulsionada pelo produto de pré-lavagem. • Nível: – Alto. • Produto: – Nenhum. • Temperatura: – Máximo 40º C.


Lavagem • Objetivo: – Remover as sujeiras e manchas mais resistentes. – Remoção de gorduras não saponificáveis. • Nível: – Baixo. • Produto: – Rico em não-iônico e aniônicos, com alto teor de seqüestrantes e branqueantes óticos • Temperatura: – Até 90º C.


Alvejamento / Desinfecção • Objetivo: – Desinfetar e remover manchas de medicamentos e “mapas” de sangue. • Nível: – Baixo. • Produto: – Oxidante, seqüestrante • Temperatura: – Até 50ºC (clorados) e <70 º C


Acidulação • Objetivo: – Neutralizar a alcalinidade e cloro residuais dos produtos de pré-lavagem, lavagem e alvejamento. – Eliminar manchas não oxidáveis, sensiveis a redução. • Nível: – Baixo. • Produto: – Redutor, alcalinidade negativa – Temperatura: – Fria (ambiente).


Amaciamento • Objetivo: – Eliminar a eletricidade estática dos tecidos, tornandoos mais agradáveis ao uso. – Devolver a forma natural as fibras. – Efeito bacteriostático com ação desodorizadora. • Nível: – Baixo. • Produto: – Catiônico • Temperatura: – Fria.


7 – GUIA DE PROCEDIMENTOS E SOLUÇÕES


PROBLEMAS

Deficiência na remoção da sujeira

Roupa branca amarelada

CAUSAS POSSÍVEIS

1- Dosagem insuficiente do produto de lavagem. 2- Uso de produto de lavagem inadequado. 3- Tempo de pré-lavagem e lavagem inadequado. 4- Temperatura de lavagem muito baixa. 5- Nível de água muito alto na pré-lavagem e lavagem. 6- Sobrecarga de roupa na máquina. 7- Má ação mecânica da máquina de lavar.

1- Enxágües finais deficientes. 2- Teor de ferro elevado na água ou ferrugem na linha de água. 3- Teor de bicarbonatos e carbonatos elevados na água (água alcalina). 4- Uso de produto de lavagem sem branqueador ótico. 5- Neutralização inadequada de cloro residual com acidulante anti-cloro. 6- Dosagem excessiva do produto, causando dificuldade da sua remoção nos enxágües.

SOLUÇÕES

1- Aumentar a dosagem do produto de lavagem. 2- Escolher o produto correto de lavagem. 3- Aumentar o tempo de pré-lavagem e lavagem. 4- Aumentar a temperatura de lavagem e remoção de gorduras. 5- Corrigir o nível de pré-lavagem e lavagem. 6- Certifique-se que há espaço suficiente para a movimentação de roupa na máquina. 7- Verificar a rotação da cesta e do sistema de reversão da máquina. Chamar manutenção. 1- Corrigir número de enxágües, tempo e nível de água. 2- Fazer tratamento de água ou manutenção da linha de água. 3- Usar sempre acidulante no último enxágüe. 4- Escolher o produto de lavagem contendo branqueador ótico. 5- Corrigir operação de acidulação. 6- Diminuir a dosagem de acordo com a recomendação do fabricante do produto.


PROBLEMAS

Roupa branca acinzentada

Danos químicos à roupa

CAUSAS POSSÍVEIS 1- Uso de produto de lavagem à base de sabão em água moderadamente dura. 2- Água muito dura, acima de 200 ppm de CaCO3. 3- Sobrecarga de roupa na máquina de lavar. 4- Falta de poder de suspendente das sujeiras. 5- Tempo de pré-lavagem e lavagem muito longo ou muito curto. 6- Dosagem muito baixa de produto de lavagem. 1- Perda de resistência da roupa devido a dosagem elevada de alvejante químico clorador. 2- Perda de resistência da roupa devido ao tempo de contato elevado com alvejante químico clorado. 3- Perda de resistência da roupa devido a temperatura elevada de alvejante com composto clorado. 4- Perda de resistência da roupa devido à dosagem elevada de acidulante forte. 5- Furos devido a presença de sais de ferro, cobre, manganês, etc., na água ou no tecido, causando uma rápida liberação de cloro e oxigênio na operação de alvejamento. 6- Descoramento da roupa devido ao uso de alvejante químico oxidante. 7- Descoramento devido à baixa solidez do corante a produtos alcalinos de lavagem.

SOLUÇÕES 1- Escolher o produto de lavagem à base de detergente sintético. 2- Fazer tratamento de água por troca iônica. 3- Corrigir a carga de roupa de acordo com a capacidade real da máquina. 4- Escolher o produto contendo agente suspendente. 5- Corrigir o tempo de pré-lavagem e lavagem. Normalmente de 10 a 15 minutos. 6- Aumentar a dosagem de acordo com a recomendação do fabricante. 1- Controlar o teor de cloro ativo: max. 250 ppm. 2- Controlar o tempo de alvejamento: Max. 15 minutos. 3- Controlar a temperatura de alvejamento: Max. 50C. 4- Controlar a dosagem de acidulante. Manter o pH da solução entre 6-7. 5- Fazer tratamento da água ou adquirir tecidos sem esses metais. 6- Eliminar o uso de alvejante químico ou oxidantes. 7- Utilizar produtos de lavagem neutros ou de baixa alcalinidade ou adquirir roupas com boa solidez a produtos alcalinos.


PROBLEMAS

Danos mecânicos a roupa

CAUSAS POSSÍVEIS

1- Perda de resistência da roupa devido ao excesso de ação mecânica causada pelo nível de água. 2- Perda de resistência da roupa devido ao excesso de ação mecânica causado pelo tempo muito longo do processo de lavagem. 3- Rasgos da roupa devido ao esforço físico do lavador para retirar a roupa da máquina, causado pela reversão incerta do cesto. 4- Cortes da roupa resultantes de rebarba deixada nos furos do cesto da máquina. 5- Cortes da roupa devido a instrumentos cirúrgicos, ampolas de vidro, etc, colocados junto com a carga de roupa na máquina. 6- Descoramento da roupa devido a baixa solidez do corante a fricção.

SOLUÇÕES

1- Regular o nível de baixo, médio e alto de água na máquina de lavar. 2- Reavaliar cada operação do processo de lavagem, incluindo entrada, drenagem de água e controle de tempo por parte dos lavadores. 3- Regular e balancear o número de reversões do cesto. 4- Chamar o fabricante da máquina para eliminar as rebarbas. 5- Chamar a atenção da área de classificação e separação da roupa. 6- Reduzir a ação mecânica, elevar o nível de água ou adquirir roupa com boa solidez a fricção.


8 – RECOMENDAÇÕES GERAIS


Recomendações Gerais • Cada produto deve possuir um dosador só para ele e não deve ser utilizado em outros produtos. • Limpar e desinfetar freqüentemente os carrinhos de transporte de roupas. • Não repor no carrinho roupas lavadas que tenham caído no chão. Deve-se tomar todos os cuidados possíveis para evitar a recontaminação da roupa após a lavagem. • Os lavadores devem utilizar material de segurança completo (gorro, máscara, macacão, avental, botas, luvas, etc.).


ELFEN INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA 019 3862 5423 COMERCIAL@ELFEN.COM.BR WWW.ELFEN.COM.BR


Treinamento em Lavanderia  

Treinamento em Lavanderia

Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you