Issuu on Google+


VIDA DE ‘SENSEI’ MESSIAS RODARTE

A

Associação de Judô Messias (AJM) completa 60 anos de dedicação ao esporte. Mais do que ensinar a arte do judô, a AJM sempre se voltou à formação de cidadãos, conforme o espírito de seu fundador, Messias Rodarte Correa, um dos pioneiros da modalidade no Brasil. A trajetória de ‘Sensei’ Messias confunde-se com a história do Judô brasileiro. Seu amor ao esporte contribuiu para consolidá-lo no País. Mineiro de Passos, um dos dez filhos da família Rodarte Correa, Messias nasceu em 29 de Outubro de 1925 e, ao longo de 83 anos, foi um exemplo de luta pela vida, pela dignidade e pelos ideais, que perseguiu e alcançou. Uma força herdada dos pais João Augusto Correa e Maria José Rodarte Correa. Em 1938, Messias veio para São Paulo em busca de novos horizontes. Na capital paulista casou-se com Zilda Ribeiro em 1952 e tiveram três filhos. Laboratorista de profissão atuou em importantes

laboratórios por mais de 25 anos. Mas foi no Judô que encontrou os rumos que nortearam sua vida. Foi um exemplo para o seus milhares de alunos e para gerações de judocas. A Luta Livre e o Jiu-Jítsu antecedem o Judô na sua vida de esportista. Na primeira, foi campeão brasileiro peso pluma em 1949 e o seu Jiu-jítsu vem do mestre Takeo Yano (discípulo de Satake, companheiro de viagem do Conde Koma – fundador do Jiu-jítsu no Brasil) chegando à faixa Preta no mesmo ano. Naquela época, Judô e Jiu-jítsu se misturavam e só mais tarde se separaram na filosofia e nos fundamentos, seguindo cada um seu próprio rumo. O aprendizado do professor Messias foi profundamente marcado por ‘Sensei’ Fukaya (mestre japonês do Kodokan, divulgador do Judô no Brasil e responsável pela criação de inúmeros centros de treinamento, como o do Clube Pinheiros) no lendário dojô da Rua Jaguaribe em São Paulo. O ‘samurai’ mineiro conquistou a faixa Preta de Judô certificada pelo Kodokan de Tókio em agosto de 1951. Neste período Fukaya reconheceu em seu discípulo as qualidades mais importantes para os praticantes de artes marciais: a compensação da força pela habilidade e técnica, já que Messias era de baixa estatura e peso, porém ágil, aplicado e reconhecidamente implacável na luta de solo, capaz de derrotar adversários muito maiores e mais fortes. A importância de mestre Fukaya em sua vida pode ser medida pela emoção que o tomava quando lembrava da despedida do seu professor e amigo, no aeroporto

Já dei aulas para crianças carentes. Tive alunos cegos sem cobrar nada, numa época que era possível fazer isso. Jamais treinei um aluno com o interesse de formar um campeão. Não quero saber disso, o que eu quero, primeiro, é formar cidadãos. Ser campeão é consequência.


CORREA É PARTE DA HISTÓRIA DO JUDÔ Entre as pessoas da minha vida, as que eu tenho mais respeito foram os professores que me deram o Judô e me deram a disciplina. de Viracopos em 1977, quando este partiu para viver os útimos dias em sua Pátria. Messias sempre guardou com carinho os nomes dos professores Akao, Tani, Dr. Okoshi e Shigeuichi Yoshima, um ás do newaza (luta de solo) e um dos introdutores do Judô na região de Campinas, junto com José de Almeida Borges. Foi técnico de várias seleções e responsável pelos treinos da modalidade na Federação Paulista de Judô (CPJ), na Confederação Brasileira de Judô (CBJ) e no Centro Olímpico. ‘Sensei’ Messias foi ainda o primeiro árbitro de Judô de origem não-japonesa no Brasil, função que exerceu por muito tempo em sua vida mostrando competência e imparcialidade. Dos muitos amigos que o acompanharam ao longo da vida ainda se destacaram os professores João Gonçalves, Dr. Arsênio Martins, Edgard Ozon, Luiz Tambucci e Herasmo Helio Machado Lopes, que teve atuação destacada na fundação da CBJ e da CPJ. No dia em que recebeu o mais alto grau concedido aos brasileiros no Judô, em outubro de 1996, a faixa Vermelha de 9o Dan, ‘Sensei’ Messias foi surpreendido pela presença de mais de 100 exalunos, alunos e amigos que lhe demonstraram toda a admiração, respeito, amizade e carinho que descerrou todo o seu passado de realizações, obtendo o reconhecimento como um dos mestres mais entendidos e conceituados de esportes de luta do Ocidente. A honestidade, a retidão e a importância do judô na formação de jovens cidadãos, são os valores herdados pela Associação de Judô Messias e que se perpetuam inspirados em ‘Sensei’ Messias.


linha do tempo

1962 – Primeiro árbitro de origem nãojaponesa do Judô nacional

Inicia o aprendizado de Jiu-Jitsu com o mestre Takeo Yano

1965

1963 – Participa da inauguração do Departamento de Judô do Sport Club Corinthians Paulista

1960

1938 – Muda-se com a família para São Paulo

1938 – Começa a praticar Luta Livre

1958 – Participa da Fundação da Fede­ra­ção Paulista de Judô (FPJ)

1945 1940

1935 1930

1925

1949 – Campeão Brasileiro de Luta Livre Olímpica

1951 – Faixa preta de Judô, certificado do Kodokan de Tóquio

1955

1949 – Inauguração da Associação de Judô Messias

1950

Messias Rodarte Correa nasce em 29 de outubro, na cidade de Passos (MG)

1952 – Casa-se com Zilda Ribeiro. O casal tem três filhos: Mauro (1952), Inês (1954) e Milton (1956)


1969 – Primeira turma de deficientes visuais na Associação de Judô Messias

1999 – Comemoração dos 50 anos da Associação de Judô Messias

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE JUDÔ

1969 – Participa da Fundação da Confederação Brasileira de Judô (CBJ)

2006 – Recebe medalha “Campeão Olímpico Aurélio Miguel”

2000

2005

1995 1990

1985 1980

1970

1975

1996 – Conquista o 9º Dan do Kodokan aos 70 anos, o maior grau nacional

2002 – Presidente do Kodokan, Yukimitsu Kano (neto de Jigoro Kano), visita o Brasil

1977 – O mestre e amigo Seisetsu Fukaya decide retornar ao Japão e é homenageado por ‘Sensei’ Messias

2009 – Deixa um legado de dedicação a seus familiares, alunos e à sociedade 1978 – Assume o posto de técnico do Centro Olímpico de Treinamento e Pesquisa

2003 – Recebe o Prêmio “Grandes Mestres do Judô” da FPJ


depoimentos

‘Sensei’ Messias Rodarte é uma figura que faz parte da história do Judô paulista e brasileiro. Tenho a honra de ter, em várias oportunidades, treinado sob o seu comando. Toda e qualquer atitude na direção de lembrar e homenagear ‘Sensei’ Messias tem o meu apoio. Para chegar ao topo do pódio olímpico em Seul-88 colhi experiências com diversos técnicos do Judô nacional e mundial. ‘Sensei’ Messias foi um deles. Ainda bem que seu trabalho teve continuidade, garantindo que seus ensinamentos permaneceram entre nós. Minhas saudações aos familiares e aos seguidores desse que foi uma grande figura humana. Aurélio Miguel Campeão Olímpico em Seul-88

Professor Messias, deixar não significa esquecer, o senhor deixou aqui uma grande lição de amor à vida. A disciplina , respeito, gratidão, coragem, educação, persistência (mou sukoshi, sukoshi), que deixou na memória da cada aluno, o fará sempre lembrado. Morihiro Shiroma Presidente da Associação de Judô Messias.

O professor Messias foi um amigo de Judô e de coração. Na verdade vivíamos como irmãos e fizemos muitas coisas juntos. Participamos, por exemplo, das fundações da Federação Paulista de Judô e da Confederação Brasileira de Judô. Lembro ainda das viagens que fazíamos pelo Brasil para sermos árbitros em campeonatos nacionais. Eu admirava sua sinceridade e a qualidade de sempre falar só do bem, seguindo a filosofia do Judô. Atingimos o 9º grau praticamente juntos e para chegar aonde chegamos é preciso ter uma filosofia sólida. O judô é um sacerdócio. Luiz Tambucci Mestre de judô em 9º grau.

Ter a oportunidade de falar sobre um companheiro de treino do meu pai é no minimo muito emo­ cionante. As poucas vezes que tive a opor­tunidade de estar com o mestre Messias me fez voltar no tempo. O respeito, o carinho e o cuidado que ele tinha com a memória do meu pai, refletia o brilhante esportista, educador e formador de caráter que residia no mestre. Lamento não po­ derem todos terem tido a oportunidade de beber água direto na fonte. Engarrafada tem outro sabor. Otavio de Almeida Junior

Mestre de Jiu-Jitsu em 7º grau e presidente da Federação Paulista de Jiu-Jitsu. Seu pai foi companheiro de treino de ‘sensei’ Messias.

A contribuição do professor Messias Rodarte Correa ao nosso Judô é inestimável, quer pela riqueza dos seus conhecimentos enquanto técnico, quer pela sua incontestável autoridade, ou ainda pela forma eficiente e peculiar de ensinar. Sempre pronto a atender o chamamento para servir ao esporte, nunca se serviu deste. Ao contrário, só doou, nada logrando em benefício próprio. Tive a alegria de conviver com o professor Messias, e continuo a lamentar o seu passamento. O meu conforto está em saber que os seus ensinamentos são imorredouros. Francisco de Carvalho Filho Mestre de judô em 7º grau e presidente da Federação Paulista de Judô.

O professor Messias foi meu primeiro compa­­ nheiro de Luta Livre. Disputávamos os cam­ peonatos pau­­lista e brasileiro e com a convivência nos tornamos amigos. Depois, abandonamos a Luta Livre e ele fundou sua academia de Judô, de onde saíram grandes campeões. Nesta nossa amizade eu o admirava por suas qualidades, que eram as que um homem de Judô deve ter. Era um homem reto, com caráter.Tinha aquela aura do judô. Edgard Ozon Mestre em 8º Grau de Judô e Conselheiro do Esporte Clube Pinheiros.


os próximos 60 anos

‘Sensei’ Messias para o filho Milton antes de entrar no tatame representando a Seleção paulista de judô

A

Associação de Judô Messias tem uma linda história feita de muitas conquistas durante os últimos 60 anos e agora é hora de nos lançarmos rumo ao futuro. A filosofia é a mesma deixada por nosso Mestre. Nossa missão de formar cidadãos continua. Buscamos parcerias com o intuito de viabilizar este conjunto de ações. Com o lançamento do Memorial Professor Messias Rodarte Correa, manteremos viva e acessível a história de um dos pioneiros do Judô Nacional. O legado da responsabilidade social do Mestre permanece. O Judô Messias continuará a ser aquilo que sempre foi: sério, respeitado e servindo à sociedade. Milton R. Correa

Prof. Kodansha 6º Grau Técnico responsável pela Associação de Judô Messias

CONJUNTO DE AÇÕES DA ASSOCIAÇÃO DE JUDÔ MESSIAS Modernização e ampliação da atual estrutura física da Associação, incluindo a criação de uma sala de estudos e de um departamento de reabilitação (oferecendo yoga, massagens etc) Inauguração do memorial “Professor Messias Rodarte Correa” Centro de Estudos para estágiários de Faculdades de Educação Física Constituir um novo estatuto para viabilizar projetos sociais de grande escala Estabelecer convênios com as federações paulistas de Judô e Jiu-Jitsu Nome do Mestre Messias na rua da sede da Associação Organizar parcerias com instituições de ensino Aquisição de um veículo de transporte Prospectar parceiros e patrocinadores Criação de uma assessoria de imprensa Instituir o “Torneio Messias” Clínica de arbitragem Lançamento de um novo site


ASSOCIAÇÃO DE JUDÔ MESSIAS Rua Aracati, 154 – Penha – Sâo Paulo - SP Tel.: (11) 2295-6780 www.judomessias.com.br APOIO


Folder Judo Messias