Page 1

“O eleitor quer uma pessoa que esteja fora do meio político”  Camelódromo é um fracasso e ambulante continua na rua [8]

FOTO: divulgação

[4]

Paratleta de Jacaraípe prepara para saltar de paraquedas [9]

Cobra Coral em ponto de bala para tomar liderança do Real [11]

FOTO: Adriano barbosa

tempo novo SERRA (ES) | 10 a 17 de agosto de 2018 | Nº 1.294 - Ano XXXiV | Fundado em dezembro de 1984

Vale promete reduzir pó preto em 92% até 2023

FOTO: FÁBIO BARCELOS

[5]

Manicures capricham e fazem das unhas obras de arte [9]

FOTO: FÁBIO BARCELOS

Ainda falta vacinar 22 mil crianças contra sarampo [10] Terceirização na gestão da saúde provoca polêmicas [3]

Festival de inverno é a ótima pedida no Parque da Cidade [7]

Onze serranos disputam a Câmara e quinze, a Assembleia [3]

Município já está preparado para atender casos de malária 

[10]


P2 | TN | SERRA (ES), 10 a 17 de agosto de 2018 | opinião

Mestre álvaro

O nó da gravata jornaltemponovo@gmail.com

Passou Serra para trás

POR bruno lyra

Julho de nove assassinatos

Julho último já é considerado um mês histórico para a Serra, cidade que chegou a ser mais violenta do mundo anos atrás. Pela primeira vez desde 1996, a cidade teve menos de 10 assassinatos num mês. No caso deste julho, nove, precisamente. Cada vida tem seu valor, por isso o dado não é algo que se deva comemorar, a não ser que a chegue a zero. Mas é positivo e leva a reflexões. A mais óbvia é: O que explica tal queda? A Serra, assim como o Estado, vive as consequências sociais das crises política e econômica que atingem o país. Desemprego alto, SUS pior, rede de seguridade e assistência social menores. E até que se tenha notícia, não houve nenhuma grande melhora no aparelho estatal da segurança. Pelo contrário. A PM tem dificuldades (vide a greve de fevereiro de 2017), a polícia investigativa (Civil) segue com baixo índice de resolução de homicídios por conta da histórica defasagem de pessoal e infraestrutura. O sistema carcerário continua muito mais como ‘pós- graduação’ do crime do que como espaço de punição e preparação para reinserção de infratores ao convívio social.

Outro fator relevante é que o recuo nos assassinatos acontece num tempo em que não há nenhum grande vetor de desenvolvimento ocorrendo na cidade e no ES. Na verdade ocorreooposto.Osetormínerosiderúrgico,âncoradocrescimento populacional e vertiginoso da Serra a partir da década de 1970 (e que também foram acompanhados pelo crescimento da violência) dá sinais de declínio. Vide os casos Samarco, Companhia Siderúrgica de Ubu (CSU) e ferrovia litorânea sul. Arcelor Mittal e Vale anunciaram investimentos ambientais para tentar amenizar multas e processos que recaem sobre ambas por poluição. Serão 2,5 mil vagas temporárias de trabalho. Será interessante ver como ficarão os homicídios na Serra durante as obras. Outro fato curioso sobre a estatística de assassinatos em julho: o dado foi divulgado pelo Governo no dia 02 de agosto, quase de bate pronto, o que é incomum. Há anos Tempo Novo cobre números mensais desses crimes e nunca a divulgação foi tão rápida. O normal é sair em 15, 20 dias ou até mais. É ano eleitoral. Tomara que seja a realidade. E que a Serra deixe de ser uma das capitais mundiais da matança.

por yuri scardini

Casarão com dezoito cômodos Com o fim do prazo da Justiça Eleitoral para envio das chapas que vão disputar a eleição tivemos algumas surpresas, mas, manteve-se o favoritismo de Renato Casagrande (PSB) para governador. Na prática, Casagrande parte para a disputa com um leque de 18 partidos, recursos do fundo partidário, amplo tempo de TV e um recall imenso potencializado pelo discuso anti-Hartung (MDB). Junto com Casagrande, soma-se mais 5 candidaturas. Entre as surpresas estão o projeto solo do isolado e acuado PT. E a troca do PSL, que foi do coronel Foresti para o deputado Carlos Manato. No caso de Manato, que apesar de ter muito tempo de política, nunca foi um dirigente partidário habilidoso e com cases de sucesso, além do seu próprio. Ele se propôs a ser o articulador de Bolsonaro no ES e mesmo com o grande eleitorado bolsonarista capixaba, Manato não conseguiu montar um partido competitivo, que nem mesmo coeficiente eleitoral poderia alcançar. Vendo isso, os sabidos Magno Malta (PR) e Amaro Neto (PRB) pularam de última hora para o barquinho de Manato e assumiram o controle do manche. Sem espaço numa chapa de federal com Ama-

tempo novo www.portaltemponovo.com.br Edição finalizada em 09 de agosto de 2018, às 18h

ro Neto e Lauriete Rodrigues (esposa de Magno) Manato foi obrigado a virar candidato a governador. A maior surpresa (para a Serra pelo menos) que esteve a um fio de acontecer, andou pra trás no finalzinho do prazo. Casagrande esteve muito perto de operar um milagre e colocar no mesmo palanque o prefeito Audifax Barcelos (Rede), Sérgio Vidigal (PDT), Bruno Lamas (PSB) e Vandinho Leite (PSDB). Segundo relatos, Audifax e Casagrande mantiveram contato intenso durante toda a segunda e havia um consentimento de trazer a Rede pela sedutora chapa de deputado estadual e federal do partido, que tem bons votos, mas nenhum nome de peso. Chegaram a simular coligação com vários partidos do leque de Casagrande e até mesmo Vidigal teria dado o ‘aval’. Mas Casagrande não conseguiu contemplar a candidatura de Fabiano Contarato para Senado, coisa que a Rede Nacional já dava como certa. E ao mesmo tempo Rose conseguiu acomodar a Rede nas chapas propostas, e por fim o tempo se encerrou. Findo os arranjos partidários, restou a todos uma só coisa: focar no eleitor, pedir votos e gastar sola de sapatos, com estratégia que melhor compreenda o contexto histórico que o Brasil e o ES vivem.

A Serra Ambiental, responsável pela gestão do esgoto no município, resolveu mudar de nome. Agora a empresa se chama Ambiental Serra. Será uma estratégia para disfarçar a má fama? Pode ter sido inspirada nos partidos políticos, como o PMDB que em vista do imenso desgaste, mudou de nome para MDB. Será que isso funciona? Enquanto isso os mananciais da cidade seguem esgoto puro. Na lagoa Juara nem pesca de tilápia tem mais... E as multas por crime ambiental da empresa seguem sendo misteriosamente abonadas pelo Condemas, especialmente após a empresa contratar os serviços da advogada Andréia Carvalho, ex-secretária de Meio Ambiente da Serra e ex-presidente do próprio Condemas. Vale ficar nos trilhos

O deputado federal Sérgio Vidigal (PDT-ES) conseguiu a aprovação pela Comissão de Viação e Transportes, nesta quartafeira (8), de um requerimento de sua autoria convocando o Ministro dos Transportes, Valter Casimiro Silveira. O ministro vai prestar esclarecimentos sobre a transferência de investimentos com a renovação antecipada da concessão da estrada de ferro Vitória-Minas para a construção da Ferrovia de Integração Centro -Oeste (Fico). A data da audiência ainda será definida. É a chamada ‘não ferrovia’ da Vale, que enquanto a empresa trata disso em Brasília, a boca miúda e sem nenhuma transparência, sai por aí anunciando investimentos bilionários para conter o pó preto no ES, numa verdadeira nuvem de fumaça para confundir o capixaba. Alguém acredita?

Pega ladrão trapezista

Enquanto o Governo do Estado anuncia com pompa as quedas nos índices de homicídios, o crime contra o patrimônio segue em alta. E até fios de eletricidade não escapam. R$ 1 milhão foi

prejuízo do município com furtos de fio de iluminação pública na Serra nos primeiros seis meses deste ano. Os locais que são maior alvo dos furtos são a Rodovia do Contorno, BR-101, Rodovia Serra Jacaraípe, Avenida Desembargador Antônio José Miguel Feu Rosa, Rodovia Audifax Barcelos e em algumas praças de bairros. Esse valor equivale a uma Unidade Básica de Saúde, só de fios roubados em 6 meses...

Dá uma luz ai

Em tempos de energia nas alturas e o recente anúncio de reajuste em 15,6%, o deputado Bruno Lamas, sabido que é, criou o Projeto de Lei que reduz em 8% a alíquota do ICMS que incide sobre energia elétrica para consumo residencial. Segundo o deputado “a iniciativa visa defender os consumidores capixabas que, assim como todos os brasileiros, sofrem com as maiores taxas tributárias do mundo”. Bruno argumenta que o Projeto foi elaborado em abril deste ano e deve ser votado na próxima semana. Hoje o percentual de imposto que incide sobre a energia elétrica residencial é de 25%. Com a aprovação da Lei, que ainda será apreciada pela Comissão de Finanças, esse índice cai para 17%.

Assedio sexual legislativo

Não é de hoje que servidoras e ex-servidoras da Câmara da Serra, relatam casos de assédio dentro da Casa de Leis. Mas sob condição de anonimato, segundo uma fonte que trabalhou durante os últimos anos na Câmara, os casos de assédio às mulheres se intensificaram, especialmente após o afastamento da ex-presidente Neidia Maura (PSD). Segundo essa fonte, o comando de Neidia inibia essa prática, e após sua queda, o ambiente ficou “predominantemente masculino” o que degringolou para o aumento de casos de assédio. Essa fonte relata que não há denúncias, pois existe o receio de retaliações, uma vez que “pessoas poderosas” estariam envolvidas em tais práticas.

jornal tempo novo ltda me | cnpj: 01.543.441/0001-00 | insc. estadual: isento | insc. municipal: 017.199-0 | Registro nº 200.707.86.283 na Junta Comercial do Estado do Espírito Santo, em 25 de setembro de 2007.| endereço: Rua Euclides da Cunha, 394 - Sl. 104 - P. R. Laranjeiras, Serra ES. CEP 29165-310 | Telefone: 27- 3328-5765 | email: jornaltemponovo@gmail.com | DIRETOR GERAL: Eci Scardini | Editor-Chefe: Bruno Lyra - brunolyra.jtn@gmail.com | consultor editorial: Fabrício Ribeiro | diretor de marketing: Yuri Scardini | GERENTE COMERCIAL: Karla Alvarenga | Impressão: Gráfica Metro | Tiragem: 7000 exemplares

empresa filiada ao


| SERRA (ES), 10 a 17 de agosto de 2018 | TN | P3

Política

Prefeitura e Servidores da Saúde em rota de colisão por conta de terceirizações conceição nascimento

O

Sindicato dos Médicos do Espírito Santo (Simes) estuda medidas jurídicas para impedir que terceirizações na saúde sejam efetivadas na Serra. A proposta vem sendo estudada pela Prefeitura da Serra, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (Sesa), e gerou revolta entre servidores da rede municipal, sindicalistas e agentes públicos. Eles alertam que experiências neste sentido em outros municípios foram negativas. A intenção da Prefeitura é implantar um formato de gestão nas unidades de Saúde através de OS (Organizações Sociais), tal como o Hospital Jayme Santos e o Himaba, de responsabilidade do Estado. Mas não deu detalhes de como irá funcionar e o que mudará para o servidor público e o usuário. De acordo com o assessor jurídico do Simes, Telvio Valim, o sindicato está avaliando as medidas

que vai adotar, caso a administração efetive a proposta. “Está provado que a terceirização gera ônus financeiro o ente público. De norte a sul do país, e casos no ES são de má gestão e de improbidades, desvios ligados à terceirização. Isso é uma coisa que preocupa o sindicato, não só porque atinge aos servidores que a gente representa como gera ônus para o município. Estamos avaliando as medidas que podemos propor em relação a essa questão”, disse. Sobre a qualidade do serviço, caso seja adotado o modelo de OS, disse que “no geral, quem vai implementar a terceirização vende um discurso falso de que haverá maior resolutividade, mas isso não se confirma, na prática. Isso porque a terceirizada exige uma produção enorme de consultas e a qualidade do serviço pode cair. Além disso, profissionais experientes de décadas podem ser relegados, contratando-se outros profissionais com salários muito in-

feriores. Isso gera má qualidade no serviço”, disse Valim. Segundo a presidente do Sindicato dos Enfermeiros do ES (Sindienfermeiros-ES), Andressa Barcellos, a categoria rejeita a proposta por deixar o trabalhador em situação de vulnerabilidade. “A terceirização é para atender interesses politiqueiros e mercadológicos. Estudos mostram que a terceirização sai mais caro. Ninguém veio conversar com a gente sobre isso, esta sendo feito tudo às escondidas”, avaliou. Uma audiência pública será realizada na Câmara de Vereadores na próxima terça-feira (14), às 15 horas. O objetivo é discutir a “terceirização e o descaso com a saúde pública na Serra”. Em nota, a Secretaria de Comunicação da Prefeitura da Serra disse busca alternativas que atendam a população visando a melhoria no atendimento das UPAs e redução do tempo de espera no atendimento. “Entre as possibilidades, está o compartilhamento da gestão públi-

Onze serranos querem a Câmara e dezesseis, a Assembleia Legislativa Com as coligações fechadas, as alianças partidárias não podem mais sofrer alterações, já os candidatos ainda podem ser até o dia 15 de agosto, junto ao Tribunal Regional Eleitoral, e ficam liberados para a campanha a partir do dia 16 de agosto. Em levantamento feito pelo Tempo Novo, com domicílio eleitoral na Serra, serão 11 candidatos a deputado federal e 16 à estadual. Representando a Serra, para deputado federal, buscam a reeleição Sérgio Vidigal (PDT) e Givaldo Vieira (PCdoB). Em 2014, Vidigal obteve 161.744 votos, enquanto Givaldo foi eleito pelo PT com 50.928 votos. “Estou bastante motivado com a reeleição do mandato; fiz um trabalho que trouxe muito resultado para o nosso município; trouxe mais de R$ 8 milhões de emendas, a maior parte delas já paga; como a de R$ 2 milhões que permitiram a informatização de todas as unidades de saúde da Serra, que vão funcionar com o prontuário online, sistema interligado, controle de medicamentos; facilitando a vida do paciente, com

marcação de consultas e outros recursos”, disse Givaldo. Eleito com 67.631 votos, o deputado federal Carlos Manato agora disputa a vaga de governador, pelo PSL. Segundo ele, quem vai substituí-lo na chapa proporcional é sua esposa, Soraya Manato (PSL). Além destes, também com domicílio eleitoral na Serra buscam as eleições de deputado federal os vereadores Guto Lorenzoni (Rede) e Miguel da Policlínica (PTC); Professor Wemerson Nogueira e Bento Adeodato (ambos Rede). Luiz Carlos Bezerra é o candidato do PV; Chico Pneus vem pelo PRTB, Márcia Lamas (PSB). Para as 30 vagas de deputado estadual, concorrem representando a Serra os deputados Bruno Lamas (PSB) e Jamir Malini (PP), que buscam a reeleição. Também tentam se eleger os ex-deputados Vandinho Leite (PSDB), Sueli Vidigal (PDT) e Professor Roberto Carlos (Rede). Outros nomes experientes que vão representar a Serra são os vereadores Alexandre Xambinho (Rede) e Pastor Ailton (PSC) e os ex-ve-

readores Silas Maza (PTC) e Gideão Svensson (PPS). Também pelo PTC vem Gustavo Nunes, filho do ex-vereador Cezar Nunes. O empresário Thiago Carreiro disputará pelo PTB. Pelo mesmo partido vão disputar Claudio Zen e César Leal. Sandro Gomes (Locutor) pelo PRTB; Kamila Meneguite Pinheiro (PV); Anacleto Nunes disse que pode confirmar sua candidatura pelo Avante. A reportagem tentou entrar em contato com outros dirigentes partidários, mas não conseguiu retorno. O Espírito Santo tem seis candidatos ao Governo do Estado, que são André Moreira/PSOL; Aridelmo Teixeira/PTB; Carlos Manato/PSL; Jackeline Rocha/PT; Rose de Freitas/Podemos e Renato Casagrande/ PSB. Para o Senado estão na disputa Liu Katrini (PSOL), Mauro Ribeiro (PCB), Rogério Bernardo (PMB), Magno Malta (PR), Célia Tavares (PT), Fabiano Contarato (Rede) Ricardo Ferraço (PSDB) e Marcos do Val (PPS). As eleições estão marcadas para o dia 7 de outubro.

FOTO: JANSEN LUBE

BENÍCIO SANTOS é criticado pelos Sindicato dos Servidores da Saúde da Serra

ca por meio de OS. Este tipo de gestão é bastante difundida no Brasil, e já foi adotada por diversos municípios e estados, inclusive no ES”.

Após a conclusão dos estudos, será deliberado pelo compartilhamento ou não. A previsão é que os estudos sejam concluídos em até 30 dias.

Rejeitado por todos, PT foca em federal e palanque nacional Isolado no processo de coligações partidárias, o PT capixaba acabou lançando uma chapa puro sangue com Jackeline Rocha na cabeça e o advogado serrano, Cléber Lanes na vice-governadoria. Agora o objetivo principal do partido é conseguir superar o coeficiente eleitoral e eleger um deputado federal. Questionado sobre esse isolamento, Cléber Lanes diz que foi reflexos da conjunturanacionaledoperfildeeleitorado conversador do ES. “Tem um leque de partidos aqui no ES que têm perfil mais conservador; tudo isso levou a esse estado de isolamento. Casagrande foi quem apresentou veto à presença do PT na chapa majoritária com eles, alegando que o partido carregava uma rejeição muito grande. Disse que o projeto dele era de juntar vários segmentos ideológicos diferentes e que havia veto à presença do PT por vários motivos, inclusive políticos, porque o PT levava candidatos competitivos para a Câmara dos Deputados”, revela Lanes.

Com o veto de Casagrande, Cleber diz que o PT buscou a senadora Rose de Freitas, mas que os partidos que a apoiavam não permitiram a entrada do PT. “Com a Rose o veto não foi dado por ela, e sim, pelos partidos com os quais o PT teria que fazer alguma perna eleitoral. Então não restou pra nós outra alternativa aqui no Estado. Como a gente precisa ter o palanque para o projeto nacional, o PT optou por última hora de apresentar nomes alternativos”, disse. foto: divulgação

cleber lanes é candidato a vicegovernador em chapa do PT


P4 | TN | SERRA (ES), 10 a 17 de agosto de 2018 |

política

“O Estado não precisa de senador pedinte em Brasília” FOTO: GABRIEL ALMEIDA

yuri scardini

C

om experiência de 11 anos no Banestes, professor da Ufes e dono de empresas de educação e tecnologia, Aridelmo Teixeira (PTB), ou professor Aridelmo, como gosta de ser chamado, bateu o pé e manteve sua candidatura a governador do ES. Isolado no campo partidário, ele se diz o ‘novo’ na política capixaba, defende o Governo Hartung, da qual fez parte. Além disso, Aridelmo acredita que será possível romper o “recall” do que ele chama de “candidatos tradicionais” e se eleger. Confira:

[TN]Sua candidatura veio na estei-

ra da desistência de Paulo Hartung (MDB). Será você a fazer a defesa do legado de Hartung?

[aridelmo teixeira] Estamos cons-

truindo esta candidatura tem mais de dois anos. Eu sou executivo, faço planejamento para 4,5,6 anos a frente. Um dos cenários que tínhamos era o Paulo não ser candidato e nesse caso, teríamos uma candidatura nossa. Aqueles que se mostraram surpresos é porque não trabalham com planejamento, plano A,B,C e D. Agora, é pra defender o legado do Paulo? Quem faz isso é o povo. Por exemplo, o legado dos quatro anos do Casagrande foi negado pelo povo, não deram continuidade pra ele. Mas as relações desse grupo político são com Hartung? Tem práticas que o Paulo executou que são extremamente úteis pra sociedade principalmente para as classes menos favorecidas. Porque às vezes você é levado a entender que o equilíbrio fiscal não tem nada a ver com o povo. Lógico que tem, porque toda vez que o Estado se desorganiza quem paga é o pobre. Escola, posto de saúde o serviço público, nada funciona. O Estado estar com as contas em dia é a melhor política pública para as classes mais baixas. Esse legado e outros, a gente não abre mão. Quais outros, por exemplo? É um erro descontinuar um projeto que é bom simplesmente pelo fato de ter sido iniciado pelo outro governo. Casagrande, por exemplo, falou que a Escola Viva é marketing. Se você pegar o Ideb, com Casagrande estava em 3.3 em uma escala de zero a dez. Hoje está em 4.1, crescimento de 33%. Há dez anos isso não saía do lugar. É possível enfrentar essas candidaturas tradicionais e conhecidas? O eleitor quer uma pessoa que esteja fora do meio político, mas que tenha competência e responsabilidade social e é isso que representamos. Essa é minha bandeira. Mas esse anseio da população não se transformou em números

aridelmo diz que União retorna 11% do que o Espírito Santo manda a Brasília

nas pesquisas eleitorais... Culpa do recall. Se você perguntar para alguém sobre refrigerante, ela vai falar Coca Cola, mas se você pergunta ‘você toma Coca Cola? A pessoa vai responder: ‘tomo Guaraná’. É a mesma coisa na política. São duas batalhas, a primeira foi conseguir ser candidato, porque nenhum político tradicional gostaria que a minha candidatura aparecesse. Fomos assediados de tudo que é jeito, mas nos mantivemos. Qual é a próxima agora? É conseguir olhar no olho do eleitor para que ele nos conheça com profundidade. Então a primeira batalha é contra o sistema eleitoral e a outra contra o recall.

O ES tem uma vocação adormecida, que é o turismo, que está implorando para ser explorado. Mas, historicamente, a violência atrapalhou isso, e agora temos condição de dar a volta por cima. Outra coisa é aproveitar a Sudene no norte do ES e trazer plantas mais arrojadas. Estamos de frente para o mar e na metade do Brasil, e como estamos operando isso? Com logística de 40 anos atrás. Por exemplo, na Serra do Tigre lá em Goiás poderia fazer uma conexão com a estrada de Ferro Vitória Minas e conectar toda a região do Centro Oeste para escoar a produção do Agronegócio, criando um corredor do Centro Oeste, passando por Minas e chegando aqui.

Como fazer campanha com apoio de apenas dois partidos? Casagrande tem 18 partidos. Para pendurar essa turma ele vai precisar de 30 secretarias. Sendo que a bem da verdade, umas 9 já seriam suficiente. Se a sociedade votar em mim eu só vou ter compromisso com o meu eleitor; e não preciso dar emprego pra ninguém. No primeiro dia que eu assumir, no mínimo 50% das secretarias vão ser cortadas. Pra onde vai o dinheiro? Pra Educação e para acabar com as filas pra exame médico, que é um carma.

Como contornar esse isolamento político do ES em Brasília? O ES não precisa de senador pedinte em Brasília. Nossa bancada não se impõe. Precisamos de uma bancada independente. A gente recebe de investimentos da União 11% do que a gente manda pra lá. E os estados do Nordeste recebem 20 vezes o que mandam pra União, porque os caras gritam, trabalham em bloco, nós não aprendemos a fazer. Já que não temos volume, precisamos ter liderança.

Quais são os caminhos para o ES depender menos das commodities e dos projetos tradicionais? Temos que trabalhar para que a nova indústria chegue. Para isso temos que melhorando o ambiente de negócios com simplificação e garantia de regra e investir em qualificação educacional, é assim que a gente vai diversificar. Que tipo de simplificação? Tributária, de legalização; de acompanhamento, instalação. É inadmissível que uma planta venha pra cá e demore quatro anos pra receber uma licença. E quais seriam essa ‘novas indústrias’?

Quais são as propostas específicas para a Serra, que sofre com a violência e a pobreza? O jovem é a principal vítima. E por que disso? É a falta de expectativa de vida. Só é possível mudar isso com Educação. Qual a minha promessa? Ao final dos quatro anos, qualquer jovem da Serra que queira, terá uma vaga em uma escola de qualidade. O que é escola de qualidade pra traduzir? Aquilo que agrega valor na vida dele. O que nós temos que acabar? Com o alvo. Todo mundo que saiu da escola antes do final do ensino fundamental ele vira alvo. Como eu elimino o alvo? Dando expectativa de vida pra ele numa escola.

palanque jornaltemponovo@gmail.com

Família em primeiro lugar

Nos bastidores comenta-se que o deputado federal Sérgio Vidigal (PDT) ficou insatisfeito com o PSDB, após a negativa dos tucanos de coligar com o PDT na chapa de deputado estadual. Isso porque, Sueli Vidigal, esposa de Sérgio, será candidata e ela teria mais condição de eleição se coligada com o PSDB. Mas, ao que indica, essa junção representaria um risco para a chapa tucana, que poderia servir apenas de trampolim para eleger a maioria do PDT. Com isso, o PSDB não quis sacrificar seus candidatos e acabou fechando aliança com o PSC. Agora, pergunta-se: Na última hora Vidigal resolveu incluir Sueli como candidata, o que gerou desconforto em alguns aliados que contavam com o apoio dele, e ainda se deu ao luxo de achar ruim com os dirigentes do PSDB por não ‘vender’ seus candidatos em detrimento a Sueli. Lembrando que essa chapa do PSDB e PSC pode eleger dois grandes aliados de Vidigal: Vandinho Leite (PSDB) e Pastor Aílton (PSC). Mas nem isso amoleceu o coração de Vidigal, que ainda parece priorizar seus familiares. Em tempo: restou para o PDT um chapão com PSD, DEM e PPL.

Pacto do mesmo sangue

Falando no PDT, o vereador e líder do partido na Câmara, Nacib Haddad, deve apoiar Sérgio Vidigal para deputado federal, mas já firmou compromisso com Marcos Madureira (PRP) para estadual. Junto com Nacib tem uma penca de vereadores que farão o mesmo, incluindo o presidente da Câmara, Rodrigo Caldeira (Rede). Madureira participou nos bastidores da eleição da Mesa Diretora que elegeu o grupo de oposição, e agora ele será o candidato desse mesmo grupo para deputado estadual. Precisa desenhar? Em tempo: até mesmo o líder do prefeito Audifax na Câmara, Luiz Carlos Moreira, vai apoiar Madureira.

Contas da Rede

As negociações partidárias para o fechamento das coligações foram duras. Muito perde-ganha e reviravoltas. A Rede Sustentabilidade do prefeito Audifax Barcelos foi um exemplo. Ameaçou até lançar chapa puro sangue, mas depois voltou atrás. Na avaliação de alguns redistas, a chapa para federal ficou boa, com Rede, MDB, Podemos, Patriota e PMN. Nesse arranjo, acredita-se que é possível fazer 2 candidatos, sendo que Guto Lorenzoni (Rede) poderia se eleger. Já na estadual, a situação é mais complicada para serranos da Rede. O Partido ficou com PMN, Podemos, PRTB e Patriota. Estima-se que essa chapa possa fazer 3 deputados, sendo que já há mandatários, como os deputados Rafael Favatto (Patriota), Janete de Sá (PMN) e Marcos Bruno (Rede). Em tese, candidatos como Alexandre Xambinho, Roberto Carlos e Eucimara Rangel vão precisar superar um desses três deputados citados.

Ativista quer ser deputado

Empresários capixabas se reuniram nesta quarta-feira (08) para o lançamento da candidatura a deputado estadual do serrano Thiago Carreiro (PTB). O evento aconteceu no hotel Serra Grande. Contou com a presença do candidato a governador Aridelmo Teixeira (PTB), além do candidato Serjão Magalhães (PTB), que vai disputar uma vaga na Câmara Federal. Thiago é empresário formado em Administração de empresas, e Tecnologia da Informação, morador de Jacaraípe, atua no Movimento Empresarial e Presidiu por dois anos o Conselho de Segurança Pública da Grande Jacaraípe e Manguinhos, onde segundo ele, enfrentou de perto os efeitos e as causas da violência e exclusão social. No currículo ele ainda destaca ter sido um dos idealizadores do grupo de transparência pública Monitora Serra, que acompanha o Legislativo municipal.


Meio Ambiente

| SERRA (ES), 10 a 17 de agosto de 2018 | TN | P5

Vale diz que vai reduzir de 2.730 para 195 ton/ano de pó preto que lança no ar FOTO: DIVULGAÇÃO AGÊNCIA VALE

bruno lyra

A

Vale anunciou esta semana que vai investir R$ 1.27 bilhão para reduzir de 2.730 toneladas/ano para 195 ton/ano de pó preto na Grande Vitória, passivo ambiental que afeta saúde e patrimônio dos moradores há décadas. Segundo a mineradora, a meta é reduzir 93% do pó da movimentação de minério em Tubarão até 2023. E apesar de uma das tecnologias anunciadas prever canhões com aspersão de água sobre as pilhas de pelotas de minério, a empresa não revelou se irá usar mais água do que atualmente consome do rio Santa Maria, manancial que atende a maior parte da Serra e zona norte de Vitória. Segundo a assessoria de imprensa da Vale, as obras para as instalações de novos equipamentos de controle do pó devem gerar 1, 5 mil empregos. Todos temporários. As vagas serão nas áreas de mecânica, montagem, caldeiraria, soldagem, carpintaria, elétrica, entre outras. Serão construídas mais barreiras de vento (que empresa chama de wind fance) numa extensão de 6,5km. Cerca de 40 km de correias

empresa afirma que vai instalar canhões de água para formar névoa e reduzir pó preto lançado no ar e mar, dentre outras medidas

transportadoras serão tapadas para evitar queda de minério e arraste pelo vento, problema recorrente e que já levou até o embargo da empresa pela Justiça Federal por 5 dias em 2016. Os sistemas de transferência entre uma correia e outra também serão tapados, num total de 1,2 mil unidades. Haverá também instalação e adequação de sistemas de limpeza

dessas mesmas correias. A empresa também falou que irá usar um produto químico à base de celulose para jogar sobre as pilhas de minério. Em 2008, por ocasião de sua expansão, a Vale anunciara aos capixabas o uso de um material viscoso de base plástica, o polímero, para papel semelhante. Questionada sobre o controle do carreamento dessa tecnologia da

celulose para lagoas, córregos e mar entre Vitória e Serra, a assessoria da mineradora se limitou a informar que a substância é a mesma usada no porto de Roterdã, Holanda, para o mesmo fim. Outra obra anunciada é a instalação de três canhões de água para formar uma névoa sobre as pilhas de minério. Questionada se isso geraria maior consumo de água do rio que abastece a Ser-

ra, o Santa Maria, a Vale não respondeu. No entanto disse que vai tratar a água suja que corre das pilhas de minério de ferro, e dos terminais de carvão mineral e de grãos e fertilizantes. Na semana passada quem anunciou investimentos da ordem de R$ 574 milhões para reduzir o pó preto foi a siderúrgica ArcelorMittal Tubarão, co-irmã da Vale. Porém com meta mais modesta, de reduzir 16% em até 2023 do pó preto que emite. A obra vai gerar mil empregos e, assim como os da Vale, todos temporários. As ações das duas gigantes de Tubarão fazem parte de um acordo que está sendo costurado entre Ministérios Públicos Federal e Estadual, Prefeitura de Vitória, Governo do Estado. É o Termo de Compromisso Ambiental (TCA), que ainda não foi assinado. A Serra não participa.

Serra pode receber rejeitos de minério Uma das ações previstas no TCA é a retirada do pó de minério que a Vale lança há 50 anos nas areias da praia de Camburi. E esse material pode vir para a Serra. No início deste ano Tempo Novo noticiou, com exclusividade, que o rejeito pode ser jogado numa área da administrada Marca Ambiental aos pés do Mestre Álvaro, no bairro Pitanga. Inclusive o local já tem licença do Instituto Estadual de Meio Ambiente (Iema) desde outubro de 2017 para receber os resíduos. No entanto o Marca Ambiental não confirma que irá receber o material no local. Mesmo assim a comunidade de Pitanga e de outros bairros do entorno está apreensiva e não quer o rejeito de Camburi. Segundo o Iema deverão ser 1.188 viagens de caçamba longa entre a praia e o destino escolhido, cada uma com capacidade de 30m3 cada. O órgão disse que serão cinco viagens por dia, o que deve estender os traslados por mais de sete meses. Questionado sobre o destino desses rejeitos na tarde da última quinta-feira (09) o Iema não deu informação. A Vale também não disse para onde vai o material.


P6 | TN | SERRA (ES), 10 a 17 de agosto de 2018 |

Economia

Metalmecânicas do município fornecem para indústrias de todo o país FOTO: divulgação

Clarice Poltronieri

O

setor metalmecânico é um dos mais expressivos da Serra, cidade que concentra 129 empresas e gera 38% dos empregos do segmento no Estado. Nesta semana a cidade recebeu a Mec Show, principal feira do setor e Tempo Novo conversou com coordenador do evento e presidente do Centro Capixaba de Desenvolvimento Metalmecânico(CDMEC),DurvalVieira de Freitas. Ele expôs a situação atual e os rumos do setor.

[TN]Qual estimativa de negócios durante a Mec Show?

[durval vieira de freitas] Houve rodada de negócios coordenada pelo Sebrae com 21 empresas compradoras e 80 fornecedores. Também houve rodada de demandas da Petrobras com painel offshore e sessão onshore. O estado produz 400 mil barris de petróleo por dia, sendo 95% no mar e 5% em terra. Esses 5% dão muita oportunidade, pois há mais demanda de mão de obra e de equipamentos mais simples. Mas ainda não temos números.

Quais novidades foram apresentadas na feira? Painel de quatro startups falando das dificuldades e superação. Três robôs que atuam em profundidade no mar, os expostos atingem até 300m, mas estão sendo trabalhadas tecnologias para chegarem a 3 mil . Óculos de realidade virtual simulando uma plataforma de petróleo. Esse é nosso grande objetivo na Mec Show, levar conhecimento. E permitir que se façam negócios de maior valor agregado. São quantas empresas do setor no ES e na Serra? No ES são cerca de 1,3 mil empresas que geram 25 mil empregos diretos e 100 mil indiretos. Representam de 17 a 20% do PIB do ES. Na Serra, são 129 empresas fornecedoras diretas da Arcelor, Vale e Petrobras. A estimativa é de 30 funcionários por empresa. Não entram contagem pequenas empresas como serralherias que fazem grades e portões para residência, por exemplo. Embora estas sejam de metalmecânica, a contabilidade é das empresas que fornecem ou prestam serviços as grandes indústrias.

durval disse que a Serra precisa avançar na qualificação profissional, logística, infraestrutura de água e energia, além da mobilidade para que o setor possa alçar novos voos

Quais potenciais e gargalos no município? O setor não é mais um fornecedor local, mas do mercado brasileiro de siderurgia, mineração, celulose, petróleo e gás. Precisa trabalhar mais desenvolvimento de mercado. Também há carência na qualificação de mão de obra, logística, infraestrutura (energia, água) e mobilidade. E o impacto da paralisação da Samarco no setor? Impactou muito principalmente na região sul, mas tem ressonância no estado todo. Há quem veja sinais de declínio do parque minero siderúrgico do ES e MG e a paralisação da Samarco e o declínio da Vale com a EF - 118 seriam dois deles. O senhor concorda? Como o setor metalmecânico deve se adaptar, que rumos? Não. Temos uma reserva mineral muito grande. Esses impactos infelizmente causaram mortes que nos deixam muito tristes, mas por outro lado eles exigem do setor novas tecnologias e que vão trazer bons resultados. Isso está sendo estudado para melhorar a segurança, o respeito ao meio ambiente. Lá mesmo no Pará foi feito um projeto para 90 milhões de toneladas de minério, que é todo a se-

co (S11D), e tem possibilidade de mercado e recurso. Quanto à ferrovia, é um problema nosso, depende da nossa luta. Se nós ficarmos calados, eles passam por cima da gente sorrindo. Investimentos anunciados por Vale e Arcelor para conter poluição devem gerar qual volume de negócios e empregos no setor? A Vale falou em R$1,3 bi de investimentos e 1,5 mil empregos na obra; Arcelor, R$700 mi e 1mil empregos, e mais de 70% serão voltados à metalmecânica. Quase 2 mil só na obra. Na fabricação você considera mais um tanto, totalizando algo como 3 mil diretos. Mas temos que trabalhar para conquistar isso, senão vai para fora. Depois do baque na Petrobras, como andam os negócios com o setor de petróleo do ES? Chegamos a fornecer para a as operadoras, que não é só a Petrobras, negócios da ordem de R$4,1 bilhões por ano. Por conta das quedas nos investimentos, esse valor caiu 25% em 2017. Trabalhamos para recuperar os valores de 2015. Mas novos players estão entrando e estão prevendo R$60 bilhões de investimento no ES nos próximos cinco anos, sendo 70% ligado a petróleo e gás, indústria naval e portuária.

Ensino à distância ganha espaço e aos poucos rompe preconceitos Com as novas tecnologias e a internet, uma tendência crescente nas faculdades do estado e do país é a Educação à Distância (EaD),que em algumas faculdades chegou a quadruplicar o número de alunos em 2017. Mas se ainda há preconceito no mercado de trabalho, ele vem sendo quebrado aos poucos à medida que essa modalidade de ensino vai ganhando mais adeptos. Moradora de Maringá e estudante do 7° período de Serviço Social, Milleide Oliveira Leandro percebe ainda esse preconceito. “Ainda percebo um preconceito. Comecei em curso presencial, mas consegui bolsa em EaD e tenho achado mais prático. Até o momento, só fiz o estágio obrigatório e trabalho em outra área, mas acredito que para quem é esforçado não falta oportunidade. Minha mãe mesmo estudou graduação e pós graduação em História via EaD e hoje é diretora pedagógica em uma escola particular”, aponta. Renata Barcelos, de Barcelona, fez faculdade à distância porque precisava cuidar dos filhos e hoje preside uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscip) que criou com amigas, a Interfami. “Comecei um curso presencial, mas com dois filhos pequenos era mais barato e prático a EaD. No estágio obrigatório da faculdade Pedagogia me envolvi com a situação dos alunos das escolas públicas do bairro e junto com amigas criamos a Interfami com um ano de curso.

Depois de formada conciliei a Oscip com trabalho em escolas da prefeitura e dei aula em curso de pós-graduação, mas no momento me dedico somente à instituição. Estudar à distância demanda disciplina e dedicação”, lembra. O diretor da Super Estágios, empresa que encaminha estagiários para o mercado de trabalho, Luciano Milanez, afirma que alguns empregadores ainda têm preconceito, mas levanta os pontos positivos do estudante em EaD. “Há casos raros de empresas que não querem esses estagiários. A percepção é de que tem aumentado muito esse tipo de estudante e de que, quando avança com o curso, é mais disciplinado e organizado. Há muitos nos cursos de Administração, Comunicação e licenciaturas. Já cursos como Engenharia, Informática ou outros com mais demanda de laboratório, as empresas não querem estudantes de EaD”, revela. Um dos coordenadores da EaD da faculdade Pitágoras, José Edson Mora, diz que 100% dos alunos de licenciatura entram no mercado de trabalho. “Esses alunos já conseguem estágio remunerado nas prefeituras a partir do 3º período e 100% conseguem contratos depois de formados. A demanda pela EaD cresceu 400% em 2017 e a tendência é ter oferta de mais cursos, tanto na graduação quanto na pós. No polo de Linhares, por exemplo, cresceu a procura por Agronomia e Nutrição” FOTO: FÁBIO BARCELOS

RENATA BARCELOS f ez curso de Pedagogia à distância e passou a atuar como professora e gestora de entidade dedicada a reforço escolar


| SERRA (ES), 10 a 17 de agosto de 2018 | TN | P7

Cultura e Lazer

Festa dos sabores e dos sons em festival no Parque da Cidade FOTO: FÁBIO BARCELOS

Ana Paula Bonelli

C

arnes, hambúrguer artesanal, empadas, churros, massas, batatas, açaí e ainda muita música, bebidas, brincadeiras, artesanato e empreendedorismo. Tudo isso junto e misturado no Parque da Cidade em Laranjeiras. É que o local será palco do Festival de Inverno que segue até o domingo (12), Dias dos Pais. A entrada é gratuita em todos os dias de evento. O Festival vai reunir diversos food truck’s e foodbikes do Estado. Contará também com cervejarias artesanais, além de vários sorteios. Na sexta (10) e no sábado (11), o evento começa às 17 horas. Já no domingo (12), o festival terá início às 15 horas. A trilha sonora na sexta-feira começa a partir das 18h e 30 com a dupla Amarad’zaia com seu MPB, reggae e pop rock nacional. Na sequência, sobe ao palco às 21h Nano Vianna mandando ver no blues, rock e pop rock. Já no sábado (11), vai rolar rock no estilo anos 80/90 com banda L20, às 19h30. No domingo (12), às 17h30 é a vez da dupla Peu Jor e Kako Tovar com música variada. Fechando o Festival sobe ao palco às 21h Amaro Lima, um

O amor à Serra pelo olhos (e lentes) de Edson Reis Até o dia 23 de agosto estará aberta no Shopping Montserrat, em Colina de Laranjeiras, a exposição ‘Identidade’ do fotógrafo Edson Reis. São 50 fotografias feitas na Serra e que mostram o retrato da cidade por meio de manifestações artísticas, além de cenas do cotidiano e da natureza do município. Edson é um amante das belezas naturais da cidade e do folclore serrano. Congo, Mestre Álvaro, o Sítio Histórico do Queimado que tem as

ruínas da igreja de São José como testemunha de uma revolta de escravos, lagoas, praias, a Igreja de Reis Magos, São Benedito, padroeiro da Serra e ainda momentos fotos noturnas da Serra podem ser admirados na exposição. A visitação é gratuita e acontece todos os dias das 10h às 22 h (horário de funcionamento do shopping) no segundo andar, ao lado da escada rolante. O evento conta com apoio da Ambiental Serra e da Cesan. FOTOS: DIVULGAÇÃO

anderson d  a cerveja, Renata do churros, Kalil do búrguer e Teresa das porções

dos fundadores da banda Manimal. No repertório muito reggae, MPB e rockongo. O Festival também vai ter programação especial para os papais no domingo a partir das 15h. Na agenda tem massagens, cortes de cabelo e barba e sorteio de brindes. Para os comes, estão confirmados os trucks Rock Massa (carnes), King Kong (carnes), Chef Nenon (massas), Sergius (burguer), Road (burguer),

Vagamundo (burguer), Empório (empada), Te Quiero (churros), Mr. Frango (frango e batata), Angel’s (doce), Crepe Francês e Cia (crepe), Açaí do Mineiro (açaí), ToyTruck (brinquedos), Divando Por Aí (roupas e acessórios) e Kombeer (cerveja). As informações são de Léo Kbong, um dos produtores do Festival. A realização do evento é da Prospecta Produções e conta com apoio da Prefeitura da Serra.

Agenda cultural Foto: DIVULGAÇÃO

Foto: DIVULGAÇÃO

Foto: DIVULGAÇÃO

música ao vivo. Música popular brasileira, sertanejo e forró. Tudo isto vai rolar durante o mês de agosto no Villagio Limoeiro, em Jardim Limoeiro. E o melhor sem cobrança de couvert e o estacionamento é gratuito. Nesta sexta (10), às 19h, rola com a cantora Dalzy Sales (foto). No dia 17, Anderson D´Luka, 24, Eliester Soares e dia 31, Dalzy Sales. O Villagio fica na Avenida Norte Sul, próximo ao Sempre Tem.

Axé e forró. Com um repertório repleto de canções conhecidas do carnaval baiano, o cantor Marcus Rauta (foto) estará neste sábado (11), às 21 horas, no Hangar Gastro Bar, point badalado de Colina de Laranjeiras. A atração do bar na sexta-feira (10) é a músico Arthur Nogueira que estará no local se apresentando com sua banda AR3, com música variada. O bar fica na avenida Braúna, 1168.

roupa nova. Dia 1º de setembro, às 22h, o Steffen Centro de Eventos, em Jardim Limoeiro, vai receber a banda Roupa Nova, e quem for ao local vai curtir o show e ainda o buffet exclusivo e open bar que são liberados para o público. Os ingressos já estão à venda através do site do blueticket, na Jaklayne Joias e no Steffen, em Jardim Limoeiro. Custam R$ 200 (primeiro lote) com bebida e comida incluídas. Informações: (27) 3338-3009.

A EXPOSIÇÃO ‘Identidade’ possui 50 imagens do fotógrafo Edson Reis, que mora na região da Serra-Sede TRF PARTICIPAÇÕES S/A CNPJ 05.197.042/0001-88 NIRE 32300028683 Resumo da Ata de Assembleia Geral Extraordinária. Aos 20 (vinte) dias de novembro de 2017, às 15:00 horas, na sede, reuniram-se totalidade dos acionistas da companhia. Ordem do Dia: autorização dos acionistas a diretoria para assinar contrato de compra e venda de imovel. Ata registrada na Jucees em 19/03/2018 protocolo nº 187850500.

COMUNICADO INTER HOTEL LAZER E TURISMO LTDA - EPP, CNPJ 03.014.218/0001-93, torna público que está requerendo da SEMMA a Licença Municipal de Regularização (LMR) para Empreendimentos de hospedagem (pousadas, casas de repouso, centro de reabilitação, hotéis e motéis) instalados em área rural, inscrição Imobiliária numero 003.2.010.0226.001, situado na Av. Nossa Senhora dos Navegantes, n° 825, Bairro Jacaripe - Serra/ES.


P8 | TN | SERRA (ES), 10 a 17 de agosto de 2018 |

Geral

FOTO: GABRIEL ALMEIDA

pronto, flagrei

Envie suas sugestões pelos canais (27) 999 533 531 Jornal Tempo Novo

Camelódromo não ‘cola’ e só tem uma barraca aberta

Nelinho c om o artesanato que produz: único ambulante que sobrou no espaço recém-construído pelo município

Gabriel Almeida

O

camelódromo de Laranjeiras, alternativa criada pela Prefeitura da Serra para retirar os ambulantes das ruas do bairro, principalmente a Av. Central, está com apenas quatro baias ocupadas e apenas uma em funcionamento. Inicialmente disputado pelos ambulantes, o espaço inaugurado em dezembro do ano passado pelo jeito não colou. Enquanto isso, os ambulantes seguem nas ruas do bairro, desmontando rapidamente seus estandes a cada rodada de fiscalização. No galpão onde funciona o camelódromo, existem 34 baias. Elas foram ocupadas após sorteio, pois não havia espaço para todos os interessados. Mas à medida que instalaram suas barracas nas baias, os ambulantes foram per-

cebendo que era inviável trabalhar no local, que fica na rua Coelho Neto ao lado da Sede da Associação de Moradores do bairro. Josival Silva, conhecido como Nelinho, é o único ambulante que ainda insiste em trabalhar todo dia no local. “O camelódromo fica em um local afastado da avenida Central de Laranjeiras e foi muito pouco divulgado. A prefeitura demorou para colocar a placa de identificação e nós tivemos que improvisar e gastar dinheiro com a divulgação”, disse. Apesar das dificuldades Josival disse que pretende ficar no espaço. “Eu vendia cerca de R$ 400 por dia na rua, agora vendo cerca de R$ 100. É uma triste realidade, mas entre ficar na rua e perder a mercadoria, já que os fiscais estão todos os dias vigiando, prefiro ficar no camelódromo e vender menos. Com a nova chamada da

Prefeitura para outros camelôs irem para o galpão, tenho fé que as coisas aqui vão melhorar”, afirma. Caminho diferente fez a ambulante Dayane Silva. “Não tem movimentação naquele local e as vendas são muito difíceis. Entre ficar no camelódromo ou voltar para as ruas eu preferi voltar a vender nas ruas mesmo com o risco de perder a mercadoria. Pelo menos conseguimos vender alguma coisa”, explica. Dayane ainda disse que os fiscais estão passando duas vezes por dia. “Tem cerca de 30 dias que estão nessa rotina. Qualquer mercadoria que tiver na rua eles estão levando embora. Não sabemos para onde e nem para quem são destinadas as nossas mercadorias. Isso é um absurdo. Queremos trabalhar e a prefeitura não quer deixar. Não somos bandidos”, diz.

Prefeitura diz que não apreende mercadorias Desde quando foi anunciada a construção do camelódromo, o projeto vem gerando desentendimento entre os ambulantes e a Prefeitura da Serra. Segundo o presidente da Associação dos Camelôs de Laranjeiras, Anderson Keller, o galpão não foi feito de acordo com o projeto apresentado. “O camelódromo não é aquilo que a prefeitura nos apresentou no

projeto. Na verdade não parece nenhum pouco com aquilo prometido pelo município”, acusa. Através de assessoria de comunicação, a Prefeitura da Serra disse que construiu o camelódromo em um local de grande fluxo de pessoas. Disse ainda que em julho abriu um edital para vagas e no próximo dia 14 vai sortear os espaços entre os interessados. De acor-

do com o edital, só puderam se cadastrar os comerciantes ambulantes que atuam regularmente na Serra. A prefeitura foi questionada sobre as mercadorias que são recolhidas pelos fiscais. E afirmou que os fiscais não recolhem mercadorias. Disse ainda que a proibição para ambulantes não autorizados continua na Avenida Central de Laranjeiras.

Limpa e suja. Um lixão que se formou no meio da Avenida Carapebus em São Diogo II está atormentando a comunidade. O morador Asafe Magnago afirma que empresas da região estão jogando entulho e todo tipo de resíduo no local. A Prefeitura da Serra informou que o local já foi limpo, mas os infratores voltam a despejar entulho de forma ilegal. Disse ainda que uma nova limpeza no local será programada, mas não deu prazo.

Mais lixo. Um outro espaço que está sendo utilizado na cidade para descarte irregular de lixo é a praça que fica entre as ruas José de Alencar e Luiz Vaz de Camões em Laranjeiras. Moradores reclamam que o local está ficando cheio de lixo e pedem uma fiscalização da prefeitura para impedir esse tipo de ação. A assessoria de imprensa do município foi questionada, mas até o fechamento dessa edição não respondeu.

Com autorização pode? Um leitor do TN enviou uma foto que mostra um poste de iluminação cheio de anúncios fixados na Segunda Avenida. O popular reclama que a situação se repete em toda cidade e pediu uma explicação da prefeitura para saber qual penalização os vândalos recebem. A assessoria de comunicação da Prefeitura da Serra disse para a coluna que é proibida a fixação de cartazes em pontos de ônibus, postes e monumentos públicos, sem autorização prévia. A pergunta que fica é: será que com autorização pode?

@Participe com suas reclamações, flagrantes ou denúncias COMUNICADO CASO DO ÓLEO E ACESSÓRIOS, CNPJ n.º 22.736.063/0001-43, torna publico que REQUEREU da SEMMA, a Licença Municipal de Regularização - LMR, para a atividade de “Reparação, retífica ou manutenção de máquinas, aparelhos e equipamentos industriais e mecânicos diversos, inclusive motores automotivos, SEM pintura por aspersão, incluindo oficinas mecânicas.”, com inscrição imobiliária n.º 001.1.049.0050.001, na localidade de Rua Floriano Peixoto, n.º 91, Serra Centro, município da Serra - ES.

COMUNICADO “RECICLA SUDESTE SOLUÇÕES AMBIENTAIS LTDA”, torna público que requereu e obteve do Iema, por meio do processo n° 16.214, a LAU nº 046D/2018 para (coleta e transporte rodoviário de resíduos perigosos, exceto material radioativo e transporte interestadual), para atuar exclusivamente nas rodovias do Espírito Santo, estando sediada na localidade de Rua Rodrigues Alves, nº 44, Residencial Jacaraipe, mun. De Serra-ES.


Quando as unhas ganham ‘cara’ de obra de arte FOTO: FÁBIO BARCELOS

Ana Paula Bonelli

N

ão é novidade que a mulherada adora cuidar das unhas. Mas há mulheres que gostam tanto, que optam por técnicas mais apuradas que, em alguns casos, deixam a unha com ‘cara’ de obra de arte. Por isso, muitas manicures investem na sofisticação para atender as clientes, com uso de glitter, renda, desenhos de flores e outros, além de formatos diversos: quadradas, redondas ou no estilo bailarina (meio pontudas). Trabalhando há dois anos com unhas de gel, a nail designer Talita Neimoeg, tem seu próprio espaço em Barcelona, o salão Super Girls. “Toda minha renda vem das unhas de gel e a procura é bem grande. A comodidade dessa escolha é ter unhas bonitas por até 30 dias. Para quem não tempo de ir ao salão toda semana é o ideal”. O valor para ter unhas perfeitas gira em torno de R$ 105 e R$ 85 (aplicação e manutenção). “Flores e borboletas são os adesivos preferidos das minhas clientes”, conta Talita. Outra que investe no ramo é Janaina Andrade, de Parque Residencial Laranjeiras, que há três anos vem enfeitando as mãos das serranas com unhas de gel. “Há 12 anos faço a unha convencional e a de gel comecei a fazer há três anos. A minha renda vem toda desse trabalho. A procura é grande, mas como tem gente começando agora

Serrano que ignora limites agora prepara novo voo Flora Antônia

Oliver Beat, capixaba e morador de Jacaraípe, está na reta final de preparos para realizar um desafio que garantirá o seu sonho de voar. No próximo dia 11, pretende fazer a travessia de 1 km em uma lagoa em Colatina e como prêmio, irá ganhar um salto de paraquedas pela escola SkyDrive, em Guarapari. Oliver nasceu com Artrogripose Múltipla Congênita uma doença rara que atinge as articulações. Seus braços e pernas são atrofiados ele caminha ajoelhado. O jovem paratleta pratica esporte desde os 7 anos. Começou com o skate, depois foi para capoeira, passou pela natação e pelas lutas. Começou a trabalhar como modelo e acabou se afastando da prática esportiva. Mas após sofrer um pequeno acidente, viu a necessidade de voltar a ter uma rotina de exercícios. Hoje, aos 22 anos, além do seu tra-

balho como produtor musical, conta com o auxílio do Renan Lobo, também morador de Jacaraípe, para realizar os seus treinos. Renan, que é educador físico e atleta, possui o Canal Nossa Guerra, no YouTube, a onde há mais de 10 anos produz conteúdos relacionados aos esportes, trazendo visibilidade ao esporte capixaba e interação com atletas de referência nacional, como o skatista Sérgio Yuppie, tetracampeão mundial. Através do canal, a parceria formada a 7 meses, tem sido divulgada por uma série de vídeos que mostra a evolução, treinos e desafios anteriores realizados pela dupla. Oliver afirma estar ‘’ansioso com salto, sempre sonhou em voar, adrenalina é vida, é se sentir livre. Não existe barreira, não existe nada, além de mim e do meu consciente e de quem ta comigo no momento’’. Para acompanhar os próximos episódios desse desafio, acesse o Canal Nossa Guerra no YouTube! FOTO: DIVULGAÇÃO

talita N  eimoeg com a cliente Livi Evelin: unhas de gel decoradas com flores, borboletas e outras artes

e cobrando muito barato, algumas mulheres assustam com nossos preços. Como tenho experiência na área, quem já conhece o trabalho valoriza”, destaca. Janaina frisa que a unha de gel dura em média 25 a 30 dias e que esta é a vantagem. “Ficar o mês todo com a unha pintada e feitinha para qualquer ocasião. Já a convencional mal dura uma semana, porque o esmalte já começa a soltar”, explica. Os valores giram em torno de R$ 100 a primeira aplicação e R$ 80 a manutenção a unha de acrigel. “Também trabalho com a de fibra de vidro que é R$ 130 a primeira aplicação e R$

90 manutenção”. As decorações que chamam atenção de quem bate o olho nas mãos da mulherada geralmente são adesivos e algumas são feitas na hora com aplicação de glitter, fitilhos, rendinhas e outros penduricalhos. De Jardim Limoeiro, a designer Márcia Andria, também se dedica ao ofício e é dele que vem a ajuda para sustentar a família. “Trabalho há dois anos com unhas de gel e também faço a versão convencional.A procura é grande, as pessoas querem ter as unhas bonitas e a unha de gel proporciona isso as mulheres, unhas bonitas por mais tempo”.

Arraiá para ajudar menina com problema motor No próximo dia 17, acontece o arraiá “Todos Pela Nicole” que está sendo promovido por um grupo de mães para ajudar a menina Nicole Werneck, de sete anos, moradora de Parque Residencial Tubarão, que possui um atraso neuromotor e precisa de tratamento fora do Estado. O evento será a partir das 18h, em Parque Residencial Tubarão, no espaço “Mamãe que Banca”, que fica Avenida Roma 608. Desfiles com modelos infantis, barraquinhas, bazar solidários e sorteios de brindes fazem parte da programação. Para participar, é preciso pagar a quantia de R$10 e levar um prato típico. Todo o dinheiro será revertido à família de Nicole, que preci-

| SERRA (ES), 10 a 17 de agosto de 2018 | TN | P9

sa fazer uma viagem a São Paulo no dia 19, para continuar o tratamento. A organizadora é a empresária Elane Cardoso. Tia Elane, como é conhecida, é proprietária da Agência Mamãe que Banca, que trabalha com recreação infantil. Cristiane Werneck, mãe da menina, precisou abrir mão de um trabalho fora para cuidar da menina integralmente. Nicole anda e corre, mesmo que do jeito dela, ouve 100%. Ela ainda não fala, mas emite sons. “Preciso ir a um hospital em Bauru para uma cirurgia nos dentes e maxilar. Ela tem a boca muito pequena e temos dificuldade para escovação e outros tratamentos dentários”, explicou a mãe.

FOTO: DIVULGAÇÃO

nicole p  recisa de cirurgia nos dentes e maxilar em São Paulo

Oliver entre os amigos Renan e Thiago: desafios contados em vídeos no YouTube

COMUNICADO “TRANSMARKS TRANSPORTES E SERVIÇOS LTDA”, torna público que Obteve do IEMA, através do processo n° 9536, Licença Ambiental Única (LAU), para COLETA E TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS A GRANEL (COMBUSTÍVEL E DERIVADOS), EXCETO TRANSPORTE INTERESTADUAL na localidade de Civit II, Mun. de Serra - ES.

COMUNICADO VIVACE ENGENHARIA LTDA, CNPJ n°. 11.586.506/0001-40, torna público que OBTEVE da SEMMA, através do Processo n°. 56880/2017, as Licenças LMP 022/2018 e LMI 015/2018, para a atividade de Construção do Edifício Solar dos Bem-te-vis na localidade de Avenida Central, Gleba C2E, Colina de Laranjeiras, município da Serra – ES.


P10 | TN | SERRA (ES), 10 a 17 de agosto de 2018 | FOTO: divulgação/Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças

o mosquito anopheles n  ão é comum em área urbana, mas a Serra ainda possui zonas rurais e matas em seu território

Mais de 4 mil crianças vacinadas contra sarampo A Campanha Nacional de Vacinação contra sarampo e pólio começou na última segunda-feira (06) e o município já vacinou 4.450 crianças. Com isso falta vacinar 22,5 mil crianças. O número é da Secretaria Municipal de Saúde. Segundo o órgão, a vacinação continua acontecendo nas 38 unidades de saúde do município. Nas seis unidades regionais, Jacaraípe, Feu Rosa, Boa Vista, Serra-Sede, Novo Horizonte e Serra Dourada, a vacinação acontece das 7h30 às 16h30. Já nas 32 unidades básicas, a imunização vai acontecer de acordo com o horário da

Sala de Vacinação de cada uma delas. O morador deve ligar ou ir até a unidade para verificar o horário. O público alvo do município é de 27 mil crianças. Também haverá vacinação aos sábados, a imunização acontece nas seis Unidades Regionais de Saúde, das 7 às 17h, e na Unidade Básica de Parque Residencial Laranjeiras, das 7 às 12h. Vale lembrar que todas as crianças de um ano a menores de cinco devem se vacinar contra as doenças, inclusive as que já receberam a vacina anteriormente. A campanha segue até 31 de agosto.

Serra tem caso de malária, de mas risco de transmissão Associação Moradores é assaltada local é baixo, diz Saúde pela 3ª vez este ano Gabriel Almeida

M

esmo com um caso confirmado de malária na Serra em 2018, a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) afirma que o risco da doença ser transmitida na cidade e municípios vizinhos é extremamente pequeno. Porém, o município diz que a rede de saúde está preparada para diagnosticar e tratar doentes. O caso registrado na cidade foi em janeiro e segundo informações da assessoria de comunicação da Prefeitura da Serra, trata-se de um caso importado, ou seja, a pessoa se infectou fora do território da cidade. A assessoria de imprensa da Sesa não passou outras informações sobre o caso. Disse apenas que o município já reforçou junto com as unidades de saúde os procedimentos para pacientes com sintomas de malária e a necessidade de notificação imediata à Vigilância Epidemiológica. A prefei-

tura também realizou capacitações técnicas para profissionais realizarem o teste da doença em hospitais. O Espírito Santo já registrou mais de 100 casos de malária em 2018 e dois municípios da região noroeste do Estado estão em alerta com o surto da doença, são eles Vila Pavão e Barra de São Francisco. Na manhã da última quinta-feira (09), a Sesa liberou a informação que uma idosa de 82 anos foi diagnosticada com a doença no município de Vila Velha. De acordo com a secretaria, a paciente está sendo monitorada por 40 dias e já fez tratamento. Os dois últimos exames deram resultado negativo e mostraram que a doença está controlada. Esse foi outro caso importado, pois a contaminação foi em Vila Pavão. Referência Técnica da Malária da Sesa,omédicoAdeniltonCruzeiro,disseser “extremamente pequena” a possibilidade da doença ser transmitida na Grande Vitória. “O que interessa para nós é o lo-

Cidade perdeu 533 empregos em junho A Serra perdeu mais 533 postos de trabalho formais em junho. De acordo com dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), junho foi o segundo mês de 2018 em que o saldo considerando admitidos e demitidos ficou negativo. Junho fechou com 3.878 novas contratações e 4.411 demissões. Os setores com mais perdas nos postos de trabalho formais foram Comércio (-326) e Serviços (-253). Os dados, no entanto, não contemplam o trabalho informal, onde não há carteira assinada, que tem crescido. Mas apesar da queda, se considerado o primeiro semestre de 2018 o

saldo da Serra fica positivo. Até junho foram 27.783 novas admissões e 26.183 demissões, um saldo de 1.600 novos vagas formais. Em maio houve perda de 26 postos de trabalho formais (4.705 novas contratações contra 4.731 demissões), depois de quatro meses consecutivos em que o saldo ficava positivo. Considerando todo o Estado, o balanço de junho também foi negativo, perda de 1.562 vagas formais. Os setores com mais perda foram Indústria de Transformação (857) e Comércio (737). Mas no primeiro semestre o saldo capixaba fica positivo com criação de 5.715 postos formais.

cal de contaminação. O risco da doença chegar na Grande Vitória é extremante pequeno já que o mosquito transmissor não é comum em áreas urbanas. Toda a equipe médica do Espírito Santo está sendo alertada para que qualquer paciente que venha da região que está tendo casos, seja monitorado”, afirma.

Prevenção A malária é uma doença infecciosa febril aguda, causada por protozoários transmitidos pela fêmea infectada do mosquito Anopheles. A cura é possível se a doença for tratada em tempo oportuno e de forma adequada. Contudo, a malária pode evoluir para forma grave e para óbito. Segundo informações do Ministério da Saúde, não existe vacina contra a malária e a prevenção da doença pode ser realizada através do uso de mosquiteiros, roupas que protejam pernas e braços, telas em portas e janelas e repelentes.

A Associação de Moradores de Jardim Limoeiro, na Serra, foi arrombada mais uma vez na madrugada da última terça-feira (7) por volta das 2h40. Desta vez, os vândalos não levaram nada, mas destruíram muita coisa. “Só este ano é a terceira vez que passamos por essa situação. Reviraram tudo”, conta Gilmar Nogueira, presidente da comunidade. Gilmar disse ainda que no ano passado levaram micro-ondas, pandeiro, quebram paredes e arrombaram a porta. “Nosso Centro Comunitário é simples, não tem nada. É aberto a todos, não cobramos nada. Quando essas coisas acontecem fica um sentimento de impotência, revolta, desespero, raiva, e misericórdia para quem comete atos assim”. A creche do bairro também sofre com os arrombamentos. “Arrombaram a grade da creche e o alarme

disparou, inibindo de levarem bens materiais. Os suspeitos deixaram para traz uma sacola de roupas que tiraram do Centro Comunitário”, conta. A reportagem entrou em contato com a Polícia Militar (PM) que disse que não registrou nenhum arrombamento na noite do dia 06 ou madrugada da terça-feira (07) em Jardim Limoeiro. Informou ainda que o bairro conta com policiamento preventivo diuturno. Ações de abordagens, cercos táticos e blitzes, que são realizadas diariamente no local, têm apresentado resultados positivos. A PM ressalta que é importante que a população colabore com o trabalho da polícia denunciando a ação de indivíduos que agem na região por meio do Disque-Denúncia (181) ou pelo disquedenuncia181.es.gov.br. O sigilo e o anonimato são garantidos.


Esporte Bote preparado para tomar a liderança do Real

FOTO: RAFAEL CHAVES

Thiago Albuquerque

O

jogo contra o Real Noroeste, às 15h, deste sábado (11), fora de casa, pode colocar o Serra Futebol Clube na liderança da Copa ES. Se vencer o duelo que acontece em Águia Branca o Cobra Coral somará nove pontos na competição, mesma pontuação do Real, mas terá saldo de gols melhor que o oponente na Chave A. Para isso, o tricolor conta com o faro de gol do atacante Rael, o Cruel, como é carinhosamente chamado pelos torcedores. O centroavante balançou a rede duas vezes na vitória de 2 x 0 sobre o Sport-ES na última rodada. O atleta não havia atuado na estréia do Serra, quando o tricolor bateu o Linhares por 3 a 1. Apesar da boa fase dele e do time, Rael projeta um jogo difícil. “Não é à toa que o jogo será reedição da final do Campeonato Capixaba deste ano (vencido pelo Serra), mas estamos treinando forte essa semana para sairmos de lá com um bom resultado”, frisa. Para o treinador Coral Charles Almeida, o duelo pode ser decidido nos detalhes. “O Noroeste vem muito bem na Copa ES, há anos vem se mantendo como um time competitivo nos torneios estaduais. Mas o Serra

NA ÚLTIMA o  Serra bateu o Sport ES por 2x0 em partida disputada no Robertão

vem nessa crescente, somos campeões do estado. Estamos com duas vitórias e será um jogo decidido em detalhes. Vamos focados e respeitando o adversário”, destaca. O tricolor serrano nunca foi campeão desta competição. Já o time do Real está em busca do tetracampeonato, sendo o maior campeão da Copa ES ao lado do Estrela. Outro jogo também movimenta a chave do Serra: São Mateus encara o Linhares, no Sernamby, casa do Pit Bull. Também no sábado às 15h.

Na Chave B, dois jogos acontecem também às 15h, deste sábado (11). No estádio José Olívio Soares, o Atlético -ES recebe o Vitória em jogo de líder e vide líder. Já a Desportiva, recebe o Castelo, no Engenheiro Araripe, em Cariacica.

| SERRA (ES), 10 a 17 de agosto de 2018 | TN | P11

Garoto de Serramar ‘poca’ no jiu-jitsu Estudante, 16 anos de idade e nhei me custou cerca de R$ 200 remuitos títulos conquistados no es- ais, só a inscrição. Fica difícil sair do porte. Gabriel Tatagiba Moreira estado para competir”, destacou o morador do bairro Serramar, em atleta. Nova Almeida é fera no jiu-jitsu e A despeito das dificuldades, Gajá ganhou até um título mundial da briel é obstinado Ele almeja seguir modalidade. carreira no jiu-jitsu, atuando como Em julho o atleta foi campeão competidor e também como profesda Copa do Mundo de Jiu-Jitsu, sor. “Pretendo ser o melhor do munrealizada em Vitória. Com ape- do e provar para as pessoas e para nas sete anos no esporte, Gabriel mim mesmo que consigo. Depois, também já conquistou três cam- fazer uma faculdade de Educação peonatos estaduais da Federação Física e abrir uma academia, onde eu Estadual de Jiu-Jitsu do Espírito possa ensinar o jiu-jitsu”, planeja. Santo(Fejjes), dois Brasileiros e um Sul-AmericaFOTO: DIVULGAÇÃO no. Ao todo, ele acumula dez medalhas, sendo sete de ouro,duas de prata e uma de bronze. Mas para ser campeão no tatame, também é preciso vencer as dificuldades financeiras. Embora conte, às vezes, com a ajuda de comerciantes locais, Gabriel tem participado de torneios sem patrocínio. A falta de recursos, aliás, pode afastá -lo do próximo campeonato internacional, que acontece em Curitiba neste mês. “Não disputo todos os torneiosporque não tenho condições. Mas se tivesse, iria em GABRIEL T atagiba é de Nova Almeida e todos. O Mundial que eu ga- acumula dez medalhas, sete são de ouro COMUNICADO A empresa Melhor Alimentação LTDA, Inscrita no CNPJ: 02.589.791/0001-62 torna público que requereu à SEMMA, através do processo nº 22709/2016, de origem referente à dispensa de licenciamento anterior, À LICENÇA MUNICIPAL DE REGULARIZAÇÃO - LMR, para a atividade de fornecimento de alimentos preparados preponderantemente para empresas, no endereço de inscrição imobiliária 010.7.002.0444.001, situado à Rua Adalto Morais da Silva, Nº 205, Civit II, Serra – ES. COMUNICADO BRUMAN COMÉRCIO E SERVIÇOS DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS LTDA. Inscrita no CNPJ nº 09.471.676/0001-38, torna público que requereu da Secretaria Municipal de meio Ambiente (SEMMA),a Licença de Regularização (LMR) para a atividade de Instalação Reparação, retífica ou manutenção de máquinas, aparelhos e equipamentos industriais e mecânicos diversos, inclusive motores automotivos, COM pintura por aspersão, incluindo oficinas mecânicas, com inscrição imobiliária 011.2.081.0372.001 na Rua Manoel Lopes, 01 Taquara II, Serra/ES.


P12 | TN | SERRA (ES), 10 a 17 de agosto de 2018 |

Leia a edição 1294 desta sexta-feia (10) na íntegra  
Leia a edição 1294 desta sexta-feia (10) na íntegra  
Advertisement