Page 1

Semanário da Arquidiocese de São Paulo ano 61 | Edição 3103 | 25 a 31 de maio de 2016

R$ 1,50

www.arquisp.org.br Luciney Martins/O SÃO PAULO

José Renato Nalini junto a membros da Ujucasp e a Dom Carlos Lema Garcia

Ujucasp confere Prêmio Santo Ivo ao jurista José Renato Nalini A União dos Juristas Católicos de São Paulo (Ujucasp) entregou na noite da quinta-feira, 19, o Prêmio Santo Ivo ao jurista José Renato Nalini, ex-presidente do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo e atual secretário estadual de Educação. Página 23

Dom Oscar Romero: beato dos valores do Evangelho

Página 13

Cardeal Odilo Pedro Scherer: ‘Bendigamos o Pai, o Filho e o Espírito Santo’ Página 3

Editorial Mensageiro da misericórdia, Papa irá à Armênia em junho Página 2

Espiritualidade Dom Julio: dar esmola é gesto de compaixão, não de desprezo

Luciney Martins/O SÃO PAULO

Página 5

Fé e Cidadania Cônego Manzatto: Ninguém sai de um diálogo como entrou Página 5

Comportamento Simone Fuzaro: Ensinar a gentileza aos filhos requer cultivá-la nas próprias ações Dom Odilo na Igreja Nossa Senhora da Paz, em missa pelo primeiro ano da beatificação de Dom Romero Visita da Alegria

Voluntários levam alegria e amor a enfermos internados Vestidos de palhaço e com roupas de médico, jovens voluntários vão regularmente ao Hospital Geral de Vila Penteado, levando descontração a quem está internado. Eles fazem parte da “Visita da Alegria”, uma ação de solidariedade e misericórdia, similar a de outros grupos pelo Brasil. Página 14

Aprovação da meta fiscal no Congresso é 1º desafio de Temer Página 10

Padre Rodrigo Pires comenta ações da Pastoral Universitária

Página 6

Brasil nos Jogos: Fernando Reis ergue 60 toneladas por dia Página 11

Página 15

Rita de Cássia, a ‘Santa dos Impossíveis’, é festejada na Arquidiocese Páginas 12, 17, 19, 20 e 22

www.toronto2015.org

A Igreja em todo mundo recordou na segunda-feira, 23, o primeiro ano da beatificação de Dom Oscar Romero, arcebispo de San Salvador, martirizado em 1980. “Ele morreu em função da sua fé, dos valores que professava e pregava para o seu povo, valores do Evangelho”, afirmou o Cardeal Odilo Pedro Scherer, em missa na Igreja Nossa Senhora da Paz.

Encontro com o Pastor


2 | Ponto de Vista |

25 a 31 de maio de 2016 | www.arquisp.org.br

Editorial

Francisco vai à Armênia

A

principal lente para observar o pontificado do Papa Francisco é aquela da misericórdia divina. Pensemos não só no Ano Jubilar da Misericórdia, mas também, por exemplo, na oração pela paz com líderes de Israel e Palestina; na reaproximação entre Estados Unidos e Cuba; nos históricos encontros com patriarcas do Oriente; na visita a um país em plena guerra, a República Centro-Africana; na sinodalidade e na unificadora exortação sobre a família, Amoris laetitia; na ênfase na questão migratória; nas inúmeras visitas a prisioneiros e doentes em todo o mundo. Também nessa linha deve ser observada a visita do Papa Francisco à Armênia, entre 24 e 26 de junho. Há muito tempo, ele gostaria de ter feito essa viagem. O ano passado marcou o centenário do genocídio dos armênios pelo Império

Otomano, no qual 1,5 milhão de pessoas foram mortas. Mas o Pontífice, que pretende alcançar as periferias geográficas e existenciais, ainda não pôde colocá-la em prática. Em parte, para evitar um impasse diplomático maior com a Turquia, país que já visitou e com quem a Santa Sé possui relações turbulentas. A Turquia não reconhece o assassinato massivo de armênios, que mancha sua história. Condena, inclusive, o uso da palavra genocídio, coisa que Francisco já fez sem titubear, chamando-o de “o primeiro genocídio do século XX”. Na ocasião, a Turquia removeu seu embaixador junto à Santa Sé por quase um ano. O holocausto armênio é reconhecido por 22 países do mundo, entre eles Itália, França, Alemanha, Rússia, Canadá e Argentina. Outros, como Estados Unidos e Israel, não utilizam a expressão genocídio.

De qualquer modo, as vítimas foram mortas de forma sistemática, violenta e estudada pelo governo turco, com a finalidade de extinguir um grupo étnico, entre 1915 e 1920. Devemos esperar, portanto, um abalo nas relações com a Turquia. Porém, o objetivo de Francisco não é provocar. Vale recordar que, na celebração do “martírio armênio”, em abril de 2015, o Papa enviou uma simples mensagem: “Não existe uma família armênia ainda hoje que não tenha perdido naquele evento algum dos seus caros. Realmente aquele foi o ‘Metz Yeghern’, o ‘Grande Mal’, como chamaram aquela tragédia”, afirmou. O “Grande Mal” será lembrado na viagem. O Papa visitará o memorial Tsitsernakaberd, em Erevan. Encontrará outros líderes cristãos do País. Será realizada uma oração ecumênica pela paz: a Armênia

vive em guerra com o Azerbaijão, que o Papa deve visitar em setembro. A disputa pela região de Nagorny Karabakh envolve também a Rússia e a mesma Turquia. Os representantes das igrejas cristãs assinarão uma declaração conjunta. O Cristianismo na Armênia tem sua origem ligada às viagens dos apóstolos Judas Tadeu e Bartolomeu, mas foi adotado oficialmente no ano 301. No contexto da misericórdia, do Deus que perdoa sempre, o Papa deve lembrar na Armênia o que chama de “ecumenismo do sangue”. Cristãos são perseguidos por serem cristãos e não por serem católicos, ortodoxos, protestantes ou anglicanos. Diz o Pontífice: “Hoje, o sangue de Jesus, derramado por muitos de seus mártires cristãos em várias partes do mundo, nos estimula, nos impulsiona, em direção à unidade”.

Opinião

Diálogo… Mas que diálogo? Arte: Sergio Ricciuto Conte

Klaus Brüschke Nestes tempos que o País atravessa, ouço da parte de tantos, preocupados com a polarização dos posicionamentos políticos e com a consequente cizânia, um apelo ao diálogo. Não conheço, todavia, quem, possuidor de sadias faculdades mentais, seja contrário ao diálogo e ao pluralismo de opiniões, inclusive políticas. Por que será, então, que isso nos custa tanto?! Talvez por acreditarmos o diálogo ser a arte de convencer nossos interlocutores da verdade de nossas convicções – amiúde desconstruindo os argumentos deles. Aliás, nosso modo de pensar ocidental é dualista e exclusivista. Aut-aut, diriam os antigos latinos: ou uma coisa ou outra… Trata-se de uma prática dialética que – com o perdão de Hegel – fica pela metade: na luta da tese contra a antítese, vence uma das duas, mas não se chega à síntese, que supera ambas. Ou talvez isso se deva ao fato de intuirmos tratar-se o diálogo de uma conversa civilizada sobre pensamentos divergentes, mas não sabemos como conduzi-lo. O grande Rubem Alves recomendava que frequentássemos “cursos de escutatória” para aprendermos a bem escutar – à diferença dos cursos de oratória, em que se aprende a bem falar. (Sugiro a leitura do sábio e saboroso texto a propósito, encontradiço na in-

ternet). Proponho que nos matriculemos em “cursos de diálogo”, cientes de não sermos destros nessa tão necessária arte. Encontrei a respeito uma “aula” no pensamento do filósofo espanhol Jesús Morán. Ele fala de alguns “princípios antropológicos” básicos capazes de evitar que o diálogo se torne “uma trágica ingenuidade, sonho e meta inatingível”. O primeiro princípio é que o diálogo não é mera conversa, mas rela-

ção profunda entre pessoas. Isso me faz reconhecer a dignidade de meu interlocutor e o valor de seu pensamento, que pode ser um dom para mim. O segundo princípio é que o diálogo requer silêncio e escuta – e aqui me remeto novamente ao texto de Rubem Alves. Precisamos aprender a escutar, e para escutar, precisamos aprender a cultivar o silêncio, o silêncio interior. O terceiro princípio é que, ao dialogar, “colocamos em risco” nossa visão das coisas, nossa

própria identidade. Ninguém sai incólume de um autêntico diálogo. Algo muda, ao mesmo tempo que é nele que encontramos nossa verdadeira identidade. O quarto princípio tem a ver com a verdade. “A verdade precisa sempre ser completada; ninguém possui a verdade, é ela que nos possui. Portanto, não se trata de relatividade da verdade, mas de ‘relacionalidade da verdade’ (Baccarini). ‘Verdade relativa’ significa cada um ter a sua verdade, válida somente para si. Já ‘verdade relacional’ significa cada um participar da verdade e colocar em comum com os outros a sua participação dela, que é uma verdade para todos”. Para sermos honestos, não é tão óbvia assim expressão de Panikkar: “De uma janela vê-se toda a paisagem, mas não totalmente”… O quinto princípio mostra que o diálogo “exige uma forte vontade. O amor à verdade leva-me a buscá-la e a desejá-la, e por isso me coloco em diálogo”, explica Morán. De acordo com o sexto princípio, só é possível dialogar entre pessoas autênticas, capazes do amor, do altruísmo e da solidariedade. E, por fim, o sétimo princípio afirma que a cultura do diálogo possui uma única lei: a reciprocidade. Como vemos, não faltam bons mestres dessa arte. Espero aprender alguma coisa com eles… Klaus Brüschke é membro do Movimento dos Focolares, ex-publisher da Editora Cidade Nova e articulista da revista Cidade Nova

As opiniões expressas na seção “Opinião” são de responsabilidade do autor e não refletem, necessariamente, os posicionamentos editorais do jornal O SÃO PAULO.

Semanário da Arquidiocese de São Paulo

Mantido pela Fundação Metropolitana Paulista • Publicação Semanal • www.osaopaulo.org.br • Diretor Responsável e Editor: Padre Michelino Roberto • Redator chefe: Daniel Gomes • Reportagem: Cônego Antônio Aparecido Pereira, Edcarlos Bispo, Filipe David, Nayá Fernandes e Renata Moraes • Institucional: Rafael Alberto e Fernando Geronazzo • Fotografia: Luciney Martins • Administração: Maria das Graças Silva (Cássia) • Secretaria de Redação: Djeny Amanda • Assinaturas: Ariane Vital • Diagramação: Jovenal Alves Pereira • Edição Gráfica: Ana Lúcia Comolatti • Revisão: Maria Aparecida Ferreira • Impressão: S.A. O ESTADO DE S. PAULO • Redação e Administração: Av. Higienópolis, 890 - Higienópolis - 01238-000 • São Paulo - SP - Brasil • Fones: (11) 3660-3700 e 3760-3723 - Telefax: (11) 3666-9660 • Internet: www.osaopaulo.org.br • Correio eletrônico: redacao@osaopaulo.org.br • adm@osaopaulo.org.br (administração) • assinaturas@osaopaulo.org.br (assinaturas) • Números atrasados: R$ 1,50 • Assinaturas: R$ 45 (semestral) • R$ 78 (anual) • As cartas devem ser enviadas para a avenida Higienópolis, 890 - sala 19. Ou por e-mail • A Redação se reserva o direito de condensar e de não publicar as cartas sem assinatura • O conteúdo das reportagens, artigos e agendas publicados nas páginas das regiões episcopais é de responsabilidade de seus autores e das equipes de comunicação regionais.


cardeal odilo pedro scherer Arcebispo metropolitano de São Paulo

A

Santíssima Trindade é o mistério central de nossa fé, pois trata-se da realidade do próprio Deus em quem nós cremos. Não fomos nós que achamos que Deus é desse jeito; nem foi a reflexão da inteligência humana que descobriu que Deus é assim: foi o próprio que se manifestou assim, especialmente através de Jesus Cristo, nosso Salvador. A filosofia tem dificuldades com essa concepção cristã de Deus, pois a razão humana não conseguiria explicar sozinha, de maneira convincente, como Deus pode ser uno e trino, ao mesmo tempo. O monoteísmo absoluto, como no islamismo, não consegue dar as voltas na igualdade das três pessoas divinas e conclui que os cristãos acreditam em três deuses. O politeísmo admite a existência de muitos deuses, com habilidades e dignidades diversas; por isso, aceitaria facilmente a existência de três deuses iguais, ou desiguais, em natureza e dignidade. Mas não é essa a fé dos cristãos, que são monoteístas e não acreditam em três deuses: Deus, para ser Deus mesmo, não pode haver mais que um só. Nem é preciso falar dos ateus, que negam a existência de um ou de vários deuses. Como foi que a fé cristã chegou à afirmação da fé em um só Deus em três pessoas divinas? No início do cristianismo, as controvérsias teológicas e doutrinais em torno da questão de Deus

Bendigamos o Pai, o Filho e o Espírito Santo! levaram séculos para serem esclarecidas e para isso foram necessários vários concílios ecumênicos, com muita teologia e também lágrimas. Depois dos apóstolos, os grandes pregadores, “Pais da Igreja”, tiveram que enfrentar esta questão: ou levar a sério o Evangelho de Cristo e a pregação dos apóstolos, ou fazer de conta que tudo continuava como antes de Cristo em matéria de conhecimento de Deus. Eles escolheram ficar com o ensinamento de Jesus e a pregação dos apóstolos. No Evangelho, Jesus apresentase como “Filho” em relação a Deus; e fala do Espírito Santo como “dom do Pai e do Filho”; dom em forma de pessoa, da mesma natureza do Pai e do Filho, sem ser um, nem outro? Como explicar que Jesus Cristo é o “Filho de Deus”? Como entender a sua relação com Deus Pai? E com a humanidade? Como não reduzir Jesus, filho de Maria, a uma mera aparência humana? Como não reduzir o Filho de Deus a uma criatura do eterno Pai? Como entender o Espírito Santo sem reduzi-lo a uma criatura de Deus, nem à “alma” de Jesus Cristo? Como explicar que Deus é um só e não são se trata de três divindades diversas? Como entender que cada um é distinto do outro, sem ser separado; que tem a mesma natureza divina, mas não a mesma ação divina? As questões não eram de pouca relevância, nem simples de resolver. Antes de tudo, partiu-se da afirmação de fé: Deus é assim, manifestou-se assim mesmo. Quem somos nós para prescrever a Deus

como pode manifestar-se? Ser ou não ser? Deus é maior que nós e não fomos nós que o inventamos: isso seria a pura idolatria. Nossa inteligência é a das criaturas e não pode ter a pretensão de abraçar por inteiro a inteligência do Criador. Os Padres da Igreja partiram do ato de fé e do acolhimento humilde do Deus, que se manifestou e se revelou aos homens tentando explicar o que podiam explicar. E isso está resumido no Creio e explicado no Catecismo da Igreja. A inteligência humana consegue falar muito sobre Deus; mas a totalidade do mistério de Deus permanece além da capacidade de nossa inteligência criada; não é inacessível, mas permanece como realidade luminosa e fascinante, como fonte inesgotável que as almas sedentas e sinceras buscam com avidez, alcançam pela contemplação e expressam pela arte, mais que pelas palavras. Por isso, afirmamos que a Trindade Santa é mistério sublime, sem limites, que nunca será compreendida plenamente com nossa capacidade limitada de conhecimento e expressão; é mistério inefável, que não conseguimos dizer com palavras; é mistério santo e adorável, diante do qual se inclina a cabeça e dobra-se o joelho, em humilde adoração; é mistério de amor, que nos envolve de misericórdia, graça e salvação, à qual nos entregamos sem medo de nos perder, pois nela temos vida em plenitude. Ao Deus único, trino na unidade e uno na Trindade, sejam dadas glórias, louvor e adoração, agora e para sempre!

| Encontro com o Pastor | 3

Crisma na Região Belém

Paróquia Santíssima Trindade

O Cardeal Scherer, arcebispo metropolitano de São Paulo, presidiu no sábado, 21, missa na Paróquia Santíssima Trindade, na Região Belém, concelebrada pelos padres Jefferson de Oliveira, pároco, e Rodrigo Freitas, vigário paroquial. Na celebração, o Arcebispo crismou mais de 80 jovens e adultos. (Com informações de Peterson Prates)

Na Área Pastoral Santíssima Trindade

Marcos Lucas Nascimento Silva

No domingo, 22, o Cardeal Scherer, arcebispo metropolitano, presidiu missa na Área Pastoral Santíssima Trindade, na Região Brasilândia, no bairro do Recanto dos Humildes. O Arcebispo destacou que os fiéis e suas famílias devem dar testemunho da fé católica, por meio do serviço ao próximo e do anúncio do Evangelho. Ao mencionar a festa da Santíssima Trindade, ele enfatizou: “Nós católicos cremos em um só Deus em três pessoas: Pai, Filho e Espírito Santo”. (Colaborou Marcos Lucas Nascimento Silva)

Tweets do Cardeal @DomOdiloScherer

20 – “Senhor, que abristes as portas do paraíso ao ladrão arrependido, que vos reconheceu como Salvador, não as fecheis para nossos irmãos que morreram”. 19 - 1Pedro 3,9: “Não pagueis o mal com o mal, nem ofensa com ofensa. Ao contrário, abençoai, pois para isto fostes chamados: para serdes herdeiros da bênção”. 18 - 1Cor 13,4-7 “A caridade é paciente, é benigna; não é invejosa, não é vaidosa, não se ensoberbece; nada faz de inconveniente...Suporta tudo...”.

agenciaeya.com.br

www.arquisp.org.br | 25 a 31 de maio de 2016

PENSOU EM SOM PARA IGREJAS, PENSOU EM LANDO. O SiStema de SOm adOtadO pela CATEDRAL DA SÉ, MOSTEIRO DE SÃO BENTO e váriaS OutraS igrejaS. LIGUE (19) 4062-0120 E AGENDE UMA vISITA TÉCNICA GRATUITA.

www.lando.com.br contato@lando.com.br


4 | Fé e Vida |

25 a 31 de maio de 2016 | www.arquisp.org.br

Liturgia e Vida

Você Pergunta

9º DOMINGO DO TEMPO COMUM 29 DE MAIO DE 2016

A graça é para todos ANA FLORA ANDERSON Nas últimas semanas, celebramos as grandes festas do ano litúrgico. A liturgia de hoje revela como esses grandes mistérios são a fonte de graça em tempos de solidão, miséria e infelicidade no decorrer da vida. A presença de Deus é sempre a base de nossa esperança. Na primeira leitura (1 Reis 8, 41-43), o Rei Salomão revela que Deus escuta a oração de todos os povos da terra e não somente as súplicas do povo de Israel. Deus, com mão poderosa, atende aos pedidos dos estrangeiros. Na segunda leitura (Gálatas 1, 1-2.6-10), São Paulo, dirigindo-se às comunidades isoladas nas montanhas da Galácia, faz lembrar que lhes

pregou o Evangelho de Jesus Cristo e elas o abraçaram com alegria. Agora, porém, seus integrantes preferem viver na segurança de leis, em vez de discernir o Espírito na Palavra de Jesus. O Evangelho de São Lucas (7, 1-10) reflete o mesmo espírito que vimos com Salomão. A terra de Jesus era dominada pelo exército do Império Romano. Porém, um dos seus oficiais pede uma cura a Jesus. O Mestre está no caminho da casa do oficial quando este faz um profundo ato de fé: “Senhor, eu não sou digno que entres em minha casa, mas ordenes com tua palavra e meu servo ficará curado”. Essa manifestação de fé em Jesus é até hoje lembrada em cada missa na hora da comunhão.

Atos da Cúria INCARDINAÇÃO NO CLERO DA ARQUIDIOCESE DE SÃO PAULO Em 10 de maio de 2016, o Emmo. Cardeal Odilo Pedro Scherer, arcebispo de São Paulo, declarou incardinado no clero da Arquidiocese de São Paulo o Revmo. Pe. João Inácio Mildner, em conformidade com o cân. 269 do Código de Direito Canônico. PRORROGAÇÃO DA NOMEAÇÃO E DA PROVISÃO DE PÁROCO Em 13 de maio de 2016, foi

prorrogada a nomeação e provisão de Pároco da Paróquia Santo Antônio, na Região Episcopal Ipiranga, Setor Pastoral Ipiranga, do Revmo. Pe. Renato Braga Junior de Sousa, até o dia 31 de janeiro de 2017. NOMEAÇÃO E PROVISÃO DE VIGÁRIO PAROQUIAL Em 12 de maio de 2016, foi nomeado e provisionado Vigário Paroquial da Paróquia São Kim Degun, na Região Episcopal Sé, Setor Pastoral Bom Retiro, o Revmo. Pe. João Jedong Kim.

Não gosto de ser acólita fora de minha comunidade. Está certo isso? padre Cido Pereira osaopaulo@uol.com.br

“Padre, eu só consigo servir em uma comunidade, em outras não me sinto bem... sou acólita”. Quem me diz isso é a Megam Fontinelli, que mora em Botucatu (SP). Vou conversar com ela. Megam, tudo bem, minha querida. Você se preparou para ser acólita, penso eu, nessa comunidade onde está. É normal que em outra qualquer você não se sinta bem. Em todo caso, se é que eu entendi bem a sua pergunta, se você é escalada para outras comunidades da paróquia, você não deve se recusar. Nós cristãos somos chamados a servir. Ser acólito é ser escolhido para ajudar nas celebrações. É um serviço muito bonito, porque nos coloca

pertinho de Jesus. Quando um acólito faz direitinho a sua função, ele está ajudando a comunidade a se encontrar com Jesus. O acólito tem que ter consciência de que entre muitos meninos e meninas, entre muitos jovens, ele foi chamado para servir ao altar. Os acólitos e coroinhas têm até um protetor, como você sabe. É São Tarcísio, um menino da sua idade que levava comunhão para os cristãos que estavam nas prisões romanas. Como ele era menino, os soldados não percebiam que ele levava a comunhão para os prisioneiros. Um dia, ele foi descoberto e morto. Por isso, ele é o protetor dos coroinhas e dos acólitos. Então, Megam, seja uma boa acólita onde Deus colocar você. Prepare-se bem para as

celebrações, sirva a sua comunidade e seja um exemplo para os outros meninos e meninas da paróquia. Sabe, Megam, eu acho que os coroinhas, meninos e meninas, os acólitos, os cerimoniários devem ser um exemplo para os outros, em casa, na escola, na comunidade. Não basta estar perto de Jesus no altar, é preciso ser amigo, amiga de Jesus. É preciso conversar com Ele. E é preciso ajudar no altar com piedade, com respeito. Que bom que você é acólita. Sirva com amor e alegria a sua comunidade. E se você de repente estiver numa outra comunidade, ofereça com generosidade a sua ajuda. Que São Tarcísio abençoe você e todos os coroinhas que estão lendo esta mensagem que passei a você.

EDITAL DE CONVOCAÇÃO Assembleia Geral Ordinária

A ASAAC – Associação de Apoio e Acompanhamento, de acordo com os artigos 12 e 15 inciso I de seu Estatuto, convoca os associados para sua Assembléia Geral Ordinária, que se realizará no dia 21 de junho de 2016, na sede da Entidade, localizada na Praça Clovis Bevilacqua, nº 351, 5º andar, conj. 501 - Centro, São Paulo, com a primeira chamada às 14h00, com cinquenta por cento mais um dos associados, e segunda chamada às 14h30 com qualquer número, de associados, quando estarão em pauta os seguintes assuntos: 1. Eleição da nova Diretoria, para o biênio de 2016/2018 2. Prestação de Contas 3. Relatório de Auditoria da Misereor 4. Apresentação do Balanço Geral de 2015 5. Assuntos gerais São Paulo, 24 de maio de 2016 Maria Enedina Nogueira de Mello Viola Vice - Presidente da ASAAC

Conheça as soluções pedagógicas pensadas para atender exclusivamente às necessidades das escolas católicas. Um jeito de ajudar a ampliar as possibilidades de trabalho de professores, facilitar a atuação do gestor e contribuir positivamente com toda a comunidade escolar.

Para conhecer as soluções do Integra Confessionais, solicite a visita de um consultor comercial: 0800 729 3232.

/FTDSistemaDeEnsino www.ftdse.com.br


www.arquisp.org.br | 25 a 31 de maio de 2016

Espiritualidade Esmola Dom Julio Endi Akamine

N

Bispo auxiliar da Arquidiocese na Região Lapa

a Bíblia, temos muitas passagens que nos exortam à prática da esmola. Você pratica a esmola? É a favor ou contra ela? A esmola é uma ação caritativa estreitamente ligada às obras de misericórdia corporais. Muitos hoje são contra dar esmolas e sustentam que seria melhor doar o dinheiro para organizações que possam tornar a ajuda mais eficaz. Ajudar as organizações de assistência social é uma coisa boa, mas simplesmente abolir a prática da esmola seria nos privar da oportunidade de um contato pessoal com os pobres. A esmola é um convite para fazer uma parada, para olhar nos olhos do pobre e oferecer-lhe algo de nós mesmos. A prática da esmola insere um pouco de compaixão em nossa imensa cidade que se desumaniza e se embrutece. É um gesto pequeno, mas é também um passo de amor, um aproximar-se afetivamente e pessoalmente daqueles que não são amados, não são queridos, não são desejados por ninguém. A prática da esmola nos coloca em contato com a miséria de nossa imen-

| Fé e Vida | 5

Fé e Cidadania Diálogo e diversidade sa Cidade. Encontramos muitos pobres nas ruas: doentes, solitários, desequilibrados, drogados, sem casa, sem afeto. É possível fazer algo por eles, mesmo que a miséria pareça imensa e invencível. A prática da esmola exige que a gente pare ao menos alguns minutos e que deixemos nos tocar no coração. Desse rápido encontro pode brotar a escuta, o envolvimento pessoal, a relação pessoal e personalizante com o pobre. Quanto eu devo dar de esmola? Será que bastam alguns trocados? Primeiramente, é preciso dar, junto com o dinheiro, amor, afeto e atenção. A esmola deve significar uma atitude de compaixão e não de desprezo ou de pena humilhante. Ter uma atitude de misericórdia é preparar um mundo melhor, mais humano para as próximas gerações. “Os pobres têm necessidade de uma boa palavra e não somente de alguns trocados. Dê, com o dinheiro, uma boa palavra... O pobre, quando erra, deve ser advertido, e não desprezado. E se nele não encontramos defeito algum, dever ser venerado” (São Leão Magno). O amor cristão não escolhe quem amar nem quem serão os amigos. Pelo contrário, o cristão ama os pobres que encontra no seu caminho. Podemos dizer que os pobres não têm somente direito de receber nossa ajuda, mas, sobretudo, nossa amizade e nosso amor. Outra regra que devemos seguir para saber quanto devemos dar de esmola é a regra de Zaqueu. Você se

lembra de Zaqueu, que era chefe de cobradores de impostos e muito rico? Ele não deu tudo aos pobres; deu o que decidiu com amor. A regra de Zaqueu é a regra da liberdade e do compromisso por amor. É a regra de quem é livre no amor, de quem é grato pela visita do Senhor. Por falar em Zaqueu, lembremonos, ainda, de que ao fazer esmolas, devemos cuidar também da origem de nossa doação. Em tempos de Lava Jato, é preciso recordar o que São Gregório de Nazianzo ensinava há 16 séculos e que continua atualíssimo. São Gregório de Nazianzo dirige palavras severíssimas aos que fazem esmolas com dinheiro injusto, furto de roubos e de corrupção: “Se o pobre descobrisse a origem da esmola que ofereces a ele, não a aceitaria, uma vez que isso significaria se nutrir das carnes dos seus irmãos e do sangue dos seus semelhantes. Ele te diria com grande sinceridade: não me alimentes com as lágrimas de meus irmãos”. Para os cristãos que querem ser misericordiosos como o Pai, os pobres não são um problema social para ser resolvido. Não! Para os misericordiosos, os pobres são uma questão de família: eles não são um fenômeno social, são irmãos. O primeiro passo para ser misericordioso é sentir o pobre não como uma tarefa de serviço social, mas como “sacramento de Cristo” (tive fome e me destes de comer; tive sede e me destes de beber...).

Cônego Antonio Manzatto Ultimamente faz parte da preocupação de muitos formadores de opinião o estado de beligerância cultivado na sociedade brasileira. E por isso se começou a falar em diálogo em todos os setores como algo, não apenas necessário, mas urgente. E assim é, de verdade. Mas diálogo não é canto de vitória de uns sobre outros. É outra coisa. Aliás, o tempo litúrgico que vivenciamos atualmente é propício para nos ajudar a pensar nessas coisas. Pentecostes, Santíssima Trindade e Eucaristia são, efetivamente, balizas seguras para pensarmos nossa compreensão eclesial, mas também social, e, portanto, definirmos também nossos comportamentos de agora. Em Pentecostes, lembramos a ação do Espírito Santo que une na unidade a diversidade de dons, carismas e pessoas que formam a comunidade. Sua ação no mundo é compreendida no modelo de sua ação na Trindade, unindo na igualdade do amor as distintas pessoas divinas. E por isso, podemos compreender a Trindade como modelo e fonte de nossa Igreja que quer ser comunidade. Na verdade, é assim: a Trindade é modelo de comunidade para nós, e por isso, formamos comunidade, inspirados no jeito de ser de Deus, que é Trindade, no qual existe distinção e igualdade também. E ainda temos o modelo eucarístico, porque a comunidade que se reúne reparte o pão e a vida, já que se reconhece em igualdade, apesar das diferenças de suas múltiplas histórias. O pão eucarístico é dado por Deus e por isso repartido; e o pão que o trabalho conquista é nosso, e por isso repartido. A partilha eucarística é afirmação de que a comunidade é feita de iguais em direitos, apesar de suas diferenças em histórias e comportamentos. E por isso, falamos de unidade na diversidade, afirmados em Pentecostes, na Trindade e na Eucaristia. Pois aqui estão os parâmetros para a efetivação do diálogo e sua frutificação em formas de viver na sociedade. Para dialogar é, sim, necessário que reconheçamos nossas diferenças, mas que ultrapassemos nossas desigualdades. Por isso, para dialogar é preciso reconhecimento e respeito, mas também disponibilidade para ouvir e se modificar. Ninguém sai do diálogo da maneira que entrou, porque há crescimento, ao menos em compreensão do outro. Somos iguais e somos diferentes. Iguais em direitos, diferentes em histórias e jeitos de ser. Desigualdade e uniformidade não nos constituem. Desigualdade desintegra a sociedade, porque alguns terão bens e direitos, e outros não. Esse é o problema da desigualdade. Uniformidade também não nos constitui, porque é uma forma equivocada de compreender a igualdade. Para dialogar é necessário compreender que somos iguais e somos diferentes, mas não desiguais. Por isso, não é imposição de vitória, mas outra coisa. A Eucaristia aqui é modelo novamente: pão repartido para a vida de todos. Aliás, esse é o fundamento da vida social: o bem comum, a vida de todos. As opiniões da seção “Fé e Cidadania” são de responsabilidade do autor e não refletem, necessariamente, os posicionamentos editoriais do O SÃO PAULO.


6 | Viver Bem |

25 a 31 de maio de 2016 | www.arquisp.org.br

Comportamento

Vivendo a gentileza na família Simone Fuzaro

Existe uma virtude bastante importante, porém, por vezes, muito esquecida. Na pressa do dia a dia, na intimidade das relações, na competitividade da sociedade consumista, acabamos nos embrutecendo e não cultivamos essa virtude que poderia mudar muitíssimo nossas vidas, nosso humor e de todos os que convivem conosco: a gentileza. Na base dessa virtude está a capacidade de perceber o outro e suas necessidades. Para além dessa percepção, o que possibilita a gentileza é nos dispormos a atender à necessidade do outro, ainda que deixando a nossa em segundo plano. Exemplos simples: abrir a porta do elevador e dar passagem a alguém que o espera; permitir que um carro que precisa cruzar a rua o faça em nossa frente; dar a vez na fila para alguém que está com pressa.... Enfim, tornar a vida dos demais mais leve e agradável na medida do possível. Gestos muito simples como um “bom dia” alegre, um sorriso espontâneo ao encontrar alguém, um agradecimento sincero diante de favores recebidos melhoram o ambiente e suscitam atitudes semelhantes nos demais. A virtude da gentileza é espontânea e autônoma, não se trata de fazer o bem porque me sinto obrigado por alguém ou alguma lei, mas sim porque considero bom. Para podermos ensinar aos nossos filhos essa virtude tão grata ao relacionamento,

precisamos, em primeiro lu- dendo a se perceber. Porém, gar, cultiva-lá com carinho podemos mostrar a ela o que em nossas próprias atitudes nós percebemos e propor cotidianas. O desgaste do uma ação conjunta de genticonvívio familiar pode pro- leza. Por exemplo: “o seu irmover um comportamento mão está com dor de cabeça, mais prático e menos gentil: vamos abaixar o volume da deixamos de nos dirigir ao TV?” Desse modo, embora nosso cônjuge com palavras ainda não haja a espontaneidelicadas; damos “ordens” ao dade necessária à virtude, já invés de pedirmos favores; estamos plantando no coranão ficamos tão atentos às ção do pequeno a importânnecessidades dos outros por cia de estarmos atentos ao termos muito o que fazer.... outro. Com propósitos simCultivar a gentileza é uma de- ples como esse, estaremos cisão. Precisamos fazer pro- ensinando a serem polidos pósitos, ficar atentos, iniciar no trato: a serem gratos pelo o movimento mesmo que não que recebem, a pedirem faseja, a princípio, percebido. Mudar requer tempo e pa- A virtude da ciência. Quando con- gentileza é espontânea seguimos cultivar e autônoma, não a gentileza dentro de casa, no am- se trata de fazer biente familiar, o bem porque me nossos filhos terão algo muito impor- sinto obrigado por tante - o exemplo, alguém ou alguma que contagia, porém, sozinho, ele lei, mas sim porque pode se transfor- considero bom mar num risco à aprendizagem: ao ser sempre o alvo de atitudes vores educadamente - esse é gentis, a criança pode enten- o berço da gentileza. Atos de gentileza combader que os outros estão disponíveis para facilitar sua vida tem a intolerância tão presene não assumir uma posição te em nosso dia a dia. Vamos ativa, mas sim passiva, espe- lutar por vivermos essa virturando sempre dos outros as de e a ensinarmos aos nossos gentilezas. Para que adquiram filhos. Com isso, estaremos a virtude da gentileza, preci- dando a eles um grande bem e samos ensiná-los a agir desse contribuindo para um mundo modo e possibilitar que expe- melhor, afinal, se mudarmos a rimentem a alegria que essas nós mesmos, já estaremos muações geram. dando o mundo. Crianças pequenas ainSimone Ribeiro Cabral Fuzaro é da não percebem o outro. Fonoaudióloga e Educadora e mantém o blog http://educandonacao.com.br Normalmente, estão apren-

Cuidar da Saúde

Hérnia abdominal pode provocar dor intensa Cássia Regina Hérnia é a protrusão de parte de um órgão (normalmente, alças do intestino delgado), que se desloca por meio de um orifício provocado pelo enfraquecimento da musculatura abdominal que invade um espaço indevido. Os pacientes relatam que estão com aumento de volume no abdômen, geralmente próximo do umbigo,

que aumenta ao tossir ou fazer esforço. Com um exame físico e um ultrassom, é possível fazer o diagnóstico. O tratamento é cirúrgico de forma eletiva. É importante saber que essa hérnia pode estrangular, provocando dor abdominal moderada ou intensa que não cessa, dificuldade em evacuar e persistência da hérnia, com trabalhosa regressão manual da mesma. Nesse caso, você deve procurar o

hospital para cirurgia de urgência. Além disso, a recuperação é uma parte importante do tratamento, pois o repouso no pós-operatório é essencial para que a cicatrização ocorra por completo. Caso o paciente não siga as orientações e volte a carregar peso frequentemente, pode haver recidiva. Dra. Cássia Regina é médica atuante na Estratégia de Saúde da Família (PSF) E-mail: dracassiaregina@gmail.com


www.arquisp.org.br | 25 a 31 de maio de 2016

Igor de Andrade e Renata Moraes

| Pelo Brasil | 7

Destaques das Agências Nacionais

osaopaulo@uol.com.br

4,4 milhões de pessoas acima de 70 anos ainda não sacaram o benefício do PIS/PASEP O secretário do Tesouro Nacional, Olavo Ladeira, em entrevista à rádio EBC, na segunda-feira, 23, comentou sobre o Programa de Integração Social (PIS) e o Programa de Formação do Pa-

trimônio do Servidor Público (PASEP). “Existem 4,4 milhões de pessoas no Brasil com mais de 70 anos com direito a esse benefício. Elas têm direito a receber aproximadamente R$ 7 bilhões, ou seja,

mais ou menos R$ 1,6 mil por pessoa em média, que está disponível e o cidadão não está sabendo que tem esse direito”, esclareceu o Secretário. Segundo ele, quem tem direito ao PIS/PASEP pode

buscar informações. Para consultar o saldo, basta entrar em contato com qualquer agência da Caixa Econômica Federal, munido com documentos pessoais. Fonte: Agência Brasil (Redação: Renata Moraes)

Exposição ‘Quem é o Homem do Sudário?’ retorna ao Rio de Janeiro Divulgação

Exposição será realizada na cidade do Rio de Janeiro até o final de novembro

No dia de Corpus Christi, na quinta-feira, 26, a exposição internacional “Quem é o Homem do Sudário?” será inaugurada no Rio de Janeiro, na segunda vez em que passa pela Cidade Maravilhosa. A mostra ficará na Catedral Metropolitana de São Sebastião e a inauguração será realizada pelo Cardeal Orani João Tempesta, arcebispo do Rio de Janeiro, às 18h30, após missa solene. A primeira cidade brasileira a receber a mostra foi Curitiba, em 2010. Em seguida, passou por Brasília, até chegar ao Rio de Janeiro, onde ficou de 2012 a 2013, sendo uma das atrações de Jornada Mundial da Juventude (JMJ). O organizador da exposição, Padre Alexandre Paciolli, afirma que, além de conhecer a história do Santo Sudário, os visitantes poderão aprofundar a fé durante a mostra. “Eles podem encontrar todos os estudos científicos, aprovados pelas grandes universidades do mundo sobre o Santo Sudário de Turim. Podem encontrar, também, uma estátua em

bronze feita por um dos escultores da Porta Santa que está na Basílica de São Pedro (Luigi Enzo Mattei), e outras peças, que vão levando as pessoas a descobrir quem é o Homem do Sudário, quem é aquele que foi colocado sobre o Sudário que está guardado em Turim”, elencou o Sacerdote ao Site da Arquidiocese. A exposição é dividida em cinco fases e contém uma réplica do Sudário de Turim, em tamanho original de 4,41m x 1,13m, além de réplicas da tumba, dos pregos, flagelos e da coroa de espinhos. Há, ainda, as moedas, cuja impressão se encontra sobre os olhos do Homem do Sudário, e são originais da época da Palestina. A exposição “Quem é o Homem do Sudário?” ficará aberta ao público na Catedral do Rio de Janeiro até novembro, com funcionamento diário, das 8h às 17h. O visitante que quiser colaborar com as obras sociais da Igreja pode levar um quilo de alimento não perecível. Fontes: ACI e Portal Arqrio (Redação: Igor de Andrade)

Enem tem aumento de 9,4% em número de inscritos em relação a 2015 O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) registrou 9.276.328 inscritos neste ano, 9,4% a mais que em 2015, quando aproximadamente 8,5 milhões de candidatos se inscreveram. As pro-

Comissão da CNBB organiza Encontro de Jovens de Congregações O Santuário Nacional de Aparecida (SP) receberá, de 4 a 5 de junho, o Encontro Nacional de Jovens e Adultos Líderes de Congregações. Com o tema “A vida consagrada e ano da misericórdia” e o lema “Eis aqui a Serva do Senhor” (Lc 1,38), o evento contará com presença de Dom Vilsom Basso, presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Juventude da CNBB, e de sacerdotes conferencistas. O evento é organizado pela Comissão e integra o calendário do Projeto “Rota 300”, em vista da celebração do Jubileu de Nossa Senhora Aparecida, previsto para 2017. Informações e inscrições em http://jovensconectados. org.br Fonte: Jovens Conectados (Redação: Igor de Andrade)

vas neste ano serão aplicadas nos dias 5 e 6 de novembro. O número ainda poderá ter alterações, uma vez que as inscrições só são confirmadas após o pagamento da taxa

de R$ 68. O prazo para que isso seja feito é até o dia 25, às 21h59 (horário de Brasília). São isentos da taxa os estudantes concluintes do ensino médio em escolas públicas e os candidatos de baixa renda.

A maior parte dos inscritos é mulher (57,37%). A Região Sudeste lidera as inscrições, com 35,86% do total. Fonte: Agência Brasil (Redação: Renata Moraes)

Divulgação


8 | Pelo Mundo |

25 a 31 de maio de 2016 | www.arquisp.org.br

Destaques das Agências Internacionais

Filipe David

correspondente do o são paulo na europa

Holanda

Jovem de 20 anos é ‘eutanasiada’ Uma jovem holandesa de apenas 20 anos teve sua eutanásia autorizada e já foi morta. A jovem sofrera abusos sexuais entre os 5 e 15 anos de idade e, como consequência, padecia de estresse pós-traumático, ansiedade e outros distúrbios mentais. Ela

obteve relatórios médicos classificando sua condição como “incurável”, o que permitiu legalmente sua eutanásia. Greg Bottaro, psicólogo do Catholic Pysch Institute, nos Estados Unidos, criticou a medida. Para ele, com tal procedimento, “a mensagem

Malawi Aumentam os assassinatos rituais de albinos Reprodução da Internet

transmitida é devastadora” com grave dano à saúde pública, pois “uma das coisas que deve ser combatida é a desesperança e, muitas vezes, a primeira parte do tratamento é avivar a esperança de que [as pessoas] podem ser curadas, de que vale a pena seguir

em frente, não importa o quanto será difícil”. Segundo o jornal britânico The Telegraph, o número de doentes mentais mortos com a eutanásia aumentou de apenas dois, em 2010, para 56, em 2015. Fonte: ACI

Estados Unidos Cientistas pretendem criar embrião ‘meio humano, meio animal’ Cientistas norte-americanos afirmam estar trabalhando em um projeto para criar o primeiro embrião híbrido, introduzindo DNA humano em embriões animais. Os embriões que seriam assim produzidos têm sido chamados de “quimeras”, em referência à figura mitológica do monstro que cuspia fogo e era composto por partes de animais diferentes. O

projeto tem sido alvo de críticos que o acusam de violar princípios éticos e “brincar de Deus”. “Uma das preocupações de muitas pessoas é que há algo de sacrossanto no que significa ser humano que está em nosso DNA”, afirmou Jason Robert, professor de bioética na Universidade do Estado de Arizona. Fonte: Church Militant

Bebê nasce vivo após aborto mal sucedido Comissão Justiça e Paz do Malawi está preocupada com assassinato de albinos

“Os albinos são sequestrados e mortos para fins rituais. Vários túmulos foram abertos e a polícia encontrou algumas pessoas com ossos e outras partes do corpo de albinos”, informou Martin Chiphwanya, coordenador-vigário da Comissão Episcopal Justiça e Paz do Malawi. De acordo com Chiphwanya, a violência contra os albinos deve ser combatida com uma estratégia integrada, envolvendo a

polícia, os juízes, líderes religiosos e outros membros da sociedade. Também a colaboração com os países vizinhos é importante. Recentemente, a polícia prendeu, em cooperação com agentes de Moçambique, duas pessoas acusadas de terem assassinado um jovem albino para usar seus ossos em rituais supostamente mágicos. A Tanzânia igualmente iniciou um processo para desarraigar essas práticas da sociedade.

Foi divulgado o áudio de uma ligação para o serviço de emergência norte-americano, vindo de uma clínica de aborto. Uma mulher de 27 anos começou o processo de aborto em sua casa com uma pílula abortiva. Ela foi à clínica para terminar o procedimento. O bebê “abortado” já estava com 22 semanas e, segundo a “aborteira” que realizou o procedimento, estava sem batimento cardíaco quando foi retirado do ventre da mãe. No entanto, quando uma outra funcionária da clínica foi pesar o bebê supostamente morto, teve um choque ao perceber que ele estava se movendo. Foi,

então, que ela ligou para o serviço de emergência. “Nós somos uma clínica de finalização. Foi feita uma finalização (...) Tem um feto respirando agora mesmo, então, precisamos de alguém para atendê-lo. O feto está respirando, precisamos de atendimento para ele agora”. A funcionária da clínica explicou que eles não tinham como atender o bebê, exceto pelo oxigênio, e que precisavam de um atendimento de emergência. O bebê morreu antes de conseguir chegar ao hospital. Nos Estados Unidos, o aborto é considerado legal até o final da gravidez. Fonte: Life Site News

Itália/Etiópia Prática esportiva para restituir a visão de 100 mães africanas Na Etiópia, no continente africano, as mulheres com deficiências visuais são expostas a riscos, como acidentes domésticos, abandono familiar e violências, e como não se podem ocupar dos próprios filhos, são abandonadas pelas famí-

Venezuela Crianças abandonam escola para revirar lixo Num cenário de emergência econômica, alimentar e política, uma criança em cada quatro abandonou a escola nos últimos meses para revirar o lixo em busca de comida e outros bens. No último semestre de 2015 e em 2016, a desnutrição infantil atingiu 30% da população, segundo a Fundação Bengoa. A maior parte das famílias não tem dinheiro para alimentos protéicos, frutas ou verduras e são obrigadas a se alimentar basicamente de massas. Fonte: Fides

lias e marginalizadas pela comunidade. Em 80% dos casos, a cegueira poderia ser evitada com uma correta prevenção e intervenções específicas, conforme infor-

mou a ONG CBM Itália Onlus, durante um evento realizado em Milão, em abril, que uniu esporte e solidariedade, com o objetivo de restituir a visão a cem mães

na Etiópia. A ação solidária foi com uma corrida com mais de 20 mil pessoas pelas ruas de Milão. Fonte: Agência Fides (Redação: Daniel Gomes)


www.arquisp.org.br | 25 a 31 de maio de 2016

| Papa Francisco | 9

‘A nenhum refugiado seja negado o acolhimento’ O Papa Francisco enviou uma mensagem para os participantes da Conferência Humanitária Mundial, promovida pelas Nações Unidas, que foi aberta na segunda-feira, 23, em Istambul, na Turquia. No texto lido pelo Secretário de Estado do Vaticano, o Cardeal Pietro

Parolin, o Pontífice reiterou o pedido que “a nenhum refugiado seja negado o acolhimento”. “Não deve haver famílias sem casa, refugiados sem acolhimento, feridos sem curas, nenhuma criança tenha sua infância subtraída; nenhum hoFotos: L’Osservatore Romano

mem e nenhuma mulher devem ser privados do futuro, não pode haver idosos sem uma velhice digna”, continuou o texto. O Pontífice também lançou um desafio à Conferência: “Ouçamos o pranto das vítimas e daqueles que sofrem. Dei-

xemos que nos deem uma aula de humanidade. Mudemos o nosso estilo de vida, a política, as decisões econômicas, os comportamentos e atitudes de superioridade cultural”. Fonte das Notícias: rádio Vaticano (Redação: Fernando Geronazzo)

Refugiados acolhidos pelo Papa As três famílias sírias que o Papa Francisco trouxe ao Vaticano de Lesbos, na Grécia, em abril, receberam na quinta-feira, 19, o status de “refugiados”. O decreto de reconhecimento oficial foi notificado pela Polícia de Roma aos seis adultos e seis menores que já podem retirar seus passaportes e vistos de permanência para 5 anos, com a possibilidade

de trabalhar. As três famílias estão ainda em Roma, hóspedes da Comunidade de Santo Egídio e com todas as despesas alimentares, de saúde e de vestuário por conta do Vaticano. “Do ponto de vista burocrático, está tudo resolvido”, informou Daniela Pompei, responsável pelo serviço aos imigrantes da Comunidade.

Oração pelos cristãos chineses No final da oração mariana do Ângelus, no domingo, 22, o Santo Padre pediu orações pelos cristãos da China. “Neste Ano Santo da Misericórdia, possam os católicos chineses, junto com aqueles que seguem outras nobres tradições religiosas, tornarem-se sinal concreto de caridade e reconciliação. Dessa forma, eles vão promover uma autêntica cultura do encontro e a harmonia de toda a sociedade”, disse.

“Na terça-feira, 24 de maio, vamos nos unir espiritualmente aos fiéis católicos na China, que naquele dia irão celebrar com especial devoção a memória de Nossa Senhora ‘Ajuda dos Cristãos’, venerada no Santuário de Sheshan, em Xangai. Peçamos a Maria para dar aos seus filhos na China a capacidade de discernir em todas as situações os sinais da presença amorosa de Deus, que sempre acolhe e perdoa”, acrescentou Francisco.

Diálogo com sunitas Na segunda-feira, 23, o Papa recebeu no Vaticano o Grão-Imame da Mesquita de Al-Azhar, Professor Ahmad Muhammad Al-Tayeb. O encontro marcou a retomada do diálogo entre a Santa Sé e a maior autoridade do Islã sunita moderado. Reitor da Universidade de Al-Azhar, Ahmad Al-Tayeb é uma figura de grande relevância na jurisprudência islâmica sunita, cuja influência é reconhecida em nível mundial.

Em 30 minutos, o Papa e o Grão -Imame se concentraram principalmente no tema do compromisso comum das autoridades e fiéis com a paz no mundo, no rechaço à violência e ao terrorismo, e na situação dos cristãos e sua proteção no contexto dos conflitos no Oriente Médio. Ambos concordaram sobre a importância desse novo encontro no âmbito do diálogo entre a Igreja Católica e o Islã.

Novas normas para institutos de vida consagrada O Papa Francisco estabeleceu, na sexta-feira, 20, que a partir de 1º de junho, para que a criação de um insti-

tuto diocesano de vida consagrada seja válida será necessário a consulta prévia à Santa Sé, resultando na “pena de nu-

lidade do decreto de criação do próprio instituto”, se o mesmo não tiver sido precedido da referida consulta.

A nova determinação foi estabelecida num “Reescrito”, assinado pelo Cardeal Secretário de Estado, Pietro Parolin, seguindo o parecer do Pontifício Conselho para os Textos Legislativos. A decisão deriva da consciência de que “todo novo instituto de vida consagrada, mesmo se adquire presença e se desenvolve no seio de uma Igreja particular, é um dom feito a toda a Igreja”, e da necessidade, indicada pela Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica, “de evitar que sejam criados, a nível diocesano, novos institutos sem o suficiente discernimento que verifique a originalidade de seu carisma, que defina os traços específicos que a consagração terá nela mediante a profissão dos conselhos evangélicos e que identifique suas reais possibilidades de desenvolvimento”, lê-se no “reescrito”.


10 | Política |

25 a 31 de maio de 2016 | www.arquisp.org.br

Edcarlos Bispo edbsant@gmail.com

O desafio do governo Temer será negociar com partidos fisiologistas

Moreira Mariz/Agência Senado

Minc fica

Depois da pressão de artistas, movimentos sociais, políticos e de parte da sociedade, o presidente interino Michel Temer recriou o Ministério da Cultura. Na tarde da terça-feira, 24, foi dada posse ao novo ministro, Marcelo Calero, no Palácio do Planalto. Em seu discurso, Calero disse que “o partido da cultura é a cultura”. Ainda segundo ele, “estaremos sujeitos sempre àquilo que a sociedade demanda, nunca a serviço de um projeto de poder. O financiamento público é uma ferramenta imprescindível para que a cultura cumpra sua tarefa elementar de sustentação da nacionalidade”, afirmou.

Nova fase da Lava Jato

Os alvos da 30ª fase da operação Lava Jato são grandes empresas fornecedoras de tubos para a Petrobras, incluindo alguns de seus executivos e sócios. Também estão sendo investigados um escritório de advocacia, que era usado para o repasse de dinheiro, operadores financeiros e dois funcionários da Estatal. A operação deflagrada na terça-feira, 24, mostra a extensão do esquema de corrupção em mais um segmento da Diretoria de Serviços e Engenharia da Empresa.

Mobilização dos professores de SP

Plenário da Câmara dos Deputados durante sessão conjunta do Congresso destinada à apreciação de 24 vetos e alteração da meta fiscal de 2016

Agora o governo Temer começa a funcionar e dar os primeiros passos. Os novos ministros estão tomando ideia do orçamento que cada pasta possui e da situação das contas públicas. De um lado dizem os governistas – que antes eram oposição – que “receberam uma herança maldita”, com a possibilidade de um déficit no orçamento de mais de R$ 170 bilhões. Do outro, a oposição – que era governo – afirma que aprovar a meta fiscal com um déficit desse valor é “um cheque em branco”. Enquanto isso, ainda na semana passada, a Câmara dos Deputados viu o parlamentar André Moura (PSC-SE) ser escolhido para líder do governo. Trata-se de um político que é réu em três ações penais, investigado em mais três inquéritos, um deles na Lava Jato e outro por suposta participação em tentativa de homicídio. Com essa escolha, o chamado “Centrão” - grupo formado por 225 deputados de 13 partidos, liderados pelo PP, PR, PTB e PSD – ganhou ainda mais força, porém não se formalizou oficialmente. Para o professor e mestre em Ciência Política, Leandro Consentino, o Centrão “é uma força fisiológica que ganha grande protagonismo quando situação e oposição estão fragilizados e sem canais de interlocução”, com possibilidade, segundo ele, de se tornar um grande balcão de negócios e barganhas. O Professor destaca o que parece

óbvio, mas que, por vezes, é esquecido pelos eleitores: essas forças políticas que se apresentam no Congresso Nacional “sempre estiveram aí” e o crescimento delas dependerá da força do governo. “E quanto menos agenda o governo tiver, mais estas ganham protagonismo. O tempo irá provar o tamanho que Temer deixará que elas tenham em seu governo”, afirmou.

Votação da meta fiscal

A votação da meta fiscal, iniciada na tarde da terça-feira, 24, é considerada como o primeiro teste que o presidente interino Michel Temer (PMDB) enfrentará no Congresso. Ele mesmo reconheceu o desafio em pronunciamento feito na manhã do mesmo dia e pediu aos parlamentares que se esforcem para aprovar a medida que, segundo o peemedebista, vai “ajudar a tirar o País da crise”. “No dia de hoje, temos a votação de uma matéria importante para o governo, que é a ampliação da meta [fiscal]. Esse será o primeiro teste. De um lado, do governo, do outro lado, do Legislativo, para revelar ao brasileiro que estamos trabalhando”, disse Temer. “Eu preciso dos senhores”, completou o Presidente interino, justificando que a nova meta dará um “clima de tranquilidade” ao País. O Professor acredita que essa votação será o termômetro inicial para saber com quais parlamentares e partidos o gover-

no contará no Congresso. Consentino acredita que será algo em torno dos números da votação do impeachment.

Desconfortos no governo

Desde a escolha de André Moura para líder do governo na Câmara, alguns parlamentares já se manifestaram contra o governo Temer, o que gerou um desconforto inicial. A situação ficou um pouco pior no início da semana quando o jornal Folha de S.Paulo revelou áudios de uma conversa entre o ex-ministro do Planejamento, o senador Romero Jucá (PMDB -RR), e o ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado. Na conversa, Jucá deixa subentendido que a impeachment de Dilma Rousseff (PT) precisa acontecer para que a operação Lava Jato seja paralisada. Além disso, o Senador peemedebista promete dar proteção a Sérgio Machado, para que consiga escapar das investigações da Lava Jato. Para o Professor Leandro, Temer deveria ter feito a “demissão sumária” de Romero Jucá após as conversas terem vindo a público. “Ou Temer sinaliza para a sociedade que apoia a Lava Jato ou perderá seu apoio junto à opinião pública”, conclui Consentino. Na segunda-feira, 23, Romero Jucá anunciou que se licenciaria do cargo de ministro do Planejamento, e no dia 24 sua exoneração foi publicada no Diário Oficial da União.

Em assembleia realizada na tarde da terça-feira, 24, na praça da República, em frente à sede da Secretaria de Educação do Estado de São Paulo, professores paulistas aprovaram um calendário de mobilização para defender o reajuste salarial e outros benefícios para a categoria. A Polícia Militar não divulgou estimativa de público presente à assembleia.

Jucá no Conselho de Ética

O presidente do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar do Senado, o senador João Alberto (PMDBMA), tem cinco dias úteis para dizer se vai acolher ou não uma representação do PDT, protocolada na terça-feira, 24, com objetivo de cassar o mandato do senador Romero Jucá (PMDB-RR).

Eduardo Cunha

O deputado Arnaldo Jordy (PPSPA), com o apoio da bancada de seu partido na Câmara, protocolou na terça-feira, 24, no Tribunal Regional Federal (TRF), ação popular para anular o Ato da Mesa Diretora da Casa (88/16) que garantiu ao deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), afastado do mandato e da Presidência da Câmara pelo Supremo Tribunal Federal (STF), prerrogativas do comando da Casa, como o uso da residência oficial, segurança pessoal, assistência à saúde, transporte aéreo e terrestre, subsídio integral e equipe a serviço do gabinete parlamentar. Fontes: EBC, Congresso em Foco, G1, Folha de SP


www.arquisp.org.br | 25 a 31 de maio de 2016

11 mil calorias e 60 toneladas por dia

Em agosto, quando competir no Pavilhão 2 do Riocentro, nos Jogos Rio 2016, Fernando Saraiva Reis, 26, buscará um desfecho melhor que o de sua primeira participação olímpica em Londres 2012. Com uma contusão no joelho que se agravou ao longo da olimpíada, o esportista não conseguiu chegar às finais e terminou em 12º lugar na classificação geral. “Em 2012, eu tinha a consciência que não havia chance de medalha. Foi uma experiência. Psicologicamente eu não estava bem, fisicamente também não, mas eu fiz o meu melhor. Estou sempre tentando me superar. Foi um momento de aprendizado e de amadurecimento. Superei aquele resultando dando continuação aos meus treinos, e focando no meu objetivo que são os Jogos Rio 2016”, contou Fernando ao O SÃO PAULO.

De pai pra filho

Principal nome do levantamento de peso no Brasil, Fernando Reis, atual bicampeão dos Jogos Pan-americanos na modalidade (ouro em Guadalaraja 2011 e Toronto 2015) pratica a modalidade desde os 10 anos de idade. “Fui apresentado ao esporte pelo meu pai, Horácio Soares Reis, que praticava levantamento de peso básico, conhecido como Powerlifting. O meu irmão também treinava, e eu fazia judô e futebol. Até que um dia, eu passei pela sala de levantamento de peso do Esporte Clube Pinheiros. Comecei por brincadeira e engrenei no esporte”, recordou. E como engrenou! Além das duas medalhas de ouro em Pans, Fenando já foi 3º colocado no Mundial Junior de 2009; 1º no Arnold Classic, nos Estados Unidos, em 2013; 9º no Mundial 2014 e 11º no Mundial de 2015, além de tricampeão no

Muita comida e intensos treinamentos

Pode parecer contrassenso para um esportista, mas trata-se de uma necessidade: Fernando Reis faz um total de sete refeições por dia para manter-se na média de seus principais adversários da categoria acima de 105 quilos. “Tenho que comer várias vezes ao dia para manter meu peso. Na minha categoria super pesado, não existe limite máximo de peso. Eu tenho que ter acima de 105 kg, mas os meus adversários pesam 150kg a 160kg, então, tenho que estar próximo deles”, explicou. “A minha alimentação é como um remédio. Não tenho prazer em comer, mas é um combustível para eu conseguir exercer o treinamento e chegar ao meu nível atlético esportivo”, complementou. A rotina de alimentação também é acompanhada de um intenso ritmo de treinos [veja detalhes acima]. “Por semana, são 16 sessões de treino. Pelo menos uma vez por ano, tenho uma temporada de treino fora do País, como um camping de treinamento com meu treinador e outros atletas da seleção. No momento, estou treinando três vezes ao dia”, relatou.

Fernando conta ainda que diariamente consome em torno de 11 mil calorias e levanta aproximadamente 60 toneladas. Para se ter ideia do que isso representa, basta um simples cálculo. Segundo o site Portal Natural, a combinação de uma fatia de mortadela de 15g, de uma fatia de mussarela de 15g, e de um pão francês de 50g, resulta na ingestão de 223 calorias. Assim, a quantidade de calorias ingeridas por Fernando em um dia equivale a quase 50 pães franceses com mortadela e mussarela. Em contrapartida, as 60 toneladas levantadas pelo atleta diariamente correspondem a 1.200 sacos de cimento, com peso de 50kg cada.

7h: Fernando ingere um shake (bebida com nutrientes de uma refeição) e faz a 1ª sequência de treinos. 8h: Toma café da manhã e descansa. 10h30: Faz outro lanche e toma um shake de proteína. 11h30: Realiza a 2ª sessão de treinos, com movimentos auxiliares do levantamento de peso olímpico, como puxada, arranco do caixote e agachamento. 13h: Terminado o treino, faz relaxamento em piscina e almoça, geralmente com arroz, feijão, carne e suco. 14h30: dorme por duas horas. 16h30: Faz mais uma refeição e ingere um shake. 17h: Realiza a 3ª sessão de treinos. 19h: Tem outra refeição. 22h30: Faz a última refeição do dia.

Um homem de negócios, de fé e de família

Quando não está envolto à rotina de treinamentos, Fernando gosta de estar com os familiares e amigos. “A família é a minha força. Quando estou em casa, sempre estamos juntos. Os amigos são alegria. Como a minha rotina é muito pesada, não sou muito de sair à noite. Mas sempre que posso, encontro os amigos para jantar ou jogar videogame”, revelou. Formado em administração na Lindenwood University, nos Estados Unidos, onde também treinou levantamento de peso, Fernando percorre o Brasil realizando seminários sobre a modalidade e, desde 2015, administra a academia CT F.Reis, na zona Sul de São Paulo. Católico, o homem robusto também afirma ser forte na fé e conta com a intercessão de Santo Expedito e Santa Teresinha. “Tenho fé e peço a Deus proteção para que eu não me lesione”.

Rio 2016: ‘Estou tranquilo’

Fernando Reis garantiu que não se sente pressionado por resultados nos Jogos Rio 2016. “Es-

www.toronto2015.org

Daniel Gomes

danielgomes.jornalista@gmail.com

Pan-americano de levantamento de peso. “Muito treino, muita dor, muito foco e determinação”, são, segundo Fernando, as razões para o sucesso de sua carreira. “Sem o apoio da minha família, do Esporte Clube Pinheiros, do meu técnico, Luis Lopez, e meus outros patrocinadores, como a Petrobras, o Ministério do Esporte [ele recebe a Bolsa Pódio, destinada a atletas com chances de medalhas e de disputar finais na olimpíada], a MP [MusclePharm], eu não teria alcançado esses resultados”, avaliou, destacando que hoje a modalidade tem mais reconhecimento do que quando ele ingressou no esporte”.

3 treinos e 7 refeições diariamente

tou tranquilo. A torcida vai ser mais uma motivação na hora da prova”, afirmou. De acordo com o Bicampeão panamericano, seus principais adversários serão os atletas da Geórgia, Estônia e Rússia, em especial o russo Ruslan Albegov, medalhista de bronze em Londres 2012 e campeão mundial em 2013 e 2014. O atual campeão da categoria acima de 105kg é o russo Aleksey Lovchev, que no Mundial de 2015, nos Estados Unidos, ergueu 475kg, sendo 211kg no arranco (quando o atleta ergue até acima da cabeça a barra com os pesos em um único movimento) e 264kg no arremesso (quando o esportista primeiro leva a barra com os pesos do solo até a altura dos ombros e depois a impulsiona acima da cabeça, mantendo pernas e braços estendidos). Na mesma disputa, Fernando foi o 11º, com um total de 425kg, sendo 195kg no arranco e 230kg no arremesso. Ele tinha a meta de erguer 440kg. No Pan de Toronto 2015, ao conquistar a medalha de ouro, o brasileiro conseguiu levantar 427kg. E agora no Rio de Janeiro, ele só pensa em uma coisa. “Meu objetivo é pegar uma medalha”.

www.olympic.org/london-2012-Summer-olympics

Esta é a rotina de Fernando Saraiva Reis, principal nome do Brasil no levantamento de peso nos Jogos Rio 2016

| Esporte | 11


12 | Reportagem |

25 a 31 de maio de 2016 | www.arquisp.org.br

Esposa amorosa, mãe zelosa, religiosa penitente, Santa! Reprodução

O SÃO PAULO traz a biografia de santa Rita de Cássia, a ‘Santa dos Impossíveis’, festejada em 22 de maio Igor de Andrade

Especial para O SÃO PAULO

“Rita foi reconhecida ‘santa’ não tanto pela fama dos milagres que a devoção popular atribui à eficácia de sua intercessão junto de Deus todo-poderoso, porém, muito mais pela sua assombrosa ‘normalidade’ da existência cotidiana, por ela vivida como esposa e mãe, depois como viúva e, enfim, como monja agostiniana” (São João Paulo II, no centenário da canonização de Santa Rita de Cássia, em 2000). Uma jovem mulher que desejava abraçar a vida religiosa é impedida pelos pais que a fizeram casar-se com um jovem de família nobre, mas de temperamento violento e impulsivo. Ela suporta tal casamento por quase uma década, até alcançar a conversão do marido. Perde os amados pais, o esposo é assassinado, os dois filhos morrem, e uma vez viúva e só, lhe é negado o ingresso em uma ordem religiosa por três vezes... e vira santa. Por isso, o título de “Santa das Causas Impossíveis” não foi dado à Rita de Cássia por acaso. Rita nasceu em Roccaporena, na Província da Úmbria, na Itália, em 2 de maio de 1381. Filha e herdeira única, seus pais a tiveram depois de mais de 40 anos de Matrimônio, em idade já madura. Desde jovem, Rita tinha o desejo de seguir a vida religiosa, mas em obediência a seus pais, casou-se com Paolo Ferdinando, um homem de família nobre e de temperamento forte e extremamente violento. Ele se embriagava com frequência, era infiel no Matrimônio, brigava com os amigos e, chegando em casa, espancava a esposa. Durante seu casamento, Santa Rita de Cássia foi uma esposa dedicada, doce e paciente, preocupada com a salvação eterna de seu marido. O casal teve dois filhos: Tiago Antônio e Paolo Maria. Os frutos do Matrimônio foram educados na fé por Rita, que frequentemente os levava para visitar os pobres e enfermos. Mesmo consciente do caráter violento de Paolo, Rita sofria, mas rezava em silêncio, oferecia tudo a Deus. Assim, depois de longos anos de sofrimento, penitência e oração, a conversão de Ferdinando foi alcançada. Na festa da Anunciação de 1402, Amata Ferri, mãe de Rita, faleceu, algumas semanas depois de Antônio Lotti, o pai da santa de Cássia, que ficou profundamente abalada. A esse trágico fato, somou-se a morte de Paolo, que foi emboscado e assassinado por antigos inimigos.

Tiago Antônio e Paolo Maria planejavam vingança contra os assassinos de seu pai. “Quem ama seu filho mais que a mim, não é digno de mim” (Mt 10,37), assim, amando profundamente ao Deus presente em seus filhos e amando-os no Deus que os criou, Santa Rita pediu que o Senhor levasse seus filhos antes que eles se manchassem com o sangue da vingança. Pediu e assim foi feito. Rita perdera os pais, o marido e os filhos, depois de os ganhar de Deus. Desse modo, sozinha no mundo, Rita cresceu como mulher de oração e trabalho pelos necessitados. Além dos trabalhos do lar, ela continuava a visitar e assistir os pobres e enfermos. Como mulher de fé que era, mesmo com as dificuldades pelas quais passou – um casamento conturbado, a morte dos amados pais, morte do marido e dos fi-

lhos –, Rita não teve sua fé abalada: continuava a participar da santa missa e teve seu desejo de ser religiosa novamente aceso. Por três vezes, pediu admissão na ordem das agostiniana, e por três vezes a superiora lhe negou o ingresso. Não fora aceita provavelmente por ser viúva e não ser mais virgem. As irmãs tinham medo também dos inimigos de Paolo Ferdinando, que continuavam a ameaçar Rita. Essa santa mulher tinha por “amigos” três santos: São João Batista, Santo Agostinho e São Nicolau de Tolentino; santos aos quais dirigia seus constantes pedidos para ingressar no mosteiro. Uma certa noite, enquanto dormia em sua casa, milagrosamente foi levada para o interior do mosteiro, o que impressionou muito às monjas, já que a construção não tinha como ser invadida, dada à fortificação. As religiosas se surpreenderam quando

viram-na rezando no interior da capela, sendo que a porta estava trancada. Com a mão de Deus agindo desse modo, Rita finalmente ingressou no mosteiro das Agostinianas. Uma vez religiosa, a Santa se mostrava absolutamente obediente à madre superiora. Conta a história que, para prová-la, a Madre ordenou-lhe que regasse de manhã e de tarde um galho seco, uma cepa de videira já destinada ao fogo. E Rita assim o fez: toda manhã e toda tarde desempenhava esta tarefa. Muito tempo durou isso, coisa aparentemente inútil, mas que alcançava à boa noviça méritos no céu. Certo dia, entretanto, da haste seca surgiram brotos e folhas, e assim se desenvolveu maravilhosamente uma videira, que ainda existe no mosteiro de Cássia e continua produzindo frutos. A devoção a Jesus crucificado sempre foi uma constante na vida de Rita. Depois de um retiro pregado por São Tiago della Marca sobre a Paixão e a Morte do Senhor, Rita prostrou-se diante do crucifixo, na capela, e pediu para participar, de alguma forma, da Paixão de Cristo. Foi quando um espinho da coroa de Cristo feriu-lhe a fronte profundamente. A ferida, que não cicatrizava, tornou-se malcheirosa. O mal odor fez com que a Santa fosse levada a uma cela à parte para não desagradar as outras monjas. Assim, Rita estava novamente só, ou melhor, acompanhando o Senhor na sua Paixão; antes sofrendo na vida comum, agora de modo sobrenatural. Por 15 anos, Santa Rita carregou consigo a marca feita pelo espinho da coroa de Cristo. Tudo isso, oferecia em sacrifício a Deus. Permanecendo doente por quatro anos, no leito de morte, Santa Rita recebeu uma parente no inverno. Ao se despedir, a parente perguntou se a Santa queria algo. “Uma rosa de minha antiga casa, em Roccaporena”, respondeu. A parente julgou que ela delirava, já que estavam em pleno inverno. Mesmo assim, decidiu atender ao pedido. Foi até a antiga vila que fora a residência de Rita e... surpresa! Encontrou em meio à neve uma rosa magnífica! A senhora, então, a colheu e levou para a Santa enferma, que agradeceu a Deus por Sua bondade. Morreu no dia 22 de maio de 1457, aos 76 anos de idade, tendo passado 40 anos no mosteiro. A ferida em sua fronte cicatrizou assim que ela morreu e, em lugar do mau cheiro, passou a exalar um suave perfume. Seu rosto tornou-se sorridente, como quem está pleno de contentamento. Santa Rita foi beatificada dois séculos após sua morte, em 1628. O Papa Leão XIII, em 24 de maio de 1900, a canonizou. O corpo da Santa permanece incorrupto e repousa na basílica de Cássia, onde é visitado diariamente. Fontes: Santuário Santa Rita de Cássia em Lunardelli e Filme Santa Rita de Cássia - produção das Paulinas


www.arquisp.org.br | 25 a 31 de maio de 2016

| Reportagem | 13

‘Dom Oscar Romero é um exemplo de quem fez a escolha certa’ Luciney Martins/O SÃO PAULO

A afirmação é do Cardeal Scherer, em missa pelo 1º ano de beatificação do mártir latino-americano Fernando Geronazzo

Especial para O SÃO PAULO

A comunidade latino-americana presente em São Paulo celebrou na segunda-feira, 23, o primeiro aniversário da beatificação de Dom Oscar Romero, arcebispo salvadorenho martirizado em 1980. Uma das celebrações foi na Igreja Nossa Senhora da Paz, sede da Paróquia Pessoal dos Fiéis Latino-americanos, presidida pelo Cardeal Odilo Pedro Scherer, arcebispo de São Paulo. Dom Odilo, na homilia, partiu do Evangelho do dia – que narra a passagem do jovem rico que é convidado por Jesus a vender todos os seus bens, doá-los aos pobres e segui-lo para alcançar a vida eterna – para falar da entrega de Dom Romero. “Dom Oscar Romero, na situação em que viveu, justamente pensou no que realmente vale a pena... Resolveu ficar do lado dos pobres. Por esse motivo, precisava dizer muitas coisas que não agradava e, por isso, as ameaças, perseguição, difamação e, finalmente, o assassinato”, acrescentou o Cardeal, que explicou, ainda, que a Igreja recentemente reconheceu que não foi um simples assassinato, mas um martírio. “Ele morreu em função da sua fé, dos valores que professava e pregava para o seu povo, valores do Evangelho. Portanto, morreu mártir em função do anúncio do Evangelho que desagradava e, portanto, criou problemas com quem não queria ouvir esse anúncio e nem aceitar a mudanças que isso implicava”, afirmou o Arcebispo. Para o Cardeal Scherer, Dom Oscar Romero é um exemplo de quem fez a escolha certa e encorajou o seu povo a seguir nesse caminho. “Nossos países também continuam a viver situações difíceis, onde nós também precisamos fazer escolhas baseadas nos valores do Evangelho. Que a difusão do seu conhecimento possa ajudar para que, em breve, possa ser elevado aos altares e proclamado santo”. Ainda na segunda-feira, 23, na Arquidiocese de São Paulo, aconteceram

Em missa na Igreja Nossa Senhora da Paz, no dia 23, é celebrado o primeiro ano da beatificação de Dom Oscar Romero, martirizado em 1980

missas pelo primeiro ano da beatificação de Dom Oscar Romero na Paróquia Nossa Senhora do Brasil e na Catedral da Sé.

Mártir dos direitos humanos

Oscar Arnulfo Romero nasceu em Ciudad Barrios, San Miguel, em El Salvador, em 15 de agosto de 1917. Foi o quarto arcebispo metropolitano de San Salvador (1977-1980), capital do País da América Central. Em março de 1977, seu amigo, Padre Rutilio Grande, foi assassinado junto com dois camponeses. Esse fato chocou Dom Romero, que passou a denunciar as injustiças sociais, sendo conhecido como “A voz dos sem voz” e defensor da “opção preferencial pelos pobres”. Em suas homilias, Dom Romero denunciava as numerosas violações de direitos humanos sofridas no País e manifestava publicamente sua solidariedade com as vítimas da violência política, no contexto da Guerra Civil de El Salvador. “A missão da Igreja é identificar-se com os pobres. Assim, a Igreja encontra sua salvação. Em nome de Deus e desse povo sofredor, cujos lamentos sobem ao céu todos os dias, peço-lhes, suplico-lhes, ordeno-lhes: cessem a repressão”, afirmava. Por suas afirmações, Dom Oscar Ro-

mero foi assassinado enquanto celebrava uma missa, em 24 de março 1980, por um atirador de elite do Exército salvadorenho. Sua morte provocou uma onda de protestos em todo o mundo e pressões internacionais por reformas em El Salvador. Dom Romero foi declarado “Servo de Deus” por São João Paulo II, em 1997. Em fevereiro de 2015, o Papa Francisco aprovou o decreto da beatificação do Arcebispo salvadorenho, reconhecendo-o como mártir e em 23 de março do mesmo ano, em San Salvador, foi proclamado bem-aventurado, em celebração presidida pelo prefeito da Congregação para as Causas dos Santos, Cardeal Angelo Amato.

Exemplo para as novas gerações

Em El Salvador, a memória e o testemunho Dom Oscar Romero permanecem muito vivos e são um sinal de esperança para enfrentar a “crise” de valores éticos e morais vividos atualmente no País. O adido cultural do Escritório Comercial e de Turismo da República de El Salvador, Vladimiro Villata Novoa, afirmou ao O SÃO PAULO que a beatificação de Dom Oscar confirma que seu caminho deve ser seguido como exemplo. “Hoje em dia, nós temos também

turbulências na sociedade. Sua beatificação reafirma seu esforço extra-humano, pois ele ofereceu sua vida, para que as pessoas tivessem uma vida mais digna. O governo de El Salvador está promovendo a imagem de Dom Romero não simplesmente porque ele era salvadorenho, mas porque queremos apresentar seu exemplo e seus valores às novas gerações. Romero vem a ser uma figura que pode unir a sociedade e as famílias novamente”, completou. Aos 48 anos, Vladimiro cresceu ouvindo sobre o exemplo e legado de Dom Romero em seu País. “Dom Oscar começou a assinalar todas as injustiças sociais da época, e hoje é sinal da possibilidade de outros esquecidos pelo sistema de desenvolvimento econômico buscarem seus direitos”, disse. Para o Salvadorenho, o Beato não lutava somente pelos direitos dos cidadãos do ponto de vista material, mas também do ponto de vista da fé. “Naquela época, a América Latina passava por muitos movimentos revolucionários armados que ideologicamente tinham uma vinculação específica. Porém, Romero se afirmou com o Cristianismo pelo qual fez sua opção pelos pobres. Ele não teve uma influência ideológica, pelo contrário, desempenhou papel de inspiração cristã em sua vocação de ser pastor do povo”.

“Implante um novo sorriso”

Se você deseja substituir suas próteses ou repor a falta de dentes, a forma mais eficaz é o IMPLANTE DENTÁRIO.

Diferenciais: INSTITUTO FACE A FACE RUA DOS CHANÉS, 259 MOEMA - São Paulo - SP TELefones: 11-38957572 11- 38951185

Laboratório de prótese próprio Centro cirúrgico clínico Exames laboratoriais pré cirurgicos Exames radiograficos ( RX panorâmico) Profissionais especializados também na 3ª idade

SOMOS ESPECIALIZADOS EM:

IMPLANTES ODONTOLÓGICOS PRÓTESE SOBRE IMPLANTE CIRURGIA DE ENXERTO ÓSSEO IMPLANTES ZIGOMÁTICOS

Responsável técnica: Dra Márcia Ferraz de Mendonça CRO: 63029


14 | Reportagem |

25 a 31 de maio de 2016 | www.arquisp.org.br

A brincadeira que virou solidariedade Arquivo pessoal

Com a arte circense em hospitais, grupos de voluntários amenizam o sofrimento dos enfermos Renata Moraes

jornalismorenata@gmail.com

Piadas, brincadeiras, maquiagem, roupas coloridas e nariz de palhaço. Esses são alguns dos “remédios” um tanto incomuns que certos grupos de voluntários levam aos pacientes internados em hospitais. São palhaços vestidos de médicos que expressam a alegria por meio da arte circense, transformando o ambiente hospitalar e fazendo a diferença na vida de crianças e adultos que estão internados. Esse é o exemplo do trabalho de grupos conhecidos, como “Doutores da Alegria”, “Doutores do Riso”, “Visita da Alegria”, entre outros. Desde 2010, um grupo de jovens voluntários, que na época fazia parte do Encontro de Jovens com Cristo (EJC) da Paróquia Santa Cruz de Itaberaba, na Região Brasilândia, iniciou um projeto intitulado “Visita da Alegria”, com idas periódicas ao Hospital Geral de Vila Penteado, na zona Noroeste de São Paulo. “A ‘Visita da Alegria’ tem como o objetivo levar amor, carinho e sorriso aos pacientes de hospitais por meio da música e de palhaçadas. O trabalho está pautado no respeito, na valorização humana e na crença que sempre podemos partilhar algo que está enraizado em nossos corações, como a esperança e o amor, para construção de um mundo melhor para todos”, descreveu, ao O SÃO PAULO, Thiago Lourenço, um dos fundadores do projeto. Ele, a esposa,

Jovens integrantes da ‘Visita da Alegria’ desde 2010 levam solidariedade e amor aos enfermos internados no Hospital Geral de Vila Penteado

Joseane Soares da Costa Lourenço, e mais cinco amigos dão continuidade à iniciativa. A “Visita da Alegria” está passando por reformulação, treinamento e aprofundamento da arte circense, a fim de especializar os voluntários. Além das datas comemorativas como Páscoa, Natal, Dia das Crianças, eles pretendem realizar visitas quinzenalmente a partir de julho. O voluntariado modifica não somente àqueles que recebem as visitas, mas também os que doam seu tempo. “A necessidade de se sentir amado é algo tão natural no ser humano quanto sentir frio e fome. A tendência de quem se sente amado é de responder com amor e alegria. Poder compartilhar nossa alegria, levar e arrancar um sorriso onde não se tem muitos motivos para sorrir, nos ajuda a entender o verdadeiro sentido da vida”, expressou o voluntário Rodrigo de Paula. O trabalho de levar recreação e arrancar sorrisos daqueles que muitas vezes estão sem perspectivas em um leito de hospital é uma forma também de humanizar

o tratamento médico e de levar esperança aos enfermos. Segundo Thiago, o retorno dado pelos pacientes é sempre positivo, sejam crianças ou adultos. “Lembro-me de algumas falas dos pacientes: ‘Vocês fazem um trabalho muito bonito e conseguiram me fazer esquecer da minha doença e me distrair a partir do momento que entraram em meu quarto’, ou ainda, ‘Vocês souberam me ouvir e me entender’”, descreveu. O grupo também realiza visitas a orfanatos, asilos e outras instituições.

A origem

A iniciativa de promover uma visita descontraída a pessoas doentes é inspirada no grupo Clown Care Unit. “Em 1986, Michael Christensen, um palhaço norteamericano, diretor do Big Apple Circus de Nova Iorque, iniciou o treinamento de um grupo de artistas, que passariam, então, a visitar crianças hospitalizadas. Ao realizar uma apresentação com o seu circo, em um determinado hospital de Nova Ior-

que, Michael Christensen solicitou uma visita às crianças que estavam internadas e impossibilitadas de participar da apresentação. Agindo de forma alegre, improvisada e despretensiosa, surge assim o grupo”, consta na tese “Os Doutores da Alegria na unidade de internação pediátrica: experiências da equipe de enfermagem”, publicado em 2008 por Roberta Ramos de Oliveira e Isabel Cristina dos Santos Oliveira. No Brasil, o trabalho surgiu em 1991 com o ator Wellington Nogueira, que fez parte da trupe da Clown Care Unit. Ele trouxe a experiência para o Hospital e Maternidade Nossa Senhora de Lourdes, atual Hospital da Criança, em São Paulo, dando início ao programa brasileiro conhecido como “Doutores da Alegria”. Desde então, diversos grupos buscam humanizar o atendimento médico, proporcionando alegria às crianças e adultos hospitalizados, bem como às suas famílias e profissionais de saúde, num gesto concreto de misericórdia e solidariedade.


www.arquisp.org.br | 25 a 31 de maio de 2016

| Entrevista | 15

Com a Palavra: Padre Rodrigo Pires Vilela

‘Estado laico é aquele que garante a liberdade religiosa tanto no aspecto de culto quanto de vida social’ Luciney Martins/O SÃO PAULO

Renata Moraes

jornalismorenata@gmail.com

A Pastoral Universitária da Arquidiocese de São Paulo tem como objetivo auxiliar a comunidade universitária a vivenciar de maneira adequada sua vida acadêmica, pessoal, social e a sua fé, e abrange todas as universidades. A Arquidiocese possui uma Paróquia Universitária extraterritorial e um vicariato próprio para desenvolver e acompanhar a pastoral no mundo da educação e nas universidades, com o bispo auxiliar Dom Carlos Lema Garcia, como vigário geral. Em busca de contribuir com a sociedade por meio de ações no campo da cultura e da educação e nos ensinamentos da fé católica, a Coordenadoria de Pastoral Universitária da PUC-SP é composta por três padres e cinco leigos, além do Serviço de Pastoral, responsável por todas as atividades pastorais, como a iniciação aos sacramentos, cursos de formação religiosa e grupos de reflexão, e conta também com o Núcleo Fé e Cultura, que é um centro cultural que incentiva o diálogo entre o Magistério da Igreja e o ambiente acadêmico cultural da PUC-SP e da cidade de São Paulo. Padre Rodrigo Pires Vilela, 35, é coordenador da Pastoral Universitária da PUC-SP desde fevereiro de 2016. Formado em Ciências Patrísticas pelo Instituto Patrístico Augustinianum de Roma, na Itália, ele também é pároco da Paróquia Nossa Senhora de Fátima, na Região Ipiranga, desde novembro de 2015. Nesta entrevista ao O SÃO PAULO, Padre Rodrigo fala dos principais desafios da Pastoral Universitária em ajudar a comunidade acadêmica, estimulando as reflexões em torno da fé e da dignidade humana em busca do diálogo e da verdade.

O SÃO PAULO – O desenvolvimento do ser humano como um todo sempre foi um dos focos da universidade. Como a Pastoral Universitária participa nesta missão da instituição de promover a integração do estudante consigo mesmo e com o meio em que vive?

Padre Rodrigo Pires Vilela - No Ocidente, a universidade nasce no período medieval com o movimento Escolástico, como um campo livre para debates, de várias tendências, na investigação

tado da vida espiritual. Desse modo, aqui na PUC, damos um curso de Introdução ao Cristianismo, entendendo isso como um movimento ascético, e para sair um pouco desse ambiente árido, temos momentos de retiro, missas, confissões, direção espiritual. Nisso, o apostolado de Dom Carlos Lema Garcia, bispo auxiliar da Arquidiocese e vigário episcopal para a Educação e a Universidade, se faz sensível, pois marca presença semanal no campus e ajuda muito no acompanhamento espiritual da comunidade acadêmica.

Na sociedade brasileira, muito tem se falado da laicidade do Estado. Porém, a laicidade entendida por um viés cristão tem uma conotação própria. Como a Pastoral Universitária ajuda a descobrir essa mística laical?

da verdade, onde os alunos aprendiam as artes liberais, ou seja, aquilo que os ajudasse a se manterem livres. Claro, as concepções de mundo, de homem, até de liberdade mudaram nestes últimos séculos. Contudo, agrada-me pensar que a Pastoral Universitária possa ajudar a comunidade acadêmica a buscar a verdade e favorecer a liberdade na cidade onde vive.

A Pastoral Universitária tem alguma proposta de ação para o exercício de cidadania e da caridade?

Da mesma forma que a Arquidiocese de São Paulo possui trabalhos no campo da promoção social, entendo que nosso trabalho aqui é ajudar a comunidade universitária a se inserir nesse campo, de modo que estudantes, professores e funcionários possam contribuir com as ações pastorais. É importante ressaltar que o interesse em ações que promovam a dignidade das pessoas não é exclusividade nossa [da Pastoral]. Encontramos muitos homens e mulheres de boa vontade

aqui na PUC. Na Pastoral, temos ações que nascem da própria equipe nessa dimensão, mas também orientamos, quando possível, para as pastorais da Arquidiocese, promovendo um frutuoso diálogo entre as pastorais e o mundo acadêmico.

A Pastoral Universitária promove experiências culturais e artísticas ligadas à fé, tendo em vista que algumas faculdades têm a cultura como objeto de estudo?

No campo cultural, o Núcleo de Fé e Cultura possui a finalidade de estreitar os laços entre as manifestações culturais e a fé.

Quais as iniciativas da Pastoral Universitária no âmbito da espiritualidade?

Primeiro, como digo aos estudantes, o estudo, ainda que árido, é para o estudante uma atividade ascética. Não podemos perder isso de vista. Se conseguimos mostrar isso ao estudante, este já não verá o estudo como algo apar-

O Magistério da Igreja fala sobre o Estado laico, não no sentido de Estado ateu ou Estado contrário à religião. A laicidade aqui é entendida quanto um Estado que garante a liberdade religiosa, tanto no aspecto de culto quanto no âmbito social. As religiões podem promover suas crenças e contribuir com a sociedade por meio de ações no campo da cultura, da educação, social etc. A Pastoral Universitária, obedecendo esse princípio, atua com padres e leigos das mais diversas áreas do conhecimento que, em sintonia, evangelizam no campo onde Deus os plantou.

Por ser a universidade um ambiente onde a razão predomina, muitas vezes é preciso lidar com a tensão entre fé e razão. Como essa tensão repercute na Pastoral Universitária?

Não vejo tensão entre fé e razão, até porque não vejo os que creem como pessoas em conflito com a racionalidade. Dentro da Universidade, há pessoas que creem e pessoas que não creem. Às vezes, tomados por lapsos de irracionalidade, meia dúzia de um grupo tenta digladiar-se com meia dúzia do outro, mas por não possuírem a dita razão, não conseguem mais do que barulho e indignação da plateia. A fé e a razão são elementos constitutivos do ser humano, e no mundo acadêmico, que é plural, isso é respeitado. Não vejo aqui na PUC aversão por parte das pessoas em relação à Pastoral, como algo posto a priori. Penso que se há pessoas de boa vontade, é possível o diálogo.

As opiniões expressas na seção “Com a Palavra” são de responsabilidade do entrevistado e não refletem, necessariamente, os posicionamentos editoriais do jornal O SÃO PAULO.


16 | Fé e Cultura |

25 a 31 de maio de 2016 | www.arquisp.org.br

Filipe David

osaopaulo@uol.com.br

Dica de Leitura

Ação afirmativa ao redor do mundo Os argumentos pró e contra cotas e grupos preferenciais provocam disputas apaixonadas nas redes sociais e nas salas de aula das universidades brasileiras. No entanto, políticas similares existem há mais tempo em outros países com histórias e tradições totalmente diferentes. O que nos dizem as experiências desses outros países? Há padrões, considerações e resultados comuns? Thomas Sowell apresenta uma nova perspectiva sobre a ação afirmativa por meio da investigação de políticas governamentais concretas e de suas consequências práticas nos Estados Unidos, na Índia, na Malásia, no Sri Lanka e na Nigéria. Ao avaliar dados empíricos de 30 anos de pesquisa, o autor chega à conclusão de que muito do que se espera dessas políticas e do que delas se afirma não se confirma na prática. Ao discorrer sobre a experiência de outros países, Sowell nos oferece subsídios para analisar a situação brasileira de modo mais realista e eficaz. Ficha técnica: Autor: Thomas Sowell Páginas: 272 Editora: É Realizações

Formação

Palestras Santa Generosa: último mês Divulgação

Está chegando ao fim o 2º Ciclo de Palestras Santa Generosa. No dia 2 de junho, o Padre Fábio Fernandes tratará da “Unidade do rito romano”. No dia 9, Flávio Morgenstern falará sobre o “Choque de iconoclastas: a civilização e os bárbaros no século 21”. No dia 16, Silvio Medeiros tratará da “Redescoberta da virtude e renovação política do Brasil”. No dia 23, Roberto Mallet falará sobre “Ação poética e poética da ação”. O mês de junho termina com a palestra de André Assi Barreto, no dia 30, sobre “Eric Voegelin e as religiões políticas”, em que ele discorrerá sobre o conceito de “religião política”, tal como exposto pelo filósofo germano-americano Eric Voegelin. Para Voegelin, o fenômeno que Hanna Arendt chamava “totalitário” explica-se, na verdade, pela imersão do gnosticismo no terreno da política, isto é, a crença de que alguns políticos seriam dotados de saberes especiais capazes de instalar o paraíso na terra. A última palestra desse 2º ciclo, no dia 7 de julho, será de Alexandre Borges, sobre “Política, ideologia e imprensa”. As palestras Santa Generosa são às quintas-feiras, às 20h, no salão da Paróquia Santa Generosa (rua Afonso de Freitas, 49, próximo ao metrô Paraíso). A atividade é gratuita e não é necessário inscrever-se.


www.arquisp.org.br | 25 a 31 de maio de 2016

| Regiões Episcopais | 17

Santana Santa Rita de Cássia é sinal da ação de Deus na humanidade Diácono Francisco Gonçalves

Colaborador de comunicação da Região

Dom Sergio de Deus Borges, bispo auxiliar da Arquidiocese na Região Santana, presidiu no domingo, 22, missa solene na festa da padroeira da Paróquia Santa Rita de Cassia, no Setor Pastoral Vila Maria, concelebrada pelo Frei Maciel Bueno, OSA, pároco, e pelos frades Caio Márcio, vigário paroquial, e William Micheleto, OSA. Atuantes em mais de 45 países, os sacerdotes da Ordem de Santo Agostinho (OSA) são responsáveis pela Paróquia. Dom Sergio falou de sua satisfação em celebrar a solenidade da Santíssima Trindade no mesmo dia em que se feste-

java o amor de uma seguidora de Cristo, Santa Rita de Cássia (1381-1457). O Bispo explicou que é possível visualizar o quanto Jesus pode fazer o bem por meio de uma pessoa, como a Santa homenageada. E caminhar com Jesus, lembrou Dom Sergio, é ter a certeza que mesmo nos dissabores da vida se sabe aonde chegar. “Santa Rita de Cássia, pelos acontecimentos de sua vida, faz com que uma multidão de pessoas consiga reconhecer ação de Deus, da mesma forma que agiu na vida da Santa”, expressou Frei Maciel. Viviane Gabarron

Diácono Francisco Gonçalves

Dom Sergio Borges preside missa na festa da padroeira, Santa Rita de Cássia, no domingo, 22 Diácono Francisco Gonçalves

No domingo, 22, nove jovens receberam o sacramento da Confirmação pela imposição das mãos de Dom Sergio de Deus Borges, na Comunidade Nossa Senhora Aparecida (rua Condessa Amália Matarazzo, 13, Jardim Peri), pertencente à Paróquia São Marcos Evangelista, no Setor Pastoral Mandaqui. arquisp-corpus-christi-2016-rev4.pdf 1 02/05/2016 13:01:28

Divulgação

Inaugurada em 20 de março pelo Padre Benedito Borges, pároco da Paróquia São Domingos Sávio, a Capela São José (rua Albertina Vieira da Silva Gordo, 444, Vila Aurora) tem recebido grande número de fiéis para as missas no 1º domingo de cada mês e celebrações da Palavra nos demais domingos, sempre às 10h. Paróquia Nossa Senhora da Penha

CORPUS CHRISTI 2016 Eucaristia - “Eterna é a sua misericórdia” (Salmo 117)

Dom Sergio de Deus Borges, bispo auxiliar da Arquidiocese na Região Santana, prestou homenagem às mães, no dia 8, durante celebração na Capela Nossa Senhora da Paz, no Jardim Peri, pertencente à Paróquia Nossa Senhora da Penha, no Setor Pastoral Mandaqui.

AGENDA REGIONAL Sábado, 25 de junho, das 8h às 13h A Pastoral Familiar da Região Episcopal Santana realizará a 2ª parte da formação sobre “Preparação para o Matrimônio e para a Vida Familiar”, destinada a integrantes das diversas pastorais,

movimentos e serviços familiares. Não é preciso se inscrever para essa formação gratuita, que acontecerá na avenida Mal. Eurico Gaspar Dutra, 1.877. Outras informações com José Carlos, em (11) 99703-8420.

26 de Maio • 9h Missa na Praça da Sé

Seguida de procissão pelas ruas do centro histórico Na missa, doe um agasalho ou um cobertor


18 | Regiões Episcopais |

25 a 31 de maio de 2016 | www.arquisp.org.br

Lapa Oração, espiritualidade e convivência fraterna marcam retiro do clero

Padre Antonio Francisco Ribeiro e Benigno Naveira Colaboradores de comunicação da Região

Padre Antonio Fancisco Ribeiro

Dom José Roberto fala ao clero atuante na Região Lapa durante retiro em São Roque (SP)

Entre os dias 16 a 20, na Casa de Encontro do Sagrado Coração, em São Roque (SP), aconteceu o retiro do clero

atuante na Região Lapa. A pregação foi feita por Dom José Roberto Fortes Palau, bispo auxiliar da Arquidiocese na Região

Ipiranga, que tratou do tema “Podeis beber o cálice que Eu beberei?”. Foram dias dedicados ao aprofundamento espiritual, oração e convivência entre o clero. Dom José enriqueceu o retiro com sua experiência pessoal, carisma e espiritualidade fundamentada na Palavra de Deus. Desenvolvendo o tema em etapas de reflexão, propôs para cada dia uma meditação sobre o pedido que os filhos de Zebedeu fazem a Jesus e a resposta que tiveram, conforme o evangelho Marcos 10, 32-45. Entre os momentos marcantes do retiro estiveram a reza do Terço, orientada pelo Padre Raimundo Rosimar; a celebração penitencial, presidida por Dom

José Roberto; e a Hora Santa, conduzida pelo diácono permanente Luiz Carlos de Laet, na qual o clero diante do Senhor na Eucaristia expressou, em momentos de silêncio e adoração, o amor a Jesus. Na homilia da missa de encerramento do retiro, Dom Julio Endi Akamine, bispo auxiliar da Arquidiocese na Região Lapa, refletiu sobre a Carta de Tiago, destacando a perseverança de Jó, que, apesar das dificuldades que enfrentou, conseguiu realizar seu maior desejo: encontrar-se com o Senhor. Padre Jorge Pierozan, vigário-geral da Região Lapa, agradeceu, em nome do Clero, a Dom José Roberto pela pregação do retiro.

1.500 pessoas participam do ‘5º Deus Trino Fest’ Com a participação de aproximadamente 1.500 pessoas, a Paróquia Santíssima Trindade, no Setor Pastoral Rio Pequeno, realizou o “5º Deus Trino Fest”, com barracas de alimentação e atividades diversas em frente à igreja matriz, animadas por apresentações musicais da

banda de Cabo a Rabo, Orquestra Sanfônica, show do cantor Felipe Dantas e de Paulo Leite, cover do cantor Sergio Reis. Às 17h30, o Padre Marcos Roberto Pires, pároco, presidiu missa, destacando a Solenidade da Santíssima Trindade, Mariana Al Zaher

celebrada no domingo, 22. Na homilia, o Sacerdote falou da necessidade que cada pessoa tem de conversar com Deus, não só por palavras, mas também com gestos e mesmo em uma postura silenciosa, por meio de pensamentos. Em entrevista à Pastoral da Comunicação da Região Lapa, Padre Marcos enalteceu o empenho da comunidade nestes seis anos como pároco, período

em que foi construído um templo maior para acolher mais fiéis em diferentes horários de missa. O Sacerdote lembrou, ainda, do crescimento na quantidade pessoas que foram crismadas, batizadas e também o aumento de casamentos. Ele comentou, também, sobre o trabalho de evangelização realizado por toda a comunidade, com menção especial aos jovens que rezam o Terço nas casas. Benigno Naveira

No dia 15, Dom Julio Endi Akamine, bispo auxiliar da Arquidiocese na Região Lapa, presidiu missa na celebração de 15 anos da Paróquia Nossa Senhora do Líbano, no Setor Pastoral Rio Pequeno, concelebrada pelo Padre Julio Cesar de Mello Amo, pároco.

Divulgação

Alex Bastos

Colaboração especial para a Região

Trezena de Santo Antônio começará no dia 31 “Santo Antônio e as Obras de Misericórdia” será o tema da festa e trezena de Santo Antônio, no Largo São Francisco, no centro de São Paulo. Na Bula de proclamação do Ano Santo extraordinário da Misericórdia, a Misericordiae Vultus, o Papa Francisco aconselhou os cristãos a refletirem sobre as obras de misericórdia corporais e espirituais, que serão os temas abordados nessa trezena. A celebração de abertura será no dia 31. Em todas as missas haverá bênção de Santo Antônio. As pregações da trezena acontecerão nas missas das 10h30 e

Padre Marcos Roberto Pires preside missa na Paróquia Santíssima Trindade, no sábado, 21

15h (exceto nos dias 5, 6 e 12). No dia 5 de junho, acontecerá nos corredores do convento o “Arraiá do Santuário”, a partir das 9h. No dia 12, haverá procissão saindo da praça do Patriarca, às 10h, e bênção aos namorados durante a celebração das 10h30, e Recital Sacro apresentado pelo “Grupo Voci”, após a missa das 12h. Na segunda-feira, 13, Dia de Santo Antônio, as missas serão às 7h30, 9h, 10h30, 12h, 13h30, 15h, 16h30 e 18h. Haverá, ainda, bênçãos durante todo o dia, venda do bolo, distribuição do pão de Santo Antônio e barracas com comidas típicas.


www.arquisp.org.br | 25 a 31 de maio de 2016

| Regiões Episcopais | 19

Brasilândia

Renata Moraes e Flávio Rogério Lopes Colaboradores de comunicação da Região

Em encontro, comunicadores vivenciam o 50º Dia Mundial das Comunicações Sociais À luz da mensagem do Papa Francisco para o 50º Dia Mundial das Comunicações Sociais, celebrado em 8 de maio, a Pastoral da Comunicação da Região Brasilândia realizou no sábado, 21, na Paróquia Santos Apóstolos, um evento para refletir e dialogar sobre o tema da mensagem: “Comunicação e Misericórdia: um encontro fecundo”. A atividade foi moderada pelo Padre Cilto José Rosembach, assistente eclesiástico da Pascom Brasilândia e pároco da Paróquia São José, em Perus, e contou com as assessorias dos padres Marcos Vinicius Clementino, coordenador da Pascom do Regional Sul 1 da CNBB, e Luiz Cláudio Braga, assistente eclesiástico da Pastoral da Comunicação da Arquidiocese de São Paulo, além de Jucelene Rocha, jornalista da rádio 9 de Julho. Padre Cilto destacou os principais trechos da mensagem do Papa Francisco, entre os quais o que o Pontífice aponta que “a comunicação tem o poder de criar pontes, favorecer o encontro e a inclusão”.

Isadora Félix

Participantes do encontro de comunicação na Brasilândia, no dia 21, que trata da mensagem do Papa Francisco sobre as comunicações sociais

Padre Marcos Vinícius apresentou a organização da Pascom segundo as diretrizes da CNBB, destacando os eixos principais: formação, articulação, produção e espiritualidade. Sobre a importância da comunicação no diálogo entre fé e cultura, o Presbítero destacou: “O Papa diz que nós devemos ser pontes e irmãos

na humanidade, respeitando a cultura de todos”. Jucelene Rocha contou sobre sua experiência como jornalista católica e disse que a mensagem do Papa Francisco “vem ao encontro do nosso desejo em promover encontros fecundos, pois a nossa comunicação deve produzir encontro

e transformação na vida das pessoas”. A espiritualidade do comunicador foi o enfoque da fala do Padre Luiz Cláudio Braga: “A oração tem que ser a base do trabalho da Pascom, e a nossa mística é o encontro de uma espiritualidade que se dá pela misericórdia”, disse, completando que não há comunicação sem o encontro.

Igreja recebe peregrinação do Terço dos Homens e do Setor Freguesia do Ó Gerson Morera

Membros do Terço dos Homens peregrinam à Porta Santa da Igreja Nossa Senhora da Expectação

Os leigos e religiosos das paróquias que compõem o Setor Pastoral Freguesia do ó – Bom Jesus dos Passos, Nossa Senhora da Expectação, Nossa Senhora das Graças, Nossa Senhora Mãe de Deus, Santa Cruz de Itaberaba, Santa Izabel e Santa Luzia e São José - peregrinaram à Porta Santa da Igreja Nossa Senhora da Expectação, no sábado, 21. Após a procissão para entrada na Porta Santa, Dom Angélico Sândalo Bernardino, bispo emérito de Blumenau (SC), presidiu a missa. Na homilia, ele destacou a importância da Solenidade da Santíssima Trindade e da comunicação na vida dos cristãos. “Nós seremos felizes na medida em que tivermos a cara de Deus e que vivermos em comu-

nidade; na medida em que nos comunicamos, nos tornamos pessoas”, afirmou o Bispo. No domingo, 22, a peregrinação foi do movimento do Terço dos Homens da Região Brasilândia. Os participantes rezaram o Terço, passaram pela Porta Santa e participaram da missa presidida por Dom Carlos Lema Garcia, bispo auxiliar da Arquidiocese. Dom Carlos, na homilia, enalteceu o crescimento do movimento do Terço dos Homens em todo o Brasil, e destacou que “a Santíssima Trindade é um grande mistério e nossas palavras são pobres, para procurar entender. Porém, nós sabemos que tudo começa na Trindade e todas nossas orações começam em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo”.

Arquivo pessoal

Ricardo Souza

Entre os dias 16 e 19, o clero atuante na Região Brasilândia e Dom Devair Araújo da Fonseca, bispo auxiliar da Arquidiocese na Região, participaram do retiro anual no Santuário da Mãe Três Vezes Admirável de Schoenstatt, em Atibaia (SP), com o tema “Vida Sacerdotal”. A orientação do retiro foi do Cônego Celso Pedro, que atua na Região Belém.

Na noite da quarta-feira, 20, o Cardeal Odilo Pedro Scherer, arcebispo metropolitano, presidiu missa da novena da padroeira da Paróquia Santa Rita de Cássia, no Setor Pastoral Nova Esperança, no bairro do Morro Grande.


20 | Regiões Episcopais |

25 a 31 de maio de 2016 | www.arquisp.org.br

Ipiranga

Padre Jorge Bernardes, Caroline Dupim e Lígia Velardi Colaboradores de comunicação da Região

Dom José Roberto: ‘Santa Rita viveu a misericórdia e o amor de Deus intensamente’ Caroline Dupim

Devotos lotam celebração na festa da padroeira Santa Rita de Cássia, no bairro de Mirandópolis

Devotos de Santa Rita de Cássia (1381-1457) lotaram a paróquia dedicada à Santa, no bairro Mirandópolis, no último fim de semana, dias 21 e 22. Eles participaram das nove missas celebradas em honra àquela que é aclamada como advogada das causas impossíveis e socorro da última hora. Dom José Roberto Fortes Palau, bispo auxiliar da Arquidiocese na Região Ipiranga, presidiu a missa das 12h, do domingo, 22, dia da memória litúrgica de Santa Rita de Cássia. O Bispo recordou que aquele também era dia de celebrar a Santíssima

Trindade, constituída pelo Pai, Filho e Espírito Santo, que são três em uma única pessoa. “Tudo o que precisamos saber sobre Deus, vemos nas obras de Jesus Cristo, que ressaltou a misericórdia de Deus e sua paternidade. Santa Rita viveu esse amor e misericórdia intensamente. E todas as graças que recebeu foram por intermédio do Espirito Santo”, afirmou Dom José Roberto. Ao final das missas, juntamente com uma rosa e um frasco contendo água benta, foi distribuída a Trezena de Santa Rita, para ser rezada no dia 22 de cada mês.

Bola na rede e jovens integrados na fé O grupo Jovens Ativos no Amor de Cristo (Jaac), da Paróquia Santa Cristina, organizou em abril e neste mês um campeonato de futebol entre os jovens das paróquias dos setores pastorais Cursino e Anchieta. Segundo Elton Louredo e Alexandre Ferreira, integrantes do Jaac, há tempos havia a vontade de criar algo que unisse os grupos de jovens, e o campeonato de futebol acabou sendo um grande atrativo para isso. “O maior objetivo era reunir vários grupos de jovens para uma articulação e interatividade entre eles e até mesmo uma tentativa de fazer que alguns grupos que acabaram, como o da Área Pastoral São Domingos e o da Paró-

quia Nossa Senhora de Fátima, se reunissem novamente”, explicou Elton. O campeonato teve etapas finais entre os dias 23 de abril e 7 de maio, culminando na final em 14 de maio. Os jogos aconteceram na quadra da Escola Colacioppo, onde o grupo de jovens têm um ofício para utilização. “A experiência foi maravilhosa, pois reunimos vários amigos, colegas, não só jogamos futebol, mas também rezamos, pois em todos os fins de semana, começávamos com uma oração. A ideia é organizar mais um torneio no segundo semestre” afirmou Elton. O time ganhador desta edição foi o do Grupo de Jovens Mãe de Jesus (GJMJ), da Paróquia Nossa Senhora Mãe de Je-

Cláudio Seiji

Torneio de futebol reúne grupos de jovens de paróquias dos setores Cursino e Anchieta

sus. Além desse grupo e do Jaac, participaram do torneio os grupos Jovens Nascidos do Amor (JNA), da Paróquia Santa Ângela e São Serapião; Filhos do Céu, da Paróquia Nossa Senhora de Fátima;

Jovens Unidos Por um Amanhã Melhor (Jupam), da Paróquia Santo Afonso Maria Ligório, e o grupo Saluz, da Comunidade São João Batista, da Paróquia Nossa Senhora das Mercês.

Deia e Silva Fotografia

Paróquia Santo Ivo

No sábado, 21, as crianças que fazem Catequese na Paróquia Imaculada Conceição, no Setor Pastoral Ipiranga, realizaram a coroação da imagem de Nossa Senhora, em missa presidida pelo Padre Boris Ulloa, pároco. “A Trindade Santa nos deu Maria como mãe, para que entendêssemos a presença amorosa de Deus”, afirmou o Sacerdote, ao mencionar a liturgia da festa da Santíssima Trindade. A celebração teve a participação do Coral São João Clímaco, sob a regência do maestro Norberto Sorato.

Com a participação de juristas, o Cardeal Odilo Pedro Scherer, arcebispo metropolitano de São Paulo, presidiu na quinta-feira, 19, missa na Paróquia Santo Ivo, no Setor Pastoral Vila Mariana, por ocasião da festa do padroeiro dos operadores do Direito e também pelo jubileu de ouro da Paróquia localizada no Jardim Lusitânia, que foi oficialmente inaugurada em 15 de maio de 1966, com missa solene presidida pelo Cardeal Agnelo Rossi, à época arcebispo de São Paulo


www.arquisp.org.br | 25 a 31 de maio de 2016

| Balanço | 21

ASSOCIAÇÃO FRANCISCANA DE SOLIDARIEDADE CNPJ 11.861.086/0001-63

A T I V O NOTA 2.015 2.014 CIRCULANTE 1.088.848 870.741 Caixa e equivalentes de caixa 4 998.167 788.390 DIREITOS REALIZÁVEIS 90.681 82.351 Adiantamento a funcionários 27.975 10.723 Adiantamento a fornecedores 22.178 12.677 Convênios e subvenções 5 38.876 56.922 Outros direitos realizáveis 1.652 2.029 NÃO CIRCULANTE 145.384 127.923 REALIZÁVEL A LONGO PRAZO Poupança s./aluguéis 6.900 5.700 IMOBILIZADO 6 138.484 122.223 TOTAL DO ATIVO 1.234.232 998.664 P A S S I V O NOTA 2.015 2.014 CIRCULANTE 1.211.784 1.239.168 Fornecedores 8 155.365 71.406 Tributos a recolher 20.259 15.637 Obrigações com pessoal 9 206.941 183.961 Contribuições sociais a recolher 10 80.367 119.354 Direito de férias adquirido e encargos sociais 306.559 283.037 Parcerias e convênios 11 402.903 533.624 Outras obrigações 39.390 32.149 NÃO CIRCULANTE 30.000 Provisões para contingências 12 30.000 PATRIMÔNIO LÍQUIDO (7.552) (240.504) Patrimônio Social (240.504) (127.192) Superávit/(Déficit) do período 232.952 (113.312) TOTAL DO PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO 1.234.232 998.664 (As notas explicativas integram o conjunto das demonstrações contábeis)

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO PERÍODO (Em Reais R$ 1) PERÍODO 01/JAN./2015 01/JAN./2014 NOTA A A 31/DEZ./2015 31/DEZ./2014 RECEITA BRUTA 14 7.878.945 5.687.042 CUSTOS ASSISTENCIAIS (4.599.296) (3.152.239) Custo com projetos sociais e assistenciais 16 (4.599.296) (3.152.239) SUPERÁVIT BRUTO 3.279.649 2.534.803 RECEITAS (DESPESAS) OPERACONAIS (3.046.697) (2.648.115) Despesas gerais e administrativas (3.045.233) (2.701.913) Receitas financeiras 6.027 4.645 Despesas financeiras (48.730) (27.608) Outras receitas operacionais 41.239 76.761 SUPERÁVIT (DÉFICIT) DO PERÍODO 232.952 (113.312) (As notas explicativas integram o conjunto das demonstrações contábeis)

DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO PERÍODO DE 01/JAN./2014 A 31/DEZ./2015 (Em Reais R$ 1) CONTAS PATRIMÔNIO SUPERÁVIT/ ESPECIFICAÇÕES SOCIAL (DÉFICIT) TOTAL DO PERÍODO GERAL SALDOS EM 01/ JAN./2014 (26.469) (100.723) (127.192) Incorporação ao Patrimônio Social (100.723) 100.723 0 (Déficit) do Período 0 (113.312) (113.312) SALDOS EM 31/ DEZ./2014 (127.192) (113.312) (240.504) Incorporação ao Patrimônio Social (113.312) 113.312 0 Superávit do Período 0 232.952 232.952 SALDOS EM 31/ DEZ./2015 (240.504) 232.952 (7.552) (As notas explicativas integram o conjunto das demonstrações contábeis)

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (Em Reais R$ 1) PERÍODO 01/JAN./2.015 01/JAN./2.014 a a 31/DEZ./2.015 31/DEZ./2.014 FLUXO DE CAIXA NAS ATIVIDADES OPERACIONAIS Superávit/(Déficit) do Período 232.952 (113.312) Ajustes: Baixa de bens do ativo imobilizado - 47.399 Depreciação 31.394 41.502 Provisões parra contingências 30.000 Resultado líquido ajustado 294.346 (24.411) Variações: Adiantamentos a funcionários (17.252) 10.440 Adiantamentos a fornecedores (9.501) 20.326 Convênios e subvenções 18.046 (56.922) Poupança s./aluguéis (1.200) (5.700) Outras variações ativas 377 (877) Fornecedores 83.959 41.146 Tributos 4.622 9.921 Obrigações com pessoal 22.980 26.574 Encargos sociais (38.987) 18.238 Convênios (130.721) 438.923 Direito de férias adquirido e encargos sociais 23.522 11.801 Outras variações passivas 7.241 23.797 Caixa líquido proveniente das atividades operacionais 257.432 513.256 FLUXO DE CAIXA NAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTO Aplicações no ativo imobilizado (47.655) (35.436) Caixa líquido usado nas atividades de investimento (47.655) (35.436) VARIAÇÃO LÍQUIDA DE CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 209.777 477.820 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 209.777 477.820 No início do período 788.390 310.570 No fim do período 998.167 788.390 (As notas explicativas integram o conjunto das demonstrações contábeis)

Notas Explicativas às Demonstrações Contábeis do período findo em 31 de Dezembro de 2015 NOTA 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Associação Franciscana de Solidariedade foi constituída juridicamente no período de 2.010. É uma entidade beneficente de assistência social, de direito privado, de natureza associativa, de fins socioassistencial, sem fins lucrativos, constituída por número ilimitado de associados e com duração por tempo indeterminado. Tem como missão promover ações e atitudes de solidariedade com os empobrecidos e marginalizados, contribuindo para o exercício da cidadania e inclusão social, no modo franciscano de viver e anunciar o Evangelho. Tem como finalidade: I – Executar serviços de Assistência Social, no horizonte da defesa dos direitos humanos e do exercício da cidadania, tendo como público usuário, pessoas que se encontram em situação de vulnerabilidade e riscos sociais e econômicos. II – Sob o entendimento de que a Assistência Social tem como função dialogar com outras políticas, no sentido de promover a defesa, o acesso e a garantia aos direitos humanos e sociais, a Associação Franciscana poderá executar serviços e projetos, integrados a outras políticas setoriais, especialmente àquelas relacionadas à defesa de direitos humanos, à promoção da igualdade e superação das violências de gênero, etnias e geracional, o direito à cultura, bem como à defesa e proteção do meio ambiente. Parágrafo Primeiro: A visão que a Associação Franciscana persegue para o cumprimento de sua finalidade é a de ser um serviço social fundamentado nos direitos humanos e ecológicos, a partir dos princípios cristãos e franciscanos, voltado para a busca da equidade social, articulando atendimento imediato e construção de políticas públicas que assegurem os direitos da população. Parágrafo Segundo: A prestação de serviço ou as ações assistenciais serão realizadas de forma gratuita, continuada e planejada, para os usuários e a quem deles necessitar, sem qualquer discriminação. Para auxiliar no cumprimento dos objetivos sociais, a Associação mantem as seguintes filiais: • Centro Franciscano de Acolhida para Crianças e Adolescentes, CNPJ 11.861.086/0002-44, Pinhão Tanguá/RJ; • Centro Franciscano de Convivência e Proteção à Criança e ao Adolescente Andorinha, CNPJ 11.861.086/0003-25, São Sebastião/SP; • Centro Franciscano de Convivência da Criança e do Adolescente Gente Viva, CNPJ 11.861.086/0004-06, Petrópolis/RJ; • Centro Franciscano de Acolhida do Largo da Carioca, CNPJ 11.861.086/0005-97, Rio de Janeiro/RJ;

• Sefras Porciuncula, CNPJ 11.861.086/0006-78, Niterói/RJ; e • Centro Franciscano de Proteção e Acolhida de Curitiba, CNPJ 11.861.086/0007-59, Curitiba/PR. A Associação está inscrita nos seguintes conselhos e possui: • COMAS - sob n° 27, aprovada pela Resolução COMAS-SP n° 560 de 01/12/2011, publicada no Diário Oficial da Cidade de São Paulo de 03/12/2011; • Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente sob o n° CMDCA/1650/11, de acordo com a Lei Federal n° 8.069 de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente – ECA), conforme Resolução n° 059/CMDCA/01; • Certificado de Utilidade Pública Municipal de São Paulo, através do Decreto 52.842/2011 de 09 de dezembro de 2011; • Grande Conselho Municipal do Idoso da Prefeitura de São Paulo, de acordo com a Lei Federal n° 10.741 de 1 de outubro de 2003, registro n°. GCMI/0003/12 de 22/11/2012; • Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Tanguá sob o n° 021/2012 de 15/05/2012; • Certificado de matrícula de organização de Assistência Social do município de São Paulo sob o nº 16.89 de 29/08/2012; • Certificado de Regularidade Cadastral de Entidades – CRCE do Governo do Estado de São Paulo, de acordo com o Decreto nº 57.501 de 08 de novembro de 2011, sob o nº CRCE 2012/2012 de 10/09/2012; • Inscrição no Conselho Municipal de Assistência Social de Tanguá n° 11 de 18/10/2012; • Inscrição no Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Petrópolis, 06 de novembro de 2012; • Certificado de Cadastro junto à Secretaria Estadual de Desenvolvimento de São Paulo – SEDS conforme Resolução SEDS 002 de 23/01/2013; • Inscrição no Conselho Municipal de Assistência Social de São Sebastião, n° 17 de 01/07/2013; • Inscrição no Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de São Sebastião 004/2013 de 11/09/2013; • Título de Utilidade Pública Estadual de São Paulo conforme Lei n°. 15.802 de 16/04/2015; e • Certificado de Entidade Beneficente de Assistência Social (CEBAS) conforme Resolução 43 de 31/03/2015 da Secretaria Nacional de Assistência Social, publicado no Diário Oficial da União de 01/04/2015. NOTA 2. APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS As demonstrações contábeis foram elaboradas segundo as práticas contábeis adotadas no Brasil, que abrangem, além das disposições da legislação societária brasileira, os Pronunciamentos, Orientações e Interpretações emitidas pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis – CPC. As alterações trazidas pela Lei número 11.638/07 e pela Lei número 11.941/09 à Lei número 6.404/76 estão sendo observadas integralmente e adotadas quando aplicável. Foi adotada, também, a Resolução do Conselho Federal de Contabilidade 1.409/2.012, que se refere à ITG 2002 (R1) – Entidade sem finalidade de Lucros, a qual trata em específico dos aspectos contábeis das entidades sem fins lucrativos. Para fins de comparabilidade, foram realizadas algumas reclassificações nas demonstrações do período de 2.014, não alterando os efeitos apresentados anteriormente. NOTA 3. PRINCIPAIS POLÍTICAS CONTÁBEIS Dentre as principais políticas contábeis adotadas para a elaboração das demonstrações contábeis ressaltamos: a) RECEITAS E DESPESAS As receitas com contribuições e donativos foram reconhecidas por seus valores originais e de acordo com sua realização financeira, as demais receitas contratuais foram reconhecidas por seus valores originais e de acordo com a sua competência. As despesas foram reconhecidas por seus valores originais e de acordo com sua competência. b) APLICAÇÕES FINANCEIRAS DE LIQUIDEZ IMEDIATA Estão demonstradas pelos valores aplicados, atualizadas com os respectivos rendimentos até a data de encerramento do balanço patrimonial. c) IMOBILIZADO Está demonstrado pelo custo de aquisição, ajustado por depreciações acumuladas, calculadas pelo método linear, a taxas estabelecidas em função do tempo de vida útil, por espécie de bens. Conforme segue: Instalações em Geral 10% a.a. Móveis e Utensílios 10% a.a. Aparelhos e Instrumentos Musicais 10% a.a. Máquinas e Equipamentos 10% a.a. Equipamentos de Informática 20% a.a. d) DIREITO DE FÉRIAS ADQUIRIDO E ENCARGOS SOCIAIS Foram constituídos com base no regime de competência, observando as férias transcorridas e ainda não gozadas, num montante julgado suficiente para cobertura das obrigações com férias dos seus funcionários, apropriadas até a data de encerramento do balanço. Foram calculadas partindo do número de dias de férias, convertidos para valor em moeda pelo salário atual de cada funcionário, acrescido dos encargos mais um terço constitucional, conforme legislação trabalhista em vigor. e) DOAÇÕES As doações, subvenções e contribuições espontâneas captadas da comunidade são contabilizadas em contas de receita, de acordo com seu recebimento. NOTA 4. CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA Estão representados pelos valores originais, conforme demonstrado no quadro seguinte: Descrição Saldo em 31/dez./2015 31/dez./2014 Caixa 5.710 3.977 Bancos - conta movimento 505.215 225.375 Aplicações financeiras 487.242 559.038 Total 998.167 788.390 As aplicações financeiras correspondem a investimentos em fundos, poupança e CDB. NOTA 5. CONVÊNIOS A RECEBER Convênio com a Prefeitura Municipal de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social (SMADS), denominado “MSE Jaçanã”, firmado em 10 de setembro de 2.015, com vigência de 01/set./2015 a 31/ago./2017, através do Termo de Convênio n° 181/SMADS/2015, cujo objeto é a prestação de serviço denominado: “Serviço de Medidas Socioeducativas em Meio Aberto”, conforme demonstrado abaixo: Descrição Saldo em Saldo em 31/dez./2015 31/dez./2014 Saldo Anterior 0 0 (-) Valores liberados (108.829) 0 Valores aplicados 147.705 0 Saldo a receber 38.876 0 Resumo de Convênios e Subvenções: Descrição Saldo em Saldo em 31/dez./2015 31/dez./2014 MSE Jaçanã 38.876 0 Recifran* 0 23.811 SCFV/Peri** 0 33.111 Saldo a receber 38.876 56.922 * Convênio descrito na nota 11-b ** Convênio descrito na nota 11-f NOTA 6. IMOBILIZADO Está representado pelos valores originais, deduzidos das depreciações acumuladas, conforme demonstrado no quadro seguinte: Descrição Saldo em 31/dez./2015 31/dez./2014 Instalações em Geral 36.504 30.005 Móveis e utensílios 38.358 22.059 Aparelhos e Instrumentos Musicais 2.152 2.152 Máquinas e equipamentos 52.548 49.908 Equipamentos de informática 114.396 92.179 (-) Depreciação acumulada (105.474) (74.080) Total 138.484 122.223 NOTA 7. SEGUROS Para atender medidas preventivas, a Entidade, a seu critério, procede à contratação de seguros dos veículos cedidos através de comodato, em valores considerados suficientes para a cobertura de eventuais sinistros. Modalidades Limite de Cobertura Responsabilidade Civil Danos materiais, corporais, morais, invalidez e morte de passageiros. 1.440.000 Veículos Veículos 100% Fipe NOTA 8. FORNECEDORES Estão representados pelos valores originais, conforme demonstrado no quadro seguinte: Descrição Saldo em 31/dez./2015 31/dez./2014 Fornecedores de materiais diversos 90.050 57.616 Fornecedores de serviços 65.315 13.790 Total 155.365 71.406

NOTA 9. OBRIGAÇÕES COM PESSOAL Estão representados pelos valores originais, conforme demonstrado no quadro seguinte: Descrição Saldo em 31/dez./2015 31/dez./2014 Ordenados a pagar 199.578 176.400 RCT a pagar 6.605 6.605 Pensão alimentícia a pagar 758 956 Total 206.941 183.961 NOTA 10. CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS A RECOLHER Estão representadas pelos valores originais, conforme demonstrado no quadro seguinte: Descrição Saldo em 31/dez./2015 31/dez./2014 INSS s./folha de pagamento 30.435 87.888 PIS s./folha de pagamento 5.047 3.926 CSL/PIS/COFINS s./nf.de fornecedores 370 260 Contribuições Sindicais 876 1152 FGTS a recolher 31.175 24.651 INSS 11% s./nf.de fornecedores 12.464 1.477 Total 80.367 119.354 NOTA 11. PARCERIAS E CONVÊNIOS a) Convênio de cooperação assistencial com a Prefeitura Municipal de São Sebastião, firmado em 13 de janeiro de 2.015, com vigência de 13/jan./2015 a 31/dez./2015, cujo objeto é o atendimento gratuito à população carente, em conformidade com as diretrizes de ação social, na área do atendimento ao adolescente; e Convênio de cooperação assistencial com a Prefeitura Municipal de São Sebastião, referente repasse financeiro provenientes do Fundo Estadual de Assistência Social, por intermédio da Secretaria Estadual de Desenvolvimento Social, conforme processo DRADS: Descrição Saldo em 31/dez./2015 31/dez./2014 Saldo Anterior 75.096 19.827 (-) Devolução da verba (39.107) (3.948) Valores liberados 368.561 284.457 (-) Valores aplicados (312.221) (225.240) Saldo a Aplicar 92.329 75.096 b) Convênio com a Prefeitura Municipal de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social, firmado em 27/abr./2012 e aditado em 30/abr./2014, com vigência de 01/mai./2012 a 30/abr./2017, através do Termo de Aditamento 001/2014 ao Termo de Convênio 066/SMADS/2012, para o serviço de inclusão social e produtiva, conforme demonstramos abaixo: Descrição Saldo em 31/dez./2015 31/dez./2014 Saldo Anterior 0 0 Valor a receber período anterior (23.811) 0 Valores liberados 291.669 245.723 (-) Valores aplicados (262.201) (269.534) Saldo a receber 0 23.811 Saldo a Aplicar 5.657 0 c) Convênio com a Prefeitura Municipal de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal da Saúde/Fundo Municipal da Saúde, firmado em 02 de julho de 2.013, com vigência de 02/jul./2013 a 01/jul./2015, através do Termo de Convênio n° 025/2013-SMS-G, cujo objeto é a realização do projeto “Informar e Multiplicar para Prevenir”; Convênio com a Prefeitura Municipal de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal da Saúde/Fundo Municipal da Saúde, com vigência de 17/09/2015 a 16/09/2017, através do Termo de Convênio n° 017/2015-SMS-G, cujo objeto é a realização do projeto “Formando Multiplicadores Locais para Prevenção e Inclusão”, conforme demonstrado abaixo: Descrição Saldo em 31/dez./2015 31/dez./2014 Saldo Anterior 74.456 66.497 (-) Devolução da verba (183) (3.948) Valores liberados 95.875 63.105 Rendimento do valor aplicado 4.040 4.694 (-) Valores aplicados (77.247) (59.840) Saldo a Aplicar 96.941 74.456 d) Convênio com a Prefeitura Municipal de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social, firmada em 29 de agosto de 2.014, com vigência de 29/ago./2014 a 28/ago./2016, através do Termo de Convênio n° 127/SMADS/2014, cujo objeto é Centro de acolhida para adultos por 24h, 190 vagas para ambos os sexos, sendo 110 vagas a noite e 80 vagas para o dia, conforme demonstrado abaixo: Descrição Saldo em 31/dez./2015 31/dez./2014 Saldo Anterior 15.393 0 Valores liberados 1.210.446 26.078 (-) Valores aplicados (1.200.565) (10.685) Valor a receber no próximo período 0 0 Saldo a Aplicar 25.274 15.393 e) Convênio com a Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania, firmada em 01 de novembro de 2014, com vigência de 01/nov./2014 a 01/mai./2016, através do Termo de Convênio nº 61/SMDHC/2014. O objeto é promover o acesso a direitos e inclusão social, cultural e econômica da população migrante na cidade de SP no “Centro de Referência e Acolhida para Imigrantes (CRAI), conforme demonstrado abaixo: Descrição Saldo em 31/dez./2015 31/dez./2014 Saldo Anterior 363.147 0 Valores liberados 75.200 379.200 Rendimento do valor aplicado 22.399 3.076 (-) Valores aplicados (343.301) (19.129) Saldo a Aplicar 117.445 363.147 f) Convênio com a Prefeitura Municipal de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social, firmada em 03 de abril de 2.014, com vigência de 03/abr./2014 a 02/abr./2016, através do Termo de Convênio n° 69/ SMADS/2014, cujo objeto é oferecer proteção social à criança e adolescente, em situação de vulnerabilidade e risco, por meio do desenvolvimento de suas potencialidades, bem como favorecer aquisições para a conquista da autonomia, protagonismo e cidadania, mediante o fortalecimento de vínculos familiares e comunitários, conforme demonstrado abaixo: Descrição Saldo em 31/dez./2015 31/dez./2014 Saldo Anterior 1.759 0 Valores liberados 454.956 228.470 (-) Valores aplicados (412.300) (261.581) Valor a receber 0 33.111 Valor recebido período anterior (33.111) 0 Repasse Majoração 0 9.272 (-) Valores aplicados Majoração 0 (7.513) Saldo a Aplicar 11.304 1.759 g) Convênio com o Fundo Social de Solidariedade do Estado de São Paulo, firmado em 28 de outubro de 2.014, com vigência de 28/out./2014 a 28/03/2018, cujo objeto é a transferência de recursos materiais e financeiros para implantação e execução da 2ª fase do Projeto “Escola de Moda”, com a realização do curso de roteiro de costura, conforme demonstrado abaixo: Descrição Saldo em 31/dez./2015 31/dez./2014 Saldo Anterior 3.773 0 Valores liberados 0 3.791 Rendimento do valor aplicado 157 33 (-) Valores aplicados (3.930) (51) Saldo a Aplicar 0 3.773 h) Convênio com a Prefeitura Municipal de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social, firmado em 21 de julho de 2.015, com vigência de 21/jul./2015 a 20/jul./2017, através do Termo de Convênio n° 157/ SMADS/2015, cujo objeto é a prestação de serviço denominado “Núcleo de Convivência para Adultos em Situação de Rua”, conforme demonstrado abaixo: Descrição Saldo em 31/dez./2015 31/dez./2014 Saldo Anterior 0 0 Valores liberados 32.256 0 (-) Valores aplicados 0 0 Saldo a Aplicar 32.256 0 i) Convênio com a Prefeitura Municipal de Petrópolis-RJ, por meio do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Petrópolis, firmado em 29 de abril de 2.015, com vigência de 29/abr./2015 a 28/abr./2016 através do termo de convênio nº 04/2015, para o projeto “Vem pra Roda de Capoeira, vem dançar. Conhecendo a cultura da África”, conforme demonstrado abaixo: Descrição Saldo em 31/dez./2015 31/dez./2014 Saldo Anterior 0 0 Valores liberados 39.984 0 Rendimento 1.198 0 (-) Valores aplicados (19.485) 0 Saldo a Aplicar 21.697 0

Continua

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO (Em Reais R$ 1)


Continuação

22 | Balanço/Regiões Episcopais |

25 a 31 de maio de 2016 | www.arquisp.org.br

ASSOCIAÇÃO FRANCISCANA DE SOLIDARIEDADE - CNPJ 11.861.086/0001-63 j) Estão representados pelos valores originais e referem-se ao “Termo de Parceria Assistencial”, acordado entre a Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil e a Associação Franciscana de Solidariedade, em 17 de março de 2.010, o qual vigorará por prazo indeterminado, conforme demonstrado no quadro seguinte: Descrição Saldo em 31/dez./2015 31/dez./2014 Valores liberados 2.545.854 1.810.034 (-) Valores aplicados (-) Captação Telemarketing (1.272.616) (1.212.971) (-) Gestão Sefras (1.273.238) (597.063) Saldo a Aplicar 0 0 Resumo das parcerias e convênios: Convênio/Parceria Saldo em Saldo em 31/dez./2015 31/dez./2014 a) Prefeitura de São Sebastião firmado em 13/jan./2015 92.329 75.096 b) Prefeitura de São Paulo firmado em 30/abr./2014 5.657 0 c) Prefeitura de São Paulo firmado em 02/jul./2013 96.941 74.456 d) Prefeitura de São Paulo firmado em 29/ago./2014 25.274 15.393 e) Secretaria Municipal Direitos Humanos e Cidadania firmado em 01/nov./2014 117.445 363.147 f) Prefeitura de São Paulo firmado em 03/abr./2014 11.304 1.759 g) Fundo Social Solidariedade do Estado de São Paulo firmado em 28/out./2014 0 3.773 h) Prefeitura de São Paulo firmado em 21/jul./2015 32.256 0 i) Prefeitura de Petrópolis - Projeto “Vem pra Roda de Capoeira, vem dançar.” 21.697 0 TOTAL 402.903 533.624 NOTA 12. PROVISÕES PARA CONTINGÊNCIAS Constituída com base em informações obtidas pela consultora jurídica, suficientes para cobrir eventuais perdas com as ações que a Associação está discutindo judicialmente. Descrição Valores 2.015 2.014 Contingências Trabalhistas 30.000 0 Total 30.000 0 NOTA 13. PATRIMÔNIO LÍQUIDO A Associação não remunera os membros componentes de sua diretoria, conselheiros, associados ou equivalentes e não distribui ou concede vantagens sob nenhuma forma. NOTA 14. RECEITA BRUTA Está representada pelos valores originais, conforme demonstrado no quadro seguinte: Descrição Saldo em Saldo em 31/dez./2015 31/dez./2014 a) Contribuições e donativos 2.499.839 2.577.402 Pessoas físicas 382.938 294.175 Pessoas jurídicas 304.411 212.459 Telemarketing 1.792.490 2.050.768 Fundo Brasil de Direitos Humanos 20.000 20.000 b) Doações do Exterior 30.495 37.499 Pessoas jurídicas 30.495 37.499 c) Convênios Privados e Públicos s./restrição 2.569.655 1.810.034 Província Franciscana 2.545.854 1.810.034 P.M.S.P. – Centro de Acolhida * 23.801 0 d) Convênios c./restrição 2.778.956 1.262.107 P.M.S.P.- RECIFRAN 262.201 275.765 P.M.S.P.- Centro de Acolhida 1.200.565 413.673 P.M.S.P.- Projeto SCFV/Peri 412.300 269.093 P.M.S.S.- Projeto Andorinha/DRADS 312.221 225.240 P.M.S.P.- Projeto CEFRAN 77.247 59.840 P.M.S.P.- Projeto CRAI 343.301 18.445 FUSSESP - Casa de Clara (Proj. Escola de Moda) 3.930 51 P.M.S.P. - MSE Jaçanã 147.705 0 P.M.P. – (Funcria) Vem pra roda capoeira 19.486 0 Total (a + b + c + d) 7.878.945 5.687.042 * Aditamento de convênio conforme Ordem Interna n° 1/2015 – SMADS, publicado no Diário Oficial de São Paulo em 16/05/2015, referente ao “Plano de Contingência para Situações de Baixas Temperaturas”. NOTA 15. BENEFÍCIOS FISCAIS A entidade através da Resolução 43 de 31/03/2015 da Secretaria Nacional de Assistência Social, publicado no Diário Oficial da União de 01/04/2015, obteve o Certificado de Entidade Beneficente de Assistência Social (CEBAS). Portanto, a partir de 2015, nos termos da legislação vigente, a Associação, se beneficiou do não recolhimento de tributos e contribuições. A seguir, estão estimados os principais benefícios obtidos: Descrição Valores 2.015 Cota patronal da contribuição ao Instituto Nacional do Seguro Social – INSS 556.798 Terceiros 155.873 SAT 29.609

Belém

NOTA 16. ASSISTÊNCIA SOCIAL A Entidade mantém serviços de assistência social para crianças, adolescentes, jovens, idosos, pessoas em situação de rua, imigrantes, pessoas vivendo e convivendo com HIV/ Aids, catadores, pessoas em conflito com a lei, sem distinção de raça, cor, escolaridade, crença religiosa, opção política ou condição social, na formação humana, social e cultural, na área de assistência social, visando promover a dignidade humana. Os projetos de assistência social estão dentro dos parâmetros estabelecidos pela Lei 12.101/2009, regulamentada pelo Decreto 8.242/2014 e pela Lei 12.868/2013. No quadro seguinte está resumida a abrangência dos projetos e os valores aplicados durante o período de 2015: Número de Atendimentos / Ano

Tipificação na Assistência Social

Serviços

Valor Aplicado em 2015 Próprios

Convênio

Total

SÃO PAULO/SP Sefras Peri – Serviço que oferece proteção social à criança e ao adolescente em situação de vulnerabilidade e risco, por meio do desenvolvimento de suas potencialidades, bem como, favorecer aquisições para a conquista da autonomia, do protagonismo e da cidadania, mediante o fortalecimento de vínculos familiares e comunitários.

Serviço de Convivência e fortalecimento de 21.271 Vínculos

Sefras Idoso - Espaço que tem como objetivo, proporcionar à pessoa idosa uma convivência saudável visando à melhoria na qualidade de vida e o fortalecimento do seu protagonismo.

Serviço de Convivência 7.819 89.519 3.930 93.449 e fortalecimento de Vínculos

Sefras População de Rua SP – Serviço que busca contribuir para a proteção e efetivação dos direitos da população em situação de rua na cidade de São Paulo.

Serviço Especializado para Pessoas em Situação de Rua

51.290

368.960

Sefras Reciclagem – Serviço de inclusão produtiva que visa possibilitar a saída das ruas por meio da concretização de um projeto de vida que possibilite a inserção no mundo do trabalho e contribua para o processo de autonomia e inserção social.

Serviço Especializado para Pessoas em Situação de Rua

11.783

286.628 262.201 548.829

Serviço de Convivência e fortalecimento 5.357 de Vínculos

321.368 77.247 398.615

125.543 0 125.543

Sefras Prevenção HIV/AIDS – Serviço que tem como objetivo lutar para conter o avanço da epidemia, como também, do preconceito e da discriminação às pessoas vivendo e convivendo com HIV/AIDS (PVCHIV/AIDS) através de parcerias e ações de prevenção. Sefras Defesa e Justiça Penal – Serviço que visa contribuir com as lutas de enfrentamento contra a criminalização da pobreza, dos movimentos sociais e do encarceramento em massa.

Serviço de Assessoramento e Defesa de Direitos

Sefras Defesa e Justiça Penal – Serviço que visa contribuir com as lutas de enfrentamento contra a criminalização da pobreza, dos movimentos sociais e do encarceramento em massa. (MSE Jaçanã – a partir de set./2015)

62.776

412.300 475.076

0

368.960

1.083

Sefras Imigrantes – Serviço de acolhimento que possui como objetivo acolher e garantir proteção integral às pessoas em situação de rua, contribuindo para a reinserção social.

Serviço de Acolhimento 42.833 Institucional

Centro de Referência e Atenção ao Imigrante – Serviço de defesa de direitos com o objetivo de promover o acesso a direitos e a inclusão social, cultural e econômica da população migrante na cidade de São Paulo.

Serviço de Assessoramento e Defesa de Direitos

2.741

12.969 147.705 160.674 214.324 1.200.565 1.414.889

77.431 343.301 420.732

- Renovação da Inscrição no Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de São Paulo/SP – Nº 1650 até 06/10/2017 (06/10/2014); - Inscrição no Grande Conselho Municipal do Idoso de São Paulo/SP – nº GCMI/0003/12 com validade até 22/11/2014 (22/11/2012) – solicitado renovação em outubro/2014; - Certificado de Matrícula de Organização de Assistência Social perante a Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social de São Paulo – nº 16.89 com validade até 30/06/2016 (29/08/2012); - Inscrição no Conselho Municipal de Assistência Social sob nº 27, com prazo de validade por tempo indeterminado (08/12/2011); - Declaração de Utilidade Pública Municipal conforme decreto 52.842/2011 (09/12/2011); e - Certificado de Regularidade junto ao Cadastro Municipal, único das Entidades Parceiras do Terceiro Setor da Prefeitura do Município de São Paulo com validade até 21/10/2016 (15/12/2014).

PETRÓPOLIS/RJ Sefras Criança Petrópolis – Serviço de convivência com o objetivo de promover ações educativas que favoreçam o fortalecimento de crianças, adolescentes e suas famílias em condição de vulnerabilidade social e pessoal, na perspectiva de uma convivência familiar e comunitária de qualidade.

Serviço de Convivência e fortalecimento 22.538 116.640 19.486 136.126 de Vínculos

- Inscrição perante o Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente nº 006 com validade até novembro de 2016. (11/2012).

SÃO SEBASTIÃO/SP Sefras Juventude – Espaço de convivência com o objetivo de oferecer proteção social aos adolescentes em situação de vulnerabilidade e risco, por meio do desenvolvimento de suas competências, bem como favorecer aquisições para a conquista da autonomia e inserção social, estimulando a participação na vida pública da comunidade.

Serviço de Convivência e fortalecimento 892 de Vínculos

24.771 312.221 336.992

- Inscrição no Conselho Municipal de Assistência Social de São Sebastião, sob nº 017 com validade por tempo indeterminado (10/07/2013). - Inscrição no Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de São Sebastião sob nº 050/2013 com validade até 11/10/2016 (11/10/2013). - Declaração de Utilidade Pública Municipal de 03/05/2012.

CURITIBA/PR Sefras Curitiba – Serviço de convivência para população de rua que visa contribuir na garantia dos direitos de pessoas e segmentos em vulnerabilidade na região central de Curitiba.

Serviço Especializado para Pessoas em Situação de Rua

TOTAL

18.475

119.411

0

119.411

164.822 1.820.340 2.778.956 4.599.296

NOTA 17. AUTORIZAÇÃO PARA CONCLUSÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Após exame das demonstrações contábeis da Associação Franciscana de Solidariedade, referente ao exercício findo em 31 de dezembro de 2015, bem como o relatório sem ressalvas emitido pela Audiacto Auditores Independentes SS, a Diretoria aprovou a emissão e apresentação das demonstrações contábeis em 11 de abril de 2016. JOSE FRANCISCO DE CÁSSIA DOS SANTOS CPF 009.174.536-54 PRESIDENTE

LEONEL ANTONIO BARBOSA TC CRC 1SP128.591/O-2

AUDIACTO AUDITORES INDEPENDENTES SS CRC-PR – 04.618/0-9-S-SP AUDITORIA

Peterson Prates

Colaborador de comunicação Região PJ Região Belém

Paróquia Santa Rita de Cássia

A Pastoral da Juventude (PJ) da Região Episcopal Belém realizou entre os dias 20 e 22, o 4º Encontro da Tenda de Formação da PJ, no Lar Santa Maria, em Cotia (SP). O encontro, em parceria com o BomPar, teve como tema “Arte e Educação Popular”.

Após um tríduo festivo, a Comunidade Santa Rita de Cássia, da Paróquia São Miguel Arcanjo, no Jardim da Conquista, celebrou no domingo, 22, a festa da padroeira. A missa solene, com a bênção das rosas, foi presidida pelo Padre Alex Sandro Sudré, MSC, pároco.


www.arquisp.org.br | 25 a 31 de maio de 2016

| Geral | 23

José Renato Nalini recebe Prêmio Santo Ivo Luciney Martins/O SÃO PAULO

Edcarlos Bispo edbsant@gmail.com

A União dos Juristas Católicos de São Paulo (Ujucasp) entregou na quinta-feira, 19, o Prêmio Santo Ivo ao jurista José Renato Nalini, professor, escritor, ex-presidente do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo e atual secretário estadual de Educação. A 2ª edição do Prêmio Santo Ivo teve por objetivo homenagear uma personalidade da sociedade civil que tenha se destacado por contribuir, com imparcialidade de juízo, na melhoria do bem-estar do próximo, afirmando a estima pela integridade à vida, à luz dos ensinamentos cristãos. Em entrevista ao O SÃO PAULO, Nalini disse que o Prêmio é uma generosidade da Ujucasp para com ele. “Muita gente mereceria mais do que eu”, afirmou. “Só tenho a reconhecer esse gesto como um estimulo para que eu encare o desafio de ser secretário de Educação do Estado de São Paulo, essa rede gigantesca de dimensões extraordinárias, com um espirito cristão, com vontade de acertar e estabelecer o diálogo fraterno e solidário, assim como deve ser a comunidade cristã”, declarou. A educação, de acordo com o Secretário, “é uma coisa séria, é a única chave capaz de transformar o mundo”, mas é preciso que haja uma colaboração mútua entre as pessoas da socie-

Outorga, entregue na quinta-feira, 19, representa a colaboração do jurista na defesa da vida e dos valores cristãos durante o exercício de sua profissão

dade, pois “se não levarmos a educação como projeto de nação, o governo sozinho não poderá, no futuro, oferecer educação com a qualidade que almejamos”. Dom Carlos Lema Garcia, vigário episcopal para a Educação e a Universidade, destacou que a outorga do Prêmio a José Renato Nalini é, em primeiro lugar, pela sua brilhante carreira na Magistratura. Em segundo lugar, como estudioso do Direito e professor em diversas instituições. “O Vicariato vê com grande esperança os projetos da Secretaria Estadual da Educação, a serviço de todas as pes-

soas envolvidas em nossas escolas: pais, professores, funcionários e alunos”, afirmou Dom Carlos, que destacou, ainda, encontrar grande abertura por parte do Secretário, que já recebeu o Vicariato em várias ocasiões, que procura ajudar em iniciativas no âmbito das escolas públicas, alinhavando parcerias de cooperação. “Um exemplo disso será a presença do doutor Nalini em um evento sobre a colaboração entre a família e a escola, organizado pelo Vicariato com a participação de outras entidades, como o Movimento Unidos pela Educação, em 3 de junho, na Câmara Municipal de São Paulo”, informou.

Para o presidente da Ujucasp, Doutor Ives Gandra Martins, o Prêmio Santo Ivo quer ressaltar “a santidade do trabalho ordinário, do trabalho comum, a santidade do exercício profissional com os valores cristãos, como eram os primeiros cristãos”. Santo Ivo (1253-1303) foi eleito para ser o “representante” da premiação por ter exercido, com muito louvor, a advocacia e o sacerdócio, revertendo seus conhecimentos e influências em benefício dos mais carentes. Ele foi juiz eclesiástico e a sua dedicação em prol dos mais necessitados conferiu-lhe o título de “Advogado dos Pobres”.

Líderes de religiões cristãs reforçam a importância do diálogo entre as igrejas Luciney Martins/O SÃO PAULO

Edcarlos Bispo edbsant@gmail.com

Na quarta-feira, 18, líderes religiosos membros do Movimento de Fraternidade de Igrejas Cristãs (Mofic) participaram de uma reunião na Cúria Metropolitana de São Paulo. O encontro que ocorre uma vez por ano teve, entre outras pautas, a Campanha da Fraternidade e a memória conjunta católico-luterana dos 500 anos da Reforma Protestante. O Cônego José Bizon, diretor da Casa da Reconciliação, destacou que a reunião acontece com o olhar de avaliação e perspectiva e sempre próxima da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos, sendo essa a primeira vez que acontece fora da Casa da Reconciliação. Estiveram presentes o Cardeal Odilo Pedro Scherer, arcebispo metropolitano; Padre Gregório Teodoro, da Igreja Ortodoxa Antioquina; Dom Flávio Irala, da Igreja Episcopal Anglicana; Pastor Geraldo Graf, da Igreja Evangélica de Confissão Luterana; Pastor Carlos Alberto Radinz, da Igreja Evangélica de Confissão Luterana; Reverendo Marcelo Leandro Garcia de Castro, da Igreja Presbiteriana Unida, Pastor Daniel Castro, da Igreja Presbiteriana Unida; o Arcipreste Boghos Baronian, da Igreja Apostólica Armênia; e o Arcipreste Yeznig Guzelian, da Igreja Apostólica Armênia.

Dom Odilo exortou que aconteçam atividades conjuntas ao longo do ano, sejam no campo acadêmico, religioso ou cultural. O Cônego Bizon informou que para setembro, entre os dias 2 e 4, já está agendada uma atividade conjunta que será realizada pela equipe de diálogo ecumênico do Regional Sul 1 da CNBB.

‘Cinco imperativos ecumênicos’

Encontro entre os membros do Mofic acontece na Cúria Metropolitana de São Paulo, dia18

Campanha da Fraternidade Ecumênica

Ao apresentar as questões ligadas à Campanha da Fraternidade Ecumênica de 2016, que teve por tema “Casa comum, nossa responsabilidade”, o Cardeal Scherer recordou que não é a primeira vez que a Campanha aborda temas ligados às questões ambientais. Dom Odilo lembrou que no âmbito da Igreja Católica algumas ações continuarão a acontecer, como a parceria entre a Arquidiocese de São Paulo e a Sabesp para que, de alguma forma, haja uma colaboração na tentativa de identificar as comunidades que estejam inseridas em uma realidade com problemas de saneamento básico, áreas de risco e ocupações. Nesse sentido, o Cardeal recordou que às igrejas não compete ações práti-

cas, já que não são o Poder Público. Às igrejas, apontou Dom Odilo, compete trabalhar para a conscientização, ensinar e informar as pessoas, além da formação ética de percepção e cuidado com o meio ambiente e com o planeta.

‘Do conflito à comunhão’

Sobre a memória dos 500 anos da Reforma Protestante, o Pastor Geraldo Graf, da Igreja Evangélica de Confissão Luterana, apresentou pontos do documento “Do conflito à Comunhão”, um trabalho da Comissão Luterano – Católico-Romana sobre a unidade. “O documento aponta para nossas falhas e para nossas possibilidades de podermos andar lado a lado. Acredito que quem vai lucrar com isso são o ser humano e a igreja, com nosso testemunho”, afirmou o Pastor.

Do Documento, o Pastor Geraldo destacou os “Cinco imperativos ecumênicos”, que, na visão dele, servem para o diálogo entre católicos e luteranos, e também para todos os cristãos. “Mesmo que as diferenças sejam mais facilmente visíveis e experienciadas, a fim de reforçar o que existe em comum, católicos e luteranos devem sempre partir da perspectiva da unidade e não da divisão; Luteranos e católicos precisam deixar-se transformar continuamente pelo encontro com o outro e pelo testemunho mútuo da fé; Católicos e luteranos devem comprometer-se outra vez na busca da unidade visível, para compreenderem juntos o que significa em termos concretos, e buscar sempre de novo esse objetivo; Luteranos e católicos busquem juntos redescobrir a força do evangelho de Jesus Cristo para o nosso tempo; Católicos e luteranos, em sua pregação e serviço ao mundo, devem testemunhar juntos a graça de Deus”.


24 | Publicidade |

25 a 31 de maio de 2016 | www.arquisp.org.br

O SÃO PAULO - 3103  

Jornal O SÃO PAULO semanário da Arquidiocese de São Paulo, há 60 anos levando informação e formação para os católicos de SP

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you