Page 1

Semanário da Arquidiocese de São Paulo ano 60 | Edição 3040 | 25 de fevereiro a 3 de março de 2015

R$ 1,50

www.arquidiocesedesaopaulo.org.br

Com a palavra: Luiz Marins

Quaresma: um tempo de conversão

‘Para não cairdes em tentação’

Presidente da Anthropos Consulting afirma que atual cenário do País não deve preocupar o trabalhador que investe na própria carreira.

O que são os exercícios espirituais da Quaresma? O SÃO PAULO apresenta uma lista de lugares que oferecem um aprofundamento do convite quaresmal ao jejum, oração e esmola.

Em artigo, Cardeal Scherer fala que a Quaresma coloca o cristão diante de questões fundamentais da vida, entre elas: “Como devemos nos relacionar com Deus e com o mundo?”

Página 11

Página 14

Página 3

‘Sejam corajosos, cheios de fé, amor e caridade’, diz Cardeal aos padres No encontro com o clero arquidiocesano, na quinta-feira, 19, no Colégio Agostiniano Mendel, na zona leste, o Cardeal Odilo Pedro Scherer, arcebispo metropolitano, exor-

tou os padres a serem “pastores generosos, corajosos, cheios de fé, amor e caridade em relação ao povo”. O Arcebispo também falou sobre a Assembleia Ordinária do Síno-

do dos Bispos, que acontecerá em outubro, no Vaticano; e tratou, ainda, sobre a vivência do 11º Plano de Pastoral e de eventos arquidiocesanos programados para este Luciney Martins/O SÃO PAULO

Água é negada aos moradores de rua em São Paulo

ano, como a 114ª Romaria a Aparecida, em maio, e o 13º Curso de Aprofundamento Teológico e Pastoral do Clero, em agosto. Página 24

Um projeto democrático de reforma política A CNBB, juntamente com mais uma centena de entidades, está recolhendo assinaturas para a criação de um projeto de lei de iniciativa popular que altera pontos do sistema político do País. Página 12

Regiões iniciam a Campanha da Fraternidade Santana, Brasilândia e Ipiranga realizaram atividades para marcar o início dos trabalhos da CF 2015, que tem como tema “Fraternidade: Igreja e sociedade” e lema “ Eu vim para servir” Páginas 18, 20, 21

Eles foram para a missa no domingo, 22, às 15h. O local escolhido foi a Cracolândia, que concentra grande número de usuários de crack na zona central de São Paulo. Mas não foram sozinhos. Levaram consigo muitos litros de água para dis-

tribuir. O alerta da falta de água para as pessoas em situação de rua foi feito pelo Padre Julio Lancellotti, Vigário Episcopal para a Pastoral do Povo da Rua da Arquidiocese, que lembrou que eles não têm como acumular ou comprar água e, por

Procissão 22 de Março

isso, estão sofrendo imensamente com a atual crise hídrica. O gesto no domingo foi para lembrar que é missão da Igreja, sobretudo neste momento, “dar de beber a quem tem sede”. Página 13

CRB elege equipe de coordenação em assembleia Na 50ª Assembleia Extraordinária eletiva da Conferência dos Religiosos do Brasil – Regional São Paulo, elegeu, no dia 21, para os trabalhos de 2015 a 2018, a nova equipe de coordenação Página 23

Dia Mundial da Água 15h - Saída da Igreja da Consolação 17h - Missa na praça da Sé


2 | Ponto de Vista |

25 de fevereiro a 3 de março de 2015 | www.arquidiocesedesaopaulo.org.br

editorial

Uma Igreja samaritana a serviço

Em todo começo de ano pastoral, acontece um encontro alegre, fraterno, rico em conteúdo, pleno de propósitos e comunicados importantes. Dom Odilo se reúne com o clero arquidiocesano, fala aos padres como arcebispo, como irmão, como animador e companheiro na missão de evangelizar a cidade de São Paulo. Os padres, por sua vez, olham para o novo ano com entusiasmo, com esperança, ficam sabendo de tudo aquilo que será destaque dentro do plano pastoral e nas celebrações e eventos que marcam a caminhada da Igreja. O clero arquidiocesano tem o rosto da cidade cosmopolita que é São Paulo. Padres nascidos na cidade, padres com raízes nos estados de norte a sul, padres que se misturam ao povo de Deus. A imensa e es-

magadora maioria deles tem aquela bonita característica que fazem deles verdadeiros pastores: a consciência da missão, o amor pelas ovelhas, a constante preocupação de santificar, ensinar e conduzir o rebanho que lhes é confiado. Nossos padres têm, sim, o cheiro das ovelhas, porque convivem diuturnamente com elas, ouve as queixas delas, oram com elas e por elas. No encontro da quinta-feira, 19, os padres de São Paulo puderam conhecer mais de perto o Portal da Arquidiocese, que fará a Arquidiocese mais conhecida em suas estruturas e serviços, mais eficiente em sua comunicação interna e com a sociedade, mais ágil na convocação para o esforço comum de evangelizar. Regiões episcopais, setores, paróquias, comunidades, pastorais, movi-

mentos de apostolado leigo, novas comunidades, associações, todos se verão representados, mostrando seus rostos, seus carismas, seus projetos, suas ações. Ainda no encontro do clero com seu Arcebispo, os padres saíram animados a ajudar o povo de Deus em São Paulo a viver a Campanha da Fraternidade 2015, que quer ampliar a verdade proclamada 50 anos atrás, na constituição conciliar Gaudium et Spes, que “as alegrias e esperanças, as tristezas e as angústias dos homens de hoje, sobretudo dos pobres e de todos os que sofrem, são também as alegrias e as esperanças, as tristezas e as angústias dos discípulos de Cristo” e que “não se encontra nada verdadeiramente humano que não lhes ressoe no coração” (GS 1).

Enfim, do encontro do clero com Dom Odilo, ficou a certeza de que nossas comunidades e paróquias, animadas por seus padres, serão orantes, fraternas, solidárias, missionárias e que multiplicarão ações humanizantes que superem a violência, a escravidão das drogas, a corrupção política, a desigualdade na distribuição do que é de todos. E sempre é bom lembrar que a credibilidade da Igreja vem da defesa intransigente da vida e do cuidado por aqueles que estão caídos à beira do caminho. A retomada da constituição Gaudium et Spes certamente nos ajudará a ser a Igreja Samaritana, que sonha o Papa Francisco, mostrado no cartaz da CF 2015 lavando e beijando os pés de um presidiário em uma cadeia de Roma.

opinião

A desnutrição no Brasil Sergio Ricciuto Conte

Ana Lydia Sawaya A desnutrição acabou no Brasil? Embora muitos digam que sim, não é verdade. Onde está a maioria das crianças desnutridas? Nas favelas e nas periferias dos centros urbanos. Qual é o tipo de desnutrição mais frequente em nosso País? A baixa estatura, que ocorre quando a criança não cresce adequadamente devido à má alimentação, em quantidade e qualidade, associada às infecções frequentes devido às más condições de saneamento básico. Há mais de 2 milhões de moradores em favelas no município de São Paulo. Naquelas em que as condições de saneamento básico são precárias, a proporção de crianças desnutridas pode chegar a 10% ou mais. Mas é difícil diagnosticálas, pois seu acesso aos serviços de saúde básica é precário e intermitente. Em geral, moram em áreas mais isoladas e têm uma condição familiar difícil que, por isso, prejudica seu crescimento adequado, quer por falta de informação da mãe, quer por falta de condições de buscar recursos adequados para a família, ou ainda por dificuldade da mãe de cuidar de seus filhos pela sua vida atribulada. É comum entre essas famílias que poucas recebam o beneficio do Programa Bolsa Família, pois têm dificuldade de buscar esse recurso. Fazem a experiência da solidão e da impotência e muitas têm problemas com a justiça e um membro em conflito com a lei. Esse é o quadro das famílias que recebem tratamento para seus filhos des-

nutridos no Centro de Recuperação e Educação Nutricional (CREN), que possui duas unidades em São Paulo e uma em Maceió (AL). Esses centros tratam de milhares de crianças anualmente, direta e indiretamente, por meio dos serviços de saúde e educação. Fazem “busca ativa” dessas crianças nas comunidades e não

esperam que elas cheguem sozinhas ou por conta própria nos postos de saúde ou hospitais. Essa experiência tem repassado sua metodologia a iniciativas semelhantes aos países da América Latina e Caribe, assim como a alguns países africanos. É inegável a melhoria das condições de vida de muitos pobres brasi-

leiros desde 1970, quando a desnutrição começou a ser sistematicamente avaliada. Vários são os programas que ajudaram, como por exemplo, a aposentadoria rural e mais recentemente o Bolsa Família. Atribui-se, também, um grande impacto à melhoria das condições de moradia e a ampliação do acesso aos serviços de saúde para a queda na desnutrição, mais até do que os programas mais recentes de transferência de renda. Embora morram menos crianças com desnutrição, outros problemas têm aumentado e fazem com que a desnutrição não possa ser considerada erradicada no Brasil, como a fragilidade da estrutura familiar, as famílias monoparentais, a violência e drogadição. E as crianças são as principais vítimas dessa nova situação. Não basta a distribuição de bens materiais, alimentos ou dinheiro para a solução desse problema, que é o mais infame de todos e o mais injusto: não dar a uma criança a condição de sobreviver adequadamente. Tão pouco é suficiente! É preciso ir ao encontro dessas mães, crianças e famílias e oferecer-lhes um suporte humano em todos os aspectos. No CREN chamamos esse método de intervenção, de método da condivisão. É necessário um “fazer com” e não apenas um “fazer para”, ajudando as pessoas a desenvolverem a autonomia e a responsabilidade para com a própria vida. Ana Lydia Sawaya é professora da UNIFESP, fez doutorado em Nutrição na Universidade de Cambridge e foi pesquisadora visitante do MIT. É conselheira do Núcleo Fé e Cultura da PUC-SP.

As opiniões expressas na seção “Opinião” são de responsabilidade do autor e não refletem, necessariamente, os posicionamentos editorais do jornal O SÃO PAULO.

Semanário da Arquidiocese de São Paulo

Mantido pela Fundação Metropolitana Paulista • Publicação Semanal • www.osaopaulo.org.br • Diretor Responsável e Editor: Padre Michelino Roberto • Redator chefe: Daniel Gomes • Reportagem: Cônego Antônio Aparecido Pereira, Edcarlos Bispo, Filipe David e Nayá Fernandes • Institucional: Rafael Alberto e Fernando Geronazzo • Fotografia: Luciney Martins • Administração: Maria das Graças Silva (Cássia) • Secretaria de Redação: Djeny Amanda • Assinaturas: Ariane Vital • Diagramação: Jovenal Alves Pereira • Edição Gráfica: Ana Lúcia Comolatti • Revisão: Maria Aparecida Ferreira • Impressão: Alliance Editorial S.A. • Redação e Administração: Av. Higienópolis, 890 Higienópolis - 01238-000 • São Paulo - SP - Brasil • Fones: (11) 3660-3700 e 3760-3723 - Telefax: (11) 3666-9660 • Internet: www.osaopaulo.org.br • Correio eletrônico: redacao@osaopaulo.org.br • adm@osaopaulo.org.br (administração) • assinaturas@osaopaulo.org.br (assinaturas) • Números atrasados: R$ 1,50 • Assinaturas: R$ 45 (semestral) • R$ 78 (anual) • As cartas devem ser enviadas para a avenida Higienópolis, 890 - sala 19. Ou por e-mail • A Redação se reserva o direito de condensar e de não publicar as cartas sem assinatura • O conteúdo das reportagens, artigos e agendas publicados nas páginas das regiões episcopais é de responsabilidade de seus autores e das equipes de comunicação regionais.


www.arquidiocesedesaopaulo.org.br | 25 de fevereiro a 3 de março de 2015

cardeal odilo pedro scherer Arcebispo metropolitano de São Paulo

A Quaresma nos coloca diante das questões fundamentais da nossa vida: como devemos viver e nos relacionar com Deus e com o mundo? Quais são as referências que devem orientar de maneira segura nossos passos na vida cristã? Sempre no 1º Domingo da Quaresma, ouvimos o Evangelho das tentações de Jesus no deserto: Satanás coloca Jesus à prova, para testar a sua firmeza e fidelidade a Deus. Quer afastar Jesus de sua missão, fazendo-o escolher caminhos cômodos, que lhe dariam vantagem e poder... Muito ousado, ele propõe ao Filho de Deus que adore o próprio diabo, prometendo-lhe, em troca, vaidades e glórias neste mundo... As tentações de Jesus não são somente dele, mas de toda humanidade. Ainda hoje, elas estão presentes por toda parte; há quem se deixe enganar pelo tentador, até ao ponto de “vender a alma para o diabo”, na esperança de alcançar os bens que o tentador promete... A busca de vantagens imediatas pode levar a renunciar a todo tipo de referência ética ou de dignidade; pode até distorcer a prática religiosa, ao ponto de fazer da religião uma prática de mercado, de oferta e

Para não cairdes em tentação procura... Jesus, firme na Palavra de Deus e na oração, rechaça o tentador e não se deixa enganar por suas promessas lisonjeiras. Ensina-nos, assim, a fazer o mesmo: não cair nas ciladas do tentador e enganador, permanecendo firmes nos ensinamentos da Palavra de Deus e na oração. A penitência ajuda-nos a discernir e a recordar sempre que “não é só de pão que o homem vive, mas de toda palavra que sai da boca de Deus” (cf Mt 4,4). A vida do homem neste mundo é confrontada continuamente com escolhas pequenas ou grandes, fundamentais ou secundárias. Nelas está sempre implicada a nossa escolha “por Deus”, ou “contra Deus”, mesmo se isso não se dá sempre muito conscientemente. A Quaresma nos convida a fazermos nossas escolhas por Deus, de maneira consciente e generosa e, por isso, a firmar nossas convicções, fundamentandoas solidamente na união e na sintonia com Deus. O conceito de “tentação”, muitas vezes, é usado de maneira superficial e se torna motivo de sorrisinhos depreciativos; parece referir-se a questões transgressivas na boa educação e nos bons costumes; nem sempre se compreende o significado problemático da verdadeira tentação, que envolve escolhas fundamentais na vida. Somos tentados continuamente; e a tentação, da qual fa-

lam a Igreja e o Evangelho, é coisa séria; nela está sempre em jogo a nossa escolha por Deus ou contra Deus. Por isso, Jesus incluiu, na oração do Pai Nosso, o pedido a Deus para que “não nos deixe cair em tentação, e que nos livre do maligno” (cf. Mt 6,13). Santo Agostinho, refletindo sobre as tentações de Jesus no deserto, diz que “nossa vida, enquanto somos peregrinos neste mundo, não pode estar livre de tentações, pois é através delas que se realiza o nosso progresso; ninguém pode conhecer-se a si mesmo se não tiver sido tentado. Ninguém pode vencer, sem ter combatido; e ninguém pode combater, se não tiver inimigo e tentações” (Comentários ao Sl 60, 2-3). O conceito de “combate” também aparece na Quaresma: nossa vida é uma luta constante para superarmos as insídias do tentador e para nos mantermos firmes nas nossas escolhas por Deus e por seus caminhos, para alcançarmos a vida e a felicidade. A vigilância e a oração são recomendadas por Jesus: “vigiai e orai, para não cairdes em tentação” (cf Mc 14,38). Vigilância é o estado de alerta e de discernimento sobre o que se passa em nós e ao nosso redor. A oração é a contínua busca da comunhão e sintonia com Deus, como o próprio Jesus fez no Horto das Oliveiras, antes de enfrentar o combate final e os sofrimentos de sua paixão e morte.

| Encontro com o Pastor | 3

Início do ano letivo na Faculdade de Teologia Thiago Pacheco

O Cardeal Odilo Pedro Scherer, arcebispo metropolitano de São Paulo e grão-chanceler da PUC-SP, presidiu na sexta-feira, 20, na Paróquia Imaculada Conceição, a missa pelo início do ano letivo da Faculdade de Teologia, no campus Ipiranga, concelebrada pelo bispo auxiliar da Arquidiocese, Dom José Roberto Fortes Palau; e por alguns padres, entre os quais Padre Valeriano Costa, diretor da Faculdade; Padre Boris Agustin Nef Ulloa, pároco; e o Cônego José Bizon, reitor do campus Ipiranga. Durante a celebração, que teve a participação de estudantes de Teologia acompanhados de alguns de seus pais, Dom Odilo abordou a Quaresma e a importância do exercício cotidiano das práticas religiosas para as pessoas se voltarem a Deus. Em seguida, citou três horizontes que, segundo ele, deveriam orientar as iniciativas acadêmicas deste ano na Faculdade de Teologia: a relação da Igreja com a sociedade (tema da Campanha da Fraternidade de 2015); o papel da família no mundo contemporâneo; e a Igreja como espaço de promoção e dignificação da vida de todos. (Colaboraram Tiago Pacheco Ferreira e Andréia e Silva)

Missas ao vivo no Canal 33 A partir de 1º de março, as missas dominicais das 11h na Catedral da Sé passarão a ser transmitidas ao vivo pelo Canal 33, em São Paulo, e o mesmo será feito durante a semana para as missas das 12h. “Seja você também um acompanhante dessa missa onde você estiver, reze conosco”, convidou o Cardeal Scherer, em mensagem de vídeo. (por Daniel Gomes)

TWEETS DO CARDEAL @DomOdiloScherer 23 – Is 58, 6a.7 “Acaso o jejum que prefiro não

é repartir o pão com o faminto, acolher em casa os pobres e peregrinos?”

19 – Oração: “Inspirai, ó Deus, as nossas ações e ajudai-nos a realizá-las, para que em vós comece e termine tudo aquilo que fizermos”.


4 | Papa Francisco |

25 de fevereiro a 3 de março de 2015 | www.arquidiocesedesaopaulo.org.br

O caminho de Jesus passa pelo deserto Com os peregrinos reunidos na praça de São Pedro, às 12h, no domingo, 22, o primeiro domingo da Quaresma, o Papa Francisco, antes de rezar a oração mariana do Ângelus, refletiu sobre o relato das tentações de Jesus no deserto após Ele ser batizado por João Batista no Rio Jordão. Foram 40 dias de retiro, em que Jesus foi tentado por Satanás. O Papa se refere à prova pela qual passou Jesus, descrita por Marcos em breves palavras: “O Espírito levou Jesus para o deserto. E ele ficou no deserto durante 40 dias e aí foi tentado por Satanás. Vivia entre animais selvagens, e os anjos o serviam”. Jesus enfrentou o Satanás “corpo a corpo”, comenta o Papa, “desmascarou as suas tentações e o venceu. E nele, todos vencemos dia a dia”. E por que a Igreja nos faz recordar tal mistério no início da Quaresma? Responde Francisco: “porque isto nos dá a perspectiva e o sentido deste tempo, que é o tempo do combate – na Quaresma

se deve combater – um tempo de combate espiritual contra o espírito do mal”. Atravessamos o “deserto quaresmal” com o olhar para a Páscoa, a vitória definitiva de Jesus contra o Maligno, contra o pecado e a morte. É tempo de “colocarnos decididamente no caminho de Jesus, o caminho que conduz à vida. Olhar Jesus, o que fez Jesus e seguir com ele”. O Papa continua lembrando que “o caminho de Jesus passa pelo deserto”, que se define como “o lugar onde se pode escutar a voz de Deus e a voz do tentador”, coisa impossível de se fazer no barulho e na confusão. “No deserto, podemos descer em profundidade onde se joga verdadeiramente o nosso destino, a vida ou a morte”. “E, como ouvimos a voz de Deus?”, pergunta o Papa. E responde: “ouvimos na sua Palavra”. Daí a importância do conhecimento das Escrituras que nos permite “responder às insídias do maligno”. E o Papa retorna ao seu constante apelo a que todos

leiam e meditem o Evangelho e o tenham sempre à mão. “O deserto quaresmal nos ajuda a dizer não à mundanidade, aos ídolos, nos ajuda a fazer escolhas corajosas conforme o Evangelho e a reforçar a solidariedade com os irmãos”. “Entremos no deserto sem medo!”, exorta o Francisco. A Santíssima Trindade nos acompanha. Estamos como Jesus, guiados pelo Espírito Santo que recebemos no Batismo. “A Quaresma, por isto, é um tempo propício que deve nos levar a tomar sempre mais consciência do quanto o Espírito Santo, recebido no Batismo, operou e pode operar em nós. E, ao final do itinerário quaresmal, na Vigília Pascal, poderemos renovar com maior consciência a aliança batismal e os compromissos que dela derivam.” Uma súplica a Maria, para que “nos ajude a deixar-nos conduzir por Ele, que quer fazer de cada um de nós uma nova criatura”, fecha a mensagem de Francisco. (Por Padre Cido Pereira)

‘Servidores e profetas do Deus vivo’ O Papa Francisco e os colaboradores da Cúria Romana participam dos exercícios espirituais quaresmais de 22 a 27. Reunidos na Casa Divino Mestre, da Família Paulina, localizada em Ariccia, próxima a Roma, o retiro tem como tema “Servidores e profetas do Deus vivo”. O carmelita Bruno Secondin é o responsável pelas meditações que apresentam uma leitura pastoral do profeta Elias, a partir dos temas “Caminhos de autenticidade”, “Caminhos de liberdade”, “Deixar-se surpreender por Deus”, “Justiça e intercessão” e “Recolher o manto de Elias”.

Encontro com a chanceler da Alemanha L’Osservatore Romano

Francisco recebeu, no sábado, 21, a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, acompanhada de uma comitiva governamental. Esse foi o terceiro encontro de Merkel com o Papa. Durante a conversa e em vista do próximo Encontro de Cúpula do G7, que se realizará na Bavária, na Alemanha, foi dispensada atenção especial a algumas questões de caráter internacional, com particular destaque para a luta contra a pobreza e a fome; a exploração de seres humanos e os direitos da mulher; os desafios da saúde, em âmbito global; e a custódia da criação. Foram abordados, ainda, outros temas como o dos direitos humanos e da liberdade religiosa, em algumas partes do mundo.

Com o clero de Roma O Santo Padre teve encontro, na quinta-feira, 19, com os párocos da Diocese de Roma. O tema central da atividade foi “ars celebrandi”, a arte de celebrar, ou seja, de modo particular sobre a homilia na celebração eucarística, a partir de um texto que o então Cardeal Bergoglio fez, em 2005, aos membros da Congregação para o Culto Divino sobre o tema. O texto também ressaltava a necessidade de um sacerdote meditar sobre o sentido do mistério da celebração eucarística, para depois comunicá-lo à comunidade de fiéis, de modo a conformar-se com ele. No conteúdo, se recomenda que se evite alguns comportamentos como aquele de um padre “showman”, que investe suas energias em uma espécie de animação superficial; ou então de um padre com a “síndrome de Marta”, ou seja, sempre ocupado com tantas atividades, que não dispõe de tempo suficiente para uma digna celebração da Eucaristia. (Por Fernando Geronazzo)


www.arquidiocesedesaopaulo.org.br | 25 de fevereiro a 3 de março de 2015

Espiritualidade

fé e cidadania

‘Eu vim para servir’

O medo não salva a liberdade

Dom Devair Araújo da Fonseca Bispo auxiliar da Arquidiocese na Região Brasilândia

Depois de um período de grandes mudanças sociais, políticas e econômicas, vividas pela humanidade na segunda metade do século XX, também a Igreja recebeu novos ares. As palavras do Beato Paulo VI retratam esse tempo novo, de maneira profética: “O anúncio, de fato, não adquire toda a sua dimensão, senão quando ele for ouvido, acolhido, assimilado e quando ele houver feito brotar naquele que assim o tiver recebido uma adesão de coração” (EN 23). No início do novo milênio, São João Paulo II recordou a necessidade absoluta de que em todos os nossos trabalhos, é preciso partir sempre de Jesus Cristo. “Cristo há de ser proposto a todos com confiança. A proposta seja feita aos adultos, às famílias, aos jovens, às crianças, sem nunca esconder as exigências mais radicais da mensagem evangélica” (NMI 28-29). Reafirmando esse pensamento, o Papa Bento XVI também ensinou que, “no início do ser cristão não há uma decisão ética ou uma grande ideia, mas o encontro com um acontecimento, com uma Pessoa que dá à vida um novo horizonte e, assim, o rumo decisivo” (DCE 1). Mais recentemente, o Papa Francisco convidou toda a Igreja a uma atitude de saída dizendo que: “Cada cristão e cada comunidade há de discernir qual é o caminho que o Senhor lhe pede, mas todos somos convidados a aceitar esta chamada: sair da

própria comodidade e ter a coragem de al- 18,20), então ai a Igreja está presente, atucançar todas as periferias que precisam da ando na sociedade. Cada pessoa é, então, luz do Evangelho” (EG 20). como um semeador do Reino de Deus (cf O magistério desses quatro papas for- Mt 13, 3-9). ma como que a moldura de um quadro, Como pessoas, estamos ligados uns aos onde foi desenhada a Igreja do período outros, por isso a vida social não é apenas pós-concílio. Cinquenta anos depois do um acessório ou uma ideologia, ela é uma encerramento do Concílio Vaticano II, exigência da natureza humana. “A Igreja olhamos com gratidão para aqueles que compreende a participação na vida social fizeram a história do Concílio, guardando como um empenho voluntário e generoso e reafirmando a Tradição, e abrindo cami- da pessoa nas questões sociais” (Manual nhos para o diálogo com o mundo. Mas a gratidão convida à responsabilidade de, também hoje, Nossas igrejas, capelas, nossas comunidades, pastorais, salas e salões são espaços movimentos, realidades eclesiais, importantes para a reunião ministros ordenados e povo de e trabalhos da comunidade Deus, aproveitarem a oportuni- local. Mas é com pessoas e dade para retomarmos os ensinamentos do Concílio Vaticano II, entre pessoas que acontece a refletindo, meditando e rezando presença da Igreja. a relação entre Igreja e sociedade. Sem perder a distinção entre Igreja e da CF 2015,201). Portanto, o cristão, que é Estado (Manual da CF 2015,12), os cristãos também cidadão, precisa assumir essa resprecisam estar seguros de sua identidade ponsabilidade social, como sequência da para poderem contribuir com a sociedade. sua fé, segundo o lugar e o papel que ocupa O Evangelho não isola e nem esconde os (cf GS 43). É assim que a presença e a ação discípulos de Cristo, mas abre as possibi- dos cristãos se concretizam em serviço da lidades para a participação na vida da so- Igreja para a sociedade: “Eu vim para serciedade. “A Igreja Católica está presente em vir” (cf Mc 10,45). todo o território brasileiro, participando e O período quaresmal e a CF 2015 servindo, em vários âmbitos e por distintas abrem, para toda a Igreja no Brasil, este formas, a sociedade brasileira” (Manual da tempo de escuta e reflexão com o tema – CF 2015,61). Fraternidade: Igreja e Sociedade. Rever os É preciso recordar que a presença da caminhos já percorridos, os trabalhos já reIgreja é mais que a construção e manu- alizados, manifesta a preocupação da Igreja tenção de espaços físicos. Nossas igrejas, que busca estar atenta aos sinais dos temcapelas, salas e salões são espaços im- pos, para não perder de vista a fidelidade ao portantes para a reunião e trabalhos da Evangelho. Como perita em humanidade, comunidade local. Mas é com pessoas e a Igreja, iluminada pela Palavra, quer conentre pessoas que acontece a presença da tinuar a sentir as alegrias e as esperanças, as Igreja. Onde um católico auxilia alguém tristezas e as angústias do homem de hoje necessitado, onde assume compromissos (cf GS 1), para que os discípulos de Cristo, em favor da verdade, da vida, da justiça e cada vez mais, testemunhem a sua fé, na da paz, por causa de Jesus Cristo (cf Mt solidariedade e no serviço aos irmãos.

ATOS DA CÚRIA NOMEAÇÃO E PROVISÃO DE PÁROCO Em 22 de fevereiro, foi nomeado e provisionado Pároco da Paróquia Jesus Ressuscitado, da Região Episcopal Belém, o Revmo. Pe. Reginaldo de Abreu Araújo Silva, OSA, pelo período de 6 (seis) anos. Em 15 de fevereiro, foi nomeado e provisionado Pároco da Paróquia Nossa Senhora da Esperança, da Região Episcopal Belém, o Revmo. Pe. Antônio Carlos Vanin Barreiro, pelo período de 6 (seis) anos. Em 11 de fevereiro, foi nomeado e provisionado Pároco da Paróquia Nossa Senhora das

| Fé e Vida | 5

Mercês, da Região Episcopal Ipiranga, o Revmo. Fr. Lisaneos Francisco Prates, O. de M, pelo período de 6 (seis) anos, em decreto que entrou em vigor em 22 de fevereiro. Em 11 de fevereiro, foi nomeado e provisionado Pároco da Paróquia São João Batista, da Região Episcopal Belém, o Revmo. Pe. José Alves de Souza, SAC, pelo período de 6 (seis) anos. NOMEAÇÃO E PROVISÃO DE ADMINISTRADOR PAROQUIAL Em 15 de fevereiro de 2015, foi nomeado Administrador Paroquial “ad nutum episcopi” da Paróquia Santo André Apóstolo, da Região Episcopal Belém, o Revmo. Pe. Neidson Gomes.

NOMEAÇÃO E PROVISÃO DE VIGÁRIO PAROQUIAL Em 15 de fevereiro de 2015, foi nomeado Vigário Paroquial “ad nutum episcopi” da Paróquia Nossa Senhora da Esperança, da Região Episcopal Belém, o Revmo. Pe. Valdir Benedito da Luz, CssR. Em 11 de fevereiro de 2015, foi nomeado Vigário Paroquial da Paróquia Nossa Senhora Aparecida - Labatut, da Região Episcopal Ipiranga, o Revmo. Pe. João Paulo Gelailete Rizek, pelo período de 3 (três) anos, em decreto que entrou em vigor em 21 de fevereiro. Em 4 de fevereiro de 2015, foi nomeado Vigário Paroquial “ad nutum episcopi” da Paróquia São Judas Tadeu, da Região Episcopal Belém, o Revmo. Pe. Marcos Antônio Dias, AA.

Em 30 de janeiro de 2015, foi nomeado Vigário Paroquial “ad nutum episcopi” da Paróquia Jesus Ressuscitado, da Região Episcopal Belém, o Revmo. Pe. Pablo Tejedor Fernández, OSA. Em 30 de janeiro de 2015, foi nomeado Vigário Paroquial “ad nutum episcopi” da Paróquia Jesus Ressuscitado, da Região Episcopal Belém, o Revmo. Pe. Jaime Soria Cabeza, OSA. NOMEAÇÃO E PROVISÃO DE DIÁCONO PERMANENTE COMO COOPERADOR Em 8 de fevereiro de 2015, o Diácono Permanente Nelson Carlos Moreira de Almeida foi nomeado como cooperador “ad nutum episcopi”, na Paróquia Nossa Senhora de Lourdes, da Região Episcopal Belém.

Frei Patrício Sciadini, ocd Todos os que têm um mínimo de sentimento humano sofreram profundamente pelo terrível atentado contra a direção do jornal satírico francês “Charlie”. A guerra e o terrorismo pensavam matar para sempre a liberdade. No entanto, o medo dessa vez parece salvar a liberdade. O medo, a revolta, têm unido milhões de pessoas pelas ruas de Paris. Todos unidos tentando um dar coragem ao outro e todos juntos dizendo a si mesmos e ao mundo “venceremos o terrorismo” e seremos capazes de manter alta a bandeira da liberdade. Mas quando nós paramos e começamos a refletir com mais seriedade e deixamos a Palavra de Deus borbulhar em nós, percebemos que o medo sempre afugenta o amor, e a liberdade não pode ser o fruto do medo, mas somente do amor. Vimos com os nossos olhos como é triste sermos espectadores impotentes diante de dois loucos enfurecidos, não por amor a Deus, mas por fanatismo, usando Deus como pretexto para matar. Com isso, nos sentimos todos reféns do medo, encurralados pelo medo. No entanto, resta uma pergunta no mais íntimo do nosso coração, à qual não queremos responder ou não a percebemos com toda a sua força: qual é o caminho para vencer o medo, para derrotá-lo uma vez para sempre? Amar-nos ainda mais, obscurecer os canais da internet, reforçar as fronteiras, ter a lista de todas as pessoas que viajam nos aviões, construir muros para não permitir que ninguém passe? Esse medo pode somente ser vencido destruindo as barreiras, os muros do ódio e entrando em diálogo com todos, abrindo as portas do coração e da vida a milhões de nossos irmãos e irmãs que se sentem rejeitados e marginalizados. É criando espaço de diálogo com todos e crendo que o ser humano pode ser capaz de amar e não de odiar. Abrindo os braços desarmados para que o outro, armado, venha ao nosso encontro e diante da nossa impotência, deixe cair as armas que constituem a sua força. É ir pelo mundo afora cantando as bem-aventuranças de Jesus: “bem-aventurados os pacíficos porque herdarão a terra”. É crer que existe lugar para todos e que o poder sempre escraviza e só o serviço generoso pode abrir novas fronteiras. O medo jamais salvará a liberdade. Porém, o medo se vence só com a coragem da força do amor. Só o Evangelho vivido, o bem, os valores humanos da solidariedade serão capazes de nos fazer vencer o medo e de dar-nos as mãos uns aos outros.


6 | Fé e Vida |

25 de fevereiro a 3 de março de 2015 | www.arquidiocesedesaopaulo.org.br

LITURGIA E VIDA

novos santos e beatos

Beata Rafaela Ybarra

2º DOMINGO DA QUARESMA 1º DE MARÇO DE 2015

O rosto de Deus ANA FLORA ANDERSON

A antífona da missa deste domingo cita o Salmo 26. O povo unido canta que busca a face de Deus e deseja ver o seu rosto. A oração reconhece que é pela Palavra de Deus que poderemos ver a sua glória. A primeira leitura (Gênesis 22, 1-2.9-13.15-18) revela a profundidade da relação entre Deus e Abraão. Antes de abençoá-lo e a sua descendência, Deus quer por à prova Abraão, a fim de saber se, de fato, confia plenamente nele. Abraão entrega-se a Deus, e seu filho e toda a sua descendência são abençoados. Na segunda leitura (Romanos 8, 31-34), São Paulo revela que quando Deus está conosco, ninguém pode nos condenar. O Evangelho de São Marcos (9, 2-10) narra a cena da Transfiguração, a revelação do verdadeiro ser de Jesus na sua glória. Além de ser a realização de todas as promessas da Lei e dos Profetas, aqui representados por Moisés e Elias, Ele é a manifestação da presença divina na história humana. É a revelação de que Jesus é o Filho Amado, o grande Profeta revelador a quem todos devem escutar e obedecer. Todo cristão que procura seguir o caminho que Jesus trilhou deverá viver no mundo da ressurreição, e ser, assim como Ele, o filho muito amado do Pai.

você pergunta

Meu inquilino é espírita. Devo romper o contrato com ele? padre Cido Pereira

Vigário Episcopal para a Pastoral da Comunicação

A pergunta da Luzia (que não disse seu sobrenome) é a seguinte: “Aluguei uma garagem para meu vizinho que encheu o espaço com imagens exotéricas e espíritas. Peço a garagem de volta?” Luzia, a liberdade religiosa é muito importante. É um direito da pessoa. Ela garante a qualquer pessoa ter uma religião e cultuar Deus dentro dessa religião. Negar esse direito a alguém é negar esse direito a nós mesmos. É nessa linha que eu quero responder à sua pergunta. Você não especificou os fins para que alugava sua garagem. Seu vizinho se interessou por ela, alugou e faz uso do jeito que ele entende ser melhor. Se ele cultua a própria fé colocando imagens na sua garagem, tudo bem. Por que criar uma guerra religiosa por conta disso? E nós precisamos ser mais tolerantes mesmo. Precisamos também parar de ver o demônio agindo em cultos que nada têm a ver com o nosso. Por exemplo, quem vê o demônio agindo nos templos de candomblé e outros, está usando critérios de nossa fé católica para explicar manifestações de uma fé que nada tem com a nossa. O demônio, o diabo, o capeta, são contextos cristãos e não cabem aplicá-los a cultos não cristãos. Devemos exigir respeito à nossa fé? Claro que sim! Eu até penso que somos muito relaxados nesse sentido. Na última Bienal de Arte Moderna, um “artista” (atenção para as aspas) desrespeitou imagens de Jesus Crucificado e de Nossa Senhora. Nosso protesto foi apagado. Debocham de nossas imagens, debocham de nossa maneira de louvar e servir a Deus, ridicularizam nossa liturgia, e nós ficamos quietinhos. Esperem aí! Respeito é bom e nós gostamos. Mas, para exigir respeito à nossa fé, respeitemos a fé dos outros. Isso não significa que não devemos testemunhar nossa fé e dar as razões de nossa fé. O testemunho cristão, entretanto, não impõe, propõe. Quem não é cristão merece conhecer Jesus. Mas é preciso que as pessoas ouçam nossas palavras e vejam nossos atos. Devemos fazer de tudo para que as pessoas ouçam e vejam o nosso anúncio e o nosso testemunho. Deixe seu inquilino em paz, minha irmã. E viva sua fé.

23 de Fevereiro

Rafaela nasceu em 16 de janeiro de 1843, em Bilbao, na Espanha, no seio da tradicional família cristã Ybarra, da alta burguesia local. Aos 18 anos, se casou com o engenheiro João Vilallonga, com quem teve sete filhos. Mas, a morte trágica da sua irmã e do cunhado, fez o casal assumir os cinco sobrinhos como seus próprios filhos. Em pleno século XIX, a Espanha vivia um período conturbado, com o povo sofrendo severas privações provocadas pela Revolução Industrial que se desencadeara no mundo. A grande população rural, principalmente a de jovens, se sentia acuada e era seduzida pelos novos polos industriais que surgiam. Bilbao não foi uma exceção, atraindo uma legião deles, que buscavam uma melhor condição de vida. A esse fato, Rafaela se manteve em alerta. Sua situação social não foi um obstáculo para essa sensibilidade: ao contrário, tinha consciência dos perigos que a capital produzia, como a privação, exploração e marginalização. Cultivando o contato com Deus, por meio da oração, no amor ao próximo e na caridade para com todos, despertou e alicerçou as bases para a fundação de um novo instituto religioso. Ao mesmo tempo em que não descuidou da sua vida familiar, se dedicou a uma vida intensa

Reprodução

de apostolado, atuando em todas as obras assistenciais que eram criadas em Bilbao. No final de 1894, junto com três jovens religiosas, assumiu o trabalho de “mães e educadoras” das meninas e jovens que necessitavam de ajuda naqueles anos tão difíceis. Depois de padecer uma longa enfermidade, morreu

em 23 de fevereiro de 1900, aos 57 anos. A santidade de sua vida foi reconhecida pela Igreja. O Papa João Paulo II, a beatificou em 1984. Nessa ocasião, as Irmãs se encontravam em toda a Espanha, Itália e América Latina. A fundadora recebe as homenagens no dia de sua morte. Fonte: www.paulinas.org.br

50

anos

Papa Paulo VI faz apelo pela paz mundial

Capa da edição de 21 de fevereiro de 1965

“Uma vez mais, a Humanidade preocupa-se pelo destino da paz. Uma vez mais, nuvens ameaçadoras voltam a aglomerar-se sobre nobres nações já tão sofredoras, piorando a dolorosa situação em que elas já se encontram e multiplicando os sofrimentos e o luto (...) dirigimo-nos a todos os homens interessados, de qualquer parte que sejam, para que se evitem novas provas e novas lágrimas de populações inocentes”. Assim manifestou-se o Papa Paulo VI, em 11 de fevereiro de 1965, em audiência geral no Vaticano, diante do cenário de tensão mundial criado pelas ameaças de ataques entre soviéticos e norte-americanos. O discurso do Papa foi a manchete do O SÃO PAULO, em

21 de fevereiro daquele ano. “Nosso coração paternal não resiste ante a imagem das consequências de uma guerra moderna, pela terrível potência dos meios aos quais é de temer que se recorreria, se os homens, ao olvidar que são irmãos e filhos de Deus, não usem mais a força da razão, mas a violência”, também disse o Papa. Paulo VI manifestou, ainda, o desejo de que as relações entre os Estados se pautasse no respeito e na confiança mútua. “A hora é grave. Faça a Majestade Divina com que, extintos os ódios, dissipadas as desconfianças, desaparecidos os orgulhos, a justiça e o amor sejam as bases das relações humanas”, disse o Pontífice.


www.arquidiocesedesaopaulo.org.br | 25 de fevereiro a 3 de março de 2015

| Pastorais | 7

setor Juventude

‘Felizes os puros de coração, porque verão a Deus’ é tema de retiro quaresmal para jovens O Setor Juventude da Arquidiocese de São Paulo (Sejusp) realizou no sábado, 21, seu retiro quaresmal no Arsenal da Esperança, na Mooca, zona leste da capital. O tema do retiro foi “Felizes os puros de coração, porque verão a Deus”, proposto pelo Papa Francisco para o 30º Dia Mundial da Juventude, também conhecida como Jornada Diocesana da Juventude, celebrado no Domingo de Ramos. As reflexões foram conduzidas por Dom Carlos Lema Garcia, bispo auxiliar da Arquidiocese, vigário episcopal para a Educação e a Universidade e referencial para o Sejusp. “Nós nos apoiamos nas próprias palavras dessa mensagem do Papa para o Dia Mundial da Juventude e também seguimos os passos do jovem rico, que desejava um amor grande, uma felicidade plena e pergunta a Jesus o que deve fazer. O primeiro passo é procurar seguir os mandamentos como condição

para ter uma verdadeira vida cristã e, em seguida, seguir Jesus para encontrar este sentido para a vida”, explicou o Bispo. De acordo com Nei Márcio de Oliveira Sá, secretário executivo do Sejusp, o objetivo do retiro foi oferecer durante a Quaresma um momento para a juventude rezar, receber o sacramento da Reconciliação, celebrar a Eucaristia, e participar da via-sacra, com lideranças jovens de vários grupos e movimentos. Rogério Romeiro Romão, 22, é membro do grupo de jovens da Paróquia Nossa Senhora Aparecida, no Parque Edu Chaves, na zona norte de São Paulo, e participou pela primeira vez do retiro do Sejusp. “As reflexões do Bispo e os momentos de silêncio nos ajudaram muito a assimilar o tema do retiro. Foi muito interessante a explicação sobre a passagem do encontro do jovem rico com Jesus, que muitas vezes lemos e não

Comunicação Setor Juventude

Jovens de diversos movimentos, comunidades e da Pastoral da Juventude participam de retiro quaresmal

achamos que isso pode acontecer conosco, mas é um apelo que Jesus faz para todo cristão de deixar tudo e segui-lo”. Além das meditações conduzidas por Dom Carlos, houve momentos de oração pessoal e atendimentos de confissões. Pela

manhã, Dom Carlos presidiu a missa com os jovens, e na parte da tarde aconteceu uma via-sacra, seguida de um momento de partilha das experiências do retiro. “É um momento de os jovens se verem como Igreja, perceberem que não estão sozinhos, isolados

em suas comunidades, paróquias ou grupos, mas que são parte de algo muito maior e que existem muitos outros jovens que estão comungando da mesma fé”, destacou o Secretário do Sejusp. Com informações do site www.arquidiocesedesaopaulo.org.br

Campanha da Fraternidade

CF 2015 é apresentada na Assembleia Legislativa de SP O texto-base da Campanha da Fraternidade 2015 que tem como tema “Fraternidade: Igreja e Sociedade” e o lema “Eu vim para servir” (Mc 10, 45), foi apresentado no dia 12, na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), pelo Regional Sul 1 da CNBB. Participaram do evento o bispo emérito de São Miguel Paulista (SP) e referencial da CF junto ao Regional Sul 1, Dom Fernando Legal; o bispo da Diocese de Mogi das Cruzes, Dom Pedro Luiz Stringhini; o bispo Auxiliar de São Paulo e vigário episcopal da Região Belém, Dom Edmar Peron; o coordenador estadual da CF, Padre Antonio Carlos Frizzo; o coordenador do Secretariado Arquidiocesano de Pastoral, Padre Tarcísio Marques, o coordenador da CF na Arquidio-

Agência Alesp

Com a participalção de bispos do Regional Sul1 da CNBB, Campanha da Fraternidade é apresentada na Alesp

cese de São Paulo, Padre Manoel Quinta; e o secretário regional da Cáritas Brasileira e Economia Solidária, João Sérgio da Silva. Dom Pedro Luiz Stringhini ressaltou a relação da Igreja com a sociedade. “A Campanha da

Fraternidade deste ano retoma algo que a Igreja sempre fez, reflete algo que a Igreja faz: estar a serviço dos mais pobres e excluídos, pois a Igreja quer estar a serviço da sociedade, e não a sociedade que está a serviço da

Igreja. A Igreja é uma instituição que serve à sociedade. Na sua presença no mundo, anuncia os valores morais e sociais da mensagem de Jesus Cristo. O amor de Jesus Cristo e o amor de Deus incidem no amor ao próximo, e

o amor ao próximo é a caridade que praticamos no dia a dia. ‘E uma caridade organizada por meio das pastorais sociais: Operária, Criança, Idoso, Sobriedade, Ecologia. Tudo acontece com a finalidade de promover a pessoa humana”, disse o Bispo representando a Presidência do Regional Sul 1 da CNBB. Pela Arquidiocese de São Paulo, Dom Edmar Peron saudou a todos em nome do Cardeal Odilo Pedro Scherer, que se encontrava em Roma. Em sua mensagem, Dom Edmar afirmou ser “um momento único. Todo cristão é também um cidadão. Por isso, a Igreja quer colaborar com a sociedade e encontrar os melhores caminhos para o bem do povo brasileiro”. (Colaborou Renato Papis)

Pastoral Vocacional

Seminaristas participam de formação Com o intuito de preparar os seminaristas para a missão de férias que acontecerá no mês de julho, os seminaristas do Prope-

dêutico e da Filosofia participaram, no dia 12, de uma tarde de formação oferecida pela Pastoral Carcerária.

Durante a missão de férias, os seminaristas, além de ajudar em algumas paróquias e pastorais, fazem visitas aos presídios da capital, além

disso, a formação visa preparar os seminaristas para visitas semanais aos presídios. A formação aconteceu no Seminário de Filosofia Santo

Cura d’Ars e foi ministrada pelo Padre Valdir João Silveira, coordenador nacional da Pastoral Carcerária. (Colaborou Rubens da Cruz)


8 | Igreja em Missão |

25 de fevereiro a 3 de março de 2015 | www.arquidiocesedesaopaulo.org.br

Destaques das Agências Nacionais

Henrique Sebastião Especial para O SÃO PAULO

Comissão publica texto sobre 5ª Semana Social Brasileira A Comissão Episcopal Pastoral para o Serviço da Caridade, Justiça e Paz da CNBB publicou o subsídio “5ª Semana Social Brasileira, Processo, Conclusões e Perspectivas”. O texto ressalta o “jeito próprio de olhar” a

realidade das entidades e movimentos sociais e eclesiais no decorrer das edições da Semana Social Brasileira (SSB), realizadas desde 1981. O livreto recorda esses mais de 30 anos de caminhada: “São longos

Encontro nacional de Arquitetura e Arte Sacra Os 50 anos da constituição Sacrosanctum Concilium, sobre a Sagrada Liturgia, será tema do 10º Encontro Nacional de Arquitetura e Arte Sacra, promovido pela Comissão Episcopal Pastoral para a Liturgia da CNBB, de 18 a 22 de agosto.

A formação aprofundará temas relacionados à Arquitetura, Liturgia e Arte, procurando difundir o interesse geral e incentivar a busca pela ampliação de conhecimentos em projetos, adaptações e construções dos espaços celebrativos. Luciney Martins/O SÃO PAULO

Formação, em agosto, aprofundará temas relacionados à arquitetura, liturgia e arte

Fonte: CNBB

Diocese de Bauru lança CF 2015 em Câmara Municipal

O assessor do Setor Espaço Litúrgico da Comissão Episcopal Pastoral para a Liturgia, Padre Marcelo Molinero, diz que “é necessário um retorno ao eixo da fé, Jesus Cristo, pelo Mistério Pascal, que determina a forma de pensar e organizar o espaço celebrativo”. A formação busca soluções para um triste fenômeno contemporâneo: a perda do sentido do sagrado. “Muitas pessoas envolvidas na organização do espaço litúrgico acreditam hoje que tudo é permitido nos locais de culto”. E ele ainda aponta que certos “espaços não são reveladores do Mistério, e inadequados à Liturgia”. Profissionais de arquitetura, engenharia e artes, estudantes, padres, diáconos, seminaristas, religiosos, membros de conselhos de economia e administração paroquiais e de santuários, equipes de liturgia e também leigos podem participar da formação.

Com missa na Catedral do Divino Espírito Santo, no domingo, 22, começaram as atividades locais da Campanha da Fraternidade 2015 na Diocese de Bauru (SP). Em âmbito nacional, a CF teve início na Quarta-feira de Cinzas. Com o objetivo de ampliar o diálogo entre Igreja e sociedade, em consonância com o tema deste ano, a Diocese apresentará a CF na Câmara Municipal da cidade, em cerimônia aberta. A sessão solene está marcada para 5 de março, às 19h30. Participarão o bispo diocesano, Dom Caetano Ferrari, padres, agentes de pastorais e autoridades. A equipe da CF 2015 da Diocese de Bauru percorreu as paróquias, formando agentes para atuarem na evangelização e preparando-os para gestos concretos, como ações solidárias e missionárias. Atualmente, diversos projetos sociais são atendidos em Bauru e região, com apoio do Fundo Diocesano de Solidariedade (FDS), a partir dos recursos da Coleta da Solidariedade do Domingo de Ramos.

Fonte: CNBB

Fonte: Diocese de Bauru

RIIAL e CELAM organizam projeto sobre a cultura digital na família A Rede de Informática da Igreja na América Latina (RIIAL) e o Conselho Episcopal Latino-americano (CELAM) lançam projeto de investigação sobre cultura digital na família. A iniciativa será desenvolvida durante os anos de 2015 e 2016 e reunirá pesquisadores do Cone Sul, Brasil, América Central, Caribe e países bolivarianos. O projeto investigará a incidência direta ou indireta da cultura digital, um dos temas mais relevantes na era da comunicação, nas famílias latino-

um esforço conjunto das organizações sociais na defesa dos direitos humanos e da natureza como expressão da solidariedade da profecia cristã.

processos de reflexão e ação, cujos resultados são percebidos pela permanência da reflexão, transformada em bandeiras de luta dos movimentos eclesiais e sociais”, consta em um dos trechos. A realização da SSB é

americanas, e surge no ano em que o Papa Francisco convocou a 14ª Assembleia Geral do Sínodo dos Bispos, que tratará sobre o tema “A vocação e missão da família na Igreja e no mundo contemporâneo”. De acordo com o CELAM, a pesquisa será feita a partir de uma metodologia baseada em instrumentos de análise quantitativos e qualitativos. Haverá um questionário online dirigido às famílias, além de discussões e estudos. Fonte: CNBB

Brasileiro é anfitrião do Papa Francisco em Ariccia Em Ariccia, arredores de Roma, os exercícios espirituais do Papa com a Cúria estão sendo realizados na Casa Divino Mestre, recanto da Família Paulina na Itália. O anfitrião do Papa Francisco é o Padre Valdir José de Castro, brasileiro recém-eleito superior da Pia Sociedade de São Paulo. O Sacerdote falou de sua alegria em receber o Santo Padre: “Estamos muito contentes em acolher o Papa Francisco na nossa casa de retiro. Há pouco, terminamos o X Capítulo

Geral, onde tivemos muito presente a exortação apostólica Evangelii Gaudium. E a presença do Papa na nossa casa é uma confirmação dessa alegria que temos de termos também essa Exortação como guia seguro e muito atual para a nossa evangelização com os meios de comunicação social. O Papa esteve aqui ano passado, está voltando este ano, é sinal de que gostou e, para nós, é uma grande alegria e satisfação tê-lo entre nós”. Fonte: Rádio Vaticano

Projeto da reforma política será discutido em eventos em Brasília A Rede de entidades que compõem a Coalizão pela Reforma Política Democrática e Eleições Limpas participa na quarta-feira, 25, em Brasília (DF), de três eventos para a mobilização em torno do Projeto de Lei de Iniciativa Popular e da defesa do Projeto de Lei (PL) 6.316/2013, em tra-

mitação na Câmara dos Deputados. No auditório do Centro Cultural Evandro Lins e Silva, da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), haverá reunião das entidades integrantes para discutir datas do Plano de Mobilização, que engloba ações nacionais para a conscientização e coleta de assinatu-

ras. Também será definida a data de realização da Semana de Mobilização e Coleta de Assinaturas. Já na sede da CNBB acontecerá o lançamento da “Proclamação em Defesa da Democracia”, assinada pelo Cardeal Raymundo Damasceno Assis, arcebispo de Aparecida e presidente da CNBB, e por Mar-

cus Vinícius Furtado Coêlho, presidente do Conselho Federal da OAB. O último momento do dia será um debate com parlamentares, no Plenário 2 da Câmara, sobre o Projeto de Reforma. O objetivo da ação é ampliar o apoio parlamentar à iniciativa. Fonte: CBBB


www.arquidiocesedesaopaulo.org.br | 25 de fevereiro a 3 de março de 2015

Destaques das Agências Internacionais EUROPA

Nacionalismo: ameaça? A Conferência das Comissões Europeias de Justiça e Paz (Comece) publicou uma declaração em que chama a atenção para o perigo que representam partidos que “defendem a supremacia de interesses nacionais estreitos contra valores humanos universais e o comprometimento internacional”. A Comece afirmou que certos partidos estão empurrando seus países em uma direção nacionalista: “Frequentemente racistas ou xenofóbicos, eles trazem à memória as políticas beligerantes e ultranacionalistas que antecederam as duas guerras mundiais”. Um dos partidos mais importantes contrários à União Europeia é o UKIP (Partido da Independência do Reino Unido), que terminou em primeiro lugar nas últimas eleições europeias. Steven Woolfe, membro do Parlamento Europeu pelo UKIP, criticou a declaração e o apoio da Comece à centralização política de uma “Europa secularizada”. Woolfe, que é católico, afirmou que “o UKIP está crescendo nas pesquisas com fiéis praticantes porque tem defendido a liberdade religiosa, a instituição do casamento e a cultura judaico-cristã” e concluiu: “São Tomás de Aquino ensina que o patriotismo – amor ao seu país e ao seu povo – é uma virtude cristã”. Fonte: Catholic Herald

| Igreja em Missão | 9 Filipe David

Correspondente do O SÃO PAULO na Europa

ESTADOS UNIDOS

Florista idosa pode perder tudo por se opor ao ‘casamento’ gay CNA

Barronelle Stutzman recusou-se a fazer arranjos de flores para um “casamento” gay

Barronelle Stutzman, uma florista de 70 anos de idade, é o alvo de dois processos judiciais por ter se recusado a fazer os arranjos para o “casamento” homossexual de um de seus clientes. Um juiz estadual determinou no dia 18 que Stutzman deveria dar todo o apoio necessário a “casamentos” homossexuais, mesmo que isso seja contrário à sua fé cristã. Tanto o Estado de Washington quanto o par ou “casal” de homens exigem agora uma indenização que arruinará a vida pessoal e o negócio da florista. Stutzman está sendo assessorada juridicamente pela Aliança Defendendo a Liberdade (ADF). Seu advogado, Kristen Waggoner, comentou: “leis que deveriam proibir a discriminação podem parecer boas, mas o governo as tem utilizado para ferir pessoas – para forçá-las a se conformar, para silenciá-las e puni-las se elas se recusam a violar suas crenças religiosas em matéria de casamento”. Fonte: CNA

UCRÂNIA

Guerra, não guerra civil Bispos católicos ucranianos foram a Roma para conversar com o Papa Francisco sobre a situação em seu País. Contrariamente ao que diz a propaganda russa, não há

guerra civil na Ucrânia. O que está ocorrendo é “uma agressão direta por uma nação vizinha”, afirmou o arcebispo Sviatoslav Shevchuk. O conflito já matou

6 mil pessoas e produziu 2 milhões de refugiados, incluindo 140 mil crianças. Os ucranianos têm participado ativamente do socorro às vítimas: segundo o Arcebispo, 80% da

população está envolvida no movimento voluntário baseado nas paróquias. Os bispos pedem “o fim da agressão” e a organização de ajuda humanitária. Fonte: Catholic Herald

VENEZUELA

‘Prisão do prefeito de Caracas revela ditadura’ É o que afirmou o arcebispo de Coro, Dom Roberto Lückert. Na semana passada, centenas de agentes da polícia venezuelana invadiram à força o escritório do prefeito Antonio Ledezma e o levaram preso. Segundo o presidente Nicolas Maduro, Ledezma foi preso porque teria participado de

uma conspiração dos Estados Unidos contra o governo chavista da Venezuela. A prisão foi conduzida pelo serviço de inteligência bolivariano. Antonio Ledezma, assim como Leopoldo Lopez, líder oposicionista que também está preso, havia assinado uma declaração pedindo um

acordo nacional para um governo de transição como meio para lidar com a grave crise econômica que o País atravessa. Em nota enviada à agência Fides, Dom Roberto afirmou: “O falecido presidente não estava errado quando dizia que nos levava ao mar da felici-

dade cubana, e essa é a prova. Aqui, as normas da lei são atualmente pisoteadas”. Segundo o Arcebispo, o povo venezuelano está “ofendido e exasperado” e a prisão de Ledezma joga “óleo no fogo”, além de ser a prova da “falta de democracia” no País. Fonte: Fides


25 de fevereiro a 3 de março de 2015 | www.arquidiocesedesaopaulo.org.br

Acabou o carnaval: Feliz Ano Novo! Valdir Reginato É tradição neste Brasil dizer que o ano começa após o carnaval. Assim: Feliz Ano Novo! Estamos iniciando 2015, já passados dois meses do calendário! Dois meses! Isso mesmo. E o que fizemos neste tempo? Aproveitamos as férias de janeiro com as crianças, e ficamos aguardando em fevereiro o carnaval, porque afinal começar alguma coisa para depois ter que parar, não vale a pena... Mas assim que acabar o carnaval... É a mania de adiar, deixar para depois, numa melhor ocasião em que não ocorrerá interrupções já conhecidas, para podermos deslanchar. Pé no chão: já se foram dois meses! Vale a pena pensar que é preciso saber aproveitar o tempo na sua preciosidade, no seu presente, que é um tesouro que se possui um só instante. O momento anterior já foi e o seguinte ainda não chegou. Não desanimemos. Você não perdeu tempo, se nada fez de concreto até agora de 2015. Olhar para trás com sentimento de nostalgia ou culpa não serve para nada. Estarão lá possivelmente um tempo alegre em família, um período justo de repouso (que não é perda de tempo), talvez algumas dificuldades e sua maneira de resolvê-las. Nunca o tempo é perdido quando, de modo otimista, se sabe avaliar o que aconteceu, porque aconteceu, e como nos comportamos diante dos acontecimentos. Talvez, possamos rever a nossa postura e perceber que poderíamos ter sido mais atenciosos com a filha adolescente, mais participativos com os filhos menores, e mais pacientes com as manias do cônjuge. Poderia ter mantido o bom humor diante de alguns

percalços, e não ter estourado com tanta facilidade. Se houvesse planejado com certa antecedência, não teria ocorrido aquele atraso que resultou, no almoço de domingo na casa da sogra, numa confusão. Aprender com

e reconhecendo nossas falhas, presentes em qualquer um, nos esforçaremos por superá-las a cada dia, com entusiasmo. O passado não pode desanimar nem o presente, nem o futuro. Já foi. Ficou para trás. Grandes

o passado é uma ótima tática de fazer previsões para o futuro, quando temos a chance de poder melhorar pessoalmente, e tornar a vida mais agradável aos demais. As experiências podem ser um forte alicerce para o crescimento. Agradecendo com alegria o que nos ocorreu de bom;

projetos se concretizam em pequenos detalhes do cotidiano. De nada adianta falar: “Vou melhorar”. É preciso dizer em que situações e o que farei. Tornar-se um melhor pai pode significar não esquecer todas as noites de dar um beijo nos filhos na hora de deitar, com um sorriso, e às vezes

Carros mais integrados com dispositivos móveis Luiz Otávio Ugolini Vianna Sou diretor de uma empresa de tecnologia que trabalha com sistemas baseados na internet. Há alguns anos, pessoas da minha equipe me fizeram um intrigante questionamento: “até aonde vai nossa área de atuação? Com a evolução da tecnologia, como saber se nossas soluções deverão englobar novos dispositivos criados?”. A resposta veio imediatamente e resumi: “Se os novos dispositivos puderem exibir, coletar informações e conectar-se à internet, sim, eles deverão ganhar a nossa atenção e devemos sim pensar em incluí-los em nossas soluções”. Por que trago esse tema? Por causa dos rumores que surgiram na última semana com relação à Apple, que estaria contratando engenheiros do mercado automobilístico. Segundo o palpite geral, seria para desenvolver um carro, já apelidado por estes de “i-Car”, que seria lançado até 2020. O desenvolvimento do tal carro ainda é pura especulação, o que parece certo

é que essa equipe está sendo montada. Prova disso é que a Apple está fazendo ofertas monetárias muito tentadoras para que engenheiros da Tesla (fabricante de veículos elétricos) troquem de emprego. Muitos acham estranho esse movimento, mas se voltarmos ao começo do texto poderemos pensar o contrário. A tecnologia está cada vez mais presente nos carros, a integração com dispositivos móveis deixou de ser um item opcional. É certo que sistemas de tecnologia deixarão de ser somente atrativos dos veículos de luxo e passarão a ser, provavelmente, o principal recurso dos veículos. Como nos aviões, serão o sistema principal, controlando tudo. Em fim último, poderemos caminhar para o tão sonhado veículo sem motorista. E o que são os sistemas de controle senão softwares? Natural, então, que empresas de tecnologia se voltem para esse mercado. O Google já anda flertando com isso há algum

tempo e ninguém deu muita atenção. O que fica evidente aqui é o papel da inovação, que parece só funcionar se já estiver no “DNA” das corporações. A Tesla é um fabricante de veículos relativamente nova que já lançou um veículo elétrico de luxo e que pretende lançar um modelo popular até 2017. A Apple e o Google estão também envolvidos nessas inciativas. Mas e a Ford? E a Chevrolet? De fora, parece mais fácil que uma fabricante de carros evoluísse a sua tecnologia, em vez de uma empresa de tecnologia começasse a fazer um carro. Parece faltar o gene da inovação. Para nós consumidores não importa quem vai fazer, mas vale esperar para ter um carro que dirija sozinho, principalmente no trânsito, quando dirigir parece um tempo perdido. Curioso será discutir entre amigos se seu carro roda IOS, Android ou Windows. Luiz Otávio Ugolini Vianna é engenheiro e Diretor de Tecnologia da Mult.Connect

com uma breve historinha que chama o sono e os torna mais seguros. Ser uma melhor esposa pode ser o esforço em não reclamar do que está faltando assim que o marido entra, e da parte deste oferecer um sorriso ao abrir a porta de casa, apesar do cansaço. Ser um melhor amigo significa não se esquecer de perguntar como foi a cirurgia do filho, ou saber se já arrumou emprego. Pequenos detalhes de batalhas diárias que chegarão à vitória de podermos nos tornar pessoas melhores. Batalhas que são travadas principalmente dentro de nós, pelo esquecimento próprio, priorizando as necessidades dos demais. É o velho ditado: “ajudar aos outros resolve os meus problemas”. Esse lema já é visto por muitos livros de autoajuda como uma fórmula de sucesso. A caridade torna-se agora, “reconhecidamente pela ciência”, a fórmula da felicidade. Passado e futuro. Não vivemos nem em um, nem no outro, vivemos no presente. Mas um presente que se desenvolveu do que já ocorreu e deverá construir o que está por vir. Portanto, para aqueles que esperavam passar o carnaval, é tempo e hora! Para os que já estavam andando, que continuem com este espírito de renovação. O importante é saber que a cada momento você pode provocar uma enorme revolução como nos afirma o Apóstolo: “Irmãos, não julgo ter já alcançado a meta; mas somente faço uma coisa: esquecendo-me do que fica para trás e avançando para as coisas que estão adiante, prossigo para a meta, para alcançar o prêmio da celeste vocação de Deus em Cristo Jesus.” (Filipenses 3, 13-14). Dr. Valdir Reginato é médico de família, professor da Escola Paulista de Medicina e terapeuta familiar.

Cuidar da saúde

Tecnologia

Comportamento

10 | Viver Bem |

Ferro x leite

Cássia Regina

Muitas pessoas, principalmente as crianças, se impressionam ao serem diagnosticadas com anemia, relatando que comem de forma saudável e em razoável quantidade. Porém, muitas vezes, a mistura de alguns alimentos atrapalha a absorção. O ferro e o leite, juntamente com seus derivados, disputam o mesmo lugar de absorção. Portanto, se acabamos de ingerir alimentos ricos em ferro e logo após ingerimos leite (iogurte), o corpo absorve um ou outro. Então, após a refeição, em vez de tomar um copo de leite com café ou um iogurte, coma uma fruta. E deixe esses outros alimentos para serem consumidos no lanche. Dra. Cassia Regina é médica na Estratégia de Saúde da Família (PSF)


www.arquidiocesedesaopaulo.org.br | 25 de fevereiro a 3 de março de 2015

| Entrevista | 11

Luiz Marins

‘O colaborador deve demonstrar que está disposto a ajudar a empresa neste momento de crise’ Arquivo pessoal

Roberto Zanin

ESPECIAL PARA O SÃO PAULO

O ano de 2015 tende a ser um período de incertezas para a economia. Porém, o presidente da Anthropos Consulting, empresa de desenvolvimento empresarial e profissional, Luiz Marins, afirma que esse cenário não deve preocupar o trabalhador que investe na própria carreira e se relaciona bem com os superiores e colegas. Marins, que também é escritor e um dos mais requisitados palestrantes do Brasil, acredita que a fé e a vontade de aprender são aliadas na busca por um novo emprego.

Sempre se transmite a ideia de que o que conta para a contratação é o candidato falar outros idiomas, ter vários diplomas etc. Além disso, o que as empresas esperam de um profissional?

Há pessoas que têm a expectativa de receber pelo que sabem e não pelo que fazem. Essa é uma grande ilusão. Quando um diploma, certificado, curso ou experiência estão numa pessoa que produz mais e melhor, aí sim o aumento ou a promoção poderão ocorrer. Não basta ter conhecimento teórico. É preciso fazer!

O SÃO PAULO - O que o pro-

fissional deve fazer para aumentar sua empregabilidade?

Luiz Marins - Ele não pode ficar esperando que seus atuais empregadores invistam na sua formação e desenvolvimento. Ele mesmo deve assumir esse desafio. Deve pegar um pouco do pouco dinheiro que tenha e investir em si próprio, no seu conhecimento; um pouco do pouco tempo que tenha e investir em si próprio; um pouco da pouca energia que ainda tenha e investir em si próprio. Ele tem que demonstrar para o mercado – seja para o atual ou para seu futuro empregador – que é uma pessoa que investe no próprio desenvolvimento, pois se não demonstrar isso, ninguém investirá nele, o que diminuirá a cada dia a sua empregabilidade. Além disso, deve ser alguém que esteja sempre disposto a aprender a participar dos programas e projetos de sua empresa. Quem se “economiza” muito, perde muitas chances de empregabilidade dentro e fora da empresa em que esteja trabalhando.

O ano de 2015 será de ajustes na economia. O que fazer para diminuir as chances de ficar desempregado?

O colaborador deve demonstrar, claramente, com ações concretas, que está disposto a ajudar a empresa neste momento de crise. Ele não pode ficar criando pequenos problemas e deixar de participar de tudo o que a empresa proponha. Agora é hora de o colaborador investir num bom relacionamento com superiores, iguais e subordinados, para que se torne uma pessoa que a empresa enxergue como indispensável.

Por outro lado, quais as principais razões para que o profissional esteja entre os primeiros na lista de demissão?

Perguntei para muitos patrões, muitos chefes, muitos executivos: “Por que você dispensa uma pessoa

mode na amargura. Ela não pode se entregar. Tem que procurar emprego todos os dias, sabendo que receberá mais “nãos” do que respostas positivas.

que estava tão segura?” Veja algumas coisas que eles me disseram: 1ª) Arrogância; 2ª) Achar-se indispensável, a pessoa se acha tão indispensável, que acaba sendo dispensável, acha que, sem ela, a empresa não sobreviverá; 3ª) Fazer-se de ocupada, a pessoa que começa a se fazer de muito ocupada perdeu a noção de que ela não é, por certo, a pessoa mais ocupada do mundo; 4ª) Não participar de cursos, treinamentos, palestras que a empresa promove; 5ª) Pessoas que cumprem rigorosamente o horário, nenhum minuto a mais, nenhum minuto a menos, e não andam o quilômetro extra; 6ª) Segurar informações e não passar para os outros.

Sentir-se seguro no emprego pode ser perigoso para o profissional?

“Eu pensei que eu estava seguro em meu emprego e não estava, fui dispensado, o que aconteceu?” Ouvi esse desabafo de um funcionário dispensado após 18 anos de trabalho, na mesma empresa. Passada a comoção da dispensa, ele me diz: “Na verdade, eu me acomodei, achei que estava seguro, que a empresa precisava mais de mim do que eu dela. Rejeitei algumas propostas para mudar de cidade e ajudar o estabelecimento de uma nova filial, protelei um curso de inglês, que meu gerente queria que eu fizesse; tirei férias nos dias em que novos equipamentos foram instalados e perdi o treinamento sobre como operá-los, sem ter me dado conta. Comecei a falar mal da minha empresa (quem observou isso foi a minha mulher),

a criticar as novas políticas de qualidade e produtividade. Professor, dancei!” Na verdade, a pessoa não fez nada diretamente errado e que tenha motivado a sua dispensa. Uma gota d´água todo dia vai enchendo o copo, até que uma gota o faz transbordar. Uma palavra, um gesto, um comentário em relação a um fornecedor ou cliente, pode ser essa gota d’água. Outro motivo frequente para demissão é ter perdido o respeito pelos colegas. Isso é muito comum.

Qual a melhor estratégia para conseguir um novo emprego?

Mostrar-se disposto a aprender. O empregador hoje quer alguém que tenha um conhecimento, mas, principalmente, que esteja disposto a aprender e a enfrentar novos desafios que acontecem todos os dias em qualquer empresa. Não adianta mentir numa entrevista de emprego. É preciso falar a verdade e mostrar brilho nos olhos, disposição para o trabalho e não se “economizar” para aprender coisas novas.

O desemprego afeta a autoestima, o que dificulta a recolocação profissional. Como encarar esse momento de dificuldade?

O desemprego é uma das coisas mais tristes que pode acontecer na vida de alguém. Um desempregado tem que ter uma força muito grande para não se desesperar. Nesse momento é que a religião pode ter um papel fundamental para que a pessoa não perca a esperança e não se aco-

É cada vez maior o número de pessoas que deixam o emprego com carteira assinada, para serem prestadores de serviço. Como devem se portar em tempos de crise?

Terão que trabalhar muito, pois serão responsáveis pela própria sobrevivência. Devem sempre fazer mais do que o cliente esperava que fizessem para que possam surpreender e encantá-lo e, assim, transformar cada cliente em seu vendedor ativo, seu propagandista. 78% das pessoas confiam mesmo é na informação de outras pessoas na hora da decisão de compra. Assim, o marketing viral é fundamental, e para isso é preciso que o cliente seja surpreendido e encantado.

Quem fica desempregado, com frequência pensa em abrir sua própria empresa. O que se deve levar em conta antes de tomar essa decisão?

O maior problema é que a maioria das pessoas não tem a real noção do que é ser empresário, empreendedor de si próprio. Elas simplesmente não imaginam a enorme carga tributária, os entraves burocráticos, as ações trabalhistas, os achaques de corruptos fiscais e tudo mais que uma anônima e insensível máquina governamental impinge aos empresários de qualquer tamanho. E eles jamais pensaram naqueles que não pagam, não cumprem seus contratos escritos ou verbais, os que não temem a justiça e a desafiam como modo de viver. Quem quer ter seu próprio negócio deve pensar se tem a coragem de pensar grande. Ver no horizonte a luz de seu sucesso, mas que para chegar lá terá que atravessar caminhos nem sempre agradáveis.


12 | Reportagem |

25 de fevereiro a 3 de março de 2015 | www.arquidiocesedesaopaulo.org.br

Igreja e sociedade: promovendo a reforma política

Carta do Cardeal Scherer A todas as paróquias e Comunidades, Organizações do Laicato e demais organizações eclesiais na Arquidiocese de São Paulo; A Lei 9840/99 que pune a compra de votos e a Lei 135/10 (Lei da Ficha Limpa), que impede a candidatura de pessoas condenadas em segunda instância, foram conquistas importantes para a moralização do processo eleitoral. Em anos diferentes, ambas as leis foram apresentadas ao Congresso Nacional como Projetos de Lei de Iniciativa Popular, acompanhadas por mais de 1% do eleitorado brasileiro. A coleta de mais de 1 milhão de assinaturas para a lei que pune a compra de votos e de 1 milhão e seiscentas mil, para a lei ficha limpa, contou com a decisiva participação da comunidades católicas do Brasil, responsáveis por mais de 85% das assinaturas obtidas. O esforço realizado por nossas comunidades demonstra bem a maturidade dos católicos na busca de leis justas que aperfeiçoem o sistema político. É chegado mais um momento para aperfeiçoar o processo político. A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), solidária com inúmeras entidades da sociedade civil, coleta assinaturas de eleitores para um novo Projeto de Lei de Iniciativa Popular, o projeto “Eleições Limpas”. Em apoio a essa iniciativa, apelo às comunidades, pastorais, movimentos e entidades da nossa Igreja e de todos os que queiram unir-se a nós para, com o mesmo empenho das ações anteriores, recolher o maior número possível de assinaturas de eleitores até 29 de março de 2015; precisamos de um milhão e quinhentas mil assinaturas para apresentar no Congresso Nacional o projeto Eleições Limpas. Conto, sobretudo, com o empenho das lideranças leigas de nossas paróquias, comunidades e organizações eclesiais na obtenção do número de assinaturas. Cardeal Odilo Pedro Scherer Arcebispo de São Paulo

do Brasil (OAB), o Movimento Contra a Corrupção Eleitoral (MCCE), por sua vez, apoiam e defendem a “Coalizão pela reforma política democrática”, tanto é que a texto-base da Campanha da Fraternidade 2015, “Fraternidade: Igreja e sociedade”, apresenta, na sua terceira parte, um item que explica e detalha o diferencial que essa proposta Edcarlos Bispo possuiu. edbsant@gmail.com A proposta da Coalizão visa recolher mais de 1,5 milhão de assinaturas para a Talvez a reforma política seja um dos criação de uma lei de iniciativa popular, assuntos mais comentados nos últimos tem- como no caso das leis 9.840, – de combate pos no Brasil. Os mais otimistas acreditam à corrupção eleitoral –, e da Ficha Limpa. que ela seja a solução de todos os problemas “A população está exausta e cada vez mais para o País. Os mais pessimistas olham com atenta e exigente em relação aos direitos que ceticismo a proposta de mudança do sis- lhe são negados. Neste momento, é mais do tema político que será discutida, votada e que importante uma reforma política para aprovada pelos próprios políticos. garantir a efetiva participação popular nas O fato é que após as eleições presiden- decisões dos poderes executivo, legislativo ciais de 2014, uma das mais acirradas da his- e judiciário, por meio de plebiscitos, refetória recente do País, o brasileiro parece ter rendos, leis de iniciativa popular, no concriado um súbito e positivo interesse pelos trole das ações desses poderes, no controle do poder econômico e da mídia”, afirmou assuntos políticos da nação. a coordenadora da Pastoral Fé e Política da Mas o que seria Arquidiocese de São Paulo, Carmen Cecília essa “reforma política”? de Souza Amaral, a Caci. Antes de qualquer coisa, é preciso salientar que há varias propostas e entendimentos O que essa proposta sobre o que seria a reforma política. Diver- tem de diferente? sos grupos e parlamentares defendem uma Para Luciano Santos, da diretoria naciodeterminada reforma com entendimentos nal do Movimento de Combate a Corrupção específicos para assuntos como: o tipo de Eleitoral (MCCE), essa proposta de reforma financiamento das eleições, voto distrital, política se diferencia das outras, justamente lista fechada ou aberta, fim ou manutenção por ser “democrática e contar com o empenho e participação popular”, além de “estado voto obrigatório. A CNBB e mais uma centena de enti- belecer um projeto baseado em lei ordinádades, entre elas a Ordem dos Advogados ria, o que não exige mudança constitucional

Campanha da Fraternidade 2015 aponta para um compromisso das comunidades com a proposta da reforma política democrática

e é mais fácil de tramitar pelo Congresso”. A proposta tem seu eixo central sobre quatro pontos (conforme imagem abaixo): afastar o poder econômico das eleições; adotar o sistema eleitoral proporcional em dois turnos; fortalecer a democracia direta; ampliar o papel da mulher na política.

Mobilização de paróquias, comunidades e leigos católicos para 300 mil assinaturas

Ligando com o tema da Campanha da Fraternidade, a CNBB lançou uma campanha para arrecadar, durante o tempo da Quaresma, mais de 300 mil assinaturas. Apoiando a participação dos leigos e leigas, o Cardeal Odilo Pedro Scherer, arcebispo de São Paulo, lançou uma carta (ao lado) na qual destaca, incentiva e pede a colaboração de todos os fiéis católicos no recolhimento das assinaturas, sobretudo com o “empenho das lideranças leigas de nossas paróquias, comunidades e organizações eclesiais na obtenção do número de assinaturas”. Para Luciano, a Igreja mais uma vez está sendo desafiada a dar sua contribuição para “mexer nesse sistema”, que, segundo ele, causa dor e sofrimento ao povo mais carente, pois quem se “serve deste atual sistema está satisfeito”. Além disso, as entidades que compõem a Coalizão pela reforma política democrática estão elaborando um fórum social temático para estudar e aprofundar o entendimento sobre as questões da reforma política. O fórum está em fase de discussão ainda sem data para realização.


www.arquidiocesedesaopaulo.org.br | 25 de fevereiro a 3 de março de 2015

| Reportagem | 13

‘Dar de beber a quem tem sede’ Fotos: Luciney Martins/O SÃO PAULO

Moradores de rua sofrem com a crise hídrica em São Paulo; sem condições para acumular ou comprar, o problema se agrava e eles não têm água nem sequer para o consumo Nayá Fernandes

nayafernandes@gmail.com

As mãos ágeis e queimadas, as pernas cambaleantes. O olhar desconfiado. Ele veio em direção a um grupo de pessoas reunidas em frente à Sala São Paulo. “É o Padre Julio?”, perguntou, ao ver o Vigário Episcopal para a Pastoral do Povo da Rua, Padre Julio Lancellotti, retirar engradados com garrafas de água de dentro de uma Kombi, estacionada ali. “Sim, é o Padre Julio”, alguém respondeu. “E ele tem água? Nós estamos como camelos no deserto”. Antes mesmo de obter a resposta, o jovem ganhou uma garrafinha de água e saiu, ainda mais rápido do que havia aparecido. Ao segurar a tão desejada água, guardou na pochete uma espécie de cachimbo de alumínio. “Deixa guardar meu cachimbo do mal”, disse. O nome e a idade daquele jovem permaneceram desconhecidos, mas ele saiu em direção à Cracolândia, a um quarteirão dali, lugar onde estão instaladas, provisoriamente, cerca de 700 pessoas, a maioria absoluta usuária de crack. Em procissão, o grupo seguiu para a Cracolândia com garrafas de água nas mãos, e após distribuir pelas barracas de plástico espalhadas por ali, se posicionou em frente a outra barraca, onde estava preparado um altar para a missa, que aconteceu no domingo, 22, às 15h. Jovens, leigos e religiosos participaram daquele momento, que pretendia ser o primeiro de outros, pois a situação do povo da rua está cada vez mais crítica com a crise hídrica da cidade. “Antes, eles tinham água na tenda e podiam, além do consumo, usar para a higiene pessoal. Hoje, falta água quase diariamente e os comerciantes locais não querem mais doar copos ou encher as garrafas”, alertou Padre Julio. A presença de muitos jovens foi imensamente significativa na-

de oferecer lugar para comer e dormir, a missão ensina atividades para essas pessoas e, com o tempo, ajuda na busca de trabalho e convivência na sociedade. “Todo o meu dinheiro vai para a droga e eu preciso mudar, pois tenho um filho de 3 anos para cuidar”, disse um dos que procurou os missionários. Ele não quis se identificar, mas antes de seguir para a casa da Missão, que fica no Belém, buscou algumas coisas que possuía e as colocou numa sacola.

‘Até a cinza de um cigarro vale’

Na Cracolândia, Padre Julio Lancelloti alerta para impactos da crise hídrica junto aos mais pobres

quela tarde. Membros da Pastoral da Juventude e de comunidades como a Missão Belém, Voz dos Pobres, O Caminho e coletivos como Observadores Legais, transmitiram acolhida e calor humano aos moradores da Cracolândia e mui-

tos quiseram contar sua história ou fazer algum desabafo. Três quiseram acompanhar os membros da Missão Belém para suas casas de acolhida. Um deles se aproximou de Jeferson Cavalcanti de Souza, 35, e perguntou: “Quero ir para a

casa de internação. Como faço?” e o missionário prontamente respondeu: “Só vir com a gente”. A Missão Belém, em São Paulo, tem casas de acolhida e reinserção para dependentes químicos e pessoas em situação de rua. Além

A água não pode ser negada

providenciou a doação de 700 marmitas com macarronada que também foram distribuídas na ocasião. Padre Julio fez um apelo às pessoas das paróquias e comunidades e ressaltou a importância de não se negar água para as pessoas em situação de rua. “Eles não têm como acumular, não têm dinheiro para comprar e estão sofrendo mais que todos nós. A água não é só para

os paroquianos, mas dever ser para todos, porque água é dom de Deus e todos têm direito”, falou, fazendo um alerta aos padres para que não se negue água nas paróquias aos moradores de rua. Naquela tarde, um caminhão da Sabesp passou fazendo a lavagem da rua com jato d’água. Nele podia-se ler “Água de Reuso – não potável”. Ainda que o aviso fosse claro, a cena, forte, não passou despercebida.

Durante toda a missa, pessoas vinham pedir água e, antes do término da celebração, chegou também ao local Dom Eduardo Vieira dos Santos, bispo auxiliar da Arquidiocese na Região Sé, que parabenizou os missionários pela iniciativa. Um grupo de Campinas (SP)

Jeferson, agora membro da Missão Belém, também passou pela Cracolândia. Com um sorriso no rosto e a disponibilidade para ajudar a qualquer momento, ele contou à reportagem do O SÃO PAULO que foi deixado na rua aos 8 anos. Usuário de maconha e cocaína por 15 anos, chegou à Cracolândia, onde permaneceu por três anos. Um ano permaneceu na mesma rua, quase sem se locomover. “Um dia, duas irmãs da Missão Belém passaram e me convidaram a ir com elas. Eu estava com tuberculose, quase no fim, e por isso fui”, contou Jeferson, que está na comunidade há dois anos e é o atual coordenador da casa no Belém. “Demorei três dias para conseguir trocar de roupa quando cheguei. Estava há um ano com a mesma calça e já não sentia o que era tecido e o que era minha pele. Embaixo da chuva e do sol, ficava dentro de um buraco.” Jeferson começou a trabalhar na padaria da comunidade e, mesmo com as dificuldades da abstinência nos primeiros meses, conseguiu nunca usar nenhum tipo de droga ou álcool desde que saiu da Cracolândia. Ele explicou que, na Cracolândia, é possível fumar com apenas R$ 1 e por isso o lugar recebe pessoas de todo o Brasil para comprar. “Dentro das tendas há pedras de até R$ 1 mil. Tudo serve como moeda de troca. Um prato de comida, uma camiseta, um chinelo velho e até a cinza de um cigarro vale, pois é utilizada na composição do crack. Se você tiver R$ 10 compra uma pedra e divide em até 40 pedacinhos, vendidos a R$ 1 cada um. Assim, você pode fumar por longos períodos com pouco dinheiro.” Depois de aprender a ler, Jeferson quer começar uma caminhada vocacional para o sacerdócio e, brevemente, deve iniciar a faculdade de Filosofia.


14 | Reportagem |

25 de fevereiro a 3 de março de 2015 | www.arquidiocesedesaopaulo.org.br

É tempo de viver os exercícios quaresmais Paróquias, grupos e novas comunidades oferecem retiros, encontros, grupos de estudo e de oração para auxiliar os fiéis na vivência da Quaresma Henrique Sebastião Especial para O SÃO PAULO

Com a cerimônia da imposição de cinzas, na quarta-feira logo após o carnaval, inicia-se um período espiritual de singular importância na vida da Igreja para todo cristão que tem a intenção de se preparar para viver bem o Mistério da Páscoa de Jesus Cristo. No tempo da Quaresma, recorda-se a inevitável finitude e a fragilidade da existência humana neste mundo (“És pó, e pó te hás de tornar”), com objetivo de elevar corações e almas, das preocupações corriqueiras, às realidades transcendentes. Neste tempo, o cristão busca cumprir a exortação evangélica fundamental: “Convertei-vos e crede no Evangelho” (Mc 12,15). Conversão é também penitência, com a conotação de mudança de mentalidade e como expressão

de proveitosos e livres esforços no seguimento a Cristo. E como é que se podem concretizar esses desejos por santidade, objetivamente falando? A Igreja indica os três exercícios quaresmais essenciais: jejum, esmola e oração, que precisam ser bem compreendidos. O jejum relaciona-se à penitência, as renúncias necessárias para que se corresponda melhor ao Caminho a ser seguido, Jesus. Não há vida cristã sem obediência aos mandamentos de Deus e adesão ao Evangelho, o que por sua vez exige determinação e certa disciplina, isto é, que se assuma a Cruz do Senhor. O exercício do jejum deve servir como auxílio nesse processo de conversão. Por esmola, a Igreja entende toda forma de caridade e solidariedade fraterna. Os cristãos sempre foram reconhecidos pelo selo do Amor-caridade, que, endereçado a Deus, se reflete inevitavelmente no próximo, especialmente no mais fragilizado, que sofre, que está marginalizado. A tentação egoísta da indiferença, porém, sempre existiu e é constante, mesmo no seio da Igreja. A importância de uma vivência intensa da Quaresma, que fortaleça, estimule e faça crescer espiritualmente os cristãos, nos exercícios de paciência e autocontrole, na prática das obras de misericórdia e na busca

Fotos: Luciney Martins/O SÃO PAULO

Na Quaresma, a Igreja indica exercícios essenciais – jejum, oração e esmola – como prática de crescimento espiritual

da intimidade com Deus, se reflete no terceiro exercício espiritual fundamental deste tempo santo: a oração. A Igreja, em seus diversos âmbitos e expressões – paróquias,

grupos, novas comunidades –, oferece oportunidades de crescimento espiritual: são variadas iniciativas que se concretizam na forma de retiros, encontros, grupos de estudo e de oração e

outros, em diversos pontos da grande São Paulo, especialmente direcionadas a auxiliar os fiéis nessa caminhada, favorecendo uma vivência mais frutuosa da estação quaresmal.

Onde vivenciar os exercícios espirituais de Quaresma: Paróquia São Luís Gonzaga (avenida Paulista, 2.378, centro): cresce o interesse pelos retiros semanais coordenados pelo Padre Paulo Lisboa, vigário paroquial, abertos a todos para reflexão e prática de exercícios espirituais inspirados nos de Santo Inácio de Loyola. Os encontros acontecem já há dez anos todos os sábados, das 17h às 19h, durante todo o tempo da Quaresma. A tônica está na oração, contemplação e partilha de experiências. Paróquia São Vito Mártir (rua Polignano A`Mare, 51, centro): Começaram nesta semana as aulas da catequese quaresmal elaboradas pelo Padre João Bechara, que já despertam grande interesse. “Percebi que as pessoas precisam ser continuamente catequizadas. Depois de um curso bíblico realizado no ano passado, reparei que de algum modo querem ouvir a Doutrina da Igreja da boca do padre. Assim, inspirado numa frase de São Pio X, ‘a primeira obrigação do padre é instruir os fiéis sobre a doutrina’, e sendo a Quaresma um período em que o sacerdote deve oferecer mais momentos de catequese, deci-

di, durante esse tempo, dar uma catequese logo após a santa missa do domingo, que começa às 9h30. Após a bênção final, deixo livre para quem quiser ir ou ficar... Neste primeiro domingo, falei sobre ‘graça e pecado’, explicando as condições para se estar em estado de graça, a beleza incomparável de se estar nesta condição e as diferenças entre pecado mortal e venial, bem como seus efeitos. Surpreendentemente, no primeiro dia, cerca de 80% dos presentes permaneceram na catequese. Pretendo, ainda, abordar temas como os mandamentos; a confissão; o mistério pascal; a eucaristia e o Pai-Nosso”, detalha o Padre João Bechara. Paróquia São Judas Tadeu (rua João Alves Pimenta, 152, na Vila Miriam): os retiros quaresmais com a prática dos exercícios espirituais, inacianos, acontecem todos os domingos, pelo sexto ano consecutivo e atraem cada vez mais participantes. Cada encontro começa com a reza do Ofício Divino das Comunidades e prossegue com exercícios de meditação na Sagrada Escritura e posterior troca de experiên-

cias: cada um se propõe, voluntariamente, a vivência de algum princípio evangélico em sua vida prática, durante a semana que se inicia; depois, as dificuldades e acertos pessoais no cumprimento deste voto são partilhados em grupo no retiro seguinte. Paróquia Nossa Senhora do Brasil (praça Nossa Senhora do Brasil, 01, no Jardim Paulista): as reflexões quaresmais são promovidas pelos grupos de oração Sementes do Espírito, na segunda-feira, a partir das 19h30; e Divino Espírito Santo, nas quintas-feiras, às 14 h, e também o grupo de jovens Divino Coração, aos domingos, às 18h. Além disso, todas as sextas-feiras, às 10h30, a comunidade paroquial oferece a meditação da via-sacra, seguida de adoração ao Santíssimo e participação na missa. Centro de Espiritualidade Inaciana (CEI) de Vila Kotska, em Itaici (SP): é sempre uma opção para quem busca oração, meditação e crescimento espiritual, com retiros e cursos temáticos relacionados à busca da necessária experiência pessoal com Deus.

Anchietanum (rua Apinajés, 2.033, próximo ao metrô Vila Madalena): é um centro de espiritualidade jesuíta para formação e acompanhamento dedicado à juventude, que oferece diversas oportunidades para o aprofundamento quaresmal. Na tarde do primeiro sábado de março será aberto o “Roteiro de oração”, com reflexão sobre a Campanha da Fraternidade e a proposta de exercícios espirituais diretamente voltados ao tempo quaresmal. Está programado também um retiro para a Semana Santa, em Itaici, de 2 a 5 de abril. Movimento dos Focolares: mesmo não tendo um roteiro quaresmal clássico, estará vivendo dois momentos especiais no tempo da Quaresma, nos dias 8 e 14 de março, respectivamente, o aniversário de falecimento de Ginetta Calliari e de Chiara Lubich, ambas com seus processos de beatificação e canonização em andamento. Fraternidade da Esperança - Arsenal da Esperança (Rua Doutor Almeida Lima, 900, no Brás): os encontros de oração acontecem às terças-feiras, às

20h, com temas quaresmais e inspiração no lema da Campanha da Fraternidade: “Eu vim para servir”. As reflexões, com partilha espontânea de testemunhos, visam à conscientização de que ser cristão é para todas as situações, e que a fé precisa ser vivida no cotidiano, em cada pequeno gesto, em família, no trabalho, na escola... Vários convidados especiais contarão como vivem o desafio cristão de servir no mundo de hoje. No dia 24, a psicóloga Cecília Melo, voluntária que assiste portadores de transtornos mentais em situação de rua, dará seu testemunho. No dia 3 de março, a professora Ariana Sousa contará a experiência de servir voluntariamente dando aulas de português para estrangeiros acolhidos. Em outros dias, haverá o testemunho de um funcionário da Sabesp (como servir em tempos de crise hídrica); de Walter F. da Silva, engenheiro ambiental (um ano servindo para o desenvolvimento em Angola); de um funcionário do Ministério de Minas e Energia do Estado (uso responsável dos recursos energéticos) e um médico (servir em prol da saúde de todos).


www.arquidiocesedesaopaulo.org.br | 25 de fevereiro a 3 de marรงo de 2015

| Publicidade | 15


16 | Fé e Cultura |

25 de fevereiro a 3 de março de 2015 | www.arquidiocesedesaopaulo.org.br

Filipe David

Mozart e Tchaikovsky na Sala São Paulo Divulgação

Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo realizará apresentações nos dias 5 e 7

Curso

Entre quinta e sábado, dias 5 e 7, a Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (OSESP) se apresenta na Sala São Paulo. No repertório, o Concerto nº 20 para Piano, de Mozart, e a Sinfonia nº 6, de Tchaikovsky. Segundo o pianista e musicó-

logo Charles Rosen, no Concerto nº 20 Para Piano, de Mozart, arte e mito se confundem a tal ponto que a própria experiência de ouvi-lo é inextricável do imaginário coletivo que dele se construiu. Isso valeria também para a Sinfonia nº

6 - Patética, de Tchaikovsky. Ambas as obras remetem à força que contextos e pontos de vista em mutação exercem sobre nossa própria apreensão — inevitavelmente filtrada, afinal, por tudo o que delas se pensou e escreveu, desde quando vieram a público pela primeira vez. Consagrado como gênio da perfeição harmônica, Mozart chegou a ser reverenciado como divino na imaginação de alguns compositores românticos. Tchaikovsky, que dizia adorá-lo como o “Cristo da música”, afirmou: “Mozart era puro como um anjo, e sua música é repleta de beleza divina”. O Concerto nº 20, composto e estreado em 1785, é decerto um marco na construção da reputação posterior de Mozart como o maior dentre seus contemporâneos. Mas essa peça (para a qual Beethoven compôs cadências) foi vista também como a realização plena da face “demoníaca” — leia-se sensual e perigosa — que pensadores como E.T.A. Hoffmann e Kierkegaard vislumbraram no mestre de Salzburgo, retratando-o como um prefigurador do Romantismo.” (Notas do Programa).

Compreensão de textos em línguas estrangeiras A Casa Guilherme de Almeida oferece cursos de compreensão de textos em línguas estrangeiras. O programa propõe o desenvolvimento da compreensão de textos literários em línguas estrangeiras (três foram escolhidas para a programação

inicial: a inglesa, a francesa e a italiana) por meio da leitura comentada e do exame de aspectos semânticos, sintáticos e estilísticos neles identificados. A cada encontro, será lido e discutido – sempre em português – um

texto breve, ou um fragmento de obra mais extensa, na língua em questão. As aulas começam no início de março e o pré-requisito é ter um conhecimento básico da língua escolhida. Para inscrições e mais informações:casaguilhermedealmeida.org.br.

Dica de leitura

Música

osaopaulo@uol.com.br

Pai, pequei

Divulgação

“O pecado é sempre uma ofensa a Deus”, mesmo quando prejudicamos com a atitude pecaminosa a nós mesmos, aos outros ou à sociedade em geral. Talvez nos ajude a conscientizar-nos de como é grande a maldade do pecado saber que, ao pecar, estamos indo contra Aquele que nos deu tudo: deu-nos a vida; a inteligência para conhecermos tudo o que foi criado em nosso benefício e para tirarmos das coisas criadas o melhor proveito para o nosso bem espiritual e material; deu-nos a vontade para amarmos essa criação e, sobretudo, o Criador delas, e para sermos amados por ela e, sobretudo, por Ele; e nos deu o dom valioso da graça, que nos faz coparticipantes, já, agora, da Sua própria felicidade. FICHA TÉCNICA: Autor: Padre Ricardo Leão Páginas: 78 Editora: Ecclesiae


www.arquidiocesedesaopaulo.org.br | 25 de fevereiro a 3 de março de 2015

| Esporte | 17

Para garantir lugar na torcida verde-amarela Reprodução

Primeira fase do cadastro para reserva de ingressos da Olimpíada de 2016 termina em março; vôlei e futebol são os esportes com maior procura Daniel Gomes

danielgomes.jornalista@gmail.com

Quando os esportistas brasileiros entrarem nas águas, campos, pistas e quadras para competir na Olimpíada Rio 2016, entre 5 e 21 de agosto do próximo ano, encontrarão muito mais apoio de seus compatriotas nas arquibancadas do que nas duas últimas edições dos Jogos: em Pequim 2008, 18 mil ingressos foram vendidos a brasileiros e em Londres 2012 cerca de 50 mil, desta vez, a maior parte dos 7,5 milhões de ingressos deve ser adquirida pela torcida do País. E quem quer garantir lugar na torcida verde-amarela em algumas das 717 sessões da Olimpíada Rio 2016 (conjunto de atividades previstas para determinado dia, horário e local) tem até começo de março para se cadastrar na primeira fase do Programa de Ingressos de Jogos. Para isso, basta acessar o site www.rio2016.com/ingresssos. É preciso ser maior de 18 anos e residir no Brasil. A venda de ingressos para estrangeiros será feita posteriormente. De acordo com o Comitê Organizador dos Jogos Rio 2016, até o dia 20 deste mês, a maioria de cadastros foi de residentes do Rio de Janeiro (37%), São Paulo (29%) e Minas Gerais (7%). O carioca Marcos Wilson Oliveira da Silva, 33, professor de Educação Física e integrante da Pastoral do Esporte do Rio, já se cadastrou. “Não tive dificuldades, quando vi que estavam liberadas as reservas, logo fiz. Sobre o que pode ser aprimorado, acredito que maior clareza com valores para cada evento escolhido, pois se um determinado evento estiver mais caro que prevê o orçamento, eu o deixo e escolho outro. Além de ser melhor saber sempre o valor das coisas que interessam”, afirmou ao O SÃO PAULO, apontando que o sistema é mais simples que o da venda de ingressos da Copa do

Cadastramento para aquisição de entradas para os jogos olímpicos já pode ser feito no site www.rio2016/ingressos

Mundo de 2014. “Foi tão confuso, que perdi alguns prazos sem saber que eles existiam. Para os jogos olímpicos as coisas parecem melhores e mais fáceis”. A bancária Mara Andrade, 28, moradora de São Paulo, também diz não ter tido dificuldades para fazer a reserva de ingressos. “O processo foi muito simples. Até agora achei mais fácil que o da Copa, pode ser porque há mais ingressos disponíveis e assim haverá mais contemplados”, avaliou à reportagem. Para a Copa de 2014, a Fifa comercializou 3,1 milhões de ingressos.

Venda por etapas

Nesta primeira etapa, o torcedor preenche um formulário com dados pessoais básicos e escolhe os esportes olímpicos e

paralímpicos que deseja assistir. Em meados de março, quem tiver se cadastrado já poderá efetuar os pedidos de ingresso, respeitando o limite individual de 20 sessões e de no máximo quatro ou seis ingressos por sessão. Nessa fase, o torcedor deverá completar o cadastro de dados pessoais, com a inclusão dos números do CPF e de um cartão da bandeira Visa. Posteriormente, os ingressos serão sorteados sessão a sessão, e os contemplados receberão, em junho, um e-mail informando a quais ingressos foram selecionados e o valor que será lançado no cartão cadastrado. Em julho deste ano, haverá um segundo sorteio para quem já se cadastrou. Estes deverão retornar ao site e fazer nova solicitação de ingressos. Quem não

Confederação Brasileira de Tênis de Mesa

adquiriu lugares na primeira fase terá prioridade. Em outubro, começará venda de ingressos pela internet, sem a existência de sorteios. Os interessados deverão entrar no Portal de Ingressos, selecionar as sessões que desejam e, havendo disponibilidade, efetuar a compra na mesma hora. As vendas online permanecerão abertas até o final dos Jogos. A quarta e última fase de comercialização começará em junho de 2016, diretamente em bilheterias no Rio de Janeiro, com os ingressos que restarem.

Vôlei e futebol na preferência da torcida

Dos 7,5 milhões de ingressos que serão comercializados, cerca de 3,8 milhões serão de até R$ 70. Os ingressos mais baratos

RESULTADO HISTÓRICO No domingo, 22, Gustavo Tsuboi e Hugo Calderano alcançaram o melhor desempenho de uma dupla das Américas na história do Circuito Mundial de Tênis de Mesa. No Aberto do Qatar, eles conquistaram a medalha de prata, após serem superados na decisão pelo português Marcos Freitas e o croata Andrej Gacina, por 3 sets a 0. Nas semifinais, os brasileiros desbancaram os atuais campeões europeus, Ruiwu Tan, da Croácia, e Wang Zengyi (57º), da Polônia, por 3 sets a 0

custam R$ 40 e os mais caros, da área mais nobre da cerimônia de abertura, R$ 4.600. Para todas as sessões e categorias de ingressos está garantida a meia-entrada para maiores de 60 anos, estudantes e pessoas com deficiência. Até o momento, segundo o Comitê Organizador, a maior procura de ingresso é para os jogos de vôlei, modalidade que em Londres 2012 também foi a mais vista pelos torcedores brasileiros. Os entradas mais baratas, da fase preliminar, custam R$ 100 e as mais caras R$ 1.200, no setor mais nobre da final masculina. O segundo esporte mais requisitado é o futebol, que além do Rio de Janeiro terá partidas em outras capitais do País, como São Paulo. Os ingressos mais baratos, da fase preliminar, custam R$ 40, no torneio feminino, e R$ 50, no masculino. Assistir a decisão do futebol masculino no Maracanã custará, no mínimo, R$ 380, e no máximo, R$ 900. Na sequência dos esportes com maior requisição de ingressos estão natação, atletismo e ginástica artística, sendo que destes os mais baratos são das fases preliminares de atletismo e ginástica, R$ 100, e os mais caros para a final dos 100 metros rasos do atletismo masculino, entre R$ 350 e R$ 1.200. Essas cinco modalidades estão na lista de ingressos solicitados pela torcedora Mara Andrade. “E tem ainda esgrima, ginástica rítmica, judô, nado sincronizado, hipismo, basquete e algumas modalidades paralímpicas. É uma tentativa de conseguir mais ingressos. Não sei se terei outra oportunidade para ver uma olimpíada no Brasil”, contou.

AGENDA ESPORTIVA Quarta-feira (25) 22h – Libertadores da América de Futebol São Paulo x Danubio (Morumbi) Quinta-feira (26) 19h30 – Liga Nacional de Basquete Paulistano x Pinheiros (Ginásio do Paulistano – rua Colômbia, 77, Jardim América). Sábado (28) 18h30 – Paulistão de Futebol Palmeiras x Capivariano (Allianz Parque) Domingo (1º) 16h – Paulistão de Futebol Corinthians x Mogi Mirim (Arena Corinthians) 18h30 – Paulistão de Futebol Santos x Linense (Pacaembu)


18 | Regiões Episcopais |

25 de fevereiro a 3 de março de 2015 | www.arquidiocesedesaopaulo.org.br

Brasilândia

Juçara Terezinha Zottis

Colaboração especial para a Região

‘Somos Igreja onde estivermos’, aponta Dom Devair na apresentação da CF Ricardo Luciano

Dom Devair da Fonseca e padres atuantes na Brasilândia participam da apresentação regional da CF 2015

As ruas próximas à Paróquia Bom Jesus dos Passos, no bairro Moinho Velho, encheram-se de fiéis no domingo, 22, para a apresentação da Campanha da Fra-

ternidade 2015 na Região Episcopal Brasilândia. Com cartazes e faixas, movimentos e pastorais atuantes na Região, como as CEBs e as pastorais do

Menor, da Criança e de Fé e Política, manifestaram a presença da Igreja no cotidiano, em sintonia com o tema da CF 2015, “Fraternidade: Igreja e Sociedade”, e o lema

“Eu vim para servir” (cf. Mc 10,45). Grupos de jovens de movimentos, novas comunidades e paróquias também foram presença marcante na atividade, especialmente no momento em que a réplica da cruz peregrina da JMJ Rio 2013 passou entre a multidão. A apresentação regional da CF 2015 também foi o momento da primeira grande aproximação dos fiéis com Dom Devair Araújo da Fonseca, bispo auxiliar da Arquidiocese na Região Brasilândia. O Bispo presidiu a celebração de encerramento da atividade, na qual enfatizou: “precisamos de mais prática e menos palavras”. Ainda segundo Dom Devair, “a indiferença se faz comum e essa doença tem remédio: partilha e inclusão”,

afirmou na homilia, apontado que não basta ser cristão da porta para dentro da Igreja. “Somos Igreja onde estivermos. Jesus era Igreja onde estivesse e podemos ser assim, pois não podemos converter alguém por palavras repetidas, mas com o nosso testemunho de vida de cristãos comprometidos com a causa”. Ao final, o Bispo pediu a todos que se envolvam para o bom êxito da CF 2015. “Vamos não deixar que a Campanha da Fraternidade fique somente nesta tarde, neste momento belíssimo, mais colocá-la em prática, e já convido a todos para a abertura do ano que vem, pelo simples fato de ver e acreditar no envolvimento de todos presentes para um Reino e para dias melhores em nossas comunidades”.

Fernando Geronazzo

Colaborador de comunicação da Região

‘Viver a Quaresma é saborear o difícil itinerário da passagem da morte para a vida’

Os coordenadores paroquiais dos ministros extraordinários da Sagrada Comunhão da Região Episcopal Sé participaram da primeira reunião de 2015 na manhã do sábado, 21, na Paróquia Santa Generosa, no bairro do Paraíso. O encontro também contou a presença de Dom Eduardo Vieira dos Santos, bispo auxiliar da Arquidiocese na Região Sé, que saudou os ministros

no início de sua missão assumida recentemente. Padre Helmo Cesar Faccioli, coordenador regional dos Ministros, refletiu sobre o tema “Vivendo a Quaresma como itinerário pascal”, a partir do subsídio elaborado pelo professor Eurivaldo Silva Ferreira, Mestre em Teologia pela PUC-SP, com concentração em Liturgia. “Viver a Quaresma é sabore-

ar o difícil itinerário da passagem da morte para a vida. Sabemos que passamos da morte à vida se amamos os irmãos, diz São João em sua primeira carta. Sobretudo, devemos lembrar que somos discípulos de Jesus, que superou o fracasso humano da cruz com um amor que vence a morte, e que, de nossa parte, o jejum e a caridade, traduzidos na solidariedade fraterna em favor do outro, do

mundo, do planeta e do cosmos, nos colocam nesse mesmo patamar de Jesus, que, intensificando seu desejo de amar até o fim, passou pelo mal, vencendo-o”, ressalta o subsídio. Os coordenadores dos Ministros têm a missão de multiplicar as reflexões do tema da reunião com seus grupos paroquiais. Atualmente, a Região Sé conta com 1.687 ministros extraordinários da Sagrada Comunhão.

EDITAL DE CONVOCAÇÃO

EDITAL DE CONVOCAÇÃO

EDITAL DE CONVOCAÇÃO

A FUNDAÇÃO METROPOLITANA PAULISTA, convoca seus membros diretores para a assembleia ordinária a realizar-se no dia 18 de março de 2015, às 14h, em sua sede à Avenida Higienópolis, 890, sala 16, São Paulo, SP, em primeira chamada com todos os diretores presentes, e, às 14h30, em segunda chamada, com os que estiverem presentes. A assembleia terá como pauta: 1 - assuntos ordinários da “Rádio 9 de Julho”; 2 – assuntos ordinários do Jornal “O SÃO PAULO”; 3 – outros assuntos. São Paulo, 25 de fevereiro de 2015. O Presidente

A FUNDAÇÃO CAPELLA MENINO JESUS E SANTA LUZIA, convoca seus membros diretores para a assembleia extraordinária a realizar-se no dia 18 de março de 2015, às 15h, em sua sede à Avenida Higienópolis, 890, São Paulo, SP, em primeira chamada com 2/3 dos diretores presentes, e, às 15h30, em segunda chamada, com os que estiverem presentes. A assembleia terá como pauta: 1 - assuntos ordinários da Fundação Capella Menino Jesus e Santa Luzia; 2 - outros assuntos. São Paulo, 25 de fevereiro de 2015. O Presidente

A FUNDAÇÃO SANTA TEREZINHA, convoca seus membros da mesa administrativa para a assembleia extraordinária a realizar-se no dia 18 de março de 2015, às 16h, em sua sede à Avenida Higienópolis, 890, São Paulo, SP, em primeira chamada com 2/3 dos membros presentes, e, às 16h30, em segunda chamada, com os que estiverem presentes. A assembleia terá como pauta: 1 - assuntos ordinários da Fundação Santa Terezinha, 2 – outros assuntos. São Paulo, 25 de fevereiro de 2015. O Provedor


www.arquidiocesedesaopaulo.org.br | 25 de fevereiro a 3 de março de 2015

| Regiões Episcopais | 19

Belém

João Carlos Gomes

Colaborador de Comunicação da Região

Padre Reginaldo da Silva assume Paróquia Jesus Ressuscitado O domingo, 22, foi dia de festa para os fiéis da Paróquia Jesus Ressuscitado, do Setor Conquista da Região Episcopal Belém. Numa missa presidida por Dom Edmar Peron, bispo auxiliar da Arquidiocese na Região, e concelebrada pelos freis agostinianos responsáveis pela Paróquia, tomou passe como pároco, o Padre Reginaldo de Abreu Araújo da Silva. Vindas das seis comunidades da paróquia e também da Paróquia Santa Rita de Cássia, do Parque Novo Mundo, na Região Episcopal Santana, 600 pessoas participaram da missa solene. “A nossa caminhada é marcada por chegadas e partidas, também com relação à vida paroquial. É assim que vivemos a nossa fé”, afirmou Dom

Edmar, dirigindo-se aos paroquianos da Jesus Ressuscitado e também aos fiéis da Paróquia Santa Rita de Cássia, onde Padre Reginaldo iniciou sua vida presbiteral. “Quero dizer uma palavra de muito obrigado ao Padre Jesus Madrid Rodrigues, que aqui foi pároco por muitos anos, junto com os padres Pablo Tejedor e Jaime Soria Cabeza; também quero agradecer ao provincial da Ordem de Santo Agostinho, Padre Claudio Camargo, que nos aconselhou a vinda do novo pároco”, afirmou Dom Edmar. Padre Claudio fez uso da palavra para retribuir o agradecimento a Dom Edmar e a assembleia: “Como bem disse Dom Edmar, faz parte de nossa missão sair de um lugar para

João Carlos Gomes

Padre Reginaldo, novo pároco da Jesus Ressuscitado, proclama Evangelho durante missa de sua posse

outra localidade e onde temos o privilégio de encontrar as melhores pessoas; tenho certeza que o Padre Reginaldo, que demonstrou ser tão zeloso e tão querido no Parque Novo Mundo, também aqui nesta comunidade paroquial continuará o seu trabalho. Por isso, somos

muito agradecidos a cada um de vocês e pedimos ao Senhor que ilumine a caminhada do Frei Reginaldo, para que esta comunidade continue crescendo com os seus trabalhos pelo Reino de Deus na terra”. Após os ritos próprios da nomeação de pároco, Padre

Reginaldo agradeceu e pediu a ajuda dos amigos, dos fiéis da paróquia e em especial de Deus: “Peço a Deus que continue me abençoando nesta nova missão, e que através Palavra eu possa continuar cativando os corações que têm sede da Palavra Viva”.

Setores inscrevem para cursos de Teologia As escolas de Teologia setoriais abriram vagas para novos alunos. São quatro escolas de Teologia e Fé e Política oferecendo cursos, com aulas que se iniciam às 19h30 ou 20h, nos Setores Belém, Conquista, Tatuapé e Vila Alpina. “Vale a pena o interessado se informar no setor mais próximo de sua casa ou na escola que lhe chamou mais a atenção”, disse o coordenador regional de pastoral, Padre

Alexandre Ferreira. “Mas, o mais importante é lembrarmos que o cristão autêntico,

aquele que ama Jesus Cristo, não pode deixar de lado o aspecto racional de sua fé. A

nossa fé nos ajuda a nos colocar no mundo de uma maneira mais consciente”, finalizou.

Abaixo segue a relação dos locais e contatos para informações sobre os cursos

Setor

Local do Curso

Endereço

Dia da Semana

Telefone

Conquista

Paróquia Jesus Ressuscitado

Rua Plutão, 61, no Jardim Santa Bárbara.

Segundas-feiras

2919-2347

Vila Alpina

Paróquia Nossa Senhora do Carmo

Praça Cel. Melo Gaia, s/nº, na Vila Alpina.

Terças-feiras

2917-1755

Belém

Centro Pastoral São José

Avenida Álvaro Ramos, 366, no Belenzinho.

Segundas-feiras

3022-6821

Tatuapé

Paróquia Cristo Rei

Rua Maria Eugênia, 104, no Tatuapé

Quintas-feiras

2295-1685

Divulgação

AGENDA REGIONAL Quinta-feira (26), 9h Reunião da comissão financeira, no Centro Pastoral São José (avenida Álvaro Ramos, 366, próximo ao Metrô Belém).

18 anos de excelência nos serviços prestados para filantrópicas • TRABALHISTA • CIVEL • TRIBUTÁRIO • 11 – 3883.3131 – www.rribeiro.com.br

ASSOCIAÇÃO DAS DAMAS DA CARIDADE DE SÃO VICENTE DE PAULO CNPJ/MF Nº 60.904.711/0001-12

Convocação Assembleia Geral Ordinária e Extraordinária Ficam convocadas as associadas da Associação das Damas da Caridade de São Vicente de Paulo a participar da Assembleia Geral Ordinária e Extraordinária, que será realizada em 09 de março de 2015, às 10h00, em primeira convocação, ou às 11h00, em segunda convocação, na Alameda Barros, nº 539, em São Paulo/SP, para deliberarem sobre as seguintes matérias: (1) Ratificação da exclusão de associadas, conforme decisão tomada em Reunião da Diretoria Executiva realizada em 23 de fevereiro de 2015, (2) Eleição para preenchimento dos cargos de vice-presidente, primeira-tesoureira e segunda-tesoureira com mandato até 23 de julho de 2015. São Paulo, 23 de fevereiro de 2015. Carmen Therezinha de Paula Ferrante - Diretora Presidente.


20 | Regiões Episcopais |

25 de fevereiro a 3 de março de 2015 | www.arquidiocesedesaopaulo.org.br

Santana

Diácono Francisco Gonçalves e Luciomar Santos Werneck Colaboradores de comunicação da Região

Aprofundamento da CF 2015 leva a um maior engajamento no trabalho da Igreja, afirma Dom Sergio Diácono Francisco Gonçalves

Procissão de entrada na missa de apresentação da Campanha da Fraternidade na Região Santana, presidida por Dom Sergio, dia 22

A Campanha da Fraternidade de 2015, que tem como tema “Fraternidade: Igreja e Sociedade” e lema “Eu vim para servir” (cf. Mc 10,45), foi apresentada oficialmente na Região Episcopal Santana, no domingo, 22,

em missa na Paróquia Sant’Ana, presidida por Dom Sergio de Deus Borges, bispo auxiliar da Arquidiocese na Região. Antes da missa, o Bispo e o pároco, Padre João Luiz Miqueletti, coGiuseppe da Leo

Retiro na Paróquia São Luiz Gonzaga, do Jaçanã, durante o carnaval

ordenador regional de pastoral, se reuniram no salão paroquial com os coordenadores regionais de pastorais para formação sobre a CF 2015, assessorada por Frei Rogerio Xavier, OFM, que veio a convite de Frei Guilherme

Anselmo, SIA, coordenador da CF na Região Santana. Essa formação sedimentou o plano desenvolvido e que se iniciou, anteriormente, com a reflexão do Frei Guilherme com padres e diáconos, durante uma das reuniões mensais do clero. Depois, a formação sobre CF foi expandida pelos nove setores geográficos, nas 64 paróquias que constituem a Região Santana. A reflexão feita no domingo ofereceu uma compreensão abrangente do tema, trazendo considerações sobre o histórico das relações entre Igreja e sociedade no Brasil, além de refletir sobre a dimensão da vida em sociedade. A dignidade humana, o bem comum e a justiça social também foram analisados, norteando a ação das pastorais. Para Dom Sergio, o aprofundamento do tema e do lema da Campanha da Fraternidade levará a um maior engajamento no trabalho da Igreja. Portanto, segundo o Bispo, as reuniões de pastorais devem ter em seus inícios momentos de estudo sobre a CF 2015.

No 4º Retirão de Carnaval, jovens vivenciam ‘grito de vitória’ A Paróquia São Luiz Gonzaga, no bairro do Jaçanã, promoveu, durante os dias de carnaval, o 4º Retirão de Carnaval, que teve como tema “grito de vitória”. “Contamos com a participação de mais de mil pessoas. Seis bandas católicas animaram os quatro dias, além de pregações, missas,

adoração e louvor. Este ano, fomos presenteados com um grande número de jovens, o que nos contagiou com muita alegria”, disse o pároco, Padre Benedito Hércules Daniel. Na terça feira, 17, a Rede Vida de Televisão transmitiu o evento ao vivo. Durante o retiro, muita gente se confes-

sou e até teve espaço infantil com brinquedos e animação para os filhos dos participantes. “Atingimos nosso alvo e tudo concorreu para maior glória de Deus!”, complementou Padre Hércules, que é fundador dos padres e missionários da Comunidade Adoração e Missão.

Frei William da Silva é ordenado padre no Parque Novo Mundo No sábado, 14, Dom Sergio de Deus Borges, bispo auxiliar da Arquidiocese na Região Santana, presidiu a celebração em que o diácono frei William Micheleto da Silva, OSA, foi ordenado presbítero, na Paróquia Santa Rita

AGENDA REGIONAL Sexta (27), 20h

Celebração eucarística presidida por Dom Sergio Borges pela abertura do ano letivo das Escolas de Teologia e Evangelização, na Capela São José da Cúria de Santana (avenida Marechal Eurico Gaspar Dutra, 1.877).

de Cássia, no Parque Novo Mundo. O provincial dos frades agostinianos, Frei Cláudio de Camargo, OSA, e o pároco, Frei Maciel Bueno, OSA, concelebraram a missa, junto a outros frades vindos de diversas localidades. Também acompanharam a celebração, as religiosas e postulantes da ordem agostiniana, e os familiares do ordenando. Também foi para a cerimônia uma caravana da Paróquia Nossa Senhora da Cabeça, de Curitiba (PR), onde Frei William passou boa parte de sua preparação; e um grupo

José Alexandre Leal da Silva

Dom Sergio preside ordenação sacerdotal de Frei William

de fiéis da Paróquia Nossa Senhora Aparecida, da Diocese de São Miguel Paulista (SP).

Após a leitura do Evangelho, Frei Cláudio pediu a Dom Sergio pela ordenação de Frei

William, o que foi concretizado pela imposição das mãos e prece de ordenação feitas por Dom Sergio. Na sequência, os demais sacerdotes, um a um, também impuseram-lhe as mãos, como forma de recepção ao presbitério. Depois, Frei William foi revestido com a estola presbiteral e a casula, trazidas por seus padrinhos e entregues aos seus pais. Ao final da celebração, todos foram convidados ao salão paroquial para os cumprimentos ao neossacerdote, que inicia sua nova missão nesta mesma Paróquia.


www.arquidiocesedesaopaulo.org.br | 25 de fevereiro a 3 de março de 2015

| Regiões Episcopais | 21

Ipiranga

Francisco David

Colaborador de comunicação da Região

CF 2015: um olhar dos cristãos sobre a própria Igreja e um convite à sociedade para que a conheça

Francisco David

Na sexta-feira, 20, na Paróquia Imaculada Conceição, houve a apresentação, na Região Episcopal Ipiranga, da Campanha da Fraternidade (CF), que em 2015 tem como tema “Fraternidade: Igreja e Sociedade” e como lema “Eu vim para servir” (cf. Mc 10,45). A celebração foi presidida por Dom José Roberto Fortes Palau, bispo auxiliar da Arquidiocese na Região Ipiranga, e concelebraram padres das diversas paróquias da Região. Dom José Roberto, na homilia, ressaltou que a Campanha da Fraternidade em 2015 não tratará sobre assuntos polêmicos e sim de uma visão da própria Igreja: “A Campanha deste ano não retrata um tema social, não escolhe um segmento da sociedade, não tem objetivo de refletir sobre um assunto polêmico. É, antes, um olhar dos cristãos sobre a própria Igreja e um convite à sociedade para que conheça a Igreja e sua missão”. O Bispo também falou sobre o texto-base, que segue o tradicional “ver, julgar e agir”, que na primeira parte mostra a relação entre a Igreja e a sociedade no Brasil, jogando um olhar

Dom José Roberto Fortes Palau preside celebração de apresentação da Campanha da Fraternidade na Região Ipiranga, no dia 20

sobre o passado e vendo a presença da Igreja nestes cinco séculos no País. Na segunda parte, segundo Dom José Roberto, o documento convida a analisar e julgar essas situações do passado à luz da Palavra de Deus e do Magistério recente, do Concílio Vaticano II até à Conferência de Aparecida; e na terceira parte, apresenta o agir, que mostra

as dimensões do serviço, do diálogo e da cooperação entre a Igreja e a sociedade. Dom José Roberto também citou o Papa Paulo VI sobre o Concílio Vaticano II: “‘Igreja, que dizes de ti mesma?’ ‘Igreja, dizei qual é a tua missão?’ A proposta desta edição da Campanha da Fraternidade é baseada

nas reflexões sugeridas pela constituição dogmática Lumen Gentium e pela constituição pastoral Gaudium et Spes, que tratam da identidade e missão da Igreja no mundo”. Por fim, o Bispo pediu que durante a Quaresma os fiéis meditem o questionamento que Deus fez a Caim: “Onde está o teu irmão?” (cf. Gn 4,9).


22 | Regiões Episcopais |

Lapa

25 de fevereiro a 3 de março de 2015 | www.arquidiocesedesaopaulo.org.br

Padre Antonio Francisco Ribeiro e Benigno Naveira Colaboradores de comunicação da Região

Um dia para refletir sobre ‘a fé que vivemos’ O Conselho Setorial de Pastoral de Pirituba realizou no sábado, 21, sua assembleia, com o tema “Igreja lugar de animação bíblica da vida e da pastoral” e o lema “A fé que vivemos”, na Paróquia Nossa Senhora Auxiliadora, com a presença de 70 integrantes dos

conselhos das paróquias do Setor Pirituba e de vários padres, entre os quais o vigário geral da Região Lapa, Padre Jorge Pierozan (Padre Rocha), representando Dom Julio Endi Akamine, bispo auxiliar da Arquidiocese na Região.

As atividades foram iniciadas com uma oração feita pela secretária do Conselho, Neide Sagioro, que em seguida passou a palavra ao Padre Rocha, que parabenizou a todos os agentes de pastorais que ali estavam. O Vigário geral, ao falar do lema Benigno Naveira

Padres e leigos participam do Conselho Setorial de Pastoral de Pirituba, no sábado, 21, na Paróquia Nossa Senhora Auxiliadora

da Campanha da Fraternidade deste ano “Eu vim para Servir” (Mc 10,45), lembrou que todos devem servir com alegria, porque não é só tarefa do padre acolher e servir bem, é de todos, e que as pessoas percebem o tratamento que lhes é dado, “por isso, vamos recebê-las e servir sempre com toda atenção, respeito e alegria”, afirmou. Na sequência, a secretária lembrou que a reunião tinha como objetivo avaliar, discutir e articular as propostas, com os seguintes temas para 2015: Via-sacra, saúde, 114ª Romaria da Arquidiocese à Aparecida (em nível de setor), Dia da Vocação à Vida Consagrada – Pastoral Vocacional, Jornada da Juventude –DNJ, curso de noivos e estudo bíblico. Reunidos em grupos, os participantes refletiram sobre as temáticas em destaque, e, ao final do encontro, expuseram seus posicionamentos aos demais.

Pelo respeito à dignidade e cidadania das pessoas idosas A Pastoral da Pessoa Idosa da Região Episcopal Lapa, no sábado, 21, realizou na Paróquia Nossa Senhora da Lapa, um encontro de formação para seus agentes, coordenado pelo Padre João Carlos Deschamps de Almeida.

A atividade teve o objetivo geral promover o respeito à dignidade e a cidadania das pessoas idosas, por meio da promoção humana e espiritual, respeitando direitos, num processo educativo de formação

continuada destas e de suas famílias. Também foram ressaltados os objetivos específicos deste agir pastoral: visitas domiciliares a pessoas com 60 anos ou mais de idade, preferencialmente às vulnerabilizadas pela pobre-

za ou abandono; conhecer as pessoas idosas que residem nas casas, a história de vida delas e daqueles que com elas convivem; identificar situações de risco para a saúde das pessoas idosas; e perceber os problemas que enfrentam.

Irmãs Mercedárias da Caridade: discípulas autênticas de Jesus As Irmãs Mercedárias da Caridade estão presentes na Região Lapa desde 1956,

AGENDA REGIONAL Quarta-feira (25), 14h

Reunião do Apostolado da Oração atuante no Setor Lapa, na Paróquia Nossa Senhora da Lapa (rua Nossa Senhora da Lapa, 298).

Quinta-feira (26), 18h

Missa do Lar Nossa Senhora das Mercês (rua Dra. Elisa de Moraes Mendes, 250).

quando fundaram o Lar das Mercês (rua Dra. Elisa de Moraes Mendes, 250, na Vila Mariana) para cuidar de senhoras idosas. Como instituição particular, assiste mais de 50 residentes, oferecendo um ambiente familiar e de acompanhamento espiritual. A Comunidade local conta hoje com 12 irmãs, algumas também idosas, mas que continuam participando dos momentos de orações e eventos

da casa. A superiora da casa, Irmã Maria José, cuida para que todas possam participar e ajudar nas atividades. A Congregação das Irmãs Mercedárias da Caridade foi fundada pelo Padre João Nepomuceno Zegri e Moreno, que colocou a Congregação sob a proteção e inspiração de Maria das Mercês, a peregrina humilde da gratuidade de Deus, em Málaga, na Espanha, no dia 16 de março de 1878.

Padre Antônio Francisco Ribeiro

Irmãs Mercedárias da Caridade atuam na Região Lapa desde 1956

O carisma das Irmãs é a libertação integral do ser humano, que se expande por meio das Irmãs que estão em quatro continentes, espalhadas por 16 países. “Somos Missionárias e atuamos em diversos campos de missões: Ad Gentes, Educação, Saúde, Geriatria, Obras Sociais e Comunidades inseridas no meio do povo”, consta no explicativo sobre o carisma. A provincial Irmã Evelyn Aponte resume a motivação para as ações das Irmãs Mercedárias. “Neste tempo, tempo de esperança, assumimos

o compromisso de sermos mulheres e discípulas autênticas, para poder acompanhar, em seu processo de libertação e da busca por dignidade, todas as pessoas oprimidas pelos vários tipos de escravidão. Assim como os apóstolos, devemos ser pessoas de garra e coragem, capazes de ver grandes horizontes mesmo em meio aos desafios de um mundo descrente. Temos um sonho: sermos mulheres no caminho da solidariedade com todos os cativos do mundo para comunicarmos a libertação de Deus.”


www.arquidiocesedesaopaulo.org.br | 25 de fevereiro a 3 de março de 2015

| Geral | 23

CRB-SP elege nova coordenação Assembleia eletiva aconteceu no sábado, 21, no Mosteiro de São Bento, e foi acompanhada por Dom Julio Endi Akamine Redação

osaopaulo@uol.com.br

A nova equipe de coordenação que estará a frente da Conferência dos Religiosos do Brasil – Regional São Paulo (CRB-SP) entre 2015 e 2018 foi eleita durante a 50ª Assembleia Geral Extraordinária Eletiva da CRB-SP, realizada no sábado, 21, no Mosteiro São Bento, em São Paulo. Foi eleito como coordenador o Padre Rubens Pedro Cabral, OMI, e também como membros da coordenação o Padre Marcos Ávila Rodrigues, RCJ; a Irmã Inês da Costa Camargo, FTOS; o Irmão Auristênio Bandeira, ISC; a Irmã Balbina Ferreira de Brites, SVPG; e como membros suplentes a Irmã Maria Bernadete Meneghello,FP; e o Padre Roque Luiz Sibioni, SDB. A Assembleia contou com a presença de Irmã Maria Inês Ribeiro, MAD, presidente da CRB Nacional, que refletiu os objetivos para o Ano da Vida Consagrada, traçados pelo Papa Francisco. Dom Julio Endi Akamine, bispo auxiliar de São Paulo e referencial para a Vida Consagrada na Arquidiocese, acompanhou toda a assembleia. “No contexto de votação é bom fazer o exercício de imaginação e não ficar parado apenas nas qualidades e limitações

Para assinar O SÃO PAULO: Escolha uma das opções e a forma de pagamento. Envie esse cupom para: FUNDAÇÃO METROPOLITANA PAULISTA, Avenida Higienópolis, 890 São Paulo - SP - CEP 01238-000 - Tel: (011) 3666-9660/3660-3724

das pessoas, pensando nas escolhas não apenas com os nossos critérios, mas com aquilo que Deus quer”, afirmou. O Bispo recordou as palavras do Papa Francisco sobre as expectativas para o Ano da Vida Consagrada, enumerando os seguintes tópicos: Alegria – dom da vida Consagrada, para mostrar que Deus é capaz de preencher vidas, e fazer a felicidade, pois “onde está o religioso (a), deve estar a alegria; Despertar o mundo – significa profecia de maneira concreta, um dom de Deus que dá a capacidade de ler a história, fazendo um discernimento a fim de renunciar as injustiças, sendo um sinal concreto do mundo vindouro, uma “amostra grátis” do mundo que esperamos; Peritos em comunhão – que tem a origem na Koinonia Trinitária e por isso não desune - “devemos ser comunhão na diversidade, primeiramente na própria instituição, depois na intercongregacionalidade e com os leigos; Sair de si mesmos – através de gestos concretos de acolhimento, acolhendo os invisíveis (aqueles que ninguém vê), os indesejáveis (aqueles que ninguém deseja); e Exame sério da nossa presença na Igreja – Buscando o que Deus deseja, o que Ele está pedindo para a vida consagrada. Dom Julio também apontou que o Ano da Vida Consagrada é para a Igreja uma iniciativa importante na realização de eventos com os leigos que partilham os carismas das congregações; e propôs iniciativas para a organização e celebração deste ano, até ser encerrado em 2 de fevereiro de 2016. (Colaborou equipe de comunicação da CRB-SP)

ASSINATURA SEMESTRAL: R$ 45 ANUAL: R$ 78 FORMA DE PAGAMENTO CHEQUE (Nominal à FUNDAÇÃO METROPOLITANA PAULISTA) DEPÓSITO BANCÁRIO Bradesco ag 3394 c/c44159-7 COBRANÇA BANCÁRIA

NOME___________________________________________________________ _________________________________________________________________ DATA DE NASC. ___/___/____CPF/CNPJ _________________________________ ENDEREÇO ___________________________________________________________ __________________________________________________________ nº __________ COMPLEMENTO ______________________ BAIRRO ___________________________ CEP ____________ - ___________ CIDADE____________________________________ ESTADO ______ E-MAIL: ________________________________________________ TEL: (__________) ______________________________________ DATA ____/___/____

Luciney Martins/O SÃO PAULO

Eleita no sábado, 21, em assembleia no Mosteiro de São Bento, nova coordenação da CRB-SP exercerá funções até 2018


24 | Geral |

25 de fevereiro a 3 de março de 2015 | www.arquidiocesedesaopaulo.org.br

Com o clero da Arquidiocese, Cardeal Scherer inicia ano pastoral Dom Odilo estimulou os padres a serem pastores generosos, corajosos, cheios de fé, amor e caridade em relação ao povo Fernando Geronazzo

Especial para O SÃO PAULO

O tradicional encontro do arcebispo de São Paulo, Cardeal Odilo Pedro Scherer, com o clero arquidiocesano, na quinta-feira, 19, marcou o início do ano pastoral na Arquidiocese. Reunidos no Teatro Fernando Torres, do Colégio Agostiniano Mendel, no Tatuapé, zona leste da capital, o clero refletiu sobre a caminhada pastoral da Arquidiocese, destacando os momentos marcantes do último ano e as principais iniciativas propostas para 2015. Dom Odilo começou sua reflexão ressaltando a presença dos sete bispos auxiliares da Arquidiocese, especialmente os quatro nomeados em 2014 – Dom Carlos Lema Garcia, Dom José Roberto Fortes Palau, Dom Devair Araújo da Fonseca e Dom Eduardo Vieira dos Santos – que, juntamente com Dom Edmar Peron, Dom Julio Endi Akamine, e Dom Sergio de Deus Borges, colaboram na missão de pastorear a Igreja de São Paulo. “As nomeações de bispos são marcantes para vida de uma diocese e isso enriquece a vida da nossa Igreja”, afirmou o Cardeal.

Em 2015, a Arquidiocese continua a caminhar orientada pelo 11º Plano de Pastoral, que já está no seu quarto ano de vigência. “Este Plano tem como grande propósito sermos uma Igreja testemunha de Jesus Cristo na cidade”. O Arcebispo chamou a atenção para a decisão pastoral de assumir em 2015 o que havia sido proposto incialmente para 2016. Sob o lema “Vós sereis minhas testemunhas em Jerusalém, por toda a Judeia e Samaria, e até os confins da terra” (At 1,8), o Plano desenvolve “a fé que testemunhamos”, depois de em 2014 desenvolver “a fé que celebramos” e em 2013, “a fé que professamos”. Com isso, muda também a urgência pastoral, que passa a ser “Igreja a serviço da vida plena para todos”, inspirada na constituição pastoral Gaudium et Spes, do Concílio Vaticano II, cujos 50 anos de promulgação são comemorados em 2015. Dom Odilo explicou que essa inversão de prioridades foi proposta para que se possa caminhar em sintonia com o tema da Cam-

panha da Fraternidade (CF) de 2015, cujo tema é “Fraternidade: Igreja e Sociedade”, também nas comemorações do cinquentenário da Gaudium et Spes. “Recomendo, em todos os sentidos, um olhar especial para as pastorais voltadas para a vida frágil que precisa ser amparada”, disse, recordando as muitas organizações pastorais que desempenham esse papel. “Todas essas dimensões precisam de uma atenção particular, é uma das urgências para testemunharmos a ação evangelizadora. Afinal, estamos na cidade para testemunharmos a ação fecunda do Evangelho em relação a essa dimensão da vida fragilizada, sem esquecer que a vida plena para todos é, sobretudo, a vida sobrenatural”.

Destaques de 2015

Comentando os momentos e iniciativas marcantes propostos para a Arquidiocese em 2015, o Cardeal Scherer destacou ao clero a 114ª Romaria Arquidiocesana a Aparecida, em 3 de maio, e recomendou que todas as paróquias

apoiem e participem do evento, que terá como lema “Virgem Mãe Aparecida, velai por nossas famílias”. “É um grande momento de participação e comunhão da Arquidiocese. Convidem, organizem grupos, promovam as inscrições”. Também é destaque o 13º Curso de Aprofundamento Teológico e Pastoral do Clero, de 3 a 6 de agosto, com o tema “Deus na cidade”, assessorado pelo Padre Carlos Maria Galli, professor da Universidade Católica de Buenos Aires. Quanto à Assembleia Ordinária do Sínodo dos Bispos, sobre o tema “Vocação e Missão da Família na Igreja e no mundo contemporâneo”, de 4 a 25 de outubro, em Roma, Dom Odilo ressaltou que a Secretaria Geral do Sínodo já enviou para todas as dioceses do mundo o questionário com as primeiras indicações, direções para a reflexão sobre o tema. Dom Odilo também anunciou que está sendo programado para 10 de março um encontro com os padres novos na ArquiFotos: Luciney Martins/O SÃO PAULO

Padres da Arquidiocese de São Paulo acompanham explanações do Cardeal Scherer na abertura do ano pastoral, dia 19

diocese, ou seja, não somente os sacerdotes do clero secular ordenados recentemente, mas também os que pertencem a congregações e ordens religiosas e atuam em São Paulo desde julho de 2014. “Será um dia de encontro, reflexão, informação e orientação sobre questões pastorais, administrativas, econômicas da nossa Arquidiocese”, explicou. Outro destaque é um evento no Dia Mundial da Água, em 22 de março. Arquidiocese de São Paulo convida todos os paulistanos a se unirem em oração para pedir a Deus a bênção da chuva, com uma procissão penitencial, pedindo para que chova o necessário no Estado de São Paulo. Dom Odilo também convidou para que no dia 15 de março, em todas as paróquias, sejam feitas nas missas orações de intercessão e louvor pelo dom da água. Para incentivar a ação pastoral na Igreja de São Paulo, o Cardeal informou que a Arquidiocese irá instituir a Medalha São Paulo Apóstolo, que terá como objetivo dar reconhecimento a pessoas e entidades na Arquidiocese que se destacam por alguma ação ou testemunho no campo da evangelização em vários âmbitos. A iniciativa em breve será oficializada e anunciada. “Coragem! Cada um na sua missão, no seu encargo pastoral. Sejam, cada um de vocês, pastores generosos, corajosos, cheios de fé, amor e caridade em relação ao povo a vocês confiado. Que o amor e a misericórdia orientem o trabalho de todos nós. Vivamos bem a Quaresma naquilo que é a grande proposta no lema ‘Eu vim para servir’”., manifestou Dom Odilo aos padres e diáconos.

Novo portal da Arquidiocese é apresentado Do Especial para O SÃO PAULO

No encontro, também foi apresentado ao clero o novo portal da Arquidiocese de São Paulo, que está sendo desenvolvido pelo Departamento de Tecnologia da Informação da PUC-SP. Rafael Alberto, secretário executivo do Vicariato Episcopal para a Pastoral da Comunicação, explicou que o projeto do novo portal parte das reflexões feitas na Igreja sobre sua presença no ambiente digital. “As últimas quatro mensagens do Papa Bento XVI para o Dia Mundial das Comunicações, por exemplo,

falam sobre a importância de a Igreja ver a internet não apenas como um instrumento a ser utilizado, mas um ambiente a ser habitado”, destacou. Dom Odilo também tem insistido com os bispos auxiliares de que o portal seja, de fato, uma extensão da própria Igreja Particular de São Paulo, onde pessoas em geral, padres, paróquias e diversos organismos eclesiais se encontrem. De acordo com Rafael, havia a previsão de entrega do portal em 25 de janeiro. Porém, por conta da complexidade e do tamanho do banco de dados que

está sendo feito, o projeto ainda não foi finalizado. Essa integração dos bancos de dados de paróquias, clero e organismos é uma experiência inédita em todo mundo. Foi apresentada aos padres uma versão beta, do portal, isto é, experimental para que eles navegem e indiquem possíveis correções. Já no dia 7 de março, no Encontro Arquidiocesano com as Coordenações Pastorais, pretende-se apresentar o site da organização pastoral arquidiocesana, outra experiência pioneira. Cada organismo pastoral terá um espaço próprio com

informações institucionais, notícias e conteúdos que até então não tinham onde ser publicados. Padre Michelino Roberto, diretor de O SÃO PAULO, também falou sobre o semanário arquidiocesano, que em 2014 passou por uma reformulação editorial e gráfica, além do aumento do número de exemplares. Padre Michelino incentivou os padres a assumirem e apoiarem o jornal da Arquidiocese e Dom Odilo reforçou a importância de o Semanário chegar a todos os sacerdortes e paróquias. (FG)

O SÃO PAULO - 3040  

Jornal O SÃO PAULO semanário da Arquidiocese de São Paulo, há 60 anos levando informação e formação para os católicos de SP

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you