Page 1

Semanário da Arquidiocese de São Paulo ano 59 | Edição 3017 | 3 a 9 de setembro de 2014

R$ 1,50

www.arquidiocesedesaopaulo.org.br

O protagonismo da pessoa nas eleições

Assinaturas para pedir uma nova política

Com a palavra: Irmã Petra Silvia Pfaller

Francisco Borba, sociólogo e coordenador do Núcleo Fé e Cultura da PUCSP, comenta processo eleitoral.

De 1º a 7, acontece em todo o Brasil, o Plebiscito Popular por uma Constituinte Exclusiva e Soberana do Sistema Político

Atuante na Pastoral Carcerária, ela aponta que a prisão não resolve a violência ou traz a paz.

Página 2

Página 11

Luciney Martins/O SÃO PAULO

Página 15

Os nove candidatos ao governo e suas propostas Em continuidade à série de reportagens e entrevistas sobre as eleições ao Executivo paulista, O SÃO PAULO mostra as propostas que constam no plano de governo dos nove candidatos para as áreas de segurança pública, transporte e gestão da água. Páginas 12 e 13

60 anos de Dedicação da Catedral da Sé A Arquidiocese de São Paulo comemora no dia 5 de setembro a Dedicação da Catedral Metropolitana Nossa Senhora da Assunção. Construída diante do Marco Zero da maior cidade do país, a Igreja Mãe da Arquidiocese é uma referência religiosa, histórica e cultural da capital paulista. Como lembra o Cardeal Odilo Scherer, “o templo ‘dedicado’ representa, de maneira especial, o lugar sagrado que reservamos para Deus entre as nossas casas e os ambientes de vida e trabalho”. Projetada por Maximiliano Hehl, a Sé teve sua pedra fundamental abençoada em 1912, sendo inaugurada em 1954, ano do IV centenário da cidade de São Paulo. Página 24

EM NOME DE DEUS, JUNTOS PELA PAZ: Cristãos, Judeus e Muçulmanos Encontro inter-religioso de oração pela paz no Oriente Médio e no mundo, na Catedral da Sé, dia 7 de setembro, às 16h.

Venha unir-se a nós! Comunidades Cristã, Judaica e Muçulmana de São Paulo | www.arquidiocesedesaopaulo.org.br | www.institutofuturo.org.be | www.fisesp.org.br | wwwconib.org.br |


2 | Ponto de Vista |

3 a 9 de setembro de 2014 | www.arquidiocesedesaopaulo.org.br

editorial

Deus abençoe e multiplique os catequistas! A palavra catequese para nós cristãos é rica de conteúdo. Ela diz respeito àquela ação da Igreja de fazer ecoar na cabeça e no coração de alguém as verdades da fé. Os primeiros catequistas foram os apóstolos. E na comunidade primitiva, certamente havia aqueles que, instruídos pelos apóstolos, passavam adiante a Palavra de Deus pelo ensino, pela oração, pelo testemunho de vida. O livro dos Atos dos Apóstolos nos mostra a técnica de Paulo: com sabedoria, paciência e utilizando-se de elementos da própria cultura do lugar aonde chegava, ele despertava o interesse por Jesus Cristo e pela Boa Notícia do Evangelho. E cada pessoa convertida, cada casal, cada família, se tornava um catequista entusiasma-

do que fazia a comunidade crescer. Foi assim na comunidade primitiva, foi assim em toda a história da Igreja. Embora para cada momento os métodos de transmissão da fé variassem, a Catequese lá estava, sendo efetivada por homens e mulheres com o coração encantado pelo Senhor. O catecumenato preparava os novos discípulos de Cristo e estes, acolhidos pela comunidade, renasciam e se tornavam filhos de Deus pelo Batismo, eram confirmados na fé pela unção da Crisma e eram alimentados pela Eucaristia. No coração de todos, a verdade fundamental que os encantava: Deus amou o mundo em seu Filho Jesus Cristo, morto e ressuscitado. Houve tempos – bons tempos aqueles!

– em que a vida cristã, vivida em família, já era uma Catequese viva. Pais e filhos viviam na fé, oravam em comum. Infelizmente, porém, chegou-se a um tempo, e ainda o vivemos hoje, em que a Catequese foi confundida com escola e não como processo de Iniciação à Vida Cristã. Mas mesmo assim, os catequistas nunca faltaram à Igreja. No último domingo do mês vocacional, nossas comunidades homenageiam os seus catequistas, porque todas elas os têm. Muitos deles conseguem evangelizar apenas com o testemunho de vida. Muitos começam a se sensibilizar pelo propósito da Igreja de resgatar o catecumenato para os não batizados e o neocatecumenato para os já batizados que vivem intensa-

mente para que transformem o mundo. Que bom perceber que aqui e ali, catequistas começam a ser preparados para a Iniciação à Vida Cristã. Deus abençoe nossos catequistas, jovens, adolescentes, adultos. Deus permita que no coração de cada cristão não se apague a memória daquele irmão ou daquela irmã na fé que pela palavra, pela oração, pelo testemunho de vida ajudou-o a escutar a Palavra de Deus, a deixar-se questionar por ela, a fazer um encontro transformador com Jesus Cristo, a dialogar com Deus na oração pessoal e comunitária, a celebrar com os irmãos os sacramentos da Igreja e a testemunhar que Jesus Cristo é o Senhor. Catequistas, o Senhor precisa de vocês!

opinião

Eleição, solidariedade e protagonismo da pessoa Sergio Ricciuto Conte

Francisco Borba Ribeiro Neto Gestão eficiente do Estado e estabilidade econômica ou políticas sociais voltadas aos mais pobres e à igualdade social? Os dois – e sem corrupção ou demagogia. Este é o “recado” claro que os eleitores têm dado aos candidatos a presidente nos últimos meses. A desilusão com a polarização PT/ PSDB é bem ilustrada pela ascensão eleitoral de Marina Silva, quer ela corresponda ou não a essas expectativas caso eleita. A luz amarela está acesa para o PSDB e também para o PT (mesmo que Dilma ganhe a eleição). O que está dando errado para esses partidos? O PSDB, após o inegável sucesso do Plano Real, fracassou em suas tentativas de conquistar o eleitorado mais pobre e ficou identificado como um partido mais interessado com a eficiência da máquina pública e o crescimento econômico. A avaliação pode não ser justa, mas o eleitor precisa de sinais visíveis da solidariedade dos governantes – e aí o PSDB vem falhando no cenário nacional. O PT apostou na inclusão econômica dos mais pobres para garantir seu sucesso político. Não se deu conta que o desenvolvimento social criava um cidadão mais esclarecido, mais consciente de

seus direitos, mais atento e indignado com os escândalos de corrupção. A partir do trabalho do partido, temos mais beneficiados com programas de transferências de renda, mas agora a economia parou de crescer e põe em risco os ganhos destes que progrediram na vida; mais médicos, mas nem por isso melhor atendimento à saúde; mais dinheiro para a educação, mas só depois que o petróleo do Pré-Sal começar a dar lucro.

Seguimos com Dilma ou Aécio? Arriscamos na nova política de Marina ou em outro candidato? Teremos que fazer em breve uma escolha, mas isso não basta. Existe um desejo de cidadania, participação na construção da sociedade e respeito à dignidade da pessoa. Algumas vezes se manifesta com violência em manifestações de rua, outras como desencanto e frustração impotente, remoída na

poltrona em frente à TV. Para muitos se oculta num conformismo quase cínico. Esse desejo deve ser recuperado e valorizado como energia para a construção do futuro, seja lá quem ganhar as eleições. O Brasil conta com organizações sociais, empresários, homens públicos e trabalhadores capazes de atuar a partir desse desejo, com um verdadeiro protagonismo, construindo o bem comum. É preciso valorizar o protagonismo das pessoas na vida social e econômica, mas dentro de uma postura solidária de construção do bem comum. Sem solidariedade, particularmente para com os mais fragilizados na sociedade, esse protagonismo se perderá na busca por interesses particulares. Assim como a solidariedade, sem protagonismo da pessoa, gera assistencialismo. A combinação de protagonismo e solidariedade exige um Estado eficiente na gestão das Políticas Públicas e da Economia, que não seja autoritário ou centralizador, mas se coloque a serviço da capacidade das pessoas e das associações de construir o bem comum. Um Estado que a doutrina social da Igreja chama de subsidiário. Francisco Borba Ribeiro Neto, sociólogo, coordenador do Núcleo Fé e Cultura da PUC-SP

espaço do leitor Sobre o jornal “Tenho ouvido alguns comentários elogiosos - os quais contam com a minha concordância - de professores doutores da PUC-SP, do curso de Teologia e também

da Escola Diaconal São José. É bom fazer esse registro para avaliação do jornal. Gostoso de ler. Abordagens interessantes. Visual que estimula à leitura”.

Semanário da Arquidiocese de São Paulo

Irineu Uebara (pelo e-mail)

Capa da edição 3017 “O predomínio do azul ficou lindo” Rosangela Moregola (pelo Facebook)

Ilustração da reportagem

“Novo CD de Padre Zezinho convida para volta ao interior” (edição 3016) “Linda homenagem ao querido Padre Zezinho!” Maria Cecília Domezi (Pelo Facebook)

Redação do jornal O SÃO PAULO. Endereço: Avenida Higienópolis, 890, São Paulo (SP), CEP. 01238-000. E-mail: osaopaulo@uol.com.br Twitter: @JornalOSAOPAULO Facebook: Jornal O SÃO PAULO

Mantido pela Fundação Metropolitana Paulista • Publicação Semanal • www.osaopaulo.org.br • Diretor Responsável e Editor: Padre Michelino Roberto • Chefe de Redação: Daniel Gomes • Reportagem: Cônego Antônio Aparecido Pereira, Edcarlos Bispo, Filipe David e Nayá Fernandes • Institucional: Rafael Alberto e Fernando Geronazzo • Fotografia: Luciney Martins • Administração: Maria das Graças Silva (Cássia) • Secretaria de Redação: Djeny Amanda • Assinaturas: Ariane Vital • Diagramação: Jovenal Alves Pereira • Edição Gráfica: Ana Lúcia Comolatti • Revisão: Maria Aparecida Ferreira • Impressão: Alliance Editorial S.A. • Redação e Administração: Av. Higienópolis, 890 - Higienópolis - 01238-000 • São Paulo - SP - Brasil • Fones: (11) 3660-3700 e 3760-3723 - Telefax: (11) 3666-9660 • Internet: www.osaopaulo.org.br • Correio eletrônico: redacao@osaopaulo.org.br • adm@osaopaulo.org.br (administração) • assinaturas@osaopaulo.org.br (assinaturas) • Números atrasados: R$ 1,50 • Assinaturas: R$ 45 (semestral) • R$ 78 (anual) • As cartas devem ser enviadas para a avenida Higienópolis, 890 - sala 19. Ou por e-mail • A Redação se reserva o direito de condensar e de não publicar as cartas sem assinatura • O conteúdo das reportagens, artigos e agendas publicados nas páginas das regiões episcopais é de responsabilidade de seus autores e das equipes de comunicação regionais.


www.arquidiocesedesaopaulo.org.br | 3 a 9 de setembro de 2014

cardeal odilo pedro scherer Arcebispo metropolitano de São Paulo

Não está fácil ser cristão, em várias partes do mundo! Muitos estão sendo cerceados em sua liberdade de consciência, perseguidos e martirizados, apenas por serem discípulos de Jesus Cristo. São muito atuais as palavras de advertência de Jesus, ao encorajar os discípulos, falando-lhes do que os esperava: “sereis perseguidos e odiados por minha causa” (cf Lc 21, 12-19). Jesus não prometeu vida fácil a seus seguidores! A cena de Jesus com seus discípulos no caminho para Jerusalém, retratada no Evangelho de São Mateus (cf Mt 16, 21-27) é muito ilustrativa. Jesus lhes fala da própria rejeição pelas autoridades do templo de Salomão, em Jerusalém, de seus sofrimentos, morte na cruz e ressurreição ao terceiro dia. Pedro, cheio de vontade de “defender” o Mestre, quer convencê-lo a desistir do caminho para Jerusalém: “Deus te livre, isso não te acontecerá!” As palavras de Jesus a Pedro são duras: “vá para longe de mim, satanás! És para mim, ocasião de tropeço!” São as mesmas palavras usadas por Jesus para superar a terceira tentação no deserto, antes de iniciar sua missão pública (cf Mt 4,10). Pe-

A tentação da religião fácil dro fazia o papel de “tentador” e Jesus o afastou decididamente, continuando seu caminho para Jerusalém: “tu não pensas conforme Deus, mas conforme os homens!” (cf Mt 16,23). De qual tentação tão grave se tratava? Se Jesus desse razão a Pedro, evitaria os sofrimentos anunciados. Qual seria o mal? É que essa tentação implicava em desistir do Evangelho e da missão de Jesus. Pedro, ingenuamente, querendo impedir que algo de mal acontecesse a Jesus, acabaria desviando Jesus do seu caminho, impedindo-o de ser a testemunha fiel da verdade de Deus, de ser coerente e fiel à missão de manifestar o amor de Deus até às últimas consequências. Era uma grande tentação! Jesus não atrai os discípulos para facilidades, vantagens, prosperidade e glórias terrenas: “se alguém quer me seguir, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e me siga!” (Mt 16,24). Várias outras passagens do Evangelho retratam o convite a seguir Jesus, não por interesses pessoais, mas a abraçar de coração inteiro o Evangelho do Reino de Deus por ele anunciado e tornado presente no mundo. É antiga e sempre atual a tentação de oferecer Jesus como um “produto” para a solução mágica para todos os males, sem a exigência de verdadeira fé e conversão ao Reino de Deus. Um Cristianismo sem mudança de vida,

sem cruz nem renúncia aos próprios projetos, sem sintonia com o projeto de Deus, sem os dez mandamentos da lei de Deus, seria falsificar Jesus e o Evangelho! Essa tentação insidiosa, mais do que nunca, pode ser atual em nossos dias: pretende-se apresentar um Jesus simpático e atraente, produto falsificado nas vitrines de um mercado religioso sempre mais florescente, para atrair adeptos com toda sorte de facilidades e vantagens. Lembrou o Papa Francisco: uma Igreja sem Jesus Cristo crucificado e ressuscitado acabaria sendo uma espécie de “ONG do bem”, mas não seria mais a Igreja de Cristo! Tentação perigosa, pois mexe com coisas muito sérias e induz a engano fatal: “de que adianta alguém ganhar o mundo inteiro, mas perder a sua vida?” – pergunta Jesus. (cf Mt 16,26). Quem busca Jesus apenas para ter vantagens pessoais, facilidades, vaidades e riquezas, não “arrisca” nada por ele; não é a Jesus e ao Reino de Deus que busca, mas apenas a si próprio e a seus projetos pessoais. A “renúncia a si mesmo” equivale, de fato, à primazia absoluta dada a Deus e a seus caminhos. A “religião fácil” é uma tentação perigosa, um grave engano! No final de tudo, se não houve sincera conversão e “renúncia a si mesmo”, apesar de conseguir todas as vantagens do mundo, a frustração poderá ser total.

| Encontro com o Pastor | 3 Movimentos, novas comunidades e associações O Cardeal Odilo Pedro Scherer se reuniu com os representantes de movimentos, novas comunidades e associações de fiéis da Arquidiocese no sábado, 30, no Centro de Pastoral da Região Ipiranga.

Iniciação à Vida Cristã O tema principal do encontro foi a urgência pastoral da Arquidiocese neste ano, “Igreja, casa de iniciação à vida cristã” e o papel dessas organizações nesta missão. “Nós pressupomos que as pessoas batizadas já foram iniciadas. É preciso mudar essa mentalidade. Um estado permanente de missão só é possível a partir de uma efetiva iniciação a vida cristã”, disse o Cardeal. Luciney Martins/O SÃO PAULO

Estudo 107 da CNBB Na reunião também foi falado sobre o documento de estudos da CNBB número 107, com o tema “Cristãos leigos e leigas na Igreja e na sociedade”. Dom Odilo esclareceu que como é próprio de um documento de estudo, o texto ainda precisa ser refletido e estudado para se tornar efetivamente um documento da CNBB, uma palavra do episcopado sobre esse tema. “Estudem e façam observações sobre partes específicas do documento”, disse. Fábio Parpinelli

Diáconos permanentes Na sexta-feira, 29, o Cardeal Odilo Pedro Scherer, arcebispo de São Paulo, reuniu-se com diáconos permanentes no Centro Pastoral São José, quando tratou do tema da Iniciação à Vida Cristã.

Cardeal visita Focolares Entre 25 e 28 de agosto, sacerdotes e diáconos diocesanos de diferentes partes do Brasil participaram de um curso organizado pelo Movimento dos Focolares, em Mariápolis Ginetta, em Vargem Grande Paulista (SP). O Cardeal Scherer esteve em um dos dias da atividade.

A Arquidiocese de São Paulo informa que o valor arrecadado na Coleta para Lugares Santos de 2014 foi de R$ 194.589,63 (valor bruto)


4 | Papa Francisco |

3 a 9 de setembro de 2014 | www.arquidiocesedesaopaulo.org.br

L’Osservatore Romano

Renovar-se bebendo a seiva do Evangelho Às 12h do dia 31, 22º Domingo do Tempo Comum, o Papa Francisco, antes de rezar com os peregrinos a tradicional oração mariana do Ângelus, refletiu sobre o Evangelho do dia. Pedro e os discípulos que entenderam que Ele era o Messias, o Filho de Deus, estranham o fato de Jesus falar de sua morte. Pedro é repreendido por Jesus “porque ele não pensa como Deus mas como os homens”. E o Papa lembra a segunda leitura do dia, em que Paulo exorta os cristãos a não se conformarem com este mundo: “Não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do novo espírito, para que possais discernir qual é a vontade de Deus”. Francisco entende normal o fato de os cristãos estarem “inseridos na realidade social e cultural do nosso tempo”, mas alerta para “o risco de nos tornarmos mundanos. O risco de que o sal perca o sabor, como diria Jesus. Isto é, que o cristão se empalideça, perca o carisma da novidade, que lhe vem da parte

do Senhor e do Espírito Santo”. ção da missa dominical, porO Papa critica a dubiedade de que “encontramos o Senhor na muitos cristãos dos quais “não se comunidade, escutamos sua sabe se são cristãos ou munda- Palavra, recebemos a Eucarisnos” como vinho misturado com tia que nos une a ele e entre água. “Isto é triste”, lamenta, “cris- nós”, e também os dias de retãos que não são mais sal da terra. tiro e os exercícios espirituais. O sal deles perdeu o sabor porque “Evangelho, Eucaristia e Oraeles se conformaram ao espírito ção”, reforçou o Papa. Pela força do mundo, isto é: tornaram-se desses dons do Senhor, “podemos mundanos”. E exorta: “é preciso renovar-se continuamente, bebendo Pedro e os discípulos que a seiva do Evangelho”. entenderam que Ele era “E como renovar-se o Messias, o Filho de Deus, continuamente?”, per- estranham o fato de Jesus gunta Francisco. E res- falar de sua morte. Pedro é ponde: “Antes de tudo, repreendido por Jesus “porque lendo e meditando o ele não pensa como Deus mas Evangelho todos os como os homens”. dias. Assim, a Palavra de Jesus estará sempre presen- conformar-nos, não ao mundo, te em nossa vida.” E explica que mas a Cristo. E segui-lo em sua a força do Evangelho vivendo vida. A vida de perder a própria em nós cristãos “pode trans- vida, para encontrá-la. Perdê-la formar-se em critério de julga- no sentido de doá-la, oferecê-la mento e de valor determinante por amor e no amor. Isso implica e ponto de interesse, as linhas sacrifício, inclusive a cruz, para de pensamento em fontes ins- recebê-la de novo purificada, lipiradoras, em modelo de vida.” berta do egoísmo e da hipoteca À leitura do Evangelho, o da morte, plena de eternidade”. Por Padre Cido Pereira Papa acrescentou a participa-

Messi, Zidane, Baggio, Maradona, Zanetti, juntos com o Papa pela Paz O Papa Francisco recebeu na manhã de segunda-feira, 1º, um grupo de atletas que aderiru ao evento esportivo “Futebol pela Paz”, promovido pelo Papa junto com o ex-jogador argentino Javier Pupi Zanetti, que ocorreu no Estádio Olímpico de Roma com renda revertida para duas instituições educacionais beneficentes: a ‘Scholas Ocurrentes’ e a Fundação Pupi. Entre os presentes na audiência estavam Lionel Messi, Gigi Buffon, Zidane, Roberto Baggio, além de Maradona e Zanetti. Nas palavras que lhes dirigiu, o Papa Francisco recordou os principais valores que as atividades esportivas podem ajudar a desenvolver, como a lealdade, a partilha, o acolhimento, a confiança no outro. “Tratam-se de valores que unem as pessoas, independentemente da raça, cultura e credo religioso”, disse o Papa.

Francisco recebe ex-presidente de Israel Na quinta-feira, 4, o Papa Francisco recebe no Vaticano o ex-presidente israelense Shimon Peres. Durante o voo de volta da Coreia, em 18 de agosto, o Papa foi questionado pelos jornalistas se a iniciativa pela paz havia fracassado, devido à explosão de violência que se seguiu em Gaza após o encontro. Francisco respondeu: “Foi aberta a porta da oração. Diz-se: ‘Deve-se rezar’. Trata-se de um dom: a paz é um dom, um dom que se merece com o nosso trabalho, mas é um dom. Há que dizer à humanidade que, juntamente com o caminho da negociação – que é importante –, há do diálogo – que é igualmente importante –, e, sobretudo, o da oração”.

Encontro com pároco de Gaza O Papa Francisco recebeu, na sexta-feira, 29, na Casa Santa Marta, o padre argentino Jorge Hernandez, do Instituto do Verbo Encarnado, pároco em Gaza, na Palestina. No encontro, foram recordados os dramáticos momentos destas últimas semanas. Em entrevista à Rádio Vaticano, o Sacerdote disse que o Santo Padre tem entrado em contato com os cristãos da região. “E agora, o fato de que nos tenha chamado para um encontro pessoal com ele, para nos fazer entender, sentir a sua proximidade, a sua palavra, o seu encorajamento para ‘o sal da terra’, em Gaza.

Matrimônios

No dia 14 de setembro, o Papa Francisco irá presidir uma missa na qual serão celebrados os Matrimônios de 20 casais. É a primeira vez que Bergoglio assistirá esse sacramento como pontífice. O último pontífice a assistir Matrimônios foi São João Paulo II, em 2000, quando oito casais de diferentes partes do mundo se casaram durante o jubileu das famílias. Em 1994, o mesmo Pontífice celebrou Matrimônios durante o I Encontro Mundial das Famílias.


www.arquidiocesedesaopaulo.org.br | 3 a 9 de setembro de 2014

| Fé e Vida | 5

Espiritualidade

fé e cidadania

Ascese: fidelidade à oração

Crianças sem rumo

Dom José Roberto Fortes Palau

Bispo Auxiliar da Arquidiocese na Região Ipiranga

Comumente, temos dificuldades para rezar, isso é um fato. E, hoje, particularmente, concorre para desestimular a prática da oração o ritmo acelerado da vida moderna, pois se nesse frenesi em que vivemos, já é difícil manter uma conversa com pessoas visíveis, a dificuldade se torna maior ainda quando o interlocutor é o “Invisível”. Todos nós estamos sempre sob a tentação de racionalizar nossa necessidade de oração em relação ao resto do dia. Temos tempo para trabalhar, ler e descansar, para comprar e cuidar de nós. Arranjamos tempo para visitar e receber amigos, viajar e passear. Mas racionalizamos a “concessão” de tempo para estar a sós com Deus. Entramos numa fila para ônibus, banco ou mercado, para cinema ou teatro, para concerto ou futebol. Mas resistimos a estar com Deus por algum tempo, quando o podemos fazer sempre, sem fila nem espera (...)! Oração exige “disciplina”, ou seja, requer seu tempo, seu lugar, e um método. Definitivamente, oração não condiz com improvisação. Portanto, é vital criar e preservar as condições indispensáveis à prática cotidiana da

oração. O que se faz ocasionalmente intrínseco à natureza humana; porém, denota relatividade. A oração feita como revela o salmista, somente na ocasionalmente se caracteriza como comunhão com Deus se dá a plenitunecessidade relativa, como valor rela- de humana, a felicidade perfeita. Atrativo. Deus é valor absoluto. Um lugar vés da oração, a comunhão teologal definido para Deus no espaço do dia, começa já no tempo presente. guardado com fidelidade persistente, Para concluir, quero ressaltar outro é que nos define como homens e mu- aspecto da oração: a tradução da vonlheres de oração. É essa oração fiel que tade divina. Em nosso mundo “globalizado”, a tradução é indispensável à cotransforma a vida. A oração precisa ser também um municação. Por ela, pessoas de línguas “encontro desejado”. A vida torna-se diversas podem se entender sobre inteárida, sem gosto, quando não há ora- resses comuns. Pois bem: rezar é semeção. Nenhuma semente tem vida longa em terreno árido, Oração exige “disciplina”, sem o orvalho e a chuva da ou seja, requer seu tempo, oração, do encontro com Deus. Nem a semente da seu lugar, e um método. graça matrimonial ou sacer- Definitivamente, oração não dotal tem vida longa sem o condiz com improvisação. orvalho que cai de Deus na Portanto, é vital criar e oração. Precisamos adquirir preservar as condições gosto pela oração e, como indispensáveis à prática discípulos de Jesus, manifestar o desejo: “Senhor, ensina- cotidiana da oração nos a orar” (Lc 11,1). Oração, como bem ensinou Santa lhante a um bom trabalho de tradução. Teresa D’Ávila, é amizade, é comu- O bom tradutor é sempre fiel ao texto nhão com Deus. A comunhão teologal original. O bom orante é aquele que é o sentido maior de nossa existência: sabe traduzir a vontade divina a partir “Ó Deus, tu és o meu Deus, desde a de seu contexto histórico, ou melhor, aurora te procuro. De ti tem sede a de tudo aquilo que faz parte do seu dia minha alma, anela por ti minha carne, a dia. como terra deserta, seca, sem água” Que a “ascese da oração” faça parte (Sl 62 [63]). O desejo de felicidade é do nosso cotidiano!

eSPAÇO ABERTO

Querem dividir o Iraque. Quem e por quê? Irmã María Hanna Continuamos compartilhando nossa luta diária com a esperança de que nosso grito possa ser escutado em todo mundo. Estamos começando a terceira semana de deslocamentos. As coisas se movem muito lentamente quando se referem a proporcionar refúgio, alimentos e necessidades básicas para as pessoas. No entanto, há pessoas que vivem nas ruas, não há acampamentos organizados além das escolas que são utilizadas como centro de refugiados. Todos nos fazemos a mesma pergunta: há qualquer fim à vista? Apreciamos todos os esforços que se tem feito para proporcionar ajuda às pessoas desabrigadas, mas se deve ter em conta que o fornecimento de alimentos não é a única necessidade essencial. Nosso caso é muito maior. Estamos falando de duas minorias (cristãos e zoroastristas) que têm perdido suas terras, casas, pertences, trabalhos, dinheiro. Alguns foram separados de suas famílias e entes queridos e todos são perseguidos por causa de sua religião. Os líderes da nossa Igreja estão atuando o melhor que podem para resol-

ver o problema. Tem se reunido com os dirigentes políticos e com os presidentes do Iraque e do Curdistão. Porém, as iniciativas e ações levadas a cabo são lentas e modestas. Na realidade, todas as reuniões políticas terminam em nada. Até agora, não se chegou a nenhuma solução com respeito à situação das minorias deslocadas. Por essa razão, a confiança nos líderes políticos tem sido perdida completamente. Não podemos aguentar mais. A carga é pesada demais. Ontem, um jovem disse que preferia morrer a viver sem dignidade. As pessoas sentem que têm sido despojadas de toda dignidade. Estamos sendo perseguidos por causa de nossa religião. É difícil crer que isso possa acontecer no século XXI. Perguntamo-nos o que está acontecendo exatamente: é outro plano ou acordo para dividir o Iraque? Se é isso, por quem e por quê? Por que os problemas que aconteceram em 1916 para dividir o Oriente Médio se repetem agora? Naqueles momentos se tratava de uma questão política e pessoas inocentes pagaram por ele. É evidente que agora há gente esperta e culpada pelo o que ocorre no Iraque. Em 1916, perdemos seis irmãs, mui-

tos cristãos morreram e muitos foram dispersados. A situação de divisão que enfrentamos agora é deliberada? No que diz respeito à nossa comunidade, sabemos que o nosso convento de Tel Kaif está sendo utilizado como sede do Estado Islâmico. Também sabemos que está ocupado nosso convento de Karakosh. Os que têm chegado recentemente falam que as imagens dos santos, os ícones e todas as estátuas estão sendo destruídas. As cruzes têm sido retiradas dos telhados das Igrejas e substituídas por bandeiras do Estado Islâmico. Por último, temos que dizer que as pessoas estão perdendo a paciência. Eles perderam tudo que tinham em seus lugares de origem: igrejas, sinos de igreja, bairros e vizinhos. É de partir o coração ouvir que seus lugares têm sido saqueados. Ainda que amem esses lugares, a maioria está pensando em abandonar o País para poder viver com dignidade e encontrar um futuro para seus filhos. É difícil ter esperança no Iraque ou confiar nos líderes políticos! Irmã Maria Hanna é das Irmãs Dominicanas de Santa Catarina de Sena no Iraque. Leia a íntegra do artigo em www.dsiop.org/es

Padre Alfredo José Gonçalves O fenômeno da mobilidade humana surpreende a cada dia e a cada curva das estradas percorridas pelos migrantes. Décadas atrás, se falava da feminilização dos deslocamentos humanos. As mulheres começavam a destacar-se no conjunto da migração. Agora é a vez das crianças: notícias, imagens e comentários, em crescente frequência, falam do número de menores envolvidos no fenômeno. O mais grave é que não poucos viajam sem acompanhantes. Para trás ficou a impossibilidade de permanecer no lugar de nascimento. Entre os fatores de expulsão, predominam precárias condições de vida: pobreza e miséria, subnutrição e fome. Tudo isso põe em evidência, de forma flagrante, o abismo crescente entre os países ou regiões centrais e desenvolvidos e os países ou regiões periféricas e subdesenvolvidas. Se os deslocamentos humanos em geral denunciam semelhantes desequilíbrios entre ricos e pobres, a fuga das crianças o faz com maior eloquência. Boa parte delas, antes de ultrapassar as fronteiras da pátria, viram-se obrigadas a deslocamentos internos. Nessa “aventura”, podemos falar de três tipos de voo: primeiro, voo de curta distância, em que as pessoas abandonam o campo e se dirigem à cidade mais próxima ou à capital do próprio país; depois, voo de média distância, que é a tentativa de alcançar a capital de um país vizinho; por fim, voo de longa distância, em que se cruzam mares e desertos em busca de melhor sorte. Para trás, ficaram os conflitos armados, as hostilidades entre religiões e ideologias, famílias devastadas pela droga ou pelo álcool, casas reduzidas a escombros e cinzas... O fato é que, antes de serem vítimas do deslocamento forçado ou do tráfico de seres humanos, essas crianças o são da violência em seus vários aspectos. Órfãs, sós e peridas, se põem a caminho. E deixam para trás, ainda, a infância e a adolescência. Desce cedo, se encontram na obrigaçâo de abandonar a escola para proverem a si mesmas e, às vezes, àprópria família. E pela frente, o que podem descortinar tais crianças? Insegurança, maus tratos, incerteza e adversidades sem fim. Em síntese, na origem ou no destino, tornam-se verdadeiras marionetes de uma sociedade que é incapaz de assegurar o mínimo de condições de vida a suas próprias crianças. Adultas antes dos 15 anos, o que as espera? Na atual economia globalizada, constituem o símbolo mais estridente da rejeição socioeconômica. Símbolo da “cultura da indiferença e do descarte”, como tem denunciado com insistência o Papa Francisco. E-mail: vicariogenerale@scalabrini.org


6 | Fé e Vida |

3 a 9 de setembro de 2014 | www.arquidiocesedesaopaulo.org.br

LITURGIA E VIDA

novos santos e beatos

23º DOMINGO DO TEMPO COMUM 7 DE SETEMBRO DE 2014

Segue processo de canonização do Beato Ludovico Pavoni

A correção fraterna ANA FLORA ANDERSON Nesta festa de 7 de setembro, a liturgia revela a forma de podermos viver na paz e na fraternidade como nação e como comunidade eclesial. A antífona faz lembrar que, como em Deus, nossa justiça deve nascer junto com a misericórdia. A oração pede que, como filhas e filhos de Deus, aprendamos a viver na verdadeira liberdade. A primeira leitura (Ezequiel 33, 7-9) é um apelo à vocação profética. Devemos discernir a vontade de Deus e advertir os injustos antes que as suas ações levem o povo ao sofrimento e à morte. Na segunda leitura (Romanos 13, 8-10), São Paulo ensina que somente o amor mútuo liberta e realiza as pessoas. O amor não deixa fazer mal aos outros. Paulo mostra que os mandamentos que proíbem adultério, roubo ou cobiça podem se resumir no mandamento do amor. No Evangelho de São Mateus (18, 15-20), Jesus apresenta o caminho concreto para realizar a vida comunitária no amor. Quando o mal existe na família, na comunidade ou na vida social, devemos procurar a reconciliação pela correção fraterna. Jesus oferece sugestões concretas de como agir diante do pecado que fere a comunidade. A libertação do mal e a reconciliação são possíveis quando estamos reunidos no amor, pois Jesus está presente entre nós com toda a amplitude desse sentimento.

você pergunta

Uma confissão é válida se esqueci de um pecado? cônego Cido Pereira

Vigário Episcopal para a Pastoral da Comunicação

A Ana, que não disse o seu sobrenome, me conta que se confessou, mas esqueceu-se contar um pecado grave. Voltou a confessar-se e quer saber se a primeira confissão valeu. Foi bonita a sua atitude, Ana, ao voltar a se confessar por ter esquecido um pecado grave. Temos mesmo de ter essa sensibilidade de coração para perceber a extensão e a gravidade do pecado. Eu entendo que as duas confissões foram válidas. A primeira por que lhe falhou a memória. A segunda porque completou a primeira. A segunda foi sinal evidente de que você queria mesmo se libertar de tudo aquilo que em sua vida era pecado, era negação do amor de Deus. A Confissão e a Unção dos Enfermos são os dois sacramentos da cura. A Unção dos Enfermos nos cura as feridas do corpo. A Penitência ou Confissão cura em nós as feridas que o pecado deixa em nossa alma. Daí que uma boa Confissão supõe que exponhamos todos os nossos pecados para que não fique em nossa alma alguma ferida. Uma boa Confissão exige cinco coisas: um sério exame de consciência; o arrependimento dos pecados com o desejo de conversão; a confissão sincera dos pecados ao sacerdote; a absolvição do padre; e a reparação dos pecados através da oração e da penitência. Continue levando a sério a Confissão, minha irmã. Para ajudar você, eu vou fazer uma comparação. Imagine que você, em estado de graça, está unida a Deus por um fio. O pecado arrebenta esse fio. Na Confissão, Deus emenda o fio. Pecados de novo, o fio arrebenta. Deus o emenda de novo. E em cada emenda, minha irmã, o fio vai ficando mais curto e nós cada vez mais perto de Deus. Fique com Deus! Que não lhe falte a paz, fruto de uma profunda comunhão com Deus.

Tribunal Eclesiástico da Arquidiocese de São Paulo

Nayá Fernandes

nayafernandes@gmail.com

“Em 2009, meu pai, Honório Lopes Martins, foi internado no Hospital Brigadeiro, em São Paulo, para realização de prostatectomia radical. A cirurgia não teve intercorrências. No pós-operatório, ele acusou estado de agitação psicomotora, levando-o ao coma. Foi imediatamente submetido a tratamento intensivo, com quadro muito grave. Apesar de ter recebido atendimento rápido, os boletins médicos não davam nenhuma esperança. Inclusive, em conversa com o diretor do hospital à época, chegou a dizer que não sobreviveria ou ficaria em estado vegetativo. O caso era, de fato, irreversível e pedimos aos médicos que aguardassem a chegada dos filhos para que os aparelhos fossem desligados”, contou Diomar Martins, filho de Honório Lopes Martins e vice-postulador da causa do beato Ludovico Pavoni. Mas o quadro de Honório mudou surpreendentemente, após uma grande corrente de oração pelo Brasil e pelo mundo pedindo a cura do paciente pela intercessão do Beato Ludovico. “Enquanto aguardávamos a chegada dos filhos, ele começou a reagir de tal forma que assustou a todos, inclusive aos médicos. Dez dias após a entrada, ele saiu do hospital caminhando, sem sequelas e totalmente recuperado de todas as intercorrências”, lembrou. Em 2010, Diomar relatou o acontecido a uma pessoa ligada à Congregação dos Santos, no Vaticano, que se interessou imediatamente pelo caso. Em novembro de 2012, foi

aberto um inquérito de investigação no Tribunal Eclesiástico da Arquidiocese de São Paulo. Em junho de 2013, a primeira parte foi concluída e encaminhada a Roma. Após abertura do Arquétipo no Vaticano, foi solicitada a reabertura do caso no Tribunal de São Paulo para complemento de algumas informações fundamentais ao prosseguimento do mesmo. O Processo Supletivo foi aberto em fevereiro de 2014 e encerrado na terça-feira, 26, na sede do Tribunal. “Toda a documentação suplementar será levada ao Vaticano no dia 5 de setembro e o processo será retomado, com grande expectativa de êxito”, completou Diomar. Hoje Honório está bem, com 75 anos. “Ele está recuperado. Acreditamos que terá uma vida equilibra-

da por muito tempo. A fé, de fato, tem grande poder de cura, aliada a um bom atendimento clínico”, afirmou Diomar.

Bem-aventurado Ludovico O Beato Ludovico Pavoni nasceu no dia 11 de setembro de 1784. Ele teve a intuição de “educar, abrigar e instruir” os jovens pobres, abandonados ou desertores que eram numerosos na Itália do século XVIII, tanto nas cidades como no campo, e em época de fome e de guerras. Ordenado padre em 1807, ele se dedicou desde o início à educação dos jovens. Padre Ludovico Pavoni faleceu no dia 1º de abril de 1849. Com informações de Diomar Martins, vice-postulador da causa do beato Ludovico Pavoni

0 5 Cristãos unem-se para há

anos

Semana de Oração “Terá início neste domingo em nosso País a Semana da Unidade, durante a qual Católicos, Protestantes e Orientais separados de Roma vão reunir-se para juntos rezar, rogando ao Senhor pela união dos cristãos”, assim destacava uma das reportagens da capa do O SÃO PAULO, na edição de 6 de setembro de 1964. A reportagem indicava que com o advento do Concílio Ecumênico Vaticano II se despertou nos cristãos a consciência dos malefícios da separação dos que pro-

fessam a fé em Cristo; e que todos estavam convidados a participar da Semana da Unidade. “Além dos atos que sejam determinados pela Autoridade Eclesiástica ficará a cada um a obrigação de orar particularmente pela grande intenção”. A reportagem apresentou ainda uma declaração do secretário geral da Associação Mundial Luterana sobre o papel do Concílio para a unidade dos cristãos. “A realização da unidade da Igreja somente poderá ser bem sucedida se for colocada no ter-

Capa da edição de 6 de setembro de 1964

reno da verdade. Toda a outra maneira da aspirar à unidade, deixando de parte a verdade, não chegaria senão a uma unidade fictícia”.


www.arquidiocesedesaopaulo.org.br | 3 a 9 de setembro de 2014

| Pastorais | 7

diaconato permanente

Apostolado da Oração

Candidatos ao Diaconato Permanente participam de retiro

Apostolado da Oração realiza encontro Arquidiocesano

Aconteceu nos dias 16 e 17, o segundo retiro dos candidatos ao Diaconato Permanente da Escola Diaconal São José da Arquidiocese de São Paulo, na

Casa de Retiros Mary Ward em Itapecerica (SP). O retiro teve como pregadores os Padres Fernando Cardoso e Aury Brunetti, que trataram da

Apostolado da Oração

Lectio Divina e o Coração de Maria e das três virtudes teologais: Fé, Esperança e Caridade. Participaram do encontro 54 candidatos e algumas esposas. Arquivo pessoal

No sábado, 23, o Apostolado da Oração Arquidiocesano, reuniu os seus membros de diversas paróquias das seis Regiões Episcopais da Arquidiocese de São Paulo, no Santuário São Judas Tadeu, para o “I Encontro Arquidiocesano do Apostolado da Oração”.

O encontro teve a presença dos padres Roque Schneider, SJ, e Damião Pereira da Silva, SCJ. Responsável pelo momento de espiritualidade, padre Roque falou aos participantes da família e destacou que “o futuro da sociedade é a família. Consagre sua família ao Coração de Jesus”.

PASTORAL CARCERÁRIA

diálogo inter-religioso

CNBB repudia prática de revista vexatória nas prisões

Diálogo Judeu-Cristão: compromisso e desafios – experiências e perspectivas latino americanas e internacionais

Após vitória em São Paulo, entidade pede que outras federações da união aprovem o fim dessa prática A CNBB divulgou na sexta-feira, 29, nota pública na qual repudia a manutenção da prática da revista vexatória nos presídios brasileiros. “Esse procedimento desumano submete as pessoas que visitam os encarcerados, especialmente as mulheres, à humilhação do desnudamento, da manipulação de suas partes íntimas por agentes do Estado e a outras práticas degradantes. Viola a sacralidade do corpo humano, templo vivo de Deus, e fere sua dignidade”, consta em um dos trechos da nota, em que é ressaltada que a revista vexatória desrespeita o artigo 5º da Constituição Federal, que veda que a pena ultrapasse a pessoa do condenado. “Tal prática não respeita nem mesmo a idade, submetendo crianças, adolescentes e idosos a humilhações e constrangimentos que afrontam a proteção integral a que têm direito conforme lhes garantem, respectivamente, os Estatutos da Criança e do Adolescente e do Idoso”. Em outro trecho, a

CNBB aponta que “está comprovado que a maioria dos objetos ilícitos encontrados com os presos não entra com quem os visita. Nos Estados onde essa condenável prática foi abolida, como Goiás e Espírito Santo, não houve alteração na quantidade de entorpecentes e objetos apreendidos com os presos”. “A CNBB faz, portanto, veemente apelo à União e aos Estados onde é mantida a revista vexatória para que ponham fim a essa prática inconstitucional, vergonhosa e desumana. Apela, igualmente, aos Senhores Deputados Federais que votem e aprovem, o quanto antes, o PLS 480/2013, já aprovado no Senado, que elimina de vez esse abominável procedimento nos presídios do País”, manifesta a Conferência em outro trecho. A íntegra da nota pode ser vista no site da Pastoral Carcerária Nacional (www. carceraria.org.br), que há 20 anos defende o fim da revista vexatória, uma das consequências danosas da recorrente política de encarceramento em massa no País.

O Conselho Internacional de Cristãos e Judeus (ICCJ) realizou sua Conferência Anual, em Buenos Aires, nos dias 19 a 21. Precedida por uma pré-conferência, teve como finalidade apresentar à Comissão Executiva do ICCJ as experiências concretas realizadas no âmbito do diálogo cristão-judaico dos diferentes grupos em diferentes países latino-americanos. Em seu conjunto, os representantes expuseram propostas muito interessantes que visam manter uma maior conexão entre a Equipe Executiva do ICCJ e o Diálogo na América Latina. A abertura foi feita com as presenças de Deborah Weissman, de Israel - Presidente do ICCJ; do rabino Abraham Skorka, reitor do Seminário Rabínico Latino-americano em Buenos Aires, amigo do Papa Francisco e membro do comitê organizador; de Mario Aurélio Poli, Arcebispo de Buenos Aires; da Presidente da Fraternidade Judeu-cristã Argentina, Martha de Antueno. Eles acolheram os participantes em suas diversas nacionalidades mostrando a convicção e disposição de quem tem trabalhado com seriedade no/ pelo diálogo. O tema global foi Diálogo Judeu-Cristão: compromisso e desafios – experiências e perspectivas latino-americanas e internacionais. A referida Conferência foi marcada por três sessões plenárias, com os seguintes subtemas: História, Teo-

logia e Identidade, que marcaram o evento com compromisso, partilha de experiências, diálogo, respeito e conhecimento mútuos. Cada ses-

são plenária era seguida de vários workshops com diferentes temáticas antecipadamente escolhidas por cada participante.

Divulgação

Divulgação


8 | Igreja em Missão |

3 a 9 de setembro de 2014 | www.arquidiocesedesaopaulo.org.br

Destaques das Agências Nacionais

PADRE MICHELINO ROBERTO

Missionário Xaveriano é eleito Bispo Coadjutor de Alto Solimões (AM) O Papa Francisco nomeou em 27 de agosto, e Padre Adolfo Zon Pereira, como bispo coadjutor da Diocese de Alto Solimões (AM). Atualmente, Padre Adolfo atua como pároco da Paróquia São Francisco Xavier, em Belém (PA) e ecônomo do regional Norte dos Xaverianos. Padre Adolfo Zon Pereira nasceu em Orense, Espanha, no dia 23 de janeiro de 1953. É religioso da Pia Sociedade de São Francisco Xavier para as Missões Estrangeiras. Foi ordena-

do sacerdote em 21 de junho de 1986. É formado em Teologia pela Universidade de Comillas de Madri, na Espanha, com mestrado em andamento em Teologia Pastoral na Universidade de Salamanca. No início de sua trajetória presbiteral, Padre Adolfo exerceu atividades na Pastoral da Juventude da Arquidiocese de Pamplona, na Espanha. Também foi co-pároco na Paróquia São Francisco Xavier (1988-1992) e ecônomo da comunidade xaveriana, no mesmo País.

Em 1993, mudou-se para o Brasil, onde iniciou estágio pastoral na Paróquia Nossa Senhora Rainha da Paz, na Diocese de Abaetetuba (PA), na qual também exerceu durante anos diferentes atividades pastorais, entre elas, foi membro do Conselho Regional da Cáritas do Norte 2 da CNBB, assessor na formação de leigos na Escola de Fé e Política, diretor da Escola Diocesana de Evangelizadores, vice-regional dos missionários xaverianos, de 2005 a 2010. Fonte: CNBB

Dom Erwin Kräutler recebe comenda e dá testemunho da santidade de Dom Luciano O bispo do Xingu (PA) e presidente do Conselho Indigenista Missionário (Cimi), Dom Erwin Kräutler, foi agraciado com a comenda Dom Luciano Mendes de Almeida, oferecida pela Faculdade Arquidiocesana de Mariana (MG) para lembrar a importância do legado espiritual,

intelectual e social deixado por Dom Luciano. Desde 2008, a premiação é entregue no dia 27 de agosto, data de falecimento do Arcebispo. Em 2014, foram cinco pessoas homenageadas e uma instituição. O Bispo prelado do Xingu foi o escolhido para discursar em agrade-

cimento à faculdade em nome dos agraciados, e se disse honrado em poder homenagear “o venerável Servo de Deus que fora arcebispo de Mariana, estimado e amado no Brasil e além das fronteiras da nossa pátria”. “Nunca duvidei que estava diante de um santo”, disse Dom Erwin ao re-

lembrar os encontros com Dom Luciano. Ele afirma que, apesar da canonização ser um acontecimento post mortem, o povo já o aclamava como santo, por intuir que lá estava alguém consagrado a Deus sem nenhuma restrição. Fonte: CNBB

Arcebispo de Mariana protesta contra o uso de sua imagem em campanhas O Arcebispo da Arquidiocese de Mariana (MG), Dom Geraldo Lyrio Rocha, emitiu nota de esclarecimento em que repudia candidatos que tenham vinculado em redes sociais, internet e outros meios de comunicação, imagens e conteúdos que induzam o eleitor, “de forma clara ou velada”, a pensar que contam com o apoio pessoal do Arcebispo ou da Arquidiocese para a sua candidatura. Na nota, Dom Lyrio afirma que durante o período eleitoral tem recebido vários candidatos em audiência para ouvir pla-

nos e propostas e discutir problemas de interesse comum. Porém, a Arquidiocese de Mariana não apoia e nem se compromete com qualquer candidato ou partido político. “Como Pastor, encorajo os cristãos leigos e leigas de nossa Arquidiocese a que, inclusive na militância político partidária, assumam ativamente seu papel de cidadãos, colaborando na construção de um País melhor para todos, edificado sobre os valores éticos e o exercício pleno da cidadania”, afirma o Arcebispo.

Iniciado o processo de Beatificação do Servo de Deus Dom Luciano Mendes Uma missa celebrada na Catedral de Mariana, no dia 27, marcou o início do processo de Beatificação de Dom Luciano Mendes de Almeida. O processo foi autorizado pelo Vaticano e está sendo promovido pela Arquidiocese de Mariana, em que Dom Luciano foi arcebispo entre 1988 e 2006. A Arquidiocese instituiu uma comissão que reunirá documentos que comprovem, junto ao Vaticano, os milagres atribuídos a Dom Luciano e sua santidade de vida. Não existe previsão de data para

a conclusão do processo. Dom Luciano foi bispo auxiliar da Arquidiocese de São Paulo, na Região Episcopal Belém, quando Dom Paulo Evaristo Arns estava a frente da Arquidiocese. Presidiu a CNBB por dois mandatos consecutivos entre 1987 e 1995. Religioso membro da Companhia de Jesus, sua figura ficou marcada por sua sensibilidade pastoral para com os mais pobres e pela defesa dos direitos humanos. Dom Luciano Mendes de Almeida faleceu em 2006, aos 75 anos de idade.


www.arquidiocesedesaopaulo.org.br | 3 a 9 de setembro de 2014

| Igreja em Missão | 9

Destaques das Agências Internacionais

Filipe david

Alemanha

Família que educa em casa recupera guarda legal dos filhos www.theblaze.com

Em decisão judicial – um do feito em 2009 pelo Instituto Nacional de Pesquisa ano depois de episódio em que em Educação Domiciliar, a polícia e agentes sociais invadiram sua casa e tomaram seus com 11.739 estudantes formados em casa de todos os filhos à força sem que tivesse 50 estados americanos, que ocorrido nenhum abuso das mostra que esses estudantes crianças – a família Wunderlich recuperou plenamente a obtiveram uma nota média guarda de seus filhos. 37 por cento acima da média Dirk e Petra Wunderlich dos alunos vindos de escolas são os pais de quatro filhos na públicas em testes padronizados. cidade de Darmstadt, na Alemanha. A família optou por O Catecismo da Igreja educar os seus filhos em casa, ensina que “Os pais são os em vez de enviá-los à escola, principais e primeiros educadores de seus filhos” (1653). prática conhecida como “homeschooling”, ou educação Família Wunderlich com Mike Farris, presidente da Home Schooling Legal Defense Association - HSLDA O Papa Pio XI, em sua encíclica Divini illius magistri domiciliar. No entanto, segundo a legislação alemã, que data da a condição de enviá-las à escola. Agora, defende a ideia absurda de que educar (1929), explica que o direito dos pais de época do regime nazista, liderado por a justiça alemã reconheceu que a ação em casa seja colocar as crianças em ris- decidir sobre a educação dos seus filhos Adolf Hitler, essa prática é ilegal. Em foi desproporcional e restituiu à família co e um abuso de autoridade por parte – escolhendo livremente a escola que agosto do ano passado, um grupo de a plena guarda legal das crianças. dos pais”, afirmou Dirk. desejam para eles ou educando-os eles 20 pessoas – entre policiais e agentes Fontes: WorldNetDaily/ LifeSiteNews mesmos – é inalienável e anterior aos No entanto, o casal ainda enfrenta sociais – invadiram a residência da fa- a ameaça de multas severas – de até R$ direitos do Estado: “A família recebe, mília e retiraram à força as crianças de 160 mil – e processo criminal se insistir Embora seja um constante alvo de portanto, imediatamente do Criador a seus pais, seguindo ordem judicial em em educar os seus filhos em casa: “Nós críticas da mídia e de parte da socie- missão e consequentemente o direito que o Estado alemão tomou a guarda ganhamos a guarda [das crianças] e dade, a educação domiciliar é bastante de educar a prole, direito inalienável das crianças. Três semanas depois, em estamos felizes com isso, a justiça disse difundida nos Estados Unidos, onde porque inseparavelmente unido com meio a protestos internacionais, o go- que tomar os nossos filhos foi despro- diversas pesquisas têm demonstrado a obrigação rigorosa, direito anterior a verno devolveu as crianças aos pais, porcional, mas apenas porque as auto- que os jovens que foram educados em qualquer direito da sociedade civil e do mas apenas como “guardiões” – isto é, ridades deveriam nos aplicar altas mul- casa têm desempenho superior aos que Estado, e por isso inviolável da parte de sem a guarda legal das crianças – e sob tas e processo criminal. Essa decisão foram à escola. Um exemplo é o estu- todo e qualquer poder terreno.”

França

Ideóloga de gênero nomeada ministra da educação O presidente francês François Hollande nomeou para o seu ministério da educação uma das maiores defensoras da ideologia de gênero e do “casamento” gay, Najat Vallaud-Belkacem, do partido Socialista, o mesmo de Hollande. Com apenas 37 anos, a nova ministra da educação já foi porta-voz do governo e ministra dos direitos das mulheres. Sua atuação política é centrada na defesa da igualdade entre os sexos (ou melhor, entre os “gêneros”) – não apenas perante a lei, mas em todos os aspectos – e também na promoção das causas dos movimentos LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transexuais). Najat acredita que se deve trabalhar nas escolas

com as crianças desde a tenra infância para remover o que ela considera serem “estereótipos de gênero”, isto é, as diferenças entre homens e mulheres. Segundo a ideologia de gênero, toda diferença entre homens e mulheres é socialmente construída – sem nenhum fundamento na natureza humana – e só serve para a exploração de um sexo pelo outro. Os defensores dessa ideologia preferem o termo “gênero” em vez do tradicional “sexo”, justamente porque o gênero, como na gramática, é uma convenção social, enquanto o sexo faz referência à distinção biológica – e

portanto natural – entre homens e mulheres. A Igreja, no entanto, ensina exatamente o contrário, que os sexos não são apenas naturalmente diferentes, mas também complementares: “Cabe a cada um, homem e mulher, reconhecer e aceitar sua identidade sexual. A diferença e a complementaridade físicas, morais e espirituais estão orientadas para os bens do casamento e para o desabrochar da vida familiar. A harmonia do casal e da sociedade depende, em parte, da maneira como se vivem entre os sexos a complementaridade, a necessidade e o apoio mútuos.” (Catecismo, § 2333). Fontes: LifeSiteNews/ Le Figaro

Iraque

‘Estamos morrendo’ É o que afirmou o Padre Benham Benoka, um sacerdote sírio que está em Ankawa, subúrbio de Erbil, no Iraque, vivendo com 70 mil cristãos refugiados – muitos vindos de Mossul e Qaraqosh – por causa da perseguição e do caos provocados pelo grupo Estado Islâmico no Iraque e na Síria. Segundo o Sacerdote, os refugiados – abrigados em igrejas, escolas e centros esportivos – vivem em condições difíceis, principalmente por causa do calor: até 45 graus na sombra. Em

algumas tendas em que estão abrigadas muitas das famílias, a temperatura pode chegar até 48 graus. À noite, há o risco de serem mordidos por ratos e escorpiões. Quando se pergunta sobre as razões que os levaram a fugir, a resposta é: “para salvar nossas vidas, a honra de nossas mulheres e filhas, e a nossa fé”. Muitos refugiados não querem outra coisa além de partir e recomeçar a vida em algum lugar onde haja paz, mas, sem passaportes nem documentos, não sabem nem como pedir um

visto, nem têm recursos para viajar por conta própria. O Patriarca da Igreja Católica Caldéia no Iraque, Luís Raphael I Sako, tem manifestado sua preocupação de que haja fome no País, já que as fazendas das planícies de Nínive estão ainda sob controle dos combatentes do Estado Islâmico, enquanto os fazendeiros estão entre os refugiados em Erbil. Alguns dos refugiados estão indo para a Jordânia, que já aceitou receber 500 famílias e, segundo o Padre Khalil Jaar,

sacerdote de uma paróquia de Amã, capital do País, se tudo correr bem, mais 1,5 mil famílias devem ser recebidas em seguida. A Igreja tem ajudado os refugiados a sobreviver, oferecendo alimento e abrigo, mas possui recursos limitados. O presidente do Conselho Pontifício da Pastoral para os emigrantes e itinerantes, Cardeal Antônio Maria Vegliò, pediu aos países da Europa que acolham os refugiados iraquianos, cristãos e também de outras minorias. Fontes: ACI/ Ajuda à Igreja que Sofre


10 | Viver Bem |

3 a 9 de setembro de 2014 | www.arquidiocesedesaopaulo.org.br

Sergio Ricciuto Conte

Simone Ribeiro Precisam de pais atuantes, senCabral Fuzaro satos, lúcidos, confiantes de que sabem o que é melhor para seus Muito embora os tempos filhos! Pais que corrijam com tenham mudado e a tecnologia firmeza sem medo de traumae suas facilidades façam parte tizar, pais que sinalizem com integrante de nossas vidas e se- carinho e clareza que comporjam muito bem-vindas, é tam- tamentos querem ou não quebém verdade que o ser humano rem para seus filhos e, pasmem: continua sendo um ser comple- sem muitas explicações aos xo, que não se forma sozinho pequenos! Eles precisam sentir ou ao sabor do bombardeio de e não ouvir que são cuidados! informações que recebe diaria- Segundo Capelatto, limite “é o mente! desejo de quem cuida” e, mais Sujeitos a tantas informa- importante do que explicar, é ções e mudanças, tomados pela determiná-lo e suportar até o ideia vigente de que o impor- fim, sem ceder às manifestatante é buscarmos a satisfação, ções dos pequenos, à frustração muitos adultos tem assumido provocada por ele. As reações uma postura absolutamente passarão e quando eles percecontemplativa diante das crian- berem que todos sobreviveram ças e das situações cotidianas! ao “acesso de raiva”, que o que Olhando as cenas familiares, precisava ser feito foi feito e é comum percebermos que há tudo está bem, se sentirão amauma “crença” de que a criança dos, cuidados e, o principal, essabe o que quer, de que, ainda tarão construindo consciência bebê, é capaz de fazer escolhas; moral, percebendo que “suporde que, por ser muito estimula- tam” fazer o que é mais adeda, é quase um pequeno adulto! quado em detrimento de serem Vemos pais engessados diante regidos pelo querer! No limite de necessidades muito corri- está a possibilidade de gerarqueiras do dia a dia! mos sujeitos lúcidos, capazes de É verdade, estamos diante se cuidarem e de cuidarem dos de uma geração muito estimu- outros, de se relacionarem com lada, porém, são crianças e, por respeito e equilíbrio! isso mesmo, estão em formaPais, coragem! A formação ção. Estão na fase de receberem dos pequenos é a maior e mais cuidados, referências, valores - importante tarefa que temos limites que vão transformá-los em mãos. em sujeitos capazes de fazer esSimone Ribeiro Cabral Fuzaro é fonoaudicolhas no futuro! óloga e educadora, mestre em Distúrbios As crianças precisam de da Comunicação pela PUC-SP, especialista cuidados básicos para cresce- em Linguagem e coordenadora da Escola de Educação Infantil Pedrita. rem saudáveis e equilibradas.

Fatura de cartão de crédito: compras indevidas Se houver compras fraudulentas realizadas com o número do seu cartão de crédito e tais compras forem lançadas em sua fatura, comunique imediatamente a administradora de seu cartão, solicitando a suspensão das compras. Por lei, as empresas têm cinco dias para

solucionar os problemas relatados pelo Serviço de Atendimento ao Cliente (SAC). Se já foi feito o pagamento e ainda haver cobrança, a empresa é obrigada a devolver os valores pagos em dobro. Saiba dos seus direitos, procure um advogado. Ronald Quene é bacharel em Direito

Arte e livro

Nossos serviços são: Encadernação, restauração de livros, documentos e fotografias.

Contato: artelivro@gmail.com ou vania.mcar@yahoo.com.br Tel.: (19) 99790-2625 - blog: artelivro.blogspot.com.br

Tecnologia

Direito do Consumidor

Comportamento

Sem muitas explicações

Por que proteger seu smartfone com senha Luiz Otávio Ugolini Vianna Três temas dominam as notícias de tecnologia nos últimos anos: o computador, os dispositivos móveis e a “nuvem”. Mas afinal, como essas coisas estão interligadas entre si e como afetam a vida cotidiana? O computador tem sido a forma com que se tem executado as tarefas no dia a dia há anos. Cada vez mais, maior parte dos trabalhadores se tornam “trabalhadores da informação”. Na medida em que se precisa compartilhar informações com colegas de trabalho e outros usuários, percebe-se o surgimento dos sistemas de e-mail e servidores. A necessidade de dividir conhecimentos e dados com pessoas de outros lugares impulsionou

a internet e as tecnologias Web. Mas não se parou por aí. Agora, dividem-se informações com pessoas de outros lugares a partir de qualquer lugar e em qualquer hora do dia, e é justamente aqui que entram os dispositivos móveis e a “nuvem”. Enquanto os dispositivos móveis garantem esse acesso a partir de qualquer lugar, a “nuvem” oferece um centro de computação quase ininterrupto, de onde se podem acessar dados, arquivo e sistemas. Assim, há a possibilidade de alterar um arquivo no computador pessoal, “salvar na nuvem” e posteriormente acessá-lo a partir do dispositivo móvel. Mas, quais cuidados se devem ter? Faz-se necessário bloquear seu dispositivo móvel com senha, afinal se a pessoa se se-

parar dele não vai querer que outras pessoas acessem seus dados tão facilmente. No caso de smartphones, orienta-se a manutenção em casa do registro do IMEI (International Mobile Equipment Identity - Identificação Internacional de Equipamento Móvel) do aparelho. É o RG do dispositivo que será necessário para bloqueá-lo, na operadora. Por fim, recomenda-se utilizar sempre um antivírus atualizado para não espalhar problemas entre os dispositivos e frequentemente fazer uso de serviços em “nuvem” de empresas conhecidas. Assim, diminuem-se os riscos e as pessoas poderão ter os dados e as informações necessárias sempre à mão. Engenheiro e Diretor de Tecnologia da Mult.Conect


www.arquidiocesedesaopaulo.org.br | 3 a 9 de setembro de 2014

| Reportagem | 11

Plebiscito Popular pretende recolher 2 milhões de assinaturas em SP Luciney Martins/O SÃO PAULO

O que é Plebiscito

O Plebiscito é a convocação dos eleitores do país para aprovar ou rejeitar questões de natureza constitucional, legislativa ou administrativa. A Constituição estabelece como competência exclusiva do Congresso propor um Plebiscito. Para ser criado, ele precisa ser encaminhado em projeto de decreto legislativo na Câmara ou no Senado. A medida deve ser aprovada em cada uma das Casas por maioria absoluta (metade mais um de todos os parlamentares). Na Câmara, são necessários 257 votos favoráveis. No Senado, 41.

Referendo

Na chamada “semana da Pátria”, mobilização de movimentos sociais quer envolver e conscientizar a população sobre a reforma política Edcarlos Bispo edbsant@gmail.com

Na semana de 1º a 7 de setembro, acontece em todo o Brasil, o Plebiscito Popular por uma Constituinte Exclusiva e Soberana do Sistema Político. Organizado por mais de 60 entidades, entre elas o Conselho Nacional do Laicato do Brasil (CNLB), Movimento de Combate a Corrupção Eleitoral (MCCE), Pastoral Afro, Pastoral da Moradia, Pastoral do Migrante e a Associação Brasileira de Imprensa (ABI), o Plebiscito faz aos brasileiros a seguinte pergunta: “Você é a favor de uma Constituinte Exclusiva e Soberana do Sistema Político?”. A ideia do Plebiscito, de acordo com os organizadores, é “formar e informar”, além de “demonstrar para a população os limites do atual sistema político, que se tornou um verdadeiro entrave aos avanços sociais que o povo brasileiro tanto necessita – saúde, educação, transporte, habitação – e criar força social organizada para propor a realização de uma Constituinte Exclusiva e Soberana para modificá-lo”, afirmou a advogada

Fátima Cristina Sandalhel, coordenação Estadual do Plebiscito Popular. Formar e informar são um dos principais entraves para Euzenira de Carvalho Miranda, mais conhecida na Paróquia Nossa Senhora Aparecida de Vila Albertina como dona Elza. Na quintafeira, 28, quando retirava a urna que levaria para a Comunidade e para a UBS do bairro, dona Elza questionou os agentes da Pastoral Fé e Política e do Conselho de Leigos da Região Santana sobre como explicar para as pessoas o que é o Plebiscito Popular. Para ela, é importante ressaltar que é preciso mudar a história do País, pois “não dá para continuar como está”. Além da urna, das cédulas de votação, dos papéis para o recolhimento das assinaturas e dados de quem votar, dona Elza levou para casa a cartilha sobre o Plebiscito Popular, “mais ou menos imagino como explicar, mas ainda tenho que ler muitas coisas”, afirmou. Elaine Lima, participante da Escola de Fé e Política na Região Santana e da equipe que está ajudando na organização do Plebiscito na Região, contou que foi distribuída uma urna por paróquia, além de escolas e creches e urnas “volantes”, que não estarão em lugares fixos, e foram assumidas por alguns grupos como, por exemplo, a Pastoral da Juventude. No Estado de São Paulo, de acordo com a coordenação estadual do Plebiscito, são mais de 300 comitês populares,

EDITAL DE CONVOCAÇÃO

A FUNDAÇÃO METROPOLITANA PAULISTA, convoca seus membros diretores para a assembleia ordinária a realizar-se no dia 16 de setembro de 2014, às 14h, em sua sede à Avenida Higienópolis, 890, sala 16, São Paulo, SP, em primeira chamada com todos os diretores presentes, e, às 14h30, em segunda chamada, com os que estiverem presentes. A assembleia terá como pauta: 1 - assuntos ordinários da “Rádio 9 de Julho”; 2 – assuntos ordinários do Jornal “O SÃO PAULO”; 3 – outros assuntos. São Paulo, 03 de setembro de 2014. O Presidente

que estão organizados em sindicatos, paróquias, associações de moradores, entre outros. Essa mobilização espera recolher, no Estado, 2 milhões de assinaturas, e 700 mil na cidade. O membro da secretaria operativa do Plebiscito, Ricardo Gebrim, conversou com a reportagem do O SÃO PAULO e destacou que a mobilização não tem poder efetivo – já que é prerrogativa do Congresso Nacional convocar um plebiscito –, porém essa articulação mostrará aos congressistas que a população quer mudanças. Gebrim acredita que um expressivo recolhimento de votos “forçará o congresso a convocar um Plebiscito legal, com a mesma pergunta do Plebiscito Popular”. Na organização do Plebiscito, há a representação de partidos políticos e mandatos de parlamentares, porém os organizadores afirmam que ele é suprapartidário e que não há indicação e campanha para se votar em candidato “x ou y”. “Não estamos divulgando diretamente o nome de candidatos, mas os candidatos que estão na campanha produziram materiais próprios e estão fazendo a divulgação dessa pauta, junto a suas agendas eleitorais”, afirmou Fátima. A votação pode ser feita até o domingo, 7, em um dos postos onde estão as urnas, ou até mesmo pela internet. A apuração na cidade São Paulo será feita, nos dias 8 e 9, das 10h às 22h, na quadra do Sindicato dos Bancários (rua Tabatinguera, 192, próximo ao metrô Sé).

EDITAL DE CONVOCAÇÃO

A FUNDAÇÃO CAPELLA MENINO JESUS E SANTA LUZIA, convoca seus membros diretores para a assembleia extraordinária a realizar-se no dia 16 de setembro de 2014, às 15h, em sua sede à Avenida Higienópolis, 890, São Paulo, SP, em primeira chamada com 2/3 dos diretores presentes, e, às 15h30, em segunda chamada, com os que estiverem presentes. A assembleia terá como pauta: 1 - assuntos ordinários da Fundação Capella Menino Jesus e Santa Luzia; 2 - outros assuntos. São Paulo, 03 de setembro de 2014. O Presidente

Referendo é uma consulta popular sobre assunto de grande relevância, no qual o povo manifesta-se sobre uma lei já constituída, ou seja, é uma votação convocada após a aprovação do ato, cabendo ao povo ratificar ou rejeitar a proposta. O referendo é um importantíssimo instrumento de participação popular direta, útil na decisão sobre a formulação de políticas nacionais.

Plebiscito Popular

Um Plebiscito Popular é organizado por movimentos sociais e todos os cidadãos e cidadãs que quiserem trabalhar para que ele seja realizado. É muito representativo porque é organizado pelo povo. O Plebiscito Popular não tem valor legal, mas exerce uma forte pressão política e social, permitindo que milhões de brasileiros(as) expressem a sua vontade política.

Assembleia Constituinte

A Assembleia Constituinte é um organismo criado dentro da ordem política e institucional de um Estado, dotado de plenos poderes, para propor uma reforma ou a criação de uma nova Carta Magna. Geralmente, ela é composta a partir da eleição de representantes específicos para este fim e é diluída quando conclui seus trabalhos. Em muitos países, é comum que um referendo homologue a Constituição proposta. No Brasil, a última Assembleia Constituinte instaurada foi justamente a que apresentou o texto da Constituição Federal de 1988, que vigora até hoje.

EDITAL DE CONVOCAÇÃO

A FUNDAÇÃO SANTA TEREZINHA, convoca seus membros da mesa administrativa para a assembleia extraordinária a realizar-se no dia 16 de setembro de 2014, às 16h, em sua sede à Avenida Higienópolis, 890, São Paulo, SP, em primeira chamada com 2/3 dos membros presentes, e, às 16h30, em segunda chamada, com os que estiverem presentes. A assembleia terá como pauta: 1 - assuntos ordinários da Fundação Santa Terezinha, 2 – outros assuntos. São Paulo, 03 de setembro de 2014. O Provedor


12 | Reportagem |

3 a 9 de setembro de 2014 | www.arquidiocesedesaopaulo.org.br

Daniel Gomes, Edcarlos

osaopaulo@

e instituição dos conselhos populares, visando organizar e fiscalizar a qualidade dos transportes no Estado, especialmente nas grandes cidades; Tarifa Zero no transporte de trens e metrô financiado por um Fundo Estadual de Transporte Público.

PrtB Walter Ciglioni Segurança Pública: “A segurança pública não pode ser vista somente sob o aspecto repressivo. O Estado tem que iniciar um trabalho preventivo com políticas públicas de Segurança Pública”; Priorizar a valorização do policial, cuidando de sua família e amparando-o na jornada de trabalho; Promover cursos de aperfeiçoamento profissional de prevenção para que as polícias tenham planejamento de inteligência na segurança. Transporte: “Temos como meta a colocação de um meio de transporte coletivo digno com apoio da iniciativa privada e com sustentação em benefícios já existentes”; Através de PPP´s, construir monotrilho e/ou aerotrem nos canteiros centrais das principais rodovias e nas principais regiões do centro expandido da capital; Ter veículos patrocinados para as secretárias, autarquias, empresas estatais e fundações, com incentivos de empresas e principalmente de bancos que atendem ao Governo do Estado. Água: “Com a constante baixa em nossos reservatórios, nossa proposta é promover uma ampla reforma nos sistemas de armazenamento e captação”.

PCB Wagner Farias Segurança Pública: Fim da Polícia Militar e constituição de uma nova força de segurança civil, sob o controle e supervisão de conselhos populares de segurança; Ampliação do patrulhamento ostensivo nos bairros, com a instalação de um novo corpo de segurança civil, com os cargos, em diferentes níveis, de Agentes Comunitários de Segurança; “Fim da lei de desacato e dos autos de resistência, utilizados abusivamente pela polícia”. Transporte: Reestatização de todo o Sistema Público de Transporte no Estado, com estabelecimento de um sistema que garanta investimentos para a construção de um transporte de qualidade com tarifa zero nas cidades

Água: Desenvolver uma política de investimento que garanta o abastecimento pleno de água tratada para toda a população do Estado, com a criação de novos reservatórios e um rigoroso controle de perdas de água ao longo do processo de distribuição. Desenvolver uma campanha educativa permanente no sentido do uso racional da água, buscando evitar desperdício, além de reutilização da água especialmente por parte do setor empresarial e para irrigação de campos de cultivo.

O que eles propõem pública, transporte Em continuidade à série de reportagens e entrevistas sobre as eleições ao executivo paulista, O SÃO PAULO traz as propostas dos nove candidatos para as áreas de segurança pública, transporte e gestão da água, complementando a apresentação dos planos de governo dos can-

didatos, já que na edição anterior foram mostradas as iniciativas previstas para as áreas de saúde, educação e habitação. As propostas a seguir foram obtidas a partir dos planos de governo dos candidatos indicados pela assessoria de imprensa dos candidatos Alexandre Pa-

PCO Raimundo Senna Segurança Pública: “Defendemos a dissolução das polícias militar e civil e a criação de uma milícia diretamente controlada pela população, em âmbito local, nos bairros e com a participação direta da comunidade, com seus oficiais eleitos democraticamente pela tropa etc. Por meio do controle da população, a segurança seria muito mais garantida do que é hoje com policiais que atuam de maneira extremamente alheia aos interesses do povo, com extrema violência, assassinando inocentes diariamente”. Transporte: “O problema do trânsito e do transporte seria resolvido facilmente com uma expansão generalizada do metrô para os bairros periféricos e as regiões mais distantes que não são atendidas. Para que haja a expansão do metrô, em primeiro lugar, é necessário acabar com ‘a farra’ dessas empresas que lucram com o dinheiro público na construção das linhas. É necessário aumentar os investimentos e estatizar todo o sistema para oferecer um serviço melhor e gratuito”. Água: “Para resolver a questão do racionamento de água, é necessário, em primeiro lugar, estatizar a Sabesp, pois como uma empresa privada não tem interesse nenhum em atender à população, mas apenas visa ao lucro cobrando taxas altíssimas. É necessário investimentos nessa área para evitar períodos com poucas chuvas e garantir que os vazamentos constantes em diversos pontos da rede de distribuição não aconteçam”.

sando ao menor tempo de espera nas estações; Na EMTU, intensificar investimentos nos corredores de ônibus e Veículos Leves sobre Trilhos (VLTs) nas regiões metropolitanas do Estado.

PMDB Paulo Skaf Segurança Pública: Intensificar e distribuir adequadamente o policiamento ostensivo e preventivo; Coibir os pequenos crimes e os comportamentos desordeiros; Apoiar a Operação Delegada, em conjunto com os municípios; Expandir a repressão ao tráfico de drogas; Implantar programas para combate ao crime organizado; Implantar novas Delegacias de Defesa da Mulher, com emprego efetivo de policiais do corpo feminino; Concluir o plano de expansão de presídios. Transporte: No Metrô, acelerar os investimentos, empregando recursos próprios e PPPs “para aumentar o conforto e a segurança, respeitando o usuário”; Na CPTM, expandir a rede e melhorar a qualidade dos serviços, vi-

Água: “A Sabesp deve investir para redução significativa das perdas”; Investir em fontes alternativas para a captação e o armazenamento de água para o abastecimento da Região Metropolitana de São Paulo; Compatibilizar os planejamentos setorial e estratégico com os Planos de Recursos Hídricos e de Bacia Hidrográficas; Promover o reuso, a conservação e a melhoria da qualidade das águas.

PHS Laércio Benko Segurança Pública: Integração de políticas públicas federais, estaduais e municipais; Estruturar as polícias

civil e militar com mentos inovadores efetivo e dos meio cionalmente à pop terísticas locais; Em municípios, implan tos a Polícia Com da massa carcerária alternativas e socioe quenos delitos; Ree ção Casa.

Transporte: D dência do transpo moradores das gra vilegiando projetos ônibus, trens, metr sobre trilhos; Apro dor de sua moradi cos; reduzir o trân nas regiões metro rar linhas de trens cargas que podem fego; Construir um a dez quilômetros na capital; Apoiar ciclovias.

Água: Deixar de da Sabesp até a sistema de abaste


www.arquidiocesedesaopaulo.org.br | 3 a 9 de setembro de 2014

| Reportagem | 13

Bispo e Nayá Fernandes

@uol.com.br

m para a segurança e e gestão da água? dilha (PT), Geraldo Alckmin (PSDB), Gilberto Maringoni (PSOL), Gilberto Natalini (PV), Laércio Benko (PHS), Paulo Skaf (PMDB), Raimundo Sena (PCO), Wagner Farias (PCB) e Walter Ciglioni (PRTB). Os textos referentes a cada área têm tamanho máximo de 500

sistemas e equipas; Distribuição do os policiais proporpulação e às caracm conjunto com os ntar em mais ponmunitária; Redução a, a partir de penas educativas para peestruturar a Funda-

Diminuir a depenorte individual dos andes cidades, pris que associem os rôs e veículos leves oximar o trabalhaia e serviços públinsito de caminhões opolitanas; recupes de passageiros e m desafogar o tráma média de oito de metrô por ano a implantação de

e distribuir lucros normalização do ecimento de água;

caracteres, por isso, em alguns casos, há a citação da íntegra da resposta enviada pelo candidato e em outros o resumo das iniciativas. Na próxima edição, o Seminário inicia a publicação das entrevistas com os candidatos. Fotos: Luciney Martins/O SÃO PAULO

ficas para consolidar a recuperação e revitalização do rio Tietê da nascente à desembocadura”.

Psol Gilberto Maringoni Segurança Pública: Unificação das polícias, requalificação dos policiais e investimento na prevenção do crime; Desmilitarização da Polícia Militar; Prioridade ao policiamento preventivo e de práticas que levem em conta os direitos humanos; “O combate à violência deve envolver outros setores do governo, em especial a área social”. Transporte: Prioridade absoluta ao transporte público; Recuperação do Metrô, CPTM e EMTU para o Poder Público; Auditoria das concessões das estradas, para reduzir preços dos pedágios; Passe livre para estudantes.

Investir no estudo do uso de água de outras bacias, como a do Paraíba do Sul, e de novos locais, como o Aquífero Guarani; Exigência de planejamento de uso e captação de água em obras públicas e grandes empreendimentos; Implantação de sistemas de cisternas em novos condomínios residenciais e plantas industriais; Em quatro anos, ter 100% do esgoto do Estado coletado e 50%, no mínimo, tratados.

Pv Gilberto Natalini Segurança Pública: Gestão da segurança integrada e intersetorial por especialidades, melhorando o atendimento das polícias civil e militar; Desenvolver políticas para a reinserção de egressos no mercado de trabalho; Estruturar programas de recuperação do menor infrator; Combate à violência

doméstica, ao abuso contra crianças, adolescentes e idosos, ao racismo, à homofobia, intolerância religiosa; repensar o papel da segurança que vai além de medidas policiais, combate e repressão. Transporte: Continuar investindo de forma acelerada na ampliação da rede metroviária, trens e monotrilhos, de forma integrada à conexão com corredores de trólebus e veículos leves sobre trilhos; Adotar política semelhante em outras regiões metropolitanas em especial à adoção dos Veículos Leves sobre Trilhos (VLT) e sistemas de trólebus para conectar cidades vizinhas, considerando o advento da carga de baterias nos pontos de parada. Água: “Criaremos uma política de sustentabilidade do Estado, servindo de “guarda-chuva” institucional para as demais políticas já estabelecidas. Entre elas, proteger as várzeas, áreas de mananciais, em torno de nascentes e outros corpos d’água da expansão da mancha urbana, introduzindo a possibilidade de pagamento de serviços ambientais. Promover ações especí-

Água: “A crise na Sabesp tem como causas a falta de investimento e sua privatização parcial; Hoje, 49% de seu controle acionário está na mão de investidores privados. Qual o problema? O problema é que mais de um terço de seu lucro é apropriado privadamente. Assim, não se consegue investir na empresa o suficiente para atender as necessidades da população; A Frente de Esquerda defende que o poder público volte a comandar integralmente a empresa”.

PsdB Geraldo Alckimin Segurança Pública: “Já enviamos um projeto de lei ao Congresso Nacional para alterar o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), aumentando de três para oito anos o prazo de internação de menores que cometam crimes hediondos”; Ampliar o Detecta, programa de videomonitoramento por câmeras em pontos estratégicos, e a Diária Especial por Jornada Extraordinária de Trabalho Policial Militar; Combater crimes contra a vida e patrimônio e o tráfico de entorpecente; Acelerar a integração das polícias. Transporte: Investir em mais metrô e trem; Construir corredores de ônibus; Implantar a rede de ligações

regionais de transporte ferroviário de passageiros; Concluir a implantação das conexões dos aeroportos de Guarulhos e o de Congonhas com o sistema metro-ferroviário da Região Metropolitana de São Paulo; Apoiar as ações de integração do transporte metropolitano com o desenvolvimento urbano e respectivas políticas setoriais de emprego, habitação, logística, planejamento e gestão do uso do solo. Água: “Vamos continuar as obras para elevar a produção de água, aumentar os reservatórios e interligar represas”; Conscientizar a população para o consumo responsável da água; Concluir a PPP do São Lourenço, e interligar as represas Atibainha e Jaguari; Ampliar o programa de recuperação de mananciais e matas ciliares; Intensificar o controle de perdas nas redes de abastecimento público de água, do reuso de efluentes tratados e do uso racional da água; Avançar na coleta e tratamento de esgoto.

Pt Alexandre Padilha Segurança Pública: “Reverter a violência nas regiões mais vulneráveis e a sensação de abandono e insegurança que tomou conta de nosso Estado de São Paulo será um esforço constante, permanente e duradouro. Para tal, nossa política assumirá uma postura implacável com o crime organizado e com qualquer mal feito dentro dos órgãos de segurança. Sobretudo, a atuação das polícias respeitará o direito a livre manifestação e tratará igualmente cidadãos e cidadãs”. Transporte: Implantar o bilhete único metropolitano nas regiões metropolitanas, além de levar o metrô às cidades dessas regiões e o trem de passageiros no interior; Ter um programa de investimentos em logística e infraestrutura para reduzir custos e fomentar o desenvolvimento econômico sustentável, com gestão competente dos recursos hídricos e energéticos, além de instituir, em parceria com o Governo Federal e com o setor privado, uma política Estadual de hidrovias e ferrovias. Água: “Universalizar o abastecimento de água. Respeitar o manejo e o uso responsável dos recursos naturais, o que exige a garantia da equidade no acesso, além da preservação e proteção da biodiversidade, do clima, do solo e das águas dos mananciais, de modo a não comprometer o futuro das atuais e novas gerações”.


14 | Reportagem |

3 a 9 de setembro de 2014 | www.arquidiocesedesaopaulo.org.br

E depois de eleito, qual a função de cada candidato? Professor da PUC-SP explicou ao O SÃO PAULO as atribuições de presidente, governador, senador, deputados federal e estadual fernando altemeyer especial para o são paulo

Estamos às portas do Voto Consciente 2014! As candidaturas estão postas no cenário. Os partidos de aluguel e os nanicos também. É preciso separar o joio do trigo. O tomate podre do bom. E olhar a ficha do candidato com lupa e visão de passado, presente e futuro. Em 5 de outubro de 2014, temos a data quente para definir

posturas e candidatos, pois será o primeiro turno das eleições. Em alguns Estados (ou em todos?) pode haver segundo turno em 26 de outubro, para as majoritárias de presidente e governador, se não houver maioria absoluta.

5 cargos para pensar bem e votar consciente: Primeiro voto: Presidente da República. Mandato de quatro anos 2015-2018. Conectado ao voto, virá o nome do vice-presidente, de 39 Ministros de Estado, cinco presidentes de Empresas públicas federais e dois presidentes de empresas de economia mista, além de 16 autarquias e dezenas de institutos e universidades federais nessa esfera de governo. Coordenará a máquina federal que envolve hoje 2,7 milhões de servidores públicos federais além de 600 mil comissionados com gasto anual federal de R$ 151 bi-

lhões (dados de 2011). O salário de presidente é de R$ 26.723,13. Segundo voto: Governador de Estado. Mandato de quatro anos 2015-1018. Conectado ao voto, virá o nome do vicegovernador, dos secretários de Estado, presidentes de empresas públicas estaduais (em São Paulo são 21), além de autarquias e institutos e universidades estaduais (em São Paulo três) nesta esfera de governo. Coordenará a máquina estadual que envolve hoje 570.342 funcionários públicos estaduais diretos (o total com empresas, universidades e outros organismos é de 1.185.136 funcionários) com gasto anual de R$ 35 bilhões. O salário de governador e dos secretários de governo em São Paulo é atualmente de R$ 20.662. Terceiro voto: 1/3 dos senadores da República. Ou seja, eleger um total de 27 senadores dos atuais 81 membros do Se-

nado Federal. Um por Estado da Federação. Conectado a esse voto estão os nomes de dois suplentes ao cargo de Senador. O voto é para mandato de oito anos 2015-2022. Há cargos e indicados pelo senador eleito para compor sua assessoria parlamentar nos Estados e em Brasília, além dos funcionários de carreira que já existem na Câmara Alta. O salário é de R$ 26.723,13. Em São Paulo, votaremos em um nome e existem 11 postulantes ao cargo. Quarto voto: Escolher um deputado federal entre os milhares de candidatos e os 32 partidos regularizados pelo TSE em todo o Brasil. Cada Estado tem um número diferenciado de deputados federais para compor a Câmara Federal, por conta do número de habitantes e de eleitores. São Paulo tem 70 deputados federais de sua bancada. Serão eleitos 513 deputados. Esta será a Legislatura

de numero 55 da Câmara Federal. O salário é de R$ 26.723,13. São 1.462 candidatos no Estado de São Paulo. Quinto voto: Escolher um deputado estadual por eleitor, entre dezenas de milhares de proponentes nos Estados da Federação. Cada Estado tem um número diferenciado de deputados estaduais para compor a sua própria Assembleia Legislativa Estadual por conta do número de habitantes e de eleitores de cada unidade da Federação. No caso paulista, 94. Esses deputados estaduais contam com os atuais funcionários concursados das Assembleias em seus Estados, mas além deles nomeiam outros membros de sua campanha eleitoral ou do grupo político a que estão ligados como compensação para candidatos derrotados. O salário de um deputado estadual é R$ 20.112,09. Colaborou Nayá Fernandes

pesquisa datafolha - intenção de voto por religião (%) dilma rousseff

católicos

Marina silva

39

aécio neves

evangélica pentecostal

evangélica não pentecostal 44

41 38 30 21 19 14/ago

18 29/ago

32

30

24 15 14/ago

30 27 22

29

14/ago

35 30 23

29/ago

Não tem religião 44

13

11 29/ago

espírita kardecista/ espiritualista

32 21 14

14/ago

29/ago

33 29

23 16 9 14/ago

29/ago


www.arquidiocesedesaopaulo.org.br | 3 a 9 de setembro de 2014

| Entrevista | 15

Irmã Petra Silvia Pfaller

‘É preciso reverter a lógica de que a prisão resolve a violência e restaura a paz’ Arquivo pessoal

Daniel Gomes

danielgomes.jornalista@gmail.com

Nascida na Bavária, na Alemanha, a Irmã Petra Silvia Pfaller, 49, está no Brasil desde 1991. Pertencente à Congregação das Irmãs Missionárias de Cristo, a freira e advogada é a atual vice-coordenadora nacional da Pastoral Carcerária e conta que se sente “chamada a visitar Jesus Cristo preso e torturado”. Nesta entrevista ao O SÃO PAULO, Irmã Petra detalha porque a Pastoral Carcerária é contra a construção de novos presídios, apresenta o modelo da Justiça Restaurativa e fala das condições dos cárceres no País. “A prisão não resolve a violência no Brasil. Ainda mais porque o sistema penal é altamente seletivo”.

O SÃO PAULO – Em 2013, a Pastoral Carcerária em conjunto com outras organizações sociais apresentou ao Governo Federal a Agenda Nacional pelo Desencarceramento. Que pontos centrais se pretende ressaltar neste período de eleições? Irmã Petra Silvia Pfaller - A prioridade neste tempo de eleição é a saúde e a educação, duas áreas que carecem de políticas públicas sérias e que são extremamente ligadas com a segurança pública. Porém, infelizmente, muitos candidatos colocam na pauta apenas a segurança pública como prioridade, com uma visão repressiva, ou seja, mais armas, mais presídios e aumentos das penas. Exigimos que sejam apresentadas políticas criminais e penitenciárias que não se baseiem na vingança e na repressão. Dentro da nossa agenda, destaco a efetivação e ampliação das garantias na Lei da Execução penal, a vedação à privatização do sistema prisional e as alternativas à pena de prisão, como, por exemplo, as práticas restaurativas. E, sem dúvida, o fim da revista vexatória.

A Pastoral tem propagado a ideia da Justiça Restaurativa. Em que se baseia? Talvez a grande novidade da Justiça Restaurativa é que ela se preocupa também com a vítima, que é esquecida no Brasil, não tem voz nem vez. A a consequência disso é o aumento de um grito de justiça, que muitas vezes é mais um desejo de vingança do que de justiça. As práticas restaurativas tentam envolver todas as partes: o agressor e sua família ou pessoas mais

As prisões brasileiras estão estruturadas para receber as mulheres? Não. Nem um presídio está preparado para receber mulheres e também nem homens. Presídio é uma coisa totalmente contra o ser humano. É uma invenção cruel do ser humano com a falsa ideologia de que a prisão resolve a violência e ressocializa. A maioria dos presídios femininos são sucatas de presídios masculinos mal reformados.

Recentemente, o governador de São Paulo sancionou a lei que proíbe a revista vexatória no Estado. A Pastoral, em nota pública, manifestou preocupação com a aplicação da lei e para que não seja impedido o contato do preso com os familiares. Por que há esse temor?

próximas, a vítima e sua família e amigos mais próximos que estão afetados pela agressão. A pessoa que acompanha esse processo não julga ou condena, mas faz o papel de facilitador para resolver o conflito. Tenta-se restaurar o dano causado, isso não significa impunidade, mas sim uma solução de conflito que se baseia na reparação do dano sofrido, no diálogo, compreensão, expressão da dor sofrida, da raiva e indignação. Um processo que também se baseia no perdão.

Segundo o Ministério da Justiça, há no Brasil 256 mil presos além da capacidade das unidades prisionais. Frequentemente, os gestores públicos apresentam como solução a construção de mais prisões. A Pastoral defende um mundo sem cárceres, assim, o que é possível fazer diante da superlotação carcerária? De curto prazo, é imprescindível que as Defensorias Públicas sejam instaladas no País todo, já que não existem em todos os Estados, como é o caso de Goiás, e onde há, ela está mal equipada e com falta de pessoal, especialmente no interior. No Amazonas, por exemplo, que visitei em dezembro, só existe a Defensoria em Manaus. Sabemos que a prisão não resolve a violência no Brasil. Ainda mais porque o sistema penal é altamente seletivo. Basta entrar num presídio para perceber que os pobres e marginalizados são a maioria da população carcerária, assim como pardos ou negros e os que possuem baixa escolaridade. Na verdade, a prisão de-

veria ser o último recurso. Hoje, o bem maior protegido são as coisas e não a vida. Ressalto, ainda, que a maioria das pessoas encarceradas foram presas em flagrante e não em consequência de uma investigação policial. Estamos, na média nacional, com 46% de presos provisórios, que há anos esperam por um veredito do juiz. Muitos são inocentados e outros cumprem sua pena na sua totalidade no regime fechado por causa dos atrasos do poder judiciário, que está lento no andamento dos processos. Precisamos reverter a lógica de pensar que a prisão resolve a violência e restaura a paz no País, nas cidades e nos bairros.

Em qual região do Brasil há maior urgência de atuação do Governo Federal e do Judiciário por conta das condições dos presídios? Cada presidio é um inferno, uns mais, outros menos. Já visitei presídios na Alemanha onde se respeita mais a dignidade da pessoa, mas é difícil mesmo assim. O presídio não é feito para o ser humano. Para mim, sem dúvida, as condições dos cárceres no Amazonas são as piores, especialmente nos interiores, com ausência total do Estado. Quem comanda lá é a polícia, o juiz aparece uma vez por mês e o representante do Ministério Público também, e nem sempre nos mesmos dias, ou seja, os processos não andam, não há fiscalização. Não se pode falar que o povo tem acesso à Justiça. Da Defensoria Pública nem se fala: superlotação, fome, falta de atendimento à saúde, corrupção: a lista é longa.

A recente nota da CNBB deixou bem claro que a revista vexatória desrespeita a Constituição Federal (cf. art. 5°), que veda que a pena ultrapasse a pessoa do condenado, é um tratamento cruel, desumano e degradante. A criminalização dos familiares dos presos é infelizmente tão presente na nossa cultura que é usada como argumento para privar a pessoa presa de ter contato com seus familiares se não houver a revista vexatória. É mais uma atitude vingativa do que uma questão de segurança. O contato e o cultivo do relacionamento com os familiares é talvez o fator mais importante para que uma pessoa condenada consiga voltar a uma vida normal, fora do crime. Existem metodologias, máquinas, para evitar o tráfico de coisas ilícitas, basta querer adquirir a tecnologia adequada e combater efetivamente a corrupção.

A senhora pertence à Congregação das Irmãs Missionárias de Cristo, surgida na Alemanha. Por que escolheu evangelizar as pessoas presas no Brasil? O nosso fundador, Padre Moser, msc, Missionário do Sagrado Coração, nos deu como carisma ser luz nas escuridões do mundo. O que é mais escuro do que uma cela superlotada e fedorenta no fundo de uma cadeia que parece um inferno? Sinto-me chamada a visitar Jesus Cristo preso e torturado - segundo o Evangelho de Matheus -, visitar meu irmão e minha irmã encarcerada. Encontrar neste mundo dos cárceres o amor de Deus é uma profunda experiência de Deus presente entre nós, isso transformou a minha vida.


3 a 9 de setembro de 2014 | www.arquidiocesedesaopaulo.org.br

Uma revista para cego em tiroteio filipe david

especial para o são paulo

Talvez uma das piores formas de alienação seja a que nos separa de nós mesmos e do que temos de melhor. Uma coisa é um país periférico não participar, por incapacidade, das discussões culturais mais elevadas da humanidade. Outra muito pior é, tendo os talentos e a capacidade intelectual para tanto, sabotar-se a si mesmo, escondendo seus maiores intelectuais sob o manto de vergonhoso silêncio e rápido esquecimento. Reparar esse estado de coisas é um dos objetivos da “Nabuco”, nova revista de humanidades, com ensaios e artigos sobre a cultura brasileira e seu lugar no mundo, principalmente nas áreas de literatura, filosofia, história e sociologia. Em seu primeiro número – com lançamento em São Paulo nesta quarta-feira, 3 – o professor Sá Kushëy explica em entrevista a crise que vive a crítica literária brasileira atualmente; Raphael de Paola, doutor e professor de física, mostra que,

para tornar essa ciência moderna inteligível – não apenas aos leigos, mas também aos próprios físicos – é preciso recorrer aos instrumentos conceituais aristotélico-tomistas, como forma e matéria ou ato e potência, abandonando os erros do mecanicismo cartesiano e newtoniano; Pedro Sette Câmara dá um testemunho sobre a vida intelectual

brasileira nos anos 90; Ronald Robson desvela o drama principal a informar a obra de Lima Barreto: a “defasagem entre projeto pessoal e vontade efetiva de realizá-lo”. A Revista conta (entre outros) também com um artigo do escritor Antônio Fernando Borges sobre Gustavo Corção e a apresentação e introdução do livro “Teoria Geral da História”, de João Camilo de Oliveira Torres (1915-1973), um dos autores tão grandes quanto esquecidos de nossa história intelectual, que busca formular sua teoria geral de forma cristocêntrica, fundamentando a história da humanidade na Palavra de Deus. Em seu editorial – Uma revista para cego em tiroteio – Ronald Robson resume o que é a Nabuco: “Um senso de orientação concreta na cultura brasileira contemporânea; uma arremetida contra o impessoalismo intelectual; um desdém intransigente pelo sectarismo de nossas letras; uma negação radical da substituição da cultura pela agenda política: eis, aqui, Nabuco – abolindo grilhões desde 1883”.

Dica de leitura

Cultura

16 | Fé e Cultura |

Redescobrir o valor das virtudes, compreendêlas e colocá-las em prática. Examinar a própria vida, descobrir raízes ocultas de muitas deficiências e problemas, e encontrar roteiros de superação. Eis o que o livro A conquista das virtudes, nova obra do Padre Francisco Faus, propõe ao leitor. Francisco Faus (Barcelona, 1931) é sacerdote da Prelazia do Opus Dei e doutor em Direito Canônico. Autor bem conhecido de obras de formação e espiritualidade, oferece nestas páginas, tendo sempre em vista a ética natural e a doutrina cristã, uma visão vital, prática, das virtudes: um “saber de experiência feito”, segundo a célebre expressão de Camões.

‘Se seu teatro é para Deus, não busque a fama... busque a eternidade’ Neste fim de semana, 6 e 7, ocorre o 17º Festival Cristoarte, um festival nacional de teatro de caráter ecumênico, com o objetivo de evangelizar por meio da arte. O evento será no Teatro São Judas, anexo ao Santuário São Judas Tadeu, das 8h às 17h. O Cristoarte nasceu com a vontade de despertar a arte den-

tro da Igreja Católica. É atualmente o maior Festival de teatro evangelizador do Brasil. Seu principal objetivo é promover a integração entre os grupos de teatro, levar a palavra de Deus através da arte e incentivar iniciativas relacionadas ao teatro cristão. Nesse ano, o evento já está em sua 17ª edição e conta com a par-

ticipação de dez grupos teatrais selecionados de todo o Brasil. O Festival Cristoarte é um festival ecumênico que reúne mais de 3 mil pessoas, entre jovens, adultos e crianças, seja apresentando seus espetáculos, torcendo ou apenas prestigiando o evento, além da mídia – Rádio, TV e Jornais – que deverá fazer sua cobertura. Cerca

de cem pessoas trabalham para que esse evento ocorra todos os anos, envolvendo diversas comunidades e pastorais. Por ocasião do Festival, será realizada a Gincana da Solidariedade, em que os participantes poderão doar roupas, alimentos perecíveis e materiais de higiene pessoal. Todo esse material será

doado às obras sociais do Santuário São Judas Tadeu. O Grupo de Teatro Vivarte ligado ao Santuário São Judas Tadeu já existe há 22 anos e é o idealizador desse Festival, buscando sempre juntar a espiritualidade com a formação teatral para fazer um trabalho de qualidade em suas atividades. Mais informações: www.grupovivarte.com


www.arquidiocesedesaopaulo.org.br | 3 a 9 de setembro de 2014

| Esporte | 17

Preparados para o desafio olímpico? Jovem geração de atletas do Brasil conquistou 15 medalhas nos Jogos da Juventude. Foco do COB é que esta seja protagonista em 2020 ou 2024

nário e preparamos um plano a curto, médio ou longo prazo”, afirmou ao Site do COB. Em três modalidades – taekwondo, tênis de mesa e tiro com arco – as medalhas de brasileiros em Nanquim foram conquistas inéditas, mesmo considerando as olimpíadas tradicionais. Tal situação já projeta os medalhistas como

referências nas modalidades. “Sei que é uma responsabilidade muito grande e que as expectativas depositadas em mim como atleta são maiores. Mas não vou deixar isso subir para a cabeça”, garantiu Edival Marques, 16, medalhista de ouro no taekwondo. Para Hugo Calderano, 18, medalhista de bronze no tênis de

mesa em Nanquim, o resultado que obteve reflete o bom momento do tênis de mesa brasileiro. “Temos pela primeira vez três atletas no ‘Top 100’ do ranking mundial, além das melhores colocações da história em campeonatos mundiais e etapas do circuito mundial. Estamos preparados e esperamos poder inspirar outras crianças a praticarem o tênis de Wander Roberto/Inova Foto/COB

Daniel Gomes

danielgomes.jornalista@gmail.com

Após as 15 medalhas do Brasil nos Jogos Olímpicos da Juventude, que terminaram no dia 28, em Nanquim, na China, aumenta a expectativa sobre o desempenho dos jovens esportistas brasileiros nos próximos megaeventos esportivos, “O resultado demonstra que estamos no caminho certo, pensando em longo prazo para 2020 e 2024”, afirmou Adriana Behar, chefe da delegação brasileira em Nanquim, em entrevista ao site do Comitê Olímpico Brasileiro (COB). Para Marcus Vinicius Freire, diretor executivo de esportes do COB, alguns dos 97 atletas brasileiros que estiveram na Olimpíada da Juventude podem estar nos Jogos Rio 2016, mas o trabalho atual tem como foco as edições seguintes. “É importante entender que cada modalidade tem a sua média de idade e seu perfil diferente. Então, para cada uma nós estudamos todo o ce-

Delegação brasileira nos Jogos da Juventude, em Nanquim, teve Hugo Calderano, medalhista de bronze (det.)

MUNDO DOS ESPORTES

AGENDA ESPORTIVA

Jogos Olímpicos da Juventude • O Comitê Olímpico Internacional criou os Jogos Olímpicos da Juventude em 2007. A primeira edição, em Cingapura 2010, reuniu 3.600 atletas, de 205 países, em 26 modalidades. Dois anos depois, foi realizada a edição de Inverno, em Innsbruck, na Áustria. Em 2016, haverá outra edição de inverno, em Lillehammer, na Noruega. Em 2018, os Jogos Olímpicos da Juventude serão em Buenos Aires, na Argentina. • Em Nanquim 2014 participaram 3.700 esportistas, de 205 países, em 28 modalidades. • Em Cingapura 2010, o Brasil foi representado por 81 atletas, em 21 modalida-

des, e conquistou sete medalhas: ouros com David Lourenço (boxe) e Caio Fernandes (atletismo – provas de salto em distância e revezamento medley); pratas com Felipe Wu (tiro esportivo), Thiago Braz (atletismo – salto com vara) e Flávio Gomes (judô); e bronze com a equipe de handebol feminino. • Em Nanquim 2014, O Brasil teve 97 atletas, em 24 modalidades, e conquistou 15 medalhas. Destaques, com três pódios, para Flávia Saraiva (14 anos) – ouro no solo e prata na trave de equilíbrio e no individual geral; e Matheus Santana (18) - ouro nos 100 metros livre da natação, prata nos 50 metros livre e no revezamento 4x100 livre misto, com Giovanna

mesa”, expressou em entrevista ao O SÃO PAULO. O mesatenista também atribuiu a conquista aos apoios que tem do Ministério do Esporte, pelo projeto Bolsa Atleta, da confederação brasileira da modalidade, da Prefeitura de São Caetano do Sul e de sua patrocinadora, a marca Cornilleau. De acordo com Luciana Ferreira Angelo, 43, psicóloga com especialização em Psicologia do Esporte, o fato de boa parte dos atletas que foram a Nanquim já participarem de programas de desenvolvimento esportivo nas confederações colaborou para os resultados, pois eles contam com o auxílio de profissionais de educação física, nutrição, medicina, fisioterapia e psicologia, e convivem com atletas mais experientes. “É muito bom quando o jovem atleta tem contato com esses esportistas que já conquistaram algo e abriram caminho. E essa é uma das estratégias para diminuir a pressão”. Luciana considera ainda que os investimentos dos clubes nos atletas teve interferência no desempenho brasileiro. “Há programas bem interessantes que têm dado muito apoio aos jovens atletas. Acredito que estamos colhendo estes resultados já nessa primeira geração que vem com uma programação mais profissional, mais cuidadosa, mais atenta, e, principalmente, mais séria”, opinou.

Diamante (17), Luiz Altamir (18) e Natália de Luccas (18). • As outras medalhas do Brasil em Nanquim foram com Duda Lisboa (16) e Ana Patrícia (16) – ouro no vôlei de praia; Edival Marques (16) - ouro no taekwondo; Marcus Vinicius D´Almeida (16) – prata no tiro com arco; Marcelo Zormann (18) e Orlando Luz (16) - prata nas duplas do tênis (Orlando ainda foi prata no individual); Layana Colman (17) - ouro na categoria até 52 kg do judô e prata na equipe mista multinações; Bianca Rodrigues (18) – prata na equipe continental dos saltos do hipismo; e Hugo Calderano (18) – bronze no tênis de mesa.

Quarta-feira (3) 22h – Copa do Brasil Corinthians x Bragantino (Arena Corinthians) Quinta-feira (4) 20h – Copa Sul-americana São Paulo x Criciúma (Morumbi) Sábado (6) 18h - Paulista de Basquete Masculino Palmeiras x Lins Basquete (Ginásio do Palmeiras – rua Turiassu, 1.840, Perdizes) 18h30 - Brasileirão de Futebol Santos x Vitória (Pacaembu) Domingo (7) 7h30 – Corrida de rua e caminhada XII Troféu da Independência do Brasil (Parque da Independência – Ipiranga) 16h – Brasileirão de Futebol São Paulo x Sport Recife (Morumbi)


18 | Regiões Episcopais |

3 a 9 de setembro de 2014 | www.arquidiocesedesaopaulo.org.br

Ipiranga

Francisco David

Colaborador de Comunicação da Região

‘Um povo simples, mas cuidadoso com a Igreja e as coisas de Deus’ Francisco David

Dom José Roberto (det.) em visita à comunidade Santa Isabel

Em sua 23ª visita às paróquias da Região Ipiranga, no dia 28, Dom José Roberto Fortes Palau, bispo auxiliar da Arquidiocese na Região, caminhou pelas ruas de Heliópolis, conversou com fiéis e presidiu missa. A caminhada começou pela Comunidade Santa Clara, em que atuam diversas pastorais juvenis, há missa aos sábados, e um bazar que ajuda na manutenção financeira. O Bispo conheceu também o CCA São João Clímaco, onde são atendidas crianças carentes e que funciona como um complemento escolar, com atividades de música, artes e esporte. No entanto, o local está em uma situação precária, pois sem verba, não consegue manter as atividades. Dom José Roberto esteve com as crianças e respondeu perguntas. Em seguida, o Bispo visitou a sede provisória da Paróquia Santa Paulina, a Comunidade São José, onde acontecem as missas dominicais, batizados e atendimento de confissões, além de casamentos comunitários. Dom José Roberto esteve também na casa de fiéis. Atravessando o bairro de

Brasilândia

Renata Moraes

Colaboradora de Comunicação da Região

Para viver momentos de espiritualidade e de encontro com Cristo

Na noite do domingo, 31, os jovens do Movimento Escalada lotaram a Paróquia Nossa Senhora do Retiro, em Pirituba, para serem enviados e abençoados para mais um retiro espiritual. A missa que marcou o envio foi presidida por Dom Milton Kenan Júnior, bispo auxiliar da Arquidiocese na Região Brasilândia, e concelebrada pelos padres João Mildner, capelão do Instituto de Infectologia Emílio Ribas, e Natanael Pires, atual pároco. O Escalada surgiu em São Paulo, em 1978, idealizado e organizado por uma freira chamada Irmã Gília Eiras, que reuniu jovens de diferentes classes sociais durante um final de semana em um retiro. Eles faziam reflexões ao ar livre, em contato com a natureza, e escalavam uma montanha. O encontro anual do Escalada acontece com os grupos de jovens de quatro localidades: no bairro de Pirituba e no centro de São Paulo, e nas cidades paulistas de Alphaville e Araras.

Carolina Leandro

Dom Milton abençoou e enviou os jovens e a equipe que participará do encontro: “Desejo aos jovens uma feliz escalada, que vocês possam ir com o coração aberto, que não desperdicem nenhum minuto com Jesus Cristo. Que vocês possam sair transformados e mais apaixonados pelo Senhor”. Nesse encontro, os jovens são convidados a viver momentos de oração e

Heliópolis, a pé, por aproximadamente 15 quilômetros, o Bispo e o pároco, Padre Pedro Luiz Amorim, visitaram a Comunidade São Benedito, que fica no extremo oposto ao Terminal Sacomã. Dom José Roberto elogiou o cuidado que o povo tem com as comunidades: “É um povo simples, mas cuidadoso com a Igreja e com as coisas de Deus”. O Bispo visitou a Comunidade Santa Isabel e celebrou missa, em que destacou: “O Evangelho de hoje é um convite para nos amarmos como Santa Teresinha, que percebia Deus nas coisas simples do dia a dia.” Também falou sobre Santo Agostinho. “É preciso abrir a porta do coração, como Santo Agostinho que quando decidiu abrir a porta, se tornou padre, bispo, teólogo e doutor da Igreja. É necessário estarmos em estado de vigilância e ajudar ao próximo, viver entre irmãos, isso é o que atrai mais pessoas”. Ao final da missa, o Padre deixou uma mensagem de agradecimento ao Bispo. “Temos a certeza de que a paróquia é a casa do bispo, e desejamos, como Igreja, que a Paróquia Santa Paulina seja sua casa. As portas estarão sempre abertas.”

espiritualidade, aprender mais sobre a Igreja Católica e a ter uma experiência pessoal com Jesus Cristo. Da Paróquia Nossa Senhora do Retiro, 30 cursistas participarão do retiro espiritual, e ao todo cerca de 120 jovens das quatro localidades. O retiro acontecerá entre os dias 5 e 7, no Mosteiro de São Bento, em Vinhedo (SP).

Assembleias paroquiais são temas do CRP A reunião mensal do Conselho Regional de Pastoral da Brasilândia aconteceu no sábado, 30, na Paróquia Santos Apóstolos, no Jardim Maracanã. Na pauta, as lideranças de pastorais, juntamente com os padres e Dom Milton Kenan Júnior, avaliaram as semanas de formação que aconteceram na Região durante o mês de agosto: a de Semana Bíblica, a de Iniciação à Vida Cristã e a formação em liturgia. Todas foram avaliadas como positivas, devido à grande presença do povo em todas as paróquias, incentivado pela presença do Bispo nas diversas formações. Dom Milton pediu, em especial aos sacerdotes, atenção e empenho maior nas assembleias paroquiais que estão acontecendo. Os relatos devem ser enviados à secretaria de pastoral até o dia 5, pois a assembleia regional acontecerá no dia 20 deste mês, das 8h às 12h, na Paróquia Santos Apóstolos. A Assembleia Regional terá um caráter de encaminhamentos e articulação para o ano de 2015, tendo claro que o debate já foi realizado nas paróquias e esses encaminhamentos vão compor a pauta com propostas. Será formada uma equipe de leigos, que juntamente com o Bispo, preparará a Assembleia Regional.


www.arquidiocesedesaopaulo.org.br | 3 a 9 de setembro de 2014

João Carlos Gomes

Colaborador de Comunicação da Região

| Regiões Episcopais | 19

Belém

Dom Luciano: uma inesquecível vida de fé O final do mês de agosto é lembrado pela oração e memória a Dom Luciano Pedro Mendes de Almeida, que marcou a Região Episcopal Belém, sendo bispo auxiliar da Arquidiocese de São Paulo por 12 anos, de 1976 a 1988, e também ao Arsenal da Esperança ‘Dom Luciano Pedro Mendes de Almeida’, que ajudou a fundar. Sempre presente na memória da Região e da Entidade, Dom Luciano foi homenageado na quarta-feira, 27, data de sua morte, numa missa celebrada na Paróquia Nossa Senhora de

Fátima, presidida pelo bispo emérito da Diocese de Jacarezinho (PR), Dom Fernando Penteado. Cerca de 350 pessoas, em grande parte crianças e adolescentes, participaram da missa. No mesmo dia, a Arquidiocese de Mariana (MG) iniciou, com missa solene na Catedral Metropolitana, o começo da fase arquidiocesana do processo de beatificação de Dom Luciano, que foi arcebispo de Mariana por 18 anos. O procedimento foi autorizado pela Congregação para a Causa dos Santos, em 13 de maio.

Paróquia Nossa Senhora de Fátima

Crianças e adolescentes homenageiam Dom Luciano na Nossa Senhora de Fátima

‘Manteremos vivo para sempre o legado deste homem santo’ No sábado, 30, foi a vez do Arsenal da Esperança, homenagear Dom Luciano, com uma missa presidida por Dom Angélico Sândalo Bernardino, bispo emérito de Blumenau (SC), e concelebrada pelo Padre Patrick Clark e pelo Monsenhor Júlio Lan-

cellotti. Essa missa teve a participação de 150 pessoas. Para Dom Angélico, dois pensamentos de Dom Luciano deveriam servir de inspiração para todas as pessoas. “Neste dia em que lembramos nosso querido irmão Luciano,

poderíamos fazer de dois pensamentos seus, que se tornaram realidades em sua vida, o nosso meio de vida. O primeiro o seu lema de bispo, ‘Deus é bom’. Que em nossa vida, em qualquer situação em que estivermos, possamos proclamar ‘Deus é bom’. E

Jovens da Missão Belém são crismados na Paróquia São João Batista do Brás Numa missa realizada na Paróquia São João Batista do Brás, no domingo, 31, 150 jovens da Missão Belém receberam o sacramento da Crisma. A celebração foi presidida pelo bispo auxiliar da Arquidiocese de São Paulo para a Região Episcopal Belém, Dom Edmar Peron, e concelebrada pelo pároco da São João Batista, Padre Marcelo Álvares Matias Monge. Cerca de 500 pessoas participaram da celebração.

Arquivo pessoal

o segundo que em qualquer ambiente que estejamos, na família, no trabalho, no estudo, estejamos prontos a nos colocar à disposição como ele o fez: ‘Em que posso servi-lo? ’. Dessa maneira, manteremos vivo para sempre o legado desse homem santo”. Paróquia São João Batista do Brás

“Deus nos dá a felicidade quando nós pensamos no outro; por isso, eu gosto de sempre manifestar meu respeito e admiração pela seriedade do trabalho que a Missão Belém realiza em nome da nossa Igreja em São Paulo”, disse Dom Edmar, feliz por oferecer o Sacramento àqueles jovens que, hoje livres de seus vícios, caminham em comunidade, graças à Missão Belém.

De partida A Paróquia Jesus Ressuscitado, bem como todo o Setor Conquista da Região Episcopal Belém, se despede do seu pároco, Padre Jesus Madrid Odriguez, que a partir de setembro começa nova missão em outro país. “Fui destinado para o Chile para auxiliar na formação do noviciado internacional dos agostinianos. Rezem por mim, para que eu seja fiel à vontade de Deus nesta nova missão”, disse Padre Jesus.

AGENDA REGIONAL Sábado (6) 19h – Crisma na Paróquia Santa Maria Madalena, (avenida Primavera de Caiena, 43, Parque Santa Madalena).

VENHA ESPALHAR A PAZ E O BEM! SENDO FRANCISCANA DA AÇÃO PASTORAL NOSSO CARISMA FRATERNIDADE E PASTOREIO

11h – Missa na Paróquia Nossa Senhora Siluva (Lituana) – Paróquia São José de Vila Zelina, (praça República Lituana, 74 – Vila Zelina).

Domingo (7), 18h Crisma na Paróquia São Pedro Apóstolo Vila Industrial, avenida do Oratório, 6.276, Vila Industrial).

Vem e segue-me

Venha nos conhecer Ir. Magda de Assis Ramalho Rua: Iperana, 137 Altos da Mooca (4ª.parada) CEP: 03177-090 - São Paulo - SP Tel.(11) 2268-4966

facebook.com/Franciscanas DaAcaoPastoral


20 | Regiões Episcopais |

3 a 9 de setembro de 2014 | www.arquidiocesedesaopaulo.org.br

Santana

Diácono Francisco Gonçalves

Colaborador de comunicação da Região

Em ação de graças pelas vocações de padres jubilandos e de Dom Sergio

A Região Santana homenageou no dia 24, na Igreja de Sant’Ana, os seus padres jubilandos e Dom Sergio de Deus Borges, bispo auxiliar da Arquidiocese na Região Santana, pelos

dois anos de sua ordenação episcopal. A missa solene foi presidida pelo Bispo e concelebrada pelos seguintes padres com data e anos de ordenação: José Benedito Brebal Hespaña Diácono Francisco Gonçalves

Padres jubilandos, da esquerda para direita: Zezé, Nadir, Victor, Luiz Cesar e Mauricio, ladeiam Dom Sergio, na Igreja de Sant’Ana, na missa em ação de graças

(Zezé), 26 de novembro, 25 anos; Nadir Sergio Granzotto, 8 de dezembro, 60 anos; Victor Santana Fernandes, 1º de dezembro, 50 anos; Luiz Cesar Bombonato, 15 de dezembro, 25 anos; e Mauricio Vieira de Souza, 29 de outubro, 25 anos. O jubilando Padre Nadir, vigário paroquial na Paróquia Nossa Senhora dos Prazeres, que comemora, no dia 9, 87 anos, vem de uma família de origem italiana que tem entre seus membros, o padroeiro dos escultores, o Beato Claudio Granzotto, italiano cuja vida foi marcada pelo amor aos pobres, à vida, aos animais e à arte. “Agradeço a Deus por esse dom da vida. Tive uma vida longa e sempre penso que devo aproveitar cada dia que Deus nos dá, colocando a serviço do Reino os dons que Deus nos deu”, expressou Padre Nadir. A família Granzotto deu à Igreja do Brasil quatro padres e sete freiras, incluído o padre saletino Alfredo Granzotto, que

atua na Região, na Paróquia Nossa Senhora da Salette. Nascido em Erechim (RS), Padre Nadir tem programação comemorativa de seu jubileu de diamante sacerdotal promovido pela sua paróquia: dia 21 de setembro, às 19h, na Paróquia São Paulo Apóstolo (rua Quedas, 564), em missa presidida por Dom Antônio Gaspar, bispo emérito de Barretos (SP); dia 30 de novembro, às 10h30, na Paróquia Nossa Senhora dos Prazeres (avenida Ataliba Leonel, 3.013, Parada Inglesa), em missa presidida por Dom Sergio; dia 7 de dezembro, às 19h, na Paróquia Nossa Senhora dos Prazeres, em missa presidida pelo Cardeal Scherer, arcebispo de São Paulo; dia 8 de dezembro, às 10h, na Paróquia Nossa Senhora dos Prazeres, em missa presidida por Padre Nadir; dia 28 de dezembro, às 9h, na Catedral Nossa Senhora da Glória, em Francisco Beltrão (PR), em missa presidida pelo próprio jubilando.

‘Instrumento de Deus’ aponta Cristo para jovens A Comunidade Instrumento de Deus realizou, dia 24, festa denominada “Agnus Dei” (Cordeiro de Deus), em que comunidades, pastorais e congregações marcaram presença apresentando seus carismas, trabalhos e vocações na Feira Vocacional, da qual participaram três comunidades, cinco congregações e as pastorais do Menor e Vocacional. Muitas pessoas percorreram as salas nas quais tiveram a oportunidade de estar em contato com os diversos caminhos e carismas proporcionados pela Igreja Católica. Após a feira, houve adoração do Santíssimo e partilha de experiências vividas na Feira Vocacional. “O momento mais aguardado por todos foi a missa, na qual ocorrem as

AGENDA REGIONAL Sexta-feira (5), 10h Missa presidida por Dom Sergio Borges, na Congregação Missionárias da Caridade (rua Francisco Arcuri, 133, Jardim Peri). Sábado (13), das 8h às 12h30 Formação Mesac para os Setores Medeiros e Vila Maria, na Paróquia Nossa Senhora da Candelária (praça Nossa Senhora da Candelária, 1).

consagrações e renovações dos membros de vida e aliança. Para a comunidade se inicia um tempo novo, pois Deus apresenta novos desertos para que seus membros sejam voz para aqueles que ainda não conhecem a Deus”, diz Vanderlei Ferrais, coordenador da Comunidade Instrumento de Deus. A comunidade nasceu a partir do ministério de música Instrumento de Deus, que atuava na Paróquia Nossa Senhora da Candelária. Em 1998, a partir de retiro em Guaratinguetá (SP), os membros do ministério tiveram uma experiência marcante com Deus e quiseram anunciar o Evangelho por meio da música. Em 2002, durante retiro dado aos jovens crismandos da Candelária, ao

Roberto Castilho Gandanez

lerem o Evangelho de João 1, 19-34, que narra o testemunho de João Batista apontando para o Cordeiro de Deus, Jesus Cristo, os jovens, sob orientação dos Padres Dehonianos, começaram a fazer um discernimento da vocação do grupo que tem por objetivo ajudar as pessoas à resgatar sua essência.

No ano de 2007, concretizou-se o sonho com a fundação da Comunidade Instrumento de Deus, que passou, desde então, a atuar na rua Lamartine dos Santos, 87, na Vila Maria, onde as pessoas podem experimentar a presença de Deus e reencontrar o sentido de suas vidas.

Festa de Nossa Senhora da Salette

Setembro na Paróquia Nossa Senhora da Salette (rua Doutor Zuquim, 1.746) é um mês festivo, pois se comemora a aparição de Nossa Senhora da Salette a dois pastorinhos – Maximino e Melânia - que aconteceu em 19 de setembro de 1846, em La Salette, França. Ocorre, então, a novena de Nossa Senhora, com a tradicional quermesse aos sábados e domingos, das 17h às 22h, além de momentos de oração para o crescimento espiritual de nossos paroquianos e visitantes.

A festa terá novena de Nossa Senhora da Salette, de 2 a 5 e 8 a 12. Ao mesmo tempo, acontece durante o mês, a grande quermesse com muitas atrações musicais e culturais nos finais de semana de setembro, a saber: 6 e 7; 13 e 14; 20 e 21; 27 e 28. Na quermesse, as tradições culturais e culinárias de outros países com barracas: japonesa, com Yakissoba, Sushi e Tempurá; francesa, com crepes; italiana, com pizza ou macarronada; americana, com hot-dog e hambúrguer;

chinesa, com pastel; e brasileira, com curau, pernil, churrasco, tapioca, pão de queijo. Dia 19, “dia da padroeira”: haverá missas às 7h (transmitida pela TV Canção Nova); às 9h; às 12h; às 15h (transmitida pela Rádio Imaculada Conceição); às 18h (transmitida pela Rádio Canção Nova) e missa de encerramento, às 20h. Encerrando os festejos, no domingo, 28, haverá procissão pelas ruas do bairro, além das celebrações.


www.arquidiocesedesaopaulo.org.br | 3 a 9 de setembro de 2014

| Regiões Episcopais | 21

Fernando Geronazzo

Colaborador de comunicação na Região

Nossa Senhora da Consolação junto aos esquecidos pela sociedade A Paróquia Nossa Senhora da Consolação, na região central, celebrou sua padroeira no domingo, 31. A festa foi marcada por uma missa solene presidida pelo arcebispo metropolitano, Cardeal Odilo Pedro Scherer. A devoção de Nossa Senhora da Consolação e Correia (nome original) chegou a São Paulo por meio de um frade agostiniano, que passou por uma capela na cidade e deixou sobre o altar uma imagem da Virgem com esse título. Atualmente, essa imagem está no Museu de Arte Sacra de São Paulo. Por ser uma devoção nascida entre os agostinianos, a festa acontece sempre no domingo seguinte ao dia da memória de Santo Agostinho, celebrado em 28 de agosto. Neste ano, a novena preparatória da festa foi realizada a partir do hino bizantino Akathistos (do grego: “cantado de pé”), que invoca o mistério da encarnação salvífica do Verbo de Deus, desde a anunciação até sua vinda gloriosa, contemplado a partir da Virgem Maria. Em cada noite, um celebrante meditou uma dessas invocações. Na manhã do domingo, a missa

Anderson Nunes/Paróquia Nossa Senhora da Consolação

Dom Odilo Scherer celebra a festa de Nossa Senhora da Consolação em Igreja no centro de São Paulo

foi presidida por Dom Carlos Lema Garcia, bispo auxiliar da Arquidiocese e vigário episcopal para a Educação e a Universidade. De acordo com o Padre José Roberto Pereira, pároco, a realidade da Paróquia a convida a ser consoladora de todos aqueles que são esquecidos pela sociedade. “Aqui vivem muitas pessoas abandonadas, principalmente os idosos, muitos jovens depres-

Missa com os catequistas O Dia do Catequista foi marcado na Região Sé por uma missa na Paróquia Santa Cecília, sábado, 30. A celebração foi presidida por Dom Tarcísio Scaramussa, bispo auxiliar da Arquidiocese e vigário episcopal para a Região Sé, recentemente nomeado bispo coadjutor de Santos (SP), e concelebrada por padres da Região. Na homilia, Dom Tarcísio partiu do Evangelho do dia para lembrar aos catequistas que é na doação da própria vida que se consegue a verdadeira vida e que, como lembra Jesus, para

balho realizado na Santa Casa de Misericórdia e na Capela Sagrada Família, também localizada no bairro. No final da missa, Dom Odilo motivou os paroquianos a continuar a obra de presença e testemunho, “para que essa comunidade de fé seja realmente um sinal de Deus nesta área da cidade”, e, inspirados na padroeira, também sinal de consolo e conforto, principalmente aos que mais sofrem.

Bispo regional na Capela de Nossa Senhora de Sion

seguir a Jesus, é preciso que cada um tome sua cruz. Carregar a cruz é não ter medo de anunciar o Evangelho. Por isso, o catequista será sempre incansável na sua missão. Ele também agradeceu aos catequistas a dedicação neste serviço à Igreja. Padre Marcelo Delcin, coordenador regional da Animação BíblicoCatequética, e sua equipe também agradeceram a Dom Tarcísio pelos seis anos que acompanhou essa dimensão pastoral não só na Região Sé, mas em toda a Arquidiocese.

Clero agradece a Dom Tarcísio A Comissão de Presbíteros da Região Sé reuniu o clero para um almoço de confraternização e agradecimento a Dom Tarcísio Scaramussa pelos seis anos em que desem-

sivos e com muitos sofrimentos. Por isso, temos aqui o trabalho da Pastoral da Escuta, atendimento psicológico e espiritual”. Há dois anos e meio, a Paróquia tem realizado um trabalho pastoral em prédios do bairro. “Mensalmente, temos missas nos condomínios. Nesses lugares, já temos praticamente pequenas comunidades”, explicou o Pároco, que também destacou o tra-

penhou a missão de vigário episcopal. O almoço oferecido pela Paróquia Nossa Senhora do Brasil aconteceu na quarta-feira, 27, logo após a reunião dos coordenadores de setor.

A Comissão de Presbíteros da Região Episcopal Sé convida para a Celebração Eucarística de despedida e ação de graças por Dom Tarcísio Scaramussa. Dia 9 de setembro, às 20h Local: Paróquia do Santíssimo Sacramento (rua Tutóia, 1125, Paraíso)

Irmã Zezé

A Congregação das Irmãs de Nossa Senhora de Sion e a Comunidade da Capela do Colégio Sion, em Higienópolis, receberam no domingo, 31, a visita pastoral de Dom Tarcísio Scaramussa. O Bispo encontrou agentes das diferentes pastorais e serviços da Capela e da Congregação. O capelão, Padre José Ulisses Leva, manifestou a alegria pela visita do Bispo. A Comunidade conheceu melhor Dom Tarcísio e seu ministério, que também teve a oportunidade de saber detalhes da Capela de Nossa Senhora de Sion.

ASSOCIAÇÃO DAS DAMAS DE CARIDADE DE SÃO VICENTE DE PAULO Utilid. Públ. Fed. Decr. 62.668/68 – Utilid. Públ. Estadual Decr. 2689/54 - Utilid. Públ. Munic. Decr. 7.846/68 Reg. CONSEAS nº 0361/SP/2000 – Reg. CNAS – Proc. 555/58 – Reg. COFRAS nº 88 CNPJ nº 60.904.711/0001-12

EDITAL DE CONVOCAÇÃO

ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA E EXTRAORDINÁRIA

Prezadas Senhoras, Em atenção ao Artigo 19 do Estatuto Social da entidade, convocamos Vª. Senhoria a comparecer a Assembleia geral Extraordinária, a realizar-se no dia 1º de setembro de 2014, às 10:00 horas (horário de Brasília), em primeira convocação, e às 11:00 horas, em segunda convocação, na sede da entidade, Alameda Barros n° 539, Santa Cecília, CEP 01232-001, para apresentação e deliberação da seguinte pauta: I) Alteração do Estatuto Social, conforme proposta disponível na sede da Associação; II) Aprovação da alienação de imóveis; III) Eleição do Conselho Fiscal; São Paulo, 14 de agosto de 2014 CARMEN THEREZINHA DE PAULA FERRANTE Presidente


22 | Regiões Episcopais |

Lapa

3 a 9 de setembro de 2014 | www.arquidiocesedesaopaulo.org.br

Benigno Naveira e Padre Antonio Ribeiro Colaboradores de Comunicação da Região Lapa

700 pessoas em louvor e adoração no 1º Cenáculo da RCC regional Benigno Naveira

Cenáculo, local onde aconteceu a última ceia de Cristo com os apóstolos na Quinta-Feira Santa (Mc 14,15; Lc 22,12) e ainda o lugar onde estavam reunidos os discípulos no dia de Pentecostes, quando o Espírito Santo desceu sobre eles. (At 1,13). No domingo 31, a reportagem da Pastoral da Comunicação da Região Lapa compareceu ao Centro Esportivo Edson Arantes do Nascimento, o Pelezão, na Vila Leopoldina, e acompanhou a realização do 1º Cenáculo da Renovação Carismática Católica (RCC) na Região Lapa, que teve como lema “Fazei o que ele vos disser” Jo 2,5. A atividade reuniu aproximada-

mente 700 pessoas, que vieram renovar sua fé, participando dos momentos de louvor, adoração, pregações e celebrações. A coordenadora da ação, Sueli Malta Romano, demonstrou alegria e satisfação nesse encontro e falou sobre a RCC. “Em primeiro lugar, somos Igreja e a nossa identidade é no Batismo do Espírito Santo. A partir dessa identidade, nós oramos, nós louvamos, clamamos pelo Espírito Santo e deixamos que esse espírito aja nas nossas vidas, porque tudo que fazemos é por meio de oração, sempre intercedendo pelas pessoas esse é o nosso ministério”.

Encontro trata da responsabilidade e compromisso com a música litúrgica Uma celebração sem canto é uma celebração “morta”, “apagada”, “desanimada.” O canto, ao contrário, anima, desperta, dá vida. Além disso, tem o poder de unir mais pessoas, juntando as vozes ao ritmo da música. No domingo 31, no Instituto

Teológico Pio XI, no Alto da Lapa, realizou-se o 1º encontro de Canto Pastoral com o tema “Canto Pastoral e Liturgia”, do ministério de música da Paróquia São Patrício, do Setor Rio Pequeno, com assessoria do seminarista Giovane de Souza, salesiano. Participaram 60 pessoas, entre cantores e

músicos, que ouviram o palestrante Giovane falar da responsabilidade e do compromisso com a renovação na prática da música litúrgica, a integração dos grupos musicais, o poder da música, os instrumentos musicais e seu efeito. O Seminarista, no intervalo entre

um assunto e outro, realizou um momento de oração de canto e reflexão. Ao final, o Padre João Carlos Borges, pároco da Paróquia São Patrício, demonstrou alegria e satisfação com a realização do encontro e com a participação dos grupos e integração de todos.

Fiéis relembram martírio de São João Batista Com grande participação de fiéis, a Área Pastoral São João Batista, no Setor Butantã, celebrou no domingo, 31, com missa e procissão, a data que recorda o martírio de São João Batista. O Santo padroeiro

OPORTUNIDADE DE EMPREGO

conquistou a santidade pela sua vida e missão, consagrado por Jesus como o último e maior dos profetas. João Batista é o único santo que tem seu nascimento para a realidade humana e para o Reino dos céus

celebrados na liturgia, assim como Jesus e a Virgem Maria. Cerca de 200 pessoas participaram da celebração e, na homilia, Padre Antonio Ribeiro destacou que João Batista era filho de Zacarias e Isabel. João era primo de Jesus Cristo, a quem “precedeu” como um mensageiro da vinda do Salvador, pregando o Batismo de conversão. São João Batista desejava

que todos estivessem prontos para acolher o Messias e, por isso, impelido pela missão profética, denunciou o pecado do governador da Galileia, Herodes, que escandalosamente tinha raptado Herodíades – sua cunhada – e com ela vivia como esposo. Preso por Herodes Antipas, em Maqueronte, na margem oriental do Mar Morto, aconteceu que a filha de He-

A Human Concierge - empresa com vasta experiência na área de operação logística no segmento farmacêutico/hospitalar está a procura de profissionais. Temos oportunidades para:

rodíades (Salomé) encantou o rei e recebeu o direito de pedir o que desejasse. Assim, proporcionou o martírio do santo, pois realizou a vontade de sua vingativa mãe. Dessa forma, através do martírio, o santo precursor deu sua vida e recebeu em recompensa a vida eterna reservada àqueles que vivem com amor e fidelidade os mandamentos de Deus. Angela Santos

> Auxiliar de Farmácia > Auxiliar de Almoxarifado > Encarregado de Logística

Deseja fazer parte do nosso time? Encaminhe seu currículo para selecao.human@humanconcierge.com, coloque no título da mensagem o código “JOSP”.

AGENDA REGIONAL Quarta-feira (3) 10h - Reunião de padres do Setor Rio Pequeno, na Paróquia Santo Antonio de Pádua (avenida Otacílio Tomanik, 520, no Jardim Bonfigliolli).

14h - Hora Santa com o Apostolado da Oração, na Paróquia Cristo Jovem (largo da Lapa, 106, Lapa de Baixo).


www.arquidiocesedesaopaulo.org.br | 3 a 9 de setembro de 2014

| Publicidade | 23


24 | Geral |

3 a 9 de setembro de 2014 | www.arquidiocesedesaopaulo.org.br

Luciney Martins/O SÃO PAULO

No coração da cidade, a Catedral da Sé, dedicada há 60 anos Fernando Geronazzo

Especial para O SÃO PAULO

Na sexta-feira, 5, comemora-se os 60 anos da Dedicação da Catedral Metropolitana Nossa Senhora da Assunção e São Paulo, conhecida como Catedral da Sé. Em toda a Arquidiocese, a data é comemorada liturgicamente como festa, enquanto na própria Catedral é celebrada como solenidade. Igreja Mãe da Arquidiocese, a Catedral da Sé é um marco religioso, histórico e cultural da capital paulista. De acordo com o arcebispo metropolitano de São Paulo, Cardeal Odilo Pedro Scherer, há vários motivos pelos quais a Igreja destaca, na sua liturgia, o aniversário da dedicação dos templos. “O templo ‘dedicado’ representa, de maneira especial, o lugar sagrado que reservamos para

ATOS DA CÚRIA Nomeação e provisão de pároco Por determinação do Sr. Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo da Arquidiocese de São Paulo, foi nomeado Pároco da Paróquia Nossa Senhora do Carmo, no bairro de Vila Brasilândia, Setor Pastoral Nova Esperança na Região Episcopal Brasilândia, o Revmo. Pe. Eduardo Binna, por um período de 5 anos, a partir de 7 de Setembro de 2014.

Deus entre as nossas casas e os ambientes de vida e trabalho”. Dom Odilo também explica que “o templo é um marco, um sinal de que Deus está, de fato, entre nós e que queremos orientar nossa vida para Ele”.

História Inaugurada em 25 de janeiro de 1954, por ocasião das comemorações do IV centenário de fundação da cidade de São Paulo, a Catedral da Sé foi dedicada somente em setembro, durante o I Congresso Nacional da Padroeira do Brasil, realizado entre São Paulo e Aparecida. A dedicação foi feita pelo Cardeal Adeodato Givanni Piazza, que veio como enviado pontifício para o Congresso da Padroeira. Com 111 metros de comprimento, 46 metros de largura e 65 metros de altura (com exceção das torres), a atual Catedral foi idealizada para substituir a antiga Igreja da Sé, de 1612, bastante deteriorada pelo tempo. Construção A pedra fundamental da Catedral da Sé foi colocada em 1912, pelo então arcebispo Dom Duarte Leopoldo e Silva. Sua inauguração estava prevista para 1922, durante a comemoração do centenário da Independência do Brasil. Porém, devido à falta de verbas e a ocorrência de duas Grandes Guerras

que atrapalharam as importações dos materiais de construção, a Catedral foi inaugurada somente em 1954, pelo Cardeal Carlos Carmelo de Vasconcellos Motta, ainda que parcialmente concluída. A construção da Sé desde o seu início foi muito difícil devido a suas proporções, pois tudo nela era grande. O projeto, de autoria do arquiteto Maximiliano Emil Hehl, previa que a mesma fosse construída em pedras. Para ser fiel ao projeto, foi adquirida uma pedreira a quatro quilômetros da estação de Ribeirão Pires. Além dos alicerces, as pedras foram utilizadas no serviço de cantaria, nas escadas e nas principais partes externas do templo.

Projeto A Catedral da Sé passou pelas mãos de muitos engenheiros e arquitetos, mas o principal foi Maximiliano Hehl, que acompanhou a construção por apenas três anos, pois morreu em 1916. A construção passaria por outros arquitetos e também por algumas modificações no projeto original, tais como o mobiliário, os vitrais, a capela do Santíssimo. Estilo O estilo neogótico da Catedral é considerado peculiar, com seu aspecto eclético em estilos arquitetônicos. Nas colunas alçadas a 70 metros de altura, encontram-se

elementos típicos da fauna e da flora de brasileiras, como ramos de café, o tamanduá-bandeira, o tatu-bola, a coruja contrastando com grandes personagens do século XX, da história da Catedral e da história universal.

Órgão e sinos O órgão foi fabricado em Milão e é o maior da América Latina, com 10.200 tubos. Está desativado desde 1999 e existe projeto em andamento para a sua reconstrução. Já o carrilhão de sinos, localizado nas torres, é um dos maiores do País, com 61 sinos sendo 35 acionados eletronicamente. Passou recentemente por uma reforma geral e está em pleno funcionamento. Restauração Fechada durante três anos (1999-2002), a Catedral passou por um restauro, no qual foram concluídos os 14 torreões, previstos nos projeto original. No restauro, também foram feitos os reparos de trincas, descupinização, sistema de águas, limpeza, restauração dos vitrais, elementos artísticos, mobiliário e portas, novas instalações elétricas, prevenção de combate a incêndio, recuperação da escadaria e construção de novos banheiros, reservatórios, elevador para deficientes físicos entre outras melhorias.

Referência para a fé Em meio à agitação e o correcorre do centro da maior cidade do País, a Igreja Mãe da Arquidiocese de São Paulo é, sobretudo, um ponto de referência para a fé dos paulistanos. São celebradas missas de segunda a sexta-feira, às 12h e às 17h; segundas e sextas-feiras, às 9h; sábados, às 12h; domingos às 9h, 11h e 17h. Diariamente, há padres atendendo confissões (das 9h às 11h e das 14h30 às 16h30). Às segundas-feiras, durante todo o dia, também acontece Adoração ao Santíssimo Sacramento, e às quintas-feiras, 19h30, o Grupo de Oração da Renovação Carismática Católica. Na Catedral também são celebrados Batismos e Matrimônios. Saiba mais sobre as atividades e horários da Catedral da Sé no site: www.catedraldase.org.br. (Colaborou Fernando Cesar Bertolino Jr.)

Serviço Dedicação da Catedral da Sé Sexta-feira, 5 de setembro 12h – Missa Solene presidida dom Dom Odilo Scherer 17h – Missa Solene presidida pelo Cura da Catedral Local: Praça da Sé, s/nº (Estação Sé do Metrô) Telefone: (11) 3107-6832

O SÃO PAULO - edição 3017  

Jornal O SÃO PAULO semanário da Arquidiocese de São Paulo, há 58 anos levando informação e formação para os católicos de SP

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you