Issuu on Google+

maiahoje www.maiahoje.pt

Autorizado a circular em invólucro plástico fechado. Pode abrir-se para verificação postal. AUT48 DE0656/2003DCN PUB

jornal regional de grande informação Ano V | Nº 100 | Quinzenal | Director: Artur Bacelar | Porte

Pago

Sai às Sextas | 27 de Fevereiro a 11 de Março de 2004 | Preço incluindo IVA €0,50

DIFERENDO AMBIENTAL Empresa do Complexo Industrial da Carriça é alvo de contestação. Empresários vizinhos queixam-se de má imagem e de queima ilegal de pneus. Tudo isto onde futuramente serão "as portas" do futuro Parque da Cidade. página 3

SUPLEMENTO SUPLEMENTO

ESPECIAL EDIÇÃO Nº 100 E 4º ANIVERSÁRIO COM 20 PÁGINAS suplemento

BRAGANÇA FERNANDES: SÓ UM DOS PILARES DA OBRA (METRO) NA MAIA, CUSTA MAIS QUE O TÚNEL DA BOAVISTA suplemento (PORTO)

GRANDE MAIA LIPOR 2: CENTRAL DE RECOLHA E VALORIZAÇÃO ENERGÉTICA VAI RECEBER CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL página 3

FREGUESIAS MISSIONÁRIOS COMBONIANOS”: «HÁ ESCASSEZ DE VOCAÇÃO!» página 13

ÚLTIMA HORA: GOVERNO DÁ “ULTIMATO” À FINEX E PRESIDENTE DA CÂMARA PARTICIPA HOJE NO PLENÁRIO

MP PODE INTERVIR

O Sec.Estado do Trabalho e Seg.Social, Pais Antunes; a Administração da Finex; o Sindicato do Vestuário do Porto e o Presidente da Câmara da Maia, Bragança Fernandes, reuniram-se ontem em Lisboa, para debater a situação vivida na têxtil Finex. O Maia Hoje apurou junto do autarca maiato que, Pais Antunes terá feito um ultimato à administração da empresa e que o Ministério Público(MP) poderá intervir.

maiahoje

2 PÁGINA DOIS

EDITORIAL

f PAINEL MAIA HOJE f BREVES

artur bacelar :: director

Finalmente a edição número 100 e 4º aniversário do MaiaHoje. Parece que foi ontem mas já lá vão quatro anos, em que muito se viveu, conviveu e aprendeu. Ao jeito de “profetas da desgraça”, durante este tempo, houve quem dissesse que não chegaríamos às primeiras eleições que cobrimos (serviço prestado exemplarmente, se atentarmos aos múltiplos votos de parabéns que recebemos de várias facções partidárias) e houve até quem afirmasse que tínhamos “fechado as portas”. Mas não. Crescemos. Somos hoje um jornal mais maduro, onde colaboram diariamente mais de uma dúzia de pessoas, que abraçaram o espírito independente que nos motivou a criar este jornal e nos levou a efectuar este investimento que continua em crescendo para termos e oferecermos mais e melhor. Ao fim destes quatro anos, não posso deixar de me lembrar e de agradecer a todos os nossos fiéis leitores, que sempre apostaram em nós, bem como aos que connosco colaboraram e ajudaram a fazer crescer este projecto. Novidades nesta edição são o novo design (da autoria da Designer Susana Patrícia Padrão e que contou com a colaboração e opinião de todos quantos aqui trabalham), bem como um novo ordenamento de páginas e artigos que muito deverá facilitar a leitura. Este “new look”, acompanha também algumas mexidas na redacção, sendo a principal a nomeação do doutor António Manuel Marques para chefe de redacção. No futuro, o MaiaHoje, vai reforçar a sua aposta, clara, na investigação com temática própria e exclusiva, em detrimento da cobertura social de eventos, que naturalmente não deixará de ter o seu espaço. Pretendemos e procuramos com estas iniciativas mais interacção com a população e leitores, bem como estarmos mais próximos da notícia.

À hora do fecho da edição e à pergunta «Concorda com a proibição de Fumar no local de trabalho?», o Painel MaiaHoje.pt, composto pelos visitantes do “site” www.maiahoje.pt, respondeu da seguinte forma:

Total de Votos: 104

Lembramos que o resultado do Painel “MaiaHoje.pt”, não pretende ser de alguma forma uma sondagem ou consulta de opinião. Para a próxima quinzena a questão que iremos colocar no painel MaiaHoje.pt é a seguinte: «Como classifica a renovação gráfica do Maia Hoje?». Lembramos que esta votação vai estar on-line a partir de hoje e até ao dia 10 de Março, sendo os resultados publicados na edição número 101 de 12 de Março.

OBJECTIVA

REUNIÃO MARCADA PARA A PRÓXIMA SEMANA

“El Corte Inglés” também pode chegar à Maia

O terceiro empreendimento desta multinacional espanhola no nosso país, depois de Lisboa e Vila Nova de Gaia, poderá surgir em terras maiatas, mais precisamente na zona de Picua, em Águas Santas. Pelo menos, é essa a intenção que o Presidente da autarquia maiata, Bragança Fernandes, vai levar à reunião que se vai realizar na próxima semana com responsáveis espanhóis. Nesse encontro serão discutidos assuntos como os custos da obra e do terreno. Para trazer a plataforma para a Maia, Bragança Fernandes vai realçar ainda as acessibilidades com as auto-estradas A3 e A4, como a proximidade com os Concelhos vizinhos de Valongo e Gondomar. O Projecto do Parque Maior e o Campus da Saúde também não ficarão de fora. Segundo este responsável, a instalação deste equipamento «trará mais postos de trabalho para uma freguesia muito populosa, mais infra-estruturas e mais desenvolvimento». Ainda que, a superfície comercial a instalar seja, em princípio, mais reduzida do que a que está planeada para V. N. Gaia, uma espécie de supermercado mais abrangente.

antónio manuel marques :: antonio@maiahoje.pt

AMM

f INDICE Barca

págs. 14 e 15

Gemunde

pág. 12

Gondim

pág. 12

Gueifães

pág. 13

Maia

pág. 10

Milheirós

pág. 10

Nogueira

pág. 10

Pedrouços

pág. 12

S. Pedro de Avioso

pág. 11

Silva Escura

pág. 16

Sta. Maria Avioso

pág. 10

Vermoim

pág. 10

Vila Nova da Telha

pág. 16

PUB

Sexta-Feira, 27 de Fevereiro de 2004

GRANDE MAIA 3 maiahoje jornal regional de grande informação

www.maiahoje.pt press@maiahoje.pt PROPRIEDADE DE:

MAIAPRESS EdItoRES, LdA. REGISTADA NA CONS. REG. COM. DO PORTO COM O NÚMERO 1313 CONTRIBUINTE NÚMERO 504 786 954

DIRECTOR DA PUBLICAÇÃO: Artur Bacelar (C. P. n.º 9471) artur@maiahoje.pt CHEFE DE REDACÇÃO: António Manuel Marques (C. P. n.º 9478) antonio@maiahoje.pt REDACÇÃO: António Armindo Soares soares@maiahoje.pt Andreia Nascimento andreia@maiahoje.pt Claúdia Patrícia Oliveira claudia@maiahoje.pt Fernanda Botelho Duarte fernanda@maiahoje.pt João André Soares joao@maiahoje.pt Miguel Ângelo Machado (C. P. n.º 9296) miguel@maiahoje.pt DIRECTORA COMERCIAL: Manuela Sá Bacelar manuela@maiahoje.pt DESIGN / PAGINAÇÃO: Susana Patrícia Padrão susana@maiahoje.pt Paulo Borges paulo@maiahoje.pt SECRETARIA DE REDACÇÃO: Diana Batista diana@maiahoje.pt COLABORADORES: Carlos Manuel Barrigana Claúdia Paixão (Dep. Gráfico) Emílio Silva Santos (Futsal) Francisco Alves (Palavras Cruzadas) Francisco José Bacelar francisco@maiahoje.pt Júlio Sá Ornelas (Fotografia) Nelson Azevedo Ferraz (Crónicas) Patrícia Oliveira (Dep. Gráfico) Rui Alexandre Ribeiro (Motos) Williams James Marinho (Local) DISTRIBUIÇÃO: Millennium Press - Maia REDACÇÃO / D.COMERCIAL Rua dos Altos, Edifício Arcada, loja 10 • 4470 - 235 Maia Telefones 22 947 62 62/64 Telefax. 22 947 62 63 Dep. Comercial. 22 944 00 03 Sede: Rua dos Altos, Edifício Arcada, loja 10 • 4470 - 235 Maia Depósito legal 147209/00 DGCS nºo 123524 Tiragem 3.000 exemplares IMPRESSÃO: Indústria Gráfica do Norte, SA EN 14 Os artigos de opinião são da responsabilidade de quem os assina, não reflectindo nem vinculando a opinião dos editores bem como do director do Jornal. A direcção do Jornal é defensora da plena liberdade de expressão, reservando-se a direcção a não publicar artigos de opinião que prejudiquem a imagem e liberdade de outros. É política do Jornal o pluralismo e isenção nos assuntos tratados.

fLIPOR II A CAMINHO DE RECEBER CERTIFICAÇÃO ISO 14001

maiahoje antónio manuel marques antonio@maiahoje.pt

“Prenda” pelo 4º Aniversário Em vésperas de celebrar o seu quarto aniversário de existência, mais precisamente a 3 de Março, a Lipor II, situada em Vila Nova da Telha, prepara-se para ser certificada pelas normas ISO 14001. As auditorias para esta atestação de carácter ambiental decorreram sem problemas, garantiu ao Maia Hoje, Abílio Almeida, coordenador de exploração da central, pelo que a certificação deve estar para breve. Possuindo já a certificação de qualidade através das normas ISO 9001, a Lipor II será igualmente certificada pelas normas 14001 em breve, afirmou Abílio Almeida, «tivemos à poucos dias atrás as auditorias finais para a atribuição da certificação pelas normas ISO 14001, em questões ambientais. Correram bastante bem, não temos nada a apontar, o que nos leva a supor que dentro de breves dias seremos certificados pelas normas 14001. Será um motivo de comemoração, porque seremos a primeira unidade certificada em Portugal e mais uma das poucas certificadas a nível europeu». Uma prenda no quarto aniversário desta estrutura que trata quase 400 mil toneladas de resíduos por ano, cerca de «65 a 70% dos resíduos da região», referiu este responsável. Também por isso, o balanço destes quatro anos é «extremamente positivo, não só em termos de tratamento de resíduos, mas também do desempenho da própria unidade que tem em todos os níveis, desde a sua capacidade de tratamento até à valorização dos resíduos, correspondido ao que era expectável no início do projecto». É nesta unidade que são tratados os resíduos «que pelas suas características não têm possibilidades de ser recuperados e valorizados através dos esquemas da reciclagem, quer sejam multimaterial ou da parte orgânica. Aqui, recebemos tudo aquilo que é fruto da recolha indiferenciada que ainda se faz nos nossos municípios». Este lixo é queimado a altas temperaturas e através de um processo térmico é transformado em energia eléctrica. Através deste processo, 1000 toneladas de lixo produzem energia para 150 mil habitantes.

fA gigantesca fossa onde se acumula o lixo indiferenciado.

ser na Póvoa de Varzim, «qualquer aterro é limitado e tem um tempo de vida preciso. Nesse sentido, estamos a concluir um processo que nos levará à construção de um novo aterro intermunicipal em outra área, para continuar essa função. Estamos

em fase final do projecto de concepção, depois seguir-se toda a fase de licenciamento, estudos e depois a construção. Neste momento as coisas encaminham-se para a zona da Póvoa», afirmou Abílio Almeida.

NOVO ATERRO SITUADO NA PÓVOA DE VARZIM Do processo térmico atrás referido, resultam para além da energia eléctrica, gases que são tratados antes de lançados para a atmosfera e escórias e cinzas. Estas são armazenadas num aterro que começa a ser pequeno face às necessidades, «temos um aterro relativamente diminuto em termos de área de ocupação e capacidade porque também é um aterro que serve apenas para receber aqueles resíduos últimos, que já passaram todas as formas de tratamento e aproveitamento». Assim, a construção de um novo aterro já está a ser tratada, sendo que a sua localização deverá

fO lixo é queimado a temperaturas que variam entre os 1000 e os 1200 graus.

se é verdade lê-se no maia hoje. Sexta-Feira, 27 de Fevereiro de 2004

maiahoje

4 GRANDE MAIA

fEM BREVE IRÁ ARRANCAR O PRIME

andreia nascimento andreia@maiahoje.pt

Tecmaia lança desafio as empresas portuguesas O Parque de Ciências e Tecnologia da Maia (TECMAIA), situado na Zona Industrial da Maia, está a crescer. Em breve, o PRIME (Programa de Incentivos à Modernização da Economia) passará à prática. O jornal “Maia Hoje” falou com António Tavares, director do Parque, que se propôs a explicar a verdadeira missão do plano. Volvida a aprovação da proposta de ideia, aguarda-se agora pela “anuência” do seu desenvolvimento, que estará prevista para o mês de Março. Sabe-se, no entanto, que o PRIME irá criar mais postos de trabalho bem como aumentar o número de empresas que ali se irão estabelecer. O TECMAIA está a preparar um ambicioso projecto que promete «incentivar as unidades tecnológicas», confirmou António Tavares. PRIME (Programa de Incentivos à Modernização da Economia) assim se chama o projecto que veio substituir o Programa Operacional da Economia e que, segundo António Tavares, «espero que consiga injectar confiança no mercado». Fazendo um esboço do que está previsto para o Parque, António Tavares adiantou que o PRIME «vai prever a criação de um edifício central», local onde se vão instaurar algumas «valências de serviços que vamos prestar» nomeadamente, «um auditório, uma biblioteca digital, um a loja de patentes, um pólo de ensino», que em parceria com o ISMAI e as Universidades do Porto e Aveiro irão ministrados cursos superiores e pósgraduações que «possam trazer novas competências de informação e tecnologias», acrescentou. Um “health club” também não irá faltar e que, na opinião do director, «irá contribuir para a melhoria da qualidade de vida e de saúde das pessoas». A candidatura do projecto envolve também a criação e desenvolvimento de vários pólos empresariais, estando previstos «mais quatro pólos», sustentou António Tavares. Assim, mesmo ao lado do Centro de

fAntónio Tavares, director da TECMAIA, acredita que o PRIME, uma iniciativa governamental, será um bom “remédio” para a “saúde” da economia nacional.

Engenharia e Desenvolvimento da Indústria Automóvel, onde será criado o novo automóvel da Pinifarina, o P3, irão nascer «mais cinco conjuntos empresariais que vão instalar um conjunto de empresas», explicou. Actualmente o TECMAIA conta com cerca de 350 pessoas, mas com a criação deste “megaprojecto”, António

Tavares assegurou que novos postos de trabalho irão ser criados, o que aumentará o número de trabalhadores «para cerca de 1900». Na “sombra” do projecto está o parque de estacionamento que irá desaparecer, o que alargará a área disponível para o surgimento desta nova “aldeia global”.

Embora o PRIME não esteja ainda em curso, o mesmo director anunciou que «temos já uma lista de espera com algumas empresas interessadas em vir para o TECMAIA» corroborando o objectivo de lançar todos os complexos entre 2004 e 2008. Contudo, o director do TECMAIA não deixa de fortificar que o ideal seria «ter o Parque ocupado até 2010». Face à actual crise que o País atravessa, António Tavares vê este equipamento como um trunfo para despertar novas consciências e que, acima de tudo, «constituirá um desafio que se irá colocar à economia portuguesa, nos próximos anos». Acredita «uma nova mentalidade» para a Economia, e que «há todo um conjunto de novas gerações» que funcionam como um «catalizador das novas dinâmicas». Ainda referindo-se ao panorama português, o responsável vê no PRIME «a preocupação de atinar o tiro» porque, se por um lado «inicialmente, se estava vocacionado para outro tipo de projectos, para os quais Portugal não tinha vocação», por outro «agora, tentou-se responder mais colocando o programa ao serviço da sociedade civil», argumentou. «Nós não vamos conseguir sair da cauda da Europa se não tivermos uma nova atitude perante o mercado», concluiu.

Bijuteria e Acessórios para todos os gostos No dia 18 de Fevereiro, Manuela de Oliveira e Ana Gonçalves assinaram um protocolo “franchising” na área da bijuteria e acessórios. Com certezas de que o projecto «é uma boa aposta», e uma vez que a marca já existia em Portugal há cerca de 3 anos, as duas amigas decidiram assim solidificar a mesma, desta vez, na cidade da Maia. A linha de “franchising” não é ideia nova, até porque vários pontos da zona Norte do País foram já testemunhas desta iniciativa, como «Mirandela, Amarante, Paredes, Valpaços, Valongo, Ermesinde, Santo Tirso e Matosinhos», referiu Manuela de Oliveira. O espaço escolhido, que inicialmente funcionava apenas como salão de cabeleireiro, vê-se agora alargado a outras valências. No reino dos acessórios, todas bijuterias e peças de roupa ganham cor, as cores do Verão, desde o branco, verde, amarelo, ao rosa “choque”.

Para além de «a bijuteria ser um componente da mulher», referiu Manuela de Oliveira, a escolha do lugar para implantar a marca prendeu-se com o facto de «este ser frequentado por cerca de 90 por cento de mulheres», razão pela qual «é sempre uma maisvalia», concluiu. Malas, pulseiras e brincos, óculos de Sol... as últimas tendências da moda estão todas neste estabelecimento, que pretende fazer as delícias das clientes. O espaço para além destas duas valências, acesórios e cabeleireiro, unisexo, presta também outros serviços, nomeadamente estética, pedicure e manicure, e maquilhagem, sendo Ana Gonçalves a responsável. Situado na Rua S.Romão, em Vermoim, o local está aberto entre as 9 horas e as 19.30 horas, de Segunda-feira a Sábado. Andreia Nascimento

fTrês funções num espaço só, cabeleireiro, estética e acessórios.

Sexta-Feira, 27 de Fevereiro de 2004

GRANDE MAIA 5 fDESTA VEZ, COM ANDRÉ GAGO

andreia nascimento andreia@maiahoje.pt

Olimpíadas da Leitura regressam à Maia Um circo e a Lua, foram suficientes para dar origem ao tema do livro, “O Circo da Lua”, de André Gago. Um tema peculiar para quem gosta de circo, e para quem... gosta de sonhar. O livro está carregado de imaginação e de lugares furtivos onde o leitor, espectador, é também participante basta apenas voltar a ser criança, outra vez. A Fundação Círculo de Leitores, apoiado pelo Instituto do Livro e das Bibliotecas (IPLB), em conjunto com as Autarquias locais, da qual a Câmara Municipal da Maia (CMM) também fez parte, promoveram mais uma sessão das Olimpíadas de Leitura. Tal como Susana Sousa e Silva, responsável pela Biblioteca do Fórum da Maia, referiu as Olimpíadas de Leitura têm como intuito «apelar à criatividade e à produção escrita, bem como conhecer os escritores portugueses». Várias escolas estiveram presentes no Pequeno Auditório, «sendo a Escola EB 2,3 da Maia a que mais “peso” teve», constatou a responsável. Num total de quinze obras propostas pela IPLB, desde Alice Vieira, Isabel Allende, Sérgio Godinho, António Mota entre outros inúmeros escritores, coube à Biblioteca do Fórum escolher a obra e o seu

fNo final do encontro André Gago assinou infindáveis autógrafos a todas as crianças, que durante a sessão “voaram” com ele.

respectivo autor. Desta vez, o palco pertenceu a André Gago uma escolha que «causou algum impacto surpresa», mas que primou «por se tratar de uma obra que cruza imaginação com informação para além da sua

ilustração», justificou a mesma. As escolas também foram protagonistas deste encontro, uma vez que os alunos deverão redigir um trabalho individual com o qual poderão concorrer. Assim a partir da obra apresentada, o aluno poderá ajustá-la ao seu mundo imaginário de modo a dar um final diferente, «ajudando assim na produção escrita dos jovens», concluiu. «Todos os trabalhos vão a concurso nacional, dos quais o Júri, integrado pelo IPLB, reúne os 25 melhores trabalhos, mas apenas um será o vencedor», explicou Susana Silva. A todos os participantes são atribuídos prémios, mas «consolidar hábitos de leitura, estimular a produção da escrita criativa, divulgar os autores portugueses e fomentar a cultura literária», como enunciou a responsável, são talvez as melhores menções às quais as entidades pretendem premiar.

fPROTECÇÃO CIVIL PREVINE SITUAÇÃO DE QUEDA DE ÁRVORE

Árvore situada junto à EN14 podia cair a qualquer momento Na passada sexta feira, a Brigada de Trânsito, a Polícia Municipal e o Instituto das Estradas de Portugal, juntamente com a Protecção Civil, foram alertados para o facto de no final da Rua do Souto com a ligação à EN14, uma árvore estar perto de cair, o que na perspectiva da Protecção Civil, mais concretamente pelo Director António Lopes, seria uma situação alarmante. Tal como afirmou António Lopes, “esta é uma via de muito tráfego e cujas velocidades poderiam fazer com que a árvore acabasse por cair para a faixa de rodagem, tal é a proximidade”. Depois de analisada a zona

onde as árvores se encontravam enraizadas, detectou-se mais algumas árvores em avançado estado de degradação e que poderiam mais tarde cair na via pública. Assim, os funcionários da Câmara executaram o derrube das árvores maltratadas, com segurança para os vários automobilistas que aguardavam, pacientemente, os trabalhos de remoção dos ramos. Para curiosidade, fica a explicação (por parte do director da Protecção Civil) de que foi um morador da zona, que através de fotografias a cores, alertou o órgão de segurança para o sucedido.

maiahoje

AUTARQUIA PRETENDE REFORÇAR LAÇOS COM ARQUIPÉLAGO AFRICANO

Comitiva enviada a Cabo Verde promete mais ajudas Geminadas à cinco anos, a Maia e a cidade de S. Nicolau, em Cabo Verde, tem estabelecido cooperações a diferentes níveis. Neste âmbito, a Câmara Municipal da Maia enviou no passado fim de semana uma comitiva constituída pelo Presidente da Autarquia, Bragança Fernandes, o Presidente da Assembleia Municipal, Luciano da Silva Gomes, o Vereador da Cultura, Mário Nuno Neves e o Administrador da Academia das Artes da Maia, Miguel Ângelo Rodrigues, ao município africano. Segundo Bragança Fernandes, «este concelho geminado connosco precisa de ser ajudado e como tal vamos mandar para lá formadores». Assim, o Presidente da autarquia confirmou o envio para S. Nicolau de formadores em áreas como a educação, o desporto e a informática. Por outro lado, o números de alunos bolseiros a estudar cá na Maia será também aumentado. Actualmente frequentam o ISMAI quatro alunos que representam um custo anual de 5000 euros. Em contrapartida, existe a possibilidade de S. Nicolau disponibilizar uma colónia de férias para idosos e jovens do Concelho da Maia. AJUDA PARA CONSTRUÇÃO DE LAR Desta visita saiu também a colaboração da Câmara da Maia na construção de um lar para a terceira idade. Nesse sentido, será celebrado em breve um protocolo entre a autarquia maiata por Bragança Fernandes e o seu homólogo, Benvindo Oliveira. No entanto, o contributo financeiro só se será confirmado depois de as autoridades maiatas tomarem contacto com o projecto e respectivo Orçamento. AMM

João Soares

PUB

Sexta-Feira, 27 de Fevereiro de 2004

maiahoje

6 GRANDE MAIA

fREUNIÃO DO EXECUTIVO DA CÂMARA MUNICIPAL DA MAIA

antónio manuel marques antonio@maiahoje.pt

140 000 euros garantem a continuação dos TUM O Executivo da Câmara da Maia reuniu-se na semana passada para tomar diversas decisões. A destacar, o subsídio de 90 000 euros à Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Pedrouços, o contrato programa com os Transportes Urbanos da Maia (TUM) que engloba a verba de 140 000 euros para a continuação da carreira entre Vilar de Luz e Vila Nova da Telha e o contrato programa para a execução da segunda fase da construção da Junta de Freguesia de Vila Nova da Telha, entre muitos outros. A resenha da última reunião de Câmara continha mais de uma centena de pontos. Ainda assim, em pouco mais de 90 minutos, praticamente todos obtiveram uma resolução. A iniciar o encontro, o saldo de Tesouraria da autarquia que neste momento encerra nos seus cofres cerca de 5 760 000 euros. Seguiu-se um dos assuntos que marcou a reunião, a atribuição de um subsídio extraordinário aos Bombeiros Voluntários de Pedrouços, no valor de 90 000 euros, que será liquidado em partes de 7500 euros. O objectivo é colmatar as despesas de pessoal voluntário para o ano de 2004. Outra decisão tomada nesta reunião vai no sentido de garantir a continuação da única carreira dos TUM actualmente, a qual efectua o percurso gratuito entre Vilar de Luz e Vila Nova da Telha. Para isso, a Câmara Municipal celebrou um contrato programa com os TUM, assegurando a verba de 140 000 euros para o funcionamento da carreira atrás referida. O vereador e Presidente dos TUM, João Costa Lima acrescentou que «estamos à espera do alvará da carreira e como tal esta ainda é feita gratuitamente. Quando tivermos o

alvará, os utentes terão de pagar a viagem». A Junta de Freguesia de Vila Nova da Telha entra também na segunda fase da sua construção, através de um contrato programa que pressupõe a comparticipação camarária na ordem dos 40 000 euros. Em igual processo está a futura Junta de Freguesia de Águas Santas. A ser edificada como parte do futuro Centro Cívico, que englobará igualmente uma área de auditórios, a sede desta Junta terá uma contribuição da Câmara Municipal na ordem dos 90%, referiram os responsáveis da autarquia. Águas Santas que vai receber em breve o “Monumento Evocativo do Montante-Pedreiro”. A obra foi entregue à escultora Maria Emília Catarino e tem o custo total de quase 37 500 euros. CONSTITUIÇÃO DO GABINETE DE QUALIDADE E AUDITORIA INTERNA APROVADA Este novo organismo já abordado pelo Maia Hoje, (ver edição 98), foi finalmente aprovado em sede de Câmara. O GQAI é constituído por três membros, já funcionários camarários, e tem como função efectuar um levantamento dos

principais problemas que se vivem na Câmara Municipal. Assim, Júlio Guimarães da área da Educação, o advogado Pedro Magalhães e Marisa Alves da área das Finanças levarão a cabo esta tarefa de diagnosticar o funcionamento da autarquia, tendo um ano para apresentar um relatório. Costa Lima salientou que estes funcionários «não terão qualquer limitação ao seu exercício» e que este gabinete não representa custos adicionais «já que os funcionários já são da Câmara». De salientar ainda, a abertura de dois concursos públicos. Um para as estruturas envolvente ao novo Cemitério de Vermoim e outro, embora limitado, para a construção de um Hangar no Aeródromo de Vilar de Luz, para além de uma pista infantil de Tráfego para a Escola de Condução e Prevenção Rodoviária aí situada. Nesta reunião foi igualmente aprovado um subsídio camarário, no valor de 48 755 euros, para ajudar crianças carenciadas na compra de material didáctico. FESTAS POPULARES JÁ MEXEM As festas que invadem o Concelho

na altura de Verão começam a dar os primeiros passos. Assim, recebem ajudas camarárias as Festas em Honra de Santo António de Corim, (500 euros) a realizar no segundo fim de semana de Junho, as Festas em Honra do Senhor dos Aflitos, em Ardegães (2 500 euros) e as Festas em Honra do Senhor de Santa Cruz de Barca (2 500 euros).

OUTRAS ESTRUTURAS E VIAS A SOFRER OBRAS DE REQUALIFICAÇÃO, INSPECÇÃO E OUTRAS: >Escola Primária dos Moutidos, Águas Santas >EB1 do Paço, em Águas Santas >Edifício da PAMAIL >Rua do Calvário, em Águas Santas >Edifício da Cruz Vermelha >Pavilhão Desportivo e EB1 do Sobreiro >Piscinas Folgosa >Aqueduto na Avenida Germano Vieira em Gueifães >Campo de Futebol de Barca

Nova agência da Caixa Geral de Depósitos é na Ponte da Pedra Na passada edição de 13 de Fevereiro, por lapso referimos que no dia 9 de Fevereiro teria sido inaugurada uma nova agência da Caixa Geral de Depósitos na Freguesia de S. Mamede de Infesta, quando na realidade as referidas novas instalações estão localizadas na Freguesia vizinha de Leça do Balio, denominada como agência da “Ponte da Pedra”. Aos visados na notícia e em particular a Júlio Gouveia, gerente da CGD/Ponte da Pedra, as nossas desculpas. PUB

Sexta-Feira, 27 de Fevereiro de 2004

GRANDE MAIA 7 fPROTOCOLO ENTRE CMM E UCHA

maiahoje antónio manuel marques antonio@maiahoje.pt

Trezentos fogos nos próximos três anos O novo Centro Direccional da Maia deu mais um passo com a assinatura do protocolo entre a Câmara Municipal da Maia, a Espaço Municipal e a União de Cooperativas Habitacionais (UCHA). Este acordo visa possibilitar a construção de 300 fogos, que servirão para realojar cerca de metade das famílias do Bairro do Sobreiro. A cerimónia contou com a presença da Secretária de Estado da Habitação, Maria do Rosário Águas. urbanística ocupa um lugar de destaque nas prioridades da autarquia, «a questão do urbanismo e requalificação urbana são duas das grandes questões na política desta Câmara. Numa época em que se fala de crise, o Município da Maia continua a dar mostras de prosperidade». Por seu lado, o Presidente da UCHA, Guilherme Nascimento, frisou o momento de grande importância para o mercado habitacional cooperativo, «é com grande satisfação e sentimento de responsabilidade que assinamos este protocolo. Este é um motivo de grande regozijo do movimento cooperativo

fGuilherme Nascimento, Bragança Fernandes, Silva Tiago deram um passo muito importante para o seguimento do Projecto “Parque Maior”.

Uma das primeiras áreas do Centro da Maia a requalificar, naquele que é conhecido como o Projecto Parque Maior, é o Bairro do Sobreiro. Aí serão implantadas entre outras, a Praça do Oxigénio. No entanto, para avançar com as obras é necessário realojar as cerca de 650 famílias aí residentes. Mais ou menos metade estão abrangidas por este protocolo assinado entre a autarquia e a UCHA, que prevê a construção de 300 fogos, ao longo de três anos. Os restantes moradores serão realojados através da compra de habitação no mercado privado ou através de indemnizações pagas pela autarquia. Quanto à demolição do bairro

maiato, que é um dos maiores bairros sociais da Área Metropolitana do Porto, já se iniciou há dois anos com cinco blocos, estando para breve a demolição de mais dez do total de 62 blocos e 4 torres. A escola do Sobreiro será também demolida, estando já prevista a mudança dos alunos para a PAMAIAL, um espaço onde funcionava uma fábrica de panificação, a 200 m da escola. UMA PRIORIDADE PARA A AUTARQUIA O Presidente da Câmara Municipal da Maia, Bragança Fernandes, afirmou nesta ocasião que a vertente

habitacional», ressalvando o ponto de viragem que vivemos, «estamos no início de um ciclo de políticas habitacionais onde todos os campos, privado, publico e social, estão ao mesmo nível no sentido de encontrar soluções para os problemas». Já a Secretária de Estado da Habitação, Rosário Águas, elogiou o projecto que serve de exemplo, «este projecto impressiona mas de forma que não me admira, porque estou habituada a esta tónica quando venho ao Concelho da Maia. Gostaria de ajudar outros municípios a ter estas características e a construir desta forma».

NÚMEROS PREOCUPANTES LEVAM GOVERNO A APOSTAR NA REABILITAÇÃO A Secretária de Estado da Habitação revelou na cerimónia de assinatura do protocolo entre Câmara Municipal da Maia e UCHA, alguns números apurados recentemente, referentes ao mercado habitacional. Assim, em Portugal existem actualmente 80 mil pessoas a viver em barracas e 325 mil em casas sem condições mínimas, para além da existência de 800 mil habitações a precisar de reabilitação. Valores apurados por um estudo encomendado pelas entidades governamentais e que «evidencia que temos de alterar a política de construção no nosso país». Segundo esta responsável, a aposta tem de se dirigir para a recuperação de habitações já existentes, «primeiro é preciso ver as casas que estão devolutas e a precisar de revalidação antes de construir de novo. Assim, cumpríamos três objectivos: requalificar o património, realojar as famílias e promover a integração social. Temos um parque habitacional muito novo em relação a outros países da União Europeia. Se analisássemos o país como um todo não temos necessidades habitacionais qualitativas. Temos necessidade de 180 mil casas enquanto existem 540 mil habitações vagas». Rosário Águas afirma também que a noção que existe que a reabilitação é mais cara do que “construir de novo” não é real, «em países da Europa a reabilitação chega a custar 70% de uma construção nova».

fSECRETÁRIO DE ESTADO PONDERA A INTERVENÇÃO DO MINISTÉRIO PUBLICO

Ultimato à Finex O Secretário de Estado do Trabalho e Segurança Social, Pais Antunes, Administração da Finex, Sindicato do Vestuário do Porto e Presidente da Câmara da Maia, Bragança Fernandes, reuniramse ontem em Lisboa, para debater a situação vivida na têxtil Finex. Muito pouco foi avançado por estes intervenientes, no entanto, o Maia Hoje apurou junto do autarca maiato que, Pais Antunes terá feito um ultimato à administração da empresa para resolver a situação dos trabalhadores em oito dias, caso contrário, envolveria o Ministério Público no processo. Uma solução que apontaria no sentido do despedimento colectivo e do pagamento integral das respectivas indemnizações aos trabalhadores. Quanto ao Sindicato do Vestuário do Porto, prefere não comentar a situação, remetendo esclarecimentos para o plenário de trabalhadores a realizar hoje, adiantou a dirigente sindical, Madalena Sá, que garantiu a presença do Presidente da Câmara no evento. O Maia Hoje tentou ainda contactar telefonicamente a administração da Finex, mas tal não foi possível. António Manuel Marques

PS DESLOCA-SE À FINEX Entretanto, na semana passada, o Partido Socialista esteve na Finex com o intuito de falar com a administração da empresa. Apesar disso, a comitiva constituída por Francisco Assis, líder distrital, Jorge Catarino, líder concelhio e os Vereadores maiatos Miguel Ângelo Rodrigues e Rogério Rocha, entre outros, “esbarrou na porta”, não sendo recebidos pela direcção da Finex. Jorge Catarino explicou o objectivo da iniciativa, «termos conhecimento da situação e de alguma forma pressionarmos o Ministro do Trabalho e Segurança Social a tomar uma posição neste processo», deixando igualmente críticas ao Governo «vêm cá à Maia uma caravana de Ministros mas o responsável por esta área não vem». O responsável rosa apelidou ainda o processo de «não transparente» devido à recusa da administração em receber a comitiva rosa. Presente naquela ocasião, Domingos Pinto do Sindicato de Vestuário do Porto, elogiou a iniciativa do PS, «é louvável. O que desejávamos era que viessem cá todos os grupos parlamentares. Aliás, até mandamos para todos os partidos uma exposição de todos os acontecimentos desde o início do processo. Esta acção é importante mas esperamos que não seja apenas uma acção eleitoral, mas que tenha consequências ou seja uma intervenção activa». Sexta-Feira, 27 de Fevereiro de 2004

maiahoje

8 GRANDE MAIA

fVILA DO CASTÊLO INTEGRADA NO PROGRAMA SER CRIANÇA

antónio manuel marques antonio@maiahoje.pt

Para um futuro mais risonho A Câmara Municipal da Maia associou-se à Junta de Freguesia de Santa Maria de Avioso, no âmbito do “Programa Ser Criança”, através da assinatura de um protocolo de parceria. Este Programa da tutela do Ministério da Segurança Social e do Trabalho visa prevenir e combater a exclusão social e o abandono escolar precoce, entre outros problemas que afectam os mais carenciados. Na Maia, os beneficiários desta iniciativa serão as crianças e jovens das cinco freguesias da Vila do Castêlo que, brevemente, terão à disposição algumas estruturas de apoio como um Centro Lúdico-Pedagógico ou um Núcleo de Apoio à Criança e ao Jovem, entre outros. A estimativa aponta para cerca de 50 crianças entre os 6 e os 16 anos, como os beneficiários deste “Programa Ser Criança”, referiu o Presidente da Junta de Freguesia de Santa Maria de Avioso, Hamilton Prata, na assinatura deste protocolo com a autarquia. Para isso, serão criados vários espaços (Núcleo de Apoio à Criança e a Jovem; Núcleo de Apoio às Famílias; Centro Lúdico-Pedagógico; Laboratório de Informática; Observatório Social) onde serão acompanhadas as crianças que tenham um historial de maus tratos, comportamento de risco, absentismo escolar, entre outros problemas sociais. As próprias famílias que revelem situações problemáticas, como violência doméstica ou alcoolismo, poderão ser igualmente assistidas, neste programa com a duração de 30 meses. Em relação à equipa de trabalho, esta será constituída por «dois psicólogos, um psicopedagogo, um assistente social e um educador social, sendo a Coordenadora Marta Ferreira», enumerou Hamilton Prata. As actividades levadas a cabo compreendem também acções de formação em diferentes áreas como a Higiene e Segurança ou o Planeamento Familiar, como ateliers de Artes Plásticas ou Ambiente. Quanto à Câmara Municipal da Maia, participa na iniciativa assumindo 30% do valor global aprovado de 275 000 euros e cedendo espaços para o funcionamento do Programa, além da aquisição de equipamento básico e mobiliário, cedência de Complexos Desportivos e afectação de recursos humanos. De referir ainda que, este protocolo entra em vigor a partir de 1 de Março. A ÚNICA CANDIDATURA DE UMA JUNTA DE FREGUESIA Foram 74 candidaturas a concorrer ao “Programa Ser Criança”, das quais

Bragança Fernandes, que realça o problema do abandono escolar «o nosso futuro está ligado ao que fazemos no presente no plano da educação. Na Maia, o índice de abandono escolar precoce continua a ser elevado». MAIA COM REDE SOCIAL PARA BREVE

fBragança Fernandes e Hamilton Prata celebram o protocolo, perante o olhar atento de Fernanda Guerra.

23 foram aceites, sendo que a candidatura maiata, intitulada “Aprender a Sorrir”, foi a única proveniente de uma Junta de Freguesia. Hamilton Prata explicou que o processo surgiu depois de um longo trabalho de observação, «a candidatura ao Programa deu-se após um ano de observação do Gabinete de Psicologia da Junta de Freguesia». Um diagnóstico também frisado por Fernanda Guerra, do Instituto de Segurança Social do Distrito do Porto, «foi da conjugação dos diagnósticos da Junta de Freguesia e do Centro Distrital da Segurança Social que nos pareceu obrigatório o seguimento deste programa». Mas esta responsável chama a atenção para o prosseguimento do trabalho de campo agora iniciado, «devemos pensar o que fazer no final destes 30 meses, para sustentar no terreno o trabalho feito. Depois será tarde demais». Quanto à autarquia, é unânime no

realce da importância deste projecto quer pela Vereadora da Educação e Acção Social, Maria da Graça Barros, «pode ser mais uma resposta na persecução de princípios como o direito a uma educação mais completa, a promoção da igualdade de oportunidades e a integração social dos indivíduos. É um projecto importante na globalidade da política de reabilitação», quer pelo Presidente,

De acordo com as afirmações de Fernanda Guerra, a Maia está no bom caminho para integrar o conjunto de municípios que irão adoptar a chamada Rede Social. Este projecto que se estende por dois anos, é «dirigido a toda a Comunidade. É um ponto fulcral dos esforços das estruturas locais como a Câmara Municipal, a Segurança Social ou o Centro de Emprego. Irá unir esforços para uma intervenção conjunta, evitando a duplicação de tarefas», afirmou Emília Santos, responsável do Pelouro da Educação e Acção Social da Câmara da Maia. As Juntas de Freguesia terão também um papel preponderante neste projecto com a criação de comissões de freguesia, explicou a responsável, que adiantou ainda que, o investimento previsto é de «60 000 euros por ano para a aquisição de recursos humanos, material informático e espaços».

OUTRAS ENTIDADES LIGADAS A ESTE PROTOCOLO DE ENTENDIMENTO: Comissão Protecção de Menores da Maia Instituto de Emprego e Formação Profissional da Maia Centro de Saúde do Castêlo Santa Casa da Misericórdia da Maia Instituto Superior da Maia Comissão Instaladora do Complexo Escolar do Castêlo da Maia Conselho Executivo da Escola do Castêlo da Maia Junta de Freguesia da Maia

Alerta para o problema da violência doméstica O Rotary Clube da Maia associou-se ao Projecto Estrada Larga - Caminhos para Famílias sem Violência, para a realização de uma sessão de esclarecimento sobre a temática da Violência Doméstica. Esta iniciativa teve lugar no Salão Nobre da Junta de Freguesia da Maia e contou com a presença de cerca de duas dezenas de pessoas. Do encontro

ressaltaram informações como o facto de a violência doméstica afectar várias pessoas, principalmente mulheres e crianças e da urgente necessidade de informar o público sobre estas questões promovendo uma mudança de mentalidades e de actuações. Assim, esta iniciativa é englobada num projecto de maiores dimensões que tem por

objectivo informar cerca de 24 mil pessoas sobre este problema, nos distritos de Braga, Aveiro e Porto. Nesta ocasião, a explanação foi dada por Joana Sampaio e contou com a colaboração do Presidente do Rotary Clube da Maia que fez um balanço positivo da sessão, «foi participada. Levantaram-se muitas questões e saímos

Sexta-Feira, 27 de Fevereiro de 2004

de lá mais informados sobre a problemática da Violência Doméstica», apesar de o dia não ser o melhor, «tivemos o futebol e a Assembleia Municipal, mas ainda assim compareceram algumas pessoas. Estou a pensar realizar outra iniciativa no mesmo local, mas que consiga chamar mais gente», concluiu.

GRANDE MAIA 9 fBALANÇO DE UM ANO DE ACTIVIDADES

maiahoje andreia nascimento andreia@maiahoje.pt

Maia Digital com Futuro preocupante «O Maia Digital é já um dos emblemas deste Concelho», rotulou Bragança Fernandes, Presidente da Câmara Municipal da Maia (CMM). Mas, nem por isso este programa de incentivo às tecnologias da informação e comunicação parece “ter pernas para andar”. Apesar da satisfação que sente, Mário Nuno Neves, responsável pela entidade gestora do projecto Maia Digital, não deixou de descorar a sua enorme preocupação face ao actual panorama que o projecto atravessa. Pois, para um projecto que tem como “braço direito” o Governo, este, por seu lado, não se tem portado muito bem porque face «à percentagem total de financiamento do projecto Maia Digital por parte do Programa Operacional da Sociedade de Informação (POSI) que deveria ser, até ao presente momento, de 71.25 por cento, quando na prática atingiu apenas os 45 por cento, obrigando os parceiros a assumirem 55 por cento do esforço financeiro total, quando apenas deveriam assumir 28,75 por cento», “acusou”, o responsável, a título de exemplo do que é «não honrar os compromissos assumidos pelo Governo». Mesmo assim e volvido um ano, o Maia Digital continua a apostar em projectos futuros. Durante a Conferência de imprensa foram exibidos todos os feitos conquistados pelo Maia Digital, como a entrega de equipamento informático a todos os Centros Educativos com crianças portadoras de deficiência, a instalação de laboratórios de informática nas escolas do Primeiro Ciclo, a inauguração do Centro de Assistência Técnica (CAT), entre outros. Assim, no enquadramento dos objectivos propostos, Bragança Fernandes, para a área da Educação, em parceria como ISMAI, afirmou que «já montámos laboratórios em 9 escolas do primeiro ciclo», mas «em 2004, mais 15 escolas serão contempladas com computadores e laboratórios», adiantou. Ao todo, a CMM quer ver cerca de 40 escolas serem abrangidas por este programa. Para além destas, o edil tem já proposto a implementação de cursos de

fMário Nuno Neves, Bragança Fernandes e Carlos Moreira, três rostos do projecto Maia Digital que “prometeram” continuar “na linha da frente”, se tudo correr bem...

introdução à Informática nos lares de terceira idade, centros de dia, colectividades e associações. O plano também abrange o restante ensino, secundário e escolas sedes de agrupamentos, «permitindo a instalação de um sistema integrado de gestão», anunciou o Presidente, ou seja, brevemente surgirá um cartão que servirá de moeda de troca aos alunos no acesso a vários produtos, o que se traduz «num aumento de segurança», concluiu Bragança Fernandes. Ainda referindo-se ao Ensino, o edil democrata garantiu «certificar todos os alunos com um diploma de competências básicas», a partir do quarto ano de escolaridade. Por seu lado, Carlos Moreira, director geral do projecto Maia Digital, acrescentou que «de forma a dar resposta às necessidades do portal» que se irá criar «vamos co-financiar, em termos técnicos, com todas as escolas

que aderiram a este projecto, a sua parte com cerca de 25 por cento». O projecto pretende também apoiar e melhorar os serviços prestados a todos os munícipes, nomeadamente estabelecer contacto entre todas as Juntas de Freguesia e a CMM, por computador. Um outro programa, “Presidente em Linha”, criado recentemente, irá também servir os munícipes no sentido de poder dialogar com o seu Presidente, em tempo real. O quarto objectivo do projecto tem os “olhos postos” na área empresarial. Está virado sobretudo o Centro de Documentação em Economia Digital. Cabe ao Parque de Ciências e Tecnologia da Maia (TECMAIA) acolher aquele que será um «”showroom tecnológico” ao serviço das Pequenas e Médias Empresas (PME’S)», adiantou o Presidente da CMM. Para este projecto, Carlos Moreira afirmou que «foram

anunciados 3 parcerias em termos de parceiros institucionais, nomeadamente a Rádio Portugal, Sonae.com, Via Novis e Optimus, e Microsoft». Ainda relativamente ao teor empresarial, Mário Nuno Neves acrescentou que «já está em funcionamento o CAT - Centro de Assistência Técnica , também sediado nas instalações do TECMAIA, que tem como objectivo “reciclar” todo o equipamento informático e doá-lo a instituições de solidariedade social. Quanto ao modelo do Directório de Empresas da Maia, o mesmo responsável adiantou que o modelo «está já em fase final de concepção». Na área do Ambiente, um dos pontos fortes atingir incide no lançamento do Sistema de Integração de Gestão e Monotorização Ambiental(SIGMA). Tanto quanto se sabe, o seu lançamento está previsto para Novembro de 2004.

fHIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO:

claúdia oliveira

claudia@maiahoje.pt

Mais (IN)Formação na Maia Realizou-se ontem, no pequeno auditório do Fórum da Maia, uma sessão de esclarecimento sobre questões relacionadas com a Higiene e Segurança Alimentar. Promovida pelos serviços de Turismo da Câmara Municipal da Maia e o INFTUR Instituto Nacional de Formação Turística, a sessão teve por objectivo esclarecer todos os interessados sobre as formas de obter a tão desejada credibilidade dos estabelecimentos de Restauração e Turismo.

Na sessão foi distribuído, pelos presentes, a documentação sobre o PROREST III - Programa de Apoio à Requalificação e Modernização dos Estabelecimentos de Restauração e Bebidas. O Coordenador dos Serviços de Turismo da Câmara Municipal da Maia, Rui Rodrigues, iniciou a sessão com uma frase optimista: “ De certa forma, esta área escapa à crise, já que para comer e beber, em princípio, há sempre dinheiro.” De seguida,

passou a palavra à actual responsável pelas acções de formação gratuitas, que estão a decorrer no Fórum da Maia, Maria João Castilho da Escola de Hotelaria e Turismo do Porto. A responsável fez questão de salientar a importância destas acções de formação financiadas pelos fundos comunitários europeus, e reforçou que, se necessário, abririam novas acções de formação, com os temas que mais interessem aos responsáveis por este tipo de

Sexta-Feira, 27 de Fevereiro de 2004

serviços. Para isso, basta contactar o Posto de Turismo e dar o contacto para uma inscrição. Porém, foi a Adelaide Amorim, licenciada em Ciências da Nutrição e colaboradora da Escola de Hotelaria e Turismo do Porto, que “abriu um pouco mais o véu” sobre as acções de Formação, terminando mesmo com uma frase de incentivo à frequência das mesmas: “O maior sucesso que temos, como escola, é o vosso sucesso”.

maiahoje

10 FREGUESIAS

Rádio Macau na Maia

No passado dia 19 de Fevereiro esteve, na Maia, um dos grupos de referência do rock nacional. O Tertúlia Castelense, um dos mais frequentados bares do Concelho, convidou o grupo de Xana, Flak, Alex e Luís Filipe Valentim para uma actuação ao vivo. O grupo, que se prepara para comemorar vinte anos de carreira, lançou recentemente mais um álbum de originais intitulado “ Acordar”. A actuação serviu, assim, para dar a conhecer ao público os novos temas, como também para recordar clássicos de duas décadas de êxitos, como o “Anzol”. Para os que seguem fielmente o grupo, os Rádio Macau vão iniciar uma digressão, no próximo mês de abril. Esta começa em Constança, no dia 14, e Odemira, no dia 24, estando prevista uma passagem por Espanha, França e Holanda. Claúdia Oliveira

Carnaval em Nogueira atrai centenas de pessoas

MILHEIRÓS

PLANO DE ACTIVIDADES PARA 2004

Escola Dramática e Musical de Milheirós promove iniciativas A Escola Dramática e Musical de Milheirós (EDMMM) tem já preparado o plano de actividades para o ano de 2004. A EDMMM está a desenvolver esforços na criação de uma Escola de Atletismo e, ainda no decorrer deste ano a equipa de Futsal participará nos Jogos Inter Freguesias. A par dos espectáculos e concertos que se irão realizar, a EDMMM está a promover um DVD, intitulado “EDMMM - 75 Anos em Movimento”, e será ainda lançado o primeiro CD dos Corais Infantil e Juvenil. Depois de ter decorrido, no dia 13 de Fevereiro, a audição da Escola de Música, seguem-se uma série de acções, estando previstas para os dias: 05 de Março - Espectáculo de Solidariedade para com a Criança Diferente - Associação de Amigos 20 de Março - Concerto Clássico da Primavera 01 de Abril - Concerto pelo Conservatório de Música da Maia 23 de Abril - Noite de Teatro - pelo Grupo Molin Rouge de Santa Maria de Avioso - Maia 22 de Maio - 3º Festival de Jovens Promessas VERMOIM

06 de Junho - 2º Encontro de Corais Infantis Junho/Julho - 3º Torneio Futsal EDMMM/Maia Capital do Desporto 19 de Junho - Audição da Escola de Música 20 de Junho - Concerto pelo Conservatório de Música da Maia 27 de Junho - Festa de Encerramento do Ano Lectivo Julho - Torneio de Setas Inter Sócios Torneio Bilhar Inter Sócios Torneio Sueca Inter Sócios 04 de Setembro - Abertura da Exposição Fotográfica - «EDMMMM - Ponte com Futuro» 11 de Setembro - Noite de Fado de Coimbra 19 de Setembro - Almoço de Confraternização dos Sócios e Amigos da EDMMM 26 de Setembro - Sessão Solene Comemorativa do 76º Aniversário da EDMMM 01 de Outubro - Concerto Comemorativo do Dia Mundial da Música Apresentação pública do Orfeão da EDMMM 06 de Novembro - Noite Literária - “O Eco da Poesia” 11 de Dezembro - Festa de Natal Andreia Nascimento

TRAGÉDIA NA RUA DO CAVACO

Idoso morre intoxicado No dia 23 de Fevereiro, um idoso foi vítima de um incêndio que destruiu o quarto da residência onde vivia. O fogo ocorreu por volta das 10 horas, na Rua do Cavaco, na freguesia de Vermoim e, aparentemente, o idoso com cerca de 90 anos de idade terá inalado muito fumo, não resistindo. Quanto às causas do incêndio, estas, não foram ainda apuradas. Contudo sabe-se que o alerta foi dado por uma testemunha, um empresário, que se apercebeu da existência de fumo na residência. Uma outra testemunha, um trolha, que também se MAIA

apercebeu do que estava a acontecer, arrombou o vidro de uma janela e deparou com o idoso caído no chão, no quarto da sua residência, em chamas. Os Bombeiros Voluntários da Maia apareceram no local com duas viaturas e cinco homens, a par de uma viatura do INEM que também lá esteve. A vítima foi transportada para o Instituto de Medicina Legal, para ser autopsiada. Andreia Nascimento

EM BREVE IRÁ SURGIR UM LINK DE SAÚDE

Junta de Freguesia da Maia disponível on-line Mais uma vez, o desfile de Carnaval em Nogueira chamou às ruas da freguesia centenas de pessoas. Apesar de adiada para terça feira devido ao mau tempo, a iniciativa realizou-se com toda a alegria habitual à boa maneira portuguesa. A política e o cenário económico do nosso país foram amplamente retratados, com alusões por exemplo ao mediático caso da Finex. O futebol também não ficou de fora, com o Euro e a selecção nacional a ocuparem lugar de destaque. AMM

A Junta de Freguesia lançou recentemente o site, www.jf-maia.pt., que disponibiliza a todos os cidadãos do Concelho, uma gama de serviços on line. Tal como Carla Dessai, assistente administrativa da Junta de Freguesia da Maia, afirmou ao Jornal Maia Hoje, «o site entrou em vigor no dia 1 de Fevereiro». Portugal Interactivo, uma empresa da Maia, foi a responsável por este projecto que ainda em «fase de actualização» dá a conhecer, à população, melhor a cidade. O site espelha uma série de “links”, prestados pela Junta de Freguesia da Maia a que os utentes poderão aceder, desde informações ilustradas sobre a História da Maia, ofertas de emprego, requisição de cartões de residente e consulta Sexta-Feira, 27 de Fevereiro de 2004

dos dados de recenseamento. «O cidadão poderá ainda enviar sugestões», afirmou a assistente. O acesso é gratuito e pretende «simplificar os serviços das Autarquias», uma vez que «cada vez menos se está a utilizar as Autarquias», constatou Carla Dessai. Uma maneira rápida e eficaz de poupar tempo aos funcionários e evitar deslocações dos cidadãos. O nosso jornal, a título de exemplo, “descobriu” que para obter o cartão de residente é possível fazer a requisição online, basta preencher o formulário. Carla Dessai adiantou que «dentro de um mês, será lançado um link de Saúde». Andreia Nascimento

FREGUESIAS 11 AVIOSO S. PEDRO

maiahoje

EMPRESÁRIOS VIZINHOS QUEIXAM-SE DE MÁ IMAGEM E QUEIMA DE PNEUS

Diferendo ambiental em frente ao futuro Parque da Cidade da Maia Instalada no Complexo Industrial da Carriça, a Maia Trucks e Transportes (MTT) dedica-se segundo o seu proprietário, Fernando Lourenço, à compra e venda de viaturas pesadas, recuperando igualmente algumas que se encontram danificadas. Uma situação normal não fossem as queixas dos vizinhos que não estão nada satisfeitos com o cenário. Estes sentem-se prejudicados, defendendo que o amontoado de camiões e peças velhas dão má imagem e ambiente à zona, e afirmando que se queimam pneus e se faz muito barulho. Alegações desmentidas em parte por Fernando Lourenço, que até garante que está a planear melhoramentos na sua empresa. Este é um caso que se torna ainda mais caricato porque se passa praticamente em frente àquela que será a principal entrada do futuro Parque da Cidade, em São Pedro de Avioso. O Departamento de Ambiente da Câmara Municipal está a investigar o caso. Uma das vozes da discórdia deste caso é Abílio Castro, proprietário da MoCabel, empresa vizinha da Maia Trucks e Transportes. Segundo este responsável, verifica-se aqui um caso de poluição visual e atmosférica, «em termos visuais, eu tenho aqui em frente um panorama “extremamente interessante” e em termos de poluição da atmosfera, estão a utilizar daqueles bidões grandes e tudo o que se queima, desde de borracha até plástico, vai para o bidão, põe gasolina e acendem. Parece um ritual índio. É um fumo horrível. Eu tenho que fechar tudo e mesmo assim há fugas que incomodam quem está a trabalhar». Abílio Castro queixa-se igualmente do barulho «é um barulho de martelo, que é horrível. Enfim, o silêncio é de ouro, como se costuma dizer». O proprietário da MoCabel refere mesmo que esta situação já o prejudicou directamente, «na minha área, eu trabalho com as maiores empresas de Portugal, como Briel, Teka, Grundig, etc. Eu tenho uma imagem a defender. Quando tenho visitas no sentido de verem onde é que são feitos os produtos, acabo por ter problemas. Quando chegam aqui à empresa, começam a tomar notas do género: localizaçãopéssima, ambientehorrível». Abílio Castro garante que já tentou entrar em contacto com o proprietário da MTT, mas não teve sucesso «não consegui falar com o dono, falei com o empregado. Não estão sensíveis à situação e não posso incutir a sensibilidade da poluição visual, sonora e atmosférica a pessoas que não a têm». Quanto ao desagrado com este panorama que dura há dois anos,

assegura este responsável, é comungado por todas as empresas do complexo, «é uma opinião comum. Se forem necessárias assinaturas deste complexo todo, haverá, porque isto é mesmo uma imagem muito má». De facto, o Maia Hoje contactou outra empresa situada no mesmo complexo, a DentalMaia, uma clínica de próteses dentárias. O proprietário, Rudiger Neugbauer, mostrou-se igualmente desagradado com a situação, «não é uma coisa bonita. Sinto-me algo prejudicado e é evidente que gostaria de encontrar uma solução». «NÃO É VERDADE QUE QUEIMO PNEUS... A ACTIVIDADE PODE NÃO SER AGRADÁVEL, MAS NÃO POSSO FAZER NADA» Face a estas queixas, o proprietário da MTT, Fernando Lourenço, refuta as afirmações feitas, «não é verdade que queimo pneus. O cheiro dos pneus é insuportável logo, toda a gente se daria conta e não só aqui ao lado. Podia-se queimar um cartão ou outro. Já aconteceu, mas contra a minha vontade. Agora, os cartões são todos cortados e vão para a reciclagem. Quanto ao barulho, não o posso evitar porque é o barulho dos camiões a trabalhar. Não usamos martelos pneumáticos nem nada do género». Aliás, Fernando Lourenço também tem queixas da vizinhança, «também me puseram o muro abaixo e ainda não o concertaram. O responsável foi um camião de uma empresa espanhola que vem aí descarregar todas as semanas a uma dessas empresas». Quanto às afirmações de Abílio

Castro, de que a actividade da MTT « é comercializar sucata», Fernando Lourenço esclarece que «compro e vendo viaturas pesadas. Se a viatura for acidentada recupera-a, mas principalmente a nível de motor. Se não tiver recuperação aproveito algumas peças e o pessoal da reciclagem vem e leva o resto. A actividade pode não ser agradável, mas não posso fazer nada. Também posso não gostar da actividade do meu vizinho e o que vou fazer?». Este responsável garante ainda que cumpre todos os parâmetros para o exercício da sua actividade, estando mesmo a

PUB

Sexta-Feira, 27 de Fevereiro de 2004

planear melhoramentos na sua empresa, «ainda agora fizemos uma limpeza. O terreno onde tenho os camiões é em terra batida e estou a tratar de pavimentar aquilo em cimento para uma maior higiene. Vou ainda fazer um portão para facilitar a entrada e a saída». Quanto à autarquia maiata, alertada pelo Maia Hoje para a situação, já efectuou uma fiscalização ao local, não estando ainda disponível o relatório final com as conclusões dos técnicos ambientais. António Manuel Marques

maiahoje

12 FREGUESIAS

ASSEMBLEIA MUNICIPAL DA MAIA

Finanças camarárias em destaque

Realizou-se esta quarta feira mais uma Assembleia Municipal, com lugar no Salão Nobre dos Paços do Concelho. Da agenda de assuntos tratados, salienta-se a autorização para um empréstimo a curto prazo para ocorrer a dificuldades de tesouraria. Este empréstimo faz-se à margem das restrições ao financiamento camarário e tem um valor estipulado por lei. Também nesta reunião foi autorizada a renegociação dos contratos com o Banco Totta, no que toca aos períodos de carência e de amortização. Esta medida diz respeito a um empréstimo a médio e longo prazo, no montante de quase 30 milhões de euros. Estas questões relacionadas com as finanças camarárias, levaram a que a oposição levantasse mais uma vez a voz, salientando a posição económica difícil da autarquia. Bragança Fernandes não concorda com estas alegações afirmando que talvez até nem utilize o empréstimo consagrado na lei, e que a renegociação do empréstimo se realiza no sentido de garantir melhores condições. O Regulamento e Tabela de Taxas e Licenças do Concelho da Maia foi também aprovado, tal como a isenção temporária das taxas inerentes aos serviços públicos a disponibilizar via Internet, isto no âmbito do portal “Torre do Lidador”. Por fim, foram eleitos um representante das Juntas de Freguesia e um substituto, para representarem o conjunto das Freguesias da Maia, no XIV Congresso da Associação Nacional dos Municípios Portugueses. No final da votação, acabou por ser eleito o Presidente da Junta de Nogueira, Elídio Carneiro, e para substituto o Presidente da Junta de Freguesia de S. Pedro Fins, Marques Gonçalves. De referir ainda que a Assembleia iniciou-se com uma hora de atraso, o que mereceu uma forte repreensão aos deputados por parte de Luciano Gomes, Presidente deste Órgão, «ponho os interesses da população à frente do futebol», disse.

GONDIM

JSD PROMOVEU MAIS UMA INICIATIVA

Aborto - um debate de Prós e Contras A Juventude Social-Democrata (JSD) do núcleo da Vila do Castêlo da Maia promoveu no dia 21 de Fevereiro, na Junta de Freguesia de Gondim, um debate sobre a despenalização do Aborto. A razão pela qual o tema veio “à baila” foi porque «irá ser debatido na Assembleia da República no dia 13 de Março», razão pela qual, «decidimos antecipá-lo de modo a esclarecer todas as dúvidas que possam existir». O tema, pertinente, esteve “em cima da mesa” durante toda a tarde e contou com a participação de pessoas especializadas nos mais diversos campos. Orlando Leal, Vice-presidente da JSD do mesmo núcleo concluiu que «o balanço foi positivo» até porque, para além de um debate, «foi sobretudo um esclarecimento de ideias» de toda a população do Concelho da Maia. Aloísio Nogueira, advogado, e Presidente da Junta de Freguesia de Vermoim, foi o primeiro a presidir o debate ao fazer um enquadramento jurídico da legislação actual portuguesa e de alguns países da União Europeia, estabelecendo assim uma comparação entre ambos. «Abordou também as propostas dos vários partidos» bem como «o que pretendem alterar na Lei», acrescentou o Vice-presidente. António Augusto, padre e professor universitário, também marcou presença, na mesa, ao perspectivar

fDepois do Aborto, outro tema está já agendado. “O Problema de Segurança” será o próximo a ser abordado.

o seu ponto de vista religioso. Enquanto Albino Aroso, médico ginecologista, por seu lado, abordou a questão no enquadramento médico «sempre na defesa da mulher», afirmou Orlando Leal. Já na segunda parte, coube às organizações convidadas fazerem valer o seu ponto de vista. Pela não despenalização da interrupção voluntária da gravidez, esteve José Paulo Carvalho, Presidente da Fundação Portuguesa pela Vida, ao contrário de Jorge Sequeiros, médico, ligado á Petição Referendo pelo Aborto que se manteve a favor da despenalização da

interrupção voluntária da gravidez. Tratando-se de um debate, para Orlando Leal, o mais «interessante» prendeu-se com o comportamento «participativo» que a plateia mostrou. As questões colocadas foram, como o próprio disse, «de toda a ordem, desde a nível moral e médico». «O objectivo do debate foi, sobretudo, esclarecer as pessoas face a esta questão», caso que se confirmou pois «ficaram mais esclarecidas», concluiu. Andreia Nascimento

GEMUNDE

Carnaval em Gemunde durou quatro dias Foram várias as iniciativas comemorativas do Carnaval levadas a cabo na freguesia de Gemunde. Desde o desfile realizado no Domingo, até à entrega de prémios para os melhores mascarados, quer crianças, quer adultos, foram diversos os motivo de interesse nesta festa. O dia de Carnaval foi também marcado pela actuação de grupos de música popular portuguesa como os Solitários. AMM

PEDROUÇOS

Câmara levou jovens à Serra da Estrela A autarquia maiata aproveitou a festa do Carnaval para levar à Serra da Estrela 25 crianças e jovens, integrados no Projecto Novos Laços, a funcionar no Bairro da Brisa, e no III Programa de Educação e Formação, da Casa do Alto, ambos em Pedrouços. A iniciativa da organização do Pelouro da Educação e Acção Social decorreu nos dias 24 e 25 e levou ao ponto

mais alto de Portugal continental alguns jovens de famílias carenciadas que experienciaram pela primeira vez o contacto com a neve. A visita englobou uma passagem por pontos turísticos como o Museu do Pão em Seia, onde os jovens experienciaram o fabrico do pão. A noite foi passada na Pousada da Juventude das Penhas da Saúde, com o balanço da iniciativa a ser

Sexta-Feira, 27 de Fevereiro de 2004

muito positivo, «as crianças vêm eufóricas. Nunca tinham visto neve e adoraram», afirmou ao Maia Hoje, a Vereadora da Educação e Acção Social, Maria da Graça Barros. Esta iniciativa vai ainda dar origem a uma exposição fotográfica no átrio da Câmara Municipal, assegurou esta responsável. AMM

FREGUESIAS 13 GUEIFÃES

maiahoje

MISSIONÁRIOS COMBONIANOS

«Vale a pena arriscarmos por estes valores e por esta paixão, que é a vocação» “Eu morro, mas a minha obra não morrerá” disse, um dia, Daniel Comboni, uma das grandes figuras missionárias do século dezanove. De facto, a sua obra não morreu imortalizou-se no Tempo gerando “filhos” que, hoje, estão espalhados pelo Mundo. Os Missionários Combonianos (MC) são o testemunho de uma vida espiritual de interajuda que eles próprios cultivaram. Vivem em pequenas comunidades, a chamada «Família de Congregação» reclamando sempre um diálogo “vivo” com Deus, uma espécie de «chamamento» que acaba por se dissolver na Fé que sentem. Vivem quase como nómadas, sempre de um lado para o outro, semeando a filosofia da verdade de “dar sem esperar nada em troca”. O facto é que ser-se missionário acabou por se tornar num estilo de vida e numa metodologia de trabalho. O jornal “Maia Hoje” falou com dois missionários que encontraram, na vida que levam, «uma experiência reconfortante», tal como afirmou António Martins, padre de profissão e responsável pela animação seminária nos MC. «Ser missionário não é uma aventura fácil», esclareceu o padre que num diálogo aberto “confessou” que a vida missionária exige um total despojamento do meio externo bem como «renúncia e sacrifício». A “casa” da Maia que, inicialmente, tinha o nome de a “Quinta dos Leões” foi inaugurada a 15 de Outubro, em 1958, «onde começou a funcionar o Seminário de Filosofia», contou António Martins. Depois de ter sofrido várias mutações, «uma das primeiras actividades que se começou por fazer, para além da Filosofia, foi o trabalho pastoral», continuou. Um trabalho de animação da Igreja local, «de animação missionária», frisou José Sousa, também padre e missionário. António Martins recordou que nos MC «chegaram a estar cinco turmas de 20 alunos cada», numa altura em que «o Seminário da Maia funcionou como um Seminário Menor», por volta de 1964. Mais tarde, já por volta de 1981, a mesma casa foi “espectador” do surgimento de um novo estilo de vida, a que António Martins denominou por «um novo estilo formativo». Assim, «começamos a ter o Seminário Comboniano». Um ano depois a cidade da Maia viria a ser frequentada por irmãos missionários. José Sousa esclareceu que «tanto os padres missionários como os irmãos missionários, vivem na mesma comunidade». Actualmente, os MC preparam a formação dos jovens tanto para serem irmãos como sacerdotes, ou seja, «fizemos um Postulantado único, juntando irmãos e seminaristas que se preparam para o sacerdócio», disse António Martins. Estudam Teologia na Universidade Católica, mas ao fim da

fAntónio Martins e José Sousa, dois missionários numa missão só: «lembrar aos cristãos que outros ainda não receberam o Evangelho de Jesus», afirmou António Martins.

tarde é para os MC que os jovens regressam, é também ali que acordam e se deitam. O mesmo padre explicou como é dada a sua formação religiosa, o trabalho e o estudos são divididos pelos tempos de oração. «Eles vivem aqui», fez questão de sublinhar. ESCASSEZ DE VOCAÇÕES «Há dois anos chegamos a ter doze postulantes mas, actualmente, temos apenas 4», afirmou o padre ao referirse à actual situação do País e da Europa. Contou casos de irmãos que «num dado momento julgaram sentir o chamamento de Deus, mas que depois o tempo de seminário tirou-lhes essa vocação». Razão pela qual, António Martins disse haver uma «escassez de vocações». Falta de conhecimento, confusão e de verdadeira catequização, ou não, António Martins apontou que «o apego dos jovens à família» é, muitas vezes, sinónimo de cepticismo. A par da «actual crise de valores que leva à crise vocacional», “redarguiu”. Enquanto, «antigamente, perdurava um certo pudor», hoje, pelo contrário, «estamos a perder valores humanos, nomeadamente o respeito e a dignidade», afirmou. Para António Martins, «vivemos num mundo onde não há exigências e valores e vamos entrando numa vida materialista» e foi mais longe quando afirmou que «com a crise económica e com o desemprego não há esperança de vida e a parte vocacional acaba por ser afectada por

esta nova mentalidade, que estamos a viver», concluiu. Não se pode falar da Europa desconhecendo a presença do Cristianismo, porém a descrença parece ter tomado conta dos cristãos, e em parte devido «ao lento caminhar da Igreja». O missionário entendeu que a Igreja está a mudar, mas o facto de «muitos padres terem já uma certa idade» acaba por ser difícil implantar outros hábitos ou tradições dentro de uma missa. Afirmou mesmo a necessidade de «existir um certo equilíbrio» de modo a não chocar ou «ferir os sentimentos das pessoas». «Nós como missionários temos uma formação diferente do que um padre diocesano, a nossa formação é na linha de um trabalho diferente», distinguiu. SOBREVIVER DO MISSIONARISMO Não recebem qualquer tipo de financiamento por parte do Governo, os Missionários Combonianos apenas trabalham em colaboração com a Igreja. Mesmo ao lado da casa, «existe uma capela semi-pública que serve para as nossas celebrações, mas está aberta ao público», informou o mesmo missionário. Durante a semana, a missa tem início às sete horas da tarde, excepto à Segunda-feira, e ao Domingo, às nove horas da manhã. Prestam também apoio domiciliário, «quando nos pedem para fazer oração, para visitar um doente ou confessar», contou António Martins. Contudo, a

Sexta-Feira, 27 de Fevereiro de 2004

verdadeira missão destes missionários consiste na formação e animação missionária, «andamos pelas paróquias num trabalho de sensibilização lembrando aos cristãos que outros ainda não receberam o Evangelho de Jesus», salientou. Tal como o próprio concluiu que «a Igreja não é um emprego». Na verdade são os donativos que recebem e todo o trabalho de colaboração, prestado pelos cidadãos, que os fazem valer a sua própria sobrevivência. “SEM MISSIONÁRIO NÃO HÁ MISSÃO” Depois de se ter entregue ao missionarismo, António Martins recordou histórias e tempos vividos além-fronteiras. «Vale a pena arriscarmos por estes valores e por esta paixão, que é a vocação» é tudo o que retira da sua consciência missionária a quem o Tempo não roubou. Aprendeu a viver de acordo com o seu estilo de vida e a «deixar outros valores para se entregar a um serviço só» o de ajudar aqueles que mais precisam. «Nós continuamos o carisma e a paixão dele (Deus)», sustentou. «...ou é comunidade missionária, ou nem sequer é comunidade cristã», disse, um dia, João Paulo II, palavras a que António Martins “evangelizou”, «se a Igreja se cristalizar e perder a dimensão da sua missionalidade deixa de ser a Igreja da Cristo».

maiahoje

14 FREGUESIAS

ITOU A MAIA” VIS “POSTAIS D A IA DE BARC A FREGUES tagófreguesia an a m u é ca Bar a-se lado, encontr ais nica. Por um m habitacional, uma parte id olv a, é subdesenv at e a d ta s ca re campos, casa m a er p im e ond araletradas em p antigas e es rca é a or outro, B lepípedos P possui pela EN 14 e a d sa es v ra at uído ercial constit m co lo ó p os um Maia e outr a d o b m u J pelo a da tos à entrad estabelecimen que rial Maia I, Zona Indust mais ma das zonas u em u it st n co do Concelho. movimentadas

À atenção de quem de dir

eito

Maia Por antónio manuel marques negativo

Por algumas zonas da freguesia vêm-se autênticos estaleiros de obras, alguns com aspecto de existirem há bastante tempo, e que não tornam a paisagem nada bonita.

negativo

Na rua Joaquim Duarte Maia, esta via com um declive extremamente acentuado merecia melhor sinalização do que se vê na foto.

negativo

Barca não é das freguesias mais ricas do Concelho. Apesar da evolução, que se vem registando, ainda se encontram algumas habitações em péssimo estado.

positivo

positivo

A Procissão que se realiza todos os anos e que percorre estas “capelas” espalhadas pela freguesia, atrai milhares de pessoas.

A Capela do Senhor de Santa Cruz representa um dos ex-libris da freguesia. As crianças que moram perto aproveitam para brincar nos jardins em dias de bom tempo.

negativo/positivo

Os campos verdejantes marcam esta freguesia de Barca, num misto de tradição e nostalgia.

positivo

Uma das obras mais recentes na freguesia é a Rotunda com a estátua do Padre Abílio Leite Sampaio, inaugurada por Bragança Fernandes em Julho do ano passado. Sexta-Feira, 27 de Fevereiro de 2004

positivo

A Junta de Freguesia continua em obras, naquele que se tornará um edifício emblemático desta zona.

PUB

MAIA HOJE Sexta-Feira, 27 de Fevereiro de 2004

2 CAMINHO DO Nº1 AO 100

fO JORNAL MAIA HOJE COMEMORA O SEU 4º ANIVERSÁRIO!

A todos os colaboradores e am

ORIGEM Com início em Fevereiro de 2000, o jornal MAIA HOJE surge num Concelho em forte desenvolvimento populacional e empresarial, um dos mais fortes do país e onde se constatava nessa altura, não existir nenhum jornal regional local que se encontrasse divulgado pelas diversas bancas do concelho, que permitisse ao leitor mais atento ou cioso de informação, uma aproximação às principais notícias do seu concelho. Olhando para o facto de grande parte da população maiata ser nos últimos anos oriunda de concelhos limitrofes, principalmente jovem e em idade activa, que pretende estar bem informada sobre o concelho que decidiu abraçar, quer pelo aspecto da sua qualidade de vida, quer pela vertente industrial ou comercial, pelas potencialidades empresariais, juntando o facto dos acessos rodoviários e aproximidades que o concelho oferece.

“por amor à camisola” ou pelo “bichinho” que temos pela informação, aliada ao gosto de uma vertente gráfica interessante, com uma equipa que queríamos que fosse jovem, dinâmica e que prestasse acima de tudo um serviço dignificante quer para o jornal quer para a imagem que queríamos fazer passar do nosso concelho, ao resto do país e estrangeiro. EVOLUÇÃO Ao longo dos 4 anos fomos assistindo a uma evolução a nível gráfico, redactorial, de recursos humanos , espaço físico, e material, tudo isto sendo possível pelo esforço monetário exclusivo da gerência do Jornal , Maiapress Editores , e pelo empenho dos diversos colaboradores todos eles importantes neste projecto e que contribuem todos os dias para que isso se torne possível. PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS TIRAGEM/LEITORES

PROJECTO Ao abraçar esta iniciativa, estávamos conscientes que não seria um projecto fácil e que seria muito

PUB

O Maia Hoje é um jornal regional de Grande Informação, principalmente de e para o Concelho da Maia.Com uma tiragem registada de

3.000 exemplares, tem entre 35.000 e 40.000 leitores estimados, entre as principais Empresas, Escolas, Instituições, Associações e população em geral do Concelho da Maia e também um pouco por todo o país e estrangeiro. Actualmente com 32 - 40 páginas e em edição quinzenal, saí às Sextasfeiras, possuí Porte Pago, o que o torna seguramente num dos jornais mais lidos do Concelho da Maia, ver por exemplo última sondagem da Bareme-Marktest 2003, que nos dá a maior fatia de leitura no nosso concelho. Este facto só é possível graças a uma política de isenção, capitais próprios, a uma equipa de profissionais altamente qualificada e um grafismo único, ao nível dos melhores jornais europeus. CLIENTES Nestes quatro anos de existência o Jornal conta já com um excelente leque de clientes e amigos , onde se destacam empresas nacionais e internacionais de grande prestigio, como: Accenture, Alfa Romeo, AMIP, Audi, Bambola & Damerino, BIAL, Bristol Myers-Squibb, Caderno Verde, Caixa Galícia, Câmara dos

Solicitadores, Câmara Municipal da Maia, Century, Condor, Efdual, Elefante Azul, Eukanuba, Fiat

CAMINHO DO Nº1 AO 100 3

MAIA HOJE Sexta-Feira, 27 de Fevereiro de 2004

migos o nosso muito obrigado!

COLABORADORES Os nossos colaboradores são basicamente jovens , sendo que na redacção existem três jornalistas profissionais licenciados, dois fotojornalistas e vários colaboradores licenciados em diversas àreas e/ou com amplos conhecimentos e experiência no ramo, além dos vários colaboradores espalhados por todo o Concelho e País. EDIÇÃO

Portuguesa, FNAC, FotoSport, FutureKids, Hotel Central Parque, Hotel Egatur, Instituto Superior da Maia, Kodak, Liga Nacional de Cavalos de Corrida, Lipor, LR-Internacional, MaiaShopping, Mazda, Mestre Maco,

PUB

Metro do Porto, Minho Investe, Mitsubishi, OptimusSitecel, Peugeot Portugal, Portgás, Porto Palácio Hotel, RedMan, Renault Portugal, Rover, Segurança Social, Sonae, Tintas 2000, Vila Sol, Volkswagen, Würth, entre muitas outras empresas de âmbito mais local, mas que muito nos honram.

O Jornal edita presentemente 4 revistas periódicas, com tiragens de 10.000 exemplares totalmente a cores, entre muitos outros suplementos e encartes. A MaiaPress editores, proprietária do jornal Maia Hoje, colabora activamente com outras empresas jornalísticas, que lhe confiaram a parte de concepção gráfica e de edição das suas publicações, muito graças à elevada qualidade que imprime aos seus trabalhos. Pode encontrar “on-line” a nossa página Internet, que promete uma forte interactividade, ao nível das

melhores páginas mundiais, com meios como o vídeo em tempo real, chat, fórum, sondagens, previsão do tempo e uma vasta informação do Concelho da Maia, entre uma actualização constante das notícias. IMAGEM O jornal quer a nivel editorial quer a nivel comercial tem criado uma imagem de grande prestigio junto da população em geral, dos comerciantes e dos industriais e nas diversas instituições publicas e privadas o que nos apraz muito. Aproveitamos esta ocasião para uma vez mais agradecer a todos o carinho com que temos vindo a ser tratados e para o qual contamos sempre ser dignos. Esperamos estar no bom caminho e por isso vamos continuar a dar o nosso melhor e a contar sempre que seja possível com a vossa colaboração, pois o jornal será sempre a imagem que todos nós lhe quisermos dar e será sempre mais enriquecido com a colaboração de todos vós. Bem hajam....e o nosso muito obrigado!

MAIA HOJE Sexta-Feira, 27 de Fevereiro de 2004

4 ENTREVISTA

fBRAGANÇA FERNANDES EM ENTREVISTA AO MAIA HOJE

antónio manuel marques antonio@maiahoje.pt

Só um Pilar da obra do metro na Maia, custa tanto como o futuro túnel da Boavista (Porto) Aproveitando a edição especial nº 100, o Maia Hoje entrevista o Presidente da Câmara Municipal da Maia, Bragança Fernandes, em jeito de balanço, agora que nos encontramos a meio do mandato. O autarca fala sobre as diversas obras em curso no Município e que com o decorrer dos próximos anos, transfigurarão a face da Maia. O Metro, o Campus da Saúde e a Nova Maia são alguns exemplos, numa governação ainda assim, limitada pela crise económica. António Manuel Marques e Artur Bacelar (texto) Fernanda Duarte e Andreia Nascimento (fotos)

Jornal Maia Hoje - Quando tomou a liderança da Câmara o mandato já decorria. Depois deste tempo como Presidente da Câmara, qual é o balanço? Bragança Fernandes- Eu apanhei a Câmara com um ano de mandato, mas já tinha treze anos atrás de mim. Comecei como vereador em 1989, depois passei a Vice-Presidente. Estava por dentro de todos problemas que existiam na Câmara e de todos os dossiers. Isto porque uma coisa que o Dr. Vieira de Carvalho fazia, e bem, era que quando se deslocava a algum sítio levava-me com ele, ou levava algum vereador caso eu não o pudesse acompanhar. Portanto eu ficava, mais ou menos, p o r

dentro de todos os problemas. Claro que não foi fácil e não é fácil no momento actual em que vivemos, exercer estas funções. A crise económica que paira no país, na Europa e no mundo inteiro, também chegou às autarquias. Nós estamos com restrições graves, não podemos ir ao crédito e temos obras em curso. MH - Sente-se limitado nas suas acções? BF - Sinto-me um pouco limitado, porque dantes era mais fácil fazer uma obra. Com uma candidatura a fundos do FEDER conseguíamos normalmente entre 50 e 60%, e a parte que faltava íamos buscar ao crédito. Agora não o posso fazer, porque estou proibido pelo Tribunal de Contas. Portanto, é muito mais difícil fazer qualquer obra, mesmo sendo comparticipada pelos Fundos Comunitários. Neste momento, estamos a pressionar a Associação Nacional de Municípios para que o recurso ao crédito nesta parte que não é financiada por Fundos Comunitários, seja autorizado. Vamos ver se isto vai acontecer. Mas nós estamos a liderar o Concelho com disciplina e rigor. Tivemos que fazer restrições financeiras na Câmara Municipal. Tive que cortar despesas, porque a Sisa

diminuiu, a “derrama” também e as construções também diminuíram. Não na Maia particularmente, mas a nível da área metropolitana e do país inteiro. Consequentemente, as licenças de construção baixaram. A Maia tem alguns prédios ainda por vender, não muitos comparando com outros concelhos que têm centenas. Mas mesmo assim, os construtores

ENTREVISTA 5

vêem-se com dificuldade na negociação dessas habitações. As taxas baixaram, o que veio ainda piorar mais a minha questão financeira. Não podendo recorrer ao crédito, tenho que me contentar com as poucas receitas que tenho, que ainda assim, rondam os 13 milhões de contos. Comparando com outras Câmaras da Área Metropolitana, julgo que até é bastante. Temos muitas obras em curso, tal como encargos fixos. A título de exemplo, nós pagamos à Lipor cerca de 50 mil contos por mês, em recolha de lixo. Portanto, fazemos o melhor que podemos. Uma coisa que eu sei é trabalhar, trabalhar em prol dos maiatos, porque é uma coisa que eu gosto de fazer.

REPAVIMENTAÇÃO DAS VIAS DO CONCELHO A “MEIO-GÁS”

dividiremos isto de acordo com os anos que vão seguir. Outro dos cortes financeiros foi nas despesas. Não havendo receitas, não há despesas. Foi tudo analisado ao pormenor e neste momento gastamos aquilo que devemos, ou seja, as coisas principais é que são executadas. As coisas mais supérfluas, que não colidem com o bem da população maiata, são adiadas durante um ano ou dois anos.

“NOVA MAIA” AGORA COM CAMPO DE GOLFE. IC 24 VAI SER DUPLICADO E SCUT JÁ ARRANCOU.

foram

MH - Nova Maia é um projecto para continuar?

BF - Na Câmara, tivemos que ser mais rígidos. Deixamos de fazer grandes obras, vamos para as pequenas. As obras que tínhamos planeado fazer, como por exemplo, repavimentar todas as vias do Concelho, vão-se realizar a meio gás. Agora não as vamos repavimentar todas, mas apenas as que estão mais danificadas. Para isso, lançamos 4 concursos públicos. Queríamos lançar mais, mas o orçamento a isto nos obriga. Este ano serão feitas algumas partes, e

BF - Não está estagnado, é um projecto do Siza Vieira, que nós estamos a executar com ajuda de várias pessoas. Já temos cerca de 60 hectares de terreno, que são propriedade da Câmara Municipal da Maia. Queremos construir um campo de Golfe, dando viabilidade de construção de algumas vivendas nas áreas adjacentes a esta estrutura. Portanto, o ou os investidores que construírem essas habitações serão obrigados a construir igualmente o campo de Golfe, já que fica incluído na Nova Maia. O

MH - Que cortadas?

despesas

arquitecto Siza Vieira já aceitou esta alteração do campo de Golfe, que não estava prevista nos primeiros estudos que fez. Agora, o que temos que arranjar, dado que o dinheiro não abunda, é parcerias com entidades, com empresas que queiram começar a edificar a Nova Maia. Como já disse, temos cerca de 60 hectares, que são nossos, que podem entrar de imediato. Além disso, aquela zona vai ser altamente melhorada. O IC 24 vai ser “duplicado”, a “Scut” já está em andamento e já estão a fazer a primeira obra, que vai ser a duplicação das pontes e nó de acesso ao Parque da Ciência e da Tecnologia. É uma obra que vem dignificar o Concelho da Maia, mas é para 10 ou 15 anos. A Nova Maia está a andar, mas é um projecto longo.

SÓ UM PILAR DA OBRA DO METRO CUSTA TANTO COMO O TÚNEL DA BOAVISTA (PORTO) MH - Qual é o ponto da situação em relação ao metro? BF - No metro temos 3 linhas distintas. A Linha da Póvoa, que está a ser construída neste momento e que prevejo que chegue a Pedras Rubras no fim do ano. Vão ser executadas melhorias significativas em todos os arruamentos que colidem com a via.

MAIA HOJE Sexta-Feira, 27 de Fevereiro de 2004

Além disso, vai haver requalificação dos espaços. Actualmente, aquilo é um corredor cheio de silvas, como têm presente. No futuro vai ser uma linha de metro, toda tratada e com urbanidade. Depois temos a Linha T que vai ser duplicada, o que foi extremamente difícil. Conseguimos que ela fosse duplicada até ao ISMAI. Houve problemas com expropriações, que foram sanados. Esta semana arrancaram os trabalhos em frente à Praça do Município, naquela zona junto ao Fórum. A parte dos viadutos vai arrancar também com os concursos que já estão a ser lançados. As pessoas não fazem ideia que só um pilar de uma das pontes, que vai atravessar a N14, custa tanto como aquele túnel que estão a fazer na Boavista. Só para ver a dimensão da obra em si. Vão ser construídos três grandes viadutos, um na N14, que é um viaduto em curva enorme e outro em cima do IC 24. Eu prevejo, em boa vontade, o metro chegar à Maia cidade, nos princípios de 2005. Temos ainda a Linha S, que é uma Linha que parte do Hospital de São João, e passa por Águas Santas, Milheirós, Gueifães e vai ter ao Lavrador, onde por sua vez, une à linha da Trofa. Esta é uma linha que ainda está a ser estudada, existindo duas soluções para o canal. Estamos a ser pressionados por pessoas que querem construir e temos que definir a situação. Mas não podemos autorizar a construção porque estamos à espera que a Metro do Porto se decida, para que a linha entre em projecto. Mas esta é uma Linha que faz parte duma 2ª fase, estando a sua construção prevista para os próximos 2, 3 anos.

METRO NÃO CHEGA AOS “VERDES” A TEMPO DO EURO MH - Confirma que a linha P estará pronta até à estação de Pedras Rubras a tempo do Euro 2004, como foi avançado na sessão de esclarecimento realizada em Novembro último na Câmara Municipal? BF - Não, não vai estar pronta. Outra linha importante é o ramal do Aeroporto, que foi conseguido nos extremos, e que vai ligar o Aeroporto directamente aos Verdes, e que é uma obra de arte. Através desta obra, a Metro do Porto vai também beneficiar toda a estrada 107 antiga PUB

MAIA HOJE Sexta-Feira, 27 de Fevereiro de 2004

6 ENTREVISTA deixavam de estar a incomodar o tráfego aéreo. MH - Que tipo de aviões? BF - Pequenos, de dois a dez lugares. Há muitos aviões que estão lá, algumas dezenas por dia, em virtude de industriais que se deslocam ao Porto. O INEM está também lá sediado, fica no epicentro dos estádios todos, do Bessa, do Dragão, do de Guimarães e de Braga. Este aeroporto serviria para dar apoio a estes estádios todos.

EMPRESA INTERMUNICIPAL DE SANEAMENTO NÃO INTERESSA À MAIA MH - Fala-se na constituição de uma empresa Intermunicipal de Saneamento. O que lhe parece? A Maia estaria interessada?

com três rotundas bem definidas, uma junto aos Verdes, outra no limite do Concelho com os Barreiros e outra junto à Mercedes. Nós solicitamos ao Metro tais melhoramentos e portanto, também foi uma vitória nossa. Tive uma reunião com a Metro e eles garantiram-me que esta obra vai ser lançada rapidamente a concurso e que em 2005 vai ficar concluída. O que eu acho mal, porque se tivéssemos esta linha concluída, muitas pessoas, tanto as da Maia como os passageiros que desembarcam em Pedras Rubras, teriam melhores acessibilidades. Vai ser um pandemónio por altura do Euro com o trânsito para as Antas e Boavista.

AERÓDROMO DE VILAR DE LUZ APTO PARA O EURO POR 500 MIL EUROS MH - Quanto ao aeródromo de Vilar de Luz sempre vai servir de

apoio ao Euro? BF - Ainda não sei. Não faço ideia do que foi decidido. Falei com o Sr. Secretário de Estado, dei-lhe uma listagem das obras necessárias. São pequenas obras, orçadas em cerca de 100 mil contos e consistem em uma recarga na pista e uma recarga de uma pequena área adjacente à zona Industrial, onde se poderiam parquear, por volta de 150 aviões de pequeno porte. Ele tomou nota e penso que é uma boa solução.

150 AVIÕES “DO EURO” PODEM ESTACIONAR EM VILAR DE LUZ MH - As obras ainda iriam a tempo? BF - Sim, num mês resolve-se a situação porque são obras de pavimentação. De resto, já lá temos tudo. Seria uma boa solução, porque senão Pedras Rubras vai entupir e aos menos esses 150 aviões

BF - Não me parece. A Maia tem três Etars, tem uma Rede de Saneamento que cobre 99% do Concelho. São poucas as pessoas que ainda não estão ligadas, ou por uma razão ou por outra. Agora, qualquer pessoa que construa um prédio na Maia tem que fazer a ligação da Água ao Saneamento, ou qualquer pessoa que peça a Água é obrigada a ligar também o Saneamento. Portanto, nós temos, praticamente, tudo feito em termos de Saneamento, como temos também uma Central de Compostagem, para compostar as lamas provenientes do tratamento dos resíduos. Agora, até já recebemos esgotos da Trofa, já recebemos de Matosinhos, de Valongo. A Empresa de Saneamento quanto a nós, só interessa se for em alta, ou seja, em grandes tubagens. Em baixa, nas pequenas ligações das casas, etc, como nós já temos quase tudo feito, não aceitamos. No entanto, se eles nos pagarem bem, se nos oferecerem condições vantajosas, nós aceitaremos a inclusão da Maia, em alta, na tal Empresa que vai ser fundada pelo Governo. MH - Esta área do Saneamento constituí um bom negócio? BF - Não é por aí. Nós fazemos isto para ajudar os munícipes que vivem paredes-meias com a Maia onde não há saneamento, ou até por uma questão de cota. Não quer dizer que Matosinhos ou Valongo não faça a mesma coisa, em situações semelhan-

tes. Há um bom entendimento entre os municípios vizinhos.

MAIS DO QUE UM HOSPITAL, UM “CAMPUS” DA SAÚDE” MH - O estudo para o Hospital da Maia iria demorar 4 meses, mas acabou por demorar bastante mais. A decisão final apontou para um hospital de reabilitação. Como está o processo? BF - O estudo de viabilidade é da Vamed e apontou para um hospital de reabilitação. Mas nós, entretanto, criámos a ideia do Campos da Saúde. E o que é o Campos da Saúde? É uma zona que se situa na Maia Leste, entre a Rua das Cardosas e a Linha de Guimarães, com cerca de 60 hectares. Eu sou apologista de que os Hospitais e as Faculdades sejam descentralizados e tenham uma belíssima acessibilidade. Eu não concebo que, por exemplo, no Hospital de St.º António, onde gastaram milhões de contos na reconstrução, as pessoas possam morrer porque depois de um acidente não chegam ao Hospital a tempo, devido ao trânsito. O mesmo acontece com o Hospital de São João, que é uma zona de grande tráfego, porque tem a zona hospitalar, a zona das faculdades. Acho que as faculdades devem estar num sítio, os hospitais devem estar noutro sítio, mas com acessibilidades óptimas que este local até tem. Tem o IC 24 e tem a A3, que por sua vez liga com o IC1 e com a A4. Lançamos esta ideia do Campos da Saúde, já que temos uma âncora para instalar lá, que é o “Instituto da Tecnologia do Porto”. Já há um despacho da Sr.ª Ministra, que autoriza a legalização deste Instituto, que estava instalado na Bial e agora está instalado no Politécnico. Só estão à espera de outro despacho para começarem a construção deste Instituto no Campos da Saúde. Outra coisa que eu gostava de ver lá, era um Hospital de Reabilitação. Já falámos com o Sr. Ministro e com o Secretário de Estado a quem mostramos o projecto. Cremos que a reacção foi boa e portanto acreditamos que o Hospital de Reabilitação do Norte seja instalado nesse local. Era mais uma âncora para eu colocar no Campos da Saúde, porque este local é único. O Sr. Secretário de Estado gostou muito, agora é uma questão de vontade política, para colocar lá estas infra-estruturas. O Centro de Radiologia da Maia também já veio ter comigo para ter instalações lá. E porquê? Porque eles fazem tudo, PUB

ENTREVISTA 7 TAC’s, hemodiálise, provas de esforço e o Campos da Saúde tem essa finalidade. Uma clínica onde uma pessoa doente que vá lá, é tratada, tira sangue, faz a radiografia, sem sair desse Campos de Saúde. Além disso, está prevista uma área de ocupação de no máximo 50%, o que quer dizer que os outros 50% vão ser zona verde. Tem também uma ribeira que atravessa o espaço e vamos juntar o útil ao agradável. É um projecto a 20 anos e que será para os nossos filhos, com certeza. Mas é algo que vai trazer muita dignidade à Maia. MH - O Projecto Parque Maior promete revolucionar todo o centro da cidade da Maia. Em que ponto está este empreendimento? BF - É um projecto audacioso, também a longo prazo, mas que já começou. Fazem parte do Parque Maior uma urbanização que nascerá no lugar do Bairro do sobreiro e uma zona desportiva. Quanto à urbanização, vamos ter para já que alojar cerca de 650 a 700 famílias. Nós já temos um plano da autoria do arquitecto Souto Moura, onde existem umas manchas de construção já devidamente aprovadas na Câmara, e que iremos vender. Algumas já estão prestes a ser negociadas, referentes ao tal projecto que estivemos a apresentar em Vigo e em Barcelona. Fomos bem sucedidos com várias pessoas da Galiza e também de Barcelona a virem cá. É muito mais fácil para eles lidarem com a autarquia do que lidarem com um empreiteiro, porque com a autarquia as coisas andam muito mais depressa. Entretanto, vamos começar os alojamentos muito brevemente. Espero que a Praça do Oxigénio esteja pronta até princípios, meios de 2005.

ALUNOS DA ESCOLA DO SOBREIRO VÃO PARA A PAMAIAL MH - Face à demolição da escola do Sobreiro qual é a alternativa para os alunos? BF - Nós temos a “Pamaial” que em princípio vai ser usada para o alojamento temporário desta escola, até que seja construída uma nova escola. Temos um amplo pavilhão, que vai ser remodelado, para que os meninos que estão na escola sejam transferidos para aquele local. Vai ser bom porque estão inseridos na zona desportiva, ficam com melhor acessibilidades e não ficam no meio do

MAIA HOJE Sexta-Feira, 27 de Fevereiro de 2004

bairro. Ficam numa estrada principal, onde os acessos e os transportes públicos chegam mesmo à porta. MH - Mas a Pamaial não é actualmente o refeitório dos serviços? BF - Em princípio, irá ser para o refeitório da Câmara Municipal, mas entretanto estamos a fazer obras no refeitório existente. As condições vão melhorar muito substancialmente, já que estava previsto só o uso do primeiro andar. Agora vamos dar uso também ao rés-do-chão, que vai dar espaço para duzentos funcionários almoçarem. Aliás, eles preferem manter aquele espaço. Para já, está dentro dos serviços e para o pessoal é muito mais rápido.

PAVILHÃO MUNICIPAL DE PEDROUÇOS ARRANCA EM BREVE E VERMOIM VAI TER A “PRAÇA DOS ALTOS” MH - Que outros projectos salienta? BF - Temos dois estádios, o Estádio do Nogueirense e o Estádio Municipal de Pedras Rubras. Tanto uma obra como a outra são dispendiosas, mas espero que no espaço de um ano já possam jogar nesses campos. As relvas escolhidas são de topo de gama, sintéticas. São dois grandes melhoramentos, que provam mais uma vez a grande aposta na qualidade e no desporto na Maia, tanto com o Pedras Rubras como com o Nogueirense e não só. Vamos construir também um polidesportivo em Nogueira, junto às escolas que já foi adjudicado e portanto vai começar muito brevemente. Vamos duplicar igualmente o Pavilhão Municipal de Gueifães, junto à escola. Outra obra importante, que já está lançada, é o Pavilhão Municipal de Pedrouços, uma obra de 700 mil contos, que vai arrancar muito brevemente. Em termos de ambiente, temos o Parque de Avioso, um terreno tem cerca de 35 hectares. A obra vai custar cerca de 1 milhão de contos e terá todas as condições para quem queira gozar um pouco de lazer. Tem bar, restaurante, casas de banho distribuídas, tem mesas para pequenos piqueniques e também vai ter uma Casa da Juventude, para os jovens que queiram pernoitar, possam lá ficar. Vamos construir também um Parque em Vila Nova da Telha tal como aqui no

Altos. Já está lançado o concurso e muito brevemente vai ser edificada a Praça dos Altos. Outra obra importante, neste caso, para Vermoim é um “parque” para a Igreja. Já conseguimos o acordo com os herdeiros do Dr. Germano. Vamos tentar fazer ali um parque. É uma obra dispendiosa, mas tem que ser. Para além destas obras, muitas estão em vias de discussão que é o caso de um Parque Natural e a Quinta da Caverneira, que vai inaugurada muito brevemente.

CENTRO CÍVICO EM VERMOIM MH - E o Centro de Saúde de Vermoim? BF - O Centro de Saúde vai ser lá (centro cívico). Por falar nisso, está também em curso o Centro de Saúde do Castêlo e este ano ainda vão arrancar mais dois centros de saúde, o de Gueifães e o de Pedrouços. Queremos também que este ano

arranque a GNR do Castêlo, já temos o protocolo assinado. Estamos a fazer o projecto para que o processo ande mais depressa. Queremos também, mas ainda não está protocolado, que a PSP de Moreira rapidamente tenha luz verde. Para isso, temos um edifício praticamente preparado para o efeito, é uma questão de fazer pequenas obras. MH - O périplo que fez pelas freguesias, foi importante para conhecer as necessidades do Concelho? BF - Eu já conhecia as necessidades, foi mais para ficar a saber o que é que as Juntas de Freguesia queriam. Acho que os maiatos devem estar satisfeitos com a nossa dinâmica. Só dão valor à Maia as pessoas que não estão na Maia, porque os maiatos são muitos exigentes, pois já têm tudo e querem sempre mais. Quem mora fora e vem morar para a Maia é que sente realmente e acham que vale a pena vir para a Maia. Não é por acaso que a Maia foi o segundo Concelho que cresceu mais na área Metropolitana do Porto.

MENSAGEM DE 4º ANIVERSÁRIO A vitalidade de uma Cidade, de um Concelho, também se pode medir pela Comunicação Social que tem. Neste como noutros aspectos, o Concelho da Maia está forte e vivo. Quatro anos e cem edições depois, o “Maia Hoje” continua a cumprir o caminho que se propôs percorrer. Está, pois, de parabéns. Como Presidente da Câmara Municipal, tenho de o felicitar (e aos que número após número, o tornam realidade) e desejar-lhe muitos e muitos anos de vida, certo de que estará ao serviço do Concelho que lhe dá razão de existir. O PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DA MAIA (ENG.º ANTÓNIO GONÇALVES DE BRAGANÇA FERNANDES)

PUB

MAIA HOJE Sexta-Feira, 27 de Fevereiro de 2004

8 PUBLICIDADE

RETROSPECTIVA 9

MAIA HOJE Sexta-Feira, 27 de Fevereiro de 2004

Quatro anos de Jornalismo em revista O Jornal Maia Hoje chega a um momento histórico da sua existência. Num único número a confluência de dois motivos de comemoração: a edição n.º 100 e o quarto aniversário. Por isso, o Maia Hoje traz até si uma pequena revista de alguns dos acontecimentos que marcaram a vida mais recente deste Concelho e, porque não, desta região. Compilação de dados Arquivo Maia Hoje: João Soares e Claúdia Oliveira

MAIA COMO “CAPITAL OLÍMPICA” NÃO ATINGE O SUCESSO TOTAL Em 2000, a Câmara Municipal da Maia, pela voz do então vicepresidente e responsável pelo Pelouro do Desporto, Bragança Fernandes, pretendia instalar na Maia várias infra-estruturas desportivas e, nas já existentes, procurar uma remodelação concreta para satisfazer as necessidades da população em geral. Na altura, um dos pontos fortes em que a Câmara apostava era a construção do Complexo Municipal Olímpico de Natação, um projecto que não chegou a concretizar-se. A obra, que seria construída por fases, chegou a arrancar (disso revela os números gastos - 2 milhões de contos, na moeda antiga), mas não serviram para nada em concreto. Quanto às outras piscinas que se pretendiam construir - a de Folgosa estaria pronta até ao final do ano e a de Gueifães nos meses seguintes - corresponderam a obras de sucesso. Com estas duas novas infraestruturas, a Maia passaria a ter três piscinas cobertas: a de Águas Santas que serve a parte Sul e Nascente do Concelho, a de Gueifães que serve o centro e a de Folgosa na parte norte do município maiato, para além das piscinas descobertas da Quinta da Gruta. Quanto aos pavilhões, o grande objectivo era o Pavilhão Municipal de Ginástica que estaria concluído no mês de Março. Esta obra iria causar um grande impacto no Norte do País e serviria, pelo menos era esse o objectivo, a Associação Ginástica do Norte a tempo inteiro. Sem esquecer outras construções, os pavilhões das escolas secundárias de Águas Santas e Nogueira da Maia ficariam ao encargo da Câmara Municipal, papel esse que devia ser atribuído ao Estado. Já que a Maia iria receber eventos de importância assinalável no ano de 2000, a remodelação do Complexo Desportivo Central era uma das prioridades. A construção de um relvado sintético e um apetrechamento PUB

global que melhoraria a prática das diferentes modalidades constituíram os feitos mais importantes. É claro que nem tudo se fez. Quanto ao arranque para a construção de polidesportivos nas freguesias de Vermoim, Nogueira, Gueifães e Milheirós e a conclusão dos mesmos em S. Pedro de Avioso e Silva Escura apenas se verificou em algumas, não retirando mérito à rede desportiva que a Maia possui actualmente. CASTÊLO DA MAIA TRI-CAMPEÃO Outro acontecimento de destaque no contexto do desporto maiato, foi a conquista do terceiro campeonato consecutivo da equipa do Castêlo da Maia, no ano de 2003. A equipa de Voleibol masculina conquistou o Tri, frente ao Esmoriz, por três sets a zero. Uma vitória que se juntou ao triunfo na Taça de Portugal. Apesar da superioridade da equipa maiata, o treinador, Luís Resende, afirmou emocionado, que “o jogo teve características de uma verdadeira final”. Foi, sem dúvida, um dia memorável partilhado por muitos que, aproveitando o feriado, quiseram assistir à grande final do campeonato. Associado a esta vitória esteve Bragança Fernandes, Presidente da Câmara da Maia, que compareceu no Pavilhão do Castêlo da Maia Ginásio Clube frisando que “o Castêlo tem grandes atletas e estão todos de parabéns. Três a zero num pavilhão completamente cheio, foi muito bom.” O autarca revelou ainda que estava a planear uma recepção na Câmara Municipal para homenagear estes e outros campeões da Maia. Foi uma vitória merecida, que se destacou pelo desportivismo existentes entre as duas equipas, no final da partida. MAIA: O CENTRO DAS CORRIDAS DE CAVALOS EM PORTUGAL O Concelho da Maia é, hoje em dia, um pólo de atracção e representação das maiores corridas de cavalos em

Portugal. Mas esta tradição já vem de séculos atrás. A freguesia de Silva Escura tem grande importância na Maia como fonte de introdução da modalidade. Depois de décadas de pausa nas actividades hípicas, esta freguesia há cerca de 20 anos, resolveu efectuar a primeira prova em “formato popular”. Sendo a população de índole rural e com grandes devoções aos santos populares, prestava-se a 25 de Março, o culto em frente à capela de Santo António (protector dos animais) a fim de ajudar os cavalos nas provas. Esta freguesia tem demonstrado grande empenho no desenvolvimento da modalidade e um grandes impulsionadores foi Adelino Gomes, figura acarinhada da terra e cujo filho é o único proprietário de cavalos maiatos. Actualmente, a Maia tem já infraestruturas que lhe impõe um grande prestígio ao nível nacional. Desde o Centro Equestre das Maia, fundado a 20 de Abril de 2000, o futuro

se deveu a Manuel Armando Oliveira, maiato de naturalidade e residência, que se tem dedicado nos tempos livres ao crescimento da modalidade, organizando corridas. Em 2002, existiram 21 corridas nas pistas nacionais, e o ano passado 13, não esquecendo a 1ª Taça da Maia no Centro Equestre em 2003. Hoje em dia, a Liga de Cavalos de Corrida (cuja 1ª prova foi em Maio de 2001) tem em prova 400 equinos e até proporciona aos “jockeys” nacionais, a possibilidade de estágios em Inglaterra para estudo e aperfeiçoamento da modalidade. Um dos objectivos desta organização é, sem dúvida, o desenvolvimento da modalidade em Portugal e que, com a introdução das apostas hípicas a nível nacional, poderá ser um grande factor de crescimento social e económico, elevando o n.º de empregos e aumentando fortemente as receitas do Estado.

Hipódromo Municipal da Maia e a Sede da Liga Portuguesa de Criadores e Proprietários de Cavalos de Corrida que também se estabeleceu na Maia, todos são factores de “montra” do crescimento da modalidade no concelho. Para tudo isto ter acontecido, muito

DURÃO BARROSO VISITA A MAIA O primeiro-ministro, Durão Barroso, deslocou-se à Maia no dia 11 de Janeiro de 2004, a fim de inaugurar o empreendimento de habitação Social de Souto de Cima, na freguesia de Santa Maria de Avioso.

MAIA HOJE Sexta-Feira, 27 de Fevereiro de 2004

A visita ao norte do país, abrangeu outras inaugurações em Concelhos da Área Metropolitana do Porto, nomeadamente em V. N. Gaia e Gondomar. O governante, acompanhado do Ministro das Obras Públicas, Transportes e Habitação, Carmona Rodrigues, anunciou no Salão Nobre da Câmara Municipal da Maia o fecho do IC 24 ou Circular Regional Externa do Porto (CREP) para 2007, e a instalação no município maiato do Gabinete de Plataformas Logísticas uma organização de nível nacional que tratará de questões ligadas aos transportes e respectivos Interfaces. Bragança Fernandes não perdeu a oportunidade de apelar ao apoio do chefe de Estado, para alguns projectos da autarquia, “Gostaríamos de ter o centro de Reabilitação do Norte instalado no Campus da Saúde.” Durão Barroso mostrou-se disponível para trabalhar, afirmando mesmo que “Estou consciente da situação específica do Concelho da Maia e da injustiça dos últimos anos. Estou disponível para trabalhar para que a Maia continue a ter o mesmo ritmo de crescimento.” Bragança Fernandes deixou o convite a Durão Barroso, para regressar à Maia, no sentido de presidir à cerimónia de assinatura de um protocolo do Programa Prime, na TECMAIA. Ao que o Maia Hoje conseguiu apurar, o primeiro-ministro aceitou o convite, estando para breve um regresso ao Concelho.

10 RETROSPECTIVA Ministério do Trabalho e da Solidariedade. Guterres gostou do que viu e fez questão de frisar que o importante para ele era o pré-escolar, “Continuo com a obsessão de levar o pré-escolar a todo o país no meu mandato.” Os miúdos também quiseram mostrar serviço, e numa caminhada alegre, fizeram de guia ao primeiro-ministro, mostrando-lhe o local das brincadeiras, a “Quintinha da Criança”. No final, Guterres revelou que a “fasquia da percentagem das crianças a frequentar o pré-escolar subiu desde que iniciou o meu mandato, de 55 para 72%, e só com grande esforço, poderá atingir a média europeia”. Para o ministro da Educação da altura, Augusto Santos Silva, “a educação com qualidade começa com a educação básica”. HOSPITAL DA MAIA: UMA SOLUÇÃO QUE PARECE TER “PERNAS PARA ANDAR” Depois de vários estudos e muitas considerações, o projecto para o Hospital da Maia parece ter agora, finalmente, “pernas par andar”. Mas este projecto teve muitas “nuances” nos anos anteriores. Desde 2000 que se tem feito estudos constantes e debates públicos sobre se seria ou não benéfico para a cidade, a construção de uma unidade hospitalar, ou então, uma espécie de centro de recuperação funcional, idêntica à que existe em Alcoitão.

maioria em terrenos da Reserva Agrícola Nacional, o que permite à Sociedade Gestora a compra dos mesmos por um preço relativamente baixo. A localização situa-se entre o nó da A3 (Porto - Braga) e do IC24, contornando assim a Área Metropolitana do Porto na totalidade. Dispõe também de uma paragem do futuro comboio suburbano da linha do norte, da rede do Metro do Porto e ainda do futuro TGV. I CONGRESSO EUROPEU DE ORGANIZAÇÕES PME NA MAIA A Maia foi o local escolhido para albergar o I Congresso Europeu de Organizações PME. O futuro das pequenas e médias empresas na União Europeia (EU), após o alargamento a 25 países, foi a questão central do certame, que trouxe ao Fórum da Maia figuras como Jacques Santer, vicepresidente do Parlamento Europeu, e João de Deus Pinheiro, Ex-Comissário Europeu. Este evento, organizado pela Confederação Europeia de Independentes (CEDI) e pela Secção portuguesa das PME na união europeia (UEPME Portugal), contou com a presença de representantes de mais de dois milhões de pequenas e médias empresas. A verdade é que a política governamental, seguida no nosso país, foi alvo de fortes críticas neste congresso. Neste sentido, para combater as dificuldades que as PME portuguesas enfrentam “é necessário a criação de um ministério para o sector”, afirmou Augusto Morais, presidente da associação nacional de PME (ANPME). Graças ao número de empresas representadas, este congresso representou uma oportunidade de peso para os empresários portugueses. Jacques Santer, em conferência realizada no Hotel Egatur, e em pequena entrevista ao Maia Hoje, apontou como principal caminho o “ espírito de iniciativa”. INAUGURAÇÃO DA LIPOR II: VALORIZAR O LIXO, VALORIZAR A VIDA...

GUTERRES NA MAIA NA ABERTURA DO ANO ESCOLAR DE 2000 Com o novo ano escolar à porta, o então Primeiro Ministro, António Guterres, visitou a Maia, mais concretamente, o Agrupamento Escolar da Maia. Juntamente com o então Presidente da Câmara e Presidente da Junta da Maia, Vieira de Carvalho e Carlos Teixeira, respectivamente, Guterres visitou as 4 salas de actividades do Jardim, onde também é ministrado o 1º ciclo com 20 turmas. Este espaço encontra-se abrangido pelo novo regime de autonomia, administração e gestão escolar, sendo servidas refeições diárias aos miúdos, com especial atenção para a alimentação efectuada. Toda esta situação é suportada com o apoio da DREN, Câmara Municipal e

Passaram-se 3 anos e em Março de 2003, a Câmara Municipal, a Santa Casa da Misericórdia, o grupo Austríaco Vamed e a InterCare, Gestão Hospitalar, SA, assinaram um protocolo para a execução de um estudo de viabilidade económica para o futuro Hospital. O projecto do Hospital era visto como abrangente, “não só à cidade da Maia, mas também a outras áreas como Valongo, Ermesinde, etc.”, como referia Luciano Gomes, Presidente da Assembleia Municipal. Bragança Fernandes referia a “importância deste protocolo para o concelho da Maia e Norte do País”. Em 2004, surge em plano de destaque a construção do Campus Saúde da Maia, uma solução de desenvolvimento de instalações e equipamentos de saúde a longo prazo. Este complexo será situado na

A Inauguração da Lipor II, situada na Freguesia de Moreira da Maia, realizou-se no dia 3 de Março de 2000.

A cerimónia foi presidida pelo Ministro do Ambiente e Ordenamento do Território de então, José Sócrates, e contou com a presença de Vieira de Carvalho como Presidente da Junta Metropolitana do Porto e da Câmara Municipal da Maia, Joaquim Couto como Governador Civil do Porto e os respectivos autarcas dos oito concelhos abrangidos, com excepção de V. N. Gaia, que não pertence a esta empresa intermunicipal. José Sócrates fez questão de salientar a importância desta obra afirmando mesmo: “A LIPOR surge como uma solução integrada de gestão para valorizar o lixo e, assim, valorizar a vida”. O ex-ministro elogiou também o facto desta obra ter cumprido os prazos e os orçamentos previstos: cerca de 25 milhões de contos. José Vieira de Carvalho classificou a nova central de valorização energética de “um significativo testemunho da capacidade de realização do poder local e do indispensável contributo do mesmo para a qualidade de vida das populações”. Foi, de facto, um acontecimento importante, não só pela presença dos intervenientes de destaque, mas também pela importância da obra em si. É de recordar que a LIPOR queima o lixo indiferenciado de cerca de um milhão de pessoas. INAUGURAÇÃO DA “TORRE LIDADOR” Foi num feriado Municipal, dia de Nossa Senhora do Bom Despacho (9 de Julho de 2001), que a Torre Municipal de Serviços foi inaugurada. A “Torre Lidador” foi concebida para albergar os diversos departamentos da Câmara Municipal da Maia, reforçando a capacidade operacional dos mesmos e proporcionando um atendimento de qualidade aos munícipes. A Torre projectada pelo arquitecto António Machado tem 91 metros, inclui um terraço no topo e um miradouro. Vieira de Carvalho, visivelmente feliz, afirmou, “Tenhamos fé que daqui a algumas gerações, quando esta parte da cidade for já referencia de memórias e de vivência múltiplas para os maiatos do futuro, todo este esforço não seja relembrado como uma inevitabilidade, mas sim como um acto de amor.” E,

RETROSPECTIVA 11 assim, declarou oficialmente inaugurada a “Torre Lidador”.

AS LINHAS QUE ATRAVESSAM A MAIA

LOJA DO MUNÍCIPE Em meados de Maio de 2002, os maiatos passaram a ter à disposição uma mini Loja do Cidadão: A Loja do Munícipe. Numa entrevista ao Maia Hoje, o Vereador da Câmara Municipal da Maia e responsável pela Loja do Munícipe, Domingos da Silva Tiago, explicou para que serve uma loja deste género. Existem três serviços disponibilizados a todos os cidadãos maiatos: o tribunal Arbitral de Consumo, O Gabinete de Informação e Apoio ao Consumidor e o Posto de Atendimento ao cidadão (PAC). Os 100 m2 onde os serviços estão disponíveis são propriedade da Câmara Municipal da Maia. O empreendimento custou cerca de 150 mil Euros. Ainda assim, foi uma aposta ganha, já que assim se disponibiliza a maior quantidade de informação possível (assim como serviços) dentro de uma lógica de proximidade com os munícipes.

METRO NA MAIA É UMA “CERTEZA COM INCERTEZAS” Na altura do arranque do projecto em Junho de 2000, o trajecto correspondente às ruas Dr. Carlos Pires Felgueiras e Padre António eram os únicos com certezas do início das obras. O que não foi de estranhar foram as constantes incertezas que o projecto, até hoje, teve nas mais variadas situações. Em Agosto desse ano, as freguesias de Moreira e V. N. Telha puseram em cima da mesa as vantagens e desvantagens da passagem do Metro do Porto pelas respectivas freguesias. Sobre isso, o então Presidente do Conselho de Administração do Metro, Vieira de Carvalho, considerava o enterramento da via “uma solução do ponto de vista urbano favorável à área, embora todas estas alterações façam com que, daqui a 20 anos, o arruamento seja totalmente secundarizado”. Quanto a Pedras Rubras, o Presidente da Junta de V. N. Telha considera importante que o metro seja subterrâneo, porque “permite o livre trânsito de pessoas à superfície e do trânsito constante”.

As denominadas linhas P (Porto Póvoa) e T (Porto - Trofa) são as linhas que irão percorrer o concelho da Maia para que, como era intenção de Bragança Fernandes, Presidente da Autarquia, “que o Metro seja a realidade da Maia em 2004”. A estas acrescentou-se mais recentemente a linha S, que ligará o Hospital de São João ao Centro da Maia. Quanto à linha P tem 6 estações como a T, que tem um maior percurso. O que não era ainda certo era a situação do canal da linha do comboio que atravessa a Maia e onde não passará o Metro, que poderia ser aproveitada como zona de lazer. O ponto de maior destaque é um ramal de acesso directo ao Aeroporto pela linha P, na zona dos Verdes, entre Crestins e Pedras Rubras que estava nas previsões da obra mas que mais tarde, já em 2003, seria posta de lado, como referiu o então Presidente do Conselho de Administração do Metro, Valentim Loureiro, já que não era “uma

obra importante do ponto de vista operacional e comercial, ficando para depois do EURO 2004”. Para tapar este “buraco”, o então Vice-Presidente da Câmara, Silva Tiago prontificou-se a solucionar o problema com um possível trajecto de autocarro entre o Aeroporto e a futura estação dos Verdes.

José Augusto Maia Marques, surgiu como “uma resposta à necessidade de clarificação da boa parte da população maiata sobre a história da terra da Maia”. O ex-libris da exposição é uma peça encontrada em Alvarelhos, com inscrições que permitem explicar a origem da palavra “ Maia”. Além dos vários ciclos de exposições, o museu serve, também, como um local de pesquisa de informação permanente. A grande aposta do museu parece estar direccionada para o público jovem, “um Museu só se justifica se tiver público e nós queremos apostar no público escolar. Nesse sentido estamos a desenvolver uma “maleta pedagógica” com diversos materiais, tais como CD’S, livros e jogos”, explicou José Augusto Maia Marques. Este Museu assume, assim, um importante papel cultural que assenta, como referiu o Vereador do Pelouro da Cultura, Mário Nunes Neves, na inovação, divertimento e formação. NORTECOOPE - TRICAMPEÕES EM HÓQUEI PATINS FEMININO EM 2003 “Foi, sem dúvida, o mais disputados dos Campeonatos que já efectuei e as minhas jogadoras dizem que foi o mais difícil de sempre”. Foram estas as palavras de José Maia, treinador do Nortecoope, à chegada ao Aeroporto depois da brilhante e muito suada vitória alcançada na Madeira, frente ao Portosantense e que deu o “Tri” às meninas da Maia à 13ª jornada. Paula Castro, capitã da equipa também referiu as dificuldades sentidas, “num pavilhão com um ambiente pesado o que nos dificultou a concentração. Felizmente, com a experiência que temos, ultrapassamos todas as adversidades e acabamos por nos sagrar campeãs”. A festa no aeroporto, que durou madrugada dentro, fez-se sentir por parte dos amigos, adeptos, familiares e até pelo Presidente da Câmara Municipal da Maia.

MAIA HOJE Sexta-Feira, 27 de Fevereiro de 2004

de 2003 como a Padroeira do Concelho da Maia, numa cerimónia realizada pelo Bispo do Porto, D. António Lopes Coelho, na Igreja Matriz. Bragança Fernandes, Presidente da Câmara salientou a importância de Vieira de Carvalho neste acontecimento, “ Era o maior crente e defensor... sempre procurou enaltecer e enriquecer a importância do culto à Nossa Sra. do Bom Despacho”. Este culto já vem do séc. XVII, constituindo uma peça da nossa memória colectiva, elemento do rico património cultural das gentes da Maia e que ainda hoje em dia, atrai milhares de peregrinos. Para a Câmara Municipal, esta procissão e coroação representa “um grande orgulho, podendo ver o sonho transformado em realidade, cumprindo-se a vontade de um Homem e de um Povo há muito desejada”, frisou Bragança Fernandes. Como atracção da festa, a tradicional procissão reuniu milhares de pessoas, o que prova a devoção dos maiatos na Santa Padroeira. A Santa saiu da Igreja de Nossa Sra. do Bom Despacho e esteve parada mais de 30 minutos na Praça Vieira de Carvalho. Não podendo deixar de lado talvez um dos grandes responsáveis pela coroação da Santa, o Maia Hoje esteve à conversa com o Domingos Jorge. O Padre realçou a coroação como “um grande comunhão e união das gentes da Maia” e espera que este acontecimento venha “a quebrar s barreiras entre paróquias”. CÂMARA E PARQUE EXPO CELEBRAM CONTRATO PARA O PARQUE MAIOR No dia 25 de Novembro de 2002, em pleno Salão Nobre dos Paços do Concelho, foi assinado o documento que dá o primeiro passo para a edificação do novo centro direccional maiato, projecto pertencente ao Arq. Souto Moura. A Câmara pretende valorizar o tecido urbano, transformando o centro da cidade num manto verde, “integrando serviços e

MUSEU MUNICIPAL DA MAIA: “INOVAÇÃO, DIVERTIMENTO E FORMAÇÃO” A 18 de Maio de 2000 foi apresentado o Museu Municipal da Maia, numa sessão realizada na Cripta da Igreja de Santa Maria de Avioso. Na altura, a abertura do mesmo estava prevista para 7 de Setembro desse ano, contudo esta só viria a acontecer a 24 de Agosto do ano seguinte. Após cerca de dois anos de obras, o projecto da arquitecta Municipal, Susana Carvalho, tornou-se, assim, uma realidade. O Museu de História e Etnologia da Terra da Maia, situado na Vila do Castêlo da Maia, abriu com uma exposição, cujo tema foi precisamente a história da terra da Maia. Esta exposição teve mais ou menos a duração de um ano e, segundo

NOSSA SENHORA DO BOM DESPACHO - PADROEIRA DO CONCELHO DA MAIA Já Vieira de Carvalho aspirava a esta coroação, a que infelizmente, não pôde assistir. A N. Sra. do Bom Despacho foi coroada no dia 7 de Julho

comércio com qualidade de vida”, afirmou Pedro Neves, director e coordenador do projecto. Já o vicepresidente, Silva Tiago, pretende “um grande Parque da Cidade com habitação de qualidade e um espaço público de bom gosto. É uma renovação urbana que pretendemos

MAIA HOJE Sexta-Feira, 27 de Fevereiro de 2004

que continue”. A Parque Expo, apostando numa nova centralidade na Área Metropolitana do Porto, e o Secretário de Estado da Habitação, Magalhães da Costa, no redirecionamento na área da habitação e reabilitação urbana, são os aliados deste projecto. Num investimento de 150 milhões de euros, somente 831 mil euros são pagos pela Câmara à Parque Expo pelos serviços prestados. O resto, será angariado junto de investidores privados, onde se farão um volume de negócios de 30 milhões de euros (investimento directo) e o dobro em investimento indirecto. As áreas compreendidas pela obra são o Bairro do Sobreiro e a Quinta da Laje, sendo o projecto de 5 fases com duração de 20 anos. A construção de um parque urbano equipado, a revisão da rede viária e das infra-estruturas e a reformulação da Rua Eng.º Duarte Pacheco, não esquecendo a zona de equipamentos desportivos e a demolição de infraestruturas na zona escolar, são outros objectivos a merecer atenção pelas entidades no futuro próximo.

12 RETROSPECTIVA S. Martinho de 2001. Vieira de Carvalho, acompanhado de outras figuras do Concelho, inaugurou cerca de 36 mil m2 de área verde. Neste parque existe um lago, um parque infantil e um salão de chá, entre outras atracções. Avaliado em 350 mil contos, o projecto do arquitecto João Álvaro Rocha atingiu um dos objectivos da Câmara municipal da Maia: oferecer uma maior qualidade de vida aos cidadãos. A inauguração deste parque foi, na opinião do Vereador do Pelouro do Ambiente, Silva Tiago, “o virar de uma página, um novo ciclo de sustentabilidade e de consolidação do desenvolvimento, no que concerne a áreas verdes, da qual a Maia, um dia, irá também ser líder”.

era o Secretário de Estado do Desporto da altura, Vasco Lynce, que se mostrou surpreendido e extremamente satisfeito pela obra, considerando-a “um complexo que orgulha qualquer país e o nosso acima de tudo. É um investimento importante para as actividades gímnicas de apoio à Associação de Ginástica do Norte e à Federação Portuguesa de Ginástica que não tinham nada disto”. Quanto a Bragança Fernandes, disse que estava “satisfeito não só pela Gala Internacional ser na Maia mas por ser num pavilhão desta envergadura, um evento mundial que nos ficam muito bem”. Constatou ainda que o complexo “irá ser de grande divulgação da ginástica e de promoção da formação da modalidade,

SIMULACRO NA MAIA “ESTAMOS PRONTOS PARA TUDO”

PARQUE CENTRAL DA MAIA A EMEM, entidade que regula e administra o parqueamento automóvel da cidade da Maia, abriu, em Janeiro de 2001, as portas do Parque Central 1, situado nas traseiras do Centro Comercial Venepor. São cerca de 800 lugares, divididos por 6 pisos que estão disponíveis à população maiata. O Parque tem vigilância permanente e tem “como objectivo melhorar a situação do trânsito no centro da cidade e, neste momento, satisfaz largamente as necessidades da população”, referiu Nelson Ferraz, Director Executivo da EMEM. O Parque teve um custo que rondou os 10 milhões de Euros, suportados, na maioria, pela Câmara Municipal da Maia. O horário de funcionamento diário é das 7 às 24 horas e aos Domingos abre às 8 horas e fecha igualmente às 24. Os tarifários aplicados foram “fundamentados nas tabelas que se praticam por este país fora, existem tabelas mais baratas, outras semelhantes e, por fim, outras mais caras. Aqui procuramos o valor intermédio”, afirmou Nelson Ferraz. O utente pode pagar na caixa automática ou numa outra, que dispõe de funcionário. Existe ainda “o crédiparque”, cartão que qualquer utente pode adquirir se utilizar bastante as instalações do parque: “Por exemplo se comprar um cartão com 15 euros, a EMEM oferece-lhe 10% de desconto”, elucidou o Director Executivo da Empresa Municipal de Estacionamento. No primeiro dia, Nelson Ferraz passou grande parte do tempo no interior do parque a coordenar as operações e, quanto aos resultados, mostrou-se bastante “satisfeito”. PARQUE URBANO DE MOUTIDOS O Parque Urbano de Moutidos, em Águas Santas, foi inaugurado no dia de

Sampaio, António Guterres, Almeida Santos, A Rainha Beatriz da Holanda, Teresa Lago e o Presidente da Câmara do Porto. A Orquestra Nacional do Porto, sob a direcção de Marc Tardue, abrilhantou ainda mais a noite, brindando cerca de três mil pessoas. No Coliseu, a assistir ao espectáculos, estiveram mais convidados especiais: José Maria carrilho, Jaime Gama, Luís Filipe Menezes e Narciso Miranda. Outro ponto alto da abertura oficial do porto 2001 foi a inauguração da exposição “ In the Rough”, no Museu de Arte Contemporânea, pela rainha Beatriz de Holanda. Não se pode negar que o evento trouxe benefícios para a invicta, em particular, e para o país, em geral. Contudo, O Porto 2001 foi por muitos considerado um relativo insucesso. Episódios como o da Casa da Música são exemplos disso mesmo.

PAVILHÃO MUNICIPAL DE GINÁSTICA: UMA GRANDE APOSTA PARA A PRÁTICA DA MODALIDADE Num espaço de 2000 metros quadrados, divididos em 3 zonas distintas onde se poderá fazer aeróbica, step, ginástica para bebés e localizada, ginástica Rítmica Desportiva e Acrobática entre outras, o Complexo de Ginástica abriu as portas a 29 de Março de 2000. A visita guiada pelo Presidente da Câmara Municipal da Maia da altura, Vieira de Carvalho, o Vereador do Desporto de então, Bragança Fernandes e o Coordenador do Desporto, José Pedrosa, ao maior espaço construído para a prática da modalidade na Península Ibérica e também um dos maiores a nível europeu, foi acompanhada pelo Maia Hoje. Num investimento de 400 mil contos comparticipados pela União Europeia, Vieira de Carvalho referiu que “isto já é habitual acontecer no nosso país, é uma espécie de render o peixe... Mas, não obstando esta situação, este é um complexo de nível europeu e dá-me grande satisfação.” O DIA DA INAUGURAÇÃO Dois dias mais tarde, a 31 de Março, num ambiente de festa e cor, o Complexo recebeu alguns dos melhores ginastas mundiais na Gala Internacional da modalidade, como o Campeão de Espanha, Jesus Carballo, a Vice-Campeã Mundial, Vyctoria Karpenko da Ucrânia, entre outros. Um dos muitos vip’s da celebração

com disponibilidade para todas as escolas do Município.” PORTO 2001: CAPITAL EUROPEIA DE CULTURA Não se pode tentar compilar os momentos mais significativos dos últimos quatro anos, sem dar destaque à Porto 2001. Em Novembro de 2000 foi apresentado, no auditório da Casa de Serralves, o programa Cultural para a Porto 2001, Capital Europeia da Cultura. Várias personalidades ligadas ao evento estiveram presentes, tais como Teresa Lago, Manuela de Melo, Nuno Cardoso e o maiato Pedro Burmester. Na altura, Teresa Lago destacou que estariam previstos cerca de 450 eventos e mais de mil apresentações durante 2001. Já Manuela de Melo, administradora responsável pela programação cultural, destacou o trabalho desenvolvido pelos programadores ligados ao evento. Nuno Cardoso afirmou que “o objectivo do Porto 2001 é uma reflexão sobre a cidade”. O Ministro da Cultura de então, José Sasportes, deu os parabéns ao Porto, afirmando mesmo que “vendo todo este desenvolvimento estou a pensar em mudar o ministério para cá”. ABERTURA OFICIAL Foi no dia 13 de Janeiro de 2001 que se realizou a abertura oficial da Capital Europeia da Cultura. A cerimónia contou com a presença de várias figuras ilustres. Entre elas Jorge

Em Junho de 2001 realizou-se, na Maia, um mega simulacro que teve como principal objectivo testar as capacidades de resposta, em situações de catástrofe. Para isso, simulou-se a queda de um avião em pleno tecido urbano. No local onde o suposto avião viria a cair estavam cerca de 15 mil pessoas. Por volta das 22 horas, ouviuse na instalação sonora da organização o som de um avião e, de imediato, efeitos pirotécnicos colocados nos edifícios vizinhos davam a ideia que estavam a arder. A primeira viatura demorou cerca de quatro minutos a chegar ao local, e era dos Bombeiros de Moreira. O ponto alto deu-se com a chegada do helicóptero do Serviço Nacional de Bombeiros, que se acercou do edifício Visconde de Barreiros e evacuou do local três pessoas que estavam cercadas pelo fogo. Os populares que assistiram ao simulacro demonstraram-se bastante satisfeitos com o que viram. Fernandes Vieira, de 34 anos, afirmou mesmo, “Estamos prontos para tudo”. No final, registaram-se 112 mortos e 58 feridos, mas... era tudo a brincar! TECMAIA - UM FORTE PÓLO EMPRESARIAL DO NORTE DO PAÍS Com capital maioritário da Câmara Municipal, o Parque da Ciência e Tecnologia da Maia albergava 14 empresas e cerca de 200 funcionários, numa obra de capital importância para o desenvolvimento cientifico e tecnológico do Concelho da Maia. A TECMAIA está situada entre o nó das Guardeiras (EN 13) e o nó do Castelo da Maia (EN 14) e dispondo de acessos privilegiados à cidade do Porto (10 Kms), do Aeroporto (7 Kms), do Porto de Leixões (15 Kms), ocupando um total de 101.000 metros quadrados, divididos em duas parcelas. De todo o espaço, só 64 mil metros é que se encontram ocupados pelos sete edifícios e equipamentos de apoio, ficando os restantes 28 mil metros como espaço livre, estando previstos no PDM como área de potencial expansão.

PUBLICIDADE 13

MAIA HOJE Sexta-Feira, 27 de Fevereiro de 2004

MAIA HOJE Sexta-Feira, 27 de Fevereiro de 2004

O director geral do TECMAIA, António Tavares definiu este espaço como “uma infra-estrutura hospedeira de actividades inovadoras e de base tecnológica num ambiente que privilegia os serviços de apoio às empresas, a qualidade de vivência e ambiental”. O Presidente do Conselho de Administração da altura, Vieira de Carvalho, na apresentação do evento a 10 de Dezembro de 2001, considerou esta infra-estrutura “uma aposta de risco que foi ganha e um verdadeiro sucesso entre instituições públicas e privadas”. MAIA: TALISMÃ DO TÉNIS NACIONAL A Maia tem vindo a fazer, nos últimos anos, uma forte aposta no desporto. As consequências dessa aposta são visíveis em todas as modalidades, nomeadamente no ténis. Em Outubro de 2000, o Complexo Municipal de Ténis da Maia foi palco de uma das melhores exibições da história do ténis nacional: Portugal venceu a África do Sul na terceira eliminatória do Grupo I para a Taça Davis. José Vilela, “capitão” da Selecção Nacional, fez questão de agradecer o apoio da Câmara Municipal da Maia, bem como congratular todos os atletas em competição que venceram “ grandes jogadores”. O Vereador Municipal do Pelouro do Desporto nessa altura, Bragança Fernandes, também saudou o conjunto nacional pela vitória alcançada. Após dois anos, o ténis maiato voltou à ribalta. Leonardo Tavares foi chamado à Selecção Nacional. O jovem atleta iniciou a carreira no Centro de Alto Rendimento da Maia. Actualmente é o nº1 Português e um dos maiores jogadores do mundo no escalão a que pertence. Nas vésperas da partida da selecção para a Bielorússia, realizou-se uma cerimónia de despedida a esta referência do ténis nacional. Leonardo Tavares agradeceu o apoio da Câmara Municipal da Maia, ao que Bragança Fernandes respondeu “É um jovem de muito prestígio”. TORTA DE 150 METROS EM PLENO ESTÁDIO MUNICIPAL No dia 22 de Junho de 2000, a Associação de Pais das Escolas de Gemunde organizou a “brincadeira” de juntar centenas de crianças da Maia em pleno relvado do Estádio Prof. Vieira de Carvalho e, juntamente com a confeitaria S. Marcos de Pedras Rubras, confeccionarem um torta de 150 metros. Esta torta tem também “o objectivo de entrar no Guiness”, como referiu Fernando Barbosa, pasteleiro da confeitaria, “mas senão for conseguido o recorde, o principal motivo era festejar o fim do ano lectivo e fazer um convívio com estas crianças”. O Maia Hoje, assim como fez questão de divulgar uma festa anterior com um torta de 17 metros em 99, realçou o acontecimento. Eram entre 1500 a 2000 crianças numa festa agradável (assim como o dia) e que começou com a actuação da Tuna Feminina do ISMAI e

14 RETROSPECTIVA com espectáculos para os miúdos, que ocuparam toda a tarde. Quando chegou a hora do lanche, a torta desapareceu em minutos e foi elogiada por todos. Jorge Soares, também ele pasteleiro, regozijava o facto de todos terem gostado da torta: “Foi difícil chegar ao fim, éramos 16, entre pasteleiros e ajudantes, mas tudo correu bem”. O Vice-Presidente da Câmara, Bragança Fernandes, elogiou a iniciativa porque “a importância de reunir centenas de crianças de freguesias do Concelho é salutar”. Mas os destinatários eram as crianças e, por exemplo, a Sofia, aluna da EB 1 da Bajouca disse que “a torta estava muito boa, gostei muito”. Não sabendo se no ano seguinte a iniciativa seria repetida, a Sofia fez um pedido, “Gostava que fosse Bolo de Morango, é o meu preferido”. TRANSPORTES URBANOS DA MAIA: LOTAÇÃO ESGOTADA A administração dos Transportes Urbanos da Maia (TUM) iniciou, em Dezembro de 2001, a carreira em moldes regulares entre Vilar de Luz e Vila Nova da Telha. Vilar de Luz, em Folgosa, foi o lugar escolhido para “embarcar” nesta viagem inaugural dos TUM. Estes transportes vieram colmatar uma falha neste sector, já que as terras do lidador há muito que careciam de transportes municipais. A população mostrou-se bastante receptiva à novidade, até porque esta em muito lhes viria a facilitar a vida quotidiana. Foi, sem dúvida, uma viagem muito concorrida. O executivo camarário e vários candidatos da coligação PSD/CDSPP às Assembleias de Freguesia nas eleições da altura, não quiserem faltar e, com a presença dos jornalistas, verificou-se mesmo uma “Lotação Esgotada”. Desde então esta continua a ser a única carreira assegurada pelos TUM. VIA DIAGONAL É UMA REALIDADE Como algumas das obras do nosso País, a Via Diagonal, inaugurada a 8 de Setembro de 2002, foi aberta ao trânsito três semanas antes. O Presidente da Câmara da Maia, Bragança Fernandes, o Governador Civil do Porto, Manuel Moreira, o Presidente da Assembleia Municipal, Luciano Gomes e autarcas de várias freguesias, assistiram à cerimónia debaixo de chuva intensa. Esta via tem 2300 metros e passa por Santa Maria de Avioso, Gondim, Silva Escura e Folgosa e procura reduzir o tempo das deslocações e facilitar o acesso às zonas industriais (I e II) da Maia. Bragança Fernandes referiu que esta inauguração “é um acto de dedicação e amor para todos nós e para as gerações futuras, liderado pela Câmara e pelo saudoso Prof. Vieira de Carvalho”. O Governador Civil, Manuel Moreira, concordou e afirmou que a obra “estava a ser abençoada pela chuva” e felicitou o município “pela infra-estrutura, pelo progresso de uma cidade virada para o futuro como era intenção da figura ímpar, cidadão, empreendedor e autarca Prof. Vieira de Carvalho”. Para finalizar a inauguração, Bragança Fernandes deu o exemplo e

experimentou mais uma vez o trajecto no seu automóvel, ao qual muita gente não ficou indiferente.

Maia, assim como em todas as viaturas da Cruz vermelha. Foi declarado luto municipal.

VIEIRA DE CARVALHO IMORTALIZADO

Após um ano do desaparecimento do saudoso presidente maiato, foi construída uma estátua de corpo inteiro em plena praça do município, que passou a designar-se “Praça Vieira de Carvalho”. A estátua de bronze, da autoria do escultor Pedro Cabrita Reis, foi descerrada pelo Ministro-Adjunto do Primeiro Ministro, José Luís Arnaut e por Bragança Fernandes. Para além de várias centenas de maiatos, estiveram também presentes Fernando Ruas, Presidente da Associação Nacional de Municípios, Valentim Loureiro, Presidente da Junta Metropolitana do Porto e da Câmara de Gondomar, D. Manuel Martins, antigo bispo de Setúbal, e muitos outros. Vieira de Carvalho ficou, assim, imortalizado.

Nascido a 18 de Abril de 1938, no Concelho da Maia, Vieira de Carvalho foi, sem dúvida, uma das figuras mais emblemáticas do Concelho e não só. Após ter concluído o curso de Ciências Históricas e Filosofia na Universidade Clássica de Lisboa, iniciou a actividade profissional como chefe da secção Psicotécnica, passando depois a Director de Instrução e Chefe do Gabinete de Estudos do Centro de Estudos Psicotécnicos do Exército. No ano de 1966 iniciou funções como docente na Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Desde Fevereiro de 1970 a Julho de 1974, em conjunto com as funções de docente na Faculdade de Letras, foi designado Presidente da Câmara Municipal da Maia. Em 1979 foi novamente designado para o cargo, mas agora por eleição para o triénio 1980/82. Foi reeleito seis vezes. Teve, então, vastíssimas vitórias no contexto político português. Mais recentemente, foi Vice-Presidente da Mesa do Congresso e do Conselho Geral e da Assembleia Nacional de Municípios Portugueses, Vice-Presidente e Presidente da Junta Metropolitana do Porto e Presidente da Empresa do Metro do Porto. Foi, também, membro designado do Comité das Regiões da União Europeia. Vieira de Carvalho foi, sobretudo, um homem de índole social. Entre outras funções, foi Provedor da Santa Casa da Misericórdia, Presidente da Assembleia Geral dos Bombeiros Voluntários de Moreira da Maia e sócio de mais de sessenta Associações Culturais, Humanitárias, Recreativas e Desportivas da Maia e da região norte do país. Aos 64 anos faleceu subitamente, vítima de um problema cardíaco. A saúde do autarca da Maia tinha vindo, nos últimos anos, a registar um acentuado declínio. O derradeiro adeus a Vieira de Carvalho decorreu no dia 3 de Junho de 2002. Foram inúmeras as pessoas que quiseram prestar uma última homenagem ao “construtor da Maia”. Longas faixas pretas foram colocadas na entrada da Câmara Municipal da

WORLD PRESS PHOTO CHEGA À MAIA A inauguração da Edição 2001 da World Press Photo, realizada no Fórum da Maia, trouxe à terras do lidador diversas personalidades ligadas ao fotojornalismo. O Vice-presidente da Câmara Municipal da Maia, Bragança Fernandes e o Vereador do Pelouro da Cultura, Mário Nuno Neves, também marcaram presença. O Comissário da World Press Photo Foundation, Kari Lundelin, mostrou-se bastante satisfeito com o local escolhido para a realização desta exposição, afirmando mesmo a possibilidade de voltar à Maia para as edições seguintes da exposição. A edição de 2001 da World Press Photo foi composta por 207 fotografias, subordinadas a temas de interesse mundial, como: Guerras, Fome, Desastres Ecológicos, Conflitos Étnicos e Religiosos, Repressão e Opressão, entre outros. Entre os Fotojornalistas presentes estiveram: Paulo Duarte, Paulo Santos, Fernando Veludo e Rui Xavier, vencedor do “ Prémio Visão” de Fotojornalismo. Um exposição desta natureza não se resume, apenas, à população da Maia, assim sendo, tem atractivos suficientes para trazer público de toda a Área metropolitana do Porto. Esta iniciativa inédita, acabou por se vir a repetir nos anos seguintes.

PUBLICIDADE 15

MAIA HOJE Sexta-Feira, 27 de Fevereiro de 2004

Jornal Maia Hoje Edição nº 100 • 27 de Fevereiro de 2004

Jornal Maia Hoje Edição nº 100 • 27 de Fevereiro de 2004

SONAE - SGPS, S.A.

SONAE - SGPS, S.A.

Sede: Lugar do Espido, Via Norte, Maia Capital social: 2.000.000.000 Euros Matriculada na C.R.C da Maia sob o n.º 14168 Pessoa colectiva n.º 500 273 170 Sociedade Aberta

Sede: Lugar do Espido, Via Norte, Maia Capital social: 2.000.000.000 Euros Matriculada na C.R.C da Maia sob o n.º 14168 Pessoa colectiva n.º 500 273 170 Sociedade Aberta

ASSEMBLEIA GERAL ANUAL

Obrigações Sonae Investimentos/97 ASSEMBLEIA GERAL DE OBRIGACIONISTAS

AVISO CONVOCATÓRIO Nos termos da Lei e dos estatutos convoca-se os senhores Accionistas da sociedade para a reunião da Assembleia Geral Anual, a realizar-se no próximo dia 31 de Março de 2004, pelas 11 horas, na sede social, com a seguinte ordem do dia: 1 - Discutir e deliberar sobre o Relatório de Gestão, balanço e contas relativos ao exercício de 2003; 2 - Discutir e deliberar sobre o Relatório de Gestão, balanço e contas, consolidados, relativos ao exercício de 2003; 3 - Deliberar sobre a proposta de aplicação de resultados do exercício; 4 - Proceder à apreciação geral da administração e fiscalização da sociedade; 5 - Deliberar sobre o alargamento do número de membros do Conselho de Administração e preenchimento dos respectivos lugares; 6 - Deliberar sobre a aquisição e alienação de acções próprias até ao limite legal, nos termos dos artigos 319º e 320º do Código das Sociedades Comerciais; 7 - Deliberar sobre a aquisição e alienação de obrigações próprias até ao limite legal, nos termos do artigo 354º do Código das Sociedades Comerciais; 8 - Deliberar sobre a aquisição e ou detenção de acções representativas do capital social desta sociedade, por sociedades dela dependentes, nos termos do artigo 325º-B do Código das Sociedades Comerciais; 9 - Deliberar autorizar a atribuição de acções próprias para quadros da sociedade ou de suas dominadas. Ficam à disposição dos Srs. Accionistas, para consulta na sede social, durante as horas de expediente, a partir do dia 16 de Março de 2004, os elementos constantes do artigo 289º do Código das Sociedades Comerciais. Advertem-se os Srs. Accionistas que: a) As acções representativas do capital da sociedade estão submetidas à forma escritural, pelo que, nos termos do n.º 3 do Art.º 50.º do Código de Valores Mobiliários, apenas podem participar na Assembleia, bem como exercer quaisquer direitos inerentes à titularidade das acções, os accionistas que tenham procedido à conversão daqueles valores mobiliários, devendo a prova da sua titularidade ser comunicada à sociedade através de carta emitida por intermediário financeiro, que dê entrada na sociedade pelo menos oito dias antes da data da realização da Assembleia; b) A cada grupo de mil acções corresponde um voto, tendo os accionistas tantos votos quanto os correspondentes à parte inteira que resultar da divisão por mil do número de acções que possuam, sem qualquer limite; c) Os accionistas que sejam pessoas singulares poderão fazer-se representar nas reuniões da Assembleia Geral por cônjuge, ascendente ou descendente, administrador ou outro accionista, mediante carta dirigida ao presidente da mesa que indique o nome, domicilio do representante e data da assembleia; d) As pessoas colectivas far-se-ão representar pela pessoa que para o efeito designarem através de carta cuja autenticidade será apreciada pelo Presidente da Mesa; e) Os accionistas poderão votar por correspondência, no que se refere exclusivamente à alteração do contrato social e à eleição dos órgãos sociais; f) Só serão considerados os votos por correspondência, desde que recebidos na sede da sociedade, por meio de carta registada com aviso de recepção dirigida ao Presidente da Mesa da Assembleia Geral, com pelo menos três dias de antecedência em relação à data da Assembleia, sem prejuízo da obrigatoriedade da prova da qualidade de accionista, nos termos e prazo previstos na alínea a); g) A declaração de voto deverá ser assinada pelo titular das acções ou pelo seu representante legal, devendo o accionista, se pessoa singular, acompanhar a declaração de cópia autenticada do seu bilhete de identidade, se pessoa colectiva, deverá a assinatura ser reconhecida notarialmente na qualidade e com poderes para o acto; h) Só serão consideradas válidas as declarações de voto de onde conste de forma expressa e inequívoca: 1) a indicação do ponto ou pontos da ordem de trabalhos a que respeita, 2) a proposta concreta a que se destina, com indicação do ou dos proponentes, 3) a indicação precisa e incondicional do sentido de voto para cada proposta, bem como se o mesmo se mantém caso a proposta venha a ser alterada pelo proponente; i) Não obstante o disposto no número 2) da alínea anterior, é permitido a um accionista que envie declaração de voto relativamente a certa proposta, declarar que vota contra todas as demais propostas no mesmo ponto da ordem de trabalhos, sem outras especificações; j) Entender-se-á que os accionistas que enviem declarações de voto por correspondência se abstêm na votação das propostas que não sejam objecto dessas declarações; l) Não obstante o disposto no número 3) da alínea h), pode o accionista condicionar o sentido de voto para certa proposta à aprovação ou rejeição de outra, no âmbito do mesmo ponto da ordem de trabalhos; m) Compete ao Presidente da Mesa da Assembleia Geral, ou ao seu substituto, verificar da conformidade das declarações de voto por correspondência, valendo como não emitidos os votos correspondentes às declarações não aceites. A Assembleia Geral poderá funcionar em primeira reunião desde que se encontrem presentes ou representados accionistas possuidores de acções que titulem mais de cinquenta por cento do capital social. Se a Assembleia não puder reunir-se na data marcada, desde já fica fixado o dia 19 de Abril de 2004, à mesma hora e no mesmo local para realização da mesma assembleia de accionistas, podendo então a Assembleia reunir seja qual for a percentagem do capital representado. Maia, 10 de Fevereiro de 2004 O Presidente da Mesa da Assembleia Geral, (Dr. Carlos Osório de Castro)

CONVOCATÓRIA Nos termos do artigo 355º do Código das Sociedades Comerciais, convocam-se os Senhores Obrigacionistas que sejam titulares de obrigações Sonae Investimentos/97, para reunirem em Assembleia Geral de Obrigacionistas, no próximo dia 31 de Março de 2004, pelas 12 horas 30m, na sede social, com a seguinte ordem de trabalhos: 1 - Nomeação do representante comum dos obrigacionistas. 2 - Deliberar, nos termos da alínea b) do nº 4 e do nº 7 do artigo 355º do Código das Sociedades Comerciais, sobre a modificação das condições dos créditos dos obrigacionistas, conforme proposta da emitente que se transcreve: “Nos termos do nº 4, alínea b) do artigo 355º do Código das sociedades Comerciais, propõe-se que se delibere alterar as condições dos créditos dos obrigacionistas titulares de Obrigações Sonae Investimentos/97 através das seguintes modificações a introduzir na ficha técnica em vigor: 1º- Alteração da redacção da cláusula 10ª-Taxa de juro do 14º cupão para “Correspondente à taxa EURIBOR para prazos de 6 meses, divulgada nas páginas da REUTERS, em vigor no penúltimo dia útil TARGET anterior ao 1º dia de cada período de contagem de juros, acrescida de 1,17%” e dos cupões 15º e seguintes para “Correspondente à taxa EURIBOR para prazos de 6 meses, divulgada nas páginas da REUTERS, em vigor no penúltimo dia útil TARGET anterior ao 1º dia de cada período de contagem de juros, acrescida de 1,22%” 2º- Eliminação da cláusula 13ª “Reembolso antecipado, Call-Option e Put-Option”. Observações: A cada obrigação corresponde um voto; - A deliberação em causa deve ser aprovada por metade dos votos correspondentes a todos os obrigacionistas, na primeira data fixada, ou, na segunda data fixada, por dois terços dos votos emitidos e vincula os obrigacionistas ausentes ou discordantes; - Os obrigacionistas devem fazer prova, até à data da Assembleia, na sede da sociedade, da qualidade de obrigacionistas e do número de obrigações de que são titulares; e - Qualquer obrigacionista pode fazer-se representar por mandatário, por meio de carta dirigida ao presidente da assembleia, com a anotação, pelo signatário, do número, data e entidade emitente do bilhete de identidade, ou, tratando-se de pessoa colectiva, com a assinatura reconhecida por notário. Se a Assembleia não puder reunir-se na data marcada, desde já fica fixado o dia 19 de Abril de 2004, à mesma hora e no mesmo local para realização da mesma Assembleia, podendo então a Assembleia reunir seja qual for a percentagem de votos representados. Maia, 10 de Fevereiro de 2004 O Presidente da Mesa da Assembleia Geral, (Dr. Carlos Osório de Castro)

MAIA HOJE Sexta-Feira, 27 de Fevereiro de 2004

16 100 EDIÇÕES

1

5 de Fevereiro 2000

2

26 de Fevereiro 2000

11

8 de Julho 2000

12

21

11 de Maio 2001

25 de Maio 2001

26 de Outubro 2001

25

9 de Fevereiro 2001

34

22 de Junho 2001

43

9 de Novembro 2001

9 de Setembro 2000

26 de Janeiro 2001

8 de Junho 2001

15

24

33

42

8 de Abril 2000

26 de Agosto 2000

12 de Janeiro 2001

5

14

23

32

41

25 de Março 2000

12 de Agosto 2000

23 de Dezembro 2000

4

13

22

31

12 de Outubro 2001

11 de Março 2000

22 de Julho 2000

9 de Dezembro 2000

3

35

13 de Julho 2001

44

23 de Novembro 2001

45

7 de Dezembro 2001

100 EDIÇÕES 17 6

22 de Abril 2000

7

13 de Maio 2000

16

23 de Setembro 2000

17

26

27 de Julho 2001

10 de Agosto 2001

21 de Dezembro 2001

30

27 de Abril 2001

39

14 de Setembro 2001

48

11 de Janeiro 2002

25 de Novembro 2000

13 de Abril 2001

24 de Agosto 2001

20

29

38

47

24 de Junho 2000

11 de Novembro 2000

23 de Março 2001

10

19

28

37

46

10 de Junho 2000

28 de Outubro 2000

9 de Março 2001

9

18

27

36

14 de Dezembro 2001

27 de Maio 2000

14 de Outubro 2000

23 de Fevereiro 2001

8

MAIA HOJE Sexta-Feira, 27 de Fevereiro de 2004

40

28 de Setembro 2001

49

25 de Janeiro 2002

50

8 de Fevereiro 2002

MAIA HOJE Sexta-Feira, 27 de Fevereiro de 2004

18 100 EDIÇÕES

51

22 de Fevereiro 2002

52

8 de Março 2002

61

12 de Julho 2002

62

71

9 de Maio 2003

23 de Maio 2003

25 de Outubro 2003

75

14 de Fevereiro 2003

84

27 de Junho 2003

93

14 de Novembro 2003

13 de Setembro 2002

24 de Janeiro 2003

13 de Junho 2003

65

74

83

92

26 de Abril 2002

23 de Agosto 2002

10 de Janeiro 2003

55

64

73

82

91

12 de Abril 2002

9 de Agosto 2002

20 de Dezembro 2002

54

63

72

81

10 de Outubro 2003

22 de Março 2002

26 de Julho 2002

6 de Dezembro 2002

53

85

11 de Julho 2003

94

28 de Novembro 2003

95

12 de Dezembro 2003

100 EDIÇÕES 19 56

10 de Maio 2002

57

24 de Maio 2002

66

27 de Setembro 2002

67

76

25 de Julho 2003

8 de Agosto 2003

9 de Janeiro 2004

80

25 de Abril 2003

89

12 de Setembro 2003

98

23 de Janeiro 2004

22 de Novembro 2002

11de Abril 2003

22 de Agosto 2003

70

79

88

97

28 de Junho 2002

8 de Novembro 2002

28 de Março 2003

60

69

78

87

96

14 de Junho 2002

25 de Outubro 2002

14 de Março 2003

59

68

77

86

19 de Dezembro 2003

3 de Junho 2002

11 de Outubro 2002

28 de Fevereiro 2003

58

MAIA HOJE Sexta-Feira, 27 de Fevereiro de 2004

90

26 de Setembro 2003

99

13 de Fevereiro 2004

100

27 de Fevereiro 2004

PUBLICIDADE 20

MAIA HOJE Sexta-Feira, 27 de Fevereiro de 2004

FREGUESIAS 15 positivo

Outro dos pontos altos de Barca é a sua Igreja ladeada pelo cemitério.

positivo

Ao lado do Jumbo da Maia nasceu um pólo de atracção com lojas e restaurantes abertos até tarde. Pena é que os acessos não tenham melhor visibilidade e qualidade.

positivo

positivo

Ainda assim, é de louvar o investimento feito.

Por Barca passa também a EN 14, uma das principais vias do Concelho, que liga a Maia ao Porto, a Sul, e à Trofa, a Norte.

positivo

O Polidesportivo de Barca já se encontrava aberto, depois de na anterior edição do Maia Hoje termos dado conta do seu encerramento quase permanente, desde há meses para cá.

negativo

No final da rua Eng. Duarte Pacheco, já a chegar ao acesso à EN 14, o estacionamento selvagem prejudica a circulação.

negativo

Quase em frente à estrutura frequentada por crianças, esta área em desratização merecia um melhor cuidado na sua vedação.

negativo

negativo

Na final da Rua Aquilino Ribeiro pouco efeito tem este sinal indicativo.

maiahoje

Na Rua da Gandarela encontramos um cenário deplorável. Uma lixeira a céu aberto e ainda por cima em chamas. Os populares queixam-se dos maus cheiros e até dos ratos que invadem as habitações. Sexta-Feira, 27 de Fevereiro de 2004

16 FREGUESIAS

maiahoje VILA NOVA DA TELHA

HOTEL PEDRAS RUBRAS

Perto de tudo

Com cerca de mês e meio de existência, o Hotel Pedras Rubras prima pela localização junto ao Aeroporto Sá Carneiro e a dois passos da IC1, pelo design moderno e prático, para além da adopção de alguns serviços inovadores. O Maia Hoje foi ver como surge este hotel quatro estrelas, numa zona que, curiosamente, no início iria albergar armazéns. Alberto Diniz, venezuelano de origem, conta como nasceu a ideia de construir um hotel junto ao Aeroporto de Pedras Rubras, «o projecto surgiu através do conhecimento entre o meu pai e o senhor Sousa Barbeiro que era dono deste terreno. Começaram a falar e surgiu a ideia de fazer um hotel aqui, já que no início estava planeado construir armazéns. Ele gostou da ideia e foi assim que surgiu o hotel». Aberta desde 10 de Janeiro, esta unidade hoteleira foi desenhada pelo arquitecto Guedes, e espelha as preocupações arquitectónicas de Alberto Diniz, para que fosse «moderno e funcional». O Hotel Pedras Rubras é também construído inteiramente em três materiais: aço, mármore e granito, revelando uma «atenção para com a higiene». Este responsável destaca ainda três pontos característicos nesta obra, «as suites têm garagem privativa, todas tem acesso à Internet e hidromassagem». Também se verifica uma

preocupação com as pessoas portadoras de deficiência, existindo três quartos adaptados e corredores planos ao lado das escadas. Esta unidade possui ainda restaurante com serviço de quartos 24h, tal como o bar, que funciona sem interrupção. Quanto a preços, variam bastante consoante os três tipos de quartos existentes, «os preços que estão a ser praticados agora são 75, 80 e 200 euros para os quartos Silver, Gold e Platinum, respectivamente. Depois de 1 de Abril, irão aumentar em cerca de 10%». De referir que o estacionamento e pequeno almoço são abrangidos no custo. Segundo Alberto Diniz, este poderá ser o primeiro de mais hotéis, «no futuro equacionamos isso. Mas primeiro queremos assentar este e depois pensamos nisso. Mas o próximo será com certeza em Portugal». Para os interessados, o Hotel Pedras Rubras situa-se na estrada nacional 107, junto ao Aeroporto e tem lugar na Internet (www.hotelprs.com). antónio manuel marques

SILVA ESCURA

antonio@maiahoje.pt

Ligação entre a Via Souto Barreiro e S. Mamede do Coronado arrancou Com a extensão de cerca de 700 metros, a ligação entre a Via Souto Barreiro e São Mamede do Coronado, arrancou finalmente. Esta infraestrutura planeada há mais de uma dezena de anos no orçamento camarário, representa um contributo para a circulação na Via Diagonal, já que desviará o trânsito de pesados da estreita Rua da Cavadinha. Uma obra classificada de «muito importante

para a freguesia, graças ao esforço conjunto da Junta de Freguesia e da Câmara Municipal», afirmou ao Maia Hoje, o Presidente da Junta de Silva Escura, Sousa Dias. Mas esta não é a única obra em decurso em Silva Escura. Também as ruas Cancela do Rio e das Covas estão a ser requalificadas ao nível do saneamento e piso, pelos Serviços Municipalizados. A estrada nacional

318 também será alargada num determinado ponto para a instalação de um passeio pedonal. JUNTA IRÁ RECEBER POSTO DOS CTT Entretanto, para Maio está agendada a abertura de um Posto dos CTT na Junta de Freguesia de Silva Escura. Para isso, o edifício sofrerá

obras de requalificação sendo que esta nova valência funcionará no piso inferior, enquanto a Junta continuará a funcionar no piso superior. O horário de funcionamento do posto será das 9h às 17h, e irá ser acompanhado pela Junta de Freguesia, já que será o mesmo funcionário que assegurará ambas as funções, estando para breve a abertura de um concurso público.

ELEITO NOVO PRESIDENTE DA JSD DO NÚCLEO MAIA LESTE

andreia nascimento andreia@maiahoje.pt

«Incentivar os jovens na vida sócio-c cultural e política» Eduardo Soares é o novo Presidente da Comissão Política da JSD do Núcleo Maia Leste. O jovem recémempossado, foi eleito no dia 22 de Fevereiro, na Sede da Comissão Política do PSD, Núcleo Maia Leste, em Silva Escura. Em nome da “Juventude Laranja”, Eduardo Soares tem já delineado alguns objectivos que pretende ver concluídos como «prestar apoio a todos os Presidente das Juntas de Freguesia» do Núcleo Maia Leste, nomeadamente S.Pedro Fins, Folgosa e Silva Escura.

Na procura de congregar cada vez mais os jovens, Eduardo Soares afirmou que irá «apoiar actividades socio-culturais para a juventude», bem como «colaborar com a JSD Concelhia e Distrital». O novo Presidente não deixou de frisar o ponto mais alto do trabalho que virá a tecer, «incentivar os jovens de uma forma mais activa na vida sócio-cultural e política». Contudo, só próxima reunião da mesa do Plenário ficará delineado todas as actividades que a juventude laranja pretende levar a cabo.

fEduardo Soares é o novo Presidente da JSD do Núcleo Maia Leste.

Sexta-Feira, 27 de Fevereiro de 2004

DIGITAL

caderno de desporto do jornal maia hoje

OlĂŠ

pag. 20

PUB

maiahoje

18 DESPORTO

fAPRESENTADO O CALENDÁRIO DE PROVAS 2004

artur bacelar

artur@maiahoje.pt

Maia vai ter este ano três grandes provas Com data aprazada para o final de Fevereiro, a apresentação do calendário de provas para o ano em curso é a primeira actividade “oficial” da LPCPCC (Liga Portuguesa de Criadores e Proprietários de Cavalos de Corrida). Esta associação nacional sedeada na Maia é a única entidade acreditada pelo Serviço Nacional Coudélico do Ministério da Agricultura para a organização de Corridas de Cavalos a galope. Manuel Armando Oliveira, presidente do Centro Equestre da Maia é simultaneamente director de Corridas da LPCPCC e como tal falounos um pouco sobre a época de 2004 «este calendário, numa altura em que a “retoma” ainda é fraca e com ténues sinais, é o possível. Estamos a contar efectuar mais de duas dezenas de provas, tudo dependendo da vontade dos co-organizadores locais, mas nesta altura já podemos garantir mais de uma dúzia de provas», disse ao MaiaHoje. De facto, a Liga apresentou já aos seus associados um calendário “provisório”, onde figuram 22 provas programadas para este ano (ver quadro), dando a época como tendo início a 14 de Março em Ponte de Lima e a terminar, como tem sido hábito, na prova de S. Martinho em Penafiel. O orçamento para este ano é de aproximadamente 110.000 euros e é certo que na Maia serão efectuadas três provas. A primeira será coorganizada pela LPCPCC e pela Comissão de Festas de Sto. António de Silva Escura, a segunda e terceira serão co-organizadas com o Centro Equestre da Maia, sendo uma delas o Grande Prémio Vieira de Carvalho, que se realizará pela terceira vez. No geral, 2004, como novidade vai trazer pelo menos mais uma pista para a competição, localizada em Sta. Maria da Feira, não sendo desta que o dirigente maiato consegue realizar mais um dos seus sonhos «organizar uma corrida na Golegã, na altura da Feira dos Cavalos. Ainda não será oportuno…», disse. Em jeito de balanço do ano anterior, Manuel Armando Oliveira considera «ter sido positivo» apesar de no ano passado estarem previstas cerca de 20 provas e realizarem-se apenas 13, justificando com «a natural restrição de verbas por parte das entidades locais encarregadas pela organização em ano de crise financeira, sendo notório por todo o lado e em todas as actividades o desinvestimento nesta e noutras actividades».

FOTO ARQUIVO

Por outro lado 2004 será ano de “retoma”, pelo menos para a LPCPCC «contrastando com 2003, é notório o esforço e o investimento dos proprietários, que apesar de verem mantidos os valores pecuniários dos

prémios, estão a investir na aquisição de novos Cavalos». A terminar, Manuel Armando Oliveira, lamentou «a visão curta e tímida dos empresários Portugueses que apesar dos vários alertas que

Calendário geral Provisório Ano 2004 Corridas de Cavalos a Galope

Este Calendário está sujeito a alterações, quer data ou local (a) Em negociações Sexta-Feira, 27 de Fevereiro de 2004

efectuamos, ainda não acordaram para este novo negócio de milhões» e rematou irónico «se calhar é necessário algum político investir no negócio para que se façam depois os investimentos “privados”».

GOVERNO CRIA GRUPO DE TRABALHO PARA AS APOSTAS Segundo carta enviada em Janeiro à LPCPCC pelo Gabinete do Ministro da Presidência do Conselho de Ministros «por despacho conjunto, da autoria dos Ministros de Estado e das Finanças, da Presidência, da Economia, da Agricultura, Desenvolvimento Rural e Pescas e da Segurança Social e do Trabalho», desde Dezembro passado que foi criado um Grupo de Trabalho, com o objectivo de proceder «ao estudo da situação actual dos Jogos em Portugal, identificando medidas a adoptar». No sentido de fornecer a sua opinião e ser ouvida, uma delegação da Direcção da LPCPCC, constituída por Ricardo Carvalho, Manuel Armando Oliveira, José Carlos Cyrne e Vítor Malheiro, deslocou-se no passado dia 16 de Fevereiro a Lisboa, tendo reafirmado as posições tidas até à data de que a carga tributária sobre as apostas hípicas é demasiado elevada e antiquada (remonta aos anos 50), entre outras de defesa e organização do sector.

DESPORTO 19

Fit 4 Fun: 24 Horas de Ritmo

No passado Domingo, dia 22, realizouse o programa “Entrudo Fitness”, no Pavilhão Municipal da Maia. Uma iniciativa que teve por objectivo promover uma jovem organização de eventos ligados ao desporto, as “Fit 4 Fun”. O programa contou com a participação de vários grupos ligados ao mundo da dança, que deram a conhecer aos cerca de 70 participantes novos ritmos e experiências. Foi, de facto, um dia cheio de energia para aqueles que gostam de desporto e saúde e, também, para aqueles que procuram aprofundar os conhecimentos nesta área. As “Fit 4 Fun” são um grupo de quatro recém-licenciadas, que após terem terminado os respectivos cursos, decidiram associar-se a Madalena Aparício para a organização de eventos ligados ao

desporto, nomeadamente o Fitness. Libânia, Betty, Carmo e Renata promoveram esta maratona de Fitness nas faculdades de desporto e ginásios do Concelho da Maia. Desta forma, os amantes do desporto não faltaram à chamada: estiveram presentes cerca de 70 participantes. O programa teve início às 10.30 da manhã com uma aula de Ragga Jam, e prosseguiu com aulas de Stepping, Urbandance, Cardio Dance, Hip Hop e Body Combat. Por volta das 17:30 assistiu-se a actuações de vários grupos de exibição, como os “So cool Dance” (dança Hip Hop), ”Atêén”, e ainda uma brilhante exibição de Yoga, interpretada por Sónia Monteiro. A iniciativa encerrou com uma exibição de Afro Dance interpretada pelas Fit 4 Fun com Madalena Aparício.

No final da maratona, a organização mostrou-se bastante satisfeita com a adesão dos participantes. Madalena Aparício fez questão de salientar o importante papel da Câmara Municipal da Maia, que demonstrou “total interesse e disponibilidade para apoiar a iniciativa”. Em breve, as Fit 4 Fun organizarão o 1º Ciclo de Workshops na Maia. O primeiro, Aerodance, terá início a 7 de Março no Pavilhão de Ginástica da Câmara Municipal da Maia. Decorrerão ainda Workshops de Dança e Fitness, Step e Tonificação Muscular nas aulas de Grupo. Foi, de facto, uma aposta ganha desta recente organização, que promete dinâmica na organização de eventos deste tipo.

PUB

Sexta-Feira, 27 de Fevereiro de 2004

Claúdia Patrícia Oliveira

maiahoje

Jornada pouco feliz para o CAC O Clube Amigos de Corim teve pouco sucesso na última jornada dos respectivos campeonatos de Futsal. A equipa feminina, a militar na 1ª Divisão Distrital do Porto, sofreu uma pesada derrota em casa (1-7), frente ao Arreigada. Recorde-se que já na anterior jornada, a equipa maiata tinha perdido por 4-3 frente ao AC Alfenense, naquele que parece ser um momento menos bom para esta formação. Por seu lado, a equipa masculina não teve melhor sorte, sendo derrotada igualmente em casa pelos Águias da Areosa, por 2-1. Na semana anterior, esta formação arrancou um empate a uma bola em casa do GD Rio Tinto. EMOÇÃO CONTINUA NO BILHAR O Campeonato de Bilhar organizado pelo CAC continua ao rubro. Depois da quinta jornada, realizada no dia 19, a dupla José Lázaro e António Teixeira tomaram a dianteira com cinco pontos, seguidos de nada mais do que cinco equipas, que lutam pelo segundo lugar, todas com três pontos. António Manuel Marques

maiahoje

20 DESPORTO

fQUEM MAIS PODERIA SER!

joão soares

joao@maiahoje.pt

Mais um golo de Basílio no campeonato dá três pontos ao F.C. Maia Quem assistiu no Domingo passado ao jogo entre o Maia e o União da Madeira, ficou um pouco resignado e descontente com o fraco futebol praticado pelas duas equipas, especialmente na 2ª parte. Foi um espectáculo pobre e de pouca qualidade técnica e não foi pelo frio, certamente. O União da Madeira, último classificado da Liga de Honra, até iniciou bem o jogo com o espevitado Hugo Morais, nos primeiros 10 minutos, a levar a equipa para a frente e a criar perigo para a baliza de Paiva. O Maia tentava a partir desta altura, subir no terreno e controlar o meio campo. E a 1ª oportunidade surgiu por parte dos visitantes, com Hugo Morais (o melhor jogador dos madeirenses) a falhar na pequena área o remate que parecia fácil e no minuto seguinte, Paiva fez a defesa da tarde a remate fortíssimo a mais de 30 metros de Adilson. A melhor jogada do Maia na 1ª parte foi da autoria de Saulo, que após jogada individual, rematou à barra da baliza de Zé Manel aos 31 minutos. Mas a grande perdida dos primeiros 45 min seria de Basílio, que com a bola à mercê, na

pequena área, rematou por cima, sem o guarda-redes na baliza. O Maia controlava o jogo e terminava a primeira parte em cima do União e perspectivava uma 2ª parte de bom futebol, o que não veio a acontecer. A 2ª parte trouxe duas equipas algo perdidas em campo, com imensas perdidas de bola de parte a parte, não se conseguia fazer quatro passes seguidos, o que manchava a qualidade do jogo. O futebol mastigado e aos repelões não fazia prever que alguma das equipas chegasse à vitória mas aos 69 minutos, aconteceu o imprevisível. Ricardo Nascimento, após cobrança de falta, meteu a bola rasteira na área, onde apareceu Basílio (o salvador do Maia nos jogos em casa), a rematar rasteiro e fora do alcance do guardião madeirense. Até ao final, a falta de esclarecimento foi evidente, com o Maia a preocupar-se em segurar os três pontos e o União a tentar empatar, mas sem discernimento e capacidade mental para tanto, talvez pela situação difícil com que se depara na Liga de Honra. A arbitragem de António Costa foi regular e dá-se-lhe o benefício

da dúvida num lance perto do final da partida quando o avançado Bruno Novo caiu na área e o árbitro mandou seguir o jogo (como não marcou a respectiva falta, deveria ter mostrado ao jogador maiato o cartão amarelo). No final da partida, Bruno Cardoso, treinador do União da Madeira, considerou que a partida não foi de grandes primores técnicos, mas que vieram com o intuito de jogar aberto e para ganhar, o que acabou por não acontecer. “A equipa denota alguma falta de entrosamento, e quando se encontra a perder, não tem apresentado argumentos no ataque para dar a volta aos jogos”. No entanto, Bruno Cardoso foi peremptório em afirmar que o União “vai lutar até ao fim pela permanência na Liga de Honra”. Phil Walker, treinador adjunto do F. C. Maia, analisou a partida como um jogo em que o Maia não jogou tão bem como o fez por exemplo, em Penafiel ou em Chaves, mas que valeu “pela entrega e atitude dos jogadores”. Considerou que é sempre bom ganhar, e que apesar de estarem a lutar pela permanência, “logo se vê até onde o Maia poderá chegar”.

fEM NOITE DE ENCHENTE NO DRAGÃO...

FICHA TÉCNICA Maia 1 - União Da Madeira 0 Estádio Municipal Prof. Vieira Carvalho, Maia Árbitro: António Costa, Af Setúbal Assistência: 2000 Pessoas

De

MAIA: Paiva, Flamarion, Carlos, Wagner (45 M) E Carlão, Bodunha, Malafaia, Saulo (80 M), Ricardo Nascimento, Félix (45 M) E Basílio. Treinador: Jorge Regadas Suplentes: Pedro Albergaria, Pedro Leite, Edgar Caseiro, Emerson (80 M), Nuno Maia, Bruno Novo (45 M) E Artur Alexandre (45 M). Marcadores: Basílio (69 M) Cartões Amarelos: Bodunha (53 M), Artur Alexandre (56 M) E Saulo (60 M). UNIÃO DA MADEIRA: Zé Manel, Verhas, Vladimir, Costa E Kikas, Adilson Ruben Andrade (63 M), Mauro César (63 M) E Hugo Morais, Glauco E Cícero (82 M). Treinador: Bruno Cardoso Suplentes: Iglésias, Marcelo, Fernando Porto (82 M), Dejan (63 M), Paulo Piedade, Rúben Micael E Pelic (63 M). Marcadores: Não Houve Cartões Amarelos: Ruben Andrade (4 M) E Mauro César (35 M).

joão soares

joao@maiahoje.pt

F.C. Porto leva Manchester “às compras”! Lembram-se das palavras de Sir Alex Ferguson na conferência de imprensa no dia antes do jogo? “O F. C. Porto compra os campeonatos nos supermercados!”, foram as palavras do treinador dos “red devils”. Ora nem a propósito... No jogo da 1ª mão dos oitavos de final das Liga dos Campeões, o Manchester United foi às “compras” no Estádio do Dragão (a abarrotar pelas costuras), perdendo por 2-1, resultado injusto tal foi a exibição de nível “galáctico” do F. C. Porto. Nos primeiros dez minutos, os azuis e brancos quiseram mostrar ao Manchester que não estariam ali para ver jogar, mas sim, para serem os donos do jogo. O Manchester, com uma atitude defensiva e calculista, na primeira vez que foi à baliza de Baía chegou à vantagem... aos 13 minutos, Scholes bateu forte um livre directo (falta sobre Giggs que pareceu não existir), Baía defendeu para a frente e, na recarga, o sulafricano Fortune, sozinho, desviou para o golo. O Estádio do Dragão gelou mas o público de imediato apoiou a

equipa, e viu um Porto demolidor, com Deco e Alenitchev (duas vezes) falharem o empate por pouco. Mas aos 29 minutos Mc Carthy, o homem do jogo, não perdoou e fez justiça no marcador. O sul africano teve a seguir mais uma oportunidade, mas o guarda-redes do Manchester negou-lhe o 2-1 e até ao intervalo só deu Porto. 77, O MINUTO FATÍDICO Na 2ª parte, o jogo não se alterou e Carlos Alberto, Jankauskas e Mc Carthy (todos de cabeça) ameaçaram o que estava destinado a acontecer: o segundo golo do Porto que chegou ao minuto 77 (o n.º da camisola de Benny), com o avançado africano a culminar com um golpe fantástico de cabeça, um centro de Nuno Valente, dando a vitória aos azuis e brancos. Fica a ideia de que a 2ª mão em Old Trafford, irá ser uma partida de loucos, mas para já, tudo está bem encaminhado para os pupilos de José Mourinho se apurarem para os quartos-de-final da Liga Milionária. Sexta-Feira, 27 de Fevereiro de 2004

DESPORTO 21 fII TORNEIO INTER - CONCELHIAS 2004 (SUB-14)

A Maia no fomento do desporto jovem O Futebol é um desporto que movimenta paixões e desperta emoções ao mais alto nível. Como praticar desporto é sinal de desenvolvimento, principalmente das capacidades físicas, num interface de mentalidades e personalidades, a Câmara Municipal da Maia, através da Divisão de Fomento Desportivo, vai participar no II Torneio Inter - Concelhias de Sub 14 de Futebol de 11, organização levada a cabo pela Associação de Futebol do Porto e onde também estarão presentes as autarquias de Amarante, Felgueiras, Lousada, Paços de Ferreira, Paredes, Penafiel, Póvoa do Varzim, Santo Tirso, Trofa e Vila Nova de Gaia. Sendo assim, o respectivo departamento

efectuou a captação de jovens nascidos entre 1990 e 91 de todos os clubes dos Concelhos nos dias 16, 18, 23 e 25 de Fevereiro no Estádio Municipal de Milheirós. Desta selecção de jovens, irá formar-se um grupo de 22 jovens que constituirá a Selecção do Concelho da Maia. Mas nem só os jovens saem beneficiados deste Torneio. Para além dos respectivos troféus finais de acordo com as posições obtidas durante o torneio, irá ser também instituído o prémio Fair-Play e o Troféu “Álvaro Braga” para a melhor reportagem jornalística. João Soares

f PEDRAS RUBRAS GANHA AO FIM DE 5 JORNADAS

Três pontos conquistados chegam na melhor altura O Pedras Rubras, que desde a 19ª jornada sem conseguir somar os três pontos, defrontava a equipa do Trofense, três pontos acima, e a realizar um campeonato tranquilo. O treinador José Pedrosa deverá ter avisado os seus jogadores da importância que estas últimas jornadas têm na possível permanência na II Divisão B da equipa maiata. E o Pedras Rubras jogou a pensar nisso. Com um futebol que chegou a ser vistoso, o Pedras Rubras fez um jogo interessante, dominador, mais na 2ª parte, altura em que chegou à vitória. Na 1ª parte teve duas claríssimas oportunidades de golo, principalmente a de Jorge Gonçalves que falhou

o golo com a baliza aberta. Da parte do Trofense, regista-se uma verdadeira oportunidade, num lance em que foi anulado um golo por fora-de-jogo (de resto, bem assinalado)ao avançado Reguilla. Na 2ª parte tudo se alterou e o Pedras Rubras chegou com mérito à vitória, fruto de dois grandes golos aos 57 e 66, por Ruizinho e Jorge Gonçalves, respectivamente. Até final, a equipa da casa controlou o jogo e a bola, desperdiçando ainda o 3-0. Boa arbitragem do árbitro da AF Leiria, António Eustáquio. JS

f NOGUEIRENSE EM SITUAÇÃO COMPLICADA

contra-ataque, sozinho na área do Nogueirense fuzilou o guarda-redes maiato, que nada podia fazer. Já na 2ª parte, na primeira jogada do Cinfães à baliza do Nogueirense, Ricardo Jorge cabeceou para a baliza e fez o segundo golo. O Cinfães geriu bem o jogo, fez tudo para conservar a vantagem e o Nogueirense manteve sempre uma atitude pacífica e sem personalidade para dar a volta ao jogo.

Monte das Pedras - 8 Miramar FC - 2 Pavilhão Municipal de Crestins Monte das Pedras: João Paulo, Serginho, Macieira, Dominique, César, Tiago, Rui Miguel, Hugo, Dinho, Fabrício, Faleiro, Helder. Treinador- Henrique Silva Miramar FC: Hugo, Joel, Bruno I, Luís, Cardinal, Pedro, Pinto, Quintas, Alex, Bruno II, Cunho. Treinador- Joaquim Augusto Árbitros: Jorge Sousa e Manuel Gonçalves Conometrista- José Neves, AF do Porto Excelente jogo fez o Monte das Pedras, não dando qualquer chance ao seu adversário. Foi sem dúvida uma boa vitória neste jogo que se encontrava em atraso da 17ª jornada, em que foi interrompido devido ao mau estado do piso. Com uma boa moldura humana a presenciar este jogo, os donos da casa brindaram toda a gente com uma excelente exibição, perante um adversário que queria pontuar para fugir aos lugares do fundo da tabela, mas não conseguiu por causa do desempenho dos atletas da casa. Quanto à dupla de arbitragem esteve muito bem. Emílio Silva

FUTSAL: CAMPEONATO NACIONAL DA 2ª DIVISÃO, ZONA NORTE

Monte das Pedras - 8 União de Paredes - 2

União de Paredes: Vilela, Quintas, Zé Carlos, Vítor, Abílio, Pedro, Paulo Jorge, Canastro, Luciano, Miguel. Treinador: Zé Carlos. Árbitros: Paulo França e Abílio Ramos Conometrista: Emiliano Silva, AF do Porto

equipas do fim da tabela. O Pedrouços entrou muito bem na partida e mostrou ter ultrapassado a derrota da jornada passada, justificando inteiramente o resultado e desperdiçando ainda boas oportunidades para ampliar o marcador.

Mais um jogo que começa com um grande equilíbrio, mas aos poucos os da casa começaram a pautar o seu jogo e veio ao cimo o valor técnico dos atletas do Monte das Pedras. O Paredes, aqui e ali, ia procurando inverter a tendência dos da casa, mas a mais valia individual e colectiva do Monte das Pedras ao deu qualquer chance ao adversário. O técnico do Monte das Pedras tem nos últimos jogos podido contar com todo o seu plantel e as provas têm-se visto no rendimento da equipa, que procura não deixar fugir os seus mais directos adversários. Salvo qualquer incidente nos restantes jogos, tudo indica que o clube da casa vai lutar pelos seus objectivos, pois irá ter agora quatro jogos que poderão resolver tudo, vamos aguardar. Quanto à arbitragem, não esteve mal no aspecto táctico, mas no aspecto disciplinar esteve muito mal ao mostrar muitos cartões amarelos aos atletas da casa. Soube muito bem o técnico guarda e gerir esses atletas para poupar mais amarelos. Dá-me a ideia que a amostragem dos amarelos era tendenciosa.

JS

Emílio Silva

JS

f PEDROUÇOS GANHA EM VILA REAL

Vitória surpreendente retira equipa dos lugares de descida O Pedrouços obteve uma importante e surpreendente vitória em Vila Real, depois do pesado desaire da semana passada em casa frente ao S. Pedro da Cova por 0-5. A equipa maiata está agora acima dos lugares da descida, ainda numa situação complicada e nas próximas jornadas, prevê-se intensa luta das

FUTSAL: CAMPEONATO NACIONAL DA 2ª DIVISÃO, ZONA NORTE

Pavilhão Municipal de Crestins Monte das Pedras: João Paulo, Serginho, Macieira, Dominique, César, Tiago, Rui Miguel, Hugo, Dinho, Fabrício, Faleiro, Helder. Treinador: Henrique Silva

Derrota em casa coloca maiatos a um ponto da linha de água O Nogueirense vai de mal a pior. Se na semana passada os comandados de Moreira de Sá fizeram um bom jogo frente ao líder Fiães, apesar da derrota, a exibição desta semana deixa prever um fim de campeonato de aflitos. Mais uma derrota, desta vez em casa frente ao Cinfães, equipa que para este jogo partia da linha de água mas que desde cedo, se mostrou personalizada, esclarecida no controle do jogo e da posse de bola. Alberto, aos 14 minutos numa jogada de

maiahoje

Sexta-Feira, 27 de Fevereiro de 2004

maiahoje

22 DESPORTO

fDE 4 A 14 DE MARÇO

artur bacelar

artur@maiahoje.pt

Antevisão do 74º Salão de Genéve NOVIDADE MUNDIAL: PEUGEOT APRESENTA 407

MITSUBISHI LANÇA NOVO… LANCER EVOLUTION VIII MR

A Mitsubishi anunciou no passado dia 4 de Fevereiro o lançamento do “Evolution VIII”. Segundo a marca de Tokyo, este está à venda no Japão desde o passado dia 13. O “press release” da Mitsubishi Motors Company, não refere quando estará à venda em Portugal, nem em quais das três versões disponíveis no Japão. NOVO BMW SÉRIE 5 TOURING

Nos 2.600 m2 de exposição que a Peugeot apresenta no recinto da Palexpo, 500 m2 são especificamente dedicados ao acontecimento produto constituído pela primeira apresentação pública do 407, o novo modelo da Peugeot, que surge em Genève com as silhuetas Berlina e SW. 2004 anuncia-se como o ano de uma nova aceleração da oferta produto da Marca, com numerosos lançamentos importantes. No espaço de exposição da Peugeot e em torno do pólo 407, o público poderá descobrir as recentes novidades lançadas durante o último trimestre de 2003, cujo forte potencial em termos de volume de vendas encontrará expressão plena durante o corrente ano. Como é evidente, a apresentação mundial do 407 justifica que o modelo tenha um lugar privilegiado no descritivo da gama da Marca, mas a Peugeot, construtor generalista, não poderia desligar-se do restante da sua proposta comercial, a começar pelo 206 que festeja em Genève a produção do seu exemplar «número quatro milhões» sendo, além

disso, o modelo Peugeot mais vendido na Suiça (7.200 unidades vendidas em 2003). Mas também o 307, do qual se produziram já mais de 1,5 milhões de unidades e que é o segundo veículo da Marca mais vendido no território helvético, merece o seu espaço neste certame, a par dos 607, dos 807 e das Partner. Depois de ter proposto os “RC espada” e “RC ouro” durante a edição 2002 do Salão de Genève e de ter oferecido ao público, em 2003, dois novos exercícios de estilo evoluindo em territórios do «extremo» e do «imaginário», com o Peugeot HOGGAR e o 807 Grande Turismo, a Peugeot, aproveitando o lançamento comercial do 407, expõe um novo concept que evidencia o estilo dinâmico da berlina da qual deriva: o 407 Silhouette, uma berlina sobre vitaminada, impaciente. Como acontece com todos os sonhos e com todos os desejos, tornam-se mais civilizados à medida da paciência… ou da impaciência…!

Mais rápido, mais económico e ainda mais prático – a BMW apresenta no salão de Genebra o novo Série 5 touring. A terceira geração do BMW Série 5 touring terá o seu início de comercialização no final de Maio de 2004 com duas versões a gasóleo e duas versões a gasolina. RENAULT REVELA NOVO “CONCEPT” WIND Trata-se de um novo veiculo da classe “roadster”, com um design arrojado que combinado com a potência confere linhas belas e apetecíveis. O desenho do interior é elegante e elaborado de acordo com o conceito “Touch Design”, com a cabine em pele dando os controles ênfase a ergonomia e simplicidade.

PORTUGAL Part-Time/Full-Time (M/F) Abrimos vagas, para as pessoas que queiram aceitar um desafio ganhador com Produtos de Saúde de Elevada Qualidade, e de forma a aumentar o seu rendimento mensal. PRETENDE-SE: > C/ ou S/ Experiência na Área Comercial > Elevada Responsabilidade > Idade acima dos 25 anos > Capacidade de Comunicação e Dinamismo > Liderança e Espírito de Grupo > Viatura Própria > Disponibilidade Imediata

OFERECEMOS: > Remunerações Atractivas. > Formação Profissional Específica > Integração numa Equipa Competitiva > Possibilidade de Carreira e Obtenção de Viatura de Serviço > Participação num Projecto Ambicioso

4º Aniversário

Compareça à Rua das Indústrias, 3298 - Lantemil - S. Tiago de Bougado 4785-626 - Trofa , 2ª Feira (23 Fev) das 10H00 às 22H00, e 3ª Feira das 10H00 às 18H00 (Linha de Apoio 707 200 366)

Sexta-Feira, 27 de Fevereiro de 2004

OPINIÃO 23

“TACANHOS q.b.” Mau grado todas as conjecturas que se tecem sobre o valor, ou desvalor, da qualidade e da quantidade de trabalho dos portugueses, o que fica sempre de fora dessas apreciações, é o tamanho da capacidade de orientação, de conhecimentos específicos, de humanismo, de cultura e de racionalidade de quem é patrão, empresário, director ou chefe desses mesmos trabalhadores. Esta casta de pseudo-sabichões acima de qualquer suspeita - tem-se mantido incólume a todos os arremessos de crítica e de estatística, que pontuam na nossa sociedade. São os novos intocáveis deste século. Têm o direito de se queixar, de se lamentar e, como bónus de classe, possuem sempre a última palavra que, mesmo que grosseira e insignificante, vale acima de todas as outras que se perfilem em sentido contrário. Se aqui, em Portugal, fosse instituído um prémio para distinguir, qual destes senhores seria o mais tacanho, assistiríamos, provavelmente, a uma distinção colectiva, composta por uma multidão enorme desta espécie. É preciso que seja dito, que é deste tipo de gente que nasce, muitas vezes, a motivação negativa de quem produz pouco, de quem não sabe como produzir melhor, de quem não tem - sobretudo - a mais pequena palavra de incentivo, vinda da parte de quem supervisiona, de quem manda e de quem paga. No fundo, - e neste país -, estamos perante uma tentativa de elevar produtividades e melhorar desempenhos apostando, apenas, na consciencialização das massas trabalhadoras. Apela-se ao seu bom senso, ao seu dinamismo e à sua disponibilidade. E, seja por compreensão, perante as exigências de mais sacrifícios, seja por simples brio individual, - aliado ao medo de por em causa o seu posto de trabalho -, a verdade é que, muitas vezes, fazemse as maravilhas que os senhores-damassa esperam.

Mas, isto é, ainda, um esforço unilateral. E digo ainda, porque há toda a vantagem que esta condição mude. Quem manda e quem é dono de uma empresa ou instituição pertence, invariavelmente, a uma elite enferrujada de snobismo vincado e que ostenta emblemas forjados ou herdados

Pois é, são sempre os mesmos. A saber: - os bancos - esses nichos, fazedores de taxas e de dificuldades - sempre prontos a plantar cascas de banana no caminho de quem se quer erguer ou iniciar uma actividade. São, sem a mais pequena dúvida, a

maiahoje

Nelson Ferraz

paparicar os fortes para poder bater, à vontade, nos fracos. E, por mais que sejam alertados, nem diminuem os impostos àqueles patrões que pretendem investir, nem preparam vias para que os salários se aproximem dos praticados na união europeia. - o não-te-rales português que serve,

- os bancos - esses nichos, fazedores de taxas e de dificuldades - sempre prontos a plantar cascas de banana no caminho de quem se quer erguer ou iniciar uma actividade. em outros tempos que já lá vão: não se importa com as dificuldades que vão aparecendo - a um ritmo diabólico -, vindas de mundos novos, que vão emergindo por todos os quadrantes desta comunidade, que se alargou a novas distâncias. Conseguindo harmonizar a convivência entre os dois lados da questão,- empregados e empregadores os resultados só podem melhorar. Pensando bem, os inimigos são comuns e muito poderosos. Capazes de transformar em derrotas rápidas e amargas, as mais ténues tentativas de mudança ou aposta. Convinha que quando um economista qualquer, se debruçasse sobre um qualquer estudo, de uma qualquer vertente, destas questões que se relacionam com o mundo do trabalho e dos seus problemas, não viesse para a televisão ou para os jornais - como costumam fazer - falar de mil razões para a falta de crescimento das empresas, da melhoria dos salários e das condições de trabalho sem nunca pronunciar o nome dos verdadeiros inimigos que zelam para que as coisas não evoluam. E quem são? Perguntam os mais desatentos.

entidade mais poderosa, mais capaz de desmoralizar quem os procura. E, a troco de mais jaguares, mais mercedes e mais benesses para os seus directoresbibelots eis que se ocupam em oferecer facilidades a quem não precisa. Exactamente: a quem não precisa. Em cada agência está afixada, em letras, tão invisíveis como cruéis, a seguinte máxima antiga: “Damos um chouriço a quem nos der... um porco.” E é absolutamente...verdade! - os sucessivos governos que, apesar dos tão propagandeados esforços, em prol do desenvolvimento das empresas e das condições de vida dos portugueses, não têm mostrado nada que seja digno de registo, ou que se tenha traduzido em benefícios para qualquer das partes envolvidas: patrões e trabalhadores. Pior do que isso: estes governos, que se têm prolongado em mecanismos semelhantes e ineficazes, têm trazido alguns presentes e algumas mais valias a quem já as tem. Têm assegurado toda a manutenção de regalias e de distinções a todo o conjunto de pessoas e grupos que, em troca, os vão perpetuando nas cadeiras fofas do poder. Neste ponto, segue um pouco a política bancária que consiste em

às mil maravilhas, as conveniências inconfessáveis dos eternos bem-na-vida. A falta de informação sobre o real estado das coisas no mundo laboral, a pouca vontade que as pessoas manifestam em exigir os seus direitos, em usufruir das suas competências, em oferecerem-se para serem - elas próprias - instrumentos de mudança e de conquista, colocam dificuldades extremas ao aparecimento de uma sociedade tão evoluída quanto justa. Falta aos portugueses, aquela disposição saudável de ser guicho, de andar de orelha arrebitada e de ser teso quando é preciso. Quando temos bancos, como os que temos, que adoptam as condutas que querem, com a certeza de que ninguém os incomoda... Quando temos os governos que temos, prisioneiros de interesses e de grupos económicos, e sem qualquer capacidade para ajudar seriamente... Quando não nos ralamos com o mal estar que nos envolve e deixamos impunes todos os nossos inimigos, até que nos matem...temos o caminho traçado, limitado entre duas atitudes: ou continuamos sem querer saber de nada tacanhos q.b. - ou agarramos num fueiro e vamos à procura dos inimigos.

Uma Lenda Chamada Emprego Já lá vai o tempo em que os profissionais podiam idealizar empregos previsíveis e seguros. O facto é que os empregos são cada vez mais escassos. Hoje em dia a lógica é despedir não empregar. Não foi só a sua segurança que desapareceu, os empregos permanentemente convencionais também estão em extinção. O emprego em tempo integral, em breve, será assumido por uma força de trabalho em que o contingente é formado por funcionários temporários e que trabalhem em tempo parcial. Muita gente acha que são contratos precários, mas futuramente, quase todos os empregos serão de alguma forma ou, até certo ponto, temporários. Portanto, é hora de mudar os padrões de pensamento e de comportamento. Temos de deixar de pensar em

emprego, para começar a pensar, em trabalho. Enquanto o emprego pode ser uma porta para a acomodação, o trabalho inspira cada vez mais compromisso, colaboração e dinamismo. Não é momento de procurar estabilidade, mas sim oportunidades. Elas podem estar em qualquer lugar. Ao contrário do que sempre se acreditou, nem sempre as melhores oportunidades se encontram nas grandes empresas. As pequenas e médias empresas poderão ser grandes estimulantes de crescimento profissional e pessoal, basta “ espiar” os sectores que crescem vertiginosamente ano após ano. Além disso, não trabalhamos mais para esta ou aquela empresa, esta ou aquela marca. Mas sim, para o consumidor anónimo. É ele quem desejamos conquistar, seduzir, seja com o nosso

serviço ou com o nosso produto. Não ter medo de novos desafios é fundamental. Um bom empreendedor é aquele que se arrisca sem medo da crítica e se propõe realizar algo em que acredita! Faz parte da vida errar e acertar, a única coisa que não é natural é bloquear a própria iniciativa de realizar. Ao tentar por em prática a sua ideia, o seu projecto, mesmo que este não dê em nada, você terá tido, pelo menos, uma aprendizagem e ampliando a sua rede de relações e quem sabe de oportunidades. Para poder fazer parte do grupo que vai à procura do seu próprio trabalho sem ficar à espera que o tradicional emprego caia do céu, alguns requisitos devem ser atendidos: • Aprender sempre! • Organização pessoal: controlar gastos, poupar, programar e ter

Sexta-Feira, 27 de Fevereiro de 2004

objectivos • Planear a própria reforma • Possuir mais que uma fonte de rendimento • Não ambicionar uma carreira longa, mas rica em realizações • Visão interdisciplinar • Conhecer-se bem para ter um bom controlo sobre as próprias emoções • Saber agir sobre pressão • Relacionar-se bem e, acima de tudo, cultivar boas relações • Desenvolver a adaptabilidade para não perder oportunidades. Se conseguir aplicar algumas destas ideias na sua vida profissional, não tenha dúvida de que as suas oportunidades de sucesso serão maiores. Rui Ribeiro

24 CLASSIFICADOS

maiahoje

DIVERSOS APARTAMENTO T2 NAS PIRÂMIDES. Impecável. Excelentes áreas, com óptimos acabamentos.

T1 /T2 EM COND. FECHADO.

INSTITUCIONAIS Jornal Maia Hoje nº 100 de 27 de Fevereiro de 2004

Gueifães. Exc. Acabamentos, lugar garagem...

CÂMARA MUNICIPAL DA MAIA

Tel. 936 807 041

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS

Tel. 936 807 041. MAIA AMI 5303

AVISO

MAIA AMI 5303

T1 LUXO. Como novo, garagem. Óptima oportunidade 75.000€.

- Apartamento T2 de excelente qualidade c/óptima exposição solar. Tel. 936 807 041.

Tel. 936 807 041. MAIA AMI 5303

MAIA AMI 5303

PERCA KG!!

CASAMENTOS

CONSULTOR NUTRIÇÃO

Procura 30 Pessoas que queiram PERDER de 5 a 15 kg 30 DIAS - GARANTIA - ACOMPANHAMENTO GRATUITO

96 608 31 02 www.corposaudavel.com

kg - cm - celulite - nutrição celular

ANIMADOS Música ao Vivo Karaoke Palhaços Largada de Balões Insufláveis Fogo de Artifício www.hmp.web.pt

DESVIO DE TRÂNSITO NA RUA NOSSA SENHORA DA CARIDADE E RUA CENTRAL DE FREJUFE, NAS FREGUESIAS DE VERMOIM E SILVA ESCURA, CONCELHO DA MAIA Com vista à instalação de um colector de Saneamento na Rua Nossa Senhora da Caridade e na Rua Central de Frejufe, nas Freguesias de Vermoim e Silva Escura, do Concelho da Maia, vão os Serviços Municipalizados de Água e Saneamento da Maia proceder ao desvio de trânsito em parte daquelas vias, a partir do próximo dia 23 de Fevereiro, por um período previsível de 30 dias. Os percursos alternativos serão devidamente sinalizados nos locais devidos, por forma causar o menor transtorno possível aos utentes das vias em questão. Pelos transtornos causados, pedimos a melhor compreensão de todos os cidadãos, sendo certo que tudo faremos para minimizar os problemas que possam surgir, problemas esses para os quais os Serviços Municipalizados de Água e Saneamento da Maia apresentam as devidas desculpas. Maia, 19 de Fevereiro de 2004

Tel. 91 493 72 78 96 553 30 57

O DIRECTOR-DELEGADO (ENG. ALBERTO SILVA)

COMUNICADO DE IMPRENSA Jornal Maia Hoje nº 100 de 27 de Fevereiro de 2004

O Arsenal Clube de Parada, em cumprimento do disposto no Nº 1 do artigo 174º do Código Civil, vai reunir em Assembleia-Geral no próximo dia 27 de Fevereiro de 2004, pelas 21:00 na sua Sede Social sita na Rua Manuel Gonçalves Lage, 936 - 4425-122 Águas Santas, Maia, com a seguinte Ordem de Trabalhos:

Tribunal Judicial da Comarca do Bombarral 1º Juízo Praça do Município 2 2540-046 Bombarral Telef: 262609370 Fax: 262601555

1. Apresentação da Acta da Assembleia Geral anterior 2. Apresentação e Discussão do Relatório e Contas de 2003 3. Aprovação do Relatório e Contas de 2003 4. Apresentação do Orçamento e Plano de Actividades para o ano 2004 5. Aprovação do Orçamento e Plano de Actividades para o ano 2004 6. Tratar de assuntos de interesse da colectividade

ANÚNCIO Processo: 175/2002 Acção de Processo Sumário N/Referência: 67764 Data: 21-12-2003 Autor: O Melro - Frutas e Legumes, Lda Réu: Sá & Seabra, Lda e outro(s)...

A tua presença é fundamental para tornarmos o Arsenal um clube cada vez maior. Comparece e engrandece o teu clube. Com os melhores cumprimentos, Parada, Águas Santas, 13 de Fevereiro de 2004 O Presidente da Mesa da Assembleia Geral José Manuel da Costa Pinto

CONVOCATÓRIA Nos termos dos Estatutos, convocam-se todos os Associados de Os Lidadores - Associação Desportiva, Cultural e Recreativa para uma Assembleia Geral, a realizar-se na sua Sede sita à Rua Gonçalo Mendes da Maia, n.º 223, freguesia de Vila Nova da Telha, Concelho da Maia, no dia 20 de Março de 2004, pelas 21.00 horas e com a seguinte

Nos autos acima identificados, correm éditos de 30 dias, contados da data da segunda e última publicação do anúncio, citando a Ré Berta Sá, com domicílio na Rua da Igreja, Nº243 - 4475-220 Gondim, com última residência conhecida na morada indicada para, no prazo de 20 dias, decorrido que seja o dos éditos, contestar, querendo, a acção, com a cominação de que a falta de contestação importa a confissão dos factos articulados pelo(s) autor(es) e que em substância o pedido consiste ser a acção julgada procedente por provada, condenando-se solidariamente os réus a pagarem à autora o montante de € 11.056,89 relativos à soma do capital em divida acrescido dos juros de mora comerciais já vencidos no valor global de € 3.987,89, a que acrescem os juros de mora comerciais vincendos, à referida taxa de 12% sobre os € 7.069,00 correspondentes ao capital em dívida, até efectivo e integral pagamento, tudo como melhor consta do duplicado da petição inicial que se encontra nesta Secretaria, à disposição do citando. Fica advertido de que é obrigatória a constituição do mandatário judicial. Passei o presente e mais dois de igual teor para serem afixados. O Juiz de Direito Raquel Lemos Horta

ORDEM DE TRABALHOS: 1- Análise e aprovação do Balanço de Actividades e contas. 2- Eleição dos corpos sociais. 3- Outros assuntos do interesse dos associados

O Oficial de Justiça José Júlio Celas Fernandes

A Apresentação de listas candidatas à eleição para os corpos sociais deverá ser entregue na sede da Associação, com a antecedência mínima de quarenta e oito horas, em relação à data de realização da Assembleia e nos termos estatuariamente consagrados. Se à hora marcada não estiver presente o número de associados estatuariamente cosignado, a mesma realizar-se-á às 21.30 horas do mesmo dia e no mesmo local, com qualquer número de sócios presentes. Maia, 13 de Fevereiro de 2004 O Presidente da Mesa da Assembleia Geral (José Augusto da Mota Borges, Dr.)

Notas: Solicita-se que na resposta seja indicada a referência deste documento. A apresentação de contestação, implica o pagamento de taxa de justiça autoliquidada. Sendo requerido nos Serviços de Segurança Social benefício de apoio judiciário na modalidade de nomeação de patrono, deverá o citando, juntar aos presentes autos, no prazo da contestação, documento comprovativo da apresentação do referido requerimento, para que o prazo em curso se interrompa até notificação da decisão do apoio judiciário (vd nº 4 e 5 do art. 25º da Lei 30-E/2000, de 20/12). As férias judiciais decorrem de 22 de Dezembro a 3 de Janeiro, de domingo de Ramos à segunda-feira de Páscoa e de 16 de Julho a 14 de Setembro. Nos termos do art.º 32.º do CPC, é obrigatória a constituição de advogado nas causas da competência de tribunais com alçada, em que seja admissível recurso ordinário: nas causas em que seja admissível recurso, independentemente do valor; nos recursos e nas causas propostas nos tribunais superiores.

Sexta-Feira, 27 de Fevereiro de 2004

BOLSA DE EMPREGO 25

maiahoje

A mais completa Bolsa de Emprego do Concelho está neste jornal. Toda a oferta Concelhia de emprego pode ser consultada e inserida de forma gratuita nesta página especial. Um exclusivo local “Maia Hoje”.

PROCURA UMA OPORTUNIDADE?

NÓS TEMOS. Part-time 500 a 1500 euros

91 478 79 47 www.maisrendimento.com

EMPRESA EM GRANDE EXPANSÃO PROCURA PESSOAS SÉRIAS, AMBICIOSAS E DINÂMICAS PARA DESENVOLVER ACTIVIDADE EM PART-TIME OU FULL-TIME. RENDIMENTO EXTRA 1.000 A 5.000 /MÊS.

Contacte: 93 478 26 27

APELO Jovem com pequena deficiência física, no membro superior direito, procura trabalho como porteiro, telefonista, ferramenteiro, vigilante, ajudante de cozinh, limpezas, entre outros. Qualquer tipo de horário. Com transporte próprio.

Contacto: 93 361 56 25 ou 22 973 67 20

SE PROCURA: - EMPREGO - ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL - CURSOS DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL - APOIO NA ELABORAÇÃO DE CURRÍCULOS - ELABORAÇÃO DE CARTAS DE CANDIDATURA - PREPARAÇÃO PARA ENTREVISTA.

Contacte o CLUBE DE EMPREGO DO SOBREIRO SERVIÇO GRATUITO Horário: 3as das 9.30h às 12.30h 5as das 14.00h às 17.30h Santa Casa da Misericórdia da Maia Intervenção Comunitária Centro Comunitário do Sobreiro Rua Altino Coelho (Urbanização do Sobreiro) Telefone: 22 941 66 78 / 22 941 73 45 Fax 22 941 66 99

Maia Conceituada empresa editora pretende:

Vendedores de Publicidade e Artes Gráficas (M/F) PRETENDE-SE: •Pessoa responsável; •Boa apresentação; •Part-Time ou Full-Time; •Com experiência; •Preferencialmente com viatura própria; •Guarda-se sigilo.

OFERECE-SE: •Possibilidade de viatura de serviço; •Boas comissões; •Integração em equipa altamente motivada; •Produtos de excelente qualidade e preço; •Possibilidade de progressão na carreira. Resposta com currículo a este Jornal ao n.º 0186

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE Nº da Oferta: 587272483 ENGENHEIRO ELECTRÓNICO Até 40 anos; Mínimo Licenciatura; 1.250,00 euros; Gemunde. Conhecimentos de motores eléctricos, inversores de frequência e aparelhos eléctricos. Conhecimentos e experiência na implementação da norma ISSO 9000 Nº da Oferta: 587274962 EMPREGADO DE ARMAZÉM 11º ano; 480,00 euros; Barca. Horário 13h30 às 18h00 Cargas e descargas; Robustez física. Nº da Oferta: 587275214 COSTUREIRA DE MALHAS 18 a 35 anos; 370,00 euros + 2,75 euros Sub. Refeição; Milheirós. Costureira de malhas com, pelo menos, 1 ano de experiência. Nº da Oferta: 587269939 TÉCNICO DE MANUTENÇÃO DE MÁQUINAS DE FRIO 20 a 30 anos; Mínimo 12º ano; 400,00 a 600,00 euros; Gemunde. Auxiliar técnico de máquinas para restauração com conhecimentos de frio.

Nº da Oferta: 587275355 AJUDANTE DE CABELEIREIRO 20 a 35 anos; 365,00 euros; Maia. Com alguma experiência. Nº da Oferta: 587272990 OPERADOR DE TELEMARKETING 20 a 40 anos; 9º ano; 365,60 euros + 5 euros dia/Sub. Alimentação + prémios consoante realização de objectivos; Gueifães. Angariação de clientes por telefone e gestão de clientes; Com ou sem experiência; Conhecimentos básicos de Word e Excel. Nº da Oferta: 587275357 TÉCNICO DE VENDAS 23 a 45 anos; 9º ano; Salário a determinar em função candidato apresentado + prémios consoante objectivos atingidos; Gemunde. Marcar entrevista previamente; 2 postos de trabalho; Não é necessário ter experiência. É fundamental ter gosto pelas vendas e decoração; De preferência ter conhecimentos de informática na óptica do utilizador

Nº da Oferta: 587273756 BRUNIDEIRA/ EMBALADORA 25 a 38 anos; Escolaridade obrigatória 365,60 euros + prémios de produtividade; Gemunde.

Nº da Oferta: 587268713 EMPREGADA DE LIMPEZA INTERNA 20 a 30 anos; 365,60 euros; Águas Santas. Todo o trabalho de casa e tratar duma criança.

Nº da Oferta: 587270077 OFICIAL DE CABELEIREIRO E/OU AJUDANTE DE CABELEIREIRO 23 a 40 anos; 500,00 euros; Gueifães. Cabeleireira com experiência em manicura.

Nº da Oferta: 587272471 COSTUREIRA Até 45 anos; 371,00 euros + 25,00 euros de prémio; Milheirós. Costureiras de ponto corrido, para confecção de camisas.

Nº da Oferta: 587273344 COSTUREIRA 20 a 35 anos; 372,00 euros + 2,24 euros de Sub. Alim.; Águas Santas (Alto da Maia). Costureiras de ponto corrido e corte e cose. Nº da Oferta: 587273370 TÉCNICO DE VENDAS 22 a 40 anos; 9º ano; 450,00 euros + comissões de 3%; Gemunde. Técnico de vendas para empresa de comércio de electrodomésticos. Para estabelecer vendas junto de estabelecimentos comerciais da zona Norte e Centro do País. Com experiência na área comercial. Nº da Oferta: 587272429 ELECTROMECÂNICO 9º a 12º ano; 385,00 + Sub. Ref. + Sub. Desl.; Silva Escura. Carta de condução; Conhecimentos na área de electricidade ou mecânica. Nº da Oferta: 587266660 MECÂNICO DE FRIO E AR CONDICIONADO 470,00 euros + Sub. Ref.; Gemunde. Instalador de ar condicionado por splits e por condutas. Experiência de pelo menos 5 anos. Apoio Contratação (Contrato de trabalho sem termo) INDIFERENCIADOS 18 a 40 anos; 6º ano; 365,00 euros + Sub. Turno + Prémios; Águas Santas (Maiashopping). Atendimento ao público, produção e confecção de sandes.

Formação de 10 dias em Lisboa com tudo pago. Candidatos a 1º emprego e desempregados de longa duração. Horário 8h00 às 16h00; 16h00 às 24h00. Nº da Oferta: 587275307 ENGENHEIRO SOFTWARE SÉNIOR 35 a 40 anos; Licenciatura; 1000,00 euros + Sub. Ref. + Prémios; Maia/ Leça do Balio. Com bons conhecimentos e experiência profissional; Carta de condução; Conhecimentos de inglês. Nº da Oferta: 587274228 APRENDIZ DE CANALIZADOR 16 a 20 anos; 6º a 9º ano; 365,60 + Sub. Ref.; Milheirós. Com ou sem formação; 1º emprego. Nº da Oferta: 587272448 TÉCNICOS COMERCIAIS E/OU DEMONSTRADORAS PARA ÁREA ALIMENTAR 25 a 35 anos; 550,00 euros + Sub. Ref. + Prémios e 400,00 euros + Sub.; São Pedro Fins. Com alguma experiência; Prospecção de mercado, contacto com clientes, etc. Fazer demonstrações de produtos Conhecimentos de informática Nº da Oferta: 587265528 EMPREGADA DE BAR 25 a 40 anos; 400,00 euros + Sub.; São Pedro Avioso. Trabalho num ginásio; Serviço de bar e confecção de refeições básicas e simples, orientação de uma nutricionista. Disponibilidade de horário.

OS INTERESSADOS DEVERÃO CONTACTAR O CENTRO DE EMPREGO DA MAIA • RUA DR. CARLOS FELGUEIRAS, 418 - 4470 MAIA • TELEFONE: 22 943 27 00 • FAX: 22 943 27 01

Sexta-Feira, 27 de Fevereiro de 2004

maiahoje

26 AGENDA AGENDA

APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA “4 VIAGEM CULTURAL DA MÚSICA MAIORFF”: S. PETERSBURG E MOSCOVO (24 A 31 DE JULHO 2004)

problema nº 95

1

2

6 de Março às 21h30

3

Local: Sede Associação Leais Videirinhos, Pedrouços

3

4

5

6

7

8

9

10

11

1

Local:Maiorff - Escola de Música

SHOW DE REVISTA HÓ ZÉ AGUENTA A CRISE

2

VERTICAIS

6 de Março às 15h00

PALAVRAS CRUZADAS

Francisco Assis Assunção Alves

4 5 6

1 a 31 de Março 9h00 às 12h30, 14h00 às 17h30

INSCRIÇÕES NO PROGRAMA DE TURISMO SÉNIOR Local: Maia Welcome Center 1 a 31 de Março Horário do Museu

7

HORIZONTAIS

8

1- Lagarta da hortaliça. Suco resinoso e aromático que se extrai de algumas árvores tropicais. 2- Contracção da palavra inglesa “Over”. Astro central , quente e luminoso do nosso sistema planetário. Germe. 3- Neptúnio (s.q.). Planta asterácea, que produz flores bonitas, mas sem aroma. Andava para lá. 4- Antes do Meio-dia (abrev.). Décima sétima letra do alfabeto Grego. 5- Plantas poligonáceas, cujas raízes e astes são laxativas. 6- Papalvo. Duque de Aquitânia do tempo de Carlos Martel, vencedor dos árabes em 721, que marchavam de Narbora sobre Bordeús. 7- Prefixo designativo de ar. Mau cheiro (Bras.). 8- Género de escrofulariáces medicinais e ornamentais, originárias da América do Sul, cultivadas em estufas da Europa. 9- Novecentos e noventa e nove romanos. Maganés (s.q.). 10- Medida de líquidos, usada na Holanda. Oração que os mouros rezam ao seu Deus, antes de se deitarem. Aliança entre Argentina, Brasil e Chile em 1914. 11Género de oléacea, originária da Pérsia que florescem no princípio da Primavera. Planta conhecida por malvaísco, cultivada pelas suas belas e lindas flores.

9 10 11

EXPOSIÇÃO: ARQUEOLOGIA NA MAIA, VER, TOCAR E SENTIR A HISTÓRIA”

Local: Museu de História e Etnologia da Terra da Maia

EXPOSIÇÃO: ARTE SACRA NA MAIA: A FÉ PELA MÃO DO HOMEM”

Local: Museu de História e Etnologia da Terra da Maia

SOLUÇÕES SOLUÇÕES VERTICAIS: 1- Eon. Lacial. 2- Reparo. Amai. 3Ur. Mural. ML. 4- Ipeca. 5- Asa. Bare. Ás. 6- Olha. 7- CLI. Real. Aã. 8- Bucal. 9- Pó. Rodar. A.C.. 10- Avioso. Imbé. 11- Loa. Nuança. SOLUÇÕES HORIZONTAIS: 1- Eruca. Copal. 2“O’er”. Sol. Ovo. 3- Np. Dália. Ía. 4- A.M. Ro. 5- Ruibarbos. 6Lorpa. Eudon. 7- Aer. Aca. 8- Calceolária. 9- I.M.. Mn. 10Aam. Axá. A.B.C..11- Lilás. Álcea.

1 a 31 de Março Horário do Museu

FÁRMACIAS TELEFONES ÚTEIS

4 a 17 de Março 2ª a 6ª das 15h00 às 18h00

ACÇÃO DE FORMAÇÃO - HIGIENE ALIMENTAR E NUTRIÇÃO Informações: Maia Welcome Center Local: Fórum da Maia 7 de Março

1- Espírito emanado da inteligência eterna, entre os agnósticos. Relativo ao Lácio. 2- Trincheira. Adorai. 3Antiga cidade da Caldeia, pátria de Abraão. Que cresce nos muros. Mil e cinquenta romanos. 4- Abreviatura de “Ipecacuanha”. 5- Membro das aves, que lhes serve para o voo. Vestígios da antiga exploração aurífera na Zambézia (Moçam.). Campeão. 6- Comida preparada com legumes, chouriço, carne, pimentos, etc.. 7- Cento e cinquenta e um romanos. Que existe de facto, verdadeiro, que não é imaginário. Deusa da Lua, entre os egípcios. 8Espécie de cabresto forte, com focinheira. 9- Polónio (s.q.). Percorrer, navegando a favor da corrente. Antes de Cristo (Abrev.). 10- Santa Maria de (...), freguesia do Concelho da Maia (Porto). Nome de alguns géneros de aráceas. 11Discurso laudatório. Cada um dos diversos graus por que pode passar a mesma cor, entre o claro e o escuro.

Turno A DA AGRA [Milheirós (P.)] GRAMAXO [Moreira da Maia (R. R.)]

Turno G GRAMAXO [Moreira da Maia (P.)] DA AGRA [Milheirós (R. R.)]

Turno B Turno H DO AEROPORTO [Pedras Rubras - V. N. BOM DESPACHO [Maia (P.)] da Telha (P.)] DO AEROPORTO [P. Rubras - V. N. da BOM DESPACHO [Maia (R. R.)] Telha (R. R.)]

PROCISSÃO EM HONRA DO SENHOR DOS PASSOS

Turno C CENTRAL [Maia (P.)] ALIANÇA [Vermoim (R. R.)]

Turno I ALIANÇA [Vermoim (P.)] CENTRAL [Maia (R. R.)]

7 de Março às 17h00

Turno D BASTOS [Gueifães (P.)] ÁLVARO AGANTE [Vermoim (R. R.)]

Turno J ÁLVARO AGANTE [Vermoim] BASTOS [Gueifães]

Turno E ARAÚJO [Nogueira da Maia (P.)] DAS GUARDEIRAS [Guardeiras - Moreira (R. R.)]

Turno K DAS GUARDEIRAS [Guardeiras Moreira (P.) ] ARAÚJO [Nogueira da Maia (R. R.)]

Local: Moreira da Maia

RECITAL POR SOLISTAS DA ORQUESTRA GULBENKIAN

Bilhetes: 2,50 euros Local: Grande Auditório do Fórum da Maia Terça a Sexta às 10h00 às 11h00

HORA DO CONTO

“Vem aí a prima Vera” -maiores de 3 anos “Lá vai uma... lá vão duas...” -maiores de 6 anos Local: Biblioteca Municipal da Maia

Turno F Turno L LIMA COUTINHO [Gueifães (P.)] VILA NOVA DA TELHA [V. N. da Telha VILA NOVA DA TELHA [V. N. da Telha (P.)] (R. R.)] LIMA COUTINHO [Gueifães (R. R.)]

FEVEREIRO Dia Turno

Terça a Sexta às 10h00 às 11h00

CICLO DE VIDEO

“A bela adormecida” -maiores de 6 anos Local: Biblioteca Municipal da Maia

MARÇO

27

28

29

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

A

B

C

D

E

F

G

H

I

J

K

L

A

B

Os feriados obrigatórios são: 1 de Janeiro; Sexta-Feira Santa; 25 de Abril; 1 de Maio; 10 e 14 de Junho; 15 de Agosto; 5 de Outubro; 1 de Novembro; 1, 8 e 25 de Dezembro. Os feriados facultativos são: Os municipais e Terça feira de Carnaval (12 de Fevereiro), para o pessoal técnico abrangido pelo C.C.T. (P.) - Permanente; (R.R.) - Regime de Reforço até 22h00)

Terça a Sexta às 15h00

CINEMA

CICLO CINEMA PORTUGUÊS

“Manhã submersa” -falado em português, maiores de 55 anos Local: Biblioteca Municipal da Maia

Warner lusomundo cinemas MAIASHOPPING DIA 26 A 29 DE FEVEREIRO Todos os filmes têm inicio 10 minutos após hora marcada (* Domingo) Tel: 22 977 04 50 • Fax 22 972 45 37

6 de Março às 15h00

KARAOKE INFANTIL

sala1

Local: Maialandia -Parque Infantil

sala2

7 de Março às 11h00

sala4

MÚSICA PARA BEBÉS

Local: Maialandia -Parque Infantil

sala3

sala5 sala6 sala7 sala7

8 de Março

MOSTRA BIBLIOGRÁFICA COMEMORATIVA DO DIA DA MULHER Local: Biblioteca Municipal da Maia

-

sala8 sala9 sala10 sala10 sala11 sala11 sala4

Spy Kids 3 (M/?) [11:05*; 13:30; 15:35; 17:40; 19:45; 21:50; 23:55] Alguém tem de ceder (M/?) [13:25; 16:10; 19:00; 21:40; 00:25] Fear X (M/?) [11:10*; 14:00; 16:15; 18:20; 21:30; 23:40] Cold Mountain (M/12) [13:45; 16:55; 21:15; 00:25] Fan Fan o sedutor (M/12) [11:25*; 14:05; 16:20; 18:35; 21:25; 23:50] Desaparecidas (M/?) [11:35*; 14:20; 17:20; 21:20; 00:10] Romance Arriscado (M/12) [11:20*; 14:15; 16:25; 21:35; 23:45] O Grande Peixe (M/12Q) [18:40] Pago para esquecer (M/?) [13:40; 16:20; 19:05; 21:45; 00:20] Gothika (M/?) [11:30*; 13:25; 15:35; 17:45; 19:45; 22:05; 00:15] A casa assombrada (M/12) [11:30*; 13:55; 15:55; 21:55; 00:00] O último samurai (M/12Q) [18:45] Scary Movie 3 (M/12) [11:15*; 13:50; 15:55; 22:00; 00:05] O Senhor dos Anéis (M/12Q) [18:00] Atlântida o continente perdido (M/6) [11:00]

Sexta-Feira, 27 de Fevereiro de 2004

EMERGÊNCIAS: Bombeiros Volunt. Moreira Assoc. Human. Pedrouços P.S.P. Maia P.S.P. Aeroporto de Pedras Rubras G.N.R. Maia Protecção Civil (C.M. Maia) Protecção Civil (C.M. Maia) Fax Protec. Civil (C.M.M) Linha verde

22 942 10 02 22 901 27 44 22 941 38 53 22 948 26 93 22 944 81 90 22 940 87 22 22 941 20 38 80 020 51 69

SERVIÇOS DE UTILIDADE PÚBLICA: Cartório Notarial da Maia 22 944 81 23 Conservatória do Registo Predial 22 948 39 29 1.ª Repartição de Finanças 22 944 81 33 2.ª Repartição de Finanças 22 971 35 94 1.ª Tesouraria da Fazenda Pública 22 948 43 32 2.ª Tesouaria da Fazenda Pública 22 971 72 71 Tribunal Judicial da Maia 22 943 89 00 Santa Casa da Misericórdia 22 944 81 36 Correios de Vermoim 22 948 44 46 EN - Electricidade do Norte 22 944 12 12 EN - (Comunicação de Avarias) 80 024 62 46 S.M. Águas e Saneamento da Maia 22 943 08 00 Inst. Emprego Form. Profissional 22 941 25 77 Áeroporto Sá Carneiro 22 941 31 41 Câmara Municipal da Maia 22 940 86 00 Aeródromo de Vilar de Luz 22 968 73 22 Biblioteca Gulbenkian 22 948 34 72 Forum da Maia 22 948 34 72 Forum Jovem da Maia 22 941 78 20 Gab. Apoio Defesa do Consumidor 22 948 24 62 E. M. Estacionamento da Maia 22 940 87 21 Academia das Artes da Maia 22 940 87 21 Linha Directa Ambiente 22 948 48 21 Linha Verde 800 202 639 Casa do Alto 22 905 95 20 SAÚDE: C. de Saúde da Maia (Linha Azul) C. Saúde de Á.Santas C. Saúde do Castêlo Unid. Saúde de Moreira Maia U. S. Moreira Maia(Linha Azul) Unidade de Saúde de Gueifães Unidade de Saúde de Milheirós Unidade de Saúde de Nogueira Unidade de Saúde de Vermoim Serv. Atend. a Situações Urgentes Cruz Vermelha Port. (Núcleo Maia)

22 944 84 75 22 948 79 18 22 973 54 20 22 981 02 38 22 942 22 78 22 942 79 68 22 948 34 20 22 972 33 22 22 944 86 55 22 948 47 07 22 944 87 90 22 941 12 21

TEST DRIVE 27 fFIAT IDEA 1.3 16V MULTIJET

antónio manuel marques antonio@maiahoje.pt

A Ideia tornou-se realidade Já está no mercado nacional a mais recente coqueluche da Fiat. O Idea é sinónimo de espaço e conforto, num veículo relativamente compacto. A versatilidade é também um ponto forte neste automóvel que apresenta soluções bastante interessantes no seu interior.

Esteticamente, o novo Fiat Idea assume uma imagem consensual. Um design moderno num formato compacto, fazem do novo Idea um automóvel agradável à maioria dos públicos, além de realçar o seu perfil citadino, um dos argumentos deste veículo. Quanto à condução, o motor 1.3 a diesel revela prestações normais face à potência de 70 cavalos de que dispõe. A suspensão é macia e confortável, o que contribui para uma condução relativamente agradável do Idea. O facto de este automóvel ser algo esguio e alto, faz com que nas curvas a uma velocidade mais alta, deslize um pouco de traseira, o que de forma controlada pode ser até divertido. No interior, ressaltam as originais soluções adoptadas na disposição dos instrumentos no tablier e quanto à localização de espaços para arrumos que contribuem também para o design moderno do Idea. Assim, podemos encontrar espaços para colocarmos objectos um pouco por todo o habitáculo, até no tejadilho interior. A nível de conforto, o Idea oferece

maiahoje

bastante espaço apesar do seu aspecto compacto. Outro aspecto a salientar é o nível de equipamento que aparece relativamente completo se tivermos em conta o preço competitivo deste modelo a diesel, que na versão base de equipamento (Active) não chega aos 18 mil euros. MOTORIZAÇÕES, PERFORMANCE E CONSUMOS Para já, o Idea está disponível em duas versões, esperando-se para breve a chegada do 1.2 de 80 cv a gasolina. Mas para já, existem a versão 1.4 com 95 cv de potência a gasolina e a versão 1.3 com 70 cv de potência, de resto a testada pelo Maia Hoje. Precisamente este bloco precisa de quase 15 segundos e meio para chegar aos 100 km/h, enquanto que a velocidade máxima ascende aos 159 km/h. Quanto a consumos, o Idea precisa de 6,2 litros para percorrer 100 km em percurso urbano, 4,5 l em circuito extra urbano e 5,1 l num percurso misto.

PREÇOS Os preços variam em função da selecção de um dos três níveis de equipamento disponíveis. Assim, na versão a gasolina, os preços vão de quase 18 mil euros do nível Dynamic até aos 19 mil do Emotion, estando disponível apenas nestes dois modelos. Na versão a diesel, os preços variam entre os 17 600 euros do Active, passando pelos 19 100 do Dynamic e acabando nos 20 000 do Emotion. CONCLUSÃO O novo Fiat Idea apresenta-se como uma proposta bastante interessante e até original. Este monovolume compacto oferece uma estética agradável, espaço e bom nível de equipamento a um preço relativamente competitivo em comparação com a concorrência. O Maia Hoje agradece à F3 Auto pela colaboração prestada.

EQUIPAMENTO PRINCIPAL DO VEÍCULO ENSAIADO Air Bag condutor S Air Bag passageiro S Air Bags cabeça N Air Bags laterais N Alarme Perimétrico N Alavanca da caixa em pele S Antena de rádio eléctrica N Apoio de braços frente S Apoio de braços traseiro N Ar Condicionado manual N Ar Condicionado duplo S Ar Condicionado auto S Arrumação adicional S Banco regulável em altura S Bancos aquecidos N Bancos desportivos N Bancos eléctricos N Bancos traseiros rebatíveis S Barras no tejadilho N Comando à distância S Computador de Bordo S Conta Rotações S Controlo ASC N Controlo BAS N Controlo CBC N Controlo EBD S Controlo EBV N Controlo ESP N Cruise Control S Desembaciador nos retrovisores N Desembaciador traseiro S Direcção assistida S Espelho antiencadeamento S Estofos em pele N Faróis de nevoeiro S Faróis de Xénon N Fecho centralizado S Gancho de reboque N Jantes de liga leve S Pára-choques na cor S Pintura metalizada S Pneu suplente Normal Porta copos S Porta luvas refrigerado N Rádio com comando no volante N Rádio leitor cassetes N Rádio leitor CDs S Retrovisores eléctricos S Relógio S Sensor de Chuva S Sensor de Luz S Sensores de estacionamento S Sistema ABS S Sistema City N Sistema de Navegação O Sistema Follow me S Taquigrafo N Tecto de abrir eléctrico N Tecto de abrir Manual O Telefone N Telefone com comando no volante N Tracção às 4 rodas N Travões de Disco à frente S Travões de Disco atrás S Vidros eléctricos frente S Vidros eléctricos trás S Volante em pele S Volante regulável em altura S Volante regulável em profundidade N

MANUTENÇÃO Manutenção Garantia mecânica Garantia Corrosão Garantia Pintura

Não disponível Não disponível Não disponível

ASSISTÊNCIA Assistência Assistência 24 Horas Primeira Revisão Segunda Revisão

Não disponível Não disponível Não disponível

CUSTOS Custos Imposto Municipal anual Seguro terceiros Primeira revisão Segunda revisão Terceira revisão

Não disponível Não disponível Não disponível Não disponível Não disponível

O = Opcional; S = Série; N = Não disponível PUB

Sexta-Feira, 27 de Fevereiro de 2004

PUB


100