Page 1

maiahoje www.maiahoje.pt

Autorizado a circular em invólucro plástico fechado. Pode abrir-se para verificação postal. AUT48 DE0656/2003DCN

pub

jornal regional de grande informação

24 MAR - 08 ABR 2005

Lipor e Deco lançam “Guia do Consumo”

Ano VI ¦ Nº 126 ¦ Quinzenal ¦ Director: Artur Bacelar ¦ Sai às Sextas ¦ 0.50 =C IVA incluído ¦ Porte

Pago

pág. 03

Lipor e Deco lançaram um “Guia do Consumo Sustentável”. O livro em jeito de diário, apresenta uma série de dicas para poupar energia e recursos naturais, no dia a dia de cada um.

Moreira de Sá em entrevista

pág. 07

´… natural que os polÌticos, em fase descendente, ataquem os comentadoresª, afirmou o vice lÌder da bancada PSD/CDS-PP na Assembleia Municipal da Maia.

Manuel Monteiro e as pág. 08 “Autárquicas” na Maia Líder do PND acredita que poderão acontecer surpresas nas eleições de Outubro. Avisa que o candidato do PSD terá que ter grande “arcaboiço” para substituir Vieira de Carvalho.

Águas Santas quer Serviço de Urgência

É esta a posição de Jorge Catarino, o único “candidato a candidato” socialista à Câmara Municipal da Maia, até ao momento. O responsável aponta falhas ao Plano de Pormenor de Souto Moura, referindo que em caso de vitória nas eleições autarquicas a sua prioridade vai para o realojamento de pessoas que vivam em ilhas e barracas.

pág. 12

Utentes de Águas Santas têm sido rejeitados no SASU (Serviço de Atendimento a Situações de Urgência) do Centro de Saúde de Ermesinde, sendo remetidos para a unidade da Maia. Presidente da Junta de Freguesia enviou ofício queixoso à ARS Norte, solicitando um Serviço de Urgência para o Centro de Saúde de Águas Santas.

Acerte os relógios...

pág. 36

Há 1.00h da manhã de Domingo adiante o relógio uma hora.

índice das freguesias Águas Santas . . . . . . . . . . .12, 13, 14 e 18 Barca . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .14 e 18 Gemunde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .14 Maia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15 e 19 Moreira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .15 Nogueira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .18 Pedrouços . . . . . . . . . . . . . . . . . . .19 e 20 S. Pedro Fins . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .20 Vermoim . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .15 e 20 pág. 05

a opinião de... Nelson Ferraz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .21 Orlando leal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .21 Luís Clemente Ribeiro . . . . . . . . . . . . . . .21

importa-se de repetir... «Vão ser as primeiras “Autárquicas” sem Vieira de Carvalho. E Vieira de Carvalho era um partido dentro dos partidos». Manuel Monteiro na EB 2,3 de Nogueira, no âmbito de uma conferência sobre a União Europeia.

PUB


02 dito

quinta-feira 24 de Março, 2005

e

escrito

«Ironia das ironias, estou aqui hoje a vender-vos a ideia da União Europeia» Manuel Monteiro na conferência sobre a UE, a propósito do rótulo que lhe colam de anti-europeísta

«A Câmara Municipal está a fazer um investimento num clube vazio» Artur Romão, treinador recentemente despedido do Ginásio Clube da Maia

«O país está-nos agradecido. Foi preciso inaugurarmos o parque de estacionamento de Vermoim para que viesse a chuva». Aloísio Nogueira, Presidente da Junta de Freguesia de Vermoim, durante a cerimónia de inauguração

«Em 92 fui pressionada a ceder aquele terreno para construírem as piscinas e agora vejo aquele mamarracho numa das entradas da cidade. Até dói o coração», antiga proprietária dos terrenos onde se ergue o “esqueleto” das Piscinas Municipais.

«Esta visita é um acto de propaganda eleitoral porque quando dou um donativo não chamo a Comunicação Social para assistir» Jorge Catarino, Presidente da Concelhia PS Maia, sobre a visita do Presidente da autarquia a Lares de Terceira Idade.

mh Onde vai o governo com tanta pressa a apresentar propostas de despenalização do aborto? Segundo se soube esta semana, a pergunta a colocar em referendo aos portugueses pela maioria PS será a seguinte: «Concorda que deixe de constituir crime o aborto realizado nas primeiras dez semanas de gravidez, com o consentimento da mulher, em estabelecimento legal de saúde?», ou seja, concorda que a mulher não vá presa por isso? Apesar de ser contra, por não considerar que o sistema nacional de saúde, logo os nossos impostos, tenha que pagar este tipo de “contraceptivos”, gostaria de saber o porquê de tanta pressa. Não seria mais urgente (já que falamos de justiça e de cidadãos que vão parar à cadeia), “mexer” no assunto das prisões preventivas? Este assunto também é grave, afecta milhares de Portugueses, é importante e não tem solução numa qualquer clínica de Badajoz. Para se verificar esta “pressa” avalie-se a urgência dada ao caso pelo deputado Vitalino Canas, que segundo o Expresso adiantou que «a intenção do PS é que os projectos sejam agendados o mais rapidamente possível». Quanto mais não seja porque, toda a gente sabe, a pressa é inimiga da perfeição. A terminar uma pergunta: Onde estão os “tais” amplos debates sobre o assunto, uma vez que os projectos são praticamente iguais aos que o PS, em conjunto com a restante oposição, apresentou em Março de 2004?

À hora do fecho da edição e à pergunta «No Jornal maiaHoje, qual é a secção da sua preferência?», o Painel MaiaHoje.pt, composto pelos visitantes do “site” www.maiahoje.pt, respondeu da forma representada no nosso gráfico.

PÁG. DOIS

artur bacelar ¦¦ director

editorial

A pressa painel mh Total de Votos: 86

Lembramos que o resultado do Painel “MaiaHoje.pt”, não pretende ser de alguma forma uma sondagem ou consulta de opinião. Para a próxima quinzena a questão que iremos colocar no painel MaiaHoje.pt é a seguinte: «Quem acha ser o melhor candidato do PS à Câmara da Maia» Lembramos que esta votação vai estar on-line a partir de hoje e até ao dia 6 de Abril, sendo os resultados publicados na edição número 126 de 7 de Abril.

objectiva Título: Leitores! «Se não sair na fotografia compro o outro jornal...»

por: Carlos Barrigana carlos@maiahoje.pt pub


GRANDE MAIA

mh jornal regional de grande informação

www.maiahoje.pt press@maiahoje.pt PROPRIEDADE DE:

MAIAPRESS EdItoRES, LdA. REGISTADA NA CONS. REG. COM. DO PORTO COM O NÚMERO 1313 CONTRIBUINTE NÚMERO 504 786 954

DIRECTOR DA PUBLICAÇÃO: Artur Bacelar (C. P. n.º 9471) artur@maiahoje.pt CHEFE DE REDACÇÃO: António Manuel Marques (C. P. n.º 9478) antonio@maiahoje.pt REDACÇÃO: António Armindo Soares soares@maiahoje.pt Carlos Barrigana (AJD n.º 1277) carlos@maiahoje.pt José Matos (C. P. n.º 9293) jose@maiahoje.pt

mh

quinta-feira 24 de Março, 2005

03

Pequenos passos para um mundo melhor Lipor e DECO lançaram um Guia de Consumo Sustentável. O documento é uma espécie de diário com pequenas dicas a aplicar pelos cidadãos no dia a dia. ANTÓNIO MANUEL MARQUES

Tendo como base o protocolo existente entre a Lipor e a DECO, ambas as entidades elaboraram um Guia para o Consumo Sustentável. O pequeno livro é um género de diário, representando diversos locais onde o cidadão normalmente passa o seu dia a dia, quer dentro, quer fora da sua habitação, com as respectivas dicas para um “consumo sustentável”, privilegiando a poupança de energia e recursos, numa perspectiva da protecção do Ambiente. O objectivo da iniciativa passa por “despertar a consciência

do impacto ambiental que provocamos. Com gestos simples que podem transformar o consumo diário numa grande ajuda para melhorar o mundo que nos rodeia”. De acordo com o Presidente da Delegação Norte da DECO, Delfim Carneiro, a temática do consumo ocupa cada vez mais um lugar central no desenvolvimento, «as questões de consumo e de pré e pós consumo é que levam a um sistema sustentável. Uma associação de consumidores tem de ter presentes estas questões integradas». Já o Presidente do Conselho de Administração da Lipor, Macedo Vieira, realçou a importância da colaboração

entre as diferentes entidades nesta área, «têm que existir sinergias para resolver estes problemas. Já temos instituições de renome europeu e mundial sem a cooperação dos consumidores. É altura de trabalharmos todos em sintonia nestas questões que nos atravessam transversalmente». Numa primeira fase, estes guias serão distribuídos pelos associados da DECO do Grande Porto. Numa fase posterior, a distribuição será alargada a professores e líderes de opinião, com a Lipor e as Câmaras Municipais a desempenharem também um papel nesta área.

DIRECTORA COMERCIAL: Manuela Sá Bacelar manuela@maiahoje.pt DESIGN / PAGINAÇÃO: Bruno Ferreira da Silva bruno@maiahoje.pt SECRETARIA DE REDACÇÃO: Diana Batista diana@maiahoje.pt COLABORADORES: Andreia C. Faria andreiafaria@maiahoje.pt Francisco Alves (Palavras Cruzadas) Francisco José Bacelar (Desporto) francisco@maiahoje.pt Júlio Sá Ornelas (Fotografia) (C. P. n.º 10056) julio@maiahoje.pt Manuel Ferreira manuel@maiahoje.pt Miguel Ângelo Machado (C. P. n.º 9296) miguel@maiahoje.pt Nelson Azevedo Ferraz (Crónicas) Raul Silva Raul@maiahoje.pt Rui Alexandre Ribeiro (Psicologo) Williams James Marinho (Sociedade) DISTRIBUIÇÃO: Millennium Press - Maia REDACÇÃO / D.COMERCIAL Rua dos Altos, Edifício Arcada, loja 12 • 4470 - 235 Maia Telefones 22 947 62 62 Telefax. 22 947 62 63 Dep. Comercial. 22 947 62 64 Sede: Rua dos Altos, Edifício Arcada, loja 12 • 4470 - 235 Maia Depósito legal 147209/00 DGCS nºo 123524 Tiragem 3.000 exemplares IMPRESSÃO: EMPRESA DO DIÁRIO DO MINHO Rua de Santa Margarida, 4A 4470-306 Braga Os artigos de opinião são da responsabilidade de quem os assina, não reflectindo nem vinculando a opinião dos editores bem como do director do Jornal. A direcção do Jornal é defensora da plena liberdade de expressão, reservando-se a direcção a não publicar artigos de opinião que prejudiquem a imagem e liberdade de outros. É política do Jornal o pluralismo e isenção nos assuntos tratados.

Laços reforçados entre Maia e S. Nicolau Presidente do município de São Nicolau, em Cabo Verde, visitou o Concelho da Maia. Deslocação prendeu-se com o reforço do acordo de geminação entre as duas localidades. AMM

O Presidente do município de São Nicolau, Amílcar Spencer Lopes, deslocou-se ao Concelho maiato na semana passada, numa “visita de trabalho”. Em cima da mesa estiveram questões relacionadas com o acordo de geminação entre as duas localidades, nomeadamente o seu aprofundamento. Este protocolo, existente há cerca de cinco anos, abrange nomeadamente a área cultural e educacional com o intercâmbio de estudantes e o apoio através de bolsas de estudo. Neste capítulo, quatro estudantes Cabo-verdianos estão, neste momento, a frequentar escolas maiatas, prevendo-se a chegada de mais um em breve. A ajuda maiata também se faz através de verbas para pequenas obras. Em contrapartida, está já há algum tempo em análise a possibilidade de uma colónia de férias em Cabo Verde, para jovens e idosos maiatos. Em funções há cerca de meio ano, Amílcar Spencer Lopes visitou oficialmente a Maia pela primeira vez, numa deslocação que se estendeu ainda à EB1 D. Manuel II e à Tecmaia.

Amílcar Spencer Lopes (ao centro) saiu da Maia com a promessa de maior apoio. pub


04

quinta-feira 24 de Março, 2005

mh

GRANDE MAIA

«O plano será imediatamente revogado» Jorge Catarino, o único até ao momento a avançar como candidato socialista às “Autárquicas”, garante que se vencer, revoga imediatamente o Plano de Pormenor para o novo centro da cidade. Entretanto, na apresentação pública do documento sobressaiu a apreensão de alguns moradores face ao projecto. depois

agora

ANTÓNIO MANUEL MARQUES

O actual líder PS Maia, e único a disponibilizar-se até agora para encabeçar a lista PS Maia às próximas eleições autárquicas, Jorge Catarino, afirmou ao MaiaHoje, discordar de vários pontos do Plano de Pormenor do Novo Centro Direccional da Maia, projecto do arquitecto Souto Moura. O responsável socialista assegura que, se de facto for o candidato escolhido e se vencer o próximo acto eleitoral, este Plano «será imediatamente revogado. Não vamos obrigar ninguém a sair do Bairro do Sobreiro, a não ser que queira. Ainda assim, o Bairro do Sobreiro terá que sofrer uma requalificação. Mas a prioridade é realojar as pessoas que vivem em barracas e em ilhas e só depois se verá essas situações». Entre os factores que Jorge Catarino aponta como negativos ao projecto estão o facto de este plano surgir apenas agora, quando já deveria ter sido «feito há 20 anos», a alegada repetida apresentação deste projecto, «num acto de campanha eleitoral» e a insustentabilidade da sua execução, dado «o estado das finanças da Câmara que não pode fazer investimentos e as carências habitacionais do Concelho».

Centro Direccional causa apreensão O Salão Nobre da autarquia encheu-se para assistir à apresentação pública do Plano de Pormenor para o Novo Centro Direccional da Maia, projecto que tem como horizonte temporal as duas próximas décadas, dada a dimensão e complexidade da obra. Apreensão e preocupação foram as “palavras de ordem” de uma parte dos maiatos presentes, principalmente moradores na Av. D. Manuel II, que vêem com este projecto algumas das suas habitações demolidas e propriedades transferidas. De modo a renovar todo o centro citadino, este plano dividido em duas partes, (Sector A - área entre a Igreja da Maia e Av. Visconde Barreiros, Sector B - área que engloba o Bairro do Sobreiro) vai reunir todas as propriedades numa só para depois a distribuir por todos os proprietários, tendo em conta as características anteriores da propriedade, num modelo justo, segundo José Lameiras, do Gabinete de Estudos e Planeamento Estratégico da autarquia, «estamos a criar sistemas de equidade nos terrenos. Toda a gente terá a mesma capacidade de construção. Queremos privilegiar a igualdade. Isto é lei nacional.

Nenhuma destas propriedades é beneficiada em relação a outras». No entanto, a ainda significativa indefinição quanto a este processo, nomeadamente na questão do realojamento, continua a causar muita apreensão entre os maiatos visados por este projecto. Questões como «Onde vou morar?» e queixas sobre falta de informação dominaram a discussão pública. Face a estas dúvidas, tanto o Presidente da autarquia, como o Vice Presidente, Bragança Fernandes e Silva Tiago, respectivamente, asseguraram que ninguém vai ser obrigado a sair das suas habitações, «as questões que foram colocadas são perfeitamente compreensíveis de pessoas que têm a sua casa e que têm receio. A Câmara tratará dessas questões com total disponibilidade para consertar as soluções de forma a que ninguém saia prejudicado deste plano», referiu Silva Tiago. Por seu lado, Bragança Fernandes garantiu estar a trabalhar para o melhor dos maiatos, referindo mesmo que visitará individualmente os visados pelo projecto, para proceder a uma explicação do processo. Para os interessados, a consulta do Plano de Pormenor poderá ser feita na Câmara Municipal, nas Juntas de Freguesia abrangidas ou pela Internet, no site www.cmmaia.pt.

Zona desportiva excluída do Plano O Plano de Pormenor do novo Centro Direccional da Maia demorou alguns anos no seu processo de elaboração, tendo sofrido alterações significativas ao longo da sua realização. Uma delas e a mais recente, foi a exclusão da intervenção na zona desportiva central da cidade que alberga entre outros equipamentos, o Estádio Municipal Vieira de Carvalho e o Pavilhão Municipal de Ginástica. Rodeada de polémica aquando da sua divulgação, a intervenção naquela zona foi retirada desta versão final do Plano de Pormenor por imperativos legais, justificou Souto Moura, «chamaram-me a atenção para que não se pode fazer um Plano de Pormenor a 25 anos. A parte desportiva não está envolvida apenas por uma questão de gestão». Desta forma, a decisão sobre uma eventual intervenção naquela zona ficou adiada para daqui a cerca de duas décadas.

Números 3167 fogos (novos e antigos) 10 134 (novos habitantes) 10,58m2 de espaços verdes por habitante 957 lugares de estacionamento

Junta de Freguesia de Folgosa A Junta de Freguesia de Folgosa, deseja a todos os maiatos e em particular à população de Folgosa, uma Santa Páscoa.


mh

GRANDE MAIA

quinta-feira 24 de Março, 2005

05

As perguntas da noite... Foram várias as questões postas pela população nesta Apresentação Pública do Plano de Pormenor do Novo Centro Direccional da Maia, reflectindo alguma apreensão quanto ao futuro. O MaiaHoje reproduz aqui algumas das mais importantes, com a resposta dada pelos responsáveis pelo projecto. P: O que é que vai acontecer às pessoas que vivem no Bairro do Sobreiro? Ficam lá ou vão ser expulsas? Silva Tiago: A Câmara Municipal não vai expulsar nenhum morador do Bairro do Sobreiro. A Espaço Municipal vem tratando aquelas pessoas como concidadãos e assim vai continuar a acontecer. A autarquia tem tratado dos jardins e muito recentemente repavimentou a via central do Sobreiro. Há alguns anos deu também uma pintura geral nos edifícios, excluindo as torres. P: O que tem sido feito no Bairro do Sobreiro é muito pouco. Requalificar a zona é demolir? Souto Moura: Quando aceitei este trabalho, entendi que pelo estado das habitações e das estruturas de água e electricidade, entre outras, não era rentável a recuperação, sendo mais viável a sua reconstrução. A requali-

ficação do Bairro do Sobreiro é feita demolindo e reconstruindo os edifícios. Além disso, o Instituto Nacional da Habitação fez um estudo que fica mais caro requalificar do que construir. P: O que vai fazer a Câmara em relação aos proprietários que têm um índice de construção 1, e que agora vai ser reduzido? José Lameiras: Os índices residem na diferença de custos das duas áreas. O Plano Director Municipal não estabelece valores certos, mas apenas um tecto. Estamos a criar sistemas de equidade nos terrenos. Fazemos uma operação de reparcelamento, com a reunião de todos os terrenos num só e distribuição por todos conforme os terrenos anteriores. Queremos privilegiar a igualdade portanto, toda a gente terá a mesma capacidade de construção. P: Moro em frente ao Estádio e nem eu, nem os meus vizinhos, queremos sair dali. Será preciso muito dinheiro para as nossas indemnizações... O que vai ser feito das piscinas? São dois milhões de contos deitados fora? O que vai ser do campo do F. C. Maia? Silva Tiago: A questão da habitação está completamente salvaguardada. Quanto ao F. C. Maia a Câmara Munici-

pal tem sido a sua entidade mais protectora, como fez com os outros clubes. Quanto às piscinas, avançou-se com o projecto, mas parou porque o Governo, em Lisboa, constrói e paga; aqui se alguém quer uma Piscina tem de a construir, pagar e manter. A Câmara Municipal já ofereceu aquele equipamento como está a vários Governos e ninguém o quis.

Concelho), sendo que assim na zona desportiva nasceriam equipamentos mais destinados às pessoas.

P: Essa questão deveria ser posta no início e não agora com o mamarracho feito. Onde e quando vão ser realojadas as 500 famílias do Bairro do Sobreiro? O que fez mudar o plano inicial tanto em relação a este? O que aconteceu à fase 3 e 4? Como vai haver a adequação entre este Plano de Pormenor e aquela zona da Praça Maior (zona desportiva)?

Silva T iago: Se ainda não foram contactados é porque ainda não aconteceu nada na prática que os envolva. Ninguém quer prejudicar ninguém. Quando forem contactados a solução terá de ter o acordo de ambas as partes.

Souto Moura: Existem duas grandes mudanças - propus uma torre que poderia poupar terreno, mas não foi possível devido à proximidade do Aeroporto. A outra era sobre a zona desportiva e escolar que só seria possível daqui a 20 anos. Mas chamaram-me a atenção para que não se pode fazer um Plano de Pormenor a 25 anos. A parte desportiva não está envolvida apenas por uma questão de gestão. Quanto ao campo de futebol, há um projecto do Siza Vieira que prevê um estádio (Projecto Nova Maia para a zona leste do

P: Vão continuar a tratar os moradores da Av. D. Manuel II da mesma maneira. Até há bem pouco tempo não soubemos de nada. Soubemos sempre por terceiros das decisões da Câmara. Para onde vou morar?

P: Tinha a impressão que o envolvimento dos cidadãos era mais pacífico e portanto o plano sai daqui fragilizado. Se acreditam no plano porque querem uma área crítica de recuperação urbana (permite fazer expropriações)? José Lameiras: Quanto à participação, houveram avisos na Comunicação Social e discussão. Nada impede que o plano seja alterado. Há estudos que estão a ser desenvolvidos em paralelo. A Câmara Municipal é livre de reivindicar a utilidade pública, mas não temos muito a ganhar com isso.

Visita Municipal de deputados irrita presidente «Todos querem pertencer, mas depois … o interesse é muito pouco» ANTÓNIO SOARES

Por ser a última visita e a que o presidente da Mesa da Assembleia Municipal, Luciano Gomes, considera ser «a mais importante», por se tratar de uma deslocação a instituições de solidariedade social, que engloba a infância e a terceira idade, não deixou de se manifestar desagradado, e até irritado com a fraca participação de deputados. E chegou mesmo a desabafar: «Quando se formam as listas todos querem pertencer, mas depois nota-se que a participação e o interesse é muito pouco». Para Luciano Gomes a conclusão que traçou, no final da visita temática dedicada á infância e à terceira idade, é que os ATL «são tão importantes como a creche, porque muitos pais saem tarde dos seus empregos». Por isso considera que também «é uma forma de formação e um complemento do trabalho desenvolvido no infantário. Defende que devem ser construídos nas escolas. Quanto ao que sentiu durante o que viu nas instituições que visitaram, o presidente da Assembleia Municipal acha necessário

«um maior reforço de apoio». «É pena que nós não possamos ajudar mais estas instituições, e sinto que, de facto, precisam de ser ajudadas. Há que arranjar processos de promover ajudas, seja do Estado ou das autarquias». O primeiro ponto de visita foi a Creche Infantário de Milheirós, onde a directora é Ana Luísa Fonseca, e que tem no seu activo 114 utentes, distribuídos entre a Creche e o Jardim-de-infância. Gerido pela Santa Casa da Misericórdia, este estabelecimento tem como actividades extra curriculares a educação física, música, inglês e informática. Já em S. Pedro Fins, a Creche Jardim-deinfância, que é propriedade da Junta de Freguesia, abriu as portas aos visitantes e mostrou a excelência das suas instalações. Pelo que fizeram constatar a directora Margarida Costa e o presidente da Junta, Joaquim Marques Gonçalves, a necessidade de um ATL. O Infantário de Crestins, que tem como directora Fátima Ribeiro, mostra ser um projecto com uma certa inovação e vocacionado (como todos os infantários), para as artes. E onde também uma

biblioteca promove conhecimentos e saberes, como o exemplo de mensalmente os utentes apreciarem um conto e ficarem a ter mais dicas sobre projectos ligados á Ciência Divertida. O Centro de Animação e Infância de Vermoim, é mais uma unidade gerida pela Misericórdia da Maia, cuja directora é Fernanda Pinheiro. Tal como os outros mostra-se como um bom exemplo e o espelho de um bom trabalho que teve o seu início no ano de 1987. No que diz respeito ao ATL, um edifício pré-fabricado que recentemente foi requalificado e que está mais funcional e acolhedor. O Lar Prof. Vieira de Carvalho que serviu o almoço aos visitantes, e teve o Provedor da Santa Casa da Misericórdia da Maia, Fernando Almeida a dar as boas vindas e a mostrar a “sua” casa. Já no início da tarde, em Gueifães, o Lar Santo António, da Conferência S. Vicente de Paulo, recebeu a visita e mostraram as necessidades, que para além de «manterem a qualidade de vida», querem ampliar as instalações para construírem um salão para festas, e onde pretendem instalar uma lavandaria e uma cozinha.

Têm também desejo de construírem uma capela maior. E ainda, no primeiro piso fazer mais duas enfermarias e 6 quartos para 12 idosos. A Creche Infantário Águas Santas II, cuja directora é Dores Ferreira, mostrou a funcionalidade e modernidade das suas instalações. Segundo o que disse Maria de Lurdes Almeida, tesoureira da Santa Casa, aqui a grande lacuna é o ATL, «até porque as solicitações são inúmeras». Por último, o «Amanhã da Criança» que actualmente tem em fase de conclusão a ampliação das suas instalações, que contempla creche e berçário, numa obra que tem custos de 120 mil contos (moeda antiga) e que contará com a colaboração da Fundação Mário Soares. A inauguração da nova valência será daqui a 2 meses e terá a presença do ex-presidente da República. O presidente da direcção, José Manuel Correia, em desabafo, disse que a sua instituição «tem vindo a lutar com muitas dificuldades». «Dificuldades essas que seriam mais minimizadas se o Estado desse maior apoios a instituições como esta», reforçou Luciano Gomes, no final de visita. pub

COMPLEXO HOTELEIRO DE SANTANA Hotel • Aparthotel • Health Club • restaurante

DE 2ª A 6ª FEIRA : Almoço Buffet Executivo - 6.50 euros p/ pessoa DOMINGO: Almoço Buffet c/ Buffet de Sobremesa - 10 euros p/ pessoa

ÀS SEXTAS-FEIRAS Jantar c/ Música ao V ivo Entradas • Picanha • Sobremesa • Café = 15 euros p/ pessoa Health Club com píscina aquecida, sauna, turco, jacuzzi sala de cardiofitness

ABERTO 7 DIAS POR SEMANA Rua de Santana, 947 (à Maia • S. M. Infesta) • 4465-742 Leça do Balio Tel. 229 069 780 • Fax 229 069 789 E-mail hotelsantana@iol.pt • www.hotelsantana.com.pt


06

mh

quinta-feira 24 de Março, 2005

19ºAniversário

3 Abril Pavilhão Rosa Mota A partir das 15 horas

AO VIVO Ágata Ana Malhoa Anjos Bandalusa Broa de Mel Conjunto Maria Albertina Cristiane Sollari Fernando Santana Joanna João Portugal José Malhoa Luigi Manuel Morais & Lurdes de Sousa Marco Paulo Marcus Margareth Menezes Maria da Fé Maria do Sameiro Menito Ramos Miguel e André Mónica Sintra Nelo Sila & Cristiana Nelson Duarte Rosita Rui Bandeira Santamaria Suzana Tony Carreira Vitorino

Entrada: 5 euros

GRANDE MAIA

“Não admitiremos pressões nem algum tipo de censura...” Presidente de Junta PSD criticou o boletim “Confronto” da autoria da JSD Águas Santas/Pedrouços, apelidando-o de ofensivo. Estrutura reagiu em comunicando rejeitando “pressões” e “censura”. ANTÓNIO MANUEL MARQUES

Através de comunicado, a JSD Águas Santas/Pedrouços veio tentar lançar alguma luz sobre a controvérsia recentemente surgida, relativamente ao seu boletim “Confronto”. Segundo, Rui Meneses, Presidente da Comissão Política daquela estrutura, «existiram críticas efectuadas antes e durante o plenário do PSD que achamos que não

foram as mais correctas. Eu e a JSD achamos por bem rebater essas críticas». Ao que o mesmo responsável referiu, um Presidente de Junta de Freguesia PSD afirmou-se atingido na sua dignidade, devido a um artigo da última edição do “Confronto”. Rui Meneses assegurou ao MaiaHoje, que não foi nem é esse o propósito, «não é esse o objectivo mas apenas chamar a atenção para os problemas, sempre numa perspectiva de contribuição

para a sua solução. Estamos aqui por causas e ideais e não pelo combate pessoal». No referido comunicado pode ainda ler-se que “não admitiremos pressões nem algum tipo de censura de órgãos externos à estrutura. A liberdade de opinião e espírito de crítica construtiva é um valor que nos assiste, não sendo de forma alguma questionável”. Desta forma, «o “Confronto” é de certeza para continuar», assegura Rui Meneses.

Juventude Socialista vai a votos em núcleos maiatos Secção concelhia apresentará manifesto eleitoral direccionado aos jovens No contexto dos processos de harmonização eleitoral lançado pela JS Nacional e no seguimento da revitalização dos núcleos incentivada pela concelhia maiata, vão-se realizar eleições nos núcleos de Águas Santas, Maia e Gueifães. A saber: Águas Santas - 30 de Março (19H00 às 23H00); Maia e Gueifães - 28 de Março (19H00 às 23H00). Noutro contexto, refira-se que a secção da Maia PS apresentará às freguesias que

abrange dois manifestos eleitorais; um de ordem geral, o outro mais empenhado nas questões dos jovens. Numa informação prestada pelo Secretário Coordenador da Secção da Maia do PS, João Santos, este refere que “os jovens têm necessidades próprias e entendemos que estas têm sido ignoradas por alguns dinossauros do nosso concelho, que não possuem sensibilidade para estes problemas”. O manifesto

surge, então, “para vincarmos que chegou a altura de as ânsias dos jovens serem também correspondidas pelo poder autárquico” As ideias apresentadas pela Secção do PS da Maia concentram-se num programa cujos principais vectores passam pelo combate à exclusão social, promoção da cultura juvenil e fomento do desenvolvimento pessoal. Mais informações poderão ser encontradas no site “www.pelamaia.blogger.com.br/index.html”.

Protocolo assinado antes das eleições atribui dez milhões de euros Em reunião do executivo, foi revelada a assinatura de um protocolo com o Governo para a comparticipação de dez milhões de euros em obras desportivas. Discussão à volta do Festival Gastronómico da Maia foi outra das questões a destacar. ANTÓNIO MANUEL MARQUES

Dez dias antes das eleições legislativas, Presidente da Câmara Municipal da Maia, Bragança Fernandes, assinou um protocolo de cooperação para o desenvolvimento desportivo com o Governo, acordo que prevê uma comparticipação financeira no valor de dez milhões de euros para obras de carácter desportivo a decorrer no Concelho maiato. Entre os equipamentos referidos, estão o Pavilhão Municipal de Pedrouços, o Estádio Municipal de Pedras Rubras e um Pavilhão em Vila Nova da Telha. Os contornos do protocolo revelados em reunião do executivo apanharam de surpresa alguns dos presentes, nomeadamente a oposição socialista que deixou a dúvida sobre o cumprimento do acordado, dada a revisão do Orçamento de Estado com a tomada de posse de novo Governo. A proposta para a realização do 8º Festival Gastronómico da Maia foi o mote para uma das discussões mais acesas da reunião. O vereador Socialista Miguel Ângelo Rodrigues inquiriu o executivo sobre os critérios de selecção dos 20 restaurantes participantes, defendendo que o orçamento de 22 mil euros

inteiramente pagos pela autarquia, chegam a ser uma «ferramenta de concorrência desleal em relação aos que não foram seleccionados». Na resposta, o vereador da Cultura e autor da proposta, Mário Nuno Neves, esclareceu que a Comissão Organizadora entendeu que apenas duas dezenas de restaurantes reuniam as condições necessárias, sendo que a principal preocupação que preside ao certame são «os objectivos pedagógicos em relação aos participantes como a higiene e segurança, levando a cabo acções paralelas». Este responsável aproveitou ainda para criticar Miguel Ângelo Rodrigues por mudar de tom em reuniões do executivo que contem com a presença da Comunicação Social, afirmação que aliás “perdurou” durante o resto da reunião em tom irónico, sendo relembrada aqui e ali em diversas intervenções. O vereador socialista discordou completamente «não é verdade. O que não lhes agrada não tem critério. Voto contra porque não se justifica um Festival Gastronómico neste modelo». Em cima da mesa, estiveram ainda a sexta modificação ao Plano Anual de Investimentos com a retirada de 80 mil euros da verba inscrita para o Plano

Especial de Realojamento, destinados a uma obra na Quinta da Gruta, como a alteração ao Plano de Actividades que retira 100 mil euros da verba destinada à Junta de Gemunde e 80 mil da Junta de S. Pedro de Avioso. Bragança Fernandes justificou estas alterações, «são verbas para obras mais prioritárias». De referir ainda, a comparticipação da Câmara Municipal da Maia no aumento de capital das Águas do Cávado, mais precisamente para cobrir a parte do Município de Esposende que se recusou a aderir a este procedimento. Assim, a Maia à semelhança dos outros municípios que pertencem à empresa vai despender 87 500 euros, ficando depois com 9% do capital, enquanto Esposende terá 7%. Uma nota ainda para o apoio ao voto de repúdio de Fernando Ruas, Presidente da Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP), referente às declarações de Saldanha Sanches ao DNnegócios, onde referia ter conhecimento de casos de autarcas corruptos. Uma ressalva para o Vereador Rogério Rocha que reprovou o pedido de um inquérito ao Ministério Público por parte da ANMP, antes de ouvir as autarquias.

Junta de Freguesia de Moreira A Junta de Freguesia de Moreira, deseja a todos os maiatos e em particular à população de Moreira, uma Santa Páscoa.


GRANDE MAIA

mh

quinta-feira 24 de Março, 2005

07

«É natural que os políticos, em fase descendente, ataquem os comentadores» Fernando Moreira de Sá, vice-presidente da bancada da coligação PSD/PP na Assembleia Municipal da Maia, ex-Presidente do CDS-PP local, além da sua actividade profissional e da presidência do Clube de Todo-o-terreno da Maia, confessa-se um «apaixonado» pela política, pelo que arranja sempre “um tempinho” para em tertúlia com os amigos, ou em artigos em jornais locais, expressar publicamente a sua opinião. o que já fiz, e me deu gosto fazer, mas porque acima de tudo é preciso ter-se gosto pela política e pelo que se faz. MH – Voltando à Assembleia Municipal, acha que Luciano Gomes deve continuar como presidente da assembleia, ou pelo menos candidato? MS – Não vejo nenhum problema nessa matéria. O Senhor Luciano há muitos anos que é presidente da assembleia municipal. Há muitos anos que é o candidato do PSD e até depois da coligação. Por esse motivo julgo que será a primeira pessoa a ser convidada. Pelo menos era o que eu faria se estivesse no lugar do engenheiro Bragança Fernandes. Depois candidato ou não, isso deverá depender muito do Sr. Luciano Gomes!

Maia Hoje – Em que condição está actualmente na Assembleia Municipal? Moreira de Sá – Actualmente estou lá numa condição muito estranha, que deriva da própria Lei. Eu já não sou militante do CDS/PP, por esse motivo considero que estou na qualidade de independente, mas não o posso ser (independente) perante a Lei. É assim uma coisa um bocado complexa, mas como nestas coisas sou extremamente pragmático, afirmo ser hoje, um deputado independente, que foi eleito por uma coligação. MH – Nessa situação, poderia ou pode substituir o actual Líder de bancada… MS – Pelo que referi anteriormente é-me de todo impossível substituir o actual Líder, nem eu desejava semelhante, acho que está muito bem entregue. É uma pessoa que gosta destas coisas, deste contraditório entre os partidos, defender a nossa dama atacando o oponente! Eu não me dou muito por esse “campeonato”, eu prefiro uma situação se calhar muito menos política. Considero que há coisas boas e más de um lado e do outro. Hoje é esta a minha dificuldade com os partidos. Não considero que nenhum partido tenha o primado da verdade. MH – Entretanto, durante o mandato, desvinculou-sse do CDS? MS - Sim, desvinculei-me do CDS, como na altura disse por um motivo muito simples: ao contrário de Freitas do Amaral, que o nega, para mim, o que mudou foi o partido. O que eu digo é o que defendo na vida. Aquilo que defendo na política, que defendo para o país, é diferente daquilo que o CDS passou a defender, nomeadamente quando houve uma viragem, isto é, quando deixou de ser Partido Popular e passou a ser novamente CDS. Eu nunca fui filiado no CDS, eu filiei-me no

Partido Popular, o Partido Popular morreu! Morreu num congresso em que houve a divisão entre o Dr. Monteiro e do Dr. Portas, eu não tive, se calhar, a inteligência de ver logo naquele momento, que tinha acabado ali o PP. Acreditei que com o Dr. Paulo Portas o PP, pelo contrário, se acentuasse ainda mais, até porque ele foi um dos principais dinamizadores. Mas não, ele fez ao contrário, preferiu evidenciar a visão democrata, a visão do CDS. Não estava com o partido na questão do Aborto, na questão da Regionalização, e na questão das Europeias! Não me identificava com o partido em questões que são fundamentais. Adiei a saída do partido por dois motivos que se chamam Maia e Vieira de Carvalho. Transmiti isso ao Doutor Vieira de Carvalho e ele sabia que eu abandonaria a presidência do CDS após as eleições autárquicas. Porque já não me identificava com o partido. È muito difícil uma pessoa ficar num partido quando não se revê nas suas principais ideias e nos seus próprios dirigentes. MH – Parece-m me que é um “adepto” de José Sócrates, pelo menos para já… MS – Confesso que o achei um excelente ministro do ambiente, no tempo do governo do engenheiro Guterres, tendo a partir daí estado mais atento ao seu percurso. O engenheiro José Sócrates hoje está a dar boas indicações, a forma como escolheu o governo e as ideias que lançou recentemente para a opinião pública do que pretende para já fazer, são ideias bastante interessantes. MH – Com tanta “incursão” no mundo da política, considera-sse um político? MS – Eu sou um apaixonado pela política, faço campanha desde 1980 e a única campanha política que falhei foi esta ultima! Por isso, sou um amante da política, por tudo

MH – Arlindo Cunha, não será também uma personalidade a ter em conta? MS – Julgo que o doutor Arlindo Cunha é um dos militantes que o PSD tem com maior prestigio a nível nacional, embora me pareça que esse prestigio é maior fora da Maia do que dentro da Maia, até por questões que tem a ver com o passado. Eu se estivesse na pele do Dr. Bragança Fernandes, e não queria estar, sou franco, teria cuidado em escolher uma equipa bastante forte com uma renovação “q.b.” e por isso a primeira pessoa que eu iria convidar seria o Sr. Luciano Gomes. Agora o que pode acontecer, como eu já li em entrevistas do Sr. Luciano Gomes, até se não me engano neste jornal, é que ele pode não querer! Por isso também tem, o próprio presidente, que estar preparado para um plano B.

muitos candidatos a Vereadores e poucos a lideres de bancada, eu acho que isso não é verdade, até porque Vereadores há a oportunidade de serem nove, e Líder de bancada só há um. Mas António Fernando, referiu uma coisa muito importante é que não se pode “andar” na política a pensar nas questões monetárias, porque assim é impossível chegar a algum lado. Eu partilho da mesma opinião, porque a politica não é para ricos nem para pobres, é para todos! É para quem não quer fazer dela uma vida e quem não está na política atrás do ordenado que vai ganhar. Se alguém vai para o cargo de Vereador com o sentido no vencimento do final do mês, vai se desiludir porque dá muitíssimo trabalho e a política serve para servir e não para se servirem dela. Entendo que a próxima lista do engenheiro Bragança Fernandes tem de ter muita atenção nisso. Nela não podem participar indivíduos que tenham na sua vida pessoal problemas graves com o fisco, que esteja atulhada de dívidas a terceiros, ou que por hipótese absurda seja pedófilo. Há que ter em atenção porque hoje em dia a comunicação social e a população no geral, e até uma população mais atenta, levam muito a sério estas questões. É com coisas destas que se ganham e perdem eleições.

MH – Esta “paixão”, faz de si uma pessoa informada e conhecedora da política maiata. Dentro desse pressuposto leu com certeza a entrevista do líder de bancada PSD… MS – Acho que António Fernando se precipitou na forma como abordou a questão do Vereador Dr. Mário Nuno Neves, que já tinha sido convidado por Bragança Fernandes e convidado de uma forma até algo pessoal! Mas imagine que o Dr. Mário Nuno Neves não era convidado, e imagine que até lhe passavam assim umas coisas na cabeça e começava a disparar contra tudo e todos, porque se sentia irritado por não ter sido convidado. Podia ser um problema grave para os partidos, nomeadamente para o PSD e o CDS/PP. Foi uma entrevista interessante mas pareceume um pouco amargurado. E quanto há questão de haver sempre pub

Contabilidade Administração Formação

Seguros Financiamento

AS SOLUÇÕES DO FUTURO JÁ HOJE

´

Av. D. Manuel II, 1919 • 4470-334 Maia Tel. 229 489 114 • Fax 229 476 600 e-mail jpmarcal@contasegura.com e-mail rui.sousa@contasegura.com www.contasegura.com


08

quinta-feira 24 de Março, 2005

Liga dos Amigos da Fundação Lar Evangélico Português com espírito dinâmico

Em agenda estão eventos de carácter social, cultural e desportivo. Recentemente criada, embora ainda não formalmente constituída, a Liga dos Amigos, instituição sem fins lucrativos, tenciona dinamizar uma série de eventos com o intuito primeiro de angariar fundos para a Fundação Lar Evangélico Português. Nesse sentido, para Setembro está já confirmada a realização do primeiro Torneio de Futsal, que terá lugar em diversos pavilhões municipais, para o que conta com o apoio da autarquia maiata (os interessados poderão obter mais informações com Jorge Barros, mentor e impulsionador da Liga, para o número 96 448 72 90). Estão, também, a ser feitos contactos no sentido de se trazer para a Maia, entre Junho e Agosto, um jogo de estrelas de futebol. E ambição é algo que não falta. Jorge Barros vai querer ter como participantes, além de jogadores de nomeada a militar na Superliga, o seleccionador Scolari e o treinador do Boavista, Jaime Pacheco. No campo dos objectivos, ainda se encontra a criação de um grupo de dança e outro de teatro. «Queremos envolver os jovens da instituição em todas estas actividades, pois eles têm valor, não são os coitadinhos», referiu Jorge Barros. Não faltará, também, um megaespectáculo de variedades (lá para Novembro), havendo o desiderato de se conseguir o grande auditório do Fórum da Maia como palco. Portanto, várias iniciativas que a Liga dos Amigos tem em agenda ou em ambição, em prol da instituição que representa. Assinale-se que a Fundação Lar Evangélico Português, sediada em Águas Santas, acolhe crianças e jovens em situações de risco, dando-lhes o apoio que os meios possibilitam. Nasceu há 56 anos atrás por intermédio do Pastor Joaquim Machado e esposa Esménia Machado.

mh

GRANDE MAIA

Diogo ganha prémio nacional

Jovem maiato, é um dos vencedores do concurso de desenho intitulado “Assim pintam o Titanic as crianças da Europa”, associado à exposição “Titanic – the Exhibition” Desde três de Dezembro e até ao passado domingo, mais de 40.000 pessoas visitaram a exposição intitulada “Titanic – the Exhibition”, patente no Mercado Ferreira Borges no Porto. A visita a esta exposição itinerante, que mostra objectos recuperados do fundo do mar onde repousa o famoso e fatídico navio de passageiros, durava cerca de 2 horas e era efectuada com recurso a auriculares, através dos quais os visitantes tomavam conhecimento da atmosfera vivida a bordo do navio, cujo naufrágio causou a morte a cerca de 1500 pessoas. No âmbito desta mostra, realizou-se um concurso de desenho intitulado “Assim pintam o Titanic as crianças da Europa”. Este concurso entre 27 de Janeiro e 14 de Março visou «fomentar a solidariedade das crianças europeias com as crianças do terceiro mundo», referiu a organização à Lusa, dado que será elaborado um livro final com os seis premiados de cada cidade, num total de 1912 desenhos (número que corresponde ao ano em que se afundou), cujas receitas de venda reverterão para o

combate à fome em África. Dos 448 desenhos a concurso, foram, de acordo com as regras, seleccionados seis, sendo um dos vencedores o maiato Diogo Azeredo da Silva de 11 anos, que está na turma J do 6º ano da EB 2, 3 da Maia. Cada um dos 1912 desenhos seleccionados, entre os quais o do Diogo, terá, em rodapé, um pequeno comentário de uma das 1912 personalidades internacionais (políticos, religiosos, desportistas, artistas, entre outras figuras) convidadas a colaborar no livro final. Para além desta distinção o Diogo recebeu ainda outros prémios bem mais interessantes para a sua idade, como uma bola autografada pelo Figo, DVD do Titanic e muitos outros produtos de “merchandising” do evento. A entrega de prémios decorreu na passada sexta-feira, dia 18 de Março, no Mercado Ferreira Borges no Porto e estiveram presentes um Vereador da Câmara Municipal do Porto, representantes dos patrocinadores Jornal de Notícias, Fnac e Mercado Ferreira Borges, bem como o

Diogo Azeredo da Silva

organizador da mostra. Esta exposição irá percorrer várias cidades de 12 países da Europa até 2012, ano em que se fixará permanentemente numa das cidades que já demonstraram interesse em acolher a mostra, como Nova Iorque, Liverpool, Roma ou Barcelona.

«O candidato do PSD para a Maia terá que possuir um arcaboiço maior que o normal» Manuel Monteiro, líder do Partido Nova Democracia, esteve na EB 2,3 de Nogueira da Maia a propósito do evento “Primavera da Europa”, mas não evitou comentar a temática “Autárquicas”.

Manuel Monteiro apresentou a Europa e a sua opinião sobre as Autárquicas na Maia

Comece-se pelo fim, ou seja pela altura em que os repórteres levaram a conversa para as Eleições Autárquicas, com a Maia como pano de fundo. O líder do Partido Nova Democracia (PND) aceitou o desafio e foi directo. Em relação a uma possível aposta de uma lista do PND na “Terra do Lidador”, Manuel Monteiro referiu que ainda era cedo para pensar nisso, uma vez que dependeria da orientação que saísse do congresso do partido a ser realizado em Aveiro, nos dias 16 e 17 de Abril. Mas sempre avançou com a sua opinião; «Não temos em cima dos nossos ombros a pressão autárquica. Para mim o princípio é muito simples. Só devemos concorrer onde efectivamente exista gente para fazer bons programas e apresentar bons projectos. Ter lista só para dizer que se marca presença no calendário do boletim de voto, não concordo».

O que não duvida é que nunca formaria lista contra Vieira de Carvalho, partindo daí para a conclusão de que o candidato que o vier a substituir terá vida complicada; «Estou convicto que a Maia é um Concelho onde algumas surpresas eleitorais poderão vir a acontecer. Vão ser as primeiras “Autárquicas” sem Vieira de Carvalho. E Vieira de Carvalho era um partido dentro dos partidos. Estamos a falar de uma figura consensual nos maiatos. São eleições para acompanhar, primeiro porque a Maia é hoje uma grande Cidade não é aquele Concelho limítrofe do Porto de que se falava há uns anos - depois porque o candidato que o PSD vier a apresentar terá que possuir um arcaboiço maior que o normal. Isto porque não se limitará a ser o candidato do partido, mas o candidato que irá substituir Vieira de Carvalho».

«Ironia das ironias, estou aqui hoje a vender-vos a ideia da União Europeia» No entanto, a presença de Manuel Monteiro na Maia ficou-se a dever ao evento “Primavera da Europa” promovido pela Escola EB 2,3 de Nogueira, onde o líder do PND, exDeputado ao Parlamento Europeu, versou sobre a Europa, numa conferência tematizada de “Os Desafios do Alargamento da UE”. Os alunos do 9º anos do ciclo, lotaram a biblioteca, local onde se realizou a conferência. Cristina Ferreira, Presidente do Agrupamento Vertical de Escolas Levante da Maia explicou que a escolha do público alvo se ficou a dever a questões curriculares;

«A história da Europa é uma matéria do 9º ano», anotou. Manuel Monteiro, valendo-se da sua condição de docente, conseguiu explanar e adequar a apresentação da Europa ao jovem público, criando alguma interactividade e servindo-se, até, de exemplos clubísticos. Apresentou, como pontes fulcrais da união de esforços dos países europeus, a vontade de paz e de desenvolvimento económico. Abordou o caso complicado da Turquia e não deixou de falar na fama que o “persegue” de ser anti-europeísta. «Ironia das ironias estou aqui hoje a falar-vos das vantagens da UE, a tentar vender-vos o melhor que sei a ideia da União Europeia».

«A Europa da liberdade está a ser feita no segredo»

Finalizada a conferência, Manuel Monteiro deu o seu papel como cumprido, uma vez que considera fundamental conseguir-se passar bem a mensagem da Europa nas escolas básicas, para combater futuros absentismos; «Um dos grandes dramas da vida política actual, não apenas em Portugal mas um pouco por toda a Europa, reside precisamente no grau de dificuldade na transmissão das ideias. Não é por acaso que as eleições europeias são aquelas que registam as maiores taxas de abstenção. Porque é que há 60 e tal por cento de cidadãos em Portugal, em França e em Espanha que não votam? Eu digo porquê, porque não sabem do que se trata. A Europa da liberdade está a ser feita no segredo».

PUB

Junta de Freguesia de Silva Escura A Junta de Freguesia de Silva Escura, deseja a todos os maiatos e em particular à população de Silva Escura, uma Santa Páscoa.


mh

GRANDE MAIA

quinta-feira 24 de Março, 2005

09

“Radiografia” preliminar da realidade social da Maia Numa análise global das potencialidades e constrangimentos, foi aprovado por unanimidade o pré-diagonóstico em plenário do Conselho Local de Acção Social. Em Novembro o documento definitivo será sujeito a apreciação. TEXTO: JOSÉ MATOS FOTO: RAUL SILVA

Acabar com a pobreza e com a exclusão social na Maia é o grande objectivo do núcleo executivo do Conselho Local de Acção Social (CLAS), que tem cumprido as necessárias etapas de trabalho no âmbito do Programa Rede Social. Este programa foi proposto à escala nacional, direccionado à política de intervenção local há uns anos atrás. Números como “dois milhões de vítimas de pobreza e exclusão social em Portugal”, determinaram a vontade de uma intervenção efectiva, no espírito de que só seria realmente bem sucedida com uma acção directa de cada autarquia, num sistema de articulação de esforços, numa acção racionalizada de todas as instituições locais sem fins lucrativos e harmonização dos respectivos recursos. Actualmente, apenas 18 concelhos do país estão fora da “Rede Social”, mas é convicção dos promotores da iniciativa, que, mais tarde ou mais cedo, vão também “bater à porta”, sob pena de ficarem para trás em questões de financiamentos estatais para a componente social. A Maia, embora não seja dos concelhos com trabalho mais avançado, insere-se no rol dos primeiros a adoptar a “Rede Social”. Neste momento tem já aprovado um prédiagonóstico, onde identifica as principais

No plenário foram identificados problemas e potencialidades sociais na Maia

potencialidades e carências em diversas áreas, tais como demografia, segurança, habitação, infra-estruturas de saneamento básico, educação, saúde, emprego, acção social, entre outras. O trabalho de levantamento dos dados foi realizado entre 2003 e 2004, junto do INE (Instituto Nacional de Estatística), DREN (Direcção Regional de Educação do Norte), Segurança Social, IRS, Centros de Saúde de Águas Santas e Maia, GNR, Centro de Emprego da Maia, além de outras fontes. «Quisemos fazer um pré-diagonóstico o

mais fidedigno possível, para se conseguir um diagnóstico final útil», acentuou Maria João Freire, representante do Núcleo Executivo da Rede Social. Para Luís Vale, interlocutor do programa, o diagnóstico é «um instrumento de gestão e construção, de forma integrada e partilhada, do desenvolvimento social». Acentuando que a luta contra a pobreza «não é um paradigma perdido», este responsável notou que as pessoas constituem o elemento fundamental para o desenvolvimento de qualquer território.

O Director do Centro Distrital para a Solidariedade e Segurança Social, Rui Pedroto, também frisou a necessidade de se acreditar nesta luta; «à escala social devemos ter sonhos, sendo que os sonhos não representam utopias». Um trabalho que, no seu entender, só pode ser concebido com união de esforços; «o eu social deve emergir sobre o eu individual. A Rede não pode deixar escapar nada às suas malhas protectoras». No plenário de apresentação do prédiagonóstico esteve, também, Bragança Fernandes, na qualidade de Presidente do CLAS, a Vereadora responsável pela acção social, Graça Barros, e representantes das instituições maiatas que se posicionam como parceiros. Após correcções pontuais ao documento acertos de números, valências, cursos - o mesmo foi aprovado por unanimidade. Aprovou-se, ainda, o plano de trabalho a realizar até Novembro próximo, altura em que será feito o diagnóstico social definitivo. Até Maio de 2006 os esforços concentrar-se-ão na elaboração do plano de desenvolvimento social, dando-se aí lugar à operacionalidade no terreno propriamente dita. Não menos importante será a fase terminal, em que se procederá à criação de um sistema de informação. O CLAS estará, então, vocacionado para identificar os problemas e, de forma rápida, mover os adequados recursos para a sua resolução.

“Herdade da Fé” procura apoios para casa de acolhimento de crianças Associação “Herdade da Fé” apoia neste momento meia dezena de famílias carenciadas na Maia. Grande objectivo é construir uma casa de acolhimento para crianças em risco. ANTÓNIO MANUEL MARQUES fornecimento de géneros alimentícios e não à Maia, onde ajuda cinco famílias carenciadas, «A associação nasceu com o só, a famílias com poucos meios e com como explica Adelino Fonseca, «a nível de anseio de fazer uma casa para Formada em 2002, a “Herdade da Fé” dá crianças de tenra idade. Com sede em Vila apoios na Maia estamos a apoiar famílias em agora os primeiros passos efectivos na ajuda Nova de Gaia, esta associação estende a sua Águas Santas, Pedrouços, Gueifães e crianças» dos mais carenciados, essencialmente no

acção aos concelhos vizinhos, nomeadamente

Vermoim. Por exemplo, temos um caso no Bairro do Sobreiro de uma família que tinha como único sustento o rendimento do homem que faleceu num acidente. Neste momento, uma das filhas teve um filho e não tem condições para o alimentar e então somos nós que prestamos alguma assistência. A família sobrevive da pensão do pai falecido».

Número de pedidos de ajuda tem aumentado

Família em Águas Santas viveu momentos de comoção aquando de mais uma entrega de alimentos.

Residente em Vila Nova da Telha, Adelino Fonseca explica que grande parte dos casos de famílias carenciadas são encaminhados pelo Departamento de Acção Social do Hospital de São João, verificando-se um aumento progressivo dos pedidos de assistência. Aliás, esta é uma área onde existem lacunas significativas, «há uma carência muito grande a este nível. É muito maior a procura do que a oferta. Há muitas famílias que não têm condições para ter as crianças. Se a nossa casa estivesse a funcionar, já teríamos com certeza muitas crianças», refere o Vice Presidente da “Herdade da Fé”.

O grande objectivo da associação enunciado por Adelino Fonseca é a construção de uma casa de acolhimento para crianças em risco. O equipamento teria capacidade para albergar cerca de meia centena de jovens, sendo que já existe um local definido «a associação nasceu com o anseio de fazer uma casa para crianças. Temos um terreno que nos foi doado e fica na zona de Lamelas, em Santo Tirso. Neste momento, o projecto já está a ser avaliado pela Segurança Social», explica o responsável. Sem apoios a nível estatal, a “Herdade da Fé” sobrevive apenas de doações, «neste momento sobrevivemos de beneméritos, de pessoas que dão o seu donativo. Temos algumas empresas que nos apoiam mensalmente, quer através de dinheiro, quer através de géneros, como alimentos ou roupa». A breve prazo, é intenção desta associação proceder a protocolos com a Segurança Social ou outras entidades, mas para já Adelino Fonseca deixa o repto aos que quiserem contribuir, clarificando que a associação não tem pressupostos religiosos, apenas o propósito de ajudar o próximo, «não temos qualquer ligação religiosa. O nome apareceu espontaneamente associando “herdade” à “fé”, que é o que nos move». PUB

Junta de Freguesia de Gemunde A Junta de Freguesia de Gemunde, deseja a todos os maiatos e em particular à população de Gemunde, uma Santa Páscoa.


10

mh

quinta-feira 24 de Março, 2005

GRANDE MAIA

Fogo de artifício, música, aplausos, tapete vermelho... o Metro chegou a Pedras Rubras Foi dada luz verde à Linha Vermelha (B), que passou a ligar o Estádio do Dragão a Pedras Rubras em 27 minutos. Na viagem das formalidades, que reuniu vários autarcas da Área Metropolitana do Porto, houve sorrisos, esperanças, mas também fortes críticas do “gondomarense” Valentim Loureiro. Diz-se que em Maio o Metro chegará à Cidade do “Lidador”.

“Alternativos” em Crestins alvo de queixas Os utentes do Metro de Vila do Conde e de Póvoa de Varzim que, naturalmente, na viagem para o Porto ainda têm que se valer dos transportes alternativos em grande parte do percurso, estão insatisfeitos com a mudança da paragem com ligação ao Metro do Viso para Crestins (alteração processada com a inauguração da Linha B até Pedras Rubras). As queixas referem-se ao tempo da viagem que, desta forma, passou a demorar mais 20 minutos. Isto porque, os difíceis acessos ao lugar da Maia, acabam por atrasar os autocarros. Mário Almeida, Presidente da Câmara Municipal de Vila do Conde, defende que os “alternativos” devem continuar a fazer a ligação no Viso; «Estes utentes têm sido muito sacrificados», referiu o autarca.

Números A Linha B terá uma extensão total de 33 quilómetros. Nesta fase, entre o Estádio do Dragão e Pedras Rubras, o comprimento é de 16,6 quilómetros. A área inaugurada, que engloba as cinco novas estações desde a Senhora da Hora até Pedras Rubras, abarca 6,8 quilómetros. Cada quilómetro representou uma despesa de cerca de 8 milhões de euros, o que equivale a dizer que esta nova artéria, em números redondos, custou 55 milhões de euros.

Preços De Pedras Rubras até à Fonte do Cuco faz-se duas zonas, logo, numa viagem, o preço é de 80 cêntimos. No entanto, se o utente quiser sair na Estação da Senhora da Hora, já faz três zonas, tendo que gastar 1 euro. Da Casa da Música para a frente (Bolhão, 24 de Agosto, Campanhã e Dragão), que equivale a 4 zonas, uma viagem representa 1 euro e 20 cêntimos.

Horários e tempos A deslocação entre Pedras Rubras e a Baixa do Porto (Bolhão) será feita em cerca de 25 minutos. Mais três se se preferir ir até ao Estádio do Dragão. A Boavista ficará a 18 minutos. Durante 20 horas por dia (entre as 6h00 e a 1h00), 365 dias por ano, o Metro está em circulação. A primeira partida de Pedras Rubras com destino ao “Dragão” ocorre às 6h23 e a última, com o mesmo destino, tem lugar às 0h36 de cada dia.

JOSÉ MATOS

Por volta das 11 horas de Domingo - 13 de Março - na Estação do Dragão eram muitas as individualidades da Área Metropolitana do Porto. Autarcas da Maia, Matosinhos, Porto, Gondomar, Vila do Conde e Póvoa de Varzim, directores da Empresa Metro do Porto SA, entraram, na companhia dos jornalistas, nas carruagens do metro que faria a primeira viagem oficial até Pedras Rubras. O dia era sobretudo especial para a Maia, porque representava a abertura comercial da Linha B (conhecida por vermelha), antiga linha da Póvoa da CP, às Terras do “Lidador”. Talvez por isso se tenha verificado a presença, além do edil Bragança Fernandes, de vários Vereadores do Executivo e da oposição. Entre os que o repórter pode ver, estavam Mário Nuno Neves (pelouro da Cultura), Costa Lima (Modernização Administrativa), Jorge Rebelo (Protecção Civil), Jorge Catarino e Miguel Ângelo (em Pedras Rubras esperavam-nos o Vice-presidente Silva Tiago e os autarcas da Junta de Freguesia de Moreira). A viagem que marcou a cerimónia decorreu, como seria de esperar, sem paragens. Até à Senhora da Hora nada de novo. As novidades vieram com a passagem pela primeira das cinco estações que marcam a Linha Vermelha da Senhora da Hora a Pedras Rubras. Na Fonte do Cuco, um tapete vermelho assinalava a viagem inaugural, quadro que se repetiria em Custóias, Esposade, Crestins e Pedras Rubras. Em Gatões (Custóias), uma pequena manifestação apanhou alguns dos convidados de surpresa (outros nem terão dado por ela). Narciso Miranda, edil de Matosinhos, deu mais tarde a explicação; «Há sete novas estações entre Senhora da Hora e Pedras Rubras, cinco em Matosinhos e duas na Maia, que vão servir as respectivas populações. Dessas sete, há duas que não entraram hoje em funcionamento, estão atrasadas, só abrindo dentro de um a dois meses. Trata-se da estação de Gatões e a das Carvalhas. Sempre foram reclamadas pelas respectivas populações, a

Câmara Municipal deu-lhes razão e conseguiu com que venham a ser construídas». Na viagem, os foguetes assinalaram a entrada em território maiato, estava-se em Crestins. Com a paragem da composição em Pedras Rubras, a festa ganhou outras proporções. Foguetes, aplausos da população, a banda de Moreira a tocar, cumprimentos e o descerrar de uma placa alusiva à efeméride.

«Hoje, Vieira de Carvalho seria o homem mais feliz» Bragança Fernandes, num momento simbólico e significativo para a Maia, não esqueceu o seu antecessor, como alguém que muito lutou e ambicionou pelo Metro; «Queria aproveitar para evocar a memória do Dr. José Vieira de Carvalho, que era natural de Crestins. Foi um grande impulsionador do Metro no Porto. Hoje seria, concerteza, o homem mais feliz entre todos nós». Um primeiro passo, que terá, dentro de pouco tempo, uma outra dimensão, mais concretamente com a chegada da primeira composição ao centro da Maia, na Estação do Fórum; «Hoje chegou a Pedras Rubras, em Maio estará no centro da Maia». Confiança que o edil reforça com o avanço dos trabalhos; «No centro da Maia as obras estão praticamente concluídas». Refira-se que as obras da Linha Verde (C), a qual ligará o Estádio do Dragão à Trofa, centram-se actualmente no troço Senhora da Hora - Maia. Aproveita parte da antiga linha da CP, mas também integra áreas novas, envolvendo obras complexas. O Viaduto Maia Sul, que liga ambos os lados da EN14, assegurará a passagem do Metro até ao centro da Cidade. Numa altura em que o Metropolitano da “Invicta” começa a apresentar-se em rede (até agora apenas funcionava a Linha A), o Presidente da Câmara Municipal do Porto, Rui Rio, acredita que finalmente as pessoas vão começar a usufruir verdadeiramente dos benefícios deste meio de transporte; «Depois das populações da Área Metropolitana do Porto terem sofrido tantos anos com as obras,

chegou a hora de começarmos a ver cada vez mais Metro. Conseguimos chegar ao ano fulcral do Metro». O Presidente da Junta de Freguesia de Moreira, Albino Costa Maia, ao ver o Metro na “sua terra”, não deixou de manifestar grande satisfação, destacando o facto da população da zona ter ficado durante muito tempo privada de transporte; «Representa o colmatar da ansiedade de uma população que estava servida de combóio. Quando deixou de poder utilizar a linha férrea, a luta foi intensa para que o Metro chegasse rápido. Demorou alguns anos, estamos há quase quatro anos sem o transporte». Ideia que leva o autarca a considerar que esta “viagem” é mais importante que a que chegará ao aeroporto. Com o Metro, serão necessários ajustes em termos de transportes complementares. O Município da Maia e os STCP estão já no terreno a estudar a situação, sendo que o Executivo de Moreira deseja participar no processo de reorganização. Quanto ao parque de estacionamento, lembrado por alguns populares presentes na cerimónia, Albino Maia informou que «está previsto e vai ser criado na parte nascente da linha, na Rua das Oliveiras. Um parque com capacidade para cerca de 150 viaturas». Todavia, o autarca insistiu que o objectivo é que as pessoas passem a enveredar pelos transportes complementares públicos ou empresas privadas que garantem o interface com o Metro.

«Estou muito revoltado» O dia não teve, apenas, posições elogiosas. O Presidente da Câmara Municipal de Gondomar, Valentim Loureiro, não deixou passar a oportunidade de criticar o atraso em relação à presença do Metro em Gondomar, apontando em riste o dedo aos anteriores primeiros-ministros; «Tratei o assunto com Durão Barroso, quando em 31 de Julho de 2003 veio ao Porto numa reunião de Conselho de Ministros definir a linha e aprová-la. Quanto à questão do financiamento, nem o Dr. Durão Barroso, nem o Dr. Santana Lopes foram capazes de obrigar o ministro das Finanças e das Obras Públicas a resolver este problema. Lamento que pessoas de quem gosto, de quem sou amigo e em quem tinha grande confiança política, tivessem feito isso a Gondomar. Tenho que dizer aos gondomarenses que a culpa nem é do Presidente da Câmara nem é da Metro do Porto SA, é sim dos dois Governos que estiveram em funções. Estou muito revoltado com tudo o que se passou. Gondomar está um pouco atrasado em termos de desenvolvimento, as acessibilidades são absolutamente necessárias, o Metro é indispensável». Valentim Loureiro afirmou, ainda, esperar melhor sorte com o novo PrimeiroMinistro; «talvez tenha mais o sentido de solidariedade».

pub

Junta de Freguesia de V. N. Telha A Junta de Freguesia de Vila Nova da Telha, deseja a todos os maiatos e em particular à população de Vila Nova da Telha, uma Santa Páscoa.


mh

GRANDE MAIA

quinta-feira 24 de Março, 2005

11

“A Maia tem uma árvore minha...” A Autarquia, no Dia Mundial da Árvore, promoveu diversas iniciativas informativas e educativas, entre elas a Exposição e Atelier de Plantação no “MaiaShopping”. TEXTO: JOSÉ MATOS FOTO: RAUL SILVA

Aproveitando a passagem de mais um “Dia Mundial da Árvore” (segunda-feira passada), o Pelouro do Ambiente e da Qualidade de Vida da Câmara Municipal da Maia levou a efeito várias efemérides, com o propósito não só de festejar a data, mas também de dar mais um contributo para a educação e sensibilização dos maiatos para as causas ambientais. O Centro Comercial MaiaShopping foi um dos pontos de confluência das iniciativas autárquicas. De Sábado a segunda-feira esteve patente uma exposição, com algumas mostras de espécies arbóreas passíveis de serem encontradas no Concelho; azevinhos, magnólias, prunos, pinheiros mansos, carvalhos, entre outras. A complementar, existiam informações didácticas em cada uma. Todavia, a área que mais atraiu os visitantes foi o atelier de plantação, espaço onde tinham oportunidade de personalizar o acto de semear ou plantar uma árvore. Ao fazê-lo, com ajuda de técnicas, os interessados viram o vaso que plantaram ser identificado com uma vinheta onde constava o seu nome (vai agora para o horto camarário para ser tratado até atingir a idade adulta, que é de 5 a 6 anos) e receberam um BI da espécie, um certificado da “boa acção” e uma fitinha para

De pequenino... se planta uma árvore

o pulso, com a frase “a Maia tem uma árvore minha”. Foram muitas as fitinhas verdes que, nos três dias, enfeitaram os pulsos. O Presidente da Câmara Municipal da Maia, Bragança Fernandes, também se mostrou, orgulhoso, a sua; «Já

está ali a árvore Bragança Fernandes, um pinheiro manso. Vou, posteriormente, buscála ao horto e plantá-la na minha terra, Águas Santas». O edil frisou que a aposta na natureza sempre esteve nas primeiras linhas programá-

ticas; «A Câmara Municipal tem lançado outros eventos, tais como “uma árvore em cada jardim”. Além disso, temos vários espaços verdes no Concelho e queremos criar mais. A construção urbanizada já chegou a um limite. Precisamos agora de apostar em espaços verdes. É o que vai acontecer, por exemplo, na zona do Sobreiro». O Vice-presidente com o pelouro do Ambiente, Silva Tiago, também esteve presente, assim como a Directora do Departamento do Ambiente e da Qualidade de Vida, Helena Lopes. Para esta responsável, é importante que os munícipes despertem para a importância da árvore; «As pessoas normalmente convivem com as árvores mas não de forma harmoniosa. É importante sensibilizá-las». Por esta área do MaiaShopping passaram, sensivelmente, 250 pessoas por dia. De referir que, paralelamente, tiveram lugar outras iniciativas relacionadas com o Dia Mundial da Árvore. A quem se deslocasse ao Gabinete de Atendimento ao Munícipe, ao SMAS ou ao Maia Welcome Center, era atribuído um pequeno saco de sementes e um folheto informativo. Nas escolas do Concelho do 1º e 2º ciclos distribuíram-se sementes de pinheiro anão, além de se ter plantado várias espécies autóctones nos espaços ajardinados dos estabelecimentos de ensino. Promoveu-se, ainda, uma visita guiada ao Parque Urbano de Moutidos (Águas Santas).

Danças de Salão voltam à Maia Sexta edição do Festival de Danças de Salão encheu mais uma vez o Pavilhão Municipal. Quatro centenas de participantes voltaram a transformar o evento num sucesso, com próxima edição assegurada. ANTÓNIO MANUEL MARQUES

Com início às 15h00 de Sábado, o festival estendeu-se noite dentro abrangendo todas as secções de dança “Latinas” e “Modernas”, como todos os escalões etários. Quatro centenas de participantes em 53 eliminatórias, preencheram o programa do evento organizado pela Associação Portuguesa de Professores de Dança de Salão Profissional, que teve um balanço positivo, de acordo com a dirigente da organização. Segundo Luísa Freitas, o VI Festivus Portucale, que se realiza na Maia pela 3ª vez consecutiva, está ao nível do que se faz no estrangeiro, apresentando uma logística deveras complexa, que ainda assim é realizada com os mínimos recursos, «é um evento muito completo. Tem todos os escalões de Dança, de todos os escalões etários. Depois não temos recursos financeiros, trabalhamos com o mínimos dos mínimos, tentando dinamizar e educar na modalidade. Portanto, devido também à situação em que o país se encontra, não podemos ter preços altos, contando sempre com a boa vontade das pessoas que colaboram connosco, desde a autarquia até diversas pessoas. Tudo para não ficarmos aquém do que se faz lá fora, que garanto que não ficamos». Esta responsável adiantou que a realização do evento em terras

maiatas tem corrido de forma positiva, pelo que a sua continuação está assegurada, « O objectivo desde o princípio foi fixar um campeonato anual no Porto ou no Grande Porto, tendo outros campeonatos itinerantes durante o ano. A Maia foi uma opção devido às instalações e à disponibilidade da autarquia». Ainda de referir a prestação do bailarino maiato Emanuel Barreto Guerra, que juntamente com Yuliya Kuzhhushanova arrecadaram dois segundos lugares, em “Latinas” e “Modernas”

Formação é a maior lacuna O nível dos bailarinos nacionais tem aumentado, numa evolução positiva do panorama das Danças de Salão. Luísa Freitas elege a aposta na formação como o caminho a seguir, «não temos tradição nas Danças de Salão em termos competitivos. A nossa maior luta é a formação de formadores para ensinar correctamente a expressão corporal. Enquanto a formação não for mais coerente e mais coesa, torna-se difícil às vezes melhorar. A qualidade dos bailarinos tem sido excelente, é inegável que temos capacidade para a expressão corporal, mas isso não chega, temos de ter bons líderes e bons profissionais». pub

! !


12

quinta-feira 24 de Março, 2005

mh

GRANDE MAIA

Mergulhar no mar luso-g galaico através da objectiva Exposição com 50 fotografias subaquáticas do conceituado fotógrafo espanhol, José Luis González. JOSÉ MATOS

A exposição entrou em Portugal pelo “Aquário Vasco da Gama” e agora chegou ao Fórum da Maia, onde estará patente até 17 de Abril, numa iniciativa do Pelouro da Cultura da autarquia maiata, que contou a com a colaboração da Federação Portuguesa de Actividades Subaquáticas e da Juvemaia, associação local que se dedica a práticas de mergulho. As 50 fotografias de José Luis González, formam uma exposição intitulada “As Cores do Mar Luso-Galaico”, resultado de 25 anos de entrega do autor a esta prática. Com efeito, através da objectiva deste fotógrafo espanhol, mergulhámos num mundo ainda por muitos desconhecido, com diversidade de espécies, comportamentos e cores. O polvo, a lula ou a faneca, dividem protagonismo com fungos e algas, provando a riqueza que habita nos mares da Galiza e Norte de Portugal. Ao MaiaHoje, José Luis González, enquanto acompanhava o Vereador da Cultura, Mário Nuno Neves, e o Vicepresidente da Juvemaia, José António Moreira, confessou que o atraem os cefalópodes; «são muito fotogénicos». De acordo com o autor, na fotografia subaquática tem que se combinar vários factores, como «a cor, o comportamento da espécie e a estética».

Anos e anos de trabalho, horas e horas de mergulho O Presidente da Federação Portuguesa das Actividades Subaquáticas, João Gomes Pedro, responsável pela vinda da exposição a terras lusas, marcou presença na cerimónia de inauguração no Fórum da Maia e não deixou de enaltecer a modalidade. Segundo referiu na ocasião, houve uma grande evolução nos últimos 15 anos na fotografia subaquática; «Felizmente, hoje em dia existem bons equipamentos, que permitem uma melhor adaptação às condições subaquáticas. Mesmo assim, para esta exposição o fotógrafo precisou de anos e anos de trabalho, horas e horas de mergulho». João Gomes Pedro referiu que a oportunidade da mostra vir para Portugal ocorreu quando José Luis González foi convidado pela Federação para membro do júri do 13º Campeonato Nacional de Fotografia Subaquática, que teve lugar nos Açores. Para além da beleza exposta, também se teve em atenção a perspectiva didáctica, possibilitada por livros de apoio e por uma palestra que se realizará no auditório do Fórum no dia 10 de Abril. Versará sobre o mergulho técnico e contará com profissionais de Espanha, África do Sul e Portugal, entre eles Nuno Gomes, recordista mundial de mergulho e grutas submersas.

“Cantar a 200 vozes” Orfeão Municipal da Maia participa nas Festas de Santa Apolónia, em São Pedro Fins. Actuação contará com a presença de mais três coros de reconhecido prestígio. ANA MARTINS

O Orfeão Municipal da Maia (OMM), correspondendo a um convite da Comissão da Festa em Honra de Santa Apolónia, vai promover a realização do Encontro de Música Sacra - Maia 2005, a levar a cabo no próximo dia 2 de Abril, pelas 21H30, na Igreja Paroquial de S. Pedro Fins. O Encontro integra o programa da tradicional Festa em Honra de Santa Apolónia, “Advogada das doenças dos dentes e da boca”, numa iniciativa anual do povo de S. Pedro Fins. Para participar no Evento, de temática sacra, o Orfeão Municipal elegeu três coros de reconhecido prestígio, o “Coral Vera Cruz Aveiro”, “Grupo Coral Polifónico de Santa Comba Dão” e “Orfeão de Arouca”. Desta maneira, e na qualidade de grupo participante e anfitrião, o OMM dá continuidade ao intercâmbio cultural estabelecido, retribuindo assim as visitas que efectuou às terras dos referidos grupos, a convite dos mesmos, quando da organização de acções similares. De sublinhar que, em prol da boa execução da realização em causa, se reuniram, de entre outros, os apoios da Câmara Municipal da Maia, da Junta de

Freguesia de S. Pedro Fins, da Paróquia de S. Pedro Fins, do Rancho Regional de S. Salvador de Folgosa e da Cruz Vermelha Portuguesa da Maia. O Orfeão Municipal da Maia encara esta actuação com agrado, referiu um responsável da instituição ao MaiaHoje, “é sempre muito agradável e estimulante para nós poder mostrar ao público o fruto do nosso labor. E quando, como é o caso, as circunstâncias nos proporcionam ouvir, conviver, trocar experiências e saberes, juntar a nossa voz às dos nossos amigos congéneres, isso traduz-se em momentos verdadeiramente sublimes e inesquecíveis. Do mesmo modo que os arquitectos conceberam catedrais de estilos grandiosos e impressionantes, também os músicos construíram verdadeiras catedrais sonoras, edifícios musicais sem tempo e de todos os tempos. É, pois, nosso propósito - e dos nossos amigos de Aveiro, Arouca e Sta. Comba Dão - partilhar um pouco da magia desta arte, que enche os corações e apazigua os espíritos”. A avaliar pela grande receptividade da população a anteriores espectáculos do género, e considerando a qualidade das instituições corais intervenientes, será de esperar uma boa adesão no próximo dia 2 de Abril à Igreja Paroquial de São Pedro Fins.

José Luis González em “viagem” subaquática com o Vereador da Cultura

Breve perfil de José Luis González Nasceu em Oviedo, em 1952. Formou-se em engenharia mecânica em 1973. Um ano depois fixou-se em Vigo, local onde em 1976 se iniciou na fotografia subaquática. Começou a dar a conhecer os seus trabalhos em 1982, através de concursos, audiovisuais, publicações, vídeos, entre outros meios. Em 1991, com

José Irisarri, criou a empresa Marevisión, especializada em imagem subaquática. Os seus trabalhos foram galardoados em inúmeros certames nacionais e internacionais. É director, desde a primeira edição, da Semana Internacional de Cinema Subaquático de Vigo e colabora, como fotógrafo, em várias publicações.

Centro de Saúde de Águas Santas “clama” por SASU Rejeições do SASU de Ermesinde, com transferência dos utentes para a Unidade da Maia, tem complicado a vida da população na aquisição dos cuidados primários de saúde. JOSÉ MATOS

Segundo soube o MaiaHoje, sobram queixas dos utentes do Centro de Saúde de Águas Santas quanto aos cuidados prestados e condições existentes. Tempos de espera anormais, falta de médico de família e reduzido número de profissionais da saúde, constam das principais queixas apresentadas. Não esquecer que o Centro de Saúde de Águas Santas está ao serviço da população de várias freguesias. Para complicar a situação, de acordo com testemunhos de diversos utentes, tem havido grande relutância do Serviço de Atendimento a Situações de Urgência (SASU) de Ermesinde em aceitar, a partir das 20h00, a inscrição dos mesmos, remetendo-os para a Unidade da Maia. Um grande contratempo, sabendo-se que muitos dos visados são idosos e que não dispõem de transporte público regular para a Cidade da Maia. O Presidente de Junta de Águas Santas, Manuel Correia, confirmou essa realidade e o ambiente de insatisfação que se vive na Freguesia, com «perdas de tempo, incómodos e falta de paciência».

Solidário com os queixosos, o autarca fez seguir um ofício para a Administração Regional de Saúde do Norte a solicitar a criação de um SASU no Centro de Saúde de Águas Santas, única forma de resolver o problema. Neste documento, Manuel Correia dá conta da situação, “que afecta uma parcela bem significativa do Concelho da Maia, com mais de 42 mil habitantes”, e lembra o prometido na altura em que a Unidade de Águas Santas ficou sob dependência da Directora do Centro de Saúde da Maia, ou seja de que não haveria “quaisquer efeitos negativos na qualidade nem na quantidade dos serviços prestados à população”. O ofício, ainda realça que condições para se instalar o SASU no estabelecimento de saúde não faltam; “conta com um espaço amplo e bem organizado, destinado ao atendimento dos utentes das zonas que dependem geograficamente dos seus serviços; e tem condições em nada inferiores às de Ermesinde e, incomparavelmente, superiores às da Maia”. De referir que na próxima quinta-feira, na reunião pública da Junta de Freguesia de Águas Santas, um grupo de cidadãos vai apresentar um manifesto nesse sentido.

Junta de Freguesia de S. P. Fins A Junta de Freguesia de S. P. Fins, deseja a todos os maiatos e em particular à população de S. P. Fins, uma Santa Páscoa.


FREGUESIAS

mh

quinta-feira 24 de Março, 2005

13

AltosCar Maia - A confiança no “usado” Nova loja em Águas Santas é um reflexo do crescimento do negócio «Desde o início que houve a preocupação de vender carros em bom estado e de cumprir com as pessoas, numa base permanente de confiança», refere Domingos Manuel, proprietário da AltosCar, Lda. quando interrogado sobre a razão porque o negócio continua estável, com tendências para crescer, num período em que o sector se ressente da crise. A venda de carros usados acarreta sempre um primeiro contacto na base da desconfiança e este empresário tem consciência disso, não procurando “tapar o sol com uma peneira”. A única solução passa, assim, por manter uma atitude de seriedade, colocando ao dispor do cliente a garantia total exigida pela lei comunitária (12 ou 24 meses conforme a idade do veículo), aprovada pela ANECRA (Associação Nacional de Empresas do Comércio e da Reparação Automóvel) e DECO. «A pessoa que tenciona comprar um carro usado vem sempre à defesa. Não posso garantir que um carro não dá chatices, afinal de contas são máquinas, mas o que posso garantir é que se as chatices aparecerem eu reparo-as. Passados que estão seis anos desde que abri a loja, penso que estamos a colher os frutos dessa postura», acentua. Fazendo questão de notar que está num negócio, com o óbvio intuito de ganhar dinheiro (também neste pormenor tem uma

relação séria com o comprador), Domingos Manuel considera, no entanto, que o mais importante é o cliente não se sentir defraudado, uma vez que a intenção é que volte e, de preferência, com novos clientes; «Posso-lhe dizer que hoje em dia, a maior parte dos meus amigos foram pessoas que me compraram veículos». É nesta ordem de ideias que justifica o facto de muitos dos clientes virem à sua loja por recomendação de outros. Os automóveis que tem à venda, com uma ou outra variante, vão desde os 1000 euros aos 15 mil euros, dependendo do ano, da marca e da quilometragem. O leque de oferta é diversificado e, para além do que se encontra exposto nos stands, existem ainda propostas em stock. A aposta na organização informática de dados tem, também, contribuído para o aparecimento de clientes. Pela Internet, procurando-se o sítio “www.altoscar.com”, pode-se usufruir das possibilidades de compra e de um rol de características que definem cada veículo, assim como os preços. As facilidades de pagamento e a parceria com várias empresas financeiras, representam outra das armas de marketing da AltosCar, Lda. «Há a possibilidade de se adquirir um carro sem entrada e pagá-lo em 84 meses (sete anos), o que possibilita mensalidades muito baixas», assinala Domingos Manuel.

A nova loja de Águas Santas, na Rua do Mosteiro

AltosCar em Águas Santas Aproveitando o bom ritmo dos negócios e uma vez que mais de 90 por cento dos clientes são maiatos, este empresário tenciona expandir a sua “casa” por toda a Maia e não se ficar pela Av. D. Manuel II. Todavia, por enquanto, a aposta apenas se estende a uma freguesia que lhe diz muito, onde tem família e onde viveu muitos anos: Águas Santas. O Stand da Rua do Mosteiro, com duas lojas, está agora a abrir portas e nesta fase terá ao dispor do cliente cerca de duas dezenas de

veículos expostos. Domingos Manuel considera que a “casa” em Águas Santas faz chegar o negócio a outro mercado. Com 39 anos de idade, há 20 que este maiato trabalha no ramo automóvel. Começou como estafeta numa casa de peças para automóveis e agora, como proprietário, quer ser uma referência nos “usados” no Concelho. Ao MaiaHoje confessou que sempre quis estar ligado aos automóveis e que é uma pessoa realizada; «Devo ser dos poucos que faço aquilo que gosto».

A jovem terceira idade dos “Restauradores de Brás-O Oleiro”

Na comemoração do 66º aniversário, a Associação congratulou-se com a requalificação da área envolvente, assumiu o desafio de novas valências para cativar mais sócios e viu confirmada a aquisição de uma carrinha. TEXTO: JOSÉ MATOS FOTO: RAUL SILVA

«Hoje, Águas Santas acordou muito mais actual, o Brás-Oleiro muito mais lindo e os Restauradores muito mais orgulhosos», foram estas algumas das palavras com que o Presidente da Associação Recreativa “Os Restauradores de Brás-Oleiro”, Mário Rui Teixeira, caracterizou o dia da sessão solene comemorativa do 66º aniversário. A requalificação da área envolvente, pavimentada, deu outro ar à sede e ao pavilhão e foi alvo de vários elogios. «Esta zona era uma lixeira e atraía um certo vandalismo. Uma vez arranjada, tornou-se numa mais valia para os Restauradores», referiu Mário Rui. O Presidente da Junta de Freguesia de Águas Santas, Manuel Correia, considerou que o espaço se tornou numa «óptima sala de visitas». O dia da sessão solene - dividida em duas partes devido a compromissos inadiáveis dos representantes da Câmara Municipal e do Governador Civil (era dia de chegada do Metro a Pedras Rubras) - foi ainda aproveitado para se falar na necessidade de uma carrinha de nove lugares, com vista ao transporte dos atletas da Associação. Na posse da palavra, o edil Bragança

As formalidades da celebração tiveram início no exterior da sede

Fernandes acabou por prometer o que todos queriam ouvir; «Entre Maio e Junho, a Associação terá da Câmara Municipal 50 por cento de comparticipação do custo total da carrinha». Interromperam-no os aplausos. Mário Rui, que lembrou a pessoa de Vieira de Carvalho como alguém que sempre teve esperança nos “Restauradores”, realçou que o 66º aniversário marca uma etapa de viragem, até como forma de cativar mais

associados, um mal que identifica como geral no meio associativo; «Estamos numa época em que as novas tecnologias obrigam a uma certa modernização e é nesse campo que vamos actuar. Vamos injectar novas valências no seio nas nossas actividades, desportivas e de lazer. Queremos criar novas modalidades, tais como o cicloturismo e pesca, práticas passíveis de agregar mais associados». Um objectivo que procura alcançar

Junta de Freguesia de Águas Santas A Junta de Freguesia de Águas Santas, deseja a todos os maiatos e em particular à população de Águas Santas, uma Santa Páscoa.

através de intercâmbios e parcerias com outras associações, com a Câmara Municipal, Junta de Freguesia de Águas Santas e com a Federação das Colectividades, «na qual acabámos de nos filiar», marcou Mário Rui. Por tudo isto, para o presidente dos “Restauradores”, apesar do aniversário assinalar uma idade avançada, «é uma terceira idade jovem». De referir que, em jeito de prenda da edilidade, a Associação recebeu cinco computadores, através dos quais se ligará à Internet. Os responsáveis do município - o Presidente Bragança Fernandes e o Presidente da Assembleia Municipal, Luciano Gomes - assim como o Governador do Distrito do Porto, Manuel Moreira, tiveram, então, uma passagem “relâmpago”, com um passeio à zona requalificada, o hastear de bandeiras e discursos de ocasião. A sessão solene prosseguiu no interior da sede, já sem estes convidados. Nota para o facto das comemorações se terem iniciado um dia antes, com a actuação do grupo da casa, “Os Amigos da Tocata”, e com cantares ao desafio. A sala esteve bem composta durante as cerca de duas horas de música popular.


14

mh

quinta-feira 24 de Março, 2005

Expo-FFeira “Ambialimentar” para comprar e informar O ambiente e alimentação tocaram-se na EB 2,3 de Águas Santas. A presença dos pais não foi a desejada. JM

Com o segundo período de aulas a terminar, o estabelecimento escolar de Águas Santas (EB 2,3) levou a efeito, durante três dias, a Ambialimentar, com o propósito de elucidar as novas gerações acerca do desenvolvimento sustentável e de conceitos como a agricultura biológica, transgénicos, produtos naturais, entre outros. Inserido no projecto europeu Eco-Escolas, o Conselho Executivo, que todos os anos costuma organizar uma “semana verde”, promoveu a expo-feira acerca de um assunto que está na moda. «Pode-se comprar produtos, todavia a principal finalidade é informar os nossos alunos. Eles ouvem falar de agricultura biológica, mas os conhecimentos são muito vagos. Pensam que se trata de comida sem sabor, vegetariana, macrobiótica... e não é nada disso», afirmou Manuela Barbosa, membro do Conselho Executivo e coordenadora da escola para a educação ambiental. A presença dos pais e encarregados de educação, segundo Manuela Barbosa, é que poderia ter sido melhor, tendo-se inclusive escolhido uma noite de abertura, com o conjunto de música popular “Os Amigos da Tocata”. «Ficamos um pouco frustrados com a pouca afluência», lamentou. Sara Fonseca, Funcionária da Quercus, do centro de Educação Ambiental de Matosinhos, notou que existe uma falta de conhecimento muito grande entre os jovens quanto às instituições dedicadas ao ambiente; «A maioria não conhecia a Quercus, que é só a maior instituição ambiental de Portugal». Até por isso mesmo, a presença na escola foi profícua; «Se numa turma, um ou dois alunos ficarem sensibilizados para a matéria já é uma vitória». Entre as instituições presentes estiveram: LIPOR, Escola Superior de Biotecnologia da Universidade Católica, Campo Aberto (Associação dedicada à defesa do ambiente urbano), Plataforma Transgénicos Fora do Prato, Quercus, Empresa de Têxteis Ecológicos, Empresa de Tintas Naturais, Associação Reviravolta (promoção do conceito de comércio justo), Cantinho das Aromáticas, Naturocoop (dedicada à agricultura biológica), DECO, GAIA (Grupo de Acção e Intervenção Ambiental) e Câmara Municipal da Maia.

FREGUESIAS

Sensibilização ambiental para os mais novos “Águas do Douro e Paiva” promovem programa e concurso de Educação Ambiental. Escola EB1 de Gestalinho foi uma das seis vencedoras, entre cerca de 900 concorrentes. ANTÓNIO MANUEL MARQUES

Responsável pelo Sistema Intermunicipal de Abastecimento de Água ao Grande Porto e Vale do Sousa, as Águas do Douro e Paiva implementou um projecto piloto de Educação Ambiental, intitulado “A Água e os nossos Rios” em nove escolas do ensino básico do Grande Porto. Entre as escolhidas esteve a EB1 de Gestalinho, onde à semelhança das outras instituições, foram levadas a cabo actividades de sensibilização ambiental junto de alunos e professores. Assim, enquanto os professores incorreram numa acção de formação, os mais novos participaram num jogo lúdicopedagógico, numa oficina de escrita criativa para além de um teatro de fantoches. Quanto ao concurso, teve como participantes as escolas do ensino básico da área do Grande Porto, cerca de nove centenas, sendo que no final saíram vencedoras apenas seis, entre as quais a EB1 do Gestalinho. O prémio servirá para implementar o projecto apresentado a concurso pela escola, como explicou ao MaiaHoje, a professora Célia Ribeiro, «recebemos dois computadores e um prémio monetário de 500 euros que permitirão o desenvolvimento do projecto. Pretendemos criar uma página Internet e boletins informativos, realizar visitas de

estudo aos rios locais. Vamos também tentar criar uma Associação Ambiental em conjunto com a Junta de Freguesia». O objectivo global desta iniciativa passa por “reforçar as competências pedagógicas e científicas dos professores e a mudança de comportamentos dos alunos e de toda a comunidade escolar, no sentido da preservação da água e dos ecossistemas ribeirinhos”, já que como referiu João Roseira,

responsável das Águas do Douro e Paiva, «somos uma empresa de Ambiente e portanto não temos como única preocupação produzir um produto de qualidade. Como empresa desta área, queremos ser um parceiro na mensagem para um melhor Ambiente». Em caso de balanço positivo, este projecto piloto será para o ano alargado às restantes escolas do Ensino Básico do Grande Porto.

“Topas” é o rosto desta campanha de sensibilização

A qualquer hora do dia... ou da noite A disponibilidade de 24 horas por dia e o serviço ao domicílio são as grandes apostas da nova Clínica SOS Saúde. A estrutura disponibiliza todo o serviço de enfermagem para além de várias especialidades médicas.

José Araújo e Vítor Hugo são os responsáveis pelo novo espaço dedicado aos cuidados de Saúde, localizado em Gemunde. A ideia para criar a Clínica SOS Saúde surgiu porque «tínhamos o sonho de ter um espaço nosso. Também porque há certas carências no atendimento e tentamos fazer qualquer coisa de melhor. Na área dos cuidados paliativos, dos doentes em fim de vida, ainda há pouca coisa. Vamos então investir, então, nessa área e nos serviços ao domicílio», explicou José Araújo. A Clínica SOS Saúde disponibiliza todos os serviços de enfermagem, como a aplicação de injectáveis ou a colocação de um

penso. Para além disto, uma equipa médica fornece assistência tanto em medicina geral, como em diversas especialidades como a Pediatria, Ginecologia, Cardiologia, Nutricionismo, entre outras. Está também prevista a inclusão de serviços na área da reflexologia e das massagens terapêuticas. Todos estes serviços são disponibilizados 24 horas por dia, tanto na clínica como no domicílio, «as pessoas ainda têm dificuldade em encontrar uma clínica aberta ou um enfermeiro que aplique um injectável ou faça a colocação de um soro de noite. O funcionamento em 24 horas é uma aposta para nos distanciarmos do que já existe.

Conseguimos isso mantendo-nos sempre abertos e disponíveis para atender as pessoas», afirmou ao MaiaHoje, Vítor Hugo. Quanto à área de actuação será principalmente no Concelho da Maia, embora esta este factor não seja restritivo. Em termos de preços, existe uma preocupação em criar uma tabela acessível, embora os serviços ao domicílio tenham, como é óbvio, um custo mais elevado, «vamos seguir uma tabela de preços bastante acessíveis, sendo que os serviços ao domicílio ficam obrigatoriamente mais caros. Um factor que as pessoas muitas vezes não percebem, é que não se paga a deslocação mas o tempo da deslocação. Por exemplo, daqui a S. Romão do Coronado, o enfermeiro poderá demorar uma hora, com o tratamento incluído. Enquanto o preço do tratamento seria 10 euros, o custo de uma hora de enfermagem mais o tratamento, ficará por exemplo, por 20 euros», referiu o mesmo responsável. Para breve, estão previstas também convenções com diversas entidades como a ADSE, empresas de seguros, entre outros, de modo a baixar os preços para o utente. Em funcionamento desde o dia 15, a Clínica SOS Saúde fica situada junto ao vulgarmente designado cruzamento do Castêlo da Maia, mais precisamente no princípio da Via Eng. Belmiro de Azevedo.

pub

Junta de Freguesia da Maia A Junta de Freguesia da Maia, deseja a todos os maiatos e em particular à população da freguesia da Maia, uma Santa Páscoa.


mh

FREGUESIAS

quinta-feira 24 de Março, 2005

15

Polidesportivo para os mais novos Chuva não Autarquia inaugurou um Polidesportivo de Rua junto à EB1 e EB 2,3 de Moreira. Equipamento destina-se aos mais jovens, num investimento de 125 mil euros. espaços pouco edificados, como explicou o Presidente da autarquia, Bragança Fernandes, «decidimos construir aqui este equipamento tal como vamos fazer em outros espaços menos urbanizados do Concelho».

Sangemil terá Polidesportivo dentro de três meses

Para além de terem um novo espaço, os mais novos receberam outras prendas da autarquia.

ANTÓNIO MANUEL MARQUES

Depois de um processo algo conturbado, devido a alterações constantes ao projecto inicial, foi inaugurado no passado Sábado, o Polidesportivo de Pedras Rubras. A obra no valor de cerca de 125 mil euros, tem como destinatários os jovens daquela zona habitacional, para além dos alunos da EB 1 e

EB 2,3 locais, e ainda os atletas do Clube Académico de Pedras Rubras. Aliás, o equipamento, que demorou um ano a construir, ficará à guarda desta colectividade, depois de um protocolo a celebrar entre Câmara Municipal, Junta de Freguesia de Moreira e o “Académico”. Este é o nono Polidesportivo do Concelho, seguindo uma política de ocupação de

O próximo Polidesportivo a construir na Maia já foi adjudicado e tem um prazo de construção de um trimestre. Será localizado em Sangemil, junto à EB 1 do Paço, como explicou o edil maiato, «irá servir as colectividades de Sangemil, nomeadamente o Clube Aca démico de Sangemil. O custo é sensivelmente o mesmo que este. Será um pouco maior e terá balneários de raiz, servindo também para adultos. Durante o dia será gerido pela escola, depois pelo Académico de Sangemil». Bragança Fernandes, garantiu ainda que a sucessão de inaugurações que se verifica nesta altura é natural, não constituindo qualquer pré campanha eleitoral, «quando as pessoas tomam posse decorre todo um processo, com a compra de terrenos, a execução de projectos e só na parte final do mandato é que a obra fica feita. Vou ter inaugurações praticamente todas as semanas a partir de agora».

afastou populares

Mau tempo não prejudicou significativamente a realização da Procissão dos Passos da Maia, com os populares a compareceram à cerimónia.

Teve lugar no passado Domingo, a tradicional Procissão do Senhor dos Passos, na freguesia da Maia. Várias dezenas de populares compareceram à cerimónia, apesar da chuva que se fazia sentir. A Igreja Paroquial registou igualmente uma enchente na missa “presidida” pelo pároco da freguesia, Domingos Jorge, que antecedeu a saída da procissão, que contou com vários andores.

Populares compareceram apesar do mau tempo.

Parque de estacionamento inaugurado ao sabor da chuva e da música erudita Área de 3.200 metros quadrados, espaço para 90 veículos. Na cerimónia, o Presidente da Junta disse que a unidade de saúde local envergonha os vermoenses. JOSÉ MATOS

O Parque de Estacionamento de Vermoim já estava ao dispor da população há uns meses mas só agora foi possível realizar a cerimónia formal; «A necessidade, às vezes, não se contempla com a agendas das inaugurações», referiu, a propósito, o Presidente da Junta de Freguesia, Aloísio Nogueira. O programa integrava duas fases; uma de exterior - com o descerramento da placa alusiva e discursos de ocasião - e uma interior - com porto de honra e interpretação musical do quinteto de palhetas “Ars à Cinque”. No entanto a inesperada chuva, numa altura em que tanto se falava em seca, acabou por concentrar a maior parte da cerimónia no auditório do edifício sede da Junta. Algo que não atrapalhou o momento. A obra, no valor de 500 mil euros, comparticipada pela Câmara Municipal, teve, mesmo que de forma célere, direito ao descerrar da placa. Perante o grupo de convidados, maioritariamente composto por autarcas, Aloísio Nogueira acentuou que a obra inaugurada representa «uma antiga aspiração de todos os vermoenses», fundamental para acompanhar a dinâmica de desenvolvimento populacional. «Foi feita sem paragens, em meia dúzia de meses, transformando por completo a zona

A chuva “abençoou” a inauguração

Junta de Freguesia de Barca A Junta de Freguesia de Barca, deseja a todos os maiatos e em particular à população de Barca, uma Santa Páscoa.

envolvente do centro cívico». O autarca local - que aos jornalistas voltou a repetir a ideia de considerar que o seu ciclo no Executivo da Junta está a chegar ao fim realçou que «ainda antes do Verão, Vermoim vai ter um centro cívico moderno e funcional naquele que será um marco, um ícone arquitectónico da cidade» (edifício da exPamaial). Aloísio Nogueira não teceu, contudo, apenas elogios e voltou a insistir naquele que considera o ponto negro da Freguesia; «Uma situação que nos envergonha é a forma como são prestados os cuidados primários de saúde. A Unidade de Saúde de Vermoim é indigna da Freguesia e do Concelho». Mais à frente afirmou que as criticas não podem ser dirigidas ao poder local; «Sempre que determinada situação depende do Terreiro do Paço, é tratada como mera estatística». O Presidente da Câmara Municipal da Maia, Bragança Fernandes, frisou que o processo do novo Centro de Saúde, que estava previsto para a Casa do Desporto, só não avançou porque pelo meio se meteu a mudança partidária; «O Governo caiu quando já estava tudo protocolado com a ARSN e só faltava a assinatura do Ministro. Espero que o novo Governo tenha a boa vontade de manter o protocolado», concluiu o edil.


18

mh

quinta-feira 24 de Março, 2005

BLASTED EMPIRE Fotoreportagem de Raul Silva No passado dia 18 de Março, os Blasted Machanism deslocaram-se ao pavilhão Rosa Mota na cidade do Porto, para dar a conhecer o seu mais recente trabalho ”Avatara”. Este é um dos seis concertos que o grupo vai dar a nível nacional, para promover o novo álbum. Por volta das 22h30, entraram em palco, onde eram aguardados por uma plateia entusiasta, de várias idades, e que rondava as 2000 pessoas. O preço do bilhete (13 euros, com oferta do CD de apresentação) e a variedade de sons e todo o espectáculo em palco, não decepcionaram os fãs e mostraram que é possível efectuar espectáculos e atrair público a preços acessíveis. Foi um concerto que demorou cerca de duas horas, onde o público aceitou as sonoridades com grande motivação, visto a plateia estar a vibrar, toda aos saltos, desde o início até ao final.

Abelhas “alugavam” loja em Águas Santas Fotoreportagem de Raul Silva Já por diversas vezes no nosso jornal demos “estampa” a situações idênticas, não deixando de ser curioso como estes pequenos animais, algo temerários, insistem em fazer as suas colmeias (de onde extraímos, entre outros, o mel e a cera), junto a locais profundamente habitados. Foi também assim na passada Terça-feira, junto ao local onde se encontra o recém inaugurado monumento ao Pedreiro Montante, junto à montra de um estabelecimento de mobiliário que faz paredes-meias com um café, num edifício habitacional. Este local é de passagem de muita gente e apesar de ninguém se ter ferido, foi alertada a protecção civil. Os trâmites foram os habituais, tendo sido chamado um Apicultor que removeu o enxame. Segundo contou à reportagem MaiaHoje «estas devem ter estado a formar durante 4 dias, dado que já existia a formação de um pequeno favo». Segundo a Lei, o seu novo proprietário é o referido apicultor que o removeu. A PSP de Águas Santas tomou conta da ocorrência.

FREGUESIAS

Procissão dos Passos leva centenas às ruas da freguesia Tradicional Procissão dos Passos teve a participação de mais de centena e meia de pessoas. Os populares também aderiram, lotando as ruas de Barca. TEXTO: ANTÓNIO MANUEL MARQUES FOTO: JÚLIO SÁ ORNELAS

«Correu tudo maravilhosamente», afirmou ao MaiaHoje, António Sá, Presidente da Confraria do Senhor de Santa Cruz. A Procissão do Senhor dos Passos deste ano contou com mais de centena e meia de participantes, tendo saído da Igreja de Barca por volta das 16h30 do dia 13. O trajecto da Procissão é feito com paragens nos diversos calvários até ao Sermão do Encontro, entre Jesus e sua mãe. Depois desta fase, o cortejo segue em direcção à capela de Santa Cruz. Uma nota para a grande afluência de público, quer de Barca, quer das freguesias limítrofes. Esta é a primeira procissão do ano na freguesia, seguindo-se o “Corpo de Deus”, “N. Sr.ª de Fátima”, “Senhor de Santa Cruz” e por fim “S. Martinho”. Para além destas cerimónias, António Sá prevê que a Confraria ainda fique responsável pela realização das Festas do Senhor de Santa Cruz, já que até ao momento ainda não se constituiu uma Comissão de Festas. A referida festividade

A experiência de “bem cuidar” Novo salão de cabeleireiro unisexo abriu as suas portas na freguesia de Nogueira. A aposta vai para a diversidade de serviços, baseada na experiência nesta área. Já ligada a este sector, Susana Alves sempre desejou abrir um espaço próprio que reflecti-se a sua visão e modo de trabalhar na área. Assim, depois de uma década de experiência como cabeleireira, Susana Alves avançou com o projecto, «era o meu sonho desde sempre. Já trabalho em cabeleireiro há 13 anos e o sonho de qualquer pessoa neste ramo é abrir um espaço assim». Um grande investimento, já que o espaço sofreu uma

remodelação total, dá lugar agora a um moderno salão que toca diversas vertentes da estética, quer para mulheres, quer para homens, «temos manicura, pedicura, unhas de gel, cabeleireiro de homens e senhoras, estética com vários tratamentos, massagens, terapias...», enumerou a responsável. Com quatro profissionais, o salão “Susana Alves Cabeleireiros” abriu as suas portas no dia 12, com uma inauguração que decorreu de

forma positiva. Desta maneira, as expectativas para o futuro são animadoras, finaliza a proprietária, «correu bem para primeiro dia. Ainda não tem publicidade e por isso vamos ver como corre. Mas tenho boas profissionais e portanto, acho que não vamos ter problemas». “Susana Alves Cabeleireiros” fica situado na Rua Agostinho da Silva Rocha, em frente à antiga Finex, na freguesia de Nogueira.

pub

Junta de Freguesia de Gondim A Junta de Freguesia de Gondim, deseja a todos os maiatos e em particular à população de Gondim, uma Santa Páscoa.


FREGUESIAS

mh

quinta-feira 24 de Março, 2005

19

Um lugar de culto na “Casa do Alberto” Bertu’s Place - Coffee House uma proposta de noite... ou de dia, onde se bebe um copo, uma dança, um jogo. Quem vê de fora, não imaginará, provavelmente, o ambiente que se vive dentro. Com um horário de abertura extenso (das 7H00 às 2H00), o Bertu’s Place é muito mais que um café. É um ponto de encontro onde se toma o pequeno almoço, onde se dispõe do serviço de “grill”, mas é também um local onde se bebe um copo nocturno, com música que vai do jazz ao hip hop, passando pelo house (ao fimde-semana há um DJ convidado), onde se joga bilhar, dardos, onde se navega na Internet e, até, onde se dança. O não haver vizinhos por cima ajuda. Há quem diga que é o sítio ideal para se fazer horas para noites mais longas. Com dois andares, o piso de baixo encontra-se mais vocacionado para a diversão noctívaga, ao passo que em cima há sempre a oportunidade de se pôr a conversa em dia ou de se contar a última anedota, mantendo-se a companhia da música e de dois écrans televisivos. O proprietário, Carlos Alberto Pinheiro, não é propriamente um novato nestas andanças. Olhando para trás, vê já 15 anos de noite. Esteve ligado à abertura do “Geração Café” - que, entretanto, fechou portas - mas

Muito mais que um café

há um ano entendeu ter chegado a hora de passar a trabalhar para si. Quando se lhe pede o projecto que tem para o Bertu’s Place futuro, não hesita em

avançar com o conceito de um lugar de culto, um género de “Os amigos do Alberto”: «Tento fazer do Bertu’s Place uma casa de amigos, num ambiente familiar, um lugar que daqui a

uns anos seja visto como um espaço com significado, que representou algo para a vida das pessoas». Segundo Carlos Alberto Pinheiro, deve haver tempo para tudo; «Todos passamos pela fase do divertimento. Além disso, as coisas boas desta vida não são caras, são únicas». Para este empresário a Maia tinha óptimas condições para potenciar um bom ambiente em ofertas género “coffee house” e “meeting point”; «estamos numa terra com qualidade de vida, onde reside gente muito boa». Por outro lado, de acordo com Carlos Alberto Pinheiro, o Concelho já não é visto como um “dormitório” e as pessoas despertaram para outro tipo de “casa”. Todavia, o empresário lamenta que a «Câmara Municipal da Maia não dê o apoio que se impunha. Ter uma área destas na Maia é um risco. Quantas mais houvessem melhor, pois o ramo hoteleiro e a noite são o melhor chamariz turístico de uma cidade», opina. A aposta nos DJ’s ao fim-de-semana é para manter, mas existem outros projectos: o principal deles será a música ao vivo. No Verão não faltará a esplanada e existirão noites temáticas surpresa.

Bodas de Ouro da “Lusitana” com memórias do Pinheiro Manso e dos “Rebuçados Vitória”

Na sessão solene, o Presidente da Câmara Municipal prometeu a atribuição de cinco computadores à Associação. JOSÉ MATOS

A Associação Lusitana de Pedrouços completou 50 anos de vida. Para assinalar a data organizaram-se algumas iniciativas, tais como o concurso de pesca, torneio intersócios de futsal, exposição de fotografia e de trofeus na sede, sessão solene e missa em memória dos sócios fundadores já falecidos. No último Domingo, teve lugar a referida sessão solene, que se iniciou com o cortejo desde o Pinheiro Manso (lugar da fundação da Colectividade), composto pela Fanfarra dos Bombeiros Voluntários de Pedrouços e representantes de associações vizinhas que fizeram questão de se associar aos festejos. Seguiu-se o hastear das bandeiras, já com a presença do Presidente da Câmara Municipal da Maia, Bragança Fernandes, Presidente da Assembleia Municipal, Luciano Gomes, e Presidente da Junta de Freguesia de Pedrouços, Abílio Sousa. Na sede decorreram os discursos e o porto de honra. Ao celebrar-se 50 anos, as memórias vêm, necessariamente, ao de cima. Ângelo Araújo, Tesoureiro da Associação em representação do Presidente (que está fora do país), lembrou que o clube já teve boxe e atletismo, mas que agora apenas de dedica às secções da pesca e futsal. Orlando Campo Grande, sócio fundador, recordou que os primeiros chutos foram dados na bola de pano e na bola que saía nos “rebuçados vitória”.

Por seu lado, o Presidente da Assembleia Geral, Adecílio Pinheiro, recuou uns anos para anotar que o clube foi criado por um grupo de jovens que «tinha que esperar que os grandes acabassem de jogar para entrarem no terreno». Assinalou, ainda, que a designação inicial foi de Sport Lusitana de Pedrouços e que a história dos 50 anos de vida «foi feita de vitórias, empates e derrotas», com as maiores dificuldades a virem ao de cima com o que considerou de empatas. No regresso ao presente e lançando o futuro, Adecílio Pinheiro, aproveitando a presença de Bragança Fernandes, mas afastando qualquer ideia de subsidio-dependência, fez o pedido de dois computadores; «queremos atrair mais jovens, para que esta sede não seja apenas um local onde se bebe uma cerveja e se joga dominó». Bragança Fernandes falou noutras obras que estão a decorrer na Freguesia e deixou aquilo que todos queriam ouvir para o fim; «Não podia deixar de vos dar uma prenda. Assim, no dia 18 de Abril, vou-vos fazer chegar não dois, mas sim cinco computadores com as mesas e cadeiras de apoio». O edil não terminou o discurso sem informar que tem em vista a realização de uma grande festa de homenagem a todas as associações e directores do Concelho. Perante os jornalistas, Bragança Fernandes manifestou o desejo de criar uma grande sede que aglomere as associações de Pedrouços que se encontram na Rua de Artur Neves.

Cinco décadas celebradas e recordadas

pub

Junta de Freguesia de Pedrouços A Junta de Freguesia de Pedrouços, deseja a todos os maiatos e em particular à população de Pedrouços, uma Santa Páscoa.


20

mh

quinta-feira 24 de Março, 2005

FREGUESIAS

“O Gonçalinho” chegou à EB1 D. Manuel II Em período pascal, o Presidente da Câmara Municipal entregou aos pequenos estudantes o livrinho que procura ensinar a ler, com a Maia como pano de fundo. TEXTO: JOSÉ MATOS FOTO: RAUL SILVA

Bragança Fernandes entrou na Escola Primária D. Manuel II (ex-EB1 do Sobreiro), na companhia do congénere de S. Nicolau, Amílcar Spencer Lopes. O município caboverdiano encontra-se geminado com a Maia há cinco anos e o autarca encontrava-se na primeira visita oficial. À espera estava o Presidente do Agrupamento Horizontal das Escolas de Vermoim, António Carneiro, com dezenas de crianças ansiosas para ver o que se iria passar. Um “Gonçalinho” segurando um ovo, é a capa do livro - “Aprendo a ler com o Gonçalinho” - que recorda a época da Páscoa. “Depois de formar Portugal, Gonçalo que foi criança, Pensou fazer da Maia, Um lugar de confiança”, é um dos pequenos textos que compõem a publicação. Bragança Fernandes entende tratar-se de um bom contributo para a aprendizagem dos mais novos em relação aos principais símbolos do Concelho. «É importante para saberem quem foi Gonçalo Mendes da Maia e conhecerem melhor a sua terra. No Natal já entreguei alguns livrinhos e o objectivo é continuar a distribuí-los, visto que têm sido um êxito. Quero percorrer todas as escolas do Concelho».

Bragança Fernandes, partilha o “Lidador” com os mais novos

Outras ofertas inserem-se nesta pretensão didáctica, como por exemplo o “Aprendo Pintando com o Gonçalinho” e um puzzle. Os livrinhos não chegaram para todos, mas tratou-se apenas da oferta simbólica, pois, entretanto, já terá sido distribuído um “Gonçalinho” por cada menino da EB1 D. Manuel II. A ocasião foi, ainda, aproveitada pelo Presidente da Câmara Municipal de S. Nicolau para lançar a ideia de uma ligação mais

próxima a nível das escolas primárias; «Queremos solidificar a geminação. Estes meninos poderão vir a visitar os seus amigos em S. Nicolau ou vice-versa». E para começar a aproximação, nada melhor que uma carta escrita pelos alunos da EB 1 maiata para os meninos de S. Nicolau. O desafio foi prontamente aceite por António Carneiro. Refira-se, a terminar, que Bragança Fernandes não se livrou do pedido de um dos jovens para colocar balizas no recreio.

«... uma associação que deve orgulhar esta freguesia» Associação Desportiva e Cultural de Teibas comemorou o 15º aniversário. Cerimónia contou com vários responsáveis autárquicos e serviu também para inaugurar o bar da colectividade. ANTÓNIO MANUEL MARQUES

Tendo como actividades a pesca, o cicloturismo, a dança rítmica, o karaoke e o futsal, onde conta com oito dezenas de jovens, a Associação Desportiva e Cultural de Teibas festejou no passado fim de semana o seu 15º Aniversário. A cerimónia realizada na sede da colectividade, localizada no Centro Social de Teibas, juntou uma série de autarcas e responsáveis políticos, num role de congratulações e incentivos à continuação do bom trabalho

desenvolvido pela Direcção que tem como Presidente Paulo Rocha. O Governador Civil, Manuel Moreira., naquela que foi provavelmente a sua última aparição pública em terras da Maia, elogiou a colectividade realçando a importância que este tipo de associações desempenha para o “bem público”, «é uma associação que deve orgulhar esta freguesia. Podemos procurar no dicionário, mas não encontramos as palavras suficientes para descrever com exactidão a importância destas colectividades». Luciano Gomes, Presidente da Assembleia Municipal, juntou-se a estes

elogios, «tenho orgulho em pertencer a um Concelho onde gente humilde continua a dar-nos ensinamentos. No Concelho da Maia as grandes instituições, não em dimensão, mas por aquilo que fazem, vêm sempre daqueles que menos podem». Também o Presidente da autarquia, Bragança Fernandes, e o Presidente da Junta de Freguesia, Abílio Sousa se congratularam por este momento vivido pela Associação Desportiva e Cultural de Teibas. Nesta ocasião, foi ainda inaugurado o bar da colectividade, integrado no Centro Social de Teibas.

Escuteiros alertam para intenção da Siderurgia Agrupamento de Escuteiros de S. Pedro Fins levou a cabo uma acção de sensibilização. Jovens pretenderam alertar para a intenção da Siderurgia Nacional de aproveitar uma mata vizinha para depositar escórias. AMM

Tendo como mote o “Dia da Árvore”, o Agrupamento de Escuteiros de S. Pedro Fins levou a cabo uma série de iniciativas, que tiveram como ponto alto a acção de sensibilização e limpeza numa mata próxima da Siderurgia Nacional. Os cerca de 70 jovens, para além de alguns pais, tentaram alertar para a intenção revelada por aquela empresa em remodelar o local para servir de depósito de escórias de ferro. A Junta de

Freguesia colocou-se ao lado dos escuteiros, «a mensagem foi de preservação do espaço em redor da Siderurgia, que funciona como cortina de protecção às poeiras que resultam da actividade daquela indústria. Penso que a Junta de Freguesia soube interpretar a mensagem de uma forma correcta e estou em crer que a Câmara Municipal da Maia também, sabendo que em breve terá que se pronunciar sobre a viabilização das alterações que se pretendem fazer», referiu ao MaiaHoje, o Presidente da Junta, Marques

Gonçalves. As actividades começaram cedo com uma visita à Lipor 1, iniciativa patrocinada pela Junta de Freguesia. A comitiva pôde conhecer a Central de Compostagem, o Centro de Triagem e a Horta Biológica. Seguiu-se um almoço ao ar livre que decorreu no Parque do Valinho, em Arcos. «Correu tudo bem. Foi feito um alerta por uma comunidade com forte representação entre a juventude da freguesia», finalizou Marques Gonçalves.

Junta de Freguesia de Gueifães A Junta de Freguesia de Gueifães, deseja a todos os maiatos e em particular à população de Gueifães, uma Santa Páscoa.


mh

OPINIÃO

O fim e a madrugada Quando o espectáculo terminou e eu fui posto fora, pela pressão dos que saiam e pelo vácuo dos que não entravam, repeti a mim mesmo a velha máxima teatral: “fora de cena quem não é da cena!” É logo a seguir, recordando o meu papel no show, ouvi Shakespeare a redizer para mim o seu grande pensamento: “Todo o mundo é um palco e nos meros actores!” E enquanto saía, empurrado pelos de trás, ignorado pelos da frente e descontente com o meu próprio desempenho como actor, ia repetindo maquinalmente: “Actores, não autores!” Sai para a noite como poderia ter saído para um baile, ou simplesmente um funeral. Não me apeteceu ir para um bar (não gosto), fingir que fumava (não fumo), ou procurar mulheres (procurei sempre só uma e na peça já tinha feito o papel da a ter encontrado...) Sentei-me num muro baixo e convidei-me a rever o meu próprio espectáculo! E adormeci. Breve me vi subindo uma nobre escadaria de grandes esperanças - as “grandes esperanças”, de Dickens,

que são na verdade só “grandes expectativas” com a inevitável mulher - fortuna, ou fortuna - mulher lá em cima, e a força de o conquistar cá em baixo, a subir... Cheguei ao “eterno quase tudo”, que é o “eterno quase nada”. O tempo já não era o meu tirano, o “quase tudo” estava num espelho, tão perto do “quase nada” que se confundiam de tal modo que me pareceu que o melhor seria olhar os dois! Fora do tempo, fora do lugar, fora de mim, gozei toda a segurança da insegurança, do alto da escada da fortuna - mulher, ou da mulher - fortuna, na confusão dos espelhos, tão altos sobre o mundo, num mundo tão baixo. E ardi, no fulgor de arder, na ampliação dos espelhos, no passar dos anos sem tempo... Perpassou-me, naquele rever sonhado do meu show, que o céu tinha abafamentos de trovoada, que o brilho deslumbrante do sol era agora, não menos quente, mas menos intenso, que alguns degraus da escada cediam, como quem se derrete nas esperanças fanadas, mas as pequenas dores não afectavam a

quinta-feira 24 de Março, 2005

GERAÇÃO PORTUGAL, OU AS POLÍTICAS DO FUTURO Venha mais chuva minha “heróica resistência”, dizia a minha vaidade... Inevitavelmente os espelhos estavam mais longe, mais apagados, não havia duvida. O que seria aquele nevoeiro que os ia escondendo? O director de actores passou por mim a correr e disse: “Aguenta! Estás acabar!” A escada caiu sem barulho, os espelhos apagaram-se sem estalar, senti frio e pensei que o espectáculo tinha acabado. Mas estava enganado: outros actores subiam outras escadas, outros espelhos os confundiam, outras “mulheres - fortunas” e “fortunas - mulheres” os chamavam e uma vassoura poderosa, passando por trás de mim, me varria do local. Tinha chegado ao fim e acordei onde estava, sentado no muro baixo. Não sentia nada, nem amor, nem raiva, nem desejos, nem pena! Apenas percebi, na luz que nascia e no ar que passava o cheiro sublime de madrugar e a certeza renovadora da madrugada! Um anjo á minha direita disse: “Levanta-te e caminha”! E aqui estou.

nelson ferraz

“, mais razões se levantarão para que o desprezo ou o castigo lhe cheguem às costas, embrulhados nos panos quentes das regras proibidas de quebrar. Asilados, dentro das suas próprias cabeças, ou desterrados e ocultados em estruturas coercivas de descrédito, os loucos de hoje passeiam-se, por aí, correspondendo a um desejo de transformação latente da civilização, que tarda em aceitá-los como válidos para alimentar discussões inevitáveis e apontar direcções insubstituíveis. Desta forma, apenas os poetas, os escritores e os artistas estão - mais ou menos - autorizados a personalizar estatutos ambíguos de comportamento e opinião. E, com toda esta confusão de sentimentos e de credos, alguns deles chegam a sair dos seus livros, das suas telas e dos seus palcos para contarem, pintarem, inventarem e reproduzirem tudo o que lhes vai ter à alma. É por causa disso que eles andam por aí: loucos e cheios de razão. Com vontade de fazer mil coisas que desviem a tristeza e a infelicidade que

crónica: orlando leal

luís clemente ribeiro

A loucura razoável As normas do discurso racional estão inseridas em situações convencionais onde não é permitido aceder a qualquer delírio que ultrapasse a sensatez vigente e “ normal “. Sempre que alguém, a propósito de ideais nobres ou sonhos vanguardistas, ousa extravasar uma forma diferente de expressão ou atitude, há, por parte de uma sociedade implacável, uma aguerrida oposição que tenta aniquilar ou emudecer manifestações ameaçadoras ao que se encontra instituído. A ser assim - e é mesmo - todo o indivíduo que se assume como à margem daquilo que vai sendo feito e dito à sua volta, com o qual discorda e sobre o qual tece críticas de lógica e de valor é, decididamente, um proscrito, um arauto da anomalia pública.. Bobo da sociedade? Louco documentado? Doente comprovado? Bem, a verdade é que quanto mais lucidez ele seja capaz de espalhar aos quatro ventos, quanto mais “ desrazão “ ele seja capaz de colocar na postura dos habituais “ caciques de estimação

21

se colaram aos seres humanos. A adaptação não é uma cura. A ordem, sem perguntas, não é uma condição. A vida é, muitas vezes, uma treta, uma loucura. Chata. Sem pontes nem luz. Sem sonhos nas colinas. Não há arqueólogos que nos desenterrem. Nem nativos com canções. Nem flores fora dos compêndios. O mundo endoidece em cada curva meridiana. O medo e o tédio abraçam-se no silêncio dos venenos e não há vogais que cheguem para repetir: aiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii! num ditongo de angústia e de raiva. Sobra, apenas, a vontade de fazer qualquer coisa. Principalmente, naqueles dias em que o sol se levanta e se põe, sem que apareça um louco, um louco mesmo louco, com aquelas manias de grandeza que partem as grades todas do medo e da indiferença. Às vezes, ser louco é a única coisa razoável. Muito melhor do que ser, somente, um maluco saudável.

Estamos na Primavera, altura do ano em que se dá o desabrochar das flores, que os campos ficam mais verdes, ficando a natureza mais colorida, depois de um Inverno cinzento e molhado, mas hoje está a chover, e ainda bem. Mas isto é aquilo que geralmente acontece, e que nos é dito desde os primeiros anos de vida, não é exactamente aquilo que sucede actualmente. De facto, esta semana que faz a simbólica passagem entre as duas estações do ano supra citadas é, ao nível do ambiente, muito marcada, nomeadamente através da comemoração dos dias da Árvore (21 de Março) e da Água (22 de Março). Mas o que realmente acontece está muito longe desta realidade “poética”, e os problemas ambientais, e nomeadamente a escassez de água derivada da quase nula pluviosidade deste Inverno, devem deixar-nos a todos preocupados com a situação, que caso não se altere rapidamente (e felizmente, já começou a chover), poderá arrastar o país para uma grave crise a vários níveis. Poderá o leitor ter uma primeira visão menos preocupante desta problemática, mas quando estamos a falar da escassez deste recurso essencial para a nossa subsistência, não devemos apenas pensar na água que sai das torneiras, mas sim num leque muito mais abrangente de situações, como a falta de regas para os produtores hortícolas, de cereais, enfim de todo um leque de alimentos que nascem de uma terra que tem de ser regada, mas onde não há água, daí que já se verifique o aumento dos preços dos produtos hortícolas um pouco por todo o país, e que a Associação Nacional de Produtores de Cereais (ANPOC) tivesse exortado o Governo a decretar o estado de calamidade para toda a zona afectada pela prolongada seca, como forma de minimizar os prejuízos dos agricultores. Mas para além destes produtos, podemos também ter em risco realidades tão graves quanto a produção de leite, bem como a própria sobrevivência dos animais, o que levará a uma falta de leite e seus derivados, e das mais diversas carnes vendidas na praça. Ainda há cerca de um mês estive com um agricultor e fadista, que é agora vedeta de um Reality Show da nossa televisão, que me disse que no dia em que nos encontramos tinha mandado um vitelo para abate, e já não tinha o que lhes dar de comer, pois como não chovia, o pasto estava seco e as próprias rações ou estavam esgotadas ou a preços incomportáveis. Outro exemplo é o da produção de vinho, que começa a ficar comprometida, o que poderá levar a uma situação tão caricata como o facto de Portugal, que é um grande exportador de vinhos, ter que se transformar em importador, pois a nossa produção não será suficiente para o mercado interno. Mas para além disso há outra situação preocupante e que se relaciona com a seca nas nossas florestas, o que as transforma em autênticos “barris de pólvora”, com um risco de incêndio elevado. Ou seja, com estes pequenos exemplos creio ter demonstrado a gravidade do problema que, como é lógico, se vai fazer sentir na economia, com o aumento dos preços dos alimentos, numa primeira fase, e com a necessidade de se recorrer a importações dos mesmos numa outra fase, transformando-nos num país dependente de terceiros para a nossa alimentação de subsistência, o que como devem apreender não é um cenário nada animador. Assim, devemos todos pôr a mão na consciência e olharmos com mais atenção para as campanhas de sensibilização para a poupança de água, pois ela pode nunca chegar a faltar nas nossas torneiras, mas os efeitos colaterais da sua escassez podem ser muito mais graves e abrangentes do que aquilo que estamos à espera. pub

Junta de Freguesia de Milheirós A Junta de Freguesia de Milheirós, deseja a todos os maiatos e em particular à população de Milheirós, uma Santa Páscoa.


pág.22

os classificados da maia! anuncie também gratuitamente em www.maiahoje.pt ANÚNCIO ATÉ 100 CARACTERES • CLASSIFICADOS COMPRA E VENDA • EMPREGO • AUTOMÓVEIS • IMOBILIÁRIO • ETC. Enviar por e-mail ou fax. Prazo limite, terças-feiras. Rua dos Altos, Edifício Arcada, loja 12 • 4470 - 235 Maia Telefone 22 947 62 62/4 • Telefax 22 947 62 63 www.maiahoje.pt • publicidade@maiahoje.pt

imobiliária T1+2 MANINHOS - MAIA

junto às escolas,3.5 anos de escritura; menos de um ano de uso, melhor que novo... venha verificar. c/ todos os electrodomésticos, aq. central, grande varanda, lugar de garagem, arrumos, boas áreas. Tratar o proprio 934263225 107 000 euros - T0 no Centro da Maia, pavimento em tijoleira, orientação solar Poente. 55.000 euros RE/MAX Maia • Telef. 229 419 640 - T0 no Centro da Maia, pavimento em tijoleira, orientação solar Poente. Para arrendamento 300 euros. RE/MAX Maia • Telef. 229 419 640 - Moradia T4, na urbanização do Lidador. Constituída por 2 pisos, garagem individual, boa orientação solar. 216.980 euros RE/MAX Maia • Telef. 229 419 640 - Moradia V6 tipo quintinha na Maia, óptima para habitação e/ ou Organização de eventos. Área do lote 2800 m2. RE/MAX Maia • Telef. 229 419 640 - T2 com boas áreas e boas vistas, localizado em zona sossegada com aparcamentos e espaços ajardinados. 94.000 euros RE/MAX Maia • Telef. 229 419 640 - T0 na Rua da Alegria no Porto para arrendar. 350 euros RE/MAX Maia • Telef. 229 419 640 - T3 em Gueifães inserido num condomínio fechado, perto de transportes públicos, zona sossegada. 132.500 euros RE/MAX Maia • Telef. 229 419 640 - T1 Águas Santas situado em zona residencial com lareira e despensa. 80.000 euros RE/MAX Maia • Telef. 229 419 640 - Excelente Loja no Centro Comercial “Central Plaza, no piso da restauração, com óptima visibilidade. 91.000 euros RE/MAX Maia • Telef. 229 419 640 - Estabelecimento comercial, no R/C com 45 m2 e terraço com 35 m2. Perto do Centro Da Maia (Pingo Doce). 58.300 euros RE/MAX Maia • Telef. 229 419 640 - Lojas e apartamentos para arrendar no centro da Maia. RE/MAX Maia • Telef. 229 419 640 - Milheirós, MORADIA DE 4 FRENTES. BEM LOCALIZADA. JARDIM COM ÁRVORES DE FRUTO E ANEXOS COM FORNO A LENHA. 195.000 euros RE/MAX Maia • Telef. 229 419 640 - Maia,T3 Duplex, MUITO BEM LOCALIZADO. COM GARAGEM INDIVIDUAL. 165.000 euros RE/MAX Maia • Telef. 229 419 640 - Maia, T3+1 com terraço de 25 m2, 2 frentes, no Centro da Maia. Habitado apenas 1 ano encontra-se em estado impecável. 125.000 euros RE/MAX Maia • Telef. 229 419 640 - Vermoim, T4, em zona residencial muito agradável (Maninhos). Tem 2 frentes, está equipado com alarme e aquecimento central a gás. 154.200 euros RE/MAX Maia • Telef. 229 419 640

- Maia, T2, Novo, no centro da Maia. Acabamentos de superior qualidade, áreas amplas. virado a nascente. 137.000 euros RE/MAX Maia • Telef. 229 419 640

- Moreira da Maia, T3 como novo, boas áreas, sala comum com varanda e orientação Nascente / Poente. 135.000 euros RE/MAX Maia • Telef. 229 419 640

- Maia, T3+1 cobertura na Praça do Município, em estado impecável. Com 2 frentes, quartos a nascente, áreas muito amplas e vistas extremamente agradáveis. 132.500 euros RE/MAX Maia • Telef. 229 419 640

- Vila Nova da Telha, Moradia tipo chalé. Constituída por 3 frentes, implantada em lote de 490 m2, incluindo jardim, piscina e aparcamento para 5 a 6 carros. RE/MAX Maia • Telef. 229 419 640

- Pedrouços, T2/T3, a apenas 2 min. do Hosp. São João / IPO, em Pedrouços (Maia), novos com acabamentos de superior qualidade. RE/MAX Maia • Telef. 229 419 640

- Sta. Maria do Avioso, Moradia em início de construção de 4 Frentes, Tipo T4 implantada em terreno com 620 m2. RE/MAX Maia • Telef. 229 419 640

- Milheiros, Moradia T4 em cond. fechado, como nova. Construção com isolamento térmico e acústico e acabamentos de qualidade a todos pormenores de puro bom gosto. 280.000 euros RE/MAX Maia • Telef. 229 419 640

- Gueifães, T3 recuado no centro de Gueifães, amplas áreas, boa orientação solar. Garagem individual. 115.000 euros RE/MAX Maia • Telef. 229 419 640

- Pedrouços,T3 , A 3 min. apenas do HOSP. S. JOÃO, localizado em Pedrouços (Maia) perto da Circunvalação. 149.000 euros RE/MAX Maia • Telef. 229 419 640 - Vermoim, T3 na urbanização dos Altos.Centro da Maia, bons acessos e transportes. Garagem individual para um carro. 106.000 euros RE/MAX Maia • Telef. 229 419 640 - Maia, Gueifães, T1 inserido num condomínio fechado, em zona tranquila, com rápido acesso ao Centro da Maia e Porto. Excelentes acabamentos e áreas muito generosas. Óptima exposição solar. 82.500 euros RE/MAX Maia • Telef. 229 419 640

-Vermoim, T3, remodelado boa orientação solar, vistas agradáveis, com boa varanda na sala, próximo do Centro da Maia. 102.500 euros RE/MAX Maia • Telef. 229 419 640 Maia, T2+1 junto á Câmara da Maia, com luz directa, bom estado com garagem individual. 112.500 euros

PORTA A PORTA Distribuição de publicidade porta a porta. Bons preços. Contacto 96 236 57 73

automóveis venda

Não deixe que as suas memórias se apagem com o tempo! Filmes de casamento, baptizados, férias, etc. Assegure a sua continuidade e qualidade por muitos anos. Executam-se conversões de video para DVD, a partir de diversos formatos. Contacto: 912 507 651

CONTABILISTA

Contacto: 22 901 37 57.

CONTABILISTA - TOC Executam-se serviços de Contabilidade, recuperação de escritas, IRS, IRC, IVA, procesamento de salários, segurança social, e outros. IRS para particulares Contacto: 912392491 Empresas e particulares

- Moreira da Maia, Apartamento T0, como novo, com ampla, terraço, duas portas. Boa localização! 54.360 euros RE/MAX Maia • Telef. 229 419 640 - Moreira da Maia, Óptimo T3 com excelentes vistas e exposição solar. Rápido acesso ao centro da Maia. 115.700 euros RE/MAX Maia • Telef. 229 419 640 - Mirandela, Propriedade com casa restaurada, 5 quartos, 3 salas, garag. para 4 carros, jardim com piscina. 156.000 euros RE/MAX Maia • Telef. 229 419 640 - Maia, T2 como novo, no Centro da Maia, com espaços ajardinados no exterior e aparcamentos. 82.500 euros RE/MAX Maia • Telef. 229 419 640

Empresa em franca expansão da área metropolitana do Porto, admite 4 colaboradores comerciais em regime de comissão para o sector de publicidade. Produtos sazonais e fixos, com preços atraentes. Integração em equipa a formar, jovem, dinamica e capaz de trabalhar por objectivos. Exige-se boa postura, elevado grau de responsabilidade e facilidade de comunicação. Contacto: 91 250 76 52

2 EMPREGADAS BALCÃO MAIA-VERMOIM “Princesa da Maia”, Conceituada Confeitaria e Pão Quente, localizada na Cidade da Maia, junto a uma das principais artérias, precisa para integração na sua equipa, com entrada imediata, de duas Empregadas de Balcão. Experiência é requerida. Horário a combinar. Contactar a gerência pelos telefones 22 948 00 80 ou 93 948 00 81, ou no próprio local.

MAIA-VERMOIM

CARRINHA Azul escura. Ano de 1998, 65.000 Kms, Full Extras. Revisões efectuadas sempre na marca. Apenas 1 proprietário. Rigorosamente impecável. Muito confortável. Como nova. De Particular a particular. Possibilidade de Crédito (cerca de 200 euros por mês). 9.000 Euros (1.800 contos) Tel. 96 903 16 07

PUBLICIDADE

PADEIRO

OFERTA Aceitam-se contabilidades

CITOËN XSARA 1.4i

4 COMERCIAIS

CONTABILISTA - TOC Executam-se serviços de Contabilidade, recuperação de escritas, IRS, IRC, IVA, procesamento de salários, segurança social, e outros. IRS para particulares Contacto: 912392491 Empresas e particulares

CONVERSÃO VIDEO P/ DVD

- Maia, Pedrouços, Apartamento T2 a 3 minutos do Hospital S.João / IPO. Estado impecável, localização atractiva, vistas muito agradáveis. 95.000 euros RE/MAX Maia • Telef. 229 419 640

- Maia, Maia, Excelente Apartamento T2+1 na Praça do Municipio. Estado impecável e boas áreas, dispõe de terraço com 71 m2. Metro “à porta”. 107.500 euros RE/MAX Maia • Telef. 229 419 640

emprego procura

PUBLICIDADE

- Folgosa, T3 com terraço. Próximo de estação de caminho de ferro. Muito bem localizado perto da igreja de folgosa, escola primária. 109.500 euros RE/MAX Maia • Telef. 229 419 640

- Maia, Nogueira, Óptimo apartamento T3. Bem localizado, perto de hipermercados, escolas, infantário. Áreas generosas, bons arrumos e óptimo gosto. 127.500 euros RE/MAX Maia • Telef. 229 419 640

- Maia, Maia, Armazém Industrial para arrendamento com cerca de 400 m2 e 6 m2 de pé direito. 1750 euros RE/MAX Maia • Telef. 229 419 640

serviços

“Princesa da Maia”, Conceituada Confeitaria e Pão Quente, localizada na Cidade da Maia, junto a uma das principais artérias, precisa para integração na sua equipa, com entrada imediata, de PADEIRO. Experiência é requerida. Contactar a gerência pelos telefones 22 948 00 80 ou 93 948 00 81, ou no próprio local.

emprego oferta

TUDO A SECO LAVA-SE Tapetes, passadeiras e carpetes para aspirar e lavar a seco. Bom preço.

1992

SERVIÇO DOMESTICO

Contacto: 914 762 594

Das 08.00 horas ás 12.00 horas, zona da Maia. Contacto: 914354597

Land Rover Discovery 120 mks; verde, ac; ve; fc; rd; estribos; grelhas farois originais; pneus michelin novos; como novo; 6500 euros negociaveis.

CASAMENTOS ANIMADOS WWW.hmp.web.pt Música ao vico, Karaoke, palhaços, largadas de balões, insuflaveis, pirotecnia, disparo de confetis, caricaturista. Contacto: 914 937 278 - 965 533 057

Contacto: 912 574 693

- Moreira da Maia, T2 Com dois anos de uso, prédio pequeno inserido em condomínio fechado. 124.000 euros

SENHORA TOMA CONTA DE IDOSOS NA SUA PROPRIA CASA Vermoim/Maia 965723001

!

boletim de assinaturas maiahoje SIM, desejo ser assinante do JORNAL MAIA HOJE por um período de: 1 ano ou 24 números - 10 Euros (2000$)

2 anos ou 48 números - 20 Euros (4000$)

APROVEITE A CAMPANHA DA ASSINATURA ANUAL 15% DE DESCONTO NO PREÇO DE CAPA Envio Cheque ou V. Postal Nº . no valor de

euros, do Banco

Nome Data de Nascimento

o seu jornal faça já a sua assinatura!

Naturalidade

Morada Profissão

Código Postal

Telefone

Telemóvel

Recorte e envie o cupão para a seguinte morada: JORNAL MAIA HOJE - Rua dos Altos, Ed. Arcada, n.º 12 • 4470-235 ou através do Fax 22 947 62 63


mh

CLASSIFICADOS

quinta-feira 24 de Março, 2005

23

CIN-C CORPORAÇÃO INDUSTRIAL DO NORTE, S.A. SOCIEDADE ABERTA SEDE: Estrada Nacional nº 13, Km. 6 4471-909 Maia CAPITAL SOCIAL: 25.000.000 euros Matriculada na Conservatória Reg. Com. da Maia sob o nº 7570 • Pessoa Colectiva nº 500.076.936

ASSEMBLEIA GERAL ANUAL CONVOCATÓRIA Nos termos legais e contratuais, convoco os Senhores Accionistas da "CIN - Corporação Industrial do Norte, S.A.", para reunirem em Assembleia Geral Anual no próximo dia 05 de Maio de 2005, pelas 15 horas, na sua sede social, sita na Estrada Nacional nº 13, Km. 6, na cidade da Maia, com a seguinte ordem de trabalhos: 1. Discutir, aprovar ou modificar o balanço, relatório de gestão e as contas referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2004, bem como o balanço consolidado, o relatório consolidado de gestão e as contas consolidadas relativas ao mesmo exercício. 2. Discutir, aprovar ou modificar a proposta de aplicação de resultados. 3. Proceder à apreciação geral da administração e fiscalização da sociedade. 4. Deliberar autorizar o Conselho de Administração a proceder à aquisição e alienação de acções próprias pela sociedade de acordo com proposta a ser submetida a apreciação. 5. Deliberar atribuir poderes ao Conselho de Administração para poder proceder ao lançamento de uma nova operação de papel comercial e ou à renovação da já existente nos termos e condições que entender convenientes de acordo com o preceituado na lei respectiva. O relatório de gestão, contas do exercício, bem como o relatório consolidado de gestão, as contas consolidadas, a proposta de aplicação de resultados e as demais propostas encontrarse-ão à disposição dos Srs. Accionistas que as queiram consultar a partir de 18/04/2005, inclusive, na sede social da empresa ou em www.cin.pt. Se a Assembleia não puder reunir-se na data referida, por falta de quorum, reunirá no dia 20 de Maio de 2005 à mesma hora. A Assembleia Geral é constituída pelos accionistas com direito a, pelos menos, um voto e que, com a antecedência mínima de quinze dias sobre a data da reunião, provem ter as acções depositadas em instituição de crédito. A cada grupo de 100 acções corresponde um voto, sem limite máximo, fazendo-se o arredondamento por defeito. Os accionistas com direito a voto poderão fazer-se representar por outro accionista ou pelas pessoas a quem a lei imperativa atribuir esse direito; as sociedades serão representadas por quem para o efeito designarem.

Os accionistas possuidores de menos de 100 acções podem agrupar-se e fazer-se representar por um deles, nos termos da lei e do contrato social. Todas as representações deverão ser comunicadas ao Presidente da Mesa da Assembleia Geral por carta, com a assinatura reconhecida notarialmente ou autenticada pela sociedade, entregue na sede social até cinco dias úteis antes da data designada para a Assembleia. O voto pode ser exercido por correspondência. Nesse sentido, encontrar-se-ão disponíveis, a partir do dia 18 de Abril de 2005, na sede da empresa e em www.cin.pt, boletins de voto endereçados ao Presidente da Mesa da Assembleia Geral, através dos quais o accionista poderá exprimir de forma clara o seu sentido de voto. Os accionistas interessados em exercer o direito de voto por correspondência devem dirigir uma carta ao Presidente da Mesa da Assembleia Geral, endereçada para a sede da sociedade, acima indicada, contendo um subscrito fechado por cada ponto da ordem de trabalhos sobre que pretendem votar, mencionando cada subscrito tratar-se de um voto por correspondência, a reunião da Assembleia Geral e o ponto da ordem de trabalhos a que se refere; dentro de cada subscrito deve cada accionista declarar o seu sentido de voto, nomeadamente tomando posição relativamente a quaisquer propostas antecipadamente apresentadas à Assembleia Geral; cada declaração de voto deve ser assinada, devendo a assinatura ser reconhecida ou objecto dos procedimentos legalmente tidos como equivalentes. A consideração dos votos por correspondência fica dependente de os accionistas que recorram a tal possibilidade fazerem prova da sua qualidade de accionistas, nos termos gerais. Só serão considerados os votos recebidos na sede social até cinco dias úteis antes da data designada para a Assembleia. Caberá ao Secretário da Sociedade organizar a votação por correspondência, e, em especial: • Abrir os votos; • Verificar a qualidade de accionista e o número de votos do votante; • Verificar a autenticidade dos votos; • Assegurar a confidencialidade dos votos até ao momento do início da votação do ponto da ordem de trabalhos a que respeitam.

Maia, 08 de Março de 2005 O Presidente da Mesa da Assembleia Geral João Vieira de Castro Jornal MaiaHoje • Edição nº 126 • 24/03/05

CEREALIS, S.G.P.S., S.A.

SONAECOM, S.G.P.S., S.A.

Sede: Rua Manuel Gonçalves Lage, 988 - Águas Santas 4425-122 Maia Capital Social: 12.500.000 Euros Matriculada na Conservatória do Registo Comercial da Maia sob o nº 3.502 Pessoa Colectiva nº 500.020.540

Sociedade Aberta Sede: Lugar do Espido, Via Norte, Maia Pessoa Colectiva nº 502 028 351 Matric. na Conser. de Registo Comercial da Maia sob o nº 45 466 Capital Social Euro 226 250 000 ASSEMBLEIA GERAL ANUAL AVISO Nos termos da Lei e dos Estatutos comunica-se aos Senhores Accionistas que, a requerimento do Conselho de Administração se procedeu à inclusão na ordem do dia da Assembleia Geral Anual da sociedade, convocada no dia 25 de Fevereiro de 2005 e a realizar no próximo dia 05 de Abril de 2005 pelas 10 horas e 30 minutos, na sede social, do seguinte ponto: 7- Deliberar a afectação de Outras Reservas e Prémios de Emissão à cobertura de Resultados Transitados. Fica à disposição dos Senhores Accionistas para consulta na sede social, a partir do momento da publicação do presente aviso e nas horas de expediente, a proposta apresentada pelo Conselho de Administração.

CONVOCATÓRIA Convocam-se os accionistas de CEREALIS, S.G.P.S., S.A., para reunirem em Assembleia Geral Anual, na sede social, às 12 horas do dia 27 do mês de Abril de 2005, com a seguinte ordem do dia: 1. Deliberar sobre o relatório de gestão e as contas do exercício relativos ao ano de 2004, bem como sobre o relatório consolidado de gestão e as contas consolidadas respeitantes ao mesmo exercício; 2. Deliberar sobre a proposta de aplicação dos resultados; 3. Proceder à apreciação geral da administração e fiscalização da sociedade; 4. Eleger os membros dos Orgãos Sociais (mesa da asssembleia geral, conselho de administração, conselho fiscal e comissão de remunerações) para o triénio de 2005 a 2007; 5. Deliberar, nos termos dos artigos 396º, nº 3, do Código das Sociedades Comerciais, sobre a dispensa de prestação de caução pelos administadores eleitos. As informações e documentos previstos no artº 289º do Código das Sociedades Comerciais estarão patentes na sede social, para consulta pelos accionistas, durante os 15 dias anteriores à data da Assembleia Geral.

Requisitos a que estão subordinados a participação e o exercício do direito de voto: 1. Tem direito de voto o accionista titular de, pelo menos, cem acções averbadas ou inscritas em seu nome em conta de registo de valores mobiliários até quinze dias antes da data designada para a reunião da Assembleia Geral ou, se as acções forem tituladas e ao portador, depositadas na sede social ou em instituição bancária, com igual antecedência, comprovando perante a sociedade tal inscrição ou depósito até cinco dias antes da data da reunião. 2. A cada cem acções corresponde um voto. 3. Os accionistas com direito de voto poderão fazer-se representar por um membro do conselho de administração, pelo seu cônjuge, por ascendente ou descendente ou por outro accionista; as sociedades accionistas serão representadas por quem para o efeito designarem. 4. Os accionistas que não possuirem o número de acções necessário para terem direito de voto poder-se-ão agrupar por forma a perfazê-lo, devendo designar por acordo um só de entre eles para os representar na assembleia geral. 5. Todas as representações previstas nos dois números anteriores serão comunicadas ao presidente da mesa da assembleia geral por carta com a assinatura reconhecida notarialmente ou autenticada pela sociedade, entregue na sede social até cinco dias úteis antes da data designada para a assembleia; nos termos legais, a assinatura considerar-se-á reconhecida se for acompanhada da indicação do número e da data de emissão do Bilhete de Identidade do accionista.

Maia, 9 de Março de 2005 A Presidente da Mesa da Assembleia Geral Luzia Gomes Ferreira

Jornal MaiaHoje • Edição nº 126 • 24/03/05

Maia, 7 de Março de 2005

Jornal MaiaHoje • Edição nº 126 • 24/03/05

O VICE-PRESIDENTE DA MESA DA ASSEMBLEIA GERAL José Diogo Farinas de Almeida Falcão


mh

quinta-feira 24 de Março, 2005

palavras cruzadas problema nº

Mosteiro de Moreira da Maia

VERTICAIS

Tradicional PROCISSÃO DO SENHOR MORTO, Sexta-feira Santa, dia 25 de Março de 2005, pelas 21 horas com o seguinte percurso: Saída do Mosteiro de Moreira da Maia Alameda Padre Alcindo Barbosa Atravessa o cruzamento estrada porto-póvoa Rua Coronel Carlos Moreira Rua Central de Carvalhido Rua Dr. António Maia Aroso Rua Mestre Clara Rua Conselheiro Luís Magalhães Alameda Padre Alcindo Barbosa Mosteiro de Moreira da Maia

Dia 2 de Abril: Centro de Recreio Popular De S.º Tiago “o gabinete do Sr. Regedor” • “hotel modelo”

farmácias

Dia 9 de Abril: Secção De Teatro Do Rancho Regional De Argonchilhe “uma viuva dos diabos” Dia 16 de Abril: Grupo De Teatro Burburinho “mulheres de Atenas” Dia 23 de Abril: Ass. Recr. e Cultural Santa Isabel “a rapariga de Varsóvia” Dia 30 de Abril: Flor De Pedrouços “isto é revista” ESPECTÁCULOS A PARTIR DAS 21.30 HORAS R. DOS COMBATENTES N.º 3 PEDROUÇOS MAIA

Convocatória

Se à hora marcada não estiver presentes a maioria absoluta dos associados, a reunião realizar-se-á uma hora depois, em segunda convocatória, com qualquer numero de sócios presentes.

BOM DESPACHO - Maia

BOM DESPACHO -Maia (ref.)

DO AEROPORTO - P. Rubras

DE SILVA ESCURA - Frejufe (ref.) Turno B

DE SILVA ESCURA - Frejufe Turno H

DA AGRA - Milheirós

CENTRAL - Maia

CENTRAL - Maia Turno C

DA AGRA - Milheirós Turno I

ARAÚJO - Nogueira da Maia

GRAMAXO - Moreira da Maia

GRAMAXO - Moreira da Maia Turno D

ARAÚJO - Nogueira da Maia Turno J

BASTOS - Gueifães

ÁLVARO AGANTE - Vermoim

ÁLVARO AGANTE - Vermoim Turno E

BASTOS - Gueifães Turno K

ALIANÇA - Vermoim

DAS GUARDEIRAS - Guardeiras

DAS GUARDEIRAS - Guardeiras Turno F

ALIANÇA - Vermoim Turno L

LIMA COUTINHO - Gueifães

VILA N. DA TELHA - V. N. Telha

VILA N. DA TELHA - V. N. Telha

LIMA COUTINHO - Gueifães

MARÇO Turno

11

12

13

14

15

16

17

18

I

J

K

L

A

B

C

D

O Presidente da mesa de Assembleia Geral. Dr. António Sousa e Silva

F

21 22 23 24 G

H

I

J

(Perm.) - Permanente; (Ref.) - Regime de Reforço até 22h00)

cinema Warner lusomundo cinemas MAIASHOPPING DIA 27 DE JANEIRO A 30 DE JANEIRO Todos os filmes têm inicio 10 minutos após hora marcada (* Domingo) Tel: 22 977 04 50 • Fax 22 972 45 37

Hitch (M/12) Constantine (M/16) Million Dollar Baby (M/16) Back To Gaya V.P (M/ 6) Blade (M/12)

[11:05*; 13:20; 15:50; 18:20; 21:25; 23:50] [11:00*; 13:40; 16:20; 19:00; 21:35; 0:15] [13:20; 16:05; 18:50; 21:40; 0:25] [11:00; 13:35; 15:35; 17:35; 19:35] [22:00; 0:30]

Uns Compadres Do Pior (M/12)

[11:25*; 14:00; 16:35; 19:10; 21:55; 0:35]

Paixões De Julia (M/12)

[11:20*; 13:40; 16:40; 19:00; 21:45; 0:30]

Saw - Inigma Mortal (M/18)

[11:25*; 14:00; 16:15; 18:30; 21:50; 0:10]

Golpe No Paraiso (M/12)

Vila de Moreira, 21 de Março de 2005

19 20 E

Beffalump (M/ 6) Romasanta, A Caça Ao Lobisomem (M/16)

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

1 2 3 4 5 6 7 8

10 11

SOLUÇÕES

telefones úteis

Turno G

Turno A DO AEROPORTO - P. Rubras (perm.)

Dia

1

SOLUÇÕES

Dia 19 de Março:Teatro Amador Susanense “o crime da aldeia velha”

francisco assis assunção alves

9

1- Mulher nobre. Bolor do vinho. 2- Trabalhadores do Norte, também conhecidos por ratinhos, que se deslocavam para o Alentejo no tempo das mondas e outros trabalhos agrícolas. 3- Preposição designativa de lugar. Parte mais larga do remo. 4- Terceiro. Via dentro de uma povoação. Transportes Aéreos Portugueses (Sigla). 5- Sufixo designativo de qualidade. Alternativa. Sem companhia. Com saúde (Fem.). 6- Víscera dupla que segrega a urina. Pedido de socorro, no mar. 7- Sexta nota na escala musical. Antes de Cristo (Abrev.). Substância pulverizada. Alumínio (s.q.). 8- Cidade da Jugoslávia sobre o Theiss. Pequeno poema lírico da Idade Média. Espécie de sapo das regiões do Amazona. 9- Perversa. Sufixo de agente. 10- Pequenas fibrocartilagens no tendão do músculo gastrocnémio. 11- Encantador de serpentes, na Índia. Orador grego que tinha em Atenas uma escola de declamação, de que Demóstenes foi aluno (Século IV A.C.).

5.º ENCONTRO DE TEATRO AMADOR

1. Apreciação, discussão e votação do Relatório e das contas da Direcção e do Respectivo parecer do Concelho Fiscal, referentes ao exercício de 2004; 2. Eleição dos Corpos Gerentes para o biénio 2005/2007; 3. Construção da nova sede social - ponto da situação; 4. Outros assuntos de interesse para a Associação.

1- Mal parecido. Mistura de terra com água. 2Ressequida. 3- Prata (s.q.). Clave musical que se figura por uma C voltado, seguido por dois pontos. 4- Um senão. Capital da Jordânia. Árvore anacardíacea, cuja casca aromatiza o vinho e os alimentos. 5- Suspiro. Ruténio (s.q.). Cento e cinquenta romanos. Símbolo químico do Bário. 6Peça de tecido fino ou renda que as mulheres, de algumas regiões, prendem e cobrem a cabeça e deixam cair pelas costas. Unidade das medidas agrárias. 7- crença nas verdades da religião. Campeão. Letra grega que em geometria lhe foi atribuído o valor de 3,1416. Cinquenta e um romanos. 8- Satélite natural da Terra. Prefixo de opulência. Cabelos brancos. 9- Eles. Catedral. 10Homem sagaz e astuto (pop.). 11- A vela grande dos navios (Náut.). Utensílios de barro, em que os coelhos domésticos fazem criação.

HORIZONTAIS

G.D.R FLOR DE PEDROUÇOS APRESENTA:

ORDEM DE TRABALHO

117

SOLUÇÕES VERTICAIS 1- Feio. Lama. 2- Mirrada. 3- Ag. Fá. 4- Mas. Omã. Aal. 5- Ai. Ru. CL. Ba. 6- Veu. Are. 7- Fé. Ás. Pi. LI. 8Lua. Oso. Cãs. 9- Os- Sé. 10- Pássaro. 11- Capa. Lura.

GRUPO CORAL DO DIVINO SALVADOR DE MOREIRA

Usando da competência que me é conferida pelo artigo 7.º dos estatutos e de acordo com o disposto na alínea b) do artigo 27.º do Regulamento Interno da Associação - Banda de Música de Moreira da Maia, convoco todos os Senhores Associados a reunirem em Assembleia Geral Ordinária, no próximo dia 3 de Abril de 2005, pelas 09.00 horas, na nossa sede associativa, sita à rua Mestre Clara, n.º 365, Freguesia de Moreira da Maia, Concelho da Maia, com a seguinte

ÚTIL & LAZER

SOLUÇÕES HORIZONTAIS 1- Dama. Flor. 2- Gavieus. 3- Em. Pá. 4- III. Rua. T.A.P.. 5- Or. Ou. Só. Sã. 6- Rim. S.O.S. 7- Lá. A.C.. Pó. Al. 8- Ada. Lai. Aru. 9- Má. Or. 10- Fabelas. 11- Maia. Iseu.

24

[11:35*; 13:45; 16:00; 18:15; 21:40; 23:55] [13:30; 15:15; 17:00; 18:40; 21:40; 23:55] [22:05; 0:55]

Grudge A Maldição (M/16)

[11:30*; 13:35; 15:40; 17:45; 21:55; 0:05]

Corrida Arriscada (M/12)

[11:20; 13:40; 16:00; 18:20; 21:35; 22:55]

EMERGÊNCIAS: Bombeiros Volunt. Moreira Assoc. Human. Pedrouços P.S.P. Maia P.S.P. Aeroporto de Pedras Rubras G.N.R. Maia Protecção Civil (C.M. Maia) Protecção Civil (C.M. Maia) Fax Protec. Civil (C.M.M) Linha verde

22 22 22 22 22 22 22 80

SERVIÇOS DE UTILIDADE PÚBLICA: Cartório Notarial da Maia Conservatória do Registo Predial 1.ª Repartição de Finanças 2.ª Repartição de Finanças 1.ª Tesouraria da Fazenda Pública 2.ª Tesouaria da Fazenda Pública Tribunal Judicial da Maia Santa Casa da Misericórdia Correios de Vermoim EN - Electricidade do Norte EN - (Comunicação de Avarias) S.M. Águas e Saneamento da Maia Inst. Emprego Form. Profissional Áeroporto Sá Carneiro Câmara Municipal da Maia Aeródromo de Vilar de Luz Biblioteca Gulbenkian Forum da Maia Forum Jovem da Maia Gab. Apoio Defesa do Consumidor E. M. Estacionamento da Maia Academia das Artes da Maia Linha Directa Ambiente Linha Verde Casa do Alto

22 944 81 23 22 948 39 29 22 944 81 33 22 971 35 94 22 948 43 32 22 971 72 71 22 943 89 00 22 944 81 36 22 943 96 10 22 944 12 12 80 024 62 46 22 943 08 00 22 941 25 77 22 941 31 41 22 940 86 00 22 968 73 22 22 948 34 72 22 948 34 72 22 941 78 20 22 948 24 62 22 940 87 21 22 940 87 21 22 948 48 21 800 202 639 22 905 95 20

SAÚDE: C. de Saúde da Maia (Linha Azul) C. Saúde de Á.Santas C. Saúde do Castêlo Unid. Saúde de Moreira Maia U. S. Moreira Maia(Linha Azul) Unidade de Saúde de Gueifães Unidade de Saúde de Milheirós Unidade de Saúde de Nogueira Unidade de Saúde de Vermoim Serv. Atend. a Situações Urgentes Cruz Vermelha Port. (Núcleo Maia)

22 22 22 22 22 22 22 22 22 22 22 22

942 901 941 948 944 940 941 020

944 948 973 981 942 942 948 972 944 948 944 941

10 27 38 26 81 87 20 51

84 79 54 02 22 79 34 33 86 47 87 12

02 44 53 93 90 22 38 69

75 18 20 38 78 68 20 22 55 07 90 21


Entre os doze melhores da Europa Torneio de Ténis Maia Jovem subiu este ano à primeira categoria da Associação Europeia de Ténis. Competição sub 14 conta nesta edição com mais de 200 atletas em representação de 28 países.

Os números... 230 jogadores inscritos 28 países inscritos 80 tenistas pontuados no ranking Tennis Europe 15 jogadores portugueses no quadro principal 2500 refeições durante a prova 1500 litros de águas 1000 litros de refrigerantes 2000 bolas de ténis 350 encontros

ANTÓNIO MANUEL MARQUES

Na sua 12ª edição, a Taça Internacional Maia Jovem em Ténis subiu ao escalão 1 da Associação Europeia de Ténis, uma categoria partilhada apenas por mais 12 torneios a nível europeu, sendo a única competição a nível nacional naquele patamar. Mais de duas centenas de jovens tenistas são esperados para o “Maia Jovem”, que decorre entre 26 de Março e 3 de Abril, com duas presenças maiatas já garantidas, entre os quinze jogadores portugueses do quadro principal. Rui Pedro Silva e Rita Vilaça vão representar a Escola de Ténis na Maia nesta competição de âmbito internacional. De assinalar também a presença da n.º 1 europeia sub 14, a russa Ksenia Pervak. A edição 2005 da Taça Maia Jovem traz também como novidade a implementação de uma fase de qualificação, face ao grande número de inscrições. A apresentação do evento, realizada esta terça feira, contou com a presença de José Tavares, Vice Presidente da Assembleia Geral da Federação Portuguesa de Ténis e pai de Leonardo Tavares, o mais conceituado tenista das Escolas de Ténis da Maia. O responsável elogiou o evento, realçando a oportunidade que o torneio representa para os tenistas nacionais, «é uma oportunidade dada aos jogadores portugueses de defrontarem o que de melhor há a nível europeu, contribuindo para o seu desenvolvimento e da moda-

lidade. Contribuição para o aparecimento de novos valores no ténis nacional, ao contrário do que aconteceu nas duas últimas décadas onde o Ténis nacional viveu à custa de três ou quatro jogadores». Também o Presidente da Associação de Ténis do Porto deixou uma palavra de elogio ao evento, «é um torneio de grande qualidade. Importante na perspectiva da formação, dada a participação de jogadores jovens e do potencial de incentivo para os nossos jovens jogadores».

Baixo adesão do público pode condicionar edições futuras Segundo o Presidente da autarquia, Bragança Fernandes, a pouca adesão do público que se tem verificado em anteriores edições pode condicionar a realização de próximas edições do “Maia Jovem”, «estão em causa futuras edições. Ou este campeonato tem pessoas a assistir ou não vale apena estar a treinar atletas estrangeiros. Interessa é que as pessoas apareçam. Espero que tenha mais adesão do que no ano passado. Tenho grande dificuldade em aprovar este tipo de torneios porque as pessoas não aparecem». Por isso, o autarca deixa o apelo à adesão da população de forma a rentabilizar este torneio que tem um investimento camarário que ronda os 75 mil euros. pub


26

quinta-feira 24 de Março, 2005

RESULTADOS E CLASSIFICAÇÕES

DAS DISTRITAIS

DIVISÃO D E HONRA

J 26 26 26 26 26 26 26 26 26 26 26 26 26 26 26 26 26 26

V 19 16 17 14 16 14 8 9 9 9 9 8 8 8 8 5 5 2

E 1 8 3 7 6 3 9 6 6 6 4 7 6 5 5 6 6 10

D 6 2 6 5 5 9 9 11 11 11 13 11 12 13 13 15 15 14

F-C C 50-26 52-30 45-31 45-22 39-28 40-29 36-33 43-42 35-38 34-46 36-36 24-28 23-33 37-43 38-44 25-43 18-43 25-51

Próxima Jornada Alpendorada - Castelo Maia Nogueirense - Perafita

Resultados Canidelo 2 - 1 Águas Santas P 57 55 48 45 45 39 39 38 38 37 36 36 35 31 28 25 24 17

J 27 27 27 26 27 27 27 27 27 27 27 27 26 27 27 27 27 27

O Maia partia para este desafio com a ambição de se manter perto dos primeiros, alimentando o sonho de ainda chegar à subida. Um sonho que se vai desvanecendo, ainda mais depois deste empate a uma bola. O jogo em casa do Portimonense acabou por ser lento e pobre, com a equipa maiata, que marcou primeiro por intermédio de Malafaia, aos 28 minutos, a não revelar soluções para ultrapassar a defesa algarvia. Por seu lado, o Portimonense, talvez fruto das baixas na equipa principal, não demonstrou um futebol merecedor dos três pontos, acabando o empate

V 18 17 14 13 12 11 11 10 10 10 10 10 10 9 7 7 6 4

E 3 4 6 6 9 6 6 8 8 7 6 6 5 4 7 4 6 5

D 6 6 7 7 4 10 10 9 9 10 11 11 11 14 14 16 15 18

F-C 60-34 57-40 41-29 41-28 41-31 55-41 42-38 44-36 30-25 35-41 38-41 31-38 31-35 40-50 31-49 28-43 29-47 19-47

por ser o resultado mais justo. O próximo adversário da equipa maiata é o segundo classificado da Liga de Honra, o Estrela da Amadora, naquele que será o grande jogo da jornada a par com o Leixões - Naval. Na 2ª Divisão B, o Pedras Rubras teve pouca sorte no embate frente ao Fafe. A jogar no novo estádio, que ainda não viu vitórias, a equipa maiata não conseguiu um bom resultado, mais por culpa própria do que pelo mérito adversário. Falhando algumas ocasiões de golo, o Pedras Rubras não conseguiu desfeitear o Fafe, que conservou a vitória conseguido pelo golo de André, aos 29 minutos. Face a este resultado, a equipa de Vila Nova

Num jogo bem disputado e renhido, Nogueirense venceu em casa do Castêlo da Maia por uma bola a zero. Ambas as equipas entraram em campo para vencer, oferecendo aos espectadores um agradável espectáculo de futebol. Com estas premissas, acabou por vencer a equipa que mais pontaria teve, dado que ambas as formações foram muito perdulárias. João foi o autor do golo aos 65 minutos, numa altura em que a equipa visitante atravessava o melhor momento. Para Adriano Gomes, técnico do Nogueirense esta foi uma vitória justa, «não entramos muito bem no jogo. Nos primeiros dez minutos não nos adaptamos bem à relva. Mas depois o Nogueirense foi a melhor equipa e a que mais procurou o golo. Também entramos mal na segunda parte, mas na nossa melhor altura marcamos o golo da vitória. Penso que

foi um resultado justo». Já Luciano Simões, treinador do Castêlo da Maia, elege o empate como o resultado mais adequado, «foi um jogo bem disputado entre as duas equipas e o resultado mais justo seria o empate. O Castêlo foi infeliz na finalização». O Nogueirense está agora no sétimo posto enquanto o Castêlo desceu para a 13ª posição da Divisão de Honra da Associação de Futebol do Porto

Pausa será benéfica Na próxima jornada, o Nogueirense enfrenta o Perafita enquanto o Castêlo vai a Alpendorada. Adriano Gomes espera um bom resultado, dado o momento alto que a equipa atravessa, «como tenho vindo a dizer, esta é uma

maiahoje

Resultados Lavrense 0 - 2 Folgosa Gondim 2 - 0 Vila chã Milheirós 0 - 2 At. Vilar P 1 Folgosa 69 2 Vilar do Pinheiro 54 3 Vila Chã 49 4 Guilhabreu 49 5 Ramaldense 49 6 At. Vilar 46 7 Gondim 42 8 Água Longa 40 9 Lus. Sta. Cruz 36 10 Desp. Portugal 36 11 Milheirós 35 12 S. Romão 31 13 Lavrense 23 14 Mindelo 21 15 Desp. Vilar 21 16 Covelas 21 17 Sp. Cruz 20 18 Gatões 6 Próxima Jornada Folgosa - Ramaldense Água Longa - Milheirós Guilhabreu - Gondim

J 26 26 26 26 26 26 26 26 26 26 26 26 26 26 26 26 26 26

V 22 16 14 15 15 12 12 11 9 10 10 7 5 6 5 5 5 1

E 3 6 7 4 4 10 6 7 9 6 5 10 8 3 6 6 5 3

D 1 4 5 7 7 4 8 8 8 10 11 9 13 17 15 15 16 22

F-C 86-16 54-21 64-36 54-25 63-38 53-32 41-33 53-38 42-42 35-40 32-31 33-44 33-52 31-63 31-75 24-57 32-64 23-77

equipa jovem que vai melhorando de jogo a jogo. A equipa está a cumprir o que se esperava». A pausa dos jogos neste fim de semana vem como mais um facto positivo para a formação do Nogueirense, «o intervalo agora vai beneficiar a equipa. Temos três ou quatro jogadores lesionados que vão recuperar dos esforços». Já o Castêlo viaja até ao terreno do Alpendorada, para lutar pela vitória que falta para dar mais ânimo a uma equipa que tem tido boas prestações, segundo Luciano Simões, «vamos agora enfrentar o Alpendorada. As perspectivas são boas pela atitude que os jogadores têm revelado nos últimos jogos. Penso que vamos conseguir uma vitória. Só têm faltado os golos, talvez devido ao facto de ser uma equipa jovem. Falta só uma vitória para moralizar». pub

Próxima Jornada Águas Santas - Senh. Hora

SEGUNDA DIVISÃO (SÉRIE 1)

da Telha, caiu perigosamente para o 15º lugar, a duas posições da despromoção. Na próxima jornada, o Pedras Rubras viaja até ao terreno do Vilanovense. Por fim, o Pedrouços a militar na 3ª Nacional, sofreu uma pesada derrota em S. Pedro da Cova por quatro bolas a zero. A formação pedroucense viu-se reduzida a 10 unidades aos 58 minutos de jogo, com a expulsão de Edinho, naqueles que foram uns 10 minutos catastróficos para a equipa maiata, com a expulsão e com três golos da formação da casa, (55, 59, 62). O Pedrouços está agora em zona de descida de divisão, com 26 pontos e ocupando o 15º lugar.

Nogueirense sai vitorioso de derbi maiato António Manuel Marques

PRIMEIRA DIVISÃO (SÉRIE A)

1 Candal 2 Srª. da Hora 3 S. Pedro Rates 4 Grijó 5 Arcozelo 6 Pedroso 7 D.L.Balio 8 Custóias 9 Progresso 10 Canidelo 11 Labruge 12 Gulpilhares 13 Foz 14 Balasar 15 Águas santas 16 S. Felix 17 Serzedo 18 Atl. Rio Tinto

Equipas maiatas nos “nacionais” tiveram um fim de semana para esquecer. Maia empatou frente ao Portimonense, enquanto Pedras Rubras e Pedrouços saíram derrotados dos respectivos desafios. AMM

Resultados Cast. Maia 0 -1 Nogueirense P 58 1 Vila Meã 56 2 Ataense 54 3 Amarante 49 4 Avintes 48 5 Perosinho 45 6 Coimbrões 33 7 Nogueirense 33 8 Perafita 33 9 Sousense 33 10 Bougadense 31 11 Ol. Douro 31 12 Leverense 13 Castelo da Maia 30 29 14 Pasteleira 29 15 Baião 21 16 Alpendorada 21 17 Nun`Álvares 16 18 Valadares

mh DESPORTO Um sonho cada vez mais longínquo

numa banca banca perto de de si....

www.maiahoje.pt


DESPORTO

mh

quinta-feira 24 de Março, 2005

27

«Os treinadores estão para treinar e a direcção para dirigir» A Direcção do Ginásio Clube da Maia abriu as portas ao MaiaHoje para falar dos objectivos em termos competitivos, organizativos e para, pela primeira vez, explicar a razão do despedimento do treinador de Ginástica Artística Feminina. JOSÉ MATOS

Paulo Romero, Presidente da Direcção, e Miguel Esperança, Director, pensam o Ginásio Clube da Maia como um projecto a médiolongo prazo, mas que tem que ser gerido no imediato. Paulo Romero lembra, por exemplo, que uma das ambições de Vieira de Carvalho e, agora, de Bragança Fernandes, é tornar o clube num pólo dinamizador da ginástica na Maia, na entidade que possa gerir a prática no Concelho. Algo que, por enquanto não é concebível, uma vez que o clube só está a apostar na componente mais competitiva. A contribuir para a impossibilidade de outros voos, está, de acordo com o presidente, o estatuto de amador da direcção, o que traz esse factor limitativo que é o tempo, ou melhor a falta dele; «Há aqui um conjunto de pessoas que se dedica por carolice a gerir o Ginásio Clube da Maia. Portanto, temos que nos concentrar na realidade presente, ou seja a de que o Ginásio é um Clube de competição». Uma situação que, no entanto, o líder do clube gostava de ver ultrapassada, até para se evitar um quadro de subsídio-dependência; «Temos que ter a parte formativa e lúdica para complementar, até para sobreviver. A Câmara Municipal é neste momento o mecenas da ginástica na Maia. Compreendemos que seja difícil sustentar este esforço, porque para transformar um atleta são precisos entre 10 a 18 anos. Depois, entre a formação e a concretização das expectativas

Miguel Esperança e Paulo Romero em defesa dos objectivos do Ginásio Clube da Maia

pode ir um longo caminho», assinalou Paulo Romero. Remetendo-se à vertente competitiva, o presidente do Ginásio informou que alguns objectivos já estão a ser construídos; «O atleta mais velho que o Ginásio tem está no percurso de alta competição, definido pelo Instituto de Desporto de Portugal e pela Federação de Ginástica de Portugal. Na Artística temos três atletas promissoras». O director Miguel Esperança destaca, como outra ambição, atrair os maiatos ao espaço gímnico; «A ginástica é um desporto complexo, que por norma não arrasta multidões. No entanto, o Pavilhão Municipal é, sem exagero, um dos três primeiros complexos gímnicos da Península Ibérica. Queremos mostrar à população maiata que o

Ginásio tem excelentes instalações, que está a potenciar atletas de alta competição e que devem sentir honra em envolver-se neste espectáculo».

«Tivemos que cortar o mal pela raiz» Nos últimos tempos, depois do despedimento do treinador da classe de Ginástica Acrobática, Lourenço França; muito se tem falado na demissão de um outro treinador, desta vez de Artur Romão, da Ginástica Artística. O Presidente do Ginásio adiantou que se trataram de incompatibilidades de estratégias e que houve, de certa forma, alguma

indisciplina; «Houve uma orientação do treinador que se quis sobrepor à orientação da direcção. O treinador tem competências técnicas mas que têm que se sujeitar às determinações políticas e desportivas da direcção. Há regras internas a cumprir. O prof. Artur Romão apenas cumpriu algumas». Paulo Romero reforçou que a direcção não pode ser desrespeitada e que o que decide é a favor dos propósitos do clube e dos atletas; «Há eleições, estatutos e direcção e tudo isso tem que ter valor, não pode ser fachada. Acha que devíamos conservar no nosso seio trabalhadores que remam contra a maré? Os treinadores estão para treinar e a direcção para dirigir» Mantendo o tom do discurso continuou; «A direcção foi eleita num processo democrático perfeitamente linear, ganhou as eleições por uma esmagadora maioria. Desde o princípio, impôs as suas regras, alguns treinadores, entre eles o prof. Artur, não as foram cumprindo e chegou-se a um limite. Não conseguiu compatibilizar-se com a direcção e isso foi levado até à exaustão. Tivemos que cortar o mal pela raiz». Em relação ao novo treinador, os responsáveis pelo Ginásio informaram que já existem contactos feitos, mas sem pressas desnecessárias; «Temos que ser muito prudentes, porque queremos um treinador para médio-longo prazo. Queremos que, na Artística, pelo menos uma das nossas atletas venha, de futuro, a ser incluída nas Selecções Nacionais e eventualmente possa ser incluída pela Federação e pelos órgãos internacionais nos Jogos Olímpicos».

«Desde o princípio que houve um clima de hostilização por parte da direcção» Artur Romão, recentemente despedido do comando da equipa técnica de Ginástica Artística do Ginásio Clube da Maia, diz que foi perseguido pela direcção desde a saída da “Acrobática”. responsabilidade dos resultados, tenho que ser eu a dirigir o treino». Palavras do ex-técnico do «Assumo claramente que houve uma Ginásio Clube da Maia, quando se lhe pediu perspectiva de trabalho diferente. Como uma justificação para o despedimento de que responsável da Ginástica Artística Feminina, foi alvo. procurando alcançar objecArtur Romão notou que não conseguia tivos, tive que esta- desenvolver normalmente o programa de belecer uma treinos, o que traria reflexos aos objectivos metodologia de finais; «A conduta da direcção inviabilizava a treino. Como minha estratégia de trabalho, logicamente iria me compete também inviabilizar a obtenção dos resultados assumir a que eu tinha para alcançar». É nesta desigualdade de entendimentos que encontra a resposta, uma vez que, como defende, nunca poderia ter a ver com os resultados competitivos; «Não só foram completamente alcançados como até foram ultrapassados significativamente. Conseguiu-se a obtenção de resultados em atletas com muito pouco tempo de trabalho. Um dos planos para o futuro era a participação nos Jogos Olímpicos de 2012 ou 2016, mas os objectivos parciais foram alcançados e superados». O técnico despedido diz que a situação “conflituosa” não foi recente, encontrando explicações num certo apoio que foi dado ao treinador da “acrobática” aquando do seu despedimento em Agosto; «Desde o princípio que houve um clima de hostilização por parte Artur Romão crítico com a direcção do Ginásio Clube da Maia JOSÉ MATOS

da direcção em relação à minha pessoa. A Ginástica Artística Feminina na sua globalidade, mas mais protagonizada pela equipa técnica, tomou uma posição que, não sendo ostensiva, deu a entender que apoiávamos a “acrobática”. Não estávamos satisfeitos com o comportamento da direcção. Sem a mínima margem de dúvida, esta situação era para eles suficientemente justificativa para me despedir». A saída de Artur Romão foi acompanhada por muitos dos atletas, que já tinham uma identificação com o treinador. José Santos, um dos pais e ex-director do Ginásio, saiu em defesa do técnico; «Durante o período em que estive na direcção senti um mau estar, um clima difícil na relação com o treinador». No seu entender, trataram-se de questões pessoais; «caso contrário não deixavam fugir o melhor treinador que tinham e 22 atletas de nomeada». Acima de tudo, lamenta que não tenha sido prestado qualquer esclarecimento; «Mesmo depois do anúncio verbal da demissão do prof. Artur, nós, os pais, tentámos saber as razões. Prometeram que comunicariam por escrito, mas passadas que estão duas semanas ainda não sabemos nada». Paula Escudeira, mãe de uma das atletas, frisou que o descontentamento dos pais com a direcção não teve apenas a ver com o despedimento do técnico; «No ano passado, em vez de duas dezenas de crianças na ginástica Artística Feminina, existiam sessenta e tal. Nem todas elas tinham a perspectiva de rendimento, mas sentiam-se motivadas. Havia

um bom ambiente. Este ano entrámos numa situação completamente nova. Disseram que só ficariam as crianças preparadas para a alta competição. As outras teriam que ser automaticamente rejeitadas. Os pais não aceitaram a decisão de bom grado. As crianças rejeitadas, de seis anos de idade, sentiram-no muito, foi complicado».

«A Câmara Municipal está a fazer um investimento num clube vazio» Artur Romão defende que o facto da autarquia maiata continuar a apoiar o Ginásio Clube da Maia da forma como o faz, é algo de caricato. Isto porque, frisa, com a saída da “acrobática” e, agora, da “artística” o Ginásio ficou sem muito material humano; «A Câmara Municipal, tendo conhecimento desta situação, deveria tomar uma posição. Está a fazer um investimento, que não é pouco, num clube vazio, praticamente sem atletas. Paralelamente começa-se a criar outro clube com um desempenho não só pedagógico, mas também de rendimento, conseguindo bons resultados. Neste momento, e não quero exagerar, não sei se o Ginásio chegará aos 20 atletas». Presentemente, o grupo da “artística” encontra-se integrado no Acro Clube da Maia, de forma a poder-se inscrever nas provas competitivas. Os treinos decorrem no Pavilhão da EB 2,3 de Pedrouços, espaço alugado com o esforço de todos.


28

Título para os cadetes do CN Maia Atletas do CN Maia participam em três frentes, com o destaque para o escalão cadetes B, que venceu a prova de estafetas em Paços de Ferreira. ANTÓNIO MANUEL MARQUES

O fim de semana de 12 e 13 de Março foi repleto de competições, no que diz respeito à Natação e ao CN Maia. O clube maiato participou em três competições diferentes nos escalões de cadetes e juvenis. Em cadetes, os elementos dos “A” e “B” deslocaram-se a Paços de Ferreira para o Torregri 2. O destaque vai para André Pereira, Ricardo Almeida, João Gouveia e Nuno Barbosa que nas estafetas de 4x50 estilos e livres obtiveram o primeiro lugar do pódio. De registar ainda alguns recordes pessoais batidos pelos atletas maiatos. Também em cadetes, realizou-se o Encontro de Técnicas Simultâneas, em Valongo. Esta prova destinava-se aos atletas mais novos, permitindo um ganho em experiência competitiva, não se registando nenhum resultado de monta por parte dos atletas maiatos. Por fim, os juvenis participaram nos “Nacionais”, realizados na Póvoa de Varzim. Esta competição ficou marcada pela descida no número de participantes, dado o nível de exigência nos tempos de acesso aos campeonatos. Nesta competição, os atletas maiatos Joana Maia (100m bruços), Luís Neto (200m bruços Juv B) e Pedro Costa (200m bruços Juv A) conseguiram atingir o quarto lugar.

“Basquetebol” reuniu duas centenas de crianças Numa iniciativa do MaiaBasket e da Juvemaia realizou-se recentemente um Encontro com o objectivo de promover a modalidade. O evento contou com a presença de cerca de duas centenas de jovens que participaram numa série de jogos. Como grande “chamariz”, este encontro dedicado ao basquetebol contou com a presença de um norteamericano e uma norte-americana, ambos jogadores do “Póvoa”. O balanço foi positivo, «os miúdos compareceram em bom número e foi um sucesso completo porque os objectivos foram atingidos», referiu José Novais. Ficou a promessa de mais iniciativas do género.

pub

mh

quinta-feira 24 de Março, 2005

DESPORTO

Primavera chegou mais cedo ao Pavilhão Municipal de Ginástica Cerca de duas centenas de utentes participaram na primeira “Festa da Primavera”. A iniciativa procurou reforçar laços de convívio e amizade. AMM

Da responsabilidade da autarquia maiata, o Complexo Municipal de Ginástica da Maia recebeu a primeira festa da Primavera. A criação e reforço dos laços de convívio e amizade

entre utentes, atletas e responsáveis esteve na origem do evento que juntou cerca de duas centenas de pessoas, nomeadamente o Presidente da autarquia, Bragança Fernandes, e o Vereador da Juventude, Jorge Rebelo. O tema da Primavera foi o mote para a

iniciativa, que consistiu na realização de um conjunto de demonstrações de todas as modalidades praticadas nas instalações, como o step, steplocal, aerocombat & step, funky, aeromix, ginástica sénior, minis, global gym, danças de salão, entre outros.

Jorge Rebelo (centro) e Bragança Fernandes (direita) foram presenças de destaque no evento.

«Queremos tornar o MaiaBasket uma referência a nível nacional» Responsável pelas camadas jovens do Maiabasket, José Novais, afirma que os objectivos do clube passam por duplicar o número de atletas e aumentar as condições para a prática do basquetebol tal como o gosto pela modalidade. António Manuel Marques Com a recente tomada de posse da nova Direcção do MaiaBasket, José Novais assumiu a responsabilidade pela área da formação no clube maiato, onde se integram as camadas mais jovens. Nesta primeira fase, os objectivos traçados passam pelo incremento na formação e pela «divulgação da modalidade que me parece bastante apagada neste Concelho que tem bastante miúdos». Neste

âmbito é primordial criar a chamada cultura do basquetebol, promovendo a criação de condições para praticar a modalidade, «a meta é criar o gosto pelo basquetebol. Queremos duplicar o número dos atletas e as condições que os atletas têm para praticar. Queremos criar condições para tornar o MaiaBasket uma referência do basquetebol a nível nacional», referiu José Novais ao MaiaHoje. Nesse sentido, os responsáveis do MaiaBasket lutam por um espaço próprio, «esta crise que estamos a atravessar não ajuda ao nível de apoios, nomeadamente patrocínios. Também não temos um Pavilhão próprio. Gostaríamos de ter uma área para desenvolver a nossa actividade num só espaço, já que temos os atletas dispersos por vários pavilhões».

De acordo com José Novais é preciso deixar de apoiar tanto o futsal, que promove um comportamento competitivo em vez da diversão, «há um pouco a ilusão do futebol. Os pais acompanham cada vez mais os filhos e agora o futsal massificou o que para mim é um problema. Não só por tirar eventuais atletas do basquetebol mas por causa do relacionamento que os miúdos tem com o desporto. Alimentam sonhos e ilusões e dos milhares que jogam quantos é que se sentiram realizados? Acho que há uma vertente mais competitiva do que de diversão». Para breve, está prevista a realização de um campo de férias com o objectivo de promover a modalidade e cativar novos atletas, adiantou este responsável.


mh

DESPORTO

quinta-feira 24 de Março, 2005

Maia Alfe vence uma das provas Hipódromo Municipal recebeu mais um prova de Corridas de Cavalo a Galope. Quadra Maia Alfe conseguiu a vitória numa manga, pontuando em outras três. TEXTO: AMM FOTO: JULIO SÁ ORNELAS

O Hipódromo Municipal de Silva Escura foi palco de mais uma competição de Corridas de Cavalos a Galope. A estrutura recebeu cerca de dois milhares de pessoas para o evento organizado pelo Centro Equestre da Maia e onde se disputaram cinco provas. A quadra Maia Alfe acabou por levar de vencida uma das provas, com “Rosa Negra” a triunfar nos 1500m. Dentro de duas semanas, a emoção volta à Maia para mais uma Corrida de Cavalos a Galope que se realizará no dia 10 de Abril, também no Hipódromo de Silva Escura. De referir que neste momento, o Campeonato Nacional de Cavalos de Corrida a Galope é liderado pela quadra Manuel Gonçalves, logo seguida da Maia Alfe.

O autarca Bragança Fernandes entregou um dos trofeus

Alexey Markov, da Milaneza-M Maia, venceu primeiro contra-rrelógio da época

29

“Betetistas” da ADSMAIA com “pedalada” para 2005 Aquando da inauguração das novas instalações do Centro Regional de Sangue do Porto, foi apresentada oficialmente a equipa de BTT da Associação de Dadores de Sangue da Maia (ADSMAIA) para 2005. No que se refere à época que se avizinha, a ADSMAIA conta com 20 atletas que vão competir nas diversas categorias (Infantis, Juvenis, Cadetes, Juniores, Elites, Veteranos A, e Veteranos B) na taça e campeonato nacional; campeonatos regionais do Porto, Minho e Vila Real; encontros Nacionais de escolas de BTT; e provas de estrada. De sublinhar a chamada do Júnior Jacinto Fiúza à Selecção Nacional de BTT, e o 1º classificado em Elites, Jorge Barbosa, 2º em Infantis, Gonçalo Amado, e 3º em Veteranos A, Màrio Fernandes, para a prova de abertura da temporada em Barroselas, o que deixa antever uma boa época.

No Grande Prémio Oeste, a equipa da casa, LA Liberty, levou a melhor Depois do Grande Prémio Costa Azul e da Volta ao Algarve, teve lugar o Grande Prémio Oeste/RTP, onde a equipa Milaneza-Maia depositava aspirações. No entanto, com a LA Liberty a correr em casa, a missão de conquistar a geral individual e a geral por equipas não se afigurava nada fácil. Situação que acabou por se confirmar. Cândido Barbosa foi o corredor mais regular ao longo das quatro etapas. Na Milaneza-Maia, Alexey Markov voltou a demonstrar que é um rolador forte. A segunda etapa, que ligou Peniche e

Bombarral, num percurso de 158 quilómetros, era propícia a roladores, com a recta da meta convidativa aos sprinters. O corredor maiato não se fez rogado e, mesmo engripado, saiu vencedor, impedindo que Cândido Barbosa levantasse os braços na cidade onde a LA Liberty está sediada. O pior veio com a subida ao Alto de Montejunto (3ª etapa), uma vez que Markov não é nenhum trepador. A aposta da Milaneza-Maia recaiu, assim, em Petrov e Perez. A quarta e última etapa trouxe o primeiro contra-relógio da temporada, com partida e

chegada ao Bombarral, depois de percorridos 11,6 quilómetros. O “maiato” Markov voltou a demonstrar que as 10 medalhas conquistadas em Jogos Olímpicos e Campeonatos Mundiais na especialidade de pista não foram obra do acaso. Conseguiu o melhor tempo, com 14 minutos e 43 segundos, deixando Cândido Barbosa a quatro segundos. Na classificação final, a Milaneza-Maia alcançou o segundo lugar por equipas. A equipa da LA-Liberty controlou a corrida, esteve quase sempre no comando das operações, conquistando a vitória final.

Clube Amigos de Corim dá “murro na mesa” e acaba com o futsal federado Direcção acusa Associação de Futebol do Porto de seguir a “política da avestruz” e de nomeações de árbitros inadequadas. JOSÉ MATOS

“Basta”. Foi este o sentimento. A direcção do Clube Amigos do Corim (CAC) aprovou por unanimidade a não renovação da inscrição da equipa de futsal sénior masculina para a época de 2005/2006, e fê-lo saber, através de uma carta corrosiva, ao Secretário Geral da Associação de Futebol do Porto, Domingos Santos. O copo encheu e os responsáveis, com a compreensão dos atletas, colocaram um ponto final na prática federada. Na base desta decisão, está aquilo que os directores consideraram de arbitragens sem personalidade e de uma postura passiva da Associação de Futebol do Porto (AFP). A situação tornou-se insuportável no jogo que opunha o 1º (Boavista de Paços

de Ferreira) ao 2º (CAC) classificados da II Divisão Distrital, separados apenas por dois pontos. O Presidente da Direcção, Adriano Costa Freire, considera inconcebível a arbitragem seleccionada para tão importante partida; «Quem apitou o jogo foi um estagiário e um árbitro da distrital. Num pavilhão que não garantia a mínima segurança, claro que parecia que o recinto estava sempre a descair. Não somos os primeiros com razões de queixa. Por outro lado, num jogo que não decidia nada, entre últimos, a AFP nomeou uma dupla de arbitragem nacional». Na carta em que comunica a decisão, a direcção refere que se a AFP «tivesse o cuidado de olhar para as classificações antes de nomear os árbitros e tivesse o cuidado de ver ao vivo alguns jogos em

pavilhões onde ainda se usa a táctica do amedrontar os árbitros e adversários para se ganharem jogos, talvez estas situações não se repetissem”. Quase a finalizar, ficou o desejo para que a AFP «não prossiga com a política da avestruz, enterrando a cabeça na areia quando a paz podre nem precisa de se ver, basta cheirar”. Não querendo mais compactuar com o que considera de injustiça, e porque “de ano para ano a modalidade vê aumentar os preços de inscrição, custos de policiamento e multas” (acusa-se na carta), a direcção decidiu, por unanimidade, acabar com o desporto federado. Consequência imediata foi o pedido de demissão do técnico José Mesquita. A competição está agora centrada na vertente feminina.

Os atletas que vão representar a ADSMAIA em 2005

Associação Dadores de Sangue da Maia Equipa 2005 Presidente: Laura Gonçalves Director Desportivo: Luís Moreira Treinador: Tiago Aragão Escolas: Gonçalo Amado; Mário Duarte; Emanuel Costa; Jorge Pinheiro. Juvenis: Marco Costa; Rui Martins; Ruben Silva; Salvador Costa. Cadetes: Nelson Moreira Juniores: Jacinto Fiúza; Luís Costa. Elites: Luís Moreira; Rui Pinheiro; Jorge Barbosa. Veteranos A: Amândio Pinheiro; Mário Fernandes; Adriano Fernandes; Joaquim Amado Veteranos B: Manuel Carvalhosa Participações: Taça e Campeonato Nacional; Taça Nacional de Maratonas; Campeonatos Regionais do Porto, Minho e Vila Real; Campeonato e Provas Nacionais de Veteranos de Estrada; encontros de Escolas de BTT.

PUB

valormaia economistas consultores contabilidade e fiscalidade auditoria

legalização de empresas candidaturas a incentivos

rua augusto simões 505, 2h - 4470-147 maia tlf 351 22 9440229 fax 351 22 9407919

economistas

controlo de gestão projectos de investimento valormaia@mail.telepac.pt

técnicos oficiais de contas consultores financeiros


30

mh

quinta-feira 24 de Março, 2005

DESPORTO

Falta de público marcou o evento Torneio Regional e Juvenil de Abertura em Ginástica Artística contou com fraca adesão. Evento serviu para treinar ginastas para as provas nacionais que se seguem. ANTÓNIO MANUEL MARQUES

Cerca de uma dezena de ginastas participaram no Torneio Regional e Juvenil de Abertura de Ginástica Artística 2005, realizado no passado fim de semana, no Pavilhão Municipal de Ginástica da Maia, numa iniciativa com pouco carácter competitivo. Também por isso, as metas do Ginásio Clube da Maia na prova, equipa participante a par do Boavista e F. C. Porto, passaram essencialmente pela preparação para futuras provas, como referiu ao MaiaHoje, o treinador maiato, Paulo Mota, «os objectivos são consolidar os exercícios e introduzir alguns elementos novos que temos treinado. Não é tanto o objectivo competitivo, mas a preparação das provas nacionais que são mais importantes». A temporada nacional do Ginásio Clube da Maia inicia-se já daqui a uma semana com o Open Juvenil, onde grandes esperanças estão depositadas em Diogo Romero, «os objectivos estão virados para o Diogo Romero e para o Dinis Santos. O Diogo é juvenil e é candidato à vitória no Campeonato Nacional de Juvenis. Também estamos a preparar esta época para ele

Luís Nóvoa começa mal Na prova de abertura do campeonato nacional de velocidade (clássicos), históricos 1971 (H71), o Team “Auto Museu da Maia” e nomeadamente Luís Nóvoa, como também tem sido hábito para o piloto maiato, começou mal. De facto, no autódromo Fernanda Pires da Silva, no Estoril, o BMW conduzido por Luís Nóvoa já apresentava alguns problemas à partida, que não se conseguiram resolver atempadamente por falta de peças de substituição, tendo sido mesmo “acabado” já no local. Para a primeira corrida e nas condições já referidas, o terceiro lugar foi a posição obtida nos treinos oficiais, permitindo um bom lugar na grelha de partida que Luís Nóvoa, impedido de fazer melhor teria que defender. Já na prova, o azar (que lhe persegue em quase todos os inícios de época), voltou a bater à porta e quando se preparava para assegurar o “tal” terceiro lugar final, a três voltas do fim, o escape cedeu, acabando por cair e o piloto maiato também “caiu” para a quarta posição. A próxima prova a disputar será a primeira do campeonato de montanha deste ano, de que Luís Nóvoa é o detentor do título. Realizar-se-á na bela localidade de Murça. PUB

poder ser seleccionado para o Campeonato da Europa de Juniores que decorre para o ano. O Dinis é um ginasta iniciado e o

objectivo será ir ao pódio em iniciados. Depois temos o restos dos miúdos em infantis A e B. Temos ganho

sistematicamente as provas todas a nível distrital e este ano não deve fugir à regra», finalizou o técnico maiato.

Paulo Mota deposita grandes esperanças em Diogo Romero para esta época.

PRINCIPAIS ALTERAÇÕES DO NOVO CÓDIGO DA ESTRADA VELOCIDADES Para além do agravamento das coimas por excesso de velocidade, vai iniciar-se a distinção entre dentro e fora das localidades. Dentro das localidades Mais 20km/hora 60 a 300 Mais 20-40km/hora 120 a 600 Mais 40-60km/hora 300 a 1500 Mais de 60km/hora 500 a 2500

Eur Eur Eur Eur

Fora das localidades Mais 30km/hora Mais 30-60km/hora Mais 60-80km/hora Mais de 60km/hora

Eur Eur Eur Eur

60 a 300 120 a 600 300 a 1500 500 a 2500

ÁLCOOL No que diz respeito ao álcool, os 0.5 g/l continuam a ser o limite. Taxas de álcool 0.5 a 0.8 g/l 700 Eur 0.8 a 1.2 g/l 200 Eur Mais de 1.2 g/l2500 Eur, mais prisão de 2 anos AUTO-E ESTRADA A velocidade mínima nas auto-estradas vai passar de 40 para 50km/hora. O desrespeito desta regra implica uma coima de 300 Eur. A ultrapassagem pela direita vai ser punida com uma coima entre 250 a 1250 Eur.

ESTACIONAMENTO O estacionamento nas passadeiras vai ser considerado contra-ordenação grave e pode ser sancionado com inibição de conduzir entre 1 mês e 1 ano. O estacionamento em cima dos passeios, impedindo a passagem de peões, passa a ser considerado contra-ordenação grave. DESRESPEITAR A SINALIZAÇÃO Desrespeitar o sinal de stop, semáforo vermelho, indicações do agente regulador de transito ou passar o traço continuo é considerado contra-ordenação muito grave e implica a inibição de conduzir de 2 meses a 2 anos. OBJECTOS VOADORES Se o condutor ou os passageiros pensarem atirar objectos para fora do veículo incorrem numa contra-ordenação. Esta multa é punida com uma coima entre 60 a 300 Eur. USO DO COLETE Com o uso do triângulo de pré-sinalização de perigo passa a ser obrigatório o uso de colete reflector.A cor e as suas características ainda não foram divulgadas. A coima pode ir de 120 a 600 Eur. TRANSPORTE DE CRIANÇAS Os menores de 12 anos ficam proibidos de viajar no banco da frente, excepto bebés em cadeiras próprias e de costas para a frente do veículo - coima entre 120 a 600 Eur. O transporte de crianças sem sistema de

retenção passa a ser contra-ordenação grave e será punida com uma coima entre 120 a 600 Eur. PAGAMENTO DE COIMAS O pagamento das coimas deverá procederse imediatamente, ou seja, no momento da infracção. O veiculo poderá ser apreendido se o condutor se recusar a pagar e em caso de querer recorrer, terá de depositar o valor mínimo da coima estabelecido. O prazo para a defesa e regularização de coima que não estejam sujeitas a pagamentos imediato fica reduzido a 15 dias. Para além do tribunal, também o Director Geral Viação pode ordenar a cassação da carta de condução. Poderá solicitar-se o pagamento a prestações das coimas com valor superior a 160 Eur. USO DE TELEMÓVEL O uso de telemóvel sem kit mãos livres ou auricular passa a ser contra-ordenação grave (inibição de conduzir entre 1 mês e 1 ano) e é punida com coima de 120 e 600 Eur. INSPECÇÃO A falta de inspecção periódica passa a ser punida com coima entre 250 e 1250 Eur. SEGUROS A circulação de automóveis sem seguro passará a ser punida com coima entre os 500 e 2500 Eur.


pág. 31

gostamos mais... Habitabilidade Posicionamento dos comandos Fácil aprendizagem dos comandos Equipamento opcional

gostamos menos... Qualidade ao toque dos plásticos Ruído do motor a altas rotações

A evolução Novo Susuki Liana 1.4 DDiS GLX Apesar das contrariedades verificadas no sector automóvel em 2004, a Suzuki apresentou um crescimento superior a 25% face ao ano anterior no segmento de ligeiros de passageiros, o que se reflectiu também no aumento da sua quota de mercado. Este crescimento, que se verificou de uma forma geral em toda a gama Suzuki, teve o seu principal contributo nos modelos Jimny DDiS, Ignis DDiS e Liana DDiS, tendo este último apresentado um crescimento de cerca de 80% face a 2003. Num ano de grandes dificuldades para o sector automóvel, a renovação da rede de concessionários Suzuki e o lançamento de motorizações diesel de baixa cilindrada nas gamas Wagon R+, Jimny e Liana, adequadas ao mercado Português, contribuíram significativamente para o excelente resultado da Suzuki em 2004. O Test-drive desta edição, incidiu precisamente sobre o mais recente lançamento desta marca (final de 2004), o Liana, que é um misto de carrinha, utilitário e até mesmo de familiar. De dimensões apreciáveis, a Gama Liana está à venda em Portugal com dois motores, um 1.3 a gasolina e outro 1.4 a diesel.

Motorização, performances e consumos

A unidade ensaiada, a “topo-degama” é equipada com um motor diesel de 1398 cc de injecção directa Common rail, que atinge a velocidade máxima 170. Este motor possui 90 cv às 4.000 rpm e apresenta um binário máximo de 200Nm às 1.750rpm, consumindo 6,5/4,7/5,3 litros aos 100 Km/h respectivamente para circuito de cidade/estrada/misto.

Equipamento

Em termos de equipamento as novas versões apresentam dois níveis distintos de equipamento de série, GLX e GLX prestige. A diferença reside principalmente no sistema de rádio e no ar condicionado, apenas presente na versão superior. De série apresentam os principais sistemas de segurança, de onde se destaca, a Direcção Assistida, o Duplo Airbag, os Airbags Laterais, o ABS com EBD, o Imobilizador, os Cintos de Segurança ELR com 3 pontos em todos os bancos, os Pré-tensores nos cintos de segurança à frente, os Fechos de Segurança para Crianças nas portas traseiras, o Sistema de Fixação ISO-FIX para cadeiras de criança e as Barras de Protecção contra Impactos Laterais. Ambas as versões vêm também equipadas com Fecho Centralizado de Portas, Vidros Eléctricos e Retrovisores Eléctricos. PUB

preços

A partir dos 15.955 euros anunciados para o LIANA 1.3 16V GLX 5P até aos 20,425 euros do LIANA 1.4 DDiS GLX PRESTIGE 5P. Estes preços alinham, por baixo, com a oferta existente da concorrência

Acessórios

Os vários acessórios disponíveis, dividem-se em seis grupos: Linha “Tempos livres”, onde se encontram os porta-ski’s, porta-bicicletas, entre outros; linha “segurança”, com alarme, faróis de nevoeiro; linha “conforto”, com apoios de braço, alavanca das velocidades em madeira, painel em alumínio; linha “útil”, com protecções laterais, de pára-choques frontal e traseiro; linha desportiva, com grelha frontal, ponteira de escape, spoilers frontais e traseiros, jantes de alumínio, sais laterais e linha “Susuki Shop”, onde os acessórios pessoais primam, como o relógio de secretária, calças ou chapéus.

Garantias

A gama Suzuki Liana, tal como toda a gama de passageiros e todo-o-terreno da marca possui uma garantia de mecânica de 3 anos ou 100.000 Kms o que vem reforçar a fiabilidade dos produtos da marca.

Medidas anticorrosão

Cerca de 80% da c a r r o ç a r i a (proporcionalmente ao peso da carroçaria) é fabricado em aço galvanizado e as camadas de protecção da secção inferior da

carroçaria foram optimizados. A gama Suzuki Liana oferece uma garantia anticorrosão de 12 anos.

A concluir

A concorrência e a oferta, neste segmento, são muito elevadas. Cada marca tem as suas “armas” para cativar o cliente. Neste caso, o preço e habitabilidade poderão ser duas delas. A motorização, algo ruidosa a rotações mais elevadas, é excelente para o mercado nacional, sendo pouco “guloso”. A mala é suficiente, alta e com um bom ângulo de entrada. Os principais comandos estão bem localizados e de fácil aprendizagem. O pior será mesmo a qualidade geral dos plásticos que deixamnos desconfiados. A unidade ensaiada aproximava-se dos 4.000 quilómetros e não havia sinais de ruídos parasitas, pode ser que o nosso tacto se tenha enganado. O concessionário na Maia é o grupo MFS (Mário Ferreira da Silva), mais conhecido pela “Maiauto”.


mh

a fechar

Nº 126 | 24 de Março 2005

Autarca visita idosos para assinalar a Páscoa

Bragança Fernandes empreendeu uma visita por lares de idosos de forma a assinalar a época pascal. Oposição socialista fala em «campanha eleitoral» aproveitando uma época sagrada. TEXTO: ANTÓNIO MANUEL MARQUES FOTO: RAUL SILVA

O Presidente da autarquia, Bragança Fernandes, levou a cabo nesta quarta feira, uma visita por Lares de Terceira Idade do Concelho, de forma a assinalar a época pascal. A iniciativa começou bem cedo com uma recepção aos idosos do Lar Nossa Senhora da Natividade na Praça Municipal Dr. Vieira de Carvalho. A comitiva camarária seguiu então para o Lar Prof. Vieira de Carvalho, seguindo-

pub

se o “Amanhã da Criança” e por fim o Lar de Santo António. Conforme contou ao MaiaHoje, Bragança Fernandes, «a ideia foi celebrar a Páscoa com os velhinhos dos Lares. Ofereci-lhes amêndoas e desejei uma boa Páscoa porque eles também merecem carinho».

Acto de «propaganda eleitoral» A oposição socialista critica a iniciativa apelidando-a de “acto de caridadezinha sem

sentido», aproveitando esta altura pascal. Em comunicado, estes responsáveis referem que esta iniciativa até «seria digna de aplauso, se o Senhor Presidente tivesse previamente feito aprovar em reunião de Câmara a respectiva proposta, coisa que não fez e se não efectuasse esta visita acompanhado de assessores, funcionários da Câmara, bem como da Comunicação Social, convocada para o efeito”. Todas estas situações, transformam o acto, segundo os vereadores socialistas, “num gesto de propaganda eleitoral,

oportunismo político e evidente desespero”. A finalizar o documento, estes responsáveis criticam ainda “o abandono a que a Área Social foi deixada neste Concelho” em que “num orçamento municipal de 114 milhões de euros, a verba destinada à Infância e Terceira Idade não ultrapassa os 255 mil euros”. Interrogado pelo MaiaHoje, Bragança Fernandes não se estende em comentários a estas afirmações, «não comento esta situação. Faço o que sinto e sinto que os idosos precisam de carinho nesta altura».

126  
126  
Advertisement