Page 1

Educação Cultura Ciência e Tecnologia Meio Ambiente Saúde Economia Ano VIII - Nº 237

08 a 15 de fevereiro/2018 Serra/ES

Distribuição Gratuita

fatos & notícias www.facebook.com/jornalfatosenoticias.com.br

O número avassalador de in- Orquestra Sinfônica do ES cêndios florestais no Brasil tem um responsável claro: abre temporada 2018 no a ação humana PÁG.2 SESC Glória PÁG. 3

ECONOMIA

Com fiscalização eficaz, prefeitura de Fundão consegue economizar com a coleta de lixo PÁG.11 EDUCAÇÃO

A América descobre o talento de Tarsila do Amaral PÁG. 9

Teste detecta Alzheimer sete anos antes dos primeiros sintomas A doença não tem cura e a maioria dos medicamentos para conter a diminuição da capacidade cognitiva dos pacientes não surte efeito, 99% dos remédios testados nos Estados Unidos entre 2002 e 2012 falharam PÁG.8 Pág.4

Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica abre inscrições PÁG.4

POLÍTICA Cármen Lúcia diz que cidadão está cansado da ineficiência de serviços públicos PÁG.12

FOTO: REPRODUÇÃO


2fatosMEIO AMBIENTE & notícias

08 a 15 de fevereiro de 2018

Brasil em chamas

Science publica artigo com coautoria de pesquisadores brasileiros Texto científico com participação de analistas do ICMBio analisa dados de telemetria GPS obtidos de mais 800 indivíduos de 50 espécies de mamíferos FOTO: ADRIANO GAMBARINI

O número avassalador de incêndios florestais registrados no Brasil em 2017 tem um responsável claro: a ação humana FOTO: PEDRO VENTURA/AGÊNCIA BRASÍLIA

Floresta nativa da Mata Atlântica

Até setembro, o número de focos de incêndio florestal no Brasil em 2017 já era 51% maior do que o registrado no mesmo período em 2016, segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Nos primeiros 27 dias de setembro – o de maior número de registros no País – havia 105 mil focos, recorde desde 1998, quando o Inpe começou a monitorálos. D e s t r u i d o r d a biodiversidade, causador de várias doenças respiratórias e responsável pela emissão de grandes volumes de gases-estufa, o fogo castigou todos os biomas brasileiros, com destaque para a Amazônia (49% dos

focos), o Cerrado (36%) e a Mata Atlântica (9%). O estado líder foi o Pará, seguido por Mato Grosso e Maranhão. O Pará também registrou o maior aumento percentual no número de focos ante o mesmo período de 2016: 233%, bem acima de Maranhão (93%) e São Paulo (76%). Entre os municípios mais atingidos pelas queimadas em setembro estão Grajaú, no Maranhão (onde está Bacurizinho, terra indígena com maior número de incêndios), e Brasileia, no Acre (local da Reserva Extrativista Chico Mendes, a unidade de conservação mais castigada). P a r a A l b e r t o S e t z e r,

coordenador do Programa de Queimadas e Incêndios do Inpe, a origem de tanta destruição não é o clima seco nem outras causas naturais. “Raios e fenômenos espontâneos respondem por, no máximo, 1% dos focos de incêndio registrados”, disse ele ao Observatório do Clima. “A baixa umidade do ar apenas cria condições favoráveis aos incêndios, mas é a ação humana que causa a queimada”.

Os pesquisadores do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Mamíferos Carnívoros (Cenap) do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Ronaldo Morato e Rogério Cunha de Paula, são coautores de artigos publicados na revista científica Science, edição de 26 de janeiro. O título do artigo é 'Reduções globais nos movimentos terrestres de mamíferos nas paisagens dominadas pelos seres humanos' (tradução livre). Os pesquisadores analisaram dados de telemetria GPS obtidos de mais 800 indivíduos de 50 espécies de mamíferos, sendo sete da fauna brasileira. De acordo com eles, há cerca de um século, a movimentação dos animais não sofria restrições e seus deslocamentos contribuíam

amplamente para diversos processos ecológicos. Como as atividades humanas têm aumentado significativamente, os movimentos naturais dos animais estão sofrendo restrições. “O que observamos é que os movimentos dos animais, como a distância diária percorrida, são menores em áreas com elevada atividade humana, o que significa uma mudança no comportamento de movimentação devido às barreiras físicas impostas. Além de afetar as espécies diretamente, a limitação dos movimentos pode ter implicações mais amplas, haja vista que pode haver redução no transporte de nutrientes, dispersão de sementes e alterar muitos outros processos ecológicos”, defende Ronaldo Morato, coordenador do Cenap.

Com base nestas informações, estratégias de ação podem atuar mais diretamente sobre os fatores de risco, o que reforça a importância da elaboração dos planos de redução de impactos, estratégia inovadora implementada pelo ICMBio. As informações fornecidas no artigo, são resultados de anos de pesquisa conduzidas por diversos pesquisadores brasileiros, inclusive projetos desenvolvidos por analistas do ICMBio. Os dados usados nas análises foram coletados nos projetos de pesquisa desenvolvidos pelo Cenap no Parque Nacional da Serra da Canastra e na Estação E c o l ó g i c a d e Ta i a m ã . "Estamos gerando conhecimento a partir das nossas áreas protegidas", ressalta Rogério.

Jornalista Responsável: LUZIMARA FERNANDES redacao@jornalfatosenoticias.com.br Produtor-Executivo: HAROLDO CORDEIRO FILHO jornalfatosenoticias.es@jornalfatosenoticias.com.br Representante Comercial: MÁRCIO DE ALMEIDA comercial@jornalfatosenoticias.com.br Diagramação: LUZIMARA FERNANDES (27) 3070-2951 / 3080-0159 / 99620-6954 jornalfatosenoticias.es@gmail.com Facebook Jornal Fatos e Notícias Serra - ES CNPJ: 18.129.008/0001-18

fatos & notícias

Filiado ao Sindijores

Impressão Metro

"Feliz é a nação cujo Deus é o Senhor"

Circulação: Grande Vitória, interior e Brasília

Os artigos veiculados são de responsabilidade de seus autores


CULTURA 3

08 a 15 de fevereiro de 2018

fatos & notícias

A invenção das Orquestra Sinfônica lentes de contato abre temporada 2018 no SESC Glória

Leonardo Da Vinci foi um dos primeiros a pensar em um modelo de lente de contato Entre os séculos XIV e XVI, as mudanças políticas e econômicas que se alastraram pela Europa foram acompanhadas por um novo movimento de natureza cultural e científica. O Renascimento, ou movimento renascentista, irrompeu a predominância dos valores eclesiásticos para estabelecer a preocupação expressa com os assuntos considerados terrenos. Dessa forma, vários pensadores, estudiosos e artistas voltaram a sua atenção para questões de cunho humano. Leonardo Da Vinci foi aclamado como um dos maiores expoentes dessa nova tendência. Dono de uma curiosidade voraz, esse italiano atuou em variados campos do conhecimento e da arte. Em alguns de seus manuscritos remanescentes temos a presença de propostas e invenções que falam sobre música, filosofia, botânica, escultura, pintura, urbanismo e engenharia. Atirando para todo o lado, ele acabou sendo um dos primeiros a teorizar uma solução para os problemas de visão. Por volta de 1508, ele imaginou a construção de uma lente que, posta na superfície do globo ocular, poderia corrigir os

problemas de visão. No século XVII, o filósofo, físico e matemático francês René Descartes foi autor de uma ideia semelhante. No entanto, apesar dos importantes precursores, as populares lentes de contato só foram primordialmente desenvolvidas nos fins do século XIX, pelo fabricante FOTO: REPRODUÇÃO

de peças óticas F. E. Muller e o médico suíço Adolf Eugen Fick. Os protótipos iniciais não tiveram muito sucesso por conta da limitação tecnológica dessa época. As primeiras lentes de contato foram desenvolvidas por meio do uso do vidro e, por conta da rigidez do material, acabava ferindo os olhos de seus usuários. Em 1929, o oftalmologista novaiorquino William Feinbloom desenvolveu uma nova lente por meio de um material criado através da mistura do vidro e do plástico. Apesar do avanço no tipo de material empregado, essas lentes ainda eram

bastante rígidas e tinham uma dimensão que causava bastante incômodo aos seus usuários. A partir de então, o aprimoramento do material e do tamanho das lentes permitiu a popularização dos primeiros modelos comerciais. Uma das lentes mais conhecidas dessa época foi criada pelo ótico Kevin Tuhoy, em 1948. A película gelatinosa só foi inventada no início da década de 1970, quando a empresa Bausch & Lomb concebeu lentes de contato mais confortáveis e maleáveis. Como o processo de manutenção e higienização das lentes de contato era outra chateação para os usuários, vários cientistas começaram a desenvolver um modelo que fosse descartável. Dessa forma, o usuário poderia empregar as lentes de contato somente quando fosse participar de alguma solenidade importante ou tirar uma foto. Mesmo concedendo algumas praticidades, as lentes de contato não conseguiram tomar o lugar dos óculos, principalmente para as pessoas que sofrem com a miopia e o astigmatismo. No Brasil, apenas um por cento das pessoas portadoras de problemas oculares fazem uso de lentes de contato. Mundo Educação

FOTO: REPRODUÇÃO INTERNET

A obra genial do compositor russo Piotr Ilyich Tchaikovsky (1840-1893) vai marcar a abertura da temporada de concertos da Orquestra Sinfônica do Estado do Espírito Santo (Oses), nos próximos dias 21 e 22 de fevereiro, às 20h, no Teatro Sesc Glória. Os ingressos custam R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia), e podem ser adquiridos com antecedência na bilheteria do teatro. De acordo com o seu Maestro Titular, Helder Trefzger, para o primeiro programa foi escolhido um compositor muito representativo da música clássica. “Neste ano, lembramos os 125 anos da morte de Tchaikovsky, morto em 1893. No mundo todo haverá homenagens e aqui no Espírito Santo nós também celebraremos a lembrança desse ícone da música clássica”, destaca.

No concerto de abertura serão apresentadas três obras do mestre russo: a Valsa, da ópera Eugene Onegin; as Variações sobre um Tema Rococó; e a célebre Sinfonia nº 5, escrita em 1888 e considerada uma das obras-primas do compositor. A obra é famosa pelo belo solo de trompa, do segundo movimento. Destaque para o solista da noite, o violoncelista capixaba Lucas de Oliveira, um dos principais talentos do violoncelo da nova geração.

Lucas de Oliveira Lucas de Oliveira iniciou seus estudos musicais em 2008, no Projeto Vale Música, em Vitória, ES. No ano seguinte ingressou na Faculdade de Música do Espírito Santo (Fames), tendo como professores Sanny Souza e Raquel Rohr. Lucas já participou de masterclasses com grandes

violoncelistas, dentre eles Cristian Poltera, Romain Garioud, Martin Osten, Antônio Meneses, Matias Pinto e outros. Em 2013 foi semifinalista do Concurso Nacional do Programa Prelúdio, da TV Cultura. Obteve o Primeiro Lugar no 13° Concurso Nacional de Cordas Paulo Bosísio, na categoria violoncelo. Já dividiu palco com grandes músicos, como Fábio Presgrave (UFRN), Daniel Guedes (UFRJ), John McGrosso (Arianna Quartet) e Horácio Schaefer (Osesp), dentre outros. Já atuou como solista na Oses, da qual já foi integrante e atuou ainda como solista da Orquestra Camerata Sesi - ES. Atualmente cursa o Bacharelado na classe do Dr. Fábio Presgrave, na UFRN.


4 EDUCAÇÃO fatos & notícias

08 a 15 de fevereiro de 2018

Prática de mindfulness no ambiente escolar pode trazer benefícios a alunos e professores Melhora da capacidade de sustentar o foco, redução do estresse e diminuição de comportamento violento são alguns exemplos de efeitos positivos da prática, também conhecida como atenção plena O uso das práticas de atenção plena (mindfulness) nos ambientes educacionais tem se tornado cada vez mais frequente em todo o mundo. Sabe-se que elas ajudam os estudantes a aprimorar a atenção em classe, a regular melhor suas emoções e a adquirir maior habilidade nas inter-relações sociais. Mas, para entendermos esses efeitos, precisamos saber primeiro o que é atenção plena e como ela atua, g e r a n d o t a n t a s consequências desejáveis para estudantes e educadores. Mindfulness é uma palavra da língua inglesa que não tem um equivalente exato em português. O adjetivo mindful se refere a quem está atento ou consciente de alguma coisa, e mindfulness seria, assim, o estado de estar atento, de estar consciente. Em termos operacionais, mindfulness tem sido definida como a consciência do momento presente, quando fixamos nele nossa atenção voluntária, suspendendo qualquer julgamento sobre o que aparece em nosso fluxo de

FOTO: SHUTTERSTOCK

consciência e deixando fluir as experiências ao longo do tempo. Ou seja, como o momento presente é fugaz, mantemos a atenção plena na sequência de momentos presentes, da maneira como eles se apresentam à nossa consciência. As práticas de mindfulness são um tipo de meditação e isso requer algumas considerações. O termo “meditação” designa um

grupo de técnicas utilizadas para treinar a atenção, com o intuito de cultivar vários estados mentais positivos. Existem muitos tipos de meditação e, embora usualmente a associemos com o budismo, ela tem sido utilizada ao longo dos séculos por várias tradições espirituais, como o hinduísmo, o taoismo, o judaísmo e mesmo o cristianismo. A meditação,

no entanto, pode ser praticada em um contexto totalmente secular, sem nenhuma conotação religiosa. Pesquisas científicas recentes têm demonstrado que a sua rotina produz modificações na e s t r u t u r a e n o funcionamento do cérebro que podem trazer benefícios para os indivíduos e também para o ambiente social. A prática de mindfulness

envolve treinar a atenção voluntária, portanto é de esperar que ocorra alteração na capacidade atencional da pessoa que medita. E isso é precisamente o que ocorre. O esforço em focar a atenção promove modificações nos circuitos que a sustentam e no córtex do cíngulo anterior, o que aumenta a habilidade de permanecer consciente do momento atual: a capacidade de estar realmente presente, e não perdido em divagações. Muitas pesquisas têm mostrado que a atenção executiva, que nos permite manter a concentração, inibindo estímulos e comportamentos distraidores, torna-se mais eficiente naqueles que meditam. Trata-se de uma forma de aprendizagem que ocorre por meio da neuroplasticidade, a capacidade que o cérebro tem de reorganizar-se constantemente. O efeito benéfico sobre a atenção pode ser observado já com poucos dias de prática meditativa. Como resultado, o c o r r e t a m b é m aperfeiçoamento da

memória operacional, o que pode levar, por exemplo, à melhora do desempenho escolar. Outro efeito relevante da prática de mindfulness é uma modificação na reatividade emocional: as pessoas que meditam costumam ser menos tomadas por impulsos emocionais e, quando isso acontece, conseguem retornar à normalidade mais rapidamente. As pesquisas sugerem que isso decorre de um maior controle da região pré-frontal sobre a amígdala cerebral. Essa última estrutura é responsável por detectar situações com significado emocional e desencadear as respostas periféricas que caracterizam nos s a res pos ta a es s as situações. A meditação provoca alterações estruturais e funcionais na amígdala, diminuindo sua atividade. Por outro lado, o controle pré-frontal faz com que a regulação consciente tenha uma ação mais efetiva ou, em outras palavras, que os processos racionais i n t e r v e n h a m n o processamento emocional. (REVISTA EDUCAÇÃO)

Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica abre inscrições para escolas A Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (OBA) está com inscrições abertas para escolas públicas e particulares. O cadastro de instituições que ainda não participaram do evento pode ser realizado até o dia 18 de março no site da olimpíada. Se a instituição já possui cadastro, não é necessário recadastrar, apenas fazer uma atualização dos dados. A olimpíada, realizada em fase única, acontece no dia 18 de maio e é voltada a

da OBA também concorrem a vagas nas Jornadas Espaciais, que acontecem em São José dos Campos (SP). A O B A é dividida em quatro níveis. Os três primeiros são voltados a alunos do ensino fundamental e o quarto aos do ensino médio. A prova é composta por dez perguntas: sete de astronomia e três de

FOTO: SHUTTERSTOCK

estudantes dos ensinos fundamental e médio. Os melhores classificados na OBA representam o País em competições internacionais. Participantes desta edição

astronáutica. A maioria das questões é de raciocínio

lógico. Alunos e professores podem se preparar para a

prova através do aplicativo “Simulado OBA”. (REVISTA EDUCAÇÃO)


POLÍTICA 5

08 a 15 de fevereiro de 2018

fatos & notícias

jorgepachecoindio@hotmail.com/jornalfatosenoticias.es@gmail.com

BLOG DO PACHECO “A única arma para melhorar o planeta é a Educação com ética. Ninguém nasce odiando outra pessoa pela cor da pele, por sua origem, ou ainda por sua religião. Para odiar, as pessoas precisam aprender, e se podem aprender a odiar, podem ser ensinadas a AMAR”, Nelson Mandela Em clima de Carnaval Mais um carnaval para a MUG a grande campeã

Tudo bem, desfilou bonito, organizada em tudo, mereceu! Gostaria de formalizar algumas perguntas sobre o carnaval de Vitória. Existe um slogan mostrado ao mundo pela televisão: “O Carnaval do Brasil começa aqui”, por ser realizado uma semana antes do carnaval oficial no Brasil. Até aí tudo bem, mas acho que a organização do c a r n á d e Vi t ó r i a e s t á

preços populares ou, até, gratuito. Creio que com o desfile das campeãs, no sábado de carnaval, haveria mais projeção e resultados mais positivos no balanço geral da festa momesca. Deixo a sugestão para quem de direito, mas gostaria que vocês, que agora estão curtindo o meu Blog, se manifestassem... não acham que seria muito empolgante ver de novo o espetáculo da MUG no

ditadura militar. Um grupo que se denomina “Direita São Paulo” criou o bloco que, na brincadeira do carnaval, prometia mostrar tudo o que aconteceu na época da ditadura militar. Mas, foi barrado! Digam-me do que “eles” têm medo? O MP afirma que o bloco enaltece crimes de tortura cometidos durante a d i t a d u r a m i l i t a r, c o m homenagens a Carlos Alberto Brilhante Ustra e Sérgio Paranhos Fleury, comandante do DOI-CODI Com 178,8 pontos, a Mocidade Unida da Glória, escola de Vila Velha, foi consagrada como a grande campeã do Carnaval de Vitória. Com o enredo "Entre confetes e serpentinas, uma paixão sem igual… Olhares que se cruzam, bocas que se beijam… Amores de carnaval", desenvolvido pelo carnavalesco Osvaldo Garcia, a agremiação realizou um desfile que se d e s t a c o u p e l a grandiosidade, luxo e grande atuação da bateria.

* * *

pecando. Sim, porque passado o desfile, FIM. No calendário oficial fica frio o ânimo de todos. O carnaval de rua fica restrito a alguns blocos e mais nada. Creio que a prefeitura ou o governo do Estado e a Liga das Escolas de Samba, organizadores do nosso carnaval antecipado, deveriam pensar em prorrogar a festa do povo. Seguinte: por que não promovem mais um desfile? Sim, o da escola campeã e mais duas ou três, no sábado de carnaval, a

Sambão do Povo!!!?

* **

Bloco 'Porão do Dops’ Em clima alegre de carnaval um bloco foi barrado pela justiça paulista, o “Porão do Dops”. É que o MP paulista sustenta que o bloco enaltece crimes de tortura cometidos durante a

e delegado do DOPS durante a o regime, respectivamente. Mas me digam estamos ou não estamos vivenciando um clima de democracia ampla geral e irrestrita?

* **

Blocos de rua no ES Das 29 cidades que cancelaram o carnaval em

2017, 13 confirmaram a programação do carnaval 2018. A agenda, de Norte a Sul do Estado, está lotada dos blocos e trios que vão agitar a vida dos foliões. Em 2017, a maioria dos cancelamentos foram motivados pela falta de segurança durante a greve da Polícia Militar. Em 2018, a folia vai ser reestabelecida. Te n h a m t o d o s u m carnaval alegre, sem excessos e com muito respeito. Jorge Rodrigues Pacheco


6 TECNOLOGIA 08 a 15 de fevereiro de 2018 fatos & notícias

Foguete da SpaceX leva 1º carro elétrico ao espaço Elon Musk lança o maior foguete em meio século, e pousa seus primeiros estágios de volta – coisa que a Nasa jamais sonhou em fazer

FOTO: SPACEX FALCON HEAVY/REPRODUÇÃO

A empresa de sistemas aeroespaciais SpaceX lançou na terça-feira (6) o foguete "Falcon Heavy", o primeiro a levar um carro para o espaço. Para esta viagem, houve um único "passageiro": o "Tesla Roadster", primeiro automóvel elétrico a ser levado para Marte. O objetivo do lançamento é servir de base para missões futuras, que poderão levar pessoas e objetos pesados, como satélites de monitoramento, para o espaço. Os dois propulsores laterais do Falcon Heavy, primeiro veículo criado pela iniciativa privada a sair da órbita da Terra, se soltaram e pousaram de volta em Cabo Canaveral, na Flórida. Tudo em perfeita sincronia. A entrada do carro elétrico conversível na órbita do

Sol, usando o foguete mais potente desde o Saturn V, aquele que nos levou à Lua há quase meio século, foi ao som de Life on Mars, de David Bowie. Essa órbita interceptará a do planeta vermelho em alguns meses – mas é bom lembrar que o objetivo, desta vez, não é alcançá-lo. O lançamento foi uma demonstração. O potencial agora é infinito. É que os foguetes poderão ser reabastecidos e usados para auxiliar um novo lançamento. São foguetes recicláveis – coisa que a Nasa jamais produziu; a tecnologia é toda da SpaceX, a empresa aeroespacial que o bilionário Elon Musk montou com o objetivo de chegar a Marte. No fim, isso pode (e vai) baratear os voos espaciais nos próximos anos. Não é a primeira vez

que foguetes da empresa pousam depois de lançados. Mas isso nunca tinha acontecido com vários deles a bordo de uma única, e gigantesca, nave. Cada lançamento do Falcon Heavy custa US$ 90 milhões. É pouco. O concorrente mais próximo do Falcon, o Delta IV Heavy, desenvolvido por uma parceria entre as veteranas Boeing e Lockheed, não sai do chão por menos de US$ 350 milhões. E só leva metade da carga. Além de cruzar o caminho de Marte, o Falcon Heavy também pode ser usado para turismo espacial e até para transportar os módulos necessários para a construção de uma base na Lua – um dos objetivos de longo prazo da Nasa. A agência espacial americana parece confiar no potencial de Musk: o foguete decolou na plataforma de lançamento LC-39A, no Kennedy Space Center. Mesmo lugar de onde saíram a Apolo 11 e o último voo do ônibus espacial Atlantis, em 2011. A SpaceX afirmou, em coletiva de imprensa, que o terceiro estágio do foguete – que deveria ter pousado em uma balsa no Atlântico – não conseguiu retornar.

Encontrada segunda estrela mais antiga da Via Láctea Jo815+4729 teria surgido 300 milhões de anos depois do Big Bang FOTO: ESO/Y. BELETSKY/WIKIMEDIA COMMONS

Se você acha que o Sol é uma estrela velha, com 4,6 bilhões de anos, saiba que ele é um jovem serelepe perto de Jo815+4729. A estrela, descoberta por cientistas espanhóis, nasceu 300 milhões de anos depois do Big Bang e ostenta 13,5 bilhões de anos. Se você está se perguntando como a descoberta foi feita, os pesquisadores se basearam no tipo de elementos químicos que formam a estrela. “Identificar e

caracterizar quimicamente estes tipos de estrelas irá iluminar o entendimento sobre a evolução de materiais químicos da galáxia e sobre a natureza das primeiras estrelas”, escreveram os autores no estudo publicado no periódico Astrophysical Journal Letters. O que determina a idade é a quantidade de elementos químicos pesados. Quanto mais o tempo passa, mais elementos leves e menos pesados. Jo815+4729 (ou

'Jô' para os íntimos), por exemplo, carrega pouquíssimos elementos mais pesados que hidrogênio e hélio, e uma quantidade tão pequena de ferro (muito comum em estrelas novas) que nem pode ser medida. O astro, porém, têm companheiros de geração até mais rodados: SMSS Jo313-6709 (ou 'Jojô para os íntimos), descoberta por um time australiano em 2014, é ainda mais velha, com 13,6 bilhões de anos.


CIÊNCIA 7

08 a 15 de fevereiro de 2018

fatos & notícias

Primeiro britânico era negro e tinha olhos azuis

FOT O: R EPR ODU Ç

Um estudo liderado pelo Museu de História Natural de Londres revelou que o "primeiro homem britânico" era negro e tinha olhos azuis – bem distante da referência da aparência nórdica que se tem até hoje. A descoberta foi feita com base em um estudo de DNA mais aprofundado do "Cheddar Man", o esqueleto completo mais antigo encontrado em território britânico e que foi descoberto em 1903.

ÃO

Cheddar Man tem mais de 10 mil anos e foi estudado por museu

Estima-se que o homem primitivo tenha vivido há

mais de 10 mil anos na Inglaterra. Os restos mortais

foram achados dentro da caverna Gough, que fica no condado de Cheddar, em Somerset, e isso permitiu a conservação do DNA. De acordo com o diretor do Museu, Chris Stinger, é "surpreendente ver que um britânico, há 10 mil anos, tinha a pele bem escura e os olhos azuis". O professor ainda explicou que a pesquisa só foi realizada agora graças aos avanços tecnológicos do último ano em matéria de identificação

de genoma. Eles ainda aproveitaram o estudo para recriar o rosto do homem, que tem feições duras típicas dos grupos de coletores-caçadores da época. Segundo um relatório divulgado na quarta-feira (7), as características dos europeus atuais, com pele mais branca, é um "fenômeno recente" na história. Isso porque, de acordo com Stinger, as novas populações que

foram chegando à região baseavam-se na agricultura, ingerindo uma menor quantidade de vitamina D. "Não sugerimos que o 'Cheddar Man' evoluiu até desenvolver uma pele mais clara, mas sim que houve ondas de populações de pessoas que dominavam a agricultura e portavam o gene de uma cor de pele mais clara", destacou.

Cientistas encontram espécie Cientistas preveem apagão solar antiga de aranhas-quimeras para meados deste século que fica na parte traseira do abdômen. De acordo com

©

REUTERS/UNIVERSIDADE DO KANSAS

O artrópode recebeu nome Chimerarachne yingi em homenagem ao monstro Quimera da mitologia grega. Os artrópodes recém-descobertos até hoje em dia podem habitar florestas do Sudeste Asiático. S e g u n d o comunica a BBC News, a aranha foi encontrada em uma peça âmbar do Mianmar e tem idade de 100 milhões de anos. O artrópode era contemporâneo dos dinossauros do Cretáceo. Sua caraterística especial é um pequeno torniquete

cientistas, a aranha usava torniquete como órgão tático para apalpar objetos a o s e u r e d o r. Chimerarachne yingi tem 2,5 mm de comprimento, sem levar em consideração a cauda de 3 mm. As aranhas atuais não têm

"cauda", mas alguns representantes da classe aracnídeos têm. Paleontólogos já descobriram espécies mais antigas (que viveram 380-200 bilhões anos atrás) que também tinham torniquete, m a s n ã o dispunham de apêndices característicos de aranhas, órgãos, responsáveis pela produção da teia. Sendo assim, Chimerarachne yingi são um elemento de ligação entre aranhas e seus antepassados da época do Paleozoico.

Um grupo de cientistas supõe que na primeira metade do século atual a atividade solar será mínima. O que fará com que menos calor chegue à Terra FOTO: CCO/PIXABAY

Os cientistas do Instituto Scripps de Oceanografia da Universidade da Califórnia em San Diego, Estados Unidos, analisaram dados recolhidos nos últimos 20 anos pelo Explorador Internacional de Luz Ultravioleta (IUE, na sigla em inglês) — um telescópio espacial orbital que opera na área desse tipo de raio. Ao medir a radiação emitida pelas estrelas do tipo solar, eles revelaram as condições que precedem as grandes temperaturas mínimas. Como resultado da investigação, eles descobriram que a diminuição da atividade solar pode ser prevista a partir da frequência da formação de manchas solares. De acordo com especialistas, a possibilidade de a Terra enfrentar uma grande temperatura mínima no futuro próximo, é bastante

alta. Não obstante, este resfriamento global não será suficientemente forte para compensar o aumento da temperatura média do planeta causado pelo aquecimento global. Assim, o calor que a Terra recebe do Sol diminuirá, mas isso não impedirá o aquecimento global, revelam os pesquisadores. O resfriamento seria o que os cientistas chamam de um grande mínimo, que é um período em que o magnetismo do Sol diminui, manchas solares são formadas e menos radiação ultravioleta atinge a superfície terrestre.

"Agora temos um ponto de referência do qual podemos realizar melhores simulações de modelos climáticos […] Portanto, podemos ter uma ideia melhor de como as mudanças de radiação UV solar afeta a alteração climática", afirmou Dan Lubin, físico e diretor do projeto. Os astrônomos consideram que é possível repetir o mínimo de Maunder, que ocorreu no período entre 1645 e 1715 e que foi caracterizado por um pequeno número de manchas solares.


8 SAÚDE

fatos & notícias

08 a 15 de fevereiro de 2018

Teste detecta Alzheimer sete anos antes dos primeiros sintomas Estamos falando de um teste de memória simples - que consegue reconhecer a doença antes de ela causar estragos irreversíveis Um time de cientistas da University College London desenvolveu um teste para detectar o Mal de Alzheimer sete antes de os primeiros sintomas aparecerem. Alzheimer é a causa mais comum de demência, responsável por 70% dos casos. A doença não tem cura e a maioria dos medicamentos para conter a diminuição da capacidade cognitiva dos pacientes não surte efeito – 99% dos remédios testados nos Estados Unidos entre 2002 e 2012 falharam, de acordo com a Clínica Cleveland. Apesar de a única maneira de controlar o avanço da doença seja por meio do diagnóstico precoce, a grande maioria dos pacientes descobre que tem Alzheimer quando os sintomas já estão agravados e alteraram estruturas do cérebro, o que dificulta os tratamentos para barrar seu avanço. O novo estudo, publicado no periódico científico The Lancet Neurology, mostrou que um simples teste de memória consegue detectar os

FOTO: BLUE HOUSE STUDIO/iSTOCK

primeiros indícios de demência, mesmo que outros sinais de Alzheimer ainda não tenham se manifestado. Segundo o novo método p r o p o s t o p e l o s pesquisadores, é necessário ficar atento à capacidade de guardar informações depois de uma semana para detectar as primeiras mudanças cognitivas dos possíveis pacientes.

Para chegar a essa conclusão, eles pediram para que 35 pessoas memorizassem uma lista de palavras, detalhes de um diagrama e de uma história. Meia hora depois, os participantes precisaram contar as informações que lembravam. Na semana seguinte, os cientistas p e rg u n t a r a m o q u e o s mesmos voluntários lembravam do teste de sete

dias antes. O detalhe é que 21 integrantes do grupo carregavam uma mutação genética que os tornava mais vulneráveis a desenvolver Alzheimer a partir dos 40 anos. Apesar de saudáveis, os pesquisadores acreditam que a maioria deles poderia apresentar algum sintoma de dano cognitivo dentro de sete anos. Os outros 14 voluntários participaram do

experimento como um grupo de controle para comparar com os que tinham mais chances de acabar tendo a doença. Os autores do estudo perceberam que os 21 “marcados geneticamente” conseguiram responder o teste de memória depois de meia hora, mas passado uma semana não lembravam mais das informações. No grupo dos 14, o desempenho não mudou tanto se comparado ao teste inicial de 30 minutos. Os pesquisadores acreditam que o tipo de teste utilizado no experimento pode ser a primeira forma de descobrir as mudanças cognitivas que desencadeiam o Alzheimer. Além disso, também pode ajudar a identificar a doença com antecedência e a monitorar se o tratamento para controlar a demência está tendo resultados. “É realmente um caso de perda de memória acelerada. Muitas pessoas têm a impressão de que alguma coisa está errada com a sua memória, mas quando fazem o teste de 30

minutos não mostra nada, porque não é tempo suficiente. As pessoas com a mutação e que estão em estágio inicial da doença, por exemplo, não tiveram resultados ruins depois de 30 minutos, mas depois de sete dias o desempenho delas foi consideravelmente p i o r. A d i f e r e n ç a f o i notável”, disse o autor do estudo, Nick Fox, professor do Instituto de Neurologia da UCL, em entrevista ao site The Guardian. Estima-se que 35,6 milhões de pessoas sofram com a doença no mundo. A Organização Mundial da Saúde acredita que, devido ao envelhecimento da população global, o número de pacientes com esse tipo de demência possa dobrar dentro de 12 anos e triplicar até 2050. A Associação Internacional de Alzheimer defende a possibilidade de que a cada segundo um novo caso seja diagnosticado até a metade do século. No Brasil, a Associação Brasileira de Alzheimer calcula que 1,2 milhão de pacientes tenham a doença.

FOTO: LÉO CALDAS/VEJA

Novo lote de vacinas contra febre amarela chega ao Brasil

A partir desta sexta-feira (9) um novo lote de vacinas contra febre amarela do laboratório Sanofi-Pasteur começará a ser entregue nas clínicas particulares de todo o Brasil, quase um mês antes

do previsto. A importação das doses foi aprovada em caráter de urgência pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) diante do cenário atual da doença no Brasil. O laboratório não informa a quantidade de doses por questões de segurança. São doses da vacina completa – a dose única. As doses do imunizante “desapareceram” das clínicas particulares há mais

de três semanas, quando os casos da doença começaram a aumentar. Apesar de a vacina ser oferecida de graça na rede pública de saúde, muitas pessoas preferiram buscar a vacina na rede particular por causa das filas de espera – havia relatos de mais de quatro horas de fila. Segundo o laboratório, em 2017 houve um aumento de 300% na disponibilização de doses em comparação com 2016. O preço das doses será estabelecido pelas próprias

clínicas, mas antes do desabastecimento oscilava entre 180 reais e 260 reais. Segundo relatório mais recente do Ministério da Saúde, o Brasil confirmou 353 casos de febre amarela e 98 mortes entre 1º de julho de 2017 e 6 de fevereiro deste ano. Ao todo, foram notificados 1.286 casos suspeitos, sendo que 510 foram descartados e 423 p e r m a n e c e m e m investigação. Ainda segundo o Ministério da Saúde, entre

julho de 2016 até 6 fevereiro de 2017, foram registrados 509 casos de febre amarela confirmados e 159 óbitos. Não há registro de casos de febre amarela urbana. No dia 25 de janeiro o

governo iniciou a campanha de vacinação com doses fracionadas do imunizante nos estados de São Paulo e Rio de Janeiro. Na Bahia, a campanha começará no dia 19 deste mês.


08 a 15 de fevereiro de 2018

GERAL 9 fatos & notícias

Tarsila chega à América Os Estados Unidos descobrem Tarsila do Amaral, dedicando uma grande exposição no MoMA à pioneira do modernismo brasileiro Em 1928, Tarsila do Amaral (1886-1973) presenteou o marido Oswald de Andrade com a enigmática pintura de u m a m u l h e r, d e t o r s o a l o n g a d o e p é s monumentais. A tela foi nomeada por Oswald e pelo poeta Raul Bopp de “Abaporu”, homem que come gente, em tupiguarani. Ela veio em boa hora representar os humores da vanguarda moderna brasileira, fervilhante desde a Semana de 1922, ávida em se organizar em forma de movimento. Em torno do presente de aniversário de Oswald de Andrade, organizou-se o movimento Antropofágico, proposto a deglutir a arte e a cultura europeia, e devolvê-la ao mundo em cores mais ousadas e pinceladas mais marcadas. A partir de 11 de fevereiro, quando o Museu de Arte Moderna de Nova York (MoMA-NY) recebe do Art Institute de Chicago, a primeira exposição monográfica de Tarsila do Amaral nos EUA, o mundo poderá finalmente digerir a

antropofagia brasileira. O “Abaporu” é a nossa “Mona Lisa”. Além de simbolizar um dos mais importantes movimentos culturais que aqui brotou e reverberou, representa também nossa lamentável realidade: o desprezo e a displicência do brasileiro por seu patrimônio cultural. A obra pertenceu ao empresário brasileiro Raul Forbes nos anos 1980, adquirida por R$ 250 mil. Em 1995, quando foi a leilão internacional, não comoveu nossos e m p r e s á r i o s e colecionadores e acabou arrematada pelo argentino Eduardo Costantini, por uma bagatela de US$ 1,3 milhão. Desde que se tornou a grande estrela da coleção do Museo de Arte Latinoamericano de Buenos Aires (Malba), o Abaporu teria valorizado cerca de 2000%. Especialistas afirmam que é impossível precisar o valor de uma obra icônica como essa. Diversas tentativas de resgate e repatriamento foram feitas, em vão. O empresário

FOTO: REPRODUÇÃO INTERNET

argentino já avisou que a obra não está à venda, dizendo que o “Abaporu” está para o Malba assim como a “Mona Lisa” para o Louvre: de lá ele não sai. Imagine o que pode acontecer com os preços de mercado da dama do modernismo brasileiro depois de ela fazer a América? Com curadoria de Luis Pérez-Oramas, do MoMA e da 30ª Bienal de São Paulo, e d e S t e p h a n e D'Alessandro, do Art Institute of Chicago, a exposição reúne cerca de 120 obras selecionadas de coleções da América Latina,

Europa e EUA. Inclui desde os primeiros trabalhos realizados em Paris, onde foi aluna de André Lhote, Fernand Léger e Albert Gleizes, até obras de cunho social e surrealista dos anos 1930, passando pelo momento ápice da antropofagia, com as telas “A Negra” (1923), “Antropofagia” (1928) e o “Abaporu”. O título da mostra, “ Ta r s i l a d o A m a r a l : Inventing Modern Art in Brazil”, anuncia a pintora como pioneira — ainda que tenha sido Anita Malfatti quem sofreu o impacto da crítica conservadora de

Monteiro Lobato quando demoliu paradigmas e convicções ao pintar “O Homem Amarelo” (1913). “Malfatti é uma grande desenhista, talvez a maior do primeiro Modernismo brasileiro, ao lado de Cícero Dias, e uma grande pintora. Está para ser descoberta por audiências fora do Brasil”, disse o curador Luis PérezOramas a IstoÉ. “Tarsila do Amaral é uma grande pintora e uma extraordinária desenhista, mas também uma figura emblemática. O fato de ela ter inventado o imaginário iconográfico da antropofagia, as suas ilustrações para livros de Oswald de Andrade e Blaise Cendrars, e as suas constantes pontes entre Europa e Brasil, fazem de Tarsila uma figura urgente de ser mostrada nos EUA hoje”, justifica PérezOramas. Da fase surrealista, a mostra traz a intrigante “Composição (Figura só)”, de 1930, e um estudo homônimo, em papel, bastante significativo, já que se trata da primeira obra

de Tarsila a entrar para a coleção do MoMA. Mas não se trata de uma aquisição: foi doada em 2017. “Pelo que eu soube, é uma doação casual e, por sorte, indicativa de uma fase máxima da artista, a antropofágica, surreal, sonhadora”, diz a crítica de arte Aracy Amaral. “Faço votos de que inspire o Museu em questão a alguma aquisição da artista, alguma obra significativa da sua marcante trajetória nesse final dos anos 1920”, completa a maior especialista em Tarsila do Amaral no Brasil, autora de “Tarsila — Sua Obra e Seu Tempo” (1975). A partir da indagação de Aracy Amaral, PérezOramas anuncia que o MoMA — antes e independentemente da exposição — tem buscado uma obra de Tarsila do período 1928-1930, em pintura e/ou desenho, para aquisição. O curador espera que a ocasião para tal seja agora, com a esperada repercussão da mostra em Nova York.

Polícia da China testa óculos com reconhecimento facial

FOTO: REPRODUÇÃO/DIVULGAÇÃO

A polícia da China iniciou testes com óculos de reconhecimento facial, os quais permitem que os agentes identifiquem instantaneamente criminosos

POSTO MIRANTE AV. NORTE SUL

em ambientes públicos. Os óculos escaneiam o rosto de todos os transeuntes e, após isso, a informação é levada para a base de dados da polícia, que imediatamente

informará o agente pelos óculos se a pessoa é suspeita de algum crime. Segundo a imprensa local, desde o dia 1º de fevereiro, os óculos especiais já ajudaram a

polícia chinesa a prender sete. A fase de testes foi realizada na cidade de Zhengzhou, na província de Henan. Além disso, nas lotadas ruas chinesas, os óculos tecnológicos ajudaram a identificar mais de 20 pessoas que estavam andando com documentação falsa. A China é um dos países que mais investem em sistemas de segurança que utilizam a t e c n o l o g i a d e reconhecimento facial. Acredita-se que haja cerca de 170 milhões de câmeras de monitoramento espalhadas pelo país.

De acordo com o jornal "South China Morning Post", de Hong Kong, o governo chinês está concluindo um sistema de reconhecimento

facial que poderá identificar qualquer pessoa dos quase 1,4 bilhão de chineses em questão de segundos.


10 GERAL fatos & notícias

08 a 15 de fevereiro de 2018 FOTO: REPRODUÇÃO INTERNET

Discursos de ódio e pornografia infantil são principais desafios da internet Cerca de 63% das denúncias recebidas no ano passado pela Central Nacional de Denúncias de Crimes Cibernéticos, coordenada pela ONG SaferNet, estão relacionadas a discurso de ódio. O racismo corresponde a quase um terço dos conteúdos denunciados. Além disso, 69% das vítimas que procuram ajuda por bullying, perseguição e ameaças são mulheres. Os dados foram apresentados na terça-feira (6) na capital paulista, durante evento que marca o Dia Mundial da Internet Segura, que acontece em mais de 100 países, com ações de conscientização, orientação, prevenção, autocuidado e promoção do uso seguro da internet. Em 2017, foram recebidas 63.698 denúncias anônimas envolvendo 32.936 páginas distintas. As páginas de

pornografia infantil denunciadas somam 20.975, um aumento de 18,87% em relação a 2016. A entidade lembrou que o número de operações e prisões de agressores sexuais realizadas pela Polícia Federal também aumentou. Em 2016, foram 61 operações deflagradas e, em 2017, foram 110, e o número de prisões dos agressores subiu de 140 para 245. Em relação aos casos atendidos pelo Canal de Ajuda da SaferNet Brasil, em que as pessoas buscam orientação, as demandas mais frequentes em 2017 foram ciberbullying/ofensa (359 casos), problemas com dados pessoais (299), sexting/vazamento de nudes (289), fraudes/golpes (140) e conteúdos violentos (116).

Escolas

O levantamento realizado pela SaferNet com educadores de escolas públicas e privadas dos estados de São Paulo, Minas Gerais, Bahia e do Paraná mostrou que questões como vazamento não consensual de imagens íntimas, humilhação e ciberbullying são comuns no ambiente escolar. De acordo com 51% dos entrevistados, algum educador conhecido seu já contou que foi humilhado, agredido ou chantageado pela internet; 8% já tiveram material íntimo (fotos, vídeos, mensagens) exposto sem sua permissão; e 9% sofreram humilhação, piadas violentas com vídeos e/ou mensagens de difamação. Além disso, 76% relatam que já tiveram casos de ciberbullying nos locais onde trabalham; 26% ainda não conhecem a Lei

13.185/2015, que trata da obrigatoriedade de ações de enfrentamento ao bullying e ao ciberbullying nas escolas; 56% já souberam de casos de vazamentos de nudes de alunos em suas instituições; 60% consideram que ainda têm dificuldade em encontrar materiais para trabalhar esses temas com os alunos; e 70% são a favor de manter esse tema como transversal

nas diferentes disciplinas em vez de ser uma disciplina específica. Diante desse cenário, a SaferNet anunciou o 'Educando para Boas Escolhas On-line', um curso a distância que vai promover a formação de educadores sobre o uso seguro, responsável e consciente da internet. “O objetivo dos quatro módulos do curso (direitos e

deveres, ciberbullying, sexualidade on-line e segurança digital) é que professores desenvolvam formação para o uso crítico e cidadão das tecnologias, dentro e fora da escola”, destacou a ONG. O curso será, inicialmente, oferecido às secretarias estaduais e municipais de Educação.


ECONOMIA 11

08 a 15 de fevereiro de 2018

fatos & notícias

Com medida simples e eficaz, Fundão reduz custos com coleta de lixo Luzimara Fernandes Nos primeiros meses de mandato da atual gestão, uma medida simples fez com que o município diminuísse os gastos com a limpeza pública. São cerca R$ 69 mil, por mês, de economia. Para o secretário municipal de Serviços Urbanos e Infraestrutura (Sesim), Fernando Antônio Renon, essa mudança só foi possível devido ao aumento na fiscalização do serviço. "Hoje sabemos tudo o que é feito com o lixo: a hora da coleta, número de caminhões. A fiscalização eficiente nos propiciou essa economia e, com isso, podemos investir em outras áreas como saúde e educação", explica o secretário.

Os números de Fundão são extraordinários, pois, segundo dados da prefeitura, a medida gerou uma redução de quase 34% no preço da tonelada em relação ao valor cobrado nos primeiros meses da contratação. Para se ter ideia da economia, o preço médio praticado entre os anos de 2013 a 2016 era de R$ 583,52 e hoje caiu para R$ 385,23 por tonelada, em média. Além da revisão dos valores da tonelada, a Sesim tornou o serviço de coleta mais eficiente, diminuindo, por exemplo, o pagamento de horas extras aos funcionários envolvidos neste trabalho, algo que também colaborou para a

economia. Renon afirma ainda que a atual gestão está revendo todos os contratos para realizar coisas importantes que Fundão precisa como obras de pavimentação e iluminação pública. "Temos uma preocupação com a pavimentação de ruas de Praia Grande; há também a necessidade de melhorar a iluminação pública, que estava um caos quando assumimos e agora estamos dando uma atenção especial; enfim, precisamos ter uma cidade funcional, onde tudo esteja fluindo bem com ruas limpas e iluminadas, esgoto tratado, tudo certinho", frisou. O secretário deixou claro também a importância da

FOTO: HAROLDO CORDEIRO FILHO

Equipe, da esq. para a dir., Nara, Fernando, Paulo Vítor e Ana Carolina equipe de colaboradores que o ajuda a tornar os projetos em realidade. Renon conta com o trabalho e dedicação dos engenheiros civis Nara

Vervloet e Paulo Vítor Oliveira, além da arquiteta Ana Carolina Rosa Marques, que completa uma equipe jovem e disposta a mudar a cara da sua cidade.

Renon destaca também a reestruturação viária que tem sido feita no município com a sinalização de todas as vias da cidade. "Cerca de 80% das vias já estão sinalizadas vertical e horizontalmente", diz. Para finalizar, o secretário faz uma crítica aos gestores públicos que não dão sequência aos trabalhos d e s e n v o l v i d o s anteriormente. "No setor público não há uma sequência do trabalho e isso é péssimo para a população e para o município. Estamos tendo uma série de dificuldades por causa disso, mas, com a gestão do prefeito Pretinho, estamos buscando um caminho certo", finaliza.

Exportação de café cai 5,9% em janeiro para 2,49 milhões de sacas FOTO: DAVID JOYCE/COMMONS

As exportações brasileiras de café recuaram 5,9% em

janeiro, ante igual período de 2017, para 2.490.023 sacas

de 60 quilos, informou nesta sexta-feira (9) o Conselho

dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé). A receita com as vendas externas do grão somou US$ 400,92 milhões, queda de 13,9% na variação anual. No primeiro mês de 2018, o preço médio do produto foi de US$ 161,01 por saca, um decréscimo de 8,5% na comparação com o mesmo período do ano passado, quando a média era de US$ 175,96 por saca. "O resultado deste começo de ano já era esperado e segue, de forma geral, sem grande alteração para o mercado de exportação de café. Acreditamos que o ritmo seguirá mais lento até a entrada da nova safra, que trará uma expectativa m e l h o r. A l é m d i s s o , o volume de chuva tem sido alto, o que favorece a produção. Se o fator climático permanecer desta forma, será muito positivo", avalia o presidente do Cecafé, Nelson Carvalhaes. Do total embarcado em

janeiro, o café arábica correspondeu a 93% (2.316.280 sacas), seguido pelo solúvel com 6,5% (160.766 sacas) e robusta com 0,5% (11.320 sacas). Entre os embarques do grão verde, o destaque ficou para os cafés diferenciados, que registraram 21,1% de participação nas exportações. No mesmo mês do ano passado, esse volume estava em 14,9%. O total de sacas exportadas dos cafés diferenciados no período foi de 524.851, enquanto o preço médio ficou em US$ 189,39. A Alemanha passou a

ocupar o primeiro lugar no ranking dos principais consumidores do grão brasileiro, com 20,6% de participação (513.070 sacas). Os Estados Unidos que lideravam a lista desde março de 2017 - seguem agora na segunda posição, com 17,9% (444.726 sacas). Os norte-americanos, no entanto, mantêm liderança nas aquisições de cafés diferenciados. O Japão ficou na terceira posição, com aumento de 10,51% nas compras e 8,8% de participação nos embarques brasileiros do setor (218.817 sacas).


POLÍTICA 12 fatos & notícias

08 a 15 de fevereiro de 2018

Cármen Lúcia diz que cidadão Renan Calheiros usa está cansado da ineficiência as redes para criticar de serviços públicos reforma e Temer FOTO: REPRODUÇÃO FOTO: REPRODUÇÃO

Em evento de inauguração do novo presídio de Formosa, no interior de Goiás, a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ministra Cármen Lúcia, disse que as instituições devem acentuar o empenho para que medidas como as que vêm sendo tomadas recentemente no Estado melhorem a situação dos presídios e da segurança dos brasileiros. “O Brasil vive condições precaríssimas do sistema prisional”, disse a ministra na manhã de sexta-feira (9). Cármen destacou que o cidadão está cansado de “tanta ineficiência” dos serviços públicos e “cansado, inclusive, de nós,

do Sistema Judiciário”. A cerimônia de inauguração do presídio começou por volta das 8h, com uma visita de Cármen ao local, acompanhada do governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB). O Estado terá cinco presídios de segurança máxima, alguns para abrigar facções do crime organizado. “Boa parte dos recursos já está assegurada para que as obras sejam iniciadas imediatamente”, disse o governador. Na solenidade, Perillo ainda disse que Cármen será informada “dos muitos avanços” e do cumprimento de uma “boa agenda” feitos desde a ida da ministra à Goiânia, quando se reuniu com o governador e

autoridades do Judiciário sete dias após um confronto entre detentos do Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia, que deixou nove mortos. A inauguração de sexta-feira marcou um mês deste encontro. O governador ainda disse que o Cadeião de Formosa será imediatamente desativado. Todos os 110 presos que estão lá serão transferidos para o novo presídio. O vice-governador do Estado, José Eliton (PSDB), contou que o processo estratégico de transferência das vagas de outras cidades, como de Goiânia, ainda será definido, e não deve demorar.

O senador Renan Calheiros (MDB-AL) usou as redes sociais para, em vídeo, criticar a reforma da Previdência e o presidente Michel Temer nesta sexta-feira (9). Em tom humorado, Calheiros, que é do mesmo partido de Temer, usa uma das peças publicitárias encomendadas pelo governo federal para divulgar a Previdência como fundamento para a sua crítica. No filme escolhido, o governo compara dois trabalhadores chamados João, um que é funcionário público e outro da iniciativa privada. Enquanto um é destacado como detentor de privilégios, outro é apontado como desfavorecido pelas regras vigentes do sistema público de aposentadoria.

Renan sugere aos “marqueteiros do governo” que mantenham a campanha, que ele considera “boa”. No entanto, o senador pede para que troquem os personagens. “Ao invés de dois Joões colocassem dois Michéis”, diz. “O Michel privado, cidadão. E o Michel presidente. O Michel cidadão, que se aposentou aos 55 anos de idade, ganhando inicialmente R$ 48 mil de aposentadoria e hoje ganha R$ 68 (mil) e acha que fez por merecer”, afirma o senador. Na sequência, Renan Calheiros acusa Temer de deixar de atualizar as suas informações no INSS, ficando inclusive sem receber o benefício da aposentadoria por um período, para tirar o foco de si e conseguir aprovar

a reforma no Congresso. Temer não cumpriu o prazo para realizar a prova de vida, uma exigência para receber a aposentadoria como procurador do Estado de São Paulo. A falta da prova, um recadastramento anual, impede que ele receba os vencimentos. Em nota, a Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência informou que Temer “não fez por falta de tempo, mas fará assim que possível”. Renan dispara: “E o Michel presidente, que é sabido, quer a reforma e que os outros contribuam até os 75 anos. Esse é o problema dessa reforma das aposentadorias. O Michel presidente fala coisas, mas não faz as coisas que fala”.

Fatos & Notícias Ed. 237  
Fatos & Notícias Ed. 237  
Advertisement