Page 1

Circulação: AGO/SET de 2014

Ano: I - Edição No 001 www.jornalenergiasolar.com

Investimentos no setor de Energias Renováveis podem dobrar até 2030

pg. 03

Investments in the renewable energy sector may double until 2030 pg. 03

Energia solar deve avançar no Brasil pg. 14 The solar energy might move forward in Brazil pg. 14

Potencial Brasileiro para geração de Energia Elétrica pg. 26

The Brazilian potential for electric energy production pg. 26

Importância da engenharia no setor de energia solar pg. 10 The Engineering importance in the solar energy sector pg. 10


Brazilian Journal of Solar Energy

Crescem investimentos em energias renováveis

N

Entre os países investidores em energias renováveis a China o mundo inteiro, 138 países já estabeleceram objetivos ou marcos políticos em termos de energias renováveis. consolida-se com destaque nesse mercado, com aumento de 22% Destaque está para o fato que dois terços estão em paí- dos investimentos no último ano, o equivalente a US$ 67 bilhões. Já o Oriente Médio e África tiveram o maior crescimento regional, de ses em desenvolvimento. 228%, para US $ 12 bilhões. Um relató-

rio do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) aponta que entre 2012 e 2013 os investimentos em energias renováveis no mundo totalizaram US$ 244 bilhões, sendo que, deste total, os países em desenvolvimento apresentaram o maior crescimento, chegando a US$ 112 bilhões. Isso prova que o mapa dos investimentos nas fontes de energia renovável está mudando sensivelmente: o financiamento de projetos e políticas está se deslocando de países desenvolvidos para nações emergentes.

Mesmo com alguns avanços aspectos tem segurado os investimentos, no último ano foi a instabilidade no regime político para as energias renováveis em importantes mercados de economias desenvolvidas. Em resumo, a desaceleração da economia dos países desenvolvidos foi decisiva para também reduzir investimentos em renováveis.

Diante deste cenário pode-se afirmar uma nova tendência, a de que os futuros investimentos se foquem em países que possam oferecer políticas que criem confiança Alguns estudos confirnos investidores e desenvolmam que esta tendência de vam a necessidade para gerar crescimento em investimentos tende a crescer muito podendo che- capacidade extra e recursos de energia renovável fortes. gar a US$ 630 bilhões por ano em 2030. O estímulo ao crescimento dos investimentos em renováveis A capacidade instalada de energia renovável já ultrapassou nos países em desenvolvimento deve-se, sobretudo a redução sig1.470 GW em todo o mundo. Somente no último ano foram gerados nificativa dos custos das tecnologias solares fotovoltaicas. O cus115 GW novos, instalados em diversos países. E a cada ano vem to de gerar um megawatt-hora (MWh) de eletricidade a partir de ocorrendo um aumento médio de 8,5%. A energia eólica represen- energia solar fotovoltaica vem caindo em média 30% ao ano, o que tou cerca de 40% da capacidade adicionada, seguida pela energia levo a energia fotovoltaica residencial de pequena escala a padrões muito mais competitivos. hidrelétrica e solar fotovoltaica, ambas com 26%. EdiÇÃO

REDES SOCIAIS

Jornalista Responsável

EVENTOS

FRG Mídia Brasil Ltda.

Thayssen Ackler Bahls MTB 9276/PR

GERÊNCIA

Av. General Carlos Cavalcante, 3087 sl. 04 - Ponta Grossa / PR

www.jornalenergiasolar.com uma publicação da:

comercial@jornalenergiasolar.com

André Santos

Bianca Ramos

DIREÇÃO Comercial

Apoio

Tiago Fraga

Comercial

Cláudio F. Oliveira

COMITÊ EDITORIAL Ruberval Baldini

Colunistas/Colaboradores

Edição de arte e produção Vorus Design e Web www.vorusdesign.com.br

WBA – Associação Mundial de Bioenergia \ Instituto BESC \ CBCN \ ABEAMA \ Portal Brasileiro de Energia Solar \ NEEAL – Núcleo de Estudo em Energia Alternativa

Karen Mikulis

Revisão

Versões

Distribuição

site oficial

Eliane T. Souza

TRADUÇÃO

Maria Cristina Cardoso Carlos Alberto Castilhos

Carlos A. F. Evangelista; Susana Viana e Igor Guerzoni; Mônica Carpenter; Antônio Roberto Donadon; Rafael Moya R. Pereira; Valdo da Silva Marques; Adalberto Vieira.

Distribuição Dirigida

Empresas, associações, câmaras e federações de indústrias, universidades, assinantes, feiras e eventos dos setores de energia solar, agronegócio, cana-de-açúcar, florestal, biocombustíveis, setor sucroenergético e meio ambiente.

Supervisão

Para reprodução parcial ou completa das informações do Jornal é obrigatória a citação da fonte.

Contato: 55 (42) 3025.7825 E-mail: contato@jornalenergiasolar.com

Nicole Fraga

Impressa / eletrônica

www.jornalenergiasolar.com

publicação Bimestral

3


JBES - Jornal Brasileiro de Energia Solar Brasil

Na geração de bioenergia, o país só perde para os Estados Unidos e a Alemanha, tendo gerado 36 Terawatts - hora no último ano. Já na energia hidrelétrica, é responsável por 8,5% da capacidade global, perdendo apenas para a China, e no ano passado foi responsável por 6% dos novos acréscimos na capacidade global hidrelétrica.

Estudos revelam que, com as tecnologias atuais de energia solar, seria possível atender a 10% da demanda atual de energia elétrica utilizando menos de 5% da área urbanizada do Brasil. No caso da energia eólica, o potencial inexplorado chega a 300 gigawatts (GW), quase três vezes o total da capacidade instalada atualmente no país.

novas usinas de geração de energia elétrica serão de fontes renováveis – principalmente solar e eólica, embora o cálculo também considere as grandes hidrelétricas. Apesar da perspectiva positiva, esse crescimento ainda não será suficiente para que as renováveis ultrapassem os combustíveis fósseis em relação às usinas já instaladas, geralmente subsidiadas.

A energia solar pode produzir o dobro da energia que Itaipu usando uma área equivalente ao lago desta usina hidrelétrica. Como exemplo , pode ser citado que se o espelho do lago de Itaipu fosse totalmente coberto com painéis fotovoltaicos seria possível produzir 183 milhões de quilowatts/ano, contra cerca de 90 milhões que Itaipu produziu em 2011.

In the whole world, 138 countries have provided objectives or political marks about renewable energy. The emphasis is in the fact that twothird of them are in growth countries.

Brazil – Brazil is among the five first countries with the capacity of renewable energy, with China, USA, Canada and Germany. The emphasis in the topic of renewable resources in Brazil is the hydroelectric energy, bioenergy and thermal solar, and also in the investments and production of biodiesel and ethanol.

O Brasil está entre os cinco primeiros países em capacidade de energias renováveis, junto com China, Estados Unidos, Canadá e Alemanha. Os grandes destaques no segmento de renováveis no Brasil são a energia hidrelétrica, bioenergia e solar térmica, e nos investimentos e produção de biodiesel e etanol.

Na oferta de empregos o setor de energias renováveis é resRenováveis ponsável hoje por cerca de 804 mil postos de trabalho no setor de Entre as energias renováveis biocombustíveis e 29 mil no eólico. No setor solar térmico, o país ficou entre os cinco primeiros no último ano em nova capacidade no Brasil, a solar tem um grande poinstalada, embora tenha correspondido a apenas 0,7% dos acrés- tencial. Em segundo lugar está á eólica e, em seguida, a biomassa a cimos globais. Os investimentos neste segmento chegam a US$ 5,4 partir de resíduos agrícolas, industriais e florestais. bilhões, e tendem a aumentar consideravelmente a cada ano. Um estudo realizado recentemente pelo WWF - World Wildlife Porém, o entusiasmo do mercado com as renováveis não acha Fund, referente às políticas para fontes renováveis de energia eléeco no governo brasileiro. Embora seja o 10º país do mundo mais trica no Brasil, destaca que, independente de grandes hidrelétricas, atrativo no setor, segundo o Índice de Atratividade de Energias o país tem capacidade para aumentar em, pelo menos, 40% a proRenováveis, da consultoria Ernst & Young, o Brasil ainda prefere dução de eletricidade a partir de fontes renováveis alternativas. direcionar os investimentos energéticos em projetos como a exploNo caso da eletricidade gerada a partir do vento, o Brasil é caração do pré-sal. paz de produzir 300 milhões de quilowatts por ano. Atualmente, Diante deste cenário, a perspectiva é que 70% de todas as não produzimos nem a metade, 114 milhões de quilowatts/ano.

Renewable energy investments are increasing

A report from the United Nation Program for the Environment (PNUMA) shows that in 2012 the investments in renewable energy in the world resulted US$244bi, and from this amount, the growth countries showed the biggest increase, achieving US$112bi. It proves that the map of renewable energy sources investments is changing significantly: the funding for projects and policy is relocating from developed countries to emerging nations. Some surveys confirm that the increasing trend in investments is going to grow a lot, achieving US$630bi a year in 2030. The installed capacity of renewable energy has exceeded 1.470GW in the entire world. Only last year there were produced new 115GW, installed in several countries. And every year occurs, in average, an increase of 8,5%. The windpower represented about 39% from the added capacity, followed by the hydroelectric energy and photovoltaic solar energy, both with 26%. Between the investing countries in renewable energy, China is a top-ofmind in the market, with an increase of 22% from the investments last year, the same of US$67bi.

4

In the bioenergy production, the country only loses for the USA and Germany, producing 36 terawatts/hour last year. In the hydroelectric energy, it is responsible for 8,5% from the global capacity, losing only for China, and it was responsible for 6% of new increase in the hydroelectric global capacity last year. Studies show that, with the current technology of solar energy, it would be possible to serve 10% from the current demand of electric energy, using less than 5% from the urbanized area in Brazil. In the case of windpower, the untapped potential achieves 300GW, almost three times the capacity installed in the country nowadays. Renewable - Among the renewable energy in Brazil, the solar one has a great potential. In the second place is the windpower and at last, the biomass coming from farming, factories and forest residues. The solar energy can produce the double of energy that Itaipu produces, using an area equal to this power station lake. As an example, we can say that if the lake was totally covered with photovoltaic panels, it would be possible to produce 183mi quilowatts/year, against the 90mi that Itaipu produced in 2011.


Brazilian Journal of Solar Energy

5


JBES - Jornal Brasileiro de Energia Solar

Porque investir em sistemas fotovoltaicos?

Carlos A. F. Evangelista

E

nergia solar fotovoltaica é algo diferenciado e apesar de ser uma tecnologia dominada ainda é pouco conhecida pelos brasileiros. Não é raro depois de alguns minutos de explicação sobre as vantagens e desvantagens da utilização da energia solar fotovoltaica, nosso atento ouvinte perguntar se conseguirá aquecer sua piscina com os módulos solares. Também não é raro perguntarem quantas baterias serão necessárias para uma usina fotovoltaica de 1 MWp de potência. A pergunta ainda vem acompanhada de um olhar desconfiado, afinal, como será possível a usina produzir energia à noite? Na verdade, essas perguntas apenas refletem uma grande realidade de nosso mercado. A maioria absoluta dos potenciais clientes, que são o público alvo, sejam eles usuários que desejam desesperadamente livrar-se das distribuidoras de energia (alguns ainda têm essa ilusão), sejam empresas que querem diversificar sua matriz elétrica, ou mesmo investidores que querem aplicar seu capital em fontes renováveis de energia elétrica; a grande maioria desconhece as particularidades e especificidades da energia solar fotovoltaica.

Talvez seja neste ponto que se nota o primeiro grande erro ao oferecer energia elétrica de fonte solar fotovoltaica ao cliente. Tenta-se o discurso da sustentabilidade. Energia solar FV é limpa, renovável, inesgotável, não possui partes móveis, totalmente silenciosas, etc., e ainda podemos acrescentar uma infinidade de vantagens, como a quantidade de CO2 que estaremos evitando jogar na atmosfera, podemos até sofisticar o discurso falando sobre projetos MDL e certificações LEED, mas a grande verdade é que esse motivo, nas maiorias das vezes é quase irrelevante para o cliente.

6

Nos preocupamos com o meio ambiente e quase todos queremos dar nossa contribuição para a sustentabilidade, usar recursos renováveis e limpos, mas o fato é que os clientes desejam mesmo é energia barata (sejam residenciais, do comércio ou da indústria). Energia barata significa uma energia disponível na porta do cliente a um custo menor do que a energia que já é oferecida pela sua distribuidora local. E para oferecer energia a um custo menor do que já é oferecido pelas fontes e meios tradicio-

Gráfico 1

nais na porta do cliente (residência, empresa, comércio ou indústria), são necessárias condições muito especiais. Algumas dessas condições são inerentes à própria tecnologia solar fotovoltaica, por exemplo, ela permite “produzir energia" no próprio local do consumo (sem o rigor técnico de que na verdade não se produz energia, converte-se energia solar em energia elétrica). A conversão de energia FV é modular, ou seja, permite que se inicie com um investimento menor, uma potencia menor, e gradativamente vá se aumentando a capacidade instalada. Baixíssima manutenção, afinal, não possui partes moveis e os módulos ainda vão “funcionar” duram 25 anos.... Todos bons argumentos!

Todo esse discurso é muito interessante, verdadeiro e até glamouroso, mas o que realmente vende, o que faz os olhos dos clientes brilharem é quando percebem que irão pagar menos pela energia elétrica de fonte solar do que estão pagando atualmente pela fonte convencional. Esse é o verdadeiro e principal motivo que leva a maioria dos consumidores a utilizarem energia solar fotovoltaica. Claro que há exceções, mas são raras e mesmo estas ficam felizes ao saber que além de contribuírem para a sustentabilidade, também poderão economizar utilizando a fonte solar.

O mesmo ocorre com os investidores, nenhum deles, nem o mais puritano, nem os que escrevem “sustentabilidade e progresso da humanidade” no texto da “missão da empresa”, nenhum deles investirá em energia solar fotovoltaica se esta não lhe trouxer uma rentabilidade maior do que conseguiriam nos investimentos tradicionais com a mesma faixa de risco. Portanto, cabe a nós mostrar como, porque, quando e onde é possível ter energia elétrica oriunda de fonte solar a um custo mais baixo do que a produzida por outras fontes. E possível sim investir em grandes usinas solares com um retorno maior e um risco mais baixo do que as outras fontes, mas nem sempre e nem em todas as condições isso será exequível. Por isso é fundamental que os profissionais que trabalham com essa tecnologia conheçam a fundo os custos, as condições, as particularidades e especificidades que essa tecnologia pode oferecer, e dar ao cliente o que ele mais deseja e o motivo principal de sua compra: Energia mais barata. Se essa energia também for limpa, inesgotável e contribuir para irmos ao céu, melhor ainda. Mas se não tiver o primeiro adjetivo, barata (leia-se: custo menor que as convencionais), dificilmente nossos argumentos convencerão o cliente a


JBES - Jornal Brasileiro de Energia Solar correr riscos, desembolsar capital e investir estão. Para que correr riscos? Pela sustentana inovação. bilidade? Pouquíssimos clientes pagariam a mais apenas para ter energia limpa. No BraUma vez esclarecido o primeiro ponto, sil já temos uma matriz energética limpa, "tem que custar menos", pode pensar no mesmo se considerarmos as análises das segundo ponto: Como isso é possível? Para conseguir isso é necessário analisar caso a caso, a tecnologia adotada, o custo dos equipamentos utilizados, o local que se pretende instalar, o preço atual que se paga pela energia, etc. De nada adianta ter equipamentos a um custo baixíssimo e instala-los em um local com péssima insolação; o rendimento será muito baixo. O mesmo ocorre se tivermos um local de excelente insolação, com tarifa local de eletricidade alta, mas pecar no projeto a ponto do preço final ser exorbitante. Provavelmente o custo da energia grandes áreas inundadas pelas hidroelétrifotovoltaica será mais alto do que a ener- cas ou considerar que em tempos de crise, o gia convencional já disponível no local. Se que “sustenta” o sistema elétrico nacional é conciliarmos as duas coisas; local excelente as termoelétricas, ainda assim nossa matriz e custo total aceitável, mas a energia ofere- elétrica é majoritariamente limpa. cida pela distribuidora local tiver um preço O gráfico 1 procura consolidar em uma super. competitivo, provavelmente a opção de nosso cliente será deixar as coisas como única imagem a comparação entre o custo

da energia elétrica fornecido pelas concessionárias e o custo para se tiver energia elétrica de fonte solar fotovoltaica. Também aponta os valores do megawatt hora nos leilões de energia e o valor da PLD em fevereiro de 2014 (apenas como referencia uma vez que esses valores estão mais atrelados ao mercado livre do que ao mercado cativo). Esse estudo mostra a realidade dos custos de utilização de energia solar fotovoltaica nos diferentes estados brasileiros. Um potencial de mercado gigantesco! Sua analise, explicação detalhada, considerações e projeções deixaremos para outra oportunidade.

E a crise energética? Haverá falta de energia em 2015? Possibilidades reais de apagão? Não podemos prever com precisão! Mas o fato é que segundo a ANEEL são 63.905.813 de consumidores para serem atendidos somente no segmento residencial; após algumas considerações podemos apenas dizer: “hands-on”.

Why should we invest in photovoltaic solar systems?

The photovoltaic solar energy is something different and although it is a mastered technology, the Brazilian people don´t know it very well. It’s not unusual if our thoughtful listener asks us about how they could warm their pool with our solar modules after some minutes of explanation about advantages and disadvantages of photovoltaic solar energy uses. It’s not also strange if they ask about how many batteries would be necessary for a 1MWp power photovoltaic power station. This question comes along with a suspicious stare, after all, how would it be possible to produce solar energy at night? Maybe here we realize that’s the first big mistake when we offer electric energy from photovoltaic solar source for our customer. We try to speak about the sustainability. Photovoltaic solar energy is clean, renewable, it’s never ending, it does not have mobile parts, it’s absolutely silent and so on, and besides it has several other advantages. We are all worried about the environment, using renewable and clean resources, but the main point is that our customer really wants cheap energy (for housing states, shopping centers or factories). Some of those conditions are part of photovoltaic solar technology, for example, this technology allows “producing energy” at the place it’s being used (without the accuracy that, in fact, the energy is not produced but so the solar energy is converted in electric energy). The photovoltaic energy is variable, which means, it can be dealt with a cheap investment, a little power, and the carrying capacity can be increased by degrees. The support is very low, after all, it does not have mobile parts and the modules will “work” for 25 years… Those are all good points! This entire speech is very interesting, truthful and also glamorous, but what really sells, what makes the client eyes shine is when they realize that they will pay less for the solar sources electric energy than they already pay for the conventional one. So, we need to show how, why, when and where it’s possible to have

8

electric energy came from solar sources with a lower expense than the energy produced by other sources. It is possible to invest in big solar power stations with a bigger return and a lower risk than the other resources, but not always and nor all the conditions will be practicable. Once we explain the first point, “it has got to be less expensive”, we can think about the second point: How is it possible? To achieve this, it is necessary to examine every case, the technology that’s being used, the price of the equipments being used, the place we intend to install, how much is being payed by the energy used nowadays and so on. It does not help at all having very low expense equipments and install them in a place with a poor light; the income will also be poor. The same will happen if we have an excellent place with solar light, with a high local rate for electricity but we spend too much in a project and the final price is excessive. If it happens, probably, the photovoltaic energy cost will be higher than the conventional energy already available in the place. If we join both things, excellent place and good costs, and even though the energy offered by the energy dealer has a competitive price, our client would rather let things run the way they are. Why should they take a risk? Should they consider the sustainability? A very low number of clients would pay more to have a clean energy. In Brazil, we have sources for clean energy, even if we consider all the analysis about the big places flooded by the hydroelectric companies or if we think that, in crisis time, what “supports” the national electric system are the thermoelectric companies, despite of this, our electric source is in its biggest part clean. This survey shows the reality about costs of using photovoltaic solar energy in the different Brazilian places. How about the energetic crisis? Will there be lack of energy in 2015? Are there real possibilities of blackouts? We can’t foresee with precision! But the truth is that, according to ANEEL, there are 63.905.813 customers that need to receive the service, only in the residential area. After some considerations we can only say: “hands-on”.


JBES - Jornal Brasileiro de Energia Solar

A Engenharia no Setor de Energia Solar Fotovoltaica – Sistemas Isolados

Susana Viana e Igor Guerzoni

INESC P&D Brasil / LAT - FEEC - UNICAMP; AtomRA - Engenharia em Energia Renovável LTDA

Resumo: Embora nos últimos anos as grandes plantas fotovoltaicas conectadas à rede façam as grandes manchetes na imprensa, há uma grande necessidade de sistemas isolados fotovoltaicos capazes de produzir eletricidade para aldeias em lugares remotos, aonde a rede elétrica convencional ainda não chegou devido à localização geográfica e elevado investimento. Isto é verdade para 1,5 bilhões de pessoas em todo o mundo que ainda não têm acesso à eletricidade, Fig. 1 – (i) Domicílio atendido por SIGFI [2]; (ii) Topologia CA [3]. e também é verdade para muitas carga2 faz a gestão da carga da bateria. A bateria armazena energia pessoas no Brasil. O Ministério de Minas e Energia estima que, elétrica para que possa haver consumo de eletricidade defasado da para atender um total de 330.000 residências na região da Amazôgeração (ex: iluminação noturna). O inversor é utilizado para connia, são necessários 120.000 sistemas fotovoltaicos domiciliares e verter a CC produzida pelos módulos fotovoltaicos em CA, capaz de 3.000 micro-redes com geração de energia proveniente de fontes alimentar os eletrodomésticos comuns. renováveis. Existem algumas iniciativas públicas para resolver este problema e uma delas é o Programa Luz para Todos, que se Em 2007, dentro deste projeto, a Companhia de Energia de Miiniciou em 2003 tendo sido prorrogado até 2014, e do qual se irão nas Gerais (Cemig) instalou 1.604 sistemas fotovoltaicos em resimencionar algumas instalações fotovoltaicas, de forma a apresen- dências rurais de baixa renda, centros comunitários e escolas. tar a realidade brasileira. Neste artigo será dado um exemplo de No Rio Grande do Sul, o Instituto de Energia Alternativa e da dimensionamento de um sistema fotovoltaico isolado e a noção do Auto Sustentabilidade (IDEAAAS) desenvolve um outro projeto, o custo médio deste tipo de sistema. Luz Agora, tendo sido instalados 40 sistemas solares fotovoltaicos Sistemas Solares Fotovoltaicos Isolados no Brasil isolados no município de Encruzilhada do Sul, 20 sistemas em São

No âmbito do projeto Luz para Todos [1], a Eletrobras em parceria com a Agência de Cooperação Alemã GTZ1 possui uma iniciativa piloto no Norte do país com o objetivo de fornecimento de energia elétrica com sistemas fotovoltaicos isolados da rede para cerca de 10.000 famílias nas regiões isoladas do Amazonas. Disso é exemplo a eletrificação de reservas extrativistas com sistemas fotovoltaicos em Xapuri – Acre, onde foram instalados 103 Sistemas Individuais de Geração de Energia Elétrica com Fontes Intermitentes (SIGFI), nos seringais Iracema, Dois Irmãos e Albrácea. Nestas instalações foram consideradas 3 topologias de sistema, consumo apenas em corrente alternada (CA), consumo apenas em corrente contínua (CC) e consumo em CA e CC (sistema híbrido). Na Fig. 1 (i) mostra-se a imagem de um desses SIGFI, e na Fig. 1 (ii) mostra-se o esquemático com os vários equipamentos que o compõem. O controlador de

1 GTZ à data da instalação dos sistemas, agora Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ)

10

Tabela 1 - Consumos típicos numa casa (em CA)

2

Também denominado por regulador de carga


Brazilian Journal of Solar Energy José do Norte e um modelo experimental em Osório. O Instituto = 5379 Wh. faz também um acompanhamento permanente das famílias, tendo chegado à conclusão que, em média, estas famílias gastam menos por esta forma de energia limpa, do que gastavam com querosene, diesel e outros combustíveis, quando não tinham outra alternativa. Outras concessionárias já realizaram projetos de energia solar em comunidades isoladas, tais como a Coelba, na Bahia, a Ampla S.A, no Rio de Janeiro e a Ceal, em Alagoas. De acordo com a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (ABSOLAR), estima-se que atualmente estejam instalados 30 MW em sistemas fotovoltaicos isolados no Brasil, cerca de 75% do total de potência fotovoltaica instalada. Dimensionamento de um SIGFI fotovoltaico

O número de elementos de bateria ligados em série, ns, irá depender da tensão CC do sistema, Vsis, e da tensão de cada um dos elementos de bateria, Velem. Se Velem = 2 V e Vsis = 24 V, teremos ns=12 e virá para a energia armazenada em cada elemento Eelem > 448 Wh, sendo a capacidade de cada elemento Celem > 224 Ah.

O primeiro passo para o dimensionamento de um sistema fotovoltaico isolado é a determinação do perfil de consumo de eletricidade, tendo em conta a potência de cada equipamento e seu tempo Após o dimensionamento da bateria é necessário dimensionar de funcionamento, para o exemplo abaixo o consumo diário em CA a potência do gerador fotovoltaico a instalar em determinado local. é de 4088 Wh. Se o sistema fotovoltaico for utilizado durante todo o ano tem de O segundo passo a tomar é dimensionar a bateria adequada garantir a satisfação do consumo nas condição climáticas mais despara este sistema, irá considerar-se apenas 1 dia de autonomia. A favoráveis, logo o dimensionamento é feito para o mês com menor fiabilidade do sistema aumenta de acordo com a autonomia, sendo valor médio de irradiação (kWh/m2). Para se escolher a inclinação que só com um sistema de apoio (ex: gerador diesel) se poderá ter (INCL) a dar aos módulos fotovoltaicos (FV) o critério é otimizar a uma fiabilidade próxima de 100%. captação de energia solar no mês mais desfavorável, tipicamente um mês de Inverno. Na prática, INCL = latitude + 10º. Uma vez defiNa bateria é necessário ter armazenada energia suficiente para suprir este consumo CA tendo em conta o rendimento do inversor nido o local, escolhido o mês para dimensionamento e a inclinação, que neste caso se convencionou ser 95%, obtendo-se Ebat = 4303 pode passar-se ao cálculo do valor médio da energia solar que inciWh. Para além do rendimento do inversor deve ainda considerar- de no plano dos módulos. Considere-se São Paulo, INCL = LAT + 10º -se uma profundidade de descarga máxima admissível, pdmáx, de = 33º e a tabela com as médias mensais da energia solar incidente 80% da capacidade da bateria para baterias de chumbo-ácido, Earm numa superfície voltada a Norte e com uma inclinação de 33º:

11


JBES - Jornal Brasileiro de Energia Solar Tabela 2 – Média Mensal da Irradiação Incidente

O valor de irradiação para o mês mais crítico do ano é de 3,86 kWh/m2. A partir deste valor pode calcular-se o número de horas de sol-pico (HSOLP), que representa o nº de horas equivalentes à potência pico (condições STC3). Para este caso HSOLP = 3,86 h.

Tendo em conta os valores típicos para as eficiências, ηinv = 0.98, ηBat = 0.80, ηReg = 0.95, ηCab = 0.95, obtém-se ECA = 4.088 kWh/dia, que implica que EFV = 5.778 kWh/dia. Admitindo que no mês em dimensionamento os módulos irão funcionar próximo das condições de referência, a potência pico do gerador a instalar é Pp = EFV / HSOLP = 1.497 kW.

A energia que o gerador FV tem de fornecer não coincide exatamente com o valor calculado para Relativamente ao o consumo (4.088 custo dos sistemas kWh/dia). Para além deste, o gerador FV deverá produzir uma fotovoltaicos isolados, em [4] é indicado que em 2012, em média se energia suplementar que compense as perdas nos diversos compo- teria um custo de 9 R$/Wp e que a diminuição esperada ao ano é de nentes do sistema: cabos, relés, díodos, regulador de carga, bateria 1,70 R$/Wp, extrapolando para 2014 chega-se a 5,6 R$/Wp. Este e inversor, de acordo com a Fig. 2. custo varia muito de região para região sendo que o estado de São Paulo e os estados da região Sul apresentam os valores mais elevados. Deve ainda notar-se que os custos indicados são para sistemas puramente fotovoltaicos e que estes serão acrescidos se, por exemplo, se instalar um gerador diesel de apoio, podendo então chegar a 12 R$/Wp. Referências Fig. 2 - Energia ao nível de cada elemento do sistema, caracterizado por um determinado valor de eficiência (η)

[1] http://luzparatodos.mme.gov.br/luzparatodos/Asp/o_programa.asp

[2] http://www.eletrobras.com/elb/data/Pages/ LUMIS3A5A13D3PTBRIE.htm

Fazendo η1 = ηBat x ηReg x ηCab , obtém-se a expressão [3] Eduardo Borges, Werner Klaus, Cláudio Monteiro, Torsten Schwab, para a energia a fornecer pelo gerador FV: EFV = ECA / (η1 x ηinv)

3 STC – Standard Test Conditions - Condições de teste de referência para o ensaio de módulos FV – 1.000 W/m2 de irradiância com o espetro de referência AM1.5 e 25º de temperatura das células do módulo. A potência obtida nas condições de referência é considerada a potência pico (Wp).

“Sistemas fotovoltaicos domiciliares – Teste em campo de um modelo sustentável de eletrificação rural”, V Congresso Brasileiro sobre Eficiência Energética e Cogeração de Energia, Junho de 2008

[4] Marco Antonio Galdino, “Análise de custos históricos de sistemas fotovoltaicos no Brasil”, IV Congresso Brasileiro de Energia Solar e V Conferência Latino-Americana da ISES, São Paulo, Setembro de 2012.

Why should we invest in photovoltaic solar systems? The Abstract

Although in the last few years the large photovoltaic plants connected to the grid make the big headlines in the press, there is a great need for photovoltaic autonomous systems capable of producing electricity for villages in remote places, where the conventional electrical grid is unable to reach due to geographical location and high investment. This is true for 1.5 billion of people all over the world that still don’t have access to electricity, and is also true for many people in Brazil. The Ministry of Mines and Energy estimates that 120.000 solar home systems and 3.000 micro-grids generating energy from renewable sources are needed to meet a total of 330.000 households in the Amazon region. There have been some public initiatives to address this problem and one of them is the Light for Everyone Program, which started in 2003 and was extended until 2014, and from which some photovoltaic installations will be mentioned in order to present the Brazilian reality. In this article an example for the sizing of an autonomous photovoltaic system and a notion of its average cost will be given.

12


Brazilian Journal of Solar Energy

13


JBES - Jornal Brasileiro de Energia Solar

ARTIGO

Avanço da energia solar no Brasil

Mônica Carpenter

Diretora da Aranda Eventos, empresa co-organizadora da Intersolar South America

A

demanda por energias renováveis cresce de forma exponencial em todo o mundo em função das pressões ambientais motivadas, principalmente, pelas preocupações quanto ao aquecimento global. No Brasil, a captação de energia solar fotovoltaica e termossolar é uma alternativa de grande valia para o país, uma vez que as características geográficas - banhado pelo sol praticamente o ano todo - privilegiam essa alternativa.

incentivar a venda de energia gerada pela Intersolar South America. O evento receusina. berá, de 26 a 28 de agosto, no Expo Center Norte, empresas e profissionais do setor de Já Pernambuco, em 2013, saiu na frenenergia solar para debater as tendências, te com o primeiro leilão de energia solar no país e contratou, por meio do governo local estabelecer contatos e trocar informações 122,8 MW de capacidade instalada oriunda sobre os desenvolvimentos tecnológicos da fonte solar fotovoltaica, com um preço deste mercado, métodos de produção efimédio da energia negociada de R$ 228,63 cientes, financiamento e planejamento de projetos, apresentar soluções tecnológicas, por MWh. entre outros assuntos. Em 2014, o governo do Estado de São Chegou o momento de a energia solar Paulo isentou do Imposto sobre Circulação despontar também no Brasil. Está provado de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS) bens e equipamentos usados na ge- que existe interesse em difundir a energia ração de energia por meio de fontes renová- solar por aqui. Há demanda, receptividade veis, incluindo energia solar. Por meio des- da população e, o mais importante, vontade sas e outras iniciativas, o Governo Paulista política para estimular este mercado, o que pretende atingir 69% de participação de elevará o país a um patamar de destaque fontes renováveis em sua matriz energética neste setor no mundo. até 2020.

Para contextualizar esse argumento, é importante dizer que, no Brasil, cerca de 85% da energia elétrica consumida vem de fontes renováveis. As hidrelétricas representam 77% desse total, de acordo com o Ministério de Minas e Energia. O número revela que o país ainda precisa avançar na diversificação da matriz energética, hoje dependente das hidrelétricas e termelétricas, Os estados do Rio de Janeiro, Minas tornando-se vulnerável aos apagões, já co- Gerais, Bahia, Goiás, Tocantins e Piauí, que nhecidos por aqui. possuem grande potencial para a rápida disseminação da energia solar – em funDiante dessa necessidade, o mercado ção da elevada tarifa de energia elétrica e de energia solar na América Latina tornaa grande incidência de sol durante todo o -se promissor, em função do reconhecimenano - também englobam a lista de localidato dos países sobre o importante papel da des onde a questão já é trabalhada de forma energia solar como fonte de energia para o mais intensa. futuro. Aliás, muitos desses países planejam ou já estabeleceram incentivos para estimuO Brasil, com um enorme mercado inlar este mercado, inclusive o Brasil. terno potencial, desponta como o país da América Latina com a melhor perspectiva Em 2012, por exemplo, o país regulapara esse segmento no longo prazo. No curmentou um desconto de 80% nas tarifas de to prazo, o destaque fica para o Chile, que transmissão e distribuição para projetos de avança cada vez mais em seu potencial. Já energia solar em grande escala. No mesmo o México tornou-se um mercado promissor ano, foi instituído o sistema de compensaem energia solar, somando mais de 300 MW ção de energia elétrica para incentivar o de projetos desta fonte em construção. mercado de geração distribuída, estratégico para o setor solar. Outra boa notícia para Semelhante ao Chile, o México tem eneste mercado é a perspectiva de o primeiro traves específicos sobre a rede elétrica e a leilão federal específico de energia solar no energia solar é competitiva em mercados Brasil ser realizado ainda este ano. spot. O país também conta com contratos externos de fornecimento de energia, o que Em paralelo ao leilão, alguns estados acirra a competição, assim como os investibrasileiros se movimentam para tornar a mentos em energia eólica. utilização da energia elétrica solar uma reaPara promover e estimular as tecnololidade. O Ceará conta com a primeira usina de 1 MW baseado na fonte solar fotovoltai- gias e ampliar as aplicações desse tipo de ca, em Tauá, no interior do estado, e ainda geração de energia no Brasil, a cidade de aguarda a efetivação de um fundo que irá São Paulo sedia a exposição e conferência

14

The demand for renewable energy grows exponentially worldwide according to the environmental pressures motivated primarily by concerns about global warming. In Brazil, the uptake of photovoltaic and thermal solar energy is an alternative of great value to the country, since the geographical features - bathed in sunshine almost all year - favor this alternative.

To contextualize this argument, it is important to say that, in Brazil, about 85 % of electricity consumed comes from renewable sources. The dam represents 77 % of that total, according to the Ministry of Mines and Energy. The number shows that the country still needs to move forward to the changing of the energy resources , today dependent on hydroelectric and thermoelectric power , becoming vulnerable to blackouts , known here . Considering this necessity, the solar market in Latin America becomes promising, due to the recognition of countries on the role of solar energy as an energy source for the future . Incidentally, many of these countries are planning or have already established incentives to stimulate this market, including Brazil . In 2012, for example, the country has regulated a discount of 80 % in transmission


ARTIGO and distribution tariffs for solar projects on a large scale. In the same year, the compensation system of electricity was established to encourage the market for distributed solar sector for strategic generation. Another good news for this market is the prospect of the first specific federal auction of solar energy in Brazil to be held later this year. In parallel to the auction, some Brazilian states move to make use of solar electricity a reality. Ceará has the first 1 MW plant based on solar photovoltaic power in Taua, the state, and still awaits the consummation of a fund that will encourage the sale of electricity generated by the plant. Pernambuco , in 2013 , went ahead with the first auction of solar energy in the country and hired through the local government arising 122.8 MW of installed capacity of solar photovoltaic power , with an average price of electricity traded from R $ 228 , 63 per MWh . In 2014, the state government of São Paulo exempted from the Tax on Circulation of Goods and Services ( ICMS ) property and equipment used in power generation through renewable sources , including solar energy. Through these and other initiatives, the Paulista Government aims to achieve 69 % share of renewable sources in its energy mix by 2020 . The states of Rio de Janeiro, Minas Gerais, Bahia, Goiás, Tocantins and Piauí, which have great potential for the rapid spread of solar energy - due to the high electricity fees and the high incidence of sunshine throughout the year - also encompass the list of locations where the issue is already worked more intensively.

Brazilian Journal of Solar Energy Brazil, with a huge potential domestic market, emerging as the Latin American country with the best outlook for this segment in the long run. In the short term, the focus is for Chile, which moves increasingly into its potential. In contrast, Mexico has become a promising market for solar energy, totaling more than 300 MW of projects under construction this font. Similar to Chile, Mexico has specific walls on the grid and solar energy is competitive in spot market . The country also has contracts the foreign power supply, which intensifies competition , as well as investment in windpower. To promote and encourage technology and expand the applications of this type of energy generation in Brazil, the city of Sao Paulo hosts the exhibition and conference Intersolar North America . The event will receive, August 26-28th, at the Expo Center Norte, companies and professionals in the solar industry to discuss trends, establish contacts and exchange information on technological developments in this market , efficient production methods , funding and planning projects, introduce technological solutions , among other issues . The moment of solar energy also arrived in Brazil. It is proved that there is interest in spreading solar energy here. There is demand, responsiveness of the population and , most importantly, the political will to stimulate this market, which will bring the country to a level of prominence in this sector in the world . (Monica Carpenter , Director of Events Aranda , company co - organizer)

15


JBES - Jornal Brasileiro de Energia Solar Projetos que incluam equipamentos produzidos no Brasil terão acesso á nova linha de financiamento do BNDES O (BNDES) Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social informou as condições de suporte financeiro para os vencedores do primeiro leilão de geração de energia elétrica a partir de fonte solar, que será realizado no Brasil em 31 de outubro. A participação da fonte solar na matriz energética brasileira, será o início para desenvolver uma indústria nacional de produção de equipamentos para o setor. Pensando neste novo cenário que se apresenta, o Banco está informando a nova forma de Credenciamento e Apuração de Conteúdo local de Módulos e Sistemas Fotovoltaicos. Projetos vencedores do leilão que incluam equipamentos produzidos no Brasil Poderão ser financiados pelo BNDES e cadastrados segundo a nova metodologia. Esta ação é bem parecida com a já implantada e bem sucedida política que foi adotada pelo BNDES na ajuda à expansão de parques eólicos, com instalações de indústrias fabricantes de aerogeradores e seus componentes. Todos os projetos que serão apoiados pelo banco terão que cumprir rigorosamente todas as condições de credenciamento da nova metodologia determinada pelo banco. Todos vencedores do leilão de reserva 2014 que forem aprovados em receber o finame, serão sociedades com sede e administração no País, de controle nacional ou estrangeiro, e pessoas jurídicas de direito público. As linhas disponíveis para financiamento serão o BNDES Finem (linha tradicional de financiamento a investimentos, com custo financeiro de TJLP, atualmente em 5% ao ano) e o Fundo Clima (Fundo Nacional sobre Mudança do Clima, que tem custo financeiro mais baixo, de 0,1% ao ano). Além do custo financeiro, compõem o custo final para o tomador a remuneração básica do BNDES (1,0% ao ano), a taxa de risco de crédito (que varia de 0,4% a.a a 2,87% a.a, de acordo com o risco do crédito do cliente), taxa de intermediação financeira (0,5% a.a, exceto para micro, pequenas e médias empresas, que são isentas) e a remuneração do agente financeiro (em caso de operação indireta). O teto de utilização de recursos do Fundo Clima será de 15% do valor do módulo ou do sistema fotovoltaico. Para os recursos do Finem, o limite será de 65%. Em ambos os casos, quanto maior a quantidade de componentes fabricados ou processos produtivos realizados no Brasil, maior será a participação do BNDES no financiamento. Esta metodologia não considera a apuração do índice de nacionalização, que tradicionalmente é calculada com base no peso e no valor do equipamento. Tudo indica que este novo cenário permitirá ao Brasil o surgimento industrial para fabricação de componentes fotovoltaicos, atualmente inexistentes. Projects which include equipments produced in Brazil will have access to the new financing line from BNDES The National Bank of Economical and Social Development (BNDES) has published the financial hold conditions for the winners of the first auction of electric energy production by solar source, which will take place in Brazil, on October, 31st. The solar source participation in the Brazilian energetic sources will be the beginning for a national industry development of equipments production for the sector. The auction winner projects which include equipments produced in Brazil can be financed by BNDES and registered according to the new methodology. All the storage auction winners in 2014 that are approved to receive the financing, will be societies with their administration sites in Brazil, with national or international control, and juridical people with public right. The available lines for financing will be the BNDES Finem (traditional line of financing and investments, with financial costs of TJLP, actually 5% a year),and the Fundo Clima (National Fund about Weather Changing, with a lower financial cost, 0,1% a year). Besides the financial costs, also compound the final cost for the taker, the basic compensation from BNDES (1,0% a year), the credit risk FEE (which varies from 0,4% to 2,87% a year, according to the client’s credit risk), financial intermediation fee (0,5% a year, unless for micro, small and medium enterprises, which are immune) and the financial agent compensation (in case of indirect operation). The ceiling for using resources of Fundo Clima will be 15% of the modules value or the photovoltaic system. For the Finem resources, the limit will be 65%. This methodology doesn’t consider the nationalization number detection, which traditionally is calculated by the equipment weigh and cost. Maybe this new scene will emerge industries in Brazil for the photovoltaic components construction, which are missing nowadays.

16

ECONOMIA Relatório da empresa de consultoria Frost & Sullivan, indica que o mercado solar global deve dobrar até 2020. Com o maior foco global na redução das emissões de gases de efeito estufa e outros poluentes, o mercado de energia solar deve ganhar cada vez mais espaço nas materizes energética dos países. Hoje temos os volumes de vendas concentradas principalmente na região da Ásia-Pacífico, porém há uma clara tendência de crescimento em outros mercados, principalmente os emergentes. Uma nova análise da Frost & Sullivan, intitulado "Mercado global de Energia Eolar", considera que o mercado obteve receita de 59,84 bilhões dólares em 2013 e estima que estes números cheguem até 137.020 bilhões de dólares em 2020. A demanda global por sistemas solares fotovoltaicos em 2014 é dominada pela região da Ásia-Pacífico, que são responsáveis por cerca de 46% da capacidade instalada. China, Japão, Índia e Austrália continuarão sendo os quatro países mais importantes para o crescimento da demanda global. Com a queda drástica dos preços dos painéis, os fabricantes asiáticos estão concentrados em uma integração da eficiência para diferenciar seus produtos de outros já disponíveis no mercado. Na Europa a energia solar continua crescendo. A Alemanha que é pioneira na promoção e utilização da energia solar fotovoltaica. O país continua investindo pesado nesta fonte, e se destaca como o maior mercado de energia solar do mundo. Alemanha, Itália, França, Espanha e Reino Unido, planejam até 2020, nstalar mais de 75 GW de capacidade fotovoltaica. O total de capacidade instalada a nível mundial em 2013 foi de 137 GW. O estudo também aponta que os Estados Unidos se tornou um destino lucrativo para os sistemas dolares fotovoltaicos, devido à redução das importações da China, consequência da a imposição de tarifas anti-dumping e contra subsídios ilegais nas importações. O estudo convlui falando que desenvolver normas específicas para as energias limpas e fornecer apoio adequado para o setor das energias renováveis será essencial para que este crescimento deja sustentável e viável em longo prazo.•. Global Solar Market Estimated To Reach $137 Billion In 2020 New analysis from business consulting firm Frost & Sullivan shows that the global solar power market earned revenues of nearly $60 billion in 2013, and estimates that by 2020 this figure will double to $137.02 billion. According to the report, “Frost & Sullivan estimates that global solar market revenues will grow between 2014 and 2020 despite the economic uncertainty in the global markets” — a statement that needs to be awarded a big ol’ “No kidding!” for its absolute lack of insight. While more research investigating the role renewable energies will play on the future global power supply are always interesting, one does sort of walk away from this most recent analysis with a strong feeling of déjà vu. “The global solar power market is benefiting from various incentive schemes in the form of tradable green energy certificates, FiTs, subsidies, and tax rebates for the use of renewable energy for power generation,” said Frost & Sullivan Energy & Environmental Industry Analyst Pritil Gunjan. “However, these incentive schemes continue to be very heterogeneous, making solar PV penetration rates vary widely based on local and regional policies.”


Brazilian Journal of Solar Energy

17


JBES - Jornal Brasileiro de Energia Solar

Energia solar fotovoltaica: Experiência P&D Antônio Roberto Donadon

Mestre em Planejamento de Sistemas Energéticos (DE/PSE/UNICAMP) - donadon@cpfl.com.br

Rafael Moya R. Pereira

Mestrando em Planejamento de Sistemas Energéticos - moya@cpfl.com.br

Resumo O objetivo deste artigo é contribuir para a discussão do avanço no uso da energia solar fotovoltaica no Brasil.

Em 2011 a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) publicou edital específico para o desenvolvimento da energia Solar fotovoltaica Conectada à Rede no Brasil conhecido como Chamada n°13/2011. Dentro dos projetos aprovados, encontra-se a Usina Solar Fotovoltaica Tanquinho (USFV) da CPFL Energia, que foi o primeiro, dentre os projetos aprovados, a ser instalado e Interligado à rede, com 1,1 MWp de potência.

haver a necessidade de aumentar a participação de fontes renováveis em sua matriz com vistas a reduzir a intensidade de carbono. No entanto, embora ainda exista um considerável potencial hidroelétrico remanescente e sua exploração seja uma prioridade, a diversificação da matriz elétrica

O artigo da uma visão geral deste projeto realizado pelas empresas do grupo CPFL, que está em andamento e, ao final, conclui que estes contribuem para o avanço no conhecimento, formação de recursos, geram lições aprendidas e podem colaborar com o desenvolvimento da cadeia produtiva no país. Introdução

Em anos recentes, verificam-se expressivos investimentos em fontes alternativas e renováveis de geração de energia elétrica em nível mundial, sobretudo na Europa, nos EUA e na China. Estes investimentos são motivados pela necessidade de compatibilizar a expansão da oferta com vistas a atender a uma demanda por energia que irá crescer a elevadas taxas, impulsionada pelos países em vias de desenvolvimento que ainda apresentam baixos níveis de consumo per capita de energia1, e a imperativa busca da mitigação das emissões de gases do efeito estufa (IEA, 2012a).

Caso Usina Solar Fotovoltaica Tanquinho – CPFL Energia

brasileira é uma estratégia pertinente, sobretudo devido à necessidade de mitigar os impactos da redução da capacidade de regularização da oferta hidroelétrica ao longo do ano (CASTRO ET al., 2012a). Portanto, a energia solar e outras renováveis como eólica e biocombustíveis deverão exercer papel importante no processo de diversificação da matriz elétrica brasileira. Chamada 13/2011/ANEEL

Em 2011 a Agencia Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) publicou o edital para inNo Brasil, existe uma grande participação da hidroeletricidade na oferta de ener- centivar o uso da energia solar fotovoltaica gia (EPE, 2012a), assim pode-se pensar não em todo território nacional. Com o título de “Projeto Estratégico: Arranjos Técnicos e 1 No ano de 2010, o consumo per capita de energia Comercias para Inserção da Geração Solar nos países da OCDE foi de 4,39 tep enquanto que os países do Fotovoltaica na Matriz Energética Brasileicontinente americanos não pertencentes à OCDE e na África os consumos foram, respectivamente de 1,28 e 0,67 tep (IEA, ra”, e conhecido como Chamada n° 13, a iniciativa tem os seguintes objetivos principais 2012b).

18

(ANEEL, 2011): (i) facilitar a inserção da geração solar fotovoltaica na matriz energética brasileira; (ii) colaborar com o desenvolvimento e viabilizar economicamente a produção, instalação e monitoramento da geração solar fotovoltaica para injeção de energia elétrica nos sistemas de distribuição e/ou transmissão e; (iii) estimular a redução de custos da geração solar fotovoltaica com vistas a promover a sua competição com as demais fontes de energia. A Chamada 13 fixou a potência das plantas entre 0,5 MWp e 3,0 MWp e exigiu a análise dos impactos da interligação do sistema à rede nacional e das implicações socioambientais. Isso reflete a necessidade de se estudar os impactos técnicos, sociais, econômicos e ambientais da geração de energia elétrica proveniente de Sistemas Fotovoltaicos Conectados à Rede (SFCR) no Sistema Interligado Nacional (SIN) para que eles tornem-se parte das múltiplas opções energéticas brasileiras no que tange às energias renováveis. O projeto da CPFL Energia tem potência instalada de 1,1 MWp. Foi inaugurado em 27/11/2012 e está localizado na Subestação Tanquinho, da própria CPFL, no município de Campinas/SP. A área foi escolhida em virtude da proximidade dos alimentadores, não havendo necessidade de construção de linhas de transmissão e, portanto reduzindo perdas. Além disso, o terreno é plano e sem cobertura vegetal. A planta destinada a estudos de P&D mercadológico (comercialização, desempenho, O&M, impostos e tarifas) é dividia em duas partes abrangendo as tecnologias de silício policristalino e silício amorfo microcristalino. Há também uma área com mais cinco tecnologias de 15 kWp cada para testes e monitoramento apurado possibilitando avaliar impactos técnicos e comerciais decorrentes penetração da micro e mini geração e transformá-los em oportunidades.


Brazilian Journal of Solar Energy Resultados O projeto está em andamento, mas já gerou vários resultados e lições aprendidas. Dentre eles pode-se citar: capacitação e formação de recursos; requisitos básicos para confecção e avaliação de projetos; impactos na rede e formas de mitigação e controle; operação e manutenção de plantas e; necessidade de aproximação e definição de agendas colaborativas entre agentes.

de informação é um dos gargalos ao avanço dessa tecnologia. Há grande espaço e necessidade de formação de recursos para atuar na área. Assim como em outros países há espaço para avanço e melhoria em metodologias de previsão de radiação solar adequadas à nossa realidade. Também há muito espaço para se avançar em termos de regulação e incentivos como leilões e redução de impostos.

ca. Texto de Discussão n. 50. Rio de Janeiro: Gesel/IE/UFRJ, 2012 a.

EPIA, EUROPEAN PHOTOVOLTAIC INDUSTRY ASSOCIATION. Global Market Outlook for Photovoltaic - 2013-2017. Bruxelas, 2013. IEA, International Energy Agency. World Energy Outlook 2012. IEA. Paris, 2012a.

IEA, International Energy Agency. Key World Por último, a realização de chamadas de Energy Statistics 2012. IEA. Paris, 2012b. projetos estratégicos ANEEL e outras de GoOs resultados e experiência obtida nos verno são necessárias para avançar na am- LOPES, Davi Gabriel. Análise de Sistemas apontam a necessidade de realizar traba- pliação do uso da fonte solar. Fotovoltaicos Conectados à Rede no Âmbilhos e definir agenda conjunta com proposto do Mecanismo de Desenvolvimento LimReferências Bibliográficas tas bem embasadas para que seja levada aos po: Estudo de Caso dos Projetos da Chamaagentes reguladores do setor. CASTRO, Nivalde José; BARA NETO, Pedro, da Estratégica N°13 da ANEEL. 216p. Tese Também há necessidade e espaço para Brandão, Roberto; Dantas, Guilherme de A. (Doutorado) – Faculdade de Engenharia divulgação de informações sobre energia Expansão do Sistema Elétrico Brasileiro e o Mecânica, Universidade Estadual de Campisolar para o público em geral, pois a falta Potencial Hidroelétrico da Região Amazôni- nas, Campinas SP. Comentários e conclusões

Photovoltaic solar energy: experience P&D

Abstract This article aim is to contribute with the discussion for the progress in the use of photovoltaic solar energy in Brazil. In 2011, the National Agency of Electric Energy (ANEEL) published a specific announcement for the development of photovoltaic solar energy connected to the Net in Brasil, known as Chamada n°13/2011. Among the approved projects, is the Usina Solar Fotovoltaica Tanquinho(USFV) from CPFL Energia, that was the first, among the approved projects, to be installed and connected to the net, with 1,1MWp of power. This article has a general view from this project performed by the companies from CPFL group, which is in progress and, at the end, concludes that they contribute for the progress in the knowledge, resources shaping, create learned lessons and can cooperate for the development of producing chain in the country. Introduction In the latest years we can see important investments in alternative and renewable sources about electric energy production in the whole world, mainly in Europe, in the USA and China. These investments are motivated by the need of making the expansion of offer compatible with the view to attend an amount of energy which will increase to very high rates, drove by the growth countries which still have low levels of energy consumption apiece³,and the absolute search for the decrease of gasses emission in the greenhouse effect. In Brazil, there is a great hydroelectricity feature in the offer of energy (EPE,2012a), this way we may think there is no need of increasing the participation from renewable resources in the parent companies to reduce the carbon intensity. However, although there still is a great remaining hydroelectric potential and its exploration is a priority, the changing of Brazilian electric sources is a relevant strategy, mainly because of the need of decreasing the reduction impacts of regulating the hydroelectric offer along the year (CASTRO et al.,2012a). So, the solar energy and other renewable ones like windpower and bio-fuels shall be important in this changing process from the Brazilian electric sources. In 2011, the National Agency of Electric Energy (ANEEL) published an announcement to encourage the use of photovoltaic solar energy in all the national territory. By the headline “Strategic Project: Technical and

Commercial Deals for the Insertion of Photovoltaic Solar Production in the Brazilian Main Energetic Sources”, and known as Chamada nº13, the intention has the following main goals (ANEEL,2011): (i) making it easier to insert the photovoltaic solar production to the Brazilian energetic sources; (ii) cooperating to the development and make it economically possible to produce, install and monitor the photovoltaic solar production injecting electric energy in the distribution and/ or transmission systems, and; (iii)encouraging the decrease of costs of photovoltaic solar production aiming to promote its competition against other energy sources. The Chamada n°13 fixed the plants power between 0,5MWp and 3,0MWp and required the analysis of the impacts from the interface between the system and the national net and the cost of living issues. That reflects the need of studying the technical, social, economical and environmental impacts of electric energy production came from Photovoltaic Systems Connected to the Net (SFCR) in the National Interface System (SIN) so that they will be part of the several Brazilian energetic options in the renewable energy issues. Photovoltaic Solar Station of Tanquinho case – CPFL Energy The CPFL Energy Project has an installed power of 1,1MWp. It was inaugurated in November 27th, 2012 and it’s placed at Subestação Tanquinho, CPFL’s own place, in Campinas/SP. The area was chosen because it’s nearby the feeding, and so there is no need to build transmission lines, what reduces losses. The plant destined to the studies of market P&D (sales, performance, O&M, rates and taxes) is divided in two parts covering the technologies of polycrystalline silicon and non-shape polycrystalline silicon. There also is an area with more five technologies of 15kWp each, for tests and exhaustive monitoring, making it possible to evaluate technical and commercial impacts provided by insertion of micro and mini production and convert them to opportunities. Results This Project is still in progress but has already given many results and learned lessons. Among them we can tell: resources capacitance and shaping; basic requirements for project production and evaluation; net impacts and manners of decreasing and control; plants operation and support and; need of approaching and definition of cooperating schedule among agents.

19


JBES - Jornal Brasileiro de Energia Solar

20


Brazilian Journal of Solar Energy

21


JBES - Jornal Brasileiro de Energia Solar

Parque modelo de geração de energia alternativa da Universidade Estadual do Norte Fluminense

Valdo da Silva Marques

Introdução

corrente contínua é armazenada nas baterias através dos controladores de carga. A energia eólica produzida em corrente alternada é inicialmente convertida em corrente contínua e, passando pelos controladores de carga é armazenada também nas mesmas baterias. A partir daí a corrente contínua passa através dos inversores e é convertida em corrente alternada (110 ou 220 Volts) para ser distribuída na casa demonstrativa. O sistema de iluminação pública é alimentado de duas formas: Há postes autônomos funcionando com painéis fotovoltaicos e postes que são alimentados pela energia gerada da forma descrita anteriormente.

A recente tendência de aumento dos preços de energia em decorrência da variabilidade climática afetando a produção de energia hidrelétrica, e dos conflitos mundiais nas áreas produtoras de petróleo, agravada pelos conflitos mundiais nas áreas produtoras e o clamor pelos impactos ambientais tem levado os políticos, os pesquisadores e os próprios empresários da área de energia a incrementarem as novas fontes alternativas que possam influenciar as mudanças na matriz energética mundial. As fontes mais estimulantes para produzir energia alternativa são: a solar, a eólica, a biomassa, as ondas e correntes O Sistema de armazenamento, controle e distribuição de eneroceânicas, as células de combustível, as pequenas centrais hidrelétricas, a geotérmica e a nuclear. Sabe-se que a exploração racional de gia é formado por um conjunto de 12 baterias de 1.500 Ampères cada todas essas fontes ainda não é exequivel para substituir plenamente a uma, um conjunto de controladores de carga, inversores e painéis de distribuição abrigados num pequeno dependência do petróleo. prédio de 30m2, separado da casa O Brasil apresenta um enorme ecológica. Esta unidade é equipada potencial para o desenvolvimento de também com microcomputadores, todas as fontes renováveis, e a região mobiliários e demais instrumentos norte fluminense que vive a euforia necessários à armazenagem, controle do ciclo do petróleo deve se preparar e distribuição da energia a ser gerada para o inexorável declínio dessa fonte no Parque, além de permitir os moniextraordinária de energia. Como uma toramentos energético, eólico e solar. forma de contribuir para o incremen O Sistema de monitoramento to das energias renováveis a Universienergético é formado por um conjundade Estadual do Norte Fluminense to de dispositivos, incluido unidade desenvolve pesquisas em energias conversora e unidade gerenciadora renováveis, onde um dos primeiros remota, com medidores de energia projetos nesta direção foi o “Parque e transdutores de corrente, além de modelo de geração de energias altersensores de temperatura. Um sofnativas da UENF”. tware gerenciador controla e integra O parque de energia alternativa da todos os dados medidos. O monitoraUENF mento do vento e da radiação solar é feito por meio de uma torre de 50 meÉ um projeto energético que se- Fig. 1 – O parque de energias alternativas da Universidade Estadual do Norte tros de altura equipada com sensores gue os preceitos de empreendimen- Flumiense. de vento e de radiação solar, além de tos ambientalmente corretos, tendo como princípio o uso de fontes limpas de geração de energia elétrica, painéis fotovoltaicos e baterias que permite a autonomia de energia, aliada à preocupação com a eficiência energética; o uso de processos visando aomonitoramento contínuo dessas variáveis. construtivos ambientalmente corretos; e o uso de materiais de cons O sistema consumidor de energia é representado por uma casa trução alternativos. O parque está instalado numa área de 2.500m2 no demonstrativa de cerca de 130m2, um laboratório de cerca de 30m2 campus universitário, em Campos dos Goytacazes, onde a infraestru- além da iluminação pública do parque. É preciso mencionar que em tura montada teve como meta a obtenção de autonomia em energia, função da demanda de energia e da produção efetiva não se conseguiu água e tratamento de efluentes. a autonomia completa, pois a refrigeração e o abastecimento de água para irrigação, por enquanto, exigem o uso de energia convencional. O O conjunto do parque é formado pelos seguintes sistemas: projeto arquitetônico incluiu a preocupação com a redução do consu• Sistema gerador mo de energia elétrica, com o conforto ambiental (térmico e acústico), • Sistema de armazenamento, controle e distribuição de com o uso de materiais de construção não convencionais, aliadas às preocupações com o tratamento natural de esgoto, e ao uso de água energia captada no próprio domínio. A casa é composta de mini-auditório, se• Sistema de monitoramento cretaria, sala de monitoramento, cozinha, banheiro e varanda. • Sistema consumidor de energia Complementos • Sistemas complementares O parque de energia alternativa da UENF é complementado com O sistema gerador do parque utiliza como fontes a energia solar os seguintes dispositivos: e a eólica de pequeno porte, composto por de cinco aerogeradores com capacidade total de 5 kW e 24 painéis fotovoltaicos com capaci• Sistema independente de abastecimento de água dade para gerar 3,6 kW. Um sexto aerogerador de um 1kW foi insta• Sistema de aquecimento de água lado para finalidade específica de bombeamento de água do subsolo. • Sistema próprio de irrigação Portanto, trata-se de um sistema híbrido, onde há um esquema que permite realizar as seguintes operações: a energia solar produzida em • Sistema autônomo de tratamento de efluentes

22


Brazilian Journal of Solar Energy A água consumida no parque provém de uma unidade de captação e tratamento de água subterrânea e de um esquema de captação das águas pluviais. A água é retirada dosubsolo por um poço tubular de 11 metros de profundidade, usando-se uma bomba desucção acionada pela energia produzida por um aerogerador de 1kW. A água da chuva é captada por um sistema instalado ao redor da casa. Toda a água retirada do poço ou captada da chuva é armazenada em cisternas e tratadas antes de serem bombeadas para a caixa situada no topo da casa.

O sistema de aquecimento é composto de: 06 painéis foto térmicos; um boiler de 400 litros; tubos, conexões e acessórios. Este sistema permite o aquecimento de água para o banheiro e para usos diversos na cozinha. O tratamento de efluentes (esgoto sanitário e água usada) é feito por um sistema Biofossa séptica - 1750 litros; biofiltro (anaeróbico) 1750 litros; caixa clorada – 70 litros; caixa de gradeamento - 20 litros; Caixa de gordura – 40 litros; O produto final é um líquido de boa qualidade sanitária e que é injetado no próprio parque em tubos subterrâneos perfurados, sem nenhum prejuízo para o solo e a vegetação local.

O sistema de irrigação é formado por um conjunto de tubulações interligadas a diversos aspersores retráteis que são acionados pela pressão da própria bomba de sucção localizada na casa de bombas. Este sistema garante a irrigação de cerca de 80% da área granada do parque, sendo que o restante é irrigado manualmente com mangueiras apropriadas. Conclusão

O parque construído para demonstrar que é possível edificar um espaço com autonomia de energia, água e tratamento de efluentes é hoje um espaço que está sendo usado como ponto de convergência dos interessados em energias renováveis e está sendo útil para o desenvolvimento da consciência ambiental da sociedade do norte fluminense.

Exemplar park for alternative energy production from Universidade Estadual do Norte Fluminense Introduction The current trend for the energy price increase happening because of the weather changing is affecting the hydroelectric energy production, aggravated by the world conflicts in the petrol producer area and the crying for the environmental impacts, has made politicians, researchers and the energy area businessmen think about new alternative sources which can influence on the world energetic sources changing. The most exciting sources to produce alternative energy are: solar, windpower, biomass, the waves and ocean stream, the fuel cells, the small hydroelectric centers, geothermal and nuclear ones. It is known that the reasonable exploration of all of these sources isn’t enough to replace the petrol dependent use yet. The alternative energy park from UENF It’s an energetic project that follows the rule of correct environmental enterprising, and has as a rule the use of clean sources for electric energy production, along with the energetic efficiency worries; the use of building process which are correct to the environment; and the use of alternative building materials. Generator system: storage system, energy control and distribution. Monitoring system/ Energy consumer system/ Complementary systems/ Complements The alternative energy park from UENF is complemented with the following devices: independent water supply system/ water heating system/own system for irrigation/ independent systems for effluent treatment. The water consumed in the park comes from an area of underground water catchment and treatment and from a pluvial water catchment structure. The water is taken from the underground by a tubular well with 11 meters deep, using a suction bomb switched on by the produced energy came from an aero generator of 1KW. Conclusion This park was built to show that is possible to build a place with independent energy, water and effluent treatment. At the moment the place has been used like a convergence point from the people interested in renewable energy.

23


JBES - Jornal Brasileiro de Energia Solar O interesse dos EUA pela Energia Solar A indústria solar está cada vez mais próxima dos Estados Unidos. Há uma década praticamente não se ouvia falar em energia solar no país e apesar da construção de uma usina de energia solar no deserto de Mojave em 1984 até o ano de 2008 não havia nenhum sinal de atividade solar, porém com a baixa nos custos para a implantação da energia solar atualmente, o país têm mostrado mais interesse sobre o assunto. Hoje em dia as usinas de energia solar estão competindo diretamente com os combustíveis fósseis o que impulsiona os empresários a produzir sua própria energia a partir do sol. Com a baixa nos custos para a instalação do sistema, várias regiões do país têm adotado essa nova energia, principalmente as regiões mais ensolaradas e as que possuem um alto custo de energia. O preço baixo está atraindo também grandes empresas, como por exemplo, a SunPower, a qual está construindo uma usina solar no Chile sem qualquer subsídio e vendendo seu poder no mercado de energia elétrica competitivo. A empresa SolarCity está investindo em instalações residenciais, onde as mesmas são alugadas e seus clientes acabam pagando bem menos que outras energias, gerando assim um bom lucro no processo. De acordo com o GTM Research, a energia solar está crescendo tanto, que já faz parte de 74% da nova geração de eletricidade dos EUA só no primeiro trimestre desse ano, as instalações cresceram de 41% em 2013 para 79% em 2014. Segundo a Administração de Informação de Energia, concessionária responsável pela energia solar do país, o crescimento é tão grande que logo chegará à marca de 2.000MW- horas, o suficiente para abastecer mais de 67 mil casas. Apesar de ainda ser uma pequena parte da energia produzida no país e competir com o uso do carvão e gás natural, a energia solar tende a crescer ainda mais, principalmente pelos baixos custos que vêm apresentando. Com o interesse de grandes empresas nela, é possível que os EUA e países em todo o mundo busquem cada vez por uma energia mais limpa e sustentável.

The USA interest by the solar energy The solar industry is each time closer to the United States. We hardly heard about the solar energy in the country ten years ago and despite of the solar power plant building in the Mojave desert in 1984, until 2008 there was no sign of solar activity, but with the lower costs for the introduction of solar energy currently, the country has shown more interest in the subject. Nowadays solar power plants are competing directly with fossil fuels, what drives business people to produce their own energy from the Sun. According to the GTM Research, the solar energy is growing so much, that is already part of 74% of the new USA generation of electricity only in the first third of this year, the installment grew from 41% in 2013 to 79% in 2014. According to the Energy Information Administration, solar energy responsible concessionaire in the country, the growth is so large that soon will achieve the average of 2,000 MW-hours, enough to supply more than 67 thousand homes.

24

INTERNACIONAL

Carolina do Sul dá passo importante em relação à energia Solar O estado da Carolina do Sul, localizado na região sudoeste dos Estados Unidos, vem apresentando novas expectativas em relação à Energia Solar. Um evento realizado em Colúmbia, capital do estado, mostrou que ambientalistas estão estudando novos métodos de implantar cada vez mais as energias alternativas no país, o que é um grande avanço, uma vez que a Carolina do Sul é considerada um dos estados menos amigáveis em relação à energia solar. Durante o evento, ao lado de painéis solares, a governadora Nikki Haley elogiou os esforços do estado em fazer do poder do sol uma energia sustentável e mais barata para as empresas e serviços públicos. Haley também assinou um novo projeto que visa afrouxar restrições à energia solar. "O que tivemos foram barreiras - barreiras que estavam em nosso caminho quando se trata de energia solar" comenta Haley. Conhecido como um estado resistente para energias alternativas, às mudanças ocorridas em relação à energia solar mudou opiniões de formuladores políticos na Carolina do Sul. South Carolina takes important step in relation to Solar Energy The State of South Carolina, located in the southwestern region of the United States, has shown new expectations regarding to the solar energy. An event held in Columbia, the State capital, showed that conservationists are studying new methods of implanting more and more alternative energy in the country, which is a great advance, once South Carolina is considered one of the least friendly States in relation to solar energy. During the event, alongside solar panels, the Governor Nikki Haley praised the State efforts in making the sun power a sustainable and cheaper energy for businesses and public services. Haley also signed a new project which aims to relax restrictions to solar energy. "What we had were barriers-barriers that were in our way when it’s about solar energy" says Haley. Known as a resistant state for alternative energies, the changes in relation to solar energy changed politicians’ opinions in South Carolina.


Brazilian Journal of Solar Energy

INTERNACIONAL

Artistas Dinamarqueses criam projeto para captar energia solar no país Uma iniciativa criativa e sustentável criada pelos artistas e designers britânicos Hareth Pochee, Adam Khan, Louis Leger e Patrick Fryer, da Dinamarca, vêm trazendo expectativas em relação à energia solar no país. Com o objetivo de conscientizar a população sobre a preservação do meio ambiente, os artistas idealizaram uma escultura em formato de pato, a qual tem a missão de captar a energia solar e transformá-la em eletricidade. A ideia do monumento surgiu de um esboço criado pelos artistas para uma competição promovida pela Land Art Generator Initiative, instituição que tem como meta integrar a arte com o design sustentável em busca de soluções de energias renováveis. Com a escultura, Copenhague, capital da Dinamarca, pretende neutralizar a emissão de carbono até 2025 na cidade. O “Energy Duck”, como foi chamado, teria uma altura de 12 andares, seria colocado como atração turística no porto de Copenhague e construído com aços leves e coberto com placas solares, colocadas na parte superior do pato. A ideia também conta com uma estrutura interna na escultura, a qual seria possível visitá-la e observar a paisagem do lado de fora. Durante o dia sua iluminação seria por conta da luz solar e a noite por lâmpadas LED

que mudariam de cor. Para transformar a energia solar em eletricidade, o “Energy Duck” funcionaria da seguinte forma: a energia que seria captada pelas placas solares durante o dia seria armazenada na “barriga” do pato, a qual seria favorecida pela ação flutuante. Quando a energia fosse distribuída, a base do pato seria inundada, gerando eletricidade capaz de ser transmitida por uma rede elétrica nacional. O protótipo criado pelos artistas mostra que o rendimento energético da escultura seria de 75%, o que equivale a uma fazenda solar instalada no mesmo local. Ainda de acordo com ele, quanto maior for à estrutura do pato, maior será sua capacidade de abastecer, seja uma cidade, uma aldeia ou até mesmo uma residência individual. Danish artists create project to catch solar energy in the country A creative and sustainable initiative created by British artists and designers Hareth Pochee, Adam Khan, Louis Leger and Patrick Fryer, from Denmark, are bringing expectations in regard to solar energy in the country. Aiming to educate the population about environmental preservation, the artists made a duck-shaped sculpture, which has the mission to catch solar energy and change it into electricity. To change solar energy into electricity, the Energy "Duck" would work this way: the energy that would be caught by the solar panels during the day would be stored in the "belly" of the duck, which would be favored by the floating action. When the energy was distributed, the base of the duck would be flooded, producing electricity able to be transmitted by a national power grid. The prototype created by the artists shows that the sculpture energy efficiency would be 75%, which equates to a solar farm installed in the same place.

China investe em placas solares para combater poluição Preocupados com os desastres ambientais, muitos países estão buscando novos meios de combater os males que atingem o meio ambiente. Entre eles está a China, a qual tem encontrado na energia Solar, um meio de combater a pesada poluição do país. Investindo em placas solares, os chineses construíram a maior fábrica de placas fotovoltaicas do mundo. Situada em Baoding, cidade a 158 km de Pequim, o complexo tecnológico e industrial é formado por cinco fábricas e mais de 29 mil funcionários e no ultimo ano arrecadou aproximadamente 2,2 bilhões de dólares. Em 2013 40% das placas solares chinesas vendidas foram para o próprio país. Com a queda nos preços da energia e os custos se tornando cada vez mais baixos, o número de exportação para outros países também cresceu. Com a grande demanda, a China bateu o recorde mundial de instalação, totalizando 12 gigawatts de capacidade instalada. Um dos exemplos de exportação é o Brasil, o qual utilizou mais de 5000 placas nos estádios que sediaram a Copa do Mundo para deixar de emitir por ano mais de 1000 toneladas de gases poluentes, o equivalente a 49 mil árvores plantadas. Apesar da grande quantidade de placas solares produzidas, a energia Solar corresponde a 9% apenas da energia produzida na China. A maior fonte de energia ainda continua sendo o Carvão Mineral que corresponde a 80% da matriz energética, consequentemente sendo o mais poluente. Para lutar contra poluição, o governo chinês tem procurado estimular a construção de termoelétricas de última geração, as quais além de produzir

energia suficiente, também queima menos carvão, emite menos poeira e outros gases poluentes. Segundo Mister Fong, diretor geral e responsável pelo projeto, à China procura ter as tecnologias mais modernas para gerar eletricidade e também contribuir com a proteção ambiental. China invests in solar panels to combat pollution Concerned about the environmental disasters, many countries are seeking new ways to combat the ills that affect the environment. Among them is China, which has found in solar energy, a way to fight against the heavy pollution in the country. Investing in solar panels, the Chinese built the largest photovoltaic plates in the world. Located in Baoding, a city 158 km from Beijing, the technological and industrial complex is formed by five factories and more than 29 thousand employees and last year earned about 2.2 billion dollars. In 2013 40% of Chinese solar panels were sold to the country itself. With the decrease in energy prices and costs becoming lower, the number of exports to other countries also grew. With the great demand, China was the first in the world in installation, achieving 12 gigawatts of installed capacity. One examples of export is Brazil, which used more than 5000 panels in stadiums that hosted the World Cup to stop sending more than 1000 tons of polluting gases a year, the equivalent of 49 thousand trees planted. According to Mr. Fong, Chief Executive Officer and responsible for the project, China seeks to have the most modern technologies to generate electricity and also contribute to environmental protection.

25


JBES - Jornal Brasileiro de Energia Solar

ARTIGO JBES

A importância do uso da Energia Solar pelo consumidor brasileiro de energia elétrica

Ruberval Baldini

Presidente – ABEAMA – Associação Brasileira de Energia Alternativa e Meio Ambiente e Diretor Executivo – BR SOLAR

O BRASIL com um alto índice de Insolação Anual, 1500 a 2400 kWh/m2, comparado com a Alemanha 900 a 1220 kWh/m2, ainda não aproveita esta vantagem geográfica natural como poderia principalmente se considerar pelo ponto de vista do consumidor de energia elétrica. A Alemanha líder atual no uso da energia solar fotovoltaica registra 18 000 Mw de sistemas fotovoltaicos instalados ate 2012 enquanto o Brasil registra em torno de 20 Mw, com consumo anual de energia elétrica em 2008 na ordem de 544.000 Mw, apenas um percentual de 12% foi oriundo da geração solar, comparado com o Brasil que no mesmo período um consumo anula na ordem de 420.000 Mw, a produção de energia elétrica pela fonte solar ainda é insignificante. Precisamos acelerar o desenvolvimento de mecanismos de apoio e incentivo ao uso da energia solar na geração de energia e no aquecimento de fluidos, para reverter esse quadro, afim de que o usuário brasileiro de energia elétrica possa se beneficiar da geração distribuída por fonte solar acoplado ao uso da energia solar térmica para aquecimento de água tornando seu consumo de energia mais eficiente e econômico em sua residência ou negócio. O setor industrial brasileiro está pagando uma alta carga de impostos ainda maior com o aumento médio de 25% na conta de energia busca soluções práticas como a geração distribuída gerada nos telhados das fábricas que a Resolução 482 da ANEEL autoriza desde 2012. Projeto bem elaborado com implantação de sistemas fotovoltaicos pode permitir uma economia de mais de 60% do consumo da energia elétrica em unidades industriais, supermercados, hotéis, shoppings, condomínios e tantos outros.

Tipos de sistemas instalados.

26

A realidade da energia solar nas indús- Investimento X Retorno trias brasileiras e no mundo Empresas integradoras de sistemas como a BR SOLAR têm instalado sistemas A energia solar térmica para aquecitérmicos desde 1985 para indústrias com mento de água é uma realidade no Brasil há capacidades de 3000 a 30000 litros de água mais de 20 anos e vem crescendo gradativaquente a um custo médio de R$15.000 a mente. A indústria ainda tem sido conservadora para o uso mais amplo dos sistemas R$150.000,00 com um retorno médio obtitérmicos, principalmente pela falta de infor- do em 2 a 6 anos dependendo do uso diário. mação e por usar processos convencionais Já os sistemas fotovoltaicos com capacidade reaproveitamento de calor gerado em des de 1 a 50 KW ficam entre R$ 12.000,00 alguns processos industriais. Uma ampla a R$600.000,00 com retorno em torno de 6 campanha do governo federal poderia ser a 12 anos. implantada com incentivos fiscais, financiamentos e premiação pelos resultados para acelerar a cadeia produtiva brasileira tanto no setor térmico que já esta implantada como no setor fotovoltaico que há anos vem tentando se firmar no país. Milhares de sistemas solar térmicos têm sido instalados para aquecimento de água em empresas de pequeno e médio porte nos últimos 25 anos atingindo menos de 15% da demanda estimada segundo indicadores do setor. Nos sistemas fotovoltaicos algumas centenas de sistemas foram instalados e gradualmente vem crescendo o numero de instalações que representa menos que 1% de toda a demanda estimada em analise recentes para 470.000.000 de lares, o que demonstra um grande desafio para as empresas do setor, para o governo e para os usuários de energia elétrica nos próximos anos. Se compararmos o crescimento da tecnologia fotovoltaica em países como Espanha, Itália, Alemanha, USA, Japão, Índia, México, Chile vemos que o Brasil precisa urgentemente entrar nessa onda de desenvolvimento e incentivar a inclusão destes sistemas na geração de eletricidade de forma distribuída ou centralizada ampliando a Matriz Elétrica Brasileira imediatamente.

Sistema térmico instalado no Brasil.

Postes solares instalados no Brasil.

O governo pode incentivar este mercado com uma política gradual de incentivo fiscal, oferta de crédito direto às empresas e usuários e apoio a cadeia produtiva auxiliando o desenvolvimento da indústria nacional que há três décadas vem lutando por lugar nesse mercado. O custo da energia ao usuário final em varias cidades brasileiras tem atingido a paridade com o custo dos sistemas fotovoltaicos o que já define uma possibilidade de aplicação imediata desde que o investimento inicial possa ser feito sem a necessidade de financiamento. Tempo de retorno do investimento Cada sistema de geração distribuída instalado tem uma característica própria para o cálculo do retorno do investimento que pode variar entre 2 a 12 anos nos sistemas térmicos e fotovoltaicos. Este cálculo passa pela avaliação do custo direto de implantação, pela análise da tarifa de energia contratada pelo usuário junto à concessionária, pela dinâmica de consumo diário, pela quantidade de energia solar disponível no local, pela combinação de sistema térmico e fotovoltaico implantado em conjunto no mesmo empreendimento e pelo tipo de consumidor. Considerando todas estas variantes e com base na Resolução 482 que permite a permuta da energia excedente gerada pelo usuário como crédito da concessionária na conta mensal, ainda temos que avaliar a incidência do ICMS que é considerada sem base legal em estudos recentes, cobrada nos Estados, e que dificulta a adesão dos


Brazilian Journal of Solar Energy

ARTIGO JBES empresários que decidem implantar esses sistemas em seus negócios. Assim teremos uma taxa de retorno que pode ser mais rápida em regiões onde a tarifa de energia é mais cara e índice de insolação alto, como no Mato Grosso, no Ceará e outras e mais lenta em outras regiões com tarifas menores e menor índice de insolação.

clusão da Energia Solar na Matriz Energética Brasileira, incentivando e divulgando casos de sucesso através de seminários e cursos realizados periodicamente em várias cidades brasileiras conscientizando um público cada vez maior de potenciais usuários da energia solar como fonte barata, limpa e sustentável para a geração de eletricidade e Com exceção de Minas Gerais que aquecimento de água. isentou a cobrança do ICMS na parcela da Recentemente uma dessas iniciativas se eletricidade excedente gerada cada empre- fez com a o evento Mesa Redonda ABEAMA endimento que é entregue à concessionária, que debateu os aspectos do atual estágio a cobrança deste tributo pouco significa ao da energia sola fotovoltaica no Brasil. Este Estado e esse tipo de incentivo aliado a ou- evento ocorreu durante o congresso Ecoetros, como o uso de parte do IR, muito auxi- nergy / Enersolar em São Paulo realizada liaria no desenvolvimento das empresas do em Julho passado, onde representantes das setor. Nesse momento que se vislumbra um associações, ABEEOLICA, ABEAMA, ABENG, crescimento da demanda destes sistemas junto com o público presente formularam a no mercado uma demonstração de interes- necessidade de se criar uma agenda comum se dos Governos seria muito bem vinda por para se tratar as questões institucionais e de todos os empreendedores e usuários e pelo incentivo, tais como: Taxação tributaria nos Governo que evitaria o custo dos empreen- sistemas de micro e minigeração distribudimentos para novas usinas geradoras de ída solar/eólica, Capacitação profissional, eletricidade. incentivos e proposição aos agentes goverComo forma de ações participativas do namentais, financiamento aos potenciais setor, a ABEAMA tem apoiado as iniciativas usuários consumidores, cadeia produtiva do Governo Federal e nos Estados para a in- nacional, proposta de ações, divulgação e

Mesa Redonda - Ecoenergy

incentivos do uso de sistemas solar e eólico ao publico consumidor.

Para o encaminhamento destas questões será realizada uma reunião aberta, onde se discutirá a proposição de um documento a ser encaminhada às autoridades do setor de energia renovável, visando melhor definir a política de apoio à cadeia produtiva da energia solar no Brasil, onde esperamos a participação de empresários interessados no crescimento desta atividade no cenário brasileiro aumentando a participação das energias renováveis para o consumidor de energia.

The importance of Solar Energy use by the Brazilian consumer of electric energy

A Brazil with a high number of insolation a year, 1500 to 2400 kWh/ m2, compared to German 900 to 1220kWh/m2, does not use the natural geographic advantage as it could, mainly if we consider the point of view of the electric energy consumer. German, the current leader in the use of photovoltaic solar energy, registers 18000Mw of photovoltaic systems installed until 2012, while Brazil registers more or less 20Mw, with an annual consumption of electric energy in 2008 of 544000Mw, just 12% came from solar production, comparing to Brazil, that in the same annual period consumed something about 420000Mw, the solar energy production by the solar source is still insignificant. The Brazilian industries are paying high taxes which are even higher with the average increasing of 25% in the energy bills, and search for practical solutions like the distributed production, produced at the factories rooves, which one the Resolução 482 from ANEEL allows since 2012. It is a well done project with photovoltaic systems introduced and can provide more than 60% of economy in the electric energy consumption in industries, supermarkets, hotels, malls, housing states and others. The reality of solar energy in the Brazilian industries and the entire world The thermal solar energy for heating water is a reality in Brazil for more than 20 years and it’s growing more and more. The industries have still been conservative for the greatest use of thermal processes of reutilizing heat produced in some industrial processes. A wide government campaign could be set with tax incentive, funding and rewards for the results to accelerate the Brazilian production chain either in the thermal sector which is already set or in the photovoltaic sector that has tried to be fixed in the country for years. Thousands of thermal solar systems have been installed for water heating in small and medium enterprises in the last 25 years, reaching less than 15% of average according to the sector data.

Investments X Return Enterprises belonging to systems like BR SOLAR have installed thermal systems since 1985 for industries with a capacity of 3000 to 30000 liters of warm water, costing from R$15.000,00 to R$150.000,00, having their return in 2 to 6 years depending on the daily use. But the photovoltaic systems with a capacity of 1 to 50 KW cost between R$12.00000 and R$600.000,00 and the return comes about 6 to 12 years after. Investments time of return Each distributed production system installed has its own feature to calculate the investment return which can vary from 2 to 12 years in the thermal and photovoltaic systems. This account passes by the evaluation of the implantation real costs, by the analysis of the energy rates hired by the consumer payed to the energy dealer, by the daily consumption dynamics, by the solar energy amount available in the area, by the combination of thermal and photovoltaic systems set in the same enterprise e the kind of the client who requires it. The reunion Mesa Redonda ABEAMA has argued about the features of the photovoltaic solar energy current stage in Brazil recently. This reunion took place during the Ecoenergy/Enersolar conference in São Paulo, last July, when society representatives, ABEEOLICA, ABEAMA, ABENG, along with the spectators, observed the need of creating a common agenda for institutional and encouragement questions, as: taxes for the solar/windpower system with micro and mini-production distributed, professional capacitance, encouragement and suggestions for the government agents, financing to the likely consumers or users, national production chain, purpose for actions, publicity and incentives for the consumer public about using the solar and windpower systems. For the questions forwarding, an open reunion will take place, and the suggestion of a paper shall be argued, and it’ll be given to the renewable energy sector authorities, intending to determine a support policy to the solar energy production chain in Brazil, and we hope for the businessmen participation who are interested in this subject development in the Brazilian territory, increasing the renewable energy participation for the energy user.

27


JBES - Jornal Brasileiro de Energia Solar

NOTAS

Leilão em outubro deve alavancar setor de Energia Solar Brasileiro Uma realidade em muitos países como Alemanha, Japão entre outros, a Energia Solar deve dar um passo importante no mercado brasileiro em outubro, quando teremos o próximo leilão de energia de reserva. Existe a expectativa que possam ser leiloados entre 500 MW e 1 GW de energia solar. Algo inédito em nosso país. No ano passado o governo brasileiro permitiu a entrada de projetos e empreendimentos solares em dois leilões, porém não houve sucesso nas vendas, por falta de competitividade. Para o leilão de outubro o desfecho deve ser outro, já que o governo não vai permitir uma disputa entre fontes, aumentando assim as chances de sucesso dos projetos voltados ao setor de Energia Solar. O preço médio deve ficar em média de R$ 230/MWh e R$ 250/MWh. Este cenário indica que em 2014 seja um ano muito favorável aos projetos do setor no Brasil. Empresários do setor aguardam a confirmação do governo referente ao preço-teto, liberação de financiamento do BNDES, além das condições compatíveis com a realidade embrionária da energia solar no Brasil. Em setembro, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) ira realizar

um leilão que terá a participação de projetos de energia solar, porém sem a separação por fontes. Mais de 200 projetos solares foram cadastrados, com oferta superior a 6,3 GW. Todo este cenário que se apresenta para o próximo leilão marcado para outubro, deixa empresas e empresários muito otimistas e certos de que o futuro é promissor. Antes mesmo da divulgação do edital, é concreta a percepção dos executivos do setor de que a disputa resultará na contratação de mais de 500 MW a um preço máximo de R$ 250/MWh. Os projetos devem ter capacidade de aproximadamente 150 MW - um contraste em relação aos projetos experimentais existentes no Brasil até agora, de no máximo 1 MW. Auction in October may increase solar energy sector in Brazil A reality in many countries such as Germany, Japan and others, the Solar Energy must take an important step in the Brazilian market in October, when we will have the next auction of storage energy. There is the expectation that between 500MW and 1GW of solar energy can be auctioned off . Something never seen in our country. Last year the Brazilian government allowed the entry of solar enterprising and projects in two auctions, but there was no success in sales, because there was no competitiveness. For the October auction the outcome should be different, since the Government will not allow a dispute between sources, thereby increasing the chances of success for the projects directed to the Solar Energy sector. The average price should be on average of R$ 230/MWh and r $ 250/MWh. This scene indicates that 2014 will be a very good year to this sector projects in Brazil.

Obrigatoriedade da etiqueta de eficiência energética em reformas, obras e novos prédios públicos federais

Greenpeace começa a energia solar em sua unidade da cidade de Manaus O Greenpeace instalou 48 placas fotovoltaicas na sua sede em Manaus. Esta pequena unidade terá capacidade para gerar, em média, 11,52 kWp. A expectativa de geração é de cerca de 1000kwh/mês. Conhecido pela luta pelas causas do meio ambiente o Greenpeace pretende dar o exemplo e incentivar o uso desta fonte limpa e renovável. A resolução 482 aprovada pela Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) permite que a qualquer brasileiro possa vender o excedente gerado a rede, tendo assim descontos na conta de luz. Greenpeace begins solar energy in its unit in the city of Manaus The Greenpeace installed 48 photovoltaic plates at its site in Manaus. This small unit will be able to produce, on average, 11.52 kWp. The expectation about the production is about 1000kwh/month. Known for fighting for the environment issues, Greenpeace intends to be an example and encourage the use of this clean and renewable source. The resolution 482 approved by Aneel (National Electric Energy Agency) allows any Brazilian can sell the surplus generated the network, thus having discounts on electricity bills.

28

Foi publicado no mês de junho no Diário Oficial da União (DOU), uma normativa que estende a obrigatoriedade da obtenção da Etiqueta Nacional de Conservação de Energia (Ence) para edifícios públicos federais. Conforme esta no texto IN02/2014, que foi publicado pela Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação, todas as edificações novas ou em processo de reformas deverão ser contratadas e desenvolvidas visando à obtenção da Ence classe “A”. A classificação das edificações pela etiqueta atribui valores de A a E, sendo “A” mais eficiente energeticamente e “E” menos eficiente. São avaliados os sistema de iluminação, de ar-condicionado e envoltória (paredes, cobertura e janelas). Para os edifícios em construção, é exigido que se obtenha a Ence Geral de Projeto e, posteriormente, da Ence Geral de Edificação Construída classe “A”. Já para edifícios em reforma, será obrigatória a apenas da Ence Geral de Edificação Construída classe “A”. No Brasil, 25 prédios públicos já possuem a Ence. A normativa entrará em vigor no prazo de 60 dias após a publicação no DOU. Com informações da Procel Info. Obligation to label energy efficiency in reforms, new federal public works and buildings. It was published in June in the Diário Oficial da União (DOU), a legislation that extends the obligation of obtaining the National energy

conservation Label (Ence) for federal public buildings. As it’s in the text IN02/2014, which was published by the Service of Logistics and information technology, all the new buildings or in reformation process should be contracted and developed aiming to obtain the Ence class "A". The buildings classification by the label assigns values from “A” to “E”, being “A” more energetically efficient and "E" less efficient. The lighting system, air-conditioning and covering (walls, roof and windows) are evaluated. For buildings under construction, is required to obtain the Ence General project, and later, Ence General building done class "A". For buildings under renovation, will be required only Ence General building done class "A". In Brazil, 25 public buildings have already got the Ence. The regulations will come into force within 60 days after the publishment at DOU.


NOTAS INTERNACIONAIS Avanços na geração de energia por fontes renováveis no Chile Encontram-se no Chile em construção 758 MW de Energia Solar Fotovoltaica, 100 MW e Energia Termosolar, 154 MW de Energia Eólica. O governo de Michelle Bachelettiene quer dar uma resposta aos problemas no setor que podem levar a uma crise energética. O impulso a geração de energia por fontes renováveis é um dos principais temas em que o governo Chileno dedica suas atenções. Em junho a geração de energia por fontes renováveis alcanço 475,8 GWh, o equivalente a 8,1 da geração total dos sistemas, representando um aumento de 39% de comparado ao mesmo período do ano passado. Advances in the renewable sources energy production in Chile In Chile, there are 758MW photovoltaic solar energy being built, 100MW thermal solar energy and 154MW windpower. Michelle Bachelettiene’s government wants to solve the problems in this sector, which can lead the country to an energetic crisis. The boost for energy production by renewable sources is one of the main topics that the Chilean government gives attention. In July, the energy production by renewable sources reached 475,8GWh, the same of 8.1 of the total production of the systems, meaning an increase of 39% if compared to the same period last year.

Brazilian Journal of Solar Energy Uruguai ganha Central de Energia Solar O Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), situado no Uruguai criou o projeto “La Jacinta”, o qual tem como objetivo diminuir a emissão de poluentes na atmosfera através da energia solar. O projeto busca eliminar aproximadamente 18.000 toneladas de carbono por ano e também ampliar a participação do setor privado na área de energia. As empresas uruguaias poderão contar com uma central de energia solar fotovoltaica, a qual produzirá 64,8 megawatts de potência. A central fornecerá em média 96 gigawatts anuais de eletricidade, a qual se ligará com o sistema elétrico nacional e reduzirá assim a dependência de combustíveis fósseis do país. Segundo o BID, o investimento do projeto será um empréstimo de 40,84 milhões de dólares de seu capital a ser adicionado ao Fundo Climático Canadense. Para o Setor Privado das Américas serão investidos também 25 milhões de dólares. Para Jean–Marc Aboussouan, chefe da divisão de infraestrutura do Departamento de Financiamento Corporativo do BID, o Uruguai deu um passo bastante importante na introdução de energia renovável no lugar da tradicional. “É evidente que a energia solar, como a eólica, tem um potencial de ser competitiva e viável em termos financeiros para a região” ressalta. Uruguay gets solar energy center The Latin American Banck for Development (BID), placed in Uruguay, created the “La Jacinta” Project, which aims to decrease the gasses emission to the atmosphere through the solar energy. The project searches for removing about 18.000tons of carbon a year and also increases the private sector participation in the energy area. The Uruguayan companies can count on a photovoltaic solar energy central, which will produce 64,8MW Power. This center will provide on average 96GW a year of electricity, which will be connected to the national electric system and will decrease this way the fossil fuels dependence in the country. According to BID, the projec investment will be a 40,84mi dollars loan from its capital to be added to Canadian Weather Found. For the Private Sector in the Americas will be invested 25mi dollars.

29


JBES - Jornal Brasileiro de Energia Solar

Energia Solar Pesquisa para desenvolvimento

Prof. Adalberto Vieira

Líder de Grupo (NEEAL - Núcleo de Estudo em Energia Alternativa)

O

sistema energético do Brasil é constituído por mais de 90% de toda energia produzida via usinas hidroelétricas, que dependem de água em níveis adequados em seus reservatórios para gerar energia. No entanto, observa-se uma fragilidade no sistema, visto a dependência das chuvas, e que as mesmas não são constantes ao longo do tempo. Desta forma existe uma necessidade urgente de se buscar novas fontes de energia. Frente ao problema, o estudo de novas alternativas de energia se torna fundamental, pois as fontes energéticas devem ser: possíveis, viáveis e sustentáveis econômica e ambientalmente. Dentre as diversas fontes de energia existente se destaca a energia solar como fonte primária.

As demais formas energéticas, em sua maioria têm o sol como fonte inicial. Sabe-se que a terra durante seu movimento de translação ao redor do sol, recebe 1410 W/m² de energia, medição feita numa superfície normal (em ângulo reto) com o sol, demonstrando assim a existência de uma fonte inesgotável de energia, que atende aos quesitos de sustentabilidade exigidos.

O problema agora se concentra em estudar o processo de coleta e uso da ener-

A CEMIG fez doação de 250 placas fotovoltaicas para cada instituição com capacidade de gerar energia para 10 residências. Cada instituição possui núcleos de estudo e laboratórios para pesquisa.

No Centro Universitário de Patos de Minas (UNIPAM), existe o Núcleo de Inovações Tecnológicas (NIT) e também o Núcleo de Estudo Em Energias Alternativas (NEEAL), ligado ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) do governo brasileiro. Dentre as pesquisas em desenvolvimento no NEEAL destaca-se o uso do hidrogênio em células á combustível como fonte secundária de energia para momentos não luminosos, e o uso espelhos e lentes no aumento de intensidade luminosa para gia solar incidente sobre a terra e como armazená-la para momentos onde não há produção de energia e sua viabilidade luz. Contribuindo com estudo e solução econômica. do problema, o Centro Universitário de Patos de Minas (UNIPAM), a Universidade Federal de Lavras (UFLA), Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES) e a Universidade Federal do Vale do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM), firmaram parceria com a Companhia Energética de Minas Gerais (CEMIG), para criação de centros de estudo na produção e uso da Centro Universitário de Patos de Minas (UNIPAM). energia solar.

Solar Energy - Search to Development

GBrazil presents an urgent need of new ways energy, known the fragility of the hydroelectric system and their reservoirs. Solar Energy may be considered as the most promising alternative sources, it’s the primary source of all almost of other form of energy, besides being environmental sustainably. During the translational movement of the earth around the sun, it receives 1410 W/m of energy. This requires study to capture and use this energy. Centro Universitário de Patos de Minas (UNIPAM) and three other institutions of higher education from Minas Gerais, patnered with Companhia Energética de Minas Gerais (CEMIG) to study this promising energy source.Through of Núcleo de Inovações Tecnológicas (NIT) and Núcleo de Estudo em Energia Alternativa (NEEAL) UNIPAM is developing search such as: The use of hydrogen in fuel cells as a secondary source of energy for moments not bright, and the use of mirrors and lenses to increase the light intensity for the production of solar energy and its economic viability.

30


Brazilian Journal of Solar Energy

FEIRAS & EVENTOS

Calendário de Feiras e Eventos Intersolar South America 26 a 28 de Agosto de 2014 Expocenter Norte - São Paulo \ SP www.intersolar.net.br

28th European Photovoltaic Solar Energy Conference and Exhibition (28th EU PVSEC) 22 a 26 de Setembro de 2014 Amsterdam \ Holanda www.photovoltaic-conference.com

Expo Arquitetura Sustentável 26 a 28 de Agosto de 2014 Expocenter Norte - São Paulo \ SP www.expoarquiteturasustentavel.com.br

Congresso Internacional de Bioenergia 1 a 3 de Outubro de 2014 Centro de Exposições Imigrantes - São Paulo/SP www.bioenergia.net.br

Curso de Sistemas Autônomos de Energia Solar Fotovoltaica 05 e 06 de Setembro de 2014 Rio de Janeiro – RJ www.solarize.com.br

RenoMat 4° Conferência Internacional de Materiais e Processos para Energias Renováveis 8 a 10 de Outubro de 2014 Centro de Eventos Plaza São Rafael POA/RS www.senafor.com

Congresso Powergrid 16 a 19 de setembro de 2014 Pavilhão da Expovile – Joinvile \ SC www.powergrid.com.br

Semana nacional de Energia Solar e XI Congreso Iberoamericano 8 a 10 de Outubro de 2014 Querétaro \ México www.snes38anes.org/cms

Missão de Negócios e Capacitação à WindEnergy e H2Expo 20 a 27 de Setembro de 2014 Hamburgo – Alemanha philipp@ahk.com.br - comex3.rj@ahk.com.br

Feira ExpoBiomasa 2014 21 a 23 de Outubro de 2014 Valladolid / Espanha www.expobiomasa.com

Fórum PV Power Brazil 2014 22 e 23 de Setembro de 2014 Hotel Golden Tulip Paulista - SP\ SP www.blueoceanevents.com.br

Renex South America 26 a 28 de Novembro de 2014 FIERGS - Porto Alegre/RS www.renex-southamerica.com.br

31


JBES - Jornal Brasileiro de Energia Solar

ENERGIAS RENOVÁVEIS

MESA REDONDA DA ABEAMA DISCUTE NOVOS RUMOS DO SETOR DE ENERGIA SOLAR NO BRASIL Evento aconteceu na ENERSOLAR 2014 no dia 17 de julho. Os palestrantes convidados foram: Antônio Donaldon - CPFL Energia - Carlos A. F. Evangelista – Diretor da Vistechnology – Pedro Cavalcante, representando a ABEEOLICA. Os debatedores foram: Ruberval Baldini - Presidente da ABEAMA e Tiago Fraga - Diretor do Jornal Brasileiro de Energia Solar. As palestras abordaram os mais variados temas voltados ao setor no Brasil. Um dos principais destaques dos temas abordados foi o debate sobre uma agenda única de todas as associações ligadas ao setor e um discurso mais sintonizado. Isto ajudaria muito o setor a crescer e se desenvolver de forma mais rápida e organizada. Uma das perguntas abordadas foi sobre como o setor deve se preparar para o crescimento acentuado que deve acontecer nos próximos anos. Todos os convidados foram unânimes em afirmar que muita coisa tem que ser feita para receber este buum que esta por vir. Um dos principais gargalos que devem ser resolvidos é a questão de uma mão-de-obra mais qualificada e preparada para atender as demandas que estão por vir. Segundo Antônio Donaldon da CPFL, a companhia tem investido pesado em qualificação e mão de obra para seus projetos, capacitando e treinando para atender sues projetos, pois não existe hoje mão-de-obra disponível no mercado. Esperamos também que governo possa dar uma atenção especial ao setor, com linhas especiais de financiamento, incentivos fiscais, promoção nas agências de desenvolvimento, mas principalmente começar a projetar políticas públicas que venham a fomentar e incentivar os empresários brasileiros e investidores internacionais em apostar no crescimento do setor, comentou Tiago Fraga – Diretor do Jornal Brasileiro de Energia Solar. Os debates foram intensos, com muitas perguntas dos congressistas que participaram, falando das suas opiniões e relatando suas dúvidas sobre mercado, futuro do setor de Energia Solar no Brasil. Os convidados usaram todo seu arsenal de informações e conhecimento para terem condições de responder as perguntas que foram muitas e de forma muito ampla. No final todos os convidados e debatedores fizeram suas considerações,

32

com palavras de muito otimismo e incentivo. Roundtable of ABEAMA talks about new routes to the solar energy sector in Brazil The event took place at ENERSOLAR 2014 on July 17th. The invited speakers were: Antônio Donaldon – CPFL Energy; Carlos A.F. Evangelista – Vistechnology Director; Pedro Cavalcante – representing ABEEOLICA. The people who should argue were: Ruberval Balbini – ABEAMA President and Tiago Fraga – Director of the Energy Solar Brazilian News. The lectures talked about several issues about this sector in Brazil. One of the main points which were showed was the argument about an only agenda for all the associations connected to the sector and a tuned speech. It would really help the sector to grow up and develop in a fast and organized way. One of the relevant questions asked about how the sector may get prepared for the emphasis in its growth, which must happen in the next years. All of the participants agreed that a lot of things must be done to receive this “boom” that is coming soon. One of the problems that must be solved is the qualified and prepared labor to attend all the incoming demand. According to Antônio Donaldon, from CPFL, the company has invested a lot in the labor and qualification for its projects, training the workers to attend its projects because there isn’t good available labor in the market nowadays. We also hope that the government can give a special attention to the sector, with special financing lines, fiscal incentives, promotion at the development agencies, and mainly project public policies which foment and encourage the Brazilian enterprisers and international investors to bet in the sector growth, commented Tiago Fraga – Director of Energy Solar Brazilian News. The arguing were heavy, with a lot of questions came from the participants, talking about their opinions and telling their doubts about the market, the future sector of Solar Energy in Brazil. The invited speakers used all their information arsenal and knowledge to answer the questions which were several and very vast. At the end, all the participants concluded with encouragement and optimism words.


CURSOS E TREINAMENTOS

Brazilian Journal of Solar Energy

Capacitação e qualificação da mão de obra no setor de energia solar Projetar e instalar um sistema de energia solar fotovoltaica em 02 dias é um grande desafio proposto pelo PV Hands ON. Trata-se de uma série de eventos técnicos promovidos pela Enova Solar, com o objetivo mostrar a profissionais que atuam ou que pretendem atuar no setor de energia solar, a realidade que eles irão encontrar no dia a dia. Em evento realizado no mês de julho, profissionais de diferentes regiões do Brasil, participaram do dimensionamento e da instalação de um sistema de geração de energia, vivendo na prática o desafio, de implementar esta tecnologia, de forma eficiente e competitiva. A Enova Solar tem desempenhado um importante papel quanto é formação, qualificação e preparo de profissionais que estarão desempenhando as mais variadas funções em projetos do setor nos próximos anos. Apontado por especialistas com um dos principais gargalos para o crescimento do setor nos próximos anos, a qualificação de mão de obra se faz fundamental para que o setor possa crescer, de forma eficiente e sustentável. Por este e outros motivos, o papel da Enova Solar, é de suma importância, afirmam diversos participantes dos cursos promovidos pela empresa. Abaixo alguns depoimentos de participantes do último evento realizado. "A experiência prática foi muito importante, a possibilidade de avaliar as condições reais da instalação e colocar uma usina solar para funcionar foi fundamental". Eng. João Fonseca - Salvador/BA "Descobri algumas oportunidades para melhorar os procedimentos, para tornar os nossos projetos mais viáveis economicamente". Eng. Rafael Moret - São Paulo / SP "Proporcionar a interação de diferentes agentes do setor, tendo como pano de fundo uma instalação real, traz a tona ideias e discussões que vão tornar o setor muito mais competitivo". Eng. Marcio Takata - São Paulo / SP Estes treinamentos tem um papel importante para difundir as melhores práticas na implementação da tecnologia e promover a troca de experiências com diferentes perfis profissionais. Maiores informações sobre o programa de treinamentos podem ser ob-

tidos pelo Site: www.enovasolar.com.br ou pelo email : contato@enovasolar. com.br / 11 35869466/ 11 983613977. Labour capacitance and qualification in the solar energy sector Projecting and installing a photovoltaic solar energy within 2 days is a great challenge purposed by PV Hands On. It’s a series of technical events promoted by Enova Solar, aiming to show to the professionals that act or intend to act in the sector of solar energy,a reality they will face day by day. In an event happened in July, Professional from different Brazilian parts, participated in the measurement and installment of an energy production system, living in the practical the challenge of introducing this technology in an efficient and competitive way. the Enova Solar has performed an important role about the professionals’ graduation, qualification and preparing who will be working in several functions in the sector projects in the next years. The qualification and the labor are very important for the sector growth and are indicated by the experts as one of the main points for the sector growth in the next years, in an efficient and sustainable way. Because of these and other reasons, Enova Solar’s role is very important and several participants of the courses promoted by the company confirm. There are some participants’ testmonies from the last promoted event below: “The practical experience was very important, the possibility of evaluating the real conditions and putting a solar power station to work was necessary”. Eng. João Fonseca – Salvador/ BA “I found out some oportunities to male the proceeding better, to make our projects more economically interesting”. Eng. Rafael Moret – São Paulo/ SP “Providing the interaction among several sector agents, having as a base a real installment, brings out the ideas and arguing which will make the sector much more competitive”. Eng. Marcio Takata – São Paulo/SP These trainings have an important role to discuss the best practical in the technology introduction and to promote the experience exchange with different kinds of professionals.

33


COBERTURA DE FEIRAS

Jornal Brasileiro de Energia Solar

EnerSolar+Brasil 2014: oportunidades para a oferta de alternativas de energia limpa e renovável

D

e 16 a 18 de julho de 2014 foi realizada, no Centro de Exposições Imigrantes, em São Paulo, a 3ª edição da EnerSolar + Brasil | Feira Internacional de Tecnologias para Energia Solar. Durante três dias de realização, a feira recebeu mais de 4.800 mil visitantes que conheceram as tecnologias, serviços e soluções para aplicações comerciais e residenciais dos principais players do setor. Participaram, mais de 130 marcas expositoras, nacionais e internacionais, de países como Itália, Estados Unidos, Alemanha, Espanha e China.

potências, com destaque para as estruturas flexíveis e especiais para telhas de cerâmica; geradores portáteis de energia de alto desempenho; inversores solares inteligentes (wifi); unidade solar cilíndrica; bicicleta híbrida que utiliza energia solar através de placas acopladas reclináveis, além de inúmeros projetos de instalações autônomas para áreas onde não há energia elétrica e sistemas conectados à rede para áreas urbanas.

Unidade solar cilíndrica, módulos fotovoltaicos e geradores portáteis de energia de alto desempenho foram algumas das novidades encontradas na EnerSolar 2014.

Trajano Viana (ABENS); José Renato Colaferro (BlueSol); Arthur Ribeiro, diretor da EnerSolar; Marco Antonio Mastrandonakis, diretor geral do Grupo Cipa Fiera Milano e Edoardo Pollastri (Italcam).

Na cerimônia de abertura, presentes o diretor geral do Grupo Cipa Fiera Milano, Marco Antonio Mastrandonakis; o diretor da EnerSolar, Arthur Ribeiro; o presidente da Italcam, Edoardo Pollastri; o Presidente do Conselho da ABSOLAR, Nelson Colaferro e o secretário da ABENS (Associação Brasileira de Energia Solar) e professor da Cefet-RJ, Trajano Viana, além de representantes de entidades e associações do setor. Marco Antonio Mastrandonakis enfatizou, na ocasião, que a feira tornou-se referência em eventos voltados para energias limpas e renováveis. O diretor da EnerSolar, Arthur Ribeiro, abordou o grande potencial do Brasil, em especial nos segmentos de energia solar e eólica, já que é um dos países com maior incidência solar do mundo e ventos contínuos em grande parte do território. “A energia solar ainda é incipiente no País, mas apresenta um extenso mercado a ser explorado”.

Outro grande destaque desta edição foi á participação do Portal Brasileiro de Energia Solar. O Portal trouxe o mundo de informações do setor de Energia Solar no Brasil. A FRG Mídia Brasil Ltda, empresa que desenvolveu e gerencia o Portal, também fez o lançamento oficial do Jornal Brasileiro de Energia Solar, primeira publicação especializada exclusivamente do setor no Brasil, que começa sua circulação a partir de agosto, e tem como principal objetivo se firmar com a principal publicação do setor de Energia Solar em nível nacional. Ecoenergy debate o futuro das fontes renováveis e os riscos da crise energética no País Simultaneamente à EnerSolar ocorreu ampla agenda de conferências, seminários e workshops, parte integrante da programação do IV Ecoenergy | Congresso de Tecnologias Limpas e Renováveis para a Geração de Energia. Sob o tema “As energias renováveis minimizando os riscos de uma crise energética” o evento contou com público superior a 500 congressistas e mais de 30 palestras de representantes do governo, especialistas da indústria e pesquisadores, que discutiram alternativas e caminhos para o uso de energias renováveis no Brasil.

Além de geração de negócios, os profissionais que visitaram a feira puderam conferir novidades e soluções inteligentes para o setor, dentre elas as placas e módulos fotovolCom abordagens segmentadas em três grutaicos de captação de energia solar – com pos - energia solar térmica, renováveis e solar ampla diversidade de tamanhos, formatos e fotovoltaica - o Ecoenergy discutiu o aprovei-

34

tamento racional destas fontes e estimulou o uso de novas tecnologias. Dentre os principais temas abordados, estiveram em pauta os desafios tecnológicos para o desenvolvimento do mercado, incentivos ao uso das energias renováveis, perspectivas do mercado nacional e investimentos futuros, além de projetos, pesquisas e cases de sucesso.

Ruberval Baldini (Abeama); Elbia Melo (ABEEólica); Arthur Ribeiro, coordenador geral do Ecoenergy e Marco Antonio Mastrandonakis, diretor geral do Grupo Cipa Fiera Milano.

Diante da plateia de congressistas e representantes do setor, os participantes da mesa destacaram que o Brasil, com seus 8,5 milhões de quilômetros quadrados de território e vastos recursos naturais, tem um grande potencial para o desenvolvimento de todos os tipos de fontes de energia: hidrelétrica (que representa hoje 65% da matriz energética do País); eólica, solar e biomassa, entre outras. Oportunidades e desafios no campo das energias renováveis

A 4ª edição do Congresso mostrou o potencial do mercado brasileiro para a implantação de fontes de energias sustentáveis e apontou os grandes desafios para que este segmento se consolide na matriz energética brasileira. Burocracia e regulamentação, escassez de financiamento para alavancar projetos, necessidade de políticas públicas mais efetivas e mão de obra qualificada foram apontados pelos especialistas como principais inibidores de investimentos nesta área.

Estudos da Empresa de Pesquisa Energética (EPE) do Governo Federal apontam que até 2022 o país atingirá 183,1GW, dos quais 65% correspondentes à geração hidrelétrica, 14,2% à termelétrica e nuclear e 20,8% às fontes de recursos renováveis. No ranking internacional, a China lidera a instalação de projetos fotovoltaicos, que somam 12 GW (gigawatts), em segundo lugar está o Japão com 10,5 GW e os Estados Unidos, em terceiro, com 6,0 GW. O Brasil ocupa a 10º posição com 2 MW (megawatts) anuais.


COBERTURA DE FEIRAS

Brazilian Journal of Solar Energy

EnerSolar+Brasil 2014: opportunities for the offer of clean renewable energy alternatives The third edition of the EnerSolar + Brasil | International Fair for Solar Energy Technologies was held from July 16-18, 2014 at the Centro de Exposições Imigrantes, in São Paulo. The event, organized by the Grupo Cipa Fiera Milano and SMARTENERGY SRL, brought together the entire supply chain of the thermal and photovoltaic solar energy industry, inverters and other kinds of renewable energy, and sought to promote the development of the industry and exhibit alternatives in sustainable energy sources to the market.

183.1 GW, 65 percent of which corresponding to the hydropower industry, 14.2% to thermoelectric and nuclear, and 20.8% to renewable sources. On the international ranking, China leads the installation of photovoltaic projects which sum up 12 GW. Next is Japan with 10.5 GW, followed by the United States with 6.0 GW. Brazil comes in 10th with 2 MW (megawatts) per year.

Over three days, the event gathered around 4,800 visitors who witnessed technologies, services and solutions for commercial and residential use produced by the major players of the industry. More than 130 exhibitors were at the trade show, including domestic and foreign brands, such as Italy, United States, Germany, Spain and China.

The discussions on the development of the industry have also attracted the public’s attention over the three-day conference. The panel “Technological challenges for the development of the Brazilian market for solar heaters” was presented by Marcelo Mesquita, Abrava-Dasol manager, who highlighted that the solar industry lacks subsides to become more available in Brazil. “The current potential of the Brazilian market for solar heating is 60 percent for residencies, 18 percent for commerce, 3 per cent for industry, and the rest for the sector of services, which means that the domestic use is quite promising. However, the implementation of this technology in residences, in general, requires qualified technical assistance and certified products so as to guarantee efficiency and, above all, the consumers’ safety”.

At the opening ceremony were present the CEO of the Grupo Cipa Fiera Milano, Marco Antonio Mastrandonakis; EnerSolar director Arthur Ribeiro; the president of Italcam, Edoardo Pollastri; the Council chairman of ABSOLAR, Nelson Colaferro and the secretary of ABENS - Brazilian Association of solar Energy, and also Trajano Viana, professor at Cefet-RJ in addition to representatives of related organizations. The EnerSolar director, Arthur Ribeiro highlighted Brazil’s great potential, especially in the solar and wind energy, since the country has one of the world’s biggest rates of sunlight incidence and continuous winds in large parts of its territory. “Solar energy is still embryonic in the country but it already shows an extensive market to be discovered”. Ecoenergy discusses the future of renewable energy sources and the risks of the energy crisis in the country In a parallel event to EnerSolar there was an extensive agenda of lectures, seminars and workshops, as part of the IV Ecoenergy | Congress of Clean Renewable Technologies for Energy Generation. With the subject matter “Renewable energy minimizing the risks of an energy crisis”, the event counted over 500 participants and over 30 lectures addressed by government authorities, researchers and industry experts who discussed alternatives and routes for the use of renewable energy in Brazil. Addressing three different segments – thermal solar, renewable and photovoltaic energy - the Ecoenergy Congress discussed the rational employ of these sources and stimulated the use of new technologies. Among the main addressed topics were the technological challenges for the development of the market, incentives to the use of renewable energies, domestic market projections, and future investments, besides projects, research and successful cases. Opportunities and challenges in the field of renewable energies The fourth edition of the Congress showed the potential of Brazilian market for the implementation of sustainable energy sources and pointed out the great challenges of the sector faces to consolidate itself in the Brazilian energy matrix. Bureaucracy and regulation, shortage of funding to leverage projects, the need for more effective public policies, and skilled labor were mentioned by experts as the main inhibitors of investments in this industry. Studies conducted by the Energy Research Company (EPE) from the Federal Government, point out that by 2022, the country will reach

Discussion promotes the development of the industry

Another debate, promoted by Juarez Lopes, member of the coordination of the National Plan for Energy - EPE, addressed the possibility of combined generation of solar photovoltaic and wind energy, emphasizing that in some areas of the country it is advisable to operate with more than one source of energy, where the use of joint resources may be more efficient. Igor Fukushiro, coordinator of the Absolar working team, detailed the opportunities with the solar photovoltaic energy auctions in the Brazilian market, warning that the companies should see to a series of requirements to take part in the official auction such as: present documents on landholding and topography of the area, indexes of solar radiation, and solar license, among others. Ruberval Baldini, president of Abeama, talked on “The Brazilian market for renewable energies” and addressed issues related to the main challenges of the industry such as tax barriers in the implementation of equipment, storage systems, and solar energy generation. According to Baldini, the cost/benefit ratio and the high taxes in the equipment import are still obstacles for citizens and corporations, in general, to think of changing their forms of getting energy. EnerSolar hosts the I Italo-Brazilian Seminar for Renewable energies The Italcam (Italo-Brazilian Chamber of Commerce, Industry and Agriculture in São Paulo) has promoted mutual relations between Brazil and Italy with the I Italo-Brazilian Seminar for Renewable Energies. The meeting featured five panels conducted by experts that addressed issues related to technological, fiscal and managing aspects of the industry. Francesco Paternó, Italcam general secretary has talked on the integration projects between Italian and Brazilian technologies, and the use of clean energies. For him, the lack of apposite legislation has been hindering public and private initiatives to operate in combination in the introduction and research on the types of renewable energies.

35


Jornal Brasileiro de Energia Solar

PROJETOS Barco movido à energia solar começa missão na Grécia

Projeto no RS vai gerar energia limpa através de painéis fotovoltaicos Trata-se de um projeto que vai substituir 50 refletores com lâmpadas halógenas por refletores em LED. Os refletores serão conectados a um sistema autônomo que será composto por painéis fotovoltaicos, baterias, controladores de cargas, sensores de temperatura e fotocélulas. Esta ação vai permitir a Assembleia Legislativa do RS, uma economia de até 2,7 Megawatts por mês, considerando-se 12 horas de funcionamento em média por dia. Esta economia será possível pelo fato de que na unidade geradora serão instalados 3,5Kilowatts de capacidade em painéis solares fotovoltaicos, que irão gerar a energia de modo eficiente e sustentável. O sistema será independente da rede tradicional de energia da “concessionária”, contando com um moderno sistema automatizado que vai monitorar a eficiência e a quantidade de energia que será gerada. Um dos principais motivos deste projeto foi o fato de que este ano Vasco Prado, que foi um dos principais artistas plásticos da história do Rio Grande do Sul, faria 100 anos. Um painel projetado e desenvolvido pelo renomado artista Gaúcho que enfeita a fachada da Assembleia Legislativa do RS, atualmente é iluminado de forma tradicional, ou seja, conectada à rede de energia da concessionária. Esta seria uma forma de homenagear Vasco Prado, iluminando sua obra de arte, de forma sustentável e com uma energia totalmente limpa e renovável. Outro ponto importante do projeto, é que no futuro pode-se aumentar esta planta geradora e conectá-la à rede, injetando assim, energia para uso em tempo real pela Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul. Este é um projeto pioneiro do parlamento gaúcho! Segundo Gilmar Sossella, Presidente da Assembleia Legislativa do RS, o Parlamento do Estado do Rio Grande do Sul, está sendo pioneiro e dando exemplo de que é possível homenagear o passado, pensando no futuro! A Assembleia Legislativa gaúcha também está colocando em prática um projeto que irá reduzir em até 70% o consumo de energia com lâmpadas em suas instalações. A primeira etapa do projeto será a substituição das luminárias comuns, por lâmpadas de LED. Esta etapa deverá ser concluída em setembro. Outras melhorias também estão sendo implantadas, como a instalação de sensores de presença em

36

interruptores de luz, nas salas, banheiros e outros espaços. A implantação da iluminação sustentável, à base de energia solar fotovoltaica no Painel Vasco Prado, localizado na parede lateral do Palácio Farroupilha, será uma vitrine para a sociedade complementa, Gilmar Sossella. Nosso objetivo ao realizar estas mudanças vai além da economia de recursos públicos e da colaboração com o meio ambiente. Como espelho da sociedade gaúcha, o Parlamento procura dar o exemplo, assim motivando empresas, entidades e a própria comunidade a seguir este caminho, que traz benefícios sócios ambientais, além de eficiência energética, que hoje é uma prioridade em nível mundial, complementa Gilmar Sossella. O projeto foi gerenciado e desenvolvido pela empresa Solar&Vento, que é uma empresa focada em desenvolver tecnologias e fornecer soluções em Energia Sustentável. Project in RS will produce clean energy through photovoltaic panels This is a project that will replace 50 halogen reflectors by LED reflectors. The reflectors shall be connected to a system that is composed by photovoltaic panels, batteries, charge controllers, temperature sensors and photocells. The system will be independent of the traditional network of energy, "concessionaire", featuring a modern automated system that will monitor efficiency and amount of energy that will be generated. One of the main reasons of this project was the fact that this year Vasco Prado, who was one of the main artists of the history of Rio Grande do Sul, would be 100 years old. According to the State representative Gilmar Sossella (PDT), President of the Legislative Assembly of Rio Grande do Sul, the RS Parliament is the pioneer and gives the example that it is possible to honor the past, thinking about the future. The sustainable lighting installment, solar energy based on the Vasco Prado panel, located on the side wall of Farroupilha Palace, is like the icing on the cake, complements, Gilmar Sossella. The project was managed and developed by Solar & Wind, which is a company focused on developing technologies and provide sustainable energy solutions.

O maior barco solar do mundo, o catamarã PlanetSolar, iniciará uma missão na Grécia para encontrar um dos locais mais antigos habitados pelo homem na Europa. A partir de 11 de agosto, equipes de cientistas da Suíça e da Grécia buscarão uma "zona rural pré-histórica" no sudeste da península do Peloponeso, informou à AFP o pesquisador Jilien Beck, da Universidade de Genebra. A missão, com duração de um mês, organizada em conjunto com a escola suíça de arqueologia e com o ministério da Cultura grego, fará buscas em torno da caverna Franchthi, no Golfo de Argos, onde os europeus primitivos viveram entre os períodos Paleolítico e Neolítico. A caverna acabou sendo abandonada por volta do ano 3.000 A.C., mas os cientistas entendem que os habitantes devem ter construído uma cidade próximo do local. "Esta caverna foi habitada continuamente por cerca de 35.000 anos e temos razões para acreditar que, por volta do final da era neolítica, os habitantes se mudaram para um sítio vizinho que agora está submerso", disse Beck. "Se pudéssemos encontrar esta cidade, ela estaria entre as mais antigas da Grécia e da Europa", afirmou. Construído na Alemanha, o Barco PlanetSolar tem 31 metros de comprimento e é movido por painéis solares com cerca de 500 metros quadrados. Em 2012, o catamarã se tornou o primeiro navio a circum-navegar o planeta exclusivamente com energia solar. Em média, chega a alcançar uma velocidade de 7,5 nós ou 14 km/h. Enquanto estiver na Grécia, a embarcação também será usada em pesquisas geofísicas e para auxiliar arqueólogos subaquáticos em seus trabalhos no Mar Egeu. Solar energy-powered boat begins Mission in Greece The largest solar boat in the world, the catamaran PlanetSolar, will begin a mission in Greece to find one of the oldest humaninhabited places in Europe. From August11th, a team of scientists from Switzerland and Greece, will seek a "prehistoric countryside" in the southeast of the peninsula of the Peloponnese, reported to AFP, Jilien Beck, researcher at the University of Geneva. The mission, which will last a month, organized along with the Swiss archaeology school and with the Greek Ministry of culture, will make searches around the Franchthi cave, in the Gulf of Argos, where the primitive Europeans lived between the Paleolithic and Neolithic periods. In 2012, the catamaran became the first ship to circumnavigate the planet exclusively with solar energy. On average, reaches a speed of 7.5 knots or 14 km/h. While in Greece, the boat will also be used in geophysical surveys and will help underwater archaeologists in their work in the Aegean Sea.


Brazilian Journal of Solar Energy

37


JBES - Jornal Brasileiro de Energia Solar

NOTAS

Lançamento 3º Anuário Brasileiro das indústrias de Biomassa e Energias Renováveis

Em outubro deste ano será lançado oficialmente o 3º Anuário Brasileiro das indústrias de Biomassa. A 1ª e a 2ª edição do Anuário ER, editados em 2012\2013 e 2013\2014, foram um verdadeiro sucesso. Contribuíram para fortalecer o setor e criar uma referência quanto ás informações mais relevantes para todos os interessados em conhecer mais sobre as Energias Renováveis. Para esta 3ª edição, a publicação vai alcançar objetivos ainda maiores. Com o fechamento de parcerias estratégicas, colaboração dos principais pesquisadores do setor, a publicação terá preciosas informações e estatísticas sobre o setor da Biomassa e Energias Renováveis. Além destas importantes informações, o Anuário ER terá a participação dos principais players do mercado, empresas de tecnologias, máquinas e equipamentos, fornecedores e muito mais! Esperamos que o 3º Anuário ER, possa continuar contribuindo nesta fase de reciclagem quanto á produção de energia e suas fontes. Mostrando a importância e o potencial do setor das Energias Renováveis para o Brasil e o mundo! Acesse a 1º e a 2ª edição do Anuário ER de forma on-line pelo site oficial: www.anuarioenergiasrenovaveis.com Para maiores informações: 55(42) 3025.7825 comercial@anuarioenergiasrenovaveis.com FRG Mídia Brasil Ltda Launch 3rd Brazilian Yearbook of biomass and renewable energy industries In October this year will be officially launched the 3rd Annual Brazilian biomass industries. The first and the second edition of the Yearbook ER, edited in 2012/2013 and 2013/2014, were a real success. They contributed to build the sector and create a reference about the most relevant information for all the people interested in knowing more about Renewable energies. For this 3rd Edition, the publication will achieve even greater goals. With the setting of strategic partnerships, the collaboration of the leading researchers in the sector, the publication will have precious information and statistics on the sector of biomass and Renewable Energies. In addition to these important information, the Yearbook ER will have the participation of the main players in the market, companies, technologies, machinery and equipment suppliers, and more! We hope that the 3rd Annual ER, can contribute at this stage of recycling level about energy production and their sources,showing the importance and the potential of the renewable energy sector for Brazil and the world. Visit the first and the second edition of the Yearbook ER online form by official website: www.anuarioenergiasrenovaveis.com For more information: Phone: 55 (42) 3025.7825 comercial@anuarioenergiasrenovaveis.com FRG MÍDIA BRASIL LTDA

38

Portal Brasileiro de Energia Solar participa da ENERSOLAR 2014 O Portal Brasileiro de Energia Solar participou da ENERSOLAR 2014. O Portal levou o mundo de informações do setor de Energia Solar aos visitantes da feira Enersolar e do Congresso Ecoenergy. Nossa participação no evento foi importante por vários motivos, principalmente para fechar parcerias estratégicas que irão ajudar no lançamento do Jornal Brasileiro de Energia Solar, que terá seu início e lançamento na Feira INTERSOLAR, nos dias 26 a 28 de agosto, comenta Tiago Fraga – Diretor do Jornal ES. A FRG Mídia Brasil, empresa que desenvolveu e gerencia o Portal Brasileiro de Energia Solar, se consolidou como a maior empresa de mídia e comunicação do setor de Energias Renováveis em toda a América Latina. Com quatro Portais, um Anuário de Energias Renováveis, dois Jornais e uma Revista, a empresa é disparada a maior formadora de opinião do setor no Brasil e uma das maiores em nível mundial.

Projetos futuros: A empresa pretende lançar no ano de 2015 o primeiro Anuário voltado exclusivamente ao setor de Energia Solar como um todo. Estatísticas, estudos, pesquisas, fornecedores, tudo em parceria com as principais associações, entidades e empresas ligadas ao setor no Brasil e no mundo. Brazilian Webportal about Solar Energy takes part in ENERSOLAR 2014 The Brazilian Webportal about Solar Energy took part in the ENERSOLAR 2014. The Portal took the world of solar energy sector information to visitors of Enersolar market and Ecoenergy Conference. Our participation in the event was important for many reasons, mainly to set strategic partnerships that will help in the launch of the Brazilian Journal of Solar Energy, which will have its beginning and launch at INTERSOLAR trade fair, on August 26- 28, says Tiago Fraga – ES Newspaper Director. The FRG Mídia Brazil, the company that developed and manages the Brazilian Solar Energy Portal, has consolidated its position as the largest media and communication company in the sector of renewable energy throughout Latin America. With four portals, one Yearbook of renewable energies, two newspapers and a magazine, the company is the biggest trendsetter of the solar energy sector in Brazil and one of the largest in the whole world. Future projects: The company plans to launch the first Yearbook focused exclusively on the solar energy sector at all, in 2015. There will be statistics, studies, research, and suppliers, everything in partnership with the leading associations, entities and companies linked to the sector in Brazil and in the world.


JBES - Jornal Brasileiro de Energia Solar - Edição 01  

O Jornal Brasileiro de Energia Solar é uma publicação focada nos setores da Energia Solar, Fotovoltaica e Térmica, formando opiniões no Bras...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you