Issuu on Google+


Editorial Prezados irmãos de fé e caros leitores, nosso país atravessa um período de grande instabilidade política, econômico-financeira, e de gritante crise de caráter, bem como estamos vivenciando globalmente uma crise ética e moral das mais assoladoras e assombrosas imagináveis, época esta do repugnante “vale tudo” para se eleger, permanecer no poder, ampliar domínio, para se dar bem na vida, para ganhar qualquer tipo de competição que se participe. Há muito tempo estamos presenciando a prejudicialidade do citado abominável “vale tudo”, tanto no meio político como nos mais diversos segmentos de nossa sociedade. Ora, verdadeiramente trata-se de tempos sombrios, sórdidos, vergonhosos, dignos de repúdio, e que carecem de inúmeras e contínuas ações conjuntas de toda a sociedade para reversão desta lastimável e degradante realidade. Devemos cada vez mais disseminar o nobre pensamento de que vergonhoso é enganar, e não ser enganado, digno de repúdio é trapacear, e não ser trapaceado, execrável é subir degraus na vida à custa de ludibriar o próximo, e não ser vítima de tal ação, lamentável é vencer uma competição se valendo de métodos sabidamente proibidos e vedados por lei ou ainda que não proibidos por lei sabidamente imorais por serem lesivos ao próximo, e não ficar distante do

pódio por ter competido de forma honrada, e que vexatório é se vangloriar por ter levado vantagem indevida sobre outrem, e não ser a pessoa lesada. Devemos ser o espelho de que o êxito trilhado pelo caminho do bem e da honestidade é o êxito verdadeiro! Os princípios do ser humano de bem, isto é, o amor ao semelhante, a honestidade, o respeito ao próximo sem qualquer distinção, a solidariedade, o valor do trabalho digno e as conquistas fruto deste honrado trabalho, os méritos fruto do estudo contínuo, do suor, do esforço interior e da superação as adversidades da vida, devem ser destacados a todo instante como o caminho para uma existência de maior brilho, e que tanto buscamos, devendo ser tais elementos o alicerce de nossas crianças desde de seus primeiros passos, pois, desta maneira, claramente, estaremos semeando um futuro mais pacífico, digno, justo e próspero ao nosso planeta. Diante das barbáries, das arbitrariedades, das ilicitudes de órgãos públicos e/ou privados, e de pessoas que agem criminosamente, clamemos e lutemos por Justiça sempre, frise-se, sempre dentro das bases legais e por meio das autoridades policiais e do Poder Judiciário. É missão de cada um de nós demonstrar a todo instante que queremos e fazemos por onde ter um país

melhor, mais justo, mais harmônico e mais digno para todos, bem como devemos soltar o nosso grito de indignação contra todos os desrespeitos aos nossos direitos fundamentais garantidos por nossa Constituição Federal, e mostrarmos à classe política que estamos vigilantes e que cobraremos o exercício produtivo e exemplar de suas legislaturas. Tenhamos sempre presentes os grandiosos ensinamentos de um dos maiores pensadores que a humanidade teve em toda sua existência, quais sejam: "A virtude moral é uma consequência do hábito. Nós nos tornamos os que fazemos repetidamente. Ou seja: nós nos tornamos justos ao praticarmos atos justos, controlados ao praticarmos atos de autocontrole, corajosos ao praticarmos atos de bravura. ” (Aristóteles) Que Oxalá ilumine o caminho de todos nós! Salve a Umbanda, que é amor e caridade, Salve Zambi! Alexandros Barros Xenoktistakis EXPEDIENTE istakis els B. Xenokt Diretor: Eng e: Daniel Coradini Art Direção de ktistakis gels B. Xeno amargo / En r: Redato C o n res: Adria Colaborado ares e Ronaldo Lin noktistakis s Xe s ro d n xa ndros Barro Ale rídica: Alexa .106 Ju a 2 8 Assessori 1 m.br s – OAB/SP Xenoktistaki l@aldeiadecaboclos.co a rn contato: jo

PREVISÃO BARALHO CIGANO Cartas: Árvore- Sol- Jardim

Amor - Momento de criar vínculos e raízes afetivas. Comece a dar um basta e se posicionar com relação a sua parte afetiva. Corra em busca do que você realmente quer e da pessoa ou situações que te fazem bem. Uma boa conversa clara e transparente, com muita sinceridade, com certeza fortalecerá o relacionamento. Procure viver momentos felizes na simplicidade. Profissional e Financeiro - Acreditar e vibrar mais positivo dentro do seu ambiente profissional. Vigie seus pensamentos e acredite sempre no melhor por pior que seja o momento que você está passando. Nesse atual mês tudo o que você vibrar terá um peso ainda muito maior. Seja mais criativo e otimista. Agradeça o caminho que vive nesse momento, por mais que ele não seja o melhor aos seus olhos. Momento de colocar ordem em seus papéis e documentos. Organize sua casa e seu ambiente de trabalho, retirando assim energias estagnadas. Saúde - Muito cuidado com a coluna ou ossos. Período muito delicado para pequenos acidentes com essa região da coluna ou até mesmo pernas e pés. Exercícios como caminhadas ou atividades de relaxamento são ideais para esse mês de maio. TARÓLOGA CAROL AMORIM - TEMPLO DE UMBANDA ESTRELA DO ORIENTE CONSULTA DE TARO E BARALHO CIGANO ONLINE OU PRESENCIAL fones: 11 23694241 ou 999226794 whatsapp 947393263 Atendimento com hora marcada e totalmente personalizado. Rua Bengali, 29, Parque Novo Oratório - Santo André – SP


Ano 6 número 53

página 3


página 4

Ano 6 número 53

Artigo Escrito por Diamantino Fernandes Trindade

SEU SETE DA LIRA - O EXU DO POVO Cristiam Siqueira comenta:

E RT PA

2

"Qualquer pessoa que visitasse o terreiro de Santíssimo saia de lá com dois nomes guardados na cabeça: Seu Sete da Lira e Santo Antonio". A devoção do Exu pelo santo católico era visível e constante: a sua festa acontecia junto da festa do santo em 13 de junho. Em todas as liras construídas a imagem do santo sempre teve lugar de destaque no altar central e o nome do santo era constantemente invocado durante os trabalhos havendo, inclusive, pontos cantados onde ele é saudado ao lado de Seu Sete. E mais um ponto alucina a massa hipnotizada pela magia do Rei da Lira: Corre corre Encruzilhada

– Somente a Lira.

Seu Sete Encruza já chegou

– Só a força da Lira.

– Ah! Viva Santo Antônio.

– Parou a medicina.

– Salve Exu, salve Exu, salve Exu.

– Parou, começa o Seu Sete da Lira.

– Saravá Santo Antônio.

– A Lira só trabalha quando para a medicina.

– Meu santo de fé.

– Eu adoro a medicina.

– Salve Exu.

– Aceito a medicina.

– Vamos trabalhar.

– Acho a medicina a coisa mais bela deste mundo.

– É trabalhando que se vence a guerra.

– A medicina.

– É trabalhando que se faz congá. – Vamos trabalhar no caminho do bem. – Só o bem constrói. – O mal por si se destrói. – O mal tem pernas curtas. – O bem caminha muito mais além. – Então vamos trabalhar no caminho do bem. – A corrente do amor, a corrente da Lira, do canto, do trabalho do Seu Sete Encruzilhada da Lira. – Cantando para curar alguém. – Alguém usufruindo a beleza que só mesmo a Lira pode dar.

– Trabalho de cura, de ajudar alguém, de aliviar o sofrimento da humanidade. – Assim sendo, a minha força da Lira também é para dar alivio ao sofredor, a esta humanidade que sofre. – E eu consegui juntar, reunir, o bem que quero, o bem que faço com a Lira, com o carnaval e com a minha coroa de palha de cana, de cachaceiro. – Então vamos trabalhar. – Vamos trabalhar. – Vamos abrir os trabalhos da nossa mesa de caridade. – Mesa de trabalho que se faz aqui todos os sábados. – E assim sendo Seu Sete sempre conta e espera mesmo alguém da Lira para ajudar essa corrente

tão bela, tão formosa e tão forte. – Sempre há alguém da Lira. – Sempre para prestar caridade nesta casa, curar alguém, então vamos trabalhar. – Como para Seu Sete não há mal sem cura. – Salve o Saracura. – Seu Sete da Lira quando não sara cura. – Seu Sete da Lira que não é santo. – Eu não sou santo. – Não sou Jesus Cristo. – E não faço milagre. – Todo meu trabalho de cura, que faço aqui nesta casa de caridade. – Eu também sou um pagador de missão. – E como sou sincero e honesto e cumpridor do meu dever. – Eu faço bem a minha tarefa de homem trabalhador. – Somente isto, trabalhador. Seu Sete conta que encarnado foi um artista, por isso exige muita música para trabalhar. É um de seus instrumentos de trabalho. Cantando e bebendo


Ano 6 número 53

página 5


página 6

Ano 6 número 53

cachaça curou milhares de pessoas. Suas giras tem até música de carnaval, em um clima de fé, alegria. Antes de descer a escada para ter acesso a mesa pede que a orquestra toque e povo delirante acompanha: Seu Sete da Lira está feita a corrente Vamos todos cantar e salvar o doente Seu Sete não bebe Seu Sete trabalha A cura está feita Seu Sete não falha Seu Sete era o compositor das músicas em seu louvor. Alguns artistas que frequentavam as giras, também compunham para Seu Sete. Várias dessas músicas foram reunidas em dois álbuns de vinil (LP), um publicado pela gravadora Equipe intitulado Seu Sete Saracura cura a minha dor e o outro pela Odeon (atual EMI) com o título de Sete Rei da Lira. Algumas músicas compostas por Cacilda de Assis foram gravadas no LP Cacilda de Assis Brasileiríssima, gravado por Ogan Juvenal. Edith Veiga, cantora famosa na época e amiga de Cacilda, gravou um EP com duas de suas músicas: O Manto de Yemanjá e Caldeirão sem fundo. Bezerra da Silva e os Demônios da Garoa. Durante as sessões, ele ia passando e aspergindo as pessoas com sopros de cachaça. Nesses momentos o Rei da Lira compunha suas músicas. Durante algum tempo alguns compositores iam às sessões munidos de gravadores. Gravavam as músicas e, depois, faziam algumas alterações e efetuavam o registro em seus nomes. Isso já acontecia antes em outros terreiros de Umbanda como o célebre Lamartine Babo que frequentava a Tenda Nossa Senhora da Piedade e transformava alguns pontos cantados em marchinhas de carnaval que tantos dividendos lhe proporcionou. Este desvio de comportamento, típico de brasileiros safados, foi contornado com Dona Cacilda integrando uma taquígrafa a equipe de auxiliares, que registrava tudo o que ocorria nas sessões.

chaça, sem dar atenção. Vai atender os casos psíquicos, que ele pode curar. As pessoas, mesmo tristes e decepcionadas, entendem. Ele sabe quando um caso está condenado. Não pode interferir no carma. Em determinado momento Seu Sete para de dançar e gingar e passa a garrafa de cachaça a um dos cambonos. A musica diminui. Ele coloca uma menina em pé e manda andar, segurando, amparando. A menina dá alguns passos tímidos e o povo vai ao delírio: – Milagre! Milagre! A musica volta a tocar, o povo eufórico, excitado, volta a acompanhar o ritmo com palmas. Volta e meia, a rotina é interrompida por alguma pessoa em transe que é removida pelos seguranças, vestidos de vermelho e preto. As curas seguem céleres na mesa e a hora grande está chegando. Entre uma mesa e outra, Seu Sete apresenta algumas celebridades presentes aos trabalhos da noite como Abelardo Barbosa (Chacrinha). Muita gente famosa passou por ali: atores, apresentadores, esportistas, cantores como Freddie Mercury, Tim Maia, a Banda Kiss, Gretchen, Beth Carvalho, Pelé, Flávio Cavalcanti, Christian (da dupla Christian e Ralf), Dona Laura Braga (mãe de Roberto Carlos) e outros. Roberto Carlos ia até a frente do terreiro, no entanto não saia do carro. O grupo adolescente A Patotinha, costumava dançar na Lira. Alguns cantores profissionais também cantavam as suas músicas. É uma pausa para o Rei da Lira conversar sobre a sessão com seus prestativos auxiliares e Luzia, filha de Dona Cacilda. Sobre Luzia, Dona Cacilda comenta em entrevista à revista Realidade: A Luzia nasceu cega. Fui eu que a curei. Aliás, o Seu Sete. Foi assim: com uma cruz de lança perfume. Dois jatos, ela enxergou. O sucesso de Seu da Lira estava ligado a uma linha de frente composta de homens e mulheres de alto gabarito e de grande responsabilidade. Suas ordens não eram discutidas e todos cercavam Dona Cacilda e Seu Sete com grande carinho. Eventualmente, ocorriam manifestações interessantes nos atendimentos do Seu Sete.

O Sr. José Gomes, esposo de Dona Cacilda, corretor autônomo de seguros, dizia: – O autor é Seu Sete. Mas quem aparece sou eu. O Rei da Lira começa a descer as escadas sempre gingando, com a cachaça na mão. Agora, já próximo da mesa de cura, onde mais de trezentas pessoas se aglomeram sentadas e em pé, começa a percorrê-la entre três corredores. Gente branca, negra, de todos matizes, pobres, ricos, doentes de toda espécie, aleijados, esperam um milagre. Seu Sete vislumbra as pessoas doentes no meio da multidão. Cobre-os com sua capa, acolhe-os. Nem todos terão a cura, pois isso depende de vários fatores cármicos. Um pai pobre, entristecido, sofrido pela enfermidade incurável da filha de cinco anos vê aflito o Seu Sete passar reto, sem jogar um pouco de ca-

a boca sobre as pessoas próximas à mesa de cura. Quando foi revelada a foto, o que se viu foi uma formação ectoplásmatica que saia de sua boca indo em direção as pessoas.

Dona Cacilda incorporada com a Senhora Audara Maria - Fonte: Acervo de Cristian Siqueira

No dia 12 de junho de 1971, dia da comemoração em louvor á Santo Antonio como também a data em que se comemorava o aniversário de Seu Sete, foi inaugurada a chamada Nova Lira, com um trabalho que reuniu quase 18.000 pessoas. As novas instalações eram uma necessidade premente para receber o grande número de fiéis que aumentava a cada dia. Em várias ocasiões a Lira antiga se parecia a uma pequena ilha no meio do mar dada a multidão que a cercava durante os trabalhos, por mais constantes que fossem as pequenas obras de ampliação eram insuficientes. O número de fiéis que se dirigiam a Santíssimo era grande e crescia a cada trabalho, assim, muitos deles ficavam expostos ao tempo, pois, o antigo Templo não suportava grandes multidões. Com muito esforço, trabalho e dedicação, a Lira foi inaugurada e possuía proporções gigantescas para um terreiro de Umbanda: 2.000 metros quadrados de concreto que abrigavam mais de 2.000 doentes sentados em um dos seus 770 bancos de madeira; em seu centro uma enorme mesa de madeira com 112 metros de comprimento em ziguezague em cujas bordas se revezavam os doentes durante as mesas de cura. A grandiosidade do templo rendeu-lhe a alcunha de Maracanãzinho.

No primeiro número da revista Orixás, na década de 1970, foi publicada uma foto tirada, durante um dos atendimentos, quando ele espargia o marafo com

Na próxima edição mos”traremos como o dendê ferveu” quando em agoso de 1971 Seu Sete da Lira se apresendou, no mesmo domingo, nos famosos programas televisisivos: Flávio Cavalcante e Chacrinha.


Ano 6 número 53

página 7


página 8

Ano 6 número 53

Ervas na Aldeia Escrito por: Adriano Camargo

ERVAS FRIAS OU ESPECÍFICAS Salve turminha das ervas e do amor à Mãe Natureza.

terística específica, outras que as colocam como verdadeiras equilibradoras.

Temos publicado vários trechos do nosso livro Rituais com Ervas - Banhos, defumações e benzimentos com a única intenção de levar o conhecimento ao maior alcance e à propagação de uma forma simples e objetiva de um sistema de uso e entendimento da magia natural dentro das religiões, e que realmente possa ser realizada pela maioria das pessoas, independente de serem médium, sacerdotes ou iniciados.

Para entender melhor ainda esse processo, vamos a mais um exemplo.

Vamos falar mais um pouco sobre as ervas "específicas": ERVAS ESPECÍFICAS Lembra aquele chazinho que a vovó sempre tinha à mão quando alguém não estava bem? Sabe aquela erva que a maioria das pessoas tem o nome e a indicação na ponta da língua? E aquelas que automaticamente são lembradas para um determinado fim. Alguém fala: – Ah, tem uma erva boa para atrair um amor pra minha vida? E alguém se lembra da rosa vermelha... Então, são essas as ervas frias ou específicas. Se as chamamos de frias, não é porque sua potencia energética é reduzida, ou porque não tem ação devastadora como as ervas quentes, mas porque sua ação é pontual, localizada mesmo. Usadas sozinhas, desencadeiam o processo ao qual estão atribuídas diretamente. Num preparo composto, reforçam o propósito específico colocando seu efeito na sequência desejada, ou seja, após o trato equilibrador, ela cumpre sua função energética específica. A maioria delas são ervas que aparecem também na categoria das mornas, pois trazem além dessa carac-

Sempre que alguém da família não estava se sentindo bem, mal-estar digestivo, ressaca, enfim, mamãe sempre tinha boldo à mão. Boldo brasileiro (Plectrantus barbatus) amassado na água fria era o remédio amargo que resolvia todos os males de estomago, fígado e afins. O mesmo boldo chamado de tapete de Oxalá, usado para os banhos. Se era noite ou se estivesse chovendo e não dava para pegar a erva no jardim, tinha sempre na cozinha o Boldo do Chile (Peumus boldus), seco e pronto para um chazinho quente. Meu Pai já tinha um pezinho de Losna sempre no jeito para essas situações. Era mastigar umas folhinhas, amargas para variar, e tudo resolvido também. Observando, essas três ervas aparecem na categoria das ervas mornas, certo? No entanto, tem característica na medicina caseira popular, que a torna, sozinha, um poderoso remédio para alguns males, ou seja, há uma função específica atribuída. Num banho de ervas composto, nós poderíamos colocar o boldo, qualquer um deles, como uma erva equilibradora poderosa, regeneradora e fortalecedora do chacra coronal, que junto com as outras irá reforçar esse aspecto. Então podemos dizer que o boldo, num preparo para mediunidade, espiritualidade, ou num amaci específico de Oxalá é uma erva fria, mas no seu aspecto genérico, participando de um conjunto com várias funções equilibradoras dos sentidos, é morno. Sabemos que esse entendimento é bastante complexo quando visto por apenas um ângulo. Por isso focamos nas ervas quente e mornas e sobre as frias

tratamos dentro dos seus campos específicos e descrevemo-las em seus aspectos, participando de preparos com fins bem definidos. Há algumas frias que trazem características em dois campos específicos. O louro por exemplo, aparece como erva masculina, e como erva atratora de prosperidade. Podemos dizer que o louro é um poderoso magnetizador (Oxalá), atrator de vibrações luminosas e positivas, e mantenedor dessas vibrações. Essa característica magnética vibratória faz com que ele seja usado para melhorar o magnetismo masculino, que tem ressonância com o magnetismo material. Há uma relação entre energia masculina e energia material (de matéria mesmo!), e energia feminina com energia espiritual. Isso quer dizer que uma mulher, se tomar banho com louro, não irá ficar masculinizada, muito menos o homem que tomar banho com rosa vermelha ficará afeminado. Quer dizer que cada erva tem seu poder específico, dentro do seu campo de ação, desde que seja ativada para isso. Consideramos frias ou específicas essas ervas que estão muito mais ligadas aos seus campos específicos do que aos preparos compostos genéricos – limpeza, proteção, defesa, etc. As ervas femininas podem aparecer como poderosos facilitadores das conexões com a espiritualidade, das projeções astrais e do desenvolvimento mediúnico. A Artemísia, por exemplo, é uma dessas fantásticas ervas femininas, que provoca em uma mulher uma concentração dessa energia específica, condensando-a e proporcionando um melhor magnetismo e energia, acentuando a percepção de si mesma, a auto-observação e por que não dizer o autoconhecimento.


Ano 6 número 53

página 9


página 10

Ano 6 número 53 Essa mesma erva sutiliza o espírito tornando-o mais permeável às vibrações elevadas, o que pode ser muito útil num preparo de conexão com o lado etérico da vida, e nesse aspecto, podendo ser usada por homens e mulheres. Não podemos esquecer que já foi dito que magia é intenção. Portanto a erva, ou o elemento natural envolvido toma o caminho a que foi destinado, de forma clara e objetiva, focando na realização da intenção. Uma erva chamada feminina pode ser usada por homens num preparo de espiritualidade para facilitar o desenvolvimento mediúnico, ligando-o às coisas do espírito. Vale lembrar e relembrar que a lei da atração é a lei dos iguais, ou seja, atraímos por semelhança. Muita gente acha que vai tomar um banho atrator, ou um banho de amor e vai encontrar a metade ideal imediatamente. Em regra, dentro do seu tempo encontra-se com certeza, mas por afinidade, ou seja, se os passos da limpeza e equilíbrio forem pulados, fatalmente essa pessoa encontrará por atração de afinidade uma metade ideal para a situação, ou seja, um campo vibratório carregado de energias negativas, atrairá um semelhante em mesmas condições. Como disse, não nos limitaremos aqui simplesmente à citação das ervas frias isoladamente, mas dentro do seu campo de ação. Várias ervas podem se repetir entre frias e mornas, e mesmo dentro da categoria das frias aparecer em mais de uma atuação, pois seu campo de ação específico ou genérico vai se complementando aos das outras ervas.

VAMOS A UM EXEMPLO: ERVAS PARA CRIANÇAS Nesse tópico encontramos algo interessante, assim como citei no capitulo anterior sobre mediunidade, a idade básica para as percepções tem se alterado para baixo, ou seja, cada vez mais cedo vemos as crianças ligadas aos fatores espirituais naturais da vida. Fala-se de crianças índigo, cristais, especiais, enfim, nosso objetivo aqui não é dissertar sobre esse tema em exclusivo, mas apontar algumas ervas interessan-

tes para as crianças de modo geral, para que se beneficiem do elemento da natureza sem perdas energéticas ou impactos ao seu campo vibratório.

capacidade de lidar com algo que é natural para o ser humano, o sentido divino das coisas – o espírito.

Nos capítulos iniciais eu contei um pouco sobre as minhas experiências de infância com os benzimentos, e posso afirmar que tomei muitos banhos de ervas. Banhos de descarrego inclusive. E cá estou, vivo e ativo. Nada me prejudicou ou me fez mal. Isso não quer dizer que não precisamos de algum conhecimento e cuidado para aplicar as ervas em crianças.

Devemos nos preparar para acolher nos meios religiosos naturais esses que virão, sem conhecimento nenhum, mas movidos pelo desejo de entender os porquês de Deus ter colocado uma criança mediúnica em suas vidas. Devemos aprender para poder ensinar que isso não é doença ou algum mal que pegou no pequeno, mas que faz parte da própria evolução de todos nós.

Crianças recém-nascidas, e até alcançar a capacidade de andar e falar, não tem necessidade de tomar banhos de ervas diretamente. A mãe, ou pessoa habilitada, pode ao preparar um banho para si, desde que tenha pelo menos uma erva equilibradora (morna), molhar as mãos no preparo e passar na cabeça da criança, ou mesmo molhar a ponta dos dedos ou do polegar e fazer uma cruz no alto da cabeça, na testa, na nuca, no pescoço, no peito, no ombro direito e no esquerdo, fechando assim os quatro cantos energéticos, criando um campo de proteção para o bebê.

Crianças hiperativas normalmente são saudáveis e exigem dos pais uma compreensão extra. Crianças muito quietas podem sim ser normais, podem apenas serem quietas. O importante é os pais não quererem idealizar um filho e acreditar que as ervas podem criar essas condições. As ervas sim podem trazer alivio para alguns males, compreensão para situações naturais, alivio para os momentos de falta de saúde, tranquilidade, raciocínio e foco para que se promovam os ajustes naturais para todos nós, inclusive e em especial, as crianças.

Quando falo que a mãe deve fazer, eu não excluo o pai. É que a mãe é quem normalmente está mais ligada aos cuidados à criança. Nada impede que o pai, os avós, a madrinha, ou alguém que tenha a permissão dos pais, possa fazer isso. No entanto é fato que o poder da mãe é indiscutível.

Para as crianças entre os sete e os doze anos de idade, os banhos com ervas equilibradoras são suficientes para uma boa relação limpeza x equilíbrio energético. Essa idade escolar desperta nos pais a preocupação com o foco, o raciocínio e a capacidade de aprendizado.

Crianças até os sete anos de idade, em media, tem ainda os centros de força (chacras) em formação, portanto tem proteção natural dos mecanismos da Lei da Vida. Dificilmente terão necessidade de um banho ou outro ritual mais direcionado aos descarregos energéticos. Essa é a regra geral, casos isolados devem ser tratados também de forma isolada, avaliados e se possível, ter mais de uma opinião sobre o assunto, antes da aplicação do ritual.

A partir dos doze anos de idade, se bem que essa idade está mudando para baixo, os banhos normais, assim como feitos para os adultos, podem ser administrados livremente.

Só a titulo de comentário, como observei anteriormente, as crianças têm cada vez mais vindo ao planeta trazendo capacidade mediúnica, perceptiva, crítica, avaliadora e um conjunto de conhecimento latente que dificulta aos pais um caminho mais adequado. Para quem está num meio natural (magia, rituais) o entendimento para esses pequenos seres que vem nos abençoando com suas presenças é um pouco, apenas um pouco, mais fácil. Isso é normal e faz parte de todo esse momento transformador que nosso planeta vive. Assim como as ervas não crescem apenas no quintal dos religiosos, essas crianças não nascem apenas em lares amparados pelas religiões naturais. Nenhum pai irá querer ver o seu filho agredido por religiosos e seus livros sagrados, dizendo que estão possuídos pelo diabo, pelos infernos e seus seres, o que na verdade será demonstração de falta de conhecimento e

Os amacis, no caso de serem aplicados no ambiente religioso, requerem o bom senso do sacerdote aplicador. Há algumas ervas que eu gosto muito de direcionar para o trato com os pequenos, entre elas cito o Capim Rosário, a Alfazema (lavandas), a Camomila, a Erva Doce e a Macela.

Adriano Camargo - Erveiro da Jurema – É Sacerdote de Umbanda, autor do livro Rituais com Ervas, banhos defumações e benzimentos. adriano@ervasdajurema.com.br

www.oerveiro.com.br


Ano 6 número 53

página 11


página 12

Ano 6 número 53

Falando de Umbanda Escrito por: Pai Ronaldo Linares

Ter ou Ser?

Ou talvez: como ter e como ser! Este século deixará sua marca não apenas pelo avanço tecnológico, mas também e, principalmente, pelas mudanças drásticas nos conceitos de relações humanas, alterando, consequentemente, o conceito de amor. Aliado a isso, a facilitação da aquisição de bens de consumo, particularmente os que carregam o conceito de status aos que os possuem, acelera uma transformação social da qual ainda não estamos nos dando conta. Em primeiro lugar vem a necessidade de “ter”. A correria diária não possibilita a percepção de que já temos o suficiente. A necessidade da compra é inversamente proporcional à necessidade do que é comprado. São armários repletos de roupas, calçados, perfumes, etc., que nunca serão usados. A troca de aparelhos eletrônicos é infinita, ou seja, assim que é lançado um novo modelo, o antigo não nos serve mais, e assim vai... A cozinha é cheia de eletrodomésticos inúteis para o dia-a-dia, os armários cheios de louças, panelas, talheres de diferentes formas e usos que nunca são utilizados.

Por outro lado, ocorre uma transformação imensa nos relacionamentos afetivos decorrente da forma que vivemos atualmente. O antigo conceito de que o casamento era a garantia feminina de segurança financeira, além de ficar para a mulher os afazeres domésticos e a criação dos filhos enquanto o homem trazia para casa o sustento da família, fazia com que ela não tivesse muitas opções fora do casamento e acabava por se sujeitar a tudo o que lhe desagradava. Além disso, ambos achavam que encontrariam no parceiro o seu complemento. Era como se a felicidade de um dependesse do outro, do tipo e quantidade de amor e atenção que recebesse. Para alguém ser feliz era preciso mudar para que o outro o aceitasse, e o outro deveria fazer o mesmo. As pessoas deixavam de fazer algo que gostavam muito se o parceiro não gostasse. Isso mudou radicalmente porque as pessoas aprenderam a valorizar a si mesmas. A emancipação feminina possibilita que ela própria se sustente, não dependendo do companheiro para tal. O casamento está mais próximo da palavra parceria do que da palavra romantismo. Amar não é suficiente se o outro não aceitar a pessoa como ela é.; se não a respeitar, bem como as seus valores.

A adaptação tem que ser feita, mas ninguém se anula, apenas se completam. São duas pessoas completas somando o que gostam e o que pensam. Fazendo juntos o que gostam e respeitando as vontades do outro. São dois universos criando um terceiro quando têm filhos e iniciam um novo ciclo em suas vidas. Só ficam juntos enquanto houver amor e respeito. Caso contrário a união não será conveniente.

O grande dilema atual, na minha opinião é como conciliar esses dois fenômenos? Ao mesmo tempo que a sociedade muda um conceito social tão significativo em como “ser”, continuam, por outro lado, numa busca desenfreada pelo “ter”.

Não é difícil pessoas perderem oportunidades de serem amigos, amantes ou amados, porque estão preocupados com o “que precisam ter” para serem felizes. Muitos só se dão conta do que tinham de valor inestimável quando o perdem. Bem poucas vezes o objeto de prazer intenso ou de enorme felicidade pode ser comprado.

Felizmente enquanto conhecemos uma quantidade enorme de pessoas que agem dessa forma, também conhecemos aquelas que conseguem perceber que a harmonia e a paz de espírito vem de dentro de cada um. Essas são as pessoas realmente plenas, que têm casamentos felizes e duradouros; que educam filhos com bons valores morais e éticos; que consomem menos e vivem mais alegres; que se ocupam menos com objetos e mais com pessoas, e finalmente, que são capazes de entender que a paz da alma não está na prateleira de uma loja chique, mas nas relações intensas que temos ao longo das nossas vidas. Portanto, para SERMOS não precisamos TER, e Ter, e ter... precisamos amar a nós mesmos!

Pai Ronaldo Antônio Linares, presidente da Federação Umbandista do Grande ABC é responsável pelo Santuário Nacional da Umbanda. www.santuariodaumbanda.com.br federacaoabc@terra.com.br www.facebook.com/ santuariodaumbanda.fugabc


página 14

Ano 6 número 53

Foto: Divulgação

Umbanda Legal Escrito por: Valéria Siqueira

SALVE OS PRETOS-VELHOS! Os arquétipos sob os quais as entidades espirituais se apresentam na Umbanda trazem, além das características que os identificam, uma mensagem a ser assimilada e compreendida, não apenas a nível “visual”, mas principalmente a nível espiritual.

lução, os pretos-velhos trabalham para transmutar a cada um de nós, sejamos médiuns ou assistência; aqui, transmutar significa transformar para melhor, corpo, mente, espírito e qualquer outro campo necessário em nossas vidas.

Preto-velho, é o arquétipo que representa a humildade e a sabedoria. Vivemos numa época e numa cultura onde as rugas de quem já viveu uma vida inteira faz pouca diferença; os jovens, não raro, pensam que a juventude é eterna, e que a velhice não chegará pra eles...

Já as amadas pretas-velhas de Umbanda são regidas pelo Mistério Ancião, por Mãe Nanã Buruquê, a ocupante do Trono Feminino da Evolução, transmutando e decantando na força dela tudo o que não nos serve para evoluir e tornarmos seres humanos melhores.

Nossa sociedade costuma exaltar a beleza dos corpos, mas não a elevação da alma. Mas dentro do culto aos Orixás envelhecer é uma honra, é motivo de comemoração, afinal, o que é o peso dos anos para uma alma leve? Não é nada. Um preto-velho representa a humildade daquele que, mesmo elevado em conhecimento, “mal sabe falar”, se veste de forma simples, come a mesma comida simples que os escravos comiam, e trabalham lindamente nos terreiros de Umbanda. Regidos pelo Mistério Ancião, por Pai Obaluaiê, não por acaso o ocupante do Trono Masculino da Evo-

Sua incorporação curvada simboliza, além do peso dos anos, a própria ação gravitacional da terra, elemento pelo qual Pai Obaluaiê e Mãe Nanã atuam estabilizando e acalmando o que for necessário. Nem todos foram negros, nem todos foram velhos...é só raciocinar por um segundo pra constatar que os escravos, vivendo nas condições em que viviam, raramente atingiam ao que chamamos de terceira idade. O que acontece que é que um espírito, ao alcançar o direito de se manifestar sob a bandeira da Umbanda, escolhe a linha que mais se afiniza com sua vibração, por isso temos tantos pretos-velhos se apresentando,

ainda que em vida não o tenham sido. Uma forte mensagem que eles trazem é que o sofrimento não justifica a violência, a revolta nem a vingança. O que diríamos de alguém que foi tirado de sua terra natal, escravizado, humilhado e teve todos os seus direitos humanos ignorados, e ainda assim hoje se apresenta pra ajudar a pessoas de todas as raças, cores e religiões, sem julgar? São evoluídos, essa é a palavra, conheceram a dor, mas nem por isso fazem dela sua lei. A mensagem é: não importa o quanto a vida seja dural, não importa o quanto as pessoas sejam difíceis, não importa o quanto o mundo seja injusto; floresça sempre. Por Mãe Valéria Siqueira

Terreiro de Umbanda Pai Oxóssi, Caboclo 7 Flechas e Mestre Zé Pilintra

Críticas e sugestões: t.u.paioxossi@hotmail.com


Ano 6 número 53

página 15


Ano 6 número 53

página 16

Eventos

25ª FESTA DE OGUM EM DIADEMA No dia 01 de maio aconteceu a tradicional ''FESTA DE OGUM'' 2016 de Diadema, na sua 25ª edição foi realizada no Ginásio Poliesportivo Ayrton Senna no, ao comando do nosso amigo e irmão Pai Cássio Presidente da FUCABRAD Federação tradicionalíssima. Entre as Personalidades e lideranças presentes destacamos a presença do Vereador Josa Queiroz, sempre presente e apoiando o Povo Umbandista e Matriz africana de Diadema.


página 17

Ano 6 número 53

Calendário

10 de ju

lho

4º FESTI VAL E DANÇA DE CURIMBA DA WEB RÁDIO BATUQU E I Data: D R O DA LUZ om Local: Q ingo, 10 de ju uadra lho d

e da esco Nenê de la de Sa 2016 V mba Rua Júli ila Matilde o Rinald i – Pen Horário ha, São : 11h Paulo Organiz SP ação: W e b Radio Contato Batuqu : 9 602 e 7-3709 iros da Luz

23 de julh

7º ENCONT

o

RO DE CUR IMBA FOUCESP

Data 23 -07-2016 13hs Local Esc ola CEU Jambeiro Endereço Av. José Pin (Prolonga mento da heiro Borges Av. Organizaç ão Mãe Ja Radial Leste) cira - Tem Caboclas de Iansã plo de Um banda Contato 3808-96 23 – 410 2-1687

11 de junh

11 de junho

Datas e Eventos

HOMENAGEM A TRANCA RUA DAS ALMAS E RAIN HA DAS SETE ENCRUZILHADA S Dia

LANÇAME NTO DO CD "NOSS O CHÃO" Dia 11 0 6

11 06 2016 19hs Local Sito Pontal D’ Ald eia Estrada Conceição Gar cia Gimenez, 200 Jd Presidente-Mariporã -SP Organização Pai Dinho Carceres-Templo de Umbanda Filhos da Luz do Cacique Pena Bra nca Contato (11) 2501-72 02

31 de julho

5º PROCIS SÃO E HOMENAGE M MA DIVINA MÃ E NANÃ Dia-31/07 /1

6 15hs Local: Clu be Atlético São Jorge End.: Rua Rego Barro s, Trav. Confi dencia min 828 - Vila Antonieta ei Organizaç ão Pai Elci ra zona leste- SP o de Oxalá Fones: (11 )9.9822-1 497 - (11 )9.99015 -9009

o

2016 Local Cas a de Vela s Santa R Endereço ita Pça da L iberdade, Organizaç 248. ão Centro E Urubatan -Pai João spírita D Contato (11) 387 ias 5-1615

07 de ag

19 de junho

e Escola M ooca - Rua Mooca, Sã Taquari, o Paulo - SP Horário: 13 :00 h Organização : Escola de Curimba e Umbandista arte Aldeia de Ca e Caridade boclos/Tem Caboclo Pe plo Amor na Contato: 11 Verde -2796-437 4 / 11-947 11-94726 85-5874 -7609

osto

1° FESTIV AL DE RAIZ DO CURIMBA MEU AXÉ Local: Q ua

Paulista dra Escola De Sa na Cantare , Rua Paulo Sil mba X-9 va Araú ira, São jo, 30, P Horário : 12:00 aulo - SP h Organiz açã Contato o: Grupo Emo ri : 11 - 9 5192-1 ô 2 65 / 9 8173 -8443

12ª PROCISS ÃO, HOMENA GEM E LOUVAÇÃO AO ORIXÁ XA Data: 19 de NGÔ junho 201 6 Local: Club


página 18

Ano 6 número 53

Eventos

4ª CAMINHADA DE OGUM EM GUARULHOS - FUCESP A energia positiva e a alegria tomaram conta da 4ª Caminhada de Ogum em Guarulhos, realizada em 16/04/2016 pela FUCESP - Federação de Umbanda e Candomblé do Estado de São Paulo presidida pelo nosso querido amigo irmão Pai Roberto Salum acompanhado por Pai Nelson e toda sua diretoria. A caminhada saiu da sede da Almeda Yayá e termi-

nou no clube recreativo com apresentações, almoço e grande confraternização. Pais e Mães, lideranças de Terreiros de Guarulhos e Região, Presidente do SOUESP Pai Juberli Varela, Vereador Laércio Pereira Guarulhos e Vereador Quito Formiga de São Paulo.

Parabéns pelo Belíssimo Evento! Saravá a nossa União!!! Saravá a nossa querida e amada Umbanda! Saravá o nosso Pai Ogum!!!


Ano 6 número 53

página 19


página 20

Ano 6 número 53

Eventos

ATO SOLENE NA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE SÃO PAULO EM HOMENAGEM AO DIA DE OGUM Ocorreu no dia 27/4/2016 a festividade em comemoração ao dia de Ogum, no auditório Paulo Kobayashi, na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, tendo sido realizadas na referida ocasião diversas homenagens aos templos presentes de forma geral, bem como homenagens específicas à várias personalidades atuantes da Nação Umbandista! Realmente, belíssimo ver o auditório lotado e todos em um só coração louvando nosso pai Ogum e deixando as homenagens ainda mais empolgantes.

solene em homenagem ao dia de Ogum,iniciativa da deputada Leci Brandão.

Recorda-se que o dia de Ogum passou a integrar o calendário oficial do estado de São Paulo com a promulgação da Lei Estadual 14.905/2012.

AUEESP-Sandra Santos FUGABC-Pai Ronaldo Linares UNIÃO DE TENDAS- Ogã Juvenal ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE UMBANDA-Pai Edson dos Anjos FUCESP-Pai Carlos Roberto Salum FOUCESP- Juliano de Ogum ICARAY- Mãe Márcia Pinho PRIMADO DO BRASIL-Mãe Cidinha U.R.U.Z.O.G.S.P- Pai Claudio

Nós da Aldeia de Caboclos agradecemos o convite e a oportunidade de ser a Curimba da oficial do ato

Federações que colaboraram com a organização do belíssimo evento!

Saravá nosso pai Ogum! Salve a nossa união! Salve a nossa querida e amada umbanda!

Destacamos entre outras personalidades e parlamentares presentes a presença do Nobre ‘’Vereador Quito Formiga.


Ano 6 número 53

página 21


Ano 6 número 53

página 22


Ano 6 número 53

página 23


Ano 6 número 53

página 24


página 26

Ano 6 número 53

Eventos

4 ANOS DO TEMPLO ESCOLA CASA DE LEI E HOMENAGEM A OGUM No dia 22 de abril de 2016 aconteceu a comemoração de 4 anos do Templo Escola Casa de Lei do nosso amigo e irmão Pai Alan Barbieri e Mãe Vânia Barbieri, ocasião em que conjuntamente realizaram sua homenagem ao nosso Grandioso Pai Ogum.

Estiveram presentes mais de 300 pessoas prestigiando a Comemoração e Homenagem, entre elas a presença ilustre do Vereador da cidade de São Paulo Quito formiga. Parabéns pelo Belíssimo trabalho que o Pai Alan

realiza em prol da nossa querida e amada Umbanda agregando pessoas, seja através do curso on line e presencial ou por meio da conceituada Web Rádio Toques de Aruanda.


Ano 6 número 53

página 27


Ano 6 número 53

página 28

Eventos

Lançamento DVD do 5º e 6º Festival de Curimba Aldeia de Caboclos A Família Aldeia de Caboclos Agradece de todo Coração a todos que estiveram presentes no Lançamento dos DVD´S do 5º e 6º Festival de Curimba Aldeia de Caboclos -Um Grito de Liberdade no dia 09 de Abril como de costume na Casa de Velas Santa Rita que sempre apoia e agradecemos a todas as Curimbas que se fizeram presentes cantando com muita Alegria e amor seus pontos ,foi maravilhoso!! Nosso Muito Obrigado


Ano 6 número 53

página 29


Ano 6 número 53

Eventos

59ª FESTA DE OGUM PROMOVIDA PELA UNIÃO DE TENDAS E ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE UMBANDA

Ocorreu no dia 24 de abril de 2016 a tradicionalíssima 59ª Festa de nosso Pai Ogum em Juquitiba – SP no Vale dos Orixás,promovida pela União de Tendas de Umbanda e Candomblé do Brasil e Associação Paulista de Umbanda. Agradecemos aos nossos queridos irmãos e amigos Pai Jamil Rachid, Pai Edson dos Anjos, Ogan Juvenal e toda diretoria, e filiados pelo carinho que receberam a nós e a todos que lá se encontravam. Entre as diversas Lideranças presentes destacamos a presença do nobre Vereador Quito Formiga SP e Vereador Laércio Pereira-Guarulhos Apresentamos os nossos enfáticos Parabéns pela Belíssima Homenagem ao nosso Pai Ogum, uma homenagem tradicional que participamos desde quando era realizada no Parque do Ibirapuera e agradecemos a oportunidade de prestigiar até os dias de hoje! MUITA LUZ AOS NOSSOS QUERIDOS DECANOS! Saravá nossa União!!! Saravá nosso Pai Ogum!!!

página 30


página 31

Ano 6 número 53

Eventos

FESTA DE OGUM - ANIVERSÁRIO DE 66 ANOS DA TENDA HIRMA ELIANA Para nós da Aldeia de Caboclos foi um presente estar na Homenagem ao nosso Pai Ogum e aniversário de 66 anos de um dos terreiros mais Tradicionais de São Paulo, a Tenda de Umbanda Hirma Eliana(fundação saudoso Pai Alexandre) e hoje no comando do Pai João Maria, foi emocionante cada palavra dita,cada ponto cantado ficamos muito felizes. Ressaltando a presença do Nobre vereador Quito Formiga. Parabéns a Tenda de Umbanda Hirma Eliana, Muito Obrigado pelo carinho e pela recepção! A família Aldeia de Caboclos agradece a oportunidade de ter participado desse célebre e marcante momento! Salve nossa União! Saravá Pai Ogum!


página 32

Ano 6 número 53

Eventos

45ª FESTA DE OGUM REALIZADA PELA U.R.U.Z.G.S.P Foi muito bom e importante participarmos da 45ª Festa de nosso Pai Ogum em Osasco, promovida pela União Regional Umbandista Zona Oeste da Grande São Paulo, e gostaríamos de agradecer e parabenizar ao nosso querido irmão e amigo Pai Cláudio Franco e vossa esposa Sonia e a toda diretoria, Curimba, e filiados pelo acolhimento e carinho que nos receberam a nós e a todos que lá se encontravam, bem como parabenizá-los pela Belíssima Homenagem ao nosso Pai Ogum. Saravá nossa União!!! Saravá a nossa querida e amada Umbanda!!! Saravá nosso Pai Ogum!!!


página 33

Ano 6 número 53

Eventos

21ª FESTA DE OGUM - T.U OGUM GUERREIRO E CABOCLO SETE LUA Ocorreu no dia 30/04/2016, com extrema alegria, amor e devoção, a 21 ª Festa de Ogum realizada pelo Templo de Umbanda Ogum Guerreiro e Caboclo Sete Lua, a bela festividade se desenvolveu sob a direção do nosso amigo e irmão Pai Walter de Ogum. Na ocasião esteve presente o nobre Vereador Quito Formiga sempre presente junto ao nosso povo. Compartilhamos esta enorme alegria, junto a todos os irmãos, com as bênçãos do Povo da Bahia, dos Marinheiros e de Senhor Ogum. A família Aldeia de Caboclos agradece mais uma a vez a oportunidade de participar deste grande evento e pedimos que a espiritualidade maior continue fortalecendo e amparando a Família Ogum Guerreiro! Sarava nosso Pai Ogum! Salve a nossa União! Salve a nossa querida e amada Umbanda!


página 34

Ano 6 número 53

Eventos

FORMATURA DO CURSO BÁSICO DE CURIMBA REALIZADO PELA ESCOLA DE CURIMBA E ARTE UMBANDISTA ALDEIA DE CABOCLOS – 2016 O destacável evento ocorreu no dia 10 de abril de 2016, no Santuário Nacional da Umbanda, e se desenvolveu sob o comando da distinta e atuante Diretoria e dos exemplares Instrutores desta tradicionalíssima Escola de Curimba. Curso este que enfatizou que com a união dos atabaqueiros e curimbeiros os trabalhos espirituais ganham mais harmonia, força e beleza, uma vez que o aluno é preparado, com o devido conhecimento de causa, bem como proporcionou o robusto aprendizado prático de acordo com a proposta do respectivo curso. Na ocasião todos os presentes, os formandos, familiares e convidados desfrutaram de um clima fraterno, cheio de alegria e energias ultrapositivas, fatores que vieram a coroar um curso repleto de importantes aprendizados, integração, formação de novas amizades e trabalhos conjuntos, assim como a aquisição de um alicerce e de um conteúdo voltado a se compartilhar a essência da nossa amada Umbanda. Por final, ressalta que este belíssimo evento condecorou um trabalho sério, comprometido com as raízes, valores e princípios da Umbanda, trazendo grande

alegria e satisfação tanto aos organizadores como aos exemplares formandos. FORMANDOS Almir Procópio dos Santos Magno Firmiano da Silva Marcelo Rosa Fogaça da Silva Mauricio dos Santos Nubia Regina Silva Bahia Rafael Cezaro Kleber Moreira Silva Emerson Pedroso de Morais Jean Carlos Pereira Gomes CONVIDADOS Pai Ronaldo Linares – Presidente da Federação Umbandista do Grande ABC Severino Sena – Presidente do Núcleo de Curimba Tambor de Orixá Hamilton de Oliveira – Presidente da Escola de Curimba Espaço de Ogã


Ano 6 número 53

página 35


Ano 6 número 53

página 36

Eventos

1ª PROCISSÃO DE OGUM REALIZADA PELA SOL DE ARUANDA ARTIGOS RELIGIOSOS Ocorreu no dia 23 de abril de 2016, a 1ª Procissão de Ogum promovida pela Sol de Aruanda Artigos Religiosos, festividade que se desenvolveu com grande beleza, muita união e alegria, espalhando energias de extrema positividade a todos os presentes! A família Aldeia de Caboclos destaca a grande felicidade em poder carregar Ogum pelas ruas do Jardim São Paulo. Parabéns a todos os organizadores! Saravá nosso Pai Ogum!


página 37

Ano 6 número 53

Eventos

VAMOS SARAVÁ OGUM - AUEESP- 2016 Uma Maravilhosa Homenagem cheia de emoção e muita energia presente no Parque de Mooca, todos se emocionaram com a Homenagem realizada pela AUEESP (Associação Umbandista e Espiritualista do Estado de São Paulo) sob o Comando da nossa querida amiga e irmã Sandra Santos e sua diretoria, que sempre realiza um evento de alto nível de energia e uma organização exemplar!

Parabéns ao nosso eterno instrutor amigo e irmão Severino Sena que conduziu brilhantemente a Homenagem com a sua Escola Instituto Cultural Tambor de Orixá, e todas as curimbas e Curimbeiros presentes. A Família Aldeia de Caboclos agradece a oportunidade de estar presente nesse lindo momento!

Muita luz e Paz na Evolução Espiritual ao Grande Pai ,amigo e Irmão Pai Rubens Saraceni Filho de Ogum e Iemanjá Salve nossa União! Saravá Ogum!


Ano 6 número 53

Eventos

REINAUGURAÇÃO DA TENDA DE UMBANDA CAMINHEIROS DA LUZ Ocorreu em 01 de maio de 2016, com extrema alegria e devoção, a reinauguração da Tenda de Umbanda Caminheiros da Luz - Os Guerreiros de Oxalá, dirigida por Pai Fábio Marques, e situada na Rua Baltazar Vidal, 246, Parque do Carmo, São Paulo – SP. A Família Aldeia de Caboclos lhes congratula por este belo feito, e que a Prosperidade, a Saúde e o Amor reinem sempre com máxima intensidade nesta Casa de Caridade!

página 38


Ano 6 número 53

página 39


página 40

Ano 6 número 53

Amor ao Próximo Por: Ylê de Nagô Mãe

Iansã e Mestre Dendê

DOAÇÃO DE SANGUE – UM FORMA DISTINTA E MUITO VÁLIDA DE HOMENAGEAR OGUM Povo do Axé!Acredito que nosso objetivo é a caridade aos nossos irmãos. Então eu Mãe Ivanise de Iansã e os filhos do Ylê de Nagô Mãe Iansã e Mestre Dendê, nos unimos nesta data (mês de abril de 2016) para homenagear o nosso querido guerreiro São Jorge de

uma forma diferente, para vencer uma guerra um pouco maior......fomos doar sangue, pois os níveis nos bancos de sangue estão bastante baixos.

"NÃO IMPORTA SUA RELIGIÃO, O IMPORTANTE É A DOAÇÃO.

Gostaria de convidar a todos para reunir seus templos e casas para fazer o bem de forma ainda mais ampla.

Texto Ylê de Nagô Mãe Iansã e Mestre Dendê

SALVA VIDAS E ALEGRA O CORAÇÃO!"


Ano 6 número 53

página 41


página 42

Ano 6 número 53

Amor ao Próximo Por: Escola de Curimba

Caboclo Girassol

TEMPLOS DE UMBANDA SE REÚNEM PARA DOAR SANGUE No feriado de São Benedito, o hemonúcleo de Taubaté recebeu cerca de 150 doadores de vários Templos de Umbanda da cidade e a Escola de Curimba Caboclo Girassol do nosso amigo e irmão Roncali.

O ato movimentou o banco de sangue, que segundo a assistente social Sônia Andrade, estava literalmente "no vermelho". Nossa reportagem também encontrou membros das igrejas Católica e Evangélicas, to-

dos unidos por uma só causa: A vida do irmão. Parabéns pela exemplar iniciativa! Fotos:TV Taubaté


Ano 6 número 53

página 43


9 9877-2354 umbanda@tendadeumbanda.org www.tendadeumbanda.org

Fundado em: 18-01-1975

Trabalhos Espirituais aos Sรกbados as 19:00 hrs Avenida Vila Ema, 3248- Vila Ema Sรฃo Paulo/SP Tel.: 11 2604-5524 / 98564-1207

Nextel=78250655 id122*72459

Email-silvio.humberto@hotmail.com

Anuncie conosco! de Caboclos jornal@aldeiadecaboclos.com.br

Endereรงo: Rua Viela Espinard nยบ 17 Picanรงo- Guarulhos cabocloseteflexaebaianoseveria@gmail.com Contato:94726-7609


Jornal Aldeia de Caboclos edição 53