Page 1

Lajeado, sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017 Ano 14 - Nº 1786 Avulso: R$ 2,00 Fundado em julho de 2002 Fechamento da edição: 21h

PRIVATIZAÇÃO DA BR-386

ANTT aceita fazer audiência no Vale e admite rever pedágios E m audiência pública marcada pela tensão entre representantes regionais e da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), líderes da localidade conseguiram da ANTT a garantia da realização de uma reunião no Vale. De acordo com o superintendente da Agência, Luiz Fer-

nando Castilho, mesmo a exclusão da BR-386 do trecho de concessão pode ser decidida. Segundo ele, caso o Vale decida por não ter pedágios, também não terá direito à obras de melhorias previstas na concessão, ficando na Páginas 10 e 11 dependência de investimentos da União ou do Estado. ANDERSON LOPES

TRANSTORNO: líderes do Vale e agentes da ANTT divergiram sobre os locais dos pedágios. Ainda assim, houve avanço pelo fato da agência aceitar fazer uma reunião regional para debater o plano

TRABALHO VALORIZADO

TEMPO NO VALE Nebulosidade e chance de chuva Mínima: 22°C - Máxima: 35ºC FONTE: CIH/UNIVATES

Catadores recebem novo modelo de carro para coleta Projeto desenvolvido por estudantes de engenharia da Univates buscam dar mais conforto e segurança. Protótipo e desenhos serão entregues à Associação de Catadores Sepé Tiaraju. Custo baixo permite que trabalhadores montem os próprios carrinhos. Página 6

ENCANTADO

LAJEADO

Trabalho em Mudança prol de escola aborrece passageiros JUREMIR VERSETTI / CHINELAGEM PRESS

Pais de alunos fazem mutirão para preparar a Monsenhor Scalabrini à volta às aulas. Página 8

Cerca de 200 usuários do sistema de transporte coletivo aderiram a abaixo-assinado para o governo. O documento pede a volta de horários, aumento da frota e mudança de roteiro dos ônibus. Página 4


A HORA · SEXTA-FEIRA, 17 DE FEVEREIRO DE 2017

2 EXPEDIENTE

Editorial

Diretor Geral Adair G. Weiss Diretor de Conteúdo Fernando A. Weiss Diretor de Operações Fabricio de Almeida REDAÇÃO Av. Benjamin Constant, 1034/201 Fone: 51 3710-4200 CEP 95900-000 - Lajeado - RS www.jornalahora.inf.br ahora@jornalahora.inf.br COMERCIAL e ASSINATURAS Av. Benjamin Constant, 1034/201 CEP 95900-000 - Lajeado - RS comercial@jornalahora.inf.br assinaturas@jornalahora.inf.br entrega@jornalahora.inf.br

Os artigos e colunas publicados não traduzem necessariamente a opinião do jornal e são de inteira responsabilidade de seus autores. Tiragem média por edição: 6.000 exemplares. Disponível para verificação junto ao impressor (ZH Editora Jornalística)

Fundado em 1º de julho de 2002 Vale do Taquari - Lajeado - RS

INDICADORES ECONÔMICOS

MOEDA

COMPRA

VENDA

Dólar Comercial

3,08

3,08

Dólar Turismo

3,02

3,02

Euro

1,07

1,07

Libra

1,25

1,25

Peso Argentino

15,38

15,39

Uma aula de cidadania

A

iniciativa dos pais de alunos do Instituto Estadual de Educação Monsenhor Scalabrini, Encantado serve de exemplo para explicar qual é o conceito da vida em comunidade. Na semana anterior ao reinício do ano letivo, dedicaram parte do tempo para limpar o colégio e dinheiro para reformas no complexo. Deram uma amostra de desprendimento. Uma lição sobre cidadania. Saíram do comodismo, levantaram da cadeira, sem reclamar do outro, do estado ou dos políticos, e foram resolver o problema. Essa ação também se deve aos diretores da instituição de ensino. As professoras abriram as portas da escola, mostraram as deficiências do prédio construído há mais de 50 anos. Nessa atitude, conquistaram a confiança e o apreço dos pais. Por mais que o ato de limpar uma fachada, uma sala, arrumar uma mesa, cadeira, ou pintar uma parede possa ser

Por mais que o ato de limpar uma fachada, uma sala, arrumar uma mesa, cadeira, ou pintar uma parede possa ser visto como algo simples, são poucos que abrem mão de um tempo livre para assumir essa responsabilidade. A decisão de contribuir com a escola é carregada de significado.

visto como algo simples, são poucos que abrem mão de um tempo livre para assumir essa responsabilidade. A decisão de contribuir com a escola é carregada de significado. Transmite um sentimento de pertencimento entre os estudantes. Essa interferência tem potencial para reduzir os casos de vandalismo, de indisciplina, e elevar os cuidados com o ambiente escolar. O aluno, sabendo da aproximação dos pais com professores e com a escola, terá mais apreço pelo bem público. Além dessas questões subjetivas, há também impacto na qualidade do ensino. Cria um ambiente propício para o aprendizado, seja devido aos espaços limpos e organizados, ou mesmo pela proximidade dos pais na vida escolar dos filhos. Essa característica de comunidades escolares ativas é comum no Vale do Taquari, em especial nas cidades de pequeno porte. Como as relações entre profes-

sores e pais é mais próxima, as informações sobre necessidades do educandário são de conhecimento comum. A partir disso, as forças comunitárias se mobilizam para atender esses anseios. A transformação ocorre por meio do conhecimento. É a educação o fator primeiro para se ter uma sociedade mais igualitária, justa e crítica. Esse caminho só pode ser trilhado com um ensino de qualidade, com escolas bem equipadas e com professores valorizados. Pois apenas o conhecimento tem o poder de expandir os horizontes e fazer o jovem enxergar um propósito na vida. Para tanto, mais uma vez, a participação das famílias deve ser efetiva. Pais e mães, tios, avós, os responsáveis pelos menores precisam acompanhar as atividades. Interagir com professores. A terceirização do processo de educar é uma das dificuldades enfrentadas pelos docentes.

Cotação do dia anterior até 17:45h, Valor econômico.

Comentários postados na página do facebook e no site do A Hora. Participe e deixe sua opinião

Na rede ÍNDICE

MÊS

% MÊS

% ACUMULADO ANO

ICV (Dieese)

01/2017

1,04

1,04

IGP - DI (FGV)

01/2017

0,43

5,99

IGP - M (FGV)

01/2017

0,64

6,66

INPC (IBGE)

01/2017

0,42

5,44

INCC

01/2017

0,29

6,31

01/2017

0,38

5,34

IPC-A (IBGE)

SALÁRIO MÍNIMO ANO: 2017 - R$ 937,00

TAXAS E CERTIFICADOS

MÊS

TJLP ANO

7,50

SELIC META

13,00

TR

01/2017

0,03

0,02

CDI MENSAL

01/2017

1,08

1,08

Indústrias reduzem investimentos A intenção de investimento é a menor desde 2010, é o que mostra pesquisa da FIERGS. O estudo foi realizado entre 21 de novembro e 9 de dezembro. Em 2017, apenas 59,9% das empresas consultadas pretendem investir. A maior parte das iniciativas (68,3%) deverá se concentrar nos projetos em desenvolvimento. A incerteza econômica é o motivo da cautela para a maioria dos entrevistados (92,2%), seguida pela reavaliação da demanda/ociosidade elevada (64,2%) e o custo do crédito/ financiamento (43,2%). Entre as indústrias que pretendem investir, a compra de máquinas e equipamentos deve ser a principal razão (91,7%). A principal meta atender ao mercado doméstico (62,3%).

Senac realiza formatura de 15 Jovens Aprendizes Lajeado

OURO E PETROLEO

FECHAMENTO

OURO GOLD (Onça Troy) PETROLEO BRENT

USD 16/02/2017 1.231,70 USD 16/02/2017 53,11

DATA

HORÁRIO

17:25

Cidades

A HORA · QUINTA-FEIRA, 16 DE FEVEREIRO DE 2017

Estado

% ACUMULADO % MÊS ANO

01/2017

Comentário sobre a matéria “Município pretende debater reabertura de rua com colégio”

O dia 17 de fevereiro será de festa para os 15 formandos da turma de Jovem Aprendiz do Senac Lajeado. Os alunos do curso Aprendizagem Comercial irão receber os certificados às 19h no auditório do Sesc Lajeado, localizado na rua Silva Jardim, 135. A cerimônia é voltada para parentes, amigos e convidados dos alunos. O programa Jovem Aprendiz atende as empresas que desejam contratar jovens para o segmento do comércio de bens, serviços e turismo. Como forma de educação inclusiva, o aluno é contratado pela empresa e realiza o treinamento por meio dos cursos de aprendizagem do Senac da região, nas modalidades presencial e a distância. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (51) 3748.4644 ou no site

Município pretende debater reabertura de rua com Colégio Justiça determinou retirada do portão, mas escola recorreu CAROLINA CHAVES DA SILVA

“Como a prefeitura aceitou a sentença em primeira instância, deve atendê-la. Só eles podem fazer algo a respeito, tomar alguma atitude.” A defesa do Colégio acredita que a tramitação do caso na Justiça impede que o município tome qualquer atitude para retirada dos portões. Entendimento contrário ao do promotor.

RELEMBRE O CASO Cidade

A HORA · FIM DE SEMANA, 22 E 23 DE OUTUBRO DE 2016

PONTOS

%

IBOVESPA (BRA) DOW JONES (EUA) S&P 500 (EUA)

67.864,27

-0,16

20.591,49

-0,10

2.349,25

0,50

NASDAQ (EUA)

5.805,72

-0,24

DAX 30 (ALE)

11.757,24

-0,31

FSTE 100 (GRB)

7.277,92

-0,34

cotação do dia anterior até 17h45min

Fonte: O Globo

11

Executivo aguarda posição do Colégio Gustavo Adolfo para encaminhar a decisão ANDERSON LOPES

nós é sempre uma tortura para se locomover. A rua aqui em frente vai só numa direção, e precisamos fazer toda uma volta”, relata. Antes das eleições, ele conta que os vizinhos tiveram uma reunião com o atual prefeito, Luís Fernando Schmidt, que se comprometeu a retirar os portões em breve. “Não poderiam recuar agora”. A vendedora Katiana Schmidt, 30, mora na lateral do colégio e também aguarda uma solução. “Ninguém tem o direito de fechar uma rua. Ela é pública. Podiam fazer inúmeras coisas ali: colocar um guarda, uma passarela.”

O

Escola está sendo ampliada. Além do clamor pela reabertura da rua, moradores reclamam dos entulhos depositados no local

promotor público Neidemar Fachinetto orienta o governo municipal a reabrir a rua Albert Schweitzer, no bairro São Cristóvão. A via está fechada desde janeiro de 2013 por dois portões instalados pelo Colégio Sinodal Gustavo Adolfo. O objetivo da instituição era garantir a segurança dos alunos, que cruzam a rua para ir de um prédio a outro da escola. O ato foi autorizado pelo Legislativo e Executivo. Em abril deste ano, a juíza Carmen Luiza Rosa Constante Barghouti determinou a retirada das grades que fecham a via, processando o município e o colégio, por meio de uma ação aberta pelo MP. Como o Executivo não entrou com recurso na decisão, Fachinetto considera que a sentença foi acolhida, e deve ser atendida. “Acredito que, como a prefeitura não se manifestou, deve ter concordado com a definição. Então, agora, tem o poder de reabrir a rua. Mas isso depende somente deles, porque ainda resta saber se o colégio entrará com o recurso, o que não fez até agora, mas ainda poderá fazer”, esclarece.

Governo aguarda

Lajeado

O

s portões que fecham a rua Albert Schweitzer, no bairro São Cristóvão voltam a ser motivo de debate. Ministério Público e o Executivo pretendem se reunir para tratar do tema. De acordo com o prefeito Marcelo Caumo, a pretensão é buscar uma alternativa para a polêmica iniciada em 2013. O promotor Neidemar Fachinetto será o intermediador da conversa entre o município e a escola. A diretoria da Colégio Sinodal Gustavo Adolfo deverá ser contatada para tratar do assunto. De acordo com entrevista cedida por Caumo, na sexta-feira passada, o objetivo inicial é dialogar com a comunidade escolar. Ele afirma que, por enquanto, está se inteirando da situação. “Como característica nossa, vamos buscar a conciliação. Mas se não chegarmos a um consenso, teremos de agir.” Para Fachinetto, esta é a única forma de encontrar uma solução rápida, tendo em vista que ainda está em análise judicial a partir de Ação Civil Pública movida por ele em 2013, apontando a incons-

titucionalidade da lei que previu a concessão da via.

Postura dos moradores Residente da Rua Comandante Wagner faz 31 anos, Cecilia Wendt, 69, afirma que nestes quatro anos não consegue sair ou chegar em casa de maneira rápida. “Depois que começam as aulas fica tudo trancado. Poderiam colocar um guarda lá, uma passarela, qualquer coisa, mas não trancar”, reclama. Ela participou dos protestos contra a instalação do portão, e espera que o município haja de acordo

Como característica nossa, vamos buscar a conciliação.” Marcelo Caumo prefeito

com o interesse público. “Antes passava até ônibus ali, agora estão ocupando a rua para depositar entulhos. É vergonhoso.” Doris Prass, 71, compartilha do mesmo pensamento. Ela afirma que o marido já tratou da questão com a nova gestão, e aguarda posicionamento. “No contrato fica claro que o município pode revogar. É isso que precisam fazer.” A reportagem tentou contato com o diretor da escola, Edson Wiethölfer, diversas vezes, entre a sexta-feira passada e ontem. Mas não obteve sucesso.

Saiba mais Em abril do ano passado, quase três anos após a abertura da ação, a juíza Carmem Rosa Constante Barghouti emitiu sentença a respeito do caso. Ela determinou a retirada das grades que fecham a via, sob pena de multa diária de R$ 5 mil, e outros R$ 2 mil por qualquer obstáculo que seja colocado na rua. A administração passada concordou com o apontamento. Mas a escola entrou com recurso. Por isso, o processo ainda está sub judice, e será repassado ao Tribunal de Justiça, que poderá manter ou revogar a decisão.

O assessor jurídico do município, Edson Kober, ainda não viu a notificação. Antecipa que o Exe-

Ana Paula Pacheco

DECISÃO Rua no São Cristóvão permanece fechada faz quase quatro anos. Situação confronta moradores e direção do colégio

cutivo não adotará medida antes do prazo para recurso do colégio esgotar. “Não interpusemos recurso porque entendemos que a rua precisa ser liberada. Esta gestão entendeu que este é um anseio da comunidade. Mas precisamos aguardar, porque se houver recurso a matéria vai ser rediscutida, e a decisão poderá mudar.” Ele acredita que, além de abrir precedentes, a medida é prejudicial aos cofres públicos, tendo em vista que o município e a escola foram condenados a retirar as grades, sob pena de multa diária de R$ 5 mil, e R$ 2 mil por qualquer obstáculo colocado na via.

Cada uma delas a ser paga individualmente pelos dois condenados. “Alguém vai ter que pagar por esse prejuízo”, alerta.

Colégio recorre e impasse continua A assessoria jurídica do Gustavo Adolfo é feita pelo escritório Schumacher, que entrou com embargos de declaração na decisão da juíza. “Queremos sanar algumas dúvidas, em relação à decisão dela”, explica o advogado da causa, Luís Alberto Plein. Ele afirma que, quando houver retorno do pedido, eles terão 15 dias para entrar com

o recurso, o que será feito. Dessa forma, a ação será remetida à análise do Tribunal de Justiça do Estado (TJE), que poderá manter a sentença da juíza ou revogá-la. Ele acredita que, por estar sub judice, o caso não é passível de interferência da prefeitura.

Moradores pedem avanço do município O aposentado Pedro Nelson Wendt, 72, reside faz 30 anos na rua, agora em frente aos portões. Ele afirma que nos últimos quatro anos têm passado por inúmeros percalços para sair de casa. “Pra

Após avaliar a ação aberta pelo MP, a juíza considerou que a posição dos moradores estava correta, tendo em vista que o fechamento não visava o atendimento de interesses públicos, mas, sim, de poucos, como citou na sentença. A fim de cancelar, de modo permanente o cerceamento, ela considerou inconstitucional a lei que previa a concessão da rua. Porém, o prazo para recursos foi aberto, e agora o processo poderá parar no Tribunal de Justiça.

Comentário sobre a matéria “Entidades apresentam propostas sobre pedágios” Só com pressão sodo Vale Sincovat e governo discutem segurança cial coerente, apartidá- Representantes elaboram estratégia ria e livre de interesses pessoais poderemos O mudar pontos chaves neste contrato abusivo. O Governo não Atendimento em posto pode fugir das suas muda de horário responsabilidades e usar o o dinheiro dos nossos impostos para investimentos em outros lugares do Brasil, abandonando completamente o Vale- dizendo: "agora se virem e paguem tudo vocês!". Queremos contra-partidas do governo para que os valores sejam mais baixos e justos. A 101 em Santa Catarina, por exemplo, foi toda duplicada com verbas federais e os pedágios (baratos e eficientes) servem para manutenção- o que é muito bom. Tem muita coisa para mudar. Assim como está, não aceitamos! Amanhã, todas as pessoas que puderem comparecer a audiência pública estão convidadas. Quanto mais- melhor! 14

Cidades

A HORA · QUARTA-FEIRA, 15 DE FEVEREIRO DE 2017

Lajeado

Entidades apresentam propostas sobre pedágios ANDERSON LOPES

Vale do Taquari

projeto de concessão da BR-386 voltou a ser motivo de debate ontem. Representantes dos municípios lindeiros à rodovia organizaram duas minutas para serem apresentadas em audiência pública da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) nesta quinta-feira, no auditório do Sest/Senat, em Porto Alegre. De acordo com a presidente do Codevat, Cíntia Agostini, os dois documentos seguem as diretrizes definidas na reunião da entidade realizada na segunda-feira, 13. O primeiro deles solicita o adiamento do edital de concessão e a realização de uma audiência pública no Vale do Taquari. Caso a proposta não seja aceita, a segunda minuta será apresentada com reivindicações pontuais em relação aos pedágios. Entre as demandas está a revisão dos cálculos de fluxo para redução nos valores propostos. Além disso, também será reivindicada a redução do tempo previsto para início das obras de duplicação da rodovia. “É inaceitável que isso ocorra a

Comissão se reuniu ontem para organizar reivindicações a serem apresentadas

partir do 10º ano, queremos que as obras ocorram pelo menos a partir do 5º ano.” Os líderes da região também querem uma revisão da lista de obras emergenciais da rodovia. “Identificamos a ausência de obras fundamentais, como a do trevo de Bom Retiro do Sul”, aponta. Outra reivindicação é a criação de um conselho de usuários, com poder deliberativo, e uma maior participação do governo Federal nas obras. “A União tem um recurso no orçamento para melhorias e recolhe o CIDE, imposto que deveria ser usado na malha viária”, alega. Para Cíntia, governo deveria propor uma saída inovadora para minimizar o impacto da concessão e oferecer um custo menor para a sociedade.

VAGAS REDUZIDAS

A audiência da ANTT ocorrerá em auditório com apenas 230 lugares, com o tempo de fala equacionado de acordo com o número de pessoas inscritas. De acordo com Cíntia a estratégia da região é dividir as falas entre quatro entidades: Codevat, Amvat, Avat e CIC-VT. “Todos que puderem se inscrever e falar o farão, mas as quatro entidades falarão sobre os pontos que constam nos documentos”, afirma. A reunião em Porto Alegre está prevista para começar às 14h e encerrar às 18h.

“Estamos trabalhando para acertar”. Assim o secretário de Segurança Pública de Lajeado, Paulo Locattelli Gandin, definiu seu objetivo ao se reunir com a diretoria do Sindicato dos Contadores e Técnicos em Contabilidade do Vale do Taquari (Sincovat) nessa segunda-feira. Acompanhado do diretor de Inteligência do município, Gandin destacou a necessidade de receber sugestões das entidades representativas para melhoria dos serviços e apresentou demandas e projetos de ações na área de segurança, considerada um problema real da cidade. Presidente do Sincovat, Rui Mallmann parabenizou a iniciativa do encontro e enalteceu a postura da nova administração ao agir de forma transparente e considerar as reinvindicações da comunidade. Para Gandin, a segurança pública envolve diversas áreas que têm trabalhado de forma conjunta com órgãos de policiamento, como polícia civil e rodoviária, bombeiros, brigada militar e agentes de trânsito. Ao buscar parceria junto a outras secretarias, ao poder legislativo, entidades de classe e Associação Lajeadense Pró-Segurança Pública (Alsepro),

Cruzeiro do Sul

A Secretaria da Saúde e Saneamento, informa que a partir dessa segunda-feira, o Posto

Desde dezembro de 2011, a escola tem autorização do município para utilizar a via. A concessão previa que por cinco anos a área de uso público passe a ser de utilidade privada. O objetivo era garantir a segurança dos alunos, tendo em vista que a via separa dois terrenos de propriedade da escola. Um deles com sala de aula e pátio, e outro com uma quadra esportiva, um estacionamento e uma igreja evangélica. Em novembro de 2012, o município e a escola assinaram contrato prevendo a concessão, estipulando novamente os cinco anos. Porém, somente em janeiro de 2013, a escola interditou a via. Descontentes com a situação, moradores fizeram manifestações e audiência pública para pedir a retirada dos portões. Os fatos motivaram a abertura da ação pelo MP.

17:25

FECHAMENTO

Infelizmente se isso vier a acontecer, teremos uma grande quantia de desempregados em Lajeado. Espero, sinceramente, que tudo transcorra da melhor forma possível para todos nós trabalhadores.

MP sugere ao governo retirar portões Lajeado

Quem manda afinal? BOLSAS MUNDIAIS

5

Comentário sobre a matéria “Prédio de shopping vai a leilão”

Silvia Vargas Os moradores merecem poder usar a rua. Fatima Federle Marciano Diedrich

4

Cidades

A HORA · QUINTA-FEIRA, 16 DE FEVEREIRO DE 2017

Prédio do shopping de Lajeado vai a leilão Credor pede venda do imóvel para quitar dívida. Local também corre risco de ficar sem luz ANDERSON LOPES

Lajeado

S

em condições de quitar as dívidas, o M.Grupo verá o imóvel onde está localizado o Shopping Lajeado ir a leilão. O pedido foi feito pela RB Capital Securitizadora. A empresa fez a solicitação de venda do prédio na Justiça, e se prepara para repassar o local para um novo administrador. A empresa de São Paulo quer que apenas o prédio seja vendido, pois este pertence ao M. Grupo. A administração do condomínio seguirá sendo feita pela GlobalMalls, pertencente ao mesmo conglomerado, mas sem qualquer débito com a RB. A venda do local foi noticiada em dezembro pelo colunista Fernando Albrecht, do Jornal do Comércio. De acordo com o jornalista, o local seria leiloado para quitar um passivo de aproximadamente R$ 600 milhões com mais de cinco mil empresas. Na época a coordenadora da GlobalMalls, Rozeli Belusso, negou a informação. A negativa não está equivocada, pois a gestão do condomínio segue com a empresa na qual a executiva atua. Quem confirma o leilão é o advogado da Associação dos Lojistas do Shopping Lajeado, César Bublitz. “Há uma ação de penhora do prédio e ela vai retornar a investidores de São Paulo. A RB é dona do prédio na forma de alienação fiduciária.” Bublitz diz que os paulistas devem entregar o imóvel para outra empresa. “O prédio será retomado pela RB, porque ele já está em avaliação e será feito um leilão. No momento da venda, a RB vai dar o prédio para outra administradora.” O responsável da RB pela negociação com o M.Grupo estava em reunião durante a tarde de ontem e não pode atender a reportagem. A assessoria de imprensa informou apenas que, em caso de leilão, o local não será fechado. Segundo a empresa a mudança que ocorrerá são os administradores do imóvel.

Lojistas torcem por mudança Uma possível troca de adminis-

Propriedade do M.Grupo deve ser entregue para grupo paulista nos próximos meses. Lojistas comemoram mudança

nas com alguns lojistas.” Outra reclamação é a paralisação das obras de melhoria do local, iniciadas há cerca de três anos atrás. “Muitos lojistas anteciparam receita para a reforma do shopping. A fachada que era para ser construída até metade de 2014 até hoje não foi alterada”, relata Stela. A falta de manutenção causou rachaduras no prédio e infiltrações em algumas lojas, gerando prejuízos aos empresários. Em meio a esse cenário, foi divulgado ontem a falência de uma das empresas do M. Grupo. A operação em crise é do ramo imobiliário, a empresa vendeu na planta apartamentos na região metropolitana, mas o imóveis não foram entregues. A medida não atinge a operação do shopping de Lajeado.

EDUARDO AMARAL

RISCO DE FICAR SEM LUZ

Falta de manutenção gerou rachaduras e infiltrações, causando prejuízos a lojistas

Muitos lojistas anteciparam receita para a reforma do shopping. Stela Maris Presidente da associação de Lojistas

tradores é bem vista pelos lojistas. A presidente da Associação dos Lojistas do Shopping Lajeado, Stela Maris, fala da insatisfação dos colegas com a forma como o local vem sendo administrado. “Essa troca de administração com certeza vai ser positiva, porque pior do que está não pode ficar.” Falta de transparência, cobranças elevadas e falta de manutenção são os principais problemas apontados pelos profissionais que atuam no local. “Eles não prestam contas há muito tempo. A gente nem sabe o que está pagando, dobrou o condomínio esse mês. Eles estão cobrando, certamente, pelas lojas fechadas”, afirma Stela. A associação projeta que 30% das lojas tenham sido fechadas no último ano. A presidente reclama ainda da falta de diálogo dos gestores. “A superintendente tem contato ape-

Outro problema são os atrasos no pagamento da conta de luz. A administração do local acumula dívida de aproximadamente R$ 1 milhão com a concessionária de energia. O valor foi parcelado, entretanto a parcela que venceu em janeiro não foi paga pela GlobalMalls, que administra o condomínio. Com o atraso, a energia deveria ser cortada, porém a RGE-Sul estendeu o prazo de pagamento até sexta-feira, 17. “Há o risco do corte de energia, nós já falamos com o jurídico da RGE eles estão segurando para ver se o pagamento será feito até sexta”, explica Bublitz. O advogado afirma estar atento às negociações da empresa com a concessionária. “Estamos aguardando que eles paguem a conta até sexta-feira para evitar o corte. Tem o risco, mas está sendo monitorado com o departamentos jurídico da RGE.” Segundo Bublitz, os administradores têm bus-

cado ajuda dos lojistas para quitar a dívida. “A administração tem procurado lojistas no sentido de antecipar valores para tentar pagar esse parcelamento.” Incomodados com a falta de transparência, os empresários já acionaram a justiça para cobrar o detalhamento dos gastos. “Os lojistas estão pedindo uma prestação de contas para identificar o que originou este e outros débitos”, informa o advogado da associação. A RGE-Sul não divulgou os valores do débito e nem confirmou se há risco de corte. Por meio da assessoria a empresa afirmou apenas que “a negociação está em andamento.” Durante a tarde de ontem a reportagem entrou em contato com a administração do shopping. Os responsáveis em Lajeado declararam que não poderiam se manifestar sobre nenhum assunto. No número da sede do M. Grupo em Porto Alegre ninguém atendeu.

o secretário acredita poder agregar propostas e obter apoio em suas ações, para que sua equipe possa ser mais presente e tenha maior efetividade. Os representantes do governo relataram que, com base em pesquisas e diagnósticos, foi elaborado um projeto com 33 medidas que visam auxiliar na prevenção e redução da criminalidade. Entre as ações, palestras, reuniões com empresas de segurança privada, nivelamento de policiais, qualificação de agentes de trânsito e aperfeiçoamento do sistema de monitoramento das ruas. A realização do Fórum Municipal de Segurança Pública e a atenção exigida pelo Plano de Prevenção e Proteção Contra Incêndio (PPCI) também foram citadas. De acordo com eles, ainda existe uma forte resistência da comunidade em registrar ocorrências, o que dificulta o trabalho da secretaria. Conforme Galvani, são a partir dessas denúncias que se obtém as informações necessárias para compreensão de quem são e de que forma agem os criminosos. Para facilitar, a Prefeitura disponibilizou uma Ouvidoria, que recebe as queixas, encaminha aos órgãos competentes e comunica o resultado.

de Saúde Doutor Pereira, que abrange as Estratégias de Saúde da Família (ESFs) 1 e 2, estará atendendo em novo horário: das 7h às 12h e das 13h às 16h.

Mariela Portz


Opinião

A HORA · SEXTA-FEIRA, 17 DE FEVEREIRO DE 2017

3

Ney Arruda Filho ney@jornalahora.inf.br

Uma hora a mais ou a menos?

T

odo ano é a mesma coisa. Quando ele chega, eu não sei se tenho que adiantar o relógio ou se tenho que atrasá-lo. Pergunto e sempre ouço gracinhas como resposta. Quando ele se vai, a dúvida se repete e as gracinhas também. Não sei se gosto ou se não gosto. Ou melhor, às vezes gosto e às vezes não. E motivos para dúvidas não faltam. O melhor deles ouvi de uma pessoa a quem admirava muito, Elimar Schaefer, empresário de Teutônia, linha dura, que certa vez me explicou porque detestava: ele não admitia sair da empresa com o dia claro, se sentia um vagabundo, pois quem ama o trabalho só pode voltar pra casa com a escuridão da noite. Bem, gostos e desgostos à parte, me agrada poder usufruir de dias mais longos e de noites mais curtas. Como o próprio nome diz, ele prenuncia a chegada do verão. Dá aquele gostinho de que a gente poderá fazer um monte de coisas que não fazia antes. Me sinto com mais energia, ainda que no início, nas primeiras semanas, levanto pela manhã como se tivesse levado uma surra. No início é dureza. Dormir uma hora a menos, ainda que tenha havido aquele domingo pra ajustar o tal re-

... jogando tudo numa balança, gosto dele e vou torcer pelo seu retorno no final de 2017 ...”

lógio biológico, para muitos é demorado para ajustar. Corpo adaptado, a gente sai do trabalho com dia claro e pode seguir adiante aquele projeto de fazer montão de coisas. Encontrar os amigos, a família, fazer um happy hour ou praticar um esporte. Fica mais viável, ao menos pra mim, assistir ao pôr do sol

na escadaria em Estrela, coisa impossível de fazer em épocas normais, especialmente pra quem trabalha até às 18 horas. Para algumas pessoas, não sei bem porque, as segundas feiras se tornam mais suportáveis, mas só a partir do primeiro mês. Ouço queixas de quem começa a trabalhar cedo, que no início e também nesta época sai de casa com noite alta, enfrentando o escuro. Estes mesmos reclamam do time dos faceiros, que ficam azucrinando todo mundo com a obrigação de aproveitar o dia. Como se aproveitar o dia fosse um conceito fechado, exato, igual para todas as pessoas. Sem unanimidade, me preparo para a despedida do horário de verão, sem saber ao certo se a economia de energia compensa os transtornos. Mas me despeço dele concluindo que, no fundo, no fundo, gosto e vou torcer pelo seu retorno no final de 2017. Para que eu possa, outra vez, fazer um monte de coisas que não fazia antes. Para que eu possa aproveitar os dias mais longos e as noites mais curtas. Mesmo que eu ainda tenha dúvidas sobre o que seja aproveitar o dia.

Gratuidade de Justiça: Justiça do Trabalho concede a empresa em dificuldades. Isso é novidade: empresas pequenas ou em crise financeira, também podem requerer o benefício da justiça gratuita em processos trabalhistas. Decisão da 10ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (TRT-RS), do final de 2016, alcançou a isenção de custas para um restaurante que demonstrou sua incapacidade econômica. O recurso interposto pelo restaurante contra a sentença na primeira instância não havia sido acolhido por falta do pagamento das custas. Mas a empresa

já havia solicitado o benefício da justiça gratuita por meio de recurso ordinário, que não foi acolhido ante a ausência de depósito recursal. Conforme destacou a relatora do acordão, desembargadora Ana Pereira Zago Sagrillo, o benefício “pode ser requerido a qualquer tempo, estando o processo em curso, inclusive na fase recursal” (conforme Orientação Jurisprudencial nº 269 da SBDI-1 do TST), e havia sido invocado pela reclamada na preliminar do recurso ordinário. Boa notícia!

Queda de motocicleta: aluna não ganha indenização de CFC. O caso é curioso e teve origem na cidade de Encantado. A autora da ação afirmou que, durante sua primeira aula prática para a obtenção de carteira de habilitação para dirigir motocicleta, no CFC Casaril, perdeu o controle da moto e caiu. O resultado foi uma fratura no pulso e queimaduras na perna. Afirmou que não recebeu as instruções necessárias por parte do instrutor, motivo pelo qual acelerou de forma indevida e sofreu a queda. Já o CFC disse em sua defesa que cumpriu com todas as medidas e cuidados exigidos legalmente, e que a culpa foi exclusiva da vítima. No Juízo

de Encantado, o pedido foi considerado improcedente e a autora recorreu ao TJRS. No Tribunal, o relator do processo foi o Desembargador Marcelo Cezar Müller, que manteve a sentença. Segundo o magistrado, a prova pericial foi conclusiva no sentido da regularidade da pista e do proceder do CFC. Para ele, a demandante foi devidamente instruída, antes da prática com a motocicleta, a respeito do funcionamento do veículo e da forma de condução naquele ambiente. Além disso, o juiz reconheceu que a queda em aulas práticas é algo esperado e previsível.


4

Cidades

A HORA · SEXTA-FEIRA, 17 DE FEVEREIRO DE 2017 RODRIGO MARTINI/ARQUIVO A HORA

Negócios em Pauta debate planejamento estratégico no dia 22 Lajeado

Empresa alega falta de passageiros como justificativa para retirada dos horários em diversos bairros da cidade

Passageiros cobram volta de linhas extintas Abaixo-assinado foi entregue ao governo Lajeado

C

erca de 200 moradores protocolaram nos últimos dias abaixo-assinados solicitando a volta de horários de ônibus, aumento da frota e mudança de roteiro dos ônibus. Os pedidos são sobre as linhas que fazem a ligação dos bairros Carneiros e Conventos com o Centro. Os usuários contestam as mudanças aprovadas em 2016 após reuniões entre a empresa Ereno Dörr, responsável pelo transporte público no município, poder público e associações de moradores. Em dois documentos os passageiros pedem a manutenção dos horários das 7h30min e da tarde na linha que faz o trajeto entre a Rodoviária velha e Carneiros. O trajeto inclui também os bairros Moinhos e Alto do Parque. No terceiro abaixo-assinado a

exigência é de aumento da frota dos ônibus e ampliação dos horários que atendem os moradores de Conventos. Eles pedem também que o itinerário seja mudado, incluindo o trecho entre as ruas José Frantz até Edmundo Niederle. O Diretor de Trânsito de Lajeado, Sérgio Schnenider, diz que as mudanças foram determinadas na gestão anterior e começaram a valer neste ano. Segundo ele, o pe-

dido foi encaminhado para a Ereno Dörr, que ainda não se manifestou oficialmente sobre o caso. Segundo ele, a empresa está estudando o pedido dos usuários. Schnenider garante que não há nenhuma documentação justificando as alterações definidas no ano passado. Ele afirma que o departamento buscará atender o pedido. “A intenção do município é a satisfação do usuário.”

EMPRESA ALEGA FALTA DE PASSAGEIROS Gerente de operações da Ereno Dörr, Gerson Meyer afirma que a empresa não vê problemas em retomar as linhas, desde que exista demanda. “Tem que ter alguém que garanta que tenha passageiros.” Segundo Meyer, as mudanças foram aprovadas previa-

mente com as associações de moradores, que reconheceram o pouco uso das linhas. “Nós mudamos aquelas linhas por falta de fluxo, se agora acharem que determinado horário precisa de uma linha eu posso colocar, mas preciso mostrar para a direção a viabilidade.”

Farmácia do Posto com novo horário Cruzeiro do Sul A Secretaria da Saúde informa alteração no atendimento da Farmácia instalado junto ao Posto de Saúde Cleto Afonso Johner, no centro da cidade e no posto Doutor Pereira.

O atendimento da comunidade ocorre de segunda a sexta-feira das 7h às 12h e das 13h às 16h.

Fisioterapia O horário para a entrega da autorização para as sessões

de fisioterapia, liberadas pelo Município, também mudou. O horário passa para 14h e não mais às 7h. O objetivo é facilitar o acesso para as pessoas do interior, pois muito dependem de ônibus e não conseguem chegar até as 7h.

A Hora e o Sincovat promovem a abertura do Negócios em Pauta, dia 22, a partir das 19h, na sede. O projeto coloca em discussão temas relacionados à gestão e ao empreendedorismo. Qualifica os profissionais e incentiva a integração do meio empresarial. Na ocasião, o administrador e bacharel em Ciências Contábeis, Paulo Pereira, participa do workshop Planejamento Estratégico: como definir as diretrizes organizacionais em um cenário de múltiplas crises e incertezas? Na ocasião, também ocorrerá um debate com convidados da região sobre os desafios das pequenas e médias empresas. O ingresso para o workshop Planejamento Estratégico é gratuito e limitado a dois representantes por empresa. As inscrições podem ser feitas

através do e-mail negociosempauta@sincovat.com.br ou no telefone (51) 3709-2798. Logo após o evento, será servido um coquetel de confraternização. O projeto é uma realização do Sincovat e Jornal A Hora e tem o apoio de Sescon-RS, Univates/ Crie, Sebrae, Capital Verde, Câmara da Indústria, Comércio e Serviços (CIC) Vale do Taquari e Governo de Lajeado.

O projeto O Negócios em Pauta realiza 12 workshops entre fevereiro de 2017 e janeiro de 2018, em sete cidades da base territorial do sindicato (Lajeado, Estrela, Arroio do Meio, Encantado, Taquari, Guaporé e Teutônia). Contempla também o Fórum Estadual de Gestão e Empreendedorismo, marcado para 27 de setembro, no Centro Cultural Univates, que também integra a Semana Acadêmica de Gestão e Empreendedorismo.

Mais de 192 mil pessoas deixam planos de saúde País Pelo quinto mês consecutivo, em janeiro, os planos de saúde registraram queda do número de beneficiários. Segundo dados da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), o total de signatários dos planos de saúde no primeiro mês do ano ficou em 47.592.368, uma queda 192,2 mil. Desde agosto do ano passado, os planos de saúde do país vêm perdendo clientes. Já em relação aos planos exclusivamente odontológicos, o levantamento feito pela ANS, mostra que houve aumento de aproximadamente 169 mil beneficiários, totalizando 22.209.112 usuários desse tipo de planos em janeiro. Alta de 0,77% na comparação com os 22.040.120 que

tinham planos odontológicos em dezembro do ano passado. Segundo a ANS, nove estados apresentaram aumento em planos de assistência médica na comparação com dezembro: Acre, Ceará, Espírito Santo, Maranhão, Mato Grosso, Pernambuco, Piauí, Roraima e Sergipe. Os planos coletivos (38.007.221) lideram o total de contratações dos planos de saúde, seguido pelos coletivos empresarial (31.534.854), individual ou familiar (9.364.517) e os coletivos por adesão (6.463.205) De acordo com a ANS, em janeiro, a taxa de cobertura dos planos de saúde privados era de 24,54% da população. Ao todo, 818 operadoras estavam em atividade e elas disponibilizaram 17.786 planos.


A HORA · SEXTA-FEIRA, 17 DE FEVEREIRO DE 2017

5


6

Cidades

A HORA · SEXTA-FEIRA, 17 DE FEVEREIRO DE 2017

Catadores recebem protótipo de carrinho Equipamento projetado por alunos da Univates dá mais conforto para trabalhadores DIVULGAÇÃO

Lajeado

S

erá entregue hoje o protótipo do novo modelo de carrinho para catadores de lixo de Lajeado. O projeto é de autoria dos estudantes de engenharia da Univates, que buscaram dar mais segurança e conforto para os profissionais. A proposta surgiu como um projeto de extensão da universidade inti-

tulado Dimensionamento de Veículo para Catadores de Materiais Recicláveis. O coordenador do projeto, professor Carlos Lagemann conta que a proposta surgiu em 20015 como forma de aproximar o curso da comunidade. “Da observação do trabalho sacrificado dos catadores veio a vontade de ajudar.” O novo carro terá uma roda a mais para equilibrar o peso da carga e será

TRABALHO FUNDAMENTAL Presidente da Associação de Catadores Sepé Tiaraju, Aurélio Soldateli elogia o trabalho desenvolvido dentro da universidade. “O trabalho do pessoal da engenharia tem valor, é um projeto bacana.” Soldateli reclama da falta de valorização do trabalho desenvolvido pelos catadores. “São poucas as pessoas que os reconhecem como elementos fundamentais e que contribuem para qualquer

município do Brasil.” Ele aponta a necessidade dos governos mudarem a postura sobre os trabalhadores. “Esse reconhecimento dos órgãos públicos é zero. E tem muito dinheiro para fazer um bom trabalho com os catadores.” Soldateli chama atenção para a necessidade da sociedade compreender a importância dos catadores. “Eles precisam ser vistos como pessoas e como prestadores de serviço para o município.”

Projetado por acadêmicos do curso de Engenharia, carrinho trará mais segurança e conforto para os trabalhadores

pintado na cor amarela, medida adotada para dar mais segurança no trânsito. O professor lembra da dificuldade do curso em se inserir na comunidade. “O projeto de extensão é um elo entre alunos, professores e comunidade. Cursos de engenharia tem uma di-

Recolhimento das embalagens de agrotóxicos será em 27 de março Cruzeiro do Sul O Departamento de Meio Ambiente, divulga o roteiro para o recolhimento das embalagens de agrotóxicos. A ação será no dia 27 de março. A exemplo de anos anteriores, o recolhimento será realizado pela Associação Rural de Lajeado (Arla) e Tritec Equipamentos, sendo coordenado pela Fundação Pró Rio Taquari, com apoio do governo, Emater/RS-Ascar e Sindicato dos Trabalhadores Rurais (STR). Conforme o biólogo Diego Sehn, as embalagens a serem entregues precisam passar pelo processo de tríplice lavagem. "Isso é de suma importância, pois os frascos que não tiverem passado por isso, não podem ser aproveitados da melhor maneira", frisa. O servidor sugere ainda que as pessoas não devem entregar ou vender suas

embalagens para terceiros, tendo em vista o risco de serem destinadas para algo inadequado. Além das embalagens de agrotóxicos, os produtores poderão também entregar as caixas de papelão aonde os galões vem

acomodados, sacos de milho e insumos, entre outros. Para que o processo de recolhimento funcione da melhor maneira possível, mais uma vez os responsáveis desenvolveram roteiros para passar nas localidades.

Roteiros Roteiro I – Arla Campo de Futebol do Bom Fim às 8h; Pavilhão da Comunidade de São Miguel às 8h45; Cancha de Bocha do Bolacha em Desterro às 9h30; Mercado de Vilson Mallmann na Maravalha às 10h15; Ginásio de Esportes da Linha Sítio às 11h; Escola São Felipe de Linha Sítio às 13h30; Escola da Linha 22 de Novembro às 14h15; Pavilhão da Comunidade Católica de Boa Esperança Alta às 15h45; Sociedade de Linha Nova às 16h30; e Sociedade Progresso de Sampaio às 17h15. Roteiro II – Tritec Sociedade São Rafael às 8h; Campo do XV de Novembro em São Gabriel às 8h45; Parque Poliesportivo no Centro às 10h30; Salão Ivo Reis de Picada Aurora às 14h; Sociedade de Picada Augusta às 14h45; Campo do Canarinho de São Bento às 15h30; e Campo da Linha Primavera às 16h15.

ficuldade maior de cumprir seu papel social.” No encontro de hoje serão entregues os desenhos do protótipo para representantes da Associação de Catadores Sepé Tiarajú. Segundo Lagemann, a montagem é de fácil acesso e pode ser feita pelos próprios catadores.

“Sempre optamos por materiais simples e baratos, fáceis de soldar, para ter um custo baixo.” Cada carrinho custa em média R$ 1 mil se for montado apenas com materiais novos. Porém, se forem utilizados produtos reciclados esse valor cai para aproximadamente R$ 600.

Mais de 192 mil pessoas deixam planos de saúde País Pelo quinto mês consecutivo, em janeiro, os planos de saúde registraram queda do número de beneficiários. Segundo dados da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), o total de beneficiários dos planos de saúde no primeiro mês do ano ficou em 47.592.368, uma queda 192,2 mil beneficiários, ou 0,4%. Desde agosto do ano passado, os planos de saúde do país vêm perdendo clientes. Já em relação aos planos exclusivamente odontológicos, o levantamento feito pela ANS, mostra que houve aumento de aproximadamente 169 mil beneficiários, totalizando 22.209.112 usuários desse tipo de planos em janeiro. Alta de 0,77% na comparação com os 22.040.120 que

tinham planos odontológicos em dezembro do ano passado. Segundo a ANS, nove estados apresentaram aumento de beneficiários em planos de assistência médica na comparação com dezembro: Acre, Ceará, Espírito Santo, Maranhão, Mato Grosso, Pernambuco, Piauí, Roraima e Sergipe. Os planos coletivos (38.007.221) lideram o total de contratações dos planos de saúde, seguido pelos coletivos empresarial (31.534.854), individual ou familiar (9.364.517) e os coletivos por adesão (6.463.205) De acordo com a ANS, em janeiro, a taxa de cobertura dos planos de saúde privados era de 24,54% da população. Ao todo, 818 operadoras estavam em atividade e elas disponibilizaram 17.786 planos.


A HORA · SEXTA-FEIRA, 17 DE FEVEREIRO DE 2017

7


8

Cidades

A HORA · SEXTA-FEIRA, 17 DE FEVEREIRO DE 2017

Pais unem esforços para reformar escola Mutirão será feito no fim de semana para pintar a fachada da instituição JUREMIR VERSETTI / CHINELAGEMPRESS / DIVULGAÇÃO

Escola está além da obrigação pública” Na avaliação do doutor em Sociologia, Cesar Goes, esse é o cenário de como deveriam funcionar as escolas. De acordo com ele, a atenção com as instituições de ensino está além da obrigação pública e representa um espaço onde as responsabilidades compartilhadas. Para Goes, os pais não deveriam se preocupar apenas com a parte material, mas ter preocupação com o funcionamento e o processo de aprendizagem.

Quatro pessoas limparam a fachada da escola ontem. Sábado, integrantes do CPM retornam para fazer a pintura

Encantado

P

ais, professores e direção do Instituto Estadual de Educação Monsenhor Scalabrini se uniram para restaurar a escola. Cerca de R$ 25 mil, provenientes do Círculo de Pais e Mestres (CPM), foram investidos na reforma da biblioteca, sala dos professores e das áreas de lazer. A prefeitura cedeu parte da mão de obra. No pátio da escola um pergolado, para dar sombra e mesas. A pracinha foi consertada e um gramado reconstituído para a realização de atividades lúdicas. Já a biblioteca foi ampliada, e as prateleiras e disposição dos livros modificadas. Dois computadores novos foram instalados no local. Até abril, novas bibliografias devem ser adquiridas. No mesmo mês, a escola pretende iniciar obra no laboratório de ciências, que deve contar com recursos do estado, e também dos pais.

Presidente do CPM, Romeu Roque Conte, está ajudando no serviço. Pai de um aluno do primeiro ano do Ensino Médio, ele acredita que o esforço conjunto da comunidade não melhore somente a parte estrutural da escola, mas dê impulso aos estudantes. “Eles voltarão às aulas na segunda-feira com mais vontade. Precisamos fazer algo para melhorar a situação da educação, do lugar onde vivemos. Fazemos por nós mesmos, por nossos filhos.”

Fachada

Trabalho conjunto

Ontem, para finalizar o serviço, quatro pessoas, entre pais e ex-alunos, limparam a fachada da escola. A pretensão é que no sábado outras dez pintem o local. A parede que dá cara a escola não recebia uma mão de tinta há cerca de quatro anos. “Estava feia, com um aspecto de prédio abandonado. Agora já está mudando”, relata a vice-diretora do turno da manhã, Miriam Dentee Bertelli.

De acordo com Miriam, os pais começaram a se envolver, de forma mais efetiva, nos problemas da escola no fim do ano passado, após uma mudança política da direção, e uma conversa com os estudantes. “Os alunos nos apontaram algumas necessidades, principalmente que não tinham espaço para fazer trabalhos”, explica Miriam. Sem recursos do estado, a direção optou por chamar os pais à discussão.

Toda a biblioteca da instituição de ensino foi reformada com verba do CPM

“A escola tem consciência que o estado está deixando a desejar tanto na questão pedagógica, quanto física. Como a nossa escola tem mais de 50 anos, as demandas são grandes, e só com a ajuda deles conseguiríamos atendê-las.” A fim de ampliar o movimento, neste ano, a direção pretende realizar vários eventos focados nos pais. O intuito é trazê-los para dentro da escola, e provocar o senso de comunidade escolar.

Números Monsenhor Scalabrini

900 alunos 60 professores 25 funcionários Média de 740 na redação do Enem 2015

A Hora – Se trabalha muito a questão da escola como ferramenta de transformação. De que forma o trabalho dos pais no cuidado com o colégio pode auxiliar para o cumprimento deste papel? Cesar Goes – Precisamos pensar que o compromisso dos pais com a escola define os rumos da instituição. Se ela vai transformar agentes para transformação social ou não, isso vai ser consequência do próprio contexto. Agora, ela vai formar indivíduos, com representação da sua comunidade local. A linha que a escola vai adotar e o tipo de indivíduo está vinculado com o exercício de cidadania determinado pela comunidade. Acho importante, antes de formar indivíduos para transformação social, promover indivíduos integrados com a comunidade. Para esse segundo ingrediente, a ideia de transformação social, teríamos indivíduos com muita competência cognitiva, bastante informação e com capacidade crítica de transformação. De que modo a presença dos pais na escola pode contribuir para o comportamento e resultado dos filhos? Goes - Não se trata do modo como os pais podem contribuir. Um conjunto de pesquisas na sociologia e na educação mostram que quanto mais próximo um pai estiver da educação do seu filho, mais eficácia global de aproveitamento esse filho vai ter. O acompanhamento dos pais deveria estar compreendido nas obrigações e na definição de maternidade e paternidade. Faz parte dessas condições, o acompanhamento da educação que um filho tem. Infelizmente, vejo por uma outra ordem, pais se comprometendo com seus filhos na sua pior dimensão, que é o cerco material e a possibilidade de garantir a terceirização de aspectos importantes da vida dos filhos. Um conjunto muito grande de pais sequer tem conhecimento formal e estão abaixo da educação que seus filhos estão recebendo. Mas não deixam de ter cuidado ou de fazer o acompanhamento. O resultado para os seus filhos é o maior possível. Esses indicadores mostram que o acompanhamento dos pais na escola não está vinculado com a compreensão de conteúdo. Qual a importância de trazer os pais para dentro da escola não só para resolver problemas dos filhos, mas para evitá-los? Goes - A escola que não tem a presença permanente e sistemática dos pais, é uma escola com problema. A instituição vai causar um problema para crianças e jovens. É claro que a ausência dos pais no cotidiano escolar gera um problema. Não só afetivo, na medida que o filho não consegue reconhecer o pai na escola, mas quando o papel da presença dos pais não está contemplado.


A HORA · SEXTA-FEIRA, 17 DE FEVEREIRO DE 2017

9


10

A HORA · SEXTA-FEIRA, 17 DE FEVEREIRO DE 2017

Reportagem, Thiago Maurique

Vale do Taquari

A

organização de líderes políticos e empresários da região contra a proposta de privatização da BR-386 alterou os planos da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). Em audiência pública realizada na tarde de ontem em Porto Alegre, o superintendente da Agência, Luiz Fernando Castilho aceitou a realização de uma audiência pública em Lajeado e admitiu que a rodovia pode ser excluída da concessão. O clima no auditório do Sest/ Senat foi tenso. Com capacidade limitada a 230 lugares, muitas pessoas foram impedidas de entrar no local e bateram boca com os seguranças. Dentro, mais de 80 representantes das regiões afetadas pela concessão se inscreviam para manifestações, que ficaram limitas a 3 minutos. Marcado para as 14h, a audiência começou com 40 minutos de atraso. Antes das manifestações, a ANTT apresentou os termos do contrato e deu detalhes sobre a proposta de concessão, sem maiores reações do público. A primeira manifestação foi

do chefe operacional da Polícia Rodoviária Federal (PRF), João Francisco Oliveira. Ele criticou a forma com que foi elaborado o edital de concessão, devido a ausência de consultas à PRF. “Somos o órgão responsável pela segurança pública das rodovias e não participamos em nenhum momento do processo”, alerta. Segundo Oliveira, todos os sistemas de monitoramento da via será operado pela PRF, seja na prevenção de acidentes ou no combate a criminalidade. “Não se trata apenas de não ficar preso no engarrafamento, mas também de não ser assaltado enquanto trafega”, alerta. Conforme o chefe de operações, a forma como o processo foi conduzido demonstra a falta de diálogo entre os ministérios do Transporte e da Justiça. O primeiro representante da região a tomar a palavra, foi o vereador de Estrela Marco Wermann. Ele abriu os pedidos para a realização de uma assembleia específica para o Vale do Taquari. Segundo ele além do alto custo dos pedágios, existem falhas nas propostas de melhoria, como a ausência de obras de travessia urbana entre Estrela e Lajeado. “Caso o projeto seja aprovado, o Vale do Taquari vai morrer es-

PLANO DE CONCE

Audiência em decide destino

Região mostra força em Porto Alegre e ANTT avalia reve trategicamente e perder competitividade em comparação com as demais regiões do RS”, afirma. Em seguida, o prefeito de Taquari, José Manuel Hansen, disse que a ANTT, além de não ouvir o órgão responsável pela segurança da rodovia, também ignorou os municípios atingidos.

Perceberam a nossa organização e que, apesar de posições diferentes, não estamos satisfeitos com a proposta

Não podemos dizer que o Vale do Taquari é a favor dos pedágios porque não é, e a nossa sociedade precisa ser ouvida

Cíntia Agostini

Sérgio Kniphoff

Codevat

Vereador de Lajeado

Divergências Representando a Amvat, o prefeito de Fazenda Vilanova, José Luiz Cenci, falou sobre a mobilização regional realizada para intervir no projeto. Segundo ele, o Vale do Taquari é favorável a pagar pedágios, mas exige menor prazo para iniciarem as obras de duplicação, no máximo cinco anos. Cenci foi rebatido pelo verea-


11

A HORA · SEXTA-FEIRA, 17 DE FEVEREIRO DE 2017 ANDERSON LOPES

A ANTT não tem nenhuma objeção em retirar o pedágio deste trecho e consequentemente não realizar os investimentos previstos pela concessão”

Com capacidade limitada a 230 lugares, auditório do Sest/ Senat ficou pequeno diante do tamanho da discussão. Muitas pessoas foram impedidas de entrar no local e mais de 80 representantes das regiões afetadas pela concessão se inscreviam para manifestações, que ficaram limitas a 3 minutos.

CESSÃO

Lajeado da BR-386

er concessão da Rodovia da Produção dor de Lajeado, Sérgio Kniphoff. “Não podemos dizer que o Vale do Taquari é a favor dos pedágios porque não é, e a nossa sociedade precisa ser ouvida”, bradou. O parlamentar também fez crítica à postura dos representantes da ANTT. Segundo ele, os servidores riam das manifestações do público e respondiam de forma ríspida as críticas ao processo. “Isso não é uma audiência pública, se o público não pode se manifestar.” Presidente da Associação dos Usuários das Rodovias, David Hermenegildo Vicenza falou sobre os problemas das concessões realizadas nos anos 90. Para ele, as propostas da época causaram danos para a sociedade durante 15 anos. “Desta vez querem ga-

rantir 30 anos para a iniciativa privada”, ressalta. Ele sugeriu aos presentes reverem as notícias sobre a CPI dos pedágios gaúchos.

Representação parlamentar Os deputados estaduais Tiago Simon e Any Ortiz falaram sobre a frente parlamentar formada na Assembleia Legislativa para tentar barrar a proposta de pedágio. Any sugeriu que, a exemplo de Lajeado, as demais regiões atingidas também devem receber audiências públicas. Para Simon, os deputados tem o dever de impedir que ocorra um sistema semelhante ao de polos das estradas estaduais. “Durante quinze

anos, tivemos as tarifas de pedágio mais altas de todo o Brasil.” Segundo ele, o Estado tem o maior custo de logística do país. “Sabemos que o pedágio representa a falência do Estado e da União para fazer as obras, mas essas regiões não podem ser penalizadas com mais essa tarifa.”

Resultado agrada líderes A presidente do Codevat, Cíntia Agostini, enalteceu o recuo da ANTT diante da mobilização regional. Segundo Cíntia, a fala de todos os presentes mostrou a importância do debate na região. “Perceberam a nossa organização e que, apesar de posições diferentes, não estamos satisfeitos com a proposta.” Conforme a presidente do Codevat, nada é mais justo do que dialogar na região com a presença da ANTT até chegar a um concenso. Presidente da CIC-VT, Ito Lanius ressaltou a relevância da audiência em Lajeado, mas elogiou o trabalho realizado pela ANTT nos dois anos de elaboração do projeto de concessão. A próxima audiência pública sobre o projeto de concessão ocorre na próxima quinta-feira, 23, em Brasília. Além das sugestões da reunião de ontem, também serão aceitas contribuições para o debate pela internet, no site da ANTT (www.antt.org.br).

A Hora – Qual a possibilidade de ocorrer uma audiência pública no Vale do Taquari? Luiz Fernando Castilho – Existe a possibilidade. Estudamos isso por perceber durante a reunião de hoje (ontem), uma resistência muito grande ao pedágio no trecho da BR-386. Então é fundamental que se faça esse encontro em Lajeado para verificar se a maioria que se manifestou aqui é de fato a maioria dos usuários da localidade e do trecho. Entendemos ser importante fazer essa confirmação. - Caso a região seja contrária à proposta como fica a concessão? Castilho – A ANTT não tem nenhuma objeção em retirar o pedágio deste trecho e consequentemente não realizar os investimentos previstos pela concessão. Eles poderiam ocorrer por meio do governo Federal ou estadual, mas não seriam mais de responsabilidade da concessão. - O trecho da BR-386 pode, então, ser excluído do plano de investimento? Castilho – A Audiência Pública serve para isso. Para coletar dúvidas e sugestões. Afinal, quem paga a conta é o usuário e é ele que tem que nos dizer se ele quer ou não aquele investimento. Não fazemos nenhuma questão de incluir ou excluir. Quem vai nos dizer é o usuário. - Vocês esperavam essa resistência aos pedágios? Castilho – Enxergamos isso de uma forma muito natural. Tem usuários completamente a favor e usuários completamente contra. O que precisamos trabalhar é a clareza do contrato de concessão e suas consequências para a economia da União e do Estado em retirar as obrigações e passar para o privado. Com isso os governos passam a arrecadar mais impostos que podem ser destinadas a saúde e educação. As pessoas comentaram muito sobre as ambulâncias do Samu que hoje atendem a 386. Se você incluir o socorro médico previsto na concessão, as ambulâncias do Samu ficarão atendendo apenas nas cidades. Isso traz um serviço melhor. Isso que as pessoas precisam enxergar e ver os benefícios. O socorro médico e mecânico previsto será gratuito mesmo para quem não pagar pedágio. - O que ainda precisa para ocorrer a audiência em no Vale do Taquari? Castilho – Temos no regimento interno 30 dias para responder todas as contribuições. É um prazo muito pequeno para cerca de 5 mil contribuições. Entendemos que se boa parte da população é contra podemos retirar ou incluir trechos. As datas e os locais são definidas pela diretoria da ANTT, mas Lajeado é a cidade mais indicada. É muito prematuro para falar se vai ou não atrasar processo. Mas se programar dentro do prazo da consulta pública, prevista para encerrar no dia 17 de março, não teremos atraso. Vamos nos programar para isso, para realizar a audiência em Lajeado dentro desse prazo.


12

Cidades

A HORA · SEXTA-FEIRA, 17 DE FEVEREIRO DE 2017 MACIEL DELFINO

classificados@jornalahora.inf.br | LIGUE 3710-4222 E ANUNCIE

IMÓVEIS

VEÍCULOS

SERVIÇOS

NEGÓCIOS

EMPREGOS

DIVERSOS

PADARIA E CONFEITARIA D´MASSA -Tudo em pães, cucas, tortas e salgados – Rua Dr. Adalberto Breier Moinhos. Tr.: 3790-0027

IMÓVEIS ALUGUEIS ALUGA-SE: Apartamento de 3Dor; 130m²; Uma vaga de estacionamento; Bairro São Cristóvão Lajeado/ RS. Valor do aluguel R$ 650,00; Contato 51 99972-9508, CRECI 46.319.

VEÍCULOS CHEVROLET

NEGÓCIOS VENDE-SE MERCADO E BAR COM ESTOQUE, NO SETE DE SETEMBRO, ROCA SALES, TR: 3753-2460 OU 99264-4238 Vende-se 4 pneus 185R14C (TOPIC OU KOMBI). Tr. 997880871

SERVIÇOS CONSTR./REF

Celta LS 1.0 2011/2012.Básico, Ar quente e limpador e desembaçador traseiro. Único dono, manutenção em dia. Tr. 51 99683 4189. R$ 17.500,00. Aberto p/ negociação!

COLOCAÇÃO DE PISO CERÂMICO, PORCELANATO E PISO LAMINADO.Tr.: 9981561145 whats

DIVERSOS PADARIA São Bernardo: Rua Afonso Celso, 414, bairro Santo André em Lajeado.

Candy Modas - Venha conferir!Moda Temos também a linha enxoval de bebê. Localizada em Santa Clara do Sul (51)3782-1058 CFC Victoria, se for viajar, revise seu carro e seus documentos! Tr.: 3710-2588 EMPREGADOR DOMÉSTICO: regularize a situação do seu empregado. Contato: (51) 3748-0175 DJ DU SONORIZAÇÕES – Dj com som, iluminação, telão e outros artigos para eventos, casamentos, aniversários e outras ocasiões. Fone: (51)99371-4242 BORDADOS E NOIVAS aluguel de trajes para noivos, pais, padrinhos, 1ª comunhão, 15 anos e formatura. Rua Júlio Stum, 973 - Canabarro / Teutônia . Contate pelo fone (51)3762-7197.

Restaurante Strapasson - com Buffet ao meio dia, viandas, ala minuta, À noite com xix, cachorrão, porção de peixes, ao lado da fábrica da Minuano. Tel: 99754-5853 " AÇOUGUE DO ZÉ - SEMPRE COM AS MELHORES PROMOÇÕES EM CORTES PARA CHURRASCO, AOS DOMINGOS FRANGO E CARNE ASSADA, FAÇA SUA RESERVA ATÉ AS 10:00 TEL: 3753-1624

Novo transformador da cooperativa foi inaugurado ontem e garante energia por no mínimo sete e no máximo dez anos

Certel comemora 61 anos e inaugura transformador Equipamento entrou ontem em funcionamento Teutônia

I

nvestimento de R$ 10 milhões marca aniversário da maior e mais antiga cooperativa de energia elétrica do país. A Certel comemora 61 anos no domingo, dia 19, mas realizou solenidade na manhã de ontem, na subestação da cidade, entre o bairro Languiru e Teutônia. O recurso aplicado por meio de economias e de financiamento junto ao Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) garantiram a compra de transformadores para Teutônia e São Pedro da Serra. O objetivo é ampliar a capacidade energética e atender a demanda. Em períodos de calor intenso demanda de energia aumenta em 35%. Além disso, o transformador integra infraestrutura para receber novos consumidores residenciais e industriais. Em Teutônia, foi instalado equipamento de 26.600 kva de potência. A previsão é que garanta qualidade aos associados por no mínimo sete e no máximo dez anos. A aquisição também permite que o transformador de 15 mil seja levado à Lajeado, aumentando a reserva-técnica.

Tarifa mais barata do país No ano passado, a Certel foi

reconhecida por ofertar a tarifa mais barata do país. A pesquisa realizada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) ouviu 24.926 consumidores residenciais entre julho e setembro. No ranking geral, a cooperativa de Teutônia foi a oitava. A taxa disposta aos 60 mil associados segue como uma das missões da cooperativa. Para o presi-

dente Erineo Henemann, o olhar da organização se manterá para os associados visando o melhor custo-beneficio. “Oferecemos uma estrutura moderna que garante um fornecimento qualitativo e confiável, com a energia mais barata do país, e seguiremos sempre com esta missão de garantir a qualidade de vida dos nossos associados”.

ESTÍMULO AO DESENVOLVIMENTO O superintendente de operações da Certel, Ivo Persch, reafirmou o compromisso da cooperativa em prol do desenvolvimento. Para ele, o país está em situação econômica desfavorável, mas a região vive bom momento. “Em dez anos, não faltará energia.” A Cooperativa Languiru é a maior consumidora de energia da Certel. Mesmo passando por reestruturações, registrou crescimento de R$130 milhões no ano passado. Para o presidente, Dirceu Bayer, em meio a episódios negativos, a coragem para investir é positiva. “É um orgulho para o sistema cooperativo, em plena dificuldade, colocar a disposição mais infraestrutura”. Sílvio Landmeier falou em nome da Cooperativa de

crédito Sicredi e elogiou a iniciativa. “As cooperativas estão dando a volta por cima”. Presidente da Câmara de Indústria, Comércio e Serviços (CIC), Renato Schefler, conta que as decisões da Certel motivam a buscar novos empreendimentos. Os comerciantes também se sentem valorizados e projetam investimentos. Outro fator positivo ressaltado é a proximidade de diálogo com a direção e suporte técnico. Em outras distribuidoras de energia, o atendimento em caso de falta de energia pode demorar até 24 horas. Para indústria e comércio isso resulta em prejuízo. “Sempre nos atendem, priorizam e buscam a qualidade aos associados e consumidores, isso deve ser mais divulgado”.


A HORA · SEXTA-FEIRA, 17 DE FEVEREIRO DE 2017

13


14

Cidades

A HORA · SEXTA-FEIRA, 17 DE FEVEREIRO DE 2017

Turno inverso vira opção em Arroio do Ouro Escola fechada no fim do ano passado pode ser usada por alunos de Linha Delfina CÁSSIA PAULA COLLA

Estrela

não é longe, em 15 minutos ele chega. A prefeitura disponibiliza transporte e desta forma garantimos que ele não passará parte do dia sozinho em casa.”

O

colégio de Arroio do Ouro receberá em no turno inverso estudantes de Linha Delfina. A instituição atendia alunos do 1º ao 5º ano até ser fechada, no fim de 2016 devido ao baixo número de matrículas. Segundo o secretário de Educação, Marcelo Mallmann, a instituição contava com 12 alunos. A partir de agora, pelo menos oito frequentam a escola de Linha Delfina. Quatro deles, haviam passado para o sexto ano e, de qualquer forma, deixariam o colégio. Para não deixar o espaço ocioso, o local sediará atividades de turno inverso. O objetivo é desenvolver parte dos trabalhos, que já ocorrem no educandário de Linha Delfina. A escola recebe alunos a partir de quatro anos de diversas localidades vizinhas.

Educação infantil

Escola será usada em turno inverso pelos estudantes de Linha Delfina

Em Arroio do Ouro, prevalecem famílias idosas. A aposentada, Sônia Terezinha Scheren, 57, reside faz 18 anos na comunidade. “Desde aquela época diziam que a escola ia fechar por falta de alunos.” Para evitar o encerramento, matricularam a filha no educandário. Segundo ela, nos últimos anos o número de crianças reduziu ainda mais.

Augusto Moraes, tem oito anos, e já fazem dois, que frequenta a escola de Linha Delfina. Um ônibus contratado pelo município faz o transporte. Conforme o pai dele, Marco Antônio Moraes, 53, em Linha Delfina o município oferta turno integral. Como ele e a esposa, passam o dia fora, optaram por matricular o filho na instituição. “A escola

A escola de Arroio do Ouro tem um espaço conservado. Para aproveitar melhor o local, o vereador Márcio Mallmann (PP) articula com lideranças locais a possibilidade de implantar uma escola de Educação Infantil no complexo. O assunto é avaliado pela Secretaria de Educação. Um estudo detalhado será feito. O vereador estima que 70 a 80 crianças, de diversas comunidades vizinhas, poderiam ser atendidas.

Moradores desconhecem proposta O aposentado José Wille, 73, mora em frente a escola. Ele não

ouviu falar no assunto. A aposentada Sônia Scheren, também não conhecia a proposta. “Ouvi falar no turno inverso, mas educação infantil não.” Segundo ela, não houve articulação sobre a implantação desse sistema na comunidade. “São poucas crianças nessa faixa etária”, comenta.

Dificuldade para os pais A auxiliar de serviços gerais, Vanessa Cristina Kaser, 28, reside e trabalha em Linha Delfina. Ela tem uma filha de três anos e, todos os dias, precisa se deslocar até a cidade para deixar a menina na Casa da Criança. “São quatro viagens.” De acordo com ela, ficaria mais prático se houvesse uma creche em Arroio do Ouro. Da casa dela, até a comunidade são três quilômetros. Para ela a proposta é interessante, mas não acredita que saia do papel tão cedo.


Cidades

A HORA · SEXTA-FEIRA, 17 DE FEVEREIRO DE 2017 CLARISSA JAEGER

Pesquisa aponta que 58% das empresas mantiveram vendas do ano passado

Liquida Lajeado recebe nota 8,7 dos lojistas Vendas ficaram abaixo da meta Lajeado

A

Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) divulgou avaliação do Liquida Lajeado. A campanha da 11ª edição, realizada entre os dias 9 e 11 de fevereiro, teve nota 8,7. A nota é formada a partir da análise dos empresários em relação aos quesitos de mídia, impressos e promoção em geral. Em relação ao nível de vendas, 58% dos estabelecimentos informaram ter fechado o mesmo volume do Liquida Lajeado de 2016. Pelo menos 21% disseram ter comercializado mais e 21% menos no comparativo dos períodos. Dos que revelaram índices, a média de negócios ficou 6% abaixo do ano passado. O desempenho frustrou a expectativa da própria CDL Lajeado. A entidade investiu e se mobilizou para a liquidação oportunizar bons negócios ao

comércio. De acordo com o vice-presidente de Comércio, Aquiles Mallmann, a retração econômica foi a grande responsável pela diminuição do ritmo de compras. No entanto, a expectativa é de uma gradual recuperação. “Mesmo com uma situação ainda adversa, percebemos mais coragem do consumidor para vir até o comércio gastar. Isso deve ficar ainda mais evidente a partir do segundo semestre”. O dirigente aproveita para conscientizar sobre a importância do envolvimento dos empresários com a pesquisa de satisfação. Por meio dela é possível dar sugestões diversas, entre as quais o período de realização da campanha. “O que a maioria decide, é o que a CDL Lajeado faz. Não mediremos esforços para que nas próximas edições possamos nos superar e oferecer novos atrativos para atrair as pessoas às compras”.

15


16

A HORA · SEXTA-FEIRA, 17 DE FEVEREIRO DE 2017

CDL Lajeado e Top Travelling promovem evento DIVULGAÇÃO

Universidade recém-inaugurada está localizada no bairro São Cristóvão

Lajeado

A

s tendências e novidades da NRF Big Retail's Show serão apresentadas aos empresários locais. O evento Pós NRF – O Novo Varejo – será realizado pela Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) Lajeado, em parceria com a Top Travelling. As palestras ocorrem dia 2, a partir das 8h30min, no Cinema do Shopping Lajeado. O convite custa R$ 20 e deve ser adquirido na sede da CDL Lajeado, na Rua João Batista de Mello, 361, sala 101/B, no Centro. O valor será revertido em alimentos para o Programa Mesa Brasil do Sesc. A NRF é a maior feira de varejo do mundo e oorreu em Nova Iorque durante o mês de janeiro. A programação local apresenta um resumo do evento, a partir do olhar de quem esteve por lá. A primeira palestra será com o diretor da Kreativ, Elifas de Var-

Anhanguera realiza vestibular no sábado Lajeado

Daniel Dullius participou da NRF nos Estados Unidos e será um dos palestrantes

gas, que falará sobre o Fantástico Mundo NRF. Na sequência, o diretor de produto da Lojas Dullius, Daniel Dullius, mostra sua visão das visitas técnicas feitas a empresas americanas, explica sobre as experiências de atendimento aos clientes. Além dos dois empresários da região, o Pós NRF conta com a participação do diretor da agência Es-

cala, João Mirage, e do diretor de expansão da Lojas Trópico, Gustavo Schifino. Ambos atuam com negócios no Rio Grande do Sul e outros Estados. Compartilham com o público os ensinamentos da NRF e como aplicá-los na realidade brasileira. Informações na CDL Lajeado ou pelo telefone (51) 3710-1299, e-mail comercial@cdl-lajeado.com.br .

Dalle Carnegie treina grupo para apresentação de alto impacto

A Universidade Anhanguera realiza seu primeiro vestibular no polo Lajeado. A atividade ocorre sábado, dia 18. Os candidatos podem inscrever-se diretamente no site www.vestibulares.br ou procurar diretamente o polo de apoio, localizado na Rua 11 de Junho, 80, bairro São Cristóvão. O telefone de contato é (51) 3729-8778. Os cursos de pós-graduação da Anhanguera são ofertados na modalidade on-line. Desta forma, o aluno só precisa re-

Grupo Kroton visita Unopar de Lajeado Lajeado

Lajeado A empresa Dalle Carnegie realizou o programa de apresentações de alto Impacto – HIP entre os últimos dias 9 e 10, em Lajeado. O evento reuniu empresários, advogados e treinadores de 12 municípios do Estado, além de um participante de Montevideo (Uy). O curso liderado pelo trainer Henrique Kuhn treina postura, voz e desenvoltura. Aborda questões simples e pontuais para uma performance mais clara e objetiva. É formatada para profissionais que atuam em reuniões, palestras, alinhamentos ou para qualquer interação com o público. Segundo os organizadores, o treinamento oferece ferramen-

alizar as provas presenciais, uma vez por mês, na sede. Os interessados devem conferir os cursos na página www. anhanguera.portalpos.com.br. Recentemente a instituição inaugurou unidade da cidade de Lajeado. Oferece cursos de graduação e pós-graduação EAD nas modalidades semipresencial e on-line. Segundo a direção, a Universidade traz uma proposta diferenciada para os alunos que buscam formação rápida, com preços acessíveis e qualidade de ensino.

A Unopar Lajeado recebeu o Grupo Kroton no último dia 15. A empresa detém a marca Unopar e a LFG. A visita foi para conhecer as instalações atuais da instituição e falar sobre futuros projetos.

O grupo reuniu o diretor da Unopar Lajeado Diego Dalmoro, vice-presidente EAD, Roberto Valério; o diretor de operações EAD, Jeferson Ortiz; o diretor regional, Alex Matiuzzo; o gerente de auditoria EAD, Tadeu Ravasi; e o gerente de negócios, Mauro Barros. DIVULGAÇÃO

Grupo de Lajeado participa de programa de apresentação de alto impacto

tas de gestão e negociação. “Os princípios carnegianos são evidenciados e traduzem a estratégia de uma boa e coerente comunicação”, lembra Kuhn. Para o diretor do jornal A Hora, Adair Weiss, o curso permite maior re-

siliência, ensina maior eficácia na comunicação da mensagem e, principalmente, aguça a percepção sobre a auto-performance. "Sem dúvida, um treinamento que vale o investimento.", resume.

Grupo visita a unidade da Unopar, polo de Lajeado


A HORA · SEXTA-FEIRA, 17 DE FEVEREIRO DE 2017

17

Área de figo recua por falta de sucessores Cultivo registra queda de 24% em 12 anos. Ciclo tem frutas de excelente qualidade GIOVANE WEBER

Vale do Taquari

quais 40 são beneficiadas. “O nosso retorno aumenta em até 50% em cada quilo. O que antes era perdido, se tornou um lucro extra”, revela Gilmar.

A

os 70 anos, Décio Mallmann, de Alto Conventos – interior de Lajeado, planeja reduzir o pomar de figos pela metade. No auge da atividade, a colheita chegou a 3 mil quilos. Apesar da paixão em cultivar frutas, a falta de sucessores fará com que 150 pés sejam arrancados nos próximos meses. “Está difícil até de conseguir diaristas na hora de colher”, observa. O fato do figo, ao ser tirado da árvore, liberar um ácido que queima a pele também afasta os trabalhadores. Para colher, o aconselhado é vestir roupas de manga comprimida, botas e luvas. Enquanto apanha as frutas maduras, lamenta a saída dos jovens do meio rural. Os quatro filhos do casal migraram para a cidade. Ao lado da mulher Lourdes, mantém a produção de leite e o cultivo de grãos. “Está na hora de diminuir. Não adianta investir sem ter ninguém para ajudar. Vamos plantar soja e milho.” Apesar da produtividade menor, cerca de 10 quilos por planta, a qualidade surpreende. Os figos estão doces e saudáveis. Algumas frutas apodreceram de-

Foco na qualidade

Enquanto colhe o fruto, Décio Mallmann, de Alto Conventos, Lajeado, explica aos clientes os benefícios da fruta à saúde

vido ao excesso de chuva aliado ás altas temperaturas. O quilo é vendido por R$ 5 para consumo in natura. O destino são mercados da cidade. Outra parte é doada para vizinhos e amigos para confeccionar schmier. O casal Renata e Werner Kunzler, de Lajeado, prefere colher as frutas direto no pomar. Todos os anos na época de safra visitam a propriedade dos Mallmann. “É uma fruta cultivada sem agrotóxicos, graúda, doce e saudável”, destacam.

Fruta beneficiada A realidade vivida na propriedade dos Mallmann confirma os dados do levantamento feito pela Emater. Entre 2005 e 2014, a área cultivada reduziu 24%. De 1.134 hectares caiu para 860. Apesar disso, a produtividade aumentou 5,17% e evitou a falta de matéria-prima no mercado. Conforme o agrônomo Mateus Monteavaro, da Emater de Feliz, a saída é agregar valor à fruta. No município em torno de 40 famílias cultivam o figo em uma área

de 110 hectares. Boa parte do figo é destinado para a agroindústrias de compotas e schmier. “Beneficiar o figo garante um lucro melhor”, afirma. A projeção é de colher até 440 toneladas neste ciclo, a maior parte da variedade roxo de Valinhos. Em 1999, a família Peloso, de Linha Roncador – decidiu montar uma agroindústria para processar o excedente de frutas (morango, figo, amora). Nos 10 hectares cultivados, por ano são produzidas mais de 100 toneladas, das

A família Gabardo de Nova Petrópolis, mantém oito mil pés cultivados e por ciclo colhe em média 100 toneladas da fruta. Parte é destinada para o consumo in natura e o restante é processado na agroindústria construída em 1999. Produzidos sem conservantes, atendem um público seleto, de alto poder aquisitivo. “Tudo é feito de forma artesanal. As pessoas buscam produtos naturais, de alta qualidade, que façam bem à saúde. Pagam bem por isso”, destaca Orestes. A maior parte é vendida para o Paraná, Santa Catarina, São Paulo e até Piauí. O preço médio de um pote de 800 gramas é de R$ 8. Além do figo, outras frutas como amora, morango, goiaba e uva são processadas, num total de 50 toneladas ao ano.


A HORA · SEXTA-FEIRA, 17 DE FEVEREIRO DE 2017

PATROCÍNIO:

Internacional

Direção empresta atacante Aylon ao Goiás Artilheiro da equipe em 2016, atleta perdeu espaço após novas contratações para a posição

A

pós confirmar a contratação de Marcelo Cirino e o provável acerto com William Pottker, a direção do Internacional encaminhou o empréstimo do atacante Aylon ao Goiás. Entre os clubes já está tudo acertado, resta o exame médico e a assinatura do contrato com o jogador de 23 anos. Aylon chegou a ser artilheiro do Inter em 2016, mas perdeu espaço neste ano. Ele sequer foi relacionado para o jogo contra o Princesa-AM, pela Copa do Brasil. Além de Cirino e Pottker, que ainda não foram anunciados, o Inter contratou outros jogadores como Roberson, que ficou livre após deixar o Juventude e Carlos, emprestado pelo Atlético-MG.

Com a saída de Aylon, o Internacional continua a reformular o elenco, a próxima meta da direção é anunciar um zagueiro, um volante e um meia.

COPA DO BRASIL CLASSIFICAÇÃO

Internacional venceu o Princesa do Solimões por 2 a 0 com gols de Valdívia e Brenner. Próximo adversário é o Oeste

Depois de vencer o Princesa do Solimões por 2 a 0, na noite de quarta-feira, o colorado confirmou a classificação para a segunda fase da Copa do Brasil. O próximo adversário é o Oeste, que eliminou o Friburguense. O Inter volta a campo no domingo, quando enfrenta o Passo Fundo, fora de casa, tentando a primeira vitória no Gauchão.

Direção tenta renovar com Luan Fase classificatória encerra nesta noite com dez partidas LUCAS UEBEL

Grêmio

A direção do Grêmio abriu negociações para prorrogar o contrato de Luan. A proposta é para aumentar o vínculo no final de 2019. O atual compromisso termina em setembro de 2018. A conversa começou há dias e teve avanço em reunião no CT do clube, nesta quarta-feira. O acordo para extensão do vínculo ainda não ocorreu. Assim, as partes deverão se reunir novamente para tratar do tema. O novo encontro não foi marcado. A renovação visa justamente aumentar o rendimento do meia-atacante e também dar mais tranquilidade ao Grêmio junto ao mercado. O atual contrato pode deixar o Grêmio na obrigação de negociar Luan em breve. Legalmente, o jogador

Abertão da Languiru

Contrato de Luan com o Grêmio é válido até 17 de setembro de 2018

pode assinar pré-contrato a partir de abril de 2018. A última modificação no salário de Luan, registrada no BID (Boletim Informativo Diário) da CBF, é datada de 3 de dezembro de 2015. Lá consta a data exata de validade do atual vínculo: 17 de setembro de 2018.

Com tendinite no joelho, que o fez ser substituído no segundo tempo contra o Passo Fundo, Luan deve ser preservado na próxima partida do Gauchão. No sábado, o Grêmio recebe o São José em jogo válido pela quarta rodada do estadual.

A última rodada da primeira fase do Abertão da Languiru ocorre nesta noite com a realização de dez partidas. Os jogos iniciam às 19h30min e ocorrem na sede campestre da Associação Languiru, no Bairro Languiru, em Teutônia. Celtic versus IMEEC (sub-20) e Amigos do Japonês versus Rudi Bar (veterano) abrem a noite de jogos. Às 20h20min jogam IMEEC Sião versus

Vila Nova (master) e Academia Mega Sports versus Eletro Diesel Hirt (feminino). Às 21h10min, Amigos do Boa Vista versus Real Madruga (força livre) e Os Parças versus Amigos do Leo (força livre). Às 22h, EC Juventude versus Boehmios (força livre) e Flamengo versus Sakolé (força livre). Fechando a rodada, às 22h50min, o Unidos de São João enfrenta o Saidera (força livre) e o Amigos do Corvo pega o Alambique Original (força livre).


19

A HORA · SEXTA-FEIRA, 17 DE FEVEREIRO DE 2017

Eze q ui el N ei t zke

Informe

www.setelajeado.com.br

Gente que faz

Copa Sete tem reunião na terça-feira

Jair Welter, o “Pivi” é o personagem que abre o espaço Gente que faz. Toda semana trarei pessoas que são apaixonadas pelo que fazem e se dedicam a clubes e organizações. Além de coordenar uma equipe de arbitragem, Pivi é um dos responsáveis por organizar diversas competições na cidade de Teutônia. Neste ano, está a frente na organização do Abertão da Languiru e também do Aberto de Futsal do Gaúcho. Ele também colabora na divulgação da Taça da Amizade e do Amador de Teutônia.

ASTF na Série Bronze A ASTF deve confirmar na próxima semana a desistência da Série Ouro. A equipe solicitou a FGFS para disputar a Série Bronze e deve ter o desejo atendido. Outra equipe que pediu para participar da Bronze é o Cachoeira Futsal. A equipe de Cachoeira do Sul foi rebaixada para a Série Prata na temporada passada.

Jaque Weber passa por período de treinamentos A atleta de Teutônia, Jaque Weber está passando por um período de treinamentos no Laboratório de Performance em Ambiente Simulado, situado dentro da Universidade Federal de Santa Maria. Inaugurado em dezembro de 2015, ele é o único da América Latina.

O

Clube Esportivo Sete de Setembro através do Departamento de Minifutebol convida a todos os associados para mais uma edição da Copa Sete/STR/CBM de Minifutebol. A tradicional competição do Clube contará em 2017 com quatro divisões: primeira, segunda, veterano e master. A reunião técnica com os representantes das equipes ocorre no dia 21 de fevereiro, próxima terça-feira, a partir das 19h30min, no Salão Waldir Zarth, com as equipes da segunda divisão e às 20h30min com as equipes da primeira divisão. Segundo o coordenador de esportes do clube, Luís Felipe

Worn, o não comparecimento na reunião acarreta em perda de pontos na disciplina na competição. “A expectativa é de reunir 16 equipes na primeira divisão e 18 na segundona.” Os jogos da primeira e segunda divisões serão realizados regularmente aos sábados a tarde a partir do dia 11 de março. Maiores informações poderão ser obtidas na secretaria do clube com Luís Felipe Worm, coordenador esportivo do Clube. Para as categorias veterano e master com jogos nas quintas-feiras e terça feiras a noite respectivamente, as inscrições vão até 15 de março e o inicio está previsto para a semana seguinte das inscrições. EZEQUIEL NEITZKE

Começo espetacular

Com apenas 19 anos, Ariel Palácio é a grande aposta do Lajeadense para está temporada. Em duas partidas o jogador recém-promovido das categorias de base marcou quatro gols. Se continuar balançando as redes neste ritmo, dificilmente permanecerá até o fim da temporada no clube.

Curtinhas

Torneio de Verão conhecerá a equipe campeã na próxima quarta-feira

*Autor do gol que deu o título mundial ao Internacional, Adriano Gabiru jogará a Divisão de Acesso pelo Tupi, de Crissiumal. *Começa neste fim de semana os municipais de Arroio do Meio, Bom Retiro do Sul, Roca Sales e Copa Integração. *Os maiores campeões de Teutônia, Gaúcho e Esperança, se enfrentam no municipal no dia 2 de abril

ezequiel@ jornalahora.inf.br

Final ocorre na quarta-feira O Torneio de Verão do Clube Sete de Setembro está entrando na reta final. Na próxima segunda-feira, a partir das 19h, ocorrem as semifinais na Séries Ouro e Prata. A final está marcada para quarta-feira, às 20h15min.


Lajeado, Sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Jornalismo / redação: ahora@jornalahora.inf.br Publicidade: comercial@jornalahora.inf.br Assinaturas: assinaturas@jornalahora.inf.br

AH - Principal | 17 de fevereiro de 2017  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you