Page 1

PORTE PAGO

| DIRECTOR: Carlos dos Santos Almeida | Preço 1 euro | e-mail: info@jornaldabatalha.pt | www.jornaldabatalha.pt | MENSÁRIO Ano XX nº 231 | Outubro de 2009 |

W págs. 3 a 8

Esmiuçámos os candidatos Qual é o candidato mais jovem? E o mais idoso? Quantos são mulheres? De que freguesia são? Qual a candidatura mais jovem? Que clube de futebol apoiam? O que lêem? Qual a sua praia favorita? Como se chamam os mais de 200 candidatos?

QUIOSQUE DA BATALHA De José Manuel Matos Guerra

• Lotarias • Totoloto • Raspadinhas • Euromilhões Largo Mestre Mateus Fernandes APARTADO 24 Telf: 244 767 720 Fax: 244 767 228 2440-901 BATALHA

Wpág. 11 Reabilitação de pedreira custa 270 mil euros

A Pedreira da Barrosinha vai ser reabilitada. Investimento de 270 mil euros visa a renaturalização paisagística do espaço.

Wpág. 9 Moradores do Celeiro manifestam-se em plena Assembleia Municipal Um grupo de moradores do lugar do Celeiro protestou pelas más condições de vida na localidade na última sessão da Assembleia Municipal. IC9 e subestação eléctrica são as razões do descontentamento.

Wpág. 12 Novo balcão bancário promete “spread” negativo para habitação O Barclays tem a funcionar desde o passado dia 28 de Setembro, uma novo balcão na vila da Batalha. Uma margem de lucro negativa no crédito à habitação é uma das “armas” da nova agência.


2

Opinião Espaço Público

Outubro 2009

Jornal da Batalha

Espaço Público s Há 15 anos _ editorial

Todas as razões para votar Quem são, de onde vêm e o que pretendem? Estas são as questões que o Jornal da Batalha pretende ajudar a responder para que a decisão dos (e)leitores do concelho da Batalha seja o mais esclarecida possível. É que no próximo domingo, dia 11, todos são convidados a participar no sufrágio de órgãos de gestão autárquica de grande importância: Câmara Municipal, Assembleia Municipal e assembleias de freguesia. Estes são os mais próximos patamares do poder democrático e é dever cívico de cada um de nós, participar na escolha que vai ditar como será governado o concelho e cada uma das freguesias nos próximos quatro anos. Aos prin-

cipais argumentos e ideias dos candidatos, - que divulgamos na passada edição – juntamos este mês, o nome de cada um dos candidatos que concorrem pelas várias forças partidárias. É uma listagem exaustiva que visa permitir o conhecimento daqueles que se propõem conquistar o seu voto. Atendendo à importância do acto eleitoral em causa, o Jornal da Batalha decidiu chegar às suas mãos antes do dia das eleições autárquicas. É o nosso contributo para o cabal esclarecimento do eleitorado, ajudando a que não existam desculpas para não votar. A decisão final, como não poderia deixar de ser, é individual e deve ser feita em consciência. Essa é a

tarefa que lhe cabe: escolher. Não nos substituindo à campanha das várias candidaturas, publicamos, nas edições de Setembro e Outubro, as informações

que nos surgem como essenciais para um conhecimento sustentado das candidaturas e dos candidatos. O resto é consigo.

Vários assuntos eram chamados à primeira página da edição de Outubro de 1994, do Jornal da Batalha: embora o principal diga respeito ao trânsito local, com o título “Câmara estuda soluções – Trânsito entope a vila”. “Água no concelho: saúde ou veneno?”, “Capela das Alcanadas precisa de obras” e “Batalha jogou ao Natal sem Fronteiras” eram as outras notícias de particular importância, referidas na primeira página. Nas páginas interiores, podia ler-se que a “Câmara ensaia cobrança de impostos”, que se realizou o Mercado do século XIX com o título “À moda do Século XIX” e anunciava-se a apresentação das Actas do IV Centenário da morte de Frei Bartolomeu dos Mártires e do Congresso Internacional D. Frei Bartolomeu dos Mártires na igreja e na sociedade do seu tempo. A encerrar “Alta Estremadura ganha projecto de informação”, uma iniciativa da Rádio Batalha, com a colaboração dos jornais da região, entre os quais o Jornal da Batalha.

Y rectificação Por lapso, na última edição do Jornal da Batalha, no depoimento do candidato à Assembleia de Freguesia da Batalha, pelo Bloco de Esquerda, António Lopes Canhoto, saiu errada uma palavra que pode induzir os leitores em erro. Assim na penúltima linha do primeiro parágrafo, está escrito “…que existem dentro dos serviços da Câmara, para não haver fregas e controlo..”, quando na verdade deveria estar “…que existem dentro dos serviços da Câmara, para não haver fugas e controlo..”. Na mesma edição, a resposta do Candidato da CDU à Câmara da Batalha, José Valentim, não foi publicada. No seu lugar saiu, repetida, a resposta do candidato do CDS, Horácio Moita Francisco. Pelo facto, apresentamos as nossas desculpas aos candidatos e aos leitores. Aproveitamos para publicar desta feita, o texto de resposta do candidato José Valentim à questão colocada pelo nosso jornal: POR QUE RAZÃO OS BATALHENSES DEVEM VOTAR EM MIM PARA A PRESIDÊNCIA DA CÂMARA? A CDU, defende a modernização dos Serviços Adminis-

Propriedade e edição Bom Senso - Edições e Aconselhamentos de Mercado, Lda. Director Carlos dos Santos Almeida (C.P.nº 2830) Coordenador Armindo Vieira (C.P. nº 6771)

trativos, melhor articulação com as Juntas de Freguesia, a valorização dos trabalhadores da Autarquia e o respeito pelos seus direitos. A Escola Pública, para o ensino de qualidade, com espaços físicos qualificados. A EAOTB, defendida pelo nosso deputado Miguel Tiago, integrada nas Escolas Secundarias, deve ter assegurados os indispensáveis meios. No Âmbito da Protecção Civil a CDU agirá na defesa da Área Florestal, pela definição e execução de um Plano de Silvicultura Preventiva, para a Mancha Florestal, Serviços Municipais e meios para as operações de limpeza e prevenção de incêndios, criação e manutenção de linhas de corta fogo. No apoio aos BVB, garantindo a melhor cooperação com a sua Direcção e o Comando. Abertura de novos aceiros, caminhos florestais, reforço os pontos de água, eficaz ligação e envolvimento das populações. O desenvolvimento equilibrado e sustentado de todo o concelho, melhor uso os recursos disponíveis, os recursos hídricos, a qualidade da água, do ambiente, a qualidade das intervenções. A valorização do Rio Lena, das suas margens, na Vila da Batalha.

Redactores e Colaboradores Carlos Valverde, João Vilhena, José Travaços Santos, José Rebelo, Carlos Ferreira, Manuel Órfão, José Bairrada, Graça Santos, Ana Fetal, Bárbara Abraúl Departamento Comercial Henriqueta Ligeiro

Redacção e Contactos Rua Infante D. Fernando, lote 2, porta 2 B - Apart. 81 2440-901 Batalha Telef.: 244 767 583 - Fax: 244 767 739 info@jornaldabatalha.pt Contribuinte: 502 870 540 Capital Social: 5.000 € Gerência Teresa R. F. M. Santos e Francisco M. G. R. Santos (detentores de mais de 10% do Capital:

As instalações do IVV, para a propriedade do Município, e para usufruto da população. Novos e qualificados espaços verdes, nomeadamente do espaço envolvente ao Mosteiro de St.ª Maria da Vitória. O rico património histórico, cultural, arquitectónico, etnográfico e arqueológico exige a concretização do seu museu. Defendemos o investimento produtivo, a sua fixação no concelho, a concretização dos investimentos nas infraestruturas, nomeadamente, nas ZI. O melhor funcionamento dos Centros de Saúde, e reforço as suas valências. Melhores condições sociais para os deficientes, idosos, crianças e jovens. Adequado investimento na rede viária, o IC 9 e a variante do IC 2, serão vias estruturantes para o concelho, é inaceitável que tenham portagens. O compromisso assumido pelos candidatos da CDU merece toda a Confiança, por isso são decisivos os eleitos da CDU.

Teresa R. F. M. Santos e Francisco M. G. R. Santos) Depósito Legal Nº 37017/90 Insc. no SRIP da I.C.S. sob o nº 114680 Empresa Jornalística Nº 217601 Produção Gráfica Semanário Região de Leiria Rua D. Carlos I, 2-4 - 2415-405 Leiria-Gare Apartado 102 - 2401-971 Leiria Telef.: 244 819 950 - Fax 244 812 895

Impressão: Mirandela, S.A. Rua Rodrigues Faria 103, 1300-501 Lisboa Tiragem 3.000 exemplares Assinatura anual (pagamento antecipado) 10 euros Portugal ; 20 euros outros países da Europa; 30 euros resto do mundo.


Jornal da Batalha

Outubro 2009

Eleições Batalha

3

s Entrevista

Especial eleições

PSD vence no concelho nas legislativas m Cumprindo a tra-

PARTIDOS

RESULTADOS NO CONCELHO

Votantes

4870

novas políticas para sectores essenciais, como a Justiça, a Educação, a Saúde ou no apoio às pequenas e médias empresas, entre outras.

LEGISLATIVAS 2009 – RESULTADOS CONCELHIOS

dição, o PSD venceu no total concelhio dos votos para as eleições legislativas de 27 de Setembro, tal como demonstra o quadro. O partido laranja venceu igualmente no distrito, o que valeu a eleição de um batalhense para a Assembleia da República. (ver entrevista ao lado)

Abstenção

“Espero poder contribuir para a resolução de alguns problemas”

35 .84%

8717 64 .16%

Votos

PSD

3546

40.68%

PS

2058

23.61%

CDS-PP

1489

17.08%

BE

720

8.26%

CDU

159

1.82%

MEP

58

0.67 %

PCTP/MRPP

43

0. 49%

MMS

38

0. 4 4%

PND

26

0.30%

MPT/PH

26

0.30%

PPM

25

0.29%

POUS

22

0.25%

PNR

20

0.23%

Nulos

179

3 .14%

PPV

19

0.22%

Brancos

274

3 .14%

PTP

15

0.17 %

E se os resultados de dia 27 se repetissem domingo? Se os resultados das legislativas se repetissem no dia 11, o PSD elegeria 4 vereadores, o PS 2 e o CDS colocaria no executivo municipal o seu cabeça-de-lista. Mas será que os candidatos atribuem grande significado ao impacto dos resultados nas legislativas na eleição para as autarquias? O vencedor, caso os resultados se repetissem, António Lucas, candidato do PSD, considera que “a maturidade dos nossos eleitores está consolidada, sabendo bem o que

querem e separando as águas. Ou seja, votam nas candidaturas mais capazes e nos programas. Isso na Batalha está provado”. Por sua vez, Francisco Meireles, candidato pela segunda força mais votada nas legislativas, também separa as águas. Mas afirma: “sendo duas eleições distintas, uma para uma Governação de proximidade e outra para Governação da Nação, terão os cidadãos do concelho da Batalha, todo o interesse em que tenham resultados idênticos, logo a

mesma forma de pensar e executar. Claro que podem indiciar resultados semelhantes para as eleições autárquicas.” O terceiro “classificado” nas legislativas, que á Câmara concorre com Horácio Moita Francisco, acredita na vitória. Considera que os resultados foram “normais, fruto da desmotivação que a política tem trazido aos eleitores, fruto dos 35 anos das políticas frustradas e alternadas entre o PSD e PS. Mas julgo que o CDS/Indep. Vai ganhar dia 11”, refere o candidato.

Depois da primeira experiência como deputado na AR, acha que esta poderá ser diferente? Porquê?

Paulo Batista Santos, deputado eleito pelo PSD

O que tem a Batalha a ganhar com um deputado na Assembleia da República? Nos termos da Constituição os deputados representam o país, no entanto pessoalmente considero-me vinculado ao conjunto de compromissos que assumi perante os cidadãos do distrito de Leiria e também do concelho da Batalha. Por outro lado, conhecendo bem as questões da Batalha, espero poder contribuir para a resolução de alguns problemas que tardam a conhecer resposta adequada por parte da Administração Central. Considero ainda que tal objectivo será sempre realizado em estreita colaboração com os nossos autarcas e instituições locais, num trabalho necessariamente colectivo em prol da nossa terra.

O que espera desta legislatura? Sinceramente desejo desde logo que tenhamos um melhor governo e menos arrogante. O facto de não haver uma maioria parlamentar vai seguramente contribuir para isso, todavia espero que o Parlamento seja verdadeiramente a casa da democracia e cumpra integralmente as suas competências, a começar por ter um papel mais preponderante na definição de

Todos os dias aprendemos e hoje naturalmente sinto-me melhor preparado para cumprir as tarefas parlamentares que, contrariamente à ideia que as pessoas por vezes têm, são bastante rigorosas e exigem uma grande disponibilidade. Como tenho uma enorme honra e gosto naquilo que faço, estou convicto que com a ajuda dos competentes autarcas do nosso concelho e de outros, será possível fazer mais e melhor.

O que, no seu entender, poderá ter acontecido, para que o PSD de Leiria tenha perdido um deputado? O PSD ganhou as eleições no distrito de Leiria, tivemos mais 5% do que o segundo partido mais votado, o PS. O PSD ganhou em 10 dos dezasseis concelhos do Distrito, todavia o método de apuramento de mandatos parlamentares privilegia os partidos com menor votação e isso determinou que o Bloco de Esquerda conseguisse pela primeira vez um mandato parlamentar por Leiria. Esta tendência também se verificou no resto do país. De facto, os resultados nacionais não correspondem aos nossos objectivos, nesse sentido cumpre-nos respeitar a vontade da maioria dos eleitores, não obstante estamos naturalmente satisfeitos e honrados pela confiança que os leirienses e os batalhenses depositaram na lista do PSD. Desejo que nas eleições autárquicas, igualmente importantes, os candidatos apresentados pelo PSD continuem a merecer o apoio da maioria dos eleitores, porque são eles os primeiros responsáveis pelo desenvolvimento da nossa terra.


4

Especial eleições Batalha

Outubro 2009

m São mais de 200 candidatos de cinco partidos que disputam as autárquicas de domingo, dia 11. Confira quem é quem nas várias candidaturas, na listagem que publicamos de seguida BE

Todos os nomes d

São Mamede, 27 anos

Cela, 53 anos

Assembleia de Freguesia da Batalha

Paulo Fernando Romão Encarnação, Reguengo do Fetal, 30 anos

Rui Manuel Soares Batista, Quinta do Sobrado, 43 anos

António Lopes Canhoto, Amieira, Batalha 62 anos

Filipa Isabel Valério da Silva, Golpilheira 25 anos

José Augusto Louro dos Santos, Calvaria de Baixo, 42 anos

Marília Inês Rodrigues Canhoto, Amieira, Batalha 24 anos

Joaquim Cerejo de Matos Soares, Alcanadas 57 anos

Maximina Venda Cordeiro Santos, Quinta do Pinheiro, 64 anos

José Paulo Figueiredo Fialho, Golpilheira, Batalha 31 anos

Ana Rita Ruivo Cordeiro da Silva, Casal do Marra, 33 anos

José Ricardo Rolo de Jesus Oliveira, Pinheiros, 21 anos

Cacilda Maria Monteiro Jorge, Batalha 43 anos

Nuno Ricardo da Silva Barraca, Cela, 27 anos

João Vieira Pragosa da Conceição, Brancas, 65 anos

Luís António Rodrigues Canhoto, Batalha 34 anos

Inês Marques Soares, Quinta do Sobrado, 35 anos

Clarisse de Carvalho Brito Antunes, Calvaria de Baixo, 50 anos

José Pereira Santana, Casal do Alho, Batalha 58 anos

Luis Manuel de Oliveira Tomás, São Mamede, 37 anos

António José Jordão Moreira, Rebolaria, 52 anos

Sandrina Carreira Rodrigues Canhoto, Cancelas, Batalha 35 anos

Inês Alexandra Cordeiro Santos, Quinta do Pinheiro, 26 anos

Assembleia de Freguesia da Golpilheira

Mário Manuel de Sousa Alexandre, Batalha, 45 anos

José Afonso Moreira Padrão, Batalha, 66 anos

António Melo Machado Fernandes, Batalha, 55 anos

Ermelinda Maria Jordão de Jesus Bastos Vala, Casal do Azemel, 38 anos

Maria Augusta Almeida Rodrigues, Amieira, Batalha 61 anos

Pedro Nuno Pragosa Moreira, Rebolaria, 26 anos

Nuno Miguel Bastos Pereira, Jardoeira, Batalha 26 anos

João Pedro Cardoso Albino, Casal do Relvas, 39 anos

Abílio José Vieira da Costa, Bico Sachos, Golpilheira, Batalha 51 anos

Elisabete Jesus Neto, São Mamede, 43 anos

Isabel Vieira Bastos, Casal do Quinta, Batalha 60 anos.

Abílio Reis Oliveira, Batalha, 45 anos

CDS-PP

Isilda Maria Anjos Carreira Vieira, São Mamede, 52 anos

Câmara Municipal da Batalha

António Vieira da Encarnação, Celeiro, 55 anos

Horácio Moita Francisco, Batalha, 56 anos

Jorge Manuel Ferreira Henriques, Cancelas, 29 anos

Patricia Almeida Santos, Reguengo do Fetal, 30 anos

Ana Margarida Vieira Frazão, Golpilheira, 25 anos

Rui Filipe Vieira Rito , São Mamede, 26 anos

Nelson Valente da Silva, São Mamede, 27 anos

Pedro Nuno Ruivo Cordeiro da Silva, Casal do Marra 30 anos

Assembleia de Freguesia da Batalha

Selma Oliveira de Matos Soares, Alcanadas, 28 anos David João Pragosa Lucas, Golpilheira, 25 anos Silvia Vieira Gomes Neves, São Mamede, 34 anos

Joaquim Matias Cordeiro da Silva, Casal do Marra, 61 anos Nuno Ricardo Vieira Moita, Freiria, 26 anos Cremilde Franco de Matos, Alcanadas, 42 anos

Assembleia Municipal da Batalha

António Santos Cardoso, Casal do Relvas, 46 anos

Nelson Luis Monteiro Guerra, Mouratos, 31 anos

Rogério dos Santos Lopes, Casal do Azemel, 65 anos

Tânia Marisa Correia Oliveira,

Noémia Ferreira da Silva Barraca,

Jornal da Batalha

Anabela Ferreia Lopes, Bico Sacho, 29 anos Paulo Jorge da Cruz Bagagem, Golpilheira, 39 anos Filomena Maria Bento Monteiro de Meneses Golpilheira, 50 anos Margarida Vieira Grosso de Matos, Golpilheira, 46 anos Luís de Sousa Guerra, Golpilheira, 64 anos Maria da Luz do Rosário Rodrigues Ferraz, Cividade, 54 anos Ana Paula Vieira Lucas, Golpilheira, 24 anos Joaquim do Rosário Monteiro, Cividade, 62 anos Maria Helena Silva Vieira Matos, Golpilheira, 40 anos Assembleia de Freguesia de Reguengo do Fetal Mário Dinis Rebelo Fernandes, Reguengo do Fetal, 31 anos Flávio Rebelo Carvalho, Reguengo do Fetal, 26 anos Idalina Maria do Nascimento Reis, Reguengo do Fetal, 53 anos Armindo Miguel Vale da Serra Ribeiro, Reguengo do Fetal, 26 anos Inês Meneses Crespo, Reguengo do Fetal, 29 anos Mickael Marcelino, Reguengo do Fetal, 22 anos Jaime Batista Franco, Reguengo do Fetal, 52 anos Gracinda Carreira Moniz, Reguengo do Fetal, 47 anos

Sergio Renato Pinheiro Tomás, Reguengo do Fetal, 28 anos Assembleia de Freguesia de São Mamede Carlos Armindo Ribeiro Valente, São Mamede, 44 anos Flávio Silva de Almeida, São Mamede, 26 anos Sónia Filipa Vieira Santos, 29 anos Adelino da Piedade Vieira, 59 anos Ana Paula Vieira Pedro Carreira, 35 anos Filipe Vicente Eusébio, São Mamede, 34 anos Helder Joaquim Silva Neves, 36 anos Rita Sofia Rosa Cunha, 27 anos

Amadora 77 anos Paulo Maurício Meireles Bento, Porto 43 anos Maria Cecília do Rosário Paulo Gome,s A-do-Barbas, Leiria 58 anos Maria Manuela Mendes Cruz Bernardino, Almada 65 anos António José Letra Tomaz, Marinha Grande 60 anos Arlete Lopes Letra, Praia da Vieira, Marinha Grande 54 anos Lino Jorge Lopes Fragata Vieira de Leiria, Marinha Grande 42 anos Álvaro Filipe Ferreira Vieira de Leiria, Marinha Grande 77 anos Emília Pedrosa Botas Praia da Vieira, Marinha da Grande 67 anos

Acácio Rui Carreira Luis 28 anos

José Lourenço Fragata Vieira de Leiria, Marinha Grande 84 anos

CDU

Maria Odete Carriça Faustino Vieira de Leiria, Marinha Grande 61 anos

Câmara Municipal da Batalha José Joaquim Filipe Valentim, Cancelas, Batalha 50 anos Maria Manuela Almeida Flores Ribeiro, Casal do Relvas, Batalha 43 anos Albino Lopes Carreira Mendes, Casal do Marra, Batalha 62 anos Armando Pedro Matias Ceiça, Casal da Ponte Nova, Batalha 62 anos Aurora Ferreira Simões Pereira, Golfeiros, Batalha 65 anos Hélder Gonçalves Ribeiro, Casal do Relvas, Batalha 41 anos Celeste da Conceição Jesus Martins, Cancelas, Batalha 84 anos

António da Silva Vieira Vieira de Leiria, Marinha Grande 74 anos Josete Maria Rosado Flores Lisboa 73 anos Assembleia de Freguesia da Batalha Maria Manuela Almeida Flores Ribeiro Casal do Relvas, Batalha 43 anos Armando Pedro Matias Ceiça Casal da Ponte Nova, Batalha 62 anos José Joaquim Filipe Valentim Cancelas, Batalha 50 anos Aurora Ferreira Simões Pereira Golfeiros, Batalha 65 anos

Assembleia Municipal da Batalha

Albino Lopes Carreira Mendes Casal do Marra, Batalha 62 anos

Hélder Gonçalves Ribeiro, Casal do Relvas, Batalha 41 anos

Hélder Gonçalves Ribeiro Casal do Relvas, Batalha 41 anos

Albino Lopes Carreira Mendes, Casal do Marra, Batalha 62 anos

Celeste da Conceição Jesus Martins Cancelas, Batalha 84 anos

Aurora Ferreira Simões Pereira, Golfeiros, Batalha 65 anos Armando Pedro Matias Ceiça, Casal da Ponte Nova, Batalha 62 anos José Joaquim Filipe Valentim, Cancelas, Batalha 50 anos Maria Manuela Almeida Flores Ribeiro, Casal do Relvas, Batalha 43 anos Celeste da Conceição Jesus Martins, Cancelas, Batalha 84 anos Agostinho Pereira Bastos,

Partido Socialista Câmara Municipal da Batalha Francisco José Meireles Cardoso Leiria 54 anos Carlos Emanuel Oliveira Repolho Torrinhas, Reguengo do Fetal 41 anos Júlia Maria Marques Antunes Tomás Casimiro Golfeiros, Batalha 45 anos Nelson Miguel Vieira Gomes Santana Batalha


Jornal da Batalha

Outubro 2009

Batalha Especial eleições

e todos os candidatos 34 anos Maria de Fátima Leonor Monteiro Batalha 55 anos Joana Marques Bastos Casais dos Ledos, Batalha 22 anos Hugo Filipe da Silva Damásio Casais dos Ledos, Batalha 31 anos Assembleia Municipal da Batalha Luís Miguel Chagas Vieira Martins Golfeiros, Batalha 43 anos Maria Irene Moreira de Sousa Golpilheira, Batalha 64 anos António Joaquim Soares Zeferino Torrinhas, Reguengo do Fetal, Batalha 59 anos Leonor Ferreira Faustino Casal do Alho, Batalha 48 anos José Lucas Ferreira Cividade, Golpilheira, Batalha 61 anos Maria Leonor Sousa Pinheiro Arneiro, Batalha 53 anos Adelino Silva dos Santos Casal Suão, S. Mamede, Batalha 60 anos Maria do Céu Pereira Lopes Vieira Martins Golfeiros, Batalha 39 anos Fernando José Lopes de Oliveira Casal do Azemel, Batalha 60 anos Maria Alice Soares Vendima Brancas, Batalha 58 anos Pedro Jorge Correia das Neves Pinheiros, Batalha 41 anos Maria Madalena Jordão Pinho Batalha 67 anos José Manuel Guerra de Jesus Bastos Casal do Azemel, Batalha 48 anos Isabel Maria Oliveira Araújo Ascenso Cancelas, Batalha 42 anos Luís Joaquim dos Santos Ferreira Reguengo do Fetal, Batalha 48 anos Maria das Dores Henriques Pereira Rosário Santo Antão, Batalha 58 anos Luís António Matias Ceiça Alcogulhe de Cima, Maceira, Leiria 51 anos António João Rebelo Ferreira Reguengo do Fétal, Batalha 62 anos

Batalha 54 anos José Vítor Pereira Madeira Cancelas, Batalha 57 anos Cristiana Sofia Faustino Moreira Casal do Alho, Batalha 25 anos Albertino Franco da Conceição Batalha 35 anos Miguel Batista Silva Palmeiros, Batalha, 37 anos Sílvia Cristina Vendima Amado Pousos, Leiria 33 anos José Júlio da Silva Moreira Santo Antão, Batalha 48 anos

José Mauricio Mendes Carvalho Reguengo do Fétal 61 anos

Tânia Sofia Pereira de Oliveira São Mamede, Batalha 26 anos

Diana Maria Gomes Felgueiras Reguengo do Fétal 18 anos

António Carlos Costa Jordão Batalha 51 anos

Dionísio de Jesus Vieira Alcanadas, Reguengo do Fétal 59 anos

Cristóvão Mira Ribeiro Reguengo do Fetal, Batalha 38 anos

João Batista Felgueiras Reguengo do Fétal 46 anos

Rita dos Anjos Ataíde Rosa Lapa Furada, Batalha 28 anos

Silvino Conceição Carvalho Reguengo do Fétal 51 anos

José Augusto Patrício Ferreira Golpilheira, Batalha 43 anos

Isabel Maria Santos Gomes Reguengo do Fétal 44 anos

Luís Miguel dos Reis Santos Vale de Ourém, Batalha 37 anos

PSD

Mónica Maria Bento Monteiro Batalha 38 anos

Câmara Municipal da Batalha

Joaquim Monteiro Bastos Brancas, Batalha 34 anos

António José Martins Sousa Lucas Reguengo do Fetal, Batalha 51 anos

Pedro Jorge Correia das Neves Pinheiros, Batalha 41 anos

Cíntia Manuela da Silva São Mamede, Batalha 37 anos

Aida Maria Domingues Bento Faniqueira, Batalha 35 anos

Carlos Alberto de Oliveira Henriques Batalha 52 anos

Carlos Manuel Ribeiro Cardoso Batalha 51 anos

Graça Maria Henriques Pereira Golpilheira, Batalha 45 anos

Maria Alice Soares Vendima Brancas, Batalha 58 anos

José Tiago Ferreira Couto Duarte Reguengo do Fetal, Batalha 33 anos

Assembleia de Freguesia da Golpilheira

Patrícia Reia Monteiro Santo Antão, Batalha 24 anos

José Carlos Reis Ferraz Golpilheira 40 anos Joaquim Monteiro Filipe Vieira Golpilheira 43 anos Maria Irene Moreira de Sousa Golpilheira 64 anos Paulo José Alves Ferreira Picoto, Golpilheira 53 anos Joaquim Manuel Bento Monteiro Bico Sacho, Batalha 44 anos Sandra Isabel Soares Alves Golpilheira 34 anos Paulo Jorge de Almeida Vieira Golpilheira 40 anos Marta Inês Valério da Silva Golpilheira 22 anos Carlos Miguel da Silva Moreira Golpilheira 39 anos

Nuno Augusto Silva Almeida São Mamede, Batalha 32 anos Assembleia Municipal da Batalha José Vieira dos Reis Reguengo do Fetal, Batalha 61 anos Paulo Jorge Frazão Batista dos Santos Batalha 40 anos Colette Pedrosa de Sousa Batalha 46 anos António dos Reis Ferreira São Mamede, Batalha 50 anos Alberto de Matos Alcanadas, Batalha 47 anos Mariana Cecília Ligeiro Justo Amieira, Batalha 23 anos João Manuel Guerra Bastos Arneiro, Batalha 47 anos

Aline de Jesus Santos Vieira Casal Vieira, Batalha 38 anos Mário Rui dos Santos Laranjeiro Cancelas, Batalha 42 anos Jorge Manuel Jesus Neto Demó 30 anos Isabel Maria de Oliveira Costa e Pereira Batalha 36 anos Assembleia de Freguesia da Batalha Germano Santos Pragosa Brancas, Batalha 54 anos Ivone Trindade Neves Santo Antão, Batalha 36 anos João da Silva Pereira Casal Quinta, Batalha 58 anos Filipe de Matos Alcanadas, Batalha 37 anos

Maria de Fátima Carreira de Sousa Casal Mil Homens, Golpilheira 39 anos Joaquim Lopes Cruz Golpilheira 51 anos Cesário Rodrigues dos Santos Cividade, Golpilheira 32 anos Cristina Maria de Carvalho Agostinho Cividade, Golpilheira 38 anos Paulo Manuel Rodrigues Antunes Rito Cividade, Golpilheira 44 anos Armando Pereira de Sousa Golpilheira 51 anos Joana Rita Grosso Valério Golpilheira 24 anos Assembleia de Freguesia de Reguengo do Fetal António Fernando Martins de Sousa Lucas Reguengo do Fetal 49 anos Horácio Manuel Gonçalves de Sousa Torre, Reguengo do Fetal 48 anos Paula Sofia Santos Figueira das Neves Rosa Reguengo do Fetal 29 anos Carlos Soares de Sousa Torre, Reguengo do Fetal 48 anos Paulo Sérgio Pereira Pires Rio Seco, Reguengo do Fetal 41 anos Ângela Maria Pinheiro da Conceição Santos Reguengo do Fetal 44 anos José dos Santos Samora Alcaidaria, Reguengo do Fetal 47 anos Sandra Cristina dos Santos Matos Torrinhas, Reguengo do Fetal 34 anos Henrique Jorge Rodrigues Rosa Alcanadas, Reguengo do Fetal 33 anos

Rosa Maria Almeida Costa Abraúl de Sousa Batalha 47 anos

Assembleia de Freguesia de São Mamede

Fernando José Moreira da Silva Ribeiro Pinheiros, Batalha 50 anos

Silvestre Pereira Carvalhana São Mamede 53 anos

David Filipe de Oliveira Faria Cancelas, Batalha 27 anos

Marco Alexandre Ribeiro Vieira Vale de Barreiras, São Mamede 34 anos

Inês Margarida de Sousa Vieira Casal do Alho, Batalha 26 anos

Carina Filipa Sousa Tomás Milheirices, São Mamede 26 anos

Emília Louro Cardoso Rodrigues Casal do Relvas, Batalha 53 anos

Júlio da Silva Rodrigues Moita do Martinho, São Mamede 49 anos

Francisco José Amado Belo Brancas, Batalha 54 anos

Fernando Ribeiro da Rosa Crespos, São Mamede 47 anos

José Manuel Ferreira Dinis Pinheiros, Batalha 54 anos

Sabina Neves Remédios Moura Barreirinho Velho, São Mamede 32 anos

Maria Luísa Santos Carvalho Rosa Soares Calvaria de Baixo, Batalha 62 anos

Jorge Manuel Silva Covaneiro Lapa Furada, São Mamede 33 anos

Paulo Jorge Bagagem Jordão de Oliveira Rebolaria, Batalha 37 anos

Nelson Duarte Santos Pastilha Casal Vieira, São Mamede 32 anos Cátia Marina Ribeiro da Rosa Crespos, São Mamede 26 anos

Nélia Ricardo Serra Semedo Cid Repolho Torrinhas, Reguengo do Fetal, Batalha 35 anos

Assembleia de Freguesia do Reguengo do Fetal

Luís Miguel Ribeiro Ferraz Golpilheira, Batalha 37 anos

Edmundo Damásio Ferreira Casais dos Ledos, Batalha 61 anos

Luís Joaquim dos Santos Ferreira Reguengo do Fétal 48 anos

Raquel Maria Cunha Ferreira Palmeiros, Batalha 43 anos

Assembleia de Freguesia da Golpilheira

Fernando Pinheiro Nazário Batalha 58 anos

Nélia Ricardo Serra Semedo Cid Repolho Torrinhas, Reguengo do Fétal 35 anos

Henrique Amado Carvalho Cancelas, Batalha 36 anos

Carlos Alberto Monteiro dos Santos Casal Mil Homens, Golpilheira 34 anos

Assembleia de Freguesia da Batalha

António Joaquim Soares Zeferino Torrinhas, Reguengo do Fétal 59 anos

Nuno Miguel Costa Monteiro Batalha 35 anos

José dos Santos Silva Bico Sachos, Golpilheira 49 anos

Joaquim José de Jesus

5


6

Especial eleiçþes Batalha

Outubro 2009

Jornal da Batalha

Candidatos num minuto m Para alĂŠm dos programas eleitorais, o que ouvem, lĂŞem e quem admiram no mundo da polĂ­tica. ConvidĂĄmos os candidatos a responder Ă s questĂľes que ajudam a perceber quem sĂŁo os homens que querem mandar nos destinos do concelho. QUESTĂ•ES:

1. Um slogan para “venderâ€? a Batalha a quem nos visita? 2. Qual ĂŠ a caracterĂ­stica que mais gosta no concelho? 3. O que ĂŠ que mudava jĂĄ se pudesse? 4. As quotas nas candidaturas sĂŁo uma bĂŞnção ou uma maldição? 5. Na polĂ­tica, como na vida, as promessas sĂŁo mesmo para cumprir? 6. PolĂ­tico portuguĂŞs que mais admira? E estrangeiro? 7. Benfica, Porto ou Sporting? 8. Praia de eleição? 9. Qual ĂŠ o livro que anda a tentar ler hĂĄ algum tempo mas que a campanha eleitoral nĂŁo tem deixado concluir?

Horåcio Moita Francisco (CDS-PP) 1. Batalha em Acção. 2. A sua localização geogråfica, mas tem muita coisa para se fazer, ao nível da qualidade de vida 3. Politica de Juventude, Associativismos, Cultura, Sócio Económica e Desenvolvimento Empresarial entre muitas outras. 4. Nem são bênção nem maldição, julgo apenas um disparate, por se tratar de uma imposição, quando em democracia deveria ser uma situação natural. 5. As promessas são sempre para cumprir, mas infelizmente no nosso concelho da Batalha, o Sr. António Lucas vem com estas adiadas hå 12 anos. 6. Prof. Dr. Adriano Moreira, Sarkozy e Ângela Merkel. 7. Benfica. 8. São Pedro de Moel. 9. O Diålogo Europa-ChinaAsia-Pacífico - Desafios e Turbulências no SÊculo XXI. 10. Música Clåssica e Fado.

JosĂŠ Valentim (CDU)

Francisco Meireles (PS)

AntĂłnio Lucas (PSD)

1. Paisagem de MemĂłrias e Hospitalidade. 2. Hospitalidade. 3. Generalizava os apoios aos idosos. 4. O problema no exercĂ­cio dos direitos de cidadania, reside na desigualdade. 5. Claro! 6. JerĂłnimo de Sousa e Nelson Mandela! 7. Nenhum! 8. NazarĂŠ! 9. Ă gua de muitas fontes. 10. Beethoven, Ode Ă alegria

1. Uma admirĂĄvel sinfonia da arte na pedra, num patrimĂłnio mundial Ăşnico. 2. Harmonia entre o vale e a encosta da serra. 3. Por uma semana nĂŁo vale a pena mudar jĂĄ. Espero pela vontade de mudar dos eleitores deste Concelho. 4. O PS sempre se bateu para que esta fosse uma realidade. Fomos nĂłs neste Governo que as aprovĂĄmos, leva a uma maior participação das mulheres na vida polĂ­tica. 5. Sempre. Esta foi a minha educação de base, acima de tudo a honra. 6. MĂĄrio Soares e Willy Brandt. O primeiro por tudo o que Portugal de hoje lhe deve. O segundo pela ajuda que nos deu a implementar o Partido Socialista; foi Presidente da Internacional Socialista de 1976 a 1992; PrĂŠmio Nobel da Paz (1971); percursor da queda do muro de Berlim e Chanceler da Alemanha (1969-1974). 7. Benfica sempre, no entanto na Europa, qualquer clube portuguĂŞs. 8. A nossa costa regional, desde a Praia da NazarĂŠ atĂŠ Ă Praia do PedrĂłgĂŁo. 9. Nuno Ă lvares Pereira, de Jaime Nogueira Pinto, para perceber o epĂ­teto de “O ContestĂĄvelâ€?, independentemente da sua conexĂŁo polĂ­tica. 10. Vangelis.

1. BATALHA - Uma história para relembrar. 2. O dinamismo da nossa população. 3. O PDM, para de imediato ser possível executar uma sÊrie de obras para as quais jå temos financiamento. 4. Uma benção. 5. Sempre, desde que os Governos não alterem as regras a meio do jogo, como tem sido usual. E prova-se. 6. Så Carneiro a par de Mårio Soares. Winston Churchill. 7. Sporting 8. Manta Rota 9. Infelizmente só tenho tempo para livros, nas fÊrias. 10. Clåssica.

10. Qual ĂŠ a mĂşsica que mais o inspira?

$PNFSDJBMJ[BĂŽĂ?PF3FDJDMBHFNEF$POTVNĂ“WFJTJOGPSNĂˆUJDPT $PNBHBSBOUJBEPTQSPEVUPT0$1HNCI

3VBEF-FJSJBr$JWJEBEFr(PMQJMIFJSBr#"5"-)" 5FMFG'BYr5FMFN


8

Especial eleições Batalha

Outubro 2009

Jornal da Batalha

Candidaturas vistas à lupa m Qual a percentagem de mulheres nas várias listas aos órgãos autárquicos? De que freguesia são provenientes? Qual a candidatura mais jovem? Estas são algumas das respostas que deixamos, depois de “esmiuçadas” as listas dos cinco partidos que concorrem dia 11

Total concelhio Média total de idades dos candidatos

43,8 anos Percentagem de candidatos do sexo feminino

38,8 por cento Distribuição dos candidatos por freguesias

Bloco de Esquerda

PSD

Média de idades – 45 anos

Média de idades – 40,7 anos

Percentagem de candidatos do sexo feminino – 38,5 por cento

Percentagem de candidatos do sexo feminino – 35,3 por cento

Distribuição dos candidatos por freguesias Batalha – 84,6 por cento Golpilheira - 15,4 por cento

Distribuição dos candidatos por freguesias Batalha – 38,2 por cento Golpilheira – 17,6 por cento Reguengo do Fetal – 19,1 por cento São Mamede – 25 por cento

Batalha

45,5 por cento CDS- PP

Golpilheira

16,5 por cento

Reguengo do Fetal

15,6 por cento

PS

Média de idades – 39,3 anos

Média de idades – 46,25 anos

Percentagem de candidatos do sexo feminino – 39,7 por cento

Percentagem de candidatos do sexo feminino – 40 por cento

Distribuição dos candidatos por freguesias Batalha – 42,6 por cento Golpilheira – 17,6 por cento Reguengo do Fetal – 16,2 por cento São Mamede – 14,7 por cento Fora do concelho ou morada não fornecida – 8,8 por cento

Distribuição dos candidatos por freguesias Batalha – 52,7 por cento Golpilheira – 20 por cento Reguengo do Fetal – 20 por cento São Mamede – 1,8 por cento Fora do concelho ou morada não fornecida – 5,4 por cento

São Mamede

12,5 por cento Fora do concelho ou morada não fornecida

9,8 por cento Candidato mais idoso: Celeste Martins, candidata da CDU, 84 anos Candidato mais jovem: Diana Felgueiras, candidata do PS, 18 anos

CDU Média de idades – 62,1 anos Percentagem de candidatos do sexo feminino – 45 por cento Distribuição dos candidatos por freguesias Batalha – 35 por cento Fora do concelho ou morada não fornecida – 65 por cento

HERCULANO REIS SOLICITADOR Rua Infante D. Fernando, Lote 3, 1ºA

2440 BATALHA

Tel. 244 767 971

Nota: Para as estatísticas apresentadas, foram tidos em conta os dados disponibilizados pelas várias candidaturas, não tendo sido contabilizados os candidatos suplentes. Os candidatos repetidos apenas foram contabilizados uma vez.

Tratamos de toda a documentação do ramo automóvel

Estrada Nacional nº 1 - Apartado 179 Santo Antão - 2440-901 Batalha Tel.: 244 768710 - Móvel: 917585327 - Fax.: 244 768810


Jornal da Batalha

Outubro 2009

Actualidade Batalha

9

Moradores do Celeiro protestam em sessão da AM m Um grupo de moradores do lugar do Celeiro, esteve presente na Assembleia Municipal da Batalha (AM), a fim de protestar e questionar o que tem sido feito pela autarquia batalhense sobre a subestação eléctrica existente no lugar e, também, sobre a passagem por ali do IC9.

Intitulado “Protesto da população «esquecida»”, o documento escrito, depois de lido, foi entregue à mesa da AM, nele constando determinadas questões sobre a instalação e ampliação da Subestação eléctrica e sobre o traçado do IC9, nomeadamente os estudos de impacto ambiental e os pareceres dados pela autarquia. Francisco Freitas, presi-

dente da AM, respondeu que tudo o que se recebeu na AM sobre os assuntos invocados “foi encaminhado para quem de direito, pois esta Assembleia nada mais pode fazer”, informando que faria o mesmo “com a carta-protesto agora entregue, que irei encaminhar para a Câmara Municipal”. Luís Miguel Ferraz, porta voz do PSD na AM, manifestou a “solidariedade da AM para com a população do Celeiro”, ao mesmo tempo que referia “estarmos apreensivos, porque as grandes empresas e o governo não se preocupam com as decisões das AM, neste aspecto, nem com as populações”. Por sua vez, António Lucas, presidente do Município da Batalha, explicou ter conhecimento de que todas as “acções judiciais movidas contra a REN se perderam” e que pediu autorização para reduzir o valor do IMI para a população do Celeiro e “até agora nem sequer uma resposta foi dada

Uma centena exercita no multiusos

p Ampliação da subestação eléctrica contestada pela população nesse sentido”. Relativamente à questão dos recibos enviados pela REN para serem assinados, com vista a indemnizações, aconselhou os moradores a não os assinarem “se não for explicado no mesmo que se reporta à insonorização das moradias”. No que respeita aos pontos agendados para aprovação, “RARD dos Forneiros – Emissão de Documento de Interesse Público do Projecto de Ausência de Alter-

nativas”, “Regulamento do Cartão Jovem Municipal da Batalha” e “2ª. Revisão ao Mapa de Pessoal para 2009”, foram aprovados por unanimidade. Como se tratava da última AM deste mandato autárquico, Francisco Feitas, despediu-se dizendo que terminava o seu mandato de “consciência tranquila pelo dever cumprido”. Armindo Vieira

Dia da Água comemorado na Batalha Jogos lúdico-pedagógicos, como a “Gincana da água”, a “A Roda da Água”, “O Sabichão da água” “O que posso fazer pelo ambiente” e a “A Pescaria”, foi o que os alunos da Escola Básica 1,2 Mouzinho de Albuquerque, encontraram na vila da Batalha, para comemorar o Dia da Água.

O evento, da responsabilidade da Câmara Municipal da Batalha e da SIMLIS, contou com a participação de cerca de três centenas de crianças, alunos daquele estabelecimento de ensino, teve lugar na Praça Mouzinho de Albuquerque, durante a tarde do passado dia 1.

Gestão e Contabilidade, Lda

Telemóvel: 966 797 226

Com esta iniciativa, pretende-se sensibilizar os mais novos para a importância da água, como recurso natural e, bem assim, para a preservação dos ecosistemas ribeirinhos. A Batalha foi a primeira a receber este “roadshaw” da SIMLIS, prevendo-se que percorra os restantes

concelhos deste sistema integrado, até ao final do ano, integrando o “Plano de Educação Ambiental”, através do qual, a SIMLIS, pretende sensibilizar os mais pequenos para as questões da água.

Cerca de uma centena de pessoas participou no 1º Challenge do Ginásio PapaStress, que teve lugar no passado dia 26 de Setembro, no Pavilhão Multiusos, na Batalha. Este evento, para Nuno Fabião, um dos professores do ginásio, foi “um desafio aos sócios e amigos” do ginásio e o seu principal objectivo foi o de “claramente divulgar as modalidades que têm tido uma adesão muito bom no nosso ginásio” e, ao mesmo tempo, “criar um dia diferente onde o convívio e o exercício físico se combinam em perfeita harmonia”. Para além disso, e como “deveríamos oferecer algo de novo a quem ali estava”, aproveitou-se para lançar o ‘Power Jump’, uma modalidade que “foi buscar elementos técnicos à ginástica aeróbica e os combinou com o trampolim que serve de base para a prática desta modalidade”, explica o ginasta, adiantando que se trata de “uma modalidade muito intensa, onde são trabalhadas com mais intensidade as zonas do abdominal e coxa”, o que “implica um treino cardiovascular muito elevado”, uma vez que “hoje em dia as pessoas que frequentam os ginásios necessitam de constantes desafios às suas capacidades”, como esta, que é “uma modalidade simples, intensa e desafiante”. Para além desta foram apresentadas outras modalidades, como o ‘Body Combat’, pela professora Betazzi, e o ‘Body Pump’, pelo professor António Lavrador. Como convidado esteve o professor Ivans Kusharski, “que dispensa apresentações, para quem anda no mundo do fitness”, como diz Nuno Fabião, que acrescenta que se trata de “um técnico bastante qualificado e frequentemente convidado para ir ao estrangeiro partilhar a sua experiencia”. O Ginásio PapaStress, localizado nas Cancelas, próximo da vila da Batalha, foi criado em 2001, com vista a promover a saúde e o bem-estar dos seus associados, tendo apostado, logo no início, no treino personalizado. Com uma frequência anual de cerca de cento e setenta associados, o PapaStress, está a preparar a 1ª Convenção de Fitness, que será organizada em conjunto com outros quatro ginásios da região, Corpo Livre e Leirigym, de Leiria; Korpo Sano, de Fátima; e Fisicoloucura, da Marinha Grande. Para Nuno Fabião, será “um dia fabuloso”, em que se procurará “envolver as autarquias locais”, com vista a haver “o máximo possível de participantes a experimentarem as sensações que o Fitness e o Wellness lhes podem proporcionar”. Armindo Vieira

António Caseiro TOC nº280 Pós Graduação em Contabilidade Avançada e Fiscalidade Rua António Cândido Encarnação, Ediİcio Jordão, Apartado 195, 2440-901 Batalha Telefone: 244 766 128 • Fax: 244 766 180 • Site: www.imb.pt • e-mail: imblda@mail.pt


10

publicidade batalha

Outubro 2009

Jornal da Batalha

Município da Batalha

CÂMARA MUNICIPAL

SUBSÍDIOS Ano de 2009 – 1.º Semestre Deacordocomonº.1,conjugadocomoartº.2º.daLeinº.26/94,douconhecimentoqueoMunicípiodaBatalhaatribuiu,durante o primeiro semestre de 2009, os seguintes subsídios: ENTIDADE Associação Humanitária Bombeiros Voluntários da Batalha (Subsídio Conforme Plano Plurianual de Investimento) (Protocolo Utilização do Pavilhão) (Comparticipação para Aquisição de Ambulância) (Participação no Carnaval/09) Centro Recreativo da Golpilheira (Comparticipação Festa de Natal Crianças/Idosos) (Comparticipação Actividades Tempos Livres) (Comparticipação Semana Cultural/Festival Folclore) (Comparticipação nas Despesas Médicas) (Comparticipação actividades Desportivas) (Comparticipação no 7º Passeio T.T.) (Comparticipação Deslocação aos Açores) BAC - Batalha Andebol Clube (Comparticipação Despesas Médicas) (Comparticipação Actividades Desportivas) UDB - Associação Desportiva da Batalha (Comparticipação das Actividades Desportivas) (Participação no Carnaval/09) (Comparticipação Despesas Campo de Futebol) (Comparticipação Abertura do Complexo de Ténis) (Comparticipação Campeonato Nacional de Solo Dance) (Comparticipação Torneio de Amizade/08)

VALOR(EUROS) 45.000,00 1.875,00 34.270,00 800,00 2.000,00 7.800,00 2.500,00 406,25 10.050,00 1.250,00 2.500,00 2.077,50 19.675,00 12.625,00 430,00 1.250,00 2.000,00 2.500,00 493,32

Nota: “Mais se informa que estes são apenas os subsídios que ultrapassam o limite obrigatório” Paços do Concelho da Batalha, 21 de Setembro de 2009 O Presidente da Câmara, António José Martins de Sousa Lucas Jornal da Batalha, ed. 231, 08 de Outubro de 2009


Jornal da Batalha

Outubro 2009

Actualidade Batalha

Recuperação da pedreira da Barrosinha custa 270 mil euros m A reabilitação da pedreira tem como objectivo a renaturalização paisagística do espaço com a criação de patamares intermédios, a eliminação de impactes visuais e a resolução de problemas de segurança com a implementação de vedações.

É um investimento de 270 mil euros e visa a recuperação da Pedreira da Barrosinha, no Reguengo do Fetal. A reabilitação da pedreira tem como objectivo a renaturalização paisagística do espaço com a criação de patamares intermédios, a eliminação de impactes visuais e a resolução de problemas de segurança com a implementação de vedações. A pedreira será reabilitada ao abrigo do Programa

Dose “dupla” na Presidência A Batalha esteve duplamente representada no Palácio de Belém, nas cerimónias comemorativas do quinto aniversário do Museu da Presidência da República. Foi na tarde de sábado, dia 3, que o concelho “participou” nas iniciativas previstas para assinalar a efeméride, através da actuação dos grupos musicais “Gaitilena” e “Sons do Lena”. Para além da música, o programa das celebrações, que decorreram de 1 a 5 de Outubro, contou com animação de rua, dança, exposições, entre outras iniciativas.

Varatojo expõe “Cenas de Papel” p A “cratera” originada pela exploração da pedra na Barrosinha, tende a desaparecer Operacional Regional do Centro – Mais Centro 20072013, Eixo 4 – Reabilitação de Locais Contaminados e Zonas Extractivas, pela EDM (Empresa de Desenvolvimento Mineiro, SA), que estabeleceu um protocolo de colaboração com a Direcção Geral de Energia

e Geologia para elaboração de uma candidatura com vista à recuperação de Pedreiras no Maciço Calcário Estremenho. A candidatura, denominada “Projectos e Obras em Pedreiras Abandonadas da Região Centro – 1.ª Fase” abrange os Municípios de

Alcanena, Alcobaça, Batalha, Ourém, Porto de Mós e Torres Novas. De acordo com a informação divulgada pela Câmara da Batalha, o limite máximo de investimento elegível por operação é de 4 milhões de euros, sendo que o FEDER financia 60%

do investimento, a EDM 20% e os municípios os outros 20%. No caso da pedreira da Barrosinha, o valor total do investimento previsto na recuperação desta pedreira é de 272.850 euros, sendo que ao município caberá financiar 54.570 euros.

Colégio de S. Mamede - uma Eco-Escola rumo ao futuro O Colégio de São Mamede foi galardoado a Bandeira Verde Eco-Escolas, na continuidade de “um trabalho no âmbito do desenvolvimento sustentável promovendo uma cultura ecológica mais sólida nos nos-

11

sos jovens/alunos” e assim, contribuir para “o desenvolvimento de uma comunidade local mais interventiva e com uma consciência ambiental mais sólida”, refere uma nota enviada à nossa redacção.

O galardão pode entender-se como “um prémio e um compromisso em simultâneo , lê-se no documento referido, uma vês que reconhece o trabalho no ano lectivo transacto realizado na área da educação

ambiental e educação para a sustentabilidade, seguindo a metodologia específica do Programa Eco-Escolas”. O prémio, reproduzido na Bandeira Verde 2008/2009, foi entregue no passado dia 29 de Setembro, Dia do

Galardão Bandeiras Verdes, no Europarque, em Santa Maria da Feira, onde se deslocou um grupo de alunos e professores do Colégio de São Mamede.

“Cenas em Papel” é o nome da exposição do leiriense Varatojo que está patente até dia 18 de Outubro na Galeria Mouzinho de Albuquerque, no centro da vil da Batalha. Varatojo é descrito como dos grandes nomes das artes plásticas, com grande reconhecimento nacional e internacional. Natural de Leiria, Varatojo tem actualmente obras da sua autoria expostas em Nova Iorque, Japão, Escandinávia e em Portugal. “Recorrendo ao estilo contemporâneo, a pintura de Varatojo remete-nos para uma dimensão artística de grande qualidade, com um forte sentido de expressão”, refere a autarquia em comunicado.


12

Economia Batalha

Outubro 2009

Jornal da Batalha

s Fiscalidade

Economia

Sistema de Normalização Contabilística entra em vigor a partir de 1 de Janeiro de 2010 (última parte)

Barclays abre balcão na Batalha Com a finalidade de reforçar a sua presença no nosso país e na região, o Barclays, tem a funcionar, desde o passado dia 28 de Setembro, uma novo balcão na vila da Batalha. O novo balcão do Barclays, situado no Beco Joaquim Salles Simões Carreira, irá funcionar com quatro funcionários, “todos recrutados no distrito de Leiria”, como referiu ao Jornal da Batalha, Nuno Quadros, gerente da nova agência. O responsável, adiantou que a abertura deste balcão na Batalha “surge como consequência da estratégia de crescimento da rede do Barclays em Portugal” e, ao mesmo tempo, “por consideramos este mercado extremamente interessante”. Para além disso, “trata-se de um importante pólo turístico, com bastante comércio e industria, que tem crescido rapidamente”. Esta nova agência bancária irá prestar serviços “direccionados para clientes particulares e empresas”, destacando-se uma “Campanha Abertura” que “iniciámos no dia da inauguração e que oferece

António Caseiro Técnico Oficial de Contas Licenciatura em Contabilidade e Administração, Pós-Graduação em Contabilidade Avançada e Fiscalidade

dois produtos com condições excepcionais e exclusivas para os 100 primeiros clientes da Agência”, explica o gerente, acrescentando “um Crédito Habitação com a oferta de menos 0,15 por cento no Spread, até um mínimo de 0,35 por cento e um Depósito a Prazo a um mês com TANB de 7 por cento”. Com a nova Agência Barclays da

Batalha, esta instituição bancária passa a contar com 219 Agências em Portugal, sendo que é pretensão do Barclays, continuar a reforçar a sua presença a nível nacional e oferecer um serviço especializado e personalizado de excelência. Armindo Vieira

Esclarecimento sobre normas contabilísticas Cerca de meia centena de pessoas participaram, no passado dia 19 de Setembro, na Batalha, numa conferência subordinada ao tema “Impacto do Novo Sistema de Normalização Contabilística para os Empresários”. Esta conferência, que teve lugar numa unidade hoteleira da vila da Batalha, foi organizada pela IMB – Gestão e Contabilidade, Lda, e teve por finalidade dar a conhe-

cer a nova terminologia e impacto, junto dos empresários das recentes publicações do Novo Normativo Contabilístico, que entra em vigor no dia 1 de Janeiro do próximo ano. Para tentar esclarecer as dúvidas esteve presente Nuno Jorge Silva, Revisor Oficial de Contas, que, em declarações ao Jornal da Batalha, começou por explicar que “estas sessões são muito necessárias”,

uma vez que “embora os empresários tenham as suas contabilidades em gabinetes, precisam de estar esclarecidos sobre o assunto”. O técnico adiantou que o Novo Sistema de Normalização Contabilístico surge, devido ao facto de “se procurar uniformizar nos diversos Estados da União Europeia, as normas contabilísticas”.

CLÍNICA DE MEDICINA DENTÁRIA DA BATALHA CONSULTAS DE 2.ª S A SEXTAS DAS 9.30 H ÀS 12.30 H E DAS 14.00 H ÀS 19.00 H

AOS SÁBADOS DE MANHÃ

Assistência exclusivamente médica Rua António Cândido Encarnação - EDIFÍCIO JORDÃO

1º Piso - Sala 5 - 2440 BATALHA - Telef. 244 767 593

O Decreto-lei n.º 159/2009, de 13 de Julho, visa proceder à adaptação do Código do Imposto Sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas, aprovado pelo Decreto-lei n.º 442-B/88, de 30 de Novembro, às Normas Internacionais de Contabilidade adoptadas pela União Europeia e ao Sistema de Normalização Contabilística (SNC), aprovado pelo Decreto-lei n.º 158. de 13 de Julho. Foi ainda aprovado em Conselho de Ministros o novo regime das depreciações e amortizações para efeitos do Imposto Sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (CIRC) O novo regime O novo regime vem adaptar as normas respeitantes às depreciações e amortizações ao novo enquadramento contabilístico resultante do novo sistema de normalização contabilística (SNC). Assim, embora ainda não existam ou não se conheçam publicamente as alterações ao Código do IRC que o adaptem ao novo Sistema de Normalização Contabilística, apenas um conjunto de orientações para essas alterações, o Executivo

está já a apresentar modificações aos diplomas que orbitam na esfera do Código e que têm implicações na passagem das regras contabilísticas para o novo sistema de normalização contabilística. As principais alterações ao regime são: A dedutibilidade fiscal das depreciações e amortizações deixa de estar dependente da respectiva contabilização como gasto no mesmo período de tributação, desde que, naturalmente, não tenham sido dedutíveis por excederem as quotas máximas admitidas; Prevê-se a inclusão, em certos casos, no custo de aquisição ou de produção dos elementos depreciáveis ou amortizáveis os custos de empréstimos obtidos, incluindo diferenças de câmbio a eles associados; Elimina-se a exigência de diferimento, durante um período mínimo de três anos, das diferenças de câmbio desfavoráveis relacionadas com os activos e correspondentes ao período anterior à sua entrada em funcionamento, dos encargos com campanhas publicitárias e das despesas com emissão de obrigações; Elimina-se, igualmente, a exigência de evidenciar separadamente na contabilidade a parte do valor dos imóveis correspondentes ao terreno: Passa a prever-se expressamente a possibilidade de serem praticadas e aceites para efeitos fiscais depreciações ou amortizações inferiores às quotas mínimas; Finalmente, houve a preocupação de se atender às especificidades dos activos não correntes detidos para venda e das propriedades de investimento.


Jornal da Batalha

Publicidade

Outubro 2009

13

SERVIÇO DE ATENDIMENTO COMPLEMENTAR Consulta Médica e Apoio de Enfermagem Equipa Médica especializada em Urgência Hospitalar

RADIOLOGIA

Tac, Raio-x, Ecografia, Eco-doppler, Mamografia e Osteodensitometria

ESPECIALIDADES

Psicologia e Neuropsicologia – Dra. Célia Filipe Nefrologia – Dr. Pedro Maia Pediatria – Dr. Vítor Póvoa Endocrinologia – Dr. Serafim Rosas Cardiologia/Doenças do Coração – Dr. Alexandre Antunes Consultas Médicas de Cardiologia Exames complementares de diagnósƟco: Prova de esforço/Holter/MAPA/Electrocardiograma

Estudo do Sono Estudos poligráficos do sono em ambulatório Polissonografia convencional

Pneumologia – Dr. Orlando Santos Consultas Médicas de Pneumologia Exames complementares de DiagnósƟco: Espirometria/Provas funcionais respiratórias completas/Testes cutâneos de Alergia Neurologia – Dra. Pureza Dias Psiquiatria – Dr. Cláudio Laureano Ginecologia/Obstetrícia – Dra. Andreia Antunes Urologia – Dr. António Oliveira

Medicina Interna Medicina Dentária

Medicina Dentária geral, EdodonƟa, OrtodonƟa, Periodontologia, Odontopediatria, Oclusão, Implantologia (Acordos para Medicina Dentária com Médis, PT-ACS, Serviços Sociais CGD e SAMS/Quadros)

Unidade de Medicina Física e de Reabilitação Enfermagem Sessões de Acupunctura – Enf. Vítor Lopes Centro Hospitalar Nº Sra. da Conceição – Rua Principal, nº 26 – Brancas, 2440-090 Batalha Telefone 244 769 430 Fax 244 769 439 – email geral@centrohospitalarbatalha.com

Cardiologia Cirurgia geral e Vascular

Dr. João Cristovão Dr. Nuno Rama

(tratamento de varizes)

Clínica Geral Dermatologia Endocrinologia Gastroenterologia Ginecologia e Obstetrícia Higiene Oral Medicina Dentária Medicina Desportiva Medicina Estética Medicina no Trabalho Neurologia Nutrição Oftalmologia Otorrinolaringologia Ortodontia (aparelhos dentários) Ortopedia e Traumatologia Pediatria Podologia Psicologia e Neuropsicologia Psiquiatria Terapia da fala Tratamento da dor Urologia Enfermagem Aulas de Preparação para o Parto Electrocardiogramas

Dra. Delfina Carvalho, Dr. Manuel Carvalho, Dr. Manuel Orfão Dr. Álvaro Machado Dr. Miguel Melo Dr. Rui Mesquita Dra. Fátima Matias, Dr. Gonçalo Ramos Dra. Teresa Ferreira Dra. Ana Freitas Dra. Delfina Carvalho, Dr. Manuel Carvalho, Dr. Manuel Orfão Dr. Tropa de Sousa, Dr. Francisco Domingues Dr. Manuel Carvalho Dr. Alfredo Sá Dra. Patrícia Coelho, Dr. Francisco Domingues Dra. Filipa Ponces Dra. Maria do Carmo Migueis Dr. Nuno Oliveira Dr. Ernesto Moura, Dr. José Mouzinho Dr. António Cruz Dra. Anabela Vieira Dr. Tiago Santos Dr. António Cabeço Dra. Andreia Salvador Dr. Tropa de Sousa Dr. Crisóstomo

Rua D. Maria Júlia Sales Zuquete, nº31 - Moinho de Vento 2440-041 Batalha Tel: 244 765 700 E-Mail: polidnuno@sapo.pt


14

Batalha Cultura

Outubro 2009

Jornal da Batalha

Património

O que se cultivou ao longo dos séculos na Batalha? (2) Como se podia ver no apontamento do mês transacto, uma das fontes, e muito importante, que nos fornecem preciosos elementos sobre a flora local e o que se cultivou ao longo dos séculos na Batalha, são os documentos que referem a compra, venda, doação, aprazamento ou aforamento dos prédios rústicos: herdades, talhos, cerrados, fazendas, courelas, etc., de que passámos a dispor na vastíssima e notável obra, única no que respeita á nossa região, do historiador Professor Doutor Saúl António Gomes. Através desses documentos, desde pelo menos os finais da Idade Média, verificamos que a vinha, sobretudo, a oliveira, a figueira, o pinheiro, o carvalho, o carvalho cerquinho ou português, o trigo, o centeio, o linho, a macieira, a ameixieira, a pereira, entre outros, são várias vezes mencionados. É curioso referir que a casta da maçã, a “leirioa”, que na minha juventude ainda abundava por cá e era gostosíssima, já em tempos remotos se cultivava entre nós. Que pena, tantas destas apreciadas variedades de maçãs e doutros frutos terem sido substituídos por variedades importadas, normalmente desenxabidas não obstante o seu enganador aspecto! Sujeitámos a nossa flora e as nossas culturas a uma redução de espécies e de espécimes, verdadeiramente empobrecedora para o nosso gosto e para a economia do nosso País. Os topónimos também são uma pista sobre as culturas regionais. Sobral, a sugerir a existência de sobreiros, Pinheiros, a dos pinheiros, Carvalhal, a dos carvalhos, Freixial, a dos freixos, Zambujal, a

dos zambujeiros, Olival ou Olivais, a das oliveiras, Ervedal, a dos ervêdos ou medronheiros, Soutos, a dos castanheiros mansos, Rebolaria ou Reboleira, a dos castanheiros bravos, Jardoeira, possivelmente terra de cardos, Azinhal, a das azinheiras, Casal do Alho, que também pode dar conta do apelido do seu primeiro morador, Amieira, a das amieiras ou amieiros, etc.. Uma das boas fontes de informação são os relatos de viagem dos visitantes do Mosteiro e, como não podia deixar de ser, da vila. O inglês William Beckford, por exemplo, é um dos visitantes que nos permitem descortinar, nos seus relatos, referências à flora dos sítios portugueses onde estiveram ou por onde andaram. Em 8 de Junho de 1794, ainda no convento de Alcobaça e a preparar-se para partir para a Batalha, faz uma curiosa anotação sobre as laranjeiras: “(…) Sobre esta tosca amálgama escultórica, torciam-se e entrelaçavam-se várias laranjeiras, nodosas e intrincadas, mas carregadas de fruto e flor, com ramos grotescos e fantásticos, o que certamente encantaria os japoneses, que os reproduziriam em cofres e biombos. Árvores de bem provecta idade, pois a tradição conventual elucidou-me que foram as primeiras laranjeiras trazidas da China para Portugal. Quase um bálsamo para a vista! (…). Ora na obra, donde reproduzo este excerto, “Alcobaça e Batalha – Rcordações de Viagem” (Veja, 1997) vem sobre as laranjeiras do convento de Alcobaça a seguinte nota: “As laranjeiras do Claustro de D. Dinis são as primeiras trazidas da China para Portugal. Segundo Vieira da Natividade, a mais

p Fotiografia de 1911 do grande fotógrafo Benoliel, publicada na “Ilustração Portuguesa”, retratando vindimadeiras, através do nº 35, Outubro de 1997, da revista “História”. antiga referência às laranjeiras de Alcobaça data de 1316 (…)”. No ano de 1316, portanto antes dos Descobrimentos, ainda não podiam ser as trazidas pelos nossos navegadores. Essas chegariam duzentos anos depois. Já no caminho entre Alcobaça e a Batalha, diz o inglês: “(…) A estrada, não tão má como esperava, levou-nos, cerca de uma légua, por entre íngremes encostas de recorte bem engraçado, com sombras de castanheiros e de um ou outro pinheiro frondoso (…).” Ao passar Aljubarrota é pinturesca a sua narrativa sobre a famosa batalha que nos consolidou a independência e, muito particularmente, sobre a qualidade do vinho local que amavelmente lhe foi oferecido pelo juizde-fora da vila. No dia seguinte, 9 de Junho, e depois duma noite passada no Mosteiro de Santa Maria da Vitória, Beckford descreve: “(…) O céu, de uma azul intenso, suavizado por nuvens fofas, espreitava pelo rendilhado de pedra das inúmeras arcadas. A brisa veranil (aure

estive) refrescava-nos como um leque enquanto estávamos sentados. A fonte borbulhava. O aroma das flores de laranjeira e de limoeiro chegava-nos, em lufadas, de pomar não muito distante (…)”. Nesse mesmo dia regressou a Alcobaça, mas não resistiu a voltar à Batalha para visitar o “mausoléu inacabado de D. Manuel”, como ele diz, que não é mais do que o Panteão de D. Duarte ou Capelas Imperfeitas, que não pudera ver na véspera. E, de novo na estrada entre as duas históricas vilas, vai anotando: “matas de castanheiros” (que por cá foram abundantes), “aqui e ali manchas de anémonas (nos ribeiros), arbustos fragantes, cistos (estevas), alfazema e alecrim”, “uma mata de carvalhos e de pinheiros”, “um gigantesco canavial”, “caniçais e juncos”, “urze em flor”. Julia Pardoe, visitante também inglesa, que esteve no nosso País em 1827/1828, e que veio à Batalha, regista por diversas vezes as laranjeiras em vários pontos por onde passou, devendo ser

na época uma das árvores de fruto mais espalhadas. Numa dessas descrições, que não se refere à Batalha mas à região quase vizinha do Tejo, a sua narrativa faz lembrar a de Beckford: “(…) O céu por cima das nossas cabeças era um lençol de turquesa salpicado com gotas de diamante (…) o perfume dos laranjais e limoais aparecia como uma nuvem á medida que passávamos os jardins da Quinta”. A inglesa chama a Portugal a “terra das laranjas e das guitarras”. O aroma das laranjeiras e dos limoeiros também encantava os visitantes nacionais, como Teixeira Gomes, escritor e político que haveria de ser presidente da República de 1923 a 1925, que aqui veio pelos finais do século XIX, anotando, muitos anos depois, no seu livro “Regressos”, a impressão que lhe causou a “rescendência de um rosário de limões verdes, que acompanhava a cimalha de castanho em que se apoiava o tecto do meu quarto”, quarto em que pernoitara no Hotel Fernando que se situava no largo, pouco mais que uma rua, ao lado da Capela do Fundador. Vinhas e olivais repetemse em inúmeras informações. O trigo, o centeio, o feijão, o grão de bico, o chícharo, a abóbora, o alho, a cebola, regista-os a tradição oral. Com os Descobrimentos haveriam de vir novas espécies como a batata e o milho, ambos da América, mais propriamente do México o milho e da América do Sul a batata. Mas antes já cá existia a batata doce. Parece que as primeiras batatas cultivadas na nossa região teriam sido na Marinha Grande pelos finais do século XVIII (notícia a confirmar). Tanto nos campos do Lis,

como na proximidade da Batalha se cultivou o arroz. Na Batalha, na quinta da Várzea, então propriedade do nosso Convento Dominicano, o arroz cultivou-se entre o século XVIII e os anos 40 do século XX (ainda estão vivas algumas mondadeiras da última fase deste cultivo). O linho cobria todo o território nacional. Segundo o Vigário da Batalha, Padre Paulino da Silva Carvalho, na Memória Paroquial de Santa Cruz da Batalha, escrita em 1 de Maio de 1758, os oitavos que o povo pagava eram de vinho e linho. Obras consultadas: “Fontes Históricas e Artísticas do Mosteiro e da Vila da Batalha”, 4 volumes, do Prof. Doutor Saul António Gomes; “Notícias e Memórias Paroquiais Setecentistas - Batalha”, do Prof. Doutor Saul António Gomes; “Cadernos da Vila Heroica”, nº 1, de Junho de 1971; “Alcobaça e Batalha – Recordações de Viagem”, de William Beckford; “O Portugal de Júlia Pardoe”, de Maria Luísa Fernandes Alves (Instituto Nacional de Investigação Científica – Lisboa); “Regressos”, de Teixeira Gomes (Portugália Editora); “Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira” (edição dos anos 40); Nota: Outros autores que consultei, como Gorani, que também se referem à flora da Batalha e nomeadamente às laranjeiras do Mosteiro, dado a limitação do espaço, não podemos esquecer que são artigos de jornal, e porque se tornaria repetitivo, achei por bem não os reproduzir aqui. Apontamentos sobre a História da Batalha (82) José Travaços Santos


Jornal da Batalha

Publicidade

Outubro 2009

Cartório Notarial da Batalha Notária: Sónia Marisa Pires Vala Certifico, para fins de publicação, que por escritura lavrada hoje, exarada de folhas trinta e cinco a folhas trinta e sete, do livro Cento e cinquenta e três –B, deste Cartório. Idalinda Vitória Leal, NIF 165 786 094 e marido Fernando Monteiro Deniz, NIF 165 786 078, casados sob o regime da comunhão geral, ela natural da freguesia de Reguengo do Fetal, ele natural da freguesia da Batalha, ambas do concelho da Batalha, residentes na Estrada dos Pinheiros, nº. 9, no lugar de Casal do Azemel, Batalha, declaram que, com exclusão de outrem, são donos e legítimos possuidores dos seguintes prédios: rústico, composto de terra de vinha, semeadura e oliveiras, com a área de mil quatrocentos e noventa metros quadrados, sito em Olival do Golfeiro, freguesia e concelho da Batalha, a confrontar de norte com Manuel Gomes Carreira, de sul com Armindo Correia Leal, de nascente com Joaquim Gomes Carreira e de poente com caminho, não descrito na Conservatória do Registo Predial da Batalha, e inscrito na matriz em nome da justificante mulher sob o artigo 3.844, com o valor patrimonial e atribuído de € 15,71. rústico, composto de terra de semeadura, oliveiras e terreno de mato, com a área de mil e cinquenta metros quadrados, sito em Pexias, na referida freguesia da Batalha, a confrontar de norte com Armindo Correia Leal, de sul com Cesário Correia Vieira Leal, de nascente com Francisco Pinheiro Pragosa e de poente com ribeiro, não descrito na Conservatória do Registo Predial da Batalha, e inscrito na matriz em nome da justificante mulher sob o artigo 3.967, com o valor patrimonial e atribuído de € 11,69. rústico, composto de terra com mato, com a área de mil e quatrocentos metros quadrados, sito em Chão do Perro, freguesia de Reguengo do Fetal, concelho da Batalha, a confrontar de norte com Acácio Correia Vieira Leal, de sul e nascente com Joaquim Vicente Ribeiro e de poente com António Trindade Ribeiro, não descrito na Conservatória do Registo Predial da Batalha, e inscrito na matriz em nome da justificante mulher sob o artigo 529, com o valor patrimonial e atribuído de € 1,76. rústico, composto de terra com mato, pinheiros dispersos, com a área de mil e quatrocentos metros quadrados, sito em Vale da Manca, na citada freguesia de Reguengo do Fetal, a confrontar de norte com Júlio Vitória (Herdeiros), de sul e poente com Francisco Carreira Marcelino e de nascente com António Cacela, não descrito na Conservatória do Registo Predial da Batalha, e inscrito na matriz em nome da justificante mulher sob o artigo 780, com o valor patrimonial e atribuído de € 1,76.

Cartório Notarial da Batalha Notária: Sónia Marisa Pires Vala Certifico, para fins de publicação, que por escritura lavrada hoje, exarada de folhas oitenta e sete a folhas oitenta e nove verso, do livro Cento e cinquenta e três –B, deste Cartório. Primeiro: Carlos Alberto de Oliveira Henriques, casado natural da freguesia e concelho da Batalha, onde reside na Estrada Nacional 1, nº 15, no lugar de Santo Antão, que outorga na qualidade de vice-presidente, em representação do Município da Batalha, NIPC 501 290 206. Segundo: Maria de Fátima Dias Ferreira Lucas, casada natural da freguesia de Nossa Senhora da Piedade, concelho de Ourém, residente na Rua Padre Manuel Carreira Ramos, nº 18, Reguengo do Fetal, Batalha, que outorga na qualidade de vice-presidente, com poderes para o acto, em representação da Associação Humanitária dos Bombeiros do Concelho da Batalha, PCUP, número único de matrícula e pessoa colectiva 501 239 995, com sede na vila, freguesia e concelho da Batalha, matriculada na Conservatória do Registo Comercial da Batalha, declaram que o Município da Batalha, representado pelo primeiro é dono e legítimo possuidor e a Associação Humanitária dos Bombeiros do Concelho da Batalha, representada pela segunda é dona do direito de superfície do prédio urbano, composto de edifício de rés-do-chão e primeiro andar, destinado a quartel de bombeiros voluntários da Batalha, com a superfície coberta mil trezentos e oitenta e cinco metros quadrados e logradouro com a área de três mil oitocentos e trinta e cinco metros quadrados, sito em Carvalho do Outeiro, lote 4, freguesia e concelho da Batalha, a confrontar de norte com Herdeiros de António dos Santos Monteiro, de sul com Herdeiros de Germano dos Santos Monteiro, de nascente com lote 5 e estrada e de poente com terreno camarário, descrito na Conservatória do Registo Predial da Batalha sob o número de mil duzentos e oitenta/Batalha, inscrito na matriz artigo 5341 que provém do artigo 4912 (lote). Que o referido prédio ainda com a descrição de lote de terreno para construção, encontra-se registado na citada Conservatória, a favor de Jaime Marto de Sousa Ligeiro, casado com Maria Manuela Monteiro Ligeiro, sob o regime da comunhão geral, pela apresentação quatro, de dezanove de Novembro de mil novecentos e setenta; Que, no ano de mil novecentos e oitenta e dois, o Município da Batalha, adquiriu por compra aos mencionados Jaime Marto de Sousa Ligeiro e mulher Maria Manuela Monteiro Ligeiro, ele aqui declarante e ela já falecida, o solo do identificado prédio, correspondente ao lote de terreno nº 4, compra que, tendo sido deliberada em reunião de Câmara de dez de Novembro de mil novecentos e oitenta e dois, de que foi lavrada a acta número vinte e um, com a aprovação da assembleia municipal de dezanove de Novembro de mil novecentos e oitenta e dois, constante da acta número quinze, deu lugar à assinatura de um acordo contratual, em reunião de Câmara realiza da em vinte e nove de Dezembro de mil novecentos e oitenta e dois, de

rústico, composto de vinha, cultura com oliveiras e mato, com a área de mil e quatrocentos metros quadrados, sito em Fonte Espada, na referida freguesia de Reguengo do Fetal, a confrontar de norte com Armindo Leal, de sul com José dos Santos, de nascente com Manuel Franco e de poente com carreiro, não descrito na Conservatória do Registo Predial da Batalha, e inscrito na matriz em nome da justificante mulher sob o artigo 961, com o valor patrimonial e atribuído de € 15,34. rústico, composto de terra de cultura com oliveiras e mato, com a área de novecentos metros quadrados, sito em Vale Perulhal, na dita freguesia de Reguengo do Fetal, a confrontar de norte com Cesário Leal, de sul com Isidoro Batista e outro, de nascente com António dos Santos e de poente com Joaquim de Matos, não descrito na Conservatória do Registo Predial da Batalha, e inscrito na matriz em nome da justificante mulher sob o artigo 1.137, com o valor patrimonial e atribuído de € 3,65. rústico, composto de terra de cultura com oliveiras e um carvalho, com a área de quatrocentos metros quadrados, sito em Campos, na citada freguesia de Reguengo do Fetal, a confrontar de norte com Francisco Marcelino, de sul com António de Sousa, de nascente com Armindo Leal e de poente com Acácio Leal, não descrito na Conservatória do Registo Predial da Batalha, e inscrito na matriz em nome da justificante mulher sob o artigo 1.232, com o valor patrimonial e atribuído de € 4,15. Que, a primeira outorgante mulher, adquiriu os mencionados prédios no ano de mil novecentos e cinquenta e três, por partilha meramente verbal por óbito de seu pai Joaquim Vieira Leal e sua avó Maria da Piedade, residentes no lugar de Perulhal, na dita freguesia de Reguengo do Fetal, não dispondo de qualquer título formal para os registar na Conservatória, mas desde logo entrou na posse e fruição dos mesmos. Que em consequência daquela partilha verbal, possuem os identificados prédios em nome próprio há mais de vinte anos sem a menor oposição de quem quer que seja desde o seu inicio, posse que sempre exerceram sem interrupção e ostensivamente com o conhecimento de toda a gente e a prática reiterada dos actos habituais de um proprietário pleno, com o amanho da terra, recolha dos frutos, conservação e defesa da propriedade, pagamento das contribuições e demais encargos, pelo que, sendo uma posse pacífica, contínua, pública e de boa fé durante aquele período de tempo, adquiriram os identificados prédios por usucapião. Batalha, dezoito de Setembro de dois mil e nove. A funcionária com delegação de poderes. Assinatura ilegível Jornal da Batalha, ed. 231 de 08 de Outubro de 2009

que foi lavrada a acta número vinte e cinco, não tendo, contudo sido formalizada por escritura pública; Que conforme consta das deliberações tomadas nas citadas actas e do referido acordo contratual, aquela aquisição por parte do Município da Batalha, destinava-se a cedência do mesmo em direito de superfície, ao abrigo do Decreto Lei nº 794/76 de 5 de Novembro, à Associação dos Bombeiros Voluntários da Batalha, tendo em vista a implantação no referido lote do quartel dos Bombeiros Voluntários da Batalha, cedência que efectivamente aconteceu, ainda que meramente verbal, tendo a Associação construído no referido terreno o edifício acima identificado o qual se encontra inscrito na matriz em seu nome sob o artigo 5341; Que, conforme conta da acta número dez de dois mil e nove das deliberações tomadas em reunião de Câmara realizada em trinta de Abril de dois mil e nove, o direito de superfície foi constituído a favor da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Batalha, nos seguintes termos: Pelo prazo de cinquenta anos, renovável por igual período, de acordo com o artigo 19º do Decreto Lei nº 794/76 de 5 de Novembro (Lei dos Solos); Com a condição resolutiva geradora de extinção do direito de superfície se ao edifício implantado na parcela for dado um fim diferente da condição fixada na alínea b) da apresentação sete, de vinte e três de Janeiro de mil novecentos e noventa, constante da referida descrição predial mil duzentos e oitenta/Batalha; Extinto o direito de superfície pelo decurso do prazo, o Município da Batalha, adquire a propriedade da obra (edifício) sem que o superficiário tenha direito a qualquer indemnização. Que em virtude dos citados negócios não terem sido formalizados por escritura pública, não possui nem o Município da Batalha nem a Associação de Bombeiros, título formal de aquisição dos referidos direitos, contudo possuem os mesmos em nome próprio há mais de vinte anos sem a menor oposição de quem quer que seja desde o seu início, posse que sempre exerceu sem interrupção e ostensivamente com o conhecimento de toda a gente e a prática reiterada dos actos habituais de um proprietário pleno, tendo o Município desde logo, ocupado o prédio e cedendo-o em direito de superfície à Associação de Bombeiros, que nele construiu o edifício destinado ao quartel de bombeiros, conservação e defesa da propriedade, pagamento das contribuições e demais encargos, pelo que, sendo uma posse pacífica, contínua, pública e de boa fé durante aquele período de tempo, o Município da Batalha, adquiriu o direito do solo e a Associação de Bombeiros adquiriu o direito de superficie do referido prédio por usucapião. Batalha, um de Outubro de dois mil e nove. A funcionária com delegação de poderes. Assinatura ilegível Jornal da Batalha, ed. 231 de 08 de Outubro de 2009

15

FARMÁCIAS DE SERVIÇO Farmácia Ferraz Lg. Paulo VI, Batalha Telefone 244 765 124

Farmácia Moreira Padrão R. D. Filipa de Lencastre, Batalha Telefone 244 765 449/244 767 683

19/10 a 25/10 02/11 a 08/11 26/10 a 01/11 09/11 a 15/11

Funerária Santos & Matias, Lda. Telefone 244 768 685/244 765 764 967 027 733

E-mail: fune_santosematias@sapo.pt

Estrada de Fátima, nº 10 B 2440-100 Batalha

José de Sousa Carvalho Santo Antão - Batalha N. 29.10.1928 - F. 10. 09.2009

A família reconhecida, agradece a todas as pessoas que se dignaram estar presentes ou que de outra forma lhe prestaram homenagem. Um bem-haja a todos.

Maria de Lurdes Leal Torrinhas – Reguengo do Fetal N. 29.01.1939 - F. 11.09.2009 Seus filhos, Francisco, Rosa e Natividade, netos, genros, nora e restantes familiares, na impossibilidade de o fazer pessoalmente, como era seu desejo, vêm sensibilizados, agradecer a todas as pessoas que os acarinharam neste momento de profunda tristeza e sentimento de perda e ainda a todas que com eles estiveram no último adeus, esperando agora que a sua querida familiar descanse em Paz. Por fim, um agradecimento especial ao Dr. José Leite e à sua equipa de enfermagem, assim como a todos os restantes colaboradores do Centro Hospitalar N. Sra. da Conceição, pela dedicação e profissionalismo com que sempre trataram o seu familiar, não esquecendo também a equipa do Lar Nossa Senhora do Fetal por todos os cuidados prestados durante a sua permanência nessa instituição. Por tudo e a todos, um bem-haja!

Tratou: Agência Funerária Santos & Matias, L.da - Batalha

Óbitos Manuel Miguel de Oliveira, de 90 anos, casado com Josefa Santos Lino, era natural de Reguengo do Fetal e residia em Torre, Reguengo do Fetal. Faleceu no dia 5 de Setembro, no Hospital de Santo André, em Leiria e foi a sepultar no cemitério de Batalha. Maria Santos da Silva, de 82 anos, viúva de José Maria Martins, era natural da freguesia de Fráguas, Rio Maior e residia em S. Jorge, Porto de Mós. Faleceu no dia 7 de Setembro, no Hospital de Santo André, em Leiria e foi a sepultar no cemitério de S. Jorge. José de Sousa Carvalho, de 80 anos, casado com Maria Piedade Henriques Valério, era natural da freguesia de Batalha e residia em Santo Antão, Batalha. Faleceu no dia 10 de Setembro, no Hospital de Santo André, em Leiria e foi a sepultar no cemitério de Batalha. Maria Perpétua dos Santos, 88 anos, viúva de Manuel Soares Gonçalves, era natural de Reguengo do Fetal e residia em Reguengo do Fetal. Faleceu no dia 10 de Setembro, no Hospital de Santo André, em Leiria e foi a sepultar no cemitério de Reguengo do Fetal. Maria de Lurdes Leal, de 70 anos, viúva de Pedro de Jesus Carreira,

era natural da freguesia de Cortes e residia em Torrinhas, Reguengo do Fetal. Faleceu no dia 11 de Setembro, no Lar Nossa Sra. do Fetal, Reguengo do Fetal e foi a sepultar no cemitério de Torre.

em Torre, Reguengo do Fetal. Faleceu no dia 20 de Setembro, no Hospital de Santo André, em Leiria e foi a sepultar no cemitério de Torre.

Maria do Carmo, 95 anos, era solteira, natural da freguesia de Maceira e residia em S. Jorge, Porto de Mós. Faleceu no dia 15 de Setembro, no Hospital de Santo André, em Leiria e foi a sepultar no cemitério de S. Jorge.

Joaquina da Conceição Duarte, de 93 anos, viúva de Joaquim Henriques Trindade, natural da freguesia de Reguengo do Fetal e residia em Garruchas, Reguengo o Fetal. Faleceu no dia 23 de Setembro, no Hospital de Santo André, em Leiria e foi a sepultar no cemitério de Reguengo do Fetal.

Maria Guilhermina da Piedade Santos, de 93 anos, viúva de Francisco Lourenço Monteiro, natural da freguesia de Batalha e residia em Casal da Amieira, Batalha. Faleceu no dia 17 de Setembro, em Chiqueda, Alcobaça e foi a sepultar no cemitério de Batalha. Manuel Joaquim Alves Batalha, de 80 anos, casado com Claudina Maria, natural da freguesia de Maceira e residente em Vale Salgueiro, Maceira. Faleceu no dia 18 de Setembro, no Hospital de Santo André, em Leiria e foi a sepultar no cemitério de Maceirinha. Luís Silva Oliveira, de 66 anos, casado com Maria Augusta Machado Vieira Oliveira, natural da freguesia de Reguengo do Fetal e residia

Júlia Louro, de 88 anos, viúva de Sebastião de Sousa Gomes, natural da freguesia de Porto de Mós (S. João Baptista) e residia em Calvaria de Cima. Faleceu no dia 24 de Setembro, no Lar Residencial de Évora, Alcobaça e foi a sepultar no cemitério de Calvaria de Cima. Otília Pinheiro dos Santos Gomes, de 50 anos, casada com Virgolino do Rosário Marques Gomes, natural da freguesia de Cortes e residia em Amoreira, Cortes. Faleceu no dia 27 de Setembro, no Hospital de Santo André, em Leiria e foi a sepultar no cemitério de Cortes.


16

Publicidade

Outubro 2009

Jornal da Batalha

Jornal da Batalha - Outubro 2009  

Jornal da Batalha - Outubro 2009

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you