Issuu on Google+

INSTITUTO DE ESTUDOS AC ADÉMICOS PARA SENIORES Qualidade de vida sénior Prof.ª Doutora Maria Salomé Pais

Ao contrário do que acontecia ainda não há muito, os 60 anos não constituem hoje, num grande número de casos, uma idade de declínio de capacidades, mas, antes, são significado de oportunidade para satisfazer desejos e expectativas que, por uma ou outra razão, não tinha sido possível concretizar. Neste início do século 21, aparece uma nova realidade - o uso das capacidades para manter a vida cada vez mais activa e saudável. Com diferentes modelos, que certamente serão adequados às capacidades e interesses individuais, surge, como uma iniciativa que urge desenvolver, a criação de estruturas capazes de promover o Ensino Superior para Seniores, considerando como seniores os indivíduos com idade superior a 50 anos. Existem dois movimentos de resposta às novas exigências de articulação das gerações: uma que se orienta para criar Academias de Jovens Cientistas, outra que visa corresponder à necessidade de adaptação contínua dos adultos idosos às mudanças aceleradas dos tempos actuais. Esta segunda orientação tem resposta em várias universidades europeias, e também em autarquias preocupadas com a qualidade de vida da, por vezes, chamada terceira idade. As respostas organizadas em Portugal optam geralmente pela designação de Universidades da Terceira Idade, especialmente preocupadas com mulheres seniores, e sempre com aposentados.

Alguns dos cursos propostos dirigem-se a licenciados, outros optam por matérias de cultura geral sem exigir formação específica ou superior, alguns oferecem diplomas com garantia de créditos, outros simplesmente diplomam a frequência. A Academia das Ciências de Lisboa, cuja divisa é a constante promoção do conhecimento e divulgação do saber, em paralelo com outras Academias Europeias e Universidades Portuguesas e Estrangeiras, decidiu criar um Instituto de Estudos Académicos para Seniores cuja missão é contribuir para que pessoas com idade superior a 50 anos, com capacidades e perspectivas de vida longa, se mantenham activas e participantes no acompanhamento dos avanços científicos e tecnológicos, e das mudanças culturais que exigem compreensão intergeracional. Esta iniciativa pressupõe a participação activa de membros da Academia, que constituem um património intelectual ímpar em múltiplas áreas do saber, desde as Humanidades às Ciências da Vida e da Saúde, passando pelas Artes, Economia e Ciências Políticas e Militares, em estreita colaboração com conferencistas convidados, nacionais e estrangeiros, de reconhecido mérito. O Instituto de Estudos Académicos para Seniores pretende assegurar aos seniores que assim o desejem uma ligação com o avanço da sociedade da informação e do saber. Nesta primeira fase, o Instituto organizou para o ano de 2010-2011 um curso constituído por conferências sobre áreas temáticas avançadas, que vão desde a mudança social e política do mundo contemporâneo até à saúde e ambiente, procurando contribuir para o bom entendimento entre gerações, isto é, para o que alguns chamam qualidade de vida sénior.

PROGRAMAÇÃO DE MARÇO Palestras às 17 horas na sede da Academia das Ciências de Lisboa (Entrada Livre) Dia 14 de Março O Mar Almirante Nuno Vieira Matias e Prof. Doutor Ricardo Serrão Santos Dia 21 de Março Política Comum de Pescas e Recursos Vivos Dr. Eurico Monteiro Dia 22 de Março Recursos do Fundo do Mar Prof. Doutor Luís de Menezes Pinheiro

Dia 24 de Março Visita à Estação Arqueológica do Povoado de Leceia guiada pelo Prof. Doutor João Luís Cardoso Dia 28 de Março  Os Espaços Marítimos e o Direito do Mar Prof. Doutor Tiago Marques Dia 29 de Março Defesa e Segurança no Mar Vice-Almirante Victor Cajarabille

SESSÕES JÁ REALIZADAS: Riscos Naturais: Previsão e Prevenção (Prof. Doutor Miguel Miranda) • Sismos (Prof. Doutor Luís Mendes Victor) • Tsunamis (Prof.ª Doutora Maria Ana Batista) • Secas (Prof. Doutor Ricardo Trigo) • Fogos (Prof. Doutor Carlos da Câmara) • Biodiversidade, Desenvolvimento e Sustentabilidade (Prof. Doutor Nuno Ferrand) • Biodiversidade e Conservação (Prof. Doutor Otávio Paulo / Drª. Maria Manuel Romeiras) • Jardins Botânicos, Zoológicos e Parques Naturais na Conservação de Recursos Naturais (Dr. João Alves) • A Agricultura do Futuro, Desafios e Constrangimentos (Prof.ª Doutora Maria Salomé Pais) • O Tempo e a História (Prof. Doutor José Barata Moura) • Arqueologia (Prof. Doutor Miguel Telles Antunes e Prof. Doutor João Luís Cardoso) • História da Ciência (Prof.ª Doutora Ana Simões) • História da Europa Contemporânea (Prof.ª Doutora Manuela Tavares) • A Agenda Mundial para a Saúde (Prof. Doutor José Pereira Miguel) • Estilos de Vida e Envelhecimento Saudável (Prof.ª Doutora Paula Ravasco) • Relacionamentos Interpessoais e Envelhecimento Saudável (Dr.ª Helena Telles Antunes) • As Plantas na Medicina Tradicional e como Fonte de Novos Fármacos (Prof. Doutor J. M. Toscano Rico) • As Artes e o Bem Estar Psicológico (Prof.ª Doutora Teresa Leite) • O Medo e o (Sor)riso (Prof. Doutor António Barbosa) • A Saúde em Diálogo (Prof. Doutor João Lobo Antunes e Prof.ª Dr.ª Maria do Céu Machado) • Globalismo. Uniformidade, Identidade (Prof. Doutor José  Esteves Pereira) • Segurança e Defesa (Almirante António Silva Ribeiro) • Informação e Prevenção (Dr. José Manuel Anes) • Guerra e Paz (General José A. Loureiro dos Santos) • Arte no Tempo (Prof. Doutor Luís Aires de Barros) • Escultura (Prof. Doutor Miguel Arruda) • Arquitectura (Prof. Doutor Augusto Pereira Brandão) • Pintura (Prof. Doutor Vítor Serrão) • Música (Prof. Doutor Mário Vieira de Carvalho) • Geografia da Fome (Dr. Edmundo E. Martinho) • Globalização, População e Ambiente (Prof.ª Doutora Teresa Rodrigues)

2011

Nº 1 • MARÇO

ACADEMIA DAS CIÊNCIAS DE LISBOA


O Mar – tema das palestras do mês de Março Dentre os 27 países que integram a União Europeia, Portugal é o que detém maior área territorial marítima e aquele em que é consumido mais peixe per capita. Por outro lado, a zona costeira portuguesa estende-se por 950 km, nela vivendo 3/4 da população do país, e, graças à situação privilegiada entre o Atlântico e o Mediterrâneo, cerca de 20 mil navios entram nos seus portos ao longo do ano. Também os feitos marítimos dos Portugueses inspiraram a obra mais importante da nossa literatura: Os Lusíadas. Por sua vez, os oceanos ocupam aproximadamente 2/3 da superfície da Terra e 99% do espaço da biosfera, são a fonte de mais de metade do oxigénio atmosférico, por eles transitam 80% do comércio mundial e apresentam um vasto potencial de novos recursos, como sulfuretos maciços ricos em cobre e zinco, fosforitos, crostas metálicas, estruturas portadoras de hidratos de metano, petróleo e gás natural, microrganismos e biomoléculas. Estes dados avulsos são um bom revelador da importância de que o tema do Mar se reveste para Portugal e de como o seu estudo deve ser tomado como uma das principais apostas tanto das gerações actuais como das futuras. É por isso o tema escolhido pelo Instituto de Estudos Académicos para Seniores para preencher a programação de Março.

Uma ‘visita’ aos dinossauros de há 150 milhões de anos Aproveitando a realização da exposição “Dinossauros da Lourinhã na Academia das Ciências de Lisboa”, um grupo de alunos que tem frequentado regularmente os ciclos de palestras do Instituto de Estudos Académicos para Seniores solicitou ao paleontólogo Prof. Doutor Miguel Telles Antunes que lhes proporcionasse uma visita guiada à exposição. Este ilustre académico, cujo nome, em reconhecimento pelo seu labor científico, figura na denominação de uma das espécies de saurópodes que viveram na hoje chamada região Oeste do nosso país (o Lourinhanosaurus antunesi), acedeu simpaticamente e, no passado dia 21 de Fevereiro, uma dezena de seniores pôde apreciar o acervo exposto e aumentar os seus conhecimentos acerca destes dinossauros do Jurássico Superior. Pegadas, gastrólitos, coprólitos, ovos, embriões, crânios, vértebras e outras partes dos esqueletos, tudo foi descrito e explicado pelo Prof. Telles Antunes, tamém Director do Museu da Academia das Ciências de Lisboa. Um enorme braço (3,5 m de comprimento) de um Tauriasaurus riodevensis e o esqueleto perfeito de um Pterossaurus (réptil adaptado ao voo) foram porventura as peças que maior admiração causaram entre os visitantes.

Recital de Piano a fechar o ciclo “A Arte no Tempo” A série de palestras subordinadas à temática “A Arte no Tempo”, que foram dedicadas à Arquitectura, à Música, à Escultura e à Pintura, teve como complemento a audição de um recital comentado para piano, no dia 1 de Março. No magnífico cenário do Salão Nobre da Academia das Ciências, a pianista Ana Telles, detentora de uma vasta carreira de executante no País e no estrangeiro, conduziu admiravelmente um recital subordinado ao tema “A Música no Tempo”. Do programa fizeram parte o Prelúdio e Fuga em mi bemol do 1º Caderno do Cravo Bem Temperado, de Johann Sebastian Bach, e duas transcrições deste compositor alemão que, como talvez nenhum outro na cultura ocidental, se mantém actual por sobre o passar dos séculos. Transcrições essas da autoria de outras duas grandes figuras da história da música: Johannes Brahms e Ferruccio Busoni. A seguir, com uma soberba interpretação do Regard du temps, do francês Olivier Messiaen, nosso contemporâneo do século XX, Ana Telles proporcionou-nos um dos momentos mais altos do recital. Na parte final, ouvimos ainda, em estreia mundial, Two fantasies for piano, de Christopher Bochmann, e, a fechar, a peça In Tempore, do português João Pedro Oliveira, especialista de composição e música electrónica já galardoado com mais de 20 prémios nacionais e internacionais.

INFORMAÇÃO DO INSTITUTO DE ESTUDOS ACADÉMICOS PARA SENIORES Directora: Maria Salomé Pais Academia das Ciências de Lisboa

R. Academia das Ciências, 19 1249-122 Lisboa (junto à Rua do Século)

Telefone: 213 219 730 Fax: 213 420 395 www.acad-ciencias.pt


Newsletter Nº01