Page 1

22

a ponTe

Ponte s. f. construção que permite a passagem de uma via de comunicação sobre um curso de água ou vale; NÁUTICA pavimento, a todo o comprimento do navio, para o cobrir; construção elevada, no tombadilho do navio, e no sentido bombordo-estibordo, geralmente junto do mastro da proa, donde se governa e dirige a manobra; conjunto de dentes postiços ligados aos naturais por meio de uma placa metálica; ~ levadiça ponte de tabuleiro móvel em torno de um eixo horizontal; ~ pênsil ponte na qual o tabuleiro está suspenso dos cabos que suportam o sistema; estar como um tolo no meio da ~ estar perplexo (Do lat. ponte-, «id.»)

Fevereiro 2008 1 Euro

Jornal

Escolar

do Agrupamento

de

Escolas

de

Milheirós

de

Poiares

DESTAQUE 2

DESTAQUE 1

DIA MUNDIAL DE L UTA CONTRA A SIDA

ENTREVISTAS

Nesta edição, a 22ª do jornal a ponTe, inserem-se duas entrevistas realizadas aos Presidentes da Junta de Freguesia de Pigeiros e de Romariz, feitas no âmbito de uma iniciativa no sentido de tratar de forma especial o património histórico nas edições do nosso jornal deste ano. Pretende-se dar a conhecer o património histórico e cultural do agrupamento de escolas bem como promover a ligação entre a escola e o meio em que está inserida. Na edição 23, a sair em Junho, será publicada a entrevista ao Presidente da Junta de Freguesia de Milheirós de Poiares. (ver pág. 3 a 5)

DESTAQUE 3

Lei do Transporte Colectivo de Crianças Aprovada na Assembleia da República em Fevereiro de 2006, a lei define o regime jurídico do transporte colectivo de crianças e jovens até aos 16 anos de e para as escolas, creches, jardins de infância e outras instalações em que decorram actividades educativas ou formativas, assim como para locais de actividades desportivas ou culturais.

ATENÇÃO!

MUITA ATENÇÃO!

Transformar o 1º de Dezembro no Dia Mundial da Luta Contra a SIDA foi uma decisão da Assembleia Mundial de Saúde, em Outubro de 1987, com apoio da Organização das Nações Unidas – ONU. A data serve para reforçar a solidariedade, a tolerância, a compaixão e a compreensão com as pessoas infectadas pelo HIV/SIDA. No âmbito do Projecto de Educação para a Saúde do Agrupamento – PESA a nossa escola também comemorou este dia.

ATENÇÃO AO NOSSO DESAFIO!

Nós, os alunos do quarto ano de escolaridade deste Agrupamento de Escolas, lançamos um desafio à comunidade escolar - alunos, funcionários e docentes. Queremos editar um mini livro na Festa do Agrupamento e já escrevemos uma história em rede em que todas as turmas colaboraram. Faltam as ilustrações…estávamos mesmo predispostos a fazê-las, quando um de nós teve uma soberba ideia! As nossas professoras conversaram e concordaram. Todos aplaudiram a ideia. A ideia é?!.... Ser um de vós (aluno de outro ano de escolaridade, professor, auxiliar de educação educativa, pai ou encarregado de educação a ilustrar o texto. Aí está o desafio. SUMÁRIO Quem quer ilustrar a nossa história?! O que é preciso fazer? Editorial e Ficha Técnica 2 · Ler o texto «As bruxinhas de Natal». Artigos de Opinião 2 · Dividir uma folha A4 em seis partes iguais. 3a5 · Em cada rectângulo da folha, ilustrar uma das partes do texto (são cinco Entrevista 6a8 partes), não se esquecendo também de desenhar a capa para o mini livro no Página das Ciências Desporto Escolar 5, 6, 9 e 10 rectângulo que sobra. 8e9 · A pintura pode ser com lápis de cor, caneta de filtro ou ao gosto do Desafio Biblioteca Escolar 9 a 12 concorrente. Projectos e Actividades 13 a 16 e 25 · Entregar numa das escolas do 1º ciclo, ao cuidado da docente do 4º ano ou Saúde e Alimentação 17 a 19 na Escola E. B. 2/3 de Milheirós de Poiares à professora Júlia – até ao último A Magia das Palavras 19 a 23 dia do mês de Fevereiro. À Descoberta 23 e 24 A todos será atribuído um certificado de participação e ao vencedor um Dias Especiais 26 a 29 prémio surpresa. Actualidades 29 e 31 CONTAMOS COM TODOS. PARTICIPEM! (vê mais informações e lê a história nas páginas 8 e 9 deste jornal)

Em Inglês e Francês nos Divertimos 32 Passatempos e Soluções 33 a 35 e 36


Jornal

Escolar

do Agrupamento

de

Escolas

de

Milheirós

de

Poiares

a ponTe

EDITORIAL

Urge parar para pensar. Mas porquê tanta pressa? Parece que o mundo vai acabar amanhã! E se tivéssemos a certeza de que acabaria amanhã, creio que nestes dois dias pensávamos na reconciliação com o mundo e não na profissão. É preciso dar tempo ao tempo e a precipitação nunca deu bom resultado. Passar por cima de tudo e de todos, chama-se aldrabar, violar, desrespeitar e tantas coisas mais que nós ensinamos aos vindouros como atitudes reprováveis, exemplos a não imitar. A eles, crianças e jovens, cidadãos do futuro, tentamos transmitir valores e princípios, estabelecemos normas de conduta para conseguirmos viver em harmonia, abrimo-nos à discussão e à negociação, aceitamos as diferenças e até somos tolerantes. É nossa obrigação mas é também nossa convicção de que é o caminho certo para a construção de um mundo melhor, embora conscientes de que é uma tarefa árdua e nunca acabada. Fico perplexa quando há quem na educação ignore as pessoas e não olhe a meios para atingir fins. De certa forma, já conhecia este tipo de atitude no meio dos negócios, o dinheiro é que comanda, é preciso obter lucros e não importa como. “Vender gato por lebre”, “o segredo é a alma do negócio”, são expressões sobejamente conhecidas em relação a esses meandros. Mas em educação? Que andamos nós a fazer? A apregoar o quê e a quem? Que exemplos temos para dar? Nunca me achei super em nada. Olho em redor e vejo humanos como eu. E a natureza que é mestra em ensinamentos de vida, sapiente e tranquila, demonstra e afirma que as mudanças se operam respeitando tempos de repouso para instalar o equilíbrio de forças. Então, como é possível ignorar e negar tanta prova, tantos factos, tanto saber acerca de como se operam as transformações nos homens, de como reagem? Agora que se fala tanto em resultados, pergunto? Era este o resultado que se queria obter? Instalar a confusão, fomentar o conflito, colocar tudo em polvorosa? Para quê? Para obter melhores resultados? Não me parece. Felizmente, há muita gente com discernimento, que não se deixa enredar nestes novelos e que, embora com algum sentimento de revolta, continua a exercer magistralmente o seu ofício de professor, provando verdades de vida e incentivando mentes a pensar por si próprias.

FICHA TÉCNICA ARTIGOS DE OPINIÃO

11 de Fevereiro de 2008 Ana Paula Oliveira

Um Olhar atento sobre o exercício de evacuação da escola

Foi no passado dia 7 de Novembro de 2007, uma quartafeira, que decorreu o exercício de evacuação da escola. Apesar de ser só um treino devia ter corrido como as regras mandavam… Às 9h30 da manhã tocou o alarme de incêndio. Logo de seguida, os alunos deixaram os seus materiais na sala de aula, colocaram-se em fila com o delegado à frente, que assume o papel de "Chefe de Fila" e o professor atrás, que desempenha o papel de "Cerra-fila". Este, antes de sair pegou no livro de ponto e escreveu um "E" de Evacuação na porta da sala, até aqui correu tudo bem. Seguidamente, a barulheira e a desorganização instalou-se na escola. Estava previsto que os alunos saíssem pelas portas indicadas nos Percursos de Evacuação afixados nas salas, mas pelo que vimos, as regras não foram cumpridas e muitos impediram a passagem, provocando então a confusão total.

Ora os alunos deviam deslocar-se junto das paredes, para que em caso de situação real, os bombeiros pudessem passar e também por uma questão de segurança. Mas, o que se constatou foi que os alunos correram até às portas de saída para o exterior. Como viraram todos para o mesmo lado, o aperto sentiu-se, todos queriam ser os primeiros a chegar ao local e verificaramse bloqueios nas portas para o exterior. Chegando ao"Ponto de Encontro" esperamos alguns minutos para sermos contados. Logo depois, todos voltaram para as suas respectivas salas. Apesar de tudo, o exercício de evacuação teve aspectos positivos. Desta forma, podemos ver até que ponto estávamos preparados, ou não, para enfrentarmos um problema desses. Esperamos que no segundo exercício haja mais CIVISMO e RESPONSABILIDADE por parte de todos NÓS. Márcia, Joana e Débora 7ºA

a ponTe 22 Propriedade Agrupamento de Escolas de Milheirós de Poiares Equipa de Directores Ana Isabel Cruz, Cândida Gonçalves, Isaura Coelho, José Alberto Rodrigues, Júlia Pinto, Julieta Cerqueira. Coordenação | Concepção Gráfica José Alberto Rodrigues Paginação e Layout José Alberto Rodrigues Impressão Rainho e Neves Lda. | Stª Mª da Feira Tiragem 800 Exemplares Textos e Artigos Os textos são da responsabilidade de quem os produziu.

2


Jornal

Escolar

do Agrupamento

Casa onde nasceu e viveu o Padre Manuel Fernandes Santos

ENTREVISTA AO PRESIDENTE DA JUNTA DE FREGUESIA DE ROMARIZ Resolvemos contactá-lo porque sabemos que tem conhecimento de alguns pontos de interesse no que se refere ao património histórico da freguesia de Romariz. Como a nossa escola abrange alunos de três freguesias, entre as quais Romariz, decidimos este ano, nas edições do nosso jornal escolar, dar um ênfase especial a este assunto porque achamos que é de todo o interesse que a nossa comunidade escolar conheça melhor aquilo que é de valorizar e que por vezes só conhece de forma superficial. Então, vamos fazer-lhe algumas perguntas que vão de encontro a esse objectivo: 1-Quais são, no seu entender, os pontos de maior interesse e mais valor histórico em Romariz? Sem dúvida que é o Castro. É de longe, penso eu, o monumento ou vestígio que mais se salienta dentro da freguesia de Romariz, não só pela importância que tem a nível histórico propriamente dito, mas também sobre aquilo que nos diz das origens da freguesia de Romariz e das freguesias limítrofes, naturalmente. Em termos de monumentos religiosos existem algumas capelas centenárias e também alminhas, algumas bastante antigas. Há ainda algumas casas solarengas do início do século passado, mas, efectivamente, o que mais se destaca, a nível histórico, é o castro que data do séc. VI antes de Cristo.

de

Escolas

de

Milheirós

de

Poiares

das escolas. Em relação ao Castro, houve a preocupação de se fazer uma vedação há relativamente pouco tempo. Antes estava aberto, não havia guarda. Agora está vedado e há guarda, apesar de não ser a tempo inteiro. Alguma visita deve ser marcada através da Junta de Freguesia ou Câmara Municipal. De qualquer forma, o espaço está preservado. Temos tido também alguma preocupação com outro aspecto do património tradicional da freguesia que são os cerca de vinte moinhos ao longo do rio Ul, dos quais pelo menos alguns precisavam de ser recuperados e preservados. Andamos a congeminar a maneira de o fazer, mas ainda é um projecto. 4- O objectivo principal desta entrevista é dar a conhecer de forma mais aprofundada o que de maior valor existe na nossa região, mais precisamente em Romariz. Que outras informações gostaria de partilhar e dar a conhecer? Para além do património, uma das coisas de que eu especialmente gosto em Romariz, é a sua pacatez que está associada à ruralidade da freguesia e ao aspecto cuidado das suas propriedades agrícolas que ainda se tem mantido e manterá alguns anos enquanto as pessoas mais idosas forem cultivando os terrenos, não deixando crescer as silvas nem que as propriedades fiquem ao abandono. Acho que as crianças, na azáfama da sociedade actual, deveriam ser sensibilizadas para apreciarem esta faceta da sua terra. 5- Para além do ponto de vista histórico, existe algo mais a salientar ao nível de outros tipos de património, em Romariz, como por exemplo ao nível literário, cultural ou outros? Temos uma tradição cultural, de intervenção rural, tal como Pigeiros e Milheirós. Efectivamente, as pessoas, ainda há pouco tempo, conviviam nas desfolhadas ou moíam o grão para consumo próprio. Hoje isso não acontece tanto e

2- Pensa que nesta região se dá o valor devido aos monumentos e vestígios históricos? Não tanto como o Presidente da Junta gostaria. A nível do património religioso, apesar de não termos monumentos com valor histórico por aí além, estão a recuperar-se as capelas de Romariz e a igreja matriz acabou de ser recuperada há pouco tempo. A nível do Castro, e apesar de algumas campanhas de escavação que tem havido, há anos que se pensa fazer uma intervenção de fundo com a construção de uma casa de acolhimento na base do monte e da réplica de uma ‘Domus’ que existe em cima, mas não sabemos efectivamente quando é que o projecto será executado, pois tem “emperrado” por motivos variados. 3- E ao nível do respeito por este património, acha que se tem feito a preservação necessária? Em termos de património e no que diz respeito à Junta de Freguesia, tem havido essa preocupação, por exemplo o espigueiro que está classificado como o maior do Concelho da Feira e que vale a pena ser visitado mesmo pelos alunos

Busto do Padre Manuel Fernandes Santos

3

E N T R E V I S TA

a ponTe


Jornal

Escolar

do Agrupamento

de

Escolas

de

Milheirós

de

Poiaresa

a ponTe

E N T R E V I S TA

portanto, era urgente preservar, por exemplo, os moinhos para que as pessoas mais novas, nomeadamente as crianças em idade escolar, pudessem entender como é que funciona um moinho a água. A nossa intenção era pôr a moer pelo menos um ou dois e integrá-los naquele espaço do espigueiro, de forma a poder ser visitado pelos alunos. A nível literário, temos um historiador que é natural de Romariz e que deu inclusivamente o nome a uma rua, que se chama Pinho Leal e que será a pessoa de mais renome visto que foi um grande estudioso da história de Portugal. Mais recentemente, o Padre Manuel Fernandes Santos, que morreu na década de sessenta, é autor de uma importante monografia sobre as tradições e cultura de Romariz, que se intitula “A minha Terra” e foi ainda o principal impulsionador da descoberta e das primeiras escavações no Castro de Romariz. Actualmente poderemos falar do Padre Domingos (natural de Romariz e pároco em Pigeiros), que tem várias obras publicadas sobre historiografia, história de ordens religiosas, confrarias, igrejas. É uma pessoa intelectualmente rica. 6- Em que medida acha que a escola deve intervir no desenvolver de iniciativas que levem a uma descoberta daquilo que é importante conhecer a este nível? A principal iniciativa será estudar, dar a conhecer e visitar os locais de interesse histórico-cultural. Penso que a Escola pode colaborar em iniciativas de investigação, promovendo, nos alunos, trabalhos sobre os monumentos que existem, para ficarem a conhecer melhor a terra onde estão inseridos. 7- Quer falar-nos de alguma curiosidade ou aspecto lendário ligado à história de Romariz? Há, por exemplo, a lenda de que o Castro de Romariz estaria ligado por um túnel ao Castelo da Feira por onde dois apaixonados se visitavam durante um período de guerra. É apenas uma lenda que ainda está na mente de algumas pessoas mais antigas. 8- Há alguma outra coisa que gostasse de acrescentar ao que já falámos? Gostava que os nossos jovens alunos fossem despertados para estas realidades históricas fazendo visitas e investigação adaptada ao seu nível etário. Que saibam de onde é que viemos, como surgiu a terra e quais as tradições dos nossos pais e avós. Isto não só em relação a Romariz, mas também a Milheirós e Pigeiros e ainda freguesias circundantes. A nossa origem está aí à vista de todos, foi no Castro. É bom que os nossos alunos tenham consciência dessas realidades e as saibam preservar.

ENTREVISTA AO PRESIDENTE DA JUNTA Que actividades poderiam ser desenvolvidas em parceria com as escolas do agrupamento por forma a divulgar e preservar o DE FREGUESIA DE PIGEIROS património da freguesia? A Equipa editorial do jornal “A Ponte“ decidiu A criação de prospectos e respectiva entrega domiciliária entrevistar o Senhor Presidente com a finalidade de nos com incentivo à divulgação, sensibilização e esclarecimento dar a conhecer alguns elementos caracterizadores do da população. Poder-se-íam dinamizar acções, com carácter prático, que salvaguardassem a defesa do património da Património da freguesia de Pigeiros. freguesia.

Se lhe pedíssemos uma proposta de Roteiro Histórico e No âmbito da defesa do património ambiental, existe alguma Cultural da freguesia que elementos incluiria? proposta de intervenção ou actividade em curso? Ao organizarmos um Roteiro Histórico e Cultural da freguesia incluiríamos, por exemplo, a Igreja Paroquial, o Calvário, as Alminhas distribuídas pela freguesia, os Espigueiros que reflectem o Património Rural , a Mamoela de Vinhó e a Mámoa da Lage. Não nos podemos esquecer ainda das inúmeras construções centenárias, em bom estado de conservação, que se encontram espalhadas pela freguesia. Para finalizar incluiríamos as actividades de índole cultural que fazem parte do programa do “Verão Cultural“. No âmbito do Desenvolvimento Sustentável, qual a política que tem sido implementada por forma a preservar o património da freguesia? A política desenvolvida tem como objectivo fomentar com ajudas no apoio à conservação e restauração do património existente. Em seu entender, os moradores da freguesia são conhecedores do seu património? De que forma o valorizam? Sim , defendendo-o e preservando-o. 4

Encontra-se em fase de execução o Parque de Lazer da Várzea, que enquadra a limpeza do Rio Uíma. A Junta continua a proceder à limpeza dos lixos depositados ao longo das ruas da freguesia. Na sua perspectiva, de que forma a concretização do Parque Empresarial de Reciclagem de Materiais poderá ser uma maisvalia para a freguesia?


a ponTe

Jornal

Escolar

do Agrupamento

de

Escolas

de

Milheirós

de

Poiares

E N T R E V I S TA

O Parque Empresarial de Reciclagem de Materiais (PERM) será uma mais-valia para a freguesia, mas também para todo o concelho de Santa Maria da Feira. O que se espera é que este empreendimento venha regularizar as muitas sucatas que existem no concelho sem quaisquer regras ambientais a serem cumpridas, estando a causar graves atentados ao meio ambiente e às populações que as rodeiam. O exemplo mais flagrante é a sucata que labora há anos , no local onde o “PERM“ irá ser implementado. Os óleos continuam a ser jorrados para o solo, as baterias e as carcaças dos veículos cheios de ferrugem, sem qualquer tipo de tratamento. estão dispersas pela mata, o que é extremamente grave para o ambiente. Com o ”PERM“ estas situações serão devidamente controladas, bem como, o próprio empreendimento será composto com outras valências de interesse para a freguesia. Em termos de investigação sobre o património da freguesia existe ou existiu alguma personalidade que se destacasse? Existe o Padre Domingos A. Moreira. Existem obras publicadas que divulguem o património da freguesia? Sim. Recentemente foram aprovados quatro nomes para quatro ruas (Travessa do Pinheiro Grosso,Travessa da Retorta, Travessa Chão das Ovelhas e Rua da Zona Desportiva de Pigeiros). Tem conhecimento das razões que levaram à escolha destes nomes? A escolha destes nomes deveu-se ao facto destas travessas estarem situadas em locais que eram conhecidos por estes nomes, desde tempos imemoriais. A Rua da Zona Desportiva de Pigeiros, deve-se ao facto de esta rua ter sido criada com a execução do novo complexo desportivo da freguesia.

FORMAÇÃO DE ÁRBITROS DE FUTSAL Cada escola deve fazer, no início do período, uma triagem. Por norma, pode escolher 2 alunos por modalidade/grupo que representarão o seu estabelecimento de ensino, na fase EAE. O Futsal é a modalidade que mais gente atrai e, para essa selecção, o grupo de Educação Física promoveu, no dia 12 de Dezembro de 2007, uma “formação de árbitros de Futsal”, na biblioteca da escola EB 2, 3 de Milheirós de Poiares. A formação foi abordada por um árbitro pertencente à Associação de arbitragem de Aveiro, José Neves Coelho. Esta abordagem foi dada de uma forma simples e objectiva a cerca de 30 alunos pertencentes às escolas de EB2,3 de Milheirós e Arrifana. No passado dia 5 de Dezembro do ano de dois mil e sete, realizou-se no Pavilhão das Travessas o Torneio de Abertura do Desporto Escolar, da modalidade de Futsal. Neste encontro participaram os 27 alunos inscritos na modalidade independentemente do escalão a que pertenciam. O encontro desenrolou-se das 14h às 16h30 com a participação de 10 escolas do Centro Educativo Entre Douro e Vouga. A Escola E.B.2, 3 de Milheirós de Poiares disputou quatro jogos: com a Escola E.B. 2, 3 da Corga de Lobão, com a Escola Secundária nº 3 S. João da Madeira e contra dois grupos de equipa da Escola E.B. 2, 3 Fernando Pessoa. Os jogadores disputaram os jogos de forma empenhada, com uma prestação cordial com os adversários.

5

DESPORTO ESCOLAR

A equipa do Jornal “A Ponte“ agradece a colaboração prestada pelo Sr, Presidente em prol da divulgação e preservação do Património da Freguesia de Pigeiros.


Jornal

Escolar

do Agrupamento

de

Escolas

de

Milheirós

de

Poiares

a ponTe

DESPORTO ESCOLAR

Desporto Escolar – Clube de Dança

O desporto escolar é um conjunto de práticas lúdicodesportivas e de formação, desenvolvidas como complemento curricular e ocupação dos tempos livres, num regime de liberdade de participação e de escolha, integradas no plano de actividades da escola e coordenadas no âmbito do sistema educativo. Neste âmbito, a escola está a participar com um Clube de Actividades Rítmicas Expressivas, pela primeira vez, orientado pela professora Isabel Valente. No primeiro período realizou-se um Encontro de Abertura na EB 2,3 Sá Couto, em Espinho, tendo a escola participado com cinquenta atletas, num esquema de Natal. Alguns elementos deste clube participaram, também, no” Livros ao Serão”, no torneio de abertura do Desporto Escolar (nesta Escola) e no último dia de aulas (do primeiro período) no átrio exterior da escola, com o mesmo esquema. Todas estas actividades foram vividas com grande entusiasmo por parte dos alunos.

(Torneio de abertura do Desporto Escolar)

(”Livros ao Serão”)

(”Livros ao Serão”)

PÁGINA DAS CIÊNCIAS

OLIMPÍADAS DA ENERGIA O Agrupamento aderiu ao projecto promovido pela EDV ENERGIA, que irá promover no próximo ano lectivo as primeiras Olimpíadas da Energia da Região do Entre o Douro e Vouga, tendo a comunidade escolar como agente efectivo de mudança. As Olimpíadas da Energia englobarão a realização de diversas actividades nas escolas, envolvendo toda a comunidade escolar visando a eco-eficiência escolar. Este projecto será uma mais valia para as escolas da região, pois proporcionará apoio técnico na área da eco-eficiência, onde usualmente as escolas não têm competências. Estas visam promover experiências e práticas promotoras de eco-eficiência nas escolas da região, nomeadamente, de Oliveira de Azeméis, Santa Maria da Feira, São João da Madeira e Vale de Cambra, tendo a comunidade escolar como agente efectivo de mudança em prol do desenvolvimento sustentável. No âmbito deste projecto serão desenvolvidas várias acções que posteriormente serão divulgadas. A Coordenadora de Projectos Goreti Rocha

6

(Torneio de abertura do Desporto Escolar)

Saber escolher as lâmpadas A iluminação numa casa é responsável por cerca de 10 a 15% do consumo de electricidade total da habitação, o que corresponde a uma emissão anual de 450 Gg de CO2 equivalente (450 000 000 000 g). A escolha da iluminação correcta para cada divisão, tendo em conta o tipo de actividades que se realizam em cada espaço, é muito importante para um maior conforto e um consumo mais racional de energia, traduzindo-se numa redução da factura da energia. O uso de lâmpadas tecnologicamente mais eficientes permite poupar dinheiro, por consumir menos energia, e ao poupar energia está a preservar o ambiente. É preferível utilizar menos lâmpadas, mas com mais


Jornal

Escolar

do Agrupamento

de

Escolas

de

Milheirós

de

Poiares

potência: uma lâmpada de 100 Watts consome a mesma energia que 4 de 25 Watts, mas produz aproximadamente o dobro da luz, no entanto a melhor opção é a utilização de uma lâmpada fluorescente compacta que com uma menor potência atinge o mesmo grau de iluminação. Comparação entre lâmpadas incandescentes e fluorescentes compactas Para se perceber bem a diferença de consumo entre uma lâmpada incandescente, tão comum nas nossas casas, e uma fluorescente compacta, muito mais económica, apresentamos aqui uma comparação do uso de um ou outro tipo num período de 5 anos, para 2 lâmpadas que fornecem a mesma luz (fluxo luminoso). Como podemos observar no quadro, não só o consumo de electricidade de uma lâmpada incandescente é muito maior, mas a quantidade destas lâmpadas que terá que comprar neste período de tempo, custará praticamente o mesmo que uma única lâmpada fluorescente compacta. Para além disso, ao fim dos 5 anos, a lâmpada fluorescente ainda vai durar mais de 2 anos, enquanto que a oitava lâmpada incandescente não chega a durar um ano. Coordenadora de Projectos Professora Goreti Rocha

Eco-Ideias

Sabia que?

Porque por vezes algumas ideias simples podem fazer a No dia-a-dia são muitos os exemplos de opções diferença aqui ficam pequenas sugestões que podem fazer toda de consumo ou de comportamentos que se podem traduzir numa enorme poupança de energia em casa, a diferença! O Planeta Terra, o 3º a contar do Sol é único nas suas reflectindo-se esse facto na redução das contas da características que fazem dele a nossa preciosidade. Está nas electricidade e do gás e numa melhor qualidade de vida. nossas mãos começarmos a preservá-lo! Gestos a praticar: ÁGUA · Desligar os aparelhos no botão, em vez de desligar no Para o Mundo salvar, vamos a água poupar comando pode levar a uma grande poupança. EstimaPara a água poupar, a torneira não pingar se que uma família média portuguesa possa poupar Se gostas do mar, não o podes sujar A torneira aberta não deve ficar, enquanto os dentes estás a aproximadamente 40€ por ano; escovar · Evite abrir a porta do forno durante o cozinhado, pois este vai precisar de bastante energia para recuperar a TRANSPORTES Para o ambiente não poluir, em transportes públicos deverás ir temperatura a que estava anteriormente; Andar de carro a poluir sem parar, mais vale caminhar · Retire os alimentos do congelador atempadamente, de Toca a pedalar, para a poluição não aumentar formas a estes terem tempo de descongelar, e não necessitar de recorrer ao micro-ondas; RESÍDUOS Toca a reciclar para o lixo não aumentar · Baixe o lume dos cozinhados após estes iniciarem a sua Não deites o lixo para o chão pois estás a fazer poluição fervura, consome menos gás e mantém a temperatura de Os resíduos deves separar para o ambiente ajudar cozedura; desligue o lume um pouco antes de terminar o cozinhado, pois o calor presente no tacho é suficiente para ESPAÇOS VERDES acabar de cozer os alimentos; Se espaços verdes queres preservar, o ambiente não deves estragar · Sempre que possível, seque a roupa ao sol e/ou vento. Esta Para uma árvore cortar, outra vou ter que plantar energia é gratuita; Para a escola embelezar, os canteiros deves tratar · Ligue as máquinas de lavar roupa e louça só quando RUÍDO estiverem cheias e utilize os programas de mais baixa Para o ruído não aumentar, nos corredores não deves gritar temperatura; Se os ouvidos não queres destruir, música alta não deves ouvir A calma nos pátios deves fomentar para na sala os colegas · Para economizar energia sob a forma de aquecimento, isole melhor a habitação, por exemplo, os telhados, janelas, poderem trabalhar portas e paredes. Coloque vidros duplos; ENERGIA · Evite a utilização de aquecedores com a resistência A luz vou apagar para energia poupar Se energia queres aproveitar, os recursos naturais deves usar eléctrica à vista: o seu consumo é muito elevado e secam demasiado ao ar. Para a energia poupar, o Standby da Tv deves desligar. 7

PÁGINA DAS CIÊNCIAS

a ponTe


Jornal

Escolar

do Agrupamento

de

Escolas

de

Milheirós

PÁGINA DAS CIÊNCIAS

A Carta Europeia da Água

de

Poiaresa

a ponTe

Não há vida sem água. A água é um bem precioso indispensável a todas as actividades, e por isso, o homem depende cada vez mais desse bem, a água, que a natureza põe à sua disposição. Os recursos de água doce não são inesgotáveis. É necessário preservá-los e, se possível, aumentá-los. Devido ao crescimento da população, à melhoria dos seus hábitos de higiene e também ao desenvolvimento agrícola e industrial, é cada vez mais difícil satisfazer as necessidades que o homem tem de água. É preciso aprender a considerar que a água tem um valor que deve ser reconhecido por todos. Cada um tem o dever de a economizar e da utilizar com cuidado. Cada um é responsável perante os outros pelo uso que faz da água. Desperdiçá-la é abusar de um património natural que é de todos. ATENÇÃO! MUITA

ATENÇÃO!

ATENÇÃO AO NOSSO DESAFIO!

vassouras, ainda não se conhecia o PAI NATAL. As bruxas Rita Maldita, Conceição Maldição e Rosa Malcheirosa estavam no seu voo matinal quando, de repente, começou a nevar. Com o frio, as suas vassouras congelaram e… catrapum…pum… pum! Caíram num sítio desconhecido e belo demais para os seus gostos: - O que é é isto?! – perguntou a Rita Maldita. - Brrrr… que frio! – exclamou a Conceição Maldição. - Olá, eu sou a Alice e isto é neve. Estamos na aldeia do PAI NATAL! - Quem???? – perguntaram as três.

D E S A F I O

Nós, os alunos do quarto ano de escolaridade deste Agrupamento de Escolas, lançamos um desafio à comunidade escolar - alunos, funcionários e docentes. - Queremos editar um mini livro na Festa do Agrupamento e já escrevemos uma história em rede em que todas as turmas colaboraram. Faltam as ilustrações…estávamos mesmo predispostos a -----------------------------------------fazê-las, quando um de nós teve uma soberba ideia! - Na aldeia do PAI NATAL. Eu sou a Alice e ajudo o Pai As nossas professoras conversaram e concordaram. Natal a cuidar desta belíssima aldeia. Todos aplaudiram a ideia. As bruxas olharam em redor e repararam que estavam num sítio diferente, mas daí a ser maravilhoso!!!. As casas eram A ideia é?!.... Ser um de vós (aluno de outro ano de escolaridade, professor, pequeninas e muito asseadas e luzinhas brilhavam por todo o auxiliar de educação educativa, pai ou encarregado de lado. Olhando melhor, a Alice até tinha razão… Havia algo que se salientava no meio de toda aquela beleza: educação) a ilustrar o texto. uma grande casa coberta de neve, rodeada por um jardim onde se destacava uma árvore mais enfeitada e iluminada do Aí está o desafio. que todas as outras. Junto à árvore estavam seis renas presas Quem quer ilustrar a nossa história?! a um trenó cheiinho de presentes. O que é preciso fazer? - O que é isto? – perguntou Rosa malcheirosa, que entretanto · Ler o texto «As bruxinhas de Natal». se tinha aproximado da casa maior. · Dividir uma folha A4 em seis partes iguais. · Em cada rectângulo da folha, ilustrar uma das partes do texto (são cinco partes), não se esquecendo também de -----------------------------------------desenhar a capa para o mini livro no rectângulo que sobra. -São presentes! – explicou Alice. Vós não sabeis que está a · A pintura pode ser com lápis de cor, caneta de filtro ou ao chegar a noite mágica? Quereis conhecer o Pai Natal? Com um sorriso de malvadez, as bruxas disseram em coro: gosto do concorrente. · Entregar numa das escolas do 1º ciclo, ao cuidado da - Teremos todo o prazer em conhecê-lo… claro que sim. docente do 4º ano ou na Escola E. B. 2/3 de Milheirós de Entraram na casa do Pai Natal e acharam-na enjoativa, Poiares à professora Júlia – até ao último dia do mês de horrorosa, feia, vulgar… devido a tanta cor e tanta alegria. Mas na tentativa de ganharem a confiança de Alice e do Pai Fevereiro. Natal perguntaram: Em Março, o trabalho apresentado que tiver maior número de - Podemos ajudá-los a guardar os presentes? votos dos alunos do 4º ano será o seleccionado para ilustrar - Claro que podem. Mas terá de ficar para outro dia! As bruxas todas aborrecidas, saíram a sete pés da casa do Pai o mini livro que será editado na Festa do Agrupamento. Durante o espectáculo será anunciado o nome de todos os Natal e esconderam-se atrás da árvore iluminada, à espera participantes e o do vencedor deste DESAFIO. A todos será que o pai Natal adormecesse para irem fazer das suas… atribuído um certificado de participação e ao vencedor um -----------------------------------------prémio surpresa. O Pai Natal não se foi deitar porque tinha o compromisso de distribuir os presentes. Bem agasalhado, dirigiu-se ao seu CONTAMOS COM TODOS. trenó e disse às renas: PARTICIPEM! - Eu estou pronto, e vocês? - Sim, estamos prontas – disseram elas. AS BRUXINHAS DE NATAL - Espera-nos uma noite muito longa e mágica! – exclamou o No tempo em que as bruxas andavam montadas nas suas Pai Natal. 8


a ponTe

Jornal

Escolar

do Agrupamento

de

Escolas

de

Milheirós

de

Poiaresa

Com toda a calma, que só a sabedoria das barbas brancas lhe davam, o Pai Natal fê-las perceber que estava muito errado aquilo que haviam feito. Para se desculparem e poderem remediar a situação, elas prometeram recuperar, um a um, todos os presentes deitados borda fora do trenó. Só assim todas as crianças do mundo teriam um Natal feliz. O Pai Natal aterrou o trenó, as bruxas saíram e puseram mão à obra… que é como quem diz mãos nas vassouras, último modelo XPTO, com motor de três cilindros a jacto. Foi certamente a magia do Natal que tornou estas bruxinhas menos traquinas. -----------------------------------------Devolvidas as prendas e montado o trenó, o Pai Natal pode - Querem ajudar-me?! – perguntou incrédulo o Pai Natal. concretizar o sonho de todas as crianças do mundo. - Sim, sim, queremos! – exclamaram prontamente as três A aldeia de Natal, que Alice tão cuidadosamente ajudava a bruxas. cuidar até parece que estava mais brilhante… As bruxas subiram para o trenó, entusiasmadas, pois já Mais um Natal mágico que cativou as bruxinhas do mundo estavam a imaginar as travessuras que poderiam fazer da fantasia e do imaginário dos alunos do quarto ano do - Ah! Ah! Ah! Agrupamento de Milheirós de Poiares. Se bem o pensaram, melhor o fizeram. Começaram a atirar, um a um, os presentes que tanto trabalho deu a preparar. Uma Alunos do 4º ano – Ano lectivo de 2007/08 das renas notou o que se estava a passar e, prontamente avisou Escolas de Igreja de Milheirós de Poiares, de Pigeiros, do Carvalhal, de o Pai Natal que ficou um pouco zangado com as bruxinhas. Goim e da Igreja de Romariz

D E S A F I O

Quando iam a começar a deslizar, um pedacito de neve entrou no nariz da Rosa Malcheirosa que começou, muito aflita, a espirrar: - Atchim! Atchim!... O Pai Natal, ouvindo este barulho, pensou: - Afinal, não vou sozinho… tenho companhia! Parou o seu trenó e foi à procura…Encontrou as três bruxinhas que, muito naturalmente, sem mostrar surpresa e indignação, disseram em conjunto: - Pai Natal, que feliz coincidência! Estamos aqui para o ajudar…

DESPORTO ESCOLAR

Torneio de Abertura de Futsal Feminino No último dia de aulas, 14 de Dezembro à tarde, foi realizado o torneio de Abertura de Futsal Feminino, no pavilhão da nossa escola. Participaram as alunas desta escola, inscritas na modalidade de Futsal, coordenada pela professora Susana Henriques. Este torneio teve como principais objectivos cumprir um dos requisitos do Desporto Escolar e oferecer mais uma oportunidade às alunas para se prepararem para o campeonato, que se inicia no 2º período. Participaram todas as alunas inscritas no Clube de Futsal Feminino, bem como os árbitros (Rui Gomes e João Bastos, da turma do 8ºC). Este torneio decorreu muito bem, as “atletas” demonstraram grande motivação, empenho e sobretudo, muito “Fair-Play”. O quadro competitivo desta modalidade decorre em duas fases: na 1ª fase, a nossa escola vai defrontar as equipas pertencentes às escolas de Arrifana, São Roque e Fernando Pessoa. Na 2º fase, as escolas jogarão entre elas, de acordo com os resultados da1ª fase. Como professora destas “atletas”, desejo-lhes êxitos desportivos e acima de tudo uma grande união. VIVA O FUTSAL FEMININO...

CORTA MATO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MILHEIRÓS DE POIARES FASE CAE E NACIONAL No âmbito do Desporto Escolar, o grupo de Educação Física organizou no dia 13 de Dezembro de 2007 (quintafeira), na Escola E.B. 2, 3 de Milheirós de Poiares, o CortaMato fase escola. Nesta prova de atletismo, que decorreu das 9h15m às 12h30min, dos 232 alunos inscritos participaram efectivamente 191 alunos de ambos os sexos nos escalões de Infantis A (alunos nascidos em 1998/97), Infantis B (alunos nascidos em 1996/95), Iniciados (alunos nascidos em 1994/93) e Juvenis (alunos nascidos em 1992/91). Classificaram-se para representar o Agrupamento, no Corta Mato Regional (fase CE, entre Douro e Vouga) a realizar dia 13 de Fevereiro na zona envolvente às Piscinas Municipais em Santa Maria da Feira, os seguintes alunos: Femininas Escalão Infantis A (nascidos em 1997/ 98) Diana Fernandes (5ºA), Rute Figueiredo (5ºB), Cristiana Pais (5ºD), Anabela Fonseca (5ºC), Marta Moreira (5ºA),

Ana Portugal (5ºE) Masculino Escalão Infantis A (nascidos em 1997/ 98) Marcelo Castro (5ºA), Pedro Miguel (5ºE), João Almeida (5ºD), André Cardoso (5ºA), Bruno Almeida (5ºE), Tiago Baptista (5ºD) Femininas Escalão Infantis B ( nascidos em 1994/ 95) Brigite Almeida (7ºB), Vanessa Pina (7ºA), Ana Rita (5ºC), Joana Silva (7ºE), Catarina Pinho (6ºB), Cláudia Pereira (7ºD) Masculino Escalão Infantis B (nascidos em 1994/ 95) Xavier Pereira (7ºE), Ricardo Loureiro (7ºD), André Santos (7ºB), Ricardo Oliveira (7ºE), Bruno Filipe Silva (7ºC), Filipe Costa (7ºE) Femininas Escalão Iniciadas (nascidas em 1992/ 93) Liliana Santos(8ºA), Joana Rocha Pinho (8ºB), Jéssica Conceição (7ºB), Nádia Margarida (8ºB), Joana Almeida (7ºD), Adriana Almeida (7ºE). Masculino Escalão Iniciados (nascidas em 1992/ 93) Tiago Santos (8ºB), Nuno Oliveira (9ºB), António Rebelo (8ºD), Wilson Paiva(7ºB), Tiago Mota (8ºA), João Costa (9ºB) Femininas Escalão Juvenis (nascidas em 1991/90) Cátia Tavares (9ºA), Vânia Simões (9ºA), Sarah Duarte (9ºA) Masculino Escalão Juvenis (nascidos em 1991/90) 9


Escolar

do Agrupamento

de

Escolas

DESPORTO ESCOLAR

Jornal

Rui Nogueira (9ºA) , Hugo Ferreira (9ºA), Nelson Monteiro(9ºA); O grupo de educação física informa que as classificações estão afixadas no ginásio e no moodle; felicita todos os participantes que concluíram a prova e os alunos que ajudaram na organização da prova.

de

Milheirós

de

Poiares

Livros Ao Serão

a ponTe

Durante o 1º período, os pais/encarregados de educação dos alunos do JI e EB1 de Igreja Milheirós de Poiares, de Igreja de Romariz e da EB2,3 tiveram a oportunidade de visitar as respectivas BEs e contactar com a vivência diária destes espaços. Esta actividade integra-se num projecto que está a ser desenvolvido no corrente ano lectivo, pelas três BEs do Agrupamento de Milheirós de Poiares, o qual visa sensibilizar os pais para o importante contributo da BE no desenvolvimento integral do indivíduo e promover a frequência destes espaços e a leitura junto da comunidade educativa. Nestes encontros, foi feita uma breve apresentação, pela respectiva equipa, do conceito, finalidades da BE bem como das actividades mais emblemáticas de dinamização deste espaço. Ficou no ar a mensagem de que se trata de um espaço vivo e multifacetado e em cada um dos convidados gravada a importância do seu contributo para o alcance pleno da missão das BE’s. Os nossos inúmeros convidados foram presenteados ainda com dramatizações preparadas por alunos do 6º ano de escolaridade, do Clube de Leitura, do Dakar de Histórias e com momentos musicais e de dança. O desafio de uma participação mais activa dos pais/encarregados de educação na dinamização de actividades das bibliotecas foi proposto… Foi lançada a sementinha na expectativa de colher bons frutos! A equipa das Bibliotecas Escolares

BIBLIOTECA ESCOLAR

Leitores, Leituras e Companhia Ilimitada Biblioteca Escolar Conseguimos! Nunca é demais apostarmos na promoção de hábitos de leitura junto dos nossos alunos. Esta é uma das nossas metas e, por isso, procuramos todos os meios para a atingirmos. E foi o que aconteceu. O Plano Nacional de Leitura deu-nos essa oportunidade, lançando o desafio, e nós agarrámo-la. Apresentámos o nosso projecto “ Leitores, Leituras e Companhia Ilimitada”, destinado aos alunos do 3º ciclo, e “ganhámos”. Este projecto foi eleito e financiado com 1500€. Ganhámos, de facto, novos livros, novas leituras e, agora, pretendemos ganhar novos leitores. E por falar em livros, a nossa Biblioteca foi também presenteada com 200 livros no âmbito da iniciativa “Tudo a Ler”, promovida pelos hipermercados Modelo/ Continente. Agora, só necessitámos de leitores que retirem os livros das prateleiras, que lhes dêem vida! Boas Leituras! A Coordenadora da BE: Olívia Brandão

10


Jornal

Escolar

do Agrupamento

de

Escolas

de

Milheirós

de

Poiaresa

BIBLIOTECA ESCOLAR

a ponTe

Diálogos de cor com João Caetano

João Caetano? O ilustrador? Esteve na Biblioteca da Escola da E. B. 2,3 de Milheirós de Poiares, em Novembro? Parece mentira, mas é mesmo verdade! João Caetano, ele próprio, em carne e osso! O dia 29 de Novembro foi aguardado com bastante entusiasmo pelos alunos do quarto e sétimo ano do Agrupamento. Neste encontro, ou melhor dizendo, nestes encontros (um não foi suficiente) pretendeu-se ilustrar o conto escrito em cadeia por aqueles alunos, subordinado à temática «Conflitos/Afectos/ Escola», para posterior edição. Foram momentos certamente inesquecíveis! De meros espectadores passivos, todos os presentes passaram a «criadores activos», pois foram envolvidos progressivamente em todo o processo artístico pelo «grande mestre» João Caetano. Desenhava-se, recortava-se, passava-se cola; os pincéis deslizavam, revistas eram folheadas à cata de pormenores enriquecedores… Enfim, a obra nasceu! A satisfação foi bem visível em cada um dos rostos presentes. Três ilustrações foram criadas e com o dedinho de todos! São momentos como este, em que o diálogo se estabeleceu através da cor, que serão recordados como momentos de grande mestria e criatividade que enriqueceram e expandiram o mundo da ilustração para a infância e a juventude. Foi muito interessante perceber o processo da ilustração, o seu papel e o seu valor no livro que todos ansiamos ver editado. Obrigado João Caetano! Alunos do 2ª e 3º ano de escolaridade Escola E. B. 1 Igreja - Romariz

A Biblioteca Escolar da Escola da Igreja – Romariz A Semana das Bibliotecas, foi a data escolhida para abrir as portas em tom festivo e presentear a comunidade escolar da Escola e do Jardim-de-infância de Igreja, Romariz com várias actividades: · atelier de pintura, · concursos, A excitação era muita. · hora do conto, Tudo era novidade… · requisição domiciliária, Até os mais velhinhos do «Clube de Leitura» da · trabalhos de pesquisa Biblioteca da Escola E. B. 2,3 de Milheirós de Poiares ·… vieram abrilhantar ainda mais esta semana com a Foi tudo muito educativo! apresentação do «Baile de estórias» A interacção entre 11


BIBLIOTECA ESCOLAR

Jornal

Escolar

do Agrupamento

de

Escolas

os alunos e as personagens apresentadas, fez desta actividade de animação um sucesso, deixando em muitos alunos a vontade de ler com prazer. Professores, auxiliares e alunos todos colaboraram para animar a Biblioteca. A Biblioteca era uma bebé muito desejada pelos seus pais. A mãe era a Escola e o pai o Jardim de infância. A bebé foi crescendo, sempre rodeada e acarinhada pelos seus leitores que a transformaram numa mais valia para toda a comunidade educativa. No dia 23 de Novembro, era chegada a altura de a mostrar à comunidade de Romariz. A Biblioteca abriu as portas…Pais e Encarregados de Educação tiveram a oportunidade de partilhar experiências vividas pelos seus leitores, com uma apresentação do espaço e das actividades realizadas pelos alunos. No final, os pais assistiram a uma hora do conto, com a história “Grávida no Coração”. O Conselho de Docentes da Escola e a Equipa das bibliotecas desejam que pais e alunos fiquem com a Biblioteca no Coração, e que esta os encaminhe para o sucesso.

de

Milheirós

de

Poiaresa

a ponTe

“DORMIR COM HISTÓRIAS” - BIBLIOTECA ESCOLAR

Decorreu na terceira sexta-feira de Novembro, à noite, visto ser uma actividade direccionada à comunidade educativa da Biblioteca Escola. Teve a participação de muitos alunos, pais e encarregados de educação da escola e do jardim de infância de Igreja – Milheirós de Poiares. Os presentes tiveram a oportunidade de jogar, pesquisar na Net, ler os jornais diários, revistas e livros , conviver… Houve uma apresentação aos pais, em powerpoint, das actividades desenvolvidas na biblioteca com a participação e estreita colaboração de todos os professores. Houve a «Hora de conto» para os encarregados de educação, “Grávida no Coração” e para os alunos, “A que sabe a lua”. Esta iniciativa insere-se no plano de actividades da biblioteca e teve como objectivo máximo criar nos pais uma imagem positiva da escola, dando-lhes a oportunidade de vivenciarem momentos de prazer e de intimidade entre pais, alunos e professores. O respeito e a admiração dos encarregados de educação por estas actividades permitem construir melhores condições de acesso de todos aos livros, à leitura, à importância da educação como uma actividade participativa e partilhada. Este evento encerrou com um convívio na cantina. Desta actividade foi feito um inquérito aos encarregados de educação, que pretendeu aferir a importância da actividade, o seu contributo para a implementação do Projecto Educativo e do Projecto Curricular e consequente sucesso dos alunos. Estamos pois convictos que estas iniciativas conduzem a uma maior valorização da escola e maior e melhor sucesso escolar. Docentes e a Equipa

Alunos do 1º ano de escolaridade Escola E. B. 1 Igreja - Romariz

12

Na perspectiva dos Pais e/ou Encarregados de Educação


Jornal

Escolar

do Agrupamento

de

Escolas

de

Milheirós

de

Poiaresa

DIA MUNDIAL DE L UTA CONTRA A SIDA

Os primeiros casos de SIDA foram descritos em 1981 nos Estados Unidos. Uma nova doença estava a ser descrita. Uma doença que causava uma diminuição drástica da imunidade dos indivíduos, afectando de maneira grave o seu sistema imunológico (imunitário), isto é, as células do sistema de defesa do organismo. Esta nova doença foi denominada SIDA – Síndrome da Imunodeficiência Adquirida e, mais tarde, o seu agente infeccioso isolado, o VIH – Vírus de Imunodeficiência Humana.

se a serem solidários, tolerantes e compreensivos com os doentes e infectados pelo VIH. A distribuição dos materiais pelas turmas, previamente agrupados, e o convite de participação no painel foi dinamizada pelos alunos do 8ºB, como uma das actividades inseridas na Área Curricular de Estudo Acompanhado. Porque a Luta Contra a SIDA diz respeito a todos Façamos de todos os dias, Dias Mundiais de Luta Contra a Sida.

Transformar o 1º de Dezembro no Dia Mundial da Luta Contra a SIDA foi uma decisão da Assembleia Mundial de Saúde, em Outubro de 1987, com apoio da Organização das Nações Unidas – ONU. A data serve para reforçar a solidariedade, a tolerância, a compaixão e a compreensão com as pessoas infectadas pelo HIV/SIDA. No âmbito do Projecto de Educação para a Saúde do Agrupamento – PESA, a nossa escola também comemorou este dia. Entre as diferentes acções levadas a efeito podem citar-se: a colocação do Laço Vermelho – símbolo da luta contra a SIDA, feito por alunos do 6º A e CEF C e sob a orientação do docente Pedro Braga, na parede da fachada da escola; distribuição de materiais pedidos à Comissão Nacional de Luta Contra a Sida e distribuídos a todos os alunos da escola; a construção de um painel/compromisso de honra, em que os alunos eram convidados a comprometerem-

A Coordenadora do PESA Suzana Duarte

A ESCOLA EB 2,3 E OS PROJECTOS DE SERRALVES A escola EB 2,3 de Milheirós de Poiares tem vindo a participar nos projectos educativos da Fundação de Serralves, o que se tem mostrado deveras produtivo e aliciante para os alunos. No ano lectivo 2006/2007, o projecto denominado “Jardins Portáteis” mostrou ser igualmente uma mais valia para a escola pois proporcionou aos alunos viverem experiências ligadas aos cuidados a ter com os jardins, que puderam ser transpostas para os jardins da mesma. Deste modo, três turmas do 5º ano – B, C e E e uma do 8ºano – 8º D deram largas à imaginação para criar jardins naturais e artificiais que pudessem ser levados de um lado para o outro. Se houve turmas que trabalharam sem tema estipulado, uma houve que fez uma interpretação histórica de um castro, realidade existente nas proximidades. Participaram as mais diversas disciplinas, mas o trabalho foi essencialmente realizado em Área de Projecto e Educação Visual e Tecnológica, o que demonstra bem o carácter interdisciplinar dos projectos. A participação no projecto não se ficou só pelo trabalho na sala de aula. A ida à Fundação de Serralves para realização de uma oficina e para visitar os jardins e o museu, complementaram o trabalho e permitiram aos alunos viverem outras experiências e realidades com as quais quase não se cruzam no dia a dia. Finalmente, todo o trabalho realizado culminou numa fabulosa exposição na Fundação, inaugurada no dia 18 de Maio, dia Nacional dos Museus, a qual os alunos não puderam infelizmente ver ao vivo, pois não foi possível encontrar transporte gratuito. De qualquer modo, foi feita uma apresentação em Power Point sobre a exposição para que todos pudessem ver os seus trabalhos na escola. Dado o sucesso de tal actividade, no presente ano lectivo, um grupo de 12 professores inscreveu um total de 10 turmas do 5º, 6º, 7º, 8º anos e CEF no projecto do Serviço Educativo daquela Fundação cujo tema é “Imagens à Lupa”. Relativamente ao projecto deste ano, mais informações serão dadas noutra edição deste jornal. 13

PROJECTOS E ACTIVIDADES

a ponTe


PROJECTOS E ACTIVIDADES

Jornal

Escolar

do Agrupamento

de

Escolas

O Projecto Olhares Múltiplos Programa ADIS/SIDA

de

Milheirós

de

Poiares

a ponTe

O Projecto “Olhares Múltiplos”, é um projecto que surge na área de prevenção da infecção pelo VIH/SIDA. É financiado pela Coordenação Nacional para a Infecção VIH/SIDA e pelo Alto Comissariado da Saúde, tendo como entidade promotora, o Município de Santa Maria da Feira. São parceiros deste projecto o Centro de Formação Terras de Santa Maria, Centro de Saúde de Santa Maria da Feira, e a FapFeira (Federação das Associações de Pais e Encarregados de Educação do Concelho de Santa Maria da Feira). Numa lógica de precocidade é intenção deste projecto trabalhar em meio escolar durante três anos, iniciando o trabalho com os alunos do 7º ano e acompanhando-os até ao 9º ano de escolaridade, nos Agrupamentos de Escolas de Milheirós de Poiares, Lobão e Fiães. As metodologias que estão na base das intervenções deste de uma forma mais activa e construtiva, denotando-se projecto são o teatro-fórum, a educação pelos pares, os maior capacidade de expressão de ideias e de sentimentos fóruns de discussão, jornadas formativas e o cinema de associados. animação. Agradeçemos, desde já a colaboração de todos, que directa ou indirectamente colaboraram e permitiram a realização deste filme! Um grande obrigado a todos! Ficamos com a secreta curiosidade de como seria um filme de animação realizado pelos pais? Ou mesmo, como seria realizar um filme de que unisse as dúvidas dos filhos e os conhecimentos dos pais? Fica o desejo, que mais actividades nesta área sejam organizadas. Tânia Duarte Rafaela Aroso http://olharesmultiplos.blogspot.com

O atelier de Cinema de Animação, foi realizado entre 17 a 28 de Dezembro de 2007, na Escola E.B. 2, 3 de Milheirós de Poiares. Teve como objectivo introduzir os alunos no universo do cinema de animação e demonstrar as potencialidades desta forma de arte, através da realização de um pequeno filme sobre o tema SIDA. E assim aconteceu! Nasce a curta-metragem de animação intitulada “A picada da Albertina”. A sua realização ficou à responsabilidade de 8 jovens, com idades compreendidas entre os 12 e 14 anos, do 7ºB e 7ªC. São eles, Adriana Silva, Ana Catarina Silva, Ana Rita Paiva, Bruno Nogueira, Fábio Conceição, Jéssica Conceição, Márcia Costa e Rui Alves. A orientação deste atelier coube a Tânia Duarte e Ícaro, que tiveram como acompanhantes do projecto, a psicóloga Rafaela Aroso e a educadora social Carla Martins. Os resultados deste atelier de cinema de animação, já começam a ter os seus efeitos positivos, talvez o mais visível seja uma maior identificação e um sentido de pertença ao projecto fortalecido. No entanto, no seio do grupo foi possível identificar o desenvolvimento de competências como a responsabilidade, o respeito por diferentes opiniões, a partilha e a maior proximidade no inter-relacionamento quer entre participantes, quer entre estes e os técnicos do projecto. Os alunos envolvidos no atelier, actualmente durante as sessões, deixaram vazias as últimas filas, participam 14

Projecto de Intervenção \ Preservação do Património Local (botânico e histórico) - 6ºB Somos alunos de uma turma do 6º ano e vivemos nas localidades de Romariz e Pigeiros. Desde sempre nos interessamos por compreender a história do local onde vivemos. Ao longo do tempo, fomos percebendo que as terras onde habitamos já tinham sido ocupadas por vários povos. No ano lectivo anterior, desenvolvemos um trabalho de parceria com a Fundação de Serralves. Com o objectivo de intervir na preservação da flora e história local, resolvemos focalizar o nosso “projecto do jardim portátil”, num trabalho de intervenção


Jornal

Escolar

do Agrupamento

de

Escolas

de

Milheirós

de

Poiares

patrimonial. Seleccionámos como objecto de estudo o “Castro de Romariz“. Como é do conhecimento da comunidade educativa, este imóvel de interesse público tem sido alvo de vários estudos arqueológicos, contudo necessita de um processo de intervenção que possibilite a sua conservação e preservação no âmbito da Educação Ambiental e Patrimonial. Neste projecto de trabalho, pretendiamos alertar para a necessidade de preservação de algumas espécies pertencentes à vegetação autóctone (pinheiro bravo, azevinho, sobreiro, giestas, carvalho alvarinho, urzes e violetas selvagens). Realizámos uma visita de campo, tirámos fotografias, pesquisamos sobre o Castro de Romariz e sobre a vegetação autóctone da região. Pedimos a colaboração dos Encarregados de Educação, aquando do trabalho de recolha fotográfica. Promovemos a transdisciplinaridade com as disciplinas de História e Geografia de Portugal, Ciências da Natureza e Educação Visual e Tecnológica. Contactamos ainda, o pelouro da Cultura da Câmara Municipal de Santa Maria da Feira, no sentido de nos facultarem documentação sobre o Castro de Romariz. O produto final resultou na elaboração de uma maquete onde se propunha uma possibilidade de visita guiada , em que os valores da educação ambiental e patrimonial fossem salvaguardados. No presente ano lectivo, em simultâneo com as restantes turmas do sexto ano de escolaridade, iniciamos na disciplina de História e Geografia de Portugal, um trabalho de pesquisa ao nível da toponímia. Consideramos importante conhecermos o significado da rua em que vivemos. Para tal, iniciamos um trabalho de pesquisa ao nível da história local. Na próxima publicação deste jornal ligeiro de passageiros. pretendemos divulgar os nossos trabalhos. Para além de ter de se certificar de que todas as crianças têm o cinto de segurança colocado, o Lei do Transporte Colectivo de Crianças vigilante tem de acompanhá-las no atravessamento da rua, usando colete e raqueta de sinalização. Aprovada na Assembleia da República em Fevereiro de 2006, a lei As portas dos autocarros só podem ser abertas pelo define o regime jurídico do transporte colectivo de crianças e jovens até exterior ou através de um sistema comandado pelo aos 16 anos de e para as escolas, creches, jardins de infância e outras motorista e situado fora do alcance das crianças. instalações em que decorram actividades educativas ou formativas, Ainda segundo a lei, as janelas devem possuir vidros assim como para locais de actividades desportivas ou culturais. inamovíveis ou travados a um terço da abertura total, A lei reforça que os autocarros usados para o transporte de crianças com excepção da do motorista. são obrigados a ter cintos Os veículos utilizados no transporte de crianças devem de segurança em todos os estar equipados com tacógrafo (registo de velocidade), lugares e sistemas de retenção extintor de incêndios e caixa de primeiros socorros e (cadeirinhas). A cada criança transitar com as luzes de cruzamento acesas. tem de corresponder um A lei estabelece ainda outras normas lugar sentado, não podendo relativas ao licenciamento da actividade, ao a lotação ser excedida. licenciamento e identificação dos automóveis Segundo a lei, no transporte e à certificação e idoneidade dos motoristas. de crianças deve estar Segundo a ANTROP, a selecção, acreditação e presente, além do motorista, presença do vigilante previsto no artigo 8º é da um acompanhante adulto, exclusiva responsabilidade da entidade organizadora designado por vigilante, a do transporte. Essa entidade será, por via da regra, quem compete zelar pela a entidade que contratou o serviço de transporte segurança das crianças. (escola, autarquia, clube desportivo) junto da Caso sejam transportadas empresa transportadora. mais de 30 crianças ou o A acreditação do vigilante será feita através de uma autocarro tenha dois pisos, declaração escrita da própria entidade que organiza o esse acompanhamento deve transporte. A empresa transportadora nada tem a ver ser feito por dois vigilantes. com esse processo de acreditação. A presença do vigilante só é dispensada se o transporte Responsáveis Projecto Segurança, docentes Goreti Rocha, Cristina Peixoto, Helena Oliveira for realizado em automóvel 15

PROJECTOS E ACTIVIDADES

a ponTe


PROJECTOS E ACTIVIDADES

Jornal

Escolar

do Agrupamento

de

Escolas

de

Milheirós

Projecto Segurança

O Projecto Segurança foi implementado na nossa escola no presente ano lectivo. O objectivo é incutir nos alunos, desde os primeiros anos de vida, hábitos seguros e comportamentos preventivos. Todos nós sabemos que muitos acidentes se devem à negligência, à irresponsabilidade e à falta de civismo. Portanto, a aula de Formação cívica assume um lugar de reflexão sobre as múltiplas temáticas no que diz respeito à segurança e protecção civil. Para além disso, a dimensão do tema permite também uma abordagem multidisciplinar que poderá traduzir-se em aprendizagens diferenciadas dos nossos alunos. As actividades desenvolvidas até ao momento foram de sensibilização e consciencialização de que existem fenómenos naturais e situações do quotidiano que podem culminar em acidentes, por vezes trágicos. Os alunos dos diferentes anos lectivos encetaram trabalhos/actividades dos diversos domínios da Segurança e enquadrados nos respectivos Projectos Curriculares de Turma. Pretende-se, assim, que todos os trabalhos sejam divulgados na festa do Agrupamento. Numa segunda fase, a equipa do Projecto Segurança prevê orientar no sentido da formação. Com a colaboração dos Bombeiros, gabinete de protecção civil e serviços de segurança pública -Escola Segura, agendar-se-ão, se possível, algumas acções de formação para os diferentes sectores da comunidade educativa. Entretanto solicita-se uma reflexão sobre o Relatório de Avaliação do exercício de Evacuação. Estes exercícios são imprescindíveis nas escolas e devem ser feitos com alguma regularidade. Para tal, têm de ser interiorizadas as instruções de evacuação e corrigidos os nossos comportamentos. Viva em segurança e terá seguramente uma vida melhor! A equipa do Projecto Segurança Docentes: Cristina Peixoto, Helena Oliveira, Goreti Rocha

de

Poiaresa

a ponTe

PROJECTO DE SAÚDE Jornal de Parede

A nossa escola criou um jornal de parede no âmbito do projecto «Saúde e Alimentação». O primeiro tema do nosso jornal foi «Gripe». Nós pesquisamos, recolhemos informações e panfletos em farmácias. Fizemos desenhos e fixamos no jornal. Com este trabalho, aprendemos e relembramos causas, consequências e como prevenir esta doença de Inverno. Além deste tema, já trabalhamos o tema: «Parasitas», o trabalho decorreu da mesma forma. Toda a escola está envolvida nesta actividade, nós achamos muito interessante porque estamos a pesquisar e a aprender de uma forma «divertida» sobre temas interessantes para a nossa saúde. O Jornal de Parede está exposto nos nossos halls de entrada e acessível a toda a comunidade escolar. Todos podem acrescentar mais alguma informação. Para este mês de Janeiro vamos trabalhar o tema Higiene Oral». Alunos 4º ano Escola E.B.1 de Pigeiros

Ciclo de Seminários “Educação para a Prevenção das Alterações Climáticas”* No passado dia 12 de Dezembro, no âmbito das Olimpíadas da Energia, projecto a que a escola aderiu, decorreu um seminário “Educação Para a Prevenção das Alterações Climáticas”, com o objectivo de sensibilizar a comunidade escolar para as causas e efeitos das alterações climáticas, bem como o papel que cada um pode ter na sua prevenção. O seminário foi destinado a alunos do 9º ano e a sessão foi dinamizada pela DRª Cândida Rocha, docente da Universidade Católica do Porto e técnica da EDV Energia e contou também com a presença de Gisela Castro da EDV Energia. O ciclo de seminários está a percorrer nas escolas do Entre o Douro e Vouga. Estes seminários decorrem no âmbito do Programa Gulbenkian Ambiente, da Fundação Calouste Gulbenkian e têm como objectivo a sensibilização da comunidade escolar do EDV para as alterações climáticas, as suas causas e efeitos, bem como para o papel que cada um pode ter na sua prevenção. Tem sido debatida a relação das alterações climáticas com temáticas como a energia, os resíduos e a eco-eficiência. A Coordenadora de Projectos: Professora Goreti Rocha

Actividade Five O´Clock Tea A turma do 9ºC realizou na disciplina de Inglês, no âmbito do Projecto Curricular de Turma, uma pequena exposição com postais, mapas, revistas e artesanato típico do País. Esta actividade teve como objectivo a sensibilização da comunidade educativa para os hábitos e costumes Ingleses. Por parte dos alunos, houve um grande envolvimento na confecção dos scones e compotas. 16


Jornal

Escolar

do Agrupamento

de

Escolas

de

Milheirós

de

Poiaresa

FEIRINHA DA ALIMENTAÇÃO

O Jardim-de-infância de Igreja - Milheirós de Poiares, no dia 16 de Outubro de 2007,realizou novamente a sua já afamada “ FEIRINHA DA ALIMENTAÇÃO “, que decorreu entre as 9.30h e as 18.00h, bem no centro da nossa freguesia. Para o êxito desta iniciativa contamos com a preciosa colaboração, empenho e dinamismo da Associação de Pais, famílias e amigos do nosso Jardimde-infância, que se disponibilizaram para planificar e organizar este evento, pelo qual toda a freguesia aguarda, atendendo à qualidade e variedade dos nossos produtos. A verba angariada destina-se a custear um “sonho nosso” - conhecer o Zoo e o Oceanário de Lisboa - e com a cooperação entre Jardim-de-infância/Associação de Pais/ Famílias e Comunidade, estamos certas que iremos concretizá-lo! Agradecemos a todos os que nos ajudaram!!! Jardim-de-infância de Igreja Milheirós de Poiares

ATCHIM… Durante o 1.º período, fizemos muitas pesquisas acerca da gripe. O que é, como a apanhamos, como se trata, etc. Com as informações que recolhemos, decidimos fazer um folheto informativo para distribuir pelas escolas do Agrupamento e pelos nossos pais. Esperamos que este trabalho venha a ser útil para todos. Não queremos ouvir ninguém dizer… ATCHIM!!!!! Alunos do 1.º e 2.º ano Escola E.B. 1 do Carvalhal

UM “ABRAÇO" À SOLIDARIEDADE Num gesto de solidariedade e imbuídos do espírito de entreajuda, catorze alunos do 8ºB, da Escola E.B. 2,3 de Milheirós de Poiares, participaram no XII Peditório Nacional da Associação "Abraço" – Associação de Apoio a Pessoas com VIH/SIDA. Este peditório, que decorreu de 29 de Novembro a 3 de Dezembro últimos, destinou – se à angariação de fundos destinados ao prosseguimento dos projectos da referida associação. Por este gesto de Solidariedade Por este gesto de Cidadania O meu/nosso Muito Obrigado… A professora de Estudo Acompanhado e Coordenadora do Projecto de Saúde do Agrupamento Suzana Duarte

ABÓBORAS Cultivadas em todo o mundo, as abóboras fornecem polpa e sementes comestíveis. A polpa pode ser assada ou cozida, usada em sopas ou ensopados ou tornar-se recheio de ravioli compota, bolo… As abóboras, como todos os vegetais de pigmentação alaranjada, são ricas em betacaroteno, vitamina C. Contêm grande quantidade de vitamina A, que é indispensável à vista, conserva a saúde da pele e das mucosas, evita infecções e auxilia o crescimento. Possuem, ainda, niacina, que faz parte do complexo B, cuja função é evitar problemas da pele, do aparelho digestivo, do sistema nervoso e reumatismo. Tem cálcio e fósforo, que participam na formação dos ossos e dentes e na construção muscular. As suas sementes são consideradas suplementos proteicos e são muito apreciadas em algumas regiões.

RECEITAS Coelho na abóbora Ingredientes: 1 abóbora grande; 1 coelho grande; 1 cebola; 3 dentes de alho; 1 raminho de salsa; 2 dl de vinho branco; sal, pimenta; alecrim e tomilho q.b. Preparação Limpe e corte o coelho aos pedaços e tempere-os com sal e pimenta. Coloque-o numa tigela e regue com o vinho. Junte os alhos pelados e picados, a cebola pelada e cortada às rodelas, o raminho de salsa e polvilhe com um pouco de alecrim e tomilho. Corte uma tampa à abóbora e muito cuidadosamente retire todas as sementes e filamentos, deixando a polpa. Leve ao lume os pedaços de coelho juntamente com a marinada e ferva por oito minutos aproximadamente. Retire do lume, elimine o raminho de salsa e coloque tudo o resto dentro da abóbora. 17

SAÚDE E ALIMENTAÇÃO

a ponTe


SAÚDE E ALIMENTAÇÃO

Jornal

Escolar

do Agrupamento

de

Escolas

de

Milheirós

de

Poiares

a ponTe

Tape esta com a própria tampa que recortou e leve ao forno até acabar de cozer o coelho. Rectifique os temperos antes de servir. Creme de abóbora Ingredientes: 500 g de abóbora; 300 g de batatas; 2 alhos franceses; 1 cebola; um litro e meio de água; 4 colheres de sopa de azeite; sal q. b. Preparação: Limpa os alhos franceses, lava bem em água corrente e corta em rodelas finas. Descasca, lava e corta a abóbora, as batatas e a cebola em pedaços médios. Põe a ferver a água com sal numa panela e quando estiver a ferver junta as hortaliças. Deixa cozer durante cerca de 20 minutos até as hortaliças estarem macias. Tritura e tempera com azeite. Serve quente. Trabalhos elaborados por: Ariana, João Costa, João Alves, Miguel Costa, Tony Rodrigues, Nelson Oliveira do 6º A e Jessica do 6º C.

1 de Dezembro - Dia Mundial de Luta contra a transmite e como evitar o seu contágio. SIDA

Pedro Oliveira, 9º A

As pessoas portadoras do VIH ou doentes de SIDA não são diferentes de nós. Têm sentimentos, fazem as mesmas coisas, têm uma vida normal ou quase normal, como nós. Não “Fidelidade, a verdadeira resposta contra a SIDA” devemos discriminar essas pessoas, porque elas precisam Sim! Este foi o nosso lema, para comemorarmos de uma de ser tratadas com muito carinho e merecem uma atenção maneira especial, o Dia Mundial de Luta contra a SIDA, que especial. Andreia Almeida, 9º A se realizou na nossa escola no dia 30 de Novembro. Com a orientação da professora de Ciências Naturais dos 9º Anos, Ana Cristina Sá, aprofundamos nas aulas o tema relacionado com a SIDA e o valor da fidelidade na manutenção de um relação de confiança e, neste caso, também de prevenção da doença. Combinamos virmos todos vestidos com uma camisola branca ou preta e colamos nas nossas camisolas o nosso lema. Durante todo o dia os nossos colegas, professores e funcionários liam com atenção a frase, alguns faziam as suas observações, outros pensavam sobre o assunto. Penso que conseguimos passar a mensagem. Elaboramos um grande cartaz que foi afixado no átrio de entrada. Este cartaz resultou num pequeno jogo lúdico, com várias palavras para completar pelos alunos da escola que por ali passavam e observavam. Concluído o jogo, resultava daí uma frase escrita na vertical que dizia: “ Também falamos de amor quando falamos de SIDA”. Outros trabalhos e panfletos foram expostos para dar a conhecer aspectos da doença relacionados com os comportamentos de risco e modos de prevenção. O nosso lema

Bárbara Pinho, 9º A

Concordo com o nosso lema, porque apesar de falarmos constantemente do preservativo para prevenir a SIDA, a fidelidade mútua é de certeza o mais seguro e fiável. Este lema leva-me a concluir que antes de nos envolvermos com alguém, devemos conhecê-lo/a muito bem para que o nosso momento de prazer, mais tarde não se transforme num pesadelo incurável. Cláudia Daniela, 9ºA

É importante usar o preservativo como meio de prevenção, mas nunca esquecendo que a fidelidade continua e continuará, sempre, a ser o meio mais infalível, na luta contra a propagação da doença. Hugo Cardoso, 9ºA

Acho que a mensagem foi passada, que conseguimos atingir o pretendido e ficamos todos contentes com esta actividade. Fiquei a perceber mais sobre a SIDA, o que é, como se 18


Escolar

do Agrupamento

de

Escolas

de

Milheirós

de

Poiaresa

O Carnaval está à porta e os “Crêpes” estão de volta à tua escola! Os sintomas da constipação são limitados às vias respiratórias Em Fevereiro, para comemorar a “Chandeleur“ à francesa, superiores. A gripe não é a mesma coisa da constipação. A os Professores de francês convidam-te a visitares a gripe é uma doença infecciosa aguda das vias respiratórias, “Crêperie” de Milheirós. Já estás com água na boca ??! alors… aqui está a receita causada pelo vírus da gripe. para experimentares ! Bonne Chance !!!

A GRIPE

O PORQUÊ (causas) · Vírus influenza · Por contágio · Aglomerados em ambientes fechados · Tosse e espirros COMO SE PREVINE · Não contactar pessoas com gripe · Vacina da gripe--Prevenção S------------------aparecimento súbito de febre alta. I------------------mal estar nasal N-----------------calafrios (arrepios de frio) T------------------congestão nasal O-----------------dores de garganta M ----------------tosse seca A------------------dores musculares e articulares S Nas crianças: -perturbações gastrointestinais (vómitos, náusea, enjoos) – dores abdominais --prostração (ficar mole, cansado) Alunos do 4ºano de escolaridade Escola E.B.1 de Goim - Romariz

Escrita criativa Os ANAGRAMAS:

- Quantas palavras podem ser escritas com as seguintes cinco letras – PRTOA? Certo dia, Fiel ia para a tropa quando assistiu a um rapto. Uma mulher tinha sido levada por dois ladrões ao tentarem tirar-lhe a filha. Como não conseguiram, levaram a própria senhora Ao fugirem, uma potra que ali passava colocou-se à frente do carro e acidentaram-se. A senhora conseguiu fugir e os dois assaltantes ao correr para se esquivarem, acabaram por escorregar num prato sujo de comida, e ficaram feitos num trapo. Uma senhora grávida que ali passava, com o susto, entrou em trabalho de parto. O Fiel, para ajudar a senhora, pegou nela ao colo, correu rapidamente para o hospital mas, à entrada, a porta não abria e a senhora teve ali mesmo o filho.

SAÚDE E ALIMENTAÇÃO

Jornal

«A moeda antiga» Nas ruínas de uma casa muito, muito antiga, morava uma moeda do tempo dos Reis. Essa moeda já tinha perdido a esperança de concretizar o seu sonho… Ela sempre sonhara sair dali, correr o mundo e ficar muito famosa. Um dia, o herdeiro daquela casa decidiu reconstruí-la. Nas limpezas das ruínas, os operários encontraram a moeda que apesar de muito suja possuía um brilho muito especial!... O herdeiro resolveu investigar sobre a moeda e também avaliá-la. A moeda ao ouvir falar dela, sentiu-se muito feliz, esperançada e pensou: - Afinal parece que não vou ficar para aqui abandonada! A esposa do herdeiro levou-a no bolso e resolveu levá-la a um museu. Naquele museu, estava a decorrer uma exposição de moedas antigas. O responsável pela exposição, quando viu a moeda, disse: - Minha senhora, essa moeda é uma das mais procuradas do Mundo! Onde a encontrou? - Isso é uma história muito longa, depois lhe conto… - O mais importante, neste momento, é poder partilhar esta preciosidade. E assim foi… A moeda conseguiu realizar o seu sonho percorrendo vários museus e exposições por toda a Terra.

Alunos do 3º ano de escolaridade Escola E. B. 1 Goim - Romariz

Alunos do 4º Ano A Escola E.B. 1 Igreja - Romariz

O Rei comia livros Um casal estava à espera do comboio, mas ele nunca mais chegava. Junto deles, estava uma criança. A senhora perguntou-lhe se sabia ler e escrever. Ela respondeu que sim. Então, contaram-lhe a história de um rei que comia livros. A história começa assim: «Era uma vez um rei que só comia livros. Certo dia, Vocabulário chegou ao reino e disse muito triste: - Ai que desgraça a minha! O rei comeu os livros todos, e assim já não podemos aprender a ler. No dia seguinte, o rei mandou chamar Fiel, a empregada estimada do rei, para lhe mandar buscar mais livros. Vocabulário 19

A MAGIA DAS PALAVRAS

a ponTe


Escolar

do Agrupamento

de

Escolas

A MAGIA DAS PALAVRAS

Jornal

de

Milheirós

de

Poiaresa

a ponTe

ficou cada vez mais preocupada e pensou abrir a barriga ao rei como a história do capuchinho vermelho ficar adormecido como a história da Bela Adormecida. Mas achou que não ia dar certo e desistiu da ideia. Certo dia, a empregada ficou constipada e dava uns espirros tão fortes que o rei até saltava e o rei muito preocupado mandou-a para a cama com medo de ficar também constipado. Mandou chamar outra empregada. Vocabulário, esperta, disfarçou-se e tentou enganar o rei levou-lhe um contrato para ele assinar. Como o rei não sabia ler nem escrever, ficou desconfiado e disse: - Para o que é isto? - Isto é um contrato para o senhor assinar. – Disse Vocabulário. - Senhor rei por acaso sabe ler? Perguntou Vocabulário. -Me-me-me-me .... Gaguejou o rei fugindo sorrateiramente para seus aposentos. Vocabulário decidiu mandar o rei para a escola aprender a ler e a escrever. O rei deixou de comer livros , que até ficou mais magro . Lá ao longe ouvia-se o comboio. - Meu Deus! Temos que nos despachar ou perdemos o comboio.» Vitória , vitória acabou a história

Alunos do 3º ano de escolaridade Escola E. B. 1 de Goim - Romariz

A HORTA A nossa horta é um quadrado feito de paus. Tem terra, flores e amores perfeitos. Semeámos ervilhas, feijão, e milho. Os morangos já nasceram. Eu vi folhas de couve e alface. Os girassóis crescem mais. Nós regamos e tiramos ervas. Quem toma conta da horta é o sapinho, mas ele foge, às vezes. Jardim de Infância Bajouca - Pigeiros

O Vale das Neves

Invejo (Poema à maneira de João Pedro Mésseder)

- Invejo as paredes do quarto. - Invejo as nuvens do céu. - Invejo a terra. - Invejo as folhas das árvores. - Invejo o meu coração de homem. - Invejo a cor do arco-íris. - Invejo a neve, branca. - Invejo o canto dos pássaros. - Invejo o Outono da serra. - Invejo os meses do Ano. - Invejo o barulho da fonte. - Invejo o meu jardim. - Invejo a noite de lua cheia. - Invejo a água a correr. - Invejo aquele campo de flores. - Invejo a Natureza. - Invejo o chupa do meu amigo. - Invejo o rosto da minha amiga. - Invejo a raíz da árvore. - Invejo as ondas do mar. - Invejo os peixes no aquário. - Invejo o calor do Verão. 20

No tempo em que os gatos corriam atrás dos cães havia muita confusão… Alunos do 3º ano de escolaridade Como a princesa estava muito aborrecida com Escola E. B. 1 Igreja - Romariz tamanha barulheira resolveu tomar medidas… foi ao Vale das Neves pedir ajuda. - Invejo as flores bonitas. E o que é que ela lá encontrou? - Invejo os lápis de cor. Um malvado e terrível feiticeiro. - Invejo as pedras cinzentas. Como a princesa estava assustada nem tinha - Invejo a alegria da Primavera reparado no anão que estava escondido num - Invejo as cores da abelha. - Invejo as meninas que são más canto. Para ajudar a princesa, o anão fez uma rasteira para os outros. ao feiticeiro que foi a rolar pela montanha - Invejo as casas do vale. abaixo. Pegou na princesa, montaram no seu - Invejo a bandeira de Portugal. cavalo e regressaram a casa. - Invejo os golfinhos a brincar. Pelo caminho, encontram uma espada sagrada. - Invejo o sino a tocar. Quando chegaram, a princesa e o anão - Invejo o pinhal do monte. ofereceram a espada aos cães e aos gatos, os - Invejo o nevoeiro sem o ver. quais prometeram portar-se bem e nunca mais - Invejo o barulho da chuva. - Invejo o brilho das estrelas. andar à luta. - Invejo o cheiro das flores. Trabalho colectivo do projecto «Avental de Histórias» - Invejo as bolas de futebol. 2º ano de escolaridade A - Invejo a minha roupa. Escola E. B. 1 igreja – Milheirós de Poiares - Invejo o gorila. - Invejo o som das andorinhas. - Invejo o mundo. - Invejo o tempo que tudo me faz invejar. Alunos do 3º ano de escolaridade Escola E. B. 1 de Goim - Romariz


Jornal

Escolar

ABC dos Afectos Amizade é uma pessoa amiga Carinho significa amor Solidariedade é ajudar alguém necessitado Amor é uma paixão Ternura é uma pessoa meiga Felicidade é estar muito feliz Paixão é uma lindíssima palavra. Generosidade é partilhar com todos Orgulho é ter vaidade em alguém Meiguice é fazer festas a quem gostamos Namoro é como a Primavera Bondade é ajudar necessitados Poema colectivo dos alunos do 4º ano B Escola E.B. 1 Igreja – Milheirós de Poiares

Solidão A solidão permanece em cada um de nós. Uns com mais, outros com menos, que predomina este carácter da vida. Solidão é um «sentimento» muito aflitivo. Perdemos a auto-estima, a força de viver… Parece que ninguém nos liga, ninguém partilha, deixamos por completo o que mais nos anima, A relação entre as pessoas, uma boa conversa. A solidão comparece quando, cada vez mais, nos oprimimos e guardamos tudo para nós. Sem qualquer género de diálogo O que faz adoecer por completo o nosso interior psíquico. Por um lado é bom Confrontarmo-nos com a solidão. Reflectimos naquilo que fizemos e que deixamos de fazer. Reconhecemos, tentamos mudar. A solidão não está só na presença física, é também psicológica. A solidão é como a noite. É precisa para o nosso bom funcionamento. Mas se houvesse sempre noite Os seres não cresceriam. Cláudia Santos, nº8, 9º A

do Agrupamento

de

Escolas

de

Palavras As palavras são um elemento caracterizador de cada ser humano. Descrevem a sua maneira de ser, o seu agir… As palavras são um espelho. Cada um fala da maneira que sabe, mal ou bem, têm sempre o mesmo significado. É como existir várias línguas, mas todas significam o mesmo. Amor, raiva, inveja. Existem palavras que não se ouvem, sentem-se. Para isso é preciso ter um sentido muito apurado. Podem classificar-se as palavras quanto à maneira como são ditas. Palavras arrogantes são aquelas que são ditas por dizer, não têm sentimentos. Palavras mesquinhas: Rancor, ódio, desprezo. As mais cruéis, muitas outras classificações. Mas as palavras são como um caminho. Cada minuto, segundo, ano e mês que passa vamos aprendendo mais uma.

Milheirós

de

Poiaresa

Escola,tenho de ir embora. sabes que vou ter saudades tuas? como tenho de ir embora outros miúdos vêm para aqui! Logo que eles venham para aqui, vais achá-los simpáticos! Achas que sim? Eu acho que sim! Bem, eu tenho mesmo que ir para outra escola! 1 dia vais perceber porque eu vou para a outra escola. Pereiro, Pereiro Escola do meu coração! Relembro tudo o que fiz Eu não vou para longe Eu não sou meio esquisito Rato, ratinho e ratão Pois escrevi com o coração. Vasco Araújo EB1 do Pereiro - Milheirós de Poiares

A MAGIA DAS PALAVRAS

a ponTe

É linda a minha escola Sagrada como um sol Crianças com a sua sacola Ó que linda, ela está Lá estamos felizes Áh! Coisas maravilhosas E a alegria está no ar Bem, eu não me esqueço dela 1 tesouro achado

Pois eu não queria deixar a minha escola E de professora vou mudar Raínha da nossa escola O seu significado, É a nossa professora fundamento. Isto é de arrasar De maior importância é colocá-las Raras são algumas jóias, por isso, no devido momento, no contexto temos que estudar certo. Porque quando não são bem utilizadas Orgulho-me da minha escola pois dela me vou lembrar podem adquirir outro sentido, bom ou mau. Filipa Alexandra Mas tudo depende de cada interpretação, de cada mente e do que vai na cabeça de cada um. Assim, nunca desistir de saber uma boa palavra. Porque há momentos que parece que são indescritíveis. Mas não, nós é que não sabemos palavras para o fazer.

EB1 do Pereiro - Milheirós de Poiares

Cláudia Santos, nº8, 9º A

21


A MAGIA DAS PALAVRAS

Jornal

Escolar

do Agrupamento

Primavera

de

Escolas

Verão

de

Milheirós

de

Poiares

Outono

a ponTe Inverno

Vi um pardal, estava contra a mão. Na A29, bateu contra um camião.

O verão é sempre a curtir os dias passo-os na praia, o melhor é que fico a ver as raparigas a passar de saia.

Por causa do frio, ninguém se despe excepto as árvores porque lhes apetece.

Dentes a tremer, frio total, só o que nos pode aquecer é a alegria do Natal.

Ele mesmo voava, sem os documentos do veículo. Foram-lhe apreendidas as penas, e a parte da frente do bico.

Passamos o verão na praia ardente, com os amigos a beber diluente.

Não gosto desta estação, nem eu nem o meu irmão porque há muita desarrumação e folhas pelo chão.

Depois do Natal, vem a passagem de ano noite fora com os amigos, com lentidão de alentejano.

Estou de férias, na piscina a nadar, tenho tudo o que preciso para me refrescar.

Estou triste porque as aulas vão começar, grande seca, preferia-me matar

Chuva e trovões noite e dia nem sequer posso sair de casa por causa da ventania.

Uma rosa vermelha, com espetos no ar. Dei a quem queria só para aleijar. Visualizei um pardal, que não tinha uma asa. Só podia estar no beiral, da minha linda casa.

Não consigo inventar Poucas férias, mais poemas para esta aulas a mais, estação, isto é injusto, vou me queixar aos meus vamos passar à próxima e ver se há mais diversão. pais.

Não posso imaginar um sem abrigo a viver, porque na noite de Natal não tem ninguém para conviver.

Ricardo, 7ºC, nº 18

Ricardo, 7ºC, Nº 18

Ricardo, 7ºC, Nº 18

À maneira de João Pedro Mésseder

Ricardo, 7ºC, Nº 18

Como uma pintinha de lápis Andar numa tela …grande Poder viajar pelo mundo Como um gigante Andar a volta de Plutão Quem me dera ser… Daniela Poder andar nos sítios mais …pequenino perigosos … pequenino Como micróbios. Como uma formiga. Andar em buracos Jorge Ricardo …pequenino Andar a saltar nas pétalas Poder ver o mundo em Como um bebé das flores grande. …grande Andar de gatinhas e Poder conversar com as Miguel Como uma girafa Poder brincar para sempre. borboletas Alexandre Andar a espreitar um sótão Ana …pequenino duma casa Sara Patrícia Catarina Como uma formiga Poder tocar nas estrelas. …pequenino Andar em todo o lado …pequenino Como uma gota de água Poder brincar sem ninguém Vitoria Andar nas águas do mundo Como uma mosca me ver Poder nadar sem me afogar. Andar no ar …grande Poder voar sem asas Andreia Luísa Como um gigante …pequenino Andar devagar e no mar… João …pequenino Como um ponto final. Poder nadar! Como uma castanha Andar nas frases Diana …pequenino Andar no chão Poder conhecer os meninos Andar lá no cimo da árvore. Explorar os bichinhos que da escola. …grande andam na terra Como um gigante. …pequenino Mariana Andar em países com cor. Como um insecto. Marcelo …grande Poder pentear as montanhas. Andar na terra e Como a Torre Eiffel, Maria Poder espreitar tudo lá de …pequenino Andar devagar baixo. Como uma unha Poder dar a volta ao mundo …grande Andar sem ninguém me roer só com um passo. Como um gigante Adriana E poder ser pintada. Andar sem parar Miguel Isolino Poder mandar no imenso mar! …pequenino Cristiana …grande Como uma girafa Micaela Como uma mosca de 10000m Andar a voar pelas fechaduras Como uma pulga Andar na terra. Texto à maneira de João Pedro e Andar em cães, gatos… Mésseder Poder observar os planetas. Poder pousar nas pessoas e Poder conhecer muitos 4ºAno A – Escola EB1 da Igreja descansar. animais. Milheirós de Poiares Ana Lia FranciscoComo um pássaro. Poder voar e piar. …pequenino Alexandre Cátia 22 …pequenino Como as formigas Andar por todos os lados Poder entrar em coisas pequenas. Jorge Miguel


Jornal

Escolar

do Agrupamento

de

Escolas

de

Milheirós

de

Poiaresa

Foi divertido!

AMIZADE

A MAGIA DAS PALAVRAS

No dia 10 de Janeiro, os alunos das duas turmas, do 1º ano de escolaridade da Escola E.B.1 de Igreja de Milheirós de Poiares participaram num atelier de Artes promovido pelo Centro de Recursos Educativos de Lobão, no qual relembraram a tradição da Festa das Fogaceiras. Tiveram a oportunidade de decorarem vestidos reutilizando materiais que os alunos levaram. Para além deste trabalho, também pintaram fogaças e outros desenhos ilustrativos do feriado concelhio.

Uma amizade pura e verdadeira nem com a ausência é destruída; vive no coração pela vida inteira e dá felicidade, quando vivida.

Com adjectivos apenas Quero eu caracterizar Os meninos da minha sala E um bom ano desejar

Alunos do 1º ano de escolaridade - Turma A e B Escola E. B. 1 Igreja – Milheirós de Poiares 1º ano A

A MAGIA DAS PALAVRAS

a ponTe

É preciso dar e receber no mundo da amizade; oferecer mais do que receber: Esse é o segredo da grandiosidade! Crescimento constante nessa amizade enobrecida, na caminhada incessante da descoberta da vida! Tânia Santos - 8º D

Poema da fantasia Sobe passarinho Até ao Mundo da Fantasia Onde encontras um caminho. Que te leva à magia. 1º ano B

Vês ali uma pessoa no ar Com grandes asas claras Um carro a navegar A fazer ondas bravas Quando a noite aparece Tudo fica iluminado Vem o diabo que escurece E fica o sonho apagado. André Leite - 8º C

Jardim-de-infância de Pereiro - Educadora: Maria dos Anjos Alves

No dia 20 de Novembro, fomos à Casa da Música ao Porto. Quando lá chegámos, um Sr. Chamado Paulo Neto recebeu-nos muito bem e iniciámos a actividade. Espreguiçando-nos. O Sr. Paulo perguntou se já conhecíamos a história do “Pedro e o lobo”. Ele perguntou-nos também o nome das personagens da história. Nós respondemos que as personagens eram o Pedro, o lobo, o passarinho, o pato, o gato, o avô e os caçadores. A seguir, nós imitámos as 7 personagens com músicas de fundo tocadas no piano pelo Paulo. Com a ajuda do Paulo, inventámos também gestos de acordo com as personagens e com os ritmos das músicas. Depois fizemos um jogo em que tínhamos de repetir uma lengalenga e voltar a repetir sem algumas palavras. Como nos enganámos, falhamos a etapa. A Cátia e a Marta fizeram duas equipas em que a da Marta eram os gatos e a da Cátia eram os passarinhos e depois foi ao contrário. Por fim vimo-nos no ecrã a fazer as actividades e depois subimos num elevador grande. Nós gostamos muito da actividade porque foi educativa, interessante, espectacular, engraçada, mexida, divertida, pedagógica... Texto colectivo dos alunos dos 3º e 4º anos Escola E.B. 1 de Carvalhal - Romariz

À DESCOBERTA

A ida à Casa da Música

A fogaceira

Nós, os meninos do 1.º ano da E.B.1 de Pigeiros, fomos de autocarro a Lobão, ao Centro de Recursos para participar no projecto “Artes”. Este projecto tratava da reprodução do vestido das meninas “Fogaceiras”. 23


Escolar

do Agrupamento

À DESCOBERTA

Jornal

de

Escolas

de

Milheirós

de

Poiares

a ponTe

O nosso trabalho foi realizado em esferovite. Visita de estudo a ÓBIDOS Também ilustramos uma fogaça. O projecto foi muito interessante e nós No passado dia 16 de Fevereiro, realizou-se uma visita de estudo levada a gostamos muito. cabo pelos alunos do curso de adultos EFA, da escola E,B de Milheiros de Alunos do 1.º Ano E.B.1 Pigeiros Poiares à Feira do Chocolate de Óbidos, para complementar o tema sobre alimentação desenvolvido pelos alunos da turma A do referido curso. Com esta visita, tivemos a oportunidade de observar o manuseamento do chocolate, desde a colheita, até às mais diversas formas de ser apresentado. Observamos métodos de trabalhar o chocolate com demonstrações ao público e um concurso de chocolate de vários pontos do país, com fabulosas esculturas com diversos motivos. Nesta feira, estavam expostos vários pavilhões onde diversas marcas conhecidas e outras menos conhecidas ofereciam provas e vendas de chocolate nas mais variedades formas como: bombons, barras de chocolate, bolos e outros. A feira oferecia-nos ainda, uma animação muito particular com animadores espalhados por entre os visitantes com diversões relacionadas com o tema do chocolate. Esta visita deu-nos também a possibilidade de conhecer Óbidos, principalmente o seu ponto turístico mais emblemático: O CASTELO. Toda a feira se realizou dentro das suas muralhas, dando a conhecer ao visitante todo o esplendor de uma remota vila medieval. As casas pequenas, pintadas de branco alinhadas ao longo de ruelas estreitas, formam um pequeno labirinto onde, em alguns casos, ainda é possível habitar. Noutros, as casas foram aproveitadas para lojas de artesanato onde é possível encontrar diversos produtos de bordados, cerâmica, carpintaria, além dos famosos licores de Óbidos, entre os quais o famoso licor de Ginja, servido em pequenos copos de chocolate, também eles comestíveis depois de ingerir o seu conteúdo. O Garoto Galáctico Esta visita de estudo tinha como finalidade aprofundar o conhecimento sobre chocolate, o seu fabrico e a sua utilização, o que foi atingido com No início do mês de Dezembro, nós, alunos sucesso. do 2º Ano Turma B da Escola E.B.1 de IgrejaAlém disso, deu-nos a oportunidade de convivermos, de nos conhecer Milheirós de Poiares, fomos ver o filme “ O melhor. Garoto Galáctico”, na Biblioteca Municipal de Esperámos que esta experiência se repita mais vezes!!! Santa Maria da Feira. Foi um momento muito agradável. Para recordar esse acontecimento, a Ana Raquel fez este desenho. Escola E. B. 1 Igreja - Milheirós de Poiares

24


Jornal

Escolar

do Agrupamento

de

Escolas

Cláudia - 2º ano de escolaridade Escola EB1 Pigeiros

Milheirós

de

Poiaresa

Os alunos do 9º C apresentaram uma mesa de Natal com doces tradicionais alusivos à quadra natalícia, no dia treze de Dezembro, pelas quinze horas e trinta minutos, no Lar Dr. Crispim Borges. Esta actividade, enquadrada no PCT, deu seguimento a outras do género levadas a efeito em anos anteriores e teve como objectivo principal transmitir gestos de solidariedade e carinho às pessoas idosas e, por outro lado, consolidar aos alunos os valores da humanidade. Ainda no âmbito desta actividade, estes mesmos alunos elaboraram pequenas lembranças para oferecer aos idosos do Lar, como forma de perdurar, para além daquele momento, os valores enunciados.

O Magusto da Escola Na minha sala de aula eu e os meus amigos fizemos um cartucho. Na sexta-feira, a minha professora pôs no computador a lenda de S. Martinho. A senhora Alice pôs a assar castanhas num cantinho da escola. Os meninos do A.T.L. e os meninos do jardim de Infância vieram aqui e brincamos todos juntos. E algumas castanhinhas vieram da padaria a saltitar com o sal à volta delas. A senhora Alice encheu os dois garrafões de sumo de laranja e as professoras dos pequeninos também. A senhora Alice quando fez a fogueira estava muito calor e eu fiquei muito quente. O magusto da escola foi muito divertido, eu gostei muito. Eu enfeitei o cartucho para ele ficar muito bonito e enfeitado. Este dia foi muito especial para mim!

de

Halloween No mês de Outubro, foi-nos proposto pela professora de Inglês, Ana Bastos, fazermos um trabalho sobre o Halloween, máscaras e/ou chapéus alusivos. Esse trabalho foi entregue e avaliado pela professora. Depois, todos os trabalhos foram para a Biblioteca, para serem expostos e vistos pelos alunos e professores da E.B.2,3 de Milheirós de Poiares. Os trabalhos estavam interessantes e engraçados. Os alunos tiveram criatividade e interesse pela actividade que foi feita pelos alunos das turmas A, B, D e E do 6ºano. Gostámos muito de fazer este trabalho e esperámos ter mais oportunidades destas.

PROJECTOS E ACTIVIDADES

a ponTe

Trabalho realizado por Rita, Sara Isabel, Vanessa, 6ºD

Desde a formação de Portugal no século XII, que o nosso país foi governado por reis. Teve início a Monarquia com o 1º rei de Portugal D. Afonso Henriques, o conquistador e acabou com o rei D. Manuel II, o patriota, em 1910, no dia 5 de Outubro. Este dia passou a ser feriado nacional. A partir de 1910, passou a haver presidentes da República. As pessoas estavam descontentes e contra a Monarquia porque não gostavam de ser governadas por reis com ideias extravagantes, doentes, que as tratassem mal, que se deixassem influenciar pelos outros... Na Monarquia, o rei governava toda a vida e na República o presidente preside durante 5 anos e é eleito pelo povo através de voto. Passou a haver a Assembleia da República onde são discutidos os problemas do país. A bandeira azul e branca deu lugar à bandeira verde e vermelha da República e Henrique Lopes de Mendonça e Alfredo Keil inventaram o nosso hino Nacional que se chama “ A Portuguesa” em 1891. Texto colectivo dos alunos dos 3º e 4º anos Escola E.B. 1 de Carvalhal - Romariz

Dia do animal No dia 4 de Outubro festejámos o dia do animal. O objectivo desta iniciativa foi chamar a atenção das pessoas para a necessidade de tratar bem os animais. Quando adoptamos um animal, temos de ter condições físicas, de afecto, de tempo e condições económicas para que o animal se sinta feliz em nossa casa. Para sensibilizar todas as crianças e as suas famílias, vieram à escola cães, uma catutua, um cágado, coelhos e cavalos. Esta actividade foi educativa e muito divertida. Trabalho elaborado pela turma do 3ºA E.B.1 da Igreja – Milheirós de Poiares

25

DIAS ESPECIAIS

A Implantação da República


DIAS ESPECIAIS

Jornal

Escolar

do Agrupamento

de

Escolas

de

Milheirós

de

Poiares

A DESFOLHADA

a ponTe

O avô do João Francisco convidou os meninos do Jardim de Infância de Goim a participar numa desfolhada. As espigas eram muitas e ao princípio foi bem divertido mas ao fim os meninos ficaram muito cansados. Depois de fazermos o “tiro à espiga”, as crianças deliciaram-se a atirar as folhas uns aos outros que espalhadas no chão pareciam um colchão. As crianças vieram cansadas mas satisfeitas. Obrigado ao avô do João e para o ano esperamos ser convidados outra vez. Jardim de Infância de Goim

Dia Mundial da Alimentação No dia 16 de Outubro de 2007, a Escola EB 1 Igreja – Romariz, comemorou o Dia Mundial da Alimentação. Com o objectivo de promover uma alimentação benéfica à saúde e rica em nutrientes indispensáveis ao organismo, os alunos, com a orientação dos professores, realizaram sobremesas saudáveis, das quais se destacam a gelatina e a salada de frutas. Assim, os alunos, ficaram a saber, não só como se preparam, mas também, algumas regras que se devem ter em conta aquando da preparação, confecção e ingestão e ainda a importância de alimentos como a fruta, para o crescimento das crianças. Os alunos adoraram a actividade e ficou a vontade de repetir.

Dia do Animal

Presépio ao Vivo Este natal foi vivido de forma diferente. Assim o digam as crianças do Jardim-deinfância de Goim. A pequena Margarida foi a Maria, o José foi o João Francisco e o menino Jesus foi a Joaninha, que com o seu gorro azul a taparmos seus cabelitos e com os seus pezinhos nus, deitada nas palhinhas ficou um autêntico e doce menino Jesus. A cabaninha, foi feita de canas, de serapilheira e no topo tinha uma linda estrela com luzes. Os restantes meninos foram os visitantes, que levaram prendas ao Menino. Em frente à cabaninha ajoelhavam-se e diziam: - Eu dou-te este brinquedo, para te distraíres – Ricardo Neves - Eu trago-te esta lenha, para aqueceres a tua cabaninha – Rute - Eu dou-te este pijaminha, para ficares 26

No dia 4 de Outubro, visitámos a Quinta Pedagógica Chão D’ Agra, em Aveiro, da Associação Regresso à Terra, para aprender um pouco mais sobre alguns animais, seus hábitos e costumes. Vimos, ouvimos, saboreamos, cheiramos e sentimos o campo e entre muitas actividades, a que gostamos mais foi a experiência a cavalo. Fomos buscar o cavalo à box, aprendemos a pentear as crinas, escovar o pêlo, limpar os cascos e depois de pronto... a montar. Jardim de Infância - Bajouca – Pigeiros

quentinho – Débora - Eu ofereço-te este carrinho, para tu brincares – Francisco Leandro - Eu trago-te estas luvas, para aqueceres as tuas mãozinhas – Inês - Eu ofereço-te esta bola, para apreenderes a jogar futebol – David - Eu ofereço-te esta caixinha de música, para dormires melhor – Daniela - Eu dou-te estas fraldas, para estares sempre sequinho – Eduarda - Eu ofereço-te este cobertor, para não teres frio – Vanessa - Eu trago-te estes carapins, para aquecer os teus pezinhos – Ricardo Miguel Os últimos visitantes foram os três reis magos, que vestidos com os seus mantos trouxeram presentes ao Menino: ouro, incenso e mirra. O Tiago


Jornal

Escolar

do Agrupamento

foi o Baltazar e foi caracterizado com a cor de pele castanha, o Francisco foi o Belchior e o Carlos o Gaspar. No fim, todos os meninos ficaram ajoelhados a recitar um pequeno poema ao Menino Jesus. O Presépio abriu e fechou em apoteose ao som da música “in Excelsis Dieu”. Todos os meninos estão de parabéns, porque viveram a emoção e a magia do que é o verdadeiro Natal. JARDIM DE INFÂNCIA DE GOIM

de

Escolas

de

Milheirós

de

Poiaresa

Como todos sabemos o Natal simboliza festa e alegria, mas também é uma época em que todos nos devemos lembrar daqueles que vivem com grandes dificuldades… Por isso, a Câmara este ano resolveu montar um Cabaz Gigante de Natal na Alameda do Tribunal para que pudéssemos contribuir e assim dar um Natal mais quentinho e feliz a todos os meninos e meninas. No dia 11 de Dezembro lá estava o autocarro na escola para nos levar até lá e… prepararam-nos várias surpresas. Foi uma manhã muito divertida e onde pudemos sentir o espírito de Natal. 2ºano Escola EB1 Pigeiros

A Festa de Natal do 7º A

O Natal dos Brinquedos

No dia catorze de Dezembro, ao final da tarde, a turma do 7º A apresentou uma festa de Natal aos pais e professores. Esta festa continha diversas actividades, nomeadamente danças, teatro, músicas e contos de Natal. Uma das danças foi preparada pela professora Dulce Branca e a outra inventada pelos alunos da turma. Depois, os alunos do Clube de Teatro da escola dramatizaram um Poema de David Mourão-Ferreira : “Natal e não Dezembro”. Por fim, assistimos à leitura dramatizada de um conto de Natal (ver texto ao lado), da autoria da nossa colega Natacha. A nossa festa terminou com um momento de partilha entre nós, professores e pais. Foi bom, gostávamos de repetir…

Era uma vez um velho que tinha uma loja de brinquedos. Nessa loja havia um urso de peluche que estava na montra ao lado de um comboio, uma boneca e um carrinho. Só faltava uma semana para chegar o Natal, os brinquedos estavam todos em pulgas, porque naquela época a maior parte dos brinquedos eram Patrícia , Liliana e Sara do 7º A comprados. Nessa mesma semana, o velho chega à loja com um brinquedo na mão, era uma boneca toda esfarrapada e suja, encontrada na neve no meio da rua. O velho leva-a para outra divisão da casa, mal fecha a porta, os brinquedos começaram a falar uns para os outros a perguntar de onde viria aquela boneca de tanto valor, toda estragada, e o urso diz: -Coitada da boneca! Quem a terá deitado fora nestas noites geladas? Os brinquedos esperaram uma hora até que o velho entra na loja com a boneca novinha em folha, e pousou-a na montra da loja, pronta para ser vendida de novo. Quando já era de noite e todos dormiam, os brinquedos estavam acordados, então o comboio pergunta à nova boneca: -Olá, sabes… nós estamos todos curiosos para saber a tua história, tu sabes, as perguntas do costume, como é viver numa casa? Trataram-te bem?... 27

DIAS ESPECIAIS

a ponTe


Escolar

do Agrupamento

de

Escolas

DIAS ESPECIAIS

Jornal

- Oh! - diz a boneca tristemente - Vocês não sabem, nos primeiros dias as crianças tratam-nos lindamente, mas o pior é depois, quando elas deixam de brincar connosco, começamos a ficar velhos e estragados. A menina que me comprou deixou-me cair no chão molhado e escorregadio. Quando o seu pai lhe mostrou o seu novo cão, fiquei esquecida ali no chão, até que o vosso dono me apanhou e me trouxe para aqui. Nós, os brinquedos, somos tratados assim, vem um Natal e mais brinquedos são comprados e nós somos deitados fora, como se não tivéssemos sentimentos. Depois de ouvir isto, os brinquedos voltaram rapidamente para onde estavam, para o velho não desconfiar. Contudo o dono da loja sabia de tudo, enquanto fazia de conta que ia fazer as suas tarefas, ficava escondido a ver e a ouvir o que os brinquedos faziam. No dia de Natal, o velho abre a loja e a primeira coisa que faz é: pegar no carrinho e pintá-lo novamente de um vermelho muito bonito; pegar no comboio e mete-lhe uns faróis novinhos em folha; nas bonecas arranja-lhes um penteado novo e na moda; por fim depois de arranjar os outros brinquedos, cose uns novos olhos limpos e castanhos ao urso. Assim todos os brinquedos foram comprados, pareciam acabados de fazer, tinham tão bom aspecto que nem se consegue imaginar… - Oh! Oh! Oh! FELIZ NATAL!- diz o velho. Afinal parece que o velho era o PAI NATAL. Natacha, 7ºA

FESTA DE NATAL

de

Milheirós

de

Poiaresa

a ponTe

Festa do Leite

Os alunos da Escola E:B:1 de Goim – Romariz realizaram a Festa do Leite, no dia 16 de Outubro. Durante a festa, os alunos participaram em várias actividades, tais como a decoração da escola; o jogo do dominó gigante; recorte e colagem e confecção de crepes. A Lactogal foi a empresa responsável por fornecer à escola material para realizar estas actividades e abordar temas sobre a importância do leite numa alimentação saudável. No intervalo da manhã, foram distribuídos a todos os meninos pacotes de leite com diversos sabores, juntamente com os crepes confeccionados pelos alunos. Os professores deixaram em aberto algumas ideias para as crianças se manterem em boa forma com os quatro poderes do leite: Poder do Sabor; Poder da Descoberta; Poder da Energia e o Poder da Amizade. No período da tarde, os alunos assistiram à visualização de dois episódios do filme O Grupo do Super X, que mostrava, mais uma vez, a importância do leite no diaa-dia de cada um de nós. Foi um dia cheio de Poderes!

Mais uma vez envoltos de um clima natalício e familiar, com a preocupação de reforçar nos alunos e nas famílias o verdadeiro espírito de Natal realizámos a nossa festa de Natal. Os alunos apresentaram canções, poemas e pequenas peças de teatro alusivas à época. A Associação de Pais como é habitual, ofereceu uma prenda para todos os alunos da escola. Prenda essa, que foi transportada até à escola numa charrete puxada por dois cavalos e três Pais Natais. Foi um momento mágico, que proporcionou aos alunos grande entusiasmo e alegria. Nesta actividade, estiveram também presentes os alunos e a educadora do Jardim-de-Infância da Igreja. Foi elaborada uma pequena mensagem para as famílias onde se apelava aos valores da solidariedade, da partilha, com uma chamada de atenção muito especial aos excessos de consumismo, que muitas vezes apenas servem para disfarçar as nossas ausências. Esta actividade contribui para criar laços de maior afectividade entre todos os elementos da comunidade educativa.

Alunos do 3º ano de escolaridade Escola E. B. 1 de Goim - Romariz

Docentes e Alunos da Escola E. B. 1 Igreja Milheirós de Poiares

A Festa do Leite No dia 16 de Outubro festejamos a festa do leite, com o patrocínio da mimosa. O Jardim-de-Infância, juntamente com EB1, proporcionaram às crianças a vivência de como se confeccionam algumas sobremesas, tendo por base o leite. O Jardim-de-infância confeccionou o leite-creme e a EB1 pudins e crepes. Os meninos fizeram o registo do que observaram e aprenderam um poema que nos fala da importância do leite. A festa culminou com dois filmes oferecidos pela mimosa cujos temas era “Beba leite e tenha uma vida saudável”. Um bem haja à Mimosa, por ter oferecido um dominó individual, dois dominós gigantes, balões e leite de diversificados sabores. 28

JARDIM DE INFÂNCIA DE GOIM


Jornal

Escolar

do Agrupamento

de

Escolas

de

Milheirós

de

Poiaresa

DIAS ESPECIAIS

a ponTe

Natal na Escola

Professores de Matemática: Lisa Amorim, Helena Leite, Fernando Teixeira, Ana Margarida e Cristina Leite

O CHEFE DE TODAS AS MÁQUINAS Os meninos do Jardim-deinfância de Goim aprenderam que dentro da cabeça existe uma máquina que se chama cérebro, que é o chefe de todas as máquinas do nosso corpo. O cérebro é muito importante, porque serve para pensar, ver, ouvir, falar, cheirar, comer, mexer, sentir... É ele que manda as outras máquinas trabalhar, como por exemplo o coração, os pulmões... O cérebro não gosta nada de ficar doente. Os meninos aprenderam que o cérebro não gosta de ouvir gritos, de estar em locais com fumo ou que cheirem mal, não gosta de estar em sítios perigosos; tais como buracos fundos, muros altos..., não gosta de ver televisão muitas horas, não gosta de ler em locais com pouca luz, de estar mal sentado, da confusão e não gosta mesmo nada dos micróbios. Gosta sim de dormir dez horas por dia, do cantar dos passarinhos, dos sons baixos, de passear nos parques e florestas, gosta de estudar, de ter uma alimentação equilibrada, dos banhinhos diários e sobretudo gosta que o tratem bem. Lembrem-se: ele é mesmo Chefe do nosso corpo.

ACTUALIDADES

Integrado na comemoração do Natal na nossa escola, os alunos dos Cursos de Educação e Formação construíram uma Árvore de Natal muito original e criativa. Assim, a turma de Canalizações construiu a estrutura tubular da árvore, bem como os sólidos geométricos em cartolina, para a enfeitar. A turma de Acompanhamento de Crianças e Jovens fez também uns sólidos geométricos (duais) para decorar a árvore. A turma de Electricidade de Instalações, iluminou-a. Alusivo ainda à comemoração do Natal na nossa escola, as turmas dos Cursos de Educação e Formação de Adultos elaboraram um presépio em origami.

JARDIM DE INFÂNCIA DE GOIM

As nossas actividades do 1º período OUTUBRO O mês de Outubro foi preenchido com várias actividades: O Dia da Música foi assinalado com a visita da Rita, aluna de violoncelo da Escola de Música de Romariz, que gentilmente se deslocou ao jardim de infância, onde as crianças tiveram oportunidade de a ouvir tocar e de manusear este instrumento musical. Para comemorar o Dia do Animal, fomos 29


ACTUALIDADES

Jornal

Escolar

do Agrupamento

de

Escolas

de

Milheirós

de

Poiaresa

visitar o Parque Ornitológico de Lourosa, adquirimos avós trouxeram. um canário, muito bonito e aprendemos uma poesia, que Foi um lanche muito simpático e divertido! depois ensinamos lá em casa… DEZEMBRO

a ponTe

Brinco com o cão Tenho um gatinho Gosto da tartaruga Dou de comer ao passarinho! Olha a Borboleta No céu a voar A pequena cobra Que vejo passar.

No final do mês de Outubro, fizemos a nossa Feirinha da alimentação, no largo da igreja, foi muito divertido, parecia mesmo uma “feira de verdade”, havia um pouco de tudo para vender, frutas, legumes, bolos, ovos, mel, compotas e até chapéus! Correu tão bem, que já estamos a pensar na feira do ano que vem. Foi graças a esta actividade, que as professoras compraram a máquina fotográfica digital…

NOVEMBRO No início do mês de Novembro, a mãe do Miguel disponibilizou-se a dar aulas de música uma vez por semana no nosso jardim de infância. Tem sido muito divertido, aprendemos canções novas, tocamos diferentes instrumentos musicais e até fizemos exercícios rítmicos. Foi com uma dessas canções, que nós brilhamos na festa e almoço de Natal.

CAI NEVE Cai neve, cai neve, cai neve no jardim Cai neve, cai neve, cai neve no jardim Branquinha cobre o chão, então Tudo é branquinho assim Nos montes a neve cobriu o pinheiral Nos montes a neve cobriu o pinheiral Tão linda é a natureza, tal e qual é no Natal Tão linda é a natureza, tal e qual é no Natal Aqui ficam os nossos Agradecimentos à Professora Carminda. O dia de S. Martinho, é quando a gente quiser, por isso o nosso realizou-se a 19 de Novembro com os nossos Avós. Comemos castanhas, bolos e outras guloseimas que os 30

No dia 13 de Dezembro, a mãe do Simão, a Dª Irene, veio ao nosso jardim de infância, ensinar as mães e as educadoras, a fazer flores, velas, barcos, cestas com legumes e frutas. As mães, estiveram presentes, gostaram muito. Nós vimos os resultados no dia seguinte, quando comemos estas pequenas maravilhas de sobremesa. Dezembro, foi grande a azafama: Ida à escola de Prevenção

Rodoviária de Fiães, “O Avô Cantigas” em Santa Maria da Feira, carta ao Pai Natal, prenda e postal para os pais, festa de Natal com os meninos da Eb1,almoço de Natal com os avós. Agora está tudo mais calmo, a festa foi linda, fomos 5*, as prendas e postais um mimo para a família e o almoço foi um encher de corações com tanta ternura e emoção. A avó da Catarina, com a sua sabedoria e voz deixou todos emocionados quando cantou de improviso “Sou avó” e” os nossos queridos netos”.


Jornal

Escolar

do Agrupamento

de

Escolas

de

Milheirós

de

Poiaresa

Cursos EFA - Actividade Integradora

A partir deste ano lectivo a E.B. 2,3 de Milheirós de Poiares tem uma nova oferta educativa, duas turmas de curso EFAescolar , de nível 3 ( equivalência ao 9º ano de escolaridade). As actividades desenvolvidas com os formandos destas turmas partem sempre de temas de vida por eles escolhidos nos espaços de mediação sócio – cultural. O desenvolvimento destes temas de vida culmina com uma actividade integradora com a comunidade. No mês de Dezembro de 2007, foram realizadas as actividades integradoras de ambas as turmas nomeadamente a realização de uma peça de teatro, um momento de poesia, entrega de rodas de alimentos construídas pelos formandos a cada escola/ jardim-de-infância, exposição de rodas dos alimentos individuais, cartões de Natal alusivos ao tema de vida, abertura da exposição do presépio colectivo e individuais em Origami, construídos pelos respectivos formandos.

Turma A e Formadores

Presépio Colectivo em Origami construído pelas Turmas A e B

Turma B – Representação do Auto de Natal

Rodas dos alimentos individuais da Turma A

Rodas dos Alimentos oferecidas às EBI/1

Caracterização para o Auto de Natal

31

ACTUALIDADES

a ponTe


EM INGLÊS E FRANCÊS NOS DIVERTIMOS

Jornal

32

Escolar

do Agrupamento

de

Escolas

de

Milheirós

de

Poiaresa

a ponTe


Jornal

Escolar

do Agrupamento

ANAGRAMAS – AS LETRAS SÃO:

de

Escolas

de

Milheirós

de

Poiaresa

ANAGRAMAS DAS LETRAS PRTAO

SCRAA

Com um trapo limpei um prato. Os noivos de caras lindas, para sacar o sim aos pais, Veio-me um tropa bater à porta! prometeram casar a Fátima, onde também existe a via Está uma potra a fazer um parto. -Pode optar por ir ao parto por minha vez? sacra. Porque se não fosse assim, os pais toda a vida lhes - Eu vou salvar uma mulher que está num rapto. Está a topar? iam cascar. Sara Cristina Nádia O dono da potra foi à cozinha. Veio o tropa e quis optar pelo rapto. Jéssica Filipa Enquanto a levava ela teve um parto! A dono da potra estava a lavar o prato para topar se a potra A formiga e a tarântula foram casar, mas a abelha comia. Se não dava-lhe com um trapo! conseguiu sacar os anéis. A abelha ao olhar para eles deu Rita Mariana de caras. Eles eram rasca! Rui André O tropa queria optar por um prato. Aconteceu um rapto. O tropa esqueceu-se do prato, deixou-o dentro de um trapo e foi Temos duas arcas, com arte sacra. Estamos à rasca, ao parto de uma potra. queremos casar! E o dinheiro onde vamos sacar? José Filipe Não façam essas caras, tratem-nos de nos ajudar. Mélina A potra abriu a porta ao tropa e o tropa assistiu ao parto e raptou a filha da potra. A outra potra foi atrás do tropa com Um dia as caras de umas raparigas estavam à rasca, com um prato e um trapo. Teve que optar: - Com o prato ou com o trapo? Estás a topar? as arcas. Nádia Vanessa Jéssica O homem está a casar e a mulher a sacar.

Todos têm caras pintadas porque é festa. Vimo-nos à O tropa bate à porta e faz um rapto ao meu sapato. Dá um tiro ao prato. rasca, todos a casar e a sacar as arcas!!!!! Filipe Pega num trapo para o parto. Monta-se na potra. Para optar outro tropa. A Dona Sara vai casar com Dr. Leandro e um ladrão quer Para topar todas as línguas dele! sacar o anel e disfarça-se de rasca! Ritinha

Lúcia Raquel

A Dona Sara fez um parto com um trapo e o tropa apareceu. Hoje é dia mundial dos animais. Todos têm caras Ela não o quis lá e bateu-lhe com um prato. desenhadas parecidas com o dono. Neste dia há festa e Ele passou pela porta. Foi optar por travar um rapto! Estás a os animais vão casar. Os presentes são arcas para sacar as topar? suas coisas, mas alguns, ficam à rasca com o tamanho! Jéssica Filipa Leandro Era uma vez uma potra, ia optar pela tropa! E os tropas andavam a tocar à porta de toda a gente! Elas estavam a lavar Quando eu for grande vou-me casar e arranjar um pratos e trapos. A porta estava no parto a topar a cena e sofreu emprego. Com o dinheiro que vou ganhar vou poupar. um rapto. Quando precisar vou sacar! Ricardo Marcelo E quando for jogar, fico à rasca, porque o vou gastar. Em vez de gastar, compro carne para encher as arcas. A menina usou o prato, bateu a porta e foi para a tropa. Foi à costureira pegar num trapo. Assim podemos ter caras mais alegres! Ricardo Chegou um homem. Fez um rapto! Tenho duas camisolas que foram muito caras! Comprei- Passaram num hospital e viram uma potra a ter um parto. as para quando a minha amiga se casar. Tenho uma saia -Tenho que optar! Raptar ou fazer o parto? Estás a topar? Ana Rita Ribeiro rasca e não a quero levar, por isso tenho duas arcas: uma para as saias bonitas e outras para as saias feias! A menina usou o prato para comer e o seu pai foi para a tropa Antes do casamento fui a uma exposição de arte sacra! Lúcia por causa de um rapto. Na porta do hospital houve um parto e a mãe ia optar: um menino ou uma potra! Alunos do 3º ano de escolaridade, Escola de Pigeiros Rui André 33

PA S S AT E M P O S

a ponTe


PA S S AT E M P O S

Jornal

Escolar

do Agrupamento

de

Escolas

de

Milheirós

Crucigrama - Corpo Humano

de

Poiaresa

a ponTe

1. Parte superior do corpo humano, onde estão os cabelos e a cara 2. Parte do corpo que se encontram por baixo da pele e nos ajudam a movimentar 3. Braços ou pernas 4. O que reveste o nosso corpo e de alguns animais 5. Principal órgão do sistema circulatório 6. Órgão que se encontra no rosto e nos permite ver 7. Órgãos do nosso corpo que usamos na respiração 8. Órgão que ajuda na digestão dos alimentos 9. Tubos que transportam o sangue através do corpo até ao coração 10. Órgãos do nosso corpo que filtram o sangue 11. Órgão que pertence à audição Alunos do 4º ano de Escolaridade Escola de Pigeiros

Adivinhas 1- Qual é coisa,qual é ela, que é redonda como o sol, tem mais raios do que uma trovoada e anda sempre aos pares? 2- Qual é coisa,qual é ela, que atravessa todas as portas sem nunca entrar nem por elas sair? 3- Qual é coisa,qual é ela, que respira sem pulmões e tem pés mas não anda?

4- Porque é que as rodas dos comboios morrendo aos poucos,um a um. Quando um de nós é arrancado de são de ferro? casa,logo fica de cabeça quente e acaba morrendo queimado.Quem 5- O que será,que será, somos nós? que é feito de vidro 11- O que será,que será, e mostra tudo o que vê? que cresce na cabeça, e quanto maior é, 6- O que tem dois pés, menos cabelos tem? duas pernas e nada mais? 7- Quanto mais quente,mais fresco. O que é? 8- Com dentes deste tamanho, não sei porque vou à mesa: todo o bocado que apanho, tomam de mim com certeza. O que sou? 9- O que será,que será, que tem asas e gosta de milho, gosta de praças e de estátuas, e quando trabalha é correio? 10- Somos 40 irmãos que vamos

34

12- Qual é coisa,qual é ela, que quando seca fica molhada? 13- Qual é coisa,qual é ela, que sobe e desce escadas, sem nunca se mexer? 14- O que será,que será, que quanto mais cresce, menos se vê? 15- Qual é coisa,qual é ela, que cai de muito alto mas nunca se aleija?


Jornal

Escolar

do Agrupamento

16- O que será,que será, que o livro de Português disse ao livro de Matemática? 17- Qual é coisa,qual é ela, que nunca está no princípio e nunca está no fim? 18- Quando será que se pode entrar sem perigo na jaula de um leão? 19- O que será,que será, Que mesmo sendo nosso, É mais usado pelos outros?

de

Escolas

de

1 - Caixinha pequena que pode rebolar, todos a podem abrir, ninguém a pode fechar.

de

Poiaresa

5 - O que é, que quando mais se lhe tira maior é?

2 - Tem cabeça e não tem pescoço tem dentes sem ser de osso.

6 - O que é, que um burro faz ao sol? 7 - O que fazem seis pardais num telhado?

3 - Porque é que o galo, quando canta, fecha os olhos.

4 - O que é, que quando mais alto está João Leite, nº12, 7º C melhor se lhe chega.

Passatempo

Milheirós

8 - Qual é coisa, qual é ela que anda e não tem pernas fala e não tem boca? Ricardo Bandeira, 7ºC, Nº18

Sopa de letras

Descobre nove frutos escondidos. 1- Profissão da pessoa que trabalha no campo. 2- O antónimo de inimigo. Dica: Os frutos escondidos são: banana, pêra e maça na horizontal, 3- O sinónimo de feliz. tangerina, uvas e melancia na vertical e melão, morango e diospiro na 4- O feminino de um. 5- Sinais de trânsito, quadrados ou rectangulares diagonal. de cor azul. 6- Fruto do Outono. 7- O masculino de cadela. 8- Tem cinco dedos. 9- Cinco dezenas. 10- Água própria para beber. Alunos do 2.º ano de escolaridade Escola E. B. 1 Igreja – Romariz

Ricardo Bandeira, 7C, Nº 18

NATIONALITÉS 1 - Véronique est une jeune fille

________________

2 - Fred est un écrivain

___________

3 - Loo est un dessinateur

____________

4 - José est un jeune garçon ______________

5- Maria Minelli est une dame ______________ 35

PA S S AT E M P O S

a ponTe


Escolar

do Agrupamento

de

Escolas

SOLUÇÕES

Jornal

LES 7 ERREURS 1- Les cheveux 2- Le nez 3- La bouche 4- Le doigt 5- Le Bras 6- Le ventre 7- La jambe

36

GRILLE DE MOTS 1- vent 2- nuages 3- neige 4- pluie 5- soleil

de

Milheirós

de

Poiaresa

a ponTe

JORNAL a ponTe 22  

JORNAL a ponTe 22

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you