Page 1

64 Ano 15 Maio/Junho

2017

Informativo do Grupo IOV

IOV. Saúde de Primeiro Mundo para Você

O

Instituto de Oncologia do Vale é a primeira clínica da América Latina e a segunda fora dos Estados Unidos a receber a certificação Quality Oncology Practice Initiative (QOPI). Esse reconhecimento valoriza as melhores práticas oncológicas realizadas tanto em âmbito nacional quanto internacional. Com o objetivo de divulgar essa conquista, o IOV lançou uma campanha publicitária, que apresenta o pioneirismo e a entrega de saúde de primeiro mundo, que faz da instituição referência internacional na luta contra o câncer, com reconhecimento no Brasil e no mundo. “A proposta da campanha é através das certificações QMENTUM Diamante, ONA III, e em especial a QOPI, apresentar a trajetória de sucesso do IOV, que há mais de 22 anos mostra a todos um trabalho de valorização da vida”, afirma o diretor de planejamento da agência publicitária BR012, Fernando Carvalho. A campanha estreou no dia 18 de junho, com um filme no horário nobre veiculado no intervalo do programa Fantástico, da Rede Globo. O tom internacional da campanha se deve ao fato da valorização dos conteúdos estrangeiros. “Inspirados pela cultura dos brasileiros em valorizar o que vem de fora, e pelo fato do IOV ser a primeira clínica da América Latina e a segunda fora dos Estados Unidos a receber uma certificação internacional tão importante e de grande valor, desenvolvemos uma ideia de

filme no qual sugerimos ser um comercial de uma clínica estrangeira. Nele, fica explícito evidências que indicam que apenas uma instituição de primeiro mundo seria capaz de receber tal reconhecimento internacional. Por fim, revela-se que essa entidade é o IOV e está aqui, no Vale do Paraíba”, explica Carvalho.

A divulgação é também uma forma de estimular a busca pela qualidade para outros serviços, estabelecendo novos patamares da assistência como um todo Para receber essa certificação, o IOV passou, primeiramente, por um programa de qualidade destinado ao cuidado e à

segurança dos pacientes. Nesta avaliação, foram medidos mais de 100 critérios de qualidade, com base em recomendações publicadas e opiniões de especialistas. O Instituto passou ainda por uma auditoria presencial, em janeiro de 2017, através de uma análise rigorosa dos profissionais oncológicos, incluindo médicos e enfermeiros. “Um certificado como o QOPI avalia parâmetros assistenciais que têm reconhecidamente impacto na qualidade do cuidado e trazem benefícios na qualidade de vida dos pacientes. A divulgação da campanha é também uma forma de estimular a busca pela excelência em outros serviços, estabelecendo novos patamares da assistência como um todo”, explica o médico oncologista e diretor executivo do IOV, Dr. Carlos Frederico Pinto. Além do filme veiculado

na Rede Globo, a divulgação da certificação também esteve presente na TV Band Vale e como anúncios em revistas segmentadas, jornais impressos e outdoors. “Dentre diversos benefícios gerados pela divulgação publicitária, podemos citar a chegada de novos pacientes, moradores da região que se tratavam em São Paulo – capital, e agora estão no IOV, ao lado de suas casas, recebendo tratamento qualificado e com mais qualidade de vida”, comenta Fernando Carvalho.

USE ESSE QR CODE EM SEU SMARTPHONE E ASSISTA AO VÍDEO DA CAMPANHA:


2

EDITORIAL

OFICINAS

IOV Saúde de Primeiro Mundo

R

ecentemente, o IOV recebeu a certificação QOPI (Quality Oncology Practice Initiative) concedida pela Sociedade Americana de Oncologia Clínica (ASCO), tornando-se a primeira instituição certificada na América Latina e a segunda fora dos Estados Unidos. Essa conquista reconhece no Brasil e no exterior a qualidade dos serviços prestados pelo IOV. Por essa razão, acreditamos ser este o melhor momento para ampliar a divulgação dessa certificação que coloca o IOV em destaque, ao lado dos grandes centros de referência na luta contra o câncer. Sempre acreditamos na qualificação dos nossos serviços através de treinamentos, palestras, participação em congressos e técnicas inovadoras de gestão. Além de investir nos nossos profissionais, estamos trabalhando na divulgação da nossa conquista para que os pacientes saibam que uma instituição daqui do Vale do Paraíba é reconhecida internacionalmente por sua excelência no tratamento, oferecendo cuidados de primeiro mundo. A repercussão da divulgação está sendo muito positiva. Estamos conseguindo dar visibilidade e notoriedade para a nossa conquista, e o mais importante, mostrar à população da região que ela pode confiar em uma instituição brasileira, séria, humanizada, que busca a melhoria contínua e que possui procedimentos e cuidados reconhecidos no exterior.

Dr. Carlos Flávio Turci Diretor Técnico

Oficina de Qualidade de Vida promove ‘Música na Recepção’

Q

uem nunca se sentiu melhor depois de ouvir alguma música? Se sentiu mais feliz, mais disposto e animado? A música faz bem para o corpo e para a mente. Foi pensando nesses benefícios que a Oficina de Qualidade de Vida promoveu a ação “Música na Recepção”. A ação aconteceu, em maio, nas unidades de São José e Taubaté, com o objetivo de proporcionar um momento agradável aos pacientes em tratamento, com um músico tocando violão nas recepções. “A música traz um ambiente calmo, transmite tranquilidade, ajuda os pacientes a se distraírem. Recebemos vários elogios dos nossos pacientes”, afirma a médica oncologista e coordenadora da Equipe Multiprofissional do IOV São José dos Campos, Dra. Cristiane Bittencourt. A coordenadora de enfermagem e VSM da assistência em Taubaté, Priscilla Arcas de Moura, ressalta a participação dos pacientes e os benefícios da ação. “Foi muito bom ver a interação dos pacientes, em pouco tempo eles já estavam ao lado do músico, cantando e fazendo alguns pedidos. Nesse dia, uma mãe e sua filha estavam chegando para a primeira consulta, angustiadas e preocupadas, pois tudo isso era muito novo para elas. Segundo disseram, ao entrar e ouvir a música, sentiram uma paz muito grande, era o que mais precisavam naquele momento”, comenta Priscilla.

MÚSICA na recepção

EXPEDIENTE Responsável Técnico: Dr. Carlos Flávio Turci – CRM 27.301 / Diretoria: Dr. Adriano Diniz B. Mendes, Dr. Carlos Flávio Turci, Dr. Carlos Frederico Pinto e Dr. Marcelo Taborda | Comunicação e MKT IOV: Fabiano Gaspar Vieira | IOV & Você circula junto aos pacientes, familiares, área médica e profissionais da saúde. Correspondências devem ser enviadas sob o título “Jornal IOV & Você” para: Rua Major Antônio Domingues, 472 – SJC – 12.245-750. Tel.: (12) 3924-9055. E-mail:iov@iov.med.br. *Registrado no cartório de registro de notas e documentos sob o número 171517 | Produção: Agência de Imprensa - Tel.: (12) 3913-3858 - www.agenciadeimprensa.com.br – Coordenação de Jornalismo e Edição: Areta Braga – Jornalista Responsável: Areta Braga - MTb 38.005 – Redação: Liane Mota e Rafaela Garcia - Fotos: Arquivo/ Divulgação – Diagramação: Luiz Carlos Coltro – Revisão: Flávia Gavioli – Gráfica: Copcentro – Tiragem: 500 exemplares.


3

PREVENÇÃO

Dia Mundial do Meio Ambiente é marcado por ação informativa para conscientização

O

Dia Mundial do Meio Ambiente tem como objetivo principal conscientizar a população sobre os problemas ambientais e a importância da preservação dos recursos naturais, que durante muito tempo foram considerados ilimitados. Pensando em promover essa conscientização, o IOV realizou uma ação com a distribuição de folders com informações sobre os tipos de resíduos existentes no Instituto e como ocorre a destinação correta dos mesmos. Também foram distribuídos cartazes informativos em pontos estratégicos da clínica. “Além de informar, o objetivo dessa iniciativa é valorizar o meio ambiente e as práticas que levam à sua preservação. Todos os colaboradores participam constantemente de treinamentos sobre a destinação correta dos resíduos gerados dentro do IOV”, afirma a coordenadora de enfermagem, Elisângela Romano.

CONFIRA ABAIXO QUAIS SÃO OS RESÍDUOS PRODUZIDOS PELO GRUPO IOV E O DESTINO DADO A ELES: GRUPO A - INFECTANTES Resíduos que contêm material possivelmente contaminado com microorganismos. Esses tipos de resíduos podem gerar graves doenças. Exemplos: • Curativos. • Luvas de procedimento, após contato com pacientes. Algodão ou gaze com sangue. Os resídulos devem ser acondicionados em sacos de lixo brancos. A prefeitura retira esse material. GRUPO B - QUÍMICOS Resíduos que contêm material contaminado com medicamentos. Exemplos: • Frascos de medicamentos vazios ou não. • Frascos de soro com medicamento. • Medicamentos vencidos (comprimidos, xaropes, gotas). Os resíduos devem ser acondicionados em sacos de lixo brancos resistentes e, posteriormente, em sacos de lixo resistentes na cor laranja. PERFUROCORTANTES São resídulos que contêm material que pode perfurar ou cortar. Exemplos: • Agulhas com seringas. • Scalp e vidros. Os resíduos são descartados em recipientes de material resistente a punctura e, por se tratar de resíduos contaminados com medicamentos, são destinados à incineração.

GRUPO D - COMUNS São resíduos sem risco de contaminação microbiológica e química. Eles são comparados aos resíduos domiciliares. NÃO RECICLÁVEIS, ORGÂNICOS OU RESÍDUOS MOLHADOS Esse tipo de resíduo é bem comum em nosso dia a dia. São restos de alimentos, grama, folhas de árvore, cascas de frutas, borra de café ou chá, papel vegetal, papel celofane, papel carbono, papéis sanitários usados, papéis sujos, molhados ou contaminados com substância nociva, fotografias, fitas adesivas, etiquetas, entre outros. São recolhidos diariamente por uma empresa responsável pela coleta de lixo da prefeitura do Município. RECICLÁVEIS OU RESÍDUOS SECOS Alguns exemplos desse tipo de resíduo são: papéis limpos, plásticos, metais, papelões, potes de maionese, requeijão, manteiga após limpos, garrafas PET, latas, embalagens de bolacha, potes de cremes vazios e limpos, escova de dentes, baldes, artigos de cozinha, tampas plásticas, vidros, entre outros. Destino: cooperativas de recicláveis ou catadores.


4

PREVENÇÃO

Grupo IOV realiza campanha de conscientização sobre a higienização das mãos

L

avar as mãos pode até parecer algo muito simples ou apenas uma ação rotineira, mas o que muitos não sabem é o quão importante é esta atividade. As mãos são a principal via de transmissão de microrganismos, pois a pele permite que esses agentes sejam transferidos de uma superfície para outra, através do contato direto ou indireto com objetos e locais contaminados. Para conscientizar sobre a importância da higienização correta, comemora-se, no dia 5 de maio, o Dia Mundial da Higienização das Mãos. Este ano, o IOV trabalhou a data com o lema “Contribuir para a saúde de todos está em suas mãos”. Cartazes informativos ficaram fixados nas

unidades durante o mês, da mesma forma, nos rounds diários (reuniões de planejamento realizadas no início do dia com as equipes) foi abordado o assunto e a importância da adesão de toda a equipe para o sucesso da campanha. “A segurança do paciente faz parte da cultura do IOV. Não há como falar sobre o assunto sem voltar o olhar para a higienização das mãos. Nos comprometemos em melhorar todos os procedimentos de higienização e, para isto, estamos inscritos na estratégia multimodal da OMS e da ANVISA. Por esta razão, desenvolvemos indicadores que nos permitem analisar se o nosso consumo de álcool gel está de acordo com os valores preconizados

e pelas diretrizes da OMS de prática de higienização das mãos”, explica a farmacêutica do IOV Taubaté, Fabiene Souza da Silva Freitas. O IOV contabiliza todo álcool gel e sabonete utilizado na instituição, para que seja realizado o cálculo de consumo de cada setor de acordo com as oportunidades de higienização. “Trimestralmente, esse cálculo gera um gráfico e é informado para toda equipe se a meta foi alcançada ou se podemos melhorar. Os folders informativos ficam dispostos em toda a instituição ao longo do ano”, afirma a coordenadora de enfermagem, Flaviane Cunha. Anualmente, os colaboradores

Não há como falar em segurança sem voltar o olhar para a higienização das mãos participam de treinamentos de atualização para maior conscientização, além disso, os novos membros da equipe também são capacitados. “É muito importante a efetiva aderência de todos no programa de higienização das mãos e um ambiente livre de infecção. Tratar-se em um local com um programa efetivo como esse promove uma segurança maior para o paciente, onde os índices de infecções cruzadas são baixíssimos, chegando a zero. Além da conscientização do próprio paciente que leva o aprendizado para onde ele for”, explica Flaviane.


5

SEGURANÇA

12ª edição da SIPAT do IOV SJC, reforça a importância do trabalho em equipe

C

om o tema “Juntos somos mais fortes”, a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes do IOV SJC (CIPA) promoveu a 12ª edição da Semana Interna de Prevenção de Acidentes no Trabalho (SIPAT). Este evento é realizado, anualmente, e tem como objetivo promover a interação entre empresa e colaborador, reforçando a importância sobre a prevenção de acidentes, segurança e saúde no trabalho. “Além de priorizar o tema da segurança, na SIPAT acontecem palestras interativas, dinâmicas e trabalhos em grupos. Temos um leque extenso de informações que servem para conscientizar os colaboradores sobre a organização, planejamento e segurança de forma geral no trabalho”, explica o técnico em segurança do trabalho, Mauricio Gomes dos Santos. Durante a SIPAT, os colaboradores do IOV participaram de diversas palestras, como: Ferramentas Lean, Nutrição - Alimentação Funcional, Saúde Emocional e Trabalho em Equipe e DST/AIDS. No último dia do evento, foi

realizada uma dinâmica promovida pela equipe da CIPA para enfatizar a temática da SIPAT: juntos somos mais fortes. “O intuito da dinâmica era a união de todos em prol de um só objetivo. Também foram apresentados os trabalhos desenvolvidos pelos grupos, em formato de vídeos, paródias e cartazes. Para a equipe avaliadora, todos os trabalhos superaram as expectativas, pois mostraram que quando há união, o trabalho acontece, se desenvolve e gera um resultado positivo”, afirma a coordenadora financeira e presidente da CIPA, Edvane Aparecida Lima Coura.

Através das atividades desenvolvidas durante a SIPAT, já é possível observar os resultados positivos entre os colaboradores que refletem diretamente no paciente. “Além de ser uma semana de atividades interna, a SIPAT é um momento de aprendizado, de reciclagem de informações, conscientização sobre segurança e o cuidado que deve ser tomado ao longo do trabalho. Os colaboradores prezam pelo cuidado no atendimento, gerando responsabilidade e segurança tanto para os pacientes quanto para si próprios”, comenta Edvane Coura.


6

Alertas de Segurança - Unidades de Quimioterapia 2016 /2017 RELATÓRIOS DE SEGURANÇA 200 180

164

180 158

Segurança do Paciente no Grupo IOV 160

149

140

118

120

89

100 80 60 40

20O sistema de gestão do IOV é centrado no paciente com foco na segurança. As equipes de Atendimento, Farmácia, Enfermagem e Administrativo utilizam o Round de Segurança e o Quadro Gerador de Ideias com o 0 objetivo de ajudar no planejamento e na integração das equipes. Alertas de Segurança foram desenvolvidos para dez 16 jan 17 fev 17 mar 17 abr 17 mai 17 identificar e eliminar riscos. Quanto mais o processo é analisado e são abertos alertas, mais seguros ficam e a possibilidade de um Evento Sentinela ocorrer se torna mínima. Caso ocorra, algum Evento, são utilizadas ferramentas para detecção, análise e criação de barreiras para que estes não ocorram novamente.

Alertas de Segurança - Unidades de Radioterapia 2016 /2017 ALERTAS DE SEGURANÇA - UNIDADES DE RADIOTERAPIA - 2016/2017

60

51

50 37

40

30

30

40

35 23

20 10 0

dez 16

jan 17

fev 17

mar 17

abr 17

mai 17

Observamos uma leve queda nos números de alertas de segurança. Ação: Discutir em fechamento do quadro de ideias/alertas com o objetivo de retornarmos ao indicador acima de 100/mês.

de Segurança --Unidades de Quimioterapia ALERTASAlertas DE SEGURANÇA UNIDADE DE QUIMIOTERAPIA - 2016/2017 2016 /2017

200 180 160

164

149

180 158

140

118

120

89

100 80 60 40 20 0

dez 16

jan 17

fev 17

mar 17

abr 17

Alertas de Segurança - Unidades de Radioterapia 2016 /2017

mai 17

Observamos um leve crescimento nos números de alertas de segurança.


SENTINELA POR APLICAÇÃO UNIDADES DE RADIOTERAPIA 2016/ 2017

7 0,10

A classificação de causas de um possível erro é denominada Evento Sentinela que, de acordo com a Organização 0,08da Saúde (OMS), é um incidente inesperado e indesejável associado aos cuidados ou serviços prestados ao Mundial paciente que atingiu o cliente ou paciente. O incidente ocorre durante o processo de recebimento de serviços de saúde. 0,06

SENTINELA POR APLICAÇÃO EVENTO SENTINELA POR APLICAÇÃO - UNIDADES DE RADIOTERAPIA 2016/2017 0,04 UNIDADES DE RADIOTERAPIA 2016/ 2017 0,10 0,02 0,08 0,00 0,06

0

0,000000

0,002200

0,000056

0,000289

0

dez 16

jan 17

fev 17

mar 17

abr 17

mai 17

0,04 0,02 0,00

0

0,000000

0,002200

0,000056

0,000289

0

dez 16

jan 17

fev 17

mar 17

abr 17

mai 17

EVENTO SENTINELA POR PROCEDIMENTO - UNIDADES DE QUIMIOTERAPIA 2016/2017 SENTINELA POR PROCEDIMENTO UNIDADES DE QUIMIOTERAPIA 2016 / 2017 0,10 0,08

SENTINELA POR PROCEDIMENTO UNIDADES DE QUIMIOTERAPIA 2016 / 2017

0,06 0,04 0,10

0,011440

0,02 0,08

0

0,00 0,06

dez 16

0,000000

0

0

0,000870

fev 17

mar 17

abr 17

mai 17

jan 17

0,04 Observamos nos gráficos que o índice de Eventos Sentinelas está abaixo de 0. 0,011440 0,02 GLOBAL TRIGGERS TOOL O Triggers é uma ferramenta para medir e investigar0,000000 possíveis danos ocorridos de tratamentos oferecidos 0,000870 0 em função 0 0 Unidade de Quimioterapia São José dos Campos 2016/2017 ao paciente. Inicialmente, ela foi criada pelo IHI (Institute for Healthcare Improvement) para o ambiente hospitalar, mas a 0,00 10,00 9,09 9,57 dez 16 para o ambiente jan 17ambulatorial efev 17 “Esta ferramenta mar 17 nos permite abr 17 17 equipe do IOV a adaptou clínico. identificar possíveismai danos 8,00 de auditorias multidisciplinares, bem como discutir e desenvolver planos para melhoria da assistência por meio por meio da criação de barreiras de prevenção de risco”, explica o oncologista Dr. Henrique Zanoni Fernandes. 6,00

GLOBAL TRIGGERS TOOL - 2016/2017 GLOBAL TRIGGERS TOOL - UNIDADE DE QUIMIOTERAPIA SJC

Unidade de Quimioterapia São José dos Campos 2016/2017

4,00

10,00

9,09 9,57

Measure #1: Danos/1000 atendimentos

2,00

8,00

0,00

6,00

0,00 0,00 dez 16

0,00 0,00 jan 17

0,00 fev 17

0,00

0,00 mar 17

0,00

0,00 abr 17

0,00 mai 17

4,00 2,00 0,00

0,00 0,00 dez 16

0,00 0,00 jan 17

fev 17

0,00 0,00 mar 17

0,00 0,00 abr 17

0,00 0,00 mai 17

Measure #2: Danos/1000 procedimentos

No mês de fevereiro, identificamos 02 eventos/danos que estão sendo tratados para avaliar a necessidade de medidas preventivas.

GLOBAL TRIGGERS TOOL -

de DE Quimioterpaia Taubaté 2016/2017 GLOBAL TRIGGERS TOOL -Unidade UNIDADE QUIMIOTERAPIA TAUBATÉ 2016/2017 10,00

Measure #1: Danos/1000 atendimentos GLOBAL TRIGGERS TOOL Measure #2: Danos/1000 procedimentos Unidade de Quimioterpaia Taubaté 2016/2017

8,00 6,00 10,00

4,00

8,00 6,00

0,00 4,00

0,00 0,00 dez 16

0,00 0,00 jan 17

0,00 0,00 fev 17

2,00 0,00

2,55

1,92

2,00

0,00 0,00 dez 16

0,00 0,00 jan 17

0,00 0,00 fev 17

2,36 1,25

mar 17 1,92

0,00 0,00 mai 17

abr 17 2,55 2,36

1,25 mar 17

abr 17

0,00 0,00 mai 17

Mantemos o índice previsto de < 5 eventos/danos para 1000 atendimentos/procedimentos.


8

EDUCAÇÃO CONTINUADA

Curso realizado no IOV apresenta os princípios do Lean na prática

N

o dia 28 de junho, o Lean Institute Brasil realizou no IOV, unidade de São José dos Campos, mais uma edição do encontro de “Introdução ao Lean Thinking na Saúde”. O curso, que reuniu vinte participantes de diferentes organizações – tanto na área da saúde como de outros setores, teve como objetivo apresentar a essência do pensamento Lean aplicado à saúde e permitir que os participantes conhecessem na prática o trabalho desenvolvido no IOV, na transformação da gestão. “Lean pode significar mais qualidade, mais segurança, menores custos e maior produtividade, dimensões fundamentais para a competitividade sustentável das organizações de saúde. Acreditamos que o conhecimento Lean pode trazer para os profissionais da área da saúde uma maior capacidade de resolver problemas, gerenciar e melhorar as rotinas de trabalho, além de contribuir para a construção de processos mais seguros para os pacientes”, explica o diretor do Lean Institute Brasil e responsável pelo curso, Flávio Battaglia. O curso apresenta as técnicas e os conceitos do Lean fundamentais, as bases metodológicas para que as organizações comecem a desenvolver suas próprias capacidades de fazer melhorias. Dessa forma, os participantes foram preparados para observarem in loco a experiência do IOV.

“Em quase 30 anos de trabalho, eu nunca vi uma empresa conseguir disseminar a sua estratégia de forma tão clara entre todos os seus colaboradores, nem um alinhamento tão objetivo e, mais do que isto, nunca vi tanta verdade em tudo o que se faz e propõe a fazer. Realmente, o que vi no IOV foi uma lição de gestão que levarei por toda minha vida, coisas simples, mas muito bem pensadas, que fazem muita diferença, uma verdadeira riqueza que compartilharei sempre com quem tiver oportunidade. A intenção da estratégia é muito percebida pelos pacientes, pois embora em um momento difícil de suas vidas o que se vê é um sorriso e a feição de satisfação no rosto de cada um”, comenta o participante do curso e gerente de operações Saúde e Odonto PME

da SulAmérica, Marcos Quintana. Battaglia ressalta que o maior aprendizado está associado à constatação de que é possível aplicar o Lean e obter excelentes resultados. “O ambiente organizacional e a cultura do IOV surpreendem. Ao término do curso, comentou-se enfaticamente o visível comprometimento observado por parte de todos os níveis da organização com uma postura de evolução permanente e foco naquilo que é valor para o paciente”, finaliza Battaglia.

O que vi no IOV foi uma lição de gestão que levarei por toda minha vida


9

QUALIDADE DE VIDA

Dia do Cuidador orienta familiares e acompanhantes de pacientes

F

undamental para o tratamento de uma pessoa com câncer, o cuidador está ligado aos processos de recuperação do paciente, mas o ‘cuidar’ de uma pessoa pode trazer momentos de estresse, dúvidas, sofrimento, medos, ansiedade e as mais diversas dificuldades. Por isso, o Dia do Cuidador é um momento especial em que o IOV “cuida de quem cuida”. Mas quem é o cuidador? O cuidador é a pessoa que ajuda o paciente durante o seu tratamento, pode ser o filho, familiar, companheiro ou outra pessoa que esteja próxima ao paciente, como um amigo ou vizinho. O Dia do Cuidador é um evento no qual a Equipe Multiprofissional leva informações e dicas importantes para os participantes, para que eles tenham mais confiança, tranquilidade e segurança. Na edição de junho, os cuidadores de São José puderam participar de palestras de diversas áreas como serviço social, psicologia, fisioterapia, enfermagem, farmácia e nutrição. Cada profissional apresentou informações sobre sua área e os cuidados específicos. “É muito importante que o cuidador participe dessas atividades, às vezes ele pode pensar que só ele passa por determinada situação e não sabe o que fazer, mas a troca de experiência com outros cuidadores e com os profissionais do

IOV ajuda e muito”, comenta a médica oncologista e coordenadora da Equipe Multiprofissional do IOV, Dra. Cristiane Dias Bittencourt. A fisioterapeuta Carla Marzullo Plens abordou sobre a importância do autocuidado e o cuidado ao paciente, como saber tomar conta de alguém acamado e ter uma postura correta. “É fundamental saber fazer a mudança de cama para a cadeira, tomando cuidado para não prejudicar as próprias costas. O paciente precisa ser estimulado a ficar em pé, a caminhar um pouco”, afirma a profissional. Já na unidade de Taubaté, os

cuidadores participaram de palestras com uma nutricionista e uma psicóloga. “Nós fizemos uma pesquisa, previamente, para saber quais eram as maiores dúvidas e o que os cuidadores gostariam que fosse abordado durante o evento, por isso escolhemos essas duas áreas. O Dia do Cuidador é muito importante, pois quem cuida também precisa parar um tempo e dedicar a si mesmo. É nesse momento que eles têm uma palavra de conforto, podem tirar dúvidas e focar nas próprias necessidades”, explica a coordenadora de enfermagem e VSM da assistência em Taubaté, Priscilla Arcas de Moura. O evento é gratuito e oferecido, exclusivamente, para os familiares e acompanhantes dos pacientes que estão em tratamento no Grupo IOV.


10

EQUIPE

Prevenção e segurança: a importância da equipe de limpeza do Grupo IOV

C

om a mesma importância de um bom atendimento, equipamentos modernos e médicos especializados, a limpeza em uma clínica contribui diretamente para a saúde e segurança de todos. O Grupo IOV conta com uma equipe de 11 colaboradoras que atuam diariamente na limpeza, garantindo um local higienizado e seguro. Antes de integrar a equipe de limpeza, todas as colaboradoras participaram de um treinamento técnico na integração e, periodicamente, são treinadas conforme as necessidades de atualização.

Segundo a coordenadora da equipe de limpeza e secretária executiva do IOV, Melissa Freitas, a higienização correta e a organização são decisivas para a segurança de todos que frequentam as unidades. “A limpeza traz sensação de bem-estar, segurança e conforto aos colaboradores e pacientes”, comenta. Dedicação e comprometimento Vale destacar que além de todo conhecimento das técnicas que essa função exige, as colaboradoras da equipe de limpeza se destacam pela

responsabilidade e comprometimento. Recentemente, as colaboradoras elaboraram um A3 da equipe – uma ferramenta que é utilizada internamente pelo IOV na resolução de problemas. “As colaboradoras preencheram um A3 sobre a limpeza dos banheiros, abordando o retrabalho, tempo gasto e desperdícios em começar as atividades e não conseguir terminar a limpeza em uma única vez. A equipe pensou até na segurança dos demais colaboradores, alertando sobre possíveis riscos de queda”, afirma Melissa Freitas.

No Grupo IOV, os setores que mais exigem cuidados são a farmácia e a quimioterapia, pois precisam ser limpos e desinfetados todos os dias rigorosamente, respeitando a técnica e ordem estabelecidas pela Comissão de Controle de Infecções do IOV.

Foto da equipe: Ana Paula Gomes da Silva, Ana Lúcia Alves dos Santos, Maria Moizes de Melo, Maria de Lourdes L. Vergilio, Cecilia da Silva Visgueira, Antonia Marta Torres Tediole, Neli Oliveira, Maria Piedade de Oliveira, Dalva Ramos de Andrade, Denisia Nogueira, Katia Aparecida de Oliveira.


11

OFICINAS

Festa Junina no IOV é celebrada com comidas típicas e brincadeiras

B

olinho caipira, pé de moleque, paçoca, pipoca, pescaria, bingo e música caipira, a Festa Junina do Grupo IOV foi marcada por momentos de alegrias. O evento que é realizado para os pacientes, familiares, colaboradores e médicos, tem o objetivo de estimular a qualidade de vida dos pacientes durante o tratamento. Em São José dos Campos, a Festa aconteceu no dia 29 de junho, já em Taubaté, o evento aconteceu no dia 5 de julho. A Festa Junina faz parte da programação das Oficinas de Qualidade de Vida que são promovidas pela Equipe Multiprofissional para auxiliar os pacientes durante o tratamento. “A festa junina proporciona momentos de alegria. Através dessa confraternização, promovemos a qualidade de vida para os pacientes, que saem um pouco da rotina do tratamento”, afirma a médica oncologista e coordenadora da Equipe Multiprofissional do IOV São José dos Campos, Dra. Cristiane Bittencourt. O evento é uma oportunidade de descontração e confraternização entre todos que participam, é um dia diferente para quem está em tratamento, para os acompanhantes e para toda a equipe de profissionais envolvida. “Sempre são muito bons esses eventos. É uma outra maneira de interagir com a equipe, é o que tira um pouco do peso do tratamento. A festa propicia um momento em que é possível levar seus

São José dos Campos

São José dos Campos filhos para brincar e se divertir. Eles podem observar que o lugar não gira em torno apenas do tratamento. É um lugar que propicia socialização e seus filhos podem, através do evento, interagir e conversar com a equipe de funcionários do IOV e observar e entender um pouco do seu tratamento já que o evento é realizado na clínica e todos os funcionários estão presentes”, afirma a paciente em tratamento, Margarete Flávia. Os colaboradores também aproveitam o momento junto aos seus pacientes. “É muito gratificante ver a alegria dos pacientes e dos colaboradores em um ambiente fora do

Taubaté

tratamento. A rotina, difícil também aos familiares, contrasta com o clima ameno, festivo e gostoso para todas as partes. É possível observar como esses momentos são bons na vida dos pacientes. Seja no sorriso durante o próprio evento, os agradecimentos e os comentários positivos nos dias seguintes ou também os relatos que os mesmos fazem aos funcionários”, comenta a enfermeira Tatiane Rosa Reis dos Santos.

É sempre muito bom participar desses eventos.


IOV&VOCÊ Edição 64  

Informativo do Grupo IOV

Advertisement