Issuu on Google+

Bibliografia completa Patrícia de Mendonça Rodrigues Doutora em Antropologia pela Universidade de Chicago (EUA)

Agostinho, Pedro. 1974. Kwarìp: mito e ritual no alto Xingu. São Paulo: EPU/EDUSP. Aires de Casal, Manuel. 1945 [1817]. Corografia Brasílica. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional. Alencastre, José Martins Pereira de. 1864. “Annaes da Província de Goyaz”. Revista Trimensal do Instituto Histórico, Geographico e Ethnographico do Brasil. Tomo 27: 5-186, 229-349. ---------1998a [1861]. “Relatório apresentado à Assembléia Legislativa Provincial de Goyaz na sessão ordinária de 1861 pelo Exmo. Presidente da Província José Martins Pereira de Alencastre”. In Memórias Goianas 9: relatórios dos governos da Província de Goiás, 1861-1863. Goiânia: UCG. ---------1998b [1862]. “Relatório lido na abertura d’Assembléia Legislativa de Goyaz pelo Exmo. Sr. José Martins Pereira de Alencastre no dia 1° de junho de 1862”. In Memórias Goianas 9: relatórios dos governos da Província de Goiás, 1861-1863. Goiânia: UCG. Almeida, Rita Heloísa de. 2006. Relatório de viagem em visita às aldeias Karajá e Tapirapé do lado ocidental da Ilha do Bananal situada entre os estados de Tocantins e Mato Grosso. Brasília: CGEP/FUNAI. Ataídes, Jézus Marco de. 2001. Documenta indígena do Brasil Central. Goiânia: UCG. Atlas do Tocantins, 2001. Atlas do Tocantins: subsídios ao planejamento da gestão territorial. Palmas: Governo do Estado do Tocantins. Audrin, José M. 1946. Entre sertanejos e índios do norte: o Bispo missionário Dom Domingos Carrérot. Rio de Janeiro: Agir. Aureli, Willy. 1962a [1939]. Roncador. São Paulo: Leia. ---------1962b [1952]. Bandeirantes d’Oeste. São Paulo: Leia. ---------1963. Biu Marrandu (os Donos das Chuvas): penetração do rio Uabé, na Ilha do Bananal. São Paulo: Leia.


Aytai, Desidério. 1977. “Um mito Karajá: a origem da chuva / 1”. Publicações do Museu Municipal de Paulínia 1: 2-5. ---------1978. “Um mito Karajá: a história do arco-íris”. Publicações do Museu Municipal de Paulínia 5:20-21. ---------1979a. “O sistema tonal da música Karajá”. Revista do Museu Paulista 26: 257-265. ---------1979b. “Weheriá Karajá conta a lenda do sol”. Publicações do Museu Municipal de Paulínia 8: 7-12. ---------1979c. “Obstetrícia Karajá”. Publicações do Museu Municipal de Paulínia 10: 1-11. ---------1980. “O mundo cromático Karajá”. Publicações do Museu Municipal de Paulínia 13: 9-25. ---------1981. “Como os juré viraram macacos contado por Weheria Karajá”. Publicações do Museu Municipal de Paulínia 16: 16-18. ---------1982a. “Moça Karajá faz boneca de barro”. Publicações do Museu Municipal de Paulínia 21: 15-20. ---------1982b. “Da caderneta de campo do antropólogo: Publicações do Museu Municipal de Paulínia 22: 17-25.

o

fuso

Karajá”.

---------1983a. “Sonho e morte no mundo Karajá / 1”. Publicações do Museu Municipal de Paulínia 23: 9-20. ---------1983b. “Sonho e morte no mundo Karajá / 2”. Publicações do Museu Municipal de Paulínia 24: 12-27. --------- 1985. “Hawakati Karajá conta a história do boto”. Publicações do Museu Histórico de Paulínia 28: 6-15. --------- 1986. “O Karajá em seu universo”. Revista do Museu Paulista 31. ---------1988a. “Pintura somática Karajá / 1: tentativa para sua sistematização”. Publicações do Museu Histórico de Paulínia 36: 9-28. ---------1988b. “Pintura somática Karajá / 2”. Publicações do Museu Histórico de Paulínia 37: 33-49. ---------1993a. “Contribuição ao estudo dos mitos Karajá / 1”. Publicações do Museu Histórico de Paulínia 58: 47-51. ---------1993b. “Contribuição ao estudo dos mitos Karajá / 2”. Publicações do Museu Histórico de Paulínia 59: 57-60. Baena, Antonio L. Monteiro. 1848. “Resposta ao Ilm. e Exm. Sr. Herculano Ferreira Penna, Presidente da Província do Pará, sobre a communicação mercantil entre a dita província e a de Goyaz, dada pelo Sr. tenente-coronel Antonio Ladisláo Monteiro Baena, membro correspondente do Instituto”. Revista Trimensal de História e Geographia do Instituto Histórico e Geographico Brasileiro (IHGB) 10: 80107.


Baldus, Herbert. 1937. “Mitologia Karajá e Terena”. In Ensaios de Etnologia Brasileira. Série Brasiliana 101: 181-271. São Paulo: Nacional. ---------1948. “Tribos da bacia do Araguaia e o Serviço de Proteção aos Índios”. Revista do Museu Paulista 2: 137-168. ---------1970. Tapirapé: tribo Tupi no Brasil Central. Série Brasiliana 17. São Paulo: Nacional. ---------1976. “O xamanismo na aculturação de uma tribo tupi do Brasil Central”. In Leituras de etnologia brasileira. Org. Egon Schaden. 455-485. São Paulo: Nacional. Bauer, Matthias. 1971. Geistervorstellungen der Karajá (Brasilien). Dissertação de Mestrado, Ludwig Maximilians Universitat, München. ---------1984/1985. “Ritos de máscaras dos Javaé em transição”. Relatórios de pesquisas na aldeia Javaé Canoanã, Ilha do Bananal, Goiás. Manuscrito. Brasília: FUNAI. ---------1985. Das Heto hokã der Karajá in S. Isabel in Jahr 1984. Manuscrito. Brasília: FUNAI. Benton, William (ed). 1970. “Araguaia, Rio”. Enciclopédia Barsa 2: 99. São Paulo: Melhoramentos. Bonilla, Lydie Oiara. 1997. Um village sans cimetière: regard ethnographique sur l’établissement d’une communauté Javaé dans un village de colons, Porto Txuiri, Ilha do Bananal (Brésil Central). Mémoire de Maîtrise d’Ethnologie, Université de Paris X, Nanterre. ---------2000. Reproduzindo-se no mundo dos brancos: estruturas KARAJÁ em Porto Txuiri (Ilha do Bananal, Tocantins). Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Antropologia do Museu Nacional, UFRJ. ---------2003. “Continuité et transformations culturelles à Porto Txuiri: appropriation de l’espace et du corps des Blancs par les Indiens KARAJÁ (Ilha do Bananal, Brésil Central)”. In Éclats d’empire: du Brésil à Macao. Org. E. Carreira & e I. Muzart-Fonseca dos Santos. Paris: Maisonneuve et Larose. Borges, Mônica Veloso. 1997. As falas masculina e feminina em Karajá. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Letras da Universidade Federal de Goiás. Brasil, Americano do. 1961 [1932]. Súmula da história de Goiás. Goiânia: Departamento Estadual de Cultura. Bueno, Marielys Siqueira. 1975. Macaúba: uma aldeia Karajá em contato com a civilização. Dissertação de Mestrado, Instituto de Ciências Humanas e Letras da Universidade Federal de Goiás. ---------1987. A mulher Karajá de Macaúba. Tese de Doutorado, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. Carneiro da Cunha, Manuela. 1992. “Política indigenista no século XIX”. In História dos índios no Brasil. Org. Manuela Carneiro da Cunha. 133-154. São Paulo: Companhia das Letras. Cavalcante, Marita Porto. 1992. “Fonologia do Karajá”. Revista do Museu Antropológico 1 (1):63-76. Goiânia: UFG.


Chaim, Marivone Matos. 1974. Os aldeamentos indígenas na Capitania de Goiás. Goiânia: Oriente. Chiara, Wilma. 1970. Les poupées des indiens Karajá. Tese de Doutorado, Université de Paris X, Nanterre. Cícero de Assis, Antero. 1999a [1872]. “Relatório apresentado à Assembléia Legislativa Provincial de Goiáz pelo Exmo. Sr. Dr. Antero Cícero de Assis, Presidente da Província, em 1° de junho de 1872”. In Memórias Goianas 11: relatórios dos governos da Província de Goiás, 1870-1874. Goiânia: Editora UCG. ---------1999b [1873]. “Relatório apresentado à Assembléia Legislativa Provincial de Goiáz pelo Exmo. Sr. Dr. Antero Cícero de Assis, Presidente da Província, em 1° de junho de 1873”. In Memórias Goianas 11: relatórios dos governos da Província de Goiás, 1870-1874. Goiânia: Editora UCG. ---------1999c [1874]. “Relatório apresentado à Assembléia Legislativa Provincial de Goiáz pelo Exmo. Sr. Dr. Antero Cícero de Assis, Presidente da Província, em 1° de junho de 1874”. In Memórias Goianas 11: relatórios dos governos da Província de Goiás, 1870-1874. Goiânia: Editora UCG. ---------1999d [1875]. “Relatório apresentado à Assembléia Legislativa Provincial de Goiáz pelo Exmo. Sr. Dr. Antero Cícero de Assis, Presidente da Província, em 1° de junho de 1875”. In Memórias Goianas 12: relatórios dos governos da Província de Goiás, 1875-1879. Goiânia: Editora UCG. ---------1999e [1876]. “Relatório apresentado à Assembléia Legislativa Provincial de Goiáz pelo Exmo. Sr. Dr. Antero Cícero de Assis, Presidente da Província, em 1° de junho de 1876”. In Memórias Goianas 12: relatórios dos governos da Província de Goiás, 1875-1879. Goiânia: Editora UCG. Correa, Marcos Sá. “O parque nacional do bom selvagem”. Jornal O Estado de São Paulo, 27.4.2006. Costa Júnior, Plácido. 1999. Relatório ambiental à identificação e delimitação da Terra Indígena Inãwébohona (anteriormente denominada “Boto Velho”). Brasília: FUNAI/PPTAL. Couto de Magalhães. José Vieira. 1957 [1863]. Viagem ao Araguaia. Série Brasiliana 28. São Paulo: Nacional. ---------1998 [1863]. “Relatório apresentado à Assembléia Legislativa de Goyaz pelo Presidente da Província, o Exmo. Sr. Dr. José Vieira Couto de Magalhães, no dia 1° de junho de 1863”. In Memórias Goianas 9: relatórios dos governos da Província de Goiás, 1861-1863. Goiânia: UCG. Crocker, Jon Christopher. 1979. “Selves and alters among the eastern Bororo”. In Dialectical societies: the Gê and Bororo of Central Brazil. Org. David MayburyLewis. 249-300. Cambridge: Harvard University Press. ---------1985. Vital souls: Bororo cosmology, natural symbolism, and shamanism. Tucson: University of Arizona Press. Cruvinel, Noraldino Vieira. 1976. Relatório: P.I. Canoanã, Ilha do Bananal, GO. Brasília: FUNAI. Cunha Mattos, Raymundo José da Cunha. 1836. Itinerário do Rio de Janeiro ao Pará e Maranhão pelas províncias de Minas Gerais e Goyaz. Tomo II. Rio de Janeiro.


---------1979 [1874]. Corografia histórica da Província de Goiás. Goiânia: SUDECO. Davis, Irvine. 1968. “Some Macro-Jê relationships”. International Journal of American Linguistics 1 (34): 42-47. Dietschy, Hans. 1960. “Note a propos des danses des Caraja (1): ‘Pas de deux’, amitiè formelle et prohibition de l’inceste”. Société suisse des Américanistes (SSA)19: 1-5. Genève: Musée et Institut d’Ethnographie. ---------1974. “L’homme honteux et la femme-crampon: en marge des ‘Mythologiques’ de Claude Lévi-Strauss”. Société suisse des Américanistes 38: 3540. Genève: Musée d’Ethnographie. ---------1976. “Cultura como sistema psico-higiênico”. In Leituras de Etnologia Brasileira. Org. Egon Schaden. 315-322. São Paulo: Nacional. ---------1977. “Espace social et ‘affiliation par sexe’ au Brésil Central (Karajá, Tapirapé, Apinayé, Mundurucu). Actes du XLIIe Congrès International des Américanistes 2: 297-307. Paris. ---------1978. “Graus de idade entre os Karajá do Brasil Central”. Revista de Antropologia 21: 69-88. 1ª parte. Universidade de São Paulo. Donahue, George. 1982. A contribution to the ethnography of the Karajá indians of Central Brazil. Tese de Doutorado, Department of Anthropology, University of Virginia. Ehrenreich, Paul. 1948. “Contribuições para a Etnologia do Brasil”. Revista do Museu Paulista 2: 7-136. Fénelon Costa, Maria Heloísa. 1978. A arte e o artista na sociedade Karajá. Brasília: FUNAI. Ferreira, Manoel Rodrigues. 1977. As bandeiras do Paraupava. São Paulo: Prefeitura Municipal. Fialho, Maria Helena S. da Silva. 1998. Neologismos em Karajá. Dissertação de especialização, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Fonseca, José Pinto da. 1867. “Carta que o Alferes José Pinto da Fonseca escreveu ao Exm. General de Goyazes, dando-lhe conta do descobrimento de duas nações de índios, dirigida do sítio onde portou”. Revista Trimensal de História e Geographia do Instituto Histórico e Geographico Brasileiro (IHGB) 8: 376-390. Rio de Janeiro. Fortune, David Lee. 1973. “Gramática Karajá: um estudo preliminar em forma transformacional”. Série Lingüística 1:101-161. Brasília: Summer Institute of Linguistics. ---------1988. The category of person and associated semantico-grammar of the Karajá pro-nominal system. Amerindia 13: 75-85. Fortune David L. & Fortune, Gretchen. 1975. “Karajá men’s – women’s speech differences with social correlates”. Arquivos de Anatomia e Antropologia 1 (1):110124. Rio de Janeiro: Instituto de Antropologia Prof. Souza Marques. ---------1986. Relatório geral sobre educação bicultural Karajá. Brasília: Summer Institute of Linguistics.


Franchetto, Bruna & Heckenberger, Michael J. (org.). 2001. Os povos do Alto Xingu: história e cultura. Rio de Janeiro: UFRJ. FUNAI. 1994. Laudos de vistoria e avaliação de benfeitoria. Gurupi: Administração Executiva Regional da FUNAI. ---------1999. Plano de operação, fiscalização e vigilância do Parque Indígena do Araguaia, Ilha do Bananal, 1999. Gurupi: Administração Executiva Regional da FUNAI. FUNASA, 2007. Indicadores demográficos. Formoso do Araguaia: Pólo Base da Fundação Nacional da Saúde. Gallais, Estevão Maria. 1942. O apóstolo do Araguaia: Frei Gil Vilanova, missionário dominicano. Prelazia de Conceição do Araguaia. São Paulo: Gráfica da “Revista dos Tribunais”. Gomes de Siqueira, João Bonifácio. 1998 [1863]. “Relatório com que o Exmo. Sr. Dr. João Bonifácio Gomes de Siqueira, Vice-Presidente da Província de Goyaz, passou a administração da mesma ao Exmo. Sr. Dr. José Vieira Couto de Magalhães”. In Memórias Goianas 9: relatórios dos governos da Província de Goiás, 1861-1863. Goiânia: UCG. Gutemberg, Marinoni Almiro. 1975. Tainá Racan, a Estrela d’Alva Carajá: crônicas, lendas, mitos e costumes dos índios Carajás, gramática histórica e vocabulário indígena. Goiânia: Oriente. Heckenberger, Michael J. 2001. “Epidemias, índios bravos e brancos: contato cultural e etnogênese no Alto Xingu”. In Os povos do Alto Xingu: história e cultura. Org. Bruna Franchetto & Michael Heckenberger. 77-110. Rio de Janeiro: UFRJ. Karasch, Mary. 1992. “Catequese e cativeiro: política indigenista em Goiás, 17801889”. In História dos índios no Brasil. Org. Manuela Carneiro da Cunha. 397-412. São Paulo: Companhia das Letras. Krause, Fritz. 1940-1944 [1911]. “Nos sertões do Brasil”. Revista do Arquivo Municipal de São Paulo 69-95. Lima Brito, Georthon Aurélio. 2007. Relatório anexo ao Programa anual de trabalho: proteção às terras indígenas 2007. Administração Executiva Regional de Gurupi: SEPIMA/FUNAI. Lima Filho, Manuel Ferreira. 1994. Hetohoky: um rito Karajá. Goiânia: UCG. ---------1999. “Karajá”. In Enciclopédia dos povos indígenas. www.socioambiental.org. São Paulo: ISA. ---------2001. O desencanto do oeste. Goiânia: UCG. ---------2006. “Karajá de Aruanã”. In Índios de Goiás: uma perspectiva históricocultural. Org. Marlene Castro O. de Moura. 135-152. Goiânia: UCG. Lima Filho, Manuel Ferreira & Alvarenga Nunes, Maria Eugênia Brandão. 1992. Cerâmica Karajá e outras notas etnográficas. Goiânia: UCG. Lipkind, William. 1940. “Carajá cosmography”. The Journal of American Folklore 53 (210): 248-251.


---------1948. “The Carajá”. Handbook of South American Indians 3: 179-191. Washington: Smithsonian Institution. Machado, Othon. 1947. Os Carajás (inan-son-uéra): contribuição ao estudo dos indígenas brasileiros. Comissão Rondon 104. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional. Maia, Marcus A. R. 1986. Aspectos tipológicos da língua Javaé. Dissertação de Mestrado, Departamento de Letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro. ---------1997. “Poetica oral Karajá: los Ibruhuky”. Actas 3: 435-442. Jornada de Lingüística Aborigen. Buenos Aires: UBA. ---------2001. “Representações da educação Karajá”. Revista Educação e Sociedade 22 (75). Campinas: CEDES. ---------2002. “Werè Tyyritina: alfabetização na língua javaé”. In Educação Escolar Indígena 4. Org. Marilda Almeida Marfan. 122-128. Brasília: MEC/SEF. ---------2004. “Evidential processes in Karaja”. In Sur le médiatif II. Guentcheva, Z. & Landaburu, J. Paris: CNRS.

Org.

Mello, Darcy S. Bandeira de. 1982. Entre índios e revoluções (pelos sertões de São Paulo, Mato Grosso e Goiás de 1911 a 1941). São Paulo: Soma. Menget, Patrick. 1993. “Les frontières de la chefferie: remarques sur le système politique du haut Xingu (Brésil)”. In La remontée de l’Amazone: anthropologie et histoire des sociétés amazoniennes. Org. Philippe Descola & Anne C. Taylor. L’Homme 33 (126-128): 59-76. Moraes Jardim, Joaquim Rodrigues de. 2001 [1880]. “Exposição que fez o Sr. Major de Engenheiros Dr. Joaquim Rodrigues de Moraes Jardim sobre sua viagem ao Araguaya, Goyaz”. In Memórias Goianas 13: relatórios dos governos da Província de Goiás, 1880-1881. Goiânia: UCG. Olímpio Machado, Eduardo. 1996a [1850]. “Falla que recitou o Presidente da Província de Goyaz, o Doutor Eduardo Olímpio Machado, n’abertura da Assembléia Legislativa da mesma província, em 1° de maio de 1850”. In Memórias Goianas 5: relatórios dos governos da Província de Goiás, 1850-1853. Goiânia: UCG. . 1996b [1850]. “Relatório com que o Ex-Presidente da Província de Goyaz, o Sr. Doutor Eduardo Olímpio Machado, entregou à presidência da mesma, ao seo successor, o Exmo. Sr. Doutor Antônio Joaquim da Silva Gomes”. In Memórias Goianas 5: relatórios dos governos da Província de Goiás, 1850-1853. Goiânia: UCG. Oliveira, Haroldo Cândido de. 1950. Índios e sertanejos do Araguaia: diário de viagem. São Paulo: Melhoramentos. ---------1952. “O estado de saúde dos índios Karajá em 1950”. Revista do Museu Paulista 6: 489-508. Palacin, Luís. 1994 [1976]. O século do outro em Goiás 1722-1822: estrutura e conjuntura numa Capitania de Minas. Goiânia: UCG. Palha, Luiz. 1942. Índios Metropolitana, Imprimatur.

Curiosos:

lendas,

costumes,

línguas.

Cúria


Pétesch, Nathalie. 1987. “Divinités statiques, hommes em mouvement: structure et dynamique cosmique et sociale chez les indiens Karajá du Brésil Central”. Journal de la Société des Américanistes 73: 75-92. ---------1992. La pirogue de sable: modes de représentation et d’organisation d’une société du fleuve: les Karaja de l’Araguaia (Brésil central). Tese de Doutorado, Université de Paris X, Nanterre. ---------1993. “A trilogia Karajá: sua posição intermediária no continuum Jê-Tupi”. In Amazônia: etnologia e história indígena. Org. Eduardo Viveiros de Castro & Manuela Carneiro da Cunha. 365-384. São Paulo: NHII-USP/FAPESP. ---------2000. La pirogue de sable: pérennité cosmique et mutation sociale chez les Karajá du Brésil central. Paris: Peeters. Pimentel da Silva, Maria do Socorro. 2001. A situação sociolingüística dos Karajá de Santa Isabel do Morro e Fontoura. Brasília: DEDOC/FUNAI. Pinheiro, Paulo. 1994. Missão Carajás. Tatuí, São Paulo: Casa Publicadora Brasileira. Pinto, Alfredo Moreira. 1894. “Bananal”. Diccionário Geográphico do Brasil 1: 200. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional. Pizarro e Araújo, José de Souza Azevedo. 1948 [1819]. Memórias históricas do Rio de Janeiro (e das Províncias anexas). Vol. 9. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional. Porantim. 2007. “Ilha do Bananal, a realidade que ninguém quer ver: avanço do agronegócio, uso irregular dos rios e invasores ameaçam as terras indígenas e a biodiversidade da região”. Porantim 294. Brasília: CIMI. Portela, Cristiane de Assis. 2006. Nem ressurgidos nem emergentes: a resistência histórica dos Karajá em Buridina em Aruanã – GO (1980-2006). Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Goiás. Ribeiro, Eduardo Rivail. 1996. Morfologia do verbo Karajá. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Letras da Universidade Federal de Goiás. ---------2001/2002. “Empréstimos Tupí-Guaraní em Karajá”. Revista do Museu Antropológico 5-6: 75-100. ---------2005. “Análise morfológica de um texto Karajá”. In Novos estudos sobre línguas indígenas. Org. Aryon D. Rodrigues & Ana Suelly A. C. Cabral. 99-128. Brasília: UnB. Ribeiro da Silva, Hermano. 1935. Nos sertões do Araguaia: narrativas da expedição às glebas bárbaras do Brasil Central. São Paulo: Saraiva. Ricardo, Fany (org.). 2004. Terras indígenas & unidades de conservação da natureza: o desafio das sobreposições. São Paulo: ISA. Rodrigues, Patrícia de Mendonça. 1992. Relatório de identificação e delimitação da Terra Indígena Marãiwatséde. Brasília: FUNAI. ---------1993. O Povo do Meio: tempo, cosmo e gênero entre os Javaé da Ilha do Bananal. Dissertação de Mestrado, Departamento de Antropologia da Universidade de Brasília.


---------1995. “Alguns aspectos da construção do gênero entre os Javaé da Ilha do Bananal”. Cadernos Pagu 5: 131-147. Campinas: PAGU/UNICAMP. ---------1999a. “O surgimento das armas de fogo: alteridade e feminilidade entre os Javaé”. In Dossiê Mulheres Indígenas. Org. Bruna Franchetto. Estudos Feministas 7 (1, 2): 195-205. IFCS / UFRJ, CFH / UFSC. ---------1999b. “Mudança e Alteridade entre os Javaé da Ilha do Bananal”. In Demarcando Terras Indígenas - Experiências de um Projeto de Parceria. Ed. Marcia Gramkow. Brasília: PPTAL/GTZ. ---------2000. “Javaé”. In Enciclopédia www.socioambiental.org. São Paulo: ISA.

dos

povos

indígenas.

---------2004a. “Notas sobre os Karajá e Javaé”. In Terras indígenas & unidades de conservação da natureza: o desafio das sobreposições. Ed. Fanny Ricardo. 480481. São Paulo: ISA. ---------2004b. “O povo do meio: uma paradoxal mistura pura”. Revista de Estudos e Pesquisas 1 (1): 11-63. Brasília: FUNAI. ---------2005. “De corpo aberto: o poder tecnológico dos não-índios no mito e na cosmologia Javaé”. Habitus 3 (1): 125-143. Goiânia: UCG. ---------2006a. “Vida Cerimonial e Luto entre os Javaé da Ilha do Bananal”. Revista de Estudos e Pesquisas 3 (1/2). 107-131. Brasília: FUNAI. ---------2006b. “Transformações em largos passos”. In Povos Indígenas no Brasil, 2001/2005. Ed. Beto Ricardo & Fany Ricardo. 720-722. São Paulo: ISA. --------- 2007. “O meio como o lugar da história”. Campos – Revista de Antropologia Social 8 (1): 33-43. Curitiba: UFPR. ---------2008a. Relatório de identificação e delimitação: Terra Indígena Utaria Wyhyna (Karajá) / Iròdu Iràna (Javaé). Brasília: FUNAI/PPTAL. ---------2008b. A caminhada de Tanyxiwè  : uma teoria Javaé da História. Tese de doutorado, Departamento de Antropologia da Universidade de Chicago (EUA). Schiel, Helena Moreira. 2005. O vermelho, o negro e o branco: modos de classificação entre os Karajá do Brasil Central. Dissertação de Mestrado, Departamento de Antropologia da Universidade de São Paulo. Schultz, Harald. 1953. “A pesca tradicional de pirarucu entre os índios Karajá”. Revista do Museu Paulista 7: 249-255. Seeger, Anthony. 1980. Os índios e nós: estudos sobre sociedades tribais brasileiras. Rio de Janeiro: Campus. Serafim Leite, S.I. 1943. História da Companhia de Jesus no Brasil. Tomo III. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro. Silva Gomes, Antônio Joaquim da. 1996 [1851]. “Relatório que à Assembléia Legislativa de Goyaz apresentou na sessão ordinária de 1851 o Exmo. Presidente da mesma Província Doutor Antônio Joaquim da Silva Gomes”. In Memórias Goianas 5: relatórios dos governos da Província de Goiás, 1850-1853. Goiânia: UCG.


Silva e Sousa, Luiz Antônio da. 1849. “O descobrimento, governo, população e cousas mais notáveis da Capitania de Goyaz”. Revista Trimensal de História e Geographia do Instituto Histórico e Geographico Brasileiro (IHGB) 12: 429-519. Spínola, Aristides de Souza. 2001 [1880]. “Relatório apresentado pelo Ilmo. e Exmo. Sr. Dr. Aristides de Souza Spínola, Presidente da Província, à Assembléia L. Provincial de Goyaz, no dia 4 de março de 1880”. In Memórias Goianas 13: relatórios dos governos da Província de Goiás, 1880-1881. Goiânia: UCG. Taveira, Edna Luísa de Mello. 1982. “Etnografia da cesta Karajá”. Coleção Teses Universitárias 22. Goiânia: UFG. Tavener, Christopher J. 1966. Survey of the Caraja and Xambioa on the Araguaia, Brazil, 1966 (with a note on the Javaé). Manuscrito. Brasília: FUNAI. ---------1973. “The Karajá and the Brazilian frontier”. In Peoples and cultures of native South America: an anthropological reader. Org. Daniel. R. Gross. 443-459. Garden City, New York: The Natural History Press. Toral, André Amaral de. 1981. “Os Javaé e a defesa de sua terra”. In Comissão Pró-Índio: a questão da terra indígena. 69-80. São Paulo: Global. ---------1992. Cosmologia e sociedade Karajá. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro. ---------1999. Relatório antropológico à identificação e delimitação da Terra Indígena Inãwébohona (anteriormente denominada “Boto Velho”). Brasília: FUNAI/PPTAL. Toral, André Amaral de & Maia, Marcus Antonio R. 1983. Relatório sobre a situação dos Javaé da Barreira da Cruz (Cristalândia-GO). Brasília: FUNAI. Tournier, Reginaldo. 1942 [1928]. Lá longe, no Araguaia. Prelazia dominicana de Conceição do Araguaia. Turner, Terence. 1979. “The Gê and Bororo societies as dialectical systems: a general model”. In Dialectical societies: the Gê and Bororo of Central Brazil. Org. David Maybury-Lewis. 147-178. Cambridge: Harvard University Press. Viana, Adriana. 1995. A expressão do atributo na língua Karajá. Dissertação de Mestrado, Universidade de Brasília. Villas Bôas, Orlando & Villas Bôas, Cláudio. 1994. A marcha para o oeste: a epopéia da Expedição Roncador-Xingu. São Paulo: Globo. Wagley, Charles. 1988 [1977]. Lágrimas de boas vindas: os índios Tapirapé do Brasil Central. Reconquista do Brasil 2 (137). São Paulo: EDUSP. Whan, Chang. 1998. Reru: figuras em cordéis dos índios Karajá. Dissertação de Mestrado, Escola de Belas Artes, Universidade Federal do Rio de Janeiro.


/biblio_completa