__MAIN_TEXT__
feature-image

Page 1

www.esfelgueiras.org

esf on revista

Escola Secundária de Felgueiras 10

6

2019

MEGA AULA

GINÁSTICA AERÓBICA

RECEÇÃO AOS ALUNOS

mónio i r t a P o peias d

VISITA DE ESTUDO - ROMA

s Euro Jornada

E AINDA: UM LIVRO ACONTECE + ENTREGA DE DIPLOMAS + ERASMUS + + ARTES + CULINÁRIA


esf on revista

DIRETOR: Inácio Lemos, mlemos@esfelgueiras.org REDAÇÃO

Chefe de Redação: Armanda Sousa, asousa@esfelgueiras.org Redação: Bruno Ribeiro, bm428990@gmail.com Bruno Ribeiro

Inês Magalhães, inesmtmagalhaes24@gmail.com Maria João Sousa, marinhomaria31@gmail.com

Colaboradores: Rosa Guimarães, Armanda Sousa, Ofélia Ribeiro, Glória Mota, Pedro Tribuzi, Moisés Pires Clarisse Lemos, Hugo Morais, Ana Felgueiras

Revisão e tradução de Texto: Ofélia Ribeiro, Glória Mota

ARTE

Diretor de Arte: Inácio Lemos, mlemos@esfelgueiras.org Designer: Bruno Ribeiro, bm428990@gmail.com Diogo Silva, diogomsilva0102@gmail.com José Lage, jpedrolmar ns1122@gmail.com

Diogo Silva

FOTOGRAFIA E VÍDEO

Diretor de Fotografia: Diogo Silva, diogomsilva0102@gmail.com Editor de Fotografia: Inês Magalhães, inesmtmagalhaes24@gmail.com José Lage, jpedrolmar ns1122@gmail.com

Editor de Vídeo: Diogo Silva, diogomsilva0102@gmail.com José Lage, jpedrolmar ns1122@gmail.com

Colaboradores: Beatriz Sousa, David Leite, José Pinto Produção Gráfica: Inácio Lemos, mlemos@esfelgueiras.org Inês Magalhães

Administração: Anabela Leal, Emílio Esteves, Elsa Quadrado, Abílio Silva Conselho Editorial: Sandra Teixeira, Paula Magalhães Inácio Lemos Bruno Ribeiro, Diogo Silva, José Lage, Inês Magalhães Maria João Sousa, Beatriz Sousa, David Leite

SEDE: Administração, Redação e Conselho Editorial Escola Secundária de Felgueiras Av. D. Manuel Faria e Sousa 4610-178 Felgueiras Telf: 255 310720 - Fax: 255 310 729 esfelgueiras@esfelgueiras.org www.esfelgueiras.org

José Lage

ESF

scola ecundária elgueiras 2 | outubro 19


EDITORIAL por Anabela Leal Diretora da Escola No início de mais um ano letivo, o número seis da revista ESF ON regista e dá a conhecer a toda a comunidade educativa o intenso trabalho desenvolvido, neste primeiro mês do ano letivo 2019/2020, em atividades informais fora da sala de aula. Um olhar atento sobre a natureza das diferentes atividades aqui registadas permite concluir que estas são o espelho de dois grandes desígnios do Projeto Educativo da Escola Secundária de Felgueiras que se encontra, neste momento, em fase de revisão. Percebe-se, em primeiro lugar, que as atividades aqui registadas resultam, todas elas, de uma intenção planeada e concretizada através do trabalho colaborativo dos diferentes intervenientes. Percebe-se que em todas as atividades realizadas existe um trabalho de equipa que tem por finalidade a concretização de objetivos comuns que serão sempre uma oportunidade de melhoria e crescimento da instituição e dos seus elementos. Por outro lado, percebe-se também, pela natureza e pela concretização das atividades, que a escola está aberta ao meio e que é reconhecido o seu papel de agente cooperante e dinamizador no meio em que está inserida. Para além das atividades em que a escola convida a comunidade

3 | outubro 19

a participar, e nestes primeiros dias tivemos , por exemplo, a receção aos alunos e a entrega dos diplomas em que os pais e encarregados de educação estiveram presentes, há atividades em que a própria comunidade convida a escola a associar-se como parceiro, como , por exemplo, o festival “José AfonsoFestival Balada do Outono” organizado pelo movimento cultural Tertúlias Itinerantes ou a Caminhada Cultural ao Seixoso-Um Encontro com Florbela Espanca, organizada pela Câmara Municipal de Felgueiras e a ACLEM. Nesta fase de revisão do Projeto Educativo que pretende servir de orientação a toda a ação individual e coletiva, através dos objetivos gerais e estratégicos, bem como do Plano de Ação que pretende concretizar a Missão da instituição, percebemos que o planeamento, a articulação e o trabalho colaborativo, bem como o envolvimento e reconhecimento das famílias e da comunidade educativa são duas linhas de ação com resultados reconhecidos que devem ser mantidas e melhoradas. No entanto, para que o caminho da melhoria se faça ainda é necessária a mudança de todos e de cada um. É necessário que todos entendam que ninguém é muito bom em tudo. Que juntos fazemos mais e melhor! Apenas juntos conseguimos fazer muito bem!


esf on

Escola Secundária de Felgueiras

www.esfelgueiras.org

revista 13.9 RECEÇÃO AOS ALUNOS Para os alunos, foi dia de regresso à Escola! Os professores e o pessoal não docente regressaram antes. Nesse dia, além das naturais palavras de boas vindas, quer da Diretora da Escola, quer dos Diretores de Turma, os discursos centraram-se no conceito de responsabilidade.

24.9 CAMINHADA AO SEIXOSO

11.10 ROMA

A caminhada cultural ao Seixoso e o espetáculo “Blasfémia no Seixoso – Um Encontro com Florbela Espanca”. Esta atividade foi dinamizada pela Câmara Municipal de Felgueiras e a ACLEM, em parceria com a Escola Secundária de Felgueiras, pelo CFAE – Sousa Nascente e com o apoio do grupo “Guardadores de Memória Local”..

Os alunos do 11.º C realizaram uma visita de estudo a Itália, mais concretamente à cidade de Roma, no âmbito das disciplinas de História e Cultura das Artes e Geometria Descritiva

SUMÁRIO

SUMÁRIO

4 4| outubro | abril 1919


Escola Secundária de Felgueiras

24.10 U M L I V R O A C O N T E C E

31.10 GINÁSTICA AERÓBICA

Um livro acontece apresentou-se, desta vez, em número duplo, assinalando o centenário do nascimento dos escritores Sophia de Mello Breyner e Jorge de Sena.

Os alunos do Curso Profissional de Técnico de Desporto (11ºJ) realizaram, no dia 31 de outubro de 2019, uma “Aula Aberta de Ginástica Aeróbica”.

SUMÁRIO

www.esfelgueiras.org

27.9 ENTREGA DE DIPLOMAS Este ano a entrega dos Diplomas realizou-se no dia 27 de setembro, sexta-feira, pelas 21h30, no Auditório da nossa escola. Estiveram presentes, além dos alunos e respetivas famílias, os Diretores de Turma e a Direção da escola.

5 | outubro 19


RECEÇÃO AOS ALUNOS O dia 13 de setembro de 2019, para os alunos, foi dia de regresso à Escola! Os professores e o pessoal não docente regressaram antes. E regressaram antes para preparar o intenso trabalho que ao longo de mais um ano letivo irão desenvolver com os cerca de mil alunos que irão frequentar a nossa escola. Regressaram antes porque estão conscientes da enorme responsabilidade que é formar jovens que serão os construtores do amanhã e que desenvolverão comportamentos e ações que terão impacto na vida de todos e de cada um. Regressaram antes porque estão conscientes que a intencionalidade das ações que vão desenvolver com esses jovens exige planeamento, trabalho em equipa e tomada de decisões. Depois de várias reuniões nas quais se planificaram atividades letivas e não letivas e nas quais se pensaram estratégias para dar a resposta adequada a cada turma e a cada aluno, de acordo com o seu perfil e o seu contexto, no dia 13 de setembro tudo estava pronto para receber alunos e encarregados de educação. Nesse dia, além das naturais palavras de boas vindas, quer da Diretora da Escola que recebeu alunos dos sétimos e décimos anos, quer dos Diretores de Turma que receberam os alunos dos restantes anos escolares, os discursos centraram-se no conceito de responsabilidade.

6|4outubro | abril 1919


Aos alunos foi lembrado que todos os adultos são responsáveis pela educação e pela criação de condições para que aprendam e se tornem adultos realizados individualmente e comprometidos com o bem comum. Os professores têm a responsabilidade de ensinar e motivar os alunos para a aprendizagem. Os pais têm a responsabilidade de , em casa, criar as condições favoráveis aos estudo e à aprendizagem, mas o que de mais importante lhes foi dito é que se alguma destas responsabilidades dos adultos falhar isso não pode servir de desculpa para que falhem na sua responsabilidade individual de estudar, aprender e ter o comportamento que favoreça a aprendizagem individual e do grupo. Foi-lhes dito que cada um tem responsabilidade individual sobre a sua própria educação e que não podem deixar escapar a oportunidade de descobrir aquilo em que cada um é bom, aquilo para que cada um tem mais aptidão. É na escola que devem fazer esta descoberta porque é na escola que testam um conjunto de saberes e atividades que lhes permitem fazer esta descoberta. A todos se desejou um ano de muito trabalho, descoberta e lembranças para a vida.

7 | outubro 19


Entrega de Diplomas A entrega do Diploma de Conclusão do ensino secundário aos alunos que, em cada ano letivo, concluem esta etapa, é uma prática que a Escola Secundária vem mantendo ao longo dos últimos anos. Pretende-se, através deste evento que envolve a comunidade educativa, fazer uma ação de reconhecimento formal da conclusão, com sucesso, de uma etapa tão marcante na vida de cada estudante. Este ano a entrega dos Diplomas realizou-se no dia 27 de setembro, sexta-feira, pelas 21h30, no Auditório da nossa escola. Estiveram presentes, além dos alunos e respetivas famílias, os Diretores de Turma e a Direção da escola. Viveram-se momentos emotivos e as palavras e os testemunhos de todos foram, por um lado, de alegria e satisfação pelo sentido de conquista e dever cumprido, nas também de alguma nostalgia e saudade dos momentos e vivências partilhados por professores e alunos. Aos alunos que concluíram com sucesso esta etapa das suas vidas, desejamos as maiores felicidades e conquistas pessoais. Desejamos, também, que regressem sempre que queiram àquela que será sempre a sua escola.

8 4| outubro | abril 1919


UM LIVRO ACONTECE A biblioteca da Escola Secundária de Felgueiras, comemorando o dia Internacional das bibliotecas escolares, realizou mais uma edição de Um livro acontece*, o número 41. Um livro acontece apresentou-se, desta vez, em número duplo, assinalando o centenário do nascimento dos escritores Sophia de Mello Breyner e Jorge de Sena. Na pequena nota à edição diz-se sobre os autores: “Amigos, Sophia e Sena, trocaram, ao longo de dezanove anos, em tempos que tinham travo político a emigração forçada, uma afinidade que arriscava o gesto da liberdade de expressão. Em cartas falaram sobre as personalidades pessoais e artísticas de um e de outro, sobre o tempo que viveram, sobre o que era Portugal em tempo de ditadura. Evocar estes dois nomes da literatura é a nossa maneira de aprender com eles a (re)conhecer um tempo em que se constrói a liberdade a pulso.”.

A sessão de apresentação aconteceu, no dia 24 de outubro, no grande auditório da escola, em dois momentos, com um momento musical por alunas dos 11º e 12º anos, seguido da leitura de poemas pelos alunos, individual e coletivamente, e pelos professores. Foi um momento descontraído de descoberta de talentos e de partilha de leituras à volta dos autores, das suas vidas e dos seus poemas. *Um livro acontece é uma publicação de bolso em formato físico (plaquete) e, desde 2018, também ebook, que pretende divulgar, em coletânea de vários autores ou de um só autor, textos dos diferentes géneros literários e diferentes temáticas. Esta publicação, que já vai no nº 41, visa ser um primeiro contacto dos alunos, dos professores e da restante comunidade educativa com os autores e os textos, por isso, a sua distribuição é gratuita no espaço escolar, como incentivo à leitura. A responsabilidade editorial é da Biblioteca Escolar nasceu em Aveiro, a 2 de agosto de 1929, e faleceu no Hospital de Setúbal (residia nesse concelho, em Vila Nogueira de Azeitão), a 23 de fevereiro de 1987. 9 | outubro 19

Outubro é o mês internacional das bibliotecas escolares A biblioteca escolar desempenha um papel muito importante em cada escola, é um espaço de aprendizagem físico e digital onde a leitura, pesquisa, investigação, pensamento, imaginação e criatividade são fundamentais para o percurso dos alunos da informação ao conhecimento e para o seu crescimento pessoal, social e cultural. A biblioteca escolar é um espaço aberto e acessível a todos, um espaço de informação de qualidade em diferentes suportes e media. Um espaço seguro onde são incentivadas e apoiadas a curiosidade individual, a criatividade e o desejo de aprender e onde é possível explorar diversos assuntos, inclusive temas controversos, em privacidade e segurança. A biblioteca escolar é um centro de literacia, onde a comunidade escolar desenvolve a leitura e a literacia em todas as suas formas e é também um espaço social aberto a eventos culturais, profissionais e educativos (por exemplo, efemérides, encontros, exposições) para a comunidade em geral. A biblioteca escolar é o teu espaço e o teu tempo, porque “o que impede de saber não são nem o tempo nem a inteligência, mas somente a falta de curiosidade” [Agostinho da Silva 1906-1994]. Texto adaptado de Schultz-Jones, B. e Oberg D. (2016). Diretrizes da IFLA para a biblioteca E s c o l a r. I F L A . R e t i r a d o d e https://www.ifla.org/files/assets/sch ool-libraries-resourcecenters/publications/iflaschoollibrary-guidelines-pt.pdf. Consultado em 29/09/2019


Escola Secundária de Felgueiras acolhe a iniciativa “José Afonso – Festival Balada do Outono”

O auditório da Escola Secundária de Felgueiras acolheu, na tarde do sábado do dia 12 de outubro, a segunda de seis sessões culturais do festival levado a efeito desde 5 outubro e até 30 de novembro no concelho e denominado “José Afonso – Festival Balada do Outono”, organizado pelo movimento cultural Tertúlias Itinerantes, informal e sem fins lucrativos, fundado em 2010, e do qual fazem parte José Carlos Pereira, Lília de Castro e Costa, Gonçalo Magalhães e Cristina José Rodrigues. A Escola Secundária de Felgueiras, a Associação José Afonso, o PEN Clube Português e a Antena 1 são quatro das 27 entidades que apoiam este festival. A organização justifica a sua realização por em 2019 decorrerem 90 anos após o nascimento de Zeca Afonso, por em 2020 decorrerem 60 anos após o lançamento da canção “Balada do Outono”, que foi um marco de viragem na música portuguesa. O objetivo é perpetuar a memória viva do

poeta-cantor-compositor junto dos cidadãos mais jovens, principalmente em fase escolar. Esta sessão, realizada no dia 12, acolheu um concerto com temas do homenageado durante mais de uma hora pelo grupo musical “Uma vontade de música”, que é constituído por 5 elementos masculinos e 3 femininos. São artistas, professores, especialistas e investigadores com livros publicados, entre os quais figuras da rádio que já trabalharam com músicos e cantores conhecidos. De seguida, a atriz Cristiana José disse poemas de Zeca Afonso e de outros poetas portugueses. José Quintela, escritor felgueirense, recitou um longo poema, intitulado “Balada do Sado”. Na segunda parte, houve lugar para uma conversa entre várias personalidades que trouxeram José Afonso a Felgueiras a 4 de outubro 1969, em plena ditadura, para um concerto no então Cine-Teatro Fonseca

Moreira (atualmente, Casa das Artes), onde cantou muitos temas de liberdade e contra a opressão. Também atuaram, nesse concerto de há 50 anos, Manuel Freire e Mário Viegas, entre outros. Falaram Alexandre Manuel, ex-deputado da Assembleia da República, antigo jornalista da revista Flama e do Diário de Notícias; Deodato Martins e a professora já aposentada Lourdes Moura. Francisco Melo, antigo livreiro em Felgueiras, teve de se retirar por motivos pessoais. Alexandre Manuel lembrou: “Nunca o Cine-Teatro teve tantos membros da PIDE como naquela noite. Um inspetor da polícia política quis que a GNR impedisse Zeca Afonso de cantar, mas o cabo Arlindo Pinto não obedeceu à ordem, respondeu-lhe que as canções eram tão lindas que seria pena interrompê-las”. O concerto realizou-se duas semanas antes das eleições legislativas daquele ano, que não eram livres.

Nesta sessão, foi inaugurada uma exposição da discografia de José Afonso, de livros proibidos no Estado Novo e outros objetos alusivos. O auditório da escola Secundária de Felgueiras acolherá nova sessão cultural deste festival. Será no dia 23 de novembro, pelas 16h00. Será feita a estreia em Portugal e fora do Brasil do documentário “Coragem! As muitas vidas do cardeal D. Paulo Evaristo Arns”, dirigido por Ricardo Carvalho, alusivo à ditadura militar brasileira, e a apresentação do livro “D. Paulo Evaristo Arns – Um homem amado e perseguido”, de Evanize Sydom e Marilda Ferri. O historiador José Pacheco Pereira e o antigo bispo das Forças Armadas D. Januário Torgal Ferreira comentarão o filme, a ditadura militar brasileira (1964-1985) e a temática dos direitos humanos. O grupo musical Ludegário, Ludomila e Sónia Sousa abrilhantará a sessão. José Afonso – carinhosamente tratado por Zeca Afonso e de seu nome completo José Manuel Cerqueira Afonso dos Santos –, nasceu em Aveiro, a 2 de agosto de 1929, e faleceu no Hospital de Setúbal (residia nesse concelho, em Vila Nogueira de Azeitão), a 23 de fevereiro de 1987. 104| |outubro abril 1919


Jornadas Europeias do Património No dia 28 de setembro, no âmbito das Jornadas Europeias do Património, realizou-se a caminhada cultural ao Seixoso e o espetáculo “Blasfémia no Seixoso – Um Encontro com Florbela Espanca”. Esta atividade foi dinamizada pela Câmara Municipal de Felgueiras e a ACLEM, em parceria com a Escola Secundária de Felgueiras, pelo CFAE – Sousa Nascente e com o apoio do grupo “Guardadores de Memória Local”.

E vejo-me (Oh, milagre cheio de graça!) Dentro de ti, em ti, igual a Deus!

Durante o espetáculo memoriou-se Florbela Espanca. Nos pátios e janelas do palacete recitou-se e musicou-se alguns poemas da sua obra, momentos vividos e aplaudidos entusiasticamente pela plateia. O evento culminou com um lanche nos jardins envolventes, onde os caminhantes conviveram, apreciaram a paisagem envolvente e puderam degustar pão-de-ló e cavacas, doçaria que compõe o património gastronómico da nossa terra. Depois de se refrescarem, bebericando a água da Fonte de Juvêncio, iniciaram o regresso aos seus lares. Foi desta forma que se promoveu o Património e a Memória da nossa terra, um dos pilares estratégicos do Ano Municipal da Educação. Ainda neste âmbito, a Escola Secundária de Felgueiras aderiu à iniciativa “O património vai à Escola”, encetada pelo Dr. Carlos Ferreira. Desta forma, os alunos, das turmas 10.º E, F e G dos cursos de Humanidades e Artes Visuais, tiveram a oportunidade de, em contexto de sala de aula, assistir a sessões de partilha de conhecimento, em torno da temática do Património, com incidência nas suas diversas vertentes: bibliográfico, documental, fotográfico e edificado. Com o objetivo de sensibilizar ao Património e a Memória de Felgueiras, as

Desta forma, numa tarde de sábado de outono solarengo, mais de cento e cinquenta interessados agruparam-se no Largo da Estação, na Lixa, e realizaram uma caminhada de cerca de 4 Km até à estância do Seixoso, local onde outrora Florbela Espanca cuidara do corpo e da alma. Durante o percurso os participantes foram surpreendidos com a história e as estórias da casa do Seixoso, através da declamação de poemas, proferida por alunos do 11.º F da nossa escola. Depois de se embrenhar pela mata, o grupo chegou ao destino e, pelas mãos do grupo “Há Lá Trio e Rio da Mika”, assistiram ao espetáculo “Blasfémia no Seixoso – Um Encontro com Florbela Espanca”. A poetisa estanciara na Seixoso, em 1928, e aí redigira “Blasfémia”: Cala-te... Escuta... Naõ me digas nada... Cai a noite nos longes donde vim... Toda eu sou alma e amor! Sou um jardim! Um pat́ io alucinante de Granada! Dos meus ciĺ ios, a sombra enluarada, Quando os teus olhos descem sobre mim, Traça trem ́ ulas hastes de jasmim Na palidez da face extasiada! Sou no teu rosto a luz que o alumia... Sou a expressaõ das tuas maõ s de raça... E os beijos que me daś já foram meus... Em ti sou gloŕ ia, altura e poesia! 11 | outubro 19

turmas 10.º F, 11.º C, E e F integraram, no início do mês de outubro, a atividade “À descoberta das ruas e personalidades” e, no próximo mês de novembro, realizarão uma visita à Vila Romana de Sendim as turmas 10.º E, F e G. É do interesse do Departamento de Ciências Sociais e Humanas da Escola Secundária de Felgueiras, continuar a participar nas atividades encetadas pela autarquia e diligenciar ações que promovam o Património e a Memória.


Erasmus+ "

The role of guidance and counselling in planning further education,

training and career in pupils in secondary and upper secondary education

Participei, através do programa Erasmus +, integrado na rubrica “Transnational Cooperation Activities“, numa TCA intitulada “The role of guidance and counselling in planning further education, training and career in pupils in secondary and upper secondary education”, que decorreu na Dinamarca, Odense durante os dias 30 de setembro, 1 e 2 de outubro de 2019 e que reuniu 34 professores e profissionais de 17 países diferentes. Saliento a excelente organização do seminário e acolhimento dos participantes, pela entidade organizadora dinamarquesa.

Neste programa de formação tive a honra de representar Portugal, junto com uma outra professora do Agrupamento de Escolas de Lapiás, Sintra. Esta participação foi muito enriquecedora e cumpriu todas as minhas expectativas a nível profissional e pessoal. Foi, particularmente, motivadora a oportunidade de conhecer um sistema educativo completamente distinto, num país diferente e, ao mesmo tempo com pontos em comum, sobretudo no que se refere às preocupações de professores e do governo dinamarquês, relativamente à falta de motivação dos alunos para aprenderem, sobre a orientação vocacional e também abandono escolar precoce. Foi interessante perceber como se organiza o sistema educativo dinamarquês e uma surpresa descobrir que a escolaridade obrigatória é até aos 16 anos e ainda mais surpreendente o facto de que a frequência 10.º ano de escolaridade (ano entre o final da escolaridade obrigatória e o prosseguimento de estudos) é uma opção de alunos e famílias e que este acontece sobretudo em escolas privadas (residential schools) que

oferecem aos alunos a oportunidade de investirem em áreas educacionais específicas dependendo dos interesses dos alunos, mas que é sobretudo encarado como uma experiência de excelência para os jovens desenvolverem as chamadas “ social skills”, sentido de responsabilidade e maturidade de modo a fazerem escolhas educacionais e profissionais adequadas ao seu perfil. O aspeto mais interessante desta experiência foi descobrir que a educação vocacional, ou seja o aconselhamento para as opções de escolhas profissionais e de carreiras se faz a partir do 7.º ano de escolaridade e continua no 8.º ano de escolaridade. Nesta matéria, o governo Dinamarquês está a fazer uma sólida aposta na educação Vocacional, vulgo ensino profissional, uma vez que também eles identificaram uma grande fragilidade na sociedade, ou seja, a falta de profissionais qualificados em diferentes áreas técnicas. Foi muito importante perceber como se motivam então jovens de 12 -13 anos a descobrir as profissões e, eventualmente, vocações. Os jovens são “ obrigados “ a ter um contacto real com o mundo do trabalho, tendo que fazer curtos estágios nas empresas locais. Lá como aqui, também se luta contra o preconceito relativamente aos cursos vocacionais e com a resistência das famílias. Os muitos profissionais de diferentes quadrantes envolvidos neste projeto inovador na escola dinamarquesa parecem estar de acordo que esta é uma via necessária para que os jovens tenham conhecimento das imensas possibilidades ao dispor no mercado de trabalho e assim poderem, num futuro próximo, escolher a profissão certa para cada um. A via é sempre privilegiar um contacto muito próximo da escola com as empresas e instituições locais. Os seminários foram espaços ideais de troca de opiniões, discussão, análise e comparação dos diferentes sistemas educativos apresentados por todos os professores, em representação de dezassete países europeus. A partilha de ideias, a apresentação de pontos de vista e o pensamento crítico foram sem dúvida o ponto alto desta formação na Dinamarca. Profissionalmente, regressei a Portugal com mais e melhor informação e enriquecimento cultural fundamentais num mundo em constante evolução e sobretudo porque, enquanto professora, espero continuar a representar a minha escola, a Escola Secundária de Felgueiras, com toda a qualidade educativa possível e quem sabe, acredito também, na oportunidade de influenciar alguns alunos. Pessoalmente, vim também muito mais rica com a oportunidade única de conhecer pessoas com ideias, percursos e culturas muito diversas e com algumas das quais se abre uma porta para futuras colaborações institucionais muito interessantes para a nossa escola. Ofélia Ribeiro

124| |outubro abril 1919


CURSO PROFISSIONAL COZINHA/PASTELARIA

Aveludado de Frango Ingredientes: 1 Frango do Campo 2 cebolas brancas 1 talo de aipo 1 alho francês 300gr de arroz carolino 50gr de manteiga (com ou s/ sal) sal q.b Confeção: 1. Cortar o frango em pedaços e levar ao lume numa panela com água para cozer. Temperar com sal. 2. Cortar as cebolas, o alho francês, o aipo e levar ao lume (mínimo) numa panela com a manteiga. Ir mexendo e deixar cozinhar por 8/12 minutos. 3. Após o frango estar cozido, desfiar o mesmo e reservar a água da cozedura. 4. Juntar a água da cozedura do frango à panela dos legumes, adicionar o arroz e deixar cozinhar. 5. Assim que o arroz estiver cozido, triturar com uma varinha mágica (ideal é usar uma bimby ou algo semelhante) e passar por um chinês. 6. Levar novamente ao lume (mínimo, para não agarrar) novamente com o frango e assim que ferver está pronto a servir. Nota: Se o creme estiver muito grosso adicione mais água da cozedura do frango estufar lentamente. Adicionar o caldo de carne diluído com o açafrão. Juntar o arroz e deixar ferver. Quando cozido refrescar com salsa. Colocar o arroz numa travessa Decorar a gosto e servir.

Elementos decorativos (opcional) Cogumelos desidratados; Folhas de Salsa; Óleo

13 | outubro 19

Preparação: 1. Às vezes, temos cogumelos no frigorífico a passar a validade. Quando isso acontece e para não desperdiçar matéria-prima, podemos desidratar os cogumelos e aumentamos assim a sua validade. Colocar os cogumelos num tabuleiro e levar ao forno a 50ºC durante 8 horas. Se tiver um desidratador ainda melhor. Assim que os cogumelos estiverem totalmente secos, levar a um robot e triturar. Pode triturar e deixar em pedaços ou em pó (como preferir). Reservar num frasco de vidro 2. Pegar em umas folhas de salsa e fritar. Atenção que a salsa depois de lavada deve ser bem seca para o óleo não começar a saltar. Fritar e secar bem a gordura com papel.


VISITA DE ESTUDO A ITÁLIA - rOMA Uma experiência que nunca vamos esquecer De 11 a 14 de outubro de 2019, vinte e um alunos do 11º C realizaram um Passeio Escolar à cidade de Roma, no âmbito das disciplinas de História e Cultura das Artes e Geometria Descritiva. Eis o testemunho de uma das alunas participantes. “Roma foi muito mais que uma visita de estudo, uma viagem ou um simples passeio. Roma foi uma experiência repleta de vivências que nunca vamos esquecer. Na semana anterior à viagem, já ninguém nos suportava por tanta agitação. Fosse qual fosse a conversa, conseguíamos sempre que o assunto chegasse a Roma. Afinal de contas, o que dizem é verdade, sobre onde vão dar todos os caminhos… Quando chegou o momento de entrar no autocarro, a boa disposição instalou-se. Seguiu-se o avião, de novo o autocarro e uns belos minutos a pé, perdidos à procura do nosso destino, o “famoso” Palladini Hostel. O que supostamente era a primeira noite para dormir, foi só a primeira noite, porque de dormir não teve nada. E mais não digo. Sem dormir e cheios de sono, estávamos nós às sete da manhã a tomar o pequeno-almoço. Devo salientar que nunca pensei comer chocapics num prato de plástico e muito menos com uma colher de café (o que me obrigou a comer um chocapic de cada vez). A nossa primeira paragem foi o Vaticano. Simplesmente impossível de descrever. Os guias foram contando a sua história, descrevendo as esculturas, as pinturas, os detalhes. Tudo à nossa volta era merecedor de ser chamado Arte. Desde as mais famosas esculturas, até uma simples porta, tudo nos chamava à atenção. Perdi-me entre todos os pormenores e senti-me esmagada por tanta maravilha. Seguidamente, fomos almoçar. Foi o momento de dor das nossas carteiras. Pagar 20 € por um panado com batatas fritas não foi só um roubo. Pensar que em Portugal podíamos ter pago com aquele dinheiro um rodízio!!! Mas vamos esquecer essa parte. De tarde, fizemos um percurso espetacular. Entre as paragens, vimos o Castelo de Sant'Angelo, A Piazza Navona, a famosa Fontana de Trevi, outras

144| |outubro abril 1919


fontes, praças, igrejas, o Panteão. Cada monumento mais bonito que o outro. Cada detalhe, do mais clássico ao mais barroco, era tudo encantador. Nem precisávamos esforçar-nos muito. Podíamos escolher aleatoriamente qualquer rua e mesmo assim víamos mais palácios renascentistas do que supermercados no centro de Felgueiras. Depois de tantos quilómetros, tivemos direito a descanso, que supostamente se prolongou pela noite adentro, devido ao cansaço geral. Mas as noites em Roma nunca serviram para dormir. Era impossível passar pelos olhos com tanta gente entusiasmada na conversa. Segundo dia, pequeno-almoço às oito. Os professores mais simpáticos connosco no cumprimento dos horários. Chocapics comidos, seguimos para o Coliseu. Mais uma manhã incrível entre os detalhes da construção e a descrição do que se passava dentro daquelas paredes. Tudo era cativante. Logo de seguida visitámos o Forum Romano. Chegou a hora do almoço e a preparação para mais uma longa caminhada, cheia de paragens. Acabámos o dia deslumbrados com mais praças, mais igrejas, mais esculturas e também…com muitas dores nos pés.

15 | outubro 19

Descansámos, recuperámos, jantámos e, desta vez, conseguimos energia para partir na aventura de conhecer a beleza noturna desta cidade do Amor. Simplesmente encantador. Arrisco-me a dizer que foi o momento que mais gostei. Era domingo à noite. Havia pouca gente na rua e as estradas principais estavam cortadas ao trânsito. Em comparação com o barulho do dia, a cidade estava em silêncio. As luzes iluminavam os monumentos principais. Roma estava linda e vulnerável. Última noite e, para variar, muita conversa e poucas horas de sono. Acordámos, fomos ao pequeno-almoço e tivemos uma manhã livre para compras e para passear. Uns perdidos pela cidade e outros entre os Jardins da Villa Borghese, assim passámos as últimas horas em Roma. Por fim, após mais um autocarro, um avião, outro avião (que quase perdemos) e outro autocarro, estávamos de volta. Apesar de todos os contratempos, ou mesmo até por causa deles, Roma vai ser uma experiência que permanecerá para sempre connosco. Como já disse, foi muito mais que uma viagem. Foi conhecer, aprender, desenvolver as relações entre nós e até criar novos laços inesperados. Voltámos mais cansados, mas mais unidos e prontos para a próxima viagem.” Inês Mendes, 11º C


Visita de estudo Estuário do Sado, Lisboa (Percurso Queirosiano), salinas de Rio Maior e fábrica da Renova Nos dias 10 e 11 de outubro realizou-se a visita de estudo no âmbito das disciplinas de Português, Geografia e Economia para as turmas 11.ºD, do curso de Ciências Socioeconómicas e 11.ºE e 11.ºF do curso de Línguas e Humanidades. Os objetivos eram vários mas a equipa de professores pretendia, basicamente, complementar os conhecimentos adquiridos nas aulas; sensibilizar o aluno para espaços cívicos, institucionais e de cultura importantes para a sua formação integral e proporcionar-lhes diferentes formas de aprendizagem. A saída da ESF às 6:30h não desencorajou os alunos que tiveram de madrugar para estar tudo a postos para a partida. A viagem era longa até Setúbal, nomeadamente até à Praia da Figueirinha onde um extenso areal, um bonito céu azul e um dia maravilhoso de sol nos

esperava para almoçar. Após o almoço, realizou-se o cruzeiro na foz do rio Sado com o objetivo de compreender a dinâmica ambiental e económica que envolve o estuário e uma vã tentativa de avistar golfinhos (dizemos vã, pois foi algo que não aconteceu!). Os malandros estavam “estacionados”, ao que parece, para os lados da praia da Comporta. De regresso ao cais de Setúbal fez-se o percurso até ao alojamento no Parque de Campismo de Monsanto com paragem em Belém para saborear (ou não) os famosos pastéis de Belém. Depois de jantar voltou-se à Baixa Pombalina onde se realizou o interessantíssimo e lindíssimo Percurso Queirosiano com os

professores de Português a servirem de guias turísticos e a apelarem ao grupo para tomarem notas no peddy-paper previamente entregue. O grupo foi ainda brindado com uma passagem rápida pelo Hard Rock Café. Já passava da meia noite quando se regressou ao alojamento. O dia seguinte seria bastante preenchido e, como tal, havia a necessidade de repor as energias. Depois do pequeno-almoço, viajou-se até às Salinas de Rio Maior. Tratam-se de salinas a 30 km do mar formadas há milhões de anos. O conjunto apresenta-se como uma minúscula aldeia de ruas de pedra e casas de madeira, junto à qual se destacam os tanques de formas e dimensões irregulares, onde se forma o sal.O objetivo era reconhecer a importância da exploração das salinas para o desenvolvimento da região uma vez que, praticamente, as 2000 toneladas de sal produzidas este ano são vendidas apenas e somente no local. Por causa disso, alguns de nós viemos carregados de sal para os próximos tempos! Com almoço no MacDonalds de Torres Novas, ficava a faltar a última atividade: a visita à fábrica da Renova. Assim, dirigimo-nos às instalações da empresa onde, em pequenos grupos, se visitou a ETAR e o interior da fábrica, onde se tomou conhecimento da extrema importância do investimento em inovação e desenvolvimento e da necessidade de internacionalização da economia. Pudemos comprovar a excelente posição do grupo Renova no mercado e a responsabilidade que assume em termos sociais e ambientais. No final da visita, a ida à exsurgência (nascente) do rio Almonda que

fornece a água para a realização de todo o processo produtivo permitiu compreender a importância do relevo cársico e da nascente na localização da Renova. Por último, visitou-se a loja da Renova onde se encontra à venda toda a vasta gama de produtos da empresa. De regresso a Felgueiras, professores e alunos consideram a visita muito proveitosa, tendo sido cumpridos os objetivos estipulados. Ana Maria Felgueiras Lia Santos

164| |outubro abril 1919


CLUBE do EMPREENDORISMO O clube do Empreendedorismo e Empregabilidade (CEE) resultou de uma proposta da Comissão de Avaliação InternaEquipa EQAVET. De facto, no seu Plano de Ação, a Equipa EQAVET entendeu por bem propor a criação de um clube que pudesse contribuir para o reforço do espírito empreendedor dos nossos alunos e para a sua empregabilidade. A ideia foi bem acolhida pela Direção da Escola que acabou por nomear uma equipa composta por professores do grupo 430. Atualmente integram este Clube os professores Ana Maria Felgueiras (coordenadora), Álvaro Brochado e Avelino Alves. No sentido de concretizar os seus objetivos, o Clube conta com os preciosos apoios do Instituto do Emprego e Formação Profissional de Felgueiras (IEFP) e da Dra. Lara Torres da Costa (Comunidade Intermunicipal Tâmega e Sousa | Município de Felgueiras) que se mostraram, desde o início, muito recetivos às propostas de trabalho apresentadas. Aproveitamos desde já, para, publicamente, lhes agradecer por toda a atenção e colaboração prestadas a este projeto. Com os seus contributos, os alunos do 12º ano dos cursos profissionais vão beneficiar ainda durante o primeiro período de sessões de trabalho onde poderão esclarecer dúvidas relativas à procura ativa de emprego, à criação do próprio emprego, ao empreendedorismo, à realização de estágios profissionais, a modalidades de financiamento, entre outras. Para além destas iniciativas, o clube tem já outras agendadas para outros níveis de ensino e que oportunamente dará a conhecer. Os professores que integram o clube estão disponíveis para colaborar em projetos para os quais se solicite a sua colaboração e que visem a promoção do empreendedorismo e empregabilidade dos alunos da Escola, assim como para apoiar os jovens na procura ativa de emprego. A coordenadora do CEE, Ana Maria Felgueiras

17 | outubro 19

CLUBE DAS ARTES O desafio foi criar uma peça de arte que mostrasse a Igualdade de Género. A peça foi desenvolvida no Clube de Artes plásticas da Escola Secundária de Felgueiras e a proposta tem como título "Prémio de consolação". Pretende ser um gesto reflexivo sobre a dualidade masculino/feminino e é uma homenagem irónica do Feminino ao Masculino.

Pedro Rodrigues (professor responsável pelo Clube de Artes Plásticas)


Dia Internacional do Idoso No passado dia 1 de outubro, comemorou-se o Dia Internacional do Idoso, que se prolonga durante todo o mês. O 12.º L, do curso profissional de Técnico de Apoio Psicossocial, comemorou a data nos dias 17 e 24, recebendo 40 idosos que participaram em diversas atividades desenvolvidas pelos alunos. As atividades passaram pela estimulação do tato, olfato, audição, a visão e a memória, não esquecendo a atividade física. Foram momentos de diversão, partilha de histórias de vida e aprendizagem para todos os participantes e intervenientes.

184| |outubro abril 1919


entrega de diplomas

leituras fantรกsticas

1 livro acontece 19 | outubro 19


MEGA AULA Ginástica Aeróbica No âmbito da disciplina de Animação e Lazer (UFCD de Ginástica Aeróbica – A Aula) a turma do Curso Profissional de Técnico de Desporto (11ºJ) realizou, no dia 31 de outubro de 2019, uma “Aula Aberta de Ginástica Aeróbica”. Esta atividade tinha como objetivos envolver a comunidade educativa nas atividades escolares e aplicar as regras básicas utilizadas na construção de sequências coreográficas. Os alunos participaram de forma empenhada e com muita vontade, o que contribuiu para o bom ambiente e para o sucesso da atividade.

204| |outubro abril 1919


21 | outubro 19


ESF

scola ecundรกria elgueiras O FUTURO COMEร‡A AQUI...

Profile for Inácio Lemos

ESF.ON OUTUBRO 2019  

ESF.ON N.º6 OUTUBRO 2019

ESF.ON OUTUBRO 2019  

ESF.ON N.º6 OUTUBRO 2019

Advertisement

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded