Page 1


SUMÁRIO Uma publicação anual do Governo do Estado da Bahia Secretaria de Comunicação Social Governador RUI COSTA Vice-Governador JOÃO LEÃO Secretário de Comunicação Social ANDRÉ CURVELLO

EDITORIAL / 06 ANO TRÊS / 08

Editor-Geral IPOJUCÃ CABRAL Assessoria Editorial OLENKA MACHADO. Editoras Assistentes ILZA FONTES ANA LÍVIA LOPES Colaboração da Casa Civil ROBERTA SAMPAIO Editor de Fotografia RENNAN CALIXTO Jornalistas Colaboradores Alberto Maraux, Claudia Oliveira, Dori Machado, Erick Issa, Fabiane Pita, Isaac Jorge, Jairo Santos, Kleidir Costa, Lenilde Pacheco, Lucas Peixoto, Maisa Amaral, Nilson Galvão, Pablo Barbosa, Silvia Costa, Tita Moura.

MOBILIDADE / 10 SAÚDE / 18

Produção Gráfica LEIAUTE Impressão GRASB

EDUCAÇÃO / 32

Tiragem 10 MIL EXEMPLARES GRATUITOS. VENDA PROIBIDA Endereço Governadoria – 3ª. Avenida, n. 390. Plataforma IV, 1º. Andar – CAB CEP: 41745-005 / Salvador (BA) / www.bahia.ba.gov.br

CULTURA / 50


GRAFITE / 58

DESENVOLVIMENTO RURAL / 64

ENERGIA / 88

AGROPECUÁRIA / 74 ECONOMIA / 80

ÁGUA / 94

INFRAESTRUTURA / 100

SEGURANÇA / 106

MULHER / 112 REPARAÇÃO / 118

ASSISTÊNCIA SOCIAL / 124 TURISMO / 132

ESPORTE / 134

TECNOLOGIA / 138 GESTÃO FINANCEIRA / 142

PATRIMÔNIO / 128


TERRA-MÃE EDITORIAL

EXCELÊNCIA COMO META


A construção de uma revista impressa no tempo em que a informação direta migrou para a internet exige um formato revitalizado e instigante. Textos aprofundados, palatáveis, em busca da receptividade dos leitores. Esforço significativo, já que o bom jornalismo dá muito trabalho. TERRA MÃE aposta nessa tendência e quer atingir o nível de excelência. Sempre contando com profissionais de talento, seriedade e experiência, gente que labuta diariamente nas assessorias de comunicação do estado. A revista que você tem em mãos traz a missão de noticiar o que aconteceu de mais relevante no ano de 2017 no Governo

da Bahia. Um relato de como a gestão estadual respondeu à crise, valorizando o gasto público e investindo em projetos que trazem mais qualidade de vida e desenvolvimento para os baianos. Na capa, um registro dos avanços na proposta de regionalização da saúde. Só este ano foram três novos hospitais, quatro policlínicas e mais de 13 mil cirurgias realizadas de forma itinerante, contemplando 371 municípios. Um convite à leitura da edição Ano Três da revista TERRA MÃE, na certeza de oferecer uma boa amostra de como tem sido vitoriosa a trajetória da democracia nas políticas públicas.


Foto: Ana Paula Bispo/ Ascom Sedur

TERRA-MÃE ANO TRÊS

Ação em resposta à crise Governo da Bahia fecha o terceiro ano de trabalho consolidando o modelo de desenvolvimento que prioriza as pessoas e responde à crise com investimentos, equilíbrio financeiro e uma agenda de superação

O compromisso de se manter na rota traçada, alinhado ao conjunto de princípios que fundamentam a trajetória da democracia nas políticas públicas, consolida os alicerces do Governo da Bahia. Mesmo em meio à profunda crise econômica e política, são muitas as respostas à desafiante conjuntura. Fruto do empenho em qualificar a máquina estadual e otimizar o gasto público, realizando o que é realmente

prioridade para as pessoas e a infraestrutura do estado. A começar pelo equilíbrio nas contas, que faculta ao governo baiano pagar os salários dos servidores em dia, cumprir compromissos com fornecedores e manter o segundo mais alto investimento do país. Sendo que, se comparado proporcionalmente a São Paulo, primeiro no ranking, o investimento da Bahia nos oito

primeiros meses de 2017 é mais significativo. Ano a ano, vem garantindo a continuidade de obras e serviços estruturantes. Mas as diretrizes que regem a condução da Bahia têm foco nas pessoas. Política social para construir uma agenda de superação e consolidar a rota do desenvolvimento. Avançar no combate à pobreza, no acesso à educação, na regionalização da saúde, no


enfrentamento à violência, além da promoção da igualdade racial e autonomia das mulheres. Respostas concretas na saúde, como a inauguração de três novos hospitais, quatro policlínicas e mais de 13 mil cirurgias realizadas de forma itinerante, contemplando 371 municípios. Programas vitoriosos na educação, como o Mais Futuro, o Primeiro Emprego e o Partiu Estágio. O Mais Futuro, para estudantes em condições de vulnerabilidade socioeconômica, visa garantir a permanência e a conclusão das graduações. O Primeiro Emprego busca inserir egressos e estudantes da educação profissional no mercado de trabalho, enquanto o Partiu Estágio é voltado para universitários de instituições estaduais, federais e particulares

que tenham concluído pelo menos 50% da graduação. Outras respostas como o investimento de mais de R$ 1 bilhão aplicados no custeio de políticas e ações de fomento à agricultura familiar. Como o apoio à cadeia produtiva da caprinovinocultura e alevinos na Bahia, com 22 municípios entre os 50 maiores municípios produtores de bodes, cabras e cabritos. Ações para retomar o crescimento econômico, priorizando a garantia do emprego e manutenção do poder de consumo das famílias. Para tanto, fez-se necessário investir na infraestrutura de logística do estado, não só na capital, mas buscando a interiorização do desenvolvimento, refletido na indústria, no comércio e

nos serviços. Remodelar a logística com grandes projetos de mobilidade. Com maior visibilidade atualmente, o metrô já tem mais de 95% das obras concluídas, e vai chegar ao aeroporto de Salvador no início de 2018, integrado com ônibus urbanos e metropolitanos. No mais, destacar que a cultura da transversalidade está plenamente disseminada nas ações compartilhadas entre secretarias, como estratégia para articular o desenvolvimento dos setores e integrar as políticas públicas para construir democracia. Experiências vitoriosas como o Grafitaê e o Mais Grafite - que envolvem as Secretarias de Educação, da Cultura, da Promoção da Igualdade Racial e a SJDHDS -, não só ilustram como estimulam a prática.


TERRA-MÃE MOBILIDADE

mais qualidade de vida Foto: Camila Souza

Metrô chega a Lauro de Freitas no início de 2018, com mais de 95% das obras concluídas, incorporando novos usuários ao sistema na integração com ônibus urbanos e metropolitanos


11


TERRA-MÃE MOBILIDADE

Foto: Mateus Pereira

Com pouco mais de 95% das obras concluídas, o sistema metroviário de Salvador já mantém a operação plena de 19 das 20 estações das linhas 1 e 2, projetadas no sistema até Lauro de Freitas. A Linha 2 já opera em quase toda a extensão do percurso previsto. São 12 estações, partindo do Acesso Norte, onde se conecta com a Linha 1, atravessa a avenida Luís Viana Filho, mais conhecida como Paralela, e segue até o Aeroporto de Salvador. Resta, apenas, a finalização da Estação do Aeroporto, que deverá ser incorporada ao sistema ainda no primeiro trimestre de 2018.

Estação Tamburugy

“Quando o sistema estiver operando até o aeroporto, a previsão é transportar 500 mil passageiros por dia, conforme antecipa o plano de negócios da empresa”, explica Élvio Torres, gestor de Obras da CCR Metrô Bahia, empresa que opera e constrói o metrô de Salvador. Segundo Torres, os investimentos realizados na implantação do metrô, até dezembro, com contraprestação do governo estadual, somam R$ 7,4 bilhões, entre obras civis, obras complementares (vias, viadutos, alargamentos e passarelas), material rodante e pátio de estacionamento.

A nova configuração do transporte público de Salvador tornou-se realidade em 2017, com a integração das linhas urbanas e metropolitanas ao metrô. Outro fator que consolidou a integração e inseriu, definitivamente, o sistema metroviário na mobilidade urbana da capital baiana foi a conclusão e entrada em operação da Linha 2 do metrô. Em outubro, foi realizada a integração plena entre ônibus metropolitano, metrô e ônibus urbano. O terminal Mussurunga tornou-se a parada final dos ônibus metropolitanos que


13

fazem o trajeto pela avenida Paralela, e o terminal de Pirajá, para as linhas que acessam a capital pela BR-324. Com isso, os passageiros podem seguir viagem usando o metrô e o ônibus urbano, pagando apenas uma passagem.

ônibus urbano com a mesma tarifa. Esse período também vale para o retorno de Salvador às cidades da RMS. No caso de quem circula apenas por Salvador, o período para utilizar os modais é de duas horas com uma única passagem.

O sistema que integra todos os modais de transporte público – ônibus metropolitano, ônibus urbano e metrô – já foi concluído e prevê o desembolso de apenas uma tarifa, por um período de três horas, se o passageiro embarcar nas cidades metropolitanas, podendo utilizar o metrô e o

O número de passageiros transportados após a integração registrou o recorde de 261.916 passageiros transportados em um dia (16/11/2017). Desde a operação parcial da Linha 1, iniciada em maio de 2016, até setembro de 2017, foram transportados 46,9 milhões de usuários.

As 12 estações que compõem a Linha 2 são: Acesso Norte, Detran, Rodoviária, Pernambués, Imbuí, CAB, Pituaçu, Flamboyant, Tamburugy, Bairro da Paz, Mussurunga e Aeroporto. Ao longo do ano, o segundo trecho da Linha 2, entre a Estação Rodoviária e Mussurunga, foi entregue à população. As principais obras de acesso ao metrô, como as passarelas definitivas, a ciclovia e o bicicletário, também devem ser finalizadas no primeiro trimestre de 2018, garantindo maior fluxo de pessoas ao sistema.

A nova configuração do transporte público de Salvador tornou-se realidade em 2017, com o metrô e várias outras obras cruciais NA CAPITAL e região metropolitana.


TERRA-MÃE MOBILIDADE

PASSARELAS CONCLUÍDAS E TERMINAIS DE ÔNIBUS INTEGRADOS AO METRÔ Um dos benefícios proporcionados pelo metrô são as intervenções no canteiro central da avenida Paralela que, junto ao novo paisagismo e melhorias para fluidez do tráfego, incluem a construção de 12 novas passarelas ao longo da Linha 2, além de reforma e adequação de passarelas já existentes. Também outras quatro já existentes na via - localizadas no CAB, Pituaçu, Tamburugy e Mussurunga -, estão passando por reforma e adequação aos novos padrões. Segundo Élvio Torres, gestor de Obras da CCR Metrô Bahia, os equipamentos estão sendo construídos obedecendo à linha arquitetônica de Salvador, bem como às normas de acessibilidade previstas na NBR 9050. “São rampas acessíveis, com largura variável, de acordo com o fluxo de pessoas previsto em cada estação, dotadas de câmeras de videomonitoramento e escadas rolantes de acesso ao metrô”, explica o gestor de obras. Segundo Torres, três passarelas contarão com elevadores para portadores de necessidades especiais, uma vez que não houve espaço suficiente no entorno para

a construção de rampa com declividade exigida pelas normas de acessibilidade. Os elevadores serão instalados nas estações da Rodoviária, Flamboyant e Mussurunga. Além das novas passarelas das estações metroviárias, existem outras de transposições de avenidas que não dão acesso ao metrô, ao longo de toda a Linha 2, que sofrerão intervenções de melhorias e reformas. De acordo com o gestor, essas passarelas, localizadas nas proximidades do Terminal Rodoviário, da Madeireira Brotas, do Shopping Salvador e do Hospital Sarah, serão requalificadas para atender à população.

50 bicicletas, nas estações sem terminal de integração. Ao longo dos 20,6 quilômetros de via permanente da Linha 2, a CCR Metrô construiu quatro terminais de integração com os ônibus, localizados nas estações do Acesso Norte, Rodoviária, Pituaçu e Aeroporto (este ainda em fase de construção), tendo acabado de reformar outros dois, localizados na Rodoviária Norte e Mussurunga. Conforme explica Torres, na Estação Rodoviária, a CCR construiu dois terminais, já prevendo a ligação do metrô com o Sistema BRT, outra modalidade de transporte em projeto da prefeitura.

Outra intervenção em andamento consiste no paisagismo que está sendo implantado ao longo da avenida Paralela, com alguns trechos já finalizados – entre os bairros Pernambués e Imbuí. Já foram plantadas 1.790 árvores e 71 mil arbustos. Quando concluído, o paisagismo contará com cerca de 6 mil árvores. O canteiro central na avenida Paralela também terá espaço para o uso de bicicletas e pista de caminhada. Foram construídos 15 quilômetros de ciclovia, desde as proximidades do Hospital Sarah até a Estação Mussurunga. Todas as estações, inclusive, serão dotadas de bicicletários com capacidade para 100 bicicletas, nas estações com terminal de integração, e

Estação Detran


Foto: Mateus Pereira

OUTROS BENEFÍCIOS PROPORCIONADOS PELO METRÔ SÃO AS INTERVENÇÕES NO CANTEIRO CENTRAL DA AVENIDA PARALELA, ALÉM DA CONSTRUÇÃO DE 12 NOVAS PASSARELAS E TERMINAIS DE INTEGRAÇÃO COM OS ÔNIBUS.

Foto: Mateus Pereira

15


Foto: Pedro Moraes

TERRA-MÃE MOBILIDADE

Estação Aeroporto


17

EXPANSÃO EM CURSO O projeto para construção de mais uma estação da Linha 2, em Lauro de Freitas, será desenvolvido assim que a Estação Aeroporto atinja o fluxo de 6 mil pessoas, em horário de pico, por seis meses consecutivos, segundo o contrato firmado com o governo estadual. O projeto prevê ainda a expansão da Linha 1, de Pirajá até Cajazeiras/Águas Claras, o chamado tramo 3, com uma estação intermediária na Brasilgás. A construção das estações Brasilgás e Águas Claras/Cajazeiras será contemplada em nova fase a ser licitada pelo governo estadual. O Sistema Metroviário de

Salvador e Lauro de Freitas, inaugurado em 11 de junho de 2014, atualmente é composto por duas linhas. Quando concluído, o sistema terá 42 km de extensão, 23 estações e 10 terminais de ônibus integrados. Atualmente, a Linha 1 é composta por 8 estações em operação, com 12 km de extensão, e vai da Estação Lapa à Estação Pirajá. A Linha 2 tem 11 estações em operação, sendo o trecho Acesso Norte a Mussurunga percorrido em cerca de 20 minutos. O término da construção da primeira fase ocorre em dezembro, com início da operação com passageiros na Estação Aeroporto até o primeiro trimestre de 2018.


Foto: Pedro Moraes

TERRA-MÃE SAÚDE


19

REGIONALIZAÇÃO É REALIDADE Novos hospitais, policlínicas e mais de 13 mil cirurgias realizadas em mutirão este ano são ações que consolidam o compromisso de levar o atendimento para mais perto de quem precisa


TERRA-MÃE SAÚDE

Três novos hospitais, quatro policlínicas e mais de 13 mil cirurgias realizadas de forma itinerante, contemplando 371 municípios. Esta é uma pequena amostra das ações do Governo da Bahia na área da saúde em 2017, cujo investimento ultrapassou a casa dos R$ 5 bilhões em obras, serviços e recursos humanos, ao longo do ano. Somente os hospitais da Mulher, Chapada e Costa do Cacau, que foram inaugurados este ano e estão localizados, respectivamente, nos municípios de Salvador, Seabra e Ilhéus, adicionaram 421 novos leitos à rede estadual. Foram mais de R$ 200 milhões investidos entre obras e equipamentos nas três unidades. O Hospital da Mulher já realizou mais de 60 mil consultas, 6 mil cirurgias e ultrapassou 200 mil exames, incluindo biópsias, tomografias, ultrassonografias, mamografias, raios-X e procedimentos laboratoriais. As policlínicas regionais também foram destaque na estratégia de regionalização do atendimento à população. Somente nas cidades de Jequié, Guanambi, Teixeira de Freitas e Irecê, as policlínicas são referência para aproximadamente 2 milhões de baianos. Entre obras, micro-ônibus e equipamentos de última geração, como ressonância magnética e tomógrafo, o Governo da Bahia investiu cerca de R$ 22 milhões em cada unidade.

Entre as novidades, está a forma de gestão compartilhada entre o governo estadual, que financiará 40% dos custos mensais, enquanto os municípios consorciados vão cobrir os 60% restantes proporcionalmente à população. As policlínicas regionais têm o objetivo simultâneo de reduzir o vazio assistencial de média complexidade, ampliar o diagnóstico das doenças crônicas e degenerativas, tornando-os mais precisos e precoces, além de melhorar a resolutividade da saúde pública.

EXAMES E ESPECIALIDADES Diversos exames são oferecidos nas policlínicas regionais, com destaque para os seguintes: ressonância magnética, tomografia, mamografia, ultrassonografia com doppler, ecocardiografia, ergometria, mapa, holter, eletroencefalograma, eletromiografia, raio-X, eletrocardiograma, endoscopia, colonoscopia, nasolaringoscopia, colposcopia, histeroscopia, cistoscopia, entre outros relacionados à especialidade oftalmológica. Também são realizados procedimentos de vasectomia, cauterização, pequenas cirurgias e cuidados com o pé diabético, além de biopsias de mama, tireoide, próstata, dérmica, gastroenteral, dentre outras.

AS POLICLÍNICAS TAMBÉM FORAM DESTAQUE NA ESTRATÉGIA DE REGIONALIZAÇÃO DO ATENDIMENTO À POPULAÇÃO E SÃO REFERÊNCIAS PARA MILHÕES DE BAIANOS.


Foto: Eóli Corrêa

21

Os baianos também têm acesso a uma variedade de especialidades médicas, a exemplo de angiologia, cardiologia, endocrinologia, gastroenterologia, neurologia, ortopedia, oftalmologia, otorrinolaringologia, ginecologia/obstetrícia, mastologia, e urologia. Sendo possível, ao longo do tempo, ampliar ou substituir por outras especialidades a depender do perfil epidemiológico da região. As próximas 16 policlínicas serão construídas nos municípios de Valença, Santo Antônio de Jesus, Feira de Santana, Alagoinhas, Simões Filho, Ribeira do Pombal, Brumado, Paulo Afonso, Juazeiro, Barreiras, Jacobina, Senhor do Bonfim, Itabuna, Vitória da Conquista e Salvador, sendo a capital baiana, a única com duas unidades.

Foto: Elói Corrêa

Hospital da Mulher

Policlínica Regional do Extremo Sul, em Teixeira de Freitas


TERRA-MÃE SAÚDE

MUTIRÃO DE CIRURGIAS FAZ MAIS DE 13 MIL PROCEDIMENTOS EM UM ANO Mais de 13 mil cirurgias foram realizadas em pacientes com diagnóstico cirúrgico para hérnias (umbilical, inguinal e epigástrica), histerectomia (retirada do útero) e colecistectomia (retirada da vesícula), tornando o Mutirão uma das iniciativas de maior impacto social nos 417 municípios baianos.

Foto: Alberto Coutinho

Durante muito tempo, a população aguardava meses, e até anos, para realizar uma

cirurgia, porque a prefeitura não conseguia oferecer o acesso ao procedimento. Hoje o governo baiano está pagando 50% a mais do que o estipulado pela tabela SUS, com recursos do tesouro estadual, para que as equipes médicas tenham interesse em fazer as cirurgias. O Mutirão de Cirurgias, que integra o programa Saúde Sem Fronteiras, do Governo da Bahia, foi idealizado para ofertar um atendimento itinerante e resolutivo. Em um só dia, pacientes realizam exames pré-operatórios (raio-X, ultrassonografia e eletrocardiograma) e passam

por avaliação cirúrgica e anestésica, já saindo com o procedimento agendado. Importante ressaltar, os exames laboratoriais devem ser feitos anteriormente pelo paciente e levados no dia do atendimento. FÁCIL ACESSO Para ser atendido no Mutirão, as secretarias municipais de Saúde cadastram os pacientes em um sistema denominado de Lista Única, indicando o tipo de procedimento cirúrgico. Caso não tenha sido feito o cadastro prévio, mas existam exames médicos que comprovem a necessidade de realizar


23

uma das cirurgias ofertadas, o paciente poderá se dirigir ao local das consultas préoperatórias munido de RG, CPF, cartão do SUS, comprovante de residência e exames de sangue (ureia, creatinina, TP, TTPA, glicemia em jejum e hemograma). As mulheres que farão histerectomia devem levar também o preventivo. Além do Mutirão de Cirurgias, o programa Saúde Sem Fronteiras reúne os serviços itinerantes de rastreamento do câncer de mama, oftalmologia, odontologia e doação de sangue, que já beneficiaram milhões de baianos desde 2015. A Bahia realizou mais de 500 mil mamografias entre unidades fixas e itinerantes, tendo como público as mulheres de 50 a 69 anos de todas as regiões do estado.

Na eventualidade de mamografias com resultados inconclusivos, a paciente é encaminhada para exames complementares e tratamento, visando à integralidade do atendimento. Para as mulheres com diagnóstico positivo, o tratamento cirúrgico, quimioterápico ou radioterápico é realizado em unidades de alta complexidade em oncologia, na região de residência das pacientes. É importante destacar que, quando detectado em fase inicial, o câncer de mama tem cura em mais de 90% dos casos. Para ajudar a salvar vidas, a Fundação de Hematologia e Hemoterapia da Bahia (Hemoba), órgão ligado à Sesab, contou com a solidariedade de milhares de pessoas, conseguindo captar, até setembro de 2017, mais de 86 mil bolsas de sangue em todo o estado.


TERRA-MÃE SAÚDE

NOVAS PERSPECTIVAS O ritmo acelerado das obras e a abertura de novos serviços continuam em 2018. Na capital e no interior estão previstas policlínicas regionais, academias de saúde, Unidades Básicas de Saúde (UBS), Centros de Atenção Psicossocial (CAPS), além de um novo hospital no município de Lauro de Freitas, bem como a reforma e ampliação do Hospital Geral Prado Valadares, em Jequié, do Hospital do Oeste, em Barreiras, do Hospital Geral Clériston Andrade, em Feira de Santana, e do Hospital Geral de Vitória da Conquista.

de Lauro de Freitas, será referência para os municípios de Camaçari, Candeias, Dias D’Ávila, Itaparica, Lauro de Freitas, Madre de Deus, Mata de São João, Pojuca, Salvador, São Francisco do Conde, São Sebastião do Passé, Simões Filho e Vera Cruz. Estão sendo investidos R$ 115 milhões na construção e aproximadamente R$ 70 milhões na aquisição de equipamentos.

No interior do estado, o governo baiano também está construindo uma maternidade no município de Camaçari, uma Unidade de Alta Complexidade em Oncologia, em Juazeiro, bem como uma UPA e um Hemocentro, em Barreiras. O Hospital Metropolitano, que está sendo erguido no município

Foto: Éloi Correa

A capital ganhará ainda um Centro de Controle da Hipertensão, um Centro Especializado no Tratamento da Anemia Falciforme, além da requalificação do Complexo Solar Boa Vista, que abrigará a Central Estadual de Laudos, o Centro de Infusão de Medicamentos e a Farmácia de Dispensação de Medicamentos de Alto Custo, centralizando assim o serviço na capital.

A unidade será referência para casos de urgência e emergência, trauma, acidente vascular cerebral (AVC), e contará com 265 leitos, sendo 30 Unidades de Tratamento Intensivo (UTI) e oito salas de cirurgia. Um dos destaques do projeto é a Unidade de Atenção ao Acidente Vascular Cerebral (UAVC), que atende pacientes acometidos pelo acidente vascular cerebral (isquêmico, hemorrágico ou


25

NO INTERIOR DO ESTADO, O GOVERNO BAIANO TAMBÉM ESTÁ CONSTRUINDO UMA MATERNIDADE NO MUNICÍPIO DE CAMAÇARI, UMA UNIDADE DE ALTA COMPLEXIDADE EM ONCOLOGIA EM JUAZEIRO, ALÉM DE UMA UPA E UM HEMOCENTRO EM BARREIRAS.

ataque isquêmico transitório), na fase aguda, ofertando tratamento trombolítico venoso, reabilitação precoce e investigação etiológica completa. O hospital também ofertará serviços de alta complexidade em neurocirurgia. Com equipes, instalações físicas e equipamentos adequados para o diagnóstico de doenças neurológicas e o tratamento neurocirúrgico, além da oferta de leitos de internação, reabilitação e acompanhamento ambulatorial pré e pós a alta hospitalar. A nova unidade hospitalar da Secretaria da Saúde do Estado da Bahia - Sesab contará com enfermarias nas especialidades de clínica geral, clínica cardiológica, clínica neurológica, cirurgia geral, cirurgia urológica, vascular, gastro e neurológica, além de setor de imagem e diagnóstico para realização de exames como tomografia, ressonância magnética, ecocardiograma e ultrassom. Um heliponto também será construído para uso nos casos mais urgentes. Ainda, o Instituto Couto Maia (Icom) já está em processo de construção, no bairro de Cajazeiras, e dará assistência aos portadores de doenças infecciosas, além de possuir um centro de pesquisas. A inauguração está prevista para o primeiro semestre de 2018. Investimento total de R$ 110 milhões.

Ressonância na Policlínica Regional do Extremo Sul


Foto: Camila Souza

TERRA-MÃE SAÚDE

UTI Neurológica Hospital Roberto Santos

HGRS REDUZ CUSTOS E AMPLIA SERVIÇOS DE SAÚDE Inaugurações, reformas, abertura de serviços, desbloqueio de leitos e novas contratações fazem parte do balanço de 2017 do Hospital Geral Roberto Santos (HGRS). Os avanços aconteceram sem impactar no orçamento, por meio de um trabalho de qualificação do gasto. No último ano, o maior hospital do Norte e Nordeste ganhou uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Neurológica, a primeira especializada desse tipo na rede pública da Bahia. São dez leitos, com atenção exclusiva para o pré e pós-

cirúrgico, bem como para casos de hemorragia cerebral, por hipertensão ou por aneurisma, e de pacientes em coma. Hoje, o Hospital Geral Roberto Santos é, oficialmente, um Centro de Referência de Alta Complexidade em Neurologia. Já o Centro de Diagnóstico por Imagem, que passou por total readequação, conta, agora, com o primeiro tomógrafo do Nordeste com 256 canais e uma nova ressonância de alta tecnologia. Com essa mudança, também é possível realizar o exame de ressonância com sedação, o que permite o atendimento de bebês, por exemplo. O nível de detalhamento dos procedimentos é maior e o tempo para retirada do laudo é menor.

A hemodinâmica, em 2017, passou por sua maior reforma desde que foi implantada, há cinco anos. Além de receber um novo angiógrafo, capaz de oferecer maior detalhamento nos exames vasculares e, especialmente, na neurorradiologia, o setor foi ampliado. Com oito leitos de recuperação pós-anestésica, totalmente equipados, o HGRS conseguiu aumentar a segurança do paciente e propiciar incremento na capacidade instalada da unidade. Foram criados, ainda na hemodinâmica, ambientes como a sala de treinamento para os médicos residentes, equipada com monitores para visualização dos exames de imagem e discussão dos casos a serem abordados, recepção


27

“Conseguimos contratar 120 profissionais, entre médicos, enfermeiros, fonoaudiólogos, psicólogos e fisioterapeutas. O serviço de fisioterapia, por sinal, ganhou uma sala de atendimento intra-hospitalar e passou a contar com equipe específica para atuar na Emergência Pediátrica e no Centro de Hemorragia

Digestiva”, enumera o diretor-geral do HGRS, José Admirço. Destaque também para a economia de R$ 350 mil com uso consciente de antibióticos, como lembra o diretor: “Tudo foi feito sem onerar o orçamento”.

Foto: Camila Souza

para agendamento e orientação de pacientes e familiares, novos vestiários, farmácia, posto de enfermagem, copa, salas técnicas e circulação. Durante o ano de 2017, foram realizados, aproximadamente, 800 procedimentos de alta complexidade. Em 2018, com seu funcionamento pleno, estima-se um aumento de produtividade de 130% na hemodinâmica.

CENTRO DE DIAGNÓSTICO POR IMAGEM PASSOU POR TOTAL READEQUAÇÃO E AGORA CONTA COM O PRIMEIRO TOMÓGRAFO DO NORDESTE COM 256 CANAIS E uma NOVA RESSONÂNCIA DE ALTA TECNOLOGIA.


TERRA-MÃE SAÚDE

Bahiafarma traz avanços para indústria farmacêutica no Nordeste

Foto: Tiago Decimo

Com consolidação da plataforma de testes de diagnóstico e projeto de instalação de fábrica de insulinas, laboratório público da Bahia pratica tecnologia de ponta


29

A Bahiafarma obteve avanços importantes em 2017, que ajudaram a posicionar o laboratório público baiano como um dos mais importantes entre os participantes do Complexo Industrial da Saúde do Brasil. O ano marcou não apenas a consolidação do laboratório como importante player na área de testes de diagnóstico – passou a ser o principal fornecedor do Ministério da Saúde para esse tipo de insumo –, mas também a inserção da Bahiafarma em uma área inédita entre os laboratórios públicos brasileiros, a da produção de insulina. A inclusão do laboratório baiano como fornecedor de insulina para o Sistema Único de Saúde (SUS) foi definida por meio da Portaria número 551, publicada no Diário Oficial da União em 21 de fevereiro de 2017. Pelo documento, que determinou a redistribuição dos projetos de Parcerias para o Desenvolvimento Produtivo (PDPs) para produção do medicamento no país, a Bahiafarma passará a ser responsável pelo fornecimento de 50% da demanda de insulinas do ministério. O laboratório baiano, então, elaborou seu projeto de produção de insulina, que foi aprovado pelo ministério por meio da Portaria 1.993, publicada no Diário Oficial da União de 3 de agosto. Com a publicação, o laboratório

público baiano está apto a fornecer o medicamento ao Sistema Único de Saúde (SUS). Para a produção de insulinas, a Bahiafarma tem como parceiro o laboratório ucraniano Indar, um dos líderes mundiais na produção de insulinas. “É uma empresa que atua exclusivamente em pesquisa e produção de insulinas há mais de 15 anos e é reconhecida por utilizar tecnologias inovadoras, além de realizar operações em diversos países”, ressalta o diretor-presidente da Bahiafarma, Ronaldo Dias. A parceria entre Bahiafarma e Indar prevê a instalação da fábrica de insulinas na planta da Bahiafarma no município de Simões Filho, na Região Metropolitana de Salvador (RMS). “Uma fábrica de insulinas é uma unidade de alta tecnologia, que poucos laboratórios detêm, e estamos dando todos os passos para atingir a excelência na instalação desta unidade”, reitera Dias. O diretor também destaca o papel da Bahiafarma como centro indutor para a consolidação de um polo industrial farmacêutico e biotecnológico na Bahia, parte do plano de desenvolvimento produtivo do governo estadual. A fábrica de insulina vai resultar na mudança de patamar da indústria farmacêutica no Norte-Nordeste brasileiro,

com formação de mão de obra altamente qualificada e atração de uma série de outras empresas que integram essa cadeia produtiva para a região. TESTES DE DIAGNÓSTICO Lançada em 2016, a linha de testes rápidos para diagnóstico da Bahiafarma, desenvolvida em parceria com o laboratório sul-coreano GenBody, já está disponível em toda a rede de saúde pública do país. Depois de iniciar a atuação no setor com o fornecimento de testes rápidos para diagnóstico de infecção por zika vírus para o SUS, ainda no fim de 2016, a Bahiafarma passou a fornecer testes rápidos de dengue e febre chikungunya para o Ministério da Saúde. No total, este ano foram disponibilizadas 6,5 milhões de unidades de testes rápidos de diagnóstico para toda a rede pública brasileira, fazendo da Bahiafarma o principal fornecedor do Ministério da Saúde para esse tipo de produto. E o laboratório público ampliou seu portfólio e, hoje, também obtém registros na Agência Nacional de Vigilância Santiária (Anvisa) para dispositivos de diagnóstico rápido de uma série de outras infecções, como por HIV, HCV (Hepatite C) e sífilis. “Nosso principal papel e desafio, como integrantes do Complexo Industrial da Saúde, é oferecer ao Sistema Único de


Foto: Carol Garcia

TERRA-MÃE SAÚDE

Saúde – e a toda a população brasileira – medicamentos e produtos da mais alta qualidade ao menor custo possível para os cofres públicos, com o objetivo de diminuir a dependência do estado a fornecedores externos”, lembra Ronaldo Dias. SÓLIDOS ORAIS Outro campo no qual a Bahiafarma avançou ao longo de 2017 foi o de sólidos orais – medicamentos na forma de comprimidos. Fornecedor exclusivo dos fármacos Cabergolina (indicado para mulheres com disfunções hormonais) e Cloridrato de Sevelâmer (para pacientes com doença renal crônica)

para o Ministério da Saúde, o laboratório público baiano passou por reformas de ampliação de sua planta fabril, localizada em Simões Filho, na RMS, para incorporar mais fases de produção dos medicamentos. A ampliação da unidade integra o processo de transferência de tecnologia previsto pela Parceria para o Desenvolvimento Produtivo (PDP) firmado com o laboratório Cristália para a fabricação dos medicamentos. Além disso, o Programa Farmácia da Bahia, parceria entre o governo estadual, por meio da Secretaria da Saúde - Sesab e da Bahiafarma, e prefeituras de municípios

baianos com menos de 15 mil habitantes, também registrou ampliação em 2017. Nove unidades foram inauguradas no ano e, agora, o programa chega a 46 municípios do estado. A ação é uma iniciativa para melhorar o acesso a medicamentos e fortalecer o serviço farmacêutico das populações dessas localidades. No programa, a Bahiafarma responde por 90% do investimento nas obras e por 62,5% do montante direcionado à estruturação das unidades, enquanto as prefeituras entram com a contrapartida financeira e passam a administrar as unidades após a inauguração.


TERRA-MÃE EDUCAÇÃO

ESCOLA A CAMINHO DO FUTURO Governo da Bahia investe em inovação, parcerias e programas como Mais Futuro, Partiu Estágio e Primeiro Emprego, para fortalecer eixo pedagógico das escolas e consolidar a qualidade da educação

Foto: Ascom/SEC

ENEM 2017 no Colégio Edvaldo Brandão


Formação de professores e coordenadores pedagógicos; realização de concurso público e de processos seletivos; parcerias com diferentes instituições nacionais e internacionais e desenvolvimento de projetos nas diferentes áreas. Estas são algumas das ações implementadas pelo Governo da Bahia, por meio da Secretaria da Educação, para fortalecer o eixo pedagógico das escolas e ampliar a qualidade da educação na rede estadual de ensino. Por meio do programa Educar para Transformar, os projetos implementados em todas as modalidades da Educação Básica, incluindo a Educação Profissional e Tecnológica, têm contribuído para tornar o ambiente escolar mais dinâmico. Nesse contexto, a Secretaria da Educação vem promovendo uma série de cursos e formações para os professores. De 2015 a 2017, 25.125 professores foram contemplados com cursos de formação continuada, incluindo o de Aperfeiçoamento em Tecnologias Educacionais, pela Uneb, em 2015. Mais de dois mil professores remanescentes estão fazendo a segunda edição do curso, que começou em outubro deste ano. Em parceria com as universidades estaduais da Bahia - UESC, UEFS, UNEB e UESB -, a secretaria tem oferecido cursos de especialização e de mestrado. Só em mestrado,

para 2017, foram programadas 300 vagas em Física, Letras, História, Ciências da Natureza, Química e Matemática. Outras duas mil vagas serão ofertadas para cursos de especialização em práticas pedagógicas contextualizadas com o século 21, em parceria com a Uneb. Outras 2.110 vagas de cursos de licenciatura estão programadas para até 2018, nas universidades públicas na Bahia. Pelo Programa Universidade Aberta do Brasil (UAB), de 2015 a 2017, um total de 7.352 professores passaram por cursos de Formação Inicial e Continuada (FIC). Só no segundo semestre de 2017, em parceria com a Uneb, foram ofertadas 885 vagas, na modalidade a distância, para os cursos de especialização (lato sensu) em Gestão Pública, Gestão Pública Municipal, Gestão em Saúde, Educação à Distância, Interdisciplinar em Estudos Sociais e Humanidades e em Formação de Professores em Letras/Libras. Em outra parceria, com a Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), foram ofertadas 746 vagas para os polos na Bahia, voltadas aos cursos de especialização (lato sensu) em Gestão Pública Municipal, Docência em Biologia, Desenvolvimento Infantil, Ensino de Química e Biologia e Libras, todos na modalidade a distância, também no âmbito do Sistema UAB.


Foto: Ascom/SEC

TERRA-MÃE EDUCAÇÃO

e-NOVA EDUCAÇÃO Ainda com o foco no fortalecimento do eixo pedagógico das escolas e na melhoria da qualidade da educação, a Secretaria da Educação também buscou a parceria com o Google INC, com a disponibilização gratuita da plataforma Google Apps para Educação, por meio do projeto e-Nova Educação. O aplicativo Google Sala de Aula oferece um ambiente virtual de aprendizagem de última geração, dinamizando os processos de ensino e aprendizagem e configurando uma rede social de conhecimentos que integra estudantes e professores. O projeto inclui a formação dos gestores e professores,

iniciando-se em 20 escolas de oito Núcleos Territoriais de Educação (NTE), para ser disseminado na rede estadual, configurando-se como a maior parceria do Google com uma rede pública no mundo. PROMOÇÃO NA CARREIRA DO MAGISTÉRIO A formação dos professores e coordenadores pedagógicos tem sido reconhecida pelo governo estadual, que, de 2015 até 2017, concedeu 68.438 avanços e gratificações na carreira do magistério. Foram 15.742 gratificações de estímulo ao aperfeiçoamento profissional por conclusão de cursos de aperfeiçoamento e pósgraduação; mais 47.984 tiveram mudança de grau por avaliação

de desempenho em cursos de formação continuada e 4.712 tiveram mudança de padrão por conclusão de cursos de pós-graduação (especialização, mestrado e doutorado). Na perspectiva de reconhecer e valorizar a carreira, o estado também concedeu um acréscimo de 20% na Gratificação por Condição Especial de Trabalho para os diretores das unidades escolares estaduais, a partir de 1º de outubro de 2017. Outra iniciativa de valorização profissional adotada neste sentido, foi o envio do projeto de lei para a Assembleia Legislativa da Bahia, em novembro, para conceder promoções para professores e coordenadores pedagógicos, mediante curso de formação, o


35

que vai representar um ganho médio de 14% para a categoria, até maio de 2019, sendo que 6% deste total deverá ser antecipado, em setembro de 2018. A iniciativa beneficiará 29 mil educadores, em um investimento que chegará a R$ 348 milhões. COORDENADORES PEDAGÓGICOS Paralelamente, ao estabelecer como meta que todas as escolas possuam coordenadores pedagógicos, o estado também realizou uma convocação para que todos que estavam exercendo funções fora das suas unidades de ensino de origem retornassem para as escolas. Foi instituída, também, a Bolsa de Estímulo à Permanência

em Atividade de Classe para os professores da rede pública estadual dos Ensinos Fundamental e Médio que estão prestes a se aposentar. A bolsa, de R$ 800 para 20 horas e de R$ 1.600 para carga horária de 40 horas, está sendo concedida aos educadores que, tendo implementado os requisitos para a aposentadoria voluntária, optem por permanecer em atividade. CONCURSO PÚBLICO O governo baiano também realizou processo seletivo simplificado em Regime Especial de Direito Administrativo (REDA), com a convocação de mais de 2.160 professores e profissionais da educação, e autorizou o concurso público para 3.760

vagas para professores e coordenadores pedagógicos na rede estadual, processo que está em andamento pelas Secretarias da Educação e Administração, com provas programadas para o dia 25 de fevereiro de 2018. FORTALECIMENTO DA GESTÃO ESCOLAR Para fortalecer ainda mais o eixo pedagógico das escolas, a secretaria vem implementando ações de acompanhamento pedagógico e de gestão escolar. Dentre as iniciativas adotadas, em 2017, está a realização, pela primeira vez em duas etapas, da Jornada Pedagógica em todas as escolas, com o tema ‘Escola e Comunidade para Educar e Transformar’.

“A progressão representa, para mim, o reconhecimento do esforço, da dedicação e da determinação do professor, que sai da zona de conforto e busca ampliar seus conhecimentos para ter uma base mais sólida para lidar com os alunos, que, hoje, com acesso a tanta informação, trazem questionamentos que exigem mais desse professor. Para mim é uma dose a mais de incentivo para continuar me aperfeiçoando profissionalmente”, afirma.

Foto: Ascom/SEC

A professora Emanuelle Santos de Carvalho Cardoso, do Colégio Estadual Inácio Tosta Filho, em Itabuna, região Sul da Bahia (436 km de Salvador) foi uma das beneficiadas com a progressão funcional, em 2017. Lecionando há dez anos, ela destaca a importância deste benefício para a sua carreira no magistério estadual.


ESCOLA CULTURAIS O projeto Escolas Culturais integra o programa Educar para Transformar e objetiva promover o protagonismo estudantil, além de reconhecer e requalificar a escola como um espaço de circulação e produção da diversidade cultural do Território de Identidade onde está inserida. O projeto é executado em parceria entre a Secretaria da Educação com as Secretarias de Cultura e da Justiça, Cidadania, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social . As atividades envolvem as áreas de dança, música, audiovisual e literatura, e já foram implementadas em Itabuna, Juazeiro, Gandu, Bom Jesus da Lapa, Feira de Santana e Itaberaba. O projeto alcançará 85 unidades escolares da rede estadual, totalizando 85 municípios, e inclui ações de requalificação e aquisição de novos equipamentos para projeção de audiovisual, apresentações artísticas e internet banda larga para o desenvolvimento de programas de rádio e ações de estímulo ao empreendedorismo. PROJETOS DE ARTE E CULTURA Na perspectiva de integrar a escola com a comunidade, a Secretaria da Educação também vem estimulando projetos que abrem as escolas para ações que envolvem as famílias e as populações do entorno. Esse é o caso dos projetos

Foto: Ascom/SEC

TERRA-MÃE EDUCAÇÃO

de arte, cultura, esporte, ciências, empreendedorismo, inovação e de intervenções sociais, realizados durante todo o ano, e que envolvem as etapas escolares e territoriais e culminam na etapa estadual, ou seja, no Encontro Estudantil da rede estadual, na Arena Fonte Nova.

Uma grande celebração do conhecimento, em que mais de quatro mil estudantes, dos 27 Territórios de Identidade, orientados por professores da rede estadual, apresentaram suas produções científicas, artísticas, esportivas e culturais para a inovação dos processos de ensino e de aprendizagem.


37

da Educação Profissional e Tecnológica, além das experiências desenvolvidas pelo Centro Juvenil de Ciência e Cultura, pela Rede Anísio Teixeira e pelo Programa Todos pela Alfabetização (Topa).

O Encontro Estudantil ainda contempla os Jogos Estudantis, a Feira de Ciências, Empreendedorismo e Inovação da Bahia, exposição de projetos

TRANSFORMAÊ Outra ação que integra a escola com a comunidade e fortalece o processo de ensino e aprendizagem por meio dos

projetos artísticos, culturais, esportivos e científicos nas escolas é o #TransformaÊ – Virada Educacional Bahia, que aconteceu pela segunda vez em 2017, com a participação de 1.001 unidades escolares. Durante 12 horas seguidas, as escolas da rede estadual são envolvidas em atividades pedagógicas que promovem a integração entre as diversas áreas.

Foto: Ascom/SEC

Durante os três dias, o principal palco do futebol da Bahia abre espaço para a música, as artes visuais, a literatura, o cinema, os esportes, a dança, as ciências, entre outras ações formativas e educativas.


Foto: Ascom/SEC

TERRA-MÃE EDUCAÇÃO

EDUCAÇÃO INCLUSIVA O atendimento aos estudantes com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades/superdotação na Bahia também ganhou um marco histórico e orientador das práticas pedagógicas dos professores e a organização das estruturas escolares. Trata-se das Diretrizes para a Educação Inclusiva no Estado da Bahia, documento lançado pela Secretaria da Educação, em julho deste ano, e que consolida a política da Educação Inclusiva na Bahia. A rede estadual conta com Atendimento Educacional Especializado (AEE), que está disponível, atualmente, para mais de oito mil estudantes com necessidades educacionais

especiais. São 65 Salas de Recursos Multifuncionais (SRM), 12 Centros de Atendimento Educacional Especializado e seis instituições conveniadas. Os alunos são atendidos nas escolas da rede e nos Centros de Educação Especial, dentro de suas especificidades, para que possam participar ativamente do ensino regular. EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA No âmbito da Educação Profissional e Tecnológica, o governo baiano investe na Educação Empreendedora. Uma das ações nesse sentido é a implantação das Fábricas-Escolas. Instaladas nos centros de Educação Profissional e Tecnológica,

estes equipamentos servem como laboratório para que os estudantes que fazem os cursos técnicos de nível médio tenham aulas práticas e possam desenvolver projetos e pesquisas e intervenções sociais, aperfeiçoando a formação profissional. Além disso, toda a estrutura fica aberta à comunidade local (produtores, cooperativas e agricultores familiares, por exemplo) para a captação e certificação de trabalhadores e na incubação, préincubação e aceleração de empreendimentos. A primeira Fábrica-Escola inaugurada foi a Fábrica-Escola do Chocolate, no mês de outubro, no Centro Territorial de Educação


39

principalmente a defumação, em parceria com comunidades quilombolas.

Mais três outras FábricasEscolas do Chocolate estão sendo implantadas no Centro de Educação Profissional (CEEP) da Floresta do Cacau e do Chocolate Milton Santos, no município de Arataca; no Cetep do Médio Rio das Contas, localizado no município de Ipiaú, e no CEEP do Chocolate Nelson Schaun, em Ilhéus. Além destas, mais quatro Fábricas-Escolas estão em processo de instalação de acordo com outras vocações territoriais. A Fábrica-Escola da Carne do Sol funcionará em Itororó, no Cetep do Médio Sudoeste da Bahia; enquanto a Fábrica Escola da Maniçoba, em Cruz das Almas, terá uma parceria com a Universidade Federal do Recôncavo (UFRB) e com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), que irá trabalhar com a cadeia da mandiocultura e seus subprodutos, como beiju, biscoitos, farinha e a própria maniçoba.

DA ZONA RURAL PARA O MUNDO A criação de um projeto sobre a gestão democrática na escola tem levado o estudante Admilson dos Santos Boaventura, 18, 2º ano, do Colégio Estadual Castro Alves, em Adustina (a 356 km de

A Fábrica-Escola da Moqueca, em Valença, irá desenvolver tecnologias de processamento de pescados e mariscos, além do desenvolvimento e aperfeiçoamento de pratos típicos regionais. Já a FábricaEscola da Carne de Fumeiro, no município de Maragogipe, irá desenvolver tecnologias de processamento de carne suína, pescados e mariscos,

Salvador), no nordeste da Bahia, a ter conquistas significativas. O estudante, que é filho de agricultora familiar e morador da zona rural, tomou posse no Parlamento Jovem Brasileiro (PJB) e também foi eleito no Parlamento Juvenil do Mercosul (PJM), já tendo realizado, inclusive, viagens internacionais, como para o Uruguai no último mês de outubro.

Foto: Ascom/SEC

Profissional do Baixo Sul (CETEP), no Lago Azul, às margens da BR 101, em Gandu.

Admison fala sobre suas vivências: “Foi uma grande luta para chegar até aqui, porque sou muito esforçado e nunca desisto de meus objetivos. Estou muito feliz porque estou podendo conhecer outros estados brasileiros e países. Estou dando o melhor de mim e quero poder sempre orgulhar minha mãe, que me criou sozinha com meus cinco irmãos e, apesar das dificuldades, nunca deixou de me apoiar. Esta é uma oportunidade incrível e que está sendo muito importante para a minha carreira”, revela, emocionado.


Outros projetos desenvolvidos pelos estudantes matriculados nas oficinas no CJCC de Vitória da Conquista destacados nacionalmente foram o Robótica Educacional e Choices, que receberam Menção Honrosa na 69ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), realizada em julho, em Belo Horizonte, ficando entre os 12 que receberam a honraria em todo o país. O Choices é um jogo interdisciplinar de cartas digitais sobre hábitos alimentares saudáveis, que proporciona

Ítalo Pereira, Inácio Maia, Hafik Souza e Leonardo Maia, de Vitória da Conquista, atuaram no desenvolvimento do robô Bug, feito com peças fabricadas pelos próprios estudantes, a partir de materiais recicláveis, como palitos de picolé, motor de aparelho de DVD, garrafas PET e pedaços de MDF, tudo ao custo de R$ 60. Ítalo fala sobre a conquista: “Estou muito feliz com o prêmio. Fizemos um projeto original, pensado e elaborado por nós, com pouco recurso e fomos premiados por isto. É gratificante”.

Foto: Ascom/SEC

INOVAÇÃO E TECNOLOGIA MARCAM CRIAÇÕES ESTUDANTIS Os estudantes que fazem cursos e oficinas nos Centros Juvenis de Ciência e Cultura, no turno oposto aos quais estão matriculados no ensino regular, também estão se destacando pela criatividade, inovação e tecnologia empregadas. Em 2017, projetos apresentados pelos estudantes dos Centros Juvenis de Salvador, Itabuna e Vitória da Conquista conquistaram premiações nas categorias “Programação”, “Design” e Maker, na etapa Regional Bahia da Olimpíada Brasileira de Robótica, realizada durante a Campus Party, em Salvador. O prêmio de melhor programação ficou com a equipe “Robograma 09”, de Salvador, o de design foi para a equipe de Itabuna e o Maker, para os estudantes de Vitória da Conquista.

Foto: Ascom/SEC

TERRA-MÃE EDUCAÇÃO


41

uma ação educativa capaz de despertar nos estudantes a consciência para o cuidado com a saúde.

Centro Estadual de Educação Profissional Empreende Bahia (CEEP), localizado em Água de Meninos, em Salvador.

PARCERIAS CRIAM NOVAS POSSIBILIDADES DE APRENDIZADO A partir do programa Educar para Transformar, o Governo da Bahia tem firmado uma série de parcerias com vistas a ampliar a qualidade da educação pública no estado.

Já o curso técnico de nível médio em Redes de Computadores acontece no Colégio Estadual Luiz Tarquínio, no bairro de Boa Viagem, em Salvador. Foram ofertadas 80 vagas. O curso é uma parceria da Secretaria da Educação com o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), com formação presencial mediada por tecnologia.

MEDIOTEC Os estudantes estão sendo beneficiados com novos cursos técnicos de nível médio, ofertados pela rede estadual de Educação Profissional e Tecnológica. Destes, 27 cursos, com 1.414 vagas, foram ofertados pelo MedioTec, por meio do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec), abrindo 54 turmas, em 37 municípios de 18 Territórios de Identidade da Bahia.

Evelin Stephanie, CEEP Aurélio Filho

NOVOS CURSOS As parcerias com diferentes instituições também viabilizaram a oferta dos novos cursos técnicos em Administração, Aquicultura, Agroecologia e Redes de Computadores na rede estadual. Foram 150 vagas para o curso técnico de nível médio em administração, baseado na experiência da Escola de Formação Gerencial (EFG), que é vinculada ao Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado da Bahia (Sebrae/ BA), cujas aulas acontecem no

O curso em Aquicultura, que acontece no anexo do CEEP em Turismo do Leste Baiano, localizado Fazenda Oruabo, Estrada Bahia Pesca, Distrito de Acupe, em Santo Amaro, beneficia 60 estudantes, dentre os quais pescadores e marisqueiras do Recôncavo Baiano. A ação é fruto de parceria com a Secretaria de Agricultura - Seagri, por meio da Bahia Pesca. PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA Já o curso técnico de nível médio em Agroecologia está sendo ofertado nos Centros Territoriais de Educação Profissional (Cetep) e anexos dos municípios de Prado, Arataca, Wagner, Medeiros Neto e Ipiaú, pela Secretaria da Educação, em parceria com o Instituto Aliança, beneficiando, inclusive, povos e comunidades tradicionais como povos do campo. Foram 350 vagas ofertadas.


Foto: Manu Dias

TERRA-MÃE EDUCAÇÃO


43

PRIMEIRO EMPREGO O Primeiro Emprego é outra ação social de combate ao desemprego dos jovens, promovida pelo Governo da Bahia, em parceria com diversas instituições públicas e com a iniciativa privada. O programa beneficia egressos e estudantes da Educação Profissional e Tecnológica com a inserção no mundo do trabalho, além de estimular uma maior dedicação na sala de aula, justamente por contemplar aqueles com melhores resultados. A meta é preencher 4,5 mil vagas, em 2017, e outras 4,5 mil até novembro de 2018, totalizando 9 mil vagas. ESCOLAS TRANSFORMADORAS Os 260 técnicos da Secretaria da Educação, coordenadores pedagógicos e gestores escolares da Educação Profissional e Tecnológica do Estado estão sendo beneficiados pelo Programa

Escolas Transformadoras. Esta é uma iniciativa da Ashoka, instituição internacional, com sede em mais de 90 países, que no Brasil é correalizado com a organização não governamental Alana e que, pela primeira vez, faz uma parceria com uma Rede Estadual de Educação Profissional no país. A parceria possibilitará mudanças curriculares alinhadas à realidade territorial de cada unidade escolar. MÓDULO EDUX Graças à parceria com a empresa Liceu Virtual, a operadora OI e a Federação das Indústrias do Estado da Bahia (FIEB), estudantes do 3° ano do Ensino Médio de sete unidades escolares da rede estadual de ensino contam com mais um instrumento de apoio na preparação para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Trata-se do Módulo Edux, que disponibiliza, por meio do link www.edux.tv,

diversos conteúdos voltados para as provas, a exemplo de videoaulas, simulados, chat e outros artifícios interativos. A ferramenta já está sendo utilizada por mais de dois mil estudantes e pode ser acessada utilizando computadores ou celulares, através da internet. VIRTUAL EDUCA A Bahia vai ser a sede do 19º Encontro Internacional Virtual Educa. O evento é sempre realizado em um país membro da Organização dos Estados Americanos (OEA), e visa difundir projetos inovadores voltados para a área da educação. A 18ª edição foi realizada, neste ano, na Colômbia. A Bahia foi escolhida por diversos fatores preponderantes, a exemplo da diversidade cultural, localização, destaque em projetos educacionais e a vinculação com a África, que pela primeira vez participará do encontro.


Foto: Matheus Pereira

TERRA-MÃE EDUCAÇÃO

Foto: Camila Souza

MAIS FUTURO O Mais Futuro é outra iniciativa do Governo da Bahia voltada para a juventude. O programa oferece auxílio financeiro para estudantes das quatro universidades estaduais - UESC, UNEB, UEFS e UESB -, em condições de vulnerabilidade

socioeconômica, participantes do CadÚnico, além de oportunidades de estágio no setor público. O incentivo garante a permanência desses estudantes nas salas de aula e a conclusão dos cursos de graduação. As bolsas variam de R$ 300 a R$ 600. No terço final

da graduação, os beneficiários terão a opção e a prioridade para ingressar em vagas de estágio de nível superior ofertadas por órgãos e secretarias do governo estadual. A previsão é a de que sejam beneficiados oito mil estudantes, com investimentos de R$ 50 milhões até 2018.

PARTIU ESTÁGIO Graças ao programa Partiu Estágio, da Secretaria da Administração, jovens universitários de instituições federais, estaduais e privadas da Bahia que ainda não conseguiram se inserir no mercado de trabalho estão prestando serviços nas escolas estaduais e nos Núcleos Territoriais de Educação.


45

PARCERIA COM MUNICÍPIOS A Secretaria da Educação está desenvolvendo ações estratégicas, em parceria com 381 municípios, voltadas à alfabetização das crianças na idade certa, até os oito anos de idade. Desde 2011, esta ação já beneficiou 1.597.696 crianças das séries iniciais de 1º ao 3º ano das escolas municipais. Através do Programa Estadual Pacto pela Educação e por meio do regime de colaboração com os municípios, o estado vem realizando formação de coordenadores pedagógicos, coordenadores locais, assessoramento técnico a esses municípios no monitoramento dos Planos Municipais de Educação, além da elaboração de diagnóstico

e elaboração dos Planos de Carreira e Remuneração dos profissionais da educação das redes municipais. Além das redes de assistência técnica e pedagógica aos municípios, a secretaria também distribuiu material didático. Além disso, só em 2017 foi realizada a formação de mais de 900 coordenadores pedagógicos e coordenadores locais de redes municipais, com foco especial para as áreas de Língua Portuguesa e Matemática no ciclo inicial (1º ao 3º ano do Ensino Fundamental). NEOJIBA Com os Núcleos Estaduais de Orquestras Juvenis e Infantis da Bahia (Neojiba), o Governo da Bahia firmou uma parceria para promover o fortalecimento

Foto: Gabriel Carvalho

ENEM 100% Outra ação voltada para a juventude é o Projeto Enem 100%, por meio do qual a Secretaria da Educação implementou ações estratégias para auxiliar a preparação dos estudantes para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). As ações envolveram desde a mobilização dos estudantes para a inscrição no exame, passando pelo fortalecimento das aprendizagens e projetos de vida, até a revisão de redações por meio do Redijaê. A ação também inclui o apoio logístico, como transporte para garantir o deslocamento dos estudantes que moram longe dos locais de provas, e o Aulão Enem 100%, que lotou a Concha Acústica, do Teatro Castro Alves, com alunos de Salvador e Região Metropolitana e foi transmitido pela TVE Bahia.

e a estruturação das fanfarras e coros das escolas estaduais. A iniciativa contempla ações, como a realização do Curso de Formação Instrumental de Integrantes de Fanfarras, incluindo oficinas de reparos básicos e manutenção de instrumentos, voltadas para os estudantes. Com a parceria, o Colégio Estadual Odorico Tavares, localizado no Corredor da Vitória, em Salvador, passou a sediar as atividades de duas formações musicais do Neojiba: a Orquestra Castro Alves (OCA) e o Coro Juvenil, contribuindo para o fomento de atividades musicais com os estudantes da unidade escolar. Além disso, o Neojiba também integra as ações do Projeto Escolas Culturais.

Aulão do Enem


TERRA-MÃE AUDIOVISUAL EDUCAÇÃO

Foto: Ascom/SEC

Diversidade em rádio e TV TVE e Rádio Educadora investem em conteúdos que refletem e valorizam a realidade baiana e, em 2017, Irdeb lança o Bahia na Tela, maior edital na história do audiovisual no estado


47

A TVE e a Rádio Educadora FM, veículos do Instituto de Radiodifusão Educativa da Bahia – Irdeb, fundação ligada à Secretaria da Educação, ampliaram a repercussão na sociedade baiana e brasileira com conteúdos que valorizam a Bahia, suas tradições e suas realidades. Capital e interior do estado presentes nas telas da TV e ondas do rádio, através do esporte, educação, música, cultura e informação. A partir de 2017, com a transmissão exclusiva de seis campeonatos de futebol, a TVE passou a ser ‘A Casa do Futebol Baiano’. A transmissão da Série B, Feminino, Sub-20, Intermunicipal, Copa Governador e Copa 2 de Julho transformou a emissora na maior exibidora de futebol regional entre todas as emissoras do país, superando 30 jogos transmitidos somente em 2017. A TVE e a Rádio Educadora FM transmitiram ao vivo e com exclusividade, neste ano, mais de 50 shows de artistas baianos, brasileiros e internacionais. Parte desses shows também foi exibida por outras emissoras públicas do país. Também são

as únicas emissoras da Bahia a transmitir ao vivo o São João de Salvador e do interior, realizando a maior cobertura do Carnaval, Desfile de 2 de Julho, além de outras festas populares. A TVE dedica espaço diário em sua programação aos conteúdos educativos com a exibição do Hora do Enem, a transmissão de eventos como a Aula Inaugural do Ano Letivo e o Aulão do Enem. Diariamente, são exibidos também interprogramas como o Grafias Eletrônicas e o Memórias da Leitura, além de produções do Instituto Anísio Teixeira (IAT) e das universidades. Nas redes sociais, a TVE é a líder na Bahia em termos de audiência e seguidores, e a segunda entre todas as emissoras públicas do país. Em 2017, programas diários, como TVE Revista e TVE Esporte, e as transmissões de shows, jogos e grandes eventos passaram a ser exibidos ao vivo no Facebook e YouTube, alcançando milhares de cidadãos. Em parceria com a Agência Nacional de Cinema (Ancine), o Irdeb lançou em 2017 o edital Bahia na Tela. Maior edital na

história do audiovisual da Bahia, e o maior do país no incentivo à programação estadual de TV pública, o investimento de R$ 20 milhões permitirá a produção de conteúdos independentes, fomentando o mercado local e trazendo mais diversidade à tela da TVE. Em 2017, a TVE iniciou a exibição de programas do Brasil de Todas as Telas, com séries de ficção e animação para o público infantil, séries documentais para o público jovem e telefilmes para o público adulto. As obras inéditas totalizam 250 horas de conteúdo audiovisual brasileiro independente, parte produzida na Bahia, com recursos do Fundo Setorial do Audiovisual. Por fim, a TVE e a Rádio Educadora FM assumiram junto à Organização das Nações Unidas (ONU) o papel de emissoras da Década Internacional Afrodescendente (2015-2024). Os canais da comunicação pública são as emissoras na Bahia que mais dedicam e investem na divulgação de conteúdos que reforçam os direitos, a história, a cultura e as realidades da população afrodescendente.


obras vai gostar. São o d n u m o d to s o, ma ia, Não é promoçã tirão de cirurg u m , is a it sp o h grandes ão, de mobilidade, ltura e educaç u c a d o ã ç za ri e estradas, valo Bahia recuperação d o com a crise, a sm e M . is a m o it ador e mu o . Na capital e n o metrô de Salv io c n ú n a e st e r te. É só olha para. segue em fren do Estado não o rn e ov G o d o alh interior, o trab


Foto: Paula Frรณes

TERRA-MรƒE CULTURA


51

EXCELÊNCIA CONQUISTADA Reafirmada como um palco eclético, de público diversificado, a Nova Concha Acústica vem aquecendo a cultura e economia do estado, além de garantir espaço para a música afro-baiana


TERRA-MÃE CULTURA

Foto: Paula Fróes

Nos primeiros doze meses após a abertura, a Concha recebeu mais de 240 mil pessoas para assistir a 66 espetáculos

Desde a reinauguração, em maio de 2016, a Concha Acústica do Teatro Castro Alves vem reconquistando espaço na cena cultural brasileira, com a apresentação de grandes nomes da arte, especialmente na área musical. Nos primeiros doze meses após a abertura, a Concha recebeu mais de 240 mil pessoas para assistir a 66 espetáculos, de diferentes manifestações artísticas e culturais, garantindo um público médio de 3,6 mil pessoas, por evento. O equipamento, vinculado à Secretaria de Cultura do Estado (Secult), voltou a receber o público depois de passar por uma ampla reforma que primou pela qualidade da estrutura física e técnica. A reabertura permitiu o reencontro do público com um dos mais queridos espaços

culturais do país, e ainda gerou importante impacto na movimentação financeira da área cultural baiana. Além dos recursos que circulam, os espetáculos da Concha Acústica também asseguram postos de trabalho para diferentes profissionais, da portaria ao palco. A estimativa da administração do TCA é que cerca de 250 pessoas, em média, trabalham na realização de um espetáculo, entre balconistas, seguranças patrimoniais, artistas, portaria e outras funções. Um dos destaques da programação em 2017, o concorrido show que celebrou os 50 anos do complexo TCA reuniu, em março deste ano, a Orquestra Sinfônica da Bahia (Osba), o Neojiba, Gilberto Gil, Saulo

Fernandes, Baby e o afoxé Filhos de Gandhy. Outros espetáculos que também lotaram o espaço foram protagonizados por Fagner, Ivete Sangalo, Emicida, além do Grande Encontro, com Alceu Valença, Elba Ramalho e Geraldo Azevedo. Ainda, dentro do Projeto de Requalificação e Ampliação do Complexo do Teatro Castro Alves, a Sala do Coro será totalmente reformada pelo governo estadual. Aberto em 1978, o espaço se consolidou como um dos principais palcos de divulgação das produções baianas e, por conta disso, é um dos equipamentos mais queridos dos artistas da terra. A licitação para a obra, estimada em R$ 7,5 milhões, já foi lançada.


53

CONCHa NEGRA O projeto é uma iniciativa da Secult, através do próprio TCA e do Centro de Culturas Populares e Identitárias (CCPI), em alinhamento com a Secretaria de Promoção da Igualdade Racial (Sepromi). O Concha Negra compromete-se a fomentar a diversidade que tanto identifica a Bahia, suas tradições e patrimônios culturais. Além das apresentações principais, cada espetáculo traz a participação de pelo menos um convidado especial, além da

abertura com Janela Baiana, ação continuada da Secult que abre espaço para artistas ou grupos emergentes locais nos eventos da Concha. Os blocos afro convidados são remunerados com cachê fixo e também recolhem o valor arrecadado em bilheteria. Em 2017, estiveram na pauta do projeto o afoxé Filhos de Gandy e os blocos Muzenza, Ilê Aiyê e Cortejo Afro. Para janeiro e fevereiro de 2018, estavam previstas as apresentações do Olodum e Malê Debalê, respectivamente.

Foto: Paula Fróes

No segundo semestre do ano, o governo estadual lançou o projeto Concha Negra, cujo objetivo é garantir o lugar da música afro-baiana na programação mensal da Concha Acústica. Na primeira etapa, seis entidades de reconhecimento foram convidadas a compor a programação - o afoxé Filhos de Gandhy e os blocos Cortejo Afro, Ilê Aiyê, Malê Debalê, Muzenza e Olodum. Os shows são realizados nos dias de domingo, às 18h, com ingressos a R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia).


TERRA-MÃE CULTURA

FESTA DAS LETRAS Eventos literários movimentaram o Recôncavo, a Chapada Diamantina e o Centro Histórico, na capital baiana, servindo de palco para o protagonismo estudantil.

Fenômeno observado em todo o Brasil, o crescimento das festas literárias também é uma realidade na Bahia e vem recebendo considerável apoio do governo estadual. Em 2017, o gosto pelas letras foi celebrado em eventos realizados em Cachoeira (Flica), na Chapada Diamantina (Fligê) e no Centro Histórico da capital baiana (Flipelô). A sétima edição da Festa Literária Internacional de Cachoeira (Flica), realizada no mês de outubro, reuniu

um público de mais de 35 mil pessoas na histórica cidade do Recôncavo Baiano. Desde 2015, o Governo da Bahia marca presença na Flica, como um dos promotores através do programa de incentivos fiscais Fazcultura, parceria das secretarias estaduais de Cultura e da Fazenda. Um dos pontos altos da participação é o protagonismo estudantil. Todos os anos, os estudantes da rede pública estadual têm um espaço especial na Flica. No Espaço

Educar para Transformar, instalado na Casa do Iphan, em frente à Câmara Municipal, apresentam projetos de arte e cultura que desenvolveram no ambiente escolar. Em 2017, 70 estudantes de escolas sediadas em diversos municípios puderam mostrar as criações para um público diversificado. Caravanas de estudantes das escolas do Recôncavo também tiveram oportunidade de visitar a festa, através de uma iniciativa da Secretaria de Educação - SEC.


Foto: Camia Souza


Foto: Elói Corrêa

TERRA-MÃE CULTURA

A Festa Literária Internacional do Pelourinho (Flipelô), que teve a primeira edição realizada em agosto, já estreou com sucesso, colocando Salvador no circuito dos eventos literários do país. A festa ocupou ruas e espaços culturais do Centro Histórico por cinco dias, com saraus, mostras e exposições, reunindo um público de mais de 30 mil pessoas. A Flipelô foi idealizada pela Fundação Casa de Jorge

Amado, realizada com apoio financeiro do Governo da Bahia, e homenageou o escritor baiano Jorge Amado, que faria 105 anos no dia 10 de agosto. A programação contou com 250 convidados e 60 atividades oficiais, incluindo atividades patrocinadas pelo governo estadual nas áreas de cultura e educação, a exemplo de workshops sobre literatura, apresentações musicais, mostra de autores baianos, exposição de brinquedos e uma ação especial dos museus. Foto: Elói Corrêa

SALVADOR ENTRA NO CIRCUiTO


57

LITERATURA NA CHAPADA Cerca de quatro mil pessoas prestigiaram as mais de 50 atividades desenvolvidas durante os quatro dias da 2ª edição da Feira Literária de Mucugê (Fligê), realizada em agosto, nos munícipios de Mucugê e Andaraí. Este ano, a feira teve como homenageado o autor de ‘Os Sertões’, Euclides da Cunha (1866-1909), como parte das comemorações pelos 120 anos da Guerra de

Canudos. O evento contou com o apoio financeiro do Governo da Bahia, através das Secretarias de Cultura Secult e da Fazenda - Sefaz. Temas relacionados ao sertão movimentaram conferências, palestras, exibição de filmes, contações de histórias para o público infantil da Fligezinha, conversas e bate-papos com autores. Além das muitas obras expostas nos estandes do Calçadão Literário, nas leituras guiadas, nos concertos lítero-musicais e na exposição ‘Canudos - A Terceira Margem’.

crescimento das festas literárias é uma realidade EM SALVADOR E NO INTERIOR DA Bahia e vem recebendo apoio do governo estadual.


Foto: Paula Frรณes

TERRA-MรƒE GRAFITE


59

Arte e transformação Projetos como Grafitaê e Mais Grafite ampliam a interação entre estudantes e comunidade, estimulando a reflexão sobre as questões sociais e a necessidade de cuidar do espaço público


TERRA-MÃE GRAFITE

Nas palavras de historiadora Thamires Vasconcelos, coordenadora do Grafitaê, “através do projeto, a escola conta e pinta a sua história”. Incentiva a interação coletiva e utiliza o grafite como forma de diálogo da cultura urbana dentro do ambiente escolar. “Mas o Grafitaê também busca aproximar a realidade dos estudantes à escola, por meio da história de vida dos alunos e da comunidade, promovendo o empoderamento juvenil”, completa. Iniciado em maio, o projeto atendeu 270 unidades escolares, distribuídas em todos os territórios de identidade da Bahia. Segundo a coordenadora, o trabalho proporcionou o diálogo da cultura urbana dentro do

ambiente escolar, com a discussão de temas transversais e do universo jovem, através da liberdade de expressão, criatividade, interação coletiva e grafite. Os temas discutidos em todas as escolas perpassaram sobre a história da comunidade escolar, combate ao racismo, valorização da mulher, cultura da paz, empoderamento feminino, além do papel dos líderes de classe. “O Grafitaê gerou mudanças e melhorias nas práticas pedagógicas docentes, acompanhamento de casos de bullying, além de diálogo com movimentos sociais urbanos no tocante a arte urbana”, avalia Vasconcelos. A perspectiva para 2018 é atender mais 270 unidades escolares, totalizando 540 em dois anos.

Foto: Elói Corrêa

O grafite como eixo que estimula o diálogo entre o jovem, a comunidade e o poder público. Uma proposta que motivou o Governo da Bahia a investir em projetos de caráter transversal, como o Grafitaê e o Mais Grafite. Enquanto o projeto Grafitaê, realizado pela Secretaria da Educação - SEC, alia arte e sociologia para incentivar a criatividade e a liberdade de expressão, o Mais Grafite, coordenado pela Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social – SJDHDS, tem foco nas áreas atendidas pelo Programa Pacto pela Vida, de promoção da paz social.

MAIS COR, MENOS CINZA O desejo de levar mais cor e vida às áreas públicas da cidade, onde predominam as estruturas em concreto cinza, foi o ponto de partida para a criação do projeto Mais Grafite. A inspiração maior ficou por conta do mural que o artista plástico ilheense Rildo Foge pintou, na altura da estação Pirajá do metrô, retratando a evolução do transporte público em Salvador. Criado pelo governo estadual, conduzido pela Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social SJDHDS, o Mais Grafite envolve a população jovem de áreas contempladas pelo programa de promoção da paz social Pacto pela Vida, em especial os alunos


61

Outras oficinas foram realizadas no Colégio Estadual Cesari (28/07), em Conjunto Pirajá; na Escola Estadual Prof. Germano Machado Neto (11/08), em Marechal Rondon; no Colégio Estadual Mestre Paulo dos

Anjos (25/08), no Bairro da Paz; no Colégio Estadual Polivalente de Amaralina (15/09); no Colégio Estadual Kleber Pacheco (29/09), em Pernambués; no Colégio Estadual Helena Magalhães (13/10), Tancredo Neves; Colégio Estadual Plataforma (27/10); e no Colégio Estadual Dr. Ailton Pinto de Andrade (10/11), em Lobato; e na Praça da Juventude, em Fazenda Grande. As atividades foram promovidas pela SJDHDS, que investe em alternativas para o enfrentamento à violência, utilizando diferentes linguagens artísticas, entre elas o grafite. Ao final das aulas teóricas, os estudantes puderam usar os muros das suas escolas como telas para praticarem seus

Foto: Elói Corrêa

da rede estadual de ensino. No Mais Grafite, a arte é utilizada como elemento transformador e educador de uma sociedade. Na primeira etapa, uma série de 14 oficinas percorreu escolas estaduais em busca de jovens artistas. Como objetivo central, abrir espaço para a expressão artística dos jovens e sensibilizálos para o cuidado com a escola, importante equipamento para a comunidade. A primeira oficina foi realizada no Colégio Estadual Carlos Alberto Cerqueira, no bairro de São Caetano, no dia 14 de julho.

conhecimentos, dando cor e vida ao local. “O cenário de vulnerabilidade e violência que atinge a juventude baiana vem ganhando muita atenção do governo estadual, e um dos fatores que mais contribuem para o problema é o abandono escolar”, alerta o coordenador estadual de Política para Juventude, Jabes Soares. Para ele, alguns jovens não se sentem pertencentes ao espaço em que estão inseridos, e terminam abandonando o espaço educacional devido a outros atrativos. Jabes Soares explica que o Mais Grafite tem sido uma experiência muito positiva para o fortalecimento da escola pública. “A arte do grafite ajuda a aproximar a juventude do debate sobre a necessidade

O trabalho proporcionou diálogo da cultura urbana dentro do ambiente escolar, com discussão de temas transversais e do universo jovem, através da liberdade de expressão, criatividade, interação coletiva e grafite.


TERRA-MÃE GRAFITE

Foto: Paula Fróes

segunda etapa do Mais Grafite já vem sendo planejada pelo grupo de trabalho formado por técnicos das Secretarias de Educação, da Cultura, da Promoção da Igualdade Racial, além da coordenação da SJDHDS.

Painel grafitado próximo à Estação Pirajá do Metrô


63

de cuidar do espaço público, de refletir sobre as questões sociais e, principalmente, sensibilizar a juventude sobre a importância de continuar os estudos, além de ser uma alternativa de geração de renda”. O coordenador ressalta que o projeto conta com colaboração fundamental dos coletivos Vai e Faz e Museu de Street Art Salvador (Musas), e toma por base a metodologia do grafiteiro Júlio Costa. A segunda etapa do Mais Grafite já vem sendo planejada pelo grupo de trabalho formado por técnicos das Secretarias de Educação, da Cultura, da Promoção da

Igualdade Racial, além da coordenação da SJDHDS. A proposta é alcançar diversos equipamentos do governo baiano, a exemplo de escolas estaduais, obras do sistema metroviário, viadutos e encostas. PAINEL Foram 30 dias para o artista plástico ilheense Rildo Foge concluir, no dia 27 de julho, o painel com 67 metros de extensão por 7 metros de altura, que conta a história do transporte público dos soteropolitanos. Com imagens selecionadas de fotografias antigas que retratavam os primeiros meios de transporte utilizados nas ruas

da cidade, o painel retrata como eram percorridos os bairros, até então, pouco movimentados. Cenas desde um bonde puxado por animais até o modal atual, o metrô. O trabalho foi grafitado próximo à Estação Pirajá do metrô e pode ser visto por quem trafega pelas duas vias da BR-324, na altura da região conhecida como Jaqueira do Carneiro. Na opinião de Rildo Foge, mostrar a história do transporte público da cidade foi importante para a própria história dele. “Importante saber que quem passar por aqui vai conhecer a história real de como tudo começou”, destaca o artista.


TERRA-MÃE DESENVOLVIMENTO RURAL

CAMINHO DA BOA CONVIVÊNCIA

Foto: Mateus Pereira

Oferta de assistência técnica e extensão rural, acesso à terra e água para produção, inovação tecnológica e criação de agroindústrias estão entre as ações que vêm fortalecendo a agricultura familiar


O Governo da Bahia vem fazendo da agricultura familiar uma das principais forças do desenvolvimento do estado e, por meio do programa Bahia Mais Forte, executado pela Secretaria de Desenvolvimento Rural - SDR, promove um conjunto de ações direcionadas para o fortalecimento desse segmento, responsável por 77% dos alimentos que chegam à mesa dos baianos. Desde 2015, mais de R$ 1 bilhão foram aplicados em investimento e custeio de políticas e ações de fomento à agricultura familiar. Ações como a oferta de serviços de assistência técnica e extensão rural (ATER), a implantação de agroindústrias para processar e agregar valor aos produtos da agricultura familiar, ações de comercialização para escoamento da produção e acesso ao mercado; distribuição de mudas frutíferas; palma para a segurança alimentar do rebanho; além de acesso a terra e água para produção. Também estão sendo realizadas iniciativas para o agricultor e agricultora familiar conviverem melhor com o semiárido, além da inovação tecnológica que chega ao campo com a entrega de máquinas e equipamentos agrícolas, que possibilitam a diminuição do esforço manual e aumentam a produtividade. São iniciativas que asseguram o desenvolvimento rural da Bahia, colocando a agricultura familiar no lugar de protagonista. Por meio delas, o desenvolvimento

rural segue a lógica da geração de renda, emprego, produção de alimentos saudáveis, inclusão de gênero e geracional, garantia da sucessão rural, produção sustentável. PARCERIA A SDR tem buscado um diálogo qualificado com municípios e consórcios públicos para fortalecer a agricultura familiar e, entre as principais estratégias, está a consolidação de parcerias com os municípios. Somente neste ano de 2017, dirigentes da secretaria visitaram duas vezes todos os Territórios de Identidade da Bahia, primeiro para apresentar uma cesta de serviços ofertados pela SDR e depois para consolidar a parceria com os gestores municipais. Um avanço que fortalece o federalismo e surge como resposta para as demandas do desenvolvimento rural. CADEIAS PRODUTIVAS FORTALECIDAS Com o projeto Bahia Produtiva, já foram investidos mais de R$ 163 milhões, beneficiando 17 mil famílias, em todos os Territórios de Identidade do estado. Os recursos estão sendo aplicados para fortalecer cadeias produtivas estratégicas, como: mandiocultura, oleaginosa, fruticultura, bovinocultura do leite, caprinovinocultura, aquicultura e pesca e apicultura. Todas com a oferta de ATER especializada, capacitação de agricultores, elaboração de planos de negócios para os empreendimentos e infraestrutura.


TERRA-MÃE DESENVOLVIMENTO RURAL

Os dados do Instituto Nacional de Geografia e Estatística (IBGE), divulgados no mês de setembro, colocam a Bahia no segundo lugar na produção de frutas no ranking nacional, responsável por 12,6% do valor de produção das frutas cultivadas no país. Iniciativas do governo estadual têm contribuído para o fortalecimento da cadeia produtiva da fruticultura, a exemplo do Bahia Produtiva, que prevê investimento de mais R$ 22 milhões.

Por meio do edital de fruticultura, as 2.318 famílias de agricultores familiares contarão com projetos que incluem desde ampliação e adequação de agroindústria, construção de pecking house (local de empacotamento), investimentos em equipamentos, na base produtiva, certificação orgânica e serviço de ATER.

Iniciativas do governo estadual têm contribuído para o fortalecimento da cadeia produtiva da fruticultura, a exemplo do Bahia Produtiva, que prevê investimento de mais R$ 22 milhões.

Foto: Mateus Pereira

Foto: Mateus Pereira

A Associação de Produtores e Produtoras Agroecológicos de Nossa Senhora Conceição Aparecida, no município Ubaitaba, Território Litoral Sul, foi uma das instituições que celebraram convênio no âmbito do Bahia Produtiva, no valor de R$ 426,5 mil. Para o presidente da Associação, Hugo Pereira, o convênio vai melhorar muito a produção: “As famílias de nossa associação agradecem; tudo o que queremos é a oportunidade de melhorar a qualidade de nosso produto, para que possamos agregar valor e vender por um preço melhor. Esse convênio vai ajudar demais. Vamos continuar trabalhando com muito orgulho, melhorando nossas condições”.


Foto: Mateus Pereira

Deise dos Santos, apicultora da comunidade de Igrejinha, no município de Alcobaça, no Território Extremo Sul, comemora a instalação de uma unidade de Casa de Mel e de um entreposto para beneficiamento e venda da produção da comunidade. “Tudo isso vai permitir melhorar a qualidade do mel produzido, o que vai gerar mais lucro e mais oportunidades para todos”, destaca Deise, que atualmente cursa a faculdade de Administração e se transformou em agente do Bahia Produtiva, para orientar outros apicultores.

Foto: Mateus Pereira

Outra cadeia produtiva com destaque nacional, que vem recebendo recursos do governo estadual, é a da apicultura. Com o Bahia Produtiva, estão previstos investimentos de R$ 20 milhões. O esforço é para manter a Bahia bem posicionada no ranking nacional, com qualidade na produção e geração de renda para os apicultores. Atualmente, o estado é o primeiro maior produtor de mel, na região Nordeste, e o terceiro maior produtor do Brasil.

Foto: Mateus Pereira

67


TERRA-MÃE DESENVOLVIMENTO RURAL

CONVIVÊNCIA PRODUTIVA COM O SEMIÁRIDO Outra importante ação na área rural é o projeto Pró-Semiárido, que integra um conjunto de ações do governo estadual, que tem o objetivo de erradicar a pobreza na região, com o apoio às principais cadeias produtivas dos agricultores familiares, como a fruticultura de espécies nativas, a apicultura, a caprinovinocultura e a bovinocultura de leite. A iniciativa tem a meta de beneficiar 13.800 famílias, de 460 comunidades, dos 32 municípios baianos com menor Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). Em 2017, já foram aplicados mais de R$ 13 milhões. O Pró-Semiárido é um projeto do Governo da Bahia, cofinanciado pelo Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA), agência de desenvolvimento da Organização das Nações Unidas (ONU), para apoiar populações rurais carentes. LEI ESTADUAL Outra medida importante do governo estadual para as famílias que vivem no semiárido foi a regulamentação da Lei Estadual de Convivência com o Semiárido (Decreto 13.572/2016). A lei estabelece um conjunto de princípios e diretrizes para o desenvolvimento da região semiárida. Trata-se de um instrumento de gestão e planejamento intersetorial e transversal de políticas e

programas governamentais e ações da sociedade civil. O objetivo é fortalecer e promover a autonomia das populações, com a inclusão socioprodutiva e geração de emprego e renda.

ASSISTÊNCIA TÉCNICA QUALIFICADA Para garantir o desenvolvimento produtivo e a elevação da renda de famílias que vivem no campo, o governo estadual, por meio da Superintendência Baiana de Assistência Técnica e Extensão Rural (Bahiater), disponibiliza assistência técnica e extensão rural (ATER) para agricultores familiares, povos e comunidades tradicionais, assentados de reforma agrária. Em todo o estado, 80 mil famílias estão sendo atendidas atualmente. O serviço é executado diretamente por técnicos da Bahiater e em parcerias com entidades executoras de ATER selecionadas por chamadas públicas e prefeituras municipais. Para viabilizar o acesso da agricultura familiar às políticas públicas, a equipe técnica da Bahiater tem atuado sistematicamente na emissão e renovação de DAP (Documento de Aptidão ao Pronaf). São 603 mil DAPs ativas em todo o estado.

GARANTIA-SAFRA O Governo da Bahia assegurou R$ 47 milhões ao Programa

Garantia-Safra, na safra 2017/2018, que garante renda mínima às famílias de agricultores familiares, com perdas de, pelo menos, 50% da lavoura por falta ou excesso de chuva. Nesse caso, fica assegurada uma renda mínima de R$ 850,00, paga em cinco parcelas de R$170, para os/as agricultores/as familiares. A Bahia é o único estado do país que, além de pagar a sua parte, assume 50% dos valores devidos pelos agricultores familiares e pelas prefeituras. Uma ação praticada pelo governo estadual desde 2009.


Foto: Maria Natália Matos de Sá

Foto: Aurelino Xavier

69

Em todo o estado, 80 mil famílias estão sendo atendidas atualmente com assistência técnica e extensão rural (ATER) para agricultores familiares, povos e comunidades tradicionais, assentados de reforma agrária.


Foto: Gabriela Queiroz

TERRA-MÃE DESENVOLVIMENTO RURAL

Beneficiários do Pró-Semiárido da comunidade Quixabá, em Uauá

O Governo da Bahia disponibiliza mil mudas de palmas por família, para implantação de áreas com forragens, QUE SERÃO multiplicadas, ampliando o plantio e repassando para outros agricultores familiares.

SEGURANÇA ALIMENTAR DO REBANHO O governo estadual investe para assegurar que a produção de alimentos saudáveis chegue à mesa dos baianos. Por outro lado, realiza investimentos na aquisição das mudas de palma forrageira, que proporciona reserva estratégica para a alimentação do rebanho caprino, ovino e bovino de leite, principalmente no Semiárido, como alternativa de alimento, em períodos de estiagem.

De 2015 até hoje, foram entregues 12 milhões de mudas, beneficiando 1.200 famílias, sendo prioridade os povos e comunidades tradicionais, jovens e mulheres, além dos beneficiados com os editais das cadeias da caprinovinocultura e bovinocultura de leite. O Governo da Bahia disponibiliza mil mudas de palmas por família, para implantação de áreas com forragens, que serão multiplicadas, ampliando o plantio e repassando para outros agricultores familiares.


71

consumo humano e cisternas de calçadão e barreiros trincheira e comunitário, para o apoio à produção. Está prevista ainda a execução de 2.203 cisternas calçadão, 769 barreiros trincheira e 214 barreiros comunitários. A ação atenderá mais de 10 mil pessoas com recursos que ultrapassam R$ 32 milhões.

ACESSO À ÁGUA Outras ações completam o pacote de investimentos. Uma delas é o acesso à água. Desde 2015, por meio da Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional - CAR, o governo vem atuando na implantação de tecnologias sociais que garantam a água para consumo humano e para produção. Já foram beneficiadas mais de 106 mil pessoas, com investimentos na ordem de R$ 173,3 milhões. Foram implantadas cisternas de placa de polietileno para

A jovem agricultora Daiane Bispo, do município de Jequié, é uma das famílias beneficiadas pela recente construção do barreiro trincheira, que acumulou, com a chuva dos meses de maio e junho, água suficiente para a produção: “Antes da tecnologia a gente tinha vontade de plantar, mas não havia como. Quando entrou água no barreiro trincheira, meu pai foi logo cuidando de cercar com as sementes que a gente recebeu. E agora temos esses alimentos para o nosso consumo”. A agricultora conta que, com o aumento da produção, a família pretende comercializar o excedente.

ACESSO À TERRA A parceria celebrada entre a Coordenação de Desenvolvimento Agrário (CDA), órgão vinculado à SDR, com 14 Consórcios Públicos Municipais, está viabilizando os avanços das ações de regularização fundiária na Bahia. A iniciativa, que integra o Projeto Bahia Mais

Forte, Terra Legal, conta com investimento de mais de R$ 14 milhões, oriundo de recursos do governo estadual, e resultará na regularização de mais de 40 mil propriedades rurais. A ação já é uma realidade para João dos Santos Mota, morador da Fazenda Sobradinho, município de Irará, Território de Identidade Portal do Sertão. Ele é o primeiro agricultor familiar a ter o título de terra emitido pelo projeto. “Agora tenho a tranquilidade de viver em paz na minha terra. Antes tinha a angústia de não poder investir nela, já que, sem ter o título que comprove a posse da terra, o banco não libera o empréstimo”, conta ele, que pretende ampliar o cultivo de mandioca, feijão, milho e verduras que são comercializados nas feiras da região.

MECANIZAÇÃO RURAL SUSTENTÁVEL A chegada de tecnologia reduz o esforço dos agricultores familiares no preparo e plantio do solo. O governo estadual segue, a passos largos, a mecanização rural. Em 2017, foram entregues 24 máquinas forrageiras, 66 tanques-pipa acoplável ao trator, 12 caminhões caçamba basculante, cinco kits de irrigação, oito retroescavadeira e 421 tratores com implementos agrícolas, com investimentos de mais de R$


TERRA-MÃE DESENVOLVIMENTO RURAL

40 milhões. Os equipamentos são entregues a prefeituras e instituições representativas da agricultura familiar. Para garantir o bom uso, manutenção e conservação desses equipamentos, estão sendo promovidas capacitações do público beneficiário.

Foto: Ricardo Prado

“O trator ajuda no preparo da terra, a reduzir o tempo de trabalho, a aumentar a produção e a produtividade, melhora a nossa condição de trabalho”, diz a agricultora familiar Giovana dos Anjos Conceição, presidente da Associação dos Pequenos Agricultores de Cachoeirinha e Região, do município de Maragogipe, no Território do Recôncavo. A agricultora comemora a chegada do equipamento que irá contribuir na preparação para o plantio de mandioca, inhame, feijão, aipim, milho, batata e outros. Já Odete Antonieta Bastos, presidente da Associação Quilombola dos Pequenos Produtores Rurais do Terreno do Governo Engenhoca e Subaúma, em São Félix, no Recôncavo, a chegada do trator

foi realização de um sonho da comunidade: “Antes tínhamos muitas dificuldades no preparo da terra para o plantio de produtos, pois a maior parte das famílias não tinha condições de pagar um aluguel de uma máquina dessas, para arar a terra. A chegada do trator foi uma vitória”.

AGROINDÚSTRIAS FAMILIARES O apoio a agroindústrias familiares para aumentar o potencial de vendas e, consequentemente, a renda dos agricultores, também tem sido alvo de investimentos do Governo da Bahia. Estão sendo executados 104 convênios para implantação de agroindústrias, com investimento de R$ 24,5 milhões, beneficiando 6.599 famílias em todo o estado. A agroindústria da Cooperativa de Produção Agropecuária de Jiló (Coopag) no município de Várzea Nova, Território Piemonte da Diamantina, tornou-se referência na agroindústria de pequeno

porte de agricultura familiar, com atuação na linha de laticínios e néctar de frutas. Os investimentos em equipamentos e estruturação da unidade aumentaram a produtividade da agroindústria e permitiu a inserção de mais famílias ao processo produtivo, com incremento de valor social, econômico e solidário na região. Fundada pelo casal de agricultores familiares, Rosália Carneiro, de 83 anos, e João Carneiro, 86, há 31 anos, a Coopag tem atuação na linha de laticínios e néctar de frutas. Orgulhosa pelo sucesso da iniciativa, Rosália fala emocionada sobre o crescimento da cooperativa. “O que é marcante para mim é empregar nosso povo. Hoje as pessoas não precisam sair daqui para trabalhar. É um orgulho ver a Coopag funcionando e dando certo. Isso é uma mostra que todo aquele esforço que nós fizemos valeu a pena. Quando eu morrer, morro satisfeita com o que estou deixando”, afirma Rosália. A cooperativa conta, hoje, com 163 associados.


TERRA-MÃE AGROPECUÁRIA

LÍDER DO REBANHO

Foto: Mateus Pereira

Programas do governo estadual impulsionam liderança da Bahia na produção de caprinos e ovinos, e o município de Casa Nova, no Sertão do São Francisco, tem o maior rebanho do país


TERRA-MÃE AGROPECUÁRIA

A Bahia tem 22 municípios entre os 50 maiores produtores de caprinos (bodes, cabras e cabritos). Em número de ovinos, entre ovelhas, carneiros e burregos, a Bahia detém o maior plantel, com 3,49 milhões, que corresponde a quase 1 a cada 5 ovinos brasileiros (19%). No que se refere aos alevinos (filhotes de peixes recém-saídos do ovo), Paulo Afonso, na região baiana do Vale do São Francisco, é o maior produtor brasileiro, com 112.786 milheiros. Segundo a diretora de Pecuária da Secretaria Estadual da Agricultura, Pecuária, Irrigação, Pesca e Aquicultura – Seagri, Laura de Freitas Silva, em 2016 o governo baiano lançou o Programa Cabra Produtiva Rota do Leite. O objetivo é fomentar a produção de leite de cabra no estado, bem como agregar

valor à matéria-prima, através da transferência de tecnologia na produção de queijos finos e iogurtes de cabra, certificados pela Agência Estadual de Defesa Agropecuária da Bahia – Adab. Com laticínios habilitados pela Adab, através do Sistema Brasileiro de Inspeção de Produtos de Origem Animal – Sisbi, as indústrias baianas hoje podem comercializar os produtos em todo o território nacional. Outra importante ação que vem sendo desenvolvida para possibilitar a produção de animais de pequeno porte na área do Semiárido é a implantação de unidades de palma como alternativa de reserva alimentar e a realização de torneios leiteiros. “Os torneios valorizam a raça e disseminam o melhoramento genético dos animais dentro e fora do estado”, explica Laura Silva. De acordo com a diretora de Pecuária, o mais importante desse trabalho é impulsionar toda a cadeia produtiva de ovinos e caprinos - que vai desde a produção, industrialização e comercialização -, assegurando valor justo pago ao produtor pela indústria, além de oferecer ao mercado consumidor produtos seguros e diferenciados produzidos na Bahia. No segmento produtivo da carne, a Seagri também desenvolve ações de intermediação entre os diferentes elos da cadeia produtiva, com

Foto: Mateus Pereira

O apoio dispensado pelo governo estadual ao segmento da cadeia produtiva da caprinovinocultura e alevinos na Bahia tem gerado resultados significativos para a economia baiana. Dados apresentados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) no último quadrimestre de 2016, com base na pesquisa da Produção da Pecuária Municipal, mostram o avanço da Bahia em relação à produção nacional. E é no Semiárido baiano que a produção de caprinos e ovinos mais se desenvolve, graças ao especial fomento para desenvolver o segmento.


Foto: Mateus Pereira

77

reuniões mensais envolvendo representantes de todos os setores – produção, indústria e comércio, para elaboração de um plano de ação destinado a organizar toda a cadeia produtiva do estado.

BAHIA EM DESTAQUE

Bahia tem 22 municípios entre os 50 maiores produtores de caprinos (bodes, cabras e cabritos).

Os dados divulgados pelo IBGE colocam a Bahia em posição de destaque no cenário nacional na produção de caprinos, ovinos e alevinos. Dentre os mais de 5.500 municípios brasileiros, o município de Casa Nova, no Sertão do São Francisco, tem o maior rebanho do país de caprinos e ovinos, com 468.258 caprinos, ou 4,8% do total nacional, e 408.526 ovinos, ou 2,2% de todo Brasil. O país somou, em 2016, um total de 18,43 milhões de ovinos, entre ovelhas, carneiros e borregos, com muito pouca variação em comparação a 2015. A região Nordeste detém a maior concentração desses animais, com 63,0% do rebanho nacional, seguida pela região Sul, responsável por 23,9% do efetivo de ovinos. Também na criação de caprinos, o Nordeste é líder absoluto, totalizando 93,0% do rebanho nacional – 9,09 milhões de cabeças, 2,1% a mais do que em 2015. Bahia (28,0%) e Pernambuco (25,5%) lideram a produção de cabras e bodes, seguidos por Piauí (12,6%) e Ceará (11,6%).


TERRA-MÃE AGROPECUÁRIA

Foto: Mateus Pereira

PROGRAMAS A Seagri desenvolve diversos programas destinados a alavancar o segmento agropecuário da Bahia. São ações que visam à reorganização e ao fortalecimento das cadeias produtivas. Os programas se concentram desde o desenvolvimento da borracha natural (Prodebon), à revitalização da cadeia do coco;

de baixa emissão de carbono (programa ABC); plano de incentivo à pecuária leiteira (Leite Bahia), melhoramento genético das raças zebuínas (Pró Genética) bem como dos rebanhos ovinos e caprinos (Pró Berro), além de programas de regionalização do abate e de centros de comercialização de animais. Todas essas ações, bem como o apoio à agricultura familiar, buscam fortalecer a

economia rural e promover o desenvolvimento sustentável. Um indicador eficiente para avaliar a importância do setor na economia baiana é o Valor Bruto da Produção Agropecuária – VBP, cujo desempenho foi extremamente positivo nos últimos dez anos, passando, a preços constantes, de cerca de R$ 15 bilhões em 2007 para aproximadamente R$ 23 bilhões em 2017. A participação do agronegócio na balança comercial da Bahia tem se tornado cada vez mais significativa no cômputo global da economia. Em 2007, o agronegócio participava com 29,9% da exportações totais do estado. Em 2016, o índice de participação alcançou 44,0%.

Um indicador eficiente para avaliar a importância do setor na economia baiana é o Valor Bruto da Produção Agropecuária – VBP, com desempenho extremamente positivo nos últimos dez anos.


TERRA-MÃE ECONOMIA DESENVOLVIMENTO

COM GOSTO DE BAHIA Foto: Elói Corrêa

Café e chocolate, duas grandes paixões nacionais, vêm propiciando um retorno às origens entre os baianos, resgatando a importância da terra e do produtor e agregando valor aos produtos


81

Situada no centro da Bahia, e turisticamente conhecida pelas suas belas cachoeiras e paisagens, a Chapada Diamantina tem se destacado internacionalmente por seus cafés especiais. O clima da região montanhosa é considerado um dos melhores do planeta para a produção de café arábica. E é justamente esse conjunto de ações naturais que faz o café adquirir uma característica única, com sabor de melaço de cana, frutas cítricas e chocolate. Já o sul da Bahia, importante região cacaueira, vive um novo ciclo de desenvolvimento com a produção de chocolates gourmet. Os produtos têm percentuais concentrados de cacau orgânico e agradam o olhar e os exigentes paladares

dos consumidores nacionais e internacionais. Na avaliação do superintendente da Secretaria de Desenvolvimento Econômico (SDE), Paulo Guimarães, o retorno às origens tem valorizado os produtos, sendo chocolate e café bons exemplos disso. Os empreendedores têm se reinventando, e municípios como Ilhéus, antes chamado de terra do cacau, hoje são conhecidos também como a terra do chocolate. “Já os cafés especiais são exportados em microlotes, proporcionando um valor agregado maior devido às particularidades, o que faz com o fruto, segunda maior commodity depois do petróleo, siga na contramão da história”, compara Guimarães.

Mucugê, Ibicoara e Piatã são alguns dos municípios que produzem cafés de qualidade para os apreciadores da bebida. A altitude e o clima colaboram para a produção do café especial, mas a forma de cultivo e o retorno às origens fazem toda diferença. A colheita anual é manual e seletiva, feita diretamente do pé. Somente os frutos maduros, também conhecidos como cerejas, são colhidos, e isso faz com que se passe mais de uma vez na mesma planta, tornando a colheita mais longa, chegando a durar quatro meses. A secagem também é feita de forma minuciosa, seja do despolpado ou do natural. Os terreiros são cobertos, e os grãos revolvidos várias vezes ao dia, por pelo menos uma semana, até atingir o ponto ideal para serem armazenados.


Foto: Elói Corrêa

Foto: Elói Corrêa

Foto: Elói Corrêa

Mucugê, Ibicoara e Piatã são alguns dos municípios que produzem cafés de qualidade para os apreciadores da bebida.

Foto: Elói Corrêa

TERRA-MÃE ECONOMIA


83

Reduto dos chocolates finos A verticalização da cadeia produtiva do cacau, com a valorização das amêndoas de qualidade, está provocando o surgimento de marcas regionais de chocolates finos, que variam de 50% a 100% de cacau na composição, um mercado que cresce 10% ao ano no Brasil, enquanto o mercado tradicional cresce apenas 2%. Atualmente são cerca de 40 marcas de chocolate do Sul da Bahia, que já estão conquistando mercado no Brasil e no exterior. A agricultura familiar também está presente na produção de chocolates. A Bahia Cacau, com uma unidade em Ibicaraí, implantada pelo Governo da Bahia, é a primeira fábrica de chocolate da agricultura familiar no Brasil. Gerenciada pela Cooperativa da Agricultura Familiar e Economia Solidária da Bacia do Rio Salgado (Coofesba), que reúne 60 produtores rurais, a Bahia Cacau tem uma produção de 600 quilos de chocolate/ mês. Atualmente está ampliando as instalações, com capacidade para atender outras marcas regionais que produzem as próprias amêndoas. A valorização do cacau como um produto vital para a economia regional e a produção de chocolate ganharam visibilidade e impulso com a criação do Festival Internacional do Cacau e do Chocolate, o Chocolat Bahia, realizado há nove anos em Ilhéus. Em 2017, o evento reuniu 80 expositores e 40 marcas de chocolate, com cerca de 60 mil visitantes e R$ 10 milhões em negócios.


TERRA-MÃE ECONOMIA DESENVOLVIMENTO

Pé direito na geração de empregos

Foto: Pedro Moraes

Maior gerador de empregos no estado, o setor calçadista baiano atrai investimentos e ganha competitividade com matéria-prima local, tecnologia e fluxo de produção


85


Foto: Pedro Moraes

TERRA-MÃE ECONOMIA

Na preferência das empresas calçadistas, a Bahia possui características que tornam o estado fortemente competitivo no segmento. De acordo com estudos realizados pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico - SDE, a localização geográfica, mão de obra qualificada e apoio de infraestrutura são os principais fatores que influenciam na decisão pela escolha do estado. “Além da mão de obra, o polo calçadista baiano dispõe de oferta de matéria prima, tecnologia em processos e equipamentos e flexibilidade

para atender as demandas”, afirma o superintendente Paulo Guimarães. Os 40 empreendimentos implantados, que assinaram protocolos entre 2007 e 2016, estão concentrados em 33 municípios que fazem parte de 11 Territórios de Identidade. Os empreendimentos representam um investimento de aproximadamente R$ 132 milhões com geração de 12 mil postos de trabalho. O Médio Sudoeste baiano é o território que concentrou o maior volume

de investimentos privados subsidiados no setor de calçados em dez municípios. Além disso, a região conta com dois curtumes que podem atender às empresas, caso utilizem o couro na fabricação dos produtos. “O segmento calçadista é um grande gerador de empregos no estado. Somente do ano passado para cá, foram implantadas mais seis empresas com investimentos de R$ 18,4 milhões e geração de mais de dois mil empregos”, celebra Guimarães. Até o final do ano,


87

Para o próximo ano, estão previstos investimentos de R$ 13 milhões com criação de 1.390 vagas de empregos no setor, com duas ampliações e duas implantações. Calçados Pegada vai ampliar sua unidade em Castro Alves, e Ramarim a fábrica localizada em Jequié. As implantações ficarão por conta do grupo Suzana Santos, que abrirá uma segunda unidade em Itapetinga e outra em Macarani.

TRADIÇÃO CALÇADISTA Importante pontuar que a tradição calçadista baiana vem de muitos anos. Ramarim (1997), Azaleia (1998), Bibi (1998) e Dass (2000) são as fábricas mais antigas instaladas na Bahia, que fazem história até hoje no estado. Juntas, as empresas calçadistas geram mais de 12 mil empregos no estado. Segundo dados da RAIS de 2015, o setor courocalçadista baiano é composto por 293 empresas em 75 municípios, empregando aproximadamente 27.417 mil pessoas, o que representa 1,2% em relação ao total de vínculos do estado.

O grupo catarinense, que chegou à Bahia em 2015, já possui filiais em Itapetinga, Itarantim, Potiguará, Maiquinique e Iguaí, gerando cerca de 1.600 empregos diretos. Produz três marcas: Suzana Santos, Renata Mello e Azillê. O grupo também trouxe para o estado dois fornecedores: Passo a Passo e Trainotti. Fornecedora de salto e sola, a Passo a Passo está instalada em Maiquinique e emprega 60 pessoas. A produção é de injeção de solado, produção de palmilha e pintura de salto. Já a Trainotti fica em Itarantim, e gera 84 empregos. A fornecedora de palmilhas e solados está em fase de

ampliação e prevê gerar mais 100 empregos. E a atração de investimentos não para. No mês de agosto, o governo estadual assinou um protocolo de intenções para implantação de uma filial da Durli Couros, no município de Santa Terezinha, a 200 km de Salvador. O empreendimento receberá investimento de R$ 25 milhões e tem previsão de gerar 120 empregos diretos. Projeta capacidade de produção inicial de 2.500 peles/dia, podendo chegar a 4.000 peles/dia quando o projeto estiver em pleno funcionamento.

Para 2018, estão previstos investimentos de R$ 13 milhões, com criação de 1.390 vagas de empregos no setor

Foto: Pedro Moraes

serão implantadas mais duas empresas: a BSC em Camacã e a Ferracini em Amargosa. Juntas, as unidades somam um investimento de R$ 17,8 milhões, com criação de 900 empregos.


TERRA-MÃE ENERGIA DESENVOLVIMENTO

Bons ventos e sol CONSTANTE

Foto: João Ramos

Um dos maiores potenciais em energias renováveis do país, a Bahia avança em produtividade e vantagem competitiva, investindo em soluções para um futuro sustentável

Torres eólicas em Igaporã, Bahia


TERRA-MÃE ENERGIA

A Bahia firmou dois grandes marcos em 2017, na produção de energias renováveis. A Enel Green Power Brasil Participações iniciou a operação de três parques solares, dois deles na Bahia - um no município de Bom Jesus da Lapa e outro em Tabocas do Brejo Velho. O parque solar Lapa, que entrou em operação em junho, foi o primeiro de geração centralizada da Bahia, composto por duas usinas Bom Jesus da Lapa (80 MW) e Lapa (78 MW), com 158 MW de capacidade instalada. São cerca de 500 mil painéis solares instalados em uma área de aproximadamente 330 hectares, que receberam investimentos de aproximadamente 175 milhões de dólares na construção do complexo. Já o parque solar Ituverava (254 MW), que começou a operar em setembro no município de Tabocas do Brejo Velho, junto com o parque solar Nova Olinda (292 MW), em Ribeira do Piauí/ PI, são os dois maiores parques da América Latina e somam 546 MW em capacidade instalada. Até o final do ano, a Enel prevê a inauguração de mais um parque em Tabocas, o Horizonte, com 103 MW em capacidade. Os quatro parques juntos somam 807 MW em capacidade, energia suficiente para atender ao consumo anual de energia de mais de 850 mil residências, somando investimentos de quase 1 bilhão de dólares.


91

Instalações da Enel Green Power, em Bom Jesus da Lapa

Foto: João Ramos

O parque solar Lapa entrou em operação em junho, COMO o primeiro de geração centralizada da Bahia, COM duas usinas - Bom Jesus da Lapa (80 MW) e Lapa (78 MW).


TERRA-MÃE ENERGIA

capacidade instalada, contra 4.635.356 kW previstos para o Rio Grande do Norte.

No segmento eólico, a Bahia atingiu também a marca histórica ao ultrapassar os 2 GW de capacidade instalada em energia eólica, o que mantém o estado na vice-liderança do setor, agora com 2.053.800 kW de capacidade instalada em 79 parques. Já o Rio Grande do Norte segue na liderança com 127 projetos e 3.446.856 kW, segundo dados de agosto/2017 da ABEEólica (Associação Brasileira de Energia Eólica). Mas apesar da liderança do Rio Grande do Norte, a previsão é que nos próximos três anos as posições se invertam. Há ainda outros 161 empreendimentos em construção ou contratados, totalizando 3.413.190 kW. Com isso, a Bahia chegará a 2020 com 5.466.900 kW de

Os parques eólicos baianos estão espalhados por 23 municípios no eixo central do estado, em uma extensão que vai do Sudoeste até o norte do Vale do São Francisco. Além disso, a cadeia produtiva já conta com empresas do porte da GE/Alstom, Siemens Gamesa, Torrebras, Acciona, Torres Eólicas do Nordeste (TEN), Wobben Windpower e Tecsis.

Foto: João Ramos

RUMO À LIDERANÇA EM ENERGIA EÓLICA

Torres eólicas em Brotas de Macaúbas

Desde 2009, quando o Brasil realizou o seu primeiro leilão de energia eólica, visando diversificar a matriz energética, a Bahia vem se destacando no cenário com elevado potencial para o desenvolvimento de energias renováveis. Cinco anos depois, quando o governo brasileiro realizou leilões exclusivos para

energia solar, o sucesso baiano foi repetido. As duas fontes são líderes no volume de projetos comercializados, ambas com 31% no mercado regulado no Brasil. O estado é conhecido por ter ventos constantes, unidirecionais e sem rajadas, proporcionando fatores de capacidade acima de 50%. Some-se a isso, um dos melhores potenciais de energia solar fotovoltaica do país. “Além dos benefícios para redução dos gases do efeito estufa, as energias renováveis têm nos possibilitado ampliar o leque na atração de investimentos, ao mesmo tempo em que cumpre seu papel social, criando emprego e renda e fortalecendo o desenvolvimento econômico”, destaca o superintendente da Secretaria de Desenvolvimento Econômico - SDE, Paulo Guimarães.


Foto: João Ramos

93

Instalações da Enel Green Power, em Bom Jesus da Lapa

EMPREENDIMENTOS IMPLANTADOS EM 2017 Neste ano, 60 empreendimentos foram implantados no estado. Foram investidos 3,7 bilhões com a geração de 5.128 novos empregos. Destaca-se no mês de setembro: O início das operações das três usinas de geração eólica do complexo Ventos da Bahia. As usinas II e VIII, localizadas no município de Mulungu do

Morro (BA), compreendem as unidades UG1 a UG9, de 3.000 kW cada, totalizando 27.000 kW de capacidade instalada. A usina IV, localizada em Bonito (BA), poderá operar as unidades UG1 a UG4, de 3.000 kW cada, num total de 12.000 kW de capacidade.

e oferta potencial de 44.159 empregos.

EMPREENDIMENTOS EM IMPLANTAÇÃO

• Dentre estes projetos com implantação prevista até 2019, destaca-se o segmento de Eletricidade e Gás com previsão de investimentos de R$ 16,1 bilhões.

Há um total de 484 empreendimentos em fase de implantação, totalizando R$ 46,6 bilhões em investimentos

RANK

MUNICÍPIO

TOTAL

%

Morro do Chapéu

2,5 bilhões

11%

Sento Sé

2,1 bilhões

9%

Camaçari

1,8 bilhão

8%

Tabocas do Brejo Velho

1,7 bilhão

8%

Bom Jesus da Lapa

1,1 bilhão

5%

Fonte: Secretaria de Desenvolvimento Econômico - SDE

Desse total, identifica-se: • 358 empreendimentos com previsão de implantação até 2019, com investimentos estimados em R$ 23,2 bilhões.

um total de 484 empreendimentos ESTÃO em fase de implantação, COM R$ 46,6 bilhões em investimentos.


TERRA-MÃE ÁGUA

Vidas transformadas Criado há dez anos, o Programa Água para Todos leva água de qualidade para população de baixa renda das zonas rurais onde há escassez e estiagem, firmando-se como referência nacional

O Programa Água para Todos (PAT), criado pelo governo baiano para promover a universalização do acesso à água para consumo humano e produção agrícola e alimentar, completou, em 31 de agosto de 2017, dez anos de existência. Ao longo dessa década, serviu de referência para a criação do programa no âmbito federal, e já beneficiou cerca de 9,12 milhões de pessoas. Uma ação prioritária do Governo da Bahia em infraestrutura hídrica, que combina diversas tecnologias de armazenamento e abastecimento de água,

como cisternas de consumo e de produção, barragens subterrâneas, aguadas e sistemas simplificados de abastecimento. Para tanto, foram investidos R$ 5.643 bilhões pelo governo estadual, somente em abastecimento de água, de 2007 a junho de 2017. Somados os demais serviços incluídos no programa baiano, como esgotamento sanitário, ações ambientais, saneamento integrado e estudos estratégicos, o valor total do investimento no período atinge R$ 8.751 bilhões.


95


TERRA-MÃE ÁGUA

A meta para 2017 é superar o marco histórico de 800 sistemas implantados em um único ano. Segundo a engenheira sanitarista Daniela Moura, que atua na supervisão do programa junto à Companhia de Engenharia Hídrica e de Saneamento da Bahia - Cerb, o PAT representa um importante passo em direção à melhoria da qualidade de vida dos baianos. Ela explica que a Cerb tem um papel fundamental como coordenadora executiva do Comitê Gestor, pois é responsável pelo monitoramento, avaliação e difusão dos resultados do programa, já que as ações são executadas por diversos órgãos do governo estadual.

Foto: Manu Dias

Até agosto de 2017, o Programa Água Para Todos realizou 1,23

milhão de ligações domiciliares de água, implantou 4,9 mil sistemas simplificados e perfurou mais de seis mil poços tubulares profundos. Em relação às ações de esgotamento sanitário, foram entregues 27.462 módulos sanitários; 113 sistemas de esgotamento sanitário e realizadas 703,45 mil ligações de esgoto. As famílias de baixa renda que vivem nas periferias das cidades, em especial no Semiárido e Bacia do Rio São Francisco, são priorizadas pelo programa que visa atender povos e comunidades tradicionais ribeirinhas e assentamentos rurais. O PAT também prevê a revitalização das bacias hidrográficas, a partir da elaboração de planos de bacias, além do programa de controle de perdas em sistemas

Foto: Ricardo Prado

UNIVERSALIZAÇÃO


97

de abastecimento. Para a engenheira da Cerb, “o Programa Água para Todos consolida a implementação de um conjunto de ações integradas, uma nova forma de gestão participativa transversal, articulando assim as áreas do saneamento ambiental para benefício público”. HISTÓRICO O Programa Água para Todos (PAT) foi criado pelo Governo da Bahia, através do Decreto nº 10.436/2007, com objetivo de transformar o quadro de escassez de água no estado, que à época da implantação do programa, tinha apenas 30% da população rural com acesso aos serviços de abastecimento de água. Em julho de 2011, o PAT baiano serviu de referência para a criação do programa em nível federal, a partir do Decreto nº 7.535, instituindo uma nova forma de gestão pública transversal, articulando ações dos governos federal, estaduais e municipais. Em dezembro do mesmo ano, dois artigos do Decreto nº 13.555 sofreram alterações para integrar diversos componentes, como sustentabilidade ambiental; manejo de águas pluviais; recuperação de matas ciliares; nascentes; mananciais e áreas de recarga; educação ambiental e melhorias habitacionais, entre outros. O Decreto nº 16.638/16 instituiu o terceiro ciclo do programa (2016-2019), com metas rediscutidas e novas atividades implantadas no processo. Sistema Integrado de Abastecimento de Água, em Santo Estevão


TERRA-MÃE ÁGUA

Obras reforçam oferta de água na pior seca dos últimos 100 anos Governo investe na construção de barragens e adutoras, visando garantir segurança hídrica de regiões que vêm enfrentando racionamento há mais de um ano, a exemplo de Vitória da Conquista

O município de Vitória da Conquista e região receberam uma importante obra, executada pela Embasa e já concluída, que é a adutora do Gaviãzinho. A intervenção promove uma vazão equivalente a 30% da oferta atual do sistema integrado de abastecimento de água de Vitória da Conquista, e dará reforço ao abastecimento de

310 mil habitantes. A adutora, dimensionada para aduzir uma vazão de 200 litros por segundo, também vai, indiretamente, possibilitar a recuperação gradativa e a manutenção dos níveis de segurança do sistema de barragens de Água Fria I e II. Ainda, a construção da barragem do Catolé, em Barra do Choça, é outra importante intervenção da Embasa para garantir a segurança hídrica de Vitória da Conquista, que vem sofrendo há vários anos com a diminuição do volume das barragens que atendem ao município, por conta da situação atípica das chuvas. O processo de licitação já foi concluído. “A nova barragem vai regularizar o rio Catolé e o abastecimento de água naquela região”, assegura a superintendente de Operação Sul da Embasa, Polyanna Duarte.

Foto: Carol Garcia

O desafio é grande. Foram cinco anos seguidos com volume de chuvas abaixo da média histórica, impondo ao Semiárido baiano a maior seca do século. No enfrentamento à crise hídrica, o Governo da Bahia, através da Secretaria de Infraestrutura Hídrica – SIHS, vem realizando obras para ampliar a oferta de água e melhorar a qualidade de vida dos moradores das regiões afetadas.


99

De acordo com a superintendente, a barragem do Catolé poderá acumular até 22,8 bilhões de litros de água, volume quatro vezes maior que a capacidade de armazenamento da barragem de Água Fria II. Será responsável pelo abastecimento da região de Vitória da Conquista e região, e o seu projeto já foi aprovado pelo Ministério das Cidades, que resultará na liberação de R$ 141 milhões. A intervenção, que beneficiará 348,6 mil habitantes, possui investimento total de R$ 156 milhões, sendo R$ 131 milhões para a construção do maciço e R$ 25 milhões em ações de sustentação.

OUTRAS INTERVENÇÕES O governo estadual também acelera outras importantes intervenções, como a barragem do rio Colônia, em Itapé. Com a conclusão das obras do maciço da barragem do Rio Colônia, realizada pela Embasa, o enchimento do lago estará condicionado à conclusão das obras de desvio da BA-120, da linha de transmissão, desocupação das famílias residentes nas áreas de alagamento, supressão de vegetação, resgate de fauna e flora e serviços de salvamento arqueológico. Essas ações estão em andamento.

Barragem do Rio Colônia, em Itapé

Considerada fundamental para o abastecimento de Itabuna e outros municípios da região cacaueira, a barragem põe fim à crise hídrica que os moradores vem enfrentando. Vai garantir o abastecimento de água de qualidade por muitas décadas para mais de 350 mil moradores. Além da barragem, o projeto inclui a relocação da estrada, de linhas de energia, a construção de habitações, entre obras complementares. O valor total do investimento soma R$ 108.498.283,00. A barragem possui eixo com comprimento de 124 metros e altura de 21,4 metros, e volume total de mais de 62 milhões de metros cúbicos de água, no nível mais alto. Prevê minimizar o problema das enchentes que inundam parte da cidade de Itabuna, contribuindo para a perenização e controle de cheias do rio Cachoeira, além da diluição dos efluentes sanitários não tratados das áreas urbanas marginais ao rio que corta a cidade e do qual o rio Colônia é tributário.


TERRA-MÃE INFRAESTRUTURA

Agilidade, integração e desenvolvimento

Foto: Carol Garcia

Governo estadual mantém prioridade na construção e recuperação da malha rodoviária baiana e, até o terceiro trimestre de 2017, já foram investidos R$ 319 milhões, recuperando 370 km de estradas


101

Maior estado nordestino, quinto do país em extensão territorial, a Bahia tem um total de 417 municípios, ocupando o quarto lugar no ranking dos estados com o maior número de sedes municipais. Segue atrás apenas de Minas Gerais, São Paulo e Rio Grande do Sul. Tal amplitude da área geográfica do estado propicia um grande desafio para o governo baiano expandir e manter a conservação de suas rodovias.

rodovias com recursos do Banco Mundial e do Banco Europeu de Investimento.

Mas apesar da extensão e da difícil conjuntura econômica, o governo estadual vem priorizando a recuperação de estradas, por entender fundamental a infraestrutura de transportes para o desenvolvimento econômico regional. Até o terceiro trimestre de 2017, encerrado em setembro, a Bahia investiu mais de R$ 319 milhões na recuperação de 370 quilômetros de estradas. Já as obras ainda em execução atingem mais 610 km.

Segundo Saulo Pontes, superintendente de Infraestrutura de Transporte (SIT) da Seinfra, o governo estadual trabalha com um conjunto de programas destinados a recuperar a malha viária do estado. Um deles é o programa de interligação de sedes municipais à malha rodoviária estadual, que apresenta um cronograma já bem avançado.

A ampliação das obras recebeu reforço em novembro de 2017, após conclusão do processo licitatório realizado pela Secretaria de Infraestrutura do Estado da Bahia - Seinfra para execução de serviços em mais de 1.600 quilômetros de estradas, por meio do Programa de Recuperação e Manutenção das Estradas Baianas (Premar II). O Premar é um programa do Governo da Bahia destinado a restaurar e manter estradas e

Via Atlântica, na região de Camaçari

A meta para 2018 é recuperar aproximadamente 600 km de rodovias, representando investimento de R$ 307 milhões a partir de recursos oriundos de diversas fontes. Já com dotação do Premar II, está prevista a recuperação, em 2018, de mais dois mil quilômetros de extensão.

Ao longo de 2017, foram concluídas as recuperações da BA-001 a Cairu; BR-110 a Banzaê; BR-324, a partir de Riachão do Jacuípe a Conceição do Coité; BR-110 a Ribeira do Amparo; BA-290 a Ibirapuã; e BR-116 a Lafaiete Coutinho. Em execução, o programa ainda avança com serviços na BR-116, de Poções, a Nova Canaã e Iguaí; na BR407, em Filadélfia, a Itiúba e Cansanção; BR-117 até Quijingue; BR-432, a partir de Canarana a Barro Alto; BR-110 a Antas e Sítio do Quinto.


TERRA-MÃE INFRAESTRUTURA

Outros programas, como o acesso entre sedes municipais a povoados e distritos, também seguem em andamento. Este ano, o governo baiano executa a construção da rodovia que liga Senhor do Bonfim ao povoado de Quicé; e a interligação da Estrada do Feijão ao povoado de Prevenido. O superintendente da SIT lembra que “a conservação das estradas torna as viagens mais rápidas, reduz o custo do transporte de produtos regionais

e incentiva a população a se relacionar e realizar atividades em outras cidades, ampliando o mercado de consumo”. No caso da recuperação das estradas vicinais, diz, o objetivo é fixar a população no meio rural.

CONTORNOS VIÁRIOS REDUZEM TRÁFEGO NAS SEDES MUNICIPAIS A construção de obras viárias nos contornos de cidades densamente povoadas e

de interesse econômico ou turístico tem sido um fator de melhoria da qualidade de vida dos moradores dessas cidades. Em Candeias, Euclides da Cunha e em Porto Seguro, a Seinfra realizou investimentos viários para transferir o trânsito pesado de dentro para o entorno das cidades. Na Região Metropolitana, onde se verifica o adensamento da população baiana, o estado vem realizando importantes obras para melhorar o fluxo de

Foto: Carol Garcia

Em junho, foram entregues os 19 km da Via Atlântica, na região de Camaçari, entre o entroncamento da Ford e o da Estrada do Coco, além de 4 km no acesso ao Cimatec.


103

veículos e tornar mais eficiente a malha rodoviária. Uma das mais expressivas é a Via Metropolitana CamaçariLauro de Freitas, com 11,2 km de extensão, que vai ligar a BA-526, na altura do km-18,5 da Rodovia CIA-Aeroporto, até a BA-099, na Estrada do Coco, contornando a região central do município de Lauro de Freitas. A obra, prevista para ser concluída no primeiro semestre de 2018, vai aliviar o sistema viário da região norte da capital, a exemplo das avenidas Paralela e Dorival Caymmi, e do Complexo Dois de Julho, próximo ao Aeroporto Internacional de Salvador. O investimento da obra é de R$ 220 milhões e está sendo executada pela Concessionária Bahia Norte. Em junho passado, foram entregues os 19 km da Via Atlântica, na região de Camaçari, na BA-530, entre o entroncamento da Ford e o da BA-099 (Estrada do Coco), além de 4 km no acesso ao Cimatec. Nessa obra, foram investidos R$ 32 milhões. A Via Cascalheira, mais conhecida como Estrada da Cascalheira, na BA-531, e as vias que atravessam o Polo Industrial de Camaçari também passam por serviços.

NOVAS INTERVENÇÕES Uma antiga reivindicação da população dos municípios de Ilhéus e Itabuna, a duplicação da BR-415, que liga as duas cidades do Sul baiano, teve o contrato assinado em outubro passado e o projeto já autorizado pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT). São 18 quilômetros de extensão, por onde trafegam diariamente mais de 10 mil veículos. Orçada em R$ 105 milhões, a duplicação irá beneficiar mais de 500 mil pessoas da região, inclusive dos municípios de Una, Canavieiras, Buerarema, Itacaré e Uruçuca. A rodovia, que será duplicada pela margem direita do rio Cachoeira, é representativa para a economia da região, uma vez que, integrada ao Porto de Malhado, é por esta via que a produção é escoada para os mercados internacionais. Além disso, a rodovia também é utilizada pelo fluxo de turistas que chegam à região. Já o Vale do São Francisco, uma extensa área fértil de terra que corta vários estados brasileiros e que, na Bahia, ganha destaque sobretudo em Juazeiro, será beneficiado com a recuperação de

mais de 400 km da BA-210, que atravessa a região. A rodovia é fundamental para o escoamento da produção de frutas – como uva e manga – e hortaliças da região. Especializada no agronegócio, graças à irrigação das lavouras, a região tornou-se um dos polos econômicos da Bahia. Os serviços, iniciados em novembro passado pela Seinfra, estão sendo realizados em duas etapas. A primeira fase terá mais de 373 km de extensão e investimento de mais de R$ 100 milhões. As intervenções serão realizadas em oito trechos da estrada: BR110 a Paulo Afonso; Paulo Afonso ao acesso à Barragem Itaparica; acesso à Barragem Itaparica até Rodelas; Rodelas a Barra do Tarrachil; Barra do Tarrachil até Abaré; Abaré ao acesso a Ibó; acesso a Ibó e Curaçá; e de Curaçá a Juazeiro. Na segunda fase, outro trecho da rodovia passará por serviços de restauração e pavimentação da BA-210, entre Piçarrão e Quixaba. A obra de 48 km de extensão vai beneficiar 280 mil moradores das cidades de Sento Sé, Sobradinho e Juazeiro. O investimento é de R$ 15 milhões.


TERRA-MÃE INFRAESTRUTURA

NO Sul, OBRAS ESSENCIAIS A ponte Ilhéus-Pontal e a duplicação da BR-415 são obras há muito aguardadas pela população da região Sul, e vão dar suporte ao desenvolvimento da região


105

Conhecida internacionalmente como cenário das obras literárias de Jorge Amado e pelo predomínio por décadas da cultura do cacau, a região Sul da Bahia vem recebendo investimentos na implantação de novos projetos e diversificando sua economia. Para apoiar esse novo ciclo de desenvolvimento, o governo estadual está realizando uma série de ações e obras voltadas para diferentes áreas como infraestrutura, educação, esportes e saúde. Além de obras de infraestrutura e logística, como a ponte Ilhéus/Pontal e a duplicação da BR-415, o Governo da Bahia também fez outras importantes intervenções como a barragem do Rio Colônia, em Itapé, o Hospital da Costa do Cacau e o Centro de Treinamento para Canoagem, nos municípios de Ubaitaba, Ubatã e Itacaré. Iniciativas com impacto direto na vida da população e no desenvolvimento regional.

PONTE ILHÉUS/PONTAL

Foto: Mateus Pereira

Uma das obras mais aguardadas é a nova ponte Ilhéus/Pontal. Trata-se da primeira ponte estaiada da Bahia, que terá 533 metros de comprimento e 24,6 metros de largura, com passeio, canteiro central, pistas duplas nos dois sentidos e uma ciclovia. O sistema viário terá

2,74 quilômetros, e vai dar mais fluidez ao tráfego diário de 8,5 mil veículos que circulam pela área. O novo equipamento, que deve ser entregue no próximo ano, vai beneficiar habitantes dos municípios de Ilhéus, Itabuna, Una, Canavieiras, Buerarema, Itacaré e Uruçuca, além de favorecer o turismo na região.

DUPLICAÇÃO DA ILHÉUS/ ITABUNA Fundamental para impulsionar o desenvolvimento da região e garantir mais tranquilidade e segurança para quem transita entre os municípios de Itabuna e Ilhéus e seu entorno, a duplicação da BR- 415 é outra importante conquista assegurada pelo Governo da Bahia. A obra coordenada pela Secretaria de Infraestrutura do Estado - Seinfra é resultado de investimentos de R$ 105 milhões, provenientes do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT). Envolve a duplicação e pavimentação em CBUQ da rodovia, pela margem direita do rio Cachoeira. A via, que tem extensão de 17,98 km, é um importante corredor de exportação integrado ao porto de Malhado em Ilhéus, e tem grande impacto sobre o turismo na Costa do Cacau.


TERRA-MÃE SEGURANÇA

Inteligência e ação integrada Governo da Bahia reforça atuação no combate e prevenção contra a violência de gênero, e realiza o maior concurso já

Foto: Elói Corrêa

proposto na área de segurança


TERRA-MÃE SEGURANÇA

Foto: Mateus Pereira

unidades possuem viaturas padronizadas com detalhes em rosa, e equipes especializadas no trabalho repressivo e preventivo, além do combate ao machismo através da conscientização do público masculino.

O Governo da Bahia vem demonstrando que o combate e a prevenção contra a violência de gênero são prioridades da gestão na segurança pública. Nos últimos dois anos, já investiu na instalação de sedes da Operação Ronda Maria da Penha (OPRMP) – unidade da Polícia Militar especializada em acompanhar mulheres vítimas de violência doméstica, contempladas com medidas protetivas concedidas pelo Judiciário – e nas Delegacias Especiais de Atendimento à Mulher (Deam).


109

milhões. No estado, sete OPRMP e 15 Deams trabalham juntas na assistência a vítimas em situação de extrema fragilidade.

MAIS INVESTIMENTOS NO INTERIOR Além das unidades voltadas para o público feminino, o governo baiano inaugurou e reformou delegacias territoriais - no bairro de Cajazeiras, na capital, e em Casa Nova e Sátiro Dias. Também Distritos Integrados de Segurança Pública (Disep) em Porto Seguro, Barreiras, Alagoinhas, além de Centros Integrados de Comunicação (Cicom) em Santo Antônio de Jesus, Esplanada, Barreiras e Irecê.

Foto: Manu Dias

No Sul e Sudoeste, os municípios baianos de Itabuna e Vitória da Conquista, distantes 426 e 509 quilômetros da capital, ganharam duas sedes da OPRMP. Recentemente, uma extensão da unidade de Juazeiro foi levada para Senhor do Bonfim, na região Norte. Desde o lançamento da operação, sete cidades já disponibilizam o serviço: Salvador, Feira de Santana, Paulo Afonso, Vitória da Conquista, Itabuna, Juazeiro e Senhor do Bonfim. Em Alagoinhas e Paulo Afonso, as denúncias de agressão contra a mulher vítima de violência doméstica são recepcionadas, desde o mês de maio, em novas sedes das Deams. Em cada unidade, o governo estadual empregou recursos de aproximadamente R$ 2,4

Disep no bairro de Cajazeiras, em Salvador

Unidades especializadas da Polícia Militar também receberam novas estruturas. Em Barreiras, a Base Avançada do Grupamento Aéreo da Polícia Militar reforçou o combate a grandes quadrilhas de assalto a banco e, em Conquista, o Esquadrão Falcão recebeu nova sede. Novas viaturas estão atualizando as frotas das Polícias Militar e Civil nos 417 municípios baianos. Mais de R$ 30 milhões estão sendo empregados na construção de onze novas estruturas, algumas já em fase de finalização, nos municípios de Vera Cruz e Camaçari (Região Metropolitana de Salvador), Barra, Itamaraju, Teixeira de Freitas, Jequié, Itaberaba, Maragogipe, Andaraí e Caetité.


Foto: Ascom/SSP

TERRA-MÃE SEGURANÇA


111

CONCURSO PARA PM E CORPO DE BOMBEIROS O governo estadual realizou, em agosto de 2017, o maior concurso já proposto na área de segurança, sendo o primeiro para o Corpo de Bombeiros após reformulação no comando e dissociação da Polícia Militar. Elaborado conjuntamente pela Secretaria da Administração do Estado - Saeb e pelos Comandos Gerais, o concurso teve edital publicado no dia 10 de maio, e terá validade de um ano, prorrogável por igual período. Os candidatos concorreram a duas mil vagas para a Polícia Militar, com provas em Salvador, Juazeiro, Feira de Santana, Ilhéus, Vitória da Conquista, Barreiras e Itaberaba. No caso das 750 vagas para o Corpo de Bombeiros Militar, as provas foram em Salvador, Feira de Santana, Itabuna, Ilhéus, Porto Seguro, Vitória da Conquista, Jequié, Juazeiro, Itaberaba, Paulo Afonso,

Santo Antônio de Jesus, Barreiras e Teixeira de Freitas. Foram realizadas 141.878 inscrições, sendo 18.066 para o Corpo de Bombeiros e 123.812 para a Polícia Militar. Destaque no concurso, entre os aprovados e habilitados na 1ª etapa da seletiva, constam setes jovens alunos dos cursos preparatórios para o concurso, oferecidos pelas Bases Comunitárias de Segurança de Vitória da Conquista (BCS/Nova Cidade) e da BCS Calabar/Alto das Pombas. Amim Zamilute do Amorim, 30, Gustavo Matos Souza, 19, Hiago Roman Brito Santos,19, e Luan Sousa Mendonça, 24, foram alunos do curso preparatório ‘Recruta Você’, oferecido pela BCS de Vitória da Conquista. Já no curso ministrado na BCS Calabar/Alto das Pombas, foram aprovados Rodrigo Queiroz Assis dos Santos, 21, Adson dos Santos Alves, 19, e Igor Alves Cardoso.


Foto: Carol Garcia

TERRA-MÃE MULHER


Igualdade, um caminho para a paz Projetos como Respeita as Mina e Marisqueiras com Orgulho, Quilombolas para Sempre reforçam ações da SPM no enfrentamento à violência e promoção da autonomia das mulheres

Iniciada pelo Governo da Bahia no Carnaval 2017, a campanha Respeita as Mina, de combate ao assédio sexual e todas as formas de violência contra as mulheres, tornouse uma ação permanente da Secretaria Estadual de Políticas para as Mulheres - SPM. Hoje incorpora todos os projetos de enfrentamento à violência de gênero da secretaria. O sucesso e a aceitação da campanha no Carnaval também motivaram o governo estadual a lançar, pela primeira vez, uma ação de enfrentamento à

violência às mulheres no São João, a segunda maior festa popular do estado. Quatro municípios foram incluídos em 2017: Amargosa, Cruz das Almas, Senhor do Bonfim e Uauá. Uma das principais ações do projeto Respeita as Mina são caravanas realizadas em parceria com o Instituto Avon, com o apoio da ONU Mulheres e do Conselho Estadual de Defesa dos Direitos das Mulheres (CDDM). As caravanas Respeita as Mina são ações itinerantes nos municípios


TERRA-MÃE MULHER

Técnicas da SPM ministram oficinas de capacitação para representantes da sociedade civil, Rede de Atenção à Mulher em Situação de Violência, rede de segurança, além de rodas de diálogo com a juventude. Em 2017 foram realizadas 14 caravanas que, somadas às duas realizadas no fim de 2016, reuniram mais de 4.500 pessoas. A SPM tem firmado parcerias com as prefeituras municipais e, em alguns municípios, com instituições de ensino. As caravanas realizadas em Juazeiro, no Norte da Bahia, e em Valença, na região do Baixo Sul, em agosto e julho, respectivamente, contaram com ampla participação de estudantes do Instituto Federal de Ciência, Tecnologia e Educação da Bahia (IFBa), reunindo cerca de 1.500 pessoas. Já em Itabuna, a parceria foi firmada com a Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC) e com o Colégio Modelo daquele município. Dentre as ações e atividades previstas nos municípios que sediam o evento, estão: criação e/ou fortalecimento do Comitê Municipal de Homens pelo Fim

da Violência contra as Mulheres, reafirmação ou adesão do município ao Pacto Estadual pelo Enfrentamento à Violência contra as Mulheres, apresentação de diagnóstico sobre a situação da violência contra as mulheres no município, além de oficinas de discussão sobre equidade de gênero e violência contra as mulheres. Em seguimento, são estipuladas metas a serem cumpridas pelos setores envolvidos, dando continuidade ao pactuado durante as oficinas. Metas como a reabertura dos Centros de Referência de Atendimento às Mulheres (CRAMs), criação do Conselho Municipal dos Direitos das Mulheres e, em alguns casos, a criação de uma secretaria municipal de políticas para mulheres. Em todas as edições, há sempre um momento para intervenções culturais. O grupo de teatro ‘Rosas pela Democracia’ tem se destacado pela descontração e risos que provoca na plateia. Formado por três atrizes, o grupo aborda, de forma bem humorada, o machismo e suas consequências. Mostra situações e brincadeiras do cotidiano, que muitas vezes passam despercebidas mas reforçam a cultura machista, uma educação sexista, que em nada contribuem para a equidade de gênero. Destaque na Caravana de Itabuna, quando foi lançado o projeto Respeita as Mina

Foto: Ascom/SPM

com maior índice de violência contra as mulheres, segundo o Mapa da Violência 2015. Visam sensibilizar a população em relação à temática da violência contra as mulheres e fortalecer a rede especializada de atendimento local.


115

– Litoral Sul, resultado de emenda parlamentar. O projeto também desenvolve ações de sensibilização, a exemplo da caravana, para o enfrentamento à violência em municípios do Território de Identidade Litoral Sul. O primeiro município que recebeu a visita dessa caravana foi Ubaitaba, que está entre os 100 municípios brasileiros com maior taxa de homicídio doloso contra mulheres - 13,4%, segundo o Mapa da Violência 2015.

MARISQUEIRAS GANHAM PRÊMIO NACIONAL

Iniciada pelo Governo da Bahia no Carnaval 2017, a campanha Respeita as Mina, de combate ao assédio sexual e todas as formas de violência contra as mulheres, tornou-se uma ação permanente da Secretaria Estadual de Políticas para as Mulheres - SPM.

A SPM atua, simultaneamente, em dois eixos temáticos: enfrentamento à violência e promoção da autonomia das mulheres. A autonomia econômica e social das mulheres é fundamental para o enfrentamento à violência de gênero. Nessa área, são desenvolvidas ações relevantes, a exemplo do projeto Marisqueiras com Orgulho, Quilombolas para Sempre, que possibilitou a efetivação do Mariquilombo. O empreendimento, que fomenta a pesca sustentável e o desenvolvimento local com base no cultivo de ostras, foi um dos dez contemplados no país com o prêmio Consulado da Mulher 2017, ação social da Consul em reconhecimento a iniciativas de mulheres empreendedoras. O Mariquilombo é um empreendimento das


TERRA-MÃE MULHER

marisqueiras das comunidades de Capanema e Baixão do Guaí, no município de Maragojipe, no Recôncavo Baiano. As marisqueiras receberam R$ 10 mil da Consul para investir em infraestrutura, compra de eletrodomésticos, além de dois anos de assessoria e apoio na gestão de negócios. O reconhecimento nacional mostrou que a SPM acertou ao apostar desde o início na iniciativa.

Foto: Edson Ruiz

O empreendimento Mariquilombo é uma parceria com o Fundo Estadual de Combate e Erradicação à Pobreza, Companhia de Desenvolvimento e Ação Rural, Fundação Vovó do Mangue, Rare Brasil e Reserva Extrativista Marinha Baía do Iguape/ICMBio.

Durante os meses de formação das marisqueiras, a SPM promoveu oficinas de capacitação para comercialização, trabalho em rede, controle contábil, fluxo de caixa, planejamento e outras ferramentas fundamentais para a organização de um empreendimento solidário. Além de proporcionar autonomia e renda às marisqueiras, o projeto também resgatou a autoestima das mulheres das comunidades, como afirma Vânia Pereira Correia. “Sou marisqueira, meus pais e avós eram marisqueiros, e com o projeto aprendi coisas boas. Hoje sei me expressar melhor, e sabemos bem mais sobre combate à violência às mulheres, sendo mais

respeitadas e conhecendo nossos direitos”, revela. Após as oficinas e a aquisição de equipamentos que possibilitaram o crescimento das ostras em tamanho que pudessem ser vendidas, as marisqueiras concretizaram a primeira comercialização em agosto de 2017. A Universidade Federal do Recôncavo (UFRB) fez a análise das ostras cultivadas nos manguezais do Baixão do Guaí e Capanema, e constatou que os mariscos são de qualidade e não possuem bactérias. Durante meses, a UFRB verificou a salinidade da água e a biometria das ostras e lambretas. Duas filhas de marisqueiras receberam bolsas de iniciação científica para fazer a coleta da água diariamente e, ao final de cada mês, elaborar um relatório encaminhado à universidade. Monique Santos, 17 anos, foi uma das bolsistas. “Tive a oportunidade de ajudar minha mãe e as outras mulheres da região, e acho o projeto muito bom, pois beneficia as marisqueiras e gera renda para nossas famílias”, sintetiza.


Foto: Edson Ruiz

Foto: Edson Ruiz

117

Para viabilizar o Marisqueiras com Orgulho, Quilombolas para Sempre, a SPM investiu R$ 41 mil reais na compra de equipamentos, depuradoras e freezers, fardamento e botas apropriadas para o mangue.


Foto: Carol Garcia

TERRA-MÃE REPARAÇÃO


119

Década de luta Bahia avança e consolida parcerias para promoção da igualdade racial, fortalecendo o compromisso com políticas públicas e ações afirmativas

A Bahia registrou expressivos avanços na articulação e gestão de políticas afirmativas para a população negra ao longo do ano, consolidando a atuação do Governo da Bahia, através da Secretaria de Promoção da Igualdade Racial - Sepromi, que em 2017 completou dez anos de instituída. As ações são resultantes do diálogo com a sociedade civil e um conjunto de parcerias construídas na implementação do Estatuto da Igualdade Racial e de Combate à Intolerância Religiosa. Na atenção aos povos e comunidades tradicionais, uma

série de iniciativas fortaleceu a inclusão e desenvolvimento sustentável das famílias, a exemplo da construção de unidades habitacionais, medida que assegura mais qualidade de vida, configurando-se como importante política de reparação. A ação faz parte do investimento de R$ 6,2 milhões, contemplando quilombos dos municípios de Bom Jesus da Lapa, Igrapiúna, Itamari e Vitória da Conquista, com recursos previstos no estatuto, sob execução da Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional - CAR/SDR.


Foto: Kledir Costa

TERRA-MÃE REPARAÇÃO

Aos 27 anos e mãe de uma filha, Juliana da Silva, da comunidade quilombola Araçá Cariacá, em Bom Jesus da Lapa, destacou os impactos na vida da população local. “Morava numa casa de taipa que molhava muito quando chovia. Uma moradia nova e digna é uma conquista grande, decorrente da luta do nosso povo e da parceria com o poder público. Abre um conjunto de possibilidades para outras obras estruturantes”, pontuou. “Observamos a necessidade de transversalidade no estado. Conseguimos chegar aos mais variados territórios, também materializando políticas de abastecimento de água, apoio a projetos produtivos, feiras, dentre outras medidas”,

ressaltou Cláudio Rodrigues, coordenador de Políticas para Povos e Comunidades Tradicionais da Sepromi. Outro destaque são os projetos de Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater), que atenderam 7,9 mil famílias dos segmentos tradicionais, ao longo do ano, além de crédito de fomento, fortalecendo o processo de inclusão produtiva. A iniciativa é fruto de edital conjunto entre Sepromi e Secretaria de Desenvolvimento Rural - SDR, que prevê aplicação de R$ 36 milhões no período de três anos. Em 2017, o desenho do Plano Plurianual (PPA) do governo baiano desdobrou-se em ações

concretas para a população negra, conforme destaca o coordenador de Promoção da Igualdade Racial da Sepromi, Antônio Cosme Lima. “Num ano de dificuldades para todo o país, 2017 tornou-se emblemático, uma vez que avançamos no cumprimento de metas do PPA. Assim, a Bahia amplia a interlocução com órgãos parceiros, movimento negro e reafirma seu compromisso com as políticas e ações afirmativas”, afirma o coordenador. Uma das estratégias, segundo ele, é a intensificação do trabalho junto ao Fórum de Gestores Municipais de Promoção da Igualdade Racial, que contou com 57 novas adesões de prefeituras locais.


121

NOVA SEDE, NOVOS TEMPOS O ano de 2017 foi marcado pela inauguração da nova sede da Sepromi, em Salvador, quando o Governo da Bahia entregou instalações modernas que otimizam a recepção ao público, o trabalho de servidores e agrega parceiros, atendendo à demanda histórica do movimento negro.

O Centro de Referência de Combate ao Racismo e à Intolerância Religiosa Nelson Mandela, que funciona na nova sede, fortaleceu a atuação ao longo de 2017, com trabalhos itinerantes e articulações.

O Centro de Referência de Combate ao Racismo e à Intolerância Religiosa Nelson Mandela, que funciona na nova sede, fortaleceu a atuação ao longo de 2017, através de trabalhos itinerantes e articulações. No Carnaval de Salvador e na Micareta de Feira, marcou presença junto aos foliões, através de posto fixo e sensibilização nos circuitos.

Foto: Kledir Costa

As atividades foram expandidas com a aquisição da unidade móvel. A partir de novembro, o centro passou a cumprir agendas em toda a RMS, também com ações no interior do estado. A medida tem sintonia com as Caravanas da Igualdade, que percorreram os 27 territórios baianos, integrando a Sepromi e as secretarias da Educação - SEC e do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte - Setre.

PROJETOS INOVADORES Com foco na juventude negra baiana, o governo estadual formalizou convênios com os blocos afro Ilê Aiyê e Olodum,

possibilitando a formação educacional, cultural e de cidadania de 1,8 mil jovens. Os projetos, que receberam investimento de R$ 2,2 milhões, viabilizaram cursos de percussão, dança e estética afro, dentre outros, numa articulação entre a Sepromi e a Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social (SJDHDS). O Centro de Documentação e Memória do Olodum é outra iniciativa inovadora, que resgatará um acervo de 234 mil peças sobre a trajetória da entidade no combate ao racismo e disseminação da cultura afro-brasileira pelo mundo. TERRITORIALIZAÇÃO Entre as ações para os povos e comunidades, o governo baiano alcançou a marca de 130 visitas técnicas, em 10 territórios de identidade, visando potencializar os direitos à autodeclaração e certificação de fundos e fechos de pasto, por exemplo. A Comissão Estadual para a Sustentabilidade dos Povos e Comunidades Tradicionais (CESPCT), vinculada à Sepromi, descentralizou as ações, com reuniões ampliadas e territoriais em Paulo Afonso e Correntina. Já a Oficina de Formação Quilombola mobilizou municípios de 12 territórios, otimizando a relação institucional entre as esferas e valorizando a pauta do segmento.


TERRA-MÃE REPARAÇÃO

CALENDÁRIOS EMBLEMÁTICOS DO POVO NEGRO O Governo da Bahia apoiou e realizou, ao logo dos dois semestres, mobilizações que envolvem o calendário emblemático das lutas raciais, a exemplo do Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa (21 de janeiro), Agosto da Igualdade e Novembro Negro. Já a exposição “O legado afro-brasileiro” divulgou aspectos da cultura e arte que

Foto: Camila Souza

EDITAIS PERMANENTES - Através da Sepromi, o governo estadual viabilizou os editais Agosto da Igualdade e Novembro Negro, garantindo o investimento em projetos com foco na população negra e nos povos e comunidades tradicionais, no âmbito da Década Internacional Afrodescendente. Um elenco de 22 projetos possibilitou a realização de feiras, seminários, oficinas e capacitações.

Dia internacional pela eliminação da discriminação racial

envolvem as tradições de matriz africana. O ano também foi de intensas comemorações pelas três décadas de criação do Conselho de Desenvolvimento da Comunidade Negra (CDCN), programação que incluiu seminários, audiência pública, lançamento de selo e homenagens.


123


TERRA-MÃE ASSISTÊNCIA SOCIAL

Caminhos da solidariedade

Foto: Carol Garcia

Voluntárias Sociais da Bahia promovem eventos que arrecadam recursos para reforma de hospitais, e lançam o programa Mais Infância, para oferecer suporte a creches populares


TERRA-MÃE ASSISTÊNCIA SOCIAL

Responsável pelo atendimento de três mil pessoas por dia, e líder no país em relação ao número de cirurgias de câncer realizadas pelo SUS – Sistema Único de Saúde, o Hospital Aristides Maltez - HAM, localizado no bairro de Brotas, em Salvador, iniciou as obras da nova UTI, com dez leitos, e a ampliação do centro cirúrgico da unidade, com previsão de conclusão em meados de 2018.

Foto: Mateus Pereira

Os recursos, no montante de R$ 764 mil, foram doados pelas Voluntárias Sociais da Bahia - VSBA, após a realização do Forró Solidário promovido pela

entidade, em maio de 2017, com o objetivo de arrecadar dinheiro para o financiamento das obras do hospital. O HAM realiza nove mil cirurgias e atende a mais de 3,2 milhões de pessoas por ano. As Voluntárias Sociais conseguiram viabilizar o Forró Solidário com o apoio do cantor Bell Marques e do forrozeiro Flávio José, com apresentação de show na Pupileira, em maio passado. Foram vendidos 1,2 mil ingressos e arrecadados um total de R$ 764.200. Em 2016, as Voluntárias Sociais promoveram shows de Ivete Sangalo para ajudar na ampliação e reforma do

Hospital Martagão Gesteira. Em 2017, a opção foi pelo Hospital Aristides Maltez, único centro de alta complexidade em oncologia da Bahia com atendimento limitado exclusivamente para pacientes do SUS.

recursos gerados pelo forró solidário proporcionaram ampliação do centro cirúrgico e mais 10 leitos de uti do ham.


Foto: Paula Moraes

127

MAIS INFÂNCIA INVESTE EM INTEGRAÇÃO E SOCIALIZAÇÃO Além de viabilizar a captação de recursos para ampliação e reforma de hospitais públicos, as Voluntárias Sociais lançaram, em março de 2017, o programa Mais Infância. A iniciativa reúne um conjunto de ações destinado a melhorar a qualificação profissional dos professores e gestores, bem como promover a integração e socialização das crianças de zero a 5 anos atendidas pelas instituições. Na avaliação do diretor do Centro de Formação para o Trabalho da VSBA, Manoel Calazans, o Mais Infância implementa ações que objetivam cuidar da infância, incluindo desde a formação continuada dos professores, como a reforma física de creches, visita e acompanhamento pedagógico às creches, circuitos culturais com as crianças e

qualificação profissional dos gestores. Uma das ações realizada ao longo de 2017 consistiu em um curso de formação e qualificação gratuita de gestores e professores de creches-escolas comunitárias de Salvador. O curso visa aprimorar a formação de cerca de 400 professores, principalmente daqueles que atuam com crianças na faixa etária de zero a cinco anos nas 200 creches atendidas pelas Voluntárias Sociais. “As creches comunitárias surgem dos movimentos sociais, das associações de bairros, dos clubes de mães, que resolvem cuidar das crianças por uma questão social. Cuidar das crianças nas creches é cuidar das mulheres que trabalham, é um espaço de construção do conhecimento”, observa Calazans, destacando a

importância do apoio dispensado a este público. Para ele, o trabalho é garantia de que as crianças estarão envolvidas em atividades que desenvolvem a interação com a sociedade, com os vínculos de afetividade. O programa foi desenvolvido pelas VSBA para aprimorar a qualificação dos educadores que não podem realizar cursos específicos voltados para as áreas em que atuam. Os encontros são gratuitos e acontecem no segundo sábado de cada mês, com carga horária de 40 horas, e emissão de certificado. “As escolas desenvolvem um trabalho social fantástico, e estamos dando a oportunidade para que os professores expandam seus conhecimentos e potencializem suas habilidades para desempenhar um papel pedagógico cada vez melhor”, conclui o diretor.


TERRA-MÃE PATRIMÔNIO

Muito além do acesso físico Projeto Pelas Ruas do Centro Antigo de Salvador firma cultura de acessibilidade em todos os sentidos, com conceitos de inclusão social e cidadania, e no diálogo aberto com moradores

Foto: Ronaldo Silva

O projeto Pelas Ruas do Centro Antigo de Salvador, de pavimentação de vias e requalificação de calçadas, segue estratégia de planejamento e execução que são imprescindíveis para a implantação de melhorias em ruas antigas e estreitas. O desafio do Governo da Bahia é evitar, tanto quanto possível, qualquer transtorno para moradores, empresários e instituições presentes na região, e proporcionar acessibilidade

em locais, muitos dos quais nunca receberam qualquer tipo de manutenção. Áreas que concentram mais de 70% dos equipamentos culturais da cidade, incluindo importantes monumentos históricos. Trata-se de uma intervenção diferente, se comparada com a maioria executada em bairros mais novos da cidade. Cada etapa, desde a logística, na implantação do canteiro de obra, do armazenamento e transporte

do material a ser utilizado, até a comunicação com a população envolvida, é planejada com grande antecedência. E é neste aspecto que o projeto traz um importante diferencial: o contato prévio e constante com a comunidade presente em cada uma das mais de 270 ruas contempladas. Com cuidado e respeito ao tempo certo para cada etapa, até a entrega final. Desde que o projeto foi iniciado, a equipe do Social da Companhia


129


TERRA-MÃE PATRIMÔNIO

DIÁLOGO ABERTO Os serviços realizados seguem planejamento que prevê a mobilização da equipe do Social, que entra em cena antes da obra começar, conversando com os moradores. Nesse momento, particularidades da rua são observadas, aspectos importantes da composição, instituições presentes, moradores que precisam de cuidados especiais, como cadeirantes e idosos. O cuidado é intensificado quando, por exemplo, há necessidade de interrupção dos serviços de água, luz, telefone e também interdição do tráfego. Obras em ruas antigas geralmente começam com a requalificação dos passeios e melhorias na acessibilidade para, em sequência, serem iniciadas as intervenções na pista, com a recuperação da via. “A população é sempre comunicada em casos como quando é necessário o bloqueio da via para a recolocação do paralelepípedo, pois além do período do assentamento da pedra, é necessário um tempo de cura para que o trabalho não precise ser refeito”, detalha

Foto: Camila Souza

de Desenvolvimento Urbano do Estado da Bahia - Conder, responsável pela execução, já visitou 112 ruas da região. O objetivo é esclarecer previamente cada etapa do projeto e sensibilizar a população sobre a importância da participação para o bom andamento da obra.

Maurício Mathias, gestor da Diretoria do Centro Antigo de Salvador - Dircas/Conder. Ainda, para garantir o diálogo aberto, a instituição coloca à disposição um número de telefone (71.3116-6760), para que a comunidade possa tirar dúvidas sobre o projeto, das 8h30 ao meio-dia e de 13h30 às 18h, além de manter um e-mail especial: socialpacpav@conder.ba.gov.br

TRANSPARÊNCIA NO ANDAMENTO DAS OBRAS As obras do projeto Pelas Ruas do Centro Antigo de Salvador estão sendo executadas por etapas, simultaneamente, em diferentes pontos da região. Assim, os bairros próximos

foram interligados por cinco lotes, sendo quatro com obras já iniciadas. Ao todo serão investidos R$ 124 milhões para a melhoria da acessibilidade com a pavimentação de vias e requalificação de calçadas. Intervenções que já se refletem em melhorias no acesso das pessoas a diversos pontos do Centro Antigo de Salvador, tornando mais confortável a mobilidade por ruas, praças e travessas. No Comércio, bairro que integra o lote 1 do projeto, onde os serviços foram concluídos em seis ruas e 28 estão em execução, a Associação de Empresários do Comércio (Aecom) criou uma Comissão de Acompanhamento


131

NÚMEROS DA OBRA (até 02/10/2017) Lote 1 Bairros: Comércio e Calçada . 50 ruas, sendo que: . 06 concluídas . 28 em execução . 16 a iniciar

de Obra (CAO). Os comerciantes elegeram representantes e, a partir de reuniões mensais e visitas de campo, recebem esclarecimentos sobre os serviços executados pela equipe de engenharia. Em seguimento, repassam as informações para os demais beneficiados. No Barbalho, que junto aos bairros de Macaúbas, Nazaré, Soledade e Lapinha formam o lote 5 do projeto, na rua Monte Castelo, dona Vanda Sampaio não poupa elogios ao que chama de ‘canal de comunicação direta’. Moradora da rua há 38 anos, ela já distribuiu os contatos deixados pela equipe da Conder para todos os vizinhos. “A iniciativa da obra é excelente. Bom poder acompanhar de perto a execução dos nossos serviços”, exalta.

Foto: Paula Fróes

Lote 2 Bairros: Centro, Dois de Julho, Politeama e parte de Nazaré . 89 ruas, sendo que: . 31 concluídas . 13 em execução . 45 a iniciar

Lote 3 Bairros: Saúde, parte do Santo Antônio, Barris e Tororó . 90 ruas, sendo que: . 38 concluídas . 29 em execução . 23 a iniciar Lote 4 Bairro do Santo Antônio Além do Carmo . 9 ruas a iniciar Lote 5 Bairros: Barbalho, Macaúbas, parte de Nazaré, Soledade e Lapinha . 46 ruas, sendo que: . 9 concluídas . 11 em execução . 26 a iniciar


TERRA-MÃE TURISMO

Primeiro destino Arquipélago de Abrolhos

Foto: Manu Dias

Bahia ultrapassa o Rio de Janeiro e assume a liderança como melhor destino turístico do Brasil, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Datafolha


133

Estaria no extenso e paradisíaco litoral baiano o motivo de a Bahia ter sido eleita o melhor destino turístico do Brasil? A resposta pode ser sim. O que não invalida outras motivações que levam o estado a liderar a preferência de viajantes em busca de uma nova e particular descoberta. É incontestável que o litoral da Bahia exerce fascínio sobre os visitantes desde a chegada dos portugueses, em 1500. Estado com maior faixa litorânea, numa extensão de 932 km, com 12,4% em relação ao litoral brasileiro, reúne belas praias como Morro de São Paulo, Itacaré, Porto Seguro, e tantas do Litoral Norte, Boipeba, entre muitas.

Desde o roteiro que privilegia sol e mar até o planalto situado na área central do território baiano, ao norte da serra do Espinhaço, a Bahia renova a alegria de milhões de turistas. Oferece atrações valorizadas pela cultura, história e gastronomia, como demonstram estudos e pesquisas sobre os visitantes. O conceituado Instituto Datafolha mostrou, em edição especial da revista Viaja São Paulo, que a Bahia ultrapassou o Rio de Janeiro e assumiu a liderança na preferência dos paulistas para viajar. Na mesma pesquisa realizada em 2016, a Bahia estava em segundo lugar, com 12 pontos, atrás do Rio de Janeiro, com 14 pontos percentuais da amostragem.

Foto: Alberto Coutinho

Mas não só no litoral o visitante vai se surpreender. Também ao longo dos caminhos que levam ao interior o turista encontra inesquecíveis cachoeiras, grutas e florestas, até alcançar

a Chapada Diamantina, rica em belezas naturais tão extraordinárias quanto a paisagem litorânea.

Chapada Diamantina

No novo levantamento feito pelo instituto, entre os dias 16 e 26 de junho deste ano, a Bahia subiu cinco pontos percentuais, atingindo a preferência de 17% dos entrevistados, enquanto o Rio apenas dois. Entre as opções preferidas na programação dos paulistas, estão passeios pelo litoral, Chapada Diamantina e Centro Histórico. Contudo, o interesse dos turistas pela Bahia é reflexo não só dos atrativos que o estado oferece, mas também da política estratégica implementada pelo governo estadual, por meio da Secretaria do Turismo / Bahiatursa. Ações vitoriosas que vão desde a promoção e marketing até o avanço na qualidade dos serviços e melhoria da infraestrutura, para maior conforto do turista. Como objetivo maior, promover o desenvolvimento econômico e estimular a geração de empregos.

além do litoral, inesquecíveis cachoeiras, grutas e florestas, como na Chapada Diamantina, rica em belezas naturais tão extraordinárias quanto a paisagem litorânea.


Foto: Mateus Pereira

TERRA-MĂƒE ESPORTE

Centro de Treinamento para Canoagem, em Ubaitaba


135

Campo de inclusão Governo da Bahia prioriza o esporte como ferramenta de inclusão social, forte aliado na formação de crianças e adolescentes, que resgata valores fundamentais ao desenvolvimento e aprendizagem


TERRA-MÃE ESPORTE

Foto: Mateus Pereira

Entre as modalidades, atividades físicas como: alongamento, caminhada, ginástica; esportes como karatê, judô, jiu-jitsu, hapkido, natação, canoagem, voleibol, handebol, basquete, futebol campo e futsal. Além destes, ainda conta com espaço para ações culturais e artísticas como: música, coral, teatro, artesanato, filmes/fotografia, dança, capoeira, leitura infantil e brinquedoteca; além de recreação, e jogos de damas e xadrez.

Aula de natação

Nos Jogos Escolares da Juventude, em Simões Filho, judô e...

Foto: Mateus Pereira

Um dos exemplos é o Programa de Esporte e Lazer da Cidade (Pelc) Bahia - Esporte, Diversão e Lazer para Você, que atende 40 mil pessoas de todas as idades, além de promover a inclusão de pessoas com deficiência. Com 100 núcleos em 78 municípios, o PELC recebeu um investimento de R$ 18 milhões, por meio de convênio entre a Superintendência dos Desportos do Estado da Bahia Sudesb, autarquia da Secretaria do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte - Setre, e o Ministério do Esporte.

Foto: João Ulbaldo

Esporte de participação, de alto rendimento e como ferramenta de inclusão social. Nesse campo, o Governo da Bahia vem jogando em todas as posições para levar, fortalecer e fomentar a prática esportiva em todas as regiões do estado.

... salto em distância foram um sucesso


137

LIGAS DE FUTEBOL Inédito no Brasil, o Curso de Qualificação de Gestores de Ligas de Futebol, realizado pelo Governo da Bahia, tem como objetivo capacitar gestores esportivos e dotar as entidades que atuam no futebol com melhor estrutura gerencial. O projeto tem investimento de R$ 1,2 milhão, com cursos sendo realizados até janeiro de 2018. Os profissionais são capacitados a desenvolver ações administrativas, gestão de projetos, marketing esportivo e relações interpessoais compatíveis com o mercado do futebol amador e profissional da atualidade. Além de dirigentes de ligas, a iniciativa é voltada também para diretores, coordenadores e secretários de esporte dos municípios baianos. Idealizado pela Sudesb, o projeto de qualificação tem o apoio do Ministério do Esporte, da Federação Bahiana de Futebol e a execução operacional da Federação Baiana de Desporto de Participação (FBDP).

Foto: Carol Garcia

CANOAGEM Polo turístico e point de ecoturismo baiano, a cidade de Itacaré, junto com Ubaitaba e Ubatã, na região Sul da Bahia, vai ganhar um Centro de Treinamento para Canoagem. O espaço será estruturado nos três municípios, nas margens do Rio de Contas, local onde os medalhistas olímpicos Isaquias Queiroz e Erlon de Souza deram suas primeiras remadas. O investimento nos três pontos do centro soma R$ 3 milhões. Além desses equipamentos esportivos, o governo estadual, por meio da Sudesb, também apoia a canoagem na execução do projeto Remando no Rio de Contas, que até dezembro de 2018 vai atender 270 crianças e jovens com aulas de iniciação esportiva. As aulas tiveram início em junho último, destinadas, preferencialmente, a alunos de escolas públicas e organizações de ensino que possuam baixos Índices de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) e que estejam em situação de risco social.

Circuito Open de Polo Aquático, em Praia do Forte

FAZ ATLETA Em 2017, o Programa Estadual de Incentivo ao Esporte Amador do Estado da Bahia – FazAtleta apoiou 67 projetos, sendo 56 atletas e 11 eventos esportivos que se enquadram na categoria esporte amador olímpico e paralímpico. O programa prevê que os patrocinadores (contribuintes do Imposto de Circulação de Mercadorias e Serviços – ICMS) tenham abatimento fiscal de 80% do valor total do projeto esportivo. POLO AQUÁTICO NA PRAIA DO FORTE A Praia do Forte, em Mata de São João, Litoral Norte baiano, foi o cenário paradisíaco do 7º Circuito Open de Polo Aquático, um dos maiores eventos de esporte aquático do Brasil. Realizada de 13 a 15 de outubro, a competição reuniu cerca de 250 atletas de todo o país, em 11 delegações masculinas e femininas. Uma iniciativa da Federação Baiana de Desportos Aquáticos (FBDA), com apoio da Sudesb, que coloca a Bahia na rota das grandes competições. Na premiação, o título feminino ficou com o time de Brasília e o masculino com a equipe de Salvador.


TERRA-MÃE TECNOLOGIA

Maratona de inovação produtiva Festival mais importante do mundo nas áreas de inovação, criatividade, ciência e entretenimento digital, a versão baiana da Campus Party ofereceu mais de 250 horas de conteúdos, com recorde de público

Cerca de 80 mil visitantes e seis mil ‘campuseiros’ fizeram a primeira Campus Party na Bahia bater recorde de público entre todas as edições regionais. O evento, que aconteceu na Arena Fonte Nova, em Salvador, de 9 a 13 de agosto, exaltou o que é produzido de melhor em tecnologia e inovação pelos jovens baianos, direcionados para melhoria dos serviços públicos, como mobilidade e trabalho. A Campus Party Bahia superou todas as expectativas desde o começo, quando, em um mês, esgotou as barracas colocadas à disposição do

público. O evento conseguiu dialogar de forma democrática, gerando oportunidades para o desenvolvimento de softwares. Apresentou o que é produzido no estado, demonstrando que a alta tecnologia está estreitamente alinhada com o desenvolvimento da Bahia. Com jovens de todas as partes do país, o festival mais importante do mundo nas áreas de inovação, criatividade, ciência e entretenimento digital ofereceu mais de 250 horas de conteúdos e internet de 20 Gbps na Arena, além das diversas e concorridas atividades da Área

Open. Também foi a primeira vez na história que uma Campus Party teve um espaço exclusivo para crianças, democratizando ainda mais este evento que é considerado a maior experiência tecnológica do planeta. Destaque especial para a participação dos estudantes das escolas públicas. Em parceria com a Secretaria de Educação, a Secretaria da Ciência, Tecnologia e Inovação - Secti, responsável por trazer o evento para a Bahia, oportunizou que centenas de estudantes pudessem acompanhar de perto as atrações da edição baiana do evento.


Foto: Carol Garcia


TERRA-MÃE TECNOLOGIA

Inaugurado em setembro de 2012, o Parque Tecnológico da Bahia, que é gerido pela Secretaria da Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti), completa cinco anos. Com um total de 27 empresas, número que cresce em 2018 com a chegada de 15 novas startups, o parque atua em áreas como saúde, consultorias, games, engenharia elétrica e civil, tecnologia da informação e outras. Além das startups, empresas residentes como ZCR, Ericsson, Topos e Maqhin fazem do espaço um fomentador das novas tecnologias. Também é destaque o instituto alemão Fraunhofer, conhecido por ser pioneiro no desenvolvimento de software e tecnologia inteligente. O projeto Movpak, uma mochila-skate que se coloca como nova alternativa de

transporte, consta entre os cases de sucesso. Também integram iniciativas como o Polo de Inovação Salvador (PIS), do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia (Ifba), e o Centro para Integração de Dados e Conhecimentos para Saúde (Cidacs), da Fiocruz Bahia. O Cidacs, por exemplo, desenvolve e difunde pesquisas e informações que servem de base para ações e políticas na área da saúde. Com a inauguração do LabSolar, laboratório de certificação de energia solar, parceria entre Secti, Coelba e Universidade Federal Bahia (Ufba), a Bahia segue se destacando no setor. O LabSolar tem investimentos de R$ 2 milhões e é totalmente dotado de equipamentos de ponta, viabilizando oportunidades para quem trilha o caminho da pesquisa científica e de energias renováveis. Foto: Carol Garcia

CINCO ANOS DE NOVAS TECNOLOGIAS


Foto: Eduardo Moody

Parque Tecnológico atua em áreas como saúde, consultorias, games, engenharia elétrica e civil, além de tecnologia da informação


Foto: Pedro Moraes

TERRA-MÃE GESTÃO FINANCEIRA

Avenida Paralela, Salvador


Compromissos em dia Bahia mantém equilíbrio das contas públicas e ocupa segunda posição no ranking nacional de investimentos, atrás apenas de São Paulo


TERRA-MÃE GESTÃO FINANCEIRA

Foto: Mateus Pereira

A queda real de 10% nos gastos com custeio administrativo do governo baiano no primeiro semestre de 2017, em comparação com igual período de 2014, e o avanço contínuo, nos últimos anos, da participação da Bahia no conjunto do ICMS arrecadado nacionalmente têm ajudado a construir uma das maiores conquistas do estado ante a crise econômica: a manutenção do equilíbrio das contas públicas. Com as finanças ajustadas, a Bahia segue entre os estados que pagam os salários em dia e dentro do mês trabalhado e cumprem os compromissos com fornecedores. Outro indicador de saúde financeira é o investimento de R$ 1,48 bilhão

até agosto, segundo mais alto do país, atrás apenas de São Paulo. A Bahia já havia ocupado em 2016 a segunda posição no ranking nacional de investimentos, ou seja, gastos com obras e ações que beneficiam diretamente a população, tendo sido superada também no ano passado pelo governo paulista. Ressalte-se a este respeito, entretanto, que o investimento baiano nos oito primeiros meses de 2017, comparado aos R$ 3,5 bilhões do governo de São Paulo no mesmo período, é mais significativo em termos de proporção dos respectivos orçamentos estaduais.

São exemplos de investimentos do estado as obras de expansão do metrô de Salvador, que completou 29 quilômetros de extensão ao chegar, no último mês de setembro, até a estação Mussurunga, as vias estruturantes como as avenidas 29 de Março e Gal Costa, os novos hospitais regionais da Chapada e do Cacau, a rede de policlínicas no interior, a construção e a recuperação de estradas, a construção de barragens e outras obras de segurança hídrica, além da construção e recuperação de escolas. Outro aspecto relevante das contas públicas da Bahia é o bom perfil de endividamento do estado. A relação entre Dívida Consolidada Líquida (DCL) e Receita Corrente Líquida (RCL) segue caindo. Ao final de 2016, essa relação era de 0,56, passou para 0,51 no primeiro quadrimestre e recuou para 0,49 no segundo. A Bahia segue, assim, com um perfil de endividamento bem mais ajustado que o dos grandes estados brasileiros. Em agosto, as dívidas de Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro correspondiam a mais de duas vezes a receita, ultrapassando o limite fixado na legislação, e as de São Paulo e Minas Gerais estavam próximas desse patamar.


145

Com finanças ajustadas, Bahia segue entre estados que pagam os salários em dia e dentro do mês trabalhado e cumprem os compromissos com fornecedores.

Foto: Mateus Pereira

QUALIDADE DO GASTO A queda nos gastos com custeio deve-se às medidas de austeridade adotadas desde o início da atual gestão. As despesas foram contidas com a redução do número de secretarias estaduais, de 27 para 24, o corte de dois mil cargos e empregos públicos e uma política de qualidade do gasto público no dia a dia, sob a liderança da Secretaria da Fazenda - Sefaz. A melhoria contínua da arrecadação também tem sido um fator importante para o equilíbrio fiscal. No quesito, têm sido decisivos os avanços na produtividade do fisco por meio do programa Sefaz On-Line, que incluem interação online do governo estadual com 180 mil empresas baianas, cruzamento de dados para amplificar o combate à sonegação, monitoramento e bloqueio em tempo real de fraudes cometidas por hackers fiscais e agilidade na fiscalização de mercadorias em trânsito.


Revista secom terra mae 2017 web  

Publicação contém as ações realizadas pelo Governo da Bahia ao longo do ano de 2017.

Revista secom terra mae 2017 web  

Publicação contém as ações realizadas pelo Governo da Bahia ao longo do ano de 2017.

Advertisement