Issuu on Google+

pub

Agência Comercial Pico • 28721006

hojemacau Mop$10

pub

Director carlos morais josé • terça-feira 8 de março de 2011 • ANO X • Nº 2324

tempo com abertas min 14 max 18 humidade 55-85% • câmbios euro 11.23 baht 0.26 yuan 1.23

Senhorios desafiam leis com contratos irregulares

Pagas mais ou adeus Sabia que quando arrenda uma casa o contrato nunca pode ser inferior a dois anos? E que o senhorio não pode fazer o aumento que entender? É o que está na lei, mas a prática é uma verdadeira balbúrdia. A culpa pode ser das agências imobiliárias, que querem elevar o valor geral das casas para ganharem maiores comissões no futuro. > Página 6

Criativos, revelai-vos Festival of Minds inaugara-se em Macau e pretende abrir as cabeças dos jovens do território para a criatividade. O projecto chinês quer servir de inspiração para que a publicidade que se faz por cá seja de melhor qualidade. >Páginas 10 e 11

vida

Lei do Tabaco

pequim apoia proibição nos casinos • PÁGINA 7

China revela plano

maquete da economia verde • CENTRAIS

Cooperação com Guangdong

a aplicação na vida prática de um acordo • PÁGINA 4


terça-feira 8.3.2011 www.hojemacau.com.mo

2 Mais dívidas adquiridas Pequim confirmou ontem ter comprado títulos de tesouro de vários países europeus, mas não mencionou quais nem quando ocorreu a compra. “A China acompanhou atentamente a crise da dívida soberana de alguns países europeus”, disse o ministro chinês dos Negócios Estrangeiros, Yang Jiechi, numa conferência de imprensa no âmbito da reunião anual da Assembleia Nacional Popular, em Pequim. “Comprámos títulos do tesouro dos principais países (afectados pela crise) e ajudámos a promover o seu processo de integração europeia”, acrescentou. Há cerca de três semanas, pela primeira vez, um jornal chinês indicou que a China poderia aumentar a sua carteira de títulos do Tesouro de Portugal e de outras nações europeias. “A China prometeu comprar 6.000 milhões de euros de títulos do Tesouro espanhol e manifestou interesse em comprar dívida portuguesa e grega”, disse o China Daily no dia 17 de Fevereiro. Yang Jiechi considerou hoje que “as medidas tomadas pela China foram bem recebidas pelos países e povos europeus, especialmente pelos governos e povos desses países”. “A globalização económica aproximou os interesses dos países e nestas circunstâncias, os países devem continuar unidos, como passageiros do mesmo barco”, disse. A reunião anual da Assembleia Nacional Popular chinesa, iniciada no sábado, decorre durante dez dias, com cerca de 3000 delegados. 4G está a chegar Pode estar para breve o lançamento de uma quarta geração de serviços móveis na China. Quem o afirma é o presidente da China Mobile, em declarações ao jornal local China Daily. O responsável revelou que a operadora está a coordenar testes à tecnologia em sete cidades chinesas e a preparar o lançamento comercial, que avançará “logo que a tecnologia tenha maturidade”. A tecnologia de quarta geração usada pela operadora móvel chinesa é de desenvolvimento doméstico e representa uma evolução face à norma 3G, que a operadora já tinha desenvolvido e que é conhecida por TD-SCDMA. A tecnologia candidata a norma de quarta geração foi aceite em Outubro pela União Internacional das Telecomunicações nessa condição e os testes realizados pela China Mobile ao TD-LTE estão agora a ser acompanhados de perto pelo organismo. A monitorização da UIT pretende assegurar que a tecnologia desenvolvida na China cumpre os parâmetros de transferência estabelecidos para o 4G e cabe por isso no âmbito que define a tecnologia.

actual MNE chinês admite “dificuldades” no futuro

Cá não há tensões

O

ministro chinês dos Negócios Estrangeiros, Yang Jiechi, admitiu ontem que a evolução da China poderá conhecer “dificuldades”, mas rejeitou que haja “tensão” no país. “Não pensamos que o futuro esteja sempre isento de dificuldades, mas temos a confiança, a determinação e a capacidade para as ultrapassar”, disse Yang Jiechi numa conferência de imprensa no âmbito da reunião anual da Assembleia Nacional Popular, em Pequim. Sem se referir explicitamente aos apelos na internet para a realização de protestos do tipo “revolução jasmim” em Pequim e outras cidades chinesa, Yang Jiechi disse não ter visto “qualquer sinal de tensão na China”. “O que eu vi foi o povo chinês a celebrar alegremente o Ano Novo Lunar e a Festa das Lanternas. Agora estamos ocupados com o nosso trabalho e com a atenção focada no desenvolvimento interno do país”, afirmou. Yang Jiechi negou que jorna-

listas estrangeiros tenham sido agredidos pela polícia quando acorreram ao local para onde estavam convocados os referidos protestos, no dia 27 de Fevereiro. “Essa questão não existe”, afirmou. Em 20 de Fevereiro, a polícia chinesa dispersou “grupos de pes-

soas” concentrados numa das mais movimentadas artérias comerciais de Pequim, a Wangfujing, relatou a agência noticiosa oficial chinesa. No domingo seguinte não se registaram protestos, mas a polícia – em uniforme e à civil – compareceu em força nas imediações da Wan-

gfujing, controlando os acessos à rua e afastando agressivamente algumas dezenas de jornalistas que acorreram ao local. Segundo o Clube dos Correspondentes Estrangeiros na China, jornalistas de 16 órgãos de informação sofreram “graves ingerências” por parte da polícia e alguns estiveram detidos quase quatro horas. Num dos casos mais violentos, a agência Bloomberg disse que um dos seus jornalistas foi agredido por cinco pessoas, aparentemente agentes de segurança à paisana, que o detiveram numa loja das imediações. A Delegação da União Europeia na China e a Embaixada dos Estados Unidos manifestaram-se “perturbadas” com a situação e exortaram as autoridades chinesas a “respeitarem os direitos dos jornalistas estrangeiros” acreditados no país. Yang Jiechi afirmou ontem que “a China é um país governado pela lei” e “respeitou sempre as leis e regulamentos acerca dos jornalistas estrangeiros”. Nos últimos 30 anos – salientou o MNE chinês - a economia chinesa “cresceu em média 10% ao ano”, “retirou muita gente da pobreza” e “conseguiu enfrentar com sucesso a crise financeira internacional”. “A China está pronta a partilhar a sua experiência com outros países”, acrescentou.

Distribuição da riqueza longe de satisfatória

Pyongyang quer repatriamento

Passos pequenos

Fado do 31

O

jornal oficial do Governo Central reconheceu ontem que “a distribuição da riqueza e a igualdade social estão longe de ser satisfatórias” na China, mas rejeitou a possibilidade de uma sublevação popular, salientando que o país pagou “elevado preço pela revolução”. “A China não é um paraíso social. (…) Os chineses têm, de facto, muitas queixas. Isso não significa que eles queiram uma sublevação social ou mudanças subversivas”, diz o Global Times num editorial intitulado “China tem suficiente memória do caos”. Referindo-se às mensagens na Internet apelando para protestos tipo “revolução jasmim” em Pequim e noutras cidades chinesas, o jornal afirma que a China pretende “resolver os seus problemas pragmaticamente” e “através de reformas graduais”. “Há mais de 30 anos que a China está envolvida nesse processo [de reformas graduais]. É impossível ultrapassar isso em nome de outra revolução”, acrescenta.

Publicação em inglês do grupo Diário do Povo, órgão central do Partido Comunista Chinês, o Global Times salienta que a memória da contínua “agitação” que marcou os primeiros 30 anos da República Popular “ainda está profundamente gravada na sociedade chinesa”. “A revolução catalisou [o nascimento de] uma nova China, mas a sociedade também pagou elevado preço pela revolução”, diz o jornal. No final da década de 1970, o PCC decidiu romper com o radicalismo do passado e adoptar uma nova política, de “reforma económica e abertura ao exterior”. Desde então, a economia chinesa cresceu em média 10% ao ano e em 2010 tornou-se a segunda maior do mundo, logo a seguir à dos Estados Unidos. O fosso entre ricos e pobres, no entanto, acentuou-se e pelos padrões da ONU, cerca de 150 milhões de chineses (11% da população) vivem ainda abaixo da “linha de pobreza” (menos de um dólar por dia).

A

Coreia do Norte propôs conversações entre as delegações do Norte e Sul da Cruz Vermelha para conseguir que 31 norte-coreanos que chegaram de barco a uma ilha sul-coreana em Fevereiro sejam repatriados, informou a agência Yonhap. Segundo o ministério da Unificação sul-coreano, a Cruz Vermelha norte-coreana propôs para esta quarta-feira uma reunião de trabalho com a homóloga da Coreia do Sul na zona fronteiriça de Panmunjom. A proposta surge depois de na passada sexta-feira o regime

comunista de Pyongyang se ter negado a aceitar o repatriamento de apenas 27 dos 31 norte-coreanos, já que, segundo Seul, quatro expressaram o seu desejo de permanecerem na Coreia do Sul. Os 31 norte-coreanos chegaram de barco à ilha fronteiriça sul-coreana de Yeonpyeong a 5 de Fevereiro, aparentemente desorientados pela neblina, e desde então têm sido submetidos a um mês de interrogatórios na Coreia do Sul. Na última fase do processo de entrevistas, dois homens e duas mulheres norte-coreanas manifestaram o seu desejo de desertarem, pelo que as autoridades sul-coreanas decidiram que estes não se juntariam ao grupo de repatriados. Seul negou ter coagido os quatro norte-coreanos a pedirem asilo, mas o Norte exigiu na sextafeira o regresso dos 31 e acusou o Sul de os usar como “reféns” a favor dos seus interesses.


Existe internacionalmente uma longa tradição da cantiga de protesto e de revolta, não é exclusivo português, como se sabe. A genuína luta dos povos por aquilo que avaliam ser os seus direitos e a sua dignificação não tem fronteiras. A cantiga também em todos os tempos foi uma arma. Helder Fernando, P.15

O

novo plano quinquenal de desenvolvimento da China, que foi referendado em Outubro pelo Comité Central do Partido Comunista e deve ser aprovado pelo Congresso Nacional do Povo no encontro anual que começou no sábado, em Pequim, imporá uma profunda mudança de rumo na evolução da economia do país, com impactos importantes sobre o resto do mundo. Este é o 12.º plano quinquenal chinês. Embora as projecções de crescimento neles contidas sejam geralmente subavaliadas e, por isso, desmentidas na prática, esses planos têm tido papel importante na determinação dos caminhos seguidos pela China. O quinto plano quinquenal resultou nas reformas e na abertura da economia no fim da década de 1970. Em meados da década de 1990, o nono plano transformou as estatais em empresas voltadas para a conquista de clientes ao redor do mundo, o que permitiu à China abocanhar fatias cada vez maiores do mercado internacional. O que está a ser aprovado nestes dias “provavelmente entrará para a história como uma das iniciativas mais ousadas da China”, previu o economista Stephen S. Roach, membro do corpo docente da Universidade Yale e actualmente director do Morgan Stanley na Ásia. Serão profundas as mudanças no modelo económico chinês, que hoje dá prioridade a investimentos em grandes unidades industriais e em exportações. Nos próximos cinco anos, o crescimento chinês irá basear-se no mercado interno, no consumo e na melhoria da qualidade de vida e da renda dos chineses. As mudanças começaram a ser pensadas há quatro anos, quando o primeiro-ministro Wen Jiabao apontou o paradoxo que vivia a economia chinesa, cujo crescimento vertiginoso encobria inconsistências graves, como a instabilidade do processo, vários desequilíbrios e a sua insustentabilidade.Arecessão no mundo industrializado iniciada em 2008, que reduziu a demanda de produtos da

terça-feira 8.3.2011 www.hojemacau.com.mo

3

Menor crescimento, mas maior qualidade de vida

China volta-se para os chineses de poupança dos chineses, que, sem dispor de um sistema de segurança social fiável, poupam tudo o que podem para garantir a sobrevivência na velhice. Mudar isso exigirá a construção de um novo sistema público e privado, o que representará um enorme desafio político

para o Executivo. Se o 12.º plano quinquenal corresponder à expectativa do Governo, a China dará um forte impulso nas economias de seus parceiros comerciais. Mas reduzirá o seu papel de financiador dos défices de países como os EUA. Será outra grande mudança.

pub

China e afectou sua economia, mostrou o lado frágil do modelo vigente. Para reduzir a sua dependência do mercado externo, a China agora se volta para os chineses. Essa será a principal característica do 12.º Plano Quinquenal, que começou a ser elaborado no segundo semestre de 2008, quando os dirigentes chineses fizeram a avaliação dos resultados do plano anterior até aquele momento. Desde então, o governo e o partido ouviram académicos, políticos e um grande número de profissionais. Daí surgiram as grandes linhas, que foram novamente discutidas com diversos colaboradores e por fim submetidas às instâncias decisórias do Partido Comunista e, agora, do Estado chinês. Para fortalecer o mercado interno, o novo plano prevê a redução da ênfase no sector industrial, que sustentou o crescimento chinês nos últimos 30 anos. Será dada prioridade a outros sectores da economia, como comércio a retalho, logística e serviços de saúde. São sectores menos eficientes do que a indústria, com menor produtividade, que por isso não garantirão o ritmo de crescimento que o país mostrou nos últimos anos. Mas, por proporcionarem maior numero de empregos, permitirão que as cidades recebam mais trabalhadores originários das áreas rurais, assegurando-lhes renda mais alta. Desse modo o Governo chinês pretende

compensar a redução do ritmo de crescimento, com o aumento mais rápido do emprego e da renda dos trabalhadores - o que terá como resultado adicional

a redução da tensão social e política. Para conseguir um rápido aumento do consumo doméstico, o Governo terá de mudar o arraigado hábito

pub

公告 ANÚNCIO HM-1ª Vez 08-03-2011 確認資格案 第 PC1-10-0049-COP-A 號 輕微民事案件法庭 Habilitção n.º Juízo de Pequenas Causas Cíveis Requerente: COMPANHIA DE ADMINISTRAÇÃO DE PROPRIEDADES GOLDEN RIVER, LIMITADA (Rep. pelo LAW TAK CHAI), com sede em 澳門新口岸北 京街244-246號澳門金融中心5樓A座. Requeridos: WEI LING-CHING e HERDEIROS INCERTOS de LEE TE-CHENG. FAZ-SE SABER que, pelo Tribunal Judicial de Base da RAEM, correm éditos de TRINTA (30) DIAS, contados da publicação do presente anúncio, citando WEI LING-CHING e os HERDEIROS INCERTOS do requerido LEE TE-CHENG, que se julguem com a qualidade de herdeiros do falecido LEE TE-CHENG, falecido em 03 de Julho de 2000 em Taiwan, com última residência em 澳門新口岸 北京街244-246號澳門金融中心7樓M座, para no prazo de DEZ (10) dias, contestarem, querendo, a presente habilitação, conforme tudo melhor consta da petição inicial, cujos duplicados se encontram no Juízo de Pequenas Causas Cíveis deste Tribunal e lhe será entregue logo que solicitado, sob pena de não o fazendo no dito prazo seguir o processo os ulteriores termos até final à sua revelia, incumbindo a sua defesa ao Ministério Público – artº. 51º. C.P.C.M.. R.A.E.M., aos 24 de Fevereiro de 2011.

Anúncio HM-2ª VEZ 08-03-2011 Acção Ordinária CV1-11-0010-CAO

1º Juízo Cível

AUTORA: ASSOCIAÇÃO DE PIEDADE E DE BENEFICÊNCIA “HÓNG-CHANKUAN-MIO” / “HONG KONG MIO” também denominada e conhecida por ASSOCIAÇÃO DE BENEFICÊNCIA E PIEDADE “PAGODE HONG KONG-MIO”, com sede em Macau, na Rua de Sacadura Cabral, nº 68, r/c, Macau. ------------------------------RÉUS: INTERESSADOS INCERTOS;-----------------------------------------------------------FAZ-SE SABER que pelo Tribunal Judicial de Base da RAEM, correm éditos de TRINTA DIAS, contados a partir da segunda e última publicação do respectivo anúncio, citando quaisquer INTERESSADOS INCERTOS para, no prazo de TRINTA DIAS, findo o dos éditos, contestarem, querendo, a presente Acção Ordinária, na qual a autora pede, em síntese, que seja declarada, para todos os efeitos, nomeadamente de registo, legitima proprietária e única titular dos seguintes imóveis, por os haver adquirido por usucapião:------------------1ª ---Prédio com o n.º 2 da Rua das Estalagens, com a área de 27 m2, descrito na Conservatória do Registo Predial de Macau sob o nº 13368, a Fls. 5 verso do Livro B36, confrontando com NE – Rua das Estalagens. SE – Rua das Estalagens n.ºs 2A-4 (nºs. 13369 e 13370) SW – Rua de Cinco de Outubro. NW – Rua de Cinco de Outubro. 2ª ---do prédio com o n.º 6 da Rua das Estalagens, com a área de 29 m2, descrito na Conservatória do Registo Predial de Macau sob o nº 553, a Fls. 197 verso do Livro B3, confrontando com NE – Rua das Estalagens. SE – Rua das Estalagens n.º8 (nº. 13371) SW – Rua de Cinco de Outubro nº119D. NW – Pátio Interior. 3ª ---do prédio com o n.º 8 da Rua das Estalagens, com a área de 32 m2, descrito na Conservatória do Registo Predial de Macau sob o nº 13371, a Fls. 7 verso do Livro B36, confrontando com NE – Rua das Estalagens. SE – Rua das Estalagens n.ºs 10-10A (nº3772) SW – Rua de Cinco de Outubro nº119D. NW – Rua das Estalagens n.º6 (nº553). 4ª ---do prédio com o n.º 4 da Travessa do Pagode, com a área de 91 m2, descrito na Conservatória do Registo Predial de Macau sob o nº 13366, a Fls. 4 verso do Livro B36, confrontando com NE – Pátio Interior. SE – Travessa do Pagode SW – Travessa do Pagode n.º4A (nº 13367). NW – Rua de Cinco de Outubro n.º119D. 5ª ---do prédio com o n.º 4-A da Travessa do Pagode, com a área de 79 m2, descrito na Conservatória do Registo Predial de Macau sob o nº 13367, a Fls. 5 verso do Livro B36, confrontando com NE – Travessa do Pagode n.º4 (nº 13366). SE – Travessa do Pagode SW – Travessa do Pagode n.º6 (nº 698). NW – Rua de Cinco de Outubro n.º119D. -----Tudo como melhor consta do duplicado da petição inicial que se encontra nesta secretaria à disposição dos citandos e, ainda que é obrigatória a constituição de advogado (art. 74º do C.P.C.M.), caso contestem.-------------------------------------------------------------------Aos 21 de Fevereiro de 2011


terça-feira 8.3.2011 www.hojemacau.com.mo

4

O que significa na vida prática o acordo com Guangdong

Vanessa Amaro

O

política

vanessa.amaro@hojemacau.com.mo

A trocar por miúdos

badalado Acordo-Quadro de cooperação bilateral entre a província de Guangdong e Macau, assinado no domingo, promete revolucionar o futuro crescimento do território. Mas, em termos práticos, que consequências o documento, classificado de extrema importância por ambas as partes, irá mudar a vida da população em Macau? A diversificação da economia do território está no topo das prioridades. O turismo vai continuar a ocupar o primeiro lugar, mas a porta para lá dos casinos fica assim aberta, com a Ilha da Montanha, ou Hengqin, a ocupar um lugar primordial. As fronteiras entre a ilha e Macau estarão a funcionar 24 horas por dia, os estudantes da Universidade de Macau, que está a construir no sítio o seu novo campus, ficam isentos de vistos e burocracias para cruzar a fronteira – numa decisão inédita por parte de Pequim -, e serão construídos novos atractivos turísticos para seguir o lema “uma viagem com vários destinos”. Um dos maiores parques aquáticos do mundo na Ilha da Montanha faz parte da estratégia de turismo familiar. Investidores da ilha prometem casas novas, com qualidade e a um preço bastante mais competitivo que em Macau. Com as fronteiras abertas sem interrupção e com as facilidades na passagem, as construtoras prevêem que um grande número de proprietários de imóveis seja natural de Macau. Estão previstos 280 mil residentes em Hengqin até

ao fim de 2020 – contra os cerca de 5000 actuais - , que serão beneficiados com infra-estruturas por estrear, mais estradas a conectar com o território e um ambiente mais verde. Está também prometido o uso de energias alternativas e menos poluentes. É também em Hengqin que irá nascer o parque da medicina tradicional chinesa, cujo principal objectivo é ser pioneiro na área da investigação e exportações de produtos com selo de qualidade para grandes mercados ocidentais, como os Estados Unidos. Os residentes de Macau ganham assim mais oportunidades de emprego e os artistas locais recebem um refúgio cultural. Faz parte do acordo criar uma zona criativa e cultural, que receberá residências artísticas de estrangeiros e chineses. O Chefe do Executivo, Fernando Chui Sai On, frisa que a zona de cooperação industrial a construir na ilha de Hengqin será “mais um passo no desenvolvimento de diferentes indústrias”, enquanto que o Parque Científico e Industrial de Medicina Tradicional Chinesa e a zona de industrias criativas e culturais são o “início da diversificação económica de Macau”. Leonel Alves, deputado da Assembleia Legislativa e membro da Comissão Consultiva Política do Povo Chinês, assinala que Macau ficará cada vez mais integrado no

Joana Freitas

Entrevista | Larry So, professor do Instituto Politécnico de Macau e analista político

joana.freitas@hojemacau.com.mo

A

lexis Tam refere-se a esta nova cooperação como a possibilidade de se construir “uma região especial dentro de outra já existente”. Em análise ao tema, Larry So fala sobre as vantagens, desvantagens e alterações que o Acordo Macau-Guangdong pode trazer. Quais podem ser os benefícios deste acordo para Macau e para Guangdong? As pessoas de ambas as regiões poderão vir a ter melhores oportunidades a nível de emprego. As pequenas e médias empresas, por exemplo, terão, desta forma, mais abertura com este acordo,

Ilha da Montanha

sul da China, em particular com Cantão, e deve aproveitar as relações com a província mais populosa da China – são 79 milhões de residentes fixos e outros 31 migrantes que vão e vem todos os anos. A província de Guangdong é ainda considerada a mais próspera da China e é, sozinha, equivalente a toda a máquina económica de países como a Turquia ou a Indonésia. Do lado de lá da fronteira virá mais água para abastecer Macau, com o primeiro passo muito perto de ser concretizado, com a abertura de um novo reservatório em Doumen, nos arredores de Zhuhai. Do

lado de cá, serão abertas delegações de controlo de qualidade de todo o género de produtos, desde os têxteis, aos alimentos, passando pelos medicamentos e electrónicos. A criatividade dos residentes de Macau irá agora ganhar outra dimensão. As patentes criadas no território poderão agora ser registadas na China continental e serão criados novos mecanismos para incentivar uma maior produção de invenções com o selo da RAEM. Os empresários, especialmente os das pequenas e médias empresas, vêem agora a possibilidade de instalaremse nas cidades da província vizinha

(ver entrevista nesta página) com menores gastos de produção. O ambiente promete ficar mais verde também. As duas regiões garantem que darão as mãos para combater problemas como a poluição excessiva ou a fraca rede de energias renováveis. No entanto, no que toca os impostos a situação será mais complicada para os cidadãos de Macau. se no território a cobrança vai até um máximo de 12%, na pátria mãe esse valor pode atingir os 40%. Alexis Tam, o porta-voz do Governo da RAEM, identificou este acordo como o “cartão de visita” para Macau. Numa entrevista ao jornal Southern Metropolis Daily, Tam disse que ambas as regiões já propuseram benefícios fiscais especiais para a zona de Hengqin. Os membros da Administração afirmam mesmo que, apesar de ainda não lhes ter sido dada uma resposta concreta do Governo Central acerca deste assunto, a atitude de Pequim tem sido positiva. Alexis Tam, salientou que os cidadãos de Macau não se envolverão na parte administrativa de Hengqin, e que em caos de litígios entre empresas, estes terão de ser resolvidos através do sistema judiciário da China, apesar de Macau poder expressar opiniões através de contactos governamentais e de o público poder vir a ser, eventualmente, consultado.

Macau como uma matrioska especialmente em termos de diversidade. Depois, podem instalar-se em Guangdong, onde podem baixar os salários e alargar o mercado. Por outro lado, Macau pode providenciar formação aos serviços de Guangdong, por exemplo, nos serviços de acção social. A profissionalização destes serviços em Guangdong está relativamente mais atrasada. Macau pode realmente ajudar ao seu desenvolvimento e melhorar a formação para os seus trabalhadores, ao mesmo tempo que as organizações sem

fins lucrativos do território, pode juntar-se a Guangdong e fornecer melhores serviços como contrapartidas. Para Guangdong, haverá uma melhor cooperação e as duas regiões podem juntarse no combate à poluição regional. E as desvantagens para ambos? Um dos assuntos mais importantes para fazer com que este sistema funcione é a abertura da fronteira. De facto, não deveria haver horas de fecho, devia estar aberta 24 horas. No futuro, e de acordo com

esta cooperação e tendo em vista a ponte Hong Kong-Zhuhai-Macau, o trânsito vai ser muito intenso, especialmente em termos de transportes de cargas terrestres. Se houver hora de fecho vai ser ainda maior esta intensidade. Vão ser perdidas muitas horas desnecessariamente, e a competitividade de Macau vai diminuir, bem como a de Guangdong. Os cruzamentos entre a diferentes legislação e moedas das regiões não pode ser confusa para o funcionamento deste sistema?

Os impostos mais “relaxados”e os salários podem assemelhar-se ao nível de Macau, da parte de Guangdong. E isso pode atrair mais profissionais para aquela região, especialmente nas áreas onde se sente ais falta. Macau não deveria assumir um maior desenvolvimento antes de dar este passo? Como pode ser feita esta preparação para tornar as regiões numa “megapólis”? Para que se possa preparar Macau para as mudanças que aí vêm, quando o

acordo estiver em pleno funcionamento, terá que se incluir formação da mão de obra local para ficar mais competente e mais profissional. É só através da formação que podemos elevar a qualidade de produção dos nossos serviços. Sem serviços de qualidade, Macau não pode enfrentar a audaz competição das regiões vizinhas. Em resumo, Macau necessita de mudar para uma sociedade de aprendizagem, de forma a que a nossa produção e organização esteja pronta a suportar alterações.


terça-feira 8.3.2011

Mais nove candidatos à advocacia

www.hojemacau.com.mo

A Associação dos Advogados de Macau vai realizar, na quinta e sexta-feira, a partir das 15h, as provas orais do exame final do curso de estágio de advocacia, com a participação de nove candidatos. A realização do exame final é aberta ao público, podendo os interessados assistir ao mesmo, com entrada livre, no edifício World Trade Center.

Gonçalo Lobo Pinheiro glp@hojemacau.com.mo

O

dia de ontem foi reservado para uma reunião que durou cerca de duas horas. A 2.ª Comissão Permanente da Assembleia Legislativa (AL) reuniu-se com membros do Executivo da RAEM para proceder à primeira análise e discussão da proposta de lei do “Regime do subsídio de invalidez e dos cuidados de saúde prestados em regime de gratuitidade aos portadores de deficiência”, mas ainda não houve consensos substanciais. “Não foi alcançado qualquer tipo de consenso em muitas matérias. Abordámos questões como a articulação em si bem como critérios de residente permanente e não-permanente que neste articulado são distintas e noutros não”, revelou aos jornalistas Chan Chak Mo, presidente da Comissão. Como noutros articulados recentemente analisados pelas diversas Comissões, esta nova proposta de lei também fazia alusão aos despachos do Chefe de Execupub

Subsídios discutidos pela primeira vez em sede da especialidade

Deficientes de duas categorias tivo como forma de classificação do grau de deficiência ou o valor a ser atribuído. Os deputados querem que essa questão seja retirada do documento porque o despacho deve ser sempre feito pelo plenário. “Há partes do diploma como, por exemplo, o n.º 5 do artigo 4.º ou o n.º 2 do artigo 5.º que têm de ser alterados, porque o despacho dessas questões têm de ser feitas pela AL e não pelo Chefe do Executivo. O Governo prometeu que essas normas vão ser retiradas até para evitar qualquer tipo de conflitualidade”, revelou Chan Chak Mo. Agora é preciso conversar bastante. Os deputados querem que seja feita uma classificação do nível de deficiências com duas modalidades de subsídios nas quatro categorias já existentes, isto porque “quanto maior for o número de

categorias menos as pessoas vão receber”. O articulado vai seguir a sua análise e Chan Chak Mo revelou que é essencial que assessores

da AL e juristas do Executivo se sentem à mesa para tentar “harmonizar” a proposta de lei. A proposta sobre a atribuição do subsídio de invalidez teve a

5 sua origem nas Linhas de Acção Governativa do ano de 2009. Por essa razão, na proposta de lei que agora está à apreciação na especialidade prevê-se que à pessoa deficiente que reúna os requisitos estabelecidos e apresente o pedido dentro do prazo de 180 dias, contados a partir da data de entrada em vigor da lei, receba um subsídio. Estima-se que Macau terá cerca de 30 mil pessoas com deficiência, das quais 21 mil são portadoras de deficiência de grau ligeiro e moderado e as restantes nove mil de deficiência de grau grave e profundo. A partir desta sexta-feira, contudo, os cidadãos com deficiência podem começar a preencher e enviar os impressos para requerer o seu cartão de registo da doença de que padecem. O Regulamento Administrativo para o “Regime de Avaliação do Tipo e Grau da Deficiência, seu registo e emissão de cartão” entrará em vigor no dia 11 e pretende dar mais garantias de emprego às pessoas com deficiência em Macau.


terça-feira 8.3.2011 www.hojemacau.com.mo

6 Gonçalo Lobo Pinheiro

A

glp@hojemacau.com.mo

rrendar casa em Macau está cada vez mais difícil. Não tanto pela falta de oferta mas pelos valores que essa oferta vem apresentando. As rendas estão a aumentar a olhos vistos e sem qualquer tipo de fiscalização. Várias são as pessoas, principalmente estrangeiras, que se têm queixado do aumento de 10 a 20% nas suas prestações de arrendamento, muitas delas ao fim de um ano. É o caso de Valéria Carvalho que viu a sua renda aumentada em 1800 patacas ao fim do primeiro ano de contrato quando aparentemente este devia ter sido renovado automaticamente sem mais custas para a família de Valéria. “Tínhamos a palavra do senhorio que a renda a ser aumentada só o seria após dois anos. Com espanto nosso, ao fim de um ano e três meses, recebemos uma chamada de uma agência imobiliária a informar que a nossa renda sofreria um aumento de 20%”, revelou. Mas o mais caricato da situação é que não foi a agência pela qual tinham feito o contrato que lhes ligou, foi uma outra, aparentemente escolhida entretanto pelo senhorio. “Em nome do senhorio ligou-nos uma agência que não era a nossa e informou-nos que a nossa renda subiria. Ficámos perplexos e questionámos o porquê, uma vez que o senhorio nos tinha assegurado que a renovação seria automática e só sofreria alterações ao fim de dois anos. Foi-nos dito que como está para abrir um casino em Macau brevemente, a procura vai aumentar e por isso há que aumentar os valores das rendas”, revelou Valéria. Não resignada, Valéria acabou por ligar à agência pela qual arrendou o seu apartamento e esta, mostrando-se surpreendida, tentou entrar em contacto com o senhorio que, segundo a arrendatária, ainda não respondeu. “A nossa situação está assim mas, felizmente, não é a pior. Sei de casos de famílias que tiveram um aumento de 50% nas suas rendas. Isto está a tornar-se insustentável”, concluiu Valéria. Recentemente a maior agência imobiliária de Hong Kong, a Midland Holding, lembrou que a indústria dos casinos pode ser a grande responsável por um inusitado afluxo de capital ao território de Macau, mas de igual forma alertou que tem também contribuído para o aumento dos preços, sendo o mercado imobiliário o exemplo mais sintomático. Os preços das casas em Macau, que recuperaram para níveis anteriores à crise global do crédito, podem crescer 20% este ano, graças à situação económica da

sociedade Arrendamento | Rendas aumentam num abrir e fechar de olhos

Estarei a ver bem?

sem que os senhorios saibam”, disse Sílvia Mendonça. Para a advogada, a aconteceram casos como o de Valéria, “a maior parte dos contratos tem cláusulas nulas” e justifica o porquê da má acção por parte do mercado imobiliário. “Eles querem ganhar o seu e não podemos esquecer que muitos senhorios são chineses continentais que têm investimentos em Macau, delegam os negócios às imobiliárias e nem sabem o que é pedido aos inquilinos. Eles querem é saber de ter o dinheiro a cair na sua conta. Acho que a perspectiva é essa e não de que a lei esteja má”, concluiu.

Por aí a cima

cidade, impulsionada por uma indústria do jogo em expansão.

A culpa é das imobiliárias

Mas até onde é que as rendas podem aumentar? Haverá um limite legal para o valor de aumento? Que tipo de contratos podem ser feitos entre locatário e inquilino? A advogada Sílvia Mendonça explica o porquê da revogação da lei do Regime de Arrendamento Urbano – Lei n.º 12/95/M - que, até 1999, definia as regras que regulavam o arrendamento urbano

em geral, o arrendamento urbano para habitação, o arrendamento de regimes especiais e a acção de despejo. Depois disso todo o arrendamento é regulamentado pelos articulados 969.º a 1000.º do Código Civil “Essa lei acabou revogada essencialmente porque o arrendamento é matéria de direito civil e não de natureza”, justificou. Confrontada com o caso de Valéria, a advogada atirou as culpas para as agências imobiliárias que na maioria das vezes são

Ano Novo Chinês é culpado

“quem faz os preços”. “Primeiro ninguém pode alugar uma casa por um ano. O mínimo consagrado pela lei são dois anos, por isso se há casos de aluguer com duração de um ano estes podem ser considerados nulos”, revelou a jurista. Mas afinal quem é que regula tudo isto? “Na minha perspectiva a lei está correcta e não beneficia nem prejudica ninguém. O problema está nos agentes imobiliários que, nas suas especulações, sobem os preços, muitas vezes

Segundo vários agentes imobiliários ouvidos pelo Hoje Macau, os preços de venda de casas e a renda aumentaram vertiginosamente a seguir ao Ano Novo Chinês. “Não sabemos como, nem o porquê. Mas a verdade é que os valores estão cada vez mais altos e descontrolados. Essa é, contudo, uma decisão dos senhorios e nunca das agência”, defende Angela Ho, agente imobiliária. Na zona do NAPE, por exemplo, e devido à proximidade dos casinos MGM e Sands, as rendas aumentaram mais de 80% nos últimos dois anos. Um apartamento do tipo estúdio com cerca de 30 metros quadrados custa agora a um arrendatário 9500 patacas, com a mobília básica – cozinha equipada, uma cama, um roupeiro e uma televisão. Joe Lei, agente que trabalha sobretudo nessa zona da cidade, aponta que a culpa é dos trabalhadores estrangeiros que vêm trabalhar para os casinos, ganham muito dinheiro e não se preocupam com o valor da renda. “Os proprietários encontraram um novo negócio, que é alugar casas a trabalhadores estrangeiros dos casinos”, afirma. Os contratos são definidos caso a caso, mas nunca são assinados para dois anos. “Geralmente os senhorios propõem contratos de seis meses a um ano, porque a seguir esse período podem pedir um aumento da mensalidade para renovar o contrato. Se o arrendatário não quiser, haverá outro que não se importa”, refere Joe Lei. As agências acreditam que com a abertura dos novos casinos no Cotai as ilhas da Taipa e de Coloane vão sair prejudicadas. “Os preços nessas zonas vão subir imenso, porque haverá muita gente de fora a vir trabalhar para Macau e a procura por casas aumentará”, assinala Yoko Ung.

Pelos casos que se têm visto por aí, os preços por metro quadrado aumentaram dezenas de pontos percentuais nos últimos meses. O mesmo aconteceu nas rendas. O problema é que a tutela tem o conhecimento perfeito do que se vai passando e nada tem feito. Muitos sectores já têm alertado para o crescendo da especulação imobiliária, até mesmo no combate contra a inflação. Muitas notícias dão conta da agitação do mercado habitacional com a constante pressão da especulação imobiliária. Apesar disso e contrariamente, um documento recente - “Revisão da Estabilidade Financeira e Monetária” - elaborado pela Autoridade Monetária e Cambial de Macau observou que não está previsto muitos abalos na área da compra e venda de casa. Contra factos não há argumentos. A tendência é mesmo de subida. O preço médio por metro quadrado das unidades residenciais transaccionadas em Macau em 2010 foi de 31.016 patacas, mais 33,5% do que em 2009. De acordo com os dados dos Serviços de Estatística e Censos, só no último trimestre de 2010 o preço por metro quadrado das unidades residenciais ascendeu a 33.397 patacas, mais 10,1% face ao trimestre anterior. Em 2010, um total de 17.989 unidades residenciais foram transaccionadas, envolvendo 45,94 mil milhões de patacas, o que corresponde a um acréscimo de 59,1% em número e 1,1 vezes em valor em relação a 2009. No mesmo ano foram assinados 8500 contratos de habitação que beneficiaram de crédito hipotecário, mais 50,8% do que em 2009.


Primeiro curso de Gestão de Artes Culinárias abre no IFT

O Instituto de Formação Turística abriu ontem as inscrições para o primeiro programa de quatro anos em formação de gastronomia, nutrição, preparação dos alimentos, estudos do vinho e gestão de cozinha, entre outros. Entre aulas teóricas e exercícios práticos, os alunos, residentes e internacionais, podem ter oportunidade de estágio de 6 meses e programas de intercâmbio no exterior. Após a licenciatura as colocações podem ser feitas em hotéis ou restaurantes, não só como cozinheiros mas também como gerentes, críticos gastronómicos ou consultores de culinária. O objectivo do IFT é acompanhar o rápido crescimento da indústria hoteleira de Macau e contribuir para o desenvolvimento do turismo global de Macau.

Kahon Chan

kahon.chan@hojemacau.com.mo

A

Ilha da Montanha apresenta-se a Macau como uma oportunidade para diversificar a sua economia casino-dependente, pelo que Bai Zhijian, director do Gabinete de Ligação em Macau, apelou ao Governo local para que se desmarcasse dos interesses da indústria do jogo para não ficar refém dela. E também deixou uma nota negativa quanto aos lentos progressos da legislação do controlo anti-tabaco porque fumar faz mal e ponto. Os dois chefes dos Gabinetes de Ligação em Hong Kong e Macau são também deputados da Assembleia Popular Nacional (APN) em representação das respectivas regiões autónomas. Ao participar ontem na reunião com outros deputados de Macau, em Pequim, com uma agenda centrada no 12º. plano quinquenal, Bai Zhijian subli-

terça-feira 8.3.2011 www.hojemacau.com.mo

7

Gabinete de Ligação decepcionado com desfasagem na lei do tabaco

Os casinos que se fumem nhou a importância decisiva da protecção ambiental. “A poluição luminosa em Macau é tão séria que não se consegue evitá-la nem com uma cortina dupla”, observou, entre outras preocupações. Mas a lei do controlo anti-tabaco terá merecido os comentários mais indignados. “A Lei do Tabaco está por entrar em vigor há muito tempo. Os malefícios do tabaco são tão perigosos quanto indiscutíveis. “A poluição luminosa em Macau é sério que eu não possa protegê-lo com duas camadas de cortina. Ainda que o tabaco lei não foi promulgada por um longo tempo. Os malefícios do fumo é muito perigoso e indiscutível. É realmente difícil trabalhar [na melhoria do ambiente],

quando a lei está estagnada em disputas. “ A lei do tabaco entrou num impasse na AL quando o Governo arrancou a data para a proibição total a impor nos casinos em Macau, quando os casinos “expressaram a realidade” ao Governo, de que os jogadores chineses estavam habituados a fumar durante as apostas. A proibição de fumar em espaços fechados corria assim o risco de desviar os apostadores para fora dos casinos. A lição não tardou a vir de Pequim. Numa conversa à parte com os jornalistas, Bai acrescentou que Macau devia ficar alerta quanto aos riscos para o futuro, quando se deixa estar muito satisfeita com o rápido crescimento resultante da indústria do jogo.

A ordem para a diversificação da economia vinda de Pequim teve de ser refrescada. “Não é fácil arrancar quando há falta de recursos, mas isso não significa que não vá resultar. Tem de ser feito não importa quão árduo é o trabalho. O Estado já forneceu a Ilha da Montanha como medida de apoio, com um plano de cooperação bem executado com o Delta do Rio das Pérolas, temos de pensar mais nisso. Não nos podemos sentir bem quanto ao rápido

crescimento da indústria do jogo”, afirmou Bai, em declarações reproduzidas pelo canal chinês da rádio TDM, acrescentando que o objectivo do turismo de lazer era fazer com que as pessoas se sentissem relaxadas quando chegam a Macau e instalações mais orientadas para as famílias podiam ajudar. O responsável também considera que as atracções históricas locais estão a ser subutilizadas pelas agências

de turismo, por haver incentivos comerciais para evitar que as agências levassem os turistas “perderem tempo” a ver os edifícios do património, pelo que recomendou um melhor planeamento, gestão e marketing das atracções para estimular o crescimento das visitas aos pontos alternativos. A propósito da ocasião, Bai expressou a necessidade de o povo de Macau perceber os relatórios do Governo e o plano quinquenal de um ponto de vista nacional, e de o povo de Macau mais bem perceber a China e ajudar no desenvolvimento da nação. Mas na sexta-feira, notou que a corrupção na China não estava sob controlo suficiente e, embora soluções sistemáticas sejam propostas todos os anos, o problema persiste. O director do Gabinete de Ligação em Macau pediu uma fiscalização mais eficaz da despesa pública e a aprovação de projectos de investimento.

pub

Open Tender Notice

Request for Proposal – Replacement of Aircraft Parking System with Advanced Visual Docking Guidance System (A-VDGS) at Macau International Airport 1. Company: CAM – Macau International Airport Co. Ltd. 2. Tendering method: Open tendering 3. Tender objective: To select a supplier to design, supply and install A-VDGS at 4 parking stands at Macau International Airport with demolition of existing system. 4. Validity of the Bidders’ tenders: The validity period of the Bidders’ tenders shall be 90 days counting from the tender submission deadline. 5. Minimum qualifications: • Must have more than 8 years experience of related equipment production and sales. • Must have more than 5 years experience in successful application cases of the same type of equipment in large international airports. 6. Location and time to request for tender documents: CAM-Macau International Airport Co. Ltd. 4th Floor, CAM Office Building, Av. Wai Long, Taipa, Macau (Contact Number: +853 - 8598 8871) Monday to Friday 9:00a.m-1:00p.m and 2:30p.m to 5:30p.m (Macau Time) OR Tender Notice and Tender Document are also be available on MIA’s website and can be downloaded from www.macau-airport.com until 7 days prior to the deadline for submission of Bidders’ tenders. Please regularly check the website for any clarification or changes/modification/amendment in the Tender Document. 7. Location and deadline for submission of Bidders’ tenders: CAM-Macau International Airport Co. Ltd. 4th Floor, CAM Office Building, Av. Wai Long, Taipa, Macau Before 12:00 noon on 20 April 2011 (Macau Time). The addressee of the Tender shall be Ms. Suning Liu – Executive Director. The quotations received after the stipulated date and time will not be entertained. 8. Tender evaluation criteria: Technical Submission 40% - Company Capability & Past Performance - Understanding of Requirements & Constraints - Experience and Structure of Proposed Project Team - Quality of Submission Commercial & Price 60% -------------------------------------------------------------------------------------------------Total 100% 9. CAM reserves the right to reject any tender in full or in part without stating any reasons. -END-


vida

Terça-feira 8.3.2011 www.hojemacau.com.mo

8

O

novo plano a cinco anos para o país (2011-2015) – revelado sexta-feira pelo primeiro-ministro Wen Jiabao na Assembleia Nacional Popular, o Parlamento chinês - prevê uma redução de 16 por cento no consumo de energia e 17 por cento nas emissões de dióxido de carbono por unidade do PIB, a níveis de 2010, especificou ontem Zhang Ping, responsável pela Comissão das Reformas e Desenvolvimento Nacional (NDRC, sigla em inglês). Além disso, as emissões dos maiores poluentes deverão cair oito a dez por cento. “Estas são medidas concretas de resposta às alterações climáticas”, comentou Zhan, citado pelo site “China Daily”. A China é o país que mais dióxido de carbono emite no planeta. A responsabilidade pelo cumprimento até 2015 das metas – “obrigatórias e vinculativas” - será dividida entre as regiões e indústrias, acrescentou Zhan. O plano 2011-2015 também promove o aumento do uso de energias limpas ao aumentar a percentagem dos combustíveis não-fósseis no “mix” energético dos 8,3% em 2010 para 11,4%. O investimento em projectos “verdes” também vai aumentar, enquanto as empresas com elevados níveis de consumo de combustíveis fósseis verão o seu crescimento

Do lu

No passado Plaza Maca sugestões d os animais

China revela “maquete” da economia “verde” que o país quer construir

A revolução do ambiente

Até 2020, a China terá de reduzir entre 40 e 45% a sua intensidade carbónica. A “maquete” da economia “verde” que o país quer construir assenta nas energias renováveis e em cinco províncias piloto. Yunnan já começou com uma aposta a sério no solar e biomassa ser reduzido, acrescentou o responsável.

com ener “de efica prot resp clim A prog nom bem nucl inve (cerc em e

Yun cinc

No Yun das “edi âmb mos prov tenta cios mo c ao “ gove A tura país aum por c anua tar fo redu ener

Corrida do verde

A China é um país de extremos. É o maior emissor de CO2 do mundo mas também deverá ser o país a ganhar a corrida à “economia verde”. Quem o disse foi Christiana Figueres, secretária-executiva da Convenção-Quadro da ONU para as Alterações Climáticas, no final de Janeiro, no Fórum Económico Mundial, em Davos (Suíça). “A China vai-nos deixar a comer pó. Eles estão seriamente decididos a ganhar a corrida à economia verde”, disse Figueres, citada pela Bloomberg. Nos últimos cinco anos (20062010), o consumo de energia por unidade do PIB diminuiu 19,1%, disse o primeiro-ministro chinês Wen Jiabao, explicando o feito

Satélite Glory Earth da NASA falhou a órbita e mergulhou no Pacífico

Energia do Sol por água abaixo O

satélite Glory Earth da NASA lançado na sextafeira não conseguiu alcançar a órbita definida e mergulhou no Pacífico. O aparelho fazia parte do projecto da Agência Espacial Norte Americana para observação da Terra, ia analisar a energia total vinda do Sol que atinge o planeta. “Hoje estamos todos devastados”, disse Ron Grabe, o vice-presidente da Orbital Sciences Corporation (OSC) – a empresa norte-americana que construiu o foguetão e o satélite para a NASA. A falha custou 303,4 mil milhões de patacas. O modelo do foguetão que levava o Glory Earth é o Taurus-XL. Este modelo foi pela primeira vez utilizado, em 1994. Desde essa data voou nove vezes, seis com

sucesso, e três com insucesso, incluindo o lançamento de hoje. O foguetão foi lançado a partir de uma base espacial na Califórnia às 2h09 locais. O lançamento correu bem, mas passado alguns minutos, a NASA noticiou que algo estava errado. O satélite estava dentro da cúpula do foguetão. O esperado é que essa cúpula se separasse do resto do foguetão e abrisse para permitir a saída do Glory Earth. Como não aconteceu, o peso a mais do satélite e da cúpula, impediu que o instrumento atingisse a órbita correcta. “Não vimos indicação da separação da cúpula”, disse Omar Baez, director de lançamento da NASA. “Falhámos a órbita e todas as indicações mostram que o satélite e o

foguetão estão algures no Sul do Oceano Pacífico.” Vai ser criada uma equipa de investigação para avaliar o que aconteceu. Esta não é a primeira vez que a OSC tem um desaire parecido. Em 2009, aquando o lançamento do satélite Observatório Orbital de Carbono, também da NASA, o foguetão do mesmo modelo falhou a abertura da cúpula para libertar o satélite. De seguida foi formada uma equipa de peritos para investigar o sucedido. Descobriuse que o sistema de iniciação da separação da cúpula não funcionou. Para o lançamento de hoje a empresa tinha instalado outro sistema. A OSC quer voltar a tentar colocar no ar o Observatório Orbital de Carbono em 2013,

utilizando outra vez o foguetão Taurus XL. “O OCO-2 está em desenvolvimento e ainda a dois anos de ser lançado”, explicou Mike Luther citado pela BBC News, um responsável da NASA. “Temos que avaliar o que vai resultar desta investigação e vamos reajustar os planos.”

Balanço solar

O satélite Glory Earth ia fazer parte do que a NASA chama a “A-Train”, os satélites de observação da Terra que todas as tardes atravessam o equador. São o Aqua, Cloudstat, Calipso, Parsol e Aura. O Glory Earth pesava 528 quilos e ia ficar numa órbita a 811 quilómetros de altitude, juntando-se ao “A-Train”. O satélite levava dois instrumentos: o Sensor


uxo dos casinos para o canil do ANIMA

o sábado, o canil do ANIMA – Sociedade de Protecção dos Animais, foi visitado pela associação Sands China Care Ambassadors, membros do Casino Venetian, Sands e The au. O objectivo foi tratar dos animais abandonados do canil, partilhando experiências. Os membros da associação tiveram direito a passear com alguns dos animais e receberam de como ser um dono responsável. Também na visita foram oferecidos ao ANIMA 90 cobertores para os cães. “A visita serviu para implementar no público o dever de respeitar e de ser um dono responsável”, salienta um dos membros. “A melhor razão de adoptar um animal de estimação é a satisfação de se saber ue se está a salvar uma vida.”

m “o incentivo à exploração de rgias limpas”. Para o futuro, vemos promover de forma az a gestão dos recursos e a tecção do Ambiente. Devemos ponder activamente às alterações máticas”, continuou. A China adoptou um ambicioso grama de energias renováveis, meadamente eólica e hidráulica, m como a construção de centrais leares. No ano passado, o país estiu 51,1 mil milhões de dólares ca de 365 mil milhões de patacas) energias limpas.

nnan, uma das co províncias piloto

Sul da China, a província de nnan é uma das cinco seleccionapela NDRC para testar o novo ifício” económico para o país, no bito do plano 2011-2015. “Insistis em definir Yunnan como uma víncia orientada para a ecologia e ar alcançar o máximo de benefíeconómicos e sociais com o míniconsumo de recursos”, explicou “China Daily” Qin Guangrong, ernador da província. A região, com 152 reservas naais e 50% de todas as espécies do s, pretende chegar a 2015 com um mento de 45% na urbanização e dez cento de crescimento económico al. A solução é “continuar a aposorte na poupança energética e na ução de emissões” e “explorar as rgias solares e de biomassa”.

Polarimétrico de Aerossóis e o Monitor de Irradiação Total. Além de ir analisar a energia total vinda do Sol que atinge a Terra, ia também medir as partículas que retêm esta energia e as partículas que reflectem a radiação de volta para o espaço. “Isto também é uma notícia má para a comunidade científica que estuda o clima – o Glory prometia dar informação importante que necessitamos desesperadamente para compreender melhor o balanço da radiação da Terra”, disse à BBC News Paul Palmer, da Universidade de Edimburgo. O cientista britânico também trabalhou no projecto do Observatório Orbital de Carbono. O Monitor de Irradiação Total ia continuar o seguimento do trabalho de Nimbus-7, que desde a década de 1970 mede a quantidade de energia solar que atinge a parte superior da atmosfera terrestre.

É

uma das alternativas energéticas mais debatidas no mundo, apesar de não ser renovável. A energia nuclear é a energia liberada numa reacção nuclear, ou seja em processos de transformação dos núcleos de átomos que, durante essa reacção emite energia. A matéria-prima utilizada são elementos químicos, como o urânio, extraídos de minerais. É considerada como uma excelente solução para a crise energética, já que produz electricidade em grande escala e com baixas emissões de carbono. Contudo, apesar das inúmeras vantagens, onde se destaca o facto de não contribuir para o efeito de estufa, de serem quase nulos os impactos sobre a biosfera e de não depender dos acontecimentos climáticos para a produção da energia, traz consigo diversos “deveres” que, há falta de serem cumpridos, podem atingir graves e sérias consequências. Segundo um estudo da WWF (Fundo Mundial da Natureza) publicado o mês passado, os resíduos deixados pelas centrais produtoras de energia nuclear são “perigosos” e “altamente tóxicos”, podendo mesmo permanecer desta forma durante 10 mil anos.

terça-feira 8.3.2011 www.hojemacau.com.mo

9

Caminhar lado a lado com a energia nuclear

Um perigo ao longo dos anos

Além disto, devido à falta de locais seguros onde estes resíduos possam ser selados e armazenados (profissionais do sector alertam para o facto de esta ser uma desvantagem que provavelmente durará, no mínimo, uns 30 anos), a energia nuclear não se revela uma “tecnologia fácil”. A WWF reporta ainda no relatório que os Estados

Imediatamente Profissionais de Oxford debruçaram-se em 2007 sobre a utilização deste tipo de energia. Para os especialistas, “o mundo tinha de começar a construir centrais nucleares de forma imediata, a um ritmo de quatro por mês, para que a energia nuclear tivesse uma participação significativa no combate ao aquecimento global”. No entanto, e como alertam, além disso ser impossível, traz graves implicações para a segurança mundial, por causa da proliferação das armas nucleares. Hoje, a energia nuclear é responsável por cerca de 16% da demanda de electricidade do mundo, mas para que ela ajudasse significativamente na redução das emissões de carbono, teriam de ser construídas quatro centrais nucleares ao mês pelos próximos 70 anos. O estudo, publicado pela Agência Reuteurs, mostra ainda que existem 429 reactores nucleares em operação e 25 em construção.

Planeta em números

20 anos

É quanto precisará o Parque Ecológico do Funchal para se regenerar, estima o presidente da Câmara Municipal do Funchal, Miguel Albuquerque. A região foi atingida no ano passado por incêndios e temporal.

Unidos e a Alemanha acumularam um total de mais de 62 mil toneladas deste tipo de material “altamente radioactivo”, sem o terem conseguido eliminar de forma segura. A Agência de Protecção Ambiental americana salienta que terão de passar pelo menos 10 mil anos para que a sua ameaça à saúde pública seja substancialmente reduzida. “O grande problema da energia nuclear é o facto de [esta] necessitar de tecnologia e profissionais qualificados e treinados e de só funcionar em larga escala.”, diz o relatório da WWF. A energia nuclear deixa, assim, de ser um caminho viável para fornecer electricidade a 1,4 biliões de pessoas que, actualmente, a renegam, muitas das quais vivem em locais remotos e frágeis, onde se torna mais complexo suportar as ne-

cessidades desta energia alternativa. A energia nuclear também é uma opção “extremamente cara”, que poderá não compensar os gastos que se teriam em instalar outras formas de produção de tecnologias sustentáveis de energia alternativa. Um outro estudo, elaborado para uma empresa produtora de energia nuclear por uma agência de consultadoria, aponta que a participação de 7,3 gigawatts de energia nuclear até 2030 pode reduzir as emissões de gases poluentes na atmosfera em 19%, o equivalente a 437 milhões de toneladas de dióxido de carbono que deixa de ser lançado na atmosfera. O presidente da Elecronuclear, a empresa brasileira responsável pelo pedido do estudo, Santos Guimarães

Acidentes Em 1986, uma central de produção nuclear na cidade de Chernobil, na Ucrânia, explodiu, produzindo uma nuvem de radioactividade que atingiu a União Soviética, Europa Oriental, Escandinávia e Reino Unido, com a libertação de 400 vezes mais contaminação do que a bomba foi lançada sobre Hiroshima. Grandes áreas da Ucrânia, Bielorrússia e Rússia foram contaminadas, resultando na evacuação de cerca de 200 mil pessoas. Este foi considerado o pior acidente nuclear da história da energia nuclear e o acidente fez crescer as preocupações sobre a segurança da indústria nuclear soviética, diminuindo sua expansão por muitos anos, Ainda hoje, a Rússia, Ucrânia e Bielorrússia têm suportado um contínuo e substancial custo de descontaminação e cuidados de saúde devidos ao acidente de Chernobil. Apesar de não serem certos os números de mortes e danos físicos, um relatório da Organização das Nações Unidas de 2005 atribuiu 56 mortes até aquela data – 47 trabalhadores acidentados e nove crianças com cancro – e estimou que cerca de 4000 pessoas morrerão de doenças relacionadas com o acidente. Contudo, a Greenpeace contesta as conclusões do estudo.

assegura que este é “um resultado extremamente positivo.” Os relatórios mostram que sem a participação da energia nuclear, as emissões de CO2 seriam maiores, já que em alternativa seria utilizado o carvão, um combustível fóssil. “A energia nuclear tem um atractivo especial, na medida em que ela não emite CO2, como mostra o estudo”,salientou o presidente.

BMW lança as bases para o seu carro eléctrico A BMW acaba de anunciar mundialmente, no Salão de Genebra, as suas novidades em matéria de mobilidade eléctrica ao apresentar o BMW ActiveE, um automóvel percursor de um carro completamente eléctrico a ser lançado em 2013. A marca alemã refere que no Salão Automóvel de Genebra deu mais um passo face “à mobilidade isenta de dióxido de carbono”. Os resultados obtidos nos testes de campo com o ActiveE “serão aproveitados para o futuro trabalho de desenvolvimento com o objectivo do grupo apresentar em 2013 um veículo que será produzido em série”.


terça-feira 8.3.2011 www.hojemacau.com.mo

10 Filipa Queiroz

D

filipa.queiroz@hojemacau.com.mo

epois de 13 anos a galardoar a criatividade dos profissionais da publicidade na China, este ano a organização dos Longxi - Prémios Internacionais de Publicidade Criativa em Língua Chinesa quer fazer mais e melhor. Jimmy Lam, Tomaz Mok e Peter Soh resolveram transformar a cerimónia em festival e elegeram Macau como palco por “reunir as condições para conseguir os apoios necessários” e ter “a vantagem de ser uma cidade internacional e turística”. O evento já tem data marcada (21, 22 e 23 de Agosto) mas ainda não tem local nem painel de convidados definido, mas a organização adiantou que pretende dividir-se festival em três partes: um dia com palestras e exibição de trabalhos de vídeo e design gráfico premiados internacionalmente, outro dedicado ao concurso criativo Nova Awards, que desafia dez equipas de criativos a conceber um anúncio em 48 horas; por último, haverá um dia dedicado à entrega dos Prémios Longxi 2011. Jimmy Lam, um dos fundadores, diz que promovendo o encontro entre profissionais das indústrias criativas de todo o mundo é possível “melhorar o padrão da publicidade em língua chinesa”. Como e porquê? Foi o que o Hoje Macau tentou saber junto a Lam numa entrevista à margem da apresentação do festival, ontem à tarde, no Centro Cultural de Macau. Acompanhou a evolução da publicidade na China ao longo das últimas décadas, como é

cultura Longxi Festival of Minds quer impulsionar o potencial criativo

Objectivo: inspirar Macau

A RAEM foi o local escolhido para a primeira edição do Longxi Festival of Minds, dedicado à comunicação de marketing. Jimmy Lam, um dos fundadores do projecto, conta como é fazer publicidade na China e o papel que Macau pode ter como janela do país para o mundo que a define? A China é um mercado gigantesco. O produto interno bruto cresce ano após ano, é fenomenal. Por causa disso, o mercado chinês hoje em dia é muito grande, tanto quanto o leque de produtos que tanto podem ser muitos bons, e que nós conseguimos vender com facilidade, como podem ser muito maus, e a esses temos de lhes dar um empurrão para que vendam. O mercado chinês engloba, na realidade, uma mistura muito grande de consumidores, dos mais ignorantes aos mais espertos, e isso representa uma grande desafio para nós criativos. Chega a ser demasiado redutor dizer que a China é apenas um mercado, pelas suas dimensões. Na Europa, por exemplo, nós podemos pensar no que se faz no Norte, Leste ou Sul que é tudo muito diferente. Cada país tem consumidores diferente, com gostos, religiões e modas distintas. Na China passa-se o mesmo só que dentro do mesmo país. Por um lado podemos dizer que o

Anúncio da Cathay Pacific vencedor do Prémio Longxi

que se vende na China é um “produto nacional”, mas por outro lado, se virmos bem, há imensas variáveis. Actualmente na China é um vale-tudo. A área [da publicidade] ainda se está a formar e a abrir internacionalmente, mas já existem empresas de comunicação muito bem organizadas e sistematizadas. Também há as que operam na sombra. Há produtos muito inteligentes e sofisticados e depois há coisas que uma pessoa pensa: “Eh pá, como é que alguém vende isto?” No entanto, tudo se vende, mas sendo que estamos a falar da China é inevitável falar na questão da falta de liberdade de expressão. É uma limitação? Sim. Bom, na verdade todos os mercados têm a sua censura, é só uma questão de grau. Às vezes assenta em factores como a religião, a política ou factores ideológicos. Mas sim, na China há essa restrição. Tal como a Internet. Hoje em dia o consumidor não recebe a mensagem através de um só meio, e actualmente o

consumidor até pode criar conteúdos, como no caso dos blogues, por exemplo. Se um consumidor gostar de um determinado produto ou anúncio pode melhorar a nossa comunicação. Caso contrário pode mesmo prejudicá-la. Actualmente vêem-se milhões de anúncios no YouTube, às vezes melhores do que os próprios anúncios oficiais. A China tem uma tradição da propaganda como um veículo para o funcionamento do Governo. Mensagens políticas nos anúncios comerciais estão fora de questão? Sim. A comunicação de que estamos a falar tem uma

“Na verdade todos os mercados têm a sua censura, é só uma questão de grau. Às vezes assenta em factores como a religião, a política ou factores ideológicos. Mas sim, na China há essa restrição”

finalidade comercial. Como pode calcular, na China quando se quer vender um produto não se vai correr o risco de o fazer pela via política. Pode-se ir pela actualidade mas mesmo assim depende sempre... No mercado ocidental pode-se gracejar sobre um presidente num anúncio, em certos mercados isso é possível. Na China não. Há que usar o senso comum. Conhece o trabalho que é feito em Macau ao nível da publicidade? Acho que aqui a maioria da publicidade aqui baseia-se em duas vertentes. Uma é a informação, é passada uma mensagem que o consumidor aceita ou não. A outra é o design. Acho que Macau tem potencial em termos de design gráfico. Não sei se há grandes ou sólidas agências de publicidade aqui, porque o mercado é muito pequeno, e percebe-se que as necessidades dos clientes sejam limitadas. Sei que se fazem promoções casuais, através de cartazes, por exemplo. Já Hong Kong tem um mercado bastante maduro


Quadro mais caro de sempre exposto em Londres

O quadro mais caro da história das vendas em leilão, “Desnudo, hojas verdes y busto”, do espanhol Pablo Picasso, está em exposição, pela primeira vez no Reino Unido, na Tate Modern, em Londres. A obra foi pintada em 1932 por Pablo Picasso que teve como musa Marie-Therese Walter, sua amante no final dos anos 1920 e nos anos 1930. O quadro, de 162 centímetros de largura e 130 de altura, estará exposto numa nova sala dedicada ao pintor espanhol. A obra de arte foi vendida o ano passado, num leilão da Christie’s em Nova Iorque, a um comprador anónimo, pelo preço de 770 milhões de patacas, preço que estabeleceu um novo recorde mundial para um quadro vendido em leilão.

www.hojemacau.com.mo

11 sermos demasiado arrogantes porque quando alguém nos quer patrocinar e tem como requisito meter o nome deles no nosso prémio, por exemplo, nós dizemos que não. Se quiserem meter alguém no painel do júri também recusamos. Contam conseguir o apoio do Governo para isso? Sim, vamos tentar porque estamos a falar de educação e de beneficiar a indústria criativa do território. Esperamos conseguir algum tipo de apoio para levar o projecto adiante, até porque desde que não percamos dinheiro estamos bem. Não

filipa queiroz

e sofisticado e, em termos de tecnologia, é muito avançado. Só que agora comparado com o da China é muito pequeno. Que papel é que o Longxi Festival of Minds pode representar para Macau, nesse âmbito? Acredito em aspirar e inspirar. Tem de haver talento nesta cidade, há muitos jovens estudantes. O nosso papel será inspirá-los, explorar a criatividade deles para que um dia possam desenvolver qualquer tipo de projecto criativo, quer seja fazer publicidade, a comida ou a roupa, qualquer coisa. No final das contas resumese tudo à ideia. Podemos ser os catalisadores dessa ideia, fazer com que a nova geração do território seja mais criativa e apaixonada pela criação de novas ideias e conceitos e, quem sabe, tornar-se bem sucedida tanto aqui como no estrangeiro. Nos Estados Unidos, a maioria das companhias de animação gráfica, por exemplo, tem muitos profissionais de etnia chinesa. Quer sejam de Singapura, da Malásia ou da China. A origem não é uma barreira, nem tão pouco a língua, depende tudo do indivíduo e de quanta vontade tem por puxar pela sua própria criatividade. Acha que em Macau ficarão demasiado limitados aos casinos? Ainda esta manhã caminhava pela rua e pensava: “Quando os jovens se formam o que é que eles podem fazer aqui?” É óbvio

terça-feira 8.3.2011

“No mercado ocidental pode-se gracejar sobre um presidente num anúncio, em certos mercados isso é possível. Na China não. Há que usar o senso comum”

que podem ir trabalhar para os casinos, isso é inevitável, mas se de entre centenas um deles tiver talento e se sentir inspirado, essa pessoa pode vir a ser o que quiser e onde quiser. É tudo uma questão de ambição. O Festival inclui uma componente educativa? Claro, o objectivo do Festival é ser uma plataforma, uma janela, porque é possível

aprender muita coisa através do simples acto de espreitar o que existe lá fora. Queremos trazer criativos internacionais de topo a Macau. Queremos trazer um designer de Nova Iorque, um guru da publicidade de Londres, especialistas em novos média de Paris, São Francisco e Tóquio. Se estas pessoas aceitarem o nosso convite, elas vão criar um enorme impacto. E o Festival

of Minds não vai ser apenas um evento de três dias, a nossa ideia é que tenha uma fase preliminar em que esses especialistas visitam algumas instituições educacionais locais, como o Instituto Politécnico e a Universidade de Macau. Queremos colaborar com o sistema educativo, não temos objectivos meramente comerciais. Costumamos dizer que uma das nossas falhas é

estamos à procura de lucro. A ideia, depois desta primeira edição, é continuar a fazer o Festival em Macau? Sim, essa é a ideia e é o que faz sentido para haver uma linha de aprendizagem mesmo. Queremos desenhar essa linha com a nossa equipa que também vem para aqui para aprender. Não é fácil organizar um festival desta envergadura e contamos com os meios de comunicação para passarem essa mensagem, a de que estamos seriamente empenhados neste projecto.


terça-feira 8.3.2011 www.hojemacau.com.mo

12

Automobilismo | André Couto espera uma época cheia de sucessos

Gonçalo Lobo Pinheiro

“S

desporto

glp@hojemacau.com.mo

into-me motivado e agradecido à Toyota por ter apostado em mim”. Foi assim que André Couto reagiu quando questionado pelo Hoje Macau acerca dos seus sentimentos por ter sido convidado pela Toyota para conduzir um dos Lexus SC-430 da equipa Kraft Racing. “Este avanço na minha carreira é muito importante e fiquei muito orgulhoso e honrado de Japão. Com esta equipa tenho mais possibilidades de andar nos lugares da frente”, revelou o piloto. O piloto português, que corre com as cores de Macau, vai disputar mais um campeonato japonês de GT mas desta vez com uma aliciante. “Vamos testar muitas coisas. Ainda estou a ver como se comporta o carro. Mas utilizar pneus Bridgestone, que são os pneus campeões, é muito bom. Por

A lógica da linha da frente outro lado, o meu companheiro de equipa é um japonês [Juichi Wakisaka] que tem muito historial no GT e o nosso engenheiro tem experiência de Fórmula 1. Só pode correr tudo bem.” André Couto está muito agradecido à Toyota mas não esquece o fraco apoio que Macau lhe presta. “Estou muito grato pela oportunidade que a Toyota me está a dar. Se tivesse mais apoios de Macau podia negociar mais coisas com as equipas do GT mas o apoio que recebo não é suficiente”, adiantou. O treinos de Couto começam amanhã e duram os próximos dois dias, pelo que é tempo de afinar a máquina para fazer uma

boa que época que irá começar no dia 1 de Abril no circuito de Okayama. “A lógica é ganhar o campeonato. Temos que fazer uma boa época. Na teoria a Honda é muito forte até porque é a actual campeã mas eu quando vim para o Japão fui logo vice-campeão pela Toyota, por isso que repetir esse feito ou melhorar, se for possível. De qualquer forma andar a lutar pelos quatro primeiros lugares é muito bom e tenho de traçar os objectivos conforme o momento competitivo”, assegurou. O campeonato de Grand Turismo japonês tem data marcada de arranque em Abril e seguirá a sua caminhada de nove corridas até Novembro.

Benfica | Vieira reage à derrota com o Braga

Depois de esfaqueamento de segurança pessoal

“Não nos deixam ganhar”

Mourinho sem medo

O

presidente do Benfica criticou a arbitragem na derrota 2-1 frente ao Sporting de Braga, em jogo da Liga de futebol, e considerou que “o destino do campeonato estava escrito nas estrelas desde o início”. “Há alturas na vida em que não nos deixam ganhar. Fomos constantemente empurrados. Ficou provado ao longo do campeonato o que se ia passar. Se dúvidas houvesse, ficou provado que seria muito difícil ao Benfica chegar lá acima. Estava escrito nas estrelas. Confirmou-se o que alguém disse que se

iria passar”, disse Luís Filipe Vieira, na zona mista. Tal como o treinador Jorge Jesus, Luís Filipe Vieira também criticou o auxiliar José Cardinal, lembrando a sua actuação em Guimarães na primeira volta, queixando-se de “um golo mal anulado a Cardozo e um penálti por marcar sobre Carlos Martins”: “Infelizmente, é o futebol que temos”. O dirigente queixou-se ainda da forma como “a cidade de Braga hostiliza o Benfica” -- “nós recebemos bem” -- e falou de “jagunços que andam por aí”, que

alegadamente o importunaram. “[Problemas] Não foi com jogadores, mas com seguranças a empurrar. Coisas a lastimar. A Liga que esteja atenta e comece a fazer algo. O delegado da Liga estava mais preocupado não em proteger o presidente do Benfica, mas com outro tipo de situações. Vamos esclarecer isto dentro da própria Liga”, prometeu. A concluir, exortou os benfiquistas: “Todos devem sentir um orgulho muito grande neste grupo de trabalho, jogadores e equipa técnica”.

U

m dia depois da notícia de que um dos seguranças do treinador português tinha sido atacado, Mourinho diz que nem se apercebeu de nada. Na sexta-feira, a Cadena Ser noticiou que José Mourinho era o alvo da agressão, que aconteceu na Corunha. Ontem, em conferência de imprensa, o treinador desvalorizou o incidente e disse não ter medo. “Se aconteceu alguma coisa eu não vi.

Disseram-me há dois dias que um dos homens da segurança tinha algo na zona lateral das costas, que tinha sido feita com uma coisa cortante. Não sei mais nada, não quero saber e não tenho medo”, adiantou. Para Mourinho , “o tema está encerrado” e disse que na Corunha o Real Madrid tinha “a mesma protecção de sempre, que não serve para proteger de agressões, mas da paixão”.

Carragher pediu desculpa a Nani após entrada assassina

Foi sem querer J

amie Carragher, do Liverpool, fez um golpe na perna esquerda do jogador português. Hoje Nani vai realizar exames e só depois se saberá o tempo de paragem. A revelação foi feita por Arthur Albiston, ex-jogador do Manchester United, em declarações a uma rádio. “Ele pediu desculpas no final do jogo. Parece que o Nani tem um corte na perna e não sei como foi possível o Carragher continuar em campo”, disse. Nani, entretanto, vai ser sujeito hoje a várias avalia-

ções para apurar a extensão da lesão. Mais ao final do dia já deverá ser conhecido o tempo de paragem a que o internacional português

ficará sujeito. O lance polémico surgiu aos 37 minutos do jogo em que o Liverpool bateu o Manchester United po 3-1.


[f]utilidades Cineteatro | PUB

[ ] Cinema

terça-feira 8.3.2011 www.hojemacau.com.mo

13

SALA 2

i am number four [b] Preço: Mop50.00 Um filme de: D.J. Caruso Com: Alex Pettyfer, Timothy Olyphant 14.30, 16.30, 19.30, 21.30 SALA 3

space battleship yamato [B]

Sala 1

Black Swan [c]

Preço: Mop50.00 Um filme de: Darren Aronofsky Com: Natalie Portman, Vincent Cassel, Winona Ryder 14.30, 16.30, 19.30, 21.30

Preço: Mop50.00 (Falado em japonês, legendado em chinês) Um filme de: Takashi Yamazaki Com: Takuya Kimura, Meisa Kuroki, Toshiro Yanagiba 14.15, 16.45, 19.15, 21.45

Soluções do problema HORIZONTAIS: 1-XAMA. SUEIRA. 2-ELISIO. LAUS. 3-RAS. SUB. OBI. 4-GO. COBRA. IA. 5-A. ROTEARIA. 6-OLACE. MAMOA. 7-AMALTADO. D. 8-SC. LIANA. PO. 9-OIL. ANT. FIT. 10-ENEA. CEPIPA. 11-ZARONA. ELAR. VERTICAIS: 1-XERGAO. SOEZ. 2-ALAO. LACINA. 3-MIS. RAM LER. 4-AS. COCAL. AO. 5-ISOTELIA. N. 6-SOUBE. TANCA. 7-U. BRAMANTE. 8-EL. ARADA. PE. 9-IAO. IMO. FIL. 10-RUBIAO. PIPA. 11-ASIA. ADOTAR.

REGRAS |

Insira algarismos nos quadrados de forma a que cada linha, coluna e caixa de 3X3 contenha os dígitos de 1 a 9 sem repetição solução do problema do dia anterior

Su doku [ ] Cruzadas

HORIZONTAIS: 1-Nome do mágico que pratica o xamanismo. Trabalho fatigante. 2-Lugar de delicias. Antigo povo ao norte do Sião. 3-Chefe etíope. Elemento de origem latina que significa inferioridade. Cinta Japonesa. 4-Medida japonesa, igual a dois decilitros. Um réptil. Para fazer andar as cavalgaduras. 5-Ampere. Arroteamento. 6-Oláceo. Montículo, monumental, de origem pré-historica. 7-Reunido em malta. Quando seguido de um ponto é abreviatura de Dom. 8-Escândio. Cipó. Qualquer substância, reduzida a partículas. 9-Óleo, em inglês. Prefixo, ante. Pref., planta. 10-Elemento de origem grega que significa novo. Fécula da mandioca. 11-Pião. Prender-se com elos. VERTICAIS: 1-Mata de lã ou algodão, que se põe sobre a sela. Reles. 2-Cão grande de fila. 3-Substância resinosa, que forma a base de várias lacas do comercio. 3-Elemento de origem grega que significa ódio. Mem. do computador. Pronunciar em voz alta, recitar. 4-Artigo definido feminino plural. Coqueiral. Contracção da preposição a e do artigo o. 5-Estado ou qualidade de isotele. Azoto. 6-Tive conhecimento. Pequeno barco. 7-Última vogal. Aquele que brama. 8-Pron. ant., ele. Cultivada. Cada um dos pilares em que assenta o espigueiro. 9-Um átomo. Que está no lugar mais fundo. Elemento de origem grega que significa amigo. 10-Diz-se de uma variedade de trigo. Género de batráquios. 11-Medida de compr. Dotar.

[Tele]visão www.macaucabletv.com

TDM 13:00 TDM News - Repetição 13:20 Jornal das 24h 14:30 RTPi DIRECTO 17:35 Liga Sagres: Braga vs Benfica (Repetição) 19:00 TDM Desporto (Repetição) 19:30 Ganância 20:25 Acontecimentos Históricos 20:30 Telejornal 21:00 Jornal da Tarde da RTPi 22:15 A Muralha 22:58 Acontecimentos Históricos 23:00 TDM News 23:30 Montra do Lilau 00:00 Grandes Livros 00:30 Telejornal (Repetição) 01:00 RTPi DIRECTO INFORMAÇÃO TDM RTPi 82 14:00 Telejornal Madeira 14:30 Bravo – José Carlos Araújo 15:00 Magazine Macau Contacto 15:30 Percursos Da Música Portuguesa 16:00 Bom Dia Portugal 17:00 O Preço Certo 17:45 O Olhar Da Serpente 18:30 A Alma E A Gente 19:00 Exterior 20:00 Jornal Da Tarde 21:15 O Preço Certo 22:00 Portugal No Coração – Especial Carnaval 2011 TVB PEARL 83 06:00 Tacking Stocks 07:00 First Up 07:30 NBC Nightly News 08:00 Putonghua E-News 08:30 ETV 10:30 Inside the Stock Exchange 11:00 Market Update 11:30 Inside the Stock Exchange 11:32 Market Update 12:00 Inside the Stock Exchange 12:02 Market Update 12:30 Inside the Stock Exchange 12:35 Market Update 13:00 CCTV News - LIVE 14:00 Market Update 14:40 Inside the Stock Exchange 14:43 Market Update 15:58 Inside the Stock Exchange 16:00 Word World 16:30 ZingZillas 17:00 Scooby-Doo! Mystery Incorporated 17:30 Survive This 18:00 Putonghua News 18:10 Putonghua Financial Bulletin 18:15 Putonghua Weather Report 18:20 Financial Report 18:30 Football Asia 19:00 The Works 19:30 News At Seven-Thirty 19:50 Weather Report 19:55 Earth Live 20:00 Kungfu Kitchen 20:30 Heroes 21:30 Joanna Lumley Cat Woman 22:30 Marketplace 22:35 Chase and The CEO Connection 23:30 World Market Update 23:35 News Roundup 23:50 Earth Live 23:55 Monk 00:50 The Pearl Report 01:20 Transworld Sport 02:15 European Art At The MET 02:30 Bloomberg Television 05:00 TVBS News 05:30 CCTV News ESPN 30 13:00 The Immortals 13:30 Engine Block 2011 14:00 Women’s World 10-Ball Championship 2010 15:30 Full Throttle 2010/2011 16:00 F1 Classics - 1998 Belgian Grand Prix

17:00 F1 Classics - 1998 British Grand Prix 18:00 Engine Block 2011 18:30 FEI Equestrian World 19:00 FA Cup 2010/11 Fulham vs. Bolton Wanderers 21:00 Engine Block 2011 21:30 (LIVE) Score Tonight 22:00 Nations Of Champions 22:30 Golf Focus 2011 STAR SPORTS 31 13:00 Asean Basketball League 2010/11 Finals Game #1 Chang Thailand Slammers vs. Philippine Patriots 15:00 Airsports World Series 16:00 KIA X Games Asia 2010 18:00 Football Asia 18:30 The Monday Night Verdict Npl 19:00 Rebel TV Series 19:30 (LIVE) Sportscenter Asia 20:00 Anz Racv Ladies Masters H/ls 21:00 2010 Goodwood Festival Of Speed 22:00 Sportscenter Asia 22:30 2011 Winter X Games All Access 23:30 Sportscenter Asia STAR MOVIES 40 12:25 Into The Sun 14:05 The Spy Next Door 15:45 Taken 17:20 Bewitched 19:05 Under The Tuscan Sun 21:00 Sunshine Cleaning 22:40 Born To Raise Hell 00:20 Still Waiting... HBO 41 13:00 What’S The Worst That Could Happen? 14:40 The Curious Case Of Benjamin Button 17:25 Into The Storm 19:05 Mona Lisa Smile 21:00 Austin Powers In Goldmember 22:40 I Know What You Did Last Summer 00:20 I Still Know What You Did Last Summer CINEMAX 42 12:00 Return To Cabin By The Lake 13:30 Paradox 15:00 Horror Of Dracula 16:30 Dial M For Murder 18:30 Allan Quatermain And The Lost City Of Gold 20:15 True Blood 22:00 Pineapple Express 23:45 The People Under The Stairs MGM CHANNEL 43 12:30 In the Custody of Strangers 14:15 Road House

(MCTV 51) National Geographic Channel 17:00 Shark Men - Big Mama

16:00 Bojangles 17:45 Driving Me Crazy 19:15 The Ambulance 21:00 Love is all There is 23:00 Audrey Rose DISCOVERY CHANNEL 50 13:00 Mythbusters - Baseball Myths 14:00 Swamp Loggers 15:00 Whale Wars - The Flexibility Of Steel 16:00 Surviving The Cut: Us Marine Recon 17:00 Dirty Jobs - Wind Farm Technician 18:00 How It’s Made 18:30 How Do They Do It? 19:00 Man, Woman, Wild - Tennessee 20:00 Dual Survival - After The Storm 21:00 Speed Of Life 23:00 Destroyed In Seconds 23:30 Worst Case Scenario 00:00 Speed Of Life NATIONAL GEOGRAPHIC CHANNEL 51 13:00 ABOUT ASIA - China 13:30 ABOUT ASIA - Laos 14:00 Super Factories - Caterpillar 15:00 Monster Moves - Giant Wood Haul 16:00 Danger Men - Wild Wind Workers 17:00 Shark Men - Big Mama 18:00 Alaska State Troopers 19:00 True Stories 20:00 ABOUT ASIA - Dubai 20:30 Breakout - The Escapist 21:30 Every Singaporean Son 22:00 Alaska State Troopers 23:00 Air Crash Investigation 00:00 Situation Critical - Al Qaeda Ambush ANIMAL PLANET 52 13:00 Wild Recon - Desert Venom 14:00 Animal Cops Phoenix - Criminal Intent 15:00 Luke Gamble’s Vet Adventures 16:00 Stranger Among Bears 16:30 Snake Crusader With Bruce George 17:00 Mad Mike And Mark - Nowhere To Hide 18:00 Animal Precinct 19:00 Animal Planet’s Most Outrageous 20:00 Wild Recon - Lost Worlds 21:00 Luke Gamble’s Vet Adventures 22:00 Stranger Among Bears - Man Vs Bear 22:30 Snake Crusader With Bruce George 23:00 Mad Mike And Mark - Bushman’s Holiday 00:00 Wild Recon - Lost Worlds HISTORY CHANNEL 54 13:00 Ancient Discoveries 14:00 Shockwave 15:00 Cities Of The Underworld 16:00 Pawn Stars 17:00 American Pickers 18:00 Modern Marvels 19:00 If The Food Runs Out 20:00 Battleplan 21:00 Shootout! 22:00 Weapons Races 23:00 Asia’s Monarchies 00:00 Tsunami STAR WORLD 63 13:00 Gary Unmarried 13:50 America’s Next Top Model 14:45 Gary Unmarried 15:10 How I Met Your Mother 15:35 Royal Pains 16:25 Castle 17:10 Got To Dance UK 18:05 Britain’s Next Top Model 19:05 How I Met Your Mother 19:30 Gary Unmarried 20:00 Parenthood 20:55 Glee 21:50 Castle 22:45 America’s Next Top Model 23:40 Got To Dance UK 00:35 Parenthood Informação Macau Cable TV


terça-feira 8.3.2011 www.hojemacau.com.mo

14

opinião

O que esperar da visita de Dilma à China Roberto Barth

A outra explicação para essa viagem da presidente e sua comitiva é atender aos apelos do empresariado nacional para evitar que os produtos chineses prejudiquem, ainda mais, o mercado brasileiro, levando à maior desindustrialização

In O Estado de S. Paulo

E

m sua primeira viagem para fora da América Latina, a presidente Dilma Rousseff visitará a China. Tem lógica a escolha, pois hoje os chineses já têm a segunda economia do mundo - rumando para ser a primeira, muito em breve. Por outro lado, é a maior importadora das commodities brasileiras. Apresidente embarca em Abril. Na agenda estão previstas reuniões com representantes do empresariado chinês. O ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, afirma que serão feitos esforços para reduzir os danos causados pelas importações de produtos chineses no mercado nacional. Uma das propostas é negociar parcerias para ampliar as exportações de minério de ferro e aço do Brasil para a China. Para isso não haveria a necessidade da viagem dessa comitiva cara, uma vez que os chineses necessitam comprar nossa soja e nosso minério de ferro, entre outras commodities, para alimentar sua enorme população e ter acesso à matéria-prima essencial para seu gigantesco parque industrial. Vale salientar

ca r t o o n por Steff

que a população da China teve um ganho enorme de renda e agora passa a demandar mais comida, item escasso num país com pouca área cultivável. Do mesmo modo, o crescimento de seu parque industrial demanda mais e mais matériasprimas básicas, também indisponíveis naquele país. Ou seja, o Brasil passa a ser uma das alternativas mais viáveis ao abastecimento de commodities à China. Os chineses necessitam comprar aqui, não dependendo de nenhuma viagem para promover nossas vendas. A outra explicação para essa viagem da presidente e sua comitiva é atender aos apelos do empresariado nacional para evitar que os produtos chineses prejudiquem, ainda

mais, o mercado brasileiro, levando à maior desindustrialização. Mas em 2005 foi exatamente a mesma coisa. O Ministério da Indústria da China convidou o governo brasileiro e representantes dos inúmeros setores industriais nacionais - que já naquela época se sentiam altamente prejudicados pelo surto de importação de produtos chineses - a organizarem uma missão de alto nível a Pequim. Na ocasião, seriam negociadas formas de autorregulamentação, por parte dos chineses, em suas exportações ao Brasil de diversos produtos, como forma de conciliar os interesses comerciais de chineses e brasileiros. Vários setores industriais brasileiros

duelo

sentiram-se aliviados e juntaram-se à missão, como forma de resolver esse grave problema. Tinham, com o governo brasileiro, a esperança de conseguir negociar uma solução viável para todos. O governo brasileiro esteve representado, naquela oportunidade, por inúmeros integrantes do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio (MDIC), inclusive com a participação do então ministro Luiz Fernando Furlan. E eu estava lá. Qual foi a nossa surpresa quando, exaustos, após mais de 40 horas de viagem aérea, fomos surpreendidos logo na primeira reunião com a informação de que o governo chinês não estava disposto a negociar nada. Dizia inclusive nem saber o que estávamos fazendo lá! Ficamos em Pequim por 11 dias, e foram 11 dias sem nenhum avanço no assunto. Fomos muito bem tratados pelos chineses, uma vez que hospitalidade é uma de suas qualidades. Mas negociar aquilo que era nosso propósito, a autorregulamentação das exportações chinesas ao Brasil, nem entrou nas conversas. Voltamos todos, inclusive o próprio ministro, sem que os chineses tivessem sequer ouvido nossas reivindicações. Agora, com um governo novo, as esperanças de que nossos velhos problemas serão resolvidos se renovam. Todos cheios de vontade de resolver os assuntos pendentes. O ministro Fernando Pimentel, do MDIC, e sua equipe estão trabalhando arduamente para solucionar o problema das importações desleais que causam danos ao setor industrial brasileiro. Dilma tem a mesma diretriz. Mas os chineses, inclusive seu governo, mantêm seu plano de criação de empregos via ampliação do setor industrial exportador. E, mesmo com muita hospitalidade, não estão interessados em ceder. E não têm nada a negociar conosco sobre esse assunto, uma vez que já compram do Brasil os produtos e as quantidades que lhes interessam para suprir sua população e sua indústria. No que está muito correto do ponto de vista deles, o governo chinês olha os interesses de sua população e segue rigidamente o excelente plano traçado há mais de 30 anos para criar milhões de empregos. Para isso, mantém sua moeda subvalorizada, concede incentivos aos exportadores, conserva os sindicatos sob seu controle, não dá nenhuma importância à preservação do meio ambiente. E também não se importa com as reclamações de governantes de outros países. Estão muito corretos em governar para a melhoria da qualidade de vida de sua população. E, nisso, têm tido muito sucesso. Aplicando essa política, chegaram à segunda economia do mundo, e, repito, logo serão a primeira. O governo brasileiro deveria fazer o mesmo. Olhar pela população brasileira, pela indústria brasileira, pela criação de empregos no Brasil. Aqui fica uma pergunta à presidente Dilma: o que ela espera de resultados concretos dessa viagem? Tenha a certeza de que toda sua comitiva será muito bem recebida pelos chineses, porém é preciso agir firmemente para obter resultados concretos contra esse grave problema da indústria brasileira: o comércio desleal nas exportações chinesas ao Brasil.


O amor não são apenas palavras mas Padre Manuel teixeira [1912-2003]

obras.

terça-feira 8.3.2011 www.hojemacau.com.mo

15 à f l or d a p el e Helder Fernando

A luta também pode ser alegria I Existe internacionalmente uma longa tradição da cantiga de protesto e de revolta, não é exclusivo português, como se sabe. A genuína luta dos povos por aquilo que avaliam ser os seus direitos e a sua dignificação não tem fronteiras. A cantiga também em todos os tempos foi uma arma. Nem sempre o aspecto qualitativo dos textos foi ou é preocupação principal. Pode mesmo dizer-se que apenas a uma fatia das letras desse tipo de canções é possível associar qualidade literária aos legítimos objectivos de intervenção político-social. Naturalmente sem esquecer textos imortais, em multiplicidade de línguas, de grandes autores que colocaram boa parte do conteúdo das suas obras ao serviço de causas. Sem necessidade de lembrar nomes. Sendo possível juntar a justeza do protesto à qualidade literária do texto, à superioridade da música e ao talento da interpretação, isso resultará excelente. Mas nem sempre assim é ou tem de ser. Vem isto a propósito da canção vencedora do Festival RTP deste ano 2011, “A Luta é Alegria” de Jel e Vasco Duarte, interpretada por “Homens da Luta” (reforçados). Não é a primeira vez, em Portugal, que uma canção protestativa vence um Festival RTP. É, pelo menos, a segunda. A primeira, como é conhecido, foi em 1973 com “Tourada” de José Carlos Ary dos Santos e Fernando Tordo, interpretada por este. A ditadura teria mais uns meses de vida, mas o texto de Ary dos Santos - ainda hoje, talvez devido à sua inspiração tauromáquica, não totalmente compreendido por muito boa gente, como tantas vezes é possível constatar - lá passou, incólume, na rede da censura e dos jurados nacionais constituídos por ilustríssimas senhoras e senhores, pomposamente reunidos nas principais cidades do País. “Não importa sol ou sombra Camarotes ou barreiras toureamos ombro a ombro as feras. Ninguém nos leva ao engano toureamos mano a mano só nos podem causar dano esperas” O texto, a música e a interpretação de “Tourada” construíram verdadeiro cravar

de bandarilhas nos falsos pergaminhos e na moralidadezinha do regime. “Com bandarilhas de esperança afugentamos a fera, Estamos na praça da Primavera. Nós vamos pegar o mundo pelos cornos da desgraça e fazemos da tristeza graça” A canção de intervenção no seu mais genuino, inteligente e certeiro disparo. Trinta e oito anos depois desta pedrada no charco dos falsos pudores, já em plena democracia formal, rodeada de arrogâncias, trafulhices, escandaleiras e mentiras por todos os lados, através de idêntico Festival RTP, surge, concorrente e depois vencedora, uma cantiga cujos autores não pertencem à partilha do costume dos troféus de qualidade, com um texto que é fusão de revolta, protesto e paródia. Porque é das revoltas que nascem todos os protestos: “Por vezes dás contigo desatinado, por vezes dás contigo a desconfiar; Por vezes dás contigo sobressaltado, por vezes dás contigo a desesperar”. Constatação real e directa dos “Homens da Luta”. Como também é verdade, perante as aldrabices e vicissitudes governamentais que: “De pouco vale o cinto sempre apertado, de pouco vale andar a lamuriar” De noite ou de dia a luta é alegria e o povo avança na rua a gritar”. Letra tão simples como eficaz. Se antigamente o ideal do regime que mandava nos “pobrezinhos mas honrados”, nos “orgulhosamente sós”, era o redutor “pão e vinho sobre a mesa” dos contentinhos da Silva, nos dias de hoje houve melhorias - parodiadas na letra de “A Luta é Alegria”: “E traz o pão e traz o queijo e traz o vinho E vem o velho e vem o novo e o menino para celebrar esta situação e vamos cantar contra a reacção”.

Percebe-se o incómodo de algumas pessoas para com certa terminologia paralelamente encaixada na letra: “camaradas, pá”, ou “a luta continua, pá”. Não será distracção do essencial, não será basear o repúdio em suposto enquadramento iedológico-partidário dos autores e intérpetes da cantiga? Por outro lado, há o argumento da “qualidade da canção”. Um bom argumento, se não fosse o caso de não se saber onde esteve guardado, anualmente, esse exigente critério perante dezenas e dezenas de cantigas concorrentes e vencedoras do Festival, e respectivos intérpretes, que mais não foram e não são do que a pimbalhada mais ridícula que é possível imaginar? Não deverá uma canção de intervenção sociopolítica representar Portugal na Eurovisão, essa matriz não faz parte da cultura portuguesa, já li. Porquê? Com as conhecidas excepções de louvar, a hipotética rocalhada pimba é símbolo cultural de quem? O que se conhece da actual circunstância, é de uma Europa em luta nas ruas, são os povos cansados de terem de pagar com impostos, com baixa de salários e de pensões, com desemprego, as dívidas e as contas mal feitas de quem os governa. É realmente longa, e rica, e diferente, a luta política e social através das cantigas, porque elas serão sempre uma arma. As circunstâncias são decisivas na criação de identidades culturais. E no próximo dia 12 lá estarão, nas avenidas de Lisboa, os “Homens da Luta” na manifestação da “geração à rasca” – e não só. II Hoje é o Dia Internacional da Mulher. A luta delas, ao lado dos homens, por paz e por pão. As efemérides têm o valor que lhes quisermos dar. Se pensarmos que século após século, ainda hoje, em muitas sociedades, a mulher não passava nem passa de mero objecto de uso, humilhação, exploração e pancada, talvez não sejamos indiferentes a este dia do calendário que marca a luta da Mulher.

Não deverá uma canção de intervenção sociopolítica representar Portugal na Eurovisão, essa matriz não faz parte da cultura portuguesa, já li. Porquê? Com as conhecidas excepções de louvar, a hipotética rocalhada pimba é símbolo cultural de quem? O que se conhece da actual circunstância, é de uma Europa em luta nas ruas, são os povos cansados de terem de pagar com impostos, com baixa de salários e de pensões, com desemprego, as dívidas e as contas mal feitas de quem os governa

Propriedade Fábrica de Notícias, Lda Director Carlos Morais José Editor Vanessa Amaro Redacção Filipa Queiroz; Gonçalo Lobo Pinheiro; Joana Freitas; Kahon Chan; Rodrigo de Matos Colaboradores António Falcão; Carlos Picassinos; José Manuel Simões; Marco Carvalho; Maria João Belchior (Pequim); Rui Cascais; Sérgio Fonseca Colunistas Arnaldo Gonçalves; Boi Luxo; Correia Marques; Gilberto Lopes; Hélder Fernando; João Miguel Barros, Jorge Rodrigues Simão; José I. Duarte, José Pereira Coutinho, Luís Sá Cunha, Marinho de Bastos; Paul Chan Wai Chi; Pedro Correia Cartoonista Steph Grafismo Catarina Lau; Paulo Borges Ilustração Rui Rasquinho Agências Lusa; Xinhua Fotografia António Falcão, Gonçalo Lobo Pinheiro; António Mil-Homens; Lusa; GCS; Xinhua Secretária de redacção e Publicidade Laurentina Silva (publicidade@hojemacau.com.mo) Assistente de marketing Vincent Vong Impressão Tipografia Welfare Morada Av. Dr. Rodrigo Rodrigues nº 600 E, Centro Comercial First Nacional, 14º andar, Sala 1407 – Macau Telefone 28752401 Fax 28752405 e-mail info@hojemacau.com.mo Sítio www.hojemacau.com.mo


Andam a inflacionar os preços das casas! Líbia Ras Lanuf sob ataque Os últimos civis que ainda permaneciam na cidade petrolífera de Ras Lanuf, na Líbia oriental, puseram-se na manhã de ontem em fuga poucas horas antes de novos ataques aéreos das forças leais ao líder líbio Muammar Khadafi incidirem sobre as linhas rebeldes que ali tomaram posição, após terem perdido anteontem a localidade vizinha de Benjawad. Pelo menos dois ataques aéreos foram feitos contra postos de controlo da rebelião, os quais responderam com artilharia antiaérea, sem que tenham ocorrido vítimas mortais. Já ontem as forças de Khadafi tinham fustigado esta cidade portuária petrolífera da Líbia Oriental, sem então serem igualmente relatadas quaisquer vítimas. França Chirac no banco dos réus França assistiu ontem à abertura de um dos mais aguardados julgamentos de sempre. Jacques Chirac tornar-se-á no primeiro expresidente francês a ir a tribunal, caso os recursos da defesa dos restantes nove arguidos não consigam um adiamento do julgamento. Em causa está a criação de empregos fictícios pagos com fundos públicos entre 1992 e 1995, quando presidia à Câmara de Paris. Portugal censos obrigatórios A partir de ontem, os recenseadores começaram a bater à porta dos portugueses para entregar os questionários dos Censos 2011. O Instituto Nacional de Estatística (INE) está a investir três milhões de euros numa campanha de sensibilização para garantir o sucesso daquela que é a maior operação estatística nacional. Mas a resposta ao recenseamento geral da população e da habitação é obrigatória por lei e quem faltar a este dever ou prestar informações inexactas arrisca-se a uma multa até 3740 euros. Ciência Sinal de vida em meteoritos Um cientista da NASA revela ter encontrado minúsculas bactérias fossilizadas em três meteoritos e garante que estas microscópicas formas de vida não são originárias da Terra. A confirmar-se, esta descoberta pode sugerir que há vida espalhada no universo e que a vida na Terra pode ter vindo de outros pontos do sistema solar através de cometas, por exemplo. O estudo, publicado sextafeira na revista “The Journal of Cosmology”, é considerado tão controverso que é acompanhado por uma declaração do editor da revista que procura comentários científicos ao artigo, para serem publicados a partir de hoje.

Pois, ainda bem que moro...

...na zona ecológica do Cotai

!!!

Manifestação em HK termina em violência

Orçamento da porrada Kahon Chan

M

kahon.chan@hojemacau.com.mo

ais de cem manifestantes – incluindo algumas crianças – foram detidos em Hong Kong depois de terem bloqueado uma das principais vias no Distrito Central, no domingo à noite, quando protestavam para exigir ao Governo uma reforma tributária justa, que tem estado dependente das vendas de terras para encher as reservas. A polícia local alegou ontem que os manifestantes tinham sido advertidos acerca do iminente uso de gás-pimenta. A mãe de uma criança atingida nos olhos pelo gás desmente as autoridades. Organizada para unir milhares de pessoas de Hong Kong indignadas com o Plano de Orçamento anunciado no final de Fevereiro, a manifestação de domingo vinha para a rua apelidada de “Revolução de Bauhinia” pelo organizador, mas acabou por reunir 10 mil cidadãos a gritarem contra a viragem de 180 graus do Governo no plano de distribuição de cheques. A coisa só aqueceu quando os organizadores anunciaram o fim da manifestação em frente à sede do Governo após as 18h, quando um grupo de 200 manifestantes resolveu continuar a marcha num cruzamento da Estrada Central de Queens com a Rua Ice House

a pedir uma reforma tributária previdente e a demissão do Chefe do Executivo, Donald Tsang. “É preciso interromper as operações normais da sociedade com acções como o bloqueio de uma estrada para forçar o regime a enfrentar o problema”, disseram os manifestantes, citados no sítio de notícias independente “Inmedia HK”. Os manifestantes, ao contrário do que esperava a polícia, deslocaram o bloqueio para a ainda mais movimentada intersecção da Ice House com a Estrada Central Des Voeux já depois das 21h. Seguiu-se uma carga da polícia às 21h30, com uso de gás-pimenta para dispersar os manifestantes. Mas várias centenas haviam aderido ao protesto entretanto e a polícia só foi capaz de dispersar o bloqueio após as 23h, com um total de 89 homens e 24 mulheres a acabarem detidos, acusados do crime de associação ilícita, incluindo dois adolescentes de 12 e 13 anos. De acordo com a imprensa local, uma criança de oito anos foi pulverizada no rosto com o gás-pimenta, com a polícia a negar o incidente e a assegurar que o gás-pimenta só foi utilizado contra os manifestantes após um “aviso prévio”. Ambos os lados continuaram a discutir com declarações abertas na segunda-feira. O Governo condenou a “violência” no domingo, mas os manifestantes responderam

com uma contra-acusação de que tinha sido a polícia a começar os distúrbios com uma carga violenta sobre os manifestantes. Ambrose Lee, secretário para a Segurança de Hong Kong, anunciou que três polícias acabaram feridos no domingo e acusaram os pais de “usarem as crianças como armas no confronto”. Lee defendeu ter sido usado um nível mínimo de violência contra os manifestantes, mas os organizadores do protesto deram uma conferência de imprensa para desmentir essa versão, acusando a polícia de repressão violenta com os manifestantes a serem varridos da estrada à força. A distribuição de dinheiro continua a levantar questões em Hong Kong. O ex-secretário e actual director da Comissão de Igualdade de Oportunidades, Lam Woon Kwong, apelou a uma reponderação sobre a não inclusão dos novos imigrantes na distribuição dos cheques, uma vez que eles também partilhas as obrigações fiscais com os residentes permanentes. Outro antigo secretário, Anson Chan, também criticou a distribuição que considera ser um erro sobre outro. O Chefe do Executivo, Donald Tsang, voltou a defender ontem que a distribuição era “adequada às necessidades das pessoas”, e disse sentir que um grande número de pessoas estava de acordo com a concretização da ideia.

terça-feira 8.3.2011 www.hojemacau.com.mo

Insólito Cobra morde seio e morre Uma modelo israelita teve de ser assistida no hospital depois de ser mordida no seio por uma cobra, durante a gravação de um programa de rádio. O animal morreu intoxicado pelo silicone da prótese da modelo. Orit Fox, conhecida em Israel por ter os maiores seios do Médio Oriente e pelas dezenas de cirurgias plásticas que já fez, foi mordida por uma serpente após tentar beijá-la durante a gravação de um programa de rádio, em Telavive, Israel. O ataque repentino da serpente surpreendeu os treinadores que estavam a supervisionar a brincadeira e Fox não teve tempo de reagir. A modelo teve de ser transportada para a urgência de um hospital em Hadera, noroeste de Jerusalém, onde foi medicada por uma equipa especializada em ataques de serpente. A cobra, entretanto, não resistiu. Espanha Proibido circular a mais de 110 O limite máximo de velocidade de 110 quilómetros nas auto-estradas em Espanha entrou em vigor às 6h de ontem, depois de concluídas as modificações da sinalização feitas pelo Governo. Este limite faz parte de um conjunto de 20 medidas de redução energética que o Governo espanhol aprovou na sexta-feira e é um dos principais desígnios para ajudar a reduzir o consumo de combustível. A redução de 120 para 110 quilómetros na velocidade máxima nas auto-estradas de Espanha será reavaliada a 30 Junho. Até lá poderão aplicar-se sanções aos condutores que circulem a uma velocidade superior a 110 quilómetros, nas quais se inclui a perda de pontos quando se ultrapassem os 151 quilómetros por hora. Angola Detidos em protesto libertados As 17 pessoas que foram detidas, esta segunda-feira de madrugada, em Luanda, quando se concentravam na praça 1.º de Maio para uma manifestação anti-Governo, já foram todas libertadas. O director adjunto do “Novo Jornal”, Gustavo Costa, confirmou à Agência Lusa a detenção de três jornalistas (Ana Margoso, Pedro Cardoso e Afonso Francisco) pela polícia de Luanda durante uma manifestação antiGoverno. Depois de várias horas sem saber do paradeiro dos três jornalistas, Gustavo Costa acabou por confirmar que estavam nas instalações da Direcção Nacional de Investigação Criminal (DNIC).


Hoje Macau 8 MAR 2011 #2324