Page 1

QUARTA-FEIRA 7 DE NOVEMBRO DE 2018 • ANO XVIII • Nº 4168

MOP$10

SOFIA MARGARIDA MOTA

DIRECTOR CARLOS MORAIS JOSÉ

ENTREVISTA

PUB

AGÊNCIA COMERCIAL PICO • 28721006

ONU

As lições de Sónia PÁGINA 4

GABINETE DE LIGAÇÃO

A ESCOLA DE FUJIAN PÁGINA 5

GRANDE PRÉMIO

Pressão rodoviária PUB

PÁGINA 6

hojemacau

Poder do medo O crescente reforço das medidas de segurança, tanto em Macau como em Hong Kong, devem-se, na opinião do analista político Sonny Lo, ao clima de medo instalado no interior da Chi-

na desde a chegada ao poder de Xi Jinping, em 2012. Para o académico, as duas regiões especiais caminham no sentido da existência de “um país, vários sistemas.”

GRANDE PLANO

www.hojemacau.com.mo•facebook/hojemacau•twitter/hojemacau

JOÃO MORAIS UM GAJO NO LMA


2 grande plano

7.11.2018 quarta-feira

SEGURANÇA

O MEDO DO MEDO C Sonny Lo defende que a crescente securitização vivida em Macau e Hong Kong é fruto de medidas mais rígidas adoptadas por Pequim devido a um clima de “insegurança” vivido no seio do regime chinês desde 2012. Na altura, ocorreram ataques terroristas no país e Xi Jinping sofreu algumas ameaças

SONNY LO FALA DE “UM PAÍS, VÁRIOS SISTEMAS” EM MACAU E HONG KONG

ONVIDADO pela Associação de Ciência Política de Hong Kong para a conferência anual, Sonny Lo, professor universitário e analista político, falou no passado sábado sobre o panorama de crescente securitização vivido nas duas regiões administrativas especiais da China. Ao HM, o professor universitário argumentou que Macau e Hong Kong “estão a caminhar no sentido [da existência] de ‘Um País, vários sistemas’”, uma vez que “o desenvolvimento do conceito ‘Um País’ tem vindo a influenciar uma mudança no conceito ‘Dois sistemas’”. Isto porque “a securitização do sistema político chinês desde o presidente Xi Jinping tornou-se visível quando este foi eleito secretário-geral do Partido Comunista Chinês em 2012, o que trouxe uma transformação profunda na forma como Hong Kong e Macau têm sido governadas”, referiu na sua apresentação. O académico acredita, portanto, que a própria China está a reforçar as medidas de controlo, com consequências notórias para os dois territórios. “A securitização da República Popular da China (RPC) afectou e afecta o desenvolvimento político de Hong Kong e Macau”, apontou Sonny Lo, que referiu ainda que “as pequenas políticas de Hong Kong e Macau mantém-se vulneráveis tendo em conta a dimensão da RPC e a sua influência geopolítica. Em particular nas regiões periféricas, incluindo Hong Kong e Macau, pois são vistas pela RPC como mais vulneráveis à influência política do ocidente e uma possível infiltração”. Para Sonny Lo, “da perspectiva de Pequim, as mudanças democráticas em Hong Kong e Macau não podem ter influências de países do ocidente nem permitir uma ponte para mudanças democráticas na China”, apontou ao HM. Além das novas leis que Wong Sio Chak, secretário para a Segurança, pretende implementar, como a lei da cibersegurança ou o regime de intersecção de comunicações, têm ocorrido vários

“A saga do juramento [dos deputados do campo pró-democrata], em Outubro de 2016, sensibilizou os líderes da RPC para lidar com os assuntos de Hong Kong.”

casos de personalidades de Hong Kong, do meio político e cultural, barrados na fronteira de entrada da RAEM. Situações justificadas pelas autoridades, como medidas preventivas contra indivíduos que podem pôr em causa a ordem pública e a segurança de Macau. Wong Sio Chak e as autoridades policiais nunca admitiram a

existência de uma lista negra de pessoas que não são bem-vindas em Macau. Um dos casos mais polémicos aconteceu na última edição do festival literário Rota das Letras, quando os escritores Jung Chang, James Church e Suki Kim viram o seu convite de participação ser retirado depois da direcção do festival ter sido informada, “oficiosamente”, de que a sua vinda “não era considerada oportuna” e que, por conseguinte, “não estava garantida a sua entrada no território”. Desconhecia-se, no entanto, a fonte da informação, depois de os secretários para os Assuntos Sociais e Cultura e da Segurança, Alexis Tam e Wong Sio Chak, garantirem não ter conhecimento sobre o caso. Ricardo Pinto, da direcção do

festival, confirmou que a referida indicação não veio do Governo de Macau, mas antes “do Gabinete de Ligação”. Contudo, em declarações reproduzidas pela TDM no mesmo dia, feitas a partir de Pequim, o ex-director do Gabinete de Ligação, Zheng Xiaosong, entretanto falecido, afirmou desconhecer o caso dos festival Rota das Letras.

“Houve rumores de uma tentativa de assassinato e, nesse sentido, a segurança do regime na RPC tornou-se uma questão de maior importância.”


grande plano 3

quarta-feira 7.11.2018

Além das leis que Wong Sio Chak pretende implementar, Sonny Lo recordou também o caso do deputado Sulu Sou, que foi suspenso pela Assembleia Legislativa para responder em tribunal pelo crime de desobediência qualificada. O processo nasceu de um protesto contra o donativo de 100 milhões de yuan à Universidade de Jinan, por parte do Governo de Macau.

A ACEITAÇÃO DO ARTIGO 23

No caso de Hong Kong, Sonny Lo dá como exemplos o regresso do debate sobre a legislação do artigo 23 da Lei Básica de Hong Kong, medida que a sociedade da região vizinha está hoje mais disposta a aceitar, considera o académico. “Depois do movimento Occupy Central, em 2014, mais cidadãos pró-Pequim acreditaram que o artigo 23 deveria ser legislado o mais breve possível, sobretudo do ponto de vista da emergente minoria ligada ao chamado movimento ‘Hong Kong como nação’ ou movimento pró-independência. Isto é muito claro nas discussões das forças pró-Pequim e pró-Governo”, disse ao HM. De frisar que, em 2003, o território vizinho foi palco de grandes protestos contra a legislação deste artigo da Lei Básica. No caso de Macau, o artigo foi legislado em

2009, com a implementação da lei relativa à defesa da segurança do Estado. Mesmo sem a ocorrência de crimes em Macau que atentem contra a segurança do Estado chinês, o secretário Wong Sio Chak pretende criar a Comissão de Defesa da Segurança do Estado. O objectivo é “organizar e coordenar os trabalhos da RAEM relativos à defesa da soberania, da segurança e dos interesses do desenvolvimento do Estado” e “estudar a implementação da respectiva programação e das orientações e solicitações do Chefe do Executivo”.

“A securitização do sistema político chinês (...) trouxe uma transformação profunda na forma como Hong Kong e Macau têm sido governadas.” A criação da lei do hino nacional, em Novembro do ano passado, e a suspensão do Partido Nacional de Hong Kong, do líder pró-independência Andy Chan, são dois outros exemplos apontados por Sonny Lo. Não ficou esquecido o recente caso protagonizado pelo jornalista Victor Mallet, ex-correspondente do Financial Times em Hong Kong, a quem foi recusada a renovação do visto de trabalho depois de ter organizado uma palestra com Andy Chan no Clube de Correspondentes Estrangeiros de Hong Kong. Diferentes na forma, mas semelhantes na génese, estas medidas acabam por ser acolhidas pelas sociedades dos dois territórios de maneira diferente. “A existência de uma sociedade civil mais fraca em Macau mantém-se diferente da sociedade civil assertiva de Hong Kong”, apontou Sonny Lo na sua apresentação. “Se a securitização pertence ao trabalho do secretário para a Segurança e outros departamentos relacionados, sim, podemos afirmar que a sociedade de Macau está mais preparada para receber todas estas medidas securitárias do que Hong Kong”, frisou ao HM.

O ANO DA MUDANÇA

Sonny Lo regressa ao ano de 2012 para explicar as mudanças na área da segurança que Macau e Hong Kong têm enfrentado. O professor universitário acredita que, com a chegada de Xi Jinping ao poder, “a definição de segurança nacional na RPC passou a ser feita abrangendo as áreas da política, economia,

assuntos socioculturais, ambiente e saúde pública”. O reforço na área da segurança do país pode “talvez ser explicado pela sensação de insegurança do regime no poder”, uma vez que “Xi Jinping desapareceu durante várias semanas antes de tomar posse em Novembro de 2012, tendo sido ferido”. Depois da chegada ao poder, “houve rumores de uma tentativa de assassinato e, nesse sentido, a segurança do regime na RPC tornou-se uma questão de maior importância”, defendeu Sonny Lo na apresentação.

A situação na região autónoma de Xinjiang, onde a população é maioritariamente muçulmana, também levou ao reforço da postura de alerta por parte das autoridades. “Uma série de ataques terroristas na RPC aconteceram entre 2012 e 2016, com o clímax a registar-se em Junho de 2013, quando um total de 35 pessoas foram mortas em Xinjiang. A presença de terroristas no país levou ao aumento das preocupações sobre o regime.” Foi também por volta de 2012 que o activista de Hong Kong

Joshua Wong levou a cabo a campanha anti-educação nacional nas escolas, seguindo-se. Dois anos depois, o movimento Occupy Central, que exigia a eleição por sufrágio directo e universal do Chefe do Executivo, tomou as ruas de Hong Kong. Além disso, “a saga do juramento [dos deputados do campo pró-democrata], em Outubro de 2016, sensibilizou os líderes da RPC para lidar com os assuntos de Hong Kong”, concluiu Sonny Lo. Andreia Sofia Silva

andreia.silva@hojemacau.com.mo


4 política

7.11.2018 quarta-feira

GCS

Fogo extinto

Elaboração da proposta de revisão de regulamento contra incêndios chega ao fim

A

Sónia Chan, secretária para a Administração e Justiça

ONU FILIPINAS QUESTIONAM MACAU SOBRE MEDIDAS CONTRA O ABUSO DE DROGAS

Diz-me lá como fazes

Macau foi convidado pelas Filipinas a partilhar experiências sobre a criação da Casa de Educação Vida Sadia, em 2016, que tem o objectivo de reduzir e combater o consumo de droga. Sónia Chan, secretária para a Administração e Justiça, recordou as medidas adoptadas na área educativa e social

N

Areunião de ontem que serviu para a delegação da China responder a perguntas no âmbito do terceiro Exame Periódico Universal do Conselho dos Direitos do Homem da Organização das Nações Unidas (ONU), Macau foi convidado a partilhar a sua experiência no combate ao consumo de estupefacientes pelas Filipinas. “O Relatório Nacional da China faz menção à iniciativa da RAEM na área da prevenção do abuso de drogas. Poderia partilhar a sua experiência e intuições com o estabelecimento da Casa de Educação de Vida Sadia em 2016, na promoção de estilos de vida saudáveis, especialmente junto de crianças e jovens?”, questionaram os representantes do país junto do Conselho dos Direitos do Homem. Em resposta, a secretária para a Administração e Justiça, Sónia Chan, recordou as últimas medidas tomadas na área social

e educativa, tendo frisado a a lei do ensino superior, implementada no ano passado. A questão surge numa altura em que o presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, tem levado a cabo uma verdadeira guerra contra o consumo de drogas e o narcotráfico, permitindo execuções extrajudiciais. Na semana passada, Duterte colocou a Alfândega sob controlo das Forças Armadas, depois da Agência Anti-drogas ter informado que tinham entrado no país metanfetaminas no valor de 11 mil milhões de pesos. “Todos os altos comandantes serão substituídos pelos militares, (...) enquanto resolvemos como

enfrentar a corrupção neste país. Com esse tipo de jogo sujo que alguns estão jogando, sou forçado a pedir ao Exército que assuma o controlo”, disse Duterte na cidade de Davao. A Casa de Educação Vida Sadia funciona sob alçada do Instituto de Acção Social (IAS). O curso de educação de vida sadia começou a funcionar em Setembro de 2000, mas, em 2003, esse curso transformou-se em Centro de Educação de Vida Sadia, que mudou para a actual designação em 2016.

JASON CHAO NEGADO

Os representantes das Filipinas foram os únicos que questiona-

“O Relatório Nacional da China faz menção à iniciativa da RAEM na área da prevenção do abuso de drogas. Poderia partilhar a sua experiência e intuições com o estabelecimento da Casa de Educação de Vida Sadia em 2016?” QUESTÃO DAS FILIPINAS

ram directamente Macau sobre matéria de direitos humanos. Em Março deste ano, a Associação Novo Macau (ANM) submeteu um relatório onde voltou a frisar a ausência de sufrágio universal directo para a eleição do Chefe do Executivo e a não abrangência dos casais do mesmo sexo na lei de prevenção e combate à violência doméstica. O mesmo relatório também alerta a ONU para a implementação da lei da cibersegurança e a possibilidade de ser violado o direito à privacidade. Ao HM, Jason Chao disse que apelou à ONU ter um lugar no comité consultivo do Conselho. Contudo, “a candidatura não foi aceite devido ao limite do número de oradores”, apontou. O Conselho Consultivo aceita apenas cinco membros oriundos de países asiáticos. Andreia Sofia Silva

andreia.silva@hojemacau.com.mo

proposta de alteração do regulamento de segurança contra incêndios está finalizada. A informação foi dada pelo gabinete para a Segurança em resposta a uma interpelação do deputado Lei Chan U. “Os trabalhos de alteração ao regulamento de segurança contra incêndios estão a cargo da Direcção dos Serviços de Solos, Obras Públicas e Transportes (DSSOPT) que tem trabalhado em colaboração com o Corpo de Bombeiros e, de acordo com informação prestada pela DSSOPT, a proposta de alteração está concluída e está em fase de apreciação no Conselho Executivo”, refere o gabinete. O Gabinete para a Segurança responde desta forma a Lei Chan U, que em Junho questionava o Executivo acerca da actualização do regulamento de segurança contra incêndios. De acordo com o deputado, o regulamento “entrou em vigor há mais de 20 anos e algumas das disposições já não se adequam à realidade, carecendo por isso de revisão”. O deputado queixava-se ainda que no passado mês de Março, as autoridades já tinham referido que o texto da proposta da revisão regulamentar “estava prestes a acabar, e que o mesmo ia ser enviado para os serviços competentes”. No entanto, até Junho, data da interpelação, ainda não havia conhecimento de nenhum plano legislativo sobre a referida proposta. Lei quis averiguar o ponto da situação do processo legislativo porque considera que é cada vez mais difícil o combate a incêndios em Macau dada a elevada altura dos prédios e a facto de não estarem equipados devidamente para responder a fogos.

ALTURAS PERIGOSAS

O deputado deu como exemplo dois incêndios no território em que, “devido à avaria dos elevadores, os bombeiros tiveram que carregar os equipamentos às costas e subir pelas escadas até ao 19º e ao 29º andar”, pelo que “muitos deles já estavam sem forças antes de iniciarem o combate às chamas, o que afectou gravemente as operações de salvamento”. Por outro lado, as escadas dos bombeiros não tinham altura para chegar às fracções onde os fogos deflagraram. Para Lei Chan U, estes dois sinistros demonstram “a desactualização das leis e diplomas vigentes relacionados com os equipamentos e elevadores e suscitam a atenção da sociedade sobre a segurança contra incêndios nos edifícios mais altos”. Vítor Ng (com S.M.M.) info@hojemacau.com.mo


política 5

quarta-feira 7.11.2018

GABINETE DE LIGAÇÃO VICE-DIRECTOR DE HONG KONG APONTADO A MACAU

Reforço possível

Num evento na manhã de ontem, Chen Dong, vice-director do Gabinete de Ligação de Hong Kong, não negou o rumor de que pode vir a ser o sucessor de Zheng Xiaosong. Aliás, confrontado com a hipótese riu-se e levantou o polegar Feira de importação Chan Meng Kam destaca importância do certame

Chan Meng Kam, ex-deputado à Assembleia Legislativa e membro da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês, comentou a realização da primeira edição da Feira de Importação de Xangai, China, tendo considerado, de acordo com o jornal Ou Mun que esta é uma nova plataforma que pretende aprofundar a cooperação internacional nas áreas da economia e comércio. Na sua perspectiva, a feira de importação vai possibilitar à China abrir mais ao exterior e ter uma maior presença nos mercados globais. O antigo deputado defendeu também que, uma vez que a feira tem um stand sobre Macau, com o nome “Macau Hub”, pode fazer com que outros países conheçam melhor o território e fomentar o seu papel como plataforma entre a China e os países lusófonos. O Chefe do Executivo, Chui Sai On, esteve presente nesta iniciativa, que também contou com a presença do Presidente chinês Xi Jinping. No seu discurso, Xi Jinping anunciou que a China deverá importar 40 biliões de dólares em bens e serviços nos próximos 15 anos.

D

EPOIS de questionado sobre a possibilidade de vir a chefiar o Gabinete de Ligação do Governo Central em Macau, Chen Dong, além de não negar a hipótese, soltou uma gargalhada, deu uma palmada no ombro de jornalista e ergueu o polegar. A notícia veiculada pelo portal HK01, refere que a interacção, que pode indicar a mudança de região administrativa especial de Chen Dong, aconteceu depois de uma conferência dedicada a tecnologias de informação realizada, ontem de manhã, em Hong Kong.

Nomeado pelo Conselho de Estado Chinês, em Fevereiro de 2017, para o cargo no Gabinete de Ligação de Hong Kong, Chen Dong passou a ser o mais novo político designado para vice-director do organismo que faz a ponte entre Pequim e as regiões administrativas especiais. Com cerca de 55 anos, Chen Dong foi Secretário da Comissão dos Assuntos Políticos e Jurídicos do Partido Comunista da China na Província Fujian, região onde fez a sua carreira política. Estudou finanças na Universidade de Xiamen e entrou no mundo político através

do Governo de Fujian como secretário. Além disso, ocupou durante dez anos um cargo de relevo na Liga da Juventude Comunista da província desde 1997.

LIGAÇÃO A FUJIAN

Em 2008, Chen Dong foi nomeado vice-presidente do município de Zhangzhou, antes de ser promovido ao cargo máximo municipal da cidade da província de Fujian. Passados três anos, ascendeu um grau na hierarquia provincial e tornou-se vice-Governador. A proveniência de políticos de Fujian, situada no sudeste da

China, na liderança do Gabinete de Ligação em Macau não é novidade. Aliás, Zheng Xiaosong, falecido a 20 de Outubro, também ocupou o cargo de vice-Governador de Fujian e mais tarde tornou-se membro e secretário-geral do Comité Permanente do PCC na província. Isto, apesar de ter nascido em Pequim Antes de Zheng, o antecessor na liderança do Gabinete de Ligação, Wang Zhimin foi mais um político do PCC que chegou a Macau depois de fazer carreira em Fujian, província onde estão as suas raízes familiares. Aliás, Wang estudou na Universidade Normal de Fujian e tornou-se membro do Comité do PCC da província. À semelhante de Zheng e Chen, também Wang ocupou cargos de relevo a nível autárquico, nomeadamente numa posição de assistente do líder municipal de Xiamen. Quando Xi Jinping ascendeu ao poder, Wang foi nomeado Governador de Fujian. É expectável que esteja para breve o anúncio do novo Director do Gabinete de Ligação do Governo Central em Macau, até porque se aproxima o aniversário da RAEM, data de elevada importância institucional. João Luz

info@hojemacau.com.mo

Jogo Lionel Leong frisa necessidade de indústria forte

O secretário para a Economia e Finanças, Lionel Leong, diz que o Governo tem dois objectivos para o sector do jogo: reforçar a estabilidade do sector com a aposta na vertente não-jogo e a criação do Centro Mundial de Turismo e Lazer. Segundo o canal chinês da Rádio Macau, Leong não quis comentar a possibilidade das licenças de jogo fazerem parte das Linhas de Acção Governativa (LAG) para 2019, preferindo falar genericamente do sector. Em 2020, a concessão da Sociedade de Jogos de Macau (SJM) chega ao fim, assim como da subconcessionária, MGM China, e não há novidades sobre se haverá renovação ou um novo concurso. Em relação aos resultados do jogo para este ano, Lionel Leong disse esperar uma temporada melhor do que a anterior, apesar de reconhecer que se vivem tempos de grande instabilidade política.

Chen Dong, além de não negar a hipótese de vir a chefiar o Gabinete de Ligação do Governo Central em Macau, soltou uma gargalhada, deu uma palmada no ombro de jornalista e ergueu o polegar


6 sociedade

7.11.2018 quarta-feira

GP AUTORIDADES APELAM A RESIDENTES PARA DEIXAREM O CARRO EM CASA

Tenham paciência

O Governo espera que o trânsito na Zona Norte fique mais congestionado do que em anos anteriores devido à abertura da Ponte HKZM e apela aos residentes para cumprirem as regras de trânsito e, se possível, que deixem os carros em casa nos quatro dias do Grande Prémio de Macau

A

abertura da Ponte Hong Kong-Zhuhai-Macau vai fazer com que a situação na Zona Norte da cidade, junto à rotunda da Pérola Oriental, fique pior face aos anos anteriores, durante a realização do Grande Prémio. O cenário foi traçado, ontem, em conferência de imprensa promovida pela Comissão do Grande Prémio de Macau, e que contou com a participação da Direcção de Serviços para os Assuntos de Tráfego (DSAT) e do Corpo de Polícia de Segurança Pública (PSP). “De facto com a entrada em funcionamento da nova ponte já há uma grande pressão no trânsito, principalmente junto da Zona Norte. Estamos à espera de uma maior pressão e apelamos aos cidadãos que deixem os carros em casa e que andem mais a pé e utilizem transportes públicos. Pedimos também que saiam mais cedo de casa do que nos dias normais”, disse

o subdirector da DSAT, Chiang Ngoc Vai. Em resposta a esta pressão extra, a PSP afirma que está pronta para lidar com a situação e poderá inclusive colocar mais pessoal nas ruas. Contudo, nega que o trânsito se torne insuportável.

“Estamos à espera de um aumento no trânsito e na pressão das vias. Mas será que vai atingir um nível insuportável para as pessoas? Não. Vai ser uma pressão mais elevada, mas também por isso pedimos às pessoas que tenham mais paciência nesses

dias”, justificou Lao Sio Hap, subintendente da PSP. No ano passado, durante os quatro dias do Grande Prémio, a PSP registou 11 mil infracções ao trânsito. Por esse motivo, Lao deixou um aviso que vai haver uma aplicação rigorosa da lei e que as

infracções fazem com que o trânsito fique ainda numa situação mais complicada. “Do ponto de vista da polícia, o número é considerado grave, principalmente porque estamos a falar de apenas quatro dais. São 11 mil infracções, como estacionamento ilegal, entre outras”, comentou Lao.

TRABALHOS ADIANTADOS

Na conferência de imprensa de ontem foi apresentado o calendário sobre o encerramento das diferentes barreiras da pista que vão condicionar o trânsito e a posterior reabertura. O Grande Prémio de Macau está agendado para 15 a 18 de Novembro e a partir do dia 12 são várias as barreiras naAvenida daAmizade, Estrada de Cacilhas, Estada D. Maria I, Rua dos Pescadores e Estrada dos Parses que vão impedir a circulação do trânsito. Após a prova, logo entre as 18h30 do dia 28 e as 05h00 da manhã do dia 19, vão ser realizado os trabalhos de remoção das barreiras tidas como as que maiores incómodos causam. Os trabalhos vão prolongar-se até 29 de Novembro, dia em que está prevista a sua conclusão. Ao mesmo tempo, a via pedonal do reservatório vai ser reaberta a 30 de Novembro, enquanto o Silo do Terminal do Porto Exterior deverá reabrir por volta de dia 23 de Novembro, altura em que é entregue à DSAT pela organização da prova. João Santos Filipe

joaof@hojemacau.com.mo

Aeroporto Mais 17 por cento de passageiros

O número de passageiros no Aeroporto Internacional de Macau aumentou 17 por cento entre Janeiro e Outubro comparativamente ao período homólogo no ano passado, tendo atingido os 670.000 passageiros, de acordo com o director do Departamento de Marketing da Sociedade do Aeroporto Internacional de Macau (CAM), Eric Fong. Segundo a Macau News Agency, o movimento de aviões registou um aumento de 12 por cento, tendo sido efectuados 53 000 voos. As informações foram dadas pelo Eric Fong durante uma visita à China West Airport Co., Ltd. destinada à discussão da cooperação entre Xi’an e Macau para o estabelecimento de novas rotas.

UM e UNESCO na iniciativa “Uma Faixa, uma Rota”

A Universidade de Macau (UM), a UNESCO e dezenas de instituições em todo o mundo vão colaborar em projectos científicos no âmbito da iniciativa chinesa “Uma Faixa, uma Rota”, foi ontem anunciado. Entre as 37 instituições cooperantes, contam-se universidades e academias científicas da Hungria, Polónia, Cazaquistão, Paquistão e Nepal, países que integram o projecto multimilionário de investimento em infraestruturas do Presidente chinês, Xi Jinping. A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) também integra a chamada “Aliança de Organizações Científicas ao longo da região ‘Uma Faixa, uma Rota’”, inaugurada recentemente em Pequim, de acordo com um comunicado da UM. Numa carta enviada para celebrar a inauguração desta aliança, Xi Jinping afirmou esperar que as “comunidades científicas de todos os países da região possam trabalhar juntas e usar a aliança como uma plataforma para promover o desenvolvimento sustentável”.

EDUCAÇÃO INSTITUTO POLITÉCNICO REFORÇA COOPERAÇÃO COM UNIVERSIDADE MOÇAMBICANA

O

Instituto Politécnico de Macau (IPM) e a universidade moçambicana Zambeze vão desenvolver uma parceria na formação de docentes, intercâmbio de alunos e cooperação nos cursos de pós-graduação, disse ontem à Lusa uma responsável daquele instituto.

Um dos projectos destacados é a possibilidade de cooperação na área da investigação científica, sublinhou a directora da Escola Superior de Línguas e Tradução (ESLT) do IPM, Han Lili. Em relação à formação de docentes, Han Lili argumentou que “a troca de professores durante um

período interessa aos docentes das duas instituições de ensino superior, especialmente aos professores dedicados aos estudos africanos ou asiáticos”. Em Moçambique existem actualmente cerca de mil doutorados, “pelo que o esforço de desenvolvimento da qualificação é uma

prioridade nacional”, segundo o IPM. No que diz respeito às áreas nas quais o IPM dará formação aos professores moçambicanos, a directora do ESLT sublinhou a indicação dada pelo reitor da Universidade Zambeze, Nobre Roque, ao apontar como prioridade “a qualificação do docente nas

áreas da língua, cultura, literatura e eventualmente informática”. O intercâmbio de alunos terá ainda de ser estudado para se encaixar “melhor a situação real e a sua viabilidade”, disse Han Lili.


sociedade 7

quarta-feira 7.11.2018

Casinos Dore e Wynn perdem caso de depósito de fichas

O Tribunal de Segunda Instância (TSI) deu razão a um homem da China, que não conseguiu reaver as fichas vivas, no valor de seis milhões, que tinha depositado na Dore, promotora de jogo que operava no Wynn. Segundo a edição de ontem do Ou Mun, o TSI decidiu que a Dore e a Wynn são solidariamente responsáveis pela perda do indivíduo, determinando que têm de o indemnizar com juros. O jornal, que não refere a data do veredicto, indica que o caso remonta a Junho de 2015 quando o homem fez o referido depósito através de um ex-chefe da tesouraria contratado pela Dore e se viu, meses depois, impossibilitado de o levantar. O homem avançou com uma acção para o Tribunal Judicial de Base (TJB) que lhe deu parcialmente razão, tendo depois recorrido para o TSI.

ANTITERRORISMO EXERCÍCIO MARCADO PARA AMANHÃ

A

Surf Hong, empresa que presta serviços de salvamento nas piscinas públicas, foi punida com uma multa de 230 mil patacas por ter falhado em proporcionar tempo de descanso suficiente aos trabalhadores. O anúncio foi feito ontem, em comunicado, pela DSAL que diz ter concluído uma parte da investigação relativa ao conflito laboral que estalou no Verão. Ao abrigo da lei laboral, se o empregador não proporcionar ao trabalhador tempo descanso suficiente é punido com multa de 10 mil a 25 mil patacas por cada trabalhador. Já relativamente ao despedimento dos nadadores-salvadores, na sequência da recente greve, a DSAL insiste que não recebeu qualquer queixa ou pedido de assistência por parte dos trabalhadores, assegurando que tem mantido contacto com as duas partes do conflito laboral. Numa resposta a perguntas adicionais enviadas pelo HM, a DSAL confirmou que a empresa rescindiu o contrato com “alguns” trabalhadores, sem especificar o número, prome-

A SURF HONG MULTA DE 230 MIL PATACAS POR FALTA DE DESCANSO SUFICIENTE DE TRABALHADORES

Águas turvas

A Direcção dos Serviços para os Assuntos Laborais (DSAL) decidiu punir a Surf Hong com uma multa de 230 mil patacas por ter falhado em proporcionar tempo suficiente de descanso aos nadadores-salvadores tendo que irá continuar a dar seguimento ao caso.

VERSÕES CONTRADITÓRIAS

Trabalhadores não residentes que foram despedidos e regressaram entretanto à China têm, contudo, uma versão aparentemente diferente da DSAL. Contactado pelo HM, Tan Qin Di, um dos cerca de 20 trabalhadores visados, garantiu que foi com outro colega ao departamento governamental solicitar informações na sequência do despedimento. Segundo relatou, a DSAL aconselhou-os a consultar a agência de emprego e os Serviços de Migração relativamente ao cancelamento do ‘blue card’ e ao prazo

de saída do território. Já os Serviços de Migração – que indicaram ter contactado de seguida telefonicamente – ter-lhes-á recomendado que ligassem à empresa. Feng ShouAn e Qin Fuzhou, que estavam ao serviço da Surf Hong desde 2010 e 2015, respectivamente, não recorreram à DSAL, mas o segundo afirmou ter tido conhecimento de colegas que lá foram, ainda que em vão. Após receberem a carta de despedimento, vários nadadores-salvadores

receberam posteriormente uma mensagem de texto, advertindo-os que tinham de abandonar o dormitório no próprio dia. “Devido a faltas injustificadas de 30 de Setembro a 10 de Outubro, o empregador, a empresa Surf Hong, termina o contrato por justa causa com efeitos imediatos”, refere a mensagem reencaminhada para o HM, dando conta de que a notificação tinha seguido para a morada de Macau e também da China.

DSAL diz ter concluído parte da investigação relativamente ao conflito laboral envolvendo a Surf Hong

Essa mesma SMS dizia ainda que o trabalhador em causa precisava de se deslocar no mesmo dia – 19 de Outubro – dentro do horário de expediente à agência de emprego (a Jiangmen Wailao) ou à sua filial em Zhuhai, com o ‘blue card’ e o salvo-conduto para tratar dos respectivos procedimentos e também para entregar então a chaves do dormitório. A multa aplicada agora pela DSAL soma-se à penalização de mais de 10 milhões de patacas que o Instituto do Desporto (ID) vai impor à Surf Hong por incumprimento do contrato. Ontem, em declarações aos jornalistas à margem de uma conferência de imprensa sobre o Grande Prémio, o presidente do ID, Pun Weng Kun, recordou que a empresa tem dez dias para contestar, estimando que os resultados finais relativamente ao caso podem surgir dentro de sensivelmente um mês. “Os nossos juristas vão analisar e depois de existir uma decisão vamos elaborar os respectivos documentos e depois de obter autorização da entidade competente é que podemos lançar a multa final”, afirmou o responsável. Vítor Ng (com D.M.) info@hojemacau.com.mo

Nave Desportiva dos Jogos da Ásia Oriental de Macau vai ser palco amanhã à tarde de uma simulação de um ataque terrorista, um exercício pensado para elevar a capacidade de resposta a ocorrências súbitas e reforçar o mecanismo de acção conjunta. Denominado “Cão Espirituoso”, o simulacro vai ser realizado pelos Serviços de Polícia Unitários (SPU) e pela Guarnição em Macau do Exército de Libertação do Povo Chinês, em coordenação com as polícias e os bombeiros, bem como com outros serviços como os da Alfândega e de Saúde. O exercício vai ter como cenário um ataque terrorista com recurso a armas químicas e radioactivas e tomada de reféns durante um concerto. Em comunicado, divulgado ontem, os SPU especificam que serão simuladas situações com feridos, tomada de reféns, contaminação com gás químico, uso de explosivos radioactivos e ainda captura de suspeito no mar. Com o exercício pretende-se “testar a capacidade de reacção da polícia e da sua colaboração com a Guarnição e os restantes serviços públicos no âmbito do comando e coordenação de operações, bem como a comunicação de informações, de forma a poder avaliar e rever o plano operacional antiterrorista, elevando o nível de profissionalismo e a capacidade de coordenação face a ataques terroristas”, refere a mesma nota. Devido à operação, a circulação do trânsito vai estar condicionada, entre as 14h e as 19h, nas vias circundantes da Nave Desportiva dos Jogos da Ásia Oriental de Macau.


8

JOÃO MORAIS

ENTREVISTA

O Gajo da viola MÚSICO

O palco do LMA recebe hoje João Morais, músico com raízes fundas em terras de punk e metal que se transformou em O Gajo depois de descobrir a viola campaniça. Os primeiros acordes começam a soar na Coronel Mesquita a partir das 22h

Desde os anos 80 até 2016 esteve ligado ao rock e ao punk. Como se deu esta passagem para a viola campaniça? Além do rock, sempre ouvi muitos géneros diferentes de música. Sempre fui muito

eclético nas minhas escolhas musicais. Mais recentemente, comecei a explorar a chamada música do mundo e a procurar mais informação. Sempre gostei da identidade geográfica dos projectos, ou seja procurar música pela sua

identidade geográfica, seja música do Mali, seja música da Índia ou do que for. A curiosidade perante cada um destes projectos vinha precisamente do facto de terem uma identidade própria, que muitas vezes estava associaPUB

da aos instrumentos usados. Apesar de tocar rock, sempre pensei que também gostaria que a minha música pudesse ter esta identidade ligada ao local e que a distinguisse do que se faz no resto do mundo. A melhor maneira seria, obviamente, pegar num instrumento tradicional português. Claro que se continuasse a tocar rock nesta linha tinha, se calhar, que transformar um pouco o instrumento que escolhesse. Mas, aí iria fugir à tal identidade e iria trabalhar numa identidade um bocado processada. Por isso, decidi também mudar o estilo de música que fazia. Lá está, como ouvia muita coisa diferente não foi difícil, até porque não gosto mais de rock do que gosto daquilo que estou a fazer agora. O rock sempre me influenciou mais porque desde criança que o ouço, por isso está mais enraizado. Mas já não se identifica tanto com a minha realidade actual. A viola campaniça vai muito mais ao encontro daquilo que pretendia fazer e tinha, claro, a tal identidade geográfica que eu pretendia. Há vários instrumentos tradicionais em Portugal. Porquê este?  Comecei com uma guitarra portuguesa de Lisboa e aprendi a tocar uns fados. A guitarra portuguesa tem uma técnica muito interessante, mas muito peculiar que não quis desconstruir. Então, procurei outra solução. Essa procura demorou cerca de um ano. Nesse período, fui dar um concerto com a banda

de rock que tinha em Beja e cruzei-me com um tocador de viola campaniça, o Paulo Colaço. Fiquei fascinado com aquele instrumento que achei muito bonito, com bom som e que ia ao encontro da tal procura que estava a fazer. Consegui uma viola através de um amigo em Odemira e, a partir daí, fechei-me numa sala de ensaios e fiz a tal adaptação da viola às composições em que já estava  a trabalhar. Como está a correr a carreira de O Gajo?  Não me posso queixar. Tendo em conta todo o meu passado, acho que este ano foi um ano de revolução em termos de aceitação do meu trabalho. A música que fazia estava circunscrita a um nicho e é óbvio que não era uma coisa que tivesse muita possibilidade de se expandir, por exemplo, para fora do país. O rock é uma coisa demasiado abrangente e cantado em português tem ainda menos possibilidade de ter qualquer

‘‘Quando comecei este projecto a solo, como O Gajo, senti que a viola me poderia transportar quase por caminhos por onde eu nunca tinha andado e que podia desconstruir as várias fórmulas. É nesta liberdade que está o punk.’’

tipo de chamada de atenção fora do país. Mesmo em Portugal, e como era uma música relativamente pesada, era um nicho. Portanto, não saía de um círculo muito circunscrito. Ao pegar num instrumento como a viola campaniça, foi radical a mudança de espectro de público que consegui alcançar. Não perdi as pessoas que me seguiam anteriormente, até porque, de alguma forma, uma boa parte delas continua a seguir o meu trabalho e ganhei muito público novo que se interessou pela sonoridade do instrumento. Ainda por cima, é uma sonoridade mais contemporânea, não tão agarrada à linguagem tradicional habitual neste instrumento. O disco acabou por ser uma novidade. O disco “Longe do chão” parece ter também uma sonoridade muito universal, com momentos que lembra a música árabe, outras vezes o fado. Sendo uma viola alentejana essa aproximação a uma sonoridade árabe faz sentido. É um instrumento do sul da Europa e é natural que faça lembrar alguma coisa também mais mediterrânica. Não sei porque toco as coisas como toco. Não uso nenhuma escala específica para ir procurar esta sonoridade, mas acho que o som da viola também puxa a associação à música mais árabe. Se tivesse uma viola tradicional de caixa possivelmente as composições seriam um bocadinho diferentes. Não querendo aqui igualar-me ao Carlos Paredes, há quem diga que tenho apontamentos que fazem lembrar as composições desse músico. Como é uma grande referência minha podem perfeitamente existir ali uns traçadinhos de guitarra portuguesa. O fado também poderá estar ali presente, de facto, embora numa percentagem mais pequena. As influências de rock também. Quais são as suas influências?  O Carlos Paredes já é uma referência que vem de trás. Quando aprendi a tocar guitarra portuguesa foram as músicas dele que me ensinaram. Lembro-me que um dos “cliques” para esta ideia de tentar relacionar a minha música com a geografia de onde sou tem que ver com um concerto que vi da Anoushka Shankar e que saí de lá a pensar que era aquilo que gostava de fazer, sem ser com a cítara, obviamente. Diria que ela tam-


9 quarta-feira 7.11.2018 www.hojemacau.com.mo

SOFIA MARGARIDA MOTA

Quando comecei este projecto a solo, como O Gajo, senti que a viola me poderia transportar quase por caminhos por onde eu nunca tinha andado e que podia desconstruir as várias fórmulas. É nesta liberdade que está o punk. Assim, neste projecto sinto que esta atitude foi encontrada porque estou mais livre. O punk não tem que ver com uma imagem visual, tem que ver com o facto de conseguir ter alguma liberdade criativa. Esteve na abertura de “O salão de Outono” a apresentar o novo trabalho “O Navio dos Loucos”. O que se pode esperar deste projecto? O disco sai em Janeiro, mas ainda não está gravado. É um disco que é feito com a participação de convidados e com o uso da palavra. Eu e o José Anjos cruzámo-nos há pouco tempo e foi ele que me desafiou a ter uma aventura com as palavras. Ele tem a sua poesia que eu, entretanto, fui conhecendo e, não só gosto muito, como acho que o casamento com a viola campaniça é simplesmente genial. Por outro lado, esta junção aconteceu de forma muito espontânea. Temos trabalhado neste projecto, viemos aqui com ele e, possivelmente, pode vir a trazer muitas surpresas visto que a ideia é que não seja um projecto fechado.

bém foi uma grande influência. Depois há projectos como o dos americanos Wovenhand em que o vocalista usa um instrumento característico que acho que dá uma certa magia e uma cama perfeita para as histórias que canta. Disse numa entrevista ao Público que esta nova etapa

será talvez a sua fase da vida mais punk. Pode explicar? Isto do punk é uma coisa muito relativa. Não ando a dizer que sou punk. Sempre tive uma banda que toda a gente identificava como sendo uma banda de punk apesar de muitas vezes nem concordar porque achava que era mais rock, sendo que o rock tem uma série de gavetas.

“Ao pegar num instrumento como a viola campaniça, foi radical a mudança de espectro de público que consegui alcançar.”

Penso que quando se fala aqui de punk fala-se de atitude e no facto de fazer as coisas por mim e da forma mais independente possível. Isto também acontecia por haver falta de interesse das editoras. Aquela banda, os Gazua, de certa forma tinha que caminhar por ela própria. Sempre identifiquei a filosofia do punk com o facto de se tentar

libertar da indústria musical que obviamente é mais repressiva em relação à criatividade individual. Na banda tínhamos a nossa liberdade musical mas, inevitavelmente, o rock faz-se de fórmulas e era difícil fazer coisas completamente novas, até porque temos as nossas referências e eu não sou nenhum inventor da pólvora.

Está pela primeira vez em Macau. Que impressões leva daqui? Está a ser uma experiência espetacular, até porque não conhecia nada de Macau. Ainda não consegui ter muito bem a noção da comunidade que, se calhar, mais facilmente se irá interessar pelo meu projecto. Entretanto, também estou curioso com o que vai acontecer no concerto desta noite em que as pessoa são convidadas a participar e a improvisar. Aliás, a ideia é essa mesmo. Entretanto, dá para perceber que Macau é um sítio pequeno e que o jogo tem um peso enorme o que não é uma coisa que ache que seja muito benéfica para o desenvolvimento da cultura. As pessoas que tenho visto também não me parecem ser muito ligadas à cultura o que me leva a pensar que Macau tem espaço para crescer nesse sentido, mas o jogo parece ser o denominador comum a todo o território.  Sofia Margarida Mota

Sofia.mota@hojemacau.com.mo


10 publicidade

7.11.2018 quarta-feira

Publicações ao abrigo do nº 1 do artigo 86 do Decreto-Lei nº 27/97/M, de 30 de Junho 1997

Relatório do Conselho de Administração Em 2017, o total de prémios brutos foi, aproximadamente, de 28 milhões, tendo o valor de prémios líquidos, em relação ao exercício anterior, registado um decréscimo na ordem de 10%. A actividade da Companhia registou no corrente exercício um prejuízo líquido de MOP 2,107,447, devido ao decréscimo de prémios de seguros e ao aumento em indemnizações brutas. O Presidente do Conselho de Administração, Stanley Au Chong Kit Macau, aos 30 de Março de 2018 Lista dos accionistas qualificados: Banco Delta Ásia, S.A.

99.87%

Nomes dos titulares dos órgãos sociais:

Fiscal Único:

Síntese do Parecer dos Auditores Externos

Mesa da Assembleia Geral Ordinária:

Sr. Gilberto Xavier Hy

Auditámos as demonstrações financeiras da Companhia de Seguros Delta Ásia, S.A., referentes ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2017, de acordo com as Normas de Auditoria vigentes em Macau, RAE, e sobre essas demonstrações financeiras expressámos a nossa opinião, sem reserva, no relatório datado de 30 de Março de 2018.

Banco Delta Ásia, S.A. Sr. Lau Kai Hing

Presidente Secretário

Conselho de Administração: Sr. Stanley Au Chong Kit Sr. Lau Kai Hing Sra. Au Lai Chong Sr. Leung Tat Hin Sr. Leung Hoi Kwok Sr. Ip Kim Kuen, Carol Sr. Chan Ying Wai, David Sr. Lok Chung Kim

Presidente Administrador Administrador Administrador Administrador Administrador Administrador Administrador

Síntese do Parecer do Fiscal Único O Balanço e a Conta de Exploração do Exercício desta Companhia foram elaborados de acordo com as leis vigentes em Macau e auditadas, e apresentam de forma clara a situação financeira da Companhia em 31 de Dezembro de 2017, assim como o resultado apurado nessa data. O Fiscal Único, Gilberto Xavier Hy Macau, aos 30 de Março de 2018

Efectuámos uma comparação entre as demonstrações financeiras resumidas, preparadas pelo Conselho de Administração para efeitos de publicação, e as demonstrações financeiras que auditámos. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas estão consistentes com as demonstrações financeiras auditadas. Basílio e Associados Auditores Registados Manuel Basilio Macau, aos 30 de Março de 2018


china 11

Empresas estrangeiras, sediadas na capital financeira chinesa, saúdam a intenção do Presidente chinês de expandir a outras regiões do país as práticas bem sucedidas em Xangai de liberalização de investimento e comércio

REUTERS

quarta-feira 7.11.2018

A

China irá capitalizar o papel de Xangai e das regiões circundantes para a abertura do país, segundo afirmou o Presidente Xi Jinping durante a cerimónia de abertura da Exposição Internacional de Importação da China (CIIE, na sigla inglesa), na capital económica chinesa, na passada segunda-feira. AZona Piloto de Livre Comércio da China (Xangai) será expandida, disse Xi, acrescentando que o país irá encorajar e apoiar “passos sólidos e criativos” por parte do município para avançar com a liberalização do investimento e comércio, de modo a que mais das suas práticas bem-sucedidas possam ser replicadas noutras partes da China, informa o Diário do Povo. A zona de livre comércio é a primeira do género no país, abrangendo uma área de 120km2. Xangai irá também receber apoio para cimentar sua posição como um centro financeiro internacional e polo de inovação científica. O governo deverá auxiliar as instituições fundamentais e o seu mercado de capital, de acordo com Xi. Uma nova plataforma de comércio para empresas de inovação científica e tecnológica será lan-

INVESTIMENTO XI JINPING ENALTECE PAPEL COMERCIAL DE XANGAI

Exemplo capital çada em Xangai, bem como um sistema experimental de registo para concursos públicos, afirmou. “Iremos apoiar o desenvolvimento integrado da foz do rio Yangtzé”, prosseguiu o Presidente. “Faremos dele uma estratégia nacional e implementaremos a nossa nova filosofia de desenvolvimento na sua plenitude”. O Presidente afirmou que o aprofundamento da integração é parte do plano nacional de melhorar a reforma e abertura do país, juntamente com a iniciativa “Uma Faixa, uma Rota”, o desenvolvimento coordenado da região Beijing-Tianjin-Hebei e o desen-

volvimento da faixa económica do rio Yangtzé e da baía Guangdong-Hong Kong-Macau.

BENEFÍCIOS MÚLTIPLOS

Denis Depoux, CEO da filial chinesa da consultora global Roland Berger, afirma que a integração da foz do rio Yangtzé enquanto estratégia nacional

será determinante para Xangai. “Terá um efeito positivo na economia da cidade”, vincou. “Isto, combinado com o aprofundamento da expansão da zona de livre comércio e com o apoio a um mercado de acções com base na inovação, irá criar novas oportunidades no sector de infraestruturas, bem

“Iremos apoiar o desenvolvimento integrado da foz do rio Yangtzé. Faremos dele uma estratégia nacional e implementaremos a nossa nova filosofia de desenvolvimento na sua plenitude.” XI JINPING PRESIDENTE DA CHINA

como estabelecer Xangai como um centro tecnológico”, disse. Pan Jianjun, porta-voz do grupo Bright Food, disse que a empresa se sente encorajada pela decisão do governo de estabelecer novas áreas na Zona de Livre Comércio de Xangai. “Este passo irá ajudar a Bright Food a chegar ao vasto mercado além-fronteiras e facilitar o financiamento e investimento externos, deste modo respondendo à procura de produtos estrangeiros dos consumidores chineses”, disse Pan. Algumas empresas estrangeiras, incluindo a Volvo, disseram que tomaram a decisão correcta ao estabelecer a sua sede para a Ásia-Pacífico em Xangai.  “Esta iniciativa proposta pelo Presidente Xi irá facilitar o desenvolvimento da Volvo na China e na região da Ásia-Pacifico e o desenvolvimento global da marca”, afirmou Michel Zhao, vice-presidente do departamento de comunicação da Volvo Car Asia Pacific.

DIPLOMACIA ENCONTRO COM PRIMEIRO-MINISTRO DA HUNGRIA

O

Presidente chinês, Xi Jinping, reuniu-se na segunda-feira em Xangai com o primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orban, que veio participar na primeira Exposição Internacional de Importação da China (CIIE, em inglês). A China e a Hungria devem aprofundar mutuamente o apoio político e a confiança, continuar com

o entendimento mútuo e apoiarem-se nos assuntos relacionados com seus respectivos interesses essenciais e principais preocupações, além de aumentar a coordenação e a cooperação nos assuntos internacionais, disse o Presidente chinês, segundo o Diário do Povo. Xi pediu que os dois países promovam o alinhamento político da Iniciativa

“Uma Faixa, Uma Rota” com a política húngara de Abertura ao Oriente, realizem um planeamento saudável de alto nível para a cooperação em diversas áreas e impulsionem a construção de uma nova linha ferroviária entre a Hungria e a Sérvia, um importante projecto de cooperação. Os dois países devem também intensificar

a cooperação em negócios, investimento, finanças, agricultura, turismo e inovação, entre outros, acrescentou Xi. Ao mencionar que o ano 2019 se comemorará o 70º aniversário das relações diplomáticas entre os dois países, o primeiro-ministro húngaro disse que esta será uma oportunidade importante para promover

o desenvolvimento das relações Hungria-China sob as novas circunstâncias. A parte húngara está disposta a trabalhar com a China para aumentar os intercâmbios de alto nível, participar activamente do desenvolvimento da Iniciativa “Uma Faixa, Uma Rota” e expandir a cooperação nas diversas áreas, indicou Orban.


12

h

diário de um editor João Paulo Cotrim

MENINA E MOÇA, LISBOA, 3 OUTUBRO Sem conseguir estancar a sangria, parar o relógio, cegar a agenda, por entre idas e vindas ao Fólio, dou uma saltada à Menina e Moça, a livraria da Cristina [Ovídio], entalada entre alcatrão pink e céu tintado pelo [João] Fazenda. Trouxe comigo o Rui [Garrido], de modo a podermos concluir se quem vê capas também pode ver corações. Indisciplinadamente, ou não estivéssemos sentados em mobília de infantário a beber como gente grande, discutimos muito para pouco concluir. Apesar da venenosa massificação, e da desatenção comercial, encontramos livros desenhados com cuidados de leitor, a procurar oferecer à primeira vista, ao primeiro toque, um sinal do que lhes vai no miolo. O livro a esticar-se objecto, quase um ser, pelo menos para os sentimentais que neles veem amigos, ferramentas que mudam vidas. O Rui contou da sua experiência de muitos anos e formatos e encomendas e cretinos, ajudando a desmontar essa ideia-feita de que a capa pode ser responsável por fazer ou desfazer bestas céleres. Ou até que deva ser pensada dessa maneira tacanha e desviante. Nas grandes fábricas da livralhada asséptica, tudo começa e acaba aí: na suprema ideia de venda. Nem que seja ao engano, prometendo por fora tema ou experiência ou escrita ou qualidade que não se encontra dentro. O Rui já nos ofereceu logótipos, ergueu grandes livros, pintou capas, e posso testemunhar da inteligência atenta a cada detalhe e desejosa de brincadeira. Por aqui sacrificamos, ainda que em cadeiras de adulto, ao deus lúdico. FACEBOOK, 6 OUTUBRO Divertida, a maneira como Bansky voltou a navalhar a arte enquanto jovem assunto. Serão feridas, serão arranhões, que a morte não bate assim? Três ou quatro fitas para reflectir na encenação: a galeria desconhecia por completo a moldura armadilhada? E uma com bomba incluída, passaria nas análises dos peritos? Quem o foi o primeiro dono da peça, ele próprio, orquestrando a cena? Era suposto a menina ser toda rasgada, ou o rosto escondido, o corpo cortado e o balão esvoaçando propõem nova versão? Há meias-destruições? A obra agora consiste apenas na moldura com original estraçalhado ou deve incluir os olhares e as expressões e os murmúrios durante a performance? Outras duas para pensar na atitude: Bansky quer mesmo fugir do mercado, fazer das ruas a sua galeria, das redes o lugar de debate? Que outra expressão artística se alimenta tanto da (auto) crítica como as plásticas? Por junto, eis mais umas quantas golpadas para

7.11.2018 quarta-feira

Pisar, sempre contente, o mesmo trilho

A fragância do riso o dinheiro, motor do velho assunto arte: a menina agora fendida vale mais, muito mais que o milhão que a arrematou. E o valor artístico mede-se em contado? Milagre da multiplicação do vazio. Valha-nos S. Dada. Um balão, neste espelho, nunca será apenas um balão. FUNDAÇÃO EUGÉNIO DE ALMEIDA, ÉVORA, 13 OUTUBRO O Pedro [Proença] desafia tempestades anunciadas com inauguração em Évora, que ficará Março do ano que aí vem correndo contra mim. «O Riso dos Outros», mais do que exposição, instalou-se por uma boa dezena de salas e em nós como máquina produtora de histórias, de personagens, de reflexos e reflexões, de experiências sensoriais. O Pedro não pára um segundo, nem de pensar e menos ainda de fazer, em excesso celebratório de uma invejável alegria de viver. Tenho assistido com prazer à desmultiplicação de heterónimos que fazem vida a experimentar as relações das imagens com a literatura, da palavra tornada imagem, etc.. Se por um lado, a arte se deixa pensar em toda a sua gramática, nos seus processos, por outro, a bichocarpinteirisse criou, além de um sem número de livros, algumas passagens à parede destas ideias. Nesta mais recente, desmultiplicou-se em curador, João Gafeira, para convocar à livre criação sete artistas: John Rindpest, Sandralexandra, Sóniantónia, Pedro

Proença, Rosa Davida, Pierre Delalande e Bernardete Bettencourt. Podemos, portanto, experimentar instalações, gigantescos frescos, colagens, fotografias, jogos com etiquetas-títulos-aforismos, pintura de frases e seus duplos, postais de viagens ao imaginário das viagens, formatos variegados, poesia solta, sarcasmo avulso [ver foto algures na página], telas. O jogo faz-se em idas e voltas ao texto, nas legendas e enquadramentos, nos títulos, nas frases soltas, claro, nas biografias. Há por aqui qualquer coisa de Oulipo, que nos convoca ao jogo de espelhos, a continuar a produção. Sofro de afecções peculiares suscitadas por cada um dos artistas incarnados, mas o Rindpest com a sua pintura de palavras toca-me mais além: «eu sou o texto que trai a sua sombra». Se parece artificial, tal se deve à minha inabilidade, que no Palácio da Inquisição, ampliada pela lente do humor inteligente, acontece muita vida, carne, sangue, suor e lágrimas. E, se a vida fede, como diz o Henrique [M. B. Fialho], em um dos seus contos, há que crer na «revolução interna que ajude o corpo a exalar uma fragância simpática, agradável, aprazível, a fragância do riso». BIBLIOTECA, OEIRAS, 13 OUTUBRO «Geração Espontânea», o ciclo de conversas de «novos autores da língua portuguesa com o seu público» incluiu este mês o Valério [Romão]. A terra não

tremeu com a conversa, orientada pelo José Mário Silva, mas não carecia. Uma primeira surpresa confirma a velha ideia de que as bibliotecas conservam tesouros. A receber-nos, um primeiro «romance», que o autor renega com (imberbe) veemência. Nenhum dos mais recentes estava à vista, embora disponíveis no final. Estavam, contudo, nas mãos dos leitores. E aqui reside a segunda surpresa, um lembrete para quem que ache tempo perdido tais sessões (quem nunca?): no final, as intervenções foram pura curiosidade, dúvidas luminosas e comentário inteligente. As bibliotecas ainda conservam leitores. CASA DA CULTURA, SETÚBAL, 26 OUTUBRO Multiplicaram-se por estes dias cinza as vezes em que me sentei ao lado do Henrique [Manuel Bento Fialho], e delas todas conservo a rara sensação de que a conversa nos saiu, mais a ele, que a mim só me cabe suscitar, prazenteira e fluida que nem flume, rio ardendo na corrida para a foz que não chegará nunca. Desta vez, e para além do costumeiro distribuir de jogo sobre «A Festa dos Caçadores», mostrando aqui e ali um trunfo, o Henrique ergueu-se apreciador e intérprete do Zeca [Afonso]. Acabámos a trautear, mais ele, que só me cabe desafinar, a surrealista ternura: «Era um redondo vocábulo/ Uma soma agreste/ Revelavam-se ondas/ Em maninhos dedos/ Polpas seus cabelos/ Resíduos de lar […]» PRAZERES, LISBOA, 29 OUTUBRO As almas livres também se perdem? Só deambular á toa permite a descoberta. O Zé [Sarmento Matos] (1946-2018) ia sempre um pouco mais longe, mais adiante, e não apenas no calcorrear da cidade. Não se limitava a recolher informação, que o fazia e como poucos, mas arriscava interpretações. Com risco. Dava ideia que os seus passos faziam cidade, desenhavam-na. E os seus olhos tiravam da sombra, iluminando, o esquecido, o ignorado, o oculto. Lisboa não lhe escondia nada. Fez livros, não tantos como devia, mas o que trouxe a lume garante-lhe lugar de destaque na olissipografia. Devemos-lhe, ainda, a toponímia mais aventurosa do mundo e arredores. Por causa do Zé, Lisboa tem tatuada na pele ruas como a da Ilha dos Amores ou travessas Sandokan, Sinbad o Marinheiro ou Corto Maltese. Na despedida, o ataúde não entrou à primeira na cripta dos escritores. O que não te deves ter rido… Não, não foi erro de construção arquitectónica e coiso. A cidade apenas não estava preparada: falta um beco, que seja, com o teu nome. Não esperas pela demora.


ARTES, LETRAS E IDEIAS 13

quarta-feira 7.11.2018

DIVINA COMÉDIA Nuno Miguel Guedes

É

As pessoas são estranhas

possível que o mundo precise de ser salvo. É pouco provável que isso venha a acontecer. Ou mesmo que seja desejável. E enquanto os grandes desígnios da Humanidade não se cumprem, observemos o que para aqui nos interessa: os seus pequenos desígnios, iguais e da mesma forma espantosos. O amador da natureza humana tem uma vantagem sobre os restantes indivíduos: há sempre qualquer coisa passível de deter o seu olhar, por mais irrelevante ou marginal que possa parecer. Normalmente são factos disfarçados de trivialidade, reservados para rodapés ou comentários ociosos que facilmente se esquecem. Mas, caro leitor, estes pequenos afluentes humanos que correm ao lado do grande rio da História não deixam de ser reais. Como esta notícia recente, por exemplo: um cientista russo, Serguei Savitsky, esfaqueou o colega com quem se encontrava em serviço numa remota estação científica na Antárctida. Até aqui nada de novo - altercações violentas acontecem um pouco por todo o lado. Mas o motivo não: a ví-

tima não parava de contar ao agressor os finais dos livros que o outro estava a ler. Pausa para o leitor sorrir, como eu fiz. Só que este pequeníssimo alfinete no Grande Esquema Das Coisas pode ter mais do que se lhe diga (para além de Savitsky ter ficado com a honra duvidosa de ser o primeiro homem condenado por esfaqueamento na Antárctida). É que a coisa já tem antecedentes. E com elementos comuns. Explico: em Setembro de 2013 dois homens discutiam acaloradamente as obras de Immanuel Kant. Subitamente um deles, provavelmente por um qual-

quer imperativo categórico, disparou várias balas de borracha sobre o interlocutor, acabando assim o debate. Eram ambos russos. Mas continuem comigo: quatro meses depois do incidente que relatei, outro esfaqueamento. Desta vez a discussão era outra mas o tema também era relevante: o que é superior, a prosa ou a poesia? Um ex-professor resolveu colocar o argumento definitivo sobre esta matéria em forma de arma branca; a vítima, um homem de 67 anos, não resistiu aos ferimentos. Aconteceu no sul de Sverdlovsk que fica – adivinhastes – na Rússia.

“Sou homem; nada de humano me é estranho”. Uma atitude distanciada e quase blasé sobre aquilo que somos e fazemos. Mas felizmente, e por mais banal que isso possa parecer ainda é possível maravilhar e estranhar. E quem sabe, isso sim poderá salvar qualquer coisa, por mais pequena que seja. O mundo, nunca se sabe

Que conclusões poderemos tirar daqui, leitor ? Pessoalmente acho qualquer tipo de violência inaceitável; mas poderei dizer que não compreendo estes homens ? Ou estes acontecimentos confirmam as teorias de que existe uma identidade colectiva (e nestes casos em particular a famosa Alma Russa)? Ou mais prosaicamente que o vodka pode prejudicar qualquer discussão literária ? Não sei responder. Como de costume vou buscar santuário ao que já foi escrito (e tudo já foi escrito) para tentar compreender as coisas, E encontro-me com esta famosa locução de Publius Terentius Afer (194 a.C ? – 159 a.C), um autor romano de várias sátiras e comédias: “Homo sum, humani nihil a me alienum puto”, ou seja “Sou homem; nada de humano me é estranho”. Uma atitude distanciada e quase blasé sobre aquilo que somos e fazemos. Mas felizmente, e por mais banal que isso possa parecer ainda é possível maravilhar e estranhar. E quem sabe, isso sim poderá salvar qualquer coisa, por mais pequena que seja. O mundo, nunca se sabe.


25

14 (f)utilidades

26

2

7.11.2018 quarta-feira

9

2

8

POUCO

?

NUBLADO

O QUE FAZER ESTA SEMANA Hoje “O25 GAJO – CAMPANIÇA GUITAR CONCERT” Live Music Association | 22h00

6 2 3 5 9 1 7 4 8 8 4 1 2 7 6 9 3 5 5 9 7 4 3 8 2 1 6 Amanhã CINEMA | DOC LISBOA - “O CANTO DO OSSOBÓ” DE SILAS TINY 2 | Auditório 5 4Dr. Stanley 6 8Ho 9 3 7 1 18h30 7 8 6 1 2 3 5 9 4 Diariamente EXPOSIÇÃO 1 3KEITH9HARING 7 MAZE 4 MACAO 5 8 6 2 Venetian Expo Hall F | Até 31/12 4 7 5 3 6 2 1 8 9 EXPOSIÇÃO SALÃO DE OUTONO 9Garden 6 | Até 230/11 8 1 7 4 5 3 Casa 3 1“PARA 8ALÉM9DA5 4 6 EXPOSIÇÃO PAISEGEM” DE WU2 LI 7 CINEMA | DOC LISBOA -“SPELL REEL”, DE FILIPA CÉSAR 18h30 | Auditório Dr. Stanley Ho

Museu de Arte de Macau | Até 11/11

MIN

22

MAX

29

HUM

26

2 5 4 6 3 8 7 9 1

4 8 7 6 4 BAHT 0.24 YUAN 9 5 VIDA DE CÃO 8 9 6 2

27

6 9 8 4 1 7 3 5 2

3 1 7 9 2 5 4 6 8

1 8 5 3 7 6 9 2 4

4 7 6 2 9 1 8 3 5

9 2 3 5 8 4 1 7 6

7 4 9 8 6 2 5 1 3

5 6 1 7 4 3 2 8 9

8 3 2 1 5 9 6 4 7

O CARTOON STEPH 28

2 8 7 5 7 2 6 1

9 8

3 6 7 4

27

1 3 5 6 9 8 2 7 4 EXPOSIÇÃO 2 6| PAISAGEM 8 7MUTANTE 4 1 5 3 9 Museu de Arte de Macau | Até 10/02/2019 9 4 7 2 5 3 6 1 8 EXPOSIÇÃO “THE CITY IN MY HEART” 4 5do Boi9| Até318/118 2 7 6 1 Armazém 7 2 1IN THE 5 FALL6OF 9 8 ERVANÁRIOS” 4 3 “FINDING DREAMS RUA DOS Até6 Dezembro 8 3 1 7 4 9 5 2 3 7 4 9 2 5 1 8 6 5 1 2 8 3 6 4 9 7 Cineteatro 8 9 6 C 4 1I 7N 3E 2M5 A

2 1 6 3 5 9 7 8 4

7 3 5 6 4 8 9 1 2

9 4 8 7 2 1 3 6 5

5 6 7 8 1 2 4 9 3

8 9 4 5 3 7 1 2 6

1 2 3 9 6 4 5 7 8

3 5 2 1 9 6 8 4 7

4 7 1 2 8 3 6 5 9

7 8 1

2

29

6 8 9 4 7 5 2 3 1

9 7 3 3 2 4 7

4 2 9

8 2 6 9 7 3 1 2 4 7 5 1

2 8 5

PROBLEMA 29

SOLUÇÃO DO PROBLEMA 28

29

1

1

2

8 6 7

4

Macau tem um aeroporto que de internacional tem apenas o nome, desde logo pelas rotas que oferece, circunscritas praticamente ao mapa regional. Não obstante, a infra-estrutura, inaugurada em 1995, tem mantido um crescimento em diversas frentes. Tal fica visível desde logo nos resultados da Sociedade do Aeroporto Internacional de Macau (CAM) que, em 2017, obteve lucros pelo sexto ano consecutivo (354 milhões de patacas). Os planos anunciados são muitos, vão desde a expansão da infra-estrutura, até a novas facilidades de ‘check-in’ na Ponte Hong Kong-Zhuhai-Macau, passando mais 30 recentemente pela intenção de lançar voos ‘charter’ para Lisboa. Lamentavelmente, faltam projectos para o aeroporto em si. A oferta em termos de restauração é extremamente limitada e a existência de uma farmácia ou de um local para comprar jornais e revistas, por exemplo, é uma miragem. Se calhar os 7,16 milhões de passageiros que passaram pelo aeroporto em 2017 (um valor recorde em 22 anos de operação) ficaram satisfeitos com os serviços disponibilizados e eu seja a única com mau feitio. Numa terra onde a propalada diversificação parece ser encaixada em todo o lado, talvez esteja na hora de fazer com que chegue ao aeroporto. Diana do Mar

4

6

2

7

1 3

9 4

8 7 8 6 4 4 2 1 1.16

5

1

5 3 8 2 5

3

O DITO 3 AEROPORTO 28 INTERNACIONAL

DE

EXPOSIÇÃO “CHAPAS SÍNICAS” Museu das Ofertas sobre a Transferência de Soberania de Macau | Até 7/11

5 1 9 3 4 6 8 7 2

3

S U D O K U

TEMPO

3 5 9 7 6 6 8 3 1 55-90% • EURO 9.22 7 9 7 4 8 3 1 8 6 2 8 5 1

1 4 9

6

5 7 8

8

3 9 1 7

6

5 3 1 9 6

9 8

1 4 2 9 5 1 6 8 3 2 6 9 3

5 8

30

2 7 6 1 8 9 3 5 4

8 4 3 7 2 5 6 1 9

6 8 2 4 9 7 5 3 1

1 5 4 8 6 3 2 9 7

9 3 7 2 5 1 4 8 6

7 9 5 6 3 4 1 2 8

3 6 8 9 1 2 7 4 5

4 2 1 5 7 8 9 6 3

8 1LIVRO 3 5 6HOJE 4 9 7 UM 9 6 4 7 8 2 5 2 5 7Hill”3é um1 livro 9 de6 “Diamond memórias que retrata um dos 1 2mais5pobres 8 de3Kowloon 6 7 bairros durante os anos 50 e 60 do século 3 9 8 4 7 1 2 passado. Com uma população largamente 4 7 6constituída 2 9 por 5 re-8 fugiados do Interior da China, Diamond 7 4 Hill 1 pertencia 6 2 à8parte3 rural de uma Kowloon marcada 5 marginalidade, 3 2 9 o4jogo7mas,1 pela sobretudo, a força de superar 6 8 9 A1 5de3Feng4 adversidades. escrita

3 4 9 6 1 5 8 2

2 1 8 4 5 3 9 6 7

DIAMOND HILL | FENG CHI-SHUN

Chi-shun não é brilhante, mas vale pela inocência e pela forma desencantada como descreve situações de pobreza. Longe de ser miserabilista, este livro está repleto de episódios felizes, mesmo quando descreve cenários sinistros e o lado negro de uma cidade em crescimento. João Luz GOOSEBUMPS 2: HAUNTED HALLOWEEN SALA 1

GOOSEBUMPS 2: HAUNTED HALLOWEEN [B] Um filme de: Ari Sandel Com: Madison Iseman, Wendi McLendon-Covey, Jeremy Ray Taylor 14.30, 16.30, 19.30, 21.30 SALA 2

HALLOWEEN [C] Um filme de: David Gordon Green Com: Lee Curtis, Judy Greer, Will Patton, Nick Castle 14.30, 16.30, 19.30, 21.30

SALA 3

HUNTER KILLER [C] Um filme de: Donovan Marsh Com: Gerard Butler, Gary Oldman 14.30, 19.15

PERFECT WORLD [A] FALADO EM JAPONÊS LEGENDADO EM CHINÊS E INGLÊS Um filme de: Kemji Shibayama Com: Takanori Iwata, Hana Sugisaki, Kenta Suga, Sei Ashina, Magy 16.45, 21.30

www. hojemacau. com.mo

8 9 4 7

Propriedade Fábrica de Notícias, Lda Director Carlos Morais José Editor João Luz; José C. Mendes Redacção Andreia Sofia Silva; Diana do Mar, João Santos Filipe; Sofia Margarida Mota; Vitor Ng Colaboradores Amélia Vieira; António Cabrita; António Castro Caeiro; António Falcão; Gonçalo Lobo Pinheiro; João Paulo Cotrim; José Drummond; José Navarro de Andrade; José Simões Morais; Luis Carmelo; Michel Reis; Nuno Miguel Guedes; Paulo José Miranda; Paulo Maia e Carmo; Rui Cascais; Rui Filipe Torres; Sérgio Fonseca; Valério Romão Colunistas António Conceição Júnior; David Chan; João Romão; Jorge Morbey; Jorge Rodrigues Simão; Leocardo; Paul Chan Wai Chi; Paula Bicho; Tânia dos Santos Cartoonista Steph Grafismo Paulo Borges, Rómulo Santos Ilustração Rui Rasquinho Agências Lusa; Xinhua Fotografia Hoje Macau; Lusa; GCS; Xinhua Secretária de redacção e Publicidade Madalena da Silva (publicidade@hojemacau.com.mo) Assistente de marketing Vincent Vong Impressão Tipografia Welfare Morada Calçada de Santo Agostinho, n.º 19, Centro Comercial Nam Yue, 6.º andar A, Macau Telefone 28752401 Fax 28752405 e-mail info@hojemacau.com.mo Sítio www.hojemacau.com.mo

1 4


opinião 15

quarta-feira 7.11.2018

sexanálise

TÂNIA DOS SANTOS

GOYA, EL AQUELARRE

J

Á que foi Halloween - isto é, em belo português, o dia das bruxas – não há nada como falar destas criaturas (míticas?) do imaginário ocidental. Quem são elas, onde estão e o que fazem? Teorias não faltam. A teoria feminista tem sido particularmente prolífica na compreensão do desenvolvimento desta imagem da bruxa, que é feia, tem uma verruga no nariz, e usa um chapéu pontiagudo. Como é que se diz? ‘A chover e a fazer sol, estão as bruxas no farol a comer pão mole’? Dei de caras com esta imagem da bruxa, primeiro, porque o dia das bruxas foi na semana passada e, segundo, porque há quem defenda que a bruxa tem muito que se lhe diga ao feminismo e ao sexo. É possível que caça às bruxas tenha acontecido pela não aceitação da emancipação feminina naqueles tempos sombrios. Parece confuso, até porque ninguém falava de emancipação das mulheres nessa altura, mas há quem ache, as ditas feministas ‘radicais’ de hoje em dia, que a bruxa representava a curandeira, a esposa desobediente, a mulher que se atrevia a viver sozinha, a mulher que envenenava o patrão e incitava a revolta, que era parteira, que percebia dos meandros do sexo. Nada disto era desejável à figura feminina da época (também não acho que seja agora). Na altura muitas mulheres (e homens também) foram queimados na fogueira acusados de bruxaria. Não se sabe ao certo quantas pessoas poderão ter morrido durante três séculos, mas há várias estimativas: há quem diga 40.000, há quem diga 200.000. Vem-me automaticamente à cabeça a imagem de pessoas enfurecidas com tochas em fogo na calada da noite à procura de quem culpabilizar os males do mundo. A ‘caça às bruxas’ é sempre utilizada como o exemplo perfeito de histeria em massa. O movimento #metoo já foi acusado de ser uma caça às bruxas, neste caso, aos bruxos da misoginia - mas isso não interessa nada para aqui. Naqueles tempos sombrios as mulheres era consideradas mais fracas e susceptíveis à persuasão diabólica. Muitas das mulheres acusadas de bruxaria eram pobres, velhas e viúvas, na menopausa ou no pós-menopausa. Contudo, as bruxas surgem e surgiram de muitas formas e feitios, e por mais que se considere ‘radical’ o feminismo que tenta perceber que contornos esta caça as bruxas teve, as bruxas não deixam de ser uma questão bas-

Bruxas

tante feminina. E parece que todos nós, uns mais do que outros, temos que lidar com a bruxa que existe. A psicologia do Jung analisa extensivamente o arquétipo da bruxa como a necessidade intrínseca de transgressão - que é socialmente vista

Quem é que tem coragem de dançar com a bruxa, e com o seu lado destrutivo e negro? Só aquelas e aqueles que têm a coragem de aceitar o maior desafio humano. Aprender a tocar, e a ritmicamente mexer com aquilo que mais nos aflige e nos assusta porque sabemos (ou pelo menos devíamos saber) que a bruxa não é nada mais do que um bocadinho de nós próprios

como perigosa, malévola e indesejável. A bruxa, que é equiparada com a puta interior, vive à margem da sociedade, e - em vez de ser fruto do que quer seja que vivemos ou possuímos na nossa genética - é um produto civilizacional. Conseguiremos ir além da dicotomia da princesa e da bruxa das histórias de encantar e das mitologias? Como é que nos faz bem, a homens e mulheres de igual forma, incorporar os valores e fantasias das bruxinhas que outrora, e hoje, tememos tanto? A nossa bruxa, embora difícil de entender, é bastante normal. O problema é que a sexualidade, a perversão, e a diabolização do sexo que compete à bruxa incorporar, precisa de um espaço de compreensão. Mas quem é que tem coragem de dançar com a bruxa, e com o seu lado destrutivo e negro? Só aquelas e aqueles que têm a coragem de aceitar o maior desafio humano. Aprender a tocar, e a ritmicamente mexer com aquilo que mais nos aflige e nos assusta porque sabemos (ou pelo menos devíamos saber) que a bruxa não é nada mais do que um bocadinho de nós próprios.


Nunca estou mais acompanhado do que quando estou sozinho. Marcus Tullius Cícero

CGPM

PUB

Amor à primeira vista Lamy diz que circuito da Guia é superior ao do Mónaco

O

piloto Pedro Lamy considera que o circuito da Guia está no topo, quando se fala de pistas citadinas. Apesar de apenas ter competido em Macau uma única vez, em 1992, o português não teve qualquer hesitação em colocar a pista do território acima do circuito do Mónaco e do traçado francês de Pau. “Talvez seja um circuito mais especial para mim porque apenas competi lá [em Macau] uma vez. Mas andar naquele circuito no limite, com o carro a passar nos limites das curvas rápidas e a saltar entre as barreiras é mesmo fantástico. É o circuito que nos causa uma maior descarga de adrenalina”, disse Pedro Lamy, piloto de 46 anos, em entrevista à revista britânica Motor Sports. “É um circuito muito melhor do que Pau devido às curvas cegas e às rectas longas. Até fazendo uma comparação com a pista do Mónaco, o circuito de Macau é superior”, acrescentou. Depois de ter deixado a Fórmula em 1996, onde representou as formações Lótus e Minardi, Pedro Lamy tem competido principalmente em categorias de carros de GT e resistência. Por esse motivo foi questionado sobre a possibilidade de regressar

a Macau para competir na Taça GT. Uma hipótese que afastou. “Seria muito interessante participar na prova de GT, agora com um Aston Martin. Mas não seria o mesmo que competir na Fórmula 3. E para dizer a verdade, guardo memórias tão boas de Macau que não gostaria de estragá-las [com uma nova participação], justificou.

À FRENTE DE VILLENEUVE

Em 1992, quando correu em Macau, Pedro Lamy ficou no segundo lugar tanto na corrida de qualificação, como na corrida principal. Na altura, o vencedor foi o sueco Rickard Rydell. Mesmo assim, Lamy ficou à frente do canadiano Jacques Villeneuve, terceiro em ambas as provas, e que depois, em 1997, se sagrou campeão mundial de Fórmula 1, pela equipa Williams. “Devia ter ganho em Macau. Estava na liderança da primeira corrida [de qualificação] com cerca de cinco segundos, e o Rickard Rydell era segundo. Só que havia um carro mais lento e foram mostradas bandeiras amarelas. Por isso tive de levantar o pé e o Rickard ultrapassou-nos aos dois. Ainda apresentámos um protesto, mas não aconteceu nada”, recordou. João Santos Filipe

joaof@hojemacau.com.mo

Orquestra de Macau Um concerto especial no sábado A Orquestra de Macau (OM) apresenta, no próximo sábado pelas 19h30, no Teatro D. Pedro V, o concerto “Confraternizando com a alegria musical – gala

e encontro anual” que assinala o seu 35.º aniversário. Segundo o Instituto Cultural (IC), foi seleccionado um programa especial pelos músicos da Orquestra de Macau,

incluindo o Quarteto em Sol Menor de François Devienne, Andante e Rondo de Franz Doppler e Serenata em Dó Maior de Ernst von Dohnányi, entre outros.

PALAVRA DO DIA

quarta-feira 7.11.2018

Hoje Macau 7 NOV 2018 #4167  

N.º 4167 de 7 de NOV de 2018

Hoje Macau 7 NOV 2018 #4167  

N.º 4167 de 7 de NOV de 2018

Advertisement