Issuu on Google+

MOP$10

DIRECTOR CARLOS MORAIS JOSÉ

AGÊNCIA COMERCIAL PICO • 28721006

PUB

Q U I N TA - F E I R A 6 D E F E V E R E I R O D E 2 0 1 4 • A N O X I I I • N º 3 0 2 4

hojemacau

LIBERDADE DE IMPRENSA ANM pede ajuda a Portugal no caso da detenção de Jason Chao

Acudam!

Surpreendentemente, a associação pede atenção para o caso ocorrido em Fevereiro do ano passado durante a visita de Wu Bangguo ao território. A ANM diz mesmo que “o Governo português tem motivos legítimos para agir”.

PÁGINA 3

Indústrias Criativas na infância

h

CARTOONISTA GOÊS MORREU HÁ DOIS ANOS

UMA REALIDADE ANTES E DEPOIS DE MÁRIO DE MIRANDA PÁGINAS 12 E 13

Quem o afirma é Pang Xinxin num estudo académico recentemente publicado. O doutorando da Universidade de Macau analisa o estado actual das indústrias criativas e culturais do território e deixa sugestões para a sua melhoria. Aproveitar o sector para trazer novas oportunidades de emprego aos jovens é uma das saídas. “Podem trazer moral positiva à sociedade”, defende. PÁGINA 2

PUB


2

POLÍTICA

As indústrias culturais e criativas podem ajudar os jovens a fugir do jogo e aumentar o emprego, assegura um doutorando da UMAC. Na mais recente revista da Administração Pública, Pang Xinxin faz uma análise a estas indústrias que, diz, poderão trazer uma moral mais positiva à sociedade. Macau não pode, contudo, copiar os vizinhos, porque não conseguirá fazer o que em muitos lugares já é possível: aqui faltam talentos e quem vem de fora tem muito que ensinar aos locais, até porque as indústrias culturais só deverão ver resultados em dez ou vinte anos

hoje macau quinta-feira 6.2.2014

DOUTORANDO DA UMAC ACONSELHA MACAU A NÃO COPIAR VIZINHOS E A RECEBER QUEM VEM DE FORA

“Indústrias culturais de Macau ainda estão na fase de infância” JOANA FREITAS

joana.freitas@hojemacau.com.mo

M

ACAU não deve copiar outros países e regiões no que a indústrias culturais e criativas diz respeito e deve aproveitar estas indústrias para fornecer mais emprego aos jovens. Quem o diz é Pang Xinxin, doutorando da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade de Macau (UMAC). Num estudo publicado na mais recente Revista da Administração Pública, Pang Xinxin analisa o estado actual das indústrias criativas e culturais de Macau, deixando no ar sugestões para que estas sejam melhor aproveitadas. Uma das ideias, por exemplo, é aproveitar as indústrias culturais e criativas para trazer novas oportunidades de emprego aos jovens. De acordo com a análise do doutorando, a estrutura de consumo da sociedade de Macau passou a desenvolver-se no sentido do lazer, o que, diz Pang Xinxin, fornece uma enorme procura de mercado em termos da indústria cultural. Mas há mais onde as indústrias culturais podem ajudar. “Ao mesmo tempo, devido à expansão da indústria de jogo, todos os anos, milhares de estudantes do ensino médio abandonam a escola para trabalhar na indústria [do jogo], o que resulta numa crise de escassez de talentos em Macau. O desenvolvimento das indústrias culturais e criativas pode trazer oportunidades de emprego e não deve ser subestimado. O desenvolvimento das indústrias culturais e criativas em Macau pode ser capaz de fornecer

“O desenvolvimento das indústrias culturais e criativas em Macau pode ser capaz de fornecer mais opções de emprego aos jovens e, ao mesmo tempo, trazer moral positiva – social e culturalmente” mais opções de emprego aos jovens e, ao mesmo tempo, trazer moral positiva – social e culturalmente.” Pang Xinxin assegura que “por considerações de ordem política, económica ou social, o desenvolvimento das indústrias culturais e criativas de Macau é imperativo”.

SEM IMITAR

Ainda que as várias iniciativas do Governo – como a criação do Fundo das Indústrias Criativas e Culturais e a Comissão com o mesmo nome - tenham demonstrado o compromisso

“A variedade de novas indústrias depende principalmente de forças externas. Os resultados podem tornar-se aparentes em dez ou vinte anos”

de Chui Sai On em apostar nestas indústrias, como nota o académico, há que ter em conta as vantagens específicas do território. As já conhecidas mistura de culturas, património e entretenimento são as vantagens apontadas por Pang Xinxin, que diz mesmo que a RAEM tem de usar estes pontos para se tornar positiva. É que copiar não vale. “Devido a restrições de [recursos humanos], capital e mercado, Macau pode não ser capaz de realizar as indústrias culturais e criativas que muitas cidades do continente podem. Em suma, nem tudo funciona em Macau. Devem ser identificadas as várias indústrias em que Macau tem vantagens históricas e culturais e, com o apoio do Governo, facilitar o crescimento destes sectores em Macau.” Exposições de cultura e, claro, o património estão na lista das sugestões por onde se deve começar a desenvolver a indústria cultural

de Macau, avança Pang Xinxin, que dá ainda a ideia de aproveitar mais a indústria editorial de Macau, já que, devido ao multilinguismo, permite uma maior abertura ao mercado internacional. O académico admite que ainda é preciso debater estas questões, tanto ao nível da população, como dentro do Governo, até porque os recursos humanos são outro problema. “Em comparação com as regiões vizinhas, as indústrias culturais e criativas de Macau ainda estão em fase de infância. (...)”

DEIXEM-NOS VIR

O que está realmente a faltar nas indústrias culturais de Macau? A questão é colocada pelo académico que admite que a resposta podem ser os talentos. Para resolver? Deixem vir quem está lá fora. “O ex-Chefe do Executivo, Edmund Ho, ressalvou que, no processo, de desenvolvimento das indústrias culturais e criativas de Macau, haverá uma série de talentos no exterior para virem para Macau, o que será benéfico para os talentos locais poderem aprender. No final, ainda vai ser liderado pelos talentos locais, para que possa ter pés para andar em Macau.” Pang Xinxin assegura que, se tivermos em conta o desenvolvimento de Macau, o emergir de uma variedade de novas indústrias depende principalmente de forças externas. O desenvolvimento das indústrias culturais e criativas tornam-se uma “tentativa útil” para alcançar a tão almejada diversidade económica, diz o académico, que aponta, até, que os resultados podem tornar-se aparentes em dez ou vinte anos. E, para que haja desenvolvimento destas indústrias, a implementação de políticas pelo Governo é necessária.


política 3

hoje macau quinta-feira 6.2.2014

O Ministério Público considerou não existir acto ilegal na detenção de Jason Chao aquando da visita de Wu Bangguo, situação citada no último relatório da Federação Internacional de Jornalistas. O presidente da ANM pede a atenção de Lisboa

LIBERDADE DE IMPRENSA DETENÇÃO DE JASON CHAO AINDA GERA DISCUSSÃO

ANM exige intervenção do Governo português

JASON CHAO

ANDREIA SOFIA SILVA

andreia.silva@hojemacau.com.mo

O

Ministério Público (MP) considera não existirem actos criminosos ou ilegais na detenção de Jason Chao aquando da visita de Wu Bangguo a Macau, a 21 de Fevereiro do ano passado. O presidente da Associação Novo Macau (ANM) não concorda e pede que o Governo português olhe com atenção para o caso. De frisar que a ocorrência foi citada no último relatório da Federação Internacional de Jornalistas (FIJ) como um exemplo de censura e ataque a direitos humanos. “A situação não está apenas ligada aos jornalistas locais, mas é agora uma questão internacional. Penso que o Governo português deveria olhar para este caso. Em relação a Hong Kong alguns membros do parlamento britânico abordaram a questão, uma vez que o sistema político de Hong Kong está ligado com os sistemas chinês e inglês. O sistema político de Macau tem como base a Declaração Conjunta e o Governo português tem motivos legítimos para agir neste caso”, disse Jason Chao aos jornalistas. O caso da Torre de Macau aconteceu por ocasião da visita do ex-presidente do comité permanente da

O sistema político de Macau tem como base a Declaração Conjunta e o Governo português tem motivos legítimos para agir neste caso

Assembleia Popular Nacional. Jason Chao e outros activistas queriam entregar uma petição, mas Chao acabou por ser detido durante cinco horas sem explicações.

CHAO E CHOU QUEREM IR A TRIBUNAL

A resposta do MP chegou às mãos de Jason Chao recen-

ENCONTRO COM GABINETE DE LIGAÇÃO CRITICADO Semanas antes das celebrações do Ano Novo Chinês vários órgãos de comunicação locais de língua chinesa terão tido um encontro com o gabinete de ligação do Governo Central na RAEM. Jason Chao acusa o Governo chinês de ter difundido ideias padrão que foram reproduzidas pela imprensa, rádio e televisão. “Sabemos que o Governo Central controla os meios de comunicação no continente mas parece que está a estender a sua influência juntos dos media em Macau. Os cidadãos e jornalistas locais estão sujeitos a um ambiente controlado e com limites à sua liberdade de expressão. Aquilo que os media locais estão a fazer é profundamente grave para mim.”

MEDIAÇÃO IMOBILIÁRIA PEREIRA COUTINHO PEDE REVISÃO DA LEI

Em nome das agências J

OSÉ Pereira Coutinho quer que o Governo altere a Lei da Actividade de Mediação Imobiliária. Em interpelação escrita, o deputado diz ser “urgente” uma auscultação da sociedade sobre o diploma, que entrou em vigor em Julho do ano passado, para que se proceda a uma “melhoria” da lei. A alteração pretendida pelo deputado – que já se juntou aos agentes imobiliários mais do que uma vez nesta luta – é que as agências possam continuar a operar em edifícios industriais. Esta foi uma impossibilidade trazida pela lei: as empresas

de agenciamento imobiliário não podem exercer as suas actividades comerciais dentro de edifícios industriais. O deputado diz que isso tornou a vida dos comerciantes difícil. “A Lei da Actividade de Mediação Imobiliária colocou de imediato dezenas de famílias em situações de desespero devido ao facto de as empresas estarem legalmente proibidas de exercer a sua actividade comercial em fracções de blocos industriais, não obstante muitas delas terem vindo a exercer as suas actividades há dezenas de anos”, pode ler-se na inter-

pelação enviada ao Governo. “Estes factos são discriminatórios e foram criados pela nova lei que permite, contudo, que as pessoas possam habitar e residir em muitas fracções industriais (...).” Pereira Coutinho considera que estas agências não estão em igualdade de circunstâncias com outras actividades económicas que também têm os seus escritórios em edifícios industriais e questiona o Governo sobre se há intenção de que a Lei da Actividade de Mediação Imobiliária seja revista. - J.F.

temente, e este ainda está a analisar a acção a tomar a seguir. Ir a tribunal é uma hipótese, algo que está a ser estudado em conjunto com o mais recente membro da ANM, Bill Chou, também docente da Universidade de Macau (UMAC). “Não temos mais nada a fazer do que ir para os tribunais, porque consideraram não haver nenhum acto criminoso na minha detenção na Torre de Macau. Para mim estas instâncias do MP justificam as decisões do Governo e violam os direitos dos cidadãos. Vemos repetidos abusos dos direitos e percebemos que o Governo não tem vindo a cumprir estas recomendações da ONU sobre os direitos humanos para Macau.” “Para mim é muito injusto e o procurador (do MP) defendeu o que o Governo fez e não deu prioridade à defesa dos direitos humanos. O que temos de fazer é levar esse caso para tribunal, Bill Chou e eu estamos a consultar os nossos advogados para sabermos o próximo passo a tomar. Espero que o sistema judicial garanta os nossos direitos.”


4 política

hoje macau quinta-feira 6.2.2014

TELECOMUNICAÇÕES CHUI SAI ON PUBLICA NOTA PARA LEMBRAR QUE MACAU SEGUE NORMAS

Olhos dos quatro cantos postos nos serviços

N

ÃO é propriamente uma novidade que Macau segue os parâmetros traçados no Regulamento das Telecomunicações Internacionais, assinado em Melbourne, a 9 de Dezembro de 1988. Aliás, por ordem do Governo Central, este diploma é aplicado às políticas seguidas pela RAEM desde 19 de Dezembro de 2006. A comunicação foi feita pela Administração da República Popular da China (RPC) numa nota, com a data já indicada, ao Secretário-Geral da União Internacional das Telecomunicações, que confirmou o novo membro signatário em Janeiro do ano seguinte. No entanto, apenas agora o Chefe do Executivo, Chui Sai On, manda publicar em Boletim Oficial esta nota “nos seus textos autênticos em línguas chinesa e inglesa”. Na nota da RPC pode ler-se, em inglês, que “de acordo com a Lei Básica da RAEM, o Governo da RPC decidiu que o Regulamento das Telecomunicações Internacionais deve ser aplicado à RAEM.

Seria de todo o interesse que o conteúdo desta nota fosse publicada formalmente nos registos e chamada a atenção de outras Membros das Convenções”. O comunicado foi ontem publicado em Boletim Oficial (BO), com a assinatura de Alexis Tam, porta-voz do Gabinete do Chefe do Executivo. Porém, já em 13 de Dezembro de 1999, o Decreto-Lei 19/93 aprovava para ratificação o Regulamento das Telecomunicações Internacionais. Isto depois do então Presidente da República português, Jorge Sampaio, ter feito estender ao “território de Macau” o mesmo diploma em Novembro do mesmo ano. Em Portugal, o decreto-lei que aprovava o regulamento já tinha entrado em vigor em 1993. O objectivo do documento, escrito originalmente em francês, é o de “facilitar a interconexão e as possibilidades de inter-funcionamento à escala mundial dos meios de telecomunicações e de favorecer o desenvolvimento harmonioso dos meios técnicos e a sua exploração eficaz, bem como a eficácia, a utilidade e a disponibilidade para o público de serviços internacionais de teleco-

HABITAÇÃO SOCIAL IH EXPLICA A CHAN MENG KAM EXCLUSÃO DE REFORMADOS NAS CANDIDATURAS

Nada contra a lei CECÍLIA LIN

cecilia.lin@hojemacau.com.mo

O

TIAGO ALCÂNTARA

Instituto da Habitação (IH) respondeu a uma interpelação escrita do deputado Chan Meng Kam sobre a possibilidade de inclusão das reformas nos rendimentos dos candidatos à habitação social . Essa era, aliás, a dúvida do deputado, que referiu casos de reforma-

dos com menos de 65 anos que ficaram de fora dos concursos. Kuok Wai Han, directora interina do IH, explicou que, segundo a lei, as pensões dos idosos com menos de 65 anos não são consideradas como rendimento mensal, ao contrário dos que já ultrapassaram essa faixa etária. Chan Meng Kam havia questionado as regras do IH, que não estariam, na sua óptica,

de acordo com o espírito da lei, uma vez que os idosos com menos de 65 anos levantariam as pensões mais cedo por necessidades económicas. Contudo, seriam também candidatos à habitação social e expulsos do processo de candidatura, pois o seu rendimento estaria acima dos valores limites estipulados por lei. Kuok Wai Han explicou que os recursos para a habitação pública eram limitados, e que por isso era necessário considerar as necessidades gerais dos residentes. Daí que as regras sejam mais flexíveis para os idosos com mais de 65 anos, ao nível da habitação económica, e também nos factores qualificativos para se ter uma casa social. Os que querem candidatar-se a uma casa económica devem ver as suas pensões ligadas a todo o orçamento familiar, independentemente de terem mais ou menos de 65 anos.

municações”, diz no primeiro artigo do Regulamento, que foi feito para complementar os objectivos traçados na Convenção Internacional das Telecomunicações. “Reconhece a qualquer membro, sob reserva da sua legislação nacional e se assim o decidir, o direito de exigir que as administrações e explorações privadas que operam no seu território e oferecem um serviço internacional de telecomunicações ao público sejam para isso autorizadas por esse membro”, lê-se também. A publicação da referida nota chega numa altura em que apenas se sabem os resultados intercalares de um estudo da Universidade de Macau, encomendado pela Direcção dos Serviços de Regulação de Telecomunicações (DSRT), sobre o futuro dos serviços de televisão. A instituição académica defendeu, em Janeiro, que fosse definida uma lista de canais televisivos para serem transmitidos em sinal aberto por uma instituição sem fins lucrativos. A nível de serviços por subscrição, o estudo da UMAC indicou ainda que o contrato com a TV Cabo – que expirará no prazo de dois meses – deve ser renovado.

DINHEIRO PÚBLICO KWAN TSUI HANG QUER PADRÕES UNIFICADOS PARA FUNDOS

De olho nas patacas K

WAN Tsui Hang fez ontem uma interpelação escrita onde insta o Governo a criar padrões unificados para os fundos particulares que sobrevivam com dinheiros públicos. A deputada apontou que, devido ao desenvolvimento económico, a receita do Governo aumentou muito nos últimos anos. Por isso mesmo, além da Fundação Macau, foram criados vários fundos ou programas de apoio que envolvem dinheiro: financiamentos, empréstimos sem juros, bonificações e garantias de crédito, o que preocupa Kwan Tsui Hang. “Sem padrões ou requisitos unificados de aplicação ou aprovação, as operações podem não ser transparentes. O público duvida se o dinheiro público é bem usado.”

TIAGO ALCÂNTARA

rita.ramos@hojemacau.com.mo

GONÇALO LOBO PINHEIRO

RITA MARQUES RAMOS

A deputada questiona o Governo sobre se considera necessário criar esses padrões pede que seja fortalecida a transparência de operação e financiamento dos fundos. “Além de publicar a entidade que quer aplicar o fundo e informações sobre o projecto, o Governo deverá especificar que os programas de ajuda sejam mais transparentes, lançando mais informa-

ções sobre os projectos financiados e fazer com que estes sejam disponibilizados para consulta pública, a fim de facilitar a supervisão conjunta do público.” A deputada também dá atenção aos casos de empréstimo e de garantias de crédito, perguntando quais as consequências no caso de não se conseguirem pagar os empréstimos. - C.L.


política 5

hoje macau quinta-feira 6.2.2014

IMOBILIÁRIO GOVERNO GASTOU MAIS DE 230 MILHÕES DE PATACAS EM REPARAÇÕES

RITA MARQUES RAMOS* rita.ramos@hojemacau.com.mo

Querido, mudei o prédio

O

Plano Provisório de Apoio Financeiro para Reparação das Instalações Comuns de Edifícios Baixos foi ontem prorrogado por mais seis anos, por meio de despacho do Chefe do Executivo publicado ontem em Boletim Oficial (BO). O programa, que surgiu em 2009, no seio do Fundo de Reparação Predial, vê tornada pública a sua quinta renovação. Os candidatos à concessão de apoio financeiro devem, por isso, requisitar a ajuda monetária antes do início da obra e, agora, até 2020. O Instituto de Habitação (IH), organismo que tutela este apoio financeiro, emitiu ontem um comunicado em chinês, depois do HM ter enviado questões sobre os números actualizados deste programa monetário. Segundo o Governo, dos 2158 pedidos canalizados pelos condomínios de edifícios, 1986 casos foram aprovados. Ou seja, foi distribuído um total de mais de 230 milhões de patacas desde 2009 até 31 de Dezembro de 2013. “Este programa tem vindo a ser muito popular e teve o efeito esperado”, salienta o comunicado do IH. O Plano Provisório de Apoio Financeiro para Reparação das

Instalações Comuns de Edifícios Baixos é destinado a condóminos de prédios com sete ou menos pisos, trinta ou mais anos de idade (contados a partir da data

de emissão da licença de utilização), que estejam registados na Conservatória do Registo Predial com finalidade habitacional ou habitacional e comercial.

PUB

Fornecimento de serviços de coordenação, produção e de execução da actividade “Celebração da chegada do Verão”, na Praia de Hác-Sá, a 1 de Maio Concurso Público no001/SCR/2014 Faz-se público que, nos termos da alínea 46 da deliberação n.º2/2014 do Conselho de Administração, de 10 de Janeiro de 2014, se encontra aberto concurso público para o Fornecimento de serviços de coordenação, produção e de execução da actividade “Celebração da chegada do Verão”, na Praia de Hác-Sá, a 1 de Maio. O limite máximo do valor global da prestação de serviços é de três milhões e quinhentas mil patacas (MOP3,500,000.00). O Programa do Concurso, o Caderno de Encargos e a Tabela das Exigências Específicas encontram-se à disposição dos interessados no Núcleo de Expediente e Arquivo do IACM, sito na Avenida de Almeida Ribeiro, no 163, r/c, Macau, todos os dias úteis, durante as horas normais de expediente. As propostas deverão ser entregues até às 17:00 horas do dia 24 de Fevereiro de 2014 ( 2ª feira). O proponente ou o seu representante, deve entregar a proposta e os seus documentos no Núcleo de Expediente e Arquivo do IACM. Com a proposta, deve o proponente apresentar uma caução provisória, no valor de sessenta mil patacas (MOP60,000.00), mediante depósito em dinheiro, garantia bancária ou seguro-caução a favor do IACM ou cheque bancário, entregue directamente na Divisão de Contabilidade e Assuntos Financeiros/Tesouraria do IACM, sita na Avenida de Almeida Ribeiro, n.° 163, r/c. O IACM realizará a este respeito uma sessão de esclarecimento pelas 15:00 horas do dia 12 de Fevereiro de 2014 ( 4ª feira), no Centro de Formação deste Instituto, sito no 6.º andar do Edifício China Plaza. O acto público de abertura das propostas realizar-se-á pelas 15:00 horas do dia 25 de Fevereiro de 2014 ( 3ª feira), no Centro de Formação deste Instituto, sito no 6.º andar do Edifício China Plaza. Macau, aos 23 de Janeiro de 2014. O Presidente, Substituto, do Conselho de Administração Vong Iao Lek WWW. IACM.GOV.MO

Porém, há limites ao apoio financeiro concedido por cada pedido. Se a intenção é reparar portões de entrada e saída de cada edifício ou um conjunto de instala-

ções gerais de esgoto o prédio pode receber até 15 mil patacas. Se os condóminos do prédio pretendem restaurar instalações gerais de electricidade ou de água podem receber um total máximo de 40 mil patacas. O edifício Peng On, na Rua da Sé, em Macau, foi um dos primeiros a pedir este apoio financeiro ao Governo. Para efectuar diversas reparações, em dois blocos, a Administração concedeu 450 mil patacas no total. No entanto, quando as obras acima referidos tenham beneficiado de apoio financeiro do Governo não são considerados elegíveis de novo, nos termos da legislação. O Conselho Administrativo do Fundo de Reparação Predial pode ainda cancelar a concessão de apoio financeiro, quando sejam prestadas falsas declarações e informações ou uso de outros meios ilícitos por parte do requerente para obtenção do apoio financeiro, ou por parte do empreiteiro para a respectiva concessão. - *com Cecília Lin


SOCIEDADE

Trabalhadores da construção ganham mais No ano de 2013, o índice geral médio do salário real dos trabalhadores não-residentes na área da construção aumentou 0,9% em relação a 2012, já o dos residentes aumento 5,6%, em termos anuais. Nos últimos três meses do ano passado, o salário diário médio dos trabalhadores da construção foi de 636 patacas, uma subida de 1,3 por cento em termos trimestrais. Já o dos trabalhadores da construção com título de residente foi de 804 patacas, um aumento de 3,6 por cento, segundo dados publicados ontem pelos Serviços de Estatísticas e Censos. Eliminando o efeito da inflação, o índice de salários reais dos trabalhadores da construção não-residentes subiu apenas ligeiramente, em 0,4% em termos trimestrais. Porém, o índice de salários reais dos residentes cresceu 2,9%. No entanto, enquanto o salário médio dos trabalhadores especializados e semi-especializados se situou nas 642 patacas, tendo-se elevado 1,1% a nível trimestral, o dos não especializados fixou-se nas 358 patacas, decrescendo 4,5%.

hoje macau quinta-feira 6.2.2014

GONÇALO LOBO PINHEIRO

6

Novo comandante da PSP é Ma Io Kun

Ma Io Kun substitui no cargo de Comandante do Corpo de Polícia de Segurança Pública (PSP), Lei Siu Peng, que se aposentou. Ma tomou ontem posse numa cerimónia em que estiveram presentes o secretário para a Segurança, Cheong Kuok Va, e o comandante-geral dos Serviços de Polícia Unitários, José Proença Branco, entre outros dirigentes da tutela. Ma Io Kun é licenciado em Ciências Policiais e o primeiro Curso de Comando e Direcção na Escola Superior das Forças de Segurança de Macau, tendo ingressado na PSP em 1983. Pelo caminho, foi chefe do Comissariado de Instrução da Escola de Polícia e Director da Escola de Polícia. Desde 2001, desempenhava o cargo de Segundo-Comandante da PSP, tendo sido nomeado em 2010 Adjunto do Comandante-Geral dos Serviços de Polícia Unitários. Segundo um comunicado oficial do Gabinete do Secretário para a Segurança, Ma foi condecorado com a Medalha de Mérito Profissional.

UMAC MESTRADO EM CIÊNCIAS SOCIAIS SOBRE ESTUDOS DE MACAU AVANÇA

Território alvo de estudos RITA MARQUES RAMOS rita.ramos@hojemacau.com.mo

A

TÉ ao momento, não se conhecia na Universidade de Macau (UMAC) um nível de estudos superiores que explorasse multidisciplinarmente o território. A instituição académica pretende dar a volta a isso. É já no próximo ano lectivo que arrancam as aulas do mestrado em Ciências Sociais sobre Estudos de Macau. “Vai começar no ano lectivo 2014/2015”, explicou ao HM Albee Lei, porta-voz da UMAC, não sem antes remeter mais respostas para outra ocasião. Segundo explicou a relações públicas, o estabelecimento de ensino vai fazer uma conferência de imprensa em que abordará novos detalhes deste mestrado.

O anúncio sobre o novo programa curricular foi ontem publicado em Boletim Oficial, num aviso feito pelo Presidente do Conselho da Universidade, Tse Chi Wai, que dá conta da organização científico-pedagógica deste

curso de mestrado, leccionado em chinês e em inglês, como línguas veiculares. Do plano de estudos, constam disciplinas como “Introdução aos Estudos de Macau”, “História de Macau”, “Política e Economia

LICENCIATURA BILINGUE EM DIREITO LEVA ALUNOS A PORTUGAL

A UMAC enviou ontem um comunicado em chinês às redacções em que explica que a nova licenciatura de direito bilingue, com início marcado no próximo ano lectivo, terá uma duração de cinco anos. Isto porque os alunos com língua materna não-portuguesa têm que passar a Diploma Universitário de Português Língua Estrangeira (DUPLE). Os cerca de 40 alunos deste curso bilingue vão ser financiados para fazer um curso de português em Portugal, no primeiro ano da licenciatura. No mesmo comunicado, a UMAC disse que estão já abertas as candidaturas a todos os cursos do próximo lectivo, até dia 24 de Fevereiro. Além do exame de entrada, a universidade também tem um programa especial para os alunos de mérito. Estes alunos são alvo de uma avaliação, que lhes concede uma nota adicional no exame de entrada. O prazo final para candidatos a esta nota extra estende-se até 7 de Março.

em Macau”, “Métodos de Investigação”, “Cultura, Sociedade e Educação em Macau”, “Literatura e Artes em Macau”, “Geografia Urbana de Macau” e “Património Histórico de Macau”. Além das quatro primeiras disciplinas obrigatórias, os alunos que escolham a dissertação aplicada deverão eleger cinco disciplinas opcionais. Os alunos que escolham a Dissertação Académica deverão eleger quatro disciplinas opcionais, entre dez disciplinas opcionais disponíveis, perfazendo um total de oito disciplinas. O mestrado sobre Estudos de Macau tem a duração de dois anos lectivos. Fica-se, no entanto, sem perceber qual a razão que levou à criação deste mestrado, se a UMAC vai cooperar com outra universidade e ainda se pensar criar também um primeiro grau de estudos, ao nível da licenciatura.


sociedade 7

hoje macau quinta-feira 6.2.2014

JOANA FREITAS

joana.freitas@hojemacau.com.mo

U

M funcionário da Sociedade de Jogos de Macau (SJM) foi condenado por ter furtado dois milhões de dólares de um casino da operadora. O caso remonta a 2005, quando o trabalhador, que, na altura, estava a trabalhar no casino Kam Pek, aproveitou o instante em que o caixa e o funcionário de tesouraria do casino se encontravam ausentes da tesouraria, para lá entrar. O homem tirou um tabuleiro de quatro milhões de dólares de Hong Kong em dinheiro, tendo ficado com metade desse montante. Em 2010, o trabalhador foi condenado pelo Tribunal Judicial de Base a quatro anos e três meses de cadeia por crime de furto qualificado, mas decidiu recorrer da decisão para a Segunda Instância. O homem interpôs recurso considerando que existe “solicitação exterior que diminui a culpa”, ou seja, que pelo facto de não estar ninguém a vigiar a tesouraria, deveria ter sido diminuída a sua culpa. O recurso pedia uma diminuição da pena de prisão, não superior a três anos e três meses. O tribunal não concordou com as razões apresentadas pelo homem. “O Tribunal de Segunda

Em 2010, o trabalhador foi condenado pelo Tribunal Judicial de Base a quatro anos e três meses de cadeia por crime de furto qualificado, mas decidiu recorrer da decisão para a Segunda Instância SJM FUNCIONÁRIO CONDENADO A MAIS DE QUATRO ANOS DE CADEIA POR FURTO

Tesouraria de porta aberta Instância entendeu que o recorrente, tendo aproveitado que ninguém estava na tesouraria, entrou na mesma e furtou uma elevada quantia em numerário, tais factos revelam que o grau de dolo do recorrente é bastante elevado. Apesar de existir efectivamente

grande quantidade de dinheiro na tesouraria, isto não constitui a solicitação exterior que diminui a culpa, não permitindo concluir uma diminuição acentuada da ilicitude dos factos, da culpa do recorrente ou da necessidade da pena, pelo que, o recorrente não reúne

todos os requisitos legais da atenuação especial da pena.” O tribunal ainda concordou que o homem tinha circunstâncias favoráveis a seu respeito, como o facto de ser “primário”, mas não quis tomar medidas menos severas por considerar que o crime de furto “é um tipo de

crime muito comum hoje em dia na comunidade”, “muito frequente em Macau” e que este crime “não só viola directamente o direito de propriedade dos bens móveis, como também afecta o funcionamento quotidiano”. O tribunal diz que isto destaca ainda mais a necessidade

MORGAN STANLEY POLÍTICA LABORAL ATRAPALHA FUTUROS PROJECTOS NO COTAI

Poucos recursos cá dentro do burgo O S novos casinos que abrem portas entre o próximo ano e 2017 podem vir a ter problemas com os recursos humanos, se o Governo decidir manter a actual política laboral. De acordo com o jornal Macau Business Daily, citado pela Rádio Macau, os novos empreendimentos vão precisar de mais de 18500 trabalhadores residentes, mas o mercado local só vai ser capaz de fornecer um quarto desses empregados. A notícia avançada pelo jornal em inglês cita um estudo do Morgan Stanley Research Asia Pacific, que diz que a procura total por trabalhadores para os hotéis-casino vai passar das actuais 85 mil pessoas para cerca de 117 mil, a partir do período que vai de 2015 a 2017. Um aumento na ordem dos 38%, sublinha a instituição bancária.

Diz a rádio que o Morgan Stanley Research Asia Pacific fez contas à proporção de trabalhadores que devem ser residentes, tendo em conta as actuais políticas para o sector laboral. O diário

explica que o banco adoptou um modelo conservador para fazer os cálculos, tendo por base as novas mesas de jogo, onde, à luz das actuais regras, só podem trabalhar croupiers com BIR de Macau.

A previsão do Morgan Stanley aponta, assim, para que cada um dos seis grandes projectos de casinos, que vão nascer no Cotai, deva receber apenas 300 mesas do Governo. Um número que,

da prevenção deste tipo de crime. “O tribunal condenou o recorrente na pena de quatro anos e três meses de prisão pela prática do crime de furto qualificado, medida da pena essa corresponde às exigências de prevenção geral e especial, não sendo excessiva.”

segundo escreve o jornal, fica abaixo das 500 por casino que as concessionárias já tinham dito esperar obter. O modelo do banco pressupõe que haja sete croupiers por mesa para cobrir todos os turnos e férias, o que significa que, no total, vão ser necessários mais 12.600 croupiers – e, devido às regras em vigor, todos eles terão de ser residentes. A este número soma-se o dos funcionários necessários para desempenharem outras funções não ligadas ao jogo, nos novos empreendimentos. A Morgan Stanley estima que cerca de 30% desses trabalhadores deverão ser locais, o que representa mais de 5900 pessoas. O Morgan Stanley prevê, assim, que o sector vá precisar de 18.516 trabalhadores residentes, mas acredita que o mercado laboral de Macau só vai conseguir dar resposta a uma quarto desta procura. O banco acrescenta mesmo que alguns dos novos casinos que vão abrir portas no Cotai poderão ter de funcionar com apenas uma centena de mesas de jogo nos primeiros dois anos de operações.


8

CHINA

hoje macau quinta-feira 6.2.2014

A

S folhas secas de tabaco empilhadas num armazém de leilões no Zimbabué são um exemplo de como a resistente procura global da China tem poupado muitos fornecedores — mesmo num momento em que os investidores fogem dos mercados emergentes temendo que o gigante asiático esteja a perder o apetite. Em 2013, o Zimbabué leiloou um terço da sua colheita de tabaco para o seu maior cliente, a China, arrecadando um total de cerca de seis mil milhões de patacas para a sua empobrecida economia. Este mês, o governo vai dar início aos seus leilões anuais de tabaco mais cedo do que o habitual, prevendo-se que uma safra ainda maior e a estável procura chinesa irão gerar até cerca de oito mil milhões de patacas, informou o Conselho da Indústria do Tabaco e Marketing do Zimbabué. “Quando os tempos são bons, as pessoas fumam mais. Quando os tempos são difíceis, as pessoas fumam mais”, diz Adam Molai, presidente executivo da Savanna Tobacco, fabricante de cigarros do Zimbabué. “Há um imenso número de pessoas na China a fumar mais.” Da África à Ásia, os investidores derrubaram muitos mercados emergentes ricos em commodities que foram impulsionados no passado pelo apetite voraz da China para tudo o que é cultivado no solo ou extraído de minas. Mas, pelo menos por enquanto, a desaceleração na China não tem afectado muito os seus fornecedores. Isto porque a enorme procura chinesa não enfraqueceu de maneira significativa e muitas economias emergentes têm agora os seus próprios consumidores para ajudar a compensar a diferença. O nervosismo do mercado global, dizem economistas e executivos, reflecte mais uma aposta de que o crescimento da China vai continuar a diminuir que uma queda real no apetite do país. “As pessoas estão a confundir a desaceleração do crescimento com um impacto real no PIB. O jogo não acabou”, diz Charles Robertson, economista-sénior do banco de investimento Renaissance Capital. “O crescimento chinês ainda é decente, mesmo que o percentual seja mais baixo.”

ECONOMIA MESMO MAIS LENTA, SUSTENTA COMÉRCIO DE COMMODITIES

Desaceleração não afecta

A recente fuga de investidores dos mercados emergentes em todo o mundo — uma reacção também à redução do programa de compras de activos pelo banco central americano —, castigou alguns fornecedores vitais para a China, como a Indonésia e a África do Sul. As suas moedas, a rupia e o rand, perderam 25% do valor em relação ao dólar no último ano. Os investidores estão preocupados com o risco de que o crescimento mais lento da China enfraqueça a procura por matérias-primas como o carvão, níquel, borracha da Indonésia e cromo, manganês e platina da África do Sul.

A economia da China está a arrefecer. Expandiu-se 7,7% no ano passado, segundo o governo, a mesma taxa de 2012 e abaixo do crescimento de 9,3% registado em 2011. Alguns analistas estão a rever as estimativas de crescimento para este ano para pouco mais de 7%. A corrida para atender à procura chinesa criou mais fornecedores, como novas minas de minério de ferro na Austrália e grandes expansões na extracção de níquel na Indonésia. Esta nova oferta também pesou na queda de preços destes recursos. A perspectiva de vendas fracas de veículos na China, um número menor de prédios

novos e uma queda na procura por produtos electrónicos podem reduzir ainda mais a procura por metais. Até agora, porém, a procura por metais e minerais em geral tem-se mantido estável — apesar das taxas de crescimento ligeiramente menores na China. As importações chinesas de minério de ferro somaram 73,4 milhões de toneladas em Dezembro, perto do volume recorde do mês anterior e quase 20% do volume registado no início de 2013. Graças em parte à procura de minerais e metais básicos, a África do Sul teve superávit comercial em Novembro. O comércio da

A economia da China — agora a segunda maior do mundo, depois dos EUA — não vai esgotar as suas necessidades de recursos num futuro próximo, diz Nev Power, administrador da Fortescue Metals Group Ltd., empresa de extracção de minérios australiana. Power vê uma continuidade da migração da população chinesa rural para as cidades, o que cria novas infra-estruturas, como fábricas e imóveis para acomodar as pessoas

África com a China subiu para cerca de 1,6 bilião no ano passado, mais 6% que em 2012, segundo o Standard, um banco sul-africano.

TUDO SOBRE CARRIS

A economia da China — agora a segunda maior do mundo, depois dos EUA — não vai esgotar as suas necessidades de recursos num futuro próximo, diz Nev Power, administrador da Fortescue Metals Group Ltd., empresa de extracção de minérios australiana. Power vê uma continuidade da migração da população chinesa rural para as cidades, o que cria novas infra-estruturas, como fábricas e imóveis para acomodar as pessoas. Esta visão tem levado algumas empresas a desafiar os sinais do mercado. É o caso, por exemplo, da empresa brasileira Vale e da anglo-australiana Rio Tinto, as duas maiores produtoras de minério de ferro do mundo, respectivamente. Em Dezembro, num evento em Nova Iorque com a presença de investidores, o administrador da Vale, Muri-

lo Ferreira, disse que a firma continua optimista quanto à China. “A China tem vindo a desmentir as sucessivas análises em relação à sua desaceleração económica”, disse na ocasião, citando também a urbanização e o alto volume de divisas do país. A procura por automóveis na China tem alimentado a compra de petróleo da África, à medida que dezenas de milhões de chineses entram para a classe média. A mesma dinâmica, o crescimento do consumo na África, está a ajudar parte do continente a preparar-se para o menor crescimento da China. Angola, o segundo maior produtor africano de petróleo, vende 40% da sua produção diária, de 1,8 milhão de barris, para a China. As autoridades dizem que a procura estável vai estimular um crescimento de 10% na produção em 2015. Mas a nascente classe consumidora angolana está a ajudar a direccionar o crescimento económico do país. “As pessoas têm aspirações e algumas estão a gastar”, diz Gustavo Fontes, director do grupo Odebrecht SA em Angola, que recentemente abriu uma rede de 31 supermercados para atender estes novos consumidores.


china 9

hoje macau quinta-feira 6.2.2014

H10N8 ESTUDO REVELA NOVO VÍRUS DA GRIPE AVIÁRIA COMO CAUSA DE MORTE

O mais infeccioso da família U M estudo científico revela o primeiro caso de infecção em humanos de um novo vírus da gripe aviária, o H10N8, noticiou ontem a revista Lancert. Segundo a publicação, cientistas chineses concluíram que o caso de contaminação de uma mulher de 73 anos, que morreu por insuficiência respiratória e choque, resulta do novo reagrupamento genético do vírus da gripe aviaria H10N8. A sequenciação do genoma inteiro indicou que todos os genes do vírus eram de origem aviaria, com seis genes internos derivados do vírus aviário H9N2, que circula em aves na China, relatam os investigadores chineses. “Uma análise genética do vírus H10N8 demonstra um vírus distinto do H10N8 previamente reportado, tendo evoluído algumas características genéticas que podem permitir que se replique eficientemente em humanos. Notavelmente, o vírus H9N2 forneceu genes internos não só para o vírus H10N8 mas também para H7N9 e os vírus H5N1”, explicou o autor da pesquisa, Shu Yuelong, do Centro para o Controle e Prevenção de Doenças de Pequim. A mulher, da região de Nanchang, na China, deu entrada no hospital com febre e pneumonia a 30 de Novembro do ano passado mas, apesar do tratamento com antibióticos e anti-virais, o seu quadro clínico deteriorou-se rapidamente e morreu nove dias depois. Os resultados sugerem que a variante que a infectou “pode originar vários reagrupamentos entre diferentes vírus da gripe aviaria”. Por seu turno, o investigador da Academia Chinesa de Ciências Médicas e Peking Union Medical Col-

lege, de Beijing, na China, Qi Jin, considerou como “mais importante” na pesquisa o facto de se ter verificado que o vírus tinha uma mutação no gene PB2 “que se acredita estar associada com o aumento da virulência e adaptação em mamíferos, o que pode permitir que o vírus se torne mais infeccioso para pessoas”. Investigações posteriores revelaram que a mulher visitou um mercado de aves dias antes de ter sido infectada e sugerem que o tempo de incubação foi de cerca de quatro dias, período semelhante ao necessário para alguém ser contaminado por outras variantes do vírus da gripe aviaria.

SEM AMOSTRAS

Contudo, não foi encontrado o vírus em amostras recolhidas no local em que se vendem as aves e que a paciente visitou, pelo que a fonte da infecção permanece desconhecida, refere a publicação científica. A origem do H10N8 foi previamente isolada de uma amostra de água do Lago Dongting na província chinesa de Hunan, em 2007, e detectado num mercado de aves na província de Guangdong em 2012, no entanto, nunca tinha sido relatada uma infecção num ser humano por um subtipo N8. O co-autor dos exames, Liu Mingbin, do Centro de Controle e Prevenção de Doenças da Cidade Nanchang, afirmou que “o potencial de pandemia deste novo vírus não deve ser subestimado”. Um segundo caso de infecção do H10N8 foi identificado na província de Jiangxi, na China, no dia 26 de Janeiro de 2014, “motivo de grande preocupação, porque revela que o vírus H10N8 continua a circular e pode causar mais infecções em humanos no futuro”, alertou.

REGIÃO Tailândia Governo instou Comissão Eleitoral a concluir processo

O Governo tailandês instou a Comissão Eleitoral a concluir as eleições boicotadas domingo pelos manifestantes antigovernamentais até 04 de Março, depois da oposição ter iniciado um processo judicial que visa anular o acto eleitoral. O vice-primeiro-ministro, Pongthep Thepkanchana, apelou ao organismo que possa garantir que dentro de um mês o parlamento possua o mínimo de 475 deputados - 95% do total - necessários para o funcionamento da câmara, e que os restantes 5% sejam eleitos num máximo de 180 dias. Pongthep Thepkanchana disse que deverão ser organizadas novas eleições nos círculos onde não foi possível a votação e naqueles em que não foi conseguida a votação mínima de 20% dos eleitores. As declarações do viceprimeiro-ministro foram divulgadas pelo grupo estatal de comunicação MCOT. Já sobre o recurso no Tribunal Constitucional para que as eleições sejam anuladas e o Puea Thai, partido liderado pela chefe do Governo, Yingluck Shinawatra, o vice-primeiro-ministro não se mostrou preocupado.

Coreias Acordada reunião entre famílias separadas pela guerra

Representantes da Coreia do Sul e da Coreia do Norte acordaram ontem realizar entre 20 e 25 de Fevereiro uma reunião entre famílias separadas pela guerra na península, que terminou em 1953. Delegados da Cruz Vermelha de ambos os países estiveram reunidos na aldeia de Panmunjom, do lado norte-coreano da fronteira, e chegaram a um acordo para realizar reuniões familiares ao longo de seis dias, disse à agência Efe uma portavoz do Ministério da Unificação de Seul. A mesma fonte explicou que o Governo da Coreia do Sul divulgará logo que possível os detalhes do acordo para retomar os encontros cuja última edição aconteceu no final de 2010. Milhares de famílias coreanas ficaram separadas após o fim da guerra na península e os reencontros familiares começaram a realizar-se em 1985 tendo já participado cerca de 22.000 pessoas.


10

EVENTOS

O

cancelamento da leiloeira Christie’s da venda de 85 quadros de Juan Miró detidos pelo Estado português foi noticiado em muitos dos principais jornais do mundo, nesta quarta-feira, que destacam a alegada ilegalidade da venda. Em Espanha, país de origem do pintor Juan Miró, todos os jornais publicam a história, com o El Mundo a destacar a suspensão da venda dos quadros e o catalão El Periódico a referir as “incertezas legais” sobre a propriedade do lote de quadros. No Reino Unido, onde era suposto decorrer o leilão na terça-feira, o The Guardian avança o título “Christie’s cancela venda de 85 pinturas de Joan Miró após tumulto”,

VENDA DOS QUADROS DE MIRÓ: DO NEW YORK TIMES AO CHINA POST

Borrar a pintura referindo-se à petição, que junta mais de nove mil assinaturas, contra a venda dos quadros e as providências cautelares interpostas por deputados socialistas e pelo Ministério Público português para impedir o negócio. A disputa legal sobre a propriedade dos quadros de Miró foi o que mais chamou a atenção da principal televisão britânica, a BBC, enquanto

À VENDA NA LIVRARIA PORTUGUESA A PORTA DO SOL • Elias Khory

hoje macau quint

Há histórias que salvam vidas. Usando o método de Xerazade, o narrador de A Porta do Sol tece um longo e contínuo fio de histórias com que pretende resgatar a vida de um homem. Esse homem, em coma profundo na cama do hospital, é o seu pai espiritual e um herói da resistência palestiniana. No furor de o reanimar através da memória, é todo um povo e a sua epopeia que o narrador faz reviver diante dos olhos do leitor: os acontecimentos da guerra civil no Líbano, os episódios mais marcantes da sua vida e os dolorosos itinerários de um punhado de homens e mulheres apanhados pela história, após a sua expulsão da Galileia em 1948. Inspirado na estrutura narrativa de As Mil e Uma Noites, A Porta do Sol é um romance amplo, pungente, e considerado de forma unânime o grande relato do êxodo palestiniano.

o The Telegraph diz que um “leilão de arte de Portugal foi travado por ordem judicial”. Também na Irlanda, o The Journal faz título com o caso, mas, neste caso, a palavra-chave é a “austeridade” em Portugal e o ângulo da notícia lembra que “Portugal queria recuperar ‘buraco’ de banco vendendo arte”.

Os alemães também deram atenção à história, com o Sutsche Welle a titular “Leiloeira de Londres cancela venda de quadros de Miró”, afirmando que a decisão foi tomada “de forma abrupta” depois de um “tribunal português ter ordenado a suspensão” na sequência “de um pedido apresentado pela oposição”. Por seu lado, o Der Spiegel no-

ticia o cancelamento do leilão pela Christie’s, referindo a necessidade de Portugal de “receber os 36 milhões de euros” que constituíam a base de licitação dos 85 quadros. O episódio dos quadros de Miró em leilão e da suspensão da venda atravessou o oceano e foi “puxado” pelos norte-americanos The New York Times e The Wall Street Journal, os diários destacam a “revolta” mostrada pela população, enquanto, no Canadá, a CBC refere o cancelamento do leilão que “pretendia cobrir o ‘buraco’ de um banco”. Um pouco mais a sul, na Colômbia, o El Nuevo Siglo dá conta de “um litígio em Portugal” por causa da “incerteza sobre a propriedade de 85 obras do pintor Juan Miró”, que estão em poder de Portugal. Do outro lado do mundo, a edição espanhola do China Post titula “Justiça portuguesa tenta impedir venda de 85 quadros de Miró”, enquanto na Tailândia, o Bangkok Post explica que as obras do pintor catalão passaram a ser propriedade do Estado português quando o BPN foi nacionalizado, em 2008, e que a sua venda foi “ferozmente impedida” por amantes de arte e pela oposição portuguesa. A leiloeira Christie’s cancelou na terça-feira a venda de 85 quadros de Joan Miró provenientes da colecção do ex-BPN, afirmando, em comunicado, que a decisão resultou “da disputa nos tribunais portugueses”, na qual “não é parte interessada”. Em causa está um conjunto de obras do pintor catalão que ficou nas mãos do Estado após a nacionalização do Banco Português de Negócios (BPN), e que o Governo pretendia vender num leilão organizado pela Christie´s, em Londres, na terça e quarta-feira. A sentença da juíza Guida Jorge diz que ainda é possível que a colecção Joan Miró do Banco Português de Negócios (BPN) seja inventariada e classificada. Esta é uma das seis conclusões do acórdão do Tribunal Administrativo do Círculo de Lisboa, no qual a juíza escreve que “não se verifica a impossibilidade de o Estado classificar as obras em questão”.

RUA DE S. DOMINGOS 16-18 • TEL: +853 28566442 | 28515915 • FAX: +853 28378014 • MAIL@LIVRARIAPORTUGUESA.NET

DO LADO DE CANAÃ • Sebastian Barry

Contada na primeira pessoa, numa narrativa da vida da protagonista ao longo de dezassete dias, esta é a comovente história de uma mulher com uma enorme capacidade para amar e com uma espantosa compaixão, mesmo por aqueles que lhe fizeram mal. Sebastian Barry regressa com a extraordinária história de Lilly Bere. Obrigada a fugir da Irlanda com o noivo ainda adolescente, sob ameaça de morte pelo Exército Republicano, Lilly vê-se subitamente na América. A sua vida trágica e rica leva-a de Chicago, onde o noivo é brutalmente assassinado, para Cleveland, onde se casa e descobre a felicidade mesmo durante o período da Grande Depressão e da Segunda Guerra Mundial, e finalmente para Washington, DC, onde encontra trabalho como cozinheira para uma das mais eminentes famílias americanas, os Kennedy. Dramaturgo, romancista e poeta, Sebastian Barry  conquistou diversos prémios literários, incluindo o Irish-America Fund Literary Award, o Christopher Ewart-Biggs Prize, o London Critics Circle Award e o Kerry Group Irish Fiction Prize. Foi finalista do Man Booker Prize por duas vezes, com A Long Long Way e Escritos Secretos.


eventos 11

ta-feira 6.2.2014

SOUTO DE MOURA EM DESTAQUE NO JORNAL FINANCIAL TIMES

Grande arquitecto da modernidade

A

participação na exposição “Sensing Spaces”, na Royal Academy of Arts, em Londres, serviu recentemente de mote a uma entrevista a Eduardo Souto de Moura publicada na passada sexta-feira pelo prestigiado jornal britânico Financial Times (FT). De acordo com a publicação, o arquitecto português é “um dos maiores” de Portugal e mesmo “um dos poucos grandes arquitectos da modernidade”. Eduardo Souto de Moura

foi um dos sete criadores de várias nacionalidades (entre os quais o também português Álvaro Siza Vieira) escolhidos para integrar esta mostra londrina cujo objectivo é ajudar os visitantes a redescobrir a qualidade da arquitectura, dando-lhes a oportunidade de tocar nas instalações arquitectónicas e interagir com as mesmas. No âmbito da iniciativa, o arquitecto português “reproduziu” o interior de duas das enormes portas

da Royal Academy of Art, dando origem a duas estruturas que “se erguem como arcos triunfais elegantes”, descreve Edwin Heathcote, jornalista do Financial Times que entrevistou Souto de Moura a propósito destas instalações. Souto de Moura optou, portanto, por uma solução minimalista, “à semelhança do seu mentor, Álvaro Siza Vieira (com quem partilha um escritório no Porto)”, realça Heathcote. Segundo o repórter, “do mais pequeno mercado municipal a um estádio de futebol em Braga - talvez o melhor anfiteatro construído desde o tempo dos Romanos os edifícios de Souto de Moura têm de ser experienciados para ser compreendidos”. A sua simplicidade e minimalismo não são desenhados para a cultura da Internet ou das sessões fotográficas”, acrescenta o jornalista do FT, a quem Souto de Moura explicou estas características como sendo um resultado natural da evolução da história da arquitectura, que “é apenas isto, uma redução progressiva do material”. “Os arquitectos erraram porque gastaram demasiado tempo a falar sobre os significados das coisas e não sobre as coisas em si mesmas”, defendeu o arquitecto, que disse “não saber o que é o espaço”. “[Se não sei] como posso desenhá-lo? Mas sei o que é uma pedra e sei que com ela posso construir uma parede. Essa parede vai mudar o espaço. Com essa parede posso resolver um problema. E isto é o que a arquitectura pode fazer”, afirmou Souto de Mou-

Jovem português vence prémio “Ensaio Filosófico 2013”

J

OSÉ Rodrigues foi distinguido pelo Royal Institute of Philosophy, no Reino Unido, com o prémio de ‘Ensaio Filosófico 2013’. O trabalho “There Are No Good Objections to Substance Dualism”, do jovem português, vai agora ser publicado na prestigiada revista internacional ‘Phylosophy’. O anúncio foi feito pela Universidade de Lisboa, onde José Gusmão Rodrigues é aluno, estando, actualmente, a tirar a licenciatura em Filo-

sofia, na Faculdade de Letras. O estudante é ainda membro do grupo de investigação LanCog, do Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa.

O galardão internacional é atribuído pelo Royal Institute of Philosophy, no Reino Unido, que distingue os melhores ensaios filosóficos do ano. Na edição de 2013, as honras vão para o jovem luso, juntamente com Mariam Thalos, da Universidade do Utah, nos EUA, com o artigo ‘The Grammar of Experience’. Os dois ensaios vão ser publicados, ainda este ano, na revista de maior referência a nível mundial na área - ‘Philosophy’.

ra, assegurando que constrói “para resolver problemas - não para provocar emoções ou sensações”. O arquitecto utilizou ainda o exemplo do estádio que desenhou para o SC Braga para provar que “ao reduzir as coisas, elas podem tornar-se algo diferente”, apossando-se rapidamente e com entusiasmo de uma folha de papel. Em tom de brincadeira, dentro do rascunho da estrutura que apresentou ao jornalista britânico,  acrescentou ainda dois adeptos a torcer pelas suas equipas: um inglês e um português. “Depois, adicionou números. ‘Portugal 2, Inglaterra 1’, disse-me com um sorriso malandro”, recorda Heathcote no fecho da peça. “É assim que me sinto quando penso na arquitectura inteligente, universal e sofisticada de Souto de Moura e no crescente e desengonçado ‘comercialismo’ de Londres. Portugal 2, Inglaterra 1”, conclui o jornalista. PUB

Detidos alegados fornecedores de droga a Philip Seymour Hoffman

A

polícia de Nova Iorque deteve na terça-feira à noite quatro pessoas suspeitas de terem vendido ao actor Philip Seymour Hoffman a heroína que lhe poderá ter provocado a morte, no último fim-de-semana. A detenção aconteceu no bairro de Chinatown, em Manhattan. Segundo a Reuters, a polícia terá revistado três apartamentos, detendo quatro suspeitos (três homens e uma mulher) que se encontravam na posse de drogas.

Os suspeitos estarão a ser interrogados. Enquanto se espera pelos resultados da autópsia que determinarão se o actor morreu de overdose, como realmente se suspeita. Karen Samfilippo, agente de Philip Seymour Hoffman, revelou que o funeral será privado, apenas para a família e amigos próximos. Uma homenagem pública ao actor, prevista para o final do mês, será realizada em Nova Iorque. As datas de ambas as cerimónias não foram reveladas.


h ARTES, LETRAS E IDEIAS

12

hoje macau quinta-feira 6.2.2014

Gonçalo Lobo Pinheiro

Cartoonista morreu há dois anos e é uma referência da Índia

UMA GOA ANTES E DEPOIS DE MÁRIO DE MIRANDA


hoje macau quinta-feira 6.2.2014

F

ALAR de Goa e não falar de Mário de Miranda é uma incongruência. O cartoonista, nascido em Damão, faz parte de todo um imaginário da história das ex-colónias portuguesas na Índia, antes e depois da invasão da União Indiana em 1961. E não só. Mário, como assinou grande parte do seu trabalho, também retratou a Índia toda, em especial a sua cidade adoptiva Bombaim, Portugal, Macau, China, Japão, Estados Unidos, Alemanha, Espanha e muitos outros locais espalhados pelo mundo. Mário João Carlos do Rosário de Brito Miranda, filho de católicos de origem brâmane, foi descendente de uma família de nome Sardessai que se converteu ao catolicismo em 1750. Cedo mostrou apetência para o desenho e prosseguiu os estudos em Bangalore e em Bombaim. Mas como a arte de desenhar era a sua grande paixão, acabou por começar a estudar arquitectura, curso que não terminou. Por essa altura, o seu talento foi notado e os seus amigos encorajaram-no a fazer cartões postais e desenhar para eles, o que lhe valeu algum dinheiro extra. Daí em diante foi subir a pulso. Começou por trabalhar num estúdio de publicidade, onde esteve durante quatro anos, antes de assumir o cartoonismo a tempo inteiro no The Illustred Weekly, na Índia. O seu trabalho começou a ter alguma notoriedade no meio indiano e, de seguida, começou a publicar na revista Current. Daí até chegar ao jornal mais importante da Índia foi um tiro. Passado um ano, Mário de Miranda começava a publicar no The Times of India e noutros jornais importantes de Bombaim como o The Economic Times ou na revista Femina. Por essa altura, e ainda com Goa, Damão e Diu na posse do Estado Português, Mário obteve uma bolsa da

artes, letras e ideias 13

DE VOLTA À ÍNDIA FEZ PARELHA, NO THE TIMES OF INDIA, COM O NOTÁVEL RK LAXMAN. UMA DUPLA DE GRANDE SUCESSO QUE MUDOU COMPLETAMENTE A RESTANTE CARREIRA DE MÁRIO DE MIRANDA Fundação Calouste Gulbenkian, o que permitiu ao cartoonista ficar em Portugal durante um ano. Como dominava a língua portuguesa, a experiência só podia ter corrido bem. Ampliou os seus horizontes e fez um trabalho digno de referência à mais larga escala. Depois disso seguiu-se a Inglaterra, onde residiu cinco anos, e um pouco por toda a Europa, onde bebeu conhecimento com a interacção com outros cartoonistas. Colaborou com diversos jornais e revistas durante a sua estadia europeia, e até fez animação para televisão. De volta à Índia fez parelha, no The Times of India, com o notável RK Laxman. Uma dupla de grande sucesso que mudou completamente a restante carreira de Mário de Miranda. Por essa altura conheceu Habiba Hydari, com quem casou, tendo tido dois filhos: Raul e Rishaad. Em 1974, viajou para os Estados Unidos da América e conheceu grandes nomes do cartoonismo como Charles M. Schulz e Herblock. Em 1988 foi agraciado com o Padma Shri e em 2002 com o Padma Bhushan. O rei Juan Carlos de Espanha também o agraciou com a ordem civil de “La Cruz de Isabel la Católica”, em 2009. O Presidente da República Portuguesa, Cavaco Silva tornou-o comendador da Ordem do Infante Dom Henrique. Mário Miranda faleceu a 11 de Dezembro de 2011, em Goa, e foi postumamente condecorado pelas autoridades indianas com a segunda mais alta condecoração civil do país – Padma Vibhushan – a 4 de Abril de 2012. Realizou exposições individuais em mais de 22 países, incluindo os EUA, Japão, Brasil, Austrália, Singapura, França, Sérvia e Portugal. Hoje em dia os cartoons de Mário de Miranda podem ser vistos em diversas paredes dos lugares mais famosos de Bombaim e Goa. Além de livros próprios, ilustrou obras de Dom Moraes, Manohar Malgaonkar, Mário Cabral e Sá, entre outros.


14

h

hoje macau quinta-feira 6.2.2014

António Graça de Abreu

黑龙江PROVÍNCIA DE HEILONGJIAN HARBIN, VENTOS DA SIBÉRIA COM MANCHUS, CHINESES, JUDEUS E RUSSOS

O

UVIRA contar um ror de histórias simpáticas a respeito de Harbin e confesso que a cidade correspondeu à tal afabilidade, deixando-me um gosto de terra civilizada e única.1 É um estirão a estrada entre o aeroporto e o centro urbano, 50 quilómetros em terrenos planos, semi inundados pela chuva, aqui e além a fita de asfalto ladeada por renques de ameixoeiras que floresceram agora em finais de Maio, início da Primavera manchu. O homem do táxi deixa-me no hotel Home Inn Zhongshanlu, situado exac-

tamente no coração da velha Harbin. Não muito antiga porque esta parte da cidade tem pouco mais de duzentos anos, mas repletos de História. Razoavelmente instalado, parto à descoberta de uma Harbin infelizmente também conhecida pelos seus elevados níveis de poluição. Tenho a felicidade de apanhar péssimo tempo, com chuva de assustar, mas óptima para lavar tudo e afastar a poluição. Não longe do hotelzinho encontra-se a catedral ortodoxa russa de Santa Sofia com a sua grande cúpula verde, construída no início do século XX, du-

rante muitos anos o principal lugar de oração dos cristãos ortodoxos russos expatriados em Harbin. Após a vitória da revolução bolchevique de 1917, centenas de milhares de russos tentaram escapar à compressão da pata de ferro dos novos poderes comunistas, à guerra civil entre russos Vermelhos e russos Brancos, e procuraram refúgio em paragens fora da nova União Soviética. Na época, até em Macau chegou a existir uma pequena comunidade russa. A construção da via férrea entre Harbin e Vladivostok, a 500 quilómetros de distância, e a ligação com

o transiberiano possibilitaram a fuga para a China destes deserdados filhos da pátria de Dostoievski e Tolstoi. Em 1920, Harbin era habitada por 110 mil russos, os chineses e manchus seriam cerca de 400 mil. A partir de 1931 vieram as grandes levas de japoneses, dezenas de milhar de nipónicos que procuravam no solo manchu as matérias-primas que o Japão não possuía, ou eram escassas nas suas ilhas, o carvão, o ferro, já o petróleo, a madeira, indispensáveis ao avanço da industrialização do império do Sol Nascente. Harbin foi durante muitos anos uma


artes, letras e ideias 15

hoje macau quinta-feira 6.2.2014

complexa cidade sino-manchu-russo-japonesa e os testemunhos dessa estranha simbiose encontram-se hoje espalhados pela cidade. A catedral de Santa Sofia é o exemplo arquitectónico mais conseguido dos tempos de influência russa. Infelizmente durante a famigerada Revolução Cultural, em 1967, a igreja foi transformada num enorme armazém de cereais e, nos anos noventa, passados os desvairos revolucionários fizeram dela uma espécie de Museu da Cidade, com um vasto repositório de fotografias antigas de Harbin, a recordar portentosos tempos. Fala-se já em fazer regressar Santa Sofia à grandeza e opulência de uma magnífica catedral ortodoxa russa. O exterior e o interior, com arcos e abóbadas, estão bem conservados e será só uma questão de vontade política e, talvez mais importante, de rublos e yuans para o início das obras de devolução da igreja aos esplendores do passado, à magia cintilante dos templos cristãos ortodoxos, com Jesus e Maria em ícones dourados tomando conta do lugar.

Em dois dias diferentes percorro, de sul para norte, de norte para sul, os quase dois quilómetros de extensão de via pedonal (desde 1997), que dá pelo nome de Zhongyang Dajie 中央大街, a traduzir por Avenida Central. Os chineses chamam-lhe um museu de arquitectura a céu aberto. São 111 edifícios nesta artéria principal, mais umas dezenas de outras casas históricas nas ruas adjacentes. Magnificamente conservadas e quase todas restauradas, foram construídas nas duas primeiras décadas do século XX. A traça, a arquitectura nada têm a ver com a China, são magníficos exemplares neo-góticos, neo-clássicos, arte-nova, barrocos, com colunas, arcadas, torreões, pintados em branco, azul claro, rosa, amarelos ténues, castanhos desmaiados, verdes mais ou menos carregados, tudo aparentado com o que de melhor qualidade se construía então nas cidades do norte da Europa. Harbin chegou a ser conhecida como “a Moscovo do Extremo Oriente.” Fascínios e encantamentos ao diluir-me por esta rua, entrar no Hotel Moderno, de 1912, todo arte-nova, num ou dois restauran-

tes russos (um deles com o feio nome de “Brejnev”) iguais ao que seriam no tempo dos czares, nas casas bancárias de outrora com originais decorações em madeira trabalhada. Chegaram a viver 20 mil judeus, russos, alemães, polacos, etc., na cidade e nesta Avenida Central, existem ainda hoje três antigos bancos que pertenceram a judeus, transformados em lojas e escritórios. Harbin tem ainda uma antiga escola judaica e duas sinagogas, a mais antiga adaptada em 2009 a Albergue de Juventude, o Kazy Youth Hostel, que recomendo vivamente pela história, conforto e originalidade das camaratas, com tectos que sobem aos vinte metros de altura. A partir de 1931, com a ocupação japonesa de Harbin, muitos destes judeus radicaram-se em Xangai e depois, com uma China sempre em guerra, com dilacerantes convulsões internas, procuraram a Austrália, os Estados Unidos da América, o Canadá. Após tantas voltas pelo mundo, parte da comunidade judaica de Harbin acabou por se fixar em Israel em finais dos anos quarenta do século passado. Avançando para norte pela Avenida Central, chegamos ao monumento de homenagem ás vítimas das inundações de 1957, quando as águas do rio Songhua -- que corre logo ali do outro lado do estátua e das colunas alusivas à heroicidade do povo de Harbin --, ultrapassaram os diques, inundaram e submergiram milhares e milhares de lares e provocaram mais de cinco mil mortos. Subindo a escadaria chegamos ao Sidalin Gongyuan斯大林公园. O nome não dirá grande coisa ao português comum mas Sidalin é Estaline em chinês e a alameda marginal, inaugurada no início dos anos cinquenta do século passado, ainda conserva em 2013 o nome do ditador russo. Estende-se por uns dois quilómetros, com jardins, campos de jogos, mesas de ping-pong, pequenos cafés e restaurantes em madeira, estilo russo e os cais fluviais onde pequenos ferries transportam as pessoas para a outra margem do rio ao encontro dos grandes parques da cidade, sobretudo o mais famoso de todos que dá pelo nome de Bingxue Dashijie冰雪大世界, o que significa “Grande Mundo da Neve e do Gelo”. Agora é Primavera e só há zonas ajardinadas para visitar, mas no Inverno, mais rigorosamente entre 1 de Dezembro e 28 de Fevereiro, com temperaturas entre os 15 e os 30 graus abaixo de zero, e o rio Songhua gelado, centenas de milhar de turistas chineses atravessam, a pé, de patins, de trenó, cruzam as pontes para a outra margem, compram um nada barato bilhete de 250 yuans, cerca de 29 euros para passar o dia no Grande Mundo da Neve e do Gelo. Em Maio mal dá para imaginar como serão os parques no Inverno. Trata-se de quilómetros de esculturas de grande qualidade talhadas

em enormes blocos de gelo, brancos e de todas as cores, à noite iluminados por dentro, representando os mais variados temas, de Mao Zedong a Buda, de Confúcio a Obama, do Palácio Imperial em Pequim à torre Eifell ou ao Kremlin. Talvez o meu prezado leitor já tenha recebido no seu computador, tal como eu, um ou dois power points com dezenas de imagens destas fantásticas esculturas no gelo, em Harbin, únicas na China e raras em tudo quanto é recanto frio do nosso globo. O Grande Mundo da Neve e do Gelo é de visita obrigatório no Inverno e assume-se como uma espécie de ex-libris gelado e colorido da cidade que curiosamente é um dos grandes pólos universitários da China, com Institutos, Faculdades e Universidades para todos os gostos e vocações. Também se diz que em Harbin se fala o melhor mandarim de toda a China, daí o facto de se encontrarem umas centenas largas de jovens estrangeiros a estudar chinês em diferentes universidades, gente que, além do estudo, anima a vida nocturna da terra. Porque tive tempo e porque gosto de descobrir cidades, viajei nuns tantos autocarros dos transportes públicos urbanos e fui até ao fim da linha. É um estratagema simples e barato que emprego muito na China, entrar num autocarro qualquer, procurar um lugar sentado, o que nem sempre é fácil, e deixar-me conduzir até ao outro lado da cidade, ignorando por completo para onde vou. Depois é sair, dar uma volta e regressar no mesmo autocarro, na mesma linha. Em Harbin recomendo a carreira 26. Levar-vos-á até uns arrabaldes feios e poeirentos, e a linha acaba exactamente diante de um enorme estabelecimento prisional, muito semelhante, mas em grande, ao nosso da Carregueira, ali a Belas, que alberga figuras e figurões da sociedade portuguesa. Não sei quem vive, ou vegeta, dentro daqueles altíssimos muros da prisão de Harbin, mas quantas histórias, quantas humilhações, quantos crimes… A meio do trajecto de regresso no autocarro 26, passo diante de uma bonita igreja católica de construção recente que já lobrigara na ida. Saio na paragem mais próxima e vou ver o templo, ao pormenor. É a igreja da Aleluia, a catedral, construída entre 1998 e 2000, num neo-gótico esquisito, meio chinês, meio ocidental. Dizem-me que aos domingos assistem à missa cerca de 3.000 chineses neste templo católico, o maior de todo o Nordeste da China, ou seja da Manchúria. Uma prece breve ao nosso Deus e sigo viagem. 1 A única descrição que conheço desta cidade de Harbin feita por um português, ou melhor uma portuguesa, é o texto leve e sugestivo que lhe dedica Eugénia Dobrões, no seu recente livro Olhos de Chinesa, Lisboa, Ed. Vieira da Silva, 2013, pags. 167 a 181.


16

DESPORTO

SÉRGIO FONSECA info@hojemacau.com.mo

N

UMA altura em que todos, ou quase todos, os pilotos de Macau ainda estão a tentar viabilizar os seus projectos desportivos para a temporada 2014, sem saberem por que linhas se irão coser os fulcrais apoios governamentais, há uma excepção à regra. O jovem Chang Wing Chung, mais conhecido por ‘Andy’ Chang, tem praticamente definida a sua temporada até Novembro, onde se estreará na Taça Intercontinental FIA de Fórmula 3 do 61º Grande Prémio de Macau. Para além de ter confir-

D

hoje macau quinta-feira 6.2.2014

PARA ALÉM DO CAMPEONATO BRITÂNICO, O PILOTO DE MACAU TAMBÉM VAI CORRER NO “F3 OPEN”

Mais para Chang mado a sua participação no Campeonato Britânico de Fórmula 3, com a Double R Racing, há duas semanas, o piloto protegido do Instituto do Desporto (IDM) e da Associação Geral Automóvel de Macau-China (AAMC) também já tem contrato para fazer algumas corridas pela equipa Team West-Tec no “European F3 Open” (competição que derivou do Campeonato de Espanha

EPOIS de brilhar nos relvados, David Beckham quer passar para a tribuna presidencial. Nesta quarta-feira, o ex-jogador inglês vai apresentar os planos para a fundação de uma equipa de futebol na Florida, segundo a imprensa norte-americana. O desejo de Beckham – que passou pelos LA Galaxy entre 2007 e 2012 – de ser dono de uma equipa da Major League Soccer (MLS) já era conhecido mas pode, a partir de quarta-feira, começar a ganhar forma. O inglês vai contar com um parceiro de peso, e altura, a estrela da NBA, LeBron James. O próprio contrato do ex-jogador com os LA Galaxy previa que Beckham pudesse adquirir uma

de Fórmula 3 e que não está relacionada com o mais competitivo Campeonato da Europa FIA de Fórmula 3). A formação inglesa não confirmou quais as provas em que o piloto da RAEM irá participar, mas revelou que Chang irá começar um programa de testes de preparação com o Dallara F308-Toyota na próxima semana no circuito espanhol de Jerez de la Frontera. “Es-

tou desejoso de ter o meu primeiro teste competitivo com um carro de Fórmula 3 e as minhas experiências com o Team West-Tec têm sido muito positivas até agora, portanto mal posso aguentar para sair para a pista em Jerez”, disse Chang, em comunicado de imprensa enviado pela equipa. John Miller, o chefe de equipa da formação britânica, explicou que “Andy

tornou-se um sério concorrente de Fórmula 3 para 2014 depois de ter participado na corrida de Macau da Formula Masters China Series”. “Estamos muito felizes que ele tenha escolhido a nossa equipa para continuar a sua aprendizagem nas corridas. Tenho a certeza que ele se vai sair bem.” Ao tripular o Dallara F308-Toyota, o piloto de Macau de 17 anos, que agora reside no Reino Unido, pontuará para a “Copa”, uma segunda categoria que tem pontuação diferenciada e classificação própria. Cada prova no “European F3 Open”, na categoria “Copa”, está avaliada em cerca de 200,000 patacas, enquanto

ANTIGA ESTRELA PRETENDE CLUBE EM PARCERIA COM LEBRON JAMES

Beckham quer voltar ao futebol equipa por 25 milhões de dólares (18 milhões de euros), um preço abaixo do mercado. Já o basquetebolista dos Miami Heat é um conhecido adepto da modalidade e tem até uma participação na sociedade que detém o Liverpool. A ideia da antiga estrela do Manchester United é criar uma equipa no sul da Florida mas, embora a MLS tenha projectos no mesmo sentido, o processo pode tornar-se longo. A fundação de um novo clube tem de ser acompanha-

uma temporada completa no Campeonato Britânico de Fórmula 3 rondará as 3,5 milhões de patacas, podendo o preço subir até aos quatro milhões, consoante o número de dias de testes privados e acidentes ao longo da época. Depois de ter iniciado a sua carreira nos karting na Ásia, Chang foi colocado na poderosa equipa oficial da Tonykart na Europa por duas épocas consecutivas, mas no final do ano passado participou pela primeira vez em provas de monolugares; primeiro no Campeonato Britânico de Fórmula Ford e depois no campeonato Formula Masters China Series, onde alinhou nas duas provas finais.

do de planos para a construção de um estádio e, segundo o New York Times, Beckham ainda não mencionou esse assunto. A conferência de imprensa desta quarta-feira pode servir para isso mesmo. A MLS tem interesse em expandir-se para a Florida, estado que já contou com dois clubes no passado: o Tampa Bay Mutiny e os Miami Fusion. Ambos abandonaram a MLS em 2001 por causa da dificuldade em atrair fãs e em competir com outros desportos mais populares. Se o processo avançar, a equipa de Beckham e LeBron só irá dar o pontapé de saída em 2016 mas se depender do talento desportivo dos seus donos pode bem sonhar com muitos títulos.


FUTILIDADES

hoje macau quinta-feira 6.2.2014

TEMPO

MUITO

NUBLADO

Cineteatro

CINEMA

MIN

16

MAX

21

HUM

70-95%

EURO

10.8

BAHT

0.2

YUAN

17

1.3

POR MIM FALO Pu Yi

JUSTIN AND THE KNIGHTS OF THE VALOUR [A] (FALADO EM CANTONÊS) Um filme de: Mauel Sicilia 16.00 THE LEGO MOVIE SALA 1

FROM VEGAS TO MACAU [C] (FALADO EM CANTONÊS LEGENDADO EM CHINÊS E INGLÊS) Um filme de: Wong Jing Com: Chow Yun-Fat, Nicholas Tse 14.30, 16.15, 19.45, 21.30

JUSTIN AND THE KNIGHTS OF THE VALOUR [A] (FALADO EM CANTONÊS) Um filme de: Mauel Sicilia 18.00 SALA 2

JACK RYAN: SHADOW RECRUIT [C] Um filme de: Kenneth Branagh Com: Keira knightley, Kevin costner 14.00, 20.00, 21.50

SAVING MR.BANKS [B] Um filme de: John Lee Hancock Com: Tom Hanks, Emma Thompson, Colin Farrel, Paul Giamatti 17.45 SALA 3

THE LEGO MOVIE [A] (FALADO EM CANTONÊS) Um filme de: Phil Lord, Chris Miller 14.00, 20.00

THE BOOK THIEF [B] Um filme de: Brian Percival Com: Sophie Nelisse, Geoffrey Rush, Emily Watson 15.50, 21.50

THE LEGO MOVIE [3D] [A] (FALADO EM CANTONÊS) Um filme de: Phil Lord, Chris Miller 18.10

A história de um mestrado que não é bilingue

Chineses fazem plástica para nariz ficar parecido com a Torre Eiffel • Uma estranha tendência estética está espalhar-se entre os jovens na China. Cirurgiões plásticos estão a fazer com que os seus pacientes fiquem com o nariz parecido com a Torre Eiffel! “Somos influenciados pela Torre Eiffel. Não estamos satisfeitos em apenas acrescentar algo ao nariz”, disse o cirurgião Wang Xuming, de acordo com o site “The Local”. “É um monumento clássico, com uma forma extrema e esteticamente agradável. Estamos a tentar combinar medicina e arte”, comentou à AFP um funcionário da clínica de Wang. A cirurgia custa cerca de 72 mil patacas. A China vive um ‘boom’ de cirurgias plásticas, muitas delas relacionadas com as expectativas de obter melhores condições de disputar vagas no mercado de trabalho.

Latido de cão determina condenação a prisão perpétua na Índia • Rajaram Babar era um dos suspeitos de ter cometido um duplo homicídio em Solapur (Índia). Não havia qualquer prova contra ele. Então, recorreu-se a um cão da polícia para ajudar a resolver o crime. Ele foi colocado diante de todos os suspeitos, que estavam em pé, alinhados. O animal parou diante de Rajaram e começou a latir. Estava decidido: ele era o culpado! O indiano foi condenado à prisão perpétua. Dez anos depois, entretanto, o caso foi revisto e Rajaram foi libertado. A polícia defendeu-se, argumentando que o cão estava treinado a identificar o mesmo sangue encontrado nas cenas dos crimes. O latido diante de Rajaram mostrou a compatibilidade. De acordo com o juiz que reviu o caso, “um latido de cão não é uma prova substancial”, segundo o “Times of India“.

OH NOAH E que tal irmos todas dar uma volta na arca do Noah? Este menino bonito, Noah Mills, tem 30 anos – neste caso, a idade conta. Deu os primeiros passos na moda em 2003, tendo conseguido chegar a marcas como a Wilhelmina, Gucci, Yves Saint-Laurent e Dolce & Gabbana. Oh Noah...

fonte da inveja

A caminho da igreja, esqueci-me de mim na taberna.

João Corvo

Ontem durante a manhã fiquei contente. Mas à tarde o meu estado de espírito mudou. E tudo por causa da mesma notícia. Foi ontem publicado em Boletim Oficial o despacho que determina que a Universidade de Macau vai ter um mestrado em estudos de Macau. Esta foi a parte que me deixou a sorrir. Depois, percebi que as duas línguas veiculares serão o chinês e inglês. Perdeu a piada. Um mestrado sobre a história de Macau em que o português não é sequer a língua de ensino, em pelos menos algumas disciplinas, dá vontade de rir. Não há sequer uma explicação plausível para este programa curricular. É como se estudássemos a história de Portugal mas sem falar no Dom Afonso Henriques. Numa altura em que Macau cresce apenas em receitas de jogo e em número de visitantes, mas não em número de trabalhos académicos locais, feitos por locais (entre tantas outras coisas), dá que pensar a criação deste mestrado, desta maneira. Quando se vai falar da língua portuguesa? Será ela citada em vários exemplos nas diversas disciplinas, mas sem ser usada nos exames, apesar desta ser a língua oficial da RAEM? Quem serão os docentes? Haverá portugueses também, responsáveis por muito do que se fez neste território com apenas 14 anos de vida? Seria bom que o mestrado em estudos de Macau fosse bilingue, tal como é a região alvo de estudo. Continuo a ficar pasmado como um idioma oficial continua a ser morto aos poucos, das mais variadas maneiras. Umas mais subtis do que outras.


18

OPINIÃO

hoje macau quinta-feira 6.2.2014

FERNANDO VINHAIS GUEDES

desporto e não só

A

INDA há gente, que defende a separação entre desporto e política! Inclusive já vi escrito algo semelhante como: ao desporto o que é do desporto e à política o que é da politica! Puro engano. Desde sempre, que Política e Desporto andaram e andam, cada vez mais, de mãos dadas, diria mesmo, excessivamente colados! Se há conclusões a tirar do recente desaparecimento de Eusébio, uma delas está no facto de todas as figuras da política portuguesa se terem “atrelado à morte dessa lenda, que foi e continuará a ser um ícone do nosso futebol e do nosso desporto”! O Presidente da Republica, decretou logo, três dias de luto nacional. O Primeiro-ministro apressou-se no elogio ao falecido, afirmando ser uma perda Nacional. Todos os líderes partidários fizeram declarações, lamentando o seu desaparecimento e no Parlamento acordaram, por unanimidade um voto de pesar, incluindo a transladação dos seus restos mortais para o Panteão Nacional. Porém, foi a reacção espontânea do Povo de um Portugal inteiro, que apressou

cartoon por Stephff

RICHARD CATON WOODVILLE, POLÍTICOS NA CASA DE OSTRAS

Eusébio e não só

Ainda há quem queira ingenuamente entender o desporto, principalmente o de alto rendimento, separado da política a classe política. Foi o mediatismo da figura transversal que Eusébio era cá dentro e lá fora, como se veio a constatar, que determinaram uma presença massiva da classe política nos actos, que marcaram o adeus ao “King, ao Imortal, ao Génio, à Lenda, à Pantera Negra”!

Foi um governo sem popularidade e sem génio, que tem tornado a vida, cada vez mais difícil aos fracos e mais fácil aos fortes, que tentou capitalizar o momento de tristeza Nacional. Já Salazar, nos finais da década de sessenta, usou politicamente Eusébio, ao

FIGURÃO

considerá-lo como património Nacional, impedindo-o de se transferir para o Inter de Milão, pela assombrosa quantia, na época, de trinta e oito mil contos e a ganhar por mês, seis vezes mais do que lhe era pago pelo Spot Lisboa e Benfica! Durante a semana, após a sua morte, nunca uma figura Portuguesa deu lugar a tantas notícias comentários, reportagens em jornais, revistas e programas de televisão, muitas delas envolvendo pessoas, que nunca o viram jogar, por não terem nascido ou porque eram demasiado jovens, quando Eusébio passeava a sua classe e nos brindava com o perfume do seu futebol. As exéquias e as manifestações espontâneas e genuínas, que o povo anónimo lhe dispensou no dia da sua partida, quer na volta ao estádio da Luz, quer nas ruas por onde passou o seu corpo, foram a uma figura Nacional, que conquistou nos estádios Portugueses e estrangeiros, a admiração não só como atleta de eleição, mas também, ao Ser Humano fraterno, solidário e de um enorme Fair-Play, coisa cada vez mais rara, nos tempos que correm! Sensibilizou-me a homenagem que lhe foi prestada no passado dia 12 no estádio da Luz, antes do inicio do jogo com o Futebol Clube Do Porto. Mais de sessenta mil pessoas guardaram um minuto de silêncio em memória de Eusébio, o grande Artista da bola, que deliciou o mundo com golos de verdadeira antologia. Na gala, organizada pela Federação Internacional de Futebol “Amador” (FIFA), à boa maneira Hollywoodesca e muito voltada para o comercial, que teve lugar em Zurique, no passado dia treze, na qual Cristiano Ronaldo foi eleito o melhor futebolista do Mundo no ano de 2013, acontecimento transmitido em directo para 180 países, foram passadas breves imagens de golos de Eusébio, também ele vencedor da bola de ouro em 1965. Também Ronaldo, no seu curto e emocionado discurso, falou de Eusébio e de Nelson Mandela. O nome de Portugal, chegou a centenas de milhões de telespectadores, que em todo o mundo acompanharam a cerimónia, organizada com pompa e circunstância, em tudo semelhante à da entrega dos Óscares do cinema. Em tempos de crise, onde a auto estima da maioria dos portugueses anda de rastos, a eleição de um português, como melhor jogador de futebol do mundo, proporciona um aconchego ao ego e à alma Lusitana. Não tinham decorrido trinta minutos e já o Presidente da República Portuguesa, distribuía uma nota à imprensa, felicitando Cristiano Ronaldo pelo prémio conquistado! Ainda há quem queira ingenuamente entender o desporto, principalmente o de alto rendimento, separado da política! Razão tinha o jornalista João Carreira Bom do semanário Expresso, já falecido, ao escrever que, um político que despreza a importância da “redondinha” era quadrado!


opinião 19

hoje macau quinta-feira 6.2.2014

LEOCARDO

bairro do oriente

Nota prévia: quero advertir o leitor que este texto contém inúmeras referências a material de outros autores, nomeadamente do cancioneiro português contemporâneo, e que serão devidamente assinaladas, de modo a evitar acusações de plágio.

G

OSTAVA em primeiro lugar de saudar os leitores do Hoje Macau e do Bairro do Oriente, e desejar-lhes um feliz Ano Lunar do Cavalo. E é só. Gostaria de colocar um pouco mais de entusiasmo nesta introdução, mas como não acredito que o facto de este ano ser o do Cavalo, do Dragão, do Cágado ou de outro bicharoco qualquer vá fazer alguma diferença ou interferir com o que vamos encontrar pela frente nos próximos doze meses, mais coisa, menos coisa. Tudo o que se diz em matéria de previsões para o Ano Novo que agora chega é como uma chiclete, que se prova, mastiga e deita fora, se demora (1). O período de validade daqueles almanaques que tornaram milionários os tipos que os escreveram é ainda mais curto que o da TV Guia. Alguém que daqui a seis meses sofra um acidente, caia das escadas ou seja atingido por um motociclo e parta uma perna, não vai consultar o almanaque para saber se o “seu” mestre de “feng-shui” tinha previsto este evento. Mesmo não acreditando em bruxas, fico aborrecido quando oiço naquelas previsões que este ano vai ser mau para o meu signo, neste ou naquele aspecto, por este ou por aquele motivo. Fico ofendido, sei lá, sinto que se trata de um ataque pessoal, estarem assim a desejar-me mal sem que eu nunca lhes tenha feito nada. Olha, sabem o que vos digo? Vão vocês! Se tivesse que escolher um signo para mim, seria Céptico, com ascendente de Cínico, e ao fazer o meu mapa astral para este ano ia descobrir que o meu ia estar na casa de Não-me-lixem, e com uma forte influência de Vão-dar-banho-ao-cão. Se isto é bom ou mau, não sei, e acho que ninguém sabe ao certo cada vez que paga a um desses astrólogos e adivinhos da treta para lhe antecipar o dia de amanhã – como se eles fizessem alguma ideia. E depois que piada é que tem, prever o futuro? Eu até podia desvendar os segredos mais secretos, como o som, a cor, o olhar ou o número fatal, olhar nos olhos de Deus e esperar o final, enfim, viver como por magia a vida num só dia (2), mas seria a mesma coisa que comprar um livro e começar por ler primeiro o fim. O que nos dizem é um amontoado de balelas sem sentido que aprenderam na Universi-

CHEN WEN-BIN, CAVALOS DE CORRIDA

Cavalos de corrida

dade dos Artolas, e como não entendemos peva, ficamos convencidos que esta criatura mística sabe do que fala, e se não a entendemos é porque não temos o seu dom, os seus poderes mágicos. Ignorem as generosas doses de caldo de sarcasmo que estou a juntar a este guisado, mas deve ser do cansaço. Sim, estou cansado de estar em casa sentado em frente ao computador, onde passei praticamente todo o tempo acordado durante estes cinco ou seis dias que duraram as mini-férias do Ano Novo. Pensei que a clausura ia fazer-me bem, pois às vezes é no meio do silêncio, que descubro as palavras por dizer (3). Não preciso

Se tivesse que escolher um signo para mim, seria Céptico, com ascendente de Cínico, e ao fazer o meu mapa astral para este ano ia descobrir que o meu ia estar na casa de Não-melixem, e com uma forte influência de Vão-darbanho-ao-cão

de estar aqui a lamentar-me pela enésima vez da confusão que tem sido Macau nestes dias, onde é impossível circular a pé na rua. Para quem, como eu, não estiver interessado em andar por aí a praticar “full-contact” urbano, o melhor mesmo é ficar em casa. O mais importante é não nos deixarmos cair em tentações melancólicas, porque rebolar no lodo só serve para nos sujarmos (4). É de facto enfadonho estarmos presos na nossa própria casa, nesta cidade, que quer eu queira quer não queira há-de ser uma fronteira, e a verdade cada vez menos verdadeira (5). Por outro lado dizem que isto é bestial para Macau, uma maravilha para a economia, quando entram velhas e turistas, entram excursões, entram benefícios e cronistas, entram aldrabões, e entra muito dólar muita gente, que dá lucro aos milhões (6). Mas o que adianta, se todos eles ficam nos hotéis, jogam nos casinos, andam nos autocarros, almoçam e jantam nos restaurantes e fazem compras nas lojas que pertencem à mesma meia dúzia de empresários, aos “suspeitos do costume”? O que ganhamos em ficar sitiados, se no fim é apenas uma pequena elite que vem em bandos com pés de veludo chupar o sangue fresco da manada? Eles que comem tudo e não deixam nada (7). Falo por mim quando digo que quero o meu dinheiro de volta, que há tanta gente a dar-me a volta, e não foi para isto que eu vim cá.(8) Talvez o melhor mesmo é juntar-me à

mole que encara isto do Ano Novo com optimismo, como um novo começo, e quem sabe se este Cavalo que agora chega é a denuncia do que pensa e o que sente a gente certa, um corcel à desfilada no meu peito(9)? E já agora, antes de me despedir, vou fazer uma previsão que com toda a certeza não vai falhar. Este é o Ano do Cavalo do elemento “madeira”. Se você é também do signo Cavalo do elemento “madeira”, prevejo que este ano vai completar as 60 primaveras, uma linda idade (isto é, se lá chegar, e eu acredito que vai...). Peço desculpa se é este o seu caso, e não queria ser recordado desse facto, e já agora desejo-lhe muita saudinha. Só que ao contrário das outras, esta é uma previsão que é tiro e queda, porque agora que a corrida estoirou, e os animais se lançam no esforço, agora que a vida passa num “flash” e o paraíso é além, não passamos senão de meros cavalos de corrida. (10)

1- 2- 3- 4- 5- 6- 7- 8- 9- 10-

Táxi – “Chiclete” Rádio Macau – “A vida num só dia” Maria Guinot – “Silêncio e tanta gente” Xutos & Pontapés – “Falhas” Xutos & Pontapés – “Esta cidade” Fernando Tordo – “Tourada” José Afonso – “Os vampiros” Jorge Palma – “Quero o meu dinheiro de volta” Fernando Tordo – “Cavalo à solta” UHF – “Cavalos de corrida”

Propriedade Fábrica de Notícias, Lda Director Carlos Morais José Editor Gonçalo Lobo Pinheiro Redacção Andreia Sofia Silva; Cecilia Lin; Joana de Freitas; José C. Mendes; Rita Marques Ramos Colaboradores Amélia Vieira; Ana Cristina Alves; António Falcão; António Graça de Abreu; Hugo Pinto; José Simões Morais; Marco Carvalho; Maria João Belchior (Pequim); Michel Reis; Rui Cascais; Sérgio Fonseca; Tiago Quadros Colunistas Agnes Lam; Arnaldo Gonçalves; Correia Marques; David Chan; Fernando Eloy ; Fernando Vinhais Guedes; Isabel Castro; Jorge Rodrigues Simão; Leocardo; Paul Chan Wai Chi Cartoonista Steph Grafismo Catarina Lau Pineda; Paulo Borges Ilustração Rui Rasquinho Agências Lusa; Xinhua Fotografia Gonçalo Lobo Pinheiro; Lusa; GCS; Xinhua Secretária de redacção e Publicidade Madalena da Silva (publicidade@hojemacau.com.mo) Assistente de marketing Vincent Vong Impressão Tipografia Welfare Morada Calçada de Santo Agostinho, n.º 19, Centro Comercial Nam Yue, 6.º andar A, Macau Telefone 28752401 Fax 28752405 e-mail info@hojemacau.com.mo Sítio www.hojemacau.com.mo


hoje macau quinta-feira 6.2.2014

PUB

JOGO ANO COMEÇA COM SUBIDA DE 7%

Stanley Ho na liderança O

S casinos de Macau iniciaram 2014 com receitas brutas no mês de Janeiro de 28,7 mil milhões de patacas, mais 7% do que no mesmo mês de 2013. Contudo, o crescimento de sete por cento é o mais baixo em termos homólogos desde Outubro de 2012, segundo os dados oficiais disponíveis na página da Direcção de Inspecção e Coordenação de Jogos de Macau. Dados compilados pela agência Lusa junto de operadores de jogo indicam que a Sociedade de Jogos de Macau, fundada por Stanley Ho, se mantém como líder no mercado, com uma percentagem de cerca de 23%, seguida pela Sands China, do norte-americano Sheldon Adelson, que conquistou em Janeiro uma quota ligeiramente acima de 21,5%, e da Galaxy Resorts, de interesses de Hong Kong liderados pelos empresário Lui Che-woo, com uma quota de cerca de 20%. A segunda metade do ranking de operadores, que em Janeiro de 2014 fica marcada pela queda da Wynn Resorts, do norte-americano Steve Wynn, para o sexto lugar, com cerca de 9% de quota de mercado, é liderada pela Melco Crown, que

GAL AXY PREMIADA EM LONDRES A Galaxy Entertainment foi galardoada com dois prémios na “International Gaming Awards”, em Londres, incluindo uma distinção ao seu presidente Lui Che-woo. O grupo foi nomeado “Casino Operator of the Year Australia/ Asia” e o magnata Lui Chewoo foi galardoado com o “Outstanding Contribution Award”, refere um comunicado da empresa ontem emitido. “É uma grande honra para o Galaxy Entertainment Group e para mim pessoalmente, como empreendedor asiático, receber dois prémios dos nossos estimados pares internacionais”, disse Lui Chewoo, citado no comunicado.

tem como accionista Lawrence Ho, filho de Stanley Ho, com uma quota de quase 14,5%, seguida pela MGM Macau, liderada por Pansy Ho, também filha de Stanley Ho e irmã de Lawrence, com quase 11,5%. O sector do jogo em Macau encerrou 2013 com receitas brutas de 361.866 milhões de patacas, mais 18,55% do que no ano anterior, foi anunciado.

WYNN MACAU VAI AUMENTAR SALÁRIOS A operadora de jogo Wynn Macau vai aumentar em 5% os salários dos seus funcionários, à excepção dos quadros superiores dirigentes, com efeito a partir de 01 de Março, foi ontem anunciado. Em comunicado, a Wynn informou na terça-feira que o aumento salarial atinge 99% da actual mão-de-obra da operadora, fixada em 7.600 trabalhadores. A operadora acrescentou também que pagou um bónus equivalente a um mês de salário a todos os seus funcionários antes da entrada do Ano Novo Lunar. “Enquanto um dos maiores empregadores de Macau, acreditamos ser nossa responsabilidade perante a comunidade proporcionar salários e benefícios competitivos, pelo que estamos muito satisfeitos por atribuir este bónus anual e por poder actualizar os vencimentos ao custo de vidados nossos colaboradores”, disse o presidente e CEO da Wynn Resorts, Stephen Wynn, citado na mesma nota.


Hoje Macau 6 FEV 2014 #3024