Page 1

DIRECTOR CARLOS MORAIS JOSÉ

MOP$10

QUINTA-FEIRA 4 DE JANEIRO DE 2018 • ANO XVII • Nº 3965

PUB

AGÊNCIA COMERCIAL PICO • 28721006

hojemacau Ella quer pesquisas mais divulgadas

A deputada de nome Lei insurge-se contra o facto de se fazerem milhares de estudos e pouco se saber sobre eles.

SOFIA MARGARIDA MOTA

Estudos para que olhos?

PÁGINA 5

SAÚDE MENTAL

PÁGINA 7

ERIC LESTARI

REPRESENTANTE DE EMPREGADAS DOMÉSTICAS INDONÉSIAS

‘‘

Agências ficam com passaportes

GONÇALO LOBO PINHEIRO EXPÕE EM LONDRES

Derivas à volta do Lago Tonle EVENTOS

Elas limpam as casas e tratam da cozinha. Elas cuidam das crianças e dos idosos. Mas nem o salário mínimo lhes querem dar e são mantidas em situações periclitantes. ENTREVISTA

China-Lusofonia Xinhua destaca importância do 19º Congresso

PÁGINA 12

www.hojemacau.com.mo•facebook/hojemacau•twitter/hojemacau

Cada vez mais jovens afluem às consultas


2 ENTREVISTA

ERIC LESTARI

Empregada doméstica, Eric Lestari é também representante em Macau da Overseas Worker Entities, uma organização não governamental com sede na Indonésia que representa os trabalhadores migrantes. Eric denuncia casos de cobranças excessivas das agências de emprego, acima dos 50 por cento de ordenado, e a retenção de passaportes e outros documentos pessoais, para garantir que os trabalhadores pagam essas cauções. A responsável alerta ainda para os recrutamentos ilegais em Macau, que são “um problema”

Agências “retêm passaportes para pagarmos as cauções” Decidiu trazer a Overseas Worker Entities para Macau. Quais são as principais actividades que têm vindo a ser realizadas? Temos esta associação não tanto para nos queixarmos quanto aos nossos direitos laborais mas também para partilharmos a nossa cultura junto da sociedade de Macau e também de outras comunidades oriundas das Filipinas ou do Vietname. Abordamos também as políticas implementadas pelo Governo e as nossas condições de trabalho.

sectores da limpeza e da segurança, que ronda as seis mil patacas. Está então contra a proposta do Governo em não incluir as empregadas domésticas na nova lei do salário mínimo. Independentemente da decisão do Governo, se este concordar que a nossa

Quantos membros têm? Criamos esta associação há cerca de um ano. Fazemos sobretudo acções para que os trabalhadores compreendam os seus direitos em Macau. Somos apenas três membros neste momento. Acredita que os trabalhadores não residentes precisam de falar mais sobre si e os seus direitos? Não o fazem por medo de perder o emprego? Claro que precisamos de falar mais. Já estou há 12 anos em Macau, e alguns dos meus amigos já cá estão há 16 anos, e todos nós concordamos que não houve novas políticas em benefício ou protecção dos trabalhadores migrantes. O nosso salário mínimo ronda as 2500 patacas. Cabe ao empregador decidir o nosso salário e tudo depende das empresas [para onde vamos trabalhar], são eles que decidem o salário que nos vão pagar. Actualmente apenas existe o salário mínimo para os

“Não há recrutamentos legais ou acordos de entendimento entre Macau e a Indonésia, ou outros países. Somos nós que decidimos vir trabalhar para Macau e este é um novo problema.”

experiência ou domínio da língua não são suficientes para Macau, então iremos para outro país procurar emprego. Mas tudo depende das empresas e dos nossos patrões, se continuam a precisar de nós ou não. Não há recrutamentos legais ou acordos de entendimento entre Macau e a Indonésia, ou outros países. Somos nós que decidimos vir trabalhar para Macau e este é um novo problema. Porque é que o Governo de Macau não aprende com as práticas implementadas pelo Governo de Hong Kong no que diz respeito à gestão de recursos humanos importados, ao nível das empregadas domésticas, por exemplo? Actualmente o Governo está a rever a lei das agências de emprego e uma das possibilidades é a cobrança de, no máximo, 50 por cento do salário do trabalhador na hora do recrutamento. O que acha desta medida? Vai ser mais difícil para os trabalhadores migrantes conseguirem trabalho aqui? Não acredito nesta política. Na realidade eles já deduzem mais do que 50 por cento do nosso salário inicial. Chegamos a pagar 12 mil ou até 20 mil patacas à agência ou a um intermediário para termos um determinado emprego. As empregadas domésticas, caso fiquem a residir na casa dos patrões, pagamos até seis mil patacas por três meses. Se ficarmos a residir fora de casa do empregador pagamos entre seis a oito mil patacas. É

ir ao consulado e depois é apresentada uma queixa à polícia. Muitas vezes queixamo-nos de que a agência ou o empregador ficam com os nossos passaportes mas o que nos dizem na polícia é para lidarmos com a situação. É muito difícil para nós. Muitas vezes as agências de emprego ou os patrões obrigam-nos a assinar um documento em como não vamos voltar a fazer queixas, depois de recebermos os documentos de volta. É também uma situação perigosa para nós.

“Em relação aos abusos, há alguns casos mas os trabalhadores não sabem onde se podem queixar e não sabemos que justiça será feita ou que departamento do Governo nos poderá ajudar.” também uma dedução que se faz durante três a quatro meses. Continuam a existir casos em que as agências ficam com os passaportes dos trabalhadores retidos? Tentar ajuda junto do Governo é muito difícil. Se algo acontecer com os nossos passaportes podemos

Mas estes casos acontecem muitas vezes, são comuns? Isso acontece com a maioria dos casos, sobretudo com os recém-chegados. Mesmo com muitos anos em Macau, como eu ou algumas pessoas, pedem os documentos e mantém-nos retidos. Qual é o argumento que utilizam para manterem os vossos documentos? Dizem-nos que é para tratar do processo, para garantir a confirmação do empregador, e para apresentar junto dos serviços de emigração. O facto de manterem os nossos passaportes retidos é para que tenhamos de pagar as cauções. Recentemente o Governo das Filipinas suspendeu o envio de trabalhadores para Hong Kong devido aos casos de abusos cometidos. Acredita que esta medida terá algum impacto em Macau ou que pode mudar alguma coisa em relação a eventuais abusos? Não sei como será a situação em Macau, porque as

SOFIA MARGARIDA MOTA

REPRESENTANTE DA OVERSEAS WORKER ENTITIES


3 quinta-feira 4.1.2018 www.hojemacau.com.mo

pessoas não são recrutadas. Simplesmente chegam e começam à procura de emprego. Em relação aos abusos, há alguns casos mas os trabalhadores não sabem onde se podem queixar e não sabemos que justiça será feita ou que departamento do Governo nos poderá ajudar. Não sabemos se nos devemos dirigir a algum agente da polícia ou a um assistente social que nos possa ajudar. Muitos dos nossos amigos ficam calados, ou param de trabalhar e decidem regressar a casa. Alguns tentam encontrar outro trabalho. O ano passado tive uma amiga que era agredida pela idosa para quem trabalhava. No entanto ela desistiu de apresentar queixa à polícia porque o caso ia demorar muito tempo e ela não sabia que serviço ou lei é que a poderia ajudar. Ela visitou a nossa associação e o consulado da Indonésia,

“Dizem-nos [agências de emprego] que é para tratar do processo, para garantir a confirmação do empregador, e para apresentar junto dos serviços de emigração. O facto de manterem os nossos passaportes retidos é para que tenhamos de pagar as cauções.” mas não foi suficiente para a ajudar. As condições de vida dos trabalhadores migrantes

PUB

têm piorado nos últimos anos, tendo em conta o aumento do custo de vida? É difícil obter ajuda de associações de cariz social? Penso que é muito difícil. Depende se os trabalhadores são fortes o suficiente para lutarem pelos seus direitos ou se reúnem as provas para se queixarem. Muitas vezes ficam calados, falam com os amigos, partilhamos algumas coisas nas redes sociais e tentamos mudar de emprego. Qual a vossa agenda para este ano? Quais são os temas que consideram mais urgentes para serem tratados? A questão do salário mínimo existe mas não é a mais problemática. O maior problema é como podemos vir para Macau de forma legal e não ilegal. Nós, trabalhadores migrantes, chegamos com um visto de turista, e o Governo de Macau também não consegue proteger as

pessoas se acontecer alguma coisa. É também difícil ao Governo da Indonésia fazer queixas e fazer garantir os direitos dos trabalhadores indonésios. Actualmente há muito recrutamento ilegal, com deduções salariais excessivas, porque não há esse acordo entre os dois governos. O que pensa do discurso político que existe actualmente junto dos deputados da Assembleia Legislativa contra os trabalhadores não residentes? O que tem para lhes dizer? Penso que há muitas pessoas que estão contra esse discurso. Há ainda alguma discriminação contra nós e queremos que saibam mais sobre os nossos direitos. Andreia Sofia Silva

andreia.silva@hojemacau.com.mo


4 política

TIAGO ALCÂNTARA

4.1.2018 quinta-feira

O deputado, advogado e ex-mandatário da campanha de Chui Sai On para as eleições para Chefe do Executivo detém, em 50 por cento, um total de 64 imóveis em Macau, Hong Kong e no interior da China

Detém imóveis e lugares de estacionamento em Macau e no interior da China, sem esquecer uma fracção habitacional em Hong Kong. Segundo a declaração de rendimentos, Vong Hin Fai é também accionista de inúmeras firmas e consultor jurídico em mais de uma dezena de organizações não lucrativas

C

ASAS aqui e ali e uma mão cheia de firmas com a sua participação. O deputado Vong Hin Fai, eleito pela via indirecta pelo sector profissional, já entregou a sua declaração de rendimentos junto do Tribunal de Última Instância (TUI). Esta revela

DEPUTADO VONG HIN FAI É CO-PROPRIETÁRIO DE 64 IMÓVEIS

Rendimentos ao léu que o deputado, advogado e ex-mandatário da campanha de Chui Sai On para as eleições para Chefe do Executivo detém, em 50 por cento, um total de 64 imóveis em Macau, Hong Kong e no interior da China. No território, Vong Hin Fai detém 12 apartamentos “para investimento e uso próprio”, bem como quatro fracções comerciais e um escritório para investimento. Ainda em Macau o deputado é co-proprietário de 15 lugares em parques de estacionamento, também para investimento e uso próprio, bem como oito lugares para estacionamento de motas exclusivamente para investimento. No interior da China, Vong Hin Fai é co-proprietário de três casas, 15 espaços comerciais para investimento, cinco lugares de estacionamento para automóveis para “investimento e uso próprio”. Na região vizinha, o membro da Assembleia Legislativa detém apenas uma fracção habitacional para fins de investimento.

CONSULTORIA E TRADUÇÃO

Olhando para a lista de nove firmas nas quais Vong Hin Fai detém participações, observamos que o deputado mantém a quota de 15 por cento como accionista na Perfect

Talent, uma empresa offshore, com apenas 100 dólares de capital social, que foi referenciada nos Panama Papers. Na altura, em declarações aos jornalistas, o deputado argumentou não estar a cometer qualquer ilegalidade. “Não há nenhuma lei que proíba que um residente faça investimentos, quer em Macau, quer no estrangeiro. A participação social [em empresas], em Macau, em Hong Kong ou numa BVI, não é proibido. Cumpri sempre a lei. Não

há nada que seja ilegal, a meu ver. Como figura pública, como deputado, todos os anos presto a minha declaração de bens patrimoniais”, apontou à Rádio Macau. Vong Hin Fai detém ainda participações em empresas que operam na área da consultadoria e tradução, sem esquecer três empresas que fazem investimentos em propriedades, onde detém uma participação de 20 por cento. O deputado é proprietário, a cem por cento, da Companhia de Con-

HO ION SANG NÃO TEM FIRMAS, MAS TEM DOIS IMÓVEIS

A

declaração de rendimentos do deputado Ho Ion Sang lê-se que este não é accionista em nenhuma empresa e tem apenas, em Macau, uma casa com um lugar de estacionamento que possui em conjunto com a sua esposa. No interior da China, o deputado detém uma casa com um lugar de estacionamento, também com a esposa. No que diz respeito a cargos em organismos sem fins lucrativos, Ho Ion Sang é membro da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês da Província Hebei desde 2008, cargo que ocupa até ao próximo ano, sendo também membro da Associação de Amizade dos Ultramarinos da Província Hebei desde 2009. Foi, até ao ano passado, vice-presidente dos Kaifong e é presidente, até ao próximo ano, do Centro da Política da Sabedoria Colectiva, uma entidade ligada aos Kaifong. É consultor honorário da Associação dos Engenheiros de Macau, um convite que recebeu em 2013, detendo ainda funções honorárias em outras 50 organizações. A declaração de rendimentos aponta ainda que “devido às várias funções como membro honorário que [Ho Ion Sang] desempenha na sociedade, podem haver algumas não declaradas”.

sultoria de Gestão Vong Hin Fai (tradução não oficial). No que diz respeito a associações e outros organismos não lucrativos, Vong Hin Fai soma colaborações como consultor jurídico ou como membro dessas entidades. Mantém-se, a título de exemplo, e desde 2004, supervisor da Fundação da Universidade de Ciências e Tecnologia de Macau. É também consultor jurídico, desde 2009, da União Geral das Associações dos Moradores de Macau (Kaifong), associação à qual estão ligados os deputados Ho Ion Sang e Wong Kit Cheng. Vong Hin Fai presta também consultadoria jurídica naAssociação Geral do Sector Imobiliário de Macau desde 2000, bem como na Associação dos Técnicos da Administração Pública de Macau, desde a mesma data. É também consultor honorário da Associação da Nova Juventude Chinesa de Macau, desde 2003. Na declaração de rendimentos entregue junto do TUI lê-se ainda que o deputado desempenha funções de consultor em outras 21 organizações não lucrativas. Andreia Sofia Silva

andreia.silva@hojemacau.com.mo


política 5

quinta-feira 4.1.2018

ELLA LEI QUER MECANISMO DE DIVULGAÇÃO DE PESQUISAS

Estudos, esses desconhecidos A criação de um mecanismo capaz de acompanhar e divulgar os estudos feitos pelo Executivo ou pedidos a entidades por parte deste é o pedido de Ella Lei ao Governo. A deputada considera que os estudos feitos para o território são muitos e na sua maioria demoram demasiado tempo a ser concluídos e os resultados nem sempre chegam a ser conhecidos

E

M Macau há estudos para tudo mas os seus resultados aparecem muitas vezes com anos de atraso e são desconhecidos. A ideia é deixada pela deputada Ella Lei em interpelação escrita em que apela ao Governo a criação de um mecanismo centralizado responsável por acompanhar as muitas pesquisas feitas ou pedidas pelo Executivo. Para Ella Lei, se há pesquisas, é necessário saber os seus desenvolvimentos, calendários e conclusões. De acordo com a deputada com ligações à FAOM, o Governo tem de criar um mecanismo de comunicação capaz de fazer chegar à população todas as informações que são do seu interesse. “Se este ano o Executivo aprovou divulgação dos relatórios de viagens dos funcionários públicos para uma melhor transparência também deve dar acesso a outras

M

ACAU vai assinar um memorando de entendimento para a troca de informação financeira com Timor-Leste. O acto destina-se a combater crimes como o branqueamento de capitais e o financiamento de terrorismo. A informação consta de um despacho do secretário para a Economia e Finanças de Macau, Lionel Leong, publicado em Boletim Oficial, que subdelega na coordenadora do Gabinete de Informação Financeira (GIF), Chu Un I, “todos os poderes necessários para representar a Região Administrativa Especial de Macau na celebração do memorando de entendimento”. Esse memorando visa “a troca de informação financeira relativa à prevenção

informações”, lê-se no documento assinado pela deputada. No entanto, ainda há pesquisas realizadas por departamentos públicos ou encomendadas a entidades privadas cuja evolução e resultados permanecem desconhecidos, lamenta. A deputada dá exemplos: há um estudo encomendado a instituições académicas acerca do reconhecimento mútuo de cartas de condução, desde 2014, em que sós se conheceram as conclusões a 1 de Dezembro do ano passado”, diz. Os resultados acabaram por provocar reacções polémicas pelo que o Governo acabou por dizer que não eram suficientes nem adaptados à actual situação do território, muito diferente da de 2014. Em 2012 foi também encomendado um estudo relativos ao design do posto fronteiriço e da sua envolvência, relativo às Portas do Cerco, que diz “ainda não foi

gastos avultados e o tempo despendido que acompanham cada investigação. Mas, não há um mecanismo capaz de se responsabilizar pela comunicação pública destas tarefas, considera a deputada. “Uns acabam por ser interrompidos, e outros demoram tanto tempo que quando saem os resultados já estão desactualizados”, aponta, sendo que há ainda outros que por não se adaptarem à realidade actual, são refeitos.

“Uns [estudos] acabam por ser interrompidos, e outros demoram tanto tempo que quando saem os resultados já estão desactualizados.” ELLA LEI DEPUTADA

tornado público”. O que se soube daquela zona foi em consequência da passagem do tufão Hato, afirma Ella Lei, e tendo já em conta as inundações que afectaram o terminal de autocarros daquela área e a sua reconstrução.

PESQUISAS FORA DE PRAZO

Mas Ella Lei não se fica por aqui. A deputada nem precisa de especificar de tantos que são os

Um tu cá, tu lá Macau e Timor-Leste vão trocar informações financeiras

e repressão dos crimes de branqueamento de capitais e financiamento ao terrorismo”, segundo o mesmo despacho. O acordo com a Unidade de Informação Financeira da República Democrática de Timor-Leste ainda não tem data de assinatura prevista. Macau tem firmados mais de duas dezenas de memorandos de entendimento e/ou acordos de cooperação para a troca de informação financeira relativos à prevenção e repressão dos crimes de branqueamento de capitais e financiamento ao terrorismo.

Em 5 de Dezembro último, a Região Administrativa Especial de Macau (RAEM) foi incluída numa “lista negra” de 17 paraísos fiscais, consideradas jurisdições não cooperantes, adoptada pelos ministros das Finanças da UE. Macau contestou a “decisão unilateral e parcial”, por “não corresponder à situação real”, apontando que o território “não é um alegado ponto de fuga e evasão fiscal ou um paraíso fiscal”.

RESPOSTA DE LIONEL

As autoridades da RAEM reagiram à posição da ins-

estudos encomendados e feitos acerca de matérias os novos tipos de habitação social e a necessidade de motoristas. “São assuntos que foram alvos de estudos em grande quantidade nos últimos anos”, sublinha. “Todos os anos, o Governo conduz uma variedade de relatórios de pesquisa por conta própria ou através de outras entidades”, reitera Ella Lei, sem esquecer os

tituição europeia através de um comunicado. “Macau tem vindo a cooperar de forma activa com a sociedade internacional, incluindo a UE e a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), no sentido de combater, em conjunto, a fuga e evasão fiscal transfronteiriça e de promover a justiça tributária”, reagiu então o Governo da RAEM, em comunicado. O Executivo enalteceu ainda o facto de ser membro

Para Ella Lei trata-se de mais uma perda de tempo, de dinheiro e de um atraso no desenvolvimento local. “É ainda um desperdício de fundos públicos”, acrescenta. Para solucionar a situação, a deputada pede ao Governo que trate de criar um mecanismo eficiente capaz de acompanhar as investigações e se responsabilize pela divulgação dos resultados atempadamente.

do “Fórum Global sobre Transparência e Troca de Informações para Fins Fiscais” e do “Quadro Inclusivo da Base Tributária e a Transferência de Lucros”, ambos da OCDE, indicando que, através da revisão da mesma, foi reconhecida a correspondência da transparência fiscal e da troca de informações da RAEM aos últimos critérios internacionais. “Macau participou, ainda, nos projectos de cooperação internacional da OCDE, promovendo, em conjunto com as autoridades fiscais de todo o mundo, a reforma fiscal e o combate às actividades no âmbito da fuga e evasão fiscal, com vista a atingir o objectivo da justiça tributária”, acrescentou.

Sofia Margarida Mota

sofia.mota@hojemacau.com.mo

Também invocou a aprovação, em Maio, de uma nova lei sobre a troca de informações em matéria fiscal e indicou que o Governo se encontra a trabalhar na extensão da Convenção Multilateral sobre Assistência Mútua Administrativa em Matéria Fiscal a Macau, explicando que, depois da aplicação ao território, Macau poderá efectuar com os Estados-membros da UE a troca automática de informações. A par disso, o Governo revelou estar a estudar o aperfeiçoamento do regime jurídico aplicável à actividade offshore.


6 publicidade

4.1.2018 quinta-feira

Aviso Nos termos da alínea 1) do n.º 1 do artigo 19.º da Lei n.º 4/2016, Lei de protecção dos animais, são obrigados a obter uma licença emitida pelo IACM os proprietários dos cães que tenham completado três meses de idade e que não sejam animais para competição; ao mesmo tempo, o dono de animal deve cumprir a regra prevista na alínea 4) do n.º 1 do artigo 11.º da Lei em causa, cuidar do animal providenciando os meios necessários de modo a prevenir e tratar doenças contagiosas, nomeadamente a vacinação dos cães contra a raiva. Para facilitar o pedido e levantamento da licença para cães e a vacinação antirábica dos cães pelo dono de animal, o IACM instalará os Postos de serviço ambulantes para pedido e levantamento da licença para cães e vacinação anti-rábica nas seguintes datas e locais que se encontram na tabela anexa Macau, aos 07 de Dezembro de 2017

Horas

Local

06/01/2018 ( Sábado )

14 : 00 – 19 : 00

Jardim da Vitória

13/01/2018 (Sábado )

14 : 00 – 19 : 00

Praça de Luís de Camões

20/01/2018 ( Sábado)

14 : 00 – 19 : 00

Praça de Ponte e Horta

25/01/2018 ( Quinta-feira)

17 : 00 – 19 : 30

Zona de Lazer do Edf. Lok Yeung Fa Yuen, Bairro de Fai Chi Kei

26/01/2018 ( Sexta-feira )

17 : 00 – 19 : 30

Zona de Lazer do Edf. Lok Yeung Fa Yuen, Bairro de Fai Chi Kei

27/01/2018 ( Sábado )

14 : 00 – 19 : 00

Parque Urbano da Areia Preta (Perto do Supermercado Royal)

Coloane

03/02/2018 ( Sábado )

14 : 00 – 19 : 00

Seac Pai Van, Coloane (Edf. Ip Heng)

10/02/2018 (Sábado )

14 : 00 – 19 : 00

Rotunda do Estádio, Taipa

Península de Macau

Data

Taipa

O Presidente do Conselho de Administração José Tavares

Assine-o TELEFONE 28752401 | FAX 28752405 E-MAIL info@hojemacau.com.mo

www.hojemacau.com.mo

Nota: 1. Documentos comprovativos que são necessários entregar quando do pedido e do levantamento da licença para cães: a. Fotocópia do documento de identificação, se for pessoa singular; b. Fotócópia do modelo M/7 ou M/8 para efeitos de Contribuição Industrial emitido pela DSF, se for pessoa colectiva c. O documento comprovativo do local da criação do cão do portador da licença (como factura da água, da electricidade). 2. Taxa de pedido da licença para cães pela primeira vez a. Cães esterilizados:MOP 330,00 (incluído já o imposto de selo de 10%) b. Cães não esterilizados: MOP 990,00 (incluído já o imposto de selo de 10%) c. A taxa para pedido e levantamento de licenças para cães inclui exame veterinário, introdução de microchip, inoculação de vacina anti-rábica e atribuição de chapa de identificação metálica (cada cão). WWW. IACM.GOV.MO


sociedade 7

quinta-feira 4.1.2018

SAÚDE MENTAL CADA VEZ MAIS JOVENS RECORREM A TRATAMENTO PSICOLÓGICO

A beira de um ataque de nervos `

O número de pessoas que recorrem aos serviços de apoio psicológico e psiquiátrico é cada vez maior e cerca de 20 por cento dos que pedem ajuda são jovens. Os números são preocupantes e Macau não tem psicólogos suficientes

E

XISTEM cada vez mais jovens a receber tratamento para doenças mentais. O tema esteve ontem de manhã em debate no programa Fórum Macau, da Ou Mun Tin Toi. Cerca de 20 por cento dos pacientes a receberem tratamento para doenças mentais têm entre 18 e 25 anos, de acordo com os dados revelados por Sou Keng Leong, secretário–geral da Associação Richmond Fellowship. O número de jovens que está em tratamento “tem vindo a aumentar” e para Sou Keng Leong esta é uma situação que “tem um grande impacto”. O representante da Associação Richmond Fellowship recorda que são pessoas, por norma sem experiência de trabalho e que podem estar ainda a estudar.  O aumento daqueles que precisam de acompanhamento foi já referido pela presidente do Instituto de Acção Social, Celeste Vong. Para a responsável, o aumento dos problemas mentais é natural nas circunstâncias actuais do território. “É natural que durante as épocas de crescimento económico sejam agravados os problemas de cariz

Celeste Vong presidente do IAS “É natural que durante as épocas de crescimento económico sejam agravados os problemas de cariz psicológico.”

psicológico. Há mais stress, a constituição das famílias agora também é diferente, é mais pequena. Antigamente, os casais tinham, por regra, mais filhos. Era normal terem

quatro ou cinco filhos, o que fazia com que houvesse pessoas dentro de casa com quem partilhar problemas, angustias e mesmo as alegrias. Agora, os pais têm um ou dois filhos,

TDM descarta responsabilidades por bloqueio

Manuel Gonçalves Pires, presidente da comissão executiva da Teledifusão de Macau (TDM), disse ao deputado Si Ka Lon que a decisão dos canais televisivos da CCTV ou vídeos de plataformas como o Tudu ou Youku de serem transmitidos em Macau cabe às emissoras. Manuel Pires disse ainda que a TDM tem vindo a transmitir, desde 2009, vários canais da CCTV com o objectivo de divulgação da cultura chinesa, além de ter na sua grelha de programação programas produzidos na China através de acordos de cooperação. Na sua interpelação escrita, o deputado Si Ka Lon questionou o facto do Governo “ainda não ter resolvido o problema dos direitos de autor”.

Património Âncora do Quartel dos Mouros salvou-se

Os trabalhos de deslocação de árvores junto ao Quartel dos Mouros, ocorridos em Maio do ano passado, levaram à queda do muro original. Contudo, meses depois e findos os trabalhos, o HM pôde comprovar que o muro foi totalmente reconstruído e a histórica âncora foi mantida no mesmo lugar. Na altura, as obras tinham sido autorizadas pelo Instituto Cultural, mas não havia a garantia da protecção da âncora e do respectivo muro, uma vez que apenas o Quartel dos Mouros é património classificado. “O lote das obras respectivas não é bem imóvel classificado, mas integra-se no âmbito da zona de protecção”, disse o IC ao HM.

trabalham e o stress pode ser maior do que antes”, referiu em entrevista ao HM, no passado mês de Dezembro. Celeste Vong alertou ainda para o facto deste tipo de

problemas afectarem essencialmente os jovens.

UM PROBLEMA ABRANGENTE

apoio aos mais velhos que se encontram em tratamento. Para o responsável, são pessoas que muitas vezes enfrentam perdas de amigos e mesmo de emprego, derivado à condição de saúde que enfrentam. De acordo com Sou Keng Leong, 530 pessoas recebem actualmente tratamento na associação, refere o canal de rádio da TDM. A falta de profissionais nesta área é uma das questões levantadas por Elvo Sou, presidente da Associação de Psicologia de Macau. Nesta altura, o território conta com 50 psicólogos, incluindo nos Serviços de Saúde, e 300 assistentes. Elvo Sou diz que desta forma é difícil aumentar o nível profissional e a qualidade dos serviços. O presidente da associação espera que a situação possa ser melhorada no futuro. Elvo Sou refere também que os pacientes deste grupo têm tendência para ideias suicidas e alerta para que as famílias estejam atentas, como forma de prevenção para estes casos.

Para Sou Keng Leong é ainda necessário prestar mais

EMISSÃO DE FUMOS DE RESTAURANTES TAKE AWAY PODE SER FISCALIZADA

A

Direcção dos Serviços de Protecção Ambiental (DSPA) confirmou que se receber queixas sobre emissões de fumos e maus cheiros de restaurantes e estabelecimentos take away irá enviar funcionários para investigar o caso e fornecer instruções para o controlo da poluição produzida. A informação foi dada pela DSPA em resposta a uma interpelação escrita do deputado Zheng Anting feita em 2015, altura em que foi concluída a consulta sobre normas para controlar a emissão de fumos oleosos de restaurantes. Entretanto, de acordo com o documento assinado pelo director Raymond Tam, é necessá-

rio que o Governo proceda a uma profunda análise e coordenação no sentido de assegurar a operacionalidade da legislação. Por outro lado, a DSPA citou mensagens do Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais (IACM) sobre segurança alimentar, depósito de combustível, segurança contra os incêndios e de construção, bem como a higiene ambiental nas lojas take away. Relativamente à hipótese de haver legislação para criar um sistema de licenciamento, a DSPA manifesta uma atitude aberta em auscultar opiniões dos sectores de forma a buscar o consenso na sociedade. V.N.


8 publicidade

4.1.2018 quinta-feira


sociedade 9

quinta-feira 4.1.2018

GRIPE SERVIÇOS DE SAÚDE ALERTAM PARA AUMENTO DE CASOS

Espirros em barda

Hotel Imperial Beijing Pedido de licença rejeitado

O futuro do antigo hotel Palácio Imperial Beijing, na Taipa, fechado desde 2016, está ainda por definir. De acordo com a TDMRádio Macau, os Serviços de Turismo, em 2017, receberam “um pedido de licenciamento relativo à instalação de um hotel no local onde se situava originalmente o hotel Palácio Imperial Beijing”. Porém, “o processo não estava devidamente instruído e não reunia os requisitos legalmente exigidos” e “foi devolvido ao requerente”, indicam ainda os Serviços de Turismo. À Rádio Macau, é ainda explicado que quem fez o pedido “não é o anterior titular da licença” do hotel. Recorde-se que o hotel na Taipa foi encerrado, provisoriamente, em Julho de 2016. Há um ano a administração do Hotel Palácio Imperial Beijing decidiu entregar a licença de operação à Direcção dos Serviços de Turismo.

O número de doentes atendidos com casos de gripe aumentou cerca de 50 por cento na última semana. Os Serviços de Saúde apontam que nos últimos dias do ano foram registados 33 casos por cada mil pessoas ma semana de 2017 e 105 casos relativamente ao período homólogo do ano de 2016”. Os Serviços de Saúde (SS) explicam que os dados entretanto registados em laboratório revelam que “o vírus influenza está a tornar-se mais activo, mas ainda não entrou no período de pico”.

MULHER INTOXICADA POR MONÓXIDO DE CARBONO

U

ma mulher foi intoxicada por monóxido de carbono num apartamento situado na Travessa da Prosperidade. Segundo um comunicado dos Serviços de Saúde, o incidente deu-se na noite de terça-feira, pelas 23h30, quando a mulher, de 48 anos de idade, “tomou banho durante cerca de 10 minutos e manifestou dispneia, tendo desmaiado”. “Após ter

ECONOMIA EXPORTAÇÕES DE MACAU PARA A CHINA ISENTAS DE TAXAS DIMINUEM

A

S exportações de mercadorias com isenção de taxas aduaneiras de Macau para o interior da China atingiram 94,7 milhões de patacas no ano passado, traduzindo uma ligeira diminuição, indicam dados oficiais. Em 2016 o valor das exportações de mercadorias com isenção de direitos aduaneiros de Macau para a China atingiu 97,18 milhões de patacas e em 2015 foi de 101,4 milhões de patacas. De acordo com dados publicados no portal do CEPA–Acordo de Estreitamento das Relações Económicas e Comerciais entre o Interior da China e Macau –, sob alçada da Direcção dos Serviços de Economia, Novembro figurou como o melhor mês, com o registo de 14,2 milhões de patacas. Por outro lado, Março foi o pior mês, com 5,3 milhões de patacas.

Para já, os serviços liderados por Lei Chin Ion “estão a monitorizar de perto a prevalência de doenças respiratórias em escolas e comunidades, sensibilizando os residentes a adopção das medidas de prevenção abaixo que poderá diminuir a infecção da gripe e de outras doenças do tracto respiratório superior”.

Desde Janeiro de 2004 até Dezembro de 2017, o valor acumulado das exportações de mercadorias com isenção de direitos aduaneiros atingiu 861,1 milhões de patacas. Desde a entrada em vigor do acordo, em Janeiro de 2004, têm vindo a ser assinados diversos suplementos, com vista ao alargamento das áreas, produtos e serviços. Recentemente Macau e a China firmaram dois acordos (um de investimento e outro de cooperação económica e técnica) sob a alçada do CEPA. Segundo o Governo de Macau, os dois acordos referidos vão permitir alargar o espaço de desenvolvimento para as pequenas e médias empresas, profissionais e jovens de Macau, bem como o desenvolvimento da diversificação adequada da economia do antigo enclave português.

sido detectada por um familiar, a paciente foi transportada de ambulância para o Centro Hospitalar Conde de São Januário onde, após análises, foi diagnosticada uma intoxicação moderada por monóxido de carbono”, aponta o comunicado. “Após investigação verificou-se que na casa de banho do apartamento existe um esquentador sem instalação de

qualquer tubo exaustão e que durante o banho, as janelas de casa de banho estavam entreabertas. O exaustor estava desligado. Suspeita-se que a intoxicação tenha sido provocada por gás residual num ambiente com má ventilação”, apontam os Serviços de Saúde. Entretanto a doente está estável e já se encontra em tratamento no hospital Kiang Wu.

A Santa Casa da Misericórdia (SCM) recebeu um donativo da MGM no valor de 712 mil patacas para custear as obras de reparação do Centro de Reabilitação dos Cegos (CRC), que sofreu avultados danos com a passagem do tufão Hato. Segundo um comunicado da SCM, o donativo foi “utilizado nas obras de reparação e impermeabilização das paredes e do telhado, bem como a substituição parcial da tijoleira do soalho, afectados pela inundação que chegou ao nível do parapeito das janelas do edifício datado do início dos anos 60 do século passado”. “Em nome dos utentes do Centro, quero agradecer-lhe esta ajuda que permitiu restabelecer o conforto e a segurança a esta valência. Esforçamo-nos para proporcionar aos invisuais um Centro de dia aprazível, onde possam interagir, adquirindo e partilhando conhecimentos, e patrocinadores como a MGM tornam isso possível”, disse António José de Freitas, provedor da SCM.

LOTARIAS GOVERNO RENOVA CONCESSÃO POR MAIS UM ANO

A

Sociedade de Lotarias Wing Hing, Limitada viu renovado o contrato de concessão para a exploração de lotarias chinesas por mais um ano, prolongando-se até 31 de Dezembro e “cessando os seus efeitos” nessa data. O despacho publicado ontem em Boletim Oficial recorda que o primeiro contrato assinado com a Sociedade de Lotarias Wing Hing foi assinado em 1990. O mesmo despacho aponta ainda que “como contrapartida da prorrogação do contrato de concessão até 31 de Dezembro de 2018, a concessionária fica obrigada a pagar à

concedente um prémio anual de quinhentas mil patacas, sem prejuízo de outros pagamentos ou obrigações previstos no referido contrato”. Recorde-se que o contrato com a SLOT – Sociedade de Lotarias SHUTTERSTOCK

O

ano de 2017 chegou ao fim com mais casos de gripe registados no serviço público de saúde. Segundo o canal chinês da Rádio Macau, houve um aumento de cerca de 50 por cento de casos em relação a igual período do ano passado. “Na última semana de 2017, de acordo com os dados de vigilância da gripe no hospital, Macau registou um aumento do número de utentes a quem foi diagnosticada febre, quando comparado com a 51.ª semana e com o período homólogo de 2016.” O mesmo comunicado aponta para a ocorrência de 33 casos registados por cada mil pessoas, o que “revela um aumento de 20 casos comparativamente aos períodos anteriores”. Estes dados dizem respeito aos adultos. No que diz respeito às ocorrências registadas no serviço de urgência pediátrica, “a proporção média foi de 123 casos por 1000 pessoas, registando-se uma ligeira subida de cerca de 106 casos em comparação à penúlti-

Santa Casa MGM doou 712 mil para reparações

e Apostas Mútuas de Macau foi prolongado até 2021. A Macau Slot, ligada a Stanley Ho, explora as apostas desportivas, como de futebol e basquetebol, desde 1998. Há alguns anos que se tem vindo a espe-

cular a possibilidade dos casinos poderem operar este tipo de lotarias, sendo que recentemente Jorge Godinho, académico que lançou o livro Direito do Jogo, sugeriu novamente a quebra deste monopólio.


10 eventos

4.1.2018 quinta-feira

Retratos do lago

Gonçalo Lobo Pinheiro participa em colectiva de fotografia em Londres

C

OMEÇOU ontem na capital inglesa, mais propriamente na Brick Lane Gallery, a exposição colectiva “PHOTOGRAPHY NOW”, que conta com a participação do fotografo Gonçalo Lobo Pinheiro. A selecção do português tem como pano de fundo o povo do Lago Tonle Sap, no Camboja. A exposição estará patente até ao dia 14 de Janeiro, na Brick Lane Gallery, em Shoreditch em Londres. A selecção dos trabalhos para a mostra aconteceu um pouco por acaso. Numa pesquisa de internet o fotografo encontrou um anúncio da galeria londrina a pedir trabalhos para expor e respondeu com o link do seu site de fotografia. Por acaso, Gonçalo Lobo Pinheiro estava a tentar promover outro conjunto de fotografias, porém, o interesse dos galeristas incidiu sobre uma série de imagens a preto e branco que retratam

o quotidiano do povo que habita no Lago Tonle Sap. “Disseram-me que estavam a fazer um contrabalanço com fotografias a cores e a preto e branco e escolheram este trabalho que ainda não tinha sido bem divulgado”, explica. A série do Camboja conta com cerca de 35 fotografias. No entanto, como Gonçalo Lobo Pinheiro apenas tem por sua conta uma parede de três por três metros teve de fazer uma selecção criteriosa das imagens a enviar. “Seleccionei 15 fotografias e eles disseram-me que iam ver se eram expostas entre 10 e 15, com um algum jogo de curadoria à mistura”, conta o fotografo. O propósito da série de fotografias é “mostrar a vida, o dia-a-dia daquelas populações que dependem daquele lago que, por acaso, é o maior da Ásia”, revela Gonçalo Lobo Pinheiro. O

Ciclo da FRC ESCULTURAS DE TODI CONTAM HISTÓRIA DE CRESCIMENTO

Lago Tonle Sap, que traduzido literalmente significa “grande lago”, tem uma extensão de quase 2.600 quilómetros quadrados, que se pode agigantar até perto dos 25 mil quilómetros quadrados durante a época das chuva. Em termos comparativos, estamos perante quase um quarto da área total de Portugal. “As pessoas que ali vivem subsistem da pesca e da agricultura e pecuária nas margens”, conta o fotografo. No Tonle Sap a vida comunitária é aquática, os próprios centros sociais, como unidades de saúde, igrejas e templos, estão construídas na água do lago. Este burburinho comunitário reflectido nas águas foi o foco da lente de Gonçalo Lobo Pinheiro.

São 14 peças que contam os “momentos” da vida de um Custódia Kong de Sousa que há oito anos deixou para civil para se dedicar à escultura. A segunda exposição inaugurada no próximo dia 18 na Fundação Rui Cunha

João Luz

info@hojemacau.com.mo

HISTÓRIA ACADÉMICO BRASILEIRO LANÇARÁ LIVRO SOBRE PRIMEIRO MANDATO DE XI JINPING

E

VANDRO Menezes de Carvalho, um próximo observador da realidade chinesa e das relações sino-brasileiras, está a preparar um livro sobre o primeiro mandato de Xi Jinping. A obra, ainda sem título definido, deverá ser lançada no primeiro semestre, trazendo à baila temas cruciais para a sociedade chinesa, tais quais o fim da política do filho único, anunciada em Outubro de 2015, e assuntos que podem ressoar no Brasil, além de apresentar algumas reflexões. Segundo o académico, os problemas do mundo hoje exigem novas soluções sob novas bases e novo conhecimento. E a China, diz, tem um repertório muito vasto de caminhos. “A China viveu um século de humilhação (referindo-se a ocupações estrangeiras, nos séculos 19 e 20) e no seguinte, passou a estudar o Ocidente. Agora, atinge sua completude”, afirma o autor. Para ele, o

Ocidente, no entanto, não se dedica a estudar com intensidade a China ou mesmo a Ásia e seus processos de desenvolvimento, “confiante no progresso científico e na revolução industrial”, argumenta. E completa: “Nosso repertório é muito reduzido. Ainda há muito preconceito”, por isso o autor queria ver a China com os seus próprios olhos. Mesmo com visitas constantes à China, o autor sempre se surpreendeu com a velocidade das mudanças chinesas. “A forte presença dos pagamentos digitais, via aplicações como o WeChat, e das bicicletas compartilhadas são fenómenos deste último ano, com pouca relação com a realidade de 2016”, lembra o professor. “A China tem uma cultural milenar, com certa permanência, mas vivencia uma dinâmica muito veloz”, analisa Carvalho. “É uma capacidade de realização extraordinária”, completa.

À VENDA NA LIVRARIA PORTUGUESA CARLOS DO CARMO SONGBOOK • Rafael Fraga, Augusto Macedo Edição comemorativa dos 45 anos de carreira de Carlos do Carmo. Conteúdo: Índice • Sobre os Autores • Um Homem no Fado • Considerações Gerais • Agradecimentos • Nota de Tradução • 49 Fados e Canções (textos e pautas musicais) • Carlos do Carmo: Discografia

“Momentos” conta a história de uma rapariga, desde que nasce até que se torna mãe

“Uma das peças é referente é a gratidão em relação à vida por tudo o que lhe trouxe e outra que se chama “dançando com o universo” retrata a harmonia que sente em relação ao que a rodeia, a tudo”

RUA DE S. DOMINGOS 16-18 • TEL: +853 28566442 | 28515915 • FAX: +853 28378014 • MAIL@LIVRARIAPORTUGUESA.NET

MARIA JOÃO PIRES & CARLOS DO CARMO (DGP CD+DVD) Dois dos maiores nomes portugueses da música num disco único. São nove os diálogos que Carlos do Carmo partilha com Maria João Pires neste projecto tão especial que reúne em disco dois dos maiores nomes portugueses da música. O disco conta com a escrita de poetas como Vasco Graça Moura, José Carlos Vasconcelos, Júlio Pomar, Fernando Pinto do Amaral, José Saramago, Urbano Tavares Rodrigues, Nuno Júdice, Maria do Rosário Pedreira e Fernando Tavares Marques e com as composições de António Vitorino d’Almeida. O disco terá uma única edição: digipack acompanhada por um DVD onde se testemunha a gravação dos ensaios para o disco, mostrando as interpretações de cinco dos fados do disco.


eventos 11

quinta-feira 4.1.2018

vida

ma rapariga. A exposição é de a segundo plano a engenharia o individual da artista vai ser

“M

OMENTOS” é a exposição de esculturas de Custódia Kong de Sousa, mais conhecida por Todi que tem inauguração marcada para 18 de Janeiro, na Fundação Rui Cunha, pelas 18h30. A segunda exposição individual da moçambicana que reside em Macau desde 1986 marca também uma experiência da artista na área das peças figurativas. “Usei a escultura para contar uma história, e por isso e chama momentos, porque descreve vários momentos da vida de uma pessoa”, começa por contar Todi ao HM. Por outro lado, Todi quis experimentar outras abordagens, “Nesta série optei mais pelo figurativo porque gosto de desafios e geralmente tento fazer qualquer coisa que seja novo, pelo menos para mim. Como também estava a trabalhar à volta de uma história e de uma pessoa pareceu-me a melhor opção”, sublinha.

CRESCIMENTO NATURAL

“Momentos” conta a história de uma rapariga, desde que nasce até que se torna mãe. Das 14 peças que integram a mostra quase todas foram feitas para esta história. A exposição tem início com uma menina pequena, no colo da mãe, diz a artista. “A menina vai crescendo, uma etapa que é retratada por “Inocência””. Aos seis anos, sonha ser bailarina e na adolescência, descobre que gosta de dançar flamengo. “Nasce a peça à volta desta mudança e deste gosto. É um tema que me inspirou também e penso que é uma dança que representa muito a paixão, sentimento que também quis transmitir com esta peça”, continua Todi. A vida continua a o amor aparece. “Alma gémea” é a peça que retrata esta fase, à que se segue, a “Noiva”. A exposição termina com a protagonista a ser mãe. “A última é a maternidade, quando ela própria se vai tornar mãe. Digamos que aqui quase que o ciclo recomeça”, refere a escultora.  Mas há ainda elementos que retratam, mais do que as fases da vida, estados emocionais. “Uma das peças é referente é a gratidão em relação à vida por tudo o que lhe trouxe e outra que se chama “dançando com o universo” retrata a harmonia que sente em relação ao que a rodeia, a tudo”. 

PEÇAS EM MOVIMENTO

Os materiais eleitos por Todi são a massa epoxie e o tecido endurecido. De acordo com a arista, a escolha é uma questão de preferência essencialmente pessoal. «Porque gosto de experimentar materiais novos e estes são pouco usuais na escultura. A massa epoxie é um material muito resistente e endurece ao ar num período de tempo curto, obrigando a uma forma diferente de abordagem do processo de execução. O tecido endurecido é um material que permite dar mais expressividade e movimento à peça”, refere.  “Com ele tenho as linhas que quero e a dinâmica que procuro”, remata. Sofia Margarida Mota

sofia.mota@hojemacau.com.mo

China Indústria cinematográfica regista crescimento em 2017

A

indústria cinematográfica da China alcançou um crescimento rápido em 2017, com os directores tanto novatos como veteranos a produzir obras que respondem a uma procura cada vez mais diversificada. As receitas da bilheteira subiram 13,45% em 2017 para mais de 55,9 mil milhões de yuans, com os filmes nacionais a contribuir 53,84% para o mercado, de acordo com a Administração Geral de Imprensa e Publicação, Rádio, Cinema e Televisão. O filme nacional de ação “Wolf Warrior 2” ficou no topo da lista e tornou-se o filme de maior bilheteira do país, arrecadando 5,68 mil milhões de yuans. Outros quatro filmes nacionais entraram na lista dos dez melhores -- “Never Say Die” no terceiro lugar, “Kung Fu Yoga” no quarto, “Journey to the West: The Demons Strike Back” no quinto e “Youth” no oitavo. Os filmes de directores chineses foram lançados sucessivamente ao longo do ano. O “Journey to the West: The Demons Strike Back” por Tsui Hark e Stephen Chow estreou durante a Festa da Primavera da China. O “The Founding of an Army” por Andrew Lau foi lançado durante as férias de verão, seguido pelo “Chasing the Dragon” de Wong Jing. O “Youth” de Feng Xiaogang e o “Legend of the Demon Cat” de Chen Kaige estrearam na época do ano novo. Os directores novatos também deram suas contribuições para as receitas de bilheteira. Além do sucesso do “Wolf Warrior 2” por PUB

Wu Jing, outros filmes também prosperaram, como o “Never Say Die” por Song Yang e Zhang Chiyu recebeu 2,2 mil milhões de yuans e o “Duckweed” por Han Han arrecadou mil milhões de yuans. “Em comparação com os seus antecessores, os novos directores prestam mais atenção ao equilíbrio entre o apelo comercial e a expressão artística, promovendo assim a competência geral da indústria cinematográfica chinesa”, afirmou Chen Xuguang, professor da escola de artes da Universidade Peking. Vários filmes de baixo orçamento foram elogiados em 2017. O “Twenty Two”, tratando-se dos contos de 22 mulheres de conforto, tornou-se o primeiro documentário chinês que ultrapassou 100 milhões de yuans em bilheteria e o “Seventy-Seven Days”, um filme de aventura que se concentrou em entusiastas ao ar livre e jovens amantes da arte, também acumulou mais de 100 milhões de yuans. “Nos últimos anos, cada vez mais chineses pedem por conteúdos diversificados de filmes”, apontou Li Jifeng, produtor do “Seventy-Seven Days”. Li destacou a importância do pensamento artístico e toque humano nas produções, dizendo que os vencedores finais seriam os filmes que mostram fé e paixão no seu conteúdo e satisfazem as necessidades do público. A China tem mais de 444 mil salas de cinema, superior ao número da América do Norte.


12 china

4.1.2018 quinta-feira

XINHUA DESTACA IMPORTÂNCIA DO 19º CONGRESSO DO PCC PARA A RELAÇÃO COM OS PAÍSES LUSÓFONOS

O

19º Congresso Nacional do Partido Comunista da China (PCC), que encerrou em 24 de Outubro, traçou um plano ambicioso para construir uma sociedade moderadamente próspera em todos os aspectos até 2021. Mas também enviou fortes sinais de estabilidade e confiança, que são importantes para o mundo lusófono, dizem funcionários governamentais e especialistas. Para Oliver Stuenkel, professor de Relações Internacionais da Fundação Getúlio Vargas (FGV), o congresso do PCC enviou uma mensagem muito importante, mostrando que a China está comprometida em manter a sua porta aberta e em defender a globalização. “A China está disposta a desempenhar um papel para fornecer bens públicos, o que é importante para outros países,” disse. Segundo Stuenkel, muitos países em desenvolvimento, incluindo o Brasil, necessita de uma ordem internacional estável e aberta para obter progressos económicos. O congresso chinês transmite exactamente uma mensagem positiva. “A China nunca foi tão visível e nunca houve tantas pessoas a elaborar as suas próprias estratégias com base no seu relacionamento com a China,” referiu Stuenkel. “Para mim, é uma grande transformação, onde realmente ninguém pode fazer um plano nacional, político e económico sem pensar muito no que está a acontecer na China,” concluiu.

CONGRESSO DA ESTABILIDADE

“O congresso recebeu muita atenção, tanto da população chinesa, como do mundo,” disse Rafael Fontana, especialista do departamento de língua portuguesa da

XINHUA

A importância de não ser o resto

Rádio Internacional da China, acrescentando que o congresso é muito importante e que a partir daí são definidos os passos que a China vai dar nos próximos 15 ou 30 anos. Rafael participou do trabalho de tradução e revisão da versão em português do relatório apresentado por Xi Jinping no 19º Congresso do PCC. “O congresso chama a atenção do mundo inteiro, porque é o evento mais importante que acontece a cada cinco anos na segunda maior economia do mundo,” explicou. “Então é claro que se o congresso e o relatório mostrarem que a China tem estabilidade e um caminho certo para percorrer, isso vai trazer segurança e estabilidade para o resto do mundo,” assinalou. Fontana afirma que o relatório mostra que a China não vai fazer nenhuma mudança brusca nos próximos anos e está disposta a abrir mais. “Isso é muito importante”. Durante os últimos anos, a

“Julgo que Portugal é um país ideal para as empresas chinesas.” ANA VITORINO MINISTRA DO MAR DE PORTUGAL

China manteve sua posição como a segunda maior economia do mundo e contribuiu com mais de 30% do crescimento económico mundial. Além disso, a China defende o desenvolvimento de “uma comunidade de futuro compartilhado para a humanidade” e incentiva a melhora do sistema de governança mundial.

PORTUGAL, PORTO IDEAL

“A China é a locomotiva do crescimento económico do mundo, por isso as decisões emitidas no 19º Congresso do PCC têm, certamente, influência global,” comentou Ronnie Lins, director do Centro China-Brasil para Pesquisa

e Negócios. Para o mundo lusófono, “futuro compartilhado” pode ser interpretado como interesses compartilhados que trarão mais oportunidades de cooperação. Ana Paula Vitorino, ministra do Mar de Portugal, avaliou o congresso do PCC como “fantástico”, destacando a parte da Rota de Seda Marítima do Século XXI, no qual o seu país gostaria de desempenhar um papel. “É muito bom quando o evento político mais importante da China confirma essa política internacional, disse. “A Rota da Seda Marítima do Século XXI não é apenas uma política relacionada com a China, mas é uma rota com um ponto de cruzamento com a rota norte-sul do Atlântico, e neste ponto está Portugal,” assinalou Ana Vitorino, acrescentando que passando por Portugal, pode ter uma ligação não apenas ao norte da Europa, mas também à América do Norte, aos países da CPLP e aos países da América Latina. “Por isso, julgo que Portugal é um país ideal para as empresas chinesas,” disse a ministra, acrescentando que os resultados do congresso facilitarão as cooperações entre a China e Portugal, e também com outros países lusófonos.

O PAPEL DO PRESIDENTE

Para alguns observadores, o desempenho de Xi Jinping, que é considerado o núcleo da liderança do Comité Central do PCC, no congresso, é um sinal de confiança e estabilidade. “Xi Jinping ficou de pé no púlpito do Grande Salão do Povo durante 210 minutos, leu 32.440 caracteres chineses, sem descansar sequer um minuto, e bebeu água somente uma vez. Um feito impressionante para um homem de 64 anos que através de

JINAN CONSTRÓI AUTO-ESTRADA DE PAINÉIS SOLARES

D

EPOIS de conquistar o pódio dos países com maior instalação fotovoltaica, a China inaugura agora uma auto-estrada feita com painéis solares. Localizada em Jinan, a capital da província de Shandong, esta auto-estrada tem uma extensão de dois quilómetros, com uma área total de 5.875 metros quadrados, e é composta por três camadas: betão transparente em cima, painéis fotovoltaicos

no meio e isolamento em baixo. A estrada tem duas vias destinadas à circulação normal e uma para emergências, tendo sido desenhada para transportes públicos e para veículos eléctricos. De acordo com o The Greenest Post, a luz solar é convertida em electricidade que é directamente direccionada para a rede eléctrica. Os mais de cinco mil metros quadrados

de painéis solares têm o potencial de gerar um milhão de kWH por ano, o suficiente para satisfazer as necessidades domésticas de 800 casas. Esta electricidade será utilizada para alimentar a iluminação das ruas, o sistema de derretimento de neve e os postos de carga dos carros eléctricos. Mas, embora seja um projecto empreendedor, é também um projecto ambicioso.

Cada metro quadrado desta auto-estrada tem um custo de 458 dólares, o que a torna num projeto dispendioso. Embora possa parecer uma via frágil, Zhang Hongchao, um dos responsáveis do projecto e especialista em Engenharia de Transporte da Universidade de Tongji, afirma que esta auto-estrada aguenta dez vezes mais pressão do que o asfalto normal.

sua postura determinada - com uma voz serena e compenetrada - passou uma mensagem clara ao mundo... O compromisso da maior agremiação comunista do mundo é garantir o progresso da China através da realização da modernização socialista,” escreveu Gaio Doria, doutor carioca que estuda actualmente na Universidade Renmin em Pequim. É impossível ignorar estes elementos quando buscamos entender este gigante asiático, destacou Doria. Mónica Valente, secretária nacional de relações internacionais do Partido dos Trabalhadores (PT), disse considerar Xi um homem com uma capacidade política muito grande no mundo, à altura dos desafios da humanidade. “Xi é uma liderança importante não apenas para a China avançar nesta nova era mencionada no seu relatório ao congresso, mas também uma liderança global que tem uma preocupação muito forte com a paz, com a humanidade, com o desenvolvimento económico compartilhado, com novos mecanismos de governança global”, assinalou Valente. “Os países de língua portuguesa são países próximos, países amigos da China e têm excelente relação comercial,” disse Rafael. “Hoje a China é o maior parceiro comercial do Brasil e o Brasil é o maior parceiro comercial da China na América do Sul. Então, tudo que acontece na China interessa obviamente a América do Sul e aos países de língua portuguesa. Se a China demonstrar com esse relatório e com esse congresso que vai manter seu caminho de estabilidade e de crescimento, isso traz segurança para o mundo todo e claramente para os países de língua portuguesa e América do Sul,” destacou. Xinhua

Carros Suspensos 553 modelos por consumo excessivo

A China suspendeu a produção de mais de 500 modelos de automóveis que não cumprem com os regulamentos de consumo de combustível do país, na mais recente medida de Pequim para reduzir a emissão de gases poluentes. A medida, que entrou em vigor no primeiro dia do ano, afecta ambos fabricantes domésticos e ‘joint ventures’ com firmas estrangeiras. O país asiático produziu 28 milhões de veículos, em 2016. A China tem dezenas de pequenos fabricantes de automóveis - alguns produzem poucas centenas de carros por ano. Cui Dongshu, secretário-geral da China Passenger Car Association, disse que a medida deverá afectar pelo menos um por cento do mercado automóvel chinês. A China é o maior mercado automóvel do mundo.


china 13

CNBC

quinta-feira 4.1.2018

Inaugurada segunda linha do oleoduto entre Rússia e China

A segunda linha do oleoduto entre a Rússia e China entrou em funcionamento esta semana, dobrando a capacidade anual da estrutura, noticiou ontem a imprensa chinesa. A nova linha começou a operar na segunda-feira e tem uma capacidade anual de 15 milhões de toneladas de crude, de acordo com o jornal oficial em língua inglesa China Daily. Com quase mil quilómetros, esta nova linha vai permitir à China reforçar a segurança energética, numa altura de declínio na produção de crude no nordeste do país asiático. A partir deste ano, a estrutura vai ainda transportar 38.000 milhões de metros cúbicos de gás natural. A China pretende fomentar o uso daquela fonte de energia para reduzir o recurso ao carvão e combater a poluição que afecta várias cidades do país. A Rússia é um dos principais fornecedores de petróleo da China, juntamente com Angola e Arábia Saudita.

Pequim Maria Gustava nova embaixadora de Moçambique

U

MA subsidiária do grupo chinês Alibaba retirou ontem uma oferta pela empresa de transferências monetárias MoneyGram, depois de um comité do governo norte-americano ter travado o negócio. O presidente executivo do MoneyGram International Inc., Alex Holmes, a empresa não conseguiu a autorização do Comité para o Investimento Externo dos Estados Unidos para concretizar a venda à subsidiária daAlibaba, por 1,2 mil milhões de dólares. O comité é responsável por rever aquisições por entidades estrangeiras susceptíveis de ameaçar a segurança nacional dos Estados Unidos. “A situação geopolítica alterou-se consideravelmente desde que anunciamos o acordo”, afirmou Holmes, em comunicado. “Apesar dos nossos esforços para trabalhar em conjunto com o Governo dos Estados Unidos, é agora evidente que o Comité para o Investimento Externo não aprovará” o negócio, acrescentou. Após o anúncio, as acções do MoneyGram, que está cotado no mercado para firmas tecnológicas Nasdaq, recuaram quase 7%.

EUA BLOQUEIAM AQUISIÇÃO DO MONEYGRAM POR FIRMA CHINESA

Proteccionismo à americana AAnt Financial, subsidiária do gigante chinês do comércio eletrónico Alibaba, tinha concordado em Janeiro de 2017 adquirir o MoneyGram. Firmas chinesas têm realizado grandes aquisições de empresas tecnológicas e marcas estrangeiras, sobretudo na Europa e nos Estados Unidos. A maioria dos negócios decorre sem incidentes, mas outros suscitam críticas devido à possibilidade de representaram uma ameaça à segurança do respectivo país ou à perda de activos importantes.

CHINA REAGE

Entretanto, ainda ontem, a China pediu aos Estados Unidos “igual-

dade de condições” para as suas empresas. “Queremos trabalhar com os EUA na base do respeito e benefício mútuos, para avançar na nossa cooperação económica”, afirmou em conferência de imprensa o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, Geng Shuang. Geng afirmou ainda que o Governo chinês “encoraja sempre as suas empresas a seguir as práticas do mercado, as regras internacionais e as leis locais”. Em Setembro passado, o Presidente norte-americano, Donald Trump, bloqueou a compra de um fabricante de semicondutores do estado de Oregon (noroeste dos EUA) por

uma empresa financiada pelo Governo chinês, por motivos de segurança. O grupo Alibaba foi fundado por Jack Ma, um dos homens ricos da China, que visitou Trump na sua torre em Manhattan, depois da vitória nas presidenciais norte-americanas, em Novembro de 2016. Na altura, o grupo chinês afirmou que podia criar um milhão de postos de trabalho nos Estados Unidos, ao apoiar pequenos negócios a vender os seus produtos no mercado chinês. Após o encontro, Trump afirmou que Ma era um “empreendedor fantástico”.

O Presidente da República, Filipe Jacinto Nyusi, nomeou através de Despacho Presidencial Maria Gustava para o cargo de Embaixadora Extraordinária e Plenipotenciária da República de Moçambique junto da República Popular da China. Em Despacho Presidencial separado, exonerou Maria Gustava do cargo de Embaixadora Extraordinária e Plenipotenciária da República de Moçambique junto do Reino da Indonésia, da República de Timor Leste, do Reino da Tailândia e do cargo de Alta-comissária da República de Moçambique junto da República de Singapura e da Federação da Malásia, refere um comunicado de imprensa da Presidência da República. Maria Gustava vai ocupar a vaga deixada por Aires Ali, que foi exonerado do cargo em Outubro último

Lei que proíbe o comércio de marfim entra em vigor

Entrou em vigor neste domingo, na China, a lei que proíbe a comercialização de marfim no país asiático. Até então, a China era um dos principais mercados para o contrabando das presas de elefantes e, o produto era tão cobiçado, que o quilo chegava a custar US$ 1,1 mil. No entanto, de acordo com a agência oficial de notícias do país “Xinhua”, o anúncio da proibição levou a uma queda de 80% dos confiscos de marfim que entram na China, provocando também uma queda nos preços em cerca de 65%. “A compra e venda de marfim e de produtos derivados por parte de mercados, lojas e comerciantes é ilegal. De agora em diante, se um comerciante lhe disser que é um ‘vendedor de marfim autorizado pelo Estado’, estará a enganar e a violar intencionalmente a lei”, afirmou o Ministério de Florestas da China. A caça ilegal de elefantes e a forte procura de marfim levaram à diminuição da quantidade de animais. Segundo a União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês), nos últimos 10 anos, 110 mil exemplares morreram, reduzindo a quantidade de elefantes no mundo para cerca de 415 mil.


14

h

4.1.2018 quinta-feira

macau, três da manhã. as mãos frias e uma sede pirómana capaz de incendiar o mundo. Diários de Próspero António Cabrita

Napoleão em Santa Teresita

D

ESDE miúdo que guardo a sensação de que cada ano, mesmo no seu término, nos trata como se tivéssemos a irrelevância de uma mascote pronta a ser esquecida. Não vejo o que haja a comemorar. Além disso, nem todas as cicatrizes são tão espectaculares que mereçam o relato do que as produziu. Ganhei na última década o hábito de vir passar os derradeiros dias do ano numa lagoa, sem televisão, um lugar quase sem rede telefónica, com uma net gotejante, que exaspera quem dela necessite, e onde os fogos-de-artifício têm a fulgurância dos fósforos molhados no bolso de um esquimó. Chamo a este lugar, em homenagem à minha mulher, Santa Teresita. Bem me tentam os amigos para que com eles festeje em lugares de estardalhaço e dissipação; acabo sempre por desviar-me para esta modorra. Eles não sabem porquê, mas vou-vos contar. Meia-noite e dez sob o alpendre. As miúdas festejam cada “fulminante” que se recorta nos céus. Eu, nas costas delas, sentado à mesa, beberico a Ermelinda e espero uma visita. Todos os anos tenho uma visita.

Tossem nas minhas costas, diligentemente encho de vinho a caneca que mantinha vazia ao meu lado e só depois olho por sobre o ombro. É Napoleão. Diz-me, Espero que não te importes, estava entediado em Santa Helena. Não, estás à vontade, esperava por ti. Convido-o a sentar-se Lembra-me como celebrámos o fim de ano em Moscovo. Na véspera caçámos o veado que agora nos era servido, e eu ao seu lado, com um martelo de ouro partia nozes, enquanto a pequena orquestra atacava uma polca. Um conde russo, que apostou no cavalo errado e espera futuras prebendas do imperador francês, introduzia-nos nas delícias da vodka artesanal e trouxe-nos duas irresistíveis gémeas ucranianas, com rasgados olhos fulvos, que partilharemos. São onze e trinta, faltam trinta minutos para o réveillon e Napoleão insiste em oferecer-me o comando da cidade de S. Petersburgo. Agradeci-lhe mas intuo que me quer desviar do meu béguin por Josefina (esperto como um alho, ele já entendeu) e rejeitei-lhe a oferta, contrapondo: “Tão a norte até o meu sangue tropeça no seu passo, se me queres ocupar preferia que me oferecesses Amsterdam, até porque

estou comprometido com uma neta de Rembrandt”. Ele não me diz que não, replica apenas, enchendo-me o copo com mais uma dose de rum, “Deixa que o duende da bebida seja bom conselheiro!”. Passámos a noite em transe a recordar algumas noitadas em Viena de Áustria ou a discorrer sobre a cosmologia nas tatuagens dos quioquos. É disto que os meus amigos se foram esquecendo, aturdidos pela festa, urbana e desmemoriada. Na passagem, entre os anos, podemos ter uma visita. Nem vos conto os meus réveillons com Baudelaire, Stravinsky, Pasolini e em Cuba, com Lezama Lima. Com Lezama, vi à mesa (provei-o) o menu do banquete do Satíricon, que vos descrevo, deliciado: ovos de pavão, um papa-figos muito gordo untado de gema com pimenta, vinho com mel, grão-de-bico cornudo, uma vulva de porca estéril, empadas de javali, tâmaras frescas e secas, uvas, salsichas e chouriços, um bezerro cozido, uma franga gorda, à guisa de tordo, e ovos de pata encapuchados; um porco coroado de morcela e, em redor, sangue coalhado e miúdos de ave muito bem preparados; acelga e pão integral; lombo de urso; queixo fresco preparado com vinho aba-

fado; um caracol por pessoa; empadas de tordo recheadas de passas e nozes; marmelos eriçados de espinhos. Não foi nada mau. À vulva de porca estéril tive de desfrutá-la às escondidas para que a minha mulher não notasse. Há três anos conversei com Picasso, que nessa noite me levou a Paris. Os sinos acetinavam o ribombar dos fogos. Já tínhamos aviado três garrafas de Bordéus, e ele mete na mesa uma bagaceira caseira. Todos os outros convivas estavam na varanda. Só nós dois quedávamos à mesa, e ele comentava, a voz já levemente pastosa, “… muita gente julga que não vendi de imediato as Demoiselles d’Avignon por apego à arte, tolos, eu sabia que os meus quadros iriam valer ouro nos leilões de arte, escuta o que te digo, daqui a setenta anos, só os quadros do Da Vinci se equipararão no valor que será alcançado pelos meus quadros nos leilões…”. “E isso, para ti, é importante?”, pergunto-lhe intrigado. “Bom, prefiro a água de uma fonte na montanha à que sai das torneiras de ouro, em Versailles, mas só o dinheiro nos pode dar a ilusão de que o nosso tempo não se gasta…E vais ver que um dia os árabes, com os petrodólares hão-de fazer museus onde quererão pôr a Renascença e as Vénus nuas a sair das águas, eles que sempre proibiram a representação do rosto e do corpo humano… Acho que o mundo enlouquecerá sem dignidade…”. Tomei aquela por uma conversa de ébrio, até que hoje, dia 1 de Janeiro de 2018, li no Público de 31 que o quadro de Da Vinci, Salvator Mundi, um dos símbolos da arte cristã, foi rematado num leilão por trezentos e oitenta e dois milhões de dólares, tendo sido a quantia expedida pelo Departamento de Cultura e Turismo de Abu Dhabi, a capital dos Emiratos Árabes Unidos, onde abrilhantará as paredes da sucursal do Louvre. E leio que, ao lado, os demais países árabes descobriram os museus e assaltam como gafanhotos de patas de amianto e cabeça em aricalco o mercado da arte. Não sei como a arte ocidental, a preferida por tais compradores - pelos vistos -, se compadecerá com os dogmas religiosos muçulmanos, mas é uma curiosidade a seguir com atenção. Esperemos que, como aventava Picasso, isto não seja mais um sinal do mundo estar literalmente chanfrado mas antes um indício de abertura. Temo agora que as conversas com os meus visitantes não sejam inocentes mas proféticas e ter quebrado alguma corrente mágica quando não aceitei governar S. Petersburgo. Embora toda a noite Napoleão, afinal o criador do Louvre, tenha revelado uma grande capacidade de perdão.


ARTES, LETRAS E IDEIAS 15

quinta-feira 4.1.2018

Aluvião Miguel Martins

Padres, álcool e aquilo JAN STEEN, A IMPORTÂNCIA DO VINHO, 1663-1664

N

A minha família paterna, oriunda de uma aldeia da região de Coimbra, a influência dos padres sempre se fez sentir. Aliás, entre os meus inúmeros primos contam-se um arcebispo de Braga e o actual pároco da Sé de Lisboa. As missas por alma dos mortos são quase diárias e, nas festas de anos dos mais velhos, os padres são presença imprescindível. Naquelas aldeias, hoje quase despovoadas, a capelas só são abertas no Verão, para responder ao afluxo de gente que, ida de Lisboa, vai passar férias à terra. Ora, numa destas ocasiões, uma prima minha assistiu à seguinte situação: A capela estava cheia. Só mulheres. O padre começou o serviço. Passado pouco, uma fiel interrompeu-o: — Ó Senhor Padre, quando é que nos mostra aquilo? Ao que este lhe respondeu: — Calma. Isso é depois. Mas pouco havia progredido na sua função já outra voz se fazia ouvir do meio da assistência: — Ó Senhor Padre, quando é que nos mostra aquilo? A minha prima achava-se, naturalmente, intrigada. Finda a missa, porém, o mistério dissipou-se, ante a sua incredulidade. Com a maior desfaçatez, o padre pegou numa mala, pousou-a sobre o altar e começou a retirar do seu interior uma grande variedade de cosméticos, destinados a serem vendidos ali mesmo. Acumulava as funções de sacerdote com as de revendedor da Avon e não achava qualquer inconveniência em realizá-las a ambas no mesmo local. É um lugar-comum dizer que a realidade, por vezes, ultrapassa a ficção, e claro que isso depende da ficção de que se fala, mas dar-vos-ei três exemplos de histórias verídicas dignas de figurarem nos anais do neo-realismo ou do realismo mágico latino-americano. A primeira passa-se numa taberna da linda cidade de Tomar, onde vivi um pouco mais de um ano: Certo dia, pela hora do lanche, entrei na referida tasca, situada, se a memória não me engana, perto da sinagoga, e pedi uma cerveja, um queijo seco e um pão. Só depois comecei a observar a paisagem circundante. Era um verdadeiro repositório de pó, teias de aranha e serradura para encapotar a sujidade do chão. Ora, o proprietário, ante o meu espanto, achou por bem esclarecer, cheio de orgulho: — É bonito, não é? Tenho este sítio há trinta anos e nunca foi limpo! Limitei-me a responder-lhe que, afinal, me ia ficar pela cerveja. Embora não

seja dado a grandes esquisitices, o queijo e o pão tinham, subitamente, perdido o seu encanto. A segunda história passa-se num bar de beira de estrada (aquilo a que os espanhóis, desempoeiradamente, chamam um puticlub), situado próximo de Palmela, onde fui levado por um amigo em cuja quinta de Azeitão me achava a passar férias. Encontrava-me sentado, bebendo o meu whisky e apreciando o panorama, quando a minha atenção se achou presa pela sucessão de pinturas parietais que pretendiam embelezar as paredes da sala. As primeiras, como convinha a um estabelecimento daquele género, representavam mulheres nuas, em poses convidativas. Muito bem. O problema surgia mais adiante, quando estas davam

O pintor, a meio do trabalho, converteu-se aos Jeovás e fez este lindo serviço!

lugar a um pai e um filho caminhando, de mão dada, rumo ao sol, e, até, a um Cristo crucificado. Espantado, dirigi-me a um dos empregados de balcão e indaguei: — Ó chefe, sabe explicar-me o porquê destas pinturas…? Ao que ele retorquiu, visivelmente incomodado: — Não me diga nada! O pintor, a meio do trabalho, converteu-se aos Jeovás e fez este lindo serviço! Este episódio passou-se com o meu amigo T.: andava no Instituto Superior Técnico e tinha um colega que, aos dezoito ou dezanove anos, nunca tinha bebido álcool — nunca, sequer, o tinha provado (era aquilo a que os irlandeses chamam “um pioneiro”). Ora, numa festa académica, os colegas lá o convenceram a beber umas quantas cervejas. O rapaz sentiu-se mal e veio para a rua sentar-se num murete e vomitar. Acontece que, estando ele nesses preparos, por mero acaso (evidentemente), faltou a luz naquele quarteirão. Os colegas foram dar com ele lamentando o seu destino: — Meu Deus, o que é que eu fui fazer? Fiquei cego…


16

h

4.1.2018 quinta-feira

´

A Poesia Completa de Li He

九月 離宮散螢天似水,竹黃池冷芙蓉死。  月綴金鋪光脈脈,涼苑虛庭空澹白。  露花飛飛風草草,翠錦斕斑滿層道。  雞人罷唱曉瓏璁,鴉啼金井下疏桐。

Nona Lua Pirilampos por todo o palácio de verão – Um céu como água. Bambus amarelecem, charcos arrefecem, O lótus morre. O luar faísca nas argolas douradas das portas, Raios deliberados.1 Sobre frios jardins, pátios desertos, Um límpido vazio branco. Flores de orvalho voam, voam Num vento sem pressas.2 Bocados de azul em tons espantosos Pejados ao longo das galerias.3 O Galo-anunciador já não canta – Refulgência de aurora!4 Corvos grasnam ao pé do metálico poço Enquanto folhas de cola descem no ar.5

1 2 3 4 5

“Pu-shou”: cabeças de animal em metal que seguravam as argolas de porta. “Flores de orvalho”: as gotas de orvalho prestes a gelar. “Bocados de azul”: folhas de outono. “O Galo-anunciador”: termo usado para os guardas do palácio que anunciavam a aurora todos os dias. A árvore de noz de cola é um símbolo do outono.

Tradução de Rui Cascais • Ilustração de Rui Rasquinho Li He (790 a 816) nasceu em Fu-chang durante a Dinastia Tang, pertencendo a um ramo menor da casa imperial. A sua morte prematura aos vinte e sete anos, a par da escassez de pormenores biográficos, deixam-nos apenas com uma espécie de fantasma literário. A Nova História dos Tang (Xin Tang shu) diz-nos que He “nunca escrevia poemas sobre um tópico específico, forçando os seus versos a conformarem-se ao tema, como era prática de outros poetas [...] Tudo quanto escrevia era inquietantemente extraordinário, quebrando com a tradição literária.” Segundo um crítico da Dinastia Song, o alucinátorio idioma poético de Li He é a “linguagem de um imortal demoníaco.” A versão inglesa de referência aqui usada é a tradução clássica da autoria de J.D. Frodsham, intitulada Goddesses, Ghosts, and Demons, publicada em São Francisco, em 1983, pela North Point Press.


(f)utilidades 17

quinta-feira 4.1.2018

TEMPO

MUITO

O QUE FAZER ESTA SEMANA Hoje

?

NUBLADO

MIN

16

MAX

21

HUM

75-95%

EURO

9.68

BAHT

EXPOSIÇÃO “AO MEU CORAÇÃO UM PESO DE FERRO” Livraria Portuguesa | Até 08/01 EXPOSIÇÃO “O TEMPO MEMORÁVEL” Museu de Macau | Até 25/02/2018 A LINGUAGEM E A ARTE DE XU BING Museu de Arte de Macau | Até 4/3/2018

O CARTOON STEPH

PROBLEMA 190

SOLUÇÃO DO PROBLEMA 189

UM LIVRO HOJE

COCO COCO [A] FALADO EM CANTONENSE Filme de: Lee Unkrich 14.30, 16.45, 19.15

SUDOKU

DE

SALA 1

1.23

OLHO NEGRO

Diariamente

C I N E M A

YUAN

PÊLO DO CÃO

INAUGURAÇÃO DA EXPOSIÇÃO “MOSTRA FOTOGRÁFICA ‘UM CORAÇÃO DIVIDIDO’” Fundação Rui Cunha | 18h30

Cineteatro

0.24

Um dos porteiros do meu prédio tem um olho negro desde o Natal. Temos uma relação cordial baseada em cumprimentos e sorrisos e fiquei chocado por o ver ferido. O que estará além da cordialidade e da serena simpatia daquele homem que tenha resvalado para a selvajaria? Nos primeiros dias o olho estava mesmo muito mau, como se naquela extremidade da cara estivesse para nascer uma nova cabeça arroxeada. Todos os dias aquele sobrolho inchado e colorido angustia-me e enche-me de questões que, provavelmente, nunca terão resposta. Quem terá batido no senhor e porque razão? Não ter estas respostas disponíveis leva a que a minha imaginação vá para sítios inusitados. Imagino dívidas contraídas a pessoas pouco recomendáveis para pagar uma urgência familiar, imagino juros a serem cobrados com violência, imagino súplicas a implorar por clemência. Imagino uma piela nível 5 na escala de Boris Yeltsin para celebrar algum negócio auspicioso e que acaba por degenerar numa orgia de violência numa sala de karaoke ao som de The Prodigy (obviamente filmada pelo Quentin Tarantino). Imagino o senhor a vestir a pele de herói de Kung Fu para salvar a sobrinha que se encontra refém de um maquiavélico chefe de máfia. Depois de ultrapassar a incredibilidade dos primeiros vilões com uns rotativos bem aplicados, o senhor vai limpando andar após andar até conseguir resgatar a sobrinha. O nome do filme pode ser “O Porteiro” e prevejo uma mão cheia de sequelas. João Luz

OS CANTOS DE MALDOROR | CONDE DE LAUTRÉAMONT

Na prateleira dos livros malditos, “Os Cantos de Maldoror” ocupam uma secção à parte. Surrealista antes do tempo, o livro assinado pelo pseudónimo de Isidore Ducasse destila tudo o que é mau no carácter humano. A narrativa avança por seis cantos através de Maldoror, uma besta misantrópica que bate recordes de vilania no mundo da literatura. São descritas cenas de extrema violência, canibalismo, morte de recém-nascidos, crueldade inconcebível, cobardia, fraqueza humana. Apesar do imaginário macabro, do horror fantástico e da dificuldade de classificar o estilo literário, a escrita de Ducasse é refinada. “Os Cantos de Maldoror” são uma estrela negra na constelação literária do séc. XIX. João Luz

SALA 2

INSIDIOUS: CHAPTER 4 [C] Filme de: Adam Robitel Com: Lyn Shaye, Angus Sampson, Leigh Whannell 14.30, 16.30, 19.30, 21.30

JUMANJI: WELCOME TO THE JUNGLE [B]

SALA 3

Filme de: Jake Kasdan Com: Dwayne Johnson, Jack Black, Karen Gillian, Kevin Hart 21.30

FALADO EM JAPONÊS LEGENDADO EM CHINÊS E INGLÊS Um filme de: Katsuyuki Motohi Com: Takeru Satoh, Go Ayano, 14.30, 16.30, 19.30, 21.30

AJIN [C]

www. hojemacau. com.mo

Propriedade Fábrica de Notícias, Lda Director Carlos Morais José Editor José C. Mendes Redacção Andreia Sofia Silva; João Luz; João Santos Filipe; Sofia Margarida Mota; Vitor Ng Colaboradores Amélia Vieira; Anabela Canas; António Cabrita; António Castro Caeiro; António Falcão; Gonçalo Lobo Pinheiro; João Paulo Cotrim; José Drummond; José Simões Morais; Julie O’Yang; Manuel Afonso Costa; Maria João Belchior (Pequim); Michel Reis; Miguel Martins; Paulo José Miranda; Paulo Maia e Carmo; Rui Cascais; Rui Filipe Torres; Sérgio Fonseca; Valério Romão Colunistas António Conceição Júnior; André Ritchie; David Chan; Fa Seong; Jorge Rodrigues Simão; Leocardo; Paul Chan Wai Chi; Paula Bicho; Rui Flores; Tânia dos Santos Cartoonista Steph Grafismo Paulo Borges, Rómulo Santos Ilustração Rui Rasquinho Agências Lusa; Xinhua Fotografia Hoje Macau; Lusa; GCS; Xinhua Secretária de redacção e Publicidade Madalena da Silva (publicidade@hojemacau.com.mo) Assistente de marketing Vincent Vong Impressão Tipografia Welfare Morada Calçada de Santo Agostinho, n.º 19, Centro Comercial Nam Yue, 6.º andar A, Macau Telefone 28752401 Fax 28752405 e-mail info@hojemacau.com.mo Sítio www.hojemacau.com.mo


18 opinião

4.1.2018 quinta-feira

sexanálise

O NICOLAS POUSSIN, VÉNUS ENDORMIE ET CUPIDON

S sonhos eróticos, parte fundamental da nossa sexualidade, já foram alvo de escrutínio durante vários séculos. Diz-me o que achas que os sonhos são, e dir-te-ei todos os complexos sexuais que possas ter. As explicações do que acontece no nosso cérebro quando estamos em REM caía no espectro onde de um lado teríamos a saudável recriação e expressão sexual inconsciente, e do outro teríamos a forma como reprimimos (conceito Freudiano tão citado!), ou reinterpretamos os nossos instintos. Muito se poderia dizer sobre os sonhos, e muito se poderia estudar, mas a verdade é que as comunidades científicas deixaram de estudar o sonho de forma sistemática, i.e., ninguém anda esforçar-se para escrever um novo manual de interpretação. Isto porque os

Sonhos eróticos sonhos caem no domínio da subjectividade individual e quiçá, cultural, de símbolos e conteúdos diversos. O que não quer dizer que não valha a pena escrutiná-los ao tutano para perceber o seu significado. Se quisermos olhar para uma história longínqua dos sonhos, estes sempre estiveram envoltos em mistérios proféticos. Os sonhos eróticos também não seriam excepção, ou porque prometiam uma caça bem sucedida ou um controlo parlamentar pleno. Sim, sim- os políticos da democracia grega antiga consideravam que um sonho erótico com a mãe simbolizava poder, o controlo sexual sobre o que seria a ‘nação’-mãe. Para outros contextos culturais menos proféticos o primeiro sonho erótico/ ejaculação nocturna é considerado um rito de passagem masculino da mesma forma como a menarca é sinalizada como o início da sexualização feminina. E por isso, os rapazes e homens têm mais fama de sonharem com conteúdos sexuais. Não é por acaso que os poucos estudos que existem sobre o tema tendem a concentrar-se na recolha de uma amostra maioritariamente masculina quando se quer perceber a relação entre o sonho

erótico e a vida real erótica. Há estudos que mostram alguma relação entre o consumo de pornografia e a frequência de sonhos. Quanto mais se vê sexo na vida vivida, mais se sonha com ele. E aqui é importante enfatizar a diferença entre ver/imaginar sexo e fazê-lo, porque quando se pratica sexo com muita regularidade, o inconsciente sonhador já não utiliza esses conteúdos da mesma forma. Os nossos sonhos alimentam-se, com maior regularidade, de fantasias que acontecem única e exclusivamente nas nossas cabeças – do que fica na nossa imaginação. Há também quem tenha tentado mapear os conteúdos destes sonhos masculinos e parece que são

Afinal, para que nos serve o sonho erótico? Amadurece‑nos sexualmente? Ajudam‑nos a resolver os nossos conflitos ou vergonhas? Serão conteúdos artísticos ou desprovidos de nada?

TÂNIA DOS SANTOS

tendencialmente egoístas, i.e., o prazer é só deles e de mais de ninguém. Aliás, a a companhia copulatória no sonho nem costuma ser a sua parceira na vida real, mas será uma mulher conhecida ou desconhecida. Há-de ser outra pessoa qualquer. Apesar do sonho já não receber tanta atenção pela psicologia dita mainstream, o Freud talvez tivesse razão ao achar que o sonho é o caminho real para o inconsciente. Não deixa de ser fascinante pensarmos na nossa capacidade de criar cenários e histórias quando estamos de olhos fechados. Quando sonhamos acordados talvez tenhamos uma melhor percepção daquilo que somos e queremos, porque são fantasias do sexo enraizadas na nossa vivência real. Tudo o que se passa no sonho não deixa de ser um exercício de exploração individual inconsciente – que raramente deve ser tomado literalmente. Contudo, são poucos os que ocupam em perceber, afinal, para que nos serve o sonho erótico? Amadurece-nos sexualmente? Ajudam-nos a resolver os nossos conflitos ou vergonhas? Serão conteúdos artísticos ou desprovidos de nada? Sonhando eroticamente, torna o nosso sexo mais feliz?


opinião 19

quinta-feira 4.1.2018

bairro do oriente LEOCARDO

RAFAEL BORDALO PINHEIRO, AS FINANÇAS

O

presidente Marcelo Rebelo de Sousa foi operado a uma hérnia umbilical na última semana de 2017.A figura que provavelmente reune mais consenso em Portugal (tarefa hercúlea, esta) ficou internado alguns dias no Hospital Curry Cabral, de onde nos foram chegando notícias, desde a situação relativa ao trânsito intestinal do Chefe de Estado, até ao momento em que evacuou pela primeira vez. Se isto interessa? Claro que sim – quem é quer ter um presidente obstipado? Assim que teve alta, Marcelo vetou a proposta lei do financiamento dos partidos políticos, o que lhe valeu mais uma ronda de aplausos. Entretanto as redes sociais, esse grande amplificador do que o Portugal inteiro (literalmente) pensa e sente, não perdoou. A forma como a situação clínica do PR foi seguida de perto, ao detalhe, estimulou a costela humorista lusitana. Não faltaram sequer “cartoons” de Marcelo em pleno acto final da digestão. É um povo muito divertido, este. E sofrido, também. É melodramático, por assim dizer. Isto à distância é interessante de se observar; é matéria

Um bigo para um “case study”, e caso fosse partilhar esta mesma ideia nas tais redes sociais, certamente que haveria quem concordasse comigo. E também quem discordasse, ou me considerasse arrogante, e não me surpreendia de todo que dos mais emotivos (para ser simpático), viesse um ou outro insulto mais colorido, ou ainda uma leitura nas entrelinhas de algo que eu não disse, ou sequer dei a entender. Sabendo da distância de onde estou a emitir esta opinião, é ainda possível que saísse um “fica aí onde estás que não fazes cá falta nenhuma”. Mas não é que teriam mesmo razão? Eu próprio já cheguei a essa conclusão vai para um quarto de século. A “pica” que dá isto das redes sociais explica-se em poucas palavras. No fundo trata-se de poder esgrimir argumentos com pessoas que não conhecemos de lado nenhum, e exercitar um pouco a nossa “razão” – e nós temos sempre razão. Criámos uma ocupação

A tecnologia avançou à brava no último século e mais uns pózinhos, mas não somos muito diferentes da forma como Eça, Almada, ou até Bordalo Pinheiro nos pintaram em tempos mais remotos

nacional que rivaliza com o futebol, e às vezes até combinamos os dois; esta noite tivemos um Benfica – Sporting, e independentemente do resultado do clássico, já tivemos uma animada semana fora das quatro linhas, com acusações de uma e outra parte, “lampião” para aqui, “lagarto” para acolá. Nesse particular, todos ganharam, e vão felizes para casa. A tecnologia avançou à brava no último século e mais uns pózinhos, mas não somos muito diferentes da forma como Eça, Almada, ou até Bordalo Pinheiro nos pintaram em tempos mais remotos. Somos o mesmo boneco, enfim, e continuamos a pensar que as críticas são sempre dirigidas aos outros, e que aquilo não é nada connosco. Todos rimos de nós próprios, no fundo. Visto aqui de Macau, a uma distância segura, a ganhar melhor e a chegar a casa meia hora depois do trabalho tem uma certa piada. Aqui não temos os mesmos problemas, e caso existisse uma secção local no PNR, certamente que não teria qualquer problema com a quantidade de trabalhadores não-residentes no território – e até eram capazes de dar um pulinho à “mesquita” do D3 aos fins-de-semana. Mas não posso deixar de seguir passo a passo as alegrias e as angústias do meu povo. Quem não sente não é filho de boa gente, e isto afinal trata-se mesmo de uma relação umbilical. Sem hérnia, pelo menos por enquanto. Despeço-me desejando um feliz 2018 aos leitores do Hoje Macau, onde quer que estejam. Um abraço do tamanho do mundo.


Se querem escapar às inquietações do mundo, sentem-se aqui comigo entre nuvens brancas Han Shan

PALAVRA DO DIA

quinta-feira 4.1.2018

ANGOLA PREPARA FIM DA INDEXAÇÃO DO KWANZA AO DÓLAR

A

PUB

presidência palestiniana afirmou ontem que Jerusalém “não está à venda”, em resposta à ameaça de Donald Trump de cortar 300 milhões de dólares de ajuda financeira se os palestinianos se recusarem a negociar com Israel. “Jerusalém é a eterna capital do Estado da Palestina e não está à venda por ouro ou mil milhões”, disse à Agência France Presse (AFP) Nabil Abu Rudeina, porta-voz da presidência, em referência à recusa palestiniana de retomar as negociações após o reconhecimento por Washington da Cidade Santa como a capital de Israel. A decisão dos EUA irritou os palestinianos, que querem fazer de Jerusalém Oriental anexada por Israel a capital do estado que aspiram, e foi alvo de criticas em todo o mundo. “Não nos opomos a retomar as negociações, mas devem ser baseadas em leis internacionais e resoluções da ONU que reconheceram um estado palestino independente com Jerusalém Oriental como a capital”, acrescentou o porta-voz. Trump ameaçou na terça-feira reduzir a ajuda financeira dos Estados Unidos aos palestinianos. “Pagamos aos palestinianos centenas de milhões de dólares por ano sem reconhecimento ou respeito”, afirmou o presidente americano. “Uma vez que os palestinos não estão mais dispostos a falar sobre a paz, por que devemos fazer pagamentos no futuro?”, questionou. Os Estados Unidos pagaram 319 milhões de dólares em ajuda aos palestinianos em 2016 através da sua agência de desenvolvimento, de acordo com dados disponíveis no site da agência. Além disso, foram adicionados 304 milhões de dólares assistência de Washington a programas da ONU nos territórios palestinianos. Donald Trump não especificou quais os auxílios a que se refere na sua mensagem no Twitter.

O passo e a perna DAN GREC

Jerusalém “não está à venda”

O

ministro das Finanças de Angola admitiu hoje estar a estudar o fim da indexação do kwanza ao dólar, mas acompanhando de perto a variação da moeda para garantir que não vai flutuar de forma descontrolada. “Vamos olhar atentamente para a grande diferença entre a taxa de câmbio oficial e a paralela, e considerar deixar que a moeda flutue, mas isso será feito com um olhar atento para garantir que o kwanza não fique descontrolado”, anunciou Archer Mangueira em entrevista publicada ontem pelo The Banker, uma revista do grupo do jornal Financial Times. Na entrevista, o ministro das Finanças angolano diz que o país tem “carregado um fardo pesado por ter mantido uma taxa fixa face ao dólar desdeAbril de 2016”, o que originou um enorme desfasamento entre a taxa oficial, de 166 kwanzas por dólar, e os cerca de 430 kwanzas por dólar nas transacções feitas no mercado paralelo. Para além da flutuação do kwanza, o ministro disse também à revista The Banker que um dos objectivos para este ano é “acelerar a mobilização das receitas”, o que envolve, entre outras medidas, “expandir a base de taxação de forma a que não aumente o fardo para

os atuais contribuintes”, optando por direccionar os esforços para “alguns sectores subtaxados, que incluem as tarifas e as importações e novas formas de impostos sobre a propriedade”. Do lado da despesa, Mangueira salientou o “fim progressivo dos subsídios, incluindo os generosos subsídios na água e energia, o que deverá gerar uma margem orçamental adicional”. Assim, o défice deverá melhorar de 3,4% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2017 para 3,2% este ano, ajudado também pela adopção de medidas “para garantir que há um processo de licitação transparente nas obras públicas, usando um mecanismo electrónico para a provisão de bens e serviços para o Governo”. De acordo com dados divulgados pela agência de informação financeira Bloomberg, as reservas de Angola em moeda estrangeira diminuíram de 15,4 mil milhões em Outubro para 14,2 mil milhões de dólares em Novembro, o que representa uma queda superior a 25% face aos mais de 20 mil milhões no início de 2017. Angola deverá iniciar 2018 com uma desvalorização da moeda nacional, o kwanza, numa proporção ainda desconhecida, no âmbito do Programa de Estabilização Macroeconómica,

aprovado na semana passada pelo Governo. Na reunião do Conselho de Ministros da última quarta-feira, orientada pelo Presidente da República, João Lourenço, foi aprovado um Programa de Estabilização Macroeconómica para o ano de 2018, um documento que, informou à Lusa a Presidência, “visa, a partir do imediato e de forma efectiva, dar início a um processo de ajuste macroeconómico, do ponto de vista fiscal e cambial, que permita o alinhamento da nossa economia a um ambiente referenciado como novo normal”. Não é avançada a proporção da desvalorização da moeda angolana, mas alguns economistas têm defendido como inevitável um corte superior a 20 por cento, o que poderá ter efeitos nos preços. Angola deverá fechar 2017 com uma taxa de inflação superior a 25% (a um ano). O país vive desde finais de 2014 uma profunda crise financeira, económica e cambial, decorrente da quebra nas receitas com a exportação de petróleo. Devido à realização de eleições, Angola entra em 2018 em regime de duodécimos, estando a aprovação do Orçamento Geral do Estado prevista apenas para fevereiro.

Portugal Salários até 632 euros não vão pagar IRS

Os trabalhadores dependentes e pensionistas com salários de 632 euros vão estar, este ano, isentos de IRS, reflectindo as alterações do imposto no OE/18 como a introdução de dois novos escalões e o aumento do mínimo de existência (montante até ao qual os contribuintes não pagam IRS). O novo patamar salarial sem retenção de IRS é revelado nas tabelas de retenção deste imposto, publicadas em Diário da República. O limite dos 632 euros a partir do qual há retenção de IRS todos os meses aplica-se para quem, sendo trabalhador dependente ou pensionista, é solteiro ou casado nas situações em que os dois membros do casal auferem rendimentos. Em 2017, este limite ia até aos 615 euros. As taxas referem-se aos rendimentos auferidos pelos cidadãos que são residentes no Continente. A partir dos salários brutos mensais de 632 euros, os rendimentos começam a ser tributados de forma gradual.  Até 645 euros é aplicada a retenção na fonte para contribuintes não casados sem filhos, sendo que neste caso a taxa de retenção desce dois pontos percentuais para 3%. Uma descida que se aplica também para casados, dois titulares e sem filhos, com os mesmos 645 euros de salário brutos. A retenção de IRS e desce de 1,7% para 1% para casais com um filho. As descidas nas taxas de retenção da fonte para contribuintes não casados, com e sem filhos, só deixam de ser aplicadas para salários acima de 3094 euros, montante a partir do qual se mantêm as taxas de retenção de 2017.

Brexit Casamento de Harry ajuda a pagar

O esperado matrimónio de Harry e Meghan Markle deve render mais de 550 milhões de euros à economia britânica. Uma consultoria revelou que o valor será obtido com o aumento do turismo e do consumo em lojas e restaurantes da região. A imagem positiva de Meghan deve colaborar significativamente para o resultado, aposta o estudo. “Meghan é uma actriz de muito sucesso com uma popularidade global e uma forte marca pessoal”, disse David Haigh, director executivo de consultores da Brand Finance. O especialista acredita que Megan se juntará à cunhada Kate como uma embaixadora da monarquia e de marcas britânicas, sobretudo em países como os Estados Unidos e o Canadá, onde a actriz da série “Suits” viveu recentemente.

Hoje Macau 4 JAN 2018 #3965  

N.º 3965 de 4 de JAN de 2018

Hoje Macau 4 JAN 2018 #3965  

N.º 3965 de 4 de JAN de 2018

Advertisement