Page 1

DIRECTOR CARLOS MORAIS JOSÉ

SEGUNDA-FEIRA 30 DE JULHO DE 2018 • ANO XVII • Nº 4103

MOP$10

JOGO

Ohayou, Japão PÁGINA 8

EXPOSIÇÃO

A visão de Vong BILL MOSLEY

EVENTOS

Aterrar no CCAC Depois de cerca de oito anos a voar sem destino definido, o caso Viva Macau faz agora escala no Comissariado contra a Corrupção. Na sequência da polémica levantada pelo comunicado

do TJB, que declarou não haver bens para pagar a dívida de mais de 200 milhões de patacas aos cofres públicos, Lionel Leong remeteu o caso para investigação no CCAC.

OPINIÃO PAUL CHAN WAI CHI

SOFIA MARGARIDA MOTA

PÁGINA 6

GALGOS

A boa vontade e o centro

PUB

GRANDE PLANO

www.hojemacau.com.mo•facebook/hojemacau•twitter/hojemacau

O mercador de Veneza

hojemacau


2 grande plano

30.7.2018 segunda-feira

VOLUNTARIADO

A passagem do Hato já tinha mostrado algo que a crise dos galgos voltou a realçar. Quando é necessário, a população de Macau une-se e actua. A prova viva é a onda de solidariedade que juntou centenas de voluntários aos funcionários do IACM no tratamento dos galgos que no passado recente correram na pista do Canídromo

POPULAÇÃO UNE-SE EM SOLIDARIEDADE NO TRATAMENTO DOS GALGOS

AMOR CÃO


grande plano 3

segunda-feira 30.7.2018

SOFIA MARGARIDA MOTA

O

dia começa às nove da manhã. Funcionários do Instituto para os Assunto Cívicos e Municipais (IACM) e voluntários entram nas instalações que há pouco tempo eram o palco das corridas de galgos, para tratar dos 533 animais que ainda ali se encontram. Uns dirigem-se às vassouras, baldes e mangueiras. Os voluntários, que recebem o cartão de identificação, reúnem-se para serem divididos em grupos. À espera estão mais de 500 galgos. Entre as missões por cumprir conta-se a limpeza das jaulas, passear os cães, dar-lhes refeições mas, acima de tudo distribuir carinhos. “Hoje foi o meu primeiro dia e fui seguindo os passos dos outros”, começou por contar Rita Machado, na semana passada, ao HM. Cumpridas as formalidades matinais e uma vez inserida num dos grupos, Rita Machado e os colegas de boa vontade foram para o canil nº8. Existem, neste momento, oito canis naquele espaço, cada um com capacidade para 80 animais.

“Se vivemos em comunidade temos que nos preocupar com o próximo e por isso faz todo o sentido partilhar o nosso tempo e reajustar as nossas agendas para responder ao apelo das associações e do Governo.” RITA MACHADO VOLUNTÁRIA

É aqui que começa verdadeiramente o trabalho. Para que seja dado espaço ao pessoal da limpeza de cada compartimento individual, com cerca de um metro quadrado e onde têm vivido os campeões das pistas de corridas, os voluntários pegam nos animais e levam-nos a passear à volta dos canis. “Vamos recebendo os animais em cada canil e damos uma volta, seja com um, dois ou três ao mesmo tempo”. Enquanto isso os restantes animais aguardam pela sua vez, tentando escapar ao calor. Uns mais encostados à parede de trás da sua jaula onde ainda há alguma sombra, outros, de língua de fora a tentar poupar o corpo a qualquer movimento que nem a temperatura, nem a falta de ventilação ajudam. Depois de passeados, é hora de beber e de comer e, acima de tudo, de dar afecto. “Creio que hoje Continua na página seguinte


4 grande plano

UMA QUESTÃO DE PRIORIDADES

Para ajudar na causa a também arquitecta teve que fazer uma mudança de agenda e de rotina. Se antes começava às nove da manhã no atelier, agora começa ao meio dia e termina mais tarde, pela noite dentro. Não há problema, garante, até porque “se vivemos em comunidade temos que nos preocupar com o próximo e por isso faz todo o sentido partilhar o nosso tempo e reajustar as nossas agendas para responder ao apelo das associações e do Governo”. Para Rita Machado, ser voluntária neste projecto foi a forma que encontrou para manifestar o seu “apoio e solidariedade”. Já Yoko não precisou de ajustar agendas. Reformada, de naturalidade japonesa, optou por encher o seu tempo, enquanto necessário, com a dedicação total a esta causa. Passa agora os dias no Canídromo por ser uma questão “que diz respeito a todos”.

OLHO CLÍNICO

D

epois de anos na pista de corridas da Yat Yuen, há ainda cuidados a ter por parte daqueles que os cuidam e essencialmente por quem queira vir a adoptar um destes animais que pautam a sua relação com as pessoas pela “docilidade e meiguice”. O alerta é deixado pela veterinária Paula Reais. “A história dos galgos, como animais de competição resulta numa fisiologia única que os distingue de outras raças”, conta. A retirada destes animais das pistas trouxe também aos veterinários novos desafios, “já que esta raça apresenta uma idiossincrasia única quer a nível hematológico, quer bioquímico”. De acordo com a especialista, e infelizmente, estas características que fazem destes animais, “verdadeiros Francis Obikwelu ou Usain Bolt”, podem repercutir em lesões próprias da pressão, velocidade e tração. A isto, persistem os problemas articulares, a falta de exercício após a retirada da alta competição, que muitas vezes leva ao sobrepeso devido ao sedentarismo próprio da reforma. Fica o apelo à responsabilidade dos adoptantes que queiram vir a integrar na sua família um destes animais “com inúmeras particularidades”, entra as quais, “uma doçura extrema”.

A rotina é idêntica à de Rita Machado, mas repete-se ao longo do dia, no período da manhã e da tarde. Além das actividades que marcam o dia destas pessoas, Yoko destaca também a oportunidade de estar não só com os animais, mas com os colegas. “O ambiente é muito bom, estamos todos pela mesma razão e contentes por poder contribuir, enquanto for necessário, para o bem-estar destes animais.”

SOFIA MARGARIDA MOTA

passeei dez cães. Depois muda-se a água em cada uma das boxes e a seguir alimentam-se”, explica Rita Machado. “E ainda sobra tempo, no final, para conviver e a dar mimos aos animais”, acrescenta.

30.7.2018 segunda-feira

DOMINGO FORA DO SOFÁ

Apenas com os fins-de semana livres, não é por passar os dias rodeada de animais que a veterinária Paula Reais deixa de prestar a sua colaboração voluntária àqueles que ainda estão no Canídromo. O convite veio de Fátima Galvão, responsável pela associação de protecção dos animais Masdaw e Paula Reais não conseguiu recusar. Por isso, “alterei um pouco a monotonia dos meus rotineiros domingos. Desta vez, experimentei um pouco de exercício fugindo da expectável preguiça domingueira, mas em nada comparado com o exercício que estes verdadeiros corredores fizeram durante anos”. Afinal estas acções podem, apesar de pontuais e simples, ajudar na vida destes animais, considera. No domingo, dia 22 lá estava na porta do Canídromo, às três da tarde, à chuva. “Perdi a conta ao número de animais que nessa tarde passeei”, refere sem esconder contentamento. Apesar de estar inserida numa acção de emergência para garantir os cuidados de tantos animais, a veterinária ressalva a boa organização e dinâmica. “Devo ressaltar que nesta dança de galgos e pessoas, me pareceu que estava tudo relativamente organizado, quer pelo pessoal de limpeza que se ocupava de limpar a urina e as fezes, quer pelos trabalhadores que preparavam os animais para o passeio e os disponham nas respectivas jaulas logo”. Paula Reais ficou no canil número 1 onde alimentou os animais e teve contacto directo com as “condições em que vivem”. De uma forma muito espontânea surgiram os gestos de carinho, “que em todo o momento foram mútuos, porque são animais muito dóceis”, aponta. Para a veterinária este é uma acto civil e cabe a todos dar contributo. “Sinto que é um singelo contributo enquanto cidadã deste território que se vê abraços com esta questão. Na minha opinião, não será exclusivamente política, mas antes uma obrigação conjunta das autoridades responsáveis assim como da sociedade civil”.

AFECTOS PROTEGIDOS

A calma e necessidade de afecto destes cães contrasta com os esforços excessivos das corridas e das más condições em que têm

habitado, que resultaram em feridas e problemas de pele visíveis em muitos deles. Agora, em processo de cura das feridas denunciadas pelo corpo de muitos, e depois de lançados vários apelos no início da semana passada, foram em média 65 por dia, aqueles que se disponibilizaram a ir tratar dos galgos do Canídromo. A estes juntam-se os voluntários que responderam a pedidos da ANIMA e de outras associações de protecção animal do território. “São números impressionantes e comoventes”, aponta Fátima Galvão, responsável pela Masdaw.

Mais uma vez, ajudar não separa, e as nacionalidades e residências podem deixar de fazer sentido tratando-se de uma causa maior. “Há voluntários que vêm de Hong Kong especificamente para ajudar no Canídromo. Há malaios, húngaros, tailandeses, filipinos e mesmo japoneses. Todas as comunidades em uníssono emprestando força e acima muita ternura à causa de proteger os galgos e assegurar o seu bem-estar. Deveria ser sempre assim”, remata. No passado dia 21, o IACM activou um plano de emergência para cuidar dos 533 galgos que ficaram no Canídromo, depois da Compa-

“Alterei um pouco a monotonia dos meus rotineiros domingos. Desta vez, experimentei um pouco de exercício fugindo da expectável preguiça domingueira, mas em nada comparado com o exercício que estes verdadeiros corredores fizeram durante anos.” PAULA REAIS VOLUNTÁRIA

nhia de Corridas de Galgos – Yat Yuen não ter apresentado um plano viável para os animais que estavam na sua posse. AYat Yuen, entretanto, reclamou os cães e apresentou, com a Sociedade Protectora dos Animais - ANIMA - um plano que envolve a criação de um centro internacional de ajuda a estes animais. Tudo indica que a partir de 1 de Agosto, a ANIMA assume a responsabilidade de gestão deste centro. Quanto aos funcionários, para já serão os antigos trabalhadores do Canídromo, supervisionados pelos responsáveis da ANIMA. A Yat Yuen pediu mais 60 dias ao Governo, para que os galgos fiquem naquelas instalações. O tempo necessário para concluir a adaptação do edifício do Pac On, de modo a que possa receber este mais de meio milhar de cães. Sofia Margarida Mota

Sofia.mota@hojemacau.com.mo


grande plano 5

N

ÃO apresentou nenhum plano viável para os animais dentro dos prazos estabelecidos e deixou 533 galgos no Canídromo, ao cuidado do Governo. No entanto, a Companhia de Corridas de Galgos Yat Yuen vai agora construir um centro de realojamento de galgos e criar uma associação para o efeito. A gestão vai ficar a cargo da ANIMA, pelo menos nos próximos dois anos, de modo a garantir a conclusão dos processos de adopção. O IACM mostrou-se favorável ao projecto. “Não há centro nenhum no mundo igual a este” afirmou o presidente da Sociedade Protectora dos Animais de Macau - ANIMA, Albano Martins, após a apresentação, na passada sexta-feira, do acordo com a Companhia de Corridas de Galgos Macau (Yat Yuen), de que Angela Leong é directora-executiva. Na calha está a criação de uma associação responsável por um projecto pioneiro: o Centro Internacional de Realojamento de Galgos, que vai ficar na zona do Pac On, num “prédio que nunca foi utilizado”. “Está novinho em folha, e é uma maravilha. Acho que faria quatro ou cinco ANIMAS lá dentro, é um monstro”, apontou Albano Martins. A gestão ficará a cargo da associação, pelo menos nos próximos dois anos, de modo a garantir o processo de adopção dos 533 animais que vão para já ficar ali alojados. Depois, diz Albano Martins, será altura para dar lugar aos jovens. Angela Leong admitiu a responsabilidade da Yat Yuen pelos galgos, uma semana depois de referir que os cães deveriam ser responsabilidade e propriedade do Governo. “Nós somos responsáveis pelos cuidados dos galgos até ao fim da vida deles”, disse a directora executiva da empresa, pelo que “todas as despesas serão da nossa responsabilidade”, prometeu a também deputada. Estas despesas vão incluir também os custos com as esterilizações e cuidados de saúde dos animais.

INSTALAÇÕES DE LUXO

O novo centro vai custar mensalmente entre 13 e 15 milhões de patacas, sem incluir despesas com o arrendamento e gestão. O novo centro dos galgos é um edifício privado e vai ter uma renda mensal “que custa uma nota preta”, cerca de 800 mil dólares de Hong Kong por mês, adiantou Albano Martins. O centro compreende duas áreas, uma coberta e outra ao ar livre. Vai ainda ter uma zona que permite o convívio com os visitantes. Foram pensados os sistemas de ventilação “e vai ter ar condicionado” avançou. Nada é deixado ao acaso. As boxes são individuais, com um tamanho que está de acordo com as normas internacionais e que

SOFIA MARGARIDA MOTA

segunda-feira 30.7.2018

O cachimbo da paz Acordo ANIMA / Yat Yuen cria centro pioneiro para o realojamento de cães

permitem que os cães não estejam sempre sozinhos, uma vez que um dos lados serão amovíveis, “para permitir o convívio entre um máximo de três cães”. “São animais que se dão bem entre eles e isto é muito bom”, disse Albano Martins com satisfação. As boxes individuais foram desenhadas pela filha de Angela Leong, Sabrina Ho, e “são muito bonitas e muito animal friendly”, acrescentou.

FUMO BRANCO

Os desentendimentos entre as duas entidades, Yat Yuen e ANIMA, são públicos e antigos. No entanto, estando em causa o futuro de tantos animais, e dada a abertura a um compromisso de ambas as partes, “o futuro apresenta-se muito positivo e esta é uma oportunidade de Macau mostrar que é uma cidade exemplar neste sentido a nível mundial”, apontou o responsável pela ANIMA. “Ao longo destes anos, estivemos de costas voltadas, mas o passado é passado e agora vamos para o futuro”, acrescentou Albano Martins. “O passado já passou, agora temos de pensar no futuro destes 533 galgos”, acrescentou Angela

Leong, sublinhando a importância de demonstrar “amor pelos animais”. As demoras na apresentação de um plano para os cães são “simples de explicar”: “precisávamos de mais tempo para podermos ter um bom plano e foi isso que fizemos e estamos a fazer agora”, disse Leong.

VIDA NOVA

De acordo com Albano Martins, o Centro Internacional de Realojamento de Galgos pode entrar em funcionamento partir do próximo dia 1 de Agosto, sendo que os serviços vão, para já, ser assegurados pelos funcionários da Yat Yuen no espaço do Canídromo, enquanto não forem concluídas as obras de adaptação das instalações na Taipa, o que poderá levar um máximo de dois meses. Também aqui a supervisão fica a cargo da ANIMA, que tem liberdade de reclamar junto da Yat Yuen caso não concorde com a forma de tratamento dos animais. “Pediram-nos [a Yat Yuen] se era possível a ANIMA, que vai ficar responsável pela gestão do pessoal, considerar a absorção daquele pessoal, e nós dissemos que sim. E o que foi

combinado é que o pessoal vai começar a trabalhar e nós vamos verificar quem é bom, ou quem não é bom”, refere Albano Martins. A partir daí a decisão final caberá ao grupo, mas “a ANIMA tem carta branca para encontrar os melhores trabalhadores”, acrescentou ainda. Entretanto, o funcionamento e manutenção do Canídromo, bem como o tratamento dos animais, têm sido assegurados por trabalhadores do Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais (IACM) e pelas centenas de voluntários que aderiram ao plano de emergência, oriundos de dez associações de protecção animal.

ADOPÇÕES EM CURSO

A ANIMA vai também coordenar os processos de adopção de forma voluntária e gratuita. Para que os interessados que não residam em Macau possam suportar as despesas de quarentena, o novo centro pode acolher os cães durante um período, sendo que o custo será de 1500 patacas mensais por cada adoptante. A necessidade de pagamento das estadias está relacionada com a necessidade de obrigar os inte-

“Não há centro nenhum no mundo igual a este.”

“O passado já passou, agora temos de pensar no futuro destes 533 galgos.”

ALBANO MARTINS PRESIDENTE DA ANIMA

ANGELA LEONG DIRECTORA-EXECUTIVA DA YAT YUEN

ressados a terem responsabilidades desde o primeiro momento. “Esta é uma forma de responsabilizar aqueles que querem adoptar um cão”, apontou Albano Martins. Também a cargo dos adoptantes ficam as viagens internacionais, sendo que a ANIMA está a negociar com várias companhias aéreas de modo a garantir um preço mais acessível, sendo que já existem duas companhias disponíveis para transportar os animais gratuitamente. O IACM já se mostrou favorável ao novo plano e apela ao cumprimento rigoroso das regras do Governo. No capítulo da adopção internacional os pedidos têm chegado da Austrália, França, Taiwan, Hong Kong e Reino Unido. Em 2016 o Governo deu dois anos à empresa que ocupava o terreno do Canídromo para mudar de localização e melhorar as condições dos cães usados nas corridas ou encerrar a pista, cujas receitas se encontram em queda há vários anos. A 12 de Julho, o IACM já tinha exigido à Yat Yuen a entrega imediata de um plano concreto para realojamento dos galgos, depois de a Direcção de Inspecção e Coordenação de Jogos ter recusado prolongar o contrato de exploração do Canídromo, que há 50 anos operava em Macau. Sofia Margarida Mota

Sofia.mota@hojemacau.com.mo


6 política

30.7.2018 segunda-feira

Ases pelos ares

Novembro desse ano, o Executivo de Macau avançou com uma acção judicial contra a companhia aérea para recuperar um empréstimo de 212 milhões de patacas. O empréstimo à Viva Macau, uma 'low cost' de longo curso que operava desde 2006, foi concedido pelo FDIC devido às dificuldades financeiras alegadas pela companhia. A decisão de reencaminhar o caso da Viva Macau para o CCAC foi tomada pelo secretário para a Economia e Finanças, Lionel Leong, depois de ouvida, esta semana, a Comissão de Acompanhamento para os Assuntos de Finanças Públicas da Assembleia Legislativa, que "sugeriu ao Executivo uma revisão dos procedimentos" de concessão de créditos, indicou um outro comunicado.

"Segundo o secretário, depois de auscultadas as opiniões dos deputados da Comissão, o Conselho de Administração do FDIC decidiu remeter os respectivos processos para investigação pelo CCAC, no sentido de se apurar se houve transferência de bens ou se a declaração de falência envolveu má-fé", acrescentou. Lionel Leong reiterou que o Governo "insiste na recuperação da verba da dívida da Viva Macau

“Depois de auscultadas as opiniões dos deputados da Comissão, o Conselho de Administração do FDIC decidiu remeter os respectivos processos para investigação pelo CCAC, no sentido de se apurar se houve transferência de bens ou se a declaração de falência envolveu má-fé.” COMUNICADO OFICIAL

GRANDE BAÍA ASSINADOS CINCO PROTOCOLOS DE COOPERAÇÃO

F

ORAM assinados cinco protocolos de cooperação no âmbito do projecto da Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau entre o Instituto de Promoção do Comércio e do Investimento de Macau (IPIM) e entidades ligadas a cidades do interior da China. Os acordos foram assinados no passado sábado aquando da realização da “Feira de Produtos de Marca da

Província de Guangdong e Macau 2018”. As entidades envolvidas são a Direcção dos Serviços do Comércio do Município de Huizhou, os Serviços do Comércio do Município de Dongguan e os Serviços do Comércio dos Municípios de Jiangmen e Zhaoqing, entre outras. No caso de Dongguan, o investigador adjunto dos Serviços do Comércio do Município de Dongguan,

por via do processo civil". Também o conselho de administração do FDIC emitiu um comunicado sobre este assunto, onde se refere que, tendo em conta as opiniões da comissão de acompanhamento da Assembleia Legislativa e a “preocupação da sociedade”, ficou decidido “rever novamente este caso, incluindo o processo de apreciação e aprovação e o subsequente processo de recuperação,

Fang Shaoming, disse que foram definidos três âmbitos de cooperação nas áreas de convenções e exposições, indústria de serviços, “investigação e ligações sobre os domínios-chave de desenvolvimento na área da Grande Baía e “aproveitamento das plataformas dos dois lados para promover investimento bilateral”. Já no que diz respeito a Jiangmen, Zhao Ruisi, director dos Serviços do

Comércio do Município, declarou que mais de 900 empresas de Macau estão sediadas e investem também na cidade do interior da China. “No futuro, os produtos de Jiangmen serão exportados para o exterior através de Macau enquanto plataforma de cooperação entre a China e os Países de Língua Portuguesa, bem como por meio do comércio electrónico”, aponta ainda o mesmo comunicado.

GCS

O

Comissariado contra a Corrupção (CCAC) vai investigar a concessão de empréstimos pelo Fundo de Desenvolvimento Industrial e de Comercialização (FDIC) à transportadora aérea Viva Macau, que faliu em 2010. O comissário contra a corrupção, André Cheong, determinou "a instrução de um processo de investigação relativo ao caso da concessão de empréstimos à Viva Macau por parte do FDIC", de acordo com um comunicado oficial divulgado na sexta-feira. O caso remonta a 2010, quando em Março desse ano a transportadora deixou de operar depois de as autoridades terem anulado a licença por dívidas e cancelamento de voos. Em

VIVA MACAU LIONEL LEONG REMETEU CASO PARA O CCAC

GCS

Uma reunião de deputados sobre os empréstimos alegadamente irrecuperáveis da Viva Macau, ocorrida a semana passada, levou o secretário para a Economia e Finanças, Lionel Leong, a enviar o caso para o Comissariado contra a Corrupção para mais investigações. Sulu Sou pede acesso a documentos oficiais

também tendo em consideração a imparcialidade e a justiça”.

MAIS INTERPELAÇÕES

Na semana passada, o Tribunal Judicial de Base (TJB) divulgou, em comunicado, o arquivamento do processo de falência por os bens da Viva Macau serem insuficientes para pagar as dívidas e decidiu não "haver necessidade de continuar a venda de acções detidas pela sua avalista", a Eagle Airways Holdings Limited de Hong Kong. Apesar do arquivamento só ter sido tornado público a semana passada, há muito que alguns deputados do hemiciclo têm vindo a chamar atenção para o caso. Em 2013 o deputado José Pereira Coutinho enviou duas interpelações escritas ao Governo, onde chamava a atenção para o “negligente empréstimo”. Ontem o deputado disse ao HM considerar “estranho” que o caso seja agora remetido para o CCAC. “Acho estranho que só agora, dez anos depois da concessão do empréstimo, o FDIC se tenha lembrado de enviar o caso para o CCAC. Estou curioso em saber se o FIDC encontrou provas de crime ou fortes indícios depois da reunião de comissão”, defendeu. Os deputados ligados à Associação Novo Macau sempre deram atenção a este assunto, e ontem Ng Kuok Cheong voltou a interpelar o Governo por escrito, questionando porque é que o anterior secretário para a Economia e Finanças, Francis Tam, garantiu sempre que a Viva Macau tinha hipotecas suficientes para o empréstimo que tinha sido atribuído. Além disso, o deputado quer saber se o Governo considera ou não fundamental que haja uma responsabilização. Já Sulu Sou quer saber se serão divulgados os documentos sobre o empréstimo de 212 milhões de patacas, para que se apurem responsabilidades sobre o caso, questionando também as antigas declarações de Francis Tam. Andreia Sofia Silva (com Lusa e V.N.)

andreia.silva@hojemacau.com.mo


política 7

segunda-feira 30.7.2018

Como houve um erro na avaliação dos pontos foi a Companha de Engenharia e de Construção da China que acabou contemplada com a obra de 1,06 mil milhões de patacas

GCS

Questões aos milhões

Ella Lei pede detalhes sobre Jockey Club e concessões de jogo

A

deputada Ella Lei está preocupada com a falta de informação por parte do Governo face à renovação da concessão do Macau Jockey Club. Por este motivo, a legisladora enviou uma interpelação escrita a pedir esclarecimentos e a atacar o Governo pela falta de informação, principalmente ao nível de investimento prometido pela Companhia de Corridas de Cavalos, que tem Angela Leong, como directora-executiva. “Apesar do novo contrato estipular um aumento do capital investido que vai ser feito de forma gradual até chegar aos 1,5 mil milhões de patacas, não foi revelado qualquer plano de investimento ou calendário”, começa por apontar a deputada. “Durante o encontro da comissão de acompanhamento com os deputados [em Junho], os responsáveis do Governo não avançaram com os detalhes da nova concessão. Depois também não tiveram a iniciativa de explicar o novo contrato à sociedade”, acrescentou. Em Fevereiro deste ano, o Governo anunciou que a concessão do Macau Jockey Club tinha sido renovada durante mais 24 anos e meio, sem que tenha havido concurso público. Além disso, a renovação avançou apesar da empresa ter uma dívida de 150 milhões de patacas ao Executivo. “Como não há informação, as pessoas questionam se havia realmente interesse público que justificasse o prolongamento do contrato. E como é possível fazer uma renovação de quase um quarto de século nestas condições?”, pergunta Ella Lei. “Como é que vai ser feito o supervisionamento do investimento prometido? Há muitas questões que ainda hoje são um mistério”, frisa. Em particular Ella Lei quer conhecer o plano de investimento e as medidas para punir a concessionária por infracções.

CONCESSÕES DO JOGO

Outro dos assuntos abordados pela legisladora ligada ao Operários é o fim dos contratos das concessões do jogo. Entre 2020 e 2022 as actuais ligações terminam e o Executivo pode optar por prolongá-las por um período que pode chegar aos cinco anos. Porém, no final desse período, terá de fazer um novo concurso. Ella Lei mostra-se preocupada com a falta de transparência do processo. “As informações essenciais sobre as novas licenças do jogo ainda não foram reveladas. Esta forma de lidar com o assunto não só cria especulação como uma preocupação generalizada na sociedade”, aponta. “As pessoas querem saber como vão ser feitos os investimentos que vão beneficiar a comunidade de Macau”, sublinha. J.F.S.

preocupado com a possibilidade de haver um novo concurso e a obra sofrer ainda mais atrasos. Este não seria o primeiro atraso, uma vez que os trabalhos no parque de materiais e oficina do Metro Ligeiro já estiveram parados durante vários meses, para que fosse negociada a rescisão do primeiro contrato com o consórcio formado pelas companhias Top Builders Internacional e pela Empresa Construtora Mei Cheong.

OBJECTIVO 2019

METRO LIGEIRO HO ION SANG ATACA “ERRO BÁSICO” NO CONCURSO

Errar a metro

O deputado apoiado pelos Moradores critica a incompetência da comissão de avaliação de propostas, após um erro no concurso público que atribuiu as obras do parque de oficinas à Companhia de Engenharia e de Construção da China

U

M “erro básico”. Foi desta forma que o deputado Ho Ion Sang classificou o erro cometido pelo Gabinete para as Infra-estruturas de Transportes (GIT) na avaliação do concurso público para a construção do parque de materiais e oficina do metro ligeiro. Em causa está o diferendo entre o Governo de Macau e a empresa estatal China Road and Bridge Corporation devido à

contabilidade dos pontos durante o concurso público. Segundo o acórdão do Tribunal de Última Instância (TUI), a obra de construção da oficina deveria ter sido adjudicada, em Julho de 2016, à China Road and Bridge Corporation. Porém, como houve um erro na avaliação dos pontos foi a Companhia de Engenharia e de Construção da China que acabou contemplada com a obra avaliada em 1,06 mil milhões de patacas.

Em declarações ao Jornal do Cidadão, o Ho Ion Sang acusou a comissão de avaliação de propostas de “falta de capacidade e conhecimento insuficiente dos termos jurídicos” e pediu ao Governo que comece a negociar o mais depressa possível com a construtora estatal chinesa. Por outro lado, para o legislador é impensável que o Executivo não respeite a decisão final dos tribunais. Por essa razão, o deputado dos Moradores mostrou-se

Dado todo o histórico do metro, Ho Ion Sang apelou ao Governo que inicie o diálogo e as negociações com a construtora prejudicada, de forma a evitar mais atrasos nos trabalhos. Ainda de acordo com Ho Ion Sang, o objectivo do secretário Raimundo do Rosário deve passar por colocar o Metro Ligeiro em circulação em 2019 a Linha da Taipa. Esta meta tinha sido traçada anteriormente pelo responsável pelos Transportes e Obras Públicas. Resolvidos os problemas prioritários, o legislador exige que o Executivo aprenda com esta lição e reveja o mecanismo da comissão de avaliação de propostas, ao mesmo tempo que deve procurar responsabilidades administrativas dos funcionários envolvidos. Na quinta-feira passada, Raimundo do Rosário comentou a decisão, na Assembleia Legislativa, e afirmou estar “pouco nervoso”. O secretário admitiu ainda não saber o que vai ser feito, mas prometeu agir de acordo com a decisão do TUI. João Santos Filipe

joaof@hojemacau.com.mo


8 sociedade

30.7.2018 segunda-feira

A

CREDITAMOS que a Las Vegas Sands, MGM (…) e a Melco Resorts estão entre os operadores de casinos com maior probabilidade de obter uma licença no Japão”, disse Margaret Huang, especialista no jogo na Ásia, à agência Lusa. Para a analista da Bloomberg, o grupo Las Vegas Sands provou o seu modelo de negócio em Las Vegas, Macau e Singapura, sendo que este último teve grande influência na decisão do primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, em fazer um esforço para que a lei fosse aprovada. “A Las Vegas Sands está muito interessada em investir nas cidades de Tóquio, Yokohama e Osaka, se lhe for dada essa oportunidade”, disse à Lusa, o grupo, poucos dias depois da lei que permite a abertura de três casinos ter sido aprovada, no dia 20 de Julho. Em resposta a agência Lusa, a Galaxy Entertainment demonstrou interesse em conseguir uma das três vagas existentes. “Estamos ansiosos para continuar o diálogo com o Governo”, respondeu o grupo, através do seu gabinete no Japão. “Vamos trabalhar em estreita colaboração com o Governo, empresas e fornecedores locais japoneses e com os nossos parceiros internacionais para criar um destino de entretenimento de classe mundial” acrescentou o grupo, que acredita que esta lei vai ajudar “o objectivo do Governo japonês em atrair 60 milhões de visitantes até 2030”. No dia 20 Julho, dia em que a lei foi aprovada pelo parlamento nipónico, o presidente executivo da MGM reagiu demonstrando a sua satisfação e confiança em conseguir uma licença para a construção de um ‘resort’ integrado. A aprovação da lei “permite-nos avançar com uma colaboração com os parceiros comerciais japoneses para definir uma visão para um ‘resort’ integrado, de classe mundial (…) a MGM orgulha-se de ter fornecido pesquisa académica e análise económica e de ter feito várias sessões de estudo com especialistas de todo o mundo”, disse Jim Murren, declarando ainda ter, há quatro anos, uma

JOGO OPERADORAS DE MACAU PISCAM O OLHO A CONCESSÕES NO JAPÃO

Os três samurais

Operadoras de jogo em Macau pretendem garantir uma licença no Japão, depois do parlamento nipónico ter aprovado a lei que permite a abertura de três casinos a partir de meados de 2020 equipa de desenvolvimento a tempo integral no Japão.

MELCO NA LINHA DA FRENTE

Margaret Huang considera que a Melco Resorts parte na linha da frente nesta luta acérrima pelo mercado japonês, “por ser a única marca focada na Ásia e dado ao compromisso que tem demonstrado no país [Japão]”. Pelo menos desde há um ano que a Melco Resorts tem mani-

festado interesse em investir no Japão e o seu presidente executivo, Lawrence Ho, filho do magnata Stanley Ho, não se tem coagido de o afirmar publicamente. “O Japão continua a ser a prioridade central”, disse Lawrence Ho durante a apresentação dos resultados do grupo, na terça-feira. “Só para meter as coisas em escala: Nós quase que conseguimos meter 73 ‘Macaus’dentro da cidade

de Tóquio”, afirmou o director executivo da Melco International, referindo-se às potencialidades turísticas, pouco aproveitadas no Japão, durante o discurso inaugural na edição deste ano da feira Global Gaming Expo Asia (G2E Asia), em Maio. De acordo com o director executivo da Melco International, o número de turistas chineses no Japão vai quase duplicar até 2025. “Mesmo a tempo de nós conseguir-

mos abrir o nosso primeiro resort integrado, no Japão”, destacou na mesma ocasião.

SEM IMPACTO EM MACAU

Apesar do grande potencial turístico que o Japão tem a analista da Bloomberg não prevê, pelo menos a curto prazo, repercussões negativas na indústria turística e do jogo em Macau. “Não esperamos que nenhum casino no Japão abra até 2025, por isso não há repercussões de curto prazo para os operadores em Macau. Mesmo quando estes casinos abrirem vão ter de competir com o mercado de Macau plenamente desenvolvido e maduro”, explicou Margaret Huang. De acordo com a analista, os ‘resorts’ integrados nipónicos vão ser mais destinados ao jogo de massas. Ainda assim, considerou, “qualquer um dos operadores de jogos de Macau, se conseguir uma oportunidade no Japão e assim diversificar mais as suas receitas” vão procurar agarrá-la.

TÁXIS ASSOCIAÇÃO QUER DETALHES SOBRE ATRIBUIÇÃO DE ALVARÁS A EMPRESAS

T

ONY Kuok, presidente da Associação de Mútuo Auxílio de Condutores de Táxi, defendeu, em declarações ao Jornal do Cidadão, que existem contradições nas informações que têm vindo a ser divulgadas so-

bre a atribuição de alvarás a empresas, defendendo que os conteúdos da nova proposta de lei devem ser mais específicos. Nesse sentido, Tony Kuok espera que o Executivo comunique mais com o sector para que os taxistas saibam

mais detalhes sobre a atribuição de licenças. O dirigente associativo defende que, no âmbito do concurso para a atribuição de licenças, o Governo deve atribuir apenas metade a sociedades comerciais, a

título experimental, com o objectivo de saber se esta medida é viável. Quanto à exigência das empresas deverem ter um capital social superior a cinco milhões de patacas, Tony Kuok entende que o preço

não é elevado mas pode levar alguns taxistas, que detém licenças a título individual, a enfrentarem dificuldades. No que diz respeito aos táxis certificados, ideia avançada pela associação, o presidente referiu que há

cada vez mais taxistas que querem integrar o programa, tendo sido contabilizados cerca de cem táxis. Já a nova aplicação de telemóvel para chamar os táxis deverá entrar em funcionamento em breve.


sociedade 9

segunda-feira 30.7.2018

TERRENOS TSI VALIDA REVERSÃO DE DOIS TERRENOS POR APROVEITAR

O chefe é que sabe

Arquitectura Vicente Bravo faleceu com 71 anos de idade

Empreitada Obras do Hospital das Ilhas 24 horas por dia

As obras para a edificação do Hospital das Ilhas podem vir a funcionar durante 24 horas por dia. A possibilidade foi avançada pelo director dos Serviços de Saúde, Lei Chin Ion. Segundo o canal chinês da Rádio Macau, os serviços estão a estudar essa hipótese, que permitiria acelerar a empreitada, até porque o futuro complexo hospitalar fica afastado de áreas residenciais. Lei Chin Ion afirmou acreditar que as obras possam arrancar em breve, uma vez que os trabalhos de fundações foram concluídos. As mais recentes previsões apontam para que o projecto, debatido há mais de uma década, fique construído ainda durante o mandato do actual Chefe do Executivo, Fernando Chui Sai On, que termina em Dezembro do próximo ano. O futuro segundo hospital público é, a par do Metro Ligeiro, uma das grandes obras públicas em curso. A obra, que chegou a ter abertura prevista para 2014, tem sofrido sucessivos atrasos.

O Tribunal de Segunda Instância (TSI) deu razão ao Chefe do Executivo em mais dois casos de reversão de terrenos por falta de aproveitamento

O

primeiro caso diz respeito a um terreno localizado na ilha da Taipa, enquanto o outro versa sobre uma parcela situada no ZAPE (Zona de Aterros do Porto Exterior). A decisão do Chefe do Executivo, que declarou a caducidade da concessão de ambos, foi seguida por recursos contenciosos, julgados agora improcedentes pelo Tribunal de Segunda Instância.

TIAGO ALCÂNTARA

O arquitecto Vicente Bravo, que durante décadas viveu e realizou obra em Macau, faleceu aos 71 anos, noticiou ontem a Rádio Macau. Entre outros trabalhos, o arquitecto foi convidado, em 2005, para projectar o novo edifício da Escola Portuguesa de Macau, algo que nunca se concretizou. Numa das últimas entrevistas que deu, ao Jornal Tribuna de Macau, Vicente Bravo defendia que a vinda dos casinos para o território “perturbou tudo” e que a máquina administrativa “sofre de arteriosclerose”. Na mesma conversa afirmou ser um leitor compulsivo de vários romances, além de se considerar “um lisboeta ferrenho”. Bravo veio para Macau em 1980 trabalhar no atelier de Manuel Vicente, tendo projectado o Museu das Ofertas da Transferência de Soberania, localizado no NAPE. O seu atelier estava localizado na Avenida da Amizade, mas já há alguns anos que não vivia no território.

O primeiro caso tem que ver com um terreno localizado entre o Pac On e a subestação eléctrica da CEM, concedido em Junho de 1987, por um período de 25 anos, a Raimundo Ho. O lote designado de PO2, correspondente às parcelas B, C, D1, D2 e E, foi objecto, em Abril de 2016, de um despacho de declaração de caducidade da concessão, proferido pelo Chefe do Executivo, devido ao termo do prazo (em Junho de 2012) sem que tivesse havido aproveitamento

das parcelas ou que a concessão se tivesse tornado definitiva. Segundo um comunicado, divulgado na sexta-feira pelo gabinete do presidente do Tribunal de Última Instância, o TSI indicou que a caducidade da concessão do terreno, por termo do prazo, é de “uma caducidade preclusiva”, que “depende somente de um facto objectivo simples que é o decurso do prazo, independentemente de haver ou não culpa do concessionário”.

Embora reconheça que só existe uma única concessão do lote PO2, que compreende seis parcelas, incluindo a A, que foi aproveitada, o TSI contesta o argumento do concessionário de que não é possível declarar a caducidade parcial das mesmas, atendendo a que nunca foram objecto de desanexação ou concessão autónoma. “Sendo parcelas de terreno devidamente individualizadas e com finalidade e utilidade próprias, não se vê qualquer obstáculo legal”, refere o TSI. Observa ainda o tribunal que impor a declaração de caducidade de toda a concessão – incluindo a parcela A que foi efectivamente aproveitada para moradias unifamiliares – seria “ainda pior” para o recorrente. Já o segundo caso prende-se com um terreno localizado no ZAPE, concedido à Companhia de Investimento Imobiliário On Tai, em Setembro de 1991, também alvo de um despacho de caducidade da concessão por falta de aproveitamento dentro do prazo (30 anos).

CULPA EXCLUSIVA

O TSI reconhece que, aquando da concessão, em 1991, o terreno encontrava-se ocupado por objectos e instalações pertencentes à Administração, o que impossibilitou o imediato aproveitamento do terreno, mas observa que foi exactamente por essa razão que foram autorizadas duas prorrogações do prazo. Primeiro, até 2 de Setembro de 1996 e, depois, até 21 de Maio de 1997, pelo que o tribunal sustenta que a empresa não pode justificar o não aproveitamento com este fundamento.

Caducidade da concessão do terreno por termo do prazo “depende somente de um facto objectivo simples que é o decurso do prazo” TSI Relativamente ao argumento da crise financeira, ocorrida nos anos 1990, o TSI nota que trata-se de um “risco próprio da sua actividade comercial” que tinha que assumir, já que aceitou a celebração do contrato”. No que toca às vicissitudes ocorridas depois de 21 de Maio de 1997, o tribunal diz que “não têm relevância para apurar se a concessionária tinha culpa porque o prazo de aproveitamento já tinha terminado”, pelo que o TSI entende que “o incumprimento do prazo de aproveitamento fixado no contrato se deveu à culpa exclusiva da concessionária”. Diana do Mar

dianadomar@hojemacau.com.mo


10 eventos

30.7.2018 segunda-feira

Recomeço

EXPOSIÇÃO FOTOGRAFIAS ABSTRACTAS DE VO

A terceira exposição de fotografia da Ga abstracta do fotógrafo de Macau Vong S Vong Sek Kuan” abre ao público esta qu

N

O início foi a realidade que já não existe, a recordação de um passado que já poucos vão recordando. Assim foi o arranque da Galeria 1884, que começou por ser uma plataforma de recolha de fotografias de Macau antigo, mas que se transformou num espaço físico. Meses e duas exposições depois, a Galeria 1884 preparaPUB

-se para receber uma nova perspectiva da fotografia. “Beginning Anew – Works by Vong Sek Kuan” é a mais recente exposição, que abre ao público esta quarta-feira, pela mão sábia da curadoria de Yoyo Wong, gestora de curadorias da galeria. Esta iniciativa cultural é fruto do conhecimento de longa data do trabalho do fotógrafo,

que é natural de Macau e que há décadas se dedica à profissão. “Já conhecemos o trabalho de Vong Sek Kuan há muito tempo e sabemos que tem vindo a fazer novos projectos de forma constante. Consideramos que esses trabalhos têm muita qualidade e decidimos fazer a curadoria de uma nova exposição do seu trabalho”, contou Yoyo Wong ao HM.

Na galeria estarão expostas 14 fotografias a preto e branco, que “revelam rostos humanos ou outras figuras que a pessoa consegue distinguir quando olha para elas”. “Ele tirou fotografias da água, cortou algumas imagens e criou outras mais abstractas, que podem mostrar muitas coisas. Parecem-se, por exem-

plo, com caligrafia chinesa”, acrescentou a curadora. Yoyo Wong garantiu que a parte mais importante de organizar uma nova exposição é mostrar ao público um projecto de qualidade. “Como curadores queremos mostrar bons trabalhos, especialmente ao nível da fotografia, porque é esse o nosso foco principal. Queremos mostrar o trabalho de vários fotógrafos na Ásia, apesar de, nos últimos tempos, nos termos focado mais nos fotógrafos de Macau. Estamos abertos a várias possibilidades e este fotógrafo já tem uma grande experiência do ponto de vista criativo.” “Beginning Anew – Works by Vong Sek Kuan”

revela, sobretudo, “uma nova abordagem em termos de fotografia”. “Sentimos que faz sentido mostrar esta série de trabalhos inovadores de um fotógrafo de Macau, porque há muito tempo que temos uma parceria. São bons trabalhos e queremos mostrá-los ao público”, acrescentou.

“Já conhecemos o tra Kuan há muito tempo vindo a fazer novos pr constante. Consideram trabalhos têm muita q YOYO WONG GESTORA DE CURADORIAS


eventos 11

segunda-feira 30.7.2018

os visuais

VONG SEK KUAN NA GALERIA 1884

aleria 1884 revela uma abordagem mais Sek Kuan. “Beginning Anew – Works by uarta-feira Uma vez que se trata de uma mostra ligada ao abstraccionismo, Yoyo Wong acredita que o público terá diferentes sensações e ideias a olhar para as fotografias. “Como são abstractas então há muitas possibilidades de análise e de experiências. Podem gerar sentimentos di-

abalho de Vong Sek o e sabemos que tem rojectos de forma mos que esses qualidade”

versos. Uma fotografia pode ter diferentes perspectivas, tudo depende daquilo que se vê. São mudanças perpétuas inspiradas pelo ciclo da natureza e pela forma como as coisas se movem.” De acordo com a nota informativa da exposição, da autoria da equipa de curadores da galeria, “Beginning Anew – Works by Vong Sek Kuan”, “os padrões das fotografias podem parecer sem significado, mas na realidade estes contornos e formas têm uma relação muito próxima com a circulação constante. As pessoas, nos tempos antigos, encontraram diferentes maneiras de compreender o funcionamento do universo

através das leis da natureza, e esta exposição também reflecte parte do pensamento do fotógrafo em relação à natureza”. Vong Sek Kuan nasceu em Macau e foi instrutor do curso a preto e branco da “Macau Youth Association for Putonghua Promotion”, entre 1969 e 1979. No ano seguinte, começou o seu próprio negócio e desde 2007 que dá

aulas de fotografia. É também membro do Conselho das Indústrias Culturais e director da Associação de Promoção das Indústrias Criativas de São Lázaro.

FOTOGRAFIA EM PORTUGUÊS

Com as portas abertas há alguns meses, a Galeria 1884 já recebeu cerca de cinco a seis mil visitantes PUB

ARQUEOLOGIA GRAVURAS DO CÔA VISTAS DE CANOA

O

ministro da Cultura abriu no sábado de forma simbólica uma nova modalidade de conhecer as gravuras rupestres do Côa, em que os visitantes podem apreciar esta arte milenar através de passeios de canoa pelo rio abaixo. As visitas, nesta primeira fase, vão abranger sítios emblemáticos das Arte do Côa como a Canada do Inferno e a Ribeira de Piscos. “A novidade desta oferta turística é a de se poder observar as gravuras

rupestres, a partir do rio Côa. Há algumas gravuras que só mesmo de canoa se podem ver, sendo a Primavera e o Verão, o melhor período para o efeito”, disse Luís Filipe de Castro Mendes. O governante equipou-se a preceito, o foi mesmo um dos primeiros a dar ao remo, rio Côa abaixo, também de forma a “apadrinhar” esta nova iniciativa lançada pela Fundação Côa Parque (FCP), para atrair visitantes a este

território que é Património Mundial da Humanidade. “Gosto muito da realidade do Côa, esta nova equipa do FCP tem conseguido mobilizar as novas sinergias colocadas ao dispor por este Governo”, frisou o ministro. A Fundação Côa Parque assinala os oito anos do Museu do Côa e os 22 anos do Parque Arqueológico do Vale do Côa, de 28 de Julho a 19 de Agosto. Esta foi uma das iniciativas para assinalar o aniversário.

e, de acordo com Yoyo Wong, o balanço é positivo. “Definitivamente, é um bom sinal e também um bom encorajamento para o nosso projecto”, confessou uma dos três responsáveis da galeria, que promete não ficar por aqui em termos de exposições. Na agenda para os próximos meses está a ser pensada

uma mostra de trabalhos de um fotógrafo do continente e até de Portugal. Contudo, Yoyo Wong não quis revelar nomes por estarem ainda a ser negociados os detalhes da exposição. Andreia Sofia Silva

andreia.silva@hojemacau.com.mo


12 china

L

I Keqiang falava durante uma visita à região autónoma do Tibete, no sudoeste do país, entre quarta e sexta-feira passadas, mas só agora divulgada pela Xinhua. O primeiro-ministro chinês deslocou-se à capital do Tibete, Lassa, bem como ao rio Yarlung Tsangpo, e às localidades de Nyingchi e Shannan, destacou a agência. Em Lassa, o chefe do Governo chinês manifestou confiança que o Tibete “siga as estratégias e políticas do Partido Comunista da China para conseguir desenvolvimento e prosperidade, salvaguardar a unidade nacional e fortalecer a solidariedade entre etnias”, sublinhou a Xinhua. Li visitou o famoso palácio Potala, residência tradicional dos dalai-lamas

U

30.7.2018 segunda-feira

LI KEQIANG TIBETE DEVE SEGUIR ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DE PEQUIM

A quarta visão O primeiro-ministro chinês afirmou esperar que o Tibete “siga as estratégias e políticas do Partido Comunista da China para conseguir desenvolvimento e prosperidade” na capital da região, onde garantiu que o Governo apoiará a protecção do património cultural. Organizações de defesa dos direitos humanos no exílio acusam Pequim de reprimir a religião e a cultura tibetanas. Outro ponto da visita à capital tibetana foi o

M A investigação das autoridades chinesas à farmacêutica Changsheng Biotech, suspeita de ter adulterado vacinas, confirmou que a empresa falsificou dados e usou materiais com validade expirada na produção, anunciou a agência de notícias oficial chinesa. A investigação, anunciada na sexta-feira e efectuada por uma equipa do Conselho de Estado [Executivo] chinês, determinou que para reduzir custos e melhorar a produção a empresa usou fluido com validade expirada na produção de alguns produtos, falsificou dados de fabrico e realizou testes irregulares, entre outras práticas ilegais, afirmou a Xinhua.

mosteiro Jokhang, um dos mais sagrados do Tibete, afectado este ano por um incêndio.

TORRE AQUÁTICA

Em Nyingchi, Li Keqiang esteve em contacto com várias comunidades alvo de programas governamentais de alívio da pobreza,

reuniu-se com residentes e líderes da zona e sublinhou a necessidade de promover o desenvolvimento sustentável e melhorar a qualidade de vida dos tibetanos. No rio Yarlung Tsangpo, o primeiro-ministro conheceu iniciativas de conservação dos recursos hídricos e do ecossistema

Às três pancadas

Investigação determina que vacinas foram adulteradas

Os responsáveis da farmacêutica tentaram destruir 60 discos rígidos com dados da empresa para eliminar provas, mas a polícia conseguiu recuperar o material informático, indicaram os investigadores. As autoridades detiveram já 16 dirigentes Changsheng Biotech, incluindo a presidente da companhia Gao Junfang. De acordo com o relatório preliminar, a farmacêutica inventou “de forma sistemática” registos de produção e inspecção, falsificou facturas

com datas incorrectas para cumprir as exigências dos inspectores. O regulador chinês ordenou a suspensão da produção, na sequência de uma inspecção inicial, realizada entre 6 e 8 de Julho, na qual foram detectadas irregularidades, denunciadas por um funcionário anónimo nas redes sociais chinesas. O artigo foi posteriormente censurado, mas desencadeou grande polémica. A Changsheng Biotech terá falsificado dados relativos a 113 mil

local e afirmou que o planalto tibetano é “a torre aquática da China e da Ásia”, pelo que a conservação deve ser reforçada para garantir o desenvolvimento sustentável de todo o país. A região do Tibete está fechada à imprensa estrangeira desde as revoltas em Lassa e em outras cidades da província em 2008, nas quais se registaram pelo menos 20 mortos. Nesta década, os principais focos de protestos ocorreram em mosteiros tibetanos no oeste da China e já fora da região autónoma do Tibete, nos quais mais de uma centena de monges ou apoiantes da causa tibetana se tentaram imolar pelo fogo para denunciar a polícia repressiva de Pequim.

vacinas liofilizadas contra a raiva em humanos, embora o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da China tenha estimado só terem sido afectados dois em cada 100 mil inoculados em todo o país. Até agora, não se registaram reacções adversas às vacinas. Já em Outubro passado, a firma tinha sido investigada por outras 250 mil vacinas contra a difteria, tosse convulsa e tétano terem mostrado pouca eficácia. As suspeitas sobre a farmacêutica voltaram a afectar todo o sector sanitário chinês, frequentemente acusado pelos doentes de preferir os lucros económicos à saúde da população.

ECONOMIA FMI PEDE À CHINA PARA ACELERAR REFORMAS E REDUZIR DÍVIDA

O

Fundo Monetário Internacional encorajou a China a acelerar as reformas estruturais e a prestar atenção ao “crescimento insustentável” do crédito, para manter o crescimento económico ao mesmo tempo que reduz a dívida. A instituição financeira apontou “o contraste” entre os objectivos declarados por Pequim, como a estabilização do endividamento, o papel decisivo reconhecido ao mercado, maiores aberturas, e o aumento “sempre insustentável” do crédito, o intervencionismo invasivo do Estado ou ainda as restricções às trocas e ao investimento. “Se estas tensões não forem resolvidas, podem ameaçar os objectivos (de crescimento) das autoridades” e encorajar uma “política de recuperação impulsionada pelo crédito”, como depois da crise financeira de 2008, alertou o Fundo Monetário Internacional (FMI) num relatório. Esta reviravolta pode “intensificar as vulnerabilidades chinesas” e levar a “um brutal reajustamento” da segunda economia mundial, sublinhou. O alerta do FMI surgiu quando, ainda esta semana, Pequim prometeu “uma política fiscal mais activa” para estimular a economia, com deduções fiscais e emissões de títulos para financiar projectos de infra-estruturas. “Uma política baseada na direcção [do Estado] e no crédito servirá apenas para manter uma má distribuição de recursos e intensificar os riscos”, sublinhou o relatório. Apesar do crescimento, impulsionado pelas exportações e gastos públicos, a dívida total da China continua a subir, advertiu o FMI, segundo o qual a dívida será superior a 260 por cento do PIB este ano, excluindo o sector financeiro. A situação levou Pequim a cortar as despesas das colectividades locais e a reforçar as advertências sobre produtos de investimentos “opacos”.


região 13

segunda-feira 30.7.2018

JAPÃO TEMPESTADE CAUSA PERTURBAÇÕES NOS TRANSPORTES E FALHAS DE ENERGIA

U

MA tempestade tropical perturbou ontem os transportes no Japão e deixou sem energia milhares de casas na sua passagem em direcção à região oeste, ainda a recuperar de chuvas devastadoras no início deste mês. De acordo com a televisão pública japonesa NHK, pelo menos 16 pessoas ficaram feridas. A tempestade tropical Jongdari tocou terra pelas 01h (meia-noite em Macau), no centro do Japão, causando chuvas fortes em Tóquio, com ventos de 90 quilómetros por hora (km/h), e rajadas de até 128 km/h. As transportadoras aéreas cancelaram várias ligações de e para as zonas afectadas pelo segundo dia consecutivo,

e os serviços ferroviários sofreram atrasos ou foram também cancelados. Os serviços de fornecimento de energia registaram falhas no abastecimento à medida que a tempestade se movia de leste para oeste, de acordo com a NHK. Residentes e trabalhadores empilharam sacos de areia para prevenir inundações nas prefeituras de Okayama e Hiroshima, as duas regiões mais atingidas por aluimentos de terra e inundações, no início deste mês, que mataram mais de 200 pessoas. As autoridades japonesas emitiram ordens de evacuação naquelas zonas. A tempestade tropical Jongdari é a 12.ª da temporada na Ásia.

Indonésia Pelo menos 10 mortos e 40 feridos em sismo

Pelo menos dez pessoas morreram ontem e 40 ficaram feridas na ilha indonésia de Lombok, na sequência do sismo de magnitude 6,4, disseram as autoridades. O distrito de Lombok leste foi o mais atingido com oito mortos, incluindo um cidadão da Malásia, disse um porta-voz da Agência de Mitigação de Desastres indonésia, Sutopo Purwo Mugroho. O número de mortos pode ainda aumentar, uma vez que os dados de outras localidades ainda estão a ser recolhidos, acrescentou. O sismo desencadeou um aluimento de terra no monte Rinjani e as autoridades ainda estão a avaliar o impacto. O mesmo portavoz tinha indicado anteriormente três mortos e 12 feridos, na sequência do sismo que abalou a ilha de Lombok, um destino turístico popular, próximo de Bali, na Indonésia, disseram as autoridades. O arquipélago da Indonésia, com milhares de ilhas, situa-se no chamado Anel de Fogo do Pacífico, uma zona de elevada actividade sísmica e vulcânica.

Índia Pelo menos 30 mortos em acidente de autocarro

Pelo menos 30 pessoas morreram no sábado quando viajavam num autocarro que caiu num precipício no Estado de Maharashtra, a oeste da Índia, disse à agência Efe uma fonte oficial. O veículo despenhou-se num desfiladeiro ao início da tarde no distrito de Raigad, tendo sobrevivido apenas um dos seus ocupantes, que saltou do autocarro, disse o superintendente da polícia local, Anil Subash Parashkar. A mesma fonte explicou que as autoridades continuam a recolher os corpos. Os passageiros eram empregados da Universidade Dapoli de Agricultura e estavam a fazer este trajecto que fazia parte de uma viagem de dois dias. “Condolências pelas mortes registadas no acidente de autocarro no distrito de Raigad, no Estado de Maharashtra. As minhas condolências para aqueles que perderam aos seus entes queridos”, disse o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, na rede social Twitter. Dados do Ministério do Transporte indicam que 150.785 pessoas morreram em acidentes rodoviários na Índia em 2016.

Donald Trump, Presidente norte-americano “Os restos mortais dos soldados norte-americanos vão deixar finalmente a Coreia do Norte e regressar aos Estados Unidos, depois de tantos anos. Será um grande momento para muitas famílias. Obrigado Kim Jong-un.”

COREIA DO NORTE PYONGYANG DEVOLVE AOS EUA RESTOS MORTAIS DE SOLDADOS

Os que ficam para trás A Coreia do Norte devolveu aos Estados Unidos 55 caixas com restos mortais de soldados norte-americanos que combateram na Guerra da Coreia (1950-1953), afirmou o comando da ONU na Coreia do Sul

D

E acordo com o comando da ONU, está prevista a realização de uma cerimónia na próxima quarta-feira, na base aérea de Osan, na Coreia do Sul, em homenagem às vítimas. Para os Estados Unidos, este é um passo significativo para o retomar das operações de recuperação dos restos mortais de milhares de soldados norte-americanos que morreram a combater na guerra da Coreia. “Os restos mortais dos soldados norte-americanos vão deixar finalmente a Coreia do Norte e regressar aos Estados Unidos, depois de tantos anos. Será um grande momento para muitas famílias. Obrigado Kim Jong-un [líder norte-coreano]”, escreveu Donald Trump, na conta oficial da rede social Twitter. De acordo com imagens transmitidas em directo pela televisão sul-coreana, um avião militar dos Estados Unidos aterrou na base aérea de Osan, antes das 12h (11h

em Macau), após ter recolhido, na Coreia do Norte, restos mortais de soldados norte-americanos que combateram na Guerra da Coreia.

FRUTOS COLHIDOS

A transferência dos restos mortais de antigos comba-

tentes norte-americanos é um dos primeiros resultados da cimeira entre os líderes dos Estados Unidos, Donald Trump, e da Coreia do Norte, Kim Jong-un, a 12 de Junho passado, em Singapura. Cerca de 7.700 soldados norte-americanos foram

dados como desaparecidos durante a Guerra da Coreia, e 5.300 restos mortais estariam ainda na Coreia do Norte. Quatro milhões de pessoas morreram na sequência da Guerra da Coreia, incluindo 36.000 soldados norte-americanos.

PUB

AVISO COBRANÇA DA CONTRIBUIÇÃO ESPECIAL 1. Faço saber que, o prazo de concessão por arrendamento dos terrenos da RAEM abaixo indicados, chegou ao seu término, e, que de acordo com o artigo 53.º da Lei n.º 10/2013 <<Lei de Terras>>, de 2 de Setembro, conjugado com os artigos 2.º e 4.º da Portaria n.º 219/93/M, de 2 de Agosto, foi o mesmo automaticamente renovado por um período de dez anos a contar da data do seu termo, pelo que devem os interessados proceder ao pagamento da contribuição especial liquidada pela Direcção dos Serviços de Solos, Obras Públicas e Transportes. Localização dos terrenos: - Rua de Pequim, n.ºs 66A a 102L e Rua de Xangai, n.ºs 21D a 75I, em Macau, (Edifício I Pou Kok / I Tou Kok); - Estrada de Cacilhas, n.ºs 39 a 49, em Macau, (Edifício Ching Bic Kok – Bloco II); - Estrada Marginal do Hipódromo, n.ºs 1 a 7A e Estrada da Areia Preta, n.º 38B, em Macau, (Edifício Novo Macau Centro). 2. Agradece-se aos contribuintes que, no prazo de 30 dias subsequentes à data da notificação, se dirijam à Recebedoria destes serviços, situado no rés-do-chão do Edifício “Finanças”, ao Centro de Serviços da RAEM, ou, ao Centro de Atendimento Taipa, para os efeitos do respectivo pagamento. 3. Na falta de pagamento da contribuição no prazo estipulado, procede-se à cobrança coerciva da dívida, de acordo com o disposto no artigo 6.º da Portaria acima mencionada.

Aos, 4 de Julho de 2018. O Director dos Serviços de Finanças, Iong Kong Leong


14 publicidade

30.7.2018 segunda-feira

´


segunda-feira 30.7.2018

Quando vier a Primavera, Se eu já estiver morto, As flores florirão da mesma maneira. A realidade não precisa de mim Paulo Maia e Carmo texto e ilustração

h

Das expressões visuais do humanismo

P

IERO della Francesca (c.14151492) foi dos primeiros pintores a aplicar à arte da pintura os conhecimentos da geometria contribuindo de modo decisivo nas artes visuais para a aurora de racionalidade que caracterizaria o período designado como Renascimento. Na sua obra «O baptismo de Cristo», feita c. 147482, e que está na National Gallery em Londres, reúne de forma magistral a fé e a razão. No momento bíblico que instaura um novo ritual próprio da fé cristã (Mt.3-17), Piero utiliza o círculo – associado à divindade, e o quadrado – a terra, para demonstrar o tempo do encontro dos dois planos; o divino e o humano. No centro do círculo uma pomba, símbolo do divino, no centro do quadrado, de pé, a figura humana de Jesus Cristo. O humano ao centro, fazendo descer totalmente o círculo fazendo-o coincidir com o quadrado era o objectivo reiterado da nova corrente de pensamento dos chamados Humanistas, figurado no ideal do «Homem de Vitrúvio» que Leonardo da Vinci desenharia. Quando a fama de Su Shi (1036-1101) se difunde na China já existia um culto à expressão do humanismo presente nos ensinamentos de Confúcio, que acentuava o seu carácter ético através da expressão contida no caracter e na noção do ren. E assim, de modo característico para um letrado do seu tempo, a actividade de Su Shi estendia-se a vários domínios onde se pode exprimir o espírito. Da literatura à política,

da poesia à caligrafia e à pintura, foram várias as expressões que utilizou para afirmar a nobreza do espírito humano. Para reunir num conceito todos os contributos essenciais à pintura utilizou pela primeira vez a fórmula Shiren hua, a «pintura dos homens educados». Esta concepção nova estará associada a um facto biográfico. Exilado desde 1081 em Huangzhou, Hubei, junto de uma certa «encosta oriental», dedicado ao Budismo Chan, desta tomou o nome Dongpo, que é a sua tradução. Su Dongpo referir-se-á a uma questão central da pintura: a representação da «semelhança da forma exterior» ou a compreensão do princípio intemporal da criação? A criação espontânea, expressão da vontade humana interior é superior à técnica laboriosa, dirá. Se não reuniu numa só obra a exposição sistemática do seu pensamento, e este se dissemina numa série de escritos diversos e inscrições em pintura, isso corresponde bem ao seu projecto cultural e humanista em que no centro estava o desejo de apontar uma série de pistas que conduziriam ao ideal de constante melhoramento do ser humano. Neste lugar de cruzamentos de tão díspares vidas humanas em que nos foi dado viver, talvez estejamos na melhor posição para entender aqueles como Su Dongpo ou Piero della Francesca, que bem exprimiram, de modo diferente e original, essa vocação do encontro humano numa encruzilhada.

15


16 publicidade

30.7.2018 segunda-feira

MANDADO DE NOTIFICAÇÃO N.° 457/AI/2018

MANDADO DE NOTIFICAÇÃO N.° 500/AI/2018

-----Atendendo à gravidade para o interesse público e não sendo possível proceder à respectiva notificação pessoal, pelo presente notifique-se o infractor ZHANG WENJUN, portador do Passaporte da RPC n.° E09055xxx, que na sequência do Auto de Notícia n.° 68/DI-AI/2016 levantado pela DST a 06.06.2016, e por despacho da signatária de 17.07.2018, exarado no Relatório n.° 429/DI/2018, de 11.06.2018, nos termos do n.° 1 do artigo 10.° e do n.° 1 do artigo 15.°, ambos da Lei n.° 3/2010, lhe foi determinada a aplicação de uma multa de $200.000,00 (duzentas mil patacas) por controlar a fracção autónoma situada na Avenida da Amizade n.os 361-B - 361-K, Edf. I On Kok, 11.° andar F, Macau onde se prestava alojamento ilegal.----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------O pagamento voluntário da multa deve ser efectuado no Departamento de Licenciamento e Inspecção destes Serviços, no prazo de 10 dias, contado a partir da presente publicação, de acordo com o disposto no n.° 1 do artigo 16.° da Lei n.° 3/2010, findo o qual será cobrada coercivamente através da Repartição de Execuções Fiscais, nos termos do n.° 2 do artigo 16.° do mesmo diploma.--------------------------------------Da presente decisão cabe recurso contencioso para o Tribunal Administrativo conforme o disposto no artigo 20.° da Lei n.° 3/2010, a interpor no prazo de 60 dias, conforme o disposto na alínea b) do n.° 2 do artigo 25.° do Código do Processo Administrativo Contencioso, aprovado pelo Decreto-Lei n.° 110/99/M, de 13 de Dezembro.------------------------------------------------------------------------------------------------------Desta decisão pode o infractor, querendo, reclamar para o autor do acto, no prazo de 15 dias, sem efeito suspensivo, conforme o disposto no n.° 1 do artigo 148.°, artigo 149.° e n.° 2 do artigo 150.°, todos do Código do Procedimento Administrativo, aprovado pelo Decreto-Lei n.° 57/99/M, de 11 de Outubro.------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------Há lugar à execução imediata da decisão caso esta não seja impugnada.--------------------------------------------------------------------------------------O processo administrativo pode ser consultado, dentro das horas normais de expediente, no Departamento de Licenciamento e Inspecção desta Direcção de Serviços, sito na Alameda Dr. Carlos d’Assumpção n.os 335-341, Edifício ‘‘Centro Hotline’’, 18.° andar, Macau.--------------

-----Atendendo à gravidade para o interesse público e não sendo possível proceder à respectiva notificação pessoal, pelo presente notifique-se o infractor CHAN WA TENG, portador do Bilhete de Identidade de Residente Permanente da RAEM n.º 73933xxx, que na sequência do Auto de Notícia n.° 96/DI-AI/2016 levantado pela DST a 06.09.2016, e por despacho da signatária de 19.07.2018, exarado no Relatório n.° 470/ DI/2018, de 02.07.2018, nos termos do n.° 1 do artigo 10.° e do n.° 1 do artigo 15.°, ambos da Lei n.° 3/2010, lhe foi determinada a aplicação de uma multa de $250.000,00 (duzentas e cinquenta mil patacas) por controlar a fracção autónoma situada na Rua de Luis Gonzaga Gomes n.° 576, Hung On Center, Bloco 2, 10.° andar N, Macau onde se prestava alojamento ilegal.----------------------------------------------------------------------O pagamento voluntário da multa deve ser efectuado no Departamento de Licenciamento e Inspecção destes Serviços, no prazo de 10 dias, contado a partir da presente publicação, de acordo com o disposto no n.° 1 do artigo 16.° da Lei n.° 3/2010, findo o qual será cobrada coercivamente através da Repartição de Execuções Fiscais, nos termos do n.° 2 do artigo 16.° do mesmo diploma.--------------------------------------Da presente decisão cabe recurso contencioso para o Tribunal Administrativo conforme o disposto no artigo 20.° da Lei n.° 3/2010, a interpor no prazo de 30 dias, conforme o disposto na alínea a) do n.° 2 do artigo 25.° do Código do Processo Administrativo Contencioso, aprovado pelo Decreto-Lei n.° 110/99/M, de 13 de Dezembro.------------------------------------------------------------------------------------------------------Desta decisão pode o infractor, querendo, reclamar para o autor do acto, no prazo de 15 dias, sem efeito suspensivo, conforme o disposto no n.° 1 do artigo 148.°, artigo 149.° e n.° 2 do artigo 150.°, todos do Código do Procedimento Administrativo, aprovado pelo Decreto-Lei n.° 57/99/M, de 11 de Outubro.------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------Há lugar à execução imediata da decisão caso esta não seja impugnada.--------------------------------------------------------------------------------------O processo administrativo pode ser consultado, dentro das horas normais de expediente, no Departamento de Licenciamento e Inspecção desta Direcção de Serviços, sito na Alameda Dr. Carlos d’Assumpção n.os 335-341, Edifício ‘‘Centro Hotline’’, 18.° andar, Macau.--------------

-----Direcção dos Serviços de Turismo, aos 17 de Julho de 2018.

-----Direcção dos Serviços de Turismo, aos 19 de Julho de 2018. A Directora dos Serviços, Maria Helena de Senna Fernandes

A Directora dos Serviços, Maria Helena de Senna Fernandes

MANDADO DE NOTIFICAÇÃO N.° 511/AI/2018

MANDADO DE NOTIFICAÇÃO N.° 526/AI/2018

-----Atendendo à gravidade para o interesse público e não sendo possível proceder à respectiva notificação pessoal, pelo presente notifiquese a infractora ZHANG JINYU, portadora do Passaporte da RPC n.° E49357xxx, que na sequência do Auto de Notícia n.° 90/DI-AI/2016 levantado pela DST a 22.08.2016, e por despacho da signatária de 17.07.2018, exarado no Relatório n.° 482/DI/2018, de 04.07.2018, nos termos do n.° 1 do artigo 10.° e do n.° 1 do artigo 15.°, ambos da Lei n.° 3/2010, lhe foi determinada a aplicação de uma multa de $200.000,00 (duzentas mil patacas) por prestação de alojamento ilegal na fracção autónoma situada na Rua de Cantao n.° 72-R, Edf. I San Kok, 30.° andar B, Macau.----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------O pagamento voluntário da multa deve ser efectuado no Departamento de Licenciamento e Inspecção destes Serviços, no prazo de 10 dias, contado a partir da presente publicação, de acordo com o disposto no n.° 1 do artigo 16.° da Lei n.° 3/2010, findo o qual será cobrada coercivamente através da Repartição de Execuções Fiscais, nos termos do n.° 2 do artigo 16.° do mesmo diploma.--------------------------------------Da presente decisão cabe recurso contencioso para o Tribunal Administrativo conforme o disposto no artigo 20.° da Lei n.° 3/2010, a interpor no prazo de 60 dias, conforme o disposto na alínea b) do n.° 2 do artigo 25.° do Código do Processo Administrativo Contencioso, aprovado pelo Decreto-Lei n.° 110/99/M, de 13 de Dezembro.------------------------------------------------------------------------------------------------------Desta decisão pode a infractora, querendo, reclamar para o autor do acto, no prazo de 15 dias, sem efeito suspensivo, conforme o disposto no n.° 1 do artigo 148.°, artigo 149.° e n.° 2 do artigo 150.°, todos do Código do Procedimento Administrativo, aprovado pelo Decreto-Lei n.° 57/99/M, de 11 de Outubro.------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------Há lugar à execução imediata da decisão caso esta não seja impugnada.--------------------------------------------------------------------------------------O processo administrativo pode ser consultado, dentro das horas normais de expediente, no Departamento de Licenciamento e Inspecção desta Direcção de Serviços, sito na Alameda Dr. Carlos d’Assumpção n.os 335-341, Edifício ‘‘Centro Hotline’’, 18.° andar, Macau.--------------

-----Atendendo à gravidade para o interesse público e não sendo possível proceder à respectiva notificação pessoal, pelo presente notifique-se o infractor LE TIEN THUONG, portador do Passaporte do Vietnam n.° B4725xxx e Título de Identificação de Trabalhador Não-Residente n.° 20661xxx, que na sequência do Auto de Notícia n.° 50.1/DI-AI/2017, levantado pela DST a 08.03.2017, e por despacho da signatária de 18.07.2018, exarado no Relatório n.° 498/DI/2018, de 11.07.2018, em conformidade com o disposto no n.° 1 do artigo 14.° da Lei n.° 3/2010, lhe foi desencadeado procedimento sancionatório por suspeita de prestação de alojamento ilegal na fracção autónoma situada na Rua do Terminal Maritimo n.os 93-103, Edf. Centro Internacional de Macau, Bloco 3, 2.° andar G, Macau.--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------No mesmo despacho foi determinado, que deve, no prazo de 10 dias, contado a partir da presente publicação, apresentar, querendo, a sua defesa por escrito, oferecendo nessa altura todos os meios de prova admitidos em direito não sendo admitida apresentação de defesa ou de provas fora do prazo conforme o disposto no n.° 2 do artigo 14.° da Lei n.° 3/2010.--------------------------------------------------A matéria apurada constitui infracção ao artigo 2.° da Lei n.° 3/2010, punível nos termos do n.° 1 do artigo 10.° do mesmo diploma.-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------O processo administrativo pode ser consultado, dentro das horas normais de expediente, no Departamento de Licenciamento e Inspecção desta Direcção de Serviços, sito na Alameda Dr. Carlos d’Assumpção n.os 335-341, Edifício ‘‘Centro Hotline’’, 18.° andar, Macau.--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------Direcção dos Serviços de Turismo, aos 18 de Julho de 2018. A Directora dos Serviços, Maria Helena de Senna Fernandes

-----Direcção dos Serviços de Turismo, aos 17 de Julho de 2018. A Directora dos Serviços, Maria Helena de Senna Fernandes

EDITAL Edital n.º : 71/E-BC/2018 Processo n.º :208/BC/2018/F Assunto :Demolição de obras não autorizadas pela infracção às disposições do Regulamento de Segurança Contra Incêndios (RSCI) Local :Avenida Marginal do Patane s/n, EDF. Iat Hou Fong, parte do terraço sobrejacente à fracção 6.º andar A, Macau. Li Canfeng, Director da Direcção dos Serviços de Solos, Obras Públicas e Transportes, faz saber que ficam notificados os donos das obras ou proprietários e os utentes do local acima indicado, cujas identidades se desconhecem, do seguinte: 1. Na sequência da fiscalização realizada pela DSSOPT, apurou-se que no local acima indicado realizaram-se as seguintes obras não autorizadas:

1.1 1.2

2.

3.

4.

5. 6.

Obra

Infracção ao RSCI e motivo da demolição

Construção de um compartimento com cobertura metálica, suportes metálicos e paredes em alvenaria de tijolo na parte do terraço. Construção de um reservatório com paredes em alvenaria de tijolo na parte do terraço.

Infracção ao n.º 4 do artigo 10.º, obstrução do caminho de evacuação. Infracção ao n.º 4 do artigo 10.º, obstrução do caminho de evacuação.

De acordo com o n.º 1 do artigo 95.º do RSCI, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 24/95/M, de 9 de Junho, foi realizada, no seguimento de notificação por edital publicado nos jornais em língua chinesa e em língua portuguesa de 13 de Junho de 2018, a audiência escrita dos interessados, mas não foram carreados para o procedimento elementos ou argumentos de facto e de direito que pudessem conduzir à alteração do sentido da decisão de ordenar a demolição das obras não autorizadas acima indicadas. Sendo as escadas, corredores comuns e terraço do edifício considerados caminhos de evacuação, devem os mesmos conservar-se permanentemente desobstruídos e desimpedidos, de acordo com o disposto no n.º 4 do artigo 10.º do RSCI. Assim, nos termos do n.º 1 do artigo 88.º do RSCI, por despacho de 20 de Julho de 2018 exarado na informação n.º 06099/DURDEP/2018, ordena aos donos das obras ou seus mandatários que procedam, por sua iniciativa, no prazo de 8 dias contados a partir da data da publicação do presente edital, à demolição das obras acima indicadas e à reposição do local afectado, bem como aos interessados e aos utentes que procedam à remoção de todos os materiais e equipamentos nele existentes e à respectiva desocupação, devendo, para o efeito e com antecedência, apresentar nesta DSSOPT o pedido de demolição das obras ilegais, cujos trabalhos só podem ser realizados depois da sua aprovação. A conclusão dos referidos trabalhos deverá ser comunicada à DSSOPT para efeitos de vistoria. Findo o prazo da demolição e da desocupação, não será aceite qualquer pedido de demolição das obras acima mencionadas. De acordo com o n.º 2 do artigo 139.º do Código do Procedimento Administrativo, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 57/99/M, de 11 de Outubro, notifica ainda que nos termos dos n.os 1 e 2 do artigo 89.º do RSCI, findo o prazo referido, a DSSOPT, em conjunto com outros serviços públicos e com a colaboração do Corpo de Polícia de Segurança Pública, procederá à execução dos trabalhos acima referidos, sendo as despesas suportadas pelos infractores. Além disso, findo o prazo de demolição e de desocupação voluntárias, a DSSOPT dará início aos respectivos trabalhos, os quais, uma vez iniciados, não podem ser cancelados. Os materiais e equipamentos deixados no local acima indicado ficam aí depositados à guarda de um depositário a nomear pela Administração. Findo o prazo de 15 (quinze) dias a contar da data do depósito e caso os bens não tenham sido levantados, consideram-se os mesmos abandonados e perdidos a favor do governo da RAEM, por força da aplicação do artigo 30.º do Decreto-Lei n.º 6/93/M, de 15 de Fevereiro. Nos termos do n.º 3 do artigo 87.º do RSCI, a infracção ao disposto no n.º 4 do artigo 10.º é sancionável com multa de $4 000,00 a $40 000,00 patacas. Além disso, de acordo com o n.º 4 do mesmo artigo, em caso de pejamento dos caminhos de evacuação, será solidariamente responsável a entidade que presta os serviços de administração e/ou de segurança do edifício. Nos termos do n.º 1 do artigo 97.º do RSCI, da decisão referida no ponto 3 do presente edital cabe recurso hierárquico necessário para o Secretário para os Transportes e Obras Públicas, a interpor no prazo de 8 (oito) dias contados a partir da data da publicação do presente edital.

RAEM, 20 de Julho de 2018

O Director dos Serviços Li Canfeng


desporto 17

segunda-feira 30.7.2018

Futebol Bernardo Silva ‘bisa’ na vitória do City frente ao Bayern Munique

O português Bernardo Silva marcou no sábado dois golos na vitória do Manchester City por 3-2 frente ao Bayern Munique, em jogo do torneio de pré-temporada International Champions Cup de futebol. Na Florida, o internacional português foi decisivo no primeiro triunfo dos ‘citizens’, depois das derrotas frente ao Borussia Dortmund (1-0) e Liverpool (2-1), num encontro em que os campeões ingleses estiveram a perder por 2-0. Meritan Shabani, aos 15 minutos, e o holandês Arjen Robben, aos 24, deram vantagem aos hexacampeões alemães, mas Bernardo Silva ainda reduziu na primeira parte, aos 45+1. O português, que substituiu o francês Riyad Mahrez, aos 28 minutos, converteu-se na grande figura do encontro, ao marcar o golo da vitória, aos 70, depois de Lukas Nmecha ter empatado, aos 51.

Ténis Qiang Wang vence torneio de Nanchang

A chinesa Qiang Wang, segunda cabeça de série, venceu ontem o torneio de ténis de Nanchang, ao beneficiar do abandono da compatriota Saisai Zheng na final. Wang, 78.ª do ‘ranking’ mundial, conquistou o primeiro ‘set’ por 7-5 e vencia o segundo por 4-0, quando Zheng, sexta favorita e 112.º do mundo, desistiu, após uma hora e 22 minutos.

Simeone Ronaldo encaixa melhor que Messi numa “equipa normal”

O treinador do Atlético de Madrid, o argentino Diego Simeone, reiterou ontem considerar o compatriota Lionel Messi como o melhor futebolista do mundo, mas admitiu que preferia o português Cristiano Ronaldo numa “equipa normal”. “Se tivesse de escolher entre Messi ou Ronaldo, escolhia Messi, seguramente. Não tenho dúvida nenhuma”, referiu o técnico. Simeone viu-se envolvido numa polémica durante o Mundial 2018, quando questionou o rendimento do avançado do Barcelona na selecção sul-americana, após a derrota por 3-0 frente à Croácia. “O que eu disse no vídeo, na mensagem que enviei ao Germán Burgos [treinador adjunto do Atlético de Madrid] – estávamos a falar de futebol, como qualquer outra pessoa e eu não estava a falar sobre quem era o melhor do mundo - era se uma equipa normal tivesse dinheiro para contratar um futebolista, possivelmente o Ronaldo encaixaria melhor. Agora, numa equipa importantíssima, Messi seguramente, bem rodeado, é melhor do que Ronaldo”, explicou.

Stéphane Ratel, CEO do SRO Motorsports Group “Pressionámos um pouco mais o Eurosport para termos o evento em directo este ano.”

AUTOMOBILISMO EUROSPORT VAI TRANSMITIR AS CORRIDAS DOS “SUPERCARROS”

Taça GT Macau na TV

Durante a apresentação das 24 Horas de Spa, o líder do SRO Motorsports Group enalteceu a importância dos eventos automobilísticos de Macau e da cobertura que vão ter este ano na Eurosport

N

A habitual conferência de imprensa que antecedeu as 24 Horas de Spa, na Bélgica, em que a SRO Motorsports Group por tradição apresenta as linhas gerais para a temporada seguinte dos seus vários campeonatos de GT espalhados pelo mundo, Stéphane Ratel, o CEO e fundador do influente grupo francês, falou um pouco da edição deste ano da “Taça GT Macau - Taça do Mundo de GT da FIA” A SRO Motorsports Group colabora desde 2016 com a Associação Geral Automóvel de Macau-China (AAMC) e com a FIA na selecção dos participantes daquela que é a corrida mais importante de carros de Grande Turismo que se realiza no continente asiático.

Sobre o evento da RAEM, Ratel referiu à plateia que “é um dos meus favoritos”, mesmo sendo “o miúdo turbulento do bairro”, numa clara alusão aos espectaculares acidentes que marcaram as duas últimas edições. O empresário e ex-piloto francês, que em 1994 esteve envolvido na organização do circuito citadino de Zhuhai, revelou que a corrida deste ano terá uma transmissão televisiva ainda mais global. “Nós pressionámos um pouco mais o Eurosport para termos o evento em directo este ano”, disse aos jornalistas. Um resumo da corrida será também transmitido no Eurosport 1 em prime-time, no domingo, dia 18 de Novembro. O ano passado apenas as duas corridas do agora defunto WTCC tiveram transmissão

no influente canal pan-europeu de desporto, embora todas das outras corridas do programa tivessem tido uma ampla cobertura regional e mundial, com transmissões televisivas em 100 países através de 14 canais e emissão em directo (live streaming) pela internet.

ADESÃO EM FORÇA

Apesar das críticas de alguma imprensa e de alguns construtores automóveis, que colocam em causa a natureza do Circuito da Guia para ser palco da decisão de um título desta envergadura, Ratel admite que Macau “é um grande lugar, com espectadores fantásticos e que proporciona corridas realmente excitantes.” A Audi, BMW, Ferrari, Honda, Lamborghini, Mercedes-AMG e Porsche foram as marcas represen-

tadas na grelha de partida da edição de 2017, em que o inevitável Edoardo Mortara, em Mercedes-AMG, venceu. Ratel mantém o optimismo quanto à edição deste ano e está confiante que as marcas vão voltar a aderir em força. “Vamos ter outro grande evento este ano”, garantiu. A Sociedade de Jogos de Macau será novamente o patrocinador da Taça GT Macau - Taça do Mundo de GT da FIA, uma aposta que terá custado um valor superior a 4 milhões de patacas. Vinte e cinco concorrentes, a serem conhecidos no mês de Outubro, serão seleccionados para a prova que fará parte do 65º Grande Prémio de Macau. Sérgio Fonseca

info@hojemacau.com.mo


14

18 1 8(f)utilidades 2 4 6 7 5 9 3 5 3 6 1 9 8 7 2 4 7 4 9 5 2 3 1 8 6 4 2 1 3 7 9 8 6 5 TEMPO AGUACEIROS 9 6 7 8 4 5 3 1 2 3 5 8 2 1 6 9 4 7 1 3 7FAZER 8 2 4 5 9 O6 QUE 8 9 5SEMANA 6 3 4 2 7 1 ESTA 2 7 4 9 5 1 6 3 8

19

?

8 1 7 3 6 9 4 5 4 9 2 7 5 8 3 6 Sexta-feira 5NOITE3COM6PIANO1NA GALERIA 4 2 8 9 UMA Fundação Cunha2 | Das9 18h007 às 20h00 3 4Rui 5 1 8 6 8 9 4 3 1 2 7 Sábado SUMMER ARTISTIC 7 2POWER120186| MACAU 8 BANDS 5 9 4 DEVELOPMENT ASSOCIATION Das 917h005às 22h00 3 8 2 6 7 1 1 6 4 9 7 3 5 2 Diariamente EXPOSIÇÃO 2 7“ART8IS PLAY” 5 1 4 6 3

20

20

1 1 2 5 9 378 764 6 5 25 2 7 89 8 1 4 3 6 93 9 6 4 2 78158 5 4 8 61 26 32 3 79 7 5 4 4 768 615 192 9 3 3 6 9 5 74 7 28 12 1 59 5 7 8 6 4 321 2 8 3 14 1 67 6 2 5 9 MIN 27 MAX 32 HUM 70-95% • EURO 9.42 BAHT 813 19529 2 4 6 7 1 5 6 2 9 38 43 74 7 2 246 4 1 7 3 9 5 8 9 9 7 2 53 5 4 1 6 8 5 872 7 169 6 3 4 6 59 85 8 3 2 7 1 4 6 6 123 2 485 8 7 9 7 31 3 4 6 59 5 8 2 7 4794 983 8 6 5 2 1 2 84 78 7 1 65 6 39 3

Quarta-feira 16 DA EXPOSIÇÃO “BEGINNING ANEW: INAUGURAÇÃO WORKS BY VONG SEK KUAN” Galeria 1884 | Das 18h30 às 21h30

19

2 1 7 6 5 3 4 8 9

21

21

22

987 8 2 4 5 6 3 6 483 8 9512572 2 561 637 3 4 8 13 1 7 5 8 4 9 6 4 2 9 176 758 5 68 635 3 2 97147 7 37 3 619 1 842 4 1 1 8 45725 293 9 5 529 2 4 3 6 7 1

Grande Praça – MGM | Até 9/9

1 7 9 2 3 4 5 6 8

O CARTOON STEPH 23

22

1 61 6 78 7 3 25 92 9 95 9 24 2 8 36 3 71 7 2 3 14 1 9 8 6 6 6 54 5 1 2 8 9 7 39 23 2 5 47 64 6 8 8 1 7 96 39 3 4 5 73 7 86 8 25 2 41 4 2 8 1 49 74 7 5 3 4 5 9 3 6 1 7 82

4 7 5 3 1 2 9 6 8

DE

23

6 1 9 2 3 7 4 8 5 EXPOSIÇÃO 2 3“UNIVERSO” 5 1 4 8 7 9 6 Armazém do Boi | Até 9/9 4 8 7 9 5 6 2 1 3 EXPOSIÇÃO 5 2“APROFUNDAR” 1 4 9 3 8 6 7 Art Garden | Até 9/9 9 6 8 7 1 5 3 4 2 EXPOSIÇÃO 7 4“CHAPAS 3 6SÍNICAS” 8 2 9 5 1 Museu das Ofertas sobre a Transferência 5 de6Macau 8 | Até27/89 1 7 4 de3 Soberania 8 7 4 3 6 1 5 2 9 “MARC CHAGALL – LUZ E COR NO SUL DE FRANÇA” 1| Até926/82 5 7 4 6 3 8 MAM

312 1 4 9 7 6 8 7 5 6 3 2981941 9 864 651 5 327 1 983 827 2 4 5 8 68 6 2 9 5 437 3 74 7 5 1 3 692 9 694 9 718 1 532 5 58328 2 619 1 4 2 2 15745 483 8 6

C I N E M A

MISSION IMPOSSIBLE - FALLOUT SALA 1

INCREDIBLES 2 [A] FALADO EM CANTONENSE Um filme de: Brad Bird 14.30, 16.45, 19.15, 21.30 SALA 2

MISSION IMPOSSIBLE - FALLOUT [B] Um filme de: Christopher McQuarrie Com: Tom Cruise, Henry Cavill, Simon Pegg, Rebecca Ferguson 14.30, 18.00, 21.30

5 4 2 6 1 8 3 7 9

24

5 78 7 4 3 69 16 1 4 94 69 6 7 2 1 3 85 2 3 1 6 5 8 9 4 8 7 5 49 4 2 31 3 6 1 59 85 8 3 72 47 3 3 24 2 1 7 6 98 9 9 85 28 12 71 7 4 6 1 2 4 3 6 75 7 8 67 36 3 8 9 4 5 2 PROBLEMA 24

SOLUÇÃO DO PROBLEMA 23

Cineteatro

24

UMA SÉRIE HOJE

S U D O K U

18

EXPOSIÇÃO “AYIA” Casa Garden | Até 9/9

2 8 7 6 4 5 3 9 1

30.7.2018 segunda-feira

0.24

YUAN

1.19

VIDA DE CÃO

CHUI VS. HO? Por mais que olhe para o escândalo da Viva Macau não consigo deixar de encará-lo como parte das eleições para o cargo de Chefe do Executivo. Não é fácil ler a realidade do local, até porque os bastidores ficam bem escondidos, mas vou arriscar. A corrida ao lugar de Chefe do Executivo vai ser entre Ho Iat Seng e Lionel Leong, de um lado vamos ter o clã Chui e do outro o clã Ho. Até as pedras já se começaram a movimentar. Primeiro, Chui Sai Cheong foi eleito vice-presidente da AL, acabando com a tradição de dividir o cargo de presidente e vice-presidente entre um homem da elite comercial e outra figura próxima dos Operários. Se Ho Iat Seng for eleito, o clã Chui reforça o poder. Não terá um familiar como principal figura do Governo, mas garante o controlo da AL e terá um membro apoiado por si no Palacete. Se Lionel Leong for eleito, Ho Iat Seng cumpre um mandato e é substituído por Chui Sai Cheong. O clã Chui perde num primeiro momento, mas garante um bom posicionamento para o futuro. Ainda nesta lógica, o caso Viva Macau parece-me um ataque contra a credibilidade de Edmund Ho e por arrasto do delfim Lionel Leong. Não me parece inocente que de tantas as área em que há assuntos para investigar, nomeadamente Metro Ligeiro e Hospital das Ilhas, que Chui Sai On tenha autorizado o CCAC a virar as atenções para a Viva Macau. Por um lado, o caso obriga Lionel Leong, mesmo que sem responsabilidades, a dar a cara. Por outro, reforça junto da população e Pequim a associação entre Edmundo Ho e o possível candidato a CE, Lionel Leong. No meio destas movimentações, não admira que o secretário tenha evitado ir à AL. João Santos Filipe

2018 | SKETCH | LIM TAE-WOO

Kang Dong-soo (Rain) é um detective da polícia coreana que durante a investigação de um caso encontra um caderno com rascunhos da autoria de Yoo Shin-hyun (Lee Sun-bin), rapariga que tem tendência para surgir em vários lugares de crime. Apesar de Kang não ter conhecimento, Yoo também é agente e através de perdas de consciência consegue prever homicídios através de imagens, que depois desenha no caderno. Kang mostra-se céptico sobre a capacidade da colega de profissão, mas o facto de a sua noiva surgir como vítima em um dos desenhos faz com que não tenha outra alternativa senão unir forças à agente na busca de um serial killer. João Santos Filipe

SALA 3

SKYSCRAPER [B] Um filme de: Rawson Marshall Thurbe Com: Dwayne Johnson, Neve Campbell, Chin Han 14.30, 19.30, 21.30

MISSION IMPOSSIBLE - FALLOUT [B] Um filme de: Christopher McQuarrie Com: Tom Cruise, Henry Cavill, Simon Pegg, Rebecca Ferguson 16.30

www. hojemacau. com.mo

Propriedade Fábrica de Notícias, Lda Director Carlos Morais José Editor João Luz; José C. Mendes Redacção Andreia Sofia Silva; Diana do Mar, João Santos Filipe; Sofia Margarida Mota; Vitor Ng Colaboradores Amélia Vieira; Anabela Canas; António Cabrita; António Castro Caeiro; António Falcão; Gonçalo Lobo Pinheiro; João Paulo Cotrim; José Drummond; José Simões Morais; Manuel Afonso Costa; Michel Reis; Miguel Martins; Paulo José Miranda; Paulo Maia e Carmo; Rui Cascais; Rui Filipe Torres; Sérgio Fonseca; Valério Romão Colunistas António Conceição Júnior; David Chan; Fa Seong; Jorge Morbey; Jorge Rodrigues Simão; Leocardo; Paul Chan Wai Chi; Paula Bicho; Tânia dos Santos Cartoonista Steph Grafismo Paulo Borges, Rómulo Santos Ilustração Rui Rasquinho Agências Lusa; Xinhua Fotografia Hoje Macau; Lusa; GCS; Xinhua Secretária de redacção e Publicidade Madalena da Silva (publicidade@hojemacau.com.mo) Assistente de marketing Vincent Vong Impressão Tipografia Welfare Morada Calçada de Santo Agostinho, n.º 19, Centro Comercial Nam Yue, 6.º andar A, Macau Telefone 28752401 Fax 28752405 e-mail info@hojemacau.com.mo Sítio www.hojemacau.com.mo


opinião 19

segunda-feira 30.7.2018

um grito no deserto

BILL MOSLEY

PAUL CHAN WAI CHI

O

O mercador de Veneza dos tempos modernos (1)

Mercador de Veneza” é uma famosa peça de William Shakespeare. O protagonista, um agiota, exigiu uma libra da carne do seu devedor, António, quando este falhou o pagamento da divída, de acordo com o contrato celebrado. No entanto, nem uma só gota de sangue de António poderia ser derramada durante a ablação. A história tem um extraordinário enredo mas, quinhentos anos mais tarde, um caso semelhante ocorreu com o Governo de Macau. Segundo o comunicado de imprensa da Direcção dos Serviços de Economia (DSE) e do Gabinete do Presidente do Tribunal de Última Instância (GPTUI), como foi impossível localizar os bens do avalista (a empresa-mãe Eagle Airways Holdings Limited) da “Viva Macau”, a quantia de 212 milhões de patacas cedida pelo Fundo de Desenvolvimento Industrial e de Comercialização (FDIC) à “Viva Macau” não poderá ser recuperada. O tribunal mandou arquivar o respectivo processo de falência

por os bens da Viva Macau serem insuficientes para pagar as dívidas. Vale a pena mencionar que a “Eagle Airways Holdings Limited” tinha assinado cinco notas promissórias como garantia dos empréstimos concedidos à “Viva Macau”, sem que tenha sido avançados quaisquer bens físicos para efeitos de penhor. E esta é uma Empresa de Investimento de Hong Kong registada com um valor nominal de 10.000 HKD por acção. Quando eu era deputado da Assembleia Legislativa, redigi três interpelações escritas (a 13 de Janeiro e a 16 de Setembro de 2010 e a 19 de Julho de 2013) sobre o empréstimo de 212 milhões de patacas do FDIC à “Viva Macau”, e sobre a possibilidade de recuperação das verbas quando não existiam bens para efeitos de penhor. A resposta que obtive tinha este teor, “Para garantir o pagamento do empréstimo, a empresa (Viva Macau) forneceu um avalista. Se a divída não for paga na totalidade, o FDIC pode processar a empresa e o seu avalista de acordo com a lei e os regulamentos aplicáveis”; “O Governo da

RAE atribui grande importância a este caso e empenhar-se-á ao máximo para levar a cabo todas as acções legais ao seu alcance, de forma a salvaguardar o erário público. Os advogados irão cobrar a divída junto da entidade responsável de acordo com a lei”; “no que respeita à incapacidade da “Viva Macau”’ de efectuar o pagamento dentro do prazo, o Governo da RAE empreenderá todas as acções legais ao seu alcance para cobrar a divída”. Os leitores interessados no assunto, podem visitar o website da Assembleia Legislativa e procurar em interpelações e respectivas respostas. Actualmente, a população já deve estar em condições de concluir se o empréstimo do Governo à “Viva Macau” foi ou não efectuado em nome do interesse económico de Macau. Se analisarmos a afirmação “serão tomadas todas as acções legais ao nosso alcance”, feita no comunicado de imprensa do GPTUI, “o “FDIC”, logo em 2010, isto é, no momento em que instaurou a respectiva acção de execução em Macau, dirigiu-se a Hong Kong para efectivar a refe-

Embora o Governo da RAEM tenha apoiado a “Viva Macau” na solução do seu problema financeiro, acabou por falhar no contributo ao desenvolvimento sustentado da indústria da aviação de Macau Ex-deputado e antigo membro da Associação Novo Macau Democrático

rida responsabilidade avalista do executado por meio judicial. Ora, neste momento não se sabe se já decorreu o prazo prescricional da respectiva acção”. De facto, a DSE afirmou no seu comunicado de imprensa que, “relativamente ao facto de a devedora do montante de valor elevado e a sua avalista não poderem restituir a verba de apoio, o FDIC já fez, em 2015, uma revisão interna, adoptando uma série de medidas de melhoria, particularmente em relação à apreciação da capacidade financeira de avalistas e à exigência aos devedores de prestar garantias de restituição de empréstimos mais sólidas e mais apropriadas, como o fornecimento de avalistas com capacidade financeira e a prestação de bens para efeitos de penhor, por forma a assegurar a restituição efectiva dos erários emprestados”. Embora o Governo da RAEM tenha apoiado a “Viva Macau” na solução do seu problema financeiro, acabou por falhar no contributo ao desenvolvimento sustentado da indústria da aviação de Macau. Pelo contrário, devido a uma série de irregularidades no processo do empréstimo, a quantia de 212 milhões de patacas não será recuperada e o Governo sofrerá uma avultada perda. Se todos os comerciantes deste mundo forem iguais ao “Mercador de Veneza”, que só queria ganhar dinheiro e se recusava a pagar as suas divídas, a justiça social irá à banca rota.


O gosto pela liberdade aumenta à medida que se goza dela. Voltaire

A

PESAR de não ter recebido a carta que a Autoridade de Aviação Civil da China enviou a uma série de companhias aéreas estrangeiras para referirem Taiwan, Macau e Hong Kong como parte integrante do país, a TAP optou por fazê-lo por livre iniciativa. Em declarações ao Jornal Económico, um porta-voz da transportadora indicou que “a TAP não recebeu a carta”, mas explicou que, apesar de a companhia não voar directamente para Macau e Hong Kong, tem “oferta comercial através de

Voar baixinho

TAP cumpre requisito da China sobre referências a Macau e Hong Kong como China

acordos de code-share com companhias parceiras” e que “já cumpria o requisito” imposto pela Administração de Aviação Civil da China. Já no caso de Taiwan – o ponto mais sensível – a questão não se chega a colocar. “A TAP não tem qualquer oferta comercial de e para aquele destino, pelo que não é pesquisável no ‘site’

Vaticano Papa pede luta firme contra o tráfico de seres humanos

O papa Francisco pediu ontem uma luta firme contra “o crime vergonhoso” do tráfico de seres humanos, “uma praga” também muito comum nas rotas de imigração, na véspera do Dia Mundial da ONU sobre este tipo de tráfico. “Esta praga reduz à escravidão muitos homens, mulheres e crianças com o objectivo de explorá-los do ponto de vista do trabalho e do sexo, o comércio de seus órgãos, a mendicância ou a delinquência forçada”, afirmou o papa após a oração do Angelus. Francisco lembrou que o problema também se dá em Roma, mas são as rotas migratórias que “são frequentemente aproveitadas pelos traficantes para recrutar novas vítimas”, por isso, apelou ao combate a este flagelo. “É responsabilidade de todos denunciar as injustiças e lutar firmemente contra esse crime vergonhoso”, disse Francisco aos fiéis, que o ouviam da praça de São Pedro, no Vaticano. As Nações Unidas assinalam hoje o Dia Mundial contra o Tráfico de Pessoas, um fenómeno a que nenhum país está imune e, no mundo, cerca de 21 milhões de pessoas sofrem com o trabalho forçado.

[da empresa], não se colocando, por isso, a questão”, afirmou o porta-voz à mesma publicação. Na semana passada, a Cathay Pacific, com sede em Hong Kong, tornou-se na mais recente companhia aérea a identificar Taiwan como território chinês, uma decisão tomada após receber o referido pedido da China

para o efeito, passando a mencionar no seu ‘site’, tanto em inglês como em chinês, “Taiwan, China”. A American Airlines, a maior companhia aérea do mundo, e a Delta Air Lines, a número dois do ‘ranking’, alteraram os sites de reserva online para a retirar qualquer referência a Taiwan como território não chinês, numa decisão seguida também pela United Airlines, com as três grandes transportadoras dos Estados Unidos a juntarem-se assim às europeias Lufthansa e British Airways, ou à Air Canada, entre outras.

Palestina Libertada adolescente que agrediu soldados israelitas

A adolescente palestiniana, que passou oito meses na prisão por ter agredido dois soldados israelitas, foi ontem libertada, anunciou um porta-voz israelita. Ahed Tamimi, de 17 anos, e a mãe, que também foi detida na sequência do mesmo incidente, foram transferidas pelas autoridades israelitas da prisão até a um ponto de controlo de entrada para a Cisjordânia, onde as duas residem. “Elas acabam de deixar a prisão”, disse o porta-voz Assaf Librati. Ahed Tamimi foi detida a 19 de Dezembro passado, alguns dias depois de ter sido filmada a agredir dois soldados, num vídeo que se tornou viral na Internet. As imagens mostravam a adolescente e uma prima, Nour Tamimi, a aproximarem-se de dois soldados israelitas, apoiados num muro, do pátio da casa das jovens em Nabi Saleh, uma aldeia em território palestiniano ocupado por Israel há mais de 50 anos. As duas raparigas exigiram aos soldados que saíssem do local e agrediram-nos com pontapés, murros e bofetadas. Ahed Tamimi tinha 16 anos quando foi detida. PUB

Nova Orleães Pelo menos três mortos em tiroteio

Pelo menos três pessoas morreram e sete ficaram feridas num tiroteio, em Nova Orleães, no sul dos Estados Unidos, disse a polícia. De acordo com um comunicado do porta-voz da polícia Aaron Looney, o tiroteio ocorreu no sábado à noite, a cerca de quatro quilómetros de distância do French Quarter, no centro da cidade. Os feridos foram levados para um hospital, mas desconhece-se ainda o seu estado. A polícia, que já abriu uma investigação.

PALAVRA DO DIA

segunda-feira 30.7.2018

ZIMBABUÉ SUCESSÃO DE ROBERT MUGABE É CENTRO DE ELEIÇÕES

M

AIS de cinco milhões de eleitores são chamados hoje às urnas para eleger o próximo Presidente do Zimbabué, nas primeiras eleições desde a demissão do antigo chefe de Estado Robert Mugabe, que governou o país durante 37 anos. O Presidente da República do Zimbabué, Emmerson Mnangagwa, e o líder da oposição, Nelson Chamisa, vão a votos nas primeiras eleições presidenciais após a demissão de Robert Mugabe que em Novembro de 2017 foi obrigado a demitir-se na sequência de um golpe do Exército. O chefe de Estado zimbabueano, Emmerson Mnangagwa, de 75 anos, lidera o partido União Nacional Africana do Zimbabué-Frente Patriótica (ZANU-PF, na sigla inglesa) e chegou ao poder com o apoio dos militares em Novembro de 2017. Nelson Chamisa líder do Movimento para a Mudança Democrática (MDC-T, na sigla inglesa) é o principal opositor de Mnangagwa. O político de 40 anos sucedeu Morgan Tsvangirai que morreu PUB

em Fevereiro vítima de doença prolongada. Nestas eleições presidenciais concorrem Ambrose Mutinhiri da Frente Patriótica Nacional, Thokozani Khupe, vice-primeira-ministra do Zimbábue de Fevereiro de 2009 a Agosto de 2013 e líder do partido Movimento para a Mudança Democrática (MDC-T, na sigla inglesa), Noah Manyika do partido Construir a Aliança do Zimbábue, Dumiso Dabengwa líder da União do Povo Africano do Zimbabué (ZAPU, na sigla inglesa), Elton Mangoma da Coligação de Democratas (CODE, na sigla inglesa), Joice Mujuru do partido Coligação Arco-íris do Povo e Nkosana Moyo da Aliança para a Agenda do Povo. O Presidente é eleito por maioria absoluta de votos através de um sistema de duas voltas para cumprir um mandato de 5 anos. Segundo o portal de notícias African Arguments, a segunda volta presidencial realiza-se a 8 de Setembro se nenhum candidato obtiver mais de 50 por cento na primeira volta.

Hoje Macau 30 JUL 2018 #4102  

N.º 4102 de 30 de JUL de 2018

Hoje Macau 30 JUL 2018 #4102  

N.º 4102 de 30 de JUL de 2018

Advertisement