Page 1

PUB

PÁGINA 6

GREENS PHILIPPINES MIGRANT WORKERS UNION

REIVINDICAÇÕES CAUTELOSAS ENTREVISTA

CHINA

IMPÉRIO CONTRA-ATACA

MARK ACETELLI

PÁGINA 8

O AUTISMO, ANO A ANO h VALÉRIO ROMÃO

PUB

Sob investigação

NEDIE PALCON

AGÊNCIA COMERCIAL PICO 28721006

www.hojemacau.com.mo•facebook/hojemacau•twitter/hojemacau

hojemacau O Ministério da Educação de Portugal está a analisar dois casos de violência que, alegadamente, terão ocorrido na Escola Portuguesa de Macau. Os processos seguem os trâmites legais na Inspecção Geral de Educação e Ciência.

MOP$10

TERÇA-FEIRA 3 DE ABRIL DE 2018 • ANO XVII • Nº 4023

PUB

DIRECTOR CARLOS MORAIS JOSÉ


2 ENTREVISTA

NEDIE PALCON

Foi uma das poucas representantes das comunidades de trabalhadores não residentes a reunir com um membro do Governo, no âmbito do aumento das taxas de partos para estas trabalhadoras. Nedie Palcon, líder da Green Philippines Migrant Workers Union, trabalha em Macau há 14 anos e afirma estar a preparar um grupo de medidas reivindicativas, tal como aumentos salariais e de subsídio de alojamento

“Macau continua a ser atractivo” Foi uma das primeiras porta-vozes das trabalhadoras não residentes a ter um encontro oficial com o Governo. Depois desse encontro o secretário decidiu mudar a proposta inicial relativa às taxas de partos para as empregadas domésticas. Foi uma boa decisão da parte do Executivo? Na verdade continua a não ser justo, porque as empregadas domésticas são as que recebem os salários mais baixos, que variam entre as três e quatro mil patacas. A quantia é ainda elevada para elas e não está adequada ao seu nível salarial. Ainda assim, acho que é uma boa decisão, uma vez que há 20 anos que não há aumentos nas taxas dos partos.

“Continua a ser um lugar atractivo porque é fácil conseguir trabalho aqui. Há muitas categorias abertas para todas as nacionalidades. Em Hong Kong, por exemplo, só nos podemos candidatar aos empregos domésticos, e não é permitido procurar trabalho como turista.”

Pretende criar um movimento mais forte para a protecção dos direitos das empregadas domésticas e ser a voz deste sector da sociedade? Há muito tempo que temos esse plano e uma série de propostas para apresentar ao Governo, como os aumentos salariais e a implementação de um salário, porque Macau ainda não tem um salário mínimo universal. Há também a questão dos contratos de trabalho que não estão uniformizados, então muitas vezes são traduzidos pelas agências de emprego ou nem sequer são seguidos. Sei que fazem o contrato com a empregada, mas esta nunca o vê.

empregadas continuam a não ter acesso a uma cópia. O patrão tem também de pagar 500 patacas para despesas de alojamento, mas esse valor já está em vigor há muitos anos e não houve qualquer aumento. 500 patacas é metade do valor que se paga por um espaço num beliche nesta altura, que custa mil patacas. Nem sequer inclui as restantes despesas da casa. Já temos isto planeado há muito tempo, mas tenho apenas três outras associações a trabalhar comigo nestas propostas.

Não têm acesso aos contratos? Não, não têm sequer acesso a uma cópia, a maioria delas. O contrato é automaticamente renovado e as

Tem alguma ideia de quando poderão apresentar essas propostas de uma forma mais unificada? Talvez este ano. Relativamente aos aumentos salariais, vocês pedem que haja um aumento das 2500 para 5000

GREENS PHILIPPINES MIGRANT WORKERS UNION

LÍDER DA GREEN PHILIPPINES MIGRANT WORKERS UNION

patacas. Contudo, é ainda um valor baixo, tendo em conta a média salarial de Macau. Porquê propor um valor tão baixo? Achamos que se propusermos um valor mais elevado não vai ser aceite. Procuramos um aumento ligeiro, porque muitas das empregadas domésticas vivem na casa dos patrões. Este aumento iria ajudar as empregadas domésticas que vivem fora das casas dos patrões e que têm de pagar a sua casa e comprar comida. Para elas, cinco mil patacas seria suficiente. Sei que algumas associações propuseram quatro mil patacas de salário na última consulta pública sobre a implementação do salário mínimo, mas continua a não ser suficiente. Acredita que o Governo pode mudar a sua atitude, e também os deputados, em relação aos TNR? Seria melhor uma mudança, de facto. Quando realizam consultas públicas nunca consultam as associações que representam a comunidade filipina, por exemplo, apenas as associações ligadas à comunidade indonésia. Simplesmente não fomos consultados. Penso que não há muita justiça na forma como realizam as consultas públicas, deveriam ser mais abertas ao público. Disse-me que muitas empregadas domésticas não têm uma cópia dos seus contratos. Tem conhecimento de outras ilegalidades comuns e que são mais urgentes em termos de resolução? Nos casos em que os patrões pedem às empregadas domésticas para renovar os contratos, e quando estas não concordam com algumas

cláusulas, correm o risco de não ver o seu contrato renovado. Se o patrão alegar despedimento por justa causa elas têm de deixar o território. Tendo em conta as agências de emprego, há também situações ilegais, em que estas retêm os passaportes das empregadas. Acredita que a nova lei pode resolver esta situação? É ilegal reter os passaportes das empregadas domésticas, porque é


3 terça-feira 3.4.2018 www.hojemacau.com.mo

permitido procurar trabalho como turista. Aqui também é ilegal, mas essa prática continua a ser comum. Isso pode findar com a nova lei das agências de emprego? Acredita que o Governo pode mesmo acabar com essa prática ilegal? É uma possibilidade, mas a maioria das empresas como, por exemplo, os hotéis têm vindo a manter as práticas de recrutamento. É fácil então chegar para visitar Macau, ou alguns familiares, trazer o currículo e apresentar candidaturas a empresas. Sim. Em Hong Kong tem havido um longo debate sobre os direitos das empregadas domésticas. A situação em Macau é melhor? Em Hong Kong é melhor no que diz respeito à protecção dos direitos humanos, porque há sindicatos.Aqui os sindicatos não são permitidos, não há sequer uma lei sindical. Em Hong Kong podem falar mais abertamente dos seus direitos junto do Governo, sobretudo junto do departamento laboral. O Governo parece já ter implementado algumas regras, mas há ainda muitas empregadas a serem abusadas pelos patrões, e é difícil o Governo ter controlo sobre todas as situações. Tem conhecimento de casos de violência em Macau? Até agora, não ouvi nenhum. Sei de algumas situações de empregadas agredidas ou que não têm acesso à quantidade de comida que está estabelecida no contrato. Elas têm o seu salário e usam-no para comer. É uma situação ilegal, porque cabe ao empregador financiar as despesas de alimentação, sobretudo se a empregada viver com os patrões. Acha que com a aprovação de uma lei sindical as condições poderiam melhorar? Sim, mas é difícil porque há muito tempo que se discute a criação de uma lei sindical.

um documento pessoal delas. Falei com os responsáveis de uma agência e eles justificam a retenção do passaporte para evitar deslocarem-se a casa da empregada para tratar das questões burocráticas. Mas esse argumento não é aceitável. Há casos de empregadas que, ao fim de três meses, não conseguem sair porque não têm documentos. Se a empregada começa a trabalhar através de uma agência, muitas vezes já tem todas as cauções

“Os internamentos são muito caros. Conheço o caso de uma senhora que ficou internada uma semana e a conta atingiu as 30 mil patacas, no hospital público.”

pagas e não conseguem reaver o montante que sobra. Macau continua a ser um território atractivo para os TNR, ou começam a olhar para outras possibilidades? Continua a ser um lugar atractivo porque é fácil conseguir trabalho aqui. Há muitas categorias abertas a todas as nacionalidades. Em Hong Kong, por exemplo, só nos podemos candidatar aos empregos domésticos, e não é

Nota uma grande diferença na sociedade em termos de aceitação de outras comunidades? Sente que há segregação? Sim, noto alguma, sobretudo na hora de fazer as leis e proteger os direitos dos residentes e não residentes. Só o facto de sermos os não residentes já é algo discriminatório e há muito tempo que essa questão está por resolver. Há um discurso político contra os TNR, que tem vindo a ser mais notório depois da transferência de soberania. Este discurso é negativo para Macau?

Não tenho grandes comentários a fazer quanto a esse discurso político, porque não assisto aos debates, mas sei que há muito tempo que existe essa questão. Mas não noto muita diferença. Por exemplo, quando vim para Macau o valor pelo alojamento já era de 500 patacas, e isso foi há 14 anos.

“Sei de algumas situações de empregadas agredidas ou que não têm acesso à quantidade de comida que está estabelecida no contrato. Elas têm o seu salário e usam-no para comer. É uma situação ilegal.” Na área da saúde, e tendo em conta o aumento das taxas de partos, é difícil o acesso a cuidados médicos no território para os TNR? No meu caso, quando vou ao médico o meu patrão paga-me as despesas, mas sei de muitos casos que não é assim. É muito difícil e mesmo no hospital público temos de pagar muito. Eu nunca tentei. Os internamentos são muito caros. Conheço o caso de uma senhora que ficou internada uma semana e a conta atingiu as 30 mil patacas, no hospital público. Ela pediu ajuda a uma assistente social para poder pagar esse montante em prestações, e está à espera de resposta ainda. Conheço também um homem que tem uma conta de 200 mil patacas, e que já está nas Filipinas, mas que tem aqui duas irmãs. Neste momento a Caritas dá-nos alguma ajuda, mas não temos acesso ao Banco Alimentar, por exemplo. Só através das associações é que fazemos acções de recolha de fundos em associações ou lojas filipinas, por exemplo, para ajudar os casos mais complicados. Os consulados deveriam ter um papel mais interventivo em casos sociais? No caso deste homem filipino de que falei, a família pediu ajuda mas só receberam algum dinheiro para apanhar um táxi, quando ele precisava de uma ambulância para sair. Foi a única ajuda que o consulado deu a esta família. Não sei porque é que não dão mais apoio, o consulado não dá atenção a muitas situações sociais que acontecem. Andreia Sofia Silva

andreia.silva@hojemacau.com.mo


4 política

3.4.2018 terça-feira

NOVA FRONTEIRA GOVERNO APOSTA NA ALTERNATIVA AO TRANSPORTE INDIVIDUAL

Carro fica na garagem A nova fronteira entre Macau e o Interior, conhecida como Qiangmao, tem projectados vários equipamentos para transportes públicos, com o objectivo de encorajar os residentes a deixarem o carro em casa

O

Governo vai dotar a nova fronteira com o Interior da China de todos os equipamentos necessários para o funcionamento dos transportes públicos, de forma a oferecer alternativas ao transporte individual. A garantia sobre o novo edifício que vai ligar a zona da Ilha Verde

O

Instituto de Acção Social (IAS) não tem planos para obrigar as instituições de serviços sociais a criarem quotas para trabalhadores com deficiências. A situação foi explicada numa reposta a uma interpelação escrita do deputado Leong Sun Iok. Segundo o IAS, a implementação de uma medida do género envolve questões complicadas em termos técnicos e jurídicos, que impossibilitam a sua concretização. Porém, sublinha o IAS, há medidas em vigor para incentivar a contratação de pessoas com deficiências.

a Qingmao foi deixada pelo director dos Serviços de Solos, Obras Públicas e Transportes (DSSOPT), Li Canfeng, em resposta a uma interpelação de Ella Lei. “Segundo o estudo do seu planeamento, o novo acesso fronteiriço entre Guangdong e Macau será equipado de estação do metro ligeiro, paragem de autocarros, praça de tá-

xis, auto-silo público, zona de tomada e largada de passageiros destinada a autocarros de turismo, entre outros equipamentos de tráfego. Estão ainda previstos acessos pedonais públicos e equipamentos de travessia pedonal de ligação aos terrenos vizinhos”, começa por explicar Li Canfeng. “Pretende-se, deste modo, incentivar a população a usar outros tipos de transporte, em alternativa ao veículo particular, atenuando a pressão do tráfego rodoviário nesta zona”, é acrescentado na resposta à interpelação da deputada. Ella Lei tinha-se mostrado preocupada com o facto da fronteira estar localizada junto à Ilha Verde e ao Fai Chi Kei, zonas com uma grande concentração de pessoas, o que poderia original

Incluir devagarinho

IAS sem planos para quotas de deficientes em instituições sociais

Numa resposta ao deputado ligado aos Operários, o IAS refere que não tem planos para exigir às instituições de serviços sociais a criação de quotas para a contratação de trabalhadores com deficiência. Segundo a explicação do Governo, as instituições têm autonomia nos assuntos administrativos para decidirem quem contratam. Porém, o IAS garante que há instituições com trabalhadores deficientes e que haverá incentivos

para que as instituições de serviços sociais contratem portadores de deficiência. Ainda na interpelação, o deputado Leong Sun Iok questionou se o Governo pretende alterar a actual escala dos graus de deficiência, que engloba os seguintes níveis: ligeira, moderada, grave e profunda. O deputado ligado aos Operários desejava a criação de uma quinta categoria, que definiu como “paradeficiente”, para as pessoas

que apresentam algumas limitações, mas que não cumprem com os critérios de forma integral. Por essa razão, não têm apoios. Em resposta a esta questão, o IAS explicou que segue padrões reconhecidos internacionalmente e que caso se crie um novo nível, será previsível que também surjam novas queixas de outras pessoas que se sitam injustiçadas por não terem sido incluídas no novo grau.

problemas de intensificação do trânsito numa área já problemática.

SEM COMPROMISSO

Em relação aos andamentos das obras, que se pretende que estejam finalizadas em 2023, o director não

A elaboração do projecto do posto fronteiriço de Qingmao foi adjudicado ao Grupo Gaungdong Nam Yue, a troco de 106 milhões de patacas. Os pagamentos serão feitos até 2020 Contudo, o IAS assegura que, através do centro de avaliação geral de reabilitação, tem oferecido serviços de avaliação geral a deficientes para confirmar as suas necessidades e disponibilizar-lhes formação em prol da sua integração na sociedade. O Governo garante também que reencaminha pessoas que podem ser consideradas “paradeficientes” para entidades capacitadas para fornecer reabilitação ocupacional, treinos e auxílios adequados para que ingressem no mercado de trabalho. V.N.

respondeu com certeza à data concreta, nem quis comprometer-se com um prazo para terminar os trabalhos. Porém, fez um ponto de situação. “Além do início das obras de demolição do Mercado Abastecedor Nam Yue, que segundo o projectado estarão concluídas no 2.º trimestre de 2018, foi igualmente dado início à elaboração do projecto de concepção preliminar para a empreitada de construção do lado de Macau. A intenção é que a obra das fundações com estacas seja iniciada ainda em 2018”, explicou. A elaboração do projecto do posto fronteiriço de Qingmao foi adjudicado ao Grupo Gaungdong Nam Yue, a troco de 106 milhões de patacas. Os pagamentos serão feitos até 2020, tendo começado no ano passado. Já sobre o plano para o desenvolvimento dos terrenos envolventes do novo edifício, Li Canfeng diz que o Governo ainda está a elaborar o documento, que só será tornado público “em tempo oportuno”. João Santos Filipe

joaof@hojemacau.com.mo

GCS Prometida mais cooperação com media locais

Victor Chan, porta-voz do Governo e director do Gabinete de Comunicação Social (GCS), esteve reunido com representantes dos media locais, tendo referido que estão a ser desenvolvidos projectos sobre “eventos de grande escala, como a eleição do Chefe do Executivo, a actividade de comemoração do 20º aniversário da RAEM”, tendo sido prometido “o apoio à comunicação social. Victor Chan adiantou também que vai ser reforçada a ligação com os media tendo em conta os projectos de “Uma Faixa, Uma Rota” e Grande Baía GuangdongHong Kong-Macau. Serão ainda utilizadas as “plataformas de multimédia para explorar mais canais de divulgação de informação, assim como aumentar as produções de vídeos que estejam a par da realidade social no sentido de corresponder às necessidades da comunicação social e dos novos media”.


política 5

terça-feira 3.4.2018

O Governo ainda não sabe que finalidade dar às antigas instalações da secretaria do Conselho Consultivo para o Reordenamento dos Bairros Antigos, no bairro do Iao Hon. O deputado Ng Kuok Cheong levantou esta questão numa interpelação escrita

O

Casas sem fim

“Caso voltem a ser utilizadas provisoriamente as instalações existentes, a Administração necessita de investir recursos públicos para proceder à necessária reparação e a uma nova aquisição de equipamentos básicos, sendo limitado o prazo de uso das instalações. Nesta consideração, o uso devido do erário público tem de ser o pressuposto.”

CONCURSOS A ANDAR

“Relativamente às instalações provisórias da secretaria do Conselho Consultivo para o Reordenamento dos Bairros Antigos, localizadas no bairro de Iao Hon, encontram-se actualmente a ser geridas pela DSSOPT. Segundo o gabinete do secretário para os Transportes e Obras Públicas [Raimundo do Rosário], a DSSOPT emitiu uma planta de condições urbanísticas relacionada com o lote de terreno em questão. Porém, continuam a haver diferentes

opiniões na sociedade sobre a finalidade a dar ao lote. O Governo está a efectuar a respectiva análise.” Foi também explicado a Ng Kuok Cheong, deputado da ala pró-democrata da Assembleia Legislativa, que “independentemente da finalidade final, as actuais construções não vão ser preservadas”. Além disso, foi ainda dito ao deputado que está em causa a necessidade de garantir o bom uso das finanças públicas.

GCS

Conselho Consultivo para o Reordenamento dos Bairros Antigos há muito que foi extinto pelo Governo, mas ainda não se sabe que finalidade atribuir às antigas instalações, localizadas na zona norte da península, bairro do Iao Hon. Numa resposta a uma interpelação escrita do deputado Ng Kuok Cheong, o director dos Serviços de Finanças, Iong Kong Leong, dá explicações sobre o assunto.

IMÓVEIS SEDE DO ANTIGO CONSELHO CONSULTIVO SEM PLANO

SSM Lei Chin Ion inicia novo mandato de dois anos como director Lei Chin Ion iniciou no domingo o novo mandato à frente dos Serviços de Saúde (SSM). A renovação do mandato do director tem uma duração prevista de dois anos. A decisão tinha sido tomada em Fevereiro deste ano pelo Secretário para os Assuntos Sociais e Cultura, Alexis Tam. No despacho em que foi anunciada a decisão de renovação do

mandato, a escolha foi justificada com o facto de se considerar que Lei Chin Ion possui “capacidade de gestão e experiência profissional adequadas” para o exercício das funções. Recorde-se que em 2015 Alexis Tam tinha dado o prazo de um ano a Lei Chin Ion para mostrar que merecia estar à frente do cargo.

Numa interpelação escrita com o objetivo de questionar a ausência de utilização de muitos dos edifícios detidos pela Administração, o Governo deu ainda mais informações sobre o estado do projecto de recuperação da antiga sede do Gabinete de Comunicação Social (GCS), na Rua de São Domingos, perto do Leal Senado. As questões legais relativas à finalidade do edifício PUB

“Segundo o gabinete do secretário para os Transportes e Obras Públicas [Raimundo do Rosário], a DSSOPT emitiu uma planta de condições urbanísticas relacionada com o lote de terreno em questão. Porém, continuam a haver diferentes opiniões na sociedade sobre a finalidade a dar ao lote. O Governo está a efectuar a respectiva análise.” IONG KONG LEONG DIRECTOR DOS SERVIÇOS DE FINANÇAS

já foram concluídas o ano passado. “A Direcção dos Serviços de Finanças concluiu, em Maio de 2017, os respectivos procedimentos de transferência para o uso comum entre o Fundo de Desenvolvimento Industrial e de Comercialização (pessoa colectiva de direito público que funciona junto da Direcção dos Serviços de Economia) e o Corpo da PSP.” Está também a ser preparado um concurso público para as obras de revitalização do edifício, que actualmente enfrenta problemas de infiltrações. “A Direcção dos Serviços de Solos, Obras Públicas

e Transportes (DSSOPT) regeriu que irá promover os procedimentos de um concurso público para o projecto das obras de reparação das antigas instalações do GCS. Actualmente, a DSE encontra-se a coordenar com o CPSP e os serviços da área das obras públicas para pôr em prática os programas de trabalhos concretos.” Tal como já tinha sido anunciado, a PSP vai utilizar parte do edifício para instalar a polícia turística, sendo a restante parte destinada ao ponto de exposições e venda de produtos “Made in Macau”. Andreia Sofia Silva

andreia.silva@hojemacau.com.mo


6 sociedade TIAGO ALCÂNTARA

3.4.2018 terça-feira

Porta-voz do Ministério da Educação de Portugal “A Inspecção Geral de Educação e Ciência recebeu as referidas queixas, que estão a ser analisadas e tramitadas.”

EDUCAÇÃO GOVERNO PORTUGUÊS INVESTIGA CASOS DE VIOLÊNCIA NA EPM

O processo de Lisboa O Ministério da Educação de Portugal está a investigar dois casos de violência na Escola Portuguesa de Macau. O primeiro ocorreu em 2016, quando um docente terá, alegadamente, promovido agressões de uma turma a um aluno, visto como ‘bully’. O outro caso diz respeito ao estudante de 13 anos que foi internado na sequência de uma troca de agressões, no mês passado

O

Ministério da Educação de Portugal está a investigar dois casos de violência na Escola Portuguesa de Macau. A informação foi avançada ao HM por uma porta-voz do Governo português, que confirmou que as investigações começaram depois de ter havido queixas relativas a, pelo menos, dois incidentes. O primeiro caso aconteceu nos finais de 2016 e está relacionado com agressões durante uma aula

de vários alunos a um colega. O episódio das agressões terá alegadamente sido promovido por um docente, como resposta a vários casos de agressões perpetuadas pelo aluno, na altura com nove anos, durante os intervalos. O segundo episódio foi verificado a 14 de Março deste ano, quando um aluno precisou de ser internado, na consequência de uma troca de agressões. O caso envolveu dois alunos com 15 e 13 anos de idade, sendo que o mais

novo precisou mesmo de passar a noite no hospital na sequência de lesões sofridas na cabeça. “A Inspecção Geral de Educação e Ciência recebeu as referidas queixas, que estão a ser analisadas e tramitadas”, afirmou uma porta-voz do Ministério da Educação, após ter sido questionada, por email, pelo HM. O HM também tentou perceber o desenrolar do processo e as eventuais consequências para a EPM dos dois casos, mas o Ministério

da Educação não respondeu às questões enviadas. Por sua vez, o presidente da EPM, Manuel Machado, recusou comentar as investigações da Inspecção Geral de Educação e Ciência: “não tenho quaisquer declarações a fazer neste momento”, afirmou, quando contactado pelo HM.

DSEJ ANALISA CASO

Em relação ao caso das agressões no mês passado, tal como já tinha

RUSGA PJ DETEVE 17 INDIVÍDUOS POR TRÁFICO E CONSUMO DE DROGA

A

Polícia Judiciária (PJ) deteve 17 indivíduos por consumo de estupefacientes e apreendeu cerca de 42 mil patacas em drogas, no domingo à noite, após uma rusga a uma discoteca. Os indivíduos detidos são de nacionalidade chinesa e coreana e têm idades que variam entre 19 aos 53 anos.

Segundo o canal chinês da Rádio Macau, a PJ recebeu na madrugada do dia 1 de Abril várias denúncias sobre a prática dos crimes de tráfico e consumo de drogas numa discoteca situada na Zona de Aterros do Porto Exterior. A denúncia mencionava o envolvimento de várias pessoas.

Durante a acção da PJ foram investigados mesmo 24 indivíduos, dos quais 16 acusaram consumo de drogas. Foi igualmente detida uma pessoa pela suspeita de venda de estupefacientes. No local foram apreendidas drogas com o valor de rua avaliado em 42 mil de patacas.  

sido noticiado, o Governo de Macau pediu um relatório sobre o incidente à EPM. “A DSEJ está muito preocupada com o confronto físico que ocorreu entre estudantes na Escola Portuguesa de Macau. Depois de ter tido conhecimento da situação, a DSEJ entrou imediatamente em contacto com a direcção da escola para se inteirar da situação e pediu que fosse enviado um relatório de investigação tão rapidamente quanto possível”, afirmou o Governo de Macau, na altura. Segundo o HM conseguiu apurar, houve mesmo contactos na semana passada entre a DSEJ e a EPM em relação às agressões. Sobre o episódio de finais de 2016 que envolveu, alegadamente, um docente, o HM entrou ontem em contacto com a DSEJ, porém, até à hora de fecho não houve resposta. Recorde-se que após o caso do mês passado, a direcção da Escola Portuguesa de Macau considerou em comunicado que a existência de episódios de violência no estabelecimento de ensino é “residual”. João Santos Filipe (com A.S.S.) joaof@hojemacau.com.mo

Incidente Duas residentes feridas com armas de pressão de ar

Duas idosas ficaram ontem feridas depois de terem usado duas armas de pressão de ar no jardim de Iao Hon, noticiou o canal chinês da Rádio Macau de acordo com informações cedidas pela Polícia de Segurança Pública (PSP). As mulheres, uma com 58 anos e outra com 66 anos, ficaram feridas no ombro esquerdo e na perna direita. No local, foram descobertas dois chumbos.


sociedade 7

terça-feira 3.4.2018

ENSINO INFANTIL NOVA CRECHE HELEN LIANG DISPONIBILIZA MAIS DE 500 VAGAS

Jogo Receitas dos casinos de Macau sobem 22 por cento em Março

Os casinos de Macau fecharam Março com receitas de 25,950 mil milhões de patacas, mais 22,2 por cento comparativamente a igual período de 2017, indicam dados oficiais divulgados. De acordo com a Direcção de Inspecção e Coordenação de Jogos (DICJ), em Março de 2017 as receitas dos casinos tinham sido de 21,2 mil milhões de patacas. As receitas brutas acumuladas nos três primeiros meses do ano totalizaram 76,5 mil milhões de patacas, o que representa um aumento de 20,5 por cento em relação a igual período do ano anterior.Em 2017, a receita do jogo em Macau cresceu 19,1 por cento para 265,7 mil milhões de patacas, invertendo uma tendência de queda registada nos três anos anteriores.

ECONOMIA CONSULTORA PORTUGUESA ORGANIZA VISITA À CHINA NO SECTOR INDÚSTRIA 4.0

A

Sociedade Portuguesa de Inovação (SPI), consultora com sede no Porto, organiza em Maio, em conjunto com entidades chinesas e europeias, uma visita de negócios à China, no âmbito do projeto da Comissão Europeia ENRICH. A visita decorre entre 6 e 11 de Maio e inclui encontros com empresários, responsáveis de universidades ou institutos de investigação da Indústria 4.0, conhecida como a quarta revolução industrial, que promove a digitalização e automação dos sistemas produtivos. A agenda prevê ainda visitas às cidades de Xangai, Wuxi (leste da China) e Chengdu (sudoeste). A SPI foi a consultora escolhida pela Comissão Europeia para coordenar o Centro de Excelência ENRICH (European Network of Research and Innovation of Centres and Hubs, China), plataforma que apoia empresas tecnológicas europeias no mercado chinês. O ENRICH, financiado no âmbito do “Horizonte 2020”, oferece consultadoria, colaboração e treino especializado para empresas e organizações de investigação europeias. O “Horizonte 2020” é o maior programa público de apoio à investigação e à inovação do mundo, com um orçamento de quase 80 mil milhões de euros. Pequim está a lançar um plano, designado “Made in China 2025”, para transformar o país numa potência tecnológica, com capacidades nos sectores de alto valor agregado, incluindo inteligência artificial, energia renovável, robótica e carros eléctricos. Fundada em 1997, a Sociedade Portuguesa de Inovação é uma consultora privada que actua nas áreas da inovação, da promoção da internacionalização de empresas e da gestão do conhecimento.

De porta aberta

Já está a funcionar a creche diocesana Helen Liang, nascida de um antigo instituto de acolhimento de crianças oriundas de famílias problemáticas. A nova instituição do ensino infantil tem capacidade para 510 crianças

E

STÁ finalmente concluído o processo de transformação do antigo Instituto Helen Liang numa nova creche. A recém aberto estabelecimento, localizado na zona da Praia Grande num edifício desenhado pelo arquitecto Manuel Vicente, encontra-se em pleno funcionamento desde Dezembro último, tendo o Instituto de Acção Social (IAS) entregue a gestão da instituição à Diocese de Macau. Numa resposta ao HM, o IAS adiantou que a nova creche tem um total de 510 vagas, 270 das quais para as turmas de um dia inteiro e 240 lugares para crianças que ficam apenas meio dia na instituição. Em 2016 foi aberto o concurso público para a realização

de obras no edifício, sendo que a ideia de transformar o instituto numa creche começou a ser delineada em 2013, para resolver a falta de vagas nas creches em Macau. O projecto começou a tomar forma quando, em 2015, o instituto fechou portas. De acordo com o IAS, antes do antigo Instituto Helen Liang encerrar, tinha 11 crianças, dez do sexo masculino e apenas uma do sexo feminino. Desses menores, dez foram transferidos para outras instituições, onde recebem os mesmos serviços de

apoio, tais como o alojamento permanente durante 24 horas por dia, para suprir a falta de uma famílias com condições para receber estas crianças. Neste processo, apenas uma criança voltou a viver com a sua família.

VAGAS AUMENTAM

A abertura da creche diocesana Helen Liang veio colmatar a falta de vagas em creches, uma problemática que há muito persiste em Macau. No ano passado, o secretário para os Assuntos Sociais e Cultura,

Numa resposta ao HM, o IAS adiantou que a nova creche tem um total de 510 vagas, 270 das quais para as turmas de um dia inteiro e 240 para crianças que ficam apenas meio dia na instituição

Alexis Tam, prometeu aumentar as vagas para um total de 11 mil ao longo deste ano. “O Governo já fez muito trabalho para que os pais sejam ambos empregados possam ter vagas nas creches para os seus filhos”, afirmou o secretário. Alexis Tam disse, contudo, que o actual número de vagas “é suficiente”. As respostas do secretário foram dadas na Assembleia Legislativa em resposta a uma intervenção da deputada Angela Leong, que lembrou que “quando abrem candidaturas nas creches das zonas mais populosas, às vezes, o número de crianças a disputar uma vaga ascende a mais de 60”. O ano passado registavam-se em Macau 53 creches com 9803 vagas. Alexis Tam frisou que há vagas que não estão a ser preenchidas, tendo afirmado ainda que cerca das 2.400 ou 30 por cento das 8.000 creches subsidiadas pelo Governo não foram utilizadas. Andreia Sofia Silva

andreia.silva@hojemacau.com.mo


8 china

3.4.2018 terça-feira

COMÉRCIO PEQUIM SOBE IMPOSTOS SOBRE VÁRIOS PRODUTOS NORTE-AMERICANOS

Carne de porco à americana

ESPAÇO PONTO NEMO, “CEMITÉRIO” DE DESTROÇOS ESPACIAIS

A

A China subiu ontem impostos sobre as importações de carne de porco, fruta e outros produtos dos Estados Unidos, parte de uma disputa comercial com Washington que tem abalados praças financeiras em todo o mundo

O

Ministério das Finanças chinês afirmou que as taxas servem de retaliação à decisão do Presidente norte-americano, Donald Trump, de subir as importações sobre o aço e alumínio oriundos da China. Mas o maior prejuízo para as importações chinesas depende ainda de uma possível subida das taxas alfandegárias sobre os produtos tecnológicos chineses, numa penalização contra a alegada fraca protecção dos direitos de propriedade intelectual por Pequim. As medidas anunciadas por Trump poderão afectar as importações chinesas num valor de mais de 48 mil milhões de euros. Analistas descartaram impactos económicos imediatos, mas afirmaram que a recuperação

global poderá atrasar-se, caso outros países adoptem também medidas proteccionistas. Praças financeiras em todo o mundo foram abaladas nas últimas semanas por uma possível guerra comercial entre Washington e Pequim.

O CONTRA-ATAQUE

A decisão anunciada pelas autoridades chinesas inclui um aumento de 25 por cento nos impostos sobre as importações de carne porco ou alumínio e uma taxa de 15 por cento para maçãs, amêndoas e outros bens norte-americanos. Pelas contas do Governo chinês, no ano passado, as importações chinesas daqueles produtos, a partir dos EUA, fixaram-se em 2,4 mil milhões de euros. A medida afecta sobretudo áreas rurais dos Estados Unidos,

onde se concentram muitos dos apoiantes de Trump. A decisão dos EUA em subir os impostos “prejudicou gravemente os nossos interesses”, afirmou o Ministério chinês, em comunicado. “O nosso país defende e apoia o sistema multilateral de comércio”, indicou na mesma nota. O aumento das taxas alfandegárias “é uma medida de acordo com as regras da Organização Mundial

do Comércio (OMC), visando proteger os nossos interesses”, concluiu. No total, em 2017, as importações chinesas de produtos agrícolas norte-americanos fixaram-se em 16,2 mil milhões de euros. Só em carne de porco, o valor ascende a mais de mil milhões de dólares, o que torna a China no terceiro maior mercado para a carne de porco norte-americana.

DIPLOMACIA HANÓI E PEQUIM PROMETEM PAZ NO MAR DO SUL DA CHINA

A

China e o Vietname comprometeram-se no Domingo, em Hanói, a manter a paz no mar do sul da China, uma zona estratégica e fonte de tensão entre os dois países. “As duas partes devem respeitar os princípios fundamentais que regem a resolução de conflitos marítimos. Nenhum deve tomar medidas unilaterais que agravariam a situação”, declarou o ministro dos Negócios Estrangeiros chinês, Wang Yi, perante os jornalistas em Hanói, durante uma visita oficial

ao Vietname. “Estamos prontos a cooperar com os chineses para resolver os problemas”, afirmou o homólogo vietnamita, Pham Binh Minh. Os dois países devem “gerir as divergências, não agravar os conflitos, respeitar os direitos e interesses legítimos do outro em conformidade com o direito internacional”, acrescentou. Wang Yi destacou que as relações entre os dois países encontram-se numa “tendência muito positiva”. “Bons vizinhos, bons companheiros,

bons amigos e bons parceiros”, sublinhou. A visita de Wang ocorre uma semana depois do Vietname ter suspendido um projecto de perfuração de petróleo no mar do sul da China, pela segunda vez no prazo de um ano, após pressão da China. Pequim reivindica a quase totalidade do mar do sul da China, um espaço marítimo alegadamente rico em reservas de gás e de petróleo, e estratégico para o comércio e a defesa. Nos últimos anos, Pequim construiu no mar

do sul da China ilhas artificiais capazes de receberem instalações militares, num avanço contrário às pretensões do Vietname e das Filipinas, ambos com reivindicações na zona, tal como Brunei, Taiwan e Malásia. Devido às crescentes tensões com Pequim, Hanói reforçou os laços militares com os Estados Unidos. Um porta-aviões norte-americano fez escala no Vietname, no início de Março, uma estreia histórica para os dois antigos inimigos.

estação espacial chinesa Tiangong-1 desintegrou-se ontem “na região central do Pacífico Sul”, não muito longe do ponto Nemo, um cemitério de destroços espaciais anunciaram as autoridades chinesas. “O ponto Nemo encontra-se ao largo das costas da Antártica, da Nova Zelândia, das ilhas Pitcairn e do Chile”, explicou Stijn Lemmens do Gabinete de Destroços Espaciais da Agência Espacial Europeia, em Darmstadt. Este lugar perdido no meio do Pacífico, apelidado de “polo de inacessibilidade” ou ponto Nemo, em homenagem ao capitão de Júlio Verne, representa o lugar mais isolado do mundo, a 2.688 quilómetros da primeira terra emersa, a ilha Ducie, um atol desabitado. “É mais uma zona do que um ponto”, explicou Florent Deleflie, astrónomo do Observatório de Paris. “E como é uma zona muito ampla, é a mais propícia a este tipo de operação. Mesmo em casos de queda controlada, há sempre incertezas sobre o ponto de reentrada na atmosfera do engenho”, acrescentou. É também um lugar com pouca fauna e flora, e, por isso, pode ser usado como “descarga ou cemitério espacial”, disse Lemmens. Este “cemitério” já recebeu 250 a 300 naves espaciais em final de vida. A mais famosa até à data foi a estação espacial soviética MIR, de 120 toneladas. “Actualmente é frequentemente usado para navios de carga ‘Progress’, que abastecem a Estação Espacial Internacional (ISS)”, lembrou o representante da ESA. Apesar de ser uma zona quase deserta, quando uma nave espacial se prepara para se despenhar no cemitério, o “tráfego aéreo é avisado, tal como a navegação marítima”, explicou Deleflie. A estação espacial chinesa Tiangong-1 desintegrou-se ontem de manhã, sobre o Pacífico, quando regressava à Terra, após dois anos de evolução descontrolada em órbita.


região 9

terça-feira 3.4.2018

PENÍNSULA COREANA SEUL E WASHINGTON INICIAM EXERCÍCIOS MILITARES ANUAIS

A

Coreia do Sul e os Estados Unidos começaram no passado Domingo as suas habituais manobras militares anuais, depois de um adiamento no âmbito da aproximação à Coreia do Norte. Não foram divulgados quer a duração quer o número de militares que estarão envolvidos nestes exercícios, apesar de o Governo sul-coreano ter informado há semanas que “a dimensão será similar à de anos anteriores”, através de um breve comunicado. O início dos exercícios, normalmente considerados uma provocação pela Coreia do Norte, foi adiado devido à realização dos Jogos Olímpicos de Inverno no Sul, que permitiram uma aproximação a Pyongyang, cujo regime aceitou realizar duas cimeiras históricas com Seul e Washington. Também o Pentágono confirmou a realização das manobras militares. Numa nota, divulgada no passado dia 20 de Março, o Pentágono indica que o secretário da Defesa norte-americano, Jim Mattis, e o seu homólogo sul-coreano, Song Young-moo, concordaram em avançar com exercícios “a uma escala similar” às de anos anteriores. A administração norte-americana referiu ainda que a Coreia do Norte foi notificada do calendário “bem como da natureza defensiva” dos exercícios. Responsáveis sul-coreanos afirmaram recentemente que o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, disse aceitar estas manobras. Está prevista uma cimeira entre o Presidente norte-americano, Donald Trump, e o líder norte-coreano, para esta primavera. Também os líderes das duas Coreias deverão reunir-se no final do próximo mês.

KIM JONG-UN “RECEBE CALOROSAMENTE” ARTISTAS SUL-COREANOS

Unidos pelo K-Pop

O

líder da Coreia do Norte “recebeu calorosamente” uma delegação de 120 artistas sul-coreanos, que participaram no Domingo, num espectáculo em Pyongyang, noticiou a agência oficial norte-coreana KCNA. Kim Jong-un “recebeu calorosamente a delegação sul-coreana e expressou a sua alegria por esta

visita a Pyongyang” de músicos, dançarinos e praticantes de artes marciais, escreveu a KCNA, que publicou várias imagens do espectáculo, realizado no Grande Teatro do Este, perante cerca de 1.500 pessoas. O evento acontece num período de apaziguamento entre as duas Coreias, após cerca de dois anos de um aumento da tensão na península devido à realização de testes nucleares e

balísticos por parte do regime de Pyongyang. Os Jogos Olímpicos de Inverno, que decorreram em Fevereiro na Coreia do Sul, criaram um ambiente de apaziguamento entre as duas Coreias. A 27 de Abril, o Presidente sul-coreano, Moon Jae-in, e o líder norte-coreano, Kim Jong-un, vão reunir-se, na primeira cimeira entre as duas Coreias em 11 anos.

CATÁSTROFE DEZ MORTOS EM DESABAMENTO DE EDIFÍCIO NO CENTRO DA ÍNDIA

D

EZ pessoas morreram e duas ficaram feridas no desabamento de um prédio degradado, na cidade de Indore, no centro da Índia, depois de um carro chocar contra um pilar do edifício, informou no domingo uma fonte policial à Efe. O subinspector da polícia de Indore, Harinarayanachari

Mishra, especificou que o veículo embateu, às 21h, contra o imóvel de quatro andares, no qual funcionava um albergue, fazendo com que a construção viesse abaixo. “O edifício era velho, segundo algumas pessoas, teria entre 70 e 90 anos”, indicou. “A operação de resgate foi muito rápida e em

duas ou três horas conseguimos retirar as 12 pessoas”, relatou, salientando que todos os sobreviventes foram resgatados do meio dos escombros. Shivraj Singh Chouhan, chefe de Governo do Estado Madhya Pradesh, onde se localiza Indore, anunciou que serão pagas indemnizações de cerca de 2.500 euros

aos familiares das vítimas mortais e de 625 euros aos feridos. Os desabamentos e os incêndios em edifícios são frequentes na Índia, geralmente devido ao estado precário das infraestruturas e à falta de manutenção, factores alimentados pela corrupção e práticas ilegais no sector da construção.

Para Maio é aguardada um encontro inédito entre a Coreia do Norte e os Estados Unidos. Em outro sinal de pacificação, os exercícios militares anuais conjuntos da Coreia do Sul e dos Estados Unidos, que começaram este fim-de-semana e que todos os anos são encarados por Pyongyang como uma manobra de provocação, foram este ano encurtados para um mês. Este ano, os dois aliados optaram pela não utilização de armas estratégicas, enquanto Kim Jong-un afirmou compreender o compromisso assumido por Seul e Washington para a realização destes exercícios militares. O líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, e a sua mulher assistiram ao primeiro espectáculo de artistas sul-coreanos em Pyongyang em mais de uma década, segundo a agência noticiosa sul-coreana Yonhap. O evento acontece num período de apaziguamento entre as duas Coreias após cerca de dois anos de uma escalada devido à realização de testes nucleares e balísticos por parte do regime de Pyongyang. Cento e vinte sul-coreanos, incluindo cantores de música pop, dançarinos e praticantes de artes marciais, chegaram no Sábado à capital da Coreia da Norte.


10 eventos

3.4.2018 terça-feira

PUB

Créditos ma

POLÉMICA ESCRITORA DEANA BARROQUEIRO ACUSA JOÃO BOTELHO D

A escritora Deana Barroqueiro, autora do livro “O Corsário o cineasta João Botelho de estar a tratar o caso de plágio do leviandade. E alerta que ainda não recebeu quaisquer créditos

A

polémica em torno do plágio feito pelo cineasta João Botelho a algumas partes do romance de Deana Barroqueiro, intitulado “O Corsário dos Sete Mares – Fernão Mendes Pinto”, continua. Depois do caso ter sido denunciado pela escritora de romances históricos na sua página de Facebook, muitos meios de comunicação social portugueses escreveram sobre o caso. Botelho assumiu que foi buscar ao livro de Deana Barroqueiro a base para escrever parte do argumento do filme “Peregrinação”, e não ao original de Fernão Mendes Pinto. Em declarações ao HM, a autora não esconde a revolta e conta que ainda não recebeu quaisquer créditos da produtora de Botelho. “Só queria aquilo a que tenho direito, e que Botelho não fez: que registe os créditos da minha obra nos materiais referentes ao filme, DVDs e outros. A contrapartida seria da parte deles darem-me os créditos nas acções e materiais sobre o filme, o que não aconteceu até hoje.” Uma das mais conhecidas escritoras de romances histó-

ricos em Portugal, e uma das convidadas numa das anteriores edições do festival literário Rota das Letras, afirma nada ganhar caso leve a produtora de João Botelho a tribunal. “Ir para tribunal contra João Botelho e a poderosa empresa que o apoia? Isso só se a editora [Casa das Letras / Leya] o fizesse, porque, do modo como a justiça funciona em Portugal, com tal lentidão e tantas artimanhas processuais, eu não ganharia para o processo e não teria paz para escrever, que é a única coisa que me interessa.”

“João Botelho tem tomado este assunto como uma coisa divertida e insignificante.” DEANA BARROQUEIRO ESCRITORA

A autora quer apenas “ chegar a informação a jorna não comprometidos e a o media, que me permitam des carar o abuso, porque atrope direitos de autor e de proprie intelectual é crime punido po “O filme teve uma nom pela Academia de Cinema p prémio de Melhor Adaptaç obra, [com base na] Peregrin de Fernão Mendes Pinto, qu no fundo, grande parte do gu o meu romance”, frisou. João Botelho já escreveu carta à autora a assumir o p de algumas cenas do filme, s tudo as que se passam na C tendo afirmado que tentou diversas vezes, contactar a ra, sem sucesso. O cineast mesmo dito achar que a auto encontrava nos Estados Un de onde é também natural. Numa resposta, també tornada pública, a autora r essas explicações para o ca plágio que diz ser vítima. Botelho tem tomado este as como uma coisa divertida e nificante. O que eles ‘conced à editora foi que ela pusesse cinta nos exemplares do livro a referência à adaptação de alg


eventos 11

terça-feira 3.4.2018

PUB

alparados

DE LEVIANDADE

dos Sete Mares – Fernão Mendes Pinto”, acusa o seu romance para o filme “Peregrinação” com s por parte da produtora

“fazer alistas outros esmaselar os iedade or lei.” meação para o ção da nação, uando, uião é

u uma plágio sobreChina, u, por autota terá ora se nidos, . ém já recusa aso de “João ssunto insigderam’ e uma o, com gumas

cenas, ou seja, eu é que ainda estou a fazer a promoção do filme! A contrapartida seria da parte deles darem-me os créditos nas acções e materiais sobre o filme, o que não aconteceu até hoje.” Deana Barroqueiro disse ainda que, até hoje, todo o caso foi tratado entre os responsáveis da sua editora e da produtora, sem que tenha havido contactos directos com João Botelho. “Embora os representantes do cineasta (a produção), que se reuniram com a editora Leya, tenham reconhecido que as cenas da China tinham sido adaptadas do meu livro, nunca se quiseram encontrar comigo, embora dissessem que João Botelho o queria fazer. O que não aconteceu.”

FILME É “ANTI-PEDAGÓGICO”

Deana Barroqueiro alerta ainda para o facto do filme ser recomendado nas escolas em Portugal, o que pode resultar no ensino de factos históricos errados. “Se o filme passar nas escolas, como ele [João Botelho] pretende, vai apresentar inúmeras cenas do meu Corsário dos Sete Mares como se fossem da Peregrinação de Fernão Mendes Pinto, o que eu, como professora com mais de 35

anos de ensino, não posso admitir, por ser errado e anti-pedagógico.” A escritora acrescentou ainda que não está à procura de mediatismo e que apenas deseja o reconhecimento por cinco anos de trabalho. “Não é aos 72 anos que eu vou lançar mão de uma querela para ser falada dos media e vender livros. Eu vivo para a escrita, não vivo da escrita. Se João Botelho, em Novembro do ano passado, em que tudo começou, tivesse tido a frontalidade de se reunir comigo ou tão só de me telefonar a pedir desculpa e a aceitar pôr os créditos da minha obra, o caso ficava de imediato encerrado, pois dar-me-ia por satisfeita.” Deana Barroqueiro considera ainda que João Botelho, que filmou parte da película em Macau, é “alguém sem escrúpulos, que, para mais, me retira a autoria desse trabalho, fazendo-o passar pela obra de outro autor ou dele próprio”. “É abjecto e inqualificável”, concluiu. Andreia Sofia Silva

andreia.silva@hojemacau.com.mo

PUB

Assine-o TELEFONE 28752401 | FAX 28752405 E-MAIL info@hojemacau.com.mo

www.hojemacau.com.mo


12

h

3.4.2018 terça-feira

tatuagens complicadas do meu peito! máquina Lírica

Paulo José Miranda

MILK STUDIOS

O talento invejado

E

NTENDA-SE por amor erótico o equilíbrio entre os afectos e o desejo sexual entre duas pessoas, tal como o escrevia Platão há já algum tempo. E talvez se tenha de ter um talento para esse amor erótico como aquele que se tem para a música. Talvez haja pré-requisitos exigidos, que não sejam para todos. E do mesmo modo que muitas pessoas não têm talento para a música, mas ficam fascinadas a tal ponto de quererem ser músicos, também assim acontece com o amor. Não temos talento para ele, mas o fascínio que ele exerce em nós faz-nos querer ser como aqueles que têm talento para ele. Não é que o amor erótico – encontrar a nossa outra metade e viver com ela para sempre – não exista, mas não existe para todos, como também o ser músico não existe para todos. Não basta querer para ser. Mas a inveja do amor para sempre parece ser maior e mais comum do que a inveja de qualquer outro talento humano. É pelo menos assim que ficamos a pensar depois de assistirmos ao filme A Single Man, de Tom Ford. Um amor assim, como o que na vida real o próprio realizador e Richard Buckley vivem (e também o autor do romance homónimo de onde Ford adaptou o filme, Christopher Isherwood, o viveu com o seu amante e amado Don Bachardy). Desde que se conheceram, em 1986, Tom com 25 anos e Richard com 38, vivem uma história de amor eterno. E, no fundo, o filme – apesar de ter sido adaptado

do romance homónimo de Christopher Isherwood – é como se Tom se visse a si mesmo sem Richard (e antes dele Christopher Isherwood sem Don Bashardy). Pois como viver depois da perda de um grande amor? Como continuar a viver sem essa grandeza, essa experiência que se adivinha sublime? É esta pergunta que está ali exposta em carne viva no filme. Depois de um grande amor sobrevive-se, ou não, mas não se consegue mais do que isso. De um modo geral, no contexto da população humana, desde o início dos tempos até agora, poucos de nós teremos experimentado esse amor, se bem que muitas vezes julgamos que sim, pois tendemos a confundir esta experiência plena de amor erótico com a paixão, que é mais comum e muito mais devastadora. A paixão tende a devastar-nos no seu próprio exercer-se, ao passo que o amor erótico só nos devasta quando acaba, como acontece no filme de Tom Ford. E o filme começa com um sonho, onde o protagonista, George (interpretado por Colin Firth) caminha sobre e debaixo de neve na direcção de um carro acidentado, e junto a ele encontra-se um corpo, sem vida, com sangue no rosto. George deita-se junto a ele, olha-o e beija-o. Acorda. E escuta-se os seus pensamentos: “Acordar nos últimos meses foi realmente muito doloroso. A constatação fria de que ainda estou aqui.” E a câmara mostra-nos um frasco de comprimidos sobre a mesa de cabeceira. Sim, o filme é muito mais sobre

a perda – a perda daquele que se ama – do que sobre o amor, embora também o seja. O filme é sobre o ultimo dia de vida de homem que amava outro – e era amado por ele – que morreu de acidente de carro há oito meses. O filme é sobre a falta de sentido da vida depois da experiência do amor erótico na sua plenitude. Um flashback traz-nos o momento da notícia do acidente, pelo telefone. O horror. Depois, e de volta a este último dia, vemos um revólver dentro de uma gaveta de uma cómoda e um livro sobre ela, de Aldous Huxley, After A Many que é também um verso do poeta romântico inglês Tennyson, do seu poema Titono, “After many a summer dies the swan”. O poema é sobre essa figura da mitologia grega, Titono, por quem Aurora, apaixonada por ele, pede a Zeus que lhe dê a imortalidade, esquecendo contudo pedir também a juventude eterna. Assim, Titono envelhece para além do suportável, impedido que está de mor-

Não basta querer para ser. Mas a inveja do amor para sempre parece ser maior e mais comum do que a inveja de qualquer outro talento humano

ou “A Single Man” de Tom Ford

rer. A sua vida torna-se o seu inferno. O seu corpo o seu cárcere odioso e torturante. E lembramo-nos de imediato do verso de Paul Claudel, em Le Soulier de Satin, “naufrago no meu corpo” (citação de memória). Por seu lado, o livro de Huxley retrata o narcisismo norte-americano, o culto da juventude, tendo como horizonte esses poema e verso de Tennyson, que lhe dá o título. George guarda dentro da sua pasta, com a qual sairá à rua, o revólver e o livro. Já no liceu, a caminho de uma aula, em conversa com um colega que fala da ameaça nuclear e de abrigos para uma eventual chuva de mísseis, o nosso herói responde: “Grant, um mundo sem sentimentos é um mundo onde não quero viver.” Entra na sala de aulas, senta-se sobre a secretária e cita: “After many a summer dies the swan.” [Depois de muitos, o cisne morre num Verão] De volta a casa, deixa tudo preparado, para dar o mínimo de trabalho possível àqueles que tiverem de tratar do destino do seu corpo. Adivinha-se que a carta que deixa escrita seja para a sua grande amiga, Charlotte (Julianne Moore). A mesa, com o revólver, as diversas chaves, cartas, documentos e o a indumentária que lhe devem vestir, forma uma sinistra e moderna “natureza morta”. A preocupação dele, por não dar trabalho aos outros – ou o menos possível – vai ao ponto de tentar fazer com que não tenham de limpar o sangue, e tenta então cometer o suicídio dentro de um saco de cama. Deparando-se com a dificuldade, toca o telefone. Ele sabe que é Charlotte, sai do saco de cama e atende: “Sim, comprei o Gin, estou aí em dez minutos.” E sai de casa. Chegámos a casa de Charlote, ela preparou o jantar para os dois. Ela é tão só que nem com ela... E ele completamente só, como só se está depois do amor, depois de um amor de dezasseis anos. Um amor insubstituível, como diz à amiga. No lugar dele ficou um buraco. Um buraco que não é uma coisa ou a ausência de uma coisa, mas que é ele agora, o buraco que ele apressa em levar para a cova. Ele é um buraco e amiga um vazio, que é o que todos somos sem amor. E é ela, Charlotte, quem o diz: “Sempre tive inveja [do amor de vocês], eu nunca tive um amor assim [na vida].” E é aqui que ficamos depostos no clímax do filme, no cerne da questão humana que nos prende ao universo: o amor e a sua falta. De tanto não querermos viver num mundo sem sentimentos e de tanto não conseguirmos viver sem amor, que inventámos que o amor não existia. E conseguimos acreditar nisso, como antes se acreditava em Deus e antes disso nos deuses. Eis-nos chegados aos dias em que o amor é uma ilusão. O talento invejado.


ARTES, LETRAS E IDEIAS 13

terça-feira 3.4.2018

ofício dos ossos Valério Romão

N

O dia 2 de Abril é inevitável que vos fale de autismo. Tendo em conta de que o resto do ano carrego esse peso sem vos aborrecer por aí além, parece-me justo que hoje, apenas hoje, possamos fazer de conta que repartimos a carga. O meu filho fez 14 anos no ano passado, em Setembro. A infância está a terminar sem que tenhamos uma ideia clara do que podemos esperar que seja a sua adolescência e idade adulta. Na infância deixámos alguns problemas de monta. O Gui levou muito mais tempo que uma criança normal a deixar a fralda, por exemplo, ou a aprender a vestir um casaco ou a pôr o cinto de segurança no carro. A aprendizagem das tarefas quotidianas no autismo é morosa; todos os dias se insiste num pormenor específico: segurar garfo e faca, lavar as mãos depois de ir à casa de banho, calçar os sapatos. Tudo aquilo que nos parece óbvio nada tem de óbvio para um autista, e só convocando doses industriais de determinação e paciência somos capazes de perseverar, numa repetição de Sísifo, até ver surgir pequenos mas fundamentais progressos. Na infância, infelizmente, ficaram também muitas esperanças. A linguagem, por exemplo. Tenho quase a certeza de que o meu filho nunca falará. Nunca será capaz de me chamar “pai”. Nunca será capaz de dizer “dói-me aqui” – o meu maior medo, confesso. O meu filho comunica contextualmente: se tem sede, vai buscar um copo; com sorte e se conhecer a casa, consegue enchê-lo. Ainda assim, não evito o cuidado decorrente de um estado de alerta contínuo: e se está a beber de um copo sujo? E se por acaso ligou a água quente quando encheu o copo? Nada é óbvio ou garantido quando lidamos com crianças com este tipo de necessidades especiais. Não podemos presumir que um comportamento repetido está consolidado; que algo que correu bem algumas vezes continue a correr bem. Há que estar em alerta mesmo quando nada indica que tal seja necessário. Porque, como com todas as crianças, basta falhar uma vez. Com 14 anos, o meu filho já exibe um buço tímido. Imagino que daqui a um par de anos tenha de lhe fazer a barba regularmente. Acaso acabe por ter uma barba tão esparsa como a minha, apará-la não será difícil. Difícil será, porventura, gerir as consequências do natural incremento de hormonas masculinas com que podemos contar. Ou não. Nada é óbvio ou linear. Uma amiga minha que mora em Londres dizia-me, há um par de dias,

MARK ACETELLI

O autismo, ano a ano que o filho dela, com 13 anos, lhe conta como é confusa a puberdade; os papéis sociais, a mudança do corpo e, sobretudo, o desejo sexual. As histórias da adolescência são enternecedoras. Por um lado, fazem-nos automaticamente regressar a um lugar que nos foi frequentemente inóspito com outros olhos, capazes de o apreciar no conforto da distância. Por outra parte, rimo-nos do drama que cada acção ou contexto comportam na adolescência – por mais pequenos que sejam. O filho desta minha amiga está a descobrir que gosta de raparigas, e que gosta de as beijar. E claro, nada no processo da sedução é óbvio. Ao que parece, ser cool, neste início de século, implica ter uma sexualidade indeterminada. As miúdas da escola dele adoptam alcunhas masculinas; os rapazes dizem-se pansexuais. Mesmo que tal não corresponda à verdade. É como se, à natural confusão decorrente do encontro com outro pelo prisma da sexualidade, se acrescentasse um nível suplementar de desordem. Nada é óbvio, nada é linear.

Tudo aquilo que nos parece óbvio nada tem de óbvio para um autista, e só convocando doses industriais de determinação e paciência somos capazes de perseverar, numa repetição de Sísifo, até ver surgir pequenos mas fundamentais progressos O meu filho não terá esse tipo de problemas. Mas, como em tudo, um problema é só uma face da moeda existencial. Há muitas coisas pelas quais passámos – com mais ou menos dificuldade, com maior ou menor prazer – que lhe estão, à partida, vedadas. O nosso trabalho, enquanto pais, é dar-lhe tanto quanto possível do mundo e manter uma dose de esperança que nem sempre radica numa racionalidade escorreita. Porque nada é óbvio e linear, e porque isso não tem que ser sempre mau.


14 publicidade

3.4.2018 terรงa-feira


h

terça-feira 3.4.2018

Paulo Maia e Carmo texto e ilustração

A assinatura sigilosa Duas pinturas no Museu Nacional de Arte Antiga, em Lisboa, permitem uma aproximação à ideia da assinatura nas primeiras pinturas de paisagem na China. Lucas Cranach (1472-1553), pintor alemão encontrava-se no centro de uma instabilidade que conduziria a uma mudança que iria revolucionar a Europa. Nessa transformação estava até em causa a própria possibilidade de representar em pinturas os episódios bíblicos, ideia que estava na origem da arte da pintura europeia, e portanto da sua própria profissão. Iconoclastas defendiam que as imagens desviavam a atenção da Palavra, o essencial. Não seria o caso do seu amigo, o homem que estava no centro desse furacão, Martinho Lutero (1483-1546), para quem Cranach ilustra a sua tradução da Bíblia. A serpente alada de Lucas Cranach No dia 8 de Janeiro de 1508 Cranach recebe de Frederico III, Príncipe Eleitor da Saxónia, um escudo de armas onde está representada uma serpente alada com uma coroa. Desde então e de forma misteriosa as suas pinturas iriam ostentar um sinal quase imperceptível na margem da representação, essa serpente alada desenhada com um pincel muito fino, como é o caso da «Salomé com a cabeça de S. João Baptista», de Lisboa. Do outro lado mundo um homem culto, digamos Dong Qichang (1555-1636), reprovaria toda aquela forma de representação mas se tivesse olhado para esse sinal quase invisível de uma serpente alada, quiçá um dragão, algo poderia aceitar. No início da pintura de paisagens na China, os pintores não auten-

ticavam as suas pinturas com a inscrição do seu nome ou muito menos com um carimbo, o que só sucederia muito depois. Em muitos casos os pintores limitavam-se a desenhar com um pincel, escondida entre rochedos e riachos, a figura de um dragão. O caracol de Frei Carlos Na mitologia chinesa sabe-se do poder transformador do dragão. Ao utilizar essa figura, que nada tinha que ver com a imagem pintada, ela passava a actuar como um signo, algo situado num lugar de transição entre a representação do quadro e o espectador. Nos primeiros séculos da arte da pintura europeia pintores utilizaram um outro símbolo da metamorfose. Por exemplo, o pintor de origem flamenga a trabalhar em Portugal, que aqui morreu em 1540, Frei Carlos, ao pintar a figura de São Vicente, o padroeiro de Lisboa, colocou de forma discreta, na paisagem um caracol sobre uma pedra. O sentido dessa representação tornou-se obscuro: então, acreditava-se que a reprodução dos gastrópodes se realizava de madrugada com o orvalho matinal; ou seja era o Céu, essa força misteriosa actuando na alteração da natureza. Essa energia instável era o que procuravam os primeiros pintores de paisagens na China e o dragão era o signo disso, o lugar entre a representação e o espectador, porque não se pretendia representar a natureza mas agir com e como ela.

No início da pintura de paisagens na China, os pintores não autenticavam as suas pinturas com a inscrição do seu nome ou muito menos com um carimbo, o que só sucederia muito depois. Em muitos casos os pintores limitavam-se a desenhar com um pincel, escondida entre rochedos e riachos, a figura de um dragão

15


16 desporto

3.4.2018 terça-feira

TÉNIS RAFAEL NADAL REASSUME LIDERANÇA, JOÃO SOUSA SOBE 10 LUGARES

O

André Couto, piloto “Quando me sentei no carro, não sabia se depois de 30 minutos ia sentir dores e tinha de desistir. Arrisque e felizmente consegui.”

AUTOMOBILISMO ANDRÉ COUTO VOLTA À COMPETIÇÃO COM 5.º LUGAR

De regresso às pistas

O piloto local regressou ao campeonato Super Taikyu Series com um quinto lugar na pista de Suzuka. A nove minutos do fim, a equipa estava a rodar no lugar mais baixo do pódio, mas a necessidade de parar nas boxes condicionou o resultado final

A

NDRÉ Couto (Audi R8 LMS) regressou oficialmente à competição com um quinto lugar em Suzuka, na ronda inaugural do campeonato Super Taikyu Series. No domingo, o piloto local, que faz dupla com Jeffrey Lee na Phoenix Racing Asia, ainda chegou a rodar no terceiro posto a nove minutos do final da prova, mas a necessidade de fazer mais uma paragem nas boxes, por vias do regulamento, fez com que caísse para o quinto lugar. “Fiquei contente com o resultado, mas senti que poderia fazer mais. Estava com um ritmo muito bom e senti-me bem, o que é muito importante. Enquanto estive a conduzir durante o meu turno estava a ser o mais rápido, já depois do meio da prova. Foi um fim-de-semana em que me senti bem”, afirmou André Couto, ao HM. Em relação à necessidade da equipa fazer uma paragem a

nove minutos do fim da prova, André Couto explicou que foi a consequência de uma estratégia mais arriscada, que no final acabou por não compensar. “Foi um risco que assumimos. Mas, no final, tínhamos mesmo de fazer essa paragem porque não tínhamos gasolina suficiente para chegar ao fim. Também devido ao regulamentos estávamos obrigados a fazer mais uma paragem”, explicou. A vitória da prova de cinco horas acabou por ser conquistada pelo Nisssan GTR Nismo da tripla japonesa constituída por Teruhiko Hamano, Kazuki Hoshino e Kiyoto Fujinami. Apesar da boa prestação, André Couto não evitou uma colisão com Alex Young, que também tripula um Audi R8 da Phoenix Racing Asia.

BOAS INDICAÇÕES

Além do resultado alcançado, para André Couto ficam também as boas indicações. O

piloto participou na prova em condições especiais, já que foi a primeira vez após o acidente que realizou turnos de condução tão longos. Mesmo assim, as condicionantes não impediram o local de fazer o terceiro melhor tempo da qualificação na sua sessão. Porém, a largada deu-se de sétimo, porque a grelha é definida com base no resultado combinado com o do colega de equipa, que foi oitavo, na respectiva sessão. “Realizei um turno muito longo de hora e 20 minutos, em Suzuka que é uma pista muito difícil, talvez a mais difícil no Mundo, e exigente. Se formos a ver que não tive tempo para me preparar é um bom desempenho”, reconheceu. “A oportunidade de competir apareceu e eu agarrei-a. Mas não tive tempo de me preparar da forma ideal, porque foi tudo uma corrida contra o relógio. Quando me sentei no carro, não sabia se depois de

30 minutos ia sentir dores e tinha de desistir. Arrisque e, felizmente, consegui”, acrescentou. Em Suzuka realizou-se a primeira de seis rondas, que constituem o campeonato. O resultado permite à Phoenix Racing Asia encarar a próxima prova, no circuito de Sugo, entre 28 e 29 de Abril, com algum optimismo. Os objectivos podem mesmo passar por chegar ao pódio. “O carro é competitivo e sinto-me muito bem na equipa, que me tem ajudado bastante. Acho que na próxima prova faz sentido pensar em terminar no pódio. Mas só depois de rodarmos no circuito é que saberemos bem em que ponto estamos”, considerou. João Santos Filipe

joaof@hojemacau.com.mo

espanhol Rafael Nadal voltou ontem a assumir a liderança da hierarquia do ténis mundial, destronando o suíço Roger Federer, numa semana na qual o português João Sousa subiu 10 lugares, ocupando agora posição 70. O regresso de Nadal à liderança estava ‘anunciado’ desde 24 de Março, dia em que Roger Federer foi eliminado na segunda ronda do Masters 1.000 de Miami, pelo ‘qualifier’ australiano Thanasi Kokkinakis. Sem competir desde o Open da Austrália – que abandonou por lesão nos quartos de final – o espanhol reassumiu a liderança, cerca de um mês e meio depois de a ter perdido para o suíço, que já anunciou a sua ausência dos torneios de terra batida. O norte-americano John Isner, que no domingo venceu pela primeira vez um torneio da categoria Masters 1.000, ao derrotar o alemão Alexander Zverev na final de Miami, entrou no ‘top-10’, ‘saltando’ da 17.ª para a nona posição. Isner, que aos 32 anos se tornou o jogador mais velho a alcançar um primeiro título nesta categoria, iguala assim a sua melhor classificação de sempre na hierarquia mundial, conseguida em Abril de 2012. João Sousa, que na semana passada chegou aos oitavos de final do Masters 1.000 de Miami, continua a ser o único português no ‘top-100’, tendo subido do 80.º para o 70.º lugar. No ‘ranking’ feminino, liderado pela romena Simona Halep, a única alteração no ‘top-10’ é a entrada da norte-americana Sloane Stephens, que no sábado venceu o torneio de Miami, impondo-se à letã Jelena Ostapenko. Apesar de ter descido 25 lugares, Michelle Larcher de Brito mantém-se como a melhor portuguesa, na posição 398.

Futebol Consulado e Casa de Portugal com sortes diferentes

A Casa de Portugal derrotou o Lun Loki por 2-1, na passada sexta-feira, em mais uma jornada a contar para a 2.ª Divisão. Os comandados de Pelé ainda estiveram a perder por 1-0, após golo de Chan Hou Wan, aos 38 minutos. No entanto, conseguiram uma vitória dramática com golos de Matthew Mcarthur, aos 77 minutos, e Yau Yat Fan, aos 90 minutos. Por sua vez, o Consulado de Portugal voltou a perder por 1-0, diante dos Artilheiros. Os jogadores treinados por Rocha Diniz não conseguiram evitar o golo apontado, aos 70 minutos, por Tam Weng San.


1

terça-feira 3.4.2018

MUITO

?

NUBLADO

O QUE FAZER ESTA SEMANA Hoje

43 FILME “UMA MULHER FANTÁSTICA” Cinemateca Paixão | 19h30

4 3 2 1 7 5 6 FILME “120 BATIMENTOS POR MINUTO” 7 1Paixão5| 21h303 4 6 2 Cinemateca 3 2 6 5 1 7 4 DIARIAMENTE MULHERES ARTISTAS - 1ª BIENAL INTERNACIONAL DE MACAU MAM 1 | Até713/5 4 6 2 3 5 EXPOSIÇÃO “JOSÉ MANEIRAS - MODERNISMO À MACAENSE” 6 4 3Lou Lim7Ieoc5| Até hoje2 1 Pavilhão do Jardim 2 5 7 4 6 1 3 Cineteatro 5 6 1 C2I 3N 4E M 7 A Amanhã

45

1 4 3 5 7 6 2

47

2 7 1 6 3 4 5

MIN

20

MAX

27

HUM

1 4 6 2 7 5 3

6 3 5 2 4 1 7 6 3 5 1 2 7 4

3 1 7 6 5 2 4 3 5 4 7 6 2 1

4 5 1 3 2 7 6 7 2 3 5 4 1 6

7 2 4 1 6 3 5 4 1 7 3 5 6 2

5 6 2 7 3 4 1 5 6 2 4 1 3 7

READY PLAYER ONE SALA 1

SALA 3

Um filme de: Steven Slpielberg Com: Tye Sheridan, Olivia Cooke, Ben Mendelsohn, T.J. Miller 14.30, 19.00, 21.30

FALADO EM CANTONÊS COM LEGENDAS EM CHINÊS Filme de: Will Gluck Com: Domhnall Gleeson, Rose Byrne 14.00, 15.45

READY PLAYER ONE [B]

YO-KAI WATCH THE MOVIE: A WHALE OF THE WORLDS [A] FALADO EM CANTONÊS Filme de: Shinji Ushiro 17.00 SALA 2

PACIFIC RIM: UPRISING [B] Filme de: Steven S. DeKnight Com: John Boyega, Scott Eastwood, Rinko Kikuchi, Zhang Jin 14.30, 16.30, 19.30, 21.30

6 5 5 -59 8 %

7 1•

4

6

3

EURO

9.97

6 3

BAHT

4

2 (f)utilidades 17 7 3 6 5 3 3 1.27 6 0.25 YUAN VIDA DE CÃO

45

44

5 7 4 3 2 6 1

4 1 6 7 5 2 3

6 2 3 1 7 4 5

2 4 5 6 3 1 7

7 3 2 4 1 5 6

1 5 7 2 6 3 4

O CARTOON STEPH 46

3 6 1 5 4 7 2

DE

2 7 6 4 1 5 3

4

4

4 2 5 7 3 6 1

5 3 7 2 4 1 6

7 1 6 3 5 4 2

SOLUÇÃO DO PROBLEMA 46

1 4 2 6 7 3 5

3 5 1 4 6 2 7

2 6 4 5 1 7 3

6 7 3 1 2 5 4

48

UM 4 1FILME 2 3HOJE 7 5 6 3 5 7 2 6 1

2 6 4 3 7 5

5 7 6 4 1 3

1 2 5 7 4 6

4 1 3 6 5 2

Uma história de amor com vingança, perseguição, um fantasma do Elvis que só dá maus conselhos, um elenco de luxo e argumento por Quentin Tarantino. “True Romance” é protagonizado por Christian Slater e Patricia Arquette, e conta ainda com Samuel L Jackson, Gary Oldman, Dennis Hopper, Val Kilmer, Christopher Walken, etc. A narrativa centra-se em Clarence e Alabama, dois apaixonados que se deparam com uma mala cheia de cocaína e com a subsequente máfia que os persegue. Com diálogos e personagens típicos de Tarantino, este filme é um clássico na linha de “Wild at Heart”, ou “Bonnie and Clyde”. João Luz

6 4 2 1 3 7

7 5

6

4

2

47

6 6 2 3 PROBLEMA 47

6

1 4

5 2 7 5 7 4

46 DE O BARCO 7 1 PLÁSTICO PRETO

3 5

7 3

3

O artista saiu da China há muitos anos, foi para a Europa e decidiu olhar para o continente dentro dele, percebê-lo, decifrá-lo, olhando, ao mesmo tempo, para a sua China. A mais recente exposição de Ai Weiwei, patente em Hong Kong, olha para a problemática dos refugiados como quem olha de fora e vê uma crise humanitária e não uma invasão de gente. Em Queen’s Road Central mora um barco gigante com pessoas lá dentro, feito do mesmo material de plástico preto que é utilizado nas bóias que tentam salvar estas pessoas. Na parede, sinal dos tempos, postam-se desenhos com a hashtag #safepassage. A questão dos refugiados na Europa parece ter saído48 da agenda mediática dos media internacionais, mas cabe à arte este papel de recuperar o que parece ter sido esquecido. Não deixa de ser interessante e importante também este olhar de um artista oriental sobre uma crise que, à partida, não lhe diria respeito, apesar de estarmos perante um mundo globalizado. Toda a arte tem uma função, cada um sabe de si e sabe da função que lhe quer dar. Quando transmite uma mensagem forte, quando transmite uma tomada de posição, a arte terá, talvez, um pouco mais de utilidade, que vai além do entretenimento, do simples pousar dos olhos sobre cores e instalações. Andreia Sofia Silva

5

4 2 3 7

7 6

7

3

“TRUE ROMANCE” | TONY SCOTT

7 3 1 5 2 4

PETER RABBIT [B]

PETER RABBIT [B] FALADO EM CANTONÊS COM LEGENDAS EM CHINÊS Filme de: Will Gluck Com: Domhnall Gleeson, Rose Byrne 19.45

MARY MAGDALENE [B] Um filme de: Garth Davis Com: Rooney Mara, Joaquin Phoenix,Chiwetel Ejiofor, Tahar Rahim 17.30, 21.30

www. hojemacau. com.mo

7 3

3

2

6 7

2

2

4

1

S U D O K U

TEMPO

5 6

Propriedade Fábrica de Notícias, Lda Director Carlos Morais José Editor João Luz; José C. Mendes Redacção Andreia Sofia Silva; Diana do Mar, João Santos Filipe; Sofia Margarida Mota; Vitor Ng Colaboradores Amélia Vieira; Anabela Canas; António Cabrita; António Castro Caeiro; António Falcão; Gonçalo Lobo Pinheiro; João Paulo Cotrim; José Drummond; José Simões Morais; Manuel Afonso Costa; Michel Reis; Miguel Martins; Paulo José Miranda; Paulo Maia e Carmo; Rui Cascais; Rui Filipe Torres; Sérgio Fonseca; Valério Romão Colunistas António Conceição Júnior; David Chan; Fa Seong; Jorge Morbey; Jorge Rodrigues Simão; Leocardo; Paul Chan Wai Chi; Paula Bicho; Tânia dos Santos Cartoonista Steph Grafismo Paulo Borges, Rómulo Santos Ilustração Rui Rasquinho Agências Lusa; Xinhua Fotografia Hoje Macau; Lusa; GCS; Xinhua Secretária de redacção e Publicidade Madalena da Silva (publicidade@hojemacau.com.mo) Assistente de marketing Vincent Vong Impressão Tipografia Welfare Morada Calçada de Santo Agostinho, n.º 19, Centro Comercial Nam Yue, 6.º andar A, Macau Telefone 28752401 Fax 28752405 e-mail info@hojemacau.com.mo Sítio www.hojemacau.com.mo

5 1 6

2


18 opinião

3.4.2018 terça-feira

sexanálise

ANTONIO CANOVA, CUPID KISS

O amor não existe, faz-se

TÂNIA DOS SANTOS

N

ÃO tenho os créditos desta expressão maravilhosa, os créditos vão para o anúncio de um hotel com propósito de receber casais calorosamente e sexualmente envolvidos. Faz-se amor porque ele não existe realmente. Digamos que num mundo de materialismo pouco poderá tornar o amor mais real do que fazê-lo. Manuseando as formas mais naturais dos corpos, tal e qual como viemos ao mundo, permitindo o rubor de certas partes mais propícias ao prazer. Assim acontece o amor, o sexo, pronto. Mas o amor, apesar de se poder fazer de forma tão (aparentemente) simples não se mantém só porque sim. O amor será como construir uma bela casa, que precisa de estrutura, tijolos, pintura e decoração adequada. Há elementos mais importantes que outros, e

diria que há alguns mais universais e outros mais particulares aos casais em causa. A terapia de casal tenta explorar algumas destas dinâmicas amorosas de forma a reestruturar o amor – que pode estar simplesmente perdido, à espera de ser reencontrado. Em certos contextos de tradição judaico-cristã o amor deveria ser para sempre, mas já ninguém acredita nisso. O amor que ‘seja infinito enquanto dure’ já dizia o Vinicius de Moraes. A prova viva é de muitos recém-casados se divorciarem em menos de um ano. Afinal, como é que se garante um final feliz se o amor não existe? Trabalhar o amor como uma figura de barro, com alguma delicadeza e cuidado. Quem é que está para isso? Talvez os mais tradicionais e antigos ainda consigam imaginar vidas românticas com um só protagonista. O primeiro namorado torna-se no primeiro e último marido. Ainda que seja uma ideia que tenha funcionado e ainda funcione para alguns, nunca funcionará para todos. O mundo está tão cheio de tentações e de pecados, para manter o tom da semana santa que ainda agora passou, que os desafios ao amor romântico são muitos. Um casal amoroso é amoroso até certo ponto. A vio-

lência pode estar presente, a infidelidade, o desentendimento, a opressão e o medo. Quando a união poderia representar a mais pura forma de confiança e de entendimento mútuo das almas e dos corpos, nem sempre é isso que acontece. Conhecer o outro de uma forma mais profunda tem muito que se lhe diga. Atrever-me-ei a dizer que o amor é a arte do conhecimento e da compreensão, na medida porém, o conhecimento total do outro é inatingível Alguma coisa se vai descobrindo ao longo do tempo e dos tempos, nunca sem medo da inevitável transformação que faz com

O amor será como construir uma bela casa, que precisa de estrutura, tijolos, pintura e decoração adequada. Há elementos mais importantes que outros, e diria que há alguns mais universais e outros mais particulares aos casais em causa

que a total desmistificação do outro seja improvável. O amor é como encontrar o equilíbrio entre o que conhecemos do outro e nos faz confortável e daquilo que nunca seremos capazes de alcançar. O tesão dá uma ajudinha ao amor e à paixão. Excluindo os assexuais, outras orientações e identidades concordarão com a estreita relação entre o amor e o sexo, ou o desejo. Alguns dar-lhe-ão mais importância do que os outros – porque eu acho que cada um tem a liberdade de expressar-se sexual e amorosamente como bem entender– mas a exploração do corpo faz parte do pacote de conhecimento. Conhecer o outro é saber quando ele está rabugento e respeitar o seu espaço, mas também é conhecer-lhe o cheiro, saber como consegue atingir o orgasmo ou saber onde é que ele prefere ejacular. Na minha humilde opinião, fazer amor não se limita ao sexo. Essa seria uma visão simplista demais. Pretendo incentivar o poder ‘agêntico’ dos seres – o que nos faz ter controlo das situações - pelas questões amorosas, porque o amor faz-se. O amor não é uma coisa que acontece zás-trás, plim-plim. O amor faz-se acontecer.


opinião 19

terça-feira 3.4.2018

macau visto de hong kong

N

A aposentação de Ka-Shing Li

A última reunião geral da Cheung Kong Holdings, que teve lugar no dia 16 do mês passado, Ka-Shing Li anunciou que se iria aposentar no próximo dia 10 de Maio. Passou a ser, desde a data do anúncio, consultor sénior da multinacional. O seu filho, Victor Li, passa a ocupar o cargo de Presidente do Conselho de Direcção. Li já fez saber que irá dar ao seu filho mais novo, Richard Li, uma avultada quantia para investir em negócios. Ka-Shing Li afirmou que, depois da reforma, não vai “despir a farda”, mas sim dedicar-se a tempo inteiro à Fundação de Solidariedade Li Ka Shing, que actua ao nível da saúde e da educação. Se o leitor tem seguido a actividade das empresas Cheung Kong sob a liderança de Ka-Shing Li, saberá dizer-me que lucro tiveram os accionistas minoritários ao longo destes 46 anos? Pois a resposta é impressionante. Aumentaram 5.000 vezes o seu investimento. E a que se devem estes números astronómicos? Possivelmente ao facto de Li receber apenas uma remuneração simbólica pelo seu cargo de Director, ou seja 5.000 HK dólares por ano. Ka-Shing Li começou a trabalhar com 12 anos, e labutou arduamente durante 78. No entanto, é um homem feliz, pois embora de idade avançada, ainda mantém o corpo saudável e a mente lúcida. A sua aposentação está marcada para o dia do seu aniversário, quando completar 90 anos. Este self-made man, teve apenas a educação básica, mas tornou-se no homem mais rico de Hong Kong, devido ao seu trabalho árduo. Foi sempre uma pessoa muito motivada. Muitos dos habitantes de Hong Kong veem nele um herói. Talvez alguns deles se inspirem neste homem para abrir o seu próprio negócio. Quem tiver 40 anos, ou mais, é certo que sente por ele o maior dos respeitos. Ele é o orgulho das pessoas desta região. No entanto, quem nasceu nos anos 90, ou depois, não partilha possivelmente do mesmo sentimento. Podem ver nele apenas o rei dos negócios imobiliários. Mas ele também detém a hegemonia do vestuário, dos bens alimentares e da habitação. Li foi criticado por querer ter tudo. Porque é que as pessoas têm de comprar no supermercado PARKn SHOP quando vivem numa casa construída pela empresa que é dona desta loja? Porque é que as pequenas lojas e mercados não sobrevivem nas propriedades de Ka-Shing Li? Se o complexo

PAINTING THE TOWN RED, JACQUES LOUIS DAVID

DAVID CHAN

habitacional foi construído por Li, porque é que a sua empresa de telecomunicações se vai aí sediar? Os grandes feitos da carreira de Li estiveram sempre alinhados com o desenvolvimento económico de Hong Kong, durante o ultimo meio século. Quando a economia da região começou a desenvolver-se, Li era apenas proprietário de uma fábrica de plásticos, mas, com o inicialmente tímido florescimento económico, passou a deter um negócio imobiliário. Entretanto a economia de Hong Kong continuou a crescer e a fortuna de Li também. Tornou-se no homem mais rico da região e num dos homens mais ricos do mundo e, indubitavelmente, num símbolo desta cidade. Antigamente se um jovem afirmasse querer vir a tornar-se num “Li” quando crescesse, era aplaudido pela sua ambição. Contudo, hoje em dia, tal afirmação despertaria sentimentos contraditórios. A alteração dos valores sociais está na base desta mudança. Antigamente a sociedade de Hong Kong respeitava as conquistas ao nível da carreira e a elite do negócio. Mas agora as pessoas passaram a

valorizar conceitos como, igualdade, justiça, equidade e direitos civis. Depois da aposentação do “Superman Li”, Hong Kong dificilmente voltará a ter uma lenda similar. Li é conhecido pelas suas “máximas”. Certa vez, falava com jovens que comentavam que as namoradas tinham dito: “Se eles não têm casa, não se podem casar”. Li riu-se e respondeu: “Penso que os jovens, que ainda não terminaram os seus

Muitos dos habitantes de Hong Kong veem nele um herói. Talvez alguns deles se inspirem neste homem para abrir o seu próprio negócio. Quem tiver 40 anos, ou mais, é certo que sente por ele o maior dos respeitos. Ele é o orgulho das pessoas desta região

cursos na Universidade, fazem mal se pensarem comprar casa.” Noutra ocasião, em que se discutia a possibilidade de dividir apartamentos em quartos para alugar a pessoas pobres, Li comentou: “Os quartos são muito pequenos, sinto-me muito desconfortável.” Numa discussão durante a eleição de 2017 para o Chefe do Executivo, afirmou: “Não vou citar nomes, porque não quero ofender ninguém. Vocês não vão ficar a saber em quem vou votar, porque eu não vos vou dizer.” Em determinada altura, Li exprimiu assim o seu amor por Hong Kong: “Vivo em Hong Kong desde 1940. Acho que vou aqui ficar até ao fim dos meus dias. Adoro Hong Kong. O website “kknews.cc” escreveu em Julho passado que “Li não dá um passo sem o seu advogado. Sem uma opinião especializada, Li não assina nenhum contrato.” Esta foi a única referência jurídica que encontrei sobre Li. Espero que esta afirmação augure um futuro brilhante a todos os peritos em leis.

Professor Associado do IPM • Consultor Jurídico da Associação para a Promoção do Jazz em Macau • legalpublicationsreaders@yahoo.com.hk • http://blog.xuite.net/legalpublications/hkblog


Tudo quanto vive provém daquilo que morreu.

Platão

Dez anos depois

O

Museu do Oriente recebeu mais de 450 mil visitantes numa década

Museu do Oriente, em Lisboa, recebeu 450.725 visitantes em dez anos de funcionamento, com cerca de 24 por cento de entradas de estrangeiros, revelou fonte da Fundação Oriente, que celebra este ano o 30.º aniversário. Contactada pela agência Lusa para um balanço dos dez anos de vida do museu, fonte da comunicação da Fundação Oriente indicou que estes visitantes passaram pelas exposições entre Maio de 2008, quando o museu foi inaugurado, e Janeiro de 2018. Ainda segundo as estatísticas da entidade, 97.846 espectadores assistiram a cerca de 500 espectáculos de música, teatro, dança e cinema nestes dez anos. Foram também apresentadas 115 exposições temporárias, 34.111 pesPUB

soas participaram nos mais de 700 cursos, ‘workshops’ e palestras realizadas no museu, 13.328 usaram o Centro de Documentação, onde se realizaram dez festas do livro, e 39.317 recorreram a diversas actividades do serviço educativo. No Centro de Reuniões do museu, ao longo

dos dez anos, foram realizados cerca de 1.700 eventos, nos quais participaram 141.600 pessoas, segundo os dados da fundação. Actualmente, o museu tem patente a exposição “Um Museu do Outro Mundo”, com cerca de uma centena de peças, num diálogo de obras do

acervo, com novas obras do artista José de Guimarães, até 3 de Junho. O Museu do Oriente, que abriu portas em Maio de 2008, foi distinguido em 2009 como o melhor museu português desse ano pela Associação Portuguesa de Museologia (APCOM). Possui um património museológico com mais de 15.000 peças, muitas delas sobre a presença portuguesa na Ásia, que vão desde as máscaras ao mobiliário, passando por armaduras, mapas, têxteis, biombos, porcelanas, terracotas, desenhos e pinturas. Localizado em Alcântara, o museu foi instalado após obras de recuperação e adaptação do edifício originalmente desenhado pelo arquitecto João Simões, construído em 1939, um dos símbolos da arquitectura portuária do Estado Novo. O novo projecto é da autoria dos arquitectos João Luís Carrilho da Graça e Rui Francisco.

PALAVRA DO DIA

terça-feira 3.4.2018

Rússia Kremlin afirma que Trump propôs a Putin encontro na Casa Branca

O Presidente norte-americano, Donald Trump, propôs ao seu homólogo russo, Vladimir Putin, um encontro na Casa Branca quando falaram por telefone no passado dia 20 de Março, afirmou ontem o conselheiro do Kremlin, Yuri Ushakov. “Durante a sua conversa telefónica, foi o próprio Trump que propôs um encontro”, declarou Ushakov à imprensa. “Trump propôs organizar este encontro em Washington, na Casa Branca”. O conselheiro do Kremlin adiantou, no entanto, que depois as “relações bilaterais se deterioraram mais uma vez” com as expulsões recíprocas de diplomatas relacionadas com o envenenamento do ex-espião russo Serguei Skripal em Inglaterra.

Desastre natural Sismo de magnitude 6,1 registado a sul de Tonga

Um sismo de magnitude 6,1 foi registado ontem no mar a sul de Tonga, no Pacífico Sul, indicou o Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS). Não houve até ao fecho desta edição registo de vítimas mortais e não foi emitido qualquer alerta de ‘tsunami’. O USGS, que regista a actividade sísmica em todo o mundo, localizou o hipocentro do sismo a 83 quilómetros de profundidade, tendo ocorrido a 440 quilómetros a sudoeste de Nukualofa, capital de Tonga. A chamada bacia do norte de Lau, localizada entre as ilhas Fiji, Samoa e Tonga, contém dezenas de crateras activas localizadas entre os mil e os 1.500 metros de profundidade.

Óbito Morreu Winnie Mandela, ex-mulher de Nelson Mandela Winnie Mandela, ex-mulher do antigo presidente sul-africano Nelson Mandela, morreu ontem com 81 anos num hospital de Joanesburgo, após “doença prolongada”, anunciou o seu porta-voz. “É com grande tristeza que informamos o público que a senhora Winnie Madikizela Mandela morreu no hospital de Milkpark de Joanesburgo, segunda-feira 2 de Abril”, anunciou Victor Dlamini num comunicado.

Hoje Macau 3 ABR 2018 #4023  

N.º 4023 de 3 de ABR de 2018

Hoje Macau 3 ABR 2018 #4023  

N.º 4023 de 3 de ABR de 2018

Advertisement