Hoje Macau 03 DEZEMBRO 2021 #4905

Page 1

O grande ocaso www.hojemacau.com.mo•facebook/hojemacau•twitter/hojemacau

PÁGINA 3

O adeus de Ole Solskjaer

hoje macau Nº 4906

SEXTA-FEIRA 3-12-2021 DIRECTOR CARLOS MORAIS JOSÉ

Tudo como dantes

As quarentenas para quem vem de Portugal vão continuar a ser de 21 dias, apesar do aumento do número de infectados e do aparecimento da variante Ómicron. A confirmação foi dada ontem pelas autoridades de saúde, que fizeram ainda questão de salientar que todos os residentes serão sempre bem-vindos, e que quem estiver em isolamento no Hotel Tesouro pode receber bens e alimentos do exterior. PÁGINA 5

BERNARDINO SENNA FERNANDES

SUNCITY

MOP$10

EXPOSIÇÃO

ENTRE MACAU E LISBOA EVENTOS

GENTE E CASAMENTOS GONÇALO M. TAVARES

ÚLTIMA

LÍNGUA

NO DOMÍNIO DO MANDARIM

PUB

PUB.

PÁGINA 2

GRAND LISBOA PALACE

O REQUINTE DE LAGERFELD PÁGINA 4


2 política

3.12.2021 sexta-feira

www.hojemacau.com.mo

CONSELHO DE ESTADO META DE 85% DE FALANTES DE MANDARIM NAS RAES EM 2025

Futuro mais próximo

O Gabinete Geral do Conselho de Estado da China apontou, em comunicado, que o ensino do mandarim nas regiões de Macau e Hong Kong deve ser reforçado nos próximos anos, com o objectivo de fazer com que cerca de 85 por cento da população domine o idioma

O

comissário do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês em Macau considerou que a tentativa dos Estados Unidos de usar a Cimeira pela Democracia para "conter e isolar a China" vai terminar "num fracasso". Num artigo enviado à Lusa, Liu Xianfa afirma que qualquer tentativa de "conter a China", jogando a "'carta de Taiwan'" ou de a ilha procurar a independência "confiando nos EUA" será "um beco sem saída". A Cimeira pela Democracia vai acontecer em formato virtual, de 9 a 10 de Dezembro, tendo Washington excluído a

Cantonês dominante

Segundo os resultados dos Censos de 2016, só 5,5 por cento da população local usa o mandarim, um crescimento de apenas 0,4 por cento face aos Censos anteriores. Além disso, 87 por cento dos jovens com idades compreendidas entre os 3 e os 19 anos fala cantonês. Por sua vez, 80,1 por cento da população de Macau fala o dialecto do sul da China.

CLEVERCL@I®Ê

R

EFORÇAR o ensino e divulgação do mandarim para que a população comece a dominar mais o idioma do país nos próximos anos. É esta a ideia principal deixada no documento “Opiniões sobre o fortalecimento linguístico na nova era”, do Gabinete Geral do Conselho de Estado da China, que traça metas no ensino do mandarim para as regiões de Macau, Hong Kong e Taiwan. Um dos objectivos principais constantes no documento determina que “a taxa de popularização do mandarim tem de atingir os 85 por cento em 2025”, para que “a padronização e a informatização da língua e da escrita melhorem”. Pretende-se também reforçar “o intercâmbio linguístico com os jovens de Macau, Hong Kong e Taiwan, com a organização de actividades como leituras de clássicos chineses ou a promoção de estudos culturais e linguísticos”. Relativamente ao projecto da Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau, o documento do Conselho de Estado aponta para o reforço dos serviços linguísticos. O panorama do uso de línguas deve ser verificado através do lançamento regular de inquéritos específicos que “apoiem o planeamento de uma estratégia nacional” nesta área.

O Conselho de Estado pede também que haja um reforço da supervisão do uso do idioma em escolas, instituições, imprensa, rádio e televisões, bem como em meios online e nos próprios serviços públicos. “A padronização linguística deve ser alvo de uma gestão sectorial. As palavras novas, estrangeiras e a linguagem utilizada pelos meios de comunicação social deve ser padronizada”, lê-se ainda. Para o Conselho de Estado, é importante reprimir o uso de linguagem violenta e vulgar na Internet.

Um dos objectivos principais constantes no documento determina que “a taxa de popularização do mandarim tem de atingir os 85 por cento em 2025”

Actos falhados

Usar Cimeira pela Democracia para isolar China vai fracassar – Comissário do MNE

China e a Rússia, entre outros, e convidado 110 países e regiões, incluindo Taiwan. "Convidar a região de Taiwan para participar na Cimeira revela plenamente que os EUA utilizam a democracia como uma ferramenta para interferir nos assuntos internos e infringir a soberania de outros países para servir a sua própria agenda política", sublinha. "A revitalização da nação chinesa e a reunificação do país são uma

grande tendência, correspondendo ao desejo do povo", escreve.

Donos da democracia

Para o responsável, a Cimeira pela Democracia "é anti-democrática e pseudo-democrática", uma vez que, de cerca de 200 países e regiões, apenas "uma parte da comunidade internacional" vai participar. "O que o mundo de hoje precisa urgentemente não é uma chamada 'Cimeira pela Democra-

cia', mas sim a união e a cooperação entre todos os países no sentido de responderem conjuntamente aos desafios globais, tais como a pandemia, mudanças climáticas, proliferação nuclear, terrorismo e segurança cibernética", salienta. O diplomata chinês defende que "a comunidade internacional está convencida, em geral" que a "verdadeira intenção" dos EUA "é monopolizar o discurso democrático, promover o interesse geopolítico, incitar ao confronto e criar divisões". Ao contrário, a China está comprometida em promover "a democratização das relações inter-

nacionais", ao invés dos EUA que, nas últimas décadas, têm "aproveitado a 'democracia' como ferramenta para fazer avançar a sua estratégia global e geopolítica (...) causando instabilidade política e desastres humanitários em muitos países". Liu Xianfa salienta que "a política democrática socialista com características chinesas é amplamente apoiada pelo povo chinês (...), é a democracia socialista mais ampla, mais genuína e mais eficaz", e rejeitou que a democracia seja "uma patente" de determinados países, lembrando que se trata de "um valor comum a toda a humanidade".

Numa resposta da Direcção dos Serviços de Educação e Desenvolvimento da Juventude (DSEDJ), o director, Lou Pak Sang, referiu no ano passado ao então deputado Sulu Sou que o objectivo das autoridades era garantir, nos próximos anos, um equilíbrio entre os dois idiomas. O dirigente explicou ao ex-deputado que o currículo escolar de Macau está feito para garantir “o uso fluente e adequado do cantonês [e o uso do] o mandarim para comunicação básica”. Na resposta à interpelação de Sulu Sou, a DSEDJ assegurou que "nunca obrigou as escolas a ministrarem o ensino da disciplina de Chinês, em mandarim, nem lhes exigiu que ensinassem outras disciplinas em mandarim”. O organismo adiantou também que “vai, como sempre, apoiar as escolas na criação de um ambiente linguístico, através de políticas e medidas, para que os alunos tenham, em simultâneo, a aprendizagem do cantonês e do mandarim e possam utilizar, proficientemente, pelo menos uma língua estrangeira, portuguesa ou inglesa, a fim de aumentar a competitividade”. Andreia Sofia Silva e Nunu Wu


sexta-feira 3.12.2021

sociedade 3

www.hojemacau.com.mo

SUNCITY ALVIN CHAU DIZ ADEUS. SUNCITY HOLDINGS DEMARCA-SE DO CASO

Media CEO do grupo do jornal Exmoo também detido

Tim Chau, presidente do UO Group detentor do jornal Exmoo, foi um dos detidos no passado fim-de-semana no caso que colocou Alvin Chau atrás das grades em prisão preventiva. Dois jornais de Hong Kong, HK01 e o Citizen News noticiaram o caso, incluindo que cerca de meia centena de funcionários do grupo liderado por Tim Chau, incluindo trabalhadores do jornal local Exmoo, não receberam salário por faltar a assinatura do CEO. No domingo, a Polícia Judiciária apenas referiu que entre os detidos se contava um residente de Hong Kong, de apelido Chau, funcionário administrativo sénior.

Bom enquanto durou

O Grupo Suncity Holdings confirmou que Alvin Chau deixou os cargos de presidente da direcção e director executivo da sociedade gestora de participações sociais do grupo. Em comunicado, a empresa demarca-se ainda das actividades da “Sun City Promotora de Jogos”, ligadas ao mercado junket e não comenta a questão de funcionários alegadamente forçados a entrar em regime de layoff

Cinema Rejeitadas ilegalidades com investimentos da Sun Entertainment

A produtora de filmes patriotas Bona Film Group explicou ontem que o investimento prometido pela Sun Entertainment Culture, fundada por Alvin Chau, acabou por não ser feito no tempo previsto, pelo que a empresa não teve qualquer retorno. Esta explicação surge depois do portal chinês Guancha ter publicado um artigo sobre a possibilidade de Alvin Chau, CEO do grupo Suncity recentemente detido, ter branqueado dinheiro através do patrocínio de filmes patriotas. A produtora adiantou também que sempre respeitou a lei e promoveu o amor à Pátria, tendo sempre operado de forma legal nos projectos que desenvolve em parceria com a Sun Entertainment Culture. No entanto, faltam explicações para o facto de o nome desta empresa aparecer na lista de créditos dos filmes produzidos pela Bona Film Group. Dois exemplos de filmes patriotas produzidos por esta empresa são “Operação Mar Vermelho” e “Operação Mekong”.

esse pelouro é exclusivo da “Sun City Promotora de Jogos – Sociedade Unipessoal Limitada”, da qual Alvin Chau é o único accionista. “A direcção gostaria de clarificar que o Grupo não participa em qualquer negócio VIP em Macau, e que essa actividade é explorada pela ‘Sun City Promotora de Jogos’, detida na sua totalidade pelo Sr. Chau Cheok Wa [Alvin Chau]”, pode ler-se na nota. A direcção da empresa fez ainda questão de frisar que, nos últimos dias, a comunicação social tem vindo a reportar sobre da situação dos trabalhadores das salas VIP do grupo, entretanto encerradas. Nomeadamente, que os funcionários teriam sido forçados a entrar em regime de licença sem vencimento. Contudo, uma vez mais, o Grupo Suncity Holdings desmarca-se e não tece qualquer comentário.

“A demissão [de Alvin Chau] vai (…) ao encontro dos melhores interesses da empresa e irá permitir a dedicação de mais tempo à resolução de assuntos pessoais.” SUNCITY HOLDINGS

D

ESDE quarta-feira que Alvin Chau deixou de exercer os cargos de presidente da direcção e director executivo do Grupo Suncity Holdings, a sociedade gestora de participações sociais criada pelo próprio. Em comunicado, a direcção da empresa gestora aponta ter recebido o pedido de demissão de Alvin Chau e que tal, “vai ao encontro dos melhores interesses da

empresa”, tendo em conta o processo legal que envolve o ex-presidente. “A demissão [de Alvin Chau] vai (…) ao encontro dos melhores interesses da empresa e irá permitir a dedicação de mais tempo à resolução de assuntos pessoais. O Sr. Chau confirmou à direcção da empresa não ter qualquer tipo de divergência com a direcção e, por isso, não há qualquer assunto relacionado com a sua demissão que mereça atenção

por parte dos accionistas da empresa”, pode ler-se na nota emitida na noite de terça-feira. A direcção do Grupo Suncity Holdings apontou ainda que a nomeação do novo presidente da direcção e director executivo da empresa será anunciada “em altura apropriada” e que, após a suspensão de transacções de acções do grupo na bolsa de Hong Kong, a actividade foi retomada às 9h00 de ontem.

Recorde-se que desde a meia-noite de terça-feira, todas as salas de jogo VIP em Macau do grupo Suncity foram encerradas, e que a reboque disso a transacção de acções foi suspensa pela segunda vez.

Sem levantar ondas

No comunicado, o Grupo Suncity Holdings faz questão de sublinhar claramente que a sua actividade nada tem a ver com a exploração de salas VIP em Macau, e que

“A direcção prestou atenção à cobertura mediática sobre o negócio VIP em Macau, explorado pela ‘Sun City Promotora de Jogos – Sociedade Unipessoal Limitada’, que terminou no dia 1 de Dezembro de 2021.Alguns artigos na imprensa mencionaram que esse negócio era explorado pela Suncity Holdings e que os funcionários das salas VIP estariam sujeitos a licenças sem vencimento”, começou por apontar a empresa. “Dado que o negócio VIP não é explorado pelo grupo [Suncity Holdings], não estamos em posição de comentar sobre o assunto”, é acrescentado. Pedro Arede


4 sociedade

3.12.2021 sexta-feira

www.hojemacau.com.mo

HOTELARIA PRÉ-ABERTURA DO THE KARL LAGERFELD HOJE NO GRAND LISBOA PALACE

A magia dos detalhes DST Seminário de promoção turística em Chongqin A Direcção dos Serviços de Turismo (DST) levou a cabo ontem um seminário de promoção turística na cidade de Chongqin, na China, com o objectivo de “apresentar as vantagens da indústria do turismo de Macau”, bem como “permitir aos operadores da indústria dos dois lados realizar intercâmbios e bolsas de contacto”. O evento contou com a presença da directora da DST, Maria Helena de Senna Fernandes, do membro

do Comité do Partido e sub-director da Comissão de Desenvolvimento de Cultura e Turismo de Chongqing, Qin Dingbo, e cerca de 50 operadores turísticos, entre outros convidados de Chongqing e Macau. Este ano, a DST já organizou seminários de promoção turística em cidades chinesas como Hangzhou, Nanjing, Xangai e Chengdu, além de ter promovido o turismo local em cidades integradas no projecto da Grande Baía. PUB.

MANDADO DE NOTIFICAÇÃO N.° 931/AI/2021

-----Atendendo à gravidade para o interesse público e não sendo possível proceder à respectiva notificação pessoal, pelo presente notifique-se o infractor XU PENG, portador do Salvo Conduto para Deslocação a Hong Kong e Macau da RPC n.° C62951xxx, que na sequência do Auto de Notícia n.° 30/DI-AI/2020, levantado pela DST a 17.01.2020, e por despacho da signatária de 29. 11.2021, exarado no Relatório n.° 1017/DI/2021, de 15.10.2021, em conformidade com o disposto no n.° 1 do artigo 14.° da Lei n.° 3/2010, lhe foi desencadeado procedimento sancionatório por suspeita de controlar a fracção autónoma situada na Baia da Praia Grande n.° S/N, Torre Lago Panoramico, 16.° andar J onde se prestava alojamento ilegal.----------------------------------------------No mesmo despacho foi determinado que deve, no prazo de 10 dias, contado a partir da presente publicação, apresentar, querendo, a sua defesa por escrito, oferecendo nessa altura todos os meios de prova admitidos em direito, não sendo admitida a apresentação de defesa ou de provas fora do prazo conforme o disposto no n.° 2 do artigo 14.° da Lei n.° 3/2010. -----------------------------------------------------A matéria apurada constitui infracção ao artigo 2.° da Lei n.° 3/2010, punível nos termos do n.° 1 do artigo 10.° do mesmo diploma.-------------------------O processo administrativo pode ser consultado, dentro das horas normais de expediente, no Departamento de Licenciamento e Inspecção desta Direcção de Serviços, sito na Alameda Dr. Carlos d’Assumpção n.os 335-341, Edifício “Hot Line” (Centro “Hot Line”), 18.° andar, Macau. -----------------Direcção dos Serviços de Turismo, aos 29 de Novembro de 2021. A Directora dos Serviços, Maria Helena de Senna Fernandes

O Karl Lagerfeld Hotel abre hoje ao público, ainda numa versão soft-opening, mas já revelando o cuidado e o requinte característico do homem que ressuscitou a casa Chanel. Os 271 quartos estão repletos de detalhes escolhidos ou concebidos pelo famoso designer

O

inconfundível imaginário visual de Karl Lagerfeld é uma constante no hotel com o seu nome, que tem hoje a pré-abertura, com a inauguração oficial a ter lugar algures durante o próximo ano. Situado numa das torres do Grand Lisboa Palace, a pérola do Cotai do grupo SJM, o The Karl Lagerfeld Hotel, o primeiro fashion hotel de Macau, começa hoje a receber visitantes, apesar de ser ainda em formato de pré-abertura. No lobby de entrada, é impossível escapar à elegância do

savoir-vivre tipicamente francês. O design do lounge é centrado numa imensa estante de livros, contendo 4.000 exemplares reais escolhidos pelo designer. Subindo para os quartos, salta à vista que nada foi deixado ao acaso no The Karl Lagerfeld, inclusivamente no caminho para os elevadores e as ombreiras das portas.

Cuidado pessoal

balcão de check-in e à parede coberta por mais de um milhar de chaves, imagem inspirada no filme “The Grand Budapest Hotel”, de Wes Anderson, formando o padrão estilizado da silhueta do designer de moda, num degradê de vermelhos. O balcão é emoldurado por um padrão negro ladeado por um vaso de porcelana com 3,5 metros de altura, desenhado por Lagerfeld e feito à mão em Jingdezhen, na província de Jiangxi. Aliás, as porcelanas de

estilo chinês são uma constante ao longo do hotel, reinventadas pelo criador de moda num estilo sofisticado e moderno, apesar do fabrico artesanal. O lado esquerdo do lobby é ocupado pelo The Book Lounge, espaço inspirado pela enorme biblioteca que Karl Lagerfeld tinha na sua casa de Paris. Aqui, a ideia é recriar os salões de chá franceses, com uma oferta de snacks normais com um toque de requinte. O ambiente evoca o

No lobby de entrada, é impossível escapar à elegância do balcão de check-in e à parede coberta por mais de um milhar de chaves, uma imagem inspirada no filme “The Grand Budapest Hotel”, de Wes Anderson

Todos os 271 quartos estão imbuídos pelo estilo único do designer, em especial as divisórias circulares que separam as suites, inspiradas nas representações tradicionais chinesas dos portões lunares. A decoração invoca cerejeiras em flor, misturando com elegância e naturalidade elementos de art deco europeia e aspectos estilísticos da dinastia Ming, dando corpo à sensibilidade contemporânea e visão estética do estilista. Das cadeiras, à cabeceira da cama, passando pelas paredes, a sofisticação é a palavra de ordem. Outro trunfo do novo hotel é a piscina interior, um espaço que promove intimidade, com lotação limitada a 10 cadeirões e ocupação por tempo condicionada. Neste espaço, o olhar viaja automaticamente para a parede ornamentada com dois mosaicos que, em estilo art deco, representam uma mulher e o reflexo.Além da piscina interior, existe uma outra exterior que está disponível entre Abril e Novembro. Outro dos trunfos do The Karl Lagerfeld é o The Spa, onde o mármore preto e o mosaico dourado prevalecem esteticamente, num local onde o atendimento pessoal e a privacidade são as tónicas principais. Hoje Macau

URBANISMO DELOITTE TRAÇA 12 PROPOSTAS PARA CIDADES MAIS SUSTENTÁVEIS

A

consultora Deloitte lançou ontem em Macau um relatório intitulado “Futuro urbanístico com um objectivo: 12 tendências que vão remodelar o futuro das cidades em 2030”. Este documento “faz uma análise em cidades de todo o mundo e também tendências verdes, digitais e de acessibilidade para as futuras cida-

des da China”, aponta um comunicado. Ideias como a criação de “comunidades de saúde inteligentes”, numa correlação entre os sectores público e privado, ou ainda o estabelecimento do conceito de “cidade 15 minutos”, onde seja possível caminhar ou fazer de bicicleta pequenos percursos, a fim de reduzir o consumo de

combustível, são duas das 12 ideias espelhadas no relatório. O documento aponta ainda que, em 2030, 60 por cento da população global viverá nas cidades, sendo que nessa altura as áreas urbanas vão contribuir para cerca de 80 por cento do Produto Interno Bruto mundial. Por sua vez, os consumidores urbanos vão contribuir

com 81 por cento do consumo global. Citado pelo mesmo comunicado, Norman Sze, vice-presidente da Deloitte na China, disse que “o desenvolvimento das cidades constitui agora um ponto de viragem”. “A pandemia trouxe impactos profundos e sem precedentes nas nossas cidades, sendo que as futuras

cidades devem enfrentar uma série de desafios económicos, sociais e ambientais. Apesar de o desenvolvimento das cidades chinesas enfrentarem inúmeros desafios no meio da pandemia e apesar do aumento da volatilidade dos mercados globais, vemos enormes oportunidades de crescimento”, acrescentou.


sexta-feira 3.12.2021

ÓMICRON QUARENTENA DE 21 DIAS MANTÉM-SE PARA QUEM VEM DE PORTUGAL

Para já está tudo bem

Apesar dos casos da nova variante Ómicron detectados em Portugal, o Governo da RAEM não vai implementar novas medidas para entrar em Macau e vincou que os residentes serão sempre “bem-vindos”. Hóspedes do Hotel Tesouro vão poder receber bens e alimentos do exterior

A

S políticas de entrada em Macau para quem esteve em Portugal não vão sofrer alterações no curto prazo, continuando a vigorar a medida que obriga a quarentena de 21 dias num hotel especializado, para quem chega de zonas de risco. Isto, após a nova variante Ómicron da covid-19 ter sido detectada em Portugal, infectando, pelo menos 19 pessoas, e continuar a alastrar-se por várias regiões do globo, depois ter sido identificada pela primeira vez na África do Sul. Segundo Leong Iek Hou, coordenadora do Núcleo de Prevenção e Doenças Infecciosas e Vigilância da Doença, os residentes quem vêm de Portugal e outras regiões de risco poderão circular livremente em Macau, concluído um período de observação médica de 21 dias e outros sete de auto-gestão. No entanto, a médica pede à população para se manter vigilante e não descarta novas medidas, tomadas de acordo com o evoluir da situação. “Neste momento, se nos últimos 28 dias estiverem em Portugal, o prazo de quarentena é de 21 dias, acrescendo mais sete dias de auto-gestão. Depois disso, já podem movimentar-se livremente na comunidade, embora seja de evitar a concentração de pessoas a todo o custo. Não há mudança das políticas actuais. Apelamos aos residentes para estarem atentos às políticas que estão a ser tomadas em todo o mundo e se houver mudanças, podemos também fazer ajustes em Macau”, explicou ontem a responsável por ocasião da habitual conferência de imprensa sobre a covid-19. Leong Iek Hou afirmou que para se decidir a implementação de medidas mais restritivas em Macau, a Organização Mundial de Saúde (OMS) deve fornecer mais dados sobre a variante Ómicron e vincou que o facto de a nova estirpe poder ser

sociedade 5

www.hojemacau.com.mo

Covid-19 Classificação de casos em linha com o Interior da China

Desde ontem que Macau passou a adoptar uma classificação e definição de casos de covid-19 em linha com as práticas do Interior da China e de Hong Kong. Na prática, ao contrário do que acontecia até aqui, a contabilização estatística das “infecções assintomáticas” e “casos confirmados” será feita separadamente. Desta feita passam a ser consideradas infecções assintomáticas, “pessoas infectadas com resultado positivo no teste de ácido nucleico de covid-19, mas sem manifestações clínicas relevantes”, como febre, tosse seca, fadiga e outros sintomas. Já como “casos confirmados” serão classificados todos os resultados positivos ao teste de ácido nucleico ou indivíduos não vacinados contra a covid-19, em que seja detectada a presença de anticorpos e possuam sintomas da doença. “Em Macau tínhamos um prática diferente, mas a partir de agora, podemos ter uma conectividade estatística entre os dados de Macau e do Interior da China”, apontou ontem a médica Leong Iek Hou.

Mercado Abastecedor Simulacro testa resposta a surto

Uma equipa interdisciplinar das polícias, serviços de saúde e municipais, entre outros, simulou planos de contingência para responder a emergência relacionadas com a pandemia no Mercado Abastecedor, na Ilha Verde. O simulacro testou a implementação de medidas provisórias para garantir o abastecimento de produtos frescos e vivos caso ocorra um surto. O objectivo foi assegurar a inspecção sanitária dos espaços e o fornecimento de produtos. Actualmente operam no Mercado Abastecedor mais de 200 estabelecimentos comerciais, com a entrada diária de 230 toneladas de vegetais, 107 toneladas de frutas, 600 mil ovos e 16 toneladas de aves de capoeira refrigeradas. A maior parte dos produtos, como legumes, frutas, aves e ovos, é sujeita a inspecção sanitária e entregue no Mercado Abastecedor. Em comunicado, as autoridades explicam que “se este Mercado não funcionar devido ao surto epidémico, isso irá afectar milhares de famílias”. PUB.

MANDADO DE NOTIFICAÇÃO N.° 1007/AI/2021

detectada através dos testes actuais é uma “boa notícia”. “Atribuímos grande atenção à variante Ómicron porque já foi listada pela ONU como estirpe do vírus que merece atenção. Até à presente data, a ONU ainda não clarificou o seu nível de transmissibilidade em comparação com a variante Delta ou outras, ou se o risco de morte é maior. Mas também há boas notícias (…) porque a ONU deixou claro que o teste de PCR continua a ter efeito perante a variante Ómicron”, apontou. Questionada se, independentemente de as medidas virem a ser apertadas no futuro, a entrada de residentes será garantida, a médica respondeu que os residentes são “bem-vindos”, desde que reúnam todas as condições exigidas. “Antes de lançar qualquer medida o nosso princípio passa

por minimizar riscos para a comunidade. As avaliações são feitas de forma dinâmica e, se reunirem todas as condições, os residentes são bem-vindos a voltar”, disse.

Tesourinho menos deprimente

Durante a conferência de imprensa, Lau Fong Chi, chefe da

“Não há mudança das políticas actuais. Apelamos aos residentes para estarem atentos às políticas que estão a ser tomadas em todo o mundo.” LEONG IEK HOU MÉDICA

Divisão de Relações Públicas da Direcção dos Serviços de Turismo (DST) esclareceu ainda que, os hóspedes em quarentena no Hotel Tesouro, cujo funcionamento é em circuito fechado, vão poder receber entregas e outros bens do exterior. “A entrega de materiais aos residentes não sofreu qualquer alteração no Hotel Tesouro, que é um hotel especializado. Durante um certo período, os residentes podem receber materiais da família ou amigos, se for necessário”, apontou Lau Fong Chi. Inalterada fica também, garantiu a responsável, a possibilidade de os residentes ficarem isentos de pagar a estadia caso efectuem a quarentena pela primeira vez. Pedro Arede

-----Atendendo à gravidade para o interesse público e não sendo possível proceder à respectiva notificação pessoal, pelo presente notifique-se o infractor LEI MAN FAI, portador do Bilhete de Identidade de Residente Permanente da RAEM n.º 51326xxx, que na sequência do Auto de Notícia n.° 56/DI-AI/2020, levantado pela DST a 31.01.2020, e por despacho da signatária de 13.09.2021, exarado no Relatório n.° 868/DI/2021, de 13.08.2021, em conformidade com o disposto no n.° 1 do artigo 14.° da Lei n.° 3/2010, lhe foi desencadeado procedimento sancionatório por suspeita de controlar a fracção autónoma situada na Rua de Madrid n.º 21, Wan Yu Villas, 13.° andar A onde se prestava alojamento ilegal.-------------------------No mesmo despacho foi determinado que deve, no prazo de 10 dias, contado a partir da presente publicação, apresentar, querendo, a sua defesa por escrito, oferecendo nessa altura todos os meios de prova admitidos em direito, não sendo admitida a apresentação de defesa ou de provas fora do prazo conforme o disposto no n.° 2 do artigo 14.° da Lei n.° 3/2010. -----------------------------------------------------A matéria apurada constitui infracção ao artigo 2.° da Lei n.° 3/2010, punível nos termos do n.° 1 do artigo 10.° do mesmo diploma.-------------------------O processo administrativo pode ser consultado, dentro das horas normais de expediente, no Departamento de Licenciamento e Inspecção desta Direcção de Serviços, sito na Alameda Dr. Carlos d’Assumpção n.os 335-341, Edifício “Hot Line” (Centro “Hot Line”), 18.° andar, Macau.------------------Direcção dos Serviços de Turismo, aos 26 de Novembro de 2021. A Directora dos Serviços, Maria Helena de Senna Fernandes


6 eventos

www.hojemacau.com.mo

3.12.2021 sexta-feira

PINTURA ANTIGA LEPROSARIA ACOLHE EXPOSIÇÃO DE BERNARDINO DE SENNA FERNANDES

Promessa cumprida

Uma das casas da antiga Leprosaria de Ká-Hó recebe a partir de amanhã uma exposição de pintura da autoria de Bernardino de Senna Fernandes. Ao todo, a mostra inclui 26 obras sobre Macau e Lisboa, onde os traços não procuram alinhar-se com a realidade. Para o filho do autor, esta foi a forma de cumprir a vontade de Bernardino de Senna Fernandes de voltar a expor em Macau

A

galeria de arte operada pela Associação de Reabilitação de Toxicodependentes de Macau (ARTM) numa das casas da antiga leprosaria da Vila de Nossa Senhora de Ká-Hó acolhe a partir de amanhã, uma exposição de pinturas da autoria de Bernardino de Senna Fernandes. A mostra reúne 26 pinturas a óleo e aguarela, que colocam Macau e Lisboa, no centro da tela. Ao HM, Jorge de Senna Fernandes, filho do pintor conta que a ideia surgiu com o intuito de cumprir o desejo do pai de voltar a expor obras suas em Macau. Isto depois de ter realizado uma primeira exposição no território, ainda nos anos 90 do século passado. “O meu pai organizou uma exposição em Macau em 1992 e, desde aí, que ficou a vontade de realizar uma segunda exposição aqui, só que não teve oportunidade de o fazer em vida. Depois de ter deixado um certo legado artístico, aproveitei a oportunidade que a ARTM me deu para cumprir esse desejo do meu pai”, apontou. Para Bernardino de Senna Fernandes, explica o filho, pintar era um hobby que foi aprimorando ao longo do tempo ao seu ritmo e gosto, mas que, nem por isso, deixou de atrair a atenção de interessados e apreciadores da sua obra. “Para o meu pai, pintar era um hobbie, já que ele não fazia disto vida. Era apenas para se distrair. Havia muita gente que gostava do que ele fazia e, quando iam lá a casa, comprava-lhe uma série de quadros e ele sempre foi fazendo as obras a seu gosto. O meu pai não era um pintor consagrado, mas ao longo da sua vida foi designer, trabalhou em vários sítios e participava em várias exposições e feiras internacionais como a FIL”, partilhou.

paisagens de Macau e Lisboa, duas cidades em que viveu o pintor. Depois de ter crescido em Macau até aos 18 anos, Bernardino de Senna Fernandes rumou a Portugal para continuar os estudos. De malas e bagagens, mudou-se para Coimbra, casou-se e assentou arraiais, regressando a Macau apenas 30 anos depois. Contudo, de todas as vezes que visitou o território, fez questão de recolher material, fazer esboços e fotografar algumas zonas da cidade para depois pintar Macau a partir de Lisboa. “Estamos a falar de pinturas de locais específicos das duas cidades. Em Macau podemos ver várias zonas conhecidas e em Lisboa, bairros típicos, por exemplo. A zona de Alvalade, onde viveu, também aparece retratada. [Depois de partir do território], o meu pai veio a Macau três vezes, levou uma série de registos daqui. Às vezes levava o bloco para a rua e fazia os seus esquissos. Outras vezes utilizava fotografias, que é algo que se faz muito hoje em dia, pois já não há muitas pessoas a pintar na rua”, disse ao HM. Sobre o estilo de Bernardino de Senna Fernandes, Jorge de Senna Fernandes destaca o “traço muito típico” do pintor que, apesar de não primar pelo realismo, permite a quem vê a obra identificar o local retratado. “É uma série de obras que não são muito realistas, com um traço muito típico do meu pai, que permite identificar as zonas representadas. As obras não são tão realistas como uma fotografia, mas acho que as pessoas vão gostar, porque o que ele fez em vida, a meu ver, tinha qualidade e toda gente sempre gostou do que ele fazia”, sublinhou. A partir de amanhã, a exposição de pintura de Bernardino de Senna Fernandes pode ser vista na galeria da ARTM em Ká-Hó (Hold On to Hope Project) até dia 11 de Janeiro. Pedro Arede

Macau no coração

Quanto às 26 obras expostas, estas retratam ângulos, locais e

Jorge de Senna Fernandes “O meu pai organizou uma exposição em Macau em 1992 e, desde aí, que ficou a vontade de realizar uma segunda exposição aqui, só que não teve oportunidade de o fazer em vida”


sexta-feira 3.12.2021

eventos 7

www.hojemacau.com.mo

PUB.

PUB.

Identidade em Wroclaw Macau tema de destaque em palestra na Polónia

K

ATE Ngan Wa Ao, artista e estudante na Polónia há seis anos, fala hoje numa conferência na cidade de Wroclaw sobre Macau e as questões de identidade. O evento acontece no espaço cultural OP ENHEIM e surge a convite do grupo artístico ZA. Ao HM, Kate Ngan Wa Ao explicou que esta não será apenas uma conversa sobre arte, mas também sobre a interligação entre a política local e a questão da identidade da população. “O problema da identidade em Macau [centra-se] no pensamento em relação a esta questão, e o facto de as pessoas tentarem ignorar ou não perguntarem a si mesmas quem são. Se não olharmos para estas questões não criamos uma relação com o espaço onde vivemos”, aponta. Kate, estudante de fotografia mas com muito trabalho feito na área dos media digitais, continua a sentir-se residente de Macau, apesar da longa experiência de vida e trabalho na Europa. Foi no território que Kate mais desenvolveu projectos artísticos com foco nas questões da identidade. “Esta é uma questão complexa, as pessoas em Macau tentam não pensar isto. E tendo em conta os últimos 20 anos, e com esta transição para a China, penso que as pessoas ficaram com algum receio. O mais importante é termos esta consciência, ao invés de esperar que o Governo ou as instituições nos dêem uma identidade. Nós é que temos de a encontrar”, adiantou. Kate recorda que “os 50 anos [até 2049] vão acabar em breve”. “Para mim a questão principal ou assustadora é o que é que podemos fazer neste período. Essa questão da identidade que poderá expirar. E é

difícil para outras pessoas compreenderem isso, porque é algo bizarro”, explicou.

O lado internacional

Sem viajar para Macau há dois anos, devido à pandemia, Kate Ngan Wa Ao confessa sentir saudades do panorama artístico internacional no território, com exposições de artistas estrangeiros, algo mais raro na Polónia. “Não é um meio internacional e existem algumas limitações. Não há muito intercâmbio com outros países europeus, à excepção, talvez, da Alemanha. Quando há exposições vemos quase sempre artistas polacos, mas em Macau vemos trabalhos de artistas de vários países.” Sobre a situação artística em Macau, Kate destaca o facto de estarem a acontecer “coisas espontâneas” organizadas por artistas locais, quer tenham apoio institucional ou não. “Mesmo que não haja um lado institucional e educativo [a apoiá-los], estes artistas vão para Macau e realizam actividades. Na Polónia temos actividades institucionais. Nesse sentido é bom ver que as pessoas não ficam indiferentes e tentam desenvolver projectos artísticos.” Na Polónia são poucos os que conhecem Macau ou sabem onde fica, mas as atenções viraram-se para o território graças aos acontecimentos em Hong Kong. Por isso, Kate considera que estudantes universitários de Macau como ela têm a responsabilidade de divulgar o território no estrangeiro. “Nesta palestra também vou falar das diferenças entre os dois territórios. Fico contente que esta não seja apenas uma conversa sobre mim e o meu trabalho”, rematou. A.S.S.


8 china

3.12.2021 sexta-feira

www.hojemacau.com.mo

LAOS NOVA LINHA FERROVIÁRIA VAI LIGAR A CAPITAL VIENCIANA A KUNMING

Muita terra, muita terra O projecto vai entrar em funcionamento esta semana, abrange 1.035 quilómetros e faz parte da iniciativa chinesa “Uma Faixa, Uma Rota”

O

Laos, país que faz fronteira com a China, Vietname e Tailândia, vai inaugurar esta semana uma linha ferroviária avaliada em mais de 5,2 mil milhões de euros. A linha, que liga a capital do Laos, Vienciana, à cidade chinesa de Kunming, é uma das centenas de projectos da iniciativa ‘uma faixa, uma rota’. Lançado pela China, o megaprojecto de infraestruturas visa expandir o comércio, através da construção de

ção económica do Laos no ano passado. A dívida pendente do país, grande parte contraída junto de bancos estatais chineses, é igual a cerca de dois terços da sua produção económica anual. O Laos está classificado entre os países pobres considerados como sendo de “alto risco de endividamento”.

Mais ligados

As ligações ferroviárias podem aumentar o rendimento, ligando as áreas rurais às cidades e aos mercados de exportação, mas estes ganhos podem levar décadas a ser atingidos, enquanto as ferrovias exigem grandes gastos com equipamento, terrenos e construção.

portos, linhas ferroviárias ou autoestradas, visando reconfigurar as actuais rotas comerciais na região do Pacífico, Europa e África. Com 1.035 quilómetros, a ligação ferroviária vai servir para o transporte de carga, inicialmente, sem nenhum passageiro regular, devido às medidas de prevenção contra a covid-19. Críticos da iniciativa chinesa apontam para um aumento problemático do endividamento, que em alguns casos coloca os países numa situação financeira insustentável. PUB.

A ligação entre Kunming e Vienciana vai fazer, no futuro, parte de uma malha ferroviária mais ampla, que vai conectar a China com a Tailândia, Vietname, Mianmar, Malásia e Singapura. Isto daria ao sul da China mais acesso aos portos e mercados de exportação. Os líderes do Laos esperam que a linha ferroviária dinamize a sua economia isolada, conectando-a à China e a mercados distantes, como a Europa. O segmento de 418 quilómetros da linha Kunming – Vienciana, no Laos, vai ser operado pela Laos - China Railway Co., uma ‘joint venture’ entre o grupo China Railway e duas outras empresas estatais chinesas com uma participação conjunta de 70 por cento, e uma empresa estatal do Laos, que ficou com os restantes 30 por cento. O dinheiro emprestado representa 60 por cento do investimento na linha ferroviária, de acordo com os dois governos. Esta carga de dívida é pesada e o “risco de incumprimento pode ser bastante alto”, apontou Laura Li, especialista em financiamento

de infraestruturas da agência de notação financeira S&P Global Ratings. O Laos pode ser forçado a assumir o pagamento da dívida total de 3 mil milhões de euros da ‘joint venture’ para manter a linha a funcionar, se a empresa entrar em incumprimento e os parceiros chineses decidirem não colocar mais dinheiro, apontaram Ammar A. Malik e Bradley Parks, num relatório para a AidData, projecto que segue o investimento externo chinês no Virginia’s College of William & Mary. Isto é o equivalente a quase um quinto da produ-

A ligação entre Kunming e Vienciana vai fazer, no futuro, parte de uma malha ferroviária mais ampla, que vai conectar a China com a Tailândia, Vietname, Mianmar, Malásia e Singapura

A ligação ferroviária “vai fazer com que o Laos deixe de ser geograficamente desfavorecido, aproveitando a sua localização para se converter num centro regional terrestre” VALY VETSAPHONG CÂMARA NACIONAL DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA DO LAOS

“O Laos colocou-se numa posição em que, se a ligação ferroviária não der lucros, terá problemas reais de endividamento”, disse Greg Raymond, especialista em assuntos do sudeste asiático da Australian National University. O Laos foi uma das economias que mais cresceu na última década, mas continua a ser uma das mais pobres. A produção económica média por pessoa mais do que duplicou, desde 2010, fixando-se nos 2.600 dólares. A ligação tem potencial para aumentar a receita em 21 por cento, a longo prazo, mas se for acompanhada por outras reformas para facilitar o comércio e os negócios, disse o Banco Mundial, num relatório, no ano passado. A ligação ferroviária “vai fazer com que o Laos deixe de ser geograficamente desfavorecido, aproveitando a sua localização para se converter num centro regional terrestre”, disse o vice-presidente da Câmara Nacional de Comércio e Indústria do Laos, Valy Vetsaphong.


sexta-feira 3.12.2021

www.hojemacau.com.mo

entre oriente e ocidente

FICÇÃO, ENSAIO, POESIA, FRAGMENTO, DIÁRIO

GONÇALO M. TAVARES

Família, infância

Legendas sem Fotografias (10)

h

9

Gente e Casamentos

RECORDAÇÕES DE I. Estou sempre rodeado de gente. Gosto disso. Sempre foi assim. Se não tens gente à volta perdes-te. É como o norte, sul, este, oeste. As pessoas à volta são o norte, sul, este, oeste. No Norte está o pai, no sul, a mãe, etc. Mas isso também é triste porque devemos orientar-nos sozinhos. E uma bússola não deve poder substituir o papel dos pais (risos) seria barato e fácil demais. Quanto custa uma bússola? Já perdi a noção do preço das coisas. Uma bússola devia valer tanto como uma casa. É o que eu acho. É barata demais para aquilo que faz. Ter uma casa é bom, mas quando sais para onde é que vais? Por isso é que a bússola devia ser bem cara. Quando os meus pais morreram, eu não queria sair de casa. Tinha medo de bater a porta, começar a andar e, em poucos passos, perder-me no meio de uma floresta qualquer. Quando os pais morrem tudo fica mais ou menos floresta. O parque da cidade parece uma floresta da Amazónia e até as ruas de uma cidade parecem uma floresta. Senti que quem podia matar os lobos por mim já cá não estava. Agora tinha de ser eu a pegar na espingarda. E eu não sei disparar, nunca soube. É triste isso, não é? Devia ter aprendido a disparar. RECORDAÇÕES DE C. Quando menina, sempre tive muitos amigos e amigas. É curioso, estou sempre rodeado de gente - é a melhor paisagem, não é? As pessoas. Em geral, gosto delas (risos). Em geral, gostamos sempre, não é? Depois no específico é que a coisa complica (risos). Viver especificamente com uma pessoa, por exemplo, não é nada fácil. Talvez fosse mais fácil viver com uma árvore. Ela não se mexe, respira e ouve (risos). Respirar é bom. Uma árvore teria sido uma boa opção. Mas as meninas querem sempre casar a sério e casar com uma árvore não é casar a sério (risos). Mas elas respiram. É muito bom ter alguém a respirar ao lado de nós, não é?

a partir da Natureza Fantasma de Marco Martins e Companhia Maior

ILUSTRAÇÃO ANA JACINTO NUNES


44

1 2 4 5 www.hojemacau.com.mo 10 3.12.2021 sexta-feira 2 9[f]utilidades 4 7 6 0 9 7 1 7 9 4 1 0 6 5 3 8 9 7 7 8 3 9 5 0 2 1 TEMPO POUCO NUBLADO MIN 14 MAX 21 HUM 30-60% UV 4 (MODERADO) • EURO 9.10 BAHT 0.23 YUAN 1.26 2 6 1 7 ´ 1 9 4 7 3 8 0 2 CINETEATRO 1 0 3 43 2 44

HOJE S6 9 U3 1D5 4O2 7K0 8U UM6DISCO 1 8 7 2 4 5 7 0 6 4 3 4 8 0 1 2 3 9

9 48 7 8 2 2 3 6 0 9 4 4 5 7 1

47

4 3 6 4 0 1 8 2 5 7 6 9 0 8

8 3 0 2 9 6 6 7 4 1 1 5 0

7 9 5 4 3 0 5 3 2 8 1 6 2

6 8 2 2 3 1 8 0 9 7 4 9 5

3 2 8 6 6 2 1 9 5 0 7 1 9

1 5 7 9 8 7 0 4 6 3 0 8 6

0 5 4 8 5 1 7 9 3 7 2 6 3 5 7 3 4 6 1 2 9 8 0

9 9 6 5 3 2 2 1 8 4 4 0 7

4 3 1 8 6 8 9 9 2 3 7 5 5 14

1 9 8 5 6 2 8 4 2 0 9 7 3 5

7 0 2 2 5 3 6 6 8 5 1 8 9 4 4

6 1 0 9 8 7 0 2 3 8 5 3 4 1 2

5 2 3 0 9 1 4 1 6 3 0 8 7 4

8 4 7 5 6 9 0 2 1 6 3 0 9

3 8 1 8 9 4 7 0 9 2 2 6 5

8 6 7 5 0 4 3 2 9 1

0 1 9 2 8 5 6 7 4 3

4 8 2 0 7 6 5 1 3 9

3 9 1 6 2 0 8 5 7 4

6 4 5 7 1 9 0 3 2 8

0 1 7 5 5 4 7 6 2 3 9 9 2 2 6 3 0 0 9 5 7 4 3 8 6 1 92

PUB.

1 3 6 9 5 2 4 8 0 7

2 0 4 8 9 3 7 6 1 5

7 5 0 1 3 8 9 4 6 2

9 2 8 3 4 7 1 0 5 6

SOLUÇÃO DO PROBLEMA 45

45

2 4 0 1 8 7 7 1 5 6 0 9 6 3 3

PROBLEMA 46

46

2 5 0 1 7 9 3 4 8

9 4 3 0 8 5 6 7 2

3 9 6 2 4 0 1 5 7

5 8 1 6 3 2 0 9 4

46

5 4 3 7 9 0 8 5 6 2 9 3 1 7 6 0 4 1 2 8 0 6 5 9 7 9 1 6 3 5 4 1 www. 8 3 7 2 hojemacau. com.mo 2 8 0 4

48 5 2 6 3 1 0 9 4 7 8

7 4 0 8 9 1 6 5 3 2

9 1 4 5 7 8 0 2 6 3

8 6 7 2 3 4 1 9 0 5

4 0 7 5 9 6 8 3 1

7 6 9 3 5 1 2 8 0

3 1 2 4 8 0 7 5 6 9

0 8 7 2 4 6 3 9 1 5

5 6 1 8 9 2 4 7 0 3

9 0 3 5 7 1 8 4 2 6

THE CURE | DISINTEGRATION

“Disintegration” é um dos melhores discos da segunda metade do século XX. Coeso, mas com músicas que individualmente são mundos, carregado de melancolia, mas com guitarras “pedaladas” com o delay característico e inconfundível do universo sonoro dos The Cure. Depois do inesperado sucesso comercial dos dois discos anteriores, Robert Smith foge da atenção mediática e refugia-se num subúrbio bucólico de Londres, tomando regularmente doses cavalares de LSD. O resultado da fuga foi “Disintegration”, que surge como a maturidade das coisas que vão perdurar, um retorno à negritude e o abandono do estatuto pop. Ainda assim, integra faixas como “Pictures of You”, “Lovesong” e “Lullaby”. Eterno. João Luz

C I N E M A

SALA 1

ANITA [C]

(FALADO EM CANTONENSE LEGENDADO EM CHINÊS E INGLÊS) Um filme de: Longman Leung Com: Louise Wong, Lau Chun Him, Fish Liew, Louis Koo, Lam Ka Tung 14.15, 19.00

SWORD ART ONLINE THE MOVIE - PROGRESSIVE - ARIA OF A STARLESS NIGHT [B] (FALADO EM CANTONENSE LEGENDADO EM CHINÊS E INGLÊS) Um filme de: Ayako Kono 16.45, 21.30 SALA 2

ENCANTO [A]

(FALADO EM CANTONENSE) Um filme de: Byron Howard, Jared Bush 14.30, 16.30, 19.30

GHOSTBUSTERS AFTERLIFE [B] Um filme de: Jason Reitman Com: Paul Rudd, Finn Wolfhard, Mckenna Grace 21.30 SALA 3

QUEENPINS [C]

Um filme de: Aron Gaudet, Gita Pullapilly Com: Kristen Bell, Kirby Howell-Baptiste, Vince Vaughn, Paul Wallter Hauser 14.30, 16.30, 21.30

SHOWBIZ SPY [B]

(FALADO EM CANTONENSE LEGENDADO EM CHINÊS E INGLÊS) Um filme de: Keian Chui Com: Anson Lo@Mirror, Chole So, Summer Chan, Heidi Lee, Alina Lee 19.30

8 2 1 9 0 6 2 6 7 3 1 4 1 4 8 0 7 5 4 5 9 2 8 3 QUEENPINS 0 3 5 6 9 7 7 8 4 1 3 2 Propriedade 3 0 2Fábrica 4 de5Notícias, 8 Lda Director Carlos Morais José Editores João Luz; José C. Mendes Redacção Andreia Sofia Silva; João Santos Filipe; Pedro Arede, Nunu Wu Colaboradores Anabela Canas; António Cabrita; António de Castro Caeiro; Ana Jacinto Nunes; Amélia Vieira; Duarte Drumond Braga; Emanuel Cameira; Gonçalo Inês Oliveira; João Paulo Cotrim; José Simões Morais, Julie Oyang; Luis Carmelo; Nuno Miguel Guedes; Paulo José Miranda; 6 7M.Tavares; 0 8Gonçalo 2 Waddington; 9 Paulo Maia e Carmo; Rosa Coutinho Cabral; Rui Cascais; Sérgio Fonseca; Teresa Sobral; Valério Romão Colunistas André Namora; David Chan; João Romão; Olavo 9 1 Paul 6 Chan 5 Wai 4 Chi; 0 Paula Bicho; Tânia dos Santos Grafismo Paulo Borges, Rómulo Santos Agências Lusa; Xinhua Fotografia Hoje Macau; Lusa; GCS; Rasquinho; Xinhua Secretária de redacção e Publicidade Madalena da Silva (publicidade@hojemacau.com.mo) Assistente de marketing Vincent Vong Impressão Tipografia 5 9Morada 3 Pátio 7 da6Sé, 1n.º22, Edf. Tak Fok, R/C-B, Macau; Telefone 28752401 Fax 28752405; e-mail info@hojemacau.com.mo; Sítio www.hojemacau.com.mo Welfare 2 3 5 0 6 9 7 8 4 1

0 9 8 4 2 7 5 3 1 6

3 7 2 1 5 6 8 0 9 4

1 5 3 6 0 2 4 7 8 9

6 8 9 7 4 3 2 1 5 0

4 0 1 9 8 5 3 6 2 7


sexta-feira 3.12.2021

opinião 11

www.hojemacau.com.mo

um grito no deserto

Paul Chan Wai Chi

O ADEUS DE SOLSKJAER AO MANCHESTER UNITED PENSO QUE NINGUÉM pode questionar a lealdade de Solskjaer ao Manchester United. Desde o tempo em que era jogador até à altura em que foi treinador, tudo o que fez teve sempre em vista os interesses do clube. No início desta época, com o regresso de Cristiano Ronaldo e a vinda de novos jogadores, todos os adeptos esperavam que os tempos de glória do Manchester United estivessem de volta. Infelizmente, o clube e os jogadores foram sofrendo revezes uns atrás dos outros e a capacidade de Solskjaer como treinador passou a ser questionada. Solskjaer acabou por sair de forma amigável do clube. Embora já não seja seu treinador, afirma que será sempre um fiel adepto do Manchester United. A partida de Solskjaer veio demonstrar que não basta ser leal, também é necessário ser competente. Em Hong Kong e em Macau, têm surgido muitos “patriotas” desde que a China implementou os princípios “Hong Kong governado por patriotas” e “Macau governado por patriotas”. Estes patriotas, para provarem a sua lealdade, irão sempre defender e apoiar quaisquer ideias e iniciativas desde que sejam propostas pelo Governo Central e pelo Governo da RAEM. Mas será que um tal patriotismo cego beneficia o país e a sociedade? Será útil à administração do Governo da RAE? É inegável que os Chefes dos Executivos de Hong Kong e de Macau são absolutamente dependentes do Governo Central. Se analisarmos as administrações dos quatro Chefes do Executivo precedentes, verificamos que todos lidaram com conflitos e com contradições. Donald Tsang Yam-kuen (o Segundo Chefe do Executivo de Hong Kong) governou bem, mas foi condenado à prisão quando saiu de funções. Embora o último recurso que apresentou tenha tido resultados positivos, a sua prisão diminuiu o amor de muitas pessoas por Hong Kong. Quando Carrie Lam Cheng Yuet-ngor assumiu o cargo, afirmou que queria resolver as desavenças sociais deixadas por Leung Chun-ying (o terceiro Chefe do Executivo). Mas a sua actuação acabou por ser contraproducente e criou ainda mais desavenças. A implementação da “Lei da República Popular da China para a Salvagarda da Segurança Nacional da Região Administrativa Especial de Hong Kong” e o “Aperfeiçoamento do Sistema Eleitoral (Consolidação das Emendas)” mergulhou Hong Kong numa nova fase de incertezas. Da mesma forma, a ecologia política de Macau foi alterada depois da “desclassificação” dos candidatos às eleições para a 7.ª Assembleia Legislativa de Macau. E na medida em que a pandemia

de COVID-19 continua activa há quse dois anos, haverá impactos inimagináveis no futuro de Macau. Na antiga China contava-se a história de Bian Que, um médico genial e do Rei do Estado de Cai. Bian Que tinha avisado o Rei por três vezes para ter cuidado com a sua saúde, uma a cada dez anos. Mas o Rei não sentia qualquer problema de saúde, e por isso achava que Bian Que tinha qualquer intenção oculta quando o consultava. Por altura da quarta consulta, Bian Que saiu sem dizer nada ao Rei. O Rei mandou um servo perguntar a Bian Que porque é que tinha saído sem dizer nada. Bian Que respondeu que quando deu o primeiro aviso ao Rei a doença estava numa fase inicial e teria sido fácil de tratar. Na segunda consulta, o médico tinha percebido que a doença se tinha alastrado, mas que ainda era curável. Na terceira consulta, a doença tinha chegado a um estado crítico mas o Rei continuou a recusar o tratamento. Na quarta consulta, a doença do Rei tinha chegado ao estado

À medida que a pandemia se arrasta, as comunidades locais começam a ter diferentes opiniões sobre as políticas do Governo da RAEM viradas para a promoção da economia e da protecção do estilo de vida da população. A partida de Solskjaer, poderá dar o mote para alguma auto-análise

Ex-deputado e antigo membro da Associação Novo Macau Democrático

terminal e já não tinha cura, por isso tinha saído sem dizer nada. O Rei depois de ter ouvido o mensageiro continuou a não dar crédito às palavras de Bian Que. Cinco dias depois, o Rei chamou Bian Que para que o tratasse. Mas Bian Que já tinha deixado o estado de Cai para evitar que o dessem como criminoso. O Rei acabou por morrer desta doença fatal. Embora Ole Gunnar Solskjaer tenha sido despedido do Manchester United, continua a afirmar a sua lealdade ao clube. Mas parece não ter sido capaz de explicar as razões que levaram ao seu insucesso. Às vezes amamos uma pessoa, mas não sabemos transmitir-lhe esse amor. E quanto maior for o amor, maior será a dor. À medida que a pandemia se arrasta, as comunidades locais começam a ter diferentes opiniões sobre as políticas do Governo da RAEM viradas para a promoção da economia e da protecção do estilo de vida da população. A partida de Solskjaer, poderá dar o mote para alguma auto-análise.


“Sabemos muito pouco o que somos e menos ainda o que podemos ser.” PALAVRA DO DIA

3.12.2021

GCS

USJ/ANIVERSÁRIO “DESENVOLVIMENTO RÁPIDO” DESTACADO

Lord Byron

sexta-feira

A

OSCAR IAO

Universidade de São José (USJ) celebra 25 anos de existência e ontem, na cerimónia de celebração da efeméride, a secretária para os Assuntos Sociais e Cultura, Elsie Ao Ieong U, destacou o “desenvolvimento rápido” da instituição de ensino superior privada. No seu discurso, a governante lembrou que a USJ disponibiliza cursos em várias áreas, com uma oferta curricular “que se tornou cada vez mais diversificada”. A secretária destacou também a criação de “cursos relevantes” nas áreas da psicologia organizacional e na tradução de português-chinês. Elsie Ao Ieong U, afirmou que a USJ “tem contribuído significativamente para a formação de quadros qualificados de Macau”, com a aposta no intercâmbio académico e cultural com os países de língua portuguesa e também da Europa. A responsável lembrou ainda o facto de a USJ ter começado a receber, a título experimental, os primeiros alunos da China após a autorização, em Agosto, do Ministério da Educação do país. Tal “evidencia ainda mais o reconhecimento do País em relação aos trabalhos de formação de quadros qualificados desenvolvidos pelas instituições de ensino superior da RAEM”, disse. De frisar que a USJ esperou durante muitos anos por esta autorização, sendo que, até então, apenas podia ter alunos locais e estrangeiros.

Fogo Homem hospitalizado após incêndio no Patane

PUB PUB.

Um homem ficou internado no hospital Kiang Wu após a ocorrência, ontem, de um incêndio num apartamento do terceiro andar do edifício Hing Wah Court, na avenida Marginal do Patane. O homem foi hospitalizado por ter inalado fumo do incêndio, sendo que mais quatro mulheres e um outro homem se sentiram mal, mas acabaram por não necessitar de internamento. Segundo o canal chinês da Rádio Macau, o chefe do posto operacional central do Corpo de Bombeiros, Fong Wai Ip, disse que o incêndio ocorreu por volta das 14h55, tendo ficado sob controlo em apenas seis minutos. Este terá sido provocado pela queima de incensos e velas, levando à evacuação de 45 moradores do edifício.

FESTIVAL DA LUZ EVENTO ARRANCA ESTE SÁBADO COM SETE ROTEIROS DISTINTOS

Viagens iluminadas

C

OMEÇA este sábado mais uma edição do Festival da Luz, desta vez com o tema “Viajantes de Marte”. O evento, organizado pela Direcção dos Serviços de Turismo (DST), traz sete roteiros distintos em 17 locais do território, incluindo espectáculos de video mapping. Até ao dia 2 de Janeiro o público poderá ver diversos espectáculos de luz entre as 19h e as 22h, sendo que a última actividade de video mapping acontece às 21h50 em locais como

o NAPE, Praia Grande, Nam Van ou zona norte, entre outros. Pela primeira vez, o Festival da Luz apresenta um espectáculo de video mapping no Centro de Ciência de Macau. Neste local será exibido o projecto “Sabor Original de Macau”, trazido por uma equipa oriunda de Changsha, uma das Cidades Criativas da UNESCO em Artes e Média. O programa inclui ainda a apresentação de espectáculos video mapping em outros três locais, nomeadamente “Nós”, no Largo do Pagode do

Bazar e “Glid”, projecto de uma equipa criativa de Tóquio, que será exibido no Largo dos Bombeiros, na Taipa. O espectáculo “Em Pares”, de uma equipa de Macau, será exibido na Capela de

O evento traz sete roteiros distintos em 17 locais do território, incluindo espectáculos de video mapping

São Francisco Xavier, em Coloane.

Drones e Carnaval

O cartaz do festival este ano traz ainda o evento comunitário “Arraial na Ervanário”, bem como diversas actividades interactivas, como um jogo com prémios para a captura de imagens com realidade aumentada. Os premiados têm a oportunidade de receber cupões electrónicos de lojas, podendo, através da plataforma dos cupões electrónicos, deslocar-se a lojas situadas nas proximidades para receberem

prendas gratuitas ou descontos. Este sábado a cerimónia de abertura do festival tem lugar na marginal do Centro de Ciência de Macau, sendo que neste dia acontece também a iniciativa “Gala de Drones Brilha sobre Macau”, organizada pela primeira vez. Além disso, começa também no sábado a actividade “Carnaval da Luz”, inserida na série de actividades “Feira de Diversões para Desfrutar Macau”, organizada pela Associação sem Fronteira da Juventude de Macau e co-organizada pela DST.

COVID-19 HARBIN OFERECE MAIS DE MIL EUROS A QUEM TESTAR POSITIVO

O

S residentes da cidade chinesa de Harbin que fizerem um teste de ácido nucléico para o coronavírus e acusarem positivo vão receber uma recompensa equivalente a 1.386 euros, anunciaram ontem as autoridades locais. Segundo os dados do Governo de Harbin, foram detectados ontem três casos de covid-19, relacionados com o surto na cidade de Manzhouli, na região vizinha da Mongólia Interior. A decisão das autoridades visa “bloquear os canais de trans-

missão do vírus”, ao estimular a população a fazer o teste. A medida atraiu a atenção nas redes sociais do país, com mais de 100 milhões de leituras na Weibo, semelhante ao Twitter. “Qual é o problema? Os cidadãos são incentivados a fazer o teste e a disseminação do vírus pode ser assim interrompida se o resultado for positivo”, apontou um internauta. Outros não entendem a campanha ou acham que o dinheiro poderia ser investido de outra forma: “fazer o teste é

da responsabilidade de todos, por que deveriam de ser recompensados?”, questionou outro. As autoridades de saúde da cidade também pediram à população que “evite viagens” e ordenaram o encerramento temporário de estabelecimentos com grande afluência de público, como balneários, discotecas, teatros ou cinemas. As farmácias vão ser proibidas de vender remédios para a tosse ou gripe e antibióticos e se o comprador apresentar “sintomas suspeitos”, como febre, o estabe-

lecimento deve informar as autoridades, caso não queira enfrentar possíveis responsabilidades legais pela disseminação do vírus. A China mantém uma política de tolerância zero contra o vírus. As autoridades locais restringem a movimentação de pessoas e organizam testes em massa sempre que um caso é detectado. Segundo relatos da Comissão Nacional de Saúde da China, desde o início da pandemia, 98.897 pessoas foram infectadas no país, entre as quais 4.636 morreram.


Millions discover their favorite reads on issuu every month.

Give your content the digital home it deserves. Get it to any device in seconds.