Page 1

DIRECTOR CARLOS MORAIS JOSÉ

MOP$10

TERÇA-FEIRA 29 DE MAIO DE 2018 • ANO XVII • Nº 4060

hojemacau

TAXISTAS

LEI IRRACIONAL PÁGINA 4

SEGURANÇA

www.hojemacau.com.mo•facebook/hojemacau•twitter/hojemacau

CÂMARAS FARDADAS PÁGINA 5

h PAULO JOSÉ MIRANDA

Estudo revela que mais de metade das residentes de Macau, entre os 40 e os 60 anos, não sabe o que é uma mamografia e cerca de 67% nunca fez o exame. Resultado particularmente alarmante tendo em conta os dados mais recentes dos Serviços de Saúde que apontaram o cancro da mama a terceira doença oncológica mais fatal para as mulheres de Macau. GRANDE PLANO

PUB

Para levar a peito

AGÊNCIA COMERCIAL PICO 28721006

PUB

A VIDA VAI AO CINEMA E O ANTÓNIO CABRITA TAMBÉM


2 grande plano

29.5.2018 terça-feira

SAÚDE

CONDENADAS PELA M

AIS de 60 por cento das mulheres residentes de Macau, com idades entre os 40 e 60 anos, nunca realizaram uma mamografia, o exame que permite fazer o rastreio do cancro da mama. A conclusão faz parte de um estudo publicado este mês na revista científica Revista de Saúde Pública (Journal of Public Health), em que se analisou a atitude das residentes do território perante as diferentes formas de rastreio do cancro da mama. Para a realização do trabalho académico, com o título Exame ao Cancro da Mama em Macau (Breast Cancer Screening in Macao), foram feitos 417 inquéritos a mulheres com o estatuto residente e de etnia chinesa. Das pessoas ouvidas, 257 nunca tinham feito qualquer mamografia, ou seja 61,8 por cento mulheres. Entre essas, 245 residentes, ou seja 58,8 por cento, não sabiam sequer o que era uma mamografia e quais os objectivos do exame. Entre o universo de mulheres que afirmaram não ter realizado qualquer mamografia, 66,9 por cento explicaram esse facto por nunca ter ouvido falar do exame, 17,1 por cento consideraram não ser necessário e 3,9 por cento disseram que nunca tinham tido essa recomendação por parte dos médicos. Em relação às mulheres que realizaram mamografias, os números são relativamente reduzidos. Apenas 10,8 por cento, ou seja 45, afirmaram fazer uma mamografia por ano, 13,9 por cento fizeram uma mamografia nos últimos dois anos e 13,5 por cento disseram ter feito o exame uma vez num período de três ou mais anos. Entre as residentes inquiridas, uma preferiu não responder à questão.

PADRÕES DE HONG KONG

Os autores do estudo explicam também que os Serviços de Saúde

de Macau não dão instruções aos médico sobre a frequência com que as residentes devem fazer os diferentes tipos de rastreio do cancro da mama. Por essa razão, os profissionais do sector fazem as recomendações com base nos padrões em vigor em Hong Kong, também pelas proximidades culturais com o território. Segundo esses padrões, é recomendado que as mulheres com mais de 40 anos devem fazer uma mamografia a cada dois anos. Além disso, são aconselhadas consultas médicas. No caso dos auto-exames, em que se procuram anomalias com base na observação e no toque do peito, este deve ser feito uma vez por mês, segundo as recomendações de Hong Kong.

Mais de 60 por cento das mulheres residentes de Macau, com idades entre os 40 e 60 anos, nunca realizaram uma mamografia, o exame que permite fazer o rastreio do cancro da mama “O estudo mostra que a maioria das mulheres de meia-idade não seguem as recomendações sobre a realização do rastreio. Em particular, apenas um quarto das participantes efectuaram mamografias dentro das recomendações”, é explicado pelos autores, onde se inclui Lao Cheng Kin, académico da Instituto Politécnico de Macau. No que diz respeito ao auto-exame da mama, o conhecimento é muito maior. Cerca de 81 por cento das mulheres admitiu co-

CANCRO COM MAIOR INCIDÊNCIA

E

m 2015, o cancro da mama foi o tipo da doença que mais casos novos registou entre das mulheres do território, segundo os números mais recentes disponibilizados no portal dos Serviços de Saúde. Num total de 810 novos cancros diagnosticados, 178 foram na mama, o que representa uma proporção de 22 por

TIAGO ALCÂNTARA

Mais de metade das mulheres residentes, com idades entre os 40 e 60 anos, não sabe o que é uma mamografia. Por outro lado, 66,9 por cento admite nunca ter feito este tipo de exame na vida. Estas são as conclusões de um estudo que traça um cenário negro sobre a realidade do cancro da mama em Macau, o terceiro mais mortífero entre as residentes

MAIS DE METADE DAS RESIDENTES NÃO SABE O QUE É UMA MAMOGRAFIA

cento. Entre os três tipos de cancros mais comuns em 2015, figuraram o cancro colorretal, ou seja no cólon ou recto, com 110 casos novos, que representou uma proporção de 13,5 por cento. De seguida, os tipos de cancro mais frequentes foram dos brônquios e pulmões, com 78 casos novos, e uma proporção de 9,6 por cento.

nhecer esse tipo de rastreio. No entanto, 30,7 por cento, ou seja 128 inquiridas, admitiu nunca o ter feito. Por outro lado, 38,4 por cento afirmou fazer o auto-exame uma vez por mês, 18,5 por cento fizeram-no mais de uma vez por ano, 11,5 por cento disseram que procedem à autoanálise uma vez por ano e 0,7 por cento disse ter

feito uma vez num período de 3 a 4 anos. Entre as razões apontadas para não ser feito o auto-rastreio, as principais foram o desconhecimento desta forma de exame, usada como justificação em 60,9 por cento dos casos, o desconhecimento de como fazer este tipo de rastreio, em 14,1 por cento das respostas,

CANCRO DA MAMA CAUSOU 25 MORTES

N

o que diz respeito às mortes por cancro da mama, este foi o terceiro tipo mais mortal da doença entre as mulheres de Macau, com 25 casos em 2015, os dados disponíveis mais recentes. Os tipos de cancro mais mortais para as residentes foram nos brônquios e pulmões com 63 mortes, seguido pelo cancro colorretal, ou seja no cólon ou recto, que causou 42 mortes.


grande plano 3

terça-feira 29.5.2018

IGNORANCIA ˆ

saúde e clínicas locais e a falta de consciencialização dos benefícios dos exames são algumas das razões que contribuem para a baixa taxa de realização do rastreio. “O baixo cumprimento das recomendações [de Hong Kong] entre os residentes de Macau talvez se fique a dever aos longos tempos de espera em alguns dos serviços de saúde gratuitos, a uma falta de conhecimento dos benefícios dos exames e a um conhecimento muito limitado sobre a existência dos mecanismos existentes, assim como os elevados custos do sector privado”, é apontado no estudo.

Com base no relatório sobre o cancro elaborado pelo Governo em 2016, com dados de 2014, este tipo de cancro foi apontado como o terceiro mais mortal entre as mulheres residentes

e o facto de ser considerada uma forma de exame desnecessária, em 10,2 por cento. Finalmente, quanto à realização de exames clínicos, ou seja quando é o médico a procurar anomalias sem a realização de mamografia, 72,4 por cento das mulheres com idades entre os 40 e 60 anos admitiram conhecer o

método. Contudo, também neste capítulo mais de um terço (36,5 por cento) nunca tinha sido observada clinicamente. Entre essas pessoas, 75,7 por cento referiram não conhecer a possibilidade de serem observadas clinicamente, 9,2 por cento disseram não ser necessária a observação e 3,9 por cento dispensaram o exame por

719 PESSOAS MORRERAM EM 2015 F

oram 719 as pessoas que perderam a vida devido a diferentes tipos de cancros em Macau durante 2015. Numa análise em que os dos géneros aparecem juntos, o cancro mais mortal foi o dos pulmões, com os casos de mortes de cancros de brônquios e pulmões a serem de 207, ou seja 28,8 por cento. O cancro colorretal foi o segundo mais mortal com 99 mortes, seguido pelo cancro do fígado com 83 casos, o que representa uma proporção de 11,8 por cento.

não terem encontrado anomalias no auto-exame.

EXAMES GRATUITOS

Em relação aos exames clínicos, ao autores destacam que em Macau existe a possibilidade de serem feitos de forma gratuita. No entanto, é explicado que as longas filas de espera nos centros de

Por outro lado, é explicado que esta tendência de baixa frequência de realização de rastreios não é exclusiva de Macau, e que pode ser encontrada também no Interior da China, Taiwan e mesmo entre as mulheres de etnia chinesa dos Estados Unidos. “É uma crença popular da cultura Chinesa que se não existem dores ou doenças graves não se deve visitar um médico. Também existe a crença cultural de que falar de uma doença pode fazer com que ela se desenvolva”, é acrescentado pelos autores, dos quais fazem parte ainda Gan Xiang Yan e Alexandre Chan, do Centro Nacional de Cancro de Singapura.

BRÔNQUIOS E PULMÕES MAIS FATAIS

N

o que diz respeito aos residentes do género masculino, o cancro nos brônquios e pulmões foi o mais fatal, resultando na morte de 144 residentes, num total de 456 casos registados, o que representa uma proporção de 31,6 por cento, ou seja quase um terço. A segunda doença oncológica mais mortal

foi o cancro no fígado, com 68 mortes, seguido pelo colorretal com 57 mortes. Em 2015, foram ainda registados 844 casos novos de cancro entre os homens, dos quais 212 foram cancros nos brônquios e pulmões, seguidos por 140 casos de cancros colorretais e 72 casos de cancro no fígado.

As explicações têm como base o facto de 53,5 por cento das inquiridas terem considerado que só vão ao médico quando têm um problema de saúde e por 61,6 por cento das residentes ouvidas terem afirmado que se não sentem nenhum problema não precisam de ir ao médico fazer exames.

BONS NÍVEIS DE CONHECIMENTO

Por outro lado, os autores concluem ainda que as pessoas de Macau estão informadas sobre o cancro da mama e que percebem a gravidade da doença. Porém, a falha está nos comportamentos de prevenção e na altura de fazer os exames. “A maior parte das mulheres tem um bom conhecimento sobre o cancro da mama, mas tem atitudes negativas em relação aos exames”, é apontado. Com base no relatório sobre o cancro elaborado pelo Governo em 2016, com dados de 2014, este tipo de cancro é apontado como o terceiro mais mortal entre as mulheres residentes. Face às conclusões do estudo, os autores alertam o Governo para a necessidade de se proceder a uma campanha de informação sobre a necessidade das residentes fazerem os exames com regularidade. “Como a incidência do cancro da mama em Macau está a aumentar, a necessidade de detectar os casos numa fase precoce do desenvolvimento é uma importante estratégia de controlo da doença. Uma campanha de educação elaborada tendo em conta os factores culturais devia ser uma das prioridades do Governo para alertar a população para a doença e as práticas de examinação”, é sugerido. “Devia haver um esforço maior para educar as pessoas locais sobre os exames disponíveis assim como os diferentes benefícios dos tipos de análises. Ao mesmo tempo, os profissionais do sector médico de todos os níveis devia receber uma formação maior, para dar resposta Às preocupações da população e fornecerem as recomendações apropriadas em relação aos exames” é acrescentado. João Santos Filipe

joaof@hojemacau.com.mo

“Uma campanha de educação elaborada tendo em conta os factores culturais devia ser uma das prioridades do Governo para alertar a população para a doença e as práticas de examinação.” ESTUDO PUBLICADO NO JOURNAL OF PUBLIC HEALTH


4 política

29.5.2018 terça-feira

RÓMULO SANTOS

da população podem ser atendidas e, com uma maior concorrência, poderão diminuir as infracções.

GARANTIR A SOBREVIVÊNCIA

Estão a falar comigo? Taxistas queixam-se a deputados do excesso de sanções da nova lei

A

U Kam San e Ng Kuok Cheong, dois deputados da Assembleia Legislativa (AL) ligados ao campo pró-democrata, bem como Sulu Sou, deputado suspenso, organizaram ontem um encontro com taxistas para debater o novo regulamento dos táxis, actualmente a ser analisado na especialidade no hemiciclo. A sessão foi marcada a pedido dos próprios taxistas, uma vez que estes quiseram ter a PUB

oportunidade de expressar as suas opiniões. Muitos falaram de insuficiências no diploma, tal como a falta de oportunidade para aqueles que cumpriram pena de prisão e o facto da proposta de lei prever demasiadas sanções. Um taxista, de apelido Ho, considerou que o regulamento dos táxis em discussão é irracional, pois afasta a possibilidade de ex-reclusos trabalharem ou voltar a este sector, o que pode trazer consequências negativas para a

sociedade. Nesse sentido, o taxista espera que o Governo possa alargar o âmbito do acesso à profissão. Um residente, de apelido Kong, também defendeu que a lei prevê demasiadas sanções, uma vez que basta o taxista não manter o veículo limpo e já pode ser punido. Kong acha que o Governo deve baixar os valores de licitação nos concursos públicos para a atribuição de licenças de táxi, para que mais residentes possam transportar passageiros. Desta forma, as solicitações

Membros do Governo e os deputados que analisam o diploma na 3ª comissão permanente da AL foram convidados para estar presentes no jardim do Iao Hon e ouvirem as opiniões do sector, mas não marcaram presença. Foram igualmente convidados representantes da Polícia de Segurança Pública e da Direcção dos Serviços para os Assuntos de Tráfego, entre outros serviços. Au Kam San explicou que, além de combater as infracções, o novo regulamento dos táxis deve garantir, acima de tudo, que há lugar para a sobrevivência dos taxistas. Apesar dos membros do Governo ou deputados da 3ª comissão permanente da AL não terem estado presentes no encontro, o deputado pró-democrata garantiu que vai entregar as opiniões aos membros da comissão. O membro do hemiciclo considerou que, apesar da comissão da AL ter organizado uma sessão de consulta pública, nem todos conseguiram emitir ou entregar as suas opiniões, daí ter sido realizada a sessão de ontem. Vítor Ng (com A.S.S.) info@hojemacau.com.mo

Associações Sabrina Ho quer mais amor pela China e Macau

Sabrina Ho, filha de Stanley Ho e Angela Leong, visitou o antigo Chefe do Executivo, Edmund Ho, na condição de presidente da Associação de Juventude de Macau para o Avanço da Sanshui. A associação fundada em Janeiro do ano passado, está ligada à cidade de Cantão onde estão as raízes da família de Angela Leong. Durante o encontro, Edmund Ho elogiou a promoção da cultura de Macau levada a cabo pela associação, assim como o desenvolvimento de actividades ligadas às indústrias criativas. O ex-líder da RAEM também incentivou os esforços dos jovens para aproveitarem o desenvolvimento regional. Por sua vez, Sabrina Ho expressou o desejo que a associação possa contribuir para que os mais jovens alarguem os seus horizontes e participem na política nacional da Grande Baía, ao mesmo tempo que aumentam o amor pela China e por Macau.


política 5

terça-feira 29.5.2018

PEARL HORIZON NG KUOK CHEONG EXIGE CONCURSO PÚBLICO

A

construção do novo edifício na zona do Pearl Horizon deve ser feita através de concurso público. É esta a exigência do deputado Ng Kuok Cheong numa interpelação escrita, que recorda que em 2016 o Governo tinha prometido considerar o cenário da realização de concurso público para as novas obras. No documento enviado ao Executivo, o deputado pró-democrata sublinha que no caso de se encontrar uma solução razoável para o futuro do empreendimento do Pearl Horizon, que essa solução pode ser utilizada como referência para os casos futuros de problemas relacionados com a lei de terras. Ng lembrou que em 2016 o Executivo tinha defendido que se ganham a causa em tribunal, que iria considerar realizar um concurso público para as novas obras, assim como definir condições especiais de acesso às casas, tendo em conta os direitos e interesses dos compradores, dentro das leis definidas. O deputado entende também que em 2016 o Executivo não tinha condições para elaborar a proposta para o problema, uma vez que ainda não havia uma decisão final dos tribunais. Mas com a decisão que deu razão ao Governo, a situação alterou-se. Contudo, o deputado não deixa de mostrar o seu desapontamento pelo facto da proposta apresentada por Sónia Chan ter criado grande preocupação entre os compradores, que se sentem enganados, assim como pelo facto de ter excluído a realização de um concurso para a construção e atribuição das obras. Por todas estas razões, Ng Kuok Cheong questiona o Executivo se vai efectuar um concurso público para construir casas na zona de acordo com o plano anterior.

SEGURANÇA PLANOS PARA ADQUIRIR MAIS 100 CÂMARAS PARA UNIFORMES DE AGENTES DA PSP

Grão a grão

Em menos de três meses, as câmaras instaladas nos uniformes dos agentes da PSP foram utilizadas quatro vezes, indicou ontem o secretário para a Segurança, Wong Sio Chak, revelando que o Governo planeia adquirir mais 100

O

Secretário para a Segurança revelou ontem que as câmaras instaladas nos uniformes dos agentes foram usadas por quatro vezes desde que entraram em funcionamento, a 14 de Março, até sábado. Relativamente aos casos em concreto, Wong Sio Chak referiu ser preciso “aguardar informações” do Corpo de Polícia de Segurança Pública (CPSP). Em paralelo, menos de três meses depois, Wong Sio Chak revelou que planeia adquirir outras 100 câmaras “para prestar apoio na execução da lei”, embora não haja ainda uma data para o efeito. “Não quer dizer que cada polícia vá ter uma câmara. Só gostaria de mostrar que esses equipamentos, para determinados casos e operações policiais, são necessários”, afirmou, dando nomeadamente o exemplo de Hong Kong que, após

ter aplicado a medida em 2013, tem actualmente 1.900 agentes equipados com câmaras individuais. O parecer do Gabinete de Protecção dos Dados Pessoais (GPDP) recomenda que o uso das câmaras instaladas nos uniformes dos agentes da PSP deve ser reduzido ao mínimo, definindo que apenas podem ser ligadas em três situações. A saber: “perturbação ocorrida ou previsível da ordem e tranquilidade públicas da sociedade”; “agressão actual, ou que vai acontecer, contra a pessoa ou património público ou privado”, ou no “local onde o crime está a ser praticado ou em preparação”.

PROIBIÇÕES DE ENTRADA

Questionado sobre as proibições de entrada em Macau, depois de na semana passada o tema ser sido levantado no Conselho Legislativo (LegCo) pela deputada pró-demo-

crata de Hong Kong Helena Wong Pik-wan, o secretário reiterou que as autoridades actuaram “conforme a lei”. A legisladora da região vizinha foi impedida de entrar em Macau, em Agosto de 2017, onde vinha participar num evento na Universidade de Macau. “Não vou tratar do caso concreto”, afirmou Wong Sio Chak, durante a conferência de imprensa de balanço da criminalidade, indicando que a Chefe do Executivo de Hong Kong “está bem esclarecida” sobre a política de entrada nas fronteiras da RAEM. Wong Sio Chak respondia ao facto de Carrie Lam ter indicado, na réplica à intervenção no LegCo, que tentou convencer o seu homólogo de Macau, Fernando Chui Sai On, de que há pessoas, como deputados, académicos e jornalistas, que não devem ser consideradas activistas radicais. “Depende de cada caso, vamos fazer as nossas investigações necessárias com vista a manter a segurança pública de Macau”, insistiu, contestando ainda a ideia da deputada de que as interdições de entrada podem beliscar o desenvolvimento da Grande Baía. “É totalmente contrário”, dado que “precisamos de ter um ambiente seguro e esses assuntos estão interligados”.

“Esses equipamentos para determinados casos e operações policiais são necessários.” SECRETÁRIO PARA A SEGURANÇA

SEGURANÇA DO ESTADO ATÉ AO INÍCIO DE 2019

O

secretário para a Segurança, Wong Sio Chak, afirmou ontem que espera concluir os diplomas complementares à lei relativa à defesa da segurança do Estado até ao final do ano ou início do próximo e lançar a respectiva consulta pública “quando chegar o momento oportuno”. “Actualmente, ainda estamos em estudos sobre a sua elaboração”, indicou, sublinhando que tanto a matéria como os procedimentos afectos são “complexos”.

Sobre a carta, em jeito de queixa, que Helena Wong enviou ao Chefe do Executivo de Macau e que, segundo indicou a própria à TDM, continua sem resposta, o secretário para a Segurança manteve a sua posição. “Vamos ponderar os aspectos necessários e, conforme as provas dos interessados, independentemente [de ser] o senhor Chefe do Executivo, o secretário para a Segurança ou outros serviços públicos, vamos avaliar as informações que recebermos e estudar o caso conforme as informações da polícia”. “É responsabilidade da polícia e um direito do Estado” impedir a entrada no território nomeadamente de pessoas passíveis de causar perturbações à ordem pública, sustentou Wong Sio Chak, invocando a Lei de Bases da Segurança Interna. “Portugal e outros países fazem o mesmo trabalho”, concluiu. Diana do Mar

Dianadomar@hojemacau.com.mo


6 sociedade

29.5.2018 terça-feira

SEGURANÇA CRIMINALIDADE VIOLENTA DIMINUIU 24,1 POR CENTO NO PRIMEIRO TRIMESTRE

A cidade da harmonia

A

segurança de Macau manteve-se estável no primeiro trimestre do ano, com a criminalidade violenta a sofrer uma queda de 24,1 por cento, em termos anuais homólogos, para 145 casos. Os dados foram revelados ontem pelo secretário para a Segurança, Wong Sio Chak, em conferência de imprensa. Para a descida contribuiu nomeadamente o decréscimo significativo (de 41,9 por cento) dos casos de sequestro que totalizaram 61 entre Janeiro e Março, o que dá, ainda assim, uma média de 20 por mês. De acordo com a informação revelada, na origem destes crimes estiveram casos de usura (vulgarmente conhecida como agiotagem), à excepção de dois incidentes. Com efeito, como sublinhou Wong Sio Chak, não há indícios que mostrem que os crimes de sequestro e de agiotagem se estejam a expandir para além do ambiente interno dos casinos. Em baixa esteve também o tráfico de droga que desceu de 43 para 35 ocorrências, em linha com o consumo de estupefacientes que diminuiu de 24 para 19, enquanto o número de casos de abuso sexual de menores caiu de quatro para três casos em termos anuais homólogos. Em sentido inverso, ainda no âmbito da criminalidade violenta,

GCS

A criminalidade violenta diminuiu 24,1 por cento no primeiro trimestre, com destaque para a queda do número de sequestros. Ainda assim, registaram-se, em média, 20 casos mensais deste tipo de crime. De acordo com informação revelada por Wong Sio Chak, os sequestros voltaram a ficar circunscritos ao universo dos casinos

Wong Sio Chak “Nada nos faz prever que o futuro desenvolvimento do sector do jogo possa trazer factores de instabilidade.”

foram registados 23 casos de roubo (mais cinco do que no primeiro trimestre de 2017) e seis de violação (mais um). Entre Janeiro e Março, foram ainda sinalizados 16 casos de fogo posto (mais um), dos quais 12 resolvidos pela polícia. “Não se registaram ou mantiveram-se numa percentagem baixa os crimes de violência grave”, sublinhou o secretário para a Segurança, dando

Crime Bebé abandonado na Tamagnini Barbosa

Um bebé do sexo masculino com dez meses de idade foi, alegadamente, abandonado num centro comercial situado na Avenida de Artur Tamagnini Barbosa. A criança foi levada ao hospital sem que se tenha registado qualquer tipo de ferimento. De acordo com o canal chinês da Rádio Macau, a Polícia Judiciária (PJ), através do sistema de videovigilância, apurou que uma mulher chegou ao centro comercial com um carrinho de bebé, que abandonou após ter tirado uma foto à criança. De acordo com a mesma fonte, na noite anterior, uma mulher de Macau com 34 anos dirigiu-se à Polícia de Segurança Pública (PSP) com um bebé, dizendo que tinha sido abandonado. A PJ encontrou no carrinho os documentos de identifição da criança.

conta nomeadamente da manutenção da taxa zero no que toca aos homicídios. Já os casos de associação criminosa foram sete (menos cinco), mas “a polícia ainda não recebeu informações sobre qualquer anormalidade no comportamento de associações secretas devido ao ajustamento das receitas de jogo”. “Todos sabemos que há grandes interesses induzidos pelo jogo e os sectores que gravitam na sua periferia, dando azo a que alguns delinquentes aproveitem essa oportunidade para praticar actos ilegais”, afirmou Wong Sio Chak. Porém, “nada nos faz prever que o futuro desenvolvimento do sector do jogo possa trazer factores de instabilidade para a segurança da sociedade”, sustentou Wong Sio Chak, revelando uma diminuição dos crimes relacionados com o

jogo (384 ou menos 40 em termos anuais homólogos).

FLAGRANTES DELITOS

Já a actividade delituosa em geral subiu ligeiramente (+59 casos ou +1,7 por cento) face a igual período

1.878 TAXISTAS AUTUADOS EM TRÊS MESES

N

o primeiro trimestre do ano, a PSP autuou 1.878 taxistas (mais 587 ou 45,5 por cento em termos anuais homólogos), dos quais 1.192 por cobrança excessiva e 436 por recusa de tomada de passageiros, de acordo com os dados do balanço da criminalidade apresentados ontem pelo secretário para a Segurança.

MÉDIA DE DOIS ILEGAIS POR DIA

A

s autoridades detectaram, entre Janeiro e Março, 197 imigrantes ilegais, ou seja, uma média de dois por dia, reflectindo um aumento de 46,3 por cento em termos anuais homólogos. Os casos de excesso de permanência também subiram de 6.758 para 7.259. Em ambos os casos, a maioria dos indivíduos era da China. Apesar dos números, o secretário para a Segurança indicou que, actualmente, há apenas dez pessoas no centro de detenção de imigrantes ilegais. “Grande parte é proveniente da China, pelo que, de um modo geral, repatriamos imediatamente”, explicou Wong Sio Chak que não antecipa uma elevada taxa de ocupação do centro com as mexidas que pretende introduzir à lei. Essas alterações, neste momento sob consulta pública, prevêem a eliminação do prazo máximo de 60 dias de detenção. “O centro [com capacidade para acolher 180 pessoas] tem espaço suficiente para dar resposta”, afirmou.

do ano passado, tendo as autoridades instaurado um total 3.547 inquéritos. Seis em cada dez diziam respeito a crimes contra o património – que aumentaram 19,5 por cento em termos anuais homólogos. Neste âmbito, sobressai um crescimento, em toda a linha, do número de furtos que totalizaram 889, reflectindo um aumento na ordem dos 10 por cento. A título de exemplo, crimes os ocorridos em residências (por arrombamento, escalamento ou com chaves falsas) mais do que duplicaram – de oito para 20 – na comparação anual homóloga. Nota ainda para o aumento dos crimes de agiotagem que ascenderam a 107 (mais 18), dos quais 102 relacionados com jogo, e dos de burla (231 ou mais 12). Os crimes contra a pessoa (631), os contra a vida em sociedade (210) e contra o território (216) diminuíram em todas as frentes. Já a delinquência juvenil registou uma subida ligeira de 14 para 17 casos no primeiro trimestre do ano, envolvendo um total de 34 jovens (mais 19). Do total dos casos, 12 foram remetidos para o Ministério Público, os mesmos que em igual período do ano passado. Em termos globais, entre Janeiro e Março, 1.406 indivíduos (ou menos 416 em termos anuais homólogos) foram detidos e presentes ao MP. Diana do Mar

dianadomar@hojemacau.com.mo


sociedade 7

terça-feira 29.5.2018

AMIANTO DSSOPT DIZ QUE POLUIÇÃO JUNTO A ESCOLA DIMINUIU

A

Direcção dos Serviços de Protecção Ambiental (DSPA) e Direcção dos Serviços de Solos, Obras Públicas e Transportes (DSSOPT) emitiram ontem um comunicado onde garantem que a poluição causada pela utilização de amianto, junto ao Colégio Anglicano de Macau, tem vindo a diminuir. O terreno encontra-se localizado na Avenida Padre Tomás Pereira, na Taipa. “A DSPA, em conjunto com a DSSOPT, empreendeu e exigiu que o empreiteiro tomasse, o mais rápido possível, medidas necessárias para diminuir a poluição originada por amianto, de acordo com o plano autorizado. Durante a implementação destas medidas, os serviços públicos competentes e o organismo profissional de consultoria fiscalizavam todo o procedimento de limpeza. Os trabalhos foram concluídos em meados de Maio do corrente ano.” O mesmo comunicado aponta ainda que “após os resultados das análises feitas pelos profissionais de consultoria encarregados pelo Governo, e conjugando com a realidade observada durante a visita feita ao local, até que seja assegurado o cumprimento dos critérios internacionais e das disposições de segurança no estaleiro em causa, será efectuada a remoção dos andaimes e telas de lona do estaleiro por parte do empreiteiro, sob supervisão do organismo profissional de consultoria”.

Bilinguismo Universidade Cidade de Macau e Fórum Macau assinam acordo

O Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Fórum Macau) e a Universidade da Cidade de Macau assinaram, na sexta-feira, um acordo de cooperação no âmbito da formação de quadros bilingues. De acordo com a secretária-geral do Fórum Macau, Xu Yingzhen, a cooperação bilateral poderá contribuir para a elevação de Macau como plataforma na formação de quadros bilingues em chinês e português, enunciado na quinta conferência ministerial da China. Na ocasião, Xu Yingzhen agradeceu à Universidade os colóquios realizados nesta área e a criação do Instituto para a Investigação dos Países de Língua Oficial Portuguesa.

JOGO JUÍZES OBRIGAM DICJ A DIVULGAR LISTA DE JUNKETS DE UM CASINO

Arrancado a ferros

A Direcção de Inspecção e Coordenação de Jogos foi obrigada a emitir, no prazo de dez dias, a lista de junkets ligados a uma concessionária ao advogado de uma outra operadora de jogo. O advogado necessitava dos dados para dar abertura a um processo, mas o organismo dirigido por Paulo Martins Chan nunca deu uma resposta

O

Tribunal de Segunda Instância (TSI) obrigou a Direcção de Inspecção e Coordenação de Jogos (DICJ) a divulgar, junto de um casino, a lista de promotores de jogo ligada a uma outra concessionária. De acordo com o acórdão ontem divulgado, os juízes decretaram um prazo de dez dias para a DICJ enviar a lista. Tudo começou quando o advogado da concessionária pediu à DICJ a referida lista, que contém “informação sobre todos os promotores de jogo, pessoas singulares ou colectivas, registados junto duma companhia concessionária de jogo (designada por B), de modo a pre-

parar uma acção judicial a instaurar eventualmente em Tribunal”. Como não obteve resposta, o advogado da concessionária decidiu levar o caso a tribunal, tendo o Tribunal Administrativo, em Dezembro do ano passado, proferido a sentença a favor da entrega dos dados pedidos. Os juízes do TSI consideraram que, ao abrigo do Estatuto dos

Advogados, “no exercício da sua profissão, o causídico pode solicitar em qualquer tribunal, ou repartição pública, o exame de processos, livros ou documentos que não tenham carácter reservado ou secreto, bem como requerer verbalmente, ou por escrito, a passagem de certidões, sem necessidade de exibir procuração”.

“No exercício da sua profissão, o advogado pode solicitar em qualquer tribunal ou repartição pública o exame de processos, livros ou documentos que não tenham carácter reservado ou secreto.” ACÓRDÃO DO TRIBUNAL DE SEGUNDA INSTÂNCIA

Além disso, “o recorrente requereu junto da DICJ apenas uma lista dos promotores de jogo registados e não informação específica sobre o modo como os promotores estavam a exercer a sua actividade ou as relações especiais estabelecidas entre eles e a concessionária, nem sobre a situação dos lucros e perdas verificados na sua exploração”.

INFORMAÇÃO ACESSÍVEL

Os juízes da Segunda Instância consideraram ainda que a lista pedida pelo advogado “não pôde revelar a quota de mercado real ou pôr em causa o volume efectivo de mercado da B [concessionária], nem pôde afectar a valorização em bolsa das acções da B em termos de lesarem gravemente os seus interesses económicos”. Desta forma, “a lista de todos os promotores de jogo registados junto de companhia concessionária de jogo não constitui matéria reservada ou secreta, e as informações requeridas pelo recorrente junto da Administração não têm a ver com a vida interna da empresa, as informações financeiras, as estratégias empresariais ou comerciais, a lista completa dos seus clientes. Daí que a divulgação da lista dos promotores de jogo não consubstancie violação do segredo comercial.” Andreia Sofia Silva

andreia.silva@hojemacau.com.mo


8 eventos

29.5.2018 terça-feira

INSTITUTO CULTURAL EXECUTIVO PROMOVE DIVULGAÇÃO DO PATRIMÓNIO INTANGÍVEL

O

S próximos dias 9 e 10 de Junho vão ser assinalados com um programa de divulgação do património intangível de Macau. “Dia do Património Cultural e Natural da China” é a iniciativa promovida pelo Instituto Cultural (IC) que vai ter lugar na Casa do Mandarim e no Largo do Lilau, com o objectivo de “promover um ambiente propício à salvaguarda do património, bem como de elevar o conhecimento do público sobre os itens do património cultural intangível local”, refere o comunicado oficial. De acordo com a organização, o evento apresenta um leque variado de actividades, incluindo cabines de jogos, exposições, palestras temáticas, workshops e actuações

apresentadas por diversas organizações. No cartaz do evento destaca-se a Ópera Cantonense, Dança do Dragão Embriagado, Naamyam Cantonense (canções narrativas), música ritual taoista, entre outros. Serão ainda organizadas palestras, sendo que a organização destaca a conversa “Panorama do Património Cultural Intangível de Macau”, a cargo do professor associado do Centro de Estudos das Culturas Sino-Ocidentais do Instituto Politécnico de Macau, Lam Fat Iam. “Crenças e Costumes de Na Tcha”, é o momento que vai contar com a participação de Chiang Kun Kuong e Ip Tat. O bambu também vai ser abordado com o workshop “Arte dos Andaimes de Bambu”.

Os primeiros p ARQUITECTURA EXPOSIÇÃO DOS ALUNOS DA USJ É INAUGURADA AMANHÃ

A “USJ Architecture Program Exhibition”, exposição que reúne o arquitectura da Universidade de São José, vai ser inaugurada aman tiva realiza-se anualmente e pretende mostrar algumas ideias dos

IIM Exposição de caligrafia chinesa em Aveiro

A exposição de caligrafia chinesa intitulada “Um Janus Cultural: A Complexidade de Macau em exibição caligráfica” foi inaugurada no passado dia 18 no Museu de Santa Joana de Aveiro. A iniciativa é do Instituto Internacional de Macau (IIM). De acordo com um comunicado, “as obras expostas versam sobre temas de Macau, poemas ou escritos antigos sobre a cidade que o artista fez bem em evocar, especialmente poemas e comentários de letrados chineses sobre a coexistência pacífica entre as comunidades e sobre o modo de vida de macaenses”. O evento foi co-organizado com a Fundação Jorge Álvares e o Instituto Milénio de Macau, uma instituição de ensino superior privada.

À

semelhança de anos anteriores, e chegado o final das aulas, a Creative Macau recebe os projectos de fim de curso dos alunos do último ano de arquitectura da Universidade de São José (USJ). A exposição deste ano, “USJ Architecture Program Exhibition”, é inaugurada amanhã às 18h30. A mostra divide-se em dois momentos expositivos. Num primeiro espaço, vai estar patente ao público uma peça concebida em conjunto. “É um trabalho absolutamente conceptual em que os alunos

À VENDA NA LIVRARIA PORTUGUESA LUÍSA SOBRAL • The Cherry on my Cake

Voz, guitarra, papel e caneta. «The Cherry on my Cake» é o primeiro disco assinado em nome próprio de uma viagem musical que começou logo aos 12 anos. Dos Beatles a Billie Holiday, de Ella Fitzerald a Chet Baker, de Regina Spektor a Bjork, todos cabem no universo de Luísa Sobral. A cantora estudou na Berklee College of Music, em Boston (EUA), e durante a estadia de 4 anos naquela cidade foi nomeada para «Best Jazz Song», no Malibu Music Awards (2008); «Best Jazz Artist» no Hollywood Music Awards; «International Songwirting Competition» (2007) e ainda «The John Lennon Songwriting Competition» (2008).

não propõem nenhum tipo de edifício”, refere a responsável pela Creative Macau, Lúcia Lemos, ao HM. Trata-se de uma obra que tem, por princípio, de ser concebida em bambu, assim tem sido todos os anos. A razão da escolha deste material é óbvia: “No oriente é o bambu que

sustenta o processo de construção e há uma ligação muito forte com este material”, diz Lúcia Lemos. Ao mesmo tempo, os alunos de arquitectura da USJ desenvolvem ao longo do percurso académico uma forte relação com o material e com quem o trabalha, de acordo

“Estamos a falar de pessoas muito jovens que ainda estão a estudar. Fazem o seu trabalho dentro do possível e podemos mesmo dizer que há aqui alguma inovação.” LÚCIA LEMOS RESPONSÁVEL PELA CREATIVE MACAU

com a directora da Creative Macau. Aprodução deste momento expositivo está intimamente relacionada com o desenvolvimento de uma maior ligação ao artesanato, aponta Lúcia Lemos. “A montagem dos andaimes em bambu requer muita técnica e muito trabalho manual, desde a forma como a estrutura vários objectos da arquitectura erefere o comunicado oficial.)IC) trabalho, jtrar o que os futuros arquitecto s de Macau é montada aos modos de junção das canas”, explica. Para ajudar na montagem desta peça, os alunos tiveram

RUA DE S. DOMINGOS 16-18 • TEL: +853 28566442 | 28515915 • FAX: +853 28378014 • MAIL@LIVRARIAPORTUGUESA.NET

PANDA VAI À ESCOLA • O Musical – ao vivo

Um dos personagens mais famosos e queridos pelas crianças está de volta com o DVD “Panda Vai à Escola, O Musical – ao vivo”, um espectáculo onde não faltam temas como “Laranjas e Bananas”, “Olha o Piolho” ou “O Jogo das Cores” e muitos outros sucessos. No espectáculo participa a turminha do Panda, composta por um elenco de jovens cantores, actores e bailarinos que contagiam com a sua alegria, energia e boa disposição, a que aliam uma grande interacção com o público, sempre com o objectivo de ensinar, a brincar.


eventos 9

terça-feira 29.5.2018

passos a ajuda dos mestres que dedicaram a sua vida profissional a trabalhar na construção e com o auxílio dos professores no apoio à concepção “mais intelectual”. “Podemos dizer que é um trabalho da área da arquitectura urbanística, no sentido de que algo pode ser projectado para um espaço público sem ter de possuir uma utilidade prática”, refere a responsável pela associação. A segunda parte da exposição é constituída pelos trabalhos de final de curso dos alunos. Os projectos que vão ser apresentados podem abranger vários objectos da arquitectura com a finalidade de mostrar o que os estudantes, ainda sem experiência no mercado de trabalho, já conseguem idealizar. “Estamos a falar de pessoas muito jovens que ainda estão a estudar. Fazem o seu trabalho dentro do possível e podemos mesmo dizer que há aqui alguma inovação”, descreve Lúcia Lemos.

PARCERIA ÚTIL

A cooperação entre a Creative Macau e a USJ não é uma alian-

ça formalizada através de protocolos, mas isso não impede o desenvolvimento de iniciativas conjuntas. “Faz parte do nosso projecto estarmos a par daquilo que se faz em Macau. Desde há muito tempo que temos esta iniciativa com os alunos de arquitectura e de design de comunicação”, aponta. Para Lúcia Lemos, esta colaboração “faz todo o sentido”, até porque “é uma forma de trazer estes trabalhos para o público em geral”. Mas o que surpreende a responsável pela Creative Macau é a forte adesão por parte de estudantes do ensino secundário. “Estas exposições têm muitos visitantes, mesmo de alunos das escolas secundárias”, refere. Na opinião de Lúcia Lemos, esta adesão pode ser explicada pelo facto deste tipo de iniciativas poderem ajudar os estudantes que se encontram numa fase de escolha de carreira. Sofia Margarida Mota

Sofia.mota@hojemacau.com.mo

O

Departamento de Arquitectura da Universidade de São José participou na Bienal de Arquitectura de Veneza 2018, entre 26 a 28 de Maio, com “URBAN CATALYST: SHAPING THE FUTURE OF MEDINI CITY”. O projecto foi desenvolvido pelo estúdio de design urbano da universidade liderado por Nuno Soares. Este projecto estará integrado no Programa de TIAGO ALCÂNTARA

os trabalhos finais dos alunos de nhã na Creative Macau. A iniciafuturos arquitectos de Macau

ARQUITECTURA USJ PRESENTE NA BIENAL DE VENEZA Sessões da Bienal de ISKANDAR PUTERI 100YC, como uma proposta conceptual ao desafio de design global apresentado às principais escolas internacionais de Arquitectura. “URBAN CATALYST: SHAPING THE FUTURE OF MEDINI CITY” oferece formas arquitectónicas e urbanas originais para a nova Cidade de Medini, o futuro Distrito Comercial Empresarial de

Iskandar Puteri, concebido a partir da sua estrutura essencial, e visando criar um plano director alternativo como ponto de partida para esta nova comunidade urbana nos próximos 100 anos. O Iskandar Puteri 100YC (100 Year Cities) é uma colaboração global de investigação liderada pela RMIT (Instituto Real de Tecnologia de Melbourne) e pela Nextdor Property Com-

munications Sdn Bhd. O seu principal objectivo é promover o pensamento multidisciplinar e a colaboração como as principais qualificações para a inovação futura, reunindo os visionários de hoje e as escolas de arquitectura internacionais mais progressistas do mundo em busca de futuros optimistas e ideais originais para as cidades, refere o comunicado oficial.


10 china

29.5.2018 terça-feira

DIPLOMACIA PRESIDENTE IRANIANO REÚNE COM XI E PUTIN EM JUNHO

Os ombros amigos

Com a crescente pressão norte-americana sobre Teerão, depois de Donald Trump rasgar o acordo nuclear assinado pelo antecessor Barak Obama, as autoridades iranianas recorrem aos seus velhos aliados em busca de apoio. Como tal, a China acolherá um encontro entre Rohani, Putin e Xi Jinping

O

Presidente iraniano, Hassan Rohani, vai participar num encontro com os seus homólogos chinês e russo em Junho na China numa tentativa de salvar o acordo nuclear, ameaçado recentemente pela retirada dos EUA, foi ontem anunciado

tem estatuto de Estado observador. O ministro chinês não disse se o acordo nuclear com o Irão estará na agenda do encontro.

À ESPERA DE BRUXELAS

A UE, a China e a Rússia querem que o Irão permaneça no acordo. No entanto, Teerão disse esperar acções concretas dos europeus para decidir se o acordo pode ser salvo.

O Presidente iraniano, Hassan Rohani, vai participar num encontro com os seus homólogos chinês e russo em Junho na China numa tentativa de salvar o acordo nuclear, ameaçado recentemente pela retirada dos EUA

em Pequim. "O Presidente Rohani vai reunir-se com o homólogo chinês Xi Jinping à margem da cimeira de Chefes de Estado da Organização de Cooperação de Xangai (SCO) a 9 e 10 de Junho em Qingdao", disse o ministro das Relações Exteriores da China Wang Yi. “O presidente russo,

Vladimir Putin, também estará presente na cimeira”, disse Wang. A Organização de Cooperação de Xangai (SCO) é uma organização regional intergovernamental que reúne oito países, incluindo as antigas repúblicas soviéticas da Ásia Central, Rússia, China e Índia. O Irão

O acordo foi concluído em Julho de 2015 entre o Irão e o grupo 5+1 (os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU – EUA, Rússia, China, França e Reino Unido –, mais a Alemanha) e visa, em troca de um levantamento progressivo das sanções internacionais, assegurar que o Irão não desenvolva armas nucleares. O Presidente norte-americano, Donald Trump, anunciou a 8 de Maio a retirada dos Estados Unidos do acordo de 2015 sobre o programa nuclear iraniano, destinado a impedir a República Islâmica de se dotar de armas nucleares, por considera-lo demasiado brando.

MAR DO SUL DA CHINA PEQUIM CRITICA ENTRADA DE NAVIOS DOS ESTADOS UNIDOS

O

Governo chinês mostrou "grande insatisfação" e "firme oposição" perante a entrada de navios de guerra norte-americanos

em águas territoriais das ilhas Paracel (Xisha, para os chineses), no mar do Sul da China. "A China apela aos Estados Unidos para

que interrompam imediatamente este tipo de operações provocadoras que violam a soberania da China e ameaçam a sua segurança", PUB

AVISO COBRANÇA DA CONTRIBUIÇÃO ESPECIAL 1. Faço saber que, o prazo de concessão por arrendamento dos terrenos da RAEM abaixo indicados, chegou ao seu término, e, que de acordo com o artigo 53.º da Lei n.º 10/2013 <<Lei de Terras>>, de 2 de Setembro, conjugado com os artigos 2.º e 4.º da Portaria n.º 219/93/M, de 2 de Agosto, foi o mesmo automaticamente renovado por um período de dez anos a contar da data do seu termo, pelo que devem os interessados proceder ao pagamento da contribuição especial liquidada pela Direcção dos Serviços de Solos, Obras Públicas e Transportes. Localização dos terrenos: - Praça de D. Afonso Henriques, n.º 97, em Macau; - Avenida do Dr. Rodrigo Rodrigues, n.ºs 544 a 568, Alameda Dr. Carlos D`Assumpção, n.ºs 720 a 762 e Rua de Kunming, n.ºs 3 a 29, em Macau, (Edifício Avenida). 2. Agradece-se aos contribuintes que, no prazo de 30 dias subsequentes à data da notificação, se dirijam à Recebedoria destes serviços, situado no rés-do-chão do Edifício “Finanças”, ao Centro de Serviços da RAEM, ou, ao Centro de Atendimento Taipa, para os efeitos do respectivo pagamento. 3. Na falta de pagamento da contribuição no prazo estipulado, procede-se à cobrança coerciva da dívida, de acordo com o disposto no artigo 6.º da Portaria acima mencionada. Aos, 26 de Abril de 2018. O Director dos Serviços de Finanças, Iong Kong Leong

afirmou Lu Kang, porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, num comunicado difundido no domingo à noite. O Ministério afirmou que os navios entraram em águas territoriais da China sem a autorização de Pequim, pelo que as autoridades chinesas expulsaram as embarcações. As ilhas Paracel, cuja soberania é reclamada também pelo Vietname e por Taiwan, são "território inerente" da China desde 1996, afirmou Lu. O porta-voz afirmou que a China tomará todas as medidas necessárias para defender a sua soberania e segurança nacional. "Os EUA enviaram uma vez mais navios para entrar em águas territoriais da China, nas ilhas Paracel, sem

autorização, o que viola a lei chinesa e também importantes leis internacionais", afirmou. Pequim reclama a quase totalidade do mar do Sul da China, apesar dos protestos dos países vizinhos.

Sismo Abalo de magnitude 5,1 registado no nordeste da China

Um sismo de magnitude 5,1 na escala de Richter atingiu ontem o nordeste da China, segundo o Serviço Geológico norte-americano, desconhecendo-se, até agora, se causou vítimas ou danos materiais. O abalo ocorreu às 01h50 perto da cidade de Songyuan, na província de Jilin, a uma profundidade de 10 quilómetros. De acordo com relatos de órgãos de comunicação, equipas de resgate chegaram a responder aos tremores, que obrigaram à retirada de alguns moradores. A agência de notícias oficial Xinhua dá conta de que o fornecimento de energia não foi afectado, embora algumas comunicações móveis tenham sido interrompidas. Um sismo no nordeste da China, em 1976, matou pelo menos 250 mil pessoas.

Região Música Grupo sul-coreano chega ao topo de vendas nos Estados Unidos

O grupo de pop sul-coreano BTS, formado por sete adolescentes, tornou-se o primeiro do género a alcançar o topo de vendas nos Estados Unidos, com o último álbum a vender mais de 130.000 cópias. De acordo com a Billboard, revista norte-americana que lista semanalmente os 200 álbuns mais vendidos no país, o fenómeno sul-coreano foi também o primeiro de língua estrangeira a atingir, em 12 anos, o topo da tabela. Conhecidos pelas exuberantes coreografias, os sete jovens ilustram a popularidade do género conhecido como K-Pop, que nasceu na Coreia do Sul, mas tem angariado fãs em todo o mundo. Segundo analistas, o grupo BTS foi o fenómeno mais falado na rede Twitter em 2017, com o dobro de menções na rede social do que o Presidente norte-americano, Donald Trump, e o cantor pop canadiano Justin Bieber, juntos. O álbum “Love Yourself: Tear” destronou assim o “Beerpong and Bentleys”, dos Post Malone.


desporto 11

terça-feira 29.5.2018

O Circuito Internacional de Zhuhai foi palco da primeira jornada dupla das duas categoria que compõem o Campeonato de Carros de Turismo de Macau (MTCS, na sigla inglesa). Em disputa estão as trinta e seis vagas para a Taça de Carros de Turismo de Macau do 65º Grande Prémio de Macau

AUTOMOBILISMO PRIMEIRO “FESTIVAL DE CORRIDAS DE MACAU” DE 2018 EM ZHUHAI

Quatro corridas, quatro vencedores

A classe “AAMC Challenge 1.6 Turbo” reuniu vinte e sete participantes, menos três que o ano passado, e neste primeiro confronto os representantes da região vizinha foram claramente mais forte. Apenas Hélder Assunção foi capaz de travar o ímpeto dos poucos mas fortes concorrentes de Hong Kong

F

OI com muito calor, dentro e fora da pista, amenizado por uma chuva perturbadora no domingo, que se disputou, no fim-de-semana, o primeiro “Festival de Corridas de Macau” de 2018. A competição organizada pela Associação Geral de Automóvel de Macau-China (AAMC) que este ano está novamente dividida em duas classes - “AAMC Challenge 1.6 Turbo” e “AAMC Challenge 1950cc ou Superior” (anteriormente designada como Roadsport Challenge) – teve quatro corridas e quatro vencedores diferentes. Para os pilotos macaenses, este primeiro embate da temporada teve sensações mistas, mas praticamente todos os nomes portugueses em pista deram passos importantes rumo a um lugar na grelha de partida do grande evento do mês de Novembro. Dois terminaram mesmo em lugares do pódio.

DOMÍNIO DE HONG KONG

A classe “AAMC Challenge 1.6 Turbo” reuniu vinte e sete participantes, menos três que o ano passado, e neste primeiro confronto os representantes da região vizinha foram claramente

pal protagonista, dando uma vantagem mais clara aos carros com tracção total sob os duas rodas motrizes, Ng Kin Veng (Mitsubishi Evo9) destacou-se na qualificação matinal, mas, nas 12 voltas de corrida, Leong Ian Veng (Mitsubishi Evo9) impôs-se sobre Wong Wan Long e Veng. Delfim Mendonça Choi arrancou do terceiro lugar, mas acabaria por cair das posições do pódio, cortando mesmo assim a linha de meta num positivo quarto lugar. No que respeita aos pilotos macaenses, o experiente Jo Merszei (Mitsubishi Evo9) conseguiu um 13º e um 16º lugares , ao passo que Luciano Lameiras (Mitsubishi Evo9) ficou em branco em ambas as corridas, complicando as contas do apuramento. Os pilotos e máquinas terão agora um interregno de um mês para recuperar energias e preparar o segundo e decisivo Festival de Corridas de Macau, agendado para o fim-de-semana de 30 de Junho e 1 de Julho.

mais forte. Apenas Hélder Assunção foi capaz de travar o ímpeto dos poucos mas fortes concorrentes de Hong Kong. Na primeira corrida, no tarde de sábado, três Peugeot RCZ da Suncity Racing Team monopolizaram as três posições do pódio, com Paul Poon a ver a bandeira de xadrez à frente dos colegas de equipa Alex Fung e Andrew Lo. Ao terminar no quarto lugar, Ip Tak Meng (Ford Fiesta ST), naquele que foi o seu melhor resultado no MTCS até hoje, acabou por ser o melhor classificado dos pilotos da RAEM. Jerónimo Badaraco (Chevrolet Cruze), vencedor da classe

na Taça CTM na edição passada, foi o 6º classicado, ao passo que o seu companheiro de equipa Filipe Souza, que se tinha qualificado na segunda posição, foi apenas o 8º classificado, tendo-se atrasado devido a um problema no turbo do seu Chevrolet Cruze. Com a chegada da chuva, no domingo, a vantagem dos Peugeot RCZ da Suncity Racing Team deixou de ser tão evidente, mas se Alex Fung conquistou a sua primeira vitória no MTCS, desta vez a cerimónia do pódio teve um intruso. Assunção, cujo o Ford Fiesta ST tinha terminado no 9º lugar na primeira corrida do fim-de-semana,

foi o segundo classificado a apenas meio segundo do vencedor. Paul Poon completou o pódio. Badaraco e Souza foram quinto e sexto, respectivamente, com este ultimo novamente a braços com problemas no turbo do seu carro. Fora do top-10 em ambas as corridas ficaram Eurico de Jesus (Ford Fiesta ST), que somou um 11º e um 14º lugar, e Célio Alves Dias (MINI Cooper S) que ficou 13º e 11º lugar. Rui Valente, que este ano celebra trinta anos de carreira, teve um fim-de-semana difícil. O colector do escape do MINI Cooper S estalou e estragou a corrida de sábado do piloto português. Depois de uma noitada a reparar a viatura, Valente regressou no domingo para terminar no 17º lugar, o que o obrigará a um esforço suplementar nas duas corridas que faltam para conseguir o apuramento.

“PRATA DA CASA” IMPÕE-SE

Na mais numerosa categoria “AAMC Challenge 1950cc ou Superior”, onde cinquenta concorrentes lutam por apenas dezoito vagas, o pelotão teve, a exemplo do ano transacto, que ser dividido em dois nas sessões de qualificação, onde só os mais rápidos tiveram acesso às corridas. Os pilotos de Macau dominaram. No sábado, numa corrida realizada sob temperaturas nada simpáticas para as viaturas de preparação local, os pilotos de Macau chamaram a si todas as

posições do pódio, com o veterano Wong Wan Long (Mitsubishi Evo10) a levar a melhor sobre o surpreendente Delfim Mendonça Choi (Mitsubishi Evo7) e Chan Chi Ha (Mitsubishi Evo8). No domingo, com a chuva a tomar o papel de princi-

Sérgio Fonseca

info@hojemacau.com.mo

PUB HM • 1ª VEZ • 29-5-18

ANÚNCIO Acção Ordinária n.º

CV2-18-0031-CAO

2º Juízo Cível

AUTORES: 1. ÁLVARO DOS SANTOS RODRIGUES, solteiro, maior, de nacionalidade portuguesa, residente na Rua de Seng Tou, n.º 493, Edf. Nova Taipa Garden, Bloco 29, 21º andar B, Taipa, Macau; e 2. GRAZIELA NAHIL FIGUEIREDO, solteira, maior, de naciona lidade Guineense, residente na Rua de Seng Tou, n.º 493, Edf. Nova Taipa Garden, Bloco 29, 21º andar B, Taipa, Macau. RÉUS: INTERESSADOS INCERTOS (不確定的利害關係人). *** Correm éditos de trinta (30) dias, a contar da segunda e última publicação do anúncio, citando os réus, para no prazo de trinta (30) dias, decorrido que seja o dos éditos, contestarem, querendo, o pedido formulado pela Autora nos autos acima identificados, que resumidamente consiste em que; Deve a presente acção ser julgada procedente por provada e, em consequência, ser proferida douta sentença que reconheça que os ora Requerentes vivem em união de facto há mais de 7 anos. Conforme tudo melhor consta do duplicado da petição inicial que neste 2.º Juízo Cível se encontra à sua disposição e que poderá ser levantada nesta secretaria nas horas normais de expediente, de que a falta da contestação, não implica o reconhecimento dos factos articulados pela Autora e ainda que é obrigatória a constituição de advogado (nos termos do art.º 74.º do C.P.C.M.). Macau, em 23 de Maio de 2018. ***


12

h

29.5.2018 terça-feira

Afinal, a melhor maneira de viajar é sentir máquina Lírica Paulo José Miranda

H

OJE vamos viajar por um livro muito especial. Um livro que parte de um personagem de cinema para levantar voo numas reflexão e diversão acerca do nosso contemporâneo, com os pólos no cinema em geral e João César Monteiro em particular, e arte e literatura em geral e Fernando Pessoa em particular. É assim como que um livro que vai ao cinema, com toda a confluência de artes que o cinema tem. E antes de entrarmos neste texto de António Cabrita, talvez até em todos os outros que ele escreveu, convém não trazer consigo a realidade. Deixemo-la à porta. Mas se a realidade não é para aqui chamada, também não é menos verdade que ela pode ver-se reflectida aqui. Não que o texto seja ou não um reflexo da realidade, mas que esta pode ver-se reflectida nele, se tentar espreitar. Assim, e para ser conforme a António Cabrita, que é prolixo de intertextualidades, diria mesmo que é um mestre nas intertextualidades, pois não usa outros textos para se mostrar, mas para mostrar o que está a fazer, também eu vou tentar aproximar-me de outros textos para melhor mostrar aquele que estou aqui a fazer. No seu célebre livro, Ou-Ou. Um Fragmento de Vida, a um dado momento Kierkegaard debate-se com uma tentativa de nos mostrar que o Don Juan de Mozart é a obra das obras, o clássico dos clássicos. Depois de várias páginas, reconhece que não pode apresentar prova e escreve: “Contudo, desisto de toda esta investigação. Está escrita apenas para apaixonados. E tal como uma criança com pouco se alegra, também assim acontece, como é sabido, que uma coisa amiúde muitíssimo estranha pode alegrar os apaixonados. É como uma calorosa disputa de amor sobre coisa nenhuma, e não deixa, contudo, de ter o seu valor – para os amantes.” (p. 94) Sem dúvida, também nós ao falarmos acerca deste texto de Cabrita, deparamo-nos com o mesmo paradoxo dos amantes: o mínimo gesto tem um valor absoluto, mas ninguém repara nele sem estar apaixonado. Um pouco mais adiante, Kierkegaard escreve aquilo que dará, agora sim, entrada à nossa leitura deste livro de António Cabrita: “Qualquer leitor que ache que brincar é uma maçada, não é obviamente cá dos meus, não lhe atribui qualquer significado e, contudo, aplica-se aqui como em toda a

parte: as crianças parecidas brincam melhor.” (p. 95) Ora para Cabrita, brincar é tudo menos uma maçada. Podemos até ir mais longe e dizer que, para o autor, brincar é a verdadeira dimensão do humano. O humano aprende para poder brincar melhor. Mais: tudo no humano tem como finalidade um brincar melhor. Todo o esforço humano vai nesse sentido, mesmo que ele não se dê conta disso. Porque a brincar, o humano não só se descobre a si mesmo, como também se melhora a si mesmo. E não foi Fernando Pessoa quem melhor nos ensinou isto? Não é o jogo da heteronímia pessoana um enorme jogo que ele construiu para poder brincar melhor, para poder ser melhor, inventando outras crianças com quem brincar, porque as “crianças parecidas brincam melhor”? Pois e a verdade é que a raiz literária de Cabrita é Pessoa, ou pelo menos uma das raízes. E isto podemo-lo ver bem neste livro. Reparemos nisto: João César Monteiro faz de João de Deus um heterónimo seu – embora lhe chamem alter-ego – e Cabrita faz dos dois e dele mesmo heterónimos de si mesmo. Sim, porque em Cabrita – se não em todos nós – a memória é sempre heteronímica. Em Cabrita, tudo vale a pena se a brincadeira não for pequena. “Eu, João de Deus, um dos homens mais espertos da minha pessoa, estava entregue à paródia (...)” (p. 63) O jogo de Cabrita com Pessoa – crianças parecidas brincam melhor – começa logo no início e percorre o livro todo. Aliás, A Paixão de João de Deus começa com alguém a tocar realejo e a recitar o poema “Tabacaria”, de Fernando Pessoa. Mas leia-se, literalmente, como se inicia o livro: “Numa amolecida manhã de domingo de 2004, de malas já aviadas para o Báltico, flanava pela Baixa. Despedia-me dos lugares e murmúrios de meia vida; esquecido de ser lince, diluído no branco imponderável do Verão; sonâmbulo, sem pressa ou rumo. Desperta-me, algures, a repetida ladainha de um

realejo. O Anacronismo levou-me até à esquina da Rua da Prata com a dos Retroseiros. Aí, um homem magro, meio encurvado, narigudo, de óculos escuros e rosto bexigoso, dava à manivela num realejo velho poisado sobre uma caixa de electricidade, ao mesmo tempo que, quase em surdina, recitava algo. Apurei o ouvido: era a Tabacaria, de Pessoa.” Daqui até cairmos num anúncio de jornal para tentar encontrar a rapariga suja que comia chocolates na “Tabacaria” de Pessoa, é uma estação de metro. O livro convida-nos a aceitar tratar-se de uma entrevista, ou do que resultou dela, a um personagem chamado João de Deus. E a primeira frase que este personagem diz, ainda antes do livro começar, ainda quando entrevistador e entrevistado estão em negociações, é uma citação de Fernando Pessoa: “Morrer é não ser visto.” Por conseguinte, a partir daqui, se aceitarmos brincar, vamos entrar num escorrega quase infinito pela contemporaneidade e as suas incongruências. O narrador a partir daqui é João de Deus / João César Monteiro / António Cabrita / Memórias de António Cabrita / Sombra Fantasmática de Fernando Pessoa. E a técnica preferencialmente utilizada é a da aglutinação frásica de mundos completamente distintos, que exige do leitor conhecimentos prévios vários, do mesmo modo que quando se vai brincar às Escondidas ou ao Amocha (Cá vai alho!) ou à Cabra Cega tem de se saber as regras do jogo. Aqui a regra é ter estado exposto à intempérie cultural do século XX, como por exemplo na cena entre o narrador e uma loura, ao balcão de uma tasca, em que ele, de modo a impressioná-la, vai antecipando as cenas do filme que passa na televisão, The Maltese Falcon (Relíquia Macabra, em Portugal, e O Falcão de Malta, no Brasil, que é como aparece no livro do Cabrita). Como é sabido, é um filme icónico de John Huston, com o Humphrey Bogart e a Laureen Bacall, que ainda não eram um casal, mas passaram a ser, du-

No fundo, aquilo que perpassa por todo este livro de Cabrita é que o nosso ponto de vista existencial é hermenêutico, isto é, tudo chega até nós pela interpretação que fazemos

rante anos e anos, até à morte de Bogart. E a célebre frase do filme, dita por Bacall, aparece escrita no livro: “Já sabes, se precisares de alguma coisa é só assobiares... sabes como se assobia? Põe-se assim os lábios e sopra-se...” O leitor não precisa de ter visto o filme, mas ganha em tê-lo visto, evidentemente. Assim como em relação ao compositor Robert Gerhard, bem menos conhecido do que o filme atrás mencionado. Ou em relação aos inúmeros livros, autores, quadros (estou a lembrar-me, por exemplo, da Ofélia, de John Everett Millais). Poder-se-á objectar com a célebre tautologia de que não é um livro para todos? É evidente que não! Mas quem é que quer escrever um livro para todos? Somente um deste dois: ou Deus ou um imbecil. Por outro lado, e de um modo mais modesto, poder-se-ia ainda perguntar se todas estas intertextualidades são necessárias. Mas então, para sermos honestos connosco e com a escrita, devemos também perguntar se o que um homem vive é necessário à escrita da sua biografia. Ora, o personagem de Cabrita viveu o século XX até ao tutano do que lhe foi possível – e é sabido que o tutano do século XX tem muitos outros séculos –, espremeu os limões do cinema, da literatura, da pintura e da música como pôde. E a vida dele não é possível de ser contada apartada disso. Um homem não é apenas aquilo que come e que bebe, é também aquilo que lê e que ouve. E cá temos outra vez o fantasma de Pessoa. Não percamos mais tempo com tautologias e adiantemos um exemplo daquele que é o recurso maior e mais característico da escrita de Cabrita: “Falta à miniatura japonesa a gordura que faz da picanha um menu e que entreabre o barroco ao infinito.” Ainda que esta frase nos chegue aqui fora de contexto, e independentemente de estar certa ou errada – como se houvesse certo ou errado numa brincadeira, a não ser tentar prolongá-la até ao infinito, até que nunca se volte a cair na hora da sesta –, veja-se os três mundos que nos abre: Haiku (a miniatura japonesa a que o autor se refere é essa forma poética); a gordura da picanha; barroco e infinito. Ou seja, passamos da arte à sensualidade da mesa e desta à estética (enquanto reflexão sobre a arte) e à filosofia. Uma só frase dá de comer a muita gente. É um festim. Fosse eu outro, e diria que é uma frase extremamente sinestésica. Uma frase cheia de sinestesia, que nos des-

SOFIA MARGARIDA MOTA

A vida vai ao cinema e o António Cabrita também


ARTES, LETRAS E IDEIAS 13

terça-feira 29.5.2018

perta todos os cinco sentido que temos, e mais alguns. Mas reparemos melhor nesta técnica, que não é “apenas” a junção de quatro realidades distintas (haiku, picanha, barroco e infinito). Para além da metáfora, que veste esta frase, cada um dos elementos deste quarteto aparecem ainda com os ornamentos da metonímia e da sinédoque. Por exemplo, o haiku, que nos mostra não apenas a si mesmo, mas também o bonsai e por arrasto todo o Japão; ou a gordura da picanha que nos leva para a América do Sul e para um churrasco, o calor das brasas e o barulho da gordura sobre o fogo; ou o Barroco, que nos leva para o passado e para a exuberância do detalhe, viagem que nos é imediatamente contrariada

com a ideia de infinito, que aparece como que em forma de antítese. Assim, e numa mesma frase, pequena, vamos do Japão ao infinito, passando pela picanha, com uma pequena paragem na América do Sul e no barroco. E julgo que estamos aqui diante do que podemos chamar de tipicamente cabritiano: uma sinestesia metafísica. Ou, de um outro modo, muito mais cabritiano: o mundo de calções a cavalo numa trotineta, a descer para a praia com o Louvre, Hollywood e um quarteto de cordas no bolso, e a mascar pastilha elástica Gorila. Diz o narrador para a loiraça, sentado ao balcão da tasca: “O cinema é a vida e a vida sabe-se de cor.” Se antes nos aproximámos daquilo que é a arte de Cabrita, agora apro-

ximamo-nos do que é o Leitmotiv deste livro. Do mesmo modo que podemos dizer que ler não é apenas ler, ler é viver, pois cada um de nós lê com o que põe na sua leitura, quer seja leituras anteriores, quer seja amores perdidos, braços partidos ou um filho morto, também o cinema não é apenas o que se vê, naquele momento em que se abrem as imagens diante dos olhos. No fundo, aquilo que perpassa por todo este livro de Cabrita é que o nosso ponto de vista existencial é hermenêutico, isto é, tudo chega até nós pela interpretação que fazemos. E tanto faz que seja através de um filme, como através de um livro, ou de um quadro, de uma pessoa ou de um grupo de pessoas. Nós estamos sempre a ler, a inter-

pretar, a calcorrear o mundo e nós mesmos com pés de Hermes. O livro é absolutamente estonteante, repleto de episódios, a um mesmo momento divertidos e reflexivos, como o do hotel com o chinês Min Lau e a evocação de Genet, ou os sucessivos episódios de Porto-Sudão, onde se lê esta pequena passagem tão distante da pacata Lisboa: “Nesta vertigem, senti: a vida humana vale menos do que a de um cachorro e senti-me a perder a linguagem.” (p. 77) E, por falar em linguagem, aproveito a deixa para terminar com esta frase enigmática: “Se contar se fundisse com o que aconteceu seria proibitivo pois as retinas dos leitores seriam respigadas de cal viva.”


?

PROBLEMA 24

SOLUÇÃO DO PROBLEMA 23

UM FILME HOJE

29.5.2018 terça-feira

4 5 6 2 BAHT 0.25 YUAN 1.26 8 3 VIDA DE CÃO 1 9 DERROTAS 7

INVEJÁVEIS

9 7 4 6 3 5 2 1 8 1 3 2 4 8 7 5 6 9

S U D O K U

14 19 19 20 20 14 6 4(f)utilidades 8 1 7 2 5 3 9 9 7 32 3 8 1 4 5 6 6 9 5 7 1 38 3 2 5 3 7 8 4 9 1 2 6 6 3 28 2 5 1 4 1 9 7 9 37 3 28 2 6 4 1 59 9 2 1 6 5 3 7 8 4 5 41 4 6 7 6 9 8 3 2 3 1 21 42 4 9 3 5 7 8 4 7 6 2 9 5 3 1 8 7 8 5 4 3 2 6 9 1 4 6 1 8 5 93 79 7 T E M P O P O U C O N U B L A D O 7 M I N 247 M2A X6 3 3 H U M 6 0 - 9 0 % • E U 3 RO 9.38 8 9 5 3 6 1 2 4 7 3 4 1 5 69 26 2 8 7 3 3 97 9 4 12 1 6 5 2 1 3 7 8 4 6 9 5 2 2 6 9 71 87 8 5 3 4 58 25 62 6 9 7 4 1 6 2 4 1 8 9 5 3 2 4 56 75 97 9 8 13 21 2 7 9 54 5 63 6 8 O17 QUE FAZER 8 9 5 3 7 4 6 2 8 35 3 6 1 7 49 24 2 5 15 1 7 3 8 6 2 4 ESTA SEMANA 3 5 4 9 2 6 8 7 1 94 9 86 8 2 3 7 1 5 9 9 8 3 1 4 2 65 6 Hoje PALESTRA “BREASTFEEDING AND CHILD NURTURING TALK: 16 SOLUTIONS THAN CHALLENGES” 21 21 22 22 “MORE Fundação Rui Cunha | 18h30 4 7 8 5 2 6 1 3 9 2 2 5 1 8 39 3 64 7 6 7 7 47 4 3 5 8 2 61 96 CINEMA CHOI 6 2 8 5 | 1SISTERHOOD, 9 4DE TRACY 7 3 4 6 59 5 7 1 8 3 2 5 69 6 34 13 1 8 2 Cinemateca Paixão | 19h30 2 3 6 1 8 9 5 4 7 8 37 3 6 2 6 4 5 9 1 1 8 72 7 9 6 3 45 Amanhã CINEMA ÁFRICA5– DOCUMENTARY – 3 |2SEMANA 4 DE 9 1 8 7FILM 6 1 4 5 23 92 9 7 6 7 8 9 9 17 1 3 5 24 2 8 “CONTRACT” 6 9Rui Cunha 5 8| 18h304 7 2 1 3 6 89 8 1 7 5 2 7 4 2 4 3 6 2 5 9 1 78 47 4 Fundação 1 |8“MACAU 7 – O3PODER6DA IMAGEM 2 9REVISITADO 5 42” 37 3 2 6 4 18 1 5 9 8 8 3 4 62 6 7 9 1 CINEMA Cinemateca Paixão | 19h30 8 6 1 2 3 4 7 9 5 3 2 94 9 8 7 6 7 5 1 5 3 1 7 48 4 65 96 29 CINEMA | FILMES RECOMENDADOS PELO FIRST FESTIVAL 9 5 3 7 1 8 4 6 2 15 1 7 34 23 2 9 8 6 2 2 85 8 6 7 9 4 3 INTERNACIONAL DE CINEMA DE XINING Cinemateca 21h309 5 3 8 1 7 4 Paixão 2 |6 4 6 19 1 2 3 5 7 89 68 6 7 1 5 3 2 4 Quinta-feira DE CINEMA | FILMES RECOMENDADOS PELO IFVA STEPH O CARTOON 18 Paixão | 19h30 23 23 24 24 Cinemateca 5 | 6“CHUVA7PASSAGEIRA” 2 9 1 8 3 4 6 2 74 97 59 5 8 3 8 1 3 9 62 6 85 8 47 4 CINEMA Cinemateca Paixão | 21h30 2 3 9 8 6 4 5 7 1 3 83 8 7 4 2 1 9 5 6 1 1 5 7 4 92 9 8 36 Sexta-feira 4 8 1 5 3 7 9 6 2 9 1 5 8 6 73 7 24 2 46 4 8 7 3 91 59 5 CONCERTO | UMA NOITE COM PIANO na 6 Galeria7| 18h00 62 6 1 5 9 4 9 8 3 7 4 3 5 9 1 2 8 7 91 9 5 8 2 6 3 37 3 9 2 8 1 8 5 4 6 4 34 3 5 9 6 27 2 81 1 5 3 4 8 2 7 9 6 9 2 8 7 1 6 4 5 3 2 68 16 41 4 3 5 9 5 4 8 6 3 27 12 9 1 9 Cineteatro C I N E M A 3 9 5 1 2 8 6 4 7 9 2 4 8 1 6 73 57 1 25 3 2 7 3 7 6 4 9 8 4 4 9 13 1 8 6 2 6 7 5 75 37 3 92 9 4 81 8 7 1 6 9 4 3 2 8 5 68 6 31 73 7 5 4 2 8 4 2 6 7 5 3 1 9 8 7 6 9 5 4 1 32 3

Após as eleições de 2017, em que as listas apoiadas por Chan Meng Kam apenas elegeram dois deputados, o líder da comunidade da Fujian foi apontado, quase de forma unânime, como o grande perdedor. A redução de três para dois deputados parecia apontar nesse sentido. Mas terá sido mesmo esse o caso? Muito dificilmente. Chan Meng Kam é demasiado popular e embora seja pró-Pequim, no dia em que o ex-deputado se chatear e decidir fazer uma manifestação, a RAEM treme. É por isso necessário mantê-lo satisfeito.Apesar de ter perdido um deputado, os últimos tempos têm sido fantásticos do ponto de vista empresarial. E o que interessa mais do que o dinheiro? Quando o empresário quis abrir um casino perto do Gabinete de Ligação, não houve qualquer problema. A DICJ autorizou a instalação de 20 mesas de jogo no local “rapidamente e em força”. O ex-deputado abriu um empreendimento turísticos em Zhuhai? O Governo de Macau foi “rapidamente e em força” ao local cortar as fitas. Em 2011, a Sociedade de Investimento Imobiliário Lun Tát, gerida por Chan Meng Kam, perdeu dois terrenos por falta de aproveitamento? Na semana passada, as concessões foram novamente atribuídas à empresa “rapidamente e em força” e ainda sem concurso público. Nos próximos anos vão ser atribuídas novas licenças de jogo? Vai ser “rapidamente e em força”... Com derrotas destas, Chan Meng Kam vai continuar com muitas razões para sorrir durante os próximos anos e, quem sabe, até pode querer abdicar de mais um deputado... João Santos Filipe

GREEN STREET | LEXI ALEXANDER | 2005

Matt Buckner (Elijah Wood) é um estudante da Universidade de Harvard que acaba expulso, após o seu colega de quarto o ter incriminado pela posse de cocaína. Pago com 10 mil libras por assumir as culpas alheiras, Buckner decide viajar para Inglaterra, onde mora a sua irmã, e acaba por entrar no mundo do hooliganismo e das claques de futebol. Uma história sobre o valor do companheirismo levado ao extremo por um ambiente onde a procura da violência e o combate com o outro é constante. João Santos Filipe SOLO: A STAR WARS STORY SALA 1

SOLO: A STAR WARS STORY [B] Um filme de: Ron Howard Com: Alden Ehrenreich, Woody Harrelson, Emilia Clarke 14.30, 16.45, 19.15, 21.30 SALA 2

THE CRIMES THAT BIND [B] FALADO EM JAPONÊS LEGENDADO EM CHINÊS E INGLÊS Um filme de: Katsuo Fukuazawa Com: Hiroshi Abe, Nanako Matasushima, Junpei Mizobata 14.30, 16.45, 19.00

AVENGERS: INFINITY WAR [B] Um filme de: Anthony Russo, Joe Russo

Com: Robert Downey Jr., Chris Evans, Chris Hemsworth 21.15 SALA 3

I CAN ONLY IMAGINE [B] Um filme de: Jon Erwin & Andrew Erwin Com: Dennis Quaid, J.Michael Finley, Madelline Carroll 14.30, 16.30, 21.45

DESTINY: THE TALE OF KAMAKURA [B] FALADO EM JAPONÊS LEGENDADO EM CHINÊS E INGLÊS Um filme de: Takashi Yamazaki Com: Masato Sakai,Mitsuki Takahata 19.15

www. hojemacau. com.mo

Propriedade Fábrica de Notícias, Lda Director Carlos Morais José Editor João Luz; José C. Mendes Redacção Andreia Sofia Silva; Diana do Mar, João Santos Filipe; Sofia Margarida Mota; Vitor Ng Colaboradores Amélia Vieira; Anabela Canas; António Cabrita; António Castro Caeiro; António Falcão; Gonçalo Lobo Pinheiro; João Paulo Cotrim; José Drummond; José Simões Morais; Manuel Afonso Costa; Michel Reis; Miguel Martins; Paulo José Miranda; Paulo Maia e Carmo; Rui Cascais; Rui Filipe Torres; Sérgio Fonseca; Valério Romão Colunistas António Conceição Júnior; David Chan; Fa Seong; Jorge Morbey; Jorge Rodrigues Simão; Leocardo; Paul Chan Wai Chi; Paula Bicho; Tânia dos Santos Cartoonista Steph Grafismo Paulo Borges, Rómulo Santos Ilustração Rui Rasquinho Agências Lusa; Xinhua Fotografia Hoje Macau; Lusa; GCS; Xinhua Secretária de redacção e Publicidade Madalena da Silva (publicidade@hojemacau.com.mo) Assistente de marketing Vincent Vong Impressão Tipografia Welfare Morada Calçada de Santo Agostinho, n.º 19, Centro Comercial Nam Yue, 6.º andar A, Macau Telefone 28752401 Fax 28752405 e-mail info@hojemacau.com.mo Sítio www.hojemacau.com.mo


opinião 15

terça-feira 29.5.2018

macau visto de hong kong

As imagens interditas do tribunal

N

O dia 23 de Maio, o jornal de Hong Kong “Apple Daily”, publicou uma notícia sobre umas fotografias que tinham sido tiradas em Tribunal, durante o julgamento de pessoas envolvidas nos motins de Mongkok. O juiz, Chan Hing Wai, pediu explicações à “fotógrafa”, ao que a mulher respondeu: “Gosto de tirar fotografias. Se eu quiser, posso tirar uma foto consigo, Sr. Dr. Juiz.” A mulher adiantou que era chinesa, com cartão de identidade de Hong Kong, embora sem residência permanente. Acabou por nunca responder directamente ao juiz. Limitou-se a repetir a pergunta e a afirmar que o Tribunal é um espaço público e que tirar fotografias é uma coisa muito comum. O juiz explicou-lhe imediatamente que tirar fotografias numa sala de audiências não é de todo comum. É alias grave, porque nas fotografias poderão aparecer os rostos dos jurados. O magistrado marcou para as 16h30, do mesmo dia, a audição do caso desta mulher, que ficou imediatamente proibida de sair de Hong Kong. O telemóvel foi-lhe temporariamente confiscado. O juiz informou-a que, se não se apresentasse a horas, seria emitido um mandato. O julgamento decorreu na sexta-feira, mas, na altura, não foi tomada nenhuma decisão. Este caso pode vir a arrastar-se por algum tempo. A Secção 7 da Ordenança de Crimes Sumários Cap. 228, do Código Penal de Kong considera crime tirar fotografias numa sala de audiências, incorrendo o transgressor no pagamento de multa, que poderá ascender a 250 HKD. Não se surpreendam os leitores com este valor tão diminuto, é que a lei data de 1949. Este foi a terceira vez, num espaço de três meses, em que ocorreram episódios desta natureza numa sala de Tribunal. Todos estes episódios sucederam durante os julgamentos de casos relacionados com os motins de Mongkok. Em meados de Fevereiro, na terceira sessão do julgamento dos envolvidos nos motins, um homem do continente, sentado na galeria do público, foi apanhado a fotografar os jurados e a enviar as fotos através do Wechat. No entanto, o oficial de justiça não registou os seus dados e deixou-o sair em liberdade. A juiza, Ms. Pang, afirmou que acreditava que o incidente tinha ocorrido de forma "inadvertida" e que esperava que os jurados não se preocupassem.

DONNA MACDONALD

DAVID CHAN

No início de Março, cinco jurados foram informados, por uma pessoa que estava na galeria, que estariam a ser fotografados. Nessa altura, a polícia deteve de imediato um homem do continente, mas não encontrou nenhuma foto incriminadora, nem sinais de quaisquer fotos apagadas. Em meados de Maio, enquanto o juiz se dirigia ao júri, alguém percebeu que um homem estava a tirar fotografias. A pessoa que deu o alerta, gritou “alguém está a tirar uma foto”. No entanto, os seguranças não conseguiram apanhar logo o culpado. Foi o que bastou para o homem apagar a imagem. Posteriormente foi libertado. Sexta-feira passada, quando foi emitido o veredicto dos envolvidos nos motins de Mongkok, alguém enviou um e-mail anónimo para o Tribunal com a fotografia dos jurados, onde se podia ler "ainda existem muitos ...". O juiz chamou de imediato a polícia e pediu que os jurados abandonassem a sala, escoltados pelos agentes. Nos Tribunais existem diversos avisos, bem visíveis, de proibição de fotografar. No caso Regina v Vincent (fotografia ilegal) CACD 2004, o juiz salientou que os

Tribunais têm de estar atentos a situações de intimidação de jurados e das testemunhas. As fotografias tiradas durante um julgamento podem ser usadas para ameaçar o juiz, os advogados, os jurados, etc. Além disso, é uma forma de identificar as testemunhas, os funcionários do Departamento dos Serviços Correcionais ou os agentes da polícia. É óbvio que tirar fotografias em Tribunal põe em risco o julgamento. Um das razões que leva à proibição de fotografar no Tribunal, é a preservação da solenidade da Lei e o garante de que o jul-

Alguém chegou a enviar algumas destas fotos por email ao juiz. Se estas acções não forem travadas de imediato, não só verá o Tribunal a sua dignidade diminuída, como acabará por haver interferência nos julgamentos

gamento não virá a ser afectado. Como em Hong Kong é actualmente implementado o sistema da Lei Comum, o júri está presente no julgamento. Os jurados precisam de protecção. Recentemente, foram tiradas fotografias em Tribunal por diversas vezes. Alguém chegou a enviar algumas destas fotos por email ao juiz. Se estas acções não forem travadas de imediato, não só verá o Tribunal a sua dignidade diminuída, como acabará por haver interferência nos julgamentos. A abertura dos Tribunais destina-se a permitir que o público possa ter mais informação sobre a aplicação da justiça. No entanto, as pessoas devem respeitar o Tribunal e obedecer à lei. A privacidade dos envolvidos também terá de ser protegida. Interferir nos interrogatórios e subestimar a correcção dos Tribunais só irá afectar Hong Kong. O mesmo princípio é aplicável a todos os Tribunais, em qualquer parte. A protecção de quem está envolvido no processo jurídico é necessária. Se esta garantia não for dada, ninguém vai querer trabalhar nesta área. E se isso vier a acontecer, teremos um mundo sem lei nem ordem.

Professor Associado do IPM • Consultor Jurídico da Associação para a Promoção do Jazz em Macau • legalpublicationsreaders@yahoo.com.hk • http://blog.xuite.net/legalpublications/hkblog


Se tens medo da solidão, não te cases.

Anton Tchekhov

HONG KONG PORTUGUÊS QUE FURTOU TÁXI SAI EM LIBERDADE

ITÁLIA PRESIDENTE CONVIDA COTTARELLI A FORMAR GOVERNO

O

U

M português acusado de cumplicidade no furto de um táxi em Hong Kong, em 17 de Março, foi condenado ontem a 60 dias de prisão e saiu em liberdade por ter cumprido a pena em regime de detenção preventiva. Fonte ligada ao processo revelou que o cidadão português, natural da Póvoa de Varzim, foi igualmente sentenciado ao pagamento de 1.000 dólares de Hong Kong (109 euros). A sentença foi ditada pelo tribunal de pequena criminalidade da região administrativa especial da China e o consulado de Portugal em Macau prestou apoio consular ao português, desde a detenção. O português, de 28 anos, e o sul-africano, de 26, foram detidos pela polícia de Hong Kong nas primeiras horas da madrugada de 17 de Março, depois de o táxi onde seguiam, que furtaram em Sheung Wan, ter embatido contra outra viatura de aluguer. A polícia deteve os dois homens em Connaught Road West e o teste de alcoolemia realizado ao sul-africano foi positivo, com um nível de álcool no sangue acima do limite. O sul-africano foi acusado de condução em estado de embriaguez, apropriação ilegítima de veículo, falta de pagamento e não paragem após o acidente de viação com outro táxi. O português foi indiciado de cumplicidade no furto de veículo, ausência de pagamento do frete e fuga do local do acidente com outra viatura.

Acidente Curto-circuito causa incêndio no Banco Delta Ásia

PUB

Um curto-circuito causou, este domingo, um incêndio num painel do Banco Delta Ásia, situado na Rua do Campo. De acordo com o canal chinês da Rádio Macau, o fogo ocorreu à noite no topo da parede exterior da instituição bancária. O incidente não causou feridos.

terça-feira 29.5.2018

PALAVRA DO DIA

O grande bluff Seul confirma encontro entre Estados Unidos e Coreia do Norte

O

Ministério dos Negócios Estrangeiros sul-coreano afirmou ontem estarem a decorrer conversações entre representantes dos Estados Unidos e da Coreia do Norte, em Panmunjom, na fronteira entre as duas Coreias. A reunião tem o objectivo de preparar a cimeira entre o Presidente norte-americano, Donald Trump, e o líder norte-coreano, Kim Jong-un. Para além da localização, o Ministério sul-coreano não forneceu mais detalhes sobre as conversações, de acordo com a nota enviada à imprensa. No domingo, o Presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, disse que Washington e Pyongyang iam começar em breve conversações ao mais alto nível para acertar agendas e outros preparativos para a cimeira, prevista a 12 de Junho, em Singapura. Na passada quinta-feira, Trump

tinha anunciado não estarem reunidas as condições para a concretização da histórica cimeira, mas em menos de 24 horas admitiu a realização do encontro. Também este domingo, Donald Trump informou que uma equipa dos norte-americana estava na Coreia do Norte a negociar com representantes norte-coreanos a cimeira entre os dois líderes. Através da rede social Twitter, Trump sublinhou que a Coreia do Norte “tem um brilhante potencial e que será um dia uma nação de grande pujança económica e financeira”. O Departamento de Estado norte-americano já informara, no início de domingo, que uma equipa negocial se encontrava em Panmunjom, localidade na zona desmilitarizada e fronteira entre as duas Coreias. No entanto, a confirmação veio do próprio Presidente dos Estados

Unidos, Donald Trump, que corroborou que uma delegação norte-americana foi a Pyongyang para preparar a cimeira histórica com o líder norte-coreano, Kim Jong-un. Trump afirmou no Twitter que “a delegação norte-americana chegou à Coreia do Norte para os preparativos da cimeira” de 12 de Junho, em Singapura, cancelada pelo chefe de Estado norte-americano na quinta-feira. “Kim Jong-un estará de acordo comigo. Isso vai acontecer”, escreveu Donald Trump, que, no sábado, tinha afirmado que as negociações sobre a cimeira com o líder norte-coreano estão “a correr bem”. “Há muita gente a trabalhar nisso e está a avançar. Estamos a apontar para 12 de Junho em Singapura e isso não mudou”, afirmou Donald Trump aos jornalistas presentes na recepção ao preso norte-americano libertado pela Venezuela, Joshua Holt.

Presidente italiano, Sergio Mattarella, encarregou ontem Carlo Cottarelli, um antigo responsável do Fundo Monetário Internacional (FMI) de formar um Governo tecnocrata, anunciou a presidência. “O Presidente Mattarella recebeu o doutor Cottarelli e pediu-lhe que formasse um Governo”, anunciou aos jornalistas o secretário-geral da presidência, Ugo Zampetti, à saída de um encontro entre os dois homens. A decisão de Mattarella se reunir com Carlo Cottarelli acontece um dia depois de o Presidente italiano ter recusado assinar a lista de ministros do Governo de coligação entre a Liga Norte e o Movimento 5 Estrelas. Da coligação faz parte Paolo Savona, 81 anos, eurocético e crítico da moeda única, que tinha sido proposto para o cargo de ministro da Economia. Carlo Cotarelli é actualmente director do Observatório das Contas Públicas da Universidade Católica de Milão e foi director do Departamento de Assuntos Fiscais do Fundo Monetário Internacional (FMI). Em 2013, o então chefe do Governo, Enrico Letta, nomeou Cotarelli comissário para a implementação de um plano de redução dos gastos públicos, cargo que manteve até à tomada de posse de Matteo Renzi como primeiro-ministro. Cottarelli é um dos economistas mais críticos das propostas económicas do programa de Governo acordado entre a Liga Norte e o Movimento 5 Estrelas.

Estatística Desemprego manteve-se estável

Entre Fevereiro e Abril de 2018, a taxa de desemprego (1,9 por cento) e a taxa de desemprego dos residentes (2,6 por cento), manteve-se estável. Já a taxa de subemprego (0,5 por cento) desceu 0,1 pontos percentuais, de acordo com dados dos Serviços de Estatística e Censos. No período em análise, a população activa totalizou 388.900 indivíduos e a taxa de actividade foi de 70,5 por cento. A população desempregada era composta por 7.400 indivíduos, menos 100 pessoas, face ao período transacto. O número de desempregados à procura do primeiro emprego representou 5,1 por cento do total da população desempregada, tendo descido 1,7 pontos percentuais. Em comparação com o período de Fevereiro a Abril de 2017, a taxa de actividade e a taxa de desemprego caíram 0,6 e 0,1 pontos percentuais, respectivamente, enquanto que a taxa de subemprego se manteve no mesmo nível.

Hoje Macau 29 MAI 2018 #4060  

N.º 4060 de 29 de MAI de 2018

Hoje Macau 29 MAI 2018 #4060  

N.º 4060 de 29 de MAI de 2018

Advertisement