Page 1

DIRECTOR CARLOS MORAIS JOSÉ

AGÊNCIA COMERCIAL PICO • 28721006

INCÊNDIO NO OCEAN GARDEN

Portugueses em apuros PÁGINA 7

HOJE MACAU

PUB

MOP$10

SEGUNDA-FEIRA 29 DE JANEIRO DE 2018 • ANO XVII • Nº 3982

ESTADOS UNIDOS

WYNN ACUSADO DE ABUSO SEXUAL

ÚLTIMA

A guerra do chá h

VALÉRIO ROMÃO

Negligência OPINIÃO JOÃO LUZ

hojemacau MORTE DE CRIANÇA LEVA 4 MIL ÀS VACINAS. LEI CHIN ION CONTESTADO

SUSANA CHOW DEIXA CCPPC

NOUTRA ONDA PÁGINA 5

FAMÍLIAS MACAENSES

JORGE FORJAZ LANÇA LIVRO NA GULBENKIAN EVENTOS

Saúde gripada A morte de uma menina com gripe parece ter sido a gota de água. Quatro mil acorreram para ser vacinados e o director Lei Chin Ion é cada vez mais contestado. Apesar dos esforços do secretário Alexis Tam, a área da Saúde pública nunca mais se endireita. GRANDE PLANO E PÁGINA 9

WONG KIT CHENG QUER SABER A QUALIDADE DO AR QUATRO VEZES POR DIA | PÁGINA 8

Do oito ao oitenta e além disso


2 grande plano

29.1.2018 segunda-feira

Quando tomou posse como secretário, em 2014, Alexis Tam deu um ano a Lei Chin Ion para melhorar os Serviços de Saúde ou seria afastado do cargo. Quatro anos depois, deputados e médicos asseguram que persistem muitas falhas no serviço público de saúde e que Lei Chin Ion já passou o seu prazo de validade

U

M homem que esperou 30 horas por uma cirurgia no Centro Hospitalar Conde de São Januário (CHCSJ). Uma menina de quatro anos que morreu por complicações advindas de uma pneumonia, depois de ter ido duas vezes às urgências do hospital privado Kiang Wu com gripe. Foram dois casos polémicos numa só semana obrigaram os responsáveis dos Serviços de Saúde (SS) a realizar duas conferências de imprensa. Há quatro anos Alexis Tam tomava posse como secretário para os Assuntos Sociais e Cultura e prometeu revolucionar os serviços que passava a ter sob sua tutela. Um deles era a Saúde, tendo dado o prazo de um ano a Lei Chin Ion para melhorar os SS. Caso contrário... seria demitido. Mas Lei Chin Ion permaneceu no cargo e apenas se verificou a nomeação de um novo director do CHCSJ, Kuok Cheong U. Especia-

SAÚDE

PRAZO DE VALIDADE

listas e deputados com quem o HM falou consideram que, quatro anos depois, Lei Chin Ion continua a não ser a pessoa indicada para estar no cargo de director dos SS. Além de continuarem a existir questões estruturais. “O problema dos SS é um problema de fundo”, começa por dizer o médico Rui Furtado, que actualmente trabalha no sector privado mas que durante muitos anos esteve no serviço público. Mais do que um problema administrativo, é um problema político, considera, e que tem vários tentáculos. A deficiência nos serviços prestados pelo CHCSJ é natural e inevitável dadas as circunstâncias. “Este hospital está dimensionado para 1992, altura em que foi aberto, já foi aumentado nalgumas áreas, mas não chega, até porque já se passaram mais de 20 anos e as coisas não estão dimensionadas para as necessidades”, explica o médico.

QUATRO ANOS DEPOIS PERSISTEM OS PROBLEMAS NO HOSPITAL PÚBLICO

Por outro lado, o argumento utilizado quando se fala em melhoria de serviços, uma das ideias apontadas de imediato pelo Governo, prende-se com o prometido hospital das ilhas. Uma promessa que ainda não viu a luz do dia e que, entretanto, atulha de serviços o hospital público. “Há ainda o problema da construção de um hospital que desde o projecto até estar pronto, em condições normais, pode demorar cerca de dez anos. Neste caso, e tanto quanto sei, já é falado há 10 anos e ainda nem tem um projecto feito”, refere Rui Furtado.

DEPUTADOS PEDEM SAÍDA

O deputado José Pereira Coutinho, que tem marcado uma posição clara quanto ao descontentamento perante a gestão dos SS, aponta o dedo directamente ao director, Lei Chin Ion: “As melhorias que se têm registado no sector da saúde têm sido algumas, mas não são devidas ao


grande plano 3

segunda-feira 29.1.2018

“[O hospital Kiang Wu], quando é para receber subsídios é uma instituição oficial, quando é para tratar doentes, é particular.” RUI FURTADO MÉDICO

“Faltam anestesistas e faltam blocos operatórios. Mesmo que exista mais um bloco operatório não há anestesistas.” FERNANDO GOMES MÉDICO

“Como Lei Chin Ion é protegido do Chefe do Executivo consegue manter-se, apesar das muitas criticas que lhe são dirigidas.” JOSÉ PEREIRA COUTINHO DEPUTADO

director, mas sim ao secretário para os Assuntos Sociais e Cultura, Alexis Tam”, afirma. Para o deputado, “Lei Chin Ion é o entrave para o bom funcionamento dos SS de Macau. Mantenho a minha posição dos últimos dez anos, em que tenho sido bastante crítico quanto a gestão interna do hospital e dos serviços. Tudo o que está a acontecer tem a ver com a falta de uma gestão capaz de conduzir a serviços eficientes e de qualidade e o secretário podia contratar pessoas qualificadas para gerir o funcionamento interno dos serviços hospitalares e da saúde”. As vítimas são os utentes e os trabalhadores num sistema que não tem gestão, considera. “Não é pelos trabalhadores, que estão sempre disponíveis e dentro das suas possibilidades têm uma óptima prestação. Não é por eles que o serviço falha, mas sim por má direcção e gestão interna o que faz com que as barreiras e entraves resultem em serviços sem qualidade para os utentes”, aponta. Ao deputado têm chegado todo o tipo de queixas, tanto de funcionários dos SS como de utentes. “Os funcionários estão sobrecarregados de trabalho. Quando um director diz que um hospital deve funcionar como se fosse dois dá uma sobrecarga de trabalho a todo o pessoal, desde enfermeiros a médicos e outro tipo de funcionários. Dos utentes, as críticas também chovem, relacionadas com as horas de espera e com má qualidade dos serviços”, reafirma. Coutinho é claro: “Já há muito tempo que este director devia sair de funções. Mas como Lei Chin Ion é protegido do Chefe do Executivo consegue manter-se, apesar das muitas criticas que lhe são dirigidas”. Um serviço muito popular mas sem qualidade são as palavras do deputado Ng Kuok Cheong para definir os SS. “Macau como região devia ter um serviço de excelência e isso não acontece. Não há uma

ção, o CHCSJ poderia, na opinião de Rui Furtado, contar mais com a colaboração do hospital Kiang Wu. “Os protocolos estão feitos, mas a parceria parece ser dúbia e ineficaz. Há ainda a falta de cooperação entre os Hospitais do Governo e o hospital Kiang Wu”, diz o médico, alertando que seria uma forma de resolver ou minimizar os problemas existentes. “Mas também não são parceiros porque as políticas são diferentes para aquilo que é um hospital do Governo e o que é um hospital particular”, explica. De acordo com Rui Furtado, quando se fala de Kiang Wu é visível que o seu papel enquanto instituição particular é usado apenas para uns aspectos. “Quando é para receber subsídios é uma instituição oficial, quando é para tratar doentes, é particular”, afirma Rui Furtado. No entanto, uma cooperação entre as duas instituições poderia ser uma espécie de remendo, pelo menos até que o hospital das ilhas seja construído. “Apesar de não ser uma solução a ter em conta a longo prazo, seria uma forma, de enquanto se espera pelo hospital das ilhas, os problemas de sobrecarga no CHCSJ poderem ser atenuados”, aponta.

experiência real em Macau no sector da saúde. Hong Kong é reconhecido pela qualidade dos seus profissionais, mas Macau não consegue garantir um serviço de alta qualidade”, explica. O deputado pró-democrata também não se mostra confiante na gestão actual. “Penso que qualquer pessoa pode ser treinada para ser um bom gestor dos SS e que nesse sentido outras pessoas poderiam ser melhores do que o actual director. Cabe ao Governo tratar disso”, remata.

em Portugal se está a pagar muito bem e na Europa também. Além disso, tanto os médicos como os enfermeiros têm uma procura grande por parte de vários países”, explica. Trata-se de um assunto que não é de fácil resolução. “Um especialista em medicina é uma pessoa com mais de 40 anos, com família, filhos em idade escolar e com casa. Deslocar uma pessoa destas para 10 mil quilómetros de distância não é assim tão fácil, mesmo pagando bem porque a pessoa tem a sua vida já estabelecida”, diz o ex-presidente da Associação de Médicos de Língua Portuguesa.

PÚBLICO QUANDO DÁ JEITO

Sem dimensão nem pessoal para dar resposta a uma maior popula-

MÉDICOS PORTUGUESES DIFÍCEIS DE CONVENCER

A acrescer à situação está a falta de médicos. Apesar da notícia de que os SS iriam contratar 21 especialistas vindos de Portugal, Rui Furtado permanece céptico quanto a esta iniciativa. “Não sei se vem alguém de Portugal”, refere. A causa, aponta, está na falta de condições dadas pelo Governo para que os profissionais portugueses optem por vir trabalhar para Macau, até porque são alvo de cada vez mais interesse por parte de outros países, até na Europa. “As condições não me parecem aliciantes porque neste momento

Não sendo um problema sem solução, é, no entanto, uma questão que vai exigir uma boa gestão e políticas capazes de incentivar outros especialistas, talvez mesmo oriundos de outros lados que não Portugal. “Não há nada sem solução, mas estamos a falar de uma solução difícil neste caso. Estamos a falar em Portugal mas podíamos ir buscar médicos há China onde há excelentes especialistas”, sugere. “É preciso é convencê-los a vir para cá, e é com certeza mais fácil trazer um especialista da China ou de Hong Kong do que um de Portugal”, aponta Rui Furtado.

FALTAM BLOCOS E ANESTESISTAS

Fernando Gomes, médico do CHCSJ e presidente da Associação de Médicos dos Serviços de Saúde, os problemas associados aos SS não são tão graves quanto parecem, nem são exclusivos de Macau, não apontando a culpa exclusivamente a Lei Chin Ion. “Acho que os SS aqui, em Portugal ou nos Estados Unidos terão sempre problemas. É uma coisa dinâmica”, diz ao HM. Apesar disso, Fernando Gomes não esquece a falta de médicos e de condições no CHCSJ. “Faltam anestesistas e faltam blocos operatórios. Mesmo que exista mais um bloco operatório não há anestesistas”, aponta. Ainda assim, os SS têm condições, assegura. “O sistema não tem falta de condições tem sim falta de melhores condições”, defende Fernando Gomes, até porque “há muitas pessoas que morrem no hospital independentemente do número de médicos que existam”. O problema das listas e das horas de espera por tratamentos também poderia ser atenuado com a contratação de mais pessoal, mas não se trata, mais uma vez de um problema de gestão, considera o profissional de saúde.

“Sim, podia ser atenuado com mais profissionais, mas isso também é uma questão sazonal. Agora estamos numa época pelo mundo fora em que gripe veio agora agravar a situação e isso acontece em todo o mundo”, justifica. “Mesmo um serviço com qualidade, nesta época apanha com as doenças sazonais e por mais pessoas que contratemos não há gente suficiente”, sublinha. Sofia Margarida Mota (com A.S.S.) sofia.hojemacau@hojemaca.com.mo


4 política

29.1.2018 segunda-feira

CCPPC MEMBROS DE MACAU REUNIRAM NOS ÚLTIMOS DIAS

Do lado de lá

Os membros de Macau dos comités das províncias de Guangdong e Jiangsu da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês estiveram reunidos este fim-de-semana, tendo sido abordados vários assuntos relativos à cooperação com Macau

Leong Su Sam destacou o facto de existirem menos membros naturais de Guangdong e mais membros de Macau, algo que, na sua opinião, se deve à grande atenção que as autoridades desta província têm prestado à RAEM. Ieong Tou Hong declarou que, no futuro, precisa de investir mais tempo na sua participação da CCPPC, sendo necessário unir os membros de Macau para avançar com propostas ligadas a diversos assuntos, como a construção da Grande Baía e passagem nos postos fronteiriços. Na visão de Mok Chi Wai, o título de membro permanente traz-lhe uma nova responsabilidade, considerando que Guangdong será um bom ponto de partida para os residentes de Hong Kong e de Macau estarem mais integrados no desenvolvimento do país.

REFORÇAR OS TALENTOS

Leong Su Sam destacou o facto de existirem menos membros naturais de Guangdong e mais membros de Macau, algo que, na sua opinião, se deve à grande atenção que as autoridades desta província têm prestado à RAEM

R

EALIZOU-SE no passado fim de semana a primeira reunião do Comité Provincial de Guangdong da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês (CCPPC), tendo sido eleitos os 138 membros permanentes da CCPPC da província de Guangdong. No grupo

estão três membros de Macau: Leong Su Sam, Ieong Tou Hong e Mok Chi Wai. A ex-deputada à Assembleia Legislativa (AL), Melinda Chan, também pertence a este comité, bem como o deputado Zheng Anting e Wong Ian Man. Em declarações ao jornal Ou Mun, Leong Su Sam, Ieong

Tou Hong e Mok Chi Wai reconheceram que têm grandes responsabilidades por assumir, além de prometerem uma maior união entre os vários sectores de Macau para estarem integrados na cooperação com a província de Guangdong e na zona da Grande Baía.

Este fim-de-semana realizou-se também uma reunião do comité da província de Jiangsu da CCPPC. Os membros de Macau opinaram sobre o parque de cooperação entre Jiangsu e Macau, tendo referido, segundo a imprensa chinesa, que esperam mais políticas sobre esse projecto. Os dirigentes da província de Fujian tiveram um encontro com os membros da CCPPC de Hong Kong e de Macau. Song Pek Kei, deputada à AL, referiu que as regiões de Fujian e de Macau têm uma base profunda de cooperação, sendo territórios importantes nos projectos de “Uma Faixa, Uma Rota”, existindo grandes oportunidades de desenvolvimento nesse contexto. Considerando as actuais tendências na criação de novos negócios, Song Pek Kei sugeriu o reforço da formação dos jovens, esperando que estes possam saber mais sobre a cultura chinesa através da realização de intercâmbios no continente.

EDUCAÇÃO GOVERNO VAI REVER LEI SOBRE ENSINO TÉCNICO-PROFISSIONAL

A

Direcção dos Serviços de Educação e Juventude (DSEJ) adiantou, em resposta a uma interpelação escrita do deputado Lei Chan U, que vai rever a lei que regula o ensino técnico profissional. As primeiras sessões de consulta pública deverão arrancar até Março. “A DSEJ encontra-se a organizar as opiniões recolhidas para elaborar o texto da consulta públicas, de modo a realizar, no primeiro trimestre de 2018, diversas sessões públicas destinadas a diferentes sectores, no

sentido de recolher opiniões e impulsionar o processo legislativo”, lê-se na resposta dada ao deputado. Leong Lai, directora do organismo, considera que o diploma tem de ser revisto pois “ao longo dos anos ocorreram muitas e grandes mudanças em vários aspectos da sociedade de Macau, especialmente ao nível do desenvolvimento económico acelerado”. A ideia é “aumentar a qualidade do ensino técnico-profissional, para que possa satisfazer realmente as neces-

sidades do desenvolvimento da economia e da sociedade”. É também objectivo da DSEJ “criar um sistema do ensino técnico-profissional melhorado e adaptado às necessidades do desenvolvimento da sociedade e indivíduos de Macau”. A DSEJ espera, com a nova lei, “introduzir uma participação mais aprofundada dos respectivos sectores e reforçar a cooperação entre escolas e empresas”. Antes de arrancar com o processo de consulta pública, a DSEJ já efectuou a

recolha de opiniões junto de entidades ligadas ao sector do ensino técnico-profissional. “Os dirigentes e chefias da DSEJ visitaram, nos meses de Fevereiro e Março de 2017, 18 associações e instituições, incluindo empresas envolvidas no ensino técnico-profissional, associações e instituições de formação, para realizarem intercâmbios e recolher informações acerca da situação actual e das necessidades deste tipo de ensino”, explicou a directora da DSEJ, Leong Lai. A.S.S.

ENTRADAS ILEGAIS SONG PEK KEI PEDE MELHORIAS NO SISTEMA DE SEGURANÇA

O

S recentes casos de entrada ilegal no território levaram a deputada Song Pek Kei a interpelar o Executivo sobre o assunto. Na visão de Song Pek Kei, a segurança da população pode estar em risco com estes casos, sendo que esta está atenta ao sistema de segurança nas fronteiras e à sua execução. A deputada considera que os trabalhos da Polícia de Segurança Pública (PSP) nas fronteiras tem espaço para melhorar, sobretudo se existirem falhas ao nível dos alertas e da prevenção. Song Pek Kei pede melhorias a nível técnico, questionando se o Executivo dispõe de um sistema de avaliação permanente de riscos, bem como um mecanismo de prevenção e alerta na área da segurança. Song Pek Kei, número dois de Si Ka Lon no hemiciclo, deseja também saber se o Governo vai levar a cabo mais acções de sensibilização junto do pessoal da segurança, para que haja uma melhoria nos serviços.


política 5

segunda-feira 29.1.2018

A

antiga presidente da Assembleia Legislativa (AL), Susana Chou, declarou na sua conta em Weibo que a partir do início do ano passado lhe foi diagnosticada diabetes. Como tal, teve de optar por tomar conta da sua saúde em detrimento do tempo dedicado ao pensamento político. Como tal, a ex-presidente daAL anunciou que está de saída do cargo de membro da Conferência Consultiva Política da Povo Chinês (CCPPC).

SUSANA CHOU ABANDONA A CONFERÊNCIA CONSULTIVA POLÍTICA DO POVO CHINÊS

O último adeus HOJE MACAU

Susana Chou, antiga presidente da Assembleia Legislativa, está de saída da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês. A decisão foi anunciada através de um comunicado publicado na conta da ex-deputada no Weibo, dando como justificação para o afastamento razões de saúde

Susana Chou declarou que a partir do início do ano passado lhe foi diagnosticada diabetes e que está de saída

No comunicado, Susana Chou lembrou que há cinco anos que estava preparada para a saída do mesmo organismo, mas entretanto recebeu o convite para continuar por mais um mandato de cinco anos. A antiga presidente da AL admitiu que sabia que este seria o seu último mandato, facto que diz ter encarado com tranquilidade.

No comunicado que publicou, Susana Chou mostrou-se satisfeita por nascer numa família comparativamente rica e por ter tido o privilégio de estudar até ao ensino superior sem qualquer preocupação. Porém, as dificuldades surgiram por volta de 1965, principalmente a nível profissional, quando se viu forçada a mudar-se

para Hong Kong. Nessa altura, Susana Chou não dominava o cantonês, nem o inglês e as habilitações académicas dos estudos que havia feito no Interior da China não eram reconhecidas fora do continente chinês. Impossibilitada de regressar ao continente, a ex-presidente da AL arranjou forças para, num período de

três anos, aprender a falar cantonês, inglês e francês.

TRAVESSIA DO RIO

Em 1968, Susana Chou mudou-se de Hong Kong para Macau algo contrariada por ter muito má impressão do território, na altura sob administração portuguesa. “Passado pouco tempo de ter chegado a Macau tive vontade de fugir por achar

ILHA VERDE ELLA LEI QUER CALENDÁRIO PARA NOVA FRONTEIRA COM GUANGDONG

A

deputada Ella Lei entregou uma interpelação escrita ao Governo onde questiona o calendário para a construção da nova fronteira com Guangdong, na zona da Ilha Verde. Na sua interpelação, Ella Lei recorda que o centro de inspecção de veículos e o mercado abastecedor já foram demolidos, além de que o Governo de Zhuhai já autorizou, no final do ano passado, a proposta de alteração do planeamento do novo posto fronteiriço. Na visão da deputada, o Executivo já tem condições para avançar com a segunda fase do projecto e iniciar as obras principais do acesso com Guangdong. Ella Lei, que representa a Federação das Associações dos Operários de Macau

o território tão pouco desenvolvido e pobre”, disse a antiga presidente da AL. Olhando para trás, a ex-deputada confessa que nunca pensou que daí a 50 anos ainda viveria em Macau, e que passaria a gostar da cidade ao ponto de ser tornar a sua favorita.

(FAOM) no hemiciclo, recorda que o projecto de uma nova fronteira começou a ser discutido em 2012, com o objectivo de atenuar a pressão na circulação de pessoas sentida nas Portas do Cerco. Neste contexto o Governo prometeu reestruturar toda a zona do Canal dos Patos, com vista a edificar um conjunto de infra-estruturas, composto pelo edifício fronteiriço, a estação do metro ligeiro, paragens de autocarros ou habitação pública. Além de exigir um calendário para o arranque das obras da segunda fase, Ella Lei quer que o Governo divulgue o planeamento das instalações complementares na zona circundante do edifício fronteiriço. V.N.

Após a chegada a Macau, Susana Chou percebeu que para organizar os seus negócios era fundamental aprender o português, ainda para mais porque a sua empresa estava em apuros e sentiu que precisava conseguir comunicar com os representantes do Governo em português. Começou a carreira de deputada em 1976, numa altura em que confessa não ter tido tempo para se dedicar de alma e coração à política devido à vida empresarial. Algo que viria a mudar, de acordo com a ex-deputada, aquando da elaboração dos trabalhos legislativos para a elaboração da Lei Básica. No final do texto, Susana Chou confessou a ligação emocional que tem à CCPPC e à AL, frisando que nunca lucrou dos seus cargos públicos. Vítor Ng

info@hojemacau.com.mo


6 política

PUB

Um por todos Associação exige bónus iguais para funcionários da MGM

TIAGO ALCÂNTARA

A

Associação Novo Macau para os Direitos dos Trabalhadores do Jogo entregou ontem uma carta à MGM China Holdings Limited a exigir a distribuição de bónus aos trabalhadores da subconcessionária. A associação de defesa dos interesses dos trabalhadores dos casinos refere em comunicado que “a MGM China Holding Limited teve uma performance impressionante em 2017”, algo que não seria possível sem a contribuição dos seus trabalhadores e que motivou a distribuição de bónus. Porém, a associação de Cloee Chao alega injustiças no ratio definido no ano passado para calcular os bónus. Em comunicado, a associação dá o exemplo de um gestor de turno, ou de alguém sénior superior hierarquicamente, que levou para casas como bónus o equivalente a três meses de salário. Em contrapartida, os funcionários da linha da frente, como oficiais de segurança, técnicos de engenharia, empregados de restauração e bebidas, funcionários administrativos, pit managers, supervisores e croupiers só receberam o equivalente a um mês de salário como bónus. De acordo com o comunicado, a associação chefiada por Cloee Chao entende que a MGM recorreu a uma política de remuneração que favorece

29.1.2018 segunda-feira

injustamente os profissionais de topo, em detrimento dos restantes, algo que deixou a inteira equipa do MGM muito insatisfeita. Como tal, a Associação Novo Macau para os Direitos dos Trabalhadores do Jogo entregou uma carta à gestão da MGM a exigir que estes trabalhadores recebam o equivalente a dois salários, anualmente, como remuneração de bónus para todos os membros da equipa. Desta forma, esperam acalmar algum desconforto

no ambiente de trabalho e corrigir aquilo que acham ser uma injustiça. Cloee Chao quer que os dois salários extra sejam entregues todos os anos, juntamente com os salários de Janeiro e Julho. A candidata que não conseguiu reunir os votos suficientes para ser eleita directamente como deputada da Assembleia Legislativa exige ainda aumento de salários para os profissionais da linha da frente. Por último, a Associação Novo Macau para os Direitos dos Trabalhadores do Jogo pretende o fim do Casino Chip Attribution System na mesas de baccarat por questões de saúde. O sistema assenta num dispositivo eléctrico situado por baixo das mesas de jogo. De acordo com a associação liderada por Cloee Chao, muitos trabalhadores da linha da frente alegam queimaduras na face e dificuldades de respiração sempre que trabalham nestas mesas. Em causa está, alegadamente, a exposição à radiação do dispositivo e o receio do impacto para a saúde, em especial para mulheres grávidas. João Luz

info@hojemacau.com.mo

ANGOLA E MACAU DISCUTEM O REFORÇO DA COOPERAÇÃO

O

embaixador de Angola na China, Garcia Bires, recebeu garantias das autoridades da Região Administrativa Especial de Macau de reforço da parceria já existente entre os dois Estados para ajudar o processo de diversificação económica em curso no país. De acordo com  o comunicado da representação diplomática angolana naquele país asiático, durante o encontro decorrido na RAEM, o diplomata angolano e o chefe do Executivo, Chui Sai On, discutiram o reforço da cooperação e intercâmbio, no âmbito do desenvolvimento de Macau como plataforma de negócios e cooperação entre a China e os países de língua portuguesa.  Garcia Bires, acompanhado da cônsul-geral de Angola em Macau, Sofia Pegado, e do conselheiro da Embaixada de Angola em Beijing, Virgílio Zulumongo, agradeceu a disponibilidade do Executivo da Região Administrativa de

Macau nesta altura em que o Executivo angolano está apostado em atrair investimentos estrangeiros para o país, com vista à diversificação  da actividade económica. “É bom saber que Macau, como ponte intermediária da economia e comércio entre a China  e os países de língua portuguesa esteja sempre comprometido com o caminho do desenvolvimento e estratégia de benefício comum com todos os países lusófonos”, afirmou o diplomata angolano. O chefe do Executivo da Região Administrativa Especial de Macau falou da importância de se melhorar a conectividade entre as partes e convidou Angola a junta-se à iniciativa  “ Uma Faixa, uma Rota” proposta pelo presidente chinês,  Xi Jinping, em 2013, que busca o fortalecimento dos laços económicos entre países da Ásia, África e Europa, com investimentos de biliões de dólares em estruturas e equipamentos.


sociedade 7

segunda-feira 29.1.2018

Um casal português sofreu um incêndio dentro da sua casa, localizada nos Ocean Gardens, provocado por uma tomada que começou a arder. O senhorio não se responsabiliza pelos estragos e o casal não tem possibilidade de custear as 200 mil patacas necessárias. Já há uma campanha de recolha de fundos

INCÊNDIO CASAL PORTUGUÊS NECESSITA DE 200 MIL PATACAS PARA RECUPERAR CASA

A tomada fatal

A

Casa de Portugal em Macau (CPM) lançou uma campanha de recolha de fundos para apoiar um casal português que sofreu um incêndio dentro da sua própria casa, provocado por uma tomada eléctrica que começou a arder. São necessárias 200 mil patacas para reparar um apartamento e recuperar mobílias e electrodomésticos, valor que o senhorio não quer suportar. A viver em casa de amigos, o casal não tem capacidade financeira para pagar as despesas ou alugar um outro apartamento. O incêndio aconteceu na madrugada do dia 10 de Janeiro, sendo que o apartamento está localizado no edifício Cattleya, nos Ocean Gardens, Taipa. O casal, juntamente com a sua filha, acabaram por ser resgatados pelos bombeiros. Segundo um comunicado, “a família ficou retida à volta da janela do quarto do casal sem possibilidade de escapar ao fogo e fumos tóxicos provocados pelo derretimento de plásticos e demais aparelhos electrónicos até serem resgatados pelos bombeiros”. Helena Pereira contou ao HM que nenhum alarme de incêndio foi activado no edifício, o que levanta a questão da falta de segurança. “É grave que um apartamento esteja a arder e que o alarme do prédio não toque. Houve vizinhos que acordaram com o fumo na casa deles e que saíram, e houve outros que não acordaram. No corredor de acesso aos apartamentos há três detectores de fogo e nenhum deles foi activado.” Helena contou que esta não é a primeira vez que sofre um incidente deste género. “Já tive este problema num outro apartamento no mesmo edifício, onde vivi 12 anos, e acon-

teceu-me exactamente o mesmo, em que as tomadas começarem a arder. Foi durante o dia, estávamos em casa e sentimos o cheiro, e não houve nada. Um vizinho também lhe aconteceu o mesmo”, relatou. Na madrugada do passado dia 10, um vizinho do casal “ainda subiu as escadas de incêndio para agir, mas o fumo era tão espesso que um agente policial já no local o desiludiu”. Apesar da família estar, neste momento, bem de saúde, um dos animais domésticos acabou por perder a vida em consequência do incêndio. “A família encontra-se bem de saúde e a recuperar da odisseia. Contudo uma das

três gatas de estimação, a que se encontrava na divisão que ardeu, faleceu sábado, no veterinário, vítima das complicações causadas pelos fumos tóxicos do incêndio que lhe destruíram os pulmões.”

SENHORIO NÃO PAGA

A campanha entretanto lançada com a ajuda de amigos através da CPM visa suportar as despesas que o casal tem agora de pagar, uma vez que o senhorio não quer accionar o seguro e assumir responsabilidades. “A família depara-se agora com o rescaldo do incêndio sem meios financeiros para fazer face às despesas que se somam: todos

“A família ficou retida à volta da janela do quarto do casal sem possibilidade de escapar ao fogo e fumos tóxicos provocados pelo derretimento de plásticos e demais aparelhos electrónicos até serem resgatados pelos bombeiros.”

os têxteis, roupas, calçado, lençóis almofadas, colchões estão contaminados e inutilizáveis pelos fumos tóxicos, cinzas e fuligem, nem todas as mobílias serão recuperáveis, todos os produtos alimentares e variadíssimos electrodomésticos estão inutilizáveis, além da reparação da fracção.” Helena Pereira disse ao HM que todos os contactos até agora feitos junto do senhorio, no sentido deste pagar as contas, revelaram-se infrutíferas. “O que nos foi comunicado através da representante do senhorio foi que ele não assume qualquer responsabilidade e não paga qualquer despesa. Quando foi feita a limpeza foi necessário tirar os restos dos ares condicionados e as equipas de limpeza não podiam fazer isso. A agente disse que ia tratar do assunto, mas depois a conta foi-nos enviada.” As despesas relativas à primeira acção de limpeza foram pagas pela Congregação Anglicana em Macau, mas é preciso bastante mais. “Estamos um bocado assustados, porque não temos casa e o mais importante é termos acesso a bens essenciais e ver a situação resolvida. Ainda não temos a resposta do senhorio.” Helena Pereira assume desde já que não tenciona levar o caso a tribunal, mas alerta que a lei não é clara no que diz respeito ao apuramento de responsabilidades neste tipo de situações. “Temos de provar que não temos culpa do acidente, mas à partida a lei não é clara quanto à causa dos danos, porque não houve intenção nem negligência, foi um acidente com o sistema eléctrico da casa. Estamos à espera que o senhorio se responsabilize”, rematou. A campanha já está a decorrer e os fundos podem ser transferidos para a conta 9014444997 do Banco Nacional Ultramarino. Andreia Sofia Silva

andreia.silva@hojemacau.com.mo


8 sociedade

29.1.2018 segunda-feira

A

POLUIÇÃO WONG KIT CHENG QUER QUATRO ACTUALIZAÇÕES DIÁRIAS SOBRE A QUALIDADE DO AR

Quarteto de alertas

A deputada Wong Kit Cheng quer que os Serviços Meteorológicos e Geofísicos façam quatro actualizações diárias sobre a qualidade do ar, ou seja, que dupliquem as actualizações actuais. A deputada entende que os serviços são pouco ágeis a alertar a população em dias de elevada concentração de poluentes no ar AFP

deputada Wong Kit Cheng diz ter recebido comentários de vários residentes que questionam a precisão das informações publicadas na página dos Serviços Meteorológicos e Geofísicos (SMG) acerca da qualidade do ar. Em particular a situação verificada na semana passada, quando no portal dos serviços se mantinha o nível moderado de qualidade do ar, enquanto a medição em tempo real, a um click de distância, mostrava que a qualidade do ar era má. A deputada, também presidente da Associação da Construção Conjunta de Um Bom Lar, sublinha num comunicado que a previsão de qualidade do ar tem um papel muito importante no alerta a idosos, crianças e portadores de doenças respiratórias. Como tal, Wong Kit Cheng considera importante garantir a precisão e a eficiência da publicação destas informações e aumentar a sua frequência para quatro actualizações diárias. No comunicado, a deputada menciona a aquisição de um aparelho de monitorização da poluição atmosférica, contudo deixa o alerta para o facto do equipamento nunca ter sido utilizado e estar actualmente em manutenção. Facto que deixa a deputada preocupada acerca da precisão e eficiência do controlo da qualidade do ar. Outra das dúvidas de Wong Kit Cheng prende-se com a localização dos equipamentos de monitorização da qualidade do ar. Neste aspecto, a deputada lamenta que, apesar do Executivo ter avançado a possibilidade de

aumentar, ou até instalar de novo as estações de monitorização da qualidade do ar, não houve posterior seguimento para esta intenção.

CAUSA E EFEITO

Além do aumento de duas vezes por dia para quatro da actualizações do sistema de previsão de qualidade do ar, Wong Kit Cheng pede que o Executivo mantenha comunicação com as instituições de serviços sociais, escolas e lares, de forma a reduzir o impacto da poluição na saúde pública.

Além do aumento das actualizações do sistema de previsão de qualidade do ar, Wong Ki Cheng pede que o Executivo mantenha comunicação com as instituições de serviços sociais, escolas e lares

Na semana passada, Lei Chin Ion, director dos Serviços de Saúde (SS), disse que não existem grandes probabilidades de doença devido à exposição a ar com elevada concentração de poluentes. “Não podemos confirmar se a poluição vai ou não afectar o estado de saúde destas pessoas, porque não há uma relação directa. Não acho que a poluição cause uma doença imediata...”, comentou Lei Chin Ion. O director dos SS referia-se ao aumento de admissões de doentes com dificuldades

VISITA CÂMARA DE COMÉRCIO LUSO-CHINESA CONHECEU NOVA PONTE

U

M grupo de 30 pessoas da delegação de Macau da Câmara de Comércio e Indústria Luso-Chinesa (CCILC) visitou a nova ponte Guangdong-Hong Kong-Macau, com o objectivo de “compreender melhor as oportunidades decorrentes do desenvolvimento da região e a integração da região do Delta do Rio das Pérolas”. A visita decorreu no passado dia 24 e o grupo foi recebido por Wei Dongqing, secretário-adjunto do Comité Central e Director Executivo da Autoridade da nova ponte.

Segundo um comunicado, Kevin Thompson, presidente da Câmara de Comércio Europeia de Macau, disse que os benefícios da nova ponte não são apenas de ordem fiscal. “Ao reduzir os tempos de viagem, as oportunidades até então invisíveis, podem incluir trabalhar com empresas e empresários europeus, relocalizar negócios, e descobrir um turismo cultural transfronteiriço inovador, e oportunidades de lazer orientadas pela experiência”, lê-se. Já Leong Wa Kun, presidente da Delegação de Macau da CCILC,

respiratórios na rede hospitalar durante os dias de poluição elevada. Porém, a comunidade científica, em especial a médica, discorda de Lei Chin Ion. Em 2014, a Organização Mundial de Saúde estimava que em 2012 morreram sete milhões de pessoas, um oitavo de todas as mortes nesse ano, devido à exposição a poluição atmosférica. Em 2008 foi publicado um estudo científico de uma investigadora do Departamento de Ambiente e Ordenamento da Universi-

dade de Aveiro, que mostrou correlações estatisticamente significativas que traduzem um efeito imediato entre os poluentes atmosféricos, os parâmetros meteorológicos e a morbilidade humana. O estudo da académica Marta Sendão demonstra igualmente o aumento no número de admissões aos serviços de urgência associada ao aumento dos níveis dos parâmetros ambientais (incluindo poluição atmosférica) em Lisboa. Este é apenas um dos inúmeros estudos que demonstraram a relação entre o aumento dos poluentes atmosféricos e as admissões hospitalares relacionadas com problemas respiratórios. Em relação às patologias, no ano passado o HM falou com o pneumologista Alvis Lo, que referiu que doentes cardiovasculares e portadores de doenças respiratórias podem sentir o agravamento dos sintomas das suas doenças em períodos de fraca qualidade do ar. João Luz e Vítor Ng

info@hojemacau.com.mo

2017 TAXA DE DESEMPREGO SUBIU LIGEIRAMENTE acredita plenamente que a nova ponte “se tornará um importante centro de transporte que ligará as zonas leste e ocidental da Grande Baía e reduzirá significativamente o tempo de deslocação entre as principais cidades da região, o que promoverá o desenvolvimento industrial na região, fortalecerá a mobilidade de talentos entre Hong Kong, Zhuhai e Macau, ajudará a atrair investidores estrangeiros e, assim, aumentará a competitividade económica global da região do Delta do Rio das Pérolas”.

A

taxa de desemprego em Macau em 2017 foi de 2 por cento, mais 0,1 pontos percentuais do que 2016, indicam dados oficiais. De acordo com os Serviços de Estatística e Censos (DSEC), a taxa de desemprego entre os residentes no ano passado manteve-se inalterada em relação a 2016: 2,7 por cento. Em 2017, a mediana do rendimento mensal da população empregada fixou-se em 15 mil patacas, igual à registada em 2016. A mediana do rendimento mensal dos residentes foi de 19 mil patacas, mais mil patacas em relação

a 2016, segundo a DSEC. No quarto trimestre do ano passado, a taxa de desemprego fixou-se em 1,9 por cento, sem alterações relativamente ao período de Setembro a Novembro últimos. No período em análise, a população empregada era de 375.900 pessoas e o número de residentes empregados era de 276.400, ou seja, menos 1.600 e 2.100 indivíduos, respectivamente, em comparação com o período anterior. A população desempregada era composta por 7.100 pessoas, menos 300 pessoas, relativamente ao período anterior.


sociedade 9

segunda-feira 29.1.2018

IRMÃ DA VÍTIMA RECUPERADA

GRIPE MORTE DE CRIANÇA LEVOU 4 MIL PESSOAS AOS CENTROS DE SAÚDE

Corrida às vacinas

No dia seguinte à morte de uma criança devido a gripe, 4 mil pessoas apressaram-se a ir aos centros de saúde para serem vacinadas. Das 14 mil doses disponíveis, restam cinco mil. A partir de hoje a vacinação passa a ser feita por marcação

A

morte de uma criança de quatro anos por complicações relacionadas com gripe originou uma corrida aos centros de saúde e, na sexta-feira, cerca de 4.000 pessoas apresentaram-se para levar a vacina. Um número 10 vezes superior ao normal, que levou o Governo a tomar medidas e a tornar as consultas para vacinação por marcação. A nova situação foi apresentada ontem, durante uma conferência de imprensa no Centro Hospitalar Conde São Januário, que contou com a presença de Lei Chin Ion, director do Serviços de Saúde de Macau. “No dia 26 de Janeiro [após a morte da criança], 4.000 utentes deslocaram-se aos centros de saúde para levarem a vacinação. Nos dias

RECUSA

T

odos os anos, em Macau, são registados entre 10 e 20 casos de pais que recusam ter as crianças vacinadas de acordo com o programa de vacinação gratuito. No entanto, Lei Chin Ion alertou a população para a importância da vacinação e para o facto das pessoas que não estão vacinadas poderem ser impedidas de se inscreverem nas escolas ou serem aceites em certos postos de trabalho.

anteriores, a média diária de utentes era de 400. Houve um aumento de dez vezes no número de utentes por dia, uma situação que coloca em causa o funcionamento dos centros de saúde”, disse Lei Chin Ion. “Vamos alterar a nossa estratégia e as pessoas vão passar a precisar

Educação Fundo já concedeu seis mil milhões para escolas O Fundo de Desenvolvimento Educativo (FDE) já concedeu um total de seis mil milhões de patacas às escolas do território em dez anos de existência. Segundo um comunicado, a Direcção dos Serviços de Educação e Juventude (DSEJ) apresentou os dados relativos aos dez anos do FDE num encontro com 77 escolas, tendo dito

de fazer marcações prévias para a vacinação. As pessoas com menos de cinco anos vão ter prioridade no acesso às vacinas, assim como as pessoas com doenças crónicas e idosas. Queremos garantir que os grupos de risco têm prioridade”, frisou. A vacinação é grátis para os residentes de Macau, todos os estudantes no território, assim como para não-residentes que trabalhem em lares de idosos. Os restantes não-residentes têm de pagar entre 50 e 80 patacas pela vacina, mais custos relacionados com a consulta. Por outro lado, o director dos Serviços de Saúde reconheceu que nos próximos dias, devido à descida das temperaturas, que pode haver um aumento no número de casos de gripe, em queda desde 21 de Janeiro, e apelou à prevenção. Quanto às doses de vacinas disponíveis, estão agora em stock cerca de 5 mil, quando na quinta-feira havia 14 mil doses disponíveis. No entanto, Lei Chin Ion garante que já estão fechados contratos com os fornecedores e que 40 mil doses vão chegar a Macau nos próximos dias.

NOVAS MEDIDAS NAS ESCOLAS

Também o funcionamento das escolas vai sofrer alterações. O chefe do Centro de Prevenção e Controlo de Doenças dos Serviços de Saúde, Lam Chong, explicou que em certas condições em que sejam detectados casos de gripe, as aulas vão ser suspensas. Nos casos em que se registe morte de um aluno ou uma criança for internada com recurso a ventilação e a taxa de vacinação na turma em causa for inferior a 50 por cento, as aulas são suspensas durante sete dias. O mesmo acontece se nesta

que a entidade “tem-se empenhado na melhoria da educação em Macau”. No seu discurso, Lou Pak Sang frisou que o FDE “continuará a melhorar e fiscalizar o investimento em recursos educativos tendo como referência as experiências anteriores e tendo em consideração as necessidades futuras do desenvolvimento educativo”.

TIAGO ALCÂNTARA

Centro Hospitalar Conde de São Januário negou que tenha existido um adiamento da data da operação do residente que denunciou ter estado mais de 30 horas à espera de uma intervenção a uma perna partida. Porém a unidade hospitalar admite que houve um ajustamento no “período para a intervenção cirúrgica do paciente”. De acordo com o título do comunicado em que foi visada a denuncia do residente de 50 anos, relatada na quinta-feira pelo HM, o “CHCSJ não adiou a data de operação cirúrgica”. Contudo, no comunicado percebe-se que pelo menos a hora da intervenção teve de ser alterada: “o bloco operatório previsto para a operação foi necessário para socorrer um outro doente que estava em estado clínico considerado crítico, uma situação urgente, pelo que o período para a intervenção cirúrgica do paciente em questão teve necessariamente de ser ajustado”, é explicado. A versão dos SSM confirma a informação avançado por Fernando Nunes, que admitiu não poder ser operado imediatamente, devido à medicação que toma para o coração: “Nestes casos os pacientes estão sujeitos a medicamentos anticoagulantes que podem aumentar o risco de, durante uma cirurgia, ocorrer uma hemorragia. Os pacientes, nestas condições, com fracturas e que necessitem de uma intervenção cirúrgica, necessitam de suspender a medicação anticoagulante durante cinco dias. Este prazo terminou terça-feira, 23 de Janeiro”, é clarificado. Sobre o facto do doente, que foi operado ontem à tarde, sofrer de hiperglicemia, os SSM explicam que a nutrição foi “garantida médico, tendo sido suplementarmente sido prescrita medicação adequada como tratamento de apoio”.

GETTY IMAGES

O

irmã da vítima de quatro anos que faleceu na quinta-feira devido a complicações relacionadas com gripe está a recuperar e teve, ontem, alta hospitalar. A irmã de dois anos da vítima chegou a apresentar pneumonia, mas a sua condição melhorou, o que fez com que pudesse ser enviada para casa.

situação 30 por cento dos alunos do mesmo ano escolar apresentarem os sintomas de gripe. Quando houver morte ou internamento em estado crítico de dois alunos até então saudáveis no espaço de 15 dias, também as aulas vão ser suspensas durante sete dias. Segundo os dados apresentados, 48 por cento dos alunos com menos de 5 anos estão vacinados, número que sobe para 75 por cento nas escolas do ensino primário e que é de 60 por cento no ensino secundário. João Santos Filipe

joaof@hojemacau.com.mo

GCS

HOSPITAL NEGA ADIAMENTO DE OPERAÇÃO

A

TAM VISITOU CENTRO DE SAÚDE

O

secretário para os Assuntos Sociais e Cultura, Alexis Tam, e o director dos Serviços de Saúde, Lei Chin Ion, visitaram ontem de manhã o Centro de Saúde da Areia Preta. Segundo o director dos SSM os utentes da Areia Preta elogiaram a capacidade de resposta do Governo perante a gripe. Por sua vez, Lei Chin Ion, na conferência de imprensa à tarde, admitiu estar na fase final de recuperação de uma gripe e comprometeu-se a ir levar a vacina quando estiver totalmente bom.


10 eventos

29.1.2018 segunda-feira

MÚSICA RAPPERS JAY-Z E KENDRICK LAMAR LIDERAM CORRIDA AOS GRAMMY

O

S ‘rappers’ norte-americanos Jay-Z e Kendrick Lamar lideram a corrida aos prémios Grammy, atribuídos pela indústria musical dos Estados Unidos e que foram ontem entregues em Nova Iorque. Jay-Z está nomeado em oito categorias da 60.ª edição dos Grammy e Kendrick Lamar em sete, incluindo Álbum do Ano e Gravação do Ano. “4:44”, de Jay-Z, e “Damn.”, de Kendrick Lamar, competem pelo prémio de Álbum do Ano com “Awaken, my love”, de Childish Gambino (alter ego do actor Donald Glover), “Melodrama”, de Lorde, e “24K Magic”, de Bruno Mars. O álbum “4:44”, de Jay-Z, inclui partes (‘samples’) do tema “Todo o mundo e ninguém” do grupo português Quarteto 1111, editado em 1970, no tema “Marcy Me”. O prémio de Gravação do Ano é disputado, além de “The story of O.J.”, de Jay-Z, e “Humble.”, de Kendrick Lamar, por “Redbone”, de Childish Gambino, “Despacito”, de Luis Fonsi e Daddy Yankee com Justin Bieber, e “24K Magic”, de Bruno Mars. Jay-Z e Kendrick Lamar estão ainda nomeados, entre outras, nas categorias de Melhor Performance Rap - com os temas “4:44” e “Humble.”, respetivamente, que inclui ainda Cardi B (“Bodak Yellow”) e Migos com Lil Uzi Vert (“Bad and Boujee”) – e Melhor Álbum de Rap – com “4:44” e “Damn.”, competindo com Migos (“Culture”), Laila’s Wisdom

(“Rapsody”) e Tyler, The Creator (Flower Boy). Da longa lista de 84 categorias, que abrangem diferentes géneros musicais, do jazz à música clássica, do gospel aos audiolivros, sobressaem as nomeações de dois músicos que já morreram - Chris Cornell e Leonard Cohen -, ambos indicados para o Grammy de Melhor Atuação Rock. A cerimónia foi conduzida pelo apresentador James Corden, e teve actuações de diversos artistas e bandas, entre os quais Elton John, em dueto com Miley Cyrus, U2, Sting, Kendrick Lamar, Jon Batiste e Gary Clark Jr., que homenagearam as ‘lendas do rock’ Chuck Berry e Fats Domino, que morreram no ano passado, Childish Gambino, Sam Smith, Bruno Mars e Cardi B.

A segunda edição do livro que espelha as origens de muitas famílias macae amanhã na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa. O autor, Jorge Forja arquitecto Carlos Marreiros, em representação do Albergue SCM, e do embaixa

#METOO NA MÚSICA

Apesar de a indústria da música ainda não ter sido atingida pelas denúncias de abusos sexuais que têm vindo a público ao longo dos últimos meses nos Estados Unidos, a cerimónia dos Grammy não ficará de fora dos últimos acontecimentos. Os patrões da indústria fonográfica apelaram a artistas e outros trabalhadores para que usem uma rosa branca hoje à noite, em solidariedade com o movimento “Time’s Up” (“Acabou o Tempo” em tradução livre para português), criado para apoiar a luta contra o assédio sexual, por mais de 300 actrizes, argumentistas, directoras e outras personalidades ligadas ao cinema.

À VENDA NA LIVRARIA PORTUGUESA CONTOS E LENDAS DE MACAU • Alice Vieira Plano Nacional de Leitura. Livro recomendado no programa de Português do 4º ano de escolaridade, destinado a leitura orientada na sala de aula - Grau de Dificuldade III.

Forjaz na Gulben LIVRO 2ª EDIÇÃO DE “FAMÍLIAS MACAENSES” APRESENTADA EM LISBOA

O

Albergue SCM leva a Lisboa uma obra icónica para a comunidade macaense e que teve a sua primeira edição em 1996. Depois de um profundo trabalho de revisão e actualização dos apelidos das famílias macaenses da parte de Jorge Forjaz, a segunda edição do livro “Famílias Macaenses” é apresentada amanhã na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa. Esta segunda edição, que já teve a sua apresentação oficial em Macau, constitui “uma revisão geral da obra, actualizada em quase todos os capítulos e sub-capítulos, acrescentada com 80 novos capítulos e ilustrada com mais de três mil fotografias”.

A história deste novo livro começou em 2011 e partiu da iniciativa do presidente do Albergue SCM, Carlos Marreiros. “Em 2011, consciente da importância de tal obra para a preservação da memória macaense, o Albergue SCM convi-

“Após cinco árduos anos de trabalho, o resultado monumental está à vista, e ultrapassou largamente o que esperávamos do autor.” ALBERGUE SCM

dou o dr. Jorge Forjaz, na passagem do 15º aniversário da publicação das ‘Famílias Macaenses’, a vir a Macau partilhar uma reflexão sobre o seu trabalho e o impacto que teve na comunidade. Após a conferência, o arquitecto Carlos Marreiros desafiou o dr. Jorge Forjaz para uma nova etapa, ou seja, a revisão e actualização da 1ª edição. Após cinco árduos anos de trabalho, o resultado monumental está à vista, e ultrapassou largamente o que esperávamos do autor”, lê-se em comunicado. O Albergue SCM considera ainda que a apresentação da obra produzida pelo genealogista e historiador “pretende revisitar as circunstâncias

RUA DE S. DOMINGOS 16-18 • TEL: +853 28566442 | 28515915 • FAX: +853 28378014 • MAIL@LIVRARIAPORTUGUESA.NET

LES HALLES AS DELICIOSAS RECEITAS, DICAS E TÉCNICAS DA COZINHA BISTRÔ • Anthony Bourdain Antes de espantar o mundo com os campeões de vendas Cozinha Confidencial e A Cook’s Tour, Anthony Bourdain passou anos a servir da melhor comida de cervejaria francesa em Nova Iorque. Com uma atmosfera descontraída e terra a terra, o Les Halles enquadrase perfeitamente no estilo de Bourdain: é um restaurante onde nos podemos vestir à nossa vontade, falar alto, beber um copo de vinho a mais e passar um bom bocado com os amigos.

VIVER NO FIM DOS TEMPOS • Slavoj Zizek Para o autor de Bem-Vindo ao Deserto do Real, o capitalismo global está a chegar à sua crise final. Slavoj Žižek aponta os quatro cavaleiros deste futuro apocalipse: a crise ecológica mundial; os desequilíbrios do sistema económico; a revolução biogenética; e as divisões sociais explosivas.


eventos 11

segunda-feira 29.1.2018

nkian

enses vai ser apresentada az, faz-se acompanhar do ador João de Deus Ramos

“NAÇÃO VALENTE” NOVO ÁLBUM DE SÉRGIO GODINHO, SAIU ONTEM

“N

AÇÃO Valente”, o novo álbum de Sérgio Godinho, para o qual foram convocados músicos como David Fonseca, Márcia e José Mário Branco, foi editado ontem. Produzido por Nuno Rafael, “Nação Valente” surge sete anos depois de “Mútuo Consentimento”, e nele Sérgio Godinho volta a convidar alguns músicos para escrever canções para letras dele. Entre eles estão José Mário Branco, parceiro em “Mariana Pais, 21 anos”, Filipe Raposo que compôs “Noite e dia” ou David Fonseca, que escreveu a música de “Grão da mesma mó”. Os concertos de apresentação de “Nação Valente” estão marcados para 23 e 24 de Fevereiro no Capitólio, em Lisboa, e 03 e 04 de março na Casa da Música, no Porto. Hélder Gonçalves, Pedro da Silva Martins, Márcia e Filipe Melo são outros músicos convidados de “Nação Valente”. Apesar de ser conhecido sobretudo pelos discos que edita desde a década de 1970, Sérgio Godinho, de 72 anos, tem canalizado a escrita criativa por outros géneros, como teatro, argumento para cinema, ficção para crianças, poesia e contos. Em Fevereiro do ano passado, editou “Coração mais que perfeito”, o primeiro romance, e para este ano está agendado um segundo. Este livro trouxe o autor a Macau, onde esteve na qualidade de convidado do festival literário Rota das Letras. ARLINDO CAMACHO

da investigação que conduziu à publicação de ‘Famílias Macaenses’, o seu eco junto das comunidades estudadas, a interligação entre os diversos países ou territórios de língua portuguesa e a importância da preservação destas memórias familiares”. Aquando da sua primeira publicação, em 1996, as “Famílias Macaenses” acabou por dar início “sem que o autor tivesse consciência, a uma mais vasta investigação sobre as famílias que ao longo de séculos povoaram o então império ultramarino português”. A apresentação aconteceu durante o II Encontro das Comunidades Macaenses e, “pela primeira vez, era reunida toda a família macaense dispersa inicialmente pelo imenso território da China (Hong Kong, Cantão, Xangai, Harbin etc), Japão (Kobe, Nagasaki, Tóquio), Tailândia, Singapura e mais tarde Brasil, Canadá, Estados Unidos e Portugal”. O evento em Lisboa conta com o apoio da Delegação Económica e Comercial de Macau, a Fundação Macau e Bambu – Sociedade de Artes Limitada.

PUB


12 china

China pede retoma em breve do diálogo político sobre Península Coreana

A China expressou na sexta-feira a expectativa de que contactos entre a Coreia do Norte e a Coreia do Sul se tornem em breve num um diálogo político para resolver a questão da Península Coreana. A China aplaude o diálogo entre os dois lados, que principalmente se concentra na cooperação relacionada com os Jogos Olímpicos do Inverno, disse Kong Xuanyou, vice-ministro dos Negócios Estrangeiros da China. “Quer eu vá à Coreia do Norte quer não, o compromisso chinês com o objectivo de desnuclearização da península e a posição chinesa de defender a paz e estabilidade permanecem inalterados”, disse Kong, acrescentando que os esforços diplomáticos da China não pararam nem por um momento. O ex-secretário de Estado dos EUA, Henry Kissinger, pediu na quinta-feira um acordo sobre o futuro da Península Coreana com a retoma das conversações entre seis partes, actualmente suspensas, ou com apoio dos EUA e da China, o que, segundo ele, será o melhor caminho à desnuclearização da península. Ao comentar os comentários de Kissinger, a porta-voz do MNE, Hua Chunying, disse que as conversações entre Pyongyang e Washington são a chave para resolver a questão nuclear da península.

Diaoyu As más acções do Japão

A porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da China reiterou na sexta-feira a postura da China sobre as Ilhas Diaoyu, expressando o descontentamento do país com as acções do Japão. Hua Chunying respondeu a reportagens recentes de que o governo japonês criou um centro de exibição para declarar soberania sobre as Ilhas Diaoyu. “As Ilhas Diaoyu e suas ilhotas afiliadas são territórios inerentes da China, e a soberania da China sobre as Ilhas Diaoyu tem uma sólida base histórica e legal”, declarou Hua. “A China não está satisfeita com as acções do Japão”, disse Hua. Ela enfatizou que não importa o que o Japão fizer, não alterará a realidade de que as Ilhas Diaoyu pertencem à China. Hua também enfatizou a determinação do país em defender a soberania territorial das ilhas.

Publicada uma colecção de Marxismo

A China publicará neste ano os 10 primeiros volumes de “Ma Zang”, uma colecção de clássicos e documentos marxistas, para comemorar o 200º aniversário do nascimento de Karl Marx, anunciou o compilador. A colecção “Ma Zang”, lançada em 2015 pela Universidade de Pequim em cooperação com diversas instituições de pesquisa do país e do exterior, tem como objectivo oferecer um panorama completo da evolução do Marxismo. O projecto será completado por volta de 2035, disse o vice-director da Escola do Marxismo da Universidade de Pequim, Sun Daiyao. Para incentivar o estudo do Marxismo, a universidade será sede do Segundo Congresso Mundial sobre Marxismo em Maio. Cerca de 80 académicos de 33 países foram convidados. Marx, nascido em 5 de Maio de 1818, foi ignorado em grande parte pelos académicos da sua época, mas suas ideias sociais, económicas e políticas tiveram uma rápida aceitação depois de sua morte em 1883.

29.1.2018 segunda-feira

U

M alto diplomata chinês desvalorizou ontem as preocupações face à crescente dinâmica da China no Ártico, referindo que Pequim quer gerar oportunidades na região e não vai interferir nos interesses de outros países. Kong Xuanyou, vice-ministro dos Negócios Estrangeiros chinês, assumiu o interesse da China em participar em estudos científicos e na exploração de rotas marítimas que se abriram com o degelo das placas glaciares. O envolvimento do Governo e empresas da China “trará oportunidades para o Ártico”, afirmou Kong, numa conferência de imprensa que serviu para divulgar a política chinesa para o continente. O responsável apontou a possibilidade de explorar petróleo, gás, recursos minerais, a pesca e o turismo, em conjunto com outros países que têm a soberania da região, e com base “no respeito pelas tradições e culturas dos residentes, incluindo os povos indígenas, e a conservação do meio ambiente”. “Sobre o papel que a China vai desempenhar nos assuntos do Ártico, quero destacar dois pontos: primeiro, não vamos interferir; segundo, não vamos ausentar-nos”, afirmou Kong. “Não sendo um país do Ártico, a China não vai interferir em questões que são exclusivamente dos países do Ártico”, acrescentou. A presença da China no Ártico levou alguns países

Oportunidades NO ÁRTICO COM NOVAS ROTAS E EXPLORAÇÃO DE RECURSOS

da região a temer que Pequim procure oportunidades para explorar recursos naturais face ao aquecimento global. A China beneficiou sobretudo do apoio da Islândia para conseguir o estatuto de observador, em 2013, no Conselho do Ártico,

cujos principais membros são o Canadá, Dinamarca, Finlândia, Suécia, Noruega, Rússia, Estados Unidos e Islândia. Reiquejavique autorizou a petrolífera estatal chinesa China National Offshore Oil Company a explorar as águas do país. Am-

bas as nações construíram um observatório conjunto para estudar o fenómeno da aurora polar. A China opera também uma estação de pesquisa na Noruega. Em 2011, contudo, o Governo islandês rejeitou a proposta de um empresário

THERESA MAY EM PEQUIM PARA UMA “ERA DOURADA”

A

primeira-ministra britânica, Theresa May, realizará uma visita oficial à China entre os dias 31 de Janeiro e 2 de Fevereiro, a convite do primeiro-ministro chinês Li Keqiang, segundo anunciou ontem a porta-voz da chancelaria chinesa, Hua Chunying. Durante a visita, May co-organizará também o encontro ministerial anual com o seu homólogo chinês. Hua disse que a visita é de grande importância para os laços bilaterais nas novas circunstâncias, uma vez que os dois países concordaram em construir uma parceria estratégica global para o século XXI e inaugurar uma “era dourada” para os laços bilaterais. May irá encontrar-se com líderes chineses e trocar opiniões sobre relações bilaterais e questões internacionais e regionais. A visita inclui ainda viagens a Xangai e Wuhan,

de acordo com as declarações de Hua. “Esperamos que esta visita possa aprofundar a confiança política mútua, expandir a cooperação bilateral e impulsionar ainda mais a parceria estratégica global entre a China e a Grã-Bretanha para o século XXI”, disse a porta-voz. Hua lembrou que no ano passado foi celebrado o 45º aniversário do estabelecimento de relações diplomáticas ao nível de embaixada entre os dois países e que ambos alcançaram novos progressos no fortalecimento dos laços bilaterais. Esta será a primeira visita oficial de May à China desde que assumiu o cargo de primeira-ministra, tendo a mesma visitado anteriormente a cidade de Hangzhou, em Setembro de 2016, aquando da participação na reunião dos líderes do G20.


china 13

segunda-feira 29.1.2018

geladas

chinês para comprar 300 quilómetros quadrados do território do país, visando construir um ‘resort’ ecológico. O Ártico ocupa oito milhões de quilómetros quadrados de terra e 12 milhões de quilómetros quadrados de oceano, no qual muitos

países partilham de interesses geridos segundo a lei internacional.

LIVRO BRANCO

Entretanto, a China sublinha a importância da protecção ambiental, a utilização racional, a governanção segundo a lei

Procurador-geral e polícia combate aos gangues O procurador-geral e o comandante da polícia da China pediram aos procuradores e policiais que trabalhem contra o crime envolvendo gangues. As ordens saíram de uma nova campanha contra crime organizado e gangues, bem como os seus protectores, anunciada pelas autoridades centrais. Cao Jianming, procurador-geral da China disse que os procuradores

devem participar activamente da campanha, erradicar as condições que incitam crimes relacionados com gangues e estabelecer um sistema para prevenir a sua formação. Cao destacou também a combate à secessão, seitas e a interferência estrangeira nos assuntos domésticos. Zhao Kezhi, ministro da Segurança Pública, chefe da polícia da China, disse que de-

Taiwan Bateria de iPhone explode após dentada Uma câmara de segurança mostrou o que deve ser o acidente mais bizarro dos últimos tempos. Um homem não identificado resolveu fazer um teste em uma bateria de iPhone e mordeu-a. O acessório explodiu na sua cara. O caso ocorreu na última sexta-feira e o vídeo já conta com

mais de 4 milhões de visualizações. Os 10 segundos mostram um homem a entrar numa loja para substituir a bateria do seu aparelho. Segundo o jornal Taiwan News, o homem queria ter certeza se a bateria não era falsificada, prática comum nas lojas do país. Resolveu fazer um

e a cooperação internacional quando participa dos assuntos árticos, destacou na sexta-feira num seu Livro Branco. A China comprometeu-se a manter uma ordem ártica pacífica, segura e estável, apontou o documento titulado “Política Ártica da China” publicado pelo Departamento de Comunicação do Conselho de Estado. “O Pólo Ártico tem um grande valor para a pesquisa científica”, indica o documento, que acrescenta que explorar e entender o Ártico é uma prioridade e um foco para a China. Mas o país respeitará “a jurisdição exclusiva dos Estados árticos sobre as actividades de pesquisa sob as suas jurisdições nacionais, e sublinha que todos os Estados têm a liberdade da pesquisa científica em alto mar no Oceano Ártico”, segundo o mesmo livro branco. “A China está comprometida na melhora de sua capacidade na expedição e pesquisa no Pólo Ártico, o fortalecimento da construção, manutenção e funções das estações de pesquisa, navios e outras plataformas de apoio no Pólo Ártico, e a promoção da construção de navios quebra-gelo com propósitos científicos”, acrescenta. Por outro lado, a China também está a trabalhar para reforçar a formação do pessoal e a consciência pública sobre o Ártico, promover a cooperação internacional na pesquisa ártica, e estimular o desenvolvimento de ecológicos equipamentos técnicos polares.

vemos acabar com as condições políticas, económicas e sociais que criam gangues. A polícia deve manter maior pressão contra os crimes deste tipo, disse Zhao. O chefe da polícia disse também que o combate a estes crimes devem ser realizado junto com as campanhas contra crime com armas, assalto, roubo, fraude de telecomunicação e hackers.

teste inusitado e o resultado foi desastroso. O caso ocorre num momento em que as baterias de iPhone estão no centro de uma polémica envolvendo um procedimento da Apple que reduz a capacidade de processamento os eus aparelhos para evitar interrupções inesperadas.

ESTUDANTES ‘‘NA LUA’’ DURANTE 200 DIAS

Q

UATRO estudantes chineses passaram 200 dias em isolamento num laboratório construído para simular o ambiente lunar, aprofundando a ambição da China de enviar missões tripuladas à Lua, anunciou a imprensa estatal. A agência Nova China revelou que os quatro alunos da Universidade de Beihang, em Pequim, viveram num módulo chamado “Palácio Lunar” para simular a sobrevivência autónoma numa missão longa e testar a capacidade para o corpo se manter num espaço fechado. A cabine funciona num sistema bio-regenerativo, em que a água e os alimentos se reci-

clam, simulando os ciclos vitais terrestres. Liu Hong, responsável pelo desenho do Yuegong-1, revelou que em 200 dias houve imprevistos, entre os quais três apagões, que “constituíram um desafio para o sistema e o estado psicológico dos voluntários”. O anterior recorde de reclusão numa cabine pertencia a três pessoas da antiga União Soviética, que passaram 180 dias numa construção semelhante nos anos 1970. No laboratório, os dejectos humanos foram tratados através de biofermentação e plantas e legumes foram cultivados com adubos feitos a partir de lixo orgânico. Numa

primeira fase da experiência, entraram duas mulheres e dois homens, que ficaram fechados 60 dias. Depois, foram substituídos pelo grupo que ficou 200 dias. O “Palácio Lunar” tem dois módulos de cultura de vegetais e um espaço de alojamento, em 42 metros quadrados com quatro áreas de descanso, uma sala de comum, casa de banho, uma para tratamento de resíduos e ainda uma zona de criação de animais.

REGULADOR MULTA 12 BANCOS POR FRAUDE

D

OZE bancos da China foram multados em 295 milhões de yuans na sequência de um caso de fraude na província de Gansu, informou hoje a Comissão Reguladora Bancária do país. O caso foi descoberto numa investigação às contas de uma agência do Banco de Poupanças Postais da China naquela província, onde foram encontradas facturas fraudulentas no valor de 7.900 milhões de yuans. Foram também descobertos outros 3.000 milhões de yuans desviados através de fundos de gestão, segundo um comunicado do regulador bancário chinês. Neste caso, “funcionários do banco utilizaram cúm-

plices fora das entidades bancárias” para fabricarem “selos oficiais sem autorização”, assim como usaram “documentos e contratos falsos”, ou na condução ilícita de negócios de gestão de fundos”, adianta o comunicado. A fraude foi considerada “um grave caso que envolveu várias agencias e prejudicou seriamente a ordem no mercado”, concluiu a comissão. O responsável da sucursal do Banco de Poupanças Postais da China foi levado à justiça e proibido de efectuar negócios bancários o resto da vida, tendo ainda sido aplicadas sanções para funcionários dos onze bancos envolvidos na fraude.

PUB

AVISO REGIME PARA A SISTEMATIZAÇÃO DO PROCESSO DE CONSULTA DAS EMPREITADAS DE OBRAS PÚBLICAS RENOVAÇÃO DE INSCRIÇÃO NA D.S.S.O.P.T. Nos termos do disposto no nº 1.8 da Descrição do Funcionamento do Regime para a Sistematização do Processo de Consulta das Empreitadas de Obras Públicas (2011), avisa-se, por este meio, a todos os construtores civis e empresas que aderiram ao aludido Regime para procederem, no período compreendido entre 1 à 28 de Fevereiro de 2018, durante as horas de expediente, na Secção de Atendimento e Expediente Geral da DSSOPT, a renovação da respectiva inscrição, caducando findo este prazo. O impresso para o pedido de renovação poderá ser pessoalmente levantado na DSSOPT, encontrando-se também disponível para download no portal electrónico desta DSSOPT (www.dssopt.gov.mo), sendo ainda aceite fotocópia do aludido impresso. Assim sendo, ficam desde já notificados os construtores civis e empresas sobre a renovação da respectiva inscrição, pelo que não serão individualmente notificados quanto a este assunto. Direcção dos Serviços de Solos, Obras Públicas e Transportes, aos 18 de Janeiro de 2018. O Director dos Serviços,Substituto SHIN CHUNG LOW KAM HONG


14

h

29.1.2018 segunda-feira

E ninguém é eu, e ninguém é você. Esta é a solidão.

WANG YUANQI

Paulo Maia e Carmo tradução e ilustração

«Yuchuang Manbi»

Notas Dispersas Sobre Uma Janela Chuvosa

Através da repetição de maus hábitos as escolas de Wu e de Yujian foram ficando muito pouco diferentes dos maus hábitos praticados na escola Zhe. Quem quiser aprender a pintura a tinta deve particularmente evitá-los. A ideia deve ser concebida antes de segurar o pincel – este é o ponto principal na pintura1. Quando o pintor agarrar no pincel ele deve estar absolutamente tranquilo, sereno, em paz e calmo e afastado de todas as emoções vulgares. Deve sentar-se em silêncio diante do rolo de seda branca, concentrar a alma e controlar a sua energia vital. Deve olhar para o alto e para o baixo, examinar à direita e à esquerda, o que está dentro e que está fora do rolo, a estrada para entrar e a estrada para sair. Quando já tiver uma visão completa na sua mente então pode mergulhar o pincel e molhar a ponta2.

1 - A «ideia clara» que precede a pintura, presente nos caracteres yiming, aparece já no tratado de Wang Wei (699-759), Shanshui Lun como: «a ideia deve preceder o pincel». Essa ideia pode ser uma visão interior, uma inspiração ou um assunto, habitualmente sugerido por um poema. Guo Xi exprimiu-o com a expressão huayi, «ideias para a pintura», Kong Yanshi como liyi, «fixação da ideia». 2 - O momento crucial que precede o início da pintura é retratado muitas vezes como uma liturgia. Na filosofia do Acto, quase essencialmente baseada no pensamento daoísta, será sempre citado o caso referido por Zhuangzi (capítulo 21) do Príncipe Yuan de Song que não escolheu para seu escriba os que se apressaram a começar mas aquele que

simplesmente se despiu e se sentou. Guo Si, por seu lado, conta como seu pai, Guo Xi (1020?-1090?), se preparava para começar a pintar: «Numa mesa imaculada junto de uma janela clara; começava por queimar incenso à direita e á esquerda, tendo já escolhidos um pincel impecável e uma tinta superior, lavava as mãos e purificava o recipiente da tinta, tudo com a compostura de um homem que se prepara para receber um hóspede ilustre…» (Linquan Gaozhi, capítulo, Shanshui Xun.) Shitao falará do pintor que «sobre a superfície limitada da pintura, ordena o Céu e a Terra, os montes, os rios e a infinidade das criaturas e tudo isso com um coração desinteressado e como no nada.» (Notas obre a Pintura do Monge Abóbora Amarga, capítulo XVI, Despojarse da vulgaridade.)


ARTES, LETRAS E IDEIAS 15

segunda-feira 29.1.2018

O ofício dos ossos Valério Romão

Até chá!

OTTO DIX, RETRATO DO ADVOGADO HUH SIMMONS

A

desgraça acontece de formas muito distintas. Por vezes é apenas uma modificação subtil, aparentemente benéfica; um hábito abandonado ou adquirido, uma resolução de ano novo que sobrevive aos primeiros dias de Janeiro. Normalmente, é qualquer coisa que promete muito por muito pouco. O sujeito nem se esforça por escrutinar tamanha bondade. A única coisa de que se lamenta é de não ter sabido daquilo antes. É tão bom que parece nem fazer sombra mas, como em tudo, o diabo está nos detalhes. E é assim com o chá e as agruras que o acompanham. Nunca é tarde para se cair no vício. Nem a maturidade na sua forma mais entediante garante qualquer tipo de resistência aos hábitos malsãos. É uma regra elementar da vida, ao modo epicurista, que deveria estar gravada em baixo-relevo algures no cerebelo. Ainda assim, e mesmo sabendo de gingeirinha as múltiplas formas de cair na vertical, ver passar homens crescidos com termos de chá a caminho de um jantar de grupo aflige-me cardiacamente como poucas coisas o conseguem. Homens de barba pré-hipsteriana, homens com biografias tão distintas como intensas, homens que já viram pessoas sucumbir das mais diversas fomes só para não arregimentar as fileiras da maioria ruidosa. Homens que dão aulas, que escrevem livros, que acolhem filhos, sobrinhos e netos com uma inesperada docilidade, homens que traçam tangentes entre si na noite de Lisboa, movendo-se como grandes predadores imunes à maior parte dos ataques. Homens destes, que antes secavam adegas só pelo respiro, a beber chá. Começam normalmente porque amealharam uns quilos a mais para fazer face ao Inverno. Mas, regressando dos ginásios para casa com passagem pela tasca, dão conta de ser cada vez mais difícil deixar na elíptica ou nos ferros as cervejas que acumulam fora de horas. E a vaidade, esse subestimado aguilhão demoníaco, fala mais alto. Redefinem o percurso para casa para evitar as tascas e, com tanta ansiedade como orgulho, entram apressados em casa, fechando a porta com as costas, como se o mundo quisesse – ou pudesse – resgatá-los. À medida que o tempo passa e os quilos teimam em não desaparecer da agulha da balança, vão incorporando hábitos cada vez mais radicais. As costeletas à salsicheiro dão lugar a saladas de tomate cherry e mozarela, as natas do bacalhau passam a ser de soja e tudo quanto é doce é como se tivesse inscrito na embalagem um pentagrama. Depois, em desespero de causa e por indicação

de um amigo, compram umas infusões de cidreira ou lúcia-lima para acompanhar o hambúrguer de Portobello que debicam, enjoadinhos, ao jantar. Nos primeiros tempos deste Alcatraz alimentar só se ouve “passa-me o sal”. Mas como a fúria adelgaçante não poupa nada, até o sal deixa de ter sabor. É quando se resignam. Na segunda fase desta condição, o sujeito já aceitou a morte do cozido à

portuguesa como realidade inelutável. Investe toda a sua energia em pesquisar, Google afora, as zonas de produção de chá mais afamadas. Entretém-se como pode, naturalmente. Encomenda bugigangas que recebe com sorriso infantil: um filtro de água feito de um material futurista ou arqueológico; uma chaleira com controlo de temperatura ao décimo de grau; um coador numa réplica de marfim muito aceitável. Lenta mas

Homens que dão aulas, que escrevem livros, que acolhem filhos, sobrinhos e netos com uma inesperada docilidade, homens que traçam tangentes entre si na noite de Lisboa, movendo-se como grandes predadores imunes à maior parte dos ataques. Homens destes, que antes secavam adegas só pelo respiro, a beber chá

inexoravelmente, o sujeito vai-se transformando num especialista e as suas conversas, dantes espraiadas de uma invulgar elasticidade mental, afunilam-se até serem monotemáticas. O sujeito só fala do chá. Este hábito mortal que gatinha sob pele de cordeiro transforma radicalmente o sujeito. A pele, dantes marcada pela vida como o papel que recebe a agulha do sismógrafo, aparece lavada pela lixivia da saúde: branca, lisa e desprovida de história. A cara, adornada com um sorriso tão imóvel como omnipresente, exprime um estranho vigor histriónico, como se diversas criaturas atoleimadas, dentro do sujeito, concorressem entre si pela cadeira de comando. É um espectáculo a que não se assiste sem um misto de pena e de repulsa. Falem aos vossos amigos e familiares sobre o chá e as desgraças que dele advêm. Ainda estamos a tempo de, pessoa a pessoa, reclamar de novo o mundo a cores.


16 desporto

Embalada por Danilo a equipa do C.P.K. está a ter um início de temporada arrasador e à segunda jornada soma duas vitórias e 26 golos marcados. Só o goleador brasileiro já conta com 12 golos na conta pessoal

O

Chao Pak Kei está a ter um arranque de campeonato fulgurante e na sexta-feira bateu o recém-promovido Hang Sai por 14-0, no Estádio de Macau. No encontro para a segunda jornada, o

29.1.2018 segunda-feira

LIGA DE ELITE CHAO PAK KEI GOLEOU HANG SAI POR 14-0

Sexta-feira gorda

po a servir para cumprir o calendário. Mesmo assim o C.P.K. não deixou de procurar dilatar a vantagem. Na segunda parte, os restantes 7 golos foram apontados por Bruno Nogueira, 47’, Diego Patriota, 63’ e 79’ e Adilson, 78’. Danilo também fez o gosto ao pé com nada menos do que três golos, aos 71’, 80’ e 82’.

C.P.K. E ÁGUIAS NA FRENTE

Com este resultado, águias e C.P.K. lideram a Liga de Elite com 6 pontos, cada, depois dos encarnados terem ganho ao Lai Chi por 5-0, com cinco golos de Nicholas Torrão.

ataque Danilo voltou a estar em destaque apontado sete golos, depois de já ter apontado outros cinco, na

primeira jornada, diante do Lai Chi. Apesar do Hang Sai ter entrado na partida com PUB

a motivação extra de uma surpreendente vitória na primeira jornada, por 1-0, diante do Monte Carlo, as aspirações de repetirem um resultado que se pudessem considerar positivo terminaram rapidamente. O primeiro golo surgiu logo aos 4 minutos, num canto, batido por Diego Patriota. Após a marcação da bola parada, o brasileiro conseguiu tirar um segundo cruzamento, após o ressalto, sendo que a bola sofreu dois desvios de atacantes do C.P.K. antes de seguir em direcção à baliza do Hang Sai. Lok Ka On ainda conseguiu defender à primeira, mas Danilo chegou mais rápido do que a

defesa contrária ao ressalto e encostou para o 1-0. Novamente aos 9 minutos chegou outro golo. O lateral Choi Chan In cruzou longo para a área, onde surgiu Ronald Cabrera que desviou para a baliza e fez o 2-0. O C.P.K. contou com a ajuda de Lok Ka On, que saiu fora do tempo e abriu o caminho para o golo. Antes do intervalo, o C.P.K. ainda marcou mais cinco tentos, desta feita por Danilo, que marcou mais três, aos 11’, 28’ e 33’, e Ho Ka Seng, que bisou com golos aos 38’ e 40’. Com 7-0, o encontro chegou ao intervalo resolvido, com o segundo tem-

No restantes jogos, o Sporting goleou os Serviços de Alfândega por 5-0 e o Monte Carlo bateu a Polícia por 2-1 No terceiro lugar está o Ching Fung que empatou 0-0, no Sábado, no Canídromo, com o Ka I. A equipa de João Rosas soma quatro pontos. Já o Ka I, orientado por Josecler, tem um ponto em duas jornadas, após a derrotas com o Benfica. No restantes jogos, o Sporting goleou os Serviços de Alfândega por 5-0 e o Monte Carlo bateu a Polícia por 2-1. Na luta pelos dois lugares de descida estão o Lai Chi e os Serviços de Alfândega, com 0 pontos, cada.

BNU APOIO A MAIS DE 70 INICIATIVAS

A

PESAR de admitir recusar apoiar financeiramente instituições que apresentam projectos merecedores de patrocínios, o BNU sublinha que contribui anualmente para mais de 70 iniciativas relacionadas com responsabilidade corporativa. É esta a posição oficial da instituição perante a proposta de um sócio do Sporting de Macau, que quer que o clube retire as contas do banco. Em causa está o facto do BNU não ter prestado qualquer apoio ao clube local nos últimos dois anos. “Apesar do compro-

misso financeiro significativo que fazemos todos os anos em iniciativas relacionadas com a responsabilidade social corporativa, temos de recusar alguns projectos que consideramos merecedores de apoio” pode ler-se na resposta do banco. “Ao longo dos últimos anos, o BNU tem apoiado de forma continua mais de 70 iniciativas por ano e os nossos esforços ao nível da responsabilidade social corporativas foram premiadas por publicações reputadas internacionalmente”, é acrescentado. J.S.F.

João Santos Filipe

joaof@hojemacau.com.mo


segunda-feira 29.1.2018

TEMPO

C H U VA

4 3

F R A C A4

O QUE FAZER ESTA SEMANA Amanhã

1

? 3

3

LANÇAMENTO DO LIVRO “O SOL, LOGO EM NASCENDO, VÊ PRIMEIRO”, DE CARLOS ANDRÉ Fundação Rui Cunha | 18h30

Quarta-feira

2 3

PROGRAMA DE RÁDIO “FALAR DIREITO” - 63A EMISSÃO Fundação Rui Cunha | 22:00 - 23:00 MEDITATION AND ECSTATIC DANCE - SUPER BLOOD BLUE MOON ECLIPSE Yoga Loft Macau | 19:30 - 21:30

1

Quinta-feira

CONCERTO DE BERRI TXARRAK Live Music Association | 21h30 às 00h30

Sábado

WORKSHOP FILM MARKETING IN THE INFORMATION AGE Cinemateca Paixão | 17h30 MÚSICA: BE-ATS FEAT PATRICK ZIGON Live Music Association | 22h00

5

6 1

EXPOSIÇÃO “O TEMPO MEMORÁVEL” Museu de Macau | Até 25/02 A LINGUAGEM E A ARTE DE XU BING Museu de Arte de Macau | Até 4/03

Cineteatro

C I N E M A

MAZE RUNNER: THE DEATH CURE SALA 1

MAZE RUNNER: THE DEATH CURE [C] Filme de: Wes Ball Com: Takeru Satoh, Go Ayano, Testuji Tamayama, Yu Shirota 14.15, 16.45, 21.45

MAZE RUNNER: THE DEATH CURE [C][3D] Filme de: Wes Ball Com: Takeru Satoh, Go Ayano, Testuji Tamayama, Yu Shirota 19.15 SALA 2

DOWNSIZING [C] Filme de: Alexander Payne

7

2

5 3 7 5 2 1 6 4 7 1 2 6 1 3 7 4 5 6 5 4 1 5 4 6 2 3 7 4 7 2 2 M I N 77 2M A3X 4 1 0 5H U 1M 6 7 0 - 9 5 % 5• 4 3 7 1 6 5 2 1 6 1 2 5 4 7 3 3 4 5 4 6 7 3 2 1 2 3 5 3 4 5 1 6 5 7 43 4 2 1 5 2 13 74 2 6 5 1 7 1 7 5 7 1 22 6 3 4 5 6 2 3 4 1 7 6 5 6 1 4 6 43 5 1 7 2 3 7 1 6 4 2 5 3 6 1 2 5 7 3 4 6 4 5O CARTOON STEPH DE

3

7 72 WORKSHOP FILM MARKETING IN THE INFORMATION AGE Cinemateca Paixão | 17h30 5 16 Diariamente EXPOSIÇÃO “A REBOURS: CASE X 8 – THE ARTISTS NOTES2 4 IN 2010 FROM MACAO/PEQUIM” Casa Garden | Até 28/02 3 3 EXPOSIÇÃO “TWENTY HOURS – AN EXHIBITION OF ABSTRACT 7 1 PAINTING BY DENIS MURRELL AND HIS STUDENTS”1 CAFÉ IFT 5 5 espaço Anim’Arte Nam Van | Até 2/03 Domingo

6 2

61 3 5 2 7 6 4

3 6 4 35 12 7 1

2 47 1 6 4 5 73

SOLUÇÃO DO PROBLEMA 5

6 1 3 7 5 4 2

UM FILME HOJE

4 5 7 3 1 2 6

5 4 2 1 6 3 7

6

6

2 3 5 15 6 7 7 4 1 41

PROBLEMA 6

5 6

7 7 4 (f)utilidades 1 3 6 4 2 5 7 6 1 4175 2 4 1 7 5 3 4 5 3 6 2 6 3 5 7 1 6 2 6 1 2 3 4 6 7 UAN 6E U R2O 41 03. 0 07 B1A H T 0 . 2 55 Y 7 6 12. 2 71 7 6 5 2 3 4 1 4 7 5 3 4 7 2 5 1 6 PÊLO DO CÃO 2 3 5 1 7 5 1 3 6 4 7 A OUTRA 3 2 4 7 6 MARGEM 7 9 que andava para passar a Há muito tempo 4 1 pé a Ponte Governador Nobre de CarvaEste fim-de-semana, 5 6 3 7 74 1 lho. 1 5 3depois2de uma6 francesinha, aproveitei o tanque cheio nos 3 24 5 2 1 6 demaiscombustível 4 para 2 mede6aventurar 1 de 2,5 quilómetros ponte.5 Faz-se bem, sem grandes sobressaltos, apesar da 6 1 44 3 2 7 constante proximidade 2 3 com7a morte 4 certa5 dos espelhos dos autocarros que passam a Não fiz 7 5 2 56 3 4 rasar. 6a ponte4a correr, 1 nem7estaca3 equipado como um desportista, pelo que temi ser confundido por 2 um suicidário. 6 nos7 22 67 1 4 6 5 Em vez disso,5fi-lo1com headphones e a cantar a plenos pulmões, livre 4 3 7 1 5 2 ouvidos 6 5 social. 3 Esta4 de qualquer7 constrangimento ponte foi construída para se assemelhar 1 2 6 5 7 3 a um dragão,3sendo7que na4altura1da sua2 7 5 1 53 2 26 4

1 26 4 45 3 2 7

3 72 7 4 6 1 5

6 7 2 1 14 5 63

5 4 3 72 51 7 6

4 1 6 7 5 3 2

SUDOKU

2

concepção a cabeça do mitológico bicho seria o Casino Lisboa, enquanto que a Pequena Taipa seria a cauda. Enquanto se palmilhei metro a metro as costas do dragão, entre as suas pernas embarcações transportavam a futura terra de Macau que, como tudo por cá, é importada. Estamos a construir estrangeiro flutuante e a anexar automaticamente essa expansão territorial. Se Hitler tivesse pensado em crescer territorialmente para norte da fronteira do Báltico e do Mar do Norte, construindo arianos subúrbios oceânicos, a destruição da Europa não teria sido tão catastrófica. Macau devia expandir para sul de Coloane, ganhar terreno ao mar como se o degelo não fosse nada e a subida das águas do mar apenas um déjà vu bíblico. Pensei em terra enquanto estava entre margens, tão deslocado no elementos. João Luz

11

2 6 7 3 5 1 4

5 7 3 6 2 4 1

3 4 1 5 7 2 6

4 2 6 1 3 7 5

7 5 2 4 1 6 3

YOUTH | XIAOGANG FENG 2017

Realizado por Xiaogang Feng, o filme Youth acompanha a vida de grupo de jovens que integra uma das bandas do Exército de Libertação do Povo Chinês, durante os anos da Revolução Cultural, subida ao poder de Deng Xiaping e a guerra de 1979 entre a China e o Vietname. Uma produção do Interior da China que mostra a vitalidade de uma indústria emergente que, quando estiver pronta para enfrentar a História do país, poderá produzir obras de arte ao nível do que melhor se faz na Coreia do Sul, Japão ou Taiwan. João Santos Filipe

Com: Matt Damon, Cristoph Waltz, Hong Chau, Kristen Wiig 14.15, 16.45, 19.15, 21.45 SALA 3

FATE/ STAY NIGHT HEAVEN’S FEEL I. PRESAGE FLOWER FALADO EM JAPONÊS LEGENDADO EM CHINÊS Um filme de: Tomonori Sudo 14.30, 17.00, 21.30

COCO [A] FALADO EM CANTONENSE Filme de: Lee Unkrich 19.15

www. hojemacau. com.mo

Propriedade Fábrica de Notícias, Lda Director Carlos Morais José Editor José C. Mendes Redacção Andreia Sofia Silva; João Luz; João Santos Filipe; Sofia Margarida Mota; Vitor Ng Colaboradores Amélia Vieira; Anabela Canas; António Cabrita; António Castro Caeiro; António Falcão; Gonçalo Lobo Pinheiro; João Paulo Cotrim; José Drummond; José Simões Morais; Julie O’Yang; Manuel Afonso Costa; Maria João Belchior (Pequim); Michel Reis; Miguel Martins; Paulo José Miranda; Paulo Maia e Carmo; Rui Cascais; Rui Filipe Torres; Sérgio Fonseca; Valério Romão Colunistas António Conceição Júnior; André Ritchie; David Chan; Fa Seong; Jorge Rodrigues Simão; Leocardo; Paul Chan Wai Chi; Paula Bicho; Rui Flores; Tânia dos Santos Cartoonista Steph Grafismo Paulo Borges, Rómulo Santos Ilustração Rui Rasquinho Agências Lusa; Xinhua Fotografia Hoje Macau; Lusa; GCS; Xinhua Secretária de redacção e Publicidade Madalena da Silva (publicidade@hojemacau.com.mo) Assistente de marketing Vincent Vong Impressão Tipografia Welfare Morada Calçada de Santo Agostinho, n.º 19, Centro Comercial Nam Yue, 6.º andar A, Macau Telefone 28752401 Fax 28752405 e-mail info@hojemacau.com.mo Sítio www.hojemacau.com.mo

3 7 5 4 2 6 1

2 1 7 3 6 4 5

4 7 1 5 3 2 6

7 3 6 2 4 1 5

6 1 5 2 4 3 7

1 3 4 7 6 5 2


18 opinião

29.1.2018 segunda-feira

A outra face

Q

Uma permanente obsessão

UANDO vejo um filme passado em Macau, independentemente da sua qualidade, fico sempre fascinado pelas imagens, quase estupidificado e, ao mesmo tempo, submerso numa catadupa inenarrável de emoções. A coisa agrava-se quando a história retrata gente de Macau e o seu quotidiano. Tenho então um prazer quase voyeurista em entrar na casa das pessoas, dar pelos seus objectos, pelas fotografias sobre móveis de fórmica, as músicas trauteadas, os restos das vidas espalhados pelas mesas, pelas cadeiras, pelo chão. Produz-se em mim um estranho reconhecimento de algo que realmente nunca presenciei, uma familiaridade com o que nunca vivi, um estranho sentimento de pertença, de partilha, meramente imaginário da minha parte. Terei alguma vez entrado num apartamento parecido com aquele? Seria

tarde e agora não me lembro. Ou talvez isso nunca tenha realmente acontecido. Isto ocorreu-me ao ver o filme “Sisterhood”, da realizadora de Macau Trace Choy. Independentemente da história ou

do tema, a mim bastariam as imagens para me manterem agarrado ao ecrã, invadido por uma catarata de emoções. Por quê? Afinal, os ambientes retratados não são meus conhecidos mas algo dotado de uma

Por quê esta minha tão estranha e permanente obsessão, que me faz ir da lágrimas ao riso, da estupefacção à euforia, da saudade à tristeza e ao desespero?

CARLOS MORAIS JOSÉ

existência pressentida. Não são sítios onde vivi mas espaços ocultos ou inacessíveis, que fazem parte do quotidiano de toda esta gente que me rodeia, mas aos quais o meu acesso é basicamente nulo. São os milhares de vidas à minha volta, envoltas sempre no mistério da sua cultura e na abissal diferença do seus desejos. Então por que razão isto me perturba tanto? Que tenho eu a ver com isto? O filme em si é excelente, a história transporta-nos entre a cidade pré e pós crescimento desmesurado do Jogo. Existe a nostalgia do que existiu e desapareceu e um enorme vazio, unicamente colmatado pelas relações que restam do passado, mas que os novos ritmos tornam obsoletas. Tudo isto bastaria para tornar este um bom filme. Mas, para mim, é a presença da cidade, dos perfis e dos contornos, das pessoas e dos lugares, reais, imaginários e ou desaparecidos, que realmente me fascinou e com certeza me vai obrigar a rever várias vezes. Por quê esta minha tão estranha e permanente obsessão, que me faz ir da lágrimas ao riso, da estupefacção à euforia, da saudade à tristeza e ao desespero?

PUB

M01 M02 M03 M04 M05 M06 M07 M08 M09 M10 M11 M12 M13 M14 M15 M16 M17 M18 M19 M20 M21 M22 M23 M24 M25 M26 M27 M28 M29 M30 M31 M32 M33 M34 M35 M36 M37 M38 M39 M40 M41 M42 M43 M44

Local de recolha de lixo de grandes dimensões antes do Ano Novo Chinês 【02/02/2018 - 15/02/2018, 20H00 - 23H00】

Depósito de lixo na Rua do Canal das Hortas n°47 Depósito de lixo na Rua Norte do Canal das Hortas n°235 Depósito de lixo na Alameda da Tranquilidade n°103 Contentor de compressão de lixo, Rua Seis do Bairro Iao Hon nº 18 Depósito de lixo na Av. de Artur Tamagnini Barbosa (perto do auto-silo do edf. Tamagnini Barbosa) Contentor de compressão de lixo, sito na Rua Seis do Bairro Iao Hon (ao lado das zonas de vendilhões) Contentor de compressão de lixo, na Rua Central de T’oi Sán nº 200 Depósito de lixo fechado da Zona de Lazer da Rua Quatro do Bairro Iao Hon Depósito de lixo na Rua Nova de Toi San n°12 Depósito de lixo na Estrada Marginal do Hipódromo Depósito de lixo na Travessa Norte do Patane n°16 Depósito de lixo na Estrada Marginal da Ilha Verde (lado oposto do Matadouro) Depósito de lixo na Rua da Ilha Verde n°51 Depósito de lixo na Rua do General Castelo Branco n°67 Depósito de lixo na Rua do Templo Lin-Fong n°89 Depósito de lixo na Rua Sul do Patane (ao lado do Edf. Fai Tat) Depósito de lixo na Rua Sul do Patane n°181 Depósito de lixo na Rua dos Estaleiros Contentor de compressão de lixo, na Avenida de Horta e Costa Depósito de lixo na Rua de Kun Iam Tong n°63 Depósito de lixo no Beco do Pagode do Patane, n.º 11 Contentor de compressão de lixo, na Rua de Francisco Xavier Pereira n.º 131 Depósito de lixo na Rua do Coronel Mesquita, n.º 5 Depósito de lixo na Rua de Entre-Campos Depósito de lixo da Rua de Silva Mendes nº1 (Próximo da Casa Memorial do Dr. Sun Yat-Sen) Depósito de lixo na Rua de Tomás Vieira n°80 Contentor de compressão de lixo, na Rua da Alegria n°11B Depósito de lixo no Beco dos Faitiões n°21 Depósito de lixo na Rua da Esperança Depósito de lixo na Calçada de S. Francisco Xavier n°1 Depósito de lixo na Travessa do Armazém Velho n°1 Depósito de lixo no Largo do Pagode do Bazar Depósito de Lixo na Av. do Coronel Mesquita n°85 Depósito de lixo na Rua de Luís João Baptista n°13 Depósito de lixo na Rua de Henrique de Macedo n° 2 Depósito de lixo na Rua do Pato n°12 Depósito de lixo no Pátio de S. Domingos nº 2 Depósito de lixo no Pátio de Hó Chin Sin Tong n°1 Contentor de compressão de lixo, Rua do Almirante Sérgio n.º 13B Depósito de lixo na Zona de Lazer do Largo do Aquino Contentor de compressão de lixo, na Rua Nova à Guia nº. 276 Contentor de compressão de lixo, Rua do Dr. Lourenço Pereira Marques n.º 49 Depósito de lixo no Miradouro de Henry Dunant Contentor de compressão de lixo, Rua das Alabardas, em frente ao nº 10 D

M45 Depósito de lixo fechado na Avenida da Praia Grande nº 291 (Cruzamento com o Pátio do Pagode) M46 Depósito de lixo fechado na Praceta de 1 de Outubro M47 Depósito de lixo fechado na Rua do Almirante Sérgio nº 209 M48 Depósito de lixo na Calçada da Paz n°4 M49 Travessa do Bom Jesus n°16 M50 Depósito de lixo na Travessa da Prosperidade n°26 M51 Depósito de lixo na Av. da República n°2A M52 Depósito de lixo na Rua de S. Tiago da Barra n°15 M53 Depósito de lixo na Alameda Dr. Carlos d’Assumpção, n.º 745 (ao lado do Jardim Comendador Ho Yin) M54 Contentor de compressão de lixo, no Mercado Provisório do Patane M55 Depósito de lixo na Rua Seis do Bairro da Areia Preta n°152 M56 Contentor de compressão de lixo, na Rua de Francisco Xavier Pereira n.º 61 M57 Contentor de compressão de lixo, na Rua de Francisco Xavier Pereira n.º 149 M58 Contentor de compressão de lixo, no exterior do Templo Chok Lam M59 Contentor de compressão de lixo, na Saída do Auto-Silo de Automóveis Pesados da Avenida 1º de Maio M60 Contentor de compressão de lixo, na Estrada Marginal da Areia Preta n.º 87 M61 Contentor de compressão de lixo, na Rua Cidade de Braga M62 Alameda Dr. Carlos d’Assumpção 403 - 439 (Centro Unesco de Macau) M63 Depósito de lixo na Travessa de S. Domingos, n.º 16B M64 Contentor de compressão de lixo, Rua das Estalagens nº. 110A M65 Depósito de lixo na Avenida do Comendador Ho Yin M66 Contentor de compressão de lixo, Estrada de Adolfo Loureiro nº 12J M67 Contentor de compressão de lixo,Rua de Martinho Montenegro nº 13 M68 Depósito de lixo na Rua da Harmonia n°129 M69 Depósito de lixo na Rua do Matapau, n.º 83 M70 Depósito de lixo na Rua das Lorchas n°357 M71 Depósito de lixo na Travessa das Hortas n°3 M72 Contentor de compressão de lixo, no local de encontro da Avenida do Ouvidor Arriaga n.º 4 com a Rua de Silva Mendes M73 Contentor de compressão de lixo, no local de encontro da Avenida do Ouvidor Arriaga n.º 41 com a Rua do Almirante Costa Cabral M74 Contentor de compressão de lixo, no local de encontro da Avenida do Ouvidor Arriaga n.º 99 com a Rua da Madre Terezina M75 Contentor de compressão de lixo, na Avenida da Longevidade nº. 49 M76 Contentor de compressão de lixo, na Rua Nova à Guia nº. 119 M77 Contentor de compressão de lixo, na Rua de Francisco Xavier Pereira, em frente ao nº 19 C M78 Contentor de compressão de lixo, na Rua da Madre Terezina, em frente ao nº 4 A M79 Contentor de compressão de lixo, na Rua do Lu Cao, n.º 68 M80 Contentor de compressão de lixo, Rua do Bispo Medeiros nº. 24 M81 Contentor de compressão de lixo, Estrada Marginal da Ilha Verde nº. 1162 M82 Depósito de lixo na Praça de Luís de Camões M83 Depósito de lixo na Rua de Luís Gonzaga Gomes (Jardim da Rua de Malaca) M84 Contentor de compressão de lixo, Avenida do Almirante Lacerda nº 72 M85 No local de encontro da Rua Central da Areia Preta com a Rua da Pérola Oriental M86 No local de encontro da Rua Rua Central da Areia Preta com a Rua 1º de Maio

M87 Contentor de compressão de lixo, Rua do Padre João Clímaco n.º 23 M88 Contentor de compressão de lixo, na Estrada da Vitória, em frente ao n.º18 M89 Contentor de compressão de lixo, na Rua de S. Lourenço nº. 8 M90 Contentor de compressão de lixo, na Rua do Almirante Sérgio n.º 165 M91 Contentor de compressão de lixo, na Travessa dos Bombeiros n.º 3ª M92 Contentor de compressão de lixo, na Rua da Ribeira do Patane n.º 159 M93 Contentor de compressão de lixo, na Rua do Infante, em frente ao nº 11 M94 Contentor de compressão de lixo, na Rua de Coelho do Amaral nº 3 M95 Contentor de compressão de lixo, na Rua de Tomás Vieira nº 68B M96 Contentor de compressão de lixo na Rua de João de Araújo nº 68 (Travessa dos Cules) M97 Em frente da Avenida do Nordeste nº 244 (Edf. TONG WA SAN CHUN, bloco X) M98 Em frente da Rua Nova da Areia Preta nº 213 (Edf. U WA, bloco II) M99 Depósito de lixo na, Rua do General Ivens Ferraz M100 Contentor de compressão de lixo, na Avenida do General Castelo Branco(à frente do Edf. Cheng) M101 Contentor de compressão de lixo, na Avenida do Governador Jaime Silvério Marques nº 203 M102 Contentor de compressão de lixo, no lado oposto do Estrada de Coelho do Amaral nº 40 M103 Contentor de compressão de lixo, Travessa dos Calafates M104 Contentor de compressão de lixo, na Rua do Almirante Costa Cabral nº 88 M105 Contentor de compressão de lixo, na Avenida Marginal do Lam Mau (Avenida Marginal do Patane) M106 Contentor de compressão de lixo, na Rua dos Currais T01 T02 T03 T04 T05 T06 T07 T08 T09 T10 T11 T12 T13

Contentor de compressão de lixo, no Largo dos Bombeiros, Taipa Depósito de lixo fechado na Rua de Évora, Taipa (Jardim da Cidade das Flores) Contentor de compressão de lixo, na Avenida de Kwong Tung, Taipa Depósito de lixo fechado na Rua de Lagos nº 90, Taipa Depósito de lixo fechado na Avenida dos Jardins do Oceano nº 147, Taipa (Ao lado do Centro de Saúde) Avenida Dr. Sun Yat Sen, Taipa (Próximo da estação de autocarros do Edifício Chun Leong) Depósito de lixo na Travessa da Rebeca, Taipa Depósito de lixo fechado na Rotunda do Estádio, Taipa Depósito de lixo fechado no Caminho das Hortas, Taipa Depósito de lixo na Estrada Lou Lim Ieok, Taipa Contentor de compressão de lixo, na Rua de Pequim, Taipa (Edf. Do Lago bloco IV) Depósito de lixo, no Largo da Ponte, Taipa Depósito de lixo na Rua de Viseu, Taipa (ao lado do Edf. De Servicos Socials de Pou Tai)

C01 C02 C03 C04 C05 C06 C07 C08 C09

Depósito de lixo na Rua dos Navegantes, Coloane Depósito de lixo fechado no Largo da Cordoaria, Coloane Depósito de lixo na Avenida da República, Coloane Depósito de lixo na Estrada do Campo, Coloane Depósito de lixo na Estrada de Hac Sá, Coloane Depósito de lixo no Caminho da Povoação de Ká Hó, Coloane Contentor de compressão de lixo, na Alameda da Harmonia, Coloane (Edf. Ip Heng bloco IX) Contentor de compressão de lixo, na Alameda da Harmonia, Coloane (Edf. Lok Kuan bloco III) Contentor de compressão de lixo, na Rua Um de Koi Nga, Coloane (Edf. Koi Nga, entre os blocos III e V)


opinião 19

segunda-feira 29.1.2018

reencarnações

L

A negligência

AVO as minhas mãos de qualquer incidente que me possa vir a ser imputado, vacinei-me contra a culpa e o desleixo que possa ter resultado em prejuízo para alguém. Sou a multiplicação da palavra “alegadamente” a cada três vocábulos. Declaro-me incapaz de culpabilidade e desprovido da mais elementar centelha de ética e empatia que me possa atribuir responsabilidade. Sacudo essa desconfortável água do meu pouco permeável capote. Sou o pão nosso de cada dia de Macau, a cidade onde a culpa morre cronicamente solteira e onde a justiça é exercida através da ancestral prática da pastorícia expiatória. Pôncio Pilatos deveria ser o padroeiro desta terra onde não se faz correspondência entre pecado e penitência, onde a causa está há muito divorciada do efeito. Sou abundante na área da saúde, onde resulto em morte ou lesões vitalícias. Sou a soma da mercantilização da vida pelo poder que tem a venda exclusiva da cura e tratamento, não permitindo que se fure um monopólio que deixa o acesso à saúde restrito a dois hospitais numa cidade que alberga todos os dias perto de um milhão de pessoas. A perda de eficácia não é um problema do sistema, é o repercussão da sua natureza. Movo-me pela cidade de stilletos calçados, com os olhos vendados, transportando nitroglicerina nos braços. Sou o desafio indiferente ao equilíbrio, a bomba de pavio curto que está sempre prestes a explodir em hora e local pouco oportuno. Sou um rol de mil desculpas de quem só quer exclamar “azarito!”, sou contestação até às últimas instâncias de todo e qualquer caso em que se peçam responsabilidades. Se morre uma criança que estava ao meu cuidado nada há por apurar, toca a dispersar, fizemos o que pudemos, esforços envidados e o diabo a sete. Deixem-me em paz, não me perturbem a placidez do total desprovimento de vergonha. A culpa é de Deus, dos elementos, da porra da razoabilidade dos factores de risco, do destino malfadado que faz com que tombem sucessivas vítimas sob minha alçada. Faço o que posso quase sempre, amplamente farto de processos disciplinares e escrutínio judicial, deixem-me em paz. A fatalidade é uma das poucas certezas da vida, aceitem isso de uma vez. Eu, quanto muito, sou o agente decisor que facilita a inevitabilidade. Tudo é finito, essa é a principal regra de um jogo que não escrevi. Não há noção de delito para mim, eu sou o descuido de uma cidade distraída e que tem dificuldades em medir consequências. Sou a governação que se situa mentalmente no espectro do transtorno do défice de atenção com hiperactividade. Preciso de ritalina e estrica anfetamínica, quero químicos a

DAVID BATCHELOR, BLOBDRAWING06

JOÃO LUZ

justificar a loucura imprudente da minha impulsividade. Quero em simultâneo que me deixem descansado, exijo absolvição. Mais uma vez, sou um produto derivado do grande medo que atravessa Macau, onde reina a desresponsabilização. Não fui eu, não foram eles, não foi aquele departamento, não foi ninguém, é assim que se conjuga o pretérito perfeito do ser. Trago a despersonalização, não foi ninguém em coisa nenhuma para sempre.

Sou a governação que se situa mentalmente no espectro do transtorno do défice de atenção com hiperactividade. Preciso de ritalina e estrica anfetamínica, quero químicos a justificar a loucura imprudente da minha impulsividade

Sou o agente da incúria, a suprema divindade da inobservância de boas práticas, o elogio do desmazelo e negação da seriedade. Na terra onde construir um hospital leva mais tempo do que erigir as pirâmides de Gizé, sou o resultado da falta de meios que se querem escassos. Sou o resultado de uma longa lista de causas que resultam em mim. Prolifero na sombra, nos cantos escuros onde a justiça não chega, no lugar onde a probidade é omitida e relegada ao esquecimento. Não me chateiem e vivam comigo, a ceifeira desajeitada que está muito para além dos contratos sociais. Venham brindar com os fantasmas às más práticas que buscam a inconsequência, todos juntos mostraremos que nos estamos nas tintas para o que está por vir. A culpa só existe intrinsecamente, esse tormento pessoal, e representa uma falha de carácter para a qual eu sou a vacina. Remorso é uma doença do espírito que quero erradicar de uma vez por todas, a última fraqueza. Lembrem-se: não havia, nem nunca haverá nada a fazer. É a vida!


Toda a gente é capaz de sentir os sofrimentos de um amigo. Ver com agrado os seus êxitos exige uma natureza muito delicada. Oscar Wilde

PALAVRA DO DIA

segunda-feira 29.1.2018

Processo lamacento

O

presidente da operadora de jogo Wynn Resorts, Steve Wynn, está no centro do último escândalo de abusos sexuais nos Estados Unidos, após ter pago 7,5 milhões de dólares norte-americanos a uma funcionária, por tê-la obrigado a ter relações sexuais. Segundo o Wall Street Journal, que noticiou o caso, o magnata terá obrigado várias massagistas a actos sexuais, em alguns casos a troco de gorjetas de 1000 dólares. Apesar do desmentido de Steve Wynn e das acusações de que as informações foram colocadas a circular pela ex-mulher Elaine Wynn, com quem tem um diferendo nos tribunais, o caso está a atingir a imagem do magnata e as acções da empresa. Depois das revelações, Wynn apresentou a demissão da função de responsável financeiro do Partido Republicado norte-americano. Um pedido que foi aceite pela líder do partido, Ronna McDaniel. Por outro lado, após a publicação da história, na sexta-feira, as acções da operadora na Bolsa de Nova Iorque caíram mais de 10 por cento. O episódio que levou ao pagamento dos 7,5 milhões aconteceu em 2005, de acordo com a publicação norte-americana. Nessa altura, Steve Wynn recebeu no seu salão pessoal tratamentos de uma manicure. No entanto, um dia, quando abandonou as instalações, a mulher vinha a chorar e

E

PUB

CONOMIA de Macau. “É o dobro de Las Vegas e Atlantic City juntas. Em termos de receitas é um disparate. Mesmo há 30 anos era assim, mas nessa altura ainda havia outros sectores de actividade como as flores artificiais, alguns bordados, brinquedos, confecções… Hoje praticamente morreu tudo e temos o jogo. Quando o peso de um sector é aquele que tem o jogo em Macau, obviamente que é perigoso. O problema é que também não vejo alternativa. É difícil arranjar um nicho de mercado, a não ser para sec-

JEFF-SCHEID-LAS-VEGAS-REVIEW-JOURNAL

STEVE WYNN ACUSADO DE ABUSAR EMPREGADA

contou a vários empregados no local que tinha sido obrigada por Wynn a manter relações sexuais. Apesar de ter dito que não o desejava e que era casada, o magnata continuou a insistir, até que a mulher se deitou na marquesa e tirou as roupas. O Wall Street Journal refere existirem dezenas de relatos de ex-empregadas que prestavam serviços de massagens no escritório de Steve Wynn e que de uma forma ou de outra, acabaram por ser vítimas de avanços indesejáveis e de uma conduta sexual

inapropriada. Refere a publicação, que as massagistas em causa fazia tudo para não estarem sozinhas com o magnata durante as massagens. Em alguns casos chegavam a fingir estarem ocupadas com outros serviços, em outros pediam a outras pessoas que fingissem ser suas assistentes e as acompanhassem durante as massagens, para evitarem avanços.

WYNN NEGA ACUSAÇÕES

Em resposta às questões do jornal, Steve Wynn negou ter alguma vez

cometido qualquer tipo de abusos: “Aideia de que eu possa ter cometido qualquer abuso contra uma mulher é absurda”, respondeu o magnata. Depois, passou ao ataque contra a ex-mulher, Elaine Wynn, que pretende reverter um contrato assinado com o magnata, em que a ex-esposa se comprometeu após o divórcio a não vender as acções na companhia. O julgamento do diferendo entre o ex-casal vai começar na Primavera. “Estamos num mundo em que as pessoas podem fazer alegações, mesmo que não sejam verdadeiras, e que o visado tem duas opções: fica coberto por um clima de publicidade ofensiva ou vai para tribunal em casos que se arrastam durante vários anos. É deplorável que alguém se possam ver envolvido numa situação destas”, considerou. “Estas acusações têm sido instigadas pelo trabalho continuo da minha ex-mulher Elaine Wynn, com quem estou envolvido num terrível e lamacento processo judicial, em que ela pretende alterar os termos do nosso divórcio”, acrescentou. No processo que decorre em tribunal, Elaine Wynn está tentar obter autorização para vender as acções que detém na Wynn Resorts, avaliadas em 1,9 mil milhões de dólares norte-americanos. Segundo os termos do divórcio do casal, Elaine está impedida de proceder à vendas dessas acções. J.S.F.

“Não o aproveitámos bem” Carlos Monjardino, em entrevista ao jornal Dinheiro Vivo, sobre Macau, a presença portuguesa e a economia da RAEM

tores tecnologicamente mais evoluídos. Aí sim, com os meios que tem Macau, pode oferecer-se e financiar-se a criação de empresas tecnologicamente avançadas e que, aí sim, já podem competir com outros países daquela zona. Ainda penso que vale a pena tentar isso, porque os meios existem. “De resto, estão a tentar diversificar a economia, estão a puxar por investidores para

irem lá, mas até agora não tenho notado que tenha tido muito sucesso essa política, mas era bom que tivesse. Não se pode deixar um território com 700 mil pessoas à mercê da flutuação do jogo, que no fundo depende da China. Eles gostam de jogar tendo muito ou pouco dinheiro… agora pode entrar toda a gente e joga-se muito mais. “As pessoas conscientes percebem que (os portu-

gueses) já temos que ver muito pouco com Macau e nem o aproveitámos bem. Há coisas que os chineses assumiram completamente e é evidente que a China é que determina as linhas mestras da política. Em Hong Kong também , mas em Macau é diferente porque a influência portuguesa foi grande e nós sempre fomos muito mais simpáticos. Portugal pode ser um hub importante devido à

forma como os chineses nos vêem. Devíamos aproveitar mais isso e não aproveitamos. Somos como “velhos amigos” e isso para eles tem um significado histórico grande. Vêm cá muito mais do que a qualquer país da Europa. Gostam e têm um carinho especial por nós. Às vezes desarmamo-los um bocadi-

Stephen Hung deixa direcção do Hotel 13

O empresário Stephen Hung demitiu-se dos cargos de presidente conjunto e director executivo da empresa The 13 Holdings, responsável pela construção do hotel e casino com o mesmo nome, em Seac Pai Vai. A informação foi avançada pela empresa, num comunicado à bolsa de Hong Kong, na quintafeira à noite. Segundo a mesma informação, cerca de 8,96 das acções da empresa, detidas por Stephen Hung através da empresa Pride Wisom Group, foram transferidas através de venda para o vice-presidente da empresa, Tom Lau Ko Yuen. Ainda na semana passada tinha sido igualmente comunicado à bolsa do território vizinho que a abertura do hotel tinha sido adiada de 31 de Março para 30 de Abril. Com as alterações, Peter Coker passa a ser o único presidente da empresa.

nho, porque não entendem algumas das nossas reacções. “Temos de ter a noção do que é a nossa economia e do que é a economia chinesa. Vai ser difícil, mas há certamente coisas em termos técnicos. A nível da engenharia, temos muito bons engenheiros, os chineses também já têm, mas poderiam aprender com o que temos. Às vezes vêm aí… e compram empresas não pelo valor intrínseco da empresa, mas pela sua técnica, para absorver a técnica que eles não têm. Basicamente, estão a comprar aceleração.” In Dinheiro Vivo

Hoje Macau 29 JAN 2018 #3982  

N.º 3982 de 29 de JAN de 2018

Hoje Macau 29 JAN 2018 #3982  

N.º 3982 de 29 de JAN de 2018

Advertisement