Page 1

DIRECTOR CARLOS MORAIS JOSÉ

MOP$10

AGÊNCIA COMERCIAL PICO • 28721006

hojemacau

PUB

SEGUNDA-FEIRA 27 DE NOVEMBRO DE 2017 • ANO XVII • Nº 3943

Religião Excessos comerciais proibidos O Partido Comunista Chinês publicou uma directiva que visa proibir os excessos comerciais dos templos budistas e taoístas. Agora o dinheiro das recordações e dos livros servirá para manter os edifícios. O resto vai para a caridade. PÁGINA 13

PÁGINA 8

LAG

HABITAÇÃO

Quem manda dita a lei O Secretário confessou: o Governo não pode (ou não quer) intervir no mercado imobiliário. Para baixar os preços é preciso, segundo Lionel Leong, construir mais. Muito mais.

TIAGO E FONG FONG GUERRA EM LISBOA

A grande fuga GCS

GRANDE PLANO

PÁGINAS 4-5

www.hojemacau.com.mo•facebook/hojemacau•twitter/hojemacau

Bronca Governo encerra Clínica Maló por práticas menos próprias


2 grande plano

O casal de portugueses que fugiu de uma cadeia de Timor-Leste chegou, são e salvo, a Lisboa para um reencontro emocionado com a família. Tiago e Fong Fong Guerra não quiseram no aeroporto falar à imprensa mas prometeram contar toda a história de uma fuga que passou por uma travessia de barco para a Austrália e um advogado de Macau. Entre outros factos plenos de aventura

O

S portugueses Tiago e Fong Fong Guerra, que fugiram para a Austrália depois de condenados por peculato em Timor-Leste, chegaram no passado sábado a Lisboa, onde foram recebidos por uma dúzia de familiares, mas escusaram-se a falar aos jornalistas. Afirmando não ter problemas em falar à comunicação social, Tiago Guerra disse que não o faria naquele momento no aeroporto. À chegada ao aeroporto Humberto Delgado (Lisboa), este sába-

27.11.2017 segunda-feira

FUGA

GENTE FELIZ COM TIAGO E FONG FONG GUERRA CHEGARAM A LISBOA

do de manhã, o casal foi recebido com emoção por alguns familiares, incluindo os dois filhos, que estão à guarda dos avôs paternos e que não abraçavam os pais há três anos. Tiago Guerra escusou-se a falar aos jornalistas, posição também pelo pai, Carlos Guerra, que, ainda assim, não escondeu a emoção do reencontro, vivido entre família e “dois ou três amigos chegados”. “Está tudo bem. (O Tiago) Chegou bem. Está felicíssimo. Isto é um Natal antecipado. É dia 25”,

desabafou, aliviado. “Basta olhar para a cara dos filhos, dos meus netos”, continuou. O casal foi detido na semana passada, em Darwin (Austrália), onde entrou ilegalmente de barco, no início do mês, com passaportes portugueses. Os Guerra pediram a extradição para Portugal, tendo o requerimento, que visava o accionamento da convenção existente entre Portugal e Austrália, dado entrada na Procuradoria-Geral da República dia 17 de Novembro. Dois dias depois, os pais de Tiago, responsáveis pela petição

que solicitava a extradição do casal e que foi entregue no Parlamento, foram recebidos pela Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias, de acordo com informação disponível no site da instituição.

TENSÃO DIPLOMÁTICA

A fuga do casal causou tensão diplomática entre Portugal e Timor-Leste, com o assunto a suscitar críticas de dirigentes políticos e da sociedade civil, com artigos a

exigir investigações à embaixada de Portugal em Díli. Na semana passada, o ministro dos Negócios Estrangeiros português, Augusto Santos Silva, garantiu que a embaixada em Díli respeitou a legislação portuguesa ao atribuir passaportes ao casal. Na sequência da fuga para a Austrália, Augusto Santos Silva ordenou a realização de um inquérito urgente à Inspecção Geral Diplomática e Consular, cuja conclusão foi entregue esta quinta-feira. O casal Guerra renovou os respectivos cartões de cidadão


grande plano 3

ECO

segunda-feira 27.11.2017

LÁGRIMAS

“CONFIANTE NUM BOM RESULTADO” O

advogado do casal Guerra disse ao HM estar confiante num resultado favorável a Tiago e Fong Fong. “Estou confiante num bom resultado. Achei e continuo a achar que eles estão inocentes e aguardo uma decisão favorável da parte do tribunal de recurso de Timor.” Apesar do recurso à sentença que condenou o casal já ter sido entregue em Díli, Álvaro Rodrigues não sabe a data da próxima sessão de julgamento. “O recurso já deu entrada na Comarca de Díli, o Ministério Público timorense já respondeu ao recurso e penso até que já subiu para o tribunal de recurso”, acrescentou o advogado que afasta qualquer ilegalidade na concessão dos novos passaportes e cartões de cidadão a Tiago e Fong Fong Guerra, como tem sido afirmado pelas autoridades timorenses. “Qualquer cidadão português tem direito a ver renovado o seu passaporte e cartão de cidadão. Julgo eu que a embaixada de Portugal em Díli fez [o que estava correcto]”, apontou. O casal já está em Lisboa graças a um pedido de extradição apresentado por Portugal junto das autoridades australianas. O casal Guerra havia chegado a Darwin de forma ilegal, o que “motivou uma detenção por parte do Governo australiano”. “Em virtude dessa detenção que Portugal requereu a extradição e mais nada, e isso não tem nada a ver com o processo final”, rematou Álvaro Rodrigues.

no início deste ano e, mais recentemente, foram emitidos passaportes portugueses, o que motivou críticas na imprensa timorense. “Os cidadãos portugueses têm direito a documentos de identificação como cidadãos portugueses, independentemente da sua situação jurídica, desde que não violem certas disposições legais. Neste caso, não houve essa violação, segundo o inquérito a que procedemos, a legislação portuguesa aplicável foi cumprida e, portanto, os

passaportes foram atribuídos, no cumprimento da lei”, referiu então Santos Silva. Tiago e Fong Fong Guerra tinham sido condenados em Agosto por um colectivo de juízes do Tribunal Distrital de Díli a oito anos de prisão efectiva e a uma indemnização de 859 mil dólares por peculato (uso fraudulento de dinheiros públicos). Os portugueses recorreram da sentença, considerando que esta padecia “de nulidades insanáveis” mais comuns em “regimes

não democráticos”, baseando-se em provas manipuladas e até proibidas. Um “pedido internacional de extradição para Portugal com detenção provisória” foi enviado à Procuradora-Geral da República portuguesa, Joana Marques Vidal, com conhecimento para a ministra da Justiça, Francisca Van-Dúnem, e para o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, segundo uma carta do advogado do casal à qual a Lusa teve acesso.

Eurodeputada contra extradição

Ana Gomes escreveu às autoridades australianas

A

eurodeputada Ana Gomes escreveu às autoridades australianas objectando à extradição para Timor do casal português que fugiu para a Austrália após condenação pela justiça timorense, por o crime que lhes é imputado não ter fundamento. “Tendo ontem [segunda-feira] sabido que eles estavam detidos na Austrália e que, possivelmente, iria haver - como se confirmou - um mandado de captura e eventualmente um pedido de extradição por parte de Timor, e tendo lido as leis australianas em matéria de extradição, vi que é possível serem levantadas objecções à extradição”, disse Ana Gomes à agência Lusa. “Portanto, escrevi às autoridades australianas - ao Procurador-Geral e ao ministro da Justiça - dizendo que tendo acompanhado o processo desde Maio de 2015 e sendo, de resto, uma velha amiga de Timor, estou disponível para ser ouvida e apresentar toda a informação que tenho sobre o caso, para o efeito de ser levantada uma objecção à extradição e para que eles possam ser repatriados para Portugal”, relatou Ana Gomes.

Frisando que tomou esta iniciativa por estar “convencida da inocência deles e de que estão a ser vítimas de um erro de Justiça”, a antiga embaixadora de Portugal na Indonésia, uma observadora atenta da realidade de Timor-Leste, explicou que esse erro decorre das “dificuldades e incapacidades do próprio sistema timorense”, que é “um sistema judicial novo e pouco experiente”. “Como conheço peças do processo, sei que as acusações não são minimamente consistentes: peculato é um crime de que só podem ser acusados funcionários do Estado timorense, ora, não é o caso. Só esse simples facto é, do meu ponto de vista, demonstrativo de que as acusações não têm fundamento e de que a sentença não tem fundamento, e compreendendo eu as debilidades do sistema judicial timorense e estando absolutamente convencida da inocência deles, acho que é minha obrigação ajudar quem está a ser vítima de uma grande injustiça”. Ana Gomes vincou que, da mesma maneira em que o fez “em relação a muitos timorenses”, também o faz “em relação a estes dois nacionais portugueses, sem dúvida nenhuma”.

Justiça portuguesa não recebeu nada

A justiça portuguesa não recebeu qualquer “pedido de intervenção” sobre o casal de portugueses que fugiu de Timor-Leste após ser condenado por peculato. O casal “não tem, neste momento, nenhum pedido de intervenção da justiça portuguesa”, mas “pode ser que venha a ter”, admitiu a ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, à margem da inauguração da nova unidade de Évora da Polícia Judiciária. Questionada pela agência Lusa, a governante adiantou que o seu ministério também “não recebeu, até ao momento, nenhum pedido de Timor-Leste” relativamente aos portugueses Tiago e Fong Fong Guerra.


4 LAG ECONOMIA E FINANÇAS

GCS

27.11.2017 segunda-feira

Lionel Leong levou à Assembleia Legislativa o discurso da economia livre no mercado da habitação e da regulação dos preços, que no seu entender, tem de passar por um maior equilíbrio entre a procura e a oferta

Atados ao mercado GOVERNO RECONHECE SER INCAPAZ DE REGULAR IMOBILIÁRIO

L

IONEL Leong afirmou que há pouco que o Governo possa fazer para controlar as condições do mercado do imobiliário, perante a falta de oferta de novas habitações. A confissão foi feita no segundo dia das Linhas de Acção Governativa para a Economia e Finanças, na sexta-feira, após uma questão do deputado Ho Ion Sang. “Temos alguns meios administrativos para definir medidas relevantes para o mercado da habitação. Mas sabemos que Macau é um mercado livre e dependemos muito da oferta e da procura. Se

não temos uma oferta suficiente é difícil implementar medidas de controlo dos preços, porque mais tarde ou mais cedo o preço vai adaptar-se e vai aumentar”, explicou o secretário. Antes de chegar a esta conclusão, Lionel Leong admitiu que houve uma visita por parte

das autoridades locais às regiões vizinhas. Porém, o secretário não revelou as áreas visitadas nem se as deslocações incluíram Hong Kong. “Fomos às regiões vizinhas, e chegámos à conclusão que só com oferta suficiente é que vamos controlar os preços [do imobiliário]. Por outro lado, se tentarmos

“Não sei se [Leong] vai concorrer no futuro ao cargo de Chefe do Executivo, mas gostaria de saber qual é o seu plano para a resolução do problema” SULU SOU DEPUTADO

controlar os preços quando não há oferta suficiente, os preços vão acabar por se ajustar, sem haver controlo”, apontou.

CANDIDATO SEM SOLUÇÕES

O mesmo assunto foi abordada pelos deputados Sulu Sou e Agnes Lam. A legisladora questionou mesmo Lionel Leong sobre as razões que justificam o facto do Governo ser incapaz de fazer um estudo para saber quantas fracções estão desocupadas actualmente desocupadas. A resposta chegou por via do Director dos Serviços de Finanças, Stephen Iong Kong Leong,


LAG 5

segunda-feira 27.11.2017

O “privilegiado” Song afirmou que o secretário não teve dificuldades na vida

HOJE MACAU

A

deputada Song Pek Kei acusou Lionel Leong de desconhecer a verdadeira situação de muitos jovens do território, devido ao facto de ter tido sempre sucesso nos seus negócios. A legisladora apoiada por Chan Meng Kam criticou também o Governo por não criar um bom ambiente para o investimento. “O secretário sempre teve sucesso na sua vida. Não é como nós que precisamos de trabalhar e fazer as contas à vida.Asituação é mais difícil para os mais jovens, como os meus amigos, que têm de ajudar os pais e fazer muito bem as contas”, disparou Song Pek Kei, na sexta-feira. A membro da AL disse, depois, que o Executivo tem duas caras, por um lado utiliza um discurso de apoio ao empreendedorismo e oferece apoios financeiros, por outro, não cria as condições e dificulta os processos com burocracias. “As políticas do Governo estão sempre a mudar, hoje dizem que sim, amanhã dizem que não. Como é que os jovens podem adaptar-se a este ambiente de negócios? Há sectores mais fáceis para se obter uma licença, mas há outros onde é muito complicado. A burocracia das autoridades ligadas ao Governo não cria as condições ideais para o investimento”, acrescentou.

Na resposta, Lionel Leong disse que o Governo vai resolver a questão com soluções entre os diferentes departamentos: “A questão das licenças não é nova. Pretendemos resolver esta questão entre os diferentes departamentos, através de várias medidas. Pretendemos acompanhar de perto a situação. Os jovens devem obter as informações necessárias antes de montar um negócio”, considerou. Song Pek Kei criticou também o Governo por não permitir que sejam realizados espectáculos nos edifícios industriais de Macau, apesar de haver talento e vontade para tal.

Governo vai rever imposto de selo no arrendamento

que argumentou com as dificuldades em contabilizar as fracções que não estão ocupadas. “A criação deste imposto para fracções não ocupadas pode fazer com que estas fracções entrem no mercado de arrendamento. Mas a questão reside em saber como uma fracção pode ser considerada devoluta. Será através do consumo de água e electricidade?”, disse o director. “Poderá haver o risco das pessoas utilizarem manobras fraudulentas para fugirem a esta situação”, apontou. Por sua vez, Sulu Sou questionou o secretário sobre quando vai ser apresentada uma solução para o problema da habitação em Macau. O pró-democrata aproveitou ainda para criticar o secretário para os Transportes e Obras Públicas Raimundo do Rosário. “Espero sempre a apresentação de medidas eficazes

para o controlo dos preços dos imobiliário. Se perguntarmos ao secretário [Raimundo] Rosário, ele também diz que não é possível melhorar a situação. Não sei se vai concorrer no futuro para o cargo de Chefe do Executivo, mas gostaria de saber qual é o seu plano para a resolução do problema”, apontou.

“Mas se ainda está a estudar a questão, até quando é que vai continuar a precisar de estudar o problema da habitação? Precisamos de ter este problema resolvido”, acrescentou. O secretário deixou Sulu Sou sem resposta. João Santos Filipe

joaof@hojemacau.com.mo

HO IAT SENG DE REGRESSO

D

epois de ter sido substituído por Chui Sai Cheong, a meio do primeiro dia das LAG para as áreas da Economia e Finanças, Ho Iat Seng regressou ao hemiciclo, na sexta-feira. O presidente da Assembleia Legislativa não fez qualquer comentário sobre a necessidade de ter sido substituído na sessão anterior, e os trabalhos decorreram dentro da normalidade. A sessão ficou igualmente marcada pelo facto do deputado Vitor Cheung ter sido o único deputado, além do presidente da AL, a não colocar qualquer questão. Vitor Cheung tinha estado presente na reunião de quinta-feira, mas não sexta não esteve, da parte da tarde, no hemiciclo.

O Governo anunciou na Assembleia Legislativa que tem uma proposta para rever o imposto de selo, cobrado quando são celebrados os contratos de arrendamento. A novidade foi admitida pelo secretário para a Economia e Finanças. Actualmente o imposto é pago de acordo duração prevista do contrato, no entanto, se houver uma rescisão, o montante pago a mais não é devolvido. Por exemplo, o imposto cobrado equivale a dois contrato de dois anos, porém, se houver uma rescisão após seis meses, o montante dos restantes 18 meses não é devolvido. O objectivo passa por corrigir esta situação. De acordo com Lionel Leong as alterações já foram apresentadas ao Conselho do Executivo e receberam luz verde.

Executivo prepara cursos para cozinheiros O Governo, através da Direcção de Serviços para os Assuntos Laborais, vai criar no próximo ano cursos de formação, remunerados para cozinheiros. A novidade foi avançada pelo director da DSAL, Wong Chi Hong, e tem como objectivo colmatar a falta de cozinheiros em Macau. “Desde este ano que Macau é uma reconhecida pela UNESCO como Cidade Criativa na Área da Gastronomia. Após ser feita uma pesquisa, foi descoberto que há uma grande carência de cozinheiros”, reconheceu Wong Chi Hong. O responsável avançou depois que vão ser feitas formações com a participação de cozinheiros conhecidos, visitas a algumas das cozinhas dos principais restaurantes dos hotéis do território e campanhas para atrair os mais jovens para este área.


6 LAG ECONOMIA E FINANÇAS

27.11.2017 segunda-feira

EMPRESAS DE GÁS RECUSARAM FORNECER INFORMAÇÕES AO GOVERNO POR FALTA DE LEI

Por escrito, se faz favor O Governo pediu informações às empresas fornecedoras de gás para perceber se os preços do sector são justos. No entanto, o pedido encontrou forte oposição das companhias, que exigem uma base legal para fornecer os dados. Secretário Lionel Leong promete rever a lei

A

S empresas responsáveis pela venda de gás em Macau disseram ao Governo que não estão disponíveis para fornecer as informações sobre os preços praticados. De acordo com as companhias não existe nenhuma lei que as obrigue a fornecer a informação confidencial em

causa. A questão foi levantada no segundo dia das Linhas de Acção Governativa para a Economia e Finanças, quando Ho Ion Seng apontou para o sentimento de injustiça face aos preços praticados no mercado. Em resposta a esta indicação, Lionel Leong admitiu que o Executivo tem dificuldades para conseguir regular

o sector, devido à falta de legislação. “O preço da importação, quando comparado com o

preço da venda a retalho, está na mesma linha. Mas compreendo que os cidadãos estão a prestar muita

PUB

Execução Ordinário n.º

HM • 1ª VEZ • 27-11-17

HM • 1ª VEZ • 27-11-17

ANÚNCIO

ANÚNCIO

CV3-16-0114-CEO

3º Juízo Cível

Exequente: Long a Promotor de Jogo Sociedade Unipessoal Limitada, com sede em Macau, na Rua do Mercado de Iao Hon, nº 206, Edf. Mei Lin, Bloco 4, 5º andar E. Executado: Wong Im Kuai, residente em Macau, na Rua do Comandante João Belo, nº 51, Jardim Tou Pou, Edf. Choi Pou, 22º andar L. *** Faz-se saber que nos autos acima indicados são citados os credores desconhecidos da executada para, no prazo de QUINZE DIAS, que começa a correr depois de finda a dilação de vinte dias, contada da data da segunda e última publicação do anúncio, reclamar o pagamento dos seus créditos pelo produto do bem penhorado sobre que tenham garantia real e que é o seguinte: Denominação: “L22”, do 22º andar “L”. Situação: Rua do Comandante João Belo, Bairro Fai Chi Kei, nºs 3 a 125, Avenida do General Castelo Branco, nºs 25 a 39 e Rua do General Ivens Ferraz, Bairro Fai Chi Kei, nºs 4 a 88. Fim: Para habitação. Número de matriz: 071884. Número de descrição na Conservatória do Registo Predial: 21833 a fls. 160v. do Livro B99. Macau, 07 de Novembro de 2017.

Proc. Acção Ordinária n.º

CV2-17-0066-CAO

2º Juízo Cível

ADAM KWOK FUNG CHENG, solteiro, maior, de nacionalidade chinesa, com residência em Macau na Estrada de D. Maria II, nº 26. CHENG KWOK LEUNG, solteiro, maior, de nacionalidade americana, ora em parte incerta. *** Faz saber que, por este Juízo, correm éditos de 30 (TRINTA) DIAS, contados da segunda e última publicação deste anúncio, citando o réu CHENG KWOK LEUNG, para, no prazo de 30 (TRINTA DIAS), findo dos éditos, contestar a acção supra identificada, instaurada pelos fundamentos constantes da petição inicial que se encontra à disposição do citando neste Juízo, cujo pedido resumidamente consiste que: ser o Autor declarado, para todos os efeitos legais, nomeadamente os de registo, como proprietário de 3/80 (três oitenta avos) inscritos em nome de CHENG CHO LAM, conforme inscrição nº 1625, a fls. 67v do Livro F23A do prédio urbano, sito no nº 26 da Estrada de D. Maria II, descrito na Conservatória do Registo Predial sob o nº 21065, a fls. 32v do Livro B47, composto por um edifício com Cave, Rés-dochão e 1º andar, inscrito na matriz predial sob o nº 36884, com o valor de mercado de MOP$3,600,000.00 (Três Milhões, Seiscentas Mil Patacas), por os haver adquirido por usucapião. A falta de contestação no dito prazo não implica serem considerados reconhecidos os factos alegados pelo autor, e o processo segue com os ulteriores termos até final à sua revelia. A constituição de advogado é obrigatória caso seja contestar (nos termos do art.º 74º do C.P.C.M.). A petição inicial encontra-se à disposição do citando neste Juízo nas horas normais de expediente. Macau, aos 20 de Novembro de 2017. ***** AUTOR: RÉU:

atenção aos preços. No ano passado, através da Direcção de Serviços de Economia pedimos informações junto das associações e empresas do sector, para ter mais dados”, começou por contar o secretário. “Mas devido à falta de diplomas legais não conseguimos obter as informações necessárias. Recebemos como resposta, questões sobre a base legal para a existência deste tipo de pedido de dados. Temos de rever as leis existentes sobre a protecção dos consumidores para ver se os preços cobrados face ao custo de importação e de venda a retalho são razoáveis”, admitiu. Devido a esta razão, o secretário deixou assim a promessa de que o Governo vai rever as leis no futuro: “Sei que alguns dados são secretos e não são facilmente cedidos ao Governo. Mas vamos rever a lei para aumentar a transparências nos preços”, sublinhou. Apesar da promessa, o secretário não revelou quando é que a lei vai ser alterada, nem revelou a identidade das empresas que se mostraram contra a partilha da informações .

SEM CONHECIMENTO DOS CUSTOS

Por outro lado, o secretário Lionel Leong admitiu não ter conhecimento sobre o montante com que Macau

teria de contribuir para o derrape de 10 mil milhões de yuan na Ponte Hong Kong-Zhuhai-Macau. A confissão chegou após uma questão do deputado Au Kam San. Lionel Leong não negou que o preço da ponte tivesse crescido mais 10 mil milhões de yuan, como as autoridades de Hong Kong avançaram. Depois explicou que o preço inicial que Macau teria de assumir era uma proporção de 12,59 por cento do custo total.

“Temos de rever as leis existentes sobre a protecção dos consumidores para poder ver se os preços cobrados face ao custo de importação e de venda a retalho são razoáveis.” LIONEL LEONG SECRETÁRIO PARA A ECONOMIA E FINANÇAS

“Hong Kong vai pagar 42,9 por cento da ponte. A nossa parte da ponte é de 12,59 por cento. Mas ainda estamos a comunicar com os outros departamentos do nosso Governo para saber se esta proporção se vai manter”, afirmou o secretário para a Economia e Finanças, na sexta-feira. “Vamos comunicar com e só depois poderei dar uma resposta”, admitiu, posteriormente. Segundo as percentagens avançadas por Lionel Leong, Macau vai ter de pagar 1,259 mil milhões de yean. Hong Kong pagará cerca de 4,29 mil milhões e as autoridades do Interior da China vão ser responsáveis por 4,451 mil milhões. Apesar do desconhecimento do secretário, a resposta tinha, no entanto, sido dada horas antes através de um comunicado de imprensa do Gabinete de Desenvolvimento de Infra-estruturas, que confirmou que Macau também vai cobrir o derrape, com a percentagem a manter-se em 12,59 por cento. João Santos Filipe

joaof@hojemacau.com.mo


política 7

segunda-feira 27.11.2017

O

S rostos que vão representar a RAEM na Assembleia Popular Nacional (APN), o mais importante órgão legislativo da China, serão escolhidos numa eleição a decorrer no próximo dia 17 de Dezembro. A data foi escolhida na última sexta-feira na primeira sessão plenária dos membros que elegem os representantes de Macau para a APN, e que decorreu na Nave Desportiva dos Jogos da Ásia Oriental. Lionel Leong, secretário para a Economia e Finanças, disse aos jornalistas que não volta a candidatar-se, esperando que exista um bom nível de representatividade do território na APN. O secretário acrescentou ainda que os novos delegados devem representar as vozes da população e concretizar bem os seus trabalhos no sentido de integração no desenvolvimento da China e no espírito do 19º congresso do Partido Comunista Chinês. Segundo a TDM, a vice-presidente da Federação das Associações dos Operários de Macau (FAOM), Leong Iok Wa, e o supervisor geral dos Kaifong (União Geral das Associações dos Moradores de Macau), Io Hong Meng, também não serão candidatos. Si Ka Lon, deputado à Assembleia Legislativa (AL) e Wong Ian Man, membro da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês (CCPPC) da província de Guangdong em Macau, optaram por ser novamente candidatos, tal como José Chui Sai Peng, também deputado à AL. Também segundo a TDM, José Chui Sai Peng disse estar confiante na sua continuação como delegado à APN, esperando continuar a ter apoio graças ao seu trabalho como delegado nos últimos dez anos. Lao Ngai Leong também volta a candidatar-se. A data das eleições foi escolhida pelo presidium, composto por onze membros e presidido por Chui Sai On, Chefe do Executivo. Estes membros foram eleitos na primeira sessão plenária, numa eleição que contou com a participação de 430 membros e que teve 426 votos a favor e apenas quatro abstenções, sem votos contra. Este grupo será responsável pelas eleições de 17 de Dezembro e é composto

DELEGADOS À APN LIONEL LEONG NÃO SE RECANDIDATA

Quem corre para Pequim?

As eleições para os delegados de Macau à Assembleia Popular Nacional acontecem no próximo dia 17 de Dezembro. Lionel Leong, secretário para a Economia e Finanças, decidiu não se recandidatar, à semelhança de Leong Iok Wa, dos Operários, e Io Hong Meng, dos Kaifong

por Ma Iao Lai, Lau Cheok Va (ex-presidente da AL), Lei Pui Lam, Yeung Tsun Man Eric, Edmund Ho (ex-Chefe do Executivo), Ho Iat Seng (actual presidente da AL), Vong Hin Fai (deputado à AL), Susana Chou (ex-presidente da AL), Fernando Chui Sai On (Chefe do Executivo e presidente do presidium), Leong Heng Teng (porta-voz do Conselho Executivo) e Liu Chak Wan (membro do Conselho Executivo). Wang Chen foi o vice-presidente da sessão plenária, sendo também

“Sei que alguns delegados, apesar de terem coisas importantes a fazer, deixaram-nas para trás e dedicaram-se aos trabalhos [da APN].” LEONG HENG TENG PORTA-VOZ DO PRESIDIUM

secretário-geral do Comité Permanente da 12ª APN. Este referiu, no seu discurso, que é necessário manter a prosperidade de Hong Kong e Macau, sendo esta uma condição necessária para a concretização do grande renascimento do povo chinês. O vice-presidente apelou aos membros para que estes tenham uma visão ampla, para que se possa impulsionar o sucesso do princípio “Um País, Dois Sistemas”. Os dias da nomeação Após a divulgação dos onze membros eleitos que irão eleger os delegados de Macau à APN, Leong Heng Teng, porta-voz do presidium, deu uma conferência de imprensa onde explicou que a nomeação dos candidatos a delegados se faz até ao dia 6 de Dezembro. Leong Heng Teng elogiou o trabalho desenvolvido pelos actuais delegados, por terem dado o seu contributo no passado e por terem assumido as suas responsabilidades, ao participar de forma activa nas reuniões da APN.

“Sei que alguns delegados, apesar de terem coisas importantes a fazer, deixaram-nas para trás e dedicaram-se aos trabalhos [da APN]”, disse, tendo lembrado que alguns problemas sentidos pela população local, como o abastecimento de água no período de salinidade da água potável, foram revelados à APN através dos delegados de Macau.

Para esses problemas houve respostas satisfatórias, disse Leong Heng Teng. Até 6 de Dezembro os candidatos interessados devem apresentar o seu boletim de inscrição e dez cartas de nomeação recolhidas junto dos membros ao gabinete para os trabalhos eleitorais situado no Centro de Ciência de Macau. posteriormente o presidium vai realizar uma

segunda sessão plenária com vista a compilar os dados e divulgar a lista de candidatos. Depois da eleição dos delegados, os resultados serão divulgados junto do comité permanente da APN para a apreciação das suas qualificações. Este órgão irá divulgar posteriormente a lista final de delegados. Vítor Ng (com A.S.S.) info@hojemacau.com.mo

FALECIMENTO ALFREDO JOSÉ FERREIRA ANDRADE A família enlutada de Alfredo José Ferreira Andrade, comunica o falecimento do seu ente querido, aos 72 anos, no passado dia 23 de Novembro, num hospital nas Filipinas, país onde residia e onde será realizado o seu funeral. Deixa a mulher Teresita Munar, as filhas Angela Lourenço Andrade Pinto Marques e Adriana Lourenço Andrade e as netas. A família informa os familiares e amigos que será realizada uma missa de sétimo dia para rezar pelo seu descanso eterno, no dia 29 de Novembro, às 18h00, na Igreja da Sé Catedral.


8 sociedade

27.11.2017 segunda-feira

SAÚDE CLÍNICA MALÓ SUSPENSA POR FALTA DE HIGIENE E PRÁTICA DE PROCRIAÇÃO MÉDICA ASSISTIDA

A queda da máscara

A clínica Maló em Macau foi encerrada por seis meses devido à prática ilegal de procriação médica assistida, tráfico e contrabando de medicamentos de oncologia e falta de condições de higiene e segurança. O HM falou com um antigo accionista que conta o risco que a marca correu ao vender a clínica

A

suspensão da licença aconteceu na sequência de “irregularidades graves”, segundo notícia veiculada pela emissora pública TDM, que informou também que a clínica comunicou através das redes sociais que estava fechada para efeitos de remodelação. O motivo para a acção dos Serviços de Saúde (SS) prende-se com a suspeita de que na clínica se fizessem procriação medicamente assistida, tráfico e contrabando de medicamento

oncológicos, assim como falta de condições higiénicas e de segurança nas instalações. “Acho que os SS devem ter feito a investigação devida para emitir a suspensão”, comenta Jorge Valente, ex-accionista da sucursal de Macau. Numa nota enviada posteriormente aos jornalistas, os SS informaram que “o Hospital Taivex/ Malo está suspenso até 21 de Maio de 2018 devido à prática de procriação medicamente assistida, tráfico e contrabando de medicamentos

de oncologia, falta de condições de higiene e segurança para a prestação de cuidados de saúde”. As instalações foram encerradas na passada quinta-feira, tendo sido aplicadas duas multas. Uma no valor de 103.000 patacas a quatro

médicos e um enfermeiro, e outra de 76.000 patacas.

MARCA MARCADA

“A licença de um médico foi suspensa por um período de 90 dias. Não houve nenhuma vítima resul-

Jorge Valente, ex-accionista da clínica, considera que “um caso destes tira credibilidade a uma empresa, ou marca”, mas que “é um risco inerente quando se vende uma empresa e uma marca”

tante desta situação, no entanto não está excluída a possibilidade de uma sanção penal já que o caso foi remetido ao Ministério Público para acompanhamento”, referiu o comunicado dos SS. A investigação à clínica fundada em Macau por Paulo Maló foi desencadeada após denúncias recebidas pelos SS em 2016 e já em Junho deste ano, sobre a “prática ilegal de serviços de oncologia, técnicas de procriação medicamente assistida, tráfico e contrabando de medicamentos destinados ao tratamento oncológico no interior da China, efetuadas, alegadamente, pelo Hospital de Dia “TaivexMalo”, acrescentou. Foi também detectada uma página de Internet que publicitava no interior da China “a prestação de serviços de procriação medicamente assistida no Hospital “TaivexMalo””. “Quando éramos administradores mantínhamos a qualidade e segurança exigidas. Não sei o que aconteceu, depois de termos saído, pelos vistos, alguma coisa mudou”, conta Jorge Valente. O ex-accionista da clínica acrescenta que “este caso tira credibilidade a uma empresa, ou marca” e que a empresa-mãe deve ter sido “apanhada de surpresa”. Porém, Jorge Valente considera que este “é um risco inerente quando se vende uma empresa e uma marca”. Os SS revelaram que “após a audiência dos médicos envolvidos, dos profissionais de saúde e do responsável deste hospital de dia, foram recolhidas provas suficientes de que a unidade realizou técnicas de procriação medicamente assistida e prestou serviços de oncologia, sem autorização dos Serviços de Saúde”. É de salientar que depois de efetuadas as melhorias exigidas, e de uma inspecção pelos Serviços de Saúde, a clínica pode requerer o termo da suspensão da licença. HM com agências

info@hojemacau.com.mo

D

ECORREU ontem o Congresso Internacional de Medicina Dentária, que reuniu entre 200 a 300 médicos dentistas. Ao HM, Carlos Augusto, presidente da Associação de Estomatologia de Macau e membro da comissão organizadora do congresso, adiantou que foram assinados protocolos com a Ordem dos Médicos

Branco mais branco

Associação de Estomatologia assina acordos com China e Portugal

Dentistas de Portugal e com a Associação de Estomatologia da China. “Os protocolos foram assinados no sentido de garantir um intercâmbio nos próximos três anos ao nível da medicina dentária

e ao nível dos congressos e exposições”, explicou. “É importante estabelecer esta parceria porque estamos num território pequeno e é importante que haja mais intercâmbio com Portugal e a China para que haja mais

benefícios para todos os médicos dentistas de Macau, para que possam participar em mais congressos, para que haja essa facilidade”, disse ainda Carlos Augusto. O médico dentista falou também do programa do

congresso, que este ano abordou o panorama da profissão no contexto da política “Uma Faixa, Uma Rota”. “O congresso aborda questões mais científicas ligadas à profissão, mas vamos falar também de “Uma Faixa, Uma Rota”, no que diz respeito ao futuro da medicina dentária [nos países e regiões ligados a esta política]”, adiantou.

No caso de Macau a profissão não só atingiu um patamar mais profissional como existem mais dentistas a trabalhar no território. “Estamos num bom nível, a nível profissional tem crescido e o número de dentistas também. Nos últimos dez anos o panorama tem melhorado bastante”, concluiu Carlos Augusto. A.S.S.


sociedade 9

segunda-feira 27.11.2017

GEOCAPITAL EMPRESA NÃO RECEBEU “PRÉMIOS” DA TAP, DIZ LACERDA MACHADO

Viagem ao passado

O

administrador não-executivo da TAP, Diogo Lacerda Machado, comentou a situação da compra da brasileira VEM – Varig Engenharia e Manutenção, por parte da companhia aérea, tendo desvalorizado os prejuízos registados pelo grupo. ““Se a TAP não tem feito esse investimento absolutamente estratégico, decisivo para chegar onde chegou hoje no mercado brasileiro, o tempo seria muito pior”, afirmou. Segundo a agência Lusa, Diogo Lacerda Machado garantiu ainda que a Geocapital, empresa controlada por Stanley Ho em que é administrador, não recebeu qualquer “prémio” da TAP por aquele negócio. O ex-governante português do Executivo de António Costa falou num painel de conversa no âmbito do congresso da Associação Portuguesa de Agências de Viagens e de Turismo (APAVT). Lacerda Machado foi questionado sobre o negócio da VEM por Pedro Costa Ferreira. Corria o ano de 2005 quando a Geocapital adquiriu 85 por cento da VEM, juntamente com a TAP que ficou com 15 por cento. Dois anos depois, a empresa de Macau alienou a sua participação na VEM à TAP com um prémio de 20 por cento, uma vez que a TAP pagou 25 milhões de dólares em vez dos 21 milhões inicialmente previstos. Diogo Lacerda Machado era administrador da Geocapital e, depois da compra da VEM à Varig, passou a ser administrador não executivo da TAP Manutenção e Engenharia Brasil, como passou a ser chamada a empresa. Segundo o jornal Público, Lacerda Machado salientou que “nós não damos conta da forma especial como a China nos olha devido a essa singularidade histórica que Macau significa”, defendeu. Citado pelo diário português, o gestor da Geocapital disse que a China recorre à “singularidade histórica de Macau” para dizer aos países de língua portuguesa que “não devem temer” uma aproximação, porque o país teve uma relação de

TIAGO PETINGA/ LUSA

Diogo Lacerda Machado garante que a Geocapital Macau não ganhou quaisquer contrapartidas financeiras com a compra da VEM – Varig Engenharia e Manutenção por parte do Grupo TAP

“respeito mútuo” por um longo período de tempo. Lacerda Machado acrescentou ainda que os países lusófonos “não são estratégicos para a China,

Segundo a agência Lusa, Diogo Lacerda Machado garantiu ainda que a Geocapital, empresa controlada por Stanley Ho em que é administrador, não recebeu qualquer “prémio” da TAP por aquele negócio

são vitais”. A ligação de Lacerda Machado a Macau começou em 1988, onde chegou na companhia de Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. Estes são ministros do Executivo liderado porAntónio Costa.

“UM ANO EXTRAORDINÁRIO”

Diogo Lacerda Machado não só desvalorizou os prejuízos como afirmou, à margem do congresso, que se pode esperar “esperar um ano extraordinário, de desempenho económico-financeiro incomum” na TAP este ano. Confrontado com o facto de no primeiro semestre deste ano, o grupo TAP ter agravado os prejuízos, face ao período homólogo de 2016, Diogo Lacerda Machado explicou que existe uma circunstância que o justifica.

“Aquele resultado do primeiro semestre tem um pagamento que foi o último esforço para equilibrar a exploração da VEM [antiga brasileira Varig Engenharia e Manutenção]” e se se “descontar esse [valor] não recorrente, as pessoas perceberão como o ano vai ser muito interessante”, disse Lacerda Machado. O prejuízo do grupo TAP agravou-se cerca de 3 por cento, para 52,075 milhões de euros, no primeiro semestre do ano, segundo um relatório divulgado pela Parpública, ‘holding’ através da qual o Estado detém 50% da empresa. HM/LUSA

Em nome da diversidade SJM e Stanley Au premiados nos Macau Business Awards

A

quinta edição dos Macau Business Awards decorreu na passada sexta-feira, tendo sido premiados 46 figuras ou entidades locais pela sua presença no território em várias áreas. Stanley Au, que chegou a ser candidato ao cargo de Chefe do Executivo, e que é presidente do banco Delta Ásia, venceu na categoria empresário com a medalha de ouro. A Sociedade de Jogos de Macau foi uma das empresas distinguidas na categoria liderança. O prémio foi recebido por Ambrose So, administrador da concessionária de jogo, e Arnaldo Ho, chefe de operações da empresa e filho de Angela Leong. Citado por um comunicado, Ambrose So disse considerar a iniciativa dos Macau Business Awards como sendo “extremamente importante no reconhecimento de organizações e individualidades que fazem um contributo extraordinário para a economia e sociedade de Macau”. O prémio da SJM foi concedido no âmbito da participação da empresa nos programas de educação patriótica em Jinggangshan, na China, desde 2014, sem esquecer a colaboração da concessionária na construção de escolas em Sichuan, após o terramoto de 2008. A quinta edição dos Macau Business Awards distinguiram ainda vários jovens empresários, tais como Harry Lai, CEO da Lai Si Construction Engineering, e o macaense Armando Amante, ex-candidato às eleições pela lista de Angela Leong e director-geral da Contribuild Group Holdings Limited. Organizado pela empresa De Ficção Multimédia Projects e pela Associação de Leitores da Macau Business, o evento contou este ano com “um maior número de candidatos internacionais”, tendo existido “uma grande variedade de diferentes sectores e indústrias de Macau representados”. A.S.S.

Ruínas de S. Paulo sem ervas daninhas a partir de amanhã

O Instituto Cultural (IC) vai proceder amanhã à remoção de ervas daninhas da fachada das Ruínas de S. Paulo entre as 7h e as 15h. Durante os trabalhos o mais emblemático monumento de Macau estará encerrado ao público, assim como o Museu de Arte Sacra e a Cripta. Os serviços do IC anunciam que, por motivos de segurança pública, vão ser colocadas temporariamente vedações à frente da fachada de forma a separar os peões da zona intervencionada.


10 eventos

27.11.2017 segunda-feira

ILUSTRAÇÃO “IMAGINARY BEINGS” EM EXPOSIÇÃO NA TAIPA VILLAGE ART SPACE

Imaginação à s

São seres imaginados, habitantes de uma Macau desconhecida e vão esta do próximo dia 6 na galeria Taipa Village Art Space. A mostra é da artista que se estreia no território

S

ÃO “monstros imaginados” os que saem das ilustrações de Ana Aragão. Não são seres com origem num espaço vazio, a inspiração é Macau, uma terra desconhecida para a artista. O desafio para produzir uma exposição tendo como referência apenas imagens do território foi do curador João Ó, responsável pelas exposições da galeria do Taipa Village Art Space. A ideia está inserida no próprio plano anual de exposições daquele espaço, em que a última mostra do ano é sempre dedicada a um artista internacional, que não conheça o território. A razão apontou o curador João Ó ao HM, é para “que exista uma interpretação de um artista de fora sobre Macau. Uma visão nova.” A escolha de Ana Aragão começou pelo contacto com o seu trabalho na internet. João Ó ficou, desde logo, interessado na forma como as ilustrações de Ana Aragão saiam do papel. “Achei interessante o grafismo e o desenho muito minucioso das cidades imaginárias que ela fazia”, refere. Para o curador, trata-se de “um trabalho refrescante pelo detalhe que se verifica em cada desenho, pela forma como transforma edifícios em objectos sem ter de estar comprometida com a realidade”. Para a exposição no Village Art Space, Macau, a artista teve como referência alguma imagens do território. Com elas trabalhou “Imaginary Beings”, os seres que pensa habitarem Macau. O título é inspirado na obra “The book of imaginary beings” de Jorge Luís Borges. De acordo com o curador, a obra literária teve uma forte influência no percurso de Ana Aragão. “Foi um forte fundamento para a procura da artista dos seus próprios seres, expan-

À VENDA NA LIVRARIA PORTUGUESA UM DIA DIFÍCIL • Mark Owen, Kevin Maurer

dindo o sempre incompleto trabalho do mestre visionário”, diz João Ó, na apresentação do evento. Em “Imaginary Beings” vão estar expostas 50 peças produzidas com caneta de tinta preta e aguarela.

CONFRONTO COM O REAL

Outro aspecto de interesse, refere João Ó, é a possibilidade que estas exposições de final de temporada dão aos artistas de se confrontarem, depois do trabalho feito, com a Macau real. Ana Aragão vem ao território para a abertura da exposição e “este é o momento em que vai confrontar os seres que imaginou, através de imagens soltas, com a realidade”. Para João Ó, a viagem de Ana Aragão ao oriente vai marcar um momento em que a artista vai ser motivada a produzir mais. A ideia de trazer ao território um artista de fora e que não conheça Macau mas que trabalhe sobre o território tem um duplo objectivo. “Por um lado trata-se da visão de alguém sobre Macau, que nunca conheceu antes, e por outro, é uma

“[As ilustrações de Ana Aragão são] um trabalho refrescante pelo detalhe que se verifica em cada desenho, pela forma como transforma edifícios em objectos sem ter de estar comprometida com a realidade”. JOÃO Ó CURADOR

oportunidade de abrir a exposição destes artista a coleccionadores de arte que vão ter também uma visão diferente do território”, diz João Ó. Mas mais importante, aponta, é a oportunidade que este tipo de trabalho representa também para os locais. “Nós que estamos cá também queremos ver esta frescura, esta reinterpretação aos olhos de quem nunca aqui esteve”.

DA ARQUITECTURA AO DESENHO

Ana Aragão, arquitecta licenciada com distinção pela Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto FAUP (2009), dedica-se actualmente ao cruzamento entre arte e arquitectura através do seu universo gráfico.  Após uma incursão no meio académico enquanto bolseira no Doutoramento em Coimbra decide interromper a investigação cientí-

RUA DE S. DOMINGOS 16-18 • TEL: +853 28566442 | 28515915 • FAX: +853 28378014 • MAIL@LIVRARIAPORTUGUESA.NET

De forma absolutamente inédita, Um Dia Difícil revela todos os detalhes desde o planeamento até ao desenlace da operação contra Osama Bin Laden, num relato extraordinário e empolgante de um dos militares que o confrontaram até à morte. Mark Owen (pseudónimo destinado a proteger a identidade do autor) participou em algumas das mais memoráveis operações dos Navy SEALs — a força de operações especiais da Marinha Norte-americana — sempre integrado no SEAL Team Six, a unidade de elite de luta antiterrorismo. Um Dia Difícil coloca o leitor na pele de Owen, fazendo-o sentir-se parte integrante da equipa de vinte e quatro especialistas, enquanto preparavam e executavam a missão mais difícil das suas vidas. Este livro é uma peça essencial da História contemporânea. Aqui se incluem fielmente, e pela primeira vez, os pormenores da missão, incluindo os detalhes estratégicos e os planos de contingência que a equipa de Owen foi obrigada a seguir — desde a queda do helicóptero que poderia ter determinado um desfecho trágico da missão, até à comunicação via satélite com o Presidente Obama confirmando a morte de Bin Laden.

O MUNDO FANTÁSTICO DE TOM GATES • Liz Pichon, Rita Gra

Tom Gates é mestre em arranjar desculpas para não fazer os trabalh cães, água derramada nos cadernos ou ter sido atingido por raios, argumentos bem divertidos que Tom arranja para tentar enganar o o tempo gasto a chatear a irmã Adelia. Os livros escolares de Tom rabiscos, balões com desenhos e pensamentos. Depois de consegu trabalho escrito nas férias “Acampar é uma seca”, as notas de Tom c para dia. É uma pena, pois Tom está desesperado para impressionar inteligente que se senta ao lado dele na sala de aula.


segunda-feira 27.11.2017

solta

ar em exposição a partir portuguesa Ana Aragão fica para se dedicar em exclusivo ao desenho artístico. É a partir do universo da arquitectura que nasce o seu fascínio pela representação de cidades, imaginárias ou não. Prossegue a sua reflexão acerca da cidade e seus imaginários urbanos através da exploração gráfica dos seus atlas mentais. Intrigada com os mapas emocionais que nascem da experiência quotidiana entre habitante e espaço, as suas “anagrafias” intrincadas são um pretexto para lançar um olhar crítico sobre o território, as formas de construir, e sobretudo, os modos de habitar. Todas as suas obras nascem da articulação entre mão e pensamento, não recorrendo a meios digitais. A dedicação de Ana Aragão ao desenho e pintura tem sido reconhecida nacional e internacionalmente, salientando-se a sua participação na Bienal de Veneza 2014 e de 2016, o destaque como capa da publicação chinesa “Casa”, a selecção pela Luerzer’s Archive - “200 Best Illustrators Worldwilde”. Destacam-se também colaborações e parcerias com marcas de referência como a Porto Barros (100 anos Porto Barros, Coleção Cidades Portuguesas), as Tapeçarias Ferreira de Sá (Tapeçaria Eudóxia), a Jofebar (Projecto FUTURE FRAMES), a Schmidt Light Metal, a Essência do Vinho, a Vista Alegre, entre outras. Foi também convidada a desenvolver projectos específicos sobre algumas cidades portuguesas, nomeadamente Lisboa (Meo Out Jazz), Espinho (Cartografia (des)encontrada), Braga (Noite Branca), Aveiro (Lugares Múltiplos) e Guimarães (Casa da Memória). O Porto, cidade onde vive e trabalha, tem lugar de destaque em toda sua obra.

aña

hos de casa. Atacado por , são apenas alguns dos os pais. Sem contar com estão sempre cheios de uir a nota máxima pelo começam a piorar de dia r Amy Porter, a rapariga

Sofia Margarida Mota

sofia.mota@hojemacau.com.mo

eventos 11

Exposição MAM mostra equipamento militar da corte imperial Qing

No próximo dia 15 de Dezembro, o Museu de Arte de Macau abre ao público a exposição “Parada de Ouro - Armamento Imperial do Museu do Palácio”, que reúne cerca de 160 peças produzidas nas oficinas imperiais da dinastia Qing. A juntar a esta mostra de armamento e equipamento militar da corte imperial estão também outras peças produzidas anteriormente, incluindo pinturas. A exposição oferece uma perspectiva dos aspectos políticos e militares da época, da vida dos imperadores no Palácio Imperial e da importância dada ao poderio militar. As peças incluem armamento, equipamento e engenhos produzidos pelas oficinas imperiais, tributos das diferentes regiões da China e presentes oferecidos por outros países à corte Qing. A exposição estará patente ao público até dia 11 de Março.

Cinema Rossy de Palma recebe prémio em Lisboa

A actriz espanhola Rossy de Palma recebeu, no sábado em Lisboa, o Troféu Internacional Artes Cénicas Finalmente Club, numa cerimónia que contou com a presença do secretário de Estado da Cultura e do presidente da Câmara de Lisboa. De acordo com o Finalmente Club, que celebrou 41 anos, a atribuição do galardão faz “jus a todas as mulheres e homens que se dedicam à arte de se dar aos outros com talento performativo, corpo, voz e presença: Arte do Palco”. Rossy de Palma, 53 anos, é considerada uma das musas do realizador espanhol Pedro Almodóvar, que a descobriu na década de 1980 e a levou para filmes como “A lei do desejo” (1987), “Mulheres à beira de um ataque de nervos” (1988), “Ata-me” (1989), “A flor do meu segredo” (1995) e, mais recentemente, “Julieta” (2016). A actriz foi também modelo dos estilistas de moda Jean-Paul Gaultier e Thierry Mugler e já trabalhou com realizadores, como Robert Altman, Patrice Leconte, Álex de La Iglesia e Terry Gilliam, no filme “O homem que matou D. Quixote”.


12 china

27.11.2017 segunda-feira

PROPRIEDADE INTELECTUAL MEDIDAS DURAS PARA VIOLAÇÕES, CÓPIAS E FALSIFICAÇÕES

O paraíso já não está à vista

A

China imporá punições severas contra a violação dos direitos de propriedade intelectual (DPI) e casos de falsificação. “As penalidades para violações dos DPI aumentarão e o custo para proteger esses direitos cairá”, segundo uma nota divulgada após uma reunião executiva do Conselho de Estado na passada semana. “Devem-se expandir as maneiras rápidas e de baixo custo para a protecção dos DPI”, refere a nota. Ao mesmo tempo, o governo planeia estabelecer um sistema de multa punitiva para as violações ao direito patrimonial e intensificar a aplicação da lei e a protecção judicial. “Um mecanismo normalizado precisa ser criado para proteger os DPI de maneira abrangente e com base na lei”, disse Li Shuguang, professor da Universidade Chinesa de Ciência Política e Direito. Dados da Administração Nacional de Propriedade Intelectual (ANPI) mostraram que no primeiro semestre de 2017, havia 15.411 casos da aplicação da lei administrativa em relação a patentes no país, um

aumento de 23,3% em relação ao mesmo período do ano passado. “Com o aprofundamento da reforma, a disparidade de custo entre a inovação e a protecção dos direitos foi fundamentalmente invertida”, disse Li. A protecção dos DPI será melhorada através do monitoramento em tempo real, acompanhamento de fontes na internet e identificação online de violações, segundo a nota. O foco será posto nas violações dos DPI nas compras online e comércio exterior, e para os bens falsos ou de baixa qualidade. Ao mesmo tempo, o governo indemnizará as companhias que sofrerem perdas devido à má fé do governo. Com uma proteção forte e efetiva de direitos patrimoniais, a China elevará a confiança dos participantes do mercado para investir e lançar negócios, disse a nota. “A protecção dos DPI deve ser profundamente arraigada nos corações das pessoas como regras de trânsito”, disse Li. Em 2016, os tribunais chineses solucionaram 152.072 casos de DPI, aumento de 16,8% em termos

IMAGINECHINA/CORBIS

Leis mais duras e mais ágeis pretendem resgatar a reputação de um país conhecido pela contrafacção

anuais. Mais de 3,7 mil pessoas foram presas e 7 mil processadas, segundo um livro branco sobre a protecção dos DPI. Em Setembro de 2017, o Plano de Acção para Proteger Direitos de Propriedade Intelectual das Empresas Estrangeiras foi publicado em conjunto por 12 departamentos do governo da China, incluindo o escritório do Grupo Dirigente Nacional de Luta Contra Violação

Preparados para tudo

Bombardeiros chineses sobrevoam Mar do Sul da China

B

OMBARDEIROS H-6K da Força Aérea chinesa conduziram outro voo sobre o disputado Mar do Sul da China na passada quinta-feira de acordo com informações oficiais. Os voos são “rotina” e parte das “patrulhas aéreas de combate”, disse um porta-voz do Ministério da Defesa chinês à Xinhua.  Os bombardeiros H-6K partiram de um porto no norte da China, observou o porta-voz Shen Jinke. O representante não divulgou quantas aeronaves

estiveram envolvidas no exercício. Shen Jinke disse à China Central Television que a missão demonstrou que a Força Aérea tem a capacidade de violar a “Cadeia da Primeira Ilha”, uma linha que vai do Japão a Taiwan, que Pequim afirma ter sido usada para conter a China desde a Guerra Fria. A operação decorreu depois do presidente chinês, Xi Jinping, “ter ordenado que [o Exército chinês] estivesse pronto para o combate”, disse Shen, acrescentando: “A patrulha aérea também teve como objectivo mostrar que a Força Aérea está pronta para se juntar à Marinha no alto mar para todos os tipos de missões”. Durante o fim de semana, os bombardeiros H-6K

foram acompanhados por aeronaves de inteligência electrónica Tu-154MD durante uma missão perto do Estreito de Miyako, fazendo com que o Japão enviasse aviões de combate. A missão marcou a primeira vez que os aviões da Força Aérea voaram próximo de Taiwan desde o final do 19º Congresso Nacional do Partido Comunista da China no final de Outubro. A força aérea chinesa planeia fazer “aviões circundar a ilha de Taiwan”, uma parte “de rotina” do regime de treino militar, de acordo com oficiais militares chineses. Desde que o Congresso Nacional chegou ao fim, a Força Aérea “aprimorou a sua capacidade de ganhar uma guerra potencial”, disse Shen.

de DPI e Falsificação, ANPI e o Ministério da Segurança Pública. A China tem um sistema de protecção de DPI executável, que é diferente do sistema dos Estados Unidos, mas certo e apropriado para a China, disse à Xinhua numa entrevista recente William Mansfield, diretor de IP para Indústrias ABRO. Em 2014, a China estabeleceu tribunais especiais de IP em Bei-

jing, Shanghai e Guangzhou, e o seu sucesso incentivou o governo a criar mais quatro tribunais do tipo em Nanjing, Suzhou, Chengdu e Wuhan no início de 2017. O mais importante é que os funcionários públicos chineses valorizam fortemente o papel da lei em manter o bom funcionamento da sociedade, pois estão cientes da importância da legalidade e do valor do comércio, disse Mansfield.

HK OITO ACTIVISTAS LIBERTADOS SOB FIANÇA

O

ITO activistas de Hong Kong, detidos por terem invadido o complexo do Conselho Legislativo em 2014 num protesto contra um plano de desenvolvimento da cidade, foram libertados sob fiança, enquanto aguardam audiência de recurso. Entre os que foram temporariamente libertados pelo Tribunal de Última Instância da Região Administrativa Especial de Hong Kong (RAEHK) estão Raphael Wong, vice-presidente da Liga dos Sociais Democratas (LSD), um dos membros do partido Demosisto Ivan Lam e o activista Willis Ho. Os oito activistas integram um grupo de 13 pessoas que foram presas em agosto e inicialmente condenadas a serviço comunitário. O Governo recorreu da decisão e as sentenças foram transformadas em penas de prisão efectiva, de entre oito e 13 meses, por uma tentativa de entrada forçada no Conselho Legislativo (LegCo) de Hong Kong. Os 13 activistas envolveram-se num protesto por causa de um controverso plano de desenvolvimento nos Novos Territórios em Hong Kong, numa altura em que o respectivo financiamento estava a ser discutido pelos deputados. Este incidente ocorreu em junho de 2014, meses antes das grandes manifestações pró-democracia, que a partir do final de Setembro e durante 79

dias paralisaram várias áreas de Hong Kong com reivindicações de sufrágio universal na eleição do líder da RAEHK. No tribunal foi dito que os 13 activistas estão a planear pedir autorização para recorrer das respectivas sentenças, mas até à data apenas oito pediram fiança, segundo a Rádio e Televisão Pública de Hong Kong. A caução foi estabelecida em 10.000 dólares de Hong Kong. Os activistas ficam obrigados a apresentar-se à polícia regularmente e impedidos de sair do território até à audiência sobre o pedido de recurso. Ao conceder a fiança, o juiz Robert Ribeiro observou que, se os réus ficassem presos até à audiência, acabariam por cumprir a maioria ou a totalidade dos termos de prisão. O juiz acrescentou que a audiência do caso vai ter lugar depois de um recurso semelhante em Janeiro, interposto pelos líderes estudantis Joshua Wong, Nathan Law e Alex Chow. Os três activistas também foram presos em agosto por um protesto que desencadeou o arranque do movimento Occupy, tendo sido libertados sob caução no início deste mês. Joshua Wong, Nathan Law e Alex Chow estavam entre um grupo de pessoas que se manifestou em frente ao tribunal em apoio dos activistas presos.


china 13

segunda-feira 27.11.2017

Presidente participará no diálogo global de partidos políticos

O presidente chinês Xi Jinping participará de um diálogo entre o Partido Comunista da China (PCC) e outros partidos políticos do mundo, anunciou na sexta-feira o organizador do evento. Xi, também secretário-geral do Comité Central do PCC, pronunciará um discurso na cerimónia de abertura do diálogo, segundo Guo Yezhou, subchefe do Departamento de Relações Internacionais do Comitê Central do PCC. Líderes de mais de 200 partidos e organizações políticas de mais de 120 países registaram-se para a reunião, programada para durar de 30 de Novembro até 3 de Dezembro. Durante o período, o PCC também realizará discussões de rotina com partidos políticos de África, Ásia Central e Estados Unidos.

Ningbo Dois mortos e 30 feridos em explosão fabril

Pelo menos duas pessoas morreram e 30 ficaram feridas ontem na sequência de uma forte explosão ocorrida numa fábrica na zona industrial da cidade de Ningbo, na província de Zhejiang, no leste da China, informaram os ‘media’. Diversas equipas de resgate e inúmeras ambulâncias foram destacadas para o local do acidente para prestar assistência às vítimas, havendo entre os cerca de 30 feridos pelo menos dois em estado grave, informou a cadeia de televisão chinesa CGTN.Segundo a agência de notícias Xinhua, a explosão, que ocorreu pelas 09:00, provocou o colapso de edifícios adjacentes à fábrica. Vários trabalhadores de limpeza encontravam-se no interior da unidade, localizada numa zona industrial, aquando da explosão, de acordo com testemunhas. As autoridades estão a investigar as causas do acidente.

Empresa japonesa desculpa-se por proibir entrada de chineses

O fabricante de cosméticos japonês Pola desculpou-se por colocar um cartaz que proibia a entrada de cidadãos chineses num dos seus estabelecimentos no Japão, o que gerou fortes críticas nas redes sociais na China. A empresa publicou no seu portal um texto escrito em japonês e chinês no qual assegura que identificou essa loja e que retirou o cartaz com a mensagem a vermelho: “Não entrar gente da China”. “Pedimos desculpas sinceramente e rejeitamos o cartaz que ofendeu e incomodou muita gente”, diz o comunicado com data de 25 de Novembro. A companhia, que conta com 4.600 lojas no Japão, garantiu que considera a situação “muito grave”, punirá os responsáveis e suspenderá as operações desse estabelecimento, do qual não divulgou dados. Nos últimos anos aumentou no Japão o número de turistas chineses, que em 2016 chegou a quatro milhões, muitos dos quais viajam para o país vizinho para realizar compras de cosméticos e produtos tecnológicos.

Agências multadas por vender viagens ao Vaticano

Duas agências de turismo da China foram multadas por oferecerem passeios para o Vaticano, país com o qual os chineses romperam relações diplomáticas há mais de 60 anos. Por realizarem negócios com países que não estão na lista de destinos autorizados pelas autoridades chinesas, as empresas serão obrigadas a pagarem  300.000 iuanes (cerca de 150.000 reais). As sanções chamam a atenção pelo fato de a Itália, país cuja capital Romadivide limites territoriais com o Vaticano sem nenhuma imposição de controles fronteiriços, ser um destino autorizado por Pequim. Na prática, é virtualmente impossível controlar a entrada de turistas chineses hospedados em cidades italianas a atrações como a Praça e a Basílica de São Pedro, alguns dos principais marcos do país onde reside o Papa Francisco.

BUDISTAS E TAOÍSTAS REPREENDIDOS POR PRÁTICAS COMERCIAIS EXCESSIVAS

Partido expulsa vendilhões dos templos

O

S templos budistas e taoístas em toda a China receberam instruções governamentais para que não procurem obter lucros em nome da religião. A Administração Estatal de Assuntos Religiosos (AEAR), o Departamento de Comunicação do Comité Central do Partido Comunista da China (PCC), o Gabinete do Grupo Dirigente Central para Assuntos de Ciberespaço e o Ministério da Segurança Pública, e outros 9 departamentos emitiram conjuntamente uma directriz para regular as actividades comerciais nos templos budistas e taoístas. O documento recorda a estes centros a sua natureza de orga-

E

NTRE marcas de agulhas nas crianças e suspeitas de abusos sexuais, uma das mais reputadas creches da China enfrenta uma resma de terríveis acusações desde que uma mulher suspeita de envolvimento no escândalo de maus tratos de crianças num jardim-de-infância em Pequim, gerido por uma empresa cotada na bolsa de Nova Iorque, foi detida no sábado, anunciaram as autoridades chinesas. A polícia do distrito de Chaoyang, na capital chinesa, informou que uma educadora, de 22 anos, foi detida pela suspeita de abuso de crianças na sequência da investigação realizada ao jardim-de-infância bilingue (chinês-inglês) administrado pela cadeia RYB Education, com sede em Pequim. A mulher surge apenas identificada pelo apelido, Liu, e não são

nizações não lucrativas e proíbe que organizações e indivíduos obtenham lucros pelas suas actividades religiosas. Embora se permite aos templos dedicar-se a actividades comerciais, como a publicação de livros ou a venda de objectos

religiosos e produtos artísticos, este tipo de actividades devem ter como objectivo a manutenção e a operação dos templos ou programas de caridade, destaca um comunicado da AEAR. As actividades comerciais dos templos budistas estão destinadas à promoção do budismo da forma adequada e não a procurar lucros, assinalou o Mestre Xuecheng, presidente da Associação de Budismo da China. Li Guangfu, presidente da Associação do Taoísmo da China, esteve de acordo com este comentário e acrescentou que é importante que os templos delimitem claramente as práticas comerciais necessárias da busca de lucros.AAEAR decidiu forta-

lecer a supervisão sobre a administração financeira dos templos e pediu-lhes que adoptem os mesmos sistemas de finanças, impostos, administração de activos e contabilidade como as instituições não religiosas. Os templos devem registar-se nas autoridades tributárias e informar das suas receitas e gastos segundo a lei. Será introduzido um supervisor, que vigiará as operações financeiras e a doação de fundos dos templos, e será publicada a informação relevante. O governo também regulará a promoção online da religião. Organizações e indivíduos que queiram proporcionar serviços de informação religiosa online devem apresentar um pedido aos departamentos provinciais de assuntos religiosos, conforme ao documento. A directriz também pede às autoridades locais para refrear a procura de benefícios em nome da religião. Locais de turismo conhecidos pelo significado religioso são proibidos de cobrar taxas de entrada, e os governos locais são impedidos de estabelecer grandes ídolos religiosos não necessários e de construir templos em locais não religiosos para atrair turistas. O governo perseguirá organizações e indivíduos que empregam falsos monges budistas ou taoístas e realizam cultos ilegais para obter doações ou encorajar gasto irracional em cultos religiosos.

Chutos e pontapés

Detida mulher suspeita de maus tratos em jardim-de-infância

facultadas mais informações sobre o caso no comunicado divulgado este sábado pela polícia distrital através da plataforma de mensagens Sina Weibo, equivalente chinês do Twitter. A agência de notícias oficial chinesa Xinhua também fala na suspeita de abusos sexuais, sem providenciar, contudo, mais detalhes. A RYB Education afirmou estar “extremamente chocada e angustiada com os crimes que a professora é suspeita de ter cometido. “Expressamos as nossas sinceras desculpas às crianças envolvidas neste caso, às suas famílias e à sociedade em geral”, diz um comunicado publicado no portal da empresa. “Trata-se de um grave incumprimento do dever no nosso trabalho de

gestão, pelo que devemos assumir a responsabilidade e levar a cabo uma investigação, bem como fazer rectificações”, diz o mesmo comunicado, que não faculta detalhes sobre os alegados abusos de Liu, natural da província de Hebei. A RYB disse que despediu Liu, afastou o dirigente do jardim-de-infância Xintiandi e estar a cooperar com investigações adicionais, bem como que a empresa está a contratar médicos e psicólogos para ajudar a confortar as crianças que foram afectadas e a inspeccionar as suas outras filiais no país. O escândalo em Pequim estalou depois de a revista Caixin e outros ‘media’ chineses terem citado relatos de

pais dando conta de que as suas crianças foram obrigadas a despirem-se como castigo e que foram encontradas marcas inexplicadas, aparentemente de agulhas, nos seus corpos. A RYB, cotada desde Setembro no Nasdaq, na Bolsa de Nova Iorque, gere directamente 80 jardins-de-infância na China, a somar a outros 175 operados sob ‘franchise’ para crianças de até seis anos, de acordo com dados constantes do seu ‘site’. Num comunicado separado, a polícia de Chaoyang revelou também que outra mulher, de Pequim, de 31 anos, foi detida dois dias antes após ter admitido ter alegadamente espalhado rumores sobre o envolvimento

de militares em abusos sexuais de menores. Segundo a nota oficial, a mulher, também de apelido Liu, manifestou “profundo arrependimento” por ter acusado, através da rede Wechat, o pessoal de uma base militar vizinha da instituição de ter abusado de crianças. O marido da directora do jardim-de-infância era um responsável dessa base, indicou o seu comissário político na sexta-feira ao jornal oficial do exército PLA Daily, indicando não haver, de momento, “nenhuma prova” do envolvimento de pessoal militar no caso. ARYB tinha estado já envolvida num escândalo em Abril após a divulgação de imagens na Internet que mostravam uma educadora a pontapear uma criança noutra filial em Pequim, uma acção que viria a resultar na suspensão do director e dois professores.


14

h

27.11.2017 segunda-feira

penso em ti no silêncio da noite, quando tudo é nada

SHEN HAO

Paulo Maia e Carmo tradução e ilustração

«Hua Zhu»

Discurso sobre a Pintura

Entre os pintores antigos houve muitos que nunca usaram musgo, pois temiam que ficasse escondida a subtileza das veias da montanha e a beleza das rugas. Não vale a pena observar os trabalhos dos pintores modernos; eles fazem uma grande confusão com os pontos de musgo. Eles não conseguem evitar ridículos acrescentos como crostas de velhas bruxas.1 Escrever Títulos nas Pinturas. «Este capítulo começa com uma citação de Guo Xi; depois o autor discute sobre como os títulos ou os nomes devem ser escritos, tanto depois como antes de ser feita a pintura. É melhor usar um título antigo do que escrever um novo, e se não for encontrado um título antigo que explique o trabalho, é melhor não lhe dar um nome. O que é escrito e a pintura devem explicar-se mutuamente.2»

1 - A utilização dos «pontos» aqui descrita para representar o musgo é apenas uma das formas que assume esta ferramenta da linguagem pictural. A mais conhecida e geralmente apreciada toma o nome do pintor que deles terá feito uso de forma magistral, os chamados «pontos de Mi Fu». Uma explicação desse processo do vocabulário técnico da pintura atribuído a Mi Fu (1052-1107) foi feita por Nicole Vandier-Nicolas: «Ele poisava os seus pontos com a ponta do pincel, que atacava o papel como um buril furando a areia. O efeito obtido era semelhante àquele que faz um carimbo pressionado sobre a argila: mas ele sabia animar essas granulações regulares ao opor o pesado ao ligeiro. Aqui, os seus pontos eram espessos e sombrios; ali eram finos e claros. Entre os valores complementares, as trocas efectuavam-se naturalmente. O pintor criava assim um meio instável em que a luz e o vento pareciam trabalhar incessantemente. O branco do papel, deixado vazio entre os pontos, desenhava uma rede de pequenas veias que permitia que o sopro circulasse livremente através da pintura.» (Descrição que é uma paráfrase do escritor Tang Song da dinastia Yuan, In Art et sagesse en Chine: Mi Fou, PUF: Paris, 1963, p.116) 2 - Comentário que Osvald Sirén insere na tradução inglesa (op. cit. p.178). Note-se que para um pintor como Wu Zhen (1280-1354), também conhecido como Mei Daoren, a pintura ou os caracteres de um poema assemelham-se no seu valor sugestivo, como numa pintura de alguns ramos de bambu onde escreveu: «Ramos de bambu. A caverna está vazia sem coração, mas a virtude dos ramos de bambu será conhecida com a mudança das estações; eles não mudam quando o céu se torna frio e escuro, eles mantêm as suas folhas no meio do geada e da neve.» (Citado por Sirén, op. cit., p. 112)


ARTES, LETRAS E IDEIAS 15

segunda-feira 27.11.2017

JOSEPH MALLORD WILLIAM TURNER (1775-1851), ‘A SHIP AGAINST THE MEWSTONE

ALUVIÃO Miguel Martins

A

MAR é gostar de todas as maneiras, em qualquer situação. Como diz o ritual católico, amar e respeitar, na alegria e na tristeza, na saúde e na doença. Amar é sermos nós, indissociáveis, é não sermos um sem o outro. É definirmo-nos por essa pertença. A uma pessoa ou a uma ideia, a um espaço ou a uma instituição. Que me perdoem os mais descrentes nas enormes virtudes do futebol mas não poderia aqui deixar de dizer isto: mais do que ser do Benfica, sou Benfica – não me consigo conceber sem isso, sem me saber parte não tanto dessa família mas, acima de tudo, dessa transcendência, em que oficiaram sacerdotes como Eusébio ou Vítor Baptista, Chalana ou Futre, Preud’homme ou Bento, João Pinto, Rui Costa ou Simão Sabrosa. Sê-lo é, muitas vez, transportarmos uma tristeza que não chega a beliscar a fé, mas, muitas mais, vivermos uma alegria e um agradecimento ao muito que se conjurou para que nunca sequer nos tivesse passado pela cabeça que pudéssemos ser outra coisa. Pertenço também, de um modo muito diferente, ao Mar, ainda que nunca tenha estado embarcado por mais de algumas horas. Mas, desde miúdo, sei que, se tivéssemos várias vidas, a do mar, apesar de todos os medos que desperta, seria uma das minhas escolhas. Bastaria que, nesse regresso, Deus me apetrechasse de uma dose de coragem bem superior à que agora tenho. Porque, não restem dúvidas, os homens do mar são, em maior ou menor medida, verdadeiros heróis.

Homens e mar Assim, sem essa coragem, quase sempre inconsciente, que faz de alguns homens mais do que apenas homens, restou-me sempre navegar deitado numa cama ou num sofá, sentado a uma mesa ou num banco de jardim, navegar por entre letras impressas a negro sobre papel branco, que, passado pouco, têm o condão de se transformar em pequenos objectos flutuando sobre as vagas indomáveis de um qualquer oceano, navegar, enfim, as viagens dos outros. Tantos livros para a adolescência (não livros juvenis, tal como os livros para crianças não devem, eles mesmos, ser infantis…), avidamente lidos nessa idade, e a que regresso ciclicamente, numa tentativa desesperada de não romper os últimos fios que me ligam ao rapaz que então era, cheio de possibilidades e esperanças. Estando a falar do Mar, vem-me à ideia uma história que me foi contada por T., antigo comandante da marinha de guerra, hoje remetido à periglicofilia, isto é, ao coleccionismo de pacotes de açúcar. Certa vez, encontrando-se um navio por si comandado parado algures no oceano Atlântico, suponho que sobre a Fossa de Porto Rico, decidiu ele permitir à tripulação que se banhasse livremente naquelas águas, prazer de que também pretendia participar. Contudo, mal se entregara a tal deleite, regressou a bordo, atacado de pânico – ocorrera-lhe, subitamente, que entre ele e o fundo do mar estavam mais de 8000 metros de água, isso mesmo, oito quilómetros, a distância que, em Lisboa, vai do Rossio a Algés, em linha recta!

Como o compreendo, eu que sou dado a vertigens e outras fobias, mas, no entanto, a verdade é que bastam menos de dois metros de água para uma pessoa de estatura média se afogar, o que, aliás, não é, de modo algum, inaudito. Um homem do mar que muito aprecio é – não podia deixar de ser – o Capitão Archibald Haddock, companheiro de Tintim, fumador de cachimbo, herdeiro inverosímil do Palácio de Moulinsart, grande bebedor, praguejador de bom coração e lágrima tão fácil quanto a ira. Com as suas forças e fraquezas, Haddock personifica, para mim, a bondade humana – what you see is what you get. Ora, nas guardas de alguns livros de Tintim, Hergé colocou – só os mais atentos terão reparado – um desenho do protagonista e do seu cão, Milú, vestidos de esquimós, situação que não integra nenhuma das estórias por ele publicadas. E tenho pena, porque acontece que os povos da América árctica, da Gronelândia às Ilhas Aleutas, genérica e abusivamente chamados Esquimós (pois alguns destes autodenominam-se iúpiques, inupiates, inuítes, unangans, etc), os seus artefactos (as roupas, o calçado, os óculos de neve, as armas de caça), os seus ritos e a sua música são outra das minhas paixões, embora esta ainda insuficientemente investigada. Um dia, assim a vida me conceda tempo e vagar, estudarei com mais afinco a vida destoutros homens do Mar. E é tão rica e longa a História dos que, por esse mundo fora, ao Mar se fi-

zeram, buscando alimento, comerciando, guerreando, em lazer ou em busca de ciência! Os viquingues foram outro exemplo interessantíssimo de povo marinheiro. Em Roskilde, no sudeste da Dinamarca, tive oportunidade de visitar o magnífico Vikingeskibsmuseet (Museu dos Navios Víquingues), inaugurado no ano em que nasci, 1969, para albergar seis naves escavadas em Skuldelev, em estados de conservação muito interessantes. O museu promoveu, depois, a construção de réplicas de alguns dos navios que alberga, um dos quais, o Helge Ask, navegou já nas águas do Sena e do Tamisa, imagine-se para que espanto dos desprevenidos. Por entre outros aspectos mais sérios, encantam-me as indumentárias tradicionais dos homens do mar, tão variadas quanto os seus tempos, as suas geografias e funções. Gorros, galochas, grossas roupas de lã ajudam a compor retratos exteriores que o são também de modos de vida e das próprias almas. O mesmo se poderá dizer das variegadas formas das suas barbas. Quando era miúdo, aí com uns quinze ou dezasseis anos, correspondi-me com vários museus a que nunca tinha ido e a que, aliás, nunca fui. Entre eles, o Western Australian Maritime Museum, em Freemantle, perto de Perth, e o Scottish Fisheries Museum, em Anstruther, na região de Fife. Consulto agora dois folhetos que na altura me enviaram e recordo-me de que decidi guardar estes, e não muitos outros, precisamente, tão-só, porque neles figuram velhas fotografias a preto e branco, do fim do século XIX ou do início do século XX, e, bem assim, algumas pinturas em que aparecem vários homens municiados do tipo de barbas que prefiro e a que se chama, comummente, passa-piolho.


16

h

27.11.2017 segunda-feira

´

V

IVEMOS numa sociedade de premiados. Todos os dias os grupos fechados que fazem parte de coisas várias premeiam gentes. De tanto prémio já nem sabemos os que se auto-premeiam com a ilusão constante da rotatividade dos clubes e da imensa e inócua produtividade dada em corrupios de um inflamado génio que sempre falta. São quase organizações clandestinas estas que se estrangulam no delírio do prémio. Ora, os prémios, são de fato o que menos importa. Ninguém talha um caminho para erguer taças ao alto, nem a vida é essa insustentável leveza de vaidades ardilosas fechada nas benesses dos que trabalham para a mesma causa em suportes variados de sujeição. Os imensos esforços de camaradagem forçada que se denota nestes ambientes impulsiona o mais desprevenido a desejar sair dali e não querer sequer que saibam que está vivo. São de facto um atentado à inteligência e um festival de ousadas demonstrações de salubridade mental. É um espectáculo insano estes pequenos guetos assaltados por uma gente detentora de poderes para gerir, absolver, ignorar e inutilizar: em muitos instantes nem o pensamento sobre a função é claro, pois que não conseguem explicar de forma natural aquele amontoado de situações, entrando assim numa esfera comprimida onde a inventividade estanca, a mobilidade é morta, mas passeando-se mesmo assim pela orla das suas degeneradas funções. Há Ministérios para certas actividades que devem ter as verbas distribuídas para grupos das suas legiões, mas nada disto é um assunto abrangente e muitos vivem de nada fazerem para além de assinaturas a petições, acabando-se aqui a intervenção cívica e social . É grotesca a forma como se movem os seres que destroem não só o erário público bem como aquilo que poderia haver ainda de talentoso. Continua a ser tudo “sacristão maçónico” com o aguilhão da polícia secreta, estão habilitados a matar, a salvar, a expulsar... é, sim, é uma gente malsã! É um espectáculo desprezível desde os cumes até às bases. Para não falar na jactância emproada de alguns protagonistas. Claro! Há muita violência doméstica, as pessoas não são expansionistas para andarem na rua a gritar, fazem-no então entre quatro paredes onde não raro se matam todas umas às outras. E é neste estado que vivem os presidentes de certas associações que andam por aí. Gente que não tem um rasgo de cultura adquirida a que possamos chamar civilidade. Os nossos pares? - Devem estar a brincar! - Primeiro, há seres ímpares, depois os pares escolhem-se, e isto não deve tomar mais do que o tempo de uma análise da nossa reflexão. Geralmente quem teve a sorte de escolher o bom, olha para isto com ar incrédulo, mas há que não desmerecer a confiança que nos depositaram. Há coisas que trazemos como um distintivo, uma con-

O PORCO, REMBRANDT

Amélia Vieira

Os prémios quista, uma forma de merecimento, e outras que são tão circunstanciais, que não passam disso mesmo. Todos os dias nas sociedades dos prémios há gente a jogar para ser premiada gente que se esforça por ganhar o euro

Os imensos esforços de camaradagem forçada que se denota nestes ambientes impulsiona o mais desprevenido a desejar sair dali e não querer sequer que saibam que está vivo

milhões, outros o pódio, e outros a atenção de aqueloutros- e mais outrospremiar este que já premiou aquele, e assim sucessivamente até ao dia de os tirar a todos de lá para fora porque afinal eram outros que tinham feito a Obra. Isto para não falar do excesso de zelo para com uma população cada vez mais afugentada do saber da linguagem e que a única razão de não passar definitivamente a dialecto é o de poder sustentar uns nativos longe da sua região de origem. O que estes Institutos e linguistas ganham para degenerar tudo por onde passam na sua insensibilidade verbal, dava para fazer ensinos de grande qualidade, mas, agora como sempre, há uma forma de vida artificial por onde passa um ardil de gentes sem mérito que na sua consciente falta dele se auto premeia a si mesma. Sabemos que de nós fica pouca coisa na duração do tempo, essa deve ser a vi-

são clara, não nos é dado “sujar” o espaço de forma metódica e continuada pois que seria do grau da insuportabilidade, e que o barroco oco da nossa ganância pátria para com o maior , o mais importante, o mais este, o mais aquele, deu esta imensa decrepitude social onde agora se mergulha. Neste imenso opróbrio onde a liberdade foi sonegada em detrimento de vantagens tão substituíveis que nem notamos, nota-se o artefacto de uma moléstia tardia que vingou. Quando se contarem as peças desta manobra feita de angariadores e mercenários, talvez muitos fiquem esmagados de vergonha perante a robustez dos tenazes, e que a supremacia dos distribuidores de prémios se sinta cruelmente nua no meio de uma história que não querem contar e outro a recitará. E os euromilhões fiquem escancarados nas esquinas dos prédios e as notas em sacos dos carros de Estado, estampados nos semáforos. Não chamaria inaptidão ao legado frouxo que ninguém quer, chamar-lhe-ia um acto previsível. Quanto à astúcia e toda a estultícia, garbo, altaneiro estado, guardem tudo. Vão precisar de todos essas características quando mais nada restar de uma continuada e valente fraude.


desporto 17

segunda-feira 27.11.2017

KA I E BENFICA VÃO DISPUTAR FINAL DO TORNEIO DE FUTEBOL DE SETE

Reencontro dos mais fortes

Águias e Ka I, uma da destas equipa vai ser a vencedora do torneio da Associação de Futebol de Macau, após terem batido Kei Lun, por 4-1, e Cheng Fung, por 2-1, respectivamente. As equipas derrotas vão disputar no mesmo dia o terceiro lugar

A

PÓS ter sido realizado o sorteio para o Torneio de Futebol de Sete, houve a impressão que com Benfica, Ka I e Sporting no Grupo B da competição, que este era o grupo da morte. Essa ideia ficou provada na sexta-feira, quando Ka I e Benfica eliminaram, nas meias-finais, as equipas apuradas no Grupo A, Kei Lun e Cheng Fung. No primeiro encontro da noite no Canídromo, o público foi brindado com uma partida muito bem disputada

R

e com um ritmo elevado, entre Ka I e Cheng Fung. Apesar de ter sido o Ka I a vencer por 2-1, foi o adversário que marcou primeiro. Aos seis minutos do encontro, Ronieli Nascimento aproveitou um passo longo do guarda-redes Juninho, e depois de uma excelente recepção fez a bola passar por cima do guardião Domingos Chan. Já os jogadores começavam a pensar no intervalo, quando aos 17 minutos William conseguiu igualar o encontro. Depois de uma

ODOLFO Ávila sagrou-se ontem Vice-Campeão do Campeonato da China de Carros de Turismo (CTCC) de 2017, ao terminar na segunda posição na última corrida da temporada, tendo os seus resultados ao longo da época, e especialmente este fim-de-semana no Circuito Internacional de Xangai, sido preponderantes na conquista do título de Construtores por parte da SAIC Volkswagen. Na sua temporada de estreia no campeonato de automobilismo com maior expressão na República Popular da China, Ávila foi uma presença regular nos lugares pontuáveis, abdicando por vezes de arriscar resultados mais exuberan-

excelente assistência de Sami, o brasileiro cabeceou, sem hipóteses para Juninho e fez o 1-1. No segundo tempo, o Ka I continuou a ser a melhor equipa, mas só conseguiu chegar à vitória de maneira dramática. No último minuto do encontro, Sami confirmou o estatuto de homem do jogo, e depois de ter feito uma assistência para golo, acabaria também por deixar o nome na lista de marcadores. Após uma excelente arrancada pelo corredor direito, Sami finalizou o tra-

balho individual com o 2-1, que eliminou o Cheng Fung.

DOMÍNIO ENCARNADO

No outro encontro, as águias conseguiu vencer o Kei Lun por 4-1, numa partida em que estiveram quase sempre na liderança, e de forma confortável. O primeiro golo chegou na marcação de um livre directo. Após falta sobre jogador das águias, aos dois minutos, Edgar Teixeira foi chamado para a cobrança e a bola só parou dentro da baliza do adversário.

Objectivo cumprido Ávila sagra-se Vice-Campeão do CTCC

tes em prol do resultado colectivo da equipa. “O objectivo primordial para esta temporada era ajudar a equipa a vencer o título de Construtores e esse foi cumprido”, explicou o piloto português de Macau da equipa SVW333 Racing. “Obviamente que estou igualmente muito satisfeito em ter ficado em segundo lugar no campeonato. Foi um início de temporada difícil, onde tivemos problemas de vária ordem, mas com o decorrer da temporada fomos melhorando. Foi pena o azar

na segunda corrida em Wuhan, onde motor partiu quando eu seguia no terceiro lugar, mas isso também faz parte das corridas.” “Esta época foi uma experiência muito interessante para mim, enquanto piloto, pois descobri várias circuitos que desconhecia e tomei contacto com um campeonato extremamente competitivo, em que dentro da pista não há contemplações. Quero também agradecer à SVW333 Racing por me ter dado esta oportunidade e acreditado desde a primeira hora

As águias não tiraram o pé do acelerador, e seis minuto depois, Amâncio, internacional por Macau, fez o 2-0. Após uma jogada colectiva, houve um primeiro remato que o guarda-redes do Kei Lun conseguiu defender, mas a bola sobrou para o macaense, que encostou para o segundo tento da partida. Na segunda parte, o Benfica continuou a controlar os acontecimentos, e aos 33 minutos Edgar Teixeira bisou, ao apontar o 3-0 para as águias. Foi nessa altura que o Kei Lun conseguiu finalmente dar uma

que eu poderia ser uma mais valia para a equipa”, acrescentou Ávila. O piloto da RAEM estava ciente que esta última prova do ano iria ser particularmente complicada, porque os VW Lamando GTS tinham um handicap de peso demasiado elevado, em relação à concorrência directa, devido aos bons resultados nas provas anteriores. Todavia, Ávila não baixou os braços e, depois de ter conquistado um quinto lugar na primeira corrida, hoje, na última e decisiva corrida do ano, terminou num espectacular segundo lugar. “Foi um fim-de-semana muito difícil em termos de performance porque os nossos carros estavam muito pesados. Fui o melhor da minha equipa na qualificação e ape-

resposta e reduziu, por intermédio de Chan Kin Seng, para 3-1. Este foi o primeiro golo sofrido na competição pelas águias. Finalmente, o Benfica chegou ao 4-1, quando faltavam dois minutos para o fim, por intermédio de Vinícus. A final de quarta-feira está marcada para as 20h30, no Canídromo. Na fase de grupos, quando Ka I e Benfica se encontraram, as águias saíram vencedoras por 2-0. Carlos Leonel foi o autor dos dois tentos. João Santos Filipe

joaof@hojemacau.com.mo

nas o décimo da geral. Na primeira corrida, porque era importante terminar e somar o maior número de pontos possíveis, optei por uma toada cautelosa, sem exageros, e consegui terminar no quinto lugar. Hoje, partindo do oitavo lugar, fiz outra corrida limpa e consegui subir posições de oitavo até ao segundo lugar. Dadas as circunstâncias foi a melhor forma de dar uma época dura como concluída”, explicou o piloto do VW Lamando GTS nº9. Rodolfo Ávila subiu ao pódio por três ocasiões esta temporada, terminando o campeonato com 124 pontos, apenas menos sete que o piloto campeão. Sérgio Fonseca

info@hojemacau.com.mo


18 (f)utilidades TEMPO

MUITO

27.11.2017 segunda-feira

O QUE FAZER ESTA SEMANA Hoje

?

NUBLADO

LANÇAMENTO DO LIVRO “PROJECTO LIBOLO” DE CARLOS FIGUEIREDO Fundação Rui Cunha | 18h30 às 20h30

MIN

16

MAX

21

HUM

65-90%

EURO

9.59

BAHT

Diariamente

EXPOSIÇÃO “PHOTOSYNTESIS” DE TANG KUOK HOU IFT Café | Até 01/12 SALÃO DE OUTONO Casa Garden

O CARTOON STEPH

PROBLEMA 169

SOLUÇÃO DO PROBLEMA 168

UM FILME HOJE

C I N E M A

SUDOKU

DE

A LINGUAGEM E A ARTE DE XU BING Museu de Macau | Até 4/3/2018

Cineteatro

1.22

BRILHO NA CALÇADA

CONFERÊNCIA “A LEI DO ERRO MÉDICO – NOTAS SOLTAS” Fundação Rui Cunha | 18h30 às 20h30

EXPOSIÇÃO “O TEMPO MEMORÁVEL” Museu de Macau | Até 25/02/2018

YUAN

PÊLO DO CÃO

Quinta-feira

REPRESENTAÇÕES DA MULHER - COLECÇÃO DO MUSEU DE ARTE DE MACAU NOS SÉCULOS XIX E XX Museu de Macau | Até 10/12

0.24

Há dias de calçadas incandescentes, reflexos da abóbada no passeio iluminando todos os seres com luz branca redentora. Dias atómicos de raios solares que tudo atravessam, rebentando auroras nos cantos mais escuros de Macau. Quem me dera que este astro trouxesse claridade aos nocturnos conflitos de interesses entre astro-governantes e empresas satélites lunares, luz que dissipasse a lorpa ganância dos ladrões em Armani. Que belo dia, se estes raios de calor aquecessem os corações de quem teima em escurecer a, já de si precária, harmonia entre povos. Que bem que estaríamos se o brilho assoalhado trouxesse amor e compreensão onde existe medo e divisão. Imagino uma valsa vienense a sair da calçada, obrigando à dança todos os transeuntes, turistas, lojistas, polícias e ladrões no Leal Senado. Todos carne deste grande empadão humano a fritar ao sol das duas da tarde. Que se faça luz e se separe a bruma dos últimos dias, que a treva tenha lugar apenas nas noites em que reflectimos sobre a nossa humana condição. Que bom seria se o sol verdadeiramente brilhasse para todos nós, sem seres na sombra, nem carcinomas de privilégio, nem escoadores para a finança de sarjeta. Pequena reflexão de quem foi almoçar e não levou óculos escuros numa tarde como a de ontem. João Luz

LE MANS | LEE H. KATZIN, 1971

Le Mans é um filme, quase em espécie de documentário, que relata a experiência de participar nos anos 70, na mítica prova francesa de resistência. Uma película considerada de culto entre os amantes do automobilismo, ideal para assistir na semana que termina com a realização da corrida de Fórmula E, em Hong Kong. Steve McQueen é o actor principal, no papel de Michael Delaney, corre contra a sua própria memória, depois de ter estado envolvido num acidente mortal, na edição anterior da prova. Hoje Macau

HAPPY DEATH DAY SALA 1

JUSTICE LEAGUE [B] Fime de: Zack Snyder Com: Ben Affleck, Gal Gadot, Raymond Fisher, Jason Momoa, Erza Miller 14.30, 16.45, 19.15, 21.30 SALA 2

MANHUNT [C] Fime de: John Woo

Com: Zhang Hanyu, Masaharu Fukuyama, Qi Wei, Ha Jiwon 14.30, 16.30, 19.30, 21.30 SALA 3

HAPPY DEATH DAY [C] Fime de: Christopher Landon Com: Jessica Rothe, Israel Broussard, Ruby Modine, Charles Aitken 14.30, 16.30, 19.30, 21.30

www. hojemacau. com.mo

Propriedade Fábrica de Notícias, Lda Director Carlos Morais José Editor José C. Mendes Redacção Andreia Sofia Silva; João Luz; João Santos Filipe; Sofia Margarida Mota; Vitor Ng Colaboradores Amélia Vieira; Anabela Canas; António Cabrita; António Castro Caeiro; António Falcão; Gonçalo Lobo Pinheiro; João Paulo Cotrim; José Drummond; José Simões Morais; Julie O’Yang; Manuel Afonso Costa; Maria João Belchior (Pequim); Michel Reis; Miguel Martins; Paulo José Miranda; Paulo Maia e Carmo; Rui Cascais; Rui Filipe Torres; Sérgio Fonseca; Valério Romão Colunistas António Conceição Júnior; André Ritchie; David Chan; Fa Seong; Jorge Rodrigues Simão; Leocardo; Paul Chan Wai Chi; Paula Bicho; Rui Flores; Tânia dos Santos Cartoonista Steph Grafismo Paulo Borges, Rómulo Santos Ilustração Rui Rasquinho Agências Lusa; Xinhua Fotografia Hoje Macau; Lusa; GCS; Xinhua Secretária de redacção e Publicidade Madalena da Silva (publicidade@hojemacau.com.mo) Assistente de marketing Vincent Vong Impressão Tipografia Welfare Morada Calçada de Santo Agostinho, n.º 19, Centro Comercial Nam Yue, 6.º andar A, Macau Telefone 28752401 Fax 28752405 e-mail info@hojemacau.com.mo Sítio www.hojemacau.com.mo


opinião 19

segunda-feira 27.11.2017

reencarnações

B

O saudosista

ONS velhos tempos que não retornam, quando éramos grandes, uma imensa vastidão de superioridade patriótica construída com a inferiorização dos outros. Violência e pilhagem como contexto da nobreza que, num amplexo, quis abarcar o mundo inteiro. Tudo desmoronou com a revolução dos encardidos, a mestiçagem que estendeu a mão para mais uma migalha e encontrou a libertação pela via de uma G3. Frúnculos humanos que teimaram escapar à honrosa morte por coisa nenhuma, quando as suas carnes deveriam ser calcadas na lama por lagartas de tanques. Cambada de inúteis que recusaram o privilégio de se tornarem heróicos fósseis da derradeira luta pela sobrevivência da grande fortaleza lusa. Personifico a nostalgia do tempo em que a mulher estava no seu lugar, transferida da propriedade do pai para o património do marido, tempos em que não existiam negros fora da servidão ou lésbicas e pederastas a conspurcar a harmonia cristã e familiar desta pia sociedade de assassinos. Que saudades dos idos tempos em que se prendiam vermelhos pelo crime lesa-pátria da leitura proibida, criminosos que ousavam pensar fora da norma. Eu sou o domínio, sou a polícia, o juiz, o cárcere, o padre e o presidente. Sou lenda dos meus antepassados, herdeiro legítimo do tesouro das Índias, a nostalgia de algo que nunca existiu. Do Império só resta a minha Carminho, dócil e pura como a virgem, o fidalgo amparo dos desejos e tesões que preenchem os requisitos do Art.º 5 do Código do Processo Carnal. Um esteio de castidade neste mundo de Jezebéis, esses cometas de incandescentes lantejoulas a brilhar ao sol vespertino, esses astros que marxisticamente brilham para todos nós. Sou a bolsante aristocracia que despeja bílis depois garfadas impostas de igualdade, pluralidade e diversidade empurradas goelas abaixo. Os dias de hoje são de opressão à minha classe, habituado a ser pilão e almofariz que faz farinha dos ossos dos pobres. Mãe, Maria, Eva, eu te suplico. Acolhe-me de volta ao teu ventre, extensão máxima da minha saudade, minha nação biológica, destino e origem de mim. Desde que me pariste que tens uma dívida eterna para comigo. Poluíste-me à nascença com um inimigo invisível com quem luto todos os dias, este sangue inquinado por séculos de ocupação norte-africana que faz ressoar

FRANZ HALS, JOVEM COM CAVEIRA

JOÃO LUZ

dentro de mim o chamamento do minarete. O mundo rural transmite-me a nostalgia de uma época em que a vida era mais simples, quando todos sabiam o ser lugar. Adoro o campo, só tenho pena de estar cheio de camponeses, todos gregários e a conspirar cooperativas e esperanças associativas. Dói-me a barriga, preciso de mil blitzkriegs em sais de frutos para conseguir digerir esta pançada de colectivismo. Quero terraplanar Grândola, Baleizão, Barreiro e Marinha Grande e erigir a Nova Nova Lisboa, levar ao pelourinho as Catarinas, Maias, Delgados, Cunhais e todos os rubros encardidos. Admito que as minhas pernas tremem de excitação perante o leve aroma do poder absoluto exercido por homens fortes, viris, como Estaline, o grande exterminador de socialistas. Por vezes tenho acessos de fraqueza que nunca ouso confessar, impulsos comunitários que vão além da

Quero terraplanar Grândola, Baleizão, Barreiro e Marinha Grande e erigir a Nova Nova Lisboa, levar ao pelourinho as Catarinas, Maias, Delgados, Cunhais e todos os rubros encardidos

absolvição comprada por voluntariado, ou dos jantares do clube de golfe. Sonho com as gargalhadas desbragadas pela falta de chá, as paixões que movem mundos para além da união de patrimónios de facto. Fantasio com um prato de bifanas e uma imperial servida por um bruto. Desejo que a minha mãe me tivesse amado, abraçado, tratado como uma criança. Quero que uma lésbica negra sindicalista me rode um charro na Festa do Avante. Uma nova pele para mim, um espaço fora do Império de sombras em que o meu ego se abriga. Quero um T2 na Cova da Piedade e um passe intermodal Fertagus/Transtejo, quero comer caracóis numa esplanada da Costa da Caparica e chamar-me Cajó. Perdoa-me, Santo Salazar pelo amor à Nossa Senhora da Agonia, livrai-me destes devaneios paridos pelo grande satã esquerdista. Olho em meu redor e tudo é comunismo, por mais muros que caiam e bolchevismos que se dissolvam. Não interessa, a Goldman Sachs é uma extensão judia do politburo do Partido Comunista Chinês, que se lixe. Como o facho ardente do Império que alumiava a treva socialista se apagou, tudo o que resta são afiadas foices e omnipresentes martelos. Estou inoculado contra a história, desprezo a pobreza em todo esplendor da minha fé cristã e sou imune à ironia de viver numa região da República Popular da China enquanto sonho com um velho Estado Novo.


Uma mulher que leva 42 anos a chegar aos 30. Oscar Wilde

Bali Voos suspensos após erupção vulcânica

O vulcão Agung, na ilha turística de Bali, continuava a registar ontem fortes erupções, com uma coluna de cinzas a atingir até quatro quilómetros de altura, obrigando à proibição dos voos, informaram as autoridades indonésias. O vulcão entrou em erupção por três vezes na manhã de domingo, tendo a mais recente, ocorrida pelas 06:15 (22:15 em Lisboa), expelido a mais elevada coluna de cinzas, até quatro quilómetros de altura, informou Sutopo Purwo Nugroho, porta-voz da agência de gestão de desastres da Indonésia. As cinzas vulcânicas estavam a espalhar-se para leste e sudeste da cratera em direcção à vizinha Lombok, na ilha das Flores, especificou. Os voos sobre o território foram proibidos, dado que o Centro de Vulcanologia e Mitigação de Perigos Geológicos (CVMPG) elevou o alerta para a aviação para o mais alto nível. “O CVMPG elevou o nível de alerta de laranja para vermelho”, disse Sutopo Purwo Nugroho à agência de notícias chinesa Xinhua através de uma mensagem de texto. O mesmo responsável reiterou ainda a advertência para as pessoas que vivem na zona definida como interdita, ou seja, num raio de sete quilómetros e meio em torno da cratera, insistindo que têm de abandonar imediatamente as suas casas. As autoridades indonésias ordenaram também a distribuição imediata de máscaras, dado que as cinzas vulcânicas continuam a cair em inúmeras aldeias.

Cabo Verde Nova Lei Cambial para atrair investimento

PUB

O Governo de Cabo Verde anunciou a entrada em vigor, a partir de 2018, de uma nova Lei Cambial visando liberalizar todos os movimentos de capitais no arquipélago e apelou aos empresários portugueses para investirem no país. O anúncio foi feito na sexta-feira à noite pelo ministro das Finanças cabo-verdiano. “Temos uma paridade fixa com o euro. Fizemos aprovar, em sede do Conselho de Ministros, e vai agora para o Parlamento, uma nova Lei Cambial, que vai liberalizar todos os movimentos de capitais de Cabo Verde com o exterior. Uma vez aprovado, penso que no início do próximo ano, qualquer transacção de e para Cabo Verde vai ser livre, sem qualquer restrição burocrática”, disse Olavo Correia. “Qualquer cidadão ou empresa pode abrir contas em moeda nacional ou estrangeira, sem qualquer restrição, e qualquer transacção de Cabo Verde para fora, em qualquer moeda, será feita sem intervenção burocrática ou administrativa”, acrescentou o governante cabo-verdiano no encontro, que decorreu no Palácio da Bolsa. Ao explicar o apelo ao investimento, Olavo Correia, na presença de Jorge Carlos Fonseca, destacou que Cabo Verde “quer ser uma marca forte”, salientando tratar-se de um país “estável e previsível”, onde “vale a pena investir” e o investimento “tem retorno”. Cabo Verde é “o próximo destino turístico, de investimentos, de oportunidades nos mais diversos domínios: energias renováveis, transportes aéreos e marítimos, telecomunicações e tecnologias, economia do mar e sistema financeiro”, realçou. “Estamos bem localizados, temos uma população jovem qualificada e em processo de qualificação, temos um país previsível, estamos numa localização geoestratégica extraordinária e temos um historial de desenvolvimento que nos permite ter essa confiança”, insistiu Olavo Correia para justificar a nova Lei Cambial.

PALAVRA DO DIA

segunda-feira 27.11.2017

VITORINO NEMÉSIO OBRAS COMPLETAS PUBLICADAS EM 2018

Se bem me lembro...

U

MA edição das obras completas do escritor Vitorino Nemésio, em 16 volumes, vai ser lançada a partir de 2018, numa iniciativa da editora Companhia das Ilhas, em parceria com a Imprensa Nacional-Casa da Moeda, foi ontem anunciado. “Nos Açores, nunca estiveram disponíveis as obras do Vitorino Nemésio. Existe uma edição da Imprensa Nacional, com alguns anos, e há muitos títulos esgotados. Justificava-se plenamente esta edição”, declarou à agência Lusa o responsável pela editora Companhia das Ilhas, Carlos Alberto Machado. O editor disse que as novas gerações de leitores desconhecem Nemésio, apesar de se “aludir muito ao seu nome” e de “qualquer açoriano saber que

foi um escritor nascido na ilha Terceira”, mas “pouco mais”. Vitorino Nemésio, cuja obra literária compreende, entre outros, o título “Mau Tempo no Canal”, considerado pela crítica literária um dos maiores romances portugueses do século XX, nasceu em 19 de Dezembro de 1901, na Praia da Vitória, na ilha Terceira, e morreu em Lisboa, em 20 de Novembro de 1978. Considerando que a falta de títulos no mercado desaconselha qualquer professor a incentivar os alunos a lerem o escritor, Carlos Alberto Machado considera que se está perante uma “grande falha”, que pode agora ser colmatada. Esta edição “ultrapassa largamente a importância local, sendo de âmbito nacional, com particular importância nos Açores”,

afirma o editor. A publicação compreende mais de quarenta obras distribuídas por dezasseis volumes, a publicar até 2011, devendo cada um ter pelo menos mil exemplares de tiragem. Face à dimensão literária de Vitorino Nemésio, o editor defende que o Governo dos Açores, além dos apoios à edição, deveria promover a sua obra, de forma “profunda e alargada”, em todas as ilhas do arquipélago. Adirecção científica da publicação é assegurada pelo professor universitário Luiz Fagundes Duarte, contendo cada volume, além dos textos do autor, uma breve introdução a cargo de especialistas na obra de Nemésio, a par de um texto de síntese da sua vida e obra, de acordo com a editora. “Vitorino Nemésio promoveu de várias maneiras os

Açores. Não foi só um grande escritor. E, onde viveu (França, Brasil e continente), por largos períodos da sua vida, foi o maior promotor do arquipélago, da sua identidade específica e um grande defensor dos Açores como região autónoma, no sentido mais profundo do termo, que não apenas político”, disse o editor. Considerado um dos grandes escritores portugueses do século XX, Nemésio recebeu, em 1965, o Prémio Nacional de Literatura e, em 1974, o Prémio Montaigne. A sua obra compreende cerca de 40 títulos na área da fição, poesia, ensaio e crítica, a par da crónica, como “Festa Redonda” (1950), “Nem Toda a Noite a Vida” (1952), “O Pão e a Culpa” (1955), “O Verbo e a Morte” (1959), “O Cavalo Encantado” (1963), “Canto da Véspera” (1966) e “Sapateia Açoriana” (1976), além de “Mau Tempo no Canal” (1944). A Vitorino Nemésio é atribuída a criação do termo “açorianidade”, num artigo sobre a condição histórica, geográfica, social e humana do açoriano, publicado em 1932. Além do lançamento da obra do escritor de origem terceirense, a Companhia das Ilhas vai apresentar, em Ponta Delgada, na ilha de São Miguel, a sua programação editorial para 2018 e 2019, que contempla escritores como Carlos Alberto Machado, Leonor Sampaio da Silva, Paula de Sousa Lima e Urbano Bettencourt.

Birmânia impõe restrições à imprensa internacional durante visita do Papa Francisco As autoridades da Birmânia impuseram restrições à imprensa internacional durante a visita de quatro dias que o papa Francisco inicia na segunda-feira ao país, indicaram hoje fontes próximas da organização da viagem. O sacerdote Mariano Naing, porta-voz da Igreja Católica local, afirmou, durante um encontro com jornalistas, que a imprensa internacional não terá acesso ao aeroporto de Rangum, a antiga capital da Birmânia, para efectuar a cobertura da chegada do pontífice ao país.Do mesmo modo, ser-lhe-á vedado acesso à

cerimónia de boas-vindas oficial que a líder de facto da Birmânia, Aung San Suu Kyi, vai oferecer na próxima terça-feira ao papa em Naypyidaw, a norte de Rangum e actual capital do país. As restrições também incluem o acesso à reunião que o papa Francisco irá manter, no mesmo dia, com líderes religiosos locais. Os ‘media’ oficiais birmaneses são os únicos que têm autorização para efectuar a cobertura jornalística desses actos. As autoridades birmanesas invocaram “razões de segurança” para justificar as restrições, indicou Mariano Naing,

citado pela agência de notícias espanhola Efe. A visita do papa Francisco à Birmânia coincide com a crise humana desencadeada pela operação do exército birmanês contra a minoria muçulmana rohingya no estado de Rakhine, no oeste do país. O papa Francisco vai cumprir no Bangladesh a segunda e última etapa da sua viagem à Ásia que, de acordo com alguns observadores, tem como objectivo mediar uma crise motivada pelo que as Nações Unidas qualificaram como uma operação de “limpeza étnica”.

Hoje Macau 27 NOV 2017 #3943  

N.º 3943 de 27 de NOV de 2017

Hoje Macau 27 NOV 2017 #3943  

N.º 3943 de 27 de NOV de 2017

Advertisement