Page 1

hoje macau

Nº 4817 SEGUNDA-FEIRA 26-7-2021 DIRECTOR CARLOS MORAIS JOSÉ

KELLY SIKKEMA

MOP$10

CASAS ÀS AVESSAS Alguns moradores das novas habitações sociais de Mong Há depararam-se com uma desagradável surpresa quando entraram em casa. Chão sujo, manchas na casa-de-banho, canos entupidos e beatas de cigarro “adornavam” os novos apartamentos. Cerca de duas dezenas apresentaram queixa ao IH, enquanto outros se limitaram a limpar a sujidade. PÁGINA 6

BANDEIRA NACIONAL

ARTE MACAU

PÁGINA 4

EVENTOS

DE FORA PARA DENTRO QUANTO MAIS MELHOR FOME ARTÍSTICA GRANDE PLANO

INÁCIO LUDGERO

COVID-19

ÓBITO

OTELO SARAIVA DE CARVALHO (1936-2021)


2 grande plano

26.7.2021 segunda-feira

www.hojemacau.com.mo

COVID-19 REGISTADOS MAIS TRÊS INFECTADOS E QUATRO CASOS DE CONTACTO PRÓXIMO

TIAGO ALCÂNTARA

Eles andam aí

Quarentena obrigatória para quem esteve em Nanjing, na província de Jiangsu Foi decretada, desde ontem à tarde, quarentena obrigatória de 14 dias para todos os indivíduos que nos 14 dias anteriores à entrada em Macau tenham estado em Nanjing, na província de Jiangsu. O Centro de Coordenação de Contingência do Novo Tipo de Coronavírus es-

pecificou ontem que quem “tenha estado no Subdistrito de Yongyang do Distrito de Lishui, no Subdistrito de Yaxi do Distrito GaoChun, no Subdistrito de Nanyuan do Distrito de Jianye ou no Distrito de Jiangning da Cidade de Nanjing” terá de se sujeitar a 14 dias de observação

médica em local designado pelas autoridades de saúde. As quarentenas obrigatórias estendem-se a quem tenha estado na cidade de Ruili e Condado de Longchua, da Sub-região Autónoma das Etnias Dai e Jingpo de Dehong, na província de Yunnan, ao Bairro

Residencial Rongle do Subdistrito de Jinqiao do Distrito de Dodong da Cidade de Shenyang, na província de Liaoning e na Zona de Fábrica N.º1 situada na Rua Huike da Vila Wujia do Distrito de Fucheng da Cidade de Mianyang, na província de Sichuan.

Arranca hoje nova ronda de venda de máscaras A partir de hoje os residentes e não-residentes podem deslocar-se às farmácias do território para comprarem mais 30 máscaras por 24 patacas, no âmbito do programa de aquisição

do Governo. Durante a ronda do plano que terminou ontem, foram

vendidas mais 3,67 milhões de máscaras, de acordo com a médica Leong Iek Hou, o que faz com que desde o início da pandemia tenham sido vendidos 210 milhões de máscaras.


segunda-feira 26.7.2021

M

ACAU registou mais três casos importados de covid-19, o que fez subir o número de infecções desde o início da pandemia para 59 infectados. Os casos reportados dizem respeito a um residente de 31 anos que estuda na Alemanha, e outros dois residentes, uma mãe, de 28 anos, e um filho, de 8 anos, que viajaram para Macau vindos das Filipinas. Nos três casos o diagnóstico foi logo feito à entrada. O caso do estudante que viajou da Alemanha, que partiu de Paris e fez escala em Singapura, foi revelado ontem à tarde. Segundo a informação revelada, “após a chegada a Macau, foi imediatamente encaminhado para a Urgência Especial do Centro

Hospitalar Conde de São Januário (CHCSJ), devido a febre baixa”. Antes de partir, o individuo tinha feito um teste com resultado negativo. Uma situação idêntica aconteceu com as duas pessoas (mãe e filho) vindas das Filipinas. “Ambos negaram terem sido, anteriormente, diagnosticados com a COVID-19. A mãe foi vacinada em 25 de Junho e 23 de Julho com duas doses da vacina”, pode ler-se no comunicado do Centro de Coordenação de Contingência do Novo Tipo de Coronavírus. “Os resultados do teste de ácido nucleico que efectuaram nas Filipinas em 20, 21 e 22 de Julho foram negativos”, acrescentam as autoridades. Além dos dois casos, o centro revelou outras duas situações de recaída, também relacionadas com pessoas vindas das Filipinas. “Foram, ainda, registados, outros dois casos positivos no teste de ácido nucleico. Um caso diagnosticado a funcionária do Consulado Geral das Filipinas em Macau, com 27 anos de idade, e outro a uma bebé, de um ano, filha de um outro membro do mesmo consulado”, foi indicado. “Em ambas situações acusaram positivo no resultado do teste de ácido nucleico, mas como tinham sido diagnosticados em Maio como casos confirmados, foram ambos classificados como casos de recaída”, foi explicado. GCS

Duas pessoas que voaram para Macau vindas das Filipinas e outra que viajou da Alemanha foram diagnosticadas com covid-19 à entrada na RAEM. As autoridades anunciaram ainda que quatro cidadãos foram submetidos a quarentena devido a contacto próximo com uma pessoa infectada no Interior

grande plano 3

www.hojemacau.com.mo

“Os resultados do teste de ácido nucleico que [os novos casos] efectuaram nas Filipinas em 20, 21 e 22 de Julho foram negativos” Também no caso da mulher de 27 anos a infecção aconteceu apesar da inoculação com duas doses já ter sido realizada. Segundo o comunicado do Centro de Coordenação de Contingência do Novo Tipo de Coronavírus as pessoas infectadas estão “em condições consideradas normais” e a ser tratadas no Centro Clínico de Saúde Pública.

Contactos próximos

Além dos casos confirmados, as autoridades anunciaram também a existência de quatro pessoas em Macau que tiveram contacto próximo com um infectado do Interior.

Os contactos próximos originaram 3 contactos gerais e 11 contactos próximos por via secundaria, num total de 17 pessoas

A mulher de 23 anos foi diagnosticada a 22 de Julho, como assintomática, num Hospital de Zhuhai, onde fez o teste de ácido nucleico e para onde tinha viajado a partir de Nanjing. Na cidade vizinha, a mulher utilizou os transportes públicos para Zhongshan, onde esteve em contacto com um trabalhador não-residente em Macau, de 32 anos, e três residentes: uma mulher de 64 anos, uma mulher 53 anos e um homem de 28 anos. Por sua vez, os contactos próximos originaram três contactos gerais e 11 contactos próximos por via secundaria, num total de 17 pessoas. “Todas concluíram o primeiro teste de ácido nucleico e teste de anticorpos. Todos os resultados deram negativo e sem capacidade de transmissão”, afirmou a médica Leong Iek Hou, na sexta-feira, durante a conferência semanal sobre a situação pandémica. Ainda segundo o Centro de Coordenação de Contingência do Novo Tipo de Coronavírus, não existem motivos para preocupação uma vez que foram encontrados “os residentes que estiveram em contacto estreito com os contactos próximos” a quem foi “aplicadas medidas preventivas de observação médica”.

Vacinação “gravemente baixa”

A conferência de imprensa de sexta-feira serviu igualmente

VACINAÇÃO POR FAIXA ETÁRIA IDADE

PERCENTAGEM

12 a 10 anos

17,18%

20 a 29 anos

56,64%

30 a 39 anos

61,27%

66,36% 40 a 49 anos (a mais alta) 50 a 59 anos

44,35%

60 a 69 anos

19,55%

70 a 79 anos

9,16%

Mais de 80 anos

1,84%

VACINAÇÃO UNIVERSAL 40% Dados: Centro de Coordenação de Contingência do Novo Tipo de Coronavírus

para o Governo insistir no apelo à vacinação, principalmente por entender que a taxa de vacinação entre idosos e jovens é “gravemente baixa”. Nesse sentido, Tai Wa Hou, médico-adjunto da Direcção do Centro Hospitalar Conde São Januário, anunciou novas medidas como a vacinação nas escolas secundárias e autorização para que as pessoas com mais de 60 anos, ou doenças crónicas, se possam vacinar sem terem de fazer marcação.

Tai Wa Hou alertou que devido ao fluxo fronteiriço entre Guangdong e Macau o risco de infecção “está a aumentar gradualmente” e que as pessoas devem vacinar-se o mais depressa possível Segundo os dados apresentados, desde o início da administração de vacinas, há seis meses, a taxa de vacinação é de 40 por cento (ver tabela). Quando são consideradas as pessoas com mais de 12 anos, a percentagem de vacinados sobe para 45 por cento. Os residentes têm uma taxa de vacinação de 55 por cento e os não-residentes de 45 por cento. No entanto, Tai Wa Hou alertou que devido ao fluxo fronteiriço entre Guangdong e Macau o risco de infecção “está a aumentar gradualmente” e que as pessoas devem vacinar-se o mais depressa possível. João Santos Filipe


4 política

26.7.2021 segunda-feira

www.hojemacau.com.mo

CE BANDEIRA NACIONAL E REGIONAL OBRIGATÓRIAS EM MAIS OCASIÕES

O dom da ubiquidade O Governo aumentou o número de dias, locais e ocasiões em que as bandeiras da China e de Macau devem ser exibidas e hasteadas. O dia Nacional da Constituição passa a ser “dia de festa importante” e há regras mais específicas para cerimónias que incluam o Hino Nacional. Na esfera digital, o emblema nacional passa a ser obrigatório em alguns websites do Governo a 4 de Dezembro, passa a ser “um dia de festa importante”, em que as bandeiras devem também estar à

vista nos locais indicados, como nos espaços públicos (praças e jardins de grandes dimensões) geridos pelo

actos" serão dados a conhecer mais tarde, através "da promoção da Direção dos Assuntos de Justiça".

Alcance digital

As normas de utilização dos símbolos nacionais extendem-se ainda ao mundo digital, prevendo-se que o emblema nacional seja utilizado “em local bem visível” na página inicial de websites institucionais como o do Gabinete do Chefe do Executivo, do Portal do Governo da RegiãoAdministrativa Especial de Macau, da Assembleia Legislativa, dos Tribunais, do Ministério Público e outros a indicar pelo Chefe do Executivo.

O Dia Nacional da Constituição, assinalado a 4 de Dezembro, passa a ser “um dia de festa importante”, em que as bandeiras devem também estar à vista Recorde-se que a proposta de alteração à lei da utilização e protecção da bandeira, emblema e hino nacionais deu entrada na Assembleia Legislativa em Maio. Na altura André Cheong indicou que a proposta previa "um novo ajustamento" para se conformar com as alterações aprovadas por Pequim, "tais como a proibição de hastear ou colocar de forma invertida" a bandeira chinesa, uma nova infracção que passará a ser punida com multa de "2.000 a 10.000 patacas" tal como já acontecia noutros casos de desrespeito dos símbolos nacionais chineses. Pedro Arede

Ambiente Concluído regulamento para agilizar apoios financeiros O Conselho Executivo anunciou na sexta-feira a conclusão do projecto de regulamento administrativo do Fundo para a Proteção Ambiental e a Conservação Energética (FPACE), criado em 2011, para agilizar a concessão de apoios financeiros. Desde a criação do fundo foram lançados três projectos, um para equipamentos ambientais, um de não utilização de motociclos e outro

Instituto dos Assuntos Municipais. André Cheong explicou ainda que, durante as

GCS

N

EM o digital escapa ao âmbito da lei da utilização e protecção da bandeira e hino nacionais. O Conselho Executivo (CE) anunciou na passada sexta-feira a conclusão do diploma complementar da referida lei, que aumenta o número de dias, locais e ocasiões em que a bandeira da China e de Macau devem exibidas ou hasteadas. O novo regulamento administrativo vem dar "cumprimento às decisões do Comité Permanente da Assembleia Popular Nacional" chinesa "relativas à alteração à Lei da Bandeira Nacional e à Lei do Emblema Nacional" chinesas, disse o secretário para a Administração e Justiça e porta-voz do CE, André Cheong, em conferência de imprensa. Quanto a locais, o novo regulamento administrativo estabelece como obrigatória a exibição da bandeira nacional nas escolas de ensino infantil “que reúnam as condições necessárias”, nos dias em que se realizem actividades educativas. Além disso, também as instalações culturais e desportivas públicas de grandes dimensões passam a ter que exibir ou hastear a bandeira nacional e a bandeira regional. O Dia Nacional da Constituição, assinalado

cerimónias do hastear da bandeira nacional, o hino nacional deve ser executado “instrumental e vocalmente”, devendo todos os presentes estar virados para a bandeira e permanecer respeitosamente de pé, olhar para a Bandeira Nacional ou prestar saudação. Enquanto a bandeira nacional é hasteada, ficam proíbidos actos que atentem contra a sua dignidade. "Já explicámos que actos podem ser definidos como prejudiciais à dignidade da bandeira. Não temos formas muito claras, é uma decisão da população", afirmou o porta-voz do Conselho Executivo, segundo a agência Lusa. André Cheong acrescentou ainda que "os referidos

de apoio a empresas que reutilizem equipamentos, no montante total de mais de 420 milhões de patacas. Os três projectos "conseguiram atingir os objetivos", disse o director dos Serviços de Proteção Ambiental

(DSPA), Raymond Tam, citado pela agência Lusa. Segundo o novo regulamento, o Secretário para os Transportes e Obras Públicas passa a ser a entidade tutelar do FPACE. Além disso, a composição do Conselho Administrativo é alterada em articulação com as atribuições do Gabinete para o Desenvolvimento do Sector Energético (GDSE) já integradas na DSPA.

AL Ho Iat Seng vai ao hemiciclo no dia 10 de Agosto O Chefe do Executivo, Ho Iat Seng, vai à Assembleia Legislativa (AL) responder às perguntas dos deputados no dia 10 de Agosto, terça-feira. A reunião já está agendada e foi revelada na semana passada, no portal da AL. Além do encontro futuro com os legisladores, Ho recebeu

na semana passada o vice-presidente do Banco da China, Lin Jingzhen, e agradeceu a forma como a instituição tem apoiado a RAEM durante a pandemia. No encontro, as duas partes discutiram ainda o desenvolvimento da moeda digital, e Lin Jingzhen considerou que

em Macau existem espaço e condições ideais para tal. O responsável da entidade bancária afirmou que a moeda digital poderá contribuir, de forma activa, para a construção da futura zona de cooperação aprofundada entre Guangdong e Macau na Ilha da Montanha.


política 5

www.hojemacau.com.mo

GCS

segunda-feira 26.7.2021

O

S Serviços de Saúde (SSM) estão preocupados com o aumento do número de casos de infecção por HIV que resultaram de contacto homossexual. Isto, quando, das 34 infecções por HIV registadas entre residentes de Macau até Junho de 2021, 23 foram causadas por contacto homossexual ou entre pessoas transgénero. A estatística revelada na passada quinta-feira pela secretária-geral da Comissão de Luta contra a Sida, Leong Iek Hou, aquando da 1.ª reunião de trabalho de 2021 do organismo, contabiliza ainda que, dos 34 casos registados entre Janeiro e Junho deste ano, 29 dizem respeito a homens e cinco são mulheres. A faixa etária onde foram registados mais casos (13) situa-se entre os 30 e os 39 anos, seguindo-se as faixas etárias dos 20 aos 29 anos (11 casos), 40 a 49 anos (sete casos) e mais de 50 anos (três casos). Além dos 23 casos causados por contacto homossexual, revelou a responsável, oito infecções foram causadas por contacto

SIDA SUBIDA DE CASOS POR CONTACTO HOMOSSEXUAL PREOCUPA SSM

Debaixo de olho

Das 34 infecções por HIV registadas entre residentes de Macau até Junho de 2021, 23 foram causadas por contacto homossexual. Os Serviços de Saúde dizem que a tendência “não pode ser ignorada” e que as medidas de controlo e prevenção vão ser alargadas a este grupo. Por outro lado, a DSEDJ quer apoiar alunos a “criar valor sexual e consciência de género correctos” heterossexual e três casos estão a ser acompanhados no exterior. Fazendo um balanço sobre a ameaça que as doenças infecciosas como a Sida e a Covid-19 colocam a Macau, o Director dos Serviços de Saúde, Lo Iek Long prevê que a prevenção e controlo deste tipo de doenças no futuro, seja mais difícil. Especificamente sobre a Sida, Lo Iek Long lembrou que “não há método para cura completa” e que esta é uma doença que não se manifesta através de sintomas óbvios

por um longo período de tempo após a infecção. Ao mesmo tempo, o director dos SSM, apontou que o “acréscimo de casos de infecção por contacto do mesmo sexo” é uma tendência que “não pode ser ignorada”. Isto, apesar de Macau ser uma

A faixa etária onde foram registados mais casos (13) situa-se entre os 30 e os 39 anos

região de baixa incidência. Face à tendência crescente, os SSM vão alargar os serviços de prevenção e controlo da Sida a este grupo, revelou também. Sobre o programa piloto de autoteste de HIV, foi anunciado que, entre 9 de Março e o final de Junho, foram vendidos 115 kits de autoteste, sendo que mais de 80 por cento dos compradores são homens entre os 31 e os 40 anos. Desde a implementação do programa foi encontrado um caso confirmado de HIV.

Com base no volume de vendas e do “feedback positivo do todas as partes”, os SSM revelaram que os resultados iniciais do programa piloto foram alcançados, estando agora a ponderar “a sua implementação contínua”.

Educação ao centro

Sobre a promoção da educação sexual, o chefe do Centro de Educação Moral da Direcção dos Serviços de Educação e de Desenvolvimento da Juventude (DSEDJ) apontou que fo-

ram realizadas actividades preventivas a pensar nos estudantes. “Quanto ao apoio pedagógico, foram realizadas actividades pedagógicas, preventivas e desenvolvidas para alunos e disponibilizado aconselhamento por caso concreto para alunos com necessidades, a fim de apoiar os alunos a criar valor sexual e consciência de género correctos”, pode ler-se numa nota oficial. Além disso, foi ainda estipulado que as escolas de ensino não superior devem disponibilizar educação sexual em todas as fases e foi criada uma base de recursos pedagógicos de Educação Moral e Cívica. A fim de criar “harmonia” no ambiente escolar, o responsável reportou ainda que foram tomadas medidas como a divulgação de mensagens relacionadas com a educação moral, a subsidiação de escolas para o desenvolvimento da educação moral na escola, a realização de exposições e a criação da Comissão para a Promoção da Igualdade de Género das Instituições de Ensino Superior de Macau. Pedro Arede

SOLIDARIEDADE MAK SOI KUN DOOU TRÊS SALÁRIOS PARA A RECUPERAÇÃO DE HENAN

M

AK Soi Kun anunciou a doação de três salários para ajudar nos trabalhos de recuperação na província de Henan, gravemente assolada por cheias. Os deputados recebem cerca de 49.949 patacas por mês de salários básico, ao qual acrescem

1.248 patacas por cada reunião de comissão. No caso de presidirem às comissões, como acontece com Mak Soi Kun, na Comissão de Acompanhamento para os Assuntos de Finanças Públicas, o pagamento por reunião é de cerca de 2.497 patacas.

O montante exacto da doação não foi revelado pelo jornal Ou Mun, mas Mak justificou o acto com a vontade de retribuir à sociedade o que recebeu e de ver a província de Henan regressar à normalidade. Por outro lado, o residente de Macau considerou que a

prosperidade da RAEM depende da situação do Interior e que por isso há a obrigação de ajudar o país. Também os representantes de Macau à Assembleia Popular Nacional doaram um total de 600 mil dólares de Hong Kong, através da

conta bancária do Gabinete de Ligação do Governo Central. As doações foram coordenadas por Lao Ngai Leong, José Chui Sai Peng e Kou Hoi In e justificadas com a atenção que a população de Macau presta ao Interior e aos residentes do Interior.

Além disso, os representantes de Macau à APN enviaram condolências às famílias enlutadas e afirmaram sentirem-se orgulhosos e emocionados por verem soldados e populações participarem no esforço conjunto de recuperação.


6 sociedade

26.7.2021 segunda-feira

www.hojemacau.com.mo

HABITAÇÃO SOCIAL MORADORES QUEIXAM-SE DE SUJIDADE EM APARTAMENTOS

das contas admitiram não ter apresentado queixa ao IH.

Sem tempo para esfregona

O

S arrendatários de 20 habitações sociais no Edifício Mong Tak, do novo complexo de habitação social de Mong Há, queixaram-se ao Instituto de Habitação (IH) do estado de sujidade e desgaste das fracções, de acordo com dados oficiais disponibilizados ao jornal Ou Mun. Os moradores

começaram a mudar-se para as novas fracções a partir de 19 de Julho e, desde então, houve uma média diária superior a duas queixas. Segundo o relato de alguns moradores, quando entraram nas novas casas encontraram várias pedras e materiais deixados pelos pedreiros, mas também canos entupidos, manchas que indiciam o uso das

casas de banho e pontas de cigarros nas varandas. As fotografias publicadas no jornal mostram a situação, já depois de os arrendatários terem feito parte das limpezas. A situação levou alguns residentes a dizerem ao jornal que caso tivessem sido eles a comprar a fracção que o nível de imundice na altura da entrega era inadmissível. No que diz respeito à sujidade, houve ainda quem desabafasse que nunca tinha imaginado que a casa “nova” conseguisse ser mais suja que a velha. Segundo o jornal Ou Mun, na origem do problema terá estado o facto de o Governo ter optado por apressar a entrega das casas, sem que tivesse havido tempo para verificar o estado de limpeza das fracções.

Após a revelação do caso, o Ou Mun ouviu o engenheiro Addy Chan que alertou os moradores para fazerem uma limpeza inicial e procurarem a existência de entupimentos e outros problemas de construção. O profissional do sector da engenharia afirmou ainda que os arrendatários devem fazer um registo das alterações necessárias, relatar tudo ao IH, e evitar fazer qualquer tipo de obra, de forma a que o Governo possa responsabilizar os empreiteiros, que assim terão de assumir os custos da correcções necessárias. Addy Chan explicou ainda que no caso das manchas na pintura das casas, erosão química das cores ou manchas de cigarros nos azulejos ou na pedra do chão que os custos das reparações têm de ser assumidos pelos empreiteiros.

FOTOS OU MUN

Duas dezenas de moradores queixaram-se da sujidade que encontraram nos novos apartamentos de habitação social em Mong Há. O jornal Ou Mun considera que a entrega das casas foi apressada, sem dar tempo para operações de limpeza

Questões para o empreiteiro

Houve ainda quem desabafasse que nunca tinha imaginado que a casa “nova” conseguisse ser mais suja que a velha

PUB.

EDITAL Edital n.º: 46/E-BC/2021 Processo n.º: 494/BC/2016/F Assunto: Demolição de obras não autorizadas pela infracção às disposições do Regulamento de Segurança Contra Incêndios (RSCI) Local: Rua de Francisco Xavier Pereira n.º 90, Edf. Va Lok, parte do terraço sobrejacente à fracção 5.º andar G e escada comum entre os 4.º e 5.º andares, Macau. Lai Weng Leong, Subdirector da Direcção dos Serviços de Solos, Obras Públicas e Transportes (DSSOPT), no uso das competências delegadas pelo Despacho n.º 06/SOTDIR/2020, publicado no Boletim Oficial da Região Administrativa Especial de Macau (RAEM) n.º 11, II Série, de 11 de Março de 2020, faz saber que ficam notificados os donos das obras ou seus mandatários, bem como os utentes dos locais acima indicados, cujas identidades se desconhecem, do seguinte: 1. Na sequência da fiscalização realizada pela DSSOPT, apurou-se que nos locais acima indicados realizaram-se as seguintes obras não autorizadas: Local 1.1 Parte do terraço sobrejacente à fracção 5.º andar G. 1.2

Obra

Infracção ao RSCI e motivo da demolição

Construção de um compartimento com Infracção ao n.º 4 do artigo 10.º, obstrução do caminho de janelas de vidro e pala metálica. evacuação. Instalação de gradeamento metálico por Infracção ao n.º 4 do artigo 10.º, obstrução do caminho de cima do compartimento acima indicado. evacuação. 1.3 Escada comum entre os 4.º e Instalação de um portão metálico com Infracção ao n.º 4 do artigo 10.º, obstrução do caminho de 5.º andares. gradeamento metálico. evacuação. 2. De acordo com o n.º 1 do artigo 95.º do RSCI, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 24/95/M de 9 de Junho, foi realizada, no seguimento de notificação pelo edital n.º 32/E-BC/2021 publicado nos jornais em língua chinesa e em língua portuguesa de 20 de Maio de 2021, a audiência escrita dos interessados, mas estes não apresentaram qualquer resposta no prazo indicado e não foram carreados para o procedimento elementos ou argumentos de facto e de direito que pudessem conduzir à alteração do sentido da decisão de ordenar a demolição das obras não autorizadas acima indicadas. 3. Sendo as escadas comuns e terraço do edifício considerados caminhos de evacuação, devem os mesmos conservar-se permanentemente desobstruídos e desimpedidos, de acordo com o disposto no n.º 4 do artigo 10.º do RSCI. Assim, nos termos do n.º 1 do artigo 88.º do RSCI e no uso das competências delegadas pela alínea 8) do n.º 1 do Despacho n.º 06/SOTDIR/2020, publicado no Boletim Oficial da RAEM n.º 11, II série, de 11 de Março de 2020, e por despacho do signatário de 15 de Julho de 2021 exarado sobre a informação n.º 06325/DURDEP/2021, ordena aos interessados que procedam, por sua iniciativa, no prazo de 8 dias contados a partir da data da publicação do presente edital, à respectiva demolição e à reposição dos locais afectados, bem como à remoção de todos os materiais e equipamentos neles existentes e à sua desocupação, devendo, para o efeito e com antecedência, apresentar nesta DSSOPT o pedido de demolição das obras ilegais, cujos trabalhos só podem ser realizados depois da sua aprovação. A conclusão dos referidos trabalhos deverá ser comunicada à DSSOPT para efeitos de vistoria. 4. Findo o prazo da demolição e da desocupação, não será aceite qualquer pedido de demolição das obras acima mencionadas. De acordo com o n.º 2 do artigo 139.º do Código do Procedimento Administrativo, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 57/99/M de 11 de Outubro, notifica-se ainda que nos termos dos n.os 1 e 2 do artigo 89.º do RSCI, findo o prazo referido, a DSSOPT, em conjunto com outros serviços públicos e com a colaboração do Corpo de Polícia de Segurança Pública, procederá à execução dos trabalhos acima referidos, sendo as despesas suportadas pelos infractores. Uma vez iniciados os trabalhos, os infractores não poderão solicitar o seu cancelamento. Os materiais e equipamentos deixados nos locais acima indicados ficam aí depositados à guarda de um depositário a nomear pela Administração. Findo o prazo de 15 (quinze) dias a contar da data do depósito e caso os bens não tenham sido levantados, consideram-se os mesmos abandonados e perdidos a favor do governo da RAEM, por força da aplicação do artigo 30.º do Decreto-Lei n.º 6/93/M de 15 de Fevereiro. 5. Nos termos do n.º 3 do artigo 87.º do RSCI, a infracção ao disposto no n.º 4 do artigo 10.º é sancionável com multa de 4 000,00 a 40 000,00 patacas. Além disso, de acordo com o n.º 4 do mesmo artigo, em caso de pejamento dos caminhos de evacuação, será solidariamente responsável a entidade que presta os serviços de administração e/ou de segurança do edifício. 6. Nos termos do n.º 1 do artigo 97.º do RSCI e do n.º 7 do Despacho n.º 06/SOTDIR/2020, publicado no Boletim Oficial da RAEM n.º 11, II série, de 11 de Março de 2020, da decisão referida no ponto 3 do presente edital cabe recurso hierárquico necessário para o Secretário para os Transportes e Obras Públicas, a interpor no prazo de 8 (oito) dias contados a partir da data da publicação do presente edital. RAEM, 15 de Julho de 2021 Pela Directora de Serviços O Subdirector Lai Weng Leong

Apesar das críticas, alguns arrendatários optaram por não apresentar queixa ao IH e não entram para a conta dos 20 apartamentos. Alguns moradores que não se quei-

xarem reconheceram que a possibilidade de habitarem em fracções sociais é um privilégio, face à situação de muitas pessoas desfavorecidas. Por isso, no final

PSP Multados 179 condutores por não darem prioridade a peões Entre Janeiro e Maio deste ano, o Corpo de Polícia de Segurança Pública (CPSP) passou 179 multas a condutores, por não darem prioridade a peões nas passadeiras. Os números foram revelados por Chiang Ngoc Vai, subdirector da Direcção de Serviços para os Assuntos de Tráfego (DSAT), em resposta a uma interpelação de Wong Kit Cheng. Ainda segundo a informação disponibilizada,

entre 2019 e Junho foram elaborados projectos para melhorar a situação de 68 passadeiras. Deste universo, 43 obras foram concluídas.

Após as queixas, o jornal Ou Mun relatou ainda que o IH procedeu de urgência à verificação de fracções que ainda não foram entregues e que pediu aos empreiteiros para corrigir irregularidades, pedido extensível aos apartamentos dos moradores queixosos. Nunu Wu (com

J.S.F.)

CCAC Delegação na Taipa encerra para obras

A Delegação do Comissariado contra a Corrupção (CCAC) na Taipa, que fica na Rua de Nam Keng, Edifício Nova City, vai encerrar a partir de 2 de Agosto para obras, de acordo com um comunicado do organismo. Segundo o CCAC, as instalações estão há funcionamento há 12 anos o que justificada a necessidade de remodelação. Como alternativa para a apresentação de queixas, além dos meios de telefone e online, as autoridades pedem aos cidadãos que se desloquem às delegações na Alameda Dr. Carlos d’Assumpção, no Edifício Dynasty Plaza, ou à Delegação da Areia Preta, na Rua 1.º de Maio.


Economia Índice de preços caiu 0,58% em Junho

O índice de preços no consumidor (IPC) geral em Macau desceu 0,58 por cento nos 12 meses terminados em Junho, em relação aos 12 meses imediatamente anteriores, foi anunciado na sexta-feira. A Direção dos Serviços de Estatísticas e Censos (DSEC) salientou que os maiores decréscimos foram registados nas comunicações (-10,11 por cento) e na recreação e cultura (-9,94 por cento). O IPC geral de Junho desceu 0,08 por cento, em termos anuais, devido à descida dos preços de excursões, telecomunicações, vestuário feminino, carne de porco e rendas de casa, acrescentou. Mas o crescimento dos preços de refeições adquiridas fora de casa, gasolina, bilhetes de avião, fruta e a subida dos salários dos empregados domésticos compensaram parte da diminuição do IPC em Junho, referiu. No primeiro semestre do ano, o IPC geral médio, que reflecte o impacto da evolução dos preços na generalidade dos agregados familiares de Macau, caiu 0,72 por cento em relação a igual período do ano anterior.

UM Orange Post recebe carta para retirar fotos de artigo

O jornal Orange Post, da Universidade de Macau, recebeu uma carta do restaurante Next Kitchen para remover de um artigo as fotografias do espaço sob pena de sofrer consequências legais. A carta foi enviada após a publicação de um artigo que dava conta que os funcionários do espaço ficavam a consumir álcool depois do encerramento, o que alegadamente viola os regulamentos internos do campus. De acordo com o mesmo artigo, houve ainda várias queixas de alunos relacionadas com a actividade do restaurante, que terá organizado um encontro para carros desportivos, em Maio, que resultaram em ruído no campus, estacionamentos ilegais e condução perigosa. Charles Chang, chefe-de-redacção da publicação universitária, considerou que o artigo é preciso e imparcial e que o Orange Post, enquanto jornal da Universidade de Macau, se limitou a cumprir o papel de quarto poder no campus.

sociedade 7

www.hojemacau.com.mo

SOFIA MARGARIDA MOTA

segunda-feira 26.7.2021

EPM MANUEL MACHADO INICIA NOVO MANDATO FOCADO NA EVOLUÇÃO DIGITAL

O futuro começa hoje Manuel Machado assumiu um novo mandato à frente da Escola Portuguesa e prometeu apostar na tecnologia. A EPM conta actualmente com 668 alunos matriculados, mas o número pode subir para 690

M

ANUEL Machado, director da Escola Portuguesa de Macau, tomou posse para mais mandato na passada sexta-feira e promete focar as atenções na evolução digital. A nova direcção foi alargada face aos mandados anteriores, e além de Zélia Baptista, que se encontra da EPM desde 2013, a par de Manuel Machado, passa também a integrar Olívia Remédios. Após a tomada de posse, Machado indicou que a aposta para o novo mandato passa pela digitalização. “A aposta na digitalização enquanto ferramenta útil da qual devem ser retirados os utensílios para melhorar o processo de ensino e aprendizagem é muito importante. Essa é uma aposta futura, a aposta no digital”, apontou o director, ao Canal Macau da TDM.

Contudo, Manuel Machado recusa que a digitalização possa ser uma ameaça ao ensino de carácter humanista, que diz ser um dos traços da EPM. “É uma aposta no digital no sentido de aproveitar o que é útil para o processo de ensino e aprendizagem [...] mas, sem nunca pôr em causa a relação próxima entre

“É uma aposta no digital no sentido de aproveitar o que é útil para o processo de ensino e aprendizagem, mas, sem nunca pôr em causa a relação próxima entre alunos e professores.” MANUEL MACHADO DIRECTOR EPM

alunos e professores, sem nunca pôr em causa o pendor fortemente humanístico do nosso projecto educativo”, ressalvou. A aposta na digitalização vai ser feita em duas fases e com recurso ao subsídio da Direcção dos Serviços de Educação e de Desenvolvimento da Juventude (DSEDJ). “Estamos a procurar melhorar a nossa rede com o subsídio dos Serviços de Educação e Juventude, vamos melhorar, quer este ano quer no próximo ano, em duas fases, o hardware, de forma a que depois possam ser aplicadas as competências digitais que estão a ser trabalhadas pelos docentes e que futuramente vão ser trabalhadas pelos alunos”, apontou. Os próximos anos, segundo o Canal Macau, vão igualmente ser utilizados para apostar no desenvolvimento linguístico focado para a língua portuguesa, na consolidação da disciplina de educação cívica e desenvolvimento e na divisão da disciplina de língua chinesa em dois níveis.

Mudanças legislativas

O aumento do número de membros da direcção de dois para três foi explicado com o novo estatuto das escolas particulares do ensino não-superior, que entra em vigor

em Setembro. É por esse motivo que Olívia Remédios passa a fazer parte da direcção. Ainda em relação às mudanças nos recursos humanos, Manuel Machado explicou que a saída de oito professores foi colmatada com duas contratações. “Foram oito [os professores] a abandonar a RAEM, desses oito, um professor estava colocado numa outra escola ao abrigo do protocolo que a Fundação Escola Portuguesa de Macau tem com a DSEDJ e os outros estavam e funções da EPM”, começou por explicar. “Dois já foram substituídos, um por um docente residente em Macau e outro por um docente que estava em Portugal, uma vez que tem BIR. Quantos aos restantes foi possível a substituição, porque no âmbito do protocolo é possível a mobilidade de professores”, acrescentou. Manuel Machado indicou também que uma das soluções passou por reajustar os horários dos docentes, o que permite que nem todos os oito profissionais tivessem de ser substituídos. Em relação ao ano lectivo 2021/2022, o director da EPM avançou que há 668 alunos matriculados, mas que o número pode subir para próximo dos 690. João Santos Filipe


8 eventos

26.7.2021 segunda-feira

www.hojemacau.com.mo

Banquete

ARTE MACAU ENSAIO SOBRE A GASTRONO

Um engenheiro em Hollywood Português que mudou de vida aos 41 anos protagoniza filme “Subwater”

O

actor e duplo português Alfredo Tavares, que deixou uma carreira de engenharia em França para se lançar em Hollywood, vai gravar o primeiro filme como protagonista em Outubro, na longa-metragem “Subwater”. “É o primeiro papel de actor principal numa grande produção”, disse Alfredo Tavares à Lusa, referindo que vai interpretar o responsável de uma empresa de construções submarinas entre a Escócia e a Dinamarca. O actor, que tem trabalhado entre Los Angeles e Londres, foi estudar na escola de representação Cours Florent, em Paris, aos 41 anos. Dois anos mais tarde, mudou-se para a New York School Academy e depois de se licenciar entrou de rompante no cinema e televisão, fazendo figuração e trabalho como duplo em múltiplos filmes e séries. “O filme mais importante que fiz até hoje em

Los Angeles foi ‘Era uma Vez em… Hollywood’, de Tarantino, que me foi buscar ao Central Casting”, disse Alfredo Tavares, que foi duplo de Kurt Russell na película. “Tivemos nesse filme o Leonardo DiCaprio, o Brad Pitt, o Kurt Russell, o Al Pacino, e foi espantoso eu estar no meio dessas pessoas ao mesmo tempo. É um sonho”, caracterizou. Apesar de só ter começado a carreira em 2018, e com um ano de pandemia pelo meio, Alfredo Tavares já tem um currículo extenso, onde figuram títulos como “Le Mans ’66: O Duelo”, “Big Little Lies”, “Bridgerton”, “I May Destroy You”, “The Rookie” ou “9-1-1”, entre outros. Neste momento, está a filmar “The Crown”, para a Netflix, depois de ter participado na quarta temporada, assumindo agora o papel de guarda-costas do príncipe Carlos. “Está a diminuir a figuração e a aumentar os papéis com falas”, referiu o

actor. “Em dois anos já estou à beira dos actores principais com pequenos diálogos”.

Próximos capítulos

Os próximos projetos em que a audiência verá o seu trabalho são “Jungle Cruise”, com The Rock, “Venom: Let there be carnage”, realizado por Andy Serkis e protagonizado por Tom Hardy, “Missão Impossível 7”, com Tom Cruise, e “The Batman” de Matt Reeves, protagonizado por Robert Pattinson. “O meu sonho é fazer grandes filmes como actor principal e ser conhecido mundialmente”, afirmou Alfredo Tavares, contando que este era um sonho que tinha em criança e decidiu abraçar depois de uma longa carreira na Siemens. “Acho que uma pessoa nunca deve abandonar um sonho. Um sonho deve ser realizado agora ou mais tarde, mas nunca se deve abandonar”, disse o actor, que é natural de Aveiro.

CINEMA "GAZA, MON AMOUR" VENCE PRÉMIO NO FESTIVAL DE FRIBURGO

O

filme palestiniano "Gaza, mon amour", com coprodução portuguesa, venceu no sábado o prémio da crítica do Festival de Cinema de Friburgo, na Suíça, anunciou o júri da competição. "Gaza, mon amour" é assinado pelos irmãos Tarzan e Arab Nasser, e foi rodado parcialmente no Algarve, com coprodução da portuguesa Ukbar Filmes. O filme, que teve estreia em 2020 no festival de cinema de Veneza, inspira-se numa história verídica ocorrida em Gaza, em 2014, quando um pescador encontrou uma estátua de Apolo no mar. Além da rodagem em Portugal, com a recriação dos portos de Gaza no Algarve, a

coprodução portuguesa passou ainda pelo trabalho de som, caracterização e mistura. "Gaza, mon amour" foi o candidato da Palestina a uma nomeação para o Óscar de Melhor Filme Internacional. O vencedor da competição internacional do festival, a mais importante do certame, foi o filme "La Nuit des Rois" ("A Noite dos Reis"), uma produção entre Senegal, Canadá e França, do realizador Philippe Lacôte, da Costa do Marfim. A longa-metragem fala de um jovem, detido numa prisão africana, em plena floresta, governada pelos prisioneiros, que lhe impõem a prova máxima: contar uma história, até ao despontar do dia, para salvar a sua própria vida.

A exposição “Macau – Cidade da Gastronomia: Bom Apetite” pode ser visitada até ao dia 3 de Outubro e inclui 15 obras de artistas de Macau como Carlos Marreiros e Konstantin Bessmertny. A mostra está integrada numa série de outras exposições espalhadas pelo território dedicadas às “cidades criativas” de Nanjing, Wuhan e Linz

D

A reinterpretação do cultivo de ostras à projecção dos mais antigos rituais gastronómicos de Macau sob a forma de arte, abriu ao público na passada sexta-feira a exposição “Macau – Cidade da Gastronomia: Bom Apetite”. A mostra, que pode ser vista nas Oficinas Navais Nº1 do Centro de Arte Contemporânea de Macau, junto ao Templo de A-Má, apresenta 15 obras de 16 artistas de Macau e assume-se como um “banquete visual imperdível” que explora através das artes, “o impacto mútuo da comida na sociedade e na história”.

Do grupo de artistas locais seleccionados fazem parte Carlos Marreiros, Konstantin Bessmertny e a dupla Benjamin Hodges e Crystal Chan. À TDM Canal Macau, Benjamin Hodges e Crystal Chan explicaram que a instalação da qual são autores é inspirada na mitologia chinesa e nos espaços tradicionais do Porto Interior, mais precisamente nos restaurantes de marisco, onde a presença de aquários que alojam seres marinhos é uma constante. Segundo Benjamin Hodges, as imagens criadas recorrendo aos aquários e às ostras pretendem “projectar uma miragem” que é usada para falar, não só do passado e futuro de Macau, mas também da relação com a vida animal. Por seu turno, na impossibilidade de expor uma instalação de grandes dimensões no lago do cais das Oficinas Navais, Carlos Marreiros preparou uma versão numa escala mais pequena da obra materializada numa cadeira muito alta que dá acesso a uma mesa longínqua, que pretende simbolizar a ideia de que “para se gozar de boa comida é preciso trabalhar para ela”. “Comer é um acto de prazer (...) mas temos de pensar sempre nas pessoas que nem migalhas têm para comer. Daí que a comida é algo difícil de atingir e, mesmo quando se tem, às vezes, escorrega”, disse à TDM Canal Macau. A curadora da exposição, Yoyo Wong, frisou que a mostra concretiza, de certa forma, o ensaio proposto aos artistas locais de diferentes áreas, de tentar abordar o tema da comida de um ponto de vista artístico.

Quatro estações

Ao mesmo tempo que a gastronomia dá o mote para à exposição que representa Macau enquanto Cidade Criativa da UNESCO, noutros pontos do território, outras três mostras procuram demonstrar os atributos distintivos de Nanjing

Do grupo de artistas locais selec


segunda-feira 26.7.2021

eventos 9

www.hojemacau.com.mo

e para os sentidos

OMIA DE MACAU EM EXPOSIÇÃO NAS OFICINAS NAVAIS

ccionados fazem parte Carlos Marreiros, Konstantin Bessmertny e a dupla Benjamin Hodges e Crystal Chan

(literatura), Wuhan (design) e Linz (arte dos média). Desta feita, sob a curadoria principal de Yao Feng, na Galeria Tap Seac, podem ser vistos, por ocasião da exposição “Nanjing: Cidade da Literatura - Abrindo o Reino”, trabalhos de dezenas de poetas, novelistas,

PUB.

críticos e artistas da cidade, tais como Su Tong e Zhao Benfu, incluindo manuscritos, caligrafias e documentários. Já a exposição “Wuhan: Cidade de Design – Empatia”, patente nas Vivendas de Mong-Há, inclui obras do Presidente da Associação de Fotógrafos da China, Li Ge e da Artista

Lou Xian, que dão destaque a indivíduos e a grandes eventos históricos “a partir de uma micro perspectiva” assente na “aura da natureza humana”. Por fim, também patente nas Vivendas de Mong-Há, a exposição “Linz: Cidade da Arte de Média – A Arte da Interface” apresenta nove obras de arte baseadas em interfaces e suportes de difusão, patentes nas Vivendas de Mong-Há, procurando mostrar “o encanto de vanguarda da arte interactiva contemporânea”. As exposições podem ser visitadas até ao dia 3 de Outubro. Pedro Arede


10 china

“S

E os Estados Unidos não aprenderam a tratar outros países em pé de igualdade, temos a responsabilidade de trabalhar com a comunidade internacional para ensinar uma lição aos Estados Unidos", assumiu Wang Yi, ministro das Relações Exteriores da China, num comunicado publicado na noite de sábado na página oficial da internet do ministério. Segundo a agência de notícias espanhola EFE, a posição de Wang surge um dia antes da chegada, à cidade de Tianjin, no nordeste da China, da vice-secretária de Estado dos Estados Unidos da América (EUA), Wendy Sherman, num momento em que as relações entre os dois países atravessam uma fase de tensões. “Os Estados Unidos querem pressionar sempre os outros países com a sua própria força, pensando que são superiores. No entanto, quero dizer claramente aos EUA que nunca houve um país superior neste mundo, nem deveria haver, e a China não aceitará que nenhum país se considere superior”, afirmou o ministro chinês.

26.7.2021 segunda-feira

www.hojemacau.com.mo

DIPLOMACIA PEQUIM QUER “ENSINAR” EUA A TRATAR PAÍSES COMO IGUAIS

Uma lição para a vida O ministro das Relações Exteriores da China disse que Pequim “tem a responsabilidade de trabalhar com a comunidade internacional para ensinar uma lição aos Estados Unidos” sobre como se relacionar com outros países como iguais

Canais abertos

A vice-secretária de Estado dos EUA chegou ontem a Tianjin, onde tem encontros previstos com o vice-ministro das Relações Exteriores, Xie Feng, responsável pelas relações EUA-China, e, provavelmente, com Wang. A “número dois” do Departamento de Estado norte-americano, Wendy Sherman, vai encontrar-se com diplomatas chineses, naquela que é a visita de maior destaque à China desde que Joe Biden chegou à Casa Branca, em janeiro. “Todas as dimensões do relacionamento estarão sobre a mesa, nessas reuniões”, disse no sábado um alto funcionário dos Estados Unidos, numa conferência de imprensa telefónica. "Os Estados Unidos acolhem bem a competição dura e constante com a China (...) mas queremos garantir que há barreiras de contenção e regras para administrar o relacionamento com responsabilidade", acrescentou a mesma fonte. O principal objectivo de

Washington é repetir, em privado, as várias queixas sobre Pequim que tem feito publicamente nos últimos meses. "O objectivo não é negociar sobre questões específicas, mas

manter os canais de comunicação abertos ao mais alto nível. A nossa filosofia é que não devemos evitar tópicos difíceis apenas para sermos simpáticos", disse o porta-voz da

“Quero dizer claramente aos EUA que nunca houve um país superior neste mundo, nem deveria haver, e a China não aceitará que nenhum país se considere superior.” WANG YI MINISTRO DAS RELAÇÕES EXTERIORES DA CHINA

HENAN NÚMERO DE MORTES NAS INUNDAÇÕES SOBE PARA 58

O

número de mortes provocadas pelas inundações associadas às chuvas torrenciais na província chinesa de Henan (centro), cuja capital é Zhengzhou, subiu para 58, mantendo-se desaparecidas cinco pessoas, indicou a agência noticiosa estatal Xinhua. Em Zhengshou, prosseguiu a Xinhua, continuam a decorrer as operações de resgate num túnel de uma estrada que ruiu na terça-feira e que

ficou inundado, deixando “muitos veículos presos”, pelo que se admite que o número de mortes possa aumentar. Segundo a agência noticiosa estatal chinesa, mais de 7,5 milhões de pessoas foram afectadas pelas fortes chuvas e consequentes inundações, tendo mais de 920 mil sido retiradas para locais seguros. A Xinhua dá também conta de que, até à data, foram destruídos 576.000 hectares de solos agríco-

las, tendo sido também reportados danos em mais de 3.800 residências na província de Henan. Em Zhengzhou, a rede de telecomunicações já foi restaurada e os serviços de emergência continuam a trabalhar nas operações de socorro e na recuperação de infraestruturas danificadas pelas enchentes.

Casa Branca na mesma conferência de imprensa. Esse funcionário também minimizou as sanções recentemente impostas por Pequim a seis cidadãos norte-americanos. Entre os cidadãos sancionados está o ex-secretário do Comércio dos Estados Unidos, Wilbur Ross, que enquanto ocupou aquele cargo expandiu a lista de empresas chinesas que não podem negociar com empresas dos EUA sem uma licença prévia, incluindo as gigan-

tes chinesas das telecomunicações Huawei e ZTE. Também são visados Carolyn Bartholomew, presidente da Comissão de Monotorização de Segurança e Economia entre os EUA e China, Adam King, do Instituto Republicano Internacional, Sophie Richardson, directora da organização não governamental ‘Human Rights Watch’ e ainda Conselho Democrático de Hong Kong para a China, com sede em Washington.

Covid-19 32 novos casos, incluindo cinco locais A China identificou 32 novos casos de covid-19 em 24 horas, cinco dos quais infecções locais, anunciaram ontem as autoridades chinesas. Dos cinco casos locais, dois foram detectados na província de Jiangsu, onde surgiu um novo surto, nos últimos dias, tendo os restantes três sido diagnosticados nas províncias de Guangdong, Liaoning e Yunnan. Os restantes 27 casos foram diagnosticados em viajantes oriundos do exterior, nos municípios de Xangai e Tianjin e nas províncias de Guangdong, Yunnan, Fujian, Mongólia Interior,

Hunan, Henan, Sichuan e Gansu. A Comissão de Saúde da China também indicou a detecção de 17 novas infecções assintomáticas (duas por contágio local, na província de Jiangsu, outras duas em Liaoning e as restantes “importadas”), embora Pequim só contabilize estes casos como confirmados se os pacientes manifestarem sintomas. As autoridades chinesas informaram ainda que 21 pacientes tiveram alta. O número total de casos activos na China continental fixou-se assim em 692, entre os quais 17 em estado grave.


segunda-feira 26.7.2021

S

EGUNDO o embaixador da China na Praia, Du Xiaocong, este novo campus, que o Governo chinês entregou na sexta-feira a Cabo Verde, ao fim de quatro anos de obras, é o “maior projecto” financiado por Pequim em Cabo Verde, com capacidade para mais de 5.000 alunos e professores. O diplomata anunciou que o campus da universidade estatal cabo-verdiana vai receber também o Instituto Confúcio – que já está instalado em Cabo Verde desde 2015 e que promove a extensão universitária, através da língua e da cultura da China – e "albergar" desta forma um curso de língua chinesa. “Um grande progresso no ensino da língua chinesa em Cabo Verde”, afirmou Du Xiaocong. Recordou que Cabo Verde e a China assinalam em 2021 os 45 anos do estabelecimento de relações diplomáticas entre os dois países (25 de Abril de 1976) e elogiou a “política de amizade com a China” do actual Governo, liderado por Ulisses Correia e Silva, garantindo que Pequim “não poupou esforços” em projectos para melhorar a vida do arquipélago. Segundo informação do Governo cabo-verdiano, “trata-se da maior obra da costa ocidental africana”, ocupando uma área de 28.000 metros quadrados na zona do Palmarejo Grande, arredores da capital, com um total de 18 edifícios e 61 salas de aulas, 16 laboratórios informáticos, 34 laboratórios e biblioteca com oito salas de estudo, para receber 4.890 estudantes e 476 docentes. Uma obra que está “à altura da ambição” cabo-verdiana para o ensino superior no arquipélago, destacou, durante a cerimónia, o primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, sublinhando que representa ainda o “ponto alto” nas relações entre Cabo Verde e a China, pelo volume do investimento e “qualidade da obra”, mas também pelo impacto que representará para o futuro da educação no país, em todo os níveis de escolaridade e gerações. Na sua intervenção, o primeiro-ministro apontou o objectivo de

china 11

www.hojemacau.com.mo

CABO VERDE CHINA ENTREGA CAMPUS UNIVERSITÁRIO

O saber mora ali O novo campus da Universidade de Cabo Verde, na Praia, construído e financiado em 50,7 milhões de euros pela China, vai receber um curso de língua chinesa, pelo Instituto Confúcio

na cooperação bilateral entre os dois países”. “Que se manifesta também através da formação superior de quadros cabo-verdianos na China, atribuição de vagas e bolsas de estudos para aquele país, entre outros, construções e reabilitações de Infraestruturas educativas”, lê-se na mesma informação governamental. “A República Popular da China tem sido um importante e exemplar parceiro de desenvolvimento de Cabo Verde, tendo em conta o número, o impacto e a qualidade das acções de cooperação desenvolvidas ao longo dos anos”, refere ainda o Governo cabo-verdiano.

O novo campus universitário ocupa uma área de 28.000 metros quadrados na zona do Palmarejo Grande, arredores da capital, com um total de 18 edifícios e 61 salas de aulas, 16 laboratórios informáticos, 34 laboratórios e biblioteca com oito salas de estudo, para receber 4.890 estudantes e 476 docentes

realizar reformas no sector, nomeadamente no ensino superior, ao longo da legislatura que iniciou em Maio, e assim promover “um caminho inclusivo, de excelência e de qualidade”. Um caminho que prepare os estudantes ao longo do percurso, até chegar ao ensino superior, num sistema que da “base ao topo oriente os jovens para o conhecimento”. “Temos o desafio de reestruturar o ensino superior”, reconheceu, a propósito do novo campus da uni-

versidade pública cabo-verdiana, assumindo a necessidade de definir modelos de proximidade para o ensino universitário em outras ilhas do arquipélago.

Da primeira à última pedra

O novo campus da universidade pública cabo-verdiana, cuja primeira pedra da obra foi lançada oficialmente em 20 de Junho de 2017 e que o Governo chinês entregou oficialmente a Cabo Verde, conta ainda com uma residência

de estudantes com 142 quartos e cinco auditórios com capacidade para 150 lugares. Integra igualmente um salão multiuso com 654 lugares, edifícios de administração, edifícios pedagógicos, centro de serviços, incluindo refeitórios, e campos desportivos. Na informação sobre a recepção da obra, o Governo cabo-verdiano sublinha que o novo campus “reforça o ensino superior como um dos sectores de destaque

A obra vai ainda transformar a área envolvente, numa zona de expansão onde se situa ainda a Universidade Jean Piaget, a Escola de Hotelaria e Turismo, o Centro de Energias Renováveis e Manutenção Energética (Cermi), estando previstas outras infraestruturas. Com 14 anos de existência, a Universidade de Cabo Verde tem três polos de ensino, nomeadamente na Praia e em Assomada, todos na ilha de Santiago, e um na ilha de São Vicente, com mais de 4.000 estudantes, em cursos profissionalizantes, licenciaturas, especializações, mestrados e doutoramentos.

COVID-19 CHINA PROMETE ANALISAR AMOSTRAS DE SANGUE ANTERIORES AO SURTO

A

China está a preparar-se para analisar amostras de sangue de residentes da cidade de Wuhan, antes de o primeiro surto de covid-19 ter sido detectado, em Dezembro de 2019, informou um jornal de Hong Kong. Citado pelo South China Morning Post, o especialista chinês em rastreabilidade Liang Wannian, explicou

que o centro de sangue de Wuhan possui amostras, que são preservadas por dois anos, para casos de disputas médicas ou conflitos legais decorrentes de uma transfusão. No entanto, estas amostras permanecem inacessíveis para outros estudos por um período de dois anos. Liang afirmou que, após esse

período, “algum trabalho vai ser feito”. A mesma fonte contou que as autoridades chinesas estão a fazer experiências com testes de detecção e métodos de análise ao sangue, com vista a investigar as amostras que vão sendo disponibilizadas, à medida que completam os dois anos de armazenamento obrigatório.

O especialista disse que “assim que houver resultados”, a China “notificará imediatamente os grupos de especialistas chineses e estrangeiros”. Liang lembrou que o primeiro caso documentado de covid-19 na China remonta a 8 de Dezembro de 2019, mas que “provavelmente esse não é o caso zero”. “O

local onde foi notificado o primeiro caso não é necessariamente o local onde o vírus passou do animal para o ser humano”, disse o especialista, que apresentou uma série de casos que mostram o surgir do coronavírus em muitas partes do mundo, “mais cedo ou mais perto da data do primeiro caso documentado em Wuhan”.


12

h

www.hojemacau.com.mo

O imortal que passeava no dorso de um grou PAULO MAIA E CARMO

texto e ilustração

«O anoitecer começa a descer primeiro sobre a margem do rio,/ Aqui e ali folhas de árvores geladas pelo vento que sopra no arvoredo./ Apoiado no cajado, vou fechar a porta de madeira tosca, tranquilamente,/ Saudades de gente, como é eloquente a montanha ao entardecer.»

Nizan (1301-74) que exprimiu em pinturas a refinada percepção que se identifica com o caracter «dan» para dizer «insosso» ou «pálido», parecia possuir o gosto pela silenciosa poesia da solidão partilhada. Na sua pintura de 1345, em que estão no primeiro plano seis árvores altas, conhecida como Seis senhores (Liu Junzi Tu,rolo vertical, 61,9 x 33,3 cm, no Museu de Xangai) outro preclaro pintor, Huang Gongwang (12691354) escreveu «Montanhas ao longe perdidas nas nuvens estendem-se ao longo do rio de Outono, aqui próximo, árvores antigas agarram-se nas margens alcantiladas. Seis senhores estão face a face, verticais, direitos, destacados, firmes.» A observação feita por um contemporâneo, mostrando que o seu olhar para a natureza se alongava por vezes numa metáfora, comum a tantos pintores sinceros que viveram durante a transição dinástica de Yuan para Ming, permite-nos entrever certas cumplicidades. Como o colófone que Nizan escreveu em 1371 na pintura Montanhas dos Imortais (rolo horizontal, tinta e cor sobre seda, 33,4 x 97,3 cm) que se encontra no Museu de Arte de Cleveland, feita pelo pintor de Suzhou, Chen Ruyan (c. 1331- 1371 ou 80): «Pintado pelo mestre Chen Weyun (Ruyan) na sua abundante elegância e puro distanciamento (song). Ele compreendeu o estilo do pincel de Zhao Ronglu (Mengfu, 1254-1322). Quem mais poderia ter feito tal obra? Dele já ninguém mais poderá obter uma pintura.» A implicação de

que Chen já não vivia naquela data seria discutida por historiadores mas ninguém contestou que a sua morte por ordem imperial foi violenta, como a de outros literatos, e por algum desconhecido motivo imprevisto. Ele que servira como conselheiro militar de Pan Yuanming, cunhado daquele que seria o primeiro imperador dos Ming e nomeado conservador do registo civil em Jinan (Shandong). Mas existia um descontentamento da parte do literato que está implicito na sua pintura. Chen Ruyan pintou como para um retiro o paraíso ideal das suas Montanhas de imortais, onde tudo pode ser reconhecido: desde as referidas influências estilísticas, à anacrónica utilização das cores azul e verde (qinglu) características das pinturas da dinastia Tang. Algo no entanto estava fora da ordem: se estava representado um povoado no meio de uma floresta, depois o que parece uma família com uma jovem brincando com grous, e se depois se notam literatos de pé junto de veados; olhando para o céu acima das montanhas, minúsculo mas no centro da pintura, o inesperado: sobre o dorso de um grou, auspicioso símbolo de imortalidade em pleno vôo, um literato com as suas características vestes vermelhas ao vento. Talvez Nizan tenha percebido nessa figura o próprio pintor Chen Ruyan que com esta pintura alcançava a imortalidade e por isso já não era permitido a ninguém pedir-lhe mais nada. Tudo indica que não se enganou.

26.7.2021 segunda-feira


segunda-feira 26.7.2021

ARTES, LETRAS E IDEIAS

13

Tabuletas e bombas d’ incêndio

Os incêndios apareciam relatados nos Boletins Oficiais e as condecorações por actos heróicos eram neles também publicadas, como no B.O. de 2/11/1872 quando o cabo de esquadra n.º 83 da primeira companhia do batalhão de infantaria de Macau, Joaquim Coelho da Rocha recebeu uma medalha de prata, (sem necessidade de pagar direitos de mercê nem de selo) pelos serviços que prestou por ocasião do incêndio ocorrido a 27 de Abril 1872 em Sá-com, salvando com grande risco de vida dois chineses que se achavam sem sentidos dentro de uma barraca já presa das chamas. Num dos Editais no Boletim da Província de Macau e Timor, de 20 de Março de 1875, João Hyndman, procurador interino dos negócios sínicos fazia saber aos habitantes chineses que o Governador, querendo melhorar o serviço de incêndios para melhor segurança dos habitantes, determinava: <1.º Que por conta do governo serão afixadas nas portas das casas que tiverem poços tabuletas com a palavra poço; 2.º Que todas as vezes que houver incêndio de noite, as lojas e casas em cujas portas estiverem afixadas as tabuletas mencionadas no artigo antecedente, deverão colocar uma lanterna ao lado dessas tabuletas; 3.º Que, nos lugares próximos ao sítio de incêndio, as casas que tiverem poços deverão franqueálos ao pessoal do serviço de incêndios, na certeza de que o governo dará toda a protecção para que essas casas tenham toda a segurança e não sofram prejuízo algum>. A 22 de Fevereiro de 1877, o mesmo procurador João Hyndman por Edital fazia saber: <Tendo sido retiradas em algumas casas as tabuletas designativas da existência de poços, o que causou graves inconvenientes por ocasião do último incêndio que teve lugar na travessa do Tintureiro na madrugada de 13 do corrente mês, e convindo em semelhantes ocasiões de desastre que as pessoas que concorrerem para prestar socorros tenham meios de reconhecer facilmente quais são as casas onde existem poços, vão ser, por ordem do Governador, substituídas as tabuletas acima indicadas, pela letra P acompanhada do carácter sínico que significa poço, sendo ambas as letras [de altura de dois decímetros] de cor branca e pintadas a óleo sobre um quadro preto, o que pelo presente

CADERNO DO ORIENTE

JOSÉ SIMÕES MORAIS

www.hojemacau.com.mo

edital se faz público para o conhecimento dos habitantes chineses, os quais são também avisados que os proprietários das casas em que forem pintadas essas duas letras serão responsáveis pela conservação delas, ficando sujeitos a uma multa além da obrigação de pagar as despesas da reparação, quando por culpa ou negligência dos mesmos proprietários ou inquilinos forem deterioradas as ditas letras. Ao mesmo tempo faço saber aos habitantes chineses que o governo lhes garante toda a segurança, quando em ocasiões de incêndios for necessário que eles abram as portas de suas casas para se poder utilizar dos poços que possuírem, pois que serão então colocadas sentinelas para evitar todo e qualquer abuso, de modo que não haverá razão para que em ocasião de semelhantes calamidades procurem os chineses dificultar o acesso dos poços de suas casas; por isso todos que para futuro assim fizerem serão processados e punidos rigorosamente como desobedientes à autoridade>. O lugar de inspector dos incêndios encontrava-se vago por falecimento do capitão da guarnição Frederico Guilherme Freire Corte-Real, o que levou o Governador José Lobo d’ Ávila a publicar no B.O. de 25/9/1875 a Portaria N.º 94, onde o major d’ engenharia, director das obras públicas, Augusto Cezar Supico, era nomeado inspector

dos incêndios, pois considerava que do melhor desempenho de tal serviço resultará maior facilidade aos proprietários que desejem segurar as suas casas, nas companhias estabelecidas em Hong Kong. Já a Portaria N.º 95 refere: <Atendendo ao merecimento, e prática do serviço de incêndios, que recomendam o condutor d’ obras públicas desta província, António d’ Azevedo e Cunha Jr., que já em tempos serviu com louvor como imediato do inspector dos incêndios; hei por conveniente nomeá-lo ajudante do respectivo inspector, devendo substituir o mesmo nos seus impedimentos ocasionais ou temporários.> BOMBAS PARTICULARES A 13 de Fevereiro de 1877 a cidade é de novo assolada por um incêndio de grandes proporções, que começara no prédio 13 da Rua dos Tingidores. O Relatório das ocorrências policiais refere: <Às 5 horas da madrugada houve sinal de incêndio, marchou a gente disponível de serviço para o local do incêndio, e bem assim o piquete e os escaleres para os pontos estabelecidos, o que tudo recolheu a bordo às 8 e meia da manhã.> Já no B.O. de 17/2/1877, o Inspector dos incêndios, Cesar Supico narrava: <Os primeiros a comparecer no local foram o comandante e alguns oficiais e praças do corpo de polícia e guarda da cadeia por eles foram empregadas as primeiras diligência para

“FAÇO SABER AOS HABITANTES CHINESES QUE O GOVERNO LHES GARANTE TODA A SEGURANÇA, QUANDO EM OCASIÕES DE INCÊNDIOS FOR NECESSÁRIO QUE ELES ABRAM AS PORTAS DE SUAS CASAS PARA SE PODER UTILIZAR DOS POÇOS QUE POSSUÍREM.”

o extinguir. A falta de meios próprios e a grande quantidade das matérias inflamáveis, que existiam no prédio, tornou infelizmente ineficazes aqueles bons serviços e por isso o fogo comunicou-se rapidamente a toda a casa. Nestas circunstâncias tratei principalmente de evitar a sua passagem para os prédios vizinhos, o que felizmente se conseguiu. Compareceram todas as corporações, notando-se a boa vontade e diligência com que trabalharam os piquetes da polícia de terra e mar, e a companhia da limpeza conduzida pelo seu fiscal. Dentre os indivíduos particulares que prestaram serviços sobressaem, como dignos do maior elogio, os cidadãos António Carlos Brandão e filho José Brandão, trabalhando com uma bomba sua desde o princípio. Ganhou o primeiro prémio a bomba n.º 1 desta inspecção, cujo pessoal foi auxiliado por um soldado da guarda do quartel de S. Domingos e outro da guarda da cadeia. Tendo-se partido uma escada foram precipitados da altura do telhado dois chineses da companhia de limpeza e um da bomba Men-Ki, ficando este último gravemente contuso. Por esta inspecção lhe mandei prestar todos os socorros que foram indispensáveis para o seu tratamento>. A relação das bombas particulares existentes em Macau foi publicada na Procuratura dos negócios sínicos a 17/11/1879, com indicação da cor das cabaias que devem trajar os dois encarregados de cada uma dessas bombas. <Tendo os proprietários das bombas particulares pertencentes a estabelecimentos industriais chineses concordado em dar aos encarregados das mesmas bombas trajos especiais para poderem distinguir-se umas das outras. Assim com cabaia branca apresentavam-se as bombas, de Menki (do hão de chá) com borda azul; da Rua dos Ervanários (ou Quartel Velho) com borda preta; da Rua da Caldeira (Ven-Lum-Fong) com borda vermelha; de Sankiu com borda azul; do Bazar com borda verde; e da Pat-Coc-Tong (Rua da Barca da Fruta) com borda amarela. A cabaia azul era usada pelas bombas de Ch’eongki, (fábrica de tabaco) com borda branca; da Rua do Infante (Simão-Kai) com borda branca; e a de Patane com cabaia azul-claro e borda azul-escura. A bomba de Matapao (Siun-Ho-Hao) trajava cabaia amarela com borda azul.>


15

16

2 8 5

1 9 5 7 0 14 [f]utilidades 7 1 6 9 8 4 3 5 2 1 3 1 0 4 2 6 5 9 8 3 2 6 9 4 6 9 3 1 7 2 5 6 1 4 8 9 DE TROVOADAS8 TEMPO POSSIBILIDADE 3 5 4 2 8 3 1 4 7 0 7 8 2 5 0 4 2 8 6 14 19

4 9

2 8 3 www.hojemacau.com.mo 26.7.2021 segunda-feira 1 4 7 9 1 0 5 3 1 0 8 3 5 126 MAX 33 HUM ´65-95% • EURO 9.42 BAHT 0.24 YUAN 1.23 MIN 6 2 8 5 CINETEATRO 7 1 3 4 0 20

HOJE S1 6 U3 7D4 5O0 8K2 9U UMA4 SÉRIE 5 6 8 3 0 2 2 7 9 0 2 8 3 4 9 5 6 4 7 5 1

5 6 1 8 9 7 4 3 0 2

18

9 4 3 5 6 1 0 1 8 7 7 2 9

7 2 3 4 6 5 0 1 9 8

0 9 4 3 8 1 2 5 7 6

1 0 4 6 5 8 4 8 2 5 3 9 7 1 0 6 9 4 2 8 7 3 5

3 9 8 7 5 1 3 0 7 5 4 2 6 4 8 5 1 2 9 3 0 6 7

8 2 4 9 2 6 1 3 8 0 0 1 7 9 3 2 0 7 6 5 8 4 1

6 3 8 2 1 6 5 7 9 2 8 4 3 6 7 8 5 3 0 1 4 2 9

0 6 0 1 4 7 2 5 7 1 9 3 2 2 1 0 7 5 4 6 9 8 3

7 5 1 9 3 8 6 6 9 4 5 0 4

4 5 6 3 3 0 7 2 2 0 1 68 85

8 5 7 2 0 3 9 6 1 4

3 4 9 6 1 8 7 2 5 0

PUB.

5 1 4 8 0 3 7 2 9 6

0 6 7 9 5 1 2 8 3 4

3 9 2 4 8 7 6 5 1 0

2 3 1 5 9 8 0 4 6 7

6 8 0 7 4 2 1 9 5 3

1 7 9 2 3 6 5 0 4 8

4 5 8 0 6 9 3 7 2 1

8 2 3 6 7 4 9 1 0 5

9 4 5 3 1 0 8 6 7 2

7 0 6 1 2 5 4 3 8 9

SOLUÇÃO DO PROBLEMA 16

16

5 7 8 7 2 9 8 4 6 3 0 1 2

PROBLEMA 17

17

7 1 9 18 2 0 9 6 4 7 1 3 8 5 6 1 8 7 1 0 5 9 3 2 4 6 6 9 3 5 2 4 3 2 7 5 1 8 6 4 9 0 7 1 0 9 8 5 5 6 8 2 7 4 9 0 3 1 9 4 6 3 90 4 38 1 6 5 0 87 7 22 73 1 07 9 8 2 4 54 6 35 1 82 56 3 0 6 7 99 28 4 Mais do que um guia onde bem comer 6 9 4 74 29mais 30 recônditos 57 1 06do8 em alguns8dos locais 0 33asiático, 21 46 “Street 9 1 food: 82 6Asia” continente 0 57 é7 um mosaico de histórias de vida, sabores 3 8 e receitas que nascem do quotidiano da rua.21 De Osaka (Japão) a Chiayi (Taiwan), passando 6 5por0Ho3Chi2Minh 4 (Vietnam) 8 7 1 ou9 Banguecoque (Tailândia) há sonhos e desa4 à1 9 7 3em taças 6 5 lentos2de 8 comer mão0ou servidos gastas1pelo tempo, capazes de abrir o apetite 7 9 0 6 5 3 4 8 2 mesmo depois de almoço. Disponível na 3 9 Netflix. 6 7 1Pedro 8 4Arede 2 5 0 plataforma

8 4 7 6 0 2 1 5 4 3 5 2 9 0 3 4 www. 5 6 2 8 hojemacau. com.mo 7 1 8 9

23 9 4 2 3 0 6 8 7 1 5

1 8 6 4 2 5 7 3 0 9

7 0 5 9 8 3 1 2 6 4

8 9 1 2 4 7 3 6 5 0

STREET FOOD: ASIA | DAVID GELB (2019)

5 2 6 7 8 4 0 3 1 9

1 8 3 9 7 0 2 4 5 6

0 4 9 6 3 5 1 7 2 8

7 1 0 8 9 3 4 5 6 2

3 6 8 1 4 2 7 9 0 5

9 0 2 3 5 6 8 1 4 7

4 5 7 2 6 1 9 0 8 3

2 9 5 4 1 8 3 6 7 0

C I N E M A

8 7 4 5 0 9 6 2 3 1

SALA 1

BOSS BABY: FAMILY 6THE BUSINESS [B] FALADO EM CANTONÊS EM CHINÊS 3LEGENDADO Um filme de: Tom McGrath Com: Alec Baldwin, Jeff Goldblum, Greenblatt, Jimmy Kimmel 1 14.30,Ariana 16.30, 19.30 0BLACK WIDOW [B] Um filme de: Cate Shortland Scarlett Johansson, Florence Pugh, 2Com: Rachel Weisz, David Harbour 21.30 7 EYES: G.I. JOE ORIGINS [C] 5SNAKE Um filme de: Robert Schwentke Com: Henry Golding, Andrew Koji, Corberó, Samara Weaving 8 14.30,Úrsula 16.45, 19.15, 21.30 9 4 SALA 2

22

SALA 3

LUCA [A]

FALADO EM CANTONÊS Um filme de: Enrico Casarosa 14.30

BUTT DETECTIVE THE MOVIE: THE CASE OF THE COURAGEOUS CURRY + MYSTERY OF THE LADYBUG RUINS [B] FALADO EM CANTONÊS LEGENDADO EM CHINÊS Um filme de: Hiroki Shibata 16.30, 18.00, 19.30

ESCAPE ROOM: TOURNAMENT OF CHAMPION [C] Um filme de: Adam Robitel Com: Taylor Russel, Logan Miller 21.30

9 0 5 1 3 2 7 4 8 6 8 2 6 4 9 5 0 3 7 1 7 3 4 9 6 8 1 0 5 2 1 7 2 3 5 4 6 8 0 9 BLACK WIDOW 9 2 5 0 3 1 6 1 9 7 2 0 8 5 4 3 7 3 9 6 4 8 5 8 3 0 4 1 9 6 2 7 Propriedade Fábrica de Notícias, Lda Director Carlos José Editores 8 0 1 9 7 6 2 Morais 4 0 6 7 João 3 Luz;5José1C. Mendes 9 8Redacção Andreia Sofia Silva; João Santos Filipe; Pedro Arede; Salomé Fernandes Colaboradores Anabela Canas; António Cabrita; António de Castro Caeiro; Ana Jacinto Nunes; Amélia Vieira; Duarte Drumond Braga; Emanuel Cameira; 5 1 Gonçalo 6 8M.Tavares; 2 7Gonçalo Waddington;4Inês6Oliveira; 1 João 8 Paulo 0 9Cotrim;2 José7 Simões 3 Morais; 5 Luis Carmelo; Nuno Miguel Guedes; Paulo José Miranda; Paulo Maia e Carmo; Rosa Coutinho Cabral; Rui Cascais; Sérgio Fonseca; Teresa Sobral; Valério Romão Colunistas André Namora; David Chan; João Romão; Olavo 3 7 Paul 0 Chan 1 Wai 9 Chi; 4 Paula Bicho; Tânia0dos5Santos8 Grafismo 2 1Paulo7 Borges, 3 9 6 Santos 4 Agências Lusa; Xinhua Fotografia Hoje Macau; Lusa; GCS; Rasquinho; Rómulo Xinhua Secretária de redacção e Publicidade Madalena da Silva (publicidade@hojemacau.com.mo) Assistente de marketing Vincent Vong Impressão Tipografia 4 6Morada 2 Pátio 5 da0Sé, 3n.º22, Edf. Tak Fok, R/C-B, 3 9Macau; 7 Telefone 5 828752401 6 4Fax 28752405; 2 1 0e-mail info@hojemacau.com.mo; Sítio www.hojemacau.com.mo Welfare 6 3 7 5 9 0 4 1 2 8

4 1 0 8 6 2 5 9 7 3

2 5 3 0 7 1 9 8 4 6

0 7 8 6 3 4 2 5 9 1

5 6 9 7 1 8 0 4 3 2

3 2 4 1 5 9 6 0 8 7

24 0 9 3 7 4 5 1 6 2 8

4 2 1 6 0 8 7 9 5 3

8 5 6 3 1 9 2 0 7 4

6 8 0 4 3 7 9 5 1 2

2 1 4 5 9 6 8 3 0 7

7 3 9 1 6 2 0 8 4 5

5 0 7 8 2 3 4 1 6 9

9 6 5 2 7 0 3 4 8 1

1 7 8 9 5 4 6 2 3 0

3 4 2 0 8 1 5 7 9 6


segunda-feira 26.7.2021

opinião 15

www.hojemacau.com.mo

ai, portugal, portugal

André Namora

A TRETA DO TELETRABALHO E DO ENSINO À DISTÂNCIA 1. Em tempos de confinamento foi instituído o chamado teletrabalho, ou seja, os trabalhadores que normalmente trabalhavam a uma secretária com um computador na frente, passaram a ficar em casa e realizavam as tarefas laborais a partir da sua residência. Sobre este tipo de trabalho existem as mais inúmeras histórias, algumas muito vergonhosas. As empresas começaram a abusar dos seus trabalhadores querendo que efectuassem mais horas das que estavam estipuladas anteriormente quando exerciam a função na sede da companhia ou no escritório de uma sociedade. O confinamento foi terrível, os casais estavam em casa com os filhos e a maioria não conseguia concentrar-se no trabalho para tratar ou distrair os filhos. As reivindicações dos trabalhadores em teletrabalho começaram a suceder-se porque as empresas não pagavam as despesas inerentes a esse trabalho via computador. Não pagavam a electricidade, a internet, as refeições quando em alguns casos os funcionários tinham refeições na empresa. Trabalhar em casa é um desassossego. Para além da atenção que se tem de dispensar constantemente aos filhos menores, tocam à porta o carteiro, a vizinha, o funcionário da EDP, o da EPAL, o do Gás, é um corrupio de interrupções para quem está a trabalhar. As empresas começaram a queixar-se que os trabalhadores interrompiam muitas vezes o trabalho via net. Pudera, como é que se pode estar concentrado e continuamente a laborar se em casa não há descanso? O problema tem feito correr muita tinta e há quem já se tenha sujado, como por exemplo, alguns sindicatos que não mostram competência nem destreza para resolver o problema dos seus associados. Quem tem sofrido mais têm sido ax mulheres, que para além do que ficou referido, ainda têm de sair de casa muito cedo para comprar os mantimentos, voltar para iniciar o teletrabalho, cozinharem o almoço e às vezes o jantar para o marido e filhos e voltar para o computador e desligando o telemóvel, caso contrário, as chamadas não paravam. A pandemia instalou-se, o incentivo à vacinação teve início e quando se perdem horas e horas para se receber uma dose da vacina, como é que é possível estar em teletrabalho? O que tem deixado muita gente trabalhadora preocupada é o facto de muitas empresas pretenderem que o teletrabalho continue ad eternum, o que desagrada imenso a quem trabalha. O problema não tem tido solução e dificilmente as partes chegarão a um acordo. Já não chegava a preocupação de se apanhar a covid-19 – que ainda na semana passada matou algumas dezenas de pessoas – e ainda querem

obrigar os trabalhadores a ficar em casa a exercerem a sua função. Não, assim, Portugal não progride em nada.

2. Quase no mesmo sentido temos outro

grave problema: o ensino à distância. Como sempre decreta-se em cima do joelho e o mexilhão é que paga. São os jovens estudantes mais pobres que estão a sofrer essa medida de obrigar os alunos a ficar em casa à frente do computador e o professor do outro lado à distância de uma fibra óptica. Não, isto não pode acontecer. Os alunos pobres nem têm computador e muitos pais nem sabem onde ir buscar dinheiro para pagar a internet. Concretizar o programa de investimento para a digitalização das escolas, elaborar um plano estratégico de substituição dos meios digitais, aperfeiçoar o sistema de gestão escolar, foram algumas das recomendações do Tribunal de Contas (TdC) ao Ministério da Educação na auditoria que fez ao ensino à distância, em substituição das actividades educativas e lectivas presenciais. O ensino à distância tem provocado um enorme esforço de alunos e professores, especialmente na implementação dos métodos para se ensinar. A auditoria do TdC acrescentou um pormenor de suma importância, quando salienta que a falta de meios digitais, o obstáculo mais significativo ao ensino à distância, beneficiou da solidariedade da sociedade em geral e da crescente adaptação e sofisticação dos procedimentos de suporte adoptados. Embora essa falta te-

Como sempre decreta-se em cima do joelho e o mexilhão é que paga. São os jovens estudantes mais pobres que estão a sofrer essa medida de obrigar os alunos a ficar em casa à frente do computador e o professor do outro lado à distância de uma fibra óptica. Não, isto não pode acontecer

nha sido mitigada por doações e empréstimos por parte das autarquias locais, associações e entidades privadas, não foi solucionada, substituindo um número não quantificado de alunos sem os meioss apropriados. E quando uma auditoria de uma instituição séria como o TdC afirma que a falta de meios para os alu-

nos é uma realidade, estamos em que país? O Orçamento de Estado não fez previsões para que os alunos mais pobres fossem contemplados com um computador e um subsídio para pagar a internet?

3. Um outro facto que está a perturbar o país é a constatação de que os jovens do ensino superior têm vindo a abandonar a escola e desistem de terminar os cursos superiores, o que tem provocado um aumento de desemprego entre a juventude. Quase 13 mil estudantes que se matricularam no ensino superior em 2018 já não estavam no sistema um ano depois, o que corresponde a mais de 11%. No total, 12.726 entre os cerca de 112 mil alunos que começaram a estudar no 1º ou no 2º ciclo do ensino superior em 2018 já não voltaram à universidade no ano seguinte e isto tem vindo a acontecer anualmente. A primeira consequência é que estes jovens dirigem-se ao departamento de desemprego e a este nível a plataforma mostra que no segundo semestre de 2020 o número de estudantes inscritos como desempregados aumentou de 3,3% para 4,6% no ensino público e de 3,9% para 5,7% no privado. Mais uma vez, temos de desabafar com a expressão que denomina a nossa crónica: Ai, Portugal, Portugal... *Texto escrito com a antiga grafia


“Em Portugal não há ciência de governar nem de organizar oposição.” PALAVRA DO DIA

INÁCIO LUDGERO

Morreu Otelo Saraiva de Carvalho, militar e estratego do 25 de Abril

O

durante a revolução e candidatou-se à Presidência da República em 1976. Afastado do poder na sequência do 25 de Novembro de 1975, viria a ser considerado, pela Justiça, envolvido nas FP25, condenado e amnistiado", escreve ainda Marcelo Rebelo de Sousa.

Vida de militar

Nascido em 31 de Agosto de 1936 em Lourenço Marques, Moçambique, Otelo Nuno Ro-

mão Saraiva de Carvalho teve uma carreira militar desde os anos 1960, fez uma comissão durante a guerra colonial na Guiné-Bissau, onde se cruzou com o general António de Spínola, até ao pós-25 de Abril de 1974. No Movimento das Forças das Forças Armadas (MFA), que derrubou a ditadura de Salazar e Caetano, foi ele o encarregado de elaborar o

“Um dos mais activos capitães de Abril, exerceu funções muito relevantes durante a revolução e candidatou-se à Presidência da República em 1976. Afastado do poder na sequência do 25 de Novembro de 1975, viria a ser considerado, pela Justiça, envolvido nas FP25, condenado e amnistiado.” MARCELO REBELO DE SOUSA

Vaticano Papa lamenta inundações "devastadoras" no centro da China

PUB PUB.

O Papa Francisco lamentou ontem as "devastadoras" inundações que atingiram o centro da China e expressou proximidade e solidariedade com as famílias das vítimas e afectados. "Nos últimos dias, chuvas torrenciais abalaram a cidade de Zhengzhou, na província de Henan,

na China, causando inundações devastadoras", disse o Papa, na janela do Palácio Apostólico do Vaticano, após rezar o ‘Angelus’. "Rezo pelas vítimas e pelas famílias e exprimo a minha proximidade e solidariedade com todos os que sofrem com esta calamidade", concluiu, citado

26.7.2021

Eça de Queirós

A última luta do capitão TELO Saraiva de Carvalho, militar e estratego do 25 de Abril de 1974, morreu ontem de madrugada aos 84 anos, no hospital militar. O Presidente da República destacou “a importância capital” de Otelo Saraiva de Carvalho na revolução dos cravos, evocando-o como o capitão “protagonista cimeiro num momento decisivo da história contemporânea portuguesa”. “O Presidente da República, consciente das profundas clivagens que a sua personalidade suscitou e suscita na sociedade portuguesa, evoca-o, neste momento como o Capitão que foi protagonista cimeiro num momento decisivo da história contemporânea portuguesa”, refere Marcelo Rebelo de Sousa, numa nota publicada na página da Presidência da República. O chefe de Estado considera que “ainda é cedo para a história o apreciar com a devida distância”, no entanto salienta que “parece inquestionável a importância capital que teve no 25 de Abril, o símbolo que constituiu de uma linha político-militar durante a revolução, que fica na memória de muitos portugueses associado a lances controversos no início” da democracia, “e que suscitou paixões, tal como rejeições”. Marcelo Rebelo de Sousa relembra o que disse no último 25 de Abril “acerca da aceitação que os portugueses devem procurar construir, todos os dias, relativamente a sua história pátria”. Na nota, o Presidente da República apresenta à família de Otelo Saraiva de Carvalho e à Associação 25 de Abril os seus sentimentos, realçando o “papel central de comando no 25 de Abril”. “Um dos mais activos capitães deAbril, exerceu funções muito relevantes

segunda-feira

pela agência EFE. O número de mortos nas enchentes provocadas por chuvas torrenciais na província de Henan, no centro da China, nos últimos dias subiu para 58 e cinco pessoas ainda estão desaparecidas, informou a agência de notícias estatal Xinhua, no sábado.

plano de operações militares e, daí, ser conhecido como estratego do 25 de Abril. Depois do 25 de Abril, foi comandante do COPCON, o Comando Operacional do Continente, durante o Processo Revolucionário em Curso (PREC), surgindo associado à chamada esquerda militar, mais radical, e foi candidato presidencial em 1976. Na década de 1980, o seu nome surge associado às Forças Populares 25 de Abril (FP-25 de Abril), organização armada responsável por vários atentados e mortes, tendo sido condenado, em 1986, a 15 anos de prisão por associação terrorista. Em 1991, recebeu um indulto, tendo sido amnistiado anos depois.

episódio 43

O Jogo das Escondidas um folhetim por Fernando

Sobral

- Esse será sempre o eterno problema dos homens. Por isso, na história da China quem atacou bem sempre ganhou. Quem teve dúvidas, perdeu. A vida também é assim. Foi asim que me conquistaste o coração. - A ti ninguém te conquista. Tu deixaste conquistar. - Às vezes tu não me compreendes. E eu não te compreendo. Há assim algo de comum entre nós. Amoroso sorriu. - Não podes cometer um erro sem aprender uma lição, adorável Ling. - Já pareces um chinês a falar, querido tenente. - Aprendi contigo. - Talvez. Mas não esqueças que quem nada deve é sempre senhor do seu destino. Amoroso sentiu que alguém estava na escuridão. Não se enganou. Bei Li aproximava-se. Trazia um vestido transparente que deixava visivel todo o seu corpo. Aproximou-se de Ding Ling e os seus corpos tocaram-se, por momentos. Ambas ficaram a olhar para ele. Mas o tenente não reagiu e saíu. 11. O Bazar guardava segredos que nunca revelaria. Quando a noite caía e os silêncios e a escuridão convidavam ainda mais ao sigilo, as suas ruas estreitas e becos sem saída escondiam ainda mais um mundo que não se regia pelas leis escritas nos centros do poder. Ainda não anoitecera, mas o Bazar recordava, a Félix Amoroso, Alfama. Talvez fosse isso que aproximasse os portugueses dos chineses, o seu gosto pelos labirintos de onde não sabiam sair. Caminhava calmamente, mas sentia que olhos invísiveis o seguiam. Voltou-se mas não viu ninguém. Era uma sensação estranha, mas sabia que alguém seguiaa sua sombra. O tenente ttinha consciência do seu erro. Não fora prudente e tornara-se um alvo. O calor impiedoso ofuscava o seu pensamento. Não tinha nenhum mapa do tesouro entre mãos, que pudesse ser cobiçado. Era apenas o senhor de suspeitas que ameaçavam alguém. Percebera que, ao alertar Sofia Palha e, eventuamente, Max Wolf, poderia estar a pôr em causa um grande negócio. E quem queria lucros não se importava de colocar alguns prejuízos alheios nas contas finais. (continua)

Profile for Jornal Hoje Macau

Hoje Macau 26 JULHO 2021 #4817  

Nº 4817 de 26 JULHO de 2021 - Edição em papel do jornal Hoje Macau

Hoje Macau 26 JULHO 2021 #4817  

Nº 4817 de 26 JULHO de 2021 - Edição em papel do jornal Hoje Macau

Profile for hojemacau
Advertisement

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded