Page 1

MOP$10

QUARTA-FEIRA 26 DE JULHO DE 2017 • ANO XVI • Nº 3862 JACOB BLICKENSTAFF

PIERRE SOULAGES

SOFIA MARGARIDA MOTA

DIRECTOR CARLOS MORAIS JOSÉ

A caminho do FIMM EVENTOS

CHAN CHAK MO

‘‘

hojemacau

www.hojemacau.com.mo•facebook/hojemacau•twitter/hojemacau

OPINIÃO CARLOS MORAIS JOSÉ

A importância de dizer não

Hélder Macedo lançou a ideia e o congresso dos lusitanistas acontece em Ma-

cau. O escritor e investigador fala da cultura portuguesa no passado e no presente. Também do valor da negação. PUB

EVENTOS

AGÊNCIA COMERCIAL PICO • 28721006

SOFIA MARGARIDA MOTA

ENTREVISTA

Identidade PUB

Não tenho de lutar por benefícios na AL


2

CHAN CHAK MO DEPUTADO E EMPRESÁRIO

É deputado eleito pela via indirecta pelos sectores culturais e do desporto. Chan Chak Mo acredita na revisão da Lei de Terras e é contra o controlo do arrendamento no território. Entende que os negócios não interferem com a política e garante que luta sempre pelo bem comum Está no final de mais uma legislatura. Qual foi a matéria que esteve em análise na 2.ª Comissão Permanente da Assembleia Legislativa (AL), à qual preside, em que foi mais complicado trabalhar? Foi a lei referente às partes comuns dos condomínios. Foi um assunto em que as opiniões divergiram muito. Os proprietários, por exemplo, queriam que os seus locais tivessem condições de trabalho, ao mesmo tempo que não queriam gastar muito dinheiro com as manutenções dos espaços. Por outro lado, as empresas de gestão de condomínios queriam uma lei em que todas as pessoas tivessem de pagar a sua parte para manter os edifícios e os serviços necessários. As empresas de gestão também consideram que, se não têm o seu investimento de volta, desistem dos serviços e os edifícios acabam por não ser bem mantidos. Se existirem 100 proprietários em que 50 não pagam, não é justo para a metade que paga. O dinheiro que é pago não é suficiente para assegurar as despesas de condomínio. Alguns proprietários compram casas, não para viver, mas para investir e arrendar, e por isso acabavam por nunca pagar as despesas de manutenção. Com a nova lei,

“Sou uma pessoa discreta” mesmo com a venda da fracção, os proprietários têm sempre de pagar as despesas de condomínio nem que seja aquando da venda, em que é descontado o montante em falta. No momento da transacção, as dívidas também são claras. Até agora não havia qualquer obrigação de pagamento neste sentido. Pensa que está garantida uma forma de assegurar os custos das despesas de manutenção dos edifícios? Sim. Assegura, pelo menos, que as empresas encarregadas da administração dos condomínios possam ter dinheiro suficiente para algumas das necessidades, como a manutenção regular, e que, daqui a uns dez anos, possam ter como pintar os edifícios. Penso que é uma boa lei. Mesmo na votação na especialidade na Assembleia Legislativa, esta lei poderá vir a dar discussão, mas a posição do Governo é clara e é boa.  Acha que vai ser aprovada? Não sei. Vai depender da posição do Governo. 

“O que quer que diga (...) pode levar a pensar que estou a falar pelo Governo por ser membro do Conselho Executivo. Por isso, prefiro não expressar a minha opinião.”

A lei do tabaco, que também esteve em análise, foi de mais simples tratamento? Não foi tão difícil. A alteração maior que teve foi a permissão de salas de fumo nos casinos. Ng Kuok Cheong opôs-se muito a isso, mas ele sabe a necessidade desta alteração. Penso que foi mais para ter um ponto de vista político porque era algo que era preciso fazer. Nesta lei fizemos alterações importantes também. Por exemplo, as salas VIP, em que até agora era permitido fumar – o que era prejudicial para os croupiers que ali trabalhavam –, vão passar a ser isentas de fumo. Não interessa o montante que seja apostado, o apostador tem de se dirigir à sala de fumo. Penso que é um passo em frente. Por outro lado, a economia de Macau depende maioritariamente do negócio dos casinos. Não se encontra nenhuma cidade no mundo que se possa comparar a Macau neste sentido.  Não acha que é muito limitativo depender apenas da indústria do jogo? É, mas é a única coisa que temos. Somos muito pequenos. Não temos indústria, nem força financeira. Não temos bolsa, por exemplo. Não temos inovação tecnológica. Não temos sequer pequenas indústrias como a produção de jóias ou de relógios, nada. Desde o início do século que temos o jogo. Sem os casinos, o Governo não tem muito onde ir buscar dinheiro. Os sistemas de educação, de saúde, a segurança social, têm todos dinheiro vindo dos casinos. O caso de Macau é mesmo muito particular. Cerca de 70 por cento do dinheiro vem do jogo. Como deputado, tem a seu cargo a representação dos sectores cultural e desportivo. Um dos aspectos em que o Governo insiste é no turismo cultural enquanto fonte de diversificação económica do território. O que pensa acerca

SOFIA MARGARIDA MOTA

ENTREVISTA

disso, enquanto representante do sector? Macau está a fazer um excelente trabalho no que respeita ao património. O problema é que este trabalho no património não sustenta o desenvolvimento de negócios. Temos de prestar atenção a uma cultura combinada em que é integrado o factor negócio. Por exemplo, se formos a Milão, temos ao lado da catedral uma série de negócios ligados às lembranças, temos cafés e coisas desse género. E é isso que também temos de fazer. Macau olha para o património como sendo sagrado e não podemos fazer nada ali. Mas se virmos os edifícios históricos na Europa, estão todos cercados de negócios e são locais onde há publicidade que também é uma fonte de rendimento. Quando se fala de património, não interessa apenas manter os edifícios, é preciso pensar que há uma série de coisas que podem ser feitas com esses espaços. Aqui não, aqui as acções são no sentido de não tocar neste património. É necessário fazer com que os edifícios históricos coincidam com as ideias de se fazer negócio, dinheiro e atrair turistas. Um tu-

rista que venha a Macau, passeia no centro histórico durante duas horas e depois faz o quê? Outra coisa é a reserva de espaços para as grandes companhias poderem fazer publicidade. É uma forma de rentabilizar os espaços. Se eu for o dono de um edifício, como é que posso fazer dinheiro com ele se não me autorizarem a fazer um restaurante? Pedem-me dinheiro para a manutenção, mas se me permitirem tirar algum rendimento com um negócio ou com a autorização de ter publicidade no exterior do meu edifício, posso conservar este edifício também melhor. Mas aqui, se tenho um edifício histórico, não posso fazer nada. Como é que um museu pode fazer dinheiro se não se paga nada? Mas também há muitos lugares como museus com entradas gratuitas, mesmo na Europa. Sim, mas podem ser feitas coisas à volta desses edifícios que o justificam.  E como está o desporto em Macau? O que tem sido feito? É muito difícil falar de desporto em Macau de uma forma nacio-


3 quarta-feira 26.7.2017 www.hojemacau.com.mo

dido ou pode levar a pensar que estou a falar pelo Governo por ser membro do Conselho Executivo. Por isso, prefiro não expressar a minha opinião. Faço o meu trabalho. Há um ditado chinês que diz que se for uma pessoa boa para todos, então poderei dormir bem. É isso que faço. Não é para proveito pessoal. Tenho muito que fazer, tenho muitos negócios, tenho muito com que me preocupar. Durmo bem. Isso leva-nos a outra questão. É um homem de sucesso nos negócios. Não acha que esse aspecto pode colidir com o trabalho político? Não. Eu só interfiro, não em nome pessoal, mas em nome dos negócios. Por exemplo, eu dirijo restaurantes, quando está em discussão o sector, eu falo do geral, nunca dos restaurantes em particular, mas sim de todo o sector da restauração. Só quero que sejam melhoradas as condições do sector e os procedimentos que são necessários fazer, de modo a que toda a indústria seja mais “user friendly”. Se quero mudar alguma coisa, é para o benefício do sector por inteiro. As burocracias são uma loucura em Macau. Ter uma licença pode demorar dois anos. 

nal. Mais uma vez, o território é muito pequeno e não somos, nem podemos ser parte do Comité Olímpico Internacional (COI). Hong Kong, por exemplo, antes da transferência de soberania, já fazia parte do COI, separadamente de Inglaterra, e é por isso que continuam separados da China também. Macau não. Na altura da administração portuguesa, ninguém se preocupou com isso e depois, como somos pequenos, fazemos parte da China, mesmo neste aspecto. A melhor coisa que fizemos foi fazer parte do Conselho Olímpico da Ásia. Integramos os Jogos Asiáticos, mas Macau é tão pequeno que não conseguimos ter um sistema bem desenvolvido para o treino de atletas profissionais. Mesmo com atletas, eles não conseguem sobreviver e precisam de um emprego. Já há atletas agora que vão para Hong Kong para as escolas de desporto. Seria possível fazer o mesmo – escolas especializadas – em Macau? Estamos a tentar abrir o Instituto do Desporto a isso, mas vai levar tempo. O Governo, nos últimos anos, também devido à recessão no jogo, cortou algum financia-

“Há um departamento responsável pela defesa dos trabalhadores, porquê criar sindicatos? A economia em Macau é boa, não são necessários.” mento ao sector. É cada vez mais difícil conseguir financiamento para ir a qualquer competição internacional. Há analistas que consideram que Chan Chak Mo e Vitor Cheung Lup Kwan não têm um contacto próximo com a cultura e com o desporto que justifique a vossa representação do sector. Como olha para estas críticas? Não tenho de lutar por benefícios na AL. Sou membro do Conselho de Desporto e posso dar a minha opinião aí. Na AL, penso que a minha atitude mais valiosa é enquanto homem de negócios porque também o sou. Por outro lado, temos o Ma Chi Seng que está sempre preocupado com o

desporto e, como tal, deixo-o fazer os comentários acerca do sector. É só isso. Não é que não tenha nada a dizer, só não quero fazer ninguém perder tempo porque tenho um canal directo para mostrar a minha opinião quando se trata de desporto. No que respeita à Lei de Terras. Disse há umas semanas que acredita que o Governo irá dialogar acerca de uma possível revisão. Sim, penso que vai haver alguma mudança no que respeita à interpretação da Lei de Terras. O princípio básico tem que ver com o facto de que se um concessionário não fez nada de errado, não há razão para que lhe seja retirada a concessão. Esta é a questão que tem de se ver, a forma como é interpretada a lei. Se não é da responsabilidade do concessionário o não aproveitamento dentro dos prazos, se é da responsabilidade do Governo, deve-se considerar dar mais tempo aos concessionários. Esta é a direcção certa.  É candidato de novo pelo sufrágio indirecto. O que pretende fazer? Sou uma pessoa discreta. O que quer que diga pode ser mal-enten-

São necessárias mudanças nesse aspecto? Sim. Fazer coisas em Macau é um processo muito lento. Uma licença de construção pode levar dez anos.  Tem-se manifestado contra a lei sindical. Porquê? Não tenho nada contra ela, mas acho que não temos um sistema que necessite dessa legislação, como acontece na Europa ou nos Estados Unidos.  Porquê? Porque estamos a falar do direito à greve. Sem falar nos meus ne-

“As pessoas podem assinar os contratos que quiserem. O controlo das rendas não é uma coisa boa.”

gócios, vamos dar como exemplo os casinos. Se as greves forem autorizadas, os funcionários vão pedir aumentos anualmente e, se não foram dados, há a ameaça de greve, e todo o território morreria. Penso que se trata de um jogo de poder. Os sindicatos querem com este tipo de leis controlar também os trabalhadores. Em Macau, há as leis laborais que penso que funcionam muito bem. Há um departamento responsável pela defesa dos trabalhadores, porquê criar sindicatos? A economia em Macau é boa, não são necessários.  Tem património imobiliário em Macau. O que acha das alterações ao arrendamento? Sou contra. Não é por ser proprietário. Depois da recessão dos rendimentos dos casinos, já voltou tudo ao normal, porque é que se há-de controlar as rendas? Tem de ser uma economia livre. As propriedades têm de estar num mercado livre.  Mas não acha que as rendas são muito altas e que estamos perante um cenário de especulação imobiliária? Nos negócios, é sempre necessário que haja alguém que combata e alguém para ser combatido. São precisos dois para dançar o tango.  Mesmo que controlem o aumento da renda, os proprietários podem arranjar forma de contornar a situação: passam a cobrar por outras coisas, como por exemplo pela mobília. Na compra e venda, se o banco só dá, por exemplo, 15 por cento para a compra de uma casa, o proprietário pode negociar com o interessado e avançar com 30 por cento e fazer negócio com isso. Por muito necessária que seja a lei, vai sempre existir forma de a contornar, porque se trata de um acordo mútuo. Por outro lado, não pode existir nas maiores cidades do mundo um desenvolvimento saudável do mercado imobiliário se existir controlo de terras e de rendas. Podemos olhar para Nova Iorque ou Detroit, em que quando os proprietários são impedidos de aumentar a renda, deixam de fazer obras nos edifícios velhos. Os prédios acabam por ficar extremamente deteriorados.  As pessoas não sentiriam uma maior estabilidade, sabendo que não teriam grandes oscilações nas rendas? As pessoas podem assinar os contratos que quiserem. O controlo das rendas não é uma coisa boa. Sofia Margarida Mota

sofiamota.hojemacau@gmail.com


4 política

O projecto ainda não foi aprovado na Assembleia Legislativa, mas está a ser recebido com reticências pelo sector imobiliário. Song Pek Kei garante que o texto foi bem trabalhado e Ng Kuok Cheong recorda que há tempo para compreender as alterações até à entrada em vigor das novas normas

O

assunto foi amplamente debatido em sede de comissão e foi objecto de uma ampla consulta pública, com recolha de opiniões junto de vários sectores da sociedade. São estes os PUB

26.7.2017 quarta-feira

É melhor ir como está Deputados contestam críticas à lei das rendas

argumentos da deputada Song Pek Kei para rebater a contestação ao projecto de lei que visa introduzir alterações ao regime jurídico do arrendamento no Código Civil. A deputada não concorda com a acusação que tem sido feita pelo sector imobiliário, que fala em “preparação insuficiente” para as modificações à legislação. Em declarações ao Jornal do Cidadão, recorda que a actual legislatura está quase a chegar ao fim e diz não querer sequer imaginar “o impacto para a população” caso o projecto de lei seja abandonado. Song Pek Kei acredita que a sociedade sairá beneficiada da alteração à chamada lei das rendas, acrescentando que talvez parte da população não esteja suficientemente elucidada sobre o que se pretende fazer. Neste contexto, vinca que a proibição de denúncia unilateral dos contratos, no prazo de três anos, não significa a impossibilidade de fazer contratos mais curtos: aumentam-se, isso sim, as garantias dadas aos inquilinos que pretenderem ficar três anos na mesma casa.

Para Ng Kuok Cheong, só quando um articulado é “muito mau” é que deve ser abandonado, o que não se aplica ao caso em questão

Quanto ao mecanismo de ajustamento das rendas, uma hipótese que será concedida ao Chefe do Executivo, a deputada defende a opção explicando que é um direito e um dever do Governo poder garantir o desenvolvimento saudável do mercado. A liberdade de negociação entre inquilinos e arrendatários não está a ser colocada em causa, vinca, pretendendo-se apenas evitar aumentos sem fundamento. Ao mesmo jornal, Ng Kuok Cheong afasta também a possibilidade de deixar para a próxima legislatura a apreciação do projecto

de lei, por entender que não existe tal necessidade. Para o pró-democrata, só quando um articulado é “muito mau” é que deve ser abandonado, o que não se aplica ao caso em questão. O deputado salienta que a lei só entrará em vigor meio ano após a aprovação, o que faz com que o Governo tenha tempo para a sua divulgação, tentando assim afastar receios de que não seja compreendida pela população.

MAIS CASAS DISPONÍVEIS

Em defesa da nova lei de rendas saiu também o vice-presidente da

Associação Aliança de Povo de Instituição de Macau, movimento ligado aos deputados Chan Meng Kam, Si Ka Lon e Song Pek Kei. Chan Tak Seng não só considera que a alteração legislativa trará vantagens em termos gerais, como ajudará a combater o fenómeno das pensões ilegais. Num texto que fez publicar no Jornal do Cidadão, Chan refere que grande parte dos contratos de arrendamento não foi comunicada ao Governo, o que faz com que as autoridades não tenham percepção da situação real do mercado. O vice-presidente explica que, com o valor das rendas a aumentar, há vários proprietários quer preferem deixar as casas vazias, com receio de que as fracções sejam utilizadas para alojamento ilegal. Chan Tak Seng recorda ainda que é a própria Direcção dos Serviços de Turismo que reconhece a dificuldade no combate a este tipo de ilegalidade. Como as alterações propostas prevêem o reconhecimento das assinaturas dos contratos, o dirigente associativo acredita que isso irá contribuir para que os senhorios arrendem mais facilmente as casas.


política 5

quarta-feira 26.7.2017

AL GOVERNO AINDA NÃO RESPONDEU A 72 INTERPELAÇÕES ESCRITAS

Na volta do correio

E

M Fevereiro deste ano, José Pereira Coutinho escreveu ao Executivo a propósito dos trabalhos de fiscalização dos autocarros de turismo e dos “shuttle bus”. Passado um mês, Si Ka Lon quis saber das melhorias que o Governo pretende introduzir para o desenvolvimento do sector logístico. Os dois deputados continuam à espera de resposta. Não são os únicos. Ontem, à hora a que este texto foi escrito, havia 72 interpelações escritas a aguardar réplica do Executivo. As missivas são o método mais usado pelos deputados no exercício da fiscalização da acção governativa, mas o destinatário parece continuar a ter dificuldades em lidar com as solicitações. “Tem havido um enorme esforço do Governo”, concede ao HM Pereira Coutinho, naAssembleia Legislativa (AL) desde 2005. Houve alturas em que a situação era pior; a grande mudança dos últimos anos prende-se com o número de interpelações enviadas. “É evidente que o aumento de intervenções e interpelações por parte dos deputados exige uma capacidade de resposta diferente daquela que, neste momento, o Governo está a dar.” Só este mês, daALsaíram 25 missivas. Nenhuma delas mereceu, por enquanto, resposta. Focam assuntos tão diferentes como a prevenção da

GCS

A três semanas do fim da legislatura, há vários deputados que se arriscam a ficar sem resposta às questões que colocaram ao Governo. São mais de sete dezenas de réplicas que ainda não chegaram à Assembleia Legislativa. Ainda assim, a situação já foi pior

O DRAMA DAS TRADUÇÕES

documentos do género. Há 34 que continuam sem resposta. Pereira Coutinho aguarda esclarecimentos sobre quatro temas diferentes e o seu colega de bancada, Leong Veng Chai, tem outras tantas questões pendentes. Chan Meng Kam ainda não recebeu explicações sobre o plano de apoio para os equipamentos destinados à protecção ambiental, sendo que a bancada de Fujian tem mais três interpelações do mês passado sem resposta.

O

número de interpelações escritas à espera de resposta não surpreende Pereira Coutinho. “Tem vindo sempre a ser assim”, constata, encontrando duas razões para a demora: a tradução e a dificuldade que o Governo tem em responder “a temas mais sensíveis”. No que toca às traduções, o deputado lamenta que a Administração continue a ter dificuldades nesta matéria. “Ainda hoje [ontem] recebi uma resposta a um requerimento em línguas distintas. Ou seja, tinha feito aquilo em português e eles responderam-me em chinês. Isto demonstra que, de facto, a Administração luta com enormes dificuldades para ter as traduções a tempo.” O problema da utilização do português e do chinês não é de hoje, observa Coutinho, que lamenta que o Governo não tenha prestado mais atenção ao assunto no passado. “Agora é que vem dizer que faltam pelo menos 200 intérpretes-tradutores.”

14

é o número de interpelações orais para debater nas próximas três semanas

doença do Legionário, tema que o secretário para os Assuntos Sociais e Cultura terá de encaminhar para os Serviços de Saúde, o horário de funcionamento do trilho entre o Jardim do Lago e as Casas da Taipa,

assunto que preocupa Chan Meng Kam, ou o reforço ao combate ao alojamento ilegal. Junho foi um mês de grande produção de interpelações escritas, com os deputados a assinarem 64

Melinda Chan encontra-se na mesma situação em relação a um pedido de explicações remetido, Au Kam San abordou três assuntos que ainda estarão a ser estudados, Ng Kuok Cheong enviou duas interpelações cuja réplica ainda não recebeu, o mesmo número de questões que Ho Ion Sang e Zheng Anting querem ver esclarecidas. Mak Soi Kun, Wong Kit Cheng Kwan Tsui Hang, Ella Lei e Chan Hong completam a lista dos deputados a aguardar.

Das 59 interpelações escritas enviadas em Maio, falta responder a cinco. Das 55 de Abril, há ainda seis réplicas a serem elaboradas pelo Governo. O Executivo terá também de enviar representantes à AL para falarem sobre 14 interpelações orais. As reuniões estão ainda por agendar. Isabel Castro (com Vítor Ng) isabelcorreiadecastro@gmail.com

REGIMENTO NOVO MACAU ESCREVE AOS DEPUTADOS

A

Associação Novo Macau (ANM), que deixou de ter voz oficial na Assembleia Legislativa (AL) desde que Ng Kuok Cheong e Au Kam San bateram com a porta, escreveu ao hemiciclo a pedir aos seus membros que votem contra a alteração ao Regimento que visa a proibição de cartazes nas bancadas dos deputados.

Na semana passada, a ANM fez uma conferência de imprensa em que se mostrou contra a proposta de resolução da Comissão de Regimento e Mandatos que prevê esta interdição. Agora, a associação de Scott Chiang reitera a argumentação, considerando que a utilização de tais objectos não coloca em causa a solenidade do órgão legislativo.

Para os pró-democratas, “a solenidade e a dignidade da AL estão ligadas à sua capacidade de fiscalização ao Governo, à actualização das leis para que sejam capazes de dar resposta à passagem do tempo, ao aproveitamento adequado do erário da RAEM e à responsabilização real dos funcionários públicos”. Para a associação, o recurso a objectos nas sessões plenárias deve ser respeitado

e permitido. Caso os acessórios perturbem a ordem de trabalhos, alega a ANM, o presidente da AL pode suspender o uso da palavra dos deputados em causa ou pedir-lhes que abandonem o plenário. O assunto vai ser debatido amanhã. O projecto de resolução vai ser votado na generalidade e na especialidade no mesmo plenário. V.N./I.C.

PUB

ANÚNCIO CONCURSO PÚBLICO N.o 26/P/17 Faz-se público que, por despacho do Ex.mo Senhor Secretário para os Assuntos Sociais e Cultura, de 30 de Junho de 2017, se encontra aberto o Concurso Público para «Fornecimento de Equipamentos Laboratoriais Cedidos Como Contrapartida do Fornecimento de Reagentes ao Laboratório de Saúde Pública dos Serviços de Saúde», cujo Programa do Concurso e o Caderno de Encargos se encontram à disposição dos interessados desde o dia 26 de Julho de 2017, todos os dias úteis, das 9,00 às 13,00 horas e das 14,30 às 17,30 horas, na Divisão de Aprovisionamento e Economato destes Serviços, sita no 1. º andar, da Estrada de S. Francisco, n.º 5, Macau, onde serão prestados esclarecimentos relativos ao concurso, estando os interessados sujeitos ao pagamento de MOP42,00 (quarenta e duas patacas), a título de custo das respectivas fotocópias (local de pagamento: Secção de Tesouraria dos Serviços de Saúde) ou ainda mediante a transferência gratuita de ficheiros pela internet no website dos S.S. (www.ssm.gov.mo). As propostas serão entregues na Secção de Expediente Geral destes Serviços, situada no r/c do Centro Hospitalar Conde de São Januário e o

ANÚNCIO CONCURSO PÚBLICO N.o 27/P/17

respectivo prazo de entrega termina às 17,45 horas do dia 22 de Agosto de 2017. O acto público deste concurso terá lugar no dia 23 de Agosto de 2017, pelas 10,00 horas, na“Sala Multifuncional”, sita no r/c da Estrada de S. Francisco, n.º 5, Macau. A admissão a concurso depende da prestação de uma caução provisória no valor de MOP500 000,00 (quinhentas mil patacas) a favor dos Serviços de Saúde, mediante depósito, em numerário ou em cheque, na Secção de Tesouraria destes Serviços ou através da Garantia Bancária/ Seguro-Caução de valor equivalente. Serviços de Saúde, aos 20 de Julho de 2017 O Director dos Serviços Lei Chin Ion

Faz-se público que, por despacho do Ex.mo Senhor Secretário para os Assuntos Sociais e Cultura, de 7 de Julho de 2017, se encontra aberto o Concurso Público para «Fornecimento de Duas (2) Ambulâncias Hospitalares de Médio Porte e os Respectivos Equipamentos aos Serviços de Saúde», cujo Programa do Concurso e o Caderno de Encargos se encontram à disposição dos interessados desde o dia 26 de Julho de 2017, todos os dias úteis, das 9,00 às 13,00 horas e das 14,30 às 17,30 horas, na Divisão de Aprovisionamento e Economato destes Serviços, sita no 1. º andar, da Estrada de S. Francisco, n.º 5, Macau, onde serão prestados esclarecimentos relativos ao concurso, estando os interessados sujeitos ao pagamento de MOP43,00 (quarenta e três patacas), a título de custo das respectivas fotocópias (local de pagamento: Secção de Tesouraria dos Serviços de Saúde) ou ainda mediante a transferência gratuita de ficheiros pela internet no website dos S.S. (www.ssm.gov.mo). As propostas serão entregues na Secção de Expediente Geral destes Serviços, situada no r/c do Centro Hospitalar Conde de São Januário e o

respectivo prazo de entrega termina às 17,45 horas do dia 31 de Agosto de 2017. O acto público deste concurso terá lugar no dia 1 de Setembro de 2017, pelas 10,00 horas, na“Sala Multifuncional”, sita no r/c da Estrada de S. Francisco, n.º 5, Macau. A admissão a concurso depende da prestação de uma caução provisória no valor de MOP92 000,00 (noventa e duas mil patacas) a favor dos Serviços de Saúde, mediante depósito, em numerário ou em cheque, na Secção de Tesouraria destes Serviços ou através da Garantia Bancária/ Seguro-Caução de valor equivalente. Serviços de Saúde, aos 18 de Julho de 2017 O Director dos Serviços Lei Chin Ion


6 sociedade

26.7.2017 quarta-feira

CONTRATOS MAIS DE 20 TRABALHADORES AINDA EM SITUAÇÃO IRREGULAR NO IC

Leung Hio Ming revelou que o Instituto Cultural ainda tem 24 trabalhadores vinculados através do regime de aquisição de bens e serviços. Por outro lado, anunciou que Macau vai ter espaços novos para a cultura, incluindo um Centro de Performances na zona A dos novos aterros

O

Instituto Cultural (IC) ainda tem 24 trabalhadores em situação irregular a trabalhar nos seus quadros até ao Verão do próximo ano. A polémica continua desde o demolidor relatório do Comissariado contra a Corrupção (CCAC), que trouxe à baila a forma como

o (IC) recrutou pessoal. Aos ajustes no recrutamento juntaram-se os processos disciplinares contra o antigo presidente Ung Vai Meng e os actuais presidente, Leung Hio Ming, e vice-presidente, Chan Peng Fai. O relatório do CCAC indicava que o IC havia recorrido “ao modelo de aquisição de serviços para PUB

HM • 1ª VEZ • 26-7-17

ANÚNCIO Interdição

N.º

CV1-17-0031-CPE

1.º Juízo Cível

-----REQUERENTE: O Ministério Público. -------------------------------REQUERIDO: Wong Mei Lei, maior, casado, titular do B.I.R. n. XXXX811(6), nascido a 09/06/1927, na China, filho de Wong A Kang e de Ng A San e residente em Seak Pai Wan, Edifício Son On, 1º Bloco 8º andar I em Coloane.----------------------------------------------***

contornar sistematicamente o regime legal de recrutamento centralizado e concurso público”, sem a autorização do secretário para os Assuntos Sociais e Cultura, Alexis Tam. Nesse aspecto, Leung Hio Ming revela que, de um universo de 94 funcionários contratados fora do regime de concurso público, mais de 70 não terão o vínculo renovado assim que o contrato expirar. “A maior parte saiu em finais de Junho, no final do prazo dos contratos que assinaram”, explica o presidente do IC. Uma pequena percentagem destes funcionários termina o seu vínculo laboral com o IC no final de Agosto e Setembro. Restam ainda 24 trabalhadores recrutados pelo regime de aquisição de bens e serviços, que permanecem nos quadros do IC com a autorização de Alexis Tam. Esses funcionários ficam até Junho/ Julho de 2018, ao abrigo de uma “situação de emergência”. De acordo com as declarações do presidente do IC, trata-se de mão-de-obra que faz “trabalhos de gestão e planeamento, por exemplo, dos festivais de Macau”.

GCS

As últimas duas dúzias

situação irregular, Leung Hio Ming revela que não existe “qualquer plano para o recrutamento”. Porém, o presidente do IC vincou que se no futuro surgir uma situação de carência que a isso exigir será utilizado o mecanismo geral de admissão, ou seja, o concurso público.

“A maior parte saiu em finais de Junho, no final do prazo dos contratos que assinaram.” LEUNG HIO MING PRESIDENTE DO INSTITUTO CULTURAL

Leung Hio Ming avançou ainda que está em projecto a construção de um espaço, perto do Centro Cultural de Macau, para acolher a produção artística. O presidente do IC adiantou ainda a existência de um plano de construção de um centro de performances na zona A dos novos aterros. As declarações foram prestadas à margem da apresentação do Festival Internacional de Música de Macau. Ainda no que diz respeito a espaços com capacidade para acolher criação artística, como grupos musicais locais, Leung Hio Ming salientou que há que “aproveitar instalações actuais como, por exemplo, o auditório da Universidade de Macau”.

NOVOS ESPAÇOS

João Luz

No que toca à admissão de novo pessoal para colmatar a saída dos trabalhadores que se encontravam em

info@hojemacau.com.mo

-----O MERITÍSSIMO JUIZ DO 1.º JUÍZO CÍVEL DO TRIBUNAL JUDICIAL DE BASE DA R.A.E.M.: -----------------------------------------FAZ SABER QUE, foi distribuída neste Tribunal, em 07 de Julho de 2017, uma Acção Especial de Interdição, com o número acima indicado, que o Ministério Público move contra Wong, Mei Lei, a fim de ser decretada a sua interdição por sofrer anomalia psíquica.---------------------------------------------------------------------------Tribunal Judicial de Base da R.A.E.M, 12 de Julho de 2017.----***

AVIAÇÃO CAPITAL AIRLINES EM MACAU PARA LIGAÇÃO PEQUIM-LISBOA

O

voo inaugural entre Pequim e Macau da Capital Airlines, para coincidir com a nova ligação da transportadora chinesa a Lisboa, aterrou ontem no aeroporto internacional do território. A nova rota da transportadora Beijing Capital Airlines vai ser assegurada por quatro voos semanais entre a Macau e a capital chinesa, para coincidir com a ligação a Lisboa e servir também os cerca de 15 mil portugueses que vivem no território, de acordo com um comunicado da Companhia do Aeroporto de Macau (CAM). Os voos entre Macau e Pequim vão efectuar-se à segunda, terça, quinta-feira e sábado. Ao todo e desde ontem,

25 voos semanais vão ligar a RAEM a Pequim, acrescentou o comunicado. A nova ligação directa entre Pequim e Lisboa, também da Capital Airlines, terá três frequências por semana – quarta-feira, sexta-feira e domingo – entre a cidade de Hangzhou, na costa leste da China, e Lisboa, com paragem em Pequim. O voo arranca hoje. A ligação entre Pequim e Lisboa demorará cerca de 13 horas e, no sentido inverso, demorará 12 horas. A actual ligação mais rápida entre a capital dos dois países demora 14 horas, com escala em Frankfurt, na Alemanha. Nos últimos três anos, o número de turistas chineses que visitaram Portu-

gal triplicou, para 183 mil, e deverá aumentar “exponencialmente” com a abertura da ligação directa, afirmou, em Abril passado, a secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho. A China é já o maior emissor mundial de turistas e, segundo estatísticas oficiais, 135,1 milhões de chineses viajaram para fora da China Continental, em 2016, num aumento de 12,5 por cento em relação ao ano anterior. A Capital Airlines é uma das subsidiárias do grupo chinês HNA, accionista da TAP, através do consórcio Atlantic Gateway e da companhia brasileira Azul.


sociedade 7

quarta-feira 26.7.2017

HEPATITE B MACAU SEM PROBLEMAS

O

S Serviços de Saúde de Macau vieram ontem assegurar que existem vacinas suficientes contra a Hepatite B para a população residente. A garantia foi deixada na sequência de problemas com a produção deste tipo de fármaco, que estão a ter repercussões em vários pontos do mundo. No território, há escassez no stock do mercado privado, mas não nos serviços de saúde públicos. A vacina contra a hepatite B foi incluída no programa de vacinação local há já muitos anos, pelo que a quantidade de vacinas adquiridas é suficiente para garantir a imunização de recém-nascidos, de crianças e de grupos de alto risco. De acordo com os profissionais de saúde, sublinham os SSM, para já a quantidade do stock da vacina em causa é “normal”. Foi ainda obtida a garantia por parte do fornecedor quanto ao fornecimento normal da vacina aos Serviços de Saúde, acrescenta-se em comunicado. As vacinas são gratuitas apenas para os residentes de Macau. Existe “uma quantidade muito limitada de residentes não locais que podem pedir vacinação por conta própria”, mas “outros pedidos não são atendidos”. Os viajantes podem pedir vacinação, mas é limitada às vacinas de necessidade urgente, tal como a vacina contra o tétano após lesões, sendo por conta do próprio viajante, referem os SSM. Com base nos dados demográficos disponíveis, como o número de nascimentos, as autoridades fazem uma ordem de compra prévia de vacinas para os dois anos seguintes. Actualmente, são administradas anualmente mais de 20 mil doses da vacina contra a hepatite B. Para assegurar as necessidades dos residentes de Macau, os Serviços de Saúde deram indicações a todas as unidades de vacinação, incluindo o Hospital Kiang Wu e a Clínica dos Operários, que as vacinas fornecidas no programa de vacinação local só podem ser administradas a residentes. Os pedidos feitos por não residentes não poderão ser, deste modo, atendidos.

SAÚDE SERVIÇOS DE LEI CHIN ION APELAM À VACINAÇÃO

O sarampo de volta

frequentam por um período de três semanas, a contar do dia de contacto com o paciente, de modo a evitar o contágio caso alguma delas venha a ter sarampo. Neste momento, nenhum destes bebés apresenta sintomas.

Desde 2014 que a doença está oficialmente erradicada, mas há mais um caso de sarampo confirmado a preocupar as autoridades. É importante vacinar as crianças, recordam os Serviços de Saúde, para proteger aquelas que ainda não têm idade para ser imunizadas

O sarampo é uma doença transmissível aguda por tracto respiratório. As vias de transmissão são as gotículas de saliva expelidas; todavia, a doença pode ser contraída por contacto directo com as secreções infectadas e objectos contaminados de doentes. De um modo geral, o período de incubação é de sete a 18 dias, podendo chegar aos 21 dias. O período de transmissão varia de três dias a uma semana depois do aparecimento de exantema. Em 2014, Macau obteve a certificação da Organização Mundial de Saúde, passando a fazer parte dos primeiros quatro países e regiões da região do Pacífico Ocidental que erradicaram o sarampo. A erradicação não significa a inexistência de casos, explicam os SSM, mas sim que não há transmissão sustentada. Para proteger a saúde das crianças, os Serviços de Saúde pedem aos pais que cumpram o programa de vacinação. Recorda-se também que o sarampo é uma doença de declaração obrigatória.

É

preciso prestar mais atenção à prevenção. O conselho é deixado pelos Serviços de Saúde de Macau (SSM), que confirmaram na passada segunda-feira mais um caso de sarampo. Numa nota de imprensa publicada ontem, os SSM explicam que a criança infectada tem 11 meses. No passado dia 18, teve os primeiros sintomas – febre e tosse –, estando actualmente internada no Hospital Kiang Wu, a receber tratamento em regime de isolamento. Na segunda-feira, as análises feitas no Laboratório de Saúde Pública dos Serviços de Saúde confirmaram que se trata de sarampo. O bebé ainda não tinha

sido imunizado por não ter idade suficiente para a administração da primeira dose da vacina. Os SSM contam que, antes da manifestação de sintomas, o doente teve contacto com uma prima, que já se encontrava doente, embora ainda não diagnosticada com sarampo. No período de incubação, o bebé viajou, mas atendendo ao facto de a prima estar doente e ao tempo de manifestação dos sintomas, o caso foi classificado como sendo uma infecção local. O doente encontra-se estável, não havendo complicações graves, indica a direcção de serviços liderada por Lei Chin Ion. Está a ser feito agora o rastreio do estado de saúde de mais 12 crianças que partilharam a sala

de espera com o bebé, enquanto o paciente aguardava para ser atendido. Todas estas crianças não tinham sido igualmente vacinadas por não terem idade para tal. A primeira dose é ao ano de idade e a segunda aos 18 meses. Por exigência dos SSM, estas crianças não vão às escolas que

Está a ser feito agora o rastreio do estado de saúde de mais 12 crianças que partilharam a sala de espera com o bebé

VIAS DE TRANSMISSÃO


8 publicidade

Anúncio Concurso Público «Empreitada da Obra de concepção e construção do cais flutuante do Centro Náutico da Praia Grande» 1. 2. 3. 4.

Entidade de preside ao concurso: Instituto do Desporto. Modalidade de concurso: concurso público. Local de execução da obra: Centro Náutico da Praia Grande. Objecto da empreitada: Concepção e construção do cais flutuante do Centro Náutico da Praia Grande. 5. Prazo de validade das propostas: o prazo de validade das propostas é de 90 dias, a contar da data do acto público do concurso, prorrogável nos termos previstos no programa do concurso. 6. Tipo de empreitada: a empreitada é por preço global. 7. Caução provisória: $ 150 000,00 (cento e cinquenta mil) patacas, a prestar mediante depósito em numerário ou em cheque (emitida a favor da “Caixa de Tesouro”), garantia bancária ou seguro caução (emitida a favor do Instituto do Desporto) aprovado nos termos legais. 8. Caução definitiva: 5% do preço total da adjudicação (das importâncias que o empreiteiro tiver a receber em cada um dos pagamentos parciais são deduzidos 5% para garantia do contrato, em reforço da caução definitiva a prestar). 9. Preço base: não há. 10. Condições de admissão: serão admitidos como concorrentes as entidades inscritas na Direcção dos Serviços de Solos, Obras Públicas e Transportes, para execução de obras, bem como as que à data do concurso, tenham requerido a sua inscrição. Neste último caso a admissão é condicionada ao deferimento do pedido de inscrição. 11. Local, dia e hora limite para a apresentação das propostas: Local: Instituto do Desporto, sito na Avenida Dr. Rodrigo Rodrigues n.º 818, em Macau. Dia e hora limite: dia 30 de Agosto de 2017, quarta-feira, até às 12,00 horas. Em caso de encerramento do Instituto do Desporto por motivos de tufão ou por motivos de força maior, a data e a hora limites estabelecidas para a apresentação das propostas serão adiadas para a mesma hora do primeiro dia útil seguinte. 12. Local, dia e hora do acto público de abertura das propostas: Local: Instituto do Desporto, sito na Avenida Dr. Rodrigo Rodrigues n.º 818, em Macau. Dia e hora: dia 31 de Agosto de 2017, quinta-feira, pelas 9,30 horas. Em caso de adiamento da data limite para a apresentação das propostas de acordo com o mencionado no artigo 11 ou em caso de encerramento do Instituto do Desporto por motivos de tufão ou por motivos de força maior, a data e hora estabelecidas para o acto público de abertura das propostas serão adiadas para a mesma hora do primeiro dia útil seguinte. Os concorrentes ou seus representantes legais devem estar presentes ao acto público de abertura das propostas para os efeitos previstos no artigo 80.º do Decreto-Lei n.º 74/99/M, de 8 de Novembro, e para esclarecer as eventuais dúvidas relativas aos documentos apresentados no concurso. 13. Local, dia e hora para exame do processo e obtenção da respectiva cópia: Local: Instituto do Desporto, sito na Avenida Dr. Rodrigo Rodrigues n.º 818, em Macau. Hora: horário de expediente (das 9,00 às 13,00 horas e das 14,30 às 17,30 horas). Na Divisão Financeira e Patrimonial desto Instituto, poderão obter cópia do processo de concurso mediante o pagamento de $ 1 000,00 (mil patacas). 14. Critérios de apreciação de propostas e respectivos factores de ponderação: - Concepção e adequabilidade: 40% - Preço de execução razoável: 45% - Prazo global: 10% - Experiência: 5% 15. Junção de esclarecimentos: Os concorrentes devem comparecer no Instituto do Desporto, sito na Avenida Dr. Rodrigo Rodrigues n.º 818, em Macau, até à data limite para a apresentação das propostas, para tomarem conhecimento de eventuais esclarecimentos adicionais. Instituto do Desporto, aos 26 de Julho de 2017. O Presidente, Pun Weng Kun

26.7.2017 quarta-feira

Anúncio Concurso Público «Serviços de decorações no Edifício do Grande Prémio e nas garagens provisórias (paddock) para a 64.ª Edição do Grande Prémio de Macau » Nos termos previstos no artigo 13.o do Decreto-Lei n.o 63/85/M, de 6 de Julho, e em conformidade com o Despacho do Ex.mo Senhor Secretário para os Assuntos Sociais e Cultura, de 17 de Julho de 2017, o Instituto do Desporto vem proceder, em representação do adjudicante, à abertura do concurso público para os serviços de decorações no Edifício do Grande Prémio e nas garagens provisórias (paddock) para a 64.ª Edição do Grande Prémio de Macau. O prazo para a prestação dos serviços é conforme o estipulado no artigo 2 do Anexo V – Normas Técnicas do índice geral do processo de concurso. A partir da data da publicação do presente anúncio, os interessados podem dirigir-se ao balcão de atendimento da sede do Instituto do Desporto, sito na Avenida do Dr. Rodrigo Rodrigues, n.o 818, em Macau, no horário de expediente, das 9,00 às 13,00 e das 14,30 às 17,30 horas, para consulta do processo de concurso ou para obtenção da cópia do processo, mediante o pagamento de $ 500,00 (quinhentas) patacas. Podem ainda ser feita a transferência gratuita de ficheiros pela internet na área de download da página electrónica do Instituto do Desporto: www.sport.gov.mo. Os interessados devem comparecer na sede do Instituto do Desporto até à data limite para a apresentação das propostas para tomarem conhecimento sobre eventuais esclarecimentos adicionais. A sessão de esclarecimento deste concurso público terá lugar no dia 1 de Agosto de 2017, terça-feira, pelas 10,00 horas, na sala de reuniões do Edifício do Grande Prémio, sito na Avenida da Amizade n.o 207, em Macau. Em caso de encerramento do Instituto do Desporto na data e hora da sessão de esclarecimento acima mencionada, por motivos de tufão ou por motivos de força maior, a data e hora de sessão de esclarecimento acima mencionada serão adiadas para a mesma hora do primeiro dia útil seguinte. O prazo para a apresentação das propostas termina às 12,00 horas do dia 21 de Agosto de 2017, segunda-feira, não sendo admitidas propostas fora do prazo. Em caso de encerramento do Instituto do Desporto por motivos de tufão ou por motivos de força maior, a data e a hora limite para a entrega de propostas acima mencionadas serão adiadas para a mesma hora do primeiro dia útil seguinte. Os concorrentes devem apresentar a sua proposta dentro do prazo estabelecido, na sede do Instituto do Desporto, no endereço acima referido, acompanhada de uma caução provisória no valor de $ 44 000,00 (quarenta e quatro mil) patacas. Caso o concorrente opte pela garantia bancária, esta deve ser emitida por um estabelecimento bancário legalmente autorizado a exercer actividade na RAEM e à ordem do Fundo do Desporto ou deve ser efectuado um depósito em numerário ou em cheque (emitido a favor do Fundo do Desporto) na mesma quantia, a entregar na Divisão Financeira e Patrimonial sita na sede do Instituto do Desporto. O acto público de abertura das propostas do concurso terá lugar no dia 22 de Agosto de 2017, terça-feira, pelas 9,30 horas, no auditório da sede do Instituto do Desporto, sito na Avenida do Dr. Rodrigo Rodrigues, n.o 818, em Macau. Em caso de encerramento do Instituto do Desporto por motivos de tufão ou por motivos de força maior, ou em caso de adiamento do prazo para a apresentação das propostas por motivos de tufão ou por motivos de força maior, a data e a hora para o acto público de abertura das propostas acima mencionadas serão adiados para a mesma hora do primeiro dia útil seguinte. As propostas são válidas durante 90 dias a contar da data da sua abertura. Instituto do Desporto, aos 26 de Julho de 2017. O Presidente, Pun Weng Kun

ANÚNCIO “Fornecimento de utensílios de jardinagem e forragem animal ao IACM” Concurso Público n° 3/SFI/2017 Faz-se público que, por deliberação do Conselho de Administração do IACM, tomada em sessão, de 14 de Julho de 2017, se acha aberto concurso público para a “Fornecimento de utensílios de jardinagem e forragem animal ao IACM”. O programa do concurso e o caderno de encargos podem ser obtidos, todos os dias úteis e dentro do horário normal de expediente, no Núcleo de Expediente e Arquivo do Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais (IACM), sito na Avenida de Almeida Ribeiro nº 163, r/c, Macau. O prazo para a entrega das propostas termina ao meio dia do dia 9 de Agosto de 2017. Os concorrentes ou seus representantes devem entregar as propostas e os documentos no Núcleo de Expediente e Arquivo do IACM e prestar uma caução provisória no valor de MOP1.000,00 (Mil patacas). A caução provisória pode ser entregue na Tesouraria da Divisão de Contabilidade e Assuntos Financeiros do IACM, sita na Avenida de Almeida Ribeiro nº 163, r/c, Macau, por depósito em dinheiro, cheque ou garantia bancária, em nome do “Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais”. O acto público de abertura das propostas realizar-se-á no auditório da Divisão de Formação e Documentação do IACM, sita na Avenida da Praia Grande, nº 804, Edf. China Plaza 6º andar, pelas 10:00 horas do dia 10 de Agosto de 2017. Macau, aos 20 de Julho de 2017. O Administrador do Conselho de Administração Mak Kim Meng WWW. IACM.GOV.MO


eventos 9

quarta-feira 26.7.2017

JACOB BLICKENSTAFF

Ainda no âmbito da música clássica, os melómanos vão ter a oportunidade de assistir a uma noite dedicada à música de Beethoven interpretada pela The Deutsche Kammerphilharmonie Bremen, dirigida pelo maestro Paavo Järvi. O concerto, que marca o aniversário dos 210 anos da morte de Ludwig van Beethoven, está marcado para o dia 20 de Outubro no Grande Auditório do CCM. O público pode esperar interpretações das Sinfonias n.º1 e n.º3, assim como a Abertura de “As Criaturas de Prometeu”. Pegando na tradição das grandes tragédias gregas, o FIMM apresenta a ópera “Orfeu e Eurídice”, do compositor Christoph Gluck. O espectáculo será ao ar livre, na Fortaleza do Monte, nos dias 21 e 22 de Outubro. A Ópera de Israel está a cargo desta produção que promete comover a plateia com as tribulações de Orfeu.

OUTRA PRATA

MÚSICA 31.º FIMM MOSTRA CARTAZ DESTE ANO

A vez dos novos O tema deste ano do Festival Internacional de Música de Macau é “Estrelas em Ascensão” e promete trazer novos valores da música mundial aos palcos locais. O Instituto Cultural promete um evento ecléctico, com concertos de novos prodígios e um orçamento mais pequeno do que no ano passado

U

M festival mais barato e orientado para os novos valores musicais internacionais. Este é o lema do Festival Internacional de Música de Macau (FIMM) que já mexe na sua 31.ª edição, que se realiza entre 29 de Setembro e 30 de Outubro. Este ano o evento sairá mais barato, 30 milhões de patacas, em comparação com os 38 milhões de patacas de orçamento do ano passado. “Reduzimos o orçamento, ajustámos alguns programas e focámos a promoção do festival nos meios online”, comenta Leung Hio Ming,

presidente do Instituto Cultural (IC). O festival deste ano tem como tema “Estrelas em Ascensão”, uma aposta que também representa alguma poupança. A 31.ª edição será apadrinhada pela ópera “Andrea Chénier”, interpretada em quatro actos pela Filarmónica de Viena, que sobe ao palco do Grande Auditório do Centro Cultural de Macau (CCM) nos dias 29 de Setembro e 1 de Outubro. A ópera, dirigida pelo maestro Andris Nelsons, relata a história de amor entre o poeta Chérnier e a fidalga Maddalena, uma paixão

nascida com a violência da Revolução Francesa como pano de fundo. A Filarmónica de Viena também encerra o cartaz com a interpretação de clássicos de Beethoven, Strauss e Wagner, fechando com chave de ouro austro-germânico o FIMM.

Ainda no domínio da música clássica, o FIMM conta no cartaz com um concerto do Quarteto de Cordas de Guimarães, que promete transportar o público numa viagem musical através dos períodos do classicismo, do romantismo, até ao século XX. O conjunto nascido no Minho traz na bagagem um repertório dividido entre composições de Mozart, Mendelssohn e Philip Glass. A condizer com o tema “Estrelas em Ascensão”, o FIMM tem no seu cartaz vários nomes promissores no panorama musical internacional. Entre elas o Quarteto de Cordas Novus, que vem da Coreia do Sul para interpretar obras de Mozart, Tchaikovski e Ravel. Outro dos destaques, no que a futuros talentos diz respeito, é o jovem pianista Lukas Geniušas, de origem russa e lituana, que já arrebatou vários prémios internacionais. O músico leva ao palco do Pequeno Auditório do CCM obras de Chopin, Ravel e Prokofiev no dia 27 de Outubro.

FORA DO PALCO

A

lém da música, o FIMM terá ainda em cartaz palestras, conversas pré-espectáculo, visitas aos bastidores, master classes, workshops e actividades comunitárias. Os eventos são, ao todo, 19, de onde se destaca a master class dada pelo jovem pianista Lukas Geniušas. O festival tem ainda no seu cartaz os “Workshops sobre Terapia da Música”, ou “Como tocar instrumentos de percussão para pais e filhos”.

“Reduzimos o orçamento, ajustámos alguns programas e focamos a promoção do festival nos meios online.”

“A Social Call”. O álbum de estreia da norte-americana de Dallas será o fio condutor do concerto que apresenta na Fortaleza do Monte no dia 29 de Outubro. Também no mesmo cenário ao ar livre, no dia 26 de Outubro, o público de Macau pode-se deliciar com as vozes do muito aclamado pela crítica internacional Soweto Gospel Choir. O grupo oriundo da África do Sul tem fama de dar tudo em palco ao longo dos 15 anos de carreira. Cantam, dançam, tocam percussão num misto de gospel africano, espiritualismo negro e reggae. O público do FIIM pode ainda apreciar o talento de novos valores na secção do cartaz intitulada “Bravo Macau!”. Nesse âmbito, o primeiro jovem a subir ao palco é o violista Lo Cheng Io, de apenas 16 anos, que será acompanhado por um experiente músico ao piano, Suiong Wong. Os bilhetes são colocados à venda a 6 de Agosto, sendo que quem comprar até 13 de Agosto beneficia de um desconto.

LEUNG HIO MING PRESIDENTE DO INSTITUTO CULTURAL

Num patamar mais moderno, o cartaz do FIMM conta com a presença do compositor e vibrafonista japonês, Masayoshi Fujita, também conhecido como El Fog. O nipónico baseado em Berlim é uma figura do experimentalismo musical que vai buscar inspiração ao jazz e à música electrónica para retirar o máximo do vibrafone, um instrumento semelhante ao xilofone. Outro dos destaques mais jovens no cartaz da 31.ª edição do FIMM é a cantora Jazzmeia Hornm, uma autêntica estrela em ascensão com apenas 26 anos e um disco na bagagem,

João Luz

info@hojemacau.com.mo

PUB HM • 2ª VEZ • 26-7-17

ANÚNCIO Acção Ordinária

nº CV1-14-0059-CAO

1º juízo Cível

Autores: 1. WONG KIN HONG, casado com Leung Yuet Ching Joanne, no regime da separação de bens, de nacionalidade chinesa, residente em Hong Kong, Flat F 19/F, Blk 3, Laguna Verde, Hunghom, KLN; e 2. CHING WAI TING, casado com Yuen, Kwok Hing, no regime da separação de bens, de nacionalidade chinesa, residente em Hong Kong, FT C6 10/F, Tower C, Elizabeth Hse, 254 Gloucester Road, Causeway Bay.--------------------------------------------------------------------------------------------------Réus:1. YIP TZE CHUN, com última residência conhecida em Macau, na Rua Entre-campos, n.ºs 3434A, ora ausente em parte incerta; 2. WONG HIU MAN, com última residência conhecida em Macau, na Rua Entre-campos, n.ºs 34-34A, ora ausente em parte incerta; 3. LEE CHING WAI, portador do B.I.R.M., residente em Macau, na Rua Eduardo Marques n.º 40; 4. LEE CHUNG WAI, portador do B.I.R.M., residente em Macau, na Rua Eduardo Marques n.º 40; 5. CHEUNG MING MING, portador do B.I.R.M., residente em Macau, na Rua Eduardo Marques n.º 40; 6. Sucessores incertos do LEONG IOK K´EONG; e 7. LEE LAIN WAI, com última residência conhecida em Macau, na Rua Entre-campos, n.º 34-34A, ora ausente em parte incerta.--------------------------------------------------------*** ----FAZ-SE SABER QUE, por esta Secção, correm éditos de TRINTA DIAS, contados da segunda e última publicação este anúncio, citando 1.º, 2.º, 6,º e 7.º Réus acima identificados, para no prazo de TRINTA DIAS, decorrido que sejam os dos éditos, contestarem a Acção Ordinária, cujo pedido resumidamente consiste em: ---------------------------------------------------------------------------------------------Ser julgada procedente por provada a presente acção e, consequentemente, serem os Autores WONG KIN HONG e CHING WAI TING, declarados, para todos os efeitos legais, nomeadamente de registo, legítimos proprietários e últimos titulares, na proporção de 1/2 para cada um, da fracção autónoma designada por “AM5” do 5.º andar “AM”, para habitação, do prédio urbano sito em Macau, na Rua de Coelho do Amaral, n.ºs 1 a 1-R, Praça de Luís de Camões, n.ºs 17 a 29, e Rua do Patane, n.ºs 1 a 1-H, descrito na Conservatória do registo Predial sob o n.º 152, a fls. 166 verso do Livro B1, e inscrita sob o n.º 4382, a fls. 45 verso do livro G86A a favor de YIP TZE CHUN, LEE YU MING e LEONG IOK K´EONG que também romaniza LEONG IOK KEONG por a haverem adquirido por usucapião.--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------Tudo como melhor consta do duplicado da petição inicial arquivada neste Juízo e que será entregue aos citandos logo solicitados, e de que a falta de contestação, em caso de revelia absoluta, não importa o reconhecimento dos factos articulados pela autora.-----------------------------------------------------------------A intervenção do citando nos autos implica a constituição de advogado – art. 74º do C.P.C. de Macau.-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------R.A.E.M, aos 05 de Julho de 2017 ***


10 eventos

Fez parte do Grupo do Café Gelo. Como é que funcionava esta tertúlia, influenciada ainda pelo Orpheu? A obra de Fernando Pessoa começou a ser publicada, de facto, nos anos 1940. Nos anos 50, ainda era uma coisa recente. Fernando Pessoa era mítico, havia várias obras não só do Pessoa, como do Sá Carneiro, etc., que não eram acessíveis. O Gelo foi um bocado um acidente. Éramos jovens, com 19 ou 20 anos, e mais ou menos por acidente começámos a encontrar-nos – uns conheciam-se, outros não –, basicamente para fugirmos aos cafés literários. Porquê? Eram chatos? Eram chatos, eram estabelecidos, eram senhores pomposos, importantes. Aconteceu que um grupo de pintores alugou um quarto num sótão perto do Rossio. Não cabiam todos. Eram quatro pintores que partilhavam aquele espaço. Uns desciam e o café mais próximo era o Gelo que, nessa altura, era frequentado por uma clientela de pequena burguesia, pacata, nada intelectual, nada literária. Ia para lá para estar sossegada, não estar naquele ambiente dos cafés literários e dos cafés para estudantes. Uns foram atraindo outros para conversarmos. Eu tinha sido colega de liceu do Gonçalo Duarte, pintor, que me disse que ali tinha uma gente interessante, que eu ia gostar. Fui. Tinha conhecido o Manuel de Castro nessa altura também, ainda no liceu. Uns levaram a outros e sentimo-nos mais ou menos unidos por uma atitude existencial e política, de certa

SOFIA MARGARIDA MOTA

A poesia chegou cedo, o acto de dizer não também. Porque bateu o pé contra o sistema, saiu de Portugal para voltar uma e outra vez, para ainda não estar lá, estando. Hélder Macedo é um nome incontornável do passado-presente da literatura portuguesa. Está por estes dias em Macau

26.7.2017 quarta-feira

HÉLDER MACEDO ESCRITOR E INVESTIGADOR

“O importante é sermos capazes de recusar” maneira, que era essencialmente de recusa do ‘status quo’, do salazarismo e até das carreiras literárias, da Brasileira, do espírito de promoção e de autopromoção que havia. No meio disto tudo, aparece lá o Mário Cesariny de Vasconcelos que, nessa altura, era um escorraçado social. Nós conhecíamos a obra dele, tinha publicado um livro ou dois. Gostámos muito dele e ele passou a ir ao Gelo. Ele também atraiu outras pessoas. Criou-se um bocado a ideia de que o Café Gelo era uma espécie de segunda ou terceira leva do surrealismo em Portugal. É e não é. E não é porquê? Todos nós beneficiámos da existência do Surrealismo, como beneficiámos da existência do Orpheu, do Futurismo, dessas coisas todas. Mas, com algumas excepções, nem os pintores, nem os escritores que depois vieram a ter o seu bocado de obra se podem caracterizar, de facto, como surrealistas. Herberto Helder não é um surrealista. É um homem que bebeu, com certeza, do Orpheu, mas bebeu da tradição bárdica do século XIX, bebeu da leitura da Bíblia, como se vê pela poesia dele. O Manuel de Castro era um homem muito interessado pelas coisas esotéricas, mas não era um surrealista. Eu não sou um surrealista. Alguns foram mais directamente influenciados pelo Surrealismo, como o Ernesto Sampaio, por exemplo, um nome de referência, extremamente importante – era a pessoa que, na altura, mais sabia de Surrealismo em Portugal, um excelente escritor. E depois também outros mais associados directamente à influência do Mário Cesariny: o António José Forte, o Virgílio Martinho, embora escrevesse mais prosa. Esses assumiram-se como surrealistas. Mas o Herberto, eu, o Manuel de Castro, não. As pessoas gostam de dar rótulos. Pronto, nada contra. A outra dimensão do Gelo, que é extremamente importante, é a ligação com os pintores. Foram fun-

damentais. Eles foram, de facto, os fundadores do Gelo. O João Vieira, o Gonçalo Duarte, o José Escada, o Costa Pinheiro. Alguns, depois, foram para Paris; outros, como o Costa Pinheiro, para a Alemanha. Reencontraram-se mais tarde em Paris, onde fundaram o KWY. Quando se fala no Gelo, há três Gelos: um inicial, jovens tacteantes; os que saíram e que continuaram lá fora qualquer coisa associada ao espírito do Gelo; e os que ficaram – e esses tornaram-se muito mais ortodoxos surrealistas e ficaram muito mais sob a influência directa do Mário Cesariny. Um notabilíssimo poeta, mas era um senhor que não brincava em serviço. Fingia que não, mas tinha o olho posto na glória póstuma.

“Tínhamos uma atitude de total liberdade em relação à própria sexualidade: cada um dormia com quem quisesse, não era obrigatório nem ser, nem deixar de ser, não entrava no assunto. Isso também era parte da atitude de recusa.” Ele guardava tudo, todos os papéis... E aquela mania surrealista de quem é ortodoxo e quem não é, quem é bom e quem é mau, aqueles catálogos que já em França havia e que deu sempre naquelas proliferações. Mas, se há uma coisa que unificava aquela gente toda, era uma atitude de recusa, o dizer ‘não’, o não querer pactuar política e socialmente, o desrespeitar as normas estabelecidas. A grande revolução que aconteceu no nosso tempo, recentemente, é de facto a afirmação das mulheres, que é uma coisa maravilhosa. A outra é a grande

liberdade sexual, o que é espantoso. Nessa altura, os homossexuais eram perseguidos pela polícia. O Cesariny era humilhado semanalmente porque tinha de ir à polícia dizer que estava a portar-se bem. Nós tínhamos uma atitude de total liberdade em relação à própria sexualidade: cada um dormia com quem quisesse, não era obrigatório nem ser, nem deixar de ser, não entrava no assunto. Isso também era parte dessa atitude de recusa das normas estabelecidas e do sistema. Escrevi um texto que está incluído num livro de ensaios em que uso o título “A Utopia da Negação”: a negação como utopia, como desejo de recusa. O mais importante é sermos capazes de recusar, de dizer não. Os ‘sins’ organizam-se sozinhos, alternativamente. Mas temos de decidir o que não queremos. Se aceitarmos, estamos pactuando no essencial, e isso é que não pode ser feito. Essa atitude vem dessa altura e dessa vivência? Virá dessa experiência. Por outro lado, é uma atitude que levou a esta experiência. Era uma coisa partilhada. Numa loja daquelas muito lisboetas – em que tinha, de um lado, mercearia, e do outro residência do dono – o Manuel de Castro encontrou, na residência, uma coisa impressa que dizia ‘Aqui não se vende’, significando que aquilo não era a loja. O Manuel tirou aquilo e punha diariamente na mesa do café: ‘Aqui não se vende’. A nossa atitude estava, de certa maneira, simbolizada por aquilo. Nós não estamos à venda. Hoje em dia, este tipo de encontros, onde se discute o estado das coisas, da política, da literatura, praticamente não existe. Existe muito menos. É a consequência do desinteresse? Há uma grande proliferação, há muita mais gente que escreve, que pinta, uns bem, outros mal, outros assim-assim. Há uma tentativa um

bocado artificial, em Lisboa, de criar uma espécie de grupos. Por exemplo, as pessoas associadas à Abysmo, uma excelente editora, sentem que são um bocado um grupo, mas é mais difícil. Há uma coisa que, felizmente, falta: a repressão. A polícia, o perigo, o proibido, o risco, as torturas, Caxias, choques eléctricos – havia um elemento de risco que agora não há. Vários dos nossos amigos – e eu – aos 18 ou 19 anos, foram presos e torturados, eram uns adolescentes, miúdos. Ainda bem que não existe. Se se quer ser maldito, é por vontade e não por necessidade. Nós tornámo-nos um bocado malditos por sanidade, porque, no fundo, a recusa era a sanidade, a recusa era portarmo-nos mal. Um termo que é muito usado e abusado – o abjeccionismo – não é tanto no sentido que se dá actualmente, da pessoa se portar abjectamente. Não, o mundo em volta é que era abjecto. Ao recusarmos aquilo estávamos, de algum modo, a fazer uma afirmação positiva através da recusa. O que acho muito interessante é que as gerações mais novas estão agora a recuperar um bocado a mitificação do Gelo com o Pacheco, o


eventos 11

quarta-feira 26.7.2017

endeusar literário também do Mário Cesariny, felizmente com algumas consequências muito positivas que foi a redescoberta do Manuel de Castro, que estava esquecido – um notabilíssimo poeta. Consegui que o João Paulo Cotrim publicasse um livrinho do José Manuel Simões, “Sobras Completas”, toda a obra completa dele que ele considerava importante e que me entregou, num envelope castanho, a última vez que estive com ele em Paris. Morreu um ano depois, não querendo voltar a Portugal. Estive uns bons dez anos até conseguir editor e o Cotrim pu-

“Há uma quantidade muitíssimo maior de gente que escreve. A maior parte é uma porcaria, mas a percentagem dos que têm nível não é, certamente, inferior ao que era.”

blicou. As “Sobras Completas” é um livro muito giro, muito interessante, muito bom. E há outros que podem ser descobertos. Mas está a haver um interesse grande de várias pessoas a escrever sobre o Gelo. Do Gelo à política. Foi secretário de Estado da Cultura no Governo de Maria de Lourdes Pintasilgo, numa altura complicada, no pós-revolução. Tinha trabalhado politicamente contra o regime, foi essa a razão pela qual não podia estar em Portugal. Depois regressei e, em 1975, fui convidado pelo então Governo provisório e aceitei ser Director-Geral dos Espectáculos. O Governo caiu, houve um período de várias semanas sem Governo, sem coisa nenhuma, uma coisa perfeitamente caótica. Para entrar no meu gabinete, que era no Palácio Foz, tinha de pedir licença aos piquetes. Nessa altura, como não havia muito mais que pudesse fazer, decidi publicar umas notas sobre o que poderia ser eventualmente uma política cultural, o que se poderia fazer. E isso foi publicado no Diário de Notícias

que, na altura, era dirigido pelo Saramago. Decidi não continuar, voltei para Londres. No Verão de 1979, eu e a minha mulher fomos de férias a Portugal, de carro, pacatamente. Chegámos a Lisboa, fui ver os meus amigos, que se reuniam no café Montecarlo – o Carlos de Oliveira, o José Cardoso Pires, o Herberto Helder – e o [Augusto] Abelaira diz-me que se falava em mim para secretário de Estado da Cultura. Ri-me muito e disse-lhe: ‘Ah, e fala-se de si para ministro da Saúde’. Quando cheguei a casa dos meus pais, à noite, um telefonema a convidar-me. Fiquei muito surpreendido. O que deve ter acontecido foi que a Maria de Lourdes deve ter lido essas notas, achou que a coisa fazia algum sentido e decidiu convidar-me. Era um Governo provisório, diziam que era 100 dias mas afinal foram cinco meses, foi pouco tempo e, como tal, aceitei. Nunca quis ter uma carreira política. Devo ter sido a única pessoa em Portugal que foi director-geral e membro do Governo e que não tem um chavo de pensão de coisa nenhuma. Portanto, nunca quis coisa nenhuma e

“Ponho-me nesse hipotético Hélder Macedo a contracenar com gente que não existe. A estratégia é dar credibilidade à ficção, mas, por outro lado, torna fictício o narrador.” queria, precisamente, ter a minha total independência. Depois de o Governo se ir embora, tive três convites para deputado, de vários partidos. Recusei, não quis ter uma carreira política. Mas alguma coisa foi feita e que, depois, por ódio pessoal do Sá Carneiro à Maria de Lourdes Pintasilgo, foi apagada. O que é que foi apagado? Para já, uma coisa sem precedentes na democracia: suspenderam em bloco todos os actos que podiam ser suspensos do Governo da Maria de Lourdes Pintasilgo. Não só

na cultura – nos serviços sociais, no trabalho. Tudo suspenso, para tornar a coisa uma espécie de não-Governo, o que é ideológico porque a Maria de Lourdes, sendo católica, tinha um programa muitíssimo mais à esquerda do que o Partido Socialista. Por outro lado, era uma posição antifeminista por ser mulher, que ainda por cima vivia com outra mulher. Na área da cultura posso dizer três coisas: quem criou o Museu de Arte Moderna no Porto foi o Governo da Maria de Lourdes numa sessão pública onde eu estava. Este projecto ficou parado durante uns tempos e depois foi reaproveitado pela Maria Teresa Gouveia, que criou Serralves. A origem de Serralves foi a negociação que fiz em mandar para o Porto, instalado provisoriamente no Museu Soares dos Reis, a colecção de arte moderna do Estado. Uma outra coisa que fizemos foi a compra do prédio da Cinemateca de Lisboa. São coisas que não puderam ser destruídas porque já havia investimento de dinheiro e não se podia recuar. O que fizeram foi obliterar a origem. É impensável que na Cinemateca, que foi um prédio comprado com a minha assinatura, não haja uma referência que esta aquisição foi feita no Governo da Maria de Lourdes. Também não é aceitável que, em Serralves, na sua proto-história, não seja mencionado o mesmo facto. Outra coisa que deixei organizado, e que depois foi feito pelo João de Freitas Branco, foi uma planificação dos teatros nacionais, incluindo a compra do Teatro de São João. Mas isto foi bloqueado mesmo porque foi a tempo. Depois do 25 de Abril houve um painel em que 48 pintores, desde o Pomar ao Escada, pintavam um dos 48 quadrados que faziam o painel. Era um painel fascinante que era, no fundo, a história da pintura moderna portuguesa. Este painel estava instalado no centro de exposições de um pequeno museu em Belém. O director deste museu era o João Vieira, que me disse que as instalações eléctricas naquele local estavam muito precárias. Fiz um despacho para que o espaço fosse encerrado, para que pudéssemos fazer as reparações. O meu sucessor no cargo, como o fecho tinha sido um acto do Governo anterior, mandou abrir o local. O resultado foi que ardeu e o painel desapareceu. Isto é um exemplo anedótico, mas trágico. É pena porque algumas coisas podiam ter ficado melhor, e não ficaram. A planificação da rede nacional de teatros podia ter sido feita. De qualquer forma, o que isto significa é que existiu essa atitude de antagonismo em relação ao Governo da Maria de Lourdes Pintasilgo e do que ela representava. Isso também se manifestou uns anos depois, quando foi candidata à Presidência. Trabalhei com ela nisso Continua na página seguinte


12 eventos

26.7.2017 quarta-feira

O que falta hoje em dia à cultura em Portugal? Sou um optimista. Se vivesse em Portugal, se calhar, irritava-me mais. Há sem dúvida mais gente que lê, há uma quantidade muitíssimo maior de gente que escreve. A maior parte é uma porcaria, mas a percentagem dos que têm nível não é, certamente, inferior ao que era. O que há, talvez, é uma grande confusão entre qualidade e quantidade. Tornam-se também grandes sucessos literários pessoas cuja obra não o merece. Mas isto é um fenómeno que acontece em muitos países. Sem citar nomes, se falarmos de escritores que são celebrados como grandes escritores, muitos deles não valem nada. Há outros, menos celebrados, e que são muito bons, mas os escritores excepcionais são poucos em toda a parte. O mesmo acontece na pintura, por exemplo. Há uma democratização da criatividade literária e artística, o que não significa que haja um abaixamento de nível. O que há é gente de baixo nível que produz e que dantes não havia. Se calhar, e sendo optimista, quantidade também pode gerar qualidade. Das pessoas que dantes não tinham acesso nenhum à cultura, agora há mais que o têm e que vão produzindo coisas que se calhar são boas e que, noutras circunstâncias, nunca teriam produzido. A minha atitude é muito mais positiva do que a dos meus amigos em Portugal. Há de tudo e o facto de haver gente que lê aquela péssima literatura de aeroporto, e que compra livros no supermercado, significa que pelo menos lêem. O que faz falta em Portugal é crítica literária. Paradoxalmente, no tempo do Salazar, os jornais portugueses tinham uma coluna de crítica literária. Não era só no Diário de Notícias, mas todos

to que havia. Misturei os dois e os filhos do abnegado cortaram relações comigo. O inspector da PIDE que também aparece nesse livro e que acabou por salvar, na verdade, São Tomé, é também a fusão de dois que conheci. Também uso a primeira pessoa com muita frequência na minha narrativa e na minha ficção, mas continua a ser uma ficção. Ponho-me nesse hipotético Hélder Macedo a contracenar com gente que não existe. A estratégia aí é dar credibilidade à ficção, mas, por outro lado, torna fictício o narrador. Na poesia é diferente. Escrevo pouca poesia. Não sou um poeta que escreve habitualmente. Costumo escrever poesia em tempos de viragem. É uma coisa interna.

SOFIA MARGARIDA MOTA

e tive várias reuniões, mesmo com militares, e houve uma mudança de atitude porque não aceitavam a ideia de que uma mulher pudesse ser a pessoa que comandava as forças armadas.

Apoesia é uma coisa muito íntima? É. E é necessário ter muita cautela para não nos envergonharmos em público.

os jornais de Lisboa e do Porto tinham as suas páginas literárias, coisa que agora não existe. Começou por estudar Direito. Foi, mas não acabei o curso porque tive de sair de Portugal a meio. Depois da campanha do General Delgado, envolvi-me numa intentona, as pessoas começaram a ser presas e tive de sair. E como é que apareceu a literatura? Desde pequenino. A minha mãe gostava muito de poesia, lia-me poesia, fazia-me decorar “os boizinhos” do Afonso Lopes Vieira e eu comecei a escrevinhar poesia com uns 11 anos. Fazia umas rimazitas. Naquela altura fazia três coisas: escrevia poesia, andava de bicicleta e jogava futebol. A sua escrita é biográfica, especialmente a poesia.

Os romances não são biográficos, com excepção de “Partes de África”, que tem elementos autobiográficos, mas também tem falsificações. Conto como se tivesse acontecido, mas não aconteceu. Dava-me jeito, em termos de narrativa, que tivesse acontecido, o que acabou por me dar problemas porque há algumas personagens que são fusões de possibilidades de ser. É o caso de um médico que é a fusão entre um médico abnegado que conheci e um médico corrup-

“O desenvolvimento da língua portuguesa é, obviamente, parte de uma política chinesa. Terão as suas razões, mas a nós também dá jeito.”

Estamos em pleno encontro da Associação Internacional de Lusitanistas (AIL). Como é que vê este congresso, o primeiro a Oriente? Quem primeiro sugeriu que fosse em Macau, fui eu. Fui presidente da AIL, depois foram simpáticos e elegeram-me presidente honorário, que é uma óptima posição: uma pessoa manda bocas e não tem de fazer nada (risos). Sempre achei que era fundamental sair da Europa. Como presidente e com o Carlos André como secretário-geral, planeámos depois de um congresso em Oxford fazer uma coisa no Rio de Janeiro. Foi a primeira vez que o congresso aconteceu fora da Europa. Mais tarde, fez-se nos Estados Unidos e depois achámos que era importante fazer em África, e acabou por acontecer em Cabo Verde que, simbolicamente, estava muito bem. A Universidade tinha acabado de ser criada. Depois disso, o passo óbvio era o Oriente. Aí a minha ideia era de que, entre os dois sítios óbvios – Goa e Macau – a escolha fosse Macau, devido

à atitude dos chineses. Enquanto em Goa a língua portuguesa foi obliterada tendo tido raízes muito mais fundas do que, alguma vez, teve em Macau, aqui é mantida. Não será muito desenvolvida, mas é mantida. É até é política oficial que podemos ver nos nomes das ruas, nos documentos oficiais. É assumidamente, uma das línguas oficiais e isso é uma atitude inteiramente diferente da atitude indiana. Seria estúpido não escolher Macau. Até como uma afirmação política em relação à Índia. Não é que em Goa tenham obliterado as línguas europeias. Não. O português foi substituído por outra língua colonial, o inglês. Ora, se se mantém uma língua colonial, porque diabo de razão vão destruir uma presença cultural que lá esteve durante 500 anos? Estão a chular a história de Portugal com os monumentos, com as igrejas, retirando a identidade que fazia parte daquela gente e daquela cultura, muito mais do que aqui em Macau. Estas são as razões negativas. Como razões positivas, quando cá vim há quatro anos, a minha ideia era, precisamente, negociar a hipótese de Macau. Fui recebido pelo presidente do Instituto Politécnico de Macau que acolheu imediatamente a ideia, fala um português perfeito, lê Camões e deu-nos condições extraordinárias. A proposta acabou por ser feita em Cabo Verde com muito boas condições. Pode não atrair tanta gente como outros congressos, devido à distância. Tivemos a desistência de umas 40 pessoas do Brasil, 15 dias antes de o congresso começar devido à crise, mas ainda assim, estamos com cerca de 150 pessoas. Na sessão de abertura, a presença do Governo foi notável. O desenvolvimento da língua portuguesa é, obviamente, parte de uma política chinesa. Terão as suas razões, mas a nós também dá jeito. Sofia Margarida Mota (com I.C.) info@hojemacau.com.mo

PUB

COMISSÃO DE REGISTO DOS AUDITORES E DOS CONTABILISTAS

Aviso Torna-se público que já se encontra finalizada a correcção da primeira prestação das provas para a inscrição inicial e revalidação de registo como auditor de contas, contabilista registado e técnico de contas, realizadas no ano de 2017 nos termos do disposto na alínea 3) do artigo 1º do Regulamento da Comissão de Registo dos Auditores e dos Contabilistas, pela referida Comissão. Os respectivos resultados serão notificados aos interessados até ao dia 28 de Julho, solicitando-se aos mesmos que contactem com a Sra. Wong, através do nº 85995343 ou 85995342, caso não recebam a mencionada notificação. Direcção dos Serviços de Finanças, aos 12 de Julho de 2017 O Presidente do Júri, Iong Kong Leong

ANÚNCIO CONCURSO PÚBLICO N.o 28/P/17 Faz-se público que, por despacho do Ex.mo Senhor Secretário para os Assuntos Sociais e Cultura, de 7 de Julho de 2017, se encontra aberto o Concurso Público para «Fornecimento de Instalação de Dois (2) Sistemas de Anestesia e dos Respectivos Monitores aos Serviços de Saúde», cujo Programa do Concurso e o Caderno de Encargos se encontram à disposição dos interessados desde o dia 26 de Julho de 2017, todos os dias úteis, das 9,00 às 13,00 horas e das 14,30 às 17,30 horas, na Divisão de Aprovisionamento e Economato destes Serviços, sita no 1. º andar, da Estrada de S. Francisco, n.º 5, Macau, onde serão prestados esclarecimentos relativos ao concurso, estando os interessados sujeitos ao pagamento de MOP41,00 (quarenta e uma patacas), a título de custo das respectivas fotocópias (local de pagamento: Secção de Tesouraria dos Serviços de Saúde) ou ainda mediante a transferência gratuita de ficheiros pela internet no website dos S.S. (www.ssm.gov.mo). As propostas serão entregues na Secção de Expediente Geral destes Serviços, situada no r/c do Centro Hospitalar Conde de São Januário e o

respectivo prazo de entrega termina às 17,45 horas do dia 28 de Agosto de 2017. O acto público deste concurso terá lugar no dia 29 de Agosto de 2017, pelas 10,00 horas, na“Sala Multifuncional”, sita no r/c da Estrada de S. Francisco, n.º 5, Macau. A admissão a concurso depende da prestação de uma caução provisória no valor de MOP34 000,00 (trinta e quatro mil patacas) a favor dos Serviços de Saúde, mediante depósito, em numerário ou em cheque, na Secção de Tesouraria destes Serviços ou através da Garantia Bancária/ Seguro-Caução de valor equivalente. Serviços de Saúde, aos 20 de Julho de 2017. O Director dos Serviços Lei Chin Ion


china 13

quarta-feira 26.7.2017

A

sede do Fundo Monetário Internacional (FMI) poderá ser transferida para a China daqui a dez anos, reflectindo o crescente poder económico do país, declarou ontem Christine Lagarde, directora-geral da instituição. “Se estivéssemos a ter esta conversa daqui a dez anos, poderíamos não estar sentados em Washington. Estaríamos na nossa sede central em Pequim”, afirmou Lagarde, numa conferência no centro de estudos Center for Global Development, na capital dos Estados Unidos. Lagarde afirmou que a mudança é “uma possibilidade”, já que os estatutos do FMI referem que a sede da instituição deve estar instalada na maior economia do mundo. No entanto, a francesa afirmou que para que isso aconteça, a China deve cumprir “os compromissos” de abertura e maior transparência do seu sistema financeiro. A sede do FMI, organismo criado em 1944, encontra-se desde a fundação em Washington. Os Estados Unidos contam actualmente com a maior percentagem de votos na instituição, o que implica o direito de veto. O crescente peso das economias emergentes, sobretudo da China, aumentou a pressão sobre

FMI SEDE PODE MUDAR-SE PARA A CHINA DAQUI A DEZ ANOS

Liderança à vista o FMI para que dê mais voz a estes países, como reconhecimento da sua cada vez maior influência global. A China é a segunda maior economia do mundo, a seguir aos Estados Unidos, e nas últimas três décadas cresceu a um ritmo de quase 10% ao ano, num “milagre” sem precedentes na História moderna. Os economistas esperam que o Produto Interno Bruto chinês supere o dos Estados Unidos ao longo da próxima década. Em outubro passado, a moeda chinesa, o renminbi, aderiu formalmente ao cabaz de moedas do FMI, um instrumento criado pela instituição com a finalidade de permitir liquidez aos países-membros.

MOTOR PARA O MUNDO

Por outro lado, “o crescimento da China continuará a ser um dos principais motores para uma recuperação firme da economia mundial”, disse na segunda-feira o economista-chefe do FMI. Maurice

Sun apagado

Favorito à sucessão investigado por corrupção

O

secretário do Partido Comunista da China (PCC) na cidade central de Chongqing e ex-ministro, Sun Zhengcai, visto como um dos possíveis sucessores do Presidente chinês, Xi Jinping, vai ser investigado por corrupção, revelou ontem o partido. Membro do Politburo do PCC, o poderoso grupo de 25 membros que dirige os desígnios do partido, Sun foi acusado de “graves violações de disciplina”, eufemismo com o qual se alude no partido a presumíveis práticas de corrupção. Esta é a primeira investigação interna contra um membro do Politburo em cinco anos. O político, ministro da Agricultura entre 2006 e 2009, foi afastado de surpresa do seu cargo em Chongqing no passado dia 15 de Julho, tendo sido substituído por Chen Miner, ex-chefe de propaganda do Presidente Xi Jinping. Sun tem 53 anos e é um dos membros mais jovens

Sun Zhengcai

do Politburo, pelo que se situava entre os grandes favoritos a ascender a cargos de relevância no Estado, que o partido prepara para Outubro ou Novembro próximos. Será nessa altura celebrado o XIX Congresso do PCC, no qual se prevê que sejam nomeados novos líderes para vários organismos de poder, no período determinante que

Obstfeld, conselheiro económico e director de pesquisa do FMI, fez os comentários quando o FMI reviu as previsões de crescimento da China de 2017 e 2018 para 6,7% e 6,4%, respectivamente. O relatório actualizado da Perspectiva Económica Mundial, publicada na segunda-feira em Kuala Lumpur, capital da Malásia, que veio dias depois da China ter

divulgado o seu desempenho do segundo trimestre mais forte do que o esperado, foi uma reflexão do primeiro trimestre sólido, apoiado pelo alívio político anterior e reformas no lado da oferta, incluindo os esforços para reduzir o excesso de capacidade no sector industrial, referiu o FMI. “Observamos um crescimento muito forte e, especialmente, maior

que nossa actualização, o número do segundo trimestre de 6,9% também supera as expectativas. Claramente o crescimento está a avançar”, assinalou Obstfeld. “O forte crescimento chinês impulsiona o crescimento, particularmente na região asiática, mas também em todo o mundo”, referiu, notando que a China é um grande contribuinte para o crescimento geral e tem um efeito de arrasto muito extenso na economia mundial. “É muito significativo para a economia mundial que a China não apenas cresça com uma taxa forte, como também cresça de forma estável, de forma confiável sem grandes flutuações”, destacou Obstfeld. O economista expressou as preocupações do FMI com o crescimento impulsionado por crédito da China e algumas vulnerabilidades nos seus sistemas financeiros que podem desacelerar o crescimento, mas também apontou que o governo chinês reconheceu claramente essas questões e tomou acções concretas. A recente coordenação intensificada entre o Banco Popular da China e o Conselho de Estado na supervisão financeira “é um grande avanço” que levará a uma supervisão mais efectiva dos mercados financeiros, acrescentou.

PUB

antecede a sucessão de Xi Jinping à frente do partido e do Governo, prevista para 2022-23. Ainda que o perfil autoritário e personalista do Governo de Xi Jinping tenha demovido grande parte dos analistas a fazer demasiadas especulações sobre a renovação política na China, dois nomes têm aparecido com frequências entre os favoritos: o de Hu Chunhua, líder do PCC na província de Cantão e o de Sun, agora descartado. Sun liderava a política da cidade de Chongqing, uma das maiores do país, desde 2012, quando um dos seus antecessores no cargo, Bo Xilai, foi implicado num escândalo de corrupção e assassinato que lhe custou uma condenação a prisão perpétua. Sun Zhengcai havia sido nomeado ao cargo em Chongquing para limpar a cidade após o mandato de Bo Xilai. Mas em Fevereiro inspectores do Partido reprovaram a sua falta de resultados, primeiro sinal de sua queda.

ANÚNCIO “Fornecimento de plantas ao IACM” Concurso Público n° 25/SZVJ/2017 Faz-se público que, por deliberação do Conselho de Administração do IACM, tomada em sessão, de 7 de Julho de 2017, se acha aberto concurso público para a “Fornecimento de plantas ao IACM”. O programa do concurso e o caderno de encargos podem ser obtidos, todos os dias úteis e dentro do horário normal de expediente, no Núcleo de Expediente e Arquivo do Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais (IACM), sito na Avenida de Almeida Ribeiro nº 163, r/c, Macau. O prazo para a entrega das propostas termina ao meio dia do dia 14 de Agosto de 2017. Os concorrentes ou seus representantes devem entregar as propostas e os documentos no Núcleo de Expediente e Arquivo do IACM e prestar uma caução provisória no valor de MOP1.000,00 (Mil patacas). A caução provisória pode ser entregue na Tesouraria da Divisão de Contabilidade e Assuntos Financeiros do IACM, sita na Avenida de Almeida Ribeiro nº 163, r/c, Macau, por depósito em dinheiro, cheque ou garantia bancária, em nome do “Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais”. O acto público de abertura das propostas realizar-se-á no auditório da Divisão de Formação e Documentação do IACM, sita na Avenida da Praia Grande, nº 804, Edf. China Plaza 6º andar, pelas 10:00 horas do dia 15 de Agosto de 2017. Macau, aos 20 de Julho de 2017. O Administrador do Conselho de Administração Leong Kun Fong WWW. IACM.GOV.MO


14

h

26.7.2017 quarta-feira

Esmaltado vaso de cores. Âmbar espesso O vinho goteja como pérolas rubras. na ordem do dia Julie O’yang

热风

Abriu a caça ao urso na China

A

sede de censura da China a tudo o que está online, fez a sua última vítima: Winnie the Pooh.  Para os media chineses, Winnie the Pooh passou nos últimos quatro anos de ursinho inocente a meme com conotações políticas. Como o ursinho aparece em todo o lado no Weibo, os censores estão outra vez muito ocupados a seguir-lhe o rasto, para apagarem a sua irreverente imagem. Esta ‘caça ao urso’, praticada online, fez do Little Pooh um símbolo da resistência à censura. No passado dia 15, Wang Xiaochuan, Director Executivo do motor de busca chinês Sogou, postou uma imagem de Winnie the Pooh na sua conta do Weibo só com esta legenda, “Little Pooh, bora lá”. Dos 2,7 milhões dos seus seguidores, 500 fizeram gosto e 200 partilharam o post. Não parece nada de muito especial – mas durante os últimos anos, na China, o pequeno Pooh passou a ser um meme político mais do que simplesmente um urso fofinho da Disney.

O bloqueio do Winnie the Pooh pode parecer uma jogada bizarra por parte das autoridades chinesas, mas na verdade faz parte da cruzada para impedir que os bloggers mais espertos contornem a censura institucional As parecenças do urso com o Presidente chinês Xi Jinping, são assustadoras. É preciso tê-los no sítio para postar o Pooh, porque caso contrário arranja-se problemas para si próprio, para a família e para o negócio. Winnie the Pooh tornou-se de tal forma ameaçador que muitos posts com o nome do urso, ou com a sua imagem, foram retirados do Weibo e do Wechat. Também fez com que muita gente passasse a escrever posts que, de alguma forma, incluíam o Winnie só para testar se eram apagados. Apesar do Financial Times ter anunciado com detalhes o processo de “supressão” do Winnie the Pooh na China, muitos destes posts ainda circulam, desencadeando discussões nas plataformas sociais sobre o que está e o que não está ‘harmonizado’ (censurado). O bloqueio do Winnie the Pooh pode parecer uma jogada bizarra por parte das autoridades chinesas, mas na verdade faz parte da cruzada para impedir que os bloggers mais espertos contornem a censura institucional.


ARTES, LETRAS E IDEIAS 15

quarta-feira 26.7.2017

Diário de um editor João Paulo Cotrim

Cadeiras que não se sentam FACEBOOK, NENHURES, 15 JULHO Morreu Martin Landau, mas não morrerá nunca o comandante John Koening, da base lunar Alpha, que continuará eternamente a navegar nas galáxias da infância a enfrentar o diferente, o estranho, o obscuro, o enigmático, o colorido, o fantasioso. A morte dele faz as vezes do acidente que libertou a Lua da monotonia da órbita terrestre, na série «Space: 1999». Desataram a surgir das mais insuspeitas idades as memórias selvagens: os primeiros telemóveis, a arma de ergonómico desenho, os impolutos uniformes, a mais simbólica das naves, as figuras do beato erotismo, a omnipresente tecnologia. A série nem durou assim tanto, mas espantou-me a quantidade de gente que de imediato saltou para o recreio sentado das redes sociais. Interessa-me muito que Landau seja um fracassado, apesar do êxito. Que papel representou com artística relevância? Um ou outro na série Missão Impossível? O de Judah, para o Woody Allen de «Crimes e escapadelas»? O fracasso conserva uma potência, uma energia por acontecer: capaz de desviar órbitras ou de nos obrigar a rever as ideias feitas sobre os trilhos do sucesso. (Noutra vida, tratarei de investigar as relações, nos efeitos especiais e cenografia, entre o «2001: Odisseia no Espaço», de Kubrik, e a série. Além do dois-pontos, o sinal que anuncia sempre mais, uma janela, uma porta.) Nisto das memórias, interessa menos a qualidade da obra que as desperta que a sua capacidade de nos atirar para as pradarias da brincadeira, de activar a insaciável capacidade de imaginar, de prolongar em nós as histórias, de as experimentar logo ali, antes do lanche. Por falar nisso, a sempre atenta Biblioteca Nacional de Portugal inaugura, em breve, exposição sobre «Os Cinco», de Enid Blyton. Voltaremos ao assunto, enquanto comemos scones. HORTA SECA, LISBOA, 17 JULHO A incansável Isabel Castanheira tirou do forno mais um colorido azulejo com que anda a forrar (colorir e proteger) a vida farfalhuda do criador do Zé Povinho. Desta vez, «Rafael Bordalo Pinheiro à Sombra dos Plátanos» (ed. Gazeta das Caldas) recolhe as referências ao ceramista nas páginas da Gazeta das Caldas, dos anos de 1925 a 1927 (mais uns anexos que, além do tema primeiro, definem o lugar exacto em Lisboa onde Rafael nasceu, para não deixar propagar dúvidas). Daqui se retira, se preciso fosse, que não é de hoje a atenção da terra ao artista, nas suas mais variadas facetas, a do empreendedor fabril, a do desenhador de humor ou a da personalida-

de pública, desde cedo objecto de culto. Curioso, o modo como aqui e ali a reflexão sobre o mestre contamina outros artistas locais, como Herculano Elias. O período justifica-se pela inauguração do busto (15 de Maio de 1927) com que Teixeira Lopes o imortalizou. Não deixa de ser divertido imaginar com que traços pintaria o humor bordaliano este nosso fascínio por monumentos e solenidades e homenagens. MYMOSA, LISBOA, 18 JULHO Recebo das mãos do autor e à mesa, como convém, «O Inspector da Pide Que Morreu Duas Vezes», que sublinha com subtítulo para soltar com clareza o perfume: «E Outras Gaffes, Triunfos e Episódios Memoráveis do Século XX na Imprensa Portuguesa» (ed. Planeta). O Gonçalo [Pereira Rosa] anda a escrever, em blogue (http://ecosferaportuguesa. blogspot.pt/) e agora em dois volumes, uma saborosa história do jornalismo nacional. Sabemos que a dita História já não se faz assim, exige o olhar de deus, em panorama, sobre o movimento dos grandes e invisíveis modos, que ora se faz vertiginosamente vagaroso ora pesadamente galopante. Sem perder o demónio dos detalhes, das vozes, das figuras, dos conceitos, das palavras, que também se recolhem ao esquecimento ou se afiguram novas. A frescura deste olhar está na escolha, sem a preocupação de, neste momento, lhe dar outro sentido que não o da: curiosidade jornalística (vede acima a justificação para o uso de dois pontos aqui em baixo). Através da leitura de fontes ainda vivas, da recolha de documentos antes mortos, da fora de moda conversa com protagonistas, o rigor fica assegurado. Depois vem o cumprimento escrupuloso das vetustas regras que ajudavam a leitura, sem perder o mistério, e servem a limpidez de uma escrita ainda assim aventurosa. Entramos nas redacções, nas cabeças, na mão de enormes repórteres, de grandes directores e também de alguns canalhas, que desta massa se molda o humano. E nada sei de mais humano que o jornalismo. Enervo-me com a cegueira da figura sinistra, que espreita: a censura. Apesar do sobejamente divertidos que são casos como «Não se mistura Salazar com o ié-ié». O ditador moribundo não pode conviver na proximidade gráfica de uma manchete sobre a música da juventude, do mesmo modo que está proibido de se mostrar velho ou de bengala. Divirto-me com as mortes e romances e esqueletos inventados pelo Repórter X, afinal mais escritor, Reinaldo Ferreira. Comovo-me com a viagem a Chiapas, e primeiríssima entrevista ao Comandante Marcos, do grande (e mal esquecido)

Luís Alberto Ferreira. Todos criticamos o jornalismo que se vai fazendo, mas Gonçalo não diz, antes trata de fazer. SALGADEIRAS, LISBOA, 20 JULHO Vejo na cadeira uma das grandes criações humanas. Um corpo que se sabe sentar desenha-se degrau exacto para ligar terra e céu. Um corpo que se sabe sentar mexe-se melhor, vai mais longe, ainda que não saia nunca dali, de si. Bem me diziam o Cláudio [Garrudo] e a Ana [Matos], vizinhos dos próximos, que a sua Galeria das Salgadeiras esta-

Vejo na cadeira uma das grandes criações humanas. Um corpo que se sabe sentar desenha-se degrau exacto para ligar terra e céu

va irreconhecível com esta viagem fotográfica (e de instalação) do Antoine Pimentel em torno do «ciclo de vida de uma ideia» a que chamou «Internato». (Exemplo na página e mais em www. salgadeiras.com). Que há de mais livre que uma ideia? Prendê-la no circuito fechado de um internato, quaisquer que sejam as razões, de reeducação política e aprendizagem moral, por exemplo, será sempre crime inútil. Somos avisados disso mesmo com um quadro que enquadra apenas uma maneira baça de ver, sem conseguir evitar a transparência. Um lençol nuvem em vermelho que nos ameaça com a queda e outro negro que avisa da inutilidade das paredes enquadram o tremendíssimo drama que por ali acontece. Uma cadeira descobre que o chão que pisa em queda se desfaz em cor. Uma cadeira inclina-se na sombra. Enquanto se passa tudo isto no nosso olhar, outra cadeira está suspensa e presa por paralelos e meridianos às quatro paredes. E se os objectos fossem ideias? A exposição fica a atormentar até Setembro. Ainda dá tempo.


16 publicidade

26.7.2017 quarta-feira


(f)utilidades 17

quarta-feira 26.7.2017

TEMPO

MUITO

?

NUBLADO

O QUE FAZER ESTA SEMANA Diariamente EXPOSIÇÃO | “MY HANDS MOLD MY THOUGHTS” DE WU HIN LONG Macau Art Garden Até 27/8

MIN

27

MAX

31

HUM

70-95%

EURO

9.40

BAHT

EXPOSIÇÃO “PARA BAIXO E PARA CIMA” DE DENIS MURELL Até 26/7 EXPOSIÇÃO “NEW ART PEOPLE PROJECT 2017: BOUNDLESS 4” Armazém do Boi | Até 13/8 EXPOSIÇÃO “CONSTELLATION” DE NICOLAS DELAROCHE Galeria do Tap Seac | Até 08/10

O CARTOON STEPH

SOLUÇÃO DO PROBLEMA 85

C I N E M A

DISPICABLE ME 3 SALA 1

PRIPARA THE MOVIE 2017 [A] FALADO EM CANTONÊS LEGENDADO EM CHINÊS Fime de: Okubo Ismale 14.00, 17:00

DISPICABLE ME 3 [A] FALADO EM CANTONÊS Fime de: Pierre Coffin, Kyle Balda, Eric Guillon 15.15, 20.05

MEOW [B] FALADO EM CANTONÊS LEGENDADO EM CHINÊS E INGLÊS Fime de: Benny Chan Com: Louis Koo, Mary Ma, Jessica Liu, Andy Huang 18.15

SPIDER MAN: HOMECOMING [B] Fime de: Jon Watts

Com: Tom Holland, Robert Downey Jr., Michael Keaton 21.45 SALA 2

WAR FOR THE PLANET OF THE APES [B] Fime de: Matt Reeves Com: Woody Harrelson, Sara Canning, Judy Greer 19.15, 21.45

PROBLEMA 86

UM DISCO HOJE

SUDOKU

DE

EXPOSIÇÃO “DESTROÇOS” DE VHILS Oficinas Navais, nº. 1 | Até 31/11

Cineteatro

1.19

OITO MESES

EXPOSIÇÃO “MAZU” DE GIULIO ACCONCI Até 27/7

EXPOSIÇÃO “A ARTE DE ZHANG DAQIAN” Museu de Arte de Macau | Até 5/8

YUAN

PÊLO DO CÃO

EXPOSIÇÃO “A SIBÉRIA E O LAGO BAIKAL” DE ANDY LAO

EXPOSIÇÃO “O MAR” DE ANA MARIA PESSANHA Casa Garden | Até 31/08

0.24

Quase a gestação de um feto humano. Cheguei a Macau há oito meses, no final de Novembro, seduzido por um mescla que circunstâncias que fazem os povos mover-se pelo globo. O tempo nesta terra galopa a uma velocidade avassaladora, como uma sucessão de diapositivos que se mesclam num quadro abstracto. Ainda assim, estes oito meses foram fecundos em focagens e definição. O sentimento de aldeia agravou-se, principalmente no que às pessoas diz respeito. Já a pequena cidade agiganta-se, com mistérios indizíveis pavimentados a história, como se os fantasmas do passado partilhassem os mesmos passeios. Macau acolhe com uma negligência absoluta, sem olhar directamente nos olhos, recebe de braços pendidos, ainda assim acolhe faustosamente. Passado o constrangimento inicial, abre-se de par em par, com mesa e cama. É uma anfitriã que deixa o visitante entregue aos seus desígnios, até que este ache santuário nas suas ruelas, se abrigue nas suas arcadas e se transporte pelos seus aromas. Seduz com ligeireza, atrai com desapego e mistério e prende o indefeso visitante num despropósito de ternura desmazelada. Quase uma gestação humana na cidade dos piratas, oito meses de vagabundagem na profusão de aldeias reunidas à beira do Mar da China Meridional. As solas dos meus sapatos pedem mais. João Luz

FOUR-CALENDAR CAFÉ | COCTEAU TWINS

Para uma certa geração, para algumas pessoas de uma certa geração, Cocteau Twins é sinónimo de uma certa inocência, dos tempos em que tudo era ainda possível. “Four-Calendar Café”, lançado em 1993, representa, de certo modo, a rendição dos Cocteau Twins a sonoridades mais pop, ainda assim etéreas. A inconfundível voz de Elisabeth Fraser entoa letras mais perceptíveis, para fã decorar e cantar. Um bom disco, do início ao fim, rematado com um puríssimo “Pur”. João Luz

SALA 3

CARS 3 [A] FALADO EM CANTONÊS Fime de: Brian Free 14.00, 16.00, 18.00, 20.00

MEOW [B] FALADO EM CANTONÊS LEGENDADO EM CHINÊS E INGLÊS Fime de: Benny Chan Com: Louis Koo, Mary Ma, Jessica Liu, Andy Huang 22.00

www. hojemacau. com.mo

Propriedade Fábrica de Notícias, Lda Director Carlos Morais José Editores Isabel Castro; José C. Mendes Redacção Andreia Sofia Silva; Sofia Margarida Mota Colaboradores António Cabrita; Anabela Canas; Amélia Vieira; António Falcão; António Graça de Abreu; Gonçalo Lobo Pinheiro; João Paulo Cotrim; João Maria Pegado; José Drummond; José Simões Morais; Julie O’Yang; Manuel Afonso Costa; Maria João Belchior (Pequim); Michel Reis; Paulo José Miranda; Paulo Maia e Carmo; Rui Cascais; Rui Filipe Torres; Sérgio Fonseca; Valério Romão Colunistas António Conceição Júnior; André Ritchie; David Chan; Fa Seong; Fernando Eloy; Jorge Rodrigues Simão; Leocardo; Paul Chan Wai Chi; Paula Bicho; Rui Flores; Tânia dos Santos Cartoonista Steph Grafismo Paulo Borges, Rómulo Santos Ilustração Rui Rasquinho Agências Lusa; Xinhua Fotografia Hoje Macau; Lusa; GCS; Xinhua Secretária de redacção e Publicidade Madalena da Silva (publicidade@hojemacau.com.mo) Assistente de marketing Vincent Vong Impressão Tipografia Welfare Morada Calçada de Santo Agostinho, n.º 19, Centro Comercial Nam Yue, 6.º andar A, Macau Telefone 28752401 Fax 28752405 e-mail info@hojemacau.com.mo Sítio www.hojemacau.com.mo


18 opinião

26.7.2017 quarta-feira

a outra face

Identidade PIERRE SOULAGES, COMPOSIÇÃO EM AZUL, 1982 (PORMENOR)

O

farol não é um farol como cada uma destas palavras não é palavra. Sabemo-lo desde Magritte. Mas o farol que ilumina a minha cidade deveria iluminar a minha cidade e proteger os barcos dos escolhos e dos tapetes de lodo, nas margens amarronadas do Delta das Pérolas. Infelizmente, isso não acontece porque deixou de acontecer. O farol gira, volta após volta, mas não ilumina: o seu estreito fio não chega ao mar, ainda menos ao coração dos homens. Esbarra em prédios, entra janelas adentro, grandes bolas de luz percorrem apartamentos. Onde pára a luz do meu farol? Por que esquinas te perdestes, em que espelhos te miraste, estreito fio de luz? Vi-te nos olhos de alguém, mas foi um relance, um clarão repentino, daqueles que é suposto iluminarem a vida e depois se extinguem entre duas aspirações. Pois é. Basta uma distracção, um outro brilho que passa, o fumo de um automóvel nas narinas e logo o estreito fio de luz se esvai e vai por certo a essa terra onde repousarão os faróis obsoletos, perto de outros elefantes. Será ilha ou mera península? Por onde andas, meu estreito fio de luz? Perdi-te tantas vezes por estas ruas, nas travessas, em falsos becos. Talvez por isso perdeste importância e a tua luz esmoreceu e outras luzes ávidas tomaram o teu lugar. São às cores, embasbacam mais. Haverá mais gente que as prefira ou até adore a complexidade das grinaldas, dos buquês casamenteiros, o alarido dos led, dos néons, de todas essas luzes de sabão. Qual era o encanto, afinal, daquele estreito fio de luz, a rodopiar sem descanso, enquanto a noite cobria o mundo? Era sinal de protecção, uma varinha de condão sobre a cidade? Talvez...

CARLOS MORAIS JOSÉ

Onde pára a luz do meu farol? Por que esquinas te perdestes, em que espelhos te miraste, estreito fio de luz?

PUB

Assine-o TELEFONE 28752401 | FAX 28752405 E-MAIL info@hojemacau.com.mo

www.hojemacau.com.mo

quem sabe... Por vezes duvidávamos... seria verdade aquela luz? Doutras acreditávamos sem pudor, invocávamos o perdão no selo de uma garrafa e, sob a luz, cidade aos pés, havia quem fizesse o sinal da cruz. A história, essa, é ateia. Ateia e teocida. Quantos altares não derrubámos? Quantas estátuas não decapitámos? Quantos guerreiros não emasculámos? Ninguém quer saber. O que dizer dos faróis, gesto técnico sobre o mar? Pela vida e contra a sorte, tentativa de luz a tactear na escuridão, sinal de gente, talvez calor, talvez a morte. Qualquer coisa, meu bom farol, tu me indicavas. Assim, no fim de todas as noites, antes do dia te apagar, e isso tinha mais a ver comigo do que com a cidade à minha volta. Era a mim que remetia o teu estreito fio. Era pela minha janela que os teus círculos de luz entravam, sem respeito nem licença. Volteavam-me a sala, o quarto e saíam, talvez furiosos de não encontrarem o mar. Era este o meu farol, além da história, do sangue e do engenho. Dizem-me lá continuar às voltas a luz... Dizem-me tudo estar na mesma... que os espelhos funcionam como sempre, que se acende ao crepúsculo e se extingue na aurora. Mas o farol não é um farol como como cada uma destas palavras não é palavra. Nenhuma delas me interpreta ou representa ou interpreta ou representa qualquer coisa. São inúteis, por vezes graciosas, doutras pesadas, mas inúteis. Nenhuma delas me devolverá o farol. Procuro na fogueira a cinza certa. Está longe, num canto empoeirado da memória e, cinza nas mãos cerradas, digo as palavras. Abro cuidadosamente a mão. Nem rosa nem farol assomam. Há uns riscos, admito, sublinhados pela cinza, de leitura amarga e fruste. Mas nada mais. Nada mais. Onde paras, meu estreito fio de luz? Quanto podes tu, quanto pode essa estrada iniciante, se na tua ausência o coração desatina? Não podes nada. E eu cesso de existir. Amanhã acordarei morto. Levantar-me-ei, sacudirei as estrelas da roupa e tudo será radicalmente diferente.


ócios/negócios 19

quarta-feira 26.7.2017

ROOMAGE 30 CARR CHE, GESTORA DO ESPAÇO

Uma casa do povo a lutar por mais paredes e espaços para criar street art”, explica.

ROOMAGE 30

Ao lado da Igreja de São Francisco Xavier há um sítio que multiplica possibilidades. Roomage 30 congrega as funções de uma loja, café, galeria de arte, espaço para workshops, concertos, feiras improvisadas. Basicamente é um sítio onde coolness e criatividade florescem

NÚMERO 30

O

número em Roomage 30 representa a percentagem dos lucros que o espaço doa para caridade, ou seja, 30 por cento. Este é um dos cartões-de-visita de um daqueles locais que nasce espontaneamente da criatividade de uma juventude inquieta. Tudo começou há dois anos quando um grupo de amigos iniciou o projecto com a cooperação da Caritas, que cedeu o espaço. “Trabalhámos juntos para criar um espaço novo, com novos elementos, com capacidade para organizar exposições e vender produtos locais com bom design”, explica Carr Chen, uma das pessoas que gere a Roomage 30. Além das valências elencadas, o local também se destina a receber exposições de fotografia, workshops com os mais variadíssimos conceitos, feiras da ladra. Outra dos aspectos primordiais do sítio é ser um porto de abrigo para quem se interessa por arte urbana. “Roomage 30 é um espaço também para os criadores de street art e para diferentes tipos de manifestações artísticas”, explica Carr Chen. Uma das pessoas no cerne do espaço é Pat Lam, mais conhecido por Pibg Gantz, o nome com que assina grafittis. Como não podia deixar de ser, a presença do graffiter torna o espaço numa paragem obrigatória para os aficionados das expressões artísticas urbanas. “O mais importante para a street art é ter um ambiente, um local onde possa ser criada”, comenta a gestora. Carr Chen acrescenta ainda que em Macau existem poucos sítios onde este tipo de arte pode ser posto em prática. “Estamos dedicados

“Trabalhámos juntos para criar um espaço novo, com novos elementos, com capacidade para organizar exposições e vender produtos locais com bom design.”

O local tem uma dinâmica muito imprevisível e fluida. Tanto pode organizar um concerto, como ceder o espaço a uma marca. É o que acontece actualmente. De momento, a Roomage 30 acolhe uma pop-up store, um conceito comercial baseado no improviso e no comércio inesperado. O local está entregue a uma marca de roupa local chamada Mr. Stockman. Este é outro dos objectivos do espaço, oferecer uma casa a designers, criadores e marcas locais. “Esperamos no futuro poder partilhar instalações com um bom designer local e dar a conhecer o seu trabalho ao nosso público”, projecta Carr Chen. Uma ideia que começou pequena, com uma clientela basicamente local, começa a chegar a um universo mais alargado. A pequena exposição que a Roomage 30 teve em meios de comunicação de Hong Kong e da China Continental deu-lhe visibilidade que tem atraído alguns turistas. A Roomage 30 tem no nome um compromisso. Dos lucros apurados, 30 por cento reverte para instituições de caridade apoiadas pela Caritas de Macau. “Sentimo-nos muito agradecidos por estarmos envolvidos neste aspecto de caridade”, explica a gestora do espaço. Carr Chen tem noção de que o montante das contribuições que reverte a favor da Caritas pode não ser avultado; ainda assim, é algo que merece o esforço e a dedicação total da equipa da Roomage 30. Não admira que quem lá trabalhe se sinta realizado, apesar da azáfama que o espaço implica. Nesse aspecto, os fins-de-semana representam os picos de actividade da Roomage 30, principalmente quando é organizado algum evento especial, como uma feira improvisada ou uma exposição. “Durante os dias de semana, o espaço é bastante acolhedor e tranquilo”, revela Carr Chen. O aspecto filantrópico, a consciência social e a vitalidade criativa são aspectos nucleares no conceito do espaço. Revestida de um grande componente social, cultural e solidária, a Roomage 30 é um ponto de encontro de várias valências de uma instituição que promete ser uma pequena referência na cultura local. É uma casa para uma geração que vive da criatividade que se esconde nas margens da cultura, ao mesmo tempo que fomenta um forte sentimento de comunidade. João Luz

info@hojemacau.com.mo

Rua de Pedro Coutinho No.64 Cave, Edif. Tong Fong Garden, Macau


Cansei-me de tentar o teu segredo:/ No teu olhar sem cor, de frio escalpelo,/ O meu olhar quebrei, a debatê-lo,/ Como a onda na crista dum rochedo. Camilo Pessanha

HONG KONG GOVERNO QUER POLÍCIAS CHINESES EM NOVA ESTAÇÃO FERROVIÁRIA

quarta-feira 26.7.2017

Incêndio ameaça habitações em Proença-a-Nova

O incêndio que está a lavrar em Proença-aNova, em Castelo Branco, atingiu ao final da manhã de ontem várias habitações, obrigando à retirada de populares das suas casas. O fogo deflagrou na tarde de domingo no concelho da Sertã, no distrito de Castelo Branco, mas alastrou a Proença-a-Nova e ao concelho de Mação, pertencente ao distrito vizinho de Santarém. De acordo com os dados do `site´ da Autoridade Nacional de Proteção Civil no local estavam ontem mais de 1.040 operacionais, apoiados por 327 viaturas e 12 meios aéreos.

Dois caças da China interceptam avião americano

Um avião de reconhecimento norte-americano recorreu a uma manobra de desvio após ter sido interceptado por dois caças chineses sobre o Mar da China anunciou ontem o Pentágono. O incidente ocorreu no domingo, quando dois aviões de caça J-10 chineses interceptaram um avião de reconhecimento Ep-3 da marinha norte-americana no espaço aéreo internacional a oeste da península coreana, declarou o porta-voz do Pentágono, capitão Jeff Davis. Um dos aviões chineses colocou-se por debaixo do avião norte-americano, antes de reduzir a velocidade e forçando o avião norte-americano a “efectuar uma manobra de desvio para escapar a uma possível colisão”, detalhou Jeff Davis. O incidente “não é revelador” dos habituais comportamentos do exército chinês, precisou. “É frequente acontecer a intercepção de aviões no espaço aéreo internacional, na maior parte das situações em total segurança”, acrescentou.

Futebol Mbappé a caminho do Real Madrid por 180 milhões de euros

A «Marca» avançou, esta terça-feira, que o Real Madrid já tem um principio de acordo com o Mónaco pelo jovem avançado francês Kylian Mbappé numa transferência avaliada em 180 milhões de euros. O negócio passará por 160 milhões de euros fixos e mais 20 milhões por objetivos. O jogador, de 18 anos, irá assinar por seis temporadas e irá receber sete milhões de euros por ano. Mbappé estará interessado e rumar imediatamente a Madrid e não permanecer mais uma temporada ao serviço do clube monegasco. Esta transferência irá pulverizar o recorde de Paul Pogba, que foi para o Manchester United por 105 milhões de euros.

O

Governo de Hong Kong propôs ontem a presença de polícias chineses numa zona especial da nova estação ferroviária, que vai ligar o território à rede ferroviária da China, para as formalidades de imigração. Este novo projeto ferroviário vai permitir ligar, a partir do próximo ano, a estação de West Kowloon, na península de Kowloon, à cidade chinesa de Cantão, a 80 quilómetros, e à rede ferroviária continental. Várias outras ligações existem já entre a Região Administrativa Especial de Hong Kong e a China continental, mas os controlos chineses são todos efectuados do lado chinês da fronteira. A chefe do Executivo de Hong Kong, Carrie Lam, afirmou que as novas disposições não eram contrárias à Lei Básica da RAEHK. “A verdadeira questão é encontrar os meios legais para facilitar a vida da população de Hong Kong”, disse Lam aos jornalistas. A Lei Básica, “Constituição” da Região Administrativa Especial, estipula que as forças de segurança chinesas não têm o direito de intervir em Hong Kong, que possui a sua própria polícia.

CHINAFOTOPRESS/GETTY IMAGESA

A força do sistema

PRECEDENTE DE RISCO

Priscilla Leung, eleita pró-Pequim do Conselho Legislativo (LegCo), lembrou que este tipo de zona de imigração conjunta existe já em vários países, e que Hong Kong iria “arrendar” à China uma parte do terminal ferroviário.

Claudia Mo acusou o Executivo de Lam de querer aprovar este projeto para que a população da ex-colónia britânica “se sinta mais próxima da China, potência soberana” “Fora daquela zona, as leis de Hong Kong estarão em vigor para todos”, disse. O princípio “um País, dois Sistemas” definiu para Hong Kong, depois da transferência de soberania em 1997 do Reino Unido para a China, um regime de semi-autonomia, em vigor teoricamente até 2047. Martin Lee, fundador do Partido Democrático de Hong Kong e que participou na redação da Lei Básica na década de 1980, considerou que esta disposição ia ser “um precedente perigoso”. Eleita pela oposição, Claudia Mo acusou o Executivo de Lam de querer aprovar este projeto para que a população da ex-colónia britânica “se sinta mais próxima da China, potência soberana”. Este plano deverá ser ainda validado pelo LegCo, controlado pelo campo pró-Pequim.

PUB

Profile for Jornal Hoje Macau

Hoje Macau 26 JUL 2017 #3861  

N.º 3861 de 26 de JUL de 2017

Hoje Macau 26 JUL 2017 #3861  

N.º 3861 de 26 de JUL de 2017

Profile for hojemacau
Advertisement