Page 1

PUB

AGÊNCIA COMERCIAL PICO • 28721006

PUB

MOP$10

Ter para ler

DIRECTOR CARLOS MORAIS JOSÉ • QUARTA-FEIRA 25 DE JULHO DE 2012 • ANO XI • Nº 2658

TEMPO TROVOADAS MIN 24 MAX 28 HUMIDADE 75-95% • CÂMBIOS EURO 9.5 BAHT 0.2 YUAN 1.2

MACAU INICIA COOPERAÇÃO

Em Cabo Verde para lá do acordo feito por Pequim PÁGINA 3

EDITORIAL

A China dominada pelo Rato Mickey PÁGINA 23

RECORDE DE UMA DÉCADA

Euro não pára de desvalorizar para o yuan

Governo pôs 15 agentes a fiscalizar abusos durante o violento tufão. Nada adiantou

O caos vai de táxi Recusa em levar passageiros, recibos negados, tarifas exorbitantes. O filme repetiu-se durante o tufão mais forte registado na RAEM, com os Serviços de Tráfego a dizerem que fiscalizaram, tal como prometido. Mas os agentes só registaram cinco infracções. Muito longe do número de abusos que o Hoje Macau soube existirem. E dos que testemunhou.

TUDO SOBRE O TUFÃO, NUM ESPECIAL DE 6 PÁGINAS

PÁGINA 6

PUB


2

política

quarta-feira 25.7.2012

www.hojemacau.com.mo

GONÇALO LOBO PINHEIRO

Deputado diz que preço das casas vai continuar a aumentar

“A chave é a oferta e a procura” cecilia.lin@hojemacau.com.mo

U Bill Chou quer eleições menos permeáveis à corrupção

O professor de professor de ciência política Bill Chou diz que o actual limite para o financiamento dos candidatos às eleições – oito milhões de patacas – é excessivo, sendo um valor que deveria ser bastante reduzido. Além disso, aconselha também a criar multas mais pesadas do que as actuais para os incumpridores que forem apanhados. “Espero que o Governo melhore a legislação existente, para que existam eleições limpas, a fim de eleger os deputados que representam o povo.” Tanto nas eleições de 2005 como de 2009, o Comissariado Contra a Corrupção descobriu casos ilegais antes da eleição para a Assembleia legislativa. - C.L.

PUB

NG Choi Kun, deputado e presidente da Associação dos Empresários do Sector Imobiliário de Macau, prevê que o preço da habitação vá continuar a aumentar. A causa, diz, deve-se a uma diminuição de oferta de casas no mercado. Ung Choi Kun propõe que os jovens – os mais afectados pelos elevados preços das habitações – comprem agora uma casa “que não lhes pareça tão ideal, mas pela qual possam pagar” e que troquem mais tarde por outra melhor. O presidente da Associação dos Empresários do Sector Imobiliário de Macau considera que o factor-chave para os preços das habitações é a oferta e a procura. “O Governo instaurou o imposto de selo especial para a compra e venda

para limitar a especulação, mas o que não considerou antes foi o desenvolvimento imobiliário por um período longo de tempo.”

HOJE MACAU

Cecília Lin

Ung Choi Kun diz que há cada vez menos unidades novas a surgir no mercado imobiliário, mas com a melhoria da capacidade económica, cada

vez mais residentes querem comprar uma casa melhor. “Nem a habitação pública nem a privada satisfazem o mercado da procura e, por isso, o preço aumenta.”

MEDIDAS DE APOIO

No mercado da habitação privada, Ung Choi Kun propõe que o Governo implemente medidas de apoio para a compra de habitação. “De acordo com o custo, a inflação e o factor de oferta e procura, o preço da habitação actual é razoável. Porém, já está fora da capacidade de compra da maioria dos residentes. E isso não é nada razoável. As habitações novas são quase todas acima de cinco milhões de patacas. Por isso digo que é melhor os jovens comprarem uma casa menos boa e depois trocarem-na. É melhor considerar a sua capacidade do que ter expectativas irrealistas.”


quarta-feira 25.7.2012

www.hojemacau.com.mo

política

3

José Maria Neves reuniu com Chui Sai On em Santa Sancha

Cabo Verde ganha formação no turismo A visita do primeiroministro de Cabo Verde a Macau frisou a importância da cooperação empresarial e turística. Primeiros passos concretos já estão a ser tomados Andreia Sofia Silva

andreia.silva@hojemacau.com.mo

A

passagem do primeiro-ministro de Cabo Verde, José Maria das Neves, por Macau, ficou marcada por um encontro com o Chefe do Executivo, Chui Sai On, com vista a aprofundar laços comerciais entre ambas as regiões, que pretendem ir além dos já alcançados investimentos por parte da China. No encontro, celebrado em Santa Sancha na segunda-feira, os responsáveis pelos governos concordaram que deve ser fomentada

de convenções e exposições para promover os recursos turísticos de Macau e Cabo Verde”. Neste sentido, Chui Sai On garantiu que vão continuar a ser organizadas “visitas de intercâmbio para os sectores comerciais interessados”.

a parceria a nível empresarial, mas sobretudo turístico. Ao Hoje Macau, Rita Santos, secretária-geral adjunta do Fórum Macau, garantiu que até ao final do ano autoridades de Cabo Verde irão receber formação. “Com o apoio dos Serviços de Turismo de Macau, Macau irá organizar estágios para 13 autoridades até ao final do ano. Alguns dos técnicos cabo-verdianos prestaram também estágio, no ano transacto, na Direcção de Inspecção e Coordenação de Jogos, com intuito de troca de experiências entre os serviços públicos daquele país e da RAEM.” Tendo estado presente no encontro entre as duas figuras governamentais, Rita Santos faz um balanço positivo. “A visita realizou-se com êxito, permitindo estreitar cada vez mais as relações económicas, comerciais, culturais e de amizade entre Macau e Cabo Verde.” Uma nota oficial revela que Chui Sai On “concordou que deve ser estimulado o apoio mútuo e o desenvolvimento em termos da indústria do turismo”, sendo que deve ser fomentada a “participação conjunta em eventos internacionais

COLABORAÇÕES “VARIADAS”

A vontade de cooperação da parte de Cabo Verde já tinha sido anunciada durante um jantar de recepção a José Maria Neves, no Landmark Macau. Aos jornalistas, disse ser objectivo “reforçar as relações económicas e empresariais com a RAEM, para continuar a levar mais investimentos para Cabo Verde e, sobretudo, procurar que haja parcerias entre empresas cabo-verdianas e de Macau”. Neste campo, o primeiro-ministro cabo-verdiano frisou a importância do Fórum Macau. Através deste organismo, podem “procurar formas de colaboração nas mais variadas vertentes, incluindo o desenvolvimento do turismo de lazer e na respectiva formação de pessoal, assim como no intercâmbio, formação e aprendizagem nas ciências e tecnologias, medicina e administração pública”.

Melhorias nas eleições não vão passar pelas mãos da Assembleia Legislativa

A

Relatório para evitar erros

Assembleia Legislativa pediu ao Executivo um relatório sobre o balanço do que correu mal nas eleições de 2009 – para que as próximas que decorrem em 2013 fossem melhoradas -, mas apesar de ainda não o ter recebido já sabe que há coisas que não vão passar pela sua mão. A contagem de votos nulos e o limite que os candidatos podem gastar durante a campanha eleitoral são aspecto para lá da responsabilidade dos deputados. Segundo Chan Chak Mo, citado pela Rádio Macau, os problemas do passado não vão repetir-se nas próximas legislativas, porque “a contagem de votos nulos é feita de acordo com as instruções e se as instruções forem bem feitas, não vai haver problemas no futuro”. Em 2009, houve problemas com a contagem dos votos nulos. Só uma semana depois das eleições é que se ficou a saber, com toda a certeza, quais os 12 deputados com direito a um assento na AL.

Mesmo assim, AL não vai tomar qualquer medida para evitar o que aconteceu com a contagem de votos no último acto eleitoral – o assunto só ficou resolvido depois de uma candidata ter recorrido ao Tribunal de Última Instância.

LIMITES DE VERBAS

Semelhante atitude adopta a comissão em relação aos limites para as verbas a serem gastas

pelos candidatos na campanha eleitoral. Isto serão assuntos que cabem exclusivamente à Comissão para os Assuntos Eleitorais, mesmo que seja a AL a alterar as Leis Eleitorais – modificação que surge com o aumento de assentos no hemiciclo e na comissão que elege o Chefe do Executivo. Chan Chak Mo, presidente da 2ª. Comissão Permanente da AL, já tinha dito na segunda-

-feira que os deputados querem que seja feito um balanço do que correu mal nas eleições de 2009 para se evitar uma repetição dos erros. “Vamos pedir ao Governo um documento acerca do balanço que foi feito sobre o acto eleitoral do passado, para termos em conta nas próximas eleições.” O objectivo é que este relatório sirva de referência para a análise às Leis Eleitorais agora a ser analisadas.

Subsídios para idosos aumentam mil patacas

O subsídio anual atribuído pelo Governo de Macau aos idosos foi aumentado para as seis mil patacas, uma subida de mil patacas face ao anterior apoio do Executivo aos mais velhos. A autorização foi publicada esta segunda-feira em despacho do Boletim Oficial. O aumento tinha sido anunciado em Novembro do ano passado por Chui Sai On, na apresentação das Linhas de Acção Governativa para 2012. Porque o respeito pela terceira idade “é uma tradição milenar chinesa”, Chui Sai On propôs “elevar o montante do subsídio para idosos para 6.000 patacas”.

Relatório sobre acidente no túnel entregue até ao fim do mês

O relatório do desabamento de uma estrutura no túnel subaquático que liga Macau ao novo Campus da Universidade de Macau na Ilha da Montanha vai ser entregue ao Executivo no final do mês. Segundo comunicado das Obras Públicas, o empreiteiro responsável tem organizado várias reuniões com especialistas e vai apresentar ao Gabinete para o Desenvolvimento de Infra-estruturas (GDI) o resultado da investigação. A intenção é minimizar a possibilidade de que incidentes como este ocorram novamente. Entretanto, Chui Sai On referiu que a construção do Novo Campus da Universidade de Macau é um importantíssimo projecto na área do ensino superior de Macau, mas que, para o Governo, seja qual for a envergadura das obras, a segurança e a qualidade são prioridades. Chui Sai On voltou a frisar que não houve feridos ou mortes neste incidente.


4

sociedade

quarta-feira 25.7.2012

www.hojemacau.com.mo

A partir de 19 de Agosto as motas vão circular em via exclusiva na ponte Sai Van

Multas de 600 patacas para infractores Rita Marques Ramos rita.ramos@hojemacau.com.mo

A

medida experimental pretende combater a sinistralidade rodoviária, sobretudo de acidentes que envolvam sobretudo motociclos e ciclomotores na ponte Sai Van. Só nesta ligação entre Macau e Taipa houve um total de 57 acidentes nos primeiros três meses deste ano. “Não é uma medida que vai evitar os acidentes a 100% porque também está em causa a boa conduta dos condutores, não mudar de direcção ou fazer a ultrapassagem de forma irresponsável”, esclareceram os responsáveis da direcção dos serviços para os assuntos de tráfego na segunda-feira em conferência de imprensa.

Estas causas de acidentes serão também atenuadas, na óptica da Polícia de Segurança Pública, porque os motociclos terão uma entrada e saída especial através do viaduto do lado da Barra, onde foi já criado um lugar para inversão de marcha junto do terminal de autocarros. “Também foi criada uma linha de traço contínuo para os veículos que circulam nas duas faixas à esquerda, sendo que apenas a do meio permite seguir uma de duas direcções.” As medidas também permitem reduzir o tráfego intenso que, segundo avançado pela Direcção de Serviços para os Assuntos de Tráfego (DSAT), regista a ponte Sai Van regista um fluxo de circulação de 3000 veículos ligeiros e 600 motorizadas.

Na ponte de Sai Van, as motas terão de circular na via mais à direita tanto na direcção Macau-Taipa como no sentido inverso, e todos os veículos terão de obedecer a um

Controlo de velocidade apertado com mais detectores até 2013

Macao Water Há mais uma associação a protestar

Para já há 35 zonas com radares O

S números de veículos multados por excesso de velocidade mantém-se expressivo para as autoridades responsáveis pela gestão de tráfego e multas. Apesar de um decréscimo de coimas aplicadas por velocidades excessivas nas três ligações entre Ma-

cau e Taipa, nas estradas públicas foram multados 5718 veículos nos primeiros seis meses deste ano, mais 1561 do que no período homólogo de 2011 Por essa razão, serão colocados mais radares por diferentes zonas de Macau. “Os aparelhos de controlo

Aumento de acidentes desvalorizado No primeiro semestre deste ano, houve 7160 acidentes que vitimaram seis pessoas e fizeram mais de dois mil feridos. Comparativamente a igual período do ano passado, registou-se um agravamento da sinistralidade rodoviária em 4”%. A Polícia de Segurança Pública (PSP) justifica os números com o aumento de veículos a circular nas estradas de Macau (mais de 91 mil automóveis e 70 mil motociclos). “Por agora não achamos preocupante, tem a ver com a conduta dos condutores, precisamos de alcançar um melhoramento dos seus hábitos”.

de limite de velocidade são mais eficientes do que enviar fiscalização, por isso vamos aumentá-los”, garantiu Kuong Wai Cheok, chefe do Departamento de Planeamento e Desenvolvimento do Tráfego. Esta medida faz parte de um plano que prevê a colocação de mais aparelhos em Macau até 2013, sendo que até ao momento já foram sinalizadas 35 zonas com radares. “Colocaremos nas estradas mais largas, como na Avenida da Amizade e na Estrada do Pac On”, garantiu o responsável, sem adiantar o número certo de aparelhos que serão colocados em todo o território. A aumentar também está o número de condutores que transgridem o sinal vermelho. Entre Janeiro e Junho, foram 298 automóveis e 75 motociclos transgrediram o sinal vermelho, segundo dados do Comissariado de Trânsito. Por essa razão, a DAT pretende colocar mais câmaras nos semáforos para controlar as passagens proibidas por sinalização de semáforos. - R.M.R.

limite de velocidade de 60km/h controlado por radar -, sob pena de multa cujo valor é de 600 patacas. Mas a medida não é caso único, ressalva Kuong Wai, chefe do De-

partamento de Planeamento e Desenvolvimento de Tráfego. Atrás desta virão mais para fazer face à sinistralidade rodoviária. “Faseadamente vamos fazer uma revisão não só dos códigos de trânsito mas penais.” A população continuará a ser ouvida, sendo as suas sugestões ponderadas, tais como “a proibição dos motociclos inferiores a 50cc não poderem atravessar a ponte da Amizade ou a diminuição dos limites de velocidade na ponte da Amizade”. Para já, nesta que é a ponte mais movimentada e onde mais acidentes acontecem (só nos primeiros seis meses deste ano houve 213 acidentes e uma morte), não haverá redução de velocidade porque “afecta muito a sociedade” e não chegaram a não há ainda um consenso sobre a medida.

Aumentos nas tarifas geram discórdia Andreia Sofia Silva

andreia.silva@hojemacau.com.mo

Cecília Lin

cecília.lin@hojemacau.com.mo

A

noticia de que a Sociedade de Abastecimento de Águas de Macau (SAAM), (ou Macao Water) pediu junto do Executivo, em Maio, um aumento das tarifas de serviço na ordem dos 26%, continua a não cair bem junto de quem consome este bem público diariamente. Cheang Chon Fai, presidente da associação dos Consumidores das Companhias de Utilidade Pública de Macau, criticou a decisão da empresa, em declarações ao jornal Ou Mun. “Há dois anos atrás a companhia já tinha mudado o seu modelo de negócio. A empresa apresenta lucros líquidos de mais de cinquenta milhões de patacas por ano, o que significa que a SAAM ainda tem lucros substanciais. Não pode usar como argumento o facto de que as tarifas não serem actualizadas há mais de dez anos, porque isso não é mais do que enganar os cidadãos”, disse o responsável. Contudo, é mesmo este o

argumento utilizado por Óscar Chu, director-geral da Macao Water. Em declarações ao Hoje Macau, o responsável garante que a actualização das tarifas feita recentemente não veio ajudar às contas da empresa. “O ano passado o Governo implementou uma nova estrutura que não nos beneficiou. Olhando para os números, vemos que os custos com a energia aumentaram de 32 para 40% nos últimos cinco anos, além da inflação também estar mais elevada. Temos de ser transparentes com as nossas politicas, e sobretudo queremos ser uma empresa transparente”, explicou. O Governo continua a analisar o pedido de aumento das ditas tarifas em 26%, apresentado em Maio, e que será totalmente pago por si. O processo ainda está a ser analisado junto da Capitania dos Portos. “Está nas mãos do Governo” apresentar uma data, diz Óscar Chu, que confirma: “Este aumento não vai afectar a população”.

FÓRUM CHEIO DE CRÍTICAS

Ho Chong Chun, vice-presidente da União Gerak das Associações de Moradores

de Macau, considerou que a margem de ajuste das tarifas de serviço por parte do Governo “é enorme”. No Fórum da CTM, há muitas vozes discordantes face ao pedido feito pela Macao Water. “Susana Wong (directora da Capitania dos Portos) disse que o aumento não será sentido directamente pelos cidadãos, mas vão ser usados recursos públicos, que foram dados pela população não é?”, disse um participante. Já outro, afirmou “aceitar o aumento, porque as tarifas não aumentam há muitos anos”, mas que não concorda com a actualização de 26%, por “ir além do índice de inflação”. Para além disso, a Macao Water é acusada de “cobrar mais caro do que outros locais”. “Mesmo com os custos com a energia mais elevados, não aceitamos um aumento tão alto. É ainda pior do que as empresas dos autocarros”. No Fórum da CTM, há ainda receios sobre aumentos futuros. “Temos medo que mais tarde as tarifas da electricidade também possam aumentar, e estamos contra a especulação”, disse outro participante.


quarta-feira 25.7.2012

Decréscimo de visitantes ainda não é suficiente para pensar em nova estratégia de turismo

Rita Marques Ramos rita.ramos@hojemacau.com.mo

O

Andreia Sofia Silva

andreia.silva@hojemacau.com.mo

H

Á amizades que começam das formas mais improváveis, e a de David Chow com o presidente do Benim, Thomas Yayi Boni, é um desses exemplos. A recente onda de investimentos entre a China e África levou Boni, também presidente rotativo da União Africana, a mais um encontro de líderes em Pequim, há dois anos, onde ficou instalado no Legendale Hotel, propriedade que Chow inaugurou na capital chinesa em 2008. A beleza do espaço encantou de tal forma Thomas Yayi Boni, que o levou a querer conhecer o rosto por detrás do empreendimento hoteleiro. Deu-se de imediato o primeiro contacto entre ambos e também um convite para Chow visitar o país, que partilha fronteiras

“A procura do jogo não é elástica” GONÇALO LOBO PINHEIRO

aumento de visitantes foi mais tímido nos primeiros seis meses deste ano, comparativamente ao mesmo período do ano passado. Chegaram ao território até ao último mês mais 2,5% de turistas (13,5 milhões). O crescimento diminui quando analisado o fluxo de entradas em Macau até Junho de 2011 face ao primeiro semestre de 2010, ou seja, mais 8,2% de visitantes. Por outro lado, Junho não foi um mês muito atractivo para os turistas se deslocarem a Macau, já que caiu em 3,4% comparativamente com o mesmo mês de 2011. E no ano passado, o crescimento comparativo registava-se em 14,5%. No entanto, a situação ainda não merece grandes preocupações, até porque, como alerta o economista Albano Martins, este ano, os meses de Fevereiro e Maio também registaram decréscimos de visitas, -1,5% e -6,5%, respectivamente. “Só vale a pena fazer uma reflexão quando o decréscimo de visitantes é contínuo, por dois ou três meses, e depois de ponderado a nível global”, observa o especialista. Fazer antevisões para já é precoce, observa, até porque o reflexo destas quebras mensais só merece um balanço mais aprofundado se implicar uma decréscimo anual. Certo para já é a quebra de visitantes vindos de Hong Kong, que se mantém contínuo desde Fevereiro deste ano. “As quebras de visitantes de Hong Kong têm vindo a cair desde Fevereiro, tanto em valores mensais como acumulados. Até Junho, decaiu em valores acumulados 6,6%.” No entanto, apesar dos turistas da região vizinha significarem

sociedade

www.hojemacau.com.mo

perto de 30% do total das visitas anuais no território, o aumento dos visitantes do continente (que representam 55%) conseguem anular a quebra, uma vez que se mantêm em crescimento. Só neste primeiro semestre chegaram mais 8,5% (8,1 milhões) do que em período homólogo de 2011. Um alívio para as autoridades que para já não precisam de se preocupar com novas estratégias turísticas, já que segundo Albano Martins serão “difíceis” de conseguir. “[Macau] está de tal modo ‘continentalizado’, depen-

dente e vulnerável que qualquer estratégia que possa diversificar esse tipo de estratégia de turismo é difícil. A China tem um peso enorme.”, refere. No entanto, garante, “a procura do jogo não é elástica”, não vai continuar a aumentar substancialmente como tem vinco a registar-se. “A certa altura tem de abrandar, tal como se tem verificado com as receitas do jogo”, afirma, e a longo prazo alternativas têm de ser pensadas. “O Governo de Macau tem de continuar a olhar para o futuro

se isso significar uma descida substancial das suas receitas.” Mas, para já, diversificar é tarefa árdua, numa economia que continua a crescer muito mais rápido que qualquer outra, devido à única indústria de alavanca na economia do território. “Os outros serviços estão altamente dependentes do sector do jogo, como o as indústrias de convenções e exposições que só vêm cá porque o jogo permite e trá-las”, explica. “[A economia] protegida nunca estará porque não há nenhum sector que faça frente ao do Jogo.”

Amizade com Thomas Yayi Boni começou na capital chinesa

Hotel Legendale levou David Chow ao Benim

com a Nigéria, Burkina Faso ou Togo. Estavam dados os primeiros passos para uma amizade que se iria revelar frutífera.

PEDIDO CONTRA A POBREZA

A visita aconteceu no inicio deste ano, e o Hoje Macau sabe que um dos percursos escolhidos foi precisamente a costa marítima do Benim. David Chow fez uma longa caminhada no local, e aí Thomas Yayi Boni terá expresso um pedido em nome do país que

lidera desde 2006. Por forma a diminuir a fome que ainda se faz sentir no Benim, foi pedido a David Chow que elaborasse um plano turístico e de urbanização para toda aquela zona. O empresário prometeu que iria ajudar naquilo que pudesse. Como forma de reconhecimento, o Governo do país africano distinguiu David Chow como Comendador da Ordem Nacional do Benim. A realização do recente 5º Fórum de Cooperação Ministerial

África-China tornou-se num pretexto para os dois amigos se voltarem a encontrar. Thomas Yayi Beni nunca tinha conhecido a RAEM e passou quase dois dias no território. Um jantar no Landmark Macau e uma visita com Chui Sai On serviram para cumprir calendário, mas o objectivo primordial era outro: conhecer o plano para o “Rota da Pesca”, que deixou um trago de satisfação não só no presidente como no Ministro do Turismo do Benim, Ambibola Jean-Michel Hervé.

5

Búlgaros envolvidos num caso de burla informática Uma investigação do Ministério Público (MP) concluiu existirem “fortes indícios do crime de burla informática”, onde estão envolvidos quatro suspeitos da Bulgária, com idades entre os 32 e os 45 anos. Três dos indivíduos já estão a cumprir prisão preventiva no Estabelecimento Prisional de Coloane. Foi em Maio que as autoridades policiais receberam denuncias de três bancos locais, tendo apreendido 36 cartões de levantamento de dinheiro falso, com burlas na ordem das 40 mil patacas. Os crimes terão sido praticados entre 17 e 21 de Maio deste ano, envolvendo também sete homens dos Estados Unidos e Europa. No passado 3 de Junho, a policia deteve um suspeito que confessou ter praticado o crime com a ajuda de outros indivíduos. O material apreendido e as investigações posteriores mostraram que os três suspeitos agora detidos tinham tido mais quatro cúmplices a colaborar, estando actualmente em fuga. O crime voltou a ser praticado uma segunda vez em Macau, com a ajuda de mais um suspeito.

DSAT defende túnel na quarta ligação

O crescente aumento de veículos no território faz antever uma solução célere e consensual para a quarta ligação entre Taipa e Macau, já que permitirá um escoamento na circulação além de “aliviar o congestionamento de trânsito”, acredita Kuok Wai Cheong, chefe da divisão do Planeamento de Tráfego. “O túnel torna-se a opção mais viável devido à proximidade com o aeroporto”, algo que tem de ser ponderado “com questões técnicas de altura”, destaca. Os limites impostos pela aviação civil implicam que a ponte não possa exceder em altura os 53 metros acima do nível do mar, com apenas um tabuleiro. No entanto, o túnel subaquático implica custos duas vezes superiores aos da construção de uma ponte, no entanto o responsável não estima orçamentos para cada uma das soluções, nem dá conta de quando arranca a construção da quarta ligação, que já está prevista desde 2006. Para já, o Governo prometeu avançar com o impacto ambiental desta infraestrutura, que anteriormente tinha sido vetada pelo Governo Central por prejuízos verificados no meio ambiente. - R.M.R.


nacional

6

quarta-feira 25.7.2012

www.hojemacau.com.mo

Valor mais baixo da década contra yuan

A derrapagem do euro

O

euro atingiu hoje o valor mais baixo da década contra o yuan, ao cotar-se em apenas 7,6762 yuan por cada unidade, reflectindo uma queda de 0,72 desde a cotação de sexta-feira. Desde o início do ano, a moeda única europeia já perdeu 5,81% para a moeda chinesa, aproximando-se do mínimo histórico, registado em Fevereiro de 2002: 7,1447 yuan. O yuan ainda não é inteiramente convertível, mas a sua cotação pode variar um ponto percentual por dia face a um pacote de moedas internacionais que inclui o dólar norte-americano, o iene japonês, o euro e a libra britânica. Quando a moeda única europeia começou a circular, em Janeiro de 2002, um euro valia 7,4808 yuan, mas cinco meses depois a cotação passou a barreira dos oito yuan e, desde Março de 2003,

esteve quase sempre acima dos nove yuan. Em Dezembro de 2004, um euro chegou a valer 11,284 yuan. A acentuada desvalorização do euro face ao yuan começou em 2011, coincidindo com o agravamento da crise da dívida soberana na Europa. Em Janeiroo, a moeda europeia caiu para 8,0104 yuan. Três meses depois, já valia um pouco mais (8,3105 yuan), mas em Maio ficou aquém dos oito yuan, o que não acontecia há quase uma década.

IENE TAMBÉM EM ALTA

A moeda única europeia atingiu também um valor inferior a 95 ienes, o mais baixo numa década contra a moeda japonesa. O euro, que tem estado sob pressão dos mercados por receios de problemas fiscais na zona euro, cotou-se a 94,98 ienes no mercado asiático – o nível mais baixo desde Novembro de 2000 – depois

Citic Securities compra corretora ao Crédit Agricole

Mais um dia nas compras

A

Citic Securities, a maior corretora chinesa, anunciou ontem o plano de compra da corretora CLSA ao Crédit Agricole, tornando-se na mais recente empresa chinesa a comprar activos europeus. A aquisição vai custar 10 mil milhões de patacas. A Citic Securities, corretora detida pelo estado chinês, anunciou ter comprado já 19,9% da CLSA, que tem sede em Hong Kong, por 2.500 milhões de patacas, de acordo com um comunicado enviado ao regulador do mercado de Hong Kong. O objectivo do grupo chinês é comprar os restantes 80,1% da corretora do grupo francês Crédit Agricole por 7.500 milhões até ao final de Junho de 2013, uma operação que depende ainda da aprovação das autoridades reguladoras e dos accionistas. “O investimento na CLSA vai permitir à Citic Securities juntar a sua forte rede na China com a clientela global da CLSA, para disponibilizar produtos do mercado de capitais da China aos clientes internacionais”,

afirmou Wang Dongming, presidente da Citic Securities, em comunicado à imprensa.

de ter tocado nos 95,38 ienes no fecho de sexta-feira em Nova Iorque. Ontem, no entanto, o ministro japonês das Finanças, Jun Azumi, advertiu que o Japão vigia com “alerta elevado” a subida do iene face às principais moedas e insistiu na disposição do Governo intervir no mercado de divisas “quando seja necessário”. “Iremos vigiar de muito perto os desenvolvimentos do mercado de divisas num estado de alerta elevado, ao mesmo tempo que não descartamos nenhuma medida para fazer frente aos movimentos excessivos, e quando seja necessário actuaremos de maneira decisiva.” Para o ministro nipónico das Finanças, “é evidente que a recente subida unilateral do iene não reflecte a situação económica real do Japão”. Desde Setembro de 2010, o Governo do Japão interveio quatro vezes no mercado de divisas para desvalorizar o iene.

Governo reafirma política de controlo do mercado imobiliário

Preço dos imóveis não pode subir

A

China continuará a manter um firme controlo do seu mercado imobiliário e a consolidar os avanços anteriores para evitar que os preços de imóveis voltem a aumentar, segundo um aviso urgente do governo publicado há dias. “As autoridades

locais devem implementar de maneira rigorosa as políticas de controlo de imóveis da nação. Não devem relaxar os requisitos de controle e pertinentes sem autorização.” “Aqueles que flexibilizaram os controles devem retomar as políticas em

sua forma original”, indica ainda o aviso, divulgado conjuntamente pelo Ministério da Terra e dos Recursos Naturais (MTRN) e pelo Ministério da Habitação e do Desenvolvimento Urbano e Rural. Também ordena que as autoridades locais

GRÉCIA AFECTOU

A Citic gere activos no valor de 65 mil milhões de patacas, segundo dados da própria corretora. A compra da CSLA é a mais recente aquisição, por parte das empresas chinesas, de activos europeus, tirando partido da situação de fraqueza da economia da Europa. O Crédit Agricole, uma das maiores instituições financeiras do mundo, anunciou ao mercado, em Maio, uma quebra de 75% nos resultados líquidos do primeiro trimestre do ano, em consequência da exposição à dívida pública grega. As empresas chinesas compraram já, desde o final do ano passado, em Portugal, participações nas eléctricas EDP e REN, a empresa alemã de engenharia Putzmeister e uma participação de 8,68% da empresa de abastecimento de águas britânica Thames Water.

intensifiquem os esforços na vigilância das áreas terrestres desocupadas, mesmo que sejam vendidas já. O anúncio mais recente veio no momento em que tanto os preços como as vendas de habitações da nação mostraram sinais de aquecimento. Dados oficiais mostraram que 25 cidades, de um grupo estatístico de 70 cidades principais, experimentaram alta nos preços de moradias novas em Junho, em comparação com o mês anterior. O número representou um aumento acentuado em relação às seis cidades que experimentaram aumento mensal de preços em Maio.

Sichuan atrai mais empresas da Fortune Global 500

C

ADA vez mais companhias da Fortune Global 500 abriram estabelecimentos na Província de Sichuan, sudoeste da China, a despeito da recessão económica mundial, informaram as autoridades locais. Seis empresas da Fortune Global 500 estabeleceram instalações no primeiro semestre deste ano, levando o número total de tais empresas na província no sudoeste da China para 179. As seis empresas incluem a Dano-

Todos ao sul ne, a maior processadora de alimentos da França, a francesa PSA Peugeot Citroen, a gigante alemã de químicos Evonik Degussa, a produtora química norte-americana Dow Chemical Co., a alemã Mercedes-Benz e a fornecedora de serviços e equipamentos petrolíferos norte-americana Schlunberger Ltd.  As empresas estabeleceram centros de pesquisa, fábricas e sedes regionais para entrar no mercado inexplorado da província.

Nos primeiros seis meses, o investimento directo estrangeiro em Sichuan totalizou 16,4 mil milhões de patacas, de acordo com o departamento do comércio local. A revista Fortune, que elabora a lista Fortune Global 500 das maiores companhias do mundo, anunciou em Abril que o seu Fórum Fortune Global será realizado em Junho de 2013 em Chengdu, capital de Sichuan.


quarta-feira 25.7.2012

A

China prometeu abrir ainda mais suas indústrias relacionadas com a defesa para o capital privado, de “uma maneira justa e segura”, de acordo com uma directriz de investimento publicada recentemente. Os investidores privados e as empresas militares estatais receberão tratamento igual em áreas múltiplas, incluindo licença e cobrança de impostos, define a directriz criada juntamente pelo supervisor da indústria da defesa do governo central e pelo Departamento Geral de Armamento do Exército de Libertação Popular. A norma também destacou protocolos de segurança para investidores privados envolvidos em indústrias associadas ao sector e prometeu impulsionar a supervisão, com o fim de proteger a segurança nacional. Será

Aprovado reforço do investimento privado no sector da defesa

Civis entre militares DISPUTA COM VIETNAME

Entretanto, a China vai deslocar uma guarnição militar para o arquipélago das Paracel, disputado com o Vietname no Mar do Sul da China, revelou o Ministério da Defesa, numa medida susceptível de gerar tensões na região.

Adeus do mestre da propaganda

Ding Guangen foi ministro entre 1985 e 1988 - quando Deng Xiaoping ainda era o mentor do desenvolvimento do país – e, mais tarde, chefe da propaganda do partido comunista entre 1992 e 2002, quando Jiang Zemin era presidente. Nascido em 1929, Ding Guangen formou-se em engenharia na universidade de Jiaotong, de Xangai, e aderiu ao partido comunista em 1956, trabalhando nas décadas seguintes no Ministério dos Caminhos-de-ferro, que viria a dirigir. Apesar de considerado um dos principais aliados de Deng Xiaoping, uma série de acidentes ferroviários durante o tempo que esteve à frente do Ministério prejudicaram a sua imagem, até que se demitiu depois da morte de 88 pessoas no descarrilamento de um comboio entre Kunming e Xangai, em 1988.

REGRESSO AO PODER

político chinês Ding Guangen, ministro dos caminhos-de-ferro nos anos 1980 e responsável da propaganda do Partido Comunista na década seguinte, morreu domingo, aos 83 anos, revelou ontem o diário South China Morning Post.

Poucos anos depois recuperava o poder ao ser colocado como dirigente do departamento de propaganda, depois de alguns anos a dirigir o Gabinete dos Assuntos de Taiwan. À frente do departamento de propaganda, Ding Guangen mostrou-se um político conservador, partidário de um elevado controlo da opinião pública chinesa. Promoveu a censura e a propaganda, uma forma de estar que o colocou em conflito com políticos mais moderados como o então primeiro-ministro Zhu Rongji.

7

já um protesto popular na capital vietnamita contra a decisão chinesa.

CONFRONTO HISTÓRICO

As tropas do Exército Popular de Libertação vão actuar a partir de Sansha, nas ilhas Paracel, um dos dois arquipélagos no Mar do Sul reivindicados por China e Vietname. A guarnição será responsável pela gestão de todo o contingente necessário à defesa da ilha, mas não foi revelado quando seria estabelecido um grupo de militares na ilha, que deverá gerar protestos de Hanoi. A decisão de Pequim surge depois de ter aprovado que Sansha seria o centro administrativo para os arquipélagos das Paracel e das Spratly, que provocou

aplicada apenas aos investidores privados na parte continental chinesa. Uma política geral de apoio do investimento privado, que também se referia brevemente à indústria da defesa, foi introduzida em Maio de 2010 pelo governo central.

Morreu antigo ministro Ding Guangen

O

nacional

www.hojemacau.com.mo

A China e o Vietname já administraram, cada um, uma parte das ilhas Paracel, mas um conflito em 1974 fez com que Pequim assumisse o controlo de todo o arquipélago, enquanto o Vietname controla grande parte das maiores ilhas no arquipélago das Spratly. A China reclama grande parte do território do Mar do Sul, mas países como Filipinas, Vietname, Brunei ou Malásia dizem ter direito a partes reclamadas por Pequim. As disputas sobre conjuntos de ilhas na região do Mar do Sul da China subiram de tom depois de serem conhecidas potenciais reservas de petróleo e gás nessas zonas.

Protesto contra Rússia por ataque a pescador O vice-ministro dos Negócios Estrengeiros da China, Cheng Guoping, expressou forte desaprovação à Rússia por um aparente ataque a um barco pesqueiro chinês, que deixou um pescador desaparecido. A China está muito insatisfeita com as acções da Rússia, de deter um barco pesqueiro chinês e a tripulação, depois de abrir fogo contra a embarcação, apontou Cheng em comunicado apresentado à diplomacia russa. A China exige que a Rússia investigue profundamente o incidente e informe dos resultados de maneira oportuna.

China e EUA realizarão diálogo sobre direitos humanos

A

Reunião em Washington

China e os Estados Unidos realizaram uma nova ronda de diálogos sobre direitos humanos em Washington, entre anteontem e ontem, segundo uma nota de imprensa publicada pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros da China. O director-geral do Departamento de Organizações

e Conferências Internacionais da chancelaria chinesa, Chen Xu, copresidirá ao dialógo com Michael Posner, secretário-adjunto do Estado para a Democracia, os Direitos Humanos e o Trabalho dos EUA, de acordo com a nota de imprensa. A China deseja discutir e trocar opiniões sobre assuntos

dos direitos humanos com os Estados Unidos, com base na igualdade e respeito mútuo, diz o documento. Os dois países realizaram uma ronda de diálogos sobre direitos humanos em Pequim, em Abril do ano passado, discutindo assuntos de interesse comum como novos avanços das duas nações nessa área.


nacional

8

A Gás doméstico disponível para a maior parte dos chineses Mais de 94% dos chineses que vivem em cidades e vilas terão gás nas suas casas até 2015, pois o país promove o uso de gás segundo um plano recentemente divulgado pelo Ministério da Habitação e Desenvolvimento Urbano e Rural. De acordo com o planeamento, mais de 625 milhões de residentes vão ter gás, com um consumo total de gás de 33 mil milhões de metros cúbicos por ano.

Internautas chineses igualam população do Brasil e EUA

Cerca de quatro em 10 chineses usam a internet, com a população online do país a atingir os 538 milhões até ao final de Junho. Um número igual à população combinada do Brasil e dos Estados Unidos, segundo dados divulgados pelo Centro Chinês para a Informação de Rede da Internet (CNNIC, na sigla em inglês). No primeiro semestre deste ano, o número total de internautas chineses aumentou 25 milhões, continuando a expansão rápida nos últimos anos, informou o CNNIC. Entre os chineses que usam a internet regularmente, 210 milhões fazem compras online, com 44,4 milhões a usarem telemóveis para realizar pagamentos na internet, um aumento de 14 milhões no âmbito anual. Segundo o relatório do CNNIC, os telemóveis substituíram os computadores pessoais e passaram a ser o principal canal de acesso à internet para aproximadamente 388 milhões de chineses.

quarta-feira 25.7.2012

www.hojemacau.com.mo

S fortes chuvas que se registaram na capital chinesa e no norte da China, as piores dos últimos 60 anos em Pequim, causaram já 52 mortos, indicou ontem o último balanço das autoridades chinesas. Do total, 37 pessoas morreram em Pequim e 15 na província de Hebei, contígua à capital chinesa, onde as autoridades procuram ainda 19 desaparecidos durante as chuvadas, de acordo com a agência noticiosa oficial chinesa Xinhua. A maioria das mortes - 25 - foi causada por afogamento, mas seis vítimas morreram no desmoronamento das suas casas, cinco electrocutadas e uma foi vítima de um raio. No sábado, a chuva prolongou-se por 20 horas, com a precipitação média a atingir 170 milímetros por metro quadrado. Fangshan, uma localidade nos subúrbios a sudoeste da capital chinesa, registou 460 milímetros de precipitação. As fortes chuvadas deixaram submersas algumas infra-estruturas da rede eléctrica da capital chinesa, causando falhas no abastecimento. As autoridades tiveram também de cancelar mais de 500 voos com saída prevista para sábado.

Número de mortos em Pequim sobe para 52

Dilúvio mortal

ESCOAMENTO EM CAUSA

A imprensa estatal chinesa frisou a necessidade de melhorar o sistema de escoamento da capital, devido ao aumento dos danos pessoais e materiais causado pela chuva. Os jornais estatais Global Times e China Daily (em língua inglesa) têm criticado, nos editoriais, o ritmo da construção urbana na China que, devido à especulação imobiliária, é muito mais rápido que o da construção de infra-estruturas.

PUB

DIRECÇÃO DOS SERVIÇOS DE SOLOS, OBRAS PÚBLICAS E TRANSPORTES Anúncio Faz-se saber que em relação ao concurso público para a execução da “Empreitada de Alteração e Alargamento do Centro de Recuperação de Doenças Infecciosas no Alto da Montanha de Coloane”, publicado no Boletim Oficial da Região Administrativa Especial de Macau, n° 27, II Série, de 4 de Julho de 2012, foram prestados esclarecimentos, nos termos do artigo 2° do programa do concurso, e foi feita aclaração complementar conforme necessidades, pela entidade que realiza o concurso e juntos ao processo do concurso. Os referidos esclarecimentos e aclaração complementar encontram-se disponíveis para consulta durante o horário de expediente no Departamento de Edificações Públicas da DSSOPT, sita na Estrada de D. Maria II, nº 33, 17º andar, Macau. Direcção dos Serviços de Solos, Obras Públicas e Transportes, aos 17 de Julho de 2012. O Director dos Serviços, Jaime Roberto Carion

AVISO CONCURSO PÚBLICO Nº 22/P/2012

Faz-se público que, por despacho do Exmo. Senhor Secretário para os Assuntos Sociais e Cultura, de 4 de Julho de 2012, se encontra aberto o Concurso Público para «Fornecimento e Instalação de Um Sistema de Endoscopia Digestiva aos Serviços de Saúde», cujo Programa do Concurso e o Caderno de Encargos se encontram à disposição dos interessados desde o dia 25 de Julho de 2012, todos os dias úteis, das 9,00 às 13,00 horas e das 14,30 às 17,30 horas, na Divisão de Aprovisionamento e Economato, sita na Cave 1 do Centro Hospitalar Conde de S. Januário, onde serão prestados esclarecimentos relativos ao concurso, estando os interessados sujeitos ao pagamento de $33,00 (trinta e três patacas), a título de custo das respectivas fotocópias ou ainda mediante a transferência gratuita de ficheiros pela internet no website dos S.S. (www.ssm.gov.mo). As propostas serão entregues na Secção de Expediente Geral destes Serviços, situada no r/c do Centro Hospitalar Conde

de São Januário e o respectivo prazo de entrega termina às 17,45 horas do dia 20 de Agosto de 2012. O acto público deste concurso terá lugar no dia 21 de Agosto de 2012, pelas 10,00 horas, na sala do «Auditório» situada no r/c do Edifício da Administração dos Serviços de Saúde junto ao C.H.C.S.J. A admissão a concurso depende da prestação de uma caução provisória no valor de $38 400,00 (trinta e oito mil e quatrocentas patacas) a favor dos Serviços de Saúde, mediante depósito, em numerário ou em cheque, na Secção de Tesouraria destes Serviços ou através da Garantia Bancária/Segundo-Caução, de valor equivalente. Serviços de Saúde, aos 17 de Julho de 2012 O Director dos Serviços, Lei Chin Ion


quarta-feira 25.7.2012

Imprensa afirma que Coreias mantiveram reuniões secretas

Unidas pelas terras raras

A

S duas Coreias mantiveram rondas de conversações secretas para a exploração conjunta de terras raras em 2011, depois de Seul ter alegadamente suspendido os contactos económicos com Pyongyang, revelou anteontem um diário sul-coreano. De acordo com o jornal Dong-a Ilbo, que cita fonte anónima da companhia estatal de recursos da Coreia do Sul, representantes da empresa mantiveram reuniões de trabalho em Setembro e Dezembro de 2011 com funcionários norte-coreanos. “A Coreia do Norte propôs de forma clara que as duas Coreias explorassem conjuntamente minas de carvão e outras de metais e terras raras”, assegurou a fonte, referindo-se aos temas discutidos nas reuniões que tiveram lugar no complexo industrial inter-coreano de Kaesong, já em território do Norte. Os contactos aconteceram num momento de especial tensão entre as duas Coreias, depois de Seul ter cancelado quase todos os projectos de cooperação económica, na sequência dos ataques ao seu navio Cheonan e à ilha de Yeonpyeong, atribuídos à Coreia do Norte em 2010, e que provocaram 50 mortos do lado da Coreia do Sul.

LINHA DIRECTA

Na segunda reunião, os representantes do Norte entregaram aos seus homólogos do Sul quatro amostras de terras raras com minerais imprescindíveis para a produção de lentes ópticas e alguns produtos de alta tecnologia como as televisões LCD. A empresa de recursos da Coreia do Sul mantém, segundo

região

www.hojemacau.com.mo

9

Taiwan Protesto contra detenção de seguidor da Falun Gong

Centenas de pessoas saíram anteontem à rua em Taipé, capital de Taiwan, em protesto contra a detenção na China de um empresário, acusado de ter difundido numa estação de televisão um programa sobre a Falun Gong, banida no continente. Segundo um despacho da agência Xinhua, o empresário Chung Ding-pan foi detido por colocar em perigo a segurança pública, depois de ter emitido um programa pró Falun Gong numa estação de televisão da província de Jiangxi. As autoridades não revelaram, contudo, a forma como o empresário de 53 anos conseguiu acesso ao sinal de televisão para a emissão do programa. No protesto, a porta-voz da Falun Gong, Chua Wan-chi, disse que o empresário estava no continente chinês de visita a familiares. Referiu não ter informação sobre a acusação, mas reconheceu que se trata de um seguidor da Falun Gong. A China baniu a Falun Gong em 1999, considerando o movimento espiritual como demoníaco e perseguindo os seus seguidores.

Coreia do Sul Presidente pede desculpa por casos de corrupção

o jornal, uma “linha direta” com a Coreia do Norte e tem planos de desenvolvimento dos recursos naturais do Norte, numa iniciativa que conta com o apoio do presidente Lee Myung-bak,

conservador e crítico do regime de Kim Jong-un. A empresa estatal da Coreia do Sul estima que a Coreia do Norte possua reservas de 42 tipos de terras raras e outros

minerais, avaliadas em perto de 50 mil milhões de patacas. Calcula ainda que Pyongyang possa albergar 20 milhões de toneladas destas matérias-primas.

Dezenas de helicópteros de ataque na fronteira A Coreia do Norte estacionou dezenas de helicópteros de ataque junto à fronteira com a Coreia do Sul, revelou ontem a imprensa sul-coreana, num momento em que as duas Coreias reforçam a presença militar na zona de fronteira. A Coreia do Norte terá deslocado 50 helicópteros para as bases de Taetan e Nuchon, junto ao Mar Amarelo, refere a Yonhap, a agência noticiosa da Coreia do Sul e outros

meios de comunicação que citam fontes não identificadas de Seul. Entre as aeronaves estacionadas incluem-se as novas versões dos helicópteros Mi-2, Mi-4 e Mi-8, modelos importados da União Soviética há várias décadas, alguns dos quais estão equipados com metralhadoras e rockets. “Este tipo de helicópteros são usados para ataques ao solo e mobilidade rápida de forças em exercício”, explica a Yonhap

citando fonte oficial. Já o diário Chosun Ilbo refere que os helicópteros estacionados nas bases da Coreia do Norte podem atingir solo sul-coreano, nomeadamente a ilha de Baengnyeong, em dois ou três minutos. O Ministério sulcoreano da Defesa recusou comentar as notícias da imprensa. A zona de fronteira inter-coreana foi alvo de vários conflitos entre o Norte e o Sul em 1999, 2002, 2009 e 2010.

O presidente sul-coreano, Lee Myung-Bak, pediu ontem desculpa ao país por alegados casos de corrupção envolvendo o seu irmão mais velho e colaboradores próximos. “Curvo a minha cabeça e peço desculpa por ter causado preocupações às pessoas por estes incidentes”, disse um solene Lee Myung-Bak numa breve declaração na televisão. O presidente sul-coreano garantiu que o caso lhe “parte o coração” porque “aconteceram coisas lamentáveis” com pessoas próximas de si. O caso é também visto como um revés para o conservador partido de Lee Myung-Bak, a poucos meses das eleições presidenciais às quais não se pode candidatar por limitações constitucionais. Lee Sang-Deuk, o irmão mais velho do presidente da Coreia do Sul, foi detido no início do mês sob a acusação de corrupção, com a Procuradoria a acusar o antigo deputado de receber 4,2 milhões de patacas dos presidentes de dois bancos de poupança com problemas, para que fossem evitadas auditorias. O escândalo envolvendo o irmão do presidente é o último a ligar gente próxima do Chefe de Estado a casos de corrupção.

Sharp pondera despedimentos e reformas antecipadas

Ideias velhas para novos prejuízos A

multinacional japonesa Sharp está a estudar pela primeira vez despedimentos em grande escala, em todo o mundo, e a venda de fábricas, para compensar as perdas que espera no primeiro trimestre do ano fiscal, revelou ontem o diário Nikkei. Entre Abril e Junho, o primeiro trimestre do ano fiscal japonês, a Sharp espera perdas de 10 mil milhões de patacas, devido essencialmente a perdas na área das televisões LCD e dos painéis solares.

Além de ter reduzido significativamente a capacidade de produção na fábrica de Sakai, no centro do Japão, a Sharp registou prejuízos líquidos recorde de 35.000 milhões de patacas no exercício de 2011 e espera prejuízos de 3.000 milhões no actual ano fiscal, que termina em Março de 2013. Como parte da estratégia para sair do vermelho, a Sharp, que tem 64.000 empregados em todo o mundo – 21.000 dos

quais só no Japão – está a estudar reformas antecipadas a vários milhares de trabalhadores até ao final do ano fiscal. A empresa espera ainda contrariar a crise com a venda de alguns dos seus edifícios. Por outro lado, a crise da empresa, à semelhança de outras companhias japonesas, está a ser potenciada pela diminuição da quota de mercado, para empresas da Coreia do Sul e de Taiwan, principalmente no segmento de televisões.


10

especial tufão

quarta-feira 25.7.2012

www.hojemacau.com.mo

Casas e estabelecimentos com danos muito graves após passagem do tufão Vicente

Janelas partidas, evacuações e cheias Joana Freitas

joana.freitas@hojemacau.com.mo

MARIA VAZ PIMENTEL

M

ACAU experienciou ontem, pela primeira vez em 13 anos, o sinal número nove de tempestade tropical. O tufão Vicente chegou em força à RAEM na segunda-feira, obrigando estabelecimentos públicos e comerciais, escolas e transportes a encerrarem. No total, até ao final do dia de ontem foram contabilizados 254 incidentes, sendo que a queda de objectos e árvores são os mais registados. Contudo, 16 pessoas ficaram feridas – 11 delas derivado ao tufão. Os dados dos departamentos públicos não dão mais pormenores sobre a gravidade dos ferimentos ou a nacionalidade dos feridos, mas sabe-se que todos eles foram transportados de ambulância. Alguns prédios de Macau – como foi o caso do empreendimento La Cité, na Areia Preta (ver foto) e do Ville de Mer – ficaram seriamente danificados, com os ventos que chegaram a soprar a mais de 100 quilómetros por hora a provocaram estragos nas janelas. Mas não foi só o vento que ontem trouxe problemas aos habitantes do território. A zona do Porto Interior e da Avenida do Almirante Lacerda ficaram totalmente inundadas. Nesses locais, a água chegou a atingir 90 centímetros de altura, tendo mesmo expandido para a zona da Rua dos Mercadores e para as ruas estreitas que se avizinham ao Leal Senado. Uma portuguesa residente nesse local viu o piso de baixo da sua casa encher-se de água “à altura do joelho” em cerca de meia hora. O frigorífico foi um dos electrodomésticos que não suportou a força das águas, tendo começado a boiar. (ver foto) Ajuda ainda foi requisitada, mas em vão. “Chamei os bombeiros para me ajudarem, mas eles nunca apareceram. Primeiro

disseram para esperar, porque tinham muito trabalho. Depois ligámos três vezes e eles ficaram inclusive com o nosso contacto para nos ligar de volta, mas nunca o fizeram”, contou ao Hoje Macau. Também na sede do jornal, onde funciona a Editora Livros do Meio, as chuvas fortes inundaram algumas zonas dos escritórios, danificando mais de uma centena de livros. Outros sustos apanharam alguns residentes dos Flower City e Supreme Flower City que tiveram de ser evacuados dos seus apartamentos. Uma grua que não foi retirada das obras da 4ª fase do Nova Park ameaçava cair sobre os prédios, dada a sua inclinação de cerca de 45 graus. Foram cerca de 60 as pessoas que tiveram de ser levadas pelos bombeiros e PSP para um abrigo do Instituto de Acção Social, que entretanto já puderam regressar às suas casas. Os bombeiros e a Polícia de Segurança Pública foram ao local e encerraram também algumas ruas, mas a grua não foi retirada. Segundo informações do Executivo, o estaleiro cumpre as exigências de segurança e a Direcção dos Serviços de Solos, Obras Públicas e Transportes (DSSOPT) foi ao local para “estabilizar” a grua.

IACM JUSTIFICA, CIDADÃOS QUEIXAM-SE

Por volta da uma da manhã, o Hoje Macau passou na zona do Porto Interior. A essa hora ainda eram visíveis as tentativas dos comerciantes em travar a força das águas, que inundaram as ruas devido às chuvas e à subida do rio. Nem com placas de metal era possível, contudo, travar as cheias. As baterias foram apontadas aos Serviços Meteorológicos e Geofísicos (SMG). O dono de uma loja de madeira acusou os serviços de não darem informações claras sobre a possibilidade de

inundações e afirma ter perdido milhares de patacas. Já o proprietário de um estabelecimento de pescado acusou também a SMG de “estar constantemente atrasada” na divulgação de informações e precaveu-se da vinda do tufão Vicente com base nas informações da vizinha Hong Kong. A zona do Porto Interior é já conhecida por ficar repleta de água quando acontecem este tipo de incidentes naturais e, segundo o Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais (IACM), a subida da maré foi a principal responsável por esse problema. “Se fosse só pelas chuvas, não haveria problema, porque Macau tem uma drenagem boa e que melhora de ano para ano. Por isso, as inundações terem só acontecido nas zonas mais próximas do rio, dado a subida do nível das águas”, justificou ao Hoje Macau uma porta-voz do IACM. O sinal número oito foi içado em Macau às 19 horas de segunda-feira. Pelas 2h15 da madrugada – duas horas depois de Hong Kong, mais longe do tufão, ter içado o sinal máximo na escala (dez) -, os Serviços Meteorológicos e Geofísicos de Macau (SMG) içaram o sinal nove. Segundo Fung Soi Kun, director dos SMG, as medições variam entre os territórios e o sinal nove só seria içado na RAEM “para servir de transição para o dez”. Esse foi, contudo, içado sem que o nível máximo chegasse a sê-lo. Em 1999, Macau chegou a estar sob sinal dez, com rajadas de vento a atingirem 181 quilómetros por hora. A rajada mais forte ontem registada foi de 150 quilómetros por hora. À tarde, todos os sinais foram cancelados, já que o Vicente se afastou do território. Até ao fecho desta edição, apenas o sinal de tempestade continuava içado. As chuvas vão manter-se pelo menos até domingo. - com Cecília Lin


quarta-feira 25.7.2012

especial tufão

11

GONÇALO LOBO PINHEIRO

www.hojemacau.com.mo

Autoridades já tinham avisado que iriam fiscalizar taxistas durante o tufão. Assim foi, mas, como sempre, impôs-se a regra do desrespeito Joana Freitas

joana.freitas@hojemacau.com.mo

N

EM a fiscalização impediu que os taxistas continuassem com o já conhecido comportamento abusivo durante as épocas de tufões: cobrança exagerada de tarifas e recusa no transporte de passageiros. O tufão Vicente lançou o caos na cidade e, à falta de autocarros, quem precisava de se deslocar de um lado para o outro deparava-se com graves problemas. Uma equipa do Hoje Macau viveu o exemplo: apesar da intensa

Fiscalização a taxistas existiu mas pouco adiantou. Tarifas exageradas foram a regra

No reino dos abusos chuva e ventos fortes que se faziam sentir, mais de cinco taxistas exigiram entre 200 a 500 patacas para um percurso que, normalmente, custaria entre 19 a 23. Mesmo aceitando a tarifa, quando lhes era pedido se forneciam recibo os homens recusavam a entrada no táxi. Num dos casos, um dos motoristas aceitou o pedido de destino, mas virou em sentido contrário, obrigando a equipa do Hoje Macau a sair do carro no Casino Grand Lisboa. Aí, o homem apanhou dois cidadãos da China continental, cobrando mil patacas pelo transporte. Mal surgiu o aviso de tufão, a Direcção dos Serviços para os Assuntos de Tráfego (DSAT) prometeu fiscalizar estes comportamentos já ha-

bituais no território e assegurou que estes iam tentar ser travados. De nada resultou, com as equipas no terreno a serem manifestamente insuficientes – tal como o Hoje Macau testemunhou – para controlarem os abusos.

E AS PROVAS?

Segundo um comunicado da DSAT, 15 agentes foram enviados “a vários locais do território, incluindo, o Grand Lisboa, o Hotel Lisboa e as Portas do Cerco”, em duas alturas diferentes. Na altura em que o Hoje Macau esteve num dos locais, não era visível qualquer destes fiscais. A DSAT, porém, registou algumas queixas. “Dois casos de recusa de prestação de transporte e três casos de cobrança abusiva de tarifas

foram detectados”, pode ler-se no comunicado enviado às redacções. “Os agentes levantaram, in loco, autos de notícia e estes casos de infracção serão acompanhados conforme os devidos procedimentos.” A linha aberta para os Assuntos de Tráfego recebeu 23 chamadas, sendo seis delas queixas relativamente aos táxis, dizem os dados da DSAT. A cobrança abusiva de tarifas e a opção por um trajecto mais longo encabeçam a lista de reclamações. A DSAT assegura que os casos vão ser investigados e os taxistas multados, mas apenas “quando for conseguida a recolha de provas”. Como se fará isto, ao certo, o serviço não explica. Esta situação não tem

nada de novo para os residentes de Macau ou para os próprios serviços de tráfego, mas o facto é que acontece sempre que há tufão de sinal oito. Os taxistas – única forma “pública” de transporte nestes casos – dizem que a cobrança excessiva acontece porque as seguradoras não

cobrem estragos provocados por causas naturais. Kuong Vai Cheok, chefe do Departamento de Planeamento e Desenvolvimento de Tráfego, ainda apelou ao sector de táxis para ser “auto-disciplinado” durante o tempo de tufão. Mais uma vez, isso revelou-se impossível.


GCS

NUNO PEREIRA

GONÇALO LOBO PINHEIRO GCS

GONÇALO LOBO PINHEIRO

RETIRADA DO FACEBOOK

especial tufão

BRUNO SAAVEDRA

BRUNO SAAVEDRA

12 www.hojemacau.com.mo

quarta-feira


SÓNIA SOUSA GONÇALVES

GONÇALO LOBO PINHEIRO

BRUNO SAAVEDRA

RETIRADA DO FACEBOOK

a 25.7.2012 www.hojemacau.com.mo

especial tufão 13


especial tufão

quarta-feira 25.7.2012

SÓNIA SOUSA GONÇALVES

www.hojemacau.com.mo

SÓNIA SOUSA GONÇALVES

GCS

14

OS NÚMEROS... 1 2 3 3 4 5 5 10 11 16 19 25 32 37 61 150 260 1800

corte de energia reboques caíram incêndios em caixas eléctricas postes de electricidade suspensos guindastes suspensos acidentes de viação tapumes caíram quedas de andaimes janelas caíram pessoas alojadas no centro de abrigo do IAS publicidades caíram toldos caíram voos cancelados janelas suspensas árvores caíram quilómetros por hora foi a medida da rajada mais forte registada pessoas ficaram nas instalações do Aeroporto passageiros afectados pelo cancelamento de voos

BRUNO SAAVEDRA

RITA MARQUES RAMOS

...E OS FACTOS • O tufão mais

forte desde a criação da RAEM • Obrigou ao içar do sinal número oito e nove, o penúltimo na escala • Obrigou Hong Kong a içar o sinal máximo da escala • Durou 15 horas em Macau • Chegou a uma distência de 40 quilómetros de Macau • Não fez com que os casinos fechassem portas

RITA MARQUES RAMOS

• Provocou uma intensidade média de ventos em Macau de 119,8 quilómetros por hora • A rajada mais forte foi registada a 151 quilómetros por hora

Chui destaca segurança da população durante e após tufão O Chefe do Executivo, Fernando Chui Sai On, destacou a importância dos trabalhos de recuperação e acompanhamento após a passagem do tufão “Vicente”, entre os quais delegou, aos respectivos gabinetes dos secretários e direcção dos serviços, a realização dos trabalhos de recuperação, o mais rápido possível, no sentido de permitir aos cidadãos regressarem rapidamente à normalidade. Chui Sai On percebeu a dimensão dos estragos causados, em Macau, bem como, uma série de medidas de contingência e socorro tomadas pelo Centro de Operações de Protecção Civil e os respectivos

serviços. Tendo adiantado que, face a um desastre desta natureza, “o Governo considera a segurança dos habitantes uma prioridade assim como o aumento os esforços para diminuir o impacto causado pelos estragos na vida dos cidadãos e nos diferentes sectores da sociedade”.


quarta-feira 25.7.2012

especial tufão

www.hojemacau.com.mo

PUB

Tufão Vicente “culpado” por trica no Cotai

Sands diz que cumpre a lei Cecília Lin

cecilia.lin@hojemacau.com.mo

M

AIS de duzentos empregados do empreendimento Sands Cotai Central insurgiram-se contra a empresa liderada por Sheldon Adelson na noite em que o tufão Vicente chegou a Macau. O “mal-entendido”, diz a Sands China, está relacionado com as políticas de remuneração em horas extras durante tufões. A polícia foi enviada ao local e os empregados queixavam-se de que a operadora não pagou a compensação para quem já excedia as 16 horas de trabalho.

Tudo terá acontecido depois de os trabalhadores, que começaram a trabalhar às 23h do dia anterior ao tufão, terem recusado voltar a casa às 5h da madrugada quando o sinal de tufão estava no seu pico máximo. Alegadamente os trabalhadores quiseram continuar a trabalhar até melhoras significativas da tempestade, mas o Sands China terá recusado essa intenção. Em comunicado enviado à nossa redação, o Sands China explicou que possuí nas suas instalações “uma área de descanso, com camas, cobertores e refeições” e que esta zona foi “aconselhada” aos empregados antes do retorno a casa. A operadora disse, igualmen-

Anúncio

te, que foi disponibilizado serviço de “shuttle bus” aos trabalhadores, “tendo em consideração as condições climatéricas do momento”. A Direcção dos Serviços para os Assuntos Laborais (DSAL) deslocou-se ao local e ouviu os queixosos. Prometendo que acompanharia, durante os próximos dias, qualquer evolução da situação. A Sands China explicou que “adere a todas as leis de Macau”, “cumprindo as indicações que envolvem horas extras e trabalho durante tufões”. Mais, a operadora garantiu, na sua missiva à comunicação social, que “coloca a mais alta prioridade na segurança dos membros das suas equipas”.

1. Objectivo do Anúncio:

Realização de um concurso público.

2. Entidade Adjudicante:

Centro de Ciência de Macau, S. A..

3.

Avenida Dr. Sun Yat-Sen

Entidade e morada da Entidade responsável pelos procedimentos do concurso:

4. Obras, bens e serviços no âmbito do projecto:

Aquisição de serviços de limpeza para Centro de Ciência de Macau de 2013 PA-12-130

5. Local de realização dos trabalhos de instalação e de construção:

Centro de Ciência de Macau.

6. Condições de admissão:

Podem concorrer as entidades registadas como fornecedores do Centro de Ciência de Macau, S.A.

7.

Onde obter a documentação com as instruções do concurso:

Os fornecedores podem registar e descarregar a documentação com as instruções do concurso através da página electrónica do Centro de Ciência de Macau, S.A. (http://www.msc.org.mo/)

Local e prazo para a entrega das propostas:

Local:

Centro de Ciência de Macau, Avenida Dr. Sun Yat-Sen.

Prazo:

A partir da data da publicação do presente anúncio, até às 17:00 horas (hora de Macau) do dia 15 de Agosto (QuartaFeira) de 2012.

Local:

Avenida Dr. Sun Yat-Sen, Macao Science Center.

Dia e hora:

Dia útil a seguir à data do prazo para a entrega das propostas, designadamente no dia 16 de Agosto (Quinta-feira) de 2012, às 15:30 horas (hora de Macau).

9. Local, dia e hora do acto público:

Os concorrentes ou os seus representantes deverão estar presentes no acto público de abertura das propostas submetidas, de modo a esclarecer quaisquer dúvidas que possam surgir.

Tufão Hong Kong com mais danos e feridos do que Macau

Vicente a dez

O

tufão Vicente, que assolou o território na segunda e terças-feiras, deixou mais de cem pessoas feridas em Hong Kong e causou prejuízos a vários níveis, incluindo a queda de mais de 600 árvores, informaram as autoridades da região vizinha. O sinal 10 foi içado pela primeira vez em Hong Kong desde 1999, assim que o tufão atingiu os 100 quilómetros por hora pouco depois da meia-noite.

Mais de 600 árvores caíram durante a noite e partes de edifícios desmoronaram-se sobre as ruas do centro da cidade, tendo sido reportadas inundações em cinco áreas. Quase 120 pessoas procuraram tratamento médico, 15 das quais requereram internamento, e quase 250 pessoas procuraram refúgio nos abrigos. Os serviços de barco, autocarro e comboio foram suspensos ou reduziram a capacidade, o porto foi

encerrado e 44 voos foram cancelados. Outros 270 voos registaram atrasos. A imprensa local informou ainda que mais de cem pessoas permaneceram na estação de metro Tai Wai durante a noite, impossibilitadas de regressar a casa com a suspensão do serviço de transporte. Um deslizamento de terra ocorreu na zona elevada do Pico, mas não causou feridos, informaram as autoridades.

Prazo de validade das propostas:

Prazo de validade das propostas: noventa dias (90), a contar da data do acto público do concurso, prorrogável nos termos previstos no programa de concurso.

11. Caução Provisória:

Não é necessária a prestação de uma caução provisória.

Caução definitiva:

A caução poderá ser prestada por garantia bancária ou por seguro. Caução definitiva: 10% do preço global da adjudicação.

13. Critérios de avaliação:

Preenchimento dos requisitos exigidos no capítulo IV (Requisitos Técnicos) do programa de concurso, cuja clasnficação teve por base nos seguintes critérios. a) Preço b) Qualidade (vide os detalhes no art. 10 do projecto do concurso constante nos documentos).

14. Junção de esclarecimentos:

No período entre a data de publicação deste anúncio e o dia seguinte ao fim do prazo de entrega das propostas, solicita-se aos concorrentes que estejam atentos aos anúncios publicados na página electrónica do Centro de Ciência de Macau, S.A. (www.msc.org.mo), por forma a tomarem conhecimento da necessidade de prestação de eventuais esclarecimentos adicionais.

15. Base de Licitação:

Não existe.

Centro de Ciência de Macau, S.A. 25 de Julho de 2012.

15


16

vida

quarta-feira 25.7.2012

www.hojemacau.com.mo

Chifre de rinoceronte é muito procurado no Vietname

Rei de Espanha afastado da presidência do WWF

Como carro de luxo

A assembleia extraordinária da filial espanhola do Fundo Mundial para a Natureza (WWF, na sigla em inglês), convocada para este sábado, tinha como único ponto de discussão a destituição ou não do rei Juan Carlos do cargo de presidente honorário. E os sócios da organização decidiram mesmo afastar o monarca espanhol daquele cargo honorífico, que ocupava desde 1968. Em causa estava o polémico safari feito por Juan Carlos no Botswana, em Abril, na qual tomou parte numa caçada de elefantes e, após uma queda, acabou por ficar ferido. O rei de Espanha fracturou a bacia, teve de ser submetido a uma operação, mas a estadia no hospital não impressionou os defensores dos direitos dos animais, que muito o criticaram. “É indecente, repugnante e indigno de uma pessoa com a sua responsabilidade. Você é a vergonha de Espanha”, escreveu então a actriz francesa Brigitte Bardot, conhecida activista na defesa dos direitos dos animais, numa carta aberta a Juan Carlos. Em Espanha, os críticos relevaram ainda o facto de o rei se dedicar a safaris em tempos de crise. Com 226 votos a favor (94%) e 13 contra, os sócios do Fundo reunidos em Madrid não deixaram margem para dúvidas sobre o facto de Juan Carlos já não ser ali bem-vindo.

S

EGUNDO uma lista divulgada pela Fundação Mundial para a Protecção da Vida Selvagem (WWF), o Vietname é o país que menos cumpre as medidas de prevenção do comércio ilegal de animais selvagens. Esta tabela foi apresentada esta segunda-feira, em Genebra, na reunião bianual da Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas (CITES). Nos últimos anos, a nova classe média do país do sudoeste asiático tem vindo a aumentar a procura por chifres de rinoceronte, em grande parte impulsionada pela crença de que podem curar o cancro. No entanto, não é só pela medicina tradicional que os rinocerontes são agora perseguidos. Passaram também a ser incluídos em “bebidas alcoólicas” pelos milionários locais. Apesar do comércio de

chifres de rinoceronte ser ilegal desde 2006, e poder ser punido com até sete anos de prisão, a legislação no Vietname não está a ser aplicada. Desde 2008, que nenhuma apreensão é registada. Os circuitos do mercado negro vêm da África do Sul.

Só este ano foram detidos 43 cidadãos asiáticos por crimes relacionados com rinocerontes, dos quais 24 eram vietnamitas. Também vários diplomatas vietnamitas foram apanhados a traficar chifres de rinoceronte. Em 2008, o

diplomata Vu Anh Moc foi mesmo filmado enquanto entregava uma encomenda com um chifre de rinoceronte à embaixada vietnamita em Pretória. A caça furtiva de rinocerontes na África do Sul tem vindo a aumentar

desde 2010. Segundo estatísticas oficiais, só no primeiro semestre deste ano já foram mortos 245 rinocerontes. Os valores do ano passado indicam que foram abatidos 448 destes animais e, caso a tendência dos primeiros seis meses deste ano se mantenha, 2012 poderá

ser um ano negro para os rinocerontes sul-africanos, cuja população se calcula ser de aproximadamente 20 mil animais. Tanto a WWF como a CITES estão a fazer pressão para o Vietname melhorar a aplicação da sua legislação, reprimir o comércio online e educar a população.

PUB

COMISSÃO DE REGISTO DOS AUDITORES E DOS CONTABILISTAS

Aviso

Faz-se público, em conformidade com deliberação da Comissão de Registo dos Auditores e dos Contabilistas, de 19 de Outubro de 2011, e nos termos do disposto no nº 1 do artigo 18º do Estatuto dos Auditores de Contas, aprovado pelo Decreto-Lei nº 71/99/M, de 1 de Novembro, no nº 1 do artigo 13º do Estatuto dos Contabilistas Registados, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 72/99/M, de 1 de Novembro, bem como do disposto no ponto 3) do artigo 1º do Regulamento da Comissão de Registo dos Auditores e dos Contabilistas, aprovado pelo Despacho do Chefe do Executivo nº 2/2005, de 17 de Janeiro, que nos dias 24 e 25 de Novembro e 1, 2 e 8 de Dezembro do corrente ano, irá realizar-se a prestação de provas para inscrição inicial e revalidação de registo como auditor de contas, contabilista registado e técnico de contas. 1.

Prazo, local e horário de inscrição Prazo de inscrição: De 24 de Julho a 6 de Agosto de 2012 Local de inscrição: Instalações da Comissão de Registo dos Auditores e dos Contabilistas, no 16.º andar do “Edifício Finanças”, sito na Avenida da Praia Grande, n.ºs 575,579 e 585. Horário de inscrição: De 2ª a 5ª feira: das 09h00 às 13h00; das 14h30 às 17h45 6ª feira: das 09h00 às 13h00; das 14h30 às 17h30

2.

Condições de candidatura Auditores de contas: Podem candidatar-se todas as pessoas maiores, residentes ou portadoras de qualquer título válido de permanência na Região Administrativa Especial de Macau, que reúnam os requisitos gerais para registo como Auditores de Contas nos termos do artigo 4º do Estatuto dos Auditores de Contas, aprovado pelo Decreto-Lei nº 71/99/M, de 1 de Novembro, e que, no caso de revalidação de registo, tenham cumprido o disposto no artigo 10º do mesmo Estatuto. Contabilista registado e técnico de contas: Podem candidatar-se todas as pessoas maiores, residentes ou portadoras de qualquer título válido de permanência na Região Administrativa Especial de Macau, que reúnam os requisitos gerais para registo como contabilistas registados ou técnicos de contas nos termos do artigo 4º do Estatuto dos Contabilistas, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 72/99/M, de 1 de Novembro, e que, no caso de revalidação de registo, tenham cumprido com o disposto no artigo 10º do mesmo Estatuto.

3.

Local de levantamento do boletim de inscrição O boletim de inscrição, os esclarecimentos relativos à prestação de provas, o regulamento das provas e as regras da prestação de provas relativas aos candidatos e conteúdo das provas podem ser obtidos no sítio da internet da Direcção dos Serviços de Finanças, no local relativo à CRAC (www.dsf.gov.mo) ou levantados nos seguintes locais: 1) Rés-do-chão do Edifício da Direcção dos Serviços de Finanças, sito na Avenida da Praia Grande n.ºs 575, 579 e 585; 2) Centro de Serviços da RAEM, Rua Nova de Areia Preta No.52; 3) Centro de Atendimento Taipa, Rua de Bragança, Nº 500, R/C, Taipa.

Em caso de dúvidas, agradecemos o contacto com a CRAC, durante as horas de expediente, através do telefone número 85990168 ou 85990139, ou através do e-mail crac@dsf.gov.mo. Direcção dos Serviços de Finanças, aos 17 de Julho de 2012. O Presidente da CRAC Iong Kong Leong


quarta-feira 25.7.2012

cultura

www.hojemacau.com.mo

Arnaldo Gonçalves, professor, investigou a outra faceta de Pessoa

“Esotérico, templário, Rosa Cruz” O académico caminhou pelos trilhos pessoanos. Mostraram-lhe que Portugal tem um pé no futuro e não está condenado a um “destino tacanho”. Ontem explicou, como interlocutor de Pessoa, o que significa ser português e descobrir o que é alma lusitana na pátria e fora dela Rita Marques Ramos rita.ramos@hojemacau.com.mo

O

NTEM, ao cair da noite, numa conversa “entre amigos”, no Clube C&C, Arnaldo Gonçalves, professor de relações internacionais, reflectiu sobre uma faceta mais encoberta de um expoente máximo português da poesia, Fernando Pessoa. O seu contributo filosófico, em que interrogava o destino de Portugal, foi um espólio mais escondido e não concluído que despertou em Arnaldo Gonçalves uma vontade de maior descoberta, há cerca de ano e meio. “Numa conferência na Universidade de Aveiro sobre a ‘Europa das Nacionalidades e os Mitos Fundadores’, reflectiu-se sobre

D

EPOIS do êxito garantido na estreia de “Macau Fashion Link” em 2011, a partir de Setembro, as indústrias criativas vão ter um incremento mais glamoroso, atraindo olhares internacionais. O evento, organizado pelo Albergue SCM e pelo Macau Produtivity and Technology Transfer, vai dividir-se em duas partes, no “Macau Cover Girl 2012” e no “Fashion Show”, esta última mostrará em passerelle no bairro icónico de São Lázaro peças criativas de designers locais ainda amadores, o “Local Show”, dia 30 de Novembro, e as últimas criações de designers conceituados da lusofonia, de Pequim, Xangai e Hong Kong, no “L Show”, a 1 de Dezembro. Os estilistas ainda não foram revelados mas crê-se que virão caras conhecidas de Portugal, Angola, Moçambique e Brasil. A

Fernando Pessoa e o seu mito do 5º Império no pensamento intelectual português e na maneira de nos interrogarmos como povo e como diáspora”, conta o também consultor jurídico. “Isso levou-me à parte esotérica e ocultista de Fernando Pessoa e os caminhos que seguiu, nessa procura do interior, que é a de todas as religiões e todos os caminhos espirituais quer no Ocidente quer no Oriente.” Depois de pesquisar diversas notas e observações sobre o mesmo, em diferentes publicações, percebeu que existia “uma alma portuguesa” que o próprio, “esotérico, templário, Rosa Cruz”, exaltava. E essa mensagem, a que consta em parte na “Mensagem” que publicou ainda em vida, era “premonitória” no sentido em que os

portugueses “não estão condenados a um destino tacanho, ancorado à Europa”. Por essa razão, concordante com o discurso de Pessoa, Arnaldo Gonçalves confia que “o nosso olhar” está voltado para o Atlântico, beneficiando do um desenhado perfil na costa portuguesa, segundo o poeta. “Esse foi o rasgar do nosso destino. O que nos ligou ao mundo e o património que demos ao mundo também.” Na sua visão

profética, viu um Portugal revigorado, através do mito de D. Sebastião. As qualidades são intrínsecas ao povo português, segundo Gonçalves, que acredita na “capacidade de arriscar, de aventura, de procurar maior felicidade” e de “se incluir no cômputo dos povos”. “Esse papel Portugal não perdeu porque é todos os dias revigorado nas novas gerações, das Olimpíadas Matemática, ou jovens que são referência das provas académicas e científicas internacionais, empresários de sucesso na diáspora portuguesa, por exemplo”, explica, identificando-se com o legado intelectual do poeta. O mesmo que descreve como “uma pessoa para além do seu tempo, desenraizado do Portugal medíocre, rural, ‘parvónio’ das primeiras décadas do século XX”.

17

Mentor da Casa do Mandarim nasceu há 170 anos

Fez ontem 170 anos que passaram desde o nascimento do mentor da Casa do Mandarim. Zheng Guanying, um filósofo e personalidade afamada dos finais da Dinastia Qing, concluiu a sua obra-prima, intitulada Advertências em Tempos de Prosperidade na Casa do Mandarim. A partir de agora, Macau vai ter uma semana dedicada a Zheng Guanying e até dia 28 vários especialistas de Macau e da China continental vão participar em diversas actividades em Macau, Zhongshan e Cantão. A Casa do Mandarim é considerada património cultural de Macau. - C.L

15ª edição da Feira do Livro de Macau

A 15º edição da Feira do Livro, organizada pelo Instituto Politécnico de Macau (IPM), arrancou na passada sexta-feira e termina no próximo domingo. O certame está aberto das 10h30 às 21h30 no IPM. Nesta edição, o tema é “Sem Fronteiras para Ler”. No local podem ser adquiridos livros de chinês, inglês, português e japonês. É a primeira vez que a feira tem tanta variedade de livros de língua estrangeira. No total trezentas editoras mundiais participam na exposição. – C.L.

O “Macau Fashion Link 2012” promete reavivar a moda e as indústrias criativas

Glamour em São Lázaro

novidade para já é que os criadores vão “desenvolver acções de promoção com os locais, empresários e interessados em investir na moda

e nas indústrias criativas”, conta Carlos Marreiros, presidente do MFL. Desta forma, o também director do Albergue SCM acredita

que se pode “reforçar o seu papel de plataforma para se promover oportunidades de cooperação entre a China e os países lusófonos ao fazer estes ‘links’. Além de chamar a atenção para o cenário envolvente, construído ao longo de séculos, de forma a chamar a atenção do público para Bairro de São Lázaro, incluído desde os anos 60 no património histórico de Macau. A ideia, revela, é vir um dia a evoluir o conceito para uma Semana de Moda em Macau mas com amadurecimento, “sem pressa”.

“MACAU COVER GIRL 2012”

Pela terceira edição, o concurso “Macau Cover Girl”

volta a apoderar-se das ‘passereles’ de calçada portuguesa do Bairro de São Lázaro. De entre as 30 candidatas, foram escolhidas 12 aspirantes de modelos para encher de glamour a noite de 8 de Setembro. A formação intensiva das raparigas, entre os 18 e os 25 anos, vai começar já no primeiro dia de Agosto e prolonga-se por um mês consecutivo, segundo informa Guiomar Pedruco, co-fundadora do concurso, ao Hoje Macau. “Este ano temos meninas mais altas, com uma média de 1,70m, que irão participar nos treinos de passerelle, aulas de dança, drama e sessões fotográficas”, revela a ex-Miss Macau. As vencedoras da

edição passada a somar às escolhidas nesta edição vão ser desafiadas a “entrar em desfiles mais exigentes de natureza internacional” no âmbito do “Fashion Show”. Este ano há ainda uma nova aposta. O WebTv é um canal que estará a actualizar online “a progressão” das modelos e “os desafios que vão enfrentando”, de modo a que o público acompanhe as candidatas ao título de vencedora “Macau Cover Girl 2012”. Na apresentação do “Macau Fashion Link 2012” à imprensa, Guiomar Pedruco disse estar “contente pelo apoio de todas as comunidades”, além do concurso receber mais uma vez o apoio do Albergue da SCM. – R.M.R.


publicidade

18

quarta-feira 25.7.2012

www.hojemacau.com.mo

EDITAL

ANÚNCIO

Edital no :78/E/2012 Processo no :802/BC/2011/F Assunto :Demolição da obra não autorizada pela infracção às respectivas disposições do Regulamento de Segurança Contra Incêndios (RSCI) Local :Rua dos Ervanários no 1, Edf. Hong Yun, fracção 1o andar A e terraço sobrejacente à fracção, Macau.

A Região Administrativa Especial de Macau, através da Comissão de Grande Prémio de Macau, faz público que, de acordo com o Despacho de 13 de Julho de 2012, do Exmo. Senhor Secretário para os Assuntos Sociais e Cultura, se encontra aberto concurso público para adjudicação da empreitada por preço global denominada “Obra Nº 6 – Conservação do Edifício do Grande Prémio, Instalações nas coberturas e Instalações das garagens provisórias para o 59.º Grande Prémio de Macau”.

Chan Pou Ha, subdirectora da Direcção dos Serviços de Solos, Obras Públicas e Transportes, no uso das competências delegadas pela alínea 7) do no 1 do Despacho no 09/SOTDIR/2009, publicado no Boletim Oficial da RAEM no 16, II série, de 22 de Abril de 2009, faz saber por este meio ao dono da obra ou seu(s) mandatário(s) e ao(s) utente(s) do local acima indicado, caso existam, o seguinte: 1.

O agente de fiscalização desta DSSOPT deslocou-se ao local acima indicado e verificou a realização de obra sem licença cuja descrição e situação é a seguinte: Obra

2.

3.

4.

5.

6.

Infracção ao RSCI e motivo da demolição

Sanção

1.1

Instalação de gaiola metálica na fachada do edifício junto à fracção 1o andar A.

Infracção ao nº 12 do artigo 8º, obstrução do acesso aos pontos de penetração no edifício.

Nos termos do no 7 do artigo 87o do mesmo regulamento, é sancionável com multa de $2 000,00 a $20 000,00 patacas.

1.2

Construção de um compartimento não autorizado com paredes em alvenaria de tijolo, janela em caixilharia de alumínio, chapa, gradeamento e cobertura metálicos no terraço sobrejacente à fracção 1o andar A.

Infracção ao no 4 do artigo 10o, obstrução do caminho de evacuação.

Nos termos do no 3 do artigo 87o do mesmo regulamento, é sancionável com multa de $4 000,00 a $40 000,00 patacas.

De acordo com o no 1 do artigo 95o do RSCI, aprovado pelo Decreto-Lei nº 24/95/M, de 9 de Junho, foi realizada, no seguimento de notificação por edital publicado nos jornais em língua chinesa e portuguesa de 21/10/2011, a audiência escrita dos interessados, mas estes não apresentaram a resposta no prazo indicado e não foram carreados para o procedimento elementos ou argumentos de facto e de direito que pudessem conduzir à alteração do sentido da decisão de ordenar a demolição da obra não autorizada acima indicada. Sendo as escadas e corredores comuns e terraço do edifício considerados como caminhos de evacuação, devem os mesmos conservar-se permanentemente desobstruídos e desimpedidos, de acordo com o disposto no no 4 do artigo 10o do RSCI. Além disso a janela acima referida é considerada como ponto de penetração para realização de operações de salvamento de pessoas e de combate a incêndios, não podendo ser obstruído com elementos fixos (gaiolas, gradeamentos, etc.), de acordo com o disposto no nº 12 do artigo 8º. Assim, nos termos do no 1 do artigo 88o do RSCI e no uso das competências delegadas pela alínea 7) do no 1 do Despacho no 09/SOTDIR/2009, publicado no Boletim Oficial da RAEM no 16, II série, de 22 de Abril de 2009, por meu despacho de 12/07/2012 exarado sobre a informação no 08336/DURDEP/2011, ordeno ao(s) dono(s) da obra ou seu(s) mandatário(s) que procedam, por sua iniciativa, no prazo de 8 dias contados a partir da data de publicação do presente edital, à demolição da obra acima indicada e à reposição do local afectado, bem como aos interessados e ao(s) utente(s) que procedam à remoção de todos os materiais e equipamentos nele existentes e à desocupação do local acima referido, devendo, para o efeito e com antecedência, apresentar na Divisão de Fiscalização do Departamento de Urbanização desta DSSOPT, a declaração de responsabilidade do construtor responsável por essa demolição, bem como a apólice de seguro contra acidentes de trabalho e doenças profissionais. Após a conclusão dos referidos trabalhos deverá ser comunicado o facto à DSSOPT para efeitos de vistoria. Findo o prazo da demolição e da desocupação não será aceite qualquer pedido de demolição da obra acima mencionada. De acordo com o no 2 do artigo 139o do Código do Procedimento Administrativo, aprovado pelo Decreto-Lei no 57/99/M, de 11 de Outubro, notifica-se ainda que nos termos dos nos 1 e 2 do artigo 89o do RSCI, a DSSOPT, em conjunto com outros serviços públicos e com a colaboração do Corpo de Polícia de Segurança Pública, procederá a partir do termo do prazo atrás referido à execução dos trabalhos acima referidos, a expensas do infractor. Além disso, tendo o prazo da demolição e da desocupação voluntárias expirado, a DSSOPT dará início aos trabalhos da demolição e da desocupação, não podendo ser cancelados os referidos trabalhos uma vez iniciados. Por fim, os materiais e equipamentos deixados no local acima indicado serão depositados no local indicado à guarda de um depositário a nomear pela Administração. Findo o prazo de 15 (quinze) dias a contar da data do depósito e caso os bens não tenham sido levantados, consideram-se os mesmos abandonados e perdidos a favor do governo da RAEM, por força da aplicação do artigo 30o do Decreto-Lei no 6/93/M, de 15 de Fevereiro. As obras acima indicadas infringem o disposto no RSCI, pelo que, os infractores são sancionáveis com a respectiva multa. Além disso, de acordo com o no 4 do artigo 87o do mesmo regulamento, em caso de pejamento dos caminhos de evacuação, será solidariamente responsável a entidade que presta os serviços de administração ou segurança do edifício. Nos termos do no 1 do artigo 97o do RSCI e das competências delegadas pelos nos 1 e 4 da Ordem Executiva no 124/2009, publicada no Boletim Oficial da RAEM, Número Extraordinário, I Série, de 20 de Dezembro de 2009, da decisão referida no ponto 3 do presente edital cabe recurso hierárquico necessário para o Secretário para os Transportes e Obras Públicas, a interpor no prazo de 8 dias contados a partir da data de publicação do presente edital.

Aos 12 de Julho de 2012 A Subdirectora dos Serviços

Enga Chan Pou Ha

1.

Entidade que põe a obra a concurso: Comissão do Grande Prémio de Macau.

2.

Modalidade do concurso: Concurso público.

3. Local de execução da obra: Edifício do Grande Prémio, Garagens provisórias e Circuito da Guia. 4. Objecto da empreitada: Executar no edifício do Grande Prémio e na Antiga Torre de Controlo, nomeadamente, trabalhos de pintura e reparação do reboco das paredes, reparação dos portões de correr das permanentes, a reparação de janelas, paredes cortina e juntas de dilatação nos terraços, reparação dos equipamentos sanitários, incluindo condutas de abastecimento e de drenagem, verificação/reparação do sistema de alimentação de energia eléctrica existente e os seus acessórios e construção de plataformas provisórias de madeira, assim como, a construção no paddock, incluindo montagens e desmontagens de 35 garagens provisórias metálicas, um depósito de combustível e de um depósito de pneus ambos de estrutura metálica, dois balcões de atendimento com estrutura de madeira e uma cobertura de estrutura metálica no Parc Fermé, vedações e restantes equipamentos necessários. 5.

Prazo de execução: Cumprimento das datas limite constantes no Caderno de Encargos.

6.

Prazo de validade das propostas: O prazo de validade das propostas é de noventa dias, a contar da data do acto público do concurso

7.

Tipo de empreitada: Por Preço Global.

8.

Caução provisória: MOP200,000.00 (duzentas mil patacas), podendo ser prestada por depósito em numerário ou através de cheque visado a entregar na Divisão Financeira da Direcção dos Serviços de Turismo ou por garantia bancária ou seguro-caução, à ordem da Comissão do Grande Prémio de Macau devendo ser especificado o fim a que se destina.

9.

Caução definitiva: 5% do preço total proposto para a adjudicação.

10. Preço base: Não há. 11. Condições de admissão: Serão admitidos como concorrentes as entidades inscritas na Direcção dos Serviços de Solos, Obras Públicas e Transportes para execução de obras. 12. Adiamento: Em caso de encerramento dos serviços públicos, em virtude de tempestade ou motivo de força maior, o termo do prazo de entrega das propostas será adiado para o primeiro dia útil imediatamente seguinte, à na mesma hora 13. Local, dia e hora limite para entrega das propostas: Comissão do Grande Prémio de de Macau, sita em Macau, na Avenida da Amizade n.º 207, Edifício do Grande Prémio, 1.° Andar, até às 17:30 horas do dia 28 de Agosto de 2012. 14. Sessão de esclarecimento: os interessados podem assistir à sessão de esclarecimento deste concurso público que terá lugar às 11:00 horas, do dia 2 de Agosto de 2012, na Comissão do Grande Prémio de Macau, sita em Macau, na Avenida da Amizade n.º 207, Edifício do Grande Prémio, 1.° Andar, sala 104. 15. Local, dia e hora do acto público do concurso: Local: Comissão do Grande Prémio de Macau, sita em Macau, na Avenida da Amizade n.º 207, Edifício do Grande Prémio, 1.° Andar; Dia e hora: 29 de Agosto de 2012, pelas 10:30 horas. Os concorrentes ou os seus representantes deverão estar presentes no acto público de abertura das propostas para os efeitos previstos no artigo 80.° do Decreto-Lei n.o 74/99/M, de 8 de Novembro, e para esclarecimento de eventuais dúvidas dos documentos apresentados a concurso. Os representantes legais dos concorrentes poderão fazer-se representar por procurador devendo, neste caso, apresentar procuração notarial. 16. Critérios de apreciação das propostas e respectivos factores de ponderação: a) Preço: 70%; b) Prazo de execução: 15%; c) Plano de trabalhos 5% ; e d) Experiência em obras semelhantes 10% . O modo de cálculo está descrito no artigo 10.° do Programa de Concurso. 17. Local, dias, horário e preço para a obtenção da cópia e exame do processo do concurso: Local: Comissão do Grande Prémio de Macau, sita na Av. da Amizade n.º 207, Edifício do Grande Prémio, 1.° Andar; Dias e horário: dias úteis, desde a data da publicação do respectivo anúncio até ao dia e hora do Acto Público do Concurso e durante o horário normal de expediente; Preço: MOP500,00 (quinhentas patacas). A Comissão do Grande Prémio de Macau, aos 19 de Julho de 2012.

O Coordenador,

João Manuel Costa Antunes


quarta-feira 25.7.2012

[ ] Cinema

SALA 2

Um filme de: Christopher Nolan Com: Cjristian Bale, Anne Hathaway, Gary Oldman, Liam Neeson 14.30, 18.00, 21.00

Um filme de: Marc Webb Com: Andrew Garfield,, Emma Stone 14.30, 19.15

THE AMAZING SPIDER-MAN [3D][B]

SALA 2

SALA 3

FALADO EM CANTONENSE Um filme de: Steve Martino, Mike Thurrneier 14.30, 16.15, 18.00, 19.45, 21.30

FALADO MANDARIM LEGENDADO EM CHINÊS E INGLÊS Um filme de: Wuershan Com: Chen Kun, Zhou Xun, Mini Yang 16.45, 21.30

ICE AGE 4: CONTINENTAL DRIFT [3D] [A]

PAINTED SKIN II [C]

VERTICAIS: 1-Acariciar; Grande onda. 2-Arquivo de filmes cinematográficos. 3-Batráquio anuro; Roer; Decifra. 4-Cavar ‘a superfície; Antílope africano. 5-Arrastar com o rodo o sal das marinhas; Brisa. 6-Partes duras da Madeira; Desembaraçado. 7-Transitva; Prefixo designativo de ar. 8-Asno. Irmãos. 9-Indignação; Bagaço de uva, de que se faz água-pé. 10-Arrecadados. 11-Argola; Que tem calos.

SOLUÇÕES DO PROBLEMA

Sudoku [ ] Cruzadas

HORIZONTAIS: 1-Medida agrária; Rama de nabo pouco desenvolvido. 2-Sucesso desairoso; Antiga cidade da Caldeia. 3-Prefixo designativo de negação; Óleo de gergelim. 4-Conceber; Aspecto; Freguesia do concelho de Oliveira de Azeméis. 5-Delicado; Panela de barro. 6-Grande porção de ratos; Imposto sobre o Rendimento das pessoas Colectivas. 7-Espécie de pandeiro ou adufe do Norte de Africa; Gema de ovo batida com açucar. 8-Assistir; ância com que as abelhas fabricam os favos; O mais (ant.). 9-Antes de Cristo; Tumor duro que se forma em volta das articulações dos ossos. 20-Garboso; Ósmio (s.q.). 11-Unidade monetária da União Europeia; Bom sendo.

Aqui há gato [Tele]visão TDM 13:01 13:30 14:45 19:00 19:35 20:30 21:05 21:30 22:15 23:00 23:35 01:40 02:15

TDM News - Repetição Jornal das 24h RTPi DIRECTO TDM Entrevista (Repetição) Resistirei Telejornal Tempos Modernos Brothers and Sisters (Irmãos e Irmãs) Aquarela do Brasil TDM News Tudo isto é Fado Telejornal (Repetição) RTPi DIRECTO INFORMAÇÃO TDM

RTPi 82 14:00 Telejornal Madeira 14:30 Com Ciência 15:00 Sal na Língua 15:30 Cenas do Casamento - SIC 16:00 Bom Dia Portugal 17:30 Decisão Final 18:00 Vingança 18:45 Destino: Portugal – Braga 19:15 Portugueses Pelo Mundo – Dubai 20:00 Jornal Da Tarde 21:15 Ler +, Ler Melhor 21:30 O Preço Certo 22:15 Verão Total - Coruche ESPN 13:00 Rivalry 13:30 National Pride 14:00 Olympic Spirit 14:30 The Medal Ceremony 15:00 Winter Superstars 15:30 A Winter’s Tale 16:00 When The Games Begin 17:30 Story Of Women At The Games 3 18:30 Champions And Challengers 19:30 (LIVE) Sportscenter Asia 2012 20:00 Stars Of Athens 2004 21:00 Caribbean Golden Moments 21:30 South American Golden Moments 22:00 Sportscenter Asia 2012

22:30 23:30

Living The Dream Host City London

STAR Sports 13:00 13:30 14:00 16:00 17:00 18:00 18:30 19:00 20:00 21:00 21:30 22:00 22:30 23:00

When The Games Begin Golf Focus 2012 GP2 Series 2012 Meydan FEI Nations Cup 2012 Max Power 2012/13 Golf Focus 2012 When The Games Begin Living The Dream Host City London When The Games Begin (LIVE) Score Tonight 2012 Mobil 1 The Grid 2012 Smash 2012 When The Games Begin

FOX Movies 12:25 Surf’S Up 13:55 Bad Boys 15:55 Hancock 17:30 Good Neighbours 19:10 Predators 21:00 Knight & Day 22:50 Beyonce 00:10 Dylan Dog HBO 12:00 13:45 15:20 18:05 20:10 22:00 23:45

The Back-Up Plan Along Came Polly Scent Of A Woman How Do You Know? Dr. No Sucker Punch The Sunset Limited

Cinemax 12:05 Green Zone 14:00 Bird On A Wire 16:00 The Bastard 17:35 Shutterspeed 19:00 Superman/Batman 20:10 Sudden Death 22:00 Red: Werewolf Hunter 23:30 Case 39

HORIZONTAIS: 1-Acre; Nabiça. 2-Fiasco; Ur. 3-An; Sirage. 4-Gerar; Ar; Ul. 5-Amável; Ola. 6-Rataria; IRC. 7-Tar; Gemada. 8-Ver; Cera; Al. 9-AC; Nodo. 10-Galhardo; Os. 11-Euro; Siso. VERTICAIS: 1-Afagar; Vaga. 2-Cinemateca. 3-Rã; Ratar; Lê. 4-Escavar; Nhu. 5-Rer; Ar. 6-Nós; Ligeiro. 7-Ia; Aer. 8-Burro; Manos. 9-Ira; Lia. 10-Guardados. 11-Anel; Caloso.

À VENDA NA LIVRARIA PORTUGUESA MAO II • Don Delillo

Numa viagem de cortar a respiração, DeLillo leva-nos para além das versões oficiais da nossa história quotidiana, por detrás de todas as crenças fáceis que alimentamos sobre nós mesmos, com uma visão ousada e uma voz eloquente e moralmente atenta que não tem par na literatura americana. O Leitmotiv do livro é a multidão: DeLillo vê-a na repetição que Warhol faz da imagem de Mao na sua serigrafia Mao II, vê-a ainda na praça de Tianamen, em Hillsborough e no funeral de Khomeini.

TRANSA ATLÂNTICA • Mónica Marques REGRAS |

Insira algarismos nos quadrados de forma a que cada linha, coluna e caixa de 3X3 contenha os dígitos de 1 a 9 sem repetição SOLUÇÃO DO PROBLEMA DO DIA ANTERIOR

19

Cineteatro | PUB

SALA 1

THE DARK NIGHT RISES [C]

futilidades

www.hojemacau.com.mo

Um romance que faz pelas relações transatlânticas o que 508 anos de intercâmbio cultural, social e económico não conseguiram. Esta é a história de uma mulher entre os trinta e os quarenta anos e com uma tendência natural para o abismo e para o pecado. Uma mulher como as outras, que cura um caso de desamor e se apaixona pela vida noutra cidade - o Rio de Janeiro, a cidade onde as árvores só deixam de florir quando se aproxima o Outono que nunca vem, e onde há garotos de bundas perfeitas, mulheres doces, aventuras permanentes, abismos escondidos. RUA DE S. DOMINGOS 16-18 • TEL: +853 28566442 | 28515915 • FAX: +853 28378014 • MAIL@LIVRARIAPORTUGUESA.NET

COMER E CALAR? NÃO ME PARECE É um dos pecados mortais. A gula faz parte da natureza animal. Bom, não me lembro quando é que comecei a ser guloso. Se calhar quando me compraram a primeira latinha de comida. A verdade é que quero comer. Apetece-me amiúde. Quando os jornalistas deste jornal estão a comer algo lá vou eu para cima das suas secretárias, a ver se me calha algo. Por vezes sou chato, admito. Mas é a gula que me move. Pensando no verbo comer. Não acham que algumas pessoas “comem” em demasia? E pensem na forma comer como uma analogia. Muitas dessas pessoas, que já têm a “barriga” confortada ainda querem comer mais. Há um desejo intrínseco a algumas pessoas que é comer mais e mais. “Eles comem tudo, eles comem tudo, e não deixam nada”, já dizia José Afonso. Faz-me tanta confusão como é possível que haja pessoas assim. O dinheiro deve ser capitalizado para melhorar a condição de vida e não para ser sovina. É preciso aproveitar. Como é bom utilizar o dinheiro para viajar, ler, ficar mais rico como pessoa e não ficar uma pessoa rica. O dinheiro traz benefícios mas também traz malefícios. Mas nem vou comentar a vida daqueles que tudo têm e nada lhes falta – se calhar, falta-lhes amor. As companhias de transportes e a Macao Water querem aumentos nas tarifas, no entanto os seus serviços deixam muito a desejar. Os cidadãos não estão satisfeitos com os aumentos porque, acima de tudo, sabem que lhes é fornecido um serviço medíocre. Para dizer a verdade, as companhias do território, no geral, fornecem serviços muito maus. A CTM tem um serviço péssimo de internet. A TV Cabo tem um serviço péssimo de televisão. Os táxis são um cataclismo. Mas todos querem aumentar os preços dos seus serviços sem que melhorem a qualidade dos mesmos. É a gula a falar... Além disso, as empresas têm uma forte ajuda por parte do Governo que, a cada ano, lhes fornece um belo apoio financeiro. Para as empresas a desculpa da inflação não é uma desculpa, porque mesmo quando a inflação estava em valores baixos, o serviço era péssimo. Sempre foi e desde que estou vivo não vi nenhuma melhora. A estagnação é total, mas mesmo assim querem carregar na factura. Deplorável. Os cidadãos estão descontentes e o Governo devia estar do lado da população. As empresas deviam melhorar os seus serviços em vez de estar a pedir aumentos. Atenção, Chui Sai On, atenção. Miau...

Pu Yi


20

opinião

quarta-feira 25.7.2012

www.hojemacau.com.mo

Correia Marques

a paliçada

Pontes e túneis A ponte é uma passagem p´rá outra margem. (...) Desafio pairando sobre o rio a ponte é uma miragem... Jafumega, “Ribeira”

C

OMO na história do ovo e da galinha já não me lembro qual a notícia que nasceu primeiro, na passada semana, se a intenção de que a quarta ligação entre Macau e a Taipa seja em forma de túnel e não de ponte, se o colapso de parte do túnel entre o Cotai e a Ilha da Montanha. Como aldeão que me prezo de ser e quero continuar a sonhar poder voltar a ser um dia, sofro de claustrofobia, não gosto de espaços fechados, de luz artificial, nem de morar em andares altos. Gosto sim de espaços abertos, de alargar o horizonte dos lugares olhando do alto das pontes. As pontes ligam as pessoas e os lugares, às claras. São lugares de liberdade, de miragem, de utopia. Os túneis são sombrios, medonhos, soturnos, lembram-me clausuras. Sábado à tarde, cumpro o meu ritual de pegar num livro e rumar a Hac Sa para um almoço tardio e umas horas de leitura. À saída do istmo observo as torres de habitação social (que me roubaram o deleite de apreciar o verde da colina), pelo menos três fiadas delas, e penso se as pessoas que irão habitar as casas do meio algum dia vão

conseguir que um raio de sol desinfete as suas moradias e ilumine as suas mentes. De regresso a casa, sem inspiração para escrever, busco no arquivo escritos antigos. Eis aí algo que escrevi, aqui em Macau, no dia 7 de janeiro de 1993, sexta-feira. E acreditem que a escolha de agora não foi aleatória. Ela surgiu da notícia do jovem de 24 anos que, em Denver, nos Estados Unidos da América, irrompeu por uma exibição do último filme de “Batman” adentro e, disparando a esmo sobre quem porventura nem sequer conhecia, matou 12 pessoas e feriu dezenas. Segundo vizinhos, o antigo estudante de medicina era um solitário, e alertou nas redes sociais para a sua nova morada na prisão, perguntando se o iriam lá visitar. Será isto loucura, ou falta de um abraço, necessidade de chamar a atenção? Há 19 anos, movido pelas notícias de então, anotei algo que considero cada vez mais atual num mundo de subterrâneos, de guetos, e não de saudáveis pontes entre as pessoas, de justiça e de equidade. Justiça e equidade e não caridade ou compaixão, porque a justiça e a equidade são um direito de todo o ser humano e não uma dádiva de quem tem mais do que o necessário a quem precisa do essencial. “Família vota suicídio. Uma rapariga de 15 anos matou os pais e suicidou-se de seguida. Sessenta anos de prisão para as duas adolescentes americanas que torturaram até

A criminologia consegue encontrar uma ligação de causa efeito entre a falta de associabilidade que a habitação impessoal dos aglomerados de prédios em altura, sem relações de vizinhança, potencia e o aumento da criminalidade violenta à morte, em Janeiro de 1992, uma garota de 12 anos. Hong-Kong duas horas a ferro e fogo. São estas algumas das notícias lidas na imprensa de hoje. Que mundo? Daqui, do meu quarto, vejo um emaranhado de casas de varandas gradeadas. Uma imensa prisão? Aquela casa ali é bonita e tem grades rendilhadas nas varandas e as portadas abertas, mas nunca se vê ninguém à janela! Lá dentro quantas pessoas dormirão? Não têm gosto por olhar a ponte em construção e as águas repousantes, ainda que barrentas, do Rio da Pérolas, ou fogem do mundo exterior?” Hoje, a criminologia consegue encontrar uma ligação de causa efeito entre a falta de associabilidade que a habitação impessoal dos aglomerados de prédios em altura, sem relações de vizinhança, potencia e o aumento da criminalidade violenta. Mas isto pouco importa, pois que dá dinheiro.


quarta-feira 25.7.2012

opinião

www.hojemacau.com.mo

Fernando Eloy

21

chá muito verde

Depois das palavras... um pouco de idealismo

C

OMO sempre, ler notícias, acima de tudo ver notícias, pode transformar-se num exercício deprimente. Especialmente se nos restringirmos às televisões, pois nos jornais e revistas ainda vai havendo espaço para histórias mais moralizadoras, para algumas boas notícias. Pois tenho andado a ver notícias. Não vale a pena documentar a experiência por extenso, limitando-me a um dos meus slogans preferidos do Maio de 68, “Arrêtez le monde, je veux descendre.” Mas enquanto não desço, ou o mundo não pára, fico a reflectir num par de slogans ouvidos, agora, a partir de Madrid, e que rezavam assim: “Si esto no se arregla, Guerra! Guerra! Guerra!” ou a sua variante, e meu preferido, “Ahora las palabras, despues la guerra!” Apenas mais um par de slogans de insatisfação, dir-se-á, mas estes marcaram-me particularmente. Quiçá por serem gritados numa língua muito familiar e por isso soarem mais fortes, talvez por terem sido imaginados em Espanha onde há não muito aconteceu uma guerra civil, mas possivelmente por tão bem sumarizarem o momento actual. As frases dos mineiros espanhóis gritadas frente ao Moncloa, e um pouco por toda Espanha, são verdadeiramente expressivas dos sentimentos de revolta, e sobretudo de indignação, que se vão espalhando um pouco por todo o mundo. Por motivos óbvios, já nem se pode dizer ocidental. Apenas a Ásia oriental, mais tradicionalista, porventura melhor de vida, por enquanto, tem escapado quase incólume. Mas o mundo, ou seja, diversas populações do mundo estão em pé de guerra. Fartas de serem enganadas, fartas da repetição crónica da guerra entre ricos e pobres, fartas da vida chata, frustradas por lhes ter sido prometido um mundo melhor depois da II Guerra Mundial... e depois da I... e depois dos milhares de vácuas promessas de Eldorado dos vitoriosos revolucionários, ou não. Uma das grandes novidades deste mal-estar é ser generalizado, ou quase. Provavelmente, pela primeira vez na história do mundo, existe muita gente irritada ao mesmo tempo e por razões muito semelhantes (a África Subsariana segue-se, mais tarde ou mais cedo). Até há pouco lamentava-me por ter nascido logo a seguir aos grandes movimentos revolucionários dos anos 60 e ser demasiado novo durante os nossos próprios momentos revolucionários de 70 (apesar de saber onde estava no 25 de Abril), mas fazia-o antes de tempo porque a revolução está em marcha. Contudo, para o mundo

As frases dos mineiros espanhóis gritadas frente ao Moncloa, e um pouco por toda Espanha, são verdadeiramente expressivas dos sentimentos de revolta, e sobretudo de indignação, que se vão espalhando um pouco por todo o mundo. Por motivos óbvios, já nem se pode dizer ocidental ocidental este é outro tipo de revolução, ou seja, não pode ser levada a cabo como as outras. Até agora era relativamente fácil para o líder revolucionário identificar o inimigo, elaborar uma estratégia e, naturalmente, lutar para o fazer saltar do poleiro. Mas hoje, com governos supostamente eleitos democraticamente na maioria dos países em pé de guerra, a ideia de fazer uma revolução que ocupa o palácio e faz saltar de lá o ditador, usurpador, ou simplesmente idiota, e lá sentar um governo “pró povo” destinado a

resolver todos os problemas da humanidade, não faz o mesmo sentido. A revolução agora é muito mais ampla. Percebo os mineiros espanhóis e apetece-me gritar com eles, mas preferia que “Antes de la guerra, las palabras”. Preferia que as palavras, as ideias fossem capaz de evitar a guerra. Não se trata de mudar os palhaços mas sim de deixar de ser palhaço. Todos devemos pensar mais, propor mais, agir mais. Os partidos que agora dizem representar-nos têm de se refundar ou desaparecer e nós

temos de ter a coragem e a capacidade de criar novos movimentos, de mudar os actuais ou de os ajudar a desaparecer, de criar novos arquétipos. Recentemente, em Inglaterra, um novo partido conseguiu sobrepor-se à ditadura bipolar que a tantos aflige pelo mundo fora (Tory/Labour) e vencer contra todas as expectativas, e os media, as eleições em Bradford West. George Galloway, o eleito, representa o Partido do Respeito e traz um discurso novo. Vale a pena ouvi-lo. Será este o caminho, mais respeito? Parece-me que sim, em muito boa medida. As frases dos mineiros de Madrid demonstram o limite a que chegámos, têm força, não saem da memória e também assustam porque todos sabemos quão fácil nos é pegar em armas. Mas deixam-me perplexo ao tentar compreender o tipo de guerra anunciada. Quem se vai matar/prender? Todos? Todos os deputados? Todos os ministros e secretários? Todos os capitalistas infames?... Enfiá-los todos no Campo Pequeno?... Devo dizer que a ideia não soa nada mal, pode até acontecer mas, na realidade, para além do seu carácter quase universal, a outra das novidades desta revolução é poder anunciar o fim de um ciclo e o início de uma nova idade. Parece-me tranquilo afirmar que estamos no final de um modelo de vida se bem que essa nova idade ainda mal se distinga. Como alguém dizia há pouco em Portugal numa frase do Facebook, “A única luz ao fundo do túnel que vejo é a de um comboio a vir direito a mim”. Parece-me, todavia, correcto dizer que à luz de um outro espírito, de um espírito capaz de ir para além da mesquinhez e da cupidez que nos impregnam, os principais conflitos mundiais, as quezílias entre países e entre estes e as suas populações parecem tão triviais, boçais mesmo, que um dia, ao olharmos para trás vamos abanar a cabeça como hoje a abanamos ao contemplar os abusos e a ignorância de sistemas passados. Abanaremos a cabeça conscientes da existência de formas mais inteligentes de resolver a vida porque mais cordatas, mais elevadas, formuladas com mais respeito e maior consideração. Lirismo? Talvez... Espero que não. Espero não ser necessária a guerra, que será horrível e fratricida, para chegarmos a esse estágio, para mudarmos de idade. Porque a vida é muito mais do que isto. PS.: Relativamente ao comentário sobre a minha proposta para o Palácio da Bela Vista feito pelo Dr. Rocha Dini,s que escreve “en passant”, na minha visão do mundo uma acta não coarcta, e o que ontem se atou hoje se desata.


22

opinião

quarta-feira 25.7.2012

www.hojemacau.com.mo

Helder Fernando

à flor da pele

Acanhados e balofos I Mais um belo convívio lusófono entre nós. Sábado passado, por iniciativa da Associação dos São-Tomenses e Amigos de São Tomé e Príncipe (Macau-China), o restaurante “Miramar” transbordou em ambiente fraterno entre naturais daquele país ou de alguma maneira a ele ligados, e convivas de todos os outros países do universo da língua portuguesa. Alguns diplomatas de países africanos lusófonos também abrilhantaram a festa. Bem como a secretária-geral adjunta e coordenadora do Gabinete de Apoio ao Secretariado do Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa, comendadora Rita Santos, o deputado da Assembleia Legislativa, José Pereira Coutinho que também é conselheiro das Comunidades Portuguesas e presidente da Associação dos Trabalhadores da Função Pública de Macau, e o médico Fernando Gomes, presidente do Conselho das Comunidades Portuguesas e vice-presidente da Associação dos Médicos dos Serviços de Saúde de Macau. Celebrou-se o Dia da Independência de São Tomé e Príncipe que foi a 12 de Julho. Muitos convivas do Oriente, a começar por Macau, também completaram o berço cosmopolita e lusófono da celebração. Dançou-se, cantou-se, provaram-se bons petiscos do país anfitrião, e não só, sobretudo conviveu-se sem necessidade de formalismos despropositados para o efeito, antes com a habitual fraternidade e o velho conhecimento e mistura de sangues que nos une. Também por isto, é diferente e forte esta comunidade culturalmente diversificada, mas unida pela língua comum. II Vamos lá tentar contrariar o pessimismo dos que dizem que os hotéis em Macau passaram a ser locais perigosos onde estar. Os recentes acidentes graves em hotéis, com ossos partidos de um lado e esfaqueamentos mortais em outro, afinal acrescentaram intensidade à algo frequente cadeia de sequestros, achados de droga, agiotagem, lutas entre seitas e alguns suicídios. Sabendo-se das dezenas de milhões de pessoas - gente de toda a espécie - que por ano atravessam as fronteiras locais, a percentagem de crimes não é, pelo menos por enquanto, assustadora. III Há um afã internacional a favor do tubarão, coitado. As barbatanas, credo, as barbatanas! Os ecológicos associados de Macau solicitam ao governo subsídio para “barbatanas falsas” (?) Que excitados eles andam contra a barbatana! Assim que souberam que metade do consumo mundial da boa da barbatana é aqui ao lado em Hong Kong, exclamaram: Que horror! E entre nós, por causa daquelas deliciosas

Há um afã internacional a favor do tubarão, coitado. As barbatanas, credo, as barbatanas! Os ecológicos associados de Macau solicitam ao governo subsídio para “barbatanas falsas” (?) Que excitados eles andam contra a barbatana! Assim que souberam que metade do consumo mundial da boa da barbatana é aqui ao lado em Hong Kong, exclamaram: Que horror! sopinhas, temos vindo a precisar de uns 25 mil tubarões por ano, pelo menos foi assim em 2010. A seguir irão mundialmente proibir que saboreemos cabeça de garoupa, filete de pescada, caras de bacalhau, asas de galinha bem como as pernas, o peito, e até as moelas, os fígados, o pescoço e o coração para os pipis. Mas também vamos deixar de comer coxas de rã, bochechas ou secretos de porco, nem sequer o porco agridoce, pezinhos de coentrada, pedacinhos de lulas com rebentos de soja, choquinhos grelhados, caril de camarão, kalulu de peixe seco, sashimi. Até ficarmos com cara de apa - por nos cercearem o fumegante apabico macaense. Isto é que vai uma dor por causa do tubarão! Aguarda-se idêntica dor por todos os outros animais, incluindo cobras mosquitos e baratas, que fazem parte da alimentação. IV Com esta pressa de agora, a urgência do encontro, a solicitação para o imediato, está localmente a tornar-se difícil a qualidade

necessária para nos telecomunicarmos com total garantia de eficiência. Entre nós e com o resto do mundo. As críticas aumentam, as queixas também. Já parece a rotina dos comentários desfavoráveis sobre os transportes públicos de Macau ou, mais recente, o diferendo com o patrão das organizações Sands. Ou mesmo as críticas cíclicas ao critério, ou sua falta, de atribuição de subsídios por parte da Fundação Macau. Será que alguém, ou o colectivo, tem de reinventar Macau, como propõe Pansy Ho? Macau dos poderosos, calculam alguns deputados, ao mesmo tempo que suspeitam estar para breve a retirada de parte dos poucos poderes que possuem na Assembleia Legislativa: cada vez menor controlo das actividades do governo, fim da capacidade de chamarem à Assembleia membros do executivo, etc. Devemos acreditar em mais esta marcha à ré? V Alguma circulação de cópias de documentos aparentemente relacionados com um caso local mas com ramificações internacionais, que está dando muitíssimo que falar nas últimas semanas. Até em algumas caixas do correio terão aparecido. A origem é anónima, o caixote do lixo ou o fogo é o destino, lá é o lugar dos cobardes. Assim foi. VI Perguntar sempre, aos outros que sabem e ainda a nós próprios. O autoquestionamento, sem exageros introspectivos, também faz-nos chegar às respostas. O pior é quando não existe quem saiba. Pior ainda, quando existe, no falso conforto da cobardia, os que sobrevivem, acanhados e balofos, dos silêncios filhos do receio que lhes descubram a ignorância militante. Coitados.


quarta-feira 25.7.2012

opinião

www.hojemacau.com.mo

Carlos Morais José

23

editorial

No reino do Rato Mickey (ou a decadência da China) Quando os Manchus tomaram o poder na China em 1644 assistiu-se a algo semelhante ao que se passou quando da invasão bárbara do Império Romano: os conquistadores adoptaram, em quase toda a linha, a língua, a cultura e os modos de administração dos vencidos. Quer isto dizer que os Han sendo possuidores de uma riquíssima e complexa civilização, de algum modo, engoliram quem os subordinava pela força das armas. Hoje os Manchus, enquanto cultura, praticamente não existem, foram basicamente absorvidos, como aconteceu aos Francos e aos Visigodos na Europa. Ora hoje está-se a passar um fenómeno semelhante mas que tem a ver com a decadência da cultura chinesa que, apesar do país desempenhar um papel cada vez mais importante em termos económicos (a força dos nossos dias), se rende cada vez mais à cultura dita Ocidental, nomeadamente de cariz americano. Bastaria andar pelas ruas de uma qualquer cidade chinesa e olhar para o modo como as pessoas se vestem para imediatamente tirar conclusões. Onde estão as cabaias e os fatos tradicionais masculinos? Não existem: os chineses adoptaram os jeans, as t-shirts e todos os outros artefactos de origem Ocidental. Mas o pior é que a coisa não se fica pela indumentária. Em termos alimentares, por exemplo, é sabido que os hábitos têm mu-

A China, tal como os manchus se renderam à cultura Han, rende-se à cultura do Ocidente. Não aos valores da liberdade, da fraternidade e da igualdade, mas à estupidez e ao conformismo colectivo que o capitalismo soube criar ao longo do século XX para manter as massas amorfas e complacentes dos desmandos que o regime comporta dado e para muito pior. A culinária chinesa, uma das mais ricas e equilibradas do mundo, está a ser ameaçada pelos McDonalds, KFC e outros estabelecimentos de comida rápida. O resultado tem sido o aumento da obesidade em flecha, sobretudo das crianças, o que faz prever o pior no futuro. Se o chinês contemporâneo já prefere o hamburger ao chao-min, deixem-me dizer-lhes que esse fascínio pelas americanices não se fica pelo prato. Vai mais longe como não poderia deixar de ser que nestas coisas da cultura tudo está interligado. Por exemplo, a malta de Hong Kong está de-

sesperada porque os seus filhos obtiveram excelentes notas em Inglês e péssimas em Chinês. Ou seja, o seu quotidiano facilita a apreensão da língua de George Bush enquanto comunicam num Cantonense de rua sem profundidade cultural, uma espécie de língua de marinheiros mal educados. A língua clássica, o aprofundamento do milenar pensamento chinês, são deixados de lado em função do novo deus que todos adoram: o dinheiro. Capitalismo rex, com todos os seus avatares e destruição de valores fundamentais. Resolvi partilhar estas reflexões depois de ter visto na televisão uma cena tristemente espantosa. Um político de Macau ou HK, sentado à sua secretária, explicava a sua posição sobre um tema actual. Atrás de si, alguns dos habituais quadros e uma pequena estátua de jade. Pensa o leitor que se tratava de uma carpa, de um pássaro, de um Buda ou de uma Sábio daoista? Engana-se: a figurinha representava... o Rato Mickey! Para mim, isto representa claramente o princípio do fim da cultura chinesa. Dir-me-ão que se trata de um episódio isolado, de um atrasado mental particular, de um rendido à cultura americana. O problema é que não se trata de um caso isolado. Tendo os chineses contemporâneos feito do dinheiro o maior valor, é natural que os símbolos mais asquerosos da sociedade capitalista venham por acrescento. Portanto, os chineses estão ganhar a guerra do dinheiro e a perder a guerra do espírito. Quando a China realmente dominar o mundo, estará já dominada pela cultura de uma sociedade sem cultura, feita de banais estereótipos, cujo simbolismo remete para um vazio de valores ou de valores que nada têm a ver a cultura chinesa. Bem sei que existem pensadores na China, como o filósofo Jiang Qing, que tentam recuperar a sua cultura e o seu modo de encarar o mundo. Mas parece-me debalde. A China, tal como os manchus se renderam à cultura Han, rende-se à cultura do Ocidente. Não aos valores da liberdade, da fraternidade e da igualdade, mas à estupidez e ao conformismo colectivo que o capitalismo soube criar ao longo do século XX para manter as massas amorfas e complacentes dos desmandos que o regime comporta. O mais curioso de tudo isto é que a China adopta modelos que para os Ocidentais esclarecidos são hoje ridículos. É certo que o ridículo não mata e a China não morrerá como sociedade. É só como civilização.

Propriedade Fábrica de Notícias, Lda Director Carlos Morais José Editores Nuno G. Pereira; Gonçalo Lobo Pinheiro Redacção Andreia Sofia Silva; Cecilia Lin; Joana Freitas; José C. Mendes; Rita Marques Ramos Colaboradores António Falcão; António Graça de Abreu; Fernando Eloy; Hugo Pinto; José Simões Morais; Marco Carvalho; Maria João Belchior (Pequim); Michel Reis; Rui Cascais; Sérgio Fonseca; Tiago Quadros Colunistas Arnaldo Gonçalves; Boi Luxo; Carlos M. Cordeiro; Correia Marques; David Chan; Gonçalo Alvim; Helder Fernando; Jorge Rodrigues Simão; José Pereira Coutinho, Marinho de Bastos; Paul Chan Wai Chi; Pedro Correia; Peng Zhonglian; Vanessa Amaro Cartoonista Steph Grafismo Catarina Lau; Paulo Borges Ilustração Rui Rasquinho Agências Lusa; Xinhua Fotografia António Falcão, Gonçalo Lobo Pinheiro; Lusa; GCS; Xinhua Secretária de redacção e Publicidade Madalena da Silva (publicidade@hojemacau.com.mo) Assistente de marketing Vincent Vong Impressão Tipografia Welfare Morada Calçada de Santo Agostinho, n.º 19, Centro Comercial Nam Yue, 6.º andar A, Macau Telefone 28752401 Fax 28752405 e-mail info@hojemacau.com.mo Sítio www.hojemacau.com.mo


quarta-feira 25.7.2012

www.hojemacau.com.mo

Obama responde a ameaça da Síria

Banho de sangue em Bagdad

Subiu para 107 o número de mortos provocados por uma série de atentados perpetrados em Bagdad, no Iraque. O último balanço feito pelas autoridades aponta, ainda, para cerca de três centenas de feridos. Os ataques – nove no total – já foram considerados os mais sangrentos dos últimos tempos. “Quinze minutos antes da explosão não havia qualquer carro. Depois uma viatura chegou e deu-se a explosão. Pergunto: onde está a polícia? O impacto da explosão reduziu a pó cerca de 50 casas”, aponta um iraquiano desolado com a situação vivida no país. Além de Bagdad, os ataques atingiram outras cidades situadas a norte da capital. Os ataques ainda não foram reivindicados, mas as suspeitam recaem sobre a Al-Qaeda. A violência no país tem vindo a aumentar desde a retirada das tropas norteamericanas do país em Dezembro do ano passado.

Passos Coelho desvaloriza eleições

“Se algum dia tiver de perder umas eleições em Portugal para salvar o país, como se diz, que se lixem as eleições, o que interessa é Portugal”. As palavras são do primeiro-ministro e presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, durante um jantar do grupo parlamentar do PSD, em Lisboa. Num discurso perante os deputados sociais-democratas, o chefe do Executivo mostrou-se disposto a sacrificar os resultados eleitorais pelo interesse nacional e lembrou que nenhum deles foi eleito para ganhar as próximas eleições. “Mas a verdade é que nenhum dos senhores ou das senhoras foi eleito para esse mandato. Nenhum dos que aqui estão foi eleito para ganhar as próximas eleições, ou para ajudar a ganhar autárquicas, nem as regionais deste ano nos Açores, nem as europeias que aí vêm a seguir, não foi para isso que fomos eleitos. Foi para responder ao país”, disse, motivando uma forte onda de aplausos entre os presentes.

Rihanna divulga foto provocante no Twitter

A bela cantora dos Barbados Rihanna decidiu “premiar” os seus fãs com fotos sensuais, que fez para a revista “Esquire”, em 2011, colocando as imagens na sua conta no Twitter. Agora cantora aparece sem roupa, coberta apenas por algumas folhas estrategicamente colocadas, depois de no início da semana, Rihanna ter partilhado com os fãs uma série de fotografias tiradas a bordo do iate onde passou alguns dias de férias com as amigas.

Macau, China e Portugal na Fundação Serralves

Partilhar experiências

Q

UINZE estudantes de Macau, China e Portugal vão reunir-se no Porto, a partir de sábado e durante dez dias, para partilharem experiências, no âmbito da primeira edição do projecto “Interfluxos”. “O ‘Interfluxos 2012’ vai realizar-se pela primeira vez na Fundação Serralves, no Porto, e é uma parceria da Universidade Católica Portuguesa, da Universidade de São José, em Macau, e de uma universidade de Pequim”, explicou à agência Lusa José Manuel Simões, coordenador da licenciatura em Comunicação & Media, da Universidade de São José, que vai enviar cinco alunos a Portugal. O projecto resulta de um “convite e de uma ideia da Fundação Serralves” e conta com o apoio da Fundação Macau, salientou o responsável ao indicar que o objectivo é “uma troca de experiências entre alunos” e a promoção do intercâmbio cultural, não só ao nível da

Ciclone

mobilidade de estudantes, mas também da criatividade que poderá gerar. Entre 28 de Julho e 6 de Agosto, cinco alunos do quarto ano da licenciatura em Comunicação & Media da Universidade de São José, em Macau, outros cinco da Academia de Cinema de Pequim e cinco da Escola das Artes da Universidade Católica vão participar em “workshops, conferências e actividades relacionadas com vídeo e cinema”. “No final, os 15 vão realizar em conjunto uma curta-metragem [em 72 horas] sobre um tema ainda a definir”, que se pretende depois levar a festivais internacionais de curtas, adiantou José Manuel Simões. Para o coordenador do curso da Universidade de São José, “desenvolver tal projecto criativo em tão curto espaço de tempo, ao mesmo tempo em que vão estar a comunicar numa terceira língua e a trabalhar com colegas de diferentes contextos culturais, será uma experiência nova e en-

volvente para os estudantes” de Macau. “Ao mesmo tempo, os estudantes vão participar numa série de seminários, palestras e workshops e terão a oportunidade de conhecer artistas contemporâneos portugueses e cineastas”, observou. No “Interfluxos”, Macau estará representado por “alunos de proveniências distintas”, designadamente de Portugal, Filipinas, China e do território, o que para José Manuel Simões “é interessante em termos multiculturais, pois [simbolizam] o que [a Região Administrativa Especial chinesa] é no fundo, um lugar cosmopolita e multicultural, o que também constitui uma mais valia para os outros alunos”. Durante os dez dias de permanência no Porto, os estudantes da China vão ficar alojados numa residência universitária e pretende-se que o “’Interfluxos’ tenha continuidade nos próximos anos”, concluiu o responsável. - Lusa

O túnel entre a Taipa e a Ilha da Montanha está destinado a ser, mais cedo ou mais tarde, um túmulo. POR FERNANDO

O presidente dos EUA, Barack Obama, já respondeu ao facto de o Governo da Síria, liderado por Bashar Al-Assad, equacionar recorrer a armas químicas caso o país seja ameaçado. “Actualmente, estamos a trabalhar sobre a transição, para que o povo sírio possa ter um futuro melhor, livre do regime de Assad. Tendo em conta os stocks de armas químicas do regime, avisamos claramente Assad e os que o rodeiam que o mundo está de olhos postos neles. A comunidade internacional e os Estados Unidos responsabilizálos-ão se cometerem o erro trágico de usarem essas armas”, apontou Obama. A tensão entre a comunidade internacional e a Síria aumentou de tom depois das declarações do Governo de Damasco. Antes de Obama, o secretário-geral da ONU, Ban KiMoon, criticou a ameaça síria. “É repreensível o uso de tal arsenal”, disse, referindo-se ao uso de armas químicas. Recorde-se que a Síria não é signatária da Convenção de 1992, que proíbe o uso, a produção e o armazenamento de armas químicas.

Portugueses estudam doença de Machado-Joseph

Investigadores portugueses identificaram a proteína e o mecanismo que estão na origem da evolução da doença de MachadoJoseph. Doença que causa dificuldades de movimento. Luís Pereira de Almeida, investigador do Centro de Neurociências e Biologia Celular da Universidade de Coimbra, está envolvido no processo. “Os tratamentos que existem até agora são apenas sintomáticos. Esperamos vir a conseguir obter indicações que permitam levar a uma terapia que bloqueie a doença”, afirmou. Esta descoberta poderá significar um importante passo para encontrar um tratamento para a doença.

Utilizadores com menos tempo no Facebook Uma pesquisa, levada a cabo pela SodaHead, mostra que apenas 52 por cento dos utilizadores do Facebook inquiridos pretende, num futuro próximo, passar menos tempo na rede social. Parte dos inquiridos já não visita o endereço com tanta frequência. Só dez por cento dos utilizadores acede à rede constantemente, 37 por cento admitiram que nem sequer voltam à página todos os dias. 20 por cento faz uma ou duas visitas diárias e 33%, algumas visitas no período. A finalizar, o estudo revela que 73% dos entrevistados acreditam que a Google+ poderá, a breve trecho, ultrapassar o Facebook em relação ao número de utilizadores.


Hoje Macau 25 JUL 2012 #2658  

Edição do Hoje Macau de 25 de Julho de 2012 • Ano X • N.º 2658

Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you