Page 1

DIRECTOR CARLOS MORAIS JOSÉ

MOP$10

QUARTA-FEIRA 25 DE ABRIL DE 2018 • ANO XVII • Nº 4038

HOJE MACAU

PEREIRA COUTINHO VS VOTOS COMPRADOS

ESGOTOS

Maré castanha PÁGINA 6

PÁGINA 4

25 DE ABRIL

Musa de Ivo Ferreira GRANDE PLANO

PÁGINAS 2-3

www.hojemacau.com.mo•facebook/hojemacau•twitter/hojemacau

PUB

AGÊNCIA COMERCIAL PICO • 28721006

hojemacau

Correspondência de Lisboa A Escola Portuguesa de Macau recebeu uma carta da Inspecção-Geral da Educação e Ciência sobre as queixas de dois casos de violência. O presidente da EPM confirma a recepção do pedido de esclarecimentos. O processo segue os seus trâmites de forma a apurar a veracidade das queixas. PÁGINA 7


2 grande plano

“Portugal era um país cansado de uma ditadura de quase 50 anos e de uma revolução à qual se seguiu um PREC. Chegámos a uma altura em que as pessoas queriam era um micro-ondas e ter a possibilidade de fazer uma viagem ao Brasil.” Com a película, o realizador pretende chamar para a discussão o aparecimento destas forças armadas clandestinas. “As FP-25 aparecem numa altura, após o 25 de Novembro, em que à partida estavam todos convencidos que poderia existir um golpe de direita capaz de repor o regime fascista anterior”, contextualiza. Pensando desta forma, considera que até é fácil perceber o aparecimento do grupo terrorista, sendo que o filme

EM TORNO ˜ ` DA REVOLUCAO CINEMA

25 DE ABRIL, UM DOS EPICENTROS DA INSPIRAÇÃO PARA IVO FERREIRA

HOJE MACAU

S

IM, sou fascinado por estes desastres melancólicos” começa por dizer o realizador Ivo Ferreira ao HM, quando se fala da sua abordagem aos períodos pré, durante e pós 25 de Abril. No filme premiado “Cartas de Guerra”, Ivo Ferreira trouxe para o ecrã os tempos coloniais do Estado Novo, enquanto que em “Águas Mil” deu a sua visão da revolução dos cravos. O realizador local está agora a trabalhar num projecto que pretende ver nas salas de cinema em 2020. É o filme “Projecto Global” que trata o período pós revolução dos cravos e depois a ressaca violenta do PREC, tendo como protagonistas as Forças Populares 25 de Abril (FP-25). De acordo com Ivo Ferreira o filme, que ainda está em esboço, pode ser a concretização do seu primeiro projecto cinematográfico. “Quando era miúdo assisti a algumas prisões de pessoas que conhecia, assisti a pessoas a saírem das cadeias e foi daqui que surgiu a ideia. A primeira vez que pensei em cinema, ainda muito miúdo, a ideia era lidar com este assunto”, contou ao HM. A película não pretende tratar de uma posição política ou ideológica passada para a tela. “O filme não tem nada que ver com nenhum tipo de apologia de alguma coisa”, esclarece. A obra pretende abordar a luta armada que se seguiu ao 25 de Abril, um tema que sempre disse bastante ao realizador local. “Sempre quis saber porque é que as pessoas, de repente, mudam completamente a sua vida dando uma ideia de reacção”, diz ao HM.

25.4.2018 quarta-feira


grande plano 3

quarta-feira 25.4.2018

O 25 de Abril é daqueles marcos históricos que pode ser visto sob várias perspectivas. O realizador local, Ivo Ferreira, tem abordado, espontaneamente, o período antes, durante e após a revolução. De momento, o cineasta está a começar a trabalhar em “Projecto Global” que vai tratar do período quente do PREC, mais precisamente dos episódios que tiveram as FP-25 como protagonistas “é uma forma de pensar a sociedade portuguesa pós 25 de Abril”, refere.

LOUCOS 80’S

Por outro lado, Ivo Ferreira afirma que “Portugal era um país cansado de uma ditadura de quase 50 anos e de uma revolução à qual se seguiu um PREC. Chegámos a uma altura em que as pessoas queriam era um micro-ondas e ter a possibilidade de fazer uma viagem ao Brasil” aponta em tom de metáfora para descanso. Portugal estava nos anos 80 e a “contra-ritmo, numa altura em que já não havia sonhos dado o cansaço do fascismo, do PREC, de tudo”. Mais do que uma desilusão com a revolução, para Ivo Ferreira estava em causa, “sobretudo, o cansaço”. “As pessoas queriam era descanso e uma casa no Algarve”, aponta. A década dos anos 80 também é muito cara ao realizador. “É uma época de hedonismo, que também aparece em reacção, em que as pessoas só queriam estar bem. É o fim de um processo revolucionário e o aparecimento de uma Lisboa a sair para a rua”, diz. Com a abordagem das FP-25 Ivo Ferreira quer, acima de tudo, lançar a discussão “sobre o que são as construções de um futuro, o que são as ideologias, até onde vão e que sentido fazem”, aponta.

“As FP-25 aparecem numa altura, após o 25 de Novembro, em que à partida estavam todos convencidos que poderia existir um golpe de direita capaz de repor o regime fascista anterior.”

“Projecto Global” gira em torno de um triângulo amoroso, em que há um grupo de pessoas que não estava contente com a situação e queria mudá-la, apesar de querem fazer já fora do tempo. «É um filme que se centra numa das células da organização armada e que aborda a existência de quem optou por existir na clandestinidade envolta de não verdades de identidades, nos nomes, nas vidas”, revela.

ANTES DE ABRIL

Se o pós revolução ainda está para vir, o pré revolução de Ivo Ferreira foi um sucesso. “Cartas de guerra” inspirou-se no livro “D’este viver aqui neste papel descripto - Cartas de guerra”, que inclui as cartas que o escritor António Lobo Antunes escreveu à primeira mulher, de 1971 a 1973, durante o tempo em que esteve em Angola, a servir o exército, na guerra colonial.

“É, sobretudo, uma história de amor e isolamento e de como um Estado pode privar mais de um décimo da população das suas vidas, contaminando um país inteiro. É uma declaração de amor e uma questão de sobrevivência”, explicou o realizador à agência Lusa quando o filme esteve em Berlim. O cineasta referiu ainda que, apesar de se focar num tema importante da História de Portugal, como é o caso da Guerra do Ultramar, o filme não deve ser entendido como uma lição de história. “Não é um filme didáctico, mas o facto de tratar os assuntos e tirá-los das prateleiras é positivo para gerar conversas à sua volta, que ainda é tabu. Depois do 25 de Abril, foi atirado para o caixote das histórias más. Em 1971, no período em que o filme se passa, já toda a gente tinha consciência política de que aquilo era um dis-

parate e uma agonia”, declarou o cineasta em Berlim.

OS DIAS DE 1974

Em contraciclo cronológico, antes de “Cartas de Guerra”, o cineasta focou-se na revolução. “Águas mil” é a segunda longa-metragem de Ivo Ferreira e foi exibido em estreia nacional a 25 de Abril de 2009 no Festival IndieLisboa.

“Na escola aprendemos a segunda guerra mundial, depois passamos de uns senhores nuns tanques com cravos na boca para uma página com doze estrelas amarelas.”

No filme, Ivo Ferreira conta a história de Pedro, que revolve o passado à procura do pai, desaparecido quando ele era criança. Ao volante de uma velha caravana, Pedro faz o mesmo percurso que o pai fez até Espanha, encontrando dois camaradas de Eduardo dos tempos em que faziam parte de uma organização armada, nos anos seguintes ao 25 de Abril. Em entrevista à Lusa, Ivo Ferreira referiu que à medida que acompanha a história de Pedro, o filme procura desvendar alguns “silêncios e segredos” do período pós-revolução em Portugal. “Essa fatia da história foi eclipsada. A Revolução dos Cravos foi uma grande festa que deu uma grande ressaca, e eu queria saber o que se construiu depois disso”, explicou o realizador. O filme é um olhar, com “alguma mágoa, mas também com grande ternura”, para a geração que fez a revolução de Abril. Nos filmes de Ivo Ferreira, e nestes três em particular, ressoam as histórias que não se aprendem na escola. “Sou fascinado pelos episódios que estão obscuros na nossa história”, refere ao HM. “Na escola aprendemos a segunda guerra mundial, depois passamos de uns senhores nuns tanques com cravos na boca para uma página com doze estrelas amarelas. Não estou dizer que trato de territórios novos mas interesso-me por esses assuntos que não são talvez tão explorados”. E é com este mote que se serve da sétima arte. “O cinema é uma forma de pensar e propor assuntos na mesa para que estejam disponíveis para discussão”, remata. Sofia Margarida Mota com agências info@hojemacau.com.mo


4 política

ANTÓNIO FALCÃO

25.4.2018 quarta-feira

AL Sulu Sou queixa-se de ausência de resposta a interpelação

O deputado suspenso Sulu Sou queixou-se ontem de não ter resposta a uma das sete interpelações que apresentou ao Executivo enquanto se encontrava em funções. De acordo com o Facebook do pró-democrata, há uma missiva que questionava o Governo acerca sistema de compensação dado aos lesados com carros inundados devido ao tufão Hato, que não teve qualquer resposta. Para Sulu Sou, esta á uma situação ilegal. “De acordo com a lei, o Governo deve responder por escrito às interpelações num período de 30 dias a contar a partir da data em que o Chefe do Executivo recebe a missiva”, refere. O deputado suspenso questiona ainda se há algum constrangimento por parte do Executivo em avançar com a referida resposta.

TRABALHO SINERGIA DE MACAU CRITICA ALTERAÇÃO AO ESTATUTO DA FUNÇÃO PÚBLICA

A

ELEIÇÕES JOSÉ PEREIRA COUTINHO QUER FIM DE ALICIAMENTO A ELEITORES

Mercado dos votos

O legislador ligado à ATFPM quer que o Governo proceda à revisão da lei eleitoral com a finalidade de terminar o aliciamento de votos. José Pereira Coutinho chama a atenção para o facto de ser necessário dar o exemplo aos mais novos

O

deputado José Pereira Coutinho quer saber que medidas o Governo vai tomar para pôr um fim às “actividades eticamente questionáveis” das associações locais, que têm como objectivo a angariação de votos. A questão é colocada numa interpelação escrita assinada pelo membro da Assembleia Legislativa com a data de 16 de Abril. O assunto tornou-se uma preocupação do legislador, após o relatório anual do Comissariado Contra a Corrupção, que visa também as eleições. “Que medidas urgentes vão ser tomadas pelo Governo para reduzir o aliciamento de votos por via de actos pouco éticos e nada abonáveis, que não servem de exemplo para os jovens de Macau?”, questionada o deputado. Entre as sugestões apresentadas por José Pereira

Coutinho para o problema, consta a criação de um período de jejum em que “associações com candidatos concorrentes às eleições directas para a Assembleia Legislativa” são obrigadas a “deixar de praticar actos e condutas de aliciamento de votos”.

“Que medidas urgentes vão ser tomadas pelo Governo para reduzir o aliciamento de votos por via de actos pouco éticos e nada abonáveis, que não servem de exemplo para os jovens de Macau?” JOSÉ PEREIRA COUTINHO DEPUTADO

Ainda no documento, em que o deputado solicita uma resposta “clara, precisa, coerente e completa”, é afirmada a preocupação com a “credibilidade e seriedade” do acto eleitoral. Neste aspecto, José Pereira Coutinho quer que o Executivo aposte mais nas acções de formação. “Que acções formativas, educativas e comunitárias estruturalmente bem definidas serão implementadas pelas autoridades públicas para diminuir os actos e condutas de aliciamento aos votos por parte das associações que, sistematicamente, recorrem a estes métodos para atingir os seus objectivos?”, pergunta José Pereira Coutinho. O deputado representante da Associação de Trabalhadores da Função Pública de Macau considera ainda que, de uma maneira geral, a sociedade “não tolera condutas de aliciamento aos votos e transacções de benefícios, para a eleições directa

dos deputados à Assembleia Legislativa”.

MENOS BUROCRACIA

Nas questões enviadas ao Governo, através daAssembleia Legislativa, o legislador foca igualmente a sua atenção na burocracia à volta do processo das eleições. José Pereira Coutinho defende que para votar, o recenseamento eleitoral deve deixar de ser realizado, sendo que os cidadãos apenas deviam precisar de apresentar nas urnas o Bilhete de Identidade de Residente. “Vai o Governo rever a actual legislação eleitoral, eliminando a burocracia da obrigatoriedade de recenseamento eleitoral, bastando no futuro a apresentação do BIR no acto eleitoral?”, pergunta. A última revisão à lei das eleições entrou em vigor em Dezembro de 2016, meses antes das eleições legislativas de Setembro de 2017. João Santos Filipe

joaof@hojemacau.com.mo

3ª Comissão Permanente da Assembleia Legislativa está a discutir na especialidade a alteração ao Estatuto dos Trabalhadores da Administração Pública, que altera a exigência dos pedidos de aposentação serem entregues com uma antecedência de 90 dias. No entanto, o presidente daAssociação da Sinergia de Macau, Vítor da Rocha Vai, declarou ao Jornal Ou Mun que a alteração proposta pelo Governo pode ser associada ao caso da aposentação do antigo director dos Serviços Meteorológicos e Geofísicos (SMG). Para Rocha Vai, a alteração das exigências actuais pode fazer com que os funcionários públicos se aproveitem do sistema e que no futuro utilizem a aposentação para contornarem eventuais sanções que lhes sejam atribuídas pelo desempenho de funções. Recorde-se que Fong Soi Kun, ex-dirigente dos SMG, reformou-se na sequência da passagem do Tufão Hato, que causou a morte de uma dezena de pessoas. No entanto, o Chefe do Executivo propôs que Fong fosse castigado durante quatro anos, sem receber pensão, devido ao seu desempenho durante a passagem do Tufão Hato. O caso está agora nos tribunais. Por outro lado, o presidente daAssociação de Sinergia de Macau apontou também que é necessário manter o regulamento que exige aos funcionários que apresentem os pedidos de reforma com uma antecedência de 90 dias de antecedência. Rocha Vai justifica a manutenção do período com procedimentos burocráticos, nomeadamente os trabalhos para calcular a antiguidade na Função Pública, o índice salarial, e verificar se o funcionário reúne os requisitos para se poder aposentar. Ainda na visão de Vítor da Rocha Vai, poderá haver cedências no cenário da antecedência de 90 dias. Porém, o tempo tem de ser sempre suficiente para os procedimentos administrativos seguirem o seu curso.


política 5

quarta-feira 25.4.2018

ENCONTRO VICE-PRIMEIRO-MINISTRO DA RPC RECEBE TITULARES DOS PRINCIPAIS CARGOS

O

vice-primeiro-ministro da China, Han Zheng, recebeu ontem os titulares dos principais cargos e o procurador-geral de Macau, que se encontram em Pequim a receber formação. Segundo um comunicado oficial, Han Zheng afirmou esperar que o Governo da RAEM implemente o espírito mencionado nas instruções de Xi Jinping sobre o papel de Macau e a execução do princípio “um país, dois sistemas” e a Lei Básica “na defesa firme da soberania, segurança e dos interesses de desenvolvimento do país”. O vice-primeiro-ministro apontou ainda que promover a integração de Macau no desenvolvimento global do país e diligenciar, sem reservas, as vantagens complementares e o crescimento mútuo entre a Macau e a China devem figurar entre as prioridades, a par com a manutenção da prosperidade e a estabilidade a longo prazo. Segundo a Secretária para a Administração e Justiça, Sónia Chan, esta terá sido a primeira vez que Han Zheng recebeu representantes de Macau e Hong Kong, desde que assumiu o cargo de vice primeiro-ministro encarregado dos assuntos das duas Regiões Administrativas Especiais.

Petição Associação local protesta aterros feitos em Fujian

A Associação da Amizade dos Conterrâneos de Kuixiancun, registada em Macau mas sem nome no Boletim Oficial em português ou inglês, apresentou uma petição no Gabinete de Ligação do Governo Central. Em causa estão os aterros em Kuixiancun, cidade da província Fujian, que segundo a associação de Macau, colocam em causa o ecossistema. Por outro lado, os membros da associação também se queixaram porque consideram que os residentes não foram consultados antes de ter começado todo o processo. No entanto, não é certo que as suas opiniões sejam consideradas, uma vez que o Gabinete de Ligação serve essencialmente para tratar dos assuntos entre o Governo Central e a Região Administrativa Especial de Macau.

PARECER USO DAS CÂMARAS INSTALADAS NOS UNIFORMES DA PSP DEVE SER REDUZIDO AO MÍNIMO

Dados com prazo de validade

O uso das câmaras instaladas nos uniformes dos agentes da PSP deve ser reduzido ao mínimo, circunscrevendo-se a três cenários concretos, adverte o parecer do Gabinete de Protecção dos Dados Pessoais (GPDP). Encontram-se ainda proibidas gravações em templos, igrejas ou em hospitais e os dados que não sejam relevantes em termos de prova devem ser eliminados passados sete dias

A

utilização das câmaras de vídeos instaladas nos uniformes dos agentes da PSP deve ser reduzida ao mínimo. A recomendação consta do parecer do Gabinete de Protecção dos Dados Pessoais (GPDP) que sublinha que, se for prescindível para a finalidade pretendida, a recolha não deve ser efectuada, sob pena de o tratamento dos dados pessoais ser “considerado excessivo”. Segundo o documento, publicado agora em português, as câmaras instaladas nos uniformes dos agentes da PSP, a funcionar desde 14 de Março, só podem ser ligadas em três situações: “perturbação ocorrida

ou previsível da ordem e tranquilidade públicas da sociedade”; “agressão actual ou que vai acontecer contra a pessoa ou património público ou privado”, ou no “local onde o crime está a ser praticado ou em preparação”. “O aparelho serve para fiscalizar e rever a situação da execução

“Não se devem filmar todos os trabalhos de policiamento de rua nem se deve utilizar a função de gravação sonora a qualquer tempo.”

da lei pelos agentes policiais e só pode ser utilizado nos casos de ameaça ou resistência enfrentados pelos agentes policiais no exercício das suas funções”, refere o parecer. Neste sentido, “quando deixem de subsistir as finalidades da utilização”, “os agentes policiais devem terminar a filmagem”, realça o GPDP. O parecer aponta ainda que, apesar das câmaras serem portáteis, o que proporciona mobilidade, existem restrições funcionais, pelo que, segundo as informações facultadas pela PSP, “o ângulo e a área de filmagem são muito limitados”. Assim, “não se devem filmar todos os trabalhos de policiamento de rua, nem se deve utilizar a função

de gravação sonora a qualquer tempo”, observa.

LOCAIS PROIBIDOS

Já a gravação em casas de banho, vestiários, templos, igrejas ou hospitais encontra-se proibida, segundo o parecer. Se tal suceder inadvertidamente, “os dados capturados devem ser imediatamente eliminados”. No que toca à conservação de dados, as regras de uso dispõem que apenas podem ser guardados por sete dias. Isto a menos que os dados possam servir como meio de prova. Nesse caso, podem ser conservados até o termo do prazo de inquérito. O parecer refere ainda que os indivíduos filmados podem exercer, de forma directa, o seu direito de acesso aos dados a menos que estejam relacionados com a segurança, prevenção ou a investigação criminal, já que, nesse caso, o mesmo direito só pode ser exercido através da PSP. Além disso, há um conjunto de regras a cumprir por parte dos agentes: É obrigatório o uso de uniforme, se necessário deve ser exibido o cartão de identificação, além de que o agente deve informar os interessados no início e no fim das filmagens. Medidas que, para o GPDP, satisfazem o direito de informação dos titulares dos dados. Há também medidas para garantir a segurança no tratamento de dados pessoais, designadamente o controlo da entrada nas instalações, dos suportes de dados, da inserção, da utilização, de acesso, da transmissão, da introdução ou do transporte, bem como regras relativas à confidencialidade a observar. Diana do Mar

info@hojemacau.com.mo


6 sociedade

25.4.2018 quarta-feira

Alfândega Criação de plano de equipa para zonas marítimas

Vai ser criada uma nova equipa de operações para actuar na orla marítima de Macau. De acordo com um comunicado dos Serviços de Alfândega, o objectivo é combater irregularidades e efectuar trabalhos de salvamento nas zonas marítimas. Os Serviços de Alfândega de Macau tiveram um encontro a 17 de Abril com a Polícia para os Assuntos Marítimos de Hong Kong, no sentido de trocar informação sobre os modelos adoptados e experiências de gestão dos assuntos policiais nas zonas marítimas. A entidade local revela ainda que em 2017 foram registados 118 casos de entradas ilegais que envolveram 30 embarcações e 286 imigrantes. De Janeiro a Março, o Executivo detectou 26 casos de entradas ilegais, em que foram detidos 49 imigrantes.

Segurança Governo não prevê serviço de fiscalização a elevadores

ESGOTOS BLOQUEIO LEVOU DEJECTOS HUMANOS A INVADIR RUAS

Veio ao de cima

Também segundo o comunicado do IACM, como parte dos trabalhos para o restabelecimento da normalidade, foram feitas inspecções à rede de esgotos naquele local e estiveram no local camiões com bombas para que tudo ficasse limpo.

Um bloqueio na rede de esgotos à frente da antiga residência do General Ye Ting fez com que surgissem à superfície dejectos humanos, durante a manhã de ontem, quando se registou uma forte chuvada. A questão foi resolvida e as ruas abertas ao trânsito por volta das 14h

INVESTIGAÇÃO POSTERIOR

A

PÓS a intensa chuvada que se abateu no território, durante a manhã de ontem, dejectos humanos surgiram à superfície no cruzamento entre a Rua do Almirante Costa Cabral e a Estrada de Adolfo Loureiro, junto à antiga residência do General Ye Ting. Ao HM, um porta-voz do Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais esclareceu que a situação está completamente resolvida e que foi causada por um bloqueio na rede de esgoto. Na altura da ocorrência, por volta das onze da manhã, sentiu-se um cheiro intenso na área e as estradas tiveram de ser encerradas à circulação. Segundo a explicação

oficial, publicada em comunicado, o caso teve na origem numa concentração excessiva de gordura e óleos naquela zona da rede de esgotos. “O IACM tratou a situação com carácter de emergência e foi tudo normalizado por volta das 14h. Após ter sido identificada a situação, foi enviado pessoal para

o local e entrou-se em contacto com a CSR [Companha de Sistemas de Resíduos] para que tudo fosse limpo”, afirmou a fonte do IACM, ao HM. “Desde as 14h que está tudo limpo e que a situação está normalizada, com os esgotos e as estradas em normal funcionamento”, foi acrescentado pelo porta-voz.

“O IACM tratou a situação com carácter de emergência e foi tudo normalizado por volta das 14h. Após ter sido identificada a situação, foi enviado pessoal para o local e entrou-se em contacto com a CSR para que tudo fosse limpo.” PORTA-VOZ DO INSTITUTO PARA OS ASSUNTOS CÍVICOS E MUNICIPAIS

Na mensagem publicada pelo Governo é igualmente referido que a rede de esgotos é limpa pelo menos uma vez por mês. Por outro lado, o IACM comprometeu-se a proceder a uma investigação mais profunda sobre aquela zona da rede de esgotos e das áreas mais próximas. Ainda assim, é igualmente feito um apelo para que a prevenção destes incidentes comece com a conduta dos cidadãos, quando utilizam os esgotos. O IACM apela para que “todos os sectores da comunidade trabalhem juntos na protecção da rede de esgotos e que evitem os bloqueios, causados por lixos domésticos e gorduras”. O incidente ocorreu perto da antiga casa do General Ye Ting, que viveu em Macau entre 1932 e 1942. Ye Ting foi um dos generais que participaram na revolta de Nanchang, naquele que é considerado o momento da fundação do Exército de Libertação do Povo, a 1 de Agosto de 1927. João Santos Filipe

joaof@hojemacau.com.mo

O Executivo não tem calendário para a criação de um serviço de fiscalização na área eletromecânica. A ideia foi dada ontem pelo gabinete do secretário para a Segurança, em resposta a uma interpelação da deputada Ella Lei. De acordo com a réplica emitida pelo Governo, “o conteúdo da interpelação da deputada Ella Lei não está no seu âmbito de competências, como tal, a informação dada tem por base os dados obtidos com a Direcção de Serviços de Solos, Obras Públicas e Transportes (DSSOPT) e do Corpo de Bombeiros”. Segundo os mesmos, o grupo de trabalho interdepartamental para optimização actualmente existente já concluiu o seu trabalho e, neste momento, a DSSOPT está a consultar a opinião do sector, sendo que para já não há um calendário para a criação de um serviço específico de fiscalização de elevadores.

Formação Curso bilingue na área do comércio arranca amanhã na UM

O Centro de Ensino e Formação Bilingue Chinês-Português da Universidade de Macau vai organizar um curso de formação em português na área do comércio. O curso, que arranca amanhã e decorre até 17 de Maio, destina-se a tradutores de chinês-português, professores de português e outros profissionais que trabalham com a língua portuguesa e vai ser ministrado por Ye Zhiliang, da Universidade de Estudos Estrangeiros de Pequim (actualmente a leccionar na Universidade de Macau). A formação vai realizar-se à segundafeira e à quinta-feira (18h30-20h30) e ao sábado (10h-12h).


sociedade 7

quarta-feira 25.4.2018

EPM RECEBIDO PEDIDO DE ESCLARECIMENTO DO GOVERNO PORTUGUÊS

A carta de Lisboa

A Escola Portuguesa de Macau recebeu uma carta da Inspecção-Geral da Educação e Ciência de Portugal relativa a queixas de dois episódios de violência. O presidente da EPM confirmou a recepção do documento ao HM ocorreu em finais de 2016, quando um docente promoveu agressões entre alunos. O segundo episódio ocorreu a 14 de Março deste ano, quando houve uma troca de agressões entre dois estudantes de 15 e 13 anos e que terminou com um aluno internado, na sequência de lesões na cabeça.

“Posso confirmar que houve do Ministério da Educação um pedido de esclarecimento sobre a questão. Mas neste momento, sobre este assunto, prefiro não adiantar mais desenvolvimentos. Poderei fazê-lo mais à frente”, disse Manuel Machado. Segundo o HM conseguiu apurar, a correspondência recebida pela

“Posso confirmar que houve do Ministério da Educação um pedido de esclarecimento sobre a questão. Mas neste momento, sobre este assunto, prefiro não adiantar mais desenvolvimentos.”

25 DE ABRIL NA EPM

MANUEL MACHADO PRESIDENTE DA EPM

Também ontem, a Escola Portuguesa de Macau celebrou o 25 de Abril, uma vez que o estabelecimento de ensino se encontra hoje encerrado, por ser feriado nacional em Portugal. No âmbito das celebrações da revolução de 1974, que abriu o caminho para a implementação de um sistema democrático, houve um encontro entre os alunos e João Soares, deputado português e filho do ex-presidente de Portugal Mário

TIAGO ALCÂNTARA

A

Escola Portuguesa de Macau (EPM) já recebeu a carta da Inspecção-Geral da Educação e Ciência de Portugal a pedir esclarecimentos sobre dois episódios de violência que ocorreram no estabelecimento. Ao HM, o presidente da EPM, Manuel Machado, confirmou a recepção da carta, mas não quis adiantar informações sobre os casos em questão. No entanto, o HM sabe que o assunto da carta são as duas queixas apresentadas à Inspecção-Geral da Educação e Ciência. Em causa estão dois casos de violência, o primeiro caso que

Escola Portuguesa de Macau terá saído de Lisboa há cerca de duas semanas e enquadra-se nos trâmites processuais da análise de queixas sobre episódios de violência. Também ao HM, a Inspecção-Geral da Educação e Ciência já tinha confirmado que as queixas em questão estavam a ser analisadas. Porém, este é o primeira contacto entre as duas partes, no âmbito da análise aos dois casos.

João Santos Filipe

joaof@hojemacau.com.mo

O

Centro de Reflexão, Estudo, e Difusão do Direito de Macau (CRED-DM) da Fundação Rui Cunha organiza amanhã mais um programa “Fazer Justiça”. Desta feita, alunos do ensino secundário da Escola Portuguesa de Macau (EPM) vão simular uma audiência e julgamento sobre a violência no namoro. A iniciativa, que se realiza desde 2013, tem como objectivo dar a conhecer aos jovens estudantes os fundamentos essenciais da lei e da justiça, bem como ajudá-los a compreender o sistema jurídico de Macau. “Todos os anos escolhemos um tema e os miúdos são preparados desde Janeiro, por mim e pelo juiz Carlos Carvalho, para simular uma sessão de audiência e julgamento”, contextualizou a coordenadora do CRED-DM, ao HM, sublinhando que os tópicos são escolhidos em função das preocupações típicas da idade dos estudantes. “Tentamos sempre ir buscar um tema que seja importante para a adolescência. Já fizemos sobre tráfico e consumo de droga e

Soares, e com o Coronel Manuel Geraldes, um dos intervenientes na Revolução dos Cravos. “Celebrámos hoje [ontem] o 25 de Abril com a presença do Dr. João Soares, que está cá em Macau, e do Coronel Manuel Geraldes. Houve uma reunião com os alunos da Escola sobre a temática do 25 de Abril, em que eles falaram da sua experiência. Um como militar interveniente na revolução e outro, como um estudante, na altura, da oposição e da situação política antes do 25 deAbril”, contou Manuel Machado. Além do encontro, estão em exposição na escola trabalhos elaborados pelos alunos sobre a revolução dos cravos.

Tribunal dos pequeninos

Alunos da EPM simulam amanhã audiência de julgamento na Fundação Rui Cunha

sobre bullying, por exemplo. Serve como uma chamada de atenção e alerta para mudarem determinados tipos de comportamento e como forma de os prevenir”, sustentou Filipa Guadalupe. Desde o juiz ao arguido, passando pelas testemunhas, todos os intervenientes são estudantes. Este ano, pela primeira vez, um aluno de nacionalidade chinesa vai assumir o papel de juiz presidente numa sessão que, à semelhança da realidade, conta com tradução, explicou a mesma responsável, indicando que a iniciativa é feita em conjunto com o Clube de Filosofia da EPM. “Os miúdos gostam

muito, temos sempre imensos candidatos, mas este ano porque foram os 20 anos da EPM e eles estiveram envolvidos em muitas actividades extracurriculares, pensei que não ia conseguir fazer”, contou.

LEI BÁSICA PARA OS MAIS PEQUENOS

Já o programa “O CRED-DM vai à Escola” elegeu os 25 anos da Lei Básica como tema da sexta edição. As actividades, destinadas a alunos do 4.º ano da EPM, Escola Oficial Zheng Guanying, Escola Hou Kong e Escola Luso Chinesa da Flora, reuniram “por volta de 180 crianças” na segunda e na terça-feira, indicou Filipa

Guadalupe. Hoje realiza-se uma sessão com 27 crianças, entre os oito e os 13 anos, da Escola Concórdia para Ensino Especial, o que sucede pela primeira vez, enfatizou a coordenadora do CRED-DM. “Estamos muito contentes [com o programa]. Temos cada vez mais escolas a quererem participar. O ‘feeeback’ é positivo, sobretudo das escolas chinesas, porque as actividades que fazemos aqui fogem completamente ao que estão habituados”, sublinhou. Apesar de o resultado ser positivo, o objectivo é ir mais longe: “A ideia era conseguirmos apoios para o programa

funcionar durante o ano inteiro, com o CRED-DM a levar o Direito a diferentes instituições de ensino”. No entanto, tal exige financiamento, porque “são necessários recursos humanos e materiais”. “Era engraçado conseguirmos esse apoio e, na minha opinião, este ano, demos um passo de gigante porque o tema da Lei Básica foi muito feliz e as entidades governamentais vieram ver ‘in loco’ como funciona e gostaram. Vamos ver se é desta que conseguimos arrancar”, afirmou Filipa Guadalupe. Os 25 anos da Lei Básica também vão estar em foco amanhã, pelas 18h30, numa sessão na Fundação Rui Cunha, desta feita destinada a adultos. A iniciativa tem como oradores Jorge Rangel, presidente do Instituto Internacional de Macau e membro da Comissão de Redacção da Lei Básica, e Leonel Alves, advogado e vice-presidente da Associação para a Divulgação da Lei Básica. Sofia Margarida Mota com Diana do Mar info@hojemacau.com.mo


8 sociedade

M

ESMO que um pai esteja em parte incerta, através dos bens que possui em Macau é possível definir o valor da pensão dos alimentos. É esta a principal conclusão de um acórdão do Tribunal de Segunda Instância, que foi revelado, ontem, pelos tribunais na RAEM. O caso envolve uma família que se casou em 2006 e que teve um filho. No entanto, em 2008, PUB

Caso do pai invisível Tribunal define pensão de alimentos com pai em parte incerta

que ia ser definido o valor, que não era possível tomar a decisão. Isto apesar do pai ter feito questão de não estar presente. A decisão da primeira instância foi tomada com base em dois pressupostos: não haver meios para contactar o pai e não ser possível contabilizar todo o seu património, uma vez que grande parte deste está no Interior da China, tornando-a inacessível às autoridades de Macau.

TIAGO ALCÂNTARO

O Tribunal de Segunda Instância considera que, mesmo que um pai esteja em parte incerta, é legítimo que seja definido o valor da pensão dos alimentos, a partir do património situado em Macau

25.4.2018 quarta-feira

o pai decidiu regressar para o Interior do Continente, onde vive actualmente, nunca mais tendo entrado em contacto com o filho menor. Perante esta atitude do pai, a mãe da criança decidiu ir para tribunal para que fosse definida uma pensão de alimentos para a criança. A progenitora justificou ainda o pedido com o facto de atravessar uma situação financeira complicada.

No entanto, o Tribunal Judicial de Base, numa decisão de 2016, considerou que como o pai não esteve presente em conferência em

RECURSO SEGUNDO A MÃE

Inconformada com a decisão, a mãe decidiu recorrer para o Tribunal de Segunda Instância, onde a decisão acabou por ser diferente.

O TSI considerou, devido à existência de uma casa comum em nome da mãe e do pai – arrendada a troco de sete mil dólares de Hong Kong –, que esse elemento é suficiente para definir uma pensão de alimentos

O acórdão teve Vasco Fong como principal juiz. Por sua vez, o TSI considerou, devido à existência de uma casa comum em nome da mãe e do pai – arrendada a troco de sete mil dólares de Hong Kong –, que esse elemento é suficiente para definir uma pensão de alimentos. “Julgamos poder tomar uma decisão relativamente aos alimentos do menor, porque assim fica melhor salvaguardado o interesse do mesmo [filho]. Aliás, é também este o objectivo principal do processo”, sublinha o acórdão. O documento vinca também que o pai não se interessou muito pelo estado do filho menor, visto não estar em contacto com ele desde 2008, e que não quis colaborar com a Justiça de Macau. Assim, a pensão dos alimentos foi estabelecida em sete mil dólares de Hong Kong, dos quais 1.750 vêm directamente do valor da renda da casa comum do casal. O restante montante é para ser pago pelo pai, apesar de ele se encontrar em parte incerta. João Santos Filipe

joaof@hojemacau.com.mo


china 9

quarta-feira 25.4.2018

A China qualificou como parcial um recente relatório sobre direitos humanos divulgado pelos Estados Unidos e disse que o objectivo de interferir nos assuntos internos da China está “condenado ao fracasso”

DIPLOMACIA PEQUIM REFUTA CRÍTICAS DOS EUA SOBRE DIREITOS HUMANOS

Em seara alheia

RELATÓRIO MINORITÁRIO

O documento emitido pela Casa Branca não destaca, pela negativa, apenas Pequim. “Os Governos de China, Rússia, Irão e Coreia do Norte violam todos os dias os direitos humanos daqueles que estão dentro das suas fronteiras e, como resultado, gera-se instabilidade”, escreveu o secretário de Estado norte-americano John Sullivan, no prefácio do documento anual.

“A China informou claramente aos Estados Unidos que seu intento de interferir nos assuntos internos da China e dificultar o desenvolvimento da China foi em vão no passado e que não terá êxito no futuro.”

P

E QUIM contestou oficialmente o relatório do Departamento de Estado dos Estados Unidos da América. Fê-lo através do porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Lu Kang, que falou à comunicação social na habitual e diária conferência de imprensa. Os comentários do porta-voz foram feitos em referencia ao relatório global dos direitos humanos 2017 publicado pelo Departamento de Estado dos Estados Unidos, um documento que critica intensamente os direitos humanos na China. “Os Estados Unidos divulgam esse relatório ano após ano e apontam o dedo para os outros países. A maioria dos membros da comunidade internacional está insatisfeita com

LU KANG PORTA-VOZ DO MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES DA CHINA

isso”, disse Lu. De acordo com o Ministério das Relações Externas da China, o relatório deste ano, como sempre, ignora factos e é extremamente parcial. “A China informou claramente aos Estados Unidos que seu intento de interferir nos assuntos internos

Acidente Kim Jong-un homenageia vítimas na embaixada chinesa

O

líder norte-coreano encontrou-se com o embaixador da China em Pyongyang para prestar homenagem às 32 vítimas do acidente de autocarro, no domingo, na Coreia do Norte, foi ontem noticiado. De acordo com a agência de notícias oficial norte-coreana KCNA, Kim Jong-un fez uma visita, na segunda-feira, à embaixada chinesa em Pyongyang onde prestou homenagem às vítimas do acidente. Posteriormente, o líder da Coreia do Norte deslocou-se ao hospital onde se encontram os turistas chineses feridos. Esta é a primeira vez que Kim se desloca à embaixada chinesa em Pyongyang,

“a maioria dos países, incluindo a China, se opõem à politização do assunto dos direitos humanos”.

desde que chegou ao poder no final de 2011. Pelo menos 32 chineses e quatro norte-coreanos morreram no acidente de viação, que deixou ainda dois passageiros chineses gravemente feridos. Segundo a agência oficial de notícias chinesa Xinhua, o autocarro turístico caiu de uma ponte na província de North Hwanghae, no sul da Coreia do Norte. Fotografias divulgadas ontem pelo governo norte-coreano mostraram Kim reunido com embaixador Li Jinjun, na embaixada chinesa e no hospital. O Ministério dos Negócios Estrangeiros da China anunciou que uma equipa médica e diplomatas foram enviados para Pyongyang.

da China e dificultar o desenvolvimento da China foi em vão no passado e que não terá êxito no futuro”, disse Lu. “O Governo chinês dá grande importância à protecção e impulso dos direitos humanos, e obteve progresso histórico em tal campo.

O povo chinês é o que pode dizê-lo melhor”, assinalou. “A China é a favor de negociações e intercâmbios entre países na área dos direitos humanos com base na igualdade e a confiança mútua”, disse o porta-voz do Governo chinês. Lu Kang explicou ainda que

Tragédia Incêndio provoca 18 mortos e cinco feridos

P

elo menos 18 pessoas morreram e cinco ficaram feridas devido a um incêndio, ontem, num bar de karaoke, cidade Qingyuan, sul da China, que terá tido origem criminosa, refere fonte policial. A polícia de segurança pública da cidade na província de Guangdong afirmou ter recebido um telefonema relativo ao incêndio num prédio de três andares. De acordo com fontes oficiais citadas pela agência Associated Press, a polícia, bombeiros, saúde e outros departamentos enviaram equipas para o local e o incêndio foi apagado passado menos de uma hora depois do telefonema que alertou para o fogo. A polícia acredita que o incêndio foi um acto criminoso, de acordo com as investigações preliminares. Incêndios desde gé-

nero são relativamente comuns na China, onde as regras de segurança são frequentemente ignoradas, apontou a agência AFP. Em Maio de 2015, um incêndio causou a morte a 38 pessoas, num lar de idosos em Pingdingshan, na província de Henan, dando azo a uma investigação, que culminou com vinte e uma penas de prisão, incluindo funcionários públicos, em Dezembro de 2017. As autoridades chinesas chegaram à conclusão que as saídas de emergência não atendiam aos padrões de segurança e o protocolo a ser seguido no caso de um desastre não foi respeitado. Já em Novembro passado, outro incêndio matou 19 pessoas e deixou oito pessoas feridas, desta vez numa pensão, a sul de Pequim.

Porém, no que à China diz respeito, o relatório refere que as piores violações de que “foi responsável o Governo” incluíram-se as “execuções sem o devido processo prévio”, “desaparecimentos forçados”, torturas, “detenções arbitrárias” e ilegais, e restrições às “liberdades de expressão, imprensa, reunião, associação, religião e movimento”.

Tecnologia Rede de teste 5G entra em operação no sudoeste da China

A

primeira rede de teste para o 5G foi lançada no Município de Chongqing, sudoeste da China, na passada segunda-feira, marcando um avanço para a comercialização do 5G no país. Chongqing está entre o primeiro grupo de cidades chinesas a construir infraestruturas e a testar a rede a nível experimental. De acordo com a subsidiária da China Mobile em Chongqing, a rede de teste entrou em operação na Nova Área de Liangjiang e será expandida para toda a cidade de forma gradual. A rede de teste está aberta às empresas e indivíduos que têm a intenção de explorar as potencialidades da revolução tecnológica trazida pela inovação, incluindo nas áreas como internet de veículos, condução autónoma, cidades inteligentes e AR/VR online. O período de teste estará operacional e durará até a comercialização oficial do 5G. A companhia disse que cooperará com os fabricantes, instituições de educação superior e entidades de pesquisa no projecto e desenvolvimento de produtos, verificação de tecnologias importantes e exploração de modelos comerciais.


10 eventos

25.4.2018 quarta-feira

PUB

Exposição Pintura de Li Zhaoyu no Centro UNESCO “Encanto e Saudades da Terra Natal Pinturas a Tinta Chinesa de Li Zhaoyu”, é o nome da exposição que é inaugurada amanhã, pelas 18h30, na Sala de Exposição e na Sala Multifuncional do Centro UNESCO de Macau. A mostra coorganizada pela Fundação Macau e pela Associação de Artistas da Província de Fujia, conta com mais de 50 pinturas a tinta da china realizadas por Li Zhaoyu e pode ser visitada até dia 30 de Abril. De acordo com comunicado da Fundação Macau, o objectivo é o desenvolvimento da cultura e das artes tradicionais da China, bem como os intercâmbios culturais e artísticos entre Macau e o Interior da China, de forma a revitalizar o ambiente cultural local e permitir a mais pessoas de Macau reconhecer e sentir o encanto das obras artísticas a tinta chinesa. Nesse aspecto, importa dar um contexto sobre o artista em questão. Li Zhaoyu, é um famoso pintor contemporâneo que nasceu em Youxi, Fujian no ano 1966. Graduou-se na Faculdade de Belas Artes da Universidade Normal de Fujian e fez o mestrado na Universidade de Jiangnan e é também um académico visitante sénior da Academia Chinesa de Artes. As suas obras já participaram em grandes exposições de nível igual e superior ao provincial e ganharam muitos prémios; participou em exposições de intercâmbio em Singapura e noutros países, sempre com uma boa receptividade crítica. As suas obras fazem parte de colecções privadas de nacionais e estrangeiras. A entrada é gratuita.

Música Família de Prince vai processar hospital

Assine-o TELEFONE 28752401 | FAX 28752405 E-MAIL info@hojemacau.com.mo

www.hojemacau.com.mo

PUB

Os herdeiros de Prince vão processar o hospital em Illinois, nos Estados Unidos, que tratou o músico uma semana antes de este morrer de ‘overdose’, informou ontem o jornal Star Tribune. O processo por morte por negligência foi apresentado na sexta-feira passada em Chicago contra um médico e um farmacêutico do Trinity Medical Center em Rock Island, o hospital que assistiu Prince a 15 de Abril de 2016, seis dias antes morrer. Os seis herdeiros de Prince (a sua irmã Tyka Nelson e os seus meios-irmãos John Nelson, Norrine Nelson, Sharon Nelson, Alfred Jackson e Omarr Baker) alegam que os profissionais deste centro médico não fizeram tudo o que tinham de fazer para investigar o que estava a passar-se com o músico nem para prevenir outra ‘overdose’. Os familiares de Prince denunciaram também a cadeia de farmácias Walgreens por proporcionar medicamentos ao músico, apesar de as receitas estarem em nome do seu empresário Kirk Johnson. Prince morreu a 21 de Abril passado, aos 57 anos, em consequência de uma 'overdose' de analgésicos opióides, tendo sido encontrado sem vida em Paisley Park, a propriedade que integra a casa e estúdio de gravação que construiu.

Venh mais cinc

Há 44 anos terminava o gal. O 25 de Abril, dia da continua a ser uma data A Casa de Portugal faz que conta hoje com a pa de cantares alentejanos, residentes organiza o tam alternativo onde se junta partilhar canções, poemas

E

STE ano a Casa de Portugal vai promover uma iniciativa diferente das dos últimos anos para assinalar mais um 25 de Abril. "Desta vez resolvemos fazer uma coisa diferente e organizar um jantar concerto", referiu a coordenadora da entidade, Diana Soeiro, ao HM. Para o efeito, foi convidada uma banda de cantares alentejanos, os Vocalistas, para servir música como um dos pratos principais do tradicional jantar de 25 de Abril. A escolha da banda foi óbvia face à popularidade que tem no território. De acordo com a responsável, “o facto da banda ter actuado no programa "À Capela" fez com que chegasse ao conhecimento de muitas pessoas por cá", referiu. Como não poderia deixar de ser o tema "Grândola Vila Morena vai hoje ser muito bem interpretado”, refere Diana Soeiro.  O jantar está marcado para a Torre de Macau, no terceiro andar, e tem o valor de 350 patacas com oferta de vinho. A Casa de Portugal está à espera de uma casa cheia com a participação de 200 a 250 pessoas. Quanto ao menu, “não poderia deixar de ser de inspiração portuguesa”, apontou.  Para Diana Soeiro o dia da liberdade ainda é um momento que une muitos portugueses que vivem no território. "Quem vai, participa com muita alegria e, realmente, com mui-


eventos 11

quarta-feira 25.4.2018

ham s co

25 DE ABRIL A COMEMORAÇÃO DA REVOLUÇÃO DOS CRAVOS NO TERRITÓRIO

Estado Novo em Portua liberdade à portuguesa, a a festejar em Macau. z o tradicional convívio articipação de um grupo , enquanto um grupo de mbém tradicional jantar am amigos à mesa para s e, acima de tudo, alegria

ta vontade. Não têm dúvidas acerca da sua presença e do convívio com um grupo que todos os anos festeja a efeméride que já é uma tradição". Vão estar ainda presentes o ex-Governador de Macau Rocha Vieira e ex-Presidente da Câmara de Lisboa João Soares.

LIBERDADE ALTERNATIVA

À semelhança de anos anteriores há um grupo de residentes que organiza um encontro para brindar à liberdade num evento com um cariz mais informal. “É, mais uma vez, um jantar do 25 de Abril que surge a partir de um grupo de pessoas que, tradicionalmente, organizam este encontro para assinalar a data de uma forma mais alternativa", começa por dizer um dos organizadores, João Pedro Góis, ao HM. A ideia

não é ser um acontecimento para competir com as comemorações organizadas pela Casa de Portugal, mas "apenas mais um jantar para muitas sensibilidades e para todas as tendências", referiu. Trata-se de um encontro à mesa muito informal, quase familiar, e,  acima de tudo, descontraído, apontou, “até porque é a forma que define as pessoas envolvidas na organização desta comemoração, bem como os que a ela aderem”.  Se até ao ano passado o jantar deste grupo de amigos era tradicionalmente feito no NAPE, este ano a localização mudou para "O Santos" na Taipa. “Não foi por nenhum motivo especial, mas apenas para ser diferente", referiu João Pedro Góis.  A ideia era ter cerca de 25 pessoas, número que tem sido mais ou

“Quem vai, participa com muita alegria e, realmente, com muita vontade. Não têm dúvidas acerca da sua presença e do convívio com um grupo que todos os anos festeja a efeméride que já é uma tradição.” DIANA SOEIRO COORDENADORA DA CASA DE PORTUGAL

menos constante nos últimos anos, mas desta vez o número de interessados aumentou. "Entretanto, já tivemos de falar com o restaurante a dizer para contar com mais, porque já temos cerca de 40 pessoas inscritas".

À VENDA NA LIVRARIA PORTUGUESA GRAÇAS E DESGRAÇAS DA CORTE DE EL-REI TADINHO • Alice Vieira

“Não se trata do retrato de mais um rei de Portugal. El-Rei Tadinho, sua futura mulher (uma fada desempregada, que entretanto se fizera passar por bruxa) e restante família vivem algumas desgraças ora do campo do quotidiano ora do fantástico. O rei oferece a filha (que não tem! — só mais tarde dá pelo engano) em casamento a um dragão; a única bruxa do reino, embora contrariada, decide ajudá-lo; o dragão engana-se e casa com esta última... É impossível não se achar graça, tal a ironia, a prodigiosa imaginação e o alucinante desenvolvimento. (A partir dos 8/9 anos).”

Para João Pedro Góis, o 25 de Abril em Macau é comemorado com muita consciência. "Acho que aqui as pessoa têm ainda muito presente o que foi o 25 de Abril e a sua importância". Mas, em Macau pode existir uma “pequena” diferença nesta celebração da liberdade quando comparada com Portugal. "A nossa condição de emigrantes, uma vez que moramos fora do nosso país de origem, e tratando-se de uma data tão importante na história portuguesa, faz com que tenhamos um gosto especial em celebrar um momento com o qual nos identificamos particularmente", considerou.

IMPROVISO À MESA

O serão vai ser preenchido, como nos anos anteriores, sem definição precisa, mas todos são convidados

a contribuir, “com uma canção, um poema ou um discurso, o que quiserem”, afirmou. O mais importante é estar presente, “mais um ou mais cinco, desde que seja com um espírito aberto e livre porque a missão é estar ali felizes, radiantes, profundamente satisfeitos e gratos às pessoas que fizeram o 25 de Abril”, apontou. De acordo com o organizador, a data é um momento quase solene, “até porque a liberdade tem de ser sempre celebrada e respeitada”, disse.   Os participantes do jantar não precisam preocupar-se com a forma como podem arranjar cravos, uma vez que a organização tem a flor que marca o fim da ditadura à espera de cada um dos participantes. Sofia Margarida Mota

Sofia.mota@hojemacau.com.mo

RUA DE S. DOMINGOS 16-18 • TEL: +853 28566442 | 28515915 • FAX: +853 28378014 • MAIL@LIVRARIAPORTUGUESA.NET

CRÍTICA DA RAZÃO CÍNICA • Peter Sloterdijk

Crítica da Razão Cínica, publicado por ocasião do bicentenário da Crítica da Razão Pura de Kant, é, antes de mais, uma crítica da modernidade. Para Peter Sloterdijk, o actual cinismo resulta da perda das ilusões iluministas. No nosso tempo, enquanto «falsa consciência», é um fenómeno generalizado que Sloterdijk detecta nos mais diversos campos, da vida privada à religião. Como resposta a este cinismo moderno, e para que ele possa ser ultrapassado, o autor sugere a redescoberta das virtudes do antigo cinismo ou, mais exactamente, do kinismo, que passa pelo riso, a insolência e a invectiva. Surgida na Alemanha em 1983 e considerada então por Habermas como a principal obra filosófica das últimas décadas, Crítica da Razão Cínica permite-nos também entender melhor o trajecto intelectual de Sloterdijk e as polémicas suscitadas pelos seus livros mais recentes.


12

h

25.4.2018 quarta-feira

Não és bom, nem és mau: és triste e humano...

A Poesia Completa de Li He

南園十三首 (第 二 部 分 ) 尋 章 摘 句 老 雕 蟲,曉月當簾掛玉弓。    不 見 年 年 遼 海 上,文章何處哭秋風。  長 卿 牢 落 悲 空 舍,曼倩詼諧取自容。    見 買 若 耶 溪 水 劍,明朝歸去事猿公。  春 水 初 生 乳 燕 飛,黃蜂小尾撲花歸。    窗 含 遠 色 通 書 幌,魚擁香鉤近石磯。  泉 沙 軟 臥 鴛 鴦 暖,曲岸回篙舴艋遲。    瀉 酒 木 欄 椒 葉 蓋,病容扶起種菱絲。

Treze Poemas do Meu Jardim Meridional (Parte II) 6 Buscando um estilo, escolhendo frases, Envelhecendo a esculpir vermes. De madrugada a lua nas cortinas, Um arco de jade. Não vês o que sucede, ano após ano, Junto ao mar de Liao-dong? Que pode um escritor fazer Senão chorar no vento de outono? 7 Chang-qing solitário e desfeito Na sua casa vazia.1 Man-chian sempre chistoso – Demasiado ansioso por agradar.2 Melhor ir comprar uma espada Ao rio Ruo-ye3 E regressar na madrugada seguinte para servir O Duque Macaco.4 8 Primeiro jorro de águas, Andorinhas com filhotes voando.

Abelhas de curta cauda amarela regressando a casa Depois de voar em redor das flores. A janela traz uma cena distante Às cortinas do meu estúdio. Os peixes acorrem ao meu anzol perfumado Entre as pedras lavadas pelo rio. 9 Na areia do rio dois patos dormindo Tranquilos ao sol. Passo à vara devagar no meu pequeno esquife Pelas margens coleantes. Magnólias embebidas em vinho, Cobertas de folhas de pimenteira. Amigos erguem o velho a seus pés Para que plante castanhas d’água.

1 2

3 4

Ao regressar a casa, depois de ter escapado com Wen-jun, o poeta Si-ma Xiang-ru encontrou-a em ruínas. O estadista e filosofo Han Dong-Fang Shuo (154-93 a.C.), de seu cognome Man-qian, era conhecido pelo sentido de humor, o que lhe permitia criticar o Imperador enquanto mantinha o seu cargo. Um rio do Zhejiang famoso pelo seu cobre e onde Ou-ye Zi fazia suas espadas. Um ancião que se transmutava em macaco branco para iludir a sua oponente feminina.

Tradução de Rui Cascais • Ilustração de Rui Rasquinho Li He (790 a 816) nasceu em Fu-chang durante a Dinastia Tang, pertencendo a um ramo menor da casa imperial. A sua morte prematura aos vinte e sete anos, a par da escassez de pormenores biográficos, deixam-nos apenas com uma espécie de fantasma literário. A Nova História dos Tang (Xin Tang shu) diz-nos que He “nunca escrevia poemas sobre um tópico específico, forçando os seus versos a conformarem-se ao tema, como era prática de outros poetas [...] Tudo quanto escrevia era inquietantemente extraordinário, quebrando com a tradição literária.” Segundo um crítico da Dinastia Song, o alucinátorio idioma poético de Li He é a “linguagem de um imortal demoníaco.” A versão inglesa de referência aqui usada é a tradução clássica da autoria de J.D. Frodsham, intitulada Goddesses, Ghosts, and Demons, publicada em São Francisco, em 1983, pela North Point Press.


ARTES, LETRAS E IDEIAS 13

quarta-feira 25.4.2018

Diário de um editor João Paulo Cotrim

FACEBOOK, 1 ABRIL Ainda não fiz as contas do que devo à televisão. Não conto pagá-las, apenas dar de beber à curiosidade. Na lista teria de incluir Steven Bocho (1943-2018), muito por causa dos policiais onde os polícias eram humanos, nada óbvio em tempos de juvenil exaltação. Hill Street Blues tinha qualquer coisa de reportagem entretecida nos fios da narrativa. Vieram depois outras séries, talvez mais apuradas e sempre tendo em fundo o melancólico azul, como NYPD Blue, mas as primeiras vezes não perdem aquele sabor a infância. Os detectives que Dennis Franz interpretou em ambas conversam amiúde comigo. Saravah, Steven da minha criação. FACEBOOK, 13 ABRIL Muitas imagens despontam no acanhado quintal da memória. E queria partir agora mesmo em direcção a Goya, companheiro maior na peregrinação das sombras. Gosto de imaginar o circunflexo invertido pássaro a pousar no nome de Miloš Forman (1932-2018), bombeiro dançarino para quem a loucura normal pode ser um nó na garganta dos dias. Chorei Voando Sobre Um Ninho de Cucos, gigante cartaz anunciando a liberdade, o poder do afecto e da ternura, os actores que se tornam árvores do humano, desde que deviamente regadas. Saravah, Miloš da criação. HORTA SECA, LISBOA, 9 ABRIL Como voltar a dizer o mesmo vezes sem conta? Por milhentas circunstâncias, migalhas e missangas, escolhos e encolhos, fui praticando o desporto de preguiçosas perícias, a procrastinação, e vi-me com a bomba nas mãos. Pior: a minha costela maternal afeiçoou-se e dou por mim a gostar do atraso, a beijá-lo com mil ainda que urgentes cuidados. Algo se perderá nesta terra húmida, potenciando o nascimento da flor do erro, mas na minha horta amanha-se assim o sol, sendo agora tarde para mudar de manhã. Andei doido a terminar projecto de anos. Bartoon, a coluna deitada do mano Luís [Afonso] ergue-se há 25 anos no Público e queríamos celebrar a data soprando alma. Pedimos a outras tantas figuras, amigas, cultas, ridentes, que nos escolhessem exemplos do bom humor, da lógica extrema, da aguda crítica, da amarga tirada para depois a colou em andamento de páginas regido pelo Jorge [Silva]. Cruzei caminhos com o Luís há tantos caminhos e sóis que não sei se somos índios da mesma tribo ou cobóis em duelo de fim de contas. Confirmo apenas, como escrevi a primeira vez que o expusemos aqui em tratos de abertura da galeria e

a contar já com este livro, que «o seu pequeno mundo mantém um capital explosivo que nem sempre é fácil de explicar. A simplicidade é, talvez, o principal dos componentes. Não procurou o autor o esplendor gráfico, apenas uma cadência minimal repetitiva que serve de baixo contínuo para as inúmeras e pirotécnicas variações da palavra escrita. Nada nos perturba nos minutos, se tanto, que demora o despertar da gargalhada. Com extremo cuidado ético, quase sempre levando ao máximo as consequências do que é dito na esfera mediática, acentuando de modo único o absurdo dito sobretudo pela política, afinal o satélite mais querido da tal esfera. Mas aquela simplicidade deixa esconder um jogo, de linguagem claro, mas que usa um sem número de personagens, orquestrada pelo barman, que estimula, provoca e comenta (também com corpo mínimo). Desenho e língua, tudo neste palco de papel se ajusta em mecanismo de relojoeiro para nos atirar do material mais explosivo que a criação possui: uma ideia.» Nisto, aconteceu turbilhão de noites sem dormir e viçosas ânsias que durou até ao último e adiado ao máximo instante, para desespero de quem sofre os polés da produção. Não estão a bem ver. Por razões que nem sei explicar, ainda que a culpa me pertença, laborámos até à última hora em formato que não era o combinado, desesperei por respostas por chegar, desencontrei-me das que tinha há anos, ia-me esquecendo de recolher os frutos de outras sementeiras. No rol dos milagres, acrescentei mais um. Por saboroso acaso, no meio disto e por com ele ter enchido as madrugadas, entrei na carne do novo álbum do Sérgio [Godinho], Nação Valente. Embirro com o título, por desgosto com a noção de nação e desprezo pelas valentias de capoeira, mas desponta ironia que me escapava. De igual modo, não me soava bem o nome da brutal canção de abertura, Grão da mesma mó, descobrindo-lhe ruralismo serôdio de quem vive na cidade moendo fascínios pelo campo. Ouvi melhor o que começa apenas dizendo e depois corre a cantar antes de regressar ao dizer caminhando. Canta alto o tempo, este que mói, fala de porções da vida, dos dias em que nada acontece, fazeres e afazeres. Desfazeres. «Vê lá o que fazes, há/ tanto a fazer/ Fazes que fazes/Ou pões sementes a crescer?», diz o coro grego antes do remate: «E as palavras tornam-se esparsas/ Assumes/ fazes que disfarças/ Escolhes paixões, ciúmes/ Tragédias e farsas/ E faças o que faças/ Por vales e cumes/ Encontras-te a sós, só/ Grão a grão acompanhado e só/ Grão da mesma mó/ Grão da mesma

LORD MANTRASTE, ABYSMOIMAGINARIO

Exorcismos de Inverno

Como voltar a dizer o mesmo vezes sem conta? Por milhentas circunstâncias, migalhas e missangas, escolhos e encolhos, fui praticando o desporto de preguiçosas perícias, a procrastinação, e vi-me com a bomba nas mãos. Pior: a minha costela maternal afeiçoou-se e dou por mim a gostar do atraso, a beijá-lo com mil ainda que urgentes cuidados mó». E se o grão não for de trigo, cevada ou centeio, mas fragmento de pedra, minuto de granito ou segundo de quartzo? O barman tem semeado restos de cotão, talvez mais, nos bolsos dos que caminham. Por querer mais que a vida. Todos os dias. CRUZES, CALDAS DA RAINHA, 13 ABRIL O plano muda e estamos no meio de um arremedo de serra, certamente a recuperar de fogos antigos, a digerir aquelas mesmas palavras do Sérgio. Estamos

– a [Maria do] Céu [Santos] e o Carlos [Querido] mais o António [de Castro Caeiro] – e a digerir ainda faustoso almoço, um festival de carnes como só a Tabena do Manelvina por ali é capaz de fornecer. Acontecia a Abysmo a (des) organizar o seu exorcismo de Inverno, na boa definição do mano [José] Anjos. Explico-me. Na sequência do convívio com o Jacinto [Gameiro] e a Cecília, do Casal da Eira Branca, projecto que converte turismo rural em arte de bem acolher, resolvemos alargar os vários encontros que o modesto Oeste nos tem proporcionado aos mais díspares lugares, museus e colectividades, capelas e antigas prisões, gráficas e bibliotecas, escolas e lojas. Começámos por convocar alguns dos autores da casa, mais ou menos conhecidos, da ficção como do ensaio, da poesia como da ilustração e da fotografia, mas em busca de interacção com a cultura e os seus actores locais, propondo-nos ainda ir ao encontro de faixas da população alheadas, de costume, destas iniciativas. Abysmo nos arredores de Imaginário, que assim se chamou para homenagear fantástico nome de terra, gastou três dias com feira do livro (com alguns pouco vistos), debates, sessões de poesia dita e musicada, concertos, lançamentos exclusivos (alguns de autores da região), performances e o mais que a imaginação alcançou. (A ilustração desta página saltou do cartaz e assina-se Mantraste, também ele autóctone, e que diz de raízes nas plumas, pés nas plumas e fragmentos que se articulam para apontar e dizer). Resultado: a) o António [Caeiro] mudou vocações em sessão a partir do verso de Píndaro que diz sermos sonho de uma sombra em auditório cheio com centenas de jovens interessados e interessantes; b) não existe a viagem mas sem número de mameiras de a fazer em busca do nosso lugar, pessoal e intransmissível; c) atirar o barro à parede de museu de modo a capturar moscas de cerâmica e falhar resulta em aforismo: há cerâmica viva; d) ele há artistas capaz de explicar sorrindo as paisagens fazendo do castelo o espelho do poço; e) há quem faça centenas de quilómetros por amizade para dizer que as cores podem ser escritas; f) a máquina de fumos cria excelentes ambientes de cultivo mais ainda se a banda vocifera metal rural; g) a chuva intensa não perturba ou molha os maduros que na alta madrugada discutem a morte; h) o palco de uma biblioteca pode vorazmente acolher quem suba degraus para dizer; i) os encontros multiplicam-se em luxúria de sedas e cores e fazendas e generosidades se nos dermos a isso. O resto foram livros.


14 publicidade

25.4.2018 quarta-feira

EDITAL DIRECÇÃO DOS SERVIÇOS DE FINANÇAS EDITAL Foros Faz-se saber aos contribuintes que, durante o mês de Maio do corrente ano, estará aberto o cofre da Recebedoria da Repartição de Finanças de Macau, para a cobrança voluntária dos foros de concessões de terrenos por aforamento relativos ao ano de 2018. Mais faço saber que, de harmonia com o artigo 24.º da Lei n.º 16/2017, durante o ano de 2018 não se procederá à cobrança dos foros e rendas, cujo montante anual seja inferior a $100,00 (cem patacas). Aos, 4 de Abril de 2018.

Edital n.º Processo n.º Assunto

:34/E-BC/2018 :314/BC/2017/F :Início do procedimento de audiência pela infracção às disposições do Regulamento de Segurança Contra Incêndios (RSCI) Local :Avenida do Conselheiro Borja n.º 381, Edf. MAYFAIR GARDEN, torre 3, fracção 20.º andar AJ, (CRP:AJ20), Macau Li Canfeng, Director da Direcção dos Serviços de Solos, Obras Públicas e Transportes (DSSOPT), faz saber que fica notificada a interessada do local acima indicado, a Srª CHAN MAN LENG, do seguinte: 1. Na sequência da fiscalização efectuada pela DSSOPT, apurou-se que no local acima identificado realizaram-se as seguintes obras não autorizadas: Obra Instalação de uma gaiola metálica na parede exterior do 1.1 edifício junto às janelas da fracção. Instalação de um portão metálico no corredor comum 1.2 junto à entrada e saída da fracção.

O Director dos Serviços Iong Kong Leong 2.

DIRECÇÃO DOS SERVIÇOS DE FINANÇAS EDITAL

3.

Rendas Faz-se saber aos contribuintes que, durante o mês de Maio do corrente ano, estará aberto o cofre da Recebedoria da Repartição de Finanças de Macau, para a cobrança voluntária das rendas de concessões de terrenos por arrendamento relativas ao ano de 2018. Mais faço saber que, de harmonia com o artigo 24.º da Lei n.º 16/2017, durante o ano de 2018 não se procederá à cobrança dos foros e rendas, cujo montante anual seja inferior a $100,00 (cem patacas). Aos, 4 de Abril de 2018. O Director dos Serviços Iong Kong Leong

ANÚNCIO CONCURSO PÚBLICO N.o 18/P/18 Faz-se público que, por despacho do Ex.mo Senhor Secretário para os Assuntos Sociais e Cultura, de 9 de Abril de 2018, se encontra aberto o Concurso Público para «Fornecimento de Material de Consumo Clínico para o Serviço de Endoscopia Digestiva dos Serviços de Saúde», cujo Programa do Concurso e o Caderno de Encargos se encontram à disposição dos interessados desde o dia 25 de Abril de 2018, todos os dias úteis, das 9,00 às 13,00 horas e das 14,30 às 17,30 horas, na Divisão de Aprovisionamento e Economato destes Serviços, sita no 1º andar, da Estrada de S. Francisco, n.º 5, Macau, onde serão prestados esclarecimentos relativos ao concurso, estando os interessados sujeitos ao pagamento de MOP 48,00 (quarenta e oito patacas), a título de custo das respectivas fotocópias (local de pagamento: Secção de Tesouraria dos Serviços de Saúde) ou ainda mediante a transferência gratuita de ficheiros pela internet na página electrónica dos S.S. (www.ssm.gov.mo). As propostas serão entregues na Secção de Expediente Geral destes Serviços, situada no r/c do Centro Hospitalar Conde de São Januário e o respectivo prazo de entrega termina às 17,45 horas do dia 28 de Maio de 2018. O acto público deste concurso terá lugar no dia 29 de Maio de 2018, pelas 10,00 horas, na “Sala Multifuncional”, sita no r/c da Estrada de S. Francisco, n.º 5, Macau. A admissão a concurso depende da prestação de uma caução provisória no valor de MOP100.000,00 (cem mil patacas) a favor dos Serviços de Saúde, mediante depósito, em numerário ou em cheque, na Secção de Tesouraria destes Serviços ou através da Garantia Bancária/Seguro-Caução de valor equivalente. Serviços de Saúde, aos 19 de Abril de 2018 O Director dos Serviços, substituto Cheang Seng Ip

Anúncio Faz-se saber que no concurso público n.o 19/P/18 para a «Prestação de Serviços de Reparação e Manutenção do Sistema de Comunicação e Arquivamento de Imagens Médicas (PACS) aos Serviços de Saúde», publicado no Boletim Oficial da Região Administrativa Especial de Macau n.º 14, II Série, de 4 de Abril de 2018, foram prestados esclarecimentos, nos termos do artigo 3.º do programa do concurso público pela entidade que o realiza e que foram juntos ao respectivo processo. Os referidos esclarecimentos encontram-se disponíveis para consulta durante o horário de expediente na Divisão de Aprovisionamento e Economato dos Serviços de Saúde, sita no 1.º andar, da Estrada de S. Francisco, n.º 5, Macau, e também estão disponíveis na página electrónica dos S.S. (www.ssm.gov.mo). Serviços de Saúde, aos 19 de Abril de 2018 O Director dos Serviços, substituto Cheang Seng Ip

4.

5.

Infracção ao RSCI e motivo da demolição Infracção ao n.º 12 do artigo 8.º, obstrução do acesso aos pontos de penetração no edifício. Infracção ao n.º 4 do artigo 10.º, obstrução do caminho de evacuação.

Sendo os corredores comuns do edifício considerados caminhos de evacuação, devem os mesmos conservar-se permanentemente desobstruídos e desimpedidos, de acordo com o disposto no n.º 4 do artigo 10.º do RSCI, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 24/95/M, de 9 de Junho. Além disso, as janelas acima referidas são consideradas como ponto de acesso em caso de operações de salvamento de pessoas e de combate a incêndios, não podendo ser obstruído com elementos fixos (gaiolas, gradeamentos, etc.) de acordo com o disposto no n.º 12 do artigo 8.º. As alterações introduzidas pela infractora nos referidos espaços, descritas no ponto 1 do presente edital, contrariam a função desses espaços enquanto caminhos de evacuação e pontos de penetração no edifício e comprometem a segurança de pessoas e bens em caso de incêndio. Assim, as obras executadas não são susceptíveis de legalização pelo que terá necessariamente de ser determinada pela DSSOPT a sua demolição a fim de ser reintegrada a legalidade urbanística violada. Nos termos do n.º 3 do artigo 87.º do RSCI, a infracção ao disposto no n.º 4 do artigo 10.º é sancionável com multa de $4 000,00 a $40 000,00 patacas, e nos termos do n.º 7 do mesmo artigo, a infracção ao disposto no n.º 12 do artigo 8.º, é sancionável com multa de $2 000,00 a $20 000,00 patacas. Além disso, de acordo com o n.º 4 do mesmo artigo, em caso de pejamento dos caminhos de evacuação, será solidariamente responsável a entidade que presta os serviços de administração ou de segurança do edifício. Considerando a matéria referida nos pontos 2 e 3 do presente edital, pode a interessada, querendo, pronunciar-se por escrito sobre a mesma e demais questões objecto do procedimento, no prazo de 5 (cinco) dias contados a partir da data da publicação do presente edital, podendo requerer diligências complementares e oferecer os respectivos meios de prova, em conformidade com o disposto no n.º 1 do artigo 95.º do RSCI. O processo pode ser consultado durante as horas de expediente nas instalações da Divisão de Fiscalização do Departamento de Urbanização desta DSSOPT, situadas na Estrada de D. Maria II, n.º 33, 15.º andar, em Macau (telefones n.os 85977154 e 85977227).

RAEM, 19 de Abril de 2018 O Director de Serviços Li Canfeng


publicidade 15

quarta-feira 25.4.2018

Direcção dos Serviços para os Assuntos Laborais Aviso Nos termos do n.º 2 do artigo 353.º do “Estatuto dos Trabalhadores da Administração Pública de Macau”, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 87/89/M, de 21 de Dezembro, com a nova redacção dada pelo DecretoLei n.º 62/98/M, de 28 de Dezembro, é notificado Teng Si Ian, assistente técnico administrativo especialista principal, 1º escalão da Direcção dos Serviços para os Assuntos Laborais, com paradeiro desconhecido, para, estando pendente processo disciplinar contra si instaurado, apresentar a sua defesa escrita no prazo de 30 (trinta) dias a contar da publicação do presente aviso, podendo consultar o respectivo processo na Direcção dos Serviços para os Assuntos Laborais, sita na Avenida do Dr. Rodrigo Rodrigues n.º 614A-640, Edifício Long Cheng, 9.º andar, em Macau, e requerer cópia da acusação contra si deduzida. Direcção dos Serviços para os Assuntos Laborais, aos 18 de Abril de 2018. O Instrutor do processo, Chan Chon U

ANÚNCIO Prestar os serviços de limpeza de Instalações de Zonas de Lazer e de Vias Concurso Público n° 4/SFI/2018 Faz-se público que, por deliberação do Conselho de Administração do IACM, tomada em sessão, de 06 de Abril de 2018, se acha aberto concurso público para a “Prestar os serviços de limpeza de Instalações de Zonas de Lazer e de Vias”. O programa do concurso e o caderno de encargos podem ser obtidos, todos os dias úteis e dentro do horário normal de expediente, no Núcleo de Expediente e Arquivo do Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais (IACM), sito na Avenida de Almeida Ribeiro nº 163, r/c, Macau. O prazo para a entrega das propostas termina às 12:00 horas do dia 16 de Maio de 2018. Os concorrentes ou seus representantes devem entregar as propostas e os documentos no Núcleo de Expediente e Arquivo do IACM e prestar uma caução provisória no valor de MOP54.000,00 (cinquenta e quatro mil patacas). A caução provisória pode ser entregue na Tesouraria da Divisão de Contabilidade e Assuntos Financeiros do IACM, sita na Avenida de Almeida Ribeiro nº 163, r/c, Macau, por depósito em dinheiro, cheque ou garantia bancária, em nome do “Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais”. O acto público de abertura das propostas realizar-se-á na Divisão de Formação e Documentação do IACM, sita na Avenida da Praia Grande, nº 804, Edf. China Plaza 6º andar, pelas 10:00 horas do dia 17 de Maio de 2018. O Instituto irá realizar a sessão de esclarecimento na Divisão de Formação e Documentação do IACM, sita na Avenida da Praia Grande nº 804, Edf. China Plaza 6º andar, pelas 10:00 horas do dia 03 de Maio de 2018. Macau, aos 16 de Abril de 2018. Administrador do Conselho de Administração Mak Kim Meng WWW. IACM.GOV.MO

Anúncio Concurso Público N.º 14/ID/2018 «Empreitada da Obra n.º E2 – Instalação de sistemas audiovisuais para a 65.ª Edição do Grande Prémio de Macau» 1. 2. 3.

Entidade que preside ao concurso: Instituto do Desporto. Modalidade de concurso: concurso público. Local de execução da obra: Edifício do Grande Prémio de Macau, garagens provisórias e Circuito da Guia. 4. Objecto da empreitada: instalação de sistemas de difusão sonora, de sistemas para o processamento e distribuição do sinal de televisão, de sistemas de vídeo em circuito fechado CCTV e de ecrãs LED de grande dimensão no Circuito da Guia e em vários pontos da cidade. 5. Prazo máximo de execução: seguir as datas limites constantes no caderno de encargos. 6. Prazo de validade das propostas: o prazo de validade das propostas é de 90 dias, a contar da data do acto público do concurso. 7. Tipo de empreitada: a empreitada é por preço global (os itens «Se necessários» mencionados no Anexo IV – Lista de quantidades e do preço unitário do Índice Geral do Processo de Concurso são retribuídos por série de preços através da medição das quantidades executadas). 8. Caução provisória: $ 400 000,00 (quatrocentas mil) patacas, a prestar mediante depósito em numerário ou em cheque (emitido a favor do Fundo do Desporto), garantia bancária ou seguro caução (emitida a favor do Fundo do Desporto) aprovado nos termos legais. 9. Caução definitiva: 5% do preço total da adjudicação (das importâncias que o empreiteiro tiver a receber em cada um dos pagamentos parciais são deduzidos 5% para garantia do contrato, em reforço da caução definitiva a prestar). 10. Preço base: não há. 11. Condições de admissão: serão admitidos como concorrentes as entidades inscritas na Direcção dos Serviços de Solos, Obras Públicas e Transportes, para execução de obras, bem como as que à data do concurso, tenham requerido a sua inscrição. Neste último caso a admissão é condicionada ao deferimento do pedido de inscrição. 12. Sessão de esclarecimento: a sessão de esclarecimento terá lugar no dia 30 de Abril de 2018, segunda-feira, pelas 10,00 horas, na sala de reuniões do Edifício do Grande Prémio de Macau, sito na Avenida da Amizade n.º 207, em Macau. Em caso de encerramento do Instituto do Desporto na data e hora da sessão de esclarecimento acima mencionadas, por motivos de tufão ou por motivos de força maior, a sessão de esclarecimento será adiada para a mesma hora do primeiro dia útil seguinte. 13. Local, dia e hora limite para a apresentação das propostas: Local: Instituto do Desporto, sito na Avenida do Dr. Rodrigo Rodrigues, n.º 818, em Macau. Dia e hora limite: dia 24 de Maio de 2018, quinta-feira, até às 12,00 horas. Em caso de encerramento do Instituto do Desporto na data e hora limites para a apresentação das propostas acima mencionadas, por motivos de tufão ou por motivos de força maior, a data e a hora limites estabelecidas para a apresentação das propostas serão adiadas para a mesma hora do primeiro dia útil seguinte. 14. Local, dia e hora do acto público do concurso: Local: Instituto do Desporto, sito na Avenida do Dr. Rodrigo Rodrigues, n.º 818, em Macau. Dia e hora: dia 25 de Maio de 2018, sexta-feira, pelas 9,30 horas. Em caso de adiamento da data limite para a apresentação das propostas de acordo com o mencionado no artigo 13 ou em caso de encerramento do Instituto do Desporto na data e hora para o acto público do concurso, por motivos de tufão ou por motivos de força maior, a data e hora estabelecidas para o acto público do concurso serão adiadas para a mesma hora do primeiro dia útil seguinte. Os concorrentes ou seus representantes legais devem estar presentes ao acto público do concurso para os efeitos previstos no artigo 80.º do Decreto-Lei n.º 74/99/M, de 8 de Novembro, e para esclarecer as eventuais dúvidas relativas aos documentos apresentados no concurso. 15. Local, dia e hora para exame do processo e obtenção da respectiva cópia: Local: Instituto do Desporto, sito na Avenida do Dr. Rodrigo Rodrigues, n.º 818, em Macau. Hora: horário de expediente (das 9,00 às 13,00 horas e das 14,30 às 17,30 horas). Na Divisão Financeira e Patrimonial do Instituto do Desporto, podem obter cópia do processo do concurso mediante o pagamento de $ 1 000,00 (mil patacas). 16. Critérios de apreciação de propostas e respectivos factores de ponderação: - Preço da obra: 60% - Prazo de execução da obra: 5% - Plano de trabalhos: 15% - Experiência em obras semelhantes: 15% - Equipamentos e materiais a utilizar na obra: 5% 17. Junção de esclarecimentos: Os concorrentes devem comparecer no Instituto do Desporto, sito na Avenida do Dr. Rodrigo Rodrigues, n.º 818, em Macau, até à data limite para a apresentação das propostas, para tomarem conhecimento de eventuais esclarecimentos adicionais. Instituto do Desporto, 25 de Abril de 2018. O Presidente, Pun Weng Kun


16 desporto

TAÇA AFC BENFICA DE MACAU DEFRONTA NORTE-COREANOS ÀS 20H

Fazer o 25 de Abril HOJE MACAU

As águias entram em campo esta noite para defrontar a formação nortecoreana do 25 de Abril. Bernardo Tavares ambiciona fazer uma revolução e melhorar a imagem da equipa, após a derrota por 8-0 em Pyongyang

25.4.2018 quarta-feira

O

Benfica de Macau defronta esta noite a formação do 25 de Abril. O objectivo dos encarnados passa por transmitir uma imagem positiva, após a derrota por 8-0 em Pyongyang. PUB

EDITAL Edital n.º : 8 /E-OI/2018 Processo n.º :302/OI/2017/F Assunto :Início de audiência pela infracção às disposições do Regulamento Geral da Construção Urbana (RGCU) Local :Avenida do Conselheiro Borja n.º 381, Edf. MAYFAIR GARDEN, torre 3, fracção 20.ºandar AJ, (CRP:AJ20), Macau Li Canfeng, Director da Direcção dos Serviços de Solos, Obras Públicas e Transportes (DSSOPT), faz saber que fica notificada a interessada do local acima indicado, a Srª CHAN MAN LENG, do seguinte: 1. Na sequência da fiscalização realizada pela DSSOPT, apurou-se que no local acima indicado realizaram-se as obras não autorizadas abaixo indicadas, as quais infringiram o disposto no n.º 1 do artigo 3.º do Decreto-Lei n.º 79/85/M (RGCU) de 21 de Agosto, alterado pela Lei n.º 6/99/M de 17 de Dezembro e pelo Regulamento Administrativo n.º 24/2009 de 3 de Agosto, pelo que as mesmas são consideradas ilegais: Obra 1.1 Demolição do muro da varanda da fracção. parcial da parede exterior junto à fracção para abertura 1.2 Demolição do vão de janela. Demolição 1.3 de porta. das janelas da cozinha da fracção para abertura do vão 2. Nestas circunstâncias e nos termos dos artigos 52.º, 53.º e 65.º do RGCU, ordena à infractora que proceda à demolição das obras ilegais referidas no ponto 1 e à reposição das partes afectadas de acordo com o projecto aprovado por esta Direcção de Serviços ou que submeta o respectivo projecto de legalização, e informa que incorre em infracção sancionável com multa de $1 000,00 a $20 000,00 patacas. 3.

Nos termos dos artigos 93.º e 94.º do Código do Procedimento Administrativo, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 57/99/M, de 11 de Outubro, a interessada pode apresentar a sua defesa por escrito e as demais provas para se pronunciar sobre as questões que constituem objecto do procedimento, bem como requerer as diligências complementares referidas no ponto 4, no prazo de 10 (dez) dias contados a partir da data da publicação do presente edital.

4.

A interessada pode demolir as obras acima indicadas por sua iniciativa, no entanto, deve apresentar nesta DSSOPT o respectivo pedido de demolição, cujos trabalhos só podem ser realizados depois da sua aprovação. A conclusão dos referidos trabalhos deverá ser comunicada à DSSOPT para efeitos de vistoria.

5.

O processo pode ser consultado durante as horas de expediente nas instalações da Divisão de Fiscalização do Departamento de Urbanização desta DSSOPT, situadas na Estrada de D. Maria II, n.º 33, 15.º andar, em Macau (telefones n.os 85977154 e 85977227). RAEM, 19 de Abril de 2018 O Director de Serviços Li Canfeng

O encontro está agendado para as 20h, no Estádio de Macau, e Bernardo Tavares diz que o ideal passaria pela equipa fazer uma revolução no âmbito do futebol local. “Vamos tentar dar o nosso máximo, temos alguns jogadores que não estão disponíveis, mas vamos à luta. Queremos fazer o nosso 25 de Abril. O principal objectivo é deixar uma imagem diferente [da derrota por 8-0]”, afirmou Bernardo Tavares, treinador do Benfica de Macau, ontem, na conferência de imprensa no lançamento do encontro. “A Taça AFC não tem nada a ver com o nível da competição de Macau. Estamos a falar de um nível com

“Vamos tentar dar o nosso máximo, temos alguns jogadores que não estão disponíveis, mas vamos à luta. Queremos fazer o nosso 25 de Abril.” BERNARDO TAVARES TREINADOR DO BENFICA

uma qualidade superior. Não sabemos se vamos conseguir fazer o 25 de Abril, mas tenho a certeza que vamos ter uma atitude muito diferente”, acrescentou bem humorado.

NICHOLAS TORRÃO A MAIOR MOTIVAÇÃO

N

icholas Torrão, avançado do Benfica de Macau, admitiu ontem que a nível pessoal a participação na Taça AFC não está a ser muito positiva, devido a uma lesão logo no primeiro jogo, mas que a motivação é a maior. O atleta já está disponível para fazer os 90 minutos diante do 25 de Abril, caso o treinador o decida. “A participação na Taça AFC, a nível pessoal, não tem sido muito positiva, porque me lesionei no primeiro jogo, logo após 20 minutos. Mas a motivação é a maior”, afirmou. Por outro lado, o avançado destacou a oportunidade que muitos dos jogadores têm ao poder participar na Taça AFC e recordou que foram sete anos à espera para poder concretizar este sonho.

Ontem, o treinador do Benfica de Macau admitiu que ainda não sabe o 11 com que a equipa vai alinhar. Só hoje, na altura do aquecimento, é que as coisas vão ficar definidas. Neste momento, o defesa Lei Chi Kin e os meio-campistas Cuco e Edgar Teixeira ainda estão em dúvida. Já os atletas Filipe Duarte e Vítor Almeida estão completamente de fora do encontro devido a lesões. “Só vamos tomar decisões quando for o aquecimento da equipa para ver que atletas estão em condições de actuar. Vamos ver, temos o plano A, B e C definido e depois vamos adaptar-nos”, reconheceu o técnico.

EQUIPA AGRESSIVA

Durante a conferência de imprensa, Bernardo Tavares recusou definir objectivos para esta competição. Segundo o treinador, a concentração está toda focada no encontro com o 25 de Abril. “Não podemos pensar mais além do que este jogo. Vamos tentar dignificar o Benfica de Macau e o futebol que aqui se pratica. Queremos deixar uma imagem positiva, não a que deixámos no último jogo da Coreia”, sublinhou.

Bernardo Tavares fez igualmente uma análise do adversário, principalmente com base no primeiro encontro. Na formação do 25 de Abril, o treinador do Benfica destacou dois atletas o avançado Kim Yu-Song, que apontou quatro tentos, e o médio An Il-Born, responsável por dois. “O ponta de lança como o número 18 [Kim Yu-Song] é um matador. Não foge muito da área, mas que consegue vir buscar jogo quando é necessário. Apesar de ser matador, é rápido, finaliza bem, tanto com a cabeça como com os pés”, apontou. “Também se destaca o número 10 [An Il-Born], o organizador de jogo, com um raio de acção entre linhas. Estamos a falar uma equipa muito agressiva, que é forte a jogar ao primeiro e segundo toque. No último terço ofensivo, basta ter meia oportunidade para conseguirem rematar”, considerou sobre a equipa do 25 de Abril. Por outro lado, revelou que espera que a formação se mantenha fiel ao esquema habitual do 4-4-2. Após três jornadas, o 25 de Abril lidera o Grupo I, com nove pontos, o Benfica está em segundo, com seis pontos, o Hwaepul está em terceiro, com três pontos e, no último lugar, está Hang Yuen FC, com zero pontos. O encontro entre o Hwaepul e o Hang Yuen também se realizada hoje, mas às 19h, hora de Macau. João Santos Filipe

joaof@hojemacau.com.mo

YUN SON O QUEREMOS GANHAR A TAÇA AFC

A

o contrário do Benfica de Macau, o 25 de Abril é uma equipa habituada às andanças do futebol continental e ontem, o técnico Yun Son O definiu como meta da equipa a conquista da Taça AFC. “Se ganharmos o encontro com o Benfica, vamos ficar provavelmente qualificados para a próxima fase. Depois, vamos ter de nos focar e trabalhar para vencer o próximo desafio”, afirmou o técnico do 25 de Abril. “Acreditamos que vamos ter jogos difíceis pela frente ao longo da competição, mas queremos ganhar a Taça AFC”, acrescentou.


(f)utilidades 17

quarta-feira 25.4.2018

?

TEMPO PERÍODOS DE CHUVA MIN 22 MAX 26 HUM 65-90% • EURO 9.88 BAHT 0.25 YUAN 1.28

O QUE FAZER ESTA SEMANA Diariamente

VIDA DE CÃO

LIBERDADE NO DIA DA LIBERDADE

MULHERES ARTISTAS - 1ª BIENAL INTERNACIONAL DE MACAU MAM | Até 13/5 EXPOSIÇÃO DE DESIGN “HOJE, ESTILO SUÍÇO” Galeria Tap Seac | Até 17/06

1O CARTOON STEPH DE

1

Cineteatro

C I N E M A

15 1 7 23 2 6 4 9 4 9 6 1 87 38 3 2 2 8 43 54 5 9 17 61 1 1 2 4 7 38 3 5 6 8 3 5 6 9 4 71 27 7 96 9 2 1 5 48 4 6 76 7 58 5 4 2 39 3 49 24 2 8 3 61 6 5 3 5 91 9 76 7 2 8

1 3 6 4 5 8 9 7 2

8 2 5 7 9 6 3 1 4

9 9“REFUTATION”, DE1 AI 3WEIWEI, 8 EM 6 HONG 9 2 KONG4 7 9 6 5 7 8 4 2 3 2 7 4 1 5 3 6 2 5 9 7 8 6 1 3 8 6 2 1 3 4 5 7 5 4 8 3 2 7 9 1 6 8 1 2 9 3 7 5 4 3 5 6 4 1 8 9 1 7 4 9 5 2 6 8

7 1 9 4 8 5 6 2 3

5 3 8 2 9 6 4 7 1

6 11 9 6 5 3 2 47 64 6 1 89 8 2 5 6 7 9 8 1 3 8 79 7 2 1 5 4 36 3 7 8 4 2 1 3 9 26 12 1 4 5 83 8 9 7 6 1 4 39 3 58 75 27 2 1 3 9 4 5 6 8 5 96 9 8 14 1 37 3 2 2 6 8 3 9 71 57 5 4 4 6 2 1 3 9 7 8 8 7 4 3 92 19 61 56 5 4 4 5 1 68 6 7 2 3 9 8 7 5 6 4 2 3 3 3 7 9 25 42 4 8 1 6 3 1 2 5 76 7 9 4 8 3 9 1 5 8 7 6 64 86Fábrica 98de Notícias, 81 Morais 72Redacção 2 5 7 31 3Propriedade 9 Lda Director Carlos 8 José 6 Editor 4 João5Luz;9José 3 C.9Mendes 7 Andreia Sofia Silva;6Diana2do Mar, 8 João3Santos7Filipe;5Sofia4 Margarida Mota; Vitor Ng Colaboradores Amélia Vieira; Anabela Canas; António Cabrita; António Castro Caeiro; António Falcão; Gonçalo Lobo Pinheiro; João Paulo Cotrim; 4 4 68 6 7 9José Drummond; 9 Afonso9 Costa; 34 Michel 13 Reis;1 Miguel 2 3 José5Simões 1 Morais; Manuel 7 Martins; 2 Paulo 6 José 8 Miranda; 5 Rui1Cascais; 7 Rui9Filipe6Torres;4Sérgio2 5 Paulo Maia e Carmo; Fonseca; Valério Romão Colunistas António Conceição Júnior; David Chan; Fa Seong; Jorge Morbey; Jorge Rodrigues Simão; Leocardo; Paul Chan Wai Chi; Paula Bicho; Tânia 52 Santos 65 Ilustração 1 9www. 3 86 58dos Santos 5 Cartoonista 2 47 Steph 4 Grafismo Paulo Borges,7Rómulo 9 Macau; 4 Lusa; 3 GCS;8Xinhua 2 Secretária 1 5 6 8Rui Rasquinho 9 3 Agências 4 Lusa; 1 Xinhua Fotografia Hoje de redacção e Publicidade Madalena da Silva (publicidade@hojemacau.com.mo) Assistente de marketing Vincent Vong Impressão Tipografia Welfare Morada Calçada de

4 5 7 8 1 2 9 3 6

3 6 2 5 9 4 1 8 7

SOLUÇÃO DO PROBLEMA 1

8 5 6 9 2 3 1 7 4

3 3 UMA 3 6 9 8 27 2 45 4 HOJE 1 EXPOSIÇÃO 5 85 8 2 4 6 1 7 3 9 7Uma 59| Depois 1 4exposição 7 4 3hoje 5 26da 2 8 estreia em Hong Kong em 2015, 84 8Ai59 5 3 dissidente 6 12 1chinês o 7artista Weiwei apresenta a sua segunda 8 2 75 7 3 9 4 1 6 exposição individual na antiga 4 19britânica. 1 6 “Refutation” 5 38 3é 7 2 9colónia o nome da mostra que resulta do 6 35 que3desenvolveu 1 2 7depois 9 48 4 6 5trabalho de9sair1da China e de ter partido 8 45 4 3 2 76 7 para a Grécia para se juntar aos 2 trabalhos 4 97 89de acolhimento 8 6 1 5 3

3

5

AVENGERS: INFINITY WAR SALA 1

AVENGERS: INFINITY WAR [B] Um filme de: Anthony Russo, Joe Russo Com: Robert Downey Jr., Chris Evans, Chris Hemsworth 14.30, 18.00, 21.00 SALA 2

RAMPAGE [C] Um filme de: Brad Peyton Com: Dwayne Johnson, Naomie Harris, Malin Akerman, Jake Lacy 14.15, 19.30, 21.30

AVENGERS: INFINITY WAR [B] Um filme de: Anthony Russo, Joe Russo

Com: Robert Downey Jr., Chris Evans, Chris Hemsworth 16.30 SALA 3

ISLE OF DOGS [B] Filme de: Wes Anderson 14.30, 19.30

COLOR ME TRUE [B] FALADO EM JAPONÊS COM LEGENDAS EM CHINÊS E INGLÊS Filme de: Takeuchi Hideki Com: Ayase Haruka, Sakaguchi Kentarou 16.30, 21.30

2 1 85 37 2 16 9 8 4 4 3

2

dos refugiados procedentes da Síria. A exposição do artista, que 5 se considera ele próprio um refugiado, encontra-se patente ao9público 3 5na galeria 2 7 4Tang 8 Art 4 61 até à próxima segunda-feira, dia 7 4Diana8do19 30. Mar61 6 5 2

hojemacau. com.mo

PROBLEMA 2

4

1 5 8 9

4 7 41 6 15 3 2 8 9 4

9 8 3 84 51 37 5 72 6 5 4 98 41 76 9 57 2 3

74 42 6 58 35 83 1 7 9 3 32 9 4 7 8 45 1 56

7 4 2 75 93 8 6 9 1 1 3 27 9 2 36 4 8 5

63 1 5 7 9 26 2 8 4 64 8 2 7 5 43 1 6 29

6 9 18 1 4 2 7 3 85

26 59 5 8 1 4 3 7 2

5 7 1 9 72 4 93 6 28 2 5 1 6 94 7 9 3 8

8 36 94 3 7 5 9 51 2

S U D O K U

EXPOSIÇÃO “THE DINOSAUR HUNT” Estudio City Macau

2 3 9 6 8 1 4 5 7

8 6 4 3 89 1 62 45 17

Sempre que chega o 25 de Abril falamos da importância da liberdade. Mesmo aqueles que não nasceram privados dela, como eu, têm o dever de lembrar. Em Macau, particularmente nos últimos tempos, muito se tem falado de liberdades e garantias. No fim de semana, em resposta a um relatório do Departamento de Estado norte-americano, o Governo contestou os “comentários irresponsáveis” sobre a RAEM, argumentando que a população goza de “amplos direitos e liberdades”, “plenamente garantidos” nos termos da Constituição da China 7 e da Lei Básica. Se bem que determinadas conclusões do 6 podem 3 2 ser5contestadas, 9 4 7 relatório até por1 se 5desconhecer 4 6 8a fonte, 7 9 em termos genéricos, será mesmo assim?9Não8tem7 o cerco 3 2vindo 1 a4 apertar-se? Não falamos cada vez 1 9 2 Onde 6 se5en-3 mais de8autocensura? caixa o3caso 4 da6Rota1 das7 Letras? 8 2 Onde fica o direito ao recurso dos 4 3Há ou9não1 titulares2dos7altos5cargos? motivações políticas por detrás de 7 2 1 8 4 6 5 processos-crime contra activistas e na origem 4 da 6 proibição 3 9 de5 entrada 2 8 de políticos ou jornalistas de Hong 9 8 sinceras 7 1 valem 3 6 Kong? 5Respostas um cravo vermelho. Diana do Mar

6

Santo Agostinho, n.º 19, Centro Comercial Nam Yue, 6.º andar A, Macau Telefone 28752401 Fax 28752405 e-mail info@hojemacau.com.mo Sítio www.hojemacau.com.mo


18 opinião

25.4.2018 quarta-feira

sexanálise

TÂNIA DOS SANTOS

A

História do sexo tem muitas linhas e tem poucas. Se já é um tema tão dificilmente trabalhado nos dias de hoje, imaginem olhar para os milénios da nossa história sexual, com todas as complicações que lhe conferimos na contemporaneidade. Nos museus daqui e de acolá, daqueles que têm artefactos em cerâmica e porcelana, lá de quando em vez me deparo com uma peça centenária erótica – são uma delícia de se observar. Quando na representação colectiva imaginamos um antepassado de emancipação sexual duvidosa, é com surpresa que nos deparamos com os objectos de quem quisesse criar, ilustrar, expor e admirar as formas (as posições!) dos corpos que copulam. Claro que a História conta-nos dos amores, desamores e extra-conjugalidades daqueles que viveram há muitos anos, mas eu dou por mim a pensar: quem seriam os ‘tarados’ de serviço? Os que ponham a mão na massa para criar, em porcelana e outros materiais, corpos semi-nus em plena penetração, ou todos os outros que simplesmente queriam pensar o sexo fora do quarto? Como o conservadorismo sexual perdura mais do que gostaríamos, também não são muitos os investigadores que se debruçam sobre isso. Na China, esse paraíso de figuras e formas eróticas da antiguidade, um dos mais preocupados com a temática do sexo e da sua história quis abrir ‘o’ museu do sexo. Em 2001 Liu Dalin quis expor cerca de 3700 objectos eróticos da China milenar: imagens em porcelana, gravuras, objectos fálicos (os dildos da altura), estátuas, estatuetas, tudo. Ora que surpresa, o museu não teve grande apoio na sua criação e manutenção. O interesse sociológico-científico de Liu Dalin foi mal interpretado por uma tentativa de vulgarização do sexo e da ‘pornografia’. Será que uma sala carregada de dildos dos milénios passados não tem valor pedagógico absolutamente nenhum? Ninguém entendeu esse intuito. Aliás, surpreendentemente ou não, o Museu, que se situava numa zona animada do Bund em Shanghai, foi realojado para Tongli, uma pequena aldeia a 80 km da metrópole, em 2004. Nem tudo é assim tão mau porque Tongli até é uma aldeia bastante turística (já ouviram falar da pequena Veneza da província de Jiangsu?) e o Museu agora ocupa o espaço de um edifício histórico da dinastia Qing. Mas ainda assim... esta mudança de localização não deixa de ser indicativa de qualquer coisa. Numa entrevista Liu Dalin explica como foi difícil ter apoio na divulgação do Museu, até porque o logótipo orgulhosamente divulgava o caracter para ‘sexo’ e ninguém queria colocá-lo em lugar nenhum.

JEAN METZINGER, 1911, NU

A História do sexo servirá a alguém?

Diz o fundador que este museu serviria para termos maior consciência, no oriente e no ocidente, acerca das representações do sexo na antiguidade chinesa. Quando em tempos mais daoistas o sexo era visto como um contributo para a saúde e era vivido de forma libertadora, as filosofias de Confúcio vieram ‘castrar’ a liberdade sexual, e a partir

daí o tabu intensificou-se. Parece que os tarados, os tais que gostavam de sonhar e explorar o sexo fora da obrigação da procriação, de alguma forma contribuíram para a criação destes artefactos de beleza imensa e sexualidade intensa. Acerca dos significados, simbologia e utilização dos mesmo é que há pouca reflexão, porque ninguém se

Quando em tempos mais daoistas o sexo era visto como um contributo para a saúde e era vivido de forma libertadora, as filosofias de Confúcio vieram ‘castrar’ a liberdade sexual, e a partir daí o tabu intensificou-se

quer meter a estudar essas coisas. Objectos de formas fálicas foram encontrados em túmulos de imperadores e familiares, autênticos strap-ons que se especula terem sido utilizados para a estimulação anal masculina, mas ninguém sabe muito bem. A História, do que quer que seja, serve muitos propósitos. Não sou eu que o digo, os historiadores concordam comigo. A do sexo só vem mostrar que sempre houve uns movimentos de maior ou menor contestação do que uns e outros podem achar do sexo, esse sexo que pode ser livre, ter menos preocupações, ter menos problemas, e ter muito mais originalidade.


ócios/negócios 19

quarta-feira 25.4.2018

“OUR CITY OUR TALES” CANAL DE YOUTUBE E PÁGINA DE FACEBOOK

Actividade paranormal “Our City Our Tales” é uma página de Facebook criada no ano passado, onde se publicam vídeos sobre fantasmas e temas do paranormal. Os conteúdos são produzidos por uma equipa local

A

O falar da criação da página, o director, Oliver Fa, recorda que a ideia para a criação do projecto “Our City Our Tales” partiu de uma conversa entre amigos que conheciam uma pessoa que se dedicava a coleccionar histórias de fantamas. Logo ali surgiu a ideia de a convidar para partilhar as suas histórias, sendo que o resultado final das assombrosas partilhas resultou numa espécie de talk show de internet, acompanhado por filmes de curta duração. “Este tema é interessante mas não havia pessoas que produziam [vídeos ligados ao espiritismo], ou seja, há quem esteja interessado na produção desses vídeos mas que não têm coragem para levar a intenção avante”, disse o director. Assim sendo, o grupo de amigos constituiu uma equipa técnica e começou a filmar os episódios do programa a partir dum período conhecido como a Festa dos Fantasmas em Macau. Curiosamente, o medo partia dos próprios convidados. Fernando Lourenço, produtor do “Our City Our Tales”, revela que abraçou o projecto sem receios. Apesar de reconhecer um factor de entretenimento em causar terror ao público, considera que existe um fim educativo nos vídeos que produz. “O nosso objectivo não é falar mal dos espíritos mas trazer significado

educativo às pessoas”, frisou. Na visão de Fernando Lourenço, o programa também serve como plataforma em que os interessados neste tema partilham as suas experiências. “Algumas histórias podem ser interessantes. Mas não havia um sítio em que as pessoas pudessem discutir estes assuntos. Às vezes, depois de publicar (os episódios), há pessoas que nos comentários dizem que querem aparecer no programa para partilhar as histórias”, acrescentou o director. Issac Tong, um dos responsáveis do programa, salienta que o respeito é importante ao longo do processo de filmagem deste tipo de vídeos, tendo acrescentado que a equipa insiste em trabalhar o tema com “boas intenções”. Acerca dos conteúdos dos filmes, Issac Tong deu como exemplo um episódio focado em notícias ocorridas no estrangeiro sobre fotógrafos que cometeram crimes. “Alguns dos nossos filmes são baseados na realidade. Ouvimos falar nas notícias de alguns fotógrafos que enganaram e abusaram sexualmente de mulheres, causando sequelas mentais nas vítimas que levaram algumas a cometer suicídio. Por isso, um

dos nossos filmes tem como intuito levar as pessoas a pensar antes de cometerem estes actos”, revela. Sobre encontros com figuras do além, o director do projecto confessa que a equipa chegou mesmo a notar a presença de espíritos. Após a publicação dos primeiros episódios, a reacção do público foi melhor do que poderiam esperar. Para já, na página se encontram nove vídeos publicados, três dos quais de curta duração, enquanto que os restantes são episódios do talk show.

“Este tema é interessante mas não havia pessoas que produzissem [vídeos ligados ao espiritismo], ou seja, há quem esteja interessado na produção desses vídeos mas que não tem coragem para levar a intenção avante.”

https://www.facebook.com/macaotales/

De acordo com os responsáveis, faltam dois vídeos para terminar a primeira temporada do programa. Entretanto, a equipa do “Our City Our Tales” espera continuar com o projecto, sendo que é esperado que se faça algo de novo na segunda série do programa, incluindo vídeos em directo em regiões vizinhas, ou convidar figuras públicas e assim alargar o público. Oliver Fa admite que é difícil trabalhar a tempo inteiro na área de produção do programa, e que a aposta nas indústrias criativas e culturais é arriscada e uma área de trabalho onde é difícil sobreviver. Para se atingir um equilíbrio, refere que é essencial estar realmente apaixonado naquilo que se faz e manter um foco na qualidade de vida. Na opinião de Issac Tong, em Macau a cultura não se esgota na defesa do património histórico da cidade. “Acho que é possível fazer algo focado no espiritismo, no sobrenatural e até na área do erotismo, acho que podemos ser mais corajosos e não precisamos de estar tão centrados no património”. Vítor Ng

info@hojemacau.com.mo


Quando eu era jovem, pensava que o dinheiro era a coisa mais importante do mundo. Hoje, tenho a certeza. PALAVRA DO DIA

Oscar Wilde

quarta-feira 25.4.2018

EX-MINISTRA DA CULTURA INTERNACIONALIZAR A LÍNGUA PODE POTENCIAR A ECONOMIA

O director do Gabinete para os Assuntos de Hong Kong e Macau, e também vice secretáriogeral do Conselho de Estado, Zhang Xiaoming, espera que os governantes do território elevem a capacidade de gestão da Região Administrativa Especial de Macau, e que promovam de forma mais activa o amor pela pátria dos residentes locais. As declarações foram prestadas no âmbito da visita de vários titulares de altos cargos ao Interior da China, onde estão em formação, de acordo com a Rádio Macau. O itinerário da visita, que chega hoje ao fim, incluiu passagem por Pequim e Jiangsu. Entre os presentes estiveram os secretários Lionel Leong, Sónia Chan, Raimundo Rosário e Alexis Tam, assim como André Cheong, Ho Veng On e o Procuradorgeral do Ministério Público, Ip Son Sang.

SOFIA MARGARIDA MOTA

Patriotismo Gabinete para Assuntos de Macau quer mais amor à pátria

Português por aí fora

Trânsito Apreendidos 819 veículos por falta de pagamento de imposto

A Direcção dos Serviços para os Assuntos de Tráfego (DSAT) e a Polícia de Segurança Pública (PSP) removeram, no ano passado, 819 veículos da via pública devido à falta de pagamento do imposto de circulação. Segundo um comunicado enviado ontem pela DSAT, cerca de 60 por cento dos proprietários já procederam ao levantamento das viaturas, ou ao cancelamento das matrículas. À luz da lei, a remoção dos veículos implica o pagamento de uma multa e taxas administrativas correspondentes, sendo que, se não forem cumpridas as devidas formalidades, há uma taxa diária a cobrar pelo depósito do veículo. Nos primeiros três meses, registou-se um total de 6.698 casos de cancelamento de matrículas.

Índia Governo regional culpa pornografia por violações de crianças

PUB

O Governo do Estado de Madhya Pradesh, no centro da Índia, culpou ontem a pornografia pelas violações infantis e exigiu a sua proibição, após a divulgação do abuso sexual, tortura e assassínio de mais uma criança. “De acordo com a investigação que realizamos, a pornografia é a razão por trás das violações infantis e é por isso que pedimos ao Governo Central que a proíba em Madhya Pradesh”, disse o ministro do Interior regional, Bhupendra Singh à agência local de notícias ANI. Já existem 25 páginas (online) para adultos proibidas no estado, mas o Executivo regional não tem controlo directo sobre estas. Esta proposta surge após de uma série de crimes que vieram à tona, especialmente o sequestro, tortura, violação e assassínio de uma menina muçulmana de oito anos no Estado de Jammu e Caxemira, que foi divulgado no início de Abril.

A

ex-ministra da Cultura Isabel Pires de Lima defendeu ontem, em Macau, a importância de internacionalizar a língua portuguesa, pois a "língua tem um potencial económico extraordinário", sobretudo quando também transporta cultura. Convidada a discursar no encerramento da conferência "Diálogos Contemporâneos", promovida pelo Instituto Politécnico de Macau (IPM), a professora emé-

rita da Universidade do Porto defendeu que a internacionalização da língua "permite transportar a economia e a cultura portuguesa para espaços e patamares muito importantes". A língua portuguesa tem, na sua opinião, a vantagem de estar presente em três países com um grande crescimento demográfico: Brasil, Angola e Moçambique. "O futuro poder da língua portuguesa depende do desenvolvimento desses países e da sua

capacidade de exportarem as suas culturas", disse. Num discurso marcado, em grande parte, pela inclusão da literatura no ensino da língua, Pires de Lima defendeu uma "prática de tradução que não seja funcionalista, mas cultural". "O movimento migratório que o mundo vive é uma oportunidade para a Europa, pois transporta diversidade cultural, versões alternativas da vida, narrativas de interpretações do mundo que nos podem estimular

e acabar com o vazio ideológico em que estamos mergulhados", sublinhou. Quanto ao trabalho desenvolvido pelo IPM na projecção da língua portuguesa no mundo, Pires de Lima elogiou "um esforço extraordinário difícil de classificar". Na opinião da ex-ministra, o papel de Macau como plataforma entre a China e os países da língua portuguesa tem sido "absolutamente extraordinário, sobretudo na formação de professores". "Estamos a assistir

a um trabalho aqui no instituto que já envolve níveis de mestrado e níveis de doutoramento", destacou. Questionada sobre os planos de apoio à Cultura, que motivaram manifestações nas últimas semanas, a ex-ministra do sector considerou que o "orçamento para a cultura continua a ser ridículo, o adjectivo não pode ser senão esse". "Não há nenhuma mudança de filosofia deste Governo relativamente a todos os anteriores no que diz respeito à valorização da cultura", frisou. Pires de Lima defendeu, no entanto, que "este ou qualquer outro ministro [da cultura] não tem nada a ver com os resultados do concurso, uma vez que se limita a nomear um júri que depois faz a selecção e distribui o dinheiro". Durante dois dias, especialistas em tradução e interpretação portugueses debateram, no IPM, as “linhas de actuação” para melhorar a formação “integral e específica” dos estudantes da língua portuguesa.

CHINA DESCOBERTO O MAIOR MOSQUITO DO MUNDO COM 11,15 CENTÍMETROS

U

M mosquito gigante com 11,15 centímetros de envergadura foi descoberto por entomólogos na província chinesa de Sichuan, anunciou ontem a agência oficial Xinhua. O director do Museu de Insetos da China Ocidental, Zhao Li, explicou à agência Xinhua que o insecto foi encontrado no passado Verão durante uma expedição ao monte Qingcheng, um destino turístico situado na mesma província. O

mosquito pertence à espécie “holorusia mikado", descoberta em 1876 pelo entomólogo britânico John Obadiah Westwood durante uma investigação no Japão e que não excede oito centímetros de envergadura. Os chamados "mosquitos gigantes" diferem de outros espécimes, nomeadamente no que diz respeito aos hábitos alimentares. "Eles parecem horrendos, mas não se alimentam de san-

gue, os adultos tendem a viver alguns dias e geralmente comem néctar", disse Zhao, explicando que apenas algumas centenas das dezenas de milhares de insectos do planeta têm hábitos vampíricos”. Na China central este insecto geralmente habita em zonas montanhosas acima de 1200 metros, embora também possa ser encontrado nas planícies da província de Sichuan. A

mesma zona é também o habitat do maior insecto do mundo, o bicho-pau, um insecto pegajoso de 62,4 centímetros de comprimento que foi encontrado em 2014 e também pode ser visto no Museu dos Insetos da China Ocidental. Este insecto foi encontrado pelo próprio Zhao, que tem mais de 20 anos de experiência em busca de grandes espécies no oeste da China.

Hoje Macau 25 ABR 2018 #4038  

N.º 4038 de 25 de ABR de 2018

Hoje Macau 25 ABR 2018 #4038  

N.º 4038 de 25 de ABR de 2018

Advertisement