Page 1

Nº 4878

HENGQIN

HO IAT SENG RECORDA XI

SEGUNDA-FEIRA 25-10-2021 DIRECTOR CARLOS MORAIS JOSÉ

MOP$10

PÁGINA 3

hoje macau

GABINETE DE LIGAÇÃO

HEMICICLO PATRIÓTICO PÁGINA 2

SONG PEK KEI

MONOPÓLIOS NAS OBRAS PÁGINA 4

OPINIÃO

DOS VENTOS E BRISAS

MÁRIO DUARTE DUQUE

A FÁBRICA DE VINHO CHINÊS TAI CHEONG JOSÉ SIMÕES MORAIS

KONSTANTIN BESSMERTNY, AND WHO IS SUZY?

Enquanto as restrições fronteiriças aliviam por todo o mundo, Macau continua a aumentar a lista de exigências para entrar no território. A partir de hoje, quem for diagnosticado no exterior com covid-19 só pode entrar em Macau dois meses depois do primeiro teste positivo, sem prejuízo do cumprimento de quarentena de 21 dias. PÁGINA 5

EXPOSIÇÃO

“VOYAGE” DE KONSTANTIN BESSMERTNY NO CLUBE MILITAR EVENTOS

www.hojemacau.com.mo•facebook/hojemacau•twitter/hojemacau

A única via


2 política

O

Gabinete de Ligação do Governo Central considera que pela primeira vez desde o estabelecimento da RAEM todos os deputados da Assembleia Legislativa são patriotas. A posição foi tomada por Fu Ziying, director do Gabinete de Ligação, na recepção aos membros da Assembleia Legislativa. Diante dos deputados da nova Legislatura, marcada pela exclusão política de vários candidatos às eleições pelo sufrágio directo, Fu Ziying defendeu que o novo hemiciclo representa o modelo do Governo Central para a sociedade. “Todos [os deputados] vêm de sectores distintos e representam grupos sociais diversificados. Apesar de terem sensibilidades políticas, capacidades, e interesses diferentes são todos patriotas e amam Macau”, vincou Fu Ziying. “É o reflexo de um mundo colorido, harmonioso e diversificado que defendemos”, acrescentou. “O patriotismo não se trata de gritar slogans, não é vago, tem padrões específicos. E há linhas vermelhas que não podem ser ultrapassadas”, avisou. Após elogiar os deputados por entender que todos têm dado o seu contributo para a sociedade, o director do Gabinete de Ligação recordou a missão de contribuir para o país e participar na reunificação com a Ilha Formosa. “Resolver o assunto de Taiwan e completar a reunificação da pátria são exigências inevitáveis para o rejuvenescimento da Nação Chinesa. A melhor forma é a reunificação pacífica e o princípio ‘Um País, Dois Sistemas’”, opinou Fu. “Construir Macau e aplicar o princípio ‘Um País, Dois Sistemas’ vai ter um impacto positivo e servir de exemplo”, destacou.

www.hojemacau.com.mo

GABINETE DE LIGAÇÃO ELOGIA PATRIOTISMO DE DEPUTADOS

Mundo colorido

O novo elenco de deputados foi recebido na sexta-feira por Fu Ziying e recebeu a missão de fazer de Macau um caso bem-sucedido do princípio ‘Um País, Dois Sistemas’. Segundo o responsável, a RAEM tem de ser um exemplo para Taiwan

ENSINO DSEDJ ATENTA AO VOLUME DOS TRABALHOS DE CASA

A

Direcção dos Serviços de Educação e de Desenvolvimento da Juventude (DSEDJ) assegura que, no decorrer do presente ano lectivo, irá exigir que as escolas tenham em consideração o volume, coordenação e distribuição dos trabalhos de casa. O objectivo, segundo a DSEDJ, passa por promover o desenvolvimento integral dos alunos e “aumentar o sentimento de felicidade”. “A promoção contínua dos trabalhos realizados pela DSEDJ, aludem (…) à direcção pedagógica da escola, exigindo-lhe que desenvolva as funções de coordenação e concertação dos trabalhos de casa, tendo em consideração a sua organização, distribuição e o controlo do seu volume total”, pode ler-se em resposta a uma interpelação de Sulu Sou. Quanto ao cumprimento das exigências, que constam nas “Recomendações sobre a quantidade de trabalhos de casa e avaliação” do Guia de Funcionamento das Escolas do ano lecivo 2021/2022, a DSEDJ diz ter visitado várias escolas e emitido ofícios para se inteirar e analisar a situação da sua execução. Sobre o sistema de avaliação de desempenho dos alunos da educação regular, a DSEDJ lembra ter apoiado as escolas na elaboração dos respectivos regulamentos e diz estar atenta às informações de retenção e transicção de ano dos alunos, de forma a fiscalizar a implementação do referido sistema. P.A.

LAG Defendido registo de viagens no código de saúde

Apoio aos deputados

No âmbito da explicação sobre o significado do princípio ‘Um País, Dois Sistemas’, Fu Ziying pediu total confiança no Governo Central e disponibilidade dos deputados para também confiarem no Governo da RAEM. “Os membros da Assembleia Legislativa têm de ter total confiança no Governo Central e na pátria. O Governo Central confia em todos, e todos têm de confiar no Governo Central. Este é um requisito inevitável para uma implementação alargada e correcta da implementação de ‘Um País, Dois Sistemas’”, explicou aos 33 deputados. “Os membros da AL e o Governo da RAEM também devem aumen-

25.10.2021 segunda-feira

tar a confiança mútua, de forma a que as várias sugestões feitas pelo Governo sejam mais facilmente compreendidas e aceites”, sublinhou. Sobre os trabalhos para os próximos quatro anos, o director do Gabinete de Ligação alertou

para a necessidade de os escolhidos reflectirem as opiniões da população. “Espero que todos se lembrem das posições da população e as saibam transmitir. Se não forem capazes de fazer isto vão inevitavelmente perder o vosso caminho”, atirou.

“[O patriotismo de todos os deputados] é o reflexo de um mundo colorido, harmonioso e diversificado que defendemos.”

Por outro lado, Fu Ziying pediu aos deputados para se empenharem nas suas funções e trabalharem. “Não devem apenas ter um sentido político forte, têm de ter capacidade de trabalho. Todos os sectores da sociedade têm uma grande expectativa e exigências elevadas para a nova Assembleia Legislativa”, indicou. João Santos Filipe

Durante um encontro com o Chefe do Executivo, a Associação de Amizade de Membros da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês na Instância de Província de Macau, defendeu a criação de um sistema de código de saúde com função de registo de viagens. Durante o encontro, que serviu para apresentar sugestões sobre a elaboração das Linhas de Acção Governativa (LAG) para 2022, o presidente da associação, Ma Chi Ngai, reiterou ainda que o sistema não deve violar a Lei de Dados Pessoais e contribuir para “elevar a eficácia” da prevenção e do controlo da pandemia em Macau. Além disso, foi ainda referida a necessidade de aumentar o fluxo de pessoas, atrair mais empresas de grande envergadura, salvaguardar o emprego e nivelar a taxa de vacinação de Macau com os padrões do Interior da China. Ho Iat Seng prometeu “analisar cuidadosamente as opiniões” partilhadas e sublinhou a importância do desenvolvimento da zona de cooperação entre Macau e Guangdong em Hengqin.

AL Composição de comissões votadas amanhã

A Assembleia Legislativa (AL) reúne amanhã para eleger os deputados que vão constituir as comissões de acompanhamento, as comissões permanentes e a Comissão de Regimento e Mandatos. Será também eleito um deputado para o Conselho Administrativo. Na agenda de amanhã não haverá lugar a interpelações orais ou à discussão de diplomas. Recorde-se que os deputados da nova legislatura tomaram posse no passado dia 16 de Outubro, tendo Kou Hoi In sido reeleito como presidente da AL.


segunda-feira 25.10.2021

Capitais Públicos Moradores querem maior supervisão

O dirigente associativo defendeu ainda que, numa altura em que Macau atravessa uma fase económica complicada e os recursos financeiros são cada vez mais limitados, não há desculpa para não aumentar a transparência na forma como é gasto o erário público.

HENGQIN HO IAT SENG NA PRIMEIRA REUNIÃO DA COMISSÃO DE GESTÃO

Cigarros electrónicos Kou Kam Fai pede divulgação de efeitos nocivos O deputado nomeado Kou Kam Fai defende a divulgação dos efeitos nocivos dos cigarros electrónicos, bem como a proibição da sua importação. Segundo o jornal Ou Mun, Kou Kam Fai entende que a população, sobretudo os jovens,

deve estar mais bem informada sobre este assunto. Confrontado com o caso recente de um professor que consumiu canábis através de um cigarro electrónico, o também director da escola Pui Ching entende que constitui um sinal

Encontro inaugural

Wong Kit Cheng alerta para dificuldades em salões de beleza

A

Ao comando da primeira reunião da comissão de gestão da zona de cooperação em Hengqin, o Chefe do Executivo frisou a importância de reforçar a área social e cívica e apelou aos presentes que tenham em mente os desejos de Xi Jinping. Estão criadas bases para que os residentes de Macau em Hengqin beneficiem da segurança social dos dois lados

O

Chefe do Executivo, Ho Iat Seng, assumiu pela primeira vez o papel de chefia da Comissão de Gestão de cooperação entre Macau e Guangdong em Hengqin. Na primeira reunião, chefiada também por Ma Xingrui, governador da província de Guangdong, Ho Iat Seng começou por reafirmar a importância do projecto para demonstrar as vantagens dos “dois sistemas” e defendeu o aprofundamento da cooperação entre as duas regiões na área social e cívica. Para que isso seja possível, Ho considera necessário atrair mais recursos “no âmbito do ensino de boa qualidade”, da saúde médica e dos serviços comunitários que venham a integrar a zona de cooperação. O Chefe do Executivo expressou ainda o desejo de “aglomerar” quadros qualificados “de fora e dentro das fronteiras” e atrair trabalhadores de excelência para a região. Entre as restantes opiniões partilhadas por Ho Iat Seng na reunião, destaque para a neces-

sidade de desenvolver áreas como o “big health”, a medicina tradicional chinesa e a indústria financeira moderna e ainda, acelerar a “construção de um sistema legal” que, articule regulamentos cívicos e comerciais entre o sistema de Macau e o sistema de internacional. Após congratular os membros recém-nomeados da comissão de gestão, o Chefe do Executivo expressou o desejo de que todos “tenham em mente os apelos de Xi Jinping” e conheçam “profundamente” as exigências do novo sistema de negociação, construção e administração conjunta e partilha de resultados entre as duas regiões. Por seu turno, o governador da província de Guangdong, Ma Xingrui, apontou que ambas as partes devem desempenhar o seu papel com “sentido de missão” e definir, o quanto antes, uma lista de “trabalhos essenciais”. O responsável defendeu também a necessidade de “acelerar” a introdução de projectos importantes e de empresas de grande envergadura na zona de cooperação, bem como o reforço da

de alerta para a necessidade de mais formação cívica nesta área. Kou Kam Fai entende que escolas e associações devem criar normas para professores na transmissão de ideias e conselhos sobre o consumo de cigarros electrónicos.

Castelos de cartas

GCS

O presidente dos Moradores considera que as empresas com capitais públicos não têm mecanismos que permitam uma supervisão eficaz. A opinião foi partilhada por Chan Ka Leong, no âmbito da consulta pública sobre a lei que vai regular as empresas com capitais públicos.

política 3

www.hojemacau.com.mo

coordenação do diálogo interno e externo.

Quase como em casa

Em comunicado, o Governo apontou que foram estabelecidas bases para que os residentes de Macau que trabalhem, estudem ou vivam na Ilha da Montanha possam beneficiar das políticas de segurança social dos dois lados.

Ho Iat Seng expressou o desejo de que todos “tenham em mente os apelos de Xi Jinping” e conheçam “profundamente” as exigências do novo sistema de negociação, construção e administração conjunta

“Os residentes de Macau que trabalham, estudam ou vivem no Interior da China já podem proceder, de acordo com a lei, ao pagamento de contribuições do regime da segurança social de dois níveis de Macau, para acumular os direitos e para beneficiar da segurança social de Macau, desde que preencham os requisitos”, pode ler-se na nota. O Executivo assegura ainda que, futuramente, irá promover a criação de mais mecanismos de cooperação em termos de serviços sociais e articulação dos diversos serviços públicos. Segundo o comunicado, em 2024 será concretizada a articulação “ordenada e eficaz” dos diversos serviços públicos e do sistema de segurança social, o seu “aperfeiçoamento” será uma realidade em 2029 e, por fim, o seu funcionamento “altamente eficaz” será alcançado em 2035. Pedro Arede

deputada Wong Kit Cheng está preocupada com o encerramento de um franchise de salões de beleza, que terá lesado mais de 400 clientes, no valor de 20 milhões de patacas. A informação consta de uma interpelação escrita divulgada ontem pela legisladora ligada à Associação das Mulheres. Segundo a explicação de Wong, o salão em causa opera no território, mas faz parte de um grupo de Hong Kong. Como parte da prática do sector, muitos tratamentos, ou serviços de massagens, são vendidos num modelo de pacotes de pré-pagos, o que permite oferecer descontos aos clientes. No entanto, com o encerramento do franchise muitos consumidores pagaram por serviços que não vão usufruir e também não conseguem obter reembolso. “Desde que surgiram as notícias do encerramento do franchise, muitos clientes contactaram-me a pedir ajuda. As pessoas estão preocupadas porque pagaram por serviços e agora estão com receio de não conseguir ter o dinheiro de volta”, relatou a deputada. Neste sentido, Wong Kit Cheng quer saber se o Governo vai disponibilizar assistência legal aos lesados. “Será que as autoridades vão fornecer, de forma activa e atempada, assistência legal aos clientes?”, questionou.

Sector a morrer

Por outro lado, Wong Kit Cheng juntou também a sua voz ao pedido da Associação de Negócios de Indústria de Beleza de Macau na necessidade de apoios financeiros. Nos últimos tempos o sector dos salões de beleza tem reivindicado ajuda monetária, depois de ter sido obrigado a suspender os negócios em três ocasiões diferentes, nos dois anos da pandemia. A situação levou empresários a enfrentar custos crescentes, sem terem receitas para cobrir as perdas. Por isso, a deputada ligada à Associação das Mulheres questiona o Governo sobre a hipótese de criar um subsídio para compensar este tipo de negócios. Segundo Wong, a compensação seria calculada a partir do número de dias que os negócios foram obrigados a encerrar. J.S.F.


4 sociedade

25.10.2021 segunda-feira

www.hojemacau.com.mo

0,44%

OBRAS SONG PEK KEI TEME MONOPÓLIO DE EMPRESAS DE FORA

O

índice de preços no consumidor (IPC) geral médio em Macau desceu 0,44 por cento nos 12 meses terminados em Setembro, em relação ao período entre Outubro de 2019 e Setembro do ano passado. Em comunicado, a Direcção dos Serviços de Estatísticas e Censos (DSEC) salientou que os maiores decréscimos foram registados nas comunicações (-8,27 por cento) e na recreação e cultura (-7,77 por cento). O IPC geral de Setembro subiu 0,83 por cento, em termos anuais, e “superou em 0,43 pontos percentuais o de Agosto de 2021 (+0,40 por cento)”, indicou a DSEC. A subida ficou a dever-se ao aumento dos preços das refeições adquiridas fora de casa, bilhetes de avião, gasolina, gás de petróleo liquefeito e electricidade, bem como dos salários dos empregados domésticos, segundo a nota. No entanto, a diminuição das rendas de casa e a descida dos preços de carne de porco “compensaram parte do crescimento do índice de preços”, referiu a DSEC em comunicado. Nos primeiros nove meses de 2021, o IPC Geral médio, que reflecte o impacto da evolução dos preços na generalidade dos agregados familiares de Macau, baixou 0,31 por cento em relação ao mesmo período do ano anterior, de acordo com a DSEC. PUB.

MANDADO DE NOTIFICAÇÃO N.° 943/AI/2021

-----Atendendo à gravidade para o interesse público e não sendo possível proceder à respectiva notificação pessoal, pelo presente notifique-se o infractor JIANG FUSHENG, portador do Passaporte da RPC n.° E97682xxx, que na sequência do Auto de Notícia n.° 332/DI-AI/2019, levantado pela DST a 18.11.2019, e por despacho da signatária de 06.09.2021, exarado no Relatório n.° 877/ DI/2021, de 16.08.2021, em conformidade com o disposto no n.° 1 do artigo 14.° da Lei n.° 3/2010, lhe foi desencadeado procedimento sancionatório por suspeita de controlar a fracção autónoma situada na Taipa, Beco da Perola n.° 110-B, Caesar Fortune, 4.° andar P onde se prestava alojamento ilegal.-----------------------------------------------------------No mesmo despacho foi determinado que deve, no prazo de 10 dias, contado a partir da presente publicação, apresentar, querendo, a sua defesa por escrito, oferecendo nessa altura todos os meios de prova admitidos em direito, não sendo admitida a apresentação de defesa ou de provas fora do prazo conforme o disposto no n.° 2 do artigo 14.° da Lei n.° 3/2010. ----------------------------------A matéria apurada constitui infracção ao artigo 2.° da Lei n.° 3/2010, punível nos termos do n.° 1 do artigo 10.° do mesmo diploma.------------------------O processo administrativo pode ser consultado, dentro das horas normais de expediente, no Departamento de Licenciamento e Inspecção desta Direcção de Serviços, sito na Alameda Dr. Carlos d’Assumpção n.os 335-341, Edifício ‘‘Hot Line” (Centro “Hot Line”), 18.° andar, Macau. ----------------Direcção dos Serviços de Turismo, aos 21 de Outubro de 2021. A Directora dos Serviços, Maria Helena de Senna Fernandes

Grandes obras, grandes questões A deputada ligada à comunidade de Fujian está preocupada com as poucas oportunidades dadas a empresas e mão-de-obra local no sector da construção

S

ONG Pek Kei sugeriu ao Executivo que tome medidas para acabar com o que diz ser a situação de “quase monopólio” das construtoras do exterior nas grandes obras realizadas em Macau. A opinião faz parte de uma interpelação escrita pela legisladora divulgada na sexta-feira. De acordo com Song Pek Kei, nos últimos anos o Governo tem aumentado a oferta de formações remuneradas e a proporção de obras públicas, para apoiar o sector durante a crise provocada pela pandemia e gerar emprego. As medidas são vistas como um paliativo de curto prazo e no caso das

RÓMULO SANTOS

PREÇOS ÍNDICE NO CONSUMIDOR DESCEU

Song Pek Kei, deputada “Será que as autoridades vão aumentar o número de critérios obrigatórios nos concursos públicos, e definir um número mínimo de empregados locais?”

grandes obras, a deputada considera que as empresas verdadeiramente beneficiadas não são de Macau. “Apesar de as obras de construção serem distribuídas através de concursos públicos, os projectos estão a ser todos concentrados em uma ou

duas empresas de fora, o que levanta várias questões no sector”, indicou a deputada. Face a este cenário, Song Pek Kei quer saber como se pode garantir maior justiça nos concursos públicos. “Anteriormente as autoridades

afirmaram que o factor humano ia ser reduzido ao máximo nos concursos públicos, para garantir a justiça da avaliação das propostas”, recordou. “Porém, devido a orientações técnicas pouco claras, uma reduzida eficácia administrativa e legisla-

LIXO OITO TONELADAS RETIRADAS DO EDIFÍCIO SAN MEI ON

O

Instituto para os Assuntos Municipais (IAM) anunciou ter retirado oito toneladas de lixo e ferro velho do Edifício San Mei On entre segunda e quarta-feira, da semana passada. Este edifício foi classificado como zona vermelha recentemente, na sequência da descoberta do surto relacionado

com os trabalhadores de obras de remodelação, que moram no San Mei On. Posteriormente, os moradores foram levados para hotéis de quarentena e o Governo tratou de limpar e desinfectar o edifício. De acordo com o relato das autoridades, o Bloco Um do

San Mei On tinha nos lugares comuns vários artigos velhos, ferramentas para obras de decoração, entulho, mobílias, electrodomésticos abandonados e outros materiais. Os objectos foram removidos, com a concordância dos residentes, num total de oito toneladas. O IAM reconhece que ainda há uma parte menor do entulho por remover, uma vez que os supostos donos não se mostraram disponíveis para cooperar com a limpeza dos espaços comuns. Em comunicado, o IAM afirmou ainda ter feito uma acção de promoção entre os residentes das práticas de higiene e de saúde pública, tendo explicado como as condições degradas do edifício criaram grandes dificuldade no isolamento e controlo da pandemia.

ção atrasada, o mercado é demasiado competitivo. Algumas empresas locais nunca conseguem obter os contratos principais das grandes obras e só lhe resta receber obras de segunda, terceira ou quarta categorias”, alertou. Neste sentido, a deputada ligada à comunidade de Fujian espera que o Governo reveja a legislação para criar melhores condições para as empresas locais e quer saber quando vão ser revistas as regras dos concursos.

Mão-de-obra desempregada

Outra das preocupações demonstrada pela legisladora incide sobre o desemprego e layoffs neste sector. Por isso, a deputada quer que o Governo cumpra a promessa de definir uma proporção de trabalhadores locais que as empresas precisam de apresentar nas obras públicas. “Apesar do compromisso, o número de pessoas na situação de subemprego continua a subir, e a construção é uma das zonas que mais reflecte esse aumento, o que vem mostrar que os impactos do aumento de obras são reduzidas”, apontou. “Será que as autoridades vão aumentar o número de critérios obrigatórios nos concursos públicos, e definir um número mínimo de empregados locais?”, perguntou. João Santos Filipe

Acidente Queda de barreira causa dois feridos

A queda de uma barreira do circuito do Grande Prémio, junto ao Casino Oceanus, causou dois feridos, de acordo com um artigo do jornal Cheng Pou. A barreira terá caído em cima de dois funcionários de limpeza, que não conseguiram reagir a tempo de evitar o impacto. Um dos trabalhadores teve de ser transportado de urgência para o Hospital Conde São Januário. O acidente aconteceu por volta das 10h28 de sexta-feira, e o ferido mais grave foi uma mulher de 38 anos que perdeu a consciência e ficou com ferimentos no pescoço e na cara. A outra vítima foi um homem com 52 anos que na sequência de ferimentos na cintura e joelho direito foi levado para tratamento no hospital Kiang Wu.


segunda-feira 25.10.2021

sociedade 5

www.hojemacau.com.mo

COVID-19 INFECTADOS SÓ PODEM VOLTAR A MACAU DOIS MESES DEPOIS

Nunca mais é demais Quem for diagnosticado no exterior com covid-19 terá de aguardar dois meses antes de voltar a Macau, sem prejuízo de outras medidas em vigor como a quarentena de 21 dias. Pequim põe fim a quarentenas para quem chega de Macau

N

UMA altura em que tudo indicava que o caminho a seguir passaria pela progressiva abertura ao exterior, os sinais que chegam são de reforço de medidas antiepidémicas para quem vem do estrangeiro. Desde a 00h de hoje, todas as pessoas que tiverem sido diagnosticadas com covid-19 no estrangeiro só poderão embarcar em aviões comerciais que tenham Macau como destino, no mínimo, dois meses após a manifestação da doença. “Os indivíduos que tiveram covid-19 apenas podem embarcar em aviões civis com destino a Macau, no mínimo, dois meses após a manifestação da doença ou o primeiro teste da covid-19 com resultado positivo, e devem obrigatoriamente apresentar o certificado de recuperação da covid-19”, pode ler-se numa nota divulgada no sábado pelo Centro de Coordenação de Contingência do Novo Tipo de Coronavírus. A nova medida, esclarece o Centro de Coordenação, “não prejudica outras exigências antiepidémicas”, tais como a apresentação do resultado negativo de um teste de ácido nucleico efectuado nas últimas 48 horas ou a obrigatoriedade de realizar uma quarentena de 21 dias à chegada a Macau.

O Centro de Coordenação de Contingência do Novo Tipo de Coronavírus revelou que todas as pessoas que tenham estado na cidade de Hohhot, na Mongólia Interior desde 16 de Outubro, inclusive, estão obrigadas a fazer quarentena de 14 dias à chegada a Macau. Para os indivíduos que entrem na RAEM e já tenham saído da cidade de Hohhot há mais de 14 dias, o certificado de resultado negativo do teste de ácido nucleico apresentado deve ser emitido 14 dias após a saída do local. Além disso, todos os indivíduos que tenham estado em Hohhot antes do dia 16 de Outubro e se encontrem em Macau, verão o seu código de saúde convertido na cor amarela, sendo submetidos a um período de autogestão da saúde, por 14 dias, durante o qual devem realizar cinco testes de ácido nucleico.

Turismo Associação quer testes com validade de sete dias

Andy Wu, presidente da Associação da Indústria Turística de Macau, defende o regresso dos testes de ácido nucleico com validade de sete dias, em vez das actuais 48 horas. Segundo o canal chinês da Rádio Macau, Andy Wu defende que com o alargamento do prazo de validade Macau pode atrair mais turistas, tendo em conta a realização de eventos como o Festival de Gastronomia e Festival das Luzes, entre outros. O dirigente associativo acredita que, com a estabilização da pandemia, o número de turistas pode chegar aos 30 mil por dia.

casos confirmados de covid-19 e os moradores das zonas de código de saúde vermelho e amarelo. Já o pessoal que desempenha funções de risco elevado só poderá entrar na capital 14 dias após deixar de exercer os respectivos cargos. Também não é permitida a entrada em Pequim a pessoas oriundas de Hong Kong que tenham permanecido menos de 21 dias em Macau.

GCS

Contingência Quarentena para quem chega da Mongólia

Vacinação aconselhada

Centro de Coordenação “Sugere-se a quem planeia engravidar que se vacine, o mais rapidamente possível e antes da concepção, acrescentando que após a vacina não precisa adiar o plano de gravidez ou tomar medidas contraceptivas.”

Em sentido contrário, no mesmo dia, devido à estabilização da situação epidémica no território, foi anunciado o cancelamento da obrigatoriedade de realizar quarentena de 14 dias para quem entre em Pequim proveniente de Macau.

Desta feita, para entrar na capital, bastará, antes do embarque, apresentar certificado de teste de ácido nucleico com resultado negativo realizado nas ultimas 48 horas. Proibidos de entrar em Pequim de forma imediata, continuam aqueles que tiveram contacto próximo com

À luz da actual situação epidémica e do plano de vacinação do território, o Centro de Coordenação aconselhou as mulheres que planeiam engravidar a ser inoculadas contra a covid-19. Em causa, para além da segurança do fármaco, está o facto de a infecção durante a gravidez “poder aumentar a probabilidade de aborto ou de doenças graves”. “Sugere-se às pessoas que estão a planear a gravidez que se vacinem, o mais rapidamente possível e antes da concepção, acrescentando que após a vacina não precisam adiar o plano de gravidez ou tomar medidas contraceptivas”, pode ler-se em comunicado. Sobre o tópico, as autoridades sanitárias acrescentam ainda que a vacina não constituiu qualquer risco para a amamentação e que contribuiu para reduzir o risco de transmissão do novo tipo de coronavírus ao bebé. Pedro Arede

LICENÇAS DE JOGO DAVIS FONG DIZ QUE TENSÃO COM ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA DEVE SER CONSIDERADA

O

ex-deputado nomeado Davis Fong entende que a RAEM deve ter em conta as tensões diplomáticas entre Washington e Pequim na avaliação das licenças de jogo. O académico recordou que, nos últimos anos, a China e os Estados Unidos têm uma relação diplomática tensa e

que, actualmente, as operadoras de jogo norte-americana detém duas licenças de jogo [Sands China e Wynn]. Nesse contexto, defende, que Macau deve respeitar e seguir as direcções nacionais. O responsável falou no âmbito de um fórum sobre a revisão da lei do jogo organizado pelo

Centro de Política da Sabedoria Colectiva. O académico defendeu ainda que a revisão da lei do jogo, actualmente em consulta pública, não deve implementar mais do que seis concessões de jogo. O actual director do Instituto de Estudos sobre a Indústria do Jogo da Universidade de

Macau explicou, em declarações ao jornal Ou Mun, que ao definir já a atribuição de uma a seis concessões, no máximo, o Governo pode revelar flexibilidade e reduzir medos e anseios da população sobre o futuro do sector. Para Davis Fong, se forem atribuídas mais de seis

licenças de jogo isso não corresponde ao consenso da sociedade no que diz respeito à diversificação económica. Pelo contrário, se for reduzido o número de licenças, o aumento do desemprego no sector do jogo pode causar instabilidade social.


6 eventos

VIEW OF PRAIA GRANDE BEFORE ARRIVAL OF JORGE ALVARES IN 1513

Viagens ima MAKE LOVE, NOT WAR

EXPOSIÇÃO “VOYAGE”, DE KONSTANTIN BESSMERTNY, PATENTE NO CLUBE MILITAR A

1513”, que espelha a visão do artista sobre o momento da chegada dos portugueses ao território. “Há a ideia de que não estamos a viajar, mas podemos continuar a

lado, permancendo num lugar. Acabo por também fazer humor, mas tem muito a ver com a forma como as coisas estão a acontecer à nossa volta”, acrescentou.

fazê-lo de forma imaginária ou virtualmente”, contou ao HM. “Na maior parte dos trabalhos desta exposição construí a imagem de que podemos viajar para qualquer AND WHO IS SUZY?

uma escultura em madeira, intitulada “Naked Yoga on the Beach”. A exposição pode ser vista até 6 de Novembro. Em “Voyage” o artista lançou-se em viagens imaginárias e, ao mesmo tempo, exercícios de viagens no tempo. É assim com os quadros “Battle of Macau. 1622”, que remete para a Batalha de Macau, travada a 24 de Junho de 1622, e que celebrou a vitória dos portugueses sobre os holandeses. Este exercício de história através do pincel é também feito no quadro “The View of Praia Grande before arrival of Jorge Álvares in

KATANAGE III

K

ONSTANTIN Bessmertny, artista há muito radicado em Macau, nunca teve por hábito expor com frequência em nome próprio. No entanto, as restrições de viagem impostas pelas autoridades devido à pandemia mudaram esse panorama. A prova disso é que abre hoje portas, no Clube Militar, uma nova exposição de Bessmertny, composta quase na totalidade por quadros novos, alguns iniciados este ano, outros terminados agora. Além dos quadros, a mostra conta também com

25.10.2021 segunda-feira

LE JEU

O Clube Militar abre hoje portas a uma nova exposição individual de Konstantin Bessmertny. “Voyage” é o somatório de 17 quadros e uma escultura, quase todos trabalhos inéditos, que remetem para viagens imaginárias a partir de um só lugar. As obras que compõem “Voyage” materializam artisticamente a crítica humorada ditada pelos tempos actuais

www.hojemacau.com.mo


segunda-feira 25.10.2021

eventos 7

www.hojemacau.com.mo

aginárias LAST SUPPER

ATÉ 6 DE NOVEMBRO

situação que temos”. “Não podemos criticar porque vivemos com erros, tentativas. Escolhemos o caminho de saída, cometemos erros e ninguém está livre de os cometer. Mas há países mais avançados que outros ao nível da vacinação. Macau, de certa forma, está atrás comparando com a Europa e outros países em matéria de vacinação, mas aprendemos com os tempos. Quanto mais depressa nos vacinarmos mais depressa podemos passar para a fase seguinte. Apenas espero que Macau possa acelerar esse processo.”

Em “Voyage” há paisagens tropicais, explicadas pelo facto de, no ano passado, o artista ter ficado confinado dois meses na Tailândia. “Comecei a pintar a natureza pois GONÇALO LOBO PINHEIRO

Questionado se estes quadros contêm também críticas às restrições em vigor, Konstantin Bessmertny assume que sim, mas que são também “uma análise à

Metáforas e questões

Konstantin Bessmertny não tem viajado porque é claustrofóbico e não quer fazer mais de 14 dias de quarentena num quarto de hotel. Assim sendo, permaneceu em Macau nos últimos meses, facto que naturalmente influenciou a sua produção artística. Para esta mostra pegou em quadros que começaram a ser pintados há muitos anos, alguns na década de 90. Konstantin Bessmertny recuperou-os e terminou-os, quando há muito se tinha esquecido dos seus detalhes. “Não estamos a viajar fisicamente, mas viajamos numa outra dimensão. Tento mostrar outras formas de viajar, diferentes formas de ver terras longínquas.”

“Não estamos a viajar fisicamente, mas viajamos numa outra dimensão. Tento mostrar outras formas de viajar, diferentes formas de ver terras longínquas.” KONSTANTIN BESSMERTNY

tinha um estúdio no meio da selva. Então surgem labirintos, imagens tropicais, algo completamente diferente.” O artista explica que esta exposição também olha para o futuro. Konstantin fala da metáfora da sala escura com uma porta que todos desejamos abrir. A pandemia fê-lo criar mais narrativas nos seus quadros, mais interrogações, inclusivamente sobre o que se passa no mundo e no seu país, a Rússia. “Ando a ler mais do que nunca, tenho mais tempo para me concentrar nos livros que sempre estiveram empilhados no meu estúdio. Há mais narrativas no que estou a fazer. O meu país está a passar por um período complicado. Quando é que a Rússia se vai tornar num país democrático? Quando termina esta autocracia, a ideia louca de pessoas a concentrarem o poder? É uma fase diferente da União Soviética.” Ler tornou-se, nos últimos tempos, um elixir inspirador para pintar. “Poderia dizer que me sinto mais criativo devido à pandemia. Não tenho experiências a viajar, não vou a museus, não visito amigos. A minha fonte de inspiração vem da literatura.” Outra das obras que o público pode rever nesta exposição é o quadro “Yam Cha. Grand Finale”, já presente numa das mostras da Bienal de Macau. “Gosto de fazer coisas que nunca fiz antes, por isso tenho tantas séries de quadros. Não acredito que um artista tenha um só estilo, de propósito, porque é chato pintar sempre da mesma maneira. Quero desafiar-me a mim próprio, fazer algo que nunca fiz”, contou.

Grande Prémio Novembro traz workshops ao museu

Realizam-se no próximo mês de Novembro uma série de workshops pensados para pais e filhos no Museu do Grande Prémio de Macau (GPM), intitulados “Workshops DIY por Pequenos Pilotos de Corridas”. A actividade marcada para todos os fins-de-semana do mês de Novembro acontece a propósito da realização da 68ª edição do GPM. Serão realizados dois workshops por dia, às 10h30 e 15h30, apenas em chinês, para um máximo de dez famílias, com duas pessoas cada. Os workshops vão ensinar os mais pequenos a fazer carros puxa-atrás em argila leve, desenho de carros em sacos, sabonetes artesanais em forma de carros, coloração de carros de corrida, por exemplo. Para participar as famílias devem adquirir o bilhete de entrada para o museu do GPM e depois inscreverem-se no workshop, que é gratuito.

Uma espécie de exercício

Fazer “Voyage” foi, para Konstantin Bessmertny, o resultado de uma espécie de exercício físico. “Escolhi salas digitais, feiras de arte e galerias online, mas não é a mesma coisa. Continuo a ter de fazer [exposições presenciais], como uma espécie de exercício físico. Macau é um local muito pequeno, e penso que ter uma exposição a cada cinco anos, ou três, é mais do que suficiente, mas agora faço uma exposição por ano.” Konstantin Bessmertny dá também aulas e também aí teve de se adaptar à nova realidade. Os quadros de “Voyage” são, portanto, o espelho das constantes adaptações que o mundo teve de fazer perante a pandemia. “Dar aulas através do Zoom é quase como se fosse realidade virtual. Como podemos ensinar a misturar cores através do Zoom? Estamos a enfrentar uma situação absurda na maior das vezes e temos de aprender a viver com isso”, conclui. Andreia Sofia Silva

Indústrias criativas IC recebe candidaturas para feira em Xiamen

O Instituto Cultural (IC) recebe, a partir de hoje, candidaturas para a participação de associações culturais de Macau na 14.ª Feira de Indústrias Culturais dos Dois Lados do Estreito (Xiamen), nomeadamente no “Pavilhão da Criatividade de Macau”. As candidaturas podem ser entregues até 7 de Novembro, sendo que a feira acontece entre os dias 3 e 6 de Dezembro no Centro Internacional de Conferências e Exposições de Xiamen (XICEC). Os candidatos devem ser associações locais do sector cultural e criativo, sendo que o IC irá seleccionar dez para participar na exposição. Os critérios de selecção passam pela quantidade de entidades expositoras, as marcas e produtos propostos pela associação candidata, assim como originalidade, criatividade e singularidade dos produtos propostos e o grau de pró-actividade na participação.


8 china

25.10.2021 segunda-feira

www.hojemacau.com.mo

COVID-19 MARATONA DE WUHAN ADIADA DEVIDO A AUMENTO DE CASOS

Não correu bem

A maratona de Wuhan, que estava marcada para ontem, foi adiada devido aos receios crescentes de ressurgimento da covid-19 na China, à medida que se aproximam os Jogos Olímpicos de Inverno de 2022, em Pequim

A

organização da maratona de Wuhan decidiu cancelar a prova, que estava marcada para ontem, devido ao aumento de casos positivos de covid-19 no país. A organização da maratona de Wuhan, onde foi identificada a doença em final de 2019, decidiu adiar a prova “para prevenir o risco de propagação da epidemia”, de acordo com um comunicado. O evento devia contar com 26 mil participantes, entre as provas da maratona e da meia maratona, noticiaram os meios de

comunicação estatais. Os atletas inscritos vão manter a registo para a corrida, que foi adiada e ainda não tem nova data, e foi também garantido reembolso do custo de inscrição. Recorde-se que no ano passado a prova foi cancelada.

De olhos na capital

A maratona de Pequim, marcada para o próximo dia 31 de Outubro, é um dos eventos desportivos encarado como teste para a organização dos Jogos Olímpicos de Inverno. Com fortes restrições devido à pandemia, a prova

está aberta apenas a residentes permanentes da capital, que estão obrigados a permanecer em Pequim nos 21 dias que antecedem a prova. Além disso, os atletas têm de apresentar comprovativo de vacinação e teste de ácido nucleico realizado nas últimas 72 horas antes do início da corrida. Está prevista a participação de cerca de 30 mil atletas. Pequim vai assinalar na quarta-feira os 100 dias que antecedem os Jogos Olímpicos de inverno, com início marcado para 4 de Fevereiro, tendo os organizadores admitido, no início deste

mês, estarem sob “grande pressão” devido à covid-19. As autoridades estão a tentar conter os casos, procedendo a testes em massa dos residentes das localidades afectadas e confinamentos selectivos. Nas 24 horas que terminaram ontem, a Comissão de Saúde da China detectou 26 infecções locais no país e 17 casos importados. Os casos locais foram identificados nas províncias da Mongólia Interior (sete), em Gansu (seis), Ningxia (seis), Hebei (um), Hunan (um) e Shaanxi (um). Em Pequim, foram

Pequim vai assinalar na quarta-feira os 100 dias que antecedem os Jogos Olímpicos de inverno, com início marcado para 4 de Fevereiro, tendo os organizadores admitido, no início deste mês, estarem sob “grande pressão” devido à covid-19

contabilizados quatro casos. Os restantes 17 casos foram diagnosticados em viajantes provenientes do estrangeiro em Zhejiang, Xangai, Pequim, Heilon-

gjiang, Guangdong, Guangxi e Yunnan. A Comissão de Saúde da China adiantou que o número total de casos activos é de 522, incluindo 13 graves.

PUB.

PEQUIM PIANISTA LI YUNDI DETIDO POR RECORRER A PROSTITUIÇÃO MANDADO DE NOTIFICAÇÃO N.° 912/AI/2021

MANDADO DE NOTIFICAÇÃO N.° 942/AI/2021

-----Atendendo à gravidade para o interesse público e não sendo possível proceder à respectiva notificação pessoal, pelo presente notifique-se o infractor LEI MAN FAI, portador do Bilhete de Identidade de Residente Permanente da RAEM n.° 51326xx(x), que na sequência do Auto de Notícia n.° 307/DI-AI/2019, levantado pela DST a 10.11.2019, e por despacho do Director dos Serviços de Turismo, Substituto, de 06.08.2021, exarado no Relatório n.° 724/DI/2021, de 06.07.2021, em conformidade com o disposto no n.° 1 do artigo 14.° da Lei n.° 3/2010, lhe foi desencadeado procedimento sancionatório por suspeita de controlar a fracção autónoma situada na Taipa, Avenida Olimpica, n.° 635, Kings Ville, 20.° andar E onde se prestava alojamento ilegal.----------------------------------------------------No mesmo despacho foi determinado que deve, no prazo de 10 dias, contado a partir da presente publicação, apresentar, querendo, a sua defesa por escrito, oferecendo nessa altura todos os meios de prova admitidos em direito, não sendo admitida a apresentação de defesa ou de provas fora do prazo conforme o disposto no n.° 2 do artigo 14.° da Lei n.° 3/2010. --------------------A matéria apurada constitui infracção ao artigo 2.° da Lei n.° 3/2010, punível nos termos do n.° 1 do artigo 10.° do mesmo diploma.------------------------------------O processo administrativo pode ser consultado, dentro das horas normais de expediente, no Departamento de Licenciamento e Inspecção desta Direcção de Serviços, sito na Alameda Dr. Carlos d’Assumpção n.os 335-341, Edifício ‘‘Hot Line”(Centro “Hot Line”), 18.° andar, Macau. -----------------------------------------------Direcção dos Serviços de Turismo, aos 21 de Outubro de 2021. A Directora dos Serviços, Maria Helena de Senna Fernandes

-----Atendendo à gravidade para o interesse público e não sendo possível proceder à respectiva notificação pessoal, pelo presente notifique- se o infractor LEONG KA LOK, portador do Bilhete de Identidade de Residente Permanente da RAEM n.º 52071xx(x), que na sequência do Auto de Notícia n.° 286/DI-AI/2019, levantado pela DST a 29.10.2019, e por despacho do Director dos Serviços de Turismo, Substituto, de 03.08.2021, exarado no Relatório n.° 719/DI/2021, de 05.07.2021, em conformidade com o disposto no n.° 1 do artigo 14.° da Lei n.° 3/2010, lhe foi desencadeado procedimento sancionatório por suspeita de controlar a fracção autónoma situada na Taipa, Avenida Olimpica, n.° 635, Kings Ville, 6.° andar E onde se prestava alojamento ilegal.------------------------------------------------------------------No mesmo despacho foi determinado que deve, no prazo de 10 dias, contado a partir da presente publicação, apresentar, querendo, a sua defesa por escrito, oferecendo nessa altura todos os meios de prova admitidos em direito, não sendo admitida a apresentação de defesa ou de provas fora do prazo conforme o disposto no n.° 2 do artigo 14.° da Lei n.° 3/2010. --------------------A matéria apurada constitui infracção ao artigo 2.° da Lei n.° 3/2010, punível nos termos do n.° 1 do artigo 10.° do mesmo diploma.------------------------------------O processo administrativo pode ser consultado, dentro das horas normais de expediente, no Departamento de Licenciamento e Inspecção desta Direcção de Serviços, sito na Alameda Dr. Carlos d’Assumpção n.os 335-341, Edifício ‘‘Hot Line’’ (Centro “Hot Line”), 18.° andar, Macau.-----------------------------------------------Direcção dos Serviços de Turismo, aos 21 de Outubro de 2021. A Directora dos Serviços, Maria Helena de Senna Fernandes

L

I Yundi, um dos mais conhecidos pianistas da China, foi detido, em Pequim, suspeito de ter recorrido aos serviços de uma prostituta. Em comunicado, a polícia da capital chinesa informou que o suspeito foi colocado em prisão administrativa e que foi aberta uma investigação, na quinta-feira, que recairá também sobre uma mulher identificada pelo sobrenome Chen e um homem chamado “Li di”. A primeira parte do nome do pianista foi excluída como é padrão em casos de polícia. Essa mensagem foi seguida por outra, com a imagem de um teclado de piano e as palavras

“é preciso ver claramente a diferença entre preto e branco”. A Associação de Músicos da China também anunciou a expulsão de Li Yundi da organização, com base no aviso da polícia do distrito de Chaoyang, em Pequim, de que ele foi preso. Li Yundi, de 39 anos, começou a tocar piano quando era criança e estudou na China e na Alemanha antes de se tornar o mais jovem vencedor do Concurso Internacional de Piano Chopin, em 2000, aos 18 anos. Desde então, fez digressões pelo mundo e gravou vários álbuns, tornando-se num dos artistas chineses mais conhecidos.

Taiwan Sismo de 6,5 de magnitude a 60 quilómetros de Taipé Um sismo de magnitude de 6,5 na escala aberta de Richter foi ontem registado no nordeste de Taiwan, anunciou a agência de meteorologia da ilha. Os habitantes da capital, Taipé, disseram ter sentido fortemente o abalo, ocorrido pelas, indicou a agência. O epicentro localizou-se no condado de Yilan, a cerca de 61 quilómetros da capital, Taipé, acrescentou. O sismo, que se prolongou por cerca de dez segundos, ocorreu a uma profundidade de 67 quilómetros. Taiwan é regularmente

atingida por sismos por se encontrar perto da junção de duas placas tectónicas. Em 2018, a cidade de Hualien, um dos centros turísticos da ilha, foi atingida por um sismo de 6,4 de magnitude, que causou 17 mortos e perto de 300 feridos. Em Setembro de 1999, um sismo de 7,6 de magnitude fez cerca de 2.400 mortos, na catástrofe natural mais mortífera da história da ilha. Em Dezembro do ano passado, um terramoto de 6,2 não causou danos ou vítimas.


segunda-feira 25.10.2021

www.hojemacau.com.mo

h

9

A Fábrica de Vinho Chinês Tai Cheong JOSÉ SIMÕES MORAIS Quando em 2010 pretendemos escrever sobre a loja de vinho chinês Tai Cheong, situada ao fundo da Estrada do Repouso, pouca informação obtivemos do funcionário que aí trabalhava e apesar de por três vezes a visitarmos, nem o nome lhe conseguimos saber e tão pouco quem era o patrão. Ao centro do acanhado compartimento da loja encontrávamos sempre uma mesa com pessoas idosas a jogar majong e na parede do fundo, um conjunto de antiguidades colocadas entre o altar a Kuan Tai e por cima, a tabuleta com o nome do estabelecimento. Já numa das laterais paredes, prateleiras cheias de garrafas, entre elas de cerveja Tsingtao cujo rótulo referia ser vinho de arroz glutinoso de original fermentação, tendo os caracteres em baixo a dizer <Tai Cheong antiga fábrica de vinho>. A última prateleira fazia de balcão e escondia enormes potes antigos gravados com dragões a armazenar o vinho, acessíveis por buracos no tampo de madeira fechados por rolhas. Aberta ao passeio, daí fomos assistindo em silêncio ao ritual da venda quando os clientes entravam na loja para comprar vinho e o funcionário abria a caixa de metal que guardava as várias medidas e só depois o vendia já engarrafado ou, mediante o pedido, escolhia uma das quatro conchas de alumínio nela existente com diferentes capacidades e mergulhando-a num dos potes, vertia o líquido com a ajuda de um funil para o vasilhame trazido pelo cliente. Finda a transacção, voltava a fechar a tampa da caixa e recebia o dinheiro. Duzentas patacas era o imposto que a loja pagava por ano para vender vinho, como aparecia num papel exposto na parede. Para facilitar um início de conversa compramos uma garrafa, perguntando se o vinho era feito em Macau e a resposta foi ser produzido em Panyu, província de Guangdong. Aproveitando então o degelo na comunicação, questionamos sobre a pequena fotografia exposta na parede a mostrar um jovem a andar de bicicleta, referindo

o funcionário com um ligeiro orgulho ser ele o protagonista, já lá iam mais de 50 anos. Em superficiais pesquisas, percebemos ser esta a última das lojas de vinho de arroz que em Macau permanecia aberta, após o encerramento em 2010 da Cheóng Ón na Rua de S. Paulo. Em 1950, Macau só em lojas de venda a retalho de vinho de arroz tinha 118 e fábricas havia 44. Com a lista de 1981, que registava 27 fábricas, deambulamos pela cidade na esperança de ainda existir alguma. Sem nada encontrar, voltamos à loja Tai Cheong para tentar conseguir mais informações. Em 2021 regressamos à loja, mas fechara em 2019, sendo-nos revelado ter sido esta fábrica de vinho chinês uma das mais importantes de Macau. Com vontade de conhecer a sua História soubemos poder encontrar na cidade um dos filhos do fundador, dono da loja de chá Va Lun, na Rua 5 de Outubro. Assim, durante uma manhã aí escutamos do Sr. Chang Chi Fai, amável e interessante personagem, as informações que até então nos falhavam sobre a fábrica Tai Cheong. HISTÓRIA DA FÁBRICA O seu pai, Chang Hin Meng era natural de Jiujiang, Nanhai província de Guangdong, e quando em 1939 esta província foi invadida pelos japoneses fugiu com a família para Hong Kong. Enquanto aí vivia, abriu em Macau uma fábrica de palitos, Dai Wa e outra de châu peng (fermento para fazer vinho de arroz), criando assim empregos aos seus conterrâneos. Em 1941 veio para Macau e nessa década de 40 fundou a Fábrica de Vinho de Arroz “Tai Cheong”, na Estrada do Repouso n.º 129, onde se situava a loja e atrás desta encontrava-se a fábrica a ocupar a área traseira de sete espaços comerciais, tendo no outro lado da rua mais três lojas para armazenar o arroz. A tomar conta da fábrica ficou o irmão Chang Chan Wa, que era o segundo filho. O vinho na altura era produzido num recipiente de estanho com capacidade de 15 kg onde o arroz cozia durante uma hora, sendo

depois submetido à fermentação. Na primeira cozedura a vapor fazia-se o vinho para cozinhar de pouco teor alcoólico e só após uma segunda cozedura este atingia os 31,5º. Com essa dupla destilação (seóng chêng) o vinho transparente era colocado em garrafas de meio litro pois os habitantes de Guangdong gostavam de o beber a acompanhar as refeições. No entanto, o estanho dos recipientes deixava resíduos de chumbo levando o governo de Singapura a proibir a importação do vinho de arroz de Macau. Em 1954, Chang Chi Fai após complementar o curso secundário com 18 anos foi trabalhar para a fábrica. Como a produção continuava a usar o antigo método decidiu desenhar e fazer de aço inoxidável a panela alambique para substituir a de estanho, aumentandolhe a capacidade a fim de poder cozer 45 kg de arroz. Sendo preciso grande quantidade de água abriu-se um poço e para a conseguir fria foi-se buscar mais fundo pois necessária para cortar rapidamente o levedar com o novo bolo de vinho, que desenvolveu através do arroz glutinoso importado da Tailândia. Este era triturado até ficar em

pó, depois colocado em água e após seco dividido em bolinhas. Tai Cheong era a única fábrica a produzir desta maneira o vinho e em 1957 começou a vender esse châu pêng às outras de Macau. A juntar aos já bons resultados, inovou com a técnica de esterilização durante a fermentação usando luz ultravioleta para eliminar possíveis contaminações bacterianas e para purificar o vinho mandou vir de UK um filtro especial. Se até então, com meio quilo de arroz se produzia quatro leong (1kg = 32 leong) de vinho, agora com a mesma quantidade de arroz conseguia-se 24 leong (¾ kg = 750ml de vinho). A qualidade também aumentou pois a fermentação era completa e assim conseguiu baixar o preço da produção. Na década de 60 a fábrica precisava por dia entre uma a duas toneladas de arroz e por isso começou a importá-lo directamente da China, tornandose o maior agente em Macau de todos os produtos necessários para a feitura do vinho de arroz. Tinha mais de 300 enormes potes, armazenando cada um 400 litros, havendo ainda um recipiente feito de aço inoxidável com a capacidade de 1750 litros. Assim em três anos a fábrica de média tamanho tornou-se a maior e a número um de Macau. Em 1965 Chang Chi Fai deixou a fábrica e virou-se para o negócio do chá. O vinho produzido em Hong Kong pagava 0,9 HK$ por cada meio litro, enquanto o importado tinha uma taxa de 1,1 HK$, mas mesmo assim o preço do vinho de Macau continuava aí a ser mais barato. Nessa altura, Macau exportava 80% do seu vinho de arroz cozido duas vezes para o Sudeste Asiático, Canadá e USA. Na década de 80, alguns negociantes de HK usando álcool industrial e tornando-o transparente venderam-no como vinho de arroz, provocando a cegueira e morte a quem o consumiu. Tal levou à queda da confiança dos consumidores, que optaram por cerveja e uísque, dando-se assim o declínio do vinho de arroz. Com a enorme diminuição de consumo, a fábrica fechou por volta do ano de 1987 e o último patrão, Chang Chan Wa, antes de deixar Macau vendeu a loja ao antigo empregado Tang Gan, o nosso primeiro colocutor.


3 4 7 8 9 6 1 16 0 9 1 2 6 3 7 5 2 5 0 7 1 7 3 9 9 0 8 2 10 6 1 8[f]2 5utilidades 4 3 2 0 6 8 1 5 2 1 6 7 3 0 6 5 8 7 5 2 4 0 9 1 5 4 3 1 6 4 0 8 7 4 2 5 2 7 3 9 1 T E M P3 O P4O U1C O 8 1 2 3 4 0 9 2 6 8 7 0 8 4 9 5 0 9 4 7 3 2 9 6 15

5 0 2 4 5 8 3 1 4 6 9 4 1 7 7 9 9 0 4 0 3 3 1 8 2 7 9 6 8 0 BLADO 0N U 7 6 5 6 2 4 3 1 2 3 5 0

S7 5U6 1D4 8O2 3K0 9U 8 9 0 4 4 1 5 6 9 3 2 0

9 3 3 0 2 5 4 0 7 7 8 9 1 6

3 6

6 3 1 9 7 0 4 2 8 5

8 2 5 4 9 1 7 3 6 0

7 0 2 3 6 5 1 4 9 8

6 8 3 1 0 8 7 4 4 6 2 2 5 3 9

4 6 8 0 3 7 9 5 1 2

3 4 5 6 2 9 3 6 1 0 1 8 7 8

1 1 7 0 9 6 4 2 3 4 6 0 5 7

7 8

5 1 9 8 0 2 6 7 4 3

9 4 3 7 5 8 0 6 2 1

4 6 5 7 3 6 9 1 8 4 1 3 7 9 0

0 5 6 1 2 3 8 9 7 4

5 4 8 7 0 9 6 2 1

2 8 4 6 1 9 5 0 3 7

7 6 1 6 5 2 8 9 2 1 3 0 9 4 5

0 7 2 9 1 4 3 5 7 6 8 6 4

1 7 0 2 4 6 3 8 5 9

3 9 7 5 8 4 2 1 0 6

SOLUÇÃO DO PROBLEMA 17

17

2 9 7 8 1 0 5 4 3

5 6 7 9 3 8 2 0 9 5 1 7 0 4 6 2 18 4 1 8 3

16 SÉRIE UMA 3 0 8 9 2 6 7 1 5 4

PROBLEMA 18

18

4 0 8 1 9 2 3 4 6 7 0 6 2 3 7 8 MIN 5 9 1 5

18

4 1 6 7 5 3 9 2 0 8

5 2 1 0 6 4 3 8 9 7

7 8 4 2 0 9 6 5 1 3

9 3 5 0 4 2 1 7 6 8 3 1 7 5 9 8 8 0 6 4 2 7 0 6 5 9 7 2 1www. 4 8 3 0 1 4 5 hojemacau. com.mo 3 6 2 9

1 7 8 9 2 3 6 4 1 5 3 4 6 0 2 9 0 2 4 5 0 7 6 1 8 7 9 8 1 9 www.hojemacau.com.mo 5 7 6 3 1 7 2 8 1 3 4 0 0 2 5 3 4 2 8 5 9 4 9 6 6 9 5 1 8 7 7 8 4 9 0 3 4 1 5 1 3 8 MAX 25 HUM 60-90% 0 6 7 2 3 8 5 6´ 3 7 2 6 0 9 4 2 5 0

HOJE 9 3 5 8 1 7 4 0 6 2

0 6 7 5 4 2 1 3 8 9

5 8 6 4 3 0 9 2 • 7 1

3 7 2 5 3 4 0 5 1 2 8 0 1 9 6 7 2 3 6 0 5 9 4 7 EURO 8 1 9 4 6 8

9 0 8 1 8 2 6 3 7 0 4 5 6 1 7 0 7 3 5 4 6 9 2 8 4 3 2 4 9 8 7 0 1 3 5 6 25.10.2021 5 6 9 5 6 0 segunda 1 9 8 -2feira 3 4 8 7 4 2 1 5 3 6 4 7 9 0 1 8 5 9 4 7 2 1 0 8 6 3 3 2 1 6 2 9 8 5 3 1 0 7 0 5 6 8 0 4 9 7 5 6 1 2 9.32 BAHT 0.24 YUAN 1.25 2 4 0 3 5 1 0 8 2 4 7 9 7 9 3 7 3 6 4 2 9 5 8 1

21 COMEDIANS IN CARS GETTING COFFEE | JERRY SEINFELD | 2019

2 9 3 1 8 0 5 7 4 6

1 4 9 3 7 8 0 6 2 5

8 7 0 6 9 5 2 4 3 1

6 5 2 4 3 1 8 9 7 0

9 5 4 6 7 0 8 2 2 é0tão 3 9 5 7 eficaz. 1 4 O título extenso quanto Seinfeld escolhe um carro, mais 7 1 8 2 4 5 6 ou 9 menos clássico e aparece à porta do 8 4 0 3 6 9 2 7 convidado, também ele um come3 2 1para8lhe4dar boleia 5 0 diante6de renome, até um 1 café 7 escolhido 9 5 0 a 3dedo. 4 Ao 8 volante de um Maserati Mistral de 5 8 6 7 1 2 9 3 69 ou de um Dodge Royal Monaco 1 4 3 6 esteve 7 5 Sedan0de976 que em tempos ao serviço conversas 3 2 da7polícia, 8 9as 1 0 6 sucedem-se de forma mais ou menos 4 6 5 0 2 8 3 1

22C

CINETEATRO

LET THERE 1VENOM: 5 9 BE CARNAGE [C] Um filme de: Andy Serkis Tom Hardy, Michelle Williams, 6Com: 8 1 Naomie Harris, Woody Harrelson 14.30, 16.30, 19.30, 21.30 3 4 7 RON’S GONE WRONG 5FALADO EM CANTONÊS 3[B] 0 filme de: Jean Philippe Vine, Sarah 9Um 3 Smith, Octavio Rodrigue 2 14.30, 16.30, 19.30 2MY HERO ACADEMIA:1WORLD6 MISSION [B] 0HEROES 7 2 FALADO EM JAPONÊS 8 9 4 4 0 8 7 6 5

I N E M A LEGENDADO EM CHINÊS

8 7 1 2 6 4 0 3 5 9

2 3 0 9 1 5 8 7 6 4

4 1 8 2 6 7 6 7 4 8 2 7 6 5 3 1 0 6 0 5 3 8 9 5 0 3 1 5 9 0 2 7 8 6 2 9 7 5 4 0 4 5 9 0 8 5 1 6 4 3 2 3 4 6 0 2 1 1 2 MY HERO ACADEMIA: 6 7 4WORLD 3 8HEROES 9 0MISSION 5 1 5 2 1 7 9 3 4 5 6 1 0 3 2 7 8 9 2 3 7 4 5 1 8 0 9 9 3 4 8 1 5 8 2 5 6 7 1 0 9 3 4 1 2 6 0 9 7 5 4 8 Propriedade Fábrica de Notícias, Lda Director Carlos Morais José Editores João Luz; José C. Mendes Redacção Andreia 1 6 3 4 0 8 9 0 8 5 6 4 3 2 7 1 0Sofia9Silva;1João2Santos 4 Filipe; 3 Pedro 6 Arede, 7 5 Nunu Wu Colaboradores Anabela Canas; António Cabrita; António de Castro Caeiro; Ana Jacinto Nunes; Amélia Vieira; Duarte Drumond Braga; Emanuel Cameira; Gonçalo José 5 Simões Paulo4 0 5M.Tavares; 9 6 Gonçalo 7 2Waddington; Inês Oliveira; 7 9João3Paulo 2 Cotrim; 4 6 1 Morais; 0 8Luis Carmelo; Nuno 5Miguel6 Guedes; 3 1Paulo7José8Miranda; 9 2 Maia e Carmo; Rosa Coutinho Cabral; Rui Cascais; Sérgio Fonseca; Teresa Sobral; Valério Romão Colunistas André Namora; David Chan; João Romão; Olavo 8 7 Paul 2 Chan 9 Wai 3 Chi; 6 Paula Bicho; Tânia1dos4Santos7 Grafismo 8 9Paulo0 Borges, 6 5 2 Santos 3 Agências Lusa;7Xinhua 4 Fotografia 9 8 Hoje 2 Macau; 0 1 Rasquinho; Rómulo Lusa;6 GCS;3 Xinhua Secretária de redacção e Publicidade Madalena da Silva (publicidade@hojemacau.com.mo) Assistente de marketing Vincent Vong Impressão Tipografia 7 8Morada 0 Pátio 1 da5Sé, 4n.º22, Edf. Tak Fok, R/C-B, 2 3Macau; 1 Telefone 0 528752401 8 7Fax 28752405; 4 9 6e-mail info@hojemacau.com.mo; 8 5 0Sítio6www.hojemacau.com.mo 3 4 2 9 7 Welfare

9 4 7 2 6 3 8 0 5 1

espontânea e acabam muitas vezes em partilhas pessoais, nostálicas ou em tiradas 23de fazer doer a barriga de tanto rir. Ricky Gervais, Eddie Murphy e 3 8 2 9 1 5 4 0 Seth Rogen fazem parte da lista de 6 1 da4temporada 7 2 11 9 da8série, 3 convidados que se0encontra disponível na plata7 9 3 8 2 1 6 forma Netflix. A primeira temporada 5 6 0 4 3 7 9 8 estreou em 2012. Pedro Arede

3 8 0 1 7 6 4 2 5 9

SALA 1

SALA 2

filme de: Kenji Nagasaki 6 Um 0 4 7 1 3 21.30 2 THE9ADDAMS 5 FAMILY 6 42 [B] 0 FALADO EM CANTONÊS 8 LEGENDADO 6 3EM CHINÊS 2 9 5 Um filme de: Greg Tiernan, Laura Brousseau, Kevin 7 14.30,116.308 5 Polvovic 6 4 4 NO5TIME TO 9 DIE0[B] 8 7 Um filme de: Cary Joji Fukunaga Com: Daniel 0 2Léa Seydoux, 7Craig, Rami 9 Malek, 3 8 Lashana Lynch 1 18.15,321.156 4 5 9 5 8 0 1 2 6 9 4 1 3 7 2 3 7 2 8 0 1 SALA 3

24

PUB.

EDITAL

EDITAL

Edital n.º : 70/E-BC/2021 Processo n.º : 243/BC/2018/F Assunto : Início da audiência pela infracção às disposições do Regulamento de Segurança Contra Incêndios (RSCI) Local : Rua Dois do Bairro da Areia Preta n.º 26, Edf. Kam Heng, fracção 4.º andar B conforme a indicação no local (CRP:H3), Macau. Lai Weng Leong, Subdirector da Direcção dos Serviços de Solos, Obras Públicas e Transportes, no uso das competências delegadas pelo Despacho n.º 04/SOTDIR/2021, publicado no Boletim Oficial da Região Administrativa Especial de Macau (RAEM) n.º 33, II Série, de 18 de Agosto de 2021, faz saber que fica notificada a Sra. Ng Bik Chi, proprietária do local acima indicado, do seguinte: 1.

Infracção ao n.º 12 do artigo 8.º, obstrução do acesso aos pontos de penetração no edifício.

As janelas e a varanda acima referidas são consideradas pontos de penetração no edifício para realização de operações de salvamento de pessoas e de combate a incêndios, não podendo ser obstruídas com elementos fixos (gaiolas, gradeamentos, etc.), de acordo com o disposto no n.º 12 do artigo 8.º do RSCI, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 24/95/M, de 9 de Junho. As alterações introduzidas pelos infractores no referido espaço, descritas no ponto 1 do presente edital, contrariam a função desses espaços enquanto pontos de penetração no edifício e comprometem a segurança de pessoas e bens em caso de incêndio. Assim, a obra executada não é susceptível de legalização pelo que terá necessariamente de ser determinada pela DSSOPT a sua demolição a fim de ser reintegrada a legalidade urbanística violada.

3.

Nos termos do n.º 7 do artigo 87.º do RSCI, a infracção ao disposto no n.º 12 do artigo 8.º é sancionável com multa de 2 000,00 a $20 000,00 patacas.

4.

Considerando a matéria referida nos pontos 2 e 3 do presente edital, pode a interessada, querendo, pronunciar-se por escrito sobre a mesma e demais questões objecto do procedimento, no prazo de 5 (cinco) dias contados a partir da data da publicação do presente edital, assim como requerer diligências complementares e oferecer os respectivos meios de prova, em conformidade com o disposto no n.º 1 do artigo 95.º do RSCI. O processo pode ser consultado durante as horas de expediente nas instalações da Divisão de Fiscalização do Departamento de Urbanização desta DSSOPT, situadas na Estrada de D. Maria II, n.º 33, 15.º andar, em Macau (telefones n.os 85977154 e 85977227).

RAEM, 15 de Outubro de 2021 Pela Directora de Serviços O Subdirector Lai Weng Leong

71/E-BC/2021 243/BC/2018/F Demolição de obra não autorizada pela infracção às disposições do Regulamento de Segurança Contra Incêndios (RSCI) Rua Dois do Bairro da Areia Preta n.º 26, Edf. Kam Heng, parte do terraço sobrejacente à fracção 4.º andar B conforme a indicação no local (CRP:H3) e escada comum entre os 2.º e 3.º andares, Macau

Lai Weng Leong, Subdirector da Direcção dos Serviços de Solos, Obras Públicas e Transportes (DSSOPT), no uso das competências delegadas pelo Despacho n.º 04/SOTDIR/2021, publicado no Boletim Oficial da Região Administrativa Especial de Macau (RAEM) n.º 33, II Série, de 18 de Agosto de 2021, faz saber que ficam notificados os donos das obras ou seus mandatários, bem como os utentes dos locais acima indicados, cujas identidades se desconhecem, do seguinte: 1.

Na sequência da fiscalização realizada pela DSSOPT, apurou-se que nos locais acima indicados realizaram-se as seguintes obras não autorizadas: Obra

Infracção ao RSCI e motivo da demolição

2.

5.

Edital n.º: Processo n.º: Assunto: Local:

Na sequência da fiscalização realizada pela DSSOPT, apurou-se que no local acima indicado realizou-se a seguinte obra não autorizada: Obra 1.1 Instalação de janelas metálicas na parede exterior junto à varanda da fracção para fechamento da varanda.

9 1 2 7 8 5 4 3 6 0

Infracção ao RSCI e motivo da demolição

1.1

Construção de um compartimento com cobertura metálica, janelas de vidro Infracção ao n.º 4 do artigo 10.º, obstrução do caminho e paredes em alvenaria de tijolo na parte do terraço sobrejacente à fracção de evacuação. 4.º andar B conforme a indicação no local (CRP:H3).

1.2

Instalação de um gradeamento e portão metálicos na escada comum entre Infracção ao n.º 4 do artigo 10.º, obstrução do caminho os 2.º e 3.º andares. de evacuação.

2.

De acordo com o n.º 1 do artigo 95.º do RSCI, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 24/95/M de 9 de Junho, foi realizada, no seguimento de notificação por edital publicado nos jornais em língua chinesa e em língua portuguesa de 20 de Abril de 2020, a audiência escrita dos interessados, mas estes não apresentaram qualquer resposta no prazo indicado e não foram carreados para o procedimento elementos ou argumentos de facto e de direito que pudessem conduzir à alteração do sentido da decisão de ordenar a demolição das obras não autorizadas acima indicadas. 3. Sendo as escadas, corredores comuns e terraço do edifício considerados caminhos de evacuação, devem os mesmos conservar-se permanentemente desobstruídos e desimpedidos, de acordo com o disposto no n.º 4 do artigo 10.º do RSCI. Assim, nos termos do n.º 1 do artigo 88.º do RSCI e no uso das competências delegadas pela alínea 8) do n.º 1 do Despacho n.º 04/SOTDIR/2021, publicado no Boletim Oficial da Região Administrativa Especial de Macau (RAEM) n.º 33, II Série, de 18 de Agosto de 2021, e por despacho do signatário de 15 de Outubro de 2021 exarado sobre a informação n.º 09585/DURDEP/2021, ordena aos interessados que procedam, por sua iniciativa, no prazo de 8 dias contados a partir da data da publicação do presente edital, à respectiva demolição e à reposição dos locais afectados, bem como à remoção de todos os materiais e equipamentos neles existentes e à sua desocupação, devendo, para o efeito e com antecedência, apresentar nesta DSSOPT o pedido de demolição da obra ilegal, cujos trabalhos só podem ser realizados depois da sua aprovação. A conclusão dos referidos trabalhos deverá ser comunicada à DSSOPT para efeitos de vistoria. 4. Findo o prazo da demolição e da desocupação, não será aceite qualquer pedido de demolição das obras acima mencionadas. De acordo com o n.º 2 do artigo 139.º do Código do Procedimento Administrativo, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 57/99/M de 11 de Outubro, notifica-se ainda que nos termos dos n.os 1 e 2 do artigo 89.º do RSCI, findo o prazo referido, a DSSOPT, em conjunto com outros serviços públicos e com a colaboração do Corpo de Polícia de Segurança Pública, procederá à execução dos trabalhos acima referidos, sendo as despesas suportadas pelos infractores. Uma vez iniciados os trabalhos, os infractores não poderão solicitar o seu cancelamento. Os materiais e equipamentos deixados nos locais acima indicados ficam aí depositados à guarda de um depositário a nomear pela Administração. Findo o prazo de 15 (quinze) dias a contar da data do depósito e caso os bens não tenham sido levantados, consideram-se os mesmos abandonados e perdidos a favor do governo da RAEM, por força da aplicação do artigo 30.º do Decreto-Lei n.º 6/93/M de 15 de Fevereiro. 5. Nos termos do n.º 3 do artigo 87.º do RSCI, a infracção ao disposto no n.º 4 do artigo 10.º é sancionável com multa de 4 000,00 a 40 000,00 patacas. Além disso, de acordo com o n.º 4 do mesmo artigo, em caso de pejamento dos caminhos de evacuação, será solidariamente responsável a entidade que presta os serviços de administração e/ou de segurança do edifício. 6. Nos termos do n.º 1 do artigo 97.º do RSCI e do n.º 18 do Despacho n.º 04/SOTDIR/2021, publicado no Boletim Oficial da Região Administrativa Especial de Macau (RAEM) n.º 33, II Série, de 18 de Agosto de 2021, da decisão referida no ponto 3 do presente edital cabe recurso hierárquico necessário para o Secretário para os Transportes e Obras Públicas, a interpor no prazo de 8 (oito) dias contados a partir da data da publicação do presente edital. RAEM, 15 de Outubro de 2021

Pela Directora de Serviços O Subdirector Lai Weng Leong


segunda-feira 25.10.2021

www.hojemacau.com.mo

opinião 11

Mário Duarte Duque

FORMA URBANA (II) DOS VENTOS E DAS BRISAS URBANAS

ENQUANTO OS ventos constituem o transporte de ar de uma circulação mais geral e são geralmente constantes ou predominantes numa região. As brisas geram-se localmente a partir de características locais. A forma urbana permite tanto defendermo-nos dos ventos gerais, como deles tirar partido, mas também permite gerar localmente correntes de ar desejáveis, a que se chamam brisas. Nas cidades não velejamos e muitas vezes sequer gostamos do vento. Mas precisamos e gostamos das brisas. As brisas urbanas geram-se localmente por convecção do ar no espaço urbano. Têm como motor a capacidade da terra e dos seres vivos de transformarem autonomamente a luz do sol em energia. Para tanto as cidades dependem da orientação solar, do tipo de cobertura da superfície, da distribuição da massa construída, dos materiais e das cores, e muito da presença de corpos de água. Do criterioso posicionamento de todos estes elementos obtemos as brisas urbanas que precisamos para a higiene e o conforto das cidades. Em verdade, todos sabemos que, se tivermos em casa janelas para fachadas opostas, em que uma fachada é soalheira e outra é umbria, temos correntes de ar. E que essa corrente até pode ser forte ao ponto de as cortinas voarem e as portas baterem. Como sabemos que quando estamos numa frente de água, o ar desloca-se entre a água e a terra em sentidos diferentes, a diferentes horas do dia. O fenómeno não é mais que o resultado da distribuição das temperaturas no espaço próximo. É conhecido que as cidades são mais quentes que as periferias não edificadas. A razão é que os materiais que predominam nas cidades são mais eficazes na conversão da luz do sol em calor. Disso resulta que, no efeito de “ilha de calor” que se atribui às cidades, reside um motor com capacidade de ventilar e renovar o ar, bastando que a forma urbana esteja para isso vocacionada. É também conhecido que diferentes materiais precisam de quantidades diferentes de energia para alterar a sua temperatura. De entre esses materiais a água e os cobertos vegetais são os que precisam de mais energia e que mais dificilmente alteram a sua temperatura. Enquanto o asfalto, o betão e os metais precisam de pouca energia e, mais facilmente alteram a sua temperatura. Quer isso dizer que é exactamente o pico do calor atmosférico o momento de formação de maiores diferenciais térmicos e de brisas urbanas, contando que exista água ou verde por perto, e a forma urbana esteja para isso adaptada. É numa situação extrema de calor atmosférico, onde reside maior capacidade de a cidade ventilar e de o ar arrefecer, por via da própria energia em presença.

“A forma urbana permite tanto defendermo-nos dos ventos gerais, como deles tirar partido, mas também permite gerar localmente correntes de ar desejáveis, a que se chamam brisas.”

São exactamente esses os tipos de mecanismos que importam identificar e facilitar para devolver equilíbrio, sempre que os indicadores ambientais se desenvolvem em sentido que colocam em causa os sistemas de suporte à vida. E falamos apenas de brisas, as quais sequer têm a mesma capacidade de mover ar como os ventos gerais de circulação, mas que são a única possibilidade de mover ar em determinadas zonas do mundo, em determinadas alturas do ano. A chamada zona de convergência intertropical é a zona do globo onde os ventos circulação geral de norte e sul se encontram e se anulam mutuamente. Essa faixa equatorial também se aproxima e se afasta de cada

trópico por ocasião do solstício do respectivo hemisfério. Ao efeito que disso resulta chama-se “marasmo”. Remete aos tempos da navegação exclusivamente feita à vela, e representa as situações em que os navios ficavam estacionados no mar porque o ar simplesmente não mexe. Nas cidades das zonas do mundo afectadas por esse fenómeno, onde Macau se inscreve, as bisas urbanas, geradas localmente, são a única possibilidade de movimentar ar. Mas brisas geram-se também por forças de arrasto que actuam lateralmente e em sentido oposto a um corpo em movimento. Em verdade, todos sabemos que os chapéus se soltam em sentido oposto à passagem de um comboio no cais de uma estação e quando tomamos banho de duche, as cortinas são sugadas logo que ligamos o chuveiro, seja a água quente ou fria. São as mesmas brisas que se levantam em sentido oposto à queda de água numa cascata. São as mesmas brisas que, quando chove, levantam o ar poluído das cidades, para que possa ser levado pelos ventos altos de circulação. São as mesmas brisas que permitem a ventilação dos lotes e dos prédios, se colocarmos em comunicação criteriosa as arcadas, as artérias e os pátios dos edifícios. E era disso de que dependia a higiene e a salubridade das colmeias habitacionais das grandes cidades que resultaram da revolução industrial, organizadas em galerias e

pátios sucessivos nos interiores de grandes lotes. Nas cidades que são atormentadas, tanto por calor, como por chuva, aí reside exactamente grande capacidade para essas cidades poderem ventilar e arrefecer, contando que se tire partido da morfologia natural e se aperfeiçoe essa morfologia na forma urbana. Demostração disso é o que se constata em cidades diferentes e se percepciona a respeito do seu clima urbano. Das cidades antigas que disso são bom exemplo, pode não ser claro se o que presidiu foi resultado de conhecimento empírico, intuição ou mero aproveitamento morfologia geográfica inicialmente identificada. Mas sabe-se hoje o que contribui para o aperfeiçoamento e para a degradação do clima das cidades, como também se pode representar e ensaiar isso em modelos numéricos. A mudança de paradigma é que as cidades modificam o clima local, mas não têm necessariamente que o degradar, antes pelo contrário, contando que a modificação seja informada e avisada. Outra mudança de paradigma é que as cidades não mais dependem de uma morfologia geográfica natural. Presentemente os recursos da técnica permitem que a forma urbana possa representar e equivaler em magnitude qualquer morfologia geográfica natural. E sempre se dirá que a infra-estrutura mais primordial de uma cidade é a sua forma urbana.


“O mundo está cheio de livros fantásticos que ninguém lê.” PALAVRA DO DIA

Umberto Eco

segunda-feira

25.10.2021

CPSP Detido por fazer ligação ilegal de electricidade

O Corpo de Polícia de Segurança Pública (CPSP) deteve um homem suspeito de fazer uma ligação ilegal de electricidade em casa. Segundo o jornal Ou Mun, o CPSP recebeu denúncia da Companhia de Electricidade de Macau (CEM), no passado mês de Julho, depois de uma inspecção ter revelado a ligação ilegal de fornecimento de luz. A inspecção foi marcada na sequência da detecção de um consumo anormal de electricidade no edifício, no bairro San Kio. O suspeito tem 35 anos, está desempregado e confessou que fez a ligação ilegal de luz em Fevereiro deste ano por não ter dinheiro. No entanto, admitiu que voltou a instalar o contador da luz original por ter medo de ser descoberto. Em Maio, voltou a fazer a ligação ilegal, mas só o fazia à noite quando precisava de luz em casa. O residente é suspeito do crime de furto, tendo o caso sido encaminhado para o Ministério Público.

Mísseis Washington espera que Pyongyang ponha fim a testes

O representante especial dos Estados Unidos para a Coreia do Norte disse ontem esperar que Pyongyang ponha fim aos testes de mísseis e responda positivamente ao apelo de Washington para dialogar. Na terça-feira, a Coreia do Norte lançou um míssil balístico a partir de um submarino (SLBM), o que motivou uma reunião de emergência do Conselho de Segurança da ONU. Kim Sung considerou “uma provocação” o lançamento, na terça-feira, de um míssil balístico a partir de um submarino (SLBM) e descreveu estes ensaios “preocupantes e contraproducentes”. “Esperamos que a República Popular da Coreia (RPDC) responda positivamente aos nossos esforços de sensibilização”, disse Kim aos jornalistas em Seul. O lançamento de terça-feira foi o último de uma série de testes de armas recentes da Coreia do Norte, incluindo um míssil de cruzeiro de longo alcance.

Açores Sismo de magnitude 4,0 sentido em São Miguel

Um sismo com magnitude 4,0 na escala de Richter foi registado ontem na ilha de São Miguel, nos Açores, informou o Centro de Informação e Vigilância Sismovulcânica dos Açores (CIVISA). Segundo o CIVISA, o evento ocorreu às 12h26 locais (20h26 em Lisboa) e “teve magnitude 4,0 na escala de Richter e epicentro a cerca de 38 quilómetros a WNW” (Oés-noroeste) “de Mosteiros, na ilha de São Miguel”. “De acordo com a informação disponível até ao momento o sismo foi sentido com intensidade máxima IV (Escala de Mercalli Modificada) nas freguesias de Mosteiros, Ginetes e Candelária (concelho de Ponta Delgada)”, adianta o CIVISA. Contactada pela Agência Lusa, fonte da Protecção Civil dos Açores disse não ter registo de qualquer ocorrência relacionada com o sismo.

Irão Khamenei avisa países árabes para relação com Israel

PUB PUB.

O líder supremo iraniano ‘ayatollah’ Ali Khamenei defendeu ontem, num discurso em dia de feriado muçulmano em Teerão, que os estados árabes que normalizaram as relações com Israel em 2020 devem reverter as suas decisões. “Alguns governos, infelizmente, cometeram erros, grandes erros e pecados na normalização [das suas relações] com o regime sionista usurpador e opressor. É um acto contra a unidade islâmica, devem voltar e compensar este grande erro”, afirmou Khamenei no discurso transmitido pela televisão estatal. Os Emirados Árabes Unidos, Bahrein, Sudão e Marrocos normalizaram as suas relações com Israel em 2020, sob a liderança do então presidente dos Estados Unidos Donald Trump e do genro, Jared Kuchner, arquitecto da estratégia. “Se a unidade dos muçulmanos for alcançada, a questão palestina será definitivamente resolvida da melhor maneira”, disse Ali Khamenei.

O HM ERROU

Sinais de tragédia Equipa de filme de Baldwin queixou-se de falta de segurança antes de acidente

S

ETE pessoas que trabalhavam num filme protagonizado por Alec Baldwin, que matou acidentalmente uma pessoa durante a rodagem, demitiram-se antes deste incidente invocando, entre outras, questões de segurança, noticiou a agência de notícias Associated Press. Também os jornais norte-americanos Los Angeles Times e The New York Times noticiaram, citando membros da equipa do filme não identificados, que dias antes do incidente fatal, Baldwin já tinha feito dois disparos com balas reais, acidentalmente, por ter usado uma arma que lhe tinham dito que não estava carregada com munições. Protestos e conflitos surgiram no seio da equipa do filme "Rust", um 'western' protagonizado e coproduzido pelo actorAlec Baldwin, quase desde o início das filmagens, no começo deste mês, em Santa Fé, no Novo México, EUA, revelou a AP no sábado, citando uma das sete pessoas que se demitiu. A última pessoa a demitir-se, segundo o relato da agência de notícias, foi um operador de câmara, em protesto contra as condições de trabalho, incluindo as de segurança, horas antes de Alex Baldwin ter matado, na quinta-feira passada, a directora de fotografia do filme, Halyna Hutchins, e de ter ferido o realizador, Joel Souza, por ter disparado uma arma carregada

com balas reais, ao contrário da indicação que lhe tinham dado, segundo os relatos conhecidos até agora. Fontes citadas pela AP revelaram que os protestos na equipa que trabalha no filme iam desde condições de alojamento até aos procedimentos de segurança.

Gatilho frio

Segundo a agência de notícias, são usadas por vezes armas reais nos filmes, que podem estar carregas com balas ou cartuchos de pólvora com o objectivo de produzirem um efeito mais real, existindo protocolos de segurança para a sua utilização. Uma das pessoas que se demitiu afirmou à AP que nunca recebeu ou assistiu à transmissão de orientações sobre a utilização das armas nas filmagens, como normalmente acontece.

Uma das pessoas que se demitiu afirmou que nunca recebeu ou assistiu à transmissão de orientações sobre a utilização das armas nas filmagens, como normalmente acontece

Na quinta-feira, segundo os registos da investigação a que a AP teve acesso, no momento em que equipa de filmagem se preparava para ensaiar uma cena, o assistente de realização Dave Halls foi buscar uma arma de adereço que entregou a Alec Baldwin gritando a expressão ‘cold gun’, o que significa que era seguro usar a arma, por não estar carregada com munições verdadeiras. Quando Baldwin premiu o gatilho atingiu fatalmente a directora de fotografia e feriu o realizador. A arma disparada era uma de três colocadas num carrinho de adereços, de onde foi retirada por Halls, que a entregou a Baldwin sem saber que estava carregada com cartuchos verdadeiros, segundo os registos da investigação. Não há ainda certezas sobre quantos cartuchos foram disparados e um invólucro foi retirado da arma depois do acidente pela responsável pelo armeiro no local de rodagem, Hannah Gutierrez. A arma foi entregue à polícia quando chegou ao local. A agência de notícias AFP escreveu hoje que a investigação está centrada no papel de Hannah Gutierrez, a quem coube preparar as armas para serem usadas no filme, e em Dave Halls. Não foi feita qualquer detenção ou acusação, disse um porta-voz policial citado pela AFP.


Millions discover their favorite reads on issuu every month.

Give your content the digital home it deserves. Get it to any device in seconds.