Issuu on Google+

MOP$10

WWW.HOJEMACAU.COM.MO

Q U A R TA - F E I R A 2 3 D E A B R I L D E 2 0 1 4 • A N O X I I I • N º 3 0 7 5

Chui Sai on admite remodelação

O FIM DO TABU

PÁGINA 3

Agua ´ Construtores civis não querem aumentos especiais

Governo nega porque sim e porque não

O Governo e a Macau Water querem criar um grupo de “consumidores especiais”, onde se incluem empresas e hotéis que gastam brutalmente, a quem será aplicada uma tarifa especial. Mas os construtores civis é que não estão pelos ajustes.

O SUBSÍDIO de residência foi negado a um reformado por não ter transferido as suas pensões para Portugal. O mesmo argumento foi também usado ao contrário. POLÍTICA PÁGINA 4

REPORTAGEM PÁGINA 6 PUB

PEDRO MENDES

PORTUGAL NÃO EXPLORA O POTENCIAL ASIÁTICO ENTREVISTA PÁGINAS

16 E 17

AGÊNCIA COMERCIAL PICO • 28721006

PUB

O Chefe do Executivo admitiu que remodelará o seu próximo Governo. Mas que ninguém conte com mais Secretarias.

hojemacau

GONÇALO LOBO PINHEIRO

DIRECTOR CARLOS MORAIS JOSÉ


2

POLÍTICA

JOANA FREITAS

joana.freitas@hojemacau.com.mo

C

HUI Sai On garante ter confiança no centro de segurança alimentar do território mas, ainda assim, não descarta a possibilidade de se impedir de vez a importação de galinhas vivas para Macau. No primeiro dia do Chefe do Executivo este ano na Assembleia Legislativa (AL), Chui Sai On referiu que esta é uma medida que está a ser considerada para o futuro, devido ao problema da gripe aviária na Ásia. “Temos de pensar um pouco. Será que devemos manter as aves vivas no mercado?”, começou por questionar. O líder do Executivo admite que é preciso ainda auscultar a população, mas frisa também que haverá sempre opiniões diferentes. Para Chui Sai On, no entanto, a posição parece clara. “Sabemos que a longo-prazo, possivelmente, vamos ter de utilizar aves refrigeradas em vez de vivas. Isto é um assunto que merece a nossa reflexão. Pode haver discrepância nas opiniões, mas esta pode ser a solução no futuro e tem de ser reflectida.”

hoje macau quarta-feira 23.4.2014

GRIPE DAS AVES MACAU PODE DEIXAR DE IMPORTAR GALINHAS VIVAS NO FUTURO

Animais que ficam no frio

Temos de controlar e gerir o risco, porque, quer em Macau, quer nas regiões vizinhas, o exame é só por amostragem.”

“Agora só podemos proceder à inspecção por amostragem, não podemos examinar todas as aves.” CHUI SAI ON

Na semana passada, recorde-se, o Governo proibiu pela segunda vez a importação de aves vivas para Macau durante 21 dias, devido à presença do vírus H7N9 num lote de galinhas nos

mercados municipais. O Executivo deu ordem para abater as galinhas mas, de acordo com os vendedores, foram “galinhas inocentes” que foram mortas, uma vez que o lote

COMER CIANTES DE AVES SEM SINTOMAS A vendedora de 70 anos que teve “contacto estreito” com as aves vivas consideradas contaminadas no Mercado do Patane encontra-se, ainda, em isolamento e observação, mas ainda nenhum dos comerciantes do Mercado Provisório do Patane apresentou sintomas da presença do vírus H7N9. O Governo já accionou o mecanismo de

contingência, que compreende um conjunto de medidas preventivas destinadas a todos os residentes da RAEM, mas Macau ainda não apresentou qualquer caso de gripe das aves. No entanto, os Serviços de Saúde foram notificados do surgimento de mais dois casos em Jiangsu e em Hunan, um deles sendo crítico.

infectado já tinha sido vendido dois dias antes. Os comerciantes acusaram o Executivo de estar a fazê-los perder dinheiro, mas Chui Sai On explica que a análise aos animais é um risco e que o abate é uma forma de salvaguardar a saúde pública. “Agora só podemos proceder à inspecção por amostragem, não podemos examinar todas as aves. Por isso, é importante pensar como vai ser o rumo no futuro. Temos de salvaguardar a saúde pública e só a amostragem implica riscos.

Chui Sai On diz-se confiante no centro de segurança alimentar sob a égide do Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais e nos trabalhos que este tem desempenhado face à prevenção de uma epidemia de gripe, mas relembra, por exemplo, que, durante as festividades em Macau, é normal utilizar galinhas frescas e cruas para o agradecimento aos deuses. “Será que devemos utilizar aves congeladas para substituir?”, questiona o líder do Governo, referindo que as galinhas frescas podem implicar riscos para a saúde.

ALIMENTAÇÃO NEGOCIAÇÕES COM TAILÂNDIA, MALÁSIA E CHINA

KÁ HÓ MORADORES COM EXAME DE SAÚDE EM 2015

RAEM precisa de mais fontes de abastecimento de produtos alimentares, diz Chui Sai On, que adianta ainda que Macau já está em negociações com a Malásia, a Tailândia e outras regiões para o efeito. No dia em que respondeu aos deputados na Assembleia Legislativa (AL), o líder do Governo admite que os preços dos alimentos têm subido e fala em mais meios de abastecimento, mas sem mencionar facto de a Nam Yue ter o monopólio. “Temos de explorar mais fontes de abastecimento. Temos negociado com a Malásia, Tailândia e outras regiões chinesas. Por exemplo, já falámos com a Mongólia interior para comercializar carne de vaca.” Chui Sai On diz que Francis Tam, secretário para a Economia e Finanças, tem “estudado o problema”, mas o Chefe do Exe-

Governo está “determinado em combater a poluição”, disse ontem Chui Sai On, que voltou a assegurar que foram já tomadas medidas para ajudar a melhorar a qualidade do ambiente em Ká Hó. O líder do Governo já tinha anunciado que a vila vai ser alvo de implementação de medidas para acabar com a poluição que tem afectado os reisdentes da zona há anos e, ontem, Chui Sai On anunciou que os moradores vão ser alvo de novos exames médicos. “Em 2011, fizemos exames aos trabalhadores de Ká Hó e em 2012 a Universidade de Hong Kong procedeu a um estudo sobre a saúde da população de Macau em dez anos. Lá, constam dados sobre o estado de saúde da população e, de acordo com o relatório, 353 trabalhadores tinham um estado de saúde satisfatório”, começou por indicar Chui Sai On. Os residentes de Ká Hó, que têm de lidar com a poeira da fábrica de cimento e as cinzas do aterro

“Precisamos de mais fontes de abastecimento” A cutivo atribui os problemas do custo de vida a outros factores. Respondendo a Kwan Tsui Hang, que perguntou porque é que a diferença dos preços dos produtos alimentares é tanta entre Macau e Zhuhai, Chui Sai On explica que “a procura interna [em Macau] sobe os preços e os visitantes contribuem para esse efeito”. Mais ainda, Chui diz que o mercado das duas regiões é completamente diferente e que, como Macau tem falta de recursos agro-pecuários, quando há maior procura tem sempre de se recorrer ao exterior. “Zhuhai pode recorrer a muito mais fontes de abastecimento na China continental. A maior parte dos visitantes de Macau não deixa de consumir por causa dos preços serem altos, mas posso dizer que a diferença de preços entre os produtos a grosso e a retalho

é muito grande, às vezes mais do dobro.” Chui admite que os custos variam não só de produto para produto, como de estabelecimento para estabelecimento e assegura que o Governo se vai esforçar para “consciencializar” os comerciantes sobre os altos preços pedidos. - J.F.

Governo promete análises periódicas O

queixaram-se mais do que uma vez de problemas de saúde. Ontem, contudo, Chui Sai On assegurou na Assembleia Legislativa que os resultados aos exames são “satisfatórios” e que, actualmente, ainda há peritos a fazer análises mais aprofundadas, sendo que estão a ser aguardados “os últimos resultados”. Para o ano, fica a promessa, os moradores vão ser submetidos a novo exame médico, mas há mais. “O Governo está a preparar-se para que eles sejam submetidos a exames periódicos.” De acordo com o líder do Governo, o Executivo está já preparado para fazer as obras de repavimentação das estradas da vila, para evitar o levantamento de poeira. Chui diz que o mais importante é trabalhar o problema “na fonte”, ou seja na fábrica de cimento de Ká Hó, sendo que há pretensões de “lançar uma série de medidas para minimizar as cinzas, sobretudo colocando isolantes para que a poeira não saia da fábrica”. - J.F.


política 3

hoje macau quarta-feira 23.4.2014

CHUI SAI ON ADMITE RENOVAÇÕES NO GOVERNO

Pessoas sim, estruturas não Chefe do Executivo admite remodelação governamental. Mas exclui aumento de Secretarias cessário ajustar alguns serviços públicos e reduzir a sobreposição de competências, caberá ao próximo Chefe do Executivo decidir o que fazer. Chui Sai On termina o mandato em Dezembro, mas já se mostrou disponível para continuar no comando. O que parece estar fora de questão é o aumento do número de Secretarias, um problema que muitos consideram “grave” para o bom funcionamento do Governo. “Existem áreas sobrecarregadas, que exigem competências muito diversas, portanto muito difíceis de estarem sob o comando de uma única pessoa”, disse ao HM um analista político local.

JOANA FREITAS/HM info@hojemacau.com.mo

O

Chefe do Executivo admitiu ontem a possibilidade de haver renovações na estrutura governativa. Em resposta ao deputado Chan Meng Kam, em dia de falar com os deputados naAssembleia Legislativa, Chui Sai On disse “ser normal que um Governo que funciona há 15 anos veja uma remodelação da estrutura e das equipas”. Chui Sai On, que termina em Dezembro o seu primeiro mandato como líder do Governo, já manifestou vontade de se recandidatar, considerando agora que existem “várias ideias” e “várias opiniões” sobre o Executivo e o número de elementos. Chui Sai On não assume qualquer decisão – até porque, diz, “isso cabe ao próximo Chefe do Executivo” –, mas admite que “tem ouvido opiniões” de que as secretarias deveriam estar divididas em seis em vez de cinco. Seja como for, o líder do Governo assegura que uma das aspirações principais no Governo é, ao que parece, clara: não aumentar o número das estruturas da Administração em termos de quadros e serviços públicos.

SECRETARIAS ASSOBERBADAS

PREOCUPADO COM A DESPESA

“No que respeita à organização é possível que haja alterações, mas não pode ser aumentado o número de serviços públicos e funcionários, para evitar acréscimo de orçamentos com pessoal. São questões que mais preocupam as pessoas. Há alguns procedimentos e trâmites que têm vindo a ser aplicados há anos, temos de evoluir com o tempo e é certo que há margem para melhoria na reestruturação e funcionamento administrativo”, disse Chui Sai On. Apesar de admitir que é ne-

“No que respeita à organização é possível que haja alterações, mas não pode ser aumentado o número de serviços públicos e funcionários, para evitar acréscimo de orçamentos com pessoal” CHUI SAI ON Chefe do Executivo

Atestados médicos de clínicas privadas podem vir a ser aceites

E

RA uma política que existia nos anos 1980, mas que foi cancelada pela ainda administração portuguesa, devido a “abusos”, mas pode vir a regressar. A possibilidade de os funcionários públicos entregarem atestados médicos de clínicas privadas em caso de doença pode voltar a ser uma hipótese, confirmou ontem Chui Sai On. Em dia de responder às perguntas dos deputados, o líder do Governo foi questionado sobre as razões de não se admitirem estes atestados, quando as instituições de saúde têm longas filas de espera.

Actualmente, os trabalhadores da função pública que tenham problemas de saúde só podem justificar a falta ao trabalho com atestados médicos do Centro Hospitalar Conde de São Januário ou do Hospital Kiang Wu. Mas, agora, as coisas podem mudar. “O Governo não aceita atestados de clínicas privadas desde 1986, por causa dos abusos, mas 20 anos depois, essa é uma proposta que merece a nossa ponderação. O atestado médico das clínicas privadas só traz conveniência aos funcionários públicos e os abusos são casos não muito frequentes.” - J.F.

A Secretaria para a Administração e Justiça, por exemplo, tem sido frequentemente referida, na medida em que parece difícil a substituição de Florinda Chan por uma pessoa que tenha experiência profunda quer de Administração Pública quer de Justiça. A morosidade que o Governo tem demonstrado na apresentação de novas propostas de lei é muitas vezes assacada ao excesso de trabalho pendente na referida Secretaria. Outra Secretaria complicada, actualmente sob o comando de Cheong U – Assuntos Sociais e Cultura –, tem igualmente levantado questões, porque engloba áreas tão diversas e complexas como a Educação e a Saúde, havendo quem advogue a sua fragmentação. No entanto, quem perfilha a opinião segundo a qual as Secretarias devem aumentar, terá certamente que esperar por outro momento e, claro, a respectiva e fundamental alteração na Lei Básica, algo que só terá de ser aprovado por Pequim.

UMA QUESTÃO DE “NÍVEIS”

Ainda ontem, Chui Sai On manifestou-se também favorável à criação de “níveis” nos quadros da administração pública para aumentos salariais diferenciados, dividindo os trabalhadores por camadas, das mais baixas às mais altas. Por outro lado, os funcionários dos altos cargos públicos podem vir a ser avaliados por uma terceira entidade, independente do Governo. Isso mesmo admitiu ontem Chui Sai On, que referiu ainda que irá ser estudada a possibilidade de se implementarem mecanismos intermédios de avaliação ao desempenho dos funcionários.

CHUI SAI ON

UM MINUTO DE NOTÍCIAS

• Chui Sai On admite que faltam talentos no sector das exposições e convenções e que faltam, sobretudo, tradutores bilingues – de português e chinês – e juristas bilingues. O líder do Governo diz que são estes os talentos em que o Governo vai apostar e a quem vai providenciar mais formação. Chui Sai On diz mesmo que estes trabalhos vão ser “implementados em breve”. • O líder do Governo assegurou ontem na AL que a Lei de Controlo e Prevenção da Violência Doméstica e o Regime de Administração de Condomínios vão entrar em processo legislativo “ainda este ano”. • Começa em Maio a auscultação pública sobre a política “Terras de Macau para residentes de Macau”. • Chui Sai On garantiu ontem que o Governo está disposto a fazer o trabalho de reconstrução dos edifícios dos bairros antigos e que a Lei de Reordenamento dos Bairros Antigos estará “em breve” na Assembleia Legislativa. • A população activa local não é suficiente para preencher as necessidades de mão-de-obra, admitiu ontem Chui Sai On aos deputados. O líder do Executivo diz que a prioridade de emprego é para os locais, mas alerta que “para que Macau se desenvolva, apesar de os locais serem elementos preciosos, é inevitável que se importem trabalhadores não-residentes”.

Governo apresentou estudo à China sobre capacidade para acolher turistas

O Executivo de Macau assegura estar atento à entrada de turistas em Macau e Chui Sai On disse ontem que a China está já a par da situação do território no que ao acolhimento de turistas diz respeito. “Fizemos estudos sobre a capacidade de carga de Macau e esse já foi apresentado à China, para que percebam a nossa situação.” Chui Sai On garante que não quer que a presença de turistas “afecte a vida da população”, mas não avança se há mais medidas para limitar o número de visitantes, além da diminuição da emissão de vistos individuais. - J.F.


4 política

hoje macau quarta-feira 23.4.2014

SUBSÍDIO DE RESIDÊNCIA NEGADO A REFORMADO. NÃO TRANSFERÊNCIA DE PENSÕES PARA PORTUGAL FOI A RAZÃO

O Governo negou atribuir subsídio de residência a um reformado que não transferiu a sua pensão para a Caixa Geral de Aposentações. Mas a transferência de pensões para Portugal foi o argumento usado para negar o mesmo subsídio a outros reformados de Macau ANDREIA SOFIA SILVA

andreia.silva@hojemacau.com.mo

U

M reformado viu ser-lhe negado o direito de receber o subsídio de residência por não ter transferido as suas pensões para a Caixa Geral de Aposentações (CGA) em Portugal, na altura da transferência de soberania. O despacho da Direcção dos Serviços de Finanças (DSF), ao qual o HM teve acesso, é claro nesse aspecto. “Verifica-se que não se encontra inscrito como pensionista que transferiu a

sua pensão de aposentação e de sobrevivência para a CGA em Portugal, pelo que o pedido de atribuição do subsídio de residência não preenche os requisitos (...) (pelo que) é indeferida a atribuição do subsídio de residência.” A atribuição do mesmo subsídio também foi negada a outros reformados com residência em Macau. A diferença é que estes decidiram transferir as suas pensões para Portugal, tendo esse argumento sido utilizado pelo Governo para negar o apoio financeiro na

LEONOR SÁ MACHADO

leonor.machado@hojemacau.com.mo

O

S membros da CAECE decidiram-se por cinco locais de voto, incluindo o Instituto Politécnico de Macau (IPM), o Fórum de Macau, o Pavilhão Desportivo do Tap Seac (pavilhões A e B) e a Escola Primária luso-chinesa Ho Tung, uma decisão tomada ontem. Espera-se um elevado número total de candidatos para estas próximas eleições e, por isso, mantém-se o debate sobre as condições e as

TIAGO ALCÂNTARA

Preso por ter cão e preso por não ter residência, no valor de 1500 patacas mensais. O HM tentou contactar a DSF por forma a saber mais detalhes do processo e as razões da dualidade de critérios na atribuição do subsídio, mas até ao fecho da edição não foi possível obter um esclarecimento.

TSI DIXIT

Recorde-se que o Tribunal de Segunda Instância (TSI) decidiu, em Fevereiro deste ano, que os 169 reformados residentes no território não tinham direito a este subsídio. Segundo o acór-

dão, entendeu-se que estes pensionistas não têm este direito por terem regressado temporariamente a Portugal, com despesas pagas, para além de terem transferido as suas pensões para a CGA.

A decisão do TSI surgiu depois da Associação dos Aposentados, Pensionistas e Reformados de Macau (APOMAC) ter patrocinado cerca de 140 recursos a uma decisão anteriormente tomada pelo Executivo.

ELEIÇÕES CAECE JÁ DECIDIU: SERÃO CINCO LOCAIS DE VOTO

Votemos... mas sentados características de elementos como a disposição das salas de voto. Segundo Song Man Lei, presidente da CAECE, a comissão está a ponderar “colocar cortinas e uma cadeira” no local, para que a votação

seja mais célere. Os boletins serão impressos com o nome de todos os candidatos. Só o sector financeiro e comercial conta, actualmente, com 120 candidatos, e a votação será efectuada manualmente, algo que

Só o sector financeiro e comercial conta, actualmente, com 120 candidatos

pode parecer difícil, mas “é possível fazer com alguma técnica e óptimos apoios”, referiu a presidente. A comissão está, ainda, a discutir questões relacionadas com as necessidades de organização. Song Man Lei disse que “estamos numa fase de discussão muito preliminar em relação às condições” dos locais de votação, acrescentando que é ne-

Em Fevereiro, Francisco Manhão, presidente da APOMAC, disse que a decisão do TSI era “uma notícia bastante desagradável”. “Nós pedimos a última passagem, mas foi no tempo da Administração portuguesa. A RAEM não teve de suportar qualquer encargo”, disse ainda Francisco Manhão. Em Setembro de 2012, o Comissariado contra a Corrupção (CCAC) considerou que os aposentados tinham direito a receber o subsídio de residência. No mesmo relatório é dito que “os pensionistas que transferiram as pensões para a CGA têm direito ao subsídio de residência”, citando o mesmo diploma de 2011 que é citado no despacho da DSF. O organismo liderado por Vasco Fong falou ainda de diferentes interpretações de um decreto-lei anterior a 2011, o qual também surge no mesmo despacho.

cessário “considerar, por exemplo, as necessidades da sala de escrutínio”. O debate sobre esta questão vai, também, continuar, mas a comissão está a ponderar a adopção da experiência das eleições da Assembleia Legislativa como referência. Song Man Lei adiantou que os trabalhos estão a decorrer normalmente, apontando a escassez de tempo como possível obstáculo, exigindo-se que as decisões sejam tomadas com “algum ritmo” e “celeridade”. As reuniões deverão continuar até que as decisões tenham sido tomadas por inteiro.

PUB

COMISSÃO DE REGISTO DOS AUDITORES E DOS CONTABILISTAS

Aviso

Torna-se público, de acordo com o n.º 4 do ponto 5.º dos Regulamentos para a prestação de provas para inscrição inicial ou revalidação de registo como auditor de contas, contabilista registado e técnico de contas, elaborados nos termos do artigo 18.º do Estatuto dos Auditores de Contas, aprovado pelo DecretoLei n.º 71/99/M, de 1 de Novembro, do artigo 13.º do Estatuto dos Contabilistas, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 72/99/M, de 1 de Novembro, e da alínea 3) do artigo 1.º do Regulamento da Comissão de Registo dos Auditores e dos Contabilistas, aprovado pelo Despacho do Chefe do Executivo n.º 2/2005, de 17 de Janeiro, que se encontra afixada, na sobreloja da Direcção dos Serviços de Finanças, sito na Avenida da Praia Grande nºs 575, 579 e 585, e colocado no respectivo “Web-site”, no local relativo à CRAC e para efeitos de consulta, a lista provisória dos candidatos à prestação de provas para inscrição inicial ou revalidação de registo como Auditor de Contas, Contabilistas Registado e Técnico de Contas no ano de 2014, elaborada e homologada por deliberação do Júri designado para o efeito. Em caso de dúvidas, agradecemos o contacto com CRAC, durante as horas de expediente, através do telefone número 85995343 ou 85995344. Direcção dos Serviços de Finanças, aos 14 de Abril de 2014. O Presidente do Júri, Iong Kong Leong

Aviso Faz-se saber que, em relação ao concurso público para «Empreitada de Construção de Habitação Pública no Seac Pai Van Lote CN6d – Equipamentos de Saúde e Cuidado a Idosos», publicado no Boletim Oficial da Região Administrativa Especial de Macau n.º 13, II Série, de 26 de Março de 2014, foram prestados esclarecimentos, nos termos do artigo 2.2 do programa do concurso, e foi feita aclaração complementar conforme necessidades, pela entidade que realiza o concurso e juntos ao processo do concurso. Os referidos esclarecimentos e aclaração complementar encontram-se disponíveis para consulta, durante o horário de expediente, no Gabinete para o Desenvolvimento de Infra-estruturas, sito na Av. do Dr. Rodrigo Rodrigues, Edifício Nam Kwong, 10º andar, Macau. Gabinete para o Desenvolvimento de Infra-estruturas, aos 15 de Abril de 2014. O Coordenador do Gabinete Chan Hon Kit


publicidade 5

hoje macau quarta-feira 23.4.2014

Requerimento para emissão do certificado dos titulares dos órgãos sociais para efeitos das eleições do Chefe do Executivo- 2014”. Tendo em atenção as eleições dos membros da Comissão Eleitoral do Chefe do Executivo- 2014, a DSI vem pelo presente informar do seguinte: 1. As associações ou organizações devem formalizar atempadamente, junto da Direcção dos Serviços de Identificação, o requerimento para emissão do certificado dos titulares dos órgãos sociais para efeitos das eleições do Chefe do Executivo- 2014”. Aos requerimentos apresentados já com todos os documentos necessários no dia 22 de Abril de 2014 ou antes desta data, será garantida a emissão do respectivo certificado antes do dia 5 de Maio de 2014, data em que termina o prazo de entrega do referido certificado aos SAFP para declarar o representante designado para assinar o boletim de propositura. 2. Caso queiram solicitar o referido certificado para ser entregue nos SAFP, para fim da “apresentação da relação dos votantes das pessoas colectivas eleitoras”, as associações ou organizações devem dirigir-se, quanto antes, à DSI para formalizar o requerimento da emissão do certificado. Aos requerimentos apresentados devidamente instruídos antes de 8 de Maio de 2014 ou antes desta data, será garantida a emissão do certificado solicitado antes do dia 20 de Maio de 2014, data em que termina o prazo de entrega do referido certificado aos SAFP para efeitos da apresentação da relação dos votantes das pessoas colectivas eleitoras. 3. O certificado dos titulares dos órgãos sociais poderá ser usado simultaneamente para fins indicados nos pontos 1 e 2, isto é, caso as associações ou organizações tenham requerido o respectivo certificado para declarar o representante designado para assinar o boletim de propositura, não é necessário tornar a requerer outro certificado para efeitos da apresentação da relação dos votantes das pessoas colectivas eleitoras. 4. Para os requerimentos formalizados depois das datas acima indicadas ou com documentação incompleta, a DSI vai acompanhá-los com o maior esforço. 5. Do certificado a emitir constará somente a relação dos titulares dos órgãos sociais em efectividade de funções a 17 de Março de 2014. Caso a acta da reunião apresentada no requerimento do certificado demonstre que os actuais corpos gerentes da associação ou organização iniciaram as suas funções depois de 17 de Março de 2014, a respectiva acta será considerada inaplicável. 6. O pedido para emissão do certificado sobredito faz-se mediante: • O preenchimento do impresso próprio para “Pedido de Certificado de Associação” fornecido pela DSI (pode descarregá-lo a partir do website da DSI : http://www.dsi.gov.mo); • O pedido é assinado pelo presidente da assembleia geral ou da direcção da associação ou organização requerente ou pelo seu procurador, e aposto o carimbo da associação ou organização; • O pedido deve ser acompanhado dos seguintes documentos: - Acta da reunião da assembleia geral para eleições dos titulares dos órgãos sociais; - Fotocópias dos documentos de identificação dos titulares dos órgãos sociais; - Procuração, quando o pedido for assinado pelo representante designado pelo presidente da assembleia geral ou da direcção da associação ou organização requerente. Não é necessário a entrega dos documentos acima referidos se tenham já efectuado a actualização do registo dos mesmos na DSI, entretanto podem as associações ou organismos requerentes juntá-los novamente ao requerimento para evitar morosidade, caso hajam erros nos documentos anteriormente apresentados. Para mais informações sobre o requerimento do certificado de associação destinado às eleições dos membros da Comissão Eleitoral do Chefe do Executivo, podem ligar para o número 83940579. Direcção dos Serviços de Identificação, aos 1 de Abril de 2014. O Director, Lai Ieng Kit

ANÚNCIO CONCURSO PÚBLICO PARA “Empreitada de Construção do Edifício da Direcção dos Serviços de Assuntos Marítimos e de Água e Melhoramento em Volta” 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. 11. 12.

13.

14.

15.

16.

Entidade que põe a obra a concurso: Direcção dos Serviços de Solos, Obras Públicas e Transportes. Modalidade de concurso: Concurso Público. Local de execução da obra: Junto da Rampa da Barra. Objecto da Empreitada: Construção do Edifício da Direcção dos Serviços de Assuntos Marítimos e de Água e Melhoramento em Volta. Prazo máximo de execução: 780 dias (setecentos e oitenta dias). Prazo de validade das propostas: o prazo de validade das propostas é de noventa dias, a contar da data do Acto Público do Concurso, prorrogável, nos termos previstos no Programa de Concurso. Tipo de empreitada: a empreitada é por Série de Preços. Caução provisória: $3 410 000,00 (três milhões, quatrocentas e dez mil patacas), a prestar mediante depósito em dinheiro, garantia bancária ou seguro-caução aprovado nos termos legais. Caução definitiva: 5% do preço total da adjudicação (das importâncias que o empreiteiro tiver a receber, em cada um dos pagamentos parciais são deduzidos 5% para garantia do contrato, para reforço da caução definitiva a prestar). Preço Base: não há. Condições de Admissão: Serão admitidos como concorrentes as entidades inscritas na DSSOPT para execução de obras, bem como as que à data do concurso, tenham requerido a sua inscrição, neste último caso a admissão é condicionada ao deferimento do pedido de inscrição. Local, dia e hora limite para entrega das propostas: Local: Secção de Atendimento e Expediente Geral da DSSOPT, sita na Estrada de D. Maria II, nº 33, R/C, Macau; Dia e hora limite: dia 3 de Junho de 2014 (terça-feira), até às 12:00 horas. Em caso de encerramento desta Direcção de Serviços na hora limite para a entrega de propostas acima mencionada por motivos de tufão ou de força maior, a data e a hora limites estabelecidas para a entrega de propostas serão adiadas para a mesma hora do primeiro dia útil seguinte. Local, dia e hora do acto público: Local: Sala de reunião da DSSOPT, sita na Estrada de D. Maria II, nº 33, 5º andar, Macau; Dia e hora: dia 4 de Junho de 2014 (quarta-feira), pelas 9:30 horas. Em caso de adiamento da data limite para a entrega de propostas mencionada de acordo com o número 12 ou em caso de encerramento desta Direcção de Serviços na hora estabelecida para o acto público de abertura das propostas acima mencionada por motivos de tufão ou de força maior, a data e a hora estabelecidas para o acto público de abertura das propostas serão adiadas para a mesma hora do primeiro dia útil seguinte. Os concorrentes ou seus representantes deverão estar presentes ao acto público de abertura de propostas para os efeitos previstos no artigo 80º do Decreto-Lei n.º74/99/M, e para esclarecer as eventuais dúvidas relativas aos documentos apresentados no concurso. Local, hora e preço para obtenção da cópia e exame do processo: Local: Departamento de Edificações Públicas da DSSOPT, sita na Estrada de D. Maria II, nº 33, 17º andar, Macau; Hora: horário de expediente (Das 9:00 às 12:45 horas e das 14:30 às 17:00 horas) Na Secção de Contabilidade da DSSOPT, poderão ser solicitadas cópias do processo de concurso ao preço de $3 100,00 (três mil e cem patacas). Critérios de apreciação de propostas e respectivos factores de ponderação: - Preço razoável 60%; - Plano de trabalhos 10%; - Experiência e qualidade em obras 18%; - Integridade e honestidade 12%. Junção de esclarecimentos: Os concorrentes poderão comparecer no Departamento de Edificações Públicas da DSSOPT, sita na Estrada de D. Maria II, nº 33, 17º andar, Macau, a partir de 9 de Maio de 2014 (inclusivé) e até à data limite para a entrega das propostas, para tomar conhecimento de eventuais esclarecimentos adicionais. Macau, aos 14 de Abril de 2014. O Director dos Serviços Jaime Roberto Carion


6

SOCIEDADE

ANDREIA SOFIA SILVA

andreia.silva@hojemacau.com.mo

G

OVERNO, Macau Water e associações que representam consumidores de água reuniram ontem para discutir a proposta de aumento das tarifas de consumo. A proposta, feita com base num estudo preliminar, prevê a criação de um grupo de “consumidores especiais”, onde se incluem empresas e hotéis, que podem sofrer aumentos nas facturas na ordem dos 15%. Para 93% dos consumidores vai haver um aumento inferior a três patacas. As empresas de construção civil também estão, para já, inseridas neste grupo, mas os empresários não estão de acordo com esse aumento. “Quem pertence à indústria da construção vai ser classificado no grupo dos consumidores especiais, os que pagam mais. Disseram que, como construtores, precisam sempre de água para operar o negócio. Acham que temos de reconsiderar este tipo de classificações”,

hoje macau quarta-feira 23.4.2014

CONSTRUTORES CIVIS CONTRA NOVAS TARIFAS DA MACAU WATER

Desta água não beberei

Associações da construção civil não concordam com a classificação de “consumidores especiais” na proposta preliminar do Governo, que prevê aumentos na factura da água na ordem dos 15%. Directora da DSAMA não tem data para entrada em vigor das novas tarifas

disse ao HM Susana Wong, directora dos Serviços para os Assuntos Marítimos e da Água (DSAMA), à saída da reunião.

Para além disso o Governo ouviu as opiniões dos “hotéis e grandes consumidores”. “A maioria disse que o aumento é razoável,

PUB

PENSADA LEGISL AÇÃO PARA ABASTECIMENTO DE ÁGUA EM PRÉDIOS O Governo está a estudar a criação de novos regulamentos para o abastecimento de água em prédios residenciais, uma vez que a falta de manutenção das tubagens tem vindo a causar problemas à qualidade da água. “Este problema acontece há muitos anos, e pensamos que é altura de o Governo, juntamente com a empresa, resolver o problema. Como responsáveis pelo abastecimento da água vamos discutir e fazer planos a curto e médio prazo para que esse problema seja resolvido passo a passo, estabelecendo linhas de orientação para fazer essa manutenção. Mas temos de saber se a sociedade aceita a criação de leis, para que seja algo obrigatório”, disse Susana Wong ao HM. O CEO da Macau Water disse, à Rádio Macau que os casos acontecem, sobretudo, nos edifícios mais altos, e são resultado do envelhecimento das tubagens. “Em outras regiões, como Hong Kong, Singapura e China, há recomendações e regulamentos para o abastecimento da água, mas aqui em Macau não existe nada. A questão do abastecimento de água em edifícios precisa de ser regulada.”

embora os hotéis e aqueles a que vamos aumentar mais as tarifas tenham dito que os aumentos deveriam ser feitos pouco a pouco.” Contudo, Susana Wong disse que, para já, esta é a proposta que se vai manter

em cima da mesa. “Talvez no futuro possamos rever, mas não nesta fase. Ainda vamos ter mais um encontro e vamos ouvir mais opiniões.” No inicio de Maio a fase de auscultação dos consumidores já deverá estar

pronta, mas não há ainda um calendário definido para que as novas tarifas entrem em vigor. “Com estes resultados temos de confirmar a situação geral e apresentar uma proposta ao secretário e Chefe do Executivo, e eles é que vão ponderar e decidir quando sai o novo esquema de tarifas e qual será o aumento final”, disse Susana Wong.

MACAU WATER AINDA ESTÁ À ESPERA

Fan Xiao Jun, CEO da Macau Water, comentou ao HM os aumentos das tarifas junto dos consumidores. “Em termos pessoais apoio esta iniciativa, porque acredito que o ajustamento de tarifas pode ajudar a aumentar a consciência do público para fazer mais trabalho ao nível da eficiência e poupar água. A proposta do Governo parece razoável.” Em relação ao pedido de aumento das tarifas de serviço que a empresa fez junto do Governo, ainda não há uma decisão. Recorde-se que a Macau Water pede, há cerca de um ano, um aumento para fazer face aos custos operacionais, na ordem dos 16%. “Estamos à espera da aprovação do Governo. Temos pressão no funcionamento diário para manter a qualidade do serviço, e necessitamos de algum apoio financeiro. Pelo que sei, o Governo ainda está a fazer uma análise do pedido e não sei quanto tempo teremos de esperar pela decisão.” “É uma questão que envolve o interesse público e o próprio desempenho da Macau Water. Qualquer decisão tem de ser feita com a consideração do público. Há muitos factores a serem considerados e não é uma decisão para se tomar de um dia para o outro”, disse ainda Fan Xiao Jun.

Taxa de inflação nos 5,69%

A taxa de inflação em Macau nos 12 meses terminados em Março fixou-se em 5,69% devido a subidas significativas nas componentes de habitação e combustíveis (10,66%) e produtos alimentares e bebidas não alcoólicas (6,62%). Dados divulgados ontem pela Direcção de Serviços de Estatística e Censos (DSEC) indicam que, em contrapartida, se verificou uma descida (2,12%) no índice de preços da secção das comunicações. O Índice de Preços no Consumidor (IPC) do primeiro trimestre cresceu 6,12% face ao período homólogo de 2013. Já o IPC de Março subiu 6,36% face ao idêntico mês de 2013, num crescimento impulsionado pela ascensão de preços das refeições adquiridas fora de casa, das rendas de habitação e dos produtos hortícolas. - LUSA


sociedade 7

hoje macau quarta-feira 23.4.2014

Televisão Canais básicos a funcionar desde ontem

Desde a meia noite de ontem que já estão em funcionamento os novos canais de televisão básicos prestados pela Canais de Televisão Básicos de Macau SA. O trabalho de conexão dos sinais televisivos foi concluído perto das duas horas da manhã de ontem, aponta um comunicado dos Serviços para a Regulação das Telecomunicações (DSRT). O Governo promete disponibilizar sempre assistência técnica e afirma que “a obra de conexão traz aos residentes, eventualmente, um impacto a curto prazo, esperando que os residentes possam compreendêlo”. O projecto foi levado a cabo não só pela empresa Canais de Televisão Básicos de Macau como pela TV Cabo, CTM e anteneiros, depois de, a 21 de Abril, ter cessado o acordo entre a TV Cabo e os anteneiros, anteriormente selado.

1º DE MAIO CANTORES DE HONG KONG DESISTIRAM DE REALIZAR CONCERTO EM HAC-SÁ

“Não à estabilidade social” CECÍLIA LIN

cecilia.lin@hojemacau.com.mo

A

maioria das bandas confirmadas para os concertos do próximo dia 1 de Maio na praia de Hac-Sá, organizados pelo Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais (IACM), já desistiram de participar no evento. Segundo os jornais Macau Concelears e Apple Daily, de Hong Kong, desde o dia 17 de Abril que os cantores de Hong Kong têm vindo a desistir, porque não sabiam quais os objectivos dos concertos, pensando ser um concerto normal. Segundo as publicações, os músicos afirmam que “não querem ser aproveitados para um concerto que serve de manutenção à estabilidade social”. Este é o segundo ano em que o IACM realiza estes concertos no Dia do Trabalhador, sendo que

este ano foram enviados convites a cerca de 20 músicos e bandas de Hong Kong e Taiwan. O HM tentou saber junto da Polícia de Segurança Pública (PSP) quais as associações que vão participar na habitual manifestação do dia 1 de Maio, mas até ao fecho da edição não foi possível obter nenhuma informação. Para já, apenas a Macau

SETE FÁBRICAS LOCAIS PRETENDEM INSTALAR-SE NA ILHA DA MONTANHA

Quatro pessoas acusadas de distribuir folhetos pornográficos O Ministério Público (MP) acusou quatro pessoas, oriundas do interior da China, de distribuírem cerca de três mil folhetos pornográficos em Macau, em zonas junto ao hotel Wynn, hotel Fortuna e Rua de Xangai. Os homens, com idades compreendidas entre os 21 e 42 anos, foram interceptados pelas autoridades no inicio deste mês, tendo confessado terem sido “contratados por outrem” para distribuir folhetos no território. O MP, em comunicado, confirma existirem “indícios do crime de venda e exposição públicas de produtos pornográficos e obscenos”, tendo os quatro suspeitos sido já encaminhados para tribunal para serem julgados em processo sumário. Em Março deste ano 20 pessoas foram acusadas e condenadas pelo crime de distribuição de folhetos pornográficos.

Farmacêuticos de olho vivo C

ERCA de sete fábricas locais de produção de medicamentos têm vontade de se instalar no parque de medicina tradicional chinesa em Hengqin, disse ontem Lau Weng Kun, assessor do projecto da Macau Investimento e Desenvolvimento S.A. “Há entre seis a sete fábricas com interesse em instalar-se no parque, mas temos de saber qual o tipo de farmácia e qual o nível”, disse, segundo o canal chinês da Rádio Macau. Lau Weng Kun disse ainda que os talentos formados nos dois laboratórios de medicina tradicional chinesa, da

Universidade de Macau (UM) e Universidade de Ciências e Tecnologia (MUST), também podem trabalhar no futuro parque. Ontem abriu o terceiro curso de identificação da qualidade de medicina tradicional chinesa na MUST. O curso conta com 35 alunos de Macau e da China, esperando-se que no futuro venha a ser criado um mecanismo de cooperação nesta área. Ao mesmo tempo, o objectivo é aproveitar o papel de plataforma de Macau na sua ligação com os países de língua portuguesa para promover os produtos de medicina chinesa no mercado lusófono. - C.L.

Youth Dynamics, Forefront of Macau Gaming (FMG) e a Associação de Promoção dos Direitos dos Operários e Partido dos Operários confirmaram que a participação na iniciativa.

A DINÂMICA E O EXCESSO

Winkie Kuan, presidente da Macau Youth Dynamics, disse que pretendem protestar contra

o excesso de turistas no período de férias, uma vez que, na sua opinião, o elevado número de visitantes não traz apenas problemas com os táxis ilegais, mas influencia também a imagem de Macau como região de turismo. Ieong Man Teng, presidente da FMG, pretende deslocar-se ao consultório do médico e deputado Chan Iek Lap, por este ter feito um discurso a favor do fumo nos casinos na Assembleia Legislativa (AL). A abolição do fumo nos casinos vai ser um dos motes das manifestações. Lei Kin Íon, activista e membro da comissão de preparação do Partido dos Operários, disse que vai protestar a favor da garantia de emprego para os locais e para a implementação do sufrágio universal na eleição do Chefe do Executivo.

PESQUISA SOBRE CONSCIÊNCIA AMBIENTAL TEM RESULTADOS POSITIVOS

O ar quando nasce é para todos LEONOR SÁ MACHADO

leonor.machado@hojemacau.com.mo

A

pesquisa sobre o nível de conhecimento da população relativamente à protecção ambiental, publicada ontem, Dia da Terra, revelou resultados mais positivos do que nos anos anteriores. O relatório, publicado ontem pela Direcção dos Serviços de Protecção Ambiental (DSPA), revelou que a população está preocupada com o ruído, a qualidade do ar e a poluição luminosa em Macau, problemas que a entidade espera conseguir resolver ainda este ano. Ainda que os resultados da DSPA tenham apontado para uma ligeira subida dos valores, comparando com 2012, o nível de consciência ambiental ficou-se pelos 3,7 pontos (em cinco pontos) e a responsabilidade ambiental pelos 7,4 pontos (em dez). Relativamente às

iniciativas e actos ambientais levadas a cabo pelo Governo, a pesquisa revelou uma subida de 0,3 pontos em comparação com 2012. A satisfação dos residentes face ao ambiente de Macau ficou-se pelos 5 pontos, assinalando uma ligeira descida. Durante a cerimónia do Dia da Terra, foram entregues certificados a representantes de oito instituições bancárias, que ajudaram em várias iniciativas realizadas em 2013. A DSPA disse, ainda, que os jovens têm cumprido um papel fundamental, no que toca à consciencialização ambiental da população, ajudando a desenvolver e accionar várias campanhas e actividades colectivas. Exemplo disso são as mais recentes iniciativas de redução de produtos plásticos, que está a ser levada a cabo pela DSPA e que deverá englobar diversos locais, como supermercados. Os residentes vão poder participar em vários concursos e campanhas com direito a prémios.


8 sociedade

TIAGO ALCÂNTARA

hoje macau quarta-feira 23.4.2014

MAIS 200 LICENÇAS DE TÁXIS PRETOS AUTORIZADAS PELO GOVERNO. VEÍCULOS A CIRCULAR ATÉ AO FIM DO ANO

Problemas resolvidos ou talvez não CECÍLIA LIN

cecilia.lin@hojemacau.com.mo

JOANA FREITAS

joana.freitas@hojemacau.com.mo

O

Governo autorizou ontem a emissão de mais 200 licenças de táxis pretos. As licenças vão ser atribuídas através de concurso público, indica um despacho ontem publicado em Boletim Oficial, e os alvarás terão um prazo máximo de validade de oito anos. “O prazo é improrro-

gável e os alvarás não podem ser transmitidos a terceiros”, indica o despacho. Já na apresentação das Linhas de Acção Governativa (LAG) para este ano, o Chefe do Executivo tinha anunciado que iria haver mais táxis nas ruas. Ontem, o Chefe do Departamento para os Assuntos de Veículos e Condutores, Luís Correia Gageiro, relembrou que esta é uma medida para resolver o problema da falta de táxis, que já deixaram “de prestar os serviços adequados”.

Está previsto que os táxis possam começar a circular no final do ano. “Estamos a planear lançar 50 licenças por mês, sendo que, em quatro meses, despachamos tudo.” Com estas licenças, Macau passará a ter 1380 táxis autorizados a circular. Luís Gageiro explicou ainda que estas novas licenças não servem para complementar as que vão chegar ao final do prazo e que, se no futuro, for necessário, as autoridades poderão emitir novos pedidos ao Chefe do Executivo para mais licenças de táxi.

O director da União das Associações de Taxistas de Macau, Kuok Leong Son, considera que o Governo deveria permitir que os taxistas actuais tenham prioridade na licitação da licença, além de que deveria exigir que os táxis fossem de baixa emissão. “Apenas assim se pode, através de concurso público, melhorar os serviços de táxi.” Já para o director da Associação Geral dos Proprietários de Táxis de Macau, Lin Sai Hou, é fácil ver os táxis actuais a ter problemas, sendo

que as despesas de reparação são muito caras. O responsável diz que a situação precisa de ser melhorada antes do concurso público. Além disso, o director sugeriu que as autoridades comecem a lançar licenças várias vezes e não apenas desta forma esporádica, porque, diz, lançando ao mesmo tempo irá ter cerca de 600 taxistas a pedir a autorização. “Vai causar uma guerra de recursos humanos”, disse Lin Sai Hou, que prevê que o preço da licença se mantenha em “um milhão de patacas”.

PUB

DIRECÇÃO DOS SERVIÇOS DE FINANÇAS

DIRECÇÃO DOS SERVIÇOS DE FINANÇAS

E D I TAL Rendas

E D I TAL Foros

Faz-se saber aos contribuintes que, durante o mês de Maio do corrente ano, estará aberto o cofre da Recebedoria da Repartição de Finanças de Macau, para a cobrança voluntária das rendas de concessões de terrenos por arrendamento relativas ao ano de 2014. Mais faço saber que, de harmonia com o artigo 22º da Lei n.º 13/2013, durante o ano de 2014 não se procederá à cobrança dos foros e rendas, cujo montante anual seja inferior a $100,00 (cem patacas).

Faz-se saber aos contribuintes que, durante o mês de Maio do corrente ano, estará aberto o cofre da Recebedoria da Repartição de Finanças de Macau, para a cobrança voluntária dos foros de concessões de terrenos por aforamento relativos ao ano de 2014. Mais faço saber que, de harmonia com o artigo 22º da Lei n.º 13/2013, durante o ano de 2014 não se procederá à cobrança dos foros e rendas, cujo montante anual seja inferior a $100,00 (cem patacas).

Aos, 3 de Abril de 2014.

A Directora dos Serviços Vitória da Conceição

Aos, 3 de Abril de 2014.

A Directora dos Serviços Vitória da Conceição


CHINA

hoje macau quarta-feira 23.4.2014

TRABALHO TRINTA GREVES CONTRA MÃO-DE-OBRA BARATA

A voz do operário DEMITE-SE POR “RELAÇÕES IMPRÓPRIAS COM MULHERES”

Pecados de um banqueiro mal-amado U M administrador de um dos maiores bancos estatais chineses demitiu-se depois de inspectores do Partido Comunista (PCC) terem descoberto que mantinha “relações impróprias com várias mulheres apesar de ser casado”, disse a revista chinesa Caixin na segunda-feira. Wang Yongli, vice-presidente do Bank of China, foi acusado de “violar as regras do partido” e “colocado em suspensão preventiva por dois anos”, a pena mais severa antes da expulsão do PCC, adiantou aquela publicação, considerada uma das mais influentes na área do jornalismo económico e financeiro. Segundo a mesma fon-

te, “os investigadores não encontraram nada que ligasse Wang Yongli a práticas de corrupção”. O Bank of China ocupa o 4.º lugar na lista dos mais lucrativos bancos estatais chineses. A demissão do seu vice-presidente insere-se na persistente campanha de moralização lançada há cerca de um ano e meio pela nova direcção do PCC. Vários líderes chineses condenados por corrupção, incluindo um ex-ministro dos Caminhos de Ferro e um antigo 1.º secretário do PCC em Chongqing, Bo Xilai, foram também acusados de “manterem relações impróprias com amantes”.

O fosso entre ricos e pobres continua a ser um dos grandes obstáculos à criação da nação socialista “assente na aliança entre operários e camponeses”

T

RINTAgreves envolvendo mais de 500 trabalhadores ocorreram na China desde o mês passado, assinalando que “o crescimento assente na mão-de-obra barata já não é sustentável”, disse ontem um jornal do Partido Comunista Chinês. O movimento reivindicativo foi particularmente vigoroso nas empresas do grupo Yue Yuen, uma subsidiária de um consórcio de Taiwan que fabrica calçado para a Nike, Adidas e outras marcas internacionais, e que emprega mais de 40.000 trabalhadores no continente chinês. Iniciada no dia 14 de Abril em Dongguan, na província de Guangdong, sul da China, a greve na Yue Yuen estendeu-se na sexta-feira à fábrica da empresa na vizinha província de Jiangxi, que tem 6.000 trabalhadores, a maioria oriundos das zonas rurais, disse o Global Times, jornal do grupo Diário do Povo, órgão central do Partido Comunista Chinês (PCC).

“O modelo de desenvolvimento assente numa mão-de-obra barata está a acabar e deve acabar.”

Shandong Airlines encomenda 50 aviões Boeing 737

A Shandong Airlines assinou um contrato com o fabricante norte-americano Boeing para a compra de 50 aviões do modelo 737, os quais se vão juntar aos 67 aparelhos que já detém, confirmou o presidente da empresa chinesa, Ma Chongxian, citado ontem pela imprensa oficial. Os novos Boeing vão ser entregues à Shandong Airlines – com sede em Jinan, capital da província oriental de Shandong – num período de cinco anos, de 2016 a 2020, de acordo com a imprensa estatal. A aquisição, pelo valor de cerca de 33 mil milhões de patacas, responde ao objectivo da transportadora aérea de aumentar a sua frota para mais de 140 aviões em 2020, dos quais já possui 74 – incluindo os 67 do modelo 737. A Shandong Airlines opera actualmente 130 rotas, incluindo internacionais, com ligações ao Japão e à Coreia do Sul.

Segundo aquele observador, 70% dos cerca de 250 milhões de trabalhadores migrantes chineses ainda não estão cobertos pela segurança social, mas muitos “estão mais conscientes acerca da necessidade de proteger os seus legítimos direitos”. “Obviamente, este ano houve mais greves do que no ano passado”, acrescentou. “O modelo de desenvolvimento assente numa mão-de-obra barata está a acabar e deve acabar. Estas greves são um aviso às empresas e ao Governo”, afirmou também Liu Kaiming. Na maioria das 32 pro-

víncias da China, o salário mínimo, instituído na década de 1990, é inferior a cerca de 1.700 patacas por mês e

mesmo na capital, o salário médio mensal ronda as cerca de 6.400 patacas.

DO LADO DOS RICOS

Em contrapartida, os sete executivos mais bem pagos da China ganham entre cerca de 16 e 32 milhões patacas por ano, segundo uma lista divulgada ontem na edição online do jornal oficial China Daily. A referida lista foi elaborada entre as cerca de 2.500 empresas chinesas cotadas nas duas Bolsas da China, abertas no início da década de 1990 em Xangai e Shenzhen. Uma empresa imobiliária e um grupo segurador têm ambos dois administradores entre os sete gestores mais bem pagos do país. No final de 2013, o número de chineses mais pobres – que viviam com menos de cerca de 3000 patacas por ano diminuiu 16,5 milhões, para 82,49 milhões (6% da população), mas o agravamento do fosso social continuou a ser uma das principais fontes de descontentamento. Constitucionalmente, a China é um país socialista “liderado pela classe operária” e “assente na aliança entre operários e camponeses”.

OS NÚMEROS • Os sete executivos mais bem pagos da China ganham entre cerca de 16 e 32 milhões patacas • O salário mínimo é inferior a cerca de 1.700 patacas por mês e mesmo na capital, o salário médio mensal ronda as cerca de 6.400 patacas • No final de 2013, o número de chineses que viviam com menos de cerca de 3000 patacas por ano diminuiu 16,5 milhões, para 82,49 milhões (6% da população)

LIU KAIMING

Em ambos os casos, os trabalhadores querem garantias de que a empresa tem pago as devidas prestações à segurança social, indicou o jornal. “Antigamente, os trabalhadores migrantes não pensavam ter direito a beneficiar da segurança social”, disse o director da organização não-governamental Instituto de Observação Contemporânea, Liu Kaiming, citado pelo Global Times.

9

ARMINDA MARIA LOURDES DA SILVA Agradecimento A família enlutada de Arminda Maria Lourdes da Silva, vem agradecer a presença de todos aqueles que assistiram à cerimónia fúnebre do dia 22 de Abril de 2014. Mais se anuncia que será rezada uma missa de 30º dia por sua alma no próximo dia 11 de Maio de 2014, na Igreja de S. Lázaro, pelas 18:00 horas. Antecipadamente se agradece a todos quantos se queiram associar ao piedoso acto.


10

EVENTOS

LEONOR SÁ MACHADO

leonor.machado@hojemacau.com.mo

A

longa-metragem documental “Águas Mil”, do realizador português Ivo Ferreira, vai estrear em Macau no próximo fim de semana. Embora o filme tenha sido lançado há já cinco anos, no âmbito do festival de cinema IndieLisboa 2009, só agora vem até à RAEM. A estreia encontra-se inserida nas festividades do 25 de Abril. Pedro, o protagonista de “Águas Mil”, surge num tempo presente (2008), em procura do passado da família e de si próprio. Através de uma viagem emocional, vai atravessando os montes

hoje macau quarta

25 DE ABRIL IVO FERREIRA ESTREIA “ÁGUAS MIL” EM MACAU

Presentemente no passado Para o cineasta português, esta sua segunda longa-metragem documental não tem mensagem, nem moral incutida

e vales do Alentejo, com perguntas que parecem não quer ter resposta. O autor explica que Pedro se encontra numa fase de crescimento, em que “talvez também Portugal esteja que crescer”. São, no fundo, as “dores de crescimento que fazem com que, finalmente” o personagem “se debruce sobre a sua própria história, do seu pai e do seu país”.

À VENDA NA LIVRARIA PORTUGUESA OS DOZE • William Gladstone

Este romance extraordinário e inesquecível conta a história de Max, um herói invulgar que é lançado pelo destino numa viagem de descoberta do segredo por trás da antiga profecia Maia sobre o final dos tempos - previsto para 21 de Dezembro de 2012. Através de várias aventuras espectaculares em Jerusalém, Atenas, Londres, Índia, Istambul, China, Japão e México, vai sendo revelado aos leitores como Max e Os Doze cumprem a missão que o destino lhes reserva. Estará a antiga profecia Maia correcta? Estará de facto próximo o fim do mundo tal como o conhecemos? Ou haverá um sentido oculto, mais profundo e misterioso, para esta profecia arcana? Combinando elementos do ‘thriller’ do romance iniciático e da literatura esotérica, Os Doze é um dos livros mais invulgares e cativantes dos últimos tempos.

Este película cinematográfica tem um cariz ficcional, mas comporta alguma influência de tempos, de pessoas e de momentos reais, que deram a alma e o corpo pela liberdade de pós-74. Inteiramente passado em Portugal, “Águas Mil” obriga o espectador a balançar entre o passado e os dias de hoje, sem nunca sair do presente. Ivo Fer-

reira conta que o ponto de partida desta sua segunda longa-metragem foi “muito mais trabalhar no reflexo do 25 de Abril, muito mais no presente do que no evento histórico” em si, nunca descurando os elementos memória e lembrança. Para o cineasta, parte da lógica do documentário reside numa “espécie de tentativa arqueológica de captar memórias” da sua própria geração. Embora exista uma forte componente histórica associada à realização desta obra, Ivo Ferreira acredita que “tudo é criado de novo. Para o autor as histórias são “livremente inspiradas”, mas deixa claro que “Águas Mil”

RUA DE S. DOMINGOS 16-18 • TEL: +853 28566442 | 28515915 • FAX: +853 28378014 • MAIL@LIVRARIAPORTUGUESA.NET

NEGROS ANOS • Zhang Jie

A obra-prima da escritora que verteu numa epopeia sublime a história da China no século XX Para atingir o seu objectivo de poder e impedir a modernização, o comunismo maoista violou os sentimentos mais sagrados, estruturantes, da cultura da China, lançando os filhos contra os pais, impondo a toda a sociedade uma violentíssima convulsão. Estes são os negros anos descritos por Zhang Jie. Violência dilacerante cuja lembrança ainda hoje ensombra o coração da China, mas que não conseguiu desintegrar a textura intima da irredutível humanidade do povo chinês.


eventos 11

a-feira 23.4.2014

Ivo Ferreira produz filmes porque quer, acreditando que se destinam a quem tenha vontade de os partilhar consigo se trata de uma “interpretação absolutamente livre dos acontecimentos”. O cinematógrafo reside em Macau, mas já viajou um pouco por todo o mundo, captando diferentes realidades, momentos e contextos. Com “Águas Mil”, este volta às raízes que, muito embora possam não ser as suas, são, certamente, as de muita gente. Na verdade, esta película imaginada transporta o espectador até ao centro de Portugal – metafórica e literalmente – mas, principalmente, até ao âmago da jovem alma humana, aquela que tenta saber sempre mais sobre o que não deve ser sabido. De acordo com Vasco Câmara, jornalista do jornal português Público, este filme de 2009 é “de uma generosidade que comove”. A obra cinematográfica será legendada em chinês e em inglês, permitindo, assim, que os falantes de língua inglesa e chinesa também possam assistir. Ivo Ferreira não pretende que o público se reduza à comunidade portuguesa de Macau; prefere, antes que “Águas Mil” seja visto por quem quiser aparecer. Ivo Ferreira não se mostra ansioso pela estreia em Macau. “Se fosse um filme novo, com certeza que as minhas ânsias seriam outras, mas, por acaso, este é um filme com o qual estou bastante bem resolvido. Acho que, neste momento, é um bocadinho mais entregar-me a mim, à cidade e fazer com que as pessoas conheçam melhor o meu trabalho.” Para o cineasta português, esta sua segunda longa-metragem documental não tem mensagem, nem moral incutida. Ivo Ferreira produz filmes porque quer, acreditando que se destinam a quem tenha vontade de os partilhar consigo. O filme estará em exibição nos dias 25 e 27, no Centro Cultural Comendador Ho Ting (na Universidade de Macau) e no Cinema Alegria, respectivamente.

CREATIVE MACAU REALIZA WORKSHOP DE GUIONISMO EM MAIO

“Um bom guião é o inicio de um bom filme” ANDREIA SOFIA SILVA

andreia.silva@hojemacau.com.mo

Hard Rock T-shirt de Rui Veloso no espólio

R

UI Veloso vai doar uma t-shirt ao Hard Rock Cafe Macau, passando, assim, a fazer parte do espólio de memórias do conhecido restaurante. O cantor português, que vai actuar no próximo dia 25 no Centro Cultural de Macau, em virtude das celebrações da Revolução de Abril de 1974, decidiu oferecer uma das peças de roupa que vestiu no concerto de celebração dos 20 anos do conhecido álbum “Mingos & Os Samurais”. O restaurante detém um espólio de memorabilia composto por cerca de 77 mil elementos oferecidos por artistas como The Ramones, James Brown, Madonna, Elvis Presley ou Queen. Rui Veloso é, antes de mais, conhecido como o “pai do rock” em Portugal, tendo já dado centenas de concertos e gravado vários álbuns. Algumas das suas músicas são reconhecidas não só por terras lusas, mas a nível mundial, como é o caso de “Chico Fininho”. O evento vai constar na doação de uma t-shirt pessoal de Rui Veloso, colocando o artista perto de outros grandes nomes da música rock. Este vai ter lugar no dia 24 às 20 horas, no Hard Rock Cafe.

António Duarte Mil-Homens vai inaugurar exposição inédita

O fotógrafo António Duarte Mil-Homens vai inaugurar, no próximo dia 24, uma exposição de fotografias inéditas, tiradas nos dias 25 de Abril e 1º de Maio de 1974. Esta mostra tem como objectivo celebrar dois eventos: os 40 anos de carreira de Mil-Homens enquanto fotógrafo e a Revolução dos Cravos, que trouxe a liberdade política e social ao povo português. 25 de Abril de 74 foi, também, o dia em que o fotógrafo comprou a sua primeira máquina, uma Nikkormat FTn, da Nikon, equipamento que o acompanhou durante as celebrações de liberdade. A exposição terá lugar na Livraria Portuguesa, às 18 horas de dia 24 e trata-se de um conjunto de imagens nunca antes vistas do dia da revolução.

L’Histoire du Soldat Orquestra de Macau estreia primeira ópera

A Orquestra de Macau (OM) vai apresentar a sua primeira ópera de câmara nos próximos dias 25 e 26 de Abril, em inglês e chinês, respectivamente. Os concertos vão ter lugar no Teatro Dom Pedro V e surgem em virtude do ciclo de promoção musical que tem vindo a ser organizado pela OM há já duas temporadas. Esta iniciativa foi criada com o objectivo de sensibilizar a aguçar o gosto de todos os grupos sociais e etários para a música clássica. L’Histoire du Soldat é uma obra composta por Igor Stravinsky, com libreto de Charles Ferdinand Ramuz, e foi escrita durante a I Guerra Mundial. Stravinsky descreve esta sua peça como sendo um género de “teatro móvel”, acompanhado por instrumentos musicais. Os bilhetes, à venda na rede Kong Seng, deverão custar entre as 60 e as 80 patacas.

O

S amantes do cinema e da arte de escrever um bom guião poderão aprender mais sobre essa área no próximo workshop promovido pela Creative Macau. Entre 19 e 29 de Maio Thomas Lim, autor do filme rodado em Macau, intitulado “Roulette City”, vem ensinar algumas técnicas e sente-se “entusiasmado”, conforme disse ao HM. As inscrições devem ser feitas até ao dia 8 de Maio. “Sinto sempre que Macau me recebe muito bem e estou muito grato por isso. A minha carreira começou em Macau com o filme Roulette City e sinto-me feliz por conseguir voltar sempre que posso. Não há nada mais satisfatório do que poder contribuir para algo e inspirar alguém.” Thomas Lim não tem dúvidas de que no território ainda há muitas histórias por contar nos cinemas. Mas a escrita de um guião é um passo

“Tenho visto muitos filmes de Macau e, com todo o respeito, sinto que é uma das áreas mais fracas...” THOMAS LIM

importante. “Um bom guião é o inicio de um bom filme. Atrai investidores, produtores e actores. Tenho como mentor o guionista de Hollywood, Michael R.Morris, com quem estou a escrever o meu próximo filme, ‘The Last Room’. Aprendi muito sobre a arte da escrita para guião nesta fase, e sinto-me honrado por poder partilhar em Macau o meu conhecimento sobre guionismo e espero que, em conjunto, possamos trazer mais público internacional para Macau e contar histórias de Macau sob vários ângulos.” O mesmo público internacional de que fala Thomas Lim quer, cada vez mais, saber como é o território para além do jogo. “Sei que há muitas histórias que os cineastas de Macau querem contar, e da minha experiência a rodar o Roulette City, posso garantir que há sempre público a nível internacional interessado nestas histórias. Querem saber como é a vida de Macau para além do mundo dos casinos. É mais conveniente se

um cineasta de Macau conta uma história de Macau, então o primeiro passo é escrever um bom guião.” Thomas Lim, que pretende voltar a realizar mais workshops na RAEM, acredita que há muito potencial artístico. “Penso que há muitos jovens cineastas que querem fazer os seus próprios guiões e dirigir os seus filmes. Muitos deles têm muitas histórias baseadas nas suas próprias experiências pessoais, mas não sabem como começar e como transformar uma história num filme. Então a resposta é: façam um bom guião.” Mas ainda há muito a melhorar nesta área. “Tenho visto muitos filmes de Macau e, com todo o respeito, sinto que é uma das áreas mais fracas, sendo que a outra seria a interpretação de personagens. Sei que muitos vão estudar para Taiwan, China e Hong Kong, e até para a América, então leva-me a pensar que poderão não existir cursos suficientes em Macau.”


h

hoje macau quarta-feira 23.4.2014

ARTES, LETRAS E IDEIAS

12

V

ALPARAÍSO estava nos planos e quando o incêndio que queimou a cidade tomou conta das notícias, muita gente me perguntou: “Já não vais pois não?” A resposta era o oposto da pergunta: “Agora é que vou mesmo”. Mal sabia eu o que ia encontrar. Nunca tinha testemunhado uma catástrofe. Assim, olhos nos olhos. E senti que desta vez não podia fugir. Passeava pelas ruas  duma cidade que merece o nome e vi uma rapariga suja e de pá às costas. Recordo-me de ter pensado (bem dentro dos moldes do meu mundo) que aqui as raparigas também trabalhavam nas obras.  Mais tarde, aquela rapariga multiplicou-se. No longo percurso da Avenida Alemanha que nos leva até à casa de Pablo Neruda, vi centenas de pessoas, sobretudo jovens, a descerem as encostas de face borrada de carvão, roupa suja do pó e pá aos ombros. Decidi que tinha de subir. A conversa com a Patrícia, bióloga que agora trabalha num hostel desiludida com o que o governo e empresas privadas fazem (ou não fazem) com os estudos que desenvolve, só me deu mais força e foi assim que na quinta-feira escalei os morros até encontrar uma cidade diferente.  Podia falar da destruição e das casas queimadas, dos resquícios de vidas normais como os talheres e loiça partida no chão, dos milhares de desaloja-

Catarina Brites Soares

NO CHILE

O VAL (E O MUNDO) QUER(EM) MUDANÇA dos e das pessoas que vivem em tendas onde antes tinham casas, mas isso já é conhecido. Falta uma parte importante da história que me entalou uma frase na cabeça que teima em não sair: a solidariedade faz-me acreditar que há esperança na Humanidade. Valparaíso organizou-se em massa para ajudar as vítimas do incêndio. Há uma cidade nos morros a levantar-se das cinzas por causa dos inúmeros anónimos que largaram as vidas deles para que os outros possam voltar a ter vida. Não há aulas durante esta semana e os professores dispensam os alunos e deixam-nos seguir rumo aos “cerros” queimados. E eles querem ir! Os centros, as escolas, os lares e as igrejas passaram a ser abrigos. Ao longo do longo caminho rumo à destruição, vi dezenas de pessoas e inúmeros armazéns para os donativos. Quem não anda lá em cima a tratar dos escombros, está cá em baixo a cozinhar para os voluntários e a organizar os sacos de roupa, de comida e outras contribuições que mais tarde vão ser distribuídas. É frequente ouvirem-se gritos: preciso de quatro voluntários para levar comida para cima; fazem falta pessoas para descer e

trazer mais donativos; comida atrás da cozinha, roupa naquele monte... Lá em cima, quem não pode com os braços e com as pernas, passa de cinco em cinco minutos e grita: água, comida, fruta?  Nunca tinha visto nada assim. Uma confusão muito bem organizada e pelos habitantes. Só.  Do governo, vi os militares e outras forças policiais que estão lá, consta, para manter a “ordem”. Foi decretado o Estado de Emergência e têm de estar na rua. Os militares estão aos grupos de quatro, cinco ou mais, carregados de metralhadoras a ver trabalhar. Os carros blindados passam pelos corpos sujos e cansados, limpos e vazios. Atrás e à frente, dezenas de carros privados carregados de voluntários e caixas com uma frase nas costas: Força Valparaíso.  O que é que estão ali a fazer? É a questão que se coloca e não é minha, é da gente que todos os dias sobe os morros para ajudar e os encontra a cada curva com ar entediado. O governo? O governo está a dar cupões para os residentes atingidos gastarem nas grandes cadeias de supermercados. A Patrícia e a psicóloga dona de uma loja de artesanato não enten-

dem porque é que este dinheiro não é dado aos residentes para gastarem no mercado local para que o dinheiro fique em Valapraíso em vez de abarrotar os bolsos já fartos das cadeias obesas. Valparaíso é uma cidade especial, dizem as pessoas que cá moram. É muito querida por todos e povoada por uma geração que não acredita mais num governo cego, surdo e mudo para os liderar.  A conversa com a Patrícia, com a psicóloga da loja de artesanato, com o senhor no cais, com os chilenos, argentinos e brasileiros só veio fortalecer uma ideia já antiga: somos iguais nos problemas e não nos mobilizamos porque achamos que estamos sozinhos e que o tamanho das nossas preocupações tem o tamanho das nossas fronteiras. A nossa ignorância é a força da minoria sem escrúpulos que nos governa. Desconhecemos ou ignoramos que os dramas dos outros povos são os mesmos que os nossos e que todos nós temos governos autistas que olham para nós como eleitores mas que esquecem todos os dias que somos pessoas!  Aqui, parece me, há uma geração a tentar mudar o mundo. Achei que devia contar. Quem sabe alguma coisa mude aí também.


artes, letras e ideias 13

hoje macau quarta-feira 23.4.2014

a revolta do emir

R

ECORDE-SE que a emergência destas páginas se prendeu, inicialmente, com a constatação da inexistência em Macau de um local onde, rodeado do conforto merecido, pudesse um mortal sentar-se para cumprir o prazer da leitura do jornal de fim de semana. Aí se fixou, desde logo, uma relação intensa com a leitura. Já aqui se falou, a propósito de periódicos, da revista The New Yorker, não directamente mas através da atenção dispensada ao conjunto de artigos desta publicação coligidos para formar o livro The New Yorker Book of Food and Drink. Numa outra ocasião falara-se dos deleites provenientes da leitura da revista Acne Paper, tanto pela excelência da sua apresentação como pelo conteúdo dos artigos e entrevistas que ela amavelmente contém. Nesta instalação relembram-se ou apresentam-se algumas das vantagens que a leitura da New York Review of Books pode trazer à ilustração do espírito e ao regalo das almas. A New York Review of Books é, basicamente, uma publicação com crítica de livros. As suas considerações estendem-se, contudo, a outras áreas, como a crítica de cinema ou produção teatral ou operática, a crítica de arquitectura ou artes plásticas (de qualquer maneira magnificamente representadas através de muitas apreciações sobre exposições ou livros de arte, da antiguidade aos dias de hoje) e a actualidade política americana ou internacional. A diversidade das áreas abordadas é, certamente, uma das inúmeras vantagens que decorrem da assinatura desta publicação com mais de 50 anos. Tome-se o último número em minha posse (Volume LXI, Número 5, Março e Abril de 2014) como exemplo de todos estes elogios. Este número, dos mais pequenos que lembro, contém críticas a 21 livros, quer julgados individualmente, como Anti-Judaism: The Western Tradition, de David Nirenberg (Norton, 610 pág. $35.00), quer julgados em conjunto, como acontece no longo artigo de Anatol Lieven sobre o Paquistão (suas relações com os E.U.A., a China, etc.) em que se faz referência a 7 livros de 7 autores diferentes. Os livros aqui criticados debruçam-se sobre temáticas tão diversificadas como (repita-se que me atenho ape-

Pedro Lystmann

NYRB nas a este número) a escravatura nos E.U.A.; a carreira e o último romance de Fay Weldon; os efeitos decorrentes do acesso generalizado das mulheres ao mercado de emprego a partir dos anos 60; a antiga cidade romana de Herculaneum, desaparecida, no ano de 79, na mesma fúria vulcânica que aniquilou e celebrizou Pompeia; os 7 livros sobre o Paquistão acima referidos, um artigo extremamente abrangente sobre este labiríntico país de 180 milhões de pessoas; história natural; o anti-judaísmo na tradição ocidental, centrado no

modo como aquele tem sido utilizado ao longo da história como sistema de “entendimento do mundo”; o exercício da actividade da magistratura; o texto das Mil e Uma Noites; a história da aproximação americana a Pequim através do ténis de mesa, um texto hilariante e, ao mesmo tempo, dramático; a crise da democracia desde a Primeira Grande Guerra e um claríssimo artigo a propósito do referendo sobre a independência da Escócia. Contém, igualmente, artigos sobre uma produção do Príncipe Igor,

de Borodine, cujas récitas decorreram em Nova Iorque durante os meses de Fevereiro e Março; um artigo sobre a Rússia e a Ucrânia; um sobre o poeta Auden, a sua secreta identidade filantrópica e a sua disposição arcadiana; uma reprodução de um artigo constante do jornal The Times of India, sobre a criminalização da homossexualidade na Índia contemporânea e a reprodução de um discurso de Angela Merkel ao parlamento alemão a propósito dos excessos norte-americanos no campo da espionagem. Quase todos os números dedicam um artigo à poesia ou a um poeta, assim como à música. Esta persistência contrabalança o carácter puramente político dos artigos sobre actualidade, alguns dos quais demasiadamente “americanos”. A lista das figuras que contribuem para cada um dos 20 números anuais, entre as quais se contam muitos académicos, romancistas, poetas, etc., garantem um nível emérito de conhecimento sobre os assuntos tratados. A lista de famosos e célebres é infindável. Contudo, mantém-se um tom divulgativo, mesmo nos artigos de ciência, afastado de um aspecto demasiadamente erudito ou técnico, ao mesmo tempo que mantém um elegante afastamento de um tom imediatista ou fácil mesmo quando adopta causas radicais. Tom Wolfe chamou-lhe o principal órgão teórico do Radical Chic. Muitas vezes a excelência da escrita vem acompanhada de uma extrema familiaridade entre o autor dos artigos e o objecto das suas conjecturas. Acontece com frequência o autor dos artigos conhecer pessoalmente ou ter algum tipo de contacto amical ou profissional com as personalidades que neles são apreciadas. Quando o não tem existe, por vezes, uma proximidade dada por uma entrevista ou a presença num colóquio ou conferência. Estamos longe do jornalismo tradicional. A maior parte das vezes os autores são especialistas nas matérias que os livros apreciados abordam. A extensão dos artigos demonstram esse à-vontade. Por último, espalham-se ao longo das várias páginas da NYRB referências publicitárias a dezenas de livros incidentes sobre as mais diversificadas matérias, frequentemente acompanhadas de pequenos comentários e reproduções das respectivas capas.


14

h

hoje macau quarta-feira 23.4.2014

HUAI NAN ZI

淮南子

Da Paz – 83 Atingir o Tao é garantido e não depende do fluxo das coisas. Eu não deixo que as mudanças de uma certa época determinem a forma como desenvolvo a mestria de mim mesmo. Aquilo a que chamo mestria de si mesmo significa que a minha natureza e vida residem aonde estão seguras. * * * Quando grupos grandes atacam grupos pequenos, tal é considerado belicoso; mas quando as nações grandes anexam nações pequenas, tal é considerado inteligente. Um cavalo pequeno é da mesma família que um cavalo grande, porém, o pequeno conhecimento não é da mesma família do grande conhecimento. * * * Quando a tua recepção é diminuta, a tua percepção é pouco profunda. Quando a tua recepção é grande, a tua consciência é vasta. * * * Podemos ver a ponta de um cabelo e, ao mesmo tempo, ser incapazes de ouvir o rebentar da trovoada; ou escutar a melodia de uma canção e, ao mesmo tempo, ser incapazes de ver uma montanha. Porquê? Porque uma pequena fixação da atenção resulta numa grande medida de distracção.

O LIVRO DOS MESTRES DE HUAINAN

A claridade não significa ver os outros, apenas ver-se a si próprio. A acuidade não significa ouvir os outros, apenas escutar-se a si próprio. O entendimento não significa conhecer outros, apenas conhecer-se a si próprio. * * * Acusar os outros não é tão bom como acusar-se a si próprio. Exigir dos outros não é tão bom como exigir de si próprio. * * * Quando te apontam os teus defeitos, ressentes-te com os outros; mas quando um espelho reflecte a tua fealdade, considera-lo um bom espelho. Quem for capaz de lidar com os outros sem deixar que o seu ego se envolva evitará ser rebaixado. * * * Os olhos, ouvidos e palato não sabem o que aceitar e o que deixar; quando a mente os governa, cada um encontra o seu lugar próprio. Deste ponto de vista, é evidente que o desejo não pode ser conquistado; no entanto, tal pode ser feito até ao ponto em que a loucura não ocorre por todos aqueles que são mestres de si mesmos e desenvolvem a sua natureza, regulam a actividade sexual e moderam as suas refeições, tornam ligeiras as suas emoções e agem e repousam adequadamente, fazendo com que todas estas coisas neles residam. Tradução de Rui Cascais Ilustração de Rui Rasquinho

* * * Toda a gente valoriza aquilo que sabe fazer bem e desvaloriza aquilo que não sabe fazer bem. No entanto, todos se afogam naquilo que valorizam e são obstruídos por aquilo que desvalorizam. Aquilo que valorizam é o que tem forma, aquilo que desvalorizam é o que não deixa vestígios.

Da Paz – 84 Para o sol e a lua, o brilho é desejável, mas as nuvens são capazes de os esconder. Para as águas de um rio, a claridade é desejável, mas a areia as pode turvar. Para a natureza humana, o equilíbrio é desejável, mas os apetites habituais a estragam. Apenas os sábios são capazes de esquecer as coisas e regressar ao si. * * *

Huai Nan Zi (淮南子), O Livro dos Mestres de Huainan foi composto por um conjunto de sábios taoistas na corte de Huainan (actual Província de Anhui), no século II a.C., no decorrer da Dinastia Han do Oeste (206 a.C. a 9 d.C.). Conhecidos como “Os Oito Imortais”, estes sábios destilaram e refinaram o corpo de ensinamentos taoistas já existente (ou seja, o Tao Te Qing e o Chuang Tzu) num só volume, sob o patrocínio e coordenação do lendário Príncipe Liu An de Huainan. A versão portuguesa que aqui se apresenta segue uma selecção de extractos fundamentais, efectuada a partir do texto canónico completo pelo Professor Thomas Cleary e por si traduzida em Taoist Classics, Volume I, Shambhala: Boston, 2003. Estes extractos encontram-se organizados em quatro grupos: “Da Sociedade e do Estado”; “Da Guerra”; “Da Paz” e “Da Sabedoria”. O texto original chinês pode ser consultado na íntegra em www.ctext.org, na secção intitulada “Miscellaneous Schools”.


hoje macau quarta-feira 23.4.2014

artes, letras e ideias 15

Uma pequena fixação da atenção resulta numa grande medida de distracção.


16

DESPORTO

MAR CO CARVALHO info@hojemacau.com.mo

S

AGROU-SE campeão europeu com a camisola do Futebol Clube do Porto, integrou o grupo de trabalho da selecção nacional por doze ocasiões e passou por clubes como o Tottenham, o Portsmouth e o Glasgow Rangers antes de pendurar as chuteiras no clube do coração, o Vitória de Guimarães. Pedro Mendes abandonou os relvados há duas temporadas e é agora agente FIFA. O antigo futebolista esteve no território no fim-de-semana e falou com o Hoje Macau sobre a nova etapa de uma carreira que se continua a conjugar com as lides do desporto-rei.

hoje macau quarta-feira 23.4.2014

PEDRO MENDES, EX-FUTEBOLISTA E EMPRESÁRIO DE FUTEBOL

“A Ásia é terreno incógnito para estruturado e a partir daí procurar expoenciar as oportunidades que podem advir de um tal contrato. Não sei se a Liga Portuguesa é transmitida em Macau, mas é outro factor essencial. Ainda antes de se encontrar um patrocinador, talvez fosse bom começar a familiarizar os adeptos locais com o futebol português e isso só se consegue se a Liga Portuguesa tiver localmente expressão televisiva ...

Pendurou as chuteiras há pouco mais de um ano e meio. Saudades dos relvados, já existem? Ou ainda continua a pisar os relvados de uma forma mais descomprometida? Sim. Jogo com os amigos quando posso. Saudades, saudades não posso dizer que tenha, mas mesmo na brincadeira é sempre bom pisar um relvado e voltar a jogar. Vem cá a Macau em negócios, no âmbito de uma nova etapa da carreira. A China é um mercado atractivo para um empresário de futebol? Na verdade, esta deslocação a Macau é uma deslocação de lazer. Vim visitar alguns amigos. A China é, como diz, um mercado atractivo. Colocámos lá um jogador em Janeiro. É um mercado em expansão e cada vez há mais jogadores de renome que vêm para cá. Tem um enorme poderio económico e esta questão é sempre questão importante, porque atrai mais valias e jogadores que podem ajudar a valorizar o futebol que aqui se joga. É um mercado para o qual estamos olhar com muito bons olhos tendo em vista futuros negócios . É um mercado interessante também em termos de marketing? A determinada altura houve uma grande aposta dos clubes ingleses no continente asiático. O futebol português passou um tanto ou quanto ao lado desta tendência.... Penso que, nesta altura, a Premier League será a nivel mundial – talvez a par da Liga Espanhola e agora da Bundesliga, que também está a crescer muito – aquela que apresenta um futebol mais atractivo e tem por isso uma maior capacidade de auto-promoção. As receitas que esses campeonatos e esses clubes têm, nomeadamente deste lado do mundo, a Ásia, também lhes permite explorar mais a própria marca. São clubes que abrem academias e escolas de futebol não tanto para descobrirem ou formarem talentos, mas para responder a estratégias de marketing. É claro que quando há

O Cristiano Ronaldo num dia bom resolve jogos, num dia menos bom é sempre uma enorme dor de cabeça para a equipa adversária talento também há a preocupação de levar os melhores jogadores para a Europa e oferecer-lhes a oportunidade de lá treinarem durante uma semana ou duas para mostrarem o seu verdadeiro valor. Isto acontece com alguma frequência. E em Portugal? Em Portugal ainda não houve uma grande preocupação no sentido de explorar o potencial asiático. Pelo que sei há algumas ideias, talvez algumas delas já estejam em andamento, mas não há nada no papel e, como tal, não há ainda nada concretizado. Há, sim, em alguns países da Europa. Portugal tem-se expandido em alguns países da Europa, está a fazer um bom trabalho em África, mas creio que para este lado não há ainda nada de concreto. O que acontece muito em Portugal e é isso que fazem os principais clu-

bes – Porto, Benfica e Sporting – é construir uma rede de captação que passa pela patrocínio a uma rede de escolinhas espalhadas pelo país. Na zona onde eu resido, não muito longe de Guimarães, há a escola do Benfica e há a escola do Sporting, que tentam fidelizar os miúdos daquela zona do país e depois os melhores são convidados para ir a Lisboa fazer os treinos ou participar em sessões de captação. Provavelmente, aqueles que tiverem talento até poderão ficar, mas resume-se isso. A Ásia ainda é terreno incógnito para o futebol português. É um erro, tendo em conta o poderio económico deste lado do planeta? Vemos, por exemplo, clubes ingleses todos os anos a apostar bastante nesta zona do planeta com a realização de digressões de pré-época ... Isso também tem tudo a ver com as marcas e com o poderio financeiro de algumas das marcas que patrocinam os clubes ingleses. Os contratos publicitários implicam, por vezes, a realização dessas digressões, quer no fim da época,

quer na pré-época, muitas vezes contra a vontade dos próprios treinadores, porque os obriga a efectuar grandes deslocações. Numa altura tão importante da época viagens muito extensas talvez não sejam propriamente benéficas para as equipas. O importante aqui seria, e talvez seja uma boa matéria de estudo: “Será que Portugal é uma mercado suficientemente atractivo para levar uma grande empresa ou uma grande marca a investir num clube português e a patrocinar um clube de topo ou um clube que marque presença na Liga Europa, por exemplo? Se assim fosse, será que uma digressão do género teria o mesmo impacto? Já me aconteceu, por exemplo, vir a Seul quando jogava pelo Tottenham disputar um torneio em que participavam equipas patrocinadas por determinada marca: o Tottenham, o Lyon ... Organizou-se ali um torneio e os estádios encheram e para os jogadores foi uma boa experiência porque foi, de facto, um torneio bem organizado. A meu ver, o primeiro passo passará sempre por atrair uma grande empresa, promover um estudo de marketing bem

Há candidatos menos óbvios, como a Bélgica, que tem uma selecção muito forte, ou a Colômbia, que pode ser, a meu ver, a revelação

O sucesso relativo que os clubes portugueses têm tido desde há uma década a esta parte nas competições europeias pode ajudar a alterar este cenário? Pode. A meu ver o futebol português está mais divulgado do que nunca. Temos o melhor jogador do mundo, temos o melhor treinador do mundo. Tivemos uma final inédita da Liga Europa há dois ou três anos atrás entre o Futebol Clube do Porto e o Braga. Antes disso, o Porto tinha vencido a Taça UEFA e a Liga dos Campeões, faz agora onze e dez anos. Tivemos o Benfica finalista no ano passado e as equipas portuguesas a fazerem boas campanhas na Liga dos Campeões, com raras excepções, como aconteceu este ano. O futebol português está muito divulgado. Penso que o grande entrave, a grande dificuldade será a conjuntura económica de Portugal, que não consegue atrair determinados investimentos, especialmente a nível de marketing e publicidade. Creio que, desaparecendo este entrave, estão reunidas todas as condições para que o futebol português comece, por exemplo, a olhar para este lado do mundo. Se repararmos no volume de negócios que os clubes portugueses fazem anualmente e nos jogadores que os clubes portugueses conseguem colocar nos clubes de topo do continente europeu, só podemos concluir que o futebol português tem um nível elevadíssimo, sobretudo na criação de receitas e na formação de grandes talentos. Se calhar, no plano dos grandes negócios, o futebol português está num mesmo plano não de uma Premier League, porque a Premier League é um mundo à parte, mas de uma Liga Espanhola ou de uma Bundesliga ... O Benfica este ano arrisca-se a vencer tudo. Vestiu a camisola do FC Porto. Foi um annus horribilis para os portistas? O Benfica este ano, como dizia, arrisca-se a vencer tudo. Foi uma época anormal do Futebol Clube do Porto, uma época a que a maior


desporto 17

hoje macau quarta-feira 23.4.2014

o futebol português” parte dos adeptos não estavam habituados. O Porto perdeu muitos jogos, muitos pontos de uma forma pouco usual e pouco normal, o que também ajudou de certa forma o Benfica a fazer a época que está a fazer. Protagonizou uma época tranquila, mas há que dar mérito a quem ganha desta forma. O Benfica, como se recorda, não acabou bem a última época. Houve vários rumores sobre a falta de união do balneário e sobre a continuidade ou não de Jorge Jesus. Há que dar mérito a Jorge Jesus neste aspecto em particular: apesar de tudo conseguiu manter o balneário intacto, conseguiu manter o plantel unido e fazer com que todos lutassem pelo mesmo objectivo e conseguiram-no. Venceram já o Campeonato e como disse, arriscam-se a vencer tudo. Voltando atrás e à nova fase da sua carreira, chamemos-lhe assim... Há talento em Portugal para exportar? Ou o talento vulgarizou-se?

Há muito talento. Há muito talento. A meu ver, o grande problema de Portugal a este nível é o país não conseguir dar oportunidades a alguns bons jogadores que evoluem nas divisões secundárias, na 2ª Liga e no Campeonato Nacional de Séniores. São jogadores que demoram muito a chegar à Primeira Liga. Portugal ainda abre muito a porta a jogadores estrangeiros, a atletas de outras nacionalidades em detrimento da qualidade dos jogadores nacionais. Se calhar isto era um aspecto que os responsáveis pelo futebol nacional deveriam procurar mudar. Estou certo que em vez de exportar meia dúzia de jogadores talentososo por ano, Portugal iria exportar anualmente muitos mais porque haveria jogadores mais jovens a chegar mais rápido ao topo e a jogar na Primeira Liga. Depois, logicamente, poderiam dar o salto para outros campeonatos ... Temos o campeonato do mundo à porta. O Pedro vestiu a camisola

da selecção por 12 vezes. Esta selecção é mais forte ou menos forte do que aquela em que o Pedro Mendes jogou? Só os resultados poderão dizer. Nós tínhamos uma selecção boa. Fomos eliminados pelo campeão do mundo nos oitavos de final. Passamos a fase de grupos com distinção. Agora, esta selecção é uma selecção também com muita qualidade, sem dúvida nenhuma. Temos todas as condições para ultrapassar a fase de grupos e é o comportamento na fase de grupos que vai ditar a nossa sorte nas eliminatórias. É muito difícil

Em Portugal ainda não houve uma grande preocupação no sentido de explorar o potencial asiático

estabelecer um termo de comparação entre ambas as selecções. Podemos pegar num papel e comparar jogador a jogador e até dizer que um determinado colectivo é mais forte do que outro e depois, em termos práticos, ser uma decepção. Não vou arriscar sequer uma comparação. Digo-lhe apenas que tudo se resume a resultados. Num Campeonato do Mundo, os resultados são tudo. Esta selecção é uma selecção demasiado dependente de Cristiano Ronaldo? A prestação de Portugal vai depender muito do que Ronaldo fizer? Ou o colectivo é o verdadeiro trunfo? O colectivo é importante, mas Ronaldo é um jogador importantíssimo. O Cristiano Ronaldo num dia bom resolve jogos, num dia menos bom é sempre uma enorme dor de cabeça para a equipa adversária e que retira do jogo dois ou três jogadores adversários, criando espaços para os outros jogadores e é, portanto, um jogador importantíssimo. Espero bem que recupere e que recupere bem porque Portugal precisa do seu contributo ... Que outras equipas serão candidatas ao triunfo no Campeonato do Mundo? O Brasil, por jogar em casa, é um candidato óbvio?

Há sempre os candidatos da praxe, por assim dizer. Há o Brasil, há a Espanha .. A Alemanha está fortíssima. Depois há candidatos menos óbvios, como a Bélgica, que tem uma selecção muito forte, ou a Colômbia, que pode ser, a meu ver, a revelação. Depois temos a Argentina e aquelas selecções africanas que nunca sabemos muito bem o que poderá sair dali. Se olharmos para elas, encontrámos jogadores de topo, que jogam nos melhores clubes da Europa e depois, a nível de selecção, as coisas não funcionam muito bem e não sabemos bem porque, mas num Campeonato do mundo nunca se sabe. Vai ser, a meu ver, um bom Campeonato. Vai ser um Campeonato renhido e é quase um acto absurdo estar aqui a tentar adivinhar quem o poderá vencer. Jogou no Futebol Clube do Porto, mas o clube do coração foi sempre o Vitória de Guimarães... Vitória que ficou este ano um tanto ou quanto abaixo das expectativas. Ou não? Sim, ficou um tanto ou quanto aquém, especialmente se tivermos em conta a época que protagonizou no ano passado. Depois dos resultados obtidos no ano passado as expectativas ficaram muito altas e eu creio que tal é legítimo. A verdade é que este ano, o mês de Janeiro, não foi muito benéfico para o Vitória. Perde o Abdulaye, que era um esteio na defesa. Foi uma grande perda para o Vitória. Depois encaixou também uma série negra de resultados, que não tem ajudado muito a terminar a época da melhor maneira, mas não há muito mais a fazer este ano. Agora os responsáveis pela equipa têm de começar a prepara a nova temporada. Há ainda uma grande indecisão em torno da permanência do treinador, não se sabe se fica, se não fica. Seria importante esclarecer estas questões para preparar a nova época com calma e tentar fazer melhor do que se fez nesta ... Deve ou não continuar, Rui Vitória? Não faço ideia, não faço ideia. Tem feito um trabalho muito interessante no Vitória e é público que o Júlio Mendes, o presidente do clube, quer que ele fique. O Rui Vitória já fez saber que está disposto a acatar o que for melhor para ambas as partes, mas a dúvida mantém-se. Creio que ambas as partes estão à espera que o Campeonato acabe para poder resolver a questão o mais rapidamente possível. Se o Rui Vitória ficar, muito bem porque já poderá começar a preparar a nova época. Caso não fique, o Vitória de Guimarães ainda terá tempo para preparar a época com calma e com clareza.


18

( F ) UTILIDADES

TEMPO

C H U VA

FRACA

MIN

22

MAX

25

hoje macau quarta-feira 23.4.2014

HUM

80-98%

EURO

POR MIM FALO

11.0

BAHT

0.2

Cineteatro

YUAN

1.3

CINEMA

Pu Yi

RIO 2 SALA 1

THE DEMON WITHIN [C]

(FALADO EM CANTONÊS LEGENDADO EM CHINÊS E INGLÊS) Um filme de:Dante Lam Com: Daniel Wu, Nick Cheung, Liu Kai Chi, Dominic Lam, Andy On 14.30, 16.30, 19,30, 21.30

(FALADO EM CANTONÊS) Um filme de: Carlos Saldanha 14.15, 16.00, 19.30

RIO 2 [3D] [A]

HOT YOUNG BLOOD [B]

CAPTAIN AMERICA: THE WINTER SOLDIER [B]

(FALADO EM COREANO E LEGENDADO EM CHINÊS E INGLÊS) Um filme de: Lee Yeon-woo Com: Kim Young-Gwang, Lee Jong-Suk, Park Bo-Young 21.30

ACONTECEU HOJE

23 DE ABRIL

Dia de Shakespeare e Cervantes

U M L I V R O H O J E MÁRIO CESARINY – MANUAL DA PRESTIDIGITAÇÃO EDITORA ASSÍRIO & ALVIM

enchem o templo, duas vezes por ano – pelo menos. Ele é o festival de música do mundo – que recebeu bandas de Macau, por exemplo –, ele é o festival de jazz. Cafés ao estilo rústico, cabanas de comida e bebida. Agora, pensem trazer isso para Macau. Um festival de música ao estilo dos de Hong Kong nos lagos Nam Van. Um festival de música do mundo, ali para os lados das casas museu da Taipa. Ah? Ainda por cima, a Fundação Macau patrocina Beishan, por isso por cá não vai faltar ajuda. Um bem haja à Casa Garden, que ainda nos dá música através do Clube de Jazz de Macau. Mas, Macau, vá lá, temos tanto potencial. Tantos sítios para grandes festivais. Dêem-nos música.

KIKI’S DELIVERY SERVICE [A]

RIO 2 [A]

(FALADO EM CANTONÊS) Um filme de: Carlos Saldanha 17.45

Governo de Macau, gostaria agora que olhassem ali para a zona dos lagos Nam Van. E ali para a zona das Casas Museu da Taipa. E ali para a zona de Coloane, onde há praias. E, agora, digam-me: não seriam esses sítios maravilhosos para mandar os turistas passear? E para entreter os residentes de Macau? Fiquei impressionado com o que me contaram sobre este fim-de-semana passado. Ao que parece, Zhuhai levou para a frente aquilo que Macau diz ser necessário: revitalizar as zonas antigas, juntar o moderno com o antigo. Em Beishan, onde antes residia um velho templo, surgem agora imensos artistas – do mundo – com guitarras, tambores, baterias, saxofones e mais...

SALA 3

(FALADO EM CANTONÊS) Um filme de: Takashi Shimizu Com: Miyazawa Rie, Asano Tadanobu, Machiko Ono, Fuka Koshiba 14.30, 16.30, 19.00

SALA 2

Dêem-nos música

Um filme de: Anthony e Joe Russo Com: Chris Evans, Scarlett Johansson, Samuel L. Jackson 21.30

Os poemas deste senhor nunca se escreveram em casa, mas debaixo de cenários possivelmente apocalípticos, de vagabundagem, álcool e puro sonho urbano. Mário Cesariny foi rebelde até morrer, e levou a rebeldia para a sua poesia. Falo de Manual da Prestidigitação como poderia falar de qualquer outro livro de poemas com o seu nome. São trágicos, alegres, irónicos, um tanto ou quanto sentimentais e revolucionários. A sua leitura deixa facilmente transparecer um homem que viveu numa outra dimensão, com uma imensa cultura dentro de si. Andava na faculdade quando li, pela primeira vez, uma entrevista de Mário Cesariny ao semanário Sol. Daí a uns tempos receberia de presente uma compilação dos seus melhores poemas. Passado mais um punhado de tempo, vi na televisão que tinha acabado de morrer. Felizmente, ainda fui a tempo. - Andreia Sofia Silva

fonte da inveja

Há frases que devem ser escritas na pedra.

Depois queima-se a pedra e fuma-se.

• Vinte e três de Abril é dia de conquistas e perdas. Nesta data, nasce e morre William Shakespeare (parte no dia de aniversário). Morre ainda Miguel de Cervantes (data não consensual). A 23 de Abril de 1616, duas grandes personalidades da Literatura mundial morrem: o inglês William Shakespeare e o espanhol Miguel de Cervantes – a data do óbito de Cervantes não é consensual. William Shakespeare morreu no dia do seu aniversário. Poeta e dramaturgo inglês, é considerado o maior escritor de Língua inglesa e o mais influente dramaturgo do mundo (pertence a Shakespeare o título de autor com mais obras encenadas). Destacam-se, naturalmente, ‘Romeu e Julieta’ e ‘Hamlet’, mas William Shakespeare deixou vivas e preservadas no tempo outras grandes obras, como ‘Rei Lear’ e ‘Macbeth’, além de inúmeros poemas e sonetos. E exactamente no mesmo dia e ano em que Shakespeare morre, a Literatura mundial perde outro nome eterno: Miguel de Cervantes. Realce-se, no entanto, que existem registos que também assinalam 22 de Abril como data da morte de Cervantes. Nascido em Alcalá de Henares, a 29 de Setembro de 1547, Cervantes foi romancista, dramaturgo e poeta castelhano, sendo que ‘Dom Quixote’ é a sua grande obra, considerada o primeiro romance moderno. Este trabalho de Cervantes é tido como um dos melhores romances alguma vez escritos, realidade que permanece imutável, ao longo de séculos. A importância da sua obra expressa-se, por exemplo, no facto de o castelhano ser frequentemente chamado de ‘La lengua de Cervantes’. Este autor viria a morrer em Madrid, a 22 de Abril de 1616. Hoje, assinala-se o Dia Mundial do Livro e dos Direitos de Autor, instituído pela UNESCO em 1996, precisamente em memória de Shakespeare e Cervantes.

João Corvo


OPINIÃO

hoje macau quarta-feira 23.4.2014

19

a paliçada

CORREIA MARQUES

Abril, esperanças mil STEFANO ACCORSI EM “CAPITÃES DE ABRIL”

agiotas do lazer/latifundiários machistas/balofos verbos de encher/e outras coisas em istas/que não cabe dizer aqui/ que aos capitães progressistas/o povo deu o poder!/E se esse poder um dia/o quiser roubar alguém/não fica na burguesia/volta à barriga da mãe!/Volta à barriga da terra/ que em boa hora o pariu/agora inguém mais cerra/as portas que Abril abriu». A ver vamos, a ver vamos, como diz o cego. Quem decide é o povo, e quem bem faz a cama bem se deita nela. Por mim estou velho para volta a viver como nos tempos da outra senhora. Por isso, contra ventos e marés, vou fazendo o que posso para que os cravos não murchem. Obrigado Ary por me teres ensinado, de forma tão bela, que cada acto de criação individual deve ser um acto de generosidade e de solidariedade humana e não de vingança ou de ganância. 25 de Abril, sempre! Este artigo é escrito ao abrigo do Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa PUB

Era uma vez um país onde entre o mar e a guerra vivia o mais infeliz dos povos à beira-terra.

D

José Carlos Ary dos Santos, «As portas que Abril abriu», 1975

EPOIS de amanhã passam 40 anos – tanto tempo, e tanto por fazer!- sobre aquela heróica madrugada em que um punhado de jovens oficiais, sem nada pedirem em troca, a não ser liberdade e democracia, puseram fim a um um regime opressor e iníquo. Sei que muitos (hoje) nascidos já sob o manto da liberdade e usufruindo da melhoria das condições de vida (inegável mesmo após todas as canalhices dos últimos tempos) que essa mesma liberdade, designadamente a massificação e democratização do ensino, lhes proporcionaram, demonizam o 25 de abril e caluniam os seus protagonistas, porventura aplaudindo a peixeirada da presidente da Assembleia da República (valha-nos que entretanto [ela] deverá ter pensado que se não tivesse havido o 25 de Abril nunca teria chegado a presidente, e lá foi tentar redimir-se com a visita à sede da Associação 25 de Abril), o Presidente da República e os partidos da maioria parlamentar que inviabilizaram que um dos capitães de abril usasse da palavra no Parlamento. Mesmo isto, felizmente, é herança e fruto de abril e da democracia. É que uma das fragilidades da democracia é ser magnânima e tolerante para com os seus próprios inimigos! Abril, apesar do muito caminho que ainda há para percorrer, valeu a pena. E, por mim, não me cansarei de enaltecer os seus heróis até que a voz me doa. Mas, hoje darei a voz ao poeta que, em minha opinião, melhor soube cantar Abril - Ary dos Santos-, e ao seu poema acima citado e cuja leitura integral recomendo vivamente.

Assim, o meu país, antes de Abril era um sítio de onde só não fujia quem não podia ou quem era privilegiado: «Era uma vez um país/onde o pão era contado/onde quem tinha a raiz/tinha o fruto arrecadado/onde quem tinha o dinheiro/tinha o operário algemado/onde suava o ceifeiro/ que dormia com o gado/onde tossia o mineiro/em Aljustrel ajustado/onde morria primeiro/quem nascia desgraçado». Era também um país dos jovens de futuro ameaçado pela guerra colonial. «Um povo que era levado/para Angola nos porões/um povo que era tratado/como a arma dos patrões/ um povo que era obrigado/ a matar por suas mãos/sem saber que um bom soldado/nunca fere os seus irmãos». Mas, «dentro dum povo escravo/alguém que lhe queria bem/ um dia plantou um cravo». «Era a semente da esperança/feita força e vontade/era ainda uma criança/mas já era liberdade». Inexoravelmente, os anos passaram, com avanços e recuos, pois é isso mesmo a caminhada dialética da história, e somos chegados a um ponto em que retroceder é voltar ao antigamente. E, apesar de tanto tempo passado, «de tudo o que Abril abriu/ainda pouco se disse/e só nos faltava agora/que este Abril não se cumprisse./ Só nos faltava que os cães/viessem ferrar o dente/na carne dos capitães/que se arriscaram na frente». Quarenta anos são passados (dois terços da minha vida) e, durante este tempo, «ouvi banqueiros fascistas/

HM-2ª vez-23-4-14

ANÚNCIO

Proc. Ordinário de Execução n.º CV3-13-0086-CEO

3º Juízo Cível

EXEQUENTE: MELCO CROWN (MACAU), S.A., com sede em Macau, na Avenida Dr. Mário Soares, nº 25, Edifício Montepio, 1º andar, Comp. 13. EXECUTADOS: COMPANHIA DE PROMOÇÃO DE JOGOS YI LI DA, LIMITADA, com última sede conhecida em Macau, na Avenida Dr. Rodrigo Rodrigues nº600E, Edifício Centro Comercial First National, 12º andar, Compartimento 5; DUAN JINLIN, com último domicílio profissional em Macau na Avenida Dr. Rodrigo Rodrigues nº600E, Edifício Centro Comercial First National, 12º andar, Compartimento 5; MEI JINNING, com último domicílio profissional em Macau na Avenida Dr. Rodrigo Rodrigues nº600E, Edifício Centro Comercial First National, 12º andar, Compartimento 5, ora ausentes em parte incerta. *** FAZ-SE SABER que, pelo Tribunal, Juízo e processo acima referidos, correm éditos de trinta (30) dias, a contar da segunda e última publicação do anúncio, citando os executados COMPANHIA DE PROMOÇÃO DE JOGOS YI LI DA, LIMITADA, DUAN JINLIN e MEI JINNING, acima identificados, para no prazo de vinte (20) dias, decorrido que seja o dos éditos, pagarem ao exequente a quantia de MOP$10.813.361,67 (Dez milhões, oitocentas e dezoito mil, trezentas e sessenta e uma patacas e sessenta e sete avos) e legais acréscimos, ou no mesmo prazo, deduzirem oposição por embargos ou nomearem bens à penhora, sob pena de, não o fazendo, ser devolvido ao exequente o direito de nomeação de bens à penhora, seguindo o processo os ulteriores termos até final à sua revelia. Tudo conforme melhor consta do duplicado da petição inicial que neste 3º Juízo Cível se encontra à sua disposição e que poderá ser levantado nesta Secretaria Judicial nas horas normais de expediente. E ainda que é obrigatória a constituição de advogado caso sejam opostos embargos ou tenha lugar a qualquer outro procedimento que siga os termos do processo declarativo. Macau, 08 de Abril de 2014.

Obrigado Ary por me teres ensinado, de forma tão bela, que cada acto de criação individual deve ser um acto de generosidade e de solidariedade humana...

Propriedade Fábrica de Notícias, Lda Director Carlos Morais José Redacção Joana Freitas (Coordenadora); Andreia Sofia Silva; Cecilia Lin; José C. Mendes; Leonor Sá Machado Colaboradores António Falcão; António Graça de Abreu; Hugo Pinto; José Simões Morais; Marco Carvalho; Maria João Belchior (Pequim); Michel Reis; Rui Cascais; Sérgio Fonseca; Tiago Quadros Colunistas Agnes Lam; Arnaldo Gonçalves; Correia Marques; David Chan; Fernando Eloy ; Fernando Vinhais Guedes; Isabel Castro; Jorge Rodrigues Simão; Leocardo; Paul Chan Wai Chi; Paula Bicho Cartoonista Steph Grafismo Catarina Lau Pineda; Paulo Borges Ilustração Rui Rasquinho Agências Lusa; Xinhua Fotografia Hoje Macau; Lusa; GCS; Xinhua Secretária de redacção e Publicidade Madalena da Silva (publicidade@hojemacau.com.mo) Assistente de marketing Vincent Vong Impressão Tipografia Welfare Morada Calçada de Santo Agostinho, n.º 19, Centro Comercial Nam Yue, 6.º andar A, Macau Telefone 28752401 Fax 28752405 e-mail info@hojemacau.com. mo Sítio www.hojemacau.com.mo


hoje macau quarta-feira 23.4.2014

Taxa de inflação atingiu 5,69%

A taxa de inflação em Macau nos 12 meses terminados em Março fixou-se em 5,69% devido a subidas significativas nas componentes de habitação e combustíveis (10,66%) e produtos alimentares e bebidas não alcoólicas (6,62%). Dados divulgados ontem pela Direcção de Serviços de Estatística e Censos (DSEC) indicam que, em contrapartida, se verificou uma descida (2,12%) no índice de preços da secção das comunicações. O Índice de Preços no Consumidor (IPC) do primeiro trimestre cresceu 6,12% face ao período homólogo de 2013. Já o IPC de março subiu 6,36% face ao idêntico mês de 2013, num crescimento impulsionado pela ascensão de preços das refeições adquiridas fora de casa, das rendas de habitação e dos produtos hortícolas. O IPC geral, com base no período 2008/2009, permite conhecer a influência da variação de preços na população de Macau.

Fernando Sales Lopes lança livro de poesia

Fernando Sales Lopes lançou ontem, em Macau, o seu terceiro livro de poesia “Geo Metria & Exercícios em Busca da Perfeição”, que reúne mais de 100 poemas escritos ao longo de duas décadas. “É um livro de uma viagem interior e de uma viagem exterior. É um livro da vida”, disse Fernando Sales Lopes. Escritos entre 1989 e 2012, os poemas reflectem sentimentos, experiências, e vivências do autor em vários locais do sudeste asiático, segundo Tereza Sena, do Centro de Estudos das Culturas SinoOcidentais do Instituto Politécnico de Macau, a quem coube a compilação, organização e revisão de textos. O livro, que inclui algumas fotos do próprio Fernando Sales Lopes e de Andreia Grilo, foi publicado pela Associação de Estórias em Macau, com o apoio da Fundação Macau e da Fundação Rui Cunha.

Nokia passa a Microsoft Mobile

As coisas estão prestes a mudar na Nokia. A finlandesa, que deve passar oficialmente a ser parte da Microsoft a partir da próxima sextafeira, 25, deve até mesmo mudar de nome, pelo menos no papel. Um documento interno que acabou de ser publicado pelo NokiaPowerUser, indica que a Nokia Oyj deve passar a chamar-se Microsoft Mobile Oy. Para quem ficou curioso do que significa «Oyj» e «Oy» são designações de negócios. «Oyj» é o equivalente a «corporação», enquanto «Oy» é comparável a «Ltda.». Para simplificar, a divisão de serviços e dispositivos da Nokia passa a ser Microsoft Mobile. O documento sublinha que «Microsoft Mobile Oy» será o novo nome legal. Isso não significa que a marca Nokia será abandonada nos futuros smartphones lançados pela Microsoft.

S. Tomé Central para reduzir petróleo

cartoon por Stephff

XADREZ

MAIS TERRENOS EM HENGQIN E TERRAS PARA HABITAÇÃO PÚBLICA

Em nome do desenvolvimento M

ACAU precisa de terrenos e o Executivo está focado em conseguir mais. Pelo menos foi o que garantiu Chui Sai On, na sua primeira visita à Assembleia Legislativa este ano. O Chefe do Executivo afirmou ontem que já está em negociações com o Governo Central para que haja mais terra para o desenvolvimento de Macau, até porque, refere, há uma longa lista de candidatos para entrar na Ilha da Montanha. “Temos intenção de pedir mais terrenos ao Governo Central, para que mais empresas possam entrar em Hengqin. Toda a gente sabe que os cinco quilómetros quadrados [que Macau tem agora na ilha] não são suficientes, devido à longa lista de candidatos. Vamos pedir mais terrenos, para que mais empresas de Macau possam entrar em Hengqin.” Chui Sai On frisa inclusive que já foi dado o primeiro passo na Ilha da Montanha e que, a seguir, o objectivo é a ilha de Nancha. Entretanto, o Governo está já a negociar com Guangdong para conseguir mais lugares para as pequenas e médias empresas (PME) de Macau, faltando ape-

A construção da ponte Hong Kong – Macau – Zhuhai é outra das preocupações de Chui Sai On, que relembra que vão haver mais veículos e pessoas a chegar a Macau. “Devido às condições geográficas de Macau, temos de conseguir mais terrenos para o nosso desenvolvimento.”

HABITAÇÃO TAMBÉM PRECISA

nas, depois disto, pedir “autorização ao Governo Central”. Conseguir terrenos é prioridade, diz Chui Sai On, que indica que esta é a única hipótese para que as PME de Macau tenham mais oportunidades, para além de todos os benefícios que o Governo está a pensar dar. “Esta monotonia é preocupante, sobretudo perante a necessidade de se assumir um sentido de risco no futuro. Vamos investir recursos no apoio às indústrias tradicionais e também ao nível regional temos de investir. Pretendemos apoiar as PME para que possam actuar e funcionar fora de Macau.”

Também no que à construção de habitação pública diz respeito, Chui Sai On assegura que a disponibilização de mais casas para a população depende de mais terrenos. O Chefe do Executivo assegura que a política da habitação pública não vai ser alterada e que se mantém uma prioridade do Governo, pelo que é preciso mais. “Acreditamos que temos de ter mais reservas de terrenos para a habitação. No geral, vamos aproveitar os terrenos não aproveitados, os conquistados ao mar e os de Hengqin.” Chui Sai On assegura que a habitação é prioridade, mas alerta também para o facto de os terrenos não poderem ser exclusivamente para isso. “Alguns têm de ser utilizados para outras finalidades.” - J.F.

Ryan Giggs ocupa lugar de David Moyes

R

YAN Giggs foi nomeado para assumir o comando técnico do Manchester United nas três jornadas que faltam disputar na Premier League, anunciou o clube inglês na sequência da demissão de David Moyes. Giggs, de 40 anos, já fazia parte da equipa técnica

de David Moyes, acumulando essas funções com a de jogador, prevendo-se que encerrasse oficialmente a carreira no final da presente época. Segundo anunciou agora o clube, Giggs assume agora o comando da equipa até ser contratado um treinador permanente.

O Governo de São Tomé e Príncipe anunciou hoje um acordo com um consórcio angolano para a construção de uma central eléctrica, a gás e fotovoltaica, resolvendo os problemas energéticos da principal ilha e diminuindo a dependência do petróleo importado. O secretário de Estado das Infra-estruturas e Recursos Naturais, José Maria Fonseca, explicou que a obra, a construir na cidade de Neves, deverá ser concluída no prazo de ano e meio. «A empresa de água e electricidade já assinou um acordo de intenção com uma empresa de capital angolana para produzir cerca de 35 megawatts de energia. O projecto tem duas facetas, sendo uma fotovoltaica, cuja produção total é de cinco megawatts e outra de produção de energética, através de gás natural», acrescentou.

Quirguistão Homens sequestram mulheres

As autoridades do Quirguistão estão a tentar combater a prática de sequestro de mulheres para casamento. Um terço de todos os casamentos no país são realizados com meninas sequestradas e forçadas a casar-se contra a sua vontade. Muitos acreditam que sequestrar noivas é uma antiga tradição do Quirguistão, mas alguns pesquisadores argumentam que a prática se tornou comum apenas há algumas décadas, após o colapso da União Soviética e o fortalecimento de valores patriarcais no país. Segundo a socióloga Mehrigul Ablezova, da Universidade Americana para Ásia Central, no Quirguistão, esse sequestro era raro no passado e tornou-se mais comum com o fortalecimento de valores patriarcais no país após o fim da União Soviética. A socióloga afirma que a maioria das garotas é violada na primeira noite e que muitas decidem ficar na casa do raptor. «Basicamente, é considerado vergonhoso para uma menina sair da casa porque ela já não é virgem», explicou.

Scarlett Nudez faz furor nas redes sociais

A nudez de Scarlett Johansson no filme «Debaixo da Pele», realizado por Jonathan Glazer, está a causar furor nas redes sociais. A actriz já abordou o tema… «A primeira vez que vi a cena estava aterrorizada. Não sabia como ia ser utilizada a cena do nu», afirmou a actriz, defendo ainda que a nudez foi «um risco calculado». A sinopse é a seguinte: «A história de um extraterrestre com forma humana. Uma viagem, em parte ficção científica, em parte realidade, a visão de um extraterrestre sobre o nosso mundo».


Hoje Macau 23 ABR 2014 #3075