Issuu on Google+

Sands vai finalmente vender os seus apartamentos no Four Seasons. Governo já deu luz verde página 3

Loja de decoraçÃo farta-se de fazer dinheiro com chineses que não sabem o que é o natal página 10

tempo bruma seca min 16 max 23 humidade 50-90% câmbios euro 10.4 baht 0.26 yuan 1.21 pub

Agência Comercial Pico • 28721006

hojemacau Mop$10

pub

Director carlos morais josé • terça-feira 21 de dezembro de 2010 • ANO X • Nº 2275

Comemorações da transferência marcadas por protesto com centenas de mascarados de panda

gonçalo lobo pinheiro

O povo saiu à rua num dia assim

Pandas, metadona, reforma política e mais apoios sociais foram alguns dos gritos de guerra que ontem ecoaram por Macau. No dia em que a RAEM apagou 11 velas, 700 pessoas – nas contas da polícia – ou 1100 – nas contas das associações – saíram às ruas

para uma caminhada de duas horas desde a zona Norte até ao Palácio do Governo para protestar por tudo um pouco. Com dois pandas a puxar a malta, e Au Kan San a dar as palavras de ordem no carro abre-alas, os manifestantes exigiram uma calendariza-

os nossos contactos mudaram

info@hojemacau.com.mo

ção para a reforma política, a demissão de Florinda Chan, secretária para a Administração e Justiça, e mais apoios para ajudar as camadas mais carenciadas. Horas antes, no discurso oficial, o Chefe do Executivo, Fernando Chui Sai On, não quis avançar

com datas para a democratização, mas não se esqueceu de classificar as recém-chegadas prendas de Hu Jintao de “o amoroso casal de pandas gigantes”. Esta semana o líder do Executivo estará em Pequim a prestar contas ao Governo Central. >páginas 4 a 9

publicidade@hojemacau.com.mo


terça-feira 21.12.2010 www.hojemacau.com.mo

2

actual

Alunos do Instituto Politécnico de Leiria investem no mandarim

Maria João Belchior info@hojemacau.com.mo

Juntos são hoje o maior grupo da comunidade portuguesa em Pequim como lembrou o Embaixador de Portugal em Pequim, Tadeu Soares. São 23 os alunos do curso de tradutor/intérprete do Instituto Politécnico de Leiria que estão durante um ano na capital num programa de intercâmbio entre Portugal e a China. Chegados em Setembro, vivem a experiência da melhor forma possível e dizem que nada melhor que aprender chinês in loco. Com diferentes níveis de chinês, os alunos do segundo e terceiro anos estão ao mesmo tempo em Pequim por uma mudança no programa. Até ao ano passado o segundo ano do curso era em Macau e o terceiro em Pequim. Este ano a ordem inverteu-se e o segundo ano passa a ser na capital, o primeiro contacto com a China antes de rumarem a

De olho no chinês

anos e é do terceiro ano. De Zhuhai veio de comboio até à capital junto com Jaime Castro, um colega de Leiria que também escolheu não voltar à Europa entre os dois anos na Ásia. Depois de estar habituado a Macau, Ricardo

Macau. A mudança levou a que os dois anos frequentem ao mesmo tempo a Universidade de Língua e Cultura, uma das mais conhecidas no ensino de mandarim para estrangeiros. Ricardo Caetano tem 26

pub

ficou impressionado com a “grandeza” de Pequim, uma cidade onde as avenidas chegam a ter 12 faixas de rodagem. Sem haver um choque cultural, o jovem de Marrazes vê diferenças entre o Instituto Politécnico de Macau e a universidade em Pequim. “Não há dúvidas que Pequim é muito mais difícil que Macau e o nível das aulas da universidade de Língua e Cultura de Pequim é mais alto”. Falar, escrever, ler

NOTIFICAÇÃO EDITAL (Exercício do direito de defesa)

N.º 352/2010

Considerando que não se revela possível notificar, nos termos dos artigos 10.º e 58.º do Código do Procedimento Administrativo, aprovado pelo Decreto-lei n.º 57/99/M, de 11 de Outubro, o representante legal da sociedade “Companhia de Decoração e Engenharia Jin Long, Limitada”, sita na Alameda Dr. Carlos D’Assumpção, n.º 258, Praça Kin Heng Long, 14.º andar - J, em Macau, pessoalmente, por ofício, telefone, ou outra forma, sobre a matéria acusada pela eventual infracção ao disposto do Decreto-Lei n.º 40/95/M, de 14 de Agosto, Raimundo Vizeu Bento, Chefe do Departamento de Inspecção do Trabalho, manda que se proceda, nos termos do n.º 2 do artigo 11.º do Decreto-Lei n.º 52/99/M, de 4 de Outubro, conjugado com o artigo 94.º do mesmo código, à notificação do representante legal da sociedade “Companhia de Decoração e Engenharia Jin Long, Limitada”, em virtude da referida empresa não ter transferido a sua responsabilidade pelas reparações de danos emergentes de acidentes de trabalho e doenças profissionais, previstas no Decreto-Lei n.º 40/95/M, de 14 de Agosto, para seguradora autorizada a explorar este ramo de seguro na Região Administrativa Especial de Macau, tendo eventualmente cometido infracção ao disposto na alínea 1) do artigo 62.º do Decreto-Lei n.º 40/95/M, de 14 de Agosto. Do facto acima referido, nos termos da alínea e) do n.º 1 do artigo 66.º do Decreto-Lei n.º 40/95/M, a supracitada infracção é punida com multa de MOP 1.000,00 (mil patacas) a MOP 5.000,00 (cinco mil patacas), por cada trabalhador em relação a qual a infracção verificar. Assim, podendo o notificado exercer o seu direito de defesa por escrito no prazo de 15 (quinze) dias, a contar do 1.º dia útil seguinte ao da publicação do presente edital. A notificação da acusação pode ser levantada no Departamento de Inspecção do Trabalho, sita na Avenida do Dr. Francisco Vieira Machado, n.os 221-279, edifício “Advance Plaza”, 1.º andar, Macau, dentro das horas de expediente, sendo também permitida a consulta do respectivo processo n.º 6407/2009. É aplicada a multa se no prazo concedido o notificado não apresentar a sua defesa escrita. Direcção dos Serviços para os Assuntos Laborais, aos 14 de Dezembro de 2010.

O Chefe do Departamento

Raimundo Vizeu Bento

Numa turma com gente desde o Laos à Polónia, o grupo dos portugueses é o maior. Catarina Aragão tem 24 anos e é colega de Ricardo. A fazer a segunda licenciatura espera um dia juntar as duas – turismo e chinês. Natural de Setúbal, prefere Pequim a Macau. “Aqui há mais para fazer”, diz. Além das aulas obrigatórias, Catarina aprende tai-chi, uma paixão que se tornou possível na capital. Grande conhecedora da história da China, já esperava uma diferença entre os dois lados das Portas do Cerco e concorda sobre o elevado nível das aulas em Pequim. Pedro Sacadura Nuno tem 20 anos é um dos mais novos. Uma “pessoa excepcional” nas palavras de outros colegas, Pedro saltou um nível no curso pela excelente preparação que tem. Chegado a Pequim para o segundo ano, foi colocado na turma do terceiro ano. Num salto da Europa para a Ásia, diz que no primeiro e-mail

para casa referiu o impressionante número de carros na cidade e o trânsito caótico. Há mais de quatro milhões de viaturas a circular. Chinês oral, audição, compreensão escrita, leitura são as aulas que preenchem as manhãs. Vítor Costa, aluno do terceiro ano com 26 anos, diz que o mais difícil no chinês é a construção frásica. Como Ricardo, receia que no fim do curso não estejam suficientemente preparados para uma interpretação simultânea. Entre todos há a consciência de que vai ser preciso estudar para sempre. Tolkien em chinês

Conseguem ler o jornal e quantos caracteres sabem, são perguntas recorrentes feitas a quem estuda mandarim. Entre os portugueses, as respostas são parecidas. “O jornal ainda é muito difícil de ler.” Na aula do dia seguinte vão debater a protecção ambiental. Ricardo diz que é preciso estudar vocabulário específico como efeito de estufa em chinês. Mas com dicionário consegue-se. O mesmo princípio que se aplica à leitura do jornal. Pedro diz que escreve melhor do que fala. O segredo de saber caracteres é estudar mas para falar é preciso “meter conversa com os chineses”. Numa viagem pela cidade, Pedro foi conhecer a maior livraria de Pequim. Cinco andares onde é preciso saber bem o que se procura. O jovem queria “O Senhor dos Anéis” em chinês. Mas faltava um volume e acabou por não o comprar. Mas quando ler o jornal é difícil como explicar que se leia Tolkien em chinês? Pedro responde, “gostava de ter os livros do Tolkien nas línguas que entendo”. Se é para ler agora ou no futuro não é o importante. O número de caracteres que se aprende por aula em Pequim é muito superior ao que se poderia esperar em Portugal. Pedro diz que nos

restaurantes pede os pratos pelos nomes em vez do truque de simplesmente apontar para fotos e dizer “este”. A persistência é um dos truques para aprender. Aconcentração o seguinte. Ainda nos primeiros meses na capital, os portugueses preparamse agora para os exames de final de semestre. Pedro e Jaime as aulas têm aulas opcionais de fonética e pronunciação. Ricardo escolheu estudar a formação dos caracteres e Catarina faz tai-chi. Vítor ainda arranja tempo para aulas privadas para melhorar a gramática. Expectativas de um “bom trabalho”

Para quase todos a razão da escolha do curso de PortuguêsChinês, Chinês-Português é a mesma – o mandarim é uma língua que dá mais oportunidades de trabalho. As despesas de viagem e alojamento são cobertas pelo Instituto Politécnico de Leiria. Ao mesmo tempo que os portugueses vêm para a China um grupo de estudantes chineses do Instituto em Macau tem um ano em Portugal para melhorar o conhecimento da língua e cultura. O curso de tradutor/ intérprete em Leiria está nos primeiros anos e a turma do Ricardo vai ser a terceira no mercado de trabalho. As dúvidas sobre o depois são muitas. Uma parte quer seguir para um mestrado. Pedro Sacadura Nuno confessa-se um apaixonado por línguas, sendo um chinês um desejo antigo. Na hora de escolher o curso, duvidou entre latim e chinês mas hoje acha que foi a melhor escolha. Com dois anos e meio de curso ainda, diz que vai seguramente continuar a estudar. Ricardo Caetano, que vai licenciar-se em 2012, pensa em voltar para a China. “Em Portugal é difícil continuar o contacto com a língua”. Portugal, Brasil e África são três destinos que a todos parecem cada vez mais prováveis. Por enquanto em Pequim acumulam-se caracteres e saber de experiência feito. A escolha de um trabalho futuro vai depender de muitos factores. Mas o chinês no currículo deve ser um bom valor acrescentado.


Pergunto-me, por vezes, o que teria acontecido se Portugal honrando as suas responsabilidades históricas tivesse antes da transferência de soberania desenvolvido um processo de consulta popular à população do território. Em moldes idênticos ao que fez quanto a Timor. Posto este cenário, é provável que a China entende-se esse passo como um desafio à sua autoridade e fizesse avançar as tropas do Exército Popular de Libertação sobre Macau. Sem guarnição, Macau seria uma presa fácil do exército da China. Arnaldo Gonçalves, P.15

vanessa.amaro@hojemacau.com.mo

Governo está prestes a aprovar venda de apartamentos da Sands

Depois de dizer adeus às parcelas 7 e 8 do Cotai, nem tudo corre mal à Sands China. Ontem a empresa divulgou um comunicado a dar conta que o Governo está prestes a dar luz verde à venda dos seus apartamentos no Four Seasons, apesar de um longo período de desentendimento entre ambas as partes. “A Sands China Ltd. recebeu uma carta da Direcção dos Serviços de Solos, Obras Públicas e Transportes na qual foi aconselhado que se abra caminho para que a companhia dê início ao processo preparatório para a venda de acções em regime de cooperativa a potenciais compradores interessados em ter um apartamento da marca Four Seasons, no Cotai”, refere a Sands no documento. Em Abril deste ano, a operadora de jogo referiu que a sua principal meta para 2010 era vender os apartamentos vagos no hotel de cinco estrelas. No entanto, as Obras Públicas salientaram que qualquer

venda de direitos sobre terrenos é ilegal e como as fracções estavam registadas num edifício de aparthotel, as unidades nunca poderiam ser transferidas ou registadas individualmente. Em Setembro, porém, o Executivo sugeriu que se o hotel-aparta-

Vanessa Amaro

pub

Uma no cravo, outra na ferradura

mento do complexo do Venetian for “rentabilizado” através de transacções sob a forma de transferência de acções isso seria considerado um “acto puramente comercial”. Menos de um mês depois, a Sands China afirmou que tinha o caminho aberto para vender individual-

mente as unidades do seu hotelapartamento, valendo-se para tal de um esquema de cooperativa, já que o Governo não conseguiu encontrar legislação que a proibisse de o fazer. Ficava, entretanto, a faltar o aval do Executivo, que só ontem foi conhecido.

terça-feira 21.12.2010 www.hojemacau.com.mo

3 Segundo a empresa divulgou ontem, o processo está na recta final e, em breve, “o Governo irá enviar à companhia uma minuta do contrato a finalizar o processo de aprovação. A minuta do contrato deve estar pronta em breve”, garantiu a Sands China. O presidente das Las Vegas Sands, Sheldon Adelson, afirmou que “apreciava verdadeiramente” o empenho do Governo no assunto e referiu estar “optimista que o desfecho final seria conhecido rapidamente”. “Acompanhia tem recebido pedidos de informação de prováveis compradores nos últimos meses e acelerou as consultas para garantir a viabilidade das vendas a partir do primeiro dia do próximo ano”, acrescentou o patrão do grupo. A Sands China espera arrecadar entre 1,2 e 1,4 mil milhões de dólares (de 9,4 a 11 mil milhões de patacas) com a venda de 93 mil metros quadrados de apartamentos anexos ao Four Seasons Macau. Os compradores devem ser principalmente da China, Coreia, Vietname e Japão.


terça-feira 21.12.2010 www.hojemacau.com.mo

4

11

anos de RAEM

Mais de mil pessoas em protesto pela democracia, justiça e não só

Um pandemónio pacífico gonçalo lobo pinheiro

cidade-tartaruga” e “carne seca” (expressão idiomática para bilhete de parquímetro). Os manifestantes tiveram acesso também a vários lemas oficiais no verso dos autocolantes, como “tomar o controlo do futuro de Macau escolhendo o Chefe do Executivo com um voto por eleitor” e “objecção à transferência de interesses”. Mas os manifestantes também deram asas à imaginação entoando os seus próprios slogans, como “chutar os altos funcionários com os nossos próprios pés” e “pandas acomodados em casas luxuosas e pessoas presas em listas de espera”. Por último, o Chefe do Executivo, Chui Sai On, e a secretária para a Administração e Justiça, Florinda Chan, foram convidados a se demitirem. Direito ao contraditório

Kahon Chan

kahon.chan@hojemacau.com.mo

A manifestação do Dia da Transferência foi ontem para as ruas e terminou marcada pela calma e ordem. Como ninguém estava em desacordo com o trajecto proposto pela PSP e o TUI tinha decido em favor da polícia, o protesto decorreu de forma amena, com os democratas, jovens frustrados pelos altos preços das casas, desempregados, ocupantes de barracas demolidas da Ilha Verde e os residentes da Areia Preta a deixarem clara a sua mensagem, perante a imprensa local e jornalistas vindos de Hong Kong e de outras paragens. As máscaras de panda utilizadas este ano no protesto ajudaram a chamar a atenção, numa espécie de “pandemónio” pacífico. Na sequência da decisão do Tribunal de Última Instância (TUI), a parada anual de exigências e descontentamento com o Governo decorreu ontem sem sobressaltos pelo trajecto proposto pela PSP. Este ano, a multidão – 1250 pessoas nas contas dos organizadores e 700 nas contas da polícia – encabeçada pelo deputado da Assembleia Legislativa (AL) Au Kam San, da

Associação Novo Macau Democrático, foi composta por militantes democratas, acompanhados de outras quatro associações sindicais, e moradores da Areia Preta, que exigiram a suspensão da clínica de metadona planeada para o bairro. A marcha partiu do Jardim Triangular às 15h. Dura vida de panda

A Associação Novo Macau apresentou um chamariz para o protesto deste ano: encher as ruas com mais pandas do que os que o Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais (IACM) usou na decoração das festividades. Voluntários fantasiados de pandas seguiram na fila da frente da marcha, enquanto máscaras de panda de papel foram distribuídas por todos os outros participantes, para sublinhar que

se o povo de Macau podia escolher os nomes dos ursos panda, também era capaz de escolher o do Chefe do Executivo, em sufrágio universal. Um dos figurantes que se vestiu a rigor transpirou demasiado na marcha de duas horas, sentindo grandes dificuldades para caminhar durante as duas horas da manifestação com o pesado e claustrofóbico traje de panda, que ainda por cima tinha um campo de visão muito restrito através de dois pequenos buracos nos olhos. Wong, o homem por baixo da fantasia, pensa que o seu esforço terá valido a pena. “A parte mais importante não é a marcha em si, mas as consequências da marcha. No final, a cobertura mediática é que é importante. Pelo menos, estamos um pouco diferentes este ano.”

A organização do protesto terá tido razões para ficar satisfeita, uma vez que o par de pandas baptizados com nomes derivados das palavras chinesas que compõem a expressão “sufrágio universal” (uma paródia ao casal de pandas oferecidos por Pequim na cerimónia do ano passado e que chegaram a Macau no último fim-de-semana) a merecerem alguns segundos de “glória” no noticiário da TVB, o serviço noticioso de maior audiência em Macau e Hong Kong. Alguns jovens manifestantes não esconderam o seu contentamento ao serem entrevistados pela estação. Outro toque de humor foi dado através da distribuição de autocolantes ilustrados com pandas a explicar vocabulário como “trabalhador migrante”, “pobreza no trabalho”, “Internet de velo-

A Associação Novo Macau apresentou um chamariz para o protesto deste ano: encher as ruas com mais pandas do que os que o Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais (IACM) usou na decoração das festividades. Voluntários fantasiados de pandas seguiram na fila da frente da marcha, enquanto máscaras de panda de papel foram distribuídas por todos os outros participantes, para sublinhar que se o povo de Macau podia escolher os nomes dos ursos panda, também era capaz de escolher o do Chefe do Executivo, em sufrágio universal

As exigências vociferadas ao longo da marcha foram diferentes – senão mesmo contraditórias – nos vários sectores da multidão encabeçada pela Associação Novo Macau. A estudante Rita Lo dizia esperar relembrar ao Governo o prazo para construir os 19 mil fogos de habitação económica até 2012, considerando que a propriedade de um imóvel era muito difícil, mesmo com um bom salário. No reverso da moeda, a família Cheng veio para a manifestação para mostrar o seu desagrado pela perda iminente do tecto que a abriga na acção de demolição de barracas que tem tido lugar na Ilha Verde, acção essa motivada justamente pelos prazos impostos no compromisso das 19 mil casas. À hora do protesto, a barraca dos Chengs estava ainda intacta, mas a família estava ansiosa por saber o resultado da sua candidatura à habitação pública. “A minha mãe está com mais de 70 anos e está com medo ao ver uma barraca ser derrubada após a outra”, lamentou o senhor Cheng. “Sempre acreditei que os ocidentais governavam Macau melhor do que agora, porque os ocidentais não são capazes de tomar a decisão final. O Governo actual é corrupto como o de Xangai nos anos 30, sob a liderança do KMT. Provavelmente porque agora o Governo pode comunicar bem com as elites.” Pela mão, Cheng levava o filho de apenas sete anos, naquilo que afirmou ser uma lição de civismo social. Entusiasmado, o pequeno Cheng gritava a plenos pulmões slogans pelo sufrágio universal, mesmo corando de timidez pouco depois, quando questionado sobre o que aquelas palavras significavam.


No passado domingo o Centro Hospitalar do Conde São Januário recebeu o 5.º Seminário de Prevenção e Tratamento da Tuberculose. Em voga, o desenvolvimento dos trabalhos de prevenção e tratamento da doença na China, o impacto provocado pelas infecções e o resumo dos últimos anos em Macau. Anualmente são registados no mundo mais de 2 milhões de mortes devido à tuberculose e 9 milhões de novos casos. Nos últimos dez anos em Macau a taxa tem vindo a decair, chegando a apresentar um decréscimo de mais de 33% no ano de 2009. Em 2000, a Organização Mundial de Saúde projectou a redução dos casos para metade num período de 15 anos. Macau foi o palco para a troca de experiências dos médicos locais e entre os mais de 150 profissionais de saúde.

estacionamento a tinha despedido depois de três meses de trabalho, deixando-a no desemprego há um mês. Almeida Ribeiro para trás

Ao contrário do que aconteceu em ocasiões anteriores, as associações sindicais não propuseram que a marcha passasse pela avenida de Almeida Ribeiro, e só a Associação Novo Macau Democrático aprekahon chan

Lok Chio, um jovem trabalhador do sector da educação, foi um dos poucos manifestantes a exibirem um folheto de apoio ao dissidente Liu Xiaobo, além do activista Lei Kin Ion. “O Prémio Nobel da Paz é escolhido por pesos-pesados e tudo o que ele [Liu] fez foi pelo futuro da China. Relativamente falando, Macau está mais preocupada com questões de subsistência, como ficou evidente na manifestação”, afirmou, observando que as reformas políticas em Macau seriam mais difíceis do que em Hong Kong e, apesar de não estarem desesperados, o povo e os responsáveis não estão tão preparados como na outra ex-colónia. A voz dos trabalhadores foi abafada, face aos slogans dirigidos a todos os problemas de forma geral. O Sr. Chan, que trabalha em acabamentos de interiores mas que se encontra desempregado, disse que algo ia mal na PSP no que diz respeito à luta contra o emprego ilegal, enquanto a Sra. Kok, de 50 anos, não percebia porque é que a administração dos parques de

sentou recurso da decisão da PSP no TUI. Ainda assim, os agentes da PSP puseram duas fileiras de cercas metálicas guardadas por agentes equipados na intersecção da avenida do Almirante Lacerda com a do Coronel Mesquita, onde um tiro de aviso foi disparado para o ar a 1 de Maio de 2007, enquanto dois camiões com canhões de água e numerosos escudos plásticos, que marcaram o último Dia do Trabalhador, foram vistos nas redonde-

zas do Mercado Vermelho. Mesmo assim, os manifestantes, incluindo Lee Sio Kuan, da Associação Unida pelo Poder de Subsistência dos Trabalhadores de Macau, nem tentaram começar qualquer desacato com a polícia na intersecção. Não quer dizer que a manifestação de duas horas não tenha tido os seus momentos de exaltação: os manifestantes vaiaram um concerto gratuito que estava a ter lugar na Praça do Tap Seac, organizado pelo Governo. E quando os moradores da Areia Preta quiseram manter a distância dos outros manifestantes, Lee Sio Kuan gritou-lhes para que mantivessem o bloco da multidão unido. Um representante dos moradores da Areia Preta apresentou uma carta ao Governo a exigir a remoção da clínica de metadona do bairro, uma vez que a substância utilizada no tratamento da dependência de heroína era à mesma uma “droga”, e a considerar que o Governo não devia informar os jovens sobre isso, acrescentando que as sanções rigorosas contra a toxicodependência e a inibição do tráfico de drogas eram as acções

terça-feira 21.12.2010 www.hojemacau.com.mo

5 kahon chan

Taxa de tuberculose em Macau cai a pique

correctas a tomar. Foram também entregues ao Governo 28 grandes faixas de plástico assinadas pelos residentes do bairro. O gabinete do porta-voz do Governo de Macau emitiu ontem um comunicado a reafirmar que o Executivo iria apoiar e salvaguardar a execução de todos os direitos legais dos cidadãos. “O Governo da RAEM irá também prestar atenção a todas as exigências expressas no protesto. [O Governo] vai ouvir atentamente o público e fazer um esforço contínuo pela prosperidade, estabilidade e sobrevivência da RAEM.”

pub

O banco nacional ultramarino Deseja aos seus estimados clientes e a toda a população de Macau um Feliz Natal e um Próspero Ano Novo


Promessa de Natal passa longe da democratização

terça-feira 21.12.2010 www.hojemacau.com.mo

Durante as comemorações de ontem, o Chefe do Executivo, Fernando Chui Sai On, não deixou de responder questões ligadas à reforma política da RAEM, sem nunca querer alongar-se nos comentários. O líder do Governo apenas adiantou que os trabalhos “estão a começar” e vai ter início uma retrospectiva das eleições para a liderança do Executivo e para a Assembleia Legislativa, escusando-se a definir calendários para qualquer etapa do processo.

6

Chui Sai On faz apreciação do seu primeiro ano de mandato no discurso dos 11 anos

Um discurso solenemente positivo Joana Freitas

joana.freitas@hojemacau.com.mo

Um brinde pela “grandeza e prosperidade da mãe-pátria e pelo futuro brilhante da RAEM”. Foi o desafio lançado por Chui Sai On, Chefe do Executivo da RAEM, para finalizar o discurso de recepção dos 11 anos da transferência. Depois dos célebres minutos do içar de bandeiras, ontem de manhã na Praça Flor de Lótus, foi tempo de receber os mais de mil convidados no Salão de Convenções da Torre de Macau. Fernando Chui Sai On aproveitou para agradecer aos trabalhadores da Administração Pública do território e ao Governo Central e manifestou o seu contentamento com a vontade demonstrada pelos jovens de Macau, que têm vindo a pedir apoios ao Governo, “em elevar a capacidade e a qualidade competitiva”. Para o Chefe do Executivo, “é esse o espírito que conduz ao desenvolvimento da RAEM” e, fazendo referência à necessidade de se manter o aperfeiçoamento individual dos cidadãos, anunciou a atribuição de um “subsídio [máximo] de

gonçalo lobo pinheiro

Entre portugueses e chineses e com o hino nacional chinês repetidamente de fundo, Fernando Chui Sai On deixou ontem uma mensagem de contentamento aos convidados do 11.º aniversário da transferência de poderes. Empenhamento, incentivo e melhorias foram as palavras do Chefe do Executivo na análise feita à Administração da pátria-mãe, também no dia de celebrar um ano de mandato. Incansavelmente, nem os pandas ficaram de fora

auto-aperfeiçoamento” de 5 mil patacas, como forma de resposta do Governo ao apoio pedido pelos residentes de Macau. A quantia, cuja distribuição se

inicia no próximo ano e se alonga por um período de três, visa servir de fundo para a formação qualificada de cada cidadão com 15 anos completados. Chui Sai On

Chui Sai On em reuniões com Governo central

Balanços e prognósticos Partiu ontem para a capital chinesa e tem quatro dias para se reunir com Hu Jintao, presidente da República Popular China, e Wen Jiabao, primeiro-ministro chinês. Fernando Chui Sai On, Chefe do Executivo, passa em revista as políticas deste ano e apresenta ao Governo Central as previsões das Linhas de Acção Governativa (LAG) para 2011. Discutidas aos longo das últimas semanas, as LAG para o próximo ano apon-

tam para a “implementação da governação científica e a estruturação de um plano de desenvolvimento” como questões principais. De acordo com o relatório da Administração, o Governo pretende “conduzir Macau em direcção a uma nova fase de desenvolvimento alicerçado na coexistência cultural, estabilidade, segurança, sustentabilidade e bem-estar para todos”. Palavras também proferidas por Chui Sai On no discur-

so oficial da celebração de transferência de poderes. O líder do Governo salientou também que “estava atento à inflação” dos produtos alimentares em Macau e discute hoje a questão com as autoridades nacionais de inspecção alimentar. Pedir apoio ao Governo Central para limitar o número de bens de consumo alimentares é uma das hipóteses em cima da mesa, na tentativa de atenuar a inflação. - J.F.

já tinha referido anteriormente, na apresentação em Novembro das Linhas de Acção Governativa (LAG) para 2011, a importância do ensino e a consequente necessidade de se apostar no planeamento do desenvolvimento do ensino não superior dos próximos dez anos. “Estima-se que as despesas governamentais com este programa atinjam cerca de 500 milhões de patacas”, disse na altura. Enaltecendo o “total apoio do Governo Central e o esforço da população”, o líder do Executivo sublinhou o sucesso da RAEM em enfrentar a crise financeira mundial e na sucessiva “melhoria das condições de vida da população local”. O representante da Administração do território enumerou orgulhosamente o esforço implementado na promoção de emprego, no progresso das pequenas e médias empresas, no incentivo da exploração de negócios, e reforçou a ideia de se “terem acelerado os passos na diversificação adequada da economia”. As áreas da cultura, educação e saúde foram também apontadas como pilares do desenvolvimento sócio-económico. Sem esquecer a “conservação

dos valores tradicionais e a promoção da inovação”, salientou ainda a concretização de se ter edificado em Macau “um governo transparente” e atribuiu às “gentes de Macau” parte da responsabilidade no desenvolvimento da RAEM. “Felizes acontecimentos”

Nem Hoi Hoi e Sam Sam, os pandas recém-chegados a Macau, escaparam ao discurso de Chui Sai On, que apenas deixou de fora referências aos recentes acontecimentos da Ilha Verde. Caracterizados pelo Chefe do Executivo como “o amoroso casal de pandas gigantes”, foram exemplo da “grande atenção e sinceras aspirações do Governo Central para a RAEM”. Também a visita do primeiroministro da China, Wen Jiabao, foi relembrada como uma inspiração pelo carinho e atenção demonstrado ao território. Chui Sai On salientou a contínua “aposta na melhoria das qualidades de vida da população como prioridade da Administração” e na junção da sociedade civil ao Governo para que “juntos criem o centro mundial de turismo e lazer” em que se espera transformar Macau.

O que se pode esperar para o Ano do Coelho

• Aplicar e distribuir recursos públicos de forma justa • Optimizar as necessidades de habitação dos idosos • Ampliar o Centro Hospitalar do Conde de São Januário • Projectar a construção de um complexo para a prestação de cuidados de saúde nas ilhas • Construção faseada das 19 mil habitações públicas • Optimizar os transportes públicos • Reforçar os trabalhos relativos ao metro ligeiro • Criar o Fundo para a Conservação Ambiental e a Conservação Energética • Aperfeiçoar o sistema de drenagem • Reforçar os recursos humanos na área da segu rança pública • Realizar eventos desportivos, culturais e festivais • Promover o programa de leitura na rede • Reforçar o apoio à investigação académica

• Promover a cooperação entre Hong Kong, Guangdong e Macau • Impulsionar o projecto do Parque de Medicina Chinesa da Ilha da Montanha • Intensificar as acções ao trabalho ilegal • Criar cursos de formação técnico-profissionais • Rever a Lei das Relações de Trabalho • Apoiar as pequenas e médias empresas • Reduzir em 25% o imposto profissional • Manter a isenção da contribuição predial até 3500 patacas • Continuar com subsídio de 1500 patacas por ano lectivo para aquisição de livros • Planear o reordenamento urbano das zonas dos novos aterros • Instalar equipamentos de corte de emissões de dióxido de carbono • Optimizar a comunicação entre Governo e população • Rever a Lei de Imprensa e Radiodifusão


Corrida ao novo regime de segurança social O Fundo de Segurança Social (FSS) já contabilizou mais de 4000 requerimentos no novo regime de segurança social que teve início a 6 de Dezembro deste ano. O organismo conta com mais de 80 postos de apoio à população, além da Casa de Vidro da Praça do Tap Seac. Esta, em funcionamento até ao passado dia 17, recebeu mais de 3000 requerimentos referentes à inscrição no regime facultativo e das contribuições retroactivas, juntando-se ao total de 8107 pessoas que consultaram as informações e aos 4893 requerimentos entregues. Para o FSS, o processamento “corre da melhor forma”.

Fomos tentar perceber se as pessoas que visitaram a RAEM durante o dia de ontem sabiam qual a data que se assinalava no feriado

20 de Dezembro?

Filipa Queiroz

filipa.queiroz@hojemacau.com.mo

Véspera de Natal e San Malo, o largo do Senado, no coração de Macau, está recheado de turistas. Nada de novo até aqui, mas será que alguém percebeu que ontem se comemorava o aniversário da RAEM? Lao So, de Hong Kong, escolheu o dia 20 de Dezembro para passear com a família em Macau mas não sabia que era feriado antes de chegar. “Depois ouvi qualquer conversa

na rua e tive curiosidade em saber, por isso perguntei a um guarda que me explicou que hoje se comemorava o retorno de Macau à China”, contou. Enquanto tirava mais uma fotografia à fachada do Leal Senado, edifício que albergou a primeira câmara municipal de Macau, o turista acrescentou que “ninguém fala sobre isso, o movimento é mais de Natal do que de feriado”, mas que tinha algum conhecimento sobre a transferência de soberania. “Foi um tempo antigo que deixou de ser, e Macau simplesmente desenvolveu para um outro rumo”, referiram Allan e Julia, junto ao mapa informativo do largo. O casal confirmou que a sensação era de que “as pessoas não querem saber [do 20 de

Dezembro]”, mas os dois descendentes de portugueses confessaram que vieram de propósito de Hong Kong para “espreitar o que restava do tempo português em Macau, antigamente”. Antigamente mas nem tanto. Há 11 anos Macau deixou de estar sob administração portuguesa. É bom que ninguém seja induzido em erro, como o senhor Chue, turista da Malásia a pisar pela primeira vez o território, que fez confusão com os números. “O nosso guia explicou-nos que dia 20 de Dezembro se comemoravam os 100 anos desde a transferência de soberania para a China, depois de 99 anos de administração portuguesa.” Corrigimos, foi há 11 anos que a RAEM foi estabelecida, em 1999.

www.hojemacau.com.mo

7

FILIPA QUEIROZ

Turistas relativamente informados sobre feriado

terça-feira 21.12.2010

Hennie e Sheve tiravam fotografias em frente à Santa Casa da Misericórdia quando as interpelámos. “Eu sei que é feriado, é o dia em que Macau voltou a ser chinês, era de Portugal antes”, responderam pronta e seguramente as estudante indonésias. Como sabem? “Vem no calendário que comprei na China, está lá marcada a data e eu tive a curiosidade de ir pesquisar na internet e perceber o que era”, disse Hennie, 21 anos. Já a visitante de Cantão, que encontrámos a descansar num dos bancos do largo, não fazia ideia da data que se assinalava ontem. Quando referimos o estabelecimento da RAEM atirou um: “Ah, sim, já sei, mas não sei a história.” Decidimos fazer a experiência e perguntar no balcão

de informações turísticas do Largo do Senado. “Hoje celebra-se o estabelecimento da RAEM”, atiraram-nos do outro lado do balcão. Têm mais informação sobre isso? Disseram-nos para ver os

folhetos. Nada particularmente detalhado sobre o 20 de Dezembro, mas ficámos a saber os eventos que assinalariam o “11.º aniversário do regresso de Macau à pátria”.

pub

Privacidade Consigo (Texto disponibilizado pelo Gabinete para a Protecção de Dados Pessoais) De quem são estes dados dos clientes O Sr. Chan é o gerente que trabalha numa Empresa das Tecnologias da Informação. Este dia, ele esteve a discutir o trabalho sobre a promoção da empresa com um colega responsável pela promoção de marketing. “Gerente Chan, tenho uma ideia perfeita, tenho certeza que isso contribui para que a empresa faça muito mais negócios.” “É verdade? Diga-me lá!”

NOTIFICAÇÃO EDITAL (Solicitação de Comparência do Empregador)

N.º351/2010

Nos termos das alíneas b) e c) do n.º 1 do artigo 6.º do Regulamento da Inspecção do Trabalho, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 60/89/M, de 18 de Setembro, conjugado com o artigo 58.º e n.º 2 do artigo 72.º do Código do Procedimento Administrativo, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 57/99/M, de 11 de Outubro, notifica-se o representante legal da sociedade “Companhia de Comidas Tei Tou, Limitada”, sita na Avenida 1 de Maio, S/N, Edifício U Wa, Bloco 8, R/C D, Macau, para no prazo de 10 (dez) dias, a contar do 1.º dia útil seguinte à da publicação dos presentes éditos, comparecer no Departamento de Inspecção do Trabalho, sita na Avenida do Dr. Francisco Vieira Machado, n.os 221-279, Edifício “Advance Plaza”, 1.º andar, Macau, a fim de prestar declarações no processo n.º 5467/2010, proveniente da queixa apresentada nestes Serviços em 27/7/2010, pela trabalhadora Cheang To Lei e relativamente à matéria de salário. Direcção dos Serviços para os Assuntos Laborais – Departamento de Inspecção do Trabalho, aos 15 de Dezembro de 2010. O Chefe de Departamento, Raimundo Vizeu Bento

“Como sabe, muitas organizações públicas e privadas pediram a nossa empresa para escanear o armazenamento de documentos, encontrei lá dentro muitos dados valiosos. Você veja, estes são documentos da empresa A que vende especialmente produtos de grande marca, contêm neles muitos dados sobre o contacto dos clientes. Se utilizamos estes dados para lançar alguns serviços no mercado, ou cooperamos com outras empresas para promover os produtos por correio, telemóvel, correio electrónico, nós apenas cobramos custos reduzidos destas empresas, e arrecadamos lucros consideráveis!” “É uma boa ideia, mas parece-me isso implica algum problema?” “Não tenha medo, a empresa A também fez a promoção aos clientes desta maneira, e ganhou tanto dinheiro! Agora, eles são nossos clientes, porque não aproveitamos esta oportunidade para fazer uso dos seus dados. “Tem razão. Mas, é melhor pedir primeiro opinião do patrão, a Maria.” Ao ouvir a ideia do gerente Chan, a Maria opôs-se imediatamente: “ Este acto apresenta uma violação à Lei da Protecção dos Dados Pessoais, é possível assumir responsabilidade criminal. Essas pessoas são clientes da empresa A, elas assinaram o contrato, portanto, a empresa A tem legitimidade de tratar os seus dados, nos termos da lei. A empresa A é o responsável pelo tratamento dos dados pessoais dessas pessoas, tem direito de controlo sobre os dados, e pode determinar o objectivo e modo do tratamento. Mas essas pessoas não são os nossos clientes, a nossa empresa só tem acesso aos seus dados com o encarrego da empresa A. Somos “subcontratantes” de acordo com a lei, não podemos determinar o objectivo e modo do tratamento, devemos cumprir as instruções da Empresa A para tratar os dados, e prestar atenção à sua segurança. É proibido o tratamento individual.” A Maria acrescentou:” Não se esqueça, nós assinámos um contrato com a empresa A, no qual existe a cláusula de confidencialidade, por isso, nunca podemos fazer uso de dados dos clientes fora do contrato.” “Ainda bem que lhe perguntei primeiro, senão isso conduz muitos problemas. “ O gerente Chan pediu desculpas. “De facto, a maioria dos nossos trabalhos é contratada por empresas de grande dimensão, portanto devemos cumprir os deveres de “subcontratante”, assim como prestar atenção à segurança e confidencialidade dos dados. Segundo a Lei da Protecção dos Dados Pessoais, a organização encarregada do tratamento dos dados pessoais tem responsabilidade legal de escolher uma organização que pode assegurar a segurança e confidencialidade dos dados como “subcontratante”. Como fazemos bem os trabalhos, é natural que contratam mais trabalhos para a nossa empresa, por conseguinte, o lucro da empresa será aumentada. Aqui está um folheto sobre a Lei da Protecção dos Dados Pessoais, veja com mais cuidado, não confunda a sua identidade e responsabilidade legal, não infrinja a lei por causa da ignorância! A Maria passou alguns dados ao gerente Chan. “Sim, sim! Eu vou chamar os meus colegas para aprender, e obedecer à lei.” (Caso fictício criado a partir da realidade social e/ou baseado em casos reais anteriormente ocorridos. Para informações adicionais sobre a protecção de dados pessoais, por favor, contacte o Gabinete para a Protecção de Dados Pessoais - telefone 28716006).


Comparações: TERÇA-feira 21.12.2010 www.hojemacau.com.mo

8

Fotos da manifestação: Gonçalo Lobo Pinheiro Fotos da cerimónia oficial: GCS


TERÇA-feira 21.12.2010 www.hojemacau.com.mo

9

Aniversário em fotos

Durante o dia de ontem houve de tudo um pouco em Macau. De manhã aconteceu o içar das bandeiras da China e do território para celebrar o 11º aniversário da transferência de Macau à pátria. À tarde, cerca de 700 pessoas desfilaram pelas ruas, desde o Iao Hon até Nam Van, em forma de protesto pelas políticas do Executivo da RAEM

pub


terça-feira 21.12.2010 www.hojemacau.com.mo

10

natal

“As árvores mais bonitas são as nossas”

filipa queiroz

City Square é um dos poucos estabelecimentos em Macau e nas ilhas a vender produtos natalícios

Natal é sinónimo de muito movimento na loja de David Fong, um caso de sucesso que se estabeleceu pouco depois da RAEM e conta muitos fãs na comunidade portuguesa Filipa Queiroz

filipa.queiroz@hojemacau.com.mo

São centenas e centenas de produtos que quase já não deixam espaço para um porta-chaves que seja nas estantes da loja City Square, na Taipa. Desde postais e laçarotes a presépios e árvores de Natal dos mais diversos tamanhos e feitios, lado a lado com os habituais produtos de decoração. “Esta é a melhor época”, assegura David Fong, responsável pela loja que não se limita a servir quem entra pela porta. “Temos grandes clientes como os hotéis Hyatt, o MGM ou o Altira”, conta. A City Square também é a “única fornecedora de presépios de Macau”, segundo o proprietário. “Fornecemos o da Igreja de São Domingos e o da Igreja da Nossa Senhora do Carmo, por exemplo.” Os preços podem ir das 10 patacas aos quatro dígitos. A árvore mais cara custa cerca de 3000 patacas. A mais barata 99. O proprietário garante que não olha ao dinheiro, garante qualidade e aproveita os nichos. “Pouco tempo depois de abrirmos os clientes começaram a perguntar porque não vendíamos árvores de Natal, então começámos a ir buscar presépios e outros itens às Filipinas e os clientes aceitaram muito bem”, explica. A verdade é que não param de passar pela porta. Nicola, de origem checa, leva dois rolos de papel de embrulho debaixo do braço.

“Gosto de vir aqui porque há de tudo”, diz, e a jovem, que dá nota dez ao preço e ao atendimento. Já Jing, chinesa e estudante da Escola Internacional de Macau, parece um pouco perdida. “Estou à procura de um fato de Pai Natal para a festa da minha escola”, explica, apesar de não conhecer o senhor de barba branca. “Só sei que simboliza o Natal”, aponta a jovem, a acrescentar que lá em casa ninguém vai celebrar o 25 de Dezembro. Quem compra?

Amaioria dos clientes da City Square é estrangeiro, grande parte portugueses, mas são os chineses que fazem mais perguntas nesta altura do ano. “São os que pedem mais conselhos porque o Natal não é da nossa cultura”, explica David Fong, “puro chinês” nascido em Macau. Mas então por que compram?

“Os clientes que chegam do Continente têm muito dinheiro, não se importam de gastar para ter a casa bem decorada e gostam de artigos ocidentais”, explica. O proprietário recordou um episódio de uma cliente chinesa que entrou na loja e começou a pedir uma data de coisas ao calhas. “Eu olhei para ela estupefacto e perguntei se tinha a certeza de saber para que serviam aquelas coisas”, conta. É nessas alturas que a veia de decorador de Fong faz valorizar o seu serviço. “Se o cliente estiver à procura de alguma coisa eu posso encomendar ou indicar onde pode encontrá-la e até indicar quanto vai custar”, diz, valendo-se da vasta experiência profissional nas áreas da construção e decoração. Fong frisa que gosta de prestar um serviço de qualidade e de fazer o possível

que os clientes se sintam “em casa”. São essas as ordens que têm todos os meus funcionários, todos filipinos, explica. E não tem dúvidas: “Os portugueses são os nossos melhores clientes”. O proprietário explica que tem uma relação muito próxima com a comunidade lusa depois de mais de 30 anos a trabalhar com portuguesas na sua empresa Texan En-

genharia Limitada. Confessa até que talvez tenha sido por isso que tenha “mudado de gosto”. “Estando muito próximo dos latinos ganhase uma forte noção de cor e dos arranjos”, frisa. Fong sabe falar português que aproveita para pôr em prática com os clientes, até porque “quando se fala a mesma língua as pessoas sentem-se mais próximas”. História de sucesso

“Quando abrimos a loja, há sete anos, não sabíamos o que vender, mas cedo percebemos que faltava alguma coisa a Macau”, conta Fong que partilha as responsabilidades da loja com a mulher, Terry, de origem filipina e professora na Universidade de Macau. Foi por sua influência, “mas não só”, que o proprietário começou a exportar os produtos da terra natal da mulher (cerca de 90%). “Há muito material de design original lá, com um estilo e conceitos próprios, temos bastante afinidade com o

estilo deles”. A loja também importa da Indonésia e da Austrália. “Não olhamos aos custos, interessa-me vender coisas bonitas e com qualidade, que não podem ser compradas facilmente”, explica Fong. A diversidade tem sido a alma deste negócio. “Se recuarmos a 2002, Macau era um lugar simples, algumas pessoas tinham decoração nas suas casas mas tinham de ir a Hong Kong comprá-la”, continua. Desde então também aposta nos motivos sazonais como o Halloween, o Carnaval e o Natal. Quanto as preços, Fong garante que poucos clientes se queixam. Os que o fazem “é porque comparam com os preços praticados na China, mas Macau tem um poder de compra completamente diferente”. “Se for a um hotel de cinco estrelas e pedir um café é capaz de pagar 40 patacas. Se for a um café de rua chinês paga sete. É normal, o sabor é diferente, o serviço é diferente logo o preço também tem de ser diferente”, explica.


desporto

terça-feira 21.12.2010 www.hojemacau.com.mo

11

Taça da Harmonia em Críquete disputou-se no domingo

Hong Kong mais harmoniosa

desporto de cavalheiros ao alcance de todos, independentemente da idade e do sexo”, garante. Numa competição pautada pela camaradagem e pelo espírito de convivência entre todos os que se associaram à edição de 2010 do evento, o triunfo acabou por ser ganho pela formação do Olympians, uma das duas equipas de Hong Kong que participaram na Taça da Harmonia. Os Olympians derrotaram na final a outra formação da RAEHK em prova, os Diamondz, numa competição disputada por um total de seis equipas, entre as quais colectivos a representar a British Business Association e o restaurante Morton’s Steak House.

Marco Carvalho

info@hojemacau.com.mo

A Associação de Críquete de Macau voltou este ano a associar-se às efemérides com que a sociedade civil do território assinala a transferência de soberania da administração do território entre Portugal e a República Popular da China, antecipando em um dia as cerimónias oficiais promovidas pelo Executivo. Durante a tarde de domingo, o relvado da Escola Internacional de Macau serviu de palco à edição de 2010 da Taça da Harmonia em Críquete, um evento disputado na variante de seis que trouxe ao território várias dezenas de atletas oriundos da vizinha Região Administrativa Especial de Hong Kong. O evento, concebido com o intuito de celebrar o décimo primeiro aniversário da instituição da Região Administrativa Especial de Macau e o regresso do território à soberania da República Popular da China, conquistou já um lugar no calendário desportivo local e tem uma importância fulcral nas estratégias delineadas pelos responsáveis pela Associação de Críquete de Macau para promover a modalidade no território: “Ainda estamos bastante atrasados no plano que concebemos para enraizar o críquete em Macau. O nosso objectivo é primordialmente introduzir o críquete, promovê-lo e popularizá-lo e zelar para que se possa desenvolver. No que toca à introdução da modalidade, parece-me que fomos razoavelmente bem sucedidos. Organizamos com alguma frequência sessões de demonstração em estabelecimentos de ensino como a Escola Internacional ou o Colégio Anglicano e já conseguimos atrair novos praticantes à modalidade. São resultados significativos, tendo em conta que a Associação de Críquete de Macau é uma associação não lucrativa, em que todos os

gastos são assegurados pelos seus associados”, sublinha Adnan Nasim, o presidente do organismo que chama a si a tutela das lides do críquete no território. Apesar de ainda não terem conseguido cumprir com os desígnios do desenvolvimento da modalidade e de não existirem ainda na RAEM praticantes em número suficiente para permitir a organização de competições

os atletas e entusiastas que praticam com regularidade a modalidade e se associam aos jogos-treino organizados aos domingos de manhã no recinto da Escola Internacional de Macau. Entre os novos praticantes de uma modalidade muitas vezes associada às elites e a estigmas coloniais está o australiano Fabian Brooks, para quem o críquete é um dos desportos de equipa mais completos.

Os Olympians derrotaram na final a outra formação da RAEHK em prova, os Diamondz, numa competição disputada por um total de seis equipas, entre as quais colectivos a representar a British Business Association e o restaurante Morton’s Steak House internas, Adnan Nasim e os restantes responsáveis pela Associação de Críquete de Macau acreditam que a modalidade tem tudo para se poder afirmar nos próximos anos. Em 2008, quando a associação foi fundada os praticantes de críquete radicados no território não superavam as duas dezenas. Dois anos depois, são quase setenta

“É uma modalidade interessante por várias razões. Uma delas é o facto de nos permitir usar todo o corpo. Ajuda-nos a desenvolver aspectos como a velocidade e a fortalecer os braços e as pernas. É também um desporto que transporta consigo aspectos que só podem ser encontrados na forma de estar do Ocidente. É um

pub

NOTIFICAÇÃO EDITAL N.º 350/2010 (Solicitação de Comparência do Empregador)

Nos termos das alíneas b) e c) do n.º 1 do artigo 6.º do Regulamento da Inspecção do Trabalho,

aprovado pelo Decreto-Lei n.º 60/89/M, de 18 de Setembro, conjugado com o artigo 58.º e n.º 2 do

artigo 72.º do Código do Procedimento Administrativo, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 57/99/M, de 11 de Outubro, notifica-se a sociedade “Porland Construção (Macau) Limitada”, sita na Bairro de Areia Preta, Edifício Hoi Pan Garden, Bloco 9, 17.º andar G, em Macau, para no prazo de dez

(10) dias, a contar do 1.º dia útil seguinte ao da publicação dos presentes éditos, comparecer no Departamento de Inspecção do Trabalho, sita na Avenida do Dr. Francisco Vieira Machado, n.os

221-279, edifício “Advance Plaza”, 1.º andar, Macau, a fim de prestar declarações nos processos n.os 2073/2010, 2277/2010 e 2329/2010, provenientes das queixas apresentadas nestes Serviços,

pelos trabalhadores Ao Ieong Ip, Lei Ieng Mui, Tam Kuok Peng, Ao Ieong Wai, Long Peng Kuok,

Chang Pui Chan e Ieong Si Ian e relativamente às matérias de falta de inscrição e contribuições para o F.S.S., descanso semanal, descanso anual, indemnização de despedimento, aviso prévio e certificado do trabalho.

Direcção dos Serviços para os Assuntos Laborais – Departamento de Inspecção do Trabalho, aos 15 de Dezembro de 2010.

O Chefe do Departamento

Raimundo Vizeu Bento


terça-feira 21.12.2010 www.hojemacau.com.mo

o Hoje [r]ecomenda

12

[f]utilidades Su doku [ ] Cruzadas

HORIZONTAIS: 1- Impressão de objectos no espírito. Dantes, porquê; ca. 2- Variedade de figos doces e brancacentos. Ponto. 3- Ver e interpretar o que está escrito. Pessoa que ouve ou que assiste a um discurso, prelecção, etc. 4- Epifitia peculiar ao cafezeiro. Dintel. 5- Em numeração romana, significa mil. Mulher que cose. 6- Tungsténio ferrífero. Altar. 7- Medida japonesa, igual a dois decilitros. Brilhante. O algarismo 100 na numeração romana. 8- No Brasil, muito ruivo. Freira que não exerce cargos superiores. 9- Choupana de índios do Brasil. Deslocar-se de um lado para o outro. 10- Entregar, pôr em poder de, confiar. Persuasão. 11- Deus do Amor. Relativo a plumas. VERTICAIS: 1- Islão. Caldo. 2- Comprimir, para tirar o suco de. Pentear e dispor conveniente o cabelo de. 3- Um continente. Figos do Algarve. 4- Símbolo químico de germânio. Tratar com ludíbrio ou vilipêndio. Nota do exame. 5- Elemento de origem grega que significa vinho. Cordas para puxar uma embarcação. 6- Género de plantas bignomiáceas. Para cima, em inglês. 7- Enxofre. Vital. Associação Académica de Lisboa. 8- Elemento de origem grega que significa mulher. Relativo ao Indostão ou aos seus habitantes. 9- Contramandado. 10- Dar mais altura. Indivíduo de uma tribo africana, que professava o maometismo. 11- Virola de ferro. De frente.

Soluções do problema HORIZONTAIS: 1- IMAGENS. CAR. 2- SOFENO. GOLO. 3- LER. OUVINTE. 4- IRIZ. LINTEL. 5- M. CONSEDORA. 6- TAMITA. ARA. 7- GO. BRILHO. C. 8- RUZAGA. IRMA. 9- OCARA. ANDAR. 10- DAR. SUADELA. 11- EROS. PLUMEO. VERTICAIS: 1- ISLIM. GRODE. 2- MOER. TOUCAR. 3- AFRICA. ZARO. 4- GE. ZOMBAR. S. 5- ENO. SIRGAS. 6- NOULETIA. UP. 7- S. VIDAL. AAL. 8- GINO. HINDU. 9- CONTRAORDEM. 10- ALTEAR. MALE. 11- ROEL. ACARAO.

REGRAS |

Insira algarismos nos quadrados de forma a que cada linha, coluna e caixa de 3X3 contenha os dígitos de 1 a 9 sem repetição solução do problema do dia anterior

«Quarto Grão», Couple Coffee

O passo que «Quarto Grão» anuncia, a criação original, não chega a constituir uma ruptura porque parte do repertório dos Couple Coffee - o instrumental - já era construído de raiz. De resto, as versões voltam a constar desta declaração de interesses em forma de bolacha: de Luiz Tatti a Sérgio Godinho passando por Edu Lobo, a coerência mantém-se. Cada palavra é tratada e dita com carinho; cada sílaba joga com a nota que se ouve.

[ Te l e ] v i s ã o TDM 13:00 TDM News - Repetição 13:20 Jornal das 24h 14:30 RTPi DIRECTO 19:00 TDM Desporto (Repetição) 19:30 Olhos de Água 20:25 1 Minuto de Astronomia 20:30 Telejornal 21:00 Jornal da Tarde da RTPi 22:15 Novela: O Clone 22:58 1 Minuto de Astronomia 23:00 TDM News 23:30 Montra do Lilau 00:00 1º Programa DocTv CPLP - Portugal: Li Ké Terra (Repetição) 01:00 Telejornal (Repetição) 01:30 RTPi DIRECTO INFORMAÇÃO TDM

22:00 Sportscenter Asia 22:30 Mundialito 2010 Portimao - Beach Soccer Portugal vs. Brazil

RTPi 82 14:00 Telejornal Madeira 14:30 Encontros Imediatos 15:00 Magazine Goa Contacto 15:30 Janela Indiscreta Com Mário Augusto 16:00 Bom Dia Portugal 17:00 O Preço Certo 17:45 O Olhar Da Serpente 18:30 A Alma E A Gente 19:00 Padre Motard 20:00 Jornal Da Tarde 21:15 O Preço Certo 21:30 Magazine Goa Contacto 22:15 Portugal No Coração

STAR MOVIES 40 11:45 The Cocktail 13:35 Santa Clause 2 15:25 Cool World 17:10 Slumdog Millionaire 19:15 The Legend Of Chun Li 21:00 A Cinderella Story 23:05 Law Abiding Citizen

TVB PEARL 83 06:00 Taking Stocks 07:30 NBC Nightly News 08:00 Putonghua E-News 09:00 CCTV News- Live 10:00 Market Place 10:30 Inside the Stock Exchange 11:00 Market Update 11:30 Inside the Stock Exchange 11:32 Market Update 12:00 Inside the Stock Exchange 12:02 Market Update 12:30 Inside the Stock Exchange 12:35 Market Update 13:00 CCTV News - LIVE 14:00 Market Update 14:40 Inside the Stock Exchange 14:43 Market Update 15:58 Inside the Stock Exchange 16:00 Babar And The Adventures Of Badou 16:30 Dennis & Gnasher 17:00 League Of Super Evil 17:30 Eco Company 18:00 Putonghua News 18:10 Putonghua Financial Bulletin 18:15 Putonghua Weather Report 18:20 Financial Report 18:30 Global Football 19:00 The Works 19:30 News At Seven-Thirty 19:50 Weather Report 19:55 Earth Live 20:00 New Zealand On A Plate 20:30 Heroes 21:30 South Pacific 22:35 South Pacific Diaries 22:45 Marketplace 22:50 Human Target 23:45 World Market Update 23:50 News Roundup 00:05 Earth Live 00:10 Hotel Babylon 01:15 The Pearl Report 01:45 Transworld Sport 02:15 European Art At The MET 02:30 Bloomberg Television 05:00 TVBS News 05:30 CCTV News ESPN 30 13:00 Winter X Games Europe 2010 15:00 Vancouver 2010 Olympic Winter Games - Figure Skating 17:30 Great Ethiopian Run - Addis Ababa 18:00 Football Asia 18:30 The Monday Night Verdict Npl 19:00 Planet Speed 2010/11 19:30 (LIVE) Sportscenter Asia 20:00 Omega Dubai Ladies Masters 21:00 2010 Women’s Tournament Of Champions

STAR SPORTS 31 12:00 International Motorsport News 2010 13:00 Planet Speed 2010/11 13:30 Simply The Best 14:00 European Table Tennis Championships Men’s Team Final 16:00 Irc Golden Stage Rally 17:00 Guinness World Series Of Pool 2010 H/L 18:00 Planet Speed 2010/11 18:30 16 Nations - Road To Qatar Saudi Arabia 19:00 FA Cup 2010/11 Luton Town vs. Charlton Athletic 21:00 Fina Aquatics World 21:30 The Immortals 22:00 Players Lives 22:30 Glitch 23:00 2010 Masters Tournament Review Highlights

HBO 41 13:00 15:30 16:00 17:55 19:25 21:00 22:35 00:30

Harry Potter And The Sorcerer’S Stone Hollywood One On One 118 All I Want For Christmas Four Christmases Year One Frost Giant Robocop 2 Robocop 3

CINEMAX 42 12:00 The Wire 14:00 Blood And Bone 15:30 Polar Storm 17:15 The 7Th Voyage Of Sinbad 18:45 You Don’T Mess With The Zohan

www.macaucabletv.com

20:30 Crocodile 22:00 Crocodile 2 23:35 Tmz 391 23:55 Barb Wire MGM CHANNEL 43 12:45 A Home of Our Own 14:30 Eye of the Tiger 16:00 Pieces of April 17:30 Steele Justice 19:15 Until September 21:00 Operation Lookout 22:45 It Runs in the Family 00:15 Inherit the Wind DISCOVERY CHANNEL 50 13:00 Mythbusters - Myth Evolution 14:00 Rampage! - Riot Rampage 15:00 Swords 16:00 Dual Survival - Soaked 17:00 Dirty Jobs - Chimney Sweeper 18:00 How It’s Made 19:00 World’s Biggest Transport Hub 20:00 Rampage! - Road Rampage 21:00 I was Bitten 22:00 Rift Valley Killers 23:00 Extreme Peril 00:00 I was Bitten NATIONAL GEOGRAPHIC CHANNEL 51 13:00 ABOUT ASIA 14:00 World Ablaze 15:00 Who Killed The Aztecs? 16:00 Earthquake Rapid Response 17:00 Neptune & Uranus 18:00 More Amazing Moments 19:00 Pilot Vs Plane 20:00 ABOUT ASIA 21:00 Pluto & Beyond 22:00 Ancient Beast 23:00 Word Travels 00:00 Pilot Vs Plane ANIMAL PLANET 52 13:00 Night 14:00 A Year In The Wild 15:00 Escape to Chimp Eden 16:00 Caught In The Moment - Cocos Islands 17:00 The Hellbender 18:00 Special Edition: Agents In Training 19:00 The Most Extreme - Awful Ancestors 20:00 Night 21:00 Escape to Chimp Eden 22:00 Caught In The Moment - Japan 23:00 The Invisible Lizard 00:00 Night HISTORY CHANNEL 54 13:00 Mega Structures Of The Deep 14:00 Toxic Revenge 15:00 Hitler’s Blood Oath 16:00 A Journey into Piracy 17:00 WWII Lost Films 19:00 The Highland Towers Disaster 20:00 Code of Conduct 21:00 Commander in Chief 22:00 Baptism Of Blood 23:00 WWII Lost Films STAR WORLD 63 13:00 Gary Unmarried 13:50 Australia’s Next Top Model 14:45 How I Met Your Mother 15:10 Rules Of Engagement 15:35 Castle 16:25 Private Practice 17:15 Australia’s Next Top Model 18:10 Bachelorette 19:05 Accidentally On Purpose 19:30 How I Met Your Mother 20:00 Australia’s Next Top Model 20:55 Ugly Betty 21:50 90210 22:45 Bachelorette 23:40 Private Practice 00:35 Australia’s Next Top Model

(MCTV 30) ESPN 13:00 Winter x games europe 2010

Informação Macau Cable TV


Terça-feira 21.12.2010 www.hojemacau.com.mo

[O]bjectiva Gonçalo Lobo Pinheiro

13 Raio [X] A campainha que não parava de tocar Maria Diná

clássicos de futebol - Benfica VS sporting (Lisboa, 2009)

Para[ ]comer • Pérola 3/F, Sands, Largo de Monte Carlo, no.203 8983 82222888 3352 http://www.sands.com.mo • VINHA Alm Dr. Carlos d' Assumpção 393 r/c AC 2875 2599vinha@macau.ctm.net http://www.vinha.com.mo • FAT SIU LAU (SINCE 1903) Av.Dr.Sun Yat-Sen,Edf.Vista Magnifica Court Rua de Felicidade No.64, R/C Macau 2857 3585fsl1903@macau.ctm.net http://www.fatsiulau.com.mo

• Casa Carlos Bispo Medeiros 28D 2852 2027

• HAC SA PARK Hac Sa Park-Hac Sa Beach Coloane 2888 2297 http://www.yp.com.mo/hacsa

• António (TP) R, dos Negociantes 3 28999998

• SOL NASCENTE (TP) Av Dr Sun Yat Sen No.29-37 R/C 2883 6288 http://www.yp.com.mo/solnascente • TENIS CIVIL (LEON) Av.da República N°14 1° Macau 2830 1189 http://www.yp.com.mo/leon • Platão Trav. São Domingos No.3 2833 1818 reservation@plataomacau.com • Banza (Tp) Nam San Bl.5, GH 28821519

• Galo (Tp) Clérigos 45 2882 7318 http://www.yp.com.mo/domgalo • Riquexó Av Sid Pais 69 2856 5655

• Clube Militar Av Praia Grande 795 2871 4000 cmm@macau.ctm.net • Espaço Lisboa Lda (Col) Gaivotas 8 2888 2226 2888 1850 • Camilo Av Sir Anders Ljungsted 37 2882 5688

• Dom Galo Vista Magnifica Court 2875 1383 domgalo@yp.com.mo http://www.yp.com.mo/domgalo • O Santos (TP) R. do Cunha 28827508 • Porto Exterior Ed Chong U 2870 3276 http://www.portoext.com.mo • Restaurante Fernando (Col) Praia Hác Sá 9 2888 2264

• Ó MANEL (Tp) Fernão M Pinto 90 2882 7571

• Litoral Restaurante Lda Alm Sérgio 261 2896 7878 2896 7996 http://www.yp.com.mo/litoral

• A PETISQUEIRA (TP) S João 15A 2882 5354

• Nga Tim Café (Col) Caetano 8 2888 2086

Tacos – Cozinha internacional & Café Bar (Macau) – Rua Cidade de Braga 51 A r/c. Tel.28750151

• O Porto Interior Alm Sérgio 259B 2896 7770 • A Lorcha Alm Sérgio 289 2831 3195

• Sawasdee Thai Av Sid Pais 43AE 2857 1963 • Aquamarine Thai Café (Tp) Jardm Nova Taipa bl 21 2883 0010 • Bangkok Pochana Ferrª Amaral 31 2856 1419 • Kruatheque Henrique Macedo 11-13 2835 3555 • Restaurante Thai Abreu Nunes 27E 2855 2255

• Afonso III Central 11A 2858 6272

• LA COMEDIE CHEZ VOUS Ed Zhu Kuan S/N G (Oppsite Cultural Centre) 2875 2021

• Bar Oporto Tv Praia 17 2859 4643 • Maria’s Comida Portuguesa Patane 8A 2823 3221

• LE BISTROT (Tp) Nova Taipa Garden Block 27, G/F 2884 37392884 3994

• Restaurante Pinocchio (Tp) Regedor 181-185 2882 7128 • Canal dos Patos Parque Municipal Sun Yat Seng 2822 8166

• CHURRASCÃO Nova Taipa Garden, Block 27 G/F, Taipa 2884 37392884 3994 • Yin Alª Dr Carlos d’Assumpção 33 2872 2735

Harry potter and the deathdly hollows (Part 1) Cineteatro | PUB

• Fogo Samba VENETIAN-Grand Canal Shoppes Apt 2412 2882 8499

[ ] Cinema

Sala 1 Harry potter and the deathly hollows part 1 [b] Um filme de: David Yates Com: Daniel Radcliffe, Rupert Grint 14.15, 16.45, 19.15, 21.45

SALA 3 metal fight beyblade the movie [A] (falado em cantonense) Um filme de: Kunihisa Sugishima 14.30, 16.00, 17.30, 19.30

SALA 2 the chronicles of narnia - the voyage of the dawn treader [b] Um filme de: Michael Apted Com: Ben Barnes, Skandar Keynes, Georgie Henley 14.30, 16.30, 19.30, 21.30

Sala 3 the social network [C] Um filme de: David Fincher Com: Jesse Eisenberg, Justin Timberlake 21.30

Há dias assim... Parece que abrem a porta do hospital dos malucos e lhes dão a morada de minha casa como se eu fosse a cura para todos os males. Cheguei a casa estafada depois de um dia intenso de trabalho. Só precisava de tomar um duche rápido, pôr uma roupinha com classe e um toque de maquilhagem. Mas a campainha da porta de casa tocou. “Mas quem é que abriu a porta da rua outra vez?”, pensei. Olhei pelo buraco e vi um adolescente com a cara a rebentar de borbulhas. “Pois não?”, atirei-lhe seca. “Sou da empresa x e estou a fazer um inquérito para saber se está satisfeita com a sua televisão por cabo?” Pois claro... E a hora de jantar foi a melhor opção para me enervarem. Recorri à minha estratégia habitual para me livrar deste tipo de abordagem. Coloqueilhe a mão em cima do ombro e soltei: “Ainda bem que cá veio, sinto-me tão sozinha, a precisar de falar. A minha vida é um desespero, ando a tomar antidepressivos...” Em menos de dois segundos a criatura arredou pé. Mas ainda mal eu tinha fechado a porta e a campainha voltou a tocar. “Ai o raio do miúdo...”, disse entre dentes enquanto agarrei o puxador. Do lado de fora duas velhotas. As mesmas de sempre. As que eu vejo pelo visor da campainha na porta da rua e nunca deixo entrar no prédio. “Boa noite. Somos testemunhas da religião y e vimos falar consigo sobre o mal”, explicou uma delas. O mal? Mas qual mal? Mal estão a fazer-me estas alminhas que eu já estou super atrasada. Recorri a outra estratégia. Mostrei-lhes o mal! “Pois... Eu ando muito stressada. Desde que virei actriz de filmes pornográficos que não tenho tempo para nada. São dias e dias envolvida em cenas de sexo. E há posições que me dão cabo do corpo...” Nem me deixaram continuar nesta divagação. Apanharam o elevador sem olhar para trás. Curiosamente do outro elevador saiu uma personagem que mais parecia ter-se teletransportado do passado. Bigode farfalhudo e a falha de um dente. “Boa noite”, disse aquele desastre de homem. “Boa noite. Diga se faz favor”, respondi. “O chefe de família está?” O chefe de família? Mas este vive em que planeta.? “Está sim, está a falar com ele. Diga...”, rosnei com tom irónico. “Olhe minha senhora eu precisava mesmo era de falar com o seu marido”, insistiu ele. Bom, já que hoje me escolheram para chatear lá vamos nós outra vez: “Olhe marido não tenho, tenho mulher. Sou homossexual. Mas se quer tanto falar com o chefe de família, sou eu.” O senhor bigodaças mudou de cor, arregalou os olhos e gritou: “É por estas e por outras que este país não anda para a frente!” E virou costas. Eu finalmente entrei em casa e tranquei a porta. Decidi que não a abria a mais ninguém. O telemóvel tocou e o meu acompanhante para jantar estava já à minha espera. E eu ainda nem o duche tinha tomado...

[Maria Diná pode estar prestes a desencalhar. Novidades nas próximas semanas]


terça-feira 21.12.2010 www.hojemacau.com.mo

14

opinião à fl or da pel e Helder Fernando

Histórias de natal I Estes dias que pertencem às comemorações do Natal estão entre os mais contraditórios. O prezado leitor sabe o que quero dizer. Folheia-se um jornal enquanto levantávamos os olhos para as notícias na TV, e logo encontramos mil e uma contradições. Por vezes basta sairmos à rua. Este é o tempo para os contos e histórias mais mirabolantes, todas respeitáveis e verdadeiras com certeza. Desde a estrela que acompanhou e guiou os tais magos do Oriente, até ao tal pai natal que dá brinquedos às criancinhas, apesar de nos últimos anos estar gordo demais, ou saturado, para caber pelas chaminés. Por interpretar que estas e outras formidáveis histórias - religiosas ou pagãs - contêm um sentido humano avassalador, desgosta-me saber que a um Júlio César também apareceu uma estrela quando nasceu; e a Eneias, esse tremendo inspirador de tragédias amorosas, era a luz de Vénus que o guiava ao retirar de Tróia. Que bom em Macau lembrarmo-nos da mitologia grega! Mas, bem pior, fiquei furibundo

ca r t o o n por Steff

quando me contaram que em 1942, quando na Coreia do Norte nasceu um tal Kim Jong-il, apareceu no céu um duplo arco-íris e também uma estrela brilhantíssima. Contradições natalícias. Aprecio mais as Cantatas, comovem-me. Bela razão tem Ary dos Santos: “Natal é Dezembro/ Mas em Maio pode ser/ Natal é em Setembro/ É quando um homem quiser/ Natal é quando nasce uma vida a amanhecer/ Natal é sempre o fruto que há no ventre da Mulher” . II Últimos dias do ano, férias dos filhos ou dos netos, balanços profissionais, financeiros, intelectuais, românticos, de saúde, de amizades, da casa a precisar de reparações, de roupa sem préstimo. Espreitamos, com receios, calculando se houve avanços ou houve recuos. E o resto do mundo, como se balança ele cada vez mais explodido e implodido? III Sou do Benfica e isso me envaidece, tenho a genica que a qualquer engrandece.

Nesta Quadra, ocorre-me o gesto magnífico dos agentes policiais destacados em Abril de 1953 para o então Pavilhão dos Desportos em Lisboa. Depois de décadas sem campo próprio, o Sport Lisboa e Benfica organiza um sarau de variedades para angariação de fundos tendo em vista a construção do estádio de Carnide que viria a ser o Estádio da Luz - ainda o anterior ao actual, mas em terreno contíguo. o director do jornal do “O Benfica”, Paulino Gomes Júnior, também ele desejava oferecer ao seu amado Clube algo de especial. Escreveu, letra e música, uma canção e ensaiou-a com o cantor Luís Piçarra. A estreia foi nesse Abril com o Pavilhão cheio de seis mil benfiquistas, entre a actuação da paraguaiana Sarita Antuñes, vedeta do Teatro Apolo e a famosa cantora brasileira Alzirinha Camargo. Anunciou-se uma surpresa. O público silenciou na expectativa. Nervosos, subiram ao palco Paulino Gomes Júnior, em direcção ao piano e Luís Piçarra aproximando-se do

super-inverno na europa

microfone. Relatam todos os testemunhos que quando a canção terminou a casa ía indo abaixo, Apoteose total. Os milhares de eufóricos benfiquistas queriam ouvir de novo, queriam levar para casa e para todo o mundo, essa canção, esse novo hino. O autor tinha levado com ele a partitura. Então, num gesto lindo, o maestro da orquestra que acompanhava o sarau, Vítor Bonjour, cedeu a sua batuta a Paulino Gomes Júnior e tocou-se e cantou-se de novo, com a voz poderosa de Luís Piçarra acompanhada pelo público, a canção-bandeira “Ser Benfiquista”. As obras teriam início cerca de dois meses depois, mas o Estádio da Luz nasceu ali, naquele momento. III Com imagens disponíveis na internet, chega a notícia de que na China continental um empresário chinês está a obter enorme sucesso com um novo negócio. Para que conste, o sujeito chama-se Shi Tuanji e instalou máquinas de vender comida no metropolitano da cidade de Nanjing, província de Jiangsu, uma cidade muito bonita por sinal. Só que a diferença está precisamente na comida. O cliente introduz o dinheiro na ranhura e vem-lhe parar às mãos um belo dum caranguejo em estado vivo. Dentro duma caixinha, o caranguejo pode até ser tocado em segurança, conservado em temperatura baixa. Os preços variam, na moeda de Macau, entre 10 e 50 patacas, mais ou menos. Para além do consumidor local, está sendo uma boa atracção turística. Este criativo, também tem direito a ser assim chamado, tem ideia de expandir o negócio para aeroportos e grandes superfícies comerciais. Negócios da China, desta vez apenas entre chineses... IV O Presidente Hu Jintao faz hoje 68 anos. Desejo-lhe longa e feliz vida. E, como residente permanente em Macau vai para 28 anos, manifestolhe a minha gratidão pelo modo

O Presidente Hu Jintao faz hoje 68 anos. Desejo-lhe longa e feliz vida. E, como residente permanente em Macau vai para 28 anos, manifesto-lhe a minha gratidão pelo modo como dá a sua atenção a Macau. Permita-me que também agradeça a sua inteligente influência e decisão a favor dos residentes nesta região. Muitos Parabéns, Senhor Presidente! como dá a sua atenção a Macau. Permita-me que também agradeça a sua inteligente influência e decisão a favor dos residentes nesta região. Muitos Parabéns, Senhor Presidente!


O silêncio é de oiro. Todos se arrependem de ter falado, mas de se ter calado.

nunca

terça-feira 21.12.2010 www.hojemacau.com.mo

15

Padre Manuel teixeira [1912-2003]

cr epú s cu l o dos í dol os Arnaldo Gonçalves

O

Macau no regaço da China: um olhar português

nze anos depois, Macau comemora o seu regresso à Mãe-Pátria. Fá-lo com desenvoltura sem aparentes contrições. Quase como uma inevitabilidade. Não há contrição porque ninguém quis que fosse de outro modo. Pergunto-me, por vezes, o que teria acontecido se Portugal honrando as suas responsabilidades históricas tivesse antes da transferência de soberania desenvolvido um processo de consulta popular à população do território. Em moldes idênticos ao que fez quanto a Timor. Posto este cenário, é provável que a China entende-se esse passo como um desafio à sua autoridade e fizesse avançar as tropas do Exército Popular de Libertação sobre Macau. Sem guarnição, Macau seria uma presa fácil do exército da China. Tudo isto é fantasia porque as gentes de Macau nunca quiseram outra solução senão a integração no Grande Império. Os residentes de etnia “han” não o quiseram seguramente. Os integrantes da comunidade macaense tenham acarinhado um outro caminho nalgum ponto do processo, mas como no passado falou mais alto o interesse económico e financeiro. Durante 440 anos da história de Macau os macaenses foram os “middle men”, os que fizeram a mediação com o poder politico em Pequim, intermediando as questões postas pelos portugueses sobre a governação do enclave; ao mesmo tempo procurando lucrar com isso. De certa forma, em 19 de Dezembro de 1999 os macaenses foram os que ficaram sem terra, ou pelo menos uma terra que continuassem a sentir sua. Isso explica a pouca ousadia das exigências portuguesas no quadro da negociação da Declaração Conjunta e que se resumiu em garantir a manutenção do passaporte português dos macaenses se algo “corresse mal” e em possibilitar a percepção da sua reforma se decidissem regressar à metrópole. Como explica, mas não justifica, a ausência de interesses económicos portugueses (em Macau) depois de 1999. A diferença

De certa forma, em 19 de Dezembro de 1999 os macaenses foram os que ficaram sem terra, ou pelo menos uma terra que continuassem a sentir sua. Isso explica a pouca ousadia das exigências portuguesas no quadro da negociação da Declaração Conjunta e que se resumiu em garantir a manutenção do passaporte português dos macaenses se algo “corresse mal” e em possibilitar a percepção da sua reforma se decidissem regressar à metrópole quanto ao que aconteceu em Hong Kong é abissal. Do outro lado do delta as empresas inglesas continuaram a fazer “business as usual”, tornando Hong Kong na grande metrópole que é. Os quadros ingleses mantiveram-se na administração pública, na policia, nas magistraturas sem que alguém lhes mostrasse a porta da saída. As responsabilidades pelo que aconteceu seguramente não podem ser atribuídas à comunidade portuguesa (metropolitana) aqui residente, até porque a sua influência nas questões decisivas foi nula. Na história (e para ela) ficará o “recado” de Lisboa, do Presidente da República mais medíocre e incapaz que tivemos a infelicidade de diri-

gir o nosso destino durante duas décadas. Alguém que no seu tom brusco e sem lisura despachou que não queria “pontes aéreas” como em Angola e Moçambique e que era tempo dos portugueses metropolitanos se “porem a andar”. Teimosamente alguns não se “puseram a andar” e alguns regressaram. Uma nova geração de adolescentes criados em Macau licenciou-se e regressou iniciando um novo projecto de vida. Essa geração que teimosamente faz de Macau a sua terra e que provavelmente substituirá aos mais antigos é a comprovação peremptória que Macau foi e é terra de índole portuguesa, no seu cosmopolitismo, na abertura a

outras comunidades e na sã convivência entre elas. A traça portuguesa é por isso indelével (inapagável) na antiga cidade portuguesa do Sul da China. Como Wen Jiabao e outros responsáveis não se cansam de enfatizar contra o aparente incómodo dos Lin Piao de opereta que gostariam de reeditar aqui um 1-2-3, ao sopapo e à pedrada, com clamores contra os “colonialistas” e os “gueilos”. Gente que não é de Macau mas que sob o chapéu de associações cívicas busca no ódio racial, na instabilização social, no confronto com as autoridades, no patrioteirismo mais imbecil acirrar os ódios, criar mal-entendidos, despertar suspeições. Não sei se há exacta consciência do perigo que este grupo e os seus patrões escondidos representa. A acabar uma palavra positiva. Macau é onze anos depois do “hand-over” um oásis de coabitação entre grupos étnicos diferentes, entre nacionalidades também diferentes, onde cada um frui a paz e da segurança conforme o seu projecto de vida, sem que ninguém tenha algo a ver com isso. Apesar das dificuldades e do que há para fazer (sobretudo no plano social) crescemos e amadurecemos, sem estigmas. Apesar das criticas sobre o menos positivo deveremos ter a honestidade intelectual de nos congratularmos pelo sucesso que tem sido a segunda transição.

Propriedade Fábrica de Notícias, Lda Director Carlos Morais José editor Vanessa Amaro Redacção António Falcão; Gonçalo Lobo Pinheiro; Kahon Chan; Rodrigo de Matos Colaboradores Carlos Picassinos; José Manuel Simões; Marco Carvalho; Maria João Belchior (Pequim); Rui Cascais; Sérgio Fonseca Colunistas Arnaldo Gonçalves; Boi Luxo; Correia Marques; Gilberto Lopes; Hélder Fernando; João Miguel Barros; Jorge Rodrigues Simão; José I. Duarte; Marinho de Bastos; Paul Chan Wai Chi; Pedro Correia Cartoonista Steph Grafismo Paulo Borges; Catarina Lau Ilustração Rui Rasquinho Agências Lusa; Xinhua Fotografia António Falcão; António Mil-Homens; Lusa; GCS; Xinhua Secretária de redacção e Publicidade Laurentina Silva (publicidade@hojemacau.com.mo) Assistente de marketing Vincent Vong Impressão Tipografia Welfare Morada Av. Dr. Rodrigo Rodrigues nº 600 E, Centro Comercial First Nacional, 14º andar, Sala 1407 – Macau Telefone 28752401 Fax 28752405 e-mail info@hojemacau.com.mo Sítio www.hojemacau.com.mo


a fechar

China Nobel para Liu Xiaobo é “ridículo”

A atribuição do Prémio Nobel da Paz a Liu Xiaobo é “ridículo”, afirmou ontem o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros chinês, Cui Tiankai, a quem a Austrália renovou publicamente o apelo para a libertação do dissidente chinês. “Creio que isso não é uma questão de direitos do homem, mas uma questão de respeito pelo sistema judicial chinês e os sentimentos do povo chinês”, disse Cui Tiankai numa conferência de imprensa conjunta com a sub-secretária de Estado dos Negócios Estrangeiros australiana, Heather Smith. “Na realidade, distinguir um criminoso é muito ridículo. Esse episódio é uma farsa política”, acrescentou.

WikiLeaks Venda de urânio para Portugal

Um ex-general russo a viver em Portugal terá sido denunciado à embaixada norte-americana em Lisboa por uma alegada tentativa de venda de um bloco de urânio, segundo um telegrama obtido pela organização WikiLeaks e divulgado pelo diário britânico The Guardian. Este é um dos casos enumerados pelo jornal para explicar que os telegramas diplomáticos mostram uma atenção especial dos representantes dos EUA a possíveis fugas ou tráfico de material radioactivo que possa ser usado para um atentado terrorista, junto de relatos de latas de urânio encontrados em cestos de verga no Burundi ou um carro radioactivo arménio na fronteira com a Geórgia.

terça-feira 21.12.2010 www.hojemacau.com.mo

WikiLeaks | Recusa em fazer teste de VIH levou a queixas

As violações de Assange Afinal, as suecas que dizem ter sido violadas pelo líder do site WikiLeaks, Julian Assange, só apresentaram queixa porque ele recusou fazer um teste de VIH após as relações desprotegidas com elas. A revelação é do jornal ‘The Mail on Sunday’, que acrescenta testemunhos de colaboradores de Assange que o classificam como “ditador e desonesto”.

“Penso que se Julian tivesse feito o teste elas teriam abandonado as queixas”, afirmou o coordenador sueco do site, cuja identidade se desconhece, revelando a vida leviana de Assange: “As mulheres sentemse muito atraídas por ele. São como groupies em volta de Mick Jagger, e ele aproveita.” Recorde-se que a queixa de

violação de Anna Ardin e Sofia Wilen está na posse da Justiça sueca, que exige a extradição de Assange do Reino Unido, onde está em prisão domiciliária. Ele nega tudo, e atribui o caso a uma campanha da CIA para o silenciar. Mas segundo DomscheitBerg, antigo colaborador do WikiLeaks, Assange reage

A Macau do Carlos

A Casa de Portugal em Macau acolheu, ontem, a apresentação do novo livro de poesia de Carlos Morais José, “Macau – O Livro dos Nomes”. Em dia de aniversário da transferência de Macau para a China, o local pareceu pequeno para receber as diversas pessoas que ali se deslocaram para, com o autor, desfrutar da cidade em forma de uma declaração de amor bilingue. A prosa poética do autor foi degustada a preceito com direito a leitura, onde os convidados deram azo à sua aptidão recital. Questionouse, opinou-se, enfim, a existência desta cidade num olhar sentido e vivido de quem a escolheu, há 20 anos, para viver. – G.L.P.

Terrorismo Inglaterra detém 12 suspeitos

A polícia britânica prendeu ontem 12 homens suspeitos de estarem a preparar um ataque terrorista, numa série de operações policiais ao amanhecer em Inglaterra e no País de Gales. A polícia de West Midlands informou que foram presos cinco suspeitos na cidade galesa de Cardiff, outros quatro em Stoke-on-Trent, na região central da Inglaterra, e mais três em Londres. “Todos eles foram presos por suspeita de coordenar, preparar ou instigar um acto terrorista no Reino Unido”, informou um porta-voz da polícia. Os suspeitos, com idades entre os 17 e 28 anos, foram presos por polícias desarmados no início da manhã.

Brasil Lula quer recandidatar-se

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse em entrevista a uma televisão exibida na madrugada de segunda-feira que poderá candidatar-se novamente ao cargo, uma declaração que pode enfraquecer a sua sucessora eleita, Dilma Rousseff. Lula deixará o cargo a 1 de Janeiro com um índice de aprovação superior a 80%. Pela Constituição, ele não pode disputar um terceiro mandato, por isso indicou a sua ex-ministra Dilma. “Não posso dizer que não porque sou vivo. Sou presidente de honra de um partido, sou um político nato, construí uma relação política extraordinária”, disse. Lula, de 65 anos, nunca negou totalmente a hipótese de voltar à presidência, mas essa foi a declaração mais explícita até agora de que poderá disputar novamente o cargo.

Estudo Portugueses não juntam trabalho e família

Um estudo realizado em 14 países europeus revela que Portugal é o país onde há maior dificuldade em equilibrar trabalho e vida pessoal, seguido da Espanha, Grécia e Holanda. Em Portugal, o estudo, que consistiu num inquérito online, decorreu entre 16 e 29 de Novembro e envolveu 500 pessoas, com idades entre 25 e 65 anos. Foi também realizado na Alemanha, Bélgica, Holanda, Áustria, República Checa, Grécia, Hungria, Itália, Portugal, Polónia, Irlanda, Eslovénia, Espanha e Reino Unido. Em comparação com os restantes países onde o estudo foi realizado, Portugal é onde existe maior dificuldade em encontrar o equilíbrio entre a vida profissional e pessoal (84%), seguido de Espanha (80%), Grécia (70%) e Irlanda (39%).

assim porque aceita mal as críticas ao seu comportamento sexual e pior ainda os reparos à forma como gere o site. “Não é por acaso que muitos que trabalharam com ele o descrevem como ditador”, frisou, explicando que quando é questionado “fala de campanhas de difamação dos serviços secretos”.

Nevões continuam a condicionar o tráfego aéreo, ferroviário e rodoviário

Mau tempo provoca caos na Europa A poucos dias dos Natal, numa altura em que os céus europeus se enchem de pessoas que tentam ir passar a quadra natalícia com as respectivas famílias, há dezenas de aviões em terra, pistas cobertas de neve, estradas cortadas, comboios parados e passageiros a dormirem nos aeroportos por causa do mau tempo que se faz sentir na Europa.

O cenário repete-se em Frankfurt, na Alemanha, ou em Roissy, Paris: milhares de passageiros aguardam a sua vez de embarcarem depois de centenas de voos terem sido cancelados ou adiados por causa das condições meteorológicas adversas. Em Londres, o aeroporto de Heathrow, um dos mais movimentados do mundo, está a operar um número muito limitado de voos, indica a AFP. Dezenas de viagens foram anuladas e as perturbações deverão prolongar-se muito para lá do Natal. Ontem, apenas uma vintena de voos puderam aterrar e descolar de Heathrow, dos cerca de 1300 habituais. “Com 200 aviões em espera e 12cm de neve, é natural que este tipo de situações [pessoas a dormir no chão] aconteça”, declarou o porta-voz da

BAA, a operadora do aeroporto de Heathrow, Andrew Teacher. Em contrapartida, a maioria dos voos marcados para os aeroportos londrinos de Gatwick e London City foram mantidos. O Reino Unido enfrenta actualmente um dos Invernos mais frios dos últimos 100 anos, com temperaturas a atingirem os 19,6 graus negativos em Chesham, a norte de Londres, na noite passada. Com as dificuldades sentidas em Heathrow, o problema acabou por extravasar para os aeroportos dos países vizinhos, nomeadamente Amesterdão e Estocolmo. No aeroporto de Frankfurt, outro gigante das rotas aéreas, cerca de 300 voos foram anulados hoje de manhã, mesmo estando as pistas em funcionamento. Centenas de pessoas passaram a noite

no aeroporto após a anulação, ontem, da maioria dos 1329 voos previstos. Nos aeroportos parisienses de Orly e Roissy, 30% dos voos foram anulados hoje por causa das fortes quedas de neve que se continuaram a abater sobre a capital francesa. Em Roissy, o maior aeroporto francês a norte da capital, 3000 pessoas dormiram no aeroporto de ontem para hoje depois da anulação de 40% dos voos no domingo. O serviço de comboios também está a sofrer limitações, nomeadamente o do Eurostar - que liga Londres e Paris - e o do Thalys, entre Paris, Bruxelas e Amesterdão. Nas estradas, a situação não é muito melhor. A circulação de autocarros e camiões está interdita nos arredores de Paris.


Hoje Macau • 2010.12.21 #2275