Page 1

AGÊNCIA COMERCIAL PICO • 28721006

PUB

LITERATURA

RETROSPECTIVA DA VIDA E OBRA DE FERNANDO NAMORA

CENTRAIS

PUB

MOP$10

Ter para ler

DIRECTOR CARLOS MORAIS JOSÉ • SEGUNDA-FEIRA 2 DE SETEMBRO DE 2013 • ANO XII • Nº 2927

• RELAÇÕES ECONÓMICAS E COMERCIAIS COM A CHINA

CEPA ATINGE O SEU OBJECTIVO COM MAIS OPORTUNIDADES PARA EMPRESAS LOCAIS PÁGINA 4

• MEDICINA TRADICIONAL

AL Campanha eleitoral arrancou no sábado

Partida, largada, fugida! Até ao próximo dia 15, vinte listas vão esgrimir-se em acções de rua, debates e comícios para eleger os que entram na Assembleia Legislativa pela via directa. De mangas arregaçadas e confianças exaltadas, os candidatos prometem lutar pelos direitos e liberdades da população. No entanto, a campanha eleitoral não começou imaculada. 24 queixas contra os candidatos foram apresentadas à CAEAL que “encaminhou” três situações para o Ministério Público. PÁGINAS 2 E 3

Aumento da procura faz Kiang Wu abrir nova área clínica PÁGINA 6

• MAU CHEIRO NA AREIA PRETA

IACM DIZ QUE A CULPA É DOS CANOS DETERIORADOS PÁGINA 13

• FASE CINCO DO NOVA CITY

Shun Tak assina acordo com China State Construction PÁGINA 5

PUB


2

ELEIÇÕES

JOANA FREITAS

joana.freitas@hojemacau.com.mo

S

ÁBADO à meia-noite foi dado o tiro de partida para o período de campanha eleitoral e todas as listas – incluindo as que estão a ser investigadas – estão autorizadas a realizar actividades. Em resposta aos jornalistas, na semana passada, sobre a possibilidade desta situação, Ip Song Sang, presidente da Comissão para os Assuntos Eleitorais da Assembleia Legislativa (CAEAL), foi claro. “De acordo com a lei eleitoral de Macau, as respectivas listas antes de serem notificadas de não poderem efectuar a campanha eleitoral podem continuar.” Só no caso de serem punidas, diz Ip Song Sang, é que se pode agir. Já é natural que as investigações por eventual fraude eleitoral se arrastem por mais de um ano, até podendo o candidato ganhar um lugar no hemiciclo. Depois de se tornarem deputados, contudo, os membros da AL ganham imunidade política, o que suscitou dúvidas entre os jornalistas. “Sabemos que a lei tem de ser actualizada, mas quando houver essa necessidade procedemos à revisão da lei”, foi tudo o que Ip Song Sang explicou.

SEM DADOS

Até ao dia 29 de Agosto, registaram-se 24 queixas por alegada fraude e corrupção eleitoral,

2013

hoje macau segunda-feira 2.9.2013

LISTAS INVESTIGADAS PELA POLÍCIA PODEM FAZER CAMPANHA

Poucos pormenores

São 24 as queixas apresentadas à Comissão para os Assuntos Eleitorais da AL sobre campanhas antecipadas, mas o presidente do grupo não quis revelar quantos são os candidatos entregues à justiça registando-se “três encaminhamentos”. No entanto, Ip Song Sang não explica estes encaminhamentos, nem dá detalhes sobre essas listas. O presidente da comissão não avançou sequer o número de candidatos enviados ao Ministério Público, nem afirma se há alguém constituído arguido. “Relativamente aos casos que remetemos ao MP - eu creio que o organismo vai ter uma conferência [sobre isto], mas não creio que seja oportuno [para a CAEAL] divulgar o número de casos que foram enviados para o MP, qual a lista e os detalhes. São casos relacionados com as actividades eleitorais.” Se um desses casos pode ser, por exemplo, o de Mak Soi Kun – que, recentemente, distribuiu mais de oito milhões de patacas em subsídios para os membros

da Associação de Conterrâneos de Jiangmen, da qual faz parte – Ip Song Sang não diz. “Cabe ao MP fazer a pronúncia. Nós só encaminhamos.”

zar para ver se existe algum caso suspeito de fraude eleitoral ou de infracção.” Ip Song Sang admitiu que houve mais queixas sobre campanha antecipada, mas atribuiu o facto à existência de mais listas. A Lei SEM CONHECIMENTO Sobre os jantares de listas can- Eleitoral terá de ser revista, afirma, didatas que estavam a ser anun- para se coadunar com a realidade de ciados para sexta-feira - e horas Macau, onde a população “cada vez antes da abertura do período mais está consciente da lei”. Sobre o período de campanha – autorizado para campanha – a CAEAL disse nada saber. “Em oficialmente aberto desde sábado -, a CAEAL deixa o aviso relação aos jantares e que os candidatos desta noite, não recenão podem afectar a bemos nenhuma invida dos residentes, formação, nem notícia sobre isso. No entanto, queixas contra listas podendo-se juntar até as duas da manhã e a esperamos que todas partir das 7h30, mas as listas obedeçam à eleição para a AL. apenas estando autorisempre à lei. Durante o Três encaminhadas zados a fazer barulho período de campanha, das 23 horas às 9 horas o Comissariado contra para o Ministério da manhã. a Corrupção vai fiscali- Público

24

DISCURSO DOS LÍDERES HORAS ANTECEDENTES AO ARRANQUE DA CAMPANHA ELEITORAL

Guerra dos números em marcha

representantes de Zhongshan, filipinos e portadores de deficiência. A reunião, com a presença de mil pessoas, preencheu-se de várias línguas e dialectos. A lista de Melinda Chan incentivou dez mil pessoas na Doca dos Pescadores e o ex-deputado David Chow apareceu para apoiar a sua mulher. Alista de Mak Soi Kun, União de Macau-Guangdong, também reuniu 600 membros da Associação do Amigos de Jiangmen para o arranque da campanha. E a lista dos “Kai Fong”, União Promotora Para o Progresso, reuniu-se na sala da Escola Hou Kong, com cerca de mil apoiantes. AAngela Leong reuniu seis mil pessoas para partiram de locais diferentes com camisolas amarelas e slogans da Nova União para Desenvolvimento de Macau. A Polícia de Segurança Publica (PSP) anunciou que durante a noite cerca de 200 polícias para manter a ordem no tráfego.

CECÍLIA LIN

cecilia.lin@hojemacau.com.mo

A

lista da deputada Kwan Tsui Hang, União para o Desenvolvimento (UPD), realizou um evento com cerca de 1500 pessoas no Campo dos Operários da Associação Geral dos Operários de Macau. O ex-presidente da Assembleia Legislativa (AL), Lau Chok Va, fez um discurso a dizer que os deputados da UPD realizaram trabalhos profícuos para os cidadãos. O objectivo foi deixado expresso: manter os dois cargos na AL. Na reunião de Chang Meng Kam, da lista Associação dos Cidadãos Unidos de Macau na Escola Fukien, o actual deputado pediu aos eleitores mais quatros anos onde será procurada justiça para os cidadãos. Além de um grupo originário da província Fujian, terra natal de Chan Meng Kam, a Cidadãos Unidos de Macau tem ainda

IP SON SANG LOCAIS ILEGAIS DE CAMPANHA DEBAIXO DE OLHO Ontem, no Domingo, o presidente da Comissão de Assuntos Eleitorais da Assembleia Legislativa (CAEAL) avisou as listas de que precisam de cumprir as regras de campanha, isto porque já descobriu dois a três locais onde não é permitido pôr cartazes de campanha, mas não revelou quais

as listas que violaram as regras. No primeiro dia da campanha, um funcionário da Galaxy publicou fotos no Facebook de cartazes da lista de Angela Leong e Chan Meng Kam no quarto dos funcionários do casino. Na sexta-feira, ainda fora do período de campanha, também foram

descobertos cartazes da lista de Chan Meng Kam no Iao Hon, publicados igualmente na rede social. Por outro lado, alguns cartazes em frente à Escola Portuguesa de Macau foram vandalizados, Ip Son Sang disse que estes actos são considerados criminosos.

Campanha de Kwan Tsui Hang chegou à creche A União Para o Desenvolvimento (UPD), lista encabeçada por Kwan Tsui Hang, já começou a receber criticas por parte de residentes, segundo o jornal de All About Macau, alguns pais queixaram-se que a creche sob tutela da Federação Geral dos Operários de Macau (FAOM) enviou produtos de campanha através de livros escolares. “Fomos obrigados a receber publicidade da campanha, será que na aula o meu filho também é ensinado sobre que lista deve apoiar?”, informou um dos pais. Não só os pais das crianças, mas os jornais (como o HM) estão também a receber boletins informativos da UPD. O número dois de Kwan, Lam Lon Wai, negou usar financiamento do Governo para a sua associação, FAOM, para campanha eleitoral.

Professora Kam tornou-se porta-voz da lista de Jason

A lista Liberais da Novo Macau, de Jason Chao, criou um site em língua portuguesa, chinesa e inglesa para apresentar o seu programa político. Na campanha oficial, consta também o apoio do académico da Universidade de Macau Bill Chou e a professora primária Kam Sut Lam, que suscitou polémica em algumas manifestações por trajar uma minissaia.

Apenas duas listas com programa eleitoral em português

Há duas línguas oficiais mas não são para usar sempre em actos oficiais. É isso que fica provado quando na apresentação das “Bases de Programas Políticos de Candidaturas”, publicada no sítio online da Comissão de Assuntos Eleitorais da Assembleia Legislativa (CAEAL), no dia de arranque da campanha eleitoral, 1 de Setembro, apenas duas de 20 listas candidatas por sufrágio directo à AL são apresentadas em chinês e português. As restantes desprezam por completo a língua portuguesa. As exigências, tudo indica, não foram feitas por parte do organismo responsável pelo bom funcionamento e acompanhamento dos actos eleitorais. A lista 9 “Nova Esperança”, de Pereira Coutinho, e a lista 12 “Aliança P’ra Macau”, de Melinda Chan, são as únicas excepções à regra, com um programa político bilingue. Ou seja, os eleitores, que não saibam ler chinês, poderão apenas informar-se sobre as ideias destas duas listas. A CAEAL, através do sistema de porta-voz, diz que se limitou a divulgar os programas políticos dos candidatos sem exigir tradução para português.


eleições 3

hoje macau segunda-feira 2.9.2013

Confiança na conquista de, pelo menos, um lugar na Assembleia Legislativa. Este era o principal ponto em comum entre as listas unidas no Tap Seac arranque da campanha eleitoral. Lutar por direitos e liberdades da população foram as palavras de ordem

PRIMEIRAS HORAS DA CAMPANHA SERVIRAM PARA MOSTRAR OS PUNHOS DA LUTA E EXALTAR CONFIANÇA

A alegria de começar

EDUCAÇÃO NACIONAL E AUTOCARROS AO SERVIÇO

RITA MARQUES RAMOS rita.ramos@hojemacau.com.mo

T

ÊM exactamente quinze dias para mostrarem o que valem. Os candidatos para as legislativas vão tirar a prova dos nove no próximo dia 15 de Setembro e, é agora, em altura de campanha eleitoral que dão a conhecer o que pretendem mudar em Macau. À meia-noite de domingo, no Tap Seac, todas as listas quiseram pôr em destaque o seu cartaz eleitoral e fazer-se ouvir o mais alto possível - contando com os apoiantes que se quiseram juntar - mas sem audiência civil durante cerca de hora e meia. Enquanto uns se promoviam enquanto trabalhadores do povo, outros diziam-se defensores dos mais fracos e há ainda quem só pense na campanha como campo de batalha para lutar, lutar, lutar. “Have Guts!” (“Tenha coragem!”, em português) ouvia-se e lia-se nas vozes e bandeiras hasteadas pelos apoiantes de Agnes Lam, a cabeça-de-lista pelo Observatório Cívico. Na euforia do momento, a confiança é muita. “Sim, vai ser desta. Temos vindo a prepara-nos há muito tempo e finalmente este é o dia. É este o momento e nós vamos lutar. Queremos ganhar dois lugares na Assembleia Legislativa para depois mudar Macau”, indicava a professora universitária, em primeiro acto de campanha eleitoral.

PUN QUER MUDAR A LEI ELEITORAL

Sem tantos apoiantes como as restantes listas, Paul Pun acredita que joga com outras armas. “Não temos muita gente mas as pessoas que estão escondidas na sociedade, não estão aqui mas querem mentes como as do nosso grupo para lutarem pelas suas preocupações (...) a AL já perdeu tantas oportunidades para trabalhar para aqueles que estão a ser negligenciados e acho que nestes doze anos, já tive opor-

documentos oficiais, e outro para protecção dos informadores, pois precisamos de bons funcionários públicos que exponham casos de corrupção”, indicou. Consciente já do papel de deputado, Ng Kuok Cheong, cabeça de lista da Próspero Macau democrático, diz que a campanha já foi feita nos últimos quatro anos.

tunidade de saber o que a sociedade precisa e onde o Governo deve apostar mais”, garantiu o candidato número um pelo Esforço Juntos para Melhorar a Comunidade. Acabar com a injustiça (logo na altura de escolher os representantes da sociedade) é a primeira proposta do também secretário-geral da Cáritas. “Queremos mudar a lei eleitoral porque hoje os candidatos podem influenciar a escolha dos eleitores dando-lhes bens e regalias. Temos de lutar por oportunidades iguais para todos na campanha.”

Pereira Coutinho promete continuar a lutar a tempo inteiro. “Precisamos de deputados a tempo inteiro, com coragem, que trabalhem para a população e que seja ela o seu empresário”, proclamou o cabeça de lista da Nova Esperança. “Acreditamos que a população já está consciente de que de facto vale a pena lutar pelos seus direitos, vale a pena ter a esperança de que o futuro está nas nossas mãos.” A Novo Macau manteve-se unida, e com respeito às diferenças, querem fazer chegar à Assembleia

Legislativa as três vozes da associação. “Vamos dar o nosso melhor para promover a nossa plataforma política. Esperamos que as três listas da Associação Novo Macau, em conjunto, possam ganhar quatro a cinco lugares”, perspectivou Jason Chao, número um da Liberais da Novo Macau. Uma das bandeiras da sua luta é pela defesa das liberdades civis, dos direitos humanos e do liberalismo. “Um dos projectos que pretendo apresentar é sobre a liberdade de informação, para que os cidadãos possam ter acesso a

Kuan Vai Lam teve muito apoio dos camisolas azul e laranja para a sua “Cuidados para Macau”. A educação nacional é a grande bandeira do seu programa político. “Queremos que o Governo dê mais apoio à população, não só aos grandes negócios, que crie mais creches, invista mais na educação e reforce a educação nacional, especialmente dos mais jovens, o que é essencial para se criar um ambiente político estável e favorável ao desenvolvimento económico”, disse Kuan Vai Lam, empresário do ramo imobiliário, à agência Lusa. A nível económico, Kuan defende que o jogo deve vir a impulsionar outras indústrias. Angela Leong fez-se ouvir mas apenas pelos seus apoiantes. A empresária do jogo fez uma aparição muito breve e discreta no Tap Seac, já no desfecho das festividades de campanha no local, pela 1h30. Ainda assim, no seu trajecto no arranque da campanha, a líder da Nova União para o Desenvolvimento de Macau fez-se acompanhar por autocarros da Transmac cheios, a companhia pública da mesma cor da sua lista. De manhã, pelas 11 horas, depois de uma madrugada intensa, as 20 listas voltaram a juntar-se no Tap Seac para celebrar o início da campanha eleitoral e apresentar os seus programas políticos.

TRÊS SIMULADORES DE VOTO À DISPOSIÇÃO A Comissão para os Assuntos Eleitorais da Assembleia Legislativa (CAEAL) terá três réplicas de assembleia de voto, em funcionamento de 1 a 13 de Setembro, no Centro de Serviços da RAEM, no Centro de Actividades de S. Domingos e no Centro de Actividades de S. Lourenço, para que os eleitores de Macau possam proceder a uma votação simulada e ter um contacto antecipado e mais próximo com todo o processo e método do exercício do direito de voto. Desta forma, a CAEAL pretende elevar a qualidade do acto eleitoral e evitar a quantidade de votos nulos registados no acto eleitoral de 2009. Todas as réplicas de assembleias de votos estarão abertas ao público, também, aos Sábados e Domingos.


POLÍTICA

4

JOANA FREITAS

joana.freitas@hojemacau.com.mo

F

OI atingido o objectivo do Acordo de Estreitamento das Relações Económicas e Comerciais entre o interior da China e Macau (CEPA, na sigla inglesa), diz Francis Tam. O secretário para a Economia e Finanças assinou, na sexta-feira, mais um suplemento ao acordo, que traz mais liberalização ao comércio de Macau com a China. A partir de Janeiro de 2014, entra em vigor o Suplemento X que, segundo Gao Yan, vice-ministra chinesa do Comércio, vai

hoje macau segunda-feira 2.9.2013

CEPA ASSINATURA DE SUPLEMENTO TRAZ MAIS OPORTUNIDADES PARA EMPRESAS LOCAIS

Trezentas vezes mais fácil ajudar o território. “Com a assinatura deste documento, o interior da China concede mais medidas benéficas a Macau. O que é mais importante neste suplemento é o aprofundamento e alargamento da abertura em relação a Macau.”

EXEMPLOS

Uma dessas aberturas – como exemplo do que pode ser lido no acordo – é a

permissão de que os agentes funerários de Macau invistam e explorem instalações funerárias e para cerimónias fúnebres e instalações para depósito de cinzas resultantes da cremação no interior da China, desde que as empresas tenham capitais mistos. Apesar de, na cerimónia de abertura, ter sido mais enfatizada a cooperação jurídica, esta medida pode

significar muito devido à quase monopolização das instalações funerárias em Macau. No sector da justiça, uma medida a título experimental: a extensão da actividade de advogado e jurista ao interior da China e a Macau.

DINAMISMO E BENESSES

O novo suplemento traz 383 novas medidas de facilitação de acesso ao continente

por empresas locais em 28 áreas distintas, que vão desde serviços de limpeza à arquitectura. Em vigor há nove anos, o CEPA “tem injectado um novo dinamismo no desenvolvimento comercial das duas partes”, diz Francis Tam, e construindo o que o secretário diz ser uma base sólida para atingir o desejo final: a plena liberalização do comércio de serviços

entre Macau e o interior da China. Em jeito de balanço, Francis Tam traça um sinal positivo nos benefícios obtidos com este acordo e relembra que, até 2012, as exportações da RAEM para a China subiram de 1,83 milhões de patacas para um total de cem milhões. Há ainda a registar quase mil empresas de Macau instaladas do outro lado da fronteira.

O QUE TRAZ O SUPLEMENTO AO ACORDO? • Possibilidade de destacamento de juristas do interior da China para a RAEM e vice-versa

serviços de Macau estabelecerem parcerias com empresas no interior da China

• Fim às restrições relativamente ao tempo mínimo para quem preste funções em empresas de arquitectura e construção no interior da China com o BIR de Macau

• Eliminada a restrição relativa ao prazo de exercício da actividade exigido para o estabelecimento de agências de emprego de quadros especializados, na província de Guangdong, por prestadores de serviços de Macau

• Possibilidade de os prestadores de serviços de Macau poderem concluir em Macau os cursos optativos na área de educação contínua para arquitectos • Possibilidade de os prestadores de

• Simplificados os procedimentos de apreciação e autorização para a importação de livros de Macau, estabelecendo-se uma via verde para essa importação

• Permitido aos prestadores de serviços de Macau estabelecer empresas de capitais mistos para exercer actividades de processamento de dados e processamento de transacções on-line, não podendo a quota detida pelo investidor de Macau exceder 55% do capital • Permitida a execução, em Macau, da revelação de filmes produzidos no Interior da China e filmes co-produzidos • Levado em conta o exercício da actividade comercial substancial de instalações para o tratamento da po-

luição ambiental quer em Macau quer no interior da China • Permitido aos prestadores de serviços de Macau estabelecer, na Província de Guangdong, instituições para prestação de serviços de cuidados domiciliários a idosos • Não está sujeito a restrições o volume anual de negócios investidos, em turismo, por agências de viagens estabelecidas, no interior da China, por prestadores de serviços de Macau • Permitido aos prestadores de serviços de Macau prestar, para o interior da

China, serviços de agenciamento de vendas de bilhetes aéreos de rotas internacionais ou de Hong Kong, Macau e Taiwan, sob a forma de prestação de serviços transfronteiriços • Permitido aos agentes funerários de Macau investir e explorar, no interior da China, sob a forma de empresas de capitais inteiramente detidos pelos próprios ou de capitais mistos, instalações funerárias e para cerimónias fúnebres e instalações para depósito de cinzas resultantes da cremação, com excepção de casas funerárias que executem funções de cremação


SOCIEDADE

hoje macau segunda-feira 2.9.2013

JOANA FREITAS

joana.freitas@hojemacau.com.mo

A

Shun Tak Holdings, liderada por Pansy Ho, juntou-se à China State Construction, de Hong Kong, para desenvolver o projecto residencial da fase cinco do Nova City. Num comunicado enviado à Bolsa de Hong Kong, analisado pelo HM, a Shun Tak explica que a empresa da região vizinha considera investir dois mil milhões de dólares de Hong Kong, em troca de acções. “A China State Construction passa a ter 29% no que diz respeito à parte residencial do projecto de desenvolvimento, enquanto a [Shun Tak] manterá 71% através de subsidiárias [nossas].” O complexo situado junto à Avenida Kwong Tun, ao lado do Parque Central da Taipa, e que também terá um centro comercial, terá mais de 2,3 milhões de pés quadrados para áreas residenciais, divididas em oito torres. Mas não só. “As torres vão estar em cima de um centro comercial de 650 mil pés quadrados, com supermercados, restauração, lojas de roupa e entretenimento, de forma a providenciar uma maior comodidade aos residentes.” Os trabalhos de fundação estão previstos para começar

GONÇALO LOBO PINHEIRO

NOVA CITY SHUN TAK ASSINA ACORDO COM CHINA STATE CONSTRUCTION PARA PROJECTO

Em troca de acções e poupança

em breve e espera-se que as obras estejam concluídas em 2017.

PARCEIROS DE SEMPRE

A China State Construction já não é novidade em termos de parceria com a empresa de Pansy Ho, sendo que já foi apontada como construtora para todas as outras três fases do Nova City. “Vai continuar a ser o construtor principal, tanto para o centro comercial como para as torres residenciais.” No comunicado à Bolsa, a Shun Tak assegura que a China State Construction tem fortes recursos laborais em Macau e é uma empresa com experiência. “A parceria vai permitir gerir o projecto em menos tempo e com menos dinheiro”, referiu Pansy Ho à Bolsa de Valores. “Esta estratégia vai permitir [à Shun Tak] aplicar os seus recursos financeiros noutras áreas mais variadas.” A empresa de Pansy Ho tem os Nova City e os Nova Park – a ser concluídos no primeiro semestre de 2014 –, tendo conseguido vender mais de dois mil apartamentos.

Alan Ming aponta falta de diversificação nas MICE

Obra de reparações no Park n’Shop, na Taipa, com atraso

A

A

QUELA que parece ser a aposta forte do Governo para a diversificação da economia, tem também dificuldades em diversificar-se. A ideia é defendida por Alan Ho Hoi Ming, presidente da Associação de Exposições e Convenções de Macau, que pede mais atenção do Governo para a indústria. “O sector tem de se auto-regular e apontar no sentido de uma maior diversificação.

5

Quando este mercado estiver mais maduro, acredito que as coisas vão mudar. Com a ajuda do Governo, o sector pode tornar-se mais profissional, maior e com uma imagem de marca mais reconhecida”, revelou o responsável em declarações à TDM, explicando que os temas e o tipo de eventos acabam por ser sempre os mesmos. Ainda assim, sublinha, a Administração já aposta

na formação de pessoas mais qualificadas para trabalhar no sector das exposições e convenções (MICE, na sigla inglesa), sendo 80% dos trabalhadores da indústria locais. Um milhão e 600 mil pessoas visitaram Macau no ano passado para participarem em mais de 1000 convenções, o que ditou um aumento de quase 30% no número de participantes.

DSSOPT detectou deficiências nos projecto entregue pelo arrendatário do espaço comercial do Flower City, na Taipa, e pediu que fossem introduzidas alterações. As Obras Públicas detectaram no mês passado que a camada de protecção de pilares estruturais se tinha desprendido e exigiram reparações ao arrendatário, depois de queixas dos cidadãos. No mês passado, o arrendatário retirou os materiais depositados no acesso comum do edifício e destrancou os portões a pedido das Obras Públicas. As declarações foram feitas por meio de um comunicado lançado pela DSSOPT, na sexta-feira passada, no qual é explica que já mandou o arrendatário do supermercado melhorar o conteúdo do projecto o mais rápido possível para que se possa prosseguir com a obra o quanto antes. Num comunicado do Instituto de Habitação, também no mesmo dia, é revelado que a gestão de

condomínio e o arrendatário do Park n’Shop já chegaram a um acordo preliminar sobre o pré-requisito para o uso das torres de refrigeração. Ainda assim, os dois lados ainda mantém o conflito sobre o pagamento das obras e a taxa

de manutenção do condomínio (que o Park n’Shop não acede a pagar), o IH diz que precisa de procurar mais provas para saber quem tem obrigação de pagar o condomínio, e que deverá esclarecer numa próxima reunião.


6 sociedade

hoje macau segunda-feira 2.9.2013

JOANA FREITAS

joana.freitas@hojemacau.com.mo

A

UMENTOU o espaço dedicado à Medicina Tradicional Chinesa (MTC) no Hospital Kiang Wu. Na semana passada, uma nova área clínica abriu portas, tudo devido ao aumento da procura. Num comunicado enviado ao HM, Liu Qingsheng, vice-director do departamento de MTC, explica que a área de MTC se tem expandido desde que a clínica abriu, em 1998. Já o fez por três vezes. “No ano passado, o número de utentes ultrapassou os cem mil, pela primeira vez. Este ano, só na primeira metade, já chegou aos 60 mil.” Neste momento, o Kiang Wu conta com 11 médicos de MTC, sendo que sete deles são profissionais da área há 20 anos. Apesar de ser uma área específica, a MTC também se divide em especialidades, tendo clínicas na secção de pediatria, ginecologia, ortopedia, medicina interna, massagem curativa, acupunctura e até local de internamento.

EXEMPLO PARA MACAU

Também Chan Tai, director-executivo do Kiang Wu, discursou na

KIANG WU AUMENTA ESPAÇO PARA MEDICINA CHINESA

Aprofundar as raízes cerimónia. “Nota-se, no cuidado diário dos residentes, que tomam chás de ervas, que ainda utilizam ervas chinesas e tem-se reflectido na área da saúde pública a MTC”, começou por dizer. “É muito po-

pular entre o público e, na clínica actual, continua a crescer o número de pacientes, sendo que se denota falta de espaço. Esta nova clínica foi fruto de um investimento de cinco milhões da Associação de

ILHA VERDE KONG CHEONG INVESTIGADA PELO MP

Caridade do Kiang Wu e introduzimos uma nova terapia, chamada ‘Terapia de Fumigação’.” O Kiang Wu assegura querer ser um exemplo para o desenvolvimento da MTC em Macau, o que acontece

numa altura em que o Governo também já mostrou vontade de fazer crescer este tipo de medicina. Na cerimónia, Chan Wai Sin, vice-director dos Serviços de Saúde (SS) voltou a frisar esse desejo, recordando o que está a ser feito em termos de regras e regulamentos para a MTC. “O Conselho para os Assuntos Médicos vai discutir a possibilidade de implementar um sistema de registo para os profissionais da medicina chinesa”, disse, citado pelos média chineses.

CRIADA LEI PARA SUSPENSÃO DE LICENÇA EM CASO DE INFRACÇÕES

Discórdia no Convento Táxis com rédea muito curta V A CECÍLIA LIN

cecilia.lin@hojemacau.com.mo

S polémicas em torno do Convento da Ilha Verde estão para durar. A Polícia Judiciária (PJ) reagiu às acusações de Fong Lap, um dos responsáveis da Companhia Kong Cheong, antiga empresa proprietária do terreno que alberga o convento jesuíta da Ilha Verde, sobre as possíveis violações criminais da venda ilegal de gás naquele local. Segundo a edição de sábado do TodayMacao, diário de língua chinesa, a PJ já está a investigar Fong Lap e Wu Tek Neng, outro funcionário da Kong Cheong, por calúnia e difamação sobre a acção policial pelo que o caso foi já entregue ao Ministério Público (MP). A PJ explicou ao mesmo jornal que a venda ilegal de gás enquadra-se no quadro de violações administrativas e não representa uma ofensa criminal, por isso, a PJ não investigou o caso,

demitindo-se de responsabilidades. As mesmas que lhe foram imputadas pela Kong Cheong, aquando da publicação de uma carta aberta num jornal chinês. Recorde-se que na passada terça-feira, Fong Lap, um dos responsáveis da Companhia Kong Cheong, realizou uma conferência de imprensa na qual acusava a falta de actuação da PJ, por não ter ajudado a investigar a actividade suspeita sobre possível venda ilegal de gás na terra onde fica o convento. A Wui San, que se assume como actual proprietária do terreno, é acusada de cooperar com a empresa de gás Caltex sobre essa venda ilegal. Em Julho deste ano, um acórdão do Tribunal de Segunda Instância (TSI), determinou uma acção de limpeza no prazo de 60 dias à Kong Cheong, que tem o direito de gestão da propriedade, onde se encontravam botijas de gás, já que existe um risco elevado de explosão no local o que pode trazer danos para o convento.

MP acusa homens por crimes sexuais

O Ministério Público (MP) concluiu a investigação de dois casos de crimes sexuais em Macau. Dois homens foram sujeitos a medidas de coação, um dos quais disse à namorada que faria com que perdesse o emprego e magoaria a sua filha antes de agredir a jovem repetidamente e ter relações sexuais contra a sua vontade. No outro caso, um homem atou a namorada, tirou-lhe fotografias nua e violou-a depois de ela se ter recusado a praticar o acto sexual. O MP considera haver fortes indícios da existência dos crimes de violação e de coerção sexual, entre outros.

ÃO ser aumentados os valores das multas para os taxistas que cometam infracções. O anúncio foi feito na sexta-feira por Wong Wan, director dos Serviços para os Assuntos de Tráfego. Quem recusar um cliente ou cobrar mais dinheiro pela tarifa vai estar sujeito a um sistema de pontos – um regime falado há já algum tempo -, que vão diminuindo consoante as infracções cometidas. Caso o motorista perca todos os pontos, está sujeito a ficar sem a licença para trabalhar. O regime, contudo, tem de ser redigido por Lei. De acordo com o que disse Wong Wan à TDM, uma vez que a reincidência de violação das regras faz acumular pontos que resultam na suspensão da licença, isso tem de estar definido por lei. “Implica a perda do direito ao trabalho, portanto não pode estar definido apenas por regulamento administrativo.” No entanto, e se a lei for avante, os montantes das multas vão também aumentar. Esses valores é que vão ser, então, definidos por regulamento administrativo. Actualmente, a multa máxima para um motorista que desrespeite as regras é de mil patacas. A ideia é que passe a ser entre as duas e as cinco mil patacas.

REGRAS NOVAS PARA TUFÕES Sobre a possibilidade de serem multados os taxistas que conduzam com sinal oito de tufão içado, avançada na semana passada, já não há mais nada a apontar. A DSAT voltou atrás e Wong Wan disse na sextafeira que quem quiser trabalhar com tufão oito pode fazê-lo, sendo que tem de suportar os custos em caso de acidentes, já que as seguradoras não o fazem. Uma outra novidade é que o Governo decidiu enviar um carro oficial para ir buscar os funcionários públicos que tenham de ir trabalhar com sinal 8.


sociedade 7

hoje macau segunda-feira 2.9.2013

METRO LIGEIRO JOCKEY CLUB ADMITE QUEDA NO NEGÓCIO DEVIDO ÀS OBRAS

Receitas a cair O

Macau Jockey Club acusa possível influência nas receitas devido à empreitada do metro ligeiro, mesmo à porta. “Temos vindo a ser afectados negativamente pela construção do metro ligeiro. Tem afectado o número de pessoas que entra no recinto”, explica Thomas Li, director executivo do Macau Jockey Club, à imprensa chinesa, em declarações divulgadas pela TDM. As perdas ainda não são calculadas, diz para já o responsável, que ainda assim antevê uma queda acentuada nas receitas no final do semestre. A empresa encerrou ontem quatro centros de jogo, no mercado vermelho, perto das Ruínas de São Paulo, na Avenida Venceslau de Morais e no ZAPE. Mas será posto em marcha um plano B para a perda dos espaços. “Resolvemos começar a desenvolver apostas online e por telefone”, explicou Li, ainda assim, diz que a empresa verá menos receitas. “Claro que vai

afectar o negócio. Já houve uma queda no primeiro semestre do ano.” A empresa, pertencente ao grupo SJM, diz que a medida vem em resposta à população que pede que os centros de jogos em zonas residenciais sejam deslocados mas o pedido já foi feito igualmente pelo Governo, que exigiu a curto-médio prazo o deslocamento das salas de apostas que actualmente estão instaladas em zonas comunitárias. O Jockey Club mantém assim em funcionamento quatro centros de apostas: no próprio estabelecimento, no Canídromo, perto do Kiang Wu e na zona do Iao Hon. Nos dois últimos casos, que se situam em áreas residenciais, desconhece-se ainda um a data para encerramento ou deslocamento. Em 2012, o Macau Jockey Club registou uma perda anual de mais de 57 milhões de patacas. Um aumento de mais do triplo que em 2011. Há dez anos que o clube não tem lucro.

MELCO CROWN NÃO OBEDECE A INSTR UÇÕES O Mocha Clubs, um estabelecimento da Melco Crown, situado no Edifício Marina Plaza, nos NAPE, decidiu mudar de instalações na zona residencial onde se encontra mas apenas para um espaço uns metros à frente, noticia o Business Daily na sua edição de sexta-feira. A medida parecia estar relacionada com as instruções do Governo, que pediu para relocalizar três centros de apostas da operadora, mas dada o novo local escolhido a iniciativa não obedece às condições da Administração.

PAVIMENTAÇÃO E COLOCAÇÃO DE BARREIRAS DE SEGURANÇA ALARGAM-SE ATÉ DEPOIS DO INÍCIO DO ANO ESCOLAR

Regresso às aulas marcado por obras H

OJE começam as aulas na maioria das escolas de Macau (80%) mas nem tudo está em ordem. Há obras ainda a decorrer, pelo menos, ao redor de 30 escolas. Com a ajuda da Polícia de Segurança Pública (PSP), que vai encerrar lugares de estacionamento junto das escolas para alargar a faixa de rodagem e reforçar o policiamento nas vias com maior tráfego, a Direcção dos Serviços para os Assuntos de Tráfego (DSAT) continua a ajustar a localização também de passadeiras, criação de bandas sonoras para abran-

damento de velocidade, alteração das bermas, instalação de barreiras metálicas e alteração de sinalizações verticais e horizontais o que leva a que algumas obras só fiquem concluídas depois de iniciado o ano lectivo. “Fizemos algumas alterações de acordo com as diferentes necessidades. Por exemplo, todos querem o alargamento das passadeiras e mais barreiras de segurança. Esperamos fazer isto sem afectar as aulas”, explicou Wong Wan, director da DSAT, em declarações reproduzidas pela TDM. O

organismo diz ter revisto, entre Junho e Julho, o ambiente do trânsito envolvente em mais de 60 escolas. Até ao momento, algumas obras de optimização ao redor das escolas incluem, por exemplo, oito faixas de redução de velocidade (lombas) ao redor de oito escolas. Restam algumas obras viárias, tais como as de colocação de cabos eléctricos na Estrada do Campo de Coloane e na Ponte Governador Nobre de Carvalho e as da rede de esgotos da Rua do Desporto da Taipa, entre outras obras que não afectam muito o

tráfego durante os primeiros dias de regresso às aulas. Prevê-se que as mesmas obras sejam concluídas até final de Setembro.

MAIS TRÁFEGO, MAIS CARREIRAS

A Direcção dos Serviços para os Assuntos de Tráfego prevê que o volume de tráfego irá aumentar substancialmente, pelo que já coordenou com as três companhias de autocarros para aumentar a frequência de partidas e para prestar serviços de autocarros especiais - carreiras com trajectos

menores - nos primeiros dias de regresso às aulas, com vista a elevar a capacidade de escoamento do tráfego. irão aumentar o número de veículos de reserva, para elevar a capacidade de resposta às emergências. Na primeira semana de regresso às aulas, irão aumentar a frequência de partidas dos autocarros no sentido que haja maior volume de passageiros, com um total de 40 carreiras de autocarros nas horas de ponta da parte da manhã (das 7 às 9h) e da parte da tarde (16 às 20h), para escoar os estudantes e professores nos

primeiros dias de regresso às aulas. A DSAT e as três companhias de autocarros vão também destacar mais trabalhadores auxiliares, fiscais de brigada móvel e assistentes de trânsito, para ajudar os passageiros nas filas de espera, fiscalizar as paragens das diversas zonas e informar a procura e oferta das paragens, para além de exortar os outros condutores para não pararem os seus veículos nas paragens de autocarros, com vista a racionalizar a disciplina das paragens de autocarros. - R.M.R.


8

CHINA

Sismo de magnitude 5,8 abalou sudoeste da China

Um sismo de magnitude 5,8 assolou hoje a região sudoeste da China com o epicentro a cerca de 10 quilómetros de profundidade, revelou o Serviço Geológico dos Estados Unidos. O sismo ocorreu na cidade de Benzilan, na fronteira entre as províncias de Sichuan e Yunnan. A imprensa estatal chinesa revelou, entretanto, que equipas de busca e salvamento estão a deslocar-se para o local bastante montanhoso. Em Julho, um sismo em Gansu provocou a morte a 95 pessoas. No início deste ano, um outro sismo na província de Sichuan provocou a morte a 200 pessoas, cinco anos depois de outras 90.000 terem perecido num forte abalo sísmico na mesma província.

Terramoto assolou província chinesa de Xinjiang

Um terramoto de magnitude 5,1 na escala de Richter sacudiu hoje, com o hipocentro no mesmo centro urbano, a cidade de Urmqi, capital da região autónoma uigure de Xinjiang, revelou a agência Xinhua. O hipocentro do sismo ocorreu a 12 quilómetros de profundidade em coordenadas que coincidem com um bairro no sul da capital, refere a rede sismológica nacional chinesa. As autoridades desconhecem, até agora, feridos ou danos materiais daquela região no oeste da China, palco frequente de actividade sísmica, ainda que, maioritariamente, em zonas desabitadas ou com baixa densidade populacional. Na terça-feira, um sismo com a mesma intensidade sacudiu a província de Yunnan sem provocar vítimas, mas com elevados danos em mais de 52.000 casas.

Fuga de amoníaco em fábrica faz 15 mortos

Pelo menos 15 pessoas morreram e outras 26 ficaram intoxicadas, seis delas em estado grave, devido a uma fuga de amoníaco numa fábrica de Xangai, informaram neste sábado as autoridades locais. O acidente ocorreu às 11h locais numa unidade de refrigeração das instalações da Cold Storage Industrial, situada no distrito de Baoshan, na cidade citada. Os feridos já foram transferidos para um hospital da região, acrescentaram as autoridades locais na página da weibo - o Twitter chinês. No entanto, até o momento, as autoridades não se pronunciaram sobre a origem da fuga, embora tenha ressaltado que uma investigação já tenha sido iniciada para esclarecer o ocorrido, apontou a Prefeitura de Xangai em comunicado.

hoje macau segunda-feira 2.9.2013

PEQUIM NA CORDA BAMBA ENTRE LIBERALISMO ECONÓMICO E CONTROLO POLÍTICO

Escolha difícil de fazer A China tenta um equilíbrio difícil entre liberalismo económico e política neomaoísta. Segundo observadores, é um jogo duplo retórico, para servir os interesses do mercado e ao mesmo tempo satisfazer as bases partidárias. O julgamento do ex-astro da política chinesa Bo Xilai passou. O Partido Comunista tentou pôr um ponto final nos maiores escândalos políticos das últimas décadas. Com Bo Xilai, a esperança da chamada “nova esquerda” desaparece atrás das grades. Mas a política neomaoista, por ele iniciada, continua viva, impulsionada justamente pelo seu adversário político, o novo chefe de Estado e secretário-geral do Partido Comunista, Xi Jinping. Sebastian Heilmann, sinólogo da Universidade de Trier, vê algo de fundamentalmente novo no facto de se dar continuação e propagar conceitos, métodos e programas políticos de uma pessoa que está em julgamento. “O iniciador Bo Xilai está a ser separado do seu programa”, comentou.

JOGO DUPLO

BO XILAI, DEFENSOR DO NEOMAOÍSMO, VAI A JULGAMENTO

Observadores têm registado, nos últimos tempos, um retorno da nova liderança chinesa à retórica maoísta. Willy Lam, editor de Hong Kong, está a escrever um livro sobre Xi Jinping. Desde que foi nomeado líder do Partido Comunista, em Novembro do ano passado, passou a assumir uma linha conservadora que se poderia descrever como maoísta, afirma Lam. De facto, o novo chefe de Estado e de partido evoca o legado de Mao como nenhum outro chefe de Estado desde a morte do “Grande Timoneiro”, em 1976. Xi visitou o memorial de Mao e se posicionou contra o resgate crítico dos crimes e erros catastróficos do líder. Em Junho, Xi juntou-se a uma grande “campanha de rectificação” no estilo maoísta: durante um ano, o partido deve ser purgado de “extravagância” e corrupção, e ser colocado “em linha com as massas”.

SETE TEMAS TABU

Além disso, a nova liderança partidária também reforçou o controlo sobre a ideologia e os meios de comunicação de massa, prossegue o jornalista de Hong Kong,

apoio na ala esquerdista da sociedade” – uma meta de grande relevância, enfatiza o especialista, apoiado em pesquisas de opinião chinesas. “Até mesmo na economicamente próspera província de Cantão, no sul da China, 38% dos entrevistados tendem a posições de esquerda, assim como a uma certa nostalgia de Mao. É também uma questão de justiça social, e essas são forças poderosas, que nenhuma liderança chinesa pode ignorar”, analisa o especialista da Universidade de Trier face do abismo cada vez maior entre pobres e ricos na China. No entanto, as acções estatais não se restringem à mera retórica: o governo de Xi Jinping enviou para a prisão uma série de dissidentes, entre eles, líderes do chamado “constitucionalismo”. A sua única exigência era que o Governo e a Administração do país respeitassem os parâmetros estabelecidos pela Constituição chinesa. Perseguidos foram também activistas dos direitos civis, por exigir nada além da divulgação do património dos funcionários estatais. E no entanto o próprio Xi Jinping declarara a luta contra a corrupção como prioridade. Mas Xi aposta no aparato partidário, e em consequência, segundo Heilmann, “o partido não consegue sair do velho dilema, de que ele próprio é que deve controlar a si mesmo”.

referindo-se em especial ao assim chamado “Documento n.° 9”. Em circulação nos meios partidários de todo o país, essa directriz adverte enfaticamente contra “sete ameaças” à ideologia estatal – ou seja, temas que não devem ser abordados pelos média, escolas ou universidades: os valores universais, a sociedade civil, os direitos civis, a liberdade de imprensa, a independência do poder judiciário, os erros do partido no passado e os privilégios dos quadros partidários. Desde Julho de 2013, os média

têm vindo a ser disciplinados. Segundo a justificativa apresentada no jornal estatal Diário do Povo, como a qualidade do jornalismo tem vindo a oscilar, os mais de 300 mil profissionais precisariam passar por um treino. Trata-se de “valores essenciais”, a ser veiculados em cursos com vários dias de duração.

ONDA DE PRISÕES

Sebastian Heilmann vê nessa mudança para o pensamento maoísta, acima de tudo, um truque retórico. “A liderança política quer ganhar

Em Outubro próximo transcorre a terceira sessão plenária do Comité Central do Partido Comunista, quando deverão ser apresentados os planos de reforma económica do novo Governo. É esperado um programa mais baseado no consumo interno, numa maior liberdade empresarial, e forma a manter o crescimento económico. Principalmente, o sinólogo Heilmann espera que seja anunciado um apoio especial para pequenas e médias empresas privadas. Certamente não é o que se possa chamar de política de esquerda, e Heilmann fala aqui de “jogo duplo”. “Na área das reformas económicas, há um compromisso claro. E no campo da política é tempo de consolidação de poder – e para tal se recorre, justamente, à retórica de esquerda.” Também Willy Lam vê o Partido Comunista entre dois extremos – coisa em que, no entanto, já vem sido exercitada há bastante tempo: “Desde Deng Xiaoping [‘líder supremo’ da China de 1978 a1992], há essa separação entre economia e política”, recorda o jornalista de Hong Kong. “A economia pode ser liberalizada até certo ponto, as forças de mercado podem ser introduzidas na economia. Mas na arena política e ideológica segue-se exercendo controlo estrito, e opiniões divergentes não são toleradas.”


china 9

hoje macau segunda-feira 2.9.2013

UNIVERSIDADE EM HANGZHOU ABRE LICENCIATURA EM PORTUGUÊS

O caminho está escolhido M

AIS uma universidade chinesa, situada em Hangzhou, costa leste do país, terá uma licenciatura em português a partir de Setembro, ilustrando o crescente interesse pela língua portuguesa, disse à agência Lusa fonte académica local. Não contando com Macau e Hong Kong, passará a haver 18 universidades chinesas com licenciaturas em português, contra apenas duas no final da década de 1990. O português é ensinado em duas outras universidades, uma em Pequim, outra em Cantão, mas como língua de opção. A nova licenciatura será ministrada na Universidade de Estudos Estrangeiros de Zhejiang (ZESU), uma das províncias mais prósperas da China, com cerca de 52 milhões de habitantes.

Criada em 1955 em Hangzhou e contando actualmente com cerca de 6.000 alunos, a ZESU tem um acordo de cooperação com a Universidade de Estudos Estrangeiros de Pequim (BEIWAI), onde desde

há 62 anos funciona a mais antiga licenciatura de português do país. A maioria das licenciaturas apareceu na última década, coincidindo com a criação do Fórum Macau para a Cooperação

e Comercial entre a China e a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), em 2003. Segunda economia mundial, a seguir aos Estados Unidos, a China é hoje o maior parceiro comercial do Brasil e centenas de empresas chinesas operam em Angola. Em 2012, a China Three Gorges pagou 2.700 milhões de euros por 21,3% do capital da EDP, tornando-se o maior accionista da eléctrica portuguesa. Foi uma das maiores aquisições feitas pela China na Europa. A presença chinesa em Moçambique, Timor-Leste e outros países da CPLP é também cada vez mais forte. Xangai, Cantão, Tianjin, Xian, Jilin, Dalian, Harbin, Haikou, Chongqing e Shijiazhuang são as outras cidades chinesas onde há licenciaturas em português.

ANTIGO “CZAR DA SEGURANÇA” CHINÊS VAI SER INVESTIGADO, DIZ JORNAL DE HONG KONG

Luta contra corrupção mantêm-se O antigo responsável pelo aparelho de segurança chinês, Zhou Yongkang, considerado até há um ano um dos principais líderes da China, vai ser investigado por suspeita de corrupção, disse um jornal de Hong Kong. “A

liderança chinesa acordou abrir um inquérito de corrupção acerca do antigo ‘czar’ da Segurança, Zhou Yongkang, um dos mais poderosos políticos da década passada”, afirma o diário de língua inglesa South China Morning Post. Zhou Yongkang, 70

anos, pertenceu até Novembro passado ao Comité Permanente do Politburo do Partido Comunista Chinês (PCC), a cúpula do poder na China. A investigação será o primeiro processo do género instaurado a um líder com aquele estatuto

COMÉRCIO CHINA-ÁFRICA CRESCEU 19,3% EM 2012

Os grandes amigos O comércio China-África aumentou 19,3% em 2012, para 198.490 milhões de dólares, confirmando aquele país como o maior parceiro comercial do continente africano, anunciou o Governo chinês. O Livro Branco sobre as relações económicas sino-africanas afirma que a cooperação económica e comercial da China com África “melhorou o nível de vida dos povos de África” e “proporcionou um forte apoio ao desenvolvimento socioeconómico da China”. Pelas contas chinesas, em 2012, as exportações africanas para a China aumentaram 21,4%, para 113.171 milhões de dólares - mais 28.391 milhões de dólares do que África importou daquele país, afirma o documento, o segundo

do género no espaço de três anos. Nos últimos doze anos, a percentagem do comércio África-China no conjunto do comércio externo africano quadruplicou, passando de 3,82% para 16,13%, indicou a mesma fonte. Segunda economia mundial, a seguir aos Estados Unidos, a China é também o maior exportador, à frente da Alemanha e do Japão. As suas trocas comerciais com África duplicaram desde o início do século XXI, mas ainda representam apenas 5,13% de todo o comércio externo chinês. “O comércio sino-africano tem grande potencial devido à complementaridade entre as respectivas economias e reveste-se de grande significado para o desenvolvimento da China e de África”, afirma o Livro Branco.

desde o final da Revolução Cultural, em 1976. O antigo 1.º secretário do PCC em Chongqing julgado esta semana por desvio de fundos, corrupção e abuso de poder, Bo Xilai, era um dos 25 membros do Politburo, mas não fazia parte do Comité Perma-

nente daquele órgão, que tem apenas sete elementos. Zhou Yongkang reformou-se após o XVIII Congresso do PCC, que no final do ano passado elegeu uma nova liderança, encabeçada pelo actual secretário-geral do partido e Presidente da Republica, Xi Jinping.

Taiwan Comboio sofre acidente após tempestade tropical Doze pessoas ficaram feridas hoje em Taiwan quando o comboio onde seguiam descarrilou devido a deslizamentos de terras após a passagem de uma tempestade tropical que provocou inundações. O comboio, que transportava cerca de 250 passageiros, foi atingido pelos deslizamentos de terras quando se aproximava de um túnel no distrito de Pingtung, sul da ilha Formosa, explicou a entidade administradora dos caminhos-de-ferro de Taiwan ao salientar que quatro vagões saíram dos trilhos. Três das pessoas ficaram gravemente feridas e as outras nove sofreram ferimentos leves, acrescentou a mesma entidade ao salientar que todos os feridos foram tratados num hospital da zona. Os restantes passageiros do comboio foram transferidos para outro comboio tendo sido já iniciados os trabalhos de limpeza e reparação da via. A tempestade tropical Kong-Rey assolou Taiwan na quinta-feira provocando três mortos e o equivalente a oito milhões de euros em prejuízos devido a inundações e aos danos no sector agrícola. As águas subiram à altura de três metros, as comunicações aéreas e ferroviárias foram interrompidas e as escolas e serviços estiveram encerrados. Imagens difundidas pela televisão mostram as equipas de resgate em botes de borracha a retirar pessoas afectadas pelas inundações com diversos veículos retidos em estradas submersas.

PETROLÍFERA COMPRA PARTICIPAÇÃO NORTE-AMERICANA

Conseguir entrar no Egipto A

prolifera chinesa Sinopec, parceira da Galp Energia no Brasil, anunciou que pagará 3.100 milhões de dólares por um terço nos negócios da companhia norte-americana Apache na

exploração de petróleo e gás natural egípcios. O acordo, ainda sujeito à aprovação dos reguladores, é a última grande aquisição da China na área da energia e ocorre menos de um ano depois de

outra grande petrolífera estatal chinesa, a CNOOC, ter comprado a empresa canadiana Nexen por 15.000 milhões de dólares. A parceria com a Apace Corp “reforçará a capacidade e a experiência da Sinopec no desenvolvimento de reservas e produção no exterior”, disse a petrolífera chinesa. Em 2012, a Sinopec pagou 5.200 milhões de dólares pela entrada no capital da Petrogal Brasil, empresa maioritariamente detida pela Galp Energia, de Portugal. A China é já o maior consumidor mundial de energia e o segundo que usa mais petróleo, a seguir aos Estados Unidos.


10

LITERATURA

hoje macau segun

A VIDA E OBRA DE FERNANDO NAMORA, UMA RETROSPECTIVA

Retalhos do artista enquanto m RAQUEL RIBEIRO in Público

A

vida de Fernando Namora é feita de retalhos: os pais, que eram comerciantes, partiram da aldeia de Vale Florido para Condeixa-a-Nova, nos arredores de Coimbra, e aí abriram uma loja de tecidos a retalho. Por baixo, a loja dos pais; por cima, a habitação. Fernando nasceu aqui (em 1919) na sobreloja desta casa pequenina que hoje é a sua casa-museu, em Condeixa. Cresceu entre a aldeia e Condeixa, onde ia à escola. É de pequenos retalhos da infância em Vale Florido que Namora compõe a sua memória, em Autobiografia (1987, edição d”O Jornal): “Às vezes uma imagem desgarrada, sobressaindo absurdamente na opacidade do tempo: uma certa visão ou uma certa fasquia no crescer vagaroso da casa dos meus pais, a casa que era para eles um desagravo quase passional (aldeia de Vale Florido, nas bancas de Ansião, personagem de muitos dos meus poemas e de umas tantas páginas de Casa da Malta, 1945).” Foi também aos retalhos que estudou, centro e sul, de parcos recursos, itinerante, filho de uma “família que nunca me ensinaram a sentir como tal, sucessivos que foram os afastamentos e os agravos”: o liceu, primeiro em Coimbra, depois em Lisboa, no Camões, e de novo em Coimbra. Na página web do Liceu Camões, por onde passaram ilustres da cultura portuguesa, pode ver-se a caderneta de Namora, a lista dos seus professores e alguns testemunhos. Como este em que Namora conta que vivia com duas “parentes solteironas” num “casarão do Paço do Lumiar”, em Lisboa, e que, às vezes, ia a pé até à escola para guardar no bolso, “habitualmente vazio, os cinco tostões do eléctrico: vários cinco tostões dariam um bilhete para o “animatógrafo” ou para o aluguer (a meias) de um barquito no lago do Parque Eduardo VII - suprema heresia no meu quotidiano de rapazinho educado por duas senhoras avaras”. Era um rebelde porque, dizia, via a sua “puberdade

encarcerada”. Escondia-se a ler “as letras e as tretas que as minhas guardiãs tinham por nefastas ao meu aproveitamento escolar”. “[Elas] ensinavam-me a desconfiar da alegria e a aceitar os constrangimentos como uma bem-aventurança. Talvez eu tivesse sido um bom discípulo, ou talvez as rebeldias que não tardariam possam explicar-se justamente por essa atmosfera familiar de novenas, suspeitas, punições.” A mãe sentiu que o filho não estava bem e foi estudar para Coimbra. Na escola, criou um jornal “todo ele escrito e ilustrado por mim (exemplar único, como se poderá calcular)”, distribuído aos colegas em determinados dias da semana. Jorge de Sena era um deles. “Temia que algum número

A censura e as ligações de muitos dos seus escritores ao Partido Comunista não contribuiriam para uma sobrevivência fulgurante do movimento que parece ter sido esquecido, ou relegado para um plano meramente ideológico, após o 25 de Abril

do jornal fosse apanhado pelas minhas parentes (...); esconder, mesmo aquilo que não precisa de ser escondido, tornou-se uma das peçonhas da minha adolescência, quem sabe se também da minha maturidade.”

NEO-REALISTA GERACIONAL

Não era de estranhar que os primeiros livros surgissem ainda Fernando Namora não fizera 20 anos: Almas sem Rumo (1935), colectânea de novelas, que permaneceu inédito; seguindo-se Cabeças de Barro (1937), antologia de contos com Carlos Oliveira e Artur Varela, dois autores que o acompanhariam nos primeiros anos do neo-realismo; e anuncia ainda a publicação da novela Pecado Venial, que não chega a sair. É em 1938 que


literatura 11

nda-feira 2.9.2013

médico-escritor sai o primeiro livro de poemas, Relevos e o romance As Sete Partidas do Mundo. Uma série de revistas juvenis de inspiração neo-realista surge no Porto, em Lisboa e Coimbra, como “alternativa” à Seara Nova e à Presença. Segundo Óscar Lopes e António José Saraiva, “o neo-realismo apresenta como característica básica (e explícita no seu próprio nome, que se generaliza até 1938) uma nova focagem da realidade portuguesa, de certo modo análoga à da Geração de 70 [do século XIX]” e que “critica o elitismo pedagógico proudhoniano-anteriano e dos democratas da Seara Nova dos anos 20, pois tem em vista a conscientificação e dinamização de classes sociais mais amplas”. Entre estas revistas está Altitude, que Namora dirige com João José Cochofel e Coriolano Ferreira (da mesma geração). É no período de transição para aquela que Lopes e Saraiva chamam de segunda fase do neo-realismo (a primeira, de articulismo e de “polémica de revista”) que surge a relação explícita de Namora com o movimento. Primeiro com o Novo Cancioneiro (1941-44), dez volumes de poesia de que fazem parte, entre outros, Manuel da Fonseca e Álvaro Feijó, que começa com Terra, de Namora; e depois com o romance Fogo na Noite Escura (1943), um retrato da sua geração, coimbrã e universitária. Mesmo evoluindo da estética neo-realista, Namora não deixa de identificar o movimento como um tempo e um espaço geracional: [O neo-realismo] “não resultou de um programa ou de um figurino, mas sim da conjugação de coordenadas que, por igual, singularizaram os escritores de uma geração vivamente empenhada nos problemas do seu país.” A partir de então, a sua obra, vasta para os 69 anos com que morreu (em 1989, de cancro no pulmão), grassa vários géneros, da poesia, ao romance, romance-testemunho, crónica, contos, diários ou ensaio. Quando publica o segundo romance, Fernando Namora já é médico, licenciado em Coimbra: contra a sua von-

tade - queria ser arquitecto, inscreveu-se em engenharia, mas “meu pai veio a Coimbra dizer-me que minha mãe estava enferma, desgostada da minha teimosia. Fui vencido: rendi-me à Medicina”. Abriu consultório em Condeixa mas não regressou àquela que é hoje a sua casa-museu. Então, Namora já é pai e viúvo: a mulher morre de parto em 1940, nasce a primeira filha.

O MÉDICO E O PINTOR

Começa a vida de médico, aos retalhos, que documentou ficcionalmente como uma espécie de João Semana (a mítica personagem de Júlio Dinis) que, de aldeia em aldeia do interior do país, desenha os seus Retalhos da Vida de um Médico (primeira série de 1949; a segunda de 1963). “Condeixa, médico, tal como minha mãe planeara. Mas, por isso mesmo, Condeixa foi a rampa para o desconhecido. O Manuel Vidal andava pelos volfrâmios, avisou-me de uma oportunidade em Tinalhas, Beira Baixa. Cu do mundo, como diria o João Falcato [médico amigo]? Eu teria acorrido fosse donde fosse chamado, desde que longe das tutelas.” Partiu. Sabia que não seria fácil tornar-se um “João Semana”. Sobretudo porque sabia que, jovem médico, forasteiro, seria “recebido com desconfiança pelos caciques em compita e pelas gentes calejadas no agravo social e revolvidas pelo furacão do volfrâmio”. Mas Zita (será segunda mulher) era estudante em Castelo Branco. Foi ela que puxou Namora para Monsanto: “Cada manhã em Monsanto nasce o mundo. Lá me apercebi que a sombra é azul.” Monsanto é a terra da sua segunda filha e do livro Minas de S. Francisco (1946). E chegará a Pavia, Alentejo “cálido, moroso, recôndito. Uma fascinação de cal e silêncios extasiados. A largueza espraiada, que se adormenta em cada rumor de gesto”. A casa-museu de Fernando Namora em Condeixa, explica ao jornal Público a coordenadora do museu, Ilda Carvalho, deseja sublinhar as três facetas de Namora: o escritor, simbolizado no seu escritório, a sua poltrona de pele, a secretária e a máquina de escrever, ídolos e amigos

Foi também aos retalhos que estudou, centro e sul, de parcos recursos, itinerante, filho de uma “família que nunca me ensinaram a sentir como tal, sucessivos que foram os afastamentos e os agravos”: o liceu, primeiro em Coimbra, depois em Lisboa, no Camões, e de novo em Coimbra na parede (Jorge Amado) e prémios literários, condecorações, primeiras edições e dedicatórias. Mas também o médico, que regressou à terra, com uma bicicleta e um fato meio gasto que trocara por um retrato pintado por si, a óleo. E o pintor. “A faceta de pintor é o trunfo escondido de Fernando Namora”, explica Ilda Carvalho. Ainda estudante de liceu em Coimbra, organizou a sua primeira colecção de pintura. “Houve um senhor major que me adquiriu um trabalho; retive-lhe o nome: Pina Cabral”, conta Namora em Autobiografia (1987). “Esse lado da obra de Fernando Namora, as artes plásticas, está toda por estudar”, continua Ilda Carvalho. A casa-museu, inaugurada em 1990 e depois reaberta,

com novo projecto museológico, em 2010, tem organizado projecções de filmes (várias obras de Namora foram adaptadas ao cinema, como Retalhos e Domingo à Tarde) e encontros correspondentes às três facetas do autor: escritor, pintor e médico. Apesar de pequena, a casa apresenta mais de oito mil livros, além dos manuscritos - “um dos próximos projectos é a digitalização dos manuscritos e provas tipográficas e criar uma base de dados digital online”, explica Ilda Carvalho - e há inúmeras obras de arte. Mal entramos, várias pinturas de Namora (de pendor neo-realista, de preocupação social e ambiência rural). O pintor Lima de Freitas escreveu sobre o amigo: “Olho para estes quatro ou cinco quadros

aqui à mão e entro num espaço angustiado e ao mesmo tempo amplo.” No andar superior da casa-museu, obras de amigos: Lima de Freitas, mais Vítor Palla, Carlos Botelho, Manuel Filipe, Mário de Oliveira, Malangatana, Júlio Resende.

A CIDADE E A CONSAGRAÇÃO

Com a mudança para Lisboa, para o Instituto de Oncologia em 1950, começa a fase de consagração literária. Na cidade conta que teve “o privilégio imperecível do convívio com algumas as últimas figuras maiores da nossa intelligentsia”. Fala de Jaime Cortesão, António Sérgio, Aquilino Ribeiro, João de Barros, Fernando da Fonseca, das tertúlias, dos amigos realizadores de cinema, dos projectos que nasciam à mesa do café.

Mas a cidade afastou-o, passados anos, da medicina: “Na cidade deixei de ser médico para que o escritor pudesse persistir. Quem ganhou?, quem perdeu? Tive a sensação de jogo viciado.” Nos anos 50, os seus títulos Homem Disfarçado (1957) e Cidade Solitária (contos, 1959), acusam, segundo Óscar Lopes, “o toque existencialista do decénio”, deixam o ambiente rural e passam a centrar-se na ideia da “condição humana”. Seguem-se Os Adoradores do Sol (1971), Clandestinos (1972), Cavalgada Cinzenta (1977), Resposta a Matilde (1980) e Rio Triste (1982). A sua obra foi traduzida em 25 línguas e publicada em 26 países. O crítico Alcides de Campos escreveu um artigo no jornal Le Monde, em 1968, onde apontava a Fernando Namora (a par de Ferreira de Castro) um “papel de relevo na abertura de fronteiras ao romance português” no estrangeiro. Namora soube evoluir do formalismo teórico do neo-realismo, passando por romances de pendor existencialista, de herança social, sempre, mas com humor, picaresco. Isto significa também que, tanto Namora como outros escritores consagrados pelo neo-realismo dos anos 30 e 40 (Carlos de Oliveira, Alves Redol, Manuel da Fonseca ou, mais tarde, José Cardoso Pires), começaram a experimentar novos moldes literários, evitando assim a estagnação. O principal desencanto do movimento, de pendor marxista, de cariz socialista, “residia na difícil adequação da literatura neo-realista àquelas camadas que pretendia interessar-se” (Lopes e Saraiva): isto é, camponeses, operários, obreiros, gente do campo e da terra, assalariados, trabalhadores, os heróis do romance não conseguiam compreendê-los. A obra não os tocava. A censura e as ligações de muitos dos seus escritores ao Partido Comunista não contribuiriam para uma sobrevivência fulgurante do movimento que parece ter sido esquecido, ou relegado para um plano meramente ideológico, após o 25 de Abril. Como recorda, aliás, o próprio Namora em 1987: “O que vou lendo sobre essa época, e o que ela representou na história literária portuguesa, é por via de regra tolice. Tolice ou má-fé. Instalou-se na nossa cena uma espécie de bando arrogante, de uma ligeireza patética, capaz de varrer com um único gesto uma geração.”


12 publicidade

hoje macau segunda-feira 2.9.2013


VIDA

hoje macau segunda-feira 2.9.2013

CHEIRO DE ÁGUAS RESIDUAIS NA AREIA PRETA DEVE-SE A CANOS DETERIORADOS

Novinho em folha esta semana JOANA FREITAS

joana.freitas@hojemacau.com.mo

O

S canos da estação elevatória de águas residuais da zona da Areia Preta vão ser substituídos. O anúncio foi feito a semana passada numa reunião do Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais (IACM), que é quem vai proceder à substituição dos canos. Ao longo da última semana tem suscitado muitas queixas o cheiro que se faz sentir nas habitações da zona da Areia Preta. Os moradores queixaram-se à Direcção dos Serviços de Protecção Ambiental (DSPA), que entrou em contacto com o IACM. Agora, este assegura que o problema – que se dizia vir das obras de construção da ponte Hong Kong-Zhuhai-Macau – é dos canos que estão desgastados. “A estação elevatória de águas residuais que se encontra na Avenida do Almirante Magalhães Correia, é a última paragem, sob pressão,

das águas residuais de Macau que entram na Estação de Tratamento de Águas Residuais”, começa por dizer o IACM, em comunicado. “Face ao rápido desenvolvimento social e à utilização durante vários

anos verificou-se que os canos de pressão principais de grande dimensão que se encontram no seu interior estão desgastados pelo uso.” O organismo assegura que foram bastantes as reparações PUB

NUCLEAR DSPA GARANTE QUE MACAU ESTÁ PREPARADO EM CASO DE ACIDENTE EM CENTRAL DE GUANGDONG

Esperar e ver para crer JOANA FREITAS

joana.freitas@hojemacau.com.mo

M

ACAU está preparado para eventuais acidentes nucleares, garante a Direcção dos Serviços de Protecção Ambiental. Em resposta ao HM, o organismo diz ter criado um “plano de contingência de acidente nuclear” que possa vir a acontecer “na vizinhança”. A questão surgiu depois de ter sido anunciado pela imprensa de Hong Kong, na semana passada, que está quase concluída a construção de uma central nuclear na cidade de Taishan, em Guangdong, a 70 quilómetros de Macau. Segundo a imprensa, a central, cuja radiação é 1,4 vezes da produzida pela Central de Energia Nuclear da Baía de Dayavai, vai entrar em uso já no próximo ano. O HM quis saber se Macau tinha conhecimento deste projecto e, se sim,

porque não emitiu qualquer aviso aos cidadãos. A DSPA não respondeu a esta questão, frisando apenas que tudo tem vindo a ser planeado. “O objectivo do plano que temos é assegurar que as autoridades de Macau estão preparados para um eventual acidente nuclear e conseguem implementar medidas de emergência efectivas, especialmente no caso de ocorrer um vazamento nuclear de instalações ou incidentes de radiação.” A DSPA diz ainda que, em Novembro do ano passado, foi levado a cabo um simulacro a cerca de 70 quilómetros de Macau, em Yongsan, para “perceber quais os efeitos da radiação no território”. A central é construída conjuntamente pela China e pela companhia de electricidade nuclear francesa Areva. Em 2005 e 2007, a mesma empresa participou em programas na Finlândia e na França, mas ambos

foram suspensos por terem sido descoberto falhas técnicas. Como o efeito de vazamento nuclear normalmente consegue alcançar mais de cem quilómetros em redor do centro, os cidadãos de Hong Kong já estão a pedir ao Governo da região para negociar com o continente. Em Macau, a notícia ainda não provocou uma grande onda de protestos, sendo que apenas o deputado Au Kam San disse que não concorda com o novo projecto e pede ao Governo que tome medidas. Recorde-se que, já anteriormente, tinha sido noticiada a construção de uma outra central nuclear – também perto de Macau -, que entretanto foi suspensa. Na altura, a DSPA disse não estar a par da construção, o que surpreendeu devido ao facto de ser sempre enfatizada a cooperação entre Guangdong – onde estão a ser projectadas as centrais – e a RAEM. - J.F.

efectuadas ao longo dos anos, mas que agora os canos chegaram ao seu limite máximo. O cheiro que se tem sentido “entrar pelas janelas” e que os residentes assemelham a “esterco”,

13

pode ser proveniente de refluxos das águas residuais que estão a ser descarregadas da ETAR. “Isso tem graves consequências para a higiene ambiental dos prédios em redor.”

DIFICULDADES

A substituição dos canos, contudo, não vai ser tarefa fácil. “O IACM está a proceder à substituição dos canos de pressão principais e secundários. Devido à falta de um sistema de derivação da rede de esgotos e estação elevatória daquela zona, é necessário suspender, durante o período de execução dessas obras, o funcionamento da referida estação elevatória, razão pela qual se verifica a fuga de águas residuais.” Além disso, o espaço onde estão a ser feitas as obras é pequeno, enquanto os canos pesam “mais de uma tonelada”, o que o IACM diz que precisa de uma mais exigente tecnologia de execução das obras. “Vamos envidar esforços no sentido de finalizar as obras na próxima semana.” Ou seja, esta que agora começa. Quanto ao cheiro enquanto decorrem as obras, o IACM assegura que vai “consultar os serviços competentes sobre as medidas que sirvam para mitigar o impacto causado ao ambiente” e ainda iniciar a remoção das águas residuais.


14

CULTURA

hoje macau segunda-feira 2.9.2013

CRIADO EM 1986, O PRÉMIO RECONHECEU, NA PRIMEIRA EDIÇÃO, UMA OBRA DE SIZA VIEIRA

Metro do Porto e Souto de Moura ganham prémio de design de Harvard A escola de design da universidade norte-americana de Harvard, no estado de Massachusetts, vai atribuir na terça-feira o prémio “Veronica Rudge Green Prize” em design urbano à empresa de transportes Metro do Porto pelo sua inserção urbana e impacto na região. Este galardão distingue também o arquitecto Eduardo Souto Moura. O prémio Pritzker de 2011 coordenou a equipa de projectistas responsáveis pela inserção urbana do metro em diferentes locais da Área Metropolitana do Porto. De acordo com a informação disponível na página da internet da Universidade de Harvard, no projecto Metro do Porto, o júri destaca o potencial desta infra-estrutura de mobilidade, “cuidadosamente planeada e executada para transformar a cidade e a região”.

O prémio, que vai já na sua 11.ª edição, é também atribuído ao projecto de Integração Urbana do Nordeste, em Medellín, na Colômbia. “As duas obras criaram oportunidades que vão além do movimento físico, fazendo avançar a mobilidade social e revigorando o espaço cívico”, refere a universidade de Harvard. A primeira edição deste galardão, em 1988, foi dividida entre Álvaro Siza Vieira, pelo seu Conjunto Residencial Malagueira, em Évora (1977-1988), e Ralph Erskine, com o seu projecto

do “Byker Redevelopment”, em Newcastle Upon Tyne (1969-1982). O presidente do conselho de administração da Metro do Porto, João Velez Carvalho, afirmou esta sexta-feira à agência Lusa que “a atribuição deste prémio representa uma honra” para a empresa, “tendo em conta o que significa em termos de reconhecimento internacional”. “Esta distinção premeia um dos projectos mais impressionantes do arquitecto Souto Moura”, disse, acrescentando ser também “uma distinção ao mérito e ao empenho de todos os responsáveis, tanto ao nível de decisão política como ao nível técnico, que souberam ultrapassar dificuldades e problemas bem complexos e concretizar este projecto”. João Velez Carvalho defendeu que este prémio “valoriza a sustentabilidade do Metro do Porto, não apenas em termos de arquitectura,

integração e design, mas também no seu serviço à população e na crescente procura por parte dos clientes. Para o Metro do Porto, para a cidade do Porto e para o país, deve ser um motivo de enorme orgulho ver reconhecido e apreciado de forma tão notável o trabalho que foi feito e que continua a ser levado a cabo”, concluiu Velez Carvalho que participará, com Souto Moura na cerimónia de entrega do prémio, que decorrerá pelas 18h30 (hora local), na cidade de norte-americana de Cambridge. Nascido em 1986 por ocasião da celebração dos 350 anos de Harvard e dos 50 anos da escola de design, este prémio é atribuído de dois em dois anos a projectos com escala maior do que um edifício individual, construído em qualquer parte do mundo durante dez anos anteriores à sua atribuição. Os vencedores são escolhidos pela sua “substancial contribuição no domínio público

de uma cidade” e por “melhorar a qualidade de vida” urbana. A Universidade de Harvard descreve o Metro do Porto, que iniciou a sua operação comercial em Janeiro de 2003, como “uma forte infra-estrutura de escala e complexidade significativa”, projectada e construída em cerca de dez anos. “O escopo de tal empreendimento dentro de uma cidade Património Mundial da Humanidade é notável”, destaca, acrescentando que o “alto padrão de design” alcançado por Souto Moura e pela sua equipa torna o projecto “digno de ser imitado”.

FESTIVAL NA POLÓNIA QUER TRANSFORMAR-SE NUMA EXPERIÊNCIA SEM FOTOS COM TELEMÓVEIS

Músicos queixam-se da desatenção do público H

Á cada vez mais músicos a queixar-se do comportamento do público nos concertos, pelo facto das assistências passarem o tempo a tirar fotografias com telemóveis, para serem partilhadas nas redes sociais, ou de provocar ruído através das conversas com os parceiros do lado. “Está toda a gente cada vez mais interessada em exteriorizar a experiência e não de a interiorizar”, resume o comunicado do importante festival polaco Unsound, que se realiza em Cracóvia, de 13 a 20 de Outubro, e que optou por uma medida radical: proibir espectadores e imprensa de tirar fotos. Quinta-feira, foi a can-

tora americana Fiona Apple que não resistiu a mandar calar o público quando actuava, em Tóquio, no Japão, perante uma assistência internacional presente num evento da Louis Vuitton. Ao que parece a solicitação não terá surtido grande efeito, com o público a continuar a falar, acabando a cantora por dizer que não passavam de uns “mal-educados”. Também a cantora Karen O, dos Yeah Yeah Yeahs, já pediu ao público em pleno concerto em Nova Iorque para guardar “a merda dos telemóveis” - o grupo costuma ter à entrada dos seus concertos um cartaz a solicitar que “o público não veja o concerto através da

câmara do seu telemóvel”. Também na sua actuação no festival Primavera Sound do Porto, as inglesas Savages fizeram referência ao assunto, de forma polida, pedindo ao público para deixar os telemóveis de lado. E muitos outros exemplos poderiam ser mencionados. Até porque o assunto não é novo, embora pareça agudizar-se, de tal forma que entre os membros do público já é recorrente perceber momentos de hostilidade, principalmente quando toda a gente levanta os braços no ar com o intuito de obter o melhor ângulo para tirar uma fotografia. “Já não escutamos, nem cantamos, optamos antes por comentar

no Twitter os acontecimentos a que estamos a assistir” dizia numa entrevista recente o cantor francês Etienne Daho. Na teoria, os enfoques da experiência parecem

multiplicar-se. Na prática, podemos passar ao lado da experiência. A proibição do festival polaco Unsound inclui fotos e vídeos e a medida é apresentada pela organização como uma experiência de “resistência ao hábito contemporâneo de documentar cada instante em directo”. Não haverá, no entanto, seguranças a impedir o gesto. A ideia é que seja o público a (auto)vigiar-se, censurando os que estiverem a apontar o telemóvel para o palco. A organização garante também que alguns concertos serão registados discretamente por um fotógrafo do próprio festival. O que o festival polaco

deseja é “encorajar o público a concentrar-se no momento, sem distrair os outros desse mesmo momento”, embora esteja consciente de que a discussão encerra muitos paradoxos, porque ao mesmo tempo as imagens de concertos e festivais constituem hoje uma das principais fontes de comunicação dos mesmos. No festival irão actuar dois nomes portugueses – DJ Marfox e Nigga Fox, pertencentes aos quadros da editora Lisboeta Príncipe. Forest Swords, Andy Stott, Rhys Chatman, Julianna Barwick ou Underground Resistance são alguns dos muitos nomes que actuarão no festival, sem telemóveis apontados na sua direcção.


cultura 15

hoje macau segunda-feira 2.9.2013

A

Secretaria de Estado da Cultura já deu à direcção da Cinemateca Portuguesa – Museu do Cinema a garantia de que entre esta sexta-feira e o início da próxima semana serão desbloqueadas “dotações excepcionais” para assegurar o funcionamento da instituição, confirmou ao jornal Público Maria João Seixas. A directora da instituição, que no dia 20 denunciou o agudizar, em Agosto, dos problemas de tesouraria da Cinemateca, avançou apenas que um despacho da Secretaria de Estado irá oficializar a existência de “dotações excepcionais”, “em tranches de Setembro até Dezembro” que permitirão continuar as actividades da mesma. Maria João Seixas não acrescentou detalhes sobre os montantes envolvidos. O jornal Público tentou confirmar junto da Secretaria de Estado da Cultura se se tratam, como aconteceu em Junho e Julho, de dotações extraordinárias saídas do Fundo de Fomento Cultural, mas tal não foi possível. A Secretaria de Estado de Cultura repetiu esta sexta-feira que “a Cinemateca Portuguesa – Museu do Cinema e o ANIM não vão fechar. Independentemente de quaisquer circunstâncias, as medidas para garantir o fun-

CINEMATECA VERBAS CHEGARÃO EM TRANCHES ATÉ AO FINAL DO ANO

“Dotações excepcionais” vão garantir funcionamento

cionamento da Cinemateca estão a ser asseguradas”. A programação da Cinemateca mantém-se, disse ainda Seixas, já com uma retrospectiva integral do espanhol Victor Erice a começar na segunda semana de Setembro.

Também hoje, a deputada socialista Inês de Medeiros disse que está a delinear um projecto de resolução que visa levar a debate na Assembleia da República o modelo de financiamento da Cinemateca Portuguesa, bem como “dar um sinal

para o próximo Orçamento de Estado (OE)” – por considerar que o Governo deverá prever no OE a verba necessária para o financiamento da instituição, que inclui também o Arquivo Nacional das Imagens em Movimento (ANIM), o maior repositório do cinema português. A situação de dificuldade financeira da Cinemateca é discutida com o secretário de Estado da Cultura, que se encontra esta semana em visita oficial ao Brasil, desde Abril. Em Junho e Julho foram então entregues à instituição 400 mil euros, fruto de dotações extraordinárias do Fundo de Fomento Cultural, mas os problemas de gestão de tesouraria da Cinemateca agudizaram-se novamente em Agosto. Maria João Seixas explicou, quando o caso foi tornado público, que o problema se deve à quebra das receitas publicitárias que, segundo a Lei do Cinema, atribuem aos anunciantes a

obrigação de pagamento de 4% do sobre a publicidade exibida na televisão, dos quais a Cinemateca recebe 20%. Na instituição, essa verba tem um peso superior a 50% na sua orçamentação. Mas, segundo a responsável, há também a acrescentar a essas dificuldades problemas administrativos relacionados com

o que considera ser a perda de autonomia das instituições públicas no que toca à gestão. Uma concentração em defesa da Cinemateca Portuguesa convocada através da rede social Facebook está agendada para esta sexta-feira, às 19h, na Rua Barata Salgueiro, em Lisboa. À Lusa, o subdirector do Museu do Cinema, José Manuel Costa, acrescentou esta tarde que em causa está “um plano de emergência para este ano e para o ano que vem” - contudo, a extensão da solução do problema até 2014 através de dotações extraordinárias foi desmentida por fonte oficial ao jornal Público, estando apenas confirmada até Dezembro.

Macau Membro do conselho eleitoral pede ópera chinesa no ensino

A Associação Geral de Ópera Chinesa e Arte Musical de Macau celebrou o seu 9.º aniversário no sábado. A presidente Lam Fong Ngo, que também é membro da Conselho Eleitoral do Chefe do Executivo, disse na festa de aniversário da associação que a ópera cantonesa tem uma história rica e abrange um público amplo, pelo que gostaria de ver incluído o curso de ópera e arte musical nas escolas primárias e secundarias. A ópera chinesa e a arte musical, nomes constantes em Boletim Oficial, já estão na lista de património imaterial.

PUB

MANDADO DE NOTIFICAÇÃO N.° 294/AI/2013

MANDADO DE NOTIFICAÇÃO N.° 295/AI/2013

MANDADO DE NOTIFICAÇÃO N.° 300/AI/2013

-----Atendendo à gravidade para o interesse público e não sendo possível proceder à respectiva notificação pessoal, pelo presente notifique-se a infractora XU SHUYAN (portadora do SalvoConduto de dupla viagem da RPC n.° W26825xxx), que na sequência dos Auto de Notícia n.° 6.1/DI-AI/2012, de 27.01.2012, levantado pela DST e por despacho da signatária de 26.06.2013, exarado no Relatório n.° 202/DI/2013, de 13.06.2013, foi desencadeado procedimento sancionatório, por quem angariar pessoa com vista ao seu alojamento na fracção autónoma situada na Rua do Terminal Marítimo n.os 93-103, Edifício Centro Internacional de Macau, Bloco IV, 5.° andar G e utilizada para a prestação ilegal de alojamento.----------------------------------------------No mesmo despacho foi determinado, que deve, no prazo de 10 dias, contado a partir da presente publicação, apresentar, querendo, a sua defesa por escrito sobre a matéria constante daquele Auto de Notícia, oferecendo nessa altura todos os meios de prova admitidos em direito. Nos termos do n.° 2 do artigo 14.° da Lei n.° 3/2010 não é admitida apresentação de defesa ou de provas fora do prazo.----------------------------------------------------------A matéria constante daquele Auto de Notícia constitui infracção ao artigo 2.° da Lei n.° 3/2010, tal facto é punível nos termos no n.° 2 do artigo 10.° da Lei n.° 3/2010.-------------------------O processo administrativo pode ser consultado, dentro das horas normais de expediente, no Departamento de Licenciamento e Inspecção desta Direcção de Serviços, sito na Alameda Dr. Carlos d’Assumpção n.os 335-341, Edifício “Centro Hotline”, 18.° andar, Macau.------------------------------------------------------------------Direcção dos Serviços de Turismo, aos 27 de Agosto de 2013.

-----Atendendo à gravidade para o interesse público e não sendo possível proceder à respectiva notificação pessoal, pelo presente notifique-se a infractora LI YANXIA (portadora do Salvo-Conduto de dupla viagem da RPC n.° W55685xxx), que na sequência dos Auto de Notícia n.° 6.2/DI-AI/2012, de 27.01.2012, levantado pela DST e por despacho da signatária de 26.06.2013, exarado no Relatório n.° 203/DI/2013, de 13.06.2013, foi desencadeado procedimento sancionatório, por quem angariar pessoa com vista ao seu alojamento na fracção autónoma situada na Rua do Terminal Marítimo n.os 93-103, Edifício Centro Internacional de Macau, Bloco IV, 5.° andar G e utilizada para a prestação ilegal de alojamento.------------------------------------------------------------------No mesmo despacho foi determinado, que deve, no prazo de 10 dias, contado a partir da presente publicação, apresentar, querendo, a sua defesa por escrito sobre a matéria constante daquele Auto de Notícia, oferecendo nessa altura todos os meios de prova admitidos em direito. Nos termos do n.° 2 do artigo 14.° da Lei n.° 3/2010 não é admitida apresentação de defesa ou de provas fora do prazo.----------------------------------------------------------A matéria constante daquele Auto de Notícia constitui infracção ao artigo 2.° da Lei n.° 3/2010, tal facto é punível nos termos no n.° 2 do artigo 10.° da Lei n.° 3/2010.-------------------------O processo administrativo pode ser consultado, dentro das horas normais de expediente, no Departamento de Licenciamento e Inspecção desta Direcção de Serviços, sito na Alameda Dr. Carlos d’Assumpção n.os 335-341, Edifício “Centro Hotline”, 18.° andar, Macau.------------------------------------------------------------------Direcção dos Serviços de Turismo, aos 27 de Agosto de 2013.

-----Atendendo à gravidade para o interesse público e não sendo possível proceder à respectiva notificação pessoal, pelo presente notifique-se o infractor LAM, SOI KAI (portador do Bilhete de Identidade de Residente Permanente da RAEM n.° 50456xx(x)), que na sequência do Auto de Notícia n.° 94/DIAI/2011, de 27.12.2011, levantado pela DST e por despacho do Director dos Serviços de Turismo, Substituto, de 03.07.2013, exarado no Relatório n.° 224/DI/2013, de 20.06.2013, foi desencadeado procedimento sancionatório, por controlar a fracção autónoma situada na Rua de Nagasaki n.° 80, Edifício Golden Peak, Bloco I, 10.° andar D e utilizada para a prestação ilegal de alojamento.-------------------------------------------------------No mesmo despacho foi determinado, que deve, no prazo de 10 dias, contado a partir da presente publicação, apresentar, querendo, a sua defesa por escrito sobre a matéria constante daquele Auto de Notícia, oferecendo nessa altura todos os meios de prova admitidos em direito. Nos termos do n.° 2 do artigo 14.° da Lei n.° 3/2010 não é admitida apresentação de defesa ou de provas fora do prazo.---------------------------------------------------------A matéria constante daquele Auto de Notícia constitui infracção ao artigo 2.° da Lei n.° 3/2010, tal facto é punível nos termos no n.° 1 do artigo 10.° da Lei n.° 3/2010.------------------------O processo administrativo pode ser consultado, dentro das horas normais de expediente, no Departamento de Licenciamento e Inspecção desta Direcção de Serviços, sito na Alameda Dr. Carlos d'Assumpção n.os 335-341, Edifício “Centro Hotline”, 18.° andar, Macau.-----------------------------------------------------------------Direcção dos Serviços de Turismo, aos 27 de Agosto de 2013.

A Directora dos Serviços, Maria Helena de Senna Fernandes

A Directora dos Serviços, Maria Helena de Senna Fernandes

A Directora dos Serviços, Maria Helena de Senna Fernandes


16

DESPORTO

hoje macau segunda-feira 2.9.2013

TORNEIO TRAZ JAPÃO E TAIWAN. ESPANHA E PORTUGAL AUSENTES

MAR CO CARVALHO info@hojemacau.com.mo

S

EMINÁRIOS, treinos práticos e teóricos, torneios e acções de promoção do mais português dos desportos sobre rodas. O hóquei em patins está em festa. A Associação de Patinagem de Macau festeja este ano três décadas de vida e assinala a efeméride a partir de amanhã, com uma semana fértil em iniciativas e concretizações: “Esta semana é para nós uma semana de celebração. A Associação de Patinagem faz trinta anos e a efeméride propicia-nos a oportunidade de competir. As equipas que se associarem à nossa festa são bem-vindas, serão bem recebidas de certeza. O nível de competitivo será certamente bom. O que queremos é obviamente jogar. Gostamos de ver o pavilhão cheio, com pessoas nas bancadas e esta semana, se tudo correr de feição, voltaremos a ter tudo isso”, sublinha Hélder Ricardo, o mais prolífico dianteiro da selecção de hóquei em patins de Macau. As celebrações dos trinta anos da Associação de Patinagem arrancam já hoje, com acções de formação ministradas por Jorge Santos, um antigo atleta da selecção do território radicado em Portugal. O ponto alto dos festejos está, no entanto,

Hóquei de Macau em festa seleccionador de Macau não espera grandes facilidades, numa prova que a selecção da casa está quase obrigada a vencer: “Agosto é o mês em que uma boa parte da população do território tira férias e esta característica acabou por limitar a nossa preparação para o torneio. Estivemos quase parados em Agosto e vai ser muito complicado jogar do princípio ao fim de igual para igual com as selecções de Taiwan e do Japão. Não vamos jogar da forma como estávamos habituados. Penso que o Japão e Taiwan vêm muito bem preparados e poderão ser adversários mais difíceis do que foram quando nos encontramos com eles da última vez”, sustenta Alberto Lisboa.

SUB-20 NA JOGADA reservado para a próxima quinta-feira, dia em que o pavilhão do Colégio D. Bosco acolhe a stickada inaugural do torneio quadrangular com que o organismo que tutela as lides do hóquei em patins na Região Administrativa Especial de Macau assinala

trinta anos de vida. A prova traz ao território as selecções do Japão e de Taiwan, depois dos nomes de Portugal e Espanha terem sido equacionados. A desafiante presença das principais potencias mundiais da modalidade acabou por se gorar, mas o

O quadro competitivo do Torneio dos 30 Anos da Associação de Patinagem de Macau fica completo com uma novidade de vulto. A quarta equipa a disputar a competição é a selecção de Sub-20 do território. A formação vai disputar em Outubro o mundial PUB

Aviso

Aviso

Início da candidatura para as bolsas de mérito para estudos pós-graduados do ano académico de 2013/2014

Sobre a Declaração de Forma Simplificada do Sistema CCTV

Torna-se público que a candidatura para as bolsas de mérito para estudos pós-graduados, do ano lectivo 2013/2014, decorre entre 2 de Setembro e 30 de Setembro deste ano. Os destinatários a esta candidatura são os residentes permanentes da Região Administrativa Especial de Macau que se encontram matriculados num curso de pós-graduação ou tenham sido admitidos por uma instituição do ensino superior, para frequentarem um curso de pós-graduação, em regime de tempo integral ou parcial. Há 125 bolsas de mérito para atribuir, sendo que 100 são para os cursos de mestrado, cinco (5) para cursos integrados de mestrado e doutoramento e as restantes 20 para cursos de doutoramento. Para mais informações sobre a candidatura, os interessados podem, por favor, consultar a página electrónica da Comissão Técnica de Atribuição de Bolsas para Estudos PósGraduados em: http://www.gaes.gov.mo/ctabe/. Para outras informações, podem, também, contactar através do telefone 83969366 ou pelo e-mail: ctabe@gaes.gov.mo. Macau, aos 2 de Setembro de 2013. O Presidente Sou Chio Fai

Conforme o disposto da Lei da Protecção de Dados Pessoais, se uma instituição tratar dados pessoais pelo sistema CCTV com finalidade de segurança, deve efectuar declaração ao Gabinete para a Protecção de Dados Pessoais (adiante designado por este Gabinete). Este Gabinete já emitiu a Autorização n.o 01/2013 para as instituições competentes realizar a declaração de forma simplificada. As instituições competentes podem dirigir-se a este Gabinete (sito na Avenida da Praia Grande, n.° 804, Edif. China Plaza, 13.° andar A-F) ou descarregar o formulário específico no website deste Gabinete ou usar o “Sistema da Declaração de Forma Simplificada para preencher e imprimir o formulário”. As instituições competentes devem realizar os trâmites de declaração o mais breve possível para evitar a infracção da lei. Para mais informações é favor consultar através do telefone n.o 28715666.

da categoria e o torneio que se inicia na próxima quinta-feira deve servir para preparar a estreia na certame da selecção júnior da RAEM: “Este torneio serve mais para preparar a nossa selecção que vai participar no Campeonato do Mundo de Sub-20. É lógico que a equipa principal entra para ganhar. A de Sub-20 vai tentar fazer o seu melhor porque nunca disputou um encontro oficial”, recorda Alberto Lisboa, o técnico responsável pelas selecções do território. Para além do torneio quadrangular de hóquei em patins, o Pavilhão do Colégio D. Bosco serve também de palco a um torneio de hóquei em linha, que traz até à Região Administrativa Especial de Macau as selecções de Taiwan e de Cantão.

A ausência de Portugal e de Espanha do quadro competitivo das provas com as quais a Associação de Patinagem de Macau assinala trinta anos de existência retira alguma magnitude à efeméride, mas Hélder Ricardo desvaloriza as ausências e lembra que o importante para os campeões asiáticos é mesmo jogar e ganhar ritmo competitivo: O que interessa é jogarmos, divertirmo-nos todos e sobretudo dar ritmo de jogo aos juniores. É bom também para a selecção sénior porque, obviamente, gostámos de competir”, remata o dianteiro. Em três décadas de vida, a Associação de Patinagem de Macau levou as cores do território por duas vezes ao Mundial B da modalidade. Campeã asiática por oito ocasiões, cinco das quais consecutivas, a selecção de hóquei em patins do território fez história em 2005 ao tornar-se a primeira selecção a representar Macau num campeonato do mundo de uma modalidade colectiva.

BOLINHA LEÕES SOMAM PRIMEIRO PONTO NA COMPETIÇÃO DE SETE

Sporting empata com Sub-23 O Sporting Clube de Macau empatou ao início da noite de sexta-feira sem golos frente à formação A da Selecção de Sub-23 da Associação de Futebol de Macau. Os leões do território somaram o primeiro ponto na prova, ao conseguirem neutralizar os actuais titulares do principal Campeonato de Futebol de Sete da RAEM. A Selecção de Sub-23 derrotou a Casa do Futebol Clube do Porto de Macau no encontro decisivo da edição de 2012 da “Bolinha” e prefigurava-se como um dos mais temidos adversários com que os leões teriam de esgrimir argumentos no âmbito do grupo A da competição. Numa partida equilibrada, o Sporting Clube de Macau respondeu ao assédio do adversário com várias boas oportunidades, mas não conseguiu levar a melhor sobre a formação da Associação de Futebol de

Macau. Muito solicitado na frente de ataque, o dianteiro Pascoal Júnior teve nos pés várias boas oportunidades, mas não conseguiu desfeitear o guarda-redes adversário. Nos derradeiros instantes do desafio, foi a vez do guarda-redes Xavier mostrar trabalho ao segurar a igualdade com uma grande defesa. Os leões do território actuaram com Xavier na baliza, Nuno Sampaio Nunes e Pedro Maia na defesa; Henrique Ferreira, Naftal Shikongo e Miguel Soares ocuparam as posições do meio-campo, procurando servir Pascoal Júnior na frente de ataque.Aformação orientada por João Maria Pegado somou o primeiro ponto no Campeonato da Primeira Divisão da “Bolinha”, depois de ter sido goleada pelo Lam Pak por seis bolas a duas na ronda inaugural da edição de 2013 da competição. - M.C.


FUTILIDADES

hoje macau segunda-feira 2.9.2013

17

TEMPO AGUACEIROS OCASIONAIS MIN 25 MAX 31 HUM 70-95% • EURO 10.5 BAHT 0.2 YUAN 1.3

[TELE]VISÃO

[

] C I N E M A SALA 1

TDM 13:00 13:30 13:40 14:40 18:30 19:30 20:30 21:00 21:15 21:45 22:10 23:00 23:30 00:00 00:30 01:00

TDM News - Repetição Campanha Eleitoral para a Assembleia Legislativa Telejornal + 360º (Diferido) RTPi DIRECTO Caminho das Índias (Repetição) Vingança Telejornal Campanha Eleitoral para a Assembleia Legislativa Alta Pressão Alta Pressão Caminho das Índias TDM News Magazine Liga dos Campeões Com Ciência Telejornal (Repetição) RTPi DIRECTO

RTPi 82 14:00 14:35 15:00 15:30 16:00 17:00 17:15 18:00 19:00 20:00 21:15 22:00 22:30

Telejornal Madeira Consigo EUA – Nova Inglaterra Contacto - 2013 Em Reportagem (Madeira) Bom Dia Portugal Recantos Verão Cá Dentro O Teu Olhar (Telenovela) Trio d’Ataque Jornal da Tarde O Preço Certo EUA – Nova Inglaterra Contacto - 2013 Verão Total

THE MORTAL INSTRUMENTS: CITY OF BONES [C]

THE CONJURING

Um filme de: Harald Zwart Com: Lily Collins, Lena Headey, Robert Sheehan, Kevin Zegers 14.15, 16.45, 19.15, 21.45

Cineteatro

SALA 2

THE CONJURING [C] Um filme de: James Wan Com: Patrick Wilson, Vera Farmiga, Ron Livingston, Lili Taylor 14.30, 16.30, 19.30, 21.30

SALA 3

THE INTERNSHIP [B] Um filme de: Roland Emmerich Com: Channing Tatum, Jamie Foxx, Maggie Gyllenhaal, Jason Clarke 14.30, 16.45, 19.15, 21.30

M A C A U [ S Ã ] A S S A D O MAU GOSTO É POUCO

Foto: Vanessa Amaro

• Em algumas das sapatarias de Macau – e não só sapatarias, já nos habituámos a um certo mau gosto. Mas, estes dias, encontrámos umas pérolas daquelas que apetece mesmo “assar”. Que acha o estimado leitor deste modelo confortável, em pele de cobra, para cobrir o seu pé?

30 - FOX Sports 13:00 Football Asia 2013/14 13:30 (Delay) Dutch Eredivisie 2013/14 FC Groningen vs. Ajax Amsterdam 15:30 Russian Premier Liga 2013/14 Dinamo Moscow vs. FK Rostov-Na-Donu 17:30 Football Asia 2013/14 18:00 Rebel TV 20 18:30 NASCAR Sprint Cup Series 2013 - Highlights 19:30 (LIVE) FOX SPORTS Central 20:00 Liga Bbva 2013/14 Weekly Review 21:00 La Liga 2013/14 Real Madrid CF vs. Athletic Club de Bilbao 22:00 FOX SPORTS Central 22:30 UFC 164 31 - STAR Sports 13:00 SBK Superbike World Championship 2013 - Race 2 14:00 Inside Sailing 2013 14:30 MotoGP World Championship 2013 Main Races British Grand Prix 18:00 Liga Bbva 2013/14 Valencia CF vs. FC Barcelona 19:30 SBK Superbike World Championship 2013 - Races 21:30 (LIVE) Score Tonight 2013 22:00 Planet Speed 2013/14 22:30 MotoGP World Championship 2013 Main Races British Grand Prix 40 - FOX Movies 12:00 Pirates Of The Caribbean 14:25 Wreck-It Ralph 16:10 Dark Water 17:55 Bait 19:30 Eve Of Destruction 21:00 The Avengers 23:25 The Darkest Hour 00:55 Wreck-It Ralph 41 - HBO 12:45 The Rock 15:00 Lassie 16:45 Cats & Dogs 18:20 Xxx: The Next Level 20:00 The Newsroom 21:00 Hunted 23:00 True Blood 00:00 Atm 42 - Cinemax 11:30 Super 8 13:45 Maverick 16:00 Anzio 18:00 Ishtar 20:30 Black Forest 22:00 Into The Sun 23:45 Strike Back

À VENDA NA LIVRARIA PORTUGUESA CRISTINA BRANCO • Kronos

Cristina Branco convidou vários músicos portugueses a comporem sobre a passagem do tempo e o resultado foi o álbum “Kronos”, que revela os diferentes caminhos que criou dentro do fado. O álbum apresenta catorze temas compostos por músicos como Mário Laginha, Janita Salomé, Rui Veloso, José Mário Branco, Sérgio Godinho, Carlos Bica e Amélia Muge. A ideia do álbum, o décimo na carreira de Cristina Branco, surgiu ainda antes da cantora gravar “Abril”, dedicado a José Afonso. Há dez anos falava-se num novo fado. Agora, passa a ser legítimo usar a expressão pós-novo fado. E «Kronos» é decisivo para essa mudança de paradigma.

ANA MOURA • no Coliseu

Ana Moura é, por estes dias, uma das maiores certezas do fado, nacional e internacionalmente. A agenda lotada, com concertos por todos os continentes, podia ser um indicador suficiente da sua qualidade. Mas a isso junta-se o reconhecimento da crítica. O Prémio Amália foi disso exemplo, a nomeação para os Globos de Ouro, o Prémio Internacional da Portuguese American Leadership Council Association vão a par com alguns momentos ímpares, como a chamada ao palco do Estádio de Alvalade para cantar em dueto com Mick Jagger, ou o pisar, pela primeira vez, o palco do Coliseu. Este concerto é o primeiro DVD de Ana Moura e o seu primeiro registo ao vivo. RUA DE S. DOMINGOS 16-18 • TEL: +853 28566442 | 28515915 • FAX: +853 28378014 • MAIL@LIVRARIAPORTUGUESA.NET

POR MIM FALO

Pu Yi

O nosso vinho Traz-me um copo de vidro fosco, Como aquele onde bebi, em tua casa. Entorna nele o vinho que bebemos juntos. Saboreia, mastiga, absorve. Envolve a minha pele nesse aroma frutado. Torna-me alcoólico, encorpado. Sei que contigo sou veludo puro, De cor rubi, sangue vivo, Quente, maduro, persistente. A tua casta difere-te. Cabernet Sauvignon, Aragonês, Trincadeira, Touriga Nacional, Syrah ou Merlot. Que importa? És como o nosso vinho. Deixas-me tranquilo, fermentado neste corpo, Suave, intenso, de textura macia. Chambreia-me com o teu calor. Torna-me quente, meu amor.


OPINIÃO

18

hoje macau segunda-feira 2.9.2013

Leis, paineleiros e olho de falcão

PUB

Anúncio

S

Fernando Santos

O Pedido do Projecto de Apoio Financeiro do FDCT para à 3ª vez do ano 2013

(2)

(3)

(4) (5)

(6)

(7)

ALVAGUARDADO o exagero, a Constituição da República está na origem de um debate semelhante ao gerado por um jogo de futebol - como o Sporting-Benfica, o mais fresco dos exemplos. A equipa de arbitragem - os juízes do Tribunal Constitucional - está no epicentro dos mais acesos despiques. A paixão clubista produz a cegueira bastante nos paineleiros escolhidos a dedo para interpretações variadas sobre as Leis do Jogo (XII) no futebol; o emaranhado constitucional é bem mais complexo, pelo menos por agora, mas não dispensa posturas de conflitualidade política a que só falta a cópia do famoso “intensiómetro” na abordagem aos lances punidos com castigo máximo. Como no futebol, os juízes do Tribunal Constitucional estão, consoante as ideologias, no epicentro de uma análise política interpretativa. As proporções da polémica entre os paineleiros do futebol e os da política dispõem, apesar de tudo, de uma diferença substancial. Bem ou mal marcados, os foras-de-jogo e os penáltis fazem variar o astral dos adeptos, mas não têm influência decisiva nas suas vidas. Já a proibição ou não de proceder a despedimentos, cortes nos salários ou nas pensões dos reformados deixam sequelas, conforme a decisão. Tanto podem tornar ainda mais infernal a vida de cidadãos, indefesos e em empobrecimento acentuado, como inviabilizar a hipótese de emagrecer um Estado gordo e anafado e para o qual não se vê como angariar novas receitas (fiscais) capazes de o continuarem a amamentar. A dicotomia Esquerda/Direita acaba, pois, por parecer um Sporting-Benfica constitucional. Simplesmente, será avisado retirar-lhe eventuais linhas escapatórias para julgamentos carregados de alguma subjectividade. A génese da Constituição da República está datada e já sofreu modificações, segundo calendários de revisão estipu-

Fins O FDCT foi estabelecido por Regulamento Administrativo nº14/2004 da RAEM, publicado no B. O. N° 19 de 10 de Maio, e está sujeito a tutela do Chefe do Executivo. O FDCT visa a concessão de apoio financeiro ao ensino, investigação e a realização de projectos no quadro dos objectivos da política das ciências e da tecnologia da RAEM. Alvos de Patrocínio (i) Universidades, instituições de ensino superior locais, seus institutos e centros de investigação e desenvolvimento (I&D); (ii) Laboratórios e outras entidades da RAEM vocacionados para actividades de I&D científico e tecnológico; (iii) Instituições privadas locais, sem fins lucrativos; (iv) Empresários e empresas comerciais, registadas na RAEM, com actividades de I&D; (v) Investigadores que desenvolvem actividades de I&D na RAEM. Projecto de Apoio Financeiro (i) Que contribuam para a generalização e o aprofundamento do conhecimento científico e tecnológico; (ii) Que contribuam para elevar a produtividade e reforçar a competitividade das empresas; (iii) Que sejam inovadores no âmbito do desenvolvimento industrial; (iv) Que contribuam para fomentar uma cultura e um ambiente propícios à inovação e ao desenvolvimento das ciências e da tecnologia; (v) Que promovam a transferência de ciências e da tecnologia, considerados prioritários para o desenvolvimento social e económico; (vi) Pedidos de patentes. Valor de Apoio Financeiro (1) Igual ou inferior quinhentos mil patacas. (MOP$500.000,00) (2) Superior a quinhentos mil patacas. (MOP$500.000,00) Data do Pedido Alínea (1) do número anterior Alínea (2) do número anterior

Todo o ano A partir do dia 2 – Set. – 2013 até 1 – Nov. – 2013 (O próximo pedido será realizado no dia 2 –Jan. – 2014 ao 3 –Mar. – 2014)

Forma do Pedido Devolvido o Boletim de Inscrição e os dados de instrução mencionados no Art° 6 do Chefe do Executivo nº 273 /2004,《Regulamento da Concessão de Apoio Financeiro》, publicado no B. O. N° 47 de 22 de Nov., para o FDCT. Endereço do escritória: Alameda Dr. Carlos d’Assumpção, n° 411-417, Edf. “Dynasty Plaza” 9° andar, Macau. Para informações: tel. 28788777; website: www.fdct.gov.mo. Condições de Autorizações Por despacho do Chefe do Executivo nº 273 /2004, processa o 《Regulamento da Concessão de Apoio Financeiro》. O Presidente do C. A. do FDCT, Tong Chi Kin 29 / 8 / 2013

GERMAIN DETANGER, HOMEM COM FALCÃO

(1)

in Jornal de Notícias

lados e cujos resultados obedeceram a estritas regras democráticas. Compete, naturalmente, aos partidos políticos representados na Assembleia da República procederem em conformidade, não apenas com os seus conceitos ideológicos mas também com as exigências de um mundo em permanente mudança.

As proporções da polémica entre os paineleiros do futebol e os da política dispõem, apesar de tudo, de uma diferença substancial. Bem ou mal marcados, os foras-de-jogo e os penáltis fazem variar o astral dos adeptos, mas não têm influência decisiva nas suas vidas Dos deputados espera-se, ao fim e ao cabo, um papel semelhante ao reservado ao dos membros do International Board - um grupinho de que dependem as modificações às Leis do futebol. A resiliência só é uma virtude sempre e quando não há motivos claros a justificarem mudanças de posição. Até por inconfessáveis interesses, os inteligentes das leis têm resistido ao escrutínio da verdade no futebol através das novas tecnologias audiovisuais, mas, aos poucos, vão abrindo mão de alguns critérios. E para se retirarem dúvidas sobre se a bola transpõe a linha de baliza - golo ou não? - até o chamado olho de falcão, já introduzido na Liga inglesa, tende a universalizar-se. É isso. Os juízes do Tribunal Constitucional, como os árbitros, julgam conforme as leis aprovadas pelos senhores deputados e a margem de manobra (e discricionariedade) nelas plasmadas.


opinião 19

hoje macau segunda-feira 2.9.2013

Ricardo Pinho

disse-me um passarinho...

twitter.com/ricardo

Não há nada mais entediante que as previsíveis opiniões dum militante partidário.

N

Helena Freitas in Público

OS últimos dias, enquanto participava numa comissão de avaliação de projectos de investigação científica na Alemanha, num ambiente de relativa satisfação e desafogo financeiro, fui acompanhando as contrastantes manifestações públicas de desalento por parte de investigadores espanhóis, em especial a atitude de uma cientista espanhola, que decidiu entregar ao primeiro-ministro Mariano Rajoy, de forma simbólica, todos os certificados que atestam a sua longa e sólida formação científica, anunciando a intenção de abandonar Espanha, e de continuar a sua carreira científica e académica nos Estados Unidos da América. “Cuando emigre, próximamente, la ciencia que yo haga ya no será española, ni será gracias a España; seguiré haciendo ciencia a pesar de España” dizia esta investigadora, notoriamente desapontada com as opções políticas do actual governo espanhol, a quem acusa de ter condenado a ciência espanhola a um retrocesso incompreensível e lamentável. Quem acompanha a ciência internacional e a sua evolução nas últimas décadas não pode deixar de reconhecer a pujança e a qualidade que a ciência espanhola alcançou nos anos mais recentes. O agora vaticinado retrocesso terá um grande impacto na produtividade científica deste país, e conduzirá a um inevitável êxodo de investigadores altamente qualificados, jovens e seniores, para outros países, não necessariamente europeus. A partir de Portugal, vamos observando com tristeza e apreensão esta tendência negativa, perspectiva que em grande medida partilhamos. Ainda assim, mantemos alguma confiança nas instituições nacionais, a quem reconhecemos o esforço de procurar assegurar a credibilidade suficiente para acalentar a aposta na ciência. Mas percebemos que a incerteza é grande, e as expectativas de uma mudança favorável nos próximos anos são claramente nulas. Apesar deste cenário desanimador, os investigadores portugueses não estão dispostos a perder a capacidade competitiva internacional; bem pelo contrário. A ciência nacional tem mantido e quer manter uma tendência globalmente positiva, pelo que importa ga-

REMBRANDT, A LIÇÃO DE ANATOMIA DO DR. TULP

O declínio da ciência

A ciência nacional tem mantido e quer manter uma tendência globalmente positiva, pelo que importa garantir a estabilidade e o financiamento que permitam a competitividade e o progresso da ciência nacional rantir a estabilidade e o financiamento que permitam a competitividade e o progresso da ciência nacional. Dito isto, não escondo a perplexidade com que soube de mais um corte previsto no orçamento das universidades portuguesas. Mais uma vez, uma decisão absurda e injusta, que coloca o ónus sobre instituições que têm revelado uma gestão eficiente do financiamento público, respeitando os or-

çamentos, e garantindo um ensino que tem sido consistentemente melhor avaliado nos indicadores e avaliações internacionais. Esta decisão, será naturalmente muito penalizadora da actividade científica que em Portugal se desenvolve em grande medida nas universidades. A acontecer, inviabilizará o funcionamento adequado das instituições, e desmotivará ainda mais um grupo de profissionais submetidos a escrutínios cada vez

mais exigentes, e que, para além de desenvolverem o trabalho que lhes compete – no ensino e na actividade de investigação –, têm ainda a responsabilidade de manter vivas as expectativas dos jovens que buscam o seu percurso profissional na ciência. Estes jovens investigadores, estão motivados pela vontade de contribuir para o progresso do seu país, mas é cada vez mais difícil acalentar o sonho que os conduziu à ciência, porque o desânimo é crescente e está instalado na comunidade universitária. Fragilizar ou inviabilizar o funcionamento das universidades portuguesas, situação que decorrerá inevitavelmente desta nova proposta de orçamento, concorrerá para o declínio da ciência nacional, e é sobretudo um forte contributo para o retrocesso de Portugal.

Propriedade Fábrica de Notícias, Lda Director Carlos Morais José Editor Gonçalo Lobo Pinheiro Redacção Andreia Sofia Silva; Cecilia Lin; Joana de Freitas; José C. Mendes; Rita Marques Ramos; Zhou Xuefei [estagiária] Colaboradores Amélia Vieira; Ana Cristina Alves; António Falcão; António Graça de Abreu; Hugo Pinto; José Simões Morais; Marco Carvalho; Maria João Belchior (Pequim); Michel Reis; Rui Cascais; Sérgio Fonseca; Tiago Quadros Colunistas Arnaldo Gonçalves; David Chan; Fernando Eloy ; Fernando Vinhais Guedes; Gonçalo Alvim; Helder Fernando; Isabel Castro; Jorge Rodrigues Simão; Leocardo; Paul Chan Wai Chi Cartoonista Steph Grafismo Catarina Lau; Paulo Borges Ilustração Rui Rasquinho Agências Lusa; Xinhua Fotografia António Falcão, Gonçalo Lobo Pinheiro; Tiago Alcântara; Lusa; GCS; Xinhua Secretária de redacção e Publicidade Madalena da Silva (publicidade@hojemacau.com.mo) Assistente de marketing Vincent Vong Impressão Tipografia Welfare Morada Calçada de Santo Agostinho, n.º 19, Centro Comercial Nam Yue, 6.º andar A, Macau Telefone 28752401 Fax 28752405 e-mail info@hojemacau.com.mo Sítio www.hojemacau.com.mo


hoje macau segunda-feira 2.9.2013

Nelson Mandela teve alta hospitalar

O ex-presidente sul-africano Nelson Mandela deixou este domingo o hospital de Pretória, onde estava internado desde 8 de Junho na sequência de uma infecção pulmonar, informou a Presidência da África do Sul em comunicado. «O estado de Mandela continua a ser crítico e às vezes é instável. No entanto, sua equipe médica está convencida de que receberá o mesmo nível de terapia intensiva em casa, em Joanesburgo», revela a nota de imprensa. Esta informação surge um dia depois da presidência sul-africana ter negado a alta médica concedida ao Nobel da Paz e avançada pela BBC na manhã de sábado.

cartoon por Stephff

AMEAÇA

Pyongyang anula viagem de enviado dos EUA por “provocação”

EUA APELO AO CONGRESSO PARA QUE SEJA APROVADA INTERVENÇÃO MILITAR NA SÍRIA

Papa Francisco tira foto de telemóvel com grupo de jovens

O papa Francisco não pára de surpreender: entre relatos de telefonemas para fiéis e outras quebras de protocolo, o papa deixou-se agora fotografar com três jovens posando para um telemóvel. As fotos, publicadas, inclusive, pelo L`Osservatore Romano, foram tiradas na Basílica de S. Pedro, durante a visita de um grupo de jovens da paróquia de Picenza e Bobbio. Está disponível uma imagem do momento, e outra tirada, de facto, com o telemóvel. Pode imaginarse que, durante a passagem pela basílica, os jovens tenham até ficado surpreendidos por encontrar Francisco, mas o que se passou depois terá sido ainda mais insólito. O para aceita a proximidade a foto, tirada pelo jovem Ricarrdo Aracelli ao lado do papa - com um simples telemóvel corre já o mundo através das redes sociais.

Cegonha detida por espionagem

Uma cegonha foi detida na cidade egípcia de Qena, situada 450 quilómetros a sudeste do Cairo, depois de um pescador ter avistado um aparelho electrónico preso às penas da ave. Pensando que se tratava de um aparelho de espionagem, o homem capturou a ave e levou-a ao posto de polícia da cidade. Uma equipa de veterinários foi então chamada ao local, chegando à conclusão de que se tratava de um aparelho utilizado por cientistas franceses para estudar os movimentos migratórios das cegonhas. A cegonha ainda se encontra atrás das grades, porém, uma vez que a polícia precisa do consentimento do Ministério Púbico para poder soltar a ave.

E agora, senhor Obama? “D ECIDI que os EUA devem levar a cabo uma intervenção armada na Síria”, disse o Presidente norte-americano Barack Obama. Mas acrescentou que vai pedir autorização ao Congresso, ainda que sublinhe que teria a prerrogativa para decidir sozinho. Responsáveis da Administração têm andado numa roda viva de conferências e telefonemas com jornalistas e membros do Congresso, tentando convencer uns e outros de que é necessário uma intervenção na Síria após o ataque com armas químicas da semana passada, que provocou quase 1500 mortos, dos quais mais de 500 eram crianças, segundo números da administração americana. Obama tinha afirmado na sexta-feira que não tinha tomado ainda uma decisão em relação ao

que fazer na Síria - mas depois defendeu um ataque “à medida”, que “não envolva tropas no terreno”, que tenha um fim à vista. Antes, o secretário de Estado John Kerry tinha feito um discurso em que concluía: “A História irá julgar-nos duramente se não fizermos nada.” Não atacar depois de toda esta retórica seria no mínimo estranho. Se parece então certo que haverá um ataque, quando é que este acontecerá? A televisão síria já mostra imagens de soldados a treinar acompanhadas de músicas bélicas. Responsáveis anunciavam medidas extraordinárias, como manter as padarias abertas 24h para lidar com a “agressão”, assegurando que haveria bens essenciais, como farinha ou medicamentos (o que é irónico: na guerra civil, que matou mais de 100 mil pessoas, tem havido desde o início deste ano mais gente a morrer de

fome ou doença provocada pela falta de bens básicos do que pelos ataques em si). Na BBC, o editor especialista em América do Norte Mark Mardell dizia que tudo tem sido um pouco fora do comum no processo de tomada de decisão dos EUA em relação à Síria. Até o timing de um ataque. Este é o fim-de-semana do Labour Day, um grande feriado nos EUA, que se comemora na primeira segunda-feira de Setembro, dando aos americanos um fim-de-semana prolongado. “Não é a melhor altura para falar de guerra”, comenta Mardell. O Presidente vai estar na Suécia na segunda-feira. “Não há uma lei a dizer que um Presidente não pode ordenar uma acção militar enquanto está no estrangeiro, mas seria estranho.” Nos dias seguintes piora: vai estar na cimeira do G20 na Rússia, que se tem oposto a qualquer acção militar – o Presidente russo, Vladimir Putin, ainda hoje disse que a acusação de que Assad usou armas químicas “é um disparate completo” e que seria “muito triste” se os EUA ordenassem unilateralmente um ataque. Fazê-lo, assim, de território russo seria não só estranho “mas altamente provocador”, sublinha Mardell. Mas depois das palavras especialmente duras de Kerry, e a favor de uma acção do próprio Obama, não será uma semana demasiado tempo de espera para ordenar um ataque? O jornalista conclui: “Tudo são palpites”.

A Coreia do Norte cancelou a viagem de um enviado dos Estados Unidos a Pyongyang para tentar a libertação do norte-americano Kenneth Bae devido às ultimas «provocações militares» de Washington, diz um comunicado do governo da Coreia, citado pela agência estatal KCNA. O governo coreano tinha convidado o embaixador dos Estados Unidos em matéria de Direitos Humanos na Coreia do Norte, Robert King, mas Washington «arruinou» o diálogo com os seus últimos exercícios militares na Península da Coreia. As reuniões com este responsável norte-americano tinham como finalidade obter o perdão da Coreia do Norte a Kenneth Bae, preso desde Novembro de 2012. «A presença de bombardeamentos estratégicos no céu da Península de Coreia é a mais descarada chantagem nuclear e uma ameaça militar contra nós» afirmou o Ministro dos Negócio Estrangeiros norte-coreano. O norte-americano Kenneth Bae, também conhecido por seu nome coreano Bae Joon-ho, foi detido em Novembro de 2012 e condenado pelo Supremo Tribunal nortecoreano a 15 anos de trabalhos forçados por violar o artigo 60 da Constituição do país, o que significa cometer um crime com o objectivo «de derrubar o regime».

Atentado em Ramadi faz 12 mortos

Um atentando à bomba causou 12 mortos e pelo menos 20 feridos na cidade de Ramadi, 100 quilómetros a oeste de Bagdade, de acordo com fonte oficial, que acrescenta que há polícias entre as vítimas mortais. Ainda este sábado, um atentado em Maeden, a sudoeste de Bagdade, causou a morte a uma pessoa e feriu sete. Nos últimos meses, a violência no Iraque atingiu níveis sem precedentes. Só em Julho terão morrido mais de mil pessoas em ataques terroristas.

Hoje Macau 2 SET 2013 #2927  

Edição do jornal Hoje Macau N.º 2927 de 2 de Setembro de 2013.

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you