Page 1

DIRECTOR CARLOS MORAIS JOSÉ

h

MOP$10

TERÇA-FEIRA 17 DE SETEMBRO DE 2019 • ANO XIX • Nº 4374

ARVO PÄRT

INDISCERNIBILIDADE

MICHEL REIS

PAULO JOSÉ MIRANDA

LISBOA

O REI E A CHINA

Dinheiro em caixa

O jogo continua a encher os cofres da Administração de Macau. Só nos primeiros oito meses do ano, o Governo arrecadou 76,5 mil milhões de patacas em impostos directos

EVENTOS

VIDEOVIGILÂNCIA

Minha cara privacidade PÁGINA 4

OPINIÃO

RUGIDO DO LEÃO

sobre esta actividade, o que representa uma subida de 1,5 por cento face ao mesmo período de 2018, e corresponde a 87,2 por cento do total das receitas públicas.

DAVID CHAN

AUSTRÁLIA

Morte na estrada

PÁGINA 6

ÚLTIMA

PUB

www.hojemacau.com.mo•facebook/hojemacau•twitter/hojemacau

hojemacau

GRANDE BAÍA | O SONHO CHINÊS GRANDE PLANO


2 grande plano

17.9.2019 terça-feira

GRANDE BAÍA

ACELERAR PARA O PEQUIM APOSTA NA INOVAÇÃO PARA CRIAR CENTRO MUNDIAL DE COMÉRCIO LIVRE

Na cidade chinesa de Dongguan, 300 cientistas trabalham num dos raros aceleradores de partículas mundiais, cuja missão pode resumir o sonho de Pequim para a China e para a megametrópole mundial de comércio livre, anunciada para 2030

O

China Spallation Neutron Source (CSNS), sediado numa das cidades da anunciada megametrópole mundial, baptizada de Grande Baía, tem como ‘caderno de encargos’ três dos objectivos reiteradamente assumidos por Pequim: a segurança nacional, o desenvolvimento científico e a promoção da tecnologia de ponta, como ‘aceleradores’ da economia. Aquele que é o primeiro acelerador de partículas de grande escala e de alta potência a ser construído na China - fruto de um investimento de quase 191 milhões de euros -, começou a operar em 2018. É recente, mas já se pensa na sua expansão, explicou aos jornalistas um dos cientistas responsáveis, Yu Bao, numa visita a cidades da Grande Baía organizada esta semana pelo Gabinete de Ligação do Governo Central em Macau. Na província de Guangdong, que ‘oferece’ uma das cidades ao projecto da Grande Baía, a ambição de Pequim traduz-se na aposta na inovação tecnológica, no investimento de larga escala em acessibilidades (aeroportos, comboios de alta velocidade e pontes de dimensões únicas no mundo), bem como na promoção das energias renováveis, num país cujo modelo de desenvolvi-

mento económico sacrificou os índices ambientais da esmagadora maioria das principais cidades chinesas. Em Zhongshan, um porta-voz da entidade que está a gerir a construção de uma das maiores pontes do mundo explicou os detalhes técnicos de um projecto estimado em mais de quatro mil milhões de euros que vai ligar aquela cidade à vizinha Shenzhen, localizada na fronteira com Hong Kong, sede das principais firmas tecnológicas do país, como é o caso do grupo de telecomunicações Huawei. O projecto, cujo custo está estimado em mais de quatro mil milhões de euros e deverá estar concluído em 2024, obrigou à criação de uma ilha artificial e prevê um túnel atravessado por oito faixas de rodagem, único no mundo. A ponte vai crescer um pouco mais a norte daquela que é a maior travessia marítima do mundo, inaugurada em Outubro e que custou cerca de dois mil milhões de euros, que liga já a província de Guangdong, através de Zhuhai, Macau e Hong Kong.

MAR DE OPORTUNIDADES

No início do ano, foi anunciada uma outra travessia entre as duas infraestruturas. As autoridades tornaram público o relançamento de um plano para ligar as duas zonas eco-


terça-feira 17.9.2019

FUTURO nómicas especiais chinesas de Zhuhai e Shenzhen que, além da travessia automóvel, vai garantir uma linha ferroviária de alta velocidade. Ainda em Zhongshan, está localizado um centro de operações da Mingyang Smart Energy, uma fabricante de turbinas eólicas e fornecedora de soluções integradas de energia limpa que ocupa o 37.º lugar entre as 500 maiores empresas mundiais de novas energias e o primeiro lugar no ‘ranking’ de inovação eólica em alto mar. Este é mais um exemplo dado pelas autoridades chinesas para legitimar a ideia de que é compatível o compromisso de viragem ambiental no PUB

A produção industrial da China cresceu em Agosto ao ritmo mais baixo desde 2002, segundo dados oficias divulgados ontem, acompanhando a tendência registada com outros indicadores económicos

país e o desenvolvimento da economia, tanto mais porque a empresa é responsável por uma receita anual na ordem dos 12,7 mil milhões de euros. As autoridades chinesas continuam a enfatizar indicadores gerais do desempenho económico da região e do sucesso empresarial num mercado de grande escala que vai resistindo à guerra comercial com os Estados Unidos. Em Cantão, aquela que é o quinto fabricante de automóveis da China, o Guangzhou Automobile Group, fez questão de destacar a sua aposta na produção de carros eléctricos, em sublinhar as suas parcerias internacionais e o investimento

Uma responsável local pela comissão de promoção da Grande Baía expressou a vontade de Cantão “aprender” com Macau e Hong Kong a desenvolver a economia num “mercado aberto” na inovação tecnológica para crescer no mercado mundial, tendo apresentado no último ano fiscal um lucro na ordem dos 1,5 mil milhões de euros, empregando quase 100 mil funcionários.

INSPIRAÇÃO PARA A ABERTURA

Na terça-feira, no primeiro dos três dias de visita, uma responsável local pela comissão de promoção da Grande Baía expressou a vontade de Cantão “aprender” com Macau e Hong Kong a desenvolver a economia num “mercado aberto”, um desejo para aquela que é ‘somente’a quarta maior cidade chinesa, com uma população com cerca de 15 milhões de habitantes e um Produto Interno Bruto (PIB) de 290 mil milhões de euros, a registar um crescimento a ron-

grande plano 3

dar os 7 por cento na primeira metade deste ano. No final da visita, o vice-director-geral do Departamento de Publicidade e Cultura do Gabinete de Ligação do Governo Popular Central em Macau, Yin Rutao, coincidiu na análise sobre uma das mais-valias do território junto das outras economias que integram o projecto regional: a experiência enquanto economia assente num mercado livre. A escala da Grande Baía, que junta Hong Kong, Macau e nove cidades chinesas (Cantão, Dongguan, Foshan, Huizhou, Jiangmen, Shenzhen, Zhaoqing, Zhongshan e Zhuhai), é sempre caracterizada pelos analistas como impressionante: tem um PIB de 1,2 biliões de euros, maior que o daAustrália, Indonésia e México, países que integram o G20, e uma população de 70 milhões, superior a nações como França, Reino Unido ou Itália.

AO LARGO

A produção industrial da China cresceu em Agosto ao ritmo mais baixo desde 2002, segundo dados oficias divulgados ontem, acompanhando a tendência registada com ou-

tros indicadores económicos, numa altura em que Pequim e Washington travam uma guerra comercial. Os dados do Gabinete Nacional de Estatísticas chinês revelam que a produção industrial aumentou 4,4 por cento, face ao mesmo mês do ano passado, depois de, em Julho, ter subido 4,8 por cento, também em termos homólogos. Trata-se do menor crescimento homólogo desde Fevereiro de 2002, quando subiu 2,7 por cento, uma tendência que se tem vindo a verificar desde o início do ano. A produção industrial é utilizada pelas estatísticas chinesas para medir a actividade das grandes empresas, com receitas anuais superiores a 20 milhões de yuan. O crescimento homólogo das vendas a retalho, o principal indicador do consumo privado, fixou-se em 7,5 por cento, depois de ter crescido 7,6 por cento, em Julho. A economia chinesa cresceu 6,2 por cento, no segundo trimestre deste ano, o ritmo mais lento em quase três décadas, mas dentro da meta definida pelo Governo chinês, e quase o dobro do crescimento mundial. Lusa


4 política

17.9.2019 terça-feira

Reforma Administrativa Coutinho pede responsabilização política

Em jeito de celebração dos 20 anos da RAEM, José Peareira Coutinho assina uma interpelação escrita a pedir responsabilidades políticas e administrativas pelos sucessivos “falhanços” na reforma administrativa. “Excesso de burocracia e sobreposição de competências e funções” são duas das consequências apontadas pelo deputado aos Governos desde a fundação da RAEM. Pereira Coutinho destaca que já em 1999, o Chefe do Executivo afirmava haver “uma discrepância entre a eficiência administrativa e o elevado número de funcionários”, facto que estaria na génese da “incompetência burocrática que há muito causa transtornos aos cidadãos e afecta a economia”. Outro dos destaques da interpelação é a promessa de Ho Iat Seng de reduzir “as formalidades desnecessárias e o excesso de burocracia, aprofundando a reforma administrativa”. Como tal, Pereira Coutinho pede responsabilização política aos Chefes dos Executivos que governaram a RAEM desde a sua fundação.

CCTV Ho Iat Seng diz que harmonia nasceu do sofrimento económico

Durante a passagem por Pequim, na semana passada, o futuro Chefe do Executivo deu uma entrevista à CCTV, canal estatal chinês, e explicou a origem da harmonia na sociedade de Macau. Segundo Ho Iat Seng, citado pelo canal chinês da Rádio Macau, antes da transição a antiga colónia portuguesa atravessou um período de desaceleração da economia. Este período fez com que as pessoas sofressem muito e aprendessem que a harmonia é difícil de alcançar. Por esse motivo, o futuro Chefe do Executivo prometeu ir fazer tudo para proteger Macau do “caos”, uma vez que existe o consenso na RAEM de que a harmonia é um bem fundamental para o desenvolvimento futuro. Como parte deste plano, Ho Iat Seng valorizou a questão da habitação, principalmente entre os mais jovens, e defendeu que este é um aspecto fundamental para a harmonia. Na mesma entrevista, Ho apelou aos residentes da RAEM para que conheçam melhor o Interior da China, uma vez que as oportunidades de crescimento em Macau passam pela Grande Baía e pela maior integração no País.

Acessos Deputado Sulu Sou pede melhores passagens pedonais

O deputado Sulu Sou quer que o Executivo estude o melhoramento das estradas para peões que fazem a ligação entre o Porto Interior e a zona Central de Macau. De acordo com o legislador os actuais passeios são estreitos e têm demasiados riscos, o que se torna perigoso, principalmente quando há autocarros a circularem nestas zonas. Outro dos argumentos utilizados pelo pró-democrata, passa pelo facto de haver uma população cada vez mais envelhecida e que enfrenta dificuldades de deslocação, mas que mesmo assim tem de enfrentar condições complicadas, como inclinações ou desvios.

Justiça Última Instância em fórum com China, Taiwan e Hong Kong

Sam Hou Fai, presidente do Tribunal de Última Instância (TUI), participou nos dias 10 e 11 de Setembro no “5.º Fórum de Alto Nível da Justiça dos dois lados do Estreito de Taiwan, de Hong Kong e de Macau”, que se realizou na cidade de Zhanjiang, província de Guangdong. De acordo com um comunicado oficial, foi feita uma apresentação do estudo “A cooperação e o apoio judiciários dos dois lados do Estreito de Taiwan, de Hong Kong e de Macau – O estudo preliminar sobre a aplicação do princípio de manutenção da ordem pública na prática judiciária em matérias civil e comercial inter-regionais da RAEM”. Song Man Lei, juíza do TUI, proferiu o discurso de encerramento. Além disso, a delegação de Macau realizou uma visita ao Tribunal Popular Intermédio da Cidade de Zhanjiang, o Tribunal Popular da zona de desenvolvimento, entre outros.

VIDEOVIGILÂNCIA AGNES LAM PEDE EQUILÍBRIO ENTRE SEGURANÇA E DADOS PESSOAIS

Controlar o Big Brother A deputada Agnes Lam defendeu ao Jornal do Cidadão que o Governo deve promover o equilíbrio entre a segurança garantida pelas câmaras de videovigilância com a tecnologia de reconhecimento facial e a protecção de dados pessoais

A

decisão das autoridades de Macau de incluírem tecnologia de reconhecimento facial nas câmaras de videovigilância do território está a gerar alguma preocupação. Desta vez é a deputada Agnes Lam que, em declarações ao Jornal do Cidadão, defende que deve ser garantido um equilíbrio entre a segurança dos cidadãos, a eficácia da execução da lei e a protecção dos dados pessoais. Para a deputada, que é também docente na Universidade de Macau, o Governo deve explicar os detalhes do uso da tecnologia de reconhecimento facial, mostrando que o objectivo primordial não é o de monitorizar a população, mas sim o de ter um acesso mais fácil a provas no caso da ocorrência de crimes. Agnes Lam lembra que

as técnicas de reconhecimento facial têm sido úteis na luta contra o terrorismo. A deputada considera que as autoridades têm a responsabilidade de divulgar as informações dos locais onde estão instaladas as câmaras, para que os cidadãos saibam os locais concretos onde estão a ser alvo de vigilância. Além disso, deve ser divulgada a forma como as imagens recolhidas serão tratadas pelas autoridades uma vez que, para Agnes Lam, não basta ao Governo dizer que a tecnologia do reconhecimento

facial vai ser usada para combater o crime.

SEM TERCEIRO ELEMENTO

Sobre a sugestão de criar uma terceira entidade para fiscalizar a operação das câmaras de videovigilância com reconhecimento facial, Agnes Lam considerou que o Gabinete de Protecção de Dados Pessoais (GPDP) é um organismo público que opera nesta área, pelo que não há necessidade de criar uma entidade especial para o efeito. A deputada acredita que o GPDP deve realizar inspecções

A deputada acredita que o GPDP deve realizar inspecções aleatórias ou efectuar pedidos aos diversos departamentos públicos para a entrega de relatórios periódicos sobre o uso das câmaras de videovigilância

aleatórias ou efectuar pedidos aos diversos departamentos públicos para a entrega de relatórios periódicos sobre o uso das câmaras de videovigilância. Leung Kai Yin, professor universitário e analista, disse ao Jornal do Cidadão que as autoridades policiais podem realizar o seu trabalho sem ter necessidade de recorrer à tecnologia de reconhecimento facial. Para este analista, não é necessário sacrificar os direitos humanos em prol do trabalho de investigação policial. Leung Kai Yin não acredita que Macau tenha capacidade suficiente para controlar os casos de abuso de poder tal como acontece em Singapura, esperando, por isso, que o GPDP venha a ter um conselho próprio de fiscalização para o uso da tecnologia do reconhecimento facial. Andreia Sofia Silva e Juana Ng Cen info@hojemacau.com.mo


sociedade 5

terça-feira 17.9.2019

Saúde Jovens com mais propensão para males da próstata

Hospital Unidade das Ilhas ainda sem data de abertura

O vice-presidente da direcção da Associação dos Médicos de Medicina Tradicional Chinesa de Macau, Sio Kun Meng, alertou para a tendência dos homens começarem a desenvolver doenças da próstata cada vez mais cedo. De acordo com os dados de Sio, fornecidos ao Jornal do Cidadão, cerca de 10 por cento dos homens com idades entre os 40 e 50 anos têm este tipo de doenças,

mas cada vez mais se detectam homens de 30 anos com o problema. Sio disse ainda que a profissão de croupier é propensa a este tipo de doenças, uma vez que é uma profissão que exige um longo período sentado, em conjunto com grandes períodos sem beber água, o que motiva retenção de urina. Também a falta de exercício físico acaba por contribuir para o problema.

AVIAÇÃO À ESPERA QUE PEQUIM FALE

WIFI GO CTT CONFIRMA BLOQUEIO DE EPOCH TIMES. DESCONHECE RAZÃO

Q

UANDO falta pouco mais de um ano para o fim da concessão exclusiva da Air Macau, Simon Chan, presidente da Autoridade de Aviação Civil, revelou que há várias empresas interessadas em se sediar em Macau, porém, a futura política tem de ser decidida por Pequim. “Algumas companhias áreas manifestaram interesse. Já fizemos um esboço de uma nova política para o futuro, mas, de acordo com a Lei Básica, tem de ser o Governo Central a estabelecer a nova política de aviação. Temos estado a comunicar com o Governo Central sobre este assunto, mas ainda não temos detalhes”, afirmou, de acordo com as declarações citadas pela Rádio Macau. “Isso não vai afectar o desenvolvimento da aviação. Actualmente há mais de 30 companhias aéreas a fazer ligações a Macau para 60 destinos”, acrescentou. Entre os nomes das empresas que anteriormente mostraram interesse em estabelecer uma sede em Macau consta a AirAsia, liderada por Tony Fernandes. No entanto, o actual contrato de exclusividade com a Air Macau só termina em Novembro de 2020. Por outro lado, o presidente da Aviação Civil frisou ainda que o aeroporto de Macau precisa de expandir-se, face ao crescente número de passageiros. “Nesta altura e nos próximos anos, antes de termos os novos aterros para expandir o aeroporto, penso que podemos melhorar a operação, os procedimentos e o fluxo dos passageiros, para podermos fazer face à maior procura”, disse Simon Chan, de acordo com a Rádio Macau.

Cheang Seng Ip, subdirector dos Serviços de Saúde de Macau (SSM) garantiu nunca ter dito que o novo hospital das ilhas iria abrir em 2020, uma vez que ainda não existe um calendário para a inauguração do complexo hospitalar, pois depende do avanço das obras. Citado pelo Jornal do Cidadão, Cheang Seng Ip disse ainda que o Instituto de

Questões menores A Direcção dos Serviços de Correios e Telecomunicações diz que o portal noticioso poderá ter exibido conteúdos relacionados com “pornografia, jogo, droga, etc.” e que o bloqueio poderá ter sido automático. Porém, a versão chinesa voltou a estar disponível desde ontem

A

Direcção dos Serviços de Correios e Telecomunicações (CTT) não tem a certeza sobre a razão que levou ao bloqueio do acesso através da rede pública WiFi Go à versão em língua chinesa do jornal Epoch Times. Segundo a justificação oficial, o portal “pode ter” conteúdos de “pornografia, jogo, droga, etc.”, mas não há certezas e por isso vai “reforçar-se” a comunicação com o fornecedor, a Companhia de Telecomunicações de Macau (CTM). “O website a que V.ª Ex.ª acedeu [Epoch Times em chinês] pode ter sido automaticamente restringido por suspeita de conter o conteúdo acima mencionado, pelo que esta Direcção de Serviços irá reforçar a comunicação com o operador”, foi respondido pela CTT. Ainda de acordo com a CTT, o bloqueio pode ter sido automático: “‘WiFi GO’ é um serviço gratuito de WiFi proporcionado pelo Governo ao público. Para a protecção dos utilizadores, o sistema tem um mecanismo de filtragem automática de qualquer conteúdo impróprio que envolva pornografia, jogo, droga, etc.”, foi explicado. Uma questão que ficou sem resposta clara foi se a motivação para o bloqueio teria sido político. Também não foi explicada a diferença

Direcção dos Serviços de Correios e Telecomunicações “O website [...] pode ter sido automaticamente restringido por suspeita de conter o conteúdo acima mencionado, pelo que esta Direcção de Serviços irá reforçar a comunicação com o operador.”

Enfermagem do novo hospital ficará sob alçada do hospital privado Kiang Wu, podendo ficar concluído no quarto trimestre deste ano. No que diz respeito aos trabalhos consultivos sobre a legislação de controlo do álcool, O subdirector dos SSM disse que também não há um calendário concreto para essa matéria.

entre o portal do Epoch Times em inglês e o portal em chinês. O site em inglês ainda ontem poderia ser acedido, enquanto a versão chinesa que estava bloqueada só voltou a estar disponível também ontem.

CHEIRO A POLÍTICA

O jornal Epoch Times foi fundado em 2000 nos Estados Unidos da América, por membros da comunidade chinesa, e tem fortes ligações ao movimento Falun Gong. Este é um movimento de meditação e de prática de exercício físico proibido no Interior da China desde 1999. Foi com o objectivo de levar ao mundo o que os membros consideram ser uma perseguição política por parte do Governo Central que o Epoch Times terá sido fundado. Contudo, nos últimos anos, este jornal afirmou-se também pela linha editorial de grande apoio ao Presidente Donald Trump e até por alguns artigos anti-vacinação. Já o serviço WiFi Go é responsabilidade da CTT, mas está concessionado à CTM. Segundo os últimos contratos assinado entre as duas partes, em 2017, a CTM receberia até ao final deste ano aproximadamente 19 milhões de patacas. Porém, o Governo lançou no mês passado o concurso público para a “operação e manutenção” do sistema entre 2020 e 2021. A data limite para a entrega de propostas foi o último dia do mês passado. O serviço WiFi Go foi alvo de fortes críticas em 2017 por parte do Comissariado de Auditoria devido às dificuldades de acesso e também por ter havido serviços que chegaram a ser pagos, mas que nunca foram disponibilizados ao Governo. Na altura a CTT admitiu a hipótese de exigir uma compensação à CTM, mas depois defendeu que a mesma não deveria ser financeira. João Santos Filipe

joaof@hojemacau.com.mo


6 sociedade

17.9.2019 terça-feira

ECONOMIA GOVERNO ARRECADA 76,5 MIL MILHÕES EM IMPOSTOS SOBRE O JOGO

Árvore ainda dá patacas

Macau arrecadou 76,5 mil milhões de patacas em receitas provenientes dos impostos directos sobre o jogo nos primeiros oito meses do ano. Em 2018, as receitas globais do sector cifraram-se em 304,71 mil milhões de patacas

D

E acordo com os dados divulgados no portal da Direcção dos Serviços de Finanças de Macau, os cofres públicos receberam 76,5 mil milhões de patacas em receitas provenientes dos impostos directos sobre o jogo até ao mês de Agosto. Este resultado representa um aumento de cerca de 1,5 por cento em relação ao período homólogo. No que diz respeito às receitas totais, a Administração de Macau obteve, até ao final de Agosto, 87,7 mil milhões de patacas. Os impostos directos sobre o jogo – 35 por cento sobre as receitas brutas dos casinos – representaram, nos primeiros oito meses do ano, cerca 87,2 por cento das receitas totais da Administração de Macau. Já na rubrica da despesa verificou-se um aumento de 1,1 mil milhões de patacas em relação ao mesmo período de 2018, sendo agora de 49,6 mil milhões de patacas. As contas públicas tiveram, até Agosto, um saldo positivo de 38,1 mil milhões de patacas, em comparação com os 38,3 mil milhões de patacas alcançados no ano anterior. Em 2018, Macau arrecadou 106,7 mil milhões de patacas em impostos directos sobre o jogo, um aumento de 13,6 por cento face ao valor obtido no ano anterior. Segundo a Direcção dos Serviços de Finanças do território, este valor representou 79,6 por cento da totalidade das receitas públicas de Macau.

REGRESSO AO PASSADO

Na passada sexta-feira, a Direcção dos Serviços de Estatística e Censos (DSEC) divulgou uma nota a dar conta que as receitas globais do sector do jogo cifraram-se no ano passado em 304,71 mil milhões de patacas, valor que representou um crescimento de 13,7 por cento em termos anuais.

Pataca Reservas cambiais cresceram 1,7% em Agosto

A Autoridade Monetária de Macau (AMCM) divulgou estimativas preliminares que apontam que as reservas cambiais se cifraram em 169,8 mil milhões de patacas no final de Agosto, valor que representa um aumento de 1,7 por cento relativamente aos dados rectificados do mês anterior, que atingiram 166,9 mil milhões de patacas. A taxa de câmbio efectiva da pataca, ponderada pelas suas quotas do comércio, foi de 107,7 em Agosto de 2019, registando acréscimos de 0,83 pontos e 2,06 pontos, respectivamente, sobre os dados do mês anterior e relativos a Agosto de 2018. Este crescimento implica que, globalmente, a pataca subiu face às moedas dos principais parceiros comerciais de Macau.

AMCM Autoridade alerta para evitar portal DPOEX

A Autoridade Monetária de Macau (AMCM) fez um apelo à população para não se envolver em qualquer tipo de actividade com a alegada sucursal de Macau do portal ‘DPOEX’. Segundo a entidade, esta sucursal nunca teve qualquer autorização para exercer as actividades financeiras na RAEM, o que contraria a legislação em vigor. “Só as instituições financeiras devidamente autorizadas podem exercer actividades financeiras na RAEM. Ora, o exercício não autorizado, por quaisquer pessoas ou entidades, de operações reservadas às instituições financeiras sujeitas à supervisão, constitui uma ‘infracção de especial gravidade’”, é explicado. De acordo com o mesmo comunicado, esta infracção pode valer aos envolvidos uma multa que pode chegar aos 5 milhões de patacas. “A AMCM alerta novamente o público que deve efectuar as suas transacções financeiras através das instituições financeiras autorizadas, de modo a evitar burla e prejuízos desnecessários”.

TNR Aliança de Povo com actividades contra o crime As receitas do jogo e dos serviços relacionados atingiram 304,18 mil milhões de patacas, ou seja, mais 13,6 por cento, em termos homólogos. Neste capítulo, destaque óbvio para as receitas do jogo, que constituíram de longe a maior fatia (302,86 mil milhões de patacas), um aumento

de 13,6 por cento, enquanto as receitas da restauração (541 milhões de patacas) diminuíram 4,6 por cento. Os juros recebidos chegaram aos 526 milhões de patacas, um crescimento brusco de 258,3 por cento, justificado pela DSEC com o acréscimo substancial

Os impostos directos sobre o jogo – 35 por cento sobre as receitas brutas dos casinos – representaram, nos primeiros oito meses do ano, cerca 87,2 por cento das receitas totais da Administração de Macau

em depósitos e empréstimos de empresas. No capítulo das despesas globais, a DSEC dá conta de um aumento homólogo de 11,2 por cento, para 127,80 mil milhões de patacas. Por seu turno, a formação bruta de capital fixo do sector situou-se no ano passado em 6,80 mil milhões de patacas, valor que representa um crescimento exponencial de 617,2 por cento. A DSEC explica o aumento com a “conclusão de grandes empreendimentos do turismo e do jogo, bem como a realização de obras de melhoramento de grande envergadura.”

O presidente da Associação da Aliança de Povo de Instituição de Macau, Lei Leong Won, disse no domingo que têm realizado uma série de actividades de sensibilização para prevenção de criminalidade tendo como destinatários trabalhadores não residentes do Sudeste Asiático. O dirigente associativo referiu o objectivo das iniciativas, que vão continuar no próximo fim-de-semana, é aumentar a consciência dos TNR no cumprimento da lei e higiene ambiental, para que possam defender os seus direitos e integrarem-se na sociedade. Lei Leong Wong considera que devido a diferenças culturais e do sistema jurídico e cultural, a criminalidade envolvendo trabalhadores oriundos do Sudeste Asiático tem aumentado. Como tal, a Associação da Aliança de Povo de Instituição de Macau distribuiu panfletos e realizou espectáculos no palco da Rotunda de Carlos da Maia de forma a sensibilizar este segmento da população.


sociedade 7

terça-feira 17.9.2019

HOJE MACAU

PUB

Anúncio O Pedido do Projecto de Apoio Financeiro do FDCT para à 3ª vez do ano 2019

(1) Fins O FDCT foi estabelecido por Regulamento Administrativo nº14/2004 da RAEM, publicado no B. O. N° 19 de 10 de Maio, e está sujeito a tutela do Chefe do Executivo. O FDCT visa a concessão de apoio financeiro ao ensino, investigação e a realização de projectos no quadro dos objectivos da política das ciências e da tecnologia da RAEM.

O

Banco Nacional Ultramarino (BNU) tem uma dívida por receber de 6,9 milhões de euros, o equivalente a 61 milhões de patacas, por parte da Maló Clinic. Segundo a informação publicada pelo jornal Público, na sexta-feira, a instituição bancária sediada em Macau é mesmo o segundo maior credor da clínica que se encontra em Processo Especial de Revitalização (PER). O PER é uma plataforma para empresas insolventes ou em vias de entrarem em bancarrota em que devedores e credores tentam renegociar as dívidas existentes. O objectivo passa por garantir que as empresas conseguem sobreviver, ao mesmo tempo que os credores recuperam as dívidas, ou parte delas, mesmo que em condições menos vantajosas. Em relação às dívidas ao BNU, não são mencionadas informações sobre os créditos, nem a data dos mesmos. No entanto, no topo da lista de credores está o português Novo Banco, que teve uma representação em Macau até 2017, altura em que foi vendida ao grupo Well Link, na sequência da queda do Banco Espírito Santo (BES). Segundo os números do PER, o Novo Banco tem a receber da clínica 50,07 milhões de euros, o

(2) Alvos de Patrocínio

Vê-los a voar Maló Clinic deve mais de 61 milhões de patacas ao Banco Nacional Ultramarino

que equivale a 500,7 milhões patacas. O top três é fechado pela Nobel Biocare Portugal e Nobel Biocare Services, que juntos reclamam cerca de 3,42 milhões de euros. Entre os credores encontra-se igualmente o Instituto de Segurança Social com uma dívida superior a 1,9 milhões de euros.

FUNDADOR TAMBÉM RECLAMA

Quem também reclama de uma dívida por parte do grupo é o próprio fundador Paulo Maló. Contudo, segundo o Público, a dívida de 2,6 milhões de euros não é reconhecida pelo administrador judicial. Nesta decisão terá pesado o facto de Paulo Maló não ter conseguido apresentar documentação sobre o

Em relação às dívidas ao BNU, não são mencionadas informações sobre os créditos, nem a data dos mesmos

montante reclamado: “não se reconhece o valor reclamando, porquanto não se viu junta com a relação de créditos, como competia, qualquer documentação comprovativa do valor reclamado, sendo que da contabilidade revitalizada não resulta a existência de qualquer crédito para com o reclamante”, é justificado. No âmbito do PER há um total de 88 credores que exigem 94,6 milhões de euros. No entanto, o valor reconhecido é apenas de 66,9 milhões de euros, o que com juros chega aos 70,8 milhões. A Maló Clinic entrou em PER em Agosto deste ano, numa notícia avançada pelo jornal Expresso, e está presente em mais de 60 cidades de 25 países. As representações são em consultórios próprios ou através do sistema de franchising. Já o volume de negócios atingiu os 30 milhões de euros.

Barragem de Ka-Hó Parque Natural fechado para obras

João Santos Filipe

joaof@hojemacau.com.mo

O Parque Natural da Barragem de Ká-Hó e as suas instalações no interior vão estar temporariamente encerradas devido às obras de ampliação que serão levadas a cabo pelo Gabinete para o Desenvolvimento de Infra-estruturas. De acordo com um comunicado, o espaço, que inclui o circuito pedonal, a zona do parque de campismo e as terras húmidas de água doce, estará encerrado a partir de hoje até à conclusão da obra, cuja data não é, para já, anunciada. O Parque Natural da Barragem de Ká-Hó é gerido pelo Instituto para os Assuntos Municipais (IAM).

(i) Universidades, instituições de ensino superior locais, seus institutos e centros de investigação e desenvolvimento (I&D); (ii) Laboratórios e outras entidades da RAEM vocacionados para actividades de I&D científico e tecnológico; (iii) Instituições privadas locais, sem fins lucrativos; (iv) Empresários e empresas comerciais, registadas na RAEM, com actividades de I&D; (v) Investigadores que desenvolvem actividades de I&D na RAEM.

(3) Projecto de Apoio Financeiro (i) Que contribuam para a generalização e o aprofundamento do conhecimento científico e tecnológico; (ii) Que contribuam para elevar a produtividade e reforçar a competitividade das empresas; (iii) Que sejam inovadores no âmbito do desenvolvimento industrial; (iv) Que contribuam para fomentar uma cultura e um ambiente propícios à inovação e ao desenvolvimento das ciências e da tecnologia; (v) Que promovam a transferência de ciências e da tecnologia, considerados prioritários para o desenvolvimento social e económico; (vi) Pedidos de patentes.

(4) Valor de Apoio Financeiro (1) Igual ou inferior quinhentos mil patacas. (MOP$500.000,00) (2) Superior a quinhentos mil patacas. (MOP$500.000,00)

(5) Data do Pedido Alínea (1) do número anterior Todo o ano Alínea (2) do número anterior A partir do dia 2 de Setembro até 3 de Outubro de 2019 (O próximo pedido será realizado no dia 2 de Janeiro ao 3 de Fevereiro de 2020)

(6) Forma do Pedido

Preenchido o Boletim de Inscrição e os dados de instrução mencionados no Art° 6 do Chefe do Executivo nº 235 /2018,《Regulamento da Concessão de Apoio Financeiro》, publicado no B. O. N° 40 de 3 de Outubro 2018, . Pode inscrever-se através do sistema de candidatura ao apoio financeiro online do FDCT (website: www.fdct.gov.mo). Endereço do escritória: Avenida do Infante D. Henrique N.º 43-53A, Edf. “The Macau Square ”, 11.º andar K, Macau. Para informações: tel. 28788777.

(7) Condições de Autorizações Por despacho do Chefe do Executivo nº 235 /2018, processa o 《Regulamento da Concessão de Apoio Financeiro》. O Presidente do C. A. do FDCT, Ma Chi Ngai 2019 / 8 / 30


8 eventos

17.9.2019 terça-feira

D. João V e os imperadores SCML EXPOSIÇÃO EM LISBOA MARCA OS 20 ANOS DE TRANSFERÊNCIA DE MACAU

A

notícia foi avançada por José Cesário, antigo secretário de Estado das Comunidades e da Administração Local, no Facebook. Na publicação, José Cesário refere que o artista morreu este domingo e sublinhou que o país "ficou mais pobre" com o seu desaparecimento. Em declarações à Lusa, o actual secretário de Estado das Comunidades Portuguesas recordou uma conversa que teve recentemente com o cantor, que lhe contou o seu percurso de vida. Para José Luís Carneiro, a história de vida de Roberto Leal revela um homem determinado que viveu o preconceito quando chegou ao Brasil, tendo conseguido impor-se. “Conseguiu afirmar-se pelo seu mérito e trabalho e ganhar respeito

Feito de êxitos Morreu Roberto Leal, o cantor "brasuca lusitano, portuga tropical"

da comunidade brasileira e o respeito e admiração de muitos portugueses de diferentes gerações que estão atentos à sua criação cultural e artística”, disse. José Luís Carneiro considera que Roberto Leal é um símbolo de uma geração de portugueses que saíram do país na década de 50 e 60, viveram

muitas dificuldades e conseguiram vencer o preconceito tornando-se um exemplo em vários planos. O secretário de Estado disse ainda ter apresentado as condolências do governo português à família do cantor, que considera ser “um símbolo para os que passaram as mesmas dificuldades e conseguiram vencer todos os obstáculos”. O artista português, conhecido pelos êxitos "Arrebita" e "Uma Casa Portuguesa", lutava contra um cancro da pele há cerca de dois anos e que havia perdido parte da visão devido a "duas cataratas". A doença foi confirmada pelo próprio em Janeiro de deste ano numa entrevista a um canal brasileiro. Segundo o Folha de S. Paulo, que cita o empresário do cantor, Ro-

berto Leal estava internado desde o dia 9 de Setembro e teve falência múltipla de órgãos. Roberto Leal era considerado um dos embaixadores da música e da cultura portuguesa no Brasil, onde vivia actualmente.

MISTURA DE RITMOS

O cantor nasceu em Vale da Porca, concelho de Macedo de Cavaleiros, a 27 de Novembro de 1951. Aos onze anos emigrou para o Brasil, juntamente com os pais e nove irmãos. Foi em São Paulo, após trabalhar como sapateiro e vendedor de doces, que iniciou a carreira de cantor, primeiro de fados e depois de músicas românticas. Foi em 1971 e com o tema "Arrebita", conhecido pelo seu refrão

Cha rado no t da e Cas cele de s na. Dez em Ma

"Ai cachopa, se tu queres ser bonita, arrebita, arrebita, arrebita", que ganhou popularidade. Quase todo o seu repertório, que vai buscar influência aos ritmos lusitanos e brasileiros, é composto de canções de sua autoria em parceria com a esposa Márcia Lúcia. A sua discografia conta com quase meia centena de títulos, o último "Arrebenta a Festa", foi editado em 2016. Fora dos palcos, em 1978, participou no filme brasileiro "Milagre - O Poder da Fé" e, em 2011, na série portuguesa "Último a Sair". Em 2018 candidatou-se a deputado estadual em São Paulo pelo Partido Trabalhista Brasileiro, não tido sido eleito. Em 2011 publicou a sua autobiografia "Minhas Montanhas", obra lançada no Brasil e em Portugal.


eventos 9

terça-feira 17.9.2019

ama-se “Um Rei e Três Impeores – Portugal, China e Macau tempo de D.João V” e é o nome exposição organizada pela Santa sa da Misericórdia de Lisboa para ebrar os 20 anos de transferência soberania de Macau para a ChiA mostra é inaugurada a 20 de zembro no Museu de São Roque, Lisboa, e conta com peças de acau e de Pequim

A

Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) está a organizar uma exposição que terá lugar no Museu de São Roque, em Lisboa, que visa celebrar as datas que simbolizam a ligação de Portugal ao Oriente, e que este ano ganham um especial significado. Além dos 40 anos do estabelecimento das relações diplomáticas entre Portugal e China e dos 450 anos da Santa Casa da Misericórdia de Macau (SCMM), serão também recordados os 20 anos de transferência de soberania de Macau para a China. A exposição, intitulada “Um Rei e Três Imperadores – Portugal, China e Macau no tempo de D.Joao V” será inaugurada a 20 de Dezembro deste ano no Museu de São Roque, em Lisboa, espaço afecto à SCML. Margarida Montenegro, directora do departamento

da cultura da SCML, explicou ao HM a importância que o reinado do rei português D. João V teve nas relações com a China da época. “Não só estamos muito ligados a D. João V, porque mandou construir a capela de São João Baptista, a mais importante da Igreja de São Roque, como foi o período da relação entre Portugal e China mais harmonioso.” O rei português governou durante 50 anos, o suficiente para se relacionar com três imperadores chineses da dinastia Qing: Kangxi, Yonzheng e Qianlong. “É neste período que houve mais contactos com a China, e este período foi também muito importante para Macau, que era um porto internacional de comércio entre os dois impérios”, adiantou Margarida Montenegro. Na proposta de exposição, elaborada pelo académico Jorge

Santos Alves, do Instituto de Estudos Orientais da Universidade Católica Portuguesa, lê-se que, neste reinado, “a dimensão político-diplomática corporizou-se com o envio da embaixada do imperador Kangxi a D. João V, protagonizada pelo jesuíta António de Magalhães, depois retribuída em 1726 pela embaixada de Alexandre Metello de Sousa e Meneses já ao imperador Yongzheng”.

Além deste relacionamento diplomático, destaque ainda para o papel do bispo de Macau à época, Frei Hilário de Santa Rosa, num tempo de “projectos megalómanos para a conquista da China”. Nesse período, Macau viveu, na primeira metade do século XVIII, “um tempo de reajustamento à dinastia Qing”, um período “marcante para a história de Macau e para a sua qualidade de porto in-

“Não só estamos muito ligados a D. João V, porque mandou construir a capela de São João Baptista, a mais importante da Igreja de São Roque, como foi o período da relação entre Portugal e China mais harmonioso.” MARGARIDA MONTENEGRO DA SCML

ternacional de comércio e de porto entre dois impérios, o português e o chinês”.

PEDIDOS EM AVALIAÇÃO

Os contactos para a integração de peças nesta exposição ainda estão ainda a ser desenvolvidos. Margarida Montenegro disse ao HM que foi pedida à SCMM o retrato de um mercador chamado Francisco Xavier Roquette, “reconhecido mercador da comunidade portuguesa em Macau e que é um dos beneméritos da SCMM. A entidade liderada pelo provedorAntónio José de Freitas também sugeriu outras peças, que ainda estão a ser alvo de uma avaliação por parte da SCML, que também requisitou um empréstimo ao Museu do Palácio de Pequim, de dois retratos dos imperadores Yongzheng e Kangxi.

ÓBITO MORREU RIC OCASEK, O VOCALISTA DOS THE CARS

O

músico norte-americano Ric Ocasek, 75 anos, vocalista da banda The Cars e escritor de canções, foi encontrado morto, no domingo, no seu apartamento de Manhattan, anunciaram fontes policiais de Nova Iorque. O Departamento de Polícia da cidade adiantou que a causa da morte ainda não foi determinada, embora tenha dito à NBC e ao jornal The New York Post que aparente ter causas naturais. Ocasek foi encontrado morto no seu apartamento de Gramercy Park pela ex-mulher, a

antiga modelo de origem checa Paulina Porizkova, durante a tarde de domingo. Richard Theodore Otcasek nasceu em Março de 1944, em Baltimore, conheceu o baixista Benjamin Orr em Cleveland, na adolescência, com quem formou e tocou em várias bandas até chegarem a The Cars, em 1978. The Cars surgiram no contexto do movimento New Wave, atingindo sucesso de imediato com o álbum de estreia, homónimo, e com canções como "My Best Friend's Girl" e "Just What I Needed".

A revista Rolling Stone considerou-a a banda revelação, no seu ano de estreia. Seguiram-se êxitos como "Let's Go", "You Might Think", "Shake It Up" e "Drive", nos anos seguintes. A banda separou-se em 1988, com o álbum "Door to Door". Em 2011, os membros sobreviventes (Benjamin Orr morrera em 2000) reagruparam-se para o álbum "Move Like This", composto por canções de Ric Ocasek, que o músico disse então ter preferido tocar com os ex-companheiros. No ano passado, The Cars entraram na Rock and Roll Hall of Fame.

Neste período, “a dimensão comercial do relacionamento entre a China e a Europa (e Portugal) conheceu uma verdadeira explosão em intensidade, volume e valor. As mercadorias chinesas (em especial a seda, porcelana e, cada vez mais, o chá) eram crescentemente desejadas nos mercados consumidores europeus e das colónias”, aponta a nota de Jorge Santos Alves. Nesse sentido, “os primeiros exemplos de adesão ao vestuário e à moda europeus incluíram até imperadores como Yongzheng”, enquanto que, nessa fase, “a arte e a arquitectura europeias ou de inspiração europeia entraram no mundo cultural imperial chinesa”, conclui a mesma nota. Andreia Sofia Silva

andreia.silva@hojemacau.com.mo


10 china

17.9.2019 terça-feira

ECONOMIA VENDAS DE ACTIVOS ALÉM-FRONTEIRAS SUPERAM COMPRAS

O vendedor do ano

Apesar do abrandamento do crescimento económico e da guerra comercial com os Estados Unidos, as empresas chinesas mudaram de estatuto e, pela primeira vez, passaram de compradoras a vendedoras líquidas de activos globais

A

S empresas chinesas tornaram-se este ano, pela primeira vez, vendedoras líquidas de activos globais, depois de, na última década, terem sido das principais protagonistas em fusões e aquisições internacionais, incluindo em Portugal. A mudança de estatuto ocorre numa altura em que o crescimento económico da China cresce ao ritmo mais baixo dos últimos trinta anos e Pequim tenta combater um ‘boom’ do endividamento corporativo, que ameaça a estabilidade financeira do país, enquanto trava uma guerra comercial com Washington. Desde 2017, o Governo chinês aumentou também o escrutínio sobre investimentos além-fronteiras, apontando a “irracionalidade” de algumas das aquisições. Segundo a consultora financeira Dealogic, desde o início do ano, as empresas chinesas puseram à venda cerca de 40 mil milhões de dólares em activos no exterior. Durante o mesmo período, os

grupos chineses compraram 35 mil milhões de dólares em activos além-fronteiras, tornando o país um vendedor líquido global.

EXEMPLOS LUSOS

Em Portugal, por exemplo, o conglomerado chinês HNA anunciou, em Março passado, a venda da participação de 9 por cento que detinha na TAP, através da Atlantic Gateway, por 55 milhões de dólares. A HNA, que detém ainda importantes participações em firmas como Hilton Hotels, Swissport ou Deutsche Bank, enfrenta uma

Segundo a consultora financeira Dealogic, desde o início do ano, as empresas chinesas puseram à venda cerca de 40 mil milhões de dólares em activos no exterior

grave crise de liquidez e está sob supervisão de um grupo de credores. Desde o final de 2017, o grupo vendeu 20 mil milhões de dólares em activos fora do país. Também o grupo chinês Anbang, que foi apontado como candidato à compra do Novo Banco, deparou-se nos últimos anos com várias dificuldades. O fundador, Wu Xiaohui, foi condenado à prisão, no ano passado, e o Estado chinês acabou por assumir a gestão do grupo, forçando a venda de grande parte do seu portfólio global. Muitos dos activos colocados agora à venda por grupos chineses foram adquiridos em 2016, antes de Pequim ter aumentado o escrutínio sobre os investimentos. Nesse ano, os investimentos chineses além-fronteiras atingiram um pico de 200 mil milhões de dólares, contribuindo para o rápido crescimento das dívidas corporativas. Analistas associam ainda a escalada de vendas este ano a uma escassez de divisas, devido à fraqueza na balança de pagamentos,

causada em parte pelas disputas comerciais com os EUA. Washington e Pequim aumentaram já as taxas alfandegárias sobre centenas de milhões de dólares de produtos de ambos os países, numa guerra comercial que começou há mais de um ano.

Segundo dados das alfândegas da China, em Agosto, as exportações chinesas caíram 1 por cento. O excedente comercial da China recuou, assim, para 34,8 mil milhões de dólares, depois de, no mês passado, se ter fixado nos 45 mil milhões de dólares.

ARÁBIA SAUDITA PEQUIM PEDE CONTENÇÃO A WASHINGTON E TEERÃO APÓS ATAQUE ARAMCO

TAIWAN GOVERNO PÕE FIM ÀS RELAÇÕES DIPLOMÁTICAS COM ILHAS SALOMÃO

A

T

China instou hoje Washington e Teerão a “conterem-se”, depois de Washington ter responsabilizado o Irão pelo ataque com veículos aéreos não tripulados (drones) a instalações petrolíferas na Arábia Saudita, entretanto reivindicados por rebeldes do Iémen. “Na ausência de uma investigação incontestável que permita tirar conclusões, não é responsável conjecturar sobre quem deve ser responsabilizado” pelo ataque, afirmou em conferência de imprensa Hua Chunying, a porta-voz do ministério chinês dos Negócios Estrangeiros. “Apelamos às partes envolvidas para que se abste-

nham de tomar medidas que levem ao aumento das tensões na região”, acrescentou. Um ataque com drones provocou no sábado incêndios em duas instalações de petróleo em Aramco, na Arábia Saudita, forçando o país, o maior exportador mundial de petróleo, a reduzir a produção para metade. Os rebeldes iemenitas Huthis, apoiados pelo Irão e que enfrentam uma coligação militar liderada pela Arábia Saudita, há cinco anos, assumiram a responsabilidade pelos ataques. O incidente foi condenado pela Casa Branca. O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, acusou Teerão de “lançar um ataque sem

precedentes ao fornecimento global de energia”. O porta-voz da diplomacia iraniana, Abbas Mousavi, afirmou que as declarações dos EUA pretendem “minar a reputação do país, a fim de criar um cenário para futuras acções contra” Teerão. As tensões entre os dois países aumentaram desde que Washington se retirou unilateralmente, em 2018, do acordo nuclear iraniano, assinado em 2015, e repôs sanções económicas contra Teerão. “Esperamos que ambas as partes possam conter-se e, em conjunto, preservar a paz e a estabilidade no Médio Oriente”, disse Hua, cujo país é membro permanente do Conselho de Segurança da ONU.

AIWAN anunciou ontem que cortou relações diplomáticas com as Ilhas Salomão depois de saber que o novo Governo deste Estado do Pacífico decidiu transferir o seu reconhecimento diplomático para a China. “O Governo declarou hoje [ontem] o fim das suas relações diplomáticas com as Ilhas Salomão”, indicou o ministro dos Negócios Estrangeiros de Taiwan, Joseph Wu, numa conferência de imprensa em Taipei. Este anúncio é a consequência da decisão do “Governo das Ilhas Salomão de transferir as suas relações diplomáticas para a República Popular da China”,

explicou Joseph Wu. O novo primeiro-ministro das Ilhas Salomão, Manasseh Sogavare, considerou, numa entrevista áudio transmitida há alguns dias em formato ‘podcast’, que no plano económico e político Taiwan era “totalmente inútil”. Essa mudança de aliança é um novo golpe para Taiwan. A lista de países ainda ligados a Taipei diminuiu consideravelmente ao longo das décadas, caindo para 16 com a saída das Ilhas Salomão. Em Agosto de 2018, Taiwan anunciou o corte de relações diplomáticas com El Salvador. Também Burkina Faso rompeu as relações diplo-

máticas com Taipé, depois de a República Dominicana ter anunciado, em 1 de Março desse ano, a ruptura com Taiwan. Em Dezembro de 2016, São Tomé e Príncipe também rompeu relações diplomáticas com Taiwan e passou a reconhecer a República Popular da China. Após a ruptura do Burkina Faso, a Suazilândia é o único país africano a manter relações com Taipé. Desde 2000 que diversos países africanos, incluindo o Chade e o Senegal, que recebiam ajudas de Taiwan, romperam as suas relações com a ilha para beneficiar da cooperação chinesa.


desporto 11

terça-feira 17.9.2019

O

saldo final da presença portuguesa pelo Ningbo Speedpark International foi algumas mazelas e resultados que poderiam ser bem melhores, mas por diversas razões não o foram. André Couto, chamado à última da hora para ajudar a Dongfeng Honda Team na prova do TCR China Series, apenas cumpriu metade do objectivo que lhe tinha sido incumbido. Rodolfo Ávila teve duas corridas estragadas no Campeonato da China de Carros de Turismo (CTCC), mas foi para casa ocupando a mesma posição no campeonato do que quando chegou à cidade que um dia os portugueses chamaram de Liampó. O piloto da RAEM voltou novamente a participar nas provas do TCR China e até poderia ter dado o primeiro pódio à geral da MG no campeonato, se a equipa não tivesse decidido o contrário. Por fim, Tiago Monteiro teve uma jornada chinesa da Taça do Mundo FIA de Carros de Turismo (WTCR) para esquecer, não somando qualquer ponto e deixando o seu Honda em muito mau estado.

TCR CHINA: SOUBE A POUCO

Couto arrancou do quarto lugar da grelha de partida e por ali andou nas 13 voltas da corrida, servindo de tampão ao Audi líder do campeonato de Huang Chu Han, enquanto Daniel Lloyd e Martin Xie, nos outros dois Honda Civic Type-R da Dongfeng Honda Team, terminavam em 2º e 3º respectivamente, mas muito longe do vencedor Luca Engstler (Hyundai). Como o recém-campeão do TCR Asia não está na luta pelo campeonato, o segundo lugar de Lloyd foi uma boa operação para a equipa da província chinesa de Guangdong, até porque Couto acabou por roubar pontos ao líder do campeonato. Porém, o bom astral na Dongfeng Honda Team, que na prática é a equipa do território MacPro Racing Team, evaporou-se na segunda corrida no domingo. Couto assumiu rapidamente a liderança da corrida, mas à segunda volta, o piloto luso perdeu momentaneamente o controlo do Honda Civic Type-R e atrás de si, a discutir o segundo posto com Luca Engstler, vinha Daniel Lloyd que não conseguiu evitar a colisão com o seu companheiro de equipa. Os estragos foram demasiados para continuar para desespero dos homens da MacPro Racing Team. Huang Chu Han foi segundo e ainda saiu mais líder do campeonato quando falta apenas realizar uma prova. No novo MG 6 TCR, Ávila foi o décimo classificado na primeira corrida, isto depois de ter cortado a linha de meta com o carro a arrastar-se em três rodas, após a suspensão ter cedido na última volta ao passar por cima de um corrector. No domingo, o novo recruta da MG Power Racing

AUTOMOBILISMO ANDRÉ COUTO, RODOLFO ÁVILA E TIAGO MONTEIRO CORRERAM EM NINGBO

Ninguém se ficou a rir levou o carro de matriz britânica ao quarto lugar. O piloto português rodou a maior parte da corrida no quarto lugar, à frente do seu companheiro de equipa, mas acabou por deixar Zhang Zhen Dong passar a três voltas para o fim, respeitando as ordens da equipa, quando se confirmou que ambos seriam promovidos uma posição, um deles ao pódio, com a penalização de um adversário. Depois dos problemas de motor na quinta-feira e de caixa-de-velocidades ontem, Rodolfo Ávila levou o novo MG 6 TCR da MG Power Racing ao final da corrida no 10º lugar, a prioridade da equipa para o fim-de-semana. Isto, apesar do piloto português residente em Macau ter cortado a linha de meta muito devagar depois da

Couto assumiu rapidamente a liderança da corrida, mas à segunda volta, o piloto luso perdeu momentaneamente o controlo do Honda Civic Type-R

suspensão do carro de matriz inglesa ter cedido na última volta.

CTCC: DO MAL, O MENOS

As duas corridas de Ávila no CTCC não foram muito diferentes as anteriores. O piloto da SVW333 Racing luta por posições no topo do pelotão e acaba invariavelmente abalroado, sem que haja qualquer punição para os seus adversários. Na primeira corrida, Ávila levou um toque logo nos primeiros metros da prova, o que o obrigou a recuperar do 16º lugar até ao 8º posto final. No segundo confronto, partindo do 3º lugar conquistado na qualificação, Ávila foi novamente empurrado para fora por um oponente e terminou no 13º lugar com a suspensão danificada no VW Lamando. “É muito difícil quando se corre com mais 100kg que os Ford e mais 90kg que os KIA”, explicou Ávila, que representa a SAIC Volkswagen, em comunicado. “Fui sempre o mais rápido da minha equipa ao longo do fim-de-semana, mas no confronto com os adversários das outras equipas foi muito complicado. Ao fim de quatro voltas ficámos sem pneus e somos alvos fáceis. Houve novamente pilotos que se excederam

e voltei a ser prejudicado nas duas corridas devido a toques.” Apesar das duas corridas não terem corrido de feição, Ávila manteve o quinto posto na classificação de pilotos, no entanto, a SVW333 Racing perdeu a liderança dos construtores para a rival Kia.

WTCR: MONTEIRO QUER ESQUECER

Como cabeça de cartaz na pista da província de Zhejiang esteve a Taça do Mundo FIA de Carros de Turismo (WTCR). Os líderes do campeonato Yvan Muller (Lynk & Co), com duas vitórias, e Norbert Michelisz (Hyundai), com uma, dividiram os triunfos naquela que

“Fui sempre o mais rápido da minha equipa ao longo do fim-de-semana, mas no confronto com os adversários das outras equipas foi muito complicado.” RODOLFO ÁVILA PILOTO

terá sido as provas mais caóticas da temporada, com vários acidentes e colisões a deixarem mais de metade do pelotão muito mal tratado. Apesar de ter chegado a Ningbo motivado pelo triunfo nas ruas de Vila Real há dois meses, Tiago Monteiro teve um fim-de-semana para esquecer. O piloto português do Honda Civic Type-R da equipa KCMG, de Hong Kong, foi 21º na primeira corrida e desistiu, fruto de acidentes, nas outras duas. “As corridas são cada vez mais disputadas, ninguém cede um milímetro. Na segunda corrida, bati violentamente no muro a cerca de 130 km/h, mas fisicamente estou bem. A equipa terá agora muito trabalho pela frente até à próxima prova, pois vão ter de trocar o chassis e é um processo demorado. Será uma corrida contra o tempo”, disse o piloto portuense depois de ter sido enviado contra um muro pelo marroquino Mehdi Bennani na terceira corrida. Antes da visita a Macau, em Novembro, a caravana do WTCR tem uma corrida em Suzuka, no Japão, no fim-de-semana de 26 e 27 de Outubro. Sérgio Fonseca

info@hojemacau.com.mo


12

h

17.9.2019 terça-feira

Queria ser essa noite que te envolve

Arvo Pärt (1935 -)

KAUPO KIKKAS

Compositores e Intérpretes através dos Tempos Michel Reis

A

RVO Pärt, nascido no dia 11 de Setembro de 1935 em Paide, na Estónia, é um dos representantes mais radicais da chamada “avant-garde soviética” e um dos compositores cujo output criativo, que passou por um profundo processo de evolução, alterou significativamente a forma como compreendemos a natureza da música. Em 1944, com 9 anos de idade, Arvo Pärt presencia a ocupação da Estónia pela União Soviética, ocupação que duraria 50 anos, e deixaria profundas impressões sobre si. Em 1954, ingressa na escola secundária de música de Tallinn, a capital do país. Durante e após estudos de composição na classe de Heino Eller no Conservatório de Tallinn, onde se formou em 1963, trabalhou como engenheiro de som na Rádio da Estónia até 1967. Em 1962, uma das suas composições, para coro infantil e orquestra, O Nosso Jardim (1959), rende-lhe o primeiro prémio de jovens compositores da URSS. O seu primeiro período criativo começou com música de piano neoclássica. Seguiram-se dez anos nos quais fez o seu próprio uso individual das técnicas composicionais avant-garde mais importantes: dodecafonia, composição com massas sonoras, aleatoricismo, técnica de colagem. Nekrolog (1960), a primeira peça de música dodecafónica escrita na Estónia, e Perpetuum mobile (1963) proporcionaram ao compositor o seu primeiro reconhecimento no Ocidente. Ainda no início dos anos 60, inicia-se na composição serial, com as suas duas primeiras sinfonias. Isto provoca inimizades, dado que a música serial era considerada um produto da decadência burguesa ocidental. Nessas circunstâncias, a sua obra seria severamente limitada. Ambos o espírito avant-garde das suas obras iniciais, assim como o aspecto religioso da música que compôs nos anos 70, levaram a críticas controversas e a confrontos com as autoridades soviéticas. Também incorretas politicamen-

Expoente máximo da avant-garde soviética te, no contexto soviético, eram as suas composições de inspiração religiosa e a técnica de colagem que adoptou por algum tempo. Nas suas obras de colagem, o avant-garde e a música antiga confrontam-se ousada e irreconciliavelmente, um confronto que atinge a sua expressão mais extrema na sua última peça de colagem Credo (1968), um ponto de viragem na sua obra e na sua vida. Nessa altura, todos os dispositivos de composição

A obra de Pärt é rica e versátil, incluindo muitas composições de grande escala para orquestra, quatro sinfonias e obras para solistas e orquestra, assim como numerosas peças corais e de câmara

que Pärt havia empregue até ao momento haviam perdido o seu fascínio anterior e começaram a parecer inúteis para ele, renunciando às técnicas e meios de expressão usados até então. Em 1976, após um período de silêncio de quase oito anos, durante os quais se envolveu no estudo do canto gregoriano, da escola de Notre Dame e da polifonia vocal clássica, em busca da sua própria voz, criou uma linguagem musical única chamada tintinnabuli (do latim: ‘pequenos sinos’), que alcançou um público vasto e que definiu o seu trabalho até hoje. O compositor explica: “Eu trabalho com muito poucos elementos - somente uma ou duas vozes. Construo a partir de um material primitivo - com o acorde perfeito, com uma tonalidade específica. As três notas de um acorde perfeito são como sinos. Por isso eu o chamei  tintinnabulação”. Não há nenhuma escola de composição que siga Pärt, nem este ensina; no entanto, uma grande parte da música contemporânea foi influenciada pelas suas composições tintinnabuli. A primeira obra desse período foi a pequena peça para piano Für

Alina (1976), rapidamente seguida por obras como Cantus in Memory of Benjamin Britten (1977), Fratres (1977), Tabula rasa (1977), Spiegel im Spiegel (1978) e muitas outras. É óbvio que, com esse trabalho, Pärt descobriu o seu próprio caminho. O “princípio tintinnabuli” não busca um aumento progressivo da complexidade, mas sim uma redução extrema dos materiais sonoros e uma limitação ao essencial. Em 1980, os problemas constantes com a censura soviética levam o compositor e a sua família a emigrar, primeiro para Viena e a seguir para Berlim, com uma bolsa DAAD (Serviço Alemão de Intercâmbio Académico), onde ficaram mais de 30 anos. O ano de 1984 marca o início da sua colaboração criativa com a distinta editora ECM Records e com o produtor Manfred Eicher, e a primeira gravação de Tabula rasa. Desde então a sua música foi apresentada e gravada pelas melhores orquestras dos nossos tempos. Em 1996, torna-se membro da American Academy of Arts and Letters. Em 2010, regressou à Estónia onde reside hoje em dia. A obra de Pärt é rica e versátil, incluindo muitas composições de grande escala para orquestra, quatro sinfonias e obras para solistas e orquestra, assim como numerosas peças corais e de câmara. A maior parte das suas obras mais recentes são baseadas em textos e orações litúrgicas, como Passio  (1982),  Te Deum (1985), Miserere (1989/92), Kanon pokajanen (1997), e Adam’s Lament  (2010), para mencionar apenas algumas. Actualmente o compositor continua a aperfeiçoar o seu estilo tintinnabulum. As suas obras foram executadas em todo o mundo e foram objeto de mais de 80 gravações, além de terem sido muito usadas em bandas sonoras de filmes e em espetáculos de dança. SUGESTÃO DE AUDIÇÃO: • Arvo Pärt: Für Alina Alexander Malter (piano) – ECM New Series Classics, 2008


ARTES, LETRAS E IDEIAS 13

terça-feira 17.9.2019

A indiscernibilidade humana Contos para normais Paulo José Miranda

L

que as pessoas julgam, as madeiras onde são envelhecidas não tem muita influência nesta diferença, embora de modo geral as cachaças com menos álcool sejam envelhecidas em carvalho, como as de Friburgo (Rio de Janeiro), e as com mais álcool sejam envelhecidas em jaquitebá e em bálsamo, principalmente em Salinas (Minas Gerais).” Ouvi-lo falar e mostrar as diferentes cachaças era um modo delicioso de ouvi-lo contradizer-se. Pois acabava sempre por acrescentar: “Quanto mais se sabe de cachaça, mais se aprecia”. O que levava sempre os seus camaradas de mesa a contrapor que isso era o que acontecia também com a música e com tudo o resto, que quanto mais se conhecia o assunto mais se apreciava. Mas Leonardo tinha resposta para tudo: “É claro que quanto mais se sabe, mais se aprecia, mas não é necessário saber para apreciar. E é isso que contrapõe a natureza humana à ciência. A vida não só não precisa de leis como elas atrapalham uma boa gestão da mesma. Saber de música ou

de cachaça é a ciência que se pode ter na vida, é uma imitação de ciência, necessária para nos esquecermos de que não sabemos o que realmente importa: porque estamos aqui, quem somos, o que é esse tal de universo.” O que o atraía na cachaça, para além do sabor, era a natureza humana que encontrava em cada garrafa. Depois de uma pausa e enquanto terminava a “Boazinha”, dizia: “Nada é mais parecido com a incongruência do que uma boa cachaça!” Leonardo era um bom camarada de mesa, ninguém contestava e todos apreciavam a sua companhia e os seus dislates. Aliás, ele mesmo não discordaria que uma boa mesa precisa mais de dislates do que de ciência. Chegava a uma hora da noite que se despedia, dizendo: “Galera, vão ter de me desculpar, mas agora vou para casa fazer o ódio com a minha mulher.” E lá ia, voltando sempre ao final do dia seguinte, religiosamente, para as suas cachaças e os seus dislates, que dizia darem-lhe mais saúde do que ir para o paredão ou para a academia.

PAULO CARVALHO

EONARDO era um “habitué” do bar Academia da Cachaça, na Barra da Tijuca e fazia parte da equipa de roteiristas da Globo. Apesar de ter cursado engenharia mecânica, era apaixonado por filosofia e cachaça, e entre vários assuntos que dominava verbalmente com prazer, costumava discursar acerca da natureza humana. Começava quase sempre por contar a mesma estória de um homem que não distinguia um “doberman” de um “rothweiler”, mas gostava de cães, que não distinguia um acorde menor de um acorde maior, mas gostava de música, que ao comer, ou quando ia ao mercado de peixe, não distinguia um dourado de um namorado, mas gostava de peixe. Por fim, rematava: “Nós não precisamos de saber para gostar. Se para gostar fosse necessário conhecimento, ninguém

gostava de ninguém. E o amor só existe porque se sabe muito pouco de nós e do mundo. É uma espécie de compensação. Já que não se sabe, pega-se no gosto.” E pedia mais um chopp e uma “Boazinha”. A cachaça era um dos assuntos preferidos e que dominava, mostrando com orgulho o cartão de “Notório Cachaceiro”, atribuído pela Academia da Cachaça a quem se destacava na apreciação dessa aguardente de cana, a quem conseguia distinguir as diferentes proveniências desse líquido e não a quem mais o bebia. Ao tempo, em 2005, o número do seu cartão era o 241, num universo de apenas 350 já entregues. Ter esse cartão, além de ser uma distinção, dava-lhe direito a um caldinho de feijão e uma cachaça à sua escolha – desde que não fosse a Anísio Santiago – todos os dias, gratuitamente. Acerca do assunto, dizia que havia duas famílias distintas de cachaça: “As que têm entre 38 e 39º de álcool e as de 42º a 45º de álcool. A diferença alcoólica faz com que sejam quase duas bebidas diferentes. Contrariamente ao

Leonardo tinha resposta para tudo: “É claro que quanto mais se sabe, mais se aprecia, mas não é necessário saber para apreciar. E é isso que contrapõe a natureza humana à ciência. A vida não só não precisa de leis como elas atrapalham uma boa gestão da mesma.”


1 3 2 1 4 0 7 5 3 6 9 8 3 0 2 7 8 6 9 1 5 4 7 9 3 4 0 1 5 8 6 2 TEMPO AGUACEIROS MIN 6 5 8 1 3 9 4 2 7 0 8 7 1 3 6 2 0 5 4 9 9 4 0 6 5 7 2 3 8 1 2 5 9FAZER 4 8 1 7 3 6 O0 QUE 1 8 7SEMANA 2 9 3 6 4 0 5 ESTA 4 3 6 5 1 0 8 9 2 7

?

Diariamente 21 EXPOSIÇÃO | ”CORES DA ÁSIA” | CASAS DA TAIPA Galeria Até 22/09 5 |3 4

8 0 1 6 9 2 7 6 2 | “O1VAGABUNDO” 4 9 3 7 0 8 5 EXPOSIÇÃO Casas da Taipa – Exterior 9 0 8 7 6| Até46/10 5 2 1 3 EXPOSIÇÃO 7 9 | “JARDIM 0 2DAS8DELÍCIAS 5 TERRENAS” 3 1 6 4 Wynn Macau | Até 6/10 1 5 3 6 7 2 9 4 0 8 EXPOSIÇÃO 2 4 | “CONTEMPLAÇÃO 6 9 3 DA 0 BONDADETERNA” 8 5 7 1 Museu de Arte de Macau | Até 6/10 3 8 5 0 1 7 4 6 9 2 EXPOSIÇÃO | “QUIETUDE E CLARIDADE: OBRAS 0 6ZHIFO7DA COLECÇÃO 1 5 DO 8 MUSEU 2 DE 3 NANJING” 4 9 DE CHEN MAM 8| Até117 /11 2 3 4 9 0 7 5 6 4 7 | “HOT 9 FLOWS 5 2– PEARL 6 RIVER 1 8 3 0 EXPOSIÇÃO DELTA ARTS RETROSPECTIVE” Armazém do Boi | Até 13 de Outubro

23 1 6 0 3 2 8 4 7 9 5

8 7 4 5 9 3 0 1 2 6

5 9 3 4 6 1 7 2 0 8

Cineteatro

2 1 7 0 8 6 5 9 4 3

6 4 5 2 0 9 3 8 7 1

9 3 8 1 7 0 2 5 6 4

4 0 9 7 1 5 6 3 8 2

7 8 2 6 3 4 1 0 5 9

3 2 6 8 5 7 9 4 1 0

0 5 1 9 4 2 8 6 3 7

C I N E M A

20

6 4 0 1 3 9 2 3 26 7 5 8 7 5 0 4 8 1 6 9 2

5 7 8 4 0 8 6 1 MAX 9 2 2 6 4 3 1 9 3 5 7 0

22

2 4 1 9 8 7 6 5 3 0 9 2 5 7 8 1 6 0 4 3 9 8 2 4 7 1 6 3DÁ-ME 0 5

ABRIGO 24 8 0 1 7 4 9 5 2 6 3

3 5 4 6 2 7 8 1 0 9

2 9 7 1 5 6 0 3 8 4

3 0 4 6 1 5 8 7 2 9

1 9 5 2 6 4 7 0 8 333 4 1 2 7 0 5 9 8 3 6

0 8 3 3 9 7 7 2 5 8 5 9 1H6U M 4 9 3 0 6 1 8 2 7 6 4 0 2 5 4 1

IT CHAPTER TWO IT CHAPTER TWO [C] Um filme de: Andy Muschietti Com: James McAvoy, Jessica Chastain, Bill Hader, Isaiah Mustafa 14.30, 18.00, 21.00 SALA 2

ABIGAIL [B] Um filme de: Alexander Boguslavsky Com: Tinatin Dalakishvili, Eddie Marsan, Artem Tkachenko 14.30, 16.30, 19.30

ANGEL HAS FALLEN [C] Um filme de: Ric Rowan Waugh

Com: Gerard Butler, Bugran Freeman 21.30

6 8 0 3 9 5 1 4 2 7

7 2 9 0 6 4 3 5 1 8

SOLUÇÃO DO PROBLEMA 24

5 4 3 8 1 0 2 7 9 6

0 1 6 4 3 8 7 9 5 2

Francis, Peter e Jack são três irmãos que há muito vivem sem qualquer contacto até que decidem fazer uma viagem pela Índia em busca dos laços perdidos e de uma espécie de purificação. No entanto, os planos nem sempre correm como o esperado e estas três caricatas personagens confrontam-se não só com situações das quais é difícil sair, como com as suas diferenças e traumas. O filme conta com a realização de Wes Anderson, em que a fotografia tem a simetria e os tons pastel do costume. O sentido de humor é o aconselhável a quem se queira distrair de qualquer tufão ou intempérie. Hoje Macau

FAGARA [B] Um filme de: Heiward Mak Com: Sammi Cheng, Megan Lai, Li Xiaofeng 14.30, 16.45, 21.30

FALADO EM JAPONÊS LEGENDADO EM CHINÊS E INGLÊS Um filme de: Takashi Otsuka 19.30

EURO

8.86

BAHT

9 6 2 5 8 3 4 0 7 1

www. hojemacau. com.mo

1 3 5 9 7 2 6 8 4 0

4 7 8 2 0 1 9 6 3 5

3 1 6 4 2

6

8 9 3 1

4 7 3 5 5 9 4 7 0 8 1 4 7

PROBLEMA 25

27

6 0

2

1 4 9 8 6 7 3 2 5 0 5 9 6

5 4 3 8 0 1

9 6 8 9 2 6 1 2 9 8 5 7 1 4 1 8 29

YUAN

1.13

DEMOCRACIA. HK STYLE…

25

5

0.26 VIDA DE CÃO

nos Estados Unidos, sublinhou, numa entrevista ontem na rádio France Inter que “proteger quem faz denúncias não é um acto hostil” e disse que se considerava no direito de obter protecção de França.

SALA 3

ONE PIECE STAMPEDE [B]

5 6 7 0 9 8 3 1 2 6 5 4 7 0 9 8 2 1 4 8 5 7 1 3 2 9 0 3 4 6 8 2 3 4 7 9 1 5 6 2 0 7 9 3 1 5 6 0 0 4 8 9 3 5 O analista de sistemas informáticos Edward Snowden, que publicou documentos classificados sobre o programa 6 7 de4vigilância 1 8dos Estados 2 Unidos e foi acusado de espionagem, pediu ao Presidente francês, Emmanuel Macron, que lhe conceda asilo. Snowden, que agora vive na Rússia para evitar ser processado

UM FILME HOJE

SALA 1

17.9.2019 terça-feira

2 6 1 4 06 5 - 9 5 % 5 9 3 7 8

6 9 5 2 1 8

7 5 0 8 6 1 2 4

4 2 3 5 3 0 6 3 7 5 6 3 4 8 6 5

8 7 9 0 5 2

S U D O K U

19

145 6(f)utilidades 9 8 2 4 7 0

Digamos que se chama Joyce. É indonésia e veio para Hong Kong trabalhar como criada porque no seu país não é fácil levantar cabeça. Os patrões chineses da ex-colónia britânica permitem-lhe tirar uma folga de quinze em quinze dias. Aos domingos. Mas não pensem que se trata de um dia. Não: apenas 12 horas, das 7:30 às 19:30. Ora no outro domingo, por causa das manifestações, dos protestos e da violência, Joyce atrasou-se meia-hora. É que o metro estava parado e os autocarros não funcionavam. Ao chegar a casa foi confrontada com uma berraria. “Nunca mais 26 pode acontecer! Ai de ti que isto te voltes a atrasar”, ameaçando 3 brutalidade 9 1 física. 0 mesmo alguma Estes fantásticos patrões 0 8 2 6 pagam 9a3 Joyce 4500 dólares de HK (+ ou 9 7 2 1 6 – 450 euros), dos quais 2000 vão para a agência 7 que lhe arranjou6 o emprego. Entretanto, pouco depois 0 6 4 de ter chegado a casa, o filhinho 9 estudante universitá- 2 da6família, rio, entrou e pediu para que lhe 0 1 lavasse a “camisa preta”. Cheirava 3 4 e a uma 1 luta intensa 6 pela 5 a esturro democracia. A que lhes interessa. 5 9 6 7 4 1 Sem dó nem piedade. É verdade: 6 precisa5 de4uma revo2 Hong Kong lução. Carlos Morais José

4 5 3 8

28

6 LIMITED 8 2 9 THE DARJEELING | WES ANDERSON 7 3 0 1 8 5

30

9

1 7 8 4

8

1 3 6 2 5 4 5 4 9 0 2 7 3 4 7

8 9 6 1 8 2 7 0 9 8 9 3 4

7 6 2 5

9 5 1

0 9 4 2

3 1 9 8 7 4

6 7 9 0 9 4 0 7 6 6 5 0 8 6 5 4 8 7 0 6 3 3 9 2 7 4 6 5 1 7 0 9 2 1 7 Propriedade Fábrica de Notícias, Lda Director Carlos Morais José Editor João Luz; José C. Mendes Redacção Andreia Sofia Silva; João Santos Filipe; Juana Ng Cen; Colaboradores 6 António 4 Falcão;8Gisela 3 Casimiro;7Gonçalo 5 Lobo Pinheiro; João Paulo Cotrim; José Drummond; José 2 Navarro 3 de Andrade; Amélia Vieira; António Cabrita; António Castro Caeiro; José Simões Morais; Luis Carmelo; Michel Reis; Nuno Miguel Guedes; Paulo José Miranda; Paulo Maia e Carmo; Rita Taborda Duarte; Rui Cascais; Rui Filipe Torres; Sérgio 5 David Chan; João Romão;8Jorge Rodrigues 6 Simão; Olavo Rasquinho; Paul Chan Wai9Chi; Paula Bicho;8Tânia dos Fonseca; Valério Romão Colunistas António3 Conceição Júnior; Santos Cartoonista Steph Grafismo Paulo 9 Borges, Rómulo Santos Ilustração Rui Rasquinho Agências 0 7 4 Lusa; Xinhua Fotografia Hoje Macau; 6 Lusa; 3 GCS; Xinhua4Secretária 8 de redacção e Publicidade Madalena da Silva (publicidade@hojemacau.com.mo) Assistente de marketing Vincent Vong Impressão Tipografia Welfare Morada Calçada de Santo Agostinho, n.º 19, Centro Comercial Nam Yue, 6.º andar A, Macau Telefone 28752401 Fax 28752405 e-mail info@hojemacau.com.mo Sítio www.hojemacau.com.mo


opinião 15

terça-feira 17.9.2019

macau visto de hong kong

DAVID CHAN

N

O rugido do leão (I)

A noite que marca o início do Festival de Outono, 13 de Setembro, centenas de pessoas envolvidas nos protestos contra a lei de extradição, responderam a uma convocatária online e fizeram uma cadeia humana no cimo do monte Lion Rock, em Hong Kong. Esta cadeia humana iluminou-se subitamente com a luz de telemóveis e de canetas laser. Alguns dos manifestantes, que usavam máscaras e lanternas, gritavam slogans como “Cinco reivindicações, já!”. A escolha do local foi determinada pela tradição. É precisamente no topo do monte Lion Rock que as pessoas costumam celebrar a chegada do Outono. Festejam e admiram a Lua, um ritual chinês muito antigo de boas vindas a esta estação do ano. Mas existiu outro motivo que presidiu à escolha dos manifestantes. Lion Rock é mais do que um miradouro sobre a cidade, é o símbolo da unidade e da identidade de Hong Kong. Mas será Lion Rock apenas a materialização do espírito de Hong Kong? Esta pergunta não tem resposta fácil. Por isso, vou recorrer às letras de canções muito famosas e que marcaram uma época para tentar explicar o significado do “espírito de Lion Rock e de Hong Kong”. Os hongkongers têm desde sempre vivido no sopé do monte Lion Rock, por isso ele passou a ser o símbolo da sua identidade. Nos anos 70, os célebres compositores Huang Wei e Gu Jiahui criaram a canção, “Under the Lion Rock”. Desde essa altura, este tema tem sido o estandarte do “espírito de Lion Rock e de Hong Kong”. Nos anos 60 e 70, Hong Kong estava mergulhada em corrupção, violência, pornografia, jogo e droga. A polícia tinha uma ligação com o sub-mundo. Era voz corrente que as autoridades controlavam indirectamente estes negócios. Não é difícil imaginar o descrédito em que tinham caído as forças da ordem. Nessa altura, Hong Kong era uma colónia britânica. Para dialogar com o Governo era necessário falar inglês. No entanto, na época, o ensino superior estava reservado às elites e poucas pessoas falavam inglês fluentemente. A economia estava sub-desenvolvida e a vida das pessoas era muito difícil. Neste período, o Governo de Hong Kong homologou a “Lei do Trabalho” que garantia aos empregados uma certa protecção, o que era melhor que nada. A famosa canção “Workers”, de Xu Guanjie, falava do problema social e laboral da época.

Além da questão das relações sociais e laborais, as pessoas trabalhavam em espaços sem condições. Devido a um sistema de abastecimento deficitário, Hong Kong ficava frequentemente sem água. Numa determinada altura a cidade só tinha fornecimento de água um em cada quatro dias. Mais uma vez a música veio dar voz ao descontentamento popular. Desta feita foi através da canção “The Water Song”, de Xu Gongjie, que o desagrado se fez ouvir. Foi um período de pobreza e de dificuldades em Hong Kong. As pessoas só podiam contar umas com as outras, porque

Desde os primórdios, o espírito de Hong Kong, materializado em Lion Rock, é o espírito de união e de inter-ajuda

todos estavam a passar um mau bocado. Havia pouco dinheiro, poucas condições, mas muita solidariedade. Foi precisamente nesta altura que Roman Tam, interpretou a emblemática canção “Under the Lion Rock”:

Navegamos no mesmo barco, Seguimos juntos, sem medo”

“A vida é muito dura, tanta preocupação, Sob a Lion Rock, navegamos juntos e damos as mãos, esquecemos as diferenças, buscamos a união.”

“Aqui, na curva do cabo, Unam as mãos, enfrentem as altas vagas, Eu sou cada um de vós, Sofro para deixar escrito o lema da imortal Xiangjiang (Hong Kong)”

Como vemos, desde os primórdios, o espírito de Hong Kong, materializado em Lion Rock, é o espírito de união e de inter-ajuda. Ponhamos de parte o preconceito e tentemos compreender o ambiente social que se vivia na altura. Continuemos a escutar a canção:

É o espírito de união face à adversidade que aqui é louvado. Embora o caminho seja difícil, podemos imortalizar o nome de Hong Kong. A intenção do poema “Under the Lion Rock” é muito clara. Apela à inter-ajuda, à superação das dificuldades e dos preconceitos e à construção conjunta de Hong Kong. Continua na próxima semana.

“Esquece o que divide os nossos corações, Lembra-te dos ideais que nos movem,

Os hongkongers seguem no mesmo barco. Será que já avistam terra?

Professor Associado do IPM • Consultor Jurídico da Associação para a Promoção do Jazz em Macau • legalpublicationsreaders@yahoo.com.hk • http://blog.xuite.net/legalpublications/hkblog


O amigo é um segundo eu. Zenão de Cítio

PALAVRA DO DIA

Óbito Morreu ex-embaixador de Portugal em Pequim

TAILÂNDIA TIGRES MORREM APÓS SAÍDA DE TEMPLO

O diplomata Octávio Neto Valério, que participou nas negociações do acordo com a China para a transição de Macau, morreu na passada quinta-feira, aos 89 anos, disse no fim-de-semana à agência Lusa fonte próxima da família. O velório do diplomata decorreu no sábado, no Centro Funerário de Cascais, em Alcabideche, e no domingo realizou-se uma cerimónia religiosa seguida de cremação. Octávio Neto Valério esteve na delegação do Governo português que negociou a declaração conjunta luso-chinesa sobre Macau, assinada em Pequim, onde era embaixador, em 13 de Abril de 1987, pelos então chefes de Governo de Portugal, Aníbal Cavaco Silva, e da República Popular da China, Zhao Ziyang. Depois de Pequim, Octávio Neto Valério esteve colocado em Berna, Suíça, entre 1989 e 1992.

D

PUB

EZENAS de tigres morreram após serem retirados por suspeita de maus-tratos num templo tailandês, que os usava como atracção turística, disseram ontem as autoridades, referindo que em causa está uma anomalia genética relacionada à consanguinidade. Durante anos, o templo deWat Pha Luang Ta Bua, em Kanchanaburi (oeste), atraiu milhares de turistas para serem fotografados, após pagamento, com os tigres. Entretanto, em 2016, os parques nacionais da Tailândia decidiram confiscar os grandes felinos, retirados do templo aos poucos, enquanto as acusações de abuso e exploração se multiplicavam. Dezenas de bebés tigres mortos também foram encontrados em arcas congeladoras no mesmo local. Membros de tigre, muito procurados na China e no Vietname pelas suas supostas propriedades medicinais, podem atingir preços astronómicos. Os adultos foram transferidos para duas reservas na província vizinha de Ratchaburi, mas 86 dos 147 animais não sobreviveram. “É possível que isso esteja relacionado à consanguinidade, foram encontradas anomalias genéticas que afectam o seu corpo e o seu sistema imunológico”, disse Pattarapol Maneeon, uma autoridade do parque nacional da Tailândia. Muitos deles “já estavam em estado de stress após o transporte e a mudança de habitat. Os problemas de saúde apareceram mais tarde”, disse outro funcionário, Sunthorn Chaiwattana. Mas, alguns defensores dos animais questionam a qualidade dos cuidados prestados aos tigres desde a sua captura pelas autoridades. “Honestamente, quem teria a capacidade de cuidar de tantos tigres de uma só vez?” denunciou Edwin Wiek, fundador da organização não-governamental “Wildlife Friends Foundation Thailand”. Gaiolas demasiado pequenas promoveram a propagação de doenças, “não estando ao nível necessário para tantos tigres”, lamentou Wiek.

terça-feira 17.9.2019

Tragédia na Austrália Duas residentes de Macau morreram e uma ficou ferida em acidente a norte de Perth

U

M acidente entre um carro particular e um autocarro de turismo causou a morte de duas residentes de Macau, a norte de Perth, na Austrália. Uma outra residente, de 23 anos, estava ontem à noite internada num estado considerado grave, mas que não coloca a sua vida em risco. A tragédia aconteceu no sábado, pelas 14h00 de Macau, quando o Nissan SUV tripulado por uma das residentes locais tentou atravessar num cruzamento, na estrada Indian Ocean Drive, em direcção às rochas Pinnacles. Esta é uma das atracções turísticas mais famosas do Parque de Nambung, que fica a 190 quilómetros a norte de Perth. Terá sido nessa altura que a colisão com um autocarro de turismo, que tinha no interior 34 passageiros, aconteceu. O impacto fez com que o carro em que as turistas de Macau circulavam capotasse e fosse arrastado pelo autocarro durante vários metros. Quando as equipas de salvamento chegaram ao local, uma das residentes já estava morta e outra acabaria por falecer já no hospital. O transporte foi feito de helicóptero.

A residente de 23 anos que se encontra em estado grave, mas estável, está no Hospital Royal Perth, onde já está a ser acompanhada por funcionários do Consulado da China em Perth. O acidente causou igualmente feridos ligeiros entre alguns dos tripulantes do autocarro que foram socorridos e receberam alta poucas horas depois.

“MAU CRUZAMENTO”

Horas depois do ocorrido, o superintendente da Western Police australiana lamentou a tragédia, de acordo com a Rádio ABC.

“É um cruzamento mau… E claro quando há um choque lateral há sempre o risco de ser fatal, especialmente quando o choque é com um veículo pesado.” DOMENIC WOOD WESTERN POLICE AUSTRALIANA

“Segundo as informações que temos, as pessoas que infelizmente perderam a vida ocupavam o lugar do condutor e do pendura”, disse Domenic Wood, à Rádio ABC. “É um cruzamento mau… E claro quando há um choque lateral há sempre o risco de ser fatal, especialmente quando o choque é com um veículo pesado”, explicou sobre o ocorrido. A polícia australiana comprometeu-se ainda a prestar auxílio às famílias dos envolvidos, que no sábado foram apenas identificadas como chinesas. Só ontem, em comunicado, é que o consulado chinês em Perth confirmou que as vítimas são naturais de Macau. Segundo a mesma informação, o consulado vai cooperar com as autoridades australianas e prestar todo o auxílio necessário aos familiares das vítimas. Nos últimos anos a estrada em questão, que abriu em 2010, tem sido local de vários acidentes. Em Dezembro do ano passado dois turistas chineses perderam a vida num acidente no mesmo cruzamento. J.S.F.

Tamagnini Barbosa Mercado fecha na próxima semana

O Complexo Municipal do Mercado de Tamagnini Barbosa vai encerrar entre 24 e 26 de Setembro, ou seja entre terça-feira e quinta-feira da próxima semana, para que sejam realizadas obras. Os trabalhos têm como objectivo impedir as inundações durante as situações de storm surge ou passagem de tufões. “O Complexo Municipal do Mercado de Tamagnini Barbosa situa-se numa zona baixa e o rés-do-chão do mercado fica facilmente inundado durante storm surges ou tufões, o que eventualmente prejudica os equipamentos de abastecimento de electricidade levando até à sua suspensão”, explicou o Instituto para os Assuntos Municipais em comunicado. Por este motivo, as obras vão envolver a elevação do pavimento da sala de subestação de baixa tensão e dos seus equipamentos.

Profile for Jornal Hoje Macau

Hoje Macau 17 SET 2019 # 4373  

N.º 4373 de 17 de SET de 2019

Hoje Macau 17 SET 2019 # 4373  

N.º 4373 de 17 de SET de 2019

Profile for hojemacau
Advertisement