Page 1

˜

˜ DIRECTOR CARLOS MORAIS JOSÉ

QUARTA-FEIRA 17 DE JULHO DE 2019 • ANO XVIII • Nº 4332

PEREIRA COUTINHO

IAM

Raimundo é para ficar

Cães de rua

PÁGINA 5

PÁGINA 6

ARTES MARCIAIS

Festa do Wushu PÁGINA 10

MOP$10

OPINIÃO

Caçando unicórnios TÂNIA DOS SANTOS

www.hojemacau.com.mo•facebook/hojemacau•twitter/hojemacau

hojemacau

Quantos são? Os SMG estimam que este ano dois ou três tufões severos entrem no Mar do Sul da China. Porém, quanto ao número previsto de super-tufões que vão atingir Macau, os SMG dizem que é preciso esperar entre dois a três meses para saber, ou seja, depois de terminar a época deste tipo de fenómeno meteorológico. As previsões apontam ainda para a passagem de quatro a seis tempestades tropicais a menos de 800 km de Macau. PÁGINA 7

h

CHENG SHANG LI HE

FINTAR A VIDA NUNO MIGUEL GUEDES

GEOMETRIA DESCRITA JOÃO PAULO COTRIM


2 grande plano

17.7.2019 quarta-feira

ONU

PÃO NOSSO DE C FOME CONTINUA A CRESCER E AFECTOU MAIS DE 821 MILHÕES EM 2018

As desigualdades económicas e dificuldades no acesso a comida e vacinas continuam a preocupar. A prova está no mais recente relatório assinado por várias agências das Nações Unidas que revela que a fome atingiu o ano passado cerca de 821 milhões de pessoas em todo o mundo. Só na Ásia, 12% da população é afectada por esta realidade

A

fome no mundo está a crescer há três anos consecutivos, afectando 821,6 milhões de pessoas em 2018, contra as 811 milhões registadas no ano anterior, segundo um relatório assinado por várias agências da ONU divulgado esta segunda-feira. Em termos mais precisos, uma em cada nove pessoas no mundo não tinha o suficiente para comer em 2018, segundo os dados do relatório anual “O estado da segurança alimentar e nutrição no mundo”, documento assinado, entre outras agências, pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Após várias décadas de queda, o flagelo da fome começou novamente a ganhar dimensão a partir de 2015, referiram as agências signatárias do relatório, apontando que a desnutrição continua a persistir em vários continentes: Ásia (513,9 milhões de pessoas, mais de 12 por cento da população afectada), África (256,1 milhões de pessoas, cerca de 20 por cento da população) e América Latina e Caraíbas (42,5 milhões de pessoas, menos de sete por cento da população afectada). O relatório, co-assinado também pelo Programa Alimentar Mundial (PAM) e pelo Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola (IFAD), estimou ainda que, durante 2018, mais de dois mil milhões de pessoas em todo o mundo, das quais oito por cento vivem na América do Norte e na Europa, não tiveram aces-

so regular a alimentos suficientes, seguros e nutritivos, ou seja, viveram numa situação de insegurança alimentar moderada ou grave.

ACABAR COM FOME É “DESAFIO”

A perspectiva de ter um mundo sem pessoas desnutridas até 2030, um dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável inscritos na Agenda 2030 da ONU, apresenta-se como “um enorme desafio”, apontou o relatório. “Para preservar a segurança alimentar e nutricional, é essencial aplicar políticas económicas e sociais que consigam compensar a todo o custo os efeitos de ciclos económicos adversos, evitando a redução de serviços essenciais como os cuidados de saúde e a educação”, frisou o documento. Apelando a uma "transformação estrutural" que seja verdadeiramente inclusiva ao nível dos mais pobres, as agências da ONU defendem que todas as preocupações relacionadas com a segurança alimentar e a nutrição sejam integradas “nos esforços para a redução da pobreza” no mundo, ao lado de outros assuntos igualmente prioritários como a desigualdade de género ou a exclusão de grupos sociais. O documento também apontou que os progressos para reduzir para metade o número de crianças com atrasos no crescimento, outras das metas da Agenda 2030, têm sido insuficientes. Actualmente, a nível mundial, cerca de 149 milhões de crianças com menos de cinco anos têm um crescimento deficitário. E um em cada sete bebés no mundo, cerca

1 em cada 9 pessoas no mundo não tinha

o suficiente para comer em 2018, segundo os dados do relatório anual “O estado da segurança alimentar e nutrição no mundo”


grande plano 3

quarta-feira 17.7.2019

CADA DIA O relatório observou que o excesso de peso e a obesidade também continuam a aumentar em todas as regiões do mundo

de 20,5 milhões, nasceu, em 2018, com baixo peso.

MAIS OBESIDADE

Paradoxalmente, o relatório observou que o excesso de peso e a obesidade também continuam a aumentar em todas as regiões do mundo, especialmente entre os menores em idade escolar e nos adultos. No ano passado, cerca de 338 milhões de crianças e adolescentes em idade escolar apresentavam sinais de excesso de peso e um em cada oito adultos no mundo (672 milhões de pessoas) eram obesos.

Perigosa estagnação Vacinas continuam a faltar a 20 milhões de crianças

V

INTE milhões de crianças em todo o mundo não foram vacinadas em 2018 contra doenças como sarampo, difteria e tétano, segundo a UNICEF, que alerta para a “perigosa estagnação” das taxas de vacinação por causa dos conflitos e da desigualdade. Em comunicado, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), citando dados também da Organização Mundial de Saúde (OMS), diz que globalmente a cobertura de vacinação com três doses de difteria, tétano e tosse convulsa e uma dose de vacina contra o sarampo estagnou por volta dos 86 por cento. Apesar de reconhecer que se trata de uma taxa de cobertura elevada, a UNICEF sublinha que “não é suficiente”, apontando para a necessidade de uma cobertura de 95 por cento em todo o mundo para proteger contra surtos de doenças evitáveis por vacinação. “As vacinas são uma das nossas ferramentas mais importantes para prevenir surtos e manter o mundo seguro”, alertou Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS, citado no comunicado. O responsável sublinha que muitas crianças ainda não são vacinadas e recorda que, “muitas vezes, são os que estão em maior risco – os mais pobres, os mais marginalizados, os afectados por conflitos ou forçados a sair das suas casas - quem perde persistentemente”. A maioria das crianças não vacinadas vive nos países mais pobres e “está desproporcionalmente em estados problemáticos ou afectados por conflitos”, afirma a UNICEF, lembrando que quase metade está em apenas 16 países: Afeganistão, República Centro-Africana, Chade, República Democrática do Congo, Etiópia, Haiti, Iraque, Mali, Níger, Nigéria, Paquistão, Somália, Sudão do Sul, Sudão, Síria e Iémen. “Se estas crianças ficarem doentes, correm o risco de sofrer as consequências mais graves para a saúde e têm menor probabilidade de aceder a tratamentos e cuidados de saúde que salvam vidas”, frisa a organização. A UNICEF diz ainda que os surtos de sarampo “revelam lacunas na cobertura, inúmeras vezes ao longo de muitos anos” e que as grandes disparidades no acesso a vacinas “abrangem países de todos os níveis de rendimento”. “Tal resultou em surtos devastadores de sarampo em muitas partes do mundo – incluindo em

países que têm elevadas taxas de vacinação em geral”, lembra.

SURTO DE SARAMPO

Em 2018, quase 350.000 casos de sarampo foram registados em todo o mundo, mais do dobro do que em 2017. “O sarampo é um indicador, em tempo real, de onde temos mais trabalho a fazer para combater doenças evitáveis”, alertou Henrietta Fore, directora executiva da UNICEF. “Como o sarampo é muito contagioso, os surtos apontam para comunidades que não estão vacinadas devido a acesso, custos ou, em alguns locais, complacência”, acrescenta. A Ucrânia lidera uma lista diversificada de países com a maior taxa de incidência de sarampo em 2018. Embora o país já tenha vacinado mais de 90 por cento dos seus bebés, a cobertura foi baixa durante vários anos, deixando um grande número de crianças mais velhas e adultos em risco. Vários outros países com alta incidência e cobertura têm grupos significativos de pessoas que não foram vacinados contra o sarampo no passado, recorda a UNICEF, sublinhando que estes dados mostram “como a baixa cobertura ao longo do tempo ou comunidades distintas de pessoas não vacinadas podem desencadear surtos mortais”.

OS PRIMEIROS DADOS SOBRE HPV

A organização chama ainda a atenção para a disponibilização, pela primeira vez, de dados de cobertura de vacinação contra o Vírus do Papiloma Humano (HPV), que protege as meninas contra o cancro do colo do útero na idade adulta. Desde de 2018, 90 países – onde vive uma em cada três meninas em todo o mundo – introduziram a vacina contra o HPV nos seus programas nacionais. Deste grupo, apenas 13 são países de baixos rendimentos. “Isto significa que os que correm maior risco de sofrer os impactos devastadores do cancro do colo do útero são os que têm menor probabilidade de ter acesso à vacina”, indica o comunicado.


4 política

17.7.2019 quarta-feira

O

ELEIÇÕES INDIRECTAS TONG HIO FONG DIZ QUE ORÇAMENTO ESTÁ CONFORME A LEI

Uma questão de trocos

O orçamento de 3,5 milhões de patacas para cada lista candidata às eleições indirectas no sector industrial, comercial e financeiro é um valor que está dentro da lei. A informação foi dada ontem por Tong Hio Fong, presidente da Comissão de Assuntos Eleitorais da Assembleia Legislativa, entidade que vai regular o processo de substituição de Ho Iat Seng no hemiciclo pessoas”, disse. No entanto, mais detalhes serão fornecidos hoje após a reunião que a comissão tem agendada para dar início aos trabalhos. Recorde-se que a eleição do deputado que vai substituir Ho Iat Seng no hemiciclo, após a sua renúncia ao cargo para avançar na corrida para Chefe Executivo, tem lugar a 24 de Novembro. Na passada segunda-feira, o juiz Tong Hio Fong voltou a ser nomeado para a presidir à CAEAL, ocupando a mesma posição aquando das eleições para a AL.

GCS

orçamento de cerca de 3,5 milhões de patacas para cada candidatura na eleição por via indirecta do deputado do sector industrial, comercial e financeiro que vai substituir Ho Iat Seng na Assembleia Legislativa (AL) não é excessivo e corresponde aos valores praticados neste tipo de processos, defendeu ontem o presidente da Comissão de Assuntos Eleitorais da Assembleia Legislativa (CAEAL), Tong Hio Fong, à margem da cerimónia de tomada de posse no Palácio do Governo. “Este valor é determinado conforme a lei, é um limite de despesas tendo em conta o que foi gasto nos últimos 10 anos e as nossas experiências em eleições anteriores”, disse o responsável. “Normalmente no sufrágio indirecto nunca ultrapassa este valor e, portanto, foi determinado de acordo com a lei”, reiterou. Quanto ao montante que o Governo vai gastar no processo de sufrágio indirecto, ainda não há números e só depois das reuniões que começam hoje é que os dados serão apurados, adiantou Tong Hio Fong.

TRABALHO MENOR

Já o facto de alguns dos membros que compõe a comissão fazerem também parte da entidade que acompanha o processo de eleição do Chefe do Executivo, o presidente da CAEAL avança que, apesar se tratar de um trabalho acumulado, não será excessivamente complicado. “Os trabalhos não serão tão pesados como antigamente”, disse referindo-se às eleições legislativas de 2017. O responsável esclareceu ainda que tal como há dois anos, o número máximo de votantes [por associação] será de 22 pessoas”, ou seja, se forem elegíveis para votação neste sector “1000 associações poderão votar 22 000

Sofia Margarida mota

Sofia.mota@hojemacau.com.mo

CERTEZAS PARA A PRESIDÊNCIA

“K

Tong Hio Fong “Este valor é determinado conforme a lei, é um limite de despesas tendo em conta o que foi gasto nos últimos 10 anos e as nossas experiências em eleições anteriores.”

ou Ho In vai suceder a Ho Iat Seng na presidência da Assembleia Legislativa (AL)”. Quem o diz é o deputado José Pereira Coutinho em declarações ao HM acerca da eleição que se realiza hoje no hemiciclo. Além de ser o deputado mais antigo da AL, em funções desde 1991, Kou Hoi In é também delegado de Macau à Assembleia Popular Nacional e presidente da Associação Comercial de Macau.

VIDEOVIGILÂNCIA RECONHECIMENTO FACIAL TESTADO EM CASINOS

SAÚDE GOVERNO PLANEIA SERVIÇOS SOCIAIS EM HENGQIN

A

O

tecnologia de videovigilância com reconhecimento facial está a ser testada em “dois ou três” casinos do território. A informação foi divulgada ontem de manhã por Paulo Martins Chan, director da Direcção de Inspecção e Coordenação de Jogos (DICJ), de acordo com o jornal Exmoo. Segundo o responsável, para se iniciarem estes testes foi necessária autorização do Governo e o cumprimento integral das indicações do Gabinete de Protecção de Dados Pessoais. Chan afirmou também que caso os resultados dos testes sejam positivos, as áreas em que o sistema vai ser aplicado vão ser muito limitadas. Em relação ao número de portais online a

oferecer jogo, Paulo Martins Chan disse que entre 2016 e 2018 foram detectados mais de 500 páginas que disponibilizaram apostas. Entre estes, o acesso a 300 portais foi bloqueado com a ajuda das operadoras de telecomunicação. Outro dos assuntos focados pelo director da DICJ foi a lei dos promotores de jogo, mais conhecidos como junkets. De acordo com as explicações avançadas, o Governo prossegue com o processo legislativo e serão aplicados critérios rigorosos no que diz respeito a margens de lucro e à origem do capital. Paulo Martins Chan não avançou com uma data para a entrada do diploma na Assembleia Legislativa.

Governo está a planear o estabelecimento de serviços sociais diurnos na Ilha de Hengqin como forma de apoiar famílias e idosos, num projecto pensado com as autoridades de Zhuhai. A garantia foi dada por Lei Chin Ion, director dos Serviços de Saúde de Macau (SSM), em resposta a uma interpelação escrita do deputado Leong Sun Iok. O projecto contempla também serviços para residentes de Macau que vivam em Hengqin, bem como nas

áreas envolventes. Na mesma resposta, o Instituto de Acção Social referiu que a criação de equipamentos sociais em Hengqin é uma medida inovadora, ainda que as instalações tenham de respeitar os regulamentos de Macau e de Zhuhai. Nesse sentido, as autoridades vão realizar várias consultas e negociar com o Governo de Zhuhai para promover os referidos projectos.  Ainda ao nível dos apoios a idosos, o Fundo de

Segurança Social esclareceu o deputado que o actual sistema de segurança social de dois níveis, composto pelo regime da segurança social e pelo regime de previdência central não obrigatório, vai ajudar os residentes de Macau que optem por viver na China. Mesmo que os aposentados residam na China há muito tempo, tal não afecta o seu direito de receberem as suas pensões do Governo de Macau, explicou o FSS.


política 5

quarta-feira 17.7.2019

SAFP PROMETIDAS MELHORIAS NAS APLICAÇÕES PARA FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS

K

OU Peng Kuan, director dos Serviços de Administração e Função Pública (SAFP), reuniu com os funcionários públicos mais jovens para recolher opiniões relativamente a

algumas plataformas digitais do Governo. Kou Peng Kuan disse que “valoriza o Governo Inteligente da RAEM, promovendo o alargamento do âmbito de cobertura da ‘conta única

de acesso comum’, seleccionando os serviços públicos que estão relacionados com o nascimento, inscrição escolar, emprego, casamento, segurança social, assistência social e aposentação”. A

ideia é que esses serviços sejam disponibilizados num só balcão, para “facilitar ainda mais a vida da população”. No que diz respeito à Plataforma de Gestão e Serviços para Funcionários

e Agentes Públicos, será lançada uma aplicação para telemóvel que permitirá aos trabalhadores dos serviços públicos aceder rapidamente a serviços como pedido de férias, inscrição em cursos

de formação, entre outros. Tudo para que se melhore “a eficácia da administração interna do Governo e aperfeiçoar a gestão dos trabalhadores dos serviços públicos”.  

RÓMULO SANTOS

ELEIÇÕES PEREIRA COUTINHO DIZ QUE RAIMUNDO DO ROSÁRIO FICA NO NOVO GOVERNO

O resistente

Ho Iat Seng, candidato a Chefe do Executivo, visita na próxima semana a sede da Associação dos Trabalhadores da Função Pública, onde será confrontado com problemas do funcionalismo público e capacidade governativa. Quanto ao elenco do novo Executivo, José Pereira Coutinho, dirigente da associação, acredita que o secretário para os Transportes e Obras Públicas se mantém no cargo esperamos seja radical, no âmbito do relacionamento entre a ATFPM e o Chefe do Executivo”, acrescentou. Ho Iat Seng deverá ser confrontado com os temas que Coutinho tem colocado na sua agenda de deputado. “A expectativa dos corpos gerentes da ATFPM é grande. Vai acontecer uma surpresa na sua visita, mas não posso divulgar agora, mas será muito interessante (risos). (Ho Iat Seng) Não vai fugir às questões básicas que dizem respeito à responsabilidade dos titulares dos principais cargos, elevação da capacidade governativa, capacidade de resolução de problemas e necessidade de maior atenção aos funcionários públicos, que estão muito desmoralizados.”

UMA BOA ASSESSORIA Pereira Coutinho, deputado e presidente da ATFPM “Teremos de esperar para ver se ele (Ho Iat Seng) mantém alguns dos secretários que trabalham actualmente com o Chefe do Executivo. O secretário das Obras Públicas vai ficar, não tenho dúvidas nenhumas.”

O

deputado José Pereira Coutinho acredita que o actual secretário para os Transportes e Obras Públicas, Raimundo do Rosário, deverá continuar no cargo e transitar paro novo Executivo, que toma posse a 20 de Dezembro deste ano. “Teremos de esperar para ver se ele (Ho Iat Seng)

mantém alguns dos secretários que trabalham actualmente com o Chefe do Executivo. O secretário das Obras Públicas vai ficar, não tenho dúvidas nenhumas. Quanto aos restantes remeto-me para um futuro próximo para poder divulgar os nomes”, disse Coutinho ao HM. O deputado falou ao HM no âmbito da visita que Ho Iat Seng

irá fazer à sede da Associação dos Trabalhadores da Função Pública de Macau (ATFPM) na próxima semana. “É a primeira vez em 20 anos que um candidato, e possível futuro Chefe do Executivo, se disponibiliza por iniciativa própria a visitar a sede da ATFPM. É motivo de alegria e de esperança de que este seja o início de uma mudança, que

Ho Iat Seng tem feito uma espécie de pré-campanha na qualidade de candidato a Chefe do Executivo e, na visão de José Pereira Coutinho, está acompanhado pelas pessoas certas. “De alguma forma ele está a ser melhor assessorado no âmbito da governação política e executiva.” Neste sentido, José Pereira Coutinho adianta que a equipa terá mais um elemento “que não está visível e que o tem orientado na comunicação e na estratégia de ouvir sectores extremamente importantes, sobretudo na Assembleia Le-

gislativa”. “Esse quinto elemento vai continuar muito activo porque é dos assessores mais credenciados ao nível da língua chinesa para a redacção do programa eleitoral, e tem passaporte português”, disse Coutinho, frisando que “há dois assessores da comunidade portuguesa que o estão a ajudar”. O deputado destaca o facto de Ho Iat Seng, ainda na qualidade de presidente do hemiciclo, ter apoiado a mudança do artigo 25 na lei da protecção civil, ainda que Pereira Coutinho defenda a sua total eliminação da proposta de lei. “Demonstrou sensibilidade para o artigo 25 e uma maior abertura. Isso é positivo, mas não chega.” No que diz respeito à contratação de mais assessores jurídicos portugueses para a AL, não é mais do que um sinal de comportamento de Ho Iat Seng. “Entendo que a contratação de mais quatro novos juristas pela AL é uma decisão correcta, positiva, mas que, contudo, demonstra que está disposto a dar a mão à palmatória nas situações em que possa ter errado, embora não o admita publicamente”, rematou Pereira Coutinho.   Andreia Sofia Silva e Sofia Margarida Mota info@hojemacau.com.mo


6 sociedade

17.7.2019 quarta-feira

IAM CIDADÃOS PERTURBAM TRABALHADORES QUE APANHAM CÃES VADIOS

RENOVAÇÃO URBANA RELATÓRIO DA DELOITTE PRONTO NO FINAL DO ANO

Os melhores amigos

O Presidente de Associação de Macau para a Melhoria Social e da Subsistência alerta que os cães vadios podem atacar pessoas. Do outro lado, a associação de protecção dos animais MASDAW defende que os cães devem ser esterilizados em vez de abatidos

H

Á cidadãos que estão a impedir que os trabalhadores do Instituto para os Assuntos Municipais (IAM) capturem cães vadios, acção motivada pelo facto de os animais serem abatidos caso não sejam reclamados pelos donos. A informação foi divulgada ontem pelo jornal Exmoo, que ouviu Chan Pou Sam, presidente da Associação de Macau para a Melhoria Social e da Subsistência (Macao Association of Social and Livelihood Enhancement, em inglês). De acordo com Chan, entre os perigos está o facto de os animais serem selvagens, o que pode fazer com que facilmente ataquem as pessoas que se aproximem ou transeuntes. É por este motivo que o responsável defende o trabalho realizado pelos funcionários do IAM. À mesma publicação, o presidente da associação revelou que houve casos em que os funcionários do IAM tiverem de pedir auxílio à polícia para procederem à captura dos animais vadios e que as pessoas que impedem as acções de captura podem ter de assumir responsabilidades resultantes deste tipo de condutas. Chan Pou Sam, próximo do deputado Mak Soi Kun, apontou também que existem duas formas pelas quais os cães surgem nas ruas. Por um lado, explicou, muitos destes animais são utilizados para “proteger” estaleiros e sucatas, o que faz que se aventurem nas ruas e que procriem com outros cães selvagens. Segundo Chan, este tipo de “fonte” do problema é cada vez menos frequente. Por outro lado, o problema é igualmente

impulsionado pelas famílias que abandonam animais na rua. O presidente da Associação de Macau para a Melhoria Social e da Subsistência refere que há cada vez mais animais abandonados por residentes, situação agravada pelo facto de haver frequentemente quem os acabe por alimentar. Ao mesmo tempo, como os animais são alimentados e tratados, acabam por se reproduzir o que aumenta a dimensão do problema.

MASDAW CONTRA

Em resposta a estas declarações, a Associação para os Cães de Rua e o Bem-Estar Animal Em Macau (MASDAW) emitiu um comunicado, através das redes sociais, em que defende que o dinheiro da população não deve ser utilizado para “assassinar” animais. Segundo as MADSAW, as pessoas que tratam dos cães e gatos selvagens estão a contribuir para uma “sociedade melhor” e os animais são vítimas de “políticas desadequadas”. A associação defende assim que em vez de se abaterem os animais capturados se deve implementar uma política de esterilização e libertação de novo nas ruas. A MASDAW considera ainda que a importação de animais deve ser ilegalizada e que as lojas de animais devem passar a disponibilizá-los para adopção, em vez de vendê-los. Segundo dados fornecidos pelo IAM ao deputado José Pereira Coutinho, em resposta a uma interpelação escrita, em Maio foram abatidos 23 gatos e 17 cães. O presidente da associação revelou que houve casos em que os funcionários do IAM tiverem de pedir auxílio à polícia

ANG Chuan, deputado nomeado à Assembleia Legislativa e vice-reitor da Universidade de Ciências e Tecnologia de Macau defendeu, ao Jornal do Cidadão, que o território poderá transformar-se numa cidade universitária no futuro. No contexto da implementação

do projecto da Grande Baía, a aposta no ensino superior pode melhorar a imagem de Macau que vá além da cidade do jogo, defendeu. O deputado disse que, nos últimos tempos, o ensino superior tem-se desenvolvido bastante, tendo em conta o aumento do

número de laboratórios de nível nacional criados nas universidades. Para o responsável, Macau poderá atrair mais alunos vindos do estrangeiro, o que pode obrigar a um novo cálculo das propinas tendo em conta os padrões internacionais. Nesse sentido, a alteração poderá trazer benefícios

AUL Tse, vogal do Conselho para a Renovação Urbana, disse que o estudo sobre renovação urbana, que está a ser elaborado pela consultora Deloitte, deverá estar pronto em Dezembro, ficando depois sujeito a consulta pública, de acordo com o Jornal do Cidadão. Além disso, o responsável, ligado ao sector da construção civil, adiantou que a Macau Renovação Urbana se tem deparado com muito trabalho, dificuldades e responsabilidade, enfrentando o problema da escassez de recursos humanos. O Conselho para a Renovação Urbana vai reunir no próximo dia 30 Julho, estando prevista a entrega de um relatório ao Chefe do Executivo pelas mãos do secretário para os Transportes e Obras Públicas. Este documento será também sujeito a consulta pública, explicou Paul Tse. Quanto ao problema da altura dos edifícios que serão construídos à entrada da Taipa, no mesmo local onde se situava o Hotel Palácio Imperial Beijing, Paul Tse referiu que os actuais regulamentos em vigor exigem regras de aprovação rigorosas. Os moradores da zona já se queixaram da elevada altura dos edifícios, uma vez que a planta de condições urbanísticas prevê uma altura máxima de 140 metros.

João Santos Filipe

joaof@hojemacau.com.mo

ENSINO SUPERIOR PANG CHUAN QUER QUE MACAU SEJA CIDADE UNIVERSITÁRIA

P

P

económicos a Macau e diversificar a economia. Pang Chuan espera ainda que, nos próximos anos, haja uma maior aposta nas áreas da ciência e tecnologia, uma vez que, actualmente, a maior parte dos cursos universitários focam-se nas áreas de gestão e humanidades.

DSAL 57 casos de trabalho ilegal identificados em Junho

No mês passado foram identificados 57 casos de trabalho ilegal pelo Corpo de Polícia de Segurança Pública (CPSP), em conjunto com a Direcção de Serviços para os Assuntos Laborais (DSAL). Ainda de acordo com a informação divulgada, e citada pela Ou Mun Tin Toi, durante esse período foram feitas inspecções em 459 sítios, que incluem estaleiros de construção, zonas industriais e edifícios privados.


sociedade 7

quarta-feira 17.7.2019

Meteorologia Ciclone tropical Danas deve dirigir-se para Taiwan

Danas é o nome do ciclone tropical que se tem intensificado no leste das Filipinas. De acordo com os Serviços Meteorológicos e Geofísicos, o Danas deve dirigir-se para a zona entre Taiwan e o norte das Filipinas. O fenómeno meteorológico terá como consequência o aumento da temperatura em Macau, que vai rondar os 35ºC nos próximos dias.

Reservas Cambiais Aumento de 1,3 por cento no mês de Junho As estimativas preliminares das reservas cambiais da RAEM, para o mês de Junho deste ano cifram-se 166,4 mil milhões de patacas, revelou ontem a Autoridade Monetária de Macau (AMCM). O valor representa um aumento de 1,3 por cento relativamente aos dados rectificados do mês anterior, que atingiram os 164,3 mil milhões de patacas. Já a taxa de câmbio efectiva

da pataca, ponderada pelas suas quotas do comércio, foi de 106,7 em Junho de 2019, ou seja, registou um decréscimo de 0,13 pontos relativamente ao mês de Maio e um crescimento de 3,50 pontos, relativo a Junho de 2018, revelando que a pataca caiu mensalmente face às moedas dos principais parceiros comerciais de Macau, mas subiu anualmente.

SMG ESPERADOS DOIS A TRÊS TUFÕES SEVEROS NO MAR DO SUL DA CHINA

Prognósticos? Só no fim do jogo

Os SMG dizem que é preciso esperar entre dois a três meses para saber o número de tufões severos a afectar Macau, ou seja, no fim da época. O número de tempestades tropicais a passar a menos de 800 quilómetro de Macau deverá situar-se entre quatro e seis

O

Governo espera que entre dois e três tufões severos entrem no Mar do Sul da China, mas prognósticos sobre a possibilidade de a região de Macau ser afectada directamente só o final do jogo. A previsão sobre o impacto foi dada ontem pelo subdirector substituto dos Serviços de Meteorologia e Geofísicos (SMG), Tang Iu Man, durante uma conferência de imprensa sobre os trabalhos feitos pelo Executivo para prevenir e responder às situações de tufão. “Quanto a tufões severos não descartamos a possibilidade de haver, mas depende das previsões daqui a dois ou três meses. Depende do clima do Oceano Pacífico. Neste momento, só posso dizer que há a possibilidade de haver dois ou três tufões severos a entrarem no Mar do Sul da China”, respondeu Tang, quando questionado sobre a possibilidade. “Se vão afectar directamente Macau, por enquanto, ainda é muito cedo para fazer previsões. Tudo depende do desenvolvimento daqui a dois a três meses e das condições atmosféricas”, acrescentou.

Ainda de acordo com as previsões dos SMG, a região deverá ser afectada por quatro a seis tempestades tropicais: “Quanto aos tufões intensos ou super-tufões prevê-se que este ano vamos ter entre quatro e seis tempestades tropicais a entrar na zona inferior a 800 quilómetros”, previu Tang. Durante a mesma apresentação, o comandante-geral dos Serviços de Polícia Unitários (SPU), Ma

SINAL MUDADO

O

sinal de chuva intensa, içado quando se registam 50 milímetros de chuva durante duas ou mais horas, deverá sofrer alterações. O subdirector substituto SMG, Tang Iu Man, defendeu a necessidade de um novo sinal com diferentes graus, consoante a intensidade da pluviosidade. “Um sinal com uma classificação única de chuva intensa não responde às nossas necessidades”, afirmou Tang. “Vamos introduzir uma reclassificação, mas sobre essa necessidade ainda vamos ouvir o público”, clarificou. Segundo Tang, não está afastada a hipótese de se voltar ao sistema antigo, com diferentes cores.

Iao Kun, sublinhou a importância de aprovar a nova Lei de Bases de Protecção Civil, que está a ser discutida na Assembleia Legislativa. “Nos últimos dois tufões não tivemos uma lei suficiente para suportar as nossas actividades. A lei vigente já vigora há mais de 25 anos, por isso carece de ser alterada. Pretendemos que a lei entre rapidamente em vigor”, afirmou Ma Iao Kun. “Claro que algumas disposições ainda estão a ser discutidas e precisamos de um consenso na sociedade”, adicionou. Neste momento não há uma previsão sobre a votação final do diploma, mas há uma reunião agendada entre Governo e deputados no final do mês.

BALANÇO E CONTAS

No que diz respeito ao balanço dos trabalhos feitos, os centros de abrigo de emergência passaram de 16 para 17, com uma capacidade total para acolher 24 mil pessoas. No evento foi ainda pedido a quem se desloque aos centros que traga bilhete de identidade ou passaporte, chaves de casa, telemóvel e medicamentos de toma regular. Quanto aos procedimentos de evacuação, estão identificadas 173

Centros de abrigo passaram de 16 para 17, com capacidade total para 24 mil pessoas

pessoas que precisam de evacuação sempre que há cheias, algumas delas que precisam de auxílio das autoridades. Por sua vez o Instituto para os Assuntos Municipais informou que foram podadas mais de 6 mil árvores, das quais 475 tiveram ramos completamente removidos, para evitar o perigo de queda. Segundo os mesmos procedimentos, os serviços criaram uma rede com 175 pontos de recolha de lixo provisório nas zonas baixas, para a situação de tufões. Para auxiliar nestes procedimentos, a Companhia de Sistema de Resíduos equipou-se com mais 5 camiões de lixo e 15 caixas

de grande dimensão, além de vários caixotes de dimensão pequena. Por outro lado, foram recolhidos 17 reclamos ou luzes de decoração, por não cumprirem requisitos de segurança. Durante a ocasião, Ma Iao Kun aproveitou igualmente para promover uma aplicação móvel lançada pelo Executivo para as situações de tufão e catástrofes naturais, que permite receber informações mais actualizadas. A aplicação está disponível em português, chinês e inglês. João Santos Filipe

joaof@hojemacau.com.mo


8 publicidade

17.7.2019 quarta-feira

(Publicações ao abrigo do nº 1 do artigo 86.º do Decreto-Lei n.º 27/97/M, de 30 de Junho) Síntese do Relatório de Actividades

Parecer do Fiscal Único

No ano de dois mil e dezoito, a Sociedade Gestora de Fundos de Pensões ICBC (Macau), S.A., perante um ambiente económico externo complicado, continuou a seguir a tendência para um desenvolvimento sustentável, tendo atingido lucros avaliados em seis milhões e novecentas e vinte mil Patacas, após a dedução de impostos. Até ao final do ano de 2018, o activo total desta Sociedade ascendia a cento e noventa milhões de Patacas. O valor de mercado dos activos sob gestão desta Sociedade foi calculado em mais de três mil duzentos e cinquenta milhões de Patacas.

Nos termos do disposto na alínea e) do artigo 24.º dos Estatutos e para os efeitos previstos na mesma disposição legal, o Conselho de Administração da Sociedade Gestora de Fundos de Pensões ICBC (Macau), S.A. entregou a esta sociedade de auditores o relatório de actividades e contas auditado e referente ao exercício de 2018, para efeito de parecer.

Norteando-se pela estratégia global de desenvolvimento implementada pelo Banco Industrial e Comercial da China (Macau), S.A., a Sociedade, no futuro, retirando vantagens da marca, rede, recursos técnicos e financeiros do Grupo ICBC, irá promover activamente o desenvolvimento da previdência central e optimizar nomeadamente o sistema de internet e os seus activos e receitas, tornando-se a líder de mercado, com excelente desempenho da actividade gestora de fundos de pensões, mais procurada por clientes de Macau, a quem presta serviços de gestão de fundos de pensões cada vez mais seguros e de acesso fácil e rápido, servindo a sociedade de Macau. Macau, aos 21 de Março de 2019. Xu Keen Presidente do Conselho de Administração Relatório de Auditor Independente sobre Demonstrações Financeiras Resumidas Para os accionistas da Sociedade Gestora de Fundos de Pensões ICBC (Macau), S.A. (Sociedade Anónima constituída em Macau) Procedemos à auditoria das demonstrações financeiras da Sociedade Gestora de Fundos de Pensões ICBC (Macau), S.A. relativas ao ano de 2018, nos termos das Normas de Auditoria e Normas Técnicas de Auditoria da Região Administrativa Especial de Macau. No nosso relatório, datado de 21 de Março de 2019, expressámos uma opinião sem reservas relativamente às demonstrações financeiras das quais as presentes constituem um resumo. As demonstrações financeiras a que se acima se alude compreendem o balanço, à data de 31 de Dezembro de 2018, a demonstração de resultados, a demonstração de alterações no capital próprio e a demonstração de fluxos de caixa relativas ao ano findo, assim como um resumo das politícas contabilísticas relevantes e outras notas explicativas. As demonstrações financeiras resumidas preparadas pela gerência resultam das demonstrações financeiras anuais auditadas e dos livros e registos do Sociedade. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras resumidas são consistentes, em todos os aspectos materiais, com as demonstrações financeiras auditadas e os livros e registos do Sociedade. Para a melhor compreensão da posicão financeira do Sociedade e dos resultados das suas operações, no período e âmbito abrangido pela nossa auditoria, as demonstrações financeiras resumidas devem ser lidas conjuntamente com as demonstrações financeiras das quais as mesmas resultam e com o respectivo relatório de auditoria. Ieong Lai Kun, Auditor de Contas KPMG Macau, 21 de Março de 2019

Depois de examinados os documentos entregues a esta sociedade, para efeito de emissão de parecer, concluímos que os referidos documentos reflectem, de forma clara, não só a situação patrimonial, mas também a situação financeira e económica da referida Sociedade. O relatório do Conselho de Administração reflecte, de forma precisa, as actividades promovidas e desenvolvidas pela Sociedade no ano de exercício ora em apreço. Tendo em atenção o relatório apresentado pelo auditor externo, esta sociedade concorda com o exposto no referido relatório, sendo que os documentos que serviram de base à elaboração das contas reflectem, de forma correcta e real, a situação financeira demonstrada no balanço com data de 31 de Dezembro de 2018, bem como o resultado financeiro do exercício findo em 31 de Dezembro de 2018. Recapitulado o acima exposto, decidimos aprovar o referido relatório de actividades e contas do Conselho de Administração. Macau, aos 21 de Março de 2019. CSC & Associados – Sociedade de Auditores (representada por Chui Sai Cheong) Fiscal Único Lista das instituições em que a Sociedade detém participações superiores a 5% do respectivo capital N/A Lista dos accionistas qualificados e respectivos valores Banco Industrial e Comercial da China (Macau), S.A. Nº de acções: 29,980 Valor Nominal (MOP): 29,980,000.00 Porcentagem: 99.93 Órgãos Sociais Conselho de Administração Sr. Xu Keen Presidente (Nomeado em 6 de Novembro de 2018) Sr. Wu Long Presidente (Renunciou em 6 de Novembro de 2018) Sr. Huen Wing Ming, Patrick Administrador Sr. Chan Kam Lun

Administrador

Sr. Deng Wanhong Administrador (Nomeado em 6 de Novembro de 2018) Sr. Cheng Wing Fai, Patrick Administrador (Renunciou em 6 de Novembro de 2018) Mesa da Assembleia Sr. Jiang Yisheng Presidente (Nomeado em 29 de Março de 2018) Sr. Zhu Xiaoping Presidente (Renunciou em 29 de Março de 2018) Sr. Wu Zhigang Secretário (Nomeado em 21 de Março de 2018) Sr. Zheng Kai Secretário (Renunciou em 21 de Março de 2018) Fiscal Único CSC & Associados – Sociedade de Auditores (Representada por Sr. Chui Sai Cheong) Secretário de Sociedade Sr. Wu Zhigang Secretário (Nomeado em 21 de Março de 2018) Sr. Zheng Kai Secretário (Renunciou em 21 de Março de 2018)


publicidade 9

quarta-feira 17.7.2019

AVISO Faz-se saber que em relação ao concurso público para « Empreitada de concepção e construção da passagem superior para peões do Posto Fronteiriço Qingmao », publicado no Boletim Oficial da Região Administrativa Especial de Macau n.º 24, II Série, de 12 de Junho de 2019, foram prestados esclarecimentos, nos termos do artigo 2.2 do programa do concurso, e foi feita aclaração complementar conforme necessidades, pela entidade que realiza o concurso e juntos ao processo do concurso. Os referidos esclarecimentos e aclaração complementar encontram-se disponíveis para consulta, durante o horário de expediente, no Gabinete para o Desenvolvimento de Infra-estruturas, sito na Av. do Dr. Rodrigo Rodrigues, Edifício Nam Kwong, 10.º andar, Macau. Gabinete para o Desenvolvimento de Infraestruturas, aos 10 de Julho de 2019. O Coordenador do Gabinete Lam Wai Hou

AVISO COBRANÇA DA CONTRIBUIÇÃO ESPECIAL

Anúncio

Anúncio

Faz-se saber que no concurso público n.o 24/P/19 para o «Fornecimento e Instalação de Um Aparelho de Ultrassonografia Portátil aos Serviços de Saúde», publicado no Boletim Oficial da Região Administrativa Especial de Macau n.º 26, II Série, de 26 de Junho de 2019, foram prestados esclarecimentos, nos termos do artigo 4.º do programa do concurso público pela entidade que o realiza e que foram juntos ao respectivo processo.

Faz-se saber que no concurso público n.o 25/P/19 para o «Fornecimento e Instalação de Sistemas de Localização de Radiações e Aparelhos de Termografia por Infravermelhos aos Serviços de Saúde (Posto Fronteiriço de Hengqin)», publicado no Boletim Oficial da Região Administrativa Especial de Macau n.º 26, II Série, de 26 de Junho de 2019, foram prestados esclarecimentos, nos termos do artigo 4.º do programa do concurso público pela entidade que o realiza e que foram juntos ao respectivo processo.

Os referidos esclarecimentos encontram-se disponíveis para consulta durante o horário de expediente na Divisão de Aprovisionamento e Economato dos Serviços de Saúde, sita no 1.º andar, da Estrada de S. Francisco, n.º 5, Macau, e também estão disponíveis na página electrónica dos S.S. (www.ssm.gov.mo).

Os referidos esclarecimentos encontram-se disponíveis para consulta durante o horário de expediente na Divisão de Aprovisionamento e Economato dos Serviços de Saúde, sita no 1.º andar, da Estrada de S. Francisco, n.º 5, Macau, e também estão disponíveis na página electrónica dos S.S. (www.ssm.gov.mo).

Serviços de Saúde, aos 11 de Julho de 2019

2019

O Director dos Serviços Lei Chin Ion

Serviços de Saúde, aos 11 de Julho de O Director dos Serviços Lei Chin Ion

1. Faço saber que, o prazo de concessão por arrendamento dos terrenos da RAEM abaixo indicados, chegou ao seu término, e, que de acordo com o artigo 53.º da Lei n.º 10/2013 <<Lei de Terras>>, de 2 de Setembro, conjugado com os artigos 2.º e 4.º da Portaria n.º 219/93/M, de 2 de Agosto, foi o mesmo automaticamente renovado por um período de dez anos a contar da data do seu termo, pelo que devem os interessados proceder ao pagamento da contribuição especial liquidada pela Direcção dos Serviços de Solos, Obras Públicas e Transportes. Localização dos terrenos: - Estrada de Nossa Senhora de Ká-Hó, n.º 980A, na Ilha de Coloane. 2. Agradece-se aos contribuintes que, no prazo de 30 dias subsequentes à data da notificação, se dirijam à Recebedoria destes serviços, situada no rés-do-chão do Edifício “Finanças”, ao Centro de Serviços da RAEM, ou, ao Centro de Serviços da RAEM das Ilhas, para os efeitos do respectivo pagamento. 3. Na falta de pagamento da contribuição no prazo estipulado, procede-se à cobrança coerciva da dívida, de acordo com o disposto no artigo 6.º da Portaria acima mencionada.

Aos, 14 de Junho de 2019. O Director dos Serviços de Finanças, Iong Kong Leong

AVISO COBRANÇA DA CONTRIBUIÇÃO ESPECIAL 1. Faço saber que, o prazo de concessão por arrendamento dos terrenos da RAEM abaixo indicados, chegou ao seu término, e, que de acordo com o artigo 53.º da Lei n.º 10/2013 <<Lei de Terras>>, de 2 de Setembro, conjugado com os artigos 2.º e 4.º da Portaria n.º 219/93/M, de 2 de Agosto, foi o mesmo automaticamente renovado por um período de dez anos a contar da data do seu termo, pelo que devem os interessados proceder ao pagamento da contribuição especial liquidada pela Direcção dos Serviços de Solos, Obras Públicas e Transportes. Localização dos terrenos: - Avenida do Almirante Lacerda, n.ºs 85 a 89 e Avenida Marginal do Patane, n.ºs 548 a 598, em Macau (Edifício Fairmont Plaza); - Avenida do Ouvidor Arriaga, n.ºs 109 a 109AB, em Macau, (Edifício Nga Man); - Avenida do Ouvidor Arriaga, n.ºs 109B a 111B, em Macau, (Edifício Tak Van); - Rua do Chunambeiro, n.ºs 2 a 2B, em Macau, (Edifício Wan Bun Kui); - Rua do Chunambeiro, n.º 4A, em Macau, (Edifício Mei Keng); - Avenida da Amizade, n.º 355, em Macau, (Edifício Hotel Presidente); - Avenida do Dr. Rodrigo Rodrigues, n.ºs 338 a 362B e Rua de Xangai, n.ºs 196A a 200, em Macau, (Edifício Seguros da China); - Avenida da Praia Grande, n.º 968, em Macau. 2. Agradece-se aos contribuintes que, no prazo de 30 dias subsequentes à data da notificação, se dirijam à Recebedoria destes serviços, situada no rés-do-chão do Edifício “Finanças”, ao Centro de Serviços da RAEM, ou, ao Centro de Serviços da RAEM das Ilhas, para os efeitos do respectivo pagamento. 3. Na falta de pagamento da contribuição no prazo estipulado, procede-se à cobrança coerciva da dívida, de acordo com o disposto no artigo 6.º da Portaria acima mencionada.

Aos, 14 de Junho de 2019. O Director dos Serviços de Finanças, Iong Kong Leong


10 eventos

O “Encontro de Mestres de Wushu 2019”, que tem vindo a crescer e a ganhar seguidores, arranca com novidades trazendo o kickboxing para o programa. A população pode ainda esperar desfiles e espectáculos de dança do Leão e do Dragão a decorrer ao ar livre pela cidade

17.7.2019 quarta-feira

Festa das artes marciais DESPORTO 4º ENCONTRO DE MESTRES DE WUSHU ENTRE 1 E 4 DE AGOSTO

O

evento foi ontem à tarde apresentado à comunicação social, numa cerimónia no Centro de Convenções do Centro de Ciência de Macau, onde foram divulgadas as várias iniciativas enquadradas no cartaz de quatro dias, de 1 a 4 de Agosto, aberto e

gratuito a toda a população e turistas, interessados em conhecer mais sobre as artes marciais chinesas. Segundo Pun Weng Kun, presidente do ID, “o Wushu é um desporto tradicional chinês, com uma longa história em Macau”. Estima-se que 10 mil pessoas o pratiquem actualmente no

território, número avançado pelo responsável, que tem vindo a aumentar com a dinamização que o evento tem trazido à cidade, desde o seu início em 2016. “O Wushu é bastante acolhido pela população e, desde que temos vindo a promover este evento, tanto os residentes de Macau

como os estrangeiros que aqui trabalham têm demonstrado interesse em praticar esta actividade desportiva. Acredito que este número vai continuar a aumentar”, comentou Pun Weng Kun à margem da cerimónia. As exibições apresentadas pelos mestres locais Lei Man Iam, treinador de Kung

Fu e de Tai Chi de estilo Chen, e Leong Sio Nam, presidente da Associação de Qigong Tai Chi Chuan de Macau, a par dos alunos da Escola de Wushu Juvenil de Macau, deram uma ideia das diversas idades dos praticantes e das muitas correntes – físicas e mentais – que as artes marciais preconizam. As iniciativas incluem o “Suncity Grupo ICKF Campeonato Mundial de Combate – Macau”, o “Campeonato de Danças do Dragão e Leão de Uma Faixa, Uma Rota”, o “Campeonato dos Desafiadores de Sanda”, o novo “Campeonato de Kickboxing da Grande Baía”, o “Festival de Wushu de Verão”, a “Parada de Wushu e de Danças do Dragão e do Leão” e o “Espectáculo de Encerramento”.

CAMPEONATOS EM CARTAZ

O “Suncity Grupo ICKF Campeonato Mundial de Combate” vai ter lugar a 1 de Agosto no Pavilhão Polidesportivo Tap Seac, onde participam atletas de vários países e regiões – China, Brasil, EUA, Coreia, Filipinas, Argentina, Cazaquistão, Hong Kong e Macau – que vão disputar, em sete combates com diferentes categorias de peso, o Cinturão Mundial e Asiático da ICKF (International Chinese Kuoshu Federation).


eventos 11

quarta-feira 17.7.2019

HOJE NA CHÁVENA Paula Bicho

Naturopata e Fitoterapeuta • obichodabotica@gmail.com

Cóleo Nome botânico: Coleus forskohlii (Willd.) Briq. Sinonímia científica: Plectranthus forskohlii Willd. Família: Lamiaceae (Labiatae). Nomes populares: BALAKA (sânscrito); FALSO-BOLDO (Brasil); KARIALO (Índia); PASHANBHEDI (sânscrito).

O “Campeonato de Kickboxing da Grande Baía” é a novidade deste ano e acontece no dia 2 de Agosto, na Praça do Tap Seac, com atletas de elite oriundos das cidades de Hong Kong, Shenzhen, Zhuhai, Cantão, Jiangmen e Macau. A participação local é composta por sete atletas e está previsto um Torneio de Exibição entre a atleta Tam Si Long (campeã do Asian Muay Thai Championship) de Macau, e a atleta Nantachat Wangpeng, ex-membro da Equipa da Tailândia. Para participar no “Campeonato de Danças do Dragão e Leão de Uma Faixa, Uma Rota”, a 3 de Agosto, foram convidadas equipas vindas do interior da China, Malásia, Singapura, Indonésia, Vietname, Tailândia, Myanmar, Hong Kong e Macau, distribuídas pelas competições de dança do Leão do Sul e do Dragão Luminoso, que vão decorrer ao início da tarde no Pavilhão. No mesmo sábado, mais tarde, é a vez do “Campeonato dos Desafiadores de Sanda” (combate semelhante ao boxe) demonstrar no Largo do Tap Seac a arte dos atletas de Macau, Anhui, Foshan e Coreia que vão disputar a modalidade.

PARADAS E FESTIVAIS

As restantes actividades são mais de espectáculo e festa,

com o “Festival Wushu de Verão” a abrir o programa dos quatro dias com sessões de palco, workshops, tendas de jogos e outras atracções, sempre na Praça do Tap Seac e no Jardim do Mercado do Iao Hon. No domingo, 4 de Agosto, último dia do encontro, haverá uma “Parada de Wushu e de Danças do Dragão e do Leão” que percorrerá às 17h o Largo do Senado, passando pelas Ruínas de São Paulo e pelo Albergue da Santa Casa da Misericórdia, antes de terminar na Praça do Tap Seac. Ao longo do trajecto, equipas locais e estrangeiras farão demonstrações de Wushu

“O Wushu é bastante acolhido pela população e, desde que promovemos este evento, tanto os residentes de Macau como os estrangeiros que aqui trabalham têm demonstrado interesse em praticar.” PUN WENG KUN PRESIDENTE DO ID

e das tradicionais Danças, interagindo com os cidadãos à sua passagem. O Espectáculo de Encerramento, às 19h de domingo no Pavilhão Polidesportivo Tap Seac, contará com a presença das diversas equipas e dos muitos mestres de artes marciais, locais e estrangeiros, especialistas nas modalidades tradicionais e convidados para integrar a cerimónia. Esta actividade é gratuita ao público, mas os interessados deverão levantar bilhetes, limitados a dois por pessoa, a partir do dia 21 de Julho naquele local. O mesmo acontece para os Campeonatos de Combate ICKF e de Kickboxing, que também se realizam no Pavilhão. O “Encontro de Mestres de Wushu 2019” é organizado em conjunto pelo Instituto do Desporto e pela associação Geral de Wushu de Macau, contando com o apoio e colaboração da Direcção dos Serviços de Turismo, do Instituto Cultural e do Fundo das Indústrias Culturais. O orçamento é de 18 milhões de patacas, a mesma verba dedicada ao evento em 2018. Raquel Moz

raquelmoz.hojemacau@gmail.com

Nativo da Índia, o Cóleo cresce em colinas quentes e secas e nos contrafortes dos Himalaias, sendo também cultivado. Pode ainda ser encontrado em regiões subtropicais e temperadas quentes da Índia, Nepal, Birmânia, Tailândia, Sri Lanka, Brasil e África Oriental. Trata-se de um pequeno arbusto que pode atingir um metro de altura, de caule erecto e raízes tuberosas; as folhas, dispostas em pares alternados, exalam um aroma característico a cânfora. Embora fosse popular como planta ornamental no século XIX, actualmente são inúmeras as espécies do género Coleus usadas com essa finalidade em coloridos vasos domésticos. Planta da milenar medicina ayurvédica, o Cóleo possui um longo histórico de benefícios no tratamento de problemas circulatórios, doenças cardíacas, afecções respiratórias e cutâneas, sendo ainda um remédio digestivo tradicional. Na década de 1970, tornou-se famoso nos meios médicos ocidentais quando um dos seus constituintes foi isolado e as investigações revelaram propriedades terapêuticas exclusivas. Em fitoterapia são usadas as folhas e as raízes. Composição Vários diterpenos, sendo de destacar a forscolina; óleo essencial rico em cânfora, saponinas, lupeol, ácidos olenólico e coleólico, e sais minerais. Embora a forscolina seja considerada o constituinte bioactivo mais relevante, outros fitoquímicos, como o óleo essencial e outros diterpenos, contribuem para a sua absorção e actividade medicinal. A forscolina aumenta os níveis de AMP cíclico (cAMP), uma das mais fundamentais substâncias bioquímicas da vida. Com efeito, níveis celulares mais elevados de cAMP podem influenciar positivamente a força de contracção do músculo cardíaco, o relaxamento do músculo liso das artérias, a secreção de insulina e das hormonas tiroideias, o uso da gordura corporal e as reacções alérgicas e inflamatórias. A forscolina é o único fitoquímico conhecido com este mecanismo de acção. Acção terapêutica Importante tónico cardíaco e circulatório, o Cóleo aumenta a força de contração do

coração sem aumentar o consumo de oxigénio, tornando-o mais eficiente; relaxa os músculos que controlam o tónus dos vasos sanguíneos, exercendo um efeito vasodilatador e reduzindo a pressão arterial; aumenta a irrigação cerebral e inibe a tendência das plaquetas se agregarem formando trombos. É recomendado no tratamento da insuficiência cardíaca, angina de peito, coração senil, hipertensão arterial, insuficiência circulatória cerebral e como tónico circulatório. Está ainda indicado em caso de glaucoma, por reduzir a pressão intraocular (em uso tópico). Com actividade antiespasmódica, broncodilatadora e anti-alérgica, o Cóleo melhora a função respiratória de pacientes asmáticos e com bronquite crónica, sem apresentar os efeitos adversos associados aos medicamentos de síntese. Estimula as secreções digestivas, favorecendo a digestão e a absorção de nutrientes, sendo usado na anorexia e para aliviar a flatulência e sensação de mal-estar abdominal. Pode também ser benéfico no hipotiroidismo e tiroidite de Hashimoto, por aumentar a actividade da glândula tiróide e melhorar a resposta imunitária. É ainda utilizado no tratamento de eczemas e psoríase. Outras propriedades Actualmente, o Cóleo é muito usado no emagrecimento pelas suas propriedades lipolíticas e termogénicas. Ou seja, por um lado, aumenta a degradação da gordura armazenada e favorece a saída dos ácidos gordos das células, ficando estes disponíveis para serem utilizados como fonte de energia; por outro lado, promove a libertação de calor acelerando o metabolismo, o que aumenta os gastos energéticos e a queima de gorduras; também reduz a síntese de novo tecido adiposo. Assim, a sua toma promove a perda de peso e melhora a composição corporal, reduzindo a massa gorda e aumentando a massa magra. Como tomar Uso interno: • Em extracto líquido e cápsulas, em simples e fórmulas, para o emagrecimento, hipotiroidismo e demais indicações. • Na Índia, as folhas são preparadas como especiaria e consumidas em pickles. Precauções Não são conhecidos efeitos adversos nas dosagens terapêuticas. O Cóleo não deve ser administrado a pessoas hipotensas, nem em concomitância com medicamentos para a asma ou hipertensão. Em caso de dúvida, consulte o seu profissional de saúde.


12 china

17.7.2019 quarta-feira

FINANÇAS FIM DE SUBSÍDIOS PARA EMPRESAS ESTATAIS INSUSTENTÁVEIS

O

Trump admitiu que Xi Jinping deixou de ser um “bom amigo”. “Provavelmente, não somos agora tão próximos. Ele é pela China e eu sou pelos EUA, e é assim que tem que ser”

Z

HONG Shan, que recentemente integrou a delegação da China nas negociações com os EUA, por um acordo comercial, acusou Washington de ser o único responsável pelas disputas que ameaçam a economia mundial. As observações, citadas pelo Diário do Povo, o jornal oficial do Partido Comunista Chinês, foram feitas quando funcionários dos dois países se preparam para novas conversações. No mesmo dia, Trump admitiu que o Presidente chinês, Xi Jinping, deixou de ser um “bom amigo”. “Provavelmente, não somos agora tão próximos. Mas eu tenho que defender o nosso país. Ele é pela China e eu sou pelos EUA, e é assim que tem que ser», afirmou. As declarações surgem numa altura em que o secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, e o representante do Comércio norte-americano, Robert Lighthizer, reiniciam as negociações com a China, após a última ronda ter colapsado, em Maio passado. “Esperamos ter outra conversa por telefone, esta semana, e à medida que formos progredindo, acho que há boas chances de irmos” a Pequim, admitiu Mnuchin, em conferência de imprensa.

HISTÓRIA DE COLAPSOS

Trump e Xi acordaram um segundo período de tréguas, após uma

GUERRA COMERCIAL DECLARAÇÕES SUGEREM DIFICULDADES NEGOCIAIS

Amigos da onça

O ministro chinês do Comércio afirmou ontem que Pequim deve lutar pelos interesses nacionais, enquanto o Presidente norte-americano, Donald Trump, considerou que o homólogo chinês deixou de ser seu amigo, sinalizando dificuldade em resolver as disputas comerciais reunião à margem da cimeira do G20, no mês passado. O primeiro colapsou após Trump ter subido as taxas alfandegárias sobre o equivalente a 200 mil milhões de dólares (178 mil milhões de euros) de bens importados da China, acusando Pequim de recuar em compromissos feitos anteriormente. Os EUA esperam que a China anuncie compras significativas de produtos agrícolas norte-americanos, afirmou Larry Kudlow, conselheiro económico de Trump, na segunda-feira, sugerindo que aquela condição é necessária para o avanço das negociações. “Esperamos que a China anuncie em breve algumas compras em

grande escala de bens e serviços agrícolas”, disse Kudlow. Em entrevista ao Diário do Povo, Zhong Shan considerou que “os EUA começaram a disputa económica e comercial com a China, violando os princípios da Organização Mundial do Comércio, num exemplo clássico de unilateralismo e proteccionismo”. “Devemos ter espírito de luta e defender com firmeza os interesses do nosso país e do povo, bem como o sistema comercial multilateral”, apontou. Citado pelo jornal South China Morning Post, o comentador chinês Zhang Lifan disse que os comentários do ministro do Comércio indicam que a China se está a preparar para uma guerra

comercial prolongada com os EUA. “A observação é principalmente destinada ao público interno, mas mostra claramente que a China não tem pressa em chegar a um acordo e está pronta para negociações prolongadas”, disse. “Parece que Pequim está à espera para ver o que acontece depois das eleições [norte-americanas], em 2020”, disse. Os governos das duas maiores economias do mundo impuseram já taxas alfandegárias sobre centenas de milhares de milhões de dólares das exportações de cada um, numa guerra comercial que ameaça a economia mundial.

Governo chinês vai deixar de subsidiar empresas estatais cujas operações são insustentáveis, visando aumentar a “eficiência” da economia chinesa, informou ontema Comissão Nacional de Reforma e Desenvolvimento da China, órgão máximo de planificação económica. O Governo Central e as administrações locais passam a estar proibidos de subsidiar ou oferecer empréstimos a empresas estatais que não sejam capazes de operar sem apoio financeiro, também conhecidas como “empresas zombies”. O objectivo é “realocar” recursos para sectores onde a economia mostra mais potencial de crescimento, encerrando companhias incapazes de se manterem solventes. Segundo a directriz da Comissão Nacional de Reforma e Desenvolvimento, o Governo “deve usar ferramentas de mercado na alocação de recursos, padronizar a concorrência, reduzir as distorções de mercado e promover o fluxo de recursos para entidades mais eficientes”. “Quanto às empresas estatais que já entraram em processo de falência, as partes envolvidas não devem impedir a sua saída” do mercado, lê-se no documento. O plano contempla ainda a criação de um mecanismo de alerta antecipado para essas organizações, bem como um canal legal que possa ser usado para a reestruturação ou falência de uma empresa. O plano já foi apoiado por 13 instituições do gigante asiático, entre as quais o Banco do Povo Chinês (banco central), o Supremo Tribunal, o Ministério das Finanças e a Comissão Nacional de Reforma e Desenvolvimento. A medida foi anunciada um dia após se conhecerem os dados de crescimento económico no segundo trimestre do ano. A economia chinesa cresceu 6,2 por cento, entre Abril e Junho, o ritmo mais lento das últimas três décadas, e 0,5 pontos percentuais a menos do que no mesmo período do ano passado.


região 13

quarta-feira 17.7.2019

ÍNDIA SETE MORTOS E MAIS DE 40 DESAPARECIDOS APÓS COLAPSO DE PRÉDIO

Casas da morte certa

SUL DA ÁSIA MONÇÕES PROVOCARAM 200 MORTOS

A

Um edifício de quatro andares colapsou ontem em Mumbai, na Índia, resultando em sete mortos e deixando várias pessoas presas nos destroços, de acordo com as fontes oficiais

P

ELO menos sete pessoas morrreram, o mesmo número foi resgatado e teme-se que dezenas permaneçam ainda sob os escombros de um edifício de quatro andares que desabou ontem na cidade de Mumbai, na Índia. As autoridades estimam que o número de pessoas no prédio se situe entre 40 e 50 pessoas, de acordo com a agência noticiosa EFE. Uma fonte dos bombeiros, Ashok Talpade, disse que a equipa de resgate conseguiu chegar ao local e salvar três pessoas vivas, incluindo uma criança, levando-as depois para um hospital, tal como noticia a Associated Press. A criança resgatada foi para casa logo após o tratamento, acrescentou. O bombeiro acrescenta que o edifício se situa numa rua estreita, numa área congestionada, o que dificultou o processo de buscas, já que as máquinas industriais necessárias para mover os destroços não conseguem lá entrar. Para auxiliar as buscas, a polícia usou cães farejadores. Foram transmitidas imagens de televisão onde é possível observar-se várias pessoas a formarem uma corrente para removerem os destroços com as próprias mãos.

“O edifício colapsou, fazendo um grande estrondo e nós pensámos que era um terramoto”, declararam os residentes do bairro onde caiu o prédio ao canal de notícias New Delhi Television.

PAREDES CENTENÁRIAS

O edifício tinha 100 anos e no momento da queda viviam 15 famílias, segundo um oficial eleito para o estado de Maharashtra, Devendra Fadanavis. Um deputado da oposição, Waris Pathan, disse que o edifício era um local perigoso, e as autoridades afirmaram que não tinham dinheiro para reconstruir a infra-estrutura. Ashok Talpade disse que foi pedido às famílias que saíssem do prédio há algum tempo, mas continuaram a viver ali. A queda de edifícios é comum na Índia durante a época das chuvas de monção – que ocorrem entre Junho e Setembro – quando as chuvas fortes enfraquecem as estruturas dos edifícios precários, muitos construídos de forma ilegal e com falta de manutenção. No domingo, um prédio de três andares desabou numa região no norte do país, na cidade de Solan, devido às chuvas fortes, fazendo 14 mortos.

A queda de edifícios é comum na Índia durante a época das chuvas de monção, quando as chuvas fortes enfraquecem as estruturas dos edifícios precários, muitos construídos de forma ilegal e com falta de manutenção.

S inundações e os deslizamentos de terra causados pelas chuvas torrenciais das monções provocaram pelo menos 180 mortos no sul da Ásia, segundo um novo balanço feito ontem pelas autoridades dos países afectados. As monções, que ocorrem de Junho a Setembro, são cruciais para a irrigação de culturas e para o abastecimento de água nesta região que abriga um quinto da população mundial. No entanto, todos os anos as chuvas causam destruição e mortes. Na segunda-feira, pelo menos cinco crianças morreram afogadas no Bangladesh e centenas de milhares de pessoas foram afectadas pelas inundações. No Nepal, pelo menos 67 pessoas morreram nas cheias. Especialistas em saúde estão preocupados com possíveis epidemias de doenças transmitidas pela água e pediram ajuda internacional. Na Índia, as monções causaram a morte a cerca de 50 pessoas. Dois estados do norte e do nordeste, Bihar e Assam, são os mais atingidos pelo dilúvio. As autoridades de Assam emitiram um alerta vermelho para as inundações, que até agora causaram 11 mortos e deslocaram 83 mil pessoas. Em Bihar, foram registadas 24 mortes. Na segunda-feira, as Nações Unidas anunciaram estar “prontas para trabalhar com as autoridades dos países afectados em resposta às necessidades humanitárias resultantes da contínua estação das monções”.

EXERCÍCIOS MILITARES COREIA DO NORTE ADVERTE WASHINGTON E SEUL

A

Coreia do Norte advertiu ontem os Estados Unidos de que os exercícios militares planeados por Washington com Seul, no próximo mês, “violariam” compromissos bilaterais e afectariam o diálogo pelo desarmamento na península coreana. Num comunicado do Ministério dos Negócios Estrangeiros

norte-coreano, citado pela agência estatal KCNA, o regime norte-coreano criticou as manobras militares, num momento em que Washington e Pyongyang discutem a retomada das suas negociações sobre a desnuclearização na península coreana. Se Seul e Washington decidirem prosseguir com as ma-

nobras de Dong Maeng, planeadas para Agosto, isso “afectará as reuniões de trabalho” entre os EUA e a Coreia do Norte, segundo um comunicado assinado por um porta-voz do ministério dos Negócios Estrangeiros norte-coreano. “Vamos tomar uma decisão sobre as reuniões de trabalho depois de observar os

movimentos dos Estados Unidos”, acrescenta a nota, referindo que as manobras são consideradas por Pyongyang como uma invasão. Washington e Pyongyang anunciaram que vão realizar sessões de trabalho para chegar a um possível acordo de desnuclearização após a cimeira improvisada a 30 de Junho, na fronteira

das Coreias, entre o líder norte-coreano, Kim Jong-un e o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. “Menos de um mês depois da reunião em Panmunjom entre os líderes da Coreia do Norte e dos Estados Unidos, este país está a preparar-se para reiniciar os exercícios militares conjuntos que prometeu

suspender”, disse noutra declaração o Ministério norte-coreano, também citado ontem pela KCNA. Pyongyang advertiu que, se os exercícios militares forem executados, “serão uma clara violação do espírito” do acordo entre os dois países e instam os Estados Unidos a cumprir os seus compromissos.


14 publicidade

17.7.2019 quarta-feira


quarta-feira 17.7.2019

publicidade 15


16 publicidade

17.7.2019 quarta-feira


quarta-feira 17.7.2019

publicidade 17


18 publicidade

17.7.2019 quarta-feira


quarta-feira 17.7.2019

publicidade 19


20 publicidade

17.7.2019 quarta-feira


quarta-feira 17.7.2019

publicidade 21


22 publicidade

17.7.2019 quarta-feira


h

quarta-feira 17.7.2019

Inútil beleza a tudo rendida

23

A Poesia Completa de Li He

贈 陳 商

Oferecido a Cheng Shang 1

長 安 有 男 兒 , 二 十 心 已 朽 。  

Na cidade de Chang-an vive um rapaz de vinte anos Cujo coração é já só madeira podre. Sobre a sua mesa, empilha-se o Lanka Sutra,2 Ao lado do seu ombro erguem-se as Canções de Chu. A vida toda se verga sob suas angústias, Ao cair da tarde beberica vinho. Sabe já que o caminho lhe está vedado, Inútil esperar que lhe embranqueça o cabelo.

楞 伽 堆 案 前 , 楚 辭 系 肘 後 。   人 生 有 窮 拙 , 日 暮 聊 飲 酒 。    只 今 道 已 塞 , 何 必 須 白 首 ?    淒 淒 陳 述 聖 , 披 褐 鉏 俎 豆 。    學 為 堯 舜 文 , 時 人 責 衰 偶 。    柴 門 車 轍 凍 , 日 下 榆 影 瘦 。    黃 昏 訪 我 來 , 苦 節 青 陽 皺 。    太 華 五 千 仞 , 劈 地 抽 森 秀 。    旁 古 無 寸 尋 , 一 上 戛 牛 斗 。    公 卿 縱 不 憐 , 寧 能 鎖 吾 口 ?    李 生 師 太 華 , 大 坐 看 白 晝 。    逢 霜 作 樸 樕 , 得 氣 為 春 柳 。    禮 節 乃 相 去 , 憔 悴 如 芻 狗 。    風 雪 直 齋 壇 , 墨 組 貫 銅 綬 。    臣 妾 氣 態 間 , 唯 欲 承 箕 帚 。    天眼何時開?古劍庸一吼。

Chen Shu-sheng! – também tu és pobre e desgraçado, Rotamente vestido, labutando em ritos e música. Imitas o estilo de Yao e Shun, Desprezando teus colegas por escreverem prosa decadente.3 Junto a meus portões de buxo congelam as rotinas de carruagem, Os olmos atiram sombras esquálidas ao cair do sol. Vens e me visitas no ocaso amarelo, Amargas estações gravaram linhas na tua face.

A geada me empenou qual carvalho atrofiado, Que um tempo mais gentil faria salgueiro na primavera. O Departamento dos Ritos exilou-me da minha verdadeira natureza, Pareço extenuado e gasto, como cão de palha descartado.5 Por vento e neve, sirvo no Altar do Jejum, O meu cinto negro passado num selo de bronze. O meu trabalho é digno de escravos e servas Que não vêem além da pá e da vassoura. Quando se abrirão os olhos do Céu E soltarão em uníssono um urro estas antigas espadas? 6

1 2 3

pés,4

O Monte Tai-hua eleva-se quarenta mil Despedaçando a terra, sobre todos nós se impõe. Nem um palmo de chão plano em seu redor, Com um só golpe atinge as estrelas do Touro e da Ursa. Por muito que os altos oficiais me detestem, Não podem aferrolhar a minha boca. Tomei Tai-hua por mestre E nele me embrenhei para fitar o dia branco.

4 5 6 7

Cheng Shang era descendente (de quinta geração) da casa real da Dinastia Chen (regnet 557-89). O Lankavatara Sutra (Sutra da Descida a Lanka) é um dos mais importantes clássicos da Escola Chan (jp. Zen). Chen era um entusiástico partidário do movimento gu-wen (lit. “letras antigas”) de Han Yu, que pretendia reinstituir um estilo mais clássico de prosa oposto à maneira floreada da época. Chen levou esta ideia a tal extremo que o próprio Han Yu se queixava que o seu estilo era demasiado arcaico para ser claro. O Monte Tai-hua é uma das cinco montanhas sagradas da China. Os cães de palha eram usados para fins rituais e depois descartados. Montanha do Dragão Negro próxima de Nanjing. Acreditava-se que as espadas antigas possuíam poderes mágicos, como o de voar e rugir como tigres. He, juntamente com Chen, compara-se a uma espada preciosa, esquecida de todos numa caixa.

Tradução de Rui Cascais • Ilustração de Rui Rasquinho Li He (790 a 816) nasceu em Fu-chang durante a Dinastia Tang, pertencendo a um ramo menor da casa imperial. A sua morte prematura aos vinte e sete anos, a par da escassez de pormenores biográficos, deixam-nos apenas com uma espécie de fantasma literário. A Nova História dos Tang (Xin Tang shu) diz-nos que He “nunca escrevia poemas sobre um tópico específico, forçando os seus versos a conformarem-se ao tema, como era prática de outros poetas [...] Tudo quanto escrevia era inquietantemente extraordinário, quebrando com a tradição literária.” Segundo um crítico da Dinastia Song, o alucinátorio idioma poético de Li He é a “linguagem de um imortal demoníaco.” A versão inglesa de referência aqui usada é a tradução clássica da autoria de J.D. Frodsham, intitulada Goddesses, Ghosts, and Demons, publicada em São Francisco, em 1983, pela North Point Press.


h

17.7.2019 quarta-feira

´

DIVINA COMÉDIA Nuno Miguel Guedes

Fintar a vida

LUNCHEON OF THE BOATING PARTY, PIERRE AUGUSTE RENOIR

24

You’ve been cheating on, cheating on me I’ve been cheating on, cheating on you You’ve been cheating on me But I’ve been cheating through this life And all its suffering Vampire Weekend, This life

A

inevitável menina Marina passou agora a acumular funções: para além de sábia do bairro é também a mais informada e contundente crítica destas crónicas. Leu-as todas, sem excepção; e assim, com a legitimidade do leitor fiel, afirmou de viva voz o que tinham em comum: «São todas tristes, senhor Nuno. Ou falam de mortos, ou está zangado, ou está sempre a dizer que vamos todos morrer». Argumento inatacável, este, porque é verdade. Ia responder quando ela pediu: «Escreva sobre coisas bonitas. É Verão, está quase a ir de férias… Deixe lá esse mau feitio». Achei intrigante que alguém que examina pormenorizadamente os tablóides em busca de sexo, sangue e corrupção (e que os encontra sempre) me peça para escrever sobre “coisas bonitas”. Mas prometi-lhe que iria fazer o meu melhor, mesmo sendo contra a minha natureza e, atrevo-me, à natureza humana. Mas depois aconteceu isto: durante o meu habitual percurso de metro sentou-se à minha frente uma mulher da minha idade. Distraído, nem sequer olhei para o seu rosto. Mas eis que ela me re-

conhece e repete o meu nome com alegria, perante a minha surpresa. Seguiu-se uma troca de perguntas e cortesias em que eu tentei disfarçar o melhor que podia um facto simples: não me lembrava da senhora em questão. Durante dez intermináveis minutos limitei-me a responder amenidades sobre o que fazia e a procurar nas suas respostas indícios da sua identidade. Em suma, estava a ser uma espécie de Poirot de mim mesmo: sabendo quem ela era, iria descobrir quem eu era quando a conheci. Quando com algum alívio cheguei ao meu destino não tinha decifrado o mistério. Ainda não o consegui. Este fenómeno acontece-me cada vez com mais frequência. Antes, na

“Trata-se no fundo de fintar a verdade, de fintar a vida. Sabemos como isto vai acabar, mas elaboramos dribles e reviengas várias porque tem de ser. Porque, no limite, isso é viver e deixar viver.”

minha juventude, auto-proclamei-me nomenclator de um amigo que tinha exactamente o mesmo problema. O nomenclator, já que não perguntaram, era um escravo utilizado pelos patrícios do império romano e que tinha como função lembrar ao amo quem era fulano ou fulana e o que faziam. Isto era especialmente útil em funções políticas ou em situações sociais. Entrávamos num bar, chegava alguém que falava connosco e eu segredava-lhe: «É X e faz y. Bebemos copos com ele ontem.» Na altura ria muito deste meu amigo, que de resto não melhorou da sua condição. Mas agora quem gostaria de ter um nomenclator era eu. Na sua ausência perco-me em malabarismos verbais, falsas expressões de reconhecimento e sorrisos patéticos entremeados com afirmações vagas. Suponho que não seja um espectáculo bonito de se ver. Mas o que seria se dissesse sempre a verdade: «Desculpe, minha senhora, mas não estou a ver…» Imaginemos que quem nos saúda é um amigo com quem vivemos tempos preciosos ou com quem estivemos apenas há alguns dias? Não, aqui a convenção e a hipocrisia inofensiva são valores civilizacionais que é preciso manter. Trata-se no fundo de fintar a verdade, de fintar a vida. Sabemos como isto vai acabar, mas elaboramos dribles e reviengas várias porque tem de ser. Porque, no limite, isso é viver e deixar viver. Não sei se isto é uma coisa bonita, menina Marina, mas olhe: é mesmo o que há.


ARTES, LETRAS E IDEIAS 25

quarta-feira 17.7.2019

João Paulo Cotrim

MONUMENTAL, LISBOA, 6 JULHO Éramos poucos a celebrar o Levi [Condinho] no lançamento alfacinha do seu, por interpostos Miguel Martins e António Cabrita, «Pequeno Roteiro Cego». Ainda assim, chegámos para reconhecer as figurações fulgurantes do seu espírito. Torna-se fácil, ao falar dos seus versos, resvalar para a personalidade, tal o carisma. Sem evitar cair na saborosa armadilha, esqueci detalhe que se me fez caro, a presença nos poemas de um deus doméstico, mas indomesticável, parceiro de conversas, objecto de desafio, afinal, suprema melodia identitária. De assinalar, a celebração da amizade do Miguel com o autor, as interpretações do [José] Anjos e os Favola da Medusa a repercutir improvisos. Seguiu-se jantar na Coutada, recheado como poucos a recordações. Há momentos – ou serão lugares? – que se fundem em antenas. MÁRTIRES DA PÁTRIA, LISBOA, 6 JULHO Não vem cantada, a notícia. Morreu João Gilberto quando o oiço no peito, na cabeça, nas mãos? Ai, esta maneira de estender os versos que nem roupa lavada, cheirosa. Ai, a dança das linhas nos dedos, que vi de perto, em tolo êxtase – por onde andam essas fotos? Ai, a simplicidade em crescendo até ao nó do que nos explica, a dor cantada e o riso acanhado, o amanhecer e a carne, a boémia e a fé, a alegria palpável por entre lágrimas, o sussurro e a inflexão, o desdobramento que nem linha de comboio, a doba da lã, a dobra do linho, a roupagem perfumada e dobrada nas gavetas do fundo de nós. Este sussurro fez-se chão, é céu, é rumo, «é madeira de vento, tombo da ribanceira/ é o mistério profundo, o queira ou não queira/ é o vento ventando, é o fim da ladeira/ é a viga, é o vão, festa da cumeeira// é a chuva chovendo, é conversa ribeira/ Das águas de março, é o fim da canseira». «Águas de Março», que melhor rol da vida inteira? «É o fundo do poço, é o fim do caminho/ no rosto o desgosto, é um pouco sozinho». O Verão finou-se, sobro cada vez mais sozinho. SANTA BÁRBARA, LISBOA, 7 JULHO Ignoro a agenda sufocante, nem preciso do pessoano conselho. Dormito e acedo à tentação da lingerie contada por voz anónima nas «Confissões de Um Travesti» (ed. Orfeu Negro), e ilustradas pelo João [Maio Pinto] (exemplo algures na página). Pode uma cabeça perdida encontrar-se pela palavra? Quem escreva para pensar não pode ignorar a potência do texto erótico, que parte do estímulo mais livre em busca do pensamento, revelando que as formas não se soltam das ideias. Ou vice-versa. Este texto voa baixinho e a maior parte das transparências são apenas isso,

Geometria descrita me utilizei de toda escala/ E no final não sobrou nada,/ Não deu em nada.// E voltei pra minha nota/ Como eu volto pra você.» Você, o outro que vejo, digo, desejo. O suculento texto de enquadramento de Filomena Serra assinala o peso da cumplicidade e da amizade nestes retratos, na simplicidade afinal desconcertante da pose, digo, atitude, digo, nudez. Eles são, não estão. Ele Agostinho da Silva, Alexandre O’Neill, Hilda Hist, Jorge de Sena, Sophia, o «irmão» José-Augusto França e por aí adiante. Transfiguram-se em paisagem, desdobram-se, entregam-se. O corpo todo no rosto. A realidade toda na criação. A invenção do desejo. Diz o artista, a modos que «quanto mais desejo/ mais invento o que vejo// quanto mais vejo/ mais invento o que desejo// quanto mais invento/ mais desejo o que vejo».

JOÃO MAIO PINTO

Diário de um editor

descrição do que perpassa. Duvido que o autor fosse, de facto, travesti. Quando muito, voyeur, provavelmente apenas curioso em modo de exercício divertido. Salvam-se as luxuriantes ilustrações do João. Possuem momentos explícitos, suscitados pelo texto, mas são apenas mais uma peça de um lego governado pelo olhar. O corpo desfaz-se em elementos, que se juntam a outros naturais, pau, pedra, planta, espinhos, mecânicos, bomba de bicicleta, urdiduras, textos, farrapos, «dis-formas», cores, mesclados em composição surreal e orgânica, vitrais de improvável catedral. Na celebração fulminante do desejo, somos partes, momentos, gestos. Um olho pode ser lábio. E vice-versa. HORTA SECA, LISBOA, 11 JULHO Devia tê-lo feito. Os anos-anões que me sobram permitiriam esse quebrar as regras, mais ainda as íntimas, que as outras lá foram sendo desobedecidas, com muito respeitinho. Não consegui rasgar a página e pô-la em altar defronte. Para que os olhos, e o corpo por inteiro na sequência, ali encontrassem, refrigério. «Luz teimosa», eis o título deste fascinante desenho-

-de-luz de Fernando Lemos, incluído na colecção Ph. (ed. Imprensa Nacional), em quarto volume que se afirma definitivamente no papel de extraordinário serviço público, que disso falamos quando se acendem memórias. Em canto de corredor, estas linhas de luz parecem conversar, as portas abrindo para segredo, bocas do mistério permitindo o contacto fulcral de subtis fonteiras, alicerces de um real por acontecer, ou então cenário do sucedido. O artista revela de que falamos quando falamos de surrealismo: dá-se aqui o reverso. Casa que seja nossa, íntima de sangue e sopro, deve ser erguida sobre alicerces de luz. Os cruzamentos espectrais de cintilações conspiram para erguer habitação. As portas sussurram entre si, talvez incomodadas pelo olhar da fotografia, afinal sinónimo de fotógrafo. Não arranquei a foto, não fui capaz. Encontro nestas notáveis fotografias, que fazem dos rostos enormes palcos do humano, as sonoridades marítimas de João Gilberto. E o seu gesto de quase nada, uma nota apenas que muda. «Quanta gente existe por aí/ Que fala fala e não diz nada,/ Ou quase nada./ Já

Pode uma cabeça perdida encontrar-se pela palavra? Quem escreva para pensar não pode ignorar a potência do texto erótico, que parte do estímulo mais livre em busca do pensamento, revelando que as formas não se soltam das ideias. Ou vice-versa

ADEGA DA BAIRRADA, LISBOA, 12 JULHO Andava o gordo a arrastar-se procurando sua sazão, tentando escapar aos assomos de verão sinistro, que se desdobram, acima de tudo, nas fragâncias de quando um quarto do ano era liberdade primitiva, cheia de outros medos, de quartos partilhadas, às vezes, mas distintos sempre, com aberturas acima e abaixo, baralhando os quadrantes do mistério, daqueles universos longínquos, de encontro bruto com a natureza completa, da aranha à vaca, do milho à uva, do leite coalhado ao mosto, do pão acabado de fazer ao peixe frito ao pequeno-almoço, da gadanha ao rádio das noites com noticiário e naperon incluído, natureza que incluía o estiramento da família também, primas e primos e mais primos e mais primas, sem contar com tios e tias, o conjunto regado a implicações e beijos, piores estes que aquelas. O gordo tenta e o passado manda. Vai de almoçar com velhos colegas apenas para confirmar que o passado custa a acontecer para quem tenha a memória desfocada. Temos ainda algures alguma coisa dos vetustos índios do forte Afonso Domingues em ruínas? RTP1, BARCELONA, 14 JULHO Tive um stick de hóquei. Não me lembro de ter tido patins. Joguei apenas nos corredores pequenos e estreitos da Rua Castelo. Parti jarras e admoestações, «a gente faz o que o coração dita». Devo ter visto mais touradas ao vivo que jogos de hóqueis em patins. Só me acode o Livramento. Nostalgia deve ser esta vibração com modalidade na qual a televisão não substituiu a rádio: quem vislumbra o golo? Celebro, por tido isso, a vitória de um guarda-redes, o mais improvável dos heróis na época dos esteroides. Como encher um alvo e impedir os disparos fulminantes? Perguntem ao Ângelo Girão, campeão do mundo.


?

Diariamente EXPOSIÇÃO 39 | ”CORES DA ÁSIA” Casas Museu da Taipa | Até 22/09

3 0 9 6 7 4 8 2 5 1 0 3 6 4 5 1 3 8 4 7 9 0 2 6 EXPOSIÇÃO | “DE HOLLYWOOD AO MÓNACO”” Galaxy 4 Macau 2 0| Até 28/08 5 3 6 7 9 1 8 6 4 | “ENCONTRO 1 0 2INESPERADOS” 8 3 7 9 5 EXPOSIÇÃO City of Dreams | Até 31/08 1 9 6 7 8 5 2 4 0 3 EXPOSIÇÃO 2 8 | EXPOSIÇÃO 4 1 “BELEZA 9 3 NA5NOVA6ERA:7 0 OBRAS-PRIMAS DA COLECÇÃO DO MUSEU NACIONAL 5 2 6 0 1 8 4 9 DE 7 ARTE 3 DA CHINA” MAM 0 6 7 3 1 9 4 5 8 2 ESPECTÁCULO 9 5 8| FUERZA 4 BRUTA 0 2WAYRA6 1 3 7 EXPOSIÇÃO | “CABEÇAS FELIZES” 8 Jorge 7 Álvares 2 9| Até515/081 Praça

MGM Theatre | Até 4 de Agosto

41 1 2 6 5 9 7 8 0 4 3

7 3 0 2 8 5 4 1 6 9

8 9 4 3 6 1 5 2 0 7

Cineteatro

4 6 1 7 3 0 9 5 2 8

5 0 2 9 7 8 1 4 3 6

6 8 3 1 4 9 0 7 5 2

9 7 5 0 2 3 6 8 1 4

0 4 7 6 1 2 3 9 8 5

2 1 8 4 5 6 7 3 9 0

3 5 9 8 0 4 2 6 7 1

C I N E M A

0 7 4 3 8 1 6 2 MIN 5 6 3 9 1 4 2 5 9 8 7 0

40 2 5 8 0 6 9 1 3 7 4

4 1 7 3 8 0 6 9 2 5

5 9 7 1 27 8 0 3 4 2 6 3 6 1 2 4 5 0 8 9 7

JOVENS HERÓIS 42 5 2 9 7 8 0 4 1 3 6

6 0 3 1 4 8 5 7 9 2

4 8 6 3 9 7 0 2 5 1

2 9 4 8 0 5 4 6 9 5 3 7 7 M1A X2 6 2 8 0 8 6 1 7 3 3 4 0 9 5 1 9 7 4 8 2 3 5 1 6 0 1 5 2 6 3 4 8 9 0 7

5 0 9 7 1 6 2 4 3 8

6 3 2 9 7 4 8 0 5 1

1 8 2 6 0 3 4 0 93 44 7 1 5 7 8 9 6 5 3 2 0 8 5 1 3 2 7 6 4 9

7 4 0 5 9 1 3 2 8 6

9 7 0 2 1 5 6 3 4 8

SOLUÇÃO DO PROBLEMA 42

3 1 4 0 2 9 7 6 8 5

7 9 5 8 6 3 1 0 2 4

8 6 1 5 0 2 3 4 7 9

Nanette seria só mais um espectáculo de standup comedy. Mas Hannah Gadsby faz de Nanette uma oportunidade para contar a sua história num misto de tragédia e comédia. Hannah é natural de uma pequena cidade da Ilha da Tasmânia, na Austrália, onde até 1997 ser homossexual era, além de pecado, crime. Ao longo da sua vida, sofreu abusos sexuais e de uma série de preconceitos, alguns vindos dela mesma. Durante anos usou a autodepreciação como forma de fazer comédia. Até hoje, aos 40 anos, não teve coragem de se assumir para avó. Em Nannete Hanna despe-se e despede-se num alerta sempre válido contra o preconceito e o abuso de poder. Sofia Margarida Mota

THE WHITE STORM 2 DRUG LORDS TOY STORY 4 [A] FALADO EM CANTONENSE Um filme de: Josh Colley 14.30, 16.30, 19.30, 21.30 SALA 2

SPIDER-MAN: FAR FROM HOME [B] Um filme de: Jon Watts Com: Tom Holland, Samuel L. Jackson,

Jake Gyllenhaal, Zandaya 14.15, 16.45, 19.15, 21.45 SALA 3

THE WHITE STORM 2 DRUG LORDS [C] FALADO EM CANTONENSE LEGENDADO EM CHINÊS E INGLÊS Um filme de: Herman Yau Com: Andy Lau, Louis Koo, Michael Min 14.30, 16.30, 19.30, 21.30

www. hojemacau. com.mo

1 2 6 4 5 8 9 7 0 3

6 9 5 2 7 4 0 1 50-90% 4 8 3 7 8 5 1 0 2 6 9 3

45

8 9 3 6 0 7 4 5 1 2

9 7 8 2 3 6 0 4 5 1

4 3 6 1 2 5 7 9 0 8

3 8 0 2 • 9 6 7 4 1 5 0 5 4 8 1 9 3 7 2 6

1 5 4 7 6 3 9 2 8 4 3 6 O 0E U1R 2 5 8 1 3 0 9 2 9 5 8 7 0 6 4 7 1 9 5 6 8 4 2 0 7 3

7 0 2 3 6 8 5 1 9 4

6 1 9 7 0 3 8 5 4 2

2 7 0 1 9 4 5 6 3 9 5 8 79 .30 36 0 2 9 4 1 2 6 8 7 3 4 5 8 0 1 5 2 0 9 4 1 6 3 8 7

8 4 7 5 9 2 1 6 3 0

3 8 1 4 7 0 9 2 6 5

44

17.7.2019 quarta-feira

8 6 1 8 7 2 0 2 9 3 5 4 1 5 4 9 8 0 7 0 3 6 1 7 BAHT 0.26 YUAN 5 1 0 2 6 5 4 7 8 4 3 9 6 9 CÃO 5 0 2 6 VIDA DE 3 3 6 1 0 8 9 4 7 5 9 3 O PLÁSTICO 2 8 2 7 4 1

DE CADA DIA

2 6 3 0 5 7 4 8 1 9

Na província de Henan, centro da China, praticantes de artes marciais mostram os seus talentos e violam as leis da física em frente de um Templo Shaolin, com a Montanha Songshan como pano de fundo.

UM FILME HOJE

SALA 1

3 6 1 7 5 2 9 8 HUM 0 3 4 5 2 9 6 0 7 1 8 4

43

2 3 7 4 5 1 9 8 6 0

0 4 8 9 7 6 2 5 1 3

43

5 7 4 3 1 2

47 91 3 6 9 85 72 4 8 0 37

32 0 04 8 9 3 7 46 1 55

PROBLEMA 43

5 7 3 4 06 51 2 9 8 0

58 66 7 35 10 84 03 2 79 41

40 31 9 62 28 15 96 7 04 73

7 5 0 1 73 08 9 4 6 2

74 8 62 0 7 6 5 81 3 09

45

9 4 3 6 2 3 2 6 5 0 9 0 1 8

47

9 8 1 9 3

2 3 7

5 9 2 1

5 8 7

8

03 9 1 6 62 90 8 5 7 14

6 04 15 7 51 49 0 33 92 8

3 2 8 1 0 7 5 0 7 4 2 6 5 9

S U D O K U

3 8 6 0 8 9 2 5 1 4 7 3 3 7 6 0 8 2 9 1 5 4 1 3 7 4 9 8 6 0 2 5 TEMPO POUCO NUBLADO 4 5 0 3 6 9 2 7 8 1 8 2 1 7 5 4 3 9 6 0 7 6 4 8 3 1 0 5 9 2 9 3 1 FAZER 0 6 8 2 4 7 O5 QUE 2 1 5SEMANA 6 7 3 4 8 0 9 ESTA 0 8 9 2 4 7 5 3 1 6

38

LI JIANAN XINHUA BARCROFT MEDIA

37

26 (f)utilidades 9 4 2 5 1 0 7 6

9 2 8 3 4 7 1 0 5 6

4 3 0 7 1 8 6 2 7 9 4 2 31 . 81 74 5 0 6 1 7 3 2 5 9 8 6 1 0 9 5

46

De manhã na pastelaria, enquanto aguardo pelo café, vejo duas crianças a comprar 5 4 cinco 3 pães. 7 8Cada2carcaça 1 9 pão. Compram é colocada num saco pequeno, e depois 9 0 8 5 2 6 7 3 os cinco sacos vão para um maior. Há também6uma dois 0 2 senhora 9 3que1compra 4 8 bolos do mesmo género, uma sandes e 1 7 baguete. 6 0O procedimento 4 5 9 2 uma pequena é idêntico ao anterior. Mas aqui, os sa4 1 repartem-se 2 8 0e cada 3 grupo 5 6 cos pequenos de alimentos 0 6 já 5nos 9seus7saquinhos 8 4 é1 distribuidor por dois sacos maiores. A 9 1 de6levar3um0 senhora7lembrou-se café,2 mas 4 pelos vistos as mão não chegavam para o 3 Mais 5 4um saco 1 6pequeno 7 0 transporte. para 8 levar o8copo. 3 Até7agora, 2 num 9 1intervalo 6 5 de tempo de menos de dois minutos: 13 sacos de 2plástico. 8 0O ritmo 4 5não 9melhora. 3 7 Meia hora depois, num supermercado perto da redacção, o senhor à minha frente na44 fila para pagar compra dois maços de cigarros, uma cuvete de melancia e uma garrafa5 de água. 1 7 9Dois82sacos 24de0plástico. 3 15 Segui eu com o tradicional um maço de cigarros, de água bule 5 2 29uma4 garrafa 6 1 64 37 e9um 7 de vidro. O rapaz da caixa, que já vinha 09 4recuou 7 quando 5 8me27 de saco6 em punho viu. 3 Pôs de lado. A mim seguia-se uma fila 3 8 51 27 09 44 1de 6 clientes, e umas centenas de sacos para gastar. 1 É10assim 9 o consumo 76 35 de 63plástico 28 5que 09 o Governo finge querer combater. É este 7 08 que 1 não 83vai49penalizar 95 70os esta6 22 Executivo belecimentos que não cumpram a lei que 6 É02esta16a educação 71 57 que 8 se 4 está em9análise. está a dar crianças 4 às 5 9 continuam 8 3 0sem 1 2 que 9 7 fazer ideia de que têm um papel nesta luta por4um7 bocadinho 3 6menos 03 de 48poluição. 1 9 É 80 7 esta a sensibilização aos adultos que na 2 3 mesmo 51 10saber. 6 4 2 querem 3 prática 8 não Sofia 9 Margarida Mota

48

46

6

0

3 2 GADSBY 9 NANETTE |8 HANNAH 5 2 6 7 3 8

7 6 2 4 1 0 6 9 1 4 3 1 0 3 2 9 1 6 0 5 9 7

1

5 6 1 8 9 2 4 7 0 3

9 0 3 5 7 1 8 4 2 6

0 1 7 8 9 3 5 2 4 6

6 4 5 3 7 2 8 9 0 1

6 80 9 7 47 31 2 1 52 0

4 0 1 9 8 5 3 6 2 7

5

8 9 7 3 2 5 9 4

48

5 0 7 3 8 2 0 3 7 6 8 9 2 4 8 6 4 3 9 0 1 5 8 0 5 8 9 8 7 3 8 5 2 1 6 7 5 6 2 4 7 6 2 0 2 1 0 7 7 0 9 6 2 Propriedade Fábrica de Notícias, Lda Director Carlos Morais José Editor João Luz; José C. Mendes Redacção Andreia Sofia Silva; João Santos Filipe; Sofia Margarida Mota 8 António 6 Castro 9 Caeiro;7António4Falcão; Gisela 5 Casimiro; 3 0Gonçalo Lobo Pinheiro; João 4 Paulo Cotrim; José 9 Drummond; 8 3José0Navarro de Colaboradores Amélia Vieira; António Cabrita; Andrade; José Simões Morais; Luis Carmelo; Michel Reis; Nuno Miguel Guedes; Paulo José Miranda; Paulo Maia e Carmo; Rita Taborda Duarte; Rui Cascais; Rui Filipe Torres; Sérgio 7 Rasquinho; Paul Chan 4 Wai1Chi; Paula Bicho; 8 David 9 Chan; João Romão; 3 Jorge 7 Morbey; Jorge Rodrigues Simão; Olavo Fonseca; Valério Romão Colunistas António Conceição Júnior; Tânia dos Santos Cartoonista Steph Grafismo Paulo Borges, Rómulo Santos Ilustração Rui Rasquinho Agências Lusa; Xinhua Fotografia Hoje Macau; Lusa; 0 3 2 4 3 5 GCS; Xinhua4Secretária 9 de redacção e Publicidade Madalena da Silva (publicidade@hojemacau.com.mo) Assistente de marketing Vincent Vong Impressão Tipografia Welfare Morada Calçada de Santo Agostinho, n.º 19, Centro Comercial Nam Yue, 6.º andar A, Macau Telefone 28752401 Fax 28752405 e-mail info@hojemacau.com.mo Sítio www.hojemacau.com.mo

0 9 3 6 2


opinião 27

quarta-feira 17.7.2019

sexanálise

TÂNIA DOS SANTOS

Caçando unicórnios MENAGE A TROIS, LAURENT PRONEUR

O

S unicórnios são seres míticos (raros), que agora vêm a sua correspondência no mundo do sexo. Os casais que andam à procura de um unicórnio estão à procura ‘da’ mulher que se possa juntar à sua actividade sexual e fazer parte no tão desejado ménage à trois. Esta procura por unicórnios – que parece ocupar as plataformas na procura de parceiros sexuais/ amorosos – é problemática de várias formas. Até começam a existir grupos no facebook para aquelas (unicórnias) que já sofreram com esta caça. E o que é, exatamente, um unicórnio? O unicórnio é uma mulher que gosta de homens e de mulheres. Um pré-requisito fundamental para que o ménage a trois corra na perfeição: alguém que goste de interagir com vulvas e pénis. Nestas plataformas românticas, têm se visto formas muito sofisticadas de atrair estes unicórnios para o leito heterossexual – o que só demonstra a falta de ética que este processo de procura do unicórnio anda a sofrer. Os ditos unicórnios andam a ser atraídos por conversas que se julgavam íntimas e próximas, normalmente com uma mulher – normalmente a julgar que o jogo é a dois – que depois descambam para uma tentativa de empurrá-la não só para a cama, mas para a cama com um namorado que está pronto para apreciar o amor lésbico.

Bem sabemos que a pornografia veio normalizar esta forma de amor homossexual - e que o mantém dentro dos limites da suposta normalidade sexual pornográfica. Estes caçadores de unicórnios põem em evidência valores muito instrumentalistas do sexo. Como se as pessoas – os ditos unicórnios – estivessem ao dispor desta sexualidade que serve para acalmar os apetites dos casais que assim o querem. Também põem em evidência valores particularmente masculinos – ao enfatizar esta constelação de um homem com duas mulheres para a melhor orgia possível. Claro que a política do pénis único nestas formas de sexualidade costumam ser a regra e raramente a excepção. O que até parecia uma abertura progressiva à sexualidade - em casal heterossexual inovar a sua sexualidade ao incluir um terceiro elemento, é um mobilizar dos valores já vigentes de papéis de género e dar-lhe uma nova e confusa roupagem que afinal... vem redefinir pouco estes valores mais tradicionais. Há unicórnios que se referem a esta prática de caça ao unicórnio como uma forma de bifobia, por não se compreender de facto o que é a bissexualidade. Assume-se que esta vontade por vulvas e pénis é

Os casais que andam à procura de um unicórnio estão à procura ‘da’ mulher que se possa juntar à sua actividade sexual e fazer parte no tão desejado ménage à trois

plural. Quando se pensa na bissexualidade dá-se como garantida a disponibilidade por participar nestas formas de sexo colectivas quando pode nem ser o caso. Mas por outro lado, há unicórnios que fazem uso desta identidade com orgulho. Transformam em verbo o acto de se unicornizar – e disponibilizam-se para serem os unicórnios que os casais heterossexuais andam à procura. Nenhuma ideia de unicórnio ou caça ao unicórnio é problemática em si. Só que temos assistido a representações de bissexualidade que são problemáticas, pontos de partida conceptuais que exaltam o sexo como produto (quase comercializável) em vez de um processo de partilha constante. Pelo que tenho visto – e com razão – se é para tratar os unicórnios como objectos de prazer unilaterais, na sua procura e na sua interação, mais vale pagarem a prostitutas para fazerem ‘uso’ de unicórnios. Porque muitas vezes não se assume que os unicórnios se envolvam sem retribuição (que pode ser emocional, relacional e sexual) na dinâmica das relações. Para quem já anda nestas andanças à bastante tempo, e quem oferece aconselhamento a quem anda à procura de um terceiro elemento para satisfazer as suas fantasias, parece claro que os casais estão pouco preparados para perceber os seus limites de prazer e são invulgarmente protectivos em relação ao que eles querem (em vários domínios) e não consideram o unicórnio como um ser com vontade própria. Como qualquer encontro sexual: esta procura e ‘caça’ ao unicórnio abertura à comunicação e à discussão/negociação dos limites do que é o respeito e o prazer nestas formas (ainda assim populares no imaginário) do sexo.


“A morte não tem nada de glorioso. Qualquer um pode morrer.” Johnny Rotten

ITÁLIA ORDENADO RELATÓRIO PARA EXPLULSAR CIGANOS

O

PUB

ministro italiano do Interior, Matteo Salvini, ordenou ontem a realização de um relatório sobre os acampamentos de ciganos no país para localizar aqueles que estão ilegais e “preparar um plano de desalojamento”. Matteo Salvini, que é também vice-primeiro-ministro e líder do partido da Liga (de extrema-direita), pediu aos presidentes das câmaras municipais de todo o país para fazerem um relatório sobre os vários tipos de povos nómadas e ciganos presentes no território e entregar o documento no prazo de duas semanas, anunciou o ministério em comunicado. “O objectivo é verificar a presença de campos ilegais para estabelecer um plano de expulsão”, explicou Salvini, sublinhando que a prioridade deve ser dada “às situações de ilegalidade e degradação que frequentemente se registam nesses acampamentos” e que “constituem um perigo para a ordem pública e a segurança”. O censo, escreveu o ministro na ordem enviada aos autarcas, terá de ter informação sobre o tipo de “alojamento”, a densidade da população, as condições dos acampamentos (existência de água, redes elétricas e esgotos) e o número de menores. Segundo explica, será elaborado “um plano de evacuação progressiva das áreas ilegalmente ocupadas” para “ultrapassar as situações de degradação e restaurar as condições de legalidade”. Salvini afirmou em declarações recentes que “está na hora de os ciganos começarem a pagar pelos serviços”.

PALAVRA DO DIA

Cúmulo da ironia Duterte assina lei contra assédio sexual que proíbe piadas sexistas e piropos

O

Presidente filipino, Rodrigo Duterte, conhecido pelos seus comentários sexistas e até piadas sobre violações, assinou uma lei contra o assédio sexual que sanciona esse tipo de declarações, assim como piropos ou assobios a uma mulher na rua. O gabinete presidencial divulgou na noite de segunda-feira uma cópia da nova lei, denominada “Lei dos Espaços Seguros”, que Duterte assinou em Abril, sem explicar o motivo do atraso na sua publicação. A impulsionadora do projecto de lei, a senadora da oposição Risa Hontiveros, considerou a lei “uma vitória massiva” contra a “cultura crescente de acções sexistas grosseiras” nas ruas e comunidades filipinas. “Com esta lei, vamos recuperar as nossas ruas de perseguidores sexuais e intolerantes de género e vamos tornar os espaços públicos seguros para todos”, assinalou Risa Hontiveros referindo-se à lei que foi aprovada pelas duas Câmaras do Congresso, em Fevereiro. A nova norma define um vasto conjunto de actos ofensivos contra as mulheres como gritos, piropos, assobios, olhares intrusivos, actos misóginos, insultos machistas, comentários sexistas, piadas sexuais ou qualquer acto que implique “in-

uma pena de prisão ou pagar a multa correspondente.

BEIJO FORÇADO

vadir ou ameaçar o espaço pessoal ou a segurança física”. A lei, que também será aplicada no mundo ‘online’, obriga bares, restaurantes, cinemas e outros locais de lazer a instalar sinais de aviso, claramente visíveis, para informar os possíveis infractores, incluindo um número de linha directa para a notificação rápida de crimes. As punições incluem multas e prisão, dependendo da gravidade da ofensa, que no caso de infractores estrangeiros implicará a deportação, depois de cumprir

O Presidente das Filipinas tem estado no centro da polémica em várias ocasiões pelos seus comentários misóginos, sexistas e pejorativos para com as mulheres. O caso mais falado, ocorreu em Junho do ano passado, quando Rodrigo Duterte forçou um beijo nos lábios de uma mulher num acto público com a comunidade filipina em Seul, capital sul-coreana, provocando inúmeras críticas e até manifestações de mulheres nas ruas. Poucas semanas depois, Duterte confessou que preferia ter homens para cargos importantes do seu Governo porque, na sua opinião, “podem receber uma abundância de ordens sem reclamar”, enquanto que as mulheres só são indicadas para alguns cargos, como as pastas do Turismo ou da Educação. No ano passado, Rodrigo Duterte instou os militares do exército filipino a disparar na vagina das guerrilheiras comunistas para que não pudessem procriar, ofereceu “42 virgens” a cada turista que visitasse as Filipinas e ainda brincou com o caso de uma freira australiana que foi violada e assassinada em 1989.

MALÁSIA CHINA QUER “CONSULTAS AMIGÁVEIS” PARA RESOLVER DIFERENDO COM EMPRESA ESTATAL

O

Governo chinês disse ontem desejar que a disputa entre as autoridades da Malásia e uma empresa estatal chinesa em torno da construção de gasodutos possa ser resolvida por meio de “consultas amigáveis”. Um porta-voz do ministério chinês dos Negócios Estrangeiros considerou que o projecto, que estava a ser desenvolvido por uma subsidiária da estatal China National Petroleum Corp., está “de acordo com o contrato”. O primeiro-ministro da Malásia, Mahathir Mohamad, disse na segunda-feira que o seu Governo apreendeu mais de 243 milhões de dólares da conta bancária da China Petroleum Pipeline Bureau, porque os projectos, no valor total de 2,3 mil milhões de dólares, foram cancelados. Mohamad afirmou que a Malásia tem direito a confiscar o dinheiro, já que pagou 80 por cento dos custos da obra, mas apenas 13 por cento ficou concluído. O porta-voz da diplomacia chinesa Geng

Shuang defendeu que os dois lados resolvam as disputas “adequadamente”, através de “consultas amigáveis”. Geng Shuang lembrou que os dois países desfrutam de uma “relação de cooperação amigável a longo prazo” e que Pequim está confiante em trabalhar com a Malásia para aprofundar laços económicos e comerciais. Desde que assumiu o poder depois de uma histórica vitória eleitoral, no ano passado, o Governo de Mahathir cancelou ou reviu projectos de infra-estrutura em larga escala, após ter descoberto que a dívida nacional disparou, culpando a corrupção no governo do ex-primeiro-ministro Najib Razak. Mahathir suspendeu então a construção dos dois gasodutos, um na península da Malásia e outro na ilha de Bornéu, e também uma ligação ferroviária que ligaria a costa oeste da Malásia aos estados rurais orientais, tudo contratos assinados pelo governo anterior. Os três projectos inserem-se em “Uma Faixa, Uma Rota”, lançado por Pequim.

quarta-feira 17.7.2019

PROTECÇÃO CIVIL REVISÃO DA LEI É «PASSO EM FRENTE» PARA ASSOCIAÇÃO DE JORNALISTAS

A

Associação de Imprensa em Português e Inglês de Macau (AIPIM) classificou como “positiva” a revisão da proposta de lei de bases de protecção civil, mas mantém reservas e não descarta a necessidade de mais alterações. “Consideramos que as alterações anunciadas são positivas e um passo em frente, indo ao encontro de algumas preocupações que levantámos”, disse à Lusa o presidente da AIPIM, José Carlos Matias. A proposta inicial, que previa criminalizar a difusão de “notícias falsas, infundadas e tendenciosas” mereceu desde logo críticas da AIPIM - a que se juntaram associações de advogados e pró-democracia do território -, que consideraram os conceitos vagos e subjectivos. Na nova versão entregue sexta-feira à Assembleia Legislativa, o Governo deixou cair estes termos, propondo a criminalização da disseminação de “informações falsas relacionadas com conteúdo ou situações de incidentes súbitos de natureza pública”. Apesar de se mostrar satisfeito com as emendas, o dirigente da AIPIM mantém reservas face à “necessidade de criação deste tipo legal de crime” e defende ser necessário “fazer uma análise detalhada e perceber que outras alterações serão necessárias para melhor salvaguardar a liberdade de expressão e de imprensa”. Num comunicado divulgado esta segunda-feira, o Governo frisou o “tempo estritamente limitado” durante o qual vigora a aplicação do artigo 25.º, a “intenção criminosa” necessária para que este seja aplicado, e prometeu ainda a “protecção máxima da liberdade de expressão”.

Profile for Jornal Hoje Macau

Hoje Macau 17 JUL 2019 # 4332  

N.º 4332 de 17 de JUL de 2019

Hoje Macau 17 JUL 2019 # 4332  

N.º 4332 de 17 de JUL de 2019

Profile for hojemacau
Advertisement