__MAIN_TEXT__
feature-image

Page 1

FAIXA SANGRENTA GRANDE PLANO

Nº 4769 SEGUNDA-FEIRA 17-5-2021 DIRECTOR CARLOS MORAIS JOSÉ

www.hojemacau.com.mo•facebook/hojemacau•twitter/hojemacau

MOP$10

RÓMULO SANTOS

HOJE MACAU

GAZA

NOVO MACAU

MILITARES COM DIREITOS PÁGINA 5

COVID-19

COLOANE ART FESTIVAL

ÚLTIMA

EVENTOS

INFECTADO EM QUARENTENA

PARTILHAS ARTÍSTICAS

hoje macau

Missão cumprida A China, com o contributo de Macau, deu este fim-de-semana um passo histórico no desenvolvimento da sua indústria espacial. O robot Zhurong pousou com sucesso em Marte, juntando a China à restrita lista de países que exploram com sucesso o planeta vermelho. PÁGINA 7

NO TEMPO DOS 8 MESTRES PAULO MAIA E CARMO

EM ESPANHA, MÉXICO E MOLUCAS JOSÉ SIMÕES MORAIS


2 grande plano

GAZA

MORTANDADE SOBE COM ATAQUES ISRAELITAS, ENQUANTO NAÇÕES UNIDAS DISCUTEM SOLUÇÃO

O habitual banho de sangue Depois de uma semana de hostilidades, à hora do fecho desta edição o número de mortos do lado palestiniano ronda as duas centenas, com mais de 50 crianças mortas, enquanto do lado israelita as baixas contam-se pelos dedos de duas mãos. O Conselho de Segurança da ONU reuniu ontem para tentar encontrar uma via que conduza ao cessar-fogo, com a China a culpar Washington pela inacção das Nações Unidas

A

reunião, inicialmente marcada para sexta-feira com carácter de urgência, foi solicitada por 10 dos 15 membros do Conselho de Segurança das Nações Unidas (China, Tunísia, Noruega, Irlanda, Estónia, França, Reino Unido, São Vicente e Granadinas, Níger e Vietname). Os últimos dados do Ministério da Saúde palestiniano apontam para a existência de 181 vítimas mortais na Faixa de Gaza na sequência

17.5.2021 segunda-feira

www.hojemacau.com.mo

dos bombardeamentos do exército israelita. Do lado de Israel, o último balanço dá conta de 10 mortos. Os Estados Unidos, que tinham rejeitado a data de sexta-feira para a reunião, mostraram-se favoráveis a que o encontro se realizasse no início da próxima semana, “para dar um pouco mais de tempo à diplomacia para conseguir resultados”, nas palavras do chefe da diplomacia norte-americana,Antony Blinken. Porém, Washington acabou por concordar em realizar a reunião de emergência

ontem, numa solução de compromisso entre as duas datas, segundo fontes diplomáticas. A realização deste tipo de reuniões de urgência por videoconferência requer o consenso dos 15 Estados membros do Conselho de Segurança, mas tem sido prática comum nos últimos meses, devido à pandemia de covid-19. O Ministro dos Negócios Estrangeiros chinês, Wang Yi, foi uma das vozes que apelou à intervenção do Conselho de Segurança para procurar o alívio da escalada de violência

e culpou os Estados Unidos pela inacção da ONU. “Infelizmente, o conselho tem falhado sem chegar a consensos, com os Estados Unidos a apostarem numa posição que contraria a justiça internacional”, referiu no sábado Wang, citado pela Xinhua, numa conversa telefónica com o seu homólogo palestiniano Shah Mahmood Qureshi. O governante chinês voltou a expressar o apoio à chamada solução de dois estados independentes, via que deve ser a prioridade das Nações Unidas, com vista a colocar de novo Israel e Palestina na mesa de negociações.

Cruz que se carrega

O Comité Internacional da Cruz Vermelha (CICV) pediu ontem aos membros do Conselho de Segurança da ONU que “exerçam influência máxima para acabar com as hostilidades entre Israel e Gaza”, um conflito de “intensidade nunca antes vista”. “As populações de Gaza e de Israel enfrentam o mais intenso ciclo de hostilidades registado em anos”, refere o CICV num comunicado publicado a poucas horas de ter lugar uma reunião virtual do Conselho de Segurança da ONU dedicada ao conflito no Médio Oriente. No mesmo comunicado, citado pela Agência France-Presse (AFP), o CICV apela a todas as partes que “ponham fim à escalada (da violência) e garantam o melhor acesso às pessoas afectadas na Faixa de Gaza”. “A intensidade deste conflito é algo que nunca tínhamos visto antes, com ataques aéreos incessantes contra Gaza, uma zona densamente povoada, e com foguetes a atingirem grandes cidades de Israel, provocando a morte de crianças de ambos os lados”, refere o director-geral do Comité Internacional da Cruz Vermelha, Robert Mardini.

uma hora depois de os militares terem avisado o proprietário que iam atacar o edifício, ordenando a sua evacuação. Através de uma declaração, a AP manifestou-se “chocada e horrorizada” com o ataque israelita, que destruiu a torre que albergava os seus escritórios e os da Al Jazeera, em Gaza, que classificou de um “desenvolvimento incrivelmente inquietante”. “Estamos chocados e horrorizados com o facto de os militares israelitas terem atacado e destruído o edifício que alberga o escritório da AP e outros meios de comunicação em Gaza”, disse o presidente da agência norte-americana de notícias, Gary Pruitt. E acrescentou: “Há muito que conhecem a localização do nosso escritório e sabiam que os jornalistas estavam lá. Fomos avisados de que o edifício seria atingido”. “Este é um desenvolvimento incrivelmente perturbador.

Leve reprimenda

A Casa Branca advertiu Israel de que garantir a segurança dos jornalistas é “primordial”, após uma investida israelita ter destruído um edifício em Gaza onde funcionava a agência de notícias Associated Press, que ficou “chocada e horrorizada” com o ataque. “Dissemos directamente aos israelitas que garantir a segurança dos jornalistas e dos meios de comunicação independentes é uma responsabilidade de importância crítica”, disse a porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki. As forças armadas israelitas destruíram no sábado um edifício que albergava os escritórios da agência de notícias Associated Press (AP) e outras organizações jornalísticas em Gaza, num ataque à capacidade de os meios de comunicação reportarem o que se passa no território. O ataque, cujas razões continuam por explicar, aconteceu

O Ministério da Saúde palestiniano deu conta de


segunda-feira 17.5.2021

Evitámos por pouco a terrível perda de vidas. Cerca de 10 jornalistas e ‘freelancers’ da AP estavam no edifício e, felizmente, conseguimos retirá-los a tempo”, disse.

“Evitámos por pouco a terrível perda de vidas. Cerca de 10 jornalistas e ‘freelancers’ da AP estavam no edifício e, felizmente, conseguimos retirá-los a tempo. O mundo estará menos informado sobre o que está a acontecer em Gaza por causa do que aconteceu hoje.” GARY PRUITT PRESIDENTE DA ASSOCIATED PRESS

grande plano 3

www.hojemacau.com.mo

Pruitt referiu que a AP solicitou informações ao governo israelita e que está em contacto com o Departamento de Estado norte-americano para tentar saber mais. “O mundo estará menos informado sobre o que está a acontecer em Gaza por causa do que aconteceu hoje”, concluiu.

Ex-vizinhos de escritório

Por seu lado, o chefe do gabinete da Al Jazeera na Palestina e em Israel classificou o ataque como um “crime” e uma tentativa de o exército israelita “silenciar os media”. Falando em directo no canal de notícias em língua árabe, o chefe do gabinete da Al Jazeera para a Palestina e Israel, Walid al-Omari, disse que este “crime” era mais um de uma “série de crimes perpetrados pelo exército israelita”, em Gaza. Israel não quer “apenas espalhar a destruição e a morte em Gaza, mas também

silenciar os meios de comunicação social que vêem, documentam e dizem a verdade sobre o que está a acontecer”, adiantou, advertindo que tal “é obviamente impossível”. O proprietário da Torre Jala, Jawad Mehdi, disse que um oficial dos serviços secretos israelitas o avisou, antes do ataque, que tinha uma hora para evacuar o edifício. Mehdi pediu mais 10 minutos para os jornalistas levarem o seu equipamento, o que foi recusado. A Al Jazeera confirmou na rede social Twitter que os seus escritórios estavam no edifício e transmitiu imagens ao vivo do desmoronamento da torre, envolta numa nuvem de poeira. O exército israelita alegou que equipamento militar do Hamas se encontrava no edifício, onde os profissionais dos meios de comunicação estavam a ser utilizados como “escudos humanos”. Disse

ainda que avisou previamente “os civis” no seu interior.

Rotas de fuga

A passagem de Rafah, aberta excepcionalmente pelo Egipto para a entrada das ambulâncias na Faixa de Gaza, não é controlada por Israel, que impôs um bloqueio ao enclave palestiniano há cerca de 15 anos. Por norma, esta passagem fronteiriça está encerrada aos feriados, incluindo a Eid al-Fitr, a celebração muçulmana que marca o fim do jejum do Ramadão e que começou na quarta-feira. Uma criança foi o único sobrevivente depois de um bombardeamento das forças israelitas ter pulverizado no sábado de manhã uma casa no campo de refugiados de al-Shati. Entre os escombros foram encontrados 10 corpos, oito deles de crianças, de acordo com a agência de notícias palestiniana WAFA.

“Infelizmente, o Conselho de Segurança da ONU tem falhado sem chegar a consensos, com os Estados Unidos a apostarem numa posição que contraria a justiça internacional.” WANG YI MINISTRO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS CHINÊS

Ontem de manhã, um ataque aéreo das forças israelitas atacou vários prédios em zonas residenciais e estradas numa parte da cidade de Gaza. Fotos de residentes e jornalistas mostraram os danos provocados pelas bombas, incluindo uma cratera que bloqueou um dos principais acessos a Shifa, o maior hospital da faixa de Gaza. Num comunicado, o secretário-geral da ONU, António Guterres, disse estar “desolado” com o número de baixas civis. “O secretário-geral recorda todas as partes que atacar indiscriminadamente alvos civis e meios de comunicação social são violações das leis internacionais e devem ser evitados a todo o custo”, afirmou em comunicado. O chefe da diplomacia europeia convocou para amanhã uma reunião de emergência dos ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia (UE) por videoconferência para discutir a escalada da violência entre Israel e palestinianos. “Tendo em conta a escalada em curso entre Israel e a Palestina e o número inaceitável de vítimas civis, convoco uma videoconferência extraordinária dos ministros dos Negócios Estrangeiros da UE para terça-feira”, escreveu Josep Borrell na sua conta na rede social Twitter. Segundo o alto representante da UE para os Negócios Estrangeiros e Política de Segurança, os ministros irão “coordenar e discutir a maneira como a UE pode contribuir para pôr fim à violência actual”. 174 vítimas mortais na Faixa de Gaza na sequência dos bombardeamentos do exército israelita. Do lado de Israel, o último balanço aponta para 10 mortos


4 política

17.5.2021 segunda-feira

www.hojemacau.com.mo

ALIANÇA MACAU DESISTÊNCIA DAS ELEIÇÕES MOVIDA POR DOENÇA

ECONOMIA LEI WAI NONG REUNIDO COM GOVERNANTE DE JIANGSU

O

secretário para a Economia e Finanças, Lei Wai Nong, e o vice-Governador do Governo Popular da Província de Jiangsu, Hui Jianlin, reuniram na quinta-feira para discutir as várias áreas em que os governos de ambos territórios podem cooperar. Segundo o comunicado oficial, Hui destacou o papel de Macau “enquanto plataforma de serviços para a cooperação económica e comercial entre a China e os países de língua portuguesa” e disse esperar que a RAEM ajude “as empresas da Província de Jiangsu a entrar no mercado dos países de língua portuguesa”. O vice-Governador destacou ainda a organização em Macau da “Cimeira para o Desenvolvimento Comercial e Industrial da Província de Jiangsu, Macau e os Países de Língua Portuguesa”, que se organiza na RAEM desde 2011. Hui mencionou ainda as ligações ao nível do entretenimento, com a transmissão pelas televisões da província de eventos como a “Noite de Jiangsu no Fórum de Economia de Turismo Global – Macau” ou os concertos de ano novo em Macau, que foram transmitidas pela Jiangsu Satellite TV. Os representantes de Macau deslocaram-se à província de Jiangsu para realizar várias actividade de promoção do turismo.A iniciativa teve como nome “Semana de Macau em Jiangsu” e Lei Wai Nong agradeceu a hospitalidade dos Governo Popular da Província de Jiangsu e do Governo do Município de Nanjing, capital da província. Lei Wai Nong apontou que existe vontade do lado da RAEM de “reforçar a cooperação nas quatro áreas da medicina tradicional chinesa, finanças, tecnologia e cultura”.

Pela sua saúde

O potencial cabeça de lista da Aliança Macau desistiu da corrida eleitoral por motivos de saúde. Kyan Su Lone foi aconselhado pela família e o médico a não participar nas eleições, “uma decisão difícil”. Por outro lado, o dirigente máximo do CCAC afirmou que recebeu cerca de 30 queixas sobre o processo de candidaturas

pátria. Além disso, o quase candidato agradeceu a compreensão, confiança e apoio que recebeu desde que começou a recolher assinaturas. A Aliança Macau entregou a lista da comissão de candidatura com mais de 500 eleitores a 26 de Abril, mas a 10 de Maio enviou uma carta à Comissão de Assuntos Eleitorais da Assembleia Legislativa a declarar a desistência.

Sem grande mal

O comissário contra a corrupção, Chan Tsz King, revelou ontem que o organismo que lidera tinha recebido até ontem cerca de 30 queixas e dezenas de consultas sobre o processo inicial das candidaturas às eleições. Segundo o canal chinês da Rádio Macau, Chan Tsz King apontou que, para já, não se verificaram quaisquer infracções óbvias aos regulamentos, mas apenas dúvidas e mal-entendidos.

Chan Tsz King afirmou que todo o pessoal do CCAC, independentemente da sua categoria, está empenhado no combate à corrupção eleitoral, assegurando a integridade, a justiça e a imparcialidade das eleições

A

PESAR de ter sido algo prudente quando lancei a candidatura, sair da corrida eleitoral foi uma escolha difícil.” Foi desta forma que Kyan Su Lone, representante da Aliança Macau, comentou o seu afastamento das próximas eleições para a Assembleia Legislativa, acrescentando

que não tenciona recandidatar-se num futuro próximo. Em declarações ao jornal Ou Mun, Kyan Su Lone apresentou motivos de saúde para justificar o abandono da corrida, além de confessar ter receio de não aguentar o stress das eleições. Assim sendo, seguindo conselhos familiares e do médico, decidiu sair da corrida e dirigir-se

para Hong Kong para receber tratamento médico. Sem confirmar o tipo de doença de que padece, Kyan Su Lone garantiu que depois de ser refazer dos problemas de saúde irá liderar uma equipa para intervir na vida social de Macau, sobretudo no que diz respeito à diversificação económica, à prosperidade e à divulgação do espírito do amor à

O líder do CCAC apelou ainda à máxima atenção dos candidatos para os regulamentos e lei eleitoral e revelou que o organismo fez cerca de 900 inspecções a actividades de associações, incluindo através de visitas não anunciadas. As declarações de Chan Tsz King foram feitas à margem do evento prova de orientação pela cidade intitulada “Vamos actuar para umas eleições limpas”. Chan Tsz King afirmou que todo o pessoal do CCAC, independentemente da sua categoria, está empenhado no combate à corrupção eleitoral, assegurando a integridade, a justiça e a imparcialidade das eleições. João Luz com N.W.

BIBLIOTECA CENTRAL NG KUOK CHEONG QUER SABER QUAIS FORAM OS CRITÉRIOS DE SELECÇÃO

N

G Kuok Cheong quer ter acesso às qualificações profissionais da Comissão de Avaliação das Candidaturas do projecto da Nova Biblioteca Central e aos critérios de selecção do projecto vencedor. O

pedido foi feito através de interpelação escrita. O deputado pede para confirmar se a manutenção do painel de mosaicos na fachada foi um dos critérios do caderno de encargo, assim como a obrigação

de estabelecer uma relação entre o painel, a praça do Tap Siac e o edifício, para manter as características de ponto de referência cultural e homenagear a história local. O legislador esclarece que ficou com dúvidas

depois de ter recebido queixas sobre o projecto. Na origem das reclamações esteve a não manutenção do painel de mosaicos na fachada. A proposta da Mecanoo, que venceu o concurso público, propõe

a manutenção do painel no interior. Contudo, Ng Kuok Cheong defende que as dúvidas devem ser esclarecidas e que a pontuação das propostas revelada. Por outro lado, recorda que no passado várias obras

públicas ultrapassaram frequentemente o orçamento e o prazo de execução e, para evitar o desperdício, pergunta se há mecanismos para garantir que o orçamento prometido de 500 milhões de patacas é cumprido.


segunda-feira 17.5.2021

A

RÓMULO SANTOS

ELEIÇÕES NOVO MACAU DEFENDE DIREITO DE NOMEAÇÃO DE FORÇAS MILITARIZADAS

Uns mais que os outros

por isso fora desses tempos, deviam poder apoiar as comissões de candidatura”, afirmou. Quanto aos magistrados, Rocky Chan afirmou que a independência é mais importante no trabalho, porque têm a última palavra em relação a decisões que colocam em confronto diferentes partes. Por outro lado, Chan afirmou que a lei para os magistrados define muito claramente que “não têm o direito de participar em actividades políticas”.

HOJE MACAU

Associação Novo Macau considera que os agentes das forças de segurança e bombeiros têm o direito de fazer parte de comissões de candidatura, ao contrário da última interpretação da Comissão para os Assuntos das Eleições para aAssembleia Legislativa (CAEAL). A posição foi tomada ontem numa conferência de imprensa, onde estiveram Sulu Sou e Rocky Chan, vices-presidentes da associação. “Nós concordamos que os trabalhadores do Governo ou os agentes militarizados devem respeitar a neutralidade política quando estão de serviço”, afirmou ontem Rocky Chan, vice-presidente da Novo Macau. “Mas, quando não estão de serviço, esses trabalhadores têm o direito de fazer parte das comissões”, sustentou. As comissões de serviço são uma plataforma que serve como base para se poder fazer uma lista às eleições legislativas. Cada comissão deve ter entre 300 e 500 residentes permanentes. Neste sentido, Chan considerou que para as eleições serem justas é necessário que as pessoas possam apoiar aqueles em que querem votar. “A CAEAL diz que fazer parte de uma comissão de nomeação é uma tomada de posição. Por isso, para eles, os agentes militarizados não têm esse direito. Nós questionamos esta posição e discordamos”, atirou. “Os direitos de fazer parte de uma comissão de nomeação, de eleger e ser eleito fazem parte de uma eleição democrática e em condições de igualdade. Todos os eleitores devem ter o direito de nomear os candi-

política 5

www.hojemacau.com.mo

“Os direitos de fazer parte de uma comissão de nomeação, de eleger e ser eleito fazem parte de uma eleição democrática e em condições de igualdade.”

AAssociação Novo Macau considera que as forças militarizadas devem poder apoiar comissões de candidatura fora das horas de serviço. A CAEAL tem uma leitura diferente datos em que querem votar”, justificou. “Se restringirem o direito de nomeação, vai haver impacto nas eleições, que se torna injusta. É por isso que para nós é muito claro que se não estão de

C

OM os efeitos da pandemia a limitar actividades, como deslocações a Hong Kong, Agnes Lam quer saber quais os planos do Governo para entreter a juventude durante as férias de Verão. O tema foi abordado numa interpelação escrita, revelada na sexta-feira. No documento, a deputada recorda que no ano passado, devido à pandemia, o número de vagas em eventos desportivos e recreativos foi 27.121. Para

serviço têm o direito de fazer parte de uma comissão de candidatura”, acrescentou.

Diferenças de classe

A Novo Macau admite o direito de o pessoal milita-

rizado apoiar comissões de candidatura, mas considera que os juízes devem ficar de fora. Rocky Chan explicou que a dualidade de critérios se deve à lei, que define muito bem as alturas em que os

agentes da polícia estão em “regime de disponibilidade permanente”. Neste regime, o polícia está força do serviço, mas sabe que pode ser chamado a qualquer altura para trabalhar. Se, devido a esta disponibilidade, trabalhar mais de 44 horas por semana, têm direito a um subsídio suplementar. “O regime que veio regular o subsídio suplementar é muito claro,

Uma diversão por decreto Agnes Lam apela ao aumento de actividades de Verão para jovens

este ano, no Conselho da Juventude, já foi avançado que o número deverá aumentar, uma vez que é possível viajar para o Interior sem restrições de maior. Todavia, segundo a interpelação, o número ainda vai ficar longe das vagas disponíveis antes da pandemia, o que para Agnes Lam é uma preocupação. “Sabemos que o número de vagas em actividades

recreativas e desportivas vai aumentar, mas qual vai ser a dimensão do aumento”, questiona a deputada. “Além do crescimento das vagas, será possível aumentar a diversidade de actividades?”, acrescentou. A legisladora revela ainda que tem recebido queixas de pais que tentam inscrever filhos nas actividades de Verão, mas que acabaram por esbarrar na inexistência

de vagas, ou que estas se gastam rapidamente.

Escola estival

Ao mesmo tempo, a deputada considera que as escolas deviam manter-se abertas todos os dias no Verão, à excepção do Domingo. Segundo Agnes Lam, o objectivo seria disponibilizar espaços aos mais jovens, sem sobrecarregar o pessoal das escolas, para praticarem

ROCKY CHAN VICE-PRESIDENTE DA ASSOCIAÇÃO NOVO MACAU

Na ocasião, os representantes da Novo Macau criticaram ainda a CAEAL por considerarem que o órgão foi ambíguo sobre o assunto, num primeira fase, e por não ter afastado a possibilidade de sanções aos funcionários que já apoiaram comissões de candidatura. João Santos Filipe

desporto ou estudarem nas bibliotecas. Lam escreve igualmente que com o aumento de espaços disponíveis é igualmente mais provável que se evitem concentrações de alunos, um objectivo das autoridades face à situação pandémica. A deputada recorda ainda ao Executivo que as restrições de contratação de não-residentes têm feito com que muitas famílias passem dificuldades em casa, porque não conseguem encontrar quem tome conta dos filhos. Neste contexto, pede ao Executivo para responder ao problema. J.S.F.


6 sociedade

17.5.2021 segunda-feira

www.hojemacau.com.mo

BNU LUCROS DO PRIMEIRO TRIMESTRE CAEM 20,8% FACE A 2020

O

Banco Nacional Ultramarino (BNU) em Macau registou lucros de 109,4 milhões de patacas no primeiro trimestre, menos 20,8 por cento em termos anuais, assinalou a instituição na sexta-feira. “Por comparação com Março de 2020, os resultados foram inevitavelmente afectados pela redução das taxas de juro por comparação com os níveis que vigoraram durante grande parte do primeiro trimestre de 2020”, pode ler-se na mesma nota. O BNU salientou que, “não obstante o dinamismo evidenciado pelo crescimento do crédito a clientes (+7,8 por

cento por comparação com Março de 2020)” a “descida generalizada das taxas de juro afectou negativamente a margem financeira”, que diminuiu 19,4 por cento. A instituição bancária sublinhou ainda que continua “a apresentar uma grande solidez com um rácio de solvabilidade de 20,5 por cento”. Em 2020, o BNU anunciou lucros de 420,3 milhões de patacas, uma perda de 41,7 por cento quando comprado com os resultados de 2019, antes da pandemia do novo coronavírus, que afectou a economia global e a capital mundial do jogo. PUB.

AVISO N.° 64/AI/2021 -----Atendendo à gravidade para o interesse público e não sendo possível proceder à respectiva notificação pessoal, pelo presente notifique-se os infractores abaixo discriminados:--------------------- 1. Mandado de Notificação n.° 396/AI/2021:YANG ZELIANG, portador do Passaporte da RPC n.° EA9778xxx , que na sequência do Auto de Notícia n.° 195/DI-AI/2019 levantado pela DST a 17.07.2019, e por despacho da Directora dos Serviços de Turismo de 05.05.2021, exarado no Relatório n.° 438/DI/2021, de 13.04.2021, nos termos do n.° 1 do artigo 10.° e do n.° 1 do artigo 15.°, ambos da Lei n.° 3/2010, lhe foi determinada a aplicação de uma multa de $200.000,00 (duzentas mil patacas) por controlar a fracção autónoma situada na Rua de Berlim n.° 168, Seng Hoi Hou Teng, Bloco 3, 11.° andar M onde se prestava alojamento ilegal.---------------------------------------------------------------------- 2. Mandado de Notificação n.° 461/AI/2021:GAO XUHUI, portador do Salvo Conduto para Deslocação a Hong Kong e Macau da RPC n.° C57212xxx, que na sequência do Auto de Notícia n.° 122/DI-AI/2019 levantado pela DST a 06.05.2019, e por despacho da Directora dos Serviços de Turismo de 05.05.2021, exarado no Relatório n.° 508/DI/2021, de 26.04.2021, nos termos do n.° 1 do artigo 10.° e do n.° 1 do artigo 15.°, ambos da Lei n.° 3/2010, lhe foi determinada a aplicação de uma multa de $200.000,00 (duzentas mil patacas) por controlar a fracção autónoma situada na Alameda Dr. Carlos D’Assumpção n.° 25, Vista Magnifica Court, Bloco 1, 10.° andar C, Macau onde se prestava alojamento ilegal-----O pagamento voluntário da multa deve ser efectuado no Departamento de Licenciamento e Inspecção destes Serviços, no prazo de 10 dias, contado a partir da presente publicação, de acordo com o disposto n.° 1 do artigo 16.° da Lei n.° 3/2010, findo o qual será cobrada coercivamente através da Repartição de Execuções Fiscais, nos termos do n.° 2 do artigo 16.° do mesmo diploma.----------------------Da presente decisão cabe recurso contencioso para o Tribunal Administrativo conforme disposto no artigo 20.° da Lei n.° 3/2010, a interpor no prazo de 60 dias, conforme disposto na alínea b) do n.° 2 do artigo 25.° do Código do Processo Administrativo Contencioso, aprovado pelo Decreto-Lei n.° 110/99/M, de 13 de Dezembro.-----------------------------------------------------------------Desta decisão pode os infractores, querendo, reclamar para o autor do acto, no prazo de 15 dias, sem efeito suspensivo, conforme o disposto no n.° 1 do artigo 148.°, artigo 149.° e n.° 2 do artigo 150.°, todos do Código do Procedimento Administrativo, aprovado pelo Decreto-Lei n.° 57/99/M, de 11 de Outubro.---------------------------------------------------------------------Há lugar à execução imediata da decisão caso esta não seja impugnada.---------------------------------------------------------------------O processo administrativo pode ser consultado, dentro das horas normais de expediente, no Departamento de Licenciamento e Inspecção desta Direcção de Serviços, sito na Alameda Dr. Carlos d’Assumpção n.os 335-341, Edifício ‘‘Hot Line” (Centro “Hot Line”), 18.° andar, Macau.--------------------------------------------Direcção dos Serviços de Turismo, aos 12 de Maio de 2021. O Director dos Serviços, Subst.°, Hoi Io Meng

Jassy Santos, União Progressista dos Trabalhadores Domésticos de Macau “O grande objectivo deste recurso é ter a correcta interpretação da lei de reunião e de manifestação para que a possamos usar como base num futuro próximo.”

TNR TUI REJEITA RECURSO MAS CRITICA ACTUAÇÃO DO CPSP SOBRE MANIFESTAÇÕES

No cravo e na ferradura A União Progressista dos Trabalhadores Domésticos de Macau queria celebrar o Dia do Trabalhador, mas o Corpo de Polícia de Segurança Pública recusou o pedido de manifestação por entender que os trabalhadores não residentes não têm esse direito. O recurso da associação foi rejeitado pelo Tribunal de Última Instância, mas a actuação das autoridades não escapou às críticas do TUI

O

Tribunal de Última Instância (TUI) rejeitou o recurso interposto pela União Progressista dos Trabalhadores Domésticos de Macau, presidida por Jassy Santos, no âmbito de um pedido de manifestação apresentado junto do Corpo de Polícia de Segurança Pública (CPSP) para a celebração do dia 1 de Maio, e que foi recusado. O recurso da União avançou a 4 de Maio, juntamente com mais duas associações, mas foi rejeitado porque não foram seguidos os trâmites legais. Segundo o conteúdo do acórdão noticiado pelo Canal Macau da TDM, o TUI entende que os agentes do CPSP não fundamentaram devidamente

a sua decisão. “Salta à vista que o alegado indeferimento não constitui uma decisão da entidade - ou órgão - por lei declarada(o) como competente para se pronunciar sobre a matéria em questão, no caso, o comandante do CPSP.” Neste sentido, “os ditos ‘agentes’ poderão ter feito - por manifesta e absoluta falta de competência sobre a matéria - a ‘prestação de uma (mera) informação’ sobre o pedido que lhes foi apresentado, não se podendo de forma alguma considerar aquela como uma ‘manifestação de vontade’ da entidade competente para o efeito”. O TUI acrescenta ainda que “não se deixa de notar que se tem como estranha a ‘conduta dos agentes da Polícia de Se-

Subsídio 3.300 patacas para material escolar Os estudantes do ensino superior a matriculados no ano lectivo 2020/2021 têm até 8 de Julho para se inscrever no subsídio para aquisição de material escolar, no valor de 3.300 patacas. Para poder receber a versa, os estudantes têm

de ser titulares bilhete de identidade de residente de Macau e frequentar cursos de ensino superior que conferem grau académico ou com duração não inferior a dois anos lectivos, ministrados por instituições de ensino

superior, públicas ou privadas, reconhecidas, em Macau ou no exterior. O subsídio é pago numa única prestação, através de transferência bancária ou cheque emitido pelo Fundo do Ensino Superior.

gurança Pública’ em questão que, em nossa opinião, deviam submeter o ‘pedido’ apresentado à consideração e decisão nos termos legalmente previstos”. Caberia então ao comandante do CPSP comunicar a decisão por escrito “e com expressa invocação das respectivas razões justificativas”.

Em discussão

Em declarações ao HM, Jassy Santos declarou que está a ser analisada a hipótese de fazer um novo pedido de manifestação. Desta vez, a dirigente espera que o CPSP possa fazer outra interpretação da lei de reunião e de manifestação. “O grande objectivo deste recurso é ter a correcta interpretação da lei de reunião e de manifestação para

que a possamos usar como base num futuro próximo. Vamos tentar novamente [submeter outro pedido de manifestação] e temos vindo a dialogar entre nós. Se começarmos do início teremos de apresentar o formulário e teremos de ter o documento que comprova que aceitam ou que recusam o nosso pedido.” O pedido de protesto poderá ser sobre o facto de os trabalhadores não residentes (TNR) não estarem incluídos no novo plano de apoio ao consumo por meios electrónicos, mas há mais problemáticas em cima da mesa. “Veremos o que podemos fazer, porque não sei o que vamos celebrar este ano, além do Dia do Trabalhador. Ainda estamos na fase de planeamento”, rematou. Andreia Sofia Silva

Tribunal Segunda Instância Recurso de Éric Sautedé rejeitado

O recurso interposto por Éric Sautedé, referente ao processo de despedimento da Universidade de São José (USJ), foi rejeitado pelo Tribunal de Segunda Instância, segundo avançou a TDM - Rádio Macau. No final de Janeiro, foi tornada pública a decisão do Tribunal Judicial de Base que entendeu que o despedimento sem justa causa do académico da USJ foi “legítimo” e que em nenhum momento esteve em causa uma violação da liberdade académica.


segunda-feira 17.5.2021

sociedade 7

www.hojemacau.com.mo

DSSOPT Elevadores têm de seguir normas europeias

A Direcção dos Serviços de Solos, Obras Públicas e Transportes (DSSOPT) quer que os elevadores sigam as normas europeias ao nível da qualidade e segurança. A explicação foi avançada por Chan Wai Hung, técnico do Departamento de Edificações Públicas da DSSOPT, de acordo com o jornal Ou Mun, depois de ter sido questionado sobre a razão de não se seguirem as normas do Interior. Sobre a possibilidade de haver elevadores que cumprem os padrões do Interior, Chan Wai Hung explicou que já há muitos elevadores do Interior que seguem as normas europeias e que esses não terão problemas. Já de acordo com o técnico do Departamento de Edificações Públicas da DSSOPT, ainda haverá um período de transição, antes da entrada em vigor da nova lei. Nesse espaço temporal, podem ser aplicados os critérios antigos, desde que haja um pedido formal, que depois será analisado. O Governo procede nesta fase a uma consulta pública para depois apresentar uma lei a regular os elevadores na RAEM.

Areia Preta Abelhas atacam trabalhadoras de limpeza

Três trabalhadoras de limpeza foram ontem atacadas por abelhas, perto da Biblioteca de Wong Ieng Kuan no Jardim da Areia Preta, por volta das 16h. Segundo o canal chinês da Rádio Macau, as três vítimas têm idades entre os 67 e 77 anos, foram picadas na cabeça, orelhas e antebraço e foram transportadas para o hospital. Após ter sido registado o ataque, os bombeiros investigaram a área e encontraram uma colmeia no jardim situado nas traseiras do Centro de Saúde da Areia Preta. O caso foi depois reencaminhado para o Instituto para os Assuntos Municipais, para que colmeia fosse removida.

MARTE MISSÃO COM CONTRIBUTO DE LABORATÓRIO LOCAL

O Deus do Fogo

O Laboratório de Referência do Estado Chinês para as Ciências Lunares e Planetárias da MUST aconselhou a missão sobre o tempo certo para aterrar o robot Zhurong em Marte

P

ASSAVAM alguns minutos das 7 horas de sábado (hora de Macau), quando a China se tornou no segundo país a aterrar com sucesso um robot de exploração em Marte. Para esta missão histórica, contou com o contributo do Laboratório de Referência do Estado Chinês para as Ciências Lunares e Planetárias da Universidade de Ciência e Tecnologia (MUST, em inglês). Ao HM, Keith Chow, professor assistente do Instituto de Ciências Espaciais, explicou o papel da MUST na missão: “A nossa contribuição passou pela simulação das condições atmosféricas de Marte. É uma vertente muito importante, porque ao conhecer de forma detalhada a atmosfera, como a estrutura vertical e a movimentação dos ventos, é possível conhecer as

melhores condições para a aterragem”, afirmou. “As simulações que realizamos foram utilizadas para perceber a altura ideal, assim como as condições, para fazer a aterragem. Foram essas as nossas funções principais”, acrescentou. O Laboratório de Referência do Estado Chinês para as Ciên-

“Foram corajosos para aceitar o desafio, perseguiram um nível de excelência e colocaram o nosso país no nível dos mais avançados em termos da exploração planetária.” XI JINPING PRESIDENTE CHINÊS

cias Lunares e Planetárias da MUST foi chamado a contribuir para a missão que permitiu igualar o feito que até agora só tinha sido alcançado pelos Estados Unidos devido à potência do simulador. “A diferença é que temos um sistema de simulação mais potente, de resolução alta. Como sabemos, há limitações na observação da atmosfera de Marte, por isso, este simulador é uma mais-valia”, indicou. “Eles depois observaram os dados, comparam com a outra informação que recolheram e tomaram uma decisão sobre os procedimentos”, completou.

“Sem sobressaltos”

Sobre o acontecimento, Keith Chow mostrou-se “muito feliz” e considerou que a missão tem sido “muito bem sucedida”. “Este

objectivo foi conseguido, e os procedimentos correram de forma fluida, não houve assim sobressaltos. Também a aterragem foi relativamente perto da zona prevista, o que é muito positivo para a primeira aterragem chinesa”, vincou. O cientista tinha começado a colaborar com a missão há cerca de cinco anos, quando o projecto foi estabelecido, embora recuse a ideia de que seja uma longa colaboração. “Se avaliarmos cinco anos em termos de investigação, não se pode dizer que é muito tempo”, indicou. O robot que aterrou em Marte tem o nome de Zhurong, que significa Deus do Fogo. O equipamento estava desde Fevereiro na órbitra do planeta, onde tinha chegado em Fevereiro deste ano através da missão Tianwen-1. Devido à distância entre Marte e a Terra, de 320 milhões de quilómetros, a mensagem a confirmar o sucesso do procedimento por parte do Zhurong demorou 17 minutos a chegar. A aterragem do robot Deus do Fogo foi elogiada por Xi Jinping, que afirmou tratar-se de “um feito excepcional”. Além disso, o governante destacou o contributo dos membros da missão espacial para o país. “Foram corajosos para aceitar o desafio, perseguiram um nível de excelência e colocaram o nosso país no nível dos mais avançados em termos da exploração planetária”, afirmou. João Santos Filipe


8 eventos

www.hojemacau.com.mo

17.5.2021 segunda-feira

ARTES “OUT! COLOANE ART FESTIVAL” ACONTECE EM JUNHO E PROMETE DIVERSIDADE

Marionetas e outras histór O grupo teatral Rolling Puppet, de Kevin Chio e Teresa Teng Teng, traz em Junho a segunda edição do “Out! Coloane Art Festival”, que acontece no espaço da companhia em Coloane, o “House of Puppets Macau”. A pandemia e o isolamento vivido por muitos no período de confinamento é o tema do espectáculo “Lone Together”. Mas nem só de teatro se fará este festival

N

O próximo mês de Junho, os amantes do teatro e das artes têm em Coloane, no espaço “House of Puppets Macau”, a oportunidade de desfrutarem de diversos espectáculos e assistirem às mais variadas representações artísticas. A companhia teatral “Rolling Puppet - Alternative Theatre” organiza a segunda edição de “Out! Coloane Art Festival”, uma iniciativa que ganha agora um nome diferente depois da edição inaugural que aconteceu no ano passado. O cartaz deste ano inclui o espectáculo “Lone Together”, que acontece nos dias 19 e 20 de Junho e que tem o lado emocional da pandemia como tema de fundo, conforme contou ao HM Kevin Chio, um dos fundadores da companhia “Rolling Puppet”.  “O ano passado vivemos em confinamento e parámos todas as actividades sociais, deixamos de ver os nossos amigos. A certa altura sentimo-nos muito sozinhos e isolados, mas ao mesmo tempo houve pessoas que sentiram uma certa liberdade para poderem ser elas mesmas, sem multidões, para fazerem o que querem. Então este espectáculo é, ao mesmo tempo, sobre liberdade e isolamento.” Este não será apenas um espectáculo de marionetas, mas terá outros elementos que ajudam a contar esta história. “Não vamos fazer o tradicional espectáculo de marionetas em que dizemos

tudo. Em vez disso vamos ter sete narradores que precisam de parceiros em palco. Alguns deles vão recorrer às marionetas, aos seus corpos ou a alguns objectos. [Haverá números de] stand-up comedy, projecções. Alguns só fazem trabalho físico. Vamos, portanto, ter diferentes estilos”, frisou Kevin Chio.

O “Out! Coloane Art Festival” é também o resultado de algumas residências artísticas que o grupo tem acolhido, nos últimos meses, no espaço “House of Puppets Macau” Apesar de a linguagem base do espectáculo ser o cantonês, sem tradução ou legendas, Kevin Chio acredita que a mensagem poderá ser transmitida a um público estrangeiro.

Em nome da diversidade

Com o “Out! Coloane Art Festival”, Kevin Chio explica que a ideia é trazer diversas expressões artísticas ao público de Macau. A prova disso é que, além de “Lone Together”, que Kevin Chio descreve como uma forma de teatro alternativo, haverá também o “Art Soup Bazar”, com partilha de receitas de sopas ou outros elementos relacionados com este tema.

“Teremos um espaço aberto, um bazar onde se pode fazer esta partilha”, de ideias e objectos, apontou. Acima de tudo, Kevin Chio defende que, nesta

segunda edição, o espectro das artes reveladas é maior. “Não nos focamos apenas no teatro com marionetas. Resolvemos apostar nas residências artísticas e te-

mos outras iniciativas que não estão propriamente relacionadas com o teatro. Quisemos trazer uma maior diversidade para promover a arte e um estilo de vida

ligado ao espaço que temos em Coloane.” Kevin Chio recorda que “uma iniciativa destas nunca aconteceu em Coloane”, além de que a primeira edi-


segunda-feira 17.5.2021

www.hojemacau.com.mo

eventos 9

episódio 1

rias

O Jogo das Escondidas um folhetim por Fernando

Deve afirmar-se que o céu é, sem dúvida, corruptível. Cristoforo Borri Collecta Astronomica, 1631 Macau, 1923

B

ção do festival teve lugar semanas antes da pandemia, “numa fase estranha”. “As coisas agora estão melhores, começamos a ter o nosso próprio espaço, a ter mais pessoas a compreendê-lo. Temos um maior espectro ao nível das artes e do espectáculo”, frisou. O “Out! Coloane Art Festival” é também o resultado de algumas residências artísticas que o grupo tem acolhido, nos últimos meses, no espaço “House of Puppets Macau”. A ideia era estabelecer um programa de intercâmbio com o grupo “Thinkers’ Studio”, de Taiwan, mas esse projecto foi adiado devido à pandemia.  “Partilhamos com eles o que fomos desenvolvendo. No próximo ano quando a pandemia terminar vamos ter este intercâmbio de artistas com Taiwan”, disse Kevin Chio.   A mudança para Coloane aconteceu em 2018, depois de o tufão Manghkut ter destruído o espaço que os Rolling Puppet tinham na península de Macau. Depressa o grupo conseguiu construir uma forte relação com a comunidade onde se inseriu.  “Temos um café e as pessoas podem vir e conhecer os artistas, em vez de estarmos escondidos num qualquer edifício industrial. [O público] compreende e apoia mais o teatro em Macau. Começámos a ter alguns amigos que nunca tinham ido ao teatro, mas depois de nos conhecerem começaram a ver os nossos espectáculos”, rematou. Andreia Sofia Silva

Sobral

I

enedito Augusto naufragou duas vezes. E duas vezes sobreviveu. Por isso gosta de lembrar, a quem o escuta, que há uma velha lenda dos marinheiros que diz que, no terceiro naufrágio, se alcança a imortalidade. Apesar de acreditar que tal possa ser possível, nunca o tentou comprovar. Hoje prefere a terra ao mar, Macau em vez dos mares do sul da China. De resto, em Benedito Augusto nada é o que parece. Desde logo, esse não é o seu verdadeiro nome. O de nascimento, de que não há registo, ficou perdido em Lisboa. Desde que apareceu em Macau que é conhecido como padre Augusto, mas nada garante que, pelo caminho, desde que percorreu os mares e as terras da Ásia antes de chegar a Macau, não teve outros nomes e outras vidas. O tenente Félix Amoroso sondou-o com o olhar, intrigado. De cabelo preto, com uma pequena barba onde já despontavam alguns cabelos brancos, o padre Augusto vestia uma cabaia de ganga escura. A sua face era morena, com grandes olheiras, que salientavam ainda mais uns olhos negros incandescentes. Era um mistério. Mas, mesmo assim, era o mais precioso agente do tenente. Falava cantonês, inglês, francês e, claro, português. Como pretenso padre, jesuíta segundo dizia, penetrava em lugares interditos a outros ocidentais. Ouvia atrás de portas que se fechavam a sete chaves quando outros as tentavam ultrapassar. Sabia perscrutar a alma dos outros como ninguém. Defendia-se, dizendo que sendo o Diabo a origem de todos os males, o seu objectivo era vencê-lo. O Diabo tentava todos os seres humanos. Por isso, saber o que cada um queria não era um pecado. Saber os segredos dos que queriam o Mal era uma acção ao serviço de Deus. Mesmo que pago pelo vil metal que corrompia os homens. Amoroso não sabia se a argumentação do padre era verdadeira ou falsa. Mas isso era, para já, indiferente. Ele era-lhe útil. Benedito Augusto levou aos lábios o copo de cerveja que tinha à sua frente. Depois de, com evidente prazer, saciar a sede, disse, sorrindo: - Não sou ninguém, meu caro tenente. Posso ser toda a gente. Gosto de ser invisível. Como um anjo disfarçado no reino das trevas. - Ou um diabinho mascarado no mundo dos que se julgam anjos. - Se isso o conforta... (continua)

PUB.


10 china

17.5.2021 segunda-feira

www.hojemacau.com.mo

VINHOS APOSTA NA PRODUÇÃO PARA COMBATER POBREZA E DESERTIFICAÇÃO DOS SOLOS

Chão que vai dar uvas N O remoto oeste chinês, o verde de vinhas recentemente cultivadas contrasta com planaltos semiáridos, interrompidos por cadeias montanhosas, num invulgar cenário que ilustra a ambição da China em tornar-se uma produtora vinícola de referência mundial. "O potencial para a produção doméstica é enorme", descreve à agência Lusa Christelle Chene, embaixadora da marca Xige, uma das maiores quintas vinícolas da região autónoma de Ningxia. "É um mercado novo, mas nos últimos dez anos o consumo aumentou consecutivamente. A tendência entre a população jovem de consumir mais vinho é óbvia", diz. Embora apenas cerca de 3 por cento da população chinesa beba regularmente vinho, a China é já o quinto maior mercado do mundo, devido à sua dimensão populacional - 1,4 mil milhões de habitantes. O país está também a alargar rapidamente a produção doméstica, que conta já com a segunda maior área de cultivo do mundo, ultrapassada apenas por Espanha. A indústria insere-se nos planos de Pequim de erradicar a pobreza no interior do país e competir nos sectores de alto valor agregado. "Há muitas dinâmicas em jogo", resume à Lusa Jim Boyce, autor do 'blog' Grape Wall of China, que há mais de dez anos segue a indústria vinícola chinesa. "Não se trata apenas de vinho: trata-se de travar a desertificação, num país muito populoso, e

Dá-me tempo

reduzir as disparidades entre os rendimentos no litoral e no interior, ao agregar uma safra com valor acrescentado", descreve.

Situada 1.000 metros acima do nível do mar, Ningxia está na vanguarda desta transformação. A região soma já 200 quintas viníco-

“Não se trata apenas de vinho: trata-se de travar a desertificação, num país muito populoso, e reduzir as disparidades entre os rendimentos no litoral e no interior, ao agregar uma safra com valor acrescentado.” JIM BOYCE AUTOR DO ‘BLOG’ GRAPE WALL OF CHINA

EVERESTE PEQUIM CANCELA SUBIDAS POR RECEIO DE CASOS VINDOS DO NEPAL

A

China cancelou as permissões de escalar o Monte Evereste do seu lado do pico mais alto do mundo devido ao receio de importar casos de covid-19 do vizinho Nepal, noticiou a imprensa estatal. O encerramento foi confirmado num aviso de sexta-feira da Administração Geral do Desporto da China, disse a agência noticiosa oficial Xinhua. A medida reflecte a cautela que a China tem tomado ao lidar com

produzidos em Ningxia. O fornecimento de água para os terrenos semiáridos de Ningxia é garantido por um programa de irrigação que extrai diretamente do rio Amarelo. "Existem condições aqui para produzir vinho de classe mundial", explica à agência Lusa Zhao Shihua, especialista em vinhos do governo local. "A exposição solar é ótima e a diferença de temperatura entre o dia e a noite é grande. A uva plantada aqui possui um aroma rico e a estrutura do vinho tem um forte senso de equilíbrio", acrescenta. A casta internacional Cabernet Sauvignon compõe 70 por cento das variedades usadas em Ningxia, seguida pela uva Merlot.

a pandemia. Embora a China tenha travado na sua maioria a transmissão doméstica do coronavírus, o Nepal está a sofrer um surto com números recorde de novas infeções e mortes. A China tinha emitido autorizações a 38 pessoas, todos cidadãos chineses, para subirem a montanha nesta Primavera. O Nepal deu autorização a 408 pessoas. A escalada não foi permitida de nenhum dos lados no ano passado, devido à pandemia.

No Nepal, vários alpinistas relataram testes positivos para a covid-19. O mês de Maio tem normalmente o melhor tempo para escalar o Evereste. Dois alpinistas morreram, esta semana, no lado nepalês, um suíço e um norte-americano. A China disse anteriormente que ia estabelecer uma linha de separação no cume e proibiria as pessoas do seu lado de entrarem em contacto com qualquer pessoa do lado nepalês.

las, a maioria no sopé oriental das montanhas Helan. Quando Jim Boyce criou o seu 'blog', as pessoas "faziam piadas" sobre os vinhos chineses, mas, "hoje, quase que tens que visitar Ningxia se queres ser um profissional de vinho a sério", aponta. Em 2019, sete vinhos chineses arrecadaram medalhas de ouro no Decanter World Wine Awards, a maior competição de vinhos do mundo. Entre estes, seis são

A falta de maturidade do mercado chinês permite aos fornecedores praticar altas margens de lucro, mas as quintas vinícolas enfrentam desafios: recuperar o forte investimento inicial e construir uma marca de raiz. "Por ser um mercado novo, a China permite praticar margens bastante elevadas, mas também exige tempo e dinheiro para construir uma marca", descreve Christelle Chene. Os vinhos chineses são os mais novos entre os vinhos do novo mundo - um termo usado para descrever vinhos que não são cultivados em regiões tradicionais como Portugal, Itália ou França. Em Xige, o aço inoxidável dos tanques de fermentação reluz, imaculado, atestando a juventude desta quinta vinícola. "Até há menos de três anos, não havia nada aqui a não ser terra árida", descreve Chene. "Ainda estamos a arcar e vamos arcar nos próximos 30 anos com os custos de construir a vinícola e plantar a videira", nota. "A maioria dos outros países que produzem vinho fazem-no há 100 anos". João Pimenta, Lusa

TORNADOS SOBE PARA 12 O NÚMERO DE MORTOS

O

número de vítimas de dois tornados que atingiram o centro e o leste da China subiu para 12 mortos e mais de 400 feridos, anunciaram sábado as autoridades locais. O último balanço apontava para 10 mortos e 300 feridos. Ventos fortes de mais de 260 km/h varreram a metrópole central chinesa de Wuhan na sexta-feira à noite, o local de nascimento da pandemia do coronavírus. A tempestade fez oito mortos e 280 feridos e provocou danos significativos, disseram as autoridades da província de Hubei, da qual Wuhan é capital, em conferência de imprensa.

As rajadas eram tão fortes que duas gruas de construção foram danificadas, uma delas desabando num estaleiro de construção, causando grandes danos materiais. Além de veículos danificados por objectos em queda, árvores foram arrancadas e postes de eletricidade derrubados, deixando mais de 26.000 casas sem energia.

Quase 30 casas ruíram, de acordo com as autoridades Hubei. A cidade de Suzhou, perto de Xangai, também foi atingida na sexta-feira à noite por um poderoso tornado com ventos de mais de 200 km/h, de acordo com as autoridades locais. Um relatório dizia que quatro pessoas foram mortas e uma desaparecida, e 130 ficaram ligeiramente feridas. Imagens publicadas em redes sociais mostraram um redemoinho negro causando danos significativos. Uma violenta tempestade com ventos fortes matou 11 pessoas numa cidade perto de Xangai, no início de Maio.


segunda-feira 17.5.2021

Durante algum tempo ouviu-se com frequência no bas-fond do automobilismo chinês falar sobre a existência de um terceiro construtor chinês, cuja identidade nunca foi propriamente revelada, muito interessado em juntar-se à Lynk & Co e à MG na popular categoria de carros de Turismo TCR. Tratava-se da GAC Motor, um construtor automóvel de Cantão

E

M 2017, a BAIC Motor e a Shanghai Lisheng Racing Co. Ltd apresentaram o BAIC Senova D50 TCR. O carro, desenhado em parceria com a empresa italiana Hexathron Racing Systems, foi inspirado na regulamentação técnica da categoria TCR, mas nunca recebeu a homologação TCR para ser aceite noutras competições que usam esta plataforma. No entanto, este carro foi usado durante três temporadas no troféu monomarca do Interior da China, tendo sido visto entre nós por duas ocasiões, durante os Grande Prémios de Macau de 2016 e 2017, dando corpo à Taça da Corrida Chinesa. A BAIC é uma presença regular no desporto automóvel nacional e internacional, tanto no Campeonato da China de Carros de Turismo (CTCC), como em provas de todo-o-terreno, inclusive tendo participado na última edição do rali Dakar. Durante alguns

desporto 11

www.hojemacau.com.mo

GRANDE BAÍA CONSTRUTOR FEZ UM CARRO DA CATEGORIA TCR

Uma terceira via

independente personalizada, aos travões (da marca inglesa) AP, ao tanque de combustível de 60 litros da ATL, ao sistema de levantamento automático pneumático do chassis aos extintores da OMP que garantem o profissionalismo e a segurança do carro de corrida”.

Fim prematuro

Dois exemplares do GA6 TCR foram vistos a testar no circuito deTianma, em Xangai, pela primeira vez no Verão de 2019 e já com os números e autocolantes oficiais do TCR China nas portas. Um carro chegou mesmo a ser colocado em exposição no Salão do Automóvel Modificado da China, realizado no Complexo de Feiras de Importação e Exportação da China em Pazhou, Guangzhou, no final do ano de 2019. Em 2020, quando se esperava a estreia dos GA6 TCR

nas pistas, deu-se a pandemia e os calendários de todas as competições automóveis chinesas foram dilacerados. Isto, apesar do campeonato TCR China ter conseguido as suas doze corridas inicialmente planeadas, incluindo a finalíssima de luxo nas ruas da RAEM. Do projecto do GA6 TCR nunca mais se ouviu falar, este terá sido colocado numa gaveta a aguardar melhores dias e, essencialmente, verbas da casa-mãe para poder ombrear com os Lynk & Co do grupo Geely e os MG do grupo SAIC. Apesar dos carros ainda existirem, estes nunca foram homologados pela organização internacional do TCR, o que na teoria os impede de correr em qualquer competição que cumpra a regulamentação, incluíndo o TCR China. Para obter esta homologação seria necessário enviar um exemplar para a Europa, de modo a que este fosse avaliado pelos técnicos competentes, o que neste cenário de crise sanitária e restrições nas viagens internacionais, não é definitivamente fácil para qualquer estrutura com base na China Interior. Sérgio Fonseca

PUB.

HM • 1ª vez • 17-5-21

公告 ANÚNCIO 履行金錢債務案 第 PC1-20-0333-COP 號 輕微民事案件法庭 Cumprimento de Obrigações Pecuniárias n.º Juízo de Pequenas Causas Cíveis

Autora: Ré:

anos o construtor automóvel de Pequim terá avaliado a possibilidade de construir um verdadeiro TCR, tendo como base no Senova D50 de troféu. No entanto, essa ideia, por diversas razões, nunca se materializou. Já o TCR da Grande Baía saiu do papel. O GA6 TCR da GAC​​ Trumpchi foi construído pela Maxpeeding Rods em parceria com a Chongqing Guogui Racing Technology. Este carro, que foi totalmente modificado e fabricado de acordo com as especificações TCR, terá recebido apoio do grupo GuangzhouAutomobile Group Motor Co Ltd (GAC Motor). O grupo tem uma forte presença dentro do Interior da China, estando igualmente a entrar em novos mercados no Sudeste Asiático, Médio Oriente e América do Sul.

Ao mesmo tempo, a marca fundada em 1955 também não é estranha aos desportos motorizados, com participações em ralis, todo-o-terreno e velocidade. A ideia de construir um TCR passava por colocá-lo a competir no TCR China, para depois projectar a marca noutras paragens internacionais, usando para isso a plataforma criada pelo empresário italiano Marcello Lotti e usada

A ideia de construir um TCR passava por colocá-lo a competir no TCR China, para depois projectar a marca noutras paragens internacionais

em inúmeros campeonatos e corridas internacionais como a Corrida da Guia.

Feito como lá fora

O GAC ​​Trumpchi GA6 TCR foi equipado com um motor de dois litros turboalimentado e com uma caixa de velocidades sequencial da francesa Sadev, igual àquela utilizada nos TCR das marcas Audi, SEAT ou Volkswagen. Segundo o preparador: “vale ressaltar que a carroceria do carro adopta um esquema modular, e a gaiola de protecção em liga que atende aos regulamentos da federação de automobilismo da China é personalizada por meio de digitalização 3D”. Para o ECU (centralina electrónica), foi escolhido um Emtron KV12, com o preparador a fazer igualmente referência “ao sistema de suspensão

BARNSBURRY EQUIPAMENTO (MACAU) LIMITADA, com sede em Macau, na 宋玉生廣場181-187號光輝 苑(光輝商業中心)12樓F室. SOCIEDADE DE PAREDE DE CORTINA HANG LEI (MACAU), LIMITADA, com última sede conhecida em Macau, na 得 勝街6號馬寶樓A舖, ora ausente em parte incerta.

FAZ-SE SABER que pelo Juízo de Pequenas Causas Cíveis do Tribunal Judicial de Base da RAEM, correm éditos de TRINTA (30) DIAS, contados da data da publicação do anúncio, citando a Ré SOCIEDADE DE PAREDE DE CORTINA HANG LEI (MACAU), LIMITADA para no prazo de QUINZE (15) DIAS, findo o dos éditos, querendo contestar a acção supra identificada, na qual a autora pede que a presente acção seja julgada procedente, por provada e, consequentemente, ser a Ré condenada a pagar as dívidas na quantia de MOP$55.583,00 (Cinquenta e Cinco Mil, Quinhentas e Oitenta e Três Patacas), as custas e condigna procuradoria, sob pena de não o fazendo no referido prazo, seguir o processo os ulteriores termos até final à sua revelia. Fica advertida de que não é obrigatória a constituição de advogado caso seja deduzida contestação. Tudo como melhor consta do duplicado da petição inicial, que se encontra nesta Secretaria do Juízo de Pequenas Causas Cíveis, poderão ser levantados nas horas normais de expedientes. RAEM, 10 de Maio de 2021.


12

h

www.hojemacau.com.mo

17.5.2021 segunda-feira

Nanquim no Tempo Dos Oito Mestres PAULO MAIA E CARMO

texto e ilustração

«Quem se agarra ao bastão firme e vivificante como o jade encarnado?/ Enquanto debaixo da ponte de pedra tilinta a água corrente da nascente,/ E a neve com alma de flor vai voando sem destino pré-determinado,/ O vento da Primavera terá de esperar o aceno do homem independente.»

Odorico de Pordenone (12861371) o franciscano que terá visitado a China entre 1325-30 ao descrever na sua Relatio, aquela que seria a actual cidade de Nanquim contabiliza nela 365 pontes, um número que, por tão exacto, se entende como um despertador da imaginação. A localização propícia e a prosperidade do comércio levariam o imperador Hongwu, o fundador da dinastia Ming, a estabelecer aqui a sua capital em 1368. Séculos depois quando se inaugura a nova dinastia Qing, a capital foi mudada para Pequim e ficou para trás uma imensa nostalgia. Artistas concentraram-se em mostrar em pinturas os lugares que despertavam memórias desse outro tempo. Entre eles e como guardião dessa melancolia, destacava-se a figura de Zhou Lianggong (1612-1672) que nesse afã de coleccionar pinturas também atraía para viverem em sua casa os próprios pintores, como o amável Hu Yukun (activo entre 1640-1672) ou o extravagante Zhang Feng (activo entre 1636-1674) cujas palavras sobre observação de pinturas parecem traduzir no espaço uma oscilação temporal. Escreveu: «Pinturas devem satisfazer vistas de perto e vistas de longe. É como eu olho para elas, e se isto acontece, então elas são uma verdadeira marca do meu espírito. De perto vejo os pequenos detalhes, de longe o aspecto geral.» Deles e de outros, Zhou guardou pinturas, muitas vezes na intimidade de rolos horizontais ou álbuns que requerem o toque das mãos

para serem observados. Quando escreveu anotações sobre eles, agrupou-os analiticamente. Terá sido dos primeiros a descrever um grupo de chamados «Oito mestres de Nanquim», ou na formulação original do nome da cidade então, «Jinling Bajia». A enumeração dos oito escolhidos variaria mas um deles esteve quase sempre presente. Gao Cen (1643-1679) um pintor que viera de Hangzhou parecia reconhecer a beleza da cidade e seus arredores, como por vezes costuma ser só apanágio dos que vêm de fora. Em Visão fugitiva da cidade de pedra (rolo horizontal, tinta e cor sobre seda, 36,4 x 701,8 cm) são referidas já no título as ruínas da fundação da urbe, nostalgia acentuada pela impossibilidade de reter as suas vistas mutantes. Num pequeno álbum de doze folhas (tinta e cor sobre seda, 20,5 x 21,3 cm) que está no Metmuseum ele reivindica ainda a pertença à «cidade de pedra» e não a Nanquim, com ilustrações de lugares que activariam memórias nos que conheciam as suas histórias. Alguns viram nelas, pelo modo raro de mostrar a luz e a atmosfera, a influência excêntrica de pinturas trazidas por missionários Europeus. Mas uma aproximação ao olhar subtil dos literatos talvez revelasse uma outra afinidade: num espantoso método o jesuíta Matteo Ricci (1552-1610) que passara por Nanquim entre 15951601 demonstrara, nos chamados Palácios da Memória, como as mais gratas lembranças podiam ser guardadas e visitadas num acto do espírito.


segunda-feira 17.5.2021

JOSÉ SIMÕES MORAIS

A nau San Antonio comandada por o capitão Jerónimo Guerra chegava a 6 de Maio de 1521 com 55 tripulantes ao porto das Muelas em Sevilha, após ter-se perdido da armada durante a procura do Estreito. História bem arquitectada e ensaiada ao longo da travessia do Atlântico, que acusava Magalhães de mandar matar os capitães Mendonça e Quesada, e abandonar Juan de Cartagena e o padre na praia de San Julián. Sabendo do pacto feito ainda em Sevilha entre os capitães castelhanos, Diego de Barbosa, ao ver preso o capitão Álvaro da Mesquita, homem de confiança e primo de Fernão de Magalhães, como genro na Casa de Contratación de las Indias tentou sem êxito contestar a versão apresentada. Por o Imperador Carlos V estar ausente de Espanha, era regente o Bispo Rodriguez da Fonseca, que sabendo o ocorrido ao seu provável filho Juan de Cartagena, logo enviou um barco para o ir buscar. Sob cárcere manteve o caído em desgraça da Mesquita e colocou a esposa de Magalhães em prisão domiciliária com o filho Rodrigo, o qual viria a falecer em Setembro de 1521 e sua mãe Dona Beatriz em Março de 1522. Tudo devido ao venenoso português Estêvão Gomes, que referia estar Magalhães a pensar atraiçoar o Rei de Espanha e trabalhar para Portugal. Fora um dos instigadores da revolta da tripulação do San Antonio a 8 de Novembro 1520, durante a travessia do Estreito, quando preso o capitão Álvaro da Mesquita, a nau maior e a mais abastecida fugia da armada e retornava, decorrendo a viagem pelo Atlântico sem problemas. FIM DO IMPÉRIO AZTECA Já no México, Hernán Cortês a 26 de Maio de 1521 preparava o cerco à capital dos Aztecas, Tenochtitlán, com 844 soldados, 84 cavaleiros e 50 mil tlaxcaltecas. Os espanhóis em 1492 abordaram o continente americano nas primeiras viagens de Cristóvão Colombo, ficando pelas ilhas das Antilhas onde ergueram povoações, mas essas colónias eram atacadas e arrasadas pelo guerreiro povo maia, ao qual pertenciam os aztecas. O povo maia habitava a Meso-América desde 2500 a.n.E. e a sua gloriosa cultura mantevese até ao século XIII, quando constantes lutas internas dentro da Confederação marcaram o início do declínio de um dos mais civilizados povos do mundo. Florescera quatro mil anos, numa confederação de cidades independentes ligadas na religião, cultura e escrita comum. Cada cidade possuía um governo próprio, fazendo alianças quando o perigo aparecia. Colombo ao explorar a costa das Caraíbas chegava a 28 de Outubro de 1492 à ilha de Cuba, mas só em 1511 os espanhóis a conquistavam, instalando aí o poder administrativo do Novo Mundo. No entanto, sondagens à costa mexicana só foram feitas em 1518 por Juan de Grijalba, não descobrindo um bom local para aportar. Tivera uma resistência feroz dos índios, que mataram muitos dos seus, mas trouxe um bom carregamento de ouro e notícias das riquezas existentes. Instou o Governador de Cuba Diego Velásquez a realizar aí uma nova

www.hojemacau.com.mo

Em Espanha, no México e Molucas

expedição e este escolheu Hernán Cortês, pois acompanhara-o nas missões de pacificação de São Domingos e na conquista de Cuba. A 23 de Outubro de 1518, Cortês nomeado capitão recebeu as instruções para a perigosa missão de explorar o continente, mas a hesitação de Velásquez levou Cortês à ruptura. À revelia partia a 18 de Fevereiro de 1519 em direcção à costa do Golfo do México com onze barcos, cem marinheiros, 500 soldados, doze canhões, 18 cavalos e uma matilha. Em Abril, no lugar de Vera Cruz desembarcaram e daí marcharam pelo litoral para Norte, onde Cortês mandou fundar a Vila Rica de La Vera Cruz a 22 de Abril de 1519 e como quartel-general ergueu um forte, casas e a igreja. Daí escreveu a Carlos V a pedir carta régia para a cidade e a ruptura com o governo de Cuba, afim de estabelecer um novo poder. Para ter suporte legal criou o cabildo (associação de famílias nómadas) a 8 de Julho, a quem Cortês delegou os poderes que Velásquez lhe entregara. No dia seguinte, o novo poder fazia de Cortês o alcaide, chefe de justiça e capitão general.

ENCONTRAVA-SE AGORA CORTÊS, A 26 DE MAIO DE 1521 A CERCAR TENOCHTITLÁN. SITIADA POR 79 DIAS, A RESISTÊNCIA TERMINOU A 13 DE AGOSTO, COM A CAPITAL EM TOTAL RUÍNA. ASSIM, O IMPÉRIO AZTECA, EXISTENTE DESDE 1325, EXPIRAVA TRÊS ANOS APÓS A CHEGADA DE CORTÊS

ARTES, LETRAS E IDEIAS

13

A tentativa de sublevação de alguns espanhóis a pretender regressar a Cuba, levou-o a encalhar e desmontar os navios e daí, com eles empreendeu a marcha para o interior até Tenochtitlán, capital dos Aztecas (actual cidade do México). A 8 de Novembro de 1519, o Imperador Azteca Moctezuma II, aconselhado pelos sacerdotes a não os confrontar, foi recebê-los e convidouos como hóspedes para ficarem no centro da cidade, num enorme palácio com espaço para alojar os exércitos espanhóis e seus aliados índios. Dias depois, convidava Cortês a visitar a capital, que contava com 300 mil habitantes. A situação para os espanhóis piorou bastante no ano de 1520 e após grandes mortandades e acontecimentos tristes, encontrava-se agora Cortês, a 26 de Maio de 1521 a cercar Tenochtitlán. Sitiada por 79 dias, a resistência terminou a 13 de Agosto, com a capital em total ruína. Assim, o Império Azteca, existente desde 1325, expirava três anos após a chegada de Cortês. ATÉ ÀS MOLUCAS Morto Fernão de Magalhães em Mactán a 27 de Abril de 1521 e em Cebu degolados os capitães Duarte Barbosa e Juan Rodriguez Serrano a 1 de Maio, a expedição não foi abandonada apesar dos trágicos acontecimentos. Fugiam agora a caminho das Molucas, mas com uma insuficiente tripulação a rondar os 115 e a Concepción incapacitada para navegar, foi a nau desmontada, retirando-lhe o aproveitável, como os pregos, e queimada no dia seguinte. Restavam dois dos cinco barcos iniciais, comandando o piloto João Lopes de Carvalho a nau capitã Trinidad e Gómez de Espinosa a Victoria, mas em vez de seguirem directos para Sul, pois as Molucas ficavam na linha do Equador, desorientados, vaguearam em ziguezague e afim de obter mercadoria para as trocas, dedicaram-se ao corso. Daí chegarem ao Brunei a 9 de Julho, fazendo apenas breves saídas a terra para abastecer, mas vinte dias depois estavam as naus cercadas por dezenas de barcos indígenas. Na refrega, foram as armas de fogo a salvá-los, conseguindo capturar o filho do Rei de Luzon (a maior ilha das Filipinas) que por ali andava. Perderamse alguns tripulantes, então em terra e entre outros o filho brasileiro de Lopes de Carvalho, preteridos por ouro na troca com o príncipe, querido do sultão do Brunei. A 16 de Setembro, devido aos desatinos como piloto e capitão, Carvalho foi substituído por Gómez de Espinosa, que passou a comandar a armada e cedeu a nau Victoria a Juan Sebastián de Elcano. Partiam a 27 de Setembro para Sudeste, desfazendo o errado rumo até então tomado e daí dar à baía de Butuán, na parte Norte da ilha de Mindanao, onde encontraram um junco chinês que ia para Maluco e os levaram à ilha de Tidore, onde chegaram a 8 de Novembro de 1521, sendo bem acolhidos por o sultão Almanzor. Meses antes aí morrera envenenado Francisco Serrão, que vivia nas Molucas em Ternate e como homem de armas desse sultão viera em guerra à inimiga Tidore. Na mesma altura, encontrava Magalhães a morte, ficando assim por realizar o encontro combinado entre ambos para as Molucas.


8 28

6 3 9 2 4 5 7 1 9 3 7 8 4 9 5 1 8 4 2 5 6 3 6 7 9 [5f]utilidades 8 6 4 3 4 6 1 2 7 7 9 14 6 9 2 7 1 8 5 3 4 9 4 6 1 3 5 4 7 2 9 1 7 6 5 8 2 8 2 8 6 1 6 4 9 7 9 3 5 1 5 4 9 2 5 3 7 2 5 8 6 1 6 3 4 T E M P O A G1U A C E I R O S8 M I N 2 7 3 7 6 8 5 1 4 9 2 8 2 4 8 7 1 3 2 27 28 6 9 4 7 5 8 3 1 2 6 8 30 8 2 3 6 4 1 7 5 9 7 5 1 7 5 1 3 9 2 4 8 6 2 9 2 8 9 3 7 5 1 2 6 9 4 8 9 4 8 7 1 3 2 1 4 6 8 7 9 5 2 3 8 3 4 1 9 2 8 9 6 5 3 9 4 6 7 1 1 1 7 5 6 1 8 4 1 3 8 2 5 9 7 7 4 2 9 3 7 2 8 5 1 3 6 4 5 6 4 8 1 2 9 9 6 7 7 8 3 5 3 1 6 3

4 8 2 4 1 5 5 9 3 7 7 2 9 1 MAX 6 3

5 2 7 6 1 8 2 3 1 9 8 5 9 1 2 8 www.hojemacau.com.mo 3 4 6 2 4 1 3 8 2 7 7 6 4 6 5 1 9 1 5 8 4 6 9 3 5 7 6 5 2 7 8 3 8 3 3 H U M 6 5 - 9 5 % ´• 9 7 1 5 4 4 9

3 9 1 5 8 4 7 6

5 6 7 2 4 8 9 3

6 2 8 3 1 9 4 5 7

9 7 3 4 8 5 2 6 1

1 5 4 2 6 7 8 3 9

35 36 9 2 7 6 8 5 1 5 3 8 4 2 7 6 9 7 6 2 1 4 9 8 8 3 4 1 7 9 2 9 8 7 5 6 3 4 1 5 3 8 6 2 7 9 1 5 6 3 4 2 6 7 4 1 3 9 5 2 8 4 9 1 8 5 3 2 5 8 1 9 6 3 7 4 9 2 6 8 1 3 5 2 5 3 9THE MAURITANIAN 8 1 7 6 7 9 4 2 1 8 2 5 3 9 1 6 7 4 1 4 6 7 3 2 5 3 4 2Fábrica8de Notícias, 5 7Lda Director Carlos Morais 3 1José 6 5João7Luz;4José C.9Mendes 8 Redacção 2 Andreia Sofia9Silva;8João Santos 7 4Filipe;6Pedro5Arede;3 Propriedade Editores Salomé Fernandes Colaboradores Anabela Canas; António Cabrita; António de Castro Caeiro; Ana Jacinto Nunes; Amélia Vieira; Duarte Drumond Braga; Emanuel Cameira; 2 1M.Tavares; 8 5Gonçalo 3 Waddington; 4 4José1Simões 7 Morais; 8 Luis 5 Carmelo; 6 Nuno Miguel Guedes; 6 Paulo 2 José 4 Miranda; 5 7Paulo8Maia1e Gonçalo Inês Oliveira;9João3 Paulo2 Cotrim; Carmo; Rosa Coutinho Cabral; Rui Cascais; Sérgio Fonseca; Teresa Sobral; Valério Romão Colunistas André Namora; David Chan; João Romão; Jorge Rodrigues Simão; 4 5 Paul 7 Chan 1 Wai6 Chi; Paula Bicho; Tânia 4 dos6Santos 7 Grafismo 9 8Paulo5Borges, 2 Rómulo 1 3 1Fotografia 5 3Hoje9Macau;4Lusa;6 Olavo 9 Rasquinho; Santos Agências Lusa;8 Xinhua GCS; Xinhua Secretária de redacção e Publicidade Madalena da Silva (publicidade@hojemacau.com.mo) Assistente de marketing Vincent Vong Impressão Tipografia 7 6Morada 3 Pátio 2 da9Sé, n.º22, 8 Edf. Tak Fok, R/C-B,5Macau; 8 Telefone 1 628752401 2 Fax 3 28752405; 4 9e-mail 7 info@hojemacau.com.mo; 3 7Sítio9www.hojemacau.com.mo 2 1 6 4 Welfare

5 1 6 4 9 2 3 7 8

3 4 7 6 8 1 9 2 5

S U D O K U UM LIVRO1HOJE 2 9 PROBLEMA 30

7 5 2 3 6 4 1 9 8

1 8 3 5 9 7 6 4 2

9 7 4 2 8 1 5 3 6

6 1 5 7 4 3 8 2 9

3 2 8 6 5 9 4 1 7

8 9 6 1 3 5 2 7 4

5 3 7 4 2 8 9 6 1

2 4 1 9 7 6 3 8 5

SOLUÇÃO DO PROBLEMA 29

29 4 6 9 8 1 2 7 5 3

3 4 5 6 2 7 9 8

30 1 4 3 2 5 6 8 9 7 7 2 4 5 3 8 9 6 1 6 7 9 www. 3 8 2 hojemacau. com.mo 4 1 5

6 1 7 4 8 5 3 9

8 5 6 2 3 1 4 7

7 4 3 1 5 9 6 8 2

4 2 8 3 1 5 9 7 6

5 1 7 8 9 6 3 2 4

3 9 6 2 7 4 8 1 5

4 7 6 5 2 8 8 6 5 9 3 2 3 9 4 2 1 9 6 4 7 EURO 1 8 3

3 9 1 4 7 3 1 3 7 8 1 5 7 8 6 6 4 8 2 5 9 9.71 5 6 2

33 2 8 3 6 4 1 7 livro 2 para 9 adultos 4 Émuflado 1um 7 5 ca-3 de história infantil, 9 centrada 6 5 num 7 rapaz 3 e8num2 piloto perdido no deserto. 3 Daqueles 5 6 que 4 vale 8 a9pena1 reler a cada par de anos para valores 1 avaliar 2 9os 3 7 que6 es-5 tão a guiar a vida adulta de 8 cada 7 um. 4 É 5um alerta 1 contra 2 6 como as aparências interfe6 rem 9 no1 nosso 8 julgamento 5 3 4 dos outros, o peso do di5 nheiro 4 8e dos1títulos, 2 do7con-9 sumismo, bem como sobre 7 a3importância 2 9 da 6 4 8 capacidade

O PRINCIPEZINHO | ANTOINE DE SAINT EXUPÉRY

de criar laços com os outros. Tudo para explicar que “o essencial é invisível aos olhos”. Hoje Macau

5 2 6 7 4 9 1 8 6 8 1 4 3 2 5 7 9 5 8segunda 2 9 4-feira 3 6 17.5.2021 4 4 3 6 8 1 7 9 2 1 7 9 2 5 6 3 3 3 9 1 7 6 2 5 1 6 2 8 5 3 4 1 BAHT 0.25 YUAN 1.24 7 7 4 5 1 8 9 2 CINETEATRO

5 6 4 7 8 9 2 3 1

C34 I N E M A

9 8 1 2 DYNASTY WARRIORS [C] 4 3 7 77 HEARTWARMINGS [B] 6 5 SALA 1

ONCE UPON A TIME IN HONG KONG [C]

2 3 7 6 5 1 9 8 4

FALADO EM CANTONÊS LEGENDADO EM CHINÊS E INGLÊS Um filme de: Wong Jing, Woody Hui Com: Louis Koo, Tony Leung, Francis Ng, Lam Ka Tung 14.30, 19.30

FALADO EM CANTONÊS LEGENDADO EM CHINÊS E INGLÊS Um filme de: Roy Chow Com: Louis Koo, Han Geng, Wang Kai 16.30, 21.30 SALA 2

FALADO EM CANTONÊS

5 8 4 7 3 4 1 8 6 9 6THE MAURITANIAN 9 1 [C]2 5 9 7 5 8 1 2 3 7 9 4 8HOME4SWEET6HOME3[C] 2 7 5 3 1 6 1 2 9 4 7 3 6 2 5 8 LEGENDADO EM CHINÊS E INGLÊS Um filme de: Herman Yau Com: Pakho Chau, Charlene Choi 14.30, 16.30, 19.30, 21.30 SALA 3

Um filme de: Kevin MacDonald Com: Tahar Rahim, Jodie Foster, Shailene Woodley, Benedict Cumberbactch 14.15, 16.45, 21.30

FALADO EM PUTONGHUA LEGENDADO EM CHINÊS E INGLÊS Um filme de: Leste Chen Com: Aaron Kwok, Hsu Wei Ning 19.15

PUB.

Anúncio

O Pedido do Projecto de Apoio Financeiro do FDCT para à 2ª vez do ano 2021

(1) Fins O FDCT visa a concessão de apoio financeiro aos diferentes projectos que contribuam para o reforço da capacidade de investigação científica, inovação e competitividade da RAEM, no quadro dos objectivos da política de desenvolvimento das ciências e da tecnologia da RAEM. (2) Alvos de Patrocínio (i) Universidades, instituições de ensino superior locais, seus institutos e centros de investigação e desenvolvimento (I&D); (ii) Laboratórios e outras entidades da RAEM vocacionados para actividades de I&D científico e tecnológico; (iii) Instituições privadas locais, sem fins lucrativos; (iv) Empresários e empresas comerciais, registadas na RAEM, com actividades de I&D; (v) Investigadores que desenvolvem actividades de I&D na RAEM. (3) Projecto de Apoio Financeiro (i) Que contribuam para a generalização e o aprofundamento do conhecimento científico e tecnológico; (ii) Que contribuam para elevar a produtividade e reforçar a competitividade das empresas; (iii) Que contribuam para a investigação e desenvolvimento, promoção e inovação do desenvolvimento industrial; (iv) Que sejam de investigação científica que contribuam para promover a transformação dos resultados da investigação e desenvolvimento; (v) Que contribuam para promover a cooperação com o exterior em ciência e tecnologia; (vi) Que promovam a transferência de ciências e da tecnologia, considerados prioritários para o desenvolvimento social e económico; (vii) Pedidos de patentes. (4) Tipo de projecto candidato De acordo com a classificação da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), os candidatos devem seleccionar o tipo de. projecto candidato a que pertence entre os seguintes: (i) Tipo de investigação fundamental: projectos desenvolvidos para obter novos conhecimentos sobre os princípios subjacentes aos fenómenos e factos observáveis. (ii) Tipo de investigação aplicada: projectos com objectivos de investigação claros e inovação, desenvolvidos para promover as descobertas da investigação básica à aplicação. (iii) Tipo de desenvolvimento experimental: projectos desenvolvidos para aplicações práticas, destinados a gerar novos produtos, materiais, dispositivos, processos, sistemas e serviços, incluindo especificamente a cooperação da indústria-universidade-investigação, investigação e desenvolvimento empresarial e investigação clínica. (5) Valor de Apoio Financeiro Projectos de montante igual ou inferior a MOP 500.000,00(quinhentas mil patacas) (6) Data do Pedido De 5 de Maio a 31 de Maio de 2021 (7) Forma do Pedido Preenchido o Boletim de Inscrição e os dados de instrução mencionados no Art° 6 do Chefe do Executivo nº 64 /2021,《Regulamento da Concessão de Apoio Financeiro》, publicado no B. O. N° 18 de 4 de Maio 2021, através do sistema informático - “online” do FDCT (website: www.fdct.gov.mo). Endereço: Avenida do Infante D. Henrique N.º 43-53A, Edf. “The Macau Square ”, 11.º andar K, Macau. Para informações: tel. 28788777. (8) Condições de Autorizações Por despacho do Chefe do Executivo nº 64 /2021, processa o 《Regulamento da Concessão de Apoio Financeiro》. O Presidente do C. A. do FDCT, Chan Wan Hei 2021 / 05 / 04


segunda-feira 17.5.2021

opinião 15

www.hojemacau.com.mo

ai, portugal, portugal

André Namora

19 ANOS DE FOME PODE DAR NOVO CONFINAMENTO DE NORTE a sul o país vestiu-se de verde para comemorar ao fim de 19 anos a vitória, diga-se merecida, do Sporting como campeão nacional de futebol. Há milhares de jovens que nunca tinham tido a sensação de ver o seu clube ser o número um. Fizeram parte de claques, gritavam, viajaram a acompanhar os “leões”, invadiram a academia de Alcochete e foram para tribunal depois de agredirem jogadores, treinadores e equipa médica, tiveram os mais diferentes presidentes e treinadores e afinal, durante 19 anos apenas choraram. Desta vez foi diferente: chegaram à loucura. De manhã cedo já estavam ao redor do estádio de Alvalade com os cachecóis e bandeiras, sem pensar que o Boavista podia estragar a festa. Vá lá, que um golinho do único avançado que deixou de saber marcar golos, o Paulinho, foi o suficiente para que o país esteja a falar de tudo o que se passou. A festa foi enorme, mas não se tem falado em outra coisa sobre o aspecto de uma festa deste género em estado de calamidade. O coronavírus não joga à bola mas rola por todo o lado e os responsáveis e especialistas pela Saúde sabem perfeitamente que o perigo espreita a todo o momento se entrarmos numa espiral de desleixo. As autoridades do país, sejam elas camarárias, dirigentes do Sporting e Direcção-Geral de Saúde é que têm a culpa do descalabro que se assistiu. Realizou-se uma reunião com as referidas entidades e a

Polícia de Segurança Pública (PSP) e esta alvitrou que a festa se realizasse apenas no interior do estádio do Sporting, com um número limitado de adeptos e com o teste rápido feito à entrada. A proposta da PSP foi rejeitada. E aqui é que está o busílis. Mais ainda: a PSP recomendou que o autocarro dos sportinguistas não percorresse as ruas de Lisboa para evitar os ajuntamentos e a possibilidade de propagação da covid-19 ou de qualquer variante do vírus que anda por aí. Como é que foi possível autorizar no exterior do estádio a instalação de ecrãs gigantes para que a multidão visse o jogo? Porque não se fizeram avisos com antecedência de que seria proibido o ajuntamento de público junto ao estádio? Quem permitiu a venda de bebidas alcoólicas junto ao estádio tendo provocado como consequência que arruaceiros atirassem com garrafas e pedras aos agentes policiais? Naturalmente que estes responderam em força e os confrontos foram uma vergonha que manchou a chamada festa. Quanto ao ministro da Administração interna, que só tem feito asneiras, desta vez devemos tirar-lhe o chapéu porque a sua PSP fez tudo para evitar multidões que pudessem propagar o vírus. E o ministro não tinha a certeza do resultado do encontro. O Boavista podia vencer e não havia razão nenhuma para ajuntamentos sem máscara de protecção e muito menos sem distanciamento físico.

O Presidente Marcelo veio meter-se no assunto a posteriori. A que propósito? Tinha de ter tomado medidas sérias muito antes dos acontecimentos. E pede responsabilidades. A quem? Aos ministros da Saúde e da Administração Interna? E por que não aqueles que têm proibido a presença de público nos estádios de uma forma organizada e em número reduzido? Desta vez, Marcelo está mal a pedir a cabeça de alguém porque a culpa é simplesmente de quem não aceitou as propostas da PSP e aí, meus caros, temos alguma informação que os dirigentes do Sporting é que quiseram a bagunça a que se assistiu porque teriam o

O que se passou nos festejos verdes não foi nenhuma brincadeira, foi algo de muito sério porque passadas duas semanas iremos ver o resultado da pandemia no que respeita a infectados

receio de uma invasão do relvado no final do jogo e que pudesse contaminar alguns jogadores. Balelas, porque os jogadores andam por todo o lado incluindo centro comerciais. O que se passou nos festejos verdes não foi nenhuma brincadeira, foi algo de muito sério porque passadas duas semanas iremos ver o resultado da pandemia no que respeita a infectados. Para já, no sábado o número já tinha aumentado para cerca de 500 infectados relativamente ao dia anterior e para sete óbitos quando antes dos festejos não se verificava nenhuma morte. Se temos no país ainda vários lugares em cerco sanitário e com elevado número de pessoas infectadas, como foi possível permitir que milhares de adeptos leoninos se juntassem daquele modo? Os 19 anos sem ganhar um campeonato nacional tinha de ter sido festejado com bom senso e mostrar que o respeito pelos seus concidadãos tinha de ser a pedra de toque, não vá o caso resultar em novo confinamento geral, pelo menos na região de Lisboa. O Sporting sempre foi um grande clube, tem história, há muitos anos ganhava campeonatos em anos seguidos, mereceu ser campeão este ano, mas os seus dirigentes não estiveram à altura do momento pandémico que todos vivemos e só por isso não enviamos um viva ao Sporting. *Texto escrito com a antiga grafia


‘‘A experiência é um troféu composto por todas as armas que nos feriram.’’ PALAVRA DO DIA

O

Papa Francisco celebrou ontem uma missa especial sobre Myanmar (antiga Birmânia), em que reiterou os apelos à paz e ao fim da violência ao quarto mês da sangrenta repressão da Junta Militar contra civis. A missa na Basílica de São Pedro, no Vaticano, em que estavam presentes poucas centenas de fiéis, na maioria estudantes e religiosos birmaneses, decorreu depois de vários apelos à paz feitos nos últimos meses por Francisco, que visitou a Birmânia em Novembro de 2017, sendo esta viagem a primeira visita papal a uma nação predominantemente budista. Na homilia, o sumo pontífice argentino evitou denunciar abertamente o regime militar birmanês que derrubou, a 1 de Fevereiro, o Governo eleito de Aung San Suu Kyi e, em vez disso, pediu aos fiéis para que

sejam “firmes na verdade”, exortando-os a não perder a esperança. “Queridos irmãos e irmãs, nestes dias em que vosso amado país, Birmânia, conhece a violência, o conflito e a repressão, perguntemos a nós mesmos: o que somos chamados a manter? Em primeiro lugar, a manter a fé”, afirmou. Francisco apelou também à unidade, considerando a divisão entre as comunidades e os povos uma “doença mortal”. “Sei que algumas situações políticas e sociais são maiores do que nós. Mas o compromisso com a paz e com a fraternidade vem sempre de baixo: cada pessoa, nas pequenas coisas, pode fazer a sua parte. No meio da guerra, da violência e do ódio, a fidelidade ao Evangelho e o ser pacificador exigem empenho, também através de opções sociais e políticas, mesmo com risco de vida”, realçou.

Positivo em quarentena Registado domingo 50.º caso de covid-19 em Macau proveniente do Nepal

E

STE domingo, dia 16, foi detectado o 50.º caso de covid-19 em Macau. Segundo informações divulgadas pelo Centro de Coordenação de Contingência do Novo Tipo de Coronavírus, trata-se de um indivíduo proveniente do Nepal que estava a realizar a quarentena, tendo acusado “francamente positivo” ao teste de ácido nucleico de rastreio à covid-19. Trata-se, portanto, de “um caso de recaída assintomático importado”. O homem tem 31 anos de idade e viajou de Kathmandu, Nepal, no dia 24 de Abril. Antes de entrar no território, o teste de ácido nucleico deu negativo. No dia seguinte, a 25 de Abril, o indivíduo foi submetido a novo teste de ácido nucleico, que deu negativo, e a um teste de anti-corpos IgM, que deu positivo. O indivíduo foi reencaminhado para o Centro Clínico de Saúde Pública de Coloane, uma vez que as autoridades consideraram que “tinha sido infectado com a covid-19 e havia o risco de recaída”. Os testes de ácido nucleico efectuados a 28 de Abril, 2 e 9 de Maio deram todos negativos. 

Risco de surto

O Centro de Coordenação alerta para o “risco elevado de surgir um surto de uma variante altamente contagiosa”. Neste sentido, todos os

residentes serão submetidos a testes anti-corpos. “Com isto evita-se que estes indivíduos, após saída de observação médica em isolamento, possam pôr em perigo as suas famílias e a comunidade.” Tendo em conta o aumento de casos em Taiwan, o Centro de Coordenação decidiu aumentar a quarentena obrigatória de 14 para 21 dias para quem viaje para Macau a partir da Ilha Formosa. Além disso, aqueles que estão sob observação médica devido ao histórico de viagens e residência na região de Taiwan devem ser submetidos a autogestão da saúde por 7 dias após o término da observação médica de 14 dias, durante o qual a cor do código de saúde da pessoa passará a ser amarelo”. Esta medida não

se aplica, contudo, aos que já completaram a observação médica tendo em conta o histórico de viagens e residência em Taiwan. O Centro deixa ainda notar que “se as condições permitirem as medidas originais [quarentena de 14

O indivíduo foi reencaminhado para o Centro Clínico de Saúde Pública de Coloane, uma vez que as autoridades consideraram que “tinha sido infectado com a covid-19 e havia o risco de recaída”

FRANÇA PARTIDO DE LE PEN DESVIOU 6,8 MILHÕES DE FUNDOS EUROPEUS

O

PUB PUB.

partido francês de extrema-direita União Nacional (RN, sigla original), liderado por Marine Le Pen, terá desviado 6,8 milhões de euros de fundos do Parlamento Europeu, revelou ontem um inquérito policial noticiado pelo Le Journal du Dimanche. Le Pen está acusada desde há cinco anos por uso fraudulento de recursos públicos na contratação de pessoas que na realidade trabalharam para a União Nacional. Alíder da extrema-direita francesa surge acusada juntamente com outras 16 pessoas ligadas ao partido.

17.5.2021

RÓMULO SANTOS

MYANMAR PAPA APELA À PAZ E AO FIM DA VIOLÊNCIA

Marco Aurélio

segunda-feira

A situação remonta à época em que o RN era liderado pelo pai da actual líder, Jean-Marie Le Pen, mas terá tomado forma sob a presidência de Marine Le Pen, após as eleições europeias de 2014, nas quais este partido de extrema-direita conquistou 24 lugares. O semanário francês Le Journal du Dimanche refere que a gestão dos créditos atribuídos à contratação de colaboradores era “centralizada” pelo partido, que apenas deixava os seus deputados escolherem um auxiliar e se encarregava de contratar os restantes.

A líder do RN reagiu através da sua conta no Twitter, descrevendo o Le Journal du Dimanche como “o órgão oficial do poder macronista [referência a Emmanuel Mácron, Presidente da França]”. “Traz à tona o mesmo caso de assistentes parlamentares como em todas as eleições. Nada de novo”, escreveu, acrescentando referências às eleições regionais de Junho. Em causa está um relatório de 98 páginas, entregue a 15 de Fevereiro ao juiz de instrução, que refere que os fundos europeus não foram usados

apenas para pagar os colaboradores que efectivamente trabalharam para o partido, mas a alguns que acumulavam contratos de trabalho de forma indevida, descreve a agência noticiosa espanhola Efe. A deputada francesa e candidata às eleições presidenciais de 2022 é apresentada como a responsável directa por este sistema fraudulento que consistiria em financiar os salários dos trabalhadores do partido com fundos europeus, desviando as verbas dadas aos eurodeputados para contratar assistentes.

dias] serão reiniciadas o mais rápido possível”. Foi ainda decretada a quarentena obrigatória de 14 dias para todos os que viajam para Macau a partir da Vila de Shangpai, Condado de Feixi, da Cidade de Hefei da província de An Hui, ou da Vila de Chentun e Vila de Xiongyue, da Cidade de Yingkou da província de Liaoning, na China. Desde as 21h deste domingo, dia 16, que é ainda obrigatória a quarentena para quem tenha estado, nos últimos 14 dias, na comunidade de Yiyuan, do distrito de Heping, da cidade de Shenyang, da província de Liaoning, também na China. A.S.S.

Profile for Jornal Hoje Macau

Hoje Macau 17 MAIO 2021 #4769  

Nº 4769 de 17 MAIO de 2021 - Edição em papel do jornal Hoje Macau

Hoje Macau 17 MAIO 2021 #4769  

Nº 4769 de 17 MAIO de 2021 - Edição em papel do jornal Hoje Macau

Profile for hojemacau
Advertisement

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded