__MAIN_TEXT__
feature-image

Page 1

ELEIÇÕES

Uma descoberta grotesca

PÁGINA 4

hoje macau

www.hojemacau.com.mo•facebook/hojemacau•twitter/hojemacau

Rota da fé

Nº 4788

TERÇA-FEIRA 15-6-2021 DIRECTOR CARLOS MORAIS JOSÉ

Diz-me por onde andas O Governo está a criar uma nova aplicação de telemóvel para registar as deslocações dos residentes, com vista a controlar eficazmente os acontecimentos na eventualidade de um novo surto de covid-19. A obrigatoriedade da instalação não está ainda decidida, mas o Executivo garante que não haverá violação dos dados pessoais. PÁG. 5

LIVRO

HISTÓRIAS DA ALEGORIA EVENTOS

ENCONTRO NO DUPLO NOVE XUNZI

MORTE DE UM APICULTOR 2 PAULO JOSÉ MIRANDA

PUB.

ÚLTIMA

EURO 2020

O DIA DE PORTUGAL

PUB

PUB.

CENTRAIS

MOP$10


2 grande plano

15.6.2021 terça-feira

www.hojemacau.com.mo

LUSOFONIA INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO PARA OS PALOP EM MACAU ESTUDA COOPERAÇÃO COM A CHINA

Plataforma em movimento

Wu Yuxian, do Instituto de Investigação para os Países de Língua Portuguesa em Macau, ligado à Universidade Cidade de Macau, falou do primeiro estudo publicado sobre São Tomé e Príncipe, e de outros que se seguirão. O objectivo é ajudar a definir políticas de cooperação com a China

O

Instituto de Investigação para os Países de Língua Portuguesa em Macau, que funciona na Universidade Cidade de Macau (UCM), publicou um estudo sobre São Tomé e Príncipe, seguindo-se agora outros livros dedicados à Guiné-Bissau e, possivelmente, a Cabo Verde, disse à Lusa uma das investigadoras. Na prática, Macau está a estudar os pequenos países lusófonos para ajudar a definir políticas de coo-

O

peração chinesa com os países de língua portuguesa, afirmou Wu Yuxian. “Estamos a concentrar-nos em alguns países, tais como Timor-Leste, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe, e possivelmente Cabo Verde, por enquanto, mas queremos planear investigação para países maiores”, explicou uma das docentes que integra o projecto. A primeira publicação foi sobre Timor-Leste (2020). Este ano foi já lançado um livro sobre a relação

Instituto de Investigação para os Países de Língua Portuguesa em Macau organiza, no próximo dia 16 de Julho, um simpósio presencial e online em parceria com a Universidade Joaquim Chissano, de Moçambique. A ideia é reunir um grupo de académicos que possam olhar para os diferentes níveis de desenvolvimento económico de países lusófonos em África como é o caso de Angola, Cabo Verde, Moçambique, Guiné-Bissau e São Tomé e Príncipe. “Tendo em conta o passado histórico e a língua comuns, o nosso objectivo é ter uma melhor compreensão destas realidades, pelo que este simpósio olha para as características, desafios e oportunidades dos seus

da China com pequenos Estados insulares de língua portuguesa. Nesta semana, o último: “São Tomé e Príncipe – A construção de um Estado arquipélago”. O projecto debruçou-se sobre o facto de o “estudo dos países de língua portuguesa estar intimamente ligado à da criação do instituto” e vai ao encontro do conceito expresso pelo Presidente chinês, Xi Jinping, de se promover a construção de uma comunidade com um futuro partilhado para a

humanidade, salientou a professora da UCM. Mas não só. A existência, desde 2018, de um novo financiamento para projectos de investigação académicos dedicados a países lusófonos, com o objetcivo de se reforçar a cooperação, mas também de potenciar oportunidades de mercado para os quadros formados na China continental e em Macau, esteve também em foco. A ideia “é fornecer ao Governo ajuda para a formulação de políti-

Que desenvolvimento?

Universidade Cidade de Macau organiza simpósio em Julho

processos de desenvolvimento”, pode ler-se numa nota publicada no website da UCM. A terceira edição deste simpósio anual aborda o facto de São Tomé e Príncipe, Guiné-Bissau e Moçambique terem registado os Índices de Desenvolvimento Humano (HDI, na sigla inglesa) mais baixos de 2019, à excepção de Angola. “Este simpósio traz académicos destes países para debaterem questões chave de desenvolvimento, especialmente no contexto da iniciativa uma faixa, uma rota e a Grande Baía.”

Outro dos objectivos deste evento será “a publicação do terceiro livro, como resultado das conferências, para a colecção de oito livros que serão dedicados à análise das relações entre os países de língua portuguesa e a China”. Participam também neste simpósio académicos portugueses, como Jorge Tavares da Silva, Paulo Duarte e Rui Pereira, que vão abordar a temática “China in the Middle Atlantic: Challenges for the Small Portuguese Island States”. Estão também incluídas no simpósio as apresentações de académicos da

cas de apoio” a estes países e, para isso, “é preciso entendê-los verdadeiramente, para se compreender qual é a raiz do seu comportamento”, assinalou a historiadora.

Desafios para São Tomé

O livro, apenas em chinês, sobre São Tomé e Príncipe, apresentado esta semana tem quase 200 páginas em que são abordados vários temas multidisciplinares: desde a colonização portuguesa; uma visão política da escravatura à democratização;

própria UCM, como é o caso de Amélie Lu Yuqing, que irá falar das “Mulheres e a Economia na Moçambique contemporânea”. Meng Jingwen, Wu Wenzhong e Auricelio André Co vão abordar o tema “Mega eventos locais e a imagem de marca nacional no Turismo: Um estudo comparativo dos carnavais entre a RAEM e a Guiné-Bissau”. João Simões e Paulo Guilherme Figueiredo, também da UCM, irão fazer a apresentação “Um panorama da energia global: Implicações para as transições de energia para a China e os países de língua portuguesa”.  Lucio Lima Viegas, da Universidade de São Tomé e Príncipe, fala ainda do “Impacto económico e social na educação das ilhas de São Tomé e Principe”, entre outros oradores.  


terça-feira 15.6.2021

www.hojemacau.com.mo

grande plano 3

A investigação agora publicada aponta vários desafios actuais para São Tomé e Príncipe

A docente sublinhou que em São Tomé e Príncipe há uma ausência de identidade nacional, ainda muito tribal, para depois destacar a importância do “esforço comum do povo”, como acontece na China, apontando que há uma razão para o Partido Comunista Chinês “ser tão poderoso”

o investimento, desenvolvimento e dependência; a dimensão social, da linguagem à religião; até às relações externas, nas quais é dissecada a diplomacia com outros países africanos, União Europeia e continente americano. E, claro, com a China, desde que as relações diplomáticas foram restabelecidas em 2016, o que possibilitou a entrada de São Tomé e Príncipe no Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa, também conhecido como Fórum Macau. A investigação agora publicada aponta vários desafios actuais para São Tomé e Príncipe. A “forte dependência de ajuda externa”, segundo a investigadora, é um dos problemas. Por um lado, a economia do país ainda se baseia na exportação de produtos agrícolas, muito dependente da flutuação de preços dos mercados internacionais, sem garantir a criação de valor acrescentado. Por outro, procura agora potenciar a sua riqueza em recursos como o petróleo, resumiu. “Fiquei muito feliz quando soube [da descoberta de petróleo], as pessoas pensaram que poderiam finalmente ter uma vida melhor, mas nada mudou (…) devido à incapacidade de governança”, disseWuYuxian, uma vez que “ainda não se conseguiu transformar esse recurso em dinheiro”. Tal como no Haiti, que tem recursos, “as pessoas são muito pobres e o povo vive na miséria”, afirmou. A docente sublinhou que em São Tomé e Príncipe há uma ausência de identidade nacional, ainda muito tribal, para depois destacar a importância do “esforço comum do povo”, como acontece na China, apontando que há uma razão para o Partido Comunista Chinês “ser tão poderoso”. Nesta matéria, concluiu, o povo de São Tomé e Príncipe “deve encontrar o seu próprio caminho” que, “definitivamente não é algo que os ocidentais possam dar”, argumentando que “o poder político está nas mãos de alguns que são geralmente educados no Ocidente (…) sem fazer nada pela base”, referindo-se a uma elite que vai partilhando o poder. A historiadora reiterou que “a falta de uma identidade nacional ou memória comum” é um obstáculo chave no processo de desenvolvimento do país, que é muito recente, exemplificando, por contraste, o que acontece em nações como Portugal, Alemanha e China. E mesmo no Brasil, país que já estudou e que, apesar de também ter um passado marcado pela colonização, conseguiu “formar gradualmente a sua própria identidade nacional”, muito visível, exemplificou, nas artes.


4 política

15.6.2021 terça-feira

RÓMULO SANTOS

www.hojemacau.com.mo

TSI Scott Chiang perde recurso em processo de manifestação

A jogada caiu mal em membros do campo tradicional, que terão ficado “chocados” com a indisponibilidade do deputado concorrer ao sufrágio directo

SUFRÁGIO INDIRECTO HO ION SANG SUBSTITUI CHAN HONG

Por outro lado

Angela perto da reeleição

Ho Ion Sang tem pouca fé na reeleição e, como tal, terá conseguido mexer-se nos bastidores para ocupar o lugar de Chan Hong, na via indirecta. Segundo o jornal All About Macau, também Angela Leong deixou o sufrágio directo e deve ocupar o lugar que era de Vitor Cheung Lup Kwan

A

substituição de Chan Hong por Ho Ion Sang na lista do sector educativo ao sufrágio indirecto deverá ser uma das principais alterações nas legislativas deste ano. A informação foi avançada na sexta-feira pelo jornal AllAbout Macau, que adianta ainda que Angela Leong vai substituir Vitor Cheung Lup Kwan, também eleito por sufrágio indirecto. Ho Ion Sang, deputado desde 2009, tem concorrido ao hemiciclo na lista União Promotora para o Progresso (UPP) apoiada pela União Geral das Associações dos Moradores de Macau (UGAMM). No sufrágio de 2017, a lista atingiu quinto lugar com 12.340 votos, mas

ficou associada à oferta de pequenos-almoços no dia das eleições. Apesar da alargada base de eleitores próxima dos Kaifong, o jornal All About Macau revelou que Ho Ion Sang não acredita nas hipóteses de ser reeleito. Por isso, utilizou as boas relações entre a associação a que pertence e a Associação Geral das Mulheres para ficar com o lugar pela via indirecta de Chan Hong, no colégio eleitoral dos sectores dos serviços sociais e educacional. Todavia, a jogada caiu mal em membros do campo tradicional, que terão ficado “chocados” com a indisponibilidade do deputado para concorrer ao sufrágio directo. A movimentação terá ainda causado desagrado devido à menta-

deputado escolhido pelo Chefe do Executivo integra o órgão.

lidade de Ho, que em vez de se preparar para a possibilidade de assumir as responsabilidades do último mandato, preferiu “tirar o tapete” a Chan Hong. O desenlace não significa o fim da linha para Chan Hong. A vice-presidente da Associação Geral das Mulheres de Macau deve ser nomeada pelo Chefe do Executivo. O panorama vai significar o fim de uma tradição. Desde o estabelecimento da RAEM, a mesa da Assembleia Legislativa foi sempre composta por pessoas eleitas pela via directa e indirecta. Chan Hong é actualmente a primeira secretária. No caso de ser nomeada, e caso mantenha o cargo, será a primeira vez que um

Quem também vai trocar o sufrágio directo pelo indirecto é Angela Leong. A empresária e mulher de Stanley Ho vai candidatar-se pelos sectores da cultural e desportivo, no lugar de Vitor Cheung Lup Kwan. O ainda deputado com cerca de 83 anos deve mesmo retirar-se do hemiciclo no final de Agosto. Angela Leong deverá assim candidatar-se na mesma lista que o parceiro de negócios, Chan Chak Mo, adianta o All About Macau. Os restantes lugares indirectos não devem sofrer alterações, Kou Hoi In, José Chui Sai Peng, Ip Sio Kai e Wang Sai Man devem garantir a eleição pelo colégio dos sectores industrial, comercial e financeira, através de uma única lista. A nível dos lugares para o sector do trabalho, Lam Lon Wai e Lei Chan U vão voltar a ser os membros da Federação das Associações dos Operários de Macau (FAOM). Finalmente, em relação ao colégio eleitoral do sector profissional, Chan Iek Lap, Chui Sai Cheong e Vong Hin Fai devem voltar a ser reeleitos, com a dúvida a ser se concorrem numa única lista ou se há separação, como aconteceu em 2017. João Santos Filipe

O Tribunal de Segunda Instância julgou improcedentes os recursos interpostos por Scott Chiang no caso de manifestação ilegal, que culminou com o arremesso de aviões de papel para a residência oficial do Chefe do Executivo. O acto que acabou por ser julgado em tribunal ocorreu num protesto contra a doação de 100 milhões de yuan da Fundação Macau à Universidade de Jinan. Scott Chiang recorreu da condenação a multa de 24 mil patacas, e também por considerar-se lesado no direito ao contraditório, uma vez que a prova produzida em tribunal foi referente ao crime de desobediência qualificada e no final a sua condenação foi por manifestação ilegal. Face a essa discrepância, a defesa pediu, sem sucesso, a repetição das inquirições em tribunal.

Jiangmen Ofertas da Associação criam confusão à porta do Royal

Para celebrar o 100.º aniversário do Partido Comunista Chinês, a Associação dos Conterrâneos de Jiangmen de Macau ofereceu ontem dois cupões de 50 patacas do supermercado Royal e um pacote com cinco máscaras. As ofertas desencadearam uma corrida ao local e, segundo o All About Macau, as filas levaram mesmo a que agentes do Corpo de Polícia de Segurança Pública fossem chamados para manter a ordem e garantir que a distância de segurança de um metro era cumprida. Por volta das 15h30, a fila começava na Rua da Ribeira do Patane, à frente da sede da associação, e terminava no final da Travessa dos Estaleiros, numa distância de praticamente 200 metros

FÓRUM FINANCEIRO LEI WAI NONG DESTACA NECESSIDADE DE REESTRUTURAR ECONOMIA

O

secretário para a Economia e Finanças, Lei Wai Nong, destacou na sexta-feira que “a zona de cooperação aprofundada entre Guangdong e Macau em Hengqin é um importante ponto de partida” para a integração do território no desenvolvimento da Grande Baía.

Ao discursar no Fórum Financeiro da Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau, o governante referiu também que a pandemia criou desafios para o desenvolvimento mundial e causou “um grande impacto”, nomeadamente nos sectores locais dependentes do turismo.

Uma situação que reflecte “a urgência” de diversificar a economia. “Actualmente, Macau está a atravessar um período de transição para a recuperação económica, pelo que é necessário acelerar a reestruturação da economia e o planeamento do desenvolvimento das

diferentes indústrias”, disse. Lei Wai Nong referiu que as apostas vão incidir sobre os sectores financeiro e das indústrias de saúde, ciência, tecnologia e cultural. O secretário observou que o sector financeiro precisa de “aproveitar melhor a função de Macau como ponto de

encontro das duas circulações do país” e oportunidades associadas à Grande Baía.Afirmou ainda que o Governo está a desenvolver actividades como o mercado de títulos e a gestão de riqueza, para “proporcionar diferentes canais de financiamento para as indústrias emergentes de todos os tipos”.

Na comunicação com o governo de Guangdong, Lei Wai Nong apontou que as políticas favoráveis à livre circulação, ao investimento e ao financiamento de capital transfronteiriço junto da comissão estatal da área financeira estão entre as prioridades. S. F.


terça-feira 15.6.2021

TAISHAN EMPRESA ALERTA PARA PERIGO EM CENTRAL NUCLEAR

COVID-19 NOVA APP REGISTA PERCURSO DE RESIDENTES

Com rasto

A

empresa francesa Framatome, parceira da estatal China General Nuclear Power Group na Central Nuclear de Taishan, avisou o Governo dos Estados Unidos para a existência de “uma ameaça radioactiva iminente”, na cidade que fica a 70 quilómetros de Macau. A informação foi divulgada ontem, em exclusivo pela CNN, e segundo os documentos citados, os EUA foram avisados de que as autoridades chinesas aumentaram o nível de radiação permitida fora da central, antes de haver um sinal de alerta. Contudo, a CNN também indica que os documentos não permitem apurar o nível de radiação considerada segura na China, em compa-

O Executivo está a preparar uma aplicação de telemóvel que regista o histórico das deslocações dos residentes no território, mas assegura que os serviços públicos não terão acesso aos dados recolhidos. As autoridades ainda não decidiram se a instalação da app será obrigatória

O

Centro de Coordenação de Contingência do novo tipo de coronavírus está a trabalhar na criação de uma aplicação de telemóvel que irá registar o paradeiro de residentes para controlar um possível surto de covid-19. “O Governo está a desenvolver uma aplicação de telemóvel para registar os percursos dos residentes. [Estes] devem ter o conhecimento de que neste momento o surto em Macau pode acontecer”, disse Tai Wa Hou, responsável do centro.  “Quando as pessoas forem a um local podem fazer o scan de um código para registar este percurso e será registado só no telemóvel da pessoa. Estes dados não serão partilhados com outros serviços públicos, como os Serviços de Saúde. Quando os residentes gerarem um código de saúde, o sistema vai fazer uma comparação com percursos de casos confirmados ou de contacto próximo” e lança um alerta, adiantou o mesmo responsável.  Ainda não é certo se a instalação desta aplicação será ou não obrigatória, mas o Governo assegura que “não há violação de privacidade” e que será mantido “um contacto frequente com o Gabinete de Protecção de Dados Pessoais”. 

Caso em Cantão é exemplo Ontem de manhã um trabalhador não residente (TNR) foi considerado um caso de contacto próximo por via secundária depois de ter estado na mesma carruagem de um comboio onde viajava um contacto próximo de alguém com covid-19. O caso aconte-

sociedade 5

www.hojemacau.com.mo

ceu no passado dia 4 de Junho, em Cantão. O TNR será colocado em quarentena, enquanto que o restaurante onde trabalha, o Kirin Palace Cantonese Cuisine, na avenida Almirante Lacerda, fica temporariamente encerrado. O Centro de Coordenação de Contingência do Novo Tipo de Coronavírus declarou que o restaurante costuma ter “grande afluência de clientes, que não podem usar as máscaras durante a tomada de refeições”. Além disso, os colegas de casa e de trabalho do TNR em quarentena precisam de realizar testes de ácido nucleico e cumprir um período de auto-gestão de saúde. Amanhã e quinta-feira serão realizados nos testes, e caso o resultado seja negativo os códigos de saúde destas pessoas passam de amarelo a verde. Todos os clientes que estiveram no restaurante entre os dias 12 e 13 de Junho devem realizar testes de ácido nucleico amanhã e depois de amanhã. “Decorridos 10 dias até à presente data, o teste de ácido nucleico [do TNR] foi negativo no dia 10 de Junho, e, no domingo, os testes de ácido nucleico para a covid-19 e de anticorpos séricos apresentaram resultados negativos, o que demonstra que o risco de infecção e de transmissão é baixo”, concluiu o Centro em nota de imprensa. 

ração com os EUA. A empresa estatal respondeu em comunicado afirmando que as operações na central nuclear cumprem as regras de segurança e que o ambiente circundante é seguro. O contacto da empresa Framatome, detida pela companhia estatal Electricidade de França (EDF), teve como objectivo obter autorização para poder partilhar conhecimentos tecnológicos desenvolvimentos por entidades americanas com as congéneres chinesas, de forma a resolver o problema. O HM contactou o Governo de Macau, que tem um mecanismo de alerta com as autoridades de Taishan, mas até à hora de fecho da edição não recebeu uma resposta.

SUBSTÂNCIAS PERIGOSAS RELATÓRIO APOIA A LEI

O

Para Leong Iek Hou, coordenadora do Centro, este é um exemplo que ilustra a importância da app. “O caso mostra a importância de registar o percurso através do código de saúde. Feliz-

Não é certo se a instalação desta aplicação será ou não obrigatória, mas o Governo assegura que “não há violação de privacidade” e que será mantido “um contacto frequente com o Gabinete de Protecção de Dados Pessoais”

mente, desta vez, apenas foi preciso acompanhar as pessoas que estiveram no restaurante nesses dois dias. O risco de transmissão e infecção é relativamente baixo”, apontou. Ontem foi ainda anunciado a criação de mais um local para fazer testes de ácido nucleico no posto fronteiriço da Ilha de Hengqin, que começa a operar amanhã. Os testes custam 70 patacas e podem ser feitos entre as 14h e 21h, com 500 vagas diárias. Andreia Sofia Silva

Governo recolheu um total de 123 opiniões sobre a “Regime Jurídico do Controlo de Substâncias Perigosas”, comunicou o Corpo de Bombeiros, cuja conclusão é que os diversos sectores da sociedade “geralmente apoiam” a elaboração da lei. O relatório acrescenta que é consensual a “necessidade e urgência deste diploma”. As opiniões recolhidas tiveram como foco principal as instruções, recomendações e informações de segurança, que representaram 13,31 por cento do total das participações na consulta popular, encabeçadas pela preocupação relativa às normas de segurança, que devem ser emitidas “o mais breve possível”, inclusive sobre o transporte de

substâncias perigosas. O Governo respondeu que com a nova lei as autoridades públicas têm a competência de emitir instruções e recomendações, bem como elaborar e divulgar “fichas de segurança”. As zonas de armazenagem ou depósito controlado também foram abordados, com mais de 90 por cento dos cidadãos a favor. O Governo aponta que depois de terminar o processo judicial sobre o terreno, o Corpo de Bombeiros vai articular-se com a tutela das obras públicas, para a construção começar “o mais cedo possível”. E no âmbito da fiscalização refere que no armazém vão ser instalados sistemas de combate a incêndios específicos, de ventilação, de vídeo-monitorização.


6 sociedade

15.6.2021 terça-feira

www.hojemacau.com.mo

Desporto Pun admite Grande Prémio sem público

O presidente do Instituto do Desporto, Pun Weng Kun, admitiu a hipótese do Grande Prémio de Macau ser realizado sem público nas bancadas, à semelhança do que aconteceu com os Regatas Barcos-Dragão. O responsável pela área do desporto afirmou que a decisão depende da evolução da pandemia. Em relação ao programa do Grande Prémio de Macau, Pun disse que está a ser negociada a escolha de provas, mas que qualquer decisão vai ser sempre condicionada pela situação pandémica. Sobre as negociações com a Fórmula 4 da China, que foi a corrida de cartaz do ano passado, o presidente do ID indicou que esta categoria poderá regressar, mas que ainda nada esta decidido.

Regata Corpo de Bombeiros dominam Barcos-Dragão MP ALERTA PARA POSSÍVEL ESCASSEZ DE MAGISTRADOS

Sem mãos a medir

No relatório de 2020, o Ministério Público diz que o curso de formação de magistrados poderá aliviar a falta de recursos humanos, mas que a curto-prazo pode haver uma “escassez crescente” na magistratura. Além disso, apela à criação de uma plataforma de dados sobre processos e assuntos de justiça

O

Ministério Público (MP) voltou a apontar problemas aos recursos humanos de magistrados, pelo menos até os estagiários concluírem o curso de formação de magistrados, para o qual foi aberto novo concurso. O alerta consta do relatório do MP referente a 2020. “Depois da aposentação de dois magistrados no ano 2021, o número de magistrados do Ministério Público em exercício reduzirá de 39 para 37, e atenta a probabilidade de alguns poderem requerer a aposentação voluntária nos termos da lei, poderá vir a verificar, em curto prazo, uma escassez crescente de recursos humanos na magistratura do Ministério Público”, pode ler-se no relatório. Até ao final de Dezembro do ano passado, o MP contava com 39 magistrados. Destes, três desempenhavam funções noutros órgãos públicos, e outros três eram de nacionalidade portuguesa, em regime de contrato.

O MP observa que já se iniciou um novo concurso para admissão ao curso de formação de magistrados e que quando terminar “a situação de escassez” de recursos humanos poderá “ser atenuada”. Mas ressalva que “até os magistrados estagiários concluírem o seu estágio, os magistrados em exercício (...) enfrentarão uma maior pressão no seu trabalho”. Os funcionários de justiça do MP aumentaram de 46 para 136, desde a transferência de soberania. Um número que o organismo entende “satisfaz basicamente a necessidade”. No entanto, com o

Entre os trabalhos para o futuro do MP está a “interpretação correcta da política de ‘Um País, Dois Sistemas’ e defesa espontânea da segurança do Estado”

aumento da quantidade e complexidade dos processos, o relatório refere a necessidade de aperfeiçoar, por exemplo, os requisitos de habilitações académicas de oficiais de justiça. Além disso, apela à revisão “em tempo oportuno” do “recrutamento, selecção e formação dos funcionários de justiça” e do “estatuto dos funcionários de justiça”, bem como da introdução de um regime de prémios e incentivos ao desempenho. O objectivo é “assegurar a estabilidade da equipa” dos funcionários de justiça e “elevar a qualidade e a eficiência” do seu trabalho.

Partilha de dados

Os avanços tecnológicos também foram alvo de atenção. O MP indica que o progresso tecnológico gera “enorme mudança” para o sistema de governação social e acarreta “desafios” ao funcionamento do processo judicial. O MP espera que o Governo arranque com “as medidas legisla-

tivas respeitantes à informatização dos processos judiciais, de modo a elevar o grau de partilha de dados entre os órgãos de polícia, o Ministério Público e o Tribunal, e criar uma plataforma de dados no âmbito de processos e assuntos de justiça da RAEM”. Em causa está a “união de recursos judiciários e melhor eficiência judiciária”. Vale também notar que entre os trabalhos para o futuro do MP está a “interpretação correcta da política de ‘Um País, Dois Sistemas’ e defesa espontânea da segurança do Estado”. É ainda sugerido um regime de formação “sistemático” dos magistrados, quando houver um volume razoável de recursos humanos, e mencionada a necessidade de reforçar a fiscalização da integridade dos trabalhadores do MP.

Menos inquéritos

O número de inquéritos autuados diminuiu 27 por cento para 10.852 no ano passado. Uma tendência justificada com o impacto da covid-19, que levou à redução do fluxo de pessoas e actividades sociais. No entanto, verificou-se uma “subida na intervenção nos julgamentos do Tribunal de Última Instância, entre os quais cerca de 30 por cento se relacionam com litígios derivados da recuperação de terrenos”. Deu-se uma diminuição de quase 79 por cento das autuações relacionadas com crimes ligados ao jogo ilícito e de cerca de 27 por cento nos crimes contra a autoridade pública. Por outro lado, constatou-se “um crescimento notável no âmbito de pornografia de menor e abuso sexual de menor” comparativamente ao ano anterior. Salomé Fernandes

A equipa do Corpo de Bombeiros venceu a Regata de Barcos-Dragão na categoria Open para grandes embarcações. Os bombeiros demoraram 1h53.480 a percorrer os 500 metros no Lago Nam Van. O pódio ficou completo com a formação SJM Golden Jubilee, com o tempo de 1h55.064 e Wynn, que alcançou o registo de 1h57.972. Além da vitória na categoria Open, o Corpo de Bombeiros triunfou igualmente na prova para entidades públicas e nos 200 metros para pequenas embarcações. Na prova de senhoras de 500 metros na categoria Open, venceu a Association of Macao Youth Development, com o tempo de 2h11.865, seguida por MGM, 2h16.159, e Wynn, que percorreu os 500 metros em 2h17.222.

IAM Iguana americana apanhada sábado no Alto de Coloane

O Instituto para os Assuntos Municipais (IAM) anunciou no sábado a captura de uma iguana americana no Miradouro no Alto de Coloane. O reptil tem 1,3 metros de comprimento e pesava 2,9 quilogramas. Na altura da captura, o IAM revelou que o animal estava num estado fragilizado, com várias doenças de pele, na boca e subnutrição. Por esse motivo, foi tratado e enviado para quarentena. No entanto, as autoridades alertaram para que os cidadãos não libertem animais na natureza. Segundo a explicação, a iguana americana reproduz-se rapidamente, tem poucas espécies predadoras em Macau e é uma ameaça ao equilíbrio do ecossistema.


terça-feira 15.6.2021

John Mo em Saipan

CRIME HOMICIDA DETIDO EM ZHONGSHAN DEPOIS DE ABANDONAR CORPO NA TAIPA

O carniceiro do Cotai

Académico condenado por abuso sexual está em ilha paradísica

O

Absolvido e culpado

Depois de quase um ano em prisão preventiva, John Mo foi considerado inocente, a 15 de Fevereiro de 2019, pelo Tribunal Judicial de Base (TJB) da acusação do crime de violação. Na altura, o colectivo de juízes do TJB entendeu que a vítima não só não tinha procurado socorro como também não mostrou vontade de abandonar o local onde alegadamente decorria o crime. Foi também argumentado que a vítima se sentou no colo de John Mo e que poderia ter feito a queixa pelo facto de ser casada e temer que a sua relação extraconjugal fosse descoberta, o que não fez. No entanto, a decisão foi revertida pelo Tribunal de Segunda Instância, que no início do ano condenou o académico a seis anos de prisão pelo crime de abuso sexual de pessoa incapaz de resistência. J.S.F.

As autoridades chinesas detiveram no domingo o suspeito de um dos mais grotescos crimes dos últimos tempos em Macau, por alegadamente ter assassinado e desmembrado uma mulher. Os restos mortais foram encontrados perto do armazém da CEM, num terreno à entrada da colina da Taipa Grande AAMACAU

ex-director da Escola de Pós-Graduação da Faculdade de Direito da Universidade de Macau, John Shijian Mo, está em Saipan, nas Ilhas Marianas do Norte, de acordo com a publicação Mariana Variety. O académico foi nomeado consultor de Cui Li Jie, ex-presidente da empresa Imperial Pacific International. A revelação consta de um caso a decorrer nos tribunais da Ilhas Marianas do Norte, em que sete pedreiros acusam a empresa Imperial Pacific International de violar direitos laborais e de estar envolvida em tráfico humano, no âmbito da construção de um casino nas ilhas. Cui Li Jie foi presidente da empresa e é tida como uma das testemunhas chave do processo. Por esse motivo, recebeu a ordem do tribunal para não apagar o conteúdo das comunicações que fez sobre o caso através do Wechat. A ordem foi contestada, uma vez que Cui sublinha que não é arguida, mas apenas testemunha. Mesmo assim, garante que não apagou informação relevante para o caso. Descontente com o desenrolar do processo e os pedidos de preservação de informação, Cui optou por despedir o advogado Juan Tudela Lizma. Por sua vez, o advogado surge num dos emails do processo, ainda antes de ser despedido, a queixar-se de que Cui está a ser mal aconselhada por John Shijian Mo. Esta informação permitiu à Mariana Variety iniciar a investigação que concluiu que o académico está nas ilhas.

sociedade 7

www.hojemacau.com.mo

N

O sábado, um funcionário que varria folhas numa escadaria da encosta da Taipa Grande encontrou um corpo de mulher desmembrado em 10 pedaços, descoberta bizarra que iria dar início a uma caça ao homem que se estendeu além-fronteiras e que culminou com a detenção, no dia seguinte, do suspeito homicida em Zhongshan. Para trás ficaram vestígios de um dos crimes mais macabros e sangrentos da recente história de Macau. Foi também encontrada junto aos restos mortais uma mochila com documentos de identificação da vítima, roupas ensanguentadas, quatro facas e uma tesoura. Segundo informação veiculada pelos órgãos de comunicação chineses, o suspeito, de 28 anos, confessou ter assassinado uma mulher, de 37 anos, num quarto de hotel no Cotai, depois

de lhe ter roubado dinheiro. Tanto a vítima, como o alegado homicida, são oriundos do Interior da China. Depois da descoberta na colina da Taipa Grande, as autoridades chegaram à identificação do suspeito que terá entrado no quarto da vítima num hotel no Cotai, o Ritz Carlton segundo o HM apurou.

O suspeito terá limpo o quarto, que parecia imaculado a olho nu. Porém, a análise através da tecnologia de luz ultravioleta e azul revelou um cenário diferente, com a casa de banho repleta de manchas de sangue

As imagens de videovigilância apenas apanharam o suspeito a sair do quarto, meia-hora depois de ter entrado. Segundo as autoridades, citadas pelo jornal All About Macau, o homem terá saído para comprar facas e uma mala de viagem, tendo em seguida voltado ao quarto. A tese da PJ é que nesta altura já o homicídio teria ocorrido, seguindo-se o desmembramento da vítima na casa de banho do quarto de hotel.

Viagem alucinante

Carregando a custo uma mala, o suspeito foi visto a apanhar um táxi no Cotai, que o levou até à zona onde foram encontrados os restos mortais da mulher. De regresso ao hotel, as imagens captadas pelo sistema de videovigilância mostram o suspeito a carregar a mala com facilidade, aparentando estar vazia. Depois de mudar de roupa, o suspeito terá saído de Macau

por volta das 16h de sábado, deixando para trás um cenário de horror. As autoridades avançaram que os testes laboratoriais demonstraram que o sangue encontrado na mala e facas corresponde ao ADN da vítima. O porta-voz da PJ, citado pelo All About Macau, revelou que durante a viagem de táxi o suspeito terá alterado o destino pretendido várias vezes. Outro detalhe grotesco divulgado pela polícia, prende-se com a análise forense ao quarto de hotel. O suspeito terá limpo o quarto, que parecia imaculado a olho nu. Porém, a análise através da tecnologia de luz ultravioleta e azul revelou um cenário diferente, com a casa de banho repleta de manchas de sangue. Quanto aos motivos para o crime, as autoridades indicaram que ainda decorrem investigações para apurar a ligação entre suspeito e vítima, e se haveria indícios de outros crimes como troca ilegal de dinheiro. João Luz

PJ Operação resulta em dois detidos

A Polícia Judiciária (PJ) realizou uma operação na madrugada de ontem em vários espaços de entretenimento, como casinos, que resultou na detenção de duas pessoas. Segundo a informação do canal chinês da Rádio Macau, os detidos são um homem e uma mulher que estariam em excesso de permanência e teriam entrado de forma ilegal. Ainda de acordo com os números revelados, a operação de ontem envolveu 30 agentes de investigação, que identificaram 113 pessoas.


8

www.hojemacau.com.mo

MELHORES MARCADORES

Romelu Lukaku 2 golos

Ciro Immobile 1 golo

Thomas Meunier 1 golo

Marko Arnautovic 1 golo

ASSISTÊNCIAS

Kalvin Phillips 1

Konrad Laimer 1

Joe Morrell 1

Domenico Berardi 1

PRÓXIMOS JOGOS 00:00

Hungria-Portugal

03:00

França-Alemanha

21:00

Finlândia-Rússia

Fim de semana animado Itália, Inglaterra, Holanda e Bélgica entraram com o pé direito

A

estreia do Euro 2020 não podia ter mais referências italianas. Alessandro Nesta e Francesco Totti, lendas da Lazio e da AS Roma, respectivamente, inauguraram a cerimónia de abertura do Euro. Andrea Bocelli cantou. E o primeiro encontro, entre Itália eTurquia, jogou-se no Estádio Olímpico de Roma. Parecia que o dia não iria correr nada mal à selecção de Roberto Mancini, seleccionador italiano. A Itália venceu a Turquia de forma confortável por 3-0, apesar de uma primeira parte a zeros, onde ambas as equipas tiveram dificuldade em impor o seu jogo ofensivo. Os golos italianos foram marcados por Merih Demiral (autogolo), Ciro Immobile e Lorenzo Insigne. Após a alegria italiana, o Euro de 2020 ficou marcado por um dos episódios mais impressionantes da história do futebol. Na derrota da Dinamarca frente à Finlândia (0-1) Christian Eriksen desmaiou enquanto o jogo decorria, tendo sido reanimado ainda dentro de campo. (ver texto ao lado). Por

causa deste terrível susto, o jogo não teve grande espetáculo. Já a Bélgica, um dos favoritos a conquistar o Euro, derrotou a Rússia por 3-0. Romelu Lukaku, um dos melhores avançados do Mundo, marcou dois golos em apenas 3 remates. O outro tento foi marcado por Thomas Meunier, que também assistiu num dos golos de Lukaku. No primeiro jogo grande do Euro, a Inglaterra defrontou e derrotou a Croácia por 1-0 com golo de Raheem Sterling. A partida foi pobre em ideias ofensivas, mas o talento destas duas selecções abunda em todos os sentidos. Por fim, os Países Baixos foram também postos à prova contra a Ucrânia mas acabaram por vencer o jogo por 3-2. O primeiro golo da Ucrânia, marcado porAndriyYarmolenko, jogador do West Ham, é uma autêntica obra de arte. Os golos dos holandeses foram marcados por Gini Wijnaldum, Wout Weghost e Denzel Dumfries. Além do golo de Yarmolenko, Roman Yaremchuk marcou o segundo tento ucraniano.

15.6.2021 terça-feira

Rumo à r

PORTUGAL ESTREIA-SE ESTA NOITE EM BUDAPESTE CONTRA A SELECÇÃ

Portugal inicia hoje a defesa do título europeu contra a Hungria, no primeiro jogo do Grupo F. Além da Hungria, Portugal tem no seu grupo a Alemanha e França, não tendo o rótulo de favorito nesta competição. Com a exclusão de João Cancelo dos planos de Fernando Santos, devido à covid-19, e as dúvidas em relação ao onze inicial, Portugal enfrenta mais dificuldades do que em 2016. Mas qualquer campeão tem sempre um peso nas costas

A

defesa do título europeu, que Portugal conquistou em 2016, começa esta noite, às 00:00 (hora de Macau) frente à Hungria, no primeiro jogo do Grupo F. Portugal, apesar de ter a grande parte dos seus 26 jogadores a jogar nas maiores equipas da Europa, não é considerado favorito. No grupo de Portugal, para além da Hungria, está o campeão mundial e vice-campeão europeu de 2016, a França, bem como a campeã mundial de 2014, a Alemanha. Num grupo com dois campeões mundiais e o campeão europeu em título mais a Hungria, o Grupo F pode vir a ser o mais interessante de acompanhar neste Euro 2020. Mas a missão de Portugal, apesar de, em teoria, ser mais complicada do que em 2016 não é motivo para baixar os braços. Além das dificuldades do grupo F, a selecção nacional ficou sem João Cancelo, lateral direito do Manchester City, que testou positivo à covid-19, tendo sido substituído por Diogo Dalot, lateral do AC Milan que ajudou Portugal a chegar à final do Europeu sub-21. João Cancelo foi uma das peças fundamentais do Manchester City de Pep Guardiola na época 2020/2021. Com ele em campo, a equipa de Pep Guardiola

venceu a Premier League e a Taça da Liga Inglesa, tendo também chegado à final da Liga dos Campeões. João Cancelo é uma baixa de peso e Portugal perde um jogador polivalente, confiante com a bola nos pés e muito forte no drible. Com esta perda em mente, há algumas dúvidas acerca do possível onze inicial para defrontar a Hungria. Será que a lateral esquerda da selecção das quinas fica encarregue a Nuno Mendes, jogador do Sporting? Ou continua a cargo de Raphael Guerreiro, jogador do Borussia Dortmund? Nuno Mendes, na sua primeira época completa como jogador do Sporting foi campeão nacional e vencedor da Taça da Liga, tendo sido fulcral na formação de Rúben Amorim no Sporting. Nuno

A parte mais recuada do meio-campo será um bom desafio para Fernando Santos. (...) Será que o seleccionador opta por quem conhece há mais tempo ou dará chances a quem se destacou este ano?

No caminho de Portugal não está uma s

Mendes trouxe largura e profundidade ao campeão nacional, tendo sido eleito para a equipa do ano da Liga NOS. Um dos argumentos contra uma possível titularidade de Nuno Mendes é a falta de experiência. O jovem leonino tem apenas 18 anos e Raphael Guerreiro já leva um Mun-


terça-feira 15.6.2021

9

www.hojemacau.com.mo

reconquista

ÃO MAGIAR

quem conhece há mais tempo ou dará chances a quem se destacou este ano? No ataque nacional também residem algumas opções de peso. Quem jogará ao lado de Cristiano Ronaldo? Será André Silva, João Félix, Pedro Gonçalves ou Diogo Jota? Todos estes jogadores têm motivos para estarem ao lado do melhor jogador português da actualidade. Diogo Jota, apesar de ter estado lesionado durante grande parte da época, teve um impacto imediato no Liverpool. João Félix, apesar da inconsistência, foi campeão espanhol. André Silva teve apenas Robert Lewandowski à sua frente na lista de melhores marcadores da Bundesliga na época de 2020/2021. Já Pedro Gonçalves foi o melhor marcador da Liga NOS, tendo sido campeão nacional e vencedor da Taça da Liga de Portugal. Todos estes jogadores apresentam bons argumentos para jogar ao lado de CR7.

Duro de roer

selecção qualquer. A Hungria não perde desde 2020 (derrota frente à Rússia para a Liga das Nações)

dial (2018) e um Euro (2016) onde foi titular em grande parte dos jogos. A defesa nem será a principal dor de cabeça de Fernando Santos, seleccionador nacional. O meio-campo português, motivo de deliberação durante vários anos tomou agora outro nível. Foram convoca-

dos Danilo Pereira, João Palhinha, William Carvalho, Renato Sanches, Rúben Neves, Sérgio Oliveira e João Moutinho. Bruno Fernandes será titular indiscutível, tal como Bernardo Silva. Mas a parte mais recuada do meio-campo será um bom desafio para Fernando Santos.

Palhinha teve uma época muito acima da média. Renato Sanches foi campeão francês com o Lille. Sérgio Oliveira foi dos melhores jogadores da Liga NOS. Os restantes jogadores já têm experiência na selecção de Fernando Santos. Será que o seleccionador opta por

Mas no caminho de Portugal não está uma selecção qualquer.AHungria não perde desde 2020 (derrota frente à Rússia para a Liga das Nações) e tem jogadores como Peter Gulacsi, guarda-redes do RB Leipzig, Willi Orban, defesa do RB Leipzig e Adam Nagy, jogador do Bristol City que já esteve na mira do Benfica. Esta selecção da Hungria já deu problemas a Portugal no Euro de 2016, tendo empatado 3-3 contra o actual campeão europeu. Portugal tem tido selecções com tremenda qualidade durante anos. Mas faltavam troféus. O primeiro, o Euro, foi conquistado em 2016 com o golo de Éder aos 109 minutos. O segundo, a Liga das Nações, em 2018. Mas estes dois troféus não chegam para saciar a sede de Portugal e, concretamente, para a sede de Ronaldo. O CR7 fará, possivelmente, o seu último Euro, e o Mundial de 2022 será também o último. Retirar-se da Selecção Nacional com dois europeus e um possível Mundial, solidificaria Ronaldo como o melhor jogador português de sempre. Portugal joga às 00:00 frente à Hungria. A reconquista começa hoje!

CHRISTIAN ERIKSEN DESMAIA EM CAMPO E PROVOCA GRANDE SUSTO

O

jogo entre a Finlândia e a Dinamarca não ficou marcado por um brilharete ofensivo ou defensivo, não ficou marcado por um jogo de alto nível, ficou marcado pelo desmaio repentino de Christian Eriksen, jogador dinamarquês que representa o Inter de Milão. Perto do intervalo, a Dinamarca executava um lançamento de linha lateral, e de repente Christian Eriksen desmaia, caindo no chão. Sem se saber o que tinha acontecido, os paramédicos foram prontamente acudir Eriksen. O capitão dinamarquês Simon Kjaer colocou as mãos na boca do seu compatriota, de maneira a que este não engolisse a língua. Thomas Delaney, jogador do Borussia Dortmund, formou um círculo com os seus companheiros dinamarqueses à volta de Eriksen, que estava a ser reanimado com bombas de ar e desfibriladores. A situação era extremamente delicada e esperava-se o pior. Mas tudo não passou de um susto. Christian Eriksen, saiu do campo numa maca mas, felizmente, já consciente. A UEFA suspendeu imediatamente o encontro e as duas equipas foram para o balneário, voltando umas horas mais tarde para disputar o que restava da partida. Quatro minutos da primeira parte e todo o segundo tempo. Até ao fecho desta edição, Christian Eriksen encontra-se em situação estável, tendo já falado com familiares e colegas de selecção. O jogador, em nota enviada ao jornal italiano Gazzetta dello Sport, afirmou estar bem mas que queria perceber o que o levou a desmaiar. O troféu de melhor jogador em campo do jogo entre Dinamarca e Finlândia foi, justamente, atribuído a Christian Eriksen. Até ao momento do desmaio, Eriksen tinha sido o principal motor ofensivo da Dinamarca, criando jogadas e remates de grande perigo. A Dinamarca perdeu o jogo mas ganhou uma vida. Uma grande vitória para Eriksen.


10 eventos

www.hojemacau.com.mo

15.6.2021 terça-feira

IPM ““ALEGORIA - ENSAIOS” LANÇADO HOJE NO CONSULADO

Diálogos com História É hoje apresentado no auditório Dr. Stanley Ho o livro “Alegoria - Ensaios”, coordenado por Sara Augusto e editado pelo Instituto Politécnico de Macau. Trata-se da reunião de uma série de textos produzidos no contexto de um curso livre de literatura que se realiza desde 2015. Carlos Ascenso André é o autor do prefácio

A

realização, em 2019, do Curso Livre de Literaturas em Língua Portuguesa, no Instituto Politécnico de Macau (IPM), e dedicado à Alegoria, foi o mote para a edição da obra hoje apresentada no auditório Dr. Stanley Ho, no consulado-geral de Portugal em Macau. “Alegoria - Ensaios” tem a coordenação de Sara Augusto, investigadora do IPM, e traça um olhar sobre a alegoria ao longo de vários períodos históricos, além de apresentar textos de docentes do IPM, como é o caso de Ana Maria Saldanha e Lola Geraldes Xavier. Conforme escreve na introdução da obra, Sara Augusto explica que a realização do curso livre teve em “consideração a alegoria como processo orientador da construção

dos textos literários”, além de pretender “fazer perdurar a investigação produzida” no âmbito do curso. Além disso, o livro pretende reflectir sobre “a história da alegoria nas literaturas em língua portuguesa, apontando os períodos e as obras em que esta se tornou exemplo, e sobre a permanência deste procedimento na literatura do século XX e do século XXI e a discussão da sua validade”.  Em declarações ao HM, Sara Augusto adiantou que “a literatura manteve-se extremamente codificada até aos inícios do século XX, codificação que atingiu a alegoria”. “As grandes alegorias e a sua estrutura de base foi-se mantendo, cumprindo um jogo que o barroco chamou

enredos, “num processo que a retórica chama ‘inventio’, tantas vezes fantásticos e insólitos”. Mas “a alegoria permite uma arrumação lógica, mesmo que seja uma lógica interna, que não a da verosimilhança, muito menos uma lógica racional, da produção literária, oferecendo pistas de leitura”. Para Sara Augusto, “tudo isto se torna ainda mais importante quando o texto retoma as grandes alegorias literárias, provocando um efeito de reconhecimento sempre agradável ao leitor”. 

“Ilustração e procedimento”

A própria Sara Augusto dá um contributo pessoal para este livro, baseando-se no tema investigado por si no doutoramento e que deu

PUB.

NOTIFICAÇÃO

“Escolhi falar do que eu queria, do que eu gostava, do que me parecia mais útil e eficaz para explicar da forma mais agradável o procedimento alegórico e a sua omnipresença.”

N.º 02/DCTNR/2021

Considerando que não se revelou possível contactar os interessados pessoalmente, por ofício, telefone ou outras formas, nos termos do n.º 1 do artigo 72.º do Código do Procedimento Administrativo, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 57/99/M, notifica-se os indivíduos abaixo mencionados, para no prazo de 15 dias, a contar do dia seguinte da data da emissão do presente anúncio, comparecer no Departamento de Contratação de Trabalhadores Não Residentes, sito na Avenida do Dr. Rodrigo Rodrigues n.ºs 614A640, Edifício Long Cheng, 9.º andar, em Macau, para tratar de assuntos do seu interesse e relacionados com autorização da contratação de trabalhadores não residentes, caso contrário a autorização será cancelada:

SARA AUGUSTO INVESTIGADORA DO IPM

1. ZHAO, FANGLONG, proprietário do estabelecimento “ESTABELECIMENTO DE COMIDAS KONG NAM KEI PA” ; 2. COMPANHIA DE SERVIÇOS AUTOMÓVEIS MACAU PROFISSIONAL, LIMITADA, proprietário do estabelecimento “IMAGE AUTO MAINTENANCE CENTRE” . Os indivíduos acima mencionados devem deslocar-se, durante as horas de expediente, ao endereço acima mencionado, para levantamento do ofício da audiência prévia, podendo ainda requerer, por escrito, a consulta do processo. Decorrido o prazo acima referido, sem que seja apresentada a defesa por escrito, é considerada como efectivamente feita a audiência acima referida. 10 de Junho de 2021. O Director, substituto da DSAL, Chan Un Tong

tornaram as minhas preferidas. Pouco conhecida, ainda menos lida, cada vez menos, a literatura barroca continua nesse ‘limbo’ que decorre da dificuldade que apresenta para o leitor de hoje, seja pelo trabalho retórico, seja pelos temas extremadamente codificados e eruditos.” O regresso aos escritos sobre a alegoria é, aliás, uma possibilidade. “Tenho escrito regularmente sobre a alegoria, nas suas diversas manifestações, relativamente aos vários espaços de língua portuguesa, inclusivamente Macau. Muitos destes textos não estão sequer neste livro, o que se me afigura uma tarefa interessante para outra publicação, talvez um pouco mais intimista e interrogativa”, apontou.

de ‘imitação criativa’, ou seja, leitura dos grandes modelos e inovação possível apenas dentro dos códigos de género e de periodização literária”, frisou. O leitor pode, assim, saber mais sobre uma alegoria “mais antiga” que cativava pela história, através da criação de imagens e

origem à publicação do livro “A Alegoria na ficção romanesca do Maneirismo e do Barroco”, em 2010. A coordenadora adiantou ao HM que a alegoria tem estado muito presente desde o início da sua carreira académica. “Desde a faculdade que a literatura e a arte barroca se

Para Sara Augusto, apresentar este livro no âmbito do programa das comemorações do 10 de Junho tem “um sabor muito especial”. “Escolhi falar do que eu queria, do que eu gostava, do que me parecia mais útil e eficaz para explicar da forma mais agradável o procedimento alegórico e a sua omnipresença. Escolhi textos antigos, recorri a textos gregos e latinos, línguas que aproveitei para recordar; transcrevi textos medievais e barrocos, sempre deliciada com as estruturas que lhe são próprias, com o artifício das formas e a agudeza do tratamento dos temas”, explicou. A coordenadora confessa que tem “alguma expectativa que o livro seja bemrecebido”. “Espero que consiga mostrar o percurso da alegoria e dos laços primordiais que estabelece com a literatura enquanto universo ficcional, em diálogo com a tradição literária, inventora de mundos que representem o homem e a sua experiência”, conclui. Andreia Sofia Silva


terça-feira 15.6.2021

china 11

www.hojemacau.com.mo

HK GABINETE DE LIGAÇÃO EXPLICA AVANÇO DE “UM PAÍS, DOIS SISTEMAS”

PCC teve papel decisivo L U O Huining, director do gabinete de Ligação do Governo Popular Central em Hong Kong (RAEHK), enfatizou neste sábado a liderança do Partido Comunista da China (PCC) no avanço da causa de "um país, dois sistemas". "O PCC introduziu, avançou e defendeu a causa de 'um país, dois sistemas'", disse Luo num discurso no fórum "PCC e 'um país, dois sistemas'", realizado na RAEHK para marcar o 100º aniversário da fundação do Partido. "Progresso constante foi feito na prática de 'um país, dois sistemas' em Hong Kong sob a liderança do PCC desde o retorno de Hong Kong à pátria", prosseguiu Luo. "A base constitucional de 'um país, dois sistemas' foi ainda mais consolidada quando as autoridades centrais fizeram cinco interpretações da Lei Básica da RAEHK, promulgaram a lei de segurança nacional na RAEHK e melhoraram o sistema eleitoral de Hong Kong", disse Luo. Segundo Luo, graças ao apoio da parte continental, a economia de Hong Kong resistiu a duas crises financeiras e a dois grandes surtos de epidemia. "Hong Kong foi incentivado a aproveitar ao máximo suas vantagens, aprimorar os intercâmbios e a cooperação com a parte continental. Aqueles que ainda falam mal de Hong Kong e alegam a 'morte dos dois sistemas' serão provados categoricamente errados pela história", afirmou. "Equívocos e distorções também surgiram no processo como resultado da propaganda das forças anti-China", disse Luo, observando que as acções decisivas das autoridades centrais consertaram as coisas e ajudaram Hong Kong a voltar

do caos à ordem. "Um país" é a pré-condição e a base de "dois sistemas", concluiu. Os fatos continuarão a provar que defender a liderança do PCC é na verdade defender "um país, dois sistemas" e a ordem constitucional da RAEHK conforme estipulado pela Constituição nacional e a Lei Básica da RAEHK, e salvaguardar o futuro brilhante de Hong Kong

Segundo Luo, graças ao apoio da parte continental, a economia de Hong Kong resistiu a duas crises financeiras e a dois grandes surtos de epidemia

e o bem-estar fundamental do povo de Hong Kong, disse Luo. Mais de 650 pessoas de vários sectores em Hong Kong participaram no evento, incluindo Tung Chee-hwa e Leung Chun-ying, vice-presidentes do Comité Nacional da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês, bem como a Chefe do Executivo da RAEHK, Carrie Lam.

MAR DO SUL EUA E AUSTRÁLIA "MOSTRAM OS MÚSCULOS"

A

China acusou os Estados Unidos e a Austrália de estarem a "mostrar os músculos" com exercícios navais no Mar do Sul da China. A 7.ª Frota da Marinha dos EUA disse que o destruidor de mísseis guiados USS Curtis Wilbur e a fragata da Marinha Real Australiana HMAS Ballarat concluíram uma semana de operações conjuntas no Mar do Sul da China. Isto incluiu exercícios de manobra, em conjunto com navios de reabastecimento, operações com helicópteros e exercícios de artilharia com fogo real. "Os navios aprimoraram as suas habilidades avançadas num ambiente conjunto, ao mesmo tempo que reforçaram a normalidade das operações de rotina em toda a região, de acordo com o direito internacional", lê-se no comunicado. Em conferência de imprensa, o porta-voz do ministério dos Negócios Estrangeiros da China, Wang Wenbin, disse que os dois países deveriam "realizar operações que conduzam à paz e estabilidade regionais, em vez de mostrarem os músculos". A China considera a presença naval dos EUA no Sudeste Asiático a maior ameaça à segurança regional, particularmente a sua insistência em navegar perto de territórios sob controle chinês. Pequim recebeu esta semana os ministros dos Negócios Estrangeiros dos países da Associação de Nações do Sudeste Asiático. O ministro dos Negócios Estrangeiros da China, Wang Yi, disse que a China continua comprometida em assinar um código de conduta há muito paralisado sobre as actividades no Mar do Sul da China visando evitar conflitos.

12 mortos em explosão de conduta de gás

Pelo menos 12 pessoas morreram e 37 ficaram gravemente feridas no domingo passado após uma explosão de uma conduta de gás num bairro residencial na província de Hubei, no centro da China. Um total de 144 pessoas tiveram de ser encaminhadas para o hospital, de acordo com uma declaração no canal oficial da província. Ainda se desconhece a causa da explosão. O presidente chinês, Xi Jinping, ordenou todos os esforços para resgatar os feridos e pediu às autoridades que consolem as famílias das vítimas e investiguem o acidente em tempo útil.

COVID-19 ADMINISTRADAS 878,5 MILHÕES DE DOSES DE VACINAS A 46% DA POPULAÇÃO

M

AIS de 878,5 milhões de doses de vacinas contra a covid-19 foram administradas na China a cerca de 650 milhões de pessoas até sábado, informou a Comissão Nacional de Saúde. Segundo a EFE, de acordo com a fonte - por sua vez, citada pela agência oficial Xinhua -, o país asiático já administrou, pelo menos, uma dose a 46% da população. A Comissão não especificou, no entanto, quantas pessoas receberam

todas as doses necessárias para a imunização completa. A China tem como objectivo de imunizar 40% dos seus 1.400 milhões de habitantes até final de junho, tendo acelerado consideravelmente o processo nos últimos meses com reforço do nível de produção de vacinas, refere a EFE. Entre as sete vacinas autorizadas pela China, cinco requerem duas doses, uma é de dose única e a ou-

tra precisa de três administrações. Na sexta-feira foi anunciado que a vacina da farmacêutica Sinopharm e do Instituto de Produtos Biológicos de Pequim foi aprovada para uso em crianças e jovens dos três aos 17 anos. Poucos dias antes tinha também sido autorizado o uso de emergência da vacina da Sinovac entre os três e os 17 anos, embora o presidente, Yin Weidong, tenha referido que

ainda não foi decidido quando se utilizará e a partir de que idade. A China espera vacinar contra a Covid-19, pelo menos, 70% dos "grupos prioritários" da sua população até ao final do ano, segundo o vice-presidente da Comissão Nacional de Saúde, Zeng Yixin. O país asiático está, atualmente, a vacinar a população contra a covid-19 a uma média de 15 milhões de adultos por dia.


12

h

www.hojemacau.com.mo

15.6.2021 terça-feira

O Encontro celebrado por Fang Shishu no Duplo Nove PAULO MAIA E CARMO

texto e ilustração

«Como ele consegue ir trepando e como um grou, alcançar as alturas,/ Desde o princípio do Mundo que mantém a mesma face./ Voltando-se para todos os lados, há templos do Dao para ele orar,/ As agulhas do seu corpo dividindose infinitamente dispersam-se pelo Mundo dos homens.»

Du Mu (803-852) o poeta de Shaanxi que viveu na dinastia Tang e estava atento à impermanência escreveu no célebre poema «Subir ao alto da montanha Qi no dia nove», catorze caracteres que reverberaram e que se podem traduzir: «Na poeira deste mundo é difícil encontrar bocas abertas numa risada,/ Então, cubramos de flores de pessegueiro os nossos cabelos e celebremos». Para um leitor da dinastia Qing as duas linhas continham uma sucessão de significados e por isso foram adoptados como mote para uma célebre reunião elegante que decorreu no jardim de uma quinta situada a Norte de Yangzhou, perto da esquina ocidental do mosteiro de Tianning, a «Tranquilidade celeste». O jardim chamado Xing’an, «Retiro temporário», era propriedade dos irmãos Ma, Yueguan e Yuelu, e fazia parte das terras não usadas desse templo e transportava uma notoriedade literária porque fora propriedade do eminente estadista da dinastia Jin, Xie An (320-385) que participara no mais celebrado encontro de literatos, o «Encontro do Pavilhão das orquídeas» para o qual o imortal calígrafo Wang Xizhi escrevera um acarinhado prefácio. Para este encontro que decorria agora no século dezoito, em 1743, foi pendurado no centro do jardim um retrato do poeta Tao Qian (365-427) pelo pintor Qiu Ying (c. 1495-c. 1552) o que alardeava a profundidade dos conhecimentos literários dos anfitriões e a qualidade da colecção de pintura dos irmãos

Ma. São informações que constam dos textos inscritos numa pintura que guardaria para a História esse dia que se quis inolvidável. Encontra-se no Museu de Arte de Cleveland (rolo horizontal, tinta e cor sobre seda, 33,5 x 893 cm) e é atribuída a um pintor que nela se encontra representado, o terceiro a contar da direita segurando uma folha escrita, participando do Encontro literário do dia nove em Xing’an. Fang Shishu (1693-1751) era já um artista reconhecido para poder participar dessa celebração, reconhecível pelo seu aspecto que, segundo os seus biógrafos, estava um pouco acima do peso dado o seu «gosto exagerado de carne e gordura». E a exactidão advinha de ter sido contratado um retratista profissional de Suzhou chamado Ye Fanglin. Mas o pintor de Shexian (Anhui) que crescera e trabalhara sempre em Yangzhou e que herdara um negócio de comércio de sal mas perdera tudo num ano por «maus hábitos e vício do jogo», fizera o habitual percurso de estudar a arte junto de um mestre, que no seu caso foi o pintor viajante Huang Ding (c.1650-1730) cuja irrequietude era um modo de reflectir a natureza e passar a outros algo de misterioso. Como se fez nesse encontro, celebrado no dia em que se festeja com vinho de crisântemos e alegria o auspicioso «Duplo nove» que ficou registado na fragilidade do papel e da tinta, e que aludia a esse algo ainda mais frágil que por vezes se confunde com a beleza.


terça-feira 15.6.2021

uma asa no além

PAULO JOSÉ MIRANDA

Mas para além da linguagem há outros centros gravíticos neste livro de Lars Gustaffson, sendo eles a esperança e as perguntas impensáveis, que é um modo de nos fazer ver para além do que estamos habituados a ver. Um modo peculiar de nos forçar a pôr tudo em causa. Mas gostaria agora de abordar a mecânica da esperança, que surge logo no início do livro, através desta passagem: «[Referindo-se à carta que recebera do posto de saúde] Ou a carta anuncia-me que não se trata de nada de grave. Ou vem dizer-me que tenho um cancro e que vou morrer. O mais provável, claro, é o cancro. // A atitude mais sensata é não a abrir, pois assim ficarei para sempre com uma réstia de esperança. // E esta esperança deixa-me uma margem de manobra.» (29) Para quem conhece a poesia de Konstantinos Kafavis, não pode deixar de lembrar o poema «No porto». Leia-se o poema, numa versão minha: Jovem, vinte e oito anos, desembarcou no porto sírio de Emes, vindo de Tinos, com a intenção de ser perfumista. Mas adoeceu no mar e morreu assim que desembarcou. O seu enterro, muito pobre, aconteceu aqui. Horas antes de morrer balbuciou as palavras “casa”, “pais muito velhos”. Mas ninguém sabia onde isso seria ou quem eles eram, no vasto mundo helénico. Melhor assim. Embora esteja morto aqui neste porto, os seus pais têm esperança de que ele esteja vivo.» Este poema mostra-nos claramente, à semelhança da passagem de Lars Gustaffson, como a ignorância dos factos nos dá alento, nos dá esperança. Tanto o poema quanto a passagem do livro de Gustaffson, que se estende além da citação que reproduzi, nos coloca a pensar que a esperança enraíza no desconhecimento dos factos. Não está aqui em causa saber o que é melhor ou pior, até porque a esperança não tem a ver com saber. O que está em causa é que o não saber abre a clareira do possível, isto é, de que tudo pode ser possível, até não se ir morrer ou não se ter um filho morto. Por isso se diz que a esperança é a última a morrer. É a última a morrer, porque ela cai para o derradeiro facto, isto é, a morte dela é o fim das possibilidades em aberto, é o fechar-se das

www.hojemacau.com.mo

ARTES, LETRAS E IDEIAS

13

«A morte de um apicultor» (2) possibilidades ou, se preferirem, é a transformação radical da possibilidade em determinação. Na esperança, o humano vive como se tivesse 20 anos e a vida toda pela frente com a totalidade das possibilidades inerentes. Esperança enraíza em dois solos fundamentais: a ignorância dos factos e a abertura ao futuro. Mas esta abertura ao futuro não quer dizer «um futuro melhor» ou «dias melhores virão». Não é este futuro que está em causa. Por exemplo, o narrador de Gustaffson não precisa de um futuro melhor do que o presente, só precisa que o futuro não piore em relação ao presente, que se mantenha, isto é, que a doença não se faça sentir de um modo insuportável. E a relação com o futuro dos pais mencionados no poema de Kavafis também não é diferente, pois a ausência de notícias do filho abre-lhes uma clareira de esperança que mais do que quererem ter notícias dele, querem que ele se mantenha como o viram pela última vez, isto é, vivo. A esperança não tem como horizonte de sentido um futuro melhor, mas um presente alargado ou um passado alargado. A esperança é acima de tudo a expressão de uma vontade de que as coisas voltem ao normal. E voltar não é para a frente, é para trás. Quando alguém diz «tenho esperança que a minha mãe melhore» mais do que reportar-se a um futuro, está a reportar-se a um passado, a um tempo em que as coisas eram normais, a um tempo em que não havia doença. Parece haver uma ideia de futuro, mas na verdade é uma esperança de que tudo volte a ser como era. No fundo, a esperança é um mecanismo que transforma um adulto em criança. O medo da criança não é o medo do adulto. O medo da criança, a mais das vezes é imaginário; o medo dos adultos é concreto, enraizado em factos. A esperança ao transformar o adulto em criança, altera-lhe também os medos. Um cancro já não é mais um conjunto de tecidos a degradarse a matar-nos por dentro, passa a ser uma coisa desconhecida que assim como apareceu, pode desaparecer. Escrever um livro pode fazer desaparecer essa coisa desconhecida, Deus pode fazer desaparecer essa coisa desconhecida. O desconhecido, para desaparecer, só precisa de imaginação. Repare-se como quase no final do livro Gustaffson define o humano como um ser que balança entre a animalidade e a esperança. (168) Não é entre

a animalidade e o espírito, porque espírito não sabemos bem o que é. É entre a animalidade e a esperança. Ou, se preferirem, entre a animalidade e o anseio de transformação do tempo. Aliás, não podemos esquecer a última frase do livro: «Podemos sempre esperar.» E de que modo é que podemos analisar o estribilho que percorre todo o livro: «Recomeçamos, não nos rendemos.» De outro modo, podemos ligar este refrão à esperança ou há algum modo em que se ligue este refrão e a esperança? Não se liga. Ou, pelo menos, não se liga de imediato, sem que antes mostremos os outros centros gravíticos desta obra. E um desses centros gravíticos, que melhor nos pode iluminar o refrão do livro, é precisamente aquilo a que podemos chamar «a máquina de fazer perguntas inusitadas». Gustafssonn mostranos que escrever é, acima de tudo, arriscar o pensar. Pôr o pensamento em risco, ir além daquilo que pode ser feito em filosofia ou em ensaio. Pois, nem tudo o que pode ser pensado, pode ser racionalmente acompanhado. Assim, A Morte de um Apicultor é um livro que nos obriga a pensar, não para procurar soluções ou resolver enigmas existenciais, mas para nos alargar o sentido de ver e nos aperfeiçoar o mecanismo de perguntar. Como exemplo, veja-se o modo como aceitamos tacitamente as regras que nos impuseram, mesmo aquelas que só a nós dizem respeito, como o caso do casamento ou das relações monogâmicas. Continuamos a viver como na idade média. Não devemos esquecer que nem os gregos e nem os romanos viviam assim, este

modo de vida é uma herança cristã. E o cristianismo, como se sabe desde Nietzsche, é contra a vida. Mas mesmo sem acreditarmos em Deus, continuamos a viver como se o cristianismo governasse as nossa vidas. O segundo capítulo chama-se «Casamento» e é acerca de todas as convenções que aceitamos tacitamente. Em perguntarmos a razão pelo que fazemos. Espera-se que casemos e que entreguemos o nosso corpo, a nossa alma e o nosso espírito apenas a essa pessoa. Ou, pelo menos, o nosso corpo. Várias são as perguntas pertinentes que o narrador nos mostra. Vejamos algumas: «Quando amamos alguém, ou melhor, quando nos apaixonamos por alguém, pelo que é que nos apaixonamos realmente?» (39) Vejase como o narrador corrige de amor para paixão, para que a pergunta faça o sentido que pretende. Depois deste esclarecimento, já pode adoptar a palavra amor, pois o leitor agora sabe que ele se refere a paixão. Veja-se, como continua: «Será pela ideia que criamos da pessoa amada ou pela pessoa tal como ela é? // Talvez só saibamos viver com as nossas ideias. Talvez passemos o tempo a amar unicamente as nossas próprias ideias.» (Ibidem) É evidente que o que o narrador quer dizer não é referente às ideias platónicas ou às ideias que um Newton tem. Aqui, «amar as nossas próprias ideias» quer tão somente dizer «amar-se a si próprio», «amar aquilo que diz e aquilo que julga que pensa, mas que não passa de coisas que lhe puseram na cabeça e que ele adopta mais ou menos à sua maneira». Faz-nos também pensar na relação entre amor e distância geográfica. E, é sabido, a distância é um grande amplificador da paixão. Aliás, o desejo é, em si mesmo, a interiorização da distância. «Até que distância podemos amar alguém», pergunta o narrador, brilhantemente, como se não nos tivesse antes feito pensar em todas as variantes do amor e da distância. Mas toda esta passagem acerca da paixão ou do amor enquanto eros e a distância tem um sentido maior: porque continuamos a viver como se pudéssemos viver assim? É este o sentido do apego, do desejo que o narrador sentiu por Anna, de uma cidade vizinha. Escreve o narrador acerca do encontro com essa mulher: «Queria provar a mim mesmo que existia. E isto só acontece quando exercemos efeito noutra pessoa.» (49) (Continua na próxima semana)


5 7 8 2 4 6 3 1 1 2 6 9 5 3 8 4 7 [9f]utilidades 2 5 6 8 1 3 14 6 4 5 3 1 2 9 7 8 1 3 7 9 4 6 5 4 8 9 6 3 5 7 2 2 6 1 4 7 9 5 8 TEMPO NUBLADO 3 5 7 8 2 1 4 9

9 7 4 8 2 1 3 MIN 6

46 1 49 5 2 8 7 3 9 6 9 1 4

7 3 3 4 9 8 6 2 5 1

6 6 4 2 5 2 1 4 3 7 8 9

9 1 1 7 7 3 6 5 8 3 2 6

2 7 9 5 8 4 1 1 3 5 2 6

4 8 5 3 6 8 9 1 2

1 6 2 4 9 3 5 4 8 7

48 51 9 1 5 8 7 5 3 4 4 2 8 6

3 8 8 6 1 2 7 4 9 9

8 9 1 5 7 4 6 2 3 6 1

6 2 9 7 1 8 4 3 9 5

4 5 3 2 1 6 9 4 7 7 1 8

5 4 2 9 6 7 2 1 5 8 3 3 9

8 7 6 5 3 8 1 5 2 4 9

1 3 7 2 4 9 8 1 5 6 7

2 8 4 9 3 6 7 6 5 1 8

7 6 1 8 5 8 5 4 1 9 9 3 2

3 9 5 1 2 5 2 6 8 7 4

27

MAX

32

HUM

65-95%

53

2 1 8

4

3 2 4 9 5

8

1 3

8

52

4 3 6

1 9 4

1 2 6

2 8 9

3

0.25

Um especial de comédia de Bo Burnham feito ao longo de um ano marcado pela pandemia e a necessidade de isolamento social. Embora nem sempre haja ligação entre as cenas, Burnham aparece sempre no mesmo espaço, e vai apresentando críticas sociais através de músicas, desde o caos da internet à exploração de estagiários que não são remunerados. Além da vertente musical que marca a maioria dos momentos, também reflecte o isolamento gerado pela covid-19 com um videojogo em que a personagem não é autorizada a sair do seu quarto. São cerca de 90 minutos de estranheza, que analisam de forma criativa o relacionamento que temos com as redes sociais e as dificuldades em lidar com um contexto Salomé Fernandes de quarentena.

YUAN

1.24

C I N E M A

SALA 1

Um filme de: Justin Lin Com: Vin Diesel, Michelle Rodriguez, Tyrese Gibson, Helen Mirren 14.15, 16.45, 19.15, 21.45

ENDANGERED SPECIES [C]

Um filme de: M.J. Bassett Com: Rebecca Romijn, Philip Winchester, Isabel Bassett, Michael Johnston 14.30, 16.30, 19.30, 21.30 SALA 2

A QUITE PLACE PARTII [C]

Um filme de: John Krasinski Com: Emily Blunt, Noah Jupe, Millicent

Simmonds 14.30, 16.30, 19.30, 21.30 SALA 3

SPIRIT UNTAMED [B]

FALADO EM CANTONÊS LEGENDADO EM CHINÊS E INGLÊS Um filme de: Elainc Bogan 14.30, 16.30, 19.30

CRUELLA [B]

FALADO EM CANTONÊS LEGENDADO EM CHINÊS E INGLÊS Um filme de: Craig Gillespie Com: Emma Stone, Emma Thompson 21.30

7 ENDANGERED SPECIES

Propriedade Fábrica de Notícias, Lda Director Carlos Morais José Editores João Luz; José C. Mendes Redacção Andreia Sofia Silva; João Santos Filipe; Pedro Arede; Salomé Fernandes Colaboradores Anabela Canas; António Cabrita; António de Castro Caeiro; Ana Jacinto Nunes; Amélia Vieira; Duarte Drumond Braga; Emanuel Cameira; Gonçalo M.Tavares; Gonçalo Waddington; Inês Oliveira; João Paulo Cotrim; José Simões Morais; Luis Carmelo; Nuno Miguel Guedes; Paulo José Miranda; Paulo Maia e Carmo; Rosa Coutinho Cabral; Rui Cascais; Sérgio Fonseca; Teresa Sobral; Valério Romão Colunistas André Namora; David Chan; João Romão; Jorge Rodrigues Simão; Olavo Rasquinho; Paul Chan Wai Chi; Paula Bicho; Tânia dos Santos Grafismo Paulo Borges, Rómulo Santos Agências Lusa; Xinhua Fotografia Hoje Macau; Lusa; GCS; Xinhua Secretária de redacção e Publicidade Madalena da Silva (publicidade@hojemacau.com.mo) Assistente de marketing Vincent Vong Impressão Tipografia Welfare Morada Pátio da Sé, n.º22, Edf. Tak Fok, R/C-B, Macau; Telefone 28752401 Fax 28752405; e-mail info@hojemacau.com.mo; Sítio www.hojemacau.com.mo

5 7 2 4

BAHT

FAST AND FURIOUS 9 [C]

www. 4 hojemacau. com.mo 2 5 9 2 7 54

9.68

CINETEATRO

6 5 2 3 5 2 1 3 4 7

•´ E U R O

BU BURNHAM: INSIDE | BO BURNHAM

7 9 3 6 9 1 7 1 8 7 2 8 6 5 2 9 6 5 8 9 7 7 2 6

4 2 7

3 7

6

SOLUÇÃO DO PROBLEMA 48

PUB.

PROBLEMA 49

UM FILME HOJE S 8U9 4D5 O 6 7K 3 2U 50

1

15.6.2021 terça-feira

www.hojemacau.com.mo

6 7 9

3 5 6 3

1

1 6 5

9 1 5 9 7 5

8


terça-feira 15.6.2021

opinião 15

www.hojemacau.com.mo

macau visto de hong kong

David Chan

FUNDO DE PREVIDÊNCIA EM REVISÃO A LEI QUE regula o Fundo de Previdência Não Obrigatório entrou em vigor a 1 de Janeiro de 2018. O regulamento estipula que a lei deve ser revista após terem passado 3 anos e 6 meses sobre a data da sua implementação. Ou seja, a revisão deve ser realizada até 30 de Junho do corrente ano. Passados estes três anos, o que é que pode ser dito sobre o sistema de Pensões em Macau? O sistema de segurança social em Macau está dividido em dois níveis. O primeiro garante aos residentes reformas, subsídios de incapacidade, subsídios de desemprego, baixas por doença, subsídios de nascimento, de casamento, funeral, etc. Este primeiro nível garante a cobertura das necessidades básicas. Desta forma, todos os residentes de Macau, desde que cumpram os requisites necessários, ao atingirem os 65 anos podem usufruir de uma reforma mensal de 3.740 patacas, acrescida de outros benefícios, como a pensão de velhice de 9.000 patacas anuais, o cheque pecuniário 10.000 patacas (anual), e uma contribuição do Governo de 7.000 patacas nas suas contas pessoais associadas ao Fundo de Previdência, etc. Os residentes de Macau, em média, podem receber 6.000 patacas por mês; é por isso um bom sistema. O segundo nível está associado ao Fundo de Previdência Não Obrigatório, regulado pela Lei No. 7/2017 e pelo Regulamento Administrativo No. 33/2017. Este nível destina-se a reforçar a protecção à terceira idade e pretende colmatar algumas deficiências do primeiro nível. Para aceder a este segundo escalão, os empregados e os empregadores têm de contribuir mensalmente com 5% do salário auferido pelos primeiros. O valor acumulado fica à disposição do trabalhador após ter completado os 65 anos de idade. Presumindo que um trabalhador ganha 20.000 patacas por mês, que quantia pode acumular no Fundo De Previdência Não Obrigatório ao fim de 30 anos? = $20.000 x 10% x 12 meses x 30 anos= $720.000 Sem calcular os juros do investimento, este é o valor de que pode dispor ao atingir os 65 anos. Os estudos demonstram que a esperança de vida dos homens é de 85 anos e das mulheres de 87. Assim sendo, as pessoas têm de se preparar para poderem garantir as suas despesas durante 20 anos. Tendo em contas as 720.000 patacas acumuladas no Fundo de Previdência, o valor que pode ser gasto deste total, por mês, vai ser achado a partir do seguinte cálculo: = $720,000 / 12 meses / 20 anos Combinando com o valor que recebe do primeiro nível de segurança social:

= $3,000 + acerca de $6,000 = cerca de $9,000 Façamos agora o cálculo para um salário de 30.000 patacas mensais, para perceber quanto é que o trabalhador terá acumulado no Fundo ao atingir os 65 anos de idade: = $30,000 x 10% x 12 meses x 30 anos= $1 milhão e 80 mil patacas O valor que pode gastar por mês deste Fundo, será: = $1.08 milhão/ 12 meses / 20 anos= $4,500 Combinando com o valor que recebe do primeiro nível de segurança social: = $4,500 + cerca de $6,000 = cerca de $10.500 Claro que estes números não incluem os juros do investimento no Fundo de Previdência. Desta forma, o valor que fica disponível ao atingir os 65 anos será seguramente mais elevado. 9.000 patacas mensais são suficientes? E 10.500? Quanto é que se gasta mensalmente depois da reforma? A resposta varia de pessoa para pessoa, e não pode ser generalizada. De acordo com a Direcção dos Serviços de Estatística e Censos, o salário médio dos residentes de Macau em 2019 e 2020 era de 17.000 patacas. Os números indicam a diferença do valor mensal que se recebe durante

a vida activa e depois da reforma. É um alerta para começarmos a planear a nossa reforma o mais cedo possível. Será que é boa ideia tentar aproximar o valor do Fundo de Previdência da média do salário e usar como padrão as despesas mensais durante a reforma? Mais uma vez a

Todos têm reformas diferentes. Quanto mais cedo nos começarmos a preparar, melhores condições teremos nessa altura. Uma reforma próspera não pode depender só da segurança social, o nosso esforço e preparação são igualmente importantes

resposta vai variar de pessoa para pessoa e não pode ser generalizada, mas é certo que os reformados continuam a querer desfrutar da vida, e para que isso seja possível é necessário fazer preparativos atempadamente. Se o Fundo de Previdência Não Obrigatório for convertido em Fundo de Previdência Obrigatório, os residentes de Macau podem ter automaticamente acesso aos dois níveis da segurança social e a protecção na reforma aumenta imediatamente. No entanto, devido à pandemia, as condições socio- económicas foram afectadas e muitas pessoas encontram-se actualmente numa situação económica difícil. Fazer esta alteração nesta altura, dará certamente origem a vários protestos. Assim sendo, por enquanto será mais realista reforçar a informação sobre o Fundo de Previdência e encorajar as pessoas a participarem voluntariamente neste plano, o que poderá conduzir à melhoria das condições de vida dos reformados de Macau e simultaneamente ajudar a estabilizar as finanças do Governo. Todos têm reformas diferentes. Quanto mais cedo nos começarmos a preparar, melhores condições teremos nessa altura. Uma reforma próspera não pode depender só da segurança social, o nosso esforço e preparação são igualmente importantes.

Professor Associado da Escola Superior de Ciências de Gestão/ Instituto Politécnico de Macau • Consultor Jurídico da Associação para a Promoção do Jazz em Macau • legalpublicationsreaders@yahoo.com.hk • http://blog.xuite.net/legalpublications/hkblog


terça-feira

PUB.

15.6.2021

Profile for Jornal Hoje Macau

Hoje Macau 15 JUNHO 2021 #4788  

Nº 4788 de 15 JUNHO de 2021 - Edição em papel do jornal Hoje Macau

Hoje Macau 15 JUNHO 2021 #4788  

Nº 4788 de 15 JUNHO de 2021 - Edição em papel do jornal Hoje Macau

Profile for hojemacau
Advertisement

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded