Page 1

DIRECTOR CARLOS MORAIS JOSÉ RÓMULO SANTOS

h VALÉRIO ROMÃO

COSTA NUNES

Caso na AL

FUNÇÃO PÚBLICA

Dez dias de férias PÁGINA 4

AGÊNCIA COMERCIAL PICO • 28721006

PUB

GRANDE PLANO

www.hojemacau.com.mo•facebook/hojemacau•twitter/hojemacau

MOP$10

SEGUNDA-FEIRA 14 DE MAIO DE 2018 • ANO XVII • Nº 4050

DROGAS

Altas estatísticas PÁGINA 9

A serra

hojemacau

O dia do julgamento Está marcada para hoje a primeira audiência em que Sulu Sou será julgado no processo em que é acusado de desobediência qualificada. O caso assume particular importância política uma vez que se o deputado suspenso for condenado a uma pena igual ou superior a 30 dias de prisão poderá perder o mandato. A condenação pode deixar uma fatia do eleitorado sem representação na Assembleia Legislativa.

PÁGINA 5


2 grande plano

As suspeitas de abuso sexual no jardim de infância D. José da Costa Nunes já chegaram ao hemiciclo, com a entrega de uma interpelação escrita pelo deputado Lam Lon Wai. Pais, direcção e APIM reuniram na sexta-feira, e debateram medidas a adoptar na gestão da escola, nomeadamente no que diz respeito à definição clara das tarefas dos funcionários

O

ex-funcionário do jardim de infância D. José da Costa Nunes suspeito de abuso sexual de três meninas, estará sujeito a apresentação periódica às autoridades, enquanto as investigações criminais prosseguirem. “Tendo em conta a gravidade do caso e a situação

14.5.2018 segunda-feira

MOMENTO ˜ DE REFLEXAO

COSTA NUNES

CASO DE ALEGADO ABUSO SEXUAL CHEGA À ASSEMBLEIA LEGISLATIVA

concreta do respectivo processo, o juiz de instrução criminal, sob a promoção do delegado do procurador, impôs ao arguido medidas de coacção, nomeadamente, a obrigação de apresentação periódica”, enquanto decorre a investigação do caso, de acordo com um comunicado divulgado no sábado.

A Polícia Judiciária (PJ) recebeu três queixas e, após as declarações prestadas pelas alegadas vítimas e pelo suspeito, o caso foi encaminhado para o MP por “existirem provas suficientes”. Nos termos da lei penal, o crime de abuso sexual de crianças é punido com uma moldura penal de um a oito anos de prisão.

Entretanto, o caso do Costa Nunes já chegou à Assembleia Legislativa (AL), nomeadamente pela mão do deputado Lam Lon Wai que entregou uma interpelação escrita ao Governo onde refere que a sociedade ficou chocada e que o caso será “doloroso”, caso se confirmem as práticas de abusos

sexuais nas menores de três anos de idade. Lam Lon Wai, deputado ligado à Federação das Associações dos Operários de Macau (FAOM) eleito pela via indirecta pelo sector do trabalho, lembrou que a primeira denúncia feita pela mãe de uma menor foi feita há meio ano e


grande plano 3

segunda-feira 14.5.2018

RÓMULO SANTOS

que a direcção da escola não agiu imediatamente. Por essa razão, o deputado disse estar preocupado com os mecanismos em vigor, que podem não proteger de forma eficaz a segurança das crianças. O deputado considerou que, se o caso tivesse sido revelado mais cedo, poderiam ter-se reduzido os impactos junto das crianças e das suas famílias, além de que estas poderiam ter recebido apoios mais cedo. Na interpelação, Lam Lon Wai revelou também estar preocupado com casos de violência doméstica em que as vítimas são crianças, temendo que este tipo de casos não tenha a exposição necessária. O membro da AL alertou para a necessidade de se estabelecer um mecanismo que faça com que professores e assistentes sociais sejam responsabilizados jurídicamente caso não denunciem casos suspeitos de abuso sexual, para que haja uma resposta mais rápida.

ESCOLA CLARIFICA TAREFAS

Na sexta-feira, decorreu uma reunião entre pais, a direcção do infantário e os responsáveis da Associação de Promoção da Instrução dos Macaenses (APIM), onde foram discutidas as medidas mais

prementes a adoptar nos próximos tempos. Um dos tópicos fulcrais da discussão prendeu-se com a necessidade de redefinição das tarefas de cada funcionário, disse ao HM Fátima Oliveira, presidente da Associação de Pais do Costa Nunes (APCN). “Essa será uma das óbvias e primordiais medidas a adoptar, a definição rigorosa das funções de cada funcionário e a adopção de directivas internas e protocolos para lidar com estas situações e outro tipo de casos venham a acontecer.” De acordo com a TDM, Ho Chan Nam, porta-voz da PJ, alertou para as funções extra que o servente terá desempenhado, quando tinha apenas como incumbências a limpeza do jardim de infância e a coordenação das refeições. “O suspeito tinha de limpar os alunos como parte das funções que desempenhava. Nesse âmbito, ele podia tocar nos órgãos genitais das meninas. Por isso, não podemos excluir a possibilidade de que o suspeito possa ter abusado das crianças quando não estava mais ninguém presente. No nosso entender, a escola carece de regras bem definidas no que diz respeito à forma como os funcionários devem proceder quando limpam os alunos.” Na reunião, e de acordo com Fátima Oliveira, ficou claro que qualquer funcionário podia, até aqui, ajudar no que fosse preciso, além das suas funções de base. “Havia, de facto, uma definição base, e os serventes e auxiliares não estariam nunca encarregues do trabalho de sala com as crianças, porque esse sempre coube à educadora. Havia, de facto, uma distinção básica do papel de cada um, não com o rigor que se pretende ou que será mais desejável. A ideia que passou é que haveria alguma flexibilidade caso houvesse necessidade, dependendo de sala para sala. O que ficou claro é que tem de haver mais rigor na definição de funções de cada pessoa dentro do jardim de infância.” De frisar que Goreti Lima, psicóloga da instituição, contou ao HM que o ex-servente chegou a brincar com as crianças. “Era um excelente funcionário e fazia mais do que aquilo que lhe era pedido. Era super simpático, envolvia-se

O deputado (Lam Lon Wai) considerou que, se o caso tivesse sido revelado mais cedo, poderiam ter-se reduzido os impactos junto das crianças e das suas famílias, além de que estas poderiam ter recebido apoios mais cedo

“O suspeito tinha de limpar os alunos como parte das funções que desempenhava. Nesse âmbito, ele podia tocar nos órgãos genitais das meninas. Por isso, não podemos excluir a possibilidade de que o suspeito possa ter abusado das crianças quando não estava mais ninguém presente.” PORTA-VOZ DA PJ

em actividades com as crianças, brincava com elas quando não era essa a função dele, entrava mais cedo e saía mais tarde, era sempre prestável. Não levantava nenhuma suspeita pela conduta que levava e era próximo das educadoras.” Apesar da Direcção dos Serviços para a Educação e Juventude (DSEJ) já ter alertado para a possibilidade do jardim de infância poder vir a sofrer sanções, que podem passar pelo fecho da instituição, a verdade é que a sua vice-directora, Leong Vai Kei, pediu aos pais para terem calma e aguardarem a conclusão do relatório interno que a escola está a elaborar. “Sempre exigimos às escolas que sigam as leis e as directrizes em vigor. Somos todos humanos e poderemos não ser capazes de fazer face a todos os problemas com que nos deparamos, principalmente se ocorrerem em circunstâncias distintas. Da nossa parte, estamos a fazer tudo o que está ao nosso alcance para dar resposta às falhas que ainda subsistem”, referiu a vice-directora da DSEJ.

ENTIDADE EXTERNA FAZ RELATÓRIO

Caberá a especialistas externos ao Costa Nunes a realização do relatório interno, que irá apurar a possível ocorrência de abusos desde 2015, data em que o funcionário começou a trabalhar como servente na escola. Serão também analisadas responsabilidades e eventuais consequências, tal como

o despedimento da educadora de infância responsável pela turma onde ocorreram os abusos e da psicóloga da instituição. “Isso irá ser apurado no inquérito interno”, frisou Fátima Oliveira, que disse continuar a acreditar no Costa Nunes. “A APCN continua a achar que a escola deve continuar a funcionar. Houve alguns erros graves com consequências graves também, mas é preciso melhorar e implementar medidas para que não volte a acontecer. Espero que a escola continue a ser uma referência para o ensino em língua portuguesa. Como é óbvio vai ser afectada por esta situação, mas temos confiança de que vai recuperar e melhorar. Está a ser realizado um relatório interno e a DSEJ fará o seu trabalho.” Num comunicado, a DSEJ explica que “o relatório deve incluir ainda os pormenores do caso, situação de trabalho do pessoal envolvido, bem como as medidas de acompanhamento adoptadas pela escola”, além de que “a escola tem de indicar as medidas e aconselhamento futuros que pretende executar para melhorar a prevenção e a protecção dos alunos, a forma de gestão administrativa e de pessoal e a formação do seu pessoal”.

COMUNIDADE CHINESA REAGE

Em declarações à TDM, um pai de nacionalidade chinês, que não quis ser identificado, falou de uma quebra de confiança na instituição de ensino. “Sempre houve grande confiança entre a escola e os encarregados de educação, ao ponto dos pais todos os dias saudarem os contínuos e funcionários com um sorriso. Toda a gente está bastante desapontada com o que aconteceu.” Outros dirigentes educativos reagiram também, tal como Tai Chan Lam, director da escola Hoi Fai, que surge citado no Jornal do Cidadão. Este defendeu que a DSEJ não deve permitir que funcionários do sexo masculino colaborem na higiene de meninas, esperando que possa ser criado um mecanismo de denúncia obrigatória deste tipo de casos. Tai Chan Lam adiantou que na sua escola os funcionários do sexo masculino não tratam da higiene de alunas do sexo oposto, e que não compreende a forma como o jardim de infância Costa Nunes funciona nesse aspecto. Um outro encarregado de educação, de apelido Lei, falou no canal chinês da Rádio Macau da existência de um quarto caso de alegado abuso sexual (actualmente a PJ está a investigar apenas três casos). De acordo com o seu relato, uma das alunas do infantário chegou a casa e perguntou ao pai se podia tocar no seu pénis. Depois de terem questionado a filha, esta revelou que o funcionário do jar-

DOIS CASOS PELA VIA DO TOQUE EM DEZ ANOS

A

Direcção dos Serviços de Educação e Juventude (DSEJ) adiantou que, nos últimos dez anos, foram registados “dois casos que envolveram pessoas que tocaram em crianças de forma inapropriada”. Estes actos são punidos de acordo com o Estatuto das Instituições Educativas Particulares. Entretanto, o director da DSEJ, Lou Pak Sang, adiantou que está a ser estudada a revisão do mecanismo de gestão de crises nas escolas, para melhor responder a este tipo de casos, noticiou a imprensa chinesa.

dim de infância terá feito o mesmo pedido à menor, que terá cometido esse acto. Lei entende que alguns pais nunca denunciaram outros alegados abusos junto da PJ porque temiam as consequências para os seus filhos. Outro pai, de apelido Leong, também telefonou para o programa de rádio onde se queixou da postura da direcção do jardim de infância e da DSEJ, devido à falta de explicações e de apoios. Alguns pais também revelaram estar insatisfeitos porque, depois das queixas, o funcionário continuou a trabalhar na escola.

“A APCN continua a achar que a escola deve continuar a funcionar. Houve alguns erros graves com consequências graves também, mas é preciso melhorar e implementar medidas para que não volte a acontecer.” FÁTIMA OLIVEIRA PRESIDENTE DA APCN

De acordo com a imprensa chinesa, Lam, encarregada de educação, frisou que sempre confiou no jardim de infância, mas que depois deste caso acha difícil continuar a manter a mesma confiança na direcção. Outro pai disse que não ficou satisfeito com as explicações dadas pelo presidente da APIM, Miguel de Senna Fernandes, na reunião de sexta-feira, nem com o facto da educadora e da psicóloga não terem denunciado o primeiro caso, ocorrido em Outubro. Ontem não foi possível chegar à fala com Miguel de Senna Fernandes. Andreia Sofia Silva e Vítor Ng info@hojemacau.com.mo


4 política

14.5.2018 segunda-feira

FUNÇÃO PÚBLICA MANTÉM-SE REGRA DE PERÍODO DE FÉRIAS SER NO MÍNIMO 10 DIAS ÚTEIS

Em nome do descanso

A proposta de alteração ao Estatuto dos Trabalhadores da Administração Pública de Macau (ETAPM) mantém o princípio de que os períodos de gozo de férias não podem ser inferiores a 10 dias úteis. Apesar de ter havido opiniões a defender flexibilidade durante consulta pública que o hemiciclo realizou, o Governo já fez saber que não vai mexer na regra

A

3.ª Comissão Permanente da Assembleia Legislativa (AL) recebeu “muitas sugestões” durante a recolha de opiniões sobre a alteração ao ETAPM defendendo uma maior flexibilidade na regra que obriga os funcionários públicos a gozarem um mínimo de 10 dias úteis seguidos de férias, propondo nomeadamente que seja encurtado para cinco ou sete dias. No entanto, a norma vai permanecer inalterada.

“Segundo o Governo, o grande interesse é salvaguardar que o trabalhador possa descansar durante um período mínimo de tempo.” VONG HIN FAI

A informação foi facultada pelo presidente da 3.ª Comissão Permanente da AL, que analisa o diploma em sede de especialidade, após a reunião de sexta-feira com membros do Governo. Vong Hin Fai indicou que metade das opiniões recebidas sobre o regime de férias debruçou-se sobre este aspecto, mas relativizou a questão. “Nove falaram sobre isso, mas algumas são anónimas. Será que as nove partiram da mesma pessoa? Não podemos saber”, referiu o deputado.

Seja como for, nada vai mudar: “Segundo o Governo, o grande interesse é salvaguardar que o trabalhador possa descansar durante um período mínimo de tempo”, pelo que “esses dez dias úteis são uma necessidade básica” e, portanto, o Governo não vai alterar esse período”. Contudo, há um excepção, já que o diploma prevê agora que

essa obrigatoriedade pode cair por “razões imperiosas e imprevisíveis decorrentes do funcionamento do serviço público”. Ou seja, esse período pode ser reduzido, mas apenas por iniciativa do Governo.

CONVENIÊNCIA DE SERVIÇO

Situação idêntica sucede com o número máximo de dias de férias que

podem ser transferidos para o ano seguinte. A proposta de lei mantém que o trabalhador pode transferir, a seu pedido, um máximo de 11 dias úteis, mas eleva dos actuais 11 para 33 os que podem passar para o ano seguinte por “conveniência de serviço”. Na perspectiva de Vong Hin Fai, a mexida visa proteger o “interesse público”.

Outro ponto em foco foi o regime de disponibilidade. Embora o entendam necessário, os deputados advertiram que há que proteger o direito ao descanso dos funcionários públicos, pelo que instaram a uma “distribuição equitativa e razoável” na organização do trabalho. Em paralelo, “a Comissão pediu ao Governo para prestar atenção às remunerações do pessoal de direcção e chefia”, no sentido de verificar se “se coadunam com o volume de trabalho”, dado que “estão em permanente disponibilidade e trabalham foram do horário”. Isto porque o regime de disponibilidade (e respectivo subsídio) não se aplica ao pessoal de direcção e chefia, que é regulado por outro diploma. Os deputados debruçaram-se ainda sobre o regime de horário específico de trabalho, em cuja esfera caem, por exemplo, os funcionários do Instituto para osAssuntos Cívicos e Municipais no matadouro, que entram ao serviço de madrugada, e que, à luz da proposta da lei, vão então passar a receber um subsídio. Embora o Governo tenha prestado “esclarecimentos detalhados”, a 3.ª Comissão Permanente da AL propôs a definição de um “enquadramento conceptual” do regime que só pode ser fixado por despacho do Chefe do Executivo. Outra norma que a comissão espera ver melhorada, por não coincidir com as explicações facultadas, é a da prestação de trabalho extraordinário. Segundo o articulado, está “sujeita a autorização prévia” e deve, “em caso de excepcional premência, ser determinada pelo superior hierárquico e confirmada pelo mesmo nos dois dias úteis imediatos”. Em causa está o conceito de “excepcional premência” que, “segundo o Governo, não é possível definir”, cabendo “a cada serviço decidir face às suas necessidades reais e de acordo com a situação em concreto”, explicou Vong Hin Fai. A 3.ª Comissão Permanente da AL, que já analisou metade dos artigos do diploma, volta a reunir-se hoje. Diana do Mar

dianadomar@hojemacau.com.mo

TRABALHO ELLA LEI QUER REVISÃO DO REGIME DE INGRESSO DE CARREIRAS

O

S requisitos para ingresso nas carreira no Serviço de Estatísticas e Sensos não mudam há 30 anos e é apenas necessário o nono ano de escolaridade para ingressar neste departamento da função pública. Esta evidência motivou uma queixa da deputada Ella Lei, que pede ao Executivo uma revisão rápida da legislação

que regula o ingresso nas carreiras públicas. “Embora tenha existido uma revisão em 2009 e uma outra em 2011, alguns requisitos de qualificação académica ainda seguem as exigências de há trinta anos”, começa por dizer a deputada em interpelação escrita. O exemplo escolhido por Ella Lei é referente aos

Serviços de Estatísticas e Sensos em que os requisitos de entrada para investigadores se limitam ainda ao ensino secundário. Para a deputada, trata-se de uma situação que em nada corresponde aos parâmetros de exigência que Macau deve ter. “Com o desenvolvimento social e económico, ter o

ensino médio como requisito de entrada não corresponde às exigências e complexidade das funções que dizem respeito ao trabalho estatístico”, afirma Ella Lei. A deputada acrescenta que, na prática, o departamento empregará pessoal com cursos superiores para atender às necessidades e desafios do trabalho do

departamento o que resulta numa assimetria entre os requisitos pedidos e o salário oferecido. “Com uma equipa instável, o trabalho desenvolvido vai ser de menor qualidade”, aponta. Ella Lei espera que haja uma calendarização definida para a revisão legal nesta matéria e pede ainda ao Executivo que esclareça

acerca do que pretende fazer para colmatar as falhas que se registam nos Serviços de Estatística e Sensos. S.M.M.


política 5

segunda-feira 14.5.2018

SULU SOU JULGAMENTO POR DESOBEDIÊNCIA Após um período QUALIFICADA ARRANCA HOJE de espera de quase cinco meses, o julgamento do deputado e de Scott Chiang começa esta testemunhas, entre polícias e maEm causa, para os demonstranmanhã. Caso Sulu nifestantes, a serem ouvidos pela tes, esteve o facto de Fernando Weng Tong. Chui Sai On, Chefe Executivo, ser Sou seja punido com juízaO Cheong caso assume especial impor- igualmente presidente do Conselho tância política para Macau, uma Geral de Curadores da Fundação uma pena igual ou vez que se o deputado suspenso for Macau e vice-presidente da Consesuperior a 30 dias de condenado com uma pena igual ou lho Geral da Universidade de Jinan. superior a 30 dias de prisão poderá Contudo, Chui Sai On limitou-se a prisão, a Assembleia ver a Assembleia Legislativa votar negar a existência de um conflito a perda do seu mandato. de interesse. Legislativa pode Os factos que vão ser analisados De acordo com a versão da por Cheong Weng Tong ocorreram Polícia Segurança Pública, na expulsar o deputado a 15 de Maio de 2016, quando a altura dademanifestação, registouAssociação Novo Macau organi- -se o crime de desobediência quado hemiciclo

O juiz decide

A

PÓS uma espera de quase cinco meses desde o último adiamento, o julgamento do deputado suspenso Sulu Sou e do activista Scott Chiang pela alegada prática de desobediência qualificada arranca esta manhã, no Tribunal Judicial de Base. A audiência está marcada para as 9h30 e o deputado da Novo Macau acredita que vai ser um julgamento íntegro. “Acreditamos que vai ser um julgamento justo. É tudo o que podemos dizer nesta fase”, afirmou Sulu Sou, ao HM. Por sua vez, o activista Scott Chiang admitiu esperar que desta vez não haja mais nenhum adiamento: “Só espero que o julgamento possa finalmente começar, ao contrário do que aconteceu da últimos vez”, disse o membro da Novo Macau, ao HM. “Como é óbvio, não sabemos qual vai ser o veredicto, por isso só nos podemos preparar da melhor maneira, tentar recordar o melhor possível os acontecimentos e esperar que os tribunais tomem uma decisão justa”, acrescentou. Marcado para o início da manhã, o julgamento deverá prolongar-se ao longo do dia, com os arguidos e as principais

zou um protesto contra o donativo de 100 milhões de yuan, por parte da Fundação Macau – capitalizada com dinheiro dos impostos sobre o jogo – à Universidade de Jinan.

lificada porque os demonstrantes pisaram o passeio junto ao centro comercial New Yao Hon, quando deviam ter seguido apenas pela estrada. Também cerca de

“Só nos podemos preparar da melhor maneira, tentar recordar o melhor possível os acontecimentos e esperar que os tribunais tomem uma decisão justa.” SCOTT CHIANG ACTIVISTA

50 manifestantes pararam num cruzamento contra as indicações das autoridades e cerca de 10 pessoas estiveram junto ao Palácio do Chefe do Executivo a atirar aviões de papel. Apesar do número de envolvidos, apenas Sulu Sou e Scott Chiang vão a julgamento.

agendado para 28 de Novembro. Na altura, a sessão foi adiada, uma vez que o deputado estava protegido pela imunidade política. Posteriormente, o julgamento foi agendado para 16 de Janeiro, após o membro da Assembleia Legislativa ter sido suspenso com 28 votos a favor e 4 contra dos restantes legisladores. Contudo, a defesa de Sulu Sou apontou falhas aos procedimentos internos da AL, colocou uma providência cautelar nos tribunais contra a suspensão, além de um recurso, e a sessão de 16 de Janeiro teve de ser adiada. Com a providência cautelar contra a suspensão rejeitada e o recurso no Tribunal de Última Instância, cuja decisão não deve ser conhecida antes de Agosto, o caso do alegado crime de desobediência qualificada pode agora ser retomado.

SUSPENSÃO POLÉMICA

João Santos Filipe

joaof@hojemacau.com.mo

Esta é a terceira data do julgamento, que inicialmente tinha sido

FUNÇÃO PÚBLICA ZHENG ANTING QUER UNIFORMIZAR INFORMAÇÕES DE QUEIXAS

O

deputado Zheng Anting entregou uma interpelação ao Governo onde defende a criação de um mecanismo de uniformização das informações decorrentes de queixas feitas pelos cidadãos ou tratamento de casos por parte dos departamentos públicos. Na visão do deputado, a forma de funcionamento dos serviços públicos

causam inconveniências aos cidadãos. O deputado deu como exemplo as queixas apresentadas por violação da lei do ruído, uma vez que a Polícia de Segurança Pública (PSP) podem emitir avisos, mas só a Direcção dos Serviços de Protecção Ambiental (DSPA) é que tem a competência para decidir se os in-

fractores são ou não sujeitos a sanções. Mas nem sempre este organismo consegue tratar das queixas de forma atempada, o que tem levado a uma má implementação da lei do ruído. No que diz respeito às fiscalizações feitas nos restaurantes, quanto à emissão de fumos, o deputado alerta para a existência de critérios

diferentes adoptados pela DSPA e Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais (IACM), o que fazem com que os proprietários dos

estabelecimentos fiquem confusos quanto às regras a adoptar e afirmem que as queixas não tenham o devido tratamento por parte das autoridades. Zheng Anting defende que os departamentos públicos passam muitas vezes as responsabilidades para os outros, o que afecta a eficiência do mecanismo

de tratamento de queixas. Nesse sentido, é defendida a criação de uma plataforma uniformizada onde os residentes possam obter todas as informações de que necessitam, além de poderem apresentar as suas queixas, além de ser garantida a sua devida distribuição pelos serviços públicos competentes.


6 sociedade

14.5.2018 segunda-feira

H

DEPUTADAS PEDEM APOIOS PARA CRIANÇAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS

Quanto mães, melhor Mais apoios para os pais que têm filhos com necessidades especiais e medidas gerais de incentivo e auxílio à maternidade foram os pedidos de Agnes Lam e Wong Kit Cheng ao Executivo. As propostas sugeridas pelas deputadas assinalaram o dia da Mãe presença dos pais, uma situação que pode resultar no afastamento da mãe do mercado de trabalho, uma situação que tem como efeito secundário menos rendimentos a entrar no orçamento de casa, sublinhou a deputada. Segundo Lam, muitas destas famílias, quando tiveram as suas crianças, faziam parte da classe média, mas com os custos das terapias enfrentam agora muitas dificuldades económicas. O problema agrava-se quando há dois filhos com necessidades especiais, e “os pais têm de escolher um dos filhos e

SOFIA MARGARIDA MOTA

Á muita coisa para ser melhorada em Macau mas queremos, para já, focar-nos em medidas que são necessárias para as crianças com necessidades especiais e para apoio aos seus pais.” Quem o diz é a deputada Agnes Lam ao HM. No dia em que se assinalou o dia da mãe em Macau, Lam fez questão de sublinhar a efeméride com um pedido ao Executivo feito online. De acordo com a deputada, a situação em Macau é preocupante quando se fala das dificuldades enfrentadas por pais com filhos que precisam de apoios especiais. “Há casais com dois filhos que quando um deles é portador de deficiência e necessita de cuidados especiais o outro acaba por ser “negligenciado””, referiu Agnes Lam. A razão tem que ver com os custos financeiros das terapias em questão. “Numa família com crianças que precisam de terapia, o dinheiro não chega para tudo”, disse. Por outro lado, estes filhos exigem muito tempo e

PUB HM • 1ª VEZ • 14-5-18

ANÚNCIO AUTOS DE INTERDIÇÃO CV3-18-0010-CPE 3º Juízo Cível REQUERENTE: MINISTÉRIO PÚBLICO.------------------------------REQUERIDO: WAN PANG NIN.-------------------------------------------***** FAZ SABER que, foi distribuído neste Tribunal, no dia 13 de Abril de 2018, um Processo de Interdição, com o número acima indicado, em que é Requerido, WAN PANG NIN, residente em Macau, no Centro de Recuperação da Associação Geral dos Operários, Taipa, Macau, para efeito de ser decretada a sua interdição por anomalia psíquica.------------------------------------------------------------------------------Macau, 25 de Abril de 2018

Agnes Lam, deputada “Há casais com dois filhos que quando um deles é portador de deficiência e necessita de cuidados especiais o outro acaba por ser “negligenciado”.”

sacrificar o outro para ter ajuda, porque não têm dinheiro para pagar terapia dos dois”. A piorar a situação está a dificuldade em conseguir uma vaga numa creche que acolha crianças com necessidades especiais. “Na altura de entrarem para o ensino infantil,

as crianças podem ficar um período muito longo, que pode demorar anos, à espera para conseguirem uma vaga”, referiu Agnes Lam.

ESTUDO REAL

Para melhorar as condições de vida das mães do

território, o primeiro passo seria o aumento do tempo da licença de maternidade e de paternidade. A ideia foi deixada em comunicado por Wong Kit Cheng em que a deputada dá a conhecer os resultados de um inquérito levado a cabo

pela Associação Geral das Mulheres de Macau. De acordo com a pesquisa, que envolveu a participação de 3300 residentes, cerca de 25 por cento dos inquiridos, quando questionados acerca do que poderia ser feito para promover a natalidade no território, responderam que era necessário um aumento do tempo das licenças de maternidade e de paternidade. No inquérito, 14 por cento dos inquiridos referiram, a necessidade de aumentar os serviços que prestam cuidados à maternidade durante 24 horas. Do universo de pessoas ouvidas, 11 por cento apontaram que o Governo deve intervir na prestação de cuidados a idosos, de modo a garantir mais tempo disponível às jovens mães para que estas não tenham que se preocupar com os seus ascendentes. A sugestão relativa à facilitação da contratação de empregadas domésticas teve concordância de 10 por cento dos inquiridos. De acordo com Wong Kit Cheng, tratam-se de medidas que, mais do que o aumento de subsídio de maternidade recentemente anunciado pelo Executivo, promovem a disponibilidade dos jovens locais para terem uma família. “No ano passado, o Governo para aliviar a pressão financeira sobre os pais aumentou o subsídio de natalidade para as 5000 patacas. Esta medida é válida, mas está longe de ser suficiente para diminuir o stress e aumentar a disponibilidade das mães”, apontou. Para Wong Kit Cheng, as medidas de apoio à maternidade ganham uma dimensão inegável face ao crescente aumento do número de idosos no território. Sofia Margarida Mota

Sofia.mota@hojemacau.com.mo

*******

Patriotismo Cerca de três centenas de alunos hastearam a bandeira nacional

A Direcção de Serviços de Educação e Juventude (DSEJ) e a Guarnição do Exército de Libertação do Povo Chinês organizaram uma actividade sobre o hastear da bandeira nacional para cerca de 300 alunos. No entanto, a faixa utilizada para a fotografia do evento contem um erro de português devido à utilização da preposição “sob”, que significa “em baixo”, em vez do uso da preposição “sobre”, que significa “a cerca”. No texto original da faixa que marcou o evento leu-se: “Diálogo sob a Bandeira Nacional 2018 Jornadas de Treino do içar da bandeira Nacional para Estudantes”.


sociedade 7

segunda-feira 14.5.2018

BLOOMBERG

Legionella Serviços de Saúde relativizam descoberta de bactéria na fronteira de Gongbei

JUSTIÇA NG LAP SENG CONDENADO A QUATRO ANOS DE PRISÃO EM CASO DE CORRUPÇÃO

E vão quatro

Os Serviços de Saúde relativizaram o facto de ter sido detectada a bactéria da Legionella no sistema centralizado de ar condicionado do posto fronteiriço de Gongbei, em Zhuhai. Num comunicado, divulgado na sexta-feira, os Serviços de Saúde dizem que “estão atentos” e “dão relevância” ao caso, mas informam que “não receberam o relatório” por parte das entidades responsáveis, apelando aos residentes para que “não estejam preocupados”. Segundo o organismo, a bactéria da doença dos legionários tinha sido anteriormente detectada no posto fronteiriço, sem que tenha havido casos de infecção humana. As autoridades de saúde sublinham que existem no ambiente amplas fontes de propagação da Legionella, mas que, “mesmo assim, os casos de infecção são raros”. Segundo os Serviços de Saúde, o hospital público de Macau registou uma subida dos casos da doença dos legionários nos últimos anos, particularmente entre idosos e doentes crónicos, sem que nenhum se tenha revelado mortal.

O empresário de Macau Ng Lap Seng foi condenado a uma pena de quatro anos de prisão num caso de corrupção que envolveu altos quadros das Nações Unidas

O

Sarampo Detectado primeiro caso importado do ano

Os Serviços de Saúde confirmaram na sexta-feira ter detectado um caso de sarampo. A paciente é uma residente de Macau, de 47 anos, que terá contraído sarampo durante uma deslocação a Singapura e à Malásia. Com base no historial de viagem e no período de manifestação dos sintomas, os Serviços de Saúde consideram tratar-se de um caso importado de sarampo, o primeiro do ano. A paciente, que nasceu em Meizhou, na província de Guangdong, não sabe se foi vacinada. Segundo os Serviços de Saúde, na sexta-feira, já não apresentava febre e a erupção cutânea tinha começado a desaparecer. Macau obteve a acreditação da erradicação do sarampo da Organização Mundial da Saúde em 2014.

Além da pena efectiva de prisão, Ng Lap Seng foi condenado a pagar uma multa de um milhão de dólares e a restituir 1,5 milhões de dólares. Segundo a agência Reuters, o juiz negou ainda um pedido da defesa para que o empresário permaneça em prisão domiciliária, determinando que Ng Lap Seng tem de se entregar às autoridades no próximo mês de Julho

Tribunal Federal de Manhattan, em Nova Iorque, condenou na sexta-feira Ng Lap Seng a uma pena de quatro anos de prisão. O empresário de Macau, que foi considerado culpado em Julho pelas seis acusações que pendiam contra si, incluindo corrupção e branqueamento de capitais, arriscava dezenas de anos de cadeia. O tribunal deu como provado que, com cúmplices, Ng Lap Seng, de 69 anos, subornou, entre 2011 e 2015, dois diplomatas das Nações Unidas em troca de apoio à construção em Macau de um centro de conferências patrocinado pela ONU. Os diplomatas em causa foram John Ashe, que foi embaixador de Antígua e Barbuda na ONU durante 10 anos e que presidiu à 68.ª sessão da Assembleia-Geral da ONU (2013-2014), e Francis Lorenzo, adjunto do embaixador da República Dominicana na ONU. Para facilitar o avanço do projecto, John Ashe – que morreu em 2016, antes de ser levado a julgamento, na sequência de um acidente enquanto fazia levantamento de pesos em casa – submeteu ao então secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, um documento em que defendia a necessidade de construir o referido centro. Contudo, o denominado Centro Internacional de Conferências Permanente para a Cooperação Sul-Sul das Nações Unidas, que Ng Lap Seng pretendia construir utilizando a sua empresa, a San Kin Yip, nunca chegou a sair do papel. Além da pena efectiva de prisão, Ng Lap Seng foi condenado a pagar uma multa de um milhão de dólares e a restituir 1,5 milhões de dólares. Segundo a agência Reu-

ters, o juiz negou ainda um pedido da defesa para que o empresário permaneça em prisão domiciliária, em que se encontra desde 2015, enquanto recorre da decisão, determinando que Ng Lap Seng tem de se entregar às autoridades no próximo mês de Julho. Ng Lap Seng era o único dos cinco acusados vivos que não reconheceu a culpa perante o tribunal. Dois cúmplices foram, entretanto, condenados a 20 meses e a sete meses de prisão, respectivamente, enquanto os outros dois, incluindo Francis Lorenzo, aguardam que seja determinada a pena. Principal acusado do caso, o magnata do imobiliário é descrito como bem conectado em termos políticos, tanto em Macau como na China, e referido por alegadas ligações às tríades. Ng Lap Seng foi membro da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês, enquanto em Macau integrou a Comissão Preparatória da Região Administrativa Especial e o Conselho para o Desenvolvimento Económico, tendo pertencido ainda à comissão que elege o Chefe do Executivo. Foi ainda responsável, em 2001, a par do Governo, pelo lançamento da Feira Internacional de Macau, que ainda hoje decorre anualmente. Conhecidas são também as suas doações ao Partido Democrático dos Estados Unidos nos anos 1990 e à Administração de Bill Clinton. As ofertas foram noticiadas na imprensa norte-americana por suscitarem suspeitas de origem ilícita. Diana do Mar com agências info@hojemacau.com.mo


8 publicidade

14.5.2018 segunda-feira

EDITAL Notificação da decisão final de demolição do prédio em estado de ruína Edital n.º : 1 /E-RP/2018 Processo n.º : 30/RP/2013/F Local : Rua do Almirante Sérgio n.º 123, Macau. Li Canfeng, Director da Direcção dos Serviçaos de Solos, Obras Públicas e Transportes, faz saber que ficam notificados SIN TAI HEI E MULHER CHAO MAI (OU) CHOW MAI, proprietários do prédio acima indicado, do seguinte: Em conformidade com o Auto de Vistoria da Comissão constante do processo a decorrer nesta Direcção de Serviços, o prédio acima indicado encontra-se em estado de ruína, pelo que, nos termos do n.º 1 do artigo 54.º do Decreto-Lei n.º 79/85/M (Regulamento Geral da Construção Urbana) de 21 de Agosto, ficam os interessados notificados da decisão final de demolição do prédio acima indicado. No uso das competências delegadas pela alínea 12) do n.º 2 do Despacho n.º 11/SOTDIR/2016, publicado no Boletim Oficial da Região Administrativa Especial de Macau (RAEM) n.º 21, II Série, de 25 de Maio de 2016, o Chefe do Departamento de Urbanização da DSSOPT, Lai Weng Leong, homologou o Auto de Vistoria acima indicado através de despacho de 1 de Setembro de 2017. De acordo com os artigos 93.º e 94.º do Código do Procedimento Administrativo (CPA), aprovado pelo Decreto-Lei n.º 57/99/M, de 11 de Outubro, foi realizada, no seguimento de notificação por edital publicado nos jornais em língua chinesa e em língua portuguesa de 8 de Setembro de 2017, a audiência escrita dos interessados, mas não foram carreados para o procedimento elementos ou argumentos de facto e de direito que pudessem conduzir à alteração do sentido da decisão de ordenar a sua demolição. Nos termos do n.º 1 do artigo 54.º do RGCU e por despacho de 04 de Maio de 2018, ordena-se aos interessados que procedam, no prazo de 30 dias contados a partir da data da publicação do presente edital, à demolição do prédio acima indicado, bem como limpeza e vedação do terreno com tapume adequado. Para o efeito, de acordo com as disposições do RGCU, os interessados deverão apresentar nestes Serviços o Pedido da Aprovação de Projecto (de Alteração) da Obra de Reparação / Conservação, no prazo de 10 dias contados a partir da data da publicação do presente edital. O impresso para apresentar o pedido encontra-se disponível na página electrónica da DSSOPT. Findo o prazo acima referido, caso os interessados não tenham dado cumprimento à respectiva ordem, esta Direcção de Serviços em conjunto com outros serviços públicos e com a colaboração do Corpo de Polícia de Segurança Pública, procederá à execução dos trabalhos acima referidos, sendo as despesas suportadas pelos infractores, nos termos dos n.os 1 e 2 do artigo 56.º do mesmo decreto-lei, para além disso, os interessados ficam ainda sujeitos a aplicação de multa prevista nos artigos 66.º e 67.º do RGCU. Na falta de pagamento voluntário da despesa, nos termos do n.º 3 do artigo 56.º do RGCU, proceder-se-á à cobrança coerciva da quantia em dívida pela Repartição das Execuções Fiscais da Direcção dos Serviços de Finanças. Nos termos do n.º 1 do artigo 59.º do RGCU, da decisão do presente edital cabe recurso hierárquico necessário para o Secretário para os Transportes e Obras Públicas, a interpor no prazo de 15 dias contados a partir da data da publicação do presente edital. RAEM,04 de Maio de 2018

O Director de Serviços Li Canfeng


sociedade 9

segunda-feira 14.5.2018

DROGA CONSUMO ENTRE JOVENS COM QUEDA SIGNIFICATIVA EM 2017

Despertos para a vida

O universo de toxicodependentes referenciados em Macau diminuiu no ano passado, com a descida no consumo de droga a ser particularmente visível entre os jovens com menos de 21 anos

observou em entrevista recente ao HM, o presidente da Associação de Reabilitação de Toxicodependentes de Macau (ARTM), Augusto Nogueira entende que “Macau não é, de facto, um lugar com um elevado consumo de droga”. Em termos gerais, a metanfetamina manteve-se como a substância mais consumida em Macau, dado que o “ice” (como é vulgarmente conhecida) foi a droga escolhida por mais de um terço dos consumidores (35,1 por cento), seguindo-se a heroína e a ketamina, em segundo e terceiro lugar. De acordo com a chefe de Departamento de Prevenção e Tratamento da Dependência do Jogo e da Droga do IAS, sete em cada dez toxicodependentes consomem na sua própria casa, na de amigos, ou em hotéis, o que revela que a prática “camuflada” do vício continua a existir. Idêntica manteve-se também a média mensal dos gastos com estupefacientes que foi na ordem das 7.834 patacas ao longo do ano passado.

TRATAMENTO VERSUS PRISÃO

Entre 2009 e 2017, 854 pessoas escolheram receber tratamento em troca da suspensão da pena de prisão, como previsto na lei.

O

consumo de droga entre os jovens diminuiu significativamente no ano passado. Pelo menos a avaliar pelo Sistema de Registo Central de Toxicodependentes do Instituto de Acção Social (IAS). Segundo dados facultados na sexta-feira, após a primeira reunião plenária da Comissão de Luta Contra a Droga, no ano passado, foram referenciados 462 toxicodependentes – menos 15,7 por cento

relativamente a 2016. Do total, 21 eram menores de 21 anos, um número que reflecte uma queda de 38,2 por cento em termos anuais. Com efeito, a fim de “conhecer a situação mais recente do consumo de drogas entre jovens”, vão ser lançados dois inquéritos no segundo semestre, revelou a chefe do Departamento de Prevenção e Tratamento da Dependência do Jogo e da Droga do IAS, Lei Lai Peng, em conferência de imprensa. O primeiro vai versar sobre o uso

ESTUDADA PROIBIÇÃO DE VENDA DE ÁLCOOL A MENORES A

Comissão da Luta Contra a Droga analisou na reunião de sexta-feira a possibilidade de se proibir a venda de álcool a menores de idade. “Os membros concordaram que unanimemente é necessário reforçar a regulamentação”, afirmou a chefe do Departamento de Prevenção e Tratamento da Dependência do Jogo e da Droga do IAS, indicando que “Macau é a única região [da zona] que não tem este tipo de legislação”. Questionada sobre se o Governo pretende apresentar, a curto prazo, uma proposta de lei para o efeito, Lei Lai Peng indicou ser preciso, em primeiro lugar, recolher informações e opiniões e estudos comparativos com as regiões vizinhas.

de drogas pelos jovens em idade escolar, devendo contar com uma amostra de 9.000 alunos, enquanto o segundo vai incidir sobre a relação dos jovens de rua com o abuso de estupefacientes. Segundo o IAS, caem no conceito de “jovens de rua” os indivíduos com idade igual ou inferior a 24 anos em situação de abandono escolar ou desemprego, mas também alguns que, apesar de frequentarem a escola regular ou cursos de formação de curta dura-

ção, andam a vaguear. Segundo a mesma responsável, estima-se que sejam “cerca de 250”. Esperam-se resultados de ambos os inquéritos pelo final do ano, de acordo com Lei Lai Peng. O número de toxicodependentes é calculado com base na declaração voluntária de quem solicita ajuda, junto das instituições oficiais ou organizações não governamentais, ou em dados da polícia ou dos tribunais. Embora esteja “abaixo da realidade”, como

NOVAS SUBSTÂNCIAS A AGUARDAR LISTAGEM A

Comissão de Luta Contra a Droga também se debruçou, na sexta-feira, sobre a aprovação de 12 tipos de substâncias sujeitas ao controlo internacional na 61.ª sessão da Comissão de Estupefacientes das Nações Unidas. Actualmente, o grupo encontra-se a coordenar os trabalhos para acelerar o processo legislativo para que possa suceder o mesmo em Macau, “favorecendo a eficiência no acompanhamento do controlo das novas drogas”, indicou a chefe do Departamento de Prevenção e Tratamento da Dependência do Jogo e da Droga do IAS, Lei Lai Peng.

Segundo Cheang Io Tat, do mesmo departamento do IAS, entre 2009 e 2017, 854 pessoas escolheram receber tratamento em troca da suspensão da pena de prisão, como previsto na lei. No entanto, o IAS indicou não dispor de estatísticas que permitam determinar qual a percentagem que representam entre o universo dos que foram condenados por crimes relacionados com consumo de estupefacientes. Do total, 170 toxicodependentes, ou 20 por cento, reincidiram na sequência do tratamento voluntário que lhes permitiu ter a execução da pena de prisão suspensa, voltando a ser admitidos para reabilitação. Na perspectiva do IAS, trata-se de uma taxa de “sucesso” comparativamente ao panorama nas regiões vizinhas. O universo de reincidentes concentrou-se, sobretudo, na faixa etária entre os 30 e os 40 anos. Em 2017, ainda segundo dados do IAS, estavam a receber tratamento 160 pessoas, das quais 50 iniciaram o processo de reabilitação nesse ano, após terem sido condenadas a penas de prisão. Relativamente ao impacto da revisão da lei da droga – que agravou as penas de prisão para o consumo de um máximo de três meses para um ano de cadeia –, a chefe do Departamento de Prevenção e Tratamento da Dependência do Jogo e da Droga do IAS afirmou ser precoce fazer um balanço da execução do diploma que entrou em vigor desde 28 de Janeiro de 2017: “Ainda não temos dados que nos permitam verificar”. O IAS recebeu, no ano passado, 185 casos relacionados com droga, dos quais dez resultaram em condenações ao abrigo da nova lei. Diana do Mar

dianadomar@hojemacau.com.mo


10 eventos

14.5.2018 segunda-feira

A hora da emanci ARTES PLÁSTICAS BIENAL DE MULHERES ARTISTAS COM “ESPAÇO PARA CRESCER”

A 1.ª bienal internacional de mulheres artistas de Macau, determinada a ocupar um lugar na história das artes plásticas na região, chega quase ao fim com “espaço para crescer”, disse à Lusa o organizador Carlos Marreiros

Questionado sobre a possibilidade de crescimento do evento, o presidente do Albergue SCM mostrou “um optimismo moderado”. “Estou com os pés bem assentes na terra. Temos de dar o salto, mas para isso precisamos de mais orçamento para apostar na publicidade internacional e conseguir trazer mais instalações”, enfatizou, lembrando que a projecção deste tipo de eventos depende de pessoas influentes da área da crítica internacional.

‘ArtFem Mulheres Artistas’ nasceu para preencher uma lacuna que existia em Macau: “A falta de grandes exposições de importância internacional”, explicou o presidente do Albergue SCM, co-organizador do evento, que chegou ontem ao fim. Para se destacar das “grandes bienais” das regiões vizinhas, Carlos Marreiros teve de avançar com uma ideia original: uma bienal dedicada inteiramente a mulheres artistas. “Tinha de ser uma coisa totalmente diferente e pareceu-nos que assim poderia ter um chamativo”, afirmou, destacando o objectivo central de “valorizar a mulher”. Embora projectada há 18 anos, a exposição foi organizada em apenas três meses. “Partimos com um orçamento pequeno e em muito pouco tempo fizemos uma bienal com a representação de 100 artistas e mais uma – Paula Rego”, realçou. A artista portuguesa de 83 anos foi a madrinha desta edição, que teve a presença da filha Victoria Willing, em representação da mãe. “Contamos com artistas de mais de 20 países dos cinco continentes. A lusofonia está toda representada – desde o Brasil a Timor, Macau, Angola, Moçambique”, o que con-

ALARGAR HORIZONTES

A

tribuiu para “superar largamente as expectativas”, sublinhou. Não há ainda números oficiais dos visitantes do Museu de Arte de Macau, mas o também arquitecto disse que conseguiram “movimentar bastante gente”. A exposição patente no Albergue SCM, da artista portuguesa Raquel Gralheiro, recebeu em média 3.000 pessoas por mês.

“Se puder contribuir para que haja um verdadeiro mercado de arte em Macau – que não há – a bienal também pode contribuir neste domínio.” CARLOS MARREIROS

À VENDA NA LIVRARIA PORTUGUESA A SOMBRA DO VENTO • Carlos Ruiz Zafón

A bienal pretende agora alargar horizontes, garante. “Em futuras edições pensamos estender a Cantão, no antigo Delta das Pérolas, agora integrado na Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau”. A iniciativa “Uma faixa, uma rota” não retrata só trocas económicas, também se trata de trocas culturais e artísticas. “Se puder contribuir para que haja um verdadeiro mercado de arte em Macau – que não há – a bienal também pode contribuir neste domínio”, sublinhou. “O mundo precisa de saber que Macau é fascinante e se preocupa com a valorização da mulher. Espero que isso continue, mas está muito nas mãos das instituições do Governo”, concluiu. Organizada pelo Albergue SCM e pelo Museu de Arte de Macau, a ArtFem Mulheres Artistas – a 1.ª bienal internacional de Macau – foi inaugurada a 8 de Março, Dia Internacional da Mulher, tendo estado patente ao público até ontem. A mostra juntou 142 obras de 132 mulheres realizadas desde os anos 70 até aos dias de hoje, incluindo o quadro “Nossa Senhora das Dores” de Paula Rego.

A Sombra do Vento” é um mistério literário passado na Barcelona da primeira metade do século XX, desde os últimos esplendores do Modernismo até às trevas do pósguerra. Um inesquecível relato sobre os segredos do coração e o feitiço dos livros, num crescendo de suspense que se mantém até à última página. Numa manhã de 1945, um rapaz é conduzido pelo pai a um lugar misterioso, oculto no coração da cidade velha: O Cemitério dos Livros Esquecidos. Aí, Daniel Sempere encontra um livro maldito que muda o rumo da sua vida e o arrasta para um labirinto de intrigas e segredos enterrados na alma obscura de Barcelona. Juntando as técnicas do relato de intriga e suspense, o romance histórico e a comédia de costumes, “A Sombra do Vento” é sobretudo uma trágica história de amor cujo eco se projecta através do tempo.

RUA DE S. DOMINGOS 16-18 • TEL: +853 28566442 | 28515915 • FAX: +853 28378014 • MAIL@LIVRARIAPORTUGUESA.NET

A SALVAÇÃO DE WANG FÔ E OUTROS CONTOS ORIENTAIS • Marguerite Yourcenar

Invulgares, oníricos, com elementos que vão do sobrenatural ao mito e à lenda, estes contos vão beber a inspiração ao Oriente para daí abrirem as suas asas e conseguirem o que apenas a grande literatura consegue: abarcar o mundo, tocar a universalidade. Um pintor assombrado pelas imagens que cria, um herói traído, uma mãe que cuida do filho recém-nascido após a sua própria morte, uma deusa infeliz…Com uma linguagem sublime capaz de desvelar os mais secretos significados, Yourcenar aponta directamente ao âmago da natureza humana e a noções tão fundamentais como a vida e a morte.


eventos 11

segunda-feira 14.5.2018

ipação

Pelas mãos de Gilliam

Joana Ribeiro espera reconhecimento internacional em Cannes

O

filme “O homem que matou D. Quixote”, de Terry Gilliam, será a primeira produção internacional da actriz portuguesa Joana Ribeiro, que lamenta ser “mais fácil ganhar reconhecimento lá fora do que em Portugal”. “O homem que matou D. Quixote” será exibido no dia 19, no encerramento do Festival de Cinema de Cannes e, para a actriz, representa uma estreia a vários níveis: na colaboração com Terry Gilliam, com um elenco internacional, e na presença num festival como Cannes. Em entrevista à agência Lusa, a dias de partir para Cannes, Joana Ribeiro recordou o “ritmo intenso” das filmagens, em Portugal e em Espanha, e o trabalho “com pessoas incríveis”, como os actores Jonathan Pryce e Adam Driver, os protagonistas desta adaptação livre que o realizador norte-americano fez do romance de Miguel de Cervantes. Segundo a actriz, Terry Gilliam é um realizador muito visual e que dá liberdade aos actores. “Por mais que ensaiássemos ele ia ver um ensaio e mudava. Foi muito interessante, nunca tinha trabalhado com alguém assim. (...) Estávamos constantemente a mudar o guião”, recordou. “Os filmes dele são todos sobre a imaginação, sobre o poder da imaginação, e sobre como é que estas personagens estão a atravessar caminhos complicados e obscuros e, de repente, encontram a sua salvação”, disse.

AGRADECIMENTOS DUPLOS

Joana Ribeiro considera que “O homem que matou D. Quixote” a fez crescer enquanto actriz e deixa agradecimentos a dois homens que colocaram o filme numa disputa legal que tem sido notícia nas últimas semanas: Terry Gilliam e Paulo Branco, que chegou a ser anunciado como produtor. “Fiz o filme graças ao Paulo (...). É dos produtores portugueses que mais fez pelo cinema em Portugal e pelos actores. Há actores com carreiras internacionais graças ao Paulo Branco. E devo muito ao

O

Terry, porque mesmo quando o Paulo saiu do filme, ele quis que eu continuasse”, sublinhou a actriz. Com esta participação internacional, Joana Ribeiro diz que percebeu que “as portas não estão todas fechadas e que o mundo é mais global”, mas gosta de trabalhar em Portugal. “Não é o ir para fora que nos deveria dar consagração enquanto actores e, infelizmente, o que sinto é que, às vezes, é mais fácil ganhar reconhecimento lá fora do que em Portugal. E isso é pena. Devíamos ser os primeiros a impulsionar os nosso actores e realizadores e ter orgulho naquilo que temos”, sublinhou. Antes de “O homem que matou D. Quixote”, Joana Ribeiro tinha entrado na longa-metragem “A uma hora incerta” (2015), de Carlos Saboga, em algumas curtas-metragens, mas sobretudo em telenovelas, onde se estreou em 2012 com “Dancin’Days”. A rodagem de “O homem que matou D. Quixote” aconteceu em 2017, no ano mais produtivo da curta carreira da actriz, já que depois da produção de Terry Gilliam ainda entrou em “Portugal não está à venda”, de André Badalo, “Linhas Tortas”, de Rita Nunes, e “O livro negro do padre Dinis”, de Valéria Sarmiento, todos ainda por estrear. Joana Ribeiro entra ainda na telenovela “Paixão”, actualmente a ser emitida na SIC. LUSA

PRÉMIO MUSEU DO DESIGN DE LONDRES VENCE MUSEU EUROPEU DO ANO

O

Museu do Design em Londres foi galardoado com o Prémio Museu Europeu do Ano 2018, numa cerimónia que decorreu no sábado em Varsóvia, por iniciativa do Fórum Europeu dos Museus, anunciou a organização.

O Museu Nacional dos Coches, em Lisboa, e o Museu Nacional Ferroviário, no Entroncamento, fizeram parte da lista dos 40 finalistas candidatos ao Prémio Museu Europeu do Ano 2018, mas acabaram por não ser distinguidos.

Criado pelo Conselho da Europa, o Fórum Europeu dos Museus atribui o Prémio Museu Europeu do Ano (‘European Museum of the Year Award’ ou EMYA, na sigla original) desde 1977, ano da sua fundação.

Há um ano este prémio foi para o Museu de Etnografia de Genebra, na Suíça, e o Museu de Leiria venceu o Prémio The Silletto, outro dos galardões que fazem parte desta iniciativa. Na área da museologia, o Prémio Museu

FAM “Marc Chagall, Luz e Cor no Sul de França” inaugura dia 31

Europeu doAno é o principal e o mais antigo dos galardões atribuídos pelo EMF e também o mais prestigiado na Europa, criado para reconhecer a excelência no sector museológico europeu e promover processos inovadores.

Museu de Arte de Macau (MAM) vai acolher, a partir de 31 de Maio, a exposição “Marc Chagall, Luz e Cor no Sul de França”. Trata-se da primeira mostra em Macau dedicada àquele que é um dos principais artistas do século XX. Na exposição, que figura como um dos destaques do XXIX Festival de Artes de Macau e do Le French May, vão ser exibidas obras que Marc Chagall (1887-1985) criou a partir dos anos 1950, altura em que se instalou no sul de França, após deixar a terra natal (actual Bielorrússia), até aos anos 1970. A mostra reúne uma selecção composta por pinturas, guaches, litografias, figurinos e tapeçarias que destacam a preeminência da luz e da cor das suas obras, indica um comunicado do Instituto Cultural (IC). A mostra, com entrada livre, vai ficar patente ao público entre 1 de Junho e 26 de Agosto, Com o objectivo de dar a conhecer ao público a carreira do pintor, o MAM organizou, na sexta-feira, um seminário especial intitulado “Marc Chagall e Seus Tempos”, conduzido por Gigi Lo, coordenadora da exposição e investigadora do MAM.

Literatura Obras sobre Silva Mendes lançadas na próxima quinta-feira

O Clube Militar vai ser palco, na próxima quinta-feira, pelas 18h30, do lançamento de dois livros com a chancela do Instituto Internacional de Macau (IIM). As obras em questão são “O Oriente na Literatura Portuguesa – Antero de Quental e Manuel da Silva Mendes”, de Carlos Botão Alves e “Manuel da Silva Mendes”, de António Aresta, indicou o IIM em comunicado. As apresentações vão ser realizadas por Ana Cristina Dias, professora de língua e literatura da Universidade de Macau, José Rocha Diniz, administrador do Jornal Tribuna de Macau, Carlos Botão Alves, autor de um dos livros e professor do Instituto Politécnico de Macau, com a coordenação de Jorge Rangel, presidente do IIM.


12 china

14.5.2018 segunda-feira

David Kelly, China Policy Pequim “A China vai trazer para o mundo moderno a sua sabedoria milenar e recuperar a grandeza de outrora. Vai oferecer ao mundo uma solução chinesa. E isto vai ser atribuído a Xi.”

D

ESDE que assumiu a liderança da China, em 2013, Xi Jinping tornou-se o centro da política chinesa e é hoje considerado um dos líderes mais fortes da história recente do país, comparável ao fundador da República Popular, Mao Zedong. No mês passado, numa única sessão do legislativo chinês, Xi conseguiu abolir o limite de mandatos para o seu cargo, criar um organismo com poder equivalente ao executivo para supervisionar a aplicação das suas políticas e promover aliados a posições chave do regime. "É enorme; é histórico", afirma à agência Lusa Xie Yanmei, analista de política chinesa do centro de investigação Gavekal, com sede em Hong Kong. "Requer grande margem de manobra e muito capital político", diz. Xi Jinping anunciou já o início de uma "nova era" para a China, com dois objectivos: construir uma "sociedade moderadamente próspera", até 2035, e depois firmar a posição do país como grande potência, até 2050. "Ele tem uma visão para o país e quer usar os meios institucionais para cumprir essa visão", explica Xie Yanmei. Entre aqueles "meios institucionais", destaca-se a criação da Comissão Nacional de

REPORTAGEM A ASCENSÃO DE XI NO SÉCULO DE AFIRMAÇÃO DA CHINA

O líder forte

Junto à entrada do Wujing Yiyuan, um dos maiores hospitais públicos de Pequim, uma faixa com oito metros de comprimento e dois de altura dita: “Ouçam as ordens do Partido Comunista, sigam o Presidente Xi” Supervisão, que acumula poderes comparados aos do executivo, legislativo ou judicial, e abrange toda a função pública. Trata-se de uma "organização política e não de aplicação da lei", que "pode ser potencialmente transformativa", defende Xie. "A Comissão estará encarregue de garantir que as decisões do partido são rigorosamente implementadas", através do envio de inspectores para as empresas estatais e diferentes organismos do Governo, afirma. Trata-se de uma forma de institucionalizar a mais ampla e persistente campanha anticorrupção

na história da China comunista, lançada por Xi após ascender ao poder, e que puniu já mais de um milhão e meio de funcionários do Partido Comunista Chinês (PCC).

GRANDEZA RECUPERADA

Além de combater a corrupção, a campanha tem tido como propósito reforçar o controlo ideológico e afastar rivais políticos, com as acusações a altos quadros do regime a incluírem frequentemente "excesso de ambição política" ou "conspiração". David Kelly, director da unidade de investigação China Policy, de Pequim, defende, no entanto, que

é no plano internacional que Xi quer deixar o seu "grande legado". "A China vai trazer para o mundo moderno a sua sabedoria milenar e recuperar a grandeza de outrora. Vai oferecer ao mundo uma solução chinesa. E isto vai ser atribuído a Xi", aponta o analista, sobre a nova narrativa do regime. A "solução chinesa" materializa-se na "Nova Rota da Seda", um gigantesco plano de infraestruturas lançado por Xi e avaliado em 900 mil milhões de dólares, visando reactivar as antigas vias comerciais entre a China e a Europa através da Ásia Central, África e sudeste Asiático. A proposta chinesa surge numa altura em que os Estados Unidos de Donald Trump rasgam compromissos internacionais sobre o clima, comércio ou migração. “Xi projecta a imagem de um líder no comando, com uma visão estratégica de longo prazo e rodeado de uma equipa capaz", afirma Xie Yanmei. "É um contraste nítido com a imagem agora projectada por Washington", nota. Na faixa junto à entrada do Wujing Yiyuan, Xi Jinping está com as duas mãos juntas, palma contra palma, à altura do peito. Veste um uniforme militar verde-oliva. Atrás, a Grande Muralha, um dos símbolos mais expressivos da China, serpenteia por um vasto terreno montanhoso.

Armamento Primeiro porta-aviões construído de raiz iniciou testes no mar

O primeiro porta-aviões construído inteiramente pela China iniciou ontem testes no mar, num sinal de crescente sofisticação da indústria de armamento daquele país. Os 'media' ligados ao Estado anunciaram que o porta-aviões, que ainda está por baptizar, saiu do porto de Dalian, situado no norte do país. O departamento de segurança marítimo da província de Liaoning lançou uma ordem para a embarcação evitar uma secção do oceano, a sudeste da cidade, entre segunda e sexta-feira. O primeiro porta-aviões chinês, o Liaoning, foi encomendado em 2012, à Ucrânia. Ambos os porta-aviões foram construídos a partir de modelos da extinta União Soviética e cuja energia utilizada provém de combustíveis fósseis, embora recentes notícias referem que a China está a planear a construção de um porta-aviões movido a energia nuclear, capaz de permanecer no mar por longos períodos de tempo.


região 13

segunda-feira 14.5.2018

A Aliança de Mudança para o Progresso (AMP) venceu as eleições legislativas antecipadas de sábado em TimorLeste com mais de 305 mil votos, ou 49,56 por cento do total, segundo os dados praticamente finais do Secretariado Técnico da Administração Eleitoral (STAE)

O

S dados dizem referência a um escrutínio de quase 99 por cento à altura de fecho desta edição, faltando apenas nove dos 85 centros de votação do município de Bobonaro, onde a AMP lidera com ampla vantagem (mais de 51,29 por cento dos votos). Com este apoio eleitoral, a AMP, liderada pelos ex-Presidentes Xanana Gusmão e Taur Matan Ruak obtém 34 dos 65 mandatos do Parlamento Nacional, o que lhe permite formar o VIII Governo constitucional sem necessitar de qualquer apoio adicional. Em segundo lugar ficou a Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente (Fretilin), que liderou a coligação minoritária do anterior Governo, e que obteve cerca de 211 mil votos, ou 34,27 por cento do total, mantendo o mesmo número de deputados, 23. No Parlamento estará também o Partido Democrático (PD) - parceiro da Fretilin no VII Governo, que perde dois deputados para cinco, tendo obtido quase 49 mil votos ou 7,95 por cento do total. Pela primeira vez no parlamento estará a Frente de Desenvolvimento Democrático (FDD) - uma coligação de quatro pequenos partidos - que terá três lugares e que obteve quase 34 mil votos ou 49,56 por cento do total. Nenhuma das outras oito forças políticas conseguiu chegar à barreira dos 4 por cento de votos válidos que é necessária para conseguir eleger deputados.

URNAS CONCORRIDAS

Os dados mostram um aumento da taxa de participação, que em 2017 foi de 76,74 por cento (584

TIMOR-LESTE AMP VENCE LEGISLATIVAS ANTECIPADAS COM MAIORIA ABSOLUTA

O regresso de Xanana mil votantes num universo de 760 mil) e este ano aumentou para quase 80 por cento (626.500 num universo de 784 mil). Os três partidos que integram a AMP conseguiram aumentar, em conjunto, a sua vantagem sobre a Fretilin, de cerca de 84.500 em 2017 para mais de 90 mil. Globalmente, a AMP teve mais de 94 mil votos que a Fretilin (a diferença era de cerca de 83.600), tendo aumentado o seu apoio total em cerca de 52.500 votos, enquanto a Fretilin viu crescer o seu apoio eleitoral em quase 41 mil votos. De referir ainda o aumento de cerca de 5.700 votos da FDD. Os piores resultados foram dos partidos que integram a coligação MSD, que perderam mais de 10 mil votos, e do PD que perdeu quase seis mil. Os dados têm agora que ser reconfirmados na Comissão Nacional de Eleições (CNE), numa tabulação nacional - não se trata de uma nova contagem, apenas de uma verificação das actas. É nessa fase que é decidida, com a presença dos partidos, a distribuição dos quase 600 votos "reclamados", ou seja, votos em que, no momento de contagem, houve disputa sobre a quem deveriam ser atribuídos. Os resultados finais terão depois que ser confirmados pelo Tribunal de Recurso, o que se prevê ocorra até final de Maio, devendo os deputados tomar posse em Junho. Só depois deverá ocorrer a formação do Governo que deverá

ser liderado, como o próprio disse à Lusa, por Xanana Gusmão, que regressa assim ao cargo que abandonou em 2015.

PRIMEIRAS REACÇÕES

"Apenas podemos garantir e prometer que vai haver uma melhor política para a nação", disse Fidelis Magalhães, em declarações à Lusa em Díli. Segundo o dirigente, os resultados das eleições são “uma prova que a maioria do povo de Timor-Leste está de acordo” e apoia a política da coligação. Considerando "prematuro" falar de composição do Governo, do seu próprio papel no futuro ou de eventuais alianças (ainda que não necessárias) com outras forças políticas, Fidelis Magalhães disse

que a AMP vai acelerar os trâmites para "por o país a trabalhar”. "A AMP, com o resultado que tem, vai conseguir resolver tudo breve-

Os dados mostram um aumento da taxa de participação, que em 2017 foi de 76,74 por cento (584 mil votantes num universo de 760 mil) e este ano aumentou para quase 80 por cento (626.500 num universo de 784 mil)

mente, actuando no tempo mínimo necessário para fazer trabalhar, pôr a funcionar as máquinas governativas", disse ainda. O ex-Presidente timorense José Ramos-Horta felicitou ontem a Aliança de Mudança para o Progresso (AMP) pela vitória com maioria absoluta nas eleições legislativas antecipadas, apelando a que nas suas políticas "cuidem do povo". "Quero felicitar quem ganhou e apenas apelar para que cuidem do povo, e revelem um sentido de Estado e dialoguem com a Fretilin e os outros, para consolidarem a paz e a estabilidade neste país", disse à Lusa o dirigente histórico timorense. Ramos-Horta, que fez campanha pela Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente (Fretilin), considerou essencial que a AMP faça o "melhor que puder para melhorar a governação e melhorar a vida do povo". De referir que a AMP venceu na maioria dos municípios, em concreto Aileu, Ainaro, Bobonaro, Covalima, Dili, Ermera, Liquiçá, Manatuto, Manufahi e ainda na Região Administrativa Especial de Oecusse-Ambeno (RAEOA) e no centro instalado na Coreia do Sul. A Fretilin, por seu lado, venceu em todos os municípios do leste do país, Baucau, Lautem e Viqueque e ainda na Austrália, Portugal e Reino Unido.

PYONGYANG ANUNCIA DESMANTELAMENTO DO COMPLEXO DE TESTES NUCLEARES

A

Coreia do Norte anunciou no fim-de-semana que está a tomar “medidas técnicas” para desmantelar o seu complexo de ensaios nucleares e que convidará jornalistas estrangeiros para uma cerimónia de lançamento do processo entre 23 e 25 de Maio. “Uma cerimónia de desmantelamento do complexo de ensaios atómicos está prevista para entre 23 e 25 de Maio, em função das condições meteorológicas”, indicou a agência estatal norte-coreana KCNA, citando um co-

municado do Ministério dos Negócios Estrangeiros. O Ministério adianta que o desmantelamento incluirá a explosão dos túneis, o bloqueamento das entradas e a eliminação de todas as instalações de observação, centros de investigação e estruturas de unidade de guarda no terreno e também a “área circundante será completamente fechada”. Durante a histórica cimeira entre as duas Coreias, a 27 de Abril, o dirigente norte-coreano Kim Jong-un propôs a

Seul encerrar em Maio o seu único complexo conhecido de ensaios nucleares, Punggye-ri, uma instalação secreta perto da fronteira com a China. Foi neste complexo subterrâneo que se realizaram os seis testes nucleares realizados por Pyongyang, o último dos quais em Setembro do ano passado. Os Estados Unidos declararam na sexta-feira estar “prontos” para ajudar a economia norte-coreana e dar “garantias” a Kim Jong-un se Pyongyang tomar

“medidas corajosas” para uma “desnuclearização rápida” e “completa”. “Se a Coreia do Norte tomar medidas corajosas para uma desnuclearização rápida, os Estados Unidos estão prontos a trabalhar com a Coreia do Norte para a levar ao mesmo nível de prosperidade dos nossos amigos sul-coreanos”, declarou o secretário de Estado, Mike Pompeo, de regresso da Coreia do Norte onde se encontrou com o dirigente norte-coreano para preparar a cimeira com o Presidente Donald Trump.


14

h

14.5.2018 segunda-feira

A arte é a recaída de um fervor Paulo Maia e Carmo texto e ilustração

Da expressão da lentidão da natureza

G

USTAV Klimt (1862 -1918) mostrou como era vagaroso o ritmo da natureza vista de perto. Nas inesperadas paisagens que pintou no início do século XX alguns viram uma maneira de mostrar a imensidão, um mergulho no secreto desabrochar do mundo natural. Mais conhecido pelas suas figuras esguias graficamente apelativas e dotadas de um laborioso carácter decorativo que as tornam verdadeiras imagens populares e que escapam a muitas histórias e teorias da arte, as suas paisagens tão diferentes

já distinguiam num nível inferior de apreciação os objectos e utensílios inanimados passíveis de ser reproduzidos pela sua aparência formal, da categoria superior das personagens, através das quais o pintor podia exprimir o «ritmo espiritual» e o «movimento de vida», desde muito cedo identificados como o verdadeiro objectivo da pintura na China, a primeira das Seis Regras da Pintura de Xie He (c. do ano 500). Mas Su Shi propunha uma distinção ainda mais ousada, entre a «forma constante» e o «princípio constante». Personagens, animais,

O resultado paradoxal parecia emprestar um carácter imortal, suspenso, ao perpétuo movimento da natureza. Poder-se-ia figurar essa lentidão do mundo natural com a escassez permitida à bagagem de um viajante: só com um pincel, o papel e a tinta preta? do habitual são surpreendentes construções. Desde logo pelo seu formato: o carácter estático, artificial, do quadrado como que aprisiona o olhar direcionando-o para o pormenor. A forma laboriosa com que ia compondo o quadro, juntando minuciosamente as cores de tinta de óleo, trabalhando a partir de desenhos feitos no local, poderia possuir algo desse carácter lento do seu objecto. O resultado paradoxal parecia emprestar um carácter imortal, suspenso, ao perpétuo movimento da natureza. Poder-se-ia figurar essa lentidão do mundo natural com a escassez permitida à bagagem de um viajante: só com um pincel, o papel e a tinta preta? Su Shi (Su Dongpo, 10361101), caminhando num caminho antigo falava de uma pintura que ia para lá da semelhança formal, uma pintura que exprimisse o impulso interior do espírito. Há muito que os teóricos da dinastia Tang, como Zhang Yanyuan (810?-880?),

arquitecturas e outros objectos inanimados pertenceriam à ordem inferior da «forma constante». Montanhas, pedras, bambus, árvores, águas, nevoeiros, em suma a natureza, aquilo que designamos como «paisagem» seria o «princípio constante». Da imponderabilidade destes elementos não existiam verdadeiros arquétipos, pelo que teriam que ser os letrados, esclarecidos pela frequência da poesia e da caligrafia, os únicos a compreende-los. O hábito da linguagem poética que convoca o ritmo e o silêncio com a precariedade das palavras tornava-os disponíveis para a reconfiguração do tempo lento da natureza, interpretado pelo espírito transeunte dos pintores que com meios escassos e num acto luminoso, o guardavam numa folha de seda ou de papel. Multiplicando sentidos nas suas paisagens pintadas lá estava contido o tempo da contemplação que faz com que «longos dias tenham cem anos.»


ARTES, LETRAS E IDEIAS 15

segunda-feira 14.5.2018

ofício dos ossos Valério Romão

A serra

THOMAS COLE, A VIEW OF FORT PUTNAM, 1825

O

S meus avós maternos moravam numa localidade com uma dúzia de casas, no algarve profundo, um sítio chamado Vale de Ebros (que sempre achei que se escrevia Vale de Zebros – porque era assim que o pronunciavam – até erguerem uma tabuleta à entrada). Não tinham electricidade, não tinham água canalizada, não tinham carro. De cada vez que lá ia, era como se regressasse a um passado de que só ouvira falar em livros de história. O meu avô, um homem muito magro, tremelico de mãos, tomou um comprimido pela primeira vez aos 73 anos. A minha avó, também ela magríssima, movia-se com uma velocidade surpreendente para a idade. Nunca conhecera ninguém tão duro e frio. A minha família mais próxima é toda ela muito emotiva, muito italiana. A minha avó, pelo contrário, era um rochedo. Quando a minha mãe, depois de uma série de mortes na família, lhe perguntou: “mas como é que mãe aguenta?”, ela respondeu: “filha, alguém tem de tomar conta desta gente”. Alguém tinha de tomar conta daquela gente. O algarve profundo é a antítese do litoral. Em paisagem e em costumes. O litoral é dos pescadores, a serra é dos agricultores e dos criadores cabras, ovelhas e galinhas. São, no fundo, dois algarves. O algarve do peixe e da pesca, das procissões da Senhora da Orada, do turismo em massa espelhando vidros e euros noite fora; e o algarve das viúvas perenemente de negro, das mulheres transportando pesados cântaros de água sobre a cabeça, o algarve das vendas – as tascas à beira da estrada onde se compra desde minis geladas a gel de duche. A minha avó ia comigo ao quarto e fazia-me a cama, amontando colchas sobre colchas para fazer face ao frio que até em Agosto se instalava assim que o sol se punha. Antes de apagar a lamparina, dizia “drome, filho”. E eu corrigia, invariavelmente: “dorme, avó, dorme”. “Sim, filho, a avó também vai dromir”. O meu avô perdeu a visão de um olho por causa das cataratas. Recusava ser operado. Quando lhe surgiram cataratas no olho que restava, decidiu-se pela operação. Passou o resto da vida a lamentar não ter feito a primeira. Quando o via regressar do pastoreio, gritava-lhe, à distância: “venda-me um borrego desses para o Natal”. Ele, que via muito mal, não me reconhecia. “Não estão para venda”, atirava. Quando percebia que era eu e que os tinha ido visitar, chorava. O meu avô chorava por tudo e por nada. A minha avó não chorava nunca. O campo de que me recordo era um lugar muito duro. As pessoas levanta-

vam-se quando o sol raiava, todos os dias. Tratavam dos animais – bestas, como chamavam às mulas e cavalos; porcos, que engordavam para a matança e ovelhas e cabras; uma vaca ou outra, para leite; galinhas que acorriam à primeira pessoa que saia de casa de manhã, à espera da ração. Muitos homens e mulheres eram alcoólicos. Durante o dia, bebiam o péssimo vinho que eles próprios faziam. À noite, iam para a venda jogar cartas e beber minis. Um dos meus primos bebia uma grade e meia de mi-

nis todas as noites. Tinha os olhos mais azuis que já vi. Em bebé, diziam nunca ter visto uma criança tão linda. Teve poliomielite e ficou entrevado do lado direito do corpo. Pastoreava umas cabras que conduzia graças a uma funda. Tinha uma pontaria exímia. Morreu com trinta e seis anos, de cirrose hepática. As pessoas enlouqueciam facilmente. Acumulavam raiva de anos e anos de mal-entendidos e de zangas e, num dia pior, com uma enxada ou uma caçadeira, matavam o vizinho de sempre

As pessoas enlouqueciam facilmente. Acumulavam raiva de anos e anos de mal-entendidos e de zangas e, num dia pior, com uma enxada ou uma caçadeira, matavam o vizinho de sempre por um palmo de terra. Depois, entregavam-se. “Leve-me, seu guarda, dei cabo da vida desta família, leveme.” O mal irrompia e submergia com a mesma facilidade.

por um palmo de terra. Depois, entregavam-se. “Leve-me, seu guarda, dei cabo da vida desta família, leve-me.” O mal irrompia e submergia com a mesma facilidade. As pessoas desconfiavam umas das outras. Desconfiavam de quem chegava de fora com carros grandes com vidros eléctricos. Não acreditavam que o homem tivesse ido à lua. “Fazer o quê, filho?”, replicava o meu avô às minhas aspirações a ser astronauta. Passei muito tempo zangado com aquele sítio para onde os meus pais insistiam em levar-me no fim-de-semana, impedindo-me assim de andar de bicicleta ou de jogar à bola com amigos. Não queria ir, fazia birra, era sempre um drama. Percebo agora, muito mais tarde, que levo comigo esta serra para onde quer que vá. A sua aspereza, a sua aridez, a sua pouca paciência para com os fracos. Mas também a sua surpreendente generosidade, o cheiro a esteva e os nomes de algumas árvores. Nenhum dos meus avós está vivo. É a eles que dedico este pequeno texto.


16 publicidade

14.5.2018 segunda-feira


desporto 17

segunda-feira 14.5.2018

No jogo entre os primeiros classificados, o C.P.K. conseguiu a igualdade e afastou as águias do sonho do campeonato perfeito só com vitórias. O golo do empate foi festejado pela equipa de Gilmar Tadeu como se de uma vitória se tratasse

LIGA DE ELITE BENFICA DE MACAU E CHAO PAK KEI EMPATAM 2-2

Trágico minuto 92

F

OI ao minuto 92 do encontro com o Chao Pak Kei que chegou ao fim o sonho do campeonato perfeito para o Benfica de Macau. Após uma partida equilibrada, as águias conseguiram superiorizar-se e aos 76 minutos venciam por 2-0. Contudo, a expulsão de Iuri Capelo relançou o encontro e permitiu aos comandados por Gilmar Tadeu alcançar mais tarde o empate por 2-2. Na sexta-feira, os encarnados entravam em campo no Estádio de Macau com a missão de bater o C.P.K. e dar um passo de gigante rumo ao quase certo pentacampeonato. Por sua vez, o Chao Pak Kei tinha como objectivo adiar ao máximo a conquista do título por parte das águias e impedir que a vantagem de sete pontos crescesse para dez. Apesar da primeira parte ter sido bastante equilibrada, com as duas

II Divisão Casa de Portugal vence Hong Lok

A

Casa de Portugal venceu o Hong Lok por 3-1, na sexta-feira à noite, no Canídromo. Os golos da formação orientada por Pelé foram apontados por John Masters (37 minutos), Leonel Velasco (59) e Philip Shaun (88). Já o golo do Hong Lok foi marcado por Sérgio Costa (55). Por sua vez, na quinta-feira à noite, a equipa do Consulado de Portugal foi goleada pelo Tim Iec por 6-1, também no Canídromo. Nascimento Barbosa, aos 48, marcou o golo de honra da equipa orientada por José Rocha Diniz. Já os tentos do Tim Iec foram marcados por Szeto Ka Kwan (25), Luís Hung (38), Lei Chi Seng (74 e 85) e Kong Wai Hou (88 e 90). Na próxima jornada, na sexta-feira, a Casa de Portugal recebe o Chuac Lun e o Consulado visita o Lun Lok, no sábado. Ambos os encontros realizam-se no Canídromo.

Com a intenção de mexer na equipa, Gilmar Tadeu apostou forte no ataque com a entrada de Ho Ka Seng, para o lugar de Lam Ka Seng, Kwok Siu Tin por Emanuel Líbano e Felipe Souza para substituir Danilo. As alterações acabaram por confirmar o pendor ofensivo que a formação necessitava. Finalmente, aos 76 minutos começou o fim do sonho do Benfica. Bruno Nogueira isola-se num contra-ataque rápido e só é parado, em falta, por Iuri Capelo, à entrada da área. Sem qualquer dúvida, o árbitro Robesh mostrou o vermelho ao extremo encarnado. Na marcação desse livre, surgiu o pontapé de canto em que Diego Patriota aproveitou, ao segundo poste, para desviar de peito para o 2-1. Apesar de ter feito três substituições a seguir ao golo com o objectivo de equilibrar a equipa, Bernardo Tavares não conseguiu evitar a igualdade. Já no período de descontos, o C.P.K. lançou um contra-ataque rápido na direita do ataque e Alexandre Matos cruza rasteiro para a área, onde surge, ao segundo poste, Ho Ka Seng a desviar para o 2-2. Um golo que foi festejado pelo C.P.K. como se de uma vitória se tratasse. Com este resultado a diferença de sete pontos entre as formações mantém-se, numa altura em que a Liga de Elite deve parar durante três semanas e restam apenas seis jornadas para o fim do campeonato. João Santos Filipe

joaof@hojemacau.com.mo

equipas a praticar um futebol interessante, foram as águias a fazer a diferença. O primeiro golo surgiu aos 26 minutos, através de Edgar Teixeira. Após uma bola aérea a cerca de 30 metros da baliza do C.P.K., uma defessa carregou Carlos Leonel por trás, que caiu. O árbitro marcou prontamente falta, com livre directo para as águias. Apesar de alguma hesitação, a defensiva do C.P.K. fez uma barreira apenas com três homens. Na marcação, Edgar Teixeira rematou directo e fez o 1-0, aproveitando a falha do guarda-redes Lei Tin U. Passados 10 minutos, o Benfica dilatou a vantagem, com a concretização do segundo golo. Mais uma vez, Carlos Leonel ganha uma falta de

Após uma partida equilibrada, as águias conseguiram superiorizar-se e aos 76 minutos venciam por 2-0. Contudo, a expulsão de Iuri Capelo relançou o encontro e permitiu aos comandados por Gilmar Tadeu alcançar mais tarde o empate por 2-2

RESULTADOS DA JORNADA

Lugar 1.º 2.º 3.º 4.º 5.º 7.º 6.º 8.º 9.º 10.º

C.P.K.

2-2 Benfica de Macau

Lai Chi 0-9 Ching Fung Ka I

5-0 Alfândega

Sporting 3-0 Monte Carlo Hang Sai 0-0 Polícia* *Jogo encontrava-se empatado à hora de fecho

Equipa Benfica C.P.K. Sporting Ching Fung Ka I Monte Carlo Polícia Hang Sai Alfândega Lai Chi

Pontos 34 27 25 24 21 16 12 7 3 1

costas para a baliza, desta feita a meio do meio-campo ofensivo. O árbitro apontou o castigo e, na marcação, Edgar Teixeira bombeia a bola para a área. É nesse momento que Carlos Leonel surge na área contrária, entre a defensiva do C.P.K., e cabeceia junto ao poste da baliza defendida por Lei Tin U, fazendo o 2-0.

EXPULSÃO E SURPRESA

No segundo tempo, o encontro continuou equilibrado, com o C.P.K. mais ofensivo e à procura de voltar a entrar na partida. No entanto, o Benfica de Macau, apesar de permitir algumas oportunidades ao adversário, mostrava controlo dos acontecimentos. Jogos Vitórias Empates Derrotas Golos 12 11 1 0 59-8 12 8 3 1 77-11 12 8 1 3 34-11 12 7 3 2 27-12 12 6 3 3 44-18 12 5 1 6 18-13 11 4 0 7 12-26 11 2 1 8 10-51 12 1 0 11 4-54 12 0 1 11 5-77

F3 Vitória histórica de Zhou Guanyu

Zhou Guanyu entrou para a História do automobilismo ao tornar-se no primeiro chinês a vencer uma prova do Campeonato Europeu de Fórmula 3. O jovem de 18 anos da Prema Theodore foi o vencedor da primeira corrida do fim-desemana no circuito de Pau, em França, que marcou igualmente o arranque do campeonato. “Ainda não acredito que me tornei no primeiro chinês a vencer uma corrida de Fórmula 3 e um evento da FIA. O caminho até este momento foi muito duro, mas toda a preparação que fizemos teve uma grande recompensa”, afirmou Zhou, em comunicado. “Hoje [Sábado] foi um dia histórico com o Zhou Guanyu a tornar-se no primeiro piloto chinês a vencer uma prova da Fórmula 3. Estamos incrivelmente orgulhosos por termos sido a equipa que ajudou o Zhou a conseguir esta vitória inesquecível”, declarou eddy Yip Jr., filho do antigo parceiro de negócios de Stanley Ho na STDM.


18 (f)utilidades TEMPO

POUCO

FILME “ELA LEMBRA, ELE ESQUECE” Cinemateca Paixão | 21h30

?

NUBLADO

O QUE FAZER ESTA SEMANA Terça-feira

14.5.2018 segunda-feira

MIN

25

MAX

31

HUM

70-95%

EURO

9.65

BAHT

Sábado

EXIBIÇÃO DO DOCUMENTÁRIO “MIO PANG FEI”, DE PEDRO CARDEIRA Cinemateca Paixão | 12h00

Domingo

EXIBIÇÃO DO DOCUMENTÁRIO “MIO PANG FEI”, DE PEDRO CARDEIRA Cinemateca Paixão | 12h00

13

C I N E M A

6 9 3 1 7 4 8 2 5

21 2 5 | THE 1 OUTLAWS 8 9 | 320174 KANG YOON-SEONG 4 6 9 5 7 1 8 8 7 3 2 6 4 5 1 4 5 3 2 9 6 6 9 8 1 5 7 2 7 3 2 6 4 8 1 3 2 4 9 8 6 7 5 1 7 4 3 2 9 9 8 6 7 1 5 3

6 3 9 7 4 5 1 8 2

7 2 1 8 3 9 5 6 4

18 18 17 23 6 4 79 37 3 5 1 2 8 5 6 7 92 9 81 8 43 4 6 2 4 7 9 5 3 37 3 92 9 8 1 4 5 6 2 3 9 68 6 4 5 7 1 3 8 7 4 2 1 9 8 58 15 1 2 6 34 3 7 9 84 18 1 35 3 7 9 6 2 9 1 5 8 6 3 7 83 8 6 5 24 72 7 19 1 6 6 47 34 3 5 9 1 2 8 2 6 1 5 4 9 8 9 29 2 7 6 81 8 35 3 4 1 35 3 4 28 72 7 69 6 7 3 9 2 1 8 5 4 1 5 3 7 69 86 8 2 9 82 8 7 1 6 4 5 3 5 4 8 6 3 7 2 Propriedade Fábrica de Notícias, Lda Director Carlos Morais José Editor João Luz; José C. Mendes Redacção Andreia Sofia Silva; 91 9 8 54 5Margarida 3 93 9 5 1 2 68 46 74 7 3 Mota; 2 Vitor6Ng Colaboradores 7 1Diana5do Mar,2 João3Santos7Filipe;6Sofia4 Amélia Vieira; Anabela Canas; António Cabrita; António Castro Caeiro; António Falcão; Gonçalo Lobo Pinheiro; João Paulo Cotrim; Drummond; 7 Afonso7Costa; 61 Michel 2 6 13 1 79José 7 8 5José4Simões 5 Morais; Manuel 6 Reis;9Miguel 4 Martins; 3 Paulo 2 5José 8 Miranda; 4 Rui9Cascais; 3 Rui1Filipe 8Torres;2Sérgio6 5 Paulo Maia e Carmo; Fonseca; Valério Romão Colunistas António Conceição Júnior; David Chan; Fa Seong; Jorge Morbey; Jorge Rodrigues Simão; Leocardo; Paul Chan Wai Chi; Paula Bicho; Tânia Santos 47www. 5hojemacau. 4 8 2dos 6 Cartoonista 9 1 Steph 3 Grafismo Paulo Borges,8Rómulo 8 Macau; 7 Lusa; 6 GCS;9Xinhua5Secretária 4 1 4 Santos 2 Ilustração 6 57Rui Rasquinho 5 3Agências 1 Lusa; 9 Xinhua Fotografia Hoje de redacção e Publicidade Madalena da Silva (publicidade@hojemacau.com.mo) Assistente de marketing Vincent Vong Impressão Tipografia Welfare Morada Calçada de

8 5 4 3 6 1 9 7 2

1 6 2 7 4 9 8 5 3

2 4

SOLUÇÃO DO PROBLEMA 13

15 3 59FILME 5 6 2HOJE 7 1 8 UM 8 8 1 56 45 4 29 2 3 The 72 17é um1filme3inspi-8 9 56 4 Outlaws rado na guerra de 2007 entre associações 2 8 criminosas 4 9 coreanas 7 3 15 61 e chinesas, que ocorreu na Chi7 6natown 15 são1 4 9 7 36de Seul. 3 Os8eventos despoletados quando uma tríade 49a Seul4para 26cobrar2 3 7 1 5chega chinesa e, no meio de 3uma 48 64 6 5 9 dívida 3 antiga 2 87 vários ataques e mortes, se ins6 4tala 6na capital 4 8da Coreia 3 1do Sul,5 7 92 ameaçando o equilíbrio entre as associações 5 7 criminosas 1 92 coreanas 9 86 8 34

15

17

SUBMERGENCE SALA 1

AVENGERS: INFINITY WAR [B] Um filme de: Anthony Russo, Joe Russo Com: Robert Downey Jr., Chris Evans, Chris Hemsworth 14.30, 18.00, 21.00 SALA 2

SUBMERGENCE [C] Um filme de: Wim Wenders Com: Alicia Vikander, James McAvoy, Charlotte Rampling 14.30, 21.30

THE MERCY [B] Um filme de: James Marsh Com: Colin Firth, Rachel Weisz 16.30, 19.30

SALA 3

DESTINY: THE TALE OF KAMAKURA [B] FALADO EM JAPONÊS LEGENDADO EM CHINÊS E INGLÊS Um filme de: Takashi Yamazaki Com: Masato Sakai, Mitsuki Takahata 14.15, 16.45, 19.15

THE TROUGH [C] FALADO EM CANTONÊS LEGENDADO EM CHINÊS E INGLÊS Um filme de: Nick Cheung Com: Nick Cheung, Xu Jing Lei, He Jiong, Miu Kiu Wai 21.45

e a segurança dos residentes. Ao longo de duas horas, o espectador é levado a acompanhar os passos da investigação, conduzida por Ma Seok-Do, interpretado por Ma Dong-Seok, que termina com a pacificação da Chinatown local. João Santos Filipe

com.mo

4 7 5 6 2 8 1 9 3

PROBLEMA 14

16 74 7 5 1 2 2 3 3 42 6 59 1 81 8 8 68 16 9 5 7 4

16

18 7 1 6 5 3 2 9 94

8 49 16 94 85 7 1 3 62

1 48 6 2 3 7 4 35 29 5 4 81 9 48 63 2 7 6

7 4 5 59 6 48 1 3 2 2 7 8 5 4 6 3 1 9

2 9 73 5 21 64 98 7 6 6 63 9 1 7 2 74 48 5

5 1 7 3 2 6 59 64 8 31 6 5 78 2 9 7 4 3

3 62 48 81 74 9 5 6 7 3 82 4 67 1 5 9 26 8

9 6 4 8 7 5 3 2 1

19 9 6 5 7 3 2 1 8 4

5 7 2 9 8 3 6 4 1

5

8 5 6 3 9 7 1 2 4

O caso dos alegados abusos sexuais no Jardim de Infância D. José Costa Nunes foi um choque para toda a comunidade. Até os factos serem apurados ainda se vai falar muito do assunto. Contudo, há uma questão que merece ser debatida: a cultura do pacto de silêncio local. Já anteriormente, quando apareceram notícias sobre episódios no mínimo questionáveis em escolas locais, não faltaram vozes a defender que “os assuntos são para ser tratados internamente”. Mesmo quando havia indícios de condutas negligentes que não salvaguardaram a saúde dos alunos, muitas gente considerou que os jornais não deviam falar dos assuntos. Para estas pessoas, o caso do Jardim de Infância D. José Costa Nunes deve servir de exemplo. Segundo os relatos de intervenientes, a situação foi tratada tão internamente que não produziu resultados e até a direcção só foi informada tardiamente. Se por um lado, é compreensível que se pretenda proteger a privacidade das pessoas envolvidas, por outro, nada explica que a situação tivesse sido tratada, logo em Outubro, sem recurso às autoridades. Esta cultura de silêncio local, que protege quem deve assumir responsabilidades, causou três vítimas. Foi um caso e esperamos que não se repita. Mas é uma grande lição. Para todas as pessoas que estão sempre a defender que os órgãos de comunicação social devem ignorar os assuntos mais polémicos e que as questões devem ser tratadas internamente, deixo uma pergunta: Quantas crianças tinham sido protegidas se alguém tivesse tido a coragem de falar com as autoridades ou órgãos de comunicação social mais cedo? João Santos Filipe

4 1 8 6 2 5 3 9 7

9

7 3 6 5 1 4 9 2 8 41 4 62 6 9 37 3 29 52 5 7 3 8 41 4 6 97 49 84 8 1 2 5 5 8 62 6 7 3 4 1 1 4 93 9 2 5 86 78 2 9 38 3 4 56 5 7 64 6 1 8 75 7 3 29 3 5 7 1 29 82 8 6

14 6 84 5 5 3 29 2 4 4 7 8 9 2 2 1 7 6 81 98 3 5

14

S U D O K U

Cineteatro

O CARTOON STEPH 13 DE

Diariamente

EXPOSIÇÃO “THE DINOSAUR HUNT” Studio City Macau

1.27

O PREÇO DO SILÊNCIO

CONFERÊNCIA “VII ANNUAL REVIEW OF MACAU GAMING LAW” Fundação Rui Cunha | Das 18h30 às 20h30

EXPOSIÇÃO DE DESIGN “HOJE, ESTILO SUÍÇO” Galeria Tap Seac | Até 17/06

YUAN

VIDA DE CÃO

Quinta-feira

CINEMA | MACAU – O PODER DA IMAGEM REVISITADO 1 Cinemateca Paixão | A partir das 16h30

0.25

9 8 7 6 3 4 5 2 1

7 3 1 8 4 6 2 5 9

2 8 4 5 1 9 7 3 6

3 2 7 4 5 1 9 6 8

8 5 6 3 9 7 4 1 2

1 4 9 2 6 8 5 7 3

Santo Agostinho, n.º 19, Centro Comercial Nam Yue, 6.º andar A, Macau Telefone 28752401 Fax 28752405 e-mail info@hojemacau.com.mo Sítio www.hojemacau.com.mo


opinião 19

segunda-feira 14.5.2018

Reencarnações

N

Inimputável

EVAR é um fenómeno raro em Macau, ainda assim, não faltam flocos de neve no território. Frágeis, quebradiços e suspensos no ar. Sou um desses fenómenos que extravasa da meteorologia para o campo emotivo. Sou sensível como uma pluma, leve como o hélio, sou a soma de todas as sensibilidades num povo que se quer forte, implacável e talentoso. O meu núcleo é feito de delicadezas e nervos que concentram todas as susceptibilidades de uma personalidade que sofre de raquitismo. A última coisa que quero é sentir-me responsável pelo quer que seja, muito menos pelas minhas próprias acções ou palavras. Nunca ninguém me disse que a idade adulta implicaria este grau de responsabilização e que teria de dar a cara pelas minhas convicções, nunca me explicaram que a minha voz tinha como efeito secundário a exposição do meu corpo nu perante os olhares reprovadores da aldeia. Em privado, mostro-me interventivo, corajoso, ostento uma estoica frustração de quem não consegue fazer mais pelo bem-comum. Quando tenho oportunidade para fazer algo, fico com as orelhas quentes, sobe-me um rubor à cara e lembro-me das palavras proféticas da minha santa mãe: “filho, tu vê lá no que é que te metes”. A tacanhez tímida que me impede de participar na iluminação de um assunto é acompanhada por uma vociferante crítica de quem procura escalpelizar os problemas do quotidiano. Nas redes sociais sou um justiceiro, disparo teorias de conspiração e calúnias aberrantes aos quatro cibernéticos ventos. Nesse momento, atrás do aparente anonimato do verbo escrito, sem ouvir a minha própria voz, atiro ao ar todas as conjurações que me ocorrem. Depois disso, falo em surdina, de cabeça baixa, porque nunca se sabe quem pode ouvir e denunciar-me na paróquia. Tenho tanta inveja das facilidades que o Governo tem em esquivar-se a questões. Basta-lhes atirar um rol de clichés e está feito, nunca ninguém irá perguntar mais nada ou, se o fizer, reitera-se o vazio até à náusea. Quem ocupa a cadeira do poder, mesmo que esteja perante algo visivelmente ilegal, profere a ave-maria jurídica “no rigoroso respeito da lei” e segue para o bingo da absolvição. Mas eles funcionam noutro

FRAGILE, JONATHAN CENTENO

JOÃO LUZ

nível, os seus flocos de neve derretem de outra forma. Também camuflam debilidades com força bruta, mas têm as costas bem mais quentes que eu. A eles falta-lhes a rijeza da representatividade popular, o que lhes dá um temor de morte da população que governam. A mim, falta-me a representatividade pessoal, não sou o embaixador de mim, sou um ser perdido sem ligação a nada, a não ser os meus mais profundos receios. Se baixo a guarda e falo honestamente durante um curto período de tempo volto atrás, nego o que disse ou tento voltar atrás na minha exposição e rastejar de regresso ao lugar escuro onde se sinto seguro. Outra das minhas preocupações são as minhas pequenas coutadas. Acho sempre

E agora é que estou a reparar que esta confissão está repleta de palavras comprometedoras, sinto-me exposto, a torrar ao sol como um condenado a trabalhos forçados. Retiro tudo o que disse, estas não são as minhas palavras, sinto-me profundamente agastado com a ignomínia do abuso das minhas posições depois de as ter proferido

que tudo está mal nesta terra, ou na minha originária, ou na Lua. Mas com os meus interesses está sempre tudo bem e que ninguém ouse sequer iluminar o que se passa nos recantos das minhas predilecções, ou escrutinar as minhas coutadas. Tenho responsabilidades na minha associação, mas não me responsabilizo por nada. Tenho assento numa entidade de interesse público, mas o que se passa lá não é do interesse do público. A minha forma de resolver os problemas é fingir que eles não existem, é mantê-los fechados a marinar no mofo. Se algo acontecer, negarei a realidade com todas as forças até ela me rebentar na cara. Aí escondo-me atrás do “sem comentários”, da “altura inapropriada”, “do respeito pelos envolvidos”. Estes são os meus álibis argumentativos, tão vazios como os lugares-comuns dos que me governam. E agora é que estou a reparar que esta confissão está repleta de palavras comprometedoras, sinto-me exposto, a torrar ao sol como um condenado a trabalhos forçados. Retiro tudo o que disse, estas não são as minhas palavras, sinto-me profundamente agastado com a ignomínia do abuso das minhas posições depois de as ter proferido. Nunca disse nada, reservo-me ao direito de estar em silêncio, no meu canto, à espera do colo reparador da mamã. Não assumo responsabilidade por mim, mas tudo o que me rodeia é uma pouca vergonha e um escândalo de todo o tamanho. Olhem para ali, txiiii que vergonha. Fui.


O mundo tem o usufruto da realidade que pertence ao ser. Fernando Pessoa

ISRAEL DEZENAS DE PAÍSES BOICOTAM INAUGURAÇÃO DE EMBAIXADA EM JERUSALÉM

Tragédia na paróquia Estado Islâmico reivindica atentados a três igrejas na Indonésia

A associação da igreja da Indonésia, em Jacarta, já condenou os ataques e apelou às pessoas para aguardarem a investigação da polícia.

PERIGOSA DIVERSIDADE

D

PUB

EZENAS de países, entre eles a maioria dos europeus, não assistiram ontem a uma cerimónia do Ministério dos Negócios Estrangeiros israelita para assinalar a inauguração hoje da embaixada dos Estados Unidos em Jerusalém. O evento conta com a presença do primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, e da delegação norte-americana enviada para a inauguração, que já chegou a Israel e inclui a filha do Presidente dos Estados Unidos Ivanka Trump e o seu marido e assessor presidencial, Jared Kushner. Está prevista a assistência de um milhar de pessoas e foram convidados 86 embaixadores e encarregados de negócios, 40 dos quais aceitaram, mas a maioria dos Estados europeus não estará presente por não concordar com a mudança da embaixada de Telavive para Jerusalém, que rompe o consenso da comunidade internacional. Entre os países que não estarão presentes encontra-se a Espanha, o Reino Unido, a França e Itália, embora tenham confirmado a sua presença os representantes da Roménia, Hungria, Áustria e República Checa, confirmou o Ministério dos Negócios Estrangeiros num comunicado. O Presidente norte-americano, Donald Trump, anunciou a mudança da embaixada em Dezembro, quando reconheceu Jerusalém como a capital de Israel, suscitando críticas da maioria da comunidade internacional e a ira dos palestinianos. Estes reivindicam Jerusalém oriental, ocupado em 1967 e posteriormente anexado por Israel, como a capital de um desejado Estado da Palestina.

segunda-feira 14.5.2018

PALAVRA DO DIA

O

movimento extremista Estado Islâmico reivindicou ontem a responsabilidade pelos ataques com bombistas suicidas, todos da mesma família, em três igrejas de Surabaya, na Indonésia, que provocaram, pelo menos, 11 mortos. “Três ataques ‘kamikazes’” fizeram mortos e feridos “entre os cristãos da cidade de Surabaya”, segundo a entidade que divulga a informação do grupo extremista, a agência Amaq. Segundo a polícia da Indonésia, os bombistas suicidas eram todos da mesma família e entre eles estavam crianças e adolescentes. O último balanço das autoridades apontam para 11 mortos e mais de 40 feridos em resultado dos ataques a três igrejas cristãs, durante a manhã, quando decorriam missas ou cultos. O responsável da polícia local Tito Karnavian, disse que a família esteve na Síria, país onde o movimento Estado Islâmico controlava vastas áreas, até há pouco tempo. Acrescentou

que o pai fez explodir um carro bomba, dois filhos, de 18 e 16 anos, usaram uma mota num dos ataques, enquanto a mãe estava com duas crianças de 12 e nove anos na terceira igreja. As explosões registaram-se em Surabaya, a segunda maior cidade da Indonésia, com o primeiro ataque a ocorrer na igreja cristã de Santa Maria, onde morreram quatro pessoas, uma delas um bombista, disse aos jornalistas no local o porta-voz da polícia Frans Barung Mangera, acrescentando que entre os feridos estão dois agentes policiais. Seguiu-se o ataque à igreja protestante de Diponegoro, minutos depois, com a terceira situação a ocorrer na igreja de Pentecostes de Arjuro. Um polícia já tinha dito à agência AP que os explosivos eram transportados por, pelo menos, cinco bombistas suicidas, incluindo uma mulher que tinha duas crianças, uma situação igualmente descrita por uma testemunha que estava na igreja de Diponegoro.

Vaticano Lamborghini Huracan do Papa Francisco leiloado por 715 mil euros

O Lamborghini oferecido ao Papa Francisco há um ano foi leiloado no sábado, no Mónaco, por 715 mil euros, o dobro do preço inicial, indicou a leiloeira Sotheby’s. O carro branco e com duas listas douradas, do modelo Huracan, foi oferecido pelo construtor italiano e o seu preço tinha sido estimado entre 250 mil e 350 mil euros no catálogo. O Papa benzeu o veículo e assinou-o quando o recebeu, em Novembro passado. A leiloeira não divulgou a identidade do comprador, que deverá pagar 715 mil euros e mais 20 por cento para impostos. O dinheiro da venda vai financiar um projecto de reconstrução de casas e locais de culto em Ninive, no Iraque, uma ajuda aos cristãos afectados pela guerra nesta região, indicou a Santa Sé em Novembro. Parte do dinheiro irá ainda para uma associação italiana de ajuda a vítimas de redes de prostituição e para duas outras associações italianas com actividade em África.

A Indonésia tem realizado alguma pressão desde que bombistas radicais da Al-Qaida mataram 202 pessoas em Bali, em 2002, e nos últimos anos o país enfrentou uma nova ameaça com o aumento da influência do movimento Estado Islâmico no Médio Oriente. A província de Java oriental é um dos palcos de ataques de movimentos extremistas islâmicos, já que a sua capital, Surabaya, é uma das cidades com maior diversidade religiosa naquele que é o mais populoso país muçulmano do mundo. Os ataques a alvos cristãos acontecem dias depois de as autoridades indonésias terem posto fim a uma crise de reféns num centro de detenção perto de Jacarta, uma acção reivindicada pelo movimento extremista Estado Islâmico. Os cristãos, muitos deles da etnia minoritária chinesa, representam cerca de 9 por cento da população da Indonésia, que atinge 260 milhões de habitantes, enquanto os muçulmanos são 88 por cento do total. O país fica em alerta máximo nas semanas que antecedem o Ramadão, que começa na terça-feira, já que é uma época escolhida pelos ‘jihadistas’ para realizar ataques.

PAQUISTÃO CINCO MORTOS E 12 DESAPARECIDOS EM QUEDA DE PONTE

P

ELO menos cinco estudantes morreram e 12 outros estão desaparecidos após a queda ontem de uma ponte num local turístico da Caxemira paquistanesa, anunciaram as autoridades, que têm pouca esperança de encontrar sobreviventes. A ponte cedeu no momento em que cerca de três dezenas de estudantes de diversas escolas de medicina da província do Pendjab se encontravam no local para admirar uma queda de água. “Recuperámos os corpos de quatro rapazes e o de uma rapariga. Doze outros continuam a não responder à chamada e temos pouca esperança em relação a eles porque a água está muito fria”, declarou à agência France Presse Chaudhary Imtiaz, um alto funcionário da cidade de Muzaffarabad. “O acidente ocorreu no desfiladeiro de Jagran na zona de Kundal Shahi, a cerca de 60 quilómetros a nordeste de Muzaffarabad”, adiantou, indicando que oito outros estudantes ficaram feridos. Um responsável local da polícia, Saleem Durrani, confirmou o balanço e precisou que um painel perto da ponte adverte os visitantes para não se juntarem mais de cinco pessoas de cada vez. Os vales e as montanhas da Caxemira paquistanesa são populares entre os turistas, mas as infraestruturas são fracas. A área de Caxemira está dividida em três zonas: uma sob controlo do Paquistão, outra sob controlo da Índia e uma terceira sob administração chinesa reivindicada pela Índia.

Hoje Macau 14 MAI 2018 #4050  

N.º 4050 de 14 de MAI de 2018

Hoje Macau 14 MAI 2018 #4050  

N.º 4050 de 14 de MAI de 2018

Advertisement