Page 1

MOP$10

SEGUNDA-FEIRA 14 DE JANEIRO DE 2019 • ANO XVIII • Nº 4210

GCS

DIRECTOR CARLOS MORAIS JOSÉ

METRO LIGEIRO

O FIM DOS PROBLEMAS

hojemacau

www.hojemacau.com.mo•facebook/hojemacau•twitter/hojemacau

PÁGINAS 4-5

EDUCAÇÃO PATRIÓTICA

UM GRANDE AMOR ÚLTIMA

FUTEBOL

PARTIDAS DE ELITE PÁGINA 11

Jogo de risco Para a Steve Vickers e Associados, a guerra comercial entre a China e os Estados Unidos pode vir a ter implicações negativas para os casinos norte-americanos do território. Segundo o relatório da consultora sobre a avaliação de riscos para 2019, não é de descartar a hipótese do Governo de Macau promover a compra de casinos por empresas chinesas, diluindo o poder das actuais concessionárias. Afinal, diz a Vickers, “os casinos assentam numa falha geopolítica”.

GRANDE PLANO


2 grande plano

N

ÃO há dúvidas: “Macau não pretende desestabilizar o sector do jogo – a sua galinha dos ovos de ouro”. No entanto, a crescente escalada de tensões entre a China e os Estados Unidos “pode incitar Macau a diluir o domínio sectorial dos casinos norte-americanos e as não menos importantes ligações entre magnatas do jogo e o Partido Republicano”, do actual Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. É o que defende a consultora Steve Vickers e Associados, no mais recente relatório sobre a avaliação de riscos para 2019, recordando que, “afinal, os casinos norte-americanos assentam numa falha geopolítica”. A avaliação surge no contexto do futuro da indústria do jogo: “A actual ideia é a de que o Governo vai querer estender as concessões [da SJM e da MGM que expiram em Março de 2020] até 2022, de modo a lidar com todas de uma só vez, o que permitiria poupar tempo”. “O pouco que resta é manifesto”, diz o relatório, recordando que o Chefe do Executivo, Chui Sai On, que termina o segundo e último mandato em Dezembro, manteve o silêncio após ter prometido adiantar, em meados do ano passado, uma visão sobre o caminho a seguir. Não obstante, a consultora prevê que seja procurado um equilíbrio entre os dois pesos que figuram na balança: “O Governo vai avaliar

14.1.2019 segunda-feira

GUERRA DOS TRONOS JOGO CONFLITO COMERCIAL COM

OS EUA PODE BELISCAR DOMÍNIO NORTE-AMERICANO

As autoridades não vão querer desestabilizar o sector do jogo, mas as crescentes tensões entre a China e Estados Unidos podem levar Macau a pôr um travão ao domínio dos casinos norte-americanos, antecipa a consultora Steve Vickers e Associados


grande plano 3

segunda-feira 14.1.2019

PRINCIPAIS RISCOS EM 2019 *

tanto a economia como a geopolítica na hora de tomar uma decisão”.

MAIS CHINESES

Neste âmbito, a consultora não descarta, por exemplo, uma postura mais proteccionista por parte das autoridades relativamente aos estrangeiros: “O Governo de Macau pode pedir que empresas chinesas comprem ou assumam negócios existentes [de casinos] ou talvez simplesmente recusar-se a conceder nova licença às actuais concessionárias”. “A tornar-se Chefe do Executivo, Ho [Iat Seng] poderia adoptar tal tipo de medida”, alerta. “Afinal, dispensou juristas portugueses da Assembleia Legislativa”, pelo que “poderia saudar” a predominância chinesa no sector do jogo, argumenta a consultora. De referir, porém, que como revelado na semana passada, a AL contratou uma juíza a Portugal para o cargo de assessora jurídica. A mesma função desempenhada por Paulo Cardinal e Paulo Taipa que deixaram a AL a 31 de Dezembro, após os seus contratos não terem sido renovados. O mundo do crime associado ao jogo também tem destaque no relatório, divulgado na quinta-feira. “A situação de segurança apresenta riscos separados e duradouros. O de maior relevância tem que ver com o envolvimento das tríades [na actividade] dos ‘junkets’, um problema perene que representa uma ameaça – tanto do ponto

“O Governo de Macau pode pedir que empresas chinesas comprem ou assumam negócios existentes [de casinos] ou talvez simplesmente recusarse a conceder nova licença às actuais concessionárias.” de vista do crime em si como da reputação – para os investidores”. A eventualidade de um atentado terrorista contra um casino figura igualmente como “uma preocupação crónica”, na perspectiva da consultora, apesar de “Macau ter recentemente dado alguns passos para limitar o perigo”. Do ponto de vista do ambiente político, não obstante a mudança de Governo, o cenário será de estabilidade em 2019, na medida em que um líder leal a Pequim “não enfrenta os mesmos desafios como

“O Governo vai avaliar tanto a economia como a geopolítica na hora de tomar uma decisão” sobre o futuro do jogo

em Hong Kong”, refere o documento, sinalizando que Ho Iat Seng figura então como o favorito para suceder no cargo a Chui Sai On. Ao nível da economia, a consultora recorda que o imposto de 35 por cento cobrado directamente sobre as receitas dos casinos representou mais de 80 por cento das receitas públicas, mas que o Produto Interno Bruto (PIB) abrandou, devido a uma menor procura interna na China, lembrando que o Governo também está a tentar afastar-se da elevada dependência da indústria do jogo para atender às exigências de Pequim relativamente à diversificação do tecido económico. “A política de Macau deve, portanto, manter-se estável, mesmo com um abrandamento da economia da China, mas os riscos geopolíticos que enfrentam as operadoras de jogo vão aumentar significativamente em 2019. Os investidores devem tomar nota”, conclui a consultora. No relatório, a consultora fundada por Steve Vickers, antigo chefe do Gabinete de Informações Criminais da Polícia de Hong Kong, avalia os riscos em 2019 em 12 países e territórios da Ásia, incluindo Macau, Hong Kong e China (VER TABELA). Diana do Mar

dianadomar@hojemacau.com.mo

MACAU

Mudanças de liderança, economia vacilante e tensões na relação sino-americana vão traduzir-se em desafios para as operadoras de jogo estrangeiras

HONG KONG

Política deve permanecer estável se alicerçada na autonomia local e no Estado de Direito. A economia vai enfraquecer com o abrandamento da China, mas mesmo assim a cidade vai reter o seu forte poder de atracção de negócios estrangeiros

CHINA

Apertados controlos no domínio da política e dos negócios, abrandamento da economia e elevadas fricções geopolíticas vão acarretar riscos significativos para as empresas

TAIWAN

Um Governo castigado, o fracasso em reavivar a economia e um aumento acentuado das tensões com a China significam que as perspectivas de Taiwan para 2019 se estão a deteriorar

JAPÃO

Política deve manter-se estável em 2019, mas a economia vai abrandar. Tensões entre a China e os Estados Unidos vão colocar Tóquio diante de um estratégico dilema, particularmente se as fricções sobre Taiwan se intensificarem

COREIA DO SUL

Uma perspectiva política sólida e a tentativa de reaproximação à Coreia do Norte constituem bons auspícios para 2019, apesar do abrandamento económico, das tensões entre China e Estados Unidos e da falta de confiabilidade de Pyongyang representar uma ameaça para esses ganhos

SINGAPURA

Transição de liderança, perspectivas económicas regionais mais frágeis e o intensificar das tensões na Ásia significam que o risco vai aumentar em 2019, ainda que a Cidade-Estado em si se mantenha estável

MALÁSIA

O novo Governo tem de lidar com divergências internas, suprimir divisões étnicas e assegurar a confiança na sua gestão económica. Ao fazê-lo vai passar no teste

TAILÂNDIA

O mal-estar político vai crescer em 2019, à medida que a junta militar procura uma transição para a democracia guiada e enquanto a economia abranda

INDONÉSIA

Retórica desagradável vai espalhar-se à medida que se aproximam as eleições gerais, mas políticas sensíveis e a determinação em contestar o extremismo devem manter o país firme

FILIPINAS

Estabilidade política e uma economia forte devem compensar a fraca governação e deficiências na segurança em 2019

VIETNAME

Um Governo estável e uma economia acelerada não devem desviar o país da sua exposição ao proteccionismo e aos desafios estratégicos

BIRMÂNIA

Impotência administrativa, reformas económicas estancadas e inquietação sobre a retoma de conflitos são presságio do aumento dos riscos em 2019

ÍNDIA

As eleições de Maio prometem incerteza, mas a robustez económica um ambiente de segurança gerível devem fazer com que os riscos não aumentem significativamente

* Segundo a Steve Vickers e Associados


4 política

Os casinos que paguem Au Kam San defende presença de operadores de jogo na empresa de gestão do Metro Ligeiro

O

elevado custo do Metro Ligeiro e os prejuízos suportados pelo Governo foram dois argumentos que marcaram o debate de sexta-feira na Assembleia Legislativa (AL). Seguindo a toada no hemiciclo, o deputado Au Kam San, do campo pró-democrata, defendeu a ligação do sector do jogo à futura empresa de gestão do Metro Ligeiro. “Quanto à empresa gestora do Metro Ligeiro, também vai representar um custo operacional muito avultado, agora estimado em 900 milhões de patacas, e é um montante que vai expandir-se ainda mais no futuro, conforme o aumento da rede. Talvez podemos transformar essa empresa numa sociedade de carácter comercial”, apontou. Ao estabelecer-se uma ligação com o sector do jogo, a empresa poderia ser “viável”, evitando-se desta forma que os custos operacionais fossem apenas geridos pela empresa

de capitais públicos que o Governo pretende criar. “Com funcionamento de carácter comercial podemos evitar esses custos tão elevados. Há quem diga que não haverá ninguém interessado em explorar, mas será que as operadoras do jogo estão interessadas? Podemos pensar nisso. Temos seis operadoras. Pode ser que o Governo seja o director-geral dessa sociedade comercial e inclua alguma operadora na direcção. Se for um negociante talvez não esteja interessado, mas se for uma concessionária de jogo talvez.” A proposta de Au Kam San foi apresentada na segunda parte do debate, já depois do secretário para os Transportes e Obras Públicas, Raimundo do Rosário, ter respondido a todos os deputados. Como tal, não foi possível obter uma resposta da parte do governante, que se fez acompanhar pelo director do Gabinete de Infra-

-estruturas de Transportes (GIT), quanto à sugestão de Au Kam San.

LUCROS AUSENTES

Tal como já foi anunciado, o GIT deverá ser transformado ainda este ano na empresa de capitais públicos responsável pela gestão e operação do Metro Ligeiro. Esta terá de assumir os contratos já firmados, explicou o secretário Raimundo do Rosário. No mesmo debate, o deputado Ng Kuok Cheong, colega de bancada de Au Kam San, também fez referências aos elevados custos que o novo sistema de transporte público vai acarretar para os cofres da RAEM. “Só o segmento da Taipa não vai gerar lucros. Vamos perder anualmente muito dinheiro, cerca de 900 milhões por ano, então quais são os benefícios deste sistema?”, questionou. Raimundo do Rosário prometeu tomar medidas para que o Executivo venha a receber mais lucros e receitas com este sistema de transporte. A.S.S.

Raimundo do Rosário, secretário para os Transportes e Obras Públicas, garantiu no hemiciclo que os problemas ocorridos com a obra do Metro Ligeiro serão todos resolvidos até à tomada de posse do novo Executivo. A viabilidade da linha leste ainda está a ser estudada, enquanto a ligação a Hengqin continua parada

A

promessa foi deixada no debate de sexta-feira pelo secretário para os Transportes e Obras Públicas, Raimundo do Rosário. Quando o novo Governo tomar

Casa

METRO LIGEIRO RAIMUNDO DO ROSÁRIO

GCS

GOOGLE STREET VIEW

14.1.2019 segunda-feira

posse não terá de lidar com problemas pendentes relacionados com o Metro Ligeiro. “Não vou deixar coisas para o próximo Governo”, disse, em resposta às questões colocadas pela deputada Angela Leong. “Cerca de 80

PUB

Planeamento Leong Sun Iok quer aproveitar estudos já feitos

PRECISA-SE

Colaborador/a com interesse pelas notícias de Macau e que domine as línguas portuguesa e cantonesa. POR FAVOR CONTACTAR JORNAL HOJE MACAU

TEL: 2875 2401 • EMAIL: info@hojemacau.com.mo

Leong Sun Iok voltou a criticar a ausência de orçamento, de planeamento geral e de calendário para o projecto do Metro Ligeiro, circunstância que considera inaceitável. Em declarações ao Jornal do Cidadão, o deputado pede ao Governo que aproveite os vários estudos já realizados de modo a concretizar, o mais cedo possível, o planeamento de curto e médio prazo para a construção da infra-estrutura. A ideia do deputado ligado à FAOM é que o próximo Governo tenha um projecto completo antes da tomada de posse. Também Nelson Kot, presidente da Associação de Estudos Sintético Social de Macau, criticou o secretário para os Transportes e Obras Públicas por achar que falta capacidade a Raimundo do Rosário para explicar as contas do projecto. Kot entende que “a falta de orçamento é absolutamente irracional”.

por cento dos problemas já estão resolvidos, e a grande maioria das obras deixaram de estar em situação de derrapagem orçamental ou com atrasos. Porque é que continuam a falar de assuntos que deixaram de


política 5

segunda-feira 14.1.2019

arrumada

PROMETE DEIXAR PROBLEMAS RESOLVIDOS PARA NOVO EXECUTIVO

SUSPENDER O QUÊ?

O

debate de sexta-feira voltou a ficar marcado pela ideia da suspensão da construção do Metro Ligeiro após a conclusão do segmento da Taipa. O secretário Raimundo do Rosário assegurou que, quando tomou posse, nenhum deputado levantou essa questão. “Quando tomei posse reuni com o deputado Ho Ion Sang e nas primeiras interpelações ninguém falou na suspensão do Metro. Agora que está quase concluído o segmento da Taipa é que levantam esta questão?”, apontou, lembrando que a concepção de alguns segmentos poderá ser alterada no futuro. Depois desta declaração, vários deputados afirmaram estar a favor do Metro Ligeiro, apesar das questões levantadas sobre o orçamento e gestão do projecto.

ser um problema? A linha da Taipa vai operar este ano”, assegurou. O debate sobre o Metro Ligeiro resultou de proposta apresentada pelos deputados Au Kam San e Ng Kuok Cheong, do campo pró-democrata, Agnes Lam e Leong Sun Iok, ligado à Federação das Associações dos Operários de Macau (FAOM). Raimundo do Rosário foi fortemente criticado por não ter um orçamento global para todo o projecto do Metro Ligeiro, mas voltou a frisar que não pode avançar com números pois há segmentos que ainda estão em estudo, como a linha leste que liga as Portas do Cerco à zona A dos novos aterros. A viabilidade da linha ainda está a ser estudada, assim como o seu impacto ambiental. Relativamente à linha na zona do Porto Interior, o director do Gabinete para as Infra-estruturas de Trans-

portes (GIT), Ho Cheong Kei, alertou que é preciso “ter em conta o problema das inundações do Porto Interior caso seja necessário activar as obras”. Raimundo do Rosário adiantou que, até agora,

“COISA DO PASSADO”

O

secretário para os Transportes e Obras Públicas, Raimundo do Rosário, admitiu no hemiciclo que os problemas ocorridos na obra do Metro Ligeiro fazem parte do passado. “As derrapagens e atrasos são problemas do passado, e na grande parte das obras que realizamos, se houver atrasos, são dentro de limites razoáveis. Posso dizer que são casos pontuais”, disse. O secretário salientou ainda as alterações aos prazos para reportar atrasos.

já foram gastas nove mil milhões de patacas para construir o segmento da Taipa, um valor que se mantém dentro do limite máximo já avançado de 11 mil milhões de patacas.

LIGAÇÃO PARADA

Raimundo do Rosário foi também confrontado com uma hipotética ligação à ilha de Hengqin, mas garantiu que ainda não foram feitos quaisquer avanços face à possível construção do segmento em causa. “Este problema tem surgido recentemente, o projecto ficou parado. Na altura, era um grande problema que exigia uma tomada de decisão sobre a fronteira, pois não se sabia se funcionaria do lado de Macau ou da China. Sem esta decisão como iria planear a ligação à ilha de Hengqin?”, questionou. O secretário adiantou também que nunca deixou

“Cerca de 80 por cento dos problemas já estão resolvidos, e a grande maioria das obras deixaram de estar em situação de derrapagem orçamental ou com atrasos.” RAIMUNDO DO ROSÁRIO SECRETÁRIO PARA OS TRANSPORTES E OBRAS PÚBLICAS

este dossier pendente. “Só recentemente foi criado um posto de trabalho para decidir de que lado fica a fronteira. Não quer dizer que não queira trabalhar, mas só o posso fazer depois de serem tomadas determinadas decisões.” O deputado Ho Ion Sang falou da necessidade de se

apostar nesta ligação, tendo em conta os projectos de integração regional que estão em curso. “Podemos aumentar a eficiência deste meio de transporte, e com a linha de Hengqin teremos este efeito. No contexto da região do Delta temos de trabalhar no sentido da integração regional. Daí ser importante fazer a ligação à ilha de Hengqin, além de que em Zhuhai há uma paragem do sistema de ferrovia urbana.” Também o deputado Ma Chi Seng defendeu a ligação do Metro Ligeiro ao comboio de Cantão, para que haja “um desenvolvimento de actividades económicas”. Andreia Sofia Silva

andreia.silva@hojemacau.com.mo


6 sociedade

14.1.2019 segunda-feira

DSEJ DEFENDIDO SUBSÍDIO PARA ESTÁGIOS EM CURSOS TÉCNICO-PROFISSIONAIS

Primeiro ordenado

A Direcção dos Serviços de Educação e Juventude mostra-se favorável à criação de subsídios para estágios no âmbito dos cursos técnico-profissionais, bem como mudanças nos currículos. Este é um dos resultados do relatório da consulta pública para a revisão da lei do ensino técnico-profissional

O

S alunos dos cursos técnico-profissionais podem vir a receber um subsídio quando realizarem o estágio. Esta é uma das principais conclusões do relatório da consulta pública sobre a revisão da lei do ensino técnico-profissional, um processo promovido pela Direcção dos Serviços de Educação e Juventude (DSEJ). No documento, lê-se que o Governo é favorável a essa medida. “Propõe-se que a legislação seja revista de maneira a permitir que os alunos-estagiários possam receber eventuais subsídios concedidos, de livre vontade, pelas instituições que oferecem o estágio.” Esta hipótese surgiu porque “algumas empresas se mostraram inclinadas a conceder um subsídio aos alunos-estagiários que acolherem”, uma vez que este “poderá beneficiar a realização das actividades de estágio”. Ainda sobre o estágio, o relatório da consulta pública dá conta da possibilidade das

escolas e instituições de ensino virem a elaborar “conjuntamente um programa de estágio profissional”, medida que tem como objectivo incrementar a flexibilidade do processo. “O momento de realização do estágio deve ser mais flexível, não sendo apenas concentrado no terceiro ano, e a instituição onde esse estágio é realizado deve disponibilizar instrutores experientes para a orientação dos alunos-estagiários.”

MAIS QUALIDADE E FORMAÇÃO

Actualmente existem em Macau 33 cursos técnico-profissionais. Um terço das opiniões recolhidas durante o processo de consulta pública, de um total de 298 opiniões, destaca a necessidade de reforçar os apoios financeiros e técnicos deste sistema de ensino, de forma a assegurar maior qualidade. “A qualidade geral dos alunos e a formação da sua capacidade profissional deve ser incrementada através de mudanças ao nível da estrutura curricular dos cursos de ensino

técnico-profissional e em consonância com a situação real de Macau, com as exigências do desenvolvimento social e económico, e as exigências do mercado de trabalho.” Além de se exigir maior ligação com o ensino superior, foi pedido o reforço “da formação do pessoal docente do ensino técnico-profissional, impulsionando, de forma continuada, o seu desenvolvimento profissio-

“Propõe-se que a legislação seja revista de maneira a permitir que os alunos-estagiários possam receber eventuais subsídios concedidos, de livre vontade, pelas instituições que oferecem o estágio.” CONSULTA PÚBLICA DA DSEJ

nal, através da criação de mais e melhores condições”. Outra das ideias apontadas prende-se com a extensão do ensino técnico-profissional a outras áreas da educação. “Há a possibilidade de o ensino técnico-profissional poder ser aplicado ao ensino especial. O desenvolvimento dos cursos com carácter de aplicação profissional revela-se muito adequado aos alunos das turmas pequenas do ensino especial”, lê-se no documento. As opiniões apresentadas também dão conta da necessidade acabar com o preconceito que ainda se sente em relação ao ensino técnico. “Hoje em dia os estereótipos e os efeitos da rotulação dos encarregados de educação, relativamente aos alunos do ensino técnico-profissional, ainda existem. Por isso, a modificação da percepção dos encarregados de educação sobre o ensino técnico-profissional não pode ser ignorada”, refere o relatório da consulta pública.

CONSELHO DE CONSUMIDORES QUEIXAS AUMENTARAM DURANTE O ANO PASSADO

O

Conselho de Consumidores recebeu, ao longo do ano passado, um total de 5.043 casos, dos quais 2.290 foram queixas, traduzindo um aumento face a 2017 (1.647). Os restantes foram pedidos de informações. O preço e a qualidade de artigos de ourivesaria e bijutaria motivaram o maior número de reclamações (201), em particular por parte de turistas. Seguiram-se as queixas relativas aos transportes públicos (166), das quais 75 por cento incidiram sobre os táxis, devido à cobrança abusiva de tarifas e à atitude dos taxistas, as quais aumentaram mais de 40 por cento face a 2017, indicou o Conselho de Consumidores, dando conta de que todos os casos foram tratados

e encaminhados para as autoridades competentes. Já em terceiro lugar surgem as reclamações relacionadas com o preço e qualidade das comidas e bebidas (163) que aumentaram aproximadamente 60 por cento em termos anuais. No ‘ranking’ das queixas surgem os serviços de restauração, que subiram cerca de 70 por cento, dos quais mais de dez casos tiveram que ver com serviços prestados por plataformas ‘online’ de entrega de comida. O Conselho de Consumidores indicou ainda que foram registadas mais de 20 reclamações associadas à área de serviços de utilidade pública no ano passado, sem facultar pormenores, remetendo detalhes para breve.

Andreia Sofia Silva

andreia.silva@hojemacau.com.mo

Ensino Professores de Macau podem candidatar-se para ensinar na China

Os professores de Macau, Hong Kong e Taiwan vão poder fazer exames para se qualificarem para ensinar nas escolas da China. Ao abrigo do programa, anunciado pelo Ministério da Educação chinês na semana passada, os docentes têm, no entanto, de preencher requisitos como “defender voluntariamente a liderança do Partido Comunista Chinês, aderir à direcção da educação socialista e implementar a política educacional do partido”.

Idosos IAS e Kaifong na gestão de Centro de Convívio

A presidente do Instituto de Acção Social (IAS), Celeste Wong, revelou que o Centro de Convívio Fai Chi Kei, sob a alçada pública, vai passar a ser gerido em cooperação com os Kaifong (União Geral das Associações dos Moradores de Macau), sendo que o seu funcionamento, gestão financeira e recursos humanos serão fiscalizados pelo Governo. De acordo com o Jornal do Cidadão, Celeste Wong explicou que a cooperação com os Kaifong não representa a exclusão do IAS e garantiu que a medida vai melhorar os serviços prestados pelo Centro de Convívio Fai Chi Kei. Em comunicado, o IAS justificou a medida com a necessidade de flexibilizar horários e serviços, dando como exemplo o Centro da Praia do Manduco que está a ser gerido pela Caritas desde o ano passado.


sociedade 7

segunda-feira 14.1.2019

O

Centro Comercial New Yaohan vai ter de enviar um relatório à Direcção dos Serviços de Solos, Obras Públicas e Transportes (DSSOPT) sobre o acidente que decorreu no domingo, dia 6 de Janeiro, que causou três feridos. A revelação foi feita pela DSSOPT numa resposta enviada ao HM sobre o caso do tecto falso que se soltou, no sétimo andar do edifício, onde decorriam obras de renovação.

NEW YAOHAN DSSOPT EXIGIU RELATÓRIO DEPOIS DA QUEDA DE TECTO FALSO NO CENTRO COMERCIAL

Quando a casa veio abaixo WWW.SECRETMACAU.COM

Os trabalhos no centro comercial estavam devidamente licenciados, mas a DSSOPT quer agora receber um relatório sobre a queda de um tecto falso. Wong Sio Chak mostra abertura para melhorar a relação com a comunicação social que não foi informada sobre o acidente

“Este departamento pediu ao empreiteiro para que envie um relatório sobre o acidente, para assegurar que o projecto pode decorrer dentro das condições de segurança. O caso vai ser acompanhado de acordo com a legislação em vigor, tal como aconteceu em situações no passado”, escreveu o DSSOPT, numa resposta enviada ao HM. A mesma direcção confirmou ainda que as obras que decorriam no New Yao-

han estavam devidamente licenciadas: “Os trabalhos [de renovação] foram aprovados pela DSSOPT e o

“Os trabalhos [de renovação] foram aprovados pela DSSOPT e o projecto estava devidamente licenciado.” DSSOPT

projecto estava devidamente licenciado”, foi esclarecido. O acidente afectou três pessoas, entre as quais uma mãe e filha. A progenitora, com cerca de 40 anos, foi a pessoa que ficou em estado mais grave devido a lesões na cabeça e cintura e, segundo o jornal Oriental Daily, de Hong Kong, vai ter de permanecer dois meses no hospital. Já a criança, com cerca de 12 anos, também foi levada ao hospital, mas já teve alta.

ENCEFALITE SEGUNDO CASO ASSOCIADO À GRIPE EM 2019

U

MA criança foi diagnosticada com encefalite associada à gripe, o segundo caso do tipo desde o início do ano. A menina, de 2 anos, encontra-se internada no Hospital Kiang Wu, “estável” e “desperta”, informaram ontem os Serviços de Saúde. Os primeiros sintomas, como febre e tosse, apareceram na quinta-feira. Na manhã do dia seguinte, a menina foi levada à consulta externa do Hospital Kiang Wu, onde

após ter testado positivo para o vírus influenza A, foi-lhe prescrito Tamiflu. Na mesma noite, porém, os sintomas evoluíram para convulsões e desordem da consciência e a menina voltou ao Kiang Wu, onde acabaria por ficar internada para tratamento. Os exames, que revelaram o aumento da pressão intracraniana, levaram a um novo diagnóstico: gripe com encefalite leve. A menina não foi vacinada contra a gripe

sazonal, indicaram os Serviços de Saúde, dando conta de que não foram registados casos de infecção colectiva no infantário Santa Rosa de Lima, que frequenta. Trata-se do segundo caso de encefalite associado a gripe, depois de um menino, de 4 anos e meio, ter sido internado no início do mês no Centro Hospitalar Conde São Januário (CHCSJ), onde se mantém em estado grave.

Desde Setembro foram diagnosticados 21 casos de gripe com pneumonia ou outras complicações, incluindo um que vitimou um homem de 86 anos. Actualmente, sete pacientes continuam hospitalizados, todos com um quadro “estável”, à excepção do menino de 4 anos e meio. Em 76 por cento dos casos os pacientes não tinham sido vacinados contra a gripe, indicaram os Serviços de Saúde, renovando o apelo à vacinação. D.M.

Segundo um artigo do jornal Ou Mun Iat Pou, onde o caso foi relatado, após a divulgação do acidente nas redes sociais, desde a altura do ocorrido que o centro comercial assumiu as suas responsabilidades e se disponibilizou para pagar as custas hospitalares dos feridos.

REVISÃO DE MECANISMO

Além da questão da segurança das obras, o caso ocorrido do New Yaohan ficou também marcado pelo

facto dos órgãos de comunicação não terem sido avisados pelas autoridades sobre o sucedido. Normalmente, as autoridades têm uma postura pró-activa de divulgação de vários tipos de acidentes. Contudo, na sexta-feira, o secretário para a Segurança abordou o assunto, já depois de anteriormente o Corpo de Polícia de Segurança Pública ter negado a intenção de esconder o sucedido. Segundo Wong Sio Chak, normalmente o mecanismo das autoridades só divulga crimes e acidentes ocupacionais. Como o caso do Yaohan não se enquadra em nenhuma das situações acabou por não ser divulgado. Ao mesmo tempo, explicou que ocorrências deste género são muito frequentes pelo que não é possível que todas sejam comunicadas, uma vez que acabaria por complicar a comunicação de ocorrências. Wong Sio Chak, que mostrou abertura para melhorar os mecanismos de comunicação sobre ocorrências, recordou também que “a cooperação entre as autoridades policiais e os OCS tem sido sempre sincera e cordial”.

Taipa Rebentamento de tubo na Rotunda da Piscina Olímpica

João Santos Filipe

joaof@hojemacau.com.mo

Um tubo rebentou, na madrugada de sábado, deixando água potável a jorrar junto à Rotunda da Piscina Olímpica, na Taipa, por aproximadamente duas horas. Segundo o jornal Ou Mun, o incidente ocorreu num estaleiro de obras do reordenamento da rede viária, obrigando a encerrar ao trânsito estradas nas imediações. De acordo com o Gabinete para o Desenvolvimento de Infra-estruturas (GDI), a empresa adjudicatária da empreitada de construção de uma passagem superior, que se encontra na fase de fundações, deixou o tubo exposto, após escavações, com o objectivo de confirmar a sua localização e definir o plano. Foram feitos trabalhos de reparação, entretanto, sendo que o construtor tem de apresentar um relatório sobre a fuga de água que ter-se-á devido a uma falha na ligação no tubo. Durante o incidente, segundo a Macau Water, houve ainda cortes de água em edifícios circundantes, mas o fornecimento foi, entretanto, reposto na totalidade.


8 eventos

14.1.2019 segunda-feira

Rotunda do ´ rel gio FRINGE PERFORMANCE DE JENNY MOK NOS TRÊS CANDEEIROS VAI DURAR CINCO DIAS

O espectáculo da companhia Comuna de Pedra “100 horas” vai colocar Jenny Mok a viver durante cinco dias na Rotunda de Carlos da Maia. A ideia é interagir com os moradores e registar a experiência pessoal e de quem por ali passa de modo a perceber a reacção das pessoas a novos acontecimentos, à sua presença e depois ao seu desaparecimento

U

MAbiografia de Leonard Cohen, ilustrada com fotografias e documentos, uma edição fac-similada da revista “Persona”, dedicada a Fernando Pessoa, e a segunda parte do romance “Eliete”, de Dulce Maria Cardoso, marcam as novidades da Tinta-da-China para 2019. A editora vai lançar uma caixa de colecção, reunindo edições fac-similadas dos 12 números da mítica revista publicada entre 1977 e 1985, dedicada a Fernando Pessoa, que inclui textos de autores como Eugénio de Andrade, Agustina Bessa Luís, Eduardo Prado Coelho, Ana Hatherly, Eduardo Lourenço, Vasco Graça Moura, Jorge de Sena e Mário Cesariny.

Os livros esperados

Biografia de Leonard Cohen e segundo volume de “Eliete” nas novidades da Tinta-da-China

Leonard Cohen

Esta edição, que é uma parceria com a Casa Fernando Pessoa, inclui ainda um caderno original, com textos de Arnaldo Saraiva e Jerónimo Pizarro. Outra das novidades da Tinta-da-China é o lançamento de “I’m Your Man: A vida de Leonard Cohen”, por Sylvie Simmons, “a monumental biografia, profusamente ilustrada com fotografias e documentos, do músico e poeta de culto desaparecido em 2016”, segundo a editora.

A Tinta-da-China vai ainda publicar “Mapas”, de John Freeman, o primeiro livro de poesia deste norte-americano, que foi editor da Granta em língua inglesa durante vários anos e responsável pela revitalização da revista literária.

POESIA DE ASSIS PACHECO

Na Coleção de Poesia dirigida por Pedro Mexia, os destaques da editora vão para “A Musa Irregular – Edição aumentada”, de Fernando Assis Pacheco, que reúne toda a sua produção poética, “Retratos com Erro”, novo livro de Eucanaã Ferraz, considerado um dos maiores poetas contemporâneos da língua portuguesa, publicado imediatamente após a edição brasileira, e “Câmera Lenta e

Outros Poemas”, de Marília Garcia, que lhe valeu o Prémio Oceanos 2018 e que estava apenas publicado no Brasil. No que respeita à ficção, a Tinta-da-China prepara-se para publicar a segunda parte da história de Eliete, de Dulce Maria Cardoso, cujo primeiro volume foi lançado em 2018, e uma antologia de contos de Sérgio Sant’Anna, organizada pelo escritor Gustavo Pacheco, a partir dos vários livros do autor, e nunca antes publicada. Outra novidade na área do romance é o início da publicação da obra de Emmanuel Carrère, que se inicia com a reedição, em nova tradução, de “O adversário”, obra que consagrou o autor, a que se seguirá “o monumental” “O Reino”.


eventos 9

A

artista local Jenny Mok vai mudar de casa precisamente durante 100 horas e escolheu a Rotunda de Carlos da Maia para viver ao longo deste período. O objectivo é dar corpo ao projecto “100 horas”, uma performance da companhia Comuna de Pedra, que integra o festival Fringe e que vai ter lugar de 22 a 26 de Janeiro. Para o efeito, Mok vai acampar no meio da rotunda, fazer dali a sua casa e abri-la a quem quiser. “Não é propriamente aquilo a que as pessoas poderiam chamar de espectáculo em que os intervenientes produzem uma cena que dura no máximo algumas horas”, explicou a responsável pela Comuna de Pedra. Aqui, a performance dura cinco dias, ininterruptamente e não contempla as tradicionais “representações artísticas”. “Não vou dançar, não vou representar, vou apenas viver ali e no processo vou também tentar conviver com a comunidade que ali habita e que ali vai passando”, acrescentou. A diferença vai também ser notada no público, sendo que quando um espectáculo é feito num palco, “as pessoas vão com o intuito de ver uma coisa preparada e ensaiada”. Mas aqui tudo acontece “enquanto as pessoas têm a sua vida do dia a dia, no sítio onde vivem e onde têm o seu negócio. Elas vivem ali e de repente algo de novo acontece nas suas vidas”, aponta Mok.

NA AGENDA

O quotidiano da artista vai ser na sua maioria preenchido com o imprevisto que resulta destas interacções, mas há diariamente três actividades marcadas. “Uma é a venda de comida, em que eu vou cozinhar e partilhar o que faço, sendo que quem quiser pode fazer as refeições comigo”, referiu. No entanto, não se trata de uma oferta, “as pessoas têm que dar algo em troca, o que quer que seja, uma garrafa de cerveja, algum objecto,

HOJE MACAU

segunda-feira 14.1.2019

Jenny Mok, responsável pela Companhia Comuna de Pedra “É uma espécie de experiência em que pretendo colher informação colectiva acerca da forma como as pessoas percepcionam um acontecimento que entra na sua vida e que, passado pouco tempo, desaparece.”

ou ajudar em alguma coisa”. A ideia é promover a interacção com os frequentadores daquela área. Outra das actividades que tem agenda marcada para todos os dias é um programa de rádio, criado ali mesmo e “que vai estar no ar diariamente, pelo menos durante uma hora”. Também aqui o público pode participar através de uma espécie de discos pedidos. “As pessoas podem escrever uma carta a dedicar uma canção a alguém e quem estiver responsável pelo funcionamento da rádio vai ler essa carta e passar a essa canção”, explica Jenny Mok. Ao mesmo tempo, este programa vai estar disponível na internet de modo a chegar ao público em geral. A terceira actividade é também de livre participação e é um convite às pessoas a fazerem o que quiserem na “casa” da artista. “Podem apresentar espectáculos de rua, pequenas performances, podem estar apenas ali

a conversar” aponta Mok. “A minha sala de estar é na rua e é aberta a todos os que quiserem ali apresentar qualquer coisa. Não interessa o que tenham para apresentar, mas podem fazê-lo”, sublinhou.

EM DIRECTO

Para Jenny Mok a realização desta performance vai muito além do lado artístico. Aliás, o objectivo é que seja uma experiência social. Por isso, escolheu a zona dos Três Candeeiros. “É uma espécie de bairro, não é uma área económica ou financeira. É uma zona residencial com algum pequeno comércio, onde as pessoas vivem e fazem o seu quotidiano”. Para concretizar a experiência, a artista vai registar tudo em vídeo e fazer o registo escrito no momento. Jenny Mok vai ter um quadro branco onde vai anotar todos os acontecimentos destas 100 horas de residência nos Três Candeeiros. “Vou ter um quadro em que

anoto de cinco em cinco minutos, ou de dez em dez, o que se está a passar. Por exemplo, se alguém fala comigo sobre um assunto, se alguém tem uma atitude, o que quer que seja, vai ficar registado”, disse. Estas anotações são também abertas aos transeuntes que por ali forem passando e “se as pessoas quiserem podem também escrever neste quadro o que entenderem e mesmo os seus pensamentos ou sentimentos acerca do que estão a ver”. No final dos cinco dias, o quadro com as anotações também estará disponível online. Desta forma a artista pretende ainda chegar a duas camadas de público: aquele que ali vive e que vai conviver com ela e os que podem assistir à performance à distância, através da internet.

“Estamos numa cidade em que tudo tem uma duração e nem nos lembramos disso. Algumas vezes a nosso conceito de duração das coisas também é muito individual. Aliás a duração de uma vida nem é assim tão longa e por isso o tempo que as pessoas dedicam às coisas é muito relativo”, apontou Jenny Mok. Por outro lado, considera, “as pessoas dão valor às coisas quando as perdem e quando alguma coisa acaba, de repente ganha valor e sente-se a sua falta”. Do lado oposto à nostalgia do que acaba, está a resistência à novidade, sendo que aqui as pessoas tendem a reagir com reservas e mesmo repúdio, apontou. Nesta performance vai existir um princípio, uma duração e um fim, Mok pretende perceber a reacção de quem vive naquela zona de Macau a esta situação que, sendo nova, de alguma forma dura no tempo, vai integrar a vida das pessoas e vai terminar. “É uma espécie de experiência em que pretendo colher informação colectiva acerca da forma como as pessoas percepcionam um acontecimento que entra na sua vida, como é que interagem com ele e que, passado pouco tempo, desaparece”, acrescentou. Além de ser uma experiência para si, trata-se ainda de um acontecimento que vai afectar quem vive nos Três Candeeiros. “Muitos dos residentes não vão gostar de me ver ali, e isso pode acontecer porque é um bairro já com a sua dinâmica própria e eu vou destabilizar esta dinâmica”, justificou. Por fim, “também vai ser interessante perceber as percepções da fronteira entre espaço pessoal e público, visto estar a viver ali, um espaço que é pessoal, mas que ao mesmo tempo está aberto a todos” rematou a artista.

O TEMPO DAS COISAS

Sofia Margarida Mota (com A.S.S.) Sofia.mota@hojemacau.com.mo

Em última análise “100 horas” pretende ser uma reflexão acerca da duração das coisas, apontou Mok.

FOTOGRAFIA EXPOSIÇÃO DE ROBERTO SANTANDREU EM LISBOA REVISITA ESTALEIROS DE LAI CHI VUN

O

S estaleiros de Lai Chi Vun, o maior grupo de estaleiros navais de Macau, estão em foco numa exposição de fotografia de Roberto Santandreu que é inaugurada a 17 de Janeiro na Casa da América Latina, em Lisboa. Intitulada “O Estaleiro”, a exposição apresenta uma proposta fotográfica com imagens marcadas pelo tempo, nas quais o autor partilha as vivências e sensações que teve ao fotografar os estaleiros abandonados de Lai Chi Vun. Na mesma exposição, que ficará patente até 1 de Março, segundo uma nota da organização, são igualmente

exibidas fotografias de frases manuscritas encontradas naquela histórica estrutura naval. Construídos a partir da década de 1950, os Estaleiros Navais de Lai Chi Vun são o maior grupo de estaleiros

navais de Macau, e considerados um dos maiores legados de património industrial da construção naval da região do sul da China. Os estaleiros apresentam técnicas e métodos relacionados com

a construção naval no final do século XIX, revelando igualmente a organização e o modo de vida da comunidade da vila de Lai Chi Vun e as influências que tiveram do sector da indústria naval.

Em 2017, o Instituto Cultural de Macau recebeu um pedido para iniciar o procedimento da classificação dos estaleiros navais, por iniciativa de um grupo local, e o projecto avançou no ano

passado para ser preservado como património cultural. Nascido em Milão, em 1948, de nacionalidade chilena, Santandreu trabalhou em Oslo e em Londres, fixando-se em Lisboa, em 1975.


10 china

14.1.2019 segunda-feira

CORRUPÇÃO REPATRIADOS MAIS DE MIL SUSPEITOS

A

China conseguiu a repatriação de mais de mil suspeitos de corrupção fugidos além-fronteiras e recuperar 519 milhões de dólares em ganhos ilícitos, no ano passado, parte da mais ampla campanha anti-corrupção da história da República Popular. O órgão máximo anti-corrupção do país informou que entre os 1.335 repatriados, 307 eram membros do Partido Comunista Chinês ou funcionários do Governo,

e cinco faziam parte de uma lista entregue por Pequim à Interpol. Entre estes constam Xu Chaofan, ex-gerente de uma sucursal do Banco da China na província de Guangdong, no sul do país, e suspeito de ter desviado 485 milhões de dólares, antes de ter fugido para os Estados Unidos, há 17 anos. Yao Jinqi, um antigo vice-chefe de condado, foi extraditado a partir da Bulgária, sendo o único fugitivo

repatriado desde um país da União Europeia. Desde que há quatro anos lançou a operação “Skynet”, visando suspeitos de corrupção evadidos além-fronteiras, a China conseguiu capturar 5.000 fugitivos. Só no ano passado, 621.000 pessoas foram punidas por corrupção no país, incluindo 51 quadros de nível ministerial ou superior, segundo a Comissão Central de Disciplina e Inspecção do PCC.

Acidente Desmoronamento em mina causa 21 mortos

O número de vítimas mortais após a derrocada do tecto numa mina de carvão na província de Shaanxi, no noroeste da China, subiu de 19 para 21, informaram ontem autoridades citadas pela agência de notícias Xinhua. As equipas de resgate encontraram os corpos dos dois mineiros que permaneciam presos no subsolo. O acidente aconteceu na tarde de sábado na mina de carvão de Lijiagou, na cidade de Shenmu, explorada pela empresa Baiji Mining Co., Ltd. Naquele momento, 87 pessoas estavam a trabalhar no subsolo. As autoridades indicaram que foi aberta uma investigação para apurar a causa do acidente.

PUB

No ano passado, o número de turistas que visitou a região registou um crescimento homólogo de 31,5%, para 33,68 milhões de pessoas, mas apenas 270.000 dos visitantes foram estrangeiros

TIBETE FACILITADO ACESSO DE TURISTAS À REGIÃO

Porta mais aberta

A

China vai facilitar o acesso dos turistas estrangeiros ao Tibete, visando aumentar em 50% as visitas à Região Autónoma, enquanto o acesso por diplomatas e correspondentes continuará a ser limitado, informou a televisão estatal CCTV. As autoridades pretendem reduzir para metade o tempo que demora a emissão da autorização necessária para turistas estrangeiros entrarem na região, um processo que demora, actualmente, pelo menos 15 dias, revelou o presidente do governo regional, Qi zhala, citado pela CCTV. Além do visto chinês, os estrangeiros precisam da uma autorização especial para visitar o Tibete, uma exigência que as autoridades justificam com as “tradições únicas da etnia tibetana, o património cultural, a capacidade de receber turistas e as necessidades de proteção ambiental”. No ano passado, o número de turistas que visitou a região registou um crescimento homólogo de 31,5%, para 33,68 milhões de pessoas, mas apenas 270.000 dos visitantes foram estrangeiros, segundo dados oficiais. Com cerca de três milhões de habitantes, o Tibete tem uma área equivalente

ao dobro da Península Ibérica, mas é há várias décadas palco de protestos e revoltas contra o domínio chinês, desde a sua ocupação por tropas da República Popular, em 1951. A região é mantida sob rigoroso controlo pelo Governo central e as autoridades locais, enquanto Pequim proíbe diplomatas e jornalistas estrangeiros de entrarem na região, excepto em visitas organizadas pelas autoridades ou pelo departamento de propaganda do Partido Comunista. Os turistas estrangeiros que querem visitar o Tibete, incluindo a capital Lhasa, têm de fazê-lo em grupo e acompanhados de um guia.

ACTO DE RECIPROCIDADE

O plano para facilitar o acesso à região surge depois de, em Dezembro passado, o senado dos Estados Unidos aprovar a Lei de Acesso Recíproco do Tibete (“Reciprocal Access to Tibet Act”). A normativa, que deverá ser aprovada pelo Presidente norte-americano, Donald Trump, prevê a proibição de entrada nos EUA de funcionários chineses que impeçam funcionários, jornalistas e outros cidadãos norte-americanos de viajarem livremente no Tibete. Segundo a organização com sede em Washington International Campaign for Tibet, mais de 150 tibetanos imolaram-se pelo fogo desde Fevereiro de 2009, em protestos contra o que classificam de opressão do Governo Chinês. Pequim considera que a região é desde há séculos parte do território chinês. O líder político e espiritual dos tibetanos, o Dalai Lama, que Pequim acusa de ter “uma postura separatista”, vive exilado na vizinha Índia, na sequência de uma frustrada rebelião contra a administração chinesa em 1959. Seguidores do Dalai Lama, que em 1989 foi galardoado com o Prémio Nobel da Paz, acusam Pequim de tentar destruir a identidade religiosa e cultural do Tibete.


desporto 11

TRANSFERÊNCIAS PANG CHI HANG REFORÇA CHAO PAK KEI

TATIANA LAGES

segunda-feira 14.1.2019

O

extremo Pang Chi Hang assinou pelo MUST Chao Pak Kei, optando por colocar um fim à ligação que tinha com o Benfica de Macau.A notícia foi confirmada pelo atleta de 25 anos, ao HM, e pelo proprietário da equipa, Stephen Chow. “Sim, posso confirmar que mudei. Não foi por nenhuma razão em particular. Mas senti que estava na altura de ter uma mudança na carreira”, disse Pang, ao HM. “Agora vou dar 100 por cento pelo Chao Pak Kei e temos de pensar em jogar para ganhar o campeonato”, acrescentou. Por sua vez, Stephen Chow deixou grandes elogios ao novo atleta da formação. “É um jogador fantástico, sem dúvida que está no topo dos jogadores em Macau. Estamos muito contentes por contar com ele na nossa equipa”, afirmou, em declarações ao HM. Esta é mais um troca que fragiliza os pentacampeões, depois de outras saídas como de Carlos Leonel, Hugo Silva, Edgar Teixeira e Yuri. Mesmo assim, Stephen Chow não descarta o favoritismo das águias para a vitória final na competição. “É muito cedo para se poder dizer que o Benfica vai ficar mais fraco e que isso se vai notar. Têm muitos jogadores com muita qualidade”, indicou. Como exemplos referiu o guarda-redes Batista e o lateral Vítor Almeida. Sobre um eventual favoritismo ao título do MUST C.P.K., o dirigente diz que a equipa vai entrar a pensar em vencer, mas nega ser o principal favorito. “É muito cedo para dizermos que somos os principais favoritos, até porque a época ainda nem começou. Mas vamos para participar, como de costume, para ganhar”, apontou. “Posso dizer que estou muito feliz com a nossa posição. Temos um plantel com muita qualidade”, reconheceu. J.S.F.

José Reis, director do Sporting de Macau “Os jogos às 19h00 são incompreensíveis. Os jogadores precisam de estar no relvado uma hora antes. Mas se trabalharem, a precisarem de se deslocar à hora de ponta, talvez precisem de sair dos trabalhos às 17h00...”

LIGA DE ELITE ARRANQUE NO DIA 23 COM O ENCONTRO ENTRE SPORTING E HANG SAI

Regresso aos relvados

O campeonato começa numa quarta-feira, no Canídromo, e nesse dia o Benfica de Macau tem pela frente o Ka I. Mas os jogos às 19h00 dos dias da semana deixam equipas e jogadores desagradados e em dificuldades

O

encontro entre Sporting de Macau e Hang Sai vai marcar o início da Liga de Elite, em que o Benfica procura o hexacampeonato. O primeiro jogo do principal escalão do futebol local em 2019 está agendado para as 19h00 de quarta-feira, dia 23 de Janeiro, no Canídromo. Ainda no dia de arranque do campeonato, decorre o primeiro jogo grande, com o Benfica a ter pela frente o Ka I, que volta a contar com o técnico Josecler. A partida está agendada para as 21h00, ou seja logo a seguir ao Sporting-Hang Sai. O sorteio da competição decorreu na sexta-feira e definiu que a liga ia abrir com dois encontros entre equipas com aspirações a um lugar no top três. Assim, além do Benfica de Macau-Ka I, MUST Chao Pak Kei e Ching Fung vão defrontar-se na quinta-feira, 24 de Janeiro. A partida está agendada para as 19h00, no Estádio do Canídromo e é seguida pelo encontro Sub-23 e Tim Iec, às 21h00. A primeira jornada chega ao fim com a partida entre Monte Carlo e a Polícia, às 19h00, no Estádio do Canídromo. Além da primeira jornada, ficaram igualmente definidas as datas da segunda jornada. Os

encontros vão decorrer entre 30 de Janeiro e 1 de Fevereiro, ou seja, a jornada volta a ter lugar nos dias da semana, com início à quarta-feira. O horário dos jogos coloca reservas às equipas, uma vez que há atletas que não são profissionais e têm outros empregos. Com partidas às 19h00, os jogadores têm de estar às 18h00 no Canídromo, tarefa vista quase como impossível para quem trabalha no horário entre as 9h00 e as 18h00. “Talvez sinta alguma desilusão pelo campeonato ser disputado no Canídromo durante os dias da semana. Estou preocupado com o horário das 19h00, porque não sei se conseguimos sair dos respectivos empregos à hora de ponta e chegar a tempo da equipa aquecer de forma adequada e começar o jogo”, explicou Duarte Alves, director do Benfica de Macau, ao HM. Preocupação semelhante foi partilhada pelo director do Sporting de Macau, José Reis. “Os jogos às 19h00 são incompreensíveis. Os jogadores precisam de estar no relvado uma hora antes. Mas se trabalharem, a precisarem de se deslocar à hora de ponta, talvez precisem de sair dos trabalhos às 17h00...”, disse. “Acho que vai acontecer o que aconteceu há dois

ou três anos em que as equipas começavam com oito atletas e os outros iam chegando com o jogo a decorrer”, acrescentou.

CLÁSSICO À 8.A JORNADA

Em relação aos encontros grandes, o Benfica, depois de começar a Liga diante do Ka I, vai ter pela frente o MUST C.P.K. à quarta jornada, naquele que se antevê como um dos grandes encontros da Liga deste ano. Duas jornadas depois, à sexta, as águias vão ter pela frente o Ching Fung, finalista vencido da Bolinha do ano passado. À oitava jornada está agendado o grande clássico com águias e leões a defrontarem-se. Ainda não há datas para os jogos. “Acho que vai ser uma época bastante competitiva, com mais equipas a investir e a nossa mudança de estratégia [desinvestimento] para 2019”, anteviu Duarte Alves, sobre a temporada. Quanto ao Sporting de Macau, o início do campeonato é mais fácil, com Hang Sai, Tim Iec e Sub-23 a serem os adversários das primeiras três jornadas. Contudo, à quarta surge o primeiro grande desafio, diante do Ching Fung. Logo a seguir os leões têm pela frente o Ka I e na jornada seguinte defrontam a Polícia, num encontro que se antevê extremamente

físico. A primeira volta termina com uma prova de fogo para o Sporting com encontros diante Monte Carlo, Benfica de Macau e MUST Chao Pa Kei. “O ano passado tínhamos um calendário mais equilibrado. Vamos ter um final mais complicado este ano e vai ser importante somar pontos nos primeiros jogos das duas voltas, para depois defrontar o Ching Fung [à quarta jornada] mais motivados”, reconheceu José Reis. Já o C.P.K começa com o Ching Fung, num teste difícil, e volta aos jogos grandes à quarta jornada, diante do Benfica. À sétima e nona jornadas, a equipa candidata ao título tem depois pela frente Ka I e Sporting de Macau, respectivamente. A ordem da primeira jornada volta a repetir-se na segunda, o que significa que equipas como Chao Pak Kei e Sporting podem enfrentar os momentos das grandes decisões com um calendário com vários dos principais jogos. “Começamos com o Ching Fung e sabemos que vai ser um jogo difícil. Têm uma equipa muito boa e reforçaram-se bem com o William. Vai ser um jogo muito difícil”, anteviu o proprietário da equipa, Stephen Chow. João Santos Filipe

joaof@hojemacau.com.mo


12

h

14.1.2019 segunda-feira

Preciso ser um outro para ser eu mesmo Paulo Maia e Carmo texto e ilustração

O inclassificável pintor Tang Yin

F

ENG Menglong (1574-1646) era originário de famílias nobres de burocratas cultos de Suzhou (Jiangsu), mas a sua rebeldia tê-lo-á impedido de seguir a esperada carreira de funcionário imperial. Seria tutor e professor mas a posteridade conhecê-lo-ia pelo seu talento de escritor. A sua obra, onde se destacam os três contos de histórias «Para instruir o mundo», «Para prevenir o mundo» e, «Para acordar o mundo», granjear-lhe-ia a fama que lhe permitiria o reconhecimento oficial, com a nomeação finalmente como magistrado, função que exerce-

Tang Yin (1427-1509) viveu uma vida tão romanesca e excêntrica que rapidamente passou ao folclore, porém a sua pintura alcançaria grande aceitação entre os ricos proprietários de terras e os altos funcionários imperiais de Suzhou, apesar de estar associado a um escândalo de fraude nos exames imperiais, pelo qual seria destituído da carreira oficial. Esse acolhimento atestava a proverbial sofisticação da dinastia Ming, quando estava subentendido que quem fazia as regras tinha direito a quebrá-las. Tal não seria no entanto aceitável

Tang Yin (1427-1509) viveu uma vida tão romanesca e excêntrica que rapidamente passou ao folclore, porém a sua pintura alcançaria grande aceitação entre os ricos proprietários de terras e os altos funcionários imperiais de Suzhou ria entre 1634 e 1638 em Shouning (Fujian). Aí ficaria registado o valor do seu carácter quando fez proibir a absurda prática do infanticídio através do afogamento de meninas no rio. Da sua biografia também consta uma paixão funesta por uma famosa prostituta que seria resgatada por um rico negociante o que conduziria ao fim do improvável amor. Um facto porém, que teria influenciado os seus retratos de mulheres fortes e inteligentes. Talvez uma imaginativa resolução feliz dessa história se possa entender na peça «Três palavras» onde o protagonista é o pintor Tang Yin, que se apaixona por uma jovem que vê passar num navio de um alto funcionário em Suzhou. Tang Yin far-se-ia então vender como escravo à casa desse funcionário de modo a poder chegar perto dela. Com a ajuda de amigos, conseguirá por fim resgatá-la. Um episódio igualmente relatado na ópera «Os três sorrisos».

para Dong Qichang (1555-1636), o mais influente teórico que estabeleceu a definitiva ortodoxia sobre a pintura e que nunca o mencionará. A pintura de Tang florescerá num espaço de ambiguidade a vários níveis. No rolo horizontal que pintou depois de 1498, «Despedida em Jinchang», mostra um alto funcionário prestes a embarcar para Pequim perante o qual quinze figuras em traje oficial fazem a cerimonial inclinação da cabeça. A pintura foi provavelmente encomendada por estes funcionários, para oferecer como presente de despedida ao poderoso amigo, com o objectivo de reforço da relação entre todos. Mas Tang, um wenren, não era suposto fazer pinturas de encomenda, estatuto reafirmado na longa inscrição que acompanha a pintura, a sua orgulhosa caligrafia tinha a sedução da fantasia, adequada à vida de uma lenda.


ARTES, LETRAS E IDEIAS 13

segunda-feira 14.1.2019

José Simões Morais

Emigração de menores chineses

O

Procurador Júlio Ferreira Pinto Basto enviou o seguinte ofício ao secretário-geral do governo de Macau, Sr. Henrique de Castro: <Em 28 de Janeiro de 1872 tive a honra de dirigir a V. S.a um ofício no qual informando um requerimento de César del Rio, em que pedia a S. Exa o Governador permissão para fazer embarcar menores para o Peru, expus que julgava conveniente que se estabelecesse como regra geral só serem aceites menores a emigrar, quando fossem apresentados pelos próprios pais e, sendo órfãos, pelas pessoas que os representassem. Até essa data estava estabelecido deixá-los emigrar, quando nos exames a que aqui se procedia, mostravam espontaneidade e prestando a pessoa que os apresentava fiança idónea para qualquer reclamação, a haver sobre os menores depois de embarcados. Era também anteriormente à citada data esta emigração quase diminuta. Começou a aumentar este ano e com esse aumento, como era natural, tentaram-se os abusos que motivaram a minha informação no já citado ofício. Desde essa data regularizou-se este serviço merecendo sempre a minha vigilante atenção, e parece-me poder asseverar a V. S.a que algum abuso, que por ventura tivesse havido, anteriormente, ficou completamente extirpado. Só se aceitam emigrar menores depois de cabalmente averiguada a sua espontaneidade, e que a pessoa que os apresenta é seu pai ou mãe, e no caso de orfandade a pessoa que os representa, devendo esta ser tio ou irmão maior. Para se chegar a este conhecimento empregam-se os meios seguintes, que me parecem profícuos. Isolado o menor em casa separada da pessoa que o apresenta é-lhe perguntado o seu nome, idade, naturalidade, profissão, o modo por que veio a Macau, o nome da pessoa que o apresenta, o seu modo de vida, a terra em que vivia e muitas outras coisas neste sentido. São escritas as respostas que o menor dá a cada pergunta. Em seguida fazem-se à pessoa que o apresenta as mesmas perguntas que a este e devem as respostas combinar exactamente, sem que o que se não aceita o menor a emigrar. Tanto a pessoa que apresenta o menor como a que o contrata prestam fianças idóneas. A primeira responsabilizando-se por alguma reclamação que por ventura possa ainda haver por parte de algum outro parente do menor, e a segunda por que as estipulações do contrato sejam fielmente observadas pelo patrão do menor. Os contratos são em triplicado sendo entregues um ao menor, outro à pessoa que o engaja e o terceiro remetido à essa secretaria para ser enviado ao

cônsul português no país onde o menor se destina, para tomá-lo debaixo da sua protecção e vigiar que sejam observadas as cláusulas ali estipuladas. O contrato garante ao menor um salário mensal de $4 durante 8 anos, uma educação moral e religiosa, assistência médica e ser empregado apenas como criado de casa. Desde o 1.º de Janeiro até ao último de Julho do corrente ano tem emigrado por esta repartição 97 menores. Sendo 15 para Havana e 82 para o Perú, contando neste último número 11 raparigas. Por informações colhidas nesta repartição de chineses vindos do Perú e Havana consta que estes menores são ali muito bem tratados, sendo-o alguns como filhos dos seus patrões. É costume entre os chineses venderem e mesmo darem os seus filhos, quando se vêem sem meios: e por isso não deve admirar que os próprios pais os venham apresentar a emigrar. Debaixo deste ponto de vista a emigração dos menores bem fiscalizada e regulada, como se acha actualmente, é altamente moral e civilizadora. O pai, que iria sacrificar o filho a uma escravidão perpétua vendendo-o, dá-lhe a liberdade e a fortuna contratando o seu serviço sob condições vantajosas. Geralmente são admitidos a emigrar a terça parte dos menores, que aqui são apresentados, e que se propõem emigrar. Os que deixam de emigrar são rejeitados geralmente porque a incoerência ou contradição das respostas dadas pelo menor e pela pes-

soa que o apresenta, faz suspeitar que ela seja um falso parente e um embusteiro. A pessoa que vem contratar os menores apenas paga pelo serviço que se faz nesta repartição cinquenta avos ao escrivão, que faz o termo de fiança, além do selo de duzentos réis por cada contrato que é pago na fazenda e o respectivo registo.” Como o serviço fora montado na Procuratura dos Negócios Sínicos de Macau exclusivamente pelo Procurador Pinto Basto, pergunta este se merece aprovação. Pelo secretário do Governo, o Governador respondeu no dia seguinte dizendo aprovar provisoriamente o modo como é regulado esta emigração limitada e excepcional.

RECEITAS DA EMIGRAÇÃO

“Se um navio estrangeiro vem à China buscar trabalhadores, o número que cada navio há-de transportar é fixado de um modo determinado, e o aliciador de culis faz um contrato, marcando-se dia certo para a saída do navio, devendo nesse dia estar preenchido o número. Quando o aliciador tem já celebrado o seu contrato, vai procurar em cada aldeia e cada distrito um aliciador subalterno, e faz com ele outro contrato. Cada aliciador subordinado deve fornecer um número certo de culis, segundo o tempo fixado no seu contrato. Se no dia designado se passar sem que o aliciador apresente o número de culis a que se comprometeu, exige-se do principal aliciador o pagamento do dinheiro pela

Os documentos consulares de 1872 referem terem partido de Macau 33 navios com 13.476 colonos, morrendo na viagem 625 e em 1873, 24 barcos transportaram 13.918, chegando menos 645

carta de fretamento do navio, pelas despesas feitas com arroz e mais alimentos, e por qualquer dinheiro que adiantadamente possa haver recebido, bem como os competentes juros por cada parcela das despesas. Então o principal aliciador vai ter com o seu subordinado para que o indemnize.” Exige ser ressarcido, obrigando-o “a desfazer a sua casa e a dissipar o seu património, vendendo mulheres e filhos, e além disso a suprimir a diferença que faltar.” Assim quando o tempo urge, inventa ardis, “Ou emprega drogas que os tornam insensíveis, ou usa de dolo, ou à força rouba os culis. Põe em prática toda a sorte de malefícios e repete-os indefinidamente. Tem pressa de completar o número e de acabar com a sua responsabilidade. É levado a isso pela força das circunstâncias”, segundo Andrade Corvo no seu Relatório e Documentos, a fonte de grande parte do que apareceu escrito nos artigos anteriores. Os documentos consulares de 1872 referem terem partido de Macau 33 navios com 13.476 colonos, morrendo na viagem 625 e em 1873, 24 barcos transportaram 13.918, chegando menos 645. As receitas do governo de Macau resultantes da emigração eram entre outras, por cada colono $1 por passaporte e meia pataca por contrato. A 24/10/1872, o Rei aceitou o acordo feito pelo Governador com os agentes da emigração, a substituir por um só imposto (3,5 patacas) algumas das verbas das licenças pagas por estes. Da Superintendência da emigração chinesa de Macau, em 1872 foram enviados 21.854 chineses às autoridades de Cantão a fim de serem repatriados para as suas terras de origem. Pelas ruas de Macau, só em 1873 foram encontrados 292 mortos, sendo a maioria culis inválidos provenientes dos depósitos, que eram abandonados em vez de serem repatriados.


2 TEMPO

C H U VA

?

FRACA

O QUE FAZER ESTA SEMANA

Sábado 37 MÚSICA | “SAUDAÇÃO A RICHARD STRAUSS” PELA 8 4 DE9MACAU 0 E5TIANWA 3 YANG 1 ORQUESTRA Centro 2 Cultural 3 1de Macau 7 6| 20h0 4

2 7 8 9 4 2 5 9 3 6 0 7 1 Diariamente 1 |8MÚSICA 0 URBANA 6 7INTERACTIVA 9 2 5 4 FRINGE Praça 5 Jorge 6 Álvares 4 3| Até127/018 7 9 2 7 9 8 2 0 1 6 3 5 EXPOSIÇÃO | “A STATE OF BLISS” DE ZHAO QIAN 9 0Rui3Cunha4| Até821/017 5 1 6 Fundação 6 5 7 1 2 4 8 0 3 EXPOSIÇÃO 0 1 | PAISAGEM 6 5 MUTANTE 9 2 3 4 8 Museu de Arte de Macau | Até 10/02 3 7 2 8 4 5 9 6 0

6 5 8 3 0 4 2 9 7 1

EXPOSIÇÃO | JARDIM BRILHANTE Museu de Arte de Macau | Até 24/02

8 9 6 2 4 5 3 1 0 7 4 3 8 7 4 9 0 1 6 2 5 2 5 0 1 6 9 4 8 7 3 6 2 9 5 1 7 0 3 4 8 Cineteatro 0 4 8 3 7 1 9 5 6 2 9 3 4 6 5 2 8 7 1 0 7 0 1 8 2 4 5 9 3 6 4 7 5 9 3 6 2 0 8 1 1 6 2 0 8 3 7 4 5 9

EXPOSIÇÃO | “REENCARNAÇÃO” DE ALLEN WONG 5 1Macau3 7 0 8 6 2 9 Creative

C I N E M A

7 3 0 4 6 8 1 9 5 2

8 9 6 3 4 2 0 5 1 7

2 6 9 1 7 5 3 8 4 0

0 5 8 2 3 1 4 7 9 6

1 4 7 5 0 9 6 2 8 3

5 0 4 7 2 3 8 1 6 9

3 8 2 0 1 6 9 4 7 5

9 1 5 6 8 7 2 3 0 4

6 7 3 8 9 4 5 0 2 1

4 2 1 9 5 0 7 6 3 8

THE POOL SALA 1

MORE THAN BLUE [B] FALADO EM PUTONGHUA LEGENDADO EM CHINÊS E INGLÊS Um filme de: Gavin Lin Com: Jasper Liu, Ivy Chen 14.30, 21.30

THE POOL [C] FALADO EM TAILANDÊS LEGENDADO EM CHINÊS/INGLÊS Um filme de: Ping Lumpraploeng Com: Theeradej Wongpuapan, Ratnamon Ratchiratham 16.30, 19:30 SALA 2

16

MAX

21

HUM

8 70-956 % 9 0

0

38 7 0 5 2 9 4 8 1 6 3

1 8 4 7 2 3 6 5 0 9

6 3 9 1 7 8 2 0 4 5

5 4 6 8 1 0 3 9 2 7

2 9 0 3 5 6 7 4 1 8

9 6 7 5 0 1 4 3 8 2

4 5 2 6 3 7 0 8 9 1

3 7 8 4 6 9 1 2 5 0

O CARTOON STEPH 40

8 2 1 0 4 5 9 7 3 6

0 1 3 9 8 2 5 6 7 4

Com: Yuki Yamada, Asuka Saito, Honoka Matsumoto, Takara Sakumoto 14.30, 16.30, 21:30

BUMBLEBEE [B] Um filme de: Travis Knigth Com: Hailee Steinfeld, John Cena, Jorge Lendeborg Jr 19:15

5 4 2 7 8 1 6 0 3 9

7 9 0 5 4 6 3 8 2 1

2 0 6 9 7 3 4 1 5 8

1 3 4 8 2 0 9 5 6 7

8 6 1 3 5 9 7 2 0 4

SOLUÇÃO DO PROBLEMA 40

9 2 5 6 1 8 0 4 7 3

4 1 7 0 9 5 2 3 8 6

0 7 3 2 6 4 8 9 1 5

42

1 6 FILME 8 0 7 HOJE 3 2 5 UM 2 4 5 3 9 6 1 0 9 1 7 2 8 0 4 9 8 6 7 5 3 0

Protagonizado por Matt Damon Waltz, 4 5e Christoph 0 6 3 7 “Downsizing” tem como 6 0 uma 3 solução 7 2 ori-1 premissa ginal 8 9para1os 5problemas 4 2 ambientais resultantes do ex5 de 8 população: 9 1 reduzir 0 4 cesso o3 tamanho 7 das 2 pessoas 4 6 para9 pouco mais de 12 centíme0 Alexander 2 4 9Payne, 5 que8 tros. também realizou “Side7 3 6 8 1 5 ways”, trouxe de novo para o grande ecrã um filme pleno de humor negro com um argumento do qual tudo se pode esperar. Salpicado por algumas escolhas narrativas erráticas, “Downsizing” não é uma obra-prima, mas também não é um desperdício de tempo. Um bom filme para uma preguiçosa tarde de domingo. João Luz

6 2 9 7 3 8 1 4

3 8 9 1 0 7 5 6 4 2 4 7 3 8 5 0 2 1 6 9

6 5 8 4 3 2 1 7 9 0 9 8 5 1 4 3 6 0 7 2

7

5 7 6 0 4 5 3 4 9 3 6 0 5 9 0 7 0 7 9 5 4 2 3 5 • E U R O 9 . 2 6 B A H T 0 . 2 5 Y U 4 3 7 9 2 9 5A N0 8 2 6 3 5 4 6 1 3 8 7 1 6 8 7 4 VIDA DE CÃO 1 2 4 8 1 0 4 3 5 9 2 3 7 4 2 O RETORNO 0 9 7

43

41

45

5 12 4 2 51 27 3 9 0 7 9 76 8

3 4 6 1 5

83 4 66 0 1 7 9 58 5 72

64 7 3 00 92 1 48 6 5 9

6 68 7 4 73 9 32 5 40 1

PROBLEMA 41

47 8 9 4 7 1 2 3 0 6 5

14.1.2019 segunda-feira

7

39

DE

39

41

MIN

4

38

1 6 9 5 7 3 8 2 0 4

28 3 49 6 54 5 1 87 90 02 05 7 89 28 6 2 41 0 4 63

7 3 1 2 5 0 6 4 9 8

6 9 2 7 10 78 53 25 31 4 1 0 5 2 04 98 3 27 9 36 4 5 0 3 8 6 9 1 7 2

1 80 05 98 79 16 4 2 7 3 59 2 41 3 25 30 6 4 7 8

0 2 6 8 9 4 5 7 3 1

39 65 16 3 8 92 7 51 4 70 32 3 0 09 7 6 95 41 8 54

2 8 7 1 0 9 4 6 5 3

7 6 8 85 3 54 72 0 9 41 7 11 3 65 0 74 8 6 02 9 3 0 8 6 2 7 1 5 4 9

2 94 7 9 1 60 16 3 88 5 68 6 34 7 2 3 0 09 1 15

9 4 3 0 6 5 2 8 1 7

0 8 51 32 5 7 09 4 3 6 0 29 2 91 8 05 74 3 36 7 6 1 5 9 4 8 7 3 2 0

3 1 0 4 6 9 5 8 2 7

S U D O K U

37

14 (f)utilidades

4 5 8 6 9 1 7 2 3 0 5 7 2 4 3 1 0 9 8 6

1

4 8 5 7 8 3 9 1.19 8 2 5 2 6 9 5 1 6

Pé ante pé, como quem se habitua a um choque térmico, regressamos ao trabalho com 40 um calendário novo pela frente. 2019 afigura-se como um ano de profundas 5 76 um 91 o7mundo. 9 pouco 5 8por 3 todo 8 34 mudanças Tal como em Portugal, 2019 trará 4 8 37 2 0 15 3um 1 Executivo novo para os próximos anos que se adivinham 19 54 Um 2 0 8desafiantes. 6 pouco 5 7 por todo o mundo várias bolhas especu83 além 36 do 65 limite. 08 Wall 7 1 para 4 2 lativas incham Street, 4 o mercado imobiliário chinês, 8 72 24 7 9 91 6 a0 guerra comercial e toda a conectividade 63 5global 0 alicerçada 1 6 na9infinita 2 78 da1 economia ganância de entidades sem alma. Por 31 46 92 0 7 23 89 5 cá, vários assuntos terão o seu zénite. Ficaremos 0 85 a3saber9se Macau 4 8 terá2mesmo 0 6 o Metro Ligeiro a acrescentar uma alter3 ao 57 6 leque 0 reduzido 5 de 3 transportes 4 1 9 nativa públicos, terá mais 1 9 veremos 4 1se 4Sulu 8 32Sou 0 7 23 processos em tribunal, se o IAM saberá resolver os típicos berbicachos de natureza autárquica. 2019 é também o ano para 42 concretizar, ou dar nitidez, a projectos de dimensão 63 considerável 39 a2Grande 5 7 71 como 8 44 Baía. 2019 afigura-se também como o 2da 0 54 6 92e entronização 68 3 07da 9 ano materialização loucura nas mais altas esferas políticas. 14 3 25 89 02 40 6 31 Vem aí o relatório Mueller sobre as ligações entre 07 0e a 8Rússia, 6 Trump 1 Bolsonaro 5 2 3 terá a oportunidade para implementar 6 07 das32bizarrias 9 5 de0cowboy 6 91que58 algumas anunciou durante a campanha eleitoral, 8 91 16 8 4 3 7 70 as05 instituições europeias vão ter de acordar 91 Bannon, 34 0 3 7 para 6 a 9iminente para o 5 efeito dissolução das fundações democráticas 79 8 42 60 94 51 3 16 e para o crescimento da extrema-direita. Por0cá, este uma 2 49 afigura-se 87 mais 8 ano 1 53 como 4 15 temporada debaixo da protecção do lótus, 3 5 8 tivesse 2o mundo 0 4em16convulsão 9 97 como se lugar numa realidade paralela. João Luz

44

46

48 5 4 2 9 1 7 3 8 6 0

9 6 4 3 2 0 1 7 5 8

0 8 7 1 3 6 5 9 4 2

3 7 0 5 4 8 6 2 9 1

2 1 8 6 5 9 0 4 7 3

6 3 1 2 7 5 9 0 8 4

7 9 3 0 8 1 4 6 2 5

DOWNSIZING | ALEXANDER PAYNE

SALA 3

A DOG’S WAY HOME [A] Um filme de: Charles Martin Smith Com: Bryce Dallas Howard, Ashley Judd, Alexandra Shipp 14.30, 16.30, 21:30

YOU ARE THE APPLE OF MY EYE [B]

RALPH BREAKS THE INTERNET: WRECK-IT RALPH 2 [A]

FALADO EM JAPONÊS LEGENDADO EM CHINÊS/INGLÊS Um filme de: Yasuo Hasegawa

FALADO EM CANTONÊS Um filme de: Rich Moore, Phil Johnson 19.15

www. hojemacau. com.mo

Propriedade Fábrica de Notícias, Lda Director Carlos Morais José Editor João Luz; José C. Mendes Redacção Andreia Sofia Silva; Diana do Mar, João Santos Filipe; Sofia Margarida Mota; Vitor Ng Colaboradores Amélia Vieira; António Cabrita; António Castro Caeiro; António Falcão; Gonçalo Lobo Pinheiro; João Paulo Cotrim; José Drummond; José Navarro de Andrade; José Simões Morais; Luis Carmelo; Michel Reis; Nuno Miguel Guedes; Paulo José Miranda; Paulo Maia e Carmo; Rui Cascais; Rui Filipe Torres; Sérgio Fonseca; Valério Romão Colunistas António Conceição Júnior; David Chan; João Romão; Jorge Morbey; Jorge Rodrigues Simão; Leocardo; Paul Chan Wai Chi; Paula Bicho; Tânia dos Santos Cartoonista Steph Grafismo Paulo Borges, Rómulo Santos Ilustração Rui Rasquinho Agências Lusa; Xinhua Fotografia Hoje Macau; Lusa; GCS; Xinhua Secretária de redacção e Publicidade Madalena da Silva (publicidade@hojemacau.com.mo) Assistente de marketing Vincent Vong Impressão Tipografia Welfare Morada Calçada de Santo Agostinho, n.º 19, Centro Comercial Nam Yue, 6.º andar A, Macau Telefone 28752401 Fax 28752405 e-mail info@hojemacau.com.mo Sítio www.hojemacau.com.mo

4 0 5 8 6 2 7 1 3 9

62 9 3 0 5 27 4 71 98 6

0 6 1 9 3 4 8 7 2 5

0 81 7 9 4 32 8 5 76 3

6 5 8 4 3 9 2 7 0 1

1 2 6 4 9 3 8 5 0 7

8 5 9 7 0 4 2 3 1 6


opinião 15

segunda-feira 14.1.2019

PACHECO PEREIRA in publico

U

M dos problemas do jornalismo contemporâneo português é a sua pouca atenção à informação e a sua substituição pela opinião. A opinião é um elemento importante do tecido democrático que estende pelo espaço público o debate, mas não substitui a informação, o velho programa do jornalismo de “quem, o quê, quando, onde, porquê e como”. Ora o que se está a passar é uma contínua degradação da informação e, pior do que isso, da “vontade de informar”, em detrimento de uma informação opinativa, uma forma de “narrativa” que envolve subjectivamente o seu autor naquilo que relata, e o prende a uma sucessão de opiniões e a uma escassez ou deturpação de informações. Já tenho várias vezes denunciado esse processo que se tem acentuado à medida que as redacções se tornam mais desertificadas, mais hierarquizadas e mais feudalizadas. E é um processo mais grave na imprensa de referência. Quem cobre um partido, ou uma área da cultura, ou do espectáculo, ou uma manifestação de rua, é hoje pouco mais do que um jornalista ou dois, e muito menos uma equipa, mesmo nos grandes jornais. Esse(s) jornalista(s) é (são) “especializado(s)” num assunto, o que em si é positivo, mas detêm o controlo da “narrativa” sobre esse assunto, o que é mau. Isto soma-se ao efeito do “jornalismo de rebanho” que isola as opiniões solitárias e tende a uniformizar o produto final, e a diminuir o pluralismo. São eles também que falam com as “fontes”, muitas delas abusivamente anónimas, e com todos os problemas que essa relação tem, havendo quase sempre uma espécie de tradoff entre jornalista e «fonte». E não adianta rasgar as vestes porque toda a gente sabe que é assim, a que acresce a relação muito menos transparente com as agências de comunicação. Ainda me estão por explicar por que razão quando uma empresa, um escritório de advogados, uma consultora, paga a uma agência de comunicação consegue “colocar” as suas notícias e quem não tem ou não paga o serviço, não consegue publicar nada, independentemente do seu valor informativo. Os casos mais evidentes são as páginas especializadas, por exemplo, do jornalismo económico. Existe jornalismo tendencioso por simpatia política, mas nem sequer é disso que estou a falar, embora o produto final possa caber nessa categoria. Um exemplo, do falhanço de informação, que neste caso não cumpriu a obrigação de informar, foi o

KER XAVIER ROUSSEL, READING THE NEWSPAPER EDOUARD VUILLARD

No jornalismo o mais importante é a informação

completo desconhecimento na campanha eleitoral brasileira para as presidenciais em Portugal, de que havia uma forte simpatia a favor de Bolsonaro, que depois se revelou nas urnas. Os nossos jornais dedicaram muito mais atenção ao PT, nem sequer se interessando por um fenómeno também nacional. Mas voltando à feudalização crescente nos jornais - o jornalista A “manda” no que se publica sobre a Europa, o B sobre a crítica de livros, o C sobre o PS, etc. - e condiciona a “narrativa” sobre essa matéria, e nesse caso acaba por ser envolvido no que escreve. Se diz que um autor ou um artista são muito bons, muito dificilmente dirá que são maus, mesmo que as suas obras futuras sejam de inferior qualidade. O mesmo se passa com a apreciação das pessoas em que factores de simpatia ou antipatia são inevitáveis e acabam por condicionar a “narrativa”. O que acontece é que se algum facto ou actuação colocar em causa a apreciação

jornalística, quem fica em causa é também o jornalista, porque algures cometeu um erro de julgamento ou de apreciação, ou porque se envolveu tanto com uma opinião pessoal ou de grupo, que não pode, consegue ou deseja sair desse casulo em que se meteu. E é por isso que as “narrativas” não mudam, porque há uma resistência psicológica à mudança, quando ela põe em causa todo um perfil, toda uma série de apreciações, toda uma sucessão de opiniões. É por isso quando alguém é bom, ou esperto, ou hábil, ou responsável,

Com a escassez de pessoas e o pouco trabalho de equipa, a feudalização e o mandarinato, os jornais são sucessões de opiniões com muito pouca informação por trás

fica sempre assim, porque não são os factos que mandam, mas o julgamento opinativo do jornalista. E quem é mau, ignorante, desleixado, incompetente, fica também sempre assim, pelas mesmas razões. Com a solidificação da “narrativa”, os factos deixam de contar porque ou são híper-valorizados para acentuar uma opinião, ou são ignorados se se tornam “factos incómodos”, porque colocam em causa a apreciação que o jornalista tem feito, nalguns casos de há muito tempo para cá. Não é difícil fazer uma lista de amizades, ódios, gostos e desgostos, em que se percebe bem demais a simpatia ou a antipatia em todas as áreas do jornalismo. Com a escassez de pessoas e o pouco trabalho de equipa, a feudalização e o mandarinato, os jornais são sucessões de opiniões com muito pouca informação por trás. No caso dos jornalistas individuais, isto pode ser psicologicamente compreensível, mas é mau jornalismo.


É preciso sempre estragar um pouco o quadro para terminá-lo. Eugène Delacroix

PALAVRA DO DIA

Carros eléctricos Mais vinte postos de carregamento

HUAWEI DESPEDIDO FUNCIONÁRIO DETIDO NA POLÓNIA POR ESPIONAGEM

A Companhia de Electricidade de Macau (CEM) tenciona ter em funcionamento ainda este mês mais vinte postos de carregamento de baterias de carros eléctricos. De acordo com o Jornal Ou Mun, as duas dezenas de postos de carregamento estão a ser instalados ao ar livre em cinco zonas do território: Fai Chi Kei, Estrada da Bela Vista, ZAPE, e em dois locais na Taipa. Neste momento, aponta a CEM, os postos estão em fase de testes.

O

Alfândega Detidas 12 pessoas por entrada ilegal

Os Serviços de Alfândega (SA) detectaram no início do mês quatro casos de imigração ilegal que envolvem a entrada de 12 pessoas no território. Tratavam-se de pessoas oriundas da China continental com idades compreendidas entre os 23 e os 43 anos. Entre os suspeitos detidos, dois são ainda acusados do crime de auxílio à imigração ilegal.

Crime Apreendidos mais de 15 mil cigarros

Os Serviços de Alfândega (SA) detiveram no passado dia 7, na fronteira das Portas do Cerco, uma turista que transportava mais de 15 mil cigarros alegadamente destinados ao contrabando. A mulher, titular do salvo-conduto para deslocação a Hong Kong e Macau, com mais de 40 anos de idade, admitiu ter sido paga para transportar os cigarros de Zhuhai para Macau. Segundo um comunicado emitido pelas autoridades, a suspeita já foi várias vezes acusada de contrabando no ano passado.

MICE Confiança na expansão internacional

PUB

O Instituto de Promoção do Comércio e do Investimento de Macau (IPIM) acredita que o projecto da Grande Baía vai permitir a expansão internacional da indústria MICE (reuniões, convenções e exposições). Foi o que afirmou, segundo um comunicado divulgado ontem, a presidente substituta do IPIM, Irene Lau, durante um discurso num fórum sobre cooperação internacional, em Qionghai, na província de Hainão. Para a dirigente do IPIM, encontram-se reunidas as condições para que a indústria de eventos conquiste outros mercados internacionais, como o dos países lusófonos, com o novo projecto de integração regional, que aspira a tornar Macau, Hong Kong e nove cidades da província de Guangdong, numa metrópole de nível mundial.

segunda-feira 14.1.2019

O relatório [do CCPPC] de 2018 visou a educação patriótica no ensino não-superior e é nesse sentido que é sugerida a criação de um centro de educação nacional “de larga escala”

Amor em “larga escala” Membros do CCPPC querem construir Centro de Educação Nacional em Macau

L

IU Chak Wan, Ma Iao Lai e Leong Wa, na condição de membros permanentes do Comité Nacional da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês (CCPPC) defendem a construção de um “complexo de larga escala” dedicado à educação nacional dos alunos. A ideia dos empresários, revelada na sexta-feira depois de um encontro com o Chefe do Executivo, tem como objectivo criar um espaço onde as escolas possam levar os alunos para educá-los sobre a pátria. Na sexta-feira passada, Chui Sai On reuniu-se com os membros de Macau do CCPPC para receber o relatório dos trabalhos efectuados em 2018. O encontro contou com a presença da irmã de Ho Iat Seng, Ho Teng Iat, na condição de vice-presidente do Comité de Ligação Com Hong Kong, Macau Taiwan e Chineses

Ultramarinos, e ainda de Chui Sai Cheong, coordenador-Adjunto da Comissão Económica da CCPPC. O relatório de 2018 visou a educação patriótica no ensino não-superior e é nesse sentido que é sugerida a criação de um centro de educação nacional “de larga escala”, de acordo com comunicado do Gabinete de Comunicação Social. “Liu Chak Wan afirmou que a conclusão do relatório é globalmente positiva, reconhecendo os trabalhos do Governo [...], salientou que no documento é observada a possibilidade de o Executivo fazer uma melhor coordenação no âmbito dos recursos existentes, propondo-se a construção de um complexo de larga escala dedicado exclusivamente à educação nacional, que possa ser usado por todas as escolas do território”, é revelado no documento. De acordo com a informação avançada, o relatório

teve por base mais de 2.000 questionários respondidos por alunos do ensino primário e secundário, assim como com os pais. Foram também feitas entrevistas a escolas, professores, associações educativas e de juventude. O comunicado refere ainda que Chui Sai On não se comprometeu com eventuais acções, mas recordou que as conclusões dos relatórios anteriores foram sempre tidas como referências para a governação e que as conclusões vão ser reencaminhadas para os serviços competentes. Os membros do CCPPC e o Governo comprometeram-se ainda a sensibilizar a sociedade para a “educação cívica e a sua importância, bem como sobre a herança do valor central de ‘amor pela Pátria e por Macau’”. J.S.F.

joaof@hojemacau.com.mo

Automobilismo Teamwork termina 24 horas do Dubai em 6.º lugar Os pilotos Sunny Wong, Alex Hui, Alex Fung e Paul Poon, ao volante de um Audi RS 3 LMS, terminaram as 24 horas do Dubai no 6.º lugar na classe

para Carros de Turismo de Resistência (TCE na sigla inglesa) e no 38.º lugar da geral, entre 57 carros classificados. Apesar das dificuldades que provas

deste género implicam, com os carros em pista durante 24 horas seguidas, a equipa Teamwork conseguiu chegar ao fim do desafio. Esta foi a primeira

vez que a formação de Hong Kong, que dominou a Taça de Carros de Turismo de Macau, participou numa prova de resistência deste género.

gigante de telecomunicações Huawei despediu o seu funcionário chinês detido na Polónia por suspeita espionagem, num comunicado citado pelo Global Times. O grupo explicou que “decidiu rescindir imediatamente o contrato com Wang Weijing” uma vez que “este incidente teve efeitos nefastos sobre a reputação mundial da Huawei” e disse que respeita as leis dos países em que opera. “A Huawei sempre respeitou as leis e regulamentos em vigor no país onde está localizada (...) e exige que todos os funcionários cumpram as leis e regulamentos do país”, afirmou o grupo chinês, no comunicado, em que acrescentou que Wang Weijing foi preso por “motivos pessoais”, sem mais detalhes. Segundo informações prestadas na sexta-feira pelas autoridades polacas, um empresário chinês e um outro polaco, ambos funcionários de “uma grande empresa de electrónica”, foram detidos, na terça-feira, por acusação de espionagem a favor do governo chinês, podendo enfrentar uma pena até dez anos de prisão. Os média polacos e chineses apontaram então os dois empresários como sendo funcionários da Huawei. Uma fonte do ministério dos Negócios Estrangeiros chinês afirmou a “grande preocupação” com este caso e diz que já pediu ao governo polaco um “tratamento justo, de acordo com a lei, e a protecção efectiva” do empresário.

Hoje Macau 14 JAN 2018 #4209  

N.º 4209 de 14 de JAN de 2018

Hoje Macau 14 JAN 2018 #4209  

N.º 4209 de 14 de JAN de 2018

Advertisement