Page 1

Sucesso regional

TIAGO ALCÂNTARA

hojemacau

MOP$10

TERÇA-FEIRA 13 DE NOVEMBRO DE 2018 • ANO XVIII • Nº 4172

ANGELA LEONG

PALAVRAS ALHEIAS PÁGINA 6

ARMISTÍCIO

MEMÓRIAS DA GUERRA

As duas regiões administrativas especiais estiveram em destaque no discurso do Presidente chinês durante as celebrações, em Pequim, dos 40 anos de abertura do país. Xi Jinping sublinhou o “estatuto único” e os “papéis insubstituíveis” de Macau e Hong Kong no sucesso das reformas levadas a cabo nas últimas quatro décadas.

GRANDE PLANO

GONÇALO LOBO PINHEIRO

www.hojemacau.com.mo•facebook/hojemacau•twitter/hojemacau

TIME MAGAZINE

DIRECTOR CARLOS MORAIS JOSÉ

ARNALDO GONÇALVES

TESTEMUNHO FINAL

PUB

ÚLTIMA

AGÊNCIA COMERCIAL PICO 28721006

PUB

EVENTOS


2 grande plano

O

primeiro conflito mundial passou ao lado de Macau e não trouxe grande impacto, mas, nem por isso, a data de assinatura do Armistício, documento que colocou um ponto final à I Guerra Mundial, deixou de ser lembrada. Ontem de manhã, algumas dezenas de pessoas rumaram ao cemitério São Miguel Arcanjo para participar numa missa em memória dos ex-combatentes. Foi também depositada uma coroa de flores junto ao ossário monumento, criado em 1938, em memória dos macaenses e portugueses que aqui fizeram o serviço militar. Na iniciativa, estiveram presentes Jorge Rangel, presidente do Instituto Internacional de Macau (IIM), Rita Santos, presidente do Conselho Regional para a Ásia e Oceânia do Conselho das Comunidades Portuguesas, Paulo Cunha Alves, cônsul de Portugal em Macau e Hong Kong, entre outras personalidades. De acordo com declarações de João Guedes, jornalista e autor de livros de história, ao Jornal Tribuna de Macau, a localização em Qingdao de uma armada alemã obrigou Portugal a enviar para o território o governador Carlos da Maia, que sairia de Macau em 1916. Além de ter sido constituído um grupo de 200 voluntários, que nunca teve de combater, foi nessa altura que começaram a ser construídas as fortificações no Farol da Guia. João Guedes disse mesmo que o projecto de construir em Macau um porto de águas profundas nunca foi levado avante porque o conflito nunca chegou a Macau. Ao HM, Rita Santos recordou uma “manhã muito alegre, em que muitos macaenses rezaram para agradecer a esses antigos combatentes que lutaram”, noutros conflitos. Com um irmão que foi militar, Rita Santos assume que gostava de saber mais sobre os seus antepassados que combateram. “O meu irmão falava-me das história dos meus avós. Gostava de saber mais sobre onde o meu avô está sepultado ou onde estão as suas ossadas, para saber mais sobre a história.” A cerimónia no cemitério de São Miguel Arcanjo aconteceu um dia depois das comemorações em Hong Kong, onde Portugal foi

13.11.2018 terça-feira

I GUERRA MUNDIAL

UM SECULO ´ DE MEMORIA CENTENÁRIO DO ARMISTÍCIO ASSINALADO EM MACAU

´

Celebrou-se ontem no cemitério de São Miguel Arcanjo o centenário do Dia do Armistício, que em 1918 marcou o fim da I Guerra Mundial. A iniciativa contou com a presença de quase uma dezena de ex-militares e serviu também para marcar a reactivação da delegação de Macau da Liga dos Combatentes a Oriente, após 20 anos sem actividade

representado, pela primeira vez, graças à acção da Liga dos Combatentes. Vitório Rosário Cardoso, ligado à entidade, disse ao HM que o destaque que foi dado a Portugal na cerimónia é representativo da importância e da presença que o país tem a Oriente. “A primeira palavra de boas-vindas ou de agradecimento pela presença foi dirigida ao adido da Defesa de Portugal, o que é uma honra”, contou. Além das cerimónias, “houve também

um contacto junto da comunidade portuguesa de Hong Kong, que data desde o momento da fundação de Hong Kong”. A região vizinha “foi fundada pelos britânicos mas foi suportada pelos portugueses de Macau”, frisou Vitório Rosário Cardoso. No domingo, milhares de pessoas reuniram-se ao largo do Cenotáfio de Hong Kong, no centro da cidade, para homenagear as vítimas das duas guerras mundiais. A comemoração do centenário prosseguiu no Club

de Recreio de Hong Kong, de grande significado para a comunidade lusa, porque “recorda os portugueses em combate na I e II Guerra Mundial, esta última já sob bandeira britânica”, sublinhou à agência Lusa Vitório Rosário Cardoso. De resto, destacou que “os próprios militares portugueses em Hong Kong formaram uma companhia só de portugueses no regimento real de Hong Kong”. Neto de um soldado que combateu na I Guerra Mundial, Francisco Roza disse à Lusa que esta primeira representação portuguesa nas cerimónias tem um valor simbólico pessoal. “O meu avô esteve envolvido na I Guerra Mundial, tenho comigo o certificado: era soldado voluntário”, lembrou, emocionado. Igualmente comovido, Anthony Cruz disse ter evocado a memória do pai e dos tios que combateram nas duas guerras mundiais. “Pela primeira vez, prestei hoje homenagem a todas as almas valentes” envolvidas

nos conflitos e que “lutaram para sobreviver”, disse. Conhecido como Tony Cruz, seis vezes campeão nas corridas de cavalos em Hong Kong, proeminente personalidade da comunidade portuguesa na antiga colónia britânica, o descendente luso salientou ter pena de que só agora Portugal tenha marcado presença nas cerimónias do Dia do Armistício.

“Não estamos a inventar a roda, estamos é a oficializar o que já existe respeitando o corpo orgânico que já funcionava, mesmo sem as orientações de Lisboa.” VITÓRIO ROSÁRIO CARDOSO DELEGAÇÃO DE MACAU DA LIGA DOS COMBATENTES

“Já devíamos [descendentes de portugueses] ter sido representados antes, porque somos aqueles que ficámos, depois de todos terem emigrado para os países falantes de língua inglesa”, declarou.

REGRESSO DA LIGA

A ida ao cemitério São Miguel Arcanjo pretende também servir para reactivar a delegação em Macau da Liga dos Combatentes, que assume “um papel de complementaridade” em termos de representação externa de Portugal em efemérides ligadas às Forças Armadas, sendo reconhecida pelo Ministério da Defesa. Vitório Rosário Cardoso está ligado ao projecto, a pedido do presidente da Liga dos Combatentes em Portugal, o general Joaquim Chito Rodrigues, mas contou com a ajuda de José António Carion, que conseguiu cerca de uma dezena de antigos militares que cumpriram serviço no território.


grande plano 3

terça-feira 13.11.2018

Recados para Trump Opinião da Xinhua condena proteccionismo no Fórum da Paz

E

“Isto não tem nada a ver com política”, começou por dizer ao HM. “A Liga dos Combatentes tem de estar representada nas cerimónias do 10 de Junho e também nas celebrações do Dia do Armistício.” José António Carion assegura que a I Guerra Mundial “deixou marcas na comunidade”, ainda que não tenha causado impactos de maior. “No dia de finados havia sempre a disposição de uma coroa de flores [junto ao ossário monumento do

“Pela primeira vez, prestei hoje homenagem a todas as almas valentes.” ANTHONY CRUZ FAMILIAR DE COMBATENTES

cemitério de São Miguel Arcanjo], mas não tenho visto isso”, lembrou. Para o macaense, a Liga dos Combatentes “é im-

portante para manter viva a memória dos militares”. “Cheguei a organizar jantares-convívio entre militares durante três anos consecutivos, mas devido a problemas de saúde não tenho organizado. Estavam sempre 50 pessoas.” Vitório Rosário Cardoso apontou que a existência informal desta delegação ao longo de duas décadas mostra que as memórias de conflito se mantém vivas, mesmo sem Lisboa. “Não estamos a inventar a roda, estamos é a oficializar o que já existe respeitando o corpo orgânico que já funcionava, mesmo sem as orientações de Lisboa. A seu pedido [de Joaquim Chito Rodrigues] estou a coordenar a reorganização dos ex-militares em Macau, a participação da comunidade portuguesa em Hong Kong e também em Timor-Leste junto dos ex-militares portugueses.” Para Vitório Rosário Cardoso, a Liga dos Combatentes tem uma vertente

“No dia de finados havia sempre a disposição de uma coroa de flores [junto ao ossário monumento do cemitério de São Miguel Arcanjo], mas não tenho visto isso.” JOSÉ ANTÓNIO CARION LIGA DOS COMBATENTES

apoio social às famílias dos que combateram e também cultural, de preservação da memória histórica. “Queremos também transmitir valores às novas gerações, porque há categorias de sócios para descendentes de ex-combatentes”, explicou ao HM. Andreia Sofia Silva

andreia.silva@hojemacau.com.mo

STE domingo em Paris decorreu o Fórum da Paz, que contou com a presença de 60 chefes de Estado e 30 organizações internacionais para discutir ideias para a segurança global. Além disso, centenas de pessoas prestaram tributo aos asiáticos “sacrificados” em território francês durante a I Guerra Mundial, escreveu a agência chinesa Xinhua. Os líderes defenderam a necessidade de se combater os velhos “demónios” do primeiro conflito mundial e a aposta no multilateralismo, ideia também defendida pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa. “É impossível falar de governação sem escolher entre unilateralismo e multilateralismo. Eu sou pelo multilateralismo, porque acredito que o multilateralismo é a única forma de resolver problemas no mundo", disse. Num comentário publicado este domingo na agência Xinhua, Tian Dongdong e Ying Qiang defenderam que “cem anos depois do fim da I Guerra Mundial, o mundo precisa, mais do que nunca, de um novo tipo de relações internacionais”. “Infelizmente, a mentalidade de hegemonia é ainda popular no seio de políticos e especialistas cem anos depois do Armistício de 1918. Está espelhado na realidade de certos países que procuram ser os ‘primeiros’ ao nível das relações internacionais, impondo os seus sistemas políticos

a outros países e interferindo intencionalmente nas questões de política interna de outros países. O reflexo hegemónico é também visível no medo de alguns países e na tentativa de evitar que outros recuperarem”, lê-se

NOVOS RISCOS

Nesse sentido, os autores do comentário defendem que, “para evitar erros do passado, as nações devem abandonar esta mentalidade hegemónica e procurar construir uma comunidade de partilha no futuro para criar um novo tipo de relações internacionais baseadas no respeito mútuo, igualdade e cooperação com resultados para todos”. Isto porque, “com o modo antigo, na lei da selva, juntamente com o unilateralismo, irá crescer o risco de uma nova guerra”. “Para manter a paz e estabilidade, os países devem quebrar com suas divisões ideológicas. Afinal de contas, as nações podem prosperar ao não construírem muros de proteccionismo mas trabalhando em conjunto”. Estas declarações surgem numa altura que a China e os Estados Unidos correm o risco de enfrentar uma guerra comercial face às medidas proteccionistas de Donald Trump. Em Março deste ano, a China apelou a Washington para que "trave" as medidas proteccionistas e "respeite as regras" do comércio multilateral, após Trump ter anunciado um aumento das tarifas para as importações de alumínio e aço.


4 política

13.11.2018 terça-feira

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA PEREIRA COUTINHO DIZ QUE COMISSÃO SENTE FALTA DE PAULO TAIPA

Realidades alternativas

Ho Iat Seng garantiu que saídas dos assessores Paulo Taipa e Paulo Cardinal não teriam consequências negativas para os trabalhos do hemiciclo. No entanto, o deputado Pereira Coutinho traça um cenário diferente na comissão em que Taipa costumava participar O deputado ligado à Associação de Trabalhadores da Função Pública de Macau mostrou-se igualmente preocupado com o impacto que a decisão de prescindir dos serviços dos

juristas terá nos diplomas em discussão. “A 3.ª Comissão Permanente está a discutir quatro diplomas essenciais para o futuro da RAEM: a Lei de Organização de Base Judiciária, nova lei dos táxis,

lei do Corpo de Polícia de Segurança Pública e ainda a lei dos offshores”, apontou.

TUDO NORMAL

Esta versão contradiz as últimas declarações de Ho

Iat Seng, em resposta a uma carta de Sulu Sou e José Pereira Coutinho, em que os legisladores pediam uma reunião com o presidente da AL. O objectivo dos deputados visava discutir a

RÓMULO SANTOS

J

OSÉ Pereira Coutinho diz que já se sente a falta do assessor Paulo Taipa na 3.ª Comissão Permanente da Assembleia Legislativa, a que o deputado pertence, apesar do presidente do hemiciclo ter garantido que tal não iria acontecer. Segundo o HM conseguiu apurar, o contrato de Taipa só termina no final do ano, mas o assessor tem estado afastado dos trabalhos da comissão devido a baixa médica. A informação não foi confirmada pela Assembleia Legislativa, apesar de ter sido questionada sobre o assunto. “A ausência do Dr. Paulo Taipa já está a afectar a Assembleia Legislativa, pelo menos no que diz respeito aos trabalhos da 3.ª Comissão Permanente, durante as últimas reuniões. Posso afirmar isto porque estive presente na reunião em que se discutiu o novo diploma sobre o Corpo de Polícia de Segurança Pública e a sua ausência foi nítida”, afirmou José Pereira Coutinho, ao HM. “Nestas afirmações não há qualquer desprimor pelos trabalhos dos dois juristas que estiveram presentes. Têm qualidades técnicas inquestionáveis e são excelentes profissionais, mas a experiência adquirida pelo Dr. Paulo Taipa faz a diferença”, frisou.

José Pereira Coutinho, deputado “Foi dito que a saída não iria afectar os trabalhos da Assembleia, mas já está a afectar. São dois coordenadores com muita experiência na análise técnico-jurídica das leis.”

decisão da não-renovação do contrato de Paulo Taipa e Paulo Cardinal. Ho recusou o encontro: “O signatário já fez declarações ao público, pelo que não vai fazer mais comentários sobre este assunto”, consta na resposta assinada por Ho Iat Seng. O documento explica também que a decisão foi tomada pela Mesa da Assembleia Legislativa, órgão constituído pelos deputados Chui Sai Cheong, Kou Hoi In e Chan Hong, além do próprio presidente. Na primeira vez que abordou o assunto publicamente, o presidente da AL tinha referido a existência de um plano para reformular a equipa de assessores no hemiciclo. Afirmou também que não havia nenhum diferendo com os dois profissionais e que lhes desejava a maior sorte para o futuro. Na resposta a Sulu Sou e José Pereira Coutinho, o presidente da AL agradeceu a preocupação com o assunto e garantiu que aAL não vai sentir efeitos negativos: “Tendo em conta os 24 trabalhadores na Assessoria da Assembleia Legislativa, incluindo assessores coordenadores, assessores, assessores agregados e funcionários judiciais, o afastamento dos dois assessores portugueses não terá influência negativa nos trabalhos actuais”, escreveu. Coutinho contesta as garantias de Ho: “Foi dito que a saída não iria afectar os trabalhos da Assembleia, mas já está a afectar. São dois coordenadores com muita experiência na análise técnico-jurídica das leis”, sublinhou. O deputado apontou também as incoerências no discurso de Ho Iat Seng e disse que o argumento de que a AL estaria a fazer uma restruturação dos assessores “não é verdadeiro”. João Santos Filipe

joaof@hojemacau.com.mo

LAG DAS 12 PROPOSTAS DE LEI PROMETIDAS PARA 2018 APENAS CINCO CHEGARAM À AL

D

O total de 12 propostas de lei que o Governo prometeu entregar à Assembleia Legislativa (AL) em 2018 aquando da apresentação das Linhas de Acção Governativa apenas deram entrada cinco, incluindo uma que vai ser votada na generalidade no plenário de hoje. Além disso, três dos cinco diplomas foram aprovados na generalidade somente em mea-

dos do mês passado. A saber: a proposta de lei relativa ao sistema de transporte do Metro Ligeiro, o regime da qualificação e inscrição para o exercício de actividade dos profissionais de saúde e, por fim, o diploma da cibersegurança. Já hoje vai ser apreciada e votada na generalidade a proposta de lei do registo de embarcações. O único diploma que foi, entretanto, publi-

cado após ter sido aprovado pelo hemiciclo foi o que cria o Instituto para os Assuntos Municipais, o futuro órgão sem poder político que vai entrar em funcionamento a 1 de Janeiro de 2019. Já a proposta de alteração à lei das relações de trabalho e a relativa ao trabalho a tempo parcial – prometidas há anos – encontram-se em fase de elaboração, segundo

dados disponibilizados no portal da Direcção dos Serviços de Assuntos de Justiça (DSAJ). O mesmo sucede com o diploma que prevê mexidas ao regime jurídico da actividade seguradora, com a referente à deontologia profissional e regime disciplinar de arquitectos, engenheiros e urbanistas, bem como com o Estatuto das Escolas Particulares. Já os diplomas referentes ao Estatuto dos

Agentes das Forças de Segurança e ao licenciamento e funcionamento dos hotéis estão – nas palavras da DSAJ – a ser optimizados. O incumprimento da promessa anunciada, há um ano, no relatório das LAG para 2018 tem sido notado pelos próprios deputados, como Song Pek Kei que, em Setembro, se debruçou sobre o tema, numa interpelação escrita. D.M.


política 5

terça-feira 13.11.2018

Grande Baía foi firmado em 1 de Julho de 2017, em Hong Kong, num acto testemunhado pelo Presidente da China, Xi Jinping, mas desde então muito pouco foi revelado em concreto ou mesmo materializado.

Nova comissão, liderada pelo Chefe do Executivo, conta com mais 16 membros, incluindo todos os secretários

GRANDE BAÍA CRIADA COMISSÃO PARA DELINEAR ESTRATÉGIAS DA PARTICIPAÇÃO DE MACAU

O plano está em curso

C

HAMA-SE Comissão de Trabalho para a Construção da Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau e entra hoje em funcionamento. Tal como o nome indica compete-lhe elaborar estratégias sobre o papel da RAEM no projecto que aspira tornar as duas Regiões Administrativas Especiais de Macau e de Hong Kong e nove cidades da província de Guangdong (Guangzhou, Shenzhen, Zhuhai, Foshan, Huizhou, Dongguan, Zhongshan, Jiangmen e Zhaoqing) numa área metropolitana de nível mundial. Segundo um despacho do Chefe do Executivo, publicado ontem em Boletim Oficial, a comissão tem três competências. A primeira atribuição é “coordenar os planos gerais e os trabalhos preparatórios de curto, médio e longo prazo, da participação da RAEM na construção da Grande Baía e promover a realização de estudos com vista à formulação das respectivas estratégias políticas”. “Elaborar o programa anual de trabalhos e supervisionar a sua implementação”, “fixar directrizes

Macau conta, a partir de hoje, com mais uma comissão. A missão da entidade é coordenar os planos a curto, médio e longo prazo relativos à participação da RAEM na Grande Baía

e emitir instruções sobre as actividades a desenvolver” completam o rol de tarefas, segundo o mesmo despacho. A comissão, que vai funcionar na dependência do Chefe do Executivo – que a preside – é composta por mais 16 membros. Além de todos os cinco secretários, a entidade inclui o director-geral dos Serviços de Alfândega; a chefe do gabinete do Chefe do Executivo; o porta-voz do Governo e o director dos Serviços de Estudo de Políticas e Desenvolvimento Regional. De acordo com o mesmo despacho, a comissão pode criar grupos de trabalho especializados para a realização de tarefas específicas, no âmbito das suas competências, podendo deles fazer parte personalidades de reconhecido mérito, representantes de instituições académicas,

entidades públicas ou privadas e consultores especializados, da RAEM ou do exterior. Os encargos com o funcionamento da Comissão são suportados pelo orçamento da recém-criada Direcção dos Serviços de Estudo de Políticas e Desenvolvimento Regional (DSEPDR). A DSEPDR, que entrou em funcionamento a 1 de Setembro,

resultou da fusão do Gabinete do Estudo das Políticas (GEP), com natureza de equipa de projecto, com o Grupo de Trabalho de Assuntos do Interior da China, subordinado ao gabinete do Chefe do Executivo.

UM ANO DEPOIS

O acordo-quadro para o desenvolvimento da estratégia da

O conceito de Grande Baía não é completamente novo, tendo ganhado um novo ímpeto ao surgir no relatório de trabalho de 2017 do primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, do qual consta a orientação para se “investigar e elaborar o planeamento da região metropolitana da Grande Baía”, um projecto de integração económica pensado para aproveitar as diferentes mais-valias de cada um dos territórios que envolve. Um mês antes de o acordo-quadro ser firmado, Macau lançou uma consulta pública, de apenas 15 dias, sobre a sua participação na “estratégia nacional”, com a recolha de opiniões a ter lugar sem que o próprio Governo tenha apresentado publicamente qualquer proposta ou acção concreta. Neste âmbito, apenas foram definidos “dois grandes papéis”, “três funções” e “oito áreas prioritárias”, todas envolvendo conceitos generalistas. As “três funções” que Macau chamou a si são as de “centro mundial de turismo e lazer”, “plataforma entre a China e os países de língua portuguesa” e “base de cooperação e diálogo”, para “promover a coexistência de diversas culturas”. O projecto Grande Baía surgiu pela primeira vez num documento do governo central chinês, em 2015, sobre a visão e acções para a construção da “Rota da Seda e da Rota Marítima da Seda para o Século XXI”, projecto de investimentos em infra-estruturas liderado pela China, que ambiciona reavivar simbolicamente o corredor económico que uniu o Oriente o Ocidente. Diana do Mar

dianadomar@hojemacau.com.mo

AL Deputados querem debates sobre Metro Ligeiro

Os deputados Agnes Lam, Ng Kuok Cheong, Au Kam San e Leong Sun Iok apresentam hoje propostas de debate na Assembleia Legislativa relativas ao projecto do Metro Ligeiro. Em causa estão os conteúdos dos relatórios de auditoria que têm sido apresentados e que apontam continuamente para irregularidades atribuídas ao procedimentos do Gabinete para as Infra-estruturas e Transportes (GIT). Os deputados querem esclarecimentos do Governo relativamente ao futuro das obras do Metro Ligeiro e apontam para a necessidade de definição de trajectos e orçamentos por parte da Direcção dos Serviços de Solos, Obras Públicas e Transportes.


6 política

De olho no futuro

Chui diz que novo Governo irá manter as actuais políticas

O

Chefe do Executivo disse ontem em Pequim que, independentemente de quem seja o próximo Chefe do Executivo, as políticas que estão a ser seguidas pelo Governo vão continuar, de acordo com o canal de rádio da TDM. Esta continuidade é referente não só às políticas para o território como às que têm sido dirigidas às prioridades nacionais segundo as orientações do Presidente Xi Jinping. De regresso a Macau o Chefe do Executivo foi ainda questionado em relação às Linhas de Acção Governativa (LAG) que têm início esta semana. Chui disse que nas LAG deste ano não haverá más notícias e que as novidades que tem para dar à população são essencialmente boas.Arazão, apontou, tem que ver com a evolução ascendente da economia local, depois de alguns anos de instabilidade.  O Chefe do Executivo recordou ainda os excedentes orçamentais que o Governo tem registado nos últimos anos e afirmou que o Executivo está apostado em partilhar com a população os frutos económicos. 

É PARA AMANHÃ

Na conferência de imprensa de balanço da visita a Pequim, Chui Sai On referiu que, no contexto da continuidade de abertura do país, “o estatuto e as funções de Macau serão melhorados e explorados e não sairão enfraquecidos”. Das reuniões saiu, contudo, um alerta às autoridades locais, uma vez que Chui Sai On referiu que o Executivo que lidera “precisa de elevar a sua capacidade de governação”. Chui Sai On lembrou os quatro desejos que o Presidente chinês, Xi Jinping, endereçou a Macau e Hong Kong, no âmbito do projecto de integração regional Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau. A RAEM deve também “impulsionar activamente o intercâmbio cultural a nível internacional”, uma vez que Macau é um “local de cultura chinesa, em harmonia e convivência com outras culturas, e que propicia o intercâmbio entre as culturas oriental e ocidental”. Além de participar “na governação do país”, Macau “deve integrar-se, de forma activa, na conjuntura de desenvolvimento do país”, pois trata-se de “um dever, sob o princípio de ‘Um País, Dois Sistemas’”. Neste sentido, deverá ser assinado, a “curto prazo” um acordo entre a RAEM e a Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma da China.

13.11.2018 terça-feira

REDES SOCIAIS ANGELA LEONG ACUSADA DE COPIAR ARTIGO DE OPINIÃO

Erros alheios

Uma opinião divulgada pela deputada está debaixo de fogo, depois de internautas terem detectado passagens copiadas de um artigo um jornal de Hong Kong. O gabinete de Angela Leong confirma o caso, mas diz que a legisladora é alheia ao “erro” da sua equipa

A

deputada Angela Leong foi ontem acusada, nas redes sociais, de copiar a opinião de um artigo publicado em Outubro no jornal Hong Kong Economic Times. Em causa está o facto da legisladora ter emitido um comunicado sobre educação com ideias que seriam alegadamente suas, mas que constam de forma muito semelhante num artigo de opinião assinado por Shen Shuaiqing, mesmo quando recorda as palavras de outras pessoas. Assim, por exemplo, no artigo assinado por Shen, pode ler-se em chinês a certa altura o seguinte

parágrafo: “Além de Singapura, na Escócia, desde 2013, foi implementado o sistema ‘Curriculum For Excellence’. Sob este sistema, os estudantes com idade inferior a 16 anos não precisam de fazer exames”. Depois Sheng cita a opinião de um ex-responsável da educação escocês: “O antigo secretário para a educação, Michael Russell, afirmou que a existência de demasiados exames pode limitar a educação, e sacrificar o tempo e o alcance dos estudantes em áreas como a música, o teatro, o desporto e serviços comunitários”. Já no texto da deputada, a mesma passagem surge da

seguinte forma: “Além de Singapura, na Escócia, desde 2013, foi implementado o sistema ‘Curriculum For Excellence’. Os estudantes com idade inferior a 16 anos não precisam de fazer exames”, consta da opinião da legisladora. “Angela Leong considera que a existência de demasiados exames podem tornar o significado da educação reduzido, e sacrificar o tempo dos mesmos em áreas como a música, o teatro, o desporto e serviços comunitários”, é escrito. Este tipo de situação repete-se em pelo menos mais dois parágrafos da opinião, quase

de forma integral, e as imagens partilhadas online fora sublinhadas com amarelo para destacar a semelhança.

FALHA DE EQUIPA

Após a divulgação da acusação, o HM contactou o gabinete da deputada que confirmou o sucedido e explicou que as semelhanças se ficaram a dever a um erro da equipa responsável pelos textos de Angela Leong. De acordo com a mesma explicação, as pessoas responsáveis pela elaboração do texto esqueceram-se de identificar as fontes da informação. “Os nossos colegas de gabinete sugeriram a Angela Leong que poderiam escrever um artigo sobre este assunto e ela concordou. Só que não lhe contaram onde tinham recolhido as informações nem citaram o texto original”, foi explicado pela secretária com o apelido Lam, ao HM.

“Isto não tem nada a ver com Angela Leong. Enquanto deputada com muito trabalho, não é ela que confirma as informações, ela confia que seja a equipa a fazer isso.” SECRETÁRIA DE ANGELA LEONG

“Os nossos colegas não tiveram um atitude correcta, uma vez que deviam ter citado os autores e respeitar os direitos dos outros. Espero que haja compreensão para este erro, que se ficou a dever apenas a negligência. Não houve intenção negativa”, acrescentou. A mesma secretária ilibou a membro da Assembleia Legislativa de qualquer responsabilidade: “Isto não tem nada a ver com Angela Leong. Enquanto deputada com muito trabalho, não é ela que confirma as informações, ela confia que seja a equipa a fazer isso. Mas neste caso a negligência foi da nossa equipa”, afirmou. Vítor Ng João Santos Filipe

info@hojemacau.com.mo


sociedade 7

terça-feira 13.11.2018

MONG HÁ OBRAS SUSPENSAS APÓS DECISÃO DO TUI

DSAL TRABALHADORES DO GRAND LISBOA PALACE QUEIXAM-SE DE CORTES SALARIAIS

Desacerto de contas

U

Vítor Ng (com D.M.) info@hojemacau.com.mo

Meia centena de trabalhadores não residentes do Grand Lisboa Palace, empreendimento da SJM em construção no Cotai, queixaram-se ontem à Direcção dos Serviços para os Assuntos Laborais (DSAL) de cortes salariais TIAGO ALCÂNTARA

M grupo de aproximadamente 50 operários da construção civil que trabalha nos estaleiros do Grand Lisboa Palace, complexo que vai marcar a entrada da Sociedade de Jogos de Macau (SJM) na ‘strip’ do Cotai, recorreu ontem à DSAL para pedir ajuda relativamente a assuntos ligados aos salários. Ao canal chinês da Rádio Macau, o representante do grupo de trabalhadores não residentes, incluindo alguns que estão no estaleiro do Grand Lisboa Palace há um ano, explicou que foi acordado um salário de 75 patacas por hora, mas que apenas lhes foram pagas 60. Em resposta ao HM, a DSAL indicou que após receber os trabalhadores não residentes entrou de imediato em contacto com a entidade empregadora, à qual solicitou documentos relativos aos trabalhadores queixosos para poder melhor inteirar-se da situação denunciada, prometendo que vai continuar a dar seguimento ao caso, mantendo estreito contacto com ambas as partes. O representante dos trabalhadores não residentes transmitiu ainda à emissora pública a preocupação dos queixosos relativamente à possibilidade de o caso não ser resolvido a tempo, atendendo a que os seus ‘blue cards’ estão prestes a expirar – caducam na próxima quinta-feira. O Grand Lisboa Palace, cujas obras arrancaram em Fevereiro de 2014, deve ficar concluído antes do final do ano, à luz das expectativas da SJM que, em comunicados anteriores, afirmou esperar que a abertura do ‘resort’ integrado tenha lugar na segunda metade do próximo ano.

O

DSAL diz estar a acompanhar caso de trabalhadores não residentes do Grand Lisboa Palace que alegam receber menos do que o acordado

Habitação Novos empréstimos disparam

Os empréstimos hipotecários para habitação aprovados pelos bancos de Macau em Setembro totalizaram 9,7 mil milhões de patacas, traduzindo um aumento de 244 por cento face a igual período do ano passado, indicam dados divulgados ontem pela Autoridade Monetária (AMCM). Os aprovados para residentes subiram 202,8 por cento, atingindo 8,3 mil milhões de patacas, ocupando uma proporção de 86,1 por cento. Já os novos empréstimos hipotecários para não residentes ascenderam a 1,3 mil milhões de patacas, sensivelmente 20 vezes superior em termos anuais homólogos. Já os novos empréstimos comerciais para actividades imobiliárias registaram uma forte descida: caíram 24,1 por cento para 3,3 mil milhões de patacas face a Setembro do ano passado.

Gabinete para o Desenvolvimento de Infra-estruturas (GDI) ditou a suspensão imediata dos trabalhos da empreitada de construção da Habitação Social de Mong Há (fase 2) e de reconstrução do pavilhão desportivo. O anúncio do GDI, feito ontem em comunicado, vem assim dar cumprimento a um acórdão proferido, no mês passado, pelo Tribunal de Última Instância (TUI). Além de determinar a cessação imediata dos trabalhos por parte do empreiteiro – o consórcio de Companhia de Construção de Obras Portuárias Zhen Hwa, Limitada/ Companhia de Construção & Engenharia Shing Lung –, o GDI indicou que “irá acompanhar os trabalhos subsequentes de acordo com as disposições legais aplicáveis”, sem facultar, porém, mais pormenores. As obras já se encontram em curso desde o ano passado, mas o TUI, em acórdão proferido a 19 de Outubro, decidiu que o consórcio nunca poderia ter sido aceite no concurso, por estarem em causa “condições normais de concorrência”. Segundo o acórdão, um dos accionistas da empresa Shing Lung era igualmente o único accionista de uma outra empresa, a Long Cheong, que também participou no mesmo concurso público. Enquanto a Shing Lung foi a vencedora do concurso da adjudicação da obra, a Long Cheong ficou no terceiro lugar, depois de ter participado em consórcio com a empresa Cheong Kong. Para o TUI, o facto de haver um accionista comum em duas propostas diferentes é um acto susceptível de “falsear as condições normais de concorrência”, o que de acordo com a lei das obras públicas obriga a que sejam “rejeitadas as propostas e candidaturas apresentadas”. Por esta razão, o TUI concluiu que “as propostas [com o mesmo accionista] tinham de ser rejeitadas”. D.M. / J.S.F.

MANGKHUT PREJUÍZOS AVALIADOS EM 1,55 MIL MILHÕES DE PATACAS

A

Direcção dos Serviços de Estatística e Censos (DSEC) informou ontem que os estragos causados pela passagem do tufão Mangkhut por Macau, em Setembro, causaram cerca de 1,55 mil milhões de patacas em prejuízos, sendo que 520 milhões foram prejuízos directos e 1,03 mil milhões prejuízos indirectos. De acordo com um comunicado da DSEC, “as estimativas

englobam principalmente os prejuízos económicos dos proprietários de estabelecimentos comerciais, bem como os prejuízos nas áreas da habitação e veículos dos agregados

familiares, equipamentos, instalações municipais e partes do sistema de serviços públicos, entre outros”. Ainda assim, houve uma redução em relação ao tufão Hato, ocorrido a 23 de Agosto do ano passado e que causou estragos de grande dimensão no território. A DSEC aponta que tal aconteceu graças “às medidas preventivas do Governo da RAEM e dos diversos sectores

sociais, antes da chegada do tufão Mangkhut”. No comunicado, a DSEC explica que fez as estimativas e cálculos com base nos dados fornecidos pelos serviços governamentais, dados históricos sobre os comportamentos económicos dos diversos sectores constantes das bases de dados da DSEC, além das avaliações realizadas in loco, entre outras acções.


8 eventos

13.11.2018 terça-feira

“Macau, depois do adeus” é o livro de Arnaldo Gonçalves que retrata os últimos 15 anos do território. A apresentação da obra vai estar a cargo de Paulo Cardinal e Vanessa Amaro, e tem lugar amanhã, pelas 18h30 na Fundação Rui Cunha. O autor quer, em vésperas de regressar a Portugal, deixar um testemunho dos primeiros anos da RAEM

“O

AUTOR DE “MACAU, DEPOIS DO ADEUS”

GONÇALO LOBO PINHEIRO

ARNALDO GONÇALVES

O que nos traz com este livro? É um livro de ensaio, de observação e de fecho de ciclo que é o fecho do meu ciclo em Macau. Tenho o meu planeamento para ir embora e não gostaria de ir sem deixar um testemunho. É um testemunho de um português, europeu, em Macau. Cheguei há 30 anos pela primeira vez. Estive cá duas vezes e este é o resultado da observação que faço e das transformações que registo. Que mudanças substanciais sublinha?  Assisti a dois estilos de governação completamente diferentes. Estive cá antes de 1997 e regressei em 2003. A administração portuguesa ti-

Caderno dos Desejos” é o primeiro livro de Susana Esmeriz e traz aos mais novos a história de Mariana. “O projecto surgiu inesperadamente quase como por impulso”, começou por contar a autora ao HM. O objectivo é dar aos leitores um exemplo do que é ultrapassar obstáculos através do exemplo de uma pré-adolescente que se vê confrontada com a timidez e a pouca aceitação por parte dos colegas da escola. “A Mariana está a passar por uma fase de grande insegurança em que não tem coragem para fazer o que

Ciclo fechado nha um estilo completamente diferente da actual administração chinesa. Antes, a forma de governar era mais participada, mais aberta, e as medidas colocadas no terreno mais justificadas. Agora o circuito do governo é um circuito mais fechado. Por outro lado, a questão decisória é agora muito mais lenta, muito mais arrastada. A assembleia legislativa agora

intervém muito mais do que no tempo da administração portuguesa. As iniciativas partem do Governo, mas depois diluem-se no trabalho da assembleia e, por isso, as coisas são tão arrastadas. Este livro é uma comparação, não propriamente com o que aconteceu antes, mas com aquilo que antecipávamos, até 99, do que poderia vir a ser a RAEM.

O mundo dos outros

“O Caderno dos Desejos” vai ser apresentado sexta-feira na Livraria Portuguesa

gosta, como dançar, por achar que é gorda”, diz Susana Esmeriz. A personagem principal de “O Caderno dos Desejos” acaba por se isolar para poder chorar a sua tristeza “e é nesse espaço que a magia acontece”. É na solidão que Mariana se decide a descobrir qual seria o seu maior ensejo e resolve perguntar a outras pessoas quais seriam os seus. “É neste trabalho,

em que começa a contactar com as outras pessoas que vai deixando de dar importância àquilo que tanto a agonizava”, acrescenta.

SER SOCIAL

Trata-se de uma história de superação em que a pré-adolescente consegue encontrar uma maneira de se realizar quando se dedica às outras pessoas. “É neste ser para o

Que elementos destaca desta RAEM que retrata no livro? É uma realidade rica, de certa forma, mas ao mesmo tempo contraditória. É uma sociedade aparentemente rica, com sinais de grande desenvolvimento em termos de bens de consumo mas que ao mesmo tempo se confronta com dificuldades e problemas que têm crescido com o tempo. São exemplo disso o

outro que ela se consegue encontrar e redescobrir,” explica. A autora considera também que falta dar aos mais novos histórias que retratem situações como as da Mariana. “Falta tratar o estar para o outro, as emoções, o desenvolvimento de competências de socialização e emocionais, o estar mais atento aos outros”, aponta, até porque “achamos que somos muito importantes, andamos sempre muito ocupados, sempre de um lado para o outro”. O livro conta com ilustrações de Nelson Henriques e vai ser apresentado na próxima sexta-feira pelas 18h30 na livraria portuguesa. (A.S.S. com S.M.M.)

crescimento populacional, a dificuldade de convivência com o meio ambiente porque o território é diminuto e não há espaço essencial para as pessoas viverem com alguma actividade. Isto introduz um factor de alguma claustrofobia nas nossas condições de vida. Há ainda limitações que têm que ver com o meio ambiente, com a poluição, com o trânsito, com os transportes


eventos 9

terça-feira 13.11.2018

e com a disponibilidade da habitação. No fundo, Macau e as suas ilhas estão de tal forma unidas que quando se pensa no território pensa-se numa cidade integrada. Tudo isto traz dificuldades. Tem também desafios grandes em termos de governação que não são fáceis de ultrapassar. O Governo chinês de Macau tem, no fundo, procurado ultrapassar esses problemas através de uma certa abordagem que é a abordagem deles e que se calhar não seria a abordagem que os portugueses fariam se continuassem a ter responsabilidades. Como vê o equilíbrio entre a manutenção da autonomia

local e a progressiva integração regional? Isso é um dos pontos principais do livro. Aliás, talvez um dos pontos principais do livro é a tensão que existe entre autonomia e integração. Autonomia era o chavão que nós, da administração portuguesa, arranjámos e que depois foi transposto para a Declaração Conjunta e para a Lei Básica. A ideia era manter as características da sociedade de Macau, a tipologia das pessoas, dos seus hábitos e tradições, dentro de uma pequena urbe como é Macau no quadro de um grande país que é a China. Nós somos um grão de areia. Por isso, era importante que as coisas de um ponto de vista

“A limitação à existência de outros partidos vai começar a ter lugar e vai ser mais visível no caso de Hong Kong do que no caso de Macau, até porque em Hong Kong há partidos políticos e aqui há meras associações.”

jurídico, ficassem garantidas na Lei Básica. Era necessário que existissem mecanismos para guardar essa autonomia em que Macau manteria a sua praça praticamente até Dezembro de 2049. O que se tem verificado, pela proximidade com o continente e por opção da própria liderança chinesa no território, é que tem sido privilegiada a integração. Acham que fazendo parte o mais possível do todo harmónico que é a China, conseguem salvaguardar o papel de Macau como algo diferente. Por isso têm apostado nessa integração económica, política, linguística, etc. Não há grande diferença entre Macau que agora conhecemos, do território que encontramos

quando passamos das Portas do Cerco para outro lado. É a mesma etnia, são os mesmo hábitos, os mesmo gostos, os mesmo objectivos de vida. O Governo chinês de Macau tem apostado nisso e quem somos nós para o criticar? Quer Chui sai On quer Edmundo Ho tiveram sempre o cuidado de adequar Macau às orientação do Estado chinês e por isso tem havido uma sincronia muito grande das políticas que aqui são desenvolvidas em relação às políticas que o governo Central traça. A autonomia está em risco de desaparecer rapidamente? Seria perfeitamente ilógico, tendo um prazo tão extenso

para fazer a transição, que as autoridades saltassem etapas. Do ponto de vista económico não há diferenças nem de um lado nem do outro. No que respeita ao sistema político, os órgãos e a maneira de funcionamento administrativa de Macau se calhar não e tão diferente do funcionamento de Guandong ou de Fujian. Do lado da China, tiveram a visão de, na década de 90, colocar aqui uma série de quadros, recrutados para a administração pública. Desde essa altura que estes quadros têm progredido na carreira, o que significa que mais tarde ou mais cedo vão ser eles que vão dirigir a RAEM. Mas, o sistema socialista, marxista, leninista que existe no continente não existe em Macau. Aqui há liberdade de expressão, há liberdade de escrita, há liberdade de reunião, etc. São elementos que não existem no continente. Mas, acho que paulatinamente vão introduzindo o sistema do continente aqui em Macau e em Hong Kong. Penso também que a limitação à existência de outros partidos vai começar a ter lugar e vai ser mais visível no caso de Hong Kong do que no caso de Macau, até porque em Hong Kong há partidos políticos e aqui há meras associações. Mas vamos ver candidatos que tenham ideias opostas ao regime chinês a sofrer uma pressão muito grande para que não se candidatem. À medida que o tempo vai passando essa tendência vai existir. Não vai ser uma coisa  de um dia para o outro mas vai ser uma coisa gradual e que deve estar planeada.   Sofia Margarida Mota

Sofia.mota@hojemacau.com.mo

DOCUMENTÁRIO PELÍCULA SOBRE ARETHA FRANKLIN ESTREIA 46 ANOS APÓS FILMAGENS

“A

MAZING Grace”, um documentário sobre o álbum de gospel de Aretha Franklin, realizado por Sydney Pollack, estreou ontem, em Nova Iorque, no festival de cinema documental da cidade DOC NYC, 46 anos depois de ter sido filmado e abandonado. Rodado em Janeiro de 1972, na Igreja Batista de New Temple Missionary, em Los Angeles, durante dois concertos de gospel da can-

tora norte-americana Aretha Franklin, “Amazing Grace”, o filme, ficou retido na produtora Warner Brothers, devido a problemas de sincronização de áudio e som, que a tecnologia da altura não permitiu resolver. O documentário de Sidney Pollack documenta os espetáculos e a gravação do duplo álbum ao vivo da cantora, igualmente intitulado "Amazing Grace", que liderou o 'top' de vendas, após a publicação, em Junho de 1972,

nos Estados Unidos, tendo conquistado a certificação de dupla platina, segundo o histórico da Billboard. O álbum deu um prémio Grammy a Aretha Franklin, em 1973, mantém-se entre os mais vendidos da carreira da cantora e também entre os mais vendidos de música gospel. A cantora norte-americana Aretha Franklin, conhecida pela “Rainha da Soul”, morreu no dia 16 de Agosto, aos 76 anos.


10 china

13.11.2018 terça-feira

ASEAN MEMBROS ASSINAM ACORDO PARA FACILITAR COMÉRCIO ELECTRÓNICO

Uma rede, muitas trocas

Os países do Sudeste da Ásia, representados em Singapura pelos ministros das Finanças, acordaram no estabelecimento de medidas que promovem as trocas comerciais on-line entre os Estados-membros. A guerra comercial é um dos principais temas na agenda da reunião que conta com a presença da China e dos Estados Unidos como convidados

O

S ministros das Finanças dos Estados-membros da Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) assinaram ontem em Singapura um acordo que visa facilitar as transacções de comércio electrónico na região. O acordo assinado tem como objectivo promover o comércio electrónico e a cooperação entre empresas e Governos, que irá gerar transacções mais eficientes, defendeu durante a cerimónia de assinatura do acordo

o ministro da Finanças de Singapura, Chan Chun Sing. Numa reunião paralela, o primeiro-ministro de Singapura, Lee Hsien Loong, apelou a uma maior integração entre os países do Sudeste da Ásia, num momento em que o multilateralismo está

sob ameaça, como resultado de medidas proteccionistas implementadas por Washington e Pequim. A guerra comercial é um dos principais temas das conversações da cimeira de líderes da ASEAN, que se realiza até quinta-feira, e que

conta com a participação da Malásia, Indonésia, Brunei, Vietname, Camboja, Laos, Myanmar, Singapura, Tailândia e Filipinas. Os Estados Unidos, a China, Rússia, Japão ou Coreia do Sul, estão entre os convidados desta reunião. A ausência mais notada durante o Fórum Asiático será a do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que será representado pelo vice-presidente Mike Pence. O vice-Presidente vai ainda esta semana a uma cimeira da Cooperação

Económica Ásia-Pacífico, na Papua Nova Guiné. Ontem, a líder da antiga Birmânia (agora Myanmar) discursou durante uma reunião comercial. A legislatura de Aung San Suu Kyi ficou até agora marcada pela ofensiva militar na zona oeste do país contra a minoria muçulmana Rohingya, que levou cerca de 723.000 membros da comunidade a fugirem para o Bangladesh, e pela estagnação das negociações de paz com as cerca de 20 guerrilhas formadas por minorias.

PUB

AERONÁUTICA RECEITAS DE FEIRA CAEM EM RELAÇÃO A 2017

A

edição deste ano da Exibição Internacional e Aeroespacial da China gerou um total de 18.697 milhões de dólares em acordos comerciais, cerca de metade do valor atingido em 2016, informou ontem a agência oficial Xinhua. A feira celebrou-se entre 6 e 11 de Novembro, em Zhuhai, e culminou com 239 acordos para venda de aeronaves, face a 402 transacções negociadas em 2016, segundo dados da organização, citados pela agência. Trata-se da primeira queda no volume de vendas desde que a feira começou a ser organizada, a cada dois anos, em 2006. A nível de participação, o evento reuniu cerca de 450.000 pessoas, entre

as quais 150.000 são profissionais do sector, um número semelhante ao da edição anterior. Entre as novidades da feira destaca-se a apresentação do J-20, o primeiro caça furtivo capaz de albergar quatro mísseis ar-ar de longo alcance e dois de curto alcance. Especialistas citados pela imprensa chinesa consideraram o J-20 superior aos caças norte-americanos F-22 e F-35, assinalando a crescente confiança das forças armadas chinesas. O certame serviu também para apresentar o novo modelo de 'drone' (veículo aéreo não tripulado) de combate furtivo chinês CH-7, para além de tanques, veículos blindados ou detectores de metais.

Hong Kong Mulher morre após tratamento com excesso de botox

Uma mulher de 52 anos morreu hoje em Hong Kong devido ao excesso de tratamento de botox numa clínica de estética, o terceiro caso em menos de um mês na China, anunciaram os media locais. Segundo a polícia local, a mulher terá recebido mais de dez injeções de botox, tendo sido transferida já em estado crítico para o Queen Elizabeth Hospital, onde foi confirmada a sua morte. O caso está agora a ser investigado pelas entidades especializadas. A toxina botulínica, mais conhecida como Botox, que em doses elevadas pode causar paralisia muscular progressiva, dificuldades respiratórias e até a morte, é uma neurotoxina utilizada como tratamento para algumas doenças neurológicas e como produto cosmético para eliminar as rugas faciais. Este é o terceiro caso em menos de um mês.

Shandong Seis mortos em explosão num armazém de carvão

Pelo menos seis pessoas morreram e cinco ficaram feridas na sequência de uma explosão ontem num armazém de uma central de carvão na província de Shandong, no leste da China, informaram os meios de comunicação locais Os detalhes sobre a explosão ocorrida por volta das 10:00 horas na cidade de Kongcun ainda não são conhecidos, mas as autoridades chinesas já disseram que foi aberta uma investigação. De acordo com os dados oficiais, a indústria do carvão é a que provoca mais acidentes laborais no país, apesar dos registos apontarem para uma redução de 28% nas mortes nesta indústria. No entanto, a organização não governamental Boletim do Trabalho da China afirma que esses números não levam em conta as mortes registadas em empregos derivados daquela indústria, como as entregas, na qual os riscos são maiores e as mortes são classificadas como acidentes de trânsito.


desporto 11

terça-feira 13.11.2018

GP MACAU FILIPE DE SOUZA CONDICIONADO COM LASTRO DE 80 QUILOS

Os pesos pesados Papatudo Ganhar bronze na Tailândia

A equipa Papatudo alcançou o terceiro lugar no torneio Phuket International Soccer, na categoria Master, ou seja para jogadores com mais de 35 anos. A competição decorreu no passado fim-de-semana na Tailândia e nos quatro encontros do primeiro dia, a equipa de Macau somou três vitórias e um empate. Depois na fase final, disputada em dois grupos de três equipas, os Papatudo somou dois empates, 0-0 e 2-2, o que devido à diferença de golos não permitiu o apuramento para a final.

Tribunal Bruno de Carvalho e Mustafá ouvidos hoje

Só hoje, a partir das 10 horas (de Lisboa), Bruno de Carvalho e Mustafá serão presentes ao juiz de Instrução Criminal, no Tribunal do Barreiro, para interrogatório. A informação foi confirmada pelo próprio juiz Carlos Delta, explicando ainda aos jornalistas que, devido à maior exposição mediática de Bruno de Carvalho e Mustafá, serão levadas a cabo junto do Tribunal do Barreiro fortes medidas de segurança.

Filipe de Souza, piloto “Os meus objectivos passam por ficar à frente dos pilotos de Macau. Mas sei que não vai ser fácil porque o André Couto é um piloto profissional com muita experiência e tem menos 10 quilos do que eu.”

Piloto do Audi quer fazer uma surpresa e ficar à frente de vários pilotos estrangeiros na competição principal de carros de turismo. Contudo, mostra-se desapontado com o lastro de 80 quilos, que diz dificultar a sua tarefa

O

piloto Filipe de Souza queria fazer uma surpresa na prova da Taça Mundial de Carros de Turismo (WTCR), mas admite que está fortemente limitado devido ao Balance of Performance (BOP). O BOP é um mecanismo criado para equilibrar o desempenho dos diferentes carros e no caso de Souza vai obrigá-lo a colocar 80 quilos de lastro extra no Audi RS3 LMS. “Infelizmente vamos ser muito desfavorecidos pelo BOP. O Audi é um dos carros mais prejudicados com 60 quilogramas de lastro. Depois como participo como piloto convidado, ou seja como wild-card, ainda levo com mais 20 quilogramas de lastro”, afirmou Filipe de Souza, ao HM. “Admito que quando vi a lista do BOP para Macau que fiquei muito preocupado, porque acho que vai ter um grande impacto nas nossas expectativas. Para se ter uma ideia, os

80 quilos são superiores ao meu peso”, sublinhou. À partida para a prova, Filipe de Souza tinha definido como objectivo ficar à frente de vários pilotos estrangeiros e a seu favor tem o conhecimento do Circuito da Guia. “O carro vai ficar pouco competitivo face à concorrência, principalmente porque estamos num campeonato em que é comum que a diferença entre o primeiro e décimo quinto, nas qualificações, seja inferior a um segundo. Este peso todo vai fazer uma grande diferença”, admitiu. “Mas muitos têm pouca experiência em Macau, ao contrário de mim, e apesar deste lastro todo vou tentar aproveitar esse factor”, acrescentou.

DESAFIO LOCAL

No total vão ser seis os pilotos locais a competir no WTCR, além de Filipe de Souza, os outros são André Couto (Honda Civic TCR), Rui Valente (VW Golf), Kevin Tse (Audi

RS3 LMS), Lam Kam San (Audi RS3 LMS) e Billy Lo Kai Fung (Audi RS3 LMS). Souza vê Couto PUB

como o principal adversário devido à experiência do piloto que venceu a prova de Fórmula de 3 em 2000

e aponta ainda para o facto do adversário ter um carro 10 quilos mais leve. “Quando corro nas provas locais aponto sempre aos três primeiros. Agora no WTCR há muitos pilotos profissionais, por isso os meus objectivos passam por ficar à frente dos pilotos de Macau. Mas sei que não vai ser fácil porque o André Couto é um piloto profissional com muita experiência e tem menos 10 quilos do que eu. Vai ser um grande desafio”, apontou. Filipe de Souza chega ao Grande Prémio de Macau depois de um ano em que não participou em nenhum campeonato a tempo inteiro. No entanto, fez várias provas com o Audi, a contar para a competição Pan Delta e para o campeonato TCR China, o que lhe permite ter um bom conhecimento da viatura. “Estou muito familiarizado com o carro e adaptei-me com muita facilidade. Acho que não vai ser pelo carro em si que vou ter problemas... só mesmo pelo peso”, concluiu. João Santos Filipe

joaof@hojemacau.com.mo


12

h

13.11.2018 terça-feira

Enche o meu peito, num encanto mago

Poemas de Li Bai por Paulo José Miranda

A primeira vez que tive contacto com Li Bai remonta ao ano de 1992, com a tradução de António de Graça Abreu dos poemas deste poeta da Dinastia Tang. Seguiram-se outras traduções ou versões que fui encontrando, aqui e ali. Mais tarde, em 2001, nos três meses que passei por Macau, o contacto com o poeta Yao Jing Ming – que tinha conhecido no ano anterior em Lisboa – motivou-me para aprofundar o conhecimento do poeta. Estive sempre ciente do enorme muro da língua chinesa e limitei-me às traduções de outros e alguns textos teóricos acerca do poeta. Assim,

os poemas que aqui vou apresentar, são poemas que cruzam inúmeras traduções e, sempre que possível, esclarecimentos com pessoas chinesas. Não pretendo que os poemas sejam lidos como traduções, que não são, evidentemente, nem tão pouco assumo qualquer tipo de autoridade que não seja o do amor à poesia em geral e aos poemas de Li Bai – ou o que julgo serem os seus poemas – em particular. De resto, respeito o número de versos de cada poema e tento sempre que posso apresentá-los com a concisão que me é possível, exigência dos próprios originais.

O TEMPLO DA MONTANHA Abrigo-me no templo, no alto da montanha. De noite, quase toco com as mãos nas estrelas. Mas nem uma palavra atiro ao vento. Não se perturba os habitantes do céu.

A CANÇÃO DE OUTONO

POEMA DA RAPARIGA ÚNICA

Como extensos rios, os cabelos brancos Alagam o coração. E reconheço ao espelho Esta geada de Outono.

Águas do rio, espelho da lua, A rapariga que me mostrais parece neve. O seu vestido sobe e desce com as ondas. Luz absoluta, que brilha e desaparece.


ARTES, LETRAS E IDEIAS 13

terça-feira 13.11.2018

Amélia Vieira

Sexo XXI

V

INTE e um gramas é o que pesa eventualmente a alma, o que deixa um rastilho de dúvida que nos incita a tratar desta suposição com esperança. Ela está presente num momento muito belo e lancinante no Evangelho segundo São Mateus «depois, lançou um grande brado e entregou a alma», devolveu o sopro que o sagrou na hora de nascer, aos gritos, aos urros, chorando, aos brados. Esta ínfima substância não é fácil nem quando começa nem quando acaba. Entramos em choro, saímos em brado, e ainda somos o resultado dos suores gritantes de quem se dá. O século vinte e um, tão jovem ainda, já tem o seu peso, nasceu com imagens de queda e de gritos, nasceu talvez com a alma aflita, e tocou pela primeira vez nas fontes naturais do circuito da transmissão: seremos provavelmente a última Humanidade sexualizante, o tempo que se desvia das naturais funções acaba por recriar os seus próprios órgãos, transmutando o fruto na marcha evolutiva face à essência primeira. Parece estranho que digamos estas coisas numa esteira de desejos mundiais, mas não será difícil olhar a escalada híbrida, o hermafroditismo, o imenso mal-estar da função que talhou o órgão - órgão que faz a função - a ciência avança de forma apaixonante e quase atravessamos o nosso corpo como ilustres desconhecidos... Amor, ainda um eufemismo servidor da causa, não criado e sim gerado, e que consoante os méritos de cada um foi orientado e sublimado na construção árdua do mundo onde jamais se confundiu “amor profano” com grande amor, pois Deus parecia estar no homem como sémen propagador, era-lhe consubstancial na transmissão. Atravessemos. Os séculos são estradas, têm alma, nascem e morrem e, claro, a dramatização desta matéria não se esgota, o pré-condicionamento não está apagado. Afinal ainda procuramos um arquétipo perdido... que em ninguém se encontra, mora, ou se repõem. O problema não está nas pessoas e nos seus níveis de conflitualidade ou de atracção, mas sim num certo “air du temps” que mutilou a outrora função cegamente programada. Tem gerado até pelo temor da sua força muitos neuropatas, mas esse imenso caudal será arrumado num grande “tubo de ensaio” como matéria atómica. Lixo radioactivo! Com quanto a transfiguração que nos daria uma experiência amorosa parece também ter sido rejeitada na fase alternativa do “beijo que liberta”. Beijos são sopros, talvez almas, tudo em que descremos como bem sabemos se afasta de nós. A sexualidade tomou um espaço anatómico que de-

nunciava já a sua futura morte, demonstrando assim uma saúde moribunda. Intelectualmente fomo-nos preparando para o século XXI e fizemo-lo com relativo êxito, mas biologicamente estamos atrasados. Somos uma plataforma de vestígios portadora de vínculos que não estão adaptados para a breve realidade de uma outra História do Tempo. Creio que esse tempo nos devore, esse mesmo tempo que gastámos a “comer-nos” uns aos outros com a prática canibal de uma sexualidade que na função

A sexualidade tomou um espaço anatómico que denunciava já a sua futura morte, demonstrando assim uma saúde moribunda

se esgotou. O corpo foi brutalizado, o corpo «Glorioso» não é isto, e talvez nos peça agora o fim das provas antevendo nós agora o grau da sua luz numa outra projecção: «as fantasias do teu erotismo/ põe-nas, semi-ocultas/ em meio às tuas frases/ esforça-te, poeta, por guardá-las todas.» Kaváfis Mais diz ainda: “Lembra corpo o quanto foste amado, e os desejos que brilharam em outros olhos claramente”, este corpo vamos com ele até festejarmos tudo tão claramente como um encontro sem par, que o par é um lado estagnado da função, e ela é outra, e tão nova, tão repentinamente nítida, que amá-la não pode ser um local narcísico, amando-a no lago frio das ilusões, tanto e tão, que caímos na armadilha mil vezes repetida de uma prova elementar que não transpusemos. Amar outrem, muito, tudo, não é necessário, são conclusões morais que obrigam a um cansaço e muita vigília... Acontecer no tempo. O corpo continua e os vinte e um gramas implantados nos ditarão o caminho novo que se aproxi-

ma agora da meta anunciada. Nem o castigo, nem a libertação, nem a aceitação, nem o logro ou a luxúria, conseguiram restituir a grande causa escondida que brotará melhorada e porá fim a uma parte do processo evolutivo. Os corpos subtis foram apelidados de “corpos aromáticos” e um mundo que cheire bem terá resultados telepáticos amorosos progredidos e ampliar-se-á na construção da alma vindoura, os fluídos da energia transformadora e formadora estarão próximos de um êxtase de vida que reconheceremos mais benigno para esse peso tão leve e definitivo. Talvez mudando a escala da erotização mundial nos possamos então propor a reformar estes destinos grupais projectados num mito que agora encontramos sujeito a falência, mas longe, tão longe da castração por fluxo concentrado o qual não fez mais que precipitar a sua queda. A liberdade encontra-se sempre ligada ao propósito do bem e bom será então dar as boas vindas a este «Sexo XXI» sem o medo dos contágios.


14 (f)utilidades BRUMA

?

SECA

O QUE FAZER ESTA SEMANA Amanhã

MIN

21

MAX

27

HUM

60-90%

1

9 6

TEATRO “VALE DE BONECAS OU LIFE AFTER THE HAPPY ENDING” Pensão San Va | 20h30

Sexta-feira

TEATRO “VALE DE BONECAS O U LIFE AFTER THE HAPPY ENDING” Pensão San Va | 20h30

8 0

Sábado

8 6 5 3 9 6 SALÃO 8 DE3OUTONO 5 7 4 0 1 2 EXPOSIÇÃO Casa Garden | Até 30/11 6 3 0 4 1 8 5 7 2 9 5 8 | PAISAGEM 9 2 MUTANTE 7 1 6 3 0 4 EXPOSIÇÃO Museu 3 de9Arte2de Macau 5 8| Até 10/02/2019 6 1 4 7 0 7 0 “THE 6 CITY1IN MY 4 HEART” 5 2 9 3 8 EXPOSIÇÃO Armazém 4 5do Boi 3 | Até6 18/11 0 2 9 1 8 7 8 2DREAMS 1 IN7THE9FALL OF 3 RUA0DOS5ERVANÁRIOS” 4 6 “FINDING Até0 Dezembro 7 5 8 6 4 3 2 9 1 2 1 4 9 3 0 7 8 6 5

Cineteatro 3 7 5 2 9 3 1 0 8 4 6

3 6 0 8 4 7 2 9 1 5

2 8 7 6 9 5 1 4 3 0

C I N E M A

4 9 5 1 2 0 3 6 8 7

0 1 3 4 8 6 5 7 9 2

1 3 4 7 0 9 6 5 2 8

6 2 8 3 5 4 7 1 0 9

9 7 1 0 6 3 8 2 5 4

8 0 9 5 7 2 4 3 6 1

5

5 4 6 2 1 8 9 0 7 3

3 9 2 7 5 8 6 1 4 0 PATRICK 6 0 1 8 4 3 7 9 5 2 HALLOWEEN [C] CODE MOVIE4 [C] 8 5 Um filme0 de: David 9BLUE:6THE 3 2Gordon1Green 7 FALADO EM JAPONÊS LEGENDADO Com: Lee Curtis, Judy Greer, EM CHINÊS E INGLÊS 5de: Masaki 2 Nishiura 0 1 7 4 19.30Will3Patton,8Nick Castle9 6 Um filme Com: Yamashita Tomohisa, Aragaki Yui,Toda Erika 14.30,7 19.15, 21.30 3 4 2 0 6 9 5 8 1 [B] MY 8 HERO ACADEMIA 5 9 6 1 2HICHKI 7 3 FALADO4 EM HINDI0 LEGENDADO THE MOVIE - TWO HEROES [B] EM CHINÊS E INGLÊS FALADO EM JAPONÊS LEGENDADO 4 E INGLÊS 1 7 3 9 0Um filme5de: Siddharth 6 P Malhotratiqua 2 8 EM CHINÊS Com: Rani Mukerji Um filme de: Kenji Nagasaki 14.30, 16.45, 19.15 16.450 8 6 5 2 7 1 4 3 9 HERO ACADEMIA 1 4 8 0 3 9MY 2 -7TWO 6 5[B] THE MOVIE HEROES PATRICK [A] FALADO EM JAPONÊS LEGENDADO Um filme de: Mandie Fletcher 7 5Ed Skrein,9 6 1EM CHINÊS 8E INGLÊS 3 0 4 Com:2 Beattie Edmondson, SALA 1

SALA 3

SALA 2

Tom Bennett, Jennifer Saunders 14.30, 16.30, 21.30

2O CARTOON STEPH DE

Venetian 1 4Expo7Hall F0| Até231/129

Um filme de: Kenji Nagasaki 21.30

9.08

BAHT

0.24

YUAN

1.16

COISAS BOAS

Quinta-feira

Diariamente 1 EXPOSIÇÃO KEITH HARING MAZE MACAO

EURO

VIDA DE CÃO

APRESENTAÇÃO DO LIVRO “MACAU, DEPOIS DO ADEUS”, DE ARNALDO GONÇALVES Fundação Rui Cunha | Das 18h30 às 20h30

CONCERTO SHEIK OF SWING Live Music Association | Das 22h00 à 1h00

7 9 2 8 4 3 6 1 5 0

6 1 4 0 5 8 7 3 9 2

0 2 3 9 1 7 4 5 6 8

8 5 7 1 2 6 9 0 3 4

3 4 5 6 0 9 2 8 1 7

SOLUÇÃO DO PROBLEMA 2

4 6 8 2 3 0 1 9 7 5

2 0 1 3 7 4 5 6 8 9

1 8 0 5 9 2 3 7 4 6

4

6 8 DISCO 9 0 5 2HOJE 7 4 UM 7 3 4 1 2 0 8 8 7 6 3 1 5 9 O prolífero Ty Segall não pára 0 de2 gravar 5 4discos. 9 Lan8 3 çado no dia 26 de Outubro, 4 1 Sandwich” 2 6 7 é 9um 0 “Fudge álbum de 3 9 0versões 5 8e o 611º 4 em nome próprio da carreira de1uma 6 década 3 9no4músico 7 5 norte-americano. O disco 2 5versões 8 de 7 John 0 Len3 1 inclui non, Grateful Dead, Amon 5 0 1 8 6 4 2 Düül II, Funkadelic e Neil Young, 9 4 entre 7 outros. 2 3 Este 1é6

o terceiro registo lançado pelo norte-americano em 2018, 6 depois de “Freedom’s Goblin” e de “Joy”, em parceria 4 com 3 9White 2 Fence. 1 8Ty 7 Segall é uma rara excepção 8 0sonora 5 7de que 4 9 e 6a prova quantidade pode também 2 qualidade. 6 1 8 João 5 Luz 0 3 ser

7 8 1 0 5 9 3

4 3 9 9 6 0 7 5 3 2 7 4 1 8 6 0 2 7 5www. 4 1

hojemacau. com.mo

6 2 7 5 1 0 9 3 8

9 3 6 7 8 5 0 4 2 1 3 5 4 1 8 7 2 6 9 0

5 7 9 4 6 1 8 2 0 3 1 9 0 6 3 2 8 4 7 5

3

2 9 3 1 0 8

4 7 9 9 2 0 6 3 1 4

7

3 64 02 8 7 6 0 95 11 9

PROBLEMA 3

5

3 9 5 4 0 2

9

5 09 6 3 37 52 0 4 41 8

25 81 0 7 2 4 8 9 36 03 26 2 4 09 1 5 78 3 0 57

11

6 5

5 7 4 1 8 5 2 6 8 6 4 5 6 9 7 9 3 0 6 4

3 4 7 9 3 1

48 0 6 3 21 09 7 2 4 75

99 75 7 4 0 1 3 8 52 46

78 4 47 1 23 60 5 56 2 99

02 9 1 45 3 8 56 4 0 27

7 40 8 75 4 9 91 2 33 6

16 7 4 79 5 0 61 3 8 82

3 31 2 40 6 8 07 9 94 5

60 8 5 1 59 47 2 6 3 94 60 8 09 4 95 46 2 11 7 83

8 6

19 7 1 86 8 3 64 0 5 32

7 03 98 2 6 5 4 31 69 0 4 56 3 2 80 77 9 5 68 1

2 9

6 1

1 2 69 26 14 83 95 00 7 8 01 3 75 68 2 4 86 97 9 40

S U D O K U

TEMPO

13.11.2018 terça-feira

4 6 3 0 8 2 9 7 5 1 2 5 0 7 9 1 3 8 6 4

Reportar a política de Macau é uma experiência exótica em vários as2 pectos. Não me parece que em mais lado nenhum no mundo um líder 7 pudesse8 dar-se 3 4ao luxo de político proferir tão vagas e4vazias palavras. 0 Num comunicado de aquecimento 3 1 Chui 0 para a apresentação das8LAG, Sai On0prometeu implementar “me9 6 2 didas benéficas para a população”. 4 ano parece 1 2 que ficam 7de fora 8 Este medidas 3 8 abertamente 6 nocivas4para2os residentes. Em princípio, o Executivo 6 vai mandar pulverizar 2 1 a cidade 3 0 não com Antrax, 5 nem 0 eleger 8 o enfisema 7 como a mascote oficial de Macau. No fundo, Chui Sain3On quer7coisas boas, ou0mesmo fenomenais, em oposição 7 5 9 a coisas mazinhas ou do domínio do ranhoso. É impressionante como isto é4dito assim, sem mais. Quer coisas 8 boas, imagine-se. La Palice dá voltas na cova. 80 Acho 91 06que 5já se4 disse 77 bem 43 39 mais com a boca fechada. Enquanto 38 2reportam 17 9 o vazio, 3 81porque 6 55 os jornalistas ainda assim tem valor político, gosta5 6 30 8 2 99 21 7 ria de saber o que a população acha. 0 24 uma 7 consulta 3 1 pública 9 5 e uma 8 10 Proponho bateria 6 de estudos 25 68 a este 72 tipo 97 de 0 decla54 1 rações. O que sentem os suicidários e 3 4amantes 9 80da61melancolia? 8 7 2 os intrépidos E que opiniões têm 4 os niilistas 75 54 sobre 1 8 92 6 9 3 as “medidas benéficas para a popu7Enfim, 9 4pode03ser30que6um2dia 68 lação”?5 destes 5 se 46 2 0em 4 9 desenvolvam 3 5 67 iniciativas várias áreas com o intuito de fomentar 9 e2determinadas 70 1 4 situações. 8 3 8 5 6 certas Isso é que era! João Luz

6

10

4 FUDGE 1 0 SANDWICH 2 9 5| TY8SEGALL 6 3 87 06 54 3 8 90 39 12 2 6 5 7 50 01 3 4 8 49 2 98 4 3 87 5 26 5 1 6 48 79 4 3 0 0 7 3 2 64 41 8 9 23 79 41 7 6 52 60 85 5 8 84 60 35 92 29 7 1 9 2 8 9 6 7 5 1 4 4 3 15 61 20 06 2 7

12

5 6 0 8 5 7 9 6 1 2 0 4 3 1 9 2 5 7 4 8 0 3 1 2 0 3 4 2 1 5 6 7 8 9 6 4 8 0 3 1 7 9 9 4 7 5 2 1 8 4 7 0 3 9 6 5 7 4 9 8 6 3 2 0 5 8 1 2 6 6 9 3 0 7 2 5 4 1 8 0 3 1 6 2 7 4 8 4 7 1 2 3 5 7 8 2 4 3 9 1 5 6 0 9 5 6 8 0 3 2 1 2 6 4 0 9 8 1 0 6 5 9 4 8 2 3 7 3 1 7 2 4 0 5 6 9 3 5 6 8 1 3 4 5 1 8 0 9 6 7 2 2 0 3 7 9 5 6 4 Propriedade Fábrica de Notícias, Lda Director Carlos Morais José Editor João Luz; José C. Mendes Redacção Andreia Sofia Silva; Diana do Mar, João Santos Filipe; Sofia 3 Margarida 9 2Mota;7Vitor0Ng Colaboradores 4 2 António 6 9Cabrita; 7 António 0 8Castro3Caeiro;1 António 5 Falcão; 4 Gonçalo Lobo Pinheiro; 8 6João Paulo 5 Cotrim; 4 1José Drummond; 9 0 3 Amélia Vieira; José Navarro de Andrade; José Simões Morais; Luis Carmelo; Michel Reis; Nuno Miguel Guedes; Paulo José Miranda; Paulo Maia e Carmo; Rui Cascais; Rui Filipe Torres; Sérgio 8 Fonseca; 1 6Valério4Romão 5 Colunistas 3 António Conceição 9 Júnior; 7 David 0 Chan; 6 João 5 Romão; 3 Jorge 4 Morbey; 8 2Jorge Rodrigues 1 7 2 9 3 6 8 1 5 Simão; Leocardo; Paul Chan Wai Chi; Paula Bicho; Tânia dos Santos Cartoonista Steph Grafismo Paulo Borges, Rómulo Santos Ilustração Rui Rasquinho Agências Lusa; Xinhua Fotografia Macau; GCS; Xinhua 6 de2redacção 4 1 8 3 2 6Assistente 7 9de marketing 0 5Vincent Vong Impressão 4HojeTipografia 8 0Lusa; 1 5 2Secretária 9 7 0 e8Publicidade 7 9Madalena da Silva (publicidade@hojemacau.com.mo) Welfare Morada Calçada de Santo Agostinho, n.º 19, Centro Comercial Nam Yue, 6.º andar A, Macau Telefone 28752401 Fax 28752405 e-mail info@hojemacau.com.mo Sítio www.hojemacau.com.mo

5 4 6 1

3

2 0 4 6 3 5 7 1 78 59

8 4 3 2 9 6 0 5 1 7

07 5 79 1 2 6 4 43 30 8

4 1 2 0 7 5 8 6 3 9

6 5 0 9 7 8 1 2 4 3

3 2 1 5 4 9 8 7 0 6


opinião 15

terça-feira 13.11.2018

macau visto de hong kong

Medidas à altura do acontecimento

LIN GUA, RUGIDO

DAVID CHAN

O

Grande Prémio de Macau deste ano inaugura oficialmente na próxima quinta-feira, dia 15. No sábado, 17, ao meio dia, o Comité do GP preside a uma cerimónia de oração pelo sucesso deste evento. Alexis Tam, secretário para os Assuntos Sociais e Cultura e Presidente do Comité do Grande Prémio, salientou que, à semelhança do ano passado, os funcionários públicos vão fazer, durante este período, horas extraordinárias para garantir a normalidade do trânsito. Esta medida tem vindo a ser tomada há quatro anos consecutivos, com resultados positivos. Alexis Tam também sugeriu que os empregadores flexibilizassem os horários de trabalho durante o evento. Adiantou que, sobretudo no primeiro dia, se espera algum congestionamento no trânsito e apela à compreensão do público. O Departamento dos Transportes, juntamente com outros ga-

binetes, vai dar o seu melhor para continuar a garantir a normalidade dos serviços. Como é do conhecimento geral, o Grande Prémio de Macau é um evento anual e, de cada vez que se realiza, cria uma grande quantidade de transtornos na circulação do trânsito. É pois de encorajar a implementação da flexibilização do horário de trabalho, durante este período. Os horários escolares constituem outra preocupação. As escolas, e em particular as Universidades, deverão reorganizar os horários de forma a deixar os estudantes e o pessoal académico livres nos dias das competições. Esta medida parece ser adequada para descongestionar o trânsito, mas tem um ponto fraco: a necessidade de trabalhar ao sábado e ao domingo. Será que vai ser necessário pagar os honorários do pessoal académico a dobrar? E os alunos que não puderem comparecer nesse

dia? Não nos podemos esquecer que muitos estudantes universitários têm empregos a tempo inteiro e que será complicado reorganizar horários de trabalho em função destas alterações. Também não podemos esquecer que a taxa de presenças em seminários e palestras é um critério de acesso aos exames. Além disso, nas Universidades existem horários diurnos e horários nocturnos. As alterações só precisam de ser aplicadas às turmas de dia, mas não às da noite porque por volta das 18.00h as estradas de Macau voltam a estar abertas à circulação normal. Estas são algumas questões que devem ser pensadas antes de se produzir alterações nos horários das escolas e Universidades. Quando Macau foi assolado pelo tufão Mangkhut, o Chefe do Executivo dispensou os funcionários públicos que não estavam convocados para os trabalhos de limpeza

As escolas, e em particular as Universidades, deverão reorganizar os horários de forma a deixar os estudantes e o pessoal académico livres nos dias das competições. Esta medida parece ser adequada para descongestionar o trânsito, mas tem um ponto fraco: a necessidade de trabalhar ao sábado e ao domingo. Será que vai ser necessário pagar os honorários do pessoal académico a dobrar?

e recuperação. Esta medida recebeu uma aprovação geral, pois permitiu-lhes ter tempo para se ocuparem das suas famílias, e também diminuiu a pressão daqueles que tiveram de se ocupar das operações de salvamento e recuperação. Para além destas medidas, o Chefe do Executivo negociou com os casinos de forma a suspenderem a actividade antes da chegada do tufão. A dispensa dos funcionários públicos no dia a seguir à passagem do tufão Mangkhut, juntamente com a flexibilização dos horários da função pública durante o período do Grande Prémio de Macau foram tomadas ao abrigo do princípio “medidas especiais para eventos especiais”. Já que este princípio é benéfico para o público em geral, deve considerar-se respeitá-lo sempre que de futuro Macau tiver que lidar com situações excepcionais. Em Hong Kong estas políticas não foram adoptadas. Pelos noticiários ficámos a saber que todos os funcionários públicos regressaram ao serviço no dia a seguir à passagem do tufão Mangkhut. Como grande parte das árvores cairam, devido ao tufão, o trânsito ficou muito congestionado e as estradas ficaram praticamente intransitáveis. A viagem para o trabalho tornou-se muito difícil nestas circunstâncias. Seja como for, é de encorajar o princípio “medidas especiais para eventos especias”.

Professor Associado do IPM • Consultor Jurídico da Associação para a Promoção do Jazz em Macau • legalpublicationsreaders@yahoo.com.hk • http://blog.xuite.net/legalpublications/hkblog


Quem fica na ponta dos pés, tem pouca firmeza. Lao Tsé

FESTIVAL DE LUZ REGRESSO EM DEZEMBRO COM MÚSICA E GASTRONOMIA

“DIA DOS SOLTEIROS” CHINESES GASTARAM MAIS DE 27 MIL MILHÕES DE EUROS

O

S consumidores chineses estabeleceram um novo recorde de gastos ‘online’ durante o “Dia dos Solteiros” no país, com as principais plataformas chinesas a facturarem, no total, 30,8 mil milhões de dólares. O valor dos gastos representa um acréscimo de 27 por cento, face ao ano passado. Lançado em 2009 pelo gigante do comércio electrónico chinês Alibaba, que opera os populares ‘sites’ de compras Taobao e Tmall, o “Dia dos Solteiros” consiste em promoções nas empresas de comércio electrónico e grandes armazéns. Durante a gala que marcou o dia, em Xangai, um ecrã exibiu em tempo real os gastos. Antes das 16:00 horas de domingo, as vendas tinham alcançado os 24,2 mil milhões de dólares, superando o total registado no ano passado. O CEO do Alibaba, Daniel Zhang, considerou que os resultados reflectem a “força e crescimento da economia de consumo” no país. O “Dia dos Solteiros” começou a ser celebrado na China nos anos 1990 por estudantes universitários. A data escolhida é 11 de novembro pelos quatro ‘um’ que combinam neste dia (11/11), que afigura assim a condição de solteiro.

Qualidade do ar Ozono com “aumento significativo”

PUB

Os Serviços Meteorológicos e Geofísicos (SMG) emitiram um comunicado onde apontam um “aumento significativo” na manhã de ontem do nível das concentrações de ozono em todas as estações de vigilância da qualidade do ar em Macau. As razões para a poluição prendem-se com o facto “do vento na região estar fraco, o que não favorece a dissipação de poluentes”. Além disso, “o céu apresentou-se pouco nublado, o que deu origem ao aumento deste poluente fotoquímico”. Ontem, por volta do meio dia, a influência das partículas PM 2,5 reduziu a visibilidade na região para menos de cinco quilómetros. Os SMG prevêem que a má qualidade do ar continue hoje “sem alterações” e que só melhore “quando o vento se intensificar”. A qualidade do ar deve, por isso, atingir o nível de “insalubre”, pelo que se aconselha pessoas com problemas respiratórios ou cardiovasculares a não realizarem actividades ao ar livre.

terça-feira 13.11.2018

PALAVRA DO DIA

I

Papéis principais Xi destaca contributos de Macau e Hong Kong no sucesso dos últimos 40 anos

U

MA faixa, uma rota” e o programa de cooperação da Grande Baía são os dois mega-projectos para os quais Pequim quer a participação das duas regiões administrativas especiais. Além destas “sugestões”, Xi Jinping destacou o contributo “único e insubstituível” de Macau e Hong Kong na abertura do país e no sucesso das reformas que a China empreendeu nos últimos 40 anos. O discurso do Presidente chinês, perante delegações das duas regiões administrativas especiais, foi proferido no quadro das celebrações das reformas de abertura económica da China durante a liderança de Deng Xiaoping. Na reunião em Pequim participaram mais de 200 líderes políticos e empresários, entre as duas comitivas das regiões administrativas especiais, e oficiais do Governo Central, como Han Zheng, número dois de Li Keqiang Durante o discurso, que durou seis minutos, Xi reconheceu os contributos das duas regiões para o desenvolvimento da China. “Na reforma e abertura, o estatuto único e o contributo

dos patriotas de Hong Kong e Macau foi enorme e os seus papéis insubstituíveis”, referiu o Presidente chinês. “Reflectindo na experiência dos últimos 40 anos, o desempenho insubstituível de Hong Kong e Macau foi importante para o nosso sucesso. Como tal, quero expressar um caloroso agradecimento. A pátria-mãe e o seu povo jamais vos vão esquecer”, acrescentou Xi Jinping.

PROMESSAS DE FUTURO

Depois de renovar a intenção de prosseguir a abertura da China ao mundo, onde destacou as posições proeminentes das duas regiões administrativas especiais, Xi Jinping apelou “ao genuíno patriotismo” de Macau

“Na reforma e abertura, o estatuto único e o contributo dos patriotas de Hong Kong e Macau foi enorme e os seus papéis insubstituíveis.” XI JINPING PRESIDENTE DA CHINA

e Hong Kong no aproveitamento das políticas de nacionais. “Estas cidade devem ser integradas no desenvolvimento do país, enquanto escrevemos em conjunto este capítulo do grande rejuvenescimento da nação chinesa”, referiu o Presidente numa alusão à visão nacionalista de progresso socioeconómico para as décadas vindouras. Xi destacou ainda que entre os membros das delegações se contavam “velhos amigos” de Pequim, que lhe avivaram “memórias vívidas” quando se encontraram. Em jeito de resposta, Chui Sai On mencionou o papel activo de Macau no progresso do país e fez votos para que o espírito de abertura e reforma nunca termine. O Chefe do Executivo lembrou também os quatro desejos que Xi Jinping endereçou a Macau e Hong Kong, sendo que um deles passa pela contribuição dos territórios para a “abertura plena do país”. Neste âmbito, “durante o processo de alargamento da abertura do país o estatuto e funções de Macau serão melhorados e explorados e não sairão enfraquecidos”, frisou Chui Sai On. João Luz

info@hojemacau.com.mo

NSTALAÇÕES luminosas, espetáculos de ‘vídeo mapping’ e jogos interactivos regressam em Dezembro a Macau no âmbito do Festival de Luz, que adiciona este ano ao programa eventos de música e gastronomia, foi ontem anunciado. O festival, que vai decorrer de 2 a 31 de Dezembro, “combina gastronomia, humanidade, arquitectura, cultura e criatividade (...) demonstrando a essência da fusão das culturas chinesa e ocidental da cidade”, descreve um comunicado dos Serviços de Turismo. Em conferência de imprensa, a directora dos Serviços de Turismo (DST), Maria Helena de Senna Fernandes, sublinhou que o programa do evento tem sido optimizado todos os anos “em apoio à construção de Macau como um centro mundial de turismo e lazer”. Assim, para a quarta edição, a entidade organizadora “concebeu uma série de novos elementos”, nomeadamente um mercado noturno que será palco, durante os fins de semana, de concertos ao ar livre. Para os espectáculos de ‘vídeo mapping’, que consistem na projecção de vídeo em objectos ou superfícies irregulares, foram convidadas equipas locais de produção de efeitos de luz, mas também de Portugal e da Bélgica, de acordo com a mesma nota. O objectivo é, segundo a responsável, contribuir para “uma plataforma de intercâmbio cultural e criativo entre artistas estrangeiros e locais” e, assim, internacionalizar o festival.

Hoje Macau 13 NOV 2018 #4171  

N.º 4171 de 13 de NOV de 2018

Hoje Macau 13 NOV 2018 #4171  

N.º 4171 de 13 de NOV de 2018

Advertisement