Page 1

DIRECTOR CARLOS MORAIS JOSÉ

MOP$10

TERÇA-FEIRA 12 DE JUNHO DE 2018 • ANO XVII • Nº 4070

CIMEIRA

CHOQUE DE TRITÕES

hojemacau

GRANDE PLANO

JARDINS

PÁGINA 5

MATRIX E BUDISMO

MULTAS

PUB

h PAULO JOSÉ MIRANDA

Consulta adiada O Governo decidiu ontem adiar a consulta pública e promete rever as suas propostas. Mas isso poderá não impedir o protesto marcado para sábado. PÁGINA 6

PUB

PROTESTO NO SÁBADO. GOVERNO RECUA

AGÊNCIA COMERCIAL PICO 28721006

www.hojemacau.com.mo•facebook/hojemacau•twitter/hojemacau

DEPUTADO NÃO QUER BEIJINHOS


2 grande plano

É a primeira reunião bilateral de dois países que são inimigos declarados desde a década de 50, quando se deu a guerra da Coreia. Hoje Donald Trump reúne com Kim Jong-un em Singapura, numa altura em que a cidade-estado está sob fortes medidas de segurança. O programa nuclear da Coreia do Norte e uma possível

pacificação das duas Coreias são os pontos principais da agenda de uma cimeira imprevisível

12.6.2018 terça-feira

A CIMEIRA´ IMPREVISIVEL COREIAS

DONALD TRUMP E KIM JONG-UN ENCONTRAM-SE HOJE EM SINGAPURA

A

marcação da cimeira entre os Estados Unidos e a Coreia do Norte tem estado sujeita a um imenso pingue-pongue diplomático, com declarações contraditórias de Donald Trump, presidente norte-americano, nos últimos meses. Mas a Casa Branca anunciou mesmo a realização do encontro bilateral para hoje, em Singapura. Desde o fim-de-semana que os dois líderes estão na cidade Estado.Ambos os países estão de costas voltadas desde os anos da Guerra da Coreia, ocorrida entre 1950 e 1953, pelo que os olhos do mundo estão depositados neste encontro. Apossibilidade da Coreia do Norte pôr termo ao seu programa nuclear é um dos pontos fortes da agenda, mas, de acordo com o académico Arnaldo Gonçalves, especialista em ciências políticas, tudo pode acontecer e é difícil fazer prognósticos antes dos líderes irem a jogo. “Uma cimeira destas é imprevisível. Não se sabe o que poderá acontecer. Houve realmente uma preparação significativa, houve encontros ao mais alto nível e haverá com certeza uma agenda que nem a imprensa nem ninguém conhece, mas vamos a ver o que irá acontecer.” O académico defende que seja construída “uma base de entendimento entre os dois países, que nunca foi tentada por outros presidentes e que estes pelos vistos estão a tentar criar. Se for criada também não é nada de original, porque já o foi entre o Estados Unidos e a União Soviética na crise de Cuba e depois foi mantida até ao final da URSS. Foi uma importante via de comunicação entre dois países que se conheciam mal”. Se existir um acordo, será “uma coisa muito positiva e que pode ser continuada”. “Não há soluções milagrosas sobretudo como o mundo está. Cada país funciona pelo seu interesse nacional. O regime

“Uma cimeira destas é imprevisível. Não se sabe o que poderá acontecer. Houve realmente uma preparação significativa, houve encontros ao mais alto nível e haverá com certeza uma agenda que nem a imprensa nem ninguém conhece, mas vamos a ver o que irá acontecer.” ARNALDO GONÇALVES ACADÉMICO

da Coreia do Norte é um regime estalinista, muito fechado, muito crispado. Tem as suas ambições politicas que são perceptíveis, não digo que são justificáveis, na reunificação da Coreia do Norte sob um regime comunista. Acho que a comunidade internacional, sobretudo os países democráticos, não podem aceitar uma coisa destas porque seria voltarmos atrás, num regresso a antes de 1989. Estou expectante, mas sobretudo não tenho nenhuma certeza.” Mesmo sem certezas, Arnaldo Gonçalves levanta a ponta do véu do que poderá ser discutido hoje. “Provavelmente a estratégia é estabelecer uma linha de comunicação entre os dois lados, colocar a posição americana, que é a de um programa de desmilitarização acompanhado pelas autoridades internacionais que têm competência nesta matéria, haver um controlo do fechamento dos silos atómicos e das unidades de produção de misseis.” Do lado da Coreia do Norte, os pontos de discussão podem passar “pela exigência do levantamento de

todas as sanções, porque elas estão sobretudo a penalizar as exportações norte coreanas e a situação em termos económicos é terrível, mas no que diz respeita à elite, porque ele deve estar preocupado é com a elite e não com o povo norte coreano”. “A situação não deve ser nada fácil porque o dinheiro que foi transferido para o estrangeiro e que está em paraísos fiscais está congelado e eles não o podem movimentar”, acrescentou o académico.

A POSIÇÃO DA CHINA

Neste jogo, a China já mostrou apoiar a cimeira, de acordo com

declarações recentes de Wang Li, professor chinês de relações internacionais na Universidade de Jilin. “Apesar de existirem diferentes visões sobre o envolvimento da China na península coreana (…) o papel da China na desnuclearização e estabilidade da região é tido como incontornável”, disse à agência Lusa, dias antes da cimeira. Wang sustentou que, apesar de “alguns cépticos” temerem que a cimeira enfraqueça o papel da China e que uma possível reunificação da península coreana venha a constituir uma ameaça para o país a longo prazo, Pyon-


grande plano 3

terça-feira 12.6.2018

gyang vai continuar a depender de Pequim. De frisar que, em Março, Kim Jong-un visitou Pequim e encontrou-se com Xi Jinping, na sua primeira visita ao estrangeiro desde que assumiu a liderança da Coreia do Norte, há mais de seis anos. Menos de dois meses depois, Kim voltou a reunir-se com Xi, na cidade chinesa portuária de Dalian, no nordeste do país, numa cimeira surpresa. O professor da universidade de Jilin explica que a China “precisa de estabilidade e paz nas suas fronteiras”. Caso a península seja pacificada, Pequim “pode então concentrar as suas energias” no Mar do Sul da China, que reclama quase na totalidade – apesar dos protestos dos países vizinhos -, e em Taiwan, cujos laços com o continente se deterioraram desde a eleição da Presidente Tsai Ing-wen, pró-independência, afirma Wang. Para Arnaldo Gonçalves, “não podemos desvincular a China deste encontro, mas não sabemos, não temos ainda informações acerca de qual é a sua linha de influência em relação às negociações. A China esconde muito bem o jogo e é perita em fazê-lo e não sabemos que influência tem. Penso que a sua expectativa é que a situação se mantenha neste momento, porque lhe é favorável”.

COREIA DO SUL ESPERA-SE UM “MARCO HISTÓRICO NO CAMINHO PARA A PAZ”

O

presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, disse hoje esperar que a cimeira que junta os presidentes dos Estados Unidos e da Coreia do Norte seja “um marco histórico no caminho para a paz”. “A cimeira entre os Estados Unidos e a Coreia do Norte, que o mundo tem estado a desejar, celebra-se amanhã [hoje] depois de uma longa espera”, disse o líder sul-coreano numa mensagem aos seus colaboradores, na qual disse desejar que surja um “acordo significativo” que seja “um mar-

co histórico no caminho para a paz”. Segundo o gabinete de imprensa do Presidente, que divulgou a mensagem, Moon Jae-in destacou a “sinceridade e determinação” dos dois líderes, mas ressalvou que as divergências entre os dois líderes dificilmente serão ultrapassadas numa só reunião. “Mesmo que ambos iniciem o diálogo, podemos precisar de um longo processo que levará um ano, dois anos ou talvez mais para resolver completamente os problemas que nos ocupam”, disse o Presidente da

Isto porque “se a posição do ocidente, e se a situação da Coreia evoluir para uma pacificação e uma reunificação dentro do modelo da Coreia do Sul, a China sente-se um pouco ameaçada porque seria um país democrata e uma economia liberal que funcionaria na sua fronteira oriental, e isso seria uma ameaça ao seu regime. O cenário que é mais favorável é tudo continuar como está, ou seja, existirem duas coreias que

Coreia do Sul, que teve um papel determinante no encontro entre Trump e o líder norte-coreano. Nesse sentido, concluiu que é preciso “pensar a longo prazo” e sublinhou que para um processo com sucesso é preciso um “esforço sincero” não só das duas Coreias e dos Estados Unidos, mas também a “contínua cooperação” dos países vizinhos, como a China, Rússia e Japão, nações que participaram em anteriores negociações sobre a desnuclearização da península.

convivem sem estarem encrespadas ou em situação de guerra”.

PUTIN E TRUMP

Arnaldo Gonçalves traça ainda o retrato do posicionamento da Rússia neste contexto geopolítico, sobretudo numa altura em que o seu presidente, Vladimir Putin, já falou da vontade de reunir com Trump. “Putin está na China porque a China, neste momento, tornou-se o pivot de todas estas negociações e ultrapassou o Putin e a União Soviética. Durante toda a Guerra Fria o principal fornecedor de armamento a toda a Coreia do Norte era a Rússia. Mas por via desta situação toda e devido a uma jogada de antecipação do presidente Xi, a China colocou-se no centro e a Rússia está absolutamente ultrapassada. O Putin vai visitar a China para tentar reposicionar-se outra vez nesta zona do mundo que é muito importante para a Rússia.” O factor fundamental neste jogo são os recursos naturais. “Se olharmos para o mapa os grande oleodutos e gasodutos que vêm da Sibéria da zona central da Rússia, vêm desaguar na costa chinesa muito perto da fronteira com a Coreia.Aquilo é uma zona fundamental para os Russos fazerem valer o seu interesse”, rematou. Singapura tem estado sob fortes medidas de segurança para uma cimeira que foi organizada a contra relógio. Donald Trump reuniu com Lee Hsien Loong, primeiro-ministro de Singapura, tendo referido, de acordo com a Reuters, que a cimeira de hoje “pode funcionar muito bem”. Aguardemos. Andreia Sofia Silva (com S.M.M. e agências) andreia.silva@hojemacau.com.mo

OS PASSOS SEM VOLTA 8 MARÇO

- Kim Jong-un convida Trump a reunir-se com ele, numa carta entregue em Washington por um enviado de Seul; - No mesmo dia, e contra todos os prognósticos após meses de tensões e troca de insultos, o Presidente dos Estados Unidos aceita realizar a cimeira, sendo inicialmente apontada a data de finais de maio.

13 MARÇO

- Trump demite abruptamente o secretário de Estado, Rex Tillerson, e substitui-o pelo então diretor da CIA, Mike Pompeo, um dos seus “falcões”, cuja linha dura em matéria de política externa faz temer pelo futuro da cimeira com Pyongyang.

25-28 MARÇO

- Kim Jong-un vai em segredo à China e reúne-se com o Presidente chinês, Xi Jinping, naquela que foi a sua primeira viagem ao estrangeiro e a sua primeira cimeira desde que chegou ao poder, em 2011.

9 ABRIL

- Donald Trump diz que o seu histórico encontro com Kim poderá realizar-se “em maio ou princípios de junho”.

18 ABRIL

- O Governo norte-americano informa que Mike Pompeo se deslocou à Coreia do Norte e se reuniu com o dirigente norte-coreano em finais de março para acertar pormenores sobre as condições do encontro entre os líderes de Washington e Pyongyang.

21 ABRIL

- A Coreia do Norte anuncia que suspende os seus testes nucleares e balísticos e que encerrará o centro de ensaios atómicos do nordeste do país, onde realizou os seus seis testes nucleares, no que representou uma importante concessão com vista à realização dos encontros de Kim com os Presidentes da Coreia do Sul e dos Estados Unidos.

27 ABRIL

- Kim Jong-un e o Presidente sul-coreano, Moon Jae-in, realizam na fronteira, na zona desmilitarizada, a primeira cimeira entre as duas Coreias em 11 anos, na qual acordam trabalhar para alcançar a paz e a desnuclearização da península.

7-8 MAIO

- O Presidente chinês e o líder norte-coreano voltam a reunir-se de surpresa na cidade chinesa de Dalian, e o encontro desperta receios em Washington.

8 MAIO

- O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, vai a Pyongyang pela segunda vez num mês e torna a reunir-se com Kim.

9 MAIO

- Trump anuncia que Pompeo regressa de Pyongyang trazendo os três cidadãos norte-americanos que estavam presos na Coreia do Norte e classifica a sua libertação como “um gesto positivo de boa vontade”.

10 MAIO

- O Presidente norte-americano revela que a cimeira com o líder norte-coreano será a 12 de junho em Singapura.

16 MAIO

- A Coreia do Norte ameaça cancelar a cimeira com os Estados Unidos em protesto contra manobras militares de Seul e Washington.

24 MAIO

- Pyongyang acusa Washington de pôr em perigo a cimeira de Kim e Trump por fazer comentários “estúpidos”, referindo-se a declarações do vice-presidente norte-americano, Mike Pence, e do conselheiro de Trump para a Segurança Nacional, John Bolton, sobre a imposição do modelo líbio para a sua desnuclearização; - Horas depois, o Presidente Trump cancela abruptamente a cimeira com Kim Jong-un, devido à “tremenda ira e hostilidade” do regime; - Ao mesmo tempo, a Coreia do Norte destrói com explosões os túneis do seu centro de testes nucleares de Punggye-ri, no nordeste do país, na presença de imprensa estrangeira.

25 MAIO

- Trump volta a mostrar-se disponível para se reunir com Kim depois de o regime norte-coreano ter manifestado a intenção de retomar o diálogo “em qualquer momento e de qualquer forma”.

26 MAIO

- Os líderes das duas Coreias realizam em segredo e de surpresa a sua segunda reunião em apenas um mês para tentar melhorar as suas relações e salvar a cimeira de Kim Jong-un e Donald Trump.

30 MAIO

- O chefe da diplomacia norte-americana, Mike Pompeo, recebe em Nova Iorque o ‘número dois’ do regime norte-coreano, o general Kim Yong-chul. 01 junho: - O militar norte-coreano é recebido na Casa Branca por Trump, que confirma que a cimeira com o líder de Pyongyang continua de pé para 12 de junho, em Singapura.


4 política

12.6.2018 terça-feira

SOFIA MARGARIDA MOTA

MANIFESTAÇÕES COUTINHO QUER SABER CRITÉRIOS PARA CARTAZES

O

deputado José Pereira Coutinho quer saber os critérios que definem a dimensão dos cartazes usados em manifestações. Em causa está um acórdão do Tribunal de Última Instância (TUI), no início de Maio, relativo a um recurso sobre o Direito de Reunião e Manifestação em que um agente da polícia

emitiu um despacho obrigando à restrição do tamanho dos cartazes a utilizar numa manifestação. A Polícia de Segurança Pública acusou os manifestantes, in loco, de violarem a restrição da dimensão dos cartazes (2m x 2m) e de cometerem o crime de desobediência.

No mesmo acórdão é ainda referido que, “mesmo reconhecendo poderes da polícia para restringir a dimensão de cartazes, com fundamento em considerações de segurança pública e de manutenção da ordem pública, o respectivo acto tem de justificar devidamente as razões

de segurança pública ou ordem pública em que se fundamenta”. Pereira Coutinho questiona o Executivo acerca do tamanho dos cartazes a partir do qual são considerados “perigo para a segurança pública”, e com que critérios são definidas as dimensões dos mesmos. S.M.M.

FUNDO GUANGDONG-MACAU TAXA “MODERADA” JUSTIFICADA COM AUSÊNCIA DE RISCOS

Cheque com cobertura

A Autoridade Monetária de Macau (AMCM) justifica a “moderada” taxa de retorno anual garantida do investimento no Fundo para a Cooperação e o Desenvolvimento Guangdong-Macau com o facto de o risco ser reduzido “As condições são belíssimas”, atirou, por seu lado, Au Kam San. “Nós vamos pagar 20 mil milhões”, realçou o pró-democrata que quis saber ainda o que acontece, por exemplo, se a taxa de retorno anual atingir um nível intermédio (isto é, se for superior a 3,5 por cento mas inferior a 7,8 por cento). A resposta: a rentabilidade adicional é encaixada automaticamente pela parte de Guangdong. Houve ainda deputados a perguntar em concreto quanto é que Macau poderá efectivamente lucrar

jectos, cuja escolha fica a cargo de Guangdong. “Nós não vamos participar da gestão do investimento nem da decisão [relativamente aos projectos]”, respondeu Benjamin Chan, indicando, porém, que o Fundo Guangdong-Macau deve disponibilizar uma lista, sendo que Macau pode elencar quais deve a sociedade gestora excluir. Segundo o mesmo responsável, Macau recebeu recentemente uma lista de 14 projectos. “Não estamos a ver nenhum indesejável”, disse. Além do direito à informação, Macau goza do “direito de

com o referido investimento no fundo, mas em vão, dado que o Governo não avançou qualquer estimativa a respeito. Dado que não há riscos financeiros e há uma taxa de retorno anual garantida, Chui Sai Peng foi um dos parlamentares a indagar por que razão “não se investe um pouco mais”. Na resposta, o presidente do conselho de administração da AMCM foi peremptório ao afirmar que, neste momento, o máximo definido é de 20 mil milhões.

veto”. À luz dos princípios gerais, o investimento vai ser feito em projectos de infra-estruturas, sendo definidos como “prioritários” os de “boa qualidade” relacionados com “a construção da Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau e da Zona de Comércio Livre que beneficiem a economia e bem-estar das populações das duas jurisdições”. Os deputados manifestaram ainda dúvidas relativamente aos “riscos” decorrentes do câmbio que, segundo a AMCM, “podem ser controlados através do recurso a instrumentos de ‘hedging’”, bem como em relação à transparência do investimento. Na réplica, a AMCM prometeu

GCS

F

ORAM as contrapartidas para Macau que suscitaram mais perguntas por parte dos deputados durante uma sessão de apresentação do recém-criado Fundo para a Cooperação e o Desenvolvimento Guangdong-Macau. Na réplica, o presidente do conselho de administração da AMCM, Benjamin Chan, justificou a “moderada” taxa de retorno anual garantida com o facto de o risco ser praticamente nulo. A RAEM vai entrar com 20 mil milhões de renminbi no fundo e, independentemente de lucros ou prejuízos, tem uma taxa de retorno anual garantida correspondente a 3,5 por cento da participação efectuada. Já quando a rentabilidade ultrapassar 7,8 por cento, o excedente vai ser partilhado: Macau fica com 55 por cento e Guangdong com 45 por cento. A taxa de retorno anual foi um dos pontos que gerou mais dúvidas entre os deputados. Se uns questionaram se é “razoável” face à duração do investimento (máximo de 12 anos) e aos juros que rendem actualmente os depósitos bancários, como Ip Sio Kai, outros indagaram da probabilidade de o investimento galgar a barreira dos 3,5 por cento de rentabilidade, como Ho Ion Sang. “A taxa de retorno é moderada porque queremos um produto com risco reduzido, que garanta capital e juros”, respondeu Benjamin Chan, enfatizando: “Não assumimos nenhum risco”.

PROJECTOS AO LARGO

Outro aspecto que despertou a atenção dos deputados, como Agnes Lam, prende-se com os pro-

apresentar contas, indicando nomeadamente que o fundo vai contratar anualmente uma terceira entidade para efectuar uma auditoria ao relatório financeiro do fundo. O fundo, com entrada em funcionamento prevista para breve, vai contar com um capital de 20,01 mil milhões de renminbi (dos quais 10 milhões correspondem ao contributo simbólico de Guangdong). Com uma duração de 12 anos, vai arrancar com uma injecção inicial de 2 mil milhões de renminbi. As verbas vão ser retiradas da Reserva Financeira que, até ao final de Março, tinha um capital de 514,89 mil milhões de patacas, dos quais 92,19 mil milhões detidos em activos em renminbi. ASociedade Gestora do Fundo de Guangdong-Macau terá uma participação de 75 por cento da “Guangdong Hengjian Investment”, que serve de garante, e de 25 por cento da “Guangdong Namyue Group”. A Sociedade Financeira ICBC foi seleccionada como agente de investimentos, enquanto o Banco Chinês de Macau escolhido como banco de custódia de Macau. A entrega dos fundos para participação de Macau no fundo vai ser condicionada apenas à conversão em renminbi dos fundos de Macau nos mercados “offshore”, sendo desnecessárias formalidades relacionadas com a regularização cambial e com o controlo cambial, de acordo com a AMCM. Diana do Mar

dianadomar@hojemacau.com.mo

Prognósticos só no fim

Ho Iat Seng diz que AL só reage a sentença final do caso Sulu Sou

A

NTES de se pronunciar ou sequer analisar as implicações da sentença do caso Sulu Sou, a Assembleia Legislativa vai ficar a aguardar pelo trânsito em julgado da sentença, ou seja, quando houver uma decisão final. Foi desta forma que o Ho Iat Seng, presidente da AL, respondeu às questões sobre o facto da imunidade do deputado pró-democrata ter sido levantada com base numa acusação por desobediência qualificada, mas o legislador ter sido condenado por um crime diferente, o de manifestação ilegal. Segundo Sulu Sou, este facto poderá fazer com que a decisão do tribunal não seja legal. “Aacusação a que ele foi sujeito na altura não foi discutida. Respeitamos aquilo que for decidido pelo tribunal. Vamos aguardar pelo trânsito em julgado e só depois vamos ver o que vamos fazer”, disse Ho Iat Seng, ontem. Contudo, o presidente do hemiciclo explicou que a decisão do Plenário teve em conta as informações que tinham sido comunicadas pelo tribunal. “Na altura, quando foi tomada a decisão pela AL, havia a necessidade do deputado comparecer no tribunal para ser ouvido. Nesse momento, foi tomada uma decisão pela AL. Foi tomada conforme a notificação do tribunal da altura”, clarificou. “Quanto à AL, não temos conhecimento sobre qual foi o crime cometido pelo deputado. Por isso na análise da Assembleia nós não nos intrometemos no processo de acusação. Aguardamos pelo que vai ser notificado, após o trânsito em julgado pela sentença”, reforçou. “Só depois de transitar em julgado a sentença é que vai haver uma informação e notificação, e só após esse período poderemos tomar uma acção”, frisou. No caso de não haver qualquer recurso, Ho Iat Seng defendeu que basta ao deputado apresentar o comprovativo de pagamento da multa e que poderá assumir o seu lugar na Assembleia Legislativa automaticamente. D.M. / J.S.F.


política 5

terça-feira 12.6.2018

O

deputado Lam Lon Wai, ligado aos Operários, está preocupado com os jovens que se concentram na zona do Fai Chi Kei à noite para fumar e, em alguns casos, “trocarem abraços” nos bancos públicos. Após notícias em jornais locais em chinês sobre o tema, o membro da Assembleia Legislativa enviou mesmo uma interpelação escrita a pedir a intervenção das autoridades. “Há alguns dias, houve jornais que noticiaram a presença, todos os dias à noite, de jovens com cerca de 15 anos a frequentar a zona de lazer do Fai Chi Kei para se divertirem. Em algumas ocasiões correm uns atrás de outros, mas em outras gritam e puxam dos isqueiros e cigarros. Há suspeitas de que fumam em conjunto”, contextualiza Lam Lon Wai, que é igualmente subdirector da Escola para Filhos e Irmãos dos Operários. “Além disso, há ‘casais’que se abraçam nos bancos. Uma situação que leva à preocupação da sociedade, nomeadamente entre os pais”, acrescentou. Segundo o legislador, a situação exige a atenção do Governo pelos efeitos nocivos que causa: “Se os jovens permanecem nas ruas à noite, não têm um bom horário de descanso. Se fumam, a sua saúde

O

e estudos podem ser gravemente afectados”, defende. A segurança dos mais novos é também um argumento de Lam Lon Wai para a intervenção das autoridades. “Quando se reúnem nos espaços públicos à noite, é fácil constituírem-se num conjunto que se torna alvo dos indivíduos criminosos, assim a segurança dos mais jovens está ameaçada”, justifica.

LAM LON WAI PREOCUPADO COM JOVENS QUE FUMAM E TROCAM CARÍCIAS À NOITE

O jardim das delícias

O deputado não gosta de ver os jovens a conviver à noite no jardim. É que fumam e, vejam lá, há mesmo quem troque abraços, quiçá uns beijinhos. Para Lam, o melhor é chamar a polícia

POLÍCIA À NOITE

Por estas razões, Lam Lon Wai interpela o Executivo: “O que é que o Governo faz para garantir que a lei é executada de forma eficaz para prevenir a venda de tabaco a menores?”, questiona. “Quando os jovens se reúnem frequentemente à noite podem ser alvos fáceis de criminosos. Já aconteceram casos no passado em Macau. Será que o Executivo vai enviar a política e os assistentes sociais aos pontos negros?”, pergunta. Por outro lado, Lam Lon Wai diz que as autoridades precisam de apertar o controlo das fronteiras, uma vez que os mais novos vão ao Interior sozinhos para “passar os tempos livres, e até consumir droga”. “São situações que podem influenciar a vida desses jovens”, nota. J.S.F./ V.N.

subsídio provisório de invalidez, que actualmente é pago através do Instituto de Acção Social (IAS), vai passar a ser uma responsabilidade do Fundo de Segurança Social (FSS). O nome do apoio financeiro vai também sofrer alterações, passando a ser denominado pensão de invalidez. Contudo, o montante mensal de 3450 patacas não vai sofrer alterações. A proposta está a ser discutida na Primeira Comissão Permanente da Assembleia Legislativa, e Ho Ion Sang, presidente do grupo de trabalho, afirmou que o objectivo passa por aprovar as alterações em plenário a tempo da lei entrar em vigor já no próximo mês. Caso não seja cumprida a meta, a medida vai apenas surgir efeitos no primeiro dia de Outubro.

Lam Lon Wai, deputado “Além disso, há ‘casais’ que se abraçam nos bancos. Uma situação que leva à preocupação da sociedade”

Uma corrida contra o tempo

Subsídio provisório de invalidez passa a ser pago por Fundo de Segurança Social

“A proposta de lei refere que a entrada em vigor é no dia 1 de Julho de 2018. No entanto, já estamos em meados de Junho. Discutimos esta matéria com o Governo e a AL vai reforçar os trabalhos para terminar a análise do documento o mais depressa possível”, afirmou Ho Ion Sang. Apesar destas alterações, o deputado ligado aos Moradores explicou que as pessoas que recebem o subsídio provisório de invalidez podem ficar descansadas, uma vez que até ser feita a transferência de departamento, o IAS vai assegurar o pagamento integral. “A sociedade pode estar descansada, caso não seja possível a

entrada em vigor das alterações à lei a 1 de Julho, isso não vai afectar os beneficiários porque estes continuam a poder receber, através do IAS, o subsídio provisório de invalidez”, frisou.

FACILITAR PROCEDIMENTOS

Com esta alteração ao Regime de Segurança Social, o Executivo tem como objectivo facilitar o pedido do apoio financeiro por parte das pessoas com deficiência. A meta passa por uniformizar procedimentos e concentrar este tipo de apoios todos no FSS. “Até agora há uma cooperação entre o FSS e o IAS para a atribuição do subsídio provisório de invalidez.

O IAS faz a avaliação, que depois manda o processo para o FSS. Mais tarde o processos regressa ao IAS, que é que disponibiliza o subsídio. Contudo, os residentes consideram o processo complexo, muito inconveniente e muito moroso”, explicou Ho Ion Sang. Ainda de acordo com as informações disponibilizadas pelo Governo aos deputados, actualmente existem 760 pessoas a receber o subsídio, tendo sido registados até 30 de Abril 857 pedido. A diferença entre os pedidos e os apoios entregues foi justificada com o facto de algumas das pessoas que solicitaram o apoio já terem

morrido e por outras terem visto as suas limitações físicas ou mentais ultrapassadas. Este é um apoio que custa anualmente aos cofres da RAEM 420 milhões. No entanto, até 2020, o Governo acredita que o apoio vá abranger cerca de 1000 residentes. O subsídio provisório de invalidez foi criado em 2014 para colmatar uma lacuna no Regime de Segurança Social. Nessa altura, as pessoas que tivessem nascido com deficiências ou quando apenas eram diagnosticadas após terem abandonado o mercado do trabalho estavam vedadas deste tipo de apoio. Por essa razão, o Executivo criou este subsídio, sob a supervisão do Instituto para a Acção Social. João Santos Filipe

joaof@hojemacau.com.mo


6 sociedade

12.6.2018 terça-feira

MULTAS ASSOCIAÇÃO PROTESTA E TEME MAIS LUCROS PARA CONCESSIONÁRIA

Manifestação sobre rodas

O GCS

S deputados Au Kam San e Ng Kuok Cheong vão promover um protesto para este sábado sobre a possibilidade das multas de trânsito virem a sofrer um aumento, no âmbito da revisão da lei do trânsito rodoviário. O deputado José Pereira Coutinho também se junta à iniciativa, tal como Cloee Chao, presidente da Associação Novo Macau para os

GOVERNO ADIA CONSULTA PÚBLICA PARA REVER DIPLOMA

O

Governo da RAEM resolveu ontem adiar a consulta pública sobre a lei do trânsito rodoviário. A decisão foi divulgada através de uma nota, unicamente em língua chinesa, do Gabinete de Comunicação Social. Além do adiamento da consulta pública, o Executivo promete voltar a considerar a actual proposta de revisão da lei, nomeadamente no que diz respeito ao aumento das multas, que uma manifestação prevista para sábado não aceita por entender que “visa aumentar os lucros da concessionária”.

Direitos dos Trabalhadores do Jogo e vice-presidente da Iniciativa de Desenvolvimento Comunitário, ligada aos dois deputados do campo pró-democrata. Para o deputado Ng Kuok Cheong, existem outras intenções por detrás da possibilidade dos aumentos, anunciados há dias pela Direcção dos Serviços para os Assuntos de Tráfego (DSAT), tendo pedido a intervenção do Chefe do Executivo, Chui Sai On, para apurar as razões envolvidas. O deputado do campo pró-democrata acredita que o Governo reconhece o problema da falta de estacionamento no território, daí a DSAT ter avançado para esta proposta de aumentos, actualmente em período de consulta pública. Contudo, este defende que os decisores devem assumir a responsabilidade da assunção destas medidas. “O Governo tem vindo a ponderar quanto à revisão da lei do trânsito rodoviário nos últimos anos e avançou agora com uma proposta para consulta da população. Assim sendo espero que o Chefe do Executivo averigúe qual a verdadeira intenção dos membros do Executivo.” Jeremy Lei, presidente da associação, considerou que o aumento das multas pode levar a que mais pessoas estacionem os carros nos parques de estacionamento, o que pode aumentar os lucros das concessionárias que gerem estes espaços. Como alternativa, Jeremy Lei sugere que se aumente as taxas de importação de veículos e

HOJE MACAU

A Associação Iniciativa de Desenvolvimento Comunitário anunciou a realização de um protesto para este sábado, devido ao possível aumento das multas de trânsito. Foi pedido a Chui Sai On para apurar as verdadeiras intenções dos decisores desta medida, por se temer os aumentos dos lucros da empresa que gere os parques de estacionamento

ACAU assinou um acordo com a Bolsa de Diamantes de Xangai para ser um centro de comércio de diamantes, aproveitando o papel de plataforma entre a China e os países lusófonos, que têm matéria-prima em pedras preciosas. O acordo de cooperação foi assinado no final

da semana passada entre o Instituto de Promoção do Comércio e do Investimento de Macau (IPIM) e a Bolsa de Diamantes de Xangai para desenvolver a indústria de diamantes e jóias no território, diz o IPIM em comunicado. “As redes doméstica e internacional já estabelecidas pela Bolsa de Diamantes

Foi ontem denunciado um caso de alegado de assédio sexual na Escola Secundária Sam Yuk de Macau. De acordo com a Macau Concealers, um aluno da escola declarou que um professor, em serviço desde Março, terá tido gestos suspeitos para com alunas e professoras. Estes gestos incluem aproximações e contacto físico durante as aulas. Perante as acusações, a escola alega que se trata de um professor que vem de uma cultura diferente, sendo que terá dito aos queixosos para não divulgarem a situação. Dois alunos foram queixar-se à Direcção dos Serviços de Educação e Juventude (DSEJ) que afirmou que iria estar atenta ao caso. Segundo a mesma fonte, o professor continua a exercer funções sem ser punido, pelo que os alunos decidiram divulgar o caso através dos meios de comunicação social.

Ponte do Delta Quota fixada em 30 mil patacas

Ng Kuok Cheong, deputado “O Governo tem vindo a ponderar quanto à revisão da lei do trânsito rodoviário nos últimos anos e avançou agora com uma proposta para consulta da população. Assim sendo espero que o Chefe do Executivo averigúe qual a verdadeira intenção dos membros do Executivo”

de combustível, para controlar a circulação de carros nas estradas. Dessa maneira, também a reserva financeira do Executivo poderia aumentar.

VESTIDOS DE NEGRO

Na visão de Cloee Chao, o maior problema é a falta de parques de estacionamento e que, devido aos elevados preços, mesmo que os residentes queiram alugar um lugar num parque de estacionamento, não conseguem suportar as despesas. Por essa razão, a croupier e activista espera que o Governo possa disponibilizar mais vagas

de estacionamento ao invés de aumentar as multas. Os manifestantes de sábado deverão usar roupas pretas e prometem começar a protestar a partir das 15h00 no jardim Vasco da Gama, terminando na sede do Governo com a habitual entrega de carta ao Chefe do Executivo. Jeremy Lei não conseguiu avançar com um número certo de participantes mas espera que a manifestação tenha a maior adesão possível. A associação vai também avançar com uma recolha de assinaturas até sexta-feira. Vítor Ng (com A.S.S.) info@hojemacau.com.mo

JÓIAS MACAU QUER SER CENTRO DE DIAMANTES E PEDRAS PRECIOSAS

M

Assédio sexual Caso suspeito na Sam Yuk

de Xangai, os recursos de matérias-primas abundantes de pedras preciosas dos países de língua portuguesa” e o turismo da região são os principais factores que, de acordo com o IPIM, vão contribuir para o desenvolvimento da indústria da joalharia de Macau. Na assinatura do acordo estiveram presentes, entre

outros, a vice-ministra do Comércio da China, Gao Yan, o secretário para a Economia e Finanças de Macau, Lionel Leong, o presidente do IPIM, Jackson Chang, e o presidente da Bolsa de Diamantes de Xangai, Lin Qiang. Segundo o IPIM, Xangai é já um “dos cinco maiores centros de negócios de

diamantes no mundo, juntamente com Antuérpia, Nova Iorque, Bombaim [Mumbai] e Joanesburgo” “A Bolsa de Diamantes de Xangai constituiu a segunda maior plataforma de importação de diamantes mundial, cujo valor de transações ultrapassam os cinco mil milhões de dólares”, apontou o IPIM. LUSA

Foi fixado em 30 mil patacas o preço da quota regular de automóveis ligeiros de passageiros de serviço particular que vão poder circular na Ponte Hong Kong-Zhuhai-Macau. Segundo um despacho do Chefe do Executivo, publicado ontem em Boletim Oficial, a atribuição de uma quota pelo período de um ano vai ser feita por sorteio, cuja participação custa 500 patacas. O despacho, que adita novos valores à Tabela de Taxas e Preços da Direcção dos Serviços para os Assuntos de Tráfego, entra em vigor hoje, apesar de não haver ainda data oficial de abertura da Ponte Hong Kong-Zhuhai-Macau.

Água Avisos aumentam de três para cinco

Entra hoje em vigor um novo sistema de alerta de “storm surge”. Segundo uma ordem executiva, publicada ontem em Boletim Oficial, aumentam de três para cinco os níveis de aviso. A título de exemplo, o mais grave (preto) dizia respeito a uma previsão de subida do nível da água acima do pavimento superior a um metro, enquanto agora, à luz do novo sistema, aponta para uma subida acima dos 2,5 metros. A mexida visa “assegurar a protecção da vida e bens da população” e “alertar o público para o nível de ameaça e o risco de ser afectado” por um ‘storm surge’. O ‘storm surge’ é “o aumento anormal do nível da água quando uma tempestade tropical se aproxima das áreas costeiras e que pode ocasionar inundações em zonas baixas”.


sociedade 7

terça-feira 12.6.2018

KELSEY WILHELM

DSEJ PROGRAMA DE APERFEIÇOAMENTO CONTÍNUO PODERÁ SER “MEDIDA REGULAR”

Daqui até à eternidade

CANÍDROMO YAT YUEN QUER PÔR OS GALGOS NO JOCKEY CLUB

N

EM mais um dia. O Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais (IACM) rejeitou parte do novo plano apresentado pela companhia de corridas de galgos de Macau (Yat Yuen), que pedia uma extensão do prazo para a utilização do canídromo por três meses. Num comunicado ontem divulgado, é referido que os 600 galgos deverão ser enviados para “instituições do interior da China”, sendo que, para os colocar no Macau Jockey Club, a Yat Yuen “deve obter autorização prévia da Direcção de Inspecção e Coordenação de Jogos”. A empresa indicou que “terá lugar a adopção pública dos galgos e colaborará principalmente com instituições do interior da China para a colocação dos respectivos cães”, tendo pedido “o prolongamento do prazo de arrendamento do referido local, por mais três meses e para ocupar cavalariças vazias do Macau Jockey Club para colocar os galgos temporariamente caso necessário”. Na resposta, o IACM afirma “suportar a proposta apresentada pela Yat Yuen nos termos da lei de protecção dos animais e espera que essa empresa efectue activamente o trabalho, prometendo ainda prestar apoio nas acções de inspecção sanitária ou importação de galgos”. No que diz respeito ao prazo de três meses, o IACM compromete-se a não alterar o prazo já imposto pelo Executivo há dois anos. “De momento a decisão mantém-se inalterada. O IACM salienta não apoiar que qualquer empresa ou indivíduo desista de criar os seus cães ou outros animais de estimação, e espera que todos os galgos da Yat Yuen possam ser alojados ou adoptados de forma adequada, estando disposto a fornecer apoio técnico.”

A Direcção dos Serviços de Educação e Juventude pondera transformar o programa de desenvolvimento e aperfeiçoamento contínuo numa medida permanente, sem necessidade de apresentação das diferentes fases. Até 30 de Abril deste ano participaram no programa 90 mil pessoas, tendo sido atribuídos subsídios na ordem das 330 milhões de patacas

C

RIADO em Julho de 2011 com o intuito de fomentar a formação pós-laboral dos residentes, através de cursos promovidos por universidades e associações, o programa de desenvolvimento e aperfeiçoamento contínuo poderá ganhar um formato permanente. A entidade que tutela este dossier, a Direcção dos Serviços de Educação e Juventude (DSEJ), assume estar a ponderar esta possibilidade, de acordo com uma resposta de Lou Pak Sang, director da DSEJ, ao deputado à Assembleia Legislativa, Leong Sun Iok. “A DSEJ vai realizar a avaliação intercalar da terceira fase

Macau”, lê-se ainda na resposta à interpelação escrita de Leong Sun Iok.

FISCALIZAÇÃO MAIS RIGOROSA

do programa, e, conforme esta avaliação, vai estudar as medidas de aperfeiçoamento para a próxima fase do programa ou a viabilidade de se tornar uma medida regular.” Até ao momento foram lançadas três fases do programa, que prevê o pagamento de um subsídio a cada residente, permanente e não permanente, no valor de seis mil patacas. “Através de um planeamento e preparação com antecedência esperamos que o lançamento da próxima fase do programa possa ser articulado com a anterior, proporcionando uma maior conveniência aos residentes e instituições”, além de promover “a aprendizagem permanente dos residentes”. Na resposta que deu ao deputado ligado ao universo da Federação das Associações dos Operários de Macau (FAOM), o director da DSEJ garantiu que a ideia de partir para a implementação de um programa permanente é fruto das avaliações positivas da primeira e segunda fase. “O Governo lançou, em Julho de 2011 e Abril de 2014, duas fases do programa de desenvolvimento e aperfeiçoamento contínuo, tendo sido reconhecida a sua eficácia por parte dos sectores sociais. De acordo com o relatório de

Avenida Dr. Sun Yat-Sen com 140 lugares de estacionamento a partir de sexta A partir da próxima sexta-feira vão ser disponibilizados 140 lugares de estacionamento na zona em frente ao MGM, na Avenida Dr. Sun Yat-Sen, informou ontem a Direcção dos Serviços para os Assuntos de Tráfego (DSAT). Segundo a DSAT, a zona

oferece 86 lugares destinados a veículos pesados de transporte de passageiros com parquímetro de cinco horas, bem como 43 lugares destinados a motociclos/ ciclomotores e 11 a automóveis ligeiros com parquímetro de quatro horas para o uso do público.

avaliação intercalar da segunda fase do programa, a maioria dos entrevistados acharam que este tem promovido a prática de aprendizagem na sociedade e teve um efeito positivo na melhoria das qualidades e competências dos residentes.” Houve um aperfeiçoamento “das medidas de execução”, estando a terceira fase do programa em preparação. “Incentivamos a que mais instituições criem cursos e exames de credenciação relacionados com a área técnico-profissional, desenvolvendo opções diversas para exames de credenciação profissional em

“A DSEJ vai realizar a avaliação intercalar da terceira fase do programa, e, conforme esta avaliação, vai estudar as medidas de aperfeiçoamento para a próxima fase do programa ou a viabilidade de se tornar uma medida regular.” DSEJ

Até 30 de Abril deste ano, e desde Abril do ano passado, que o programa de desenvolvimento e aperfeiçoamento contínuo contou com a participação de 90 mil pessoas, tendo sido atribuídas 330 milhões de patacas em subsídios. “Em comparação com o período homólogo das duas primeiras fases do programa, tanto o número de participações de residentes como o número de pessoas registaram um aumento”, aponta a DSEJ. Depois da publicação de um relatório do Comissariado de Auditoria, em 2012, que revelou falhas no funcionamento do programa e dos cursos, a DSEJ garante que os mecanismos de fiscalização foram reforçados desde então. “Para assegurar o uso racional do erário público, a DSEJ tem apreciado e autorizado os pedidos sobre os cursos apresentados pelas instituições com rigor. Tem efectuado uma ponderação das qualificações dos formadores, propinas e organização dos cursos e das instalações educativas, entre outros factores, que, caso não estejam conforme os critérios de apreciação e autorização, não são aceites para serem subsidiados.” No que diz respeito à terceira fase do programa, foram reforçadas “as medidas de fiscalização”, tendo sido adicionados “exames aleatórios de casos, verificação de documentos, entrevistas e tratamento de queixas, entre outros, o mecanismo das declarações electrónicas.” “[Com este mecanismo] a DSEJ exige às instituições a introdução do registo de assiduidade dos alunos, num período fixado, no sistema informático através da internet, para que a DSEJ possa fiscalizar atempadamente e de forma eficaz, dominando completamente a situação do curso organizado pelas instituições”, conclui ainda o organismo. Andreia Sofia Silva

andreia.silva@hojemacau.com.mo

5G CTM começa a testar tecnologia no último trimestre

A CTM espera começar a testar a tecnologia 5G em Macau no início do quarto trimestre, para que a tecnologia possa posteriormente ser disponibilizada no território. No entanto ainda não

há uma data para esse momento. A revelação foi feita, ontem, por Vandy Poon, CEO da empresa, de acordo com o canal chinês da Rádio Macau. Por outro lado, os trabalhos de instala-

ção de internet e outros sistemas na Ponte Hong Kong- Zhuhai-Macau já foi completado e, segundo o responsável, está pronto para entrar em funcionamento com a abertura da ponte.


8 eventos

12.6.2018 terça-feira

O espelho de Joana V.

Artista portuguesa inaugura no dia 29 exposição no Guggenheim de Bilbao destacou, em 2012, por se tornar na primeira mulher e criadora mais jovem a expor algumas das suas obras no Palácio de Versalhes, em Paris. Em Fevereiro último, numa apresentação da exposição aos jornalistas, avançou que a mostra reunirá 35 obras, 14 das quais novas, incluindo aquela máscara veneziana, feita com 231 molduras de duplo espelho e que tem um peso aproximado de 2,5 toneladas. A máscara e o anel solitário são duas das obras que ficarão expostas no exterior do museu, tal como o “Pop Galo”, um gigantesco Galo de Barcelos em azulejo e luzes LED, que iniciou no final de 2016 em Lisboa uma itinerância por várias cidades do mundo, entre as quais Pequim. No átrio do Guggenheim Bilbao, o espaço central do museu, ficará uma obra feita de propósito para o local, da série “Valquírias”, com 30 metros de altura, 36 de largura e 45 de profundidade, que entra pelos cantos e ângulos que Frank Gehry (arquiteto que projetou o museu) desenhou para o Guggenheim. Ao Guggenheim, Joana Vasconcelos irá também levar algumas das suas peças mais icónicas como “A Noiva”, um candelabro feito com tampões, ou “Marilyn”, um par de sapatos de salto alto feito com panelas, e outras peças das séries “Urinóis”, “Pinturas em crochet” e “Bordalos”.

ALAVANCA PARA O FUTURO

“I’m your mirror” pretende funcionar “como um ‘pivot’ para o futuro, mas que também resume o passado” do trabalho da artista, que se

A obra mais antiga que estará em exposição data de 1997, ano em que o Museu Guggenheim Bilbao abriu ao público.

HOMENAGEM A UMA CANÇÃO

O título da exposição “é também uma homenagem a Nico [voz da canção ‘I’ll be your mirror’ dos Velvet Underground]”. No título da canção, o verbo é usado no futuro (“serei o teu espelho”), mas, no da exposição, está no presente (“sou o teu espelho”), porque a mostra “espelha o presente, não o futuro” e o trabalho da artista “é um reflexo do mundo que a rodeia”, explicou, na altura, a organização. Esta exposição insere-se na “linha de pensamento curatória do Museu Guggenheim Bilbao, iniciada há quatro anos, de grandes exposições de mulheres artistas”, referiu Petra Joos, uma das comissárias da mostra, quando foi apresentada, em Lisboa. “I’m your mirror” é a primeira exposição individual de um artista português no Museu Guggenheim Bilbao. A artista tem uma equipa de cerca de 60 pessoas a trabalhar na produção da mostra, que está preparada para uma itinerância, estando Petra Joos a trabalhar com Serralves e Roterdão para o acolhimento da mostra. A artista, de 46 anos, representou oficialmente Portugal na Bienal de Arte de Veneza em 2013, num projeto comissariado por Miguel Amado, que levou um cacilheiro transformado em obra de arte ao recinto principal da mostra internacional contemporânea. O cacilheiro “Trafaria Praia”, que chegou a circular no Tejo para visitas turísticas, é propriedade da Douro Azul e encontra-se à venda desde o final do ano passado. LUSA

À VENDA NA LIVRARIA PORTUGUESA PESO - UMA QUESTÃO DE PESO • Paula Veloso, Teresa Maia

Quando se perde peso, é para ganhar saúde, nunca para a perder. Não se resigne nem arranje desculpas: com a ajuda certa, emagrecer pode ser bem mais fácil do que imagina. Neste livro vai encontrar planos alimentares, tabelas de calorias para os alimentos mais comuns, truques para aumentar a saciedade e diminuir o consumo alimentar e ainda dicas para escolher a roupa que mais favorece a sua silhueta. Grandes ideias para mudar pequenos hábitos e toda a motivação de que precisa para acabar com aqueles quilos a mais. Porque o mais importante de tudo é a sua saúde, o seu bem-estar.

NICO FERNANDES

U

MA máscara criada com espelhos sobrepostos, que representa uma metáfora das várias facetas humanas, vai ser ‘estrela’ da exposição “I’m your mirror”, que a artista Joana Vasconcelos inaugura a 29 de Junho, no Museu Guggenheim Bilbao, em Espanha. A criadora, conhecida por produzir obras de grandes dimensões usando objectos do quotidiano, criou um vídeo sobre a montagem desta peça que está a ser exibido na rede social facebook, antecipando um pouco do que vai mostrar em Bilbao. “Esta é a peça principal da exposição, entre algumas novas que vou mostrar, e está associada ao luxo e ao consumismo”, diz a artista no vídeo, acrescentando que a obra tem um duplo sentido: que ao tirar a máscara pretende mostrar uma parte muito importante do seu corpo de trabalho. A exposição de Joana Vasconcelos no Museu Guggenheim Bilbao vai incluir 14 peças novas, entre as quais um anel solitário, com três toneladas, feito com jantes de carros e copos de cristal. Mas a máscara veneziana, que dá título à exposição, “vai permitir, ao longo dos anos, criar novos ambientes e perspetivas, quando for exposta noutros lugares”. “Mostra a dimensão doméstica, portuguesa e internacional da minha obra”, explica a artista, no vídeo, apresentando fases da montagem, que envolve espelhos sobrepostos, como escamas.

Imagem em

FOTOGRAFIA EXPOSIÇÃO “STILLNESS IN MOTION” É INAUGURADA NO

“Stillness in motion” é a exposição de fotografia de Agostinh dia 28 na galeria da Creative Macau. Com este trabalho o au linguagem estática da captura fotográfica tradicional e trans

A

i d e i a para ““Stillness in motion” partiu da observação do Tai Chi, uma prática que mais parece uma coreografia e em que o movimento é o caminho para a quietude. “Quando observamos o Tai Chi percebemos que é através

daqueles movimentos lentos, associados ao Kung Fu, que os praticantes procuram um equilíbrio, um estado de calma”, começou por dizer Nico Fernandes ao HM. O resultado são 28 imagens de coreografias de vários tipos de danças em que a questão do movimento dos bailari-

nos está sempre presente. As longas exposições utilizadas pelo fotógrafo, muitas vezes associadas ao movimento da própria câmara são algumas das técnicas que escolheu para mostrar o que via. No entanto, o resultado fica longe daquilo que que chama de “fotografia tradi-

RUA DE S. DOMINGOS 16-18 • TEL: +853 28566442 | 28515915 • FAX: +853 28378014 • MAIL@LIVRARIAPORTUGUESA.NET

SABORES DE PORTUGAL OU TASTE OF PORTUGAL • Chefe Silva Sob a direcção do mítico Chefe Silva, Sabores de Portugal é uma obra que lança um olhar sobre as raízes da tradição culinária das regiões do nosso país. Muito mais que uma simples compilação de receitas, este livro, apresentado numa edição bilingue, descreve de modo muito interessante um traço cultura essencial do povo português: a gastronomia.


eventos 9

terça-feira 12.6.2018

NICO FERNANDES FOTÓGRAFO

Não sendo visto como o “fiel fotógrafo” em Macau, os trabalhos que tem feito já lhe valeram o reconhecimento internacional, nomeadamente da Royal Academy de Londres, sendo que “nunca se faz uma imagem para se entrar numa competição”. disse. “A imagem é sempre um processo pessoal, feito para o próprio, depois, se gostarmos e acharmos que vale a pena, podemos concorrer com ela”, remata. Sofia Margarida Mota

Sofia.mota@hojemacau.com.mo

m movimento

O PRÓXIMO DIA 28

ho Gonçalves Fernandes que vai ser inaugurada no próximo utor, mais conhevido por Nico Fernandes, quer ultrapassar a mitir movimento e tridimensionalidade a cada obra cional”, em que a imagem é estática, nítida e objectiva. “Penso que a fotografia em Macau ainda é muito vista sob uma perspectiva tradicional em que a introdução de técnicas que vão além da imagem estática do momento não são apreciadas”, conta o fotógrafo. Ciente da crítica, Nico Fernandes insiste na sua concepção de imagens. Para o fotógrafo amador é com elas que consegue contar as suas histórias, não a história que aparece manifesta mas aquela que tem dentro de si e que pode ser interpretada e mesmo recriada por quem as vê. “As minhas imagens são muitas vezes pensadas num universo mais surrealista em que mostro o que se passa dentro de mim e ao mesmo

tempo deixo liberdade ao público para dar a sua história a cada fotografia”, explica.

ESPERA FRUTÍFERA

O fotógrafo começou a interessar-se pela imagem “há muito”, mas a fotografia era um hobby “demasiado caro”. “Era preciso ter as máquinas, rolos e pagar a revelação”, diz. Foi esperando por tempos melhores, e com o aparecimento da fotografia digital que viu a possibilidade de começar a dedicar-se a esta arte muito mais próxima. Há cerca de dez anos comprou a sua primeira câmara e começou a interagir em fóruns da especialidade para aprender. O segredo, para se conseguir chegar ao que se pretende, considera, é a humildade. “Co-

locava lá as minhas imagem e recebia as críticas. Tinha mesmo quem dissesse que as fotografias não prestavam”, aponta, mas o que interessa “é colocar o ego de lado, perceber porque é que não são boas e aprender a fazer melhor”. Os anos passaram e sempre fiel à intenção e dar às suas fotografias um lado mais onírico, Nico Fernandes desenvolveu as técnicas que precisava para isso. Ao seu lado teve um professor, Yung Siu Sun, que favorável à exploração das possibilidades de uma imagem nunca desencorajou Nico Fernandes a desistir de quebrar as regras clássicas da fotografia. “Acabei por conhecer o fotógrafo Yung Siu Sun que sempre me apoio naquilo que queria fazer”, refere.

PUB

OLIVER JEFFERS

“Penso que a fotografia em Macau ainda é muito vista sob uma perspectiva tradicional em que a introdução de técnicas que vão além da imagem estática do momento não são apreciadas.”

INSPIRARTE MAIS ESPECTÁCULOS DE “O CAMINHO PARA CASA”

E

m resposta à grande procura de bilhetes, o Centro Cultural de Macau (CCM) vai apresentar três espectáculos adicionais de “O Caminho Para Casa”. Vinda da Dinamarca, esta produção para crianças sobe ao palco do CCM em finais de Julho e os bilhetes para os espectáculos extra já estão disponíveis. “O Caminho Para Casa” é uma “aventura visual sem palavras encenada através de marionetas e música e que explora a imaginação sem limites de uma criança”, refere o comunicado oficial.

Inspirada no conto ilustrado de Oliver Jeffers, a peça “reconta a história de um rapaz que um dia voa tão alto e tão longe, que o seu avião a hélice acaba por poisar na lua já avariado”, lê-se no mesmo comunicado. É aí que conhece um marciano que se encontra na mesma situação. “O Caminho Para Casa” é uma encenação da companhia dinamarquesa Theatre Refleksion que está de regresso ao território após uma passagem pelo CCM em 2014 com a produção “Música Celeste”. Esta peça é uma produção incluída no programa InspirARTE no Verão.


10 china

O

12.6.2018 terça-feira

HONG KONG ACTIVISTA PRÓ-INDEPENDÊNCIA CONDENADO A SEIS ANOS DE PRISÃO

A lei vai nua manifestações de 2016, caso em que foi sentenciado a um ano de prisão. As duas sentenças serão acopladas. O tribunal rejeitou a alegação de que as motivações políticas seriam circunstâncias atenuantes e considerou que a condenação deveria ter um "efeito dissuasivo". Leung, que estava no tribunal, manteve a calma durante a audiência e acenou para os simpatizantes após a leitura da sentença. Alguns manifestantes choraram depois do anúncio da condenação. Outros dois manifestantes foram condenados a sete e três anos e meio de prisão, respectivamente.

DA COMIDA DE RUA AO PROTESTO POLÍTICO

O protesto começou em Fevereiro de 2016, coincidindo

com o Ano Novo Chinês, com uma manifestação de apoios aos vendedores ambulantes de comida, que as autoridades queriam afastar das ruas. Mas rapidamente evoluiu para uma mobilização de carácter político, um protesto contra as autoridades em Hong Kong e Pequim. Quase 130 pessoas ficaram feridas, incluindo 90 agentes. Durante os distúrbios, os agentes deram tiros para o ar como medida de advertência. Dezenas de pessoas foram detidas. Na vanguarda da mobilização estavam Leung e outros jovens do movimento chamado de "localista", nascido das cinzas da "Revolução dos Guarda-Chuvas", como ficaram conhecidos os protestos pró-democracia de 2014 que não conseguiram obter concessões de Pequim para as reformas políti-

cas. Numa entrevista à AFP em 2016, Leung, que na época era um estudante de Filosofia, afirmou que "uma guerra ou uma batalha são inevitáveis".

CHRIS PATTEN NÃO GOSTOU

Chris Patten, o último governador do período colonial de Hong Kong, denunciou a condenação, baseada na interpretação de uma lei sobre a manutenção da ordem pública. "As vagas definições contidas na lei são uma porta aberta para os abusos e não se ajustam aos parâmetros internacionais", afirmou Patten num comunicado divulgado pela Hong Kong Watch, ONG que monitora as liberdades na cidade. "É decepcionante ver que a lei é usada com fins políticos para condenar de modo rígido os democratas e outros activistas", concluiu. Num discurso proferido o ano passado, o Presidente chinês, Xi Jinping, anunciou que qualquer actividade em Hong Kong que ameaçasse a soberania e a estabilidade da China seria "absolutamente inadmissível".

REUTERS

activista Edward Leung, rosto do movimento independentista em Hong Kong, foi ontem condenado a seis anos de prisão na sequência de um violento confronto com a polícia local em 2016, anunciaram as autoridades. Leung, de 27 anos, foi considerado culpado pela participação num 'motim' com a polícia no distrito de Mong Kok, na parte continental da região administrativa especial chinesa. Os confrontos ocorreram em Fevereiro de 2016 e foram considerados os mais violentos dos últimos anos, constituindo a maior demonstração de descontentamento popular desde os protestos pró-democracia no final de 2014. Edward Leung é o antigo porta-voz do grupo independentista local Indigenous e uma das mais proeminentes vozes do movimento pró-independência de Hong Kong. A juíza Anthea Pang afirmou que Leung participou activamente nos distúrbios e descreveu suas acções como "excessivas e cruéis". O jovem já se encontrava detido, desde que se declarou culpado noutro processo por agredir um polícia durante as

OCX Quirguistão assume presidência rotativa

Os membros da Organização de Cooperação de Xangai (OCX) concordaram que o Quirguistão assumirá a presidência rotativa depois da 18ª cimeira, anunciou o presidente chinês, Xi Jinping. Xi fez o anúncio numa conferência de imprensa que concedeu com os outros líderes que participaram da 18ª Cimeira da OCX, em Qingdao, uma cidade costeira na província de Shandong, no leste da China. "Todas as partes apoiarão e cooperarão activamente com o Quirguistão para cumprir as responsabilidades como presidente e garantir o sucesso da cimeira do próximo ano."

Afeganistão Pequim saúda cessar-fogo

A China saudou neste domingo um cessar-fogo temporário entre o governo do Afeganistão e os talibãs, pedindo a ampliação do cessar-fogo e a retomada das negociações de paz o mais cedo possível. "Aplaudimos os anúncios de cessar-fogo ", disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Geng Shuang, num comunicado à imprensa. Os talibãs anunciaram no sábado um cessar-fogo de três dias com o governo afegão durante o festival religioso anual Eid-ul-Fitr, depois que o presidente afegão, Mohammad Ashraf Ghani, anunciou na quinta-feira um cessar-fogo unilateral de sete dias que começa dia 12 de Junho e cobre o feriado do Eid-ul-Fitr. Geng expressou a esperança de que os dois lados priorizem os seus interesses nacionais, estendam o cessar-fogo, retomem as negociações de paz o mais cedo possível e avancem no processo de reconciliação no Afeganistão.

Quase todas as aldeias pobres terão acesso à internet em 2020

TAIWAN CONDENA MILITARIZAÇÃO NO MAR DO SUL

T

AIWAN condenou ontem a militarização no mar do Sul da China e desmentiu qualquer plano relativo ao uso pelos Estados Unidos da ilha de Taiping, situada naquelas águas e reivindicada por Pequim e outros países. Em comunicado, a diplo-

macia da ilha defendeu a resolução das disputas "em conformidade com a Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar" e a liberdade de navegação e sobrevoo, ao mesmo tempo que pediu que se detenha a militarização na região.

"Taiwan nunca teve planos para permitir utilizar a ilha Taiping - situada no arquipélago das Spratly - a nenhum país estrangeiro, incluindo os Estados Unidos", lê-se no comunicado. O Governo de Taiwan fez ainda um apelo à imprensa para que não

divulgue "notícias falsas" que possam perturbar os laços com a China ou exacerbar as disputas no mar do Sul da China. Por fim, reiterou a política de utilizar a ilha de Taiping para trabalhos de "ajuda humanitária e pesquisa científica internacional".

Taiwan controla duas ilhas no mar do sul da China, Pratas e Taiping, e é um dos países que reivindica a soberania sobre este espaço estratégico rico em recursos naturais, juntamente com a China, Vietname, Filipinas, Malásia e Brunei.

A China está a planear proporcionar acesso à internet a quase todas as aldeias pobres nos próximos três anos como parte de seus esforços por estreitar o fosso digital entre as áreas urbanas e rurais. Mais de 98% das 122.900 aldeias pobres registadas da China terão acesso à internet antes de 2020, segundo um plano publicado pelo Ministério da Indústria e Informatização. O ministério trabalhará para proporcionar tanto banda larga como a rede de dados 4G aos aldeãos e incentivará os operadores de telecomunicações a dar descontos especiais nas cobranças a fim de oferecer serviços da internet de qualidade a um custo baixo. Também planeia pedir aos fabricantes de telemóveis que desenvolvam mais modelos inteligentes de baixo preço e fáceis de utilizar. A China tinha 1,08 bilhão de utentes da rede 4G até o final de Abril, enquanto os assinantes da banda larga fixa das três maiores operadoras do país, China Telecom, China Unicom e China Mobile, totalizavam 366 milhões.


china 11

terça-feira 12.6.2018

OCX, a ferramenta inclusiva China e Rússia criticam proteccionismo comercial dos EUA

As duas nações do Sudeste Asiático juntaram-se ao bloco como membros plenos no último ano. “Mais estados membros significa maior força da organização, bem como maior atenção e expectativa das pessoas, dos países, da região e da comunidade internacional”, disse Xi. “Também compartilhamos maiores responsabilidades na manutenção da segurança regional e estabilidade e promoção do desenvolvimento e prosperidade”, acrescentou. A cimeira mostrou unidade de pensamento, em contraste marcante em relação ao encontro tumultuado da sete principais nações industrializados do mundo (G-7), encerrado neste sábado, no qual se viu EUA e os eus aliados divididos pela escalada das tensões comerciais. Trump atacou o primeiro-ministro canadiano Justin Trudeau num conjunto de tweets, chamando-o de “desonesto e fraco” e retirou o endosso dos EUA ao comunicado da cimeira do G-7. Trump também pediu que a Rússia fosse reintegrada no grupo. A Rússia foi suspensa em 2014 pela anexação da Crimeia.

REUTERS

O

presidente da China, Xi Jinping, alertou contra o unilateralismo e o proteccionismo comercial durante uma reunião de líderes asiáticos na qual ele e os seus pares, como o presidente russo, Vladimir Putin, criticaram a actual política dos EUA. “Devemos rejeitar políticas egoístas, míopes, estreitas e fechadas. Devemos manter as regras da Organização Mundial do Comércio, apoiar o sistema de comércio multilateral e construir uma economia global aberta”, disse o líder chinês, neste domingo, durante a cimeira anual da Organização para a Cooperação de Xangai (OCX), realizada neste fim de semana. Embora seus comentários não mencionassem o presidente dos EUA, Donald Trump, Xi procurou mostrar-se como um defensor do livre comércio, antepondo-se à posição de Trump de controlo das importações, apesar do estatuto da China como a maior economia mais fechada do mundo. Xi também saudou a entrada de novos membros da Organização para Cooperação de Xangai, chamando a presença do primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, e do presidente paquistanês, Mamnoon Hussain, “de grande significado histórico”.

Putin rejeitou neste domingo o G-7, como tendo sido forjado por desentendimentos internos, e elogiou a OCX por representar quase metade da população mundial. Para o presidente russo, a estrutura actual da OCX é “óptima”. Putin enfatizou também seu poder económico combinado e influência política. “Em termos de renda per capita, os países do G-7 são mais ricos, mas o tamanho combinado das economias da OCX é maior e a sua população é muito maior”. O presidente russo também salientou a importância da declaração da OCX em apoio ao livre comércio.

PUB

ANÚNCIO [N.º 92/2018] Para os devidos efeitos, nos termos do n.º 2 do artigo 72.º do Código do Procedimento Administrativo, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 57/99/M, de 11 de Outubro, são por este meio notificados os candidatos a habitação económica abaixo indicados: Nome N.º do boletim de candidatura CHANG PAK HENG 82201324568 DEOPANTE ELIMAR REGALA 82201304280 Dado que os candidatos acima indicados foram seleccionados da lista de ordenação, nos termos do artigo 26.º da Lei n.º 10/2011 (Lei da habitação económica), alterada pela Lei n.º 11/2015, é necessário realizar-se a apreciação substancial, pelo que este Instituto informou os referidos candidatos, através de ofícios, para se dirigirem pessoalmente ao Instituto de Habitação (IH) à hora fixada nos mesmos, para apresentarem os originais dos documentos comprovativos, no sentido de se efectuar a verificação das informações declaradas no boletim de candidatura; porém, os ofícios não foram recebidos, tendo sido devolvidos. Assim, os candidatos acima indicados devem dirigir-se pessoalmente ao IH Rua do Laboratório nº. 39, Edifício Cheng Chong, D  R/C, Macau, antes do dia 27 de Junho de 2018, para apresentarem os originais dos documentos comprovativos, no sentido de se efectuar a verificação das informações declaradas no boletim de candidatura, sendo, em caso contrário, suspenso o procedimento de selecção durante 3 meses após a data acima mencionada; caso apresentem os documentos comprovativos necessários durante o período de suspensão, o respectivo procedimento será reiniciado por este Instituto; caso não os apresentem durante este prazo, os adquirentes seleccionados serão excluídos do concurso por este Instituto. Nos termos da alínea 2) do n.º 1 do artigo 28.º da lei acima indicada, caso os candidatos não apresentem os documentos indicados, dentro do prazo fixado, os adquirentes seleccionados serão excluídos do concurso. Para mais informações poderão dirigir-se pessoalmente ao IH, nas horas de expediente ou contactar através do telefone n.º 2859 4875. Instituto de Habitação, aos 8 de Junho de 2018.

O Presidente, Arnaldo Santos

“Reafirmamos a nossa prontidão, a nossa disposição, para seguir as regras de comércio que existem no mundo actual”, disse. “Esta é uma declaração muito importante.” Xi, Putin e outros líderes do bloco também prometeram apoio ao Plano Global de Acção Conjunta, o acordo nuclear iraniano de 2015, do qual o presidente Donald Trump retirou os EUA no mês passado. “A China está disposta a trabalhar com a Rússia e outros países para preservar o JCPOA”, disse Xi. A Organização para a Cooperação de Xangai, liderada por Pequim, é vista por muitos especialis-

tas como uma tentativa de desafiar a ordem liderada pelo Ocidente. Além de China e Rússia, também inclui Cazaquistão, Uzbequistão, Quirguistão e Tajiquistão. Fundada em 2001, foi originalmente concebida como um veículo para resolver problemas de fronteira, terrorismo e para combater a influência americana na Ásia após a invasão do Afeganistão. A China tem procurado minimizar as preocupações de que o grupo seja uma maneira de Pequim projectar a sua influência estratégica no exterior. O Global Times, jornal do Partido Comunista, disse neste domingo que, ao contrário de organizações ocidentais como a Otan e o G-7, que buscam “consolidar a ordem económica global que é favorável ao mundo ocidental”, a Organização para Cooperação de Xangai é inclusiva. “Não é uma ferramenta para jogos geopolíticos, buscando hegemonia ou envolvimento em confronto internacional “, disse o jornal.


12

h

máquina lírica Paulo José Miranda

N

12.6.2018 terça-feira

Tudo na vida está em esquecer o dia que passa. Não importa que hoje seja qualquer coisa triste

Matrix e Budismo

UMA época em que abundam teorias da conspiração, vamos acercar-nos de um filme que tem como base o encaminhamento de buda, isto é, um modo de pensar espiritual cujo objectivo é alcançar a consciência plena. E este modo de pensar pode também ser visto como a revelação de um segredo: a humanidade conspira contra ela mesma. Por conseguinte, este modo de ver o humano, não trata de uma teoria da conspiração acerca da terra ser ou não redonda ou dos ricos reunirem-se em volta de uma mesa para governarem os destinos do mundo, mantendo-o tal e qual ele é e sempre foi ou como querem que ele seja. Trata-se de algo mais profundo. O budismo pode ser visto como a revelação de que a humanidade conspira e sempre conspirou contra ela mesma. E fique desde logo claro, que não se trata de um texto acerca do budismo, mas de pensar um filme com elementos básicos do pensamento espiritual de Buda. Lembremos o filme que lemos aqui na semana passada. A génese da criação, antes mostrada através de um caso pessoal, é agora levada a cabo aqui através de um modo de pensar e de entender o mundo que é universal, no sentido em que é partilhado por muitos através do espaço e do tempo. As irmãs Wachowski, pegam nesse modo de entender o mundo, que é o budismo, e fazem uma criação onde mostram uma grande conspiração. Para aqueles que estão familiarizados com o caminho de Buda, e bem mais do que eu, o filme que aqui hoje vamos ler, Matrix, surge-lhes de imediato como uma visão desse modo de viver e entender o mundo aplicado a uma estrutura narrativa de ficção científica. O mundo onde usualmente habitamos, todos nós, que é resultado de uma consciência não desperta, o budismo chama Samsara (consciência comum ou consciência adormecida). A samsara é mundo da consciência que a maioria de nós habita. O mundo da consciência antes da libertação. E podemos aqui também lembrar a famosa alegoria da caverna, de Platão. Mas recorde-se a primeira conversa entre Neo e Morpheus, em que este último diz que o outro tem o olhar de quem espera que o que está acontecer seja um sonho e que a qualquer momento vá acordar, e acrescenta que isso não deixa de ser verdade. Não deixa de ser verdade, porque uma consciência adormecida é uma vida adormecida. Estar adormecido é viver na samsara (ou nas sombras da caverna de Platão). E, no filme, Matrix é metáfora de samsara. No início, Neo vive como que num sonho, na consciência comum, imerso na Samsara, na Matrix. Mas está ali, em frente de Morpheus, porque

sente que há algo errado com o mundo, o conhecimento que ele tem, e que ainda não sabe, sempre esteve e está lá, dentro dele, à espera de se tornar consciente. Evidentemente, isto também nos lembra Platão. Mas aqui, com o budismo, a similaridade torna-se mais evidente. Como diz o budismo, todos nós somos Buda, mas a grande maioria não o sabe e nunca irá saber. Assim, Neo assume no filme a personificação daquele que quer descobrir o Buda que o habita, o Buda que é, apesar de haver também no filme alguma similaridade com a narrativa de Cristo, principalmente no uso da linguagem, “o escolhido”, “aquele que foi escolhido e que veio ao mundo para nos salvar.” Nessa primeira conversa, Morpheus diz “Matrix está em todo o lado, à nossa volta, aqui mesmo nesta sala. Você pode vê-la ao olhar pela janela, ao ligar a tele-

A humanidade como conspiração

visão ou ao ir para o trabalho. Quando vai à igreja, quando paga os impostos. É o mundo que puseram diante dos seus olhos para que não pudesse ver a verdade.” E a verdade, continua Morpheus, é que nós somos escravos. Nós nascemos numa prisão que não conseguimos nem ver, nem tocar. Uma prisão para a nossa mente. E esta é a própria definição de samsara. O mundo impede a consciência de se ver a si mesma. E o Matrix não pode ser explicado completamente ou mostrado, a não ser que se saia dele, que se alcance o despertar da consciência. É preciso alcançar o estado de buda – que em muitas tradições se chama Nirvana – para ver o Matrix. A mentira só pode ser vista quando já não estamos nela, quando estamos na verdade e a vimos de fora. É preciso alcançar o desabrochar (sanqyé) à imagem da flor de lótus, de modo a afastar a repre-

sentação e ficarmos livres dos conceitos e das sensações. Aquilo que Morpheus está a dizer a Neo é que o Matrix só pode ser visto na sua totalidade através de uma experiência de cognição directa, quando a separação do sujeito-objecto desaparece. Porque a ignorância (avidya), em que todos estamos na samsara (matrix), consiste em confundir a realidade com a sua representação. Assim, quando Morpheus lhe dá a escolher entre as duas cápsulas, a vermelha, que o levará na viagem em direcção à verdade, ou a azul, que o deixará como está, a acordar na sua cama como se tudo não passasse de um sonho, Neo escolhe o caminho da verdade, o caminho do despertar da consciência, o caminho de Buda. E aquilo que primeiro choca Neo é precisamente o primeiro dos ensinamentos budistas: tudo é espaço (aliás, à imagem das


ARTES, LETRAS E IDEIAS 13

terça-feira 12.6.2018

novas teorias da física contemporânea, principalmente a Mecânica Quântica, que mostra que num átomo há muito mais vazio do que cheio). A própria palavra Bu (vacuidade) – da (compaixão), quer dizer abraçar o espaço com a consciência e com o coração. Há muito menos forma, aquilo que confere individualidade a nós e às coisas, do que espaço contínuo (sem forma). Mas nós somos parte desse espaço contínuo, nós somos vacuidade. Nada nos separa de nada. “Porque é que me doem os olhos?”, pergunta Neo, “porque nunca os usaste”, responde Morpheus. Na primeira vez que Neo luta, num treino com Morpheus, este diz-lhe: “Não penses que és rápido. Sê rápido.” E esta é a diferença fundamental para quem segue o caminho de Buda. Há que ultrapassar o pensar para ser. Há que ultrapassar os conceitos. E pouco depois diz: “Estou a tentar libertar a tua mente, Neo. Mas só posso mostrar-te a porta. És tu que a tens de atravessar.” É também isto, e apenas isto, que um mestre budista pode fazer por um discípulo, mostrar-lhe a porta, mostrar-lhe o caminho que ele tem de percorrer, mas é ele que tem de o fazer por si, sozinho. Apesar de se ter a mente liberta, diz Morpheus, quando estamos na Matrix (quando estamos na consciência comum, adormecida, diria um budista) as pessoas que nos rodeiam, que queremos libertar, são nossas inimigas, pois elas não estão preparadas para acordar. Porque é difícil largar a sensualidade do mundo. Há uma passagem central no filme, acerca disto.

Cypher, que trai os companheiros, e a quem o agente Smith trata por senhor Reagan, quando no restaurante a jantar com o agente come um pedaço de bife diz: “Sei que este bife não existe. Sei que, quando o coloco na boca, a Matrix diz ao meu cérebro que ele é suculento e delicioso. Depois de nove anos [com a consciência plena da realidade] sabe o que descobri? Que a ignorância é uma bênção.” Esta é uma passagem central do filme. Cypher / Regan [que nos remete para o Ronald Reagan, actor e presidente dos Estados unidos da América], está a trair os companheiros e a verdade em troca de um lugar ao sol na Matrix [ele pede para ser rico e importante, actor importante]. Isto é, ele renuncia à verdade para viver bem. Viver bem segundo os padrões Matrix ou, se preferirmos, os da sociedade onde vivemos. Viver bem segundo a sensualidade do mundo. E esta é também uma das dificuldades que os budistas apontam para a libertação. O mundo criou a ilusão de bem estar para tapar a verdade. E todos nós preferimos o bem estar, uma “vida boa”, regalada, ao sol, do que a verdade. E Cypher representa precisamente esta dificuldade, representa, no fundo, quase toda a humanidade. É como se a própria humanidade, ao criar o bem estar, a riqueza de uns sobre os outros, estivesse a conspirar contra si mesma, contra a libertação da própria humanidade. Neste caso, para o budismo, não são as máquinas que estão a criar uma realidade imaginária (como no filme), de modo a que os humanos não vejam a verdade, mas os humanos eles mesmos. A

Matrix é um filme que parte do budismo para nos mostrar que o humano conspira contra o humano, ainda que no filme sejam as máquinas que protagonizam essa conspiração riqueza e o ideia de progresso são a armas que a humanidade usa contra a libertação de si mesma. Veja-se o que a respeito disto escreve o professor e pensador Paulo Borges, no seu livro O Coração da Vida (Edições Mahatma, 2ª Edição, pp. 26-7): “Surgiu assim com o Iluminismo, a ideia do ‘progresso’, entendido como a emancipação da humanidade, pelo trabalho, das necessidades do mundo natural e da subordinação da natureza, por via da ciência e da tecnologia, aos fins hedonistas, utilitários e materialistas da civilização. O resultado da crença fanática neste tipo de progresso, que se converteu num novo mito e na nova religião laica e globalizada, foram as sucessivas revoluções industriais, a superstição e o novo obscurantismo do crescimento económico infinito num planeta com recursos finitos, a devastação dos recursos naturais, a destruição mas-

siva da biodiversidade e da diversidade cultural, a destruição, a industrialização e sofrimento da vida animal, a poluição e o lixo industrial, o aquecimento global e as mudanças climáticas, a sociedade obsessivamente mobilizada para o trabalho, produção, consumo e desperdício, com níveis de stress, ansiedade e depressão cada vez maiores.” E como não ver aqui nestas palavras o filme Matrix! Não apenas na sua base budista, mas também na sua base futurista e de ficção científica, de um mundo arruinado, destruído. De facto, os maiores adversários a qualquer tese budista são a ideia de progresso e o bem estar, que quase sempre andam de mão dada. E ao vermos para onde caminha esta ideia de progresso, bem se pode dizer que se trata de uma teoria da conspiração contra a humanidade. Quando Neo vai à Matrix pela primeira vez desde que viu a verdade, faz uma pergunta fundamental para o budismo: [depois de passar por um restaurante onde antes costumava jantar] “Tenho memórias da minha vida... E nunca aconteceram. O que é que isso significa?” E é a Trinity [Carrie-Anne Moss] que lhe responde: “Que a Matrix não pode dizer-te que tu és.” Ou seja, o mundo onde usualmente vivemos não pode dizer quem eu sou. Eu mesmo não posso dizer quem sou. Eu mesmo não existo, porque o “Eu” não existe. E é este o ponto de partida do budismo, a não existência do eu. Pois, como vimos anteriormente, há uma continuidade entre espaço e forma, entre vacuidade e todas as coisas. A nossa memória individual, singular, que nos confere a identidade, que nos permite dizer “eu, Paulo José”, que liga a criança que fui à pessoa de cinquenta e três anos que sou hoje, não passa de uma memória da samsara, uma memória de quem não vê a totalidade, the big picture, como se diz em inglês. Estamos convencidos de que somos quem somos, porque a memória que temos é uma memória que não corresponde à verdade, mas ao mundo, à “samsara”. Há também uma passagem, quase no início do filme, que foca em outro dos aspectos fundamentais do budismo, o Karma. É quando Neo, ainda no escritório onde trabalhava, recebe um telefone de Morpheus, que lhe dá instruções para fugir dos agentes que o foram buscar. E, de repente, ele diz: “Porque é que isto está acontecer comigo? O que é que eu fiz? Não sou ninguém. Não fiz nada.” Para o budismo, esta é a forma usual de lidarmos com as coisas, estamos depostos naquilo a que se chama “consciência comum”, a pessoa acha sempre que não tem culpa de nada, que nada do que lhe está a acontecer tem a ver com algo que ele tenha feito anteriormente. A isto, o budismo chama Karma, que é o facto de todos nós estarmos em rede, que cada gesto influencia os outros gestos, como um pedra atirada ao lago, que irá produzir ondas, mas também afectar as ondas que os outros produziram com as suas próprias pedras. Tudo se interliga a tudo e tudo influencia tudo. Cada acção nossa influencia o nosso futuro e o dos outros, ainda que não nos seja de imediato perceptível ou não seja perceptível de todo. Matrix é um filme que parte do budismo para nos mostrar que o humano conspira contra o humano, ainda que no filme sejam as máquinas que protagonizam essa conspiração.


14 (f)utilidades

?

TROVOADAS

O QUE FAZER ESTA SEMANA

MIN

Amanhã CINEMA | “CHILDHOOD MEMORIES”, DE HOU HSIAO 26 Cinemateca Paixão | 19h30 5 1 8 6 7 9 4 3 2 Quinta-feira CINEMA | “WHAT 9 3 4TIME8IS THERE?”, 5 2DE TSAI 7 MING-LIANG 6 1 Cinemateca Paixão | 19h30 6 7 2 4 3 1 9 8 5 EXPOSIÇÃO | INAUGURAÇÃO DE “VERTICAL 7 9 1 5 2SPACES”, 8 3DE ANA4ARAGÃO 6 RECLAMATION OF INDIVIDUAL Casa Garden | 18h30 4 6 5 9 1 3 8 2 7 Sexta-feira 2 8 3 CHILDREN 7 4ARE IN6LOVE”, 5 DE1FRANCIS 9 LEE CINEMA | “GOD’S Cinemateca Paixão | 21h30 1 5 7 2 8 4 6 9 3 CONCERTO NIGHT1 OF JAZZ 3 4|A9 6BLUES 5 POP2ROCK7 8 Live Music Association | A partir das 22h00 8 2 6 3 9 7 1 5 4 CONCERTO | UMA NOITE COM PIANO NA GALERIA Fundação Rui Cunha | Das 18h00 às 20h00

26

MAX

31

HUM

4 5 9 2 3 6 7 8 1

3 6 7 4 8 1 9 2 5

9 8 1 5 6 3 2 4 7

2 3 5 8 7 4 1 9 6

7 4 6 1 9 2 8 5 3

6 1 3 9 4 8 5 7 2

8 7 4 6 2 5 3 1 9

31 3 6 3 57 5 1 9 2 4 8 2 7 4 67 6 3 9 51 9 1 5 82 8 74 7 63 4 2 8 4 8 6 15 1 3 7 7 9 6 9 3 82 18 51 5 1 1 5 3 4 9 4 87 8 6 7 5 7 2 1 9 6 84 8 3 8 46 74 27 2 95 9 4 4 9 1 8 3 5 26 2

31

O CARTOON STEPH 33

JURASSIC PARK: FALLEN KINGDOM SALA 1

Com: Masato Sakai,Mitsuki Takahata 19.15

Um filme de: J.A. Bayona Com: Chris Pratt, Bryee Dallas Howard, BD Wong, Jeff Goldblum 14.15, 16.45, 19.15, 21.45

SALA 3

JURASSIC WORLD: FALLED KINGDOM [B]

SALA 2

THE WALL [C] Um filme de: Doug Liman Com: Aaron Taylor-Johnson, John Cena 17.00, 21.45

DESTINY: THE TALE OF KAMAKURA [B] FALADO EM JAPONÊS LEGENDADO EM CHINÊS E INGLÊS Um filme de: Takashi Yamazaki

8 5 6 9 4 2 3 1 7

DE

5 9 2 3 1 7 4 6 8

EURO

9.54

BAHT

0.25

YUAN

1.26

VIDA DE CÃO

33 28 Sábado CINEMA | CURTA-METRAGEM “PROJECTO MIÚDOS” 6 8 Paixão 1 |214h009 7 4 5 3 2 3 8 6 3 6 14 1 7 5 Cinemateca 7 5 | VINTAGE 3 6MUSIC8NIGHT4- SKA2ROCKABILLY 1 9PUNK 4 7 1 7 2 9 35 3 86 CONCERTO Live Music Association | A partir das 21h00 2 9 4 1 5 3 8 7 6 9 5 6 5 7 8 3 28 2 4 WORKSHOP 9 4 | RHYS 5 LAI7- WORKSHOP 6 1 FOR3 8 2 3 5 6 4 8 9 1 27 PARENTS AND CHILDREN Fundação Cunha4 | Das2 15h005 às 16h30 8 3Rui 6 1 9 7 1 9 2 3 9 73 7 6 5 8 1 7 2 8 3 9 5 6 4 7 8 7 54 15 1 2 96 9 Domingo CINEMA | CURTA-METRAGEM “PROJECTO MIÚDOS” 4 2 Paixão 7 |514h001 6 9 3 8 6 6 9 8 1 8 35 3 4 2 Cinemateca 5 6 9 3 4 8 7 2 1 45 4 8 1 2 7 9 3 3 1 8 9 7 2 6 4 5 7 3 2 9 4 6 8 4 18 1 Cineteatro C I N E M A SOLUÇÃO DO PROBLEMA 33

30 1 2 8 7 5 9 6 3 4

75-98%

35 1 5FILME 3 48 24HOJE 72 7 6 UM 2 9 2 9 8 7 5 6 3 14 Um 6 4detective 7 4 3acaba 1 93 9 5 2 de chegar começa a trabalhar num caso 7 4 9 62 de6 8 1 53 estranhos assassinatos 8lado2de um5 veterano 3 19 1 6 7 2ao colega que está9prestes a reformar-se. Juntos 3 1 que6as7mortes 5 7 4 9 28 3 1percebem macabras estão relacio9 com 3 os2sete4peca-1 87 58 5 nadas dos mortais descritos na 4 76tal como 7 a9gula,8 5 2 1 4 6Bíblia, a preguiça ou a luxú5 Tal8leva-os 61 26numa2 3 4 9 ria.

35

busca incessante pela compreensão da mente e do modo de actuar do assassino, num filme que prende a atenção do telespectador até ao final. Andreia Sofia Silva

9 8 1 2 4 3 7 6 5 9 1 8 5 4 2 6 3 7

PORTUGALIDADE NO HOTEL

32 59 5 62 6 8 1 5 8 4 4 3 1 1 7 3 9 6 6 82 7 54

63 7 4 92 6 9 1 8 5

76 4 23 9 18 2 67 5 1

7 9 2 34 71 5 26 3 8

8 1 75 3 97 6 52 4 29

4 38 7 6 9 3 5 1 2

2 3 9 1 25 48 4 97 6

1 5 6 7 2 4 8 9 3

34 52 5 43 4 7 6 6 6 79 5 2 1 8 9 7 8 8 21 4 4 63

8 1 19 7 3 4 35 2 6

74 68 1 85 97 6 3 9 2

7 6 2 8 49 3 1 4 5

63 9 85 1 4 92 6 7 8

6 2 38 3 1 9 4 65 17

9 7 3 24 8 75 2 6 1

1 5 4 2 6 7 8 3 9

36 7 6 5 3 4 94 19 2 35 1 4 9 9 8 26 2 18 51 73 7

2 68 1 3 76 7 4 5 9

1 6 8 89 7 4 5 3 2

94 72 5 8 23 56 7 9 61

3 PECADOS MORTAIS | DAVID FINCHER | 1995 89 SEVEN 58 5– SETE 7 9 1 4 3 2 6 7 1 7 4 6 2 5 9 8 35 3 12 1 8 31 93 9 4 76 27 2 6 4 8 5

32

34

PROBLEMA 34

36

S U D O K U

TEMPO

12.6.2018 terça-feira

Nunca celebrei tanto a portugalidade e a minha cultura como em Macau. Foi preciso vir para a China para participar em alguns eventos no âmbito do 10 de Junho, festejar o dia dos portugueses na residência consular e até pensar no que tudo isso significa. Num lugar onde várias culturas díspares coexistem, e onde se mostram às pessoas de maneiras muito díspares, não deixa de ser curioso esta portugalidade tão presente, sentida mais por uns do que por outros. Ontem a noite deixou ver o hotel Grand Lisboa decorado com as cores da bandeira portuguesa. Um gesto bonito de uma empresa (Sociedade de Jogos de Macau), fundada pelo magnata Stanley Ho, um homem chinês que soube gostar de Portugal e da nossa cultura e, o mais importante, soube percebê-la. As cores do Grand Lisboa representam aquilo que Macau é e sempre foi, e não aquilo que estão a tentar fazer dela – um lugar onde as pessoas estão de costas voltadas, onde se alimenta o racismo e a xenofobia. Esta mensagem serve para todos os deputados da Assembleia Legislativa e alguns membros do Governo que ainda não perceberam onde estão e de como este território tem sido feito nos últimos anos. As cores vermelha e verde no hotel Grand Lisboa deveria servir também de exemplo aos autores dos novos manuais de história que, aparentemente, trazem consigo uma imagem negativa dos portugueses e da sua presença no território. Mesmo com todos os erros que as sucessivas administrações portuguesas em Macau cometeram, é importante lembrar e saber como membros da comunidade chinesa nos aceitaram e compreenderam a Oriente, e o bom que daí surgiu. De nada vale reescrever a história. Andreia Sofia Silva

CODE GEASS LELOUCH OF THE REBELLION II - TRANSGRESSION [C] FALADO EM JAPONÊS LEGENDADO EM CHINÊS E INGLÊS Um filme de: Goro Taniguehi Com: Jun Fukuyama, Takahiro Saurai, Yukana, Ami Koshimizu 14.30, 17.00, 21.30

LOVE CHUNIBYO AND OTHER DEKUSIONS [B] FALADO EM JAPONÊS LEGENDADO EM CHINÊS E INGLÊS Um filme de: Tatsuya Ishihara 19.30

www. hojemacau. com.mo

Propriedade Fábrica de Notícias, Lda Director Carlos Morais José Editor João Luz; José C. Mendes Redacção Andreia Sofia Silva; Diana do Mar, João Santos Filipe; Sofia Margarida Mota; Vitor Ng Colaboradores Amélia Vieira; Anabela Canas; António Cabrita; António Castro Caeiro; António Falcão; Gonçalo Lobo Pinheiro; João Paulo Cotrim; José Drummond; José Simões Morais; Manuel Afonso Costa; Michel Reis; Miguel Martins; Paulo José Miranda; Paulo Maia e Carmo; Rui Cascais; Rui Filipe Torres; Sérgio Fonseca; Valério Romão Colunistas António Conceição Júnior; David Chan; Fa Seong; Jorge Morbey; Jorge Rodrigues Simão; Leocardo; Paul Chan Wai Chi; Paula Bicho; Tânia dos Santos Cartoonista Steph Grafismo Paulo Borges, Rómulo Santos Ilustração Rui Rasquinho Agências Lusa; Xinhua Fotografia Hoje Macau; Lusa; GCS; Xinhua Secretária de redacção e Publicidade Madalena da Silva (publicidade@hojemacau.com.mo) Assistente de marketing Vincent Vong Impressão Tipografia Welfare Morada Calçada de Santo Agostinho, n.º 19, Centro Comercial Nam Yue, 6.º andar A, Macau Telefone 28752401 Fax 28752405 e-mail info@hojemacau.com.mo Sítio www.hojemacau.com.mo


opinião 15

terça-feira 12.6.2018

macau visto de hong kong

N

Fuga de informação

O passado dia 4, a Comissão Independente Contra a Corrupção em Hong Kong (ICAC, na sigla original) deteve Xiao Yuan, professor de língua chinesa, por suspeita de ter recebido e enviado informação confidencial por smartphone, relativa às perguntas dos exames de 2016 e de 2017. Em causa estavam os exames de língua chinesa para obtenção do Diploma do Ensino Secundário de Hong Kong (HKDSE, na sigla original). Este caso envolve quatro acusados, Xiao Zhiyong (Xiao Yuan), professor de chinês numa instituição privada e a sua mulher, Cai Yingying (Chai Yi), que foi vigilante durante os exames do HKEAA. Os outros dois réus, Zhang Guoquan e Wu Hongliang, são antigos examinadores das provas orais, ao serviço da Autoridade de Avaliação dos Exames em Hong Kong. Foram todos libertados sob fiança e aguardam julgamento. A principal acusação que pende sobre todos é a de uso de computadores com fins ilegais, crime sob a alçada das secções 159A e 161(1) (c) da Lei Criminal de Hong Kong. A investigação do ICAC revelou que Zhang Guoquan e Cai Yingying são suspeitos de terem usados os seus smart phones para enviar a Xiao Zhiyong as perguntas dos exames de Língua Chinesa, em 2016 e em 2017. Wu Hongliang é suspeito de ter enviado a Xiao Zhiyong, material confidencial proveniente de uma reunião informativa, realizada a propósito da preparação dos exames de Língua Chinesa de 2017. Logicamente, Xiao Zhiyong é suspeito de ter recebido informação confidencial sobre as perguntas dos exames no seu smart phone. O ICAC iniciou esta investigação após ter recebido algumas queixas. Já em 2007, 2009 e 2010 Xiao Yuan tinha preparado os seus alunos para as perguntas exactas que sairam nos exames de chinês. É evidente que desta forma Xiao Yuan colocava os seus alunos numa situação de grande vantagem em relação aos outros. A queixa deverá ter partido de alguém que, suspeitando da situação, se sentiu lesado. No entanto, é estranho que estas quatro pessoas tenham sido acusadas pelo ICAC apenas de uso dos seus computadores para fins ilegais. Não foram acusados de ter revelado informação oficial classificada. Porquê? Pela lógica, o Governo é responsável pelos exames nacionais. Antes do início dos exames, os enunciados são considerados informação oficial confidencial. Nalguma le-

XUELING ZOU, ANTES DOS EXAMES

DAVID CHAN

gislação, a informação confidencial encontra-se classificada em vários níveis, de acordo com o seu grau de secretismo. Contudo, neste caso, não é necessário ter em conta o grau de confidencialidade porque, antes do início dos exames, os enunciados são, sem sombra de dúvida, informação confidencial. Mas a única forma de esclarecer estas questões é apurar mais factos. No entanto, como o processo já começou, é impossível fazê-lo. De facto, o estudo e a preparação para os exames é uma forma de treino intelectual para proveito do próprio. Fazer batota nos exames é ir contra os fundamentos educativos. As notas podem ser boas, mas o conhecimento não aumenta. Se esta prática continuar, os alunos não vão saber lidar

Se a fasquia académica baixar, a sociedade vai ser gerida por pessoas sem a formação necessária. Imaginemos um estudante de medicina a fazer batota nos exames. Deus nos livre de ir ao seu consultório!

com as situações da vida, se não tiverem constantemente dicas sobre como o fazer. O conhecimento não floresce e, em última análise, toda a sociedade será afectada. Os estudantes de hoje serão os profissionais de amanhã. Se a fasquia académica baixar, a sociedade vai ser gerida por pessoas sem a formação necessária. Imaginemos um estudante de medicina a fazer batota nos exames. Deus nos livre de ir ao seu consultório! O mesmo se poderá dizer de um estudante de direito que passe nos exames desta forma. Quem vai querer ser representado por ele na barra do Tribunal? Se este método se divulgasse e os professors passassem a saber de antemão as perguntas e respostas dos exames seria muito grave. Desta forma, nunca se saberá ao certo que conhecimentos foram verdadeiramente passados do professor para o aluno. Além disso, se os enunciados forem obtidos de forma ilegal, estaremos não só perante um acto criminoso, como também perante uma violação da ética profissional. E é desta forma que se pretende dar bons exemplos aos estudantes? Não parece ser grande pedagogia. Os responsáveis pela elaboração dos enunciados de exames, estejam onde estiverem, devem prestar atenção a este caso.

Professor Associado do IPM • Consultor Jurídico da Associação para a Promoção do Jazz em Macau • legalpublicationsreaders@yahoo.com.hk • http://blog.xuite.net/legalpublications/hkblog


Cem homens podem formar um acampamento, mas é preciso uma mulher para se fazer um lar. PALAVRA DO DIA

Provérbio Chinês

Mundial2018 Presidente da FF impedido de entrar no hotel

África Grávidas e mães impedidas de ir à escola

Dezenas de milhares de raparigas grávidas e mães adolescentes estão impedidas ou são desencorajadas de frequentar a escola em vários países de África, denunciou hoje, num relatório, a organização internacional Human Rights Watch (HRW). No documento, destinado a assinalar o Dia da Criança Africana, que se celebra a 16 de junho, a organização de defesa e promoção dos direitos humanos apela à necessidade de os governos do continente garantirem o direito à educação de todos os jovens, sem qualquer discriminação, dando como piores exemplos os existentes na Guiné Equatorial, Serra Leoa e Tanzânia. Intitulado “Não Se Deixa Nenhuma Rapariga para Trás em África: A Discriminação na Educação contra as Alunas Grávidas e as Mães Adolescentes”, o relatório da HRW é fruto de uma “intensa investigação” da organização sobre a situação das jovens no continente africano. Os critérios passaram por uma análise exaustiva das leis de cada país, das políticas e das práticas que bloqueiam ou apoiam o acesso das “jovens grávidas” e das “mães adolescentes” no direito ao ensino primário e secundário nos 55 Estados-membros da União Africana (UA). África tem um dos maiores índices de gravidezes na adolescência do mundo, pelo que os governos do continente devem, “com urgência”, aprovar legislação e políticas para garantir que as escolas permitam e apoiem as raparigas grávidas para que se mantenham nos estabelecimentos escolares, advoga a HRW. Outra ideia defendida no relatório é a aprovação de medidas que incentivem as jovens mães a regressar à escola depois de parirem.

Fraude fiscal Ronaldo declara-se culpado

PUB

Cristiano Ronaldo deverá chegar a acordo com o fisco espanhol muito em breve. De acordo com o El Mundo, a proposta em cima da mesa, feita pela Autoridade Tributária de Espanha, obriga o internacional português a pagar uma quantia de 19 milhões de euros e a declarar-se como culpado dos quatro crimes de fraude fiscal de que está acusado, ficando assim livre da prisão. Segundo avança a imprensa espanhola, Ronaldo já deu o parecer positivo para que o acordo seja assinado e, assim a sua proposta de pagar 14 milhões de euros fica sem efeito. O objectivo do português era deixar o assunto resolvido antes de começar o Mundial 2018, na Rússia, mas ao que parece tal não foi possível, uma vez que a mudança do Governo em Espanha deverá atrasar todos os assuntos e processos fiscais do país.

terça-feira 12.6.2018

O presidente da Federação Francesa de Futebol, Noel Le Graet, foi impedido de reentrar no hotel da selecção francesa, na Rússia, apesar de estar credenciado, revelou o treinador dos ‘bleus’. “Estamos sujeitos a regras de segurança muito altas, até mesmo o nosso presidente, que saiu esta manhã, não conseguiu entrar. Apesar de tudo, ele tinha a sua credencial, mas não entrou”, disse o técnico Didier Deschamps, num tom divertido. As instalações francesas estão situadas em Istra, a 40 quilómetros de Moscovo, numa floresta isolada, no final de um acesso protegido por forças de segurança. A França tem estreia marcada no Mundial2018 frente à Austrália, em 16 de junho, em Kazan.

OPA/EDP DISCUTE DETALHES COM A EMPRESA

Paciência na mesa

A

China Three Gorges (CTG) afirmou ontem que vai continuar a debater os detalhes da OPA sobre a EDP com esta empresa, depois de a eléctrica portuguesa ter considerado que a oferta tem “mérito”, mas o modelo de implementação “não é claro”. “Vamos discutir nos próximos meses com a EDP”, disse à agência Lusa o vice-presidente executivo da China Three Gorges (CTG) International, Wu Shengliang, em reacção ao relatório ao mercado divulgado na sexta-feira pela EDP. O Conselho Executivo da eléctrica portuguesa, liderado por António Mexia, considerou que “há mérito nas intenções estratégicas” da CTG, que “dependem do seu modelo de implementação, o qual não é claro nesta fase”, pedindo clarificação. A mesma nota acrescenta que a EDP não dispõe de “elementos suficientemente claros sobre quanto tempo a CTG Europe pretende preservar a identidade portuguesa da EDP e a sua qualidade de sociedade cotada em Lisboa, do modelo societário previsto que garantiria autonomia do centro de decisão e como é que este modelo proporcionaria proteção adequada aos acionistas minoritários, nomeadamente na eventualidade de conflitos de interesse decorrentes da contribuição de ativos”.

Entre os méritos reconhecidos na proposta anunciada no passado dia 11 de Maio, António Mexia refere a intenção da CTG de “aportar os ativos detidos pela China Three Gorges Corporation na EDP, através de subsidiárias, no Brasil e na União Europeia”, a possibilidade de expansão para o mercado eólico ‘offshore’ (no mar) chinês, o reforço do perfil de crédito da EDP e a intenção de manter uma política de dividendos estável. “Os méritos das intenções acima descritas dependem do seu modelo de implementação, o qual não é claro nesta fase”, lê-se no relatório. Em 11 de Maio passado, a CTG anunciou a intenção de lançar uma OPA voluntária sobre o capital da EDP, oferecendo uma contrapartida de 3,26 euros por cada acção, cujo pedido foi registado junto do regulador, sem alterações ao preço oferecido inicialmente. O preço oferecido pela CTG é a principal razão pela qual a administração da EDP recomenda aos accionistas que não aceitem esta oferta, por não reflectir adequadamente o valor da eléctrica, pois o prémio implícito na oferta é baixo, considerando a prática pelas empresas europeias do sector. “O prémio implícito no preço oferecido encontra-se significativamente abaixo do que é a prática em transacções em dinheiro no sector europeu

das ‘utilities’, no mercado ibérico e mais genericamente no mercado europeu, em casos em que o oferente adquire controlo”, refere, realçando que está abaixo do oferecido em 2011, quando a CTG adquiriu 21,35% da elétrica. Esta tomada de posição foi aprovada em reunião do Conselho deAdministração Executivo da EDP realizada na quinta-feira, por unanimidade dos membros, e recebeu, na sexta-feira, parecer favorável do Conselho Geral e de Supervisão, órgão liderado por Luís Amado. Também o Conselho de Administração da EDP Renováveis, liderado por Manso Neto, recomendou aos accionistas “não aceitar o preço da oferta” da CTG, por não traduzir o valor da empresa, e considerou que “o calendário proposto subjacente à oferta poderá não corresponder aos melhores interesses dos accionistas da EDP Renováveis e deveria ser clarificado”. A CTG, que já detém 23,27% do capital social da EDP, pretende manter a empresa com sede em Portugal e cotada na bolsa de Lisboa. Caso a OPA sobre a EDP tenha sucesso, a CTG avançará com uma oferta pública obrigatória sobre 100% do capital social da EDP Renováveis (EDPR) a 7,33 euros por ação. A EDP controla 82,6% do capital social da EDPR, que tem a sua sede em Madrid.

Maputo Crimes económico-financeiros preocupam

A Procuradoria-Geral da República de Moçambique manifestou-se ontem preocupada com o aumento de casos de crimes económico-financeiros no país, reiterando que é fundamental que se aprove a lei para a recuperação de activos. “Temos vindo a acompanhar com bastante preocupação o aumento de casos de crimes económico-financeiros”, disse a procuradora-geral adjunta, Amabélia Chuquela. Aquela responsável falava à imprensa à margem de uma formação para magistrados e quadros do Serviço Nacional de Investigação Criminal em matérias de crimes económico-financeiros hoje em Maputo.

Eminem Efeitos sonoros geraram pânico em concerto

O concerto de Eminem no sábado à noite, no festival Bonnaroo, no estado norte-americano do Tennessee, fica marcado pelo susto que alguns elementos do público apanharam quando, depois do tema “Kill You” se ouviram sons semelhantes a tiros. Nas redes sociais, não faltam relatos de pessoas que contam como se sentiram em pânico e se baixaram ou fugiram. Numa nota enviada à CNN, o porta-voz do rapper, garante, no entanto, que Eminem “não usa efeitos sonoros de tiros no seu espectáculo ao vivo”. “O efeito usado por Eminem no seu palco no Bonnaroo foi uma concussão pirotécnica que cria um ‘boom’ alto”, clarifica, acrescentando que este efeito é usado há 10 anos nos seus concertos, incluindo noutros festivais nos Estados Unidos, sem que tenha havido quaisquer queixas. Nas redes sociais, há também quem recorde isso mesmo. Em Outubro do ano passado, um tiroteio que se prolongou durante mais de 10 minutos, num concerto em Las Vegas, fez 58 mortos e quase 500 feridos.

O HOJE ERROU Na nossa edição de ontem, num artigo sobre Anthony Bourdain, escrevia-se às tantas que Cecília Jorge era a autora do livro "Os Sabores das Nossas Memórias - A Comida e a Etnicidade Macaense". Ora a verdade, verdadinha, é que o livro foi escrito pelo poeta e escritor Fernando Sales Lopes. Aos dois e aos nossos leitores, o Hoje Macau endereça deste modo um sincero pedido de desculpas.

Hoje Macau 12 JUN 2018 #4070  

N.º 4070 de 12 de JUN de 2018

Hoje Macau 12 JUN 2018 #4070  

N.º 4070 de 12 de JUN de 2018

Advertisement