Page 1

www.hojemacau.com.mo•facebook/hojemacau•twitter/hojemacau

PUB

hojemacau

AGÊNCIA COMERCIAL PICO • 28721006

ISTOCK

MOP$10

QUINTA-FEIRA 12 DE ABRIL DE 2018 • ANO XVII • Nº 4029

DIRECTOR CARLOS MORAIS JOSÉ

Rigor, por favor O preâmbulo do relatório de 2017 do CCAC é duro com o aparelho executivo. Afirma que os processos de apreciação e aprovação não são rigorosos e pede urgência na revisão do regime de responsabilização das direcções de chefias, à luz dos casos do ano passado que envolveram o IC e os SMG. PÁGINA 5

ENTREVISTA

FONG SOI KUN

RAIMUNDO DO ROSÁRIO

PÁGINA 6

PÁGINA 8

PENA EMOÇÃO NA MÁXIMA UNIVERSIDADE

GCS

20 ANOS DE EPM

SOFIA MARGARIDA MOTA

MANUEL MACHADO

ANTÓNIO CABRITA

PAGAR O GALO h


2 ENTREVISTA

MANUEL MACHADO

A Escola Portuguesa de Macau (EPM) celebra 20 anos. A diversidade cultural e linguística da população escolar enriqueceu a instituição de ensino, mas novas necessidades trouxeram desafios. Em entrevista ao HM, o presidente da direcção, Manuel Machado, espera que a EPM continue a ser uma escola prestigiada e aberta a todos Integra a EPM desde o início, em 1998. Colaborador próximo de Edith Silva, foi adjunto da direcção até ser convidado para a vice-presidência e, mais tarde, para a presidência. Que aspectos destacaria destes 20 anos? Quando foi criada, um dos objectivos era assegurar um estabelecimento de ensino na Região Administrativa Especial de Macau, que viria a constituir-se após a transição, para os filhos da comunidade portuguesa poderem seguir os estudos num currículo português em língua portuguesa (...). Mas, em paralelo, a Escola Portuguesa obviamente estava – como sempre esteve – aberta a alunos das comunidades aqui residentes, aos quais procurou sempre ir dando resposta através da adopção de estratégias e metodologias. Com o desenrolar dos anos, foi-se alterando o currículo com vista à adaptação à realidade da escola: foi introduzido o mandarim, o ensino

“Queremos continuar a ser uma escola prestigiada” do inglês, da educação física e da educação musical desde o primeiro ciclo e houve alterações ao nível do ensino da história e da geografia, por exemplo. Quais foram as principais conquistas da EPM? Desde logo, uma elevada taxa de sucesso educativo, uma taxa elevadíssima de alunos que terminam o ensino secundário e conseguem prosseguir estudos na primeira opção, e a abertura a outras comunidades, reflectida num cada vez maior número de alunos de outras nacionalidades – temos, neste momento, 24. Essa realidade, de uma maior diversidade cultural e linguística, que se foi desenhando ao longo dos anos, também trouxe o grande desafio de responder a novas necessidades. Temos recebido muitos alunos que não têm o português como língua materna [VER CAIXA], algo praticamente inexistente no início do funcionamento da escola, o que significa que essa aposta, em estratégias e metodologias utilizadas para oferecer as ferramentas necessárias ao acompanhamento do currículo em português, tem tido sucesso. Depois, em 2009, foi aprovada uma portaria pelo Ministério da Educação que regulamentou os currículos da Escola Portuguesa de Macau, criando duas vias curriculares: na via A é facultado o ensino do mandarim do 1.º ao 12.º ano, enquanto na segunda não há obrigatoriedade de frequência daquela língua. E o ensino do cantonense? O dossiê encontra-se arrumado? Não, aliás, em educação os dossiês estão sempre em aberto. Este ano

lectivo abrimos o cantonense em regime extracurricular e há uma série de alunos que o frequentam. Os resultados têm sido bons, mas vamos aguardar pelo final do ano para fazer a avaliação do processo e ver o que deve ser mantido e/ou modificado. A EPM tem ganho um perfil internacional pela diversidade de origens, culturas e línguas. Portugal continua a ser o destino de eleição para quem ali termina os estudos secundários? Varia muito de ano para ano. Já tem acontecido haver aproximadamente 50 por cento ou um pouco

EPM EM NÚMEROS

A

EPM abriu no ano lectivo 1998/99 com 1132 alunos, registando-se depois um decréscimo progressivo do número de alunos até 2010/2011, ano em que foi atingido o valor mínimo de 462. A partir daí, o universo começou a crescer gradualmente e no actual ano lectivo encontram-se matriculados 577 alunos. Dos 577, 430 têm nacionalidade portuguesa, 74 chinesa, havendo ainda 73 de outras origens. Contudo, o português é a primeira língua apenas para 357 estudantes , um “dado curioso”, como assinala Manuel Machado. No que toca ao corpo docente, no ano lectivo inaugural, a EPM tinha 91 professores, incluindo 18 a tempo parcial. Actualmente, são 59, dos quais dois em part-time. A EPM conta ainda com sete funcionários administrativos, 17 auxiliares, bem como com duas psicólogas e quatro professores de ensino especial, a somar a cinco técnicos especializados.

SOFIA MARGARIDA MOTA

PRESIDENTE DA DIRECÇÃO DA ESCOLA PORTUGUESA DE MACAU

mais de alunos que terminam o secundário e prosseguem estudos em Portugal e os restantes dispersarem-se por outros países, como Austrália, Inglaterra, Suíça, China, ou ficarem em Macau. No ano passado, por exemplo, a maioria (28) escolheu Portugal. De facto, a escola, não sendo uma escola internacional na verdadeira acepção da palavra, oferece todas estas saídas e é a única em Macau com currículo em português à semelhança das escolas portuguesas. Regra geral, quantos optam por ficar em Macau? Neste momento, aproximadamente dez por cento num universo de 35 a 40 [finalistas]. Satisfaz muito que a escola comece a ser vista não só como era há muitos anos, ou seja, como uma porta para Portugal. Um dos aspectos que praticamente, de forma anual, transporta a EPM para as manchetes tem que ver com os ‘rankings’ dos exames nacionais, dado que tem liderado a média entre as escolas portuguesas no estrangeiro. Sei que não gosta de falar de ‘rankings’... Claro que não vou dizer que não sinto orgulho quando leio os números, mas os ‘rankings’ valem o que valem. Há todo um percurso de ensino e de aprendizagem, de vivência na escola e de relacionamento com os outros, por exemplo, que não é pesado e que tem muito mais valor. A disposição com que um aluno vai fazer um exame não é sempre a melhor, o tipo de prova, a sua reacção às perguntas, a própria situação de exame, a par da pressão quando se trata de disciplinas específicas para ingresso em certos

cursos do ensino superior, em que por uma décima se entra ou não na universidade, não podem traduzir todo o trabalho anterior. O que é mais importante e mais me satisfaz não é a posição em que a escola fica, mas o percurso que o aluno fez, as relações que estabeleceu, a forma de estar e de se sentir na escola e como se desenvolveu e cresceu no estabelecimento de ensino, ou seja, tudo aquilo que é multidimensional. O que faz falta à EPM? Neste momento? Instalações. É um processo demorado que tem os seus trâmites. Para o ano podemos ficar próximos dos 600 alunos porque admito o aumento de mais uma turma no primeiro ciclo e, obviamente, um maior número de alunos exige a ampliação de modo a que possamos continuar a prestar um serviço educativo de qualidade. As instalações são muito importantes, não só no que diz respeito às salas


3 quinta-feira 12.4.2018 www.hojemacau.com.mo

Sempre considerei que não é possível haver uma relação de ensino e de aprendizagem sem haver empatia entre os actores envolvidos, por isso, damos muita importância ao clima e à cultura que se vive e às relações que se estabelecem dentro da escola. Temos a vantagem de existir uma grande diversidade cultural, o que é extremamente enriquecedor no desenvolvimento das crianças porque ajuda-as desde pequeninas

“Essa realidade, de uma maior diversidade cultural e linguística, que se foi desenhando ao longo dos anos, também trouxe o grande desafio de responder a novas necessidades.”

de aula normais, mas também às específicas, como laboratórios, etc. Acresce que, além do maior número de alunos de língua materna não

“Além do maior número de alunos de língua materna não portuguesa, que necessitam de um acompanhamento próximo no início, o que também requer espaço, tem aumentado também o número de alunos com necessidades educativas especiais variadas, o que exige também recursos humanos e materiais.”

portuguesa, que necessitam de um acompanhamento próximo no início, o que também requer espaço, tem aumentado também o número de alunos com necessidades educativas especiais variadas, o que exige também recursos humanos e materiais. Recursos humanos, felizmente, não têm faltado, subsidiados pela Direcção dos Serviços de Educação e Juventude [DSEJ,] mas começamos a sentir, de facto, a escassez de espaço para poder fazer a gestão de todas estas situações. Actualmente, qual é o universo de alunos com necessidades educativas especiais? Neste momento, alunos com necessidades educativas especiais, de natureza diversa, temos 45, são quase dez por cento, é um número elevado. Mas alunos com acompanhamento pelos serviços de psicologia e orientação são aproximadamente 110. A Escola Portuguesa sempre foi muito re-

ceptiva, embora até certa altura não tivesse capacidade para dar resposta, porque nós tivemos durante muitos anos apenas uma psicóloga. Muitos vinham da DSEJ, mas por causa da questão da língua, não havia possibilidade de fazer o acompanhamento de que careciam. Foi sempre apanágio da Escola Portuguesa estar aberta a essas situações, acompanhando-as na medidas das suas possibilidades. Felizmente, desde há quatro anos, temos tido a possibilidade de contratar professores do ensino especial. Abrimos o ano com três a tempo inteiro e agora, para o terceiro período, chegou mais uma professora, além de termos outra a tempo parcial. A nossa capacidade de resposta tem, portanto, aumentado. Agora temos duas psicólogas a tempo inteiro. Portanto, este conjunto consegue fazer o acompanhamento das diferentes situações, o que não significa que não haja ainda re-

curso a terapeutas vindos de fora que vêm apoiar os alunos. Temos ainda duas animadoras culturais que foram contratadas para fazer acompanhamento dos alunos no recreio, porque, de facto, a população escolar está a aumentar e o espaço é o mesmo (...) e que, quando há necessidade, fazem-no também dentro da sala de aula. Qual a estratégia futura? O que gostaria mesmo que a EPM tivesse, fizesse ou alcançasse?

ESPECTÁCULO DE ANIVERSÁRIO

N

o próximo dia 21, pelas 19h30, vai haver um espectáculo no Centro Cultural organizado por professores, ex-professores, alunos, ex-alunos e encarregados de educação actuais e de outros tempos, intitulado “Vinte anos a navegar”.

a perceber que existem outros ‘eus’ que têm de se respeitar independentemente das diferenças ou semelhanças. Portanto, espero que a escola continue a conseguir manter e aumentar – porque nunca nada está atingido – um clima de alegria, bem-estar e de segurança, para o desenvolvimento saudável dos jovens, acompanhado obviamente do processo de aprendizagem. Muitas vezes as pessoas não se apercebem, mas a segurança e o bem-estar que se vive dentro da escola é fruto de um trabalho diário de acompanhamento por parte de professores, funcionários, de encarregados de educação. Não se consegue ter uma escola com bons resultados se não houver um bom ambiente. Fico muito contente quando somos procurados por encarregados de educação da comunidade chinesa, da filipina ou de outras que nos dizem que foi por causa do ambiente [que escolheram a EPM]. É muito compensador. E em termos do projecto educativo propriamente dito? No futuro, temos que continuar a apostar muito no desenvolvimento da língua portuguesa no sentido da sua aprendizagem correcta – não só porque somos uma escola portuguesa, mas também devido ao crescente número de alunos que têm outra língua materna. Também continuar a apostar no multilinguismo, em particular, no ensino do chinês, que ainda tem que se desenvolver bastante. Obviamente, queremos Continua na página seguinte


4 entrevista

“Junto da direcção até agora não chegou nada” SOFIA MARGARIDA MOTA

sempre continuar a formação profissional, não só de professores mas também de funcionários porque a realidade está-se a alterar e muito rapidamente. Nestes últimos cinco anos, a escola modificou-se muito significativamente, a estrutura tornou-se muitíssimo mais complexa, quer pelo número de alunos, mas também pelas suas características. A quantidade de alunos que precisa de acompanhamento extra a português e que tem necessidades educativas diversas ou a vinda de professores novos, que têm de ser integrados na cultura da escola, fez a rede adensar-se, o que exige uma colaboração muito próxima entre todos. Este é o grande desafio da escola. Queremos continuar a ser uma escola prestigiada em Macau que conseguiu consolidar-se como uma escola de qualidade e que as pessoas sintam que está aberta a todos, pois não teria sentido de outra forma dado estarmos no Extremo Oriente.

12.4.2018 quinta-feira

“Não se consegue ter uma escola com bons resultados se não houver um bom ambiente.” Havia um plano para reformular o ensino do mandarim. Qual é o ponto de situação? Começamos este ano lectivo a experiência, no 1.º e 2º ano de escolaridade, de distribuir os alunos por dois grupos: um constituído por quem não têm quaisquer conhecimentos de chinês e um outro por quem já tem. Obviamente que as aulas são diferentes, os objectivos também, bem como as metodologias. A avaliação feita até à data, quer por parte de professores, encarregados de educação e alunos, tem sido positiva. Alteramos a estratégia e implementamos esta experiência, que está a ter bons resultados, e que naturalmente vai continuar no próximo ano no 3.º e 4.º ano e por aí fora. Há algum aspecto menos positivo durante estes 20 anos? Para ser franco, não consigo identificar nenhum momento marcadamente negativo. O saldo é francamente positivo, mas no percurso desta instituição, como de qualquer outra, há sempre situações menos conseguidas e menos agradáveis – é uma escola. Têm é que se estar atento e atalhar quando é necessário atalhar aquilo que tem de ser corrigido e melhorado. Diana do Mar

info@hojemacau.com.mo

Na sequência do recente caso de violência escolar entre dois alunos, a DSEJ solicitou à EPM o envio de um relatório que ficou prometido para depois das férias da Páscoa. Já foi entregue? Houve, há e vai continuar a haver situações menos agradáveis. Essas questões são identificadas e trabalhadas pela escola de acordo com o regulamento interno e, sobretudo, com a discrição que merecem, porque estamos a tratar de crianças, portanto, temos de resolver dentro das portas da escola da melhor maneira possível. Os jovens merecem todo o respeito e, portanto, qualquer coisa menos bem feita pode traumatizá-los, por isso não gosto de falar nem que venha para os jornais. Tenho a responsabilidades para com os alunos e tenho elevadíssimo respeito pela sua identidade. Se

há um incidente tem que ser tratado, não se pode por a cabeça na areia e tem de se arranjar a melhor maneira de o resolver e superar, mas o que não pode é ser feito sem ser com a máxima discrição. Nunca o farei de outra forma. Agora, obviamente que temos uma tutela – duas aliás – e se a DSEJ nos pede um relatório, com certeza que será feito findas todas as averiguações pela escola, mas isto é feito em correspondência confidencial. O relatório será feito na devida altura. Não vou apressar nada, vou fazer as coisas ‘by the book’ e respeitando as crianças enquanto jovens em desenvolvimento que eu quero que se mantenham na escola e se sintam bem [nela]. A Inspecção Geral de Educação e Ciência afirmou, em resposta por e-mail, ao HM,

ter recebido e estar a analisar duas queixas relativas à EPM. Uma respeitante a esse caso, ocorrido em Março, e outra referente a agressões a um aluno por parte de colegas alegadamente promovidas por um docente, que remonta a finais de 2016. Qual o ponto de situação? Eu não tenho conhecimento de quaisquer investigações em curso. Não é suposto a Inspecção de Portugal vir fazer perguntas à escola sobre uma questão que se passou aqui. Obviamente que pode fazê-lo, com certeza que o pode fazer, mas o não o fez ainda. Não sei se vai fazer, mas até à data não o fez. (...) Se está a investigar é porque terá chegado alguma coisa, mas à direcção, até este momento, não chegou nada – é o que posso dizer.

NOTA DA REDACÇÃO Na sequência da polémica sobre o acompanhamento das queixas que a Inspecção-Geral da Educação e Ciência está a dar aos casos noticiados sobre a Escola Portuguesa de Macau (EPM), vimos por este meio esclarecer o leitor quanto à verdade dos factos. Na edição de 3 de Abril fizemos capa e publicámos na página seis um artigo que dava conta da análise e tramitação das queixas recebidas pela Inspecção-Geral da Educação e Ciência sobre os casos de violência, alegadamente, ocorridos na EPM. Utilizámos a expressão “investigação” no sentido lato, não no sentido técnico-jurídico do termo e citámos a fonte afecta ao Ministério da Educação correctamente, respeitando escrupulosamente os nossos deveres deontológicos e éticos. Como se

pode confirmar no email que publicamos nesta página, foi-nos, de facto, facultada a informação de que a Inspecção-Geral da Educação e Ciência estava a seguir os casos. Não mencionámos a fase em que o processo se encontrava e, como se pode comprovar na imagem em anexo, com a data de ontem, estão “já em curso as notificações necessárias, [e] diligenciar-se-á com vista ao apuramento do participado”. Não fazemos jornalismo movido pela emoção, animosidade ou simpatia. Não fazemos o cálculo se uma notícia é agradável, ou desagradável, esse não é o nosso trabalho, nem a nossa vocação. Se o Estado português está, oficialmente, a averiguar factos ocorridos numa das maiores instituições portuguesas em Macau isso é, naturalmente, notícia.


política 5

quinta-feira 12.4.2018

CCAC COMISSARIADO PEDE REVISÃO DO REGIME DE RESPONSABILIZAÇÃO DE CHEFIAS

Exemplo que não vem de cima O Comissariado Contra a Corrupção quer que o regime de responsabilização do pessoal de direcção e chefia seja revisto quanto antes. Esta é a ideia fulcral do preâmbulo do relatório de actividades da entidade, divulgado ontem. Em causa estão, entre outros, os casos que no ano passado envolveram o IC e os SMG

NÚMEROS CORRUPTOS

E

m 2017, o Comissariado contra a Corrupção (CCAC) recebeu um total de 1264 queixas e denúncias. Do total, 19 casos foram investigados por iniciativa do CCAC, 12 foram investigados por solicitação de autoridades do exterior e 48 foram remetidos por outras entidades públicas. Os restantes tiveram origem na apresentação de queixas ou denúncias por parte de cidadãos. De acordo com o relatório de actividades de 2017 divulgado ontem pelo Comissariado Contra a Corrupção (CCAC), dos 1185 casos recebidos da população, a maioria vieram de remetentes anónimos, um total de 685 o que corresponde a 54 por cento. No que respeita às áreas a que foram dirigidas as queixas, 719 casos tiveram que ver com a provedoria de justiça somando-se 637 pedidos de consulta na mesma área. Segundo o documento, os números reflectem um aumento quer dos casos neste âmbito, quer da solicitação de apoio. No total, foram concluídas as investigações de 983 casos pelo CCAC, sendo todos encaminhados para o Ministério Público. Destes, 446 casos forma dados como concluídos e arquivados.

de abuso de poder para fins particulares através do aproveitamento de funções pelos trabalhadores da função pública, de burla de valor consideravelmente elevado, bem como condutas criminais de falsificação de documentos e de burla ao erário público, praticadas no âmbito dos processos instruídos pelos serviços públicos relativamente à “imigração por investimento relevante”, à concessão de subsídios, à prestação de serviços públicos, entre outros”, aponta o documento.

FALTA DE RIGOR

Para o responsável, este género de casos “revelam que os respectivos processos de apreciação e de aprovação levados a cabo pelos serviços públicos não são rigorosos e que os mecanismos de supervisão são deficientes”. Por estes motivos é necessário que o Governo preste mais atenção ao que se passa nos seus serviços públicos. No mesmo preâmbulo, André Cheong dá exemplos de casos de irregularidades em que estiveram envolvidas as chefias dos serviços públicos. O Instituto Cultural (IC) abre as acusações, tendo em conta o caso registado em Março do ano passado em que houve violação dos dispositivos legais relativamente ao concurso e ao recrutamento centralizado do IC. Nesta situação o preâmbulo do relatório do CCAC aponta que “o pessoal em causa escapou à obtenção da necessária autorização e supervisão do órgão superior para recrutar”, lê-se. O resultado foi a contratação ilegal de um grande número de trabalhadores mediante o modelo de aquisição de serviços. Em destaque estão também os Serviços Meteorológicos e Geofísicos (SMG), protagonizados pelo ex-director Fong Soi Kun. De acordo com entidade reguladora, além de ter sido detectado um “grau considerável de arbitrariedade”, foi ainda um caso marcado pela “existência de problemas sérios

Relatório de actividades de 2017 do CCAC [Os casos que envolvem as chefias da função pública] “revelam que os respectivos processos de apreciação e de aprovação levados a cabo pelos serviços públicos não são rigorosos e que os mecanismos de supervisão são deficientes.”

relativos à gestão interna de pessoal e dos equipamentos, devendo o pessoal da direcção daqueles serviços assumir uma responsabilidade iniludível”, lê-se no relatório ontem divulgado pelo CCAC. Para André Cheong, está mais do que justificada a necessidade

SOFIA MARGARIDA MOTA

R

EVER o regime disciplinar da função pública e garantir uma maior responsabilização daqueles que não cumprem a lei e que assumem cargos de chefia são os recados deixados pelo presidente do Comissariado Contra a Corrupção (CCAC), André Cheong ao Governo no relatório de actividades da entidade, referente ao ano passado. No preâmbulo do documento, e depois de frisar que “a justiça tarda mas não falha”,André Cheong alerta para as tipologias dos casos que dão entrada em maior número na entidade que dirige. Entre eles estão “casos

de rever o regime de responsabilização de chefias o mais rápido possível. “O Governo deve proceder à revisão da regulamentação jurídica do regime disciplinar do referido pessoal da função pública, aperfeiçoando, com a maior brevidade possível, o regime de

responsabilização do pessoal de direcção e chefia, concretizando, efectivamente, o princípio de ‘quem tem poder tem responsabilidade’”, lê-se no documento do comissariado. Sofia Margarida Mota

Sofia.mota@hojemacau.com.mo

Trânsito Zheng Anting exige melhorias nos parquímetros O deputado Zheng Anting revela que os novos parquímetros instalados no território suscitam vários problemas na sua utilização, uma vez que, de acordo com opiniões de residentes, o uso dos novos equipamentos é complicado e inconveniente. Além disso, durante a hora de ponta é frequente os utentes enfrentarem filas de espera. Uma circunstância que aumenta a frustração dos cidadãos e que, de acordo com o deputado, leva os condutores a considerar os novos parquímetros piores do que os antigos. Para isso, numa interpelação escrita, Zheng Anting exige melhorias ao Executivo no que diz respeito aos novos parquímetros electrónicos e quer que os antigos equipamentos, que já não estão em utilização, sejam removidos.


6 política

RÓMULO SANTOS

RÓMULO SANTOS

SOFIA MARGARIDA MOTA

SOFIA MARGARIDA MOTA

12.4.2018 quinta-feira

Chou Kam Chon, director substituto dos SAFP “Quatro anos de pensão suspensa é a medida mais pesada que temos neste momento no regime disciplinar a aplicar neste tipo de casos.”

HATO FONG SOI KUN FICA QUATRO ANOS SEM PENSÃO

Pena máxima

Chui Sai On decidiu, está decidido. O ex-director dos Serviços Meteorológicos e Geofísicos de Macau vai ser penalizado com o castigo máximo previsto pelo regime da função pública. Fong Soi Kun fica com a pensão suspensa por quatro anos, o que corresponde a um valor de, aproximadamente, quatro milhões de patacas

F

ONG Soi Kun, ex-director dos Serviços Meteorológicos e Geofísicos (SMG), não vai receber cerca de quatro milhões de patacas de pensão. O valor correspondente a quatro anos de reforma que o antigo dirigente não vai auferir e é o castigo máximo previsto na lei. A suspensão da pensão de Fong Soi Kun foi decidida ontem pelo Chefe do Executivo, Chui Sai On, e acontece depois de terminado o processo disciplinar instaurado ao responsável

dos SMG. “Quatro anos de pensão suspensa é a medida mais pesada que temos, neste momento, no regime disciplinar a aplicar neste tipo de casos”, esclareceu ontem o director substituto dos Serviços de Administração e Função Pública (SAFT), Chou Kam Chon, em conferência de imprensa. De acordo com o responsável, o próximo passo, de modo a evitar negligência por parte das chefias públicas, é rever o regime disciplinar dos funcionários da função pública para diferenciar o regime geral do

regulamento aplicável aos quadros que ocupam cargos de direcção e de chefia. “O que queremos agora é rever o regime disciplinar para fazer a distinção das penas a aplicar consoante os cargos que os funcionários ocupam”, disse Chou. A diferenciação vai de encontro às recomendações deixadas ontem pelo Comissariado Contra a Corrupção (CCAC) no relatório de actividades de 2017 da entidade. Ciente das queixas vindas da população que consideram que as penalizações avançadas para Fong Soi

Kun têm sido leves, o responsável esclareceu. “Em relação a este caso, aplicámos a pena mais alta que temos”, depois de o relatório final apresentado pelo instrutor, concluir que houve responsabilidade disciplinar por parte dos dois trabalhadores. Em causa esteve a falta de eficiência com que cumpriram as suas funções. O director dos SMG tem agora 30 dias, para recorrer da decisão tomada pelo Chefe do Executivo por via administrativa, podendo ainda recorrer a um processo contencioso, esclareceu Chou Kam Chon Quanto a uma possível responsabilidade penal, o director substituto dos SAFT aponta essa é uma matéria que diz respeito aos órgãos judiciais. Também à antiga sub-diretora, Florence Leong, foi penalizada com 130 dias de suspensão de serviço nos termos do Estatuto dos Trabalhadores da Administração Pública de Macau, sendo que, para já, ocupa o cargo de meteorologista operacional, esclareceu o sub-director ontem.

HATO VERSUS FONG

Fong Soi Kun apresentou a demissão a 24 de Agosto, um

CUIDADO COM AS CONCLUSÕES

H

á que ter cuidado com as conclusões que se tiram e com as ligações que se fazem quando se fala do caso de Fong Soi Kun e a sua responsabilização pelas consequências da passagem do tufão Hato pelo território. O alerta foi dado ontem pelo Secretário para os Transportes e Obras Públicas, Raimundo do Rosário à margem de uma palestra em que participou, ontem, na Universidade de Macau. De acordo com Raimundo do Rosário, não há provas de que Fong Soi Kun tenha alguma ligação com as dez vítimas mortais provocadas pelo Hato. “Não há uma relação causa-efeito entre os dez mortos e Fong Soi Kun É uma acusação muito grave. Não podemos chegar a conclusões”, disse, salientando que o comentário era feito como cidadão e não como governante.

dia a seguir à passagem do tufão Hato, que causou dez mortos, mais de 240 feridos e prejuízos avaliados em 1,3 mil milhões de euros. Em Março passado, foi oficializada a reforma voluntária do ex-diretor do SMG. Em Novembro, Chui Sai On instaurou um processo disciplinar contra os dois responsáveis, após a conclusão do inquérito aberto na sequência do tufão Hato. A comissão de inquérito “entende que estão indiciados factos relativamente aos quais dois trabalhadores dos SMG devem assumir a responsabilidade disciplinar por incumprimento culposo de deveres inerentes às suas funções no processo de decisão relativamente ao içar

dos sinais de tempestade tropical e à emissão do aviso de ‘storm surge’ durante a passagem do tufão Hato por Macau”, indicou na altura. Em Outubro passado, o relatório do Comissário Contra a Corrupção (CCAC) apontava “procedimentos irregulares”, “elevado grau de arbitrariedade” e “decisões fruto do juízo pessoal do ex-director” dos SMG. O relatório do CCAC é o resultado de uma investigação aberta a 28 de Agosto, para “determinar responsabilidades a assumir, no âmbito dos procedimentos de previsão de tufões e da gestão interna por parte do ex-diretor do SMG”. Sofia Margarida Mota

Sofia.mota@hojemacau.com.mo


política 7

AL AGNES LAM JUSTIFICA VOTO FAVORÁVEL AOS ÓRGÃOS MUNICIAIS

GCS

quinta-feira 12.4.2018

A

HOJE MACAU

deputada Agnes Lam deu a conhecer as razões que a motivaram a votar a favor da proposta relativa aos órgãos municipais sem poder político. Em causa está o facto da deputada ter aceite que os representantes dos referidos órgãos possam ser nomeados na sua totalidade pelo Chefe do Executivo ao invés de eleitos, ideia que foi um dos cavalos de batalha da sua campanha eleitoral. Em declarações ao Jornal do Cidadão, Agnes Lam refere que a razão porque aceitou a passagem da proposta na generalidade em Assembleia Legislativa foi devido à declaração de Zhang Rongshun, vice-presidente do Gabinete Jurídico do Comité Permanente da Assembleia Popular Nacional (APN). De acordo com a também académica, “o representante da APN sublinhou que em caso de eleições, os órgãos que se pretendiam sem poder político, passariam a ter o papel de assembleias municipais o que poderia violar a Lei Básica”. “AAPN dispõe de competência para explicar as leis e o que disserem é decisivo”, frisou a deputada. No entender de Lam é necessário aceitar opiniões diversificadas pelo que espera que o Executivo aceite disponibilizar entre duas a cinco quotas na representação dos órgãos municipais para candidatos. A deputada não deixa de frisar que este é um procedimento que poderia vir a ser aplicado a outros órgãos de cariz consultivo. Já o deputado pró-democrata Ng Kuok Cheong considera que a ausência de eleições para os membros dos órgãos municipais reprime as oportunidades para o desenvolvimento da democracia local. De acordo com a mesma fonte, a possibilidade de apresentação de candidaturas pelos interessados a representar o Conselho Consultivo para os Assuntos Municipais é apenas uma forma de exercer relações públicas sem qualquer efeito prático na construção de uma democracia local.

CORRUPÇÃO SECRETÁRIO PARA ECONOMIA E FINANÇAS REAGE A RELATÓRIO DO CCAC

Nódoa nas finanças

Na sequência dos dois casos sob a tutela da Economia e Finanças que constam do relatório de 2017 do CCAC, Lionel Leong respondeu que os procedimentos do IPIM para residência por investimento vão ser mais rigorosos e que a DSAL necessita de uma avaliação global interna

L

IONEL Leong vai rever os procedimentos que dizem respeito à aquisição de residência no território através de investimento, disse ontem o secretário para a Economia e Finanças, após a divulgação do relatório de actividades do Comissariado Contra a Corrupção referente aos trabalhos de 2017. Em causa estão dois casos apontados pelo referido relatório. Um que envolve a falsificação de documentos para aquisição de residência e que foi tratado pelo Instituto de Promoção do Comércio e do Investimento de Macau (IPIM), outro de um suborno por parte de um funcionário da Direcção dos Serviços para os Assuntos Laborais (DSAL). “O Secretário para a Economia e Finanças atribui grande importância a este assunto, tendo já dado

instruções ao IPIM para proceder a uma revisão profunda e, ainda, a um melhor aperfeiçoamento dos procedimentos e mecanismos de apreciação e autorização dos pedidos de residência temporária com fundamento em investimentos relevantes”, revela um comunicado oficial emitido pelo gabinete de Lionel Leong. De acordo com o mesmo comunicado, o Secretário deu ainda instruções à DSAL para realizar uma avaliação global dos procedimentos inerentes aos seus trabalhos internos e respectiva gestão. Lionel Leong apela ainda a um reforço na formação dos trabalhadores. O objectivo é aumentar a “consciência íntegra exigindo-lhes o cumprimento rigoroso da lei e das suas responsabilidades”, lê-se no documento. Tanto ao IPIM como à DSAL foi ainda pedido que

prestassem toda a colaboração nos trabalhos do CCAC.

OS CASOS DE LIONEL

Sob a tutela de Lionel Leong, o CCAC aponta um primeiro caso que envolve três pessoas da China continental que, através de um mediador que exercia funções no IPIM, procederam à constituição de empresas e à aquisição de fracções autónomas. A ideia era conseguir a residência. No entanto, na sequência da investigação do CCAC,

apurou-se que as empresas eram “empresas-fantasma” e que os declarados “domicílios empresariais” eram fracções arrendadas. Os implicados foram acusados da prática do crime de falsificação de documentos, tendo o caso sido encaminhado para o Ministério Público. Também no ano passado, foi detectado pelo CCAC um caso de solicitação de suborno por parte de um inspector da DSAL em que o implicado descobriu situações de prestação de trabalho por

“O Secretário para a Economia e Finanças atribui grande importância a este assunto, tendo já dado instruções ao IPIM para proceder a uma revisão profunda ea um aperfeiçoamento dos procedimentos e mecanismos de apreciação e autorização dos pedidos de residência temporária.” COMUNICADO DO GABINETE DE LIONEL LEONG

parte de trabalhadores não residentes que estavam em situação ilegal. “O referido inspector, através de um intermediário, convidou então o dono da referida empresa para um encontro em local sigiloso no Continente Chinês, onde afirmou que o mesmo conseguiria resolver o problema das irregularidades detectadas na dita empresa, solicitando para isso 50 mil patacas de suborno”, explica o relatório do CCAC. A conduta do inspector em causa foi considerada suspeita da prática do crime de corrupção passiva para acto ilícito, de falsificação praticada por funcionário e de abuso de poder previstos no Código Penal, tendo o caso sido encaminhado para o Ministério Público. Sofia Margarida Mota

Sofia.mota@hojemacau.com.mo


8 sociedade

12.4.2018 quinta-feira

ENSINO RAIMUNDO DO ROSÁRIO ESTEVE EM PALESTRA NA UNIVERSIDADE DE MACAU

Numa aula, em tom descontraído, o “cidadão” falou mais alto do que o secretário, e Raimundo do Rosário abordou a pressão inerente ao seu cargo, numa perspectiva pessoal. Perante os alunos, o secretário macaense admitiu que não se considera um governante bem-sucedido

R

AIMUNDO do Rosário não se considera um governante bem-sucedido e, às vezes, também chora. As confissões do secretário para os Transportes e Obras Públicas foram feitas, ontem, numa palestra em que respondeu abertamente a várias ques-

tões do alunos da Universidade de Macau. “Não me considero um governante bem-sucedido. Na Assembleia Legislativa os deputados não estão satisfeitos com o meu trabalho. Também em relação aos autocarros, o meu trabalho tem muitas críticas”, afirmou Raimundo do Rosário, após ter sido questionado sobre

GCS

Os homens também choram

com ser um governante bem-sucedido. Em relação ao desempenho das funções de secretário, Raimundo do Rosário foi questionado sobre como lida com a pressão. Na resposta, o secretário admitiu que tamPUB

bém chora: “Sou uma pessoa normal e às vezes também choro. Quando assumi esta posição fiquei sem vida pessoal e familiar. Macau é uma cidade pequena, mas há muito trabalho e tenho de trabalhar todos os dias”, confessou. “O mais importante é a gestão do tempo e tenho lido muito sobre isso, apesar de haver sempre acontecimentos que nos baralham a agenda”, revelou. Ao contrário do registo habitual, o secretário mostrou-se mais disponível para falar com os alunos da sua vida pessoal, das experiências como estudante e partilhar conselhos. Ao mesmo tempo, respondeu durante mais de duas horas a várias perguntas, acompanhado pela maior parte do directores da tutela, sobre assuntos como habitação,

transportes, protecção ambiental, entre outros. Em relação à ambição dos estudantes de serem proprietários de uma fracção em Macau, o secretário fez questão de responder como “o cidadão Raimundo do Rosário”, após uma resposta politicamente correcta do presidente do Instituto para a Habitação, Arnaldo Santos. “Na vossa idade, vocês são demasiado jovens e não precisam de se preocupar tanto com a habitação. Podem arrendar. Quando era jovem, como vocês, primeiro comprei um carro em segunda mão, só anos depois é que comecei a ter capacidade para começar a pagar a prestação da casa”, começou por dizer em relação a este aspecto. “Quando tinha 18 anos preocupava-me em ter uma namorada, não estava preocupado em comprar uma

“Sou uma pessoa normal e às vezes também choro. Quando assumi esta posição fiquei sem vida pessoal e familiar. Macau é uma cidade pequena, mas há muito trabalho e tenho de trabalhar todos os dias.”

casa. Deviam estar mais preocupados em encontrar uma parceira”, acrescentou.

MENOS ESTACIONAMENTO

A maior parte das questões que os alunos levaram ontem tiveram como foco os transportes de Macau, nomeadamente os autocarros. Neste aspecto, Raimundo do Rosário explicou que o número de autocarros a circular está perto do limite, face à área da cidade, e que as pessoas não podem todas querer uma paragem à porta de casa. “A capacidade dos autocarros está no limite. Também temos cerca de 400 paragens, que são demasiadas. Este é um tema que normalmente não abordamos porque é demasiado controverso, mas em Macau as pessoas querem todas uma paragem a cada dois passos”, defendeu. Por sua vez, o director da Direcção de Serviços para os Assuntos de Tráfego (DSAT) afirmou que o Governo vai reduzir o número de estacionamentos nas zonas mais velhas da cidade, para permitir que autocarros com maior porte possam circular. Sobre a utilização de autocarros eléctricos, Lam Hin San explicou que no futuro há planos para a introdução de carros desse género, mas que o preço por quilómetro vai ser mais elevado. João Santos Filipe

joaof@hojemacau.com.mo

IPIM EMPRESÁRIOS DE MACAU PROMOVEM ALIMENTOS LUSÓFONOS NA CHINA

E

MPRESÁRIOS de Macau vão promover alimentos lusófonos nas cidades chinesas de Huzhou e Dongguan, nos dias 26 e 27 de Abril, anunciou ontem o Instituto de Promoção do Comércio e do Investimento de Macau (IPIM). Estas "bolsas de contactos" entre empresários do território e empresas chinesas têm como objectivo promover a entrada de produtos alimentares dos países de língua portuguesa no mercado da China continental. As primeiras duas sessões do ano foram realizadas em Foshan e Zhaoqing, na segunda e terça-feira últimas, e atraíram mais de 230 compradores provenientes da

região da Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau. Em comunicado, o IPIM sublinhou que 22 empresas levaram "o sabor lusófono" às cidades da Grande Baía, promovendo o contacto entre clientes e vendedores e a popularidades dos produtos alimentares dos países de língua portuguesa. De acordo com o comunicado, estes encontros contribuem para o "posicionamento de Macau como 'três centros – uma plataforma', no âmbito da cooperação comercial entre a China e os países de língua portuguesa", à medida que a Região Metropolitana da Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau se vai construindo. LUSA


sociedade 9

quinta-feira 12.4.2018

Os “Serviços de Assistência à Operação e Manutenção da Linha da Taipa do Sistema de Metro Ligeiro de Macau” foram adjudicados à MTR Corporation por um valor de 5,88 mil milhões de patacas. A informação dada em comunicado, esclarece ainda que o prazo para os trabalhos é de 80 meses sendo que o contrato de adjudicação prevê as funções de “ensaio e activação dos sistemas antes da entrada em funcionamento da Linha da Taipa, composição da equipa de operação e desenvolvimento de formação pré-emprego”.

JOCKEY CLUB EMPRESA VAI TER DE AUMENTAR CAPITAL SOCIAL ATÉ 1500 MILHÕES

A

Companhia de Corridas de Cavalos deve alterar o capital social para atingir o montante mínimo de 1500 milhões de patacas até 31 de Dezembro de 2023. O valor vem estipulado no extracto do contrato publicado ontem em Boletim Oficial, depois da prorrogação do contrato de concessão das corridas de cavalos por 24 anos e seis meses. Segundo o documento, até 31 de Dezembro de 2018, a empresa deve efectuar a redução do capital social motivada por perdas para o montante de 30 milhões de patacas, seguido de um aumento do capital social no montante mínimo de 570 milhões de patacas, a fim de atingir o capital social registado no montante mínimo de 600 milhões de patacas”. Até 30 de Junho de 2020, a Companhia de Corridas de Cavalos de Macau deve aumentar de novo o capital social em mais 400 milhões de patacas, para perfazer um total mínimo de mil milhões de patacas. Por fim, até 31 de Dezembro de 2023, deve efectuar o último aumento do capital social no montante mínimo de 500 milhões de patacas, por forma a atingir o valor de 1500 milhões. Por outro lado, ainda de acordo com o extracto do contrato, a Companhia de Corridas de Cavalos tem até 10 de Abril de 2021 para liquidar a dívida de 150,52 milhões de patacas à RAEM. Em caso de incumprimento das referidas claúsulas, o Governo poderá suspender a exploração do exclusivo ou rescindir o contrato de concessão. O actual capital social da empresa é de três mil milhões de patacas, sendo que a Companhia de Corridas de Cavalos tem um prejuízo acumulado, até 2016 (não são ainda conhecidos os números de 2017), de mais de quatro mil milhões de patacas.

Caça às ovelhas negras

Representantes de associações de táxis dizem que as medidas do Governo vão controlar o sector, mas defendem que é preciso garantir os interesses legítimos dos taxistas. Também Song Pek Kei e Wong Kit Cheng aplaudem a intenção do Executivo

A

S associações de táxis locais acreditam que as medidas propostas pelo Governo para combater as infracções são suficientes para controlar os problemas do sector. As declarações dos representantes da Associação dos Comerciantes e Operários de Automóveis de Macau e da Associação dos Taxistas de Macau foram noticiadas, ontem, ao Jornal Ou Mun. Segundo o presidente daAssociação dos Comerciantes e Operários de Automóveis de Macau, Leng Sai Wai, as novas medidas sancionatórias que estão presentes na proposta vão permitir controlar as infracções dos taxistas. No entanto, o membro da associação defende que é importante que haja um mecanismo de apresentação de recurso para os taxistas. Leng Sai Wai diz que o objectivo desse mecanismo passa por evitar os casos de falsas denúncias dos passageiros, em que as alegadas infracções não correspondem à realidade. Leng Sai Wai explicou também que é importante garantir muito bem os direitos e interesses legítimos dos taxistas, agora que a lei também passa a ser mais exigente. Por sua vez, o vice-presidente da Associação dos Taxistas de Macau, Tai Kam Leong, considerou que a proposta vai ser eficaz na altura de combater “as ovelhas negras”. Tai Kam Leong revelou igualmente que acredita no efeito dissuasor da lei, mas que o Governo precisa de acautelar os direitos dos taxistas, devido aos abusos que podem surgir, no âmbito da proposta de criação de acusações imediatas.

DEPUTADAS A FAVOR

Também as deputados pró-Governo, Wong Kit Cheng e Song

TIAGO ALCÂNTARA

Metro Ligeiro Adjudicação feita à MTR por 6 mil milhões

TÁXIS PROPOSTA BEM RECEBIDA PELO SECTOR E DEPUTADAS PRÓ-GOVERNO

Pek Kei, se mostraram a favor das alterações que o Executivo planeia introduzir. A deputada representante da Associação Geral das Mulheres de Macau, Wong, entende que a proposta vai melhorar a regulamentação do sector. Contudo, a

O vice-presidente da Associação dos Taxistas de Macau, Tai Kam Leong, considerou que a proposta vai ser eficaz na altura de combater “as ovelhas negras”

legisladora pede ao Executivo para continuar a ouvir as opiniões e estabelecer um maior consenso no seio da sociedade. Já Song Pek Kei, ligada aos conterrâneos de Fujian, recordou que a proposta surge na sequência de vários pedidos da população. A deputada refere que o documento tem um bom equilíbrio entre o desenvolvimento do sector e as necessidades da população e que responde a uma das principais queixas da população. Ainda neste sentido, Song Pek Kei expressou concordar principalmente com as alterações que atribuem à Polícia de Segurança Pública a responsabilidade de fiscalizar e castigar os infractores. Para a deputada, a PSP tem uma maior capacidade

nesta área do que os inspectores da Direcção dos Serviços para os Assuntos de Tráfego, que actualmente desempenham a tarefa. Porém, Choi Seng Hong, membro do movimento Centro da Política da Sabedoria Colectiva, atacou a proposta por considerar que as sanções não são suficientes. Ao Jornal do Cidadão, Choi expressou o desejo de que os procedimentos das queixas passem a ser simplificados. A proposta do Governo para o sector ainda não é totalmente conhecida, mas as multas vão aumentar. Além disso, os taxistas que cometerem quatro infracções em cinco anos perdem a licença. Vítor Ng

info@hojemacau.com.mo


10 china

12.4.2018 quinta-feira

Região Timor-Leste Casa de Portugal registada com apoio de Ramos-Horta

U

ECONOMIA FMI REJEITA PROTECCIONISMO EM TODAS AS FORMAS

À Lagardère

A directora-geral do FMI elencou ontem a rejeição do proteccionismo, a prevenção dos riscos financeiro e orçamental e a defesa do crescimento de longo prazo como as três principais mensagens dos Encontros da Primavera

N

UM discurso proferido na Universidade de Hong Kong, a líder do Fundo Monetário Internacional (FMI) vincou que estas são as três principais mensagens que serão sublinhadas no relatório sobre as Perspectivas Económicas Mundiais, a lançar na próxima semana em Washington. As três mensagens, assim, começam pela rejeição do proteccionismo: "Os governos precisam de rejeitar o proteccionismo em todas as suas formas; a história mostra que as restrições à importação prejudicam toda a gente, especialmente os consumidores mais pobres", vincou Lagarde. A declaração acontece numa altura em que a maior economia do mundo, os Estados Unidos, lançou um forte aumento dos impostos alfandegários sobre o alumínio e o aço, originando por parte da China, a segunda maior economia mundial, uma resposta semelhante, o que poderá desencadear uma guerra comercial mais alargada.

O sistema de comércio multilateral, acrescentou, "transformou o nosso mundo na última geração" e seria "um falhanço político colectivo" se este sistema de regras e responsabilidade partilhada fosse posto em perigo.

JANELA ABERTA

A segunda mensagem que vai ser enfatizada para a semana em Washington é o perigo que decorre do aumento da dívida pública e privada, que chegou ao nível mais alto de sempre: 164 biliões de dólares. "Novas análises do FMI mostram que, depois de uma década de condições financeiras fáceis, a dívida global chegou ao maior valor de sempre; a dívida

pública nas economias avançadas está a níveis inéditos desde a Segunda Guerra Mundial, e se as tendências recentes continuam, muitos países de baixo rendimento vão enfrentar um peso da dívida insustentável", acrescentou a diretora-geral do FMI no discurso proferido em Hong Kong. Como um peso da dívida elevado deixou os governos, as empresas e as famílias mais vulneráveis a condições financeiras mais restritivas, a construção de almofadas orçamentais é fundamental. "Isto significa criar mais espaço de manobra para agir quando o próximo ciclo económico descendente inevitavelmente surgir",

“Os governos precisam de rejeitar o proteccionismo em todas as suas formas; a história mostra que as restrições à importação prejudicam toda a gente, especialmente os consumidores mais pobres.” CHRISTINE LAGARDE DIRECTORA-GERAL DO FMI

concluiu Lagarde sobre a segunda mensagem do FMI. Sobre a criação de riqueza inclusiva a longo prazo, a directora-geral do Fundo salientou que "mais de 40 países emergentes e em desenvolvimento devem crescer mais devagar, em termos per capita, que as economias avançadas", o que significa uma importância acrescida de os sectores dos serviços aumentarem a produtividade. "O governo digital pode garantir serviços públicos mais eficazmente, o que ajuda a melhorar a vida das pessoas", disse, concluindo que "ao usar novas ferramentas, como análise de grandes dados, os governos conseguem reduzir as fugas, que estão muitas vezes diretamente relacionadas com a corrupção e a evasão fiscal". "O mundo está a viver um forte crescimento... e como vão ver nas nossas perspectivas na próxima semana, continuamos a estar optimistas", disse Christine Lagarde no discurso de lançamento dos Encontros da Primavera, que decorrem durante a próxima semana em conjunto com o Banco Mundial. Para Lagarde, este momento de crescimento sustentado é ideal para os governos apostarem em reformas políticas, já que "a janela de oportunidade está aberta". No entanto, acrescentou a antiga ministra das Finanças de França, "há um novo sentido de urgência porque as incertezas aumentaram significativamente, desde as tensões comerciais, ao aumento dos riscos financeiro e orçamental, até à geopolítica mais incerta".

M grupo de portugueses e luso-timorenses, incluindo o ex-Presidente José Ramos-Horta, registou ontem, em Díli, a Casa de Portugal, associação que nasce para "defender e promover os interesses da comunidade portuguesa" em Timor-Leste. Sem fins lucrativos e criada por um grupo inicial de 21 pessoas, a nova associação surge, segundo os estatutos, para zelar pela "preservação da identidade da comunidade e do seu património cultural, nomeadamente da língua e cultura portuguesas" e também para contribuir para o desenvolvimento de Timor-Leste. Outro dos objectivos é que a associação possa tornar-se num "interlocutor privilegiado" na procura de soluções para problemas específicos que afectem a comunidade portuguesa em Timor-Leste". Promover a solidariedade na comunidade portuguesa e fomentar as relações com as demais comunidades são outros objectivos da associação, que pretende criar núcleos de acção cultural e de formação. Fernando Figueiredo, principal mentor do projecto, disse que a Casa de Portugal traduz a vontade manifestada por muitos portugueses e luso-timorenses de ter um espaço onde "partilhar anseios, expectativas, dificuldades e formas de estar na sociedade timorense". No passado, recordou, já tinham sido feitas outras tentativas para criar uma associação idêntica que acabaram por não progredir, em parte, devido à complicada burocracia. Neste caso, o processo começou há vários meses e ainda não está concluído, faltando, depois do registo público, aspectos como a publicação no Jornal da República. Com o apoio do ex-Presidente timorense José Ramos-Horta e da embaixada de Portugal em Díli, a Casa de Portugal, cuja sede provisória ficará no Centro Cultural da missão diplomática, vai começar a angariar associados. Em paralelo, explicou, serão feitos esforços junto das autoridades timorenses para a obtenção de uma sede.


china 11

quinta-feira 12.4.2018

ECONOMIA ABERTURA DO SECTOR FINANCEIRO A INVESTIMENTO ESTRANGEIRO

Dito e quase feito

SEM LIMITES

Investidores estrangeiros poderão “dentro de meses” adquirir participações maioritárias em seguradoras, fundos de investimento e companhias de seguros de vida da China, anunciou ontem o banco central chinês

O Coreias Direitos humanos de fora das conversações na cimeira

U

M responsável do gabinete do Presidente da Coreia do Sul disse ontem que a questão dos direitos humanos não será abordada durante a cimeira inter-coreana, agendada para 27 de Abril. O governo sul-coreano acredita que a desnuclearização é "a questão mais urgente" a ser abordada na reunião, acrescentou a mesma fonte, que pediu o anonimato, de acordo com a agência noticiosa sul-coreana Yonhap. "Isso não significa que as questões dos direitos humanos não sejam importantes, mas o objectivo da próxima reunião é abordar a questão, mais urgente, a da desnuclearização", afirmou o responsável. Na terça-feira, 40 organizações não-governamentais (ONG), entre a quais a Amnistia Internacional e a Human Rights Watch, pediram ao Presidente sul-coreano para dar prioridade aos direitos humanos durante a reunião com a Coreia do Norte. Numa carta enviada a Moon Jae-in, as ONG consideraram que a Coreia do Sul "não deve ceder às ameaças aos direitos humanos por parte da Coreia do Norte" e sublinharam a necessidade dos sul-coreanos pressionarem o líder norte-coreano, Kim Jong-un, para que os direitos humanos façam parte das negociações entre os dois países.

anúncio surge um dia depois de o Presidente chinês, Xi Jinping, ter prometido acelerar a abertura do mercado financeiro do país e reduzir as barreiras ao investimento

estrangeiro nos sectores automóvel, construção naval e aviação. Em Novembro passado, o Ministério das Finanças chinês avançou que o país iria permitir a empresas estrangeiras adquirirem participações maioritárias

No comunicado do Banco do Povo Chinês (banco central) afirma-se ainda que o país irá abrir ao investimento estrangeiro as empresas de leasing e crédito ao consumo ou compra de automóvel

em seguradoras ou fundos de investimento, mas não detalhou uma data. Os novos detalhes sobre a abertura do sistema financeiro chinês ao capital estrangeiro surgem num período de tensão com os Estados Unidos

DIPLOMACIA ENVIADO DO PARTIDO COMUNISTA VISITA COREIA DO NORTE

O

director de relações internacionais do Partido Comunista da China (PCC) viaja amanhã para a Coreia do Norte, informou ontem a agência noticiosa oficial Xinhua, ilustrando a crescente reaproximação entre Pequim e Pyongyang. Song Tao vai liderar uma delegação que inclui um elenco artístico, que vai participar no Festival de Arte da Primavera de Abril, evento que coincide com o aniversário do fundador do regime norte-coreano, Kim Il-sung. O enviado chinês vai ainda reunir-se com altos quadros do Partido dos Trabalhadores, formação política única na Coreia do Norte. A agência de notícias da Coreia do Norte, a KCNA,

escreveu que a actuação de artistas chineses no festival ajudará a impulsionar as relações entre os dois países vizinhos para "uma nova etapa". Em Março passado, o líder norte-coreano, Kim Jong-un, visitou Pequim, na primeira deslocação ao exterior, desde que ascendeu ao poder, em Dezembro de 2011. De acordo com analistas, a reaproximação entre a China e a Coreia do Norte sugere, no entanto, que os dois países estão a tentar alinhar posições, nas vésperas dos encontros entre Kim e o Presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, e o líder norte-americano, Donald Trump. Trata-se da segunda visita de Song Tao, que tem estatuto ministerial, à Coreia do Norte, no espaço de cinco meses. Nos anos 1950, China e Coreia do Norte lutaram juntos contra os EUA. O PCC e o Partido dos Trabalhadores têm ligações de longa data.

acesso sem restrições aos mercados externos.

em torno de questões comerciais. A China é também alvo de frequentes críticas de Bruxelas e Washington, devido às barreiras que impõe ao investimento estrangeiro em vários sectores, enquanto as empresas chinesas têm

No comunicado do Banco do Povo Chinês (banco central) afirma-se ainda que o país irá abrir ao investimento estrangeiro as empresas de leasing e crédito ao consumo ou compra de automóvel. A mesma nota avança que irá abolir os limites à participação estrangeira em activos de investimento de bancos comerciais e operações de gestão de riqueza. Na semana passada, os EUA divulgaram uma lista de importações chinesas avaliadas, no conjunto, em 40.700 milhões de euros, e às quais propõem aplicar taxas alfandegárias, como retaliação pela "transferência forçada de tecnologia e propriedade intelectual norte-americana". Em reacção, Pequim ameaçou subir os impostos sobre um conjunto de produtos norte-americanos, que em 2017 valeram o mesmo valor nas importações chinesas. No fim-de-semana passada, Trump ameaçou subir as taxas alfandegárias para produtos chineses num valor adicional de 81.000 milhões de euros.

DETENÇÃO RUSSO ATIRA-SE DE PARA-QUEDAS DE EDIFÍCIO EM PEQUIM

O

desportista russo Alex Pykhov foi detido pela polícia chinesa durante dez dias, depois de ter saltado de pára-quedas a partir do arranha-céus mais alto de Pequim, ainda em construção, noticiou ontem o jornal China Daily. Durante a madrugada de 1 de Abril, Pykhov subiu até ao topo do edifício, aproveitando que este ainda está em obras, e saltou às 06h da manhã, na hora local. O

russo aterrou são e salvo, numa rua próxima, mas foi detido pela polícia de Pequim, no dia seguinte, segundo o jornal. Com 528 metros de altura, a Torre CITIC é um dos 30 edifícios mais altos do mundo. Pykhov, que publicou na sua conta no Instagram fotos suas no topo do edifício, já saltou de vários arranha-céus do país, sendo que alguns dos seus vídeos foram difundidos através do YouTube.


12 eventos

12.4.2018 quinta-feira

MUSEU DE MACAU APRESENTADO PROGRAMA DE ACTIVIDADES DE COMEMORAÇÃO DOS 20 ANOS

HOJE NA CHÁVENA Paula Bicho

Naturopata e Fitoterapeuta • obichodabotica@gmail.com

Aspérula-odorífera Nome botânico: Galium odoratum (L.) Scop. Sinonímia científica: Asperula odorata L. Família: Rubiaceae. AAspérula-odorífera é uma erva graciosa dos bosques frescos e faiais, facilmente reconhecível: com pouco mais de 30 cm de altura, caule erecto e quadrangular, tem folhas verde-escuras, lanceoladas e ásperas ao tacto, nascendo em grupos de 6 ou 8 e formando uma estrela; as flores são pequenas, brancas, em forma de campainha e nascem em corimbos terminais, e, os frutos, globosos, apresentam pêlos recurvados. Nativa das zonas temperadas da Europa, com excepção da região mediterrânica, é por vezes cultivada. Amplamente utilizada como planta medicinal na Idade Média, aAspérula-odorífera ganhou reputação no tratamento das perturbações digestivas e problemas hepáticos, e, em uso externo, nas feridas e cortes. Em 1735, no seu Herbário Irlandês, o fitoterapeuta K’Eogh refere-se a esta planta: «é boa para curar feridas se for esmagada e depois aplicada, e também para curar furúnculos e inflamações». Actualmente, apesar de eficaz é pouco empregue em fitoterapia. São utilizadas as partes aéreas. Composição Heterósidos cumarínicos (asperulósido, que, por hidrólise enzimática durante a secagem, liberta cumarina) e emulsina, a enzima do seu desdobramento; heterósidos de iridóides (aucubósido) e, sobretudo nas partes subterrâneas da planta, antraquinonas (monotropitósido); flavonóides, taninos e princípios amargos, lípidos e vitamina C (nas folhas). Pouco aromática na natureza, a Aspérula-odorífera adquire um aroma a Feno acabado de ceifar, quando seca; este aroma deve-se à libertação da cumarina e permanece durante anos. Sabor agradável e amargo. Acção terapêutica Planta amarga, a Aspérula-odorífera aumenta a secreção dos sucos digestivos, abrindo o apetite e favorecendo a digestão, tonifica o estômago e favorece a expulsão de gases, sendo ainda um suave laxante; é também um tónico hepático e promove a excreção da bílis da vesícula para o duodeno. Porém, a sua acção mais relevante é a antiespasmódica, especialmente sobre o estômago e intestino. É recomendada nas digestões difíceis, dores de estômago, espasmos gastrintestinais, colite e obstipação; pode também ser útil nos cálculos e inflamação da vesícula biliar, icterícia e hepatite.

Com actividade ansiolítica, sedativa e indutora do sono, esta erva tem sido usada na ansiedade, nervosismo, insónia, histeria, dores de cabeça e enxaquecas. Fluidificante do sangue, a Aspérula-odorífera diminui a agregação das plaquetas e detém a coagulação do sangue, evitando a formação de trombos dentro dos vasos sanguíneos; além disso, é um vasodilatador periférico. Assim, torna-se benéfica no tratamento de varizes, flebites, tromboses e hemorróidas, bem como em caso de palpitações e arritmias. Outras propriedades Diurética e anti-séptica urinária, o seu uso está indicado em caso de retenção de líquidos, edemas, diminuição da produção de urina (oligúria), litíases e infecções urinárias. Pela actividade depurativa, pode também ser utilizada nas curas de Primavera, eliminando as toxinas acumuladas durante o Inverno. Pelas propriedades expectorantes, sudoríficas e tónicas é recomendada nas constipações, gripes e afecções febris em geral. Como tomar Uso interno: • Infusão: 1 colher de sobremesa da planta por chávena de água fervente, 10 minutos de infusão. Tomar 3 chávenas por dia, fora das refeições. • Pode ser tomada em cápsulas no combate à insónia, integrando fórmulas de plantas. • As suas folhas misturadas com as folhas de Hortelã-pimenta e de Tussilagem constituem um agradável sucedâneo do Tabaco, favorecendo em simultâneo a desintoxicação dos fumadores. • As folhas podem aromatizar saladas de frutas e bebidas refrescantes. As flores, docemente perfumadas, podem ser ingeridas ou usadas para ornamentar os pratos. • Nos países germânicos fabrica-se, há muitos séculos, o Maiwein, uma bebida alcoólica obtida através da maceração das folhas em vinho branco, de reputadas virtudes tónicas e digestivas, com a qual se celebra o primeiro dia de Maio. Precauções Contra-indicada durante a gravidez. Em doses excessivas, a Aspérula-odorífera pode provocar hemorragias internas, dores de cabeça, náuseas, vertigens e estupor. Tratamentos prolongados podem provocar lesões hepáticas. Devido ao elevado teor em cumarinas, não deve ser administrado em concomitância com medicamentos anticoagulantes. Em caso de dúvida, consulte o seu profissional de saúde.

Duas dezenas de velas EXPOSIÇÃO “ANCORADOURO DA TAIPA: NOMES DO PASSADO E DO PRESENTE” NO PRÓXIMO DIA 19

O

Instituto Cultural (IC) vai organizar uma exposição que visa dar a conhecer a história relacionada com o Ancoradouro da Taipa. A abertura está marcada para a próxima quinta-feira, dia 19 “Ancoradouro da Taipa: Nomes do Passado e do Presente” titula a exposição que vai ser inaugurada na Casa de Nostalgia das Casas da Taipa. A mostra, organizada pelo IC e com entrada livre, fica patente até 18 de Junho. Com a apresentação dos topónimos do passado e do presente, a exposição visa dar a conhecer este pedaço de terra aos visitantes e

episódios históricos que tiveram lugar no Ancoradouro da Taipa, que se localizava na actual zona do Cotai, indicou o IC em comunicado. A exposição inclui numerosos artefactos de significado histórico, incluindo mapas antigos de Macau tais como o “Mapa do Ancoradouro da Taipa e de Macau do século XVIII” e o “Mapa de Macau e das ilhas das imediações (1891)”, assim como livros antigos como Hai Dao Tu Shuo (Roteiro Náutico) e Guangdong Tongzhi da dinastia Qing. A par da mostra, vão ser realizadas actividades paralelas, como ‘workshops’ gratuitos, informou o IC.


eventos 13

quinta-feira 12.4.2018

O Museu de Macau vai assinalar os 20 anos com uma série de actividades, incluindo uma exposição e uma palestra temáticas sobre o tema do projecto “Uma Faixa, Uma Rota”

O

programa das festas abre na próxima quarta-feira, dia 18, com “Tesouros do Mar Profundo – Exposição de Relíquias Arqueológicas Subaquáticas do Nanhai N.º 1”. A mostra, co-organizada com o Museu Marítimo da Rota da

PUB

Seda de Guangdong, surge “em complemento às trocas culturais” no universo de países e regiões que integram a iniciativa “Uma Faixa, Uma Rota”, lançada por Pequim, no quadro de cooperação entre Guangdong, Hong Kong e Macau. A exposição, que vai estar patente até 31 de Julho, centra-se no feito do projecto arqueológico subaquático do navio mercante da dinastia Song, o Nanhai n.º 1. Em comunicado, o Instituto Cultural (IC), sublinha que o objectivo é aprofundar os conhecimentos do público sobre projectos arqueológicos subaquáticos. Já no dia 21, o auditório do Museu de Macau acolhe uma palestra orientada pelo vice-director do Departamento de Armazenamento do Museu Marítimo da Rota da Seda de Guangdong, Zhang Xuanwei, que vai dar a conhecer os trabalhos de conservação do casco daquela embarcação e dos artefactos encontrados no local. Até Julho está também prevista uma série de

‘workshops’ de criação de um navio em miniatura com peças de lego.

PALESTRAS HISTÓRICAS

Os jogos são um dos destaques das actividades de comemoração do 20.º aniversário. A 19 de Maio, entre as 16h e as 21h horas, têm lugar no Museu de Macau diversas actividades de divulgação, nomeadamente

‘workshops’, visitas guiadas a exposições temáticas, sessões de teatro, oficinas de restauro, tendas com jogos e venda de livros, entre outros, que visam proporcionar uma experiência museológica diferente a um público de todas as idades durante o fim de semana. O IC indicou ainda que o Museu de Macau vai começar a realizar, este ano,

periodicamente palestras que terão como temas arqueologia subaquática e a rota da seda ou ainda crenças religiosas e experiências de vida dos cidadãos de Macau, com vista a promover a história e a cultura junto da população. Em paralelo, para elevar os conhecimentos dos jovens relativamente à história e cultura da província de Guangdong, o Museu de

A exposição, que vai estar patente até 31 de Julho, centra-se no feito do projecto arqueológico subaquático do navio mercante da dinastia Song, o Nanhai n.º 1. O Instituto Cultural sublinha que o objectivo é aprofundar os conhecimentos do público sobre projectos arqueológicos subaquáticos Macau vai organizar, em meados de Agosto, programas de intercâmbio de alunos de escolas básicas com o Museu de Shenzhen.


14 publicidade

12.4.2018 quinta-feira

Notificação n.o 00016/NOEP/GJN/2018 Considerando que não se revela possível notificar os interessados, pessoalmente, por ofício, telefone, ou outra forma, para o efeito do regime procedimental nos respectivos processos administrativos sancionatórios, nos termos do artigo 14.º do Decreto-Lei n.º 52/99/M, de 4 de Outubro, e do artigo 68.º e n.º 1 do artigo 72.º do Código do ProcedimentoAdministrativo, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 57/99/M, de 11 de Outubro, o signatário notifica, pela presente, ao abrigo do n.º 2 do artigo 72.º do Código do ProcedimentoAdministrativo, no uso das competências, conferidas pelo Conselho de Administração do Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais e constantes da Proposta de Deliberação n.º 01/PDCA/2017, de 17 de Fevereiro, publicada na Série II do Boletim Oficial da Região Administrativa Especial de Macau n.º 9, de 1 de Março de 2017, e ainda nos termos das competências definidas no n.o 1 do artigo 14.º e na alínea 5) do artigo 16.º do Regulamento Administrativo n.o 32/2001, os infractores, constantes das tabelas desta notificação, do conteúdo das respectivas decisões sancionatórias: Nos termos do n.º 4 do artigo 36.º, n.º 1 do artigo 37.º, artigo 38.º e artigo 39.º do Regulamento Geral dos Espaços Públicos, aprovado pelo Regulamento Administrativo n.º 28/2004 e em conjugação com o n.º 2 do artigo 5.º do Código do ProcedimentoAdministrativo, o Presidente do Conselho deAdministração, ou seus substitutos, exararam despachos nas respectivas informações, tendo em consideração as infracções administrativas comprovadas e a existência de culpa confirmada. Assim: 1. Foram aplicadas aos infractores, constantes das Tabelas I até III, as multas previstas no n.º 2 do artigo 45.º do Regulamento Geral dos Espaços Públicos e no artigo 2.º do Catálogo das Infracções, no valor de MOP600,00 (cada infracção): Os factos ilícitos exarados nas acusações, provados testemunhalmente, constituem infracções administrativas ao disposto no n.º 1 do artigo 13.º do Regulamento Geral dos Espaços Públicos e previstos no n.º 7 do artigo 2.º do Catálogo das Infracções, aprovado pelo Despacho do Chefe do Executivo n.º 106/2005, porquanto resultam da prática de actos de “nos espaços públicos, abandonar resíduos sólidos fora dos locais e recipientes especificamente destinados à sua deposição”, tendo sido os infractores notificados do conteúdo das acusações. (cfr.: Tabela I) Os factos ilícitos exarados nas acusações, provados testemunhalmente, constituem infracções administrativas ao disposto na alínea 1) do n.º 1 do artigo 2.º do Regulamento Geral dos Espaços Públicos e previstos no n.º 13 do artigo 2.º do Catálogo das Infracções, aprovado pelo Despacho do Chefe do Executivo n.º 106/2005, porquanto resultam da prática de actos de “cuspir escarro ou lançar muco nasal para qualquer superfície do espaço

2.

3.

público, de instalações públicas ou de equipamento público”, tendo sido os infractores notificados do conteúdo das acusações. (cfr.: Tabela II) O facto ilícito exarado na acusação, provado testemunhalmente, constitui infracção administrativa ao disposto no n.º 1 do artigo 4.º do Regulamento Geral dos Espaços Públicos e previsto no n.º 23 do artigo 2.º do Catálogo das Infracções, aprovado pelo Despacho do Chefe do Executivo n.º 106/2005, porquanto resulta da prática do acto de “colocar ou abandonar no espaço público quaisquer materiais ou objectos”, tendo sido o infractor notificado do conteúdo da acusação. (cfr.: Tabela III) Foram aplicadas aos infractores, constantes das Tabelas IV até VI, as multas previstas no artigo 46.º do Regulamento Geral dos Espaços Públicos e no artigo 3.º do Catálogo das Infracções, no valor de MOP700,00 (cada infracção): Os factos ilícitos exarados nas acusações, provados testemunhalmente, constituem infracções administrativas ao disposto no artigo 19.º do Regulamento Geral dos Espaços Públicos e previstos no n.º 8 do artigo 3.º do Catálogo das Infracções, aprovado pelo Despacho do Chefe do Executivo n.º 106/2005, porquanto resultam da prática de actos de “executar ou concluir obras em espaço público sem a licença do Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais”, tendo sido os infractores notificados do conteúdo das acusações. (cfr.: Tabela IV) Os factos ilícitos exarados nas acusações, provados testemunhalmente, constituem infracções administrativas ao disposto no artigo 19.º do Regulamento Geral dos Espaços Públicos e previstos no n.º 8 do artigo 3.º do Catálogo das Infracções, aprovado pelo Despacho do Chefe do Executivo n.º 106/2005, porquanto resultam da prática de actos de “remover vedação/equipamento urbano na execução de obra em espaço público, sem a devida licença”, tendo sido os infractores notificados do conteúdo das acusações. (cfr.: Tabela V) O facto ilícito exarado na acusação, provado testemunhalmente, constitui infracção administrativa ao disposto no artigo 19.º do Regulamento Geral dos Espaços Públicos e previsto no n.º 8 do artigo 3.º do Catálogo das Infracções, aprovado pelo Despacho do Chefe do Executivo n.º 106/2005, porquanto resulta da prática do acto de “colocar objectos que ocupem espaço público sem a licença válida”, tendo sido a infractora notificada do conteúdo da acusação. (cfr.: Tabela VI) Além disso, os infractores podem ainda apresentar reclamação contra os actos sancionatórios para o autor do acto, no prazo de

4.

5.

6.

15 (quinze) dias, a contar da data da publicação da notificação, nos termos dos artigos 145.º, 148.º e 149.º do Código do Procedimento Administrativo, sem prejuízo da aplicação do disposto no artigo 123.º do referido código. Para efeitos do disposto no n.º 2 do artigo 150.º do mesmo diploma, a reclamação não tem efeito suspensivo sobre o acto. Quanto aos actos sancionatórios, os infractores podem apresentar recurso contencioso, no prazo estipulado nos artigos 25.º e 26.º do Código de Processo Administrativo Contencioso, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 110/99/M, de 13 de Dezembro, para o Tribunal Administrativo da Região Administrativa Especial de Macau. Sem prejuízo da aplicação do disposto no artigo 75.º do Código do Procedimento Administrativo, para efeitos do disposto no n.º 4 do artigo 55.º do Regulamento Geral dos Espaços Públicos, os infractores deverão efectuar a liquidação de todo o valor das multas aplicadas, dentro do prazo de 30 (trinta) dias, a partir da data da publicação da presente notificação, no Gabinete Jurídico e Notariado do IACM (Núcleo Operativo do IACM para a Execução do Regulamento Geral dos Espaços Públicos), sito na Avenida da Praia Grande, n.os 762-804, Edf. China Plaza, 5.º andar, Macau, Centro de Actividades de S. Domingos, sito na Travessa do Soriano, Complexo Municipal do Mercado de S. Domingos, 4.º andar, Macau ou através do acesso ao endereço electrónico http://www.iacm.gov.mo/rgep. Caso contrário, o IACM submeterá os processos à Repartição das Execuções Fiscais da Direcção dos Serviços de Finanças para a cobrança coerciva, nos termos do artigo 17.º do Decreto-Lei n.º 52/99/M, mas sem prejuízo da aplicação do disposto no n.o 4 do artigo 18.º do mesmo DecretoLei. Os infractores, antes da liquidação das multas, não poderão entrar de novo, na RAEM. Não é de atender a esta notificação, caso os infractores constantes das tabelas anexas tenham já saldado, aquando da presente publicação, as respectivas multas, resultantes da acusação. Para informações mais pormenorizadas, os interessados poderão ligar para o telefone n.º 8295 6868 ou dirigir-se pessoalmente ao referido Núcleo Operativo deste Instituto. Aos 27 de Março de 2018 O Presidente do Conselho de Administração José Tavares

Tabela I

Nome 王传津 WANG CHUANJIN 宋貴清 SONG GUIQING 頋仕杰 GU SHIJIE 刘树良 彭成坎 闵立新 MIN LIXIN 林世传 LIN SHICHUAN 周江山 ZHOU, JIANGSHAN 许贺峰 张正茂 ZHANG ZHENGMAO 林望 刘镜宏 LIU JINGHONG 梁志刚 陈小力 CHEN XIAOLI 余沛媛 YU, PEIYUAN 黎源标 LI YUANBIAO 李健良 LI JIANLIANG 梁文锦 LIANG WENJIN 黃柱华 陈博奧 CHEN, BOAO 丁伟 DING ẂEI 梁长华 LIANG, CHANGHUA

Sexo

Tipo e N.º do documento de identificação

N.º da acusação

Data da infracção

Data em que foi exarado o despacho de aplicação da multa

M

(*3)

E0626****

2-000085TO/2018

2018-02-14

2018-02-27

M

(*2)

C4768****

2-000070SE/2018

2018-01-29

2018-02-15

M

(*2)

c3603****

2-000087SA/2018

2018-02-03

2018-03-05

M M

(*1) (*1)

130602197********* 441523199*********

2-000116SJ/2018 2-000042TV/2018

2018-02-03 2018-02-04

2018-03-05 2018-03-14

M

(*2)

C7830****

2-000022TW/2018

2018-02-07

2018-03-09

M

(*2)

C3731****

2-000137SJ/2018

2018-02-07

2018-02-27

M

(*2)

C7393****

2-000099SE/2018

2018-02-12

2018-02-23

M

(*1)

110111197*********

2-000093TM/2018

2018-01-19

2018-02-05

M

(*2)

C4796****

2-000072TP/2018

2018-01-19

2018-01-31

M

(*1)

441721198*********

2-000055SE/2018

2018-01-21

2018-02-15

M

(*2)

C5635****

2-000103TP/2018

2018-01-27

2018-02-15

M

(*1)

440402197*********

2-000069TV/2018

2018-02-10

2018-02-23

M

(*2)

C3621****

2-000078TK/2018

2018-01-25

2018-02-27

F

(*2)

W8294****

2-000051SA/2018

2018-01-16

2018-02-21

M

(*2)

c5132****

2-000018TW/2018

2018-02-06

2018-03-14

M

(*2)

C7000****

2-000154TM/2018

2018-02-07

2018-02-27

M

(*2)

C4721****

2-000150TM/2018

2018-02-07

2018-03-09

M

(*1)

440106197*********

2-000152TM/2018

2018-02-07

2018-03-09

M

(*2)

L0538****

2-000138RW/2018

2018-02-16

2018-03-09

M

(*2)

C7663****

2-000109TD/2018

2018-02-16

2018-03-09

M

(*2)

C6311****

2-000025TV/2018

2018-02-02

2018-03-05

杨志寬 YANG ZHIKUAN 吴永庆 WU YONGQING BUI THI KIM OANH 溫萌強 刘瑞本 段琨龙 DUAN KUNLONG 张智强 ZHANG ZHIQIANG 刘柏光 LIU BAIGUANG 陈天驰 CHEN TIANCHI 曾强发 ZENG QIANGFA YULIANTO 羅真健 LAW CHUN KIN 谭小強 TAN, XIAOQIANG 窦士杰 DOU SHIJIE 張时生 ZHANG, SHISHENG 池煥荣 雪年榮 蔡桂鵬 CHEN FUN KEAT 王富友 WANG, FU YOU 謝正坤 郑磊 ZHENG LEI 周叙 YUN JUNHO 张院平 ZHANG YUANPING 潘俊华 PAN JUNHUA IGNALAGA JESSA BALTAZAR

WWW. IACM.GOV.MO

M

(*3)

E5827****

2-000050TL/2018

2018-01-29

2018-02-15

M

(*2)

W8054****

2-000119SU/2018

2018-02-05

2018-03-05

F (*10) B412**** M (*1) 440301195********* M (*1) 440103196*********

A103604/2018 2-000104SK/2018 2-000072TV/2018

2018-02-01 2018-02-09 2018-02-10

2018-03-14 2018-02-27 2018-03-14

M

(*3)

E2940****

2-000036RY/2018

2018-01-20

2018-02-21

M

(*3)

G3877****

2-000071TQ/2018

2018-01-29

2018-03-05

M

(*2)

C5136****

2-000094TK/2018

2018-01-30

2018-03-05

M

(*3)

E7019****

2-000062RY/2018

2018-02-01

2018-03-14

M

(*2)

C1917****

A095145/2018

2018-02-02

2018-02-27

M

(*8)

B550****

A105363/2018

2018-02-07

2018-02-27

M (*14)

z297****

2-000114TK/2018

2018-02-15

2018-03-09

M

(*3)

E6357****

2-000107SJ/2018

2018-02-01

2018-03-05

M

(*2)

C0075****

2-000098SU/2018

2018-02-01

2018-02-15

M

(*3)

EA908****

2-000083SL/2018

2018-02-06

2018-03-05

M (*1) 440227195********* M (*1) 452501198********* M (*1) 440582199********* M (*12) A3285****

2-000083SE/2018 2-000132SA/2018 2-000136SJ/2018 2-000062SX/2018

2018-02-06 2018-02-09 2018-02-07 2018-01-18

2018-03-05 2018-02-27 2018-02-27 2018-03-06

M

(*2)

W8781****

2-000054SL/2018

2018-01-18

2018-02-27

M

(*1)

320602196*********

2-000094TP/2018

2018-01-24

2018-02-15

M

(*2)

C4862****

2-000078SK/2018

2018-02-01

2018-03-14

M M

(*1) (*9)

110102197********* M4919****

2-000042TK/2018 2-000061TP/2018

2018-01-16 2018-01-16

2018-02-27 2018-02-27

M

(*2)

C2204****

2-000122SK/2018

2018-02-21

2018-03-09

M

(*2)

C6618****

2-000042SK/2018

2018-01-19

2018-01-31

F

(*5)

ec616****

2-000074TQ/2018

2018-01-30

2018-03-05


publicidade 15

quinta-feira 12.4.2018

王双四 WANG SHUANGSI 田俊 TIAN JUN 高海軍 GAO HAIJUN 杨铭州 YANG MINGZHOU 雪年任 XUE NIANREN 许金煌 王晓悅 WANG XIAOYUE 吴胡艳 WU HUYAN 李汝祥 LI RUXIANG 程木南 CHENG MUNAN 刘坤 LIU KUN 李树新 郎明通 LANG MINGTONG 王开顺 WANG KAISHUN 招胜杰 ZHAO SHENGJIE 黃嘉俊 陈业成 CHEN YECHENG 区燕光 OU YANGUANG 罗晓敏 LUO XIAOMIN 张洪波 ZHANG, HONGBO 罗炎盛 LUO YANSHENG 杨进权 YANG JINQUAN 陆沛光 lu ,peiguang 左聪 ZUO CONG 邓成球 DENG CHENGQIU 卢勤勇 廉文斌 LIAN WENBIN 钟娟 ZHONG JUAN 刘忠順 LIU ZHONGSHUN 程海 高洪軍 GAO,HONGJUN 谢荣钊 刘东华 LIU DONGHUA 譚织鋒 张耀斌 ZHANG YAOBIN 黃文標 胡景华 HU JINGHUA 马伟川 MA WEICHUAN 贾付伟 JIA, FUWEI 黃祖亮 HUANG, ZULIANG 張伟南 ZHANG WEINAN 欧扬洋 OU YANGYANG 童高飞 TONG,GAOFEI 陳萍 CHEN,PING 邓維光 DENG WEIGUANG HERRINGTON HAROLD BRUCE 彭新禧

M

(*3)

G4725****

2-000106SJ/2018

2018-02-01

2018-03-05

M

(*2)

c2545****

2-000056TG/2018

2018-02-12

2018-02-23

M

(*2)

C7707****

2-000064SJ/2018

2018-01-21

2018-02-15

M

賴振暉 林展卿 LAYCO CHETA VENTURA 陈志海 赵甫 ZHAO FU

M

(*2)

C4953****

2-000040TL/2018

2018-01-25

2018-03-06

M

(*2)

W8836****

2-000133SA/2018

2018-02-09

2018-02-27

M

(*1)

350321196*********

2-000022TV/2018

2018-02-02

2018-03-05

M

(*2)

C7791****

2-000113TK/2018

2018-02-15

2018-03-09

F

(*2)

C5389****

2-000134TM/2018

2018-02-01

2018-03-05

M

(*2)

C5662****

2-000100TP/2018

2018-01-25

2018-02-27

M

(*3)

e9249****

2-000055TO/2018

2018-01-29

2018-03-05

M

(*2)

C2630****

2-000093TP/2018

2018-01-24

2018-02-15

M

(*1)

M

(*2)

410502195*********

2-000071SE/2018

2018-01-29

2018-02-15

W7613****

2-000135TM/2018

2018-02-01

2018-03-05

M

(*2)

C6514****

2-000078SX/2018

2018-01-20

2018-02-21

M

(*2)

C4395****

2-000123TM/2018

2018-01-28

2018-03-06

M

(*1)

440981199*********

2-000010TV/2018

2018-01-28

2018-03-06

M

(*2)

W8569****

2-000077SE/2018

2018-02-04

2018-02-26

M

(*2)

W8922****

2-000159SA/2018

2018-02-12

2018-02-23

M

(*2)

C7792****

2-000146TM/2018

2018-02-06

2018-03-05

M

(*2)

C3163****

2-000067SJ/2018

2018-01-22

2018-02-21

M

(*2)

C1575****

2-000091TK/2018

2018-01-29

2018-03-06

M

(*3)

E9167****

2-000113SJ/2018

2018-02-02

2018-03-05

M

(*2)

c5349****

2-000085SK/2018

2018-02-04

2018-02-26

M

(*3)

e8802****

2-000086SK/2018

2018-02-04

2018-03-05

M

(*2)

C1088****

2-000135SJ/2018

2018-02-07

2018-02-27

M

(*1)

440701196*********

2-000083ST/2018

2018-02-09

2018-02-27

M

(*2)

C3134****

2-000105SK/2018

2018-02-09

2018-02-27

F

(*3)

E7599****

2-000050SK/2018

2018-01-20

2018-02-12

M

(*2)

C3180****

2-000072SL/2018

2018-02-02

2018-03-05

M

(*1)

142402197*********

2-000077TK/2018

2018-01-25

2018-02-27

M

(*2)

C4738****

2-000006TV/2018

2018-01-27

2018-03-06

M

(*1)

440105198*********

2-000127TM/2018

2018-01-28

2018-03-06

M

(*2)

C7165****

2-000111TP/2018

2018-01-29

2018-02-15

M

(*1)

440783199*********

2-000003SE/2018

2018-01-01

2018-02-27

M

(*2)

C7063****

2-000035SK/2018

2018-01-17

2018-02-21

M

(*1)

442000198*********

2-000053SA/2018

2018-01-17

2018-03-06

M

(*3)

E5605****

2-000042RY/2018

2018-01-22

2018-02-15

M

(*2)

C0198****

2-000108TP/2018

2018-01-28

2018-02-15

M

(*3)

EA428****

2-000120SX/2018

2018-01-29

2018-03-06

M

(*2)

C6840****

2-000122SX/2018

2018-01-29

2018-03-06

M (*15)

K9030****

2-000089SL/2018

2018-02-07

2018-03-09

M

(*2)

C7537****

2-000809SH/2017

2017-12-30

2018-02-21

M

(*2)

C7257****

2-000048SJ/2018

2018-01-17

2018-02-21

F

(*2)

C7224****

2-000051SE/2018

2018-01-19

2018-02-05

M

(*2)

C7711****

2-000112TP/2018

2018-01-30

2018-03-06

M (*11)

46148****

2-000072SE/2018

2018-01-30

2018-03-06

(*1)

441523198*********

2-000041TV/2018

2018-02-04

2018-03-14

M

(*1)

440421199*********

2-000141SA/2018

2018-02-10

2018-02-23

M

(*1)

442000199*********

2-000144SA/2018

2018-02-10

2018-03-14

F

(*5)

EB853****

A108110/2018

2018-01-27

2018-03-05

M

(*1)

441723197*********

2-000083TM/2018

2018-01-18

2018-02-27

M

(*2)

C4355****

2-000057TQ/2018

2018-01-20

2018-02-27

周凤云 ZHOU FENGYUN 張强 ZHANG QIANG 李家亿 LI JIAYI 于福成 韦认佐 wei renzuo 程立榮 CHENG LIRONG 白燕斌 麦盛章 卢桂盲 LU GUIMANG 方赞雄 FANG, ZANXIONG 陈彪 CHEN BIAO 伍泽文 柯武彪 林沛軒 LIN PEIXUAN 白哲文 BENIG, Benjamin 張丁月 ZHANG,DINGYUE 刘健伟 谢佩卿 XIE PEIQING 谭永游 TAN YONGYOU 林遠樂 雷麗婷 LEI LITING 李結梅 LI JIEMEI 溫学伟 張伟强 ZHANG WEIQIANG 吳宇 WU YU 侯才鋒 HOU CAIFENG 杨瑶元 YANG, YAOYUAN 林晟 潘同奎 刘霞 LIU, XIA 江立辉 JIANG LIHUI 龙滕 LONG TENG 陈峰 CHEN FENG 马青宇 MA, QINGYU 張盖 ZHANG,GAI 陈永橙 CHEN YONGCHENG 刘桂春 高嘉諾 KO KA LOK 梁志強 LEUNG, CHI KEUNG 范滿发 FAN MANFA 庾庆涛 YU QINGTAO 魏奎宇 岳文峰 YUE, WENFENG 呂梓杰 LYU ZIJIE 黃俊杰 HUANG JUNJIE 袁伯林 YUAN BOLIN 崔星 CUI XING 郑军仓 ZHENG JUNCANG 姚洪波 YAO, HONGBO 蔡尚頓 CAI, SHANGDUN 罗国良 LOU GUOLIANG 洪宝贵 HONG BAOGUI 唐建成 TANG,JIANCHENG 王成刚 陈培辉

WWW. IACM.GOV.MO

F

(*2)

C7561****

2-000076SX/2018

2018-01-20

2018-02-21

M

(*2)

C7497****

2-000092TP/2018

2018-01-24

2018-02-15

M

(*3)

E8721****

2-000118SX/2018

2018-01-28

2018-03-05

M

(*1)

110101195*********

2-000066SJ/2018

2018-01-21

2018-02-15

M

(*2)

c6564****

2-000073SU/2018

2018-01-24

2018-02-15

M

(*2)

C2258****

2-000073SL/2018

2018-02-02

2018-03-05

M M

(*1) (*1)

110105197********* 432824196*********

2-000041TK/2018 2-000078TM/2018

2018-01-16 2018-01-18

2018-02-27 2018-02-21

M

(*2)

C2704****

2-000099TP/2018

2018-01-25

2018-02-27

M

(*3)

E5301****

2-000053RC/2018

2018-02-02

2018-03-14

M

(*2)

c4723****

2-000086SA/2018

2018-02-03

2018-03-05

M M

(*1) (*1)

442000199********* 440902198*********

2-000068TV/2018 2-000135SA/2018

2018-02-10 2018-02-10

2018-02-23 2018-02-23

M

(*2)

C7735****

2-000153SA/2018

2018-02-10

2018-03-14

M (*14)

Z402***(*)

2-000111SU/2018

2018-02-04

2018-02-23

F

(*2)

C7283****

2-000140SJ/2018

2018-02-09

2018-02-27

M

(*1)

440701196*********

2-000103TM/2018

2018-01-22

2018-02-27

M

(*2)

C1783****

2-000062SJ/2018

2018-01-20

2018-02-21

M

(*3)

E8026****

2-000136TP/2018

2018-02-05

2018-03-05

M

(*1)

440620197*********

2-000154SA/2018

2018-02-10

2018-03-14

F

(*2)

C6050****

2-000158SA/2018

2018-02-10

2018-03-09

F

(*2)

C6553****

2-000057ST/2018

2018-01-27

2018-03-05

M

(*1)

440583198*********

2-000011TV/2018

2018-01-28

2018-03-06

M

(*3)

G3051****

2-000039TS/2018

2018-01-28

2018-02-27

M

(*2)

W9616****

2-000079SK/2018

2018-02-01

2018-03-14

M

(*2)

C3036****

2-000102SK/2018

2018-02-08

2018-02-23

M

(*2)

C6531****

2-000121SX/2018

2018-01-29

2018-03-06

M M

(*1) (*1)

350321198********* 413026197*********

2-000030TV/2018 2-000124SJ/2018

2018-02-03 2018-02-05

2018-03-05 2018-03-05

F

(*2)

C0203****

2-000046TK/2018

2018-01-17

2018-02-21

M

(*2)

C3448****

2-000143SJ/2018

2018-02-10

2018-03-09

M

(*2)

W9317****

2-000084SX/2018

2018-01-21

2018-02-21

M

(*2)

C7094****

2-000053ST/2018

2018-01-24

2018-02-27

M

(*2)

C7778****

2-000106SH/2018

2018-01-25

2018-02-21

M

(*2)

C1453****

2-000004TV/2018

2018-01-27

2018-02-15

M

(*2)

C4957****

2-000118TP/2018

2018-02-01

2018-02-15

M

(*1)

110106196*********

2-000016TV/2018

2018-02-01

2018-02-15

M (*14)

K506****

2-000014TW/2018

2018-02-04

2018-03-14

M (*14)

G199****

2-000092SL/2018

2018-02-07

2018-02-27

M

(*3)

G4217****

2-000048TL/2018

2018-01-29

2018-02-15

M

(*2)

C6079****

2-000082ST/2018

2018-02-09

2018-02-27

M

(*1)

320724197*********

2-000067TV/2018

2018-02-10

2018-02-23

M

(*2)

C1049****

2-000082TM/2018

2018-01-18

2018-02-27

M

(*2)

C0124****

2-000104ST/2018

2018-02-15

2018-02-27

M

(*2)

C7362****

2-000064TG/2018

2018-02-15

2018-03-09

M

(*3)

E8547****

2-000096TM/2018

2018-01-20

2018-02-21

M

(*2)

C7596****

2-000051SK/2018

2018-01-20

2018-02-12

M

(*2)

C1426****

A108114/2018

2018-02-02

2018-02-27

M

(*2)

C7791****

2-000038TV/2018

2018-02-04

2018-03-14

M

(*2)

C6733****

2-000094SA/2018

2018-02-05

2018-02-27

M

(*2)

W9145****

2-000065SU/2018

2018-01-22

2018-02-12

M

(*2)

c4813****

2-000042TL/2018

2018-01-27

2018-03-05

M

(*2)

C6730****

2-000050SE/2018

2018-01-19

2018-02-05

M M

(*1) (*1)

220221197********* 440525196*********

2-000117TM/2018 2-000046TV/2018

2018-01-27 2018-02-06

2018-03-05 2018-03-05


16 publicidade

李国荣 LI GUORONG 陶东海 TAO DONGHAI 梁頌明 LEUNG CHUNG MING SUYEE 黃晓周 李炘明 黃译池 HUANG ZECHI 丘年生 QIU NIANSENG 蔡瑩瑩 TSAI YING YING 严伊 YIN YI 刘洋 LIU YANG 何伟斌 常希颖 陈嘉銘 CHEN JIAMING 岳伟华 YUE WEIHUA 何汉彬 陈统 CHEN TONG 袁光进 YUAN GUANGJIN 呂剧 Lyu Ju 张见敏 ZHANG JIANMIN 李建辉 LI JIANHUI 姜淑玲 JIANG SHULING 由筣 申耀杰 SHEN, YAOJIE 杨伟军 YANG WEIJUN 龙平远 LONG PING YUAN 娄小龙 张厚政 ZHANG, HOUZHENG 江家財 孙超 SUN CHAO 陈杰烽 黃文修 梁朝辉 LIANG CHAOHUI 刘国彪 LIU GUOBIAO 王宏波 WANG, HONGBO 何书乒 余玉明 YU YUMING 郑見旺 ZHENG JIANWANG PASCUA ROMMEL AGUILAR 黃斌 HUANG,BIN 李志忠 LI ZHIZHONG 陈根生 張鈞 ZHANG, JUN 王松钦 WONG SONG QIN 曾天助 TSENG TIEN CHU 錢彬 QIAN BIN 黃爍諺 WONG LOK YIN DOEY 扈豪 HU HAO 林世強 孙玉龙 SUN YULONG 林雄生 LIN XIONGSHENG 阿库子且 A, KUZIQIE 欧阳章 张海军 曾日佳 刘付博 LIUFU BO

12.4.2018 quinta-feira

M

(*2)

C6351****

2-000103ST/2018

2018-02-15

2018-02-27

M

(*2)

C4867****

2-000124SK/2018

2018-02-21

2018-03-09

M (*14)

D547****

2-000003TX/2018

2018-02-21

2018-03-09

M M

(*1) (*1)

440582199********* 442827196*********

2-000037TV/2018 2-000039TV/2018

2018-02-04 2018-02-04

2018-03-09 2018-03-14

M

(*2)

C0958****

A108117/2018

2018-02-05

2018-02-27

M

(*2)

C3591****

2-000079SE/2018

2018-02-04

2018-02-26

F

(*6)

31350****

2-000105TM/2018

2018-01-22

2018-02-21

M

(*2)

C3135****

A107611/2018

2018-01-24

2018-02-21

M

(*2)

C7583****

2-000073SJ/2018

2018-01-25

2018-03-05

M M

(*1) (*1)

442000199********* 110111197*********

2-000071TV/2018 2-000094TM/2018

2018-02-10 2018-01-19

2018-03-14 2018-02-05

M

(*2)

c0570****

2-000097TM/2018

2018-01-20

2018-02-21

M

(*2)

C0035****

2-000070TQ/2018

2018-01-29

2018-03-06

M

(*1)

450422198*********

2-000072TQ/2018

2018-01-29

2018-03-05

M

(*2)

C344****

2-000145SJ/2018

2018-02-10

2018-03-09

M

(*2)

C0967****

2-000048SK/2018

2018-01-20

2018-02-21

M

(*2)

C6888****

2-000085SA/2018

2018-02-03

2018-03-05

F

(*2)

C0003****

2-000139TM/2018

2018-02-03

2018-03-05

M

(*2)

W8558****

2-000141TM/2018

2018-02-03

2018-03-05

F

(*2)

C7708****

2-000015TW/2018

2018-02-05

2018-03-05

F

(*1)

152101198*********

2-000029TS/2018

2018-01-23

2018-02-27

M

(*2)

C7118****

2-000065SA/2018

2018-01-25

2018-02-15

M

(*2)

C6131****

2-000064TL/2018

2018-02-14

2018-02-27

M

(*3)

G5309****

2-000044SL/2018

2018-01-16

2018-02-12

M

(*1)

220381198*********

2-000067SU/2018

2018-01-22

2018-02-21

M

(*2)

C1720****

2-000061SE/2018

2018-01-23

2018-02-27

M

(*1)

350782196*********

2-000062SL/2018

2018-01-24

2018-02-21

M

(*2)

C3558****

2-000065SL/2018

2018-01-24

2018-02-15

M M

(*1) (*1)

445322198********* 440227196*********

2-000131TP/2018 2-000082SE/2018

2018-02-04 2018-02-06

2018-03-09 2018-03-05

M

(*2)

w8306****

2-000144SJ/2018

2018-02-10

2018-03-09

M (*13)

L0589****

2-000004TX/2018

2018-02-21

2018-03-09

M

(*2)

C2780****

2-000056RA/2018

2018-01-28

2018-03-06

M

(*1)

460002199*********

2-000021TW/2018

2018-02-06

2018-03-05

M

(*2)

C4841****

2-000092RW/2018

2018-02-04

2018-03-05

M

(*2)

C6560****

2-000080SE/2018

2018-02-04

2018-02-26

M

(*5)

EC088****

2-000058TQ/2018

2018-01-20

2018-02-27

M

(*2)

C7612****

2-000049SE/2018

2018-01-19

2018-02-05

M

(*2)

C2811****

2-000151TM/2018

2018-02-07

2018-03-09

M

(*1)

440229198*********

2-000058SE/2018

2018-01-21

2018-02-15

M

(*2)

C3820****

2-000059SE/2018

2018-01-23

2018-02-27

M

(*2)

C7421*****

A082450/2018

2018-01-15

2018-02-05

M

(*6)

31618****

2-000118TM/2018

2018-01-28

2018-02-15

M

(*2)

C7573****

2-000068SE/2018

2018-01-29

2018-02-26

M (*14)

k604****

2-000097TK/2018

2018-02-01

2018-03-05

M

(*3)

e8674****

2-000057TG/2018

2018-02-12

2018-02-23

M

(*1)

350783198*********

2-000063SL/2018

2018-01-24

2018-02-21

M

(*2)

W7689****

2-000064SL/2018

2018-01-24

2018-02-15

M

(*3)

E8307****

2-000808SH/2017

2017-12-30

2018-02-21

M

(*2)

C7759****

2-000063SA/2018

2018-01-25

2018-02-15

M M M

(*1) (*1) (*1)

445224199********* 150404198********* 440682199*********

2-000073SE/2018 2-000120TM/2018 2-000124TM/2018

2018-01-31 2018-01-28 2018-01-28

2018-02-15 2018-02-15 2018-03-06

M

(*2)

C6819****

2-000125TM/2018

2018-01-28

2018-03-06

沈永辉 SHEN YONGHUI 儲兵 CHU BING 朱俊峯 CHU CHUN FUNG HENG THAI KUAN 彭栩城 謝紹生 XIE SHAOSHENG 李小寶 LI XIAOBAO 杜锦标 DU JINBIAO 曾宪靖 吴鵬 章蜀涛 陳澤文 何联新 HE LIANXIN 翁永和 杨兆华 YANG, ZHAOHUA 溫傳斌 刘道云 LIU, DAOYUN 楊志宏 YANG ZHIHONG 康邦健 KANG BANGJIAN 馬翔 MA XIANG 阳锦龙 YANG,JINLONG 陈浩华 CHEN HAOHUA 潘德志 PAN DEZHI 许泽 李兵 Li Bing 蒋志军 JIANG ZHIJUN 周岐南 ZHOU QINAN 郭凯坚 SEAN V YEE YUNG CHING 李亮 LI LIANG 邹宝文 ZOU, BAOWEN 蔡建平 CAI JIANPING 胡国雄 HU, GUOXIONG 李豪 LI HAO 过煜霖 GUO YULIN 洪定強 HUNG TING KEUNG 黎國明 靳俊 JIN JUN 魏兴荣 WEI XINGRONG 李国強 LI, GUOQIANG 李海贤 LI HAIXIAN 陈振鸿 CHEN ZHENHONG 梁钟夫 LIANG ZHONGFU 张铭 ZHANG MING

M

(*2)

c2937****

2-000114SJ/2018

2018-02-02

2018-03-05

M

(*2)

C1112****

2-000106SK/2018

2018-02-09

2018-02-27

羅文忠 周志强 ZHOU ZHIQIANG 樊海潮 FAN HAICHAO 刘然 LIU RAN 尹坡 YIN PO 李长虹 李东辉 LI DONGHUI 刘俊洋 LIU JUNYANG 陳远艺 CHEN,YUANYI

M

(*1)

M

(*2)

M

WWW. IACM.GOV.MO

M (*14)

Z271****

2-000098TQ/2018

2018-02-12

2018-03-14

M M

(*7) (*1)

E4217**** 441523199*********

2-000115TK/2018 2-000040TV/2018

2018-02-16 2018-02-04

2018-03-09 2018-03-14

M

(*2)

c5604****

2-000089SA/2018

2018-02-03

2018-03-05

M

(*2)

C2031****

2-000058SJ/2018

2018-01-18

2018-02-27

M

(*3)

G4820****

2-000078RW/2018

2018-01-28

2018-03-06

M M M M

(*1) (*1) (*1) (*1)

441522198********* 142603198********* 420601197********* 440527196*********

2-000081SA/2018 2-000080SL/2018 2-000139TP/2018 2-000149SA/2018

2018-02-02 2018-02-05 2018-02-05 2018-02-10

2018-03-05 2018-02-27 2018-03-05 2018-03-14

M

(*3)

g4229****

2-000008TW/2018

2018-02-02

2018-02-15

M

(*1)

440307199*********

2-000073SA/2018

2018-02-02

2018-03-05

M

(*2)

C7171****

2-000021TV/2018

2018-02-02

2018-02-15

M

(*1)

441723198*********

2-000074SA/2018

2018-02-02

2018-03-05

M

(*2)

C4301****

2-000024TV/2018

2018-02-02

2018-03-05

M

(*2)

C0004****

2-000104SL/2018

2018-02-10

2018-02-23

M

(*3)

E1477****

2-000081TK/2018

2018-01-25

2018-02-27

M

(*2)

C7750****

2-000147TM/2018

2018-02-06

2018-03-05

M

(*2)

C0156****

2-000109SX/2018

2018-01-26

2018-03-05

M

(*2)

C1092****

2-000135TP/2018

2018-02-04

2018-03-09

M

(*2)

c6839****

2-000081SL/2018

2018-02-05

2018-02-27

M

(*1)

110221198*********

2-000061TV/2018

2018-02-08

2018-02-27

M

(*2)

C5576****

2-000044TL/2018

2018-01-28

2018-03-05

M

(*2)

C7461****

2-000061SJ/2018

2018-01-20

2018-02-21

M

(*2)

C2892****

2-000043RY/2018

2018-01-22

2018-02-15

M

(*1)

440602198*********

2-000023TW/2018

2018-02-07

2018-03-09

M (*12)

H3943****

2-000785RY/2017

2017-12-25

2018-02-07

M

(*2)

W8234****

2-000063SJ/2018

2018-01-20

2018-02-21

M

(*2)

C2461****

2-000128SX/2018

2018-01-31

2018-03-05

M

(*2)

C0530****

2-000054TK/2018

2018-01-19

2018-02-05

M

(*2)

C4693****

2-000057SK/2018

2018-01-23

2018-02-21

M

(*2)

C7658****

2-000077SK/2018

2018-02-01

2018-03-14

M

(*3)

g5226****

2-000101SU/2018

2018-02-02

2018-02-15

M (*14)

G657***(*)

2-000027TV/2018

2018-02-03

2018-03-14

M

(*1)

440682199*********

2-000031TV/2018

2018-02-03

2018-03-05

M

(*2)

C6500****

A105361/2018

2018-02-05

2018-03-14

M

(*2)

c5906****

2-000066TQ/2018

2018-01-24

2018-03-06

M

(*2)

W9044****

2-000105SJ/2018

2018-02-01

2018-03-05

M

(*2)

W9070****

2-000076SE/2018

2018-02-04

2018-03-14

M

(*2)

C5155****

2-000089SX/2018

2018-01-22

2018-03-06

M

(*2)

W9560****

2-000051ST/2018

2018-01-24

2018-03-06

M

(*3)

G5231****

2-000034TS/2018

2018-01-25

2018-02-27

440221197*********

2-000142SA/2018

2018-02-10

2018-02-23

C2088****

A105360/2018

2018-01-23

2018-03-06

(*2)

C3406****

2-000069SA/2018

2018-01-29

2018-03-06

M

(*3)

G4838****

2-000102SL/2018

2018-02-10

2018-02-23

M

(*2)

C4098****

A103931/2018

2018-02-03

2018-03-09

M

(*1)

152223197*********

2-000045SL/2018

2018-01-16

2018-02-12

M

(*2)

C7295****

A097286/2018

2018-01-14

2018-02-05

M

(*2)

C5120****

2-000062SA/2018

2018-01-23

2018-02-21

M

(*2)

C1896****

2-000117SJ/2018

2018-02-03

2018-03-06

Tabela II


publicidade 17

quinta-feira 12.4.2018

穆現偉 MU,XIANWEI 杨克炳 YANG, KEBING 楊炘 YANG XIN 歐容新 OU, RONGXIN 高其锦 GAO QIJIN 刘晓輝 LIU XIAOHUI 陈培辉 趙燕 ZHAO YAN 何學才 HE XUECAI 廖順生 LIAO SHUNSHENG

M

(*2)

C7604****

2-000056SL/2018

2018-01-18

2018-03-06

M

(*2)

C7541****

2-000098SE/2018

2018-02-12

2018-02-23

M

(*2)

C6732****

2-000132SJ/2018

2018-02-06

2018-03-05

M

(*2)

C0209****

2-000109SJ/2018

2018-02-01

2018-03-05

M

(*2)

C5933****

A102179/2018

2018-02-03

2018-03-09

M

(*3)

g5815****

2-000002RP/2018

2018-01-01

2018-02-02

M

(*1)

440525196*********

2-000045TV/2018

2018-02-06

2018-03-05

F

(*3)

G5581****

2-000130SJ/2018

2018-02-06

2018-03-05

M

(*2)

C7661****

2-000069SL/2018

2018-02-01

2018-02-15

M

(*2)

C7468****

2-000046TL/2018

2018-01-29

2018-02-15

2-000024TW/2018

2018-02-10

2018-03-09

Tabela III DAO ANH NGA

M

(*10)

C389****

Tabela IV 周先众 ZHOU XIANZHONG 楊貫均 YANG KUAN CHUN 唐少荣 TANG SHAORONG 林先鋒 LIN XIANFENG 譚丹平 TAN DANPING 魏高達 WEI GAODA 揭春明 JIE CHUNMING 孫志平 SUN ZHIPING 戴泗来 DAI SILAI 墉祖祥 陈少良 CHEN, SHAOLIANG 陈思昌 陈少雄 CHEN SHAOXIONG 吴土轩 WU, TUXUAN 揭春明 JIE CHUNMING 姚元光 YAO YUANGUANG 林其声 孟尔昌 MENG ERCHANG 劉新有 LIU XIN YOU 郭天德 GUO, TIANDE 赵锦红 ZHAO JINHONG

M

(*2)

W9203****

2-01316WB/2015

2015-12-24

2017-11-27

M

(*6)

30205****

2-00369WB/2016

2016-04-28

2017-11-28

M

(*2)

W8546****

2-00285WB/2016

2016-02-17

2017-11-27

M

(*4)

2148****

2-00659WB/2016

2016-05-04

2017-11-28

M

(*4)

2282****

2-00621WB/2016

2016-04-11

2017-11-28

M

(*4)

2107****

2-00065WB/2017

2016-09-19

2017-11-28

M

(*4)

2315****

2-00067WB/2017

2016-10-26

2017-11-28

M

(*4)

2044****

2-00165WB/2017

2016-09-08

2017-11-27

M

(*2)

C3523****

2-00231WB/2017

2017-03-03

2017-11-27

M

(*1)

440781198*********

2-01040WB/2017

2016-06-15

2017-11-28

M

(*2)

C4693****

2-01076WB/2017

2016-10-12

2017-11-27

M

(*1)

450422198*********

2-01078WB/2017

2017-05-18

2017-11-17

M

(*2)

W8757****

2-01038WB/2017

2016-09-18

2017-11-28

M

(*2)

C3475****

2-01048WB/2017

2016-11-25

2017-11-28

M

(*2)

W9786****

2-01056WB/2017

2016-12-26

2017-11-28

M

(*2)

W9706****

2-01057WB/2017

2017-01-19

2017-12-15

M

(*1)

441223196*********

2-01059WB/2017

2017-05-18

2017-11-28

M

(*2)

c1329****

2-01060WB/2017

2017-06-20

2017-12-15

M

(*2)

C1915****

2-01039WB/2017

2016-08-20

2017-11-28

M

(*2)

C2777****

2-00803WB/2017

2017-05-27

2018-02-07

M

(*3)

E8949****

2-00899WB/2017

2017-07-16

2017-11-27

Tabela V 胡文能 林春 LIN, CHUN

M

(*2)

W5838****

2-00872WB/2016

2016-06-22

2017-11-28

M

(*2)

C0210****

2-01054WB/2017

2016-12-10

2017-11-28

2-01075WB/2017

2017-02-14

2017-11-27

Tabela VI 韦雪梅 WEI XUEMEI

F

(*2)

W9547****

Nota: (*1) Bilhete de Identidade da República Popular da China (*2) Salvo-conduto da República Popular da China para deslocação a Hong Kong e Macau (*3) Passaporte da República Popular da China (*4) Bilhete de Identidade de Trabalhador Não-Residente (*5) Passaporte da República das Filipinas (*6) Documento de viagem da região de Taiwan (*7) Passaporte de Singapura (*8) Passaporte da República da Indonésia (*9) Passaporte da República da Coreia (*10) Passaporte da República Socialista do Vietname (*11) Passaporte dos Estados Unidos da América (*12) Passaporte da Malásia (*13) Salvo-conduto de residente da República Popular da China para deslocação a Taiwan (*14) Bilhete de Identidade de Hong Kong (*15) Salvo-conduto para deslocação oficial a Hong Kong e Macau WWW. IACM.GOV.MO


18

h

12.4.2018 quinta-feira

mais te afastas de mim, mais eu te vejo. diários de próspero António Cabrita

Pagar o galo Bar La Fontaine: um livro acondicionado ao mofo da gaveta. Recuperei o título para capítulo de outro que sairá em Maio. Mas fica um lote à deriva e desencaixadas algumas traduções de que gosto. Como a do indiano, Lokenath Bhattacharya, que o Henri Michaux admirava: «DOS CEGOS MUITO DISTINTOS Numa palavra, eis a proposta: deves subir lá acima, e fazer soar a trombeta. De imediato, alternância do visível no invisível, e mudança de estação na floresta. Este é o programa do dia. Mas eu não sou mais que um homem vulgar, que mantém a sua oração, as mãos em prece. Se os velhos temas são mencionados – e sê-lo-ão -, se ele se compraza em repetições – é inescapável -, que se lhe queira, por bem, perdoar as deficiências, naturais para um incapaz. Nenhum obstáculo, o minarete ergue-se à tua frente. No caminho para o seu cume, resplandecem os degraus, um após outro, de mármore branco. Do exterior, o ar quente não penetra. Desde que puseste o pé sobre a pedra – Que frescura! Lembras-te de tocar o ribeiro? - começa o louvor da viagem. A escadaria não oferece nada de verdadeiramente tortuoso, não é sinuosa. É mais como um bom rapaz, um coração ordeiro. Sob os teus passos, desdobram-se os degraus, generosos, companheiros de um caminho desimpedido, que o esplendor chama. Se não te resolveste a subir até ao cimo, a tua respiração será amena, quase igual do princípio ao fim: treparás em brandura, amigo! É a escadaria de um minarete, assim não te cansarás de virar. A cada volta o teu olhar esmaltará novas paisagens azuis, os teus ouvidos serão sondados por murmúrios preciosos, sempre novos e doentes de amor por este mundo de poeira. Sobre os muros: cenas dispostas uma após outra, desde a primeira hora. A cada etapa da viagem: assistência completa com cantores, instrumentos, músicos. Subirás ao cume e soarás a trombeta, a nova há-de espalhar-se por si. Então o pôr-do-sol deixará de exalar, o pavão esquecido de tudo selará uma imagem; ambos - atrás da porta, à espera, longe dos olhares - a roçam. Às cores, não as vês ainda, não é? E como as verás? Deitar-te-ão o meio-dia ou a tarde? Que importa? Surgirão, ao primeiro som da trombeta, cintilantes. Vês como flui tudo, a que ponto tudo é fácil, sem obstáculo, amigo!? Inútil até transportar o instrumento, degrau após degrau. Assim que chegares à pequena plataforma, lá em cima, tendo essa minúscula cúpula, como um guarda-sol, sobre a cabeça, tu verás, junto à balaustrada de pedra lavrada em flores, a trombeta deitada sobre o chão liso. Não te restará mais que tomá-la nas

Subirás ou não – a escadaria? Não o queres dizer. Não a sobes.»

ROBERTO MATTA

1/04/18

02/04/2018

mãos; depois, de pé, bem direito, na posição requerida, a perna esquerda avançada, a cintura encolhida, levar os teus lábios à embocadura. E não cai de imediato uma chuva de flores, como convém a uma obscuridade que já se palpa, dilacerando o torso negro do céu com um foguete imenso, deslumbrante?

Mais um jornalista moçambicano raptado, Ericino de Salema, e abandonado atrás dum silvado, depois de severamente agredido. Teve sorte, uns garotos iam aos pássaros e encontraram-no agonizante. O medo entulha a cidade

Lá estamos, hoje, para assistir à festa, meu amigo! Todos os da nossa cidade, jovens e velhos. A nova voou da boca à orelha. De uma ruela para outra, a vida pulula. Que se vê agora, do alto do minarete? Tão longe quanto alcança o olhar, todas as casas estão decoradas: grinaldas de empolas vermelhas e azuis, desenhos propícios sobre os jarros, diante das portas. Sobre os caminhos, a multidão aperta-se. Nenhuma agitação. População fervente alinhada sabiamente, trajada de branco, exibindo na testa o ponto de sândalo, maxilares e queixos recobertos por tatuagens de um desejo ardente. Neste pátio, junto à porta que conduz à torre, eis a tua estreia – a sós, bem entendido. Atrás de ti, em semicírculo, a turba dos tocadores de búzios espera pronta. No seu séquito, chegados num passo firme e confiando honrar com a sua presença o lugar reservado aos convidados de marca, alguns cegos de grande distinção. Eles ouviram uma mensagem divina: hoje, recuperarão a vista. Não há sinal de obstáculos, em parte alguma. Simplesmente, nesse momento silencioso, de espera, tu sobejas, escultura perfeita. As tuas pestanas não se mexem. Se o teu coração bate ou pelo contrário cala, não o deixas transparecer.

Mais um jornalista moçambicano raptado, Ericino de Salema, e abandonado atrás dum silvado, depois de severamente agredido. Teve sorte, uns garotos iam aos pássaros e encontraram-no agonizante. O medo entulha a cidade. Dizem-me que é um jogo de xadrez, que um antigo presidente mandou perpetrar o acto para inculpar o actual, posto o jornalista ter alfinetado na televisão o comportamento irresponsável do filho deste. É um enredo que Shakespeare aproveitaria, como outros movimentos deste jogo de sombras. Pena os candidatos a dramaturgos moçambicanos andarem entretidos com o teatro dos espíritos e não captarem os sinais que se camuflam atrás das aparências do visível. Milagres precisam-se, nesta “Chicago anos 20” en retard.

04/04/18

Milagre, o que aconteceu com Eva de Vitray-Meyerovitch, na França ocupada. Batem vigorosamente à porta. Eva abre e vê Frankenstein, de olhos vítreos e pronto para a degolar. Acompanha-o um oficial da Wehrmacht, que arvora um ar maçado. E perguntam-lhe pelo marido, como ela, um operacional da Resistência. Em pânico, ignorando absolutamente a língua, Eva apanhou-se a proferir no mais castiço calão berlinense: «Esse, deu à sola com uma galdéria qualquer e, sabe que mais, estou-me nas tintas!», e continuou num arrazoado tão convincente que o oficial lhe deu os parabéns pelo alemão antes de despedir-se, resignado. Não parou Eva de tremer, depois de saírem, e amassou numa bola o maço de tabaco que reservara para a troca de um pão. Foi após este espantoso milagre que Eva se aproximou dos sufis e traduziu o Rumi e o Iqbal para francês e uma luz lhe embrenhou um astro nos olhos. E pagou o galo a Asclépio.


desporto 19

quinta-feira 12.4.2018

TAÇA AFC BENFICA DE MACAU PERDE 8-0 FRENTE AOS NORTE-COREANOS 25 DE ABRIL

A lei do mais forte

Após dois jogos a exceder as expectativas, as águias foram goleadas na Coreia do Norte, sem terem conseguido marcar qualquer golo. Para a pesada derrota contribuíram os quatro golos de Kim Yu-Song, o melhor marcador da Taça AFC no ano passado Foi com o Benfica em desvantagem por dois golos no marcador que o encontro chegou ao intervalo.

BALANÇO OFENSIVO E GOLEADA

O

Benfica de Macau sofreu, ontem, a primeira derrota na edição da Taça AFC deste ano, ao perder por 8-0 diante do 25 de Abril, no Estádio Primeiro de Maio, em Pyongyang . Com este resultado, os norte-coreanos assumem de forma isolada o primeiro lugar do Grupo I, com nove pontos, seguidos pelas águias, com seis. De acordo com as informações da AFC, Bernardo Tavares fez o Benfica alinhar em 3-5-2, com uma linha recuada constituída por Filipe Duarte, Gilchrist Nguema e Lei Chi Kin. No meio-campo, actuaram Pang Chi Hang, Cuco, Rafael Moreira, Edgar Teixeira e Hugo

Posição 1.º 2.º 3.º 4.º

Equipa 25 de Abril Benfica de Macau Hwaepul Hang Yuen

Silva, enquanto no ataque começaram o jogo Carlos Leonel e David Tetteh. Já o treinador Yun Son apostou no 4-4-2, com Ang Song-Ill, Won Song, Kwon Chung-Hyok e Pak Jin-Myong, na linha defensiva, Ri Hyong-Jing, Kim Jong-Chol, Hang Song-Hyok e O Hyok-Chil, no meio-campo. Na frente, Kim Yu-Song e An Il Born, constituíram a linha de ataque.

Após o apito inicial, foram precisos apenas 13 minutos para que o avançado Kim Yu-Song inaugurasse o marcado. O coreano surgiu no centro da área onde rematou ao canto esquerdo da baliza de Batista, fazendo o 1-0. Mais oito minutos e surgiu um novo golo, desta vez através de Ri Hyong-Jing. O poderoso remate de fora da área foi suficiente para colocar o resultado em 2-0.

Apesar dos esforços da equipa e do técnico, o 25 de Abril acabou mesmo por impor a sua superioridade, mostrando a razão da Coreia do Norte ocupar a 119.ª posição do ranking FIFA e Macau apenas estar no 186.º lugar Jogos 3 3 3 3

Pontos 9 6 3 0

Grupo I

Vitórias 3 2 1 0

Empates 0 0 0 0

Ao intervalo, Bernardo Tavares decidiu jogar para tentar lutar pelo resultado, e pelo apuramento para a próxima fase, e colocou mais um jogador no ataque. Assim, o avançado Nikki Torrão entrou para o lugar de Rafael Moreira, que ontem, de acordo com o portal da AFC, jogou no meio-campo e a táctica foi transformada num 3-4-3. Apesar dos esforços da equipa e do técnico, o 25 de Abril acabou mesmo por impor a sua superioridade, mostrando a razão da Coreia do Norte ocupar a 119.ª posição do ranking FIFA e Macau apenas estar no 186.º lugar. Dez minutos após o recomeçou do encontro, Al In-Born, mais uma vez na área, marcou para o 3-0. Depois, aos 64 minutos, foi a vez de Kim Yu-Song bisar e fazer o 4-0. Mais quatro minutos e novamente Al In-Born voltou a fazer o gosto ao pé, apontando o 5-0 O sexto golo da equipa da casa chegou aos 77, novamente por Kim Yu-Song, que dois minutos depois colocou o resultado em 7-0. Finalmente aos 82, Ri Hyon-Jin apontou o último golo e selou o 8-0. Benfica de Macau e 25 de Abril voltam a reencontrar-se no próximo jogo das duas equipas, desta feita no Estádio de Macau. O encontro está agendado para as 20h, do dia 25 de Abril. João Santos Filipe

joaof@hojemacau.com.mo

Derrotas 0 1 2 3

Golos 14-1 6-12 8-5 4-14

Futebol Pep Guardiola acusado de conduta imprópria pela UEFA

O treinador do Manchester City, Pep Guardiola, foi ontem acusado pela UEFA de “conduta imprópria” depois da derrota frente ao Liverpool para a segunda mão dos quartos de final da Liga dos Campeões de futebol. A UEFA revelou que Guardiola foi acusado de conduta imprópria no encontro que os ‘citizens’ perderam por 2-1, depois da derrota por 3-0 em Liverpool. Os detalhes da “conduta imprópria” não foram especificados, mas as imagens televisivas mostram o treinador espanhol, sentado nas bancadas, aparentemente em contacto com o treinadoradjunto no banco do City. Guardiola foi expulso depois de o árbitro espanhol Mateu Lahoz apitar para o intervalo, por protestar com a invalidação de um golo, que seria o 2-0 para a sua equipa. A UEFA informa que o painel disciplinar vai deliberar sobre o caso em 31 de Maio.

Ciclismo Michael Goolaerts teve ataque cardíaco durante Paris-Roubaix

O ciclista belga Michael Goolaerts, que no domingo morreu durante a prova Paris-Roubaix, em França, sofreu um ataque cardíaco que causou a queda, revelou ontem a autópsia requisitada pelo Ministério Público. “A autópsia confirmou a hipótese mais provável, uma morte relacionada com um ataque cardíaco, e não relacionada com a queda”, revelou à agência noticiosa francesa AFP o procurador da região de Cambrai, Rémy Schwartz. A autópsia revelou que a queda aconteceu depois de o coração ter parado, mas serão ainda realizadas várias análises ao corpo do ciclista belga, de tipologia toxicológica e anatómica, para determinar “a origem do ataque cardíaco”. Goolaerts, de 23 anos, caiu numa das secções de ‘pavé’ do percurso de 257 quilómetros da prova conhecida como o ‘inferno do norte’, na qual se estreava ao serviço da equipa Vérandas Willems-Crélan. O corredor belga foi encontrado inconsciente e em paragem cardiorrespiratória, segundo os bombeiros que lhe prestaram auxílio, e acabou por morrer ao início da noite num hospital de Lille para onde foi transportado de helicóptero.

CLUBES FIFA ESTÁ A PLANEAR NOVO MUNDIAL DE CLUBES COM 24 EQUIPAS

A

FIFA está a preparar um novo formato do Mundial de Clubes para 2021, que contará com a participação de 24 equipas e será disputado de quatro em quatro anos, em 18 dias. O torneio será realizado em três fins-de-semana, dividido pelos meses de Junho e Julho e em datas disponíveis no calendário de jogos internacionais, disseram à agência noticiosa EFE fontes próximas do processo. Com a mudança de frequência de um ano para quatro, pretende-se que a competição ganhe “prestígio” e não interfere no calendário das competições dos países, especialmente na Europa.

Os clubes participantes vão ser divididos em oito grupos de três, dos quais os primeiros classificados passam directamente aos quartos de final, sem necessidade de desempate. Na proposta, a quantidade de jogos seria reduzida de 48 para 31, com o vencedor a disputar só cinco encontros a cada quatro anos e o resto das equipas com um mínimo de dois. O projecto da FIFA defende que este modelo seja aplicado a partir do Verão de 2021, dada a impossibilidade de realizar a Taça das Confederações no Qatar, devido às altas temperaturas.


20 publicidade

12.4.2018 quinta-feira


2 7 quinta-feira 12.4.2018

MUITO

O QUE FAZER ESTA SEMANA Sexta -feira

49

?

NUBLADO

PALESTRA ACERCA DO TAOÍSMO POR HANS-GEORG MOELLER Livraria Portuguesa | 18h30

DIARIAMENTE 1 2 7

3 4 6 5 MULHERES ARTISTAS - 1ª BIENAL INTERNACIONAL DE MACAU MAM | Até 13/5 4 6 3 2 1 5 7 EXPOSIÇÃO “PINACOTROCA” DE RODRIGO DE MATOS Creative 2 Macau 7 | Até 5 21/046 3 4 1 EXPOSIÇÃO DE DESIGN “HOJE, ESTILO SUÍÇO” Galeria 5 Tap4Seac |2Até 17/061 7 3 6 EXPOSIÇÃO “THE DINOSAUR HUNT” 3 City1Macau4 5 6 7 2 Estudio 6 3 1 7 5 2 4 Cineteatro 7 5 6C 4I 2N 1E M 3 A 51

3 6 4 1 7 5 2

53

4 1 2 7 5 6 3

MIN

22

MAX

29

HUM

5 2 6 4 1 3 7

5 4 7 2 1 3 6 6 3 7 2 4 5 1

4 1 3 7 6 2 5 2 5 3 1 7 4 6

6 3 5 4 2 7 1 1 4 5 6 3 7 2

7 2 6 3 5 1 4 3 7 1 5 6 2 4

2 7 1 5 4 6 3 7 6 4 3 2 1 5

(f)utilidades 421 5

6 2

5 2 •6 E U R 2 O 10.06

BAHT

0.25

Y U A6 N

7 1.27

51

50

7 3 1 6 5 4 2

2 1 4 7 3 5 6

1 5 6 4 7 2 3

5 2 3 1 6 7 4

3 7 2 5 4 6 1

4 6 5 3 2 1 7

O CARTOON STEPH 52

6 4 7 2 1 3 5

4 5 1 7 3 2 6

2 3 7 5 4 6 1

5 1 6 3 7 4 2

SOLUÇÃO DO PROBLEMA 52

7 2 4 6 1 5 3

3 4 5 2 6 1 7

1 6 3 4 2 7 5

6 7 2 1 5 3 4

54

UM 1 DISCO 6 2 5HOJE 7 3 4 2 3 6 5 7 4

3 4 2 1 5 7

7 5 4 6 1 3

6 1 7 3 4 2

1 2 5 4 3 6

Zuoxiao Zuzhou vem de Pequim com sons capazes de remeter para Tom Waits e letras que misturam sátira, escuridão e uma orientalidade que é só dele. O seu primeiro álbum data de 1998. Escolher entre a já extensa discografia não é fácil, mas “你知道东方在哪一边 You Know Where the East Is” pode abrir o apetite para uma exploração maior. Crítico, satírico e politicamente incorrecto, o multifacetado artista é uma lufada de ar fresco, não apenas na China, mas no panorama musical em geral. Sofia Margarida Mota

4 6 1 7 2 5

5 7 3 2 6 1

1 5 3 5 7 1 5 7 4 6 2

55

53 57

57 1 3 2 1 5 15 6 4

PROBLEMA 53

59

7 2 5 6 1 3 4

6

1 27 4 3 5 2 6 66 35 71 7 3 4 12

1 5 6 7 2 4 3

5 72 6 4 53 7 1 5 2 4 6 7 43 61 5 4 3 2 6 1 7

2 41 5 6 7 3 4 2 6 53 4 31 77 5 6 1 4 3 7 5 2

2 67 3 2 11 46 4 5

3 7 5 2 4 21 6 2 3 1 5 4 7 6

52 O ADEUS DO FELINO 2

4 6 3 5 32 1 7 4 61 7 35 6 2 3 4 7 2 1 3 6 5

6 4 7 2 1 5 3 1 4 6 3 2 5 7 3 6 7 4 5 2 1

3 1 34 6 62 5 7

2 55 7 1 3 6 4

5 33 6 4 7 1 2

44 66 5 2 1 7 3

51 7 2 5 74 3 6

1 6 7 4 21 3 6 2 5

1 6 35 3 7 74 2

65 2 4 1 3 7 6

26 73 7 4 62 1 5

7 61 6 5 34 2 3

2 4 3 57 6 35 1

4 5 2 6 1 3 57

3 6 7 1 2 5 4

7 5 4 2 3 6 1

6 3 5 4 1 7 2

5 2 6 7 4 1 3

1 4 2 6 7 3 5

4 7 1 3 5 2 6

56 Foi-se o felino. Estava cansado e mui-

6 2 3 7 5 4 1

to doente. A sua hora estava iminente, mas foi antecipada ligeiramente para o poupar a um sofrimento escusado que se arrastava e o tornara num bichinho abatido com a vida. Lembro-me bem quando entrou lá em casa e, mais tarde, quando a encheu de crias das quais teve forçosamente de se separar. Foi prenda de aniversário há mais de uma dúzia de anos para a minha mãe que sempre gostou de gatos. Quando ele chegou, eu parti para ir estudar e via-o, de quando em vez, aos fins-de-semana nos regressos a casa. Nunca foi o meu animal de estimação, ainda que até tenha sido eu a dar-lhe o nome, talvez por ser a adolescente lá54 do sítio. Apesar dos arranhões que cravou e dos problemas que criou, também lambeu muitas feridas, principalmente as da solidão de quem cuidou dele com uma estima sem igual e, às vezes, quase maior do que a que se pode nutrir por um ser humano. Até ao patriarca da casa, que nunca teve particular predilecção por animais, roubou afectos manifestados sob a forma de palmadas no cachaço. O espaço ficou vazio, mas apenas temporariamente, porque em Agosto celebra-se mais um aniversário e na rua não faltam potenciais fiéis companheiros de quatro patas à espera de serem resgatados. Diana do Mar

58

3 7 1 2 5 6 4

60

2 1 3 5 6 4 7

“YOU KNOW WHERE THE EAST IS” | ZUOXIAO ZUZHOU

RAMPAGE SALA 1

SALA 3

Um filme de: Brad Peyton Com: Dwayne Johnson, Naomie Harris, Malin Akerman, Jake Lacy 14.30, 16.30, 19.30, 21.30

FALADO EM CANTONÊS COM LEGENDAS EM CHINÊS Filme de: Chan Tai-Lee Com: Teresa Mo, Ling Man Lung, Ray Lui, Bonnie Xian 14.30, 16.30, 19.30

RAMPAGE [C]

SALA 2

SECRET SUPERSTAR [B] FALADO EM HINDI COM LEGENDAS EM CHINÊS E INGLÊS Filme de: Advait Chandan Com: Aamir Khan, Zaira Wasim 14.30, 17.30, 20.30

TOMORROW IS ANOTHER DAY [C]

READY PLAYER ONE [B] Um filme de: Steven Slpielberg Com: Tye Sheridan, Olivia Cooke, Ben Mendelsohn, T.J. Miller 14.30, 19.00, 21.30

1

2 1

VIDA DE CÃO

DE

1 5 2 6 3 4 7

70-98%

1

S U D O K U

TEMPO

3 6

1

5

www. hojemacau. com.mo

Propriedade Fábrica de Notícias, Lda Director Carlos Morais José Editor João Luz; José C. Mendes Redacção Andreia Sofia Silva; Diana do Mar, João Santos Filipe; Sofia Margarida Mota; Vitor Ng Colaboradores Amélia Vieira; Anabela Canas; António Cabrita; António Castro Caeiro; António Falcão; Gonçalo Lobo Pinheiro; João Paulo Cotrim; José Drummond; José Simões Morais; Manuel Afonso Costa; Michel Reis; Miguel Martins; Paulo José Miranda; Paulo Maia e Carmo; Rui Cascais; Rui Filipe Torres; Sérgio Fonseca; Valério Romão Colunistas António Conceição Júnior; David Chan; Fa Seong; Jorge Morbey; Jorge Rodrigues Simão; Leocardo; Paul Chan Wai Chi; Paula Bicho; Tânia dos Santos Cartoonista Steph Grafismo Paulo Borges, Rómulo Santos Ilustração Rui Rasquinho Agências Lusa; Xinhua Fotografia Hoje Macau; Lusa; GCS; Xinhua Secretária de redacção e Publicidade Madalena da Silva (publicidade@hojemacau.com.mo) Assistente de marketing Vincent Vong Impressão Tipografia Welfare Morada Calçada de Santo Agostinho, n.º 19, Centro Comercial Nam Yue, 6.º andar A, Macau Telefone 28752401 Fax 28752405 e-mail info@hojemacau.com.mo Sítio www.hojemacau.com.mo


22 opinião

12.4.2018 quinta-feira

RUI TAVARES in Público

E agora, Brasil? THE HEAD ACHE, A PRINT AFTER GEORGE CRUIKSHANK

O que não é de todo possível, parece-me, é olhar para o que se está a passar no Brasil e não estar preocupado com o presente e o futuro da democracia brasileira. Já não é de hoje que da situação política brasileira emana um terrível fedor a situação pré-ditatorial. O ponto de viragem foi a vitória de Dilma Rousseff nas eleições de 2014. Desde que ela tomou posse começaram as manobras para a destituir sob qualquer pretexto — e o pretexto que foi encontrado não foi mais do que a utilização de um critério de orçamentação comum a muitos governos no mundo, de que todos os seus adversários já se esqueceram e que nem eles sequer jamais levaram a sério. Mas esse foi o pecado original. Como no Macbeth de Shakespeare, a vontade de poder justifica que se cometa o primeiro crime político: todos os outros cadáveres servem para justificar o primeiro.

É certo que o Brasil está muito polarizado. Nós não temos de estar polarizados com ele. Custame a entender que haja gente tão obcecada com Lula que não tenha tempo para reconhecer que a forma como Sérgio Moro investiga, sentencia e vem para as redes sociais lançar foguetes é tudo menos típico de um juiz sério num Estado de Direito

J

Á não é de hoje que da situação política brasileira emana um terrível fedor a situação pré-ditatorial. É admissível achar que a governação de Lula operou uma transformação social do Brasil para muito melhor e que o Partido dos Trabalhadores, sob a liderança do mesmo Lula, pegou num sistema político que já era corrupto e não só não fez nada para o reformar como a mp lif ico u mes mo os vícios políticos do país, a começar pelo próprio “mensalão” com que comprou votos de congressistas

— a exemplo do que tinha antes criticado veementemente com a presidência precedente do PSDB. É possível também admitir que o tempo de Lula na política brasileira já poderia ter sido encerrado pelo próprio e pelo PT, para dar lugar a uma nova geração de políticos que contribuíssem para um Brasil menos polarizado. O mito de Lula é desmesurado, e ao mesmo tempo que gera ódios insanos, também acaba por secar a sua própria área política. E isto é independente do famoso processo do “triplex do Guarujá”, que segundo a investigação do juiz Sérgio Moro teria sido oferecido a Lula pela construtora OAS em troca de favores políticos mas de que comprovadamente nem Lula nem a sua família usufruíram (além de, claro, não terem nenhum título de propriedade dele em seus nomes — o que em si pode não ter significado caso houvesse um usufruto indirecto através de um testa de ferro). Mas o

processo do “triplex” não está ainda fechado, de forma que teremos de esperar para ver se configura, ou não, corrupção. É admissível até perceber os argumentos a favor da decisão do Supremo Tribunal Federal de manter a prisão após confirmação de uma sentença em segunda instância e perceber os argumentos de quem diz que a metodologia do processo contra Lula tem, a vários momentos, laivos indesmentíveis de perseguição política: vejam-se as escutas libertadas para a imprensa antes de validação judicial, com o intuito de influenciar a opinião pública. É certo que o Brasil está muito polarizado. Nós não temos de estar polarizados com ele. Custa-me a entender que haja gente tão obcecada com Lula que não tenha tempo para reconhecer que a forma como Sérgio Moro investiga, sentencia e vem para as redes sociais lançar foguetes é tudo menos típico de um juiz sério num Estado de Direito.

A partir do momento em que ficou claro que uma parte do sistema político brasileiro estava disposta a tudo para tirar Dilma do poder — em parte, relembre-se, para enterrarem e conterem a operação Lava-Jato —, ficou claro também que seria inadmissível para a mesma gente aceitar que o PT pudesse vir a recuperar o poder em eleições presidenciais. Lula na cadeia passou a ser uma necessidade, não por causa de um triplex que ele nunca ocupou nem de um processo que ainda não transitou em julgado, mas pela muito mais singela razão de que Lula poderia perfeitamente ganhar as próximas eleições. Se a minha interpretação shakespeariana estiver correcta, porém, as coisas não vão ficar por aqui. Imagine-se que Lula apoia um outro candidato e que a transferência de intenções de voto, como as sondagens indicam, permitem que esse candidato passe à segunda volta das eleições presidenciais e se ponha em posição de ganhar (talvez contra um fascista como Bolsonaro). Alguém imagina que os inimigos de Lula se vão deixar derrotar por um candidato do PT? Eu tenho dificuldade em imaginá-lo. E por isso não tenho dúvida que é a própria realização do ato eleitoral brasileiro que deve ser agora protegida dentro e fora do Brasil. A última vez que se suspendeu a democracia naquele país, ela demorou duas décadas a voltar.


opinião 23

quinta-feira 12.4.2018

bairro do oriente LEOCARDO

A Rússia com vida (e convida) ALFRED VON WIERUSZ-KOWALSKI, TRAVELLER ON A WINTER NIGHT

C

OMO as pessoas que me seguem mais de perto, pelas redes sociais, já devem saber, passei o período de férias da Páscoa na Rússia, mais exactamente em Moscovo e S. Petersburgo, as duas maiores cidades do maior país do mundo em área. Além da vertente recreativa, naturalmente, aproveitei a viagem para fazer uma visita de estudo. Os nove dias – sete completos – que lá passei não fazem de mim um “especialista em Rússia”, mas deu para ter uma ideia de como vivem aquelas gentes, e a impressão com que fiquei foi bastante positiva. Pode-se mesmo dizer que excedeu as expectativas. Serviu sobretudo para derrubar alguns preconceitos que ainda persistem; de que a

Rússia não é um país seguro, ou que o povo russo é hostil. Não foi à toa que muita gente franziu as sobrancelhas quando anunciei os meus planos de visitar aquele país. O preconceito, ou as ideias feitas, existem sobretudo à custa de muita propaganda ocidental, nomeadamente a norte-americana. Através de filmes até relativamente recentes, do final do período da Guerra Fria, casos de “White Nights”, “Rambo II” ou “Rocky IV”, era transmitida a ideia de que os russos eram uns tipos frios, de mandíbula rígida, e que no caso do último filme que referi, apenas à custa de uns valentes sopapos seria possível derreter os seus gélidos corações.

Não é em apenas vinte ou trinta anos que uma civilização se transforma, e o que encontrei na Rússia foi um povo afável, super educado, e bastante acessível. Em suma, andámos a ser este tempo todo enganados pelos enlatados do Tio Sam. Contudo, é mais que natural que este não seja um país “caliente”, onde os seus habitantes andam seminus e dançam a rumba. Afinal vive-se ali durante a maior parte do ano debaixo de temperaturas negativas, ou muito próximas dos zero graus. Há um outro aspecto a ter em conta, que é a própria História do país, pintado na sua maior parte em tons de negro. Está ali um

Através de filmes até relativamente recentes, do final do período da Guerra Fria, casos de “White Nights”, “Rambo II” ou “Rocky IV”, era transmitida a ideia de que os russos eram uns tipos frios, de mandíbula rígida, e que no caso do último filme que referi, apenas à custa de uns valentes sopapos seria possível derreter os seus gélidos corações

povo com uma cultura riquíssima, e que durante séculos esteve oprimido, ora pelo miserabilismo feudal dos czares, ora durante quase todo o século passado pelas excentricidades do socialismo, que terminou com a falência dessa ideologia. A nova Rússia, o país que Vladimir Putin fez renascer das cinzas, e que inexplicavelmente muitos temem ou olham com desconfiança, é um exemplo de modernidade, de classe e de organização, e que convida a visitar. Se é uma democracia? Existe um sistema, sim, que funciona e bem, e depois chamem-lhe o que quiserem. Quem estiver interessado em ir à Rússia (e sei que as imagens e os relatos que fui partilhando durante a minha viagem aguçaram alguns apetites), posso garantir que vai ter uma experiência inesquecível. Para quem reside aqui em Macau e tem por hábito viajar nos períodos de férias, mesmo as mais curtas, pode ter a certeza que é uma viagem que fica em conta. Sai menos caro que duas idas à Tailândia. E fica a conhecer um novo velho país, com uma nova vida, e que convida a visitar. E do que está à espera?


É estupidez pedir aos deuses aquilo que se pode conseguir sozinho. Epicuro

A

Justiça brasileira ordenou o congelamento dos bens de Lula da Silva e do Instituto Lula para pagar uma dívida de 7,1 milhões de euros, confirmou ontem o advogado de defesa do ex-Presidente brasileiro. Um tribunal de São Paulo ordenou o congelamento dos activos do antigo chefe de Estado, do Instituto Lula e da empresa LILS, para garantir o pagamento de uma multa determinada pela Justiça do país. Em comunicado, a defesa de Lula da Silva disse que a investigação à operação Lava Jacto quer retirar ao ex-Presidente “qualquer possibilidade de defesa, privando-o de seus bens e recursos para garantir um débito fiscal que ainda está sendo discutido na esfera administrativa”. Segundo o advogado de Lula da Silva, Cristiano Zanin Martins, “o ex-Presidente não tem os valores indicados no documento e a decisão do bloqueio foi contestada pelo recurso”. “Nem o Instituto Lula nem Paulo Okamotto (presidente do instituto Lula) têm 30 milhões de reais”, afirmou em comunicado a organização liderada pelo ex-Presidente. Lula da Silva, que governou o Brasil entre 2003 e 2010, está preso desde sábado passado na sede da Polícia Federal de Curitiba, onde começou a cumprir uma pena de 12 anos e um mês de prisão por corrupção passiva e branqueamento de capitais. A Justiça brasileira já o condenou em duas instâncias num dos processos da operação Lava Jacto em que foi acusado de receber um apartamento de luxo para favorecer contratos da construtora OAS com a estatal petrolífera brasileira Petrobras.

A plataforma da língua IPM estabelece protocolo com Instituto Camões

F

OI ontem assinado um protocolo entre o Instituto Politécnico de Macau e o Instituto Camões. O presidente do Camões - Instituto da Cooperação e Língua considerou ontem que Macau cumpre “o princípio das duas línguas, consagrado na transição” e que o Instituto Politécnico de Macau se encarrega “de o concretizar na prática”. “Penso que está a ser dada a concretização ao princípio das duas línguas, princípio consagrado na transição e que o Instituto Politécnico de Macau (IPM) se está a encarregar de concretizar na prática aqui nesta região”, disse Luís Faro Ramos, aos jornalistas, depois da cerimónia de assinatura de

protocolo de cooperação entre o IPM e o Camões. Segundo Luís Faro Ramos, este protocolo tem como um dos objectivos a “promoção da língua portuguesa, não só em Macau, mas também na região Ásia Pacifico”. “O presidente do Camões está aqui para nos ajudar na missão do ensino da língua portuguesa em Macau e até nesta região Ásia Pacífico”, disse, por seu lado, o presidente do Instituto Politécnico de Macau, Lei Heong Iok. O protocolo assinado entre os dois institutos visa a certificação, com a chancela do instituto Camões, de cursos de professores de língua portuguesa, administrados pelo IPM. À margem da reunião, o presidente do Camões vai cum-

prir uma agenda de encontros com autoridades portuguesas e macaenses, designadamente o cônsul-geral de Portugal em Macau e Hong Kong, Vítor Sereno, o presidente da Escola Portuguesa de Macau, Manuel Machado, o secretário para os Assuntos Sociais e Cultura de Macau, Alexis Tam, o presidente do IPM, Lei Heong Ieok, e a presidente do Instituto Cultural da RAEM, Mok Ian Ian. O Camões - Instituto da Cooperação e da Língua é um instituto público tutelado pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE) que tem por missão propor e executar a política de cooperação portuguesa e a política de ensino e divulgação da língua e cultura portuguesas no estrangeiro.

TIAGO ALCÂNTARA

BRASIL JUSTIÇA CONGELA BENS DO EX-PRESIDENTE LULA DA SILVA

PALAVRA DO DIA

quinta-feira 12.4.2018

ENSINO COIMBRA NO HORIZONTE DOS PROGRAMAS DE MOBILIDADE ESTUDANTIL DE MACAU

A

Comissão de Desenvolvimento de Talentos de Macau apresentou vários projectos de mobilidade estudantil, nomeadamente um plano de apoio a cursos de mestrado na Universidade de Coimbra, anunciou ontem em comunicado. Os projetos são implementados com a colaboração da Fundação Macau, que assinou, em 2011, um protocolo de cooperação geral com a universidade portuguesa. Desde então, a Fundação Macau tem vindo a apoiar a atribuição de bolsas de estudo que “visem fomentar os estudos sobre a Região Administrativa Especial de Macau (RAEM)”. Em Fevereiro último, a Universidade de Coimbra assinou um protocolo de cooperação com a Câmara de Comércio e Indústria Luso-Chinesa (CCILC) para “estabelecer cooperação académica, científica e cultural entre as partes”. Além da parceria com a universidade portuguesa, a comissão apresentou ainda a situação relativa ao projecto de estágio na Organização das Nações Unidos para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) e o programa de apoio financeiro para frequência do curso de mestrado em Gestão Empresarial, todos inseridos no programa “Formação de Elites 2018” e implementados pela Fundação Macau. De acordo com o comunicado, o prazo de inscrição nos cursos decorre de Abril até Setembro.

PEQUIM LANÇADO SISTEMA DE PONTOS PARA AUTORIZAÇÕES DE RESIDÊNCIA

A

PUB

cidade de Pequim lança este mês um sistema para atribuição de autorizações de residência com base em pontos, atribuídos segundo o estatuto económico e social de cada cidadão, informou ontem a imprensa oficial. Segundo a agência noticiosa oficial Xinhua, “quem

tiver um bom emprego, casa em Pequim, bom nível de educação, ou resultados como inovador ou empreendedor, obterá mais pontos”, e será favorito a obter o ‘Hukou’ de Pequim. A autorização de residência ‘Hukou’ é um sistema implantado na China em 1958 para controlar a migra-

ção massiva dentro do país e assegurar a continuidade da produção agrícola e a estabilidade social nos centros urbanos. Apenas quem tem ‘Hukou’ pode beneficiar de serviços públicos como educação e saúde na respetiva cidade. O sistema é aplicado aos cidadãos chineses que vivem

em Pequim apesar de não terem nascido na cidade. Os concorrentes poderão inscrever-se nos gabinetes municipais, entre 16 de Abril e 14 de Junho. A agência não detalha quantos ‘Hukou’ serão atribuídos através daquele sistema, mas sabe-se que apenas podem concorrer

cidadãos em idade activa e sem registo criminal. O sistema surge num período em que as autoridades da capital chinesa querem combater a sobrelotação e limitar o número de residentes a 23 milhões. A decisão está na raiz de uma campanha contra construções ilegais, que ex-

pulsou centenas de milhares de trabalhadores migrantes dos subúrbios de Pequim. Sede de um município com cerca de metade do tamanho da Bélgica, Pequim tinha no final do ano passado 21,7 milhões de habitantes.

Hoje Macau 12 ABR 2018 #4029  

N.º 4029 de 12 de ABR de 2018

Hoje Macau 12 ABR 2018 #4029  

N.º 4029 de 12 de ABR de 2018

Advertisement