Issuu on Google+

WWW.HOJEMACAU.COM.MO

MOP$10

BIG TRANSMAC Estão quase concluídas as negociações com o Governo para que a Transmac assuma as rotas da Reolian.

AGÊNCIA COMERCIAL PICO • 28721006

hojemacau

S E X TA - F E I R A 1 1 D E A B R I L D E 2 0 1 4 • A N O X I I I • N º 3 0 6 9

PUB

DIRECTOR CARLOS MORAIS JOSÉ

SIN FONG

APERTA O BETÃO! O relatório final do Governo não deixa dúvidas: os culpados são o construtor e o director-técnico da obra. O primeiro não hesita: movam acções contra mim, proclama. Já os moradores vieram para a rua protestar... protestar... protestar... e trouxeram um caixão.

SOCIEDADE PÁGINA 6

Tensão entre China e EUA por causa de vendas de armas a Taiwan CHINA PÁGINA

10

Kwan Tsui Hang não quer Governo a olhar para o lado CASO CCTV PÁGINA

4 PUB

ÚLTIMA PUB


PRISÃO

hoje macau sexta-feira 11.4.2014

TRÊS MÃES RECENTES ESTÃO PRESAS EM COLOANE

O silêncio dos inocentes

HOJE MACAU

2

Há três bebés recentes que “cumprem pena” com as suas mães na prisão de Coloane. À margem das suas histórias, elas pensam no futuro dos seus filhos e temem pelas consequências de uma reclusão inocente ANDREIA SOFIA SILVA

andreia.silva@hojemacau.com.mo

A

QUELE cartão de crédito que prometia dinheiro fácil era, afinal, um presente envenenado. Quando o utilizou em Macau, Ling Ling descobriu que aquele cartão, oferecido pelo namorado, tinha sido roubado. Acabariam por ser os dois apanhados pela polícia e condenados. “Fui acusada do crime de roubo, mas afinal foi o meu namorado que cometeu o crime”, contou ao HM, por entre risos que simbolizam um misto de aceitação e vergonha. Depois da sentença do juiz, Ling Ling, oriunda da cidade de Qingdao e empregada de supermercado, que não estudou além do ensino secundário, descobriu que estava grávida. Hoje tem uma menina de faces rechonchudas chamada Xuan Xuan, à qual dá toda a atenção durante os seus longos dias de reclusão. Xuan Xuan tem, para além da companhia da sua mãe, mais duas crianças para brincar. Si Si é um menino que nasceu quase na mesma altura, também em Macau. A sua mãe, que optou por não dizer o nome, veio do norte da China e cometeu o crime de utilização de dinheiro falso. “Aproveitaram-se de mim, não sabia que isto era crime. Gostava de encontrar um emprego, mas agora nesta situação não posso fazer nada.” Ling Ling e a mãe de Si Si são duas das três mulheres que, actualmente, mantém consigo os filhos enquanto cumprem pena no EPM. Os seus dias, marcados por

rotinas diárias ditadas pelos ponteiros do relógio, são preenchidos pelos seus filhos, que se vêem obrigados a viver por detrás das celas nos primeiros anos de vida. As mães dizem que as condições da prisão são “mais ou menos”, mas temem o que a reclusão forçada lhes pode trazer no futuro. “O maior problema é mesmo a educação”, afirma Ling Ling. “Lá fora, eles poderiam ter mais contactos e conhecimentos. Aqui há sempre limitações.” Traços de uma personalidade mais reservada ou dificuldades no contacto com outras crianças são receios que a mãe de Si Si tem em relação ao seu filho. “Aqui o meu filho pode ter as condições básicas, mas na educação e no crescimento a estadia dele aqui vai ter alguma influência. Não tem convívio como teria lá fora, não tem liberdade, nem contacto com a natureza, nem muitos brinquedos. É o que mais falta faz ao meu filho. Mas ele ainda é muito pequeno, embora ache que depois vai ter problemas.”

PAI DE XUAN XUAN TAMBÉM ESTÁ PRESO

A mãe de Si Si chegou a concluir o curso superior na área da educação em inglês, e quando cumprir a sua pena pretende fazer o mestrado na mesma área e regressar à sua terra natal. Garante ter todo o apoio da sua família, mas com o pai do bebé já não tem nenhum contacto. “Quando estiver em liberdade o meu filho vai ter só um ano e pouco, e só depois é que poderá ir para a creche. Os meus familiares aceitam

e dão-me apoio, mas vou precisar de um tempo para me adaptar à sociedade.” O mesmo não se passa com Ling Ling. O pai da sua filha também cumpre pena pelo mesmo crime de roubo na ala masculina do EPM, e todas as terças-feiras a família reúne-se. Mas o pai de Xuan Xuan tem uma pena superior aos quatro anos e meio decretados a Ling Ling. O futuro, para eles, é ainda uma incógnita. “Quando sair daqui vou dedicar-me à minha filha. O pai dela ainda vai ficar aqui mais tempo.” Para esta reclusa, o facto de ter o seu parceiro tão perto não ajuda muito na educação da sua bebé. “Se ele estivesse lá fora podia trazer outras coisas, mas como também está preso não pode trazer nada. Quando se está dentro da prisão é sempre diferente. Ela só vê o pai uma vez por

semana, por isso a ajuda é pouca.”

ESTAR OU NÃO ESTAR COM A MÃE?

Ao contrário dos receios destas mães, Ana Correia, docente na área da educação na Universidade de São José (USJ), considera que não existem grandes riscos para que bebés estejam com as mães quando estas cumprem penas de prisão. “O que uma criança até aos dois anos de idade necessita, para além de cuidados


prisão 3

hoje macau sexta-feira 11.4.2014

básicos de alimentação e saúde, é de um ambiente em que se sinta amada e em segurança. Ninguém melhor do que a mãe da própria criança para poder dar o afecto e o sentido de pertença indispensável a um desenvolvimento emocional e cognitivo”, garante ao HM. “Num infantário a criança tem de partilhar a atenção do adulto com outros meninos e meninas. Quando a relação é de um para um, a criança é mais estimulada, logo estão criadas as con-

dições para um desenvolvimento equilibrado a todos os níveis. Se pusermos de lado outros factores que na vida

real podem interferir, diria que é vantajoso manter as crianças com as mães.” Teresa Vong, docente

“Aqui o meu filho pode ter as condições básicas, mas na educação e no crescimento a estadia dele aqui vai ter alguma influência. Não tem convívio como teria lá fora, não tem liberdade, nem contacto com a natureza, nem muitos brinquedos”

na área da educação, mas na Universidade de Macau (UM), não discorda de Ana Correia mas ressalva: “Se é apropriado ou não ter uma criança na prisão com a sua mãe depende da idade da criança. O seu desenvolvimento psicológico e o grau de relação entre mãe e filho terão impacto na idade adulta”. No entanto, a necessidade de contacto com a mãe até aos dois anos perde importância face ao contexto circundante. “Se uma criança

tem mais de dois anos, significa que está mais consciente do ambiente em que está inserida, e seria melhor não estar com a mãe na prisão. Mas tudo depende do apoio social e familiar que a mãe tem. Se esse apoio não for suficiente, poderá causar sérios impactos à criança”, conclui Teresa Vong.

PRISÕES TÊM DE ESTAR PREPARADAS

Apesar da presença da mãe ser fundamental, Ana Correia lembra que “as prisões

têm de estar preparadas para receber as crianças, com espaços e equipamentos adequados à idade delas”. “As crianças têm de poder brincar em segurança em espaços fechados e ao ar livre. Há todo um conjunto de adaptações e mudanças que têm de ser pensadas caso a caso, dos equipamentos aos horários e ao acompanhamento regular por especialistas em saúde infantil.” Ana Correia moderou, em Fevereiro deste ano, nas instalações da USJ, uma palestra da académica portuguesa Raquel Matos, que realizou uma investigação sobre as condições de reclusão das mulheres nas prisões portuguesas. À data, Raquel Matos frisou que “uma das melhores coisas que aconteceu no sistema prisional em Portugal foi ter chegado a prisões especiais. As mulheres têm necessidades especiais, diferentes dos homens, os cuidados de saúde, por exemplo, são diferentes. O tipo de infra-estruturas também são diferentes”. Numa recente entrevista ao HM, Stephen Ng, coordenador do departamento de reintegração social da prisão, disse que “o EPM tinha o direito a oferecer condições especiais, tal como celas individuais, ou cuidados de saúde para crianças”. “A criança fica com a mãe na prisão ou pode ser enviada para os familiares, mas isso depende da vontade da própria mãe”, disse na altura. Num relatório do Pacto Internacional sobre os Direitos Civis e Políticos (ICCPR, na sigla inglesa), feito pela RAEM e datado de 2011, lê-se que “as reclusas grávidas, ou que tenham sofrido uma interrupção da gravidez, são assistidas e tratadas por médicos da especialidade. A reclusa tem direito a manter o seu filho até este atingir os 3 anos de idade e de ser alojada numa cela separada. A assistência médica e social à criança também é assegurada”, perante a legislação em vigor. Recorde-se que a ala feminina da prisão passou por obras de ampliação, iniciadas em Março de 2013. Depois de algum atraso no projecto, as mulheres reclusas puderam ocupar as novas celas. Algumas delas viam-se obrigadas a dormir no chão.


4

POLÍTICA

CASO CCTV KWAN TSUI HANG QUESTIONA CASO DOS TURISTAS OBRIGADOS A FAZER COMPRAS

CECÍLIA LIN

cecilia.lin@hojemacau.com.mo

A reportagem que veio do frio TIAGO ALCÂNTARA

A

deputada Kwan Tsui Hang entregou uma interpelação escrita ao Governo onde aborda a recente polémica originada por uma reportagem da CCTV, que denunciava casos de turistas do continente obrigados a fazer compras em Macau. A deputada, que representa a Federação das Associações de Operários de Macau (FAOM), quer saber se o Governo vai definir uma tarifa mínima para as pacotes turísticos em agências de viagens, por forma a evitar essas situações. “Para combater as viagens sem tarifas pagas às agências e para reduzir os conflitos turísticos, em 2006 a Direcção dos Serviços de Turismo (DST) disseram que iam ter o caso de Hong Kong como referência e aplicar uma tarifa mínima para estes serviços.” A deputada lembra ainda que, em 2011, os responsáveis fizeram um acordo com o continente para regular casos em que as duas agências, de Macau e da China, não podem receber tarifas de grupo inferiores ao capital de serviço. “Contudo, neste acordo não foi definido um limite para os valores inferiores ao capital, nem as regras práticas de supervisão, por isso o sistema é totalmente inútil.”

A deputada frisa ainda que “apesar de acompanhar e tratar dos casos de conflitos de turismo, os responsáveis

JOANA FREITAS

joana.freitas@hojemacau.com.mo

A

hoje macau sexta-feira 11.4.2014

directora dos Serviços de Correios foi ontem escolhida como a presidente do Conselho de Administração da Canais de Televisão Básicos de Macau, S.A.. De acordo com um despacho publicado em Boletim Oficial, Lau Wai Meng foi nomeada como a responsável máxima da nova sociedade do Governo que está a cargo da transmissão dos canais de televisão básicos. A nomeação foi feita por Florinda Chan, no dia em que ficou ainda a saber-se que a secretária para a Administração e Justiça – que está a substituir Chui Sai On enquanto o Chefe do Executivo está fora do território – nomeou ainda Tang Wai Lin e Frederico Alexandre do Rosário como administradores do mesmo Conselho da empresa. Tang Wai Lin foi membro do Conselho de Administração do Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais e desempenhou

deveriam definir um capital mais baixo para a viagem e, ao mesmo tempo, criar um mecanismo prático de super-

visão, a fim de garantir que as agências de turismo não recebem grupos inferiores a este número”.

Kwan Tsui Hang mencionou ainda que, segundo os regulamentos actuais, as agências locais não

precisam de comunicar as tarifas de grupo às agências de fora. Por isso a deputada questiona se o Governo não vai criar um regulamento que obrigue as agências locais a informar aos departamentos relevantes quais as tarifas que são praticadas. Kwan Tsui Hang pede ainda que sejam publicados os nomes das agências locais que já estiveram envolvidas em conflitos, para que os turistas possam escolher com mais garantia. “Ao mesmo tempo, isso poderia dissuadir as agências que violam a lei.” Desde Outubro do ano passado que o continente implementou a nova lei do turismo, que proíbe grupos de viagem sem pagamento de tarifas e com a obrigatoriedade de fazer compras nos locais de destino, por forma a reordenar o mercado do turismo. Desde então que os grupos de viagem caíram 45%, tendo passado de 759 mil em Setembro para 527 mil em Outubro. A reportagem da estação televisiva CCTV revelou, contudo, que o caso dos grupos que não pagaram tarifas à agência voltou a acontecer em Macau.

TV DIRECTORA DOS CORREIOS NOMEADA PRESIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA NOVA EMPRESA DO GOVERNO

DSC, TDM e Finanças à frente da Canais Básicos funções como vice-presidente da Ligação ao Cliente da Companhia de Electricidade de Macau, sendo secretária-geral da Comissão para os Assuntos das Mulheres. Frederico do Rosário é administrador e membro da Comissão Executiva da Teledifusão de Macau (TDM), empresa que detém 25% da sociedade do Executivo. A representar a RAEM está ainda Vitória Alice Maria da Conceição, directora dos Serviços de Finanças. À semelhança de todos os nomeados, Vitória Alice Maria da Conceição vai estar na Canais de Televisão Básicos em regime de acumulação de funções e tem como função

exercer os direitos do Governo enquanto accionista da sociedade. Os quatro nomeados começaram ontem os cargos e vão ficar neles durante o prazo que for estipulado pelos estatutos da empresa, que ainda não foram tornados públicos. A Canais Básicos é a empresa recentemente criada pelo Executivo para permitir que os cidadãos continuem a ter acesso a uma série de canais de televisão básicos após o dia 21 de Abril, altura em que expira o contrato entre o Governo e a TV Cabo que, até agora, detinha os serviços em regime de exclusividade.

Ho Ion Sang questiona aterros para resíduos de obras

O deputado da União Geral das Associações de Moradores (UGAMM), Ho Ion Sang, entregou uma interpelação escrita onde questiona o processo dos aterros para lixo de obras. O deputado menciona que, no ano passado, os departamentos garantiram que os aterros actuais já estavam quase cheios, e que, apesar do Governo ter medidas para controlar o problema, mas que poderia começar no final deste ano. “Ou seja, durante um ano há a possibilidade do lixo dos projectos de construção transbordar, qual é o processo para resolver esta questão?” Ho Ion Sang quer ainda saber o panorama dos resíduos sólidos não domésticos, se o Governo vai alterar a lei e aumentar as multas para os não cumpridores.


política 5

hoje macau sexta-feira 11.4.2014

DSRT ANTENEIROS VÃO CONTINUAR “LEGAIS” DEVIDO AOS NOVOS SERVIÇOS QUE FORNECEM

Negócio sem infringir a lei A Direcção dos Serviços de Regulação das Telecomunicações (DSRT) assegurou ontem ao HM que a actividade dos anteneiros é legal desde 2013 e vai permanecer assim devido aos serviços que as empresas vão prestar. Em resposta ao HM, que quis saber como é que as companhias de antenas comuns podem continuar a exercer a sua actividade após o acordo com a TV Cabo expirar, o organismo informou que os serviços vão continuar sem infringir a lei. “Os serviços prestados pelos anteneiros foram legalizados desde 6 de Agosto de 2013, depois de estrita observância à decisão do tribunal”, começa por dizer a DSRT. O tribunal, recorde-se, ordenou a suspensão da transmissão de sinais televisivos pelos anteneiros, depois de concluir que a sua actividade era ilegal. No entanto, a TV Cabo, quem detém até este

GOVERNO TEM UM PLANO PARA “OS RINS DO MUNDO”?

deputado à Assembleia Legislativa (AL) Leong Veng Chai, número dois de José Pereira Coutinho, quer saber quais os planos que o actual Executivo tem para preservar a zona do mangal, junto às Casas Museu da Taipa. Segundo escreve na sua mais recente interpelação escrita, as terras húmidas são consideradas “os rins do mundo”, porque têm uma função específica de purificação do ambiente, com efeitos ao nível da desintoxicação do sistema ecológico da Terra”. “As terras húmidas são recursos extremamente preciosos do Governo da RAEM. No

futuro, vão ser muitas as obras de construção no COTAI, e maiores do que no passado, que podem eventualmente vir a afectar as terras húmidas. O Governo da RAEM dispõe de algumas medidas para evitar a destruição das terras húmidas?” Leong Veng Chai escreve ainda que “o Governo da RAEM deve ponderar a inclusão das terras húmidas das Casas Museu da Taipa no projecto de desenvolvimento e planeamento de Macau enquanto cidade turística e de lazer. Vai fazê-lo? Vai ponderar sobre a sua transformação num parque ecológico temático?” - A.S.S.

TIAGO ALCÂNTARA

Leong preocupado com o mangal O

mês a exclusividade dos serviços, chegou a acordo com as companhias de antenas comuns, fazendo com que o apoio dos anteneiros fizesse com que a sua actividade não fosse ilegal. Esta semana, a DSRT disse ao HM que o acordo “não ia ser expandido” após o término do contrato com a TV Cabo, mas ontem explicou porque é que estas empresas vão continuar a operar legalmente. “O fornecimento de canais vai ser feito pela nova sociedade do Governo a partir de 22 de Abril, em cooperação com as empresas de antenas públicas. Ou seja, a legalidade das suas actividades vai permanecer, sem quaisquer mudanças.” Os anteneiros vão, a partir de agora, ser os responsáveis pela manutenção dos serviços, pelo que a ilegalidade da transmissão de canais já não se coloca. - J.F.

AL defende categorização nos aumentos da Função Pública

A Assembleia Legislativa sugere que o Governo estude a questão do aumento dos ordenados da Função Pública por categorias, oferecendo, assim, mais apoio aos funcionários que auferem rendimentos mais baixos. A actual lei diz que todos os funcionários deverão receber um aumento de 5,7%, não fazendo a diferença entre quem gasta mais e quem ganha menos ao final do mês. Os deputados da Terceira Comissão Permanente da Assembleia Legislativa justificaram a sua proposta com o facto do custo de vida no território ter aumentado. Isso faz com que alguns funcionários, mesmo depois de verem os seus salários actualizados, continuem ser conseguir responder às exigências do modo de vida em Macau. De acordo com a rádio Macau a sugestão foi deixada pelos deputados. O assunto deverá continuar a ser debatido no plenário durante este mês.

Sede da Union Gaming Macau vai mudar-se para Hong Kong

A sede da empresa norte-americana Union Gaming, actualmente localizada em Macau, vai mudar-se para Hong Kong. A empresa vai continuar a ter uma sucursal na RAEM, mas o centro de operações será a vizinha RAEHK. Richard Moriarty, co-fundador da Union Gaming, afirmou que o facto dos novos escritórios estarem localizados em Hong Kong – a ser chamado Union Gaming Securities Asia Ltd – vai dar mais visibilidade à empresa e aos clientes públicos e privados. A empresa deverá oferecer serviços bancários, de pesquisa, vendas e transacções. O Shun Tak Centre foi o local escolhido para a sede em Hong Kong e deverá abrir portas no Outono.


6

SOCIEDADE

hoje macau sexta-feira 11.4.2014

SIN FONG RESPONSABILIDADE RECAI EM DIRECTOR TÉCNICO E CONSTRUTOR CIVIL. CIMENTO ERA DE “MÁ QUALIDADE”

Betão mal armado, morador acampado O director técnico da obra e o construtor civil do Sin Fong são os únicos com culpas no cartório, mas não podem ser responsabilizados a nível administrativo. Os dois homens só podem esperar, agora, acções em tribunal por não terem tido em atenção a qualidade do cimento usado nos pilares do edifício do Patane, ao mesmo tempo que também os moradores têm de decidir, agora, o que fazer ao prédio que abandonaram em 2012. Entretanto, já acamparam em frente ao Sin Fong joana.freitas@hojemacau.com.mo

J

Á estão encontrados os dois responsáveis pelo incidente do Sin Fong Garden: o director técnico da obra e o construtor civil que fez o prédio na Rua do Patane. O anúncio foi ontem feito pelo Executivo, numa conferência de imprensa onde foi tornado público o relatório final da investigação ao prédio evacuado em 2012 devido à ruptura de pilares de suporte. Ainda segundo a conclusão, o cimento utilizado na construção de quatro dos pilares de suporte ao edifício “não satisfazia os padrões exigidos”. O problema principal estava no pilar P9 – onde apareceu a fenda que originou a evacuação do edifício -, cuja resistência “era muito, muito inferior à exigida”, conforme explicaram Kou Kun Pang, professor do Departamento de Engenharia Civil e Ambiental da Universidade de Macau, e Jaime Carion, director das Obras

Públicas e Transportes. “O pilar deveria suportar mil toneladas, mas só conseguia suportar 280, o que representa 27,7% da capacidade que deveria ter”, referiu o académico responsável pela segunda investigação ao incidente. “É inequívoco a falta de capacidade de resistência dos pilares oito, nove, 22 e 17 e tudo isso resulta da fraca qualidade do betão utilizado na obra”, acrescentou Jaime Carion.

Iong Kong Io garantiu ontem que o Instituto de Acção Social (IAS) vai continuar a apoiar os pequenos proprietários e moradores do Sin Fong Garden “até que o processo esteja terminado”. O presidente do instituto afirmou que os 106 proprietários vão continuar a receber o subsídio de arrendamento e que, ainda assim, têm ao seu dispor apartamentos em edifícios de habitação social. Até agora, apenas cinco pessoas pediram estas casas provisórias, sendo que o Governo tem 80 casas disponíveis. Desde Dezembro de 2013, o Governo gastou 16 milhões de patacas com os apoios às rendas. Destes, seis milhões deverão ser pagos pela construtora do edifício, que já se comprometeu a pagar, pelo menos, este montante. Iong Kong Io frisou que o IAS não ia deixar os moradores sozinhos, mas admitiu que “não gostaria de ver que o caso não tem fim”. O IAS descartou também pessoas para dar acompanhamento psicológico aos moradores e uma linha aberta 24 horas.

Uma coisa é certa, todos os responsáveis do Governo pedem que “os moradores tomem uma decisão o mais rápido possível”, entre demolir ou construir o edifício. Já há uma proposta para a reconstrução do prédio, mas ainda não há orçamento. Há dois anos, a reconstrução tinha sido avaliada em 130 milhões de patacas. Os técnicos garantem que o Sin Fong pode ser restaurado e

Os moradores levaram um caixão para a reunião com o Governo KELSEY WILHELM

JOANA FREITAS

CINCO PEDIDOS DE CASAS AO IAS

O Governo planeava ter uma reunião com os moradores do edifício para divulgar os resultados dos relatórios, mas o encontro durou apenas 15 minutos devido à “instabilidade emocional” dos residentes. Ao que o HM apurou, os pro-

KOU KUN PANG Professor do Departamento de Engenharia Civil e Ambiental da Universidade de Macau

– ou seja, pelo Governo. “A responsabilização sobre a estrutura já terminou há cinco anos, sendo que prescreveu e não é possível aplicar-lhes as sanções.” Os dois homens só podem vir a ser responsabilizados

no caso de serem interpostas acções judiciais contra eles. De fora da conclusão, fica a possibilidade de as demolições e construções de edifícios ao lado do Sin Fong Garden terem influenciado as fissuras nos pilares.

que a actual segurança do edifício não está comprometida. Seja qual for a decisão dos moradores, diz Lau Si Io, o Governo “vai apoiar”, incluindo ao nível judiciário.  André Cheong, director dos Assuntos de Justiça, assegurou isso mesmo, mas também deixa a sugestão de que os moradores cheguem a um consenso através de mediação ou reconciliação. O Governo diz “ser impossível” calcular o dinheiro gasto até agora com

CONSTR UTOR QUER ACÇÕES JUDICIAIS “O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL” Ho Weng Pio, construtor do Sin Fong Garden a quem foi atribuída parte da responsabildiade pelo incidente, quer que as acções contra si cheguem ao tribunal o mais rápido possível. Isso mesmo disse o responsável, através de comunicado enviado às

MORADORES MANIFESTAM-SE EM FRENTE AO PRÉDIO

“A composição do cimento era muito baixa, o que comprometeu a resistência do pilar [P9], que tinha uma mistura de mais areia do que cimento.”

SEM PUNIÇÕES ADMINISTRATIVAS

O director das Obras Públicas não se coibiu também de mencionar os nomes dos responsáveis pela ruptura no pilar. “Com base no relatório, podemos afirmar categoricamente que o responsável pela falta de qualidade do betao é o director técnico da obra, o engenheiro Joaquim Ernesto Sales, e o construtor – não a empresa, mas o construtor civil – Ho Weng Pio. “Os responsáveis não podem, contudo, ser punidos a nível administrativo

o incidente e ainda estuda um pedido de indemnização junto dos responsáveis.

redacções. Ho Weng Pio considera que só no tribunal se vão apurar as verdadeiras responsabilidades do caso. “Quero que os proprietários intentem as acções judiciais o mais rápido possível, para que se possam apurar as culpas e as responsabilidades

pelo incidente, através da justiça da RAEM.” O construtor – da Companhia de Engenharia e Construção Weng Fok Limitada – acrescenta não concordar nem com este, nem com o primeiro relatório feito aos pilares do Sin Fong Garden, que apontavam para a

fraca qualidade do cimento de quatro pilares, tendo inclusive manifestado o seu desacordo junto da Comissão de Investigação das Obras Públicas. Ho Weng Pio diz que quer numa “avaliação correcta e verdadeira” às causas do incidente.

prietários dos apartamentos levaram um caixão para a reunião com o Governo, de onde saíram directos para a Rua do Patane. Ontem, e até à hora do fecho desta edição, os moradores manifestavam-se novamente em frente ao Sin Fong, dizendo que “como o Governo não classificou o edifício como estando em risco, querem regressar imediatamente a casa”. Os moradores disseram ainda ao HM que foram informados que teriam de ser os responsáveis pelo pagamento da reconstrução do prédio, mas que nem sabiam ainda quanto seria. E não querem. “A companhia de construção é que deveria pagar a reconstrução do prédio.” As tendas voltaram também ao local, bem como a promessa de acampar no Patane.


sociedade 7

hoje macau sexta-feira 11.4.2014

CECÍLIA LIN

cecilia.lin@hojemacau.com.mo

JOANA FREITAS

joana.freitas@hojemacau.com.mo

A

Polícia Judiciária (PJ) anunciou na quarta-feira ter detido o gestor do site ‘Wonderful World’, cujo objectivo era dar a conhecer alegados jogadores com dívidas aos casinos de Macau. Segundo o que foi explicado ao HM pela PJ, Choi Kei Ian, o gestor do site, foi preso por “não ter cumprido a obrigação de proteger os dados pessoais”. O caso, assegura a PJ, já foi transferido para o Ministério Público (MP) e Choi, que tem 41 anos, pode ser punido com pena até um ano de prisão ou multa de 120 dias. O ‘Wonderful World’ foi um site criado para divulgar informação pessoal sobre alegados devedores ao público, de forma a fazer com que estes paguem as suas dívidas aos casinos de Macau. O site está em funcionamento há quase um ano e indica que a maioria dos alegados devedores são da China continental, mas faz

PJ DETEVE GESTOR DO SITE ‘WONDERFUL WORLD’

Os dados estão lançados

também publicidade a áreas de entretenimento e jogo em Macau. Pelo que foi possível analisar ao HM, há pessoas de Hong Kong e da RAEM também com alegadas

dívidas, ainda que ninguém de departamentos governamentais. De acordo com a imprensa local, em notícias avançadas o ano passado, Charlie Choi Kei Ian, o responsável do site, já tinha referido que tentar que os jogadores paguem as dívidas através de meios legais é quase inútil, mas que, através da publicação das informações das pessoas, já se conseguiu recuperar mais de 20 milhões patacas dois meses após a criação do site. Ao que o HM apurou, o site ainda continua activo – e não está registado em Macau -, mas a PJ assegura que está a acompanhar o caso, estudando as fontes de informação do site. Até agora, as autoridades ainda não detectaram nenhum dos alegados devedores e diz acreditar que

os clientes expostos são todos das salas VIP. Desde o ano passado, o site já conseguiu resolver mais de 500 casos, conseguindo recuperar cerca de 200 milhões de patacas.

INVESTIGADO DESDE OUTUBRO

O HM quis saber a razão da demora na investigação, uma vez que Choi sempre assumiu ser o gestor do site, inclusive à imprensa – deu entrevistas ao Apple Daily, à MASTV e falou com a imprensa local -, mas a PJ não explicou a demora. Também o Gabinete de Protecção de Dados Pessoais (GPDP) descartou mais informações para a justiça. “O caso envolve investigação criminal que está fora das competências deste Gabinete, que já instaurou um processo de investigação sobre o caso e não se pode pronunciar sobre um caso em

AVARIA NA COMPORTA ORIGINA REDUÇÃO DAS ÁGUAS DO LAGO SAI VAN

“Parece que está ao abandono” ANDREIA SOFIA SILVA

andreia.silva@hojemacau.com.mo

O

Lago Sai Van, na zona da Meia Laranja, tem vindo a sofrer uma redução das suas águas, desde que, em Janeiro, houve uma avaria na comporta que permite a entrada de águas do exterior e que garante a renovação do fluxo das águas. A garantia foi dada ao HM pelo Instituto para osAssuntos Cívicos e Municipais (IACM), que disse estar a tentar controlar a situação. “Face a esta inesperada situação, não nos foi possível levantar manualmente a comporta, razão por que nos vemos na impossibilidade de regular a entrada das águas do mar para o reabastecimento do lago. Esta é a causa dessa descida visível.” Para já, o IACM garante já deram início ao processo de “consulta escrita”, com vista à realização de obras de reparação da comporta, as quais deverão realizar-se ainda este ano. “A comporta entrou em funcionamento há mais de dez anos e o fabricante deixou de produzir os modelos das peças sobresselentes principais. Estamos de momento a contactar o fabricante, para que procure encontrar produtos alternativos e a respectiva solução”, garante ainda o IACM.

O HM questionou ainda a Direcção dos Serviços de Protecção Ambiental (DSPA) sobre a manutenção do lago e as queixas dos moradores. Mas o organismo remeteu explicações para o IACM, por ser o responsável pela limpeza das águas.

LODO E MAUS CHEIROS

Apesar do IACM garantir que todos os dias são removidas algas marinhas e lixo acumulado no lago, com a limpeza do lixo envolvente duas vezes por dia, a verdade é que os moradores poucos resultados vêm dessa acção do IACM. Diane Aguiar conta ao HM que “há uma quantidade enorme de ratazanas e cheira mal, porque há muito lodo acumulado”. “O nível da água do lago desceu imenso. A situação devia ser rapidamente resolvida,

porque o lago parece que está ao abandono. Está a tornar-se num local desagradável, o que é uma pena, porque devia ser um espaço preservado”, disse ao HM. Inês Branco, outra das moradoras, fala mesmo de uma “questão de saúde pública”. “De facto notei que, em relação ao ano passado, o nível das águas baixou muito. Gostava de saber porque é que ainda não foi resolvido. Há maus cheiros. Deveriam reparar rapidamente o nível normal da água, porque em termos de saúde pública é perigoso, porque há muitas pessoas que vão para ali passear e fazer exercício. Com a descida das águas, também vão haver mosquitos.” “Não sei se não haverá uma intenção de acabar com o lago, tendo em conta as muitas construções que têm sido feitas”, remata Inês Branco.

procedimento nos termos da lei”, referiu uma porta-voz do organismo ao HM, sem responder porque demorou tanto tempo o caso a ser investigado. As autoridades foram alertadas para uma eventual infracção à Lei de Protecção de Dados Pessoais em Outubro e a PJ descobriu, posteriormente, que o servidor do site é em Singapura e o nome está registado nos Estados Unidos. Choi foi detido num apartamento da Areia Preta e a PJ informou que o suspeito se recusou a cooperar com a polícia. Até ontem, o Facebook ainda foi actualizado com informações de alegados devedores, sendo que o site ainda se mantém com mais de 200 pessoas na lista, onde se incluem as fotos, a quantidade da dívida e o contacto da fonte que pode negociar a dívida. Choi ainda disse ao Macau Daily Times o ano passado que os jogadores cujas informações são postas online eram “bem-vindos a apresentar queixa” e que ele estaria pronto a recompensá-los no caso de terem razão.

Mulher obrigada a deixar edifício ocupado ilegalmente

O Tribunal de Última Instância (TUI) negou o recurso de uma mulher que ocupava ilegalmente um terreno em Coloane. A recorrente queria provar ser a verdadeira proprietária de um edifício num terreno na zona dos jardins de Cheoc Van. Mas depois de dois recursos apresentados ao tribunal, não conseguiu provar a sua versão dos factos. O caso remonta a 2011, quando a Direcção dos Serviços de Solos, Obras Públicas e Transportes (DSSOPT) emitiu um relatório que ordenava a desocupação do terreno e da encosta junto ao edifício no prazo de 30 dias, bem como “a demolição e desocupação dos edifícios informais”. Nessa altura, a recorrente recorreu, pela primeira vez, da decisão, algo que foi negado pelo Tribunal de Segunda Instância (TSI) em Dezembro do ano passado. A mulher decidiu recorrer uma segunda vez para o TUI, por considerar que ocupava o terreno “há mais de dez anos e de forma pacífica e notória”, para além de considerar que se tratava de um parte do terreno “que a Administração classifica como sendo público (sendo que) uma parte de um prédio urbano que, manifestamente, é propriedade de um particular”. Contudo, o TUI acabou por decidir, segundo o acórdão, que “não se provou que a recorrente tinha a posse do direito de propriedade do terreno durante mais de dez anos. Mas ainda que se tivesse provado, não se vislumbra a que titulo é que tal posse pudesse converter-se em direito de propriedade”.


8 sociedade

hoje macau sexta-feira 11.4.2014

BARES DE MACAU

A verdadeira lista PEDRO LYSTMANN

ADRIAEN BROUWER, O MESTRE DA BEBIDA

Saiu, no passado dia 8 de Abril, um texto sobre balcões de bares de hotel em Macau. A ele se acrescentou uma lista com duas ou três imprecisões. O texto aqui presente remove-as e apresenta uma classificação de bares (o texto era sobre balcões) mais completa. Lembre-se que não existe em Macau, em nenhum hotel, um único bar que se distinga pela ousadia ou excelência do seu desenho. Lembre-se igualmente que estão em construção, na zona do Cotai, várias casas de vício. A sua inauguração fará certamente alterar esta classificação.

1. WHISKEY BAR, HOTEL STAR WORLD

Balcão longo, bebidas generosas, excelente varanda, uma geografia variada, staff simpático e competente, único bar de Macau em que há uma clientela habitual e ruidosa. Contras: decoração banal.

2. LAN, HOTEL CROWN TOWERS

Uns janelões muito generosos, bom serviço, desenho cuidado, pé direito altíssimo. Por vezes tem pianistas japonesas. Muito vinho. Contras: não tem balcão. Para algumas pessoas ou desígnios poderá ser demasiadamente aberto ao lobby do hotel.

3. MACALLAN, COMPLEXO GALAXY

Excelente serviço, boas bebidas, balcão único, curvo, confortável. Invejável lista de uísques. Contras: temática deslocada em Macau, com lareira.

4. BAR AZUL, HOTEL FOUR SEASONS

Expressa desejo por um desenho próprio, boas bebidas, bom para um encontro íntimo, injustamente desconhecido. Contras: muito vazio, ambiente triste.

5. CRYSTAL PIANO BAR, GALAXY

Tem balcão convidativo e vista junto dos seus janelões, staff muito acolhedor, bom para ida discreta. Saketinis amorosos. Contras: a decoração é pacóvia.

6. CONVÍVIO AGRADÁVEL, HOTEL SOFITEL PONTE 16

Excelente serviço, bebidas de qualidade. Não é longe do centro e tem 2 mesas com vista para a Avenida Almeida Ribeiro. Contras: coitadinho, é tão feioso que é quase cómico.

7. WINDSOR, HOTEL NEW EMPEROR

Tem um longo balcão, localização imbatível, no centro da cidade. Contras: tem 1 ano e parece que tem 10, decoração inspirada no Centro Comercial Imaviz, em Lisboa.

8. CRISTAL, HOTEL WYNN ENCORE

Desenho próprio, sofás confortáveis, excelente ginger margarita. Tem um candelabro do século XIX. Contras: freguesia, demasiado aberto ao exterior.

é piroso. Contras: não tem balcão, tem problemas de iluminação.

11. CINNEBAR, HOTEL WYNN

Tem espaço exterior, staff competentíssimo, boas bebidas. Contras: freguesia, demasiado aberto ao corredor do hotel que o acolhe.

12. JAYA, HOTEL SHERATON

Junto a uma piscina, ar livre, Contras: sem nada de próprio, igual a milhares por todo o mundo.

13. LYON’S, HOTEL MGM

Pouco que se recomende para lá de ter um balcão enorme e ser relativamente central. Contras: quase tudo.

9. VIDA RICA, HOTEL MANDARIN

Boa qualidade de serviço, fica num dos 2 hotéis de Macau que não é piroso, tem vista e sofás muito confortáveis. Contras: construído em profundidade torna-se desconfortável navegá-lo. É irritante, ninguém sabe porquê.

10. 38 LOUNGE, HOTEL ALTIRA

Tem vista e varanda, exibe vontade de mostrar desenho, fica num dos 2 hotéis de Macau que não

Ps.: Já me foi sugerido que incluísse referência ao Bellini, sito no Hotel Venetian, mas confesso que tenho dificuldade em considerar este barracão um bar. Falta apreciar um bar: o Sakazuki Sake Bar, Galaxy.


CHINA

hoje macau sexta-feira 11.4.2014

2014 Exportações chinesas caíram 3,4%

FÓRUM BOAO PRIMEIRO-MINISTRO DESCARTA HIPÓTESE DE FORTES MEDIDAS DE ESTÍMULO

As exportações chinesas diminuíram 3,4% no primeiro trimestre de 2014 e as importações subiram 1,6%, reduzindo o excedente comercial para cerca de 121 mil milhões de patacas, foi ontem anunciado. De acordo com a Administração-Geral das Alfândegas da China, no conjunto, entre Janeiro e Março, o comércio externo da China caiu 1,6% em relação a igual período de 2013, para cerca de 75 mil milhões de dólares de patacas. A queda foi especialmente acentuada no mês passado, quando as exportações e importações diminuíram 6,6% e 11,3%, respectivamente. O porta-voz da Administração-Geral das Alfândegas Chinesas, Zheng Yuesheng, desvalorizou os dados do ultimo trimestre, afirmando que “o comércio externo da China recuperará em Maio”. O Governo chinês preconizou para 2014 um crescimento de 7,5% no comércio externo, igualando o aumento registado no ano passado.

Aprovadas negociações entre bolsas de Xangai e HK

9

A Comissão Reguladora de Activos Mobiliários da China (CSRC, na sigla em inglês) permitiu uma parceria para que os investidores possam negociar acções tanto na Bolsa de Xangai como na Bolsa de Hong Kong. Em comunicado emitido ontem, o regulador informou que os investidores de Hong Kong poderão comprar um número limitado de acções de empresas de grande capitalização em Xangai, enquanto os investidores chineses poderão negociar blue chips listadas em Hong Kong. Os investidores de Hong Kong serão limitados a comprar acções pertencentes ao índice Xangai 180 e o Xangai 380, bem como papéis de empresas listadas nas duas bolsas. Terão uma quota total de cerca de 280 mil milhões de patacas e uma quota diária de cerca de 15 mil milhões de patacas. Já os investidores de Xangai estarão restritos a uma quota total de cerca de 320 mil milhões de patacas e uma quota diária de cerca de 18 mil milhões de patacas, mas o regulador limitou estas compras a investidores institucionais e investidores individuais com um saldo mínimo de cerca de 500 mil patacas na conta. A mudança faz parte de uma aguardada reforma na conta de capital da China. Os planos iniciais para esta alteração surgiram em 2007, mas perderam força por oposição do governo chinês, que mostrava alguma incerteza sobre o impacto nos preços dos activos domésticos. O anúncio de ontem segue em conformidade com as decisões anunciadas após a reunião do Partido Comunista em Novembro do ano passado.

Devagar se vai ao longe

Li Keqiang anunciou com tranquilidade que o governo chinês está mais focado na saúde da economia a médio e longo prazo, dando especial atenção à criação de empregos

O

primeiro-ministro da China, Li Keqiang, descartou a hipótese de fortes medidas de estímulo. “Não aplicaremos fortes políticas de estímulo de curto prazo por causa da volatilidade temporária no crescimento económico”, disse Li Keqiang, no seu discurso, no sul da China. Li reforçou que o governo agora está mais focado na saúde da economia a médio e longo prazo e lembrou que o objectivo de 7,5% no Produto Interno Bruto (PIB) para este ano é flexível, sendo a criação de empregos a principal prioridade. Durante o discurso, o primeiro-ministro afirmou que a China tem registado um início de ano estável, com algumas mudanças positivas na economia. Li tentou também acalmar os ânimos do mercado dizendo que o governo chinês possui políticas de reserva para lidar

nhando que a China continua a defender o desenvolvimento pacífico nas políticas diplomáticas de vizinhança e a salvaguarda da soberania territorial.

com todos os riscos que se podem apresentar à economia. O primeiro-ministro chinês, defendeu”três comunidades” para a construção de uma Ásia pacífica, próspera e aberta: uma comunidade de interesses da Ásia, uma comunidade da vida asiática e uma comunidade de responsabilidade da Ásia que

salvaguarde o ambiente e o desenvolvimento pacífico. Segundo Li, perante a globalização económica, o desenvolvimento dos países asiáticos depende da cooperação e dos benefícios recíprocos. Os países devem transferir a complementaridade económica em prol do desenvolvimento, disse, subli-

CRESCIMENTO DE 7,5% SERÁ ALCANÇADO O ex-economista chefe do Banco Mundial, Justin Yifu Lin, reiterou na quarta-feira a sua confiança na economia chinesa, dizendo que o país será capaz de realizar a sua meta de 7,5% para o crescimento económico apesar das preocupações de curto prazo. Optimista com o crescimento chinês com uma visão de longo prazo, Lin disse que ainda existe grande potencial na transformação industrial e construção de infra-estruturas do país para obter lucros consideráveis. A baixa taxa de dívida, cerca de 40%, oferece espaço para políticas fiscais proactivas, e grandes valores de depósitos privados e reservas estrangeiras são condições favoráveis para

o crescimento, disse Lin, actualmente professor da Universidade de Pequim, durante uma sessão no Fórum Boao para a Ásia na Província de Hainão, no sul da China. “Como disse no ano passado, a China possui o potencial de manter um crescimento anual de 8% por mais de 20 anos”, disse Lin. A China estabeleceu uma meta inalterada de 7,5% para o crescimento em 2014 para dar proeminência à sua agenda de reformas, mas até agora uma série de indicadores económicos sugerem que o crescimento chinês no primeiro trimestre pode desacelerar até ficar abaixo da meta referida. A China divulgará o PIB do primeiro trimestre em 16 de Abril.

Li tentou também acalmar os ânimos do mercado dizendo que o governo chinês possui políticas de reserva para lidar com todos os riscos que se podem apresentar à economia Quanto à questão do Mar do Sul da China, a China vai reforçar a cooperação marítima e responder a provocações que ponham em causa a paz e a estabilidade desta região. A paz e a estabilidade do Mar do Sul da China correspondem aos interesses comuns dos países vizinhos, incluindo a China, disse Li Keqiang, explicando ainda que a parte chinesa quer promover o processo de consultas sobre o Código de Conduta no Mar do Sul no quadro da Declaração sobre a Conduta das Partes no Mar do Sul da China. O objectivo é salvaguardar a paz, a estabilidade e a liberdade de navegação no Mar do Sul da China, concluiu o primeiro-ministro.

PUB

DECLARAÇÃO ANÚNCIO

Faz-se saber que em relação ao concurso público n.o 4/P/14 para «Prestação de Serviços de Vigilância ao Centro Hospitalar Conde de S. Januário», publicado no Boletim Oficial da Região Administrativa Especial de Macau n.º 12, II Série, de 19 de Março de 2014, o conteúdo do “Programa de Concurso” anexado ao processo do concurso está inexacto. As respectivas rectificações encontram-se disponíveis para consulta durante o horário de expediente na Divisão de Aprovisionamento e Economato dos Serviços de Saúde, sita na Rua Nova à Guia, n.º 335, Edifício da Administração dos Serviços de Saúde, 1.o andar, e também estão disponíveis no website dos S.S. (www.ssm.gov.mo). O prazo para entrega das propostas no âmbito deste concurso público, foi alterado das 17,45 horas do dia 17 de Abril de 2014 para as 17,45 horas do dia 24 de Abril de 2014. A data de abertura das propostas foi alterada para o dia 25 de Abril de 2014, pelas 10,00 horas, na sala de «Reuniões» do Edifício da Administração dos Serviços de Saúde, sita na Rua Nova à Guia, n.o 335, 3.o andar. Serviços de Saúde, aos 9 de Abril de 2014. O Director dos Serviços Lei Chin Ion

Eu, CHONG WAI CHENG, detentora do BIR de Macau nº 7368729(5) e proprietária da licença de Médica Dentista D-0049, declaro que não tenho contacto há mais de 10 dias com a cidadã de Macau 關玉梅, depois de esta não ter completado o tratamento de implante dentário que estava a realizar na minha clínica. Mais, declaro que nem eu, nem os funcionários desta clínica, têm qualquer responsabilidade em eventuais futuras complicações médicas que a cidadã關 玉梅, venha a ter no futuro. Macau, 11 de Abril de 2014.

CHONG WAI CHENG


10 china

hoje macau sexta-feira 11.4.2014

TAIWAN CHINA CRITICA POSIÇÃO DESESTABILIZADORA DOS EUA NA REGIÃO

As armas não estão em boas mãos A Câmara dos Representantes dos Estados Unidos aprovou recentemente um projecto que visa “afirmar a importância das relações entre EUA e Taiwan e vender navios militares para Taiwan”. O porta-voz do Ministério de Defesa Nacional da China, Geng Yansheng, anunciou que a China se opõe firmemente à venda norte-americana de armas para Taiwan. O ministro chinês da Defesa, Chang Wanquan, reuniu-se com o seu homólogo dos EUA Chuck Hagel nesta terça-feira. Geng anunciou que a posição chinesa em relação a este assunto é consistente, firme e permanente. Para o governo chinês, a venda de armas dos EUA para Taiwan viola os princípios de três comunicados conjuntos sino-americana e interfere nos assuntos internos da China.

Os dois países estão a estabelecer uma nova forma de relações entre potências e também de relações militares, que vai ao encontro dos interesses fundamentais e

OMC China apela contra EUA

A

China apresentou um pedido à Organização Mundial de Comércio (OMC) contra uma emenda da lei de imposto dos EUA, anunciou esta quarta-feira o Ministério do Comércio da China. O pedido feito na terça-feira em Genebra procura reverter uma decisão tomada pelo painel da OMC, que indicou que a Lei GPX 2012 dos Estados Unidos estava em conformidade com regras da OMC. Esta ratificou de forma retroactiva as medidas anti-subsídios dos EUA sobre países de economia que não seja de mercado. Na verdade, as investigações anti-subsídios realizadas pelos Estados Unidos sobre produtos chineses foram iniciadas em 2006 sem base legal. Considerando que a lei viola regras da OMC, a China entrou em 2012 no mecanismo de resolução de disputas da OMC. Em 27 de Março, um painel da OMC julgou que os EUA não investigaram se havia subsídios duplos em 25 procedimentos paralelos de impostos compensatórios (CVD, na sigla em inglês) e antidumping iniciados entre 2006 e 2012 contra importações da China, e por isso violaram regras da OMC. O Ministério do Comércio da China acredita que os impostos CVD e antidumping e a Lei GPX são subsídios duplos contra exportações da China.

de longo prazo dos dois lados, assim como com a paz e a estabilidade duradouras na região Ásia-Pacífico e no mundo, referiu a parte chinesa.

Nesse contexto, o projecto dos EUA vai influenciar o desenvolvimento das relações bilaterais, ponderou o ministro Chang Wanquan, de acordo com o jornal

chinês, em língua inglesa, China Daily. Apesar disso, Chang saudou “o grande progresso alcançado nas relações militares bilaterais desde

o ano passado”, notando que os dois lados deveriam aumentar o diálogo e a comunicação, com respeito aos interesses centrais e preocupações mútuas. Além de expressar insatisfação veemente com o projecto da Câmara dos EUA sobre a venda de navios militares a Taiwan, o ministro referiu-se também a afirmações falsas e acções desencadeadas pelos Estados Unidos, recentemente, em relação às Ilhas Diaoyu e ao Mar do Sul da China, em que disputas com o Japão – embora esclarecidas por diversos especialistas no sentido da soberania chinesa sobre a região – “são abordadas incorrectamente” pelas autoridades americanas. O ministro pediu a Hagel que os EUA corrijam os seus erros e protejam a paz regional e a estabilidade com acções concretas, e disse que as autoridades americanas devem reconhecer a alta complexidade e sensibilidade dos assuntos mencionados, além de respeitar a posição e as preocupações da China.

PORTUGAL PEQUIM INVESTIU 80 MIL MILHÕES DE PATACAS NOS ÚLTIMOS DOIS ANOS

Os amigos são para as ocasiões P ORTUGAL já recebeu 80 mil milhões de patacas de investimento chinês nos últimos dois anos, afirmou esta quarta-feira o secretário-geral do PSD, Matos Rosa, no final de um encontro com o embaixador da China, em Lisboa. “Passámos em retrospectiva os investimentos chineses, nos últimos dois anos as empresas chinesas investiram mais de 80 mil milhões de patacas num momento importante para Portugal, que precisava de investimento naquele momento”, disse quarta-feira o dirigente social-democrata à Lusa, no final de uma reunião solicitada pelo embaixador da China em Portugal, Huang Songfu. “Foi uma visita de cortesia, inserida no âmbito das reuniões que o PSD tem regularmente com embaixadores em Portugal”, acrescentou Matos Rosa, anunciando que, em Junho, Portugal vai receber a visita de “um alto dirigente chinês, o quinto na hierarquia do Partido Comunista, que se insere no âmbito da rotatividade de visitas, e que é importante para acelerar esta cooperação comercial e de amizade entre Portugal e a China”.

“Damos lições ao mundo global em termos de cooperação política e global, como por exemplo no caso de Macau. Portugal precisou de ajuda e de credibilidade externa e o que embaixador transmitiu [na reunião de quartafeira, na sede do PSD, em Lisboa], é que a China acredita em Portugal...” MATOS ROSA

Questionado sobre os sectores onde as empresas chinesas mais mostraram interesse, Matos Rosa respondeu que, “numa primeira fase, o investimento chinês foi mais direccionado para o sector financeiro, mas agora estão a fazer apostas noutras áreas, como a agricultura, as transformações, os lacticínios e vinhos, que são áreas muito importantes para os produtores e empresários e nas quais o PSD e o embaixador tudo farão para apoiar e ajudar os empresários e produtores”.

A aposta das empresas chinesas na banca, primeiro, e no sector produtivo, agora, é encarado como o início de uma cooperação mais vasta, acrescentou Matos Rosa: “Primeiro houve uma fase de aposta no sector financeiro, agora é mais no sector produtivo, agricultura, instalação de fábricas privadas chinesas, aliás, já há duas no norte do país na área dos moldes e das cobertura para prédios e fábricas, e isto é o pontapé de saída para outras empresas chinesas se instalarem em Portugal e criarem emprego português, que é muito importante nesta fase”, enfatizou o secretário-geral do PSD. “Damos lições ao mundo global em termos de cooperação política e global, como por exemplo no caso de Macau. Portugal precisou de ajuda e de credibilidade externa e o que embaixador transmitiu [na reunião de quarta-feira, na sede do PSD, em Lisboa], é que a China acredita em Portugal e que o país está no bom caminho para superar a crise, “, concluiu Matos Rosa.


china 11

hoje macau sexta-feira 11.4.2014

VENDA DE CONHAQUES EM QUEDA

Quando a China espirra... O S primeiros três meses de 2014 foram mais positivos para marcas como a Louis Vuitton ou Christian Dior do que para a Möet Chandon e a Hennessy, segundo revelam as contas da LVMH. A LVMH Moët Hennessy Louis Vuitton verificou uma melhoria do volume de negócios nos primeiros três meses do ano. Uma subida que não foi suficiente para superar as estimativas dos analistas. A responsável foi a área de bebidas, prejudicada pela quebra de vendas na China. 
 “O grupo de Vinhos e Bebidas Espirituais registou uma descida de 3% na receita orgânica [numa base comparável, 8% em termos reais] no primeiro trimestre de 2014, uma tendência explicada pelo desempenho do conhaque na China”, explica o comunicado com as receitas

divulgado esta quarta-feira, 9 de Abril. As empresas de distribuição reduziram os inventários de conhaque (o que afectou várias marcas) após o presidente Xi Jinping ter pedido que, como relembra a Bloomberg, se gastasse menos com banquetes e prendas. Além disso, teme-se que a China comece a viver um

período de forte abrandamento económico face aos últimos anos. Apesar deste desempenho da área de negócio, que engloba o conhaque Hennessy ou as marcas de champanhe Moët Chandon ou Dom Pérignon, as vendas da empresa LVMH subiram 4% para os 7.206 milhões de euros. Foi precisamente a área de vinho que fez com que o valor ficasse aquém dos 7.400 milhões estimados pelos analistas consultados pela agência de informação Bloomberg.  Em termos regionais, a companhia francesa sublinha que registou crescimento nos Estados Unidos e na Ásia (com destaque para o Japão). Na Europa, o negócio conseguiu aguentar-se “num ambiente económico ainda complicado”. Nesse sentido, será mantido “um forte controlo nos custos”.

HOMEM FAZ MULHER REFÉM COM UM CUTELO

Um homem fez uma mulher refém na China esta terça-feira usando um cutelo no meio de uma rua em Kunming, cidade da província de Yunnan. A polícia conseguiu resgatar a refém e deteve o homem após negociações que duraram cerca de uma hora. Ainda assim, segundo a imprensa local, não foi claro qual foi o motivo que levou o homem a ameaçar a mulher, que se manteve calma, com o utensílio de cozinha cortante.

PUB

Comissão de Assuntos Eleitorais do Chefe do Executivo AVISO Request for Proposal - Duty Free Services Subconcession at Macau International Airport 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7.

8.

9.

Company: Macau International Airport Company Limited (CAM). Tendering method: Open tender. Tender objective: To select TWO bidders to operate the Duty Free Services Subconcession at Macau International Airport. Location and size: Approximately 1,122 m2 (Option A) and 1,130m2 (Option B) at the airside of the departure level of Macau International Airport. Validity of the Bidders’ tenders: The validity period of the Bidders’ tenders shall be 180 days counting from the deadline for submission of proposals. Minimum qualification: For details, please refer to Page 11 of the RFP. Location and time to request tender documents: Macau International Airport Company Limited (CAM) 4th Floor, CAM Office Building, Avenida Wai Long, Taipa, Macau S.A.R. Monday to Friday (except holidays) 9:00a.m-1:00p.m and 2:30p.m to 5:30p.m until the deadline for submission of Bidders’ tenders, or to download through www. macau-airport.com and www.camacau.com Location and deadline for submission of Bidders’ tenders: Macau International Airport Company Limited (CAM) 4th Floor, CAM Office Building, Avenida Wai Long, Taipa, Macau S.A.R. 12:00 noon of 3 June 2014. Tender evaluation criteria: Experience and Qualifications 150 points Customer Service 200 points Financial 340 points Marketing and Operation Plans 160 points Design and Proposed Capital Investment 150 points ----------------------------------------------------------------------------------Total 1,000 points

Para os procedimentos das eleições dos membros da Comissão Eleitoral do Chefe do Executivo poderem desenvolver-se condignamente, as pessoas colectivas eleitoras interessadas nesses procedimentos devem, antes do termo das horas de expediente de 5 de Maio, entregar, junto do balcão de atendimento dos assuntos eleitorais, sito na Rua do Campo, n.º 162, Edifício Administração Pública, o Boletim de Registo do Representante que assina o Boletim de Propositura, e entregar, antes do termo das horas de expediente de 20 de Maio, o Boletim de Inscrição da Relação dos Votantes de Pessoa Colectiva e a Declaração de Aceitação do Exercício do Direito de Voto em Representação da Pessoa Colectiva. Os respectivos impressos podem ser descarregados da página electrónica da Eleição do Chefe do Executivo: www.ece.gov.mo, ou obtidos junto do local acima referido. Os interessados em candidatar-se às eleições dos membros da Comissão Eleitoral do Chefe do Executivo podem, a partir de 14 de Abril, obter, junto do local acima referido, o Boletim de Candidatura como Participante às Eleições dos Membros da Comissão Eleitoral do Chefe do Executivo e entregá-lo entre 7 e 20 de Maio. Horas de expediente: De segunda à sexta, das 9H00 às 18H00 (sem intervalo). Para mais informações, queira consultar através do telefone n.º 8866 8866, ou aceder à página electrónica da Eleição do Chefe do Executivo: www.ece.gov.mo. A Presidente Song Man Lei 11 de Abril de 2014


12 publicidade

hoje macau sexta


EVENTOS

a-feira 11.4.2014

U

M espólio contendo desenhos e manuscritos inéditos do naturalista Francisco Arruda Furtado, famoso cientista português que manteve correspondência com Charles Darwin, foi descoberto numa gaveta do Museu de História Natural de Lisboa. É uma descoberta “sem precedentes o conjunto fabuloso de desenhos e manuscritos” de Francisco de Arruda Furtado, originário dos Açores, afirmou Marta Lourenço, coordenadora da equipa de investigadores que analisa o espólio encontrado, citada pela Agência Lusa. A obra documental, que cruza áreas diversas, desde História, Malacologia (ramo da Biologia que estuda moluscos) e Antropologia, estava fechada à chave numa gaveta da biblioteca, na sala do Conselho Escolar, onde durante quatro séculos de existência do museu sempre se reuniram os professores da antiga Escola Politécnica portuguesa, pertencente à Universidade de Lisboa. Francisco Arruda Furtado, tido como um dos maiores naturalistas portugueses de todos os tempos, trabalhou cerca de três anos no Museu Nacional de História Natural e da Ciência, a partir de 1884, antes de morrer, aos 33 anos, em Junho de 1887, deixando uma produção científica muito activa para a época. A equipa de investigadores que analisa os documentos agora descobertos ignora a data em que o material entrou no museu, mas acredita que o mesmo tenha escapado ao incêndio que atingiu o edifício em 1978.

DESCOBERTO ESPÓLIO DO ÚNICO PORTUGUÊS QUE SE CORRESPONDEU COM DARWIN

Uma mina para a História

Há anos o museu descobriu correspondência entre Arruda e Charles Darwin, o naturalista britânico que defendeu a teoria da evolução das espécies através da selecção natural. Para analisar o espólio, o museu criou uma equipa multidisciplinar, composta por historiador, conservadores, restauradores, arquivistas,

ilustrador científico e especialistas ligados à parte digital, por considerar que a descoberta “é mais do que um conjunto de desenhos”, aliás, são “conjuntos coerentes de desenhos com documentação”, referiu Marta Lourenço à Lusa. “Isso no conjunto é uma mina para a História. Apesar de esta casa

ter tido muita gente famosa, não sei se temos aí mais algum espólio pessoal como este pertencendo a um biólogo com esta vida tão singular e com uma coerência tão grande”, afirmou Marta Lourenço. “Temos muitos textos inéditos. Por exemplo, tenho um que é “Teorias e Práticas da Biologia para os

COMPANHIA DE TEATRO DE HONG KONG EM JUNHO NO CCM COM “ A ILHOTA”

Ondas de compaixão O Centro Cultural de Macau apresenta no dia 28 de Junho, pelas 20:00h, no palco do Pequeno Auditório, “A Ilhota”, uma peça romântica pelo Theatre du Pif de Hong Kong. A peça conta a história de um homem e de uma mulher que se conhecem numa ilha remota, e como o passado e o presente se confundem quando estão juntos. Mas chega o dia em que os dois devem decidir o que fazer dos seus destinos, informa o comunicado de imprensa da organização. “A Ilhota” é uma nova interpretação de uma peça escrita por Paul Poon, dramaturgo de Hong Kong cinco vezes vencedor do galardão para Melhor Guião pelos Prémios de Teatro de Hong Kong. Plena de humor

13

e ternura, a peça de Poon lança um olhar de compaixão e cepticismo sobre a ideia de amor duradouro, acrescenta a nota de imprensa. Conhecido pela suas produções bilingues e transculturais, o Theatre du Pif tem produzido peças em colaboração com dramaturgos e artistas de diversas áreas, levando ao palco uma fusão de movimento, texto e imagens, criando espectáculos intensos e poéticos. Depois de ter levado ao palco do CCM as peças “Faz-me Dançar Até ao Fim do Amor” e “Amanhecer”, apresentadas respectivamente em 2007 e 2009, a companhia está de regresso a Macau para apresentar ao público “A Ilhota”. Os bilhetes estarão à venda a partir de 13 de Abril.

liceus de Arruda Furtado”, disse, por outro lado, Alda Namora, arquivista do Museu, que apontou a obra nunca publicada como eventual “contributo aos alunos portugueses daquilo que se ensinava lá fora, a nível de ciências da Biologia”. Uma cópia de uma carta que José Vicente Barbosa do Bocage, então político português e curador de zoologia do Museu de História Natural de Lisboa, “enviou para o Ministério do Reino a pedir a colocação dele (Arruda Furtado) aqui no Museu”, e um peixe desenhado ao contrário - de direita para esquerda, que “demonstra que Arruda teve uma formação de desenho” - também estão entre os achados, assinalou Alda Namora. Falando à Lusa, Vítor Gens, o arquivista que descobriu a pasta empoeirada num lugar onde “era pouco provável que houvesse manuscritos”, disse acreditar que os documentos tenham sido guardados durante uma reunião.

Romance de estreia de Pedro Rui Sousa amanhã na Livraria Portuguesa

A

Livraria Portuguesa vai ser no próximo sábado, pelas 18:30, o palco de apresentação do primeiro livro de Pedro Rui Sousa, “Sem Água não existem ilhas”. Pedro Rui Sousa nasceu em 1982. Natural de Espinho, acumulou vontades e cidades. Foi hoquista, aspirante a astrónomo, mas licenciou-se em Economia e trabalha há alguns anos em gestão de Marketing. Actualmente reside em Macau. A Literatura e o Cinema são aventuras que se tornaram rotinas. Os livros e os filmes privilégios que se tornaram obrigatórios. Em 2013, aproveitou a mudança de continente para uma primeira experiência literária, informa o comunicado da organização. O seu primeiro romance é uma experiência intimista que convida o leitor a entrar e participar. Um filme escrito,

acrescenta a nota de imprensa. “Sem Água não existem ilhas é uma viagem ao mais íntimo do subconsciente humano, para onde somos guiados pela mão de Pedro Rui Sousa que, numa escrita pungente e ímpar, nos faz questionar sobre os nossos mais básicos instintos e a origem das nossas próprias angústias”, diz a escritora Isolda Brasil.


14 publicidade

hoje macau sexta-feira 11.4.2014


h

15

ARTES, LETRAS E IDEIAS

hoje macau sexta-feira 11.4.2014

Thomas Lim*

FAZER UM FILME EM MACAU: DO GUIÃO ÀS FILMAGENS Capítulo V: Os actores

“Temos de fazer tudo o que for preciso para que a nossa ideia – o nosso filme – funcione”

M

UITA gente diz que o guião é o elemento que mais importa quando toca a fazer filmes. Eu acrescentaria que os actores que escolhemos para os nosso filmes são tão importantes quanto o guião. Porquê? A razão é simples: se tiver um guião espectacular, mas actores que são maus, os espectadores não vão conseguir seguir a sua história cinco minutos após o início, simplesmente porque as performances não são credíveis. Faça sempre um teste em frente da câmara dos seus potenciais actores, porque, muitas vezes, o que lhe parece bom à vista desarmada, nem sempre o é atrás de uma câmara – por vezes, as pessoas ficam estranhas. E o contrário pode acontecer também. O que a câmara vê é sempre mais importante, porque representa o que a audiência vê. É perfeitamente normal fazer castings com actores inexperientes, porque, no fundo, muito do que é representar vem do talento da pessoa. Ainda assim, um actor talentoso pode não ter o nível de um mais experiente e poderá encaixar-se melhor num papel secundário. Contudo, perceba

que a combinação da experiência com o talento não é algo raro, especialmente num sítio onde se tem Hong Kong e outros lugares com indústrias cinematográficas mais maduras como vizinhos. Mas, isso exige mais esforço - e mais dinheiro – para que os consigamos convencer a trabalhar connosco. Este tipo de pessoas são, no entanto, uma boa forma de se ajudar a si próprio com o seu filme. Se conseguir ter um actor com experiência e talento a bordo da sua equipa, isso poderá ajudar tanto o seu filme, como a sua própria credibilidade enquanto director. Actores famosos ajudam constantemente novos directores de cinema, porque o público costuma ir ver um filme por causa dos actores que nele entram – o director ou o guião nunca são o fundamental para a escolha de um filme no que toca aos espectadores. Os grandes patrões do mundo do cinema também estarão mais convencidos a contactar consigo se, pelo menos, um dos actores no seu filme for conhecido, uma vez que, economicamente falando, isso abre a possibilidade de conseguir atingir bons números com a venda de bilhetes. E, ao fim e ao cabo, não seria espectacular ter um actor famoso no cartaz do seu filme? Percebe a ideia, certo?

Para o ‘Roullete City’ fiz muitas audições em Macau e fiz também castings com actores do território para papéis mais importantes. Nestas audições, descobri Annie Loi, que acabou por fazer o papel de uma das duas mulheres principais do filme, ‘Armanda’. Acabei por escolher três mulheres para esse papel, mas, ao ouvir que a Annie Loi tinha como objectivo participar no concurso Miss Macau – que, na altura estava a chegar -, decidi encorajá-la a perseguir o seu sonho fazendo um acordo com ela: prometi-lhe que, se chegasse às finais, lhe dava o papel de ‘Armanda’. E ela conseguiu. Isso deixa-me orgulhoso porque mostra que, tal como a Annie, outros actores do meu filme tinham pouca experiência em representar, mas queriam tanto seguir isto que conseguiram interpretar os seus papéis de forma muito convincente e receberam muito bons comentários. Isto para vos dizer que está absolutamente correcto dizermos que Macau tem muitos actores talentosos, que apenas precisam de alguém que os “guie” e que lhes dê uma oportunidade para mostrarem o que valem. No entanto, a procura por um actor para fazer o papel de ‘Tak’, um homem no ‘Roulette City’, foi bastante complicada.

Consegui quase testar pessoas com nome sonante na área da representação para o papel, mas, por serem bons actores e terem horários complicados, tornou-se muito difícil contratá-los. Cedo também fiquei sem tempo para continuar a procurar. Com o incentivo dos meus produtores e investidores, acabei por concordar ser eu a representar o papel principal. Mas, por isso mesmo, tinha de preparar as cenas muito tempo antes de começarmos as filmagens, de forma a que o director de fotografia e o assistente de director percebesse exactamente o que eu queria, nas alturas em que não estava à frente da câmara. Foi difícil, mas deu certo. Isto só prova que temos de fazer tudo o que for preciso para que a nossa ideia – o nosso filme – funcione. Quando tiver, finalmente, terminado o seu guião, escolhido os seus locais de filmagem, equipa e elenco, está, finalmente, pronto para começar a produção e filmar – esta será a fase mais exaustiva, confusa, desafiadora e, talvez, a parte mais divertida de fazer um filme. Falamos mais disso, no próximo capítulo. * actor, guionista e director do filme “Roulette City”, em exibição nos cinemas


16

h

hoje macau sexta-feira 11.4.2014

José Simões Morais (TEXTO E FOTOS)

BOAO E O CINTO DE JADE

C

OM o tema “Novo Futuro para a Ásia: Identificação de novos motores para o Crescimento”, o Fórum Boao para a Ásia termina hoje em Hainan. Durante quatro dias de encontros, aí se reuniram políticos, homens de negócios, da cultura e da informação, empenhados em promover e aprofundar o intercâmbio económico, coordenação e cooperação dentro da Ásia e entre esta e outras partes do mundo. Para além do anfitrião Li Keqiang, estiveram presentes ainda mais seis primeiros-ministros, da Austrália, Coreia do Sul, Laos, Namíbia, Paquistão e Timor Leste, dois vice-primeiros ministros,

o da Federação Russa e do Vietname, assim como muitos anteriores primeiros-ministros, tendo a França enviado dois. Os chefes do Executivo de Macau e Hong Kong, respectivamente Fernando Chui Sai On e C. Y. Leung, aqui também compareceram. As maiores empresas do mundo enviaram os seus representantes, assim como estiveram presentes académicos e artistas. No entanto, não é sobre este fórum internacional que aqui vamos falar, mas sobre as histórias ligadas a Boao. No distrito de Qionghai, a actual vila de Boao, com 10 mil habitantes, nasceu a partir de uma aldeia perdida na costa Leste da Ilha de Hainan. Foi

em 1992 que, para este paradisíaco lugar junto ao Mar do Sul da China, se começou a idealizar um empreendimento designado Boao Aquapolis. Durante os quatro anos seguintes concebeu-se um grande centro de turismo, planeando-se a sua urbanização e estruturas. Começou a ser construído em 1996, mas os primeiros apartamentos não tiveram grande procura, ficando vazio a maior parte do complexo habitacional até que, em Fevereiro de 2001, o governo chinês aprovou ser aqui a sede do Fórum Boao para a Ásia. Assim o edifício sede da organização internacional de fins não lucrativos composta por 26 países da Ásia e

Oceânia encontra-se na Ilha Dongyu, a mais comprida das ilhas da região. Uma vez por ano, governantes, académicos e homens de negócios dos países que compõem o fórum, aqui se reúnem para trocarem visões sobre muitos dos problemas que afectam uma das áreas com maior desenvolvimento económico do mundo. Esses temas vão desde cooperação, sociedade, integração, ambiente, economia e outros assuntos prementes e pertinentes ligados à actualidade regional e mundial. A vila de Boao encontra-se situada próximo da foz do Rio Wanquan e dista 17 km de Qionghai, a capital de


artes, letras e ideias 17

hoje macau sexta-feira 11.4.2014

distrito e a 105 km de Haikou, capital da província de Hainan. Tem um clima seco entre Janeiro e Março e chuvas fortes entre Agosto e Outubro, quando é ponto de passagem de muitos tufões. Com um comprimento de 162 quilómetros, o Rio Wanquan (Rio Dez Mil Primaveras), o terceiro maior de Hainan, nasce na montanha de Wuzhi e corre turbulento até chegar à capital Qionghai. Depois, daí segue calmamente por entre coqueiro e bananeiras até um pouco antes de desaguar no Mar do Sul da China, onde se encontra com os rios Longgun e Jiuqu. A junção destes três rios acontece num estuário formado devido a uma longa península de areia branca com 8,5 km de comprimento e entre 10 e 500 metros de largura. Conhecida por longo cinto de jade, aí está a praia Yudaitan onde, um lado dá para o estuário e para Leste, o Mar do Sul da China.

RIO DAS DEZ MIL PRIMAVERAS

O nome inicial do Rio Wanquan era Duohe. No período da dinastia Yuan, o filho do imperador Wu Zong (13071311), Tugh Temur, foi deportado para Hainan e ao chegar, um mandarim oficial da zona levou-o a visitar toda a ilha. Como mongol, Temur, familiarizado com as estepes do Norte, ao vislumbrar a luxuriante vegetação ficou apaixonado pelo local. Esquecendo completamente os motivos do seu degredo, logo ali deixou explícito ficar Hainan a ser a sua segunda terra natal. Complementando esse amor à primeira vista, encontrou na ilha a mulher dos seus sonhos, a bela Mei Niang, com quem se casou. Em 1324, o príncipe foi de novo chamado para regressar à capital Dadu (actual Beijing) e os governantes locais, assim como a população, foram-se despedir dele, desejando ao príncipe uma boa viagem: “-Taizi Wanquan” Ora o significado sonoro para Taizi Wanquan (太子, Taizi=príncipe; 万, wan= tudo, ou 10 mil; 全, quan=seguro ou, com o mesmo som 权 quan=poder) podia ter duas interpretações diferentes. Quando juntos, Wanquan (万全) significa completamente seguro, isto é, desejavam para o príncipe uma viagem segura, já que os milhares de quilómetros de caminho até à capital eram muito difíceis. Por outro lado, num sentido escondido, pois não podiam chamar-lhe directamente Wansui (万岁, que designa longa vida e depois passou a significar, Imperador), podia-se entender - príncipe ganhe poder para se tornar imperador. O que veio a acontecer por duas vezes, sendo o Imperador Wen Zong (1328-1329) destronado em 1329 por Ming Zong Di, mas voltou a governar de novo entre 1329 e 1332. Lembrando-se dos felizes tempos

É NESSE CINTO DE JADE, FEITO POR UMA LONGA E ESTREITA PENÍNSULA DE AREIA BRANCA, QUE OS BARCOS, ATRAVESSANDO O ESTUÁRIO, CHEGAM CHEIOS DE TURISTAS CHINESES. passados em Hainan, quando se tornou pela segunda vez imperador, Wen Zong, em 1330 ordenou que o Rio Duo mudasse de nome e assim passou a ser chamado Wanquan he, tendo aqui o carácter quan (泉) o significado de Primavera. Este rio é o único da China cujo nome foi mudado por um impera-

dor. Também promoveu o oficial civil Wang Guan, que o tinha conduzido em viagem ao redor de Hainan, para a posição de Governador de Província.

BOAO 搏鳌, GUAN YIN LUTA COM AO

(Nota: devido à impossibilidade de no computador ter o carácter correcto para este Ao usamos o mais parecido que é 鳌). Boao tinha como antigo significado "luta contra Ao", pois Bo (搏) queria dizer luta e Ao, era o nome da tartaruga mitológica, animal parecido com um dragão, que é um dos netos da Rei Dragão. Actualmente para Bo temos o significa de rico, pleno, abundante e para Ao, grande peixe, que antigamente para a população de Hainan designava tubarão ou golfinho. Como em cima vimos, Boao está situado num estuário onde se juntam três rios, que próximo da foz vão desaguar no Mar do Sul da China. Há uma história neste lugar que fala do Rei Dragão Nanhai, Ao Qin. O Rei-

-Dragão do Mar do Sul tinha uma filha de quem gostava muito e quando ela ficou grávida, ele tomou muitos cuidados com a sua gravidez. No dia em que ela deu à luz, o céu ficou cheio de dragões e fénix, assim como os pássaros chilrearam em conjunto numa grande alegria, tomando o céu e o oceano a cor de ouro. Ao Qin estava ansioso por ver o seu neto e após uma longa espera, quando lhe o mostraram, ficou espantado com o que viu. Aquele estranho animal não poderia ser seu descendente, já que tinham cabeça de dragão, corpo de tartaruga e cauda de quilin. Muito zangado, não querendo acreditar no que via e a matutar no que a sua filha teria feito para trazer ao mundo este estranho ser, desesperado, pegou no cinto de jade e atirou-o para onde se encontrava a sua filha e o neto. Assim construiu uma barreira para não os deixar entrar no mar e separando-os dele, obrigou-os a permanecer em terra. A mãe deu à recém-nascida criatura o nome de Ao (鳌), tartaruga mitológica, perpetuando assim o apelido da família de seu pai e dia e noite implorava ao Rei Dragão do Mar do Sul para que pudessem regressar ao Mar do Sul. Profundamente triste, a filha morreu de desgosto pelo seu pai não reconhecer o neto e não o admitir no seio da família na sua casa, o Mar do Sul da China. Ao, o neto, quando cresceu foi alimentando uma amarga raiva contra o avô e cada vez mais irado, começou a criar grandes ondas no estuário, provocando enormes inundações na povoação, o que fez morrer afogada muita gente. Guan Yin, a deusa da Misericórdia e da Compaixão, quando soube o que estava a acontecer, foi até ao lugar e por 72 vezes (número que significa difícil e longo tempo) lutou contra Ao. Após essas longas e difíceis lutas, ela agarrou em Ao e levou as ondas da água a dividirem-se por três rios. Depois, abrindo o cinto de jade, permitiu que as águas desaguassem para o Mar do Sul. Guan Yin levou então Ao com ela, servindo-se dele como montada. Por isso a vila é chamada Boao. Daí o antigo significado para Boao 搏鳌, Guan Yin luta com Ao, sendo a presente designação para Boao, 博鳌, muitos peixes grandes. É nesse cinto de jade, feito por uma longa e estreita península de areia branca, que os barcos, atravessando o estuário, chegam cheios de turistas chineses. Aí vão passar algumas horas na praia de Yudaitan, onde inúmeros são os divertimentos do seu agrado. Não faltam as viagens em asa delta com motor para, do ar, ganhar consciência dos novos empreendimentos, que faseadamente têm sido construídos, ou caminhar dentro de uma enorme bola transparente de plástico sobre o Mar do Sul da China.


18

DESPORTO ADEPTOS DO TERRITÓRIO ATRIBUEM FAVORITISMO AO BENFICA

MAR CO CARVALHO info@hojemacau.com.mo

INHA, desde logo, tudo para ser um dos embates mais aguardados da presente edição da Liga de Elite e o facto de ambas as equipas estarem separadas por um único ponto na liderança da classificação fez disparar o interesse pelo desafio. Sporting Clube de Macau e Sport Lisboa e Benfica do território re-editam no próximo domingo, a mais de dez mil quilómetros de distância, o mais vibrante dos “derbies” do futebol português. O embate entre as filiais orientais de águias e leões não é o primeiro confronto oficial a colocar frente-a-frente ambas as formações, mas reveste-se, ainda assim, de um carácter inédito. Benfica e Sporting nunca esgrimiram argumentos em partida a contar para o principal escalão de futebol do território e a primeira ocasião em que se encontram em campo para um duelo ao mais alto nível dificilmente poderia atingir uma magnitude tão apetecível.

Domingo há “derby” na Taipa GONÇALO LOBO PINHEIRO

T

hoje macau sexta-feira 11.4.2014

Depois de ter garantido a conquista, na última temporada, do Campeonato de Futebol da 2ª Divisão e a consequente subida ao convívio dos grandes do futebol do território, o Sporting Clube de Macau surpreendeu tudo e todos, ao levar a melhor sobre o campeão Monte Carlo na partida que pautou a estreia dos leões na Liga de Elite. O onze orientado por João Maria Pegado e por Mandi-

nho ainda não conheceu o sabor da derrota na presente temporada e entra para a última ronda da primeira volta da competição na liderança isolada da prova. Do outro lado da barricada, está um Benfica que recuperou a tranquilidade com o regresso de Bruno Álvares ao banco. Depois de um arranque de campeonato periclitante e do afastamento de Daniel Pinto do comando técnico da equipa, as águias

do território recuperaram o enleio perdido e partem para a derradeira jornada da primeira volta do Campeonato no encalço do rival. Separadas por um ponto, ambas as equipas querem encerrar a primeira volta da Liga de Elite com motivos para sorrir, mas sobre os vice-campeões do território recai um maior favoristismo, pelo menos para um pequeno leque de adeptos consultado pelo Hoje Macau. Para Pedro Cortés, advogado e conhecido adepto benfiquista, o favoritismo está amplamente do lado das águias do território. O causídico e comentador do programa “Bola ao Centro”, da Rádio Macau, está convicto que o Benfica se vai impôr por margem dilatada sobre os actuais líderes do Campeonato: “Ganha o Benfica por três bolas a

CALENDÁRIO 8ª JORNADA SÁBADO: 17:30

Chao Pak Kei – Monte Carlo

19:30

Sub 23 - Lai Chi

DOMINGO: 17:30

Sporting – Benfica

19:30

Ka I – Polícia

PALPITES E PROGNÓSTICOS • PEDRO CORTÉS, Advogado Sporting 0 – 3 Benfica • JOÃO MONTEIRO, Sub-Inspector da PJ Empate • JOÃO PEDRO GODINHO, Técnico de Audiovisual Sporting 0 – 3 Benfica • HÉLDER RICARDO, Hoquista

PUB

Sporting 2 – 3 Benfica • ANTÓNIO CAETANO DE FARIA, Realizador Sporting 1 – 2 Benfica

HM-2ª VEZ-11-4-14

ANÚNCIO

EXECUÇÃO SUMÁRIA DE SENTENÇA Proc. nº. CV3-08-0031-CAO-B

ANÚNCIO 3.º Juízo Cível

EXEQUENTE: CHEONG MENG SENG, residente em Macau, na Rua da Tribuna, nº 21, Edifício Yi Nam, r/c “L”. ---------------------------------------------------------------------------------------------------EXECUTADOS: LEONG SEK MENG e HONG LAI CHON, ausentes em parte incerta, e com último domicilio conhecido em Macau, Avenida da República, Fu Keng, nº 40, 2 andar A, ou Alameda Dr. Carlos de Assumpção, nº 18, Centro Comercial Tong Nam Ah, 20º andar E e F. ---------------------***** FAZ-SE SABER que, no próximo dia 26 de Maio de 2014, pelas 10:00 horas, neste Juízo, nos autos acima identificados, vai ser vendido, por meio de propostas em carta fechada, o seguinte bem: IMÓVEL A VENDER: Denominação: Fracção autónoma denominada pela letra “A2” do 2.º andar.-------------------- Fim: Para habitação.---------------------------------------------------------------------------------------- Siuação: em Macau, na Avenida da República nº 40.------------------------------------------------- Número de matriz: 022938------------------------------------------------------------------------------ Número de descrição na Conservatória do Registo Predial: 13511, a fls. 83 v do Livro B36. O valor base da venda do imóvel é de MOP$5.040.000,00, cinco milhões e quarenta mil patacas (correspondentes a 70% do valor da avaliação de MOP$7.200.000,00, em conformidade com o vertido no artº. 785º. Do CPCM).------------------------------------------------------------------------------ São convidados todos os interessados na compra daquele bem a entregar na Secretaria deste Tribunal, as suas propostas, até ao dia 23 de Maio de 2014, antes das 17:30 horas, sendo que, o preço das propostas deve ser superior ao valor acima indicado devendo, o envelope da proposta conter a indicação de “PROPOSTA EM CARTA FECHADA”, bem como o “NÚMERO DO PROCESSO CV3-08-0031-CAO-B”.------------------------------------------------------------------------- No dia dia 26 de Maio de 2014, pelas 10:00 horas, no Tribunal Judicial de Base da RAEM, proceder-se-á à abertura das propostas de preço superiores ao valor base de venda, a cujo o acto podem os proponentes assistir.----------------------------------------------------------------------------------------------- O depositário é o Senhor Cheong Hong Seng, com domicílio profissional em Macau, na Rua da Pérola Oriental, nº. 203, Edf. “The Residência Macau”, Bloco 3, 35º. andar “B”, durante o prazo dos editais e anúncios, é obrigado a mostrar o bem a quem pretenda examiná-lo, mas pode fixar as horas que, durante o dia, faculta a inspecção.-----------------------------------------------------------------------***** Quaisquer titulares de direito de preferência na alienação do imóvel supra referido, podem, querendo, exercer o seu direito no próprio acto da abertura das propostas, se alguma proposta for aceite.Macau, 21/03/2014 *****

HM-2ª VEZ-11-4-14 Proc. Ordinário de Execução

CV3-13-0044-CEO

3º Juízo Cível

EXEQUENTE: MELCO CROWN JOGOS (MACAU), S.A., com sede em Macau, na Avenida Dr. Mário Soares, n.º 25, Edifício Montepio, 1.º andar, Comp. 13, Macau. EXECUTADAS: 1.CLUBE DE VIP INTERNACIONAL WAN TONG SOCIEDADE UNIPESSOAL LIMITADA, ausente em parte incerta, e com última sede conhecida em Macau, na Avenida do Governador Jaime Silvério Marques nº 438, Edifício Magnificiente Court, Rés-do-chão A; 2. LEONG WAI MAN, casada, ausente em parte incerta, e com última residência conhecida em Macau, na Rua de Malaca, Centro Internacional de Macau, Bloco 10, 8º andar F. *** FAZ-SE SABER que, pelo Tribunal, Juízo e processo acima referidos, correm éditos de trinta (30) dias, a contar da segunda e última publicação do anúncio, citandos as executadas CLUBE DE VIP INTERNACIONAL WAN TONG SOCIEDADE UNIPESSOAL LIMITADA e LEONG WAI MAN, acima identificadas, para no prazo de vinte (20) dias, decorrido que seja o dos éditos, pagarem ao exequente a quantia de MOP$7.853.637,29 (Sete Milhões, Oitocentas e Cinquenta e Três Mil, Seiscentas e Trinta e Sete Patacas e Vinte e Nove) e legais acréscimos, ou no mesmo prazo, deduzirem oposição por embargos ou nomearem bens à penhora, sob pena de, não o fazendo, ser devolvido ao exequente o direito de nomeação de bens à penhora, seguindo o processo os ulteriores termos até final à sua revelia. Tudo conforme melhor consta do duplicado da petição inicial que neste 3º Juízo Cível se encontra à sua disposição e que poderá ser levantado nesta Secretaria Judicial nas horas normais de expediente. E ainda que é obrigatória a constituição de advogado caso sejam opostos embargos ou tenha lugar a qualquer outro procedimento que siga os termos do processo declarativo. Macau, 24 de Março de 2014.

zero. Não quero com este prognóstico tirar mérito à campanha do Sporting, mas cá, como em Portugal, parece-me simplesmente que o Benfica é a formação mais forte”, arrisca Cortés. Palpite similiar tem João Pedro Godinho. O actual jogador do Papa Tudo, do 4º escalão, venceu na última temporada o campeonato de futebol da 2ª Divisão com a camisola do Sporting, mas não acredita no triunfo da antiga equipa frente ao Benfica. Fervoroso adepto encarnado, João Pedro Godinho está convicto de que as águias do território vão vencer sem dificuldades: “Tenho muitos amigos no Sporting, mas a devoção clubística fala mais alto. Acredito que o Benfica vence por 3-0”, sustenta. Mais equilibrada é a posição de João Monteiro. Adepto devoto do Sporting Clube de Portugal e seguidor entusiasta das prestações do Sporting Clube de Macau, Monteiro coloca o favori-

tismo nas mãos do Benfica, mas acredita que os leões do território podem assinar um brilharete e conservar a liderança da Liga de Elite: “Não sei quem vai ganhar, mas estou esperançado que o meu Sporting Clube de Macau faça um brilharete pela entrega e dedicação que tem demonstrado. Neste sentido, um empate seria a meu ver um resultado brilhante”, assume. Sporting Clube de Macau e Sport Lisboa e Benfica de Macau esgrimem argumentos no relvado do Estádio da Taipa a partir das cinco e meia da tarde de domingo, um dia depois do campeão Monte Carlo defrontar o Chao Pak Kei noutra partida vistosa. A Selecção de Sub-23 ao início da noite de sábado o Lai Chi e no domingo, às 19h30m Windsor Arch Ka I e Grupo Desportivo da Polícia de Segurança Pública defrontam-se na partida que encerra a primeira volta da edição de 2014 da Liga de Elite.


FUTILIDADES

hoje macau sexta-feira 11.4.2014

TEMPO

MUITO

NUBLADO

Cineteatro

CINEMA

MIN

21

MAX

25

HUM

75-98%

EURO

11.0

BAHT

0.2

YUAN

19

1.3

POR MIM FALO Pu Yi

CAPTAIN AMERICA: THE WINTER SOLDIER SALA 1

CAPTAIN AMERICA: THE WINTER SOLDIER [B]

NOAH [C]

CAPTAIN AMERICA: THE WINTER SOLDIER [3D] [B]

SALA 3

SALA 2

KANO [B]

Um filme de: Anthony e Joe Russo Com: Chris Evans, Scarlett Johansson, Samuel L. Jackson 14.15, 16.45, 21.45

Um filme de: Anthony e Joe Russo Com: Chris Evans, Scarlett Johansson, Samuel L. Jackson 19.15

WHERE ARE YOU GOING, DAD? [A] (FALADO EM CANTONÊS LEGENDADO EM CHINÊS E INGLÊS) Um filme de: Xie Dikui Com: Jimmy Lin, Guo Tao, Tian Liang 14.30, 16.30, 19.30

Um filme de: Darren Aronofsky Com: Russell Crowe, Anthony Hopkins, Jennifer Connelly 21.30

TWELVE NIGHTS [B]

(FALADO EM MANDARIM LEGENDADO EM CHINÊS E INGLÊS) Um filme de: Raye 14.30, 16.30, 19.00

(FALADO EM JAPONÊS, HOKKIEN E HAKKA E LEGENDADO EM CHINÊS E INGLÊS) Um filme de: Chih-Hsiang Com: Masatoshi Nagase, Oosawa Takao, Togo Igawa 21.00

O mundo visto através de dois bebés

ACONTECEU HOJE

U M L I V R O H O J E Morre Armando Cortez, o multifacetado actor de teatro • Onze de Abril traz memórias de Armando Cortez, homem do teatro, que representou inúmeras peças e infinitas personagens, de ‘a’ a ‘z’, como o seu nome. Morreu neste dia, em 2002, e deixou um canto do palco vazio. Hoje é dia de homenagear o teatro com memórias de Armando Cortez, o delicado homem do palco que nasceu a 23 de Junho de 1928, em Lisboa, cidade onde viria a morrer, a 11 de Abril de 2002 – assinala-se em 2012 uma década deste a morte do actor, encenador, argumentista e produtor português. Actor de teatro desde 1946, Armando Cortez dirigiu o musical ‘Annie’, de Thomas Meehan, para o Teatro Maria Matos, em 1983. Foi também director da Casa do Artista, instituição de apoio às artes, que fundou com outro nome enorme: Raul Solnado. A sala de espectáculos desta instituição viria a ser rebaptizada – Teatro Armando Cortez – como homenagem ao actor. Armando Cortez foi agraciado pelo então Presidente da República Jorge Sampaio com o grau de Grande-Oficial da Ordem do Infante D. Henrique, como reconhecimento pelo seu trabalho no mundo das Artes, na expansão da cultura portuguesa, da sua História e dos seus valores. Morreu aos 73 anos, em Lisboa, vítima de paragem cardio-respiratória.

VIVER - YU HUA (ADAPTADO AO CINEMA E TELEVISÃO) “Viver” conta uma história de vida. Ao filho de um dono de um lote de terra foi dado o nome de Fu Gui, que, em chinês, significa “feliz e rico”. Mas não se deixe enganar. O nome não é mais do que uma ironia, porque o protagonista deste livro não é nem uma coisa, nem outra. Fu vive todos os acontecimentos que marcam a história da China no último século – desde a guerra civil, à reforma agrária, ao Grande Salto Adiante e, claro, à Revolução Cultural. Mas, Fu Gui não se deixa ir abaixo e, esse, é o ponto alto do livro. O protagonista não fica triste com todos os desastres que a vida lhe traz, mostrando que uma pessoa é capaz de suportar dores gigantes. Apesar de ter sido filho único na família, passar de rico para pobre, perder todos os familiares e ter apenas uma vaca como companheira, Fu Gui mostra-se capaz de enfrentar o sofrimento e de manter uma atitude optimista para com o mundo. “Ao escrever, consegui entender que o ser humano tem consegue viver consigo próprio e não precisa de mais coisas para conseguir viver”, diz-nos o autor. Quando ler o livro, não se preocupe. Não esteja à espera de uma história triste, pesada... pelo contrário, vai conseguir rir, mesmo que seja por causa do humor negro de Yu Hua. - Cecilia Lin

fonte da inveja

Não dês por terminada a obra que acabaste.

João Corvo

George, o filho de William e Kate, candidatos ao trono de Inglaterra, teve o seu primeiro evento oficial. Na Nova Zelândia, onde os pais estão a realizar uma visita oficial, o filho dos duques de Cambridge, de oito meses de idade, só teve de conviver com outros bebés da sua idade. Segundo a imprensa de todo o mundo, fartou-se de brincar e até mexeu no famoso cabelo da sua mãe. Por estes dias também foi notícia que um rapaz no Paquistão, quase com a mesma idade do príncipe George, foi acusado de tentativa de homicídio, à semelhança de cinco adultos seus familiares. O príncipe George envergava um fato de macaco que, segundo o jornal The Guardian, custou cerca de 900 patacas. No peito, tinha um barco de marinheiros bordado, e era de cor azul escura. Não sei que roupa envergaria o menino do Paquistão na altura em que foi acusado pelas autoridades do seu país. Mas decerto não teria o mesmo aspecto, nem teria custado o mesmo valor. Disparidades de riqueza e pobreza e de leis que vão contra o bom senso que deveria prevalecer na humanidade continuam a povoar o mundo em que vivemos neste século XXI. As crianças são mesmo as melhores do mundo, é pena é que nem todos lhes dêem as condições que merecem.


20

OPINIÃO

hoje macau sexta-feira 11.4.2014

H

CARLOS MORAIS JOSÉ

Se alma não fosse pequena

OUVE na semana passada uma pequena comoção quando surgiu uma espécie de boato segundo o qual a FAOM estaria renitente em apoiar Chui Sai On na reeleição para o segundo mandato. Claro que, basicamente, o rumor não se confirmou e os ditos Operários ajudarão com certeza o actual Chefe do Executivo a conseguir mais cinco anos na principal cadeira do poder. Mas o rumor não deixa de ser sintomático do que se passa este ano na vida política de Macau. Na verdade, estamos todos à espera que se esboce uma alternativa. É que nem para Chui Sai On é boa esta situação em que à sua volta predomina o deserto. Que leitura é possível fazer de uma sociedade onde este fenómeno acontece? Poderíamos, assim a abrir, especular que, em terra de jogo, ninguém quer perder. Ninguém quer ficar do outro lado da barricada. Até o insuspeito Ng Kuok Cheong declarou apoiar Chui Sai On, com uma cara de contrariado (é certo), mas nem ele se atreve a remar contra uma maré que parece imparável.

Garantido é que com Chui Sai On será business as usual. Com outro qualquer, quem sabe demasiado espaldado por Pequim, talvez a música fosse outra, ou fosse tocada noutro tom, ou talvez fosse mesmo a altura de alguém gritar alto e pára o baile!

OTTO DIX, CABARET

PUB

a outra face Se calhar, não estaremos muito longe da verdade. Surgir nesta sociedade como oposição aos poderes instituídos, à Santa Aliança que aqui existe entre as principais famílias, seria um pecado lesa-majestade que poderia ter como consequências o afastamento da repartição do bolo. Por outro lado, talvez nenhum membro da Comissão Eleitoral tenha realmente um desígnio político, fora da área dos negócios e, portanto, com ou sem Chui, desde que as patacas fluam este será sempre o melhor dos mundos. Garantido é que com Chui Sai On será business as usual. Com outro qualquer, quem sabe demasiado espaldado por Pequim, talvez a música fosse outra, ou fosse tocada noutro tom, ou talvez fosse mesmo a altura de alguém gritar alto e pára o baile! O que, às principais figuras desta imodesta praça, nada conviria. Valeria a pena concorrer contra Chui? Claro que sim. Valeria sobretudo a pena discutir com o Chefe do Executivo a sua visão para o futuro de Macau. Valeria a pena denunciar os abusos na habitação, a incúria face à poluição... Valeria a pena... tanta... tanta coisa... Valeria a pena... se a alma não fosse pequena.


opinião 21

hoje macau sexta-feira 11.4.2014

ISABEL CASTRO

contramão

MANOEL DE OLIVEIRA, ANIKI BOBO

isabelcorreiadecastro@gmail.com

A política do remendo

E

U, portuguesa, me confesso: os portugueses são peritos na arte do remendo. Somos melhores a remendar do que a construir, do que a fazer de novo. Não há buraco que nos meta medo – há sempre um remendo para uma falha, uma solução de improviso pronta a sair da manga, aplicada em cima do joelho. É uma coisa que nos está no sangue. Com o remendo a coisa passa e depois, depois logo se vê. O problema é que depois não se vê, nunca se vê, o remendo gasta-se depressa que já era velho à nascença, foi retirado de outro buraco que ficou à vista. O improviso é uma arte que deve ser usada em doses moderadas e remendos são só para certas ocasiões. Os portugueses, mestres da remendagem, não aprenderam a lição de séculos a tapar buraquinhos. As consequências, essas, estão à vista. Em Macau também se remenda muito – e é interessante perceber como é que duas culturas tão distintas, com lógicas e funcionamentos tão diferentes, conseguem ter uma abordagem tão semelhante quando o alcatrão cede e a estrada se esburaca. A arte do remendo – por norma mal recebida por quem gosta das coisas mais limpas e organizadas – é aqui colocada em prática em várias situações: quando a coisa deu

para o torto; quando a coisa toca interesses maiores que os interesses melhores; quando não se sabe fazer melhor; e/ou quando não se sabe fazer. Quando cheguei a Macau, impressionou-me a capacidade com que se fazia, com que se construía. Aqui era possível pensar e concretizar, pensar grande e fazer maior, pensar rápido e fazer logo a seguir. Impressionou-me esta capacidade de construção por vir, precisamente, de um país de remendinhos, onde pouco se via acontecer. Mas os anos passaram e, com eles, passou a impressão. Os remendos começaram a ser mais visíveis. Esta semana muito se andou a remendar por estas bandas – basta abrir o Boletim Oficial para se constatar o facto. Remendou-se

Mas não faz mal, que há dinheiro. A política do remendo resolve-se com patacas, muitas patacas. A coisa corre mal, abre-se o cofre, chuta-se a bola para a frente e depois logo se vê, sendo que depois nunca se chega mesmo a ver

uma solução que ainda ninguém sabe muito bem qual é para o problema da TV Cabo, um buraco com tantos anos e de dimensão tão impressionante que remendo algum é capaz de tapar na totalidade. Mas lá se improvisou uma solução para evitar que o buraco fosse ainda maior, ou que alguém caísse no buraco, um remendo feito em cima do joelho para um problema que ninguém foi capaz de resolver a tempo. Também se continua a remendar o dilema dos autocarros, enquanto não se descobre o que fazer, depois de meses e meses de uma estranha forma de condução da questão. O Governo vai remendando para que a falha não se transforme numa vala, e lá andamos nós ao ritmo dos buracos das estradas – esses, não remendados – com a ilusão de que vamos para algum lado. Remendos são também as construções provisórias de estruturas que há muito deviam estar pensadas e feitas. Constroem-se tribunais provisórios, terminais provisórios, urgências provisórias – gasta-se dinheiro definitivo para remendar e depois destruir, porque não se soube pensar e agora não se sabe fazer. Mas não faz mal, que há dinheiro. A política do remendo resolve-se com patacas, muitas patacas. A coisa corre mal, abre-se o cofre, chuta-se a bola para a frente e depois logo se vê, sendo que depois nunca se chega mesmo a ver. Nós, as pessoas, somos demasiado parecidas.


22 opinião

hoje macau sexta-feira 11.4.2014

JORGE RODRIGUES SIMÃO

perspectivas

O ambiente e a saúde “The U.S. food system provides many benefits, not the least of which is a safe, nutritious, and consistent food supply. However, the same system also creates significant environmental, public health, and other costs that generally are not recognized and not accounted for in the retail price of food. These include greenhouse gas (GHG) emissions; soil erosion, air pollution, and other environmental consequences; the transfer of antibiotic resistance from food animals to humans; and other human health outcomes, including food borne illnesses and chronic disease.” Exploring Health and Environmental Costs of Food Leslie Pray, Laura Pillsbury, and Maria Oria

O

clima a nível mundial está a mudar devido ao aquecimento global do planeta. As mudanças climáticas podem afectar a saúde humana de diversas formas como avisa a Organização Mundial de Saúde (OMS) no seu último relatório de 25 Março de 2014 referente aos impactos da poluição atmosférica na saúde pública. As mudanças climáticas podem afectar a saúde humana de diversas formas, como por exemplo, alterando o âmbito geográfico e a variação das estações de algumas doenças infecciosas, perturbando os ecossistemas de produção de alimentos e aumentando a frequência de fenómenos meteorológicos extremos como os ciclones. As sociedades humanas, durante séculos, alteraram os ecossistemas locais e modificaram os climas regionais. A influência do ser humano atingiu todo o planeta, reflexo do veloz crescimento da população, do consumo de energia, da intensidade do uso da terra, do comércio, das viagens internacionais e de outras actividades humanas. As mudanças climáticas globais tornaram-nos mais conscientes de que a longo prazo, a saúde da população depende da estabilidade e perfeito funcionamento dos sistemas ecológicos, físicos e socioeconómicos da biosfera. O sistema climático mundial é parte integrante dos complexos processos que mantêm a vida. O clima e o tempo sempre repercutiram na saúde e no bem-estar dos seres humanos, mas, ao igual que outros grandes sistemas naturais, os climáticos estão a sofrer a pressão das actividades humanas. As mudanças climáticas representam um novo desafio para as actuais iniciativas dirigidas a proteger a saúde humana. Que deveríamos fazer face às mudanças climáticas? A questão tem necessariamente um cariz ético. A ciência, incluída a economia, pode ajudar a descobrir as causas e os efeitos das mudanças climáticas. Também pode ajudar a determinar o que se pode fazer com as mudanças climáticas. O que devemos fazer implica uma questão ética, pois nem todas as questões sobre o que se deve fazer são éticas. A questão sobre o clima merece uma resposta razoável que deve ponderar interesses diversos entre as pessoas. Se o mundo agir face às mudanças climáticas alguns países

(maioritariamente os mais cautelosos da actual geração) terão de reduzir as suas emissões de gases de efeito de estufa a fim de evitar que as gerações futuras tenham uma existência precária num mundo mais quente. Quando existem conflitos de interesses, as questões relativas ao que se deve fazer são sempre de natureza ética. As mudanças climáticas propõem um conjunto de questões morais. Como é possível com o tipo de vida da actual geração, avaliar o bem-estar de vida das futuras gerações, tendo em conta que disporiam presumivelmente de mais bens? Muitas das crianças nascidas e outras por nascer morrerão devido aos efeitos das mudanças climáticas? Tendo em consideração que todas as mortes são más por si, em que grau poderiam ser consideradas as más mortes no seu conjunto, sabendo que muitas pessoas morreriam sem deixar descendência, impedindo as mudanças climáticas a existência de crianças que de outra forma nasceriam? É a sua existência frustrada algo de mal? Os países ricos ao emitir gases com efeitos de estufa cometem uma injustiça contra os países pobres? Como é possível reagir face à possibilidade, pequena mas real, de que as mudanças climáticas se transformem numa catástrofe mundial? A maioria das questões éticas admitem respostas de senso comum e raras vezes se exige o recurso a intricadas e complexas filosofias. O ser humano tem toda a capacidade para abordar os dilemas de natureza moral que colocam as mudanças climáticas. É aceite, salvo algumas excepções, o princípio moral de que se não deve actuar em interesse próprio sem ter em conta as lesões que podemos causar a outrem. É certo que por vezes se torna impossível evitar causar um dano ou pode acontecer que se cause dano a terceiro por acidente ou de forma inadvertida, mas

cartoon por Stephff

sempre o prejuízo causado trás a obrigação intrínseca de compensar a vítima. As mudanças climáticas causam danos. As vagas de calor, temporais e inundações matam e ferem muita gente. As doenças tropicais, cujo âmbito geográfico aumentará à medida que o clima se torne mais quente terão como consequência um maior número de mortos. As mudanças no ciclo da água e por consequência das chuvas provocarão a escassez local de alimentos e de água potável. As migrações humanas em grande escala como o aumento do nível das águas do mar e outras situações alarmantes criadas pelas mudanças climáticas farão aumentar o nível da pobreza no mundo. São inexistentes as previsões quantitativas, mas alguma estatística disponível sugere a escalada de prejuízos que causarão as mudanças climáticas. A vaga de calor na Europa, em 2003 provocou mais de trinta e cinco mil mortos. As cheias que ocorreram na China, em 1998 trouxeram prejuízos a duzentos e quarenta milhões de pessoas. A OMS calcula que no início do século, as mortes anuais resultantes das mudanças climáticas eram superiores a cento e cinquenta mil. O ser humano não para de criar emissões de gases com efeito de estufa num infinito contínuo e diário. O uso do automóvel, a utilização de energia eléctrica, a compra de qualquer produto cuja fabricação ou transporte exige energia são actividades que criam gases de efeito de estufa e que contribuem fortemente para as mudanças climáticas. É preciso consciencializarmos que o que podemos fazer em nosso benefício pode prejudicar os demais. O passado desconhecia as afrontas que produziu e o presente sente. Só é possível minorar os impactos das mudanças climáticas pela via da educação e sensibilização ambiental. O sistema retributivo do direito inter-

ISRAEL CONTINUA PRONT0 PARA A PAZ

nacional público do ambiente além de não existir nunca funcionará porque contende com o progresso económico dos países. O princípio ético é o único que nos propõe que deixemos de praticar certas actividades e compensar os prejuízos causados. Ao pesar a nossa prosperidade e a possibilidade que as mudanças climáticas diminuam o bem-estar e a qualidade de vida dos nossos netos, os economistas terão de enunciar pensamentos carregados de graves consequências morais. Assim, devem ser considerados os pensamentos úteis de que as futuras gerações sofrerão a maioria dos efeitos perniciosos das mudanças climáticas a nível mundial, mas se a economia mundial crescer, serão mais ricas que a nossa. A geração presente deve decidir, guiada pelo pensamento dos economistas, se reduz de forma categórica os riscos das adversidades existentes, ou se transmite aos nossos descendentes quiçá mais prósperos, essa incumbência. Os economistas não podem evitar as considerações éticas ao elaborar os seus pensamentos. A mais pequena probabilidade de uma catástrofe devido às mudanças climáticas globais cria um problema com implicações éticas. O princípio ético indica igualmente, que a nossa actuação face às mudanças climáticas não é tão só uma tarefa de ajustar prejuízos e benefícios, ainda que em parte disso se trate. Admitamos, por exemplo, que o beneficio que obtemos com amigos ao prolongar uma festa até altas horas da madrugada é maior que o prejuízo causado ao vizinho por não dormir. Pensemos igualmente, num projecto industrial que oferece um benefício num futuro próximo mas que emite gases de efeito de estufa que causam um prejuízo à população da localidade durante dezenas de anos. Mesmo que os benefícios excedessem eventualmente os prejuízos, o projecto não deveria ser concretizado por ser moralmente incorrecto. Os que beneficiam não devem fazer recair os prejuízos sobre os demais. Ainda que suportando os prejuízos face aos benefícios não são a solução para as mudanças climáticas, constitui tão só uma parte da mesma. Os custos de mitigar as mudanças climáticas são os sacrifícios que a actual geração terá de arrostar para reduzir a emissão dos gases de estufa. Teremos de viajar menos, isolar melhor as nossas casas, comer menos carne e viver com menos luxos. O beneficio será a melhor qualidade de vida que terão as pessoas no futuro que não sofrerão demasiado com os avanços dos desertos, nem a perda das suas habitações devido à subida do nível das águas do mar, nem pelas inundações, a fome ou a deterioração geral da natureza. Suportar os benefícios de algumas pessoas face ao prejuízo que suportem outras é uma questão ética. Muitos dos prejuízos e benefícios de mitigar as mudanças climáticas apresentam-se em termos económicos. Os economistas dispõem de métodos úteis para pesar os prejuízos e benefícios em casos complexos. A economia pode dar uma prestimosa ajuda à ética.


PERFIL

hoje macau sexta-feira 11.4.2014

23

HOJE MACAU

DOMINGOS CHEONG

O SENHOR ALFAIATE FAZ fatos há 51 anos, todos os dias da semana. A julgar pelas memórias fotográficas penduradas à porta, toda a gente parece ter lugar na Alfaiataria Domingos, ali mesmo ao pé do centro, na Rua Doutor Mário Soares. Conhecido como o “Senhor Domingos”, abriu a loja de costura nos inícios da década de 60 e vestiu vários nomes sonantes da esfera social e política do período da administração portuguesa LEONOR SÁ MACHADO

leonor.machado@hojemacau.com.mo

A

Alfaiataria Domingos é de pequena dimensão e está localizada na zona central de Macau, perto do conhecido Hotel Metrópole e a dois passos do Rio das Pérolas. O aspecto da loja faz jus à sua história. Sente-se o cheiro dos tecidos e o peso das memórias a cada passo dado. Os panos, de todas as cores, feitios e texturas, (re)vestem os cantos à casa, dando-lhe uma aparência reconfortante. A Alfaiataria Domingos é uma das poucas reminiscências de Macau antigo, aquele que já só existe nos postais que mandamos para o estrangeiro,

para explicar como foi, um dia, a actual “Las Vegas da Ásia”. Corria o ano de 1963. Domingos Cheong abriu portas pela primeira vez, numa Macau (ainda) colonial. Mesmo ali ao lado, na Rua Doutor Mário Soares, a dois passos da San Ma Lou, o senhor Domingos tirava medidas aos portugueses dos anos 60. A sua infância foi passada com os seus três irmãos mais novos, tendo frequentado o colégio salesiano, Dom Bosco. Aos 16 anos começou a interessar-se pelo negócio do corte e costura, tendo, por três anos, sido aprendiz de um alfaiate italiano. Em 1941, quando o Japão ocupou Hong Kong, a fome e a miséria eram problemas constantes, pois Macau estava a ficar sobrelotado e com falta de alimento e alojamento para todos os emigrantes que tentavam fugir do poder nipónico. Ainda assim, Domingos teve sorte, uma vez que parece nunca ter-lhe faltado comida e um tecto durante a adolescência, inteiramente passada em Macau. Durante os anos de administração por-

tuguesa em Macau, foram várias as figuras políticas que vestiram a etiqueta da Alfaiataria Domingos. O seu primeiro grande cliente surgiu ainda na época de Salazar e foi o ex-ministro do Ultramar, Adriano Moreira. E como a memória não falha, Domingos recorda-se de medir e vestir outras personalidades como o último governador português de Macau, Rocha Vieira, o ex-Presidente Jorge Sampaio, ou Mário Soares. A transferência de poderes veio, sem dúvida, alterar o modo de ser deste território a quem tantos chamam de “único”. A partir de 1999, o Clube Militar foi deixando de ser paragem obrigatória e o antigo Istmo teria pouco tempo antes de se transformar no Cotai. A transição de Macau trouxe consigo menos clientes portugueses e mais gentes de fora. Chineses endinheirados, prontos para gastar a sua fortuna em produtos de qualidade. Se assim for, que seja nos fatos do senhor Domingos. De mãos atrás das costas, este chinês octogenário sorri quando olha para a colecção

de memórias, cuidadosamente penduradas por cima do balcão de atendimento e que são quase como o relato de uma vida. Enfim, recordações de uma vida de verdadeiros cortes em casacas, camisas, camisetas, calças e saiotes. Hoje em dia, Domingos queixa-se da “confusão” de Macau, que “anda muita gente na rua”. Gosta de Macau e não sabe se conseguiria viver noutro sítio. Diz que se acostumou a viver na nova RAEM. Afinal de contas, nasceu e cresceu aqui. A família divide-se entre Macau e Hong Kong, mas Domingos não gosta muito da antiga colónia britânica, diz que “é ainda mais caótico do que Macau”. Nunca quis que a alfaiataria se transformasse num negócio de família, porque sabe – e por experiência própria – que a profissão não é fácil. No entanto, nunca quis reformar-se e não pensa sair de Macau, fazendo com que a Alfaiataria Domingos fique por terras Di Macau, lembrando-nos outros tempos, outras danças, os mesmos fatos e vestidos.

Propriedade Fábrica de Notícias, Lda Director Carlos Morais José Redacção Joana Freitas (Coordenadora); Andreia Sofia Silva; Cecilia Lin; José C. Mendes; Leonor Sá Machado Colaboradores António Falcão; António Graça de Abreu; Hugo Pinto; José Simões Morais; Marco Carvalho; Maria João Belchior (Pequim); Michel Reis; Rui Cascais; Sérgio Fonseca; Tiago Quadros Colunistas Agnes Lam; Arnaldo Gonçalves; Correia Marques; David Chan; Fernando Eloy ; Fernando Vinhais Guedes; Isabel Castro; Jorge Rodrigues Simão; Leocardo; Paul Chan Wai Chi; Paula Bicho Cartoonista Steph Grafismo Catarina Lau Pineda; Paulo Borges Ilustração Rui Rasquinho Agências Lusa; Xinhua Fotografia Hoje Macau; Lusa; GCS; Xinhua Secretária de redacção e Publicidade Madalena da Silva (publicidade@hojemacau.com.mo) Assistente de marketing Vincent Vong Impressão Tipografia Welfare Morada Calçada de Santo Agostinho, n.º 19, Centro Comercial Nam Yue, 6.º andar A, Macau Telefone 28752401 Fax 28752405 e-mail info@hojemacau.com. mo Sítio www.hojemacau.com.mo


hoje macau sexta-feira 11.4.2014

AUTOCARROS TRANSMAC EM NEGOCIAÇÕES COM O GOVERNO PARA FICAR COM SERVIÇOS DA REOLIAN

Empresa à espera da decisão final JOANA FREITAS

joana.freitas@hojemacau.com.mo

A

Transmac é a empresa que está em negociações com o Governo para ficar com os serviços de autocarros anteriormente prestados pela Reolian. Isso mesmo confirmou ao HM uma porta-voz da empresa. Recentemente, o Governo anunciou estar em negociações com uma – e apenas uma - empresa para transferir os serviços, rotas, equipamentos e motoristas da Reolian. As negociações, referiu aos jornalistas Lau Si Io, estavam a correr bem, mas o Executivo precisava, mesmo assim, de mais três meses para terminar as negociações. Este prazo acabou por ser alargado no final de Março, com autorização do tribunal, uma vez que o Executivo tinha apenas 90 dias para resolver o problema da falência da empresa de autocarros verdes. Ontem, ao HM, a Transmac confirmou ser a empresa interesPUB

sada e explicou que a bola está, agora, do lado do Governo. “Temos estado a discutir essa matéria com a Administração. Agora, estamos apenas a aguardar a decisão final do Governo.”

A responsável da empresa disse não poder adiantar detalhes sobre as negociações, como por exemplo, se a Transmac vai aceitar ficar com todo o equipamento, autocarros e motoristas

da empresa sino-francesa, mas, de acordo com o secretário para os Transportes e Obras Públicas esta é uma condição imposta obrigatoriamente a quem ficar com os serviços da Reolian.

Seja como for, a Direcção dos Serviços para os Assuntos de Tráfego (DSAT) já tinha anunciado que a “nova empresa” se comprometeu a cumprir com todas estas exigências. “O Governo foi contactado várias vezes por um investidor, que se comprometeu a manter inalterados os tratamentos remuneratórios e regalias de que os trabalhadores da Reolian gozam. Apesar de ainda não estar concretizado o plano final do prosseguimento da exploração, o processo aponta que o caminho a seguir é favorável”, escreveu o organismo em comunicado, no final do mês passado. A Reolian, recorde-se, faliu no ano passado, sendo que foi o Governo quem assumiu o contrato de locação com a empresa falida, ficando a cargo dos serviços anteriormente prestados pela sociedade. A Transmac opera em Macau há mais de 26 anos e foi inicialmente fundada por Edmund Ho, ex-Chefe do Executivo.


Hoje Macau 11 ABR 2014 #3069