Page 1

Director carlos morais josé

www.hojemacau.com.mo

Mop$10

s e g u n d a - f e i r a 1 0 d e a g o s t o d e 2 0 1 5 • ANO X I V • N º 3 3 9 0

Secretários às escuras

Raimundo do Rosário e Alexis Tam nada sabem de uma permuta de terrenos, a propósito da Fábrica de Panchões Iec Long. Chui Sai On diz que vai à assembleia explicar tudo, pilim por pilim. 6

hojemacau Associação Novo Macau

Tempos difíceis Em entrevista, o presidente cessante critica Ng Kuok Cheong e Au Kam San, que os representam na Assembleia, e prevê uma ruptura entre deputados e activistas. Sou Ka Hou acusa-os de só contactar “os residentes quando há eleições, de quatro em quatro anos”. Na sua opinião, “não se pode esperar que surjam apoiantes só quando se precisa de votos”.

Como se não bastassem as dissensões internas, a Novo Macau arrisca-se a pagar uma multa de 80 mil patacas, por causa do referendo civil. Como a associação não tem dinheiro, Jason Chao diz que virá para a rua fazer uma colecta.

pub

páginas 2-4

Agência Comercial Pico • 28721006

pub

política página

Hotel Estoril

It’s an injustice, it is... Página 7

Quer aprender a escrever à Hollywood? eventos centrais

Geometria eleitoral Arnaldo Gonçalves Página 18

automobilismo | gt300

André Couto mais primeiro desporto Página 16


2

entrevista

hoje macau segunda-feira 10.8.2015

Sou Ka Hou sai da presidência da Novo Macau em Setembro, com críticas aos seus deputados

Depois de anunciar a saída da presidência da Novo Macau a partir de Setembro, Sou Ka Hou revela confiança no futuro presidente, Scott Chiang, e assegura que a sua participação política não termina aqui. O jovem afirma que um dos objectivos é tentar as eleições à AL e diz ainda prever que as relações entre os deputados Au e Ng e os activistas da Novo Macau possam vir a ser totalmente cortadas Na sociedade tradicional chinesa, não haver polémica significa harmonia. Agora há polémicas na ANM, mas não foram criadas de forma propositada. Foi algo que aconteceu naturalmente, devido ao desenvolvimento de uma era

Anunciou que vai sair da presidência da ANM. Um ano depois qual o balanço que faz? Alguns membros disseram-me que tinha capacidades para este cargo, mas que tive o azar de assumir o cargo num momento em que acontecem tanto problemas, tanto externos, como internos à ANM. Sempre vi [o cargo] com uma atitude positiva. Os desafios podem estimular-me e fazer surgir novos pensamentos. Mas encontrou desafios dentro da Novo Macau? Como os resolveu? Incluindo o facto de que antes os residentes de Macau não conheciam a ANM mas apenas dois deputados, Ng Kuok Cheong e Au Kam San, [sim]. Pelo menos agora mais pessoas conhecem a Associação, sobretudo as que estão atentas aos assuntos sociais através das redes sociais, porque partilhamos notícias no Facebook, por exemplo. No passado existiam menos problemas dentro da Associação, porque as opiniões se concentravam em determinadas pessoas e outros membros participavam pouco na discussão e troca de opiniões, de forma a não existir polémicas. Na sociedade tradicional chinesa, não haver polémica significa harmonia. Agora há polémicas na ANM, mas não foram criadas de forma propositada. Foi algo que aconteceu naturalmente, devido ao desenvolvimento de uma era. A nova forma de pensar [que agora acontece] deve-se principalmente às novas gerações, onde me incluo eu, que são diferentes das antigas medidas, que achamos que não são boas para os dias de hoje. O resultado foi que começaram a acontecer conflitos entre as formas antigas e novas de pensar. Mas como lidou com isso? Para mim, essa agitação pode trazer mais oportunidades para o desenvolvimento da sociedade, oportunidades que não foram encontradas durante a antiga situação de “águas estagnadas”. Enquanto estive na presidência, ouvi todas as opiniões — positivas e negativas —, que me fizeram pensar mais e ter menos “ângulos mortos”. Conseguimos ultrapassar aquelas “dificuldades” anteriores da ANM não conseguir incentivar os trabalhos do Governo. Vejo de forma positiva os trabalhos feitos, porque acho que estes foram mais facilmente aceites pela população [do que anteriormente].

hoje macau

“Entusiasmo de Au e Ng diminuiu

Mesmo assim, há ainda planos ou objectivos que vão ficar por concretizar com a sua saída da Associação? Uma crítica que sempre tive é que a ANM era demasiado fechada, muito desligada da sociedade. Sempre quis que a ANM trabalhasse mais em contacto com os cidadãos. Infelizmente, temos um limite de recursos e portanto não conseguimos atingir todos os objectivos que queríamos. Temos cerca de dez membros e mais de metade deles têm o seu trabalho a tempo inteiro. É difícil especialmente tratar de casos relacionados com os cidadãos, porque podem demorar muito tempo. Contudo, mesmo com essas restrições, tentei sempre contactar e compreender

no geral os cidadãos, por exemplo, através de outras associações, tal como uma do ensino especial, para perceber os problemas e reunir com a Direcção dos Serviços de Educação e Juventude (DSEJ). Além disso, queria promover mais os conceitos que defendemos, como a democracia, a justiça e a liberdade para cidadãos e associações, através da criação de uma rede social. No entanto, com as restrições que temos ao nível dos recursos humanos, não conseguimos fazer isso. Podemos entender que a situação da ANM ser muito fechada e ter falta de contacto com a população se deveu aos deputados Ng Kuok Cheong e Au Kam San? No princípio via isso. A Novo

Macau era muito fechada por falta desse contacto. Ao longo do tempo, quando os residentes pediam ajuda aos deputados, os dois ajudavam a escrever uma carta para eles entregarem ao Governo, mas nunca lhes ensinavam ou explicavam os problemas existentes e as ideias sociais ou políticas, fazendo, assim, que o avanço [no conhecimento] dos cidadãos seja muito pouco e lento. Isto fazia com que não houvesse uma plataforma para os cidadãos expressarem as suas ideias. Também só contactavam os residentes quando havia eleições na Assembleia Legislativa (AL), de quatro em quatro anos. Na minha opinião, não se pode esperar que surjam apoiantes só quando


entrevista 3

hoje macau segunda-feira 10.8.2015

assuntos com calma. Mostro confiança e não tenho qualquer dúvida sobre o trabalho dele. Ao assumir a presidência, é difícil perceber se a pessoa vai ter sucesso imediato ou não, porque isso depende também de toda a equipa e de todo o ambiente. Acho que pelo menos durante o primeiro ano, o ambiente social e económico vai alterar-se de forma bastante abrangente, mas entre tantos problemas e conflitos, a nossa associação vai ter muitas oportunidades e o Scott Chiang pode liderar melhor a ANM. No que toca à divergência com os dois deputados, falei com ele sobre isso e a conclusão é que, basicamente, os momentos mais agitados de discussão já passaram. Posso descrever que o resultado é destrutivo para os dois lados, mas não vale a pena haver mais discussão entre nós, temos sim que nos concentrar nos assuntos sociais.

para metade”

Sai de Macau para ir estudar para Taiwan. Qual é área do estudo e quanto tempo demora? Vou tirar um mestrado em Política na Universidade Nacional de Taiwan. O curso, no máximo, pode fazer-se durante quatro anos, mas vou tentar acabar dentro de dois. Voltarei a Macau o mais rápido possível.

se precisa de votos, porque não se podem esperar milagres de surgirem apoios, caso não se faça nada todos os dias. É muito perigoso. Acha que esta divergência entre deputados e activistas vai continuar? Será que vai acabar um dia por se dividir entre os dois? Penso que essa situação vai continuar até às próximas eleições da AL, em 2017. Aí haverá uma conclusão no que às relações entre os dois deputados e a Novo Macau diz respeito. Acho que nenhum dos membros das novas gerações se importa de continuar a fazer parte do desenvolvimento da ANM. Por outro lado, falando sobre se os dois deputados têm ainda alguma dinâmica para promover

a ANM... não consigo ver isso, parece-me que o entusiasmo dos deputados sobre a Novo Macau diminuiu para metade. Portanto, a minha previsão é que, se bastar a cooperação, eles continuam. Mas, como as relações estão quase cortadas, deverão acabar daqui a um determinado prazo. Acho é necessário perceber-se o que vai acontecer, porque é uma responsabilidade para com os grupos e cidadãos que nos apoiam. Quais as suas perspectivas face ao futuro presidente, Scott Chiang? Scott Chiang tem um conhecimento e uma experiência mais ricos do que eu, porque entrou na ANM em 2005. A sua atitude é de tratar os

Muitos colegas escolheram começar carreira em Taiwan e não voltaram para Macau. Mas eu escolhi voltar porque sou arrogante. Em Macau, mais uma pessoa a promover a democracia faz uma diferença grande

A sua licenciatura em Política também foi concluída em Taiwan. Acha que estudar em Taiwan ajuda a desenvolver actividades em Macau? Nunca consigo explicar o que aprendi na área da Política, mas o conteúdo está ligado à minha vida e o que aprendo tem a ver com o contacto com outros e isso é muito útil, não só para quem trabalha na política, mas também no dia-a-dia. Para aprender mais, não se faz necessariamente através de mestrado, mas o mais importante é que, nos estudos, consigo rever trabalhos e acções que fiz. Muitos colegas escolheram começar carreira em Taiwan e não voltaram para Macau. Mas eu escolhi voltar porque sou arrogante. Em Taiwan, os movimentos sociais já se desenvolveram e não fazia grande diferença se eu fizesse mais movimentos destes lá. Mas em Macau, mais uma pessoa a promover a democracia faz uma diferença grande. Quando acabar os estudos, vai voltar a assumir o cargo da presidência? E candidatar-se à AL novamente? Escolhi voltar aos estudos porque queria melhorar os meus conhecimentos através e sair de Macau. É bom entrar e sair do campus da universidade para ver as coisas de um outro ângulo. Quando voltar para Macau, como tenho carinho à ANM, não me importo de entrar para qualquer cargo, basta ter um espaço para que possa ajudar a desenvolver [a Associação]. Quan-

Quando os residentes pediam ajuda [a Au ou Ng], os dois ajudavam a escrever uma carta para eles entregarem ao Governo, mas nunca lhes ensinavam ou explicavam os problemas existentes e as ideias sociais ou políticas to à AL, é a mesma ideia: caso a ANM ache que eu tenho capacidade suficiente e me deixe tentar, candidato-me. O mais importante é a aceitação da população, o cargo de deputado é apenas um lugar para dar voz à sociedade. Mas vai tentar criar uma equipa para as eleições futuras? Penso que é um dos objectivos para mim, Scott Chiang e outros membros, ainda que, na realidade, a AL não seja uma entidade que consiga supervisionar ou controlar bem o Governo. Contudo, os nossos trabalhos fora do hemiciclo conseguiram obrigar o Executivo a fazer algo, portanto, caso sejamos candidatos à AL, vamos explicar claramente aos cidadãos que a AL tem um limite e que os deputados não conseguem através de simples processos alterar a face da AL e a forma de como lá se trabalha. No fim do mês passado foi realizado um seminário em Taipei, intitulado “Macau é rico, por que está a lutar?”. Foi convidado para ser orador sobre a manifestação contra o Regime das Garantias. Pode partilhar a sua experiência? Foi muito bom. Apesar de o tema não ser tão popular como em Macau e Hong Kong, o número dos participantes em Taiwan foi razoável e a reacção foi boa. De facto, até ao momento, o mundo exterior conhece pouco de Macau porque existem poucos meios de comunicação ou são mais fechados. Como residentes de Macau, temos responsabilidade de mostrar a realidade aos estrangeiros e penso sempre que deve haver mais ligação nos âmbitos social e político entre Taiwan e Macau, pelo que tenho vontade de ser a ponte entre os dois lados. Já é um hábito para mim partilhar a realidade do território fora daqui. Acho que o seminário ajudou a fazer isso. Flora Fong

flora.fong@hojemacau.com.mo


política

Caso seja multada no âmbito do caso do ‘referendo civil’, a Associação Novo Macau poderá ser obrigada a pagar uma multa entre oito a 80 mil patacas, para a qual não tem dinheiro. Jason Chao pondera organizar uma recolha de fundos. O activista diz que é cedo para ir a tribunal contra o Governo

A

nova acusação do Gabinete de Protecção dos Dados Pessoais contra a Associação Novo Macau (ANM) pode levar os activistas a ter de organizar uma recolha de fundos para pagar a multa. Em declarações ao HM, Jason Chao, membro da direcção e antigo presidente, confirmou que, caso tenham de pagar uma multa entre oito a 80 mil patacas terão de recorrer a uma actividade de recolha de fundos. “Claro [que a multa vai colocar a associação numa situação financeira difícil]. Não temos essa quantia de dinheiro e se formos obrigados a pagar a multa nessa altura vamos organizar uma recolha de fundos. Não temos necessariamente de organizar um jantar de recolha de fundos, mas teremos de arranjar dinheiro junto do público. Penso que o público irá ajudar-nos, mas é muito cedo para fazer uma previsão”, disse ao HM. De frisar que a ANM não recebe fundos do Governo e desde há alguns meses que deixou de receber financiamento dos escritórios dos deputados Au Kam San e Ng Kuok Cheong.

A nuvem fatal

Os valores da possível multa foram revelados à ANM

hoje macau segunda-feira 10.8.2015

Referendo Civil Novo Macau sem dinheiro para possível multa

Recolha de fundos na calha hoje macau

4

numa carta enviada pelo GPDP na passada quinta-feira. Depois de terem sido acusados e ilibados pelo GPDP de promover uma actividade ilegal com o ‘referendo’, aquando das eleições para o Chefe do Executivo, os activistas são agora acusados de terem armazenado os dados dos participantes numa iCloud fora de Macau. A mudança de acusação me-

receu duras críticas por parte da Associação. “Os residentes de Macau devem lembrar-se que, em 2014, todo o Governo defendeu – de forma acérrima e sem precedentes – que este ‘referendo civil’ era ilegal. O GPDP disse até que a recolha de dados para o caso era ‘ilegítima’ e que, por isso, o consentimento dos eleitores deveria ser considerado ‘in-

Função Pública Leong Veng Chai quer alterar estatuto das chefias

deputado Leong Veng Chai entregou uma interpelação escrita ao Governo onde pede para ser alterado o “Estatuto do Pessoal de Direcção e Chefia”, implementado em 2009. O diploma trouxe, na visão do deputado, desigualdades no seio dos aposentados da Função Pública. “Os índices dos vencimentos dos aposentados foram actualizados somente a partir de 1 de Julho de 2007, excepcionado os trabalhadores que se tivessem aposentado antes de 1 de Julho de 2007, resultado manifesta desigualdade de tratamento entre os aposentados”, escreveu o número dois de José Pereira Coutinho na Assembleia Legislativa (AL). Leong Veng Chai, que pede a revisão do Estatuto para “repor a igualdade de

tiago alcântara

Uns são filhos, outros enteados O

tratamento”, lembrou ainda que a lei “não permitiu que a retroactividade fosse extensiva para os trabalhadores que tivessem aposentado desde o estabelecimento da RAEM”, algo que “foi diferente da extensão da retroactividade permitida aos ex-membros do Conselho Executivo e seus familiares que ocorreu em 1999”. Essa medida foi implementada aquando da alteração do estatuto dos membros do Conselho Executivo, feita em 2012. “Retroagiu-se o direito de assistência médica para todos os ex-membros do Conselho Executivo incluindo seus familiares até o ano de 1999, abrangendo não só todos os membros mas também os ex-membros do Conselho Executivo e seus familiares a partir do estabelecimento da RAEM”, apontou o deputado. A.S.S.

válido’”, disse Jason Chao na semana passada. Citado pelo jornal Ponto Final, o ex-presidente daANM referiu ainda que se o GPDP decidir multar, os activistas vão levar o caso ao Tribunal Administrativo. Contudo, ao HM, Jason Chao disse ontem que “ainda é cedo” para tomar qualquer decisão. “É cedo para avançarmos agora para tribunal,

porque a decisão final ainda não foi lançada pelo GPDP. Quando o gabinete tomar a sua decisão, poderemos ponderar avançar para tribunal. Nesta fase o processo ainda está a decorrer e por isso é que não há necessidade para levar o caso para o tribunal”, concluiu o activista. Andreia Sofia Silva

andreia.silva@hojemacau.com.mo

Deficiência Hetzer Siu teme consequências do salário mínimo

O

director-executivo da Macau Special Olympics, Hetzer Siu, disse ao canal chinês da Rádio Macau que está preocupado com a influência negativa que o salário mínimo poderá ter na empregabilidade dos portadores de deficiência. Hetzer Siu referiu que a quebra das receitas do jogo não trouxe grandes problemas a esse nível, mas que a implementação da lei poderá causar consequências negativas, por não contemplar medidas específicas para os deficientes. O responsável pela Macau Special Olympics argumentou que os patrões podem olhar para os factores de custo do trabalho e produtividade do trabalhador na hora de recrutar um portador de deficiência. Por isso, Hetzer Siu pede medidas

concretas para este grupo de pessoas, quando a lei for revista para a criação do salário mínimo universal, daqui a três anos. Como exemplo, o responsável pela Macau Special Olympics pede que o Executivo tenha em conta o governo australiano, que oferece um subsídio de salário mínimo para todos os deficientes que sejam contratados.


política 5

hoje macau segunda-feira 10.8.2015

A

proposta de lei sobre o Regime de Credenciação e Inscrição para o Exercício de Funções de Assistente Social irá estar pronta até ao final do presente ano. Quem é o afirma é o Instituto da Acção Social (IAS), no relatório final da segunda fase da consulta pública, que terminou no passado mês de Fevereiro. “O IAS irá redigir a proposta de lei em causa em conformidade com os fundamentos legais e respeitando o consenso social, procurando apresentar a dita proposta de lei às entidades competentes no decurso do segundo semestre de 2015”, pode ler-se no relatório. Durante os 45 dias de consulta pública, foram recebidas mais de três mil opiniões. Depois de uma análise das opiniões da população e do sector, o IAS decidiu levar avante algumas alterações, entre as quais, aumentar o número de membros do Conselho Profissional dos Assistentes Sociais de nove para 11 elementos, mas não só. O Conselho vai poder ser eleito, ainda que não agora. Um dos assuntos que mais debate trouxe foi o modo de selecção dos representantes de organizações não governamentais (ONG’s) do sector, que integram o Conselho Profissional. Com o resultado da segunda fase da consulta pública ficou definido que estes representantes serão escolhidos através de

E

m mais um dos seus encontros em Portugal, alguns membros da lista para as eleições do Conselho das Comunidades Portuguesas (CCP), liderada pelo deputado José Pereira Coutinho, encontraram-se com o Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Cesário. A delegação representada em visita a Portugal, liderada por Rita Santos, enquanto Pereira Coutinho não se junta à comitiva, tem recheado a agenda com encontros com figuras políticas, tais como a deputada socialista Maria de Belém. Com Cesário, em cima da mesa estiveram assuntos relacionados com a prestação de serviços consulares de qualidade. “(...) Preocupa-nos resolver as questões mais prementes para a comunidade portuguesa e questões que têm que ver com a imagem e dignidade das representações externas de Portugal na China e nas RegiõesAdministrativas Especiais de Macau e Hong Kong”, disse a comendadora ao HM. A falta de recursos humanos no Consulado-Geral

Assistentes Sociais Lei entregue ainda este ano. Conselho vai poder ser eleito

Código fora, exame obrigatório

Um código não contemplado na proposta de lei, um exame de qualificação obrigatório e o aumento do número de membros do Conselho de Credenciação. São os resultados da consulta pública sobre o estatuto dos assistentes sociais, que indicam que, em 2019, o Conselho vai ser eleito pelos profissionais da área. A proposta de lei deverá estar pronta já este ano eleição, algo que tinha vindo a ser reivindicado pelos profissionais da área, que se manifestavam sobre o facto de serem apenas membros nomeados pelo Executivo a integrar este grupo. Contudo, esta eleição só poderá vir a acontecer na segunda equipa do Conselho, ou seja em 2019.

Uns fora, outros obrigatórios

Relativamente ao Código de Ética Profissional dos Assistentes Sociais, o IAS decidiu, justificando uma maior facilidade em “eventuais emendas ao código”, não o incluir na proposta de lei. A redacção do Código, como anteriormente tinha sido definido, será da responsabilidade do próprio sector do serviço social. A realização de um exame de avaliação profissional, tema que

despertou bastante interesse por parte da sociedade e do próprio sector, irá continuar contemplada na proposta de lei. “Após recolher referências dos regimes que regulamentam diversas profissões, tanto em Macau como a nível internacional, é evidente que a credenciação dos seus praticantes se processa mediante exame de

avaliação profissional. Por conseguinte, será mantido o exame de avaliação profissional na proposta de lei em causa, a fim de salvaguardar os interesses dos utentes”, justificou o IAS. O instituto explica ainda que a criação desta proposta de lei é um “passo significativo e progressista para o desenvolvimento da profis-

CCP Rita Santos encontra-se com José Cesário

Amigos de todas as cores de Portugal e o longo tempo de espera para a renovação do Cartão de Cidadão dos portugueses em ambas as regiões foram assuntos também em debate. “Adiantei que Macau é hoje uma realidade in-

contornável da economia mundial, é a plataforma de cooperação económica, comercial e cultural entre os empresários da China e dos Países de Língua Portuguesa e há grandes oportunidades para

Portugal que não devem ser desperdiçadas”, disse ainda Rita Santos. Sobre as eleições, Rita Santos diz que não quis abordar o assunto, porque prefere esperar que Pereira Coutinho se junte à delega-

são do serviço social, ao mesmo tempo que atende às necessidades induzidas pelo progresso social”. O IAS explica ainda que a meta é criar um regime que consiga consolidar e elevar a qualidade dos serviços, tendo como base o “interesse dos utentes”. Sobre a aprovação da lei, Iong Kong Io, presidente do IAS, disse à TDM que isso é algo que depende da agenda da Assembleia Legislativa, não podendo afirmar se este vai ou não subir a plenário ainda este ano. “O Conselho só vai ser formado depois da lei ser aprovada na AL e isso pode acontecer só em 2016”, frisou, acrescentando que, a apresentação do diploma pelo IAS vai ser feita este ano, mas que o resto já não depende do instituto.

ção, algo que acontecerá já no próximo dia 14, sexta-feira. Na mesma conversa, a comendadora referiu ainda o “aumento médio anual de 20% de pedidos de apoio de vários tipos de informação relacionados com actos consulares”. Na sua página do Facebook, José Cesário diz que o encontro serviu para trocar impressões sobre a presença portuguesa em Macau e a problemática da comunidade. “Partilhámos opiniões acerca da necessidade de darmos mais apoio a todas as acções que visem uma maior ligação dos portugueses de Macau a Portugal, de um maior envolvimento dos jovens, de uma melhoria de funcionamento dos nossos

Filipa Araújo (com J.F.)

filipa.araujo@hojemacau.com.mo

serviços consulares e de uma maior promoção dos produtos portugueses em Macau e na China. Abordámos igualmente a abertura próxima do novo Consulado-Geral de Portugal em Cantão, que deverá dar maior expressão à nossa presença na China”, escreve o Secretário de Estado. O gabinete da lista adianta ainda que foram ainda discutidos assuntos “relacionados com a diplomacia económica, promoção, divulgação e redes de circuitos comerciais para escoamento dos produtos portugueses”. Segundo Pereira Coutinho, em declarações anteriores ao HM, os encontros – apesar de não existir agenda oficial – vão continuar. F.A.

Livros a caminho Na agenda, esteve ainda um encontro com o presidente do Conselho da Administração da Editorial Presença, Francisco Espadinha. “Discutimos sobre a cultura e situação do mercado da venda de livros em Portugal, com o intuito de apoiar os sócios portugueses da Associação dos Trabalhadores da Função Pública de Macau (ATFPM). O presidente prometeu que irá enviar livros da Editorial Presença para enriquecer a biblioteca da ATFPM para a leitura dos sócios portugueses ou que estão a aprender Português”, adiantou Rita Santos.


6 política

hoje macau segunda-feira 10.8.2015

Fábrica de Panchões Chui vai explicar permuta de terrenos, secretários no escuro

gonçalo lobo pinheiro

Depois de dois Secretários do Governo dizerem que desconhecem o caso de permuta de terrenos com empresa da Fábrica, Chui Sai On promete explicações na AL

gcs

Só nós dois é que não sabemos

O

s Secretários para os Assuntos Sociais e Cultura e para os Transportes e Obras Públicas desconhecem as informações sobre a permuta de terrenos com o responsável pela Fábrica de Panchões Iec Long, mas Chui Sai On garante pôr tudo em pratos limpos. O Chefe do Executivo assegurou ontem que “os serviços competentes vão certamente esclarecer o público”, ainda que não antes de “estudar e averiguar o assunto”. Alexis Tam e Raimundo do Rosário admitiram ao Jornal do Cidadão que não podiam comentar o caso, por desconhecerem as negociações. A preservação da antiga Fábrica de Panchões Iec Long foi conseguida pelo Governo através da permuta de mais de 150 mil metros quadrados de terreno. A ideia do Governo em transformar

A

vice-presidente do Jockey Club de Macau está a negociar a renovação do contrato do espaço com o Governo. Anglea Leong, que está à frente dos negócios da Sociedade de Jogos de Macau (SJM), afirmou estar a pedir ao Executivo a renovação da concessão de exclusividade, ainda que possa haver algumas mudanças nas cláusulas contratuais. O contrato de concessão do Jockey Club termina a 31 de Agosto deste ano, depois do Executivo ter renovado o contrato de exclusividade com a Companhia de Corridas de Cavalos em Setembro de 2005. Segundo o Jornal do Cidadão, Angela Leong revelou que já está a negociar com o Governo nova extensão do contrato, admitindo algumas alterações

a antiga Iec Long num parque temático custou os lotes onde estão actualmente os empreendimentos Once Central, Mandarim Oriental e MGM, além de que ainda falta ao Governo ceder 133 mil metros quadrados para concluir a troca. A permuta foi feita com a Sociedade

de Desenvolvimento Predial Baía da Nossa Senhora da Esperança, da qual é administrador o empresário Sio Tak Hong, também membro do Conselho Executivo e delegado de Macau no Comité Nacional da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês.

Segundo o jornal, Alexis Tam referiu que, tanto ele como o Instituto Cultural (IC), “não sabem do assunto da troca dos terrenos”, pelo que o responsável não teve informações para dar aos jornalistas, quando questionado sobre o facto. “O IC apenas ajudou na reparação

Jockey Club Angela Leong negoceia renovação do contrato

Espremer até à última

nas cláusulas de forma a que estas correspondam à diversificação económica almejada pelo Governo.

A Companhia de Corridas de Cavalos de Macau perdeu mais de 50 milhões de patacas em 2014, mas, no relatório de contas

relativo ao ano passado, já tinha manifestado intenção de ver o seu contrato renovado. A empresa, que recebeu a primeira concessão em 1978, já escolheu Thomas Li, director-executivo, como o elo de negociação com o Governo. Questionada sobre se tem confiança que conseguirá ganhar a renovação do contrato, Angela Leong disse que, mesmo que o negócio das corridas de cavalos esteja a cair nos últimos anos, “deverá haver mais actividades com a renovação do contrato, já que as cláusulas vão ser alteradas, para desenvolver a diversificação do sector” do Jogo. F.F.

e salvaguarda dos edifícios dentro da antiga fábrica de panchões, evitando a demolição”, acrescentou ainda o Secretário para os Assuntos Sociais e Cultura. Também Raimundo do Rosário mostra não saber do assunto. “Até ao momento, nenhum terreno desocupado foi recuperado, nem tenho as informações respectivas à permuta do terreno, mas tenho vontade de explicar a questão na Assembleia Legislativa(AL)”, disse Raimundo do Rosário ao mesmo jornal depois de uma reunião plenária da AL. O Secretário frisou que só soube do assunto depois de ler a notícia, mas ainda não investigou os detalhes do assunto. Contudo, Raimundo referiu que “tem vontade de falar de todas as questões na AL” e que, se for convidado, vai comparecer. O presidente da Comissão de Acompanhamento para os Assuntos de Terras e Concessões Públicas, Ho Ion Sang, mostrou-se aberto a convidar o Governo a explicar a situação. O Chefe do Executivo disse que isso vai acontecer. “O Secretário para os Transportes e Obras Públicas, Raimundo do Rosário, está actualmente a trabalhar com os colegas dos serviços competentes e após inteirar-se e estudar o processo irá reportar ao Chefe do Executivo. Pelo que, na altura serão efectuados os devidos esclarecimentos públicos, mas sublinhou que por enquanto não há mais informação”, indica um comunicado do Gabinete do Chefe do Governo. Por outro lado, Sio Tak Hong, que assinou o acordo de permuta de terrenos, admitiu à publicação All About Macau que era proprietário da antiga fábrica de panchões. Quando questionado se for pedir lotes nos novos aterros para recuperar os 133 mil metros quadrados em falta, o empresário afirmou que o assunto “é normal e se compara a dívidas que devem ser pagas”, ainda que diga que não pode ser nos novos aterros, por já existirem “muitos terrenos em Coloane que podem ser desenvolvidos”. Ao que o HM apurou sobre o assunto, ainda o mês passado, o Executivo ainda não anunciou quaisquer planos para mais trocas de terrenos, tendo dito há pouco tempo que já foi iniciado um estudo que pretende transformar a antiga Iec Long num parque temático, mas que ainda estava com dificuldades no que ao domínio dos lotes diz respeito, uma vez que estes “estariam divididos em proprietários e regimes jurídicos diferentes”. O Governo disse até que ainda estava a negociar uma indemnização. Flora Fong

flora.fong@hojemacau.com.mo

Joana Freitas

joana.freitas@hojemacau.com.mo


sociedade

hoje macau segunda-feira 10.8.2015

Melco com perdas de 77,8%

A Melco Crown registou lucros líquidos no primeiro semestre de 84,9 milhões de dólares norte-americanos, menos 77,8% do que no primeiro semestre de 2014. De acordo com os dados divulgados pela empresa, as receitas brutas de toda a companhia, incluindo as áreas hoteleira, restauração, comercial e de entretenimento não jogo, caíram 21,19% para 2085,3 milhões de dólares norte-americanos. Já as receitas líquidas diminuíram 22,9% para 1.971 milhões de dólares norte-americanos. A Melco Crown é uma parceria entre Lawrence Ho - filho de Stanley Ho, fundador da Sociedade de Jogos de Macau, e irmão de Pansy Ho, co-presidente da MGM China, - e James Packer, magnata australiano também ligado ao sector do jogo naquele país. Os números da Melco Crown estão em linha com outras empresas como a MGM China e surgem depois de serem conhecidas as receitas de Julho do sector dos casinos, que fecharam com uma receita de 18.615 milhões de patacas, menos 34,5% do que no mesmo mês de 2014 e cumprindo o 14.º mês consecutivo de quedas homólogas.

7

Urbanismo Conselho de profissionais em funcionamento ainda este ano

Porque é preciso acreditar

O Conselho Executivo anunciou na passada sexta-feira o Regulamento que legisla o novo Conselho de Arquitectura, Engenharia e Urbanismo. Este deve entrar em funcionamento ainda este ano e serve para assegurar a acreditação e registo destes profissionais, tarefa que cabe ainda à DSSOPT

O

recentemente criado Conselho de Arquitectura, Engenharia e Urbanismo entra em funcionamento ainda este ano e vem servir de agente de acreditação e registo de todos os profissionais desta área. Actualmente, estas funções cabem à Direcção de Serviços de Solos, Obras Públicas e Transportes (DSSOPT). De acordo com declarações de Leong Heng Heng, porta-voz do Conselho Executivo, na passada sexta-feira, o CAEU começa “de certeza [a funcionar] ainda este ano”. O referido Conselho vai ser constituído por 13 elementos, sete deles representantes da Administração Pública e seis profissionais do sector privado. Todos eles serão em breve nomeados pelo Chefe do Executivo e os seus mandatos têm a duração de dois anos. O regulamento respeitante ao CAEU entra em vigor após data de publicação em Boletim Oficial,

mas é possível que demore mais alguns meses até que o Conselho comece a exercer funções efectivas relativamente a quatro pontos. O primeiro está relacionado com procedimentos de acreditação e registo, no qual se enquadram as normas de um exame e estágio obrigatórios para os novos profissionais, da escolha do orientador do estágio, entre outras. O Conselho vai ainda ser responsável pela promoção e criação de acções de formação contínua e especial e pela emissão de uma cédula profissional. “Adicionalmente, a inscrição de técnicos na DSSOPT depende da obtenção de cédula profissional emitida pelo CAEU”, lê-se no documento relativo ao Conselho. Assim, o CAEU deverá funcionar mediante apoio financeiro e técnico da DSSOPT.

Mais de mil

Até hoje e de acordo com os dados anunciados na semana passada por

Leong Heng Teng, estão 1500 profissionais registados na DSSOPT, o que pode não traduzir o número efectivo de arquitectos, urbanistas e engenheiros em funções em Macau. Em média, são entre 150 e 200 os profissionais inscritos por mês.

De acordo com Lei Hon Kei, Chefe da Divisão de Apoio Técnico da DSSOPT, hoje em dia só os profissionais que assinam ou submetem projectos àquela entidade têm que estar obrigatoriamente registados na sua base de dados. Assim, todos os outros arquitectos, engenheiros ou urbanistas que cumpram estas funções, mas não estejam aptos para assinar projectos, estão livres de registo. De acordo com as informações disponíveis no website oficial do CAEU, quem não estiver registado não poderá apresentar ou submeter projectos oficialmente. “A qualificação para o exercício de funções profissionais é obtido através de inscrição na DSSOPT, não podendo as pessoas que não possuem qualificação legal, exercer funções no âmbito da elaboração de projectos, da direcção e fiscalização de obras”, frisa o Conselho no website. Leonor Sá Machado

leonor.machado@hojemacau.com.mo

Hotel Estoril acusado de consultas públicas falsas, IC grita “injustiça”

Sábado foi o dia mais quente desde há 59 anos

Os termómetros registaram no sábado temperaturas de 38º C, tornando este o dia mais quente desde 1956. O território registou temperaturas elevadas devido ao tufão Soudelor, que na madrugada de sábado atingiu Taiwan. Em Coloane foram registados 38ºC, enquanto em Macau a temperatura mais elevada foi de 37,9ºC. Na Taipa foram registados 36,4ºC. O alerta laranja emitido pelas autoridades baixou ontem para amarelo, com a descida das temperaturas para 35ºC. Para hoje já se prevêem aguaceiros e nova descida das temperaturas, mas o nível de poluição – que sábado estava alto – mantém-se ainda em “mau”. Em Hong Kong, neste fim-de-semana, a temperatura atingiu o valor mais elevado desde que há 130 anos.

A fachada do nosso contentamento A

lexis Tam já garantiu que não há ainda qualquer decisão sobre o que fazer ao Hotel Estoril, mas o Instituto Cultural continua a ser acusado de estar a levar a cabo consultas públicas falsas. Residentes que estiveram presentes em mais uma sessão de auscultação do novo projecto reclamam que o Governo já sabe bem o que quer fazer ao espaço, ainda que o IC garante que essas acusações são injustas. “Onde está o espaço para o nosso debate? Se o Governo quer as opiniões de pessoas sobre este projecto por que é que consideram demolir o edifício inteiro logo à partida?”, começou por apontar uma residente, citada pelo canal português da TDM. Membros do Conselho para as Indústrias Culturais e do Conselho de Curadores do Fundo das Indústrias Culturais defenderam também a preservação da fachada do antigo hotel e do mural, “em nome da memória de Macau”, numa altura em que se acredita que o espaço vai ser totalmente demolido. Isto porque, apesar do Secretário para os Assuntos Sociais e Cultura ter assegurado que não há decisão, o facto de ser Álvaro Siza Vieira o mentor do projecto para o hotel leva a população a acreditar que o Estoril vem mesmo todo abaixo,

como já foi defendido pelo profissional português. Algo que não agrada. “Não me interessa se o arquitecto português diz que o Hotel Estoril não tem interesse cultural, ele é português e não faz ideia do que é importante para as pessoas de Macau. A decisão deve ser feita pelo povo de Macau”, atirou na sessão de sexta-feira outro residente. Citado pelo canal português da televisão, o ainda presidente da Associação Novo Macau, Sou Ka Hou, criticou o Governo por ter destruído “o pavilhão polidesportivo do Tap Seac no passado, de modo a construir um ponto de interesse em Macau, como fez na zona de São Paulo e São Lázaro”. O activista diz que “no entanto, o resultado é que a zona do Tap Seac continua na mesma.”

é uma injustiça...

Face às acusações de que estaria a fazer uma consulta pública de fachada, o IC respondeu, criticando as declarações. “Fizemos tantas consultas públicas, que isso significa que queremos mesmo discutir este projecto com a comunidade e claro que temos em conta a opinião dos cidadãos. Acho injusto que as pessoas digam que estamos a fazer consultas públicas falsas, isso é muito injusto para com toda a equipa e

trabalhadores e não é verdade”, frisou Chan Peng Fai, vice-presidente do IC. Na sessão, os membros do Conselho para as Indústrias Culturais e do Conselho de Curadores do Fundo das Indústrias Culturais apoiaram o projecto do Governo para o antigo Hotel Estoril, mas nem todos estão de acordo com a ideia de deitar a fachada abaixo. Segundo a Rádio Macau, Angela Leong, um dos membros, considera “uma pena se todo o edifício for demolido”. A também deputada considera que “pode ser injusto quer para as gerações anteriores, quer para as gerações futuras”. Também James Chu defende que a fachada seja mantida em nome da memória histórica de Macau. O artista entende que, “em termos de estilo arquitectónico não é muito especial, mas tem um estilo próprio e constituí uma memória da população de Macau”. Lok Hei saiu em defesa do mural do antigo edifício, da autoria do arquitecto italiano Oseo Acconci. “Em termos artísticos, acho que não podemos negligenciar. No futuro complexo vamos formar e desenvolver jovens. Considero que o Governo pode tolerar as coisas antigas para fazer coisas novas”, argumentou, citado pela rádio.


8 publicidade

hoje macau segunda-feira 10.8.2015

Notificação no 001/NOEP-L/GJN/2015 Considerando que não se revela possível notificar os interessados, pessoalmente, por ofício, telefone, ou outra forma, para o efeito do regime procedimental nos respectivos processos administrativos sancionatórios, nos termos do artigo 14º do Decreto-Lei nº 52/99/M, de 4 de Outubro, do artigo 68º e do nº 1 do artigo 72º do Código do Procedimento Administrativo, aprovado pelo Decreto-Lei nº 57/99/M, de 11 de Outubro, o signatário notifica, pela presente, nos termos do nº 2 do artigo 72º do Código do Procedimento Administrativo e no uso das competências conferidas pelo Conselho de Administração do Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais e constantes da Proposta de Deliberação nº 01/ PDCA/2014, de 9 de Maio, publicada na Série II do Boletim Oficial da Região Administrativa Especial de Macau nº 20, de 15 de Maio de 2014 e pelo Despacho do Chefe do Executivo nº 83/2014, publicado na Série II do Boletim Oficial da Região Administrativa Especial de Macau nº 19, de 7 de Maio de 2014, os infractores, constantes das tabelas desta notificação, do conteúdo das respectivas decisões sancionatórias:

andar, Macau, Centro de Actividades de S. Domingos, sito na Travessa do Soriano, Complexo Municipal do Mercado de S. Domingos, 4º andar, Macau ou através do acesso ao endereço electrónico http://www.iacm.gov.mo/rgep. Caso contrário, o IACM submeterá os processos à Repartição das Execuções Fiscais da Direcção dos Serviços de Finanças para a cobrança coerciva, nos termos do artigo 17º do DecretoLei nº 52/99/M, mas sem prejuízo da aplicação do disposto no no 4 do artigo 18º do mesmo Decreto-Lei. Os infractores, antes da liquidação das multas, não poderão entrar de novo, na RAEM. 5.

Não é de atender a esta notificação, caso os infractores constantes das tabelas anexas tenham já saldado, aquando da presente publicação, as respectivas multas, resultantes da acusação. Para informações mais pormenorizadas, os interessados poderão ligar para o telefone nº 8295 6868 ou dirigir-se pessoalmente ao referido Núcleo Operativo deste Instituto.

Nos termos do nº 4 do artigo 36º, nº 1 do artigo 37º, artigos 38º e 39º do Regulamento Geral dos Espaços Públicos, aprovado pelo Regulamento Administrativo nº 28/2004 e em conjugação com o no 2 do artigo 5º do Código do Procedimento Administrativo, o Presidente do Conselho de Administração, ou seus substitutos, exararam despachos nas respectivas informações, tendo em consideração as infracções administrativas comprovadas e a existência de culpa confirmada. Assim: 1.

Os factos ilícitos exarados nas acusações, provados testemunhalmente, constituem infracções administrativas ao disposto na alínea 1) do nº 1 do artigo 2º do Regulamento Geral dos Espaços Públicos e previstos no nº 13 do artigo 2º do Catálogo das Infracções, aprovado pelo Despacho do Chefe do Executivo nº 106/2005, porquanto resultam da prática de actos de “Cuspir ou lançar muco nasal para qualquer superfície do espaço público, de instalações públicas ou de equipamento público”, tendo sido os infractores notificados do conteúdo das acusações. (cfr.: Tabela II) O facto ilícito exarado na acusação, provado testemunhalmente, constitui infracção administrativa ao disposto no nº 2 do artigo 9º do Regulamento Geral dos Espaços Públicos e previstos no nº 12 do artigo 2º do Catálogo das Infracções, aprovado pelo Despacho do Chefe do Executivo nº 106/2005, porquanto resulta da prática do acto de “Não limpar de imediato o espaço público poluído com dejectos de animais de estimação que se está a acompanhar”, tendo sido a infractora notificada do conteúdo da acusação. (cfr.: Tabela III) Além disso, os infractores podem ainda apresentar reclamação contra os actos sancionatórios ao autor do acto, no prazo de 15 (quinze) dias, a contar da data da publicação da notificação, nos termos dos artigos 145º, 148º e 149º do Código do Procedimento Administrativo, sem prejuízo da aplicação do disposto no artigo 123º do referido código. Para efeitos do disposto no nº 2 do artigo 150º do mesmo diploma, a reclamação não tem efeito suspensivo sobre o acto. 3.

4.

O Presidente do Conselho de Administração Vong Iao Lek

Foram aplicadas aos infractores, constantes das Tabelas I a III, as multas previstas no nº 2 do artigo 45º do Regulamento Geral dos Espaços Públicos e no artigo 2º do Catálogo das Infracções, no valor de MOP600,00 (cada infracção): Os factos ilícitos exarados nas acusações, provados testemunhalmente, constituem infracções administrativas ao disposto no nº 1 do artigo 13º do Regulamento Geral dos Espaços Públicos e previstos no nº 7 do artigo 2º do Catálogo das Infracções, aprovado pelo Despacho do Chefe do Executivo nº 106/2005, porquanto resultam da prática de actos de “Nos espaços públicos, abandonar resíduos sólidos fora dos locais e recipientes especificamente destinados à sua deposição”, tendo sido os infractores notificados do conteúdo das acusações. (cfr.: Tabela I)

2.

Aos 21 de Julho de 2015

Quanto aos actos sancionatórios, os infractores podem apresentar recurso contencioso no prazo estipulado nos artigos 25º e 26º do Código de Processo Administrativo Contencioso, aprovado pelo Decreto-Lei nº 110/99/M, de 13 de Dezembro, ao Tribunal Administrativo da Região Administrativa Especial de Macau. Sem prejuízo da aplicação do disposto no artigo 75º do Código do Procedimento Administrativo, para efeitos do disposto no nº 4 do artigo 55º do Regulamento Geral dos Espaços Públicos, os infractores deverão efectuar a liquidação de todo o valor das multas aplicadas, dentro do prazo de 30 (trinta) dias, a partir da data da publicação da presente notificação, no Gabinete Jurídico e Notariado do IACM (Núcleo Operativo do IACM para a Execução do Regulamento Geral dos Espaços Públicos), sito na Avenida da Praia Grande, nos 762-804, Edf. China Plaza, 5º

Tabela I

Nome

Sexo

Tipo e nº do documento de identificação

Nº da acusação

Data da infracção

Data em que foram exarados os despachos de aplicação das multas

张立伟 ZHANG LIWEI

M

(*1)

W67260*** A037013/2013 13/04/2013

24/06/2014

戴军 DAI JUN

M

(*1)

W71272*** A025041/2013 09/05/2013

24/06/2014

王良俊 WANG LIANGJUN

M

(*1)

W32287*** A024615/2013 05/06/2013

22/08/2014

梁添荣

M

(*1)

W53505*** A055180/2013 06/06/2013

22/08/2014

颜必强 YAN BIQIANG

M

(*2)

E04849***

A038103/2013 02/02/2013

03/01/2014

潘玉峰 PAN YUFENG

M

(*2)

G27375***

A037503/2013 08/03/2013

24/06/2014

梁礼能 LIANG LINENG

M

(*2)

G23376***

A037511/2013

25/03/2013

24/06/2014

李宏

M

(*2)

G57660***

A037117/2013

25/04/2013

24/06/2014

李仁生 LI YAN SANG

M

(*4)

E8340**(*)

A055283/2013 25/06/2013

24/06/2014

Tabela II 朱伟德 ZHU WEIDE

M

(*1)

W29549*** A037204/2013

10/05/2013

24/06/2014

黄柏垣 HUANG BAIYUAN

M

(*2)

E11856***

12/03/2013

24/06/2014

07/05/2013

10/10/2014

A037483/2013

Tabela III DAN THI NGAN

F

(*3)

B3345***

A050816/2013

Nota: (*1) Salvo-conduto da República Popular da China para deslocação a Hong Kong e Macau (*2) Passaporte da República Popular da China (*3) Passaporte da República Socialista do Vietname (*4) Bilhete de Identidade de Residente de Região Administrativa Especial de Hong Kong

www. iacm.gov.mo


sociedade 9

hoje macau segunda-feira 10.8.2015

Marcas Restaurante acusado de violar direito de propriedade intelectual

Urso falsificado

Um restaurante que usava produtos falsificados da marca Rilakkuma fechou portas depois da detenção do proprietário, por violação da propriedade intelectual

U

m restaurante temático foi acusado de violar o direito de propriedade intelectual e industrial de uma marca de um desenho animado do Japão. A investigação ao dono e a uma funcionária do espaço hoteleiro, pelos Serviços de Alfândega (SA), já levaram à apreensão de mais de mil peças. Segundo um comunicado do organismo, foi recebida

uma denúncia do titular da marca Rilakkuma, indicando que um restaurante, na zona norte, utilizava a imagem do desenho animado sem a devida autorização. No dia 6 de Agosto, o Departamento da Propriedade Intelectual dos Serviços de Alfândega realizou uma investigação ao restaurante, onde foram descobertas uma série de peças para inves-

tigação. Também o dono e uma funcionária daquele restaurante foram levados para interrogatório. “Durante a investigação, o proprietário da marca apoiou-nos e as autoridades conseguiram apreender 1318 peças que violavam o direito de propriedade intelectual e industrial da Rilakkuma”, frisa um comunicado dos SS. Nestes objectos incluíam-se

talheres, folhetos, outdoors, pratos e até um fato do urso que dá o nome à marca. “Depois da verificação preliminar do titular da marca através das cores dos produtos e da proporção das figuras, percebeu-se que os produtos não correspondiam aos verdadeiros, o que confirma que são peças falsificadas”, pode ler-se num comunicado dos SA. O documento acrescenta ainda que foram detidos o dono do restaurante, de 26 anos - com apelido Lou e residente de Macau – e uma trabalhadora não residente – de 37 anos e com apelido Ng - , que podem vir a ser acusados de crimes de “contrafacção, imitação e utilização ilegal de marca” e “venda, circulação ou ocultação de produtos ou artigos”, segundo o Regime Jurídico da Propriedade Intelectual. Os suspeitos podem ser alvo de uma pena máxima de três anos de prisão, mas também o antigo dono poderá ser acusado no processo, caso as autoridades considera que este também praticou o crime. Flora Fong

flora.fong@hojemacau.com.mo

Homem condenado a pagamento de multa “por 39 minutos de atraso”

O

Tribunal de Última Instância (TUI) negou provimento ao recurso de um cidadão condenado pelo crime de desobediência. Este está agora sujeito ao pagamento de uma multa de 7500 patacas ou 70 dias de prisão como resultado de não ter entregue às autoridades a carta de condução por uma infracção rodoviária. No entanto, o

insólito deste caso tem origem no argumento dado pelo condenado: ao interpor recurso no TUI, justificou que não deveria ser multado pois entregou a carta “só com um atraso de 39 minutos”. As autoridades haviam estipulado um prazo máximo de dez dias para a entrega do documento de condução. “Inconformado, [o homem]

recorreu para o Tribunal de Segunda Instância, alegando: Não tinha compreendido a decisão sobre a sanção de inibição de condução, nem a ordem da entrega de carta de condução nela aplicada e, ainda por cima, a carta de condução foi entregue só com atraso de ‘39 minutos’”, refere um documento do Gabinete do presidente do TUI.

Sobem emissões de cartões de crédito

O número de cartões de crédito emitidos em Macau subiu 9,2% para 870.062 unidades no final de Junho, face ao mesmo mês de 2014, foi anunciado pela Autoridade Monetária de Macau. De acordo com a mesma entidade, estavam no final do primeiro semestre emitidos 628.756 cartões em patacas, 79.035 cartões em dólares de Hong Kong, 162.271 em yuan e 162.247 em duas moedas, pataca e yuan. O número de cartões em patacas subiu em Junho e face ao mesmo mês do ano passado 10,9%, o de dólares de Hong Kong caiu 2,6%, e os de yuan ou duas moedas subiram 9,1%. Já o limite dos cartões emitidos pelas entidades autorizadas em Macau subiu 24,1% para 19,48 mil milhões de patacas tendo sido, no segundo trimestre do ano, utilizado um crédito de 4,33 mil milhões de patacas, ou mais 12% do que no segundo trimestre de 2014.

Dengue Níveis altos de depósito de ovos, mas “nada de grave”

Foi registado um alto nível de ovitrampa, ou seja, de depósito de ovos de mosquitos que transmitem a febre da dengue, em Macau. A pesquisa, levada a cabo pelos Serviços de Saúde (SS) e pelos Serviços de Estatística e Censos, confirma que os níveis mais elevados de ovitrampa foram registados no Porto Interior, Tap Seac e Areia Preta. Jarras de plantas, pneus abandonados e baldes com águas paradas continuam a ser as principais fontes de proliferação, razão pela qual os SS pedem aos cidadãos que limpem estes objectos com frequência. As análises foram levadas a cabo entre os dias 13 e 30 de Junho passado, mas o resultado das análises face ao perigo de proliferação da febre de dengue determina que não há razão para alarme, tendo sido registados valores baixos quando comparando com anos anteriores. “Os resultados obtidos, revelam que a situação de proliferação de vectores de febre de dengue nos domicílios e nos lugares públicos dos edifícios não é grave”, referem os SS em comunicado.

Ruínas de S. Paulo encerradas até 15 de Setembro para obras

As Ruínas de S. Paulo e o Museu de Arte Sacra e Cripta estarão encerrados até 15 de Setembro, devido a obras de restauro que terão lugar a partir de 16 de Agosto, da responsabilidade do Instituto Cultural. Só a fachada estará aberta ao público.


10

eventos

hoje macau segund

Creative Macau Thomas Lim regressa para mais um workshop de cinema

Hollywood e a importância do g

Entre os dias 14 e 25 de Setembro o cineasta Thomas Lim volta ao território para dar um workshop intitulado “Constr Hollywood”. Actualmente a residir em Los Angeles, Thomas Lim considera que um filme feito em Macau tem maiore de ter sucesso e de ser difundido nos mercados asiáticos do cinema

P

ode um mercado de pequena dimensão como o de Macau comparar-se à máquina cinematográfica de Hollywood? Não só pode como até apresenta vantagens. Quem o diz é Thomas Lim, cineasta radicado em Los Angeles que regressa a Macau para mais um workshop. Entre os dias 14 e 25 de Setembro, a Creative Macau acolhe o evento “Construir um guião de Hollywood”, dirigido a um máximo de 15 pessoas e com um preço de 1400 patacas. Ao HM, Thomas Lim garante que vem mostrar um pouco do que já aprendeu

com a indústria do cinema norte-americano. “É difícil ter pessoas a investir um milhão de dólares num filme, na primeira vez. E o primeiro passo para ter esse investimento é ter um grande guião. Por isso é que acredito na produção de guiões e quero partilhar estas ferramentas que aprendi nos Estados Unidos da América em Macau, com o novo curso em Setembro”m explica. “Decidi viver em Los Angeles nesta altura da minha vida, porque quero conhecer e trabalhar naquilo que os EUA oferecem nestas áreas”, disse ainda ao HM.

Ver de perto as grandes produções do cinema que chegam às salas de cinema de todo o mundo levou Thomas Lim a confirmar a

À venda na Livraria Portuguesa

genialidade dos americanos para o cinema. “Diria que os estúdios americanos, e não apenas de Hollywood, são mais fortes

do que qualquer outra indústria do mundo em termos de conhecimento dos métodos de produção, abundância na distribuição dos canais e, acima de tudo, as suas incomparáveis capacidades para escrever histórias que captam a atenção das audiências em termos mundiais”, acrescentou. Estabelecendo uma comparação com a escala reduzida do cinema que se produz no território, Thomas Lim defende que produzir um filme em Macau e transmiti-lo nos cinemas locais pode até ser maior sinónimo de sucesso

do que em Hollywood, onde se trabalha com maiores orçamentos e onde a penetração nas salas de cinema é mais difícil. “É muito mais fácil fazer um filme que tem a oportunidade de ser transmitido nos principais cinemas de Macau (e em outros países da Ásia). Uma produção de um milhão de dólares norte-americanos, ou menos, em Macau, teria muito boas oportunidades de ser comercializada e transmitida nos maiores cinemas de Macau ou mesmo noutras partes da Ásia. Com o mesmo orçamento, um filme americano quase que não tem

Rua de S. Domingos 16-18 • Tel: +853 28566442 | 28515915 • Fax: +853 28378014 • mail@livrariaportuguesa.net

O Mistério do Caderno Chinês • Pierdomenico Baccalario e Alessandro Gatti

Panda - 1001 Atividades • vários autores

Annette e Fabò têm um quebra-cabeças para resolver: tudo começa com a descoberta do misterioso diário de uma dama parisiense do século XIX. O antiquário que o possuía foi assassinado e o diário contém pistas para revelar a identidade do criminoso! Mas qual será a ligação entre as desventuras de uma dama que viveu há mais de um século e um crime cometido na Paris de hoje?

O Panda e os seus amigos prepararam muitas atividades para as crianças se divertirem a valer. Nas páginas deste livro, podem encontrar jogos originais, diferenças entre imagens, experiências curiosas, labirintos, origamis engraçados e autocolantes coloridos, entre muitas outras surpresas.


eventos 11

da-feira 10.8.2015

Criativo de Macau expõe fotomontagens em Lisboa

ibito ou Margaret Tatcher? Henrique Silva ou Cavaco Silva? Todos eles numa só imagem e, no fundo, nenhum deles. Ironia e “imposturas” marcam as imagens que o designer português Henrique Silva, ou Bibito, radicado em Macau, vai expor no espaço “Passevite White Cube”, em Lisboa, intitulada “I had a dream – Eu tive um sonho mau”. As fotomontagens, que Bibito vem publicando na sua conta pessoal do Facebook, saem agora à rua e, mais do que fazer sorrir, fazem pensar e remetem-nos para episódios não só da história como da política portuguesa. Há Angela Merkel, chanceler da Alemanha, Hitler a preto e branco ou um Ricardo Salgado caído em desgraça com a queda do Banco Espírito Santo. Num comunicado do espaço “Passevite White Cube”, lê-se que o conteúdo desta exposição, a “matéria deste sonho mau”, “também se demarca de qualquer protocolo ou classificação disciplinar”.

guião

ruir um guião de es possibilidades

Andreia Sofia Silva

andreia.silva@hojemacau.com.mo

ciações do ser”. O espaço Passevite apresenta-se como um atelier ou galeria “independente”, que nasce do trabalho desenvol-

Exposição “Masters in Painting” no Venetian até dia 15

Até ao próximo dia 15 deste mês estará patente na sala Florence Ballroom, do Venetian, a exposição “The Masters in Painting – Contemporary Watercolors”, que conta com o apoio das autoridades locais e da China. A exposição, com entrada gratuita, inclui 81 quadros pintados a aguarela e que mostram essencialmente paisagens, flores, animais e diversas personalidades. O público poderá contemplar os trabalhos dos artistas de Macau lai Ieng, presidente da Sociedade de Artistas de Macau, Poon Kam e Ng Wai Kin. Da China chegam trabalhos de Liu Dawei, presidente da Associação de Artistas da China, Wu Changjiang, Li Xiaolin, Zhao Yunlong, Tian Haipeng, Jiang Zhinan and Ding Sizhong. Dave Horton, responsável de marketing da Venetian, disse que a exposição providencia uma excelente oportunidade para trocas culturais entre o continente e Macau. “Esperamos que os turistas possam tirar partido desta oportunidade única para admirar esta exposição tão enriquecedora em termos culturais”, frisa em comunicado. Lai Leng, presidente da Sociedade de Artistas de Macau, referiu na cerimónia de abertura que a organização está à procura “de apresentar um estilo específico de aguarelas nesta exposição, bem como aprender com os artistas de aguarelas do continente. Isso poderá reforçar a criatividade das aguarelas feitas em Macau”. O horário de exibição é das 11h00 às 19h00. No último dia a exposição encerrará portas às 16h00. venetian

possibilidade de ter um amplo lançamento no mercado comercial, mesmo que seja um filme multi-premiado em festivais”, exemplificou Thomas Lim. Para o cineasta, “isso deve-se à competição que existe entre os grandes filmes de Hollywood, que têm orçamentos acima dos cem milhões de dólares e que são filmes locais nos EUA”. Portanto, para o cineasta de Singapura, produzir películas no pequeno território, com muitas paisagens por explorar, só traz vantagens. “No final, o sucesso de um filme é analisado por dois resultados principais. O primeiro é pelas receitas de bilheteira que obteve e se teve um lançamento comercial noutros mercados fora de Hollywood. Um filme americano de um milhão de dólares tem mais possibilidades de ser ‘menos bem sucedido’ do que um filme de Macau com o mesmo orçamento”, rematou.

“Não estamos perante um ensaio gráfico sobre o discurso ou a imagética dos poderes e da representação, não é um exercício de crítica sociológica em volta dos mecanismos de identidade, ou hipótese de questionamento moral sobre a encenação pública do poder.” “Eu tive um sonho mau” é apenas um “passeio ingénuo das imposturas do nosso tempo”. Esta não pode ser sequer considerada uma exposição, aos olhos dos mentores do espaço criativo lisboeta. “Também não se trata de uma exposição. É exactamente a recusa disso mesmo, de jogar o jogo da codificação com que a instituição-museu ou, noutro nível, a galeria de arte pretende conformar a matéria exposta.” As fotomontagens de Bibito representam “o espelho de Alice”, numa altura em que “a ubiquidade tecnológica transmutou o que significa ser humano, as fulgurações do humano, as figurações, o desenho do pós-humano. ‘Eu tive um sonho mau’ insinua-se nessas nego-

facebook

“Um sonho mau” no Passevite B

vido pelos pintores Paulo Robalo e Mathieu Sodore e também dos designers Rui Lourenço e Daniel Nascimento. A.S.S.

Tuna de Medicina do Porto actua nas Casas-Museu

A Tuna de Medicina do Porto actua em Macau a 15 de Agosto em mais um Concerto ao Anoitecer no “palco” das Casas Museu da Ilha da Taipa. Organizado pelo Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais e pelo Instituto Cultural, o concerto tem a coordenação da Casa de Portugal e terá lugar entre as 17h30 e as 19h00 de sábado no anfiteatro junto às Casas Museu da Taipa. As Casas Museu, entretanto recuperadas e que servem também como local de eventos como a Festa da Lusofonia são residências de traço colonial construídas junto a uma baía, em 1921, para servirem de casa dos funcionários superiores das ilhas, à época ainda sem acesso por terra à península de Macau. A organização destaca que a Tuna de Medicina do Porto é composta por homens que interpretam temas tradicionais dos anos 1920 aos anos 1940 e também música moderna. Os Concertos ao Anoitecer decorrem habitualmente nas Casas Museu da Taipa e envolvem sempre o apoio de coordenação de várias associações locais, sendo a entrada gratuita. Apesar do concerto não estar integrado em qualquer programa comemorativo, as cidades de Macau e do Porto são geminadas desde 1997.

Die motherfucker Carlos Torrella In Facebook

C

oncedamos na impostura. Nas várias imposturas aqui patentes, de resto. Desde logo, ce ci c´est pas une pipe do autor, e também não se trata de uma exposição. É exactamente a recusa disso mesmo, de jogar o jogo da codificação com que a instituição-museu ou, noutro nível, a galeria de arte pretende conformar a matéria exposta. A própria matéria deste sonho mau também se demarca de qualquer protocolo ou classificação disciplinar. Não estamos perante um ensaio gráfico sobre o discurso ou a imagética dos poderes e da representação, não é um exercício de crítica sociológica em volta dos mecanismos da identidade, tão pouco um edifício de contra semiótica ou hipótese de questionamento moral sobre a encenação publica do poder. “I Had a Dream – eu tive um sonho mau” é o passeio ingénuo das imposturas do nosso tempo. As coincidências da linguagem e o flirt afectivo com as práticas artísticas da contracultura do século passado são, imediatamente, reconheciveis. Porém, com variações – onde prevalecia o simbólico surge aqui o literal e, nessa superficíe, a própria face do autor projectando-se como um zelig na memória artística da cultura popular, na epurazione dos revisionismos históricos, ou na manipulação de massas dos sucessivos regimes políticos. “I Had a Dream” reflecte esse espelho de Alice - o dispositivo onde se determinam as regras da construção da verdade, os jogos de produção de sentido, a ordem do discurso (e o discurso da ordem) oficial e, em contra-espelho, a fragmentação dessa ordem, a interferência dos discursos, a versão partilhada. Um jogo hermenêutico mas que a actual possibilidade tecnológica transferiu, irremediavelmente, para o domínio do ontológico. O contexto do facebook em que este “sonho mau” se produziu reitera esse novo leviatã. A ubiquidade tecnologica trasmutou o que significa ser humano, as fulgurações do humano, as figurações do humano, o desenho do pós-humano. É aqui que estamos. “Eu tive um sonho mau” insinua-se nessas negociações do ser. He had a bad dream! I saw the future! Time to die.


12

china

O

tufão Soudelor, que provocou seis mortes em Taiwan, tocou terra ontem na China, mais enfraquecido, devendo converter-se em depressão tropical ao final do dia, informou o Centro Meteorológico chinês. Chuvas torrenciais abateram-se sobre a província de Fujian, no sudeste da China, causando inundações, sem

A

s exportações da China recuaram 8,3 por cento em Julho, a sua maior queda em quatro meses, num resultado bastante pior que o esperado, reforçando expectativas de que Pequim será forçado a proporcionar mais estímulos para amparar a segunda maior economia do mundo. As importações também caíram acentuadamente em relação a um ano antes, em linha com previsões do mercado, mas sugerindo que a procura doméstica pode estar muito débil para compensar a procura global mais fraca pelas exportações chinesas. Economistas previam que as exportações cairiam apenas 1 por cento, após alta de 2,8 por cento em Jnho, mas os dados deste sábado mostraram uma procura deprimida

hoje macau segunda-feira 10.8.2015

Tufão Soudelor chegou ontem a Fujian

Taiwan mártir que tenha sido reportada, porém, a ocorrência de vítimas ou danos de maior, de acordo com a agência Xinhua. Pelo menos 25 mil pessoas foram retiradas das

províncias costeiras de Fujian e Zhejiang devido à aproximação do Soudelor. Em Taiwan, o tufão Soudelor provocou o derrube de árvores, deslizamentos de

terras, deixou sem eletricidade 3,62 milhões de casas e matou seis pessoas. Quatro pessoas estão desaparecidas e 101 ficaram feridas, segundo autoridades

taiwanesas. Centenas de vôos foram adiados ou cancelados e mais de 9,9 mil pessoas foram retiradas de suas casas. Imagens de televisão mostram árvores arrancadas, postes caídos, uma bicicleta motorizada a ser levada pelo vento e contentores empilhados uns sobre os outros no porto. Segundo o Centro de Operações de Emergência de Taiwan, entre os mortos

há uma menina de 8 anos e a sua mãe, que foram arrastadas pelo mar quando brincavam na praia na região de Yilan, no leste da ilha. Uma irmã gémea da menina, que também se encontrava no local, desapareceu. “A tempestade vai ficar mais fraca, mas esperamos mais chuva, particularmente no sul de Taiwan”, disse Wang Shih-chien, funcionário do Gabinete Central do Clima da ilha.

Exportações caem 8%, inflação sobe 1,6%

Julho muito frio na Europa e a primeira queda nas exportações para os Estados Unidos, maior mercado da China, desde Março. As exportações para a União Europeia caíram 12,3 por cento em Julho, enquanto para os Estados Unidos declinaram 1,3 por cento. A procura do Japão, outro grande parceiro comercial, baixou 13 por cento. “Uma recuperação na procura externa permanece distante e o crescimento económico continuará a depender da procura doméstica, o que indica que políticas devem continuar a ser abrandadas no segundo semestre”, escreveu

Qu Hongbin, economista para a China no HSBC. As importações caíram 8,1 por cento, mostraram os dados da Administração Geral das Alfândegas. As previsões apontavam um declínio de 8 por cento, após queda de 6,1 por cento em junho, embora essas quedas também tenham refletido preços mais baixos de commodities.

Inflação subiu para 1,6% em Julho

O Índice de Preços no Consumidor da China, um dos principais indicadores da inflação, aumentou 1,6% em julho, a maior subida

registada desde o início do ano, anunciou o Gabinete Nacional de Estatísticas chinês. Em termos acumulados, os preços aumentaram 1,3% nos primeiros sete meses do ano. Em junho, a inflação tinha sido de 1,4%. O Gabinete Nacional de Estatísticas atribuiu o aumento sobretudo à subida do preço da carne de porco, um produto essencial no cabaz de compras de grande parte das famílias da China. Para o conjunto de 2015, Pequim propõe-se a “manter a inflação em torno dos 3%”, ou seja, um ponto percentual acima do valor apurado em 2014.

Alibaba cresceu 32%

Analistas consultados pela S&P estimam que a receita do grupo chinês de vendas online Alibaba avance 32%, para US$ 3,38 mil milhões no primeiro trimestre do ano fiscal de 2015, perante igual período em 2014, enquanto o lucro líquido deve recuar 58% para US$ 842 milhões, na mesma base de comparação. O declínio do lucro é atribuído a pesados investimentos da empresa em unidades de negócios de internet móvel. Já a projeção de crescimento de receita é baseada na redução de taxas para compras feitas pelo site do grupo. A companhia irá apresentar os resultados nesta quarta-feira. Investidores esperam que o grupo consiga melhorar a sua capacidade para gerar receitas a partir de dispositivos móveis, que são menos lucrativas do que em computadores desktop. Para os analistas, o impacto da desaceleração do crescimento chinês no segmento de e-commerce deve ser menos visível do que no setor tradicional.


região

hoje macau segunda-feira 10.8.2015

70 anos Nagasaki assinalou bombardeamento atómico

A memória do apocalipse A cidade japonesa de Nagasaki assinalou ontem o 70.º aniversário do bombardeamento atómico, com uma cerimónia em que foi defendido o carácter pacifista da Constituição perante a reforma militar em curso promovida pelo Governo. Os sinos soaram às 11:02, hora em que foi lançada uma bomba atómica com núcleo de plutónio (baptizada de “Fat man”) sobre a cidade portuária, durante um memorial realizado no Parque da Paz, em que participaram representantes dos governos central e local e de um universo de 76 países, bem como “hibakusha”, nome pelo qual são conhecidos no Japão os sobreviventes dos bombardeamentos atómicos. Na cerimónia, o presidente da Câmara de Nagasaki, Tomihisa Taue, proferiu um discurso, no qual apelou ao Governo que lidere os esforços com a comunidade internacional para pôr fim à proliferação nuclear, e criticou a reinterpretação da Carta Magna impulsionada pelo primeiro-ministro, Shinzo Abe. “Muitas pessoas questionam-se se o princípio pacifista do Japão, que impede de nos envolvermos em qualquer guerra, está a sofrer erosão devido a esta iniciativa”, afirmou o autarca, em referência ao artigo 9.º da Constituição. pub

“Nunca devemos abandonar este princípio, sobre o qual se construiu a prosperidade do Japão actual. Não podemos olvidar as trágicas memórias que a guerra nos deixou”, realçou na sua “Declaração pela Paz”. Shinzo Abe e o seu Governo têm sido alvo de duras críticas da oposição e de uma crescente contestação por parte dos japoneses relativamente à reinterpretação do referido artigo pacifista que vai permitir, pela primeira vez em 68 anos, que as Forças de Autodefesa (exército) operem no estrangeiro e defendam aliados em caso de ataque. Os Estados Unidos lançaram o primeiro ataque nuclear da história sobre a cidade de Hiroshima a 6 de agosto de 1945. Entre 70 mil e 80 mil pessoas, cerca de 30% dos residentes da cidade, morreram na explosão e consequente onda de choque. Uma segunda bomba atómica

atingiria, somente três dias depois, Nagasaki. Apesar de mais potente que a “Little boy”, os efeitos da segunda bomba atómica fizeram-se sobretudo sentir no vale de Urakami. Cerca de 74.000 pessoas morreram na explosão, a somar a milhares de outras que perderem a vida nos anos seguintes devido aos efeitos da radiação. Nas duas cidades, a maioria das vítimas era civil, embora Hiroshima fosse um importante posto militar. A 15 de agosto, depois do bombardeamento de Nagasaki e da declaração de guerra da União Soviética, o imperador Hirohito anunciou o cessar-fogo. A 2 de Setembro, o Japão assinava o instrumento de rendição incondicional, pondo fim à Segunda Guerra Mundial. O papel dos bombardeamentos atómicos na rendição japonesa e a sua justificação ética continuam a ser debatidos. Os ataques atómicos sobre as cidades japonesas de Hiroshima (oeste) e Nagasaki (sudoeste) foram os únicos levados a cabo até hoje. A Cruz Vermelha estima que estejam vivos actualmente 200 mil ‘hibakusha’. Num estudo do instituto norte-americano Pew Research Center, divulgado em Fevereiro, mais de 56% dos norte-americanos consideraram que a utilização da bomba atómica contra o Japão foi justificada, contra 79% dos japoneses que afirmaram o contrário.

13

Abe fecha a porta às armas nucleares O primeiro-ministro japonês prometeu ontem que o seu país “continuará a aderir” aos princípios de não produzir, não utilizar nem transportar armas nucleares. “Como único país do mundo a ter experimentado os horrores de um ataque nuclear, lideraremos os esforços para conseguir um mundo livre de armas atómicas”, disse Shinzo Abe. O Japão “continuará a aderir aos princípios de não produzir nem possuir armamento nuclear e de não permitir a entrada do mesmo no país”, frisou, afastando dúvidas sobre a possibilidade de o exército poder transportar armas nucleares em operações de apoio aos aliados na sequência da reforma militar. No discurso que proferiu na quinta-feira, dia 6, durante a cerimónia do 70.º aniversário do bombardeamento em Hiroshima, o primeiroministro não fez referência aos três princípios antinucleares adoptados pelo Japão em 1967, omissão que desencadeou fortes críticas por parte da oposição. As palavras de Abe eram aguardadas com expectativa após a reinterpretação do artigo pacifista da Carta Magna promovida pelo Governo, a qual vai permitir, pela primeira vez em 68 anos, que as Forças de Autodefesa (exército) operem no estrangeiro e defendam os seus aliados em caso de ataque. O ministro da Defesa japonês, Gen Nakatani, chegou a admitir que, com esta reforma, “tecnicamente” o Japão poderia transportar armas nucleares para os seus aliados em caso de ter de lhes providenciar assistência militar, durante a sua deslocação à Câmara Alta na passada quarta-feira. Contudo, apressar-se-ia depois a descartar tal hipótese, invocando os referidos três princípios.


h

hoje macau segunda-feira 10.8.2015

artes, letras e ideias

14

Shitao

Propósitos Sobre a Pintura do Monge Abóbora Amarga

Capítulo XVI Despojar-se da Vulgaridade (Continuação) Ele (o pintor) emprega a tinta como se a obra estivesse já toda acabada, e ele manobra o pincel como num não-agir1. Sobre a superfície limitada de uma pintura, ele ordena o Céu e a Terra, os montes, os rios e a infinidade das criaturas, e tudo isto com um coração desafeiçoado2 e como no nada3. A estupidez uma vez eliminada, nasce a inteligência; a vulgaridade uma vez varrida, a limpidez torna-se perfeita.

1 - Conceito daoísta (Wu-wei): a inacção é uma forma superior de acção: «A prática do estudo acumula, dia após dia, enquanto a prática do Dao delapida dia após dia, delapida e delapida ainda mais, e isto até ao não agir. Não há nada que o não-agir não possa fazer; aqueles que se apoderaram do mundo fizeram-no por inacção; fossem eles activos, e não estariam em condições de se apoderar dele». (Laozi, Cap. 48, citado por Ryckmans, pág. 125)

partir da dinastia Yuan quando nasce essa arte aristocrática reservada a uma elite espiritual, recusa a cor e os que possuem mérito recusam as honrarias. Exemplar desse programa é a obra e o percurso de Ni Zan (1301-1374). Hua Yilun (activo no segundo terço do séc. XIX) escreveu: «Possuir energia espiritual na palidez insípida, é o que se chama possuir verdadeiramente energia espiritual». (in «Meishu Congshu», vol.30, p. 102)

2 - A palavra «Dan» aqui está a qualificar o coração, porém possui um vasto significado na estética chinesa. Literalmente significa «frágil», por oposição a nong, «forte», ou «ligeiro» (no sentido em que se fala, por exemplo, de um chá, um tabaco ou bebida alcoólica); mas também «insípido», qualificando uma iguaria (por oposição a um sabor forte, áspero ou condimentado); ou «pálido», «baço», «apagado» falando de uma cor (por oposição a uma cor viva ou crua). Na técnica da pintura, portanto, a palavra qualifica a tinta muito diluída com água, por oposição à tinta espessa (nong). Donde deriva uma apreciação crítica: se a tinta espessa permite imediatos efeitos rutilantes de força exterior, a tinta diluída, de aparência frágil, ligeira e apagada, mais difícil de manejar, requer mais da arte do pintor. Pelo que muitos pintores qualificam o uso da tinta espessa como um procedimento inferior e vulgar. Nisso se exprimindo uma constante do espírito e do gosto chinês clássico; a verdadeira força não se manifesta de forma ostensiva, mas nas formas delicadas, baças. A densidade não se exprime na espessura da matéria mas no manejamento de uma matéria ligeira e esparsa. Deste modo a grande arte da pintura dos letrados, a

3 - As recomendações clássicas dizem: o pintor deve possuir uma disposição de coração ociosa (xian), silenciosa e tranquila (jing), depurada e vazia (kong) – e isto é alcançado eventualmente através da contemplação da natureza, de pinturas, pelo estudo, a leitura e a poesia, pela música ou o vinho. Li Rihua (1565-1635): «É preciso saber que impregnar o papel de uma única gota de tinta não é um assunto vulgar: é preciso que o coração se faça imenso e vazio, sem mais conter um único objecto…» (in «Zhongguo Hualun Leibian», p.131). De novo a filosofa do acto pode ser encontrada nos textos clássicos; Zhuangzi: «O Príncipe Yuan, dos Song, tendo encomendado o traçado de um plano, um grande número de escribas se apresentaram; depois de terem prestado as suas homenagens, eles apressaram-se a chupar os seus pincéis e a preparar a sua tinta. Um escriba, porém, chegou mais tarde, todo à vontade. Apresentou os cumprimentos e depois retirou-se. O Príncipe enviou alguém para ver o que ele estava a fazer, e disseram-lhe que ele se tinha muito simplesmente despido e ficado sentado sem fazer nada. Quando soube disto, o Príncipe gritou: “Este fará o serviço, ele conhece bem o seu ofício!”» (Zhuangzi, Cap. 21, citado por Ryckmans, p. 128)


hoje macau segunda-feira 10.8.2015

artes, letras e ideias 15

Paulo Maia e Carmo tradução e ilustração


16

desporto

hoje macau segunda-feira 10.8.2015

gcs

GT300 André Couto mais líder no Japão

Comandante isolado A ndré Couto, aos comandos de um Nissan da equipa Gainer Tanax, reforçou a liderança do campeonato japonês de GT300, ao ser sexto na prova de Fuji, após sair da 11.ª posição da grelha. “Foi uma corrida muito boa e agora já só pensamos na próxima jornada, no final de agosto na que será

a corrida mais difícil da ano, porque ao contrário das corridas normais do campeonato, com 300 quilómetros, esta terá mil quilómetros”, disse André Couto à agência Lusa, salientando também que o carro estará ainda um pouco mais pesado. Mas, acrescentou, depois da corrida deste domingo, em que alinhou

com o seu companheiro Katsumasa Chiyo, “com seis pontos de vantagem, há que lutar para conquistar mais pontos e tentar sempre que possível reforçar a liderança”. Sobre a corrida de Fuji, André Couto largou na 11.ª posição da grelha, mas rapidamente chegou ao sexto lugar, que só não segurou depois de um toque na traseira de um adversário, que o fez cair para o 12.º posto. “Depois, ainda consegui recuperar até ao sétimo lugar e entreguei o carro ao meu companheiro, que conseguiu subir mais uma posição”, explicou. Para André Couto, “tudo correu bem e a equipa esteve muito certa na estratégia dos pneus e na hora de trocar de piloto”. O campeonato de GT300 tem oito provas e termina a 15 de Novembro em Motegi.

pub

COMISSÃO DE REGISTO DOS AUDITORES E DOS CONTABILISTAS Aviso Faz-se público, em conformidade com deliberação da Comissão de Registo dos Auditores e dos Contabilistas, de 9 de Fevereiro de 2015, e nos termos do disposto no nº 1 do artigo 18.º do Estatuto dos Auditores de Contas, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 71/99/M, de 1 de Novembro, no nº 1 do artigo 13º do Estatuto dos Contabilistas Registados, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 72/99/M, de 1 de Novembro, bem como do disposto no ponto 3) do artigo 1º do Regulamento da Comissão de Registo dos Auditores e dos Contabilistas, aprovado pelo Despacho do Chefe do Executivo n.º 2/2005, de 17 de Janeiro, que nos dias 28, 29 de Novembro e 6, 12, 13 de Dezembro do corrente ano, irá realizar-se a prestação de provas para inscrição inicial e revalidação de registo como auditor de contas, contabilista registado e técnico de contas. 1. Prazo, local e horário de inscrição > Prazo de inscrição: De 10 de Agosto a 21 de Agosto de 2015 > Local de inscrição: Instalações da Comissão de Registo dos Auditores e dos Contabilistas, no 1º andar do “Centro de Recursos da Direcção dos Serviços de Finanças”, sito na Rua da Sé, n.º 30, em Macau. > Horário de inscrição: De 2ª a 5ª feira: das 09h00 às 13h00; das 14h30 às 17h45 6ª feira: das 09h00 às 13h00; das 14h30 às 17h30 2. Condições de candidatura Auditores de contas: Podem candidatar-se todas as pessoas maiores, residentes ou portadoras de qualquer título válido de permanência na Região Administrativa Especial de Macau, que reúnam os requisitos gerais para registo como Auditores de Contas nos termos do artigo 4º do Estatuto dos Auditores de Contas, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 71/99/M, de 1 de Novembro, e que, no caso de revalidação de registo, tenham cumprido o disposto no artigo 10º do mesmo Estatuto. Contabilista registado e técnico de contas: Podem candidatar-se todas as pessoas maiores, residentes ou portadoras de qualquer título válido de permanência na Região Administrativa Especial de Macau, que reúnam os requisitos gerais para registo como contabilistas registados ou técnicos de contas nos termos do artigo 4º do Estatuto dos Contabilistas, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 72/99/M, de 1 de Novembro, e que, no caso de revalidação de registo, tenham cumprido com o disposto no artigo 10º do mesmo Estatuto. 3. Local de levantamento do boletim de inscrição O boletim de inscrição, os esclarecimentos relativos à prestação de provas, o regulamento das provas e as regras da prestação de provas relativas aos candidatos e conteúdo das provas podem ser obtidos no sítio da internet da Direcção dos Serviços de Finanças, no local relativo à CRAC (www.dsf.gov.mo) ou levantados nos seguintes locais: 1) Instalações da Comissão de Registo dos Auditores e dos Contabilistas, no 1º andar do “Centro de Recursos da Direcção dos Serviços de Finanças”, ito na Rua da Sé, nº 30, em Macau. 2) Rés-do-chão do Edifício da Direcção dos Serviços de Finanças, sito na Avenida da Praia Grande n.ºs 575, 579 e 585; 3) Centro de Serviços da RAEM, Rua Nova de Areia Preta Nº 52; 4) Centro de Atendimento Taipa, Rua de Bragança, Nº 500, R/C, Taipa. Em caso de dúvidas, agradecemos o contacto com a CRAC, durante as horas de expediente, através do telefone número 85995343 ou 85995344, ou através do e-mail crac@dsf.gov.mo.

Direcção dos Serviços de Finanças, aos 21 de Julho de 2015 O Presidente da CRAC Iong Kong Leong

Taça da Corrida Chinesa regressa ao GP este ano

Eles vão voltar à Guia T udo indica que o programa da 62ª edição do Grande Prémio de Macau terá mais uma corrida, para além das sete já anunciadas. Depois da estreia no Circuito da Guia em 2014, a Taça da Corrida Chinesa - competição que coloca frente-a-frente pilotos da China continental, Macau, Hong Kong e Taipé Chinês com viaturas idênticas – deverá regressar este ano, apesar da Comissão do Grande Prémio ainda não o ter anunciado. No passado dia 31 de Julho, em Pequim, realizou-se a cerimónia de abertura. A Shanghai Lisheng Racing Co, a empresa chinesa promotora do campeonato, divulgou o calendário aos jornalistas, que inclui corridas em Penbay (Taipé Chinês), Xangai (China continental), Yancheng (que é o circuito da China continental escolhido para a prova de Hong Kong) e o Grande Prémio de Macau. Apesar do programa detalhado de provas de 19 a 22 de Novembro não estar disponível ainda na página oficial do evento, quem utilizar a aplicação de telemóvel do Grande Prémio constará que a corrida da Taça da Corrida Chinesa, com oito voltas, será disputada na tarde de sábado, depois do 49º Grande Prémio de Motos. Cada federação da “Grande China” tem a sua equipa, cujos representantes são facilmente reconhecidos pelas cores do carros: vermelho para a equipa da Federação do Desporto Automóvel da China (FASC), verde para a da Associação Geral de Automóvel de Macau-China (AAMC), amarelo para a Associação de Automóvel de

Hong Kong (HKAA) e azul para a equipa da Associação do Desporto Automóvel de Taipé Chinês (CTMSA). Cada associação tem à sua disposição quatro carros Senova D70 ou “Shenbao” D70, um carro que tem como base o Saab 9-5. Todos os carros são iguais e equipados com componentes “made in China”, com a particularidade deste ano usarem pneus de estrada da marca Qingdao Sen Kylin em vez de pneus slick de competição. A organização voltará a distribuir um milhão de renminbis de prémios monetários. A AAMC terminou na última posição da primeira edição deste torneio que juntou as quatro associações automóveis da Grande China, sendo que o seu melhor representante foi o macaense Hélder Assunção que terminou na nona posição da geral.

Início em Taipé

E este fim-de-semana disputou-se a primeira corrida da Taça da Corrida Chinesa no Taipé Chinês. Contudo, desta vez, visto que os Senova não estavam disponíveis, os 16 concorrentes tiveram que conduzir viaturas da marca Caterham, modelo Seven. Devido aos estragos causados pela passagem do tufão Soudelar, não houve acção em pista até à manhã de domingo. As cores de Macau foram defendidas nesta ronda inicial por Michael Ho, Hélder Assunção e Ip Un Hou. Ao fecho da redacção, os resultados ainda não se encontravam disponíveis. Sérgio Fonseca

info@hojemacau.com.mo

Basquetebol China organiza Mundial de 2019

A

China vai organizar o Mundial de basquetebol de 2019, anunciou ontem a Federação Internacional de Basquetebol (FIBA), após a reunião do seu Comité Executivo, realizada em Tóquio. Na votação final, a China recebeu 14 votos, contra sete das Filipinas, país que ficou relegado para a segunda posição. Esta é a terceira vez que um país asiático recebe um Mundial de basquetebol, depois das Filipinas terem organizado a edição de 1978, vencida pela antiga Jugoslávia, e do Japão ter sido o país anfitrião em 2006, edição conquistada pela Espanha.

“É um momento excitante para o povo chinês. Há milhões de adeptos de basquetebol no nosso país”, sublinhou Yao Ming, embaixador da China e antiga estrela da Liga Norte-americana de Basquetebol (NBA) e dos Houston Rockets. O argentino Horacio Muratore, actual presidente da FIBA, salientou que esta “foi uma decisão muito difícil, pois as federações chinesa e filipina fizeram um excelente trabalho”. A caminhada até à fase final do Mundial de 2019 envolverá 140 seleções que, a partir de novembro

de 2017, participarão numa fase de qualificação que irá prolongar-se por 15 meses. A fase final será composta por 32 seleções. Oito cidades chinesas foram escolhidas como sedes do Mundial: Pequim, Nanjing, Suzhou, Wuhan, Guangzhou, Shenzhen, Foshan e Donguan. A título de curiosidade, refira-se que a Seleção portuguesa inicia no próximo dia 19 uma extensa digressão à China, durante a qual irá enfrentar a principal congénere chinesa, num périplo com oito jogos particulares que termina a 7 de Setembro.


( F ) utilidades

hoje macau segunda-feira 10.8.2015

?

17

tempo aguaceiros ocasionais min 26 max 31 hum 75-95% • euro 8.75 baht 0.23 yuan 1.28

Cineteatro

O que fazer esta semana

Cinema

fantastic four Sala 1

fantastic four [b]

Filme de: Josh Trank Com: Miles Teller, Jamie Bell, Kate Mara, Michael B. Jordan 14.00, 17.50, 19.45, 21.45

doraemon the movie: nobita and the space heroes [a]

Falado em cantonês legendado em chinês Filme de: Yoshihiro Osugi 15.55 Sala 2

mission: impossible rogue nation [b] Filme de: Christopher McQuarrie

Sábado Concerto da Tuna de Medicina do Porto Casas-Museu da Taipa, 17h00 Entrada livre

Exposição de fotografia “Cities” Creative Macau (até 22/08) Entrada livre Exposição “Saudade” (até 30/9) MGM Macau Entrada livre

Exposição “Valquíria”, de Joana Vasconcelos (até 31 de Outubro) MGM Macau, Grande Praça Entrada livre

doraemon the movie: nobita and the space heroes [a]

Falado em cantonês legendado em chinês Filme de: Yoshihiro Osugi 14.30

to the fore [b]

Falado em cantonês e mandarim legendado em chinês e inglês Filme de: Dante Lam Com: Eddie Peng, Siwon Choi, Shawn Dou 16.30, 19.15, 21.30

10 de agosto

Nascem Jorge Amado e Nestlé

exposição “I am my own landscape” de Crystal Chan Albergue SCM, 18h30 (até 22/08) Entrada livre

Exposição “De Lorient ao Oriente - Cidades Portuárias da China e França na Rota Marítima da Seda” Museu de Macau (até 30/08) Entrada livre

Sala 3

Aconteceu Hoje

Diariamente

“A Arte de Imprimir” (até Dezembro) Centro de Ciência de Macau Entrada livre

Com: Tom Cruise, Jeremy Renner, Simon Pegg, Rebecca Ferguson 14.15, 16.45, 19.15, 21.45

U m d i s c o h o j e “When It Was Now” (Atlas Genius, 2013) Directamente da Austrália surge Atlas Genius. Uma banda de quatro amigos que em 2011 se uniram para se dedicarem ao rock alternativo. Com apenas um álbum lançado, Atlas Genius conseguiu conquistar uma legião de seguidores apenas com o single “Trojans”, música que percorreu o mundo. Depois de uma tour pelos EUA, para apresentação do EP “Through the Glass”, em 2012, o trio de músicos dá provas da sua qualidade com “When It was now”. Depois de duas separações, a banda conta agora apenas com dois membros, mas apesar disso, o melhor é que é já no final deste mês, 28 de Agosto, que o público poderá ouvir o novo álbum, “Inanimate Objects”. Filipa Araújo

• A 10 de Agosto de 1912 nasce Jorge Amado, um dos mais famosos e traduzidos escritores brasileiros de todos os tempos. Amado, que morreu em 2001, integrou os quadros da intelectualidade comunista brasileira desde o final da primeira metade do século XX. Amado foi o autor mais adaptado do cinema, do teatro e da televisão. Verdadeiros sucessos como Dona Flor e Seus Dois Maridos, Tenda dos Milagres, Tieta do Agreste, Gabriela, Cravo e Canela e Tereza Batista Cansada de Guerra foram criações suas. A obra literária de Jorge Amado – 49 livros, ao todo – também já foi tema de escolas de samba por todo o País. Os seus livros foram traduzidos em 80 países, em 49 idiomas, bem como em braille e em fitas gravadas para cegos. Jorge Amado foi superado, em número de vendas, apenas por Paulo Coelho. Neste dia, em 1814 nasceu Henri Nestlé, fundador da Nestlé Alimentos S.A. com sede em Vevey, na Suíça. A Nestlé é uma das maiores empresas que fabricam alimentos, bebidas e chocolates e foi ele quem criou a Farinha Láctea Nestlé. Na Suíça, as crianças da época tinham sérios problemas de desnutrição, sendo que algumas delas chegaram até a perder a vida e Henri Nestlé, que era farmacêutico, resolveu desenvolver um alimento que contivesse todos os nutrientes necessários para as crianças. Nestlé combinou leite de vaca com a farinha de trigo e açúcar para produzir um substituto do leite materno para as crianças que não podiam aceitar o leite das suas mães. Henri Nestlé faleceu de um enfarte do miocárdio em Glion VD em 7 de Julho de 1890. Neste dia, em 1839, a Academia de Ciências de Paris faz um comunicado público do descobrimento de Daguerre, o “daguerrotipo”, primeiro passo para o surgimento da fotografia. Em 1927 começa a ser esculpido na rocha do monte Rushmore (Dakota do Sul, EUA) o monumento aos presidentes norte-americanos Washington, Jefferson, Lincoln e Roosevelt, obra de Gutzon Borglum e seu filho. Em 1960, nasce Antonio Banderas, actor espanhol.

fonte da inveja

A vigília dota-nos de uma lucidez instilada pelo medo.

João Corvo


18

opinião

hoje macau segunda-feira 10.8.2015

Arnaldo Gonçalves

crepúsculo dos ídolos

Geometria eleitoral

2. Ao contrário do que gostariam os líderes do Partido Social-Democrata e do Partido Socialista o eleitorado português deverá preferir, nas eleições de 4 de Outubro, uma de duas soluções: a manutenção da maioria PSD-PP mas com margem menos expressiva; a vitória do PS, com maioria relativa. Em qualquer destas situações, o cenário resultante não é, de forma alguma, do agrado do Presidente Cavaco Silva, porque o forçará a um papel mediador que ele manifestamente não quer assumir. As razões, sucintamente, têm a ver com o seu perfil conservador, o seu trajecto em responsabilidades governativas, a história do seu relacionamento com Mário Soares e a avaliação política que faz de Passos Coelho e António Costa. Na percepção desta abulia presidencial para encontrar uma solução que não seja ditada pelos resultados eleitorais, os dois

(Coimbra), José Apolinário (Faro), Margarida Marques (Leiria), Alexandre Quintanilha (Porto) ou Ana Catarina Mendes (Setúbal). Um último objectivo passa por dividir a minoria ‘segurista’, repescando para a lista Manuel Vilaverde Cabral (Braga), Eurico Brilhante (C. Branco) e Alberto Martins (Porto).

Robert Rossen, All the king’s men

1. As nossas democracias liberais assentam em três ou quatro regras simples. A eleição através do voto directo ou universal dos representantes do povo, com assento numa assembleia parlamentar que é a expressão das alternativas políticas. Um mandato curto do governo liderado pelo partido vencedor na pugna eleitoral ou legitimado por um acordo de partidos que funciona, no parlamento, como bancada de apoio ao governo. Um árbitro, monarca ou presidente da república, que dá posse ao governo com base nos resultados eleitorais, fiscaliza a sua acção política, demite o primeiro-ministro em certas circunstâncias ou aceita a sua resignação. Um poder judicio-constitucional que fiscaliza as consequências jurídicas da actuação dos governantes, a constitucionalidade das leis - aferida à priori, ou a posteriori - a pedido do presidente da república ou por iniciativa de um partido ou grupo de partidos. O sistema funciona em regra, bem e permite ajustamentos ao mandato dos governantes. Dilatando o termo do governo a que a maioria dos eleitores dá nota positiva, dando a um novo partido a oportunidade de governar ou abreviando o mandato quando a coligação que sustenta o governo se dissolve, ou o chefe do partido maioritário se demite. Em regra, os eleitores não acolhem soluções de ruptura salvo quando a crise económica ou a perda de credibilidade dos políticos urge uma mudança radical de protagonistas. Na última década se olharmos para as eleições parlamentares, nas principais democracias do continente europeu, os eleitorados têm preferido soluções de estabilidade, forçando os partidos melhor posicionados a entenderem-se e a coalizarem-se à saída das eleições. Assim aconteceu nos seguintes países: Alemanha, Áustria, Bélgica, Bulgária, Dinamarca, Estónia, Finlândia, França, Grécia, Holanda, Irlanda, Itália, Lituânia, Luxemburgo, Noruega, Polónia e Portugal. A única excepção é a Grã-Bretanha que viu renovar-se a confiança no partido conservador por razões parcialmente atribuíveis ao fracasso da liderança trabalhista.

partidos-charneira do arco de governação arriscam pouco. Isso constata-se em dois elementos precisos: os programas eleitorais da Plataforma Mais Futuro para Portugal e do Partido Socialista; a formação das listas para deputados. Um olhar atento aos programas eleitorais de PSD-PP e PS revela que as duas forças políticas não estão assim tão distantes nas apostas e nos objectivos eleitorais como a verbosidade do discurso político deixa transparecer. Ao acirrarem divergências de ‘fundo’, os dois campos deixam margem de manobra para uma negociação pós-eleitoral que muitos crêem inevitável. Dê-se uma olhadela, por exemplo, às medidas que os dois contendores propõem para a reforma da segurança social, para o plafonamento das pensões, para a taxa social única, para a devolução da redução remuneratória dos salários dos funcionários públicos, para a redução da taxa do IRS e a reforma do IRC, para o Sistema Nacional de Saúde e para a política europeia. São sobretudo diferenças de estilo, discrepâncias de metodologia, disparidades na

Um olhar atento aos programas eleitorais de PSD-PP e PS revela que as duas forças políticas não estão assim tão distantes nas apostas e nos objectivos eleitorais como a verbosidade do discurso político deixa transparecer

aferição dos impactos de medidas dirigidas a diminuir as restrições impostas pelo Programa de Assistência Económica e Financeira a Portugal. Do lado da Plataforma Mais Futuro, quer-se dar um sinal aos eleitores que é possível agora, relaxando as políticas de restrição orçamental e redução salarial e de benefícios sociais, recuperar a qualidade de vida dos portugueses perdida nos últimos quatro anos. Do lado do PS, vinca-se que o país está na mesma situação que em 2010, que o governo se tem mostrado incompetente para aliviar as políticas duras impostas pela Troika, que o programa da coligação é um emaranhado de medidas sem consequências de monta ou irrealistas. Também na formação das listas prevalece o mesmo calculismo. Da parte de Passos Coelho, fazer eleger para a Assembleia o bloco duro que o tem apoiado no governo e no Parlamento. Bloco formado por nomes como Moreira da Silva (Braga), Manuel Frexes (C. Branco), José Cesário (Fora da Europa), Teresa Morais (Leiria), Aguiar Branco (Porto), Teresa Leal Coelho (Santarém), Maria Luís Albuquerque (Setúbal), Carlos Amorim (V. Castelo) e Luis Ramos (Vila Real). Ao mesmo tempo, manter o isolamento da oposição interna liderada por Manuela Ferreira Leite e Pacheco Pereira (com António Capucho já fora do partido). Do lado de António Costa, construir um bloco homogéneo de apoio ao líder no parlamento formado por antigos socratistas: Carlos César (Açores), Capoulas Santos (Évora), Ferro Rodrigues (Lisboa), João Galamba (Lisboa), Isabel Santos (Porto), Vieira da Silva (Santarém) ou Eduardo Cabrita (Setúbal). Grupo a que se adicionou quadros que poderão ser designados pela ala ‘costista’ do PS: Pedro Nunes dos Santos (Aveiro), Helena Freitas

3. Não é antecipável, assim, uma alternativa significativa ao quadro exposto. A menos que na campanha eleitoral surja algum episódio associado ao historial político e profissional dos dois líderes que provoque um motim nas escolhas dos eleitores. Passos Coelho parte para esta sua segunda campanha numa situação relativamente confortável. Em termos do desempenho do governo e do comportamento da economia os números são-lhe favoráveis. Segundo dados extraídos da Pordata, o PIB (a riqueza nacional) cresceu de forma sustentada entre 2010 e 2014 com uma variação de mais 3 por cento. O PIB per capita (a riqueza anual disponível para cada português) cresceu 1.24% no mesmo período, cifrando-se agora em 16 600 euros. O número de beneficiários do subsídio de desemprego caiu, entre 2011 e 2014, colocando-se em Dezembro passado em 304 000 pessoas. A dívida pública que cresceu 21% entre 2005 e 2009 e 24.3% entre 2009 e 2011 (anos de governos de Sócrates) cresceu 21% do PIB entre 2011 e 2014, o que é uma significativa recuperação quanto ao período imediatamente anterior. Menos simpáticos os dados das despesas do Estado, do consumo público e da carga fiscal. As primeiras não se reduziram tanto quanto Passos Coelho prometeu na sua campanha de 2011. Passaram de 48. 6 mil milhões de euros em 2011 para 48.4 mil milhões de euros em 2014. O consumo público passou de 19.4% do PIB em 2010 para 18.6% em 2014, o que representou uma queda de 4.12%. Finalmente, a leitura da carga fiscal em rácio do PIB revela um agravamento entre 2010 e 2014 (30.2% no primeiro ano e 34.4% no segundo) com um pequeno ganho entre Dezembro de 2013 e 2014. Nada mal para quem governou sob programa de assistência financeira do FMI e das instituições europeias. Também as sondagens têm confirmado o veredicto não totalmente desfavorável às pretensões de Passos Coelho e à estratégia que escolheu para passar uma mensagem central de prudência da acção do governo e da necessidade de um segundo mandato para ‘arrumar a casa’. Iremos saber adiante se essa estratégia foi avisada pela prudência ou fracassou por ausência de ambição. O que parece para já possível dizer é que existe um país retratado nas redes sociais e nos espaços de comentários nas televisões e nos jornais que pressagia o apocalipse. Existe um outro que se manifesta nas sondagens que prefere a estabilidade e a continuidade de políticas reformadoras ao aventureirismo das rupturas.


opinião 19

hoje macau segunda-feira 10.8.2015

David Chan* legalpublicationsreaders@yahoo.com.hk • http://blog.xuite.net/legalpublications/hkblog

macau visto de hong kong

S

e, porventura, o nosso leitor ganhar nas mesas de jogo, ou se algum vosso conhecido decidir atribuir-lhe mil patacas como prenda de aniversário, esse montante seria considerado como afortunado ou um símbolo de boa sorte. Ainda mais se tivermos em conta o facto de essa remuneração monetária não ser fruto de trabalho árduo, como seria normalmente de esperar. Quantos dos nossos leitores é que já foram premiados desta forma? Qualquer um de nós se pode considerar sortudo se tiver dinheiro suficiente para concretizar os seus sonhos pessoais. E você, considera-se uma pessoa dotada de boa sorte? Sobre este tema, o site “redalertpolitics. com” publicou uma notícia no dia 21 de Julho sobre Brendan Motill, um jovem natural de Illinois, nos EUA, que se encontrava a servir à mesa no “Smokey Barbecue” de Frankfort, no mesmo estado americano. De acordo com a peça, Brendan recebeu uma gorjeta de 1000 dólares americanos, após passar 10 minutos à conversa com um cliente deste restaurante. Para além do dinheiro, o mesmo deixou ainda uma nota a Brendan, onde se podia ler a mensagem seguinte. Brendan, Obrigado pelo teu serviço atencioso! Considero-te um “garçon” impecável, por isso deixo-te aqui esta gorjeta. Apesar de não saber o que pretendes da vida, espero que este dinheiro te ajude a concretizar os teus sonhos. Por vezes, a realidade em que vivemos pode ser demasiado negativa, mas tenho a esperança de vir a viver num mundo em que todos sejam mais cordiais para com os outros. É para esse fim que pratico actos de solidariedade com pessoas desconhecidas, de modo a motivar outros a fazer o mesmo! Que a vida te dê tudo o que desejas, meu irmão. Devido à notoriedade que o caso ganhou, Brendan chegou mesmo a ser entrevistado pelo canal televisivo ABC7. Questionado sobre a sua reacção a esta nota, o mesmo salientou que “fiquei de boca aberta, em choque, sem conseguir me mexer nem fazer nada”. Apesar de ter tentado agradecer ao cliente misterioso, Brendan não o conseguiu mais encontrar, pois este saiu mal acabou de pagar a conta, deixando Brendan sem saber o que fazer. Na mesma entrevista, o mesmo adiantou ter ficado “muito emocionado com tudo isto, e precisei de uns momentos para me recompor e acalmar as emoções”.

Brendan reside em Tinley Park, onde acabou o ensino secundário na Tinley Park High School. Assim, pretende que estes 1000 dólares americanos venham a ser investidos no curso de contabilidade que pretende completar numa universidade local. “Este dinheiro vai me ajudar muito a concretizar esse sonho”, rematou o mesmo. Esta quantia seria equivalente a 7.800 dólares de Hong Kong, ou na moeda local, a 8.034 patacas. Qualquer um de nós pode apenas sonhar em receber tal montante em compensação por uma conversa inócua de 10 minutos com um estranho qualquer. Ou será que os nossos leitores não concordam comigo? O Brendan tem apenas 19 anos de idade, por isso ainda tem a vida toda pela frente. Mas como irá o mesmo gastar esta quantia? Será que vai acabar por o usar para as propinas da universidade, como tenciona, ou optar em vez por o doar a alguém, num acto de caridade semelhante aquele que recebeu? Ou talvez venha a gastá-lo com a sua família? Só Brendan é que pode responder a estas questões, mas se o mesmo decidir usar o dinheiro em prol da sua sociedade, todos nós temos o dever de o ajudar. Não há dúvida que Brendan aparenta ser uma pessoa dotada de boa sorte, algo que apenas os deuses podem atribuir. Um ser humano pode apenas pedir aos deuses que lhe atribuam boa sorte, mas só os mesmos é que detêm o poder de decidir quanto cada um de nós é digno de receber. Não vale a pena tentar negociar este facto, é uma verdade imutável que tem apenas de ser aceite. Este caso trouxe-me à memória uma canção em cantonense intitulada “I am lucky”, cantada por Deanie Ip. Reproduzo aqui parte da letra desta canção. “Acredito com firmeza poder agarrar a sorte com as mãos, Ela ajuda-me a voar mais alto, Quero que vocês sejam felizes comigo, Sinto-me tão excitada, Como tenho sempre vindo a dizer, Hoje o meu sorriso é doce”.

Michael Curtiz, Casablanca

Gorjeta graciosa

Qualquer um de nós se pode considerar sortudo se tiver dinheiro suficiente para concretizar os seus sonhos pessoais. E você, considera-se uma pessoa dotada de boa sorte? seus sonhos. Quantos de nós seríamos capazes de tamanha generosidade para com um desconhecido qualquer? Na sua mensagem, o mesmo afirma fazer estes actos de modo a inspirar outros a fazer o mesmo, e assim vir a mudar a sociedade em que vivemos. Não sabemos igualmente se isto é verdade, mas tomando o caso de Brendan como referência, não é impossível acreditar que assim o seja.

cartoon

Além disto, o cliente abastado ainda tem mais um desejo, que é de poder viver numa sociedade mais tranquila, em que as pessoas se interessam umas pelas outras. Aliás, este desejo tem vindo a ser exprimido por muitos, de modo a que todos possam viver unidos pela paz. As nossas leis não podem pedir a ninguém para agir da mesma maneira, como também nos podem ajudar na concretização dos nossos sonhos pessoais (excepto talvez para aqueles que pretendam seguir uma carreira ligada ao direito). Pois, ao invés da sorte, as leis não existem apenas para nos fazerem felizes. O caso de Brendan é extremamente raro nos dias de hoje. Mas, dependendo da sorte de cada um, além também da vontade divina, qualquer um de nós pode um dia vir a conhecer o seu próprio “cliente misterioso”. Na verdade, este cliente acaba por trazer boa sorte não apenas a Brendan, mas também a toda a população, pois esta caso ajuda-nos a voltar a acreditar na bondade de cada um de nós. Deste modo, contribui então para fazer com que as nossas sociedades se tornem mais pacíficas e maravilhosas. Vamos então concluir este texto com o desejo de que todas as pessoas deste mundo tenham a mesma boa sorte do que Brendan, e ainda que existam por aí mais “clientes misteriosos” com a boa intenção de mudar o mundo para melhor. Conselheiro Jurídico da Associação de Promoção do Jazz de Macau

por Stephff

Assim como nesta canção, acredito que Brendan deseja que todos “possam partilhar da sua felicidade”. Não podemos aqui deixar de focar também a nossa atenção no cliente misterioso que deixou a gorjeta no primeiro lugar. Será que o mesmo é alguém conhecido por todos ou talvez um magnata com muito dinheiro? Apesar de não podermos responder a estas questões, temos a certeza de ser uma boa pessoa, visto ter sido tão generoso com a sua gorjeta e atencioso com a nota em que deseja que Brendan venha a concretizar todos os

Propriedade Fábrica de Notícias, Lda Director Carlos Morais José Editores Joana Freitas; José C. Mendes Redacção Andreia Sofia Silva; Filipa Araújo; Flora Fong; Leonor Sá Machado Colaboradores António Falcão; António Graça de Abreu; Gonçalo Lobo Pinheiro; José Simões Morais; Maria João Belchior (Pequim); Michel Reis; Rui Cascais; Sérgio Fonseca Colunistas António Conceição Júnior; Arnaldo Gonçalves; André Ritchie; David Chan; Fernando Eloy; Isabel Castro; Jorge Rodrigues Simão; Leocardo; Paul Chan Wai Chi; Paula Bicho; Rui Flores; Tânia dos Santos Cartoonista Steph Grafismo Paulo Borges Ilustração Rui Rasquinho Agências Lusa; Xinhua Fotografia Hoje Macau; Lusa; GCS; Xinhua Secretária de redacção e Publicidade Madalena da Silva (publicidade@hojemacau.com.mo) Assistente de marketing Vincent Vong Impressão Tipografia Welfare Morada Calçada de Santo Agostinho, n.º 19, Centro Comercial Nam Yue, 6.º andar A, Macau Telefone 28752401 Fax 28752405 e-mail info@hojemacau.com.mo Sítio www.hojemacau.com.mo


Hoje Macau 10 AGO 2015 #3390  

N.º3390 de 10 de AGO de 2015

Hoje Macau 10 AGO 2015 #3390  

N.º3390 de 10 de AGO de 2015

Advertisement