Page 1

DIRECTOR CARLOS MORAIS JOSÉ PUB

AGÊNCIA COMERCIAL PICO • 28721006

TIMOR-LESTE

Eleições modernas

SEGUNDA-FEIRA 10 DE JULHO DE 2017 • ANO XVI • Nº 3850

hojemacau PRÉDIOS ANTIGOS CAUSAM PREOCUPAÇÃO

GRANDE PLANO

G20 | PÁGINA 16

LEGISLATIVAS

Nova lista com macaense como n.º 2

Há muitos prédios antigos em Macau a precisar de obras. Alguns com urgência. O deputado Mak Soi Kun quer o Governo a tomar medidas e depressa. Antes que aconteça uma desgraça.

PÁGINA 7

PÁGINA 4

EVENTOS

“Não estamos satisfeitos com o papel que o artista tem”

www.hojemacau.com.mo•facebook/hojemacau•twitter/hojemacau

Antes que seja tarde

Xi sai on, Trump fica off

GAO BROTHERS

MOP$10


2 GRANDE PLANO

TIMOR-LESTE A CAMPANHA MAIS PROFISSIONAL DE SEMPRE PARA AS LEGISLATIVAS

Timor-Leste prepara-se para ir a votos já no dia 22 de Julho. No país, a campanha eleitoral já ferve e, pela primeira vez, há ferramentas mais profissionais usadas pelos candidatos para fazer passar a mensagem política

D

O marketing político ao uso de ‘drones’, de debates em estúdios de última geração à intensa intervenção nas redes sociais, a campanha para as legislativas de 22 de Julho em Timor-Leste está a ser a mais profissional de sempre. Uma profissionalização que se nota em particular nos maiores dos partidos - o Congresso Nacional da Reconstrução de Timor-Leste (CNRT) de Xanana Gusmão e a Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente (Fretilin), de Mari Alkatiri. Em Díli, por exemplo, onde os dois partidos ainda praticamente não estiveram desde o início da campanha, que começou a 20 de Junho, a sua presença já se nota de forma significativa com ‘outdoors’ de grandes dimensões a decorarem as principais avenidas. Cartazes em que CNRT e Fretilin dominam, mas que incluem também outros, quer do partido timorense mais antigo, a União Democrática Timorense (UDT, quer do mais recente, o

Partido da Libertação Popular (PLP), liderado pelo ex-Presidente Taur Matan Ruak. Do lado do CNRT as imagens apostam na figura do seu

Uma profissionalização que se nota em particular nos maiores dos partidos - o Congresso Nacional da Reconstrução de Timor-Leste (CNRT) de Xanana Gusmão e a Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente (Fretilin), de Mari Alkatiri

DOS DRONES líder, Xanana Gusmão, que aos 71 anos de idade ainda não falhou um ato de campanha, percorrendo Timor-Leste de uma ponta a outra para os comícios do partido. “Vota CNRT, vota no futuro” é o ‘slogan’ do partido que, desde o sorteio do seu lugar no boletim de voto, aposta também nas referências futebolísticas: o C e o R e o 7 a serem referências a Cristiano Ronaldo. Dionísio Babo, presidente do Conselho Directivo Nacional - e que é também ministro da Coordenador dos Assuntos da Administração do Estado e da Justiça e ministro da Administração Estatal - diz que o profissionalismo se nota tanto nas estratégias dos partidos como na forma como funcionam as autoridades eleitorais, STAE e CNE.

MAIS INFORMAÇÃO

Uma profissionalização que reflecte ao mesmo tempo as melhorias que se vivem em Timor-Leste mas também a necessidade de responder a uma população mais informada em que “mais de 20% são novos votantes, sem

tanta relação emocional com o legado do passado”. Para estes jovens, disse, a aposta é na publicidade nas redes sociais, com mensagens “mais profissionais” que ajudem a dar a conhecer o partido. O CNRT, por exemplo, usou ‘drones’ para gravar imagens de vários pontos de Timor-Leste, mostrando novas infra-estruturas e o desenvolvimento que o país viveu. O vídeo passa agora nas redes sociais mas também em tempos de antena na televisão pública RTTL ou no recém inaugurado canal privado GMN TV. Babo reconhece o impacto que a diferente capacidade financeira dos partidos tem na sua promoção mas nota que mesmos os mais pequenos conseguem fazer chegar a sua mensagem nas redes sociais, por exemplo. Também a Fretilin mostra uma máquina de campanha profissional e sofisticada com imagens que recorrem a anónimos para promover o slogan “fazer mais” e vídeos que mostram um país vibrante e activo sob o lema “Ba Timor-leste Ida Buras Liu (para um Timor-Leste mais desenvolvido).

José Teixeira, um dos arquitectos da campanha, aponta o elevado grau de profissionalização e sofisticação da campanha, resultado da evolução do país, da aposta da Fretilin na formação dos seus jovens e no apoio de organizações internacionais como a Labour International ou

o International Republican Institute que “deram formação a todos os partidos” em aspectos como o uso das redes sociais. “A aposta nos jovens foi uma das melhores coisas que fizemos. A Juventude Fretilin, jovens qualificados e emergentes, aproveitam toda a tecnologia e tudo


3 hoje macau segunda-feira 10.7.2017 www.hojemacau.com.mo

AS REDES SOCIAIS `

“A aposta nos jovens foi uma das melhores coisas que fizemos. A Juventude Fretilin, jovens qualificados e emergentes, aproveitam toda a tecnologia e tudo o que temos disponível, permitindo uma campanha diferente”

o que temos disponível, permitindo uma campanha diferente”, explicou. “Em vez de ter só os líderes a falar, temos os jovens que vão aos mercados, aos parques, a todo o lado e montam um ponto de promoção para dar a conhecer os nossos planos, os nossos programas.”

O ‘estreante’ PLP, com menos dinheiro que os dois grandes, faz valer a sua promoção num grupo de jovens intensamente activos nas redes sociais, muitos deles ex-jornalistas que estiveram no gabinete de imprensa da Presidência. Imagens, vídeos, comentários, intervenções políticas marcam o debate diário num espaço onde já estão, segundo as estimativas mais recentes, mais de 400 mil timorenses (um terço da população). Taur Matan Ruak é a figura central do partido ainda que outros nomes, como Fidelis Magalhães, surjam também a representar o PLP, inclusive em debates televisivos que têm, nas últimas semanas marcado a programação televisiva. Este fim-de-semana, por exemplo, o Conselho de Imprensa conduziu, nos estúdios da GMN TV, um debate com sete dos 21 partidos. O tema: o Estado da Comunicação do Estado. A campanha para as legislativas termina a 19 de Julho. António Sampaio Agência Lusa

Interpretações abusivas?

O

Partido Socialista de Timor (PST) acusou as autoridades eleitorais de impedirem, em alguns municípios de Timor-Leste, algumas acções de campanha para as legislativas deste mês, no que considerou «uma abusiva” interpretação da lei. “A base da nossa queixa fundamenta-se no facto de em alguns municípios os militantes estarem a ser impedidos de fazer campanha porta a porta, dentro do horário estipulado para a campanha”, disse à Lusa, Azancot de Menezes, secretário-geral do PST. “No nosso ver há uma interpretação errada da lei. Num Estado livre e democrático não se pode impedir elementos dos partidos de andarem nas ruas a distribuir folhetos ou a dialogar com os cidadãos”, disse. A base da polémica está na interpretação dada a um dos artigos do decreto de Maio deste ano que regula as regras da campanha eleitoral para as legislativas de 22 de Julho e que, segundo o PST, alguns elementos das delegações municipais da Comissão Nacional de Eleições (CNE) usam para “criar obstáculos a todos os partidos políticos”.

O artigo em causa determina que todos os partidos têm que fornecer o calendário de actividades de campanha à CNE até cinco dias antes do início da campanha. “Caso houver coincidência de local e horário para os partidos políticos ou coligações partidárias, a CNE notifica os partidos políticos ou as coligações coincidentes para concordância mútua sobre o horário e local”, refere o decreto. O PST insistiu que esta questão abrange apenas situações de comícios ou outros actos de campanha de maior dimensão e que, nesses casos, “a CNE deve ser informada atempadamente para evitar a realização de encontros simultâneos, no mesmo local e hora, de vários partidos políticos”. Não pode, considerou o PST, “haver limitação à campanha, nem necessidade de autorização prévia e muito menos que se possa proibir as campanhas” noutros casos.

CONTRA AS NOTÍCIAS FALSAS

A comissão eleitoral tem, entretanto, alertado para a publicação de notícias

falsas em formatos digitais. Recentemente o presidente da Comissão Nacional de Eleições disse estar em estudo uma eventual denúncia junto do Ministério Público para investigar ‘sites’ e páginas digitais de noticias falsas sobre a campanha para as legislativas. “Estamos preocupados com esta situação e estamos a estudar apresentar uma denúncia junto do Ministério Público ou da polícia para investigar quem são os autores deste tipo de actos”, disse à agência Lusa Alcino Baris. “Consideramos que este tipo de actos prejudicam a estabilidade própria desta fase da campanha e, por isso, estamos a pensar apresentar uma denúncia para apurar os autores” afirmou. Pela primeira vez, numa campanha política em Timor-Leste, as redes sociais têm sido inundadas de notícias falsas, muitas alegando apresentar informação sobre declarações que líderes dos principais partidos, CNRT e Fretilin, teriam feito em comícios ou encontros. As notícias sugerem ter havido críticas mútuas entre os líderes dos partidos - cujo relacionamento é hoje mais próximo do que nunca - com os internautas em redes como o Facebook a partilharem os textos centenas de vezes. Em muitos casos, os textos são partilhados por militantes de outras forças políticas. Timor-Leste é um dos países onde as redes sociais, nomeadamente o Facebook, e plataformas de comunicação como o Whatsapp têm mais importância, com o acesso à internet a existir já em todos os municípios do país. O acesso à internet é mais fácil do que aos órgãos de comunicação social convencionais, levando a que as redes sociais, ou outras plataformas, se tornem espaços privilegiados de diálogo e debate, inclusive político. A empresa Timor Social, que trabalha no desenvolvimento de estratégias de comunicação nas redes sociais, estima que um terço da população do país (cerca de 400 mil timorenses) tenham perfis activos nas redes sociais, em particular, no Facebook.


4 POLÍTICA

hoje macau segunda-feira 10.7.2017

TIAGO ALCÂNTARA

presidente da Assembleia Legislativa (AL) esta proposta de debate, chamando a atenção para se proceder à vistoria obrigatória dos edifícios antigos de Macau, com mais de 30 anos, desejando ainda que se proceda à desmontagem desta ‘bomba-relógio’”, indica a nota justificativa. Mak sugeriu ao Governo que acelere a legislação de modo a definir “regras sancionatórias” para obrigar a vistorias regulares aos edifícios antigos.

COUTINHO NÃO DESISTE

Também na sexta-feira, aALvai votar na especialidade a revisão da lei do tabaco que prevê a existência de salas de fumo nos casinos, contrariando o que tinha sido levado a votação na generalidade, há dois anos, em que o fumo seria totalmente proibido.

4654

prédios com mais de 30 anos em Macau, em Março deste ano. Em 2008, eram 3403

AL MAK SOI KUN PROPÕE DEBATE SOBRE PRÉDIOS ANTIGOS

Um dia a bomba explode A Assembleia Legislativa decide na próxima sexta-feira sobre a realização de um debate acerca da degradação dos prédios com mais de 30 anos e a necessidade de legislação sobre vistorias regulares. A iniciativa é de Mak Soi Kun, que teme o pior caso nada seja feito

O

deputado eleito por via directa Mak Soi Kun alertou que os edifícios com mais de três décadas estão cada vez mais degradados, com “infiltrações de água e envelhecimento da estrutura”, o que os torna “uma bomba-relógio que permanece oculta em Macau”, já que nalguns casos há mesmo o “perigo de desabamento a qualquer momento”. Mak Soi Kun afirmou que nos últimos anos registou-se “uma série de situações caóticas decorrentes do envelhecimento de

prédios” e lista vários exemplos, com base em notícias, de incidentes como o desprendimento de reboco ou gesso, queda de fragmentos da cobertura de um edifício, que chegaram a causar feridos. Com base nos casos relatados na imprensa, a equipa de Mak

compilou informação que indica que em 2016 registaram-se oito incidentes envolvendo prédios antigos, o mesmo número verificado apenas na primeira metade deste ano. O deputado sublinhou que o aumento dos incidentes está em linha com o crescimento do número

Em 2016 registaram-se oito incidentes envolvendo prédios antigos, o mesmo número verificado apenas na primeira metade deste ano

de edifícios com mais de 30 anos: de 3403 em 2008 passou para 4654 em Março deste ano. Por um lado, os proprietários desconhecem a legislação ou não tomam a iniciativa de a executar; por outro, “os locatários dos prédios pertencem às camadas sociais mais baixas e, tendo em conta que não são os proprietários, é natural que não procedam à vistoria dos prédios”, considerou. “Porque é que o Governo não adopta medidas preventivas?”, questionou. “Pelo exposto, em prol do interesse público, apresento ao

No dia 14, o hemiciclo vai ainda votar um projecto simples de deliberação relativo ao recurso interposto pelo deputado José Pereira Coutinho, que viu um projecto de lei seu rejeitado pela AL. Relativo à protecção da reserva natural de Coloane, o articulado foi rejeitado por necessitar da autorização prévia do Chefe do Executivo, e também por já ter sido apresentado nesta sessão legislativa e chumbado. Coutinho, juntamente com o colega Leong Veng Chai, argumentou que o projecto foi apresentado em Junho de 2016 – ou seja, na anterior sessão legislativa – apesar de o hemiciclo só o ter inviabilizado em Novembro. O deputado defendeu também que a decisão de rejeitar por não ter tido autorização prévia de Chui Sai On atribui aos artigos da Lei Básica sobre o assunto “um alcance que claramente não é correcto”, já que não estão “expressamente consagrados os limites da iniciativa legislativa de um deputado quanto ao âmbito de uma norma interpretativa”. Prova disso é que quando o mesmo projecto foi apresentado anteriormente, em Março de 2013 e Abril de 2015, não foi “colocada a hipótese de uma eventual necessidade de consentimento prévio por parte do Chefe do Executivo para que o mesmo fosse admitido”, disse. A Assembleia vai ainda votar outro projecto de Pereira Coutinho para promoção, sensibilização e divulgação dos tratados de Direitos Humanos e Convenções da Organização Internacional do Trabalho.


5 hoje macau segunda-feira 10.7.2017

O

PUB

O que vai fazer o “rei dos votos?” Regresso à política não está posto de parte

TIAGO ALCÂNTARA

deputado Chan Meng Kam está de fora da corrida para as eleições legislativas de Setembro, mas assume que, caso haja uma possibilidade, poderá aceitar desempenhar um novo cargo público. Para já, Chan Meng Kam assume apoiar as campanhas de Si Ka Lon e Song Pek Kei. A saída de Chan Meng Kam da corrida às eleições legislativas deste ano é, para já, a grande novidade do panorama político local, tendo em conta que, em 2013, o actual deputado foi considerado o rei dos votos, por ter conseguido três assentos na Assembleia Legislativa. Segundo o Jornal do Cidadão, Chan Meng Kam está de saída mas não põe de lado a possibilidade de voltar a desempenhar um cargo público. O deputado referiu que, se tiver competência para desempenhar um novo cargo dessa natureza, ou se considerar que poderá beneficiar a sociedade, vai participar nesse desafio. Questionado sobre a hipótese de vir a desempenhar outra função no Governo, Chan Meng Kam disse apenas que, se achar que tem capacidades ou que a população tirar partido dessa posição, poderá aceitar. Falando sobre o passado, o deputado lembrou que esteve 12 anos na AL, onde desempenhou

também o papel de presidente da comissão de acompanhamento dos assuntos da administração pública. Chan Meng Kam disse ainda que tem vindo a participar nas questões sociais e que tem apoiado e interagido com os cidadãos, com vista a resolver os seus problemas. O facto de ter estado 12 anos no hemiciclo não é, para Chan Meng Kam, um período longo ou curto demais, mas referiu que está na altura de deixar a pasta aos mais novos, como é o caso de Si Ka Lon e Song Pek Kei, dois nomes que se estrearam na AL nas eleições legislativas de 2013.

AJUDAR OS PARCEIROS

Chan Meng Kam, líder da comunidade da província de Fujian em Macau, lembrou ainda que, mesmo que não seja deputado, há várias maneiras de poder intervir na sociedade e apoiar a resolução de questões. Uma delas passa por apoiar os candidatos Si Ka Lon e Song Pek Kei, que lideram duas listas em separado. Caso sejam eleitos em Setembro, Chan Meng Kam promete apoiá-los na qualidade de voluntário. O deputado tem vindo a fazer esse trabalho, uma vez que têm sido publicadas várias fotografias na página oficial de Chan Meng Kam na rede social Facebook, onde o deputado é visto a realizar trabalhos junto da comunidade. HM

POLÍTICA

JOGO POWER OF THE MACAO GAMING ASSOCIATION INAUGURA SEDE Este fim-de-semana a Power of the Macao Gaming Association abriu as portas da sua nova casa, que ocupa três andares no Pátio do Mestre, perto da Rua dos Mercadores. Durante a cerimónia de abertura, Chan Meng Kam discursou perante uma plateia de profissionais do sector do jogo. De acordo com o Jornal do Cidadão o ainda deputado enalteceu o papel da associação em prol dos trabalhadores dos casinos, prometendo apoiar a instituição a alcançar os seus objectivos. O presidente da instituição, Lau Ka Weng, durante a cerimónia disse estar atento à situação do fim das licenças de jogo das concessionárias. De acordo com o Jornal do Cidadão, o dirigente diz estar em contacto com o Governo e as administrações das operadoras de forma a defender os trabalhadores locais face ao fim das concessões de licença de jogo. A Power of of the Macao Gaming Association foi fundada há três anos e tem cerca de 1800 associados.


6 POLÍTICA

hoje macau segunda-feira 10.7.2017

CARREIRAS SÓNIA CHAN REVÊ PROCEDIMENTOS NOS CONCURSOS DE TÉCNICOS SUPERIORES

A

secretária para a Administração e Justiça declarou este fim-de-semana que os Serviços de Administração e Função Pública (SAFP) vão proceder à revisão dos procedimentos para o concurso de gestão uniformizada das carreiras de técnicos superiores. A PUB

necessidade de reforma surgiu depois de se terem verificado erros informáticos nas notações das provas dos concursos. Depois de ter sido interpelada a comentar o caso, Sónia Chan pediu desculpas aos candidatos afectados. De seguida, a secretária ordenou

a SAFP a proceder à revisão total dos procedimentos dos concursos de gestão uniformizada dos trabalhadores dos serviços públicos. A alteração pretende reforçar a fiscalização através de meios informáticos, assim como tornar mais fidedignos as provas.

Sónia Chan esclareceu ainda que com a implementação do novo modelo de exames será necessário algum tempo para os serviços se familiarizarem com os novos procedimentos. A secretária aproveitou ainda para pedir compreensão aos residentes, apesar de sublinhar que o mecanismo de interposição de recurso está ao dispor dos candidatos que considerem que os seus direitos foram postos em causa, principalmente no que toca a problemas na notação das provas. A secretária para a Administração e Justiça ainda se referiu à solução para o caso “Pearl Horizon” sugerida por nove deputados, confirmando ter recebido o documento. No entanto, como a solução apresentada envolve legislação relativa ao interesse público, a secretária sublinhou que o Governo preciso de algum tempo para fazer a respectiva análise jurídica da proposta.

ELEIÇÕES ÚLTIMO DIA PARA ENTREGA DE CANDIDATURAS

C

HEGA hoje ao fim o prazo para a entrega das candidaturas e programas políticos para as eleições de 17 de Setembro. A Comissão de Assuntos Eleitorais da Assembleia Legislativa (CAEAL) recorda que, de acordo com a lei eleitoral, a apresentação de candidaturas é também acompanhada com um depósito de 25 mil patacas. Cada candidato tem ainda de assinar uma declaração onde se compromete a defender a Lei Básica da RAEM da República Popular da China e ser fiel à RAEM. Dentro de dois dias, vai ser afixada nas instalações da CAEAL a lista das candidaturas, com a identificação completa dos candidatos e dos mandatários. Nos dois dias imediatos ao da afixação da lista, os mandatários podem impugnar a regularidade do processo ou a elegibilidade de qualquer candidato.

Se se verificar a existência de irregularidades processuais ou de candidatos inelegíveis, a CAEAL manda notificar o mandatário da candidatura, no mínimo com dois dias de antecedência – até ao dia 14 –, para suprir as irregularidades ou substituir os candidatos inelegíveis até dia 17. A comissão eleitoral tem dois dias para publicar a decisão, sendo que ainda pode ser apresentado recurso desta deliberação. Das decisões da CAEAL, os mandatários em causa podem interpor recurso para o Tribunal de Última Instância. A CAEAL recorda que, ao abrigo da lei eleitoral, aqueles que, no período compreendido entre a publicação do edital com a relação completa das candidaturas definitivamente admitidas e o início da campanha eleitoral, fizer propaganda eleitoral por qualquer modo, são punidos com multa de duas mil a dez mil patacas.


7 POLÍTICA

hoje macau segunda-feira 10.7.2017

A

S eleições legislativas deste ano contam com mais uma lista candidata em defesa dos direitos dos funcionários públicos, além da Nova Esperança. A Poderes do Pensamento Político é liderada por Kot Man Kam, antigo funcionário público, e tem como número dois António Lopes, macaense e inspector da Direcção de Inspecção e Coordenação de Jogos (DICJ) desde 1989. Em entrevista ao HM, António Lopes referiu que um dos objectivos da lista que integra é o aumento das licenças de jogo que, no seu entendimento, deveriam passar das actuais seis (três concessões e três subconcessões) para “oito ou nove”. “Gostaríamos que o Governo desse mais licenças”, apontou. “Actualmente há seis, mas gostaríamos que fossem atribuídas oito ou nove. Haveria mais concorrência e mais pessoas teriam emprego”, disse António Lopes, que acredita que, desta forma, os trabalhadores locais poderiam ter mais oportunidades de subirem na carreira.

LISTA LIGADA À FUNÇÃO PÚBLICA QUER MAIS CASINOS E MAIS JOGO

Licença para empregar as diferenças em termos de atribuição de reformas. Além disso, a lista em que António Lopes é número dois quer que sejam atribuídas mais habitações aos funcionários públicos. “Os funcionários não conseguem comprar casas em Macau. Queremos que o Governo construa mais casas para atribuir aos funcionários públicos. Há muitos terrenos por aproveitar e queremos que o Governo reserve alguns terrenos”, adiantou. António Lopes afirma ainda que no seio da Administração continua a não ser aplicada a política do bilinguismo na publicação de informações ou documentos. “Em muitas direcções de serviços não há o cumprimento das duas línguas oficiais, com excepção de alguns serviços. Muitas vezes só há indicações em português ou chinês.

HOJE MACAU

António Lopes, inspector de jogo desde 1989, é pela primeira vez candidato às eleições legislativas, na qualidade de número dois da lista Poderes do Pensamento Político. A defesa dos direitos dos funcionários públicos é um objectivo, sem esquecer o aumento das licenças de jogo, das actuais seis para nove

PUB

António Lopes

“Os locais poderiam subir de categoria profissional nesse sector. Os actuais cargos de direcção ou de chefia nos casinos nunca são atribuídos aos locais, mas sim aos estrangeiros”, acrescentou. António Lopes entrou para a lista por ser falante de português e para representar a comunidade macaense no hemiciclo. É ainda membro da Associação Sindical de Inspectores de Jogos que, em Novembro do ano passado, pedia um estatuto próprio para a profissão. Esta é uma associação que tem também ligações com a Associação dos Trabalhadores da Função Pública de Macau,

presidida pelo também candidato às eleições José Pereira Coutinho.

LEIS E IDIOMAS

“Queremos apoiar os funcionários públicos. Se conseguirmos entrar na Assembleia Legislativa (AL), pelo menos teremos mais uma voz para nos ajudar a defender os trabalhadores”, disse António Lopes. A lista Poderes do Pensamento Político quer também chamar a atenção para a “legislação desactualizada” no seio daAdministração. “Queremos que o Governo altere alguns diplomas que não estão actualizados, relacionados com várias áreas”, referiu, sem esquecer

“Este ano há muitas oportunidades de escolha e é difícil, porque há 25 listas. Para conseguir o número de votos suficiente, vai ser muito difícil.” ANTÓNIO LOPES NÚMERO DOIS DA LISTA PODERES DO PENSAMENTO POLÍTICO

Nunca há nas duas línguas em simultâneo, sobretudo no nosso serviço. Queremos que o Governo tome mais atenção a este assunto.”

COMPETIÇÃO CERRADA

Com a saída de Leonel Alves do hemiciclo e tendo em conta que José Pereira Coutinho já referiu não ter garantias de ser reeleito deputado,António Lopes considera que a sua lista pode mudar o paradigma. “Dentro da AL não há muitos macaenses ou portugueses, e queremos aumentar o número de vozes dentro do hemiciclo”, apontou. Num ano em que há o maior número de listas a concorrer às eleições pelo sufrágio directo, num total de 25,António Lopes assume que é muito difícil ganhar votos suficientes para chegar à AL. “Este ano há muitas oportunidades de escolha e

é difícil, porque há 25 listas. Para conseguir o número de votos suficiente, vai ser muito difícil. Este ano há muita competição. Nós não somos uma lista experiente, somos novos, e as listas mais antigas talvez já tenham os seus apoiantes. Como somos novos, é muito difícil obter o número de votos.” Questionado sobre se tem receio de sofrer represálias por ser um candidato às eleições, António Lopes prefere não responder. Mas afirma que há medo no seio da Função Pública. “Alguns funcionários não têm medo de represálias. Quando temos de enfrentar, enfrentamos. Mas há funcionários que têm medo e não querem fazer para enfrentar os problemas. Mas aí as coisas nunca avançam”, conclui. Andreia Sofia Silva

andreia.silva@hojemacau.com.mo


8 hoje macau segunda-feira 10.7.2017

NOVO MACAU EXIGE QUE GOVERNO SIGA RECOMENDAÇÕES DA UNESCO

GONÇALO LOBO PINHEIRO

SOCIEDADE

A

HOJE MACAU

Associação Novo Macau (ANM) alerta o Governo para que siga à risca as recomendações contidas no relatório que a UNESCO aprovou na sexta-feira, relativas à protecção do centro histórico. Em declarações ao HM, Scott Chiang, presidente da ANM, falou dos projectos que mais geram preocupações à associação pró-democrata. Um deles é o edifício embargado na Calçada do Gaio, próximo do Farol da Guia, que deverá manter a actual altura, de 81,32 metros. Contudo, a ANM considera que o edifício deveria ter, no máximo, 55 metros. Scott Chiang fez ainda referência ao projecto de construção de um hotel na Doca dos Pescadores, que deverá ter 90 metros de altura e que também poderá influenciar a vista do Farol da Guia. Apesar do Governo já ter garantido que o complexo judicial, a construir na zona B dos novos aterros, irá cumprir os limites de altura apontados pela UNESCO, a ANM exige que a paisagem não fique em risco. Tudo para “garantir que as construções à volta dos aterros C e D não afectem a zona da Igreja da Penha”, apontou Scott Chiang. “Nos próximos três anos tem de ser implementado o plano director do território e é também necessário garantir a protecção de Coloane. É isso que pedimos ao Executivo”, rematou. A.S.S.

Centro histórico UNESCO APROVA RELATÓRIO SEM DISCUSSÃO

Para o ano logo se vê O Comité do Património Mundial da UNESCO aprovou sem discussão o “projecto de decisão” sobre Macau, em que expressou preocupações sobre o centro histórico. A RAEM continua a ter 2018 como prazo para a entrega de um novo relatório

E

M comunicado, o Instituto Cultural informa que o comité apreciou, na quarta e na quinta-feira da passada semana, os projectos de decisão sobre o estado de conservação de 99 locais, mas apenas 16 – os casos mais preocupantes, como o do centro histórico de Viena e o complexo de pirâmides de Gizé – geraram discussão. Os restantes 83, incluindo Macau, “não foram discutidos pelo comité, dado que os respectivos projectos de decisão foram aprovados directamente na sessão”. À Lusa, a Organização da ONU para a Educação, Ciência e Cultura

(UNESCO) confirmou esta informação e esclareceu que nenhum membro do comité expressou necessidade de discutir o documento durante a 41.ª sessão, que decorre na Polónia até quarta-feira. No documento, divulgado em Maio, o comité criticou o Governo no que diz respeito à protecção do património e apontou que “o possível impacto de empreendimentos de grande altura nas paisagens do Farol da Guia e da Colina da Penha, assim como as crescentes preocupações sobre a falta do Plano de Salvaguarda e Gestão poderão ter sérias consequências” para a “Declaração de Valor Universal

Excepcional” do Centro Histórico, classificado desde 2005. Exigido pela UNESCO em 2013, o Plano de Salvaguarda e Gestão do Centro Histórico devia ter sido entregue até 1 de Fevereiro de 2015.

Apenas 16 projectos de decisão, relativos aos casos mais preocupantes, geraram discussão

O comité sublinhou também que as actuais questões sobre as restrições em altura de um projecto na Doca dos Pescadores, as propostas sobre os novos aterros e possíveis desenvolvimentos que envolvem edifícios em altura “levantam todos grandes preocupações”.

CUMPRIR O PRAZO

O comité definiu que Macau tem até 1 de Dezembro de 2018 para apresentar um “relatório actualizado sobre o estado de conservação do património”. Numa conferência de imprensa, em Junho, o presidente do Instituto Cultural, Leung Hio Ming, justificou o atraso do Plano de Salvaguarda e Gestão do Centro Histórico com “os trabalhos complexos” necessários para elaborar o plano de gestão e por a Lei de Salvaguarda do Património só ter entrado em vigor em 2014. Leung Hio Ming, que se deslocou à Polónia para participar na sessão da UNESCO, disse que o Governo pretende lançar uma nova consulta pública até ao final do ano para elaborar o documento do Plano de Salvaguarda e Gestão do Centro Histórico e entregá-lo à organização em meados de 2018.


9 hoje macau segunda-feira 10.7.2017

TRÂNSITO MATRÍCULAS CANCELADAS SUBIRAM QUASE 80 POR CENTO

N

O primeiro semestre deste ano foram canceladas um total de 14,591 matrículas de veículos, um aumento de 79,8 por cento, segundo um comunicado da Direcção dos Serviços para os Assuntos de Tráfego (DSAT). A comparação é feita em relação ao igual período homólogo do ano passado. Das mais de 14 mil matrículas canceladas, 12,464 matrículas foram canceladas a pedido dos proprietários, sendo, segundo a DSAT, “o dobro de pedidos registados face ao mesmo período do ano transacto”. “Durante o período em análise, 850 veículos foram removidos devido à falta de pagamento do

imposto de circulação ou por as suas matrículas já estarem canceladas. Deste grupo, apenas dois por cento dos proprietários pediu para que fossem efectuados os respectivos levantamentos dos veículos ou cancelamento das matrículas”, explica o mesmo comunicado. A DSAT garante ainda que “irá remover todos os veículos que não tenham o imposto de circulação em dia ou que tenham a matrícula cancelada, mas que ainda estejam estacionados na via pública”. Nestes casos, “será aplicado ao proprietário em causa uma multa e ele ficará sujeito ao pagamento das respectivas taxas administrativas”.

PONTE DO DELTA PRINCIPAL ESTRUTURA ESTÁ PRONTA

A

estrutura principal da maior ponte do mundo, entre Hong Kong, Zhuhai e Macau, está concluída, anunciou o diretor do gabinete de gestão da ponte. A construção demorou sete anos, prevendo-se que a ponte seja aberta à circulação no final do ano, afirmou Zhu Yongling, citado pela agência noticiosa oficial chinesa Xinhua. A estrutura principal tem 29,6 quilómetros de comprimento, e consiste numa secção da ponte de 22,9 quilómetros e um túnel submarino de 6,7 quilómetros. O comprimento total da ponte é de 55 quilómetros. “A ponte passou todos os testes de riscos e vamos prepará-la para o público dentro de alguns meses”, acrescentou. Lin Ming, engenheiro-chefe da Companhia de Construção de Comunicações da China, afirmou terem sido resolvidos alguns desafios de engenharia na construção da ponte. A ponte em forma de ipsilon vai reduzir o tempo de viagem entre Hong Kong e Zhuhai, de três horas a 30 minutos, aumentando a integração das cidades do Delta do Rio

das Pérolas, de acordo com as autoridades chinesas. A infra-estrutura vai criar um novo espaço para o desenvolvimento da Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau. O acordo-quadro para o desenvolvimento da estratégia da Grande Baía, que aspira tornar-se uma região metropolitana de nível mundial, foi assinado no passado dia 1 na antiga colónia britânica, na presença do Presidente Xi Jinping. O documento foi firmado pelo director da Comissão Nacional para o Desenvolvimento e Reforma, He Lifeng, pelo governador da província de Guangdong, Ma Xingrui, pela Chefe do Executivo de Hong Kong, Carrie Lam, e por Chui Sai On, líder do Governo de Macau.

SOCIEDADE

ATROPELAMENTO MOTIVA INTERPELAÇÃO E CARTA AO GOVERNO

Não quero ser um TNR

O

caso de um atropelamento mortal causado por um camião de transporte de combustível conduzido por um trabalhador não residente (TNR) voltou a colocar na agenda a questão da falta de licenças dos motoristas vindos de fora. Ontem a Associação Macao Drivers Will Win Rights fez uma conferência de imprensa para sensibilizar o Governo e a sociedade, para o caso em questão. Thomas Chan Kin Tong, director da associação em causa, referiu que o motorista que provocou o atropelamento não tinha autorização legal para conduzir em Macau. O dirigente associativo entende que os empregadores precisam assumir responsabilidades e garantir a segurança pública para evitar que se repitam casos semelhantes. Chan Kin Tong acrescentou ainda que apesar das garantias do Executivo de que o sector dos motoristas não teria mais mão-de-obra importada, a realidade é bem diferente, aumentando a concorrência para os locais. O subdirector da associação, Chan Man Chak, sublinhou a falta de fiscalização do Governo no controlo de condutores que trabalham sem habilitação legal para o fazerem. A associação entrega hoje uma carta ao responsável máximo da Direcção dos Serviços para os Assuntos Laborais a pedir explicações para esta situação. Au Kam San, interpelou o Executivo a dar uma explicação sobre o caso em questão. O deputado considera que os serviços têm conhecimento de que existem motoristas TNR, mas que optam por ignorar a situação. Nesse sentido, Au Kam San exige que o Governo peça responsabilidades aos empregadores e se existem lacunas nas leis que permitam que a situação continue. Vítor Ng (com João Luz) info@hojemacau.com.mo

PUB


h ARTES, LETRAS E IDEIAS

10

D

EVAGAR. O meu tempo precisa de vagar. A minha alma anseia vagar espaço. São assim os dias desta longa arrumação e nunca chegam. Meses que são meio ano de lentidão a sentir a voragem. Desde que se apararam as raízes rente. E ela se foi e me deixou a arrumar anos. A sarar a vida. Como as mulheres iam para o campo. Para a ceifa e para a monda. São estas coisas de mulher. Ir ao cemitério. Como se a natureza humana delegasse nesse lugar estas responsabilidades que mais ninguém quer a ocupar espaço. E os dias e as horas a abalar-me como um vento maldoso. Demasiada informação. Dias complexos de atravessar em que é difícil subir ao que é aquele momento de chegar a casa. Finalmente. De sentir que se chega a casa mesmo se dela não se saiu. De descansar um cansaço de vida a pedir velocidade. Que não se tem. De descalçar os sapatos que não se calçou pela manhã e de fechar uma porta de silêncio sobre a ansiedade crescida hora a hora do dia. Que pede palavras quando em mim só peço tempo para chegar a casa devagarinho e pensar. E aí escrever. Às vezes o dia. Outras, outras coisas. Isso. Devagar. Preciso de um tempo devagar. Como devagar ando a arrumar uma casa. A esvaziar outra. E outra. A perder o pé um pouco na memória. A despedir da memória em cada objecto que vaga a casa que há que vagar. Devagar como só assim posso. E a alma a extravasar palavras e imagens a pedir forma e substância. Tudo pelos poros de dentro na direcção do invisível. E querer abrandar a alma e sentá-la à mesa com as ferramentas pequeninas e as tintas e as teclas. Todos os dias em que até a divisão celular me custa. A vertigem. E a chegar tarde a tudo. É o sinal que o universo me dá. Sem tempo para entender para respirar. E depois já é amanhã e ainda não acabei o dia. Entendo que não é fácil entender este passo. Em que tenho que parar a observar bem. Tudo. Dentro, de fora. E fora, de dentro. Em torno daquele núcleo que é o meu nome interior. E que me habita. E que é preciso arrumar bem. Com tempo e devagar. Sou lenta. No que dói. Lembro. É uma recordação de infância e construiu uma fortaleza difícil de arrasar. O silêncio ansiosamente pedido exigido das palavras que podiam ser culpa. Um panfleto caído inadvertidamente em mãos quase juvenis. O terror dentro de portas como se as

Portuguê paredes. E tinham. Às vezes. ouvidos. E dos ouvidos vinham pessoas com eles colados a crânios acéfalos e levavam na maré livros pessoas e outros bens. Até ver. Os dentes cair de maduros depois de a dor ser demais. As batatas podres na cozinha assumidas pelo medo. Mesmo face aos iguais. Com bichos. As batatas dentro da panela enorme e as pessoas. Bichos. Como se. Com hematomas enormes escondidos dos filhos quando a roupa chegava para isso. Para não irem tristes. Mais tristes. Sangue pisado por ali. E excrementos. Já nada importava distinguir. Sangue ou o suor dos intestinos tudo terror e dor das mesmas vísceras em perigo de ruptura. E às vezes alguém. Que conhecia alguém, que quase dava sensação de culpa de cortar a dor em duas finalmente, antes e durante. Emendando em durante e depois. E os outros lá. Ainda. Coisa quase obsoleta de recordar hoje. Como uma ficção remota. Tenho relatos do meu avô, entranhados na memória longínqua da infância, velados, primeiro pelo cuidado, pelos ouvidos das paredes da casa. Pelos fantasmagóricos ouvidos do medo. Mas uma sobriedade a que a raiva já não contaminava. Um dia escritos um pouco assim em modo de a quem possa algum dia vir a interessar. Naquela sua letra bonita e sempre inclinada no sentido do futuro. Aquelas coisas das noites, interrompido o terror e a expectativa, pela realidade de um terror maior porque vivido e instalado. Nas casas. Ou nas celas. Os meios das noites. As noites da longa noite. Somos uns burgueses de merda hoje nas nossas queixas aqui. Num lugar de defeitos suaves. Mal comparando. agora. E de queixas corajosas de quem nunca perdeu um dente pela força. A meio de um sono pouco repousado. Para enterrar companheiros amigos ou desconhecidos. Ou de um tumor no cérebro, ou no estômago . Penso nisso quando penso nas dores da alma. Nos limites das dores. Nos lugares das dores. E nos que não quebravam e não denunciavam e não se retratavam. Até ao limite, para além do limite, e, às vezes, para além da vida. Deixada para trás. Para que outros levantassem os ossos quebrados e os devolvessem a quem os quisera. Às vezes acabava assim o medo. E o desconhecido e a justiça e a dor. Minto. A justiça não andava ali. Só uma passagem rápida a verificar quando era justo ao corpo desistir. Para ser levado como restos. Quando a alma não desistia antes e não denunciava e não implorava e não cedia.


11 hoje macau segunda-feira 10.7.2017

iluminação artificial

Anabela Canas

ANABELA CANAS

ês suave Penso muito nisso quando penso na dor. No lugar da dor e nos limiares. Fronteiras entre possível e impossível. É isso a dor. Um território relativo. Ou de fronteira, terra de ninguém. Fronteira. É um território de transição. O eterno presente, talvez. De passagem. Iniciação. Um lugar, á falta de melhor. Lugar de expectativa e esperança. O não definitivo e o sabor doce do desconhecido. O estranho, estrangeiro e belo desconhecido. O lugar não lugar da viagem. Porque é sempre de passagem e de provisória paragem. E por isso nunca estação. Nunca destino, só inevitabilidade. Entre antes e depois. Entre expectativa e memória, o que fica. Fronteira. O aqui e agora nem sempre reconhecido como tal antes de a perspectiva se instalar como distância. Lucidez. A dor como lugar de passagem. Mesmo nesse músculo cardíaco que, de pessoa para pessoa varia entre a zona de conforto e a zona de risco de diferentes maneiras. O que resiste à velocidade instantânea e o que resiste ao esforço prolongado. Diferentes atletas, estes músculos. Em diferentes modalidades. E penso no que é a frequência cardíaca máxima. Que atira o músculo físico para a zona de perigo. Difere de pessoa para pessoa como o limiar de dor. De todas as dores. Em todas as partes do corpo. E da alma. Mas este é o mais difícil de quantificar à medida que nos afastamos das coordenadas objectivas espaço, tempo, função, actividade. Onde o ritmo desse músculo, físico se mede. E neste tempo em que tudo nos atira para corridas em velocidade. Refeições rápidas e emoções rápidas. Penso. Sim. Eu também sou uma pessoa acorrentada a esse suave ou nunca percebido como tal, jugo de uma alma dorida. De vida. De vida que nos falha. Mas não há dor que se aproxime de uma unha arrancada, um a articulação esmagada a martelo, um dente arrancado a frio. O corpo. Essa miséria que foi instrumento de muitos a uma sobrevivência que deixou por vezes espaço para a exaltação da mudança. O entusiasmo de pequenos prazeres. A liberdade da contemplação. A pequena ambição sem desapontamento. Transportamos a nossa própria gaiola. E num mundo assim, passando aos escaninhos privados e pequenos da alma que somos, cada um é livre de abandonar e alimentar a sua culpa, de ser abandonado e se rebolar na volúpia liberta

de ser só sem ter. As pequenas raivas das pequenas coisas das pequenas vaidades e das pequenas ambições. A ocupar espaço. Na gaiola que levamos pela mão. Em que sítio? Em que lugar do corpo da alma, ou da vida da casa? Em que ficamos. E depois, este território minado que é o da fantasia. E o da ilusão. E o do sonho. Para não falar, já da ficção. Mas são estados diferentes no mesmo país. Ou federação. Diferentes. Há que distinguir. O sonho... nos adultos torna-se difícil. perde-se talvez a capacidade de sonhar. Diria de outra maneira: passa a sonhar-se dentro dos limites do possível. E o possível é um país grande. Enorme mesmo. Tão grande como esta mania de situar cada fenómeno em nós numa parte distinta e mais simbólica do que real do corpo. Tudo vive nas químicas e nas interacções do cérebro. tudo se mistura numa alquimia que varia de pessoa para pessoa e que resulta ou não numa economia existencial positiva em função das alquimias que de outras pessoas convivem com estas. Situamos a alma em que zona do corpo e o coração – o outro – em que zona do cérebro. E a dor, esse alerta para os limites de resistência do corpo, da alma. E a emoção. Lugares. Em que ficamos. Talvez esse português suave, pejorativo a qualificar-nos, seja uma característica ancestral de um certo tipo de coração. A precisar de um cigarro, como aqueles dos maços às risquinhas e com caravelas em azul e que não eram caravelas, e de parar para retomar forças para resistir. O azul calmo e reflexivo sobre o ouro e a velocidade da luz, nos antigos maços, e não o contrário como diz o dito. Somos talvez esse português suave. Quantas vezes a sentir o crescente da dor, da agonia e da raiva, a precisar de um pouco de retorno à suavidade que nos começa a faltar. A litlle tenderness, para manter a natureza de que cada um é feito. Parei na embalagem azul. Que o meu pai fumava e que ficou por ali – a embalagem do dia a seguir que não veio. Mais. Passou a amarelo vivo. Uma coisa solar. Sem torre de defesa rodeada das águas. Com embasamento atirado em frente a sul e ao mar. Como uma enorme, pesada, obsoleta barcaça. Entre o medieval e o renascido. Ancorada a terra sempre, lunar, era a sua natureza e a do rio a recuar, e para sempre. Esse maço está ali como recordação preciosa do tacto e de um gesto. Mas cada um desses cigarros, como os outros, pega fogo. Na proximidade do fogo.


12 PUBLICIDADE

hoje macau segunda-feira 10.7.2017

MANDADO DE NOTIFICAÇÃO N.° 405/AI/2017

MANDADO DE NOTIFICAÇÃO N.° 454/AI/2017

-----Atendendo à gravidade para o interesse público e não sendo possível proceder à respectiva notificação pessoal, pelo presente notifiquese a infractora JIN ZHIHONG, portadora do passaporte da RPC n.° E31119xxx, que na sequência do Auto de Notícia n.° 118/DI-AI/2015, levantado pela DST a 08.10.2015, e por despacho da signatária de 29.06.2017, exarado no Relatório n.° 409/DI/2017, de 06.06.2017, em conformidade com o disposto no n.° 1 do artigo 14.° da Lei n.° 3/2010, lhe foi desencadeado procedimento sancionatório por suspeita de controlar a fracção autónoma situada na Avenida da Amizade n.° 271, Kam Wa Kok, 8.° andar BB, Macau onde se prestava alojamento ilegal.--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------No mesmo despacho foi determinado, que deve, no prazo de 10 dias, contado a partir da presente publicação, apresentar, querendo, a sua defesa por escrito, oferecendo nessa altura todos os meios de prova admitidos em direito não sendo admitida apresentação de defesa ou de provas fora do prazo conforme o disposto no n.° 2 do artigo 14.° da Lei n.° 3/2010. ---------------------------------------------------------------------------A matéria apurada constitui infracção ao artigo 2.° da Lei n.° 3/2010, punível nos termos do n.° 1 do artigo 10.° do mesmo diploma.-----------O processo administrativo pode ser consultado, dentro das horas normais de expediente, no Departamento de Licenciamento e Inspecção desta Direcção de Serviços, sito na Alameda Dr. Carlos d’Assumpção n.os 335-341, Edifício “Centro Hotline”, 18.° andar, Macau.--------------

-----Atendendo à gravidade para o interesse público e não sendo possível proceder à respectiva notificação pessoal, pelo presente notifique-se o infractor LAO, CHONG, portador do Bilhete de Identidade de Residente Permanente da RAEM n.º 13768xxx, que na sequência do Auto de Notícia n.° 45/DI-AI/2015 levantado pela DST a 27.04.2015, e por despacho da signatária de 29.06.2017, exarado no Relatório n.° 445/DI/2017, de 13.06.2017, nos termos do n.° 1 do artigo 10.° e do n.° 1 do artigo 15.°, ambos da Lei n.° 3/2010, lhe foi determinada a aplicação de uma multa de $200.000,00 (duzentas mil patacas) por controlar a fracção autónoma situada na Rua de Nagasaki n.° 80, Kam Fung Tai Ha, Bloco 1, 10.° andar A onde se prestava alojamento ilegal.--------------------------------------------------------------------O pagamento voluntário da multa deve ser efectuado no Departamento de Licenciamento e Inspecção destes Serviços, no prazo de 10 dias, contado a partir da presente publicação, de acordo com o disposto no n.° 1 do artigo 16.° da Lei n.° 3/2010, findo o qual será cobrada coercivamente através da Repartição de Execuções Fiscais, nos termos do n.° 2 do artigo 16.° do mesmo diploma.--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------Da presente decisão cabe recurso contencioso para o Tribunal Administrativo conforme o disposto no artigo 20.° da Lei n.° 3/2010, a interpor no prazo de 30 dias, conforme o disposto na alínea a) do n.° 2 do artigo 25.° do Código do Processo Administrativo Contencioso, aprovado pelo Decreto-Lei n.° 110/99/M, de 13 de Dezembro.------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------Desta decisão pode o infractor, querendo, reclamar para o autor do acto, no prazo de 15 dias, sem efeito suspensivo, conforme o disposto no n.° 1 do artigo 148.°, artigo 149.° e n.° 2 do artigo 150.°, todos do Código do Procedimento Administrativo, aprovado pelo Decreto-Lei n.° 57/99/M, de 11 de Outubro.------------------------------Há lugar à execução imediata da decisão caso esta não seja impugnada.-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------O processo administrativo pode ser consultado, dentro das horas normais de expediente, no Departamento de Licenciamento e Inspecção desta Direcção de Serviços, sito na Alameda Dr. Carlos d’Assumpção n.os 335-341, Edifício “Centro Hotline”, 18.° andar, Macau.-----------------------------------------------------------------

-----Direcção dos Serviços de Turismo, aos 29 de Junho de 2017.

-----Direcção dos Serviços de Turismo, aos 29 de Junho de 2017.

A Directora dos Serviços, Maria Helena de Senna Fernandes

A Directora dos Serviços, Maria Helena de Senna Fernandes

MANDADO DE NOTIFICAÇÃO N.° 424/AI/2017

MANDADO DE NOTIFICAÇÃO N.° 455/AI/2017

-----Atendendo à gravidade para o interesse público e não sendo possível proceder à respectiva notificação pessoal, pelo presente notifique-se o infractor WENG XUDONG, portador do Passaporte da RPC n.° E03677xxx, que na sequência do Auto de Notícia n.° 145/DI-AI/2015, levantado pela DST a 08.12.2015, e por despacho da signatária de 29.06.2017, exarado no Relatório n.° 426/DI/2017, de 05.06.2017, em conformidade com o disposto no n.° 1 do artigo 14.° da Lei n.° 3/2010, lhe foi desencadeado procedimento sancionatório por suspeita de controlar a fracção autónoma situada na Praceta de Um de Outubro n.os 119-131-B, Edf. I Keng, 20.º andar E, Macau onde se prestava alojamento ilegal.------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------No mesmo despacho foi determinado, que deve, no prazo de 10 dias, contado a partir da presente publicação, apresentar, querendo, a sua defesa por escrito, oferecendo nessa altura todos os meios de prova admitidos em direito não sendo admitida apresentação de defesa ou de provas fora do prazo conforme o disposto no n.° 2 do artigo 14.° da Lei n.° 3/2010. ---------------------------------------------------------------------------A matéria apurada constitui infracção ao artigo 2.° da Lei n.° 3/2010, punível nos termos do n.° 1 do artigo 10.° do mesmo diploma.-----------O processo administrativo pode ser consultado, dentro das horas normais de expediente, no Departamento de Licenciamento e Inspecção desta Direcção de Serviços, sito na Alameda Dr. Carlos d’Assumpção n.os 335-341, Edifício “Centro Hotline”, 18.° andar, Macau.--------------

-----Atendendo à gravidade para o interesse público e não sendo possível proceder à respectiva notificação pessoal, pelo presente notifique-se a infractora LUO, JINHUA, portadora do Passaporte da RPC n.° E18843xxx, que na sequência do Auto de Notícia n.° 45/DI-AI/2015 levantado pela DST a 27.04.2015, e por despacho da signatária de 29.06.2017, exarado no Relatório n.° 446/DI/2017, de 13.06.2017, nos termos do n.° 1 do artigo 10.° e do n.° 1 do artigo 15.°, ambos da Lei n.° 3/2010, lhe foi determinada a aplicação de uma multa de $220.000,00 (duzentas e vinte mil patacas) por controlar a fracção autónoma situada na Rua de Nagasaki n.° 80, Kam Fung Tai Ha, Bloco 1, 10.° andar A onde se prestava alojamento ilegal.-----------------------------------------------------------------------------------------------------------O pagamento voluntário da multa deve ser efectuado no Departamento de Licenciamento e Inspecção destes Serviços, no prazo de 10 dias, contado a partir da presente publicação, de acordo com o disposto no n.° 1 do artigo 16.° da Lei n.° 3/2010, findo o qual será cobrada coercivamente através da Repartição de Execuções Fiscais, nos termos do n.° 2 do artigo 16.° do mesmo diploma.--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------Da presente decisão cabe recurso contencioso para o Tribunal Administrativo conforme o disposto no artigo 20.° da Lei n.° 3/2010, a interpor no prazo de 60 dias, conforme o disposto na alínea b) do n.° 2 do artigo 25.° do Código do Processo Administrativo Contencioso, aprovado pelo Decreto-Lei n.° 110/99/M, de 13 de Dezembro.------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------Desta decisão pode a infractora, querendo, reclamar para o autor do acto, no prazo de 15 dias, sem efeito suspensivo, conforme o disposto no n.° 1 do artigo 148.°, artigo 149.° e n.° 2 do artigo 150.°, todos do Código do Procedimento Administrativo, aprovado pelo Decreto-Lei n.° 57/99/M, de 11 de Outubro.--------------------------------Há lugar à execução imediata da decisão caso esta não seja impugnada.-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------O processo administrativo pode ser consultado, dentro das horas normais de expediente, no Departamento de Licenciamento e Inspecção desta Direcção de Serviços, sito na Alameda Dr. Carlos d’Assumpção n.os 335-341, Edifício “Centro Hotline”, 18.° andar, Macau.-----------------------------------------------------------------

-----Direcção dos Serviços de Turismo, aos 29 de Junho de 2017.

-----Direcção dos Serviços de Turismo, aos 29 de Junho de 2017.

A Directora dos Serviços, Maria Helena de Senna Fernandes

A Directora dos Serviços, Maria Helena de Senna Fernandes

MANDADO DE NOTIFICAÇÃO N.° 462/AI/2017 -----Atendendo à gravidade para o interesse público e não sendo possível proceder à respectiva notificação pessoal, pelo presente notifique-se o infractor WONG CHIU LUNG, portador do Bilhete de Identidade de Residente Permanente da Hong Kong n.° P4318xxx, que na sequência do Auto de Notícia n.° 19/DI-AI/2015 levantado pela DST a 09.02.2015, e por despacho da signatária de 29.06.2017, exarado no Relatório n.° 452/DI/2017, de 14.06.2017, nos termos do n.° 1 do artigo 10.° e do n.° 1 do artigo 15.°, ambos da Lei n.° 3/2010, lhe foi determinada a aplicação de uma multa de $200.000,00 (duzentas mil patacas) por controlar a fracção autónoma situada na Rua do Terminal Maritimo n.os 93-103, Edf. Centro Internacional de Macau, Bloco 3, 9.° andar A onde se prestava alojamento ilegal.-----------------O pagamento voluntário da multa deve ser efectuado no Departamento de Licenciamento e Inspecção destes Serviços, no prazo de 10 dias, contado a partir da presente publicação, de acordo com o disposto no n.° 1 do artigo 16.° da Lei n.° 3/2010, findo o qual será cobrada coercivamente através da Repartição de Execuções Fiscais, nos termos do n.° 2 do artigo 16.° do mesmo diploma.-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------Da presente decisão cabe recurso contencioso para o Tribunal Administrativo conforme o disposto no artigo 20.° da Lei n.° 3/2010, a interpor no prazo de 60 dias, conforme o disposto na alínea b) do n.° 2 do artigo 25.° do Código do Processo Administrativo Contencioso, aprovado pelo Decreto-Lei n.° 110/99/M, de 13 de Dezembro.------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------Desta decisão pode o infractor, querendo, reclamar para o autor do acto, no prazo de 15 dias, sem efeito suspensivo, conforme o disposto no n.° 1 do artigo 148.°, artigo 149.° e n.° 2 do artigo 150.°, todos do Código do Procedimento Administrativo, aprovado pelo Decreto-Lei n.° 57/99/M, de 11 de Outubro.------------------------------------Há lugar à execução imediata da decisão caso esta não seja impugnada.-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------O processo administrativo pode ser consultado, dentro das horas normais de expediente, no Departamento de Licenciamento e Inspecção desta Direcção de Serviços, sito na Alameda Dr. Carlos d’Assumpção n.os 335-341, Edifício “Centro Hotline”, 18.° andar, Macau.---------------------------------------------------------------------Direcção dos Serviços de Turismo, aos 29 de Junho de 2017. A Directora dos Serviços, Maria Helena de Senna Fernandes

Assine-o TELEFONE 28752401 | FAX 28752405 E-MAIL info@hojemacau.com.mo

www.hojemacau.com.mo

MANDADO DE NOTIFICAÇÃO N.° 476/AI/2017 -----Atendendo à gravidade para o interesse público e não sendo possível proceder à respectiva notificação pessoal, pelo presente notifique-se a infractora WEI MEIYING, portadora do Salvo-Conduto para Deslocação a Hong Kong e Macau da RPC n.° W84098xxx, que na sequência do Auto de Notícia n.° 136/DI-AI/2015, levantado pela DST a 19.11.2015, e por despacho da Directora dos Serviços de Turismo, Substituta, de 13.04.2017, exarado no Relatório n.° 296/DI/2017, de 06.04.2017, em conformidade com o disposto no n.° 1 do artigo 14.° da Lei n.° 3/2010, lhe foi desencadeado procedimento sancionatório por suspeita de prestação de alojamento ilegal na fracção autónoma situada na Rua do Terminal Marítimo n.os 93-103, Edf. Centro Internacional de Macau, Bloco IV, 6.° andar H.---------------------------------------------------------------No mesmo despacho foi determinado, que deve, no prazo de 10 dias, contado a partir da presente publicação, apresentar, querendo, a sua defesa por escrito, oferecendo nessa altura todos os meios de prova admitidos em direito não sendo admitida apresentação de defesa ou de provas fora do prazo conforme o disposto no n.° 2 do artigo 14.° da Lei n.° 3/2010.-----------------------------------------------------------------------------A matéria apurada constitui infracção ao artigo 2.° da Lei n.° 3/2010, punível nos termos do n.° 1 do artigo 10.° do mesmo diploma.------------O processo administrativo pode ser consultado, dentro das horas normais de expediente, no Departamento de Licenciamento e Inspecção desta Direcção de Serviços, sito na Alameda Dr. Carlos d’Assumpção n.os 335-341, Edifício “Centro Hotline”, 18.° andar, Macau.-------------------Direcção dos Serviços de Turismo, aos 29 de Junho de 2017. A Directora dos Serviços, Maria Helena de Senna Fernandes


h

hoje macau segunda-feira 10.7.2017

13

Paulo Maia e Carmo tradução e ilustração

ZHANG GENG «Pushan Lunhua»

Tratado de Pintura do Junco das Montanhas O modelo da Escola de Fujian tem um aspecto espesso e manchado. O modelo dos pintores do Norte é pesado e inábil. Todas estas escolas foram famosas no seu início mas no decurso da sua transmissão foram-se deteriorando através das sucessivas imitações. Estas são as linhas gerais do que existiu até à presente dinastia. Aqueles que conseguirem evitar tais hábitos de imitação e seguirem nos passos dos antigos, e se aconselharem entre os sábios entre os seus predecessores serão os modelos para os futuros pintores. Wang Yuanqi (Lutai)1, até certo ponto, é o único que o conseguiu. Quanto a Wang Hui (Shigu)2, ele é certamente muito talentoso, mas não conseguiu evitar inteiramente os hábitos dos pintores que estão presos a uma escola.

O Pincel Qian Xiangshu3 ao discutir literatura disse: «O pincel deve ser ousado, ou seja rico e simples» (à moda antiga). Estas palavras exprimem amplamente (profundamente) o segredo da escrita literária. Na minha opinião o mesmo é verdade no que se refere à pintura. Wang Lutai (Yuanqi) escreveu ele mesmo na sua pintura «Montanhas de Outono sob um céu límpido»: «Não segue o método antigo nem resulta só da minha mão (o meu estilo), e no entanto não está fora do método antigo nem estranho à minha mão. A ponta do pincel é como um almofariz de diamante e inteiramente livre de velhos hábitos.» O que Wang Xiangxu designava de ousadia tem exactamente o mesmo sentido de almofariz do diamante.

1 - Wang Yuanqi (1642-1715), autor do curto tratado «Yuchuang Manbi», que sendo representativo do gosto do seu tempo, exercerá larga influência na posteridade. 2 - Wang Hui (1632-1717) nasceu em Changsu, Província de Jiangsu foi um dos «quatro Wangs» que dominaram a ortodoxia da arte durante a dinastia Qing (1644-1911), considerado como continuador da linhagem artística representada por Dong Qichang (1555-1636), reunindo numa «grande síntese» todos os estilos de paisagem anteriores. Como ele escreveu: «A pincelada numa pintura deve ser rudimentar e fina, pesada e leve, seca e húmida; então estará bem-feita. Se for simplesmente de um género, a pintura terá um aspecto cru, despido.» (cit. por Osvald Sirén, op. cit., p.201) 3 - Também conhecido como Qian Chenchun (1686-1744), foi muito popular como escritor e poeta fazendo parte do grupo dos «Cinco homens de letras» no tempo do imperador Qianlong (1733-1799).


14 EVENTOS

IRMÃOS GAO

‘‘As nossas criações, para o público, não passam de crítica política” ARTISTAS PLÁSTICOS

Chamam-se Gao Zhen e Gao Qiang e são conhecidos como os irmãos Gao. Os seus trabalhos já passaram por Nova Iorque, Berlim e Londres. Considerados uma referência da arte contemporânea chinesa, além de políticas, as suas obras são uma reflexão da sociedade actual na China Como é que se começaram a interessar pela criação artística? Foi nas décadas de 60 e 70, no século passado. Quando éramos miúdos já gostávamos de pintar juntos. Fomos directamente influenciados pela nossa mãe que nos questionava acerca do que víamos e do que desenhávamos. Ela era muito boa a recortar papel e os trabalhos que fazia pareciam que lhe saíam naturalmente do coração. O que ela fazia diferenciava-se da cultura folclórica, eram recortes de uma beleza primitiva original. Sem dúvida que, se temos algum talento, o herdámos da nossa mãe. O vosso trabalho é contemporâneo, mas tiveram formação em arte tradicional chinesa. No liceu tínhamos de estudar pintura tradicional. Naquela altura, devido às dificuldades económicas, não pudemos continuar a estudar. Passámos seis anos a trabalhar arduamente ainda muito novos. Na mesma altura começámos a aprender pintura tradicional chinesa de paisagem e a fazer cópias de trabalhos das dinastias Song, Yuan, Ming e Qing, e de alguns autores famosos mais contemporâneos. Acabou por ser uma aprendizagem muito forte e intensa, apesar de não ser académica. Mas porque fazíamos livremente aquilo que nos interessava, acabámos por criar várias obras contemporâneas ainda nessa altura.

Como é que essa aprendizagem influencia o vosso trabalho actual? Se olharmos superficialmente para a arte tradicional, podemos dizer que não terá grande influência no que fazemos hoje em dia. Mas na nossa estética há uma ligação, que podemos considerar livre, entre os caminhos da arte tradicional e da arte contemporânea. Esta ligação acaba por ter sempre um papel, mesmo que subtil, no que fazemos. Por exemplo, em 2008, com o trabalho “Never Finished Building, n.º 4”, apesar de não usarmos uma

nítida influência no resultado final da imagem, no processo criativo e no efeito criado pela peça, tivemos em conta um trabalho da dinastia Song. Escolhemos uma peça do pintor Zhang, o “Qingming River”, e a experiência que este trabalho nos proporcionava enquanto espectadores. Ambas as peças, a nossa e a tradicional, são um registo do estatuto social e da paisagem cultural na vida de um artista. Ambas reflectem o espírito de uma era. Parece que nós, agora, tal como há 800 anos, não estamos satisfeitos com o papel que o artista

tem e queremos deixar um texto visual histórico com o que criamos para as gerações futuras. Os irmãos Gao são uma referência internacional, com trabalhos nas galerias e museus do mundo. Na China, algumas das vossas obras são alvo de censura, mas continuam em Pequim. Já pensaram mudar de país? Estamos na cena artística de Pequim há mais de dez anos. Às vezes sentimo-nos um pouco cansados e pensamos em mudar para Nova Iorque para começar uma nova vida e com ela novas criações. No entanto, também estamos muito conscientes da nossa inseparabilidade da nossa terra e história. São a nossa carne e o nosso sangue, e temos algumas dificuldades em demitir-nos dessa responsabilidade. Por isso, andamos sempre num estado de hesitação entre estes dois lugares, mas continuamos na China. Os vossos trabalhos têm uma componente de intervenção, nomeadamente política. Quais são, para vocês, os aspectos mas pertinentes para abordar na China contemporânea? No Velho Testamento, Isaías já dizia que “a manhã virá e a noite também”. A situação na China não é mais optimista. A nossa criação artística é um meio de expressarmos livremente a nossa resistência política, uma forma de manter a nossa dignidade básica e a nossa salvação. É também a forma de nos envolvermos com o mundo. Uma das vossas obras icónicas é a série de esculturas “Miss Mao”. Criámos a primeira escultura “Miss

Mao” em 2006. Foi inspirada num trabalho em vídeo que tínhamos feito em 1998 denominado “BeiBei Mao”. Aliás, no fundo, a nossa desconstrução e crítica da ideologia e do sistema de Mao já tinha começado em 1989. Na altura fizemos várias imagens, não só de Mao, mas também de Marx e Lenine, produzidas em fotocopiadoras. Mas a polémica realmente foi instalada com a imagem de “Miss Mao” que já passou por Londres, Paris, Moscovo, Nova Iorque e Singapura. Nunca foi exibida na China devido à censura. De certa forma, “Miss Mao” é uma metáfora política da sociedade pós-Mao. Superficialmente, parece que, na China, a figura de Mao Zedong já está ausente há muito tempo e muitos dos aspectos que lhe são associados já estão irreconhecíveis mas, de facto, a natureza do sistema e as regras não sofreram grandes mudanças. Infelizmente, as pessoas olham mais para a superfície e conseguem ver algumas mudanças sociais, mas não estão cientes de que a natureza totalitária do sistema continua a mesma. É essa a mensagem da “querida” “Miss Mao”. Criámos também várias séries que podem ser divididas em duas categorias. Uma delas tem uma figura sorridente, quase amorosa e com algum humor. Na segunda categoria acrescentámos um pouco de maldade. No entanto, e comparadas com a brutalidade do regime, estas imagens não se podem considerar ultrajosas. O peito que acrescentámos a Mao tem que ver com a propaganda política que lhe está associada de que alimenta o povo. Há mesmo uma canção de propaganda que diz: “Ponho o partido à frente da


15 hoje macau segunda-feira 10.7.2017

de crítica política. Na realidade, achamos que somos pensadores que expressam as suas ideias através das artes visuais. A política real é apenas uma parte do nosso pensamento e até mesmo uma pequena parte, mas, claro, uma parte importante. Por esta vertente fazer parte do nosso trabalho, tem causado muita controvérsia. Na realidade, criamos trabalhos de géneros muito diferentes. Prova disso é por exemplo a expressão da mudança na paisagem urbana em fotografia presente na série “Never Completed Buidings”. Foi um trabalho que passou por várias cidades mundiais e que explora a relação entre comunicação e comportamento. Com o bloqueio da Internet, criámos a performance “Broken Wall”. Abordamos ainda as mudanças sociais como “In Beijing, One Day Can Go Far”. Fazemos documentários, pintura e fotografia abstracta também.

minha mãe”. É a mãe Mao que amamenta os seus filhos. Por outro lado, é um Mao mentiroso, daí o nariz da obra. “Miss Mao” não é só uma piada visual, mas sim uma crítica política carregada de ironia. A “Execução de Cristo” também é um trabalho relevante. Porquê esta metáfora? Na “Execução de Cristo” inspirámo-nos numa obra de Manet, por sua vez inspirado na “Noite de 3 de Maio de 1808”, de Goya. O massacre é um tema que também percorre a história da arte. A composição deste trabalho é inspirada nestes autores e a escolha dos personagens, Cristo e Mao Zedong, teve que ver com a nossa experiência pessoal de sobrevivência. Mao foi um dos grandes tiranos do século XX. Mais de dez milhões de chineses morreram devido à perseguição política que fez. O nosso pai foi uma dessas pessoas. Este trabalho revela a violência do ditador contra a natureza humana. O confronto entre Mao e Jesus Cristo corresponde à situação real de oposição aos valores do Ocidente, à liberdade e aos direitos humanos. Na vertente fotográfica, o vosso trabalho é marcado, entre outras obras, pela série “Sense of Space”. É um trabalho em fotografia que aborda o comportamento. Foi feito em 2000 e, através de um armário, metaforizámos a forma como as pessoas se encaixam no seu espaço, no seu isolamento. Um estado de solidão, de depressão e muitas vezes de sufoco. Tem que ver com o viver num estado totalitário, mas também é relativo à forma de viver nas grandes cidades em que as pessoas são espremidas espiritualmente para poderem sobreviver.

“Parece que nós, agora, tal como há 800 anos, não estamos satisfeitos com o papel que o artista tem e queremos deixar um texto visual histórico com o que criamos para as gerações futuras.”

Estão no 798Art District, um espaço privilegiado da cena artística de Pequim. Como é que foram para o bairro das artes? Em 2004, juntamente com outros artistas, alugámos um estúdio no 798. Estávamos a criar um espaço inovador de criação artística. Fizemos ainda algumas exposições mas, devido à pesada crítica política, as autoridades alarmaram-se e o projecto acabou por não avançar. Mais tarde, acabámos por arrendar, sozinhos, o estúdio onde ainda nos encontramos. A nossa casa é aqui, é aqui que criamos e este é o espaço onde os nossos trabalhos de maior relevo foram produzidos.

São multifacetados e trabalham sempre em equipa. Como é que corre esta colaboração? Anossa colaboração é, de facto, muito simples. Se um de nós tem uma ideia, discutimo-la para tentar perceber se tem algum valor. Se ambos sentimos que sim, depois começamos a pensar como é que a podemos concretizar. Se ambos sentimos que não tem valor, normalmente desistimos. Se um de nós acredita muito na ideia, pode avançar individualmente.

Ainda no que respeita ao vosso aspecto interventivo. Como é que lidam com as reacções, tanto do país como do mundo, sendo que são bem diferentes? Quer na China, quer em qualquer outra parte do mundo, pensamos que as pessoas entendem mal o nosso trabalho e a parte da crítica política acaba por parecer que é a sua totalidade. Às vezes sentimos que as nossas criações, para o público, não passam disso,

Como vêem o futuro da China? E como gostariam que fosse? Para olhar para o futuro da China temos de fazer uma passagem pela história do país. Temos ainda de construir a história contemporânea das principais forças políticas de modo a conseguir fazer julgamentos de valor realistas. A história provou que a introdução da ditadura soviética e a construção de um sistema totalitário que ainda permanece no comunismo chinês foram um erro. Sun Yat-sen defendia o princípio do povo para um governo constitucional republicano, era o objectivo deste país. Seria o fim dos milhares de anos de história ditatorial imperial e o estabelecimento da primeira república da Ásia – a República da China. Em 1945, depois da guerra, poderíamos ter a construção de um sistema constitucional com eleições democráticas e uma constituição partidária. É lamentável que uma tão prometedora república tenha sido também “rasteirada” pelas conjunções geopolíticas do final da Segunda Guerra Mundial, em 1949, quando o partido comunista soviético apoiou o homónimo chinês. A subversão aconteceu a partir daí. A China embarcou num sistema despótico de um partido único. Foi o caminho para a escravatura. Lamentavelmente, o círculo intelectual ainda não consegue avaliar verdadeiramente esta situação e permanece obcecado com a disputa entre a perspectiva reformista e a “Grande Prosperidade da Revolução Cultural”. Estamos convencidos de que o futuro da China poderá, um dia, passar pelo restauro de alguma justiça histórica, retornar à República da China, criar uma verdadeira soberania do povo e percorrer o caminho de uma democracia constitucional. Sofia Margarida Mota

sofiamota.hojemacau@gmail.com

EVENTOS

SHENZHEN À PROCURA DE PROPOSTAS PARA BIENAL DE URBANISMO

A

TÉ ao dia 2 do próximo mês, o Instituto Cultural (IC) está a receber propostas para a Bienal Bi-citadina de Urbanismo/ Arquitectura de Shenzhen e Hong Kong, que se realiza na cidade chinesa. O IC é o responsável pelo pavilhão da RAEM no evento, em colaboração com a Associação de Arquitectos e o Instituto de Planeamento Urbano de Macau. Este ano, a Bienal Bi-citadina escolheu como tema “Cidades, Crescer na Diferença”. Organizada de dois em dois anos, é a única bienal ao nível mundial dedicada exclusivamente à temática permanente da cidade, refere o IC. Conta já com seis edições, onde foram expostas mais de 930 obras provenientes de todo o mundo, organizados mais de 510 eventos e fóruns, atraindo assim mais de 1,1 milhões de visitantes. Com a participação no certame, o IC espera reforçar a cooperação entre Macau e Shenzhen e promover o intercâmbio cultural, de modo a aumentar o conhecimento dos residentes de Macau sobre as tendências culturais no âmbito do urbanismo e da arquitectura da China e do estrangeiro. Além disso, pretende-se despertar o interesse pela arquitectura, planeamento urbanístico, arte e design. A recolha de propostas tem como objectivo seleccionar talentos locais e os seus trabalhos, “garantindo assim que a qualidade das obras do pavilhão e o projecto possam decorrer de forma aberta e justa, sendo encorajado o público a participar activamente”, acrescenta o Instituto Cultural.


16 CHINA

hoje macau segunda-feira 10.7.2017

CIMEIRA DO G20 TERMINA COM ISOLAMENTO AMERICANO

O PALCO DE XI Uma economia digital favorável ao crescimento e emprego

O

presidente chinês Xi Jinping propôs sábado que os membros do Grupo dos Vinte (G20) construam uma economia digital que seja favorável ao crescimento e ao emprego. “Devemo-nos adaptar activamente à evolução digital, fomentar novos motores económicos, avançar nas reformas estruturais e promover o desenvolvimento integrado da economia digital e real”, disse Xi. Para esse fim, propôs implementar a Iniciativa de Desenvolvimento e Cooperação de Economia Digital do G20 e o Plano de Acção de Nova Revolução Industrial, ambos adoptados no ano passado na cimeira de Hangzhou, na China. O líder chinês pediu a todos os membros que lidem com os riscos e desafios para guiar a economia digital em direcção à abertura e abrangência, acrescentando que o bloco do G20 precisa expandir

o acesso à economia digital e reduzir a disparidade digital entre o Norte e o Sul. “Precisamos prestar atenção à produção digitalizada e ao impacto da inteligência artificial no emprego em diversas nações, e tomar políticas activas de emprego”, acrescentou. O presidente chinês também pediu a todas as partes que criem um ambiente internacional favorável ao desenvolvimento da economia digital, integrem melhor as suas respectivas estratégias de desenvolvimento, e melhorem juntos o nível da aplicação digital. “Devemos procurar a construção de um ciberespaço pacífico, seguro, aberto e cooperativo, e explorar caminhos para desenvolver regras de comércio internacionais que sejam multilaterais, transparentes e inclusivas nos sectores digitais”, acrescentou.

À medida que os EUA vão perdendo protagonismo na cena mundial, às mãos do seu presidente, Xi Jinping foi talvez a figura central da cimeira, tendo-se desdobrado em contactos com diversos líderes

Mon ami le président

O

presidente chinês Xi Jinping e o seu homólogo francês Emmanuel Macron concordaram sábado, em Hamburgo, promover as relações bilaterais e a cooperação. “O lado chinês está disposto a fazer esforços conjuntos com o lado francês para continuar a ver as relações bilaterais de um modo estratégico e uma perspectiva de longo prazo, e a trabalhar para um melhor desenvolvimento de nossos laços”, disse Xi durante uma reunião com Macron no âmbito da anual cimeira das principais economias do Grupo dos Vinte (G20) em Hamburgo, Alemanha. “A confiança mútua política, espírito pioneiro e inovador e a cooperação internacional frutífera têm sido as características destacadas da relação China-França”, acrescentou Xi. “Tanto a China como a França são membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU, que procuram uma política externa independente, salvaguardam a ordem internacional com os propósitos e princípios da Carta da ONU no seu centro, e defendem intercâmbios e

aprendizagem mútua entre civilizações diferentes. A relação China-França torna-se todos os dias mais estratégica na actual situação. É nossa responsabilidade histórica compartilhada manter e promover a parceria estratégica China-França”, concluiu o presidente. Xi propôs ainda que os dois países aumentem os contactos de alto nível e levem em consideração os interesses essenciais e principais preocupações de cada um com base nos princípios de respeito mútuo, confiança, entendimento e acomodação. Os dois países devem encaixar suas estratégias de desenvolvimento, disse. Xi pediu aos dois lados que aprofundem a cooperação em energia nuclear, tecnologia espacial e outras áreas tradicionais, enquanto exploram a cooperação em novas áreas como produtos agrícolas, finanças e desenvolvimento sustentável, procurando ampliar ainda mais os seus interesses comuns. Concordando com as observações de Xi sobre os laços bilaterais, Macron disse que os dois países desfrutam de

uma longa história de amizade e elogiou o relacionamento bilateral como o melhor na história. O lado francês “valoriza altamente a parceria estratégica abrangente França-China e considera a China como um importante parceiro de cooperação e uma importante força nos assuntos internacionais”, disse Macron. O presidente francês acrescentou que está disposto a promover a cooperação com a China numa ampla variedade de áreas, incluindo economia e comércio, investimento, energia nuclear, produção de automóveis e alimentos. “A França e a China compartilham posições semelhantes sobre as principais questões internacionais, e os dois países devem reforçar a comunicação e a coordenação dentro de tais marcos multilaterais como as Nações Unidas, para promover juntos a paz e a prosperidade mundiais”, concluiu Macron.

Diálogo com a Coreia do Norte

O

presidente chinês, Xi Jinping, afirmou ao presidente norte-americano, Donald Trump, no sábado, a adesão da China à resolução da questão nuclear norte-coreana por meio de negociações, informou a agência de notícias estatal Xinhua. Xi disse que, ao mesmo tempo em que se formulam “respostas necessárias” à Coreia do

Norte contra a resolução da ONU, deveria haver esforços intensificados para promover o diálogo, acrescentou a Xinhua. O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou ter tido uma conversa “excelente” com o presidente da China, Xi Jinping, sobre questões como o comércio entre os dois países e a Coreia do Norte. “Deixando

Hamburgo para Washington e a Casa Branca. Acabei de encontrar o presidente da China e tivemos uma reunião excelente sobre comércio e Coreia do Norte”, escreveu Trump no Twitter.

Questão climática isola Trump

L

ÍDERES das principais economias do mundo romperam com o presidente norte-americano, Donald Trump, sobre a política climática na cimeira do G20 no sábado, numa rara admissão pública de desacordo e um golpe na cooperação mundial. Achanceler alemãAngela Merkel conquistou seu objectivo principal na reunião em Hamburgo, convencendo os demais líderes a apoiar um comunicado único com promessas sobre comércio, finanças, energia e África. No entanto, a divisão entre Trump e os demais 19 membros do grupo, incluindo países tão diversos como Japão, Arábia Saudita e Argentina, foi dura. “No final, as negociações sobre o clima reflectem a dissidência todos contra os Estados Unidos da América”, disse Merkel a repórteres no fim da reunião. “E

o facto de que as negociações sobre comércio foram extraordinariamente difíceis é devido a posições específicas tomadas pelos Estados Unidos”. No comunicado final, os outros 19 líderes tomaram nota da decisão dos EUA de retirar-se do acordo climático de Paris, declarando-a “irreversível”. Por seu lado, os EUA tomaram uma atitude confrontacional dizendo que o país “se esforçaria para trabalhar em estreita colaboração com outros países para ajudá-los a ter acesso e usar combustíveis fósseis de forma mais limpa e eficiente”. Sobre o comércio, outro ponto delicado, os líderes concordaram que iriam “combater o proteccionismo, incluindo todas as práticas injustas e reconhecer o papel de instrumentos legítimos de defesa sobre esse tema.”


17 hoje macau segunda-feira 10.7.2017

TEMPO

MUITO

?

NUBLADO

O QUE FAZER ESTA SEMANA Amanhã

CINEMA | “CIDADE DE JADE” 2º FESTIVAL INTERNACIONAL DE DOCUMENTÁRIO DE MACAU 21h30

MIN

26

MAX

32

HUM

65-90%

EURO

9.17

BAHT

EXPOSIÇÃO | INAUGURAÇÃO: “PARA BAIXO E PARA CIMA”, DE DENIS MURRELL Fundação Rui Cunha | 18h30 CINEMA | IV CICLO DE CINEMA CRED-DM – SISTEMA PRISIONAL: “CARANDIRÚ” Casa Garden | 19h30

O CARTOON STEPH

Sexta-feira

CINEMA | “RIO CORGO”, 2º FESTIVAL INTERNACIONAL DE DOCUMENTÁRIO DE MACAU Cinemateca Paixão | 19h30 CINEMA | “OS AMANTES E OS DÉSPOTAS”, 2º FESTIVAL INTERNACIONAL DE DOCUMENTÁRIO DE MACAU Cinemateca Paixão | 21h30

Sábado

MÚSICA | TURTLE GIANT LIVE Rua De Nossa Senhora, Beer Temple | 20h30 às 22h00

Diariamente

SOLUÇÃO DO PROBLEMA 74

EXPOSIÇÃO “NEW ART PEOPLE PROJECT 2017: BOUNDLESS 4” Armazém do Boi | Até 13/8

UM LIVRO HOJE

EXPOSIÇÃO “CONTELLATION” DE NICOLAS DELAROCHE Galeria do Tap Seac | Até 08/10 EXPOSIÇÃO “O MAR” DE ANA MARIA PESSANHA Casa Garden | Até 31/08 EXPOSIÇÃO “A ARTE DE ZHANG DAQIAN” Museu de Arte de Macau | Até 5/8 EXPOSIÇÃO “DESTROÇOS” DE VHILS Oficinas Navais, nº. 1 | Até 31/11 EXPOSIÇÃO “AS MUDANÇAS DE HENGQIN” Armazém do Boi | Até 16/07

Cineteatro

C I N E M A

SALA 1

SPIDER MAN: HOMECOMING [2D][B]

Com: Tome Cruise, Sofia Boutella, Annabelle Wallis, Jake Johnson 21.45

Fime de: Jon Watts Com: Tom Holland, Robert Downey Jr., Michael Keaton 14.15, 21.30

TRANSFORMERS: THE LAST NIGHT [2D][B]

DISPICABLE ME 3 [2D][A]

Fime de: Michael Bay Com: Mark Wahlberg, Laura Haddock Anhtony Hopkings 14.00

Falado em cantonês Fime de: Pierre Coffin, Kyle Balda, Eric Guillon 14.30, 16.30, 19.30, 21.30

SPIDER MAN: HOMECOMING [2D][B]

SALA 2

SALA 3

THE MUMMY [2D][C] Fime de: Alex Kurtzman

Fime de: Jon Watts Com: Tom Holland, Robert Downey Jr., Michael Keaton 16.45, 19.15

PROBLEMA 75

SUDOKU

DE

MÚSICA | TURISMO E CIDADES NA ÓPERA: REIMS Fundação Rui Cunha | 18h30

EXPOSIÇÃO “COLOUR/SHAPE/LOVE”, DE JOAQUIM FRANCO Macau Art Garden | Até 16/7

YUAN

1.18

GÉNESIS

SEMINÁRIO “ARQUITECTURA PARA TRANSFORMAR A CHINA” Albergue SCM | 19h00

Quinta-feira

0.23

PÊLO DO CÃO

Quarta-feira

EXPOSIÇÃO | EXPOSIÇÃO DE OBRAS ARTÍSTICAS DOS AGENTES DA PSP Albergue SCM | 16h00

(F)UTILIDADES

Tudo começa onde algo acaba, a velha história cíclica transversal à natureza. Onde havia uma coluna felina, surge outra quase canina. Digo quase porque a expressão “pêlo do cão”, apropriada do inglês “hair of the dog”, refere-se à primeira bebida que mata a ressaca depois de uma noite de excessos e não ao animal propriamente dito. É o que esta coluna pretende. Um retorno a uma lucidez enevoada depois de uma noite regada, a digestão do quotidiano e da realidade de Macau na postura de “O dia seguinte” de Edvard Munch. Que as gargantas se hidratem depois da ressaca de algo, nos vapores póstumos que adocicam as paredes com respirações etílicas madrugada adentro. Também Macau é uma cidade ressacada, acorda todas as manhãs encharcada em suor, às apalpadelas da memória na esperança de reconstruir as últimas oito horas submersa incerteza. Nauseada e com as roupas a cheirar a tabaco, com fichas de jogo espalhadas pelo chão e alguém indefinido no outro lado da cama. Macau desperta a resmungar dos martelos pneumáticos, das buzinas que se apitam em coro sem qualquer razão para tamanho alarido. Macau queima dias em acessos de Nero temporal, queima calendários e faz o tempo zarpar a toda a velocidade, gritando a máxima de Baudelaire: “Embriagai-vos! De vinho, de poesia ou de virtude, como achardes melhor”. O dia seguinte é servido aqui, com gelo. João Luz

MEMÓRIAS DE UM ALCOÓLICO | JOHN BARLEYCORN - JACK LONDON

Este livro, um dos destaques da longa obra do norte-americano Jack London, é um retrato autobiográfico da iniciação do escritor ao álcool, que aconteceu ainda durante a infância. “Memórias de um alcoólico, John Barleycorn” apresenta a bebida como uma parte integrante da masculinidade e da socialização entre homens, assim como forma de atingir uma certa clarividência literária. Porém, o livro não é uma ode ao alcoolismo, muito pelo contrário. Apesar de ser descrito como uma ferramenta social e de trabalho pelo escritor, o livro também se foca no reverso da moeda da adição física e do niilismo inerente ao consumo alcoólico. João Luz

www. hojemacau. com.mo

Propriedade Fábrica de Notícias, Lda Director Carlos Morais José Editores Isabel Castro; José C. Mendes Redacção Andreia Sofia Silva; Sofia Margarida Mota Colaboradores António Cabrita; Anabela Canas; Amélia Vieira; António Falcão; António Graça de Abreu; Gonçalo Lobo Pinheiro; João Paulo Cotrim; João Maria Pegado; José Drummond; José Simões Morais; Julie O’Yang; Manuel Afonso Costa; Maria João Belchior (Pequim); Michel Reis; Paulo José Miranda; Paulo Maia e Carmo; Rui Cascais; Rui Filipe Torres; Sérgio Fonseca; Valério Romão Colunistas António Conceição Júnior; André Ritchie; David Chan; Fa Seong; Fernando Eloy; Jorge Rodrigues Simão; Leocardo; Paul Chan Wai Chi; Paula Bicho; Rui Flores; Tânia dos Santos Cartoonista Steph Grafismo Paulo Borges, Rómulo Santos Ilustração Rui Rasquinho Agências Lusa; Xinhua Fotografia Hoje Macau; Lusa; GCS; Xinhua Secretária de redacção e Publicidade Madalena da Silva (publicidade@hojemacau.com.mo) Assistente de marketing Vincent Vong Impressão Tipografia Welfare Morada Calçada de Santo Agostinho, n.º 19, Centro Comercial Nam Yue, 6.º andar A, Macau Telefone 28752401 Fax 28752405 e-mail info@hojemacau.com.mo Sítio www.hojemacau.com.mo


18 OPINIÃO

hoje macau segunda-feira 10.7.2017

a canhota

Terra, Marte ou morte?

A

Esta alerta está a aproximar-se. Nos anos passados, a previsão de Hawking foi “emigrar para outros planetas dentro de 1000 anos”, mas agora o físico teórico defende que para os seres humanos sobreviverem devem sair da Terra dentro de 100 anos. A nossa Terra está mesmo perigosa. Terramotos, doenças infecciosas, acidentes nucleares, inclusive ataques terroristas. Todos os dias ouvimos notícias tristes, pessoas mortes, acidentes graves. Já serão estas razões suficientes para nós deixarmos a nossa casa, deixarmos o nosso planeta? Donald Trump não compreende, mas o mesmo cosmólogo sabe muito bem se os humanos continuarem a “devorar” os recursos da Terra num ritmo insustentável, se não pararmos a poluição, as mudança climáticas, o degelo das calotas polares e o desaparecimento de florestas, é possível que a chegada de catástrofes se acelere. Assim, Stephen Hawking está convencido que devemos abandonar a Terra e explorar fora é a única salvação. A única forma de salvação? Quer dizer que a Terra está já tão destruída pelos hu-

manos que teremos de sair? Quer dizer que as actividades de protecção ambiental, a poupança de energia e água, o desenvolvimento de energias sustentáveis já não servem de nada, perderam a sua eficácia e já não podem melhorar o ambiente onde vivemos há milhares de anos? Ou seja: destruímos um planeta e mudamos para outro, como quando mudamos de roupa depois de a sujar? Extinguimos os recursos de um e vamos fazer o mesmo no outro? Não sei se a futura tecnologia conseguirá tornar isso real, percebo é que o egoísmo dos seres humanos mostra-se perfeitamente aqui, porque se não alterarem comportamentos que fizeram mal à Terra, continuarão a cometer erros, se nunca pensarem em corrigir mas somente em como fugir, seja qual for o planeta para onde vão, o resultado será igual. Hawking disse que, se nos mantivermos na Terra, os seres humanos correm risco de extinção. Talvez nós já não possamos alterar o “fim do mundo”. Se teme a morte, por que não desacelerar a destruição da Terra, a partir deste momento, e evitar fazer o que é mau para o planeta?

ANSEL ADAMS, MONTE WILLIAMSON, SIERRA NEVADA, DE MANZANAR, CALIFORNIA, 1944

Terra é muito perigosa, volta rapidamente para Marte!”. Estas frases são bem conhecidas em comunidades que falam cantonês, porque surgiram de um filme de comédia de Hong Kong, Shaolin Soccer, cujo protagonista é o actor que todos conhecem, Chow Sing Chi. A concepção dessas frases tem sido para gozar com quem não gosta de se ver e se quer mandar embora, mas alguém já pensou que o que diz poderá ser uma realidade? Agora não é para brincar! O renomado físico teórico e cosmólogo Stephen Hawking reiterou recentemente que todos os países devem criar uma base na Lua dentro de 30 anos e enviar seres humanos para Marte antes de 2025.

Destruímos um planeta e mudamos para outro, como quando mudamos de roupa depois de a sujar? Extinguimos os recursos de um e vamos fazer o mesmo no outro?

FA SEONG 花想


19 hoje macau segunda-feira 10.7.2017

reencarnações

R

O Reencarnador

E·EN·CAR·NA·ÇÃO, substantivo feminino. Acto ou efeito de reencarnar. Reassumir a forma humana. O termo, de origem latina, significa literalmente “voltar a entrar na carne”. Pitágoras usava a expressão “metempsicose” quando se debruçava na trigonométrica nova existência. “Metempsicose” resulta da soma do quadrado das partes “meta” (mudar) e “empsykhoun” (introduzir a alma em), para se referir à “hipotenúsica” ideia da transmigração de almas de um corpo para outro. Longe de querer mergulhar no mundo místico das religiões, ou nos domínios do espiritismo, proponho um exercício de esquizofrenia nesta página. Todas as semanas a minha carne receberá a presença de alguém que conte algo sobre Macau e o Mundo. Convido-me a vestir a pele de indefinidos terceiros, a ver a realidade com os seus olhos, a sentir as suas dores, a partilhar as suas alegrias, terrores e esperanças. Esta página destina-se à ocupação post-mortem de uma defunta narrativa, à canalização de espíritos através do poder invocativo das palavras. Sei que vou errar, essa é a única humana certeza que tenho antes de enfrentar esta tarefa. No entanto, comprometo-me, numa espécie de juramento agostiniano, a não perseverar no diabólico equívoco. Confesso que ser outro, representar algo no papel, afigura-se uma aliciante promessa de improváveis aventuras. A reencarnação é, afinal, o labor supremo da imaginação, a via essencial da arte representativa, do teatro, da literatura, do devaneio que faz correr a alma em direcção ao insondável. A derradeira fuga ao ego. Pretendo recorrer, o melhor que conseguir, ao engenho do mimetismo como instrumento em prol da racionalização, da busca da paz trazida pela compreensão, da lucidez que se materializa a partir de um lugar de absoluta e difusa esquizofrenia. O mais afastado possível da segunda vida do perdido Norman Bates e de todos os loucos que habitam a ficção e a realidade. Isto

DUANE MICHALS, A MORTE CHEGA À VELHA SENHORA

JOÃO LUZ

apesar de Macau proporcionar, por razões que desconheço, condições perfeitas para a loucura germinar, como um habitat natural perfeito para o cultivo de um sortido variado de psicopatias. Afinal, todas as terras têm os seus respectivos punhados de loucos, como que um número mínimo requerido de Joanes por unidade geográfica vicentina. A sensação de excesso de demência por metro quadrado em Macau, talvez, se deva ao apertado abraço da densidade populacional, o sufoco metropolitano pode muito bem empolar essa percepção. Erasmo de Roterdão teceu um elogio protestante a esse desígnio da psique humana, como uma forma de tornar Roma mais longe no mapa espiritual. Bem, talvez já esteja a cair no fácil abismo do erro, é muito humanamente possível. Mas hoje, neste meu primeiro acesso, encontro-me destituído de papel a encarar o ainda estagnado carrossel identitário. Um corpo vazio, receptáculo por preencher, como esta e outras tantas futuras páginas. Aqui me apresento, caros leitores, em registo interno, totalmente assumido e nu. O meu nome é João Luz, nasci há 38 anos e 8 meses em Setúbal. Tenho pouco mais de sete meses de Macau e uma sede imensa de clareza e compreensão. Esta é a minha desfloração, a perda da virgindade em matéria de crónicas de opinião assinadas. Espero conseguir expressar a minha percepção da forma mais fiel possível aos personagens que vou representar neste palco de papel. Eles serão o veículo para exorcizar Macau e o Mundo, segundo as minhas lentes, de acordo com o meu palato. A minha pena presta-se a traduzir para palavras as ruelas e os becos da cidade, os fantasmas do Porto Interior, as meninas que mercantilizam deleite, a opulência gorda do poder, o esmorecer de forças dos despojados. Quero abarcar tudo nesta página, torná-la a minha cruz pessoal de reflexão, o derrame de caleidoscópicas miríades de pensamentos no melhor português que conseguir conjurar no mais curto espaço de tempo. Quero o impossível e ser tudo, ao mesmo tempo, já, imediatamente. Anseio com júbilo a entrada em cena da primeira personagem. Já pressinto as pressagiosas pancadas de Molière a ecoar secas e premonitórias num horizonte próximo. Por hoje serei apenas o “reencarnador”, o vazio, o ciclo por completar depois da morte e antes do retorno à vida. Na próxima semana serei outro.

A minha pena presta-se a traduzir para palavras as ruelas e os becos da cidade, os fantasmas do Porto Interior, as meninas que mercantilizam deleite, a opulência gorda do poder, o esmorecer de forças dos despojados

OPINIÃO


A

NDRÉ Couto sofreu um grave acidente na corrida de sábado do Campeonato da China de GT, cuja segunda jornada da temporada se realizou este fim-de-semana no Circuito Internacional de Zhuhai, na cidade continental chinesa adjacente a Macau. Numa corrida disputada com condições meteorológicas instáveis, no recomeço da mesma, após o primeiro período de safety-car para remover um concorrente que se despistou, Couto perdeu o controlo do Nissan GT-R Nismo GT3 da Spirit Z Racing na Curva 6 e este deslizou sobre a escapatória tendo colidido de frente com as barreiras de protecção a cerca de 160km/h. O piloto da RAEM foi logo assistido no local e saiu do carro pelo próprio pé, apesar de estar visivelmente em di-

MARVEL O PRIMEIRO SUPER-HERÓI CHINÊS

A editora americana Marvel trabalhará com uma companhia chinesa para criar o primeiro super-herói chinês da história da popular marca, criadora de personagens famosos como o Capitão América e o HomemAranha. A firma, que pertence à Disney, e a companhia nacional NetEase assinaram um acordo para trabalhar juntas na criação do personagem, informou a agência Xinhua. Além disso, a Marvel autorizou a Netease a publicar através da internet 12 cópias das suas histórias na China, incluindo “Guardiães da Galáxia”, “O Incrível Homem-Aranha” e “Capitão América”. Até agora, as filmes baseados nas histórias da Marvel arrecadaram mais de 8 mil miklhões de Yuans nas bilheteiras chinesas.

MUSEU DE MACAU TERÇA É DIA DE ENTRADA LIVRE

PUB

A partir de agora, não custa nada visitar o Museu de Macau à terça-feira. O Instituto Cultural, responsável pelo espaço, decidiu implementar esta medida de modo a incentivar a promoção da história local junto de residentes e turistas. Até agora, a entrada era livre só no dia 15 de cada mês. O museu encontra-se aberto das 10h às 18h.

A dor, forte e imprevista,/ Ferindo-me, imprevista,/ De branca e de imprevista/ Foi um deslumbramento,/ Que me endoidou a vista,/ Fez-me perder a vista,/ Fez-me fugir a vista,/ Num doce esvaimento./ Camilo Pessanha

COUTO TEVE UM VIOLENTO DESPISTE NA PISTA DE ZHUHAI

Um acidente grave

ficuldades. Couto, que não perdeu os sentidos e manteve-se sempre de espírito firme, foi depois transportado para o

Hospital Universitário Nº5 Sun Yat Sen, em Zhuhai, onde fez os primeiros exames, para ser depois transferido para Hong

Kong, onde este domingo foi submetido a uma cirurgia. O primeiro scan feito no hospital de Zhuhai revelou uma lesão na vértebra L1. A corrida foi interrompida após o acidente de Couto e quando ainda faltavam 10 minutos para o final. Para além de existirem mais dois carros imobilizados em zonas perigosas, que tiveram acidentes na mesma volta, mas noutros pontos da pista, as barreiras de pneus e próprio muro em betão da Curva 6 ficaram bastante danificados após o impacto do Nissan.

Macau perdeu um amigo Faleceu Barry Bland, o pai da F3 no território

O

Grande Prémio de Macau perdeu na semana passada um dos seus nomes sonantes, o inglês Barry Bland, aquele que será sempre recordado como o pai do Grande Prémio de Macau de Fórmula 3. Nascido em 1946, em Ilford, Bland, que optou sempre por uma postura muito discreta, longe das luzes da ribalta, chegou a ser piloto, antes de se juntar ao British Automobile Racing Club, primeiro como secretário das competições automóveis e depois como organizador de corridas. Em 1971, Bland passou a trabalhar para a Motor Race Consultants, onde continuou, coordenando angariação de pilotos, logistica e seguros para eventos um pouco por todo o mundo Foi já ao serviço da MRC que teve o primeiro contacto com Macau, através da sua amizade com o então líder do Automóvel

Clube de Hong Kong (HKAA), Phil Taylor. Em 1983 Bland convenceu Rogério Santos, na altura o presidente do Leal Senado, e Taylor que a Fórmula 3 era o caminho a seguir no Grande Prémio. Na altura a Fórmula Atlantic estava em plena decadência. À época a então Fórmula 2 parecia ser o caminho a seguir, mas dois meses antes da prova o plano foi abortado por a largura da Curva da Estátua (a estátua equestre de Ferreira do Amaral),

agora Curva do Lisboa, não ser suficiente para os carros passarem. Foi assim, quase por acaso, que nasceu o que é até hoje um dos eventos de maior expressão do automobilismo mundial. Com qualidades pessoais e conhecimento do meio altamente reconhecidas, Bland chegou a ser presidente da Comissão de Monolugares da FIA e foi também ele que organizou o Masters de Zandvoort, a prova europeia mais relevante do calendário de Fórmula 3. O inglês esteve ao serviço do Grande Prémio de Macau até 2016, tendo saído após divergências com a Comissão Organizadora do Grande Prémio de Macau, numa história rocambolesca que nunca foi muito bem explicada. Mesmo assim, e apesar de debilitado, Bland ainda se deslocou o ano passado à RAEM para ver a prova “in loco” e apoiar

os seus cliente na área dos seguros.

LEMBRADO POR CÁ

Numa comunicação apenas em língua chinesa e inglesa, a Comissão Organizadora do Grande Prémio de Macau expressou as suas condolências, agradeceu toda ajuda ao longo dos anos e lembrou que “por mais de 30 anos, o Sr. Bland trabalhou incansavelmente com Macau para elevar o Grande Prémio de Macau de Fórmula 3 ao mais alto nível internacional. A sua contribuição para a construção da reputação que este goza hoje é imensurável.” Também a Associação Geral de Automóvel Macau-China (AAMC) expressou o seu pesar. “A AAMC trabalhou de perto com o Sr. Bland durante décadas, e a sua experiência e orientação foram extremamente valorizadas. Nós iremos sempre recordar a sua bondade, sabedoria e a sua paixão infalível pelo desporto motorizado”, disse a associação, em comunicado colocado nas redes sociais.

segunda-feira 10.7.2017

ÁVILA ESTRATÉGIA ARROJADA PRÓXIMA DE RESULTAR

R

ODOLFO Ávila disputou este fim-de-semana, no exíguo circuito de Xangai Tianma, a quarta prova do Campeonato da China de Carros de Turismo (CTCC). Desta vez a equipa SVW333 Racing optou por uma estratégia diferente para Ávila que passava por sacrificar a primeira corrida em prol da segunda, mas nem tudo correu de acordo com o plano. Por opção da equipa, com base na estratégia de poupar um jogo de pneus para a segunda corrida, o piloto português de Macau não saiu para a pista na segunda metade da sessão de qualificação, caindo assim uma série de posições quando os seus adversários melhoraram os seus tempos. “Andamos bem nos treinos-livres, dentro dos seis primeiros, mas na qualificação não fizemos um tempo forte com o primeiro jogo de pneus e depois a equipa decidiu reter-me nas boxes no final da sessão, por uma razão de estratégia e assim não pude melhorar”, explicou o piloto da SVW333 Racing que foi obrigado a partir da nona posição para a primeira corrida do programa. Com a grelha de partida da segunda corrida a ser composta pelos doze primeiros classificados da primeira corrida em ordem invertida, Ávila tinha como missão terminar entre o 10º e o 12º lugar. Mas não se pense que fazer uma corrida a andar para trás é por si só mais fácil que aquela de ganhar posições e subir na classificação. “Nunca tinha feito uma corrida assim. Na última volta estávamos quatro ou cinco carros a lutar pelo 12º lugar, tudo a fazer o mesmo jogo. Terminei no 10º lugar”, disse Ávila que viria a ser promovido a oitavo com a penalização de dois oponentes, o que o colocou no quinto lugar da grelha de partida para a segunda corrida. A estratégia parecia estar a resultar, quando à quinta volta, Ávila assumiu autoritariamente a liderança da corrida. Contudo, um toque de um adversário voltou a mudar o destino do piloto do VW Lamando GTS nº9. “Na primeira volta subi para quarto, mas depois a corrida foi interrompida devido a um acidente atrás de mim que deixou vários carros espalhados pela pista. No recomeço consegui ir até primeiro, mas um adversário deu-me um toque e fiz pião. Depois foi sempre a recuperar, de 13º até ao sexto lugar final”, comentou o piloto oficial da SAIC Volkswagen.  O CTCC regressa no primeiro fim-de-semana de Agosto no Circuito Internacional de Xangai, uma das poucas pistas do calendário do popular campeonato chinês que Ávila conhece de participações anteriores.

Hoje Macau 10 JUL 2017 #3849  

N.º 3849 de 10 de JUL de 2017

Hoje Macau 10 JUL 2017 #3849  

N.º 3849 de 10 de JUL de 2017

Advertisement