Page 1

DIRECTOR CARLOS MORAIS JOSÉ

MOP$10

TERÇA-FEIRA 1 DE MARÇO DE 2016 • ANO XV • Nº 3522

Perguntem aos vossos cães AÇAIME OBRIGATÓRIO PARA TODOS AINDA POR DECIDIR

PUB

AGÊNCIA COMERCIAL PICO • 28721006

www.hojemacau.com.mo•facebook/hojemacau•twitter/hojemacau

GRANDE PLANO

hojemacau

CULTURA

Mais portas abertas PÁGINA 9

MP ADVOGADOS FALAM DE TRÁFICO DE INFLUÊNCIAS E PEDEM MAIS FISCALIZAÇÃO

Maus hábitos Neto Valente, presidente daAAM, denuncia o tráfico de influências como um dos piores males que poderá afectar o Ministério Público. Já a líder da Casa de Portugal, Amélia

António, defende que a DSAJ deveria ter mantido o controlo das adjudicações. Sónia Chan, responsável da Admnistração e Justiça admite a necessidade de rever a lei.

A nobreza do Boxe ENTREVISTA

Vapor Trail

BOI LUXO

A Fonte

YAO FENG PUB

PÁGINAS 6-7

h


2 GRANDE PLANO

A possível decisão do Governo de obrigar o uso de açaime em todos os cães em locais públicos e elevadores não está a ser bem recebida pela sociedade, nem pelas associações de animais. O Governo agora vem dizer que nada está decidido, mas já há quem queira avançar com petições contra a decisão

ANIMAIS OBRIGATORIEDADE DE AÇAIME PARA TODOS É “IDEIA ABSURDA”

NINGUÉM OS CALA

S

E o Governo for para a frente com a ideia de obrigar todos os cães a utilizar açaime, defensores e donos de animais não vão gostar da ideia. “É um absurdo, é uma ideia absurda. Aliás, o que acho é que esta lei não é de protecção dos animais mais sim de punição e castração dos direitos dos animais e das pessoas que gostam dos animais”, começa por defender Fátima Galvão, representante da MASDAW - Associação de Cães de Rua e de Protecção de Animais. “O Governo se pudesse tinha uma cidade sem animais”, frisou, quando questionada sobre as últimas decisões tornadas públicas sobre a possível obrigatoriedade do uso de açaime em qualquer tipo de cão, independentemente do seu porte ou raça. Uma situação “caricata” é como caracteriza a situação. “Muitas vezes cães mais pequeninos têm tendência para serem mais excitados e vamos colocar um açaime?”, indagava em declarações ao HM. Na semana passada, o Governo explicou que decidiu retirar o artigo que definia que qualquer cão com peso igual ou superior a 23 quilos teria de usar açaime. Questionada pelos jornalistas sobre a colocação de açaimes a cães de porte pequeno, Kwan Tsui Hang, presidente da 1.ª Comissão Permanente responsável pela análise na especialidade da proposta de Lei de Protecção dos Animais, disse que “o Governo vai pensar numa solução” mas que, para já, o que é proposto é o uso do objecto em todos os cães. A decisão foi justificada, segundo a presidente, pelo número de queixas “entregues à Assembleia Legislativa (AL)” de pessoas que “têm medo” de cães.

TUDO ERRADO

“Qual é a percentagem de pessoas que por ano são mordidas por animais? Qual é a percentagem de

FALAM OS NÚMEROS N

os últimos 12 anos foram abatidos 8164 animais. Os números são do Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais (IACM), citados pelo Jornal Ou Mun, e indicam ainda que 226 gatos e cães foram adoptados durante o ano passado, um aumento de 31 animais comparado com o ano de 2014. Em 2015 registaram-se 238 casos de abandono, um aumento de oito casos em relação a 2014. Cerca de 4500 animais foram abandonados e 552 animais foram capturados das ruas, menos 211 que no ano anterior. Embora o número de adopções tenha aumentado, a diferença entre adopção e número de cães disponíveis para adoptar continua a ser grande. Segundo o Código de Posturas Municipais, se os animais considerados vadios não forem adoptados em 72 horas, depois de capturados, são mandados abater.


3 hoje macau terça-feira 1.3.2016 www.hojemacau.com.mo

“A proposta de Lei de Protecção dos Animais mais parece ser uma lei de ‘gestão de animais’. Isto faz com que ninguém tenha vontade de trazer os cães à rua, nem os próprios cães vão querer” JOSEPHINE LAI VICE-PRESIDENTE DA APAAM pessoas que por ano são atacadas por animais? São estes factores que devem estar na balança. Numa terra com o calor que muitas vezes se sente é absolutamente criminoso obrigar os animais a ir para rua com açaimes. Sabemos que os animais transpiram pela língua. Um açaime é algo profundamente sufocante. Espero que a lei não seja aprovada, é que senão passamos a ser uma cidade de animais açaimados”, argumentou Fátima Galvão. Para a Associação de Protecção dosAnimaisAbandonados de Macau (APAAM) esta decisão do Governo é errada e por isso o grupo decidiu avançar com uma recolha de assinaturas, nas redes sociais, contra o uso obrigatório de açaime. “Consideramos que esta medida é razoável para os cães com 23 quilos ou mais. Esses sim, devem usar açaime, até porque muitas vezes os donos não conseguem controlar a força do animal quando querem correr ou até mesmo

“O Governo se pudesse tinha uma cidade sem animais” “Numa terra com o calor que muitas vezes se sente é absolutamente criminoso obrigar os animais a ir para rua com açaimes. Os animais transpiram pela língua. Um açaime é algo profundamente sufocante” FÁTIMA GALVÃO REPRESENTANTE DA MASDAW

atacar alguém”, explicou ao HM Josephine Lai, vice-presidente da Associação. A representante discorda também do uso de um cesto, nos elevadores, para os cães de pequena dimensão, aqueles a quem o açaime será de difícil colocação. Josephine Lai considera ainda que a responsabilidade dos donos deve ser sempre a de usar trelas. “É o mais importante”, apontou. “A proposta de Lei de Protecção dos Animais mais parece ser uma lei de ‘gestão de animais’. Isto faz com que ninguém tenha vontade de trazer os cães à rua, nem os próprios cães vão querer”, rematou.

centou ainda que os donos “devem conhecer melhor do que ninguém a natureza dos seus animais e de forma consciente saber se devem ou não colocar açaime”.

DIZ QUE NÃO DISSE

Ontem, à margem da sua tomada de posse, José Tavares, presidente do IACM, voltou atrás e diz que nada está decidido. “Houve deputados contra e uns a favor [da medida] e aí há uma questão de equilíbrio

entre o direito do homem e do cão. Há pessoas que têm medo de cães e ao entrar num elevador não sabem como agir, porque estão num espaço fechado. Houve dois ou três deputados que propuseram um equilíbrio para o homem se defender. “Na actual legislação, exigimos [a colocação de açaime] aos animais de 23 quilos”, apontou. Confrontada com a situação, Kwan Tsui Hang diz que esta questão é “muito polémica” e

que demorará algum tempo a ser resolvida. “O Governo ouviu as opiniões. A Comissão ainda não tem opinião”, explicou, à margem da reunião sobre a proposta de Lei de Prevenção e Combate à Violência Doméstica que decorreu ontem. “Não foi tomada uma última decisão. Só que numa primeira discussão o Governo teve também esta opção”, assegurou. Filipa Araújo (com F.F.)

filipa.araujo@hojemacau.com.mo

SEM SENTIDO

Joana Couto, residente, dona de um cão de porte pequeno, “não estava nada à espera desta decisão” por parte do Governo. “Nunca imaginei que chegassem a este ponto. Acho que [esta decisão] é de quem não percebe nada de animais e é estranhíssimo pessoas que não percebem decidirem coisas desta natureza”, argumentou ao HM. Sem perceber o objectivo, porque os açaimes trazem ainda mais “medo” à população e uma ideia de animais “mais perigosos” do que na realidade são, Joana Couto aponta que “esta não é a forma de proteger as pessoas que têm medos de cães”. “Não é assim que se resolve”, sublinhou. O grande problema para Joana Couto é a postura de um Governo que se mostra sempre disposto “a limitar as pessoas que têm cão”. “Por exemplo, em Macau não há ajudas a nível de treino de cães, não existem escolas”, repara. Sem concordar com a decisão do Administração, a residente acusa o Governo de “retirar todas as oportunidades” que os donos de animais têm para “terem animais saudáveis”. Também Rita Correia Cook garante que “jamais” irá colocar um açaime na sua cadela. “A minha cadela pesa 2,3 quilos e não faz mal a uma mosca”, indicou, frisando que “a ideia é completamente ridícula”. Sem querer acreditar na decisão do Governo, “porque custa muito acreditar que tenham tomado esta decisão”, Rita Correia Cook conta que esta semana irá juntar “pessoas que partilham da mesma opinião” para avançarem com uma “recolha de assinaturas”. “Claro que não posso concordar, isto não faz sentido algum”, rematou. Moon Choi, residente, vem reforçar as opiniões. “Não consigo concordar com esta ideia”, frisou, salientando que a mesma “faria sentido como estava antes, ou seja, para cães de porte grande, superior a 23 quilos”. Moon tem uma cadela de dois quilos e não vai usar açaime no seu animal. “Claro que não”, apontou. A jovem acres-

Teoria de dois mundos Registo de gatos divide opiniões

O

Governo já decidiu e diz não voltar atrás. Aos jornalistas, José Tavares, presidente do Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais (IACM), confirmou a decisão e garantiu que não será aplicado um regime de registo para gatos, tal como acontece com os cães. A apoiar esta decisão está a Associação de Protecção aos Animais Abandonados de Macau (APAAM). “Normalmente os gatos domésticos raramente saem de casa”, defendeu Josephine Lau, representante do grupo, defendendo que o caso dos cães é diferente porque o “objectivo é dar a vacina anti-rábica”. “A maioria de gatos que foi mal tratado são gatos abandonados. Mesmo que sejam gatos domésticos e fujam de casa não é fácil ser apanhado, quer tenham chip ou não”, defendeu. Actualmente a despesa para o registo de cães é de cerca de 500 patacas, mas a questão dos cães

não pode, diz, ser comparada com os gatos. “Existem, em Macau, idosos que vivem sozinhos com os gatos, estes ocupam função de companheiro, se precisaram de pagar para registar, os idosos não o vão querer fazer. O registo traz muita pressão financeira e impor isso fará com que as pessoas prefiram abandonar os gatos ou violem a lei”, defendeu.

PRÓS E CONTRAS

A vice-presidente da APAAM desvaloriza o efeito dos chips para o cães. “Muitos cães abandonados que foram apanhados pelo IACM tinham chips mas quando o Governo entrou em contacto com os donos eles não admitiram ser os proprietários dos cães, ou seja, os animais continuam por não ser adoptados”, argumentou. Para Célia Boavida, residente e dona de um gato, o não registar o gato é uma ideia descabida. “O

meu gato tem chip porque é obrigatório para sair de Macau e eu optei por ir a uma clínica colocá-lo. Mas mesmo que não quisesse sair do território acho que é muito importante”, defendeu ao HM. Não só em caso de perda do animal, como de abandono, “o chip permite identificar o animal ou o seu dono, para além de funcionar como prevenção de crimes”, apontou. Na sua opinião pessoal, Fátima Galvão, da MASDAW Associação de Cães de Rua e de Protecção de Animais, o registo de gatos “faz todo o sentido”. “O argumento que os gatos não vão para a rua e não se perdem não é válido. Basta ir a alguma páginas do Facebook e vê-se logo quantos se perdem. (...) Fazia todo o sentido fazer o registo dos gatos. Não percebo porque há dois pesos e duas medidas, porque é que para os gatos há uma programa e para os cães outro”, reforçou. F.A./F.F.


4 POLÍTICA

hoje macau terça-feira 1.3.2016

Violência Doméstica LEI PODE VIR A SER VOTADA SÓ EM 2017

Pronta para o sim

Associações que prestam apoio às vítimas de violência doméstica poderão vir a ser assistentes de casos em tribunal. Contudo, a formação de polícias – necessária para que estes saibam lidar com os casos - pode fazer com que a lei só venha a entrar em vigor em 2017

A

anteriormente defendido. Assim, com a aprovação da lei, as associações que trabalhem directamente nesta área de violência doméstica, e só essas, podem requerer ser assistentes em caso de julgamento. Para isso é necessário que as mesmas, com a “autorização do ofendido”, avancem com um requerimento ao tribunal, que por sua vez irá decidir se aceita que a mesma se constitua assistente ou não. Antes deste requerimento, a associação terá de receber uma declaração do Instituto de Acção Social (IAS) comprovando o seu trabalho levado a cabo na área em questão. Sendo que estas associa-

ções, apontou a deputada, já têm de ter desenvolvido trabalhos com a instituição. Todas as associações, explicou a deputada, terão ainda de possuir uma personalidade jurídica.

CONSEQUÊNCIAS DA FORMAÇÃO

Mas, “para que esta lei venha a ser aplicada da melhor forma carece de acções de formação, por exemplo para a Polícia [de Segurança Pública], para os assistente sociais, docentes”, explicou Kwan Tsui Hang, indicando que de acordo com o Governo “os polícias envolvidos serão, pelo menos, quatro mil”, estando, das contas, excluídos os agentes da Polícia Judiciária,

“Para que esta lei venha a ser aplicada da melhor forma carece de acções de formação, por exemplo para a Polícia [de Segurança Pública], para os assistente sociais, docentes. (...) Os polícias envolvidos serão, pelo menos, quatro mil” KWAN TSUI HANG PRESIDENTE DA 1.ª COMISSÃO PERMANENTE DA AL ao Conselho Executivo, que por sua vez avançará com esta para discussão e votação na especialidade no hemiciclo. A reunião marcada para hoje foi cancelada, pois a proposta já está analisada, sendo que a próxima acontecerá na segunda metade de Março para a Comissão colocar as associações a par da proposta de lei. Filipa Araújo

filipa.araujo@hojemacau.com.mo

TIAGO ALCÂNTARA

discussão na especialidade da proposta de Lei de Prevenção e Combate à Violência Doméstica “está terminada”, mas o diploma poderá não ser votado tão cedo. O anúncio é feito por Kwan Tsui Hang, presidente da 1.ª Comissão Permanente da Assembleia Legislativa (AL). A reunião de ontem demorou pouco mais de uma hora e teve apenas como ponto de discussão o artigo 24, referente à constituição de assistentes. “Hoje fechámos a discussão de todo o texto de trabalho. As associações cívicas podem constituir-se assistentes do processo penal”, indicou a deputada, conforme

dos quais o Governo não adiantou números. E é isso mesmo que poderá atrasar a lei. A Comissão questionou o Governo se os 120 dias – período que, após a aprovação, a lei demorará a entrar em vigor – é suficiente para formar os agentes. “Será que este prazo é suficiente para o desenvolvimento das acções de formação? Será que é necessário alargar este prazo de 120 dias? O Governo respondeu que vai reponderar tendo em conta as acções de formação que terão de ser desenvolvidas. O essencial não é só a vertente de sensibilização, mas incutir conhecimentos nos polícias quanto ao conteúdo desta futura lei”, explicou. Feitas as contas, uma lei que poderia estar aprovada ainda este ano, poderá só entrar em vigor em 2017. Questionada sobre prazos, Kwan Tsui Hang - que em reuniões anteriores chegou a defender que, se aprovada, a lei poderia entrar em vigor no 4ºtrimestre do presente ano - diz que “depende do Governo”. “Se for necessário alargar este prazo de 120 dias, a Comissão não vai contrariar”, apontou. Seguem-se agora as alterações resultantes da análise na especialidade por parte de Governo e a entrega da proposta alterada

A experiência mora ao lado Saúde Governo prepara instituto de formação para médicos locais

O

S Serviços de Saúde (SS) garantiram, em resposta ao deputado Zheng Anting, que estão a preparar a criação de um instituição de formação de médicos especialistas tendo como base a experiência de Hong Kong. Os SS confirmaram que já foi feita uma reorganização da formação para médicos estagiários, para que seja feito um trabalho em conjunto

com o instituto de formação de médicos especialistas. Lei Chin Ion, director dos SS, disse que, para garantir um nível elevado de formação, já estão a decorrer encontros com os responsáveis de Hong Kong, que promete enviar especialistas e dar instruções a este instituto. O director dos SS disse ainda que já foi fixado um sistema para o

regresso de talentos na área da Medicina para o território, por forma a atrair mais residentes para esta área. Ao nível do tratamento sobre doenças raras, os SS garantem ainda que já foi estabelecido um sistema para transferir os pacientes para as associações estrangeiras, para que estes possam receber um tratamento adequado.

Na sua interpelação escrita, o deputado Zheng Anting questionou sobre a possibilidade de ser criado um instituto de formação de médicos especialistas, projecto que já tinha sido falado pelo Governo há cerca de dois anos. Zheng Anting falou ainda sobre a necessidade de implementar o sistema de “medicina de precisão”, algo que os SS garantiram ser uma aposta para o futuro. Para além disso, os SS garantem que já iniciaram os trabalhos de alteração do seu regime interno. T.C.


5 POLÍTICA

hoje macau terça-feira 1.3.2016

Plataforma de serviço

nos anos 80 e 90, no âmbito da tradução jurídica dos principais códigos, ensino universitário e no Grupo de Ligação Conjunto Luso-Chinês”.

Conselheiros falam de formação bilingue com Eduardo Cabrita

ENCONTRO COM TODOS

CCP

R

ITA Santos e José Pereira Coutinho, Conselheiros da Comunidade Portuguesa, reuniram na semana passada com o Ministro Adjunto do Primeiro-Ministro de Portugal, Eduardo Cabrita, em Lisboa, onde trocaram “informações e opiniões sobre a comunidade portuguesa residente em Macau, Hong Kong e China”. Num comunicado à imprensa, os Conselheiros indicaram que “explicaram ao Ministro-Adjunto a actual situação económica de Macau e o apoio da República Popular da China ao papel de plataforma de serviços de Macau nas relações económicas e comerciais entre a China e os Países de Língua Portuguesa bem como o centro de formação de bilingues”. Rita Santos e Pereira Coutinho indicam que aproveitaram o momento para “convidar o Ministro-adjunto a visitar Macau por forma a estreitar os laços de amizade entre Portugal e Macau”. Eduardo Cabrita está ligado a Macau, apontam os Conselheiros, devido às sua história com o território. O actual Ministro-adjunto “desempenhou funções importantes na Função Pública de Macau

[Os Conselheiros] “explicaram ao Ministro-Adjunto a actual situação económica de Macau e o apoio da República Popular da China ao papel de plataforma de serviços de Macau nas relações económicas e comerciais entre a China e os Países de Língua Portuguesa bem como o centro de formação de bilingues”

Na semana passada decorreu ainda o 2016 Fórum de Cooperação para o Desenvolvimento China-Lusofonia-Ibero-América-Caribe, que contou com a presença de representantes de todos os países. Coutinho “enalteceu a importância do papel de plataforma de serviços de Macau na ligação com os empresários da China, Macau e Portugal, sendo o Português também a língua oficial, para além do Chinês”. A Associação China-Lusófona-Ibero-América-Caribe (CCLI), organizadora do encontro, designou Rita Santos como Secretária-Geral do Fórum e informou que “devido à solicitação das entidades e empresários presentes, este será realizado rotativamente nos Países que fazem parte, tendo como objectivo a concretização de encontro de parcerias e apoiar a saída dos empresários da China para exterior através da plataforma de Macau”. Filipa Araújo

filipa.araujo@hojemacau.com.mo

PUB

Aviso Inscrição para o exame de admissão conjunta, de 2016, realizado em Macau, para estudantes chineses residentes no estrangeiro, em Macau, Hong Kong e Taiwan, candidatos aos cursos de licenciatura das instituições do ensino superior do Interior da China. Estão abertas as inscrições para o exame de admissão conjunta, de 2016, realizado em Macau e destinado a estudantes chineses residentes no estrangeiro, em Macau, Hong Kong e Taiwan, candidatos aos cursos de licenciatura das instituições do ensino superior do Interior da China. O exame é organizado pelo Ministério da Educação da República Popular da China e coordenado pelo Gabinete de Apoio ao Ensino Superior. Inscrições Datas: de 1 a 15 de Março (Inscrição prévia online) de 16 a 31 de Março (Confirmação da inscrição)

Assine-o TELEFONE 28752401 | FAX 28752405 E-MAIL info@hojemacau.com.mo

www.hojemacau.com.mo

Horários para a confirmação oficial da inscrição: De terça-feira a sábado, das 11H00 às 20H00, sem interrupção à hora de almoço; descanso aos domingos, segundas-feiras e feriados públicos (25 e 26 de Março). Local: Centro dos Estudantes do Ensino Superior – Gabinete de Apoio ao Ensino Superior, na Avenida Conselheiro Ferreira de Almeida, n.º 68-B, Edifício Va Cheong, r/c B, Macau. (em frente à paragem de autocarro do Jardim Lou Lim Ioc) Exames Datas: 21 e 22 de Maio (sábado e domingo) Local: Escola Secundária Pui Ching de Macau (Avenida Horta e Costa, n.º 7) Consulta As informações sobre a admissão dos estudantes e as inscrições para o exame, podem ser consultadas na página electrónica do GAES (http://www.gaes.gov.mo) ou no website do “Blog para os Estudantes de Ensino Superior de Macau” (http://studentblog.gaes.gov.mo). Para mais esclarecimentos, se necessários, ligue, por favor, para os telefones (853) 83969345 e (853) 83969390.

Macau, 1 de Março de 2016 O Coordenador Sou Chio Fai


6 POLÍTICA

hoje macau terça-feira 1.3.2016

Corrupção SÓNIA CHAN ADMITE REVER LEI LIGADA A ADJUDICAÇÕES

Casa roubada trancas à porta A Secretária para a Administração e Justiça disse ontem que existe a necessidade de fazer alterações à actual lei que regula as adjudicações públicas, após a detenção de Ho Chio Meng. Sónia Chan garante que o Governo mantém a integridade

A

prisão do antigo procurador-geral da RAEM, Ho Chio Meng, preso por suspeitas de corrupção em adjudicações de contratos, levou ontem a Secretária para a Administração e Justiça, Sónia Chan, a ad-

mitir aos jornalistas que há necessidade de rever o Regime das Despesas com Obras e Aquisição de Bens e Serviços. “Temos o plano para fazer a revisão da lei da adjudicação, mas ainda temos de fazer uma análise. Não temos nenhum calendário,

mas esperamos poder fazer a revisão dentro de um ano”, disse a Secretária à margem da tomada de posse de José Tavares como presidente do Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais (IACM). “Temos um mecanismo para garantir os direitos

do Governo e das partes interessadas no processo de adjudicação, mas parece que foi com esse mecanismo que ocorreu este assunto da corrupção. Há planos para rever e em tempo oportuno vamos tentar optimizar o mecanismo. O Governo está a seguir bem o princípio da

ÓRGÃOS MUNICIPAIS CONSULTA PÚBLICA EM DEZEMBRO

A

Secretária para a Administração e Justiça garantiu que no final deste ano deverá arrancar a consulta pública sobre a criação de órgãos municipais com poder

J

OSÉ Tavares tomou ontem posse como presidente do Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais (IACM), depois de Alex Vong ter sido nomeado director dos Serviços de Alfândega. Numa conferência de imprensa, José Tavares garantiu que um dos objectivos do organismo é reforçar a fiscalização dos restaurantes de take-away que não estão devidamente licenciados para o efeito. “Temos de estar atentos à área da segurança alimentar, especialmente ao nível dos restaurantes de take away. Vamos ter de adoptar uma maior fiscalização para controlar as lojas que não têm o licenciamento que nós exigimos. Futuramente teremos de fazer um ajuste à lei”, confirmou.

político, sem adiantar mais detalhes sobre a sua constituição. “Esperamos que, quando chegarmos ao final do ano, vamos conseguir proceder à consulta pública. Estamos a

prosseguir com os trabalhos sobre os órgãos municipais e as suas tarefas competentes e qual a relação que devem ter com o IACM e outros serviços públicos”, disse.

Tapao ilegal

IACM Novo presidente quer reforçar segurança alimentar

“Hoje em dia há lojas que não têm o licenciamento do IACM e que vendem alimentos, pelo que não há controlo e é difícil os nossos agentes irem ao local fazer as inspecções. Hoje em dia pede-se uma licença nas Finanças para começar o negócio mas não há a licença para abrir um estabelecimento de comidas take-away]. O problema já está a ser discutido e julgo que é uma das questões às quais temos de dar atenção, porque estes espaços estão a crescer como cogumelos”, alertou José Tavares, que disse ainda que uma cooperação com

a Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE), em Portugal, é para continuar. “Temos sempre acordos a esse nível e podemos adoptar experiências nessa área”, frisou. O novo presidente do IACM falou ainda da necessidade de acelerar o processo de criação de órgãos municipais com poder político. “Já fizemos a definição dos termos e vamos tentar acelerar todo o processo. Vamos tentar elaborar artigos que consigam garantir o equilíbrio de todas as partes interessadas”, rematou. A.S.S.

integridade e combater a corrupção é o nosso objectivo”, disse ainda Sónia Chan.

MUDANÇAS NO MP

A Secretária confirmou ainda a intenção de rever a actual composição do Ministério Público (MP). “Vamos ouvir as opiniões do próprio órgão judicial, mas também temos um plano de revisão da sua estrutura”, defendeu. Questionada sobre os efeitos que a prisão de Ho Chio Meng pode ter na credibilidade do actual Executivo, Sónia Chan referiu que a luta contra a corrupção é para continuar. “Posso confirmar que o Governo quer sempre garantir a confiança na justiça e combater a corrupção. Vamos reforçar a fiscalização nos outros órgãos judiciais”, confirmou, adiantando que

“Temos o plano para fazer a revisão da lei da adjudicação, mas ainda temos de fazer uma análise. Não temos nenhum calendário, mas esperamos poder fazer a revisão dentro de um ano” a revisão da Lei de Bases da Organização Judiciária poderá avançar “dentro de um ano”. Andreia Sofia Silva

andreia.silva@hojemacau.com.mo

FAOM PEDE AUMENTOS PARA FUNCIONÁRIOS DO JOGO

Várias associações de trabalhadores do Jogo, que pertencem à Federação da Associação dos Operários de Macau (FAOM), reuniram com Lionel Leong, Secretário para a Economia e Finanças, para apresentar exigências de aumentos salariais e outros benefícios para os trabalhadores do Jogo. Segundo o canal Chinês da TDM, Choi Kam Fu, chefe da Associação de Empregados das Empresas de Jogo de Macau, frisou que “nos últimos dias, só uma empresa de casino anunciou o aumento de salário, sendo que cinco dos restantes casinos anunciaram apenas bónus e não aumentos salariais”. A Associação espera, por isso, que o Governo aconselhe as operadoras a subir o vencimento destes funcionários. Choi Kam Fu pede ainda que as empresas ofereçam mais seguros aos empregados durante o percurso para o local de trabalho e diz que “a percentagem do aumento salarial deve ser de acordo com a inflação”. O Secretário para a Economia e Finanças, Lionel Leong, já garantiu que vai discutir a questão com as operadoras.


7 hoje macau terça-feira 1.3.2016

Corrupção NETO VALENTE FALA EM “TRÁFICO DE INFLUÊNCIAS” NO MP

Urgente corrigir

“O problema que pode haver no MP, tal como pode acontecer noutro sítio qualquer, é o tráfico de influências no sentido de guardar processos, não deixar andar processos, fazer andar uns processos e outros não” JORGE NETO VALENTE PRESIDENTE DA AAM

HOJE MACAU

P

vo” do actual Conselho Superior do MP. “O sistema foi mal concebido e continua a estar mal estruturado”, referiu ainda.

BOAS INDICAÇÕES

O presidente da Associação dos Advogados de Macau, Jorge Neto Valente, disse que há “tráfico de influências” dentro do Ministério Público. Amélia António defende maior fiscalização e recorda o tempo em que a DSAJ coordenava a área de adjudicações ARA Jorge Neto Valente, presidente da Associação dos Advogados de Macau (AAM), a existência de “tráfico de influências” no seio do Ministério Público (MP) é uma situação mais grave do que as adjudicações ilegais que terão sido encabeçadas pelo antigo procurador, Ho Chio Meng, detido por suspeitas de corrupção. Já Amélia António pede mais fiscalização e o regresso de um departamento de controlo. “O problema que pode haver no MP, tal como pode acontecer noutro sítio qualquer, é o tráfico de influências no sentido de guardar processos, não deixar andar processos, fazer andar uns processos e outros não. Quem está ligado à justiça sabe que isso aconteceu e aconteceu frequentemente. Nunca vi nenhuma tomada de posição em relação a isso. Vamos ver se a propósito deste processo não se vai tocar nesse problema que é muito mais grave na minha opinião do que o problema de umas empreitadas, com uns trocos. Isso não me parece que seja o mais relevante”, disse Neto Valente em declarações reproduzidas pela Rádio Macau. Na conferência de imprensa realizada pelo Comissariado contra a Corrupção (CCAC) sobre o caso da detenção do ex-procurador e outros funcionários do MP, o HM questionou André Cheong sobre a possibilidade de existirem preci-

SOCIEDADE

À Rádio Macau, Neto Valente elogiou contudo a postura do actual procurador-geral, Ip Son Sang, que caracteriza como uma pessoa sabedora, inteligente e atenta a estas situações. “Algumas destas situações em que estava a pensar já foram corrigidas e acho que não foi por acaso. Creio que houve uma orientação no sentido de não travar certos processos e apressar algumas investigações. No entanto, algumas ficam pelo caminho porque prescrevem”, rematou.

“Os serviços deveriam ter-se mantido na alçada da DSAJ tal como funcionaram durante anos. Havia um núcleo da DSAJ que tratava de todas as coisas ligadas à área económica e dos serviços e o Conselho dos Magistrados tratava apenas de coisas relacionadas com essas funções” AMÉLIA ANTÓNIO ADVOGADA E PRESIDENTE DA CASA DE PORTUGAL EM MACAU

samente ilegalidades ao nível da justiça. O Comissário garantiu que não, que o MP sempre foi “imparcial” e justificou até com o facto de ter sido o próprio organismo a denunciar Ho Chio Meng.

FISCALIZAÇÃO PRECISA-SE

Em declarações ao HM, a advogada AméliaAntónio, também presidente da Casa de Portugal em Macau, falou da prisão de Ho Chio Meng como “uma situação desagradável” que “causa perturbação”. “Chama a atenção para a necessidade de criar mecanismos de controlo para determinadas instituições que não o têm. Provavelmente isto nunca se tinha estendido no tempo como estendeu se houvesse mecanismos que permitissem detectar em tempo útil

o que estava a acontecer”, disse a advogada, que defendeu que a Direcção dos Serviços para os Assuntos de Justiça (DSAJ) deveria manter o antigo departamento que coordenava a área de adjudicações e serviços dos tribunais. “Os serviços deveriam ter-se mantido na alçada da DSAJ tal como funcionaram durante anos. Havia um núcleo da DSAJ que tratava de todas as coisas ligadas à área económica e dos serviços e o Conselho dos Magistrados tratava apenas de coisas relacionadas com essas funções. Depois da transição quer uma entidade quer outra quiseram ter os seus próprios serviços”, apontou Amélia António. O presidente da AAM falou também da falta de fiscalização.

“O que eu digo é que o sistema está mal. Isto é possível acontecer porque ninguém fiscaliza os fiscais. É sempre o mesmo problema: quem é que fiscaliza uma pessoa que tem a seu cargo a fiscalização de outrem? E como é que é que possível fiscalizar se o órgão de fiscalização e de disciplina - que é o Conselho Superior do Ministério Público - é presidido pelo próprio Procurador? Este Conselho como o próprio Conselho dos Magistrados Sociais tem pouca possibilidade de ter uma apreciação imparcial e objectiva de tudo o que se passa nas suas respectivas esferas”, afirmou. Neto Valente pede outro sistema de fiscalização para o MP “com pessoas estranhas ao sistema” e que possam diminuir o lado “corporati-

O HM tentou ainda obter mais reacções à prisão de Ho Chio Meng, incluindo o contacto com Jorge Neto Valente, mas até ao fecho desta edição não foi possível, ou por não quererem comentar a situação, ou por não ser possível estabelecer contacto. A.S.S.

KAN CHENG HA PRESIDENTE NA PRIMEIRA INSTÂNCIA Kan Cheng Ha, magistrada do quadro local do Tribunal Judicial de Base (TJB), assume a partir de Março o cargo de juiz presidente do Tribunal Colectivo dos Tribunais de Primeira Instância. A nomeação foi publicada ontem em Boletim Oficial (BO) e foi feita sob proposta da Comissão Independente responsável pela indigitação de juízes.


8 SOCIEDADE

hoje macau terça-feira 1.3.2016

TIAGO ALCÂNTARA

BISPO DE MACAU PREOCUPADO COM FUTURO DA UNIVERSIDADE DE SÃO JOSÉ

“É por sermos católicos?” A USJ não poderá ainda receber alunos da China o que está a preocupar o novo Bispo de Macau, que vê o futuro da instituição católica como incerto TIAGO ALCÂNTARA

República Popular da China não aceitou o pedido. “Quando ouvi que havia uma possibilidade fiquei muito feliz. Mas agora, ao saber que houve novamente um não, fiquei muito chateado. É muito injusto para nós. A única razão em que consigo pensar é por sermos católicos. É óbvio, não é?”, lamentou. A USJ pertence à Fundação Católica, uma organização presidida pelo bispo e instituída pela Universidade Católica de Portugal e pela Diocese de Macau.

O

novo bispo de Macau está preocupado com o futuro da Universidade de São José (USJ) que, pela sua matriz católica, não é autorizada a receber alunos da China o que, considera, pode pôr em risco a viabilidade da instituição. “Não vejo nenhum motivo para nós, sendo uma universidade católica, estarmos a ser assim discriminados, sabendo-se perfeitamente que todas as universidades [de Macau] dependem dos alunos da China continental. A não ser que o objectivo seja que a nossa universidade feche. Rezo a Deus que não seja o caso”, alertou Stephen Lee, em entrevista à

agência Lusa. “Tal é permitido a outras universidades. Porquê esta discriminação? Não fiquei contente com esta situação”, sublinhou. Há muito que a USJ negoceia com o Governo Central para poder receber alunos da China continental, que representam parte significativa do corpo estudantil da maioria dos estabelecimentos de ensino superior de Macau. Contudo, apesar de a universidade ter manifestado optimismo no passado, voltou a receber uma recusa na semana passada, conforme adiantou o Gabinete de Apoio ao Ensino Superior ao HM, referindo que o Ministério da Educação da

VOZ ACTIVA

O novo bispo de Macau, que tomou posse em Janeiro, defende ainda que a Igreja Católica deve ter uma voz activa na sociedade e promete pronunciar-se contra as injustiças que vier a identificar no território. “Quando a Igreja vê que o Governo, ou seja quem for, falha em olhar pelas pessoas, deve pronunciar-se. Nas coisas que dizem respeito à vida das pessoas, a Igreja tem o papel profético de agir como a voz de Deus, de falar contra as injustiças e as coisas que estejam mal na sociedade”, disse o antigo bispo auxiliar de Hong Kong. Olhando para Hong Kong, uma cidade onde a tensão entre a popu-

lação e o Governo (local e central) não pára de aumentar, Stephen Lee salienta a importância de a Igreja “acompanhar os jovens” de modo a que “não se sintam negligenciados”. “Sentem-se frustrados. A Igreja tenta ajudá-los a ter mais esperança, apesar de não gostarem do Governo”, disse. Em Macau, “não há muito este sentimento”, “mas se, no futuro, houver algo, a Igreja vai falar”, garantiu ainda. Apesar de defender uma postura interventiva, Stephen Lee rejeita que a sua vinda de Hong Kong para Macau possa, de alguma forma, prejudicar as relações da diocese com Pequim. “Não há qualquer intenção do Santo Padre de importar o modelo de Hong Kong para aqui, até porque não existe um modelo de Hong Kong. O modelo da Igreja de Hong Kong não é o de permanente conflito com o Governo ou com a China. Isso não é a diocese de Hong Kong. Eu vim de lá e sei”, defendeu. Stephen Lee elogiou ainda as tradições e os edifícios católicos de Macau, deixados pelos portugueses, considerando que são “um tesouro da diocese”. LUSA/HM

Atenção às redes

U

Segundo o Jornal do Cidadão, a Direcção dos Serviços de Educação e Juventude (DSEJ), junto com o Gabinete Coordenador dos Serviços Sociais Sheng Kun Hui, organizou uma série de actividades, em Janeiro e Fevereiro, a fim de compreender a situação de jovens e a utilização da internet. O Gabinete inquiriu 118 alunos de várias escolas secundárias, descobrindo que mais de 40% destes usa as redes sociais entre quatro a seis

horas por dia. Dos inquiridos, 47% fez amigos online e 24% de jovens entrevistados admite ter caído em armadilhas.

EM RISCO

Un Lai Mui, chefe coordenadora da instituição Sheng Kun Hui, considera que a situação é preocupante, porque é ainda mostrado, no inquérito, que uma parte dos jovens aceitou sair com as pessoas que conheceu online,

A renovação da Casa de Vidro do Tap Seac pode vir a custar entre 28,1 milhões de patacas e 40,2 milhões. A Direcção dos Serviços de Solos, Obras Públicas e Transportes (DSSOPT) recebeu as propostas para as obras de renovação do Centro Comercial da Praça do Tap Seac, que transformarão o imóvel num espaço multifuncional para as indústrias criativas, onde poderão ser expostas obras. Foram recebidas um total de 20 propostas e todas foram admitidas a concurso. A obra compreende três pisos em cave e dois pisos acima do solo, num total de cinco pisos, com uma área total de cerca de 5200 m2. O espaço será integralmente dedicado às indústrias criativas, compreendendo lojas, estúdio e oficina para fins educativos. De acordo com as previsões, a obra terá início no 4.º trimestre do corrente ano e o prazo de execução é de 330 dias. Esperase que esta renovação venha a criar cerca de cem postos de trabalho.

TRÂNSITO DSAT GARANTE PRIMAZIA DOS TRANSPORTES PÚBLICOS

Inquérito mostra que jovens ainda caem em armadilhas na internet

M inquérito levado a cabo pela Instituição de Serviços Sociais Sheng Kun Hui mostra que 47% dos jovens inquiridos, num total de 118, conheceram amigos através das redes sociais, sendo que 24% desses assume ter caído em armadilhas. Os assistentes sociais sugerem que ajudar os jovens a desenvolver gostos pessoais e a definir as suas metas poderá melhorar as suas situações de vício na internet.

CASA DE VIDRO |RENOVAÇÃO PODE CUSTAR ATÉ 40,2 MILHÕES

levando-os a situações de risco ao nível sexual. As escolas e o Governo devem por isso ter “atitude mais aberta” sobre a educação sexual, defendeu Un Lai Mui. Para a responsável são precisos mais materiais pedagógicos e estes devem estar sempre actualizados, para que os jovens não precisem de ir procurar informações às redes sociais, evitando, assim, que os mesmo caiam em armadilhas. F.F.

A Direcção dos Serviços para os Assuntos de Tráfego (DSAT) garantiu em resposta ao deputado Chan Meng Kam que está a ser dada “primazia aos transportes públicos”, graças à existência de 196 milhões de passageiros no último ano, um aumento de 60%. Para além disso, a DSAT garante que já foram reorganizadas dez percursos dos autocarros dos casinos, sendo que algumas já são realizadas em conjunto pelas operadoras de Jogo.


9 hoje macau terça-feira 1.3.2016

SOCIEDADE INSTITUTO CULTURAL

Uma cidade mais cultural IC Espaços recuperados como a Biblioteca do Patane abrem este ano

O

Instituto Cultural (IC) quer apostar ainda mais no desenvolvimento cultural do território. A promessa é deixada pelo presidente do organismo, Guilherme Ung Vai Meng, que anunciou ontem a abertura de diversos espaços patrimoniais que foram recuperados. “Este ano será concluído o restauro de diversos itens do património cultural, espaços culturais e instalações bibliotecárias. A Biblioteca do Patane, o número 80 da Rua das Estalagens e as Oficinas Marítimas

serão revelados sucessivamente ao público”, indicou, acrescentando “que está prevista a conclusão e a abertura destes espaços este ano”. Ung Vai Meng salientou a importância do prédio da Rua das Estalagens, onde Sun Yat-sen viveu, e que contou com a colaboração de especialistas em património para ser preservada. No local foram ainda encontrados artefactos durante escavações feitas no pátio e na sala, que o IC vai manter. “Foi difícil reconstruir o local, por ser pequeno foi complicado colocar as maquinas lá dentro”,

PAGAMENTO DO LOU KAO VAI AVANÇAR

O

Executivo vai avançar com o pagamento e a reconstrução da Casa de Lou Kao, danificada depois de parte das obras de construção que decorrem ao lado do edifício – pertencentes a uma empresa de Hong Kong, mas da responsabilidade da empresa de Engenharia do deputado Mak Soi Kun – terem caído por cima do imóvel. Ung Vai Meng assegurou ontem que já não há perigo no local e que a questão está agora nas mãos da Direcção dos Serviços de Solos, Obras Públicas e Transportes. Este organismo está, contudo, ainda a fazer o relatório de danos na Casa e “o IC vai fazer a reparação, sendo que vão ser apontados todos os custos e depois tratada esta questão”, como asseguraram os responsáveis do IC. PUB

acrescentou Leong Wai Man, Chefe do Departamento do Património Cultural. O Governo gastou “mais de um milhão” para reparar o local. Sobre a Biblioteca do Patane, Ung Vai Meng relembrou que o Executivo decidiu manter a fachada, algo que deixou o edifício original visível. O IC reiterou ainda que só deu mesmo algumas “sugestões e conselhos” para que os proprietários do Teatro Chin Ping, no Centro Histórico de Macau possam reparar o espaço. “Os donos é que vão fazer o trabalho de reparação, eles pediram apoios para a reconstrução, por isso o Governo não vai dar dinheiro. Reparámos a fachada do edifício, mas o resto cabe aos donos fazer.”

APOIOS E PLANOS

O IC vai também expandir a atribuição de subsídios: além dos subsídios para a produção de álbuns originais, de longas-metragens e de Design de Moda, haverá também apoios financeiros para quem queira criar curtas-metragens de Animação. “Estes complementam-

-se e contribuem para o desenvolvimento das indústrias culturais e criativas”, justifica o IC. Durante um almoço de Primavera oferecido aos órgãos de comunicação social, o IC - que apresentou o vídeo “Forças Culturais Visíveis”, disponível no seu site – destacou os trabalhos programados para este ano e que passam por abrir mais locais ao público, dar mais formação e trazer um novo slogan à cidade.

“Neste novo ano, o IC, através da optimização e integração das actuações instalações culturais, irá envidar esforços para construir uma rede que atravesse toda a cidade e leve a cultura ao quotidiano de cada um. Vamos ainda divulgar os recursos culturais de Macau, a fim de alcançar o objectivo de estabelecer Macau como uma ‘Cidade Culturalmente Sustentável’.” Joana Freitas

joana.freitas@hojemacau.com.mo


10 PUBLICIDADE

hoje macau terรงa-feira 1.3.2016


11 hoje macau terça-feira 1.3.2016

T

UDO começou há mais de 20 anos, era Teresa ainda adolescente. “Sabe”, diz-nos, “os teenagers são sempre todos meio loucos e eu não era excepção, daí que a minha mãe um dia me propusesse uns momentos de silêncio, de calma”. Foram assim os primeiros passos na meditação, uma actividade à qual dedica três horas diárias e que a levou ao contacto com diversos mestres, de diversas escolas e um pouco por todo o mundo. A portuguesa vai agora ensinar quem estiver interessado nesta arte, a partir de hoje, na Casa de Portugal e depois de passar do Brasil a Macau, com visita pelas Seychelles, onde Teresa confessa que teve uma das experiências mais marcantes do seu percurso. “Foi uma semana intensa com um mestre que me deu muita ‘cacetada’ e que me ajudou a confirmar a ideia de que não somos nada e que nada nos pertence”, confessa.

TERESA COSTA GOMES INICIA AULAS DE MEDITAÇÃO NA CASA DE PORTUGAL

À procura da paz interior Em Macau, destaca Patrícia Nolasco, com quem também aprendeu muito e que considera “uma pessoa de uma generosidade e bondade imensas”, mas também Graça Guise, “mais do lado do yoga”, explica, tal como Rada. uma professora indiana que viveu em Macau há alguns anos e que terminava as suas aulas de yoga com sessões de meditação. “Aprendi tanto que o que vou fazer agora é como uma síntese de tudo o que fui ouvindo, lendo e experimentando” diz-nos ainda Teresa Costa Gomes.

Um iniciado não pode meditar durante tanto tempo pois tudo se começa aos poucos. “Primeiro 15, depois 20 minutos, meia hora e vai-se aumentando. É um processo natural”, aclara. Uma coisa é certa: para Teresa, a meditação mudou a sua vida e faz parte integrante do seu dia-a-dia. Meditou através da luz, do som, de várias formas e considera ter sido sempre muito honesta no processo ao longo dos anos. Passou a ser vegetariana mas não considera que isso seja uma condição essencial. Explica-nos que existem escolas vegan mas, para si, cada um pode ser aquilo que quiser e comer o que lhe apetecer. “Cada caso é um caso”, explica.

TERESA C. GOMES

Desmistificar o processo da meditação e partilhar o seu conhecimento são os grandes objectivos de Teresa Costa Gomes, que inicia hoje uma série de workshops. Com música, sem música, com luz ou sem ela, das correntes mais estritas como a Vipassana à simplicidade da Brama Kumaris, Teresa Costa Gomes reúne mais de duas décadas de conhecimento

EVENTOS

MELHOR MÉTODO É O QUE FUNCIONA

“Algumas pessoas dizem-me: tens de pôr música, tens de recitar os mantras, temos de nos sentar no chão...”, conta Teresa. Mas, para quem percorreu um caminho tão longo e reconhece ainda ter muito para aprender, pode ser tudo muito mais simples do que isso. “A meditação não é nada complicada. Não é preciso ter roupa especial, ou assumir poses peculiares, ou o que quer que seja”, diz, considerando que diferentes escolas implicam diferentes métodos. Umas são mais rígidas e complexas, outras mais simples, mas o que espera sinceramente é que através da sua síntese os alunos fiquem munidos de ferramentas básicas para que cada um escolha o método mais apropriado para si. “Eu dou as bases e depois cada um descobre o que o faz sentir melhor”, diz. No fundo, Teresa Costa Gomes espera que cada um fique habilitado a andar pelo seu próprio pé. Por isso mesmo, vão acontecer muitas coisas diferentes nas aulas sendo que, acima de tudo, pretende-se criar um momento de calma para “as pessoas poderem encontrar-se a si próprias, descobrir os seus centros de energia e os possam alinhar”, diz Teresa, reforçando que não utilizou o termo “chakras” propositadamente para não se colar a uma escola em particular. “Ajudar as pessoas a encontrarem paz e felicidade, a con-

PROCESSO REGENERADOR seguirem esvaziar as cabeças deste mundo louco em que vivemos é ao que me proponho”, explica.

PRÁTICA DIÁRIA

“Qualquer pessoa pode fazer meditação”, garante Teresa, “basta querer tentar”, adianta, explicando que para si é um hábito diário desde há muito.

“Gosto que as pessoas vão para uma aula minha a pensar que é uma utopia, que a paz interior e a felicidade não podem ser atingidas por esta via”, diz Teresa Costa Gomes, para quem a prática de meditação é um processo regenerador. Segundo a antiga Relações Públicas dos Serviços de Turismo, as pessoas que fazem meditação consigo, estão bem, leves e têm um sentido de equilíbrio na vida.

Finalmente, Leo DiCaprio ganha Óscar de Melhor Actor

P

RECISOU de apanhar uma valente tareia de um urso digital para que a figurinha acabasse por lhe ser finalmente entregue e fosse a sorrir para casa. Cinco nomeações daAcademia depois e com dez Globos de Ouro na estante, entre muitos outros prémios, Leonardo DiCaprio conseguiu finalmente o Óscar para Melhor Actor. O papel desempenhado em “The Revenant” talvez não fosse aquele em que os seus dotes dramáticos foram mais colocados à prova, especialmente quando nos lembramos de nomeações anteriores como para “Blood Diamond” ou “The Wolf of

À VENDA NA LIVRARIA PORTUGUESA A IMORTALIDADE • Milan Kundera O sexto romance de Milan Kundera emerge a partir de um gesto casual de uma mulher para o seu instrutor de natação, um gesto que cria uma personagem no espírito de um escritor chamado Kundera. Tal como a Emma de Flaubert, ou a Anna de Tolstói, a Agnès de Kundera torna-se num objeto de fascínio, de indefinida nostalgia. A partir dessa personagem nasce um romance… um gesto da imaginação que personifica e articula o supremo domínio de Kundera sobre o romance e a sua finalidade: explorar a fundo os grandes temas da existência.

Wall Street”, mas Hollywood precisava de respirar de alívio. Também conhecido pelas suas actividades filantrópicas e activistas, Leonardo DiCaprio aproveitou o momento mediático para marcar a agenda ambientalista. Após agradecer a toda a gente, passou ao ataque, alertando para o facto de que “as mudanças climáticas são reais” e es-

“Ajudar as pessoas a encontrarem paz e felicidade, a conseguirem esvaziar as cabeças deste mundo louco em que vivemos é ao que me proponho” “Eu noto isso”, garante, “as pessoas notam isso. São momentos de calma que geramos e isso é muito bom”. Os workshops começam hoje na Casa de Portugal existindo duas classes disponíveis: terças e quintas das 11h00 às 12h00 e segundas e quintas das 19h 00 às 20h00. A sessão matinal custa 1080 patacas por pessoa e a nocturna 1050 patacas. Os cursos são avalizados pela Direcção dos Serviços de Educação pelo que o subsídio de formação atribuído a residentes pode ser aplicado. As classes serão ministradas em Inglês e Português. Manuel Nunes

info@hojemacau.com.mo

tão a acontecer neste momento. “É a ameaça mais urgente para toda a nossa espécie”, disse, terminado o discurso com um apelo aos líderes mundiais “que falam por toda a humanidade” e alertando as pessoas para não tomarem o planeta por garantido, tal como ele não tomou o Óscar. Os outros nomeados na categoria para Melhor Actor eram Eddie Redmayne em “The Danish Girl”, Michael Fassbender por “Steve Jobs”, Bryan Cranston em “Trumbo”, e Matt Damon pela sua interpretação no filme “The Martian”. Antes, Leonardo DiCaprio tinha sido nomeado para Melhor Actor Secundário em 1993 pela sua participação no filme “What’s Eating Gilbert Grape”, seguido por nomeações para Melhor Actor por “The Aviator” (2005), Blood Diamond (2007) e The Wolf of Wall Street (2014). M.N.

RUA DE S. DOMINGOS 16-18 • TEL: +853 28566442 | 28515915 • FAX: +853 28378014 • MAIL@LIVRARIAPORTUGUESA.NET

NEWBORN - 10 DIAS NO KOSOVO • Amadora BD 2011 - Prémio Juventude / Prémio Melhor Desenho de Autor Português de Ricardo Cabral “O Kosovo do Ricardo não é o mesmo país que encontramos nas notícias e nos títulos dos principais órgãos de comunicação ou nos relatórios e telegramas diplomáticos de Bruxelas, Nova Iorque, Moscovo e Washington. Munido de lápis e câmara fotográfica, Ricardo vê para lá da superficialidade do estereótipo político, e capta a vida linda que as pessoas comuns levam no seu dia-a-dia.”


12 CHINA

hoje macau terça-feira 1.3.2016

TRIBUNAL CONDENA PASTOR A 14 ANOS DE PRISÃO

U

M tribunal chinês confirmou ontem a condenação a 14 anos de prisão dada a um pastor, por corrupção e perturbação da ordem social, depois de este ter tentado travar a demolição da cruz da sua igreja. Bao Guohua foi ainda sentenciado por manter negócios ilícitos e ocultar informações sobre contas da sua empresa, detalhou a imprensa local. A mulher de Bao, Xing Wenxiang, foi condenada a 12 anos de prisão. Os dois foram também multados e os seus bens apreendidos por se terem apropriado de uma casa e dinheiro que pertencia à igreja, segundo os jornais da província de Zhejiang, na costa leste da China. Bao e Xing foram detidos em Julho do ano passado depois de se terem oposto publicamente contra a demolição forçada de cruzes em Zhejiang.

O tribunal condenou outras dez pessoas relacionadas com este caso, segundo a televisão local, sem avançar com mais detalhes. Pequim justifica as demolições com uma lei que exige que as cruzes sejam colocadas na fachada da igreja em vez de no telhado, definindo também que a sua altura não supere um décimo do tamanho da construção. Oficialmente, o número de cristãos na China continental rondará os 24 milhões, o que não chega a 2% da população. A Academia Chinesa de Ciências Sociais estima que haja cerca de 130 milhões de cristãos ligados às chamadas “igrejas clandestinas”. Os bispos chineses são nomeados pelo Governo, ao contrário da maioria dos outros países, onde aquele é um direito do Vaticano.

PUB

CHINESES E JAPONESES ABORDAM RESPOSTA A PYONGYANG

Encontros nucleares

A

LTOS diplomatas do Japão e da China reuniram-se ontem, em Tóquio, para abordar as possíveis respostas à Coreia do Norte devido aos recentes testes nuclear e de mísseis levados a cabo por Pyongyang. O vice-ministro dos Negócios Estrangeiros japonês, Shinsuke Sugiyama, reuniu-se com o seu homólogo chinês, Xuanyou Kong, naquele que foi o primeiro contacto diplomático de alto nível entre os dois países desde que o regime de Pyongyang realizou, a 6 de Janeiro, um teste nuclear, e lançou, um mês depois, um satélite a bordo de um foguetão, ato considerado pela comunidade internacional como um teste encoberto de mísseis balísticos. O encontro tem lugar também depois de a China e os Estados Unidos – ambos membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU – terem acordado, na semana passada, um projecto de resolução com sanções mais duras para punir as acções da Coreia do Norte.

ALIVIAR TENSÕES

Na reunião, que ocorre depois de Tóquio ter sublinhado a impossibilidade de abordar este assunto com Pequim

O encontro tem lugar depois de a China e os Estados Unidos terem acordado um projecto de resolução com sanções mais duras para punir a Coreia do Norte

NÚMERO DE POBRES DIMINUIU 14,4 MILHÕES EM 2015

O

número de chineses rurais que vive abaixo da linha de pobreza - fixada pelo país num rendimento anual inferior a 2.800 yuan - diminuiu 14,4 milhões, em 2015, anunciou ontem o Gabinete Nacional de Estatísticas chinês (GNE). Apesar das últimas três décadas de acelerado crescimento económico terem transformado a China na segunda maior economia mundial, 55,75 milhões de chineses viviam na pobreza em 2015. Em comunicado, a mesma fonte detalha que o rendimento anual per capita dos residentes rurais na China fixou-se em 10.772 yuan, em 2015, menos do que muitos países africanos. Já em Pequim, uma das mais prósperas cidades chinesas, aquele indicador ultrapassou os 100.000 yuan. Entretanto, mais de 17 milhões de residentes urbanos e 49 milhões de

rurais beneficiaram de rendimentos mínimos de subsistência, em 2015, apontou o GNE. “A disparidade entre o campo e a cidade continuou a diminuir. Os salários nas cidades foram 2,73 vezes superiores ao rendimento no campo, uma queda de dois por cento face ao ano anterior”, disse o director daquele organismo estatal, Xu Xianchun, citado pela agência oficial Xinhua. Quase metade dos cerca de 1.370 milhões de habitantes da China vive ainda nas zonas rurais do país. Em Novembro passado, a liderança do Partido Comunista Chinês anunciou um plano para eliminar a pobreza nas áreas rurais até 2020 e combater a pobreza regional. Segundo os critérios da ONU, o fosso social na China está fixado acima do “nível alarmante”.

por telefone, estava previsto também que os dois vice-ministros discutissem outros assuntos regionais. Neste sentido, Kong assegurou antes da reunião que a China quer manter um encontro de alto nível com o Japão para melhorar as relações bilaterais entre os dois países, afastados pelas tensões regionais. Kong explicou, em declarações reproduzidas pela agência Kyodo, que o conselheiro de Estado chinês Yang Jiechi tem a intenção de se reunir em breve com Shotaro Yachi, o principal assessor em matéria de Negócios Estrangeiros do primeiro-ministro nipónico, Shinzo Abe. Yang “deseja que se realize este ano, em momento oportuno, o próximo diálogo de alto nível Japão-China”. As relações entre as duas principais potências da Ásia Oriental permanecem tensas devido à disputa que mantêm em torno da soberania das ilhas Diaoyu. Estas viram-se ainda deterioradas nas últimas semanas depois de Tóquio ter criticado o recente destacamento de mísseis terra-ar por parte de Pequim para uma ilha do Mar do Sul da China, cuja soberania é reivindicada pelo Vietname.

INDÚSTRIAS DESPEDIMENTO À VISTA PARA 1,8 MILHÕES DE TRABALHADORES

A China planeia despedir 1,8 milhões de trabalhadores nas indústrias do aço e do carvão, devido ao excesso de capacidade naqueles sectores, anunciou ontem o ministro chinês dos Recursos Humanos e Segurança Social, Yin Weimin. Yin afirmou, em conferência de imprensa, que aquelas indústrias estão sob pressão devido ao abrandamento da economia e excesso de capacidade, admitindo a perda de postos de trabalho. Na semana passada, um relatório da Câmara do Comércio da União Europeia em Pequim apontou que as medidas do Governo chinês nos últimos anos propiciaram uma expansão da capacidade industrial no país “completamente” descoordenada da demanda do mercado. A China contribui com metade da produção de aço em todo o planeta e produz mais do que os outros quatro gigantes do sector - Japão, Índia, Estados Unidos e Rússia - combinados.


13 hoje macau terça-feira 1.3.2016

CHINA

FACEBOOK

PEQUIM DEFENDE SOBERANIA EM ILHAS DISPUTADAS

O

U

M candidato pró-democracia conquistou o lugar em disputa no Conselho Legislativo de Hong Kong (LegCo, parlamento), na eleição intercalar, realizada no domingo, cujos resultados foram ontem anunciados. Alvin Yeung Ngok-kiu, do Partido Cívico, apoiado pelo campo democrático, derrotou Holden Chow, o candidato do campo pró-Pequim, da Aliança Democrática para a Melhoria e Progresso de Hong Kong PUB

Candidato cívico

Alvin Yeung Ngok-kiu

Hong Kong Pró-democrata vence eleição intercalar

(DAB, na sigla inglesa), por mais de 10 mil votos. O lugar no Conselho Legislativo (LegCo) no círculo New Territories East, que pertencia a um deputado pró-democrata, que se demitiu em ruptura com o Partido Cívico, foi disputado por sete candidatos. Em terceiro lugar ficou Edward Leung, de 24 anos, um activista de Hong Kong

que durante a campanha defendeu a radicalização de métodos de resistência para proteger os valores de Hong Kong e que foi acusado judicialmente durante recentes confrontos com a polícia. O estudante conquistou 66.524 votos (mais de 15%) de um total de 432.581, contra 160.880 (ou 37,2%) de Yeung e 150.329 de Chow.

Quase um milhão de eleitores (940 mil elegíveis de acordo com a comissão eleitoral) daquele círculo foi chamado às urnas. As eleições para Legco realizam-se em Setembro. Aantiga colónia britânica, com 7,2 milhões de habitantes, passou para a soberania chinesa em 1997, sendo governada sob o princípio ‘um país, dois sistemas’até 2047.

novo chefe militar para o sul da China disse que o exército está preparado para defender a soberania das ilhas do Mar do Sul da China, reivindicada por outros países, informa ontem um jornal de Hong Kong. “O exército é capaz de lidar com qualquer ameaça”, assinalou o general Wang Jiaocheng, do recém-criado Comando Regional do Sul, ao South China Morning Post, nas suas primeiras declarações públicas. “Nenhum país está autorizado a justificar ou tomar acções prejudiciais à soberania e segurança da China”, acrescentou. Wang, que previamente comandou a região militar de Shenyang, no nordeste do país, afirmou também que o exército chinês estará em alerta máximo perante qualquer ameaça nas águas disputadas, segundo declarações publicadas pelo Diário do Povo, órgão central do Partido Comunista Chinês.

As declarações surgem poucos dias após os Estados Unidos acusarem Pequim de estar a militarizar o Mar do Sul da China. O “gigante” asiático insiste que tem direitos de soberania sobre a quase totalidade daquele território, uma via marítima estratégica pela qual passa um terço do petróleo negociado internacionalmente. Nos últimos meses, tem construído ilhas artificiais capazes de receber instalações militares nos arquipélagos Spratly e Paracel, disputados total ou parcialmente pela China, Vietname, Taiwan, Filipinas, Malásia e Brunei. Segundo a cadeia de televisão norte-americana Fox News e funcionários do Governo de Taiwan, a China terá mesmo instalado um sistema de lançamento de mísseis terra-ar numa das ilhas disputadas, numa informação entretanto negada por Pequim.


h ARTES, LETRAS E IDEIAS

14

E

luz de inverno

Boi Luxo

Vapor Trail (Clark)*, John Gianvito, 2010.

NQUANTO se aguarda a visionação de Wake (Subic), de John Gianvito, lembre-se quão desconhecido é Vapor Trail (Clark). Este desconhecimento só pode resultar da falta de interesse em promover um filme de 4 horas e meia sobre os efeitos devastadores, a nível ambiental, da presença militar norte-americana nas Filipinas. Este filme centra-se na antiga base de Clark, a maior base que os E.U.A. alguma vez mantiveram em solo estrangeiro. Até ao início dos anos 90, as Filipinas foi o país que albergou a mais completa presença militar norte-americana fora do próprio país, uma que permitiu operações aéreas na Coreia, no Vietname e até na mais recente Guerra ao Iraque. As duas maiores bases eram as de Clark, objecto deste estudo, e a de Subic, assunto do longo filme Wake (seis horas e meia) que se mostrou recentemente na Viennale**. As preocupações de Vapor Trail remontam aos movimentos que primeiro se opuseram à presença dos espanhóis e depois à dos norte-americanos em território das Filipinas, processo que ajuda a criar um fundo de resistência em que os acontecimentos de Clark e Subic – essencialmente relacionados com a poluição militar – se inscrevem. Este complexo histórico cobre cerca de 100 anos, desde fins do século XIX a fins do século passado, e inclui a exposição do ardil que na prática permitiu que o território filipino passasse a ser controlado pelos E.U.A. De súbito salta-se para o presente e para acusações de repressão sobre jornalistas e opositores do regime (de Gloria Macapagal-Arroyo). Os crimes americanos virão depois. A complacência e o oportunismo dos governos filipinos é referência constante ao longo da peça. Como filme, Vapor Trail interessa enquanto junta aos processos tradicionais do documentário, entrevistas, fotos e filmagens de arquivo e leitura de textos ilustrativos, um conjunto de imagens sem comentário em que o aspecto e o espírito dos lugares se demonstram com uma precisão que cria um intimismo inquieto. John Gianvito não deixa de declarar logo de início que qualquer tentativa de fazer história – e, por lógica extensão, o documentário - implica sempre uma escolha e, como

tal, a impossibilidade de uma neutralidade. A sua posição é, como não podia deixar de ser, de compaixão pelas vítimas mas também de intentar apresentá-las com toda a dignidade (como acontece, segundo vários comentadores, no documentário de Tsuchimoto Noriaki em baixo referido). As cenas sem comentário acabam por ser muito actuantes, atordoado o espectador pelo excesso de informação, entrevistas e imagens com comentário que se oferecem por mais de 4 horas. É nas cenas silenciosas que se opera de modo mais eficaz o transporte para o lugar e lembramos que nada muda quando a câmara lá não está a importunar. Ou que, inevitavelmente, pouco mudará depois de tudo isto. Vapor Trail estende-se por outros assuntos, marginais à causa específica da intoxicação das águas que continua a causar defeitos físicos nas crianças e uma mortalidade anormal entre crianças e recém-nascidos que estiveram em contacto com os resíduos não tratados causados pela base militar de Clark. A preocupação central é essa: chamar a atenção para os efeitos que a poluição causada pela antiga base de Clark teve no desenvolvimento de crianças que entraram em contacto com a água contaminada daquela. Depois da erupção do vulcão Pinatubo, em Junho de 1991, largas quantidades de pessoas foram deslocadas para um lugar anteriormente ocupado pela base militar. É aí, numa zona chamada CABCOM, que se dá a contaminação e que valores excessivos de mercúrio e arsénico começam a afectar parte da população. Dois longos monólogos de Myrla Baldonado (da organização People´s Task Force for Bases Clean Up), figura principal de entre as que têm tentado chamar a atenção para esta situação, lembram os tempos da ditadura filipina e o ambiente de contestação – e suas consequências – em que muitos estudantes se viram envolvidos, e expõem o seu processo de maturação política e pessoal durante o tempo em que foi submetida a prisão e tortura pela oposição à existência das bases militares. Assim, o filme é também sobre a mecânica da oposição, sobre a confirmação da afirmação e sobre o método.

Ao mesmo tempo lembra como nas Filipinas existiu um forte movimento de oposição ao envolvimento americano no Vietname, como sucedeu no Japão. Por vezes parece que o documentário se centra demasiado nas pessoas que defendem a causa, mas esta focalização é necessária para expor a desproporção do poder das partes em conflito. Os activistas são poucos e parecem ter poucos apoios. Nem se percebe bem qual a verdadeira posição da parte americana, que não é directamente confrontada nem parece ser nunca verdadeiramente culpabilizada de uma maneira assertiva nem pelas vítimas nem pelos que as defendem. Este tópico poderá surpreender alguns espectadores menos avisados, o da relutância, por parte das vítimas, em exprimir animosidade contra os verdadeiros culpados da intoxicação das águas. Essa é uma perplexidade que já experimentei em outras situações semelhantes (como, a exemplo, a dos efeitos do Agente Laranja usado durante a Guerra Americana do Vietname ou o efeito dos intensíssimos bombardeamentos do Laos durante o mesmo conflito). A insistência do entrevistador em interrogar os entrevistados sobre o seu conhecimento da Guerra Américo-Filipina aparece como intromissora a um espectador local.

* o filme é dedicado ao realizador japonês Tsuchimoto Noriaki, o autor do conhecido Minamata, The Victims and their World (1971), o primeiro de um conjunto de documentários que se centram na exposição dos efeitos da contaminação marítima por mercúrio por parte de uma fábrica de fertilizantes, a Chisso, que causou graves problemas de saúde aos residentes de Minamata, na Ilha de Kyushu. A condição neurológica que resultou desta longa exposição ao mercúrio, materializada através do consumo de peixe contaminado, chama-se Doença de Minamata. ** onde se exibiram Visita ou Memórias e Confissões, de Manoel de Oliveira, No Home Movie, de Chantal Ackerman e, por falar em pessoas falecidas recentemente (neste caso em 2012), peças dos arquivos da diarista Anne Charlotte Robinson em Super 8. A Viennale será hoje um dos festivais de cinema europeus mais interessantes. Exibe muitos documentários e curtas metragens a par, por exemplo, do DocLisboa ou do CPH:DOX, que desde 2003 se realizam em Lisboa e em Copenhaga.


15 hoje macau terça-feira 1.3.2016

Yao Feng

Poema e foto

A Fonte Acorda-me em silêncio com o rumor de todos os rios Brota inesgotável aberto no seu banco para tantos rumos É única embora haja tantas semelhantes no mundo Face a ela, tenho de ser mais da água e faço de mim uma cascata


16 DESPORTO

NG KUOK KUN PUGILISTA

Ng Kuok Kun, tem 26 anos, e é o único pugilista profissional em Macau. Está a tirar uma licenciatura em Educação Física e Desporto no Instituto Politécnico de Macau. O atleta confessa que adora esta modalidade porque que os combates têm uma componente de igualdade e justiça

“A história de Pacquiao é uma lenda para os seus conterrâneos e para os pugilistas de todo o mundo. Embora não combatesse contra ele, tive muito orgulho de participar nesta série”

“O desporto é a minha atitude” Porque é que gosta de boxe? Quando era estudante da escola secundária tinha muito tempo livre e procurei uma modalidade para praticar. Comecei a fazer pugilismo com cerca de 14 ou 15 anos. Ia a um salão de boxe com o meu irmão mais velho. O boxe atraiu-me não sei bem porquê, é possível que tenha sido porque os combates são competitivos, pode-se ganhar ou perder, mas isso leva a que os lutadores tentem sempre melhorar, e treinem com rigor e sinceridade, a fim de superar o adversário.

ser professor de educação física, ou treinador de Boxe. Qualquer actividade ligada ao Boxe. Já teve ferimentos graves? Tive alguns ferimentos ligeiros que me deixaram a descansar cerca de duas semanas. Embora jogue futebol, tenho mais cuidado com os ferimentos. Os árbitros proíbem qualquer tipo de faltas durante os combates.

“O sistema desportivo não implementa medidas que estimulem os atletas a serem profissionais. Existem poucas condições”

Como é o seu horário diário, treina muito? Normalmente treino cinco horas por dia. De manhã vou a Zhuhai para praticar técnica e ginásio das oito até à uma de tarde, mais duas horas de recuperação ou corrida em Macau e depois tenho as aulas no IPM à noite. Só tenho um dia de descanso por semana, mas normalmente jogo futebol com os amigos. O meu tempo está completamente preenchido, sem intervalos. O desporto é a minha atitude na vida. Também gosto muito de futebol,

Houve algum combate que tenha sido especial para si? A série de combates no Venetian de 2014, porque estava lá o Pacquiao, que é um pugilista filipino famoso em todo mundo e o meu pugilista preferido. A história de Pacquiao é uma lenda para os seus conterrâneos e para os pugilistas de todo o mundo. Embora não combatesse contra ele, tive muito orgulho de participar nesta série. O meu valor subiu muito por causa destes combates. O meu combate foi muito duro, mas fiquei feliz por ter ganho.

Acha que o Boxe pode vir a ser um desporto popular em Macau? É muito difícil, porque o sistema desportivo em Macau preocupa-se com os amadores. Mas o Boxe profissional tem um lado interessante. Não se precisa de ser representante de uma região ou de um país, o boxeur só tem de ter algumas condições certas para chegar à arena e lutar. É uma modalidade que requer equidade e justiça. E o boxe é cada vez mais importante na China. Vai lutar fora de Macau? Já recebi alguns convites, vou ter um combate no mês de Março, ainda não sei ao certo onde, mas vou lutar fora de Macau, estou a preparar-me para isso. Pode-se ganhar a vida como pugilista profissional em Macau? Não existe qualquer subsídio do Governo. O sistema desportivo não implementa medidas que estimulem os atletas a serem profissio-

nais. Existem poucas condições, às vezes dou aulas de pugilismo e de futebol às crianças para ganhar um pouco de dinheiro. E os familiares apoiam-me muito. Mas é uma vida dura, não nasci numa família rica, mas o que é mais importante são

os nossos desejos para alcançar os objectivos a que nos propomos. Que planos tem para o futuro? Quero dedicar-me ao sector de educação depois da carreira de pugilista. É possível que venha a

Existem fãs de Boxe em Macau? É muito difícil definir os fãs de Boxe em Macau, porque muitos cidadãos preocupam-se com esta modalidade por causa de mim. Como no caso do jogador Leong Ka Hang, os residentes têm interesse nele por ser de Macau, tal como eu. A minha nacionalidade atrai os fãs de pugilismo de Macau. O que acha que é mais importante no Boxe? A coragem durante a luta e a prática quotidiana. Tomás Chio

info@hojemacau.com.mo


17 hoje macau terça-feira 1.3.2016

TEMPO

POUCO

?

NUBLADO

O QUE FAZER ESTA SEMANA Sábado

ABERTURA DO FESTIVAL ROTA DAS LETRAS Edifício do Antigo Tribunal, 15h00 Entrada livre ROTA DAS LETRAS: “PARA QUE SERVE A CULTURA NA VIDA DO HOMEM COMUM?” Palestra de José Pacheco Pereira e C.F. Hu, 16h00 Edifício do Antigo Tribunal Entrada livre

MIN

14

MAX

21

HUM

45-85%

EURO

8.70

BAHT

ROTA DAS LETRAS: “ESTRANHOS NA CIDADE”, COM CHAN KOONCHUNG, AGNES LAM E C.F.HU Edifício do Antigo Tribunal, 15h00 Entrada livre

O CARTOON STEPH

SUDOKU

DE

ROTA DAS LETRAS: “UM OLHAR SOBRE A LITERATURA DA CHINA, MACAU E HK” Com Un Sio San, Zhou Jia Ning, Tang Siu Wa e Yang Chia-Hsien Edifício do Antigo Tribunal, 17h30 Entrada livre ROTA DAS LETRAS: “TANG XIANZU, PIONEIRO EM MACAU” Com Mu Xinxin e Edward Li Edifício do Antigo Tribunal, 18h30 Entrada livre ROTA DAS LETRAS: “O IMPACTO DECISIVO DOS LIVROS NA INFÂNCIA” Com Luiz Ruffato e Carlos André Edifício do Antigo Tribunal, 18h30 Entrada livre

SOLUÇÃO DO PROBLEMA 38

EXPOSIÇÃO [X] DE RHYS LAY Fundação Rui Cunha (até 13/03) Entrada livre EXPOSIÇÃO “MA-BOA, LIS-CAU”, DE CHARLES CHAUDERLOT (ATÉ 19/03) Museu de Arte de Macau Entrada livre EXPOSIÇÃO “UM SÉCULO DE ARTE AUSTRÍACA” (ATÉ 3/04) Museu de Arte de Macau Entrada livre EXPOSIÇÃO “MANUEL CARGALEIRO” (ATÉ 3/03) Casa Garden Entrada livre HISTÓRIA NAVAL (ATÉ 9/04) Arquivo Histórico de Macau Entrada livre EXPOSIÇÃO “CAIXA DE MÚSICA” (ATÉ 3/04) Museu da Transferência Entrada a cinco patacas

Cineteatro MERMAID [B]

FALADO EM CANTONÊS LEGENDADO EM CHINÊS E INGLÊS Filme de: Stephen Chow Com: Deng Chao, Show Lo, Zhang Yu Qi, Jelly Lin 14.15, 16.00, 17.45, 21.30

ALVIN AND THE CHIPMUNKS: ROAD CHIP [B]

SALA 2

THE FINEST HOURS [B] Filme de: Craig Gillespie Com: Chris Pine, Casey Affleck,

1.22

PROBLEMA 39

UM LIVRO HOJE

Que ninguém tenha dúvidas: por mais debates públicos que se façam, Coloane vai mesmo tornar-se numa nova cidade às portas de outras duas cidades. Não há parque dos pandas que resista, ou as velhinhas praias de Cheoc Van e Hac-Sá. Vamos mesmo ter altos edifícios de luxo com ginásio e piscina incluídos e hotéis que custam os olhos da cara por noite. Não é a história ou o património, é o capitalismo, estúpido. Para quê preservar uma floresta cheia de trilhos onde se respira ar puro se podemos ter apartamentos de luxo com uma vista incrível para essa mesma floresta? Para quê ter terras vazias a perder de vista se podemos ter investimentos de Hong Kong em hotéis vermelhos cá fora e dourados lá dentro? Escrevo isto sem concordar com o que escrevo. Escrevo porque são assim que as coisas funcionam. De nada vale pedir e reclamar pela protecção de qualquer coisa que teimamos que fique na nossa memória. Já me contaram que a Taipa antes era uma espécie de floresta onde se ia de barquinho, com algumas aldeias. Hoje é a Disneylândia depois da Disneylândia-mor. Só nos resta aceitar as evidências, os disparates que a lei permite, os projectos e plantas urbanísticas que esses grandes empresários entregam. Só nos resta esperar até ver Coloane cheia de pessoas e de betão.. Pu Yi

“SHANTARAM” (GREGORY DAVID ROBERTS, 2003)

Uma história que nos prende desde a primeira página. Um romance difícil de largar, baseado na vida real de Lindsay (nome fictício do autor), um homem que foge da prisão e se esconde em Bombaim, na Índia. Suspiros, arrepios, lágrimas e risos... uma mistura de emoções num livro tão bem escrito que custa a acreditar. De suster a respiração, da primeira à última página. Joana Freitas

C I N E M A

SALA 1

FALADO EM CANTONÊS Filme de: Walt Becker 19.30

YUAN

O PULMÃO DA NOVA CIDADE

Domingo

Diariamente

0.22

AQUI HÁ GATO

ROTA DAS LETRAS: “CARTAS DA GUERRA” Filme de Ivo Ferreira, 19h45 Galaxy Cinema Entrada livre, mas com bilhete

ROTA DAS LETRAS: “VIAGENS PELA HISTÓRIA DA CHINA”, COM MARK O’NEILL Palestra de José Pacheco Pereira e C.F. Hu, 16h30 Edifício do Antigo Tribunal Entrada livre

(F)UTILIDADES

Ben Foster, Eric Bana 14.30, 16.45, 21.30

THE FINEST HOURS [3D] [B] Filme de: Craig Gillespie Com: Chris Pine, Casey Affleck, Ben Foster, Eric Bana 19.15 SALA 3

THE SECRET [B]

FALADO EM MANDARIM LEGENDADO EM CHINÊS E INGLÊS Filme de: Barbara Wong Chunchun Com: Leon Lai, Wang Loudan, JJ Lin 14.30, 16.30, 19.30, 21.30

www. hojemacau. com.mo

Propriedade Fábrica de Notícias, Lda Director Carlos Morais José Editores Joana Freitas; José C. Mendes Redacção Andreia Sofia Silva; Filipa Araújo; Flora Fong; Tomás Chio Colaboradores António Falcão; António Graça de Abreu; Gonçalo Lobo Pinheiro; José Drummond; José Simões Morais; Maria João Belchior (Pequim); Michel Reis; Rui Cascais; Sérgio Fonseca Colunistas António Conceição Júnior; André Ritchie; David Chan; Fernando Eloy; Isabel Castro; Jorge Rodrigues Simão; Leocardo; Paul Chan Wai Chi; Paula Bicho; Rui Flores; Tânia dos Santos Cartoonista Steph Grafismo Paulo Borges Ilustração Rui Rasquinho Agências Lusa; Xinhua Fotografia Hoje Macau; Lusa; GCS; Xinhua Secretária de redacção e Publicidade Madalena da Silva (publicidade@hojemacau.com.mo) Assistente de marketing Vincent Vong Impressão Tipografia Welfare Morada Calçada de Santo Agostinho, n.º 19, Centro Comercial Nam Yue, 6.º andar A, Macau Telefone 28752401 Fax 28752405 e-mail info@hojemacau.com.mo Sítio www.hojemacau.com.mo


18 hoje macau terça-feira 1.3.2016

RUI TAVARES in Público

Não empurrem mais a corda

O

S bancos são um mundo às avessas. Quanto mais dinheiro se mete neles, mais falidos ficam. Os nossos activos são os passivos deles (os depósitos que lá temos são empréstimos que lhes fazemos). Os activos dos bancos, na verdade, somos nós. Significa isto que aquilo de que os bancos precisam não é de mais dinheiro. Os bancos precisam é de pessoas com mais dinheiro. Calha bem, porque as pessoas também precisam de mais dinheiro, depois de anos de cortes e contracções. E as pessoas também precisam de outras pessoas com mais dinheiro: os seus clientes, os seus patrões, os seus sócios, os seus empregados. Infelizmente, na Europa e no mundo, a principal estratégia de combate à crise tem sido a de meter mais dinheiro nos bancos. Os nossos estados endividaram-se para salvar os bancos. Os bancos centrais dos EUA e do Japão criaram dinheiro para meter nos bancos. Bastante mais tarde, o Banco Central Europeu também enveredou pela via do “apoio quantitativo”, injectando dinheiro nos bancos para fazer levantar a economia real. Era de prever que isto não funcionasse bem. Há cinco anos escrevi uma crónica em que — pensando que estava a dizer algo novo — descrevi estas políticas como uma tentativa de “empurrar uma corda pela ponta”. A intenção era explicar que há coisas que funcionam bem ou mal como mecanismo de transmissão dependendo da direcção em que as usamos. Uma corda é um excelente mecanismo de transmissão quando a puxamos, como por exemplo para tocar um sino. Mas é um péssimo mecanismo de transmissão quando a empurramos: se quisermos enfiar uma corda no buraco empurrando-a pela ponta oposta ela enrola e não avança. Alguns economistas (um exemplo recente: Stephen Roach, de Yale) afirmam que isto se passa com os bancos porque a economia mudou. Segundo eles, meter dinheiro nos bancos para chegar à economia real era uma política eficaz no passado, mas hoje este dinheiro dissipa-se no mercado de capitais. Mas um pouco de história demonstrará que este foi sempre o caso: o dinheiro metido nos bancos vai parar sempre aos bolsos dos mesmos. Algum tempo depois de ter escrito a crónica sobre “empurrar uma corda pela ponta”, comecei a ver referências — que ignorara

VINCE GILLIGAN, BREAKING BAD

OPINIÃO

antes ou tinha já esquecido — à mesmíssima frase como tendo sido usada por Keynes. E uma breve pesquisa na internet sugere que não foi Keynes a dizê-lo, mas um congressista americano numa audição com o banqueiro central dos EUA em 1935. O problema de então era o problema de hoje: o dinheiro metido nos bancos ficava nos banqueiros.

“Infelizmente, na Europa e no mundo, a principal estratégia de combate à crise tem sido a de meter mais dinheiro nos bancos”

Pior: a insistência em meter dinheiro nos bancos não fará mais do que gerar uma justificadíssima ira na população em geral. Será possível, pergunta-se toda a gente, que após seis anos de resgates a bancos estejamos de novo a ouvir falar de um colapso do sistema bancário ao virar da esquina? Os governos, da União Europeia e não só, têm neste momento uma escolha muito simples. Ou enveredam por um plano urgente — por exemplo, através de créditos concedidos directamente a instituições que prestam serviços públicos — para dar emprego às pessoas e meter-lhes dinheiro nos bolsos, ou um novo colapso da banca poderá arrastar consigo as esperanças da democracia no continente.


19 hoje macau terça-feira 1.3.2016

OPINIÃO

sexanálise

TÂNIA DOS SANTOS

O prazer é prazeroso. Uma tautologia, sim, mas para ir contra a ideia de que o prazer sexual não tem legitimidade na vida de uma criança em desenvolvimento. A descoberta genital desde tenra idade é normal, e não deve ser condenada. Deve ser explicada e contextualizada. Métodos contraceptivos, DST’s e IST’s. Não falar sobre sexo com os vossos jovens ou tentar incutir-lhes abstinência não vai preveni-los de sentirem ‘desejos e vontades’ o melhor é informá-los sobre todas as possibilidades de praticarem sexo seguro, sempre. Homossexualidade e formas de expressão de género. Um tema um pouco mais delicado entre muitos pais mas que urge por mais empatia. Aceitem as dúvidas e curiosidades que possam surgir. Condenar ou censurar só terá o CLARENCE BROWN, THE YEARLING

T

ODOS nós tivemos que passar pelo momento em que descobrimos o que é o sexo. A partir daí passamos uma vida inteira a entendê-lo melhor. Uns lembrar-se-ão melhor de que outros quando se tornou claro como é que se faziam bebés. Diferentes gerações terão diferentes metáforas, analogias, fábulas ou alegorias de referência sobre a definição do sexo. Agora para os adultos que têm ou terão filhos talvez um momento de reflexão sobre como falar sobre sexo com as suas crianças não lhes fizesse mal. Só mesmo porque a ‘conversa’ há 30 anos atrás não terá sido a ideal. À luz da vanguarda, o objectivo será clarificar de forma simples e honesta e não fazer juízos de valor sobre todas as dúvidas que são postas. As perguntas vão aparecer em qualquer idade e por isso há que estar preparado, esta não vai ser uma conversa de só quando se chegar à adolescência, pelo menos não deverá ser. Sou uma criança de cinco anos e pergunto-vos, papá e mamã, como é que se fazem bebés? Vou ter maminhas? Porque é que os rapazes têm pilinhas e as raparigas pipis? Porque é que os rapazes não usam vestidos? Porque é que o papá e a mamã dão beijinhos na boca? Todo um mar de perguntas relacionadas com sexo, género e relacionamentos envolvidos na pura curiosidade em melhor perceber o mundo em que vivem. Esta semana li sobre o lançamento de um livro sobre como falar com as crianças sobre sexo (como muitos outros manuais que existem) que me fez debruçar sobre a questão da educação de uma forma geral, mas em especial sobre como o sexo é normalmente comunicado, pelos pais e pelas formas de comunicação social. Vive-se num mundo onde somos inundados por mensagens e imagens intimamente ligadas à sexualidade, mas onde ainda há uma forte norma que nos obriga a não falar sobre ela. A lista que se segue, que não deixa de ser uma lista de sugestões, deverá, acima de tudo, ser encarada como uma lista para uma simples reflexão sobre a sexualidade e de como deverá ser discutida. Uma apropriação da linguagem em relação à idade e o à vontade da criança sobre determinados assuntos tem que ser tida em conta. Uma conversa simples, clara e uso de linguagem apropriada. As crianças desde muito cedo carregam a ambiguidade que observam em seu redor, por isso é necessário clarificar conceitos e práticas desde cedo. Pode-se recorrer a um manual que deverá ser discutido em conjunto (e não ‘toma lá um livro e vai lê-lo’) que deverá ser escolhido com a sensibilidade de que imagens e práticas podem ser portadoras de censura, preconceito e legitimização de diferenças de género estereotipadas.

Explicações “Vive-se num mundo onde somos inundados por mensagens e imagens intimamente ligadas à sexualidade, mas onde ainda há uma forte norma que nos obriga a não falar sobre ela”

resultado catastrófico da perda de comunicação aberta e sincera. Amor. Deixei-o para último, mas não é de todo o menos importante. Bebés aparecem não só porque se faz sexo, mas porque se faz amor. Amor porque os pais se amam e, logo, gostam de se envolver em actividades prazerosas um com o outro. Assim complementa-se a forma pragmática de explicação sexual com a significação relacional do que se considera ser o mais puro dos sentimentos. Amor, amor. Escrever e pensar sobre isto pode ser fácil, mas se julgarmos que muitos de nós tem as suas dificuldades emocionais associado a pouco à vontade em falar abertamente sobre o sexo, torna-se num exercício difícil de concretizar. Fazer os filhos pode ser muito fácil, mas tê-los: só para os corajosos.


tocar / as tuas asas / a resposta / ao diálogo interdito / o espaço no rio / limitado pelas margens / a ânsia de liberdade / na tua voz / o grito.”

terça-feira 1.3.2016

Alberto Eduardo Estima de Oliveira

Coloane ASSOCIAÇÃO DEFENDE PROJECTO DE LUXO

C COMÉRCIO EXTERNO DE MACAU CAIU 16,5% EM JANEIRO

O

valor do comércio externo de mercadorias de Macau atingiu 7,93 mil milhões de patacas em Janeiro, registando uma queda de 16,5%, em termos anuais homólogos, indicam dados oficiais ontem divulgados. Segundo a Direcção dos Serviços de Estatística e Censos (DSEC), Macau exportou bens avaliados em 973 milhões de patacas – mais 1,5% face a Janeiro de 2015 – e importou mercadorias no valor de 6,96 mil milhões de patacas, menos 18,5% face ao período homólogo do ano passado. Consequentemente, o défice da balança comercial de Janeiro alcançou 5,98 mil milhões de patacas, indicou a DSEC.

O comércio externo de Macau desceu 4,5% em 2015 para 99,87 mil milhões de patacas, face ao ano anterior, a primeira queda desde 2009. Em termos de destino, verificou-se em Janeiro um aumento das exportações para a China e Hong Kong – mais 8,9% e 3,6% em termos anuais homólogos – e, em contrapartida, uma redução do valor dos bens vendidos para a União Europeia e Estados Unidos, que sofreram um declínio de 31,1% e 35,7%, respectivamente. Já do lado das importações, registaram-se descidas nas compras à China e à União Europeia, cujo valor diminuiu 21,4% e 15,4%, respectivamente, face a Janeiro de 2015.

TÉNIS JO-WILFRIED TSONGA NO ESTORIL OPEN

O francês Jo-Wilfried Tsonga é o mais recente nome do Estoril Open, que se realiza entre 23 de Abril e 1 de Maio. Nono do mundo, o francês é o primeiro Top 10 confirmado na edição da prova portuguesa, que terá, entre outros, João Sousa, Nick Kyrgios, Borna Coric e Gilles Simon. Tsonga já jogou em Portugal, concretamente em 2011, quando foi eliminado na primeira ronda.

HAN Pou Sam, vice-presidente da Associação dos Conterrâneos de Kong Mun de Macau, defendeu que, tanto o proprietário do empreendimento de luxo que será construído no Alto de Coloane, como o Governo estão a “realizar um bom trabalho” no que ao caso do empreendimento de luxo na montanha de Coloane diz respeito. A Associação, que tem Sio Tak Hong como membro, defende que não é necessário publicar o relatório de avaliação do impacto ambiental do projecto. Segundo o jornal All About Macau, Chan Pou Sam disse lamentar que a sociedade “apenas olhe para um dos lados da questão”. “O terreno é privado e não está limitado por nenhum período de desenvolvimento”, disse o responsável, que defende que a construtora cumpriu todos os trâmites legais no processo. A construção deste edifício tem gerado polémica por se situar junto à histórica casamata de Coloane, uma fortificação militar construída no tempo da presença portuguesa, e por estar na montanha.

“Não devemos considerar que o projecto vá destruir o pulmão da cidade” CHAN POU SAM VICE-PRESIDENTE DA ASSOCIAÇÃO DOS CONTERRÂNEOS DE KONG MUN Chan Pou Sam disse ainda que o projecto vai ser mais baixo do que os edifícios em redor, tendo referido que a altura de cem metros não faz deste futuro edifício um arranha-céus. O responsável lembrou que uma parte do terreno é composto por uma pedreira abandonada, cheia de árvores, e que o projecto vai ocupar menos de 2% de toda a área do Alto de Coloane. “Não devemos considerar que o projecto

TIAGO ALCÂNTARA

Lutar pelos seus

vá destruir o pulmão da cidade”, referiu.

SEM INTERESSES

A empresa responsável pela construção do projecto é de Hong Kong e pertence a Sio Tak Hong, fundador

PUB

e presidente da Associação dos Conterrâneos de Kong Mun de Macau, uma das principais entidades investidoras de Macau. Chan Pou Sam garantiu que não está a arranjar desculpas para Sio Tak Hong.

“Mesmo que ganhasse milhões de patacas com o projecto, não tem a ver connosco. A nossa Associação expressa opiniões sobre assuntos da sociedade civil”, explicou. Pelo contrário, o deputado Ho Ion Sang referiu ao All About Macau que o Governo “não pode continuar a tratar do projecto friamente”. “Coloane tem uma paisagem e meio natural preciosos e é considerada uma zona de lazer. O Governo deve explicar quais são os critérios de aprovação do projecto e quais as explicações que a Direcção dos Serviços de Protecção Ambiental (DSPA) deu ao construtor. A sociedade ainda não está esclarecida sobre esses aspectos, pelo que é necessário explicar”, defendeu. Flora Fong

flora.fong@hojemacau.com.mo

Profile for Jornal Hoje Macau

Hoje Macau 1 MAR 2016 #3522  

N.º3522 de 1 de Março de 2016

Hoje Macau 1 MAR 2016 #3522  

N.º3522 de 1 de Março de 2016

Profile for hojemacau
Advertisement